...

O Momento da Refeição na Educação Infantil

by user

on
Category: Documents
7

views

Report

Comments

Transcript

O Momento da Refeição na Educação Infantil
Secretaria
de Educação
METODOLOGIA
DA ALIMENTAÇÃO
O Momento da
Refeição na
Educação Infantil
METODOLOGIA DA ALIMENTAÇÃO
Secretaria
de Educação
O Momento da
Refeição na
Educação Infantil
PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO
GERÊNCIA DA UNIDADE DE GESTÃO DE ENSINO
Prefeito
Udo Döller
Secretário Municipal de Educação
Roque Antonio Mattei
Diretora Executiva
Sônia Regina Victorino Fachini
Gerente da Unidade de
Gestão de Ensino
Elisabet Staranscheck
Coordenadora da Educação Infantil
Marlize Martinelli Schroeder
Equipe de supervisão de ensino
Cibérie Tomazoni Felske
Isabel Cristina Carvalho da Silva
Lorayne Oliveira Pereira de Sousa
Maéle Cardoso Avila
Marlene T. Z. Malschitzky
Rosane Mari dos Reis
Solange da Veiga da Maia
Solange de Souza Seger
Solange Maria Furlan Ignácio
Vanessa Cristina Melo Randig
Zenilda Martins Beyersdorff
Gerente da Unidade de
Assistência ao Educando
Silvane Kunde
Coordenadora de Apoio
Salete Maria Vieira
Serviço de Alimentação
e Nutrição Escolar
Amanda Krüger
Luciane Hirt Rosa
Lucimar Pereira Silva
Mariana Vieira dos Santos Kraemer
Priscila Mikulis de Castilho
Samara Henn Niesciur
Taciana Machado dos Santos Duarte
2
METODOLOGIA DA ALIMENTAÇÃO
Secretaria
de Educação
O Momento da
Refeição na
Educação Infantil
Todos os direitos reservados
à Secretaria de Educação
O conteúdo desta metodologia
foi elaborado com a colaboração
dos profissionais da Educação
Infantil das Escolas e Centros
de Educação Infantil – CEIs.
CEIs:
Adhemar Garcia
Adolfo Artmann
Alegria de Viver
Alzelir Pacheco Amando Finder
Arte e Vida
Aventuras De Criança
Beija-Flor
Bem-Me-Quer
Botãozinho de Rosa
Branca de Neve
Cachinhos de Ouro
Castelo Branco
Célio Gomes
Ciranda Cirandinha
Doce Infância
Eliane Krüger
Espaço Da Criança
Espaço Encantado
Esperança
Espinheiros
Estrelinha Brilhante
Fátima
Girassol
Herondina Da Silva Vieira
Iraci Schmidlin
Itaum
Ivan Rodrigues
Jardim Sofia
Jorge Luiz Vanderwergen
Juarez Machado
Juliana de Carvalho Vieira
Justina Fachini
Lírio do Campo
Luiza Maria Veiga
Marilene dos Passos Santos
Mario Avancini
Meu Pequeno Mundo
Miosótis
Miraci Dereti
Morro do Meio
Monteiro Lobato
Mundo Azul
Namir Alfredo Zattar
Odorico Fortunato
Pão de Mel
Paraíso da Criança
Parque Guarani
Pedacinho do Céu
Pedro Paulo H. Colin
Pedro Ivo Campos
Pequena Sereia
Pequeno Príncipe
Peter Pan
Responsáveis pela organização do
conteúdo, coordenação das discussões e
revisão final: Coordenação da Educação
Infantil, Equipe de supervisão de Ensino da
Educação Infantil e Serviço de Alimentação
e Nutrição Escolar – SANE da Secretaria de
Educação de Joinville.
3
Ponte Serrada
Raio de Sol
Sementinha
Sigelfrid Poffo
Silvia Regina
Sol Nascente
Sonho de Criança
Zé Carioca
Zilda Arns
ESCOLAS:
Alfredo G. H. Hardt
Alire Carneiro
Artur da Costa E Silva
Eugenio Klug
Evaldo Koehler
Francisco Rieper
Fritz Benkerndorf
Heriberto Hulse
Hermann Muller
Hubert Hubener
Jose Motta Pires
Júlio Machado Da Luz
Maria M. Mazzolli
Reinaldo P. De França
9 De Março
METODOLOGIA DA ALIMENTAÇÃO
Secretaria
de Educação
O Momento da
Refeição na
Educação Infantil
As crianças são sujeitos sociais e históricos que fazem parte de uma organização familiar inserida na sociedade,
marcada por diferentes culturas. O respeito por essa diversidade torna-se o fundamento para uma sociedade inclusiva,
e este fato deve ser considerado nos momentos de alimentação.
A alimentação é fundamental para o ser humano e para a manutenção de sua saúde. Deste modo, o Ministério do
Desenvolvimento Social tem incentivado as práticas alimentares saudáveis, avaliando a merenda escolar e seu impacto no desenvolvimento das crianças. Essas intenções se consolidam por meio do documento “Marco de Referência de
Educação Alimentar e Nutricional para as Políticas Públicas” (incentivando as práticas alimentares saudáveis, avaliando
a merenda escolar e seu impacto), como “fruto de uma construção participativa de cidadãos, profissionais, gestores,
representantes da sociedade civil, professores e acadêmicos que se dedicam ao tema, compartilham e acreditam que
a Educação Alimentar e Nutricional contribui para a realização do Direito Humano à Alimentação adequada e para a
construção de um Brasil saudável”(BRASIL, 2012, p.6).
No contexto da realização do Direito Humano à Alimentação Adequada e da garantia da Segurança Alimentar e
Nutricional, a Educação Alimentar e Nutricional é um campo de conhecimento e de prática contínua e permanente, que
visa promover a prática autônoma e voluntária de hábitos alimentares saudáveis, que promovam saúde e que respeitem
a diversidade cultural e que sejam ambientais, culturais, econômicas e socialmente sustentáveis (Brasil, 2012).
Diante dos aspectos legais relacionados a alimentação escolar, cabe refletir sobre as práticas culturais e sociais que
envolvem o momento da alimentação, considerando os benefícios físicos e cognitivos intrínsecos no ato de alimentar-se.
Entende-se que em um contexto de alimentação, utilizar múltiplas possibilidades educativas, valorizar os hábitos alimentares saudáveis, respeitar a identidade cultural, fornecer a criança possibilidades de conhecer e escolher os alimentos
4
METODOLOGIA DA ALIMENTAÇÃO
Secretaria
de Educação
O Momento da
Refeição na
Educação Infantil
de maneira consciente, incentiva o direito de escolha e estimula a autonomia das crianças. O conceito de autonomia é
discutido por diversos autores, cabendo a reflexão sobre o termo. Corsino (2009, p. 27) apresenta autonomia como:
[...] fruto da criação de condições privilegiadas para que as crianças a experimentem desde bem pequenas, em situações relacionadas ao controle do próprio corpo (comer, vestir-se etc.) e também às atividades motoras, cognitivas e
lúdicas. (...) a autonomia no sentido da independência, é fruto de relacionamentos seguros (...).
Barbosa e colaboradores (2013, p. 940) ressaltam que:
Uma cultura do direito envolve as possibilidades que tem o sujeito de conhecer e escolher os alimentos. A essa
capacidade de optar entre as alternativas existentes, de maneira instrumentalizada, consciente e deliberada, se
pode chamar de autonomia, como sendo a liberdade de escolha diante, inclusive e sobretudo, dos apelos da
grande indústria na mídia.
Conforme Bellinaso, (2012, p. 202):
As preferências alimentares são estabelecidas desde a infância pelas sensações que são apresentadas e vivenciadas
pela criança, através do tato, sabor e odor especialmente. Essas preferências podem ser influenciadas pelo ambiente
social em que vivem, mas sabe-se que as crianças não têm uma capacidade de escolha de alimentos em relação ao
seu valor nutricional, pelo contrário, os seus hábitos são aprendidos a partir da experiência e da observação.
Reconhecendo que o momento da refeição oferece valiosa oportunidade de aprendizagem, formação cultural e
social e promoção da saúde, cabe ao professor planejar esse momento de modo a permitir a criança sentir prazer, interagir com seus pares, envolver-se na organização e higiene do ambiente, manusear talheres, ter cuidados com a higiene
pessoal antes, durante e após as refeições.
Considerando a importância do momento das refeições, a preparação dos alimentos é realizada de acordo com
cardápio elaborado por nutricionistas, prezando por uma alimentação saudável, equilibrada e variada.
A rotina alimentar existente nas instituições pode proceder de inúmeras formas, o grande diferencial estará nas
posturas e relações estabelecidas entre os sujeitos que conduzem o dia-a-dia nos CEIs, como afirma Avila (2014, p. 63);
Comer, dormir, escovar os dentes, cuidar do corpo, brincar. Atividades comuns, previstas para o dia-a-dia das crianças podem acontecer de maneira prazerosa, significativa ou de forma mecânica, arbitrária, automática.
Assim, cabe as instituições favorecer os momentos de alimentação, considerando-as como prática social, de companheirismo, afetividade, coletividade enfim, rica de experiências e aprendizagens. Ressaltamos que todos os funcionários da Unidade Escolar educam e cuidam, devendo estar envolvidos com a metodologia da alimentação, pois;
Cuidar e educar significa compreender que o direito à educação parte do princípio da pessoa em sua essência humana. Trata-se de considerar o cuidado no sentido profundo do que seja acolhimento de todos (...). (DCNEB,2013,
p.17)
Os momentos das refeições constituem uma prática social e cultural que precisa ser aprendida e realizada com
autonomia pelas crianças. Deste modo, este documento construído coletivamente com as coordenadoras pedagógicas
dos Centros de Educação Infantil, tem o objetivo de orientar as práticas pedagógicas relacionadas às rotinas alimentares,
colaborando para a constituição de ambientes e práticas que priorizem um atendimento de qualidade e promovam
ações de respeito à criança e a infância, num contexto de educação e cuidado.
5
METODOLOGIA DA ALIMENTAÇÃO
Secretaria
de Educação
O Momento da
Refeição na
Educação Infantil
BERÇÁRIOS 1 E 2
O bebê é um sujeito histórico e de direitos, promove cultura, possui singularidades, ritmos próprios, gostos e linguagens, sendo a expressividade corporal e motora a
principal forma de comunicar-se e descobrir o mundo ao qual está inserido. De acordo
com Barbosa & Richter (2010, p.1):
Os bebês possuem um corpo onde o afeto, intelecto e motricidade estão profundamente conectado e a forma particular como esses elementos que vão definindo as singularidades de cada indivíduo ao longo de sua história. Cada bebê
possui um ritmo pessoal de se comunicar.
Dialogar com os bebês e crianças pequenas exige observar as diferentes formas de
expressão que ocorrem neste período da vida humana, bem como interagir com suas
manifestações e com eles construir sentidos.
As linguagens são vivenciadas pelas crianças desde seu nascimento, nas interações com outras crianças, com os adultos e com o ambiente. Assim, além da ingestão
de alimentos, a alimentação possui relevante significado afetivo para o bebê que interage com o adulto, e esta relação contribui em todos os aspectos de seu desenvolvimento. Conforme a organização da sala/ou refeitório, a refeição pode ser um momento
de socialização e coletividade entre as crianças. Reafirmando o que menciona Barbosa
& Richter (2010, p.4):
Este momento é muito mais do que uma necessidade fisiológica, alimentar-se
é uma importante aprendizagem para a primeira infância, pois envolve aspectos sociais, de cuidado pessoal, auto-organização, saúde e bem-estar; motores:
manuseio de talheres, movimento da boca, ingestão e fono-articulatório. Nessa
situação podemos novamente compreender a inseparabilidade das ações de
educação e cuidado.
As atividades diárias vivenciadas pelo bebê, como a alimentação, contribuem
para a formação de sua identidade. É importante observar, interagir e buscar compreender as linguagens dos bebês, estabelecendo um diálogo e uma relação de confiança
entre adultos e crianças. O bebê expressará desejos, gostos e aflições que deverão ser
considerados pelos profissionais da unidade escolar.
A dependência do bebê em relação ao adulto é natural na fase do seu desenvolvimento. Na medida que vai crescendo, sua dependência vai diminuindo e a autonomia ganha cada vez mais espaço. No entanto, é necessário compreender que o
ato de educar é indissociável ao ato de cuidar. Daí a necessidade de o bebê vivenciar
experiências diversificadas ao se alimentar. Permitir ao bebê certo grau de liberdade
durante as refeições torna este momento prazeroso e de grande aprendizagem. Para
que tenha contato direto com os alimentos, é necessário que tão logo consigam ter
habilidade de manuseá-los, o bebê possa ter a experiência de tocar, sentir e saborear. Além dessas vivências no momento da alimentação, estimular progressivamente
o bebê a segurar uma colher enquanto o professor/auxiliar de educador estejam lhe
alimentando é fundamental para sua autonomia.
6
METODOLOGIA DA ALIMENTAÇÃO
Secretaria
de Educação
O Momento da
Refeição na
Educação Infantil
BERÇÁRIO 1
ALIMENTAÇÃO DOS BEBÊS
O ato de alimentar os bebês deve ser realizado com extremo cuidado e com afetividade por parte dos professores e auxiliares de educador, para que a criança se sinta
amada e encorajada a entender sua alimentação como ato prazeroso (Brasil, 2009).
O cardápio é elaborado pela equipe de nutrição (Serviço de Alimentação e Nutrição Escolar - SANE) da Secretaria de Educação com base nas orientações do Ministério
da Educação e do Ministério da Saúde e tem como proposta suprir as necessidades de
alimentação do bebê, contribuindo com sua saúde, crescimento e visando o hábito
alimentar saudável. Com um cardápio balanceado, a criança é estimulada a perceber
os diferentes sabores, texturas e variedades de alimentos.
Caso o bebê tenha alguma restrição alimentar comprovada por laudo médico,
são oferecidas opções de substituição aos itens do cardápio, conforme orientação realizada pela equipe de nutricionistas do SANE.
A cozinheira/lactarista é responsável em preparar os alimentos, deixando-os na
consistência adequada a cada faixa etária, conforme descrito no Manual de Alimentação Complementar elaborado pelo SANE.
A introdução da alimentação complementar deve ocorrer em idade adequada
(conforme o Manual de Alimentação Complementar), onde inicialmente, o alimento
oferecido é muito bem amassado com garfo até atingir uma consistência de aspecto
pastoso (papa/purê). A partir de 9 meses de idade, as crianças recebem alimentos bem
cortados ou levemente amassados. Esta evolução da consistência da alimentação é
realizada progressivamente, conforme aceitação da criança.
Esse processo é muito importante pois a criança precisa exercitar o movimento
da mastigação. O cuidado deve ser maior com as carnes, que deverão ser sempre moídas, desfiadas ou picadas em pedaços bem pequenos.
Nesta fase é normal que a criança jogue o alimento para fora da boca, esse ato é
chamado de reflexo de protrusão, não significando que a mesma não gostou do alimento. Assim, um mesmo alimento deve ser ofertado várias vezes à criança, para que desenvolva memória afetiva, reconhecendo o alimento e decidindo se irá aceitá-lo ou não.
Conforme Brasil, (2009, p.69, 70):
Os hábitos alimentares são formados por meio de complexa rede de influências
genéticas e ambientais (...). O leite materno oferece diferentes experiências de
sabores e aromas que vão refletir os hábitos alimentares maternos e a cultura
alimentar. Assim, crianças que mamam no peito aceitam melhor a introdução
da alimentação complementar. O olfato deve ser estimulado como adjuvante
no reconhecimento dos alimentos. Assim como o cheiro da mãe e do leite materno durante o período de amamentação ajudam a criança a identificar a mãe, a
criança aos poucos vai aprendendo a reconhecer suas preferências alimentares
e a estimular seu apetite também de acordo com o aroma dos alimentos. (...)Sabores vivenciados nos primeiros meses de vida podem influenciar as preferências
alimentares subsequentes. Uma vez que o alimento se torna familiar nessa fase,
parece que a preferência se perpetua.
7
METODOLOGIA DA ALIMENTAÇÃO
Secretaria
de Educação
O Momento da
Refeição na
Educação Infantil
Entendendo que as práticas alimentares no primeiro ano de vida constituem marco importante na formação
dos hábitos alimentares da criança, é imprescindível que a criança prove variedade de alimentos e que estes não
sejam servidos misturados. A orientação é que nas preparações do almoço os alimentos sejam servidos separados,
permitindo assim que a criança identifique e assimile o seu sabor, textura, odor e cor. Outra indicação é citar o nome
do alimento para que a criança possa estabelecer as relações. Evite usar nomes genéricos, tais como “saladinha” no
lugar de “chuchu”.
Conforme orientações da equipe técnica (SANE) da Secretaria de Educação, para as turmas de período integral,
a primeira refeição do dia é às 8 horas. Às 10 horas é servida a refeição da colação conforme cardápio. O almoço é
servido às 11 horas, iniciando com crianças que demonstram sono ou que não se alimentaram na refeição anterior.
A quarta refeição é servida a partir das 13h30min conforme as crianças forem acordando e a última refeição do dia
será iniciada às 16h15min. Os alimentos são ofertados em pratos ou copos e não se faz uso de mamadeiras no CEI. Os
bebês que se encontrarem dormindo no momento da refeição, deverão receber a oferta desses alimentos em outro
momento. Este também é um dos motivos da presença da cozinheira/lactarista na turma do berçário 1.
Para as turmas de período parcial, são servidas duas refeições diárias. No período matutino é ofertado o café da
manhã e almoço, e no período vespertino, lanche e jantar.
As preparações devem ser ofertadas conforme as crianças demonstrarem fome e a quantidade de alimento
a ser oferecida é determinada pela criança, uma vez que a criança já nasce com a capacidade de autocontrole da ingestão, aprendendo a distinguir as sensações de fome, durante o jejum, e de saciedade, após a alimentação. A oferta
de alimento em horários rígidos, e oferta de alimento maior que a necessidade da criança, faz a mesma perder essa
capacidade, levando a desenvolver transtornos alimentares e obesidade. (Brasil, 2009)
A alimentação é uma questão que traz insegurança aos pais, principalmente nesta idade, e por isto acabam
ofertando alimentos em idade inadequada e com utensílios incorretos. Assim, na 1ª reunião de pais, o professor e o
auxiliar de educador devem apresentar o cardápio e seu benefício, conscientizando-os da necessidade de conhecerem e colaborarem em casa, quanto a introdução dos alimentos, o uso dos talheres e cuidados quanto ao preparo.
Os Pais também devem ser conscientizados da importância do Leite Materno e motivados a participar do Programa Mama Nenê.
Deve-se também tranquilizar principalmente os pais de crianças menores de 6 meses, para que os mesmos não
ofereçam alimentos em tempo inoportuno e/ou a oferta de outro leite substituto ao leite Materno. Os pais devem ficar cientes que o professor e o auxiliar de educador são capacitados pela equipe de nutrição para realizar a introdução
dos alimentos, e esta introdução será realizada em idade adequada conforme o ritmo da criança. É importante ressaltar para as famílias que nesta fase de introdução a criança não passará fome, pois quando não houver a aceitação do
novo alimento será ofertado o leite à mesma.
Mesmo que os pais não participem do Programa Mama Nenê, estes devem ser orientados a continuar a ofertar o
leite materno em casa, não necessitando desmamar o bebê devido a entrada no CEI.
As orientações para a realização da introdução da alimentação complementar e do Programa Mama Nenê constam respectivamente no Manual de Alimentação Complementar e no Manual do Programa Mama Nenê desenvolvidos pelo SANE.
As refeições da turma do Berçário 1 são servidas na própria sala de convivência. Para esta ação, o professor e
auxiliar de educador são responsáveis em preparar o espaço para a realização das refeições, planejar atividades pedagógicas que contemplem também este momento.
No 2º semestre é possível levar os bebês com idades maiores no refeitório da unidade escolar, proporcionando
novas experiências. O professor da turma de berçário 1 deve efetivar esta ação também no seu planejamento e, junto
com os auxiliares de educador, criarem estratégias e condições para levá-los em segurança ao refeitório.
8
METODOLOGIA DA ALIMENTAÇÃO
Secretaria
de Educação
O Momento da
Refeição na
Educação Infantil
OUTRAS ORIENTAÇÕES:
• Higienizar a mesa para as refeições utilizando álcool;
• Organizar as crianças em pequenos grupos;
• Quando muito pequenas, ofertar os alimentos no colo do professor/auxiliar de educador;
• Os alimentos são ofertados pelo professor/auxiliar de educador, utilizando pratos, copos
e talheres individuais;
• Utilizar mesas que possibilitem a mobilidade do professor/auxiliar de educador, alimentando o bebê sempre no seu campo de visão;
• Ofertar e incentivar todos os alimentos que constam no cardápio;
• Os alimentos serão preparados de acordo com o cardápio do dia;
• As porções de alimentos colocadas nos copos ou pratos serão de acordo com as recomendações do SANE;
• Higienizar a boca do bebê com guardanapos.
A utilização de outros alimentos em atividades com as crianças deve ser realizada
com a ciência do SANE, pois existem vários alimentos proibidos pelo Ministério da Saúde
para esta faixa etária, que se ofertados podem causar sérios prejuízos à saúde.
BERÇÁRIO 2
As crianças de berçário 2, utilizarão o refeitório da unidade escolar, sendo conduzidos com o auxílio do professor e auxiliares de educador da turma.
É fundamental a unidade escolar refletir como as crianças tão pequenas serão inseridas neste espaço denominado “refeitório”.
Este ambiente de refeitório deve ser composto com cadeiras individuais com altura
que possibilite as crianças apoiarem os pés ao chão e mesas que viabilizem o professor/
auxiliar de educador circular entre elas, a fim de realizar as intervenções necessárias.
As refeições devem seguir um intervalo de 2 a 3 horas em conformidade ao cardápio, orientação da nutricionista responsável e de acordo com o espaço do refeitório e o
número de turmas de cada instituição. No Berçário 2, no período integral, são servidos
café da manhã, almoço, lanche e jantar. As turmas de período parcial recebem dois lanches diariamente.
Seguindo o cardápio estabelecido pelas nutricionistas (SANE), o preparo da alimentação é de responsabilidade da cozinheira, sendo que a alimentação deve ser servida pelo
professor/auxiliar de educador, utilizando como base as porções orientadas do cardápio.
Por volta de 2 anos é normal uma redução do apetite, decorrente da desaceleração
do ritmo de crescimento, não significando que a criança desta fase esteja se alimentando de maneira insuficiente. Nesta fase também se observa que a criança se distrai facilmente no momento da refeição (Matta, 2008). Desta maneira, o professor precisa fazer
com a criança retome a atenção para a alimentação.
Quando uma criança inicia no CEI nesta fase, talvez seja necessário aplicar algumas orientações propostas para o Berçário I – segundo semestre, descritas no Manual da
Alimentação Complementar, até que a criança seja ambientalizada e adaptada a novas
rotinas.
9
METODOLOGIA DA ALIMENTAÇÃO
Secretaria
de Educação
O Momento da
Refeição na
Educação Infantil
OUTRAS ORIENTAÇÕES:
• A refeição será oferecida a turma toda;
• Higienizar a mesa para as refeições utilizando álcool;
• Preparar um ambiente atrativo e acolhedor, utilizando toalhas
e outros elementos de decoração;
• Organizar as crianças em mesas de 04 lugares;
• As crianças devem utilizar, pratos, copos e talheres individuais;
• Alimentar as crianças que ainda não conseguem alimentar-se
sozinhas estando sempre no campo de visão delas;
• Higienizar a boca da criança com guardanapos.
MATERNAL 1 E 2
As crianças aos dois anos estão no processo de mudança de sua condição de
bebê para uma situação de relativa independência. Gradativamente começam a imitar
os hábitos das pessoas próximas, são capazes de comer sem nenhuma ajuda no final
do segundo ano, opinam na elaboração do cardápio e possuem apetite irregular apresentando flutuações diárias ou até mesmo de uma refeição para outra (Matta, 2008).
Além disso, muitas vezes, recusam-se a provar novos alimentos, preferindo ingerir
apenas os que são familiares ao seu paladar. Esse comportamento é chamado de neofobia alimentar que se inicia por volta dos 2 anos e pode durar até os 4 ou 5 anos de
idade (FAGIOLI E NASSER, 2008). Em alguns casos também se observa o desejo de consumir sempre os mesmos alimentos. Por isso, o incentivo frequente aos alimentos não
aceitos é primordial, principalmente os alimentos essenciais para a sua saúde tal como
verduras, legumes, frutas e carnes. Conforme Fagioli e Nasser (2008) são necessárias 8
a 10 exposições ao mesmo alimento para que esse seja aceito.
Gradativamente, as crianças vão adquirindo habilidade para se alimentar, necessitando de intervenção no manuseio do garfo e da faca. Mastiga bem e, tendo oportunidade, é capaz de servir-se. Também podem colaborar com a organização da mesa.
Seu domínio crescente da linguagem permite que ela peça por comida e bebida e indique suas preferências. Tem prazer nos aspectos sociais da hora de comer e conversa
com suas companhias.
Nesta faixa etária, é importante a intervenção dos professores e auxiliares na organização dos espaços que favoreçam a exploração do corpo e dos objetos, a vivência
de situações significativas, envolvendo as interações sociais nos diferentes espaços e
com os diversos sujeitos que frequentam a instituição educativa.
A higiene das mãos e rosto deve ser feita antes, durante e após as refeições. O
professor deve prever formas para conduzir a criança ao espaço preparado para as
refeições e diminuir o tempo de espera da criança, respeitando sua individualidade. A
atenção dos profissionais deve estar voltada inteiramente para as crianças mediando
às interações, incentivando a comer os alimentos e fazendo as intervenções necessárias para que ocorra a aprendizagem.
10
METODOLOGIA DA ALIMENTAÇÃO
Secretaria
de Educação
O Momento da
Refeição na
Educação Infantil
1º e 2º PERÍODOS - PRÉ - ESCOLA
Aos 4 e 5 anos de idade as crianças já estão em processo de alimentar-se sozinhas.
São incentivadas quanto ao uso do garfo e da faca. Tem apetite e comem com vontade
de acordo com a comida. Quando motivadas, demonstram interesse em provar alimentos novos, em descobrir os ingredientes, colaborando na preparação. No início e no final
da refeição podem ajudar na organização da mesa, a repartir os talheres, a tirar da mesa
e a decorar e pensar sobre a organização do ambiente.
Na pré-escola, os professores são responsáveis em incentivar a criança a se alimentar, oferecendo todos os alimentos, principalmente as verduras, legumes, frutas e carnes.
Também devem orientar sobre a maneira adequada de se portar a mesa, respeitando as
características sociais e culturais das crianças.
Antes das turmas se encaminharem para as refeições, as professoras e auxiliares as
conduzem para a higiene das mãos e do rosto.
Após a devida higiene, as crianças se encaminham para o refeitório podendo realizar isso de diversas maneiras: dando as mãos aos colegas, cantando músicas diversas,
vivências com o faz de conta, fazendo gestos e outras formas planejadas pelos professores.
O lanche pode ser organizado em outros ambientes, realizando piqueniques, brincadeiras de restaurante ou utilizando de outras estratégias.
No horário do almoço e jantar, os alimentos são oferecidos em travessas ou no balcão térmico. No refeitório, as professoras, auxiliares e demais funcionários devem estar
com seus cabelos presos.
Importante ressaltar que, o refeitório deixa de ser um local somente para se
alimentar e passa a ser um espaço de aprendizagem social e cultural e de práticas alimentares adequadas e saudáveis.
Nesse espaço ressignificado, as crianças aprendem com a forma que é servida a
alimentação, apropriam-se de servir-se sozinha e escolhem os alimentos e a quantida-
11
METODOLOGIA DA ALIMENTAÇÃO
Secretaria
de Educação
O Momento da
Refeição na
Educação Infantil
de desejada com autonomia. Além disso podem aprender a origem do alimento, quem
preparou, como foi preparado, a sua importância e serem conscientizadas quanto ao
desperdício dos alimentos. Essa participação ativa na sua alimentação aumenta o vínculo da criança com o alimento, fortalecendo o seu hábito alimentar.
É importante não utilizar estratégias de enganar ou esconder o alimento, a criança
deve saber o que está comendo para que assim aprenda a consumir, formando o seu
hábito alimentar.
Quando a criança demonstrar que está saciada, esta poderá ser questionada se
quer comer mais um pouco, mas nunca forçada a “limpar o prato”. Este é um momento
para se trabalhar o desperdício de alimentos, no sentido de ensiná-la a se servir de quantidade adequada. Conforme Ramos e Stein (2000):
(...) o grau de controle externo exercido pelos cuidadores impede que a criança aprenda sobre a sensação da fome e da saciedade, afetando o seu próprio
controle de ingestão alimentar, resultando, assim, em alterações do seu peso. As
crianças podem aprender a diferenciar a sensação da fome de outra sensação,
porém o oferecimento de alimentos (...) sem a necessidade nutricional, pode resultar em alimentação inapropriada. Por exemplo, quando a criança fala que
não deseja mais comer, porque está satisfeita, e os cuidadores dizem “termine o
que está no prato”, fica claro para a criança a mensagem de que a sua sensação
interna de saciedade não é relevante para a quantidade de comida que ela precisa consumir.
É função de todos os profissionais dedicar atenção e incentivo às crianças para se
alimentarem corretamente, mostrando-se dispostos a ajudar quando necessário. Além
disso, devem estimular as crianças a provarem e apreciarem os alimentos, percebendo
as suas formas, cores, texturas, aromas e sabores, respeitando o direito fundamental da
criança a uma alimentação nutritiva.
As refeições devem seguir um intervalo de 2 a 3 horas de acordo com o cardápio
e orientação da nutricionista responsável, o espaço do refeitório e o número de turmas
de cada instituição. Manter a criança hidratada é de fundamental importância, por isso
a água deve estar disponível e ser oferecida em vários momentos, nos intervalos das
refeições.
Os recursos utilizados nos diversos momentos de alimentação são os pratos, talheres, xícaras, jarras, travessas e balcão térmico. O ambiente das refeições poderá ser organizado com toalhas de mesa, jogos americanos, guardanapos, vasos com flores, fruteiras
e outros utensílios de acordo com o planejamento de cada professora com a turma. Esses objetos não devem ser dispostos sobre o balcão térmico e/ou travessas de maneira
que comprometam a higiene do alimento ou que sejam fontes de contaminação. As
crianças devem pensar sobre a forma de organização da mesa e de como os alimentos
serão servidos, bem como participar da preparação do ambiente onde farão as refeições.
As ações de educação alimentar e nutricional podem ser realizadas durante a refeição e/ou em sala de aula, trabalhando a alimentação dentro de diversas dimensões:
econômica, social, cultural, religiosa, psicológica, pedagógica, nutricional, artística, gastronômica, entre outras. (Barbosa et.al, 2013). As ações, sempre que possível, devem envolver a família, estendendo assim a educação alimentar e nutricional a toda a comunidade escolar.
12
METODOLOGIA DA ALIMENTAÇÃO
Secretaria
de Educação
O Momento da
Refeição na
Educação Infantil
As ações promotoras de saúde deverão ser assumidas de modo cotidiano pela unidade escolar, onde todos os adultos que nela trabalham terão que assumir como modelos,
coerentes com o discurso feito em prol da alimentação saudável.
As práticas alimentares saudáveis devem ter como objetivo estimular a autonomia
dos sujeitos, tendo como princípios a: sustentabilidade social, ambiental e econômica; valorização da cultura alimentar e respeito à diversidades de opinião e o autocuidado (Brasil,
2012).
Entre as ações pedagógicas que poderão ser realizadas sobre a alimentação saudável
com as crianças temos:
• Pesquisar os hábitos alimentares das famílias;
• Conversações, histórias, recortes, dramatizações;
• Apresentação do cardápio para as crianças, motivando-as
a experimentar todos os alimentos;
• Vivenciar brincadeiras de faz de conta tendo como temática alimentação saudável;
• Organizar restaurantes, piqueniques e promover a degustação dos alimentos;
• Confeccionar receitas com alimentos que são menos apreciados durante as refeições;
• Realizar o cultivo de hortaliças, plantio, rega, retirada dos matinhos,
crescimento das plantas, colheita, preparação e degustação.
Todas as escolhas da Unidade Escolar com relação a metodologia da alimentação
devem constar no Projeto Político Pedagógico - PPP. As especificidades de cada instituição, relacionadas principalmente a estrutura física, quadro de funcionários e horários de
atendimento, serão consideradas ao se definir a rotina alimentar do CEI. Assim, o PPP apresenta as definições e encaminhamentos, esclarecendo que a educação alimentar tem um
importante papel na promoção de uma alimentação saudável e na formação de hábitos e
escolhas, perpassando todas as linguagens e constituindo significativo momento de interação, educação, cuidado e respeito à criança.
13
METODOLOGIA DA ALIMENTAÇÃO
Secretaria
de Educação
O Momento da
Refeição na
Educação Infantil
Orientações de boas práticas pedagógicas
no momento das refeições na Educação Infantil:
• Propiciar um ambiente tranquilo para a alimentação;
• Propiciar que a criança socialize através do ato de alimentar-se;
• Incentivar e motivar a criança a experimentar os diversos
alimentos oferecidos no cardápio da Alimentação Escolar;
• Motivar a criança a realizar mudanças positivas, caso seu comportamento alimentar
esteja inadequado, visando promover hábitos alimentares saudáveis;
• Estimular a criança a utilizar corretamente os talheres;
• Oferecer talheres no tamanho adequado de acordo com a idade da criança;
• Dedicar atenção a criança, no momento das refeições, prontificando-se a ajudá-la;
• Respeitar o ritmo alimentar, estimulando a mastigar bem os alimentos;
• Orientar a criança a comer com moderação e de servir
de forma adequada, tanto na quantidade e qualidade;
• Permitir que a criança se alimente sozinha, orientando-a como
fazer e não a reprimindo quando derramar ou espalhar os alimentos;
• Jamais castigar, chantagear, constranger ou forçar a
criança, quando se recusar a comer;
• Não forçar a limpar o prato, mas sim orientar a criança
a se servir de quantidade adequada;
• Jamais utilizar o alimento como prêmio, distração ou recompensa;
• Incentivar o ato de alimentar-se sozinha, pois é uma sensação
nova para a criança e deve ser realizada com prazer;
• Trabalhar com as crianças as manifestações de crenças; tabus; mitos
e preconceitos alimentares, desvendando questões para estimular/promover
a aceitação, porém respeitando valores religiosos quando estes surgirem;
• Não realizar comentários desfavoráveis em relação a algum
alimento, dada sua influência em relação as crianças.
Festividades e eventos no ambiente escolar devem ser planejados para que também contribuam para fortalecimento da identidade cultural e social, a autonomia e a
formação de hábitos alimentares saudáveis, de acordo com as diretrizes da Portaria Interministerial 1010/2006. A oferta de outros alimentos deve ser realizada com a ciência
do SANE.
As comemorações dos aniversariantes do mês podem ser apoiadas, mas também
este deve ser um momento de aprendizado, socialização e valorização da criança e até
mesmo do adulto. É uma excelente oportunidade para construir valores saudáveis em
relação à alimentação, fugindo das tradicionais e inadequadas preparações e, convergindo para introdução de opções saudáveis como, por exemplo, espetinhos de frutas, sucos
naturais e bolos com ingredientes funcionais que produzirão efeitos positivos na saúde,
associados a interação social.
“(...) a escola pode promover o direito das crianças a descobrir a riqueza incomensurável que um bom prato comido em boa companhia pode dar ... porque mesmo na escola a mesa significa saúde, prazer e convívio. (SPAGGIARI, 2007, p. 11)”
14
METODOLOGIA DA ALIMENTAÇÃO
Secretaria
de Educação
O Momento da
Refeição na
Educação Infantil
REFERÊNCIAS
BIBLIOGRÁFICAS
BRASIL. Marco de referência de educação
alimentar e nutricional para as políticas
públicas. Ministério do Desenvolvimento
Social e Combate à Fome. Brasília, DF: MDS;
Secretaria Nacional de Segurança Alimentar
e Nutricional, 2012. Acesso em:23/03/2015.
ALVES, Maria Cristina Carapeto Lavrador
(org.). Interações: ser professor de
bebês: cuidar, educar e brincar: uma
única ação. São Paulo: Blucher, 2012.
BRASIL. Ministério da Educação. Resolução
n°26 de 17 de junho de 2013: Dispõe sobre o
atendimento da alimentação escolar aos alunos
da educação básica no âmbito do Programa
Nacional de Alimentação Escolar – PNAE.
AVILA, Maéle Cardoso. “Como anda a
pré-escola? Uma análise das práticas
pedagógicas após a Lei N. 11.274/06”.
Dissertação de Mestrado. UNIVILLE:
Joinville, SC. 2014, 138 p.
CORSINO, Patrícia (org.). Educação
Infantil cotidiano e políticas.
SP: Autores Associados, 2012.
BARBOSA, Maria Carmen Silveira &,
RICHTER, Sandra Regina Simonis. Os
bebês interrogam o currículo: as
múltiplas linguagens na creche. 2010.
FAGIOLI, Daniela & NASSER, Leila A. Educação
Nutricional na infância e na adolescência:
planejamento, intervenção, avaliação e
dinâmicas. SÃO PAULO, RCN editora, 2008
BARBOSA et al Alimentação na escola e
autonomia – desafios e possibilidades
Ciência & Saúde Coletiva, 18(4):937-945,
2013
GOLDSCHMIED, Elinor; JACKSON,
Sonia & XAVIER, Marlon. Educação de 0 a 3
anos: o Atendimento em Creche. 2. ed.,
Porto Alegre: Grupo A, 2006.
BELLINASO, Julia S., et al. EDUCAÇÃO
ALIMENTAR COM PRÉ-ESCOLARES
NA PROMOÇÃO DE HÁBITOS
SAUDÁVEIS. Disciplinarum Scientia.
Série: Ciências da Saúde, Santa Maria,
v. 13, n. 2, p. 201-215, 2012.
KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Salas de aula
de escolas infantis: domínio da fila, tempo
de espera e falta de autonomia da criança.
Nuances – Vol. V: Julho, 1999.
BRASIL. Ministério da saúde e Ministério
da Educação. Portaria Interministerial
N° 1.010 de 8 de maio de 2006:
Institui as diretrizes para a Promoção da
Alimentação Saudável nas Escolas de
educação infantil, fundamental e nível
médio das redes públicas e privadas,
em âmbito nacional.
RAMOS, Maurem & STEIN, Lilian M.
Desenvolvimento do comportamento
alimentar infantil. Jornal de Pediatria Vol. 76, Supl.3, 2000
SPAGGIARI, Sergio. I linguage del cibo. In:
I linguaggi del cibo – ricette, esperienze,
pensieri. Reggio Children, Reggio Emilia – Itália.
(Tradução: Vanessa Cristina Melo Randig)
BRASIL. Saúde da criança: nutrição
infantil: aleitamento materno
e alimentação complementar /
Ministério da Saúde, Secretaria de
Atenção à Saúde, Departamento de
Atenção Básica. – Brasília: Editora do
Ministério da Saúde, 2009.
ARQUIVO DE IMAGENS:
CEI Alzelir Pacheco, CEI Arte e Vida,
CEI Beija-Flor, CEI Cachinhos de Ouro,
CEI Juarez Machado, CEI Raio de Sol
15
Secretaria
de Educação
Fly UP