...

“eu queria que violência parasse”: a produção de textos do

by user

on
Category: Documents
12

views

Report

Comments

Transcript

“eu queria que violência parasse”: a produção de textos do
“EU QUERIA QUE VIOLÊNCIA PARASSE”: A PRODUÇÃO DE TEXTOS
DO GÊNERO RESPOSTA NA ALFABETIZAÇÃO E OS DESAFIOS DO
LETRAMENTO DISSERTATIVO
Marcia Lisbôa Costa de Oliveira
Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Faculdade de Formação de Professores/SG
Rio de Janeiro – Brasil
Gabriela Medela da Silva
PROFLETRAS FFP/UERJ
Rio de Janeiro – Brasil
Eixo temático: Alfabetização e infância
Resumo: O ensaio discute a construção da textualidade por crianças em fase de alfabetização,
sob o ponto de vista dos novos estudos do letramento, investigando seus conhecimentos sobre
normas, formas e funções da escrita. Para tanto, analisamos textos do gênero resposta, com
predominância da tipologia dissertativa, produzidos por alunos matriculados no 3º ano em
uma escola pública, buscando compreender suas hipóteses sobre o sistema da escrita e as
estratégias discursivas que empregam para estabelecer interação.
Palavras-chave: alfabetização; texto dissertativo; sistema da escrita.
Abstract: This paper discusses textual constructions of children in beginning literacy,
investigating their knowledge about the rules, forms and functionality of writing, using the
new literacies studies approach. We analyze essay responses produced by students of the
third grade in a public school, trying to understand their assumptions about the the system of
writing and the discursive strategies they employ to establish interaction.
Keywords: literacy; essay text; writing system.
Introdução
... Minha terra não tem palmeiras,
mas aqui canta A Sabiá
O sabiá que lá gorjeia
aqui me faz requebrar
Nosso bairro tem estrelas
Tem estudantes e trabalhadores...
(Canção da Vila/2013
Gabriela Medela)
Neste ensaio apresentaremos algumas reflexões sobre a produção de textos no gênero
resposta, de tipologia predominantemente dissertativa, por crianças matriculadas no terceiro
ano do ciclo de alfabetização de uma rede municipal de ensino, buscando analisar tais
produções sob dois ângulos: (1) as concepções sobre a escrita e o letramento implicadas na
construção da textualidade, considerando-se a estrutura do gênero resposta; (2) as hipóteses
das crianças sobre o funcionamento do sistema da escrita.
Dividimos o texto em três partes. Na primeira parte, discutiremos a relevância
atribuída à escrita de textos dissertativos no processo de escolarização formal e a ênfase
assumida pelo “letramento dissertativo” (STREET, 2014) no ocidente, em contraponto com a
diversidade das práticas de oralidade e letramento construídas por diferentes “comunidades de
práticas”. Na segunda parte, analisaremos seis textos infantis e refletiremos sobre os
conhecimentos e concepções sobre a escrita, conforme descrito acima. Nas considerações
finais apresentaremos algumas ideias sobre o trabalho com textos dissertativos de diferentes
gêneros nos anos iniciais do ensino fundamental.
Letramento acadêmico e escrita dissertativa na alfabetização
O texto dissertativo em prosa é tratado no ocidente como o modelo de escrita
dominante e tende a assumir uma posição prevalente na escolarização das práticas sociais de
leitura e escrita. (STREET, 2014, p. 44). Essa visão unívoca do letramento é discutida pelos
teóricos dos “Novos Estudos do Letramento”, que estão interessados em refletir sobre a
natureza ideológica e as relações de poder implicadas na posição de centralidade que ela
assume nos discursos pedagógicos.
Um dos sinais de que o texto de tipo dissertativo no gênero resposta tornou-se um
modelo autônomo e dominante de letramento é seu emprego nas avaliações de acesso a níveis
mais elevados de ensino e nas avaliações de larga escala dos sistemas educacionais por
diferentes países e agências. A “redação de vestibular” é um exemplo clássico desse uso.
No Brasil, as avaliações nacionais do ensino médio e superior, respectivamente
ENEM e ENADE, solicitam aos candidatos a redação de textos do gênero resposta
dissertativa, com o objetivo de avaliar o domínio das competências relacionadas à língua
escrita por estudantes matriculados no final dessas etapas da vida acadêmica.
Essa ênfase, no entanto, não corresponde a um trabalho pedagógico consistente com
esse gênero, uma vez que a análise dos textos produzidos por concluintes de níveis médio e
superior não deixa margem a dúvidas: apesar do valor atribuído à escrita dissertativa, a escola
brasileira ainda não consegue formar bons escritores no modelo dominante de letramento que
ela incorpora.
Esse problema não é privativo do sistema escolar brasileiro. Uma parte do problema
está ligada a ideias que ficam ocultas nos currículos e impedem que os professores tomem
esse gênero como objeto de ensino, conforme explicitado na seguinte síntese do cenário
norteamericano:
Moffet (1968) defende que os discursos argumentativo e persuasivo são
muito abstratos para pessoas jovens. Bereiter e Scadamalia (1982)
argumentam que os alunos operam a partir de um esquema do discurso oral
quando enfrentam uma tarefa de escrita. Eles acreditam que os jovens
estudantes não desenvolveram um esquema apropriado do discurso escrito
que lhes permita escrever textos persuasivos ou argumentativos bem
sucedidos. O currículo da escola elementar evita tarefas de escrita
argumentativa e persuasiva. O livro didático de redação para a escola
secundária tipicamente evita a argumentação até o décimo primeiro ano. Até
mesmo as disciplinas de redação na graduação deixam a argumentação para
o fim do curso. ( MACCAN, XXX, P.2. Trad Nossa)1
Nessa contextualização, podemos notar que, ressalvadas as diferenças entre os
sistemas escolares de ambos os países, enfrentamos no Brasil o mesmo problema no que
concerne ao fracasso no ensino da escrita dissertativa. Ao considerar a dissertação como uma
operação cognitiva complexa e, por isso mesmo, inadequada ao trabalho pedagógico nas
séries iniciais, a escola adia a entrada dos alunos no mundo das práticas sociais de leitura e
escrita a escrita dissertativa participa da constituição de diferentes gêneros do discurso.
Além disso, no fragmento citado, encontramos as marcas do modelo de letramento
dissertativo que, como afirmamos reiteradamente, assume posição de dominância no ocidente.
Podemos afirmar ainda que, tanto os autores mencionados no trecho transcrito, quanto o
1
No original: Moffet (1968) claims that argumentative and persuasive discourse are too abstract for young
people. Bereiter and Sacardamalia (1982) argue that students operate from oral discourse schemata when
faced with a writing task. They believe that young studentes have not developed the appropriate written
discourse schemata to enable them to write persuasive or argumentative discourse successfully. Elementary
school curricula avoid argumentative and persuasive writing tasks. Secondary school composition text book
tipically avoid argument until eleventh grade. Even college composition courses reserve argument for the end of
the course.
discurso que atravessa a organização do currículo escolar nos EUA, estão baseados numa
visão tradicional e autônoma do letramento, entendido como uma capacidade de ler e escrever
que consiste em uma habilidade puramente cognitiva, sem relação com as interações
humanas.
Essa perspectiva privilegia também certos tipos de letramento e certos tipos de
pessoas e opõe as culturas orais às culturas letradas, atribuindo às últimas adjetivos como
modernas, sofisticadas ou complexas, e associando-as a um maior nível de inteligência
individual.
Concepções como essas estão presentes nos inúmeros discursos que perpassam o
ensino da escrita no Brasil, que levam a uma dissociação absoluta entre oral e escrito,
tendendo a gerar mais dificuldades para os aprendizes e a criar preconceitos. Em termos de
alfabetização inicial, uma consequência é a concepção de escrita como um código a ser
internalizado passivamente pelos alunos da produção de textos como repetição de modelos
valorizados pelos grupos sociais dominante, que se soma à ausência de um trabalho contínuo
com gêneros do discurso tomados como objeto de ensino.
Em lugar de visões binárias e excludentes, preferimos assumir que:
o
que importa não é a alfabetização, como uma "habilidade"
descontextualizada para escrever ou ler, mas as práticas sociais em que as
pessoas estão envolvidas como parte de um grupo social, seja como
“estudantes” na escola, “escritores de cartas” na comunidade local, ou
membros de um grupo religioso. (GEE, 2008, p.80)2
No trabalho com crianças oriundas de grupos que desenvolvem práticas de
letramento diversas daquelas privilegiadas pela escola, para garantir os direitos de
aprendizagem das crianças, defendemos a mediação entre formas comunitárias de letramento
e aquelas valorizadas no contexto do letramento escolar. Por isso, é fundamental que elas
tenham acesso e possam produzir textos dissertativos de diferentes gêneros em contextos
significativos de interação escrita. Para tanto, o gênero resposta, considerado embrião da
dissertação, configura um importante passo inicial.
O gênero resposta e o texto dissertativo na alfabetização: análises de textos infantis
As produções que analisaremos a seguir respondem ao tema “O que eu mudaria na
minha comunidade” e nos ajudam a desvelar o cotidiano de uma comunidade marcada pela
2
No original: “/.../what matters is not “literacy”as some descontextualized “ability” to read, but the social
practices into wich people are apprenticed as part of a social group. wether as “students” in school, ‘letter
writers” in the local comunity, or members of a religious group”
violência urbana, visto que os produtores dos textos analisados são alunos do ensino
fundamental de uma escola do município de Niterói localizada em uma comunidade
periférica.
Essa comunidade, segundo dados do censo 2010, é a 3ª mais populosa de Niterói e ,
assim como as demais favelas do nosso estado, apresenta muitos problemas devido à falta de
planejamento urbano, à presença marcante do tráfico de drogas, à privação de serviços
básicos, como coleta seletiva de lixo, ao fornecimento de água e energia elétrica, à carência na
prestação de serviços de assistência à saúde e à existência de poucas atividades voltadas para
o lazer.
Diante desse contexto, observa-se que os autores dos textos não sabem o que de fato é
a liberdade, pois vivem na mira de revólveres que, mesmo não estando apontados para eles,
podem vir a atingi-los. São essas crianças, caladas pelo medo, que expressam em suas
produções a angústia que habita os que vivem nessa comunidade.
A proposta de produção a partir da qual foram escritos os textos analisados nesse
trabalho é vinculada ao projeto “A Vila do Brasil”, que está sendo desenvolvido pelos
professores da Escola Dom José Pereira Alves desde o ano de 2013 e tem como objetivo a
construção de uma identidade histórica local. O projeto foi desencadeado pelos docentes a
partir da constatação de que, ao realizarmos pesquisas na internet sobre a comunidade, só
encontrávamos os rastros da violência, assim, o grupo de professores decidiu desenvolver um
trabalho voltado para a valorização da identidade dos alunos que pudesse estimulá-los a se
reconhecerem como moradores de uma comunidade com uma história que, apesar da
violência urbana, também é marcada pela luta e por alegrias.
É preciso explicitar que a semana na qual os alunos escreveram foi marcada pela
violência entre policiais e traficantes que culminou na morte de um morador e que
impossibilitou a abertura da escola por dois dias alternados. Devido a isso é que fica mais
explicita nas produções a revelação de uma infância exposta a inúmeras agressões, tanto
simbólicas, quanto reais, que tenta resistir pela linguagem.
A estrutura dos textos construídos pelas crianças demonstra que elas interpretaram o
tema como uma pergunta, à qual tentaram responder expondo desejos e rudimentos de
argumentação, como observaremos nos textos apresentados a seguir. A compreensão do tema
como uma pergunta é muito comum e está associada à predominância de exercícios do tipo
pergunta/resposta, questionários e testes, que se situam dentre os gêneros mais empregados no
cotidiano escolar.
Considerando-se que o conteúdo temático da resposta está diretamente relacionado à
pergunta formulada, observamos que, tendo em vista a inserção da proposta de produção em
um projeto significativo e contextualizado, ao entenderem a proposição como uma pergunta,
as crianças elaboraram respostas temáticas interpretativas (ANGELO & MENEGASSI, 2014,
S/N) e, para isso, acionaram seus conhecimentos prévios sobre a comunidade em que vivem e
a respeito do que leram e pensaram ao longo do projeto. Dessa forma, elaboraram suas
opiniões em textos espontâneos que estão carregados de sentidos.
Na estrutura composicional das respostas formuladas “pergunta e resposta formam
um bloco único de significação” (ANGELO & MENEGASSI, 2014, S/N), e o tema é
incorporado ao texto como um tópico frasal, após o qual as crianças explicitam seus desejos.
Dessa forma, nenhum dos textos pode ser considerado uma resposta completa, uma vez que
neles não é realizada a recuperação temática da proposição.
No texto 1, o campo semântico da violência predomina e o aluno expressa seu
desejo de forma bastante clara. Do ponto de vista da estruturação formal, não há emprego de
sinais de pontuação e os enunciados são fragmentados em diferentes linhas, sem atenção às
margens convencionais na escrita. O emprego de letra minúscula no início da oração
demonstra que há uma percepção de continuidade entre a proposição da professora e o texto
produzido pelo aluno.
Texto 1
Transcrição do texto original
Texto normatizado
eu quero qe mude a vida e
Eu quero que mude a vida e
mão tenha a gresão
não tenha agressão
que a vida seja melhor
que a vida seja melhor
e maõ tenha tiro e roubo
e que não tenha tiros e roubos
Do ponto de vista do domínio do sistema da escrita, pode-se verificar que o autor
compreende a relação grafema/ fonema implicada no emprego de dígrafos que aparecem em
sete vocábulos, com emprego correto em cinco das ocorrências, exceto na escrita das palavras
/qe/ e /a gresão/. Nesse último vocábulo, a ausência da vogal inicial deve-se a uma oscilação
na percepção da segmentação dos vocábulos, muito comum no processo de aquisição inicial
da escrita. Isso acontece porque nessa fase as crianças estão construindo hipóteses para a
separação entre as palavras por um espaço em branco na escrita e, para isso, orientam-se por
seus conhecimentos linguísticos fundados na oralidade. Para realizar corretamente essa
segmentação, elas precisam acionar três ordens de conhecimentos: um “saber fonológico”, um
“saber morfológico” e um “saber semântico” (CASTELLO; 1990). Portanto, ao
hipersegmentar a palavra agressão, a interpretação da criança baseou-se no grupo de força
oral e registrou apenas uma vez a vogal a, que ela interpreta como artigo, incorrendo, no
entanto, na omissão da vogal inicial da palavra.
Nesse caso, o saber fonológico se superpôs aos demais e gerou um erro de grafia,
uma vez que no grupo de força produzido na fala não é possível discernir a pronúncia de duas
vogais semelhantes. Ou seja, a aférese presente na escrita do vocábulo é decorrente da crase
na pronúncia das vogais.
As pesquisas sobre aquisição da escrita demonstram que o “saber fonológico” tende
a gerar a segmentação das palavras escritas com base nos “grupos de força da língua oral”,
fenômeno que ocorre mais constantemente na escrita de formas dependentes (artigos,
preposições, pronomes átonos e partículas conectivas)
A troca de /n/ por /m/ na escrita da palavra não, grafada como /mão/ indica a
permanência de um grau de instabilidade no traçado das letras, mas o mesmo não nos parece
verdadeiro em relação à “curva” excedente que ele acrescenta ao traçado de algumas letras.
Nesse último caso, interpretamos o traço como um sinal de estilo desse sujeito que se
aproxima do sistema da escrita e busca uma peculiaridade no traçado de alguns grafemas.
Segundo CAGLIARI (2009; p.100) tal atitude do falante escritor é usada como selo, como
marca individual e até como objeto de interpretação psicanalítica. Entendemos que, numa
análise isolada, esse traço poderia ser interpretado como um grafema truncado, mas sua
repetição sistemática em diferentes vocábulos indicia o desejo de marcar a subjetividade no
desenho das junções /qu/, /gr/ e/ja/, como se pode perceber nos fragmentos que destacamos a
seguir:
O texto II, reproduzido a seguir, foi escrito por uma aluna de nove anos matriculada
na instituição de ensino em agosto de 2014, oriunda de outra escola na qual não alcançara os
objetivos propostos devido a problemas comportamentais. Ao recebê-la, constatou-se que o
processo era inverso, ou seja, não foram os problemas comportamentais que desencadearam
as dificuldades, mas as dificuldades de aprendizagem que geraram tais comportamentos. Na
escola anterior, ela havia sido “rotulada” como uma aluna desinteressada, contudo, ao sentir-
se acolhida sob um novo olhar, a discente passou a relacionar-se de forma positiva e produtiva
com o espaço escolar.
No que tange ao processo de compreensão do sistema da escrita, sua produção ainda
apresente ocorrências de hipersegmentação e de hipossegmentação, nas quais ela nos fornece
interessantes índices do modo como os aprendizes elaboram a noção de palavra e como eles
se esforçam para entender o funcionamento da escrita, demonstrando que “ enquanto escreve,
a criança aprende a escrever e aprende sobre a escrita”,(SMOLKA, 2012, p.87)
Texto 2
Transcrição do texto original
Texto normatizado.
eu que rihna que avihnoleisa parasi poque e Eu queria que a violência parasse, porque é
muito fehno bate no
feio bater nos
sotro/ éu querihna muda otracoisa éu outros. Eu queria mudar outra coisa, eu
querihna que todomudo
pararace
de
muitofehno
jogalixo
queria que todo mundo parasse de jogar lixo
narua
proque
é na rua, porque é muito feio.
Eu queria mudar a vila, que todo mundo
eu querihna muda avila que todo mudo parasse de brigar.
pracêdebriga
Mais uma vez, percebemos que está implícita no texto a questão formulada, não
havendo retomada da temática. No que respeita à estrutura dissertativa, temos a presença de
dois períodos no padrão desejo/justificativa, em que a autora repete “porque é muito feio”. Ou
seja, ela reproduz uma expressão que os adultos lhe dizem constantemente e dela se apropria
para embasar seu ponto de vista, sem oferecer, de fato, um argumento que fundamente seu
ponto de vista.
A conclusão retoma e reafirma a primeira afirmação do texto. Na interpretação
infantil, a guerrilha urbana gerada pelo confronto entre traficantes e policiais é considerada
“uma briga”. Também nesse caso percebemos que ela toma o vocabulário e as referências de
sua vivência infantil para tentar compreender o que se passa ao seu redor.
Quanto às hipóteses construídas acerca do sistema da escrita, percebemos no caso
dessa criança um registro bastante peculiar dos grupos vocálicos /io/, /ia/ e /ia/ nos seguintes
registros: que rihna / querihna (3 ocorrências); vihnoleisa e fehno (2 ocorrências). No caso da
palavra violência, há nasalização por contiguidade fonética - vinholência (vihnoleisa) –
processo em que a nasalização é transferida para a sílaba anterior. Nos três vocábulos há
vogal+semivogal no primeiro termo; nos outros há semivogal+vogal , o que gera um padrão
fonético que pode ter sido sua outra motivação, nesse caso, ela teria repetido o padrão devido
à semelhança - o que mostra que a aluna reflete sobre o sistema alfabético.
Em outra atividade realizada duas semanas após a escrita desse texto, encontramos o
mesmo padrão de registro dos encontros vocábulos acima destacados, indicando que ela
permanecia com a mesma hipótese. É interessante notar que embora os colegas tenham
questionado se deveriam ou não utilizar o dígrafo na escrita das palavras, interpelando a
professora a respeito das dúvidas que apresentaram, ela manteve a constância. Isso indicounos que, para ajudá-la a avançar em direção à escrita convencional, seria preciso planejar
atividades que a levassem a entrar em conflito com essa hipótese, de modo que pudesse
reelaborar essa escrita não convencional.
No registro do vocábulo /mudo/ (2 ocorrências), temos a neutralização da
nasalização, que é uma dificuldade recorrente nessa fase inicial. Na grafia do vocábulo porque
(2 ocorrências), ora a aluna não escreve o r, talvez devido à pronúncia da vogal que o
antecede de forma mais longa, assimilando o som da consoante /poque/ , ora ela cria um
grupo consonaltal PR – /proque /, demonstrando um processo de reflexão quanto às
representações de que faz uso. O pronome pessoal eu (4 ocorrências) aparece indevidamente
acentuado duas vezes, /éu/, possivelmente por analogia com o verbo ser na terceira pessoa do
presente do indicativo.
Passando ao texto 3, verificamos que este exemplifica de forma clara a visão
compartilhada por muitos alunos de que o professor é o único possível interlocutor
privilegiado é a inclusão de uma frase direcionada à professora. Esse enunciado, acrescido ao
final da produção, cumpre a função de expressar afetividade, mas não estabelece nenhuma
relação com a temática desenvolvida. Ele indica também uma superposição do gênero bilhete,
característico da esfera primária de comunicação, informal e familiar, com a resposta
dissertativa, gênero secundário institucionalizado no letramento escolar. No trecho em que
ocorre a passagem de um gênero a outro, a diagramação indica que a criança percebeu a
mudança e buscou uma maneira de demarcá-la, acionando o modelo do encerramento e
saudação final utilizado em bilhetes e cartas, lançando mão da expressão “Esse é o fim”
como recurso de ênfase.
Texto 3
Transcrição do texto original
Texto normatizado
El quero quemudase ois tiro teio
Eu quero(ia) que mudassem os tiroteios
El quero que mudase ois lixo e feio jogar
Eu quero(ia) que mudassem os lixos, é feio
lixos narua , El quero que mudase a agua
jogar lixos na rua, Eu quero(ia) que mudasse
por que quaze todo mun do fica cen a agua
a água, porque quase todo mundo fica sem a
tiamo tia Gabriela
água.
Ese e o fim
que Deus nuze bem so a
Te amo tia Gabriela
Esse é o fim.
Que Deus nos abençoa (e).
Há grande interferência da oralidade na estruturação desse texto, que é todo
construído em parataxe. Os enunciados são assindéticos e justapostos, com exceção da quarta
linha, em que é empregada a conjunção explicativa. Verifica-se que somente é empregado um
sinal de pontuação, uma vírgula, após a qual é utilizada a letra maiúscula.
O texto apresenta vários problemas na segmentação dos vocábulos, dentre as quais
destacamos as apresentadas no enunciado
/que Deus nuze bem so a/, em que o verbo
abençoar sofre diferentes processo: (1) aglutinação entre o pronome nos e a vogal inicial,
grafada como e por influência da forma oral dialetal; (2) segmentação das três sílabas
seguintes como palavras independentes. Essa percepção segmentada da palavra parece ter
sido sugerida pela pronúncia pausada e enfática da mesma em cerimônias religiosas.
Já a grafia do pronome eu, escrito com l final, indica um processo inverso, em que o
contato com a escrita e as interferências da escolarização podem ter levado à hipercorreção.
No tocante ao emprego dos verbos, as estruturas presente do indicativo + pretérito
imperfeito do subjuntivo revela um desejo imediato expresso no presente e, ao mesmo tempo,
o conhecimento ainda não sedimentado de formas verbais mais típicas da linguagem escrita.
O mesmo ocorre na expressão “Que Deus nos abençoa”, em que o desejo projetado para o
futuro é expresso como presente. Essas contradições no emprego dos verbos também poderia
ser relacionada à vontade de que todo o caos instalado no entorno cesse imediatamente, no
presente.
Os textos 4, 5 e 6, transcritos abaixo, correspondem a enumerações, em que não há
coesão entre os enunciados.
Texto 4
Transcrição do texto original
Texto normatizado
para violesa
parar violência
para tiroteo
parar agressão
para abresauo
parar (de) fumar baseado
para fuma davuado
parar (de) desfilar( com) as armas
para difila os ama
O texto 4 configura uma lista ou uma enumeração de elementos que seu autor deseja
ver fora da comunidade. Para compreendê-lo, é necessário conhecer o contexto de produção e
de interação. Todos os enunciados iniciam com o verbo no infinitivo, em que observa a
constância da omissão do r final, que não é pronunciado, assim como em /fuma/ e /difila/.
Nesse texto, a tentativa de domínio da relação som/letra gera registros em que aparecem
diferentes hipóteses. em /violesa/, temos a desnasalização do e seguida da monotongação, que
leva ao uso do da letras no contexto fonológico criado pelos processos anteriormente citados.
A monotongação também ocorre em /tiroteo/.
No caso de /abresauo/ o uso do b no lugar do g indica um conhecimento frágil do
alfabeto, enquanto o registro da nasalização como um encontro consonantal, seguido de hiato,
revela um processo de elaboração pessoal.
A palavra baseado, que significa cigarro de maconha, é recorrente no cotidiano da
comunidade. A forma escrita /davuado/ mostra que a criança apresenta escrita alfabética, mas
ainda não consegue dotar todas as letras de valor sonoro.
Os textos 5 e 6, embora também presos a uma interação restrita ao contexto da sala
de aula, desenvolvem um pouco mais a argumentação, como podemos notar na estrutura. A
resposta dada ao tema se realiza como listagem em ambos, mas neles podemos perceber a
presença de afirmações, seguidas de explicações, que correspondem a um princípio
argumentativo.
Texto 5
Transcrição do texto original
Texto normatizado
mudar as escolas deichar mais
Mudar as escolas deixar mais limpas
linpa emais profesoras e profeso
mudar a rua tirar os lichos porque
dos bichos da doensa aos Moradores
e mais professoras e professo(res?).
Mudar a rua, tirar os lixos, porque
os bichos dão doença aos Moradores.
as balas perdidas a falta de água
As balas perdidas, a falta de água,
ter prasas ter frutas e arvores
ter praças, ter frutas e árvores,
os animais mortos os bandidos
os animais mortos, os bandidos,
os trabalios e as ruas alagadas
os trabalhos e as ruas alagadas,
a falta de comida as casas que
a falta de comida, as casas que
disabom a falta de lus os lugares
desabam, a falta de luz, os lugares fechados,
fechados as pesoas mortas
as pessoas mortas.
Texto 6
Transcrição do texto original
Texto normatizado
eu poderia tirar o lixo para ficar mas [Eu] poderia tirar o lixo para ficar mais
cherosso
cheiroso
inão acabar a qua e faltar lus e não ter biclo
e não acabar a água e faltar luz e não ter
eu não quero os ladrão dão muito tiro eu bicho.
queria
Eu não quero os ladrões 9 que) dão muitos
que botase caxa de lixo fexada para não ficar tiros. eu queria que botassem caixa de lixo
fedido
fechada para não ficar fedido.
eu queria que abrisse mas icreja perto da qui Eu queria que abrisse mais igrejas perto
para
daqui
eu resar para minhavo
para
eu rezar para minha avó.
Nos dois últimos textos, nota-se que a escrita ainda é tomada como registro da fala,
gerando registros não convencionais, mas seus autores demonstram que estão em progressão,
num estágio alfabético-ortográfico, como podemos notar no uso do r final do infinitivo que
ocorre em ambos.
No conjunto de textos analisados, parece-nos que os problemas ortográficos são
menos importantes do que a mensagem transmitida. É impossível lê-los sem ser tocado pela
realidade que revelam e que, dadas a desigualdade estrutural em nosso país, faz parte do
cotidiano de uma imensa parcela da população infantil.
As várias ocorrências de hipersegmentação e de hipossegmentação observadas nos
textos analisados revelam a dificuldade em estabelecer em compreender a noção de palavra
pela diferenciação entre grupos de força na fala e separação entre vocábulos na escrita. Essa
dificuldade, comum no início da aquisição, é mais profunda no caso de crianças que tiveram
pouca exposição à cultura escrita.
Entre as pesquisas que abordam a relação entre o contato frequente com a escrita e o
sucesso na alfabetização, destacamos os achados de Gombert (2003, citado por ECALLE &
MAGNAN, 2010, pp.10), que reforçam a ideia já bastante difundida de que o contato
frequente com a escrita permite que a criança elabore conhecimentos sobre a escrita por um
processo de aprendizagem implícita - não consciente, antes do aprendizado formal da leitura.
Esse contato com a escrita permite a construção de conhecimentos sobre regularidades
relativas às configurações visuo-ortográficas; conhecimentos relativos às palavras orais
associadas a essas configurações – conhecimentos fonológicos e conhecimentos relativos às
significações associadas a essas configurações – conhecimentos morfológicos.
As crianças cujos textos analisamos pertencem a um grupo social que utiliza pouco a
leitura e escrita no cotidiano, por isso, muitas vezes só lidam com textos na escola, daí que
seus escritos carreguem tantas marcas da oralidade.
Considerações finais
As análises empreendidas nesse trabalho demonstram que a salas de aula, antes
mesmo da aquisição inicial da escrita, deveriam ser lugares de exercício ativo de práticas
sociais relacionadas ao letramento acadêmico, especialmente no caso das crianças cujo
discurso familiar gera uma relação com a cultura escrita que diverge dos padrões valorizados
pela escola. Isso é importante para que elas possam refletir e construir hipóteses sobre o
funcionamento do sistema da escrita alfabética, enquanto percebem os usos e funções dos
diferentes gêneros discursivos em situações variadas de interlocução.
No caso da resposta dissertativa escrita, tão valorizada no processo de escolarização
em todos os seus níveis, faz-se necessário tomar a resposta completa como objeto de ensino e
elaborar estratégias para que as crianças possam redigir textos dissertativos adequados à
situação de interação escrita.
ALMEIDA (2011, P. 17) afirma que as crianças produzem textos pensando em
ações, em práticas, em situações reais, nunca em coisas utópicas, que não existem, que não
são do seu domínio. O que ocorre frequentemente na escola é a desconsideração dos modos
como a linguagem é utilizada pelos alunos na vida cotidiana, bem como a negação dos
sentidos que estes atribuem à escrita. Por isso, é fundamental que as propostas de ensino
incorporem a mediação entre formas comunitárias de letramento, instituições sociais (e seus
letramentos) e instituições públicas (e seus letramentos ) .
Concordamos com GEE (2008) quando afirma que
a tão propalada “Crise do
Letramento é, na verdade, uma crise da justiça social enraizada no fato de que escolas para as
pessoas mais pobres e desfavorecidos são piores do que as para pessoas favorecidas. Por isso
é que nesse ensaio, ao lermos os textos das crianças, queremos colaborar com os professores
alfabetizadores, buscando uma melhor compreensão da forma como os aprendizes lidam com
o letramento escolar.
Referências
ALMEIDA, Geraldo Peçanha de. A produção de textos nas séries iniciais: Desenvolvendo
as competências da escrita. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2011.
ANGELO, Cristiane Malinoski Pianaro & MENEGASSI, Renilson José. O trabalho docente
e o processo de produção escrita do gênero textual resposta em sala de apoio. in: Anais
eletrônicos do III Colóquio de estudos linguísticos e literários. Maringá: UEM/PGL, 2014.
Disponível em: http://cielli2014.com.br/media/doc/72f9b71f1dccbf3d70181935ebf76ebb.pdf
Acesso em Abril, 2015.
CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização & linguística. São Paulo: Scipione, 2009. ( Coleção
Pensamento e ação na sala de aula)
ECALLE, Jean & MAGNAN, Annie. L’apprentissage de la lecture et ses difficultés.
Paris: Dunod, 2010.
GEE, James Paul. Social Linguistics and Literacies: Ideology in discourses. 3. ed. Londres
e Nova Iorque: Routledge, 2008.
MCCANN, Thomas M. Writing Knowledge and Ability at Three Grade Levels
Research in the Teaching of English, National Council of Teachers of English
Vol.
23,
No.
1
(Feb.,
1989),
pp.
62-76
Disponível em :http://www.jstor.org/stable/40171288 Acesso em Abril/2015.
STREET, B.V. Letramentos sociais; Abordagens críticas do letramento no desenvolvimento,
na etnografia e na educação. São Paulo: Parábola, 2014
Fly UP