...

A psicanálise na terra do nunca

by user

on
Category: Documents
46

views

Report

Comments

Transcript

A psicanálise na terra do nunca
a PSIcanáLISe na Terra Do
nunca
Autores
Diana Lichtenstein Corso. Psicanalista,
membro da Associação Psicanalítica de Porto
Alegre (APPOA). Colunista do jornal Zero Hora
e co-autora de Fadas no divã: psicanálise nas
histórias infantis (Ed. Artmed).
Mário Corso. Psicanalista, membro da Associação
Psicanalítica de Porto Alegre (APPOA). Autor de
Monstruário: inventário de entidades imaginárias e
de mitos brasileiros (Ed. Tomo) e co-autor de Fadas
no divã: psicanálise nas histórias infantis (Ed.
Artmed).
4/1397
C826p Corso, Diana Lichtenstein.
A psicanálise na Terra do Nunca :
ensaios sobre a fantasia /
Diana Lichtenstein Corso, Mário
Corso. – Porto Alegre : Penso, 2011.
328 p. ; 25 cm.
ISBN 978-85-63899-04-0
1. Psicanálise – Literatura. I.
Corso, Mário. II. Título.
5/1397
CDU 159.964.2:82
Catalogação na publicação: Ana
Paula M. Magnus – CRB 10/2052
a PSIcanáLISe na Terra Do
nunca
ensaIos SOBre a FanTasIa
DIana LICHTenSTeIn COrSO
márIO COrSO
7/1397
2011
© Artmed Editora S.A., 2011
Capa e projeto gráfico
Paola Manica
Preparação do original
Aline Pereira de Barros
Leitura final
Livia Allgayer Freitag
Editora Sênior – Ciências Humanas
Mônica Ballejo Canto
Editoração
Armazém Digital Editoração Eletrônica – Roberto Vieira
®
Impressão
Gráfica Editora Pallotti
9/1397
Reservados todos os direitos de publicação, em língua portuguesa, à
ARTMED® EDITORA S.A.
Av. Jerônimo de Ornelas, 670 – Santana
90040-340 Porto Alegre RS
Fone (51) 3027-7000 Fax (51) 3027-7070
É proibida a duplicação ou reprodução deste volume, no todo ou em parte, sob quaisquer formas ou por quaisquer
meios (eletrônico, mecânico, gravação, foto cópia, distribuição na Web e outros), sem permissão expressa da
Editora.
SÃO PAULO
Av. Embaixador Macedo Soares, 10735 – Pavilhão 5 –
Cond. Espace Center
10/1397
Vila Anastácio 05095-035 São Paulo SP
Fone (11) 3665-1100 Fax (11) 3667-1333
SAC 0800 703-3444
IMPRESSO NO BRASIL
PRINTED IN BRAZIL
Às nossas filhas, Laura e Júlia, desta vez pelas
histórias que nos contaram.
Agradecimentos
Abrão Slavutzky, Associação Psicanalítica de
Porto Alegre, Bruno Katz, Carlos Adriano Sippert, Confraria Reinações, Denise Coutinho,
Eda Estevanel Tavares, Eva Susana Kupferstein
de Lichtenstein, Júlia Lichtenstein Corso, Laura
Lichtenstein Corso, Lia Ribeiro Fernandes,
Maria da Graça Falkembach, Maria Lúcia
12/1397
Müller Stein, Marieta Madeira Rodrigues,
Rosane Monteiro Ramalho, Simone Assumpção, Simone Mosquen Rickes.
Nenhuma filosofia, nenhuma análise, nenhum
aforismo, por mais profundos que sejam, podem se comparar em intensidade e riqueza de
sentidos a uma história contada
adequadamente.
Hannah Arendt
A imaginação é o direito constitucional para
viver de novo. Não desperdice a vida com uma
única vida.
Fabrício Carpinejar
Sumário
Mapa do livro
Introdução
PARTE
FAMÍLIA
I_REPRESENTAÇÕES
DA
Capítulo 1
Um monstro no ninho
A concepção monstruosa_O Bebê de
Rosemary
O parto monstruoso_Alien
Nasce o diabo_A Profecia
Um demônio demasiado humano_Precisamos falar sobre o Kevin
15/1397
Capítulo 2
Toda família é uma ilha
A família Robinson_Os Robinsons
Suíços
Ilhados no cosmos_Perdidos no Espaço
Saudades do que nunca se teve_Os
Waltons
Capítulo 3
A maternidade possível
A jovem madrasta_A Noviça Rebelde
A mãe feiticeira_Mary Poppins
Mulheres de verdade_Virgínia Woolf e
Clarice Lispector
Capítulo 4
A família amorosa
Monstruosos para quem os vê de
fora_A Família Addams
Uma família nada exemplar_Os
Simpsons
16/1397
Onde foi parar a sabedoria?_Histórias
com gênios infantis
Que o futuro conserte o passado_De
volta para o futuro
Uma família que vence unida_Os
Incríveis
Capítulo 5
A família em mutação
Um rei impotente_Onde vivem as criaturas selvagens?
Uma origem feita de fantasia_Percy
Jackson & Os Olimpianos
Fora monstro!_Propagandas de televisão sobre famílias
Mal-estar e mal-amar_Revolutionary
Road
Irmãos-amigos, uni-vos!_Séries de TV
Capítulo 6
A paternidade possível
17/1397
Narrativas
sobre
a
paternidade
insuficiente
Golem: um ritual para imitar deus
O filho queixoso_Frankenstein
Replicantes: reivindicações terminais
PARTE II_ORIGEM E EFICÁCIA DA
FANTASIA
Capítulo 7
Um conto de fadas intimista e bemhumorado
Aventuras de um ogro contemporâneo
As novas bases do “Era uma Vez”
Capítulo 8
Ficções sobre a adolescência
A adolescência como um sonho alheio_O Rei Leão
A adolescência como ela é_O apanhador no campo de centeio
18/1397
A adolescência como pesadelo_Filmes
de terror com adolescentes
Capítulo 9
Faça-se você mesmo_o trabalho do
filho na construção de si e dos pais
Cultivando um espaço materno_O
jardim secreto
Sobrevivendo aos pais_Matilda
A hipérbole da autonomia_Píppi
Meialonga
Capítulo 10
Fantasia e sonho no País das
Maravilhas
Aventuras de Alice no país dos sonhos
Por que dar ouvidos aos sonhos?
Capítulo 11
Fantasia e realidade_a guerra
mundial em Nárnia
19/1397
Capítulo 12
Brinquedos animados_o suporte
material da fantasia
Objetos para fantasiar
Para onde vão as ilusões perdidas
Capítulo 13
Vampiromania
A tradição dos mortos-vivos
Drácula
Vampiros contemporâneos
Capítulo 14
Toda história é sem fim_alcance e
perigos da fantasia
Um livro que é um mundo mágico_História sem Fim
A fantasia contra a melancolia
Ende e Borges_O livro de Areia, O
imortal
20/1397
Bibliografia teórica
Fontes primárias de consulta
Mapa do livro
Cada capítulo deste livro pode ser lido de
forma independente, pois são ensaios que se
fecham sobre si mesmos. Aqui o leitor pode
consultar o conteúdo de cada ensaio e planejar
sua própria viagem, traçar seu roteiro pessoal.
Parte I_Representações da família
Os primeiros seis ensaios conversam entre
si, já que todos versam sobre as representações
contemporâneas da família. Eles enfocam
histórias de várias famílias que a ficção nos
empresta para que sonhemos com elas. Esses
capítulos tratam do declínio da família tradicional, marcada pela autoridade e a respeitabilidade paternas, que desembocou hoje em uma
família democrática, portanto mais horizontal,
22/1397
costurada pelo amor e fragilizada pelo mesmo
motivo.
Muitos casamentos atualmente duram pouco e a família viu-se transformada em um grupo
em mutação, composto de sucessivos rearranjos
e constantemente ameaçado pela labilidade do
amor. Dessa realidade resultam perdas, ganhos
e especificidades que não devem ser lamentadas, apenas reconhecidas e compreendidas.
Esses capítulos têm uma justificação clínica
bem simples: escutamos frequentemente o relato do sofrimento daqueles que julgam estar na
família errada, uma ideia de que sua família não
é como deveria ser ou não se comporta adequadamente como uma “verdadeira família”. Sim,
mas o que seria uma família verdadeira? Qual é
a família certa para os dias de hoje? Nossa
pesquisa visa obter um panorama das famílias
idealizadas da literatura, do cinema, da televisão e das propagandas, com as quais nos comparamos. É sempre importante lembrar que não
estamos fazendo uma história da família e sua
23/1397
evolução, e sim uma análise das representações
da família nas mídias. Isso faz toda a diferença.
Sofremos os efeitos da nossa família real,
tanto a que tivemos como a que constituímos,
dos impasses e tensões aos quais ela é submetida, mas geralmente nos comparamos com
famílias idealizadas, tomadas de empréstimo da
arte e da mídia. Parte dessa insatisfação refletese em uma relação conflituosa com os papéis de
mãe e pai. Da mesma forma, sentimo-nos inquietos em relação às identidades feminina e
masculina que se originam e confirmam no interior de cada família. Construímos o estilo dos
homens e mulheres, dos pais e mães que seremos ou deixaremos de ser, a partir dessas
fantasias que interpretam nossos ideais e influenciam no destino dessas identidades.
O livro analisa fantasias sobre famílias que
são populares ou consagradas pelo tempo, que
retratam inquietudes que são comuns a todos,
com as quais temos uma relação ativa: usufruímos delas e com a nossa adesão acabamos
24/1397
definindo aquelas que farão sucesso; na contrapartida, elas influenciam as escolhas de uma
vida.
A ficção não é apenas uma forma de diversão, é também o veículo através do qual se estabelece um cânone imaginário utilizado para
elaborar algum aspecto da nossa subjetividade
ou realidade social. As personagens e suas
histórias apresentam situações típicas sobre determinada questão para que isso possa ser compartilhado, elaborado, assim como utilizado
como parâmetro para nossa vida. Nossas
histórias favoritas acabam sendo fontes de inspiração e identificação, refinam ou embrutecem nossa sensibilidade, nos ampliam ou
cerceiam os horizontes, ajudam a penetrar na
realidade ou a evitá-la, sendo, portanto, decisivas para o que nos tornamos.
Capítulo 1_Um monstro no ninho
O primeiro capítulo é um mergulho nos
pesadelos sobre gravidez e bebês monstruosos,
25/1397
um trabalho sobre o mal-estar na maternidade
e um mapa exaustivo das fantasias que acometem as mães durante a gestação. Não se trata de
ideias associadas a situações de fato traumáticas, quando algo realmente dá errado em uma
maternidade, mas de fantasias assustadoras associadas a uma gestação e ao nascimento de um
filho em condições normais. Trabalhamos sobre
o filme O Bebê de Rosemary, os quatro filmes
da série Alien, o filme A Profecia e o livro Precisamos falar sobre o Kevin. São obras que revelam nossa ambivalência sobre um assunto
tabu: o quanto amamos e esperamos de nossos
filhos (no caso especialmente os bebês), enquanto, ao mesmo tempo, podemos odiá-los,
mesmo quando sua chegada possa ser também
motivo de júbilo. A vinda dos bebês é um ponto
de virada na vida de um casal, a nova e desejada
condição em que eles colocam os pais nem
sempre desemboca nas satisfações e realizações
que eles esperavam, por isso pode desencadear
conflitos, frustrações e ressentimentos.
26/1397
Capítulo 2_Toda família é uma ilha
Esse capítulo ocupa-se das séries de TV Os
Waltons, Perdidos no Espaço e uma história
que pode ser colocada na origem e matriz de todas essas famílias idealizadas: o livro Os Robinson Suíços. Escolhemo-nas devido ao sucesso
que fizeram em sua época e pelo fato de que
ainda são lembradas como paradigmas de
famílias bem-sucedidas. Esse livro, originalmente uma literatura juvenil, ficou gravado na
memória de várias gerações enquanto ideal de
isolamento e das relações de amor e respeito, de
cuja carência não cessamos de nos queixar. É
um capítulo sobre a nostalgia associada a uma
família que já não existe, que de fato talvez
nunca tenha existido nesse formato, mas na
qual projetamos nossos sonhos de ninho familiar. São exemplos de utopias familiares que balizaram a construção da família nuclear desde
que ela surgiu.
27/1397
Capítulo 3_A maternidade possível
Analisamos aqui a maternidade possível em
um tempo em que os papéis tradicionais já não
oferecem respostas óbvias sobre o que é ser
uma mulher. As protagonistas de A Noviça Rebelde e Mary Poppins, uma madrasta e uma
babá, são velhas conhecidas de muitas gerações
e serão nossas retratadas. São mulheres que
ocuparam o lugar da mãe em famílias que estavam em dificuldades, mas com irreverência e
afeto, souberam administrar a função materna,
conquistaram o coração de crianças órfãs e rebeldes, assim como reabilitaram seus pais ausentes. Para ser mãe, uma mulher hoje precisa
enfrentar a difícil negociação entre seus papéis
históricos e as inclementes exigências sociais.
Resultante desses impasses, a angústia, a insegurança e a culpa se incorporaram à identidade
feminina. Através de suas personagens ou ensaios, escritoras como Clarice Lispector e Virgínia Woolf deram voz às sempre renovadas
28/1397
inquietudes da feminilidade. A possibilidade de
uma maternidade que se realize, embora conviva com essa dimensão de consciência e sofrimento, é nossa questão neste ensaio.
Capítulo 4_A família amorosa
O desenho animado Os Simpsons demonstra com seu humor tragicômico o novo lugar
do pai nas famílias contemporâneas. O pai já
não sabe nada, sua autoridade decaiu, sua importância idem, mas nem por isso é menos
amado e aceito. Agora a questão é como lidar
com as suas falhas e insuficiências. Nesse caso,
a valorização é que mudou de lugar: já não recai
sobre a família como instituição tradicional ou
mesmo sobre a nobre natureza de seus membros, mas sobre o laço familiar em si: é ele que
deve ser preservado, aconteça o que acontecer.
O amor entre seus membros pode não ser o
melhor, nem ao menos louvável, mas deve ser
incorruptível. Mesmo quando esgarçado ao limite, nunca deve romper. Antes desse seriado,
29/1397
outras famílias ocuparam lugar no imaginário
popular e as histórias de famílias monstruosas,
como A Família Addams, foram pioneiras em
demonstrar o afeto que pode haver entre
aqueles que aos outros parecem disfuncionais
ou estranhos.
Dentro desse novo quadro, as mulheres
ficaram com melhor papel, graças às suas conquistas sociais e políticas, tanto quanto os filhos, nos quais acabaram depositadas as expectativas de inteligência, bom senso e equilíbrio,
antes reservadas à imagem idealizada do pai.
Analisamos algumas histórias que envolvem
pequenos gênios e seus pais incompetentes
como personagens, assim como uma na qual o
destino dos pais fica nas mãos do filho: De
Volta para o Futuro. Por último, nos detivemos
sobre o filme infantil de animação Os Incríveis,
uma família onde as boas qualidades dos seus
membros encontram-se em um delicado
equilíbrio entre o dentro e fora de casa.
30/1397
Capítulo 5_A família em mutação
Iniciamos com uma história: Onde Vivem os
Monstros? Ela é contada em duas épocas: foi
um livro infantil na década de 1960 e um filme
em 2010, sendo que a questão da separação dos
pais foi acrescentada à segunda versão. As separações, que até meados do século XX eram episódicas e traumáticas, agora se tornaram quase
uma rotina, uma possibilidade constante. Acabou a era da estabilidade no casamento, casase com essa esperança, mas poucos estão dispostos a grandes sacrifícios para esse fim. A
parentalidade e a intimidade doméstica precisaram ser reinventadas depois de retiradas dos
clichês familiares nos quais repousavam. Nesse
contexto, houve também ganhos, pois homens,
mulheres e crianças tiveram que encontrar novos caminhos para ser pais e filhos, para compreender e realizar seus laços.
As antigas questões sobre o lugar de cada
filho no amor dos pais, assim como as
31/1397
interrogações de que as crianças e adolescentes
se ocupam sobre o relacionamento do casal parental, também precisaram passar por uma reciclagem. Fantasias de abandono, e o trato necessário com o amor chantagista dos filhos, são
realidades inevitáveis quando se sabe que os
pais seguem, acima de tudo, o rumo ditado
pelas suas insatisfações e necessidades
individuais.
Capítulo 6_A paternidade possível
Nesse capítulo tratamos do que era e do que
se tornou a paternidade contemporânea, mas
focando na figura do filho que se queixa do pai.
Escutamos os argumentos do filho que reclama
que o pai já não mais cumpre seu antigo papel.
Para tanto, analisamos as histórias de três tipos
de criaturas, filhos somente de um pai-criador:
do Golem, da tradição judaica, de Frankenstein
e dos andróides de Blade Runner. Esses pais,
religiosos ou cientistas, pretenderam um lugar
de divindade, ousaram fabricar seres para
32/1397
provar sua grandeza, porém não se dispuseram
a educar, cuidar ou zelar por suas criaturas.
Seus “filhos”, nascidos para celebrar a potência
paterna, insistem com suas reivindicações, cobranças ou mesmo com seu ódio parricida, insistindo em que pai é aquele que educa, não o
que gera. A paternidade é o exercício exaustivo
de colocar-se em um lugar onde as grandes expectativas, que é necessário ter, encontram-se
com seus limites, e o desafio é situar-se nesse
limiar.
Parte II_Origem e eficácia da fantasia
A segunda parte do livro é um conjunto de
ensaios enfocando obras infantis e outras dirigidas a um público jovem, assim como algumas
para os já crescidos. Os ensaios tratam de temas
variados como a atualidade dos contos de fadas,
a adolescência, as histórias de vampiros, a
ilusão de autonomia, os sonhos, a atividade de
brincar e outras formas da fantasia. Em
comum, tece-se entre os diversos capítulos um
33/1397
fio de reflexão sobre o caráter da fantasia, sua
gênese, suas utilidades e seus limites.
Capítulo 7_Um conto de fadas intimista e
bem-humorado
Esse capítulo responde uma questão: existem novos contos de fada? Os contos de fada
encontraram uma nova modalidade, mas ainda
podemos nomeá-los da mesma forma? Acreditamos que essa nova forma é possível e a análise
dos filmes da série Shrek é uma boa demonstração das novidades no mundo do maravilhoso. O novo herói não pode mais ser a figura
plana e simplificada de outrora, não há mais
lugar para a estreiteza maniqueísta, mesmo nas
histórias voltadas para os menores.
Como parte intrínseca da nova complexidade dessas tramas está o humor, através do qual
é revelada uma visão crítica e cômica da situação, assim como a possibilidade de rir de si
mesmo. Rir é fundamental para emprestar
leveza à densidade dessas novas personagens do
34/1397
maravilhoso. Agora, o humor mistura-se com as
costumeiras doses de magia, animais fantásticos e personagens clássicos da ficção infantil.
São os antigos cenários, com seus reis, rainhas,
monstros e ajudantes mágicos, convocados para
continuar ajudando a elaborar os impasses subjetivos das crianças. Elas se tornaram mais
complicadas, portanto, os contos de fada
também.
Capítulo 8_Ficções sobre a adolescência
As crianças imaginam a adolescência enquanto um tempo de autonomia, porém sem o
peso da vida dos adultos. Recentemente a ficção
infantil povoou-se de personagens que vivem
um período adolescente, como o desenho animado O Rei Leão. Nessa história, praticamente
uma versão infantil de Hamlet, as crianças podem enriquecer seu imaginário a respeito da
adolescência que aguardam, temem e cobiçam.
Enquanto isso, na adolescência real, vive-se
um turbilhão de emoções das quais os adultos
35/1397
nada querem saber, preferem relacionar-se com
seu protótipo caricatural. Um retrato fidedigno,
delicado e ao mesmo tempo cruel dessa época
pode ser obtido graças a um jovem de mais de
meio século: Holden Caulfield, do já clássico O
apanhador no campo de centeio.
Os filmes de terror, para consumo principalmente de público jovem, trazem uma dimensão dos temores associados a essa época da
vida. O paraíso prometido do sexo e da potência
que se esperava ter quando finalmente a infância terminasse, encontra aqui, na morte massiva
de jovens e na violência espetacular que despedaça corpos e derrama litros de sangue, sua contraprova. Nesses filmes, de conteúdo fortemente moralista, crescer é mais perigoso do que
parecia, e o sexo descompromissado sempre é
punido. Mas a grande questão é: por que
mesmo os jovens assistem a estes filmes em que
são castigados e massacrados?
As fantasias sobre adolescência encontram
aqui três modalidades: o sonho infantil, o
36/1397
retrato da realidade e os pesadelos dos próprios
protagonistas dessa época da vida tão idealizada
por todos.
Capítulo 9_Faça-se você mesmo_o trabalho
do filho na construção de si e dos pais
Esse capítulo abarca as fantasias de autonomia de cada um de nós. O homem moderno
julga que é filho de si mesmo, que não responde
ao desejo de seus pais e que não é marcado
pelas gerações anteriores. Em certos aspectos
ele tem razão, pois a trajetória de cada indivíduo vai depender também do que ele faça a
partir do que se fez com ele. Há uma parte da
história de cada um que depende da forma
como se reage às adversidades, de como aproveita as oportunidades, assim como da dose de
otimismo que se consegue ter.
Para retratar a parte ativa das crianças na
própria constituição, usamos três histórias infantis: uma, embora centenária, ainda muito
conhecida, O Jardim Secreto; o filme e livro
37/1397
Matilda; e uma série de livros de 1945 que
sobrevive graças ao apreço de muitas crianças,
Píppi Meialonga. Essas personagens, todas de
alguma forma órfãs, tiraram suas forças para
seguir adiante da sua capacidade de contar
histórias para si mesmas a partir das que escutaram dos pais ou substitutos, assim como do
dom de imaginar, brincar e criar realidades
paralelas à que se está vivendo. A análise desses
recursos deu-nos oportunidade para esboçar algumas teorias sobre a gênese da fantasia e do
pensamento mágico.
Capítulo 10_Fantasia e sonho no País da
Maravilhas
Usamos os livros Alice no País das Maravilhas e Através do Espelho, assim como a versão
cinema-tográfica de Tim Burton para essa
história, como exemplo para falar das fronteiras
entre a ficção e o sonho, suas regras em comum
e suas diferenças. Defendemos que o sonho é
uma forma válida e fundamental de inspiração
38/1397
da ficção, assim como um território imaginário
que nunca deve deixar de ser valorizado.
Através do questionamento que Tolkien fez
à legitimidade da produção onírica como pertencente aos mundos mágicos, defendemos que
eles são um território maravilhoso que se visita
diariamente. O absurdo e a loucura dessas criações noturnas devem-se ao fato de que ali se
encontra um acesso a conteúdos do inconsciente que utilizam essa forma de expressão.
Por que, então, não lhes daríamos ouvidos?
Mesmo assim, muitos se mantêm distantes
dessa rica fonte de imaginação, assim como das
histórias fantásticas como um todo: são os exilados da fantasia, que nos ensinam que ela também pode ser temida e ignorada.
Capítulo 11_Fantasia e realidade_a guerra
mundial em Nárnia
Nossa intenção é ver o quanto uma história
de ficção pode ajudar a elaborar uma experiência histórica concreta. C. S. Lewis, com o seu
39/1397
livro O leão, a feiticeira e o guarda-roupa, retratou na fantasia uma versão compreensível
para as crianças daquilo que elas viveram durante a segunda guerra mundial. As personagens
desse livro são algumas das tantas crianças retiradas de Londres durante a guerra para serem
salvas dos bombardeios. Na casa de campo em
que foram abrigadas encontraram uma passagem para um mundo mágico onde tiveram
oportunidade de também travar suas batalhas,
como as que estavam sendo vividas por seus
pais e pelos jovens de sua época.
Provavelmente essa conexão tão explícita
não foi a vontade do autor, ou seja, não é uma
alegoria consciente e direta; ele simplesmente
se deixou tomar pelo espírito de sua época.
Graças à transparência entre a dimensão mágica e a realidade retratada pelas personagens
dessa história, podemos perceber que existem
conexões, mas não há uma correlação total, na
qual uma fantasia fique dependente da experiência vivida.
40/1397
Capítulo
12_Brinquedos
suporte material da fantasia
animados_o
Através dos três filmes da série Toy Story,
procuramos decifrar a nada simples atividade
de brincar das crianças. Graças à imaginação, os
brinquedos assumem um caráter mágico, no
qual lhes atribuímos uma vida própria, como
pode ser constatado nesses filmes e em vários
contos de Andersen. Além disso, brincar é uma
atividade próxima da arte, pelo uso livre de objetos e sua inserção em situações que não visam
nada prático, e, sim, uma forma de expressão de
fantasias. Por último, dedicamo-nos ao lugar
das nossas memórias de infância, tanto as próprias quanto as dos filhos, que ficam com os
pais quando chega a hora deles abandonarem o
lar em que cresceram.
Capítulo 13_Vampiromania
As histórias de vampiros, cuja popularidade
não cessa de se atualizar, são originárias de um
41/1397
mito literário: o livro Drácula, escrito por Bram
Stoker no final do século XIX. Mesmo as versões anteriores desse mito encontraram nessa
narrativa uma estrutura que se estabeleceu
como câ-none literário. Nossa conflituosa relação com a morte, que apavora e fascina, e com
o sexo, idem, encontra nesse monstro uma
síntese que nos seduz. Originalmente uma
história para o grande público, o vampiro tem
angariado maior sucesso junto aos jovens. Enfocamos as histórias escritas por Anne Rice e a
série de livros iniciada com Crepúsculo, de
Stephenie Meyer, além de vários seriados de
televisão e filmes sobre o tema.
Através dessas histórias de mortos-vivos, os
jovens veiculam suas inquietações filosóficas
sobre a finitude e sobre o sexo. Esses dois termos interrogam aos que estão iniciando uma
fase da vida onde se deixa de esperar e imaginar, é preciso urgentemente viver. Porém, para
essas questões não existe idade: afinal, o que é
mesmo estar vivo e o que significa morrer? E
42/1397
ainda, por que sexo e morte frequentemente se
misturam?
Capítulo 14_Toda história é sem fim_alcance
e perigos da fantasia
A História sem Fim, escrito em 1979 por
Michael Ende, é um livro fora do comum. Na
verdade, trata-se de uma história que, como diz
o título, nunca termina, embora esteja sempre
ameaçando acabar. Nesse livro, o que ameaça
terminar – a terra de Fantasia, um lugar mágico
que está sendo devorado pelo Nada – seria o
resultado de não sabermos nos relacionar bem
com nosso próprio mundo imaginário. Um dos
objetivos deste capítulo é mostrar por que esse
livro pode ser paradigmático no sentido de
demonstrar o que são as fantasias, como se criam, para que servem e o que ocorre conosco
quando ficamos privados ou inebriados com
elas. Para esta análise, lançamos mão de alguns
contos de Jorge Luis Borges, autor que trabalhou de modo ficcional os limites difíceis de
43/1397
estabelecer entre a imaginação e a realidade, assim como entre o autor, sua obra e o acervo cultural da humanidade.
Para concluir este livro, ressaltamos, através do conto O Imortal, que o limite da vida é
o que empresta sentido a uma trajetória, estabelecendo um ponto de chegada. Para
desenvolver-se plenamente, tanto a vida quanto
a atividade de fantasiar precisam ter uma trajetória finita, constituindo uma história que
possa ser contada com começo, meio e fim.
Introdução
Amantes da fantasia
Quando reflete sobre si, o homem comum
se vê como alguém racional, lúcido, com os pés
no chão, mas que às vezes é tomado pela fantasia. Os psicanalistas acreditam no contrário: o
homem sonha a maior parte do tempo, e em
certos momentos, geralmente a contragosto,
acorda. Passamos um terço da vida dormindo,
portanto sonhando, e quando estamos despertos nossos devaneios ocupam um tempo muito
maior do que imaginamos. Mesmo trabalhando
estamos fantasiando estar em outro lugar, com
outras pessoas, fazendo outras coisas. Passamos
um mês de férias, mas os outros onze sonhando
com elas, assim como o sábado e o domingo não
ocupam somente esses dois dias em nossos
45/1397
pensamentos. A vida amorosa e sexual é muito
maior e mais variada na fantasia do que na realidade. Sem falar nos devaneios de grandeza:
imaginamos cenas em que estamos no centro
das atenções do mundo, realizamos feitos
fantásticos, de um heroísmo desprendido, nos
quais somos generosos, conquistando a admiração de todos. Isso no melhor dos casos, pois se
estivermos ressentidos, frustrados, derrotados,
a fantasia será alimentada por impulsos agressivos e então imaginariamente nos vingaremos
dos desafetos em grande estilo, criando roteiros
infernais para todos os que nos atrapalharam.
Basta um pouco de sinceridade para verificar
que a fantasia ocupa um lugar maior na vida do
que admitimos.
Sempre que podemos utilizamos algum escape da nossa realidade. Se nossa cabeça está
cansada ela usa fantasias emprestadas: as novelas de TV, os filmes, as séries, os romances, ou
mesmo pode utilizar-se de fatos corriqueiros
para estruturar sonhos e devaneios. Por
46/1397
exemplo, uma partida de futebol é muito mais
do que seus 90 minutos de realidade: no esporte, passado, presente e futuro se misturam;
o jogo de agora é uma vingança de uma partida
anterior, na qual se está somando pontos hoje
para uma conquista épica, que virá daqui a
meses, segundo a esperança do fiel torcedor; ou
seja, a fantasia desborda a realidade do embate
e o inflaciona de sentidos.
O senso comum nos leva a acreditar que
somos aquele que está acordado, que o eixo do
nosso ser, o nosso verdadeiro eu, encontra-se
assentado na realidade, e não está contaminado
por esse caldo múltiplo de fantasias que nos atravessam o tempo todo. Mas, gostemos ou não,
somos o resultado, o somatório, do desperto
com o sonhador, até porque nem sempre é possível delinear uma rígida separação entre os
dois, tampouco é possível, nem necessário,
definir qual é o mais importante. Na prática,
somos casados com a realidade, mas só
pensamos em nossa amante: a fantasia.
47/1397
Apesar disso, não existe uma correspondência entre a importância de sonhar e fantasiar,
esse homo onírico que somos, dado o papel que
a fantasia ocupa em nossa vida, com uma reflexão sobre ela. Subestimamos a fantasia,
sobretudo porque a julgamos acessória, ela não
passaria de um escape, um desvio de rota do
prumo da realidade. Quando muito, admitimos
que a fantasia serviria de consolo, nos ajudaria
a suportar os fatos reais da vida, o que é certo,
mas raramente acreditamos que ela nos constitui, nos molda e faz parte da arquitetura da
nossa personalidade. Na contracorrente desse
entendimento, que acusa a fantasia de escapista, bovarista, de tornar-nos incapazes de
avaliar a objetividade dos fatos, pensamos que a
experiência de imaginar histórias, ou mesmo
embarcar naquelas que outra pessoa criou, nos
torna mais sagazes, profundos, capazes de enfrentar reveses e compreender complexidades.
“A boa literatura, enquanto aplaca momentaneamente a insatisfação humana,
48/1397
incrementa-a e, fazendo que se desenvolva uma
sensibilidade inconformista em relação à vida,
torna os seres humanos mais aptos para a infelicidade”, escreveu Mario Vargas Llosa.1
A experiência artística nos coloca em sintonia com a fantasia alheia, ela amplia os horizontes aos quais podemos chegar com o uso da
própria imaginação e abre a possibilidade de
questionar a realidade, tanto a pessoal como a
coletiva. Compartilhar fantasias é o que fazem
os artistas com seu público e os pais com os filhos ao contar-lhes histórias. “Incivilizado,
bárbaro, órfão de sensibilidade e pobre de palavra, ignorante e grave, alheio à paixão e ao
erotismo, o mundo sem romances, esse pesadelo que procuro delinear, teria como traço principal o conformismo, a submissão generalizada,
dos seres ao estabelecido”, acrescenta Llosa.2
Conscientes desse poder da fantasia, as ditaduras baniram boa parte dos artistas e suas obras,
pois um rebanho que não sonha não transcende
as cercas que o encarceram.
49/1397
Mito e narrativa
O ofício do psicanalista é decifrar fantasias.
A teoria de Freud nasceu da possibilidade de interpretar as fantasias dos neuróticos, incluindo
as dele próprio. Ele descobriu que por trás de
cada sintoma de que se queixavam havia uma
história para contar. Além disso, a trama que
surgia a partir do sofrimento de seus pacientes
era em parte construída de fatos reais, mas
acrescida de outros imaginários que eram igualmente decisivos. O discurso possível a respeito
do que somos e do que nos aflige será constituído de histórias: são tentativas de estabelecer um sentido para nossa existência e uma
trama para sustentar nossos desejos. São
histórias incompletas, sempre inferiores às que
julgamos que deveríamos estar protagonizando;
tramas que pedem, por serem sempre insuficientes, que continuemos a narrar, portanto que
sigamos vivendo. Justamente por sabermos da
importância da fantasia para cada um de nós é
50/1397
que, enquanto psicanalistas, nos arriscamos a
pensar as fantasias compartilhadas, ou seja, os
mitos e a ficção de uma época.
Lévi-Strauss diz que o tempo do mito
acabou, e que ele só existe agora no interior do
ho-mem. O que entendemos disso é que o funcionamento mítico não acabou, mas que agora
cada um de nós vai ter que sintetizar o seu
próprio mito. Sendo assim, a subjetividade de
cada um seria, de certa forma, organizada pelo
seu mito particular, um conglomerado de
fantasias para uso privado. Foi o que Lacan nos
propôs quando falou do “mito individual do
neurótico”, aliás, uma contradição em termos,
pois se é individual não seria mítico, afinal, a
definição de mito é uma estrutura de crenças
compartilhada. Em contraponto a isso, o autor
aproxima as narrativas que são tomadas para
uso coletivo dos efeitos no indivíduo de uma
coleção de histórias, que ele próprio se conta e
que versam sobre si mesmo. Conforme Lacan,
51/1397
se nos fiarmos na definição do mito como
certa representação objetivada de um epos
ou de uma gesta que exprime de maneira
imaginária as relações fundamentais características de certo modo de ser humano
numa determinada época, se o entendermos
como a manifestação social latente ou patente, virtual ou realizada, plena de sentido,
desse modo do ser, então é certo que
poderemos encontrar sua função na vivência mesma de um neurótico.3
Esse autor evolui para uma noção de fantasma que é essa espécie de mito de cada um,
mas no que toca especialmente à sua vida sexual, à arquitetura que comanda seu gozo e sua relação com o Outro.
Não é a primeira vez que nos ocupamos de
escutar psicanaliticamente as repercussões de
histórias, considerando seu poder de revelar
fantasias coletivas para uso individual. Anos atrás, no livro Fadas no Divã: psicanálise nas
histórias infantis, nos dedicamos à investigação
52/1397
dos efeitos das histórias na vida das crianças.
Revisitamos os contos de fada folclóricos, passamos pelas histórias infantis clássicas, tudo
para verificar a importância delas na formação
dos pequenos. Muitos analistas, psicólogos e
pedagogos reconhecem que existe um aspecto
lúdico significativo envolvido nas histórias, mas
elas são muito mais do que isso, as crianças
usam as histórias como sistemas para organizar
sua vida e seus impasses. Respeitadas as devidas proporções, a literatura infantil é um apoio
para a filosofia possível desse momento.
Acreditamos que nosso livro anterior aprofundou as teses de quem defende a imersão irrestrita das crianças no universo ficcional,
baseadas na obra fundamental de Bruno Bettelheim. Mas nem tudo nesse campo é claro: se é
certo que a ficção é fundamental e que é verificável sua influência benéfica na vida das crianças, certos aspectos da fantasia e de sua interação com o público não são muito fáceis de delinear. Ao tentar definir o que é exatamente a
53/1397
fantasia e os traçados de sua eficácia, nos deparamos com um assunto movediço, que pertence a várias disciplinas e nenhuma dá respostas satisfatórias. Nosso trabalho nesse livro
tenta reunir material, especialmente do campo
da psicanálise, para estudar a gênese da fantasia
nas crianças e entender melhor as sutilezas de
seu mecanismo. Compreendemos a origem do
sujeito estando no mesmo ponto de partida das
fantasias, somos tecidos delas, que recobrem os
espaços vazios entre nós e os outros, principalmente o Outro em que nos ancoramos ao
nascer.
Tende-se a subestimar a função da narrativa
na construção e sustentação da nossa personalidade: geralmente a pensamos como acessória,
como lúdica e muito poucas vezes como essencial. Talvez as palavras de Geertz possam nos
ajudar:
Crescer entre narrativas – as próprias, as
dos professores, colegas, pais, zeladores e
54/1397
vários outros tipos daquilo que Saul Bellow
chamou, certa vez, sarcasticamente, de
“professores de realidade” – é o palco essencial da educação: “vivemos num mar de
histórias”. Aprender a nadar nesse mar, a
construir histórias, entender histórias, classificar histórias, verificar histórias, perceber
o verdadeiro sentido das histórias e usar as
histórias para descobrir como funcionam as
coisas e o que elas são, é nisso que consiste,
no fundo, a escola, e além dela, toda a “cultura da educação”. O xis da questão, o que o
aprendiz aprende, não importa o que o professor ensine, é “que os seres humanos dão
sentido ao mundo contando histórias sobre
ele – usando o modo narrativo para construir a realidade”. As histórias são ferramentas, “instrumento[s] da mente em prol
da criação do sentido”.4
Talvez as palavras de J. Bruner possam ser
ainda mais eloquentes:
55/1397
a convenção da maioria das escolas tem sido
a de tratar a arte da narrativa – as canções,
o drama, a ficção, o teatro, seja lá o que for
– mais como uma “decoração” do que como
uma necessidade, como algo com que enfeitar o lazer, ou, às vezes, até como moralmente exemplar. Apesar disso, formulamos
os relatos de nossas origens culturais e das
crenças que nos são mais caras sob a forma
de histórias, e não apenas o “conteúdo” dessas histórias nos atrai, mas seu artifício narrativo. Nossa experiência imediata, o que
aconteceu ontem ou anteontem, é formulado dessa mesma maneira historicizada. O
que impressiona ainda mais é que representamos a nossa vida (para nós mesmos e
para os outros) sob a forma de uma narrativa. Não é de surpreender que os psicanalistas reconheçam agora que a identidade
implica narrativa, sendo a “neurose” um reflexo de uma história insuficiente, incompleta ou imprópria sobre o próprio sujeito.
Lembremo-nos de que, quando Peter Pan
56/1397
pede a Wendy que volte com ele para a
Terra do Nunca, a razão que fornece é que
ela poderia ensinar os Meninos Perdidos de
lá a contarem histórias. Se soubessem
contá-las, os Meninos Perdidos poderiam
crescer.5
Fantasias compartilhadas
Em Fadas no divã insistimos no público infantil por duas razões: primeiro porque o universo ficcional não é tão complexo quanto o dos
adultos, e com a enorme vantagem de que as
crianças são mais entusiastas e transparentes
em suas paixões. Ou elas gostam ou não
gostam, seguem menos os cânones e as pressões
das recomendações do que seria uma boa
leitura, um bom filme, confiam mais no seu
nariz do que os adultos, que consomem ficção
de alguma forma recomendada. Essa maior sinceridade nos indica um material que realmente
toca sua personalidade em formação. Agora
57/1397
ampliamos o leque, mas frequentemente escolhemos obras que se aproximam do público
infanto-juvenil, ou outras consagradas que são
para todas as idades.
Embora o tempo do mito tenha acabado,
muitas das suas prerrogativas ainda estão atuantes. A nossa vontade de partilhar faz com que
certa popularidade na ficção seja alimentada
pelo próprio sucesso. Depois que algo ultrapassou certo grau de repercussão e popularidade,
funciona também como um meio estabelecido
de compartilhamento de uma fantasia. Por isso
as novelas de TV têm tanta audiência, ou uma
banda de rock tantos fãs, ou mesmo o futebol e
os outros esportes, que são uma tentativa artificial de fabricar um evento épico, o que nem
sempre se consegue, mas ao menos conecta uns
aos outros que estarão com os olhos voltados
para o mesmo lugar. O que nos interessa nesses
casos é que muitas pessoas estão envolvidas
num evento comum e podem compartilhá-lo.
Como não temos mais uma ideologia em
58/1397
comum, e a religião vem declinando em seu papel de suprir pautas de conduta, a cultura pop
acaba sendo uma das possibilidades para que
uma geração tenha assuntos e personagens
comuns para poder conversar, se posicionar, se
identificar, enfim, pensar juntos. É por isso que
certos livros, filmes, séries de TV e personagens
da cena musical marcam época, eles falam a um
público determinado, muitas vezes a uma fatia
de certa geração, quando não a toda ela.
Para algo fazer sucesso, é necessário que, de
alguma forma, os autores captem o espírito de
uma época, que digam algo novo e, principalmente, que dialoguem muito bem com os impasses da ocasião. Não acreditamos que o sucesso em si de uma obra nos diga sobre a qualidade dela, este apenas nos garante que ela é
uma fantasia compartilhada, capaz de ajudar
um determinado grupo etário ou local a estabelecer sua própria identidade. Muitas vezes
vemos obras que julgamos de melhor qualidade,
mas que por razões de mercado, ou de puro
59/1397
acaso, não tiveram a mesma chance junto ao
público.
Durante a maior parte da sua história, a humanidade pensou por meio de mitos. Eles encerravam a totalidade do que a cultura dispunha para transmitir sua sabedoria acumulada. Além de ser um compêndio de histórias, o
mito era uma maneira de pensar, um conjunto
que organizava uma visão de mundo, e através
dela respondia às indagações dos seus usuários.
O mito era uma poderosa força intelectual, que
ao modo dos sonhos, tentava partir do díspar,
da multiplicidade, do que não tem razão, para
fazer um só bloco lógico, centralizando uma
força que assimilava o todo na formação dum
sentido. O horizonte intelectual encontrava no
mito seus limites e suas possibilidades. Todo o
saber cabia no mito e os novos fatos eram lidos
através dele. Não se trata de dizer que pensamos como os antigos, mas que pensar através de
histórias é uma possibilidade para a qual nosso
cérebro está apto há milênios e é natural que
60/1397
continuemos assimilando o mundo dessa
forma. Mitos e lendas constituíram esse espaço
potencial onde ao longo dos tempos aprendemos a encurtar nossa solidão, balizar nossa
criação particular do mundo e de nós mesmos.
A ficção, quando se torna um grande sucesso ou quando o tempo torna perene alguma
trama, pode ocupar esse lugar que antes o mito
ocupava. Por certo não será da mesma maneira,
pois o mito perpassava a todos, produzindo
uma uniformidade, e agora a ficção apenas às
vezes se aproxima desse antigo funcionamento.
Porém, o público pode ajudar a potencializar
esse efeito: não raro certos fãs estacionam sua
alma num universo mágico ou ficcional, na relação com uma personagem, e se conectam
preferencialmente entre quem tem a mesma
dedicação para cultuar a obra e o autor. É claro
que isso fornece uma identidade ao grupo, mas
não é só isso que eles buscam: essa ficção
muitas vezes lhes preenche a vida, funciona
como um modo de estar no mundo e decifrá-lo.
61/1397
Na maior parte das vezes, o uso da ficção
como chave para decodificar a existência recorre a uma simplificação e raramente permite
uma visão mais complexa, mas bem ou mal,
fornece um mínimo de unidade a um mundo difícil de apreender. Se nosso tempo nos leva a
uma experiência de fragmentação, caracterizando o que chamamos de pós-modernidade – o
fim dos grandes sistemas, sejam religiosos,
ideológicos ou políticos – certas ficções podem
remendar durante um tempo essa percepção.
Isso pode ser duradouro ou passageiro, mas nos
diz dessa vontade de socializar partilhando
referências em comum. Justamente por serem
então fantasias coletivas é que elas nos interessam, por darem boas pistas sobre nossos fantasmas e nossas angústias.
Uma terra que é a fantasia
A escolha da Terra do Nunca para figurar no
título deste livro é mais do que uma homenagem a J. M. Barrie que a descreveu em Peter
62/1397
Pan e Wendy. Deve-se a que esse território
fantástico é a melhor definição da fantasia que
encontramos, tanto entre as teóricas quanto
entre as literárias.
A história de Peter Pan é fascinante, rendeu
filmes e adaptações em todas as mídias, mas em
sua versão original é muito mais que isso. Um
dos aspectos geniais dessa obra reside no estranho jeito de ser dessa Terra do Nunca. Tradicionalmente, os territórios mágicos costumam
ter uma geografia, um modo de funcionar, um
governo com suas políticas e lideranças estabelecidas. Por vezes, há uma rebelião ou uma
ditadura em curso, que será derrubada com a
ajuda dos visitantes, em geral crianças, mas
estes entram como personagens numa trama
que já tem seu curso organizado. A Terra do
Nunca foge a essas regras: como lugar imaginário, ela é de caráter pessoal e intransferível,
pois cada criança tem a sua. Conforme o tipo de
fantasia que se tiver, a ilha de Pan oferecerá
variantes, dentro suas possibilidades. Sua
63/1397
topografia é indefinida, descrever seu território
seria como tentar mapear a cabeça de uma criança que nunca para quieta:
O mapa fica cheio de ziguezagues, como um
gráfico de temperatura, e provavelmente essas linhas são as estradas da ilha, pois a
Terra do Nunca sempre é mais ou menos
uma ilha, com manchas coloridas aqui e ali
e recifes de coral, e um vistoso navio ao
longe, e índios e tocas solitárias, e gnomos
que em geral são alfaiates, e grutas banhadas por um rio, e príncipes com seis irmãos
mais velhos, e uma cabana quase caindo, e
uma velhinha de nariz adunco. Se fosse só
isso, até que seria fácil, mas há também o
primeiro dia de aula, a religião, os pais, o
laguinho redondo, o bordado e a costura, os
assassinatos, os enforcamentos, os verbos
que pedem objeto direto [...]. Naturalmente
as Terras do Nunca variam muito. A de
João, por exemplo, tinha uma lagoa com
flamingos que a sobrevoavam e nos quais
ele atirava, enquanto Miguel, que era muito
pequeno, tinha um flamingo com lagoas que
64/1397
o sobrevoavam. João morava num barco
emborcado na areia, Miguel numa tenda de
índio; Wendy numa cabana de folhas muito
bem costuradas. João não tinha amigos;
Miguel tinha amigos à noite; Wendy tinha
um lobinho de estimação que havia sido
abandonado pelos pais. Mas de modo geral
as Terras do Nunca se parecem como pessoas da mesma família, e, se ficassem paradas, em fila, poderíamos dizer que têm o
mesmo nariz e assim por diante. É para essas terras mágicas que as crianças estão
sempre levando seus barcos. Nós também
estivemos lá; ainda conseguimos ouvir o
barulho das ondas quebrando, se bem
nunca mais desembarcaremos lá.
De todas as ilhas aprazíveis, a Terra do
Nunca é a mais aconchegante e a mais compacta, nem grande, nem esparramada, com
cansativas distâncias entre uma aventura e
outra, mas com tudo maravilhosamente
apinhado. Quando você brinca ali de dia,
com as cadeiras e a toalha de mesa, ela não
é nem um pouco assustadora, mas nos dois
65/1397
minutos antes de você pegar no sono ela se
torna quase real. Por isso é que existem
lampadinhas de cabeceira que ficam acesas
a noite toda.6
Ao mesmo tempo, ela não é um sonho, algo
volátil a ser habitado pelo tempo de um
devaneio, estando seguros de que nada é para
valer porque não passa de uma fantasia. A Terra
do Nunca é uma ilha “de verdade” aonde se
pode ir voando. Ela existe também fora da
cabeça das crianças, tanto que lhes inspira o
medo do desconhecido, próprio de quando vai
se iniciar uma grande aventura. Nessa terra mágica, as fantasias das crianças se realizam, mas
justamente por isso elas assumem uma veracidade assustadora.
Quando estavam chegando lá, os irmãos
Darling, protagonistas da história de Barrie,
tiveram uma relação curiosa com a ilha:
66/1397
Voaram na direção certa quase o tempo todo, não tanto por causa das instruções de
Peter ou de Sininho, mas porque a ilha estava procurando por eles. Essa é a única
forma de avistar suas praias mágicas. [...]
Wendy, João e Miguel ficaram na ponta dos
pés em pleno ar para ver a ilha pela
primeira vez. E o engraçado é que a reconheceram de imediato, e, até o medo tomar
conta deles, saudaram-na não como algo
com que haviam sonhado durante muito
tempo e afinal avistavam, mas como uma
velha amiga que iam visitar nas férias.7
A Terra do Nunca pode ser um lugar existente
e muito ativo, capaz de ir ao encontro de seus
visitantes, mas ao mesmo tempo eles sentem-se
participantes dele antes mesmo de colocar seus
pés ali. A familiaridade com essa terra mágica é
comum para qualquer criança que brinque e
para as pessoas crescidas que tiveram infância.
Frequenta-se esse lusco fusco entre o que está
67/1397
fora e dentro da nossa cabeça toda vez que se
brinca e sempre que se sonha.
A forma de ser própria da ilha de Pan altera
os limites entre o real e o imaginário, pois ali a
magia é real, pode-se voar, encontrar seres encantados como as sereias, temer os índios, em
cujas mãos muitos perdem a vida de verdade,
mas sempre fica claro que estamos dentro da
imaginação das crianças. É algo diferente do encantamento dos contos de fadas, pois neles
habita-se um território mágico, onde a realidade não deve ser convocada para dizer o que é
possível e impossível. Aqui, a passagem entre o
real e o imaginário fica sempre aberta, de tal
forma que nunca se sabe exatamente quando se
está num ou noutro registro.
No livro de Barrie, Peter Pan não é aquele
líder resoluto, que foi retratado no desenho animado de Walt Disney. Pelo contrário, ele é desmiolado e hedonista, esquece para onde está
indo e com quem. Durante a viagem para sua
68/1397
ilha, várias vezes abandona o grupo para ir atrás
de aventuras que lhe ocorrem na hora. Por isso,
eles só encontram a Terra do Nunca graças a
que ela também está procurando por eles. Nisso
também este reino encantado é diferente dos
contos de fadas, nos quais reis, princesas e seres
mágicos simplesmente ficam quietos, em seu
lugar, esperando nossa visita, geração após
geração.
Quando se está sob os auspícios do “era
uma vez”, consigna que define a entrada numa
história imaginária, é como naqueles sonhos em
que podemos ficar tranquilos já que algo nos recorda que a realidade e a fantasia estão devidamente separadas uma da outra. Porém, ao despertar de um sonho particularmente expressivo
não é bem assim: restam dele sensações e lembranças que acabam contaminando a vida desperta, independente da clareza que temos de
que aquilo não aconteceu de verdade. De algum
jeito percebemos que aquela aventura onírica
está querendo nos dizer algo, uma verdade
69/1397
indigesta, que não vivenciamos concretamente,
mas provamos de seu gosto em sonhos e parte
dela sobrevive em nossa vida desperta.
Um sonho parte de um pensamento banido,
que permanece inconsciente, mas que se contrabandeia para a nossa consciência através das
experiências bizarras que a cabeça elabora enquanto o corpo repousa. Assim como as crianças do livro de Barrie, que estão chegando
pela primeira vez a um lugar que sentem ter
conhecido desde sempre, sentimos em relação
ao conteúdo dos sonhos um assombro muito
peculiar, pois estranhamos algo que nos parece
muito familiar.
Inquietante estranheza, foi com essa expressão que Freud definiu a relação que temos
com tudo isso que “por um lado é familiar e
agradável e, por outro, o que está oculto e se
mantém fora da vista”.8 Essa sensação de estranheza (unheimlich em alemão) é relativa a
tudo o que deveria ter permanecido escondido,
secreto e oculto mas algo o trouxe para fora.
70/1397
Encontramos na Terra do Nunca uma tradução
literária da experiência da irrealidade que se
imiscui na vida real e cotidiana. Com as fantasias temos uma relação semelhante: elas nos
surgem, nos acompanham, mas temos com elas
uma relação de familiaridade e estranheza.
Buscamos saber que lugar é esse onde
ocorre aquilo que não é de verdade, mas realmente acontece, onde há aventuras imaginárias
que deixam efeitos perceptíveis em quem as
viveu: esse lugar chama-se “fantasia”. Na
história de Peter Pan, a fantasia convoca para
sua trama, ela é buscada e nos encontra, em relação a ela somos passivos e ativos ao mesmo
tempo. Na ilha de Pan é muito difícil saber
quando a imaginação começa e termina,
quando é própria ou alheia e, principalmente,
quando é sonho, pesadelo ou mesmo quando se
está acordado.
Quando sai da Terra do Nunca, Wendy, a
menina mais velha dos irmãos Darling, já está
fadada ao despertar: ela estava tão enfronhada
71/1397
na tarefa de ser mãe dos meninos perdidos, enquanto Pan fazia de pai deles, que foi se perdendo o caráter de faz-de-conta. Sensível ao
crescimento, que queria evitar a todo custo,
Peter Pan já “olhava-a de um jeito esquisito,
piscando, como quem não sabe se está acordado
ou dormindo”.9 Para a garota, era o princípio de
um despertar que ocorre com todos nós quando
nos tornamos grandes, realistas e controlados.
Wendy distanciava-se da infância, esse tempo
em que os sonhos não ficam exilados no sono,
em que a fantasia tem trânsito livre na
realidade.
Na história de Barrie, fala-se em deixar
sempre a janela aberta para que Pan, e com ele
a magia da infância, possam entrar. Pois bem,
isso não é uma opção, já que fantasiar e sonhar
é um fato corrente da vida adulta: em nossos
pensamentos somos constantemente invadidos
pelos devaneios, assim como transitamos pela
fantasia cada vez que assistimos a um filme,
72/1397
lemos um livro ou qualquer experiência de
ficção à qual nos entregamos de bom grado.
Depois de crescida, Wendy tornou-se mãe,
mas não fechou as portas para as lembranças
das aventuras que tivera na ilha. Já para Peter
Pan o tempo não passou e ele voltou ao encontro dela, sem dar-se conta dos anos transcorridos: queria que ela retornasse à ilha para contar histórias aos meninos. Mas encontrou-a
transformada numa mulher adulta e ficou apavorado com isso. Ao vê-la crescida, chorou
desconsolado, enquanto “Wendy deixou suas
mãos brincarem com o cabelo daquele menino
trágico. Não era uma garotinha sofrendo por
causa dele; era uma mulher adulta, sorrindo de
tudo aquilo, mas havia lágrimas em seu sorriso.”10 Nosso livro é sobre a realidade da
fantasia, que depois de crescidos acolhemos
com um ceticismo aparente, enquanto as lágrimas denunciam nossa entrega às histórias em
que ela nos permite entrar... de verdade.
73/1397
Notas
1 MORETTI, Franco (org.). O Romance, 1: A cultura
do romance.São Paulo: Cosac Naify, 2009, p. 28.
2 Ibidem, p. 31.
3 LACAN, Jacques. O Mito Individual do Neurótico.
Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008, p.15.
4 GEERTZ, Clifford. Nova luz sobre a Antropologia.
Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor 2001. p. 171 as
expressões entre aspas do texto são citações que o
autor faz do educador J. Bruner retiradas do livro
The Culture of Education.
5 Ibidem p. 171.
6 BARRIE, J. M. Peter Pan e Wendy. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2002, p. 13.
7 Ibidem, p. 54.
8 FREUD, Sigmund. O estranho. Obras Completas.
Vol. XVIII, Rio de Janeiro: Imago Editora, 1987, p.
282.
9 BARRIE, J. M. Peter Pan e Wendy. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2002, p.129.
10 Ibidem, p. 212.
ParTe I
rePresenTaçõeS
Da FamÍLIa
CaPÍTuLO
1
Um monstro no ninho
O bebê de Rosemary_Alien_A
profecia_Precisamos falar sobre o Kevin
Fantasias persecutórias sobre
gravidez_Simbolismo do demônio_Rebeldia contra a passividade feminina_Gestação como processo
76/1397
alienante_Fantasias incestuosas da gestante_Dificuldades na transmissão da maternidade_Desconexão entre mãe e
filho_Filho como duplo e
perseguidor_Recém-nascido frente ao
filho idealizado_Ambivalência do amor
materno_Aborto
Uma nova pessoa que entrou na sua casa sem vir de
fora.1
E
m meados do século XX um novo monstro
ganha terreno: o filho. Não estávamos em
falta de figuras para o horror, ao contrário,
nossa fantasia demonstra extrema criatividade
em fabricar monstros. Qualquer novidade se incorpora ao nosso vasto bestiário fantástico,
tanto que temos monstros de todos os tipos, encarnando todas as formas do medo, do horror,
do inimaginável. Mas colocar as crianças, e
77/1397
principalmente as próprias, como monstros é
realmente uma novidade.
A primeira metade desse século, convulsionado pelos massacres de duas guerras mundiais, mostrou o quanto somos capazes da
destruição em massa, do caos, sem auxílios mágicos, sobrenaturais ou divinos. O mal foi dessacralizado, ele está entre nós. Foi em ventres
humanos que se geraram os monstros que hoje
nos assombram, e descobrimos quão longe podemos chegar. As crianças, os filhos, são caixinhas de surpresas: Curie, Einstein e Fleming foram filhos de alguém, mas Hitler, Mussolini e
Stalin também!
Representações de crianças como sendo um
problema, um incômodo ou, ainda, como
malditas não são um fenômeno contemporâneo.
Porém as histórias clássicas foram arranjando
suas particulares maneiras de mascarar essas
intenções, de suavizar o ataque. De forma velada, simbólica como nos sonhos, os contos de
fadas narram vinganças dos grandes contra os
78/1397
pequenos, principalmente contra sua gula e o
fardo de prover-lhes sustento. Aparecem como
descartáveis comilões em João e Maria, onde
são colocados como indignos de dividir o alimento com os pais, e acabam pagando caro pela
voracidade de devorar até as paredes da casa de
doces.
Em O Flautista de Hamelin o pedido da
comunidade para livrar-se dos ratos pode ser
lido como metafórico, pois as crianças também
podem ser incômodas, parasitas inúteis. Não é
por acaso então que o Flautista as leva embora
pelo mesmo caminho trilhado antes pelos ratos.
Estabelecendo uma equivalência simbólica, elas
seriam nossos “ratinhos de estimação”.
Mas as crianças dessas histórias nunca se
ocuparam do ofício da maldade. Na pior das
hipóteses, elas constituíam uma personagem
malcriada e egoísta, em contraponto com a boa
alma da sua oponente, como a pequena heroína
no clássico As Fadas, de Perrault. A tarefa de
representar o mal, de exercer a violência, o
79/1397
abandono, estava a cargo dos pais desnaturados, das madrastas, dos ogros carnívoros, de todos os malvados que deveriam ser responsáveis
pelo seu crescimento. Os adultos eram os monstros, enquanto os pequenos eram as vítimas.
Também sempre houve filhos amaldiçoados, cujo nascimento acarretaria a destruição da
família e do reino, como Édipo que desgraça Tebas, ou Paris que arruína Troia, todas as mitologias conhecem personagens assim. O funesto
destino dessas crianças estava marcado já antes
do nascimento, geralmente devido a pecados
cometidos por gerações anteriores, que agora
vinham cobrar seu preço, arrastando seus pais e
o reino para o desastre. De qualquer forma, a
maldade, o erro que iniciou a queda, precedia
essas crianças que foram abandonadas para o
bem dos pais. Como inutilmente fizeram Laio e
Príamo, quando descartaram seus filhos, assim
que souberam das profecias.
Em todas as histórias anteriormente mencionadas, na dúvida entre uma geração e outra,
80/1397
os pais escolhiam a própria sobrevivência. Essa
opção não é tão estranha em outras épocas ou
culturas, como o é para nossos contemporâneos. Para nós, a proteção da criança é prioridade máxima, sendo a maternidade e a paternidade valores sociais muito importantes.
Essa valorização é recente, data de poucas centenas de anos, quando o discurso moral e pedagógico passou a investir na sobrevivência e
formação das gerações futuras, assim como a
evolução sanitária lhes facilitou a sobrevivência.
Antes, mais valia um adulto na mão do que
várias crianças voando. Criança era um cidadão
incerto, adulto era certíssimo.
Como para cada ação há uma reação, na
vida e na ficção, vamos examinar como a atual
exaltação da importância das crianças, e do papel dos pais, acarretou uma contrapartida, uma
reação inconsciente, que está na origem de
fantasias onde se atribui às crias humanas um
valor negativo. Impedida de se exercer no discurso corrente, pois elas seriam o tesouro e a
81/1397
promessa da humanidade, a ambivalência em
relação às crianças refugiou-se no território da
fantasia.
Cada ser humano tem sua privacidade
onírica, constituída por seus sonhos noturnos e
seus devaneios diurnos. No interior desses sonhos e fantasias, muitas aventuras e desventuras
ocorrerão. Lá fará sucesso, conquistará a fama
imortal, terá amores, será perseguido por monstros, difamado, fará variadas conquistas
sexuais, empreenderá vinganças, ou mesmo enfrentará fracassos rotundos, será descoberto em
seus atributos, ou ainda desmascarado em suas
inconfessáveis vilanias. Mas isso é pessoal e não
compartilhado, será no máximo, e parcialmente, contado aos íntimos ou ao analista.
Por outro lado, há os sonhos compartilhados, ou mesmo os pesadelos coletivizados:
nestes, no lugar do despertar na cama, alertado
pelos próprios gritos abafados, coração acelerado, temos a catarse coletiva, a emoção socializada. Essa experiência ocorre principalmente
82/1397
no cinema, na televisão, assistindo àquele filme
eternamente reprisado que todo mundo já viu,
nos serões domésticos de filmes entre amigos,
ou no livro popular compartilhado. A arte
permite não somente a tradução de nossas
fantasias inconscientes, como também as
padroniza, estabelece uma linguagem comum
entre os pesadelos e desejos dos contemporâneos. Por isso analisaremos filmes de
grande sucesso, pois consideramos que sua
penetração deveu-se ao acerto na formatação da
fantasia coletiva.
Os exemplos são múltiplos, as fantasias de
crianças-monstros estão bem disseminadas,
mas escolhemos algumas, não necessariamente
as melhores, mas as que fizeram um sucesso inequívoco. Sua popularidade, traduzida em permanência e difusão, nos indica que produziram
algum eco social. A vantagem adicional é que
contaremos com um acervo de histórias que é
compartilhado, afinal, muitos as conhecem
ainda que parcialmente.
83/1397
Examinaremos uma vertente das fantasias
relacionadas às crianças: sua origem, histórias
aterrorizantes envolvendo a concepção, o parto
e a criação de um monstro. Por isso, a mulher, a
mãe, é uma personagem envolvida de forma inevitável. Ela surge enquanto vítima, oponente,
protagonista ou causadora do mal, ou enquanto
todas essas ao mesmo tempo. Consideramos
que são obras eloquentes desse viés a gestação
invasiva, satânica e alienante em O Bebê de
Rosemary; o “parto” que irrompe e mata em
Alien; o filho como um estranho no ninho, um
cuco demoníaco, em A Profecia; ou o horror,
desesperadoramente humano, presente no livro
Precisamos falar sobre o Kevin.
Todos eles são alusivos, de forma direta ou
indireta, à gravidez conturbada e à chegada de
um filho monstruoso. Inevitável pensar que,
junto ao filho maligno, estamos indiretamente
exorcizando sua coadjuvante inevitável, a fêmea
humana, que no século XX tornou-se tão outra,
84/1397
tão diferente daquilo que nos séculos
precedentes acostumou-se a chamar de mulher.
Não julgue nosso gosto através das obras
escolhidas, não estamos listando os clássicos
que ilustrariam o melhor da cultura de uma
época. Ao invés disso, arrolamos obras populares agrupadas pelo eixo de uma fantasia
comum. Talvez até nem sejam as que melhor
traduzem esse drama, mas mantemos com elas
uma curiosidade de epidemiologistas: tudo o
que se repete, insiste e dissemina é significativo.
Nos filmes e no livro de que trataremos, o denominador comum é uma relação persecutória,
do tipo paranoide, de vida ou morte, de mútua
destruição que pode instalar-se entre a mãe e
sua cria, desde o momento inaugural da concepção. É no útero que tudo começa, pode ser
algo maravilhoso, ou fatal.
85/1397
A concepção monstruosa_O Bebê de
Rosemary
Uma existência nova vai manifestar-se e justificar
sua própria existência; disso ela se orgulha, mas
sente-se também joguete de forças obscuras, sacudida, violentada.2
O Bebê de Rosemary pode ser considerado
um marco na questão das fantasias ambivalentes sobre a maternidade. O filme de 1968, dirigido por Roman Polansky, foi inspirado num
livro de Ira Levin,3 de 1967. A história é
simples: Rosemary e seu marido, apaixonados e
recém-casados, mudam-se para um antigo
apartamento em Nova York e envolvem-se com
estranhos vizinhos. O que ficamos sabendo depois é que o repentino sucesso profissional do
marido, originalmente um medíocre ator de
comerciais, deve-se a um pacto demoníaco. Só
que dessa vez o diabo não estava interessado em
86/1397
uma alma, ele queria um corpo feminino fértil
para engendrar seu filho.
A futura mãe nada sabe do que está sendo
tramado à sua revelia. Ela é apenas o instrumento da negociação entre seu marido e o demônio, mediado por uma comunidade
satanista. No dia em que a esposa romanticamente planejou a concepção do filho, ela foi
drogada para dormir e ser entregue ao diabo.
Como não tomou a droga toda, o efeito foi parcial, e ela viveu a fecundação em meio a um
pesadelo de violação.
Como essa gestação era especial, devido à
condição diabólica do feto, ela necessitava de
cuidados e alimentação adequados às circunstâncias. Para tanto, tinha que ser mantida
longe de todos os que pudessem contrariar essas estranhas disposições. A seita demoníaca,
da qual fazia parte um famoso obstetra, tentava
convencê-la de uma dieta não convencional, da
necessidade de isolamento e da suposta normalidade das dores que a dilaceravam. A gestação
87/1397
lhe consumia como uma doença letal. Mesmo
muito magra, fraca, dopada e solitária, Rosemary encontra forças e aliados para investigar a
verdadeira identidade de seus vizinhos, assim
como a condição anormal de seu estado. Como
bem cabe a um filme de terror, ela era sistematicamente perseguida e aprisionada, tratada
como louca e doente, enquanto seus aliados iam
sendo mortos ou afastados.
O inédito da obra está em colocar uma
gestação e seus reveses como o centro do
drama, expondo a fragilidade dos sentimentos
da jovem mãe, que como Maria é escolhida para
uma missão alheia à sua vontade. Maria, a mãe
de Jesus, foi instrumento de uma determinação
celestial, papel possível para uma figura da antiguidade. Hoje isso seria visto como equivalente
a ser transformado em ventre escravo de uma
seita religiosa. Rosemary nunca será Maria, ela
é uma mulher da década de 1960 e assistimos à
sua luta contra a passividade, seu processo de
fortalecimento, em contraposição à confraria
88/1397
diabólica dos idosos que a subjugava. É um embate entre uma nova mulher, mais autônoma,
armada da prepotência dos jovens de sua época,
e a antiga, cuja experiência será alienada e tutelada pela sabedoria das velhas.
“Ela é um ser humano, consciência e liberdade, que se tornou um objeto passivo da vida.
Ela não fez realmente o filho, ele se fez nela”,4
escreveu Simone de Beauvoir; sobre a passividade intrínseca ao processo da gestação, que
segue seu ritmo biológico alheio à vontade do
corpo que ocupa.
Apesar da extrema docilidade, da figura
quase quebradiça da jovem atriz Mia Farrow, o
filme é sobre a força da mulher, sobre a impossibilidade de usar uma mulher como reprodutora, objeto de uma negociação. Assim
como quis planejar a concepção de seu filho, ela
tentará apropriar-se de sua gestação, mesmo
que ela se desenvolva de forma incontrolável
em seu corpo e tentem mantê-la socialmente
alienada.
89/1397
Uma gravidez inclui uma série de eventos
dos quais a mulher será objeto passivo, pois o
ventre cresce e o bebê se transforma e se alimenta de seu sangue independentemente da
sua vontade. Isto é ressaltado caricaturalmente
nesse filme, em que, através de uma mistura de
submissão feminina com mentiras e sedativos
que lhe eram ministrados, tentou-se fazer da
delicada mãe um ventre sem vontade própria.
Nesse sentido, toda gestação, mesmo
tratando-se de uma gravidez desejada, é potencialmente assustadora. Uma vez deflagrada,
mostrará um poder maior do que a vontade da
mulher em cujo interior se desenvolve. Tudo o
que nos coloca em uma posição indefesa, passiva, poderá ser sentido como uma evocação do
nosso desamparo infantil e da insuficiência que
sentíamos quando éramos incapazes de sobreviver sem ser alimentados, abrigados e
carregados.
Quando bebês, esperávamos os cuidados
que recebíamos da nossa mãe (ou substituta)
90/1397
com sentimentos de urgência, temerosos de que
nunca chegassem, e júbilo, quando finalmente
éramos atendidos. Somente após algum tempo
descobrimos como controlar isso ativamente:
utilizando choros, gritos, sorrisos e palavras
aprendemos a monitorar o ritmo e a efetividade
da atenção que estávamos requerendo. Porém, a
percepção da própria insuficiência, da passividade absoluta dos momentos inaugurais da vida,
persiste enquanto um fantasma que assusta
cada vez em que o corpo nos submete com suas
falências ou exigências. Por exemplo, quando
ficamos doentes, tudo ocorre à nossa revelia,
uma vez encaminhadas as providências da cura,
resta-nos padecer dos sintomas e ficar tentando
entender o curso da doença. Gravidez não é
doença, mas é igualmente um processo orquestrado pelo feto do qual a mulher é alienada,
restando-lhe constatar o que ocorre em seu
corpo e adaptar-se às transformações. Antes, na
condição de filhos, estávamos a mercê do poder
materno, agora, enquanto grávida, é a futura
91/1397
mãe que fica a mercê do filho. Situação invertida, temor similar.
Ser pequeno é viver temendo a falta
daqueles que são tudo, quando ainda não somos
quase nada. Inquietos diante de qualquer ausência da mãe, os bebês passam controlando
seus movimentos. Essa mesma tensão ressurge
na relação da mãe com seu habitante interno,
eles são inseparáveis, mas ela não o controla e
ele a transforma. Como o bebê teme afastar-se
da mãe, a gestante tem receio de perder seu
feto. O bebê ainda não possui uma representação interna da existência da mãe suficientemente duradoura, na qual possa apoiar-se durante sua ausência física. O mesmo ocorre na relação da gestante com o feto: ela escutou seu
coração, viu a ecografia, mas ainda não possui
uma representação interna do filho, ela ainda
não o compreende, ele não passa de uma vaga
ideia. Os pesadelos, nos quais se vê sem barriga,
ou perdida do filho já nascido, confirmam seus
temores.
92/1397
O pai do bebê de Rosemary acaba não sendo
o seu esposo, porque, acima do desejo de conceber um filho, ele priorizou seu narcisismo querendo para si a admiração da plateia. Um pacto
diabólico, cujo pressuposto é alcançar o sucesso
não pelo valor próprio, mas pela intervenção
externa, coloca-o em um lugar peculiar. A admiração que este homem quer suscitar em seu
público é herdeira daquela onde a família bate
palmas para a gracinha do bebê, que é lindo
porque é o deles, sem nenhum outro mérito.
Assim, é esse homem quem se infantiliza. Os
papéis se invertem, a futura mãe, originalmente
uma mulher submissa, torna-se cada vez mais
senhora de si; enquanto o homem troca a paternidade planejada, momento de instituir-se
em um lugar social de poder, pela tutela de um
grupo de velhos, transformando-se em um filho
obediente e servil, incapaz de vencer por conta
própria.
Uma fantasia bastante comum nas grávidas
é a de que seu marido não seria o pai da criança.
93/1397
Muitas vezes contradizendo qualquer lógica
biológica, a dúvida a respeito da identidade do
pai se impõe enquanto um devaneio insistente,
elas vivem uma espécie de obsessão pela
suposta identidade escusa do verdadeiro pai da
criança. Nessa obra, o genitor é o diabo, mas ele
está ali como patriarca dos seus seguidores.
Assim, parece que o jovem consorte que compartilhou o sonho de uma família feliz, aquele
com o qual se vivenciou o desejo sexual, não
seria figura suficientemente forte para ocupar o
lugar do pai.
Em geral, esse tipo de apego à dúvida serve
mais para desautorizar o futuro pai do que para
consagrar outro em seu lugar. No caso desta
história, parece haver uma contradição entre o
desejo da mãe de conceber um filho e a possibilidade de que este tenha um pai. É como se uma
gestação tão almejada fosse dar lugar a uma
possessão materna, que ela não estaria disposta
a inserir o filho em nenhuma linhagem, a
entregá-lo simbolicamente ao homem que
94/1397
constituiu família com ela. Este filho parece estar fadado a ter um pai duvidoso.
Qual seria, então, a utilidade dessa contradição colocada entre o desejo se ser mãe e a instalação do lugar do pai? Vemos aqui uma
fantasia representar um resto infantil: uma interpretação possível é que ao desejar a maternidade ativamente, uma mulher reencontra-se
com a menina que foi outrora e que tanto queria
para si uma boneca animada. Queria o filho que
só as mulheres grandes tinham direito de ganhar, como sua mãe ganhou ela própria e seus
irmãos. Esses filhos de sua mãe tinham como
pai o próprio pai da menina, o mesmo de quem
ela também gostaria de ter ganhado um bebê de
presente.
Portanto, é possível que antigas fantasias
incestuosas se atualizem, colocando o pai da futura mãe (o futuro avô materno) como essa duplicação do pai da criança, como o demônio no
caso de Rosemary. Afinal, o pai foi o primeiro
amor da mulher, mas também foi o namorado
95/1397
que nunca a escolheu, aquele que a preteriu em
troca de uma mulher mais velha, sua mãe. É
preciso lembrar que nas mitologias o filho do
incesto sempre perturba a ordem do mundo e é,
de alguma forma, monstruoso.5 Agora ela é que
é a mãe, e das suas fantasias incestuosas só
pode esperar um monstro. Ora, quem está gerando um monstro pode temer inclusive ser consumida pelo feto que destrói o interior do seu
corpo. É o que veremos mais adiante em Alien.
A fantasia do filho do demônio só pode fazer
sucesso no ocidente cristão, em uma sociedade
baseada na ideia de um herói que veio morrer
em sacrifício para nos salvar. Se a vinda de
Cristo funda, de certa forma, nossa civilização,6
a chegada do anticristo é a contrapartida latente, inclusive prevista na Bíblia, do nosso edifício de crenças. Portanto, é terreno fértil para
tantas obras de ficção, como esta e A Profecia,
que discutiremos mais adiante. Mas o diabo
aqui é muito mais do que isso, ele também é signo da onda revolucionária dos anos de 1960
96/1397
quando a religião, especialmente a católica, estava em declínio e novos ventos sopravam.
Como seria uma sociedade de amor livre, drogas e sem religião senão o reinado do diabo?
Algo de fato estava nascendo naqueles anos, e
parecia, aos olhos conservadores, diabólico.
A casta maternidade do salvador é um dos
grandes temas da igreja católica, Maria é uma
mãe dedicada, protegida em sua missão de dar
a luz àquele que ela não desejou a princípio. Afinal, Maria foi escolhida, sendo que, uma vez
que Jesus veio, encheu-a de graça, e assim
como veio partiu alheio à sua vontade. O nascimento do anticristo é a contrapartida do nascimento do salvador, mas aqui a maternidade
estreia-se como profana, o caráter monstruoso
da cria representa mais do que uma evocação
religiosa. Assim como nos sonhos, na ficção por
vezes as coisas se representam mascaradas em
seu oposto. Se no lugar do filho do demônio
colocássemos o salvador, e substituíssemos
Maria por Rosemary, veríamos nascer uma
97/1397
oposição entre o filho concebido de forma pura
e sem desejo e aquele que veio ao mundo por
determinação de sua mãe.
A confraria diabólica pode ser vista como a
versão monstruosa da articulação divina que
determinou a gestação de Maria. A determinação da jovem Rosemary em apropriar-se da
gestação, em opor-se ao uso do seu corpo por
parte de uma sociedade ancestral e patriarcal,
pode ser pensada como uma releitura contemporânea e sinistra da imaculada concepção.
O próprio desejo sexual do casal, que hoje
faz parte dos requisitos sociais da reprodução, é
afastado e substituído por um estupro ritualizado, a partir do qual à maternidade foi negado o
prazer, o desejo e a própria cria, que lhe será retirada e entregue aos cuidados dos velhos vizinhos. Rosemary pecou por querer um filho desejado e para si, ela deveria ser um meio, mas os
fins serão dos outros. O bebê demoníaco que lhe
nasceu é a primeira cria da gestação profana,
determinada pelo desejo autônomo da mulher.
98/1397
Porém, nascido assim, esse filho não receberá a
benção divina reservada àqueles que vieram ao
mundo por uma determinação sobre-humana,
será então um monstruoso filho da mãe.
A mística feminina
As guerras mundiais provocaram uma circulação intensa de jovens, milhares deles foram
lutar e morrer longe das suas comunidades, das
famílias, impondo a separação entre pais e filhos. O rompimento desse laço, a volta dos
jovens soldados que só podiam compartilhar a
memória dos horrores com seus pares, clamava
por outro sentido para a vida além de obedecer
e servir. As pequenas cidades tornaram-se
minúsculas depois de tudo o que haviam visto e
vivido. As mulheres, que participaram dos esforços de guerra, no front ou na comunidade, já
tampouco queriam voltar para o esconderijo da
cozinha. Após o duplo massacre mundial, elas
foram chamadas a repovoar a terra e
entregaram-se à missão materna com uma
99/1397
resignação amarga, que cobraria seu preço nos
filhos.
A safra seguinte de mulheres, as filhas das
baby boomers, foram aquelas que aguçaram a
curiosidade da feminista Betty Friedan.7 Ela estava intrigada sobre algumas características de
suas conterrâneas e contemporâneas: essas
mulheres estavam francamente deprimidas,
apesar de viverem dedicadas em tempo integral
à família que constituíram por opção. Muitas
haviam largado estudos ou carreiras para
dedicar-se a filhos idealizados e mimados, tudo
isso habitando o conforto da domesticidade
mecanizada dos anos de 1950. Iam ao psiquiatra, tomavam calmantes e choravam escondidas. Elas próprias não conseguiam compreender
o que lhes fazia falta, afinal, agora elas habitavam o paraíso e “tinham tudo”! Friedan
chamou de “Mística Feminina” essa discordância entre a tristeza que elas realmente sentiam e
a felicidade que deveriam estar sentindo.
100/1397
Ela descobriu que estas mulheres testemunharam a difícil resignação de suas mães às restrições domésticas, então prometeram a si
mesmas que as superariam: elas é que seriam
mães de verdade! Amariam seus filhos sem sucumbir à amargura que viram vincar a face de
suas progenitoras. Mas já era tarde para voltar a
ter a resignação sagrada de Maria ou a submissão natural de suas avós. Querendo ou não, elas
desejavam outros horizontes, sobrava-lhes energia e inteligência para ficarem reduzidas a
uma tarefa tão pequena. O que é restringir-se a
esperar, transportar, alimentar e banhar crianças, viver ao nível da vida delas, transitando
entre a escola e a natação, cuidando de uma
casa fácil, previsível e repetitiva, quando já há a
possibilidade de participar da ciência, dos negócios, da arte e do poder? O movimento feminista já militava, mesmo que de forma incipiente,
há quase dois séculos, mulheres exemplares
mostravam a viabilidade de outros modos de
vida e até suas mães viveram suas aventuras.
101/1397
A personagem de Polansky não era muito
diferente das mulheres descritas anteriormente,
ela também desejava ardentemente constituir
família, ser uma boa mãe. Nela fica demarcada
a diferença sutil que se coloca entre as mães
passivas dos séculos anteriores e essas donas de
casa por opção da década de 1950: foram elas
que quiseram conceber. A tristeza das contemporâneas de Friedan tinha como subtexto a
questão “se fui eu que quis tudo isto, por que estou infeliz?”. Acima de qualquer determinação
social está a particular decisão destas mulheres
de conceber e gestar um filho muito desejado.
No filme, mesmo tratando-se de uma mulher
submissa e nada identificada com seus contemporâneos hippies, há um toque de irreverência,
um lampejo de feminismo, pois é sua vontade
que determina a concepção. O castigo foi severo
para quem quis tão pouco...
102/1397
O parto monstruoso_Alien
No espaço ninguém vai ouvir você gritar.8
Bastante populares através de sequências
que se sucederam por duas décadas, os filmes
da série Alien podem também ser pensados a
partir dessa vertente das fantasias monstruosas
ligadas à maternidade e ao nascimento de um
filho monstruoso. Por mais que pareçam totalmente alheios ao tema aqui tratado, por serem
filmes de horror ambientados em um contexto
de ficção científica, com alienígenas asquerosos,
lutas, tiros e naves espaciais, é inegável que o
mote de horror principal da trama, em todos os
episódios da saga, é a particular forma de reprodução do monstro, que inclui corpos humanos em seu processo.
O primeiro filme, Alien: o oitavo passageiro, de 1979, é um suspense elegante,
próprio de seu diretor, Ridley Scott.
103/1397
Trabalhando em conjunto com H. R. Giger
(ganhador do Oscar de Efeitos Visuais), artista
suíço, imbatível na representação do horror associado à maternidade, ao falo e ao erotismo do
corpo feminino, aliado também com o grande
desenhista, e igualmente sinistro, Moebius
(Jean Giraud), Scott inscreveu seu filme no território dos pesadelos inesquecíveis.
As imagens de Giger9 são tão belas quanto
insuportáveis. São como os contorcionismos
que os sonhos e os delírios impõem ao nosso
corpo, retorcido, esfacelado, desnudado, transformado e, por vezes, estranhamente misturado
à paisagem. Os episódios seguintes têm as variações estéticas impostas pelos diferentes
diretores, mas o Alien continuará sempre fiel a
sua concepção visual inicial.
A história é a seguinte: em um tempo futuro, uma nave espacial de carga recebe um pedido de socorro e sai de sua órbita para
averiguar. A mensagem provém de um planeta
onde há uma misteriosa nave caída e
104/1397
abandonada. Lá eles encontram os ovos de um
ser alienígena em uma espécie de hibernação.
Sabe-se ao longo do filme que os ovos estavam
em modo de espera, prontos para hospedar-se
em um ser vivo e ali terminar seu
desenvolvimento.
Como marsupiais, estes seres nasciam de
seus ovos ainda necessitando um período de
“gestação” para completar sua formação, o
equivalente da bolsa fica sendo um corpo hospedeiro. Sua forma de reprodução passa por
conseguir esse hospedeiro, que no caso pode ser
um humano de qualquer sexo. Na presença da
vítima ele penetra pela sua boca (ele é ágil,
forte, é quase impossível impedir) e fica
nutrindo-se de seu corpo. A morte do escolhido
só ocorre quando o monstrinho está maduro
para nascer, e irrompe em um “parto” letal.
Os tripulantes da nave vão sendo mortos
dessa forma um após o outro, o alienígena
cresce rápido e já põe mais ovos no interior dos
corpos. A tripulação torna-se gado a serviço da
105/1397
proliferação dessas larvas extraterrestres. Após
nascer eles rapidamente transformam-se em
monstros extraordinariamente resistentes e
agressivos, violentamente empenhados em
garantir sua própria reprodução. Certamente
não é casual que a oponente desses monstros
seja uma mulher, a tenente de voo Ellen
Ripley.10
Em O oitavo passageiro quase não vemos o
monstro, até o duelo final com a heroína, e a associação do Alien com a maternidade é lateral,
deve-se ao fato de que o alienígena deposita
seus fetos no tórax das suas vítimas. O momento da saída do monstrinho, já crescido, que
rasga o peito, eviscerando e matando seu involuntário hospedeiro, é semelhante a um parto
acompanhado de uma dor insuportável e gritos
de pavor. A criatura que emerge do corpo
destruído dos humanos é um lagartinho,
cabeçudo, como são os recém-nascidos da
maior parte dos animais. Enfim, ainda que
106/1397
monstruoso e “sauroforme”, de certa forma
lembra um bebê.
Não temos muitas notícias da infância do
pequeno
Alien,
parece
que
quase
instantaneamente transforma-se em um predador voraz e inclemente, criatura quase invencível. Seu sangue é de ácido, esconde-se
como um felino e ataca com a agilidade e a fúria
de um velociraptor inteligente. Apesar de que
fica confuso saber seu sexo, parece tratar-se de
uma fêmea e de seus guerreiros-filhos-ajudantes. Com “ela” ninguém pode, até que enfrenta a astúcia de uma mulher.
A comandante Ripley tem a seu favor a consciência de sua fragilidade, não subestima o
poder da rival, além de que aprende que não
pode contar com nenhum dos seus companheiros de viagem, que são traidores ou incompetentes. É uma mulher de aparência andrógina,
interpretada por Sigourney Weaver: uma atriz
muito alta, queixo levemente protuberante, que
faz parte do fenótipo masculino, acompanhado
107/1397
de olhos extremamente expressivos, que sabem
mostrar fragilidade feminina, ao mesmo tempo
que determinação. É uma mulher associada ao
protótipo dos anos de 1980, era das poderosas
executivas Yuppies (Young Urban Professional), cuja ascensão social demandava certa virilização, não tanto estética, mas sim na valentia
requerida. Em todos os episódios ela se mostra
mais guerreira do que os homens.
Sucumbiram frente ao monstro todos
aqueles que subestimaram seu perigo e
avaliaram mal a situação, isso vale para os
soldados prepotentes de ambos os sexos que
acompanham Ripley nas várias missões. Os
soldados homens apostaram nos músculos e na
pujança de suas armas, enquanto as combatentes mulheres valeram-se de sua identificação
viril, mas ambos erraram ao prestar mais
atenção em seus atributos do que nos do
oponente. Salvou-se aquela que soube jogar
esconde-esconde com o Alien, que levava em
conta a sua desvantagem, mesmo que tenha se
108/1397
arriscado irresponsavelmente para salvar seu
gatinho de estimação, único sobrevivente da
nave junto com ela. É no salvamento do bichano
que ela insinua a mãe protetora que se revelará
em toda sua grandeza no episódio seguinte.
O filme tem três elementos que articulados
compõem a trama de todos os outros da série:
Primeiro, o monstro, empenhado em parir e
perpetuar sua espécie a qualquer custo. É
um ser extremamente agressivo, pura
natureza bruta querendo viver, com uma imperiosa necessidade de se reproduzir, que
“engravida” qualquer um que passar pela
frente.
Em segundo lugar, potencializando a
maldade do primeiro, temos uma personagem invisível que comanda tudo por trás da
cena, que é uma corporação determinada a
lucrar com o Alien. Eles sabem de seu potencial destruidor, mas acreditam poder
controlá-lo para ser utilizado como arma.
109/1397
Para tanto, querem trazer à Terra um exemplar vivo, não importando quantas vidas humanas tenham que sacrificar para isso. Essa
corporação tem tanta persistência em fazer o
Alien sobreviver como essa mãe monstro.
O terceiro elemento, do outro lado do
ringue, é Ellen Ripley, que originalmente pilota a nave que se deparou com o monstro.
Por ser a única sobrevivente em todos os
episódios, ela torna-se uma especialista em
lidar com ele. Ela está sempre só, ninguém
acredita em seus relatos, é sempre tachada
de exagerada, louca, paranoica e, ao final, é
invariavelmente Ripley quem vai eliminar a
criatura e salvar a humanidade de ser invadida por esses alienígenas.
Nesse esquema tripartido da fantasia, temos
a figura materna dividida entre dois extremos: a
poedeira contumaz, maternidade afirmada, e
sua oponente, a guerreira que precisa liquidar
com toda criatura dessa espécie, a maternidade
110/1397
negada. Assim, se cinde a mãe, em suas duas
exageradas caricaturas, a que só se importa com
o filho e o defende até a morte, contra a outra,
que luta com todas as forças para destruí-lo. Do
lado de fora, aliado à mãe monstro encontra-se
a corporação, representando o desejo do pai ou
mesmo o mandato social que impõe à mulher
que cumpra seu destino biológico, obrigada a
fazer sua parte no “crescei e multiplicai-vos”,
independentemente de sua vontade.
Esta aliança, que faz do corpo da mulher um
joguete da fisiologia e dos poderosos da sociedade, assim como Rosemary foi tratada como
um útero à mercê da vontade alheia, só pode
suscitar em Ellen Ripley uma forte oposição.
Afinal, ela é tenente de voo, é ela quem pilota,
dirige como pretendem fazer com suas vidas as
mulheres crescidas ao abrigo das conquistas
feministas. Porém, sempre que se afastar desse
lugar que lhe é “naturalmente” ou socialmente
destinado, a mulher será ou se sentirá
111/1397
marginalizada, colocada em uma espécie de
vácuo social, solta no espaço, sem lugar. Não
importa o quanto Ripley se demonstre heroica,
os parceiros e testemunhas de sua vitória
sempre morrerão, e a pouca ajuda que ela tem
quase sempre se revela inútil.
Ao voltar à Terra, ela é sistematicamente
calada, manipulada e posta em total ostracismo
pela corporação. Tal qual a infeliz Cassandra, da
mitologia grega, ninguém escuta seus maus
presságios sobre os perigos de trazer o monstro
para a terra. Opinar não é seu papel, resta-lhe
parir e calar ou então sumir. O problema é que
o pesadelo sempre se repete. Assim como as
mulheres se reencontram com as manifestações
mensais de seu ciclo de fertilidade, a cada vez
que desperta Ripley encontra-se face a face com
o Alien, e não adianta mesmo gritar, ninguém
nunca a escuta.
112/1397
A poedeira se revela_Alien: o retorno
Presa às malhas da natureza, ela é planta e animal,
uma reserva de coloides, uma poedeira, um ovo.11
O segundo filme, Alien: o retorno, realizado
sete anos depois, em 1986, por James Cameron
deixa a fantasia mais clara. O que se perde em
qualidade estética, ganha-se na explicitação do
que era um pouco mais simbólico no filme anterior. Agora não restam dúvidas de que o Alien
provém de uma espécie de abelha rainha,
poedeira compulsiva, que protege pessoalmente
seus ovos. Eles não nascem prontos como os filhotes dos répteis ou pássaros, os alienígenas
saem dos ovos incompletos e então usam corpos
humanos como casulos temporários, dos quais
se alimentam e que arrebentam ao sair, quando
sua metamorfose estiver completa. Para tal fim,
ela rapta vítimas para alimentá-los na fase de
formação. Parece também contar com a ajuda
de alguns de seus filhos mais crescidos, porém
113/1397
não há sinais de que lhe faça falta ser fecundada. O horror destes filmes está no poder
destrutivo da criatura, mas repousa principalmente nessa cena de uso do corpo humano para
se proliferar.
Nesse segundo episódio, que transcorre em
uma estação espacial onde todos foram dizimados pelo monstro, Ripley encontra uma menina,
única sobrevivente do extermínio. É um consolo, pois sua filha única envelheceu e morreu
durante os 57 anos em que ela vagou adormecida à deriva pelo espaço, após o episódio anterior. Sua filha não teve filhos, portanto, nenhum vínculo lhe resta, sua linhagem não proliferou e todos os seus já estão mortos.
No mundo futuro que a série cria, as viagens interespaciais longas são possíveis graças a
um aparelho de hibernação que suspende a vida
temporariamente. Através desse artifício, a
história é retomada tantos anos depois e Ripley
não envelheceu. Por isso, está disposta a tudo
para proteger essa órfã, sua nova criança. Agora
114/1397
a maternidade das duas oponentes, a mãe monstruosa e a humana, é explícita, elas precisam
destruir uma à outra para salvar suas respectivas crias.
Dentro desse estilo, de explicitar tudo, há
um diálogo entre a menina e Ripley, no qual, ao
ver “nascer” um Alien, a criança pergunta se
não é assim que ocorrem os partos humanos.
Na prática é diferente, na fantasia, provavelmente nem tanto! Em termos de fantasias, o
parto evoca um certo temor associado à defloração, a qual rompe o hímen para a entrada do
pênis. Neste caso às avessas, irrompe do corpo
esse bebê, rasgando desta vez para sair.
Um bebê humano, ao nidar, partilha a corrente sanguínea materna de forma parasitária,
cria um órgão temporário, a placenta, que se incumbirá de administrar essa sociedade, e modifica todo o funcionamento e estrutura daquele
corpo que ficará à mercê de suas determinações, enfraquecido para outros fins. Ao nascer,
dilatará e contrairá a mãe conforme as
115/1397
imposições do trabalho de parto, levará consigo
a placenta, acarretando a perda de um órgão, e
deixará o ventre flácido, muito mais vazio do
que antes da gestação. As cicatrizes de sua passagem lembrarão que um ser humano vem de
dentro de outro, por mais difícil que seja acreditar nisso. Dessas evocações carnais da
gestação, parto e da amamentação temos alguma repulsa se não as conseguirmos revestir
de algum romantismo, inserir em alguma compreensão, quer seja uma narrativa pessoal, literária ou científica. De qualquer maneira, o
hábito de conviver com os fatos da reprodução
humana, na vida privada, ou por profissão,
retira-nos a capacidade de espanto.
O mesmo ocorre com o sexo, que pode parecer bem insuportável se for visto como coisa em
si: um ser humano coloca seu órgão no orifício
do outro, insere sua língua na boca alheia ou a
passa sobre sua pele. Ao ser imaginado ou observado pelas crianças, o sexo suscita uma série
de fantasias estranhas, muitas delas fruto da
116/1397
sua imaturidade e inexperiência. Porém,
mesmo depois de crescidos, não gostamos de
pensar no sexo de nossos pais, nem na intimidade que tivemos com o corpo da nossa mãe.
Assim como fazemos com o paladar, ritualizando e enriquecendo o ato da alimentação, o
erotismo reveste a realidade puramente física
do sexo de significados que o tornam transcendente e que representam relações de afeto, poder
e construção de identidade sexual. A maternidade, da mesma forma, precisa ser inserida em
um contexto de significados subjetivos para que
possa ser suportada pela futura mãe.
Colocados de forma crua, a gestação e o
parto poderão suscitar fantasias como as de Alien, onde a mãe é uma poedeira e o feto um
parasita destruidor. Uma gestação desejada ou
inserida em algum tipo de expectativa por parte
da mulher não corre esses riscos, pelo menos no
aspecto consciente. Porém, as fantasias associadas à submissão física da gravidez e à violência
do parto moram permanentemente nas
117/1397
sombras do inconsciente de toda mulher e encontram representação nas fantasias, nos
pesadelos e em filmes como estes. Prova disso,
assim como sua versão extrema, é a frequência
com que ocorrem as depressões e as psicoses
puerperais, quando a mãe desconecta-se de si
mesma e da criança, ficando tomada por esses
pesadelos, que são os mesmos de Ellen Ripley.
A vitória da amazona_Alien 3
No terceiro episódio da série, de 1992, desta
vez dirigido por David Fincher, Ripley e seu
monstro travam a batalha final. Ela perdeu a
menina que havia resgatado no episódio anterior, morta pelo Alien durante a hibernação. Ao
ser acordada depois do desastre da sua nave,
volta a ser a única sobrevivente humana, como
sempre. A diferença é que desta vez a bela adormecida em sua cápsula espacial havia sido
fecundada pelo alienígena.12 Em seu tórax
desenvolve-se desta vez não um monstro
comum, mas um especial: uma poedeira, uma
118/1397
futura Alien rainha, destinada a disseminar sua
raça. Ripley descobre sua gestação e sabe que
vai morrer quando a criatura sair de seu
interior. Resta-lhe o suicídio como única forma
segura de eliminar seu hóspede indesejado, mas
antes precisa livrar-se de um exemplar já crescido: a mãe que depositou em seu corpo o feto
que ela carrega. Essa Alien mãe está disposta a
matar todos os que encontrar pelo caminho e
preservar Ripley, afinal ela é a portadora dessa
descendente muito especial.
O lugar onde a nave cai, o cenário do confronto, é um planeta-prisão destinado à escória
dos psicopatas da terra. Essa penitenciária é
também uma usina de chumbo onde eles trabalham. Todos os habitantes do lugar são assassinos, estupradores, um grupo exclusivamente
masculino para quem as mulheres só são vistas
com cobiça sexual. Um mundo masculino bruto
e estéril, são mineradores e fundidores, habitam
as entranhas da terra, mas não tiram vida lá de
dentro, só matéria bruta.
119/1397
Nessa terra de machos selvagens, entre
tanta testosterona desgovernada, nossa heroína
não somente vence o medo como termina,
novamente, liderando os sobreviventes até o
duelo final. Em um determinado momento, ela
se livra por pouco de um estupro, que de certa
forma é uma amea ça que está no ar durante todo o episódio. Isso é da mesma ordem do que a
própria imposição de manter a “gravidez” monstruosa por parte da corporação capitalista e do
próprio Alien. A tônica é o abuso violento do
corpo feminino. Uma das fantasias que em
qualquer filme da série pode ser evocada é o estupro, afinal temos uma invasão brutal de um
corpo, mas, nesse episódio, a oposição ente os
sexos sublinha o caráter sexual dessa
penetração.
A cena da morte de Ripley vale um
comentário: ela continua sendo perseguida pela
corporação que não desiste de seu propósito de
obter um exemplar do monstro para usar como
arma de guerra. Para evitar que eles o
120/1397
obtenham, ela atira-se em um gigantesco forno
aceso e quando seu corpo está prestes a tocar no
metal derretido o monstrinho nasce. Ela o envolve com as mãos sobre seu peito, em gesto
similar ao que fazem as mães imediatamente
após o parto, quando dão o primeiro colo a seus
bebês recém-nascidos, e mergulha abraçada no
lagartinho, morrendo ambos nessa espécie de
lava. Temos uma mistura de suicídio com
aborto, um parto letal desta vez para os dois.
Como Rosemary, ela acolhe sua cria, mas agora
para inviabilizá-la. Ripley morre esmagada
entre um selvagem ambiente masculino e a
obrigação de reproduzir. Além disso, seu “bebê”
seria uma espécie de Alien-poedeira, o que a
transformava no elo passivo de uma cadeia de
reprodutoras viscerais, logo ela, que é
destemida como um viking.
Conforme Beauvoir: “certas mulheres são
mais poedeiras do que mães, se desinteressam
do filho logo depois do desmame, logo depois
do nascimento, e não desejam senão outra
121/1397
gravidez”.13 Refere-se ela aqui a uma particular
forma de alienação, na qual, enquanto entregue
à função reprodutiva, uma mulher não precisa
inquietar-se sobre si, construir um caminho,
uma identidade. Basta-lhe repetir o ciclo como
forma única de ser, ou de não ser, como sugere
a autora. No contraponto, está outra citação,
muito interessante, retirada por Simone da
autobiografia da bailarina Isadora Duncan:
“Andando à beira mar, eu sentia por vezes um
excesso de força e vigor e dizia a mim mesma
que essa criaturinha seria minha, só minha,
mas outros dias tinha a impressão de ser um
pobre animal caído numa armadilha. Como alternativa de esperança e desespero, pensava
muitas vezes nas peregrinações de minha mocidade, meus passeios sem objetivo, minhas
descobertas da arte e tudo isso não passava de
um prólogo antigo, perdido na bruma que
levava à espera de um filho, obra-prima ao alcance de qualquer camponesa”.14
122/1397
Embora muito se exalte a maternidade enquanto a obra-prima da feminilidade, essa observação é atroz, e foi coletada aqui pela filósofa
francesa em função de sua crença de que, na
nossa cultura, o ofício da vida não enobrece suficientemente a trajetória de uma mulher. Mediante as exigências contemporâneas de construção de uma identidade individual, do desejo
de deixar uma marca de nossa passagem pelo
mundo, da busca de um sentido para a vida,
queremos ser diferenciados, autores, nunca
uma engrenagem inexpressiva de algo maior. As
mulheres também passaram a lutar para sair
dos bastidores, dos aposentos domésticos onde
cuidavam da procriação, alimentação e higiene
da humanidade. Fugiram em pensamentos,
entregando-se a devaneios românticos e literários, e em ações, disputando lugares outrora
impensáveis a alguém de seu sexo.
Isadora Duncan tinha razão, reproduzir está
ao alcance, não somente de qualquer camponesa, que nunca será marcante como ela
123/1397
própria foi, mas de qualquer animal. É a partir
da mestria sobre a morte que os homens construíram seu império. Controlar a duração da
vida é para poucos: “A maior maldição que pesa
sobre a mulher é estar excluída das expedições
guerreiras. Não é dando a vida, é arriscando-a
que o homem se ergue acima do animal; eis
porque, na humanidade, a superioridade é
outorgada não ao sexo que engendra e sim ao
que mata”.15
Eis porque Ripley é uma guerreira, mas
vencer esse monstro disposto a reduzi-la à
carne, priva-a sistematicamente da maternidade. Ela perde sucessivamente suas duas filhas,
a biológica, que envelhece e morre durante as
décadas em que ela passa perdida no espaço, assim como a adotiva, a órfã resgatada no segundo filme da série. Perdê-las é como cortar
seu seio para melhor portar o arco e flecha, feito
atribuído às guerreiras amazonas.
As mulheres convivem com essa contradição entre a ocupação de um posto no mundo e
124/1397
a disponibilidade de seu corpo para a maternidade. O que as faz pender para a segunda é não
somente a fisiologia, mas também a possibilidade de identificação com sua mãe, avó, enfim,
sua colocação na série das antepassadas que, se
não tivessem sido mães, não existiriam. Portanto, se uma mulher não for mãe ela precisará
trabalhar na construção de sua identidade de
forma mais complexa, pois sua própria mãe
evidentemente experimentou a maternidade.
Muitas mulheres, descontentes com o que fizeram de sua vida, passaram para suas filhas o
sonho de um destino diferente, desejando mais
do que netos, que elas fossem independentes e
bem-sucedidas. A estas se impõe um tipo de
disparidade proveniente da falta de referências,
pois precisam fundar um destino diferente do
trilhado por suas predecessoras.
É pagando caro por ser mulher, sendo
motivo de cobiça selvagem dos prisioneiros, desacreditada pelos homens quando do regresso à
Terra e pelos guerreiros com quem contracena
125/1397
nos vários filmes, que a personagem vê-se obrigada a decepar sua feminilidade episódio a episódio. Parece não haver meio termo entre fêmea
poedeira e a guerreira virilizada. Além disso, o
Alien sempre volta, os homens o convocam para
que o duelo entre a mulher e a escravidão de
sua carne possa se travar. Os roteiristas destes
filmes fazem eco às opiniões de Beauvoir, ou ela
acertou no diagnóstico do impasse entre os
papéis de insignificante mãe dedicada ou de
heroína implacável e estéril, que se colocam
para cada mulher.
Ellen Ripley é solitária, não há laço com os
homens que dure, os raros momentos de amor
não garantem a sobrevivência do galã. Os “filhos” que vai encontrando ao longo da saga tampouco ficam com ela por muito tempo, está destinada a sempre perder tudo o que ama. Apesar
disso, ela os defende e duela com a mesma força
com que a poedeira defende seus ovos.
O filme acredita em uma garra das mulheres, mesmo que ainda proveniente da
126/1397
maternidade. É a todos os humanos que ela
protege de sua própria insensatez em acreditar
que podem controlar tal criatura, afinal, eles
não sabem o que fazem. A função de salvadora
não livra a nossa heroína do papel materno,
pois como bem nos recorda Helene Deutsch,
“uma mulher não precisa dar à luz para ser maternal, pois a tendência maternal pode também
dirigir-se para objetos indiretos”.16
Nesse sentido, temos a versão feminina dos
tantos guerreiros contemporâneos da ficção que
lutam sozinhos, sem contar com parcerias ou
fazer parte de grupos. São incontáveis as tramas
apoiadas nesse expediente, de heróis incompreendidos, desacreditados, perseguidos tanto
pelos vilões quanto por corporações corruptas.
Vale o que Beauvoir observou sobre o valor social do guerreiro como superior ao da reprodutora, porém, hoje ele não luta mais em
nome de um coletivo. A defesa de ideais ou
nações anda desacreditada após as grandes
guerras e o desmanche das utopias. Agora o
127/1397
combate é individual, saíram as batalhas, entraram os duelos, principalmente os que são
travados entre o indivíduo e o mundo cruel.
No final deste filme, através da exacerbação
da oposição entre a mulher e a corporação capitalista selvagem, a luta contra a figura da
poedeira cede espaço à guerra dos sexos. Mas
não é um simples combate que se trava entre o
poder de ambos, com as mulheres disputando o
tradicional espaço viril: nessa batalha elas têm
entrado com armas próprias, que incluem a
denúncia de que o homem não possui bom
senso suficiente para gerir nossas vidas. Conforme elas, eles são movidos por razões menos
altruístas, cegam-se facilmente com promessas
de poder e glória e avaliam mal os riscos, pois
pecam pela onipotência. Esse é o discurso que
Ripley demonstra em ato.
O problema é que, como consequência
dessa operação, uma mulher fica ainda mais só,
desvinculada da própria mãe, que não foi guerreira como ela, e órfã também do lado paterno,
128/1397
pois ela precisa cuidar do mundo dos homens,
já que eles agem como se fossem crianças
irresponsáveis.
Conforme outra teórica da feminilidade, a
psicanalista Marie Langer, autora do clássico
Maternidade e Sexo: “Nós mulheres depositamos muito mais neles do que eles em nós. Os
cuidamos e, visto que somos mães e já criamos
filhos varões, em primeiro lugar nos damos ao
trabalho de armá-los como figuras onipotentes,
para depois protegê-los e evitar que se despenquem. E isso é assim até que nos cansamos e
nos divorciamos. Então, os transformamos em
pedacinhos”.17 Onde Langer vê o ressentimento
das mulheres pelos homens cuja carreira
ajudaram a construir, tarefa à qual não estão
mais dispostas a entregar-se, Betty Friedan vê o
início da libertação masculina dos cuidados maternos infantilizantes: “Eles crescerão, esses homens, para fora do homem criança que definiu
a masculinidade até então”.18
129/1397
Ripley X Senhores das Armas
Alien: a ressurreição, dirigido por Jean-Pierre Jeunet (1997) é o quarto filme da saga. Embora o tema pareça caminhar para a exaustão,
ele revela-se tão prolífero quanto nossa capacidade de emprestar fantasias aos fatos da realidade e do funcionamento do corpo. O roteiro
deste já inclui o fenômeno da clonagem, pois a
trama inicia com o renascimento de Ellen
Ripley, cujo corpo foi reproduzido pelos cientistas para, através dele, terem acesso às células do
monstro que já se abrigava em seu interior
antes de morrer. A indústria armamentista,
como se vê, estava disposta a tudo para obter
um exemplar de Alien. O tema da clonagem se
insere nessa série da mesma forma como adentrou no cotidiano de todos nós.
O filme estreiou no mesmo ano da divulgação da clonagem da ovelha Dolly a partir da
glândula mamária de uma ovelha adulta, feito
científico que suscitou muita polêmica. A
130/1397
clonagem foi tão excitante para a imaginação
popular justamente pelo potencial de fantasias
que catalisa: prova ser possível a reprodução
não-sexuada, com a qual poderíamos deixar de
ser fruto de um evento erótico, da combinação
voluntária ou involuntária de duas pessoas. Até
então era tácito que costumávamos ser resultantes de algum tipo de encontro sexual, independentemente de que ele tenha sido marcado
pelo amor, ódio, pela paixão lícita ou ilícita ou
pela hipocrisia social.
A difusão crescente das experiências de fecundação assistida como solução para os problemas de fertilidade deixa de fora o caráter francamente sexual e erótico da concepção, embora,
via de regra, continuemos à mercê da vontade
de um casal. Já a clonagem retira da reprodução
a necessidade da combinação de duas pessoas
para resultar em uma, não há dúvidas de com
quem nos pareceríamos.
Um filho clonado não significa síntese, mas
sim repetição, pois resulta idêntico ao seu
131/1397
progenitor. As fantasias associadas a essa
proeza científica revelam variações dos dramas
e tramas que tecemos quanto ao nosso ponto de
origem, quanto à identificação com aqueles que
invocaram nossa presença no mundo.
O tema da clonagem propicia outra fantasia,
esta de caráter narcísico: a de alguém que
quisesse não um filho, mas um outro “eu”.
Digamos que isso não é estranho a nenhum de
nós, pois desde sempre pais e filhos se fascinam
e estranham com as diferenças entre eles. Os
pais esperam que os filhos os repitam ou que os
superem para enobrecer sua linhagem, ou até
que fracassem para que dependam deles e confirmem sua superioridade e a necessidade de
sua presença. É tão atraente ver-se no filho
como em um espelho e realizar-se através dessa
duplicação de si mesmo, que isso pode colocar
em risco o sucesso, tanto de adoções, como fecundações com o uso de doadores. Na fantasia,
um filho clonado deveria ser idêntico ao progenitor em todos os sentidos, nasceria para
132/1397
satisfazer essa necessidade da repetição. Ele
não estaria livre para construir uma identidade,
que é o que todos fazemos a partir dos fatos biológicos que nos constituem, combinado com o
ambiente em que nascemos.
Clonada, Ripley torna-se um instrumento
de manipulação científica, fruto da cobiça da
ciência. Mais uma vez o tema da passividade reverbera, desta vez não apenas associado à mulher, mas a ambos os sexos. Queremos ser mais
do que um projeto alheio, cabe a cada um escrever o próprio destino. Nesse filme, ela desperta
e vai assumindo sua nova identidade, habitando
seu novo corpo.
O começo é sempre o mesmo em todos os
episódios: Ripley surge como uma bela adormecida. Após 200 anos, ela acorda em uma nave
espacial e descobre que cientistas a ressuscitaram através da clonagem, conseguiram com
sucesso reconstruí-la e retirar a rainha dos alienígenas de seu corpo. Porém, durante esse
processo, o DNA de Ripley é misturado com o
133/1397
da rainha e ela desenvolve algumas características alienígenas e vice-versa. O Alien seria
uma espécie tão desenvolvida no aspecto da
sobrevivência e na capacidade de adaptação a
todas as circunstâncias que, graças a essa mistura, a memória das gerações anteriores fica
preservada e Ripley rememora seus combates
anteriores.
Nesse, que é o mais alucinado dos roteiros
da série, em sua luta com a poedeira,
digladiam-se dois lados da mulher: a mãe tradicional, que não questiona sua aptidão fisiológica, e a mulher que pode escolher se deseja ou
não ter um filho. As personagens da mãe, a
rainha-poedeira-Alien, e da mulher posicionada
e independente, Ripley, fundem-se para que se
possa revelar a diferença que se ressalta na divisão entre elas. Trata-se de diferenciação fundamental entre a reprodução e a maternidade,
que faz com que estar capacitado para a
primeira não tenha como consequência que se
queira e possa realizar a segunda. Elisabeth
134/1397
Badinter, historiadora francesa, revolucionou o
tema com suas teses sobre o mito do amor materno. Ela revelou que este precisa ser conquistado justamente por não ser natural e
definiu a diferença entre a mãe e a reprodutora
assim: “a maternidade é um monstro de duas
cabeças (procriação e criação) cuja confusão a
estratégia patriarcal tem interesse em
manter”.19
Dessa vez, a morte do Alien é semelhante a
um aborto por sucção. Ripley se refugia em uma
pequena embarcação, na fuga de uma nave
maior programada para a autodestruição. O Alien segue a sua “mãe” e consegue entrar, dessa
vez ele (ou ela, como queiram) não é semelhante a um lagarto. Como os DNAs foram misturados, ele possui características humanas e
agora não mais coloca ovos, mas possui a capacidade de parir seus filhos. O monstro nascido
dessa miscigenação é uma massa de carne semidisforme e repugnante, mas um laço especial
liga Ripley a esse “filho”. Ela pode sentir sua
135/1397
presença como se houvesse um vínculo invisível, mas atuante, ela mesma vacila pelo que
sente por ele. Quando está a bordo da nave que
foge, para salvar-se do seu ataque, embora seja
difícil saber o que esse Alien quer além de estar
perto dela, ela consegue furar uma escotilha e o
vácuo espacial suga tudo em volta e prende o
monstro contra o furo. A agonia dura um pouco,
mas o Alien é sugado e se desmaterializa no
espaço.
Advogar em prol da naturalidade do engajamento das mulheres na tarefa do cuidado e educação das crianças é uma antiga cruzada que
visa à imposição de uma identidade social a
partir de uma predisposição fisiológica. Para
muitas mulheres isso é um dom, uma missão
desafiante, enquanto outras vivem essa mesma
possibilidade como um grilhão, no qual sentemse obrigadas a um destino pré-fabricado. De
qualquer maneira, quase todas serão meio rebeldes, farão de tudo para defender seu direito
136/1397
de escolher se, como e quando querem ser
mães.
Nessa série há também uma camada política importante. Ao longo dos sucessivos episódios, vai ficando cada vez mais claro que a poderosa indústria de armas quer o Alien para
estudá-lo, quem sabe achar novas formas de
usá-lo. Os ataques aos humanos não se deveram
ao acaso, e sim sempre foram armações propositais, os tripulantes foram usados como isca
para entrar em contato com ele e aprisioná-lo.
Trata-se do costumeiro desprezo pelas vidas humanas do qual vivem esses outros tipos de parasitas sanguinários metaforizados em contraste
pelo Alien: os senhores das armas, colocando o
lucro e os interesses das companhias na frente
de tudo. Os heróis da série são pessoas comuns,
do escalão mais baixo, tanto que à medida que
vamos subindo socialmente as personagens são
mais covardes, arrivistas e traidoras. A série é
bem azeda com a humanidade em geral, parece
que se nossa espécie desaparecesse o cosmo
137/1397
pouco perderia, tanto que no quarto episódio
uma androide revela mais amor pela humanidade que os próprios humanos.
A conclamação à identificação de uma mulher com os desfavorecidos é antiga, está
presente na história do movimento feminista
através das campanhas antiescravocratas movidas pelas sufragistas. Os poderosos são em geral
homens, mas, aos poucos, a ficção contemporânea vai dando lugar a um número crescente
de vilãs que não são madrastas de ninguém,
apenas são cruéis e gananciosas.
Em 1949 Beauvoir publicou a célebre ideia
de que ninguém nasce mulher, torna-se, defendendo que as características consideradas
tipicamente femininas são uma construção social. Ao longo dos sucessivos episódios de Alien,
as diversas formas assumidas pela personagem
de Ripley, híbrido de mãe e guerreira, revelam
algumas das fantasias subjacentes a esse processo de tornar-se uma mulher hoje.
138/1397
Nasce o diabo_A Profecia
Alguma coisa partiu-se em mim.20
Depois de nascer, o diabo precisa ser criado,
nutrido, cuidado, como qualquer bebê, qualquer
criança. É tão estranho pensá-lo como uma criança desprotegida, quanto o é colocar um ser
pequeno e frágil no papel do demônio. O filme
O Bebê de Rosemary trata da gestação e do nascimento do diabo, enquanto o livro A Profecia
de David Seltzer, posteriormente filmado por
Richard Donner em1976,21 vai um passo adiante, retratando sua infância.
A trama começa com um segredo entre homens, a mãe fica alienada de uma informação
decisiva: seu bebê fora trocado na maternidade.
O pai sabe e consente, pois ele é convencido de
que seu filho morrera e que as sequelas do parto
malsucedido teriam tornado sua esposa estéril.
Ele age cheio de boas intenções, pensando que a
139/1397
mulher ficaria muito infeliz com esse trágico
desfecho.
É um padre do hospital, que acompanhara o
desenrolar desse pequeno drama, quem sugere
que ele adote uma criança que acabara de nascer, cuja mãe morrera no parto. Essa mãe morta
não teria família, portanto, tudo ficaria mais fácil. O que se passou ficaria como um segredo
entre eles e, aparentemente, todos sairiam ganhando. No decorrer da trama, saberemos que é
uma armação, na qual ele é escolhido para receber esse bebê por ser uma figura importante da
burocracia diplomática americana e, além disso,
bem próximo do presidente, logo, do poder.
Acontecimentos aparentemente acidentais,
como a estranha morte de um superior hierárquico, fazem com que esse pai galgue rapidamente postos no trabalho. Como um cuco,22 o
diabo coloca seu filho em um ninho próximo ao
poder e organiza tudo como lhe convém.
A primeira infância transcorre normal, mas
aos poucos a mãe começa a estranhar seu filho
140/1397
Damien.23 Uma inexplicável sensação de sinistro a percorre e ela se sente culpada, vai ao
psiquiatra, tenta curar-se da dificuldade de
vincular-se a ele. No aniversário de cinco anos
do menino, sua babá se enforca na frente de todos os convidados. Faz isso chamando Damien,
dizendo que seu ato era “para ele”. Surge uma
nova babá que adquire a confiança dos pais e se
aproxima da criança na mesma proporção em
que a mãe se afasta, sentindo-se cada vez mais
estranha em relação ao próprio filho.24
Aqui o filho é estranho e a mãe se inquieta
ao não sentir por ele uma ligação amorosa.
Tanto ele a olha com frieza, quanto ela não consegue ter um olhar para ele. Na vida real existem situações extremas, nas quais o estranhamento entre mãe e filho acontece de forma
tão radical que inviabiliza o estabelecimento do
vínculo da dupla: a mãe se ressente de não sentir a conexão que deveria, e o bebê nada encontra na mãe. Há uma cena no início do filme que
retrata esse desencontro, na qual a mãe está
141/1397
com ele em uma pracinha, perde-o de vista e se
desespera, mas ele não estava longe, é ela que
de alguma forma não o enxerga.
Opostos à ideia de que um encontro entre
mãe e filho é inevitável, um amor à primeira
vista, há casos em que esse desencaixe é insolúvel. São os que detectamos e diagnosticamos como depressões puerperais e quadros
de graves desconexões no filho, os quais podem
redundar nas formas extremas do autismo e das
psicoses precoces. Se aquele que nasce não se
instala em alguém que possa funcionar como
uma base, uma função materna que providencie
um olhar no qual pendurar-se para aprender a
existir, o bebê ficará no vazio, será um corpo
sem alma, ou uma alma perdida em busca de
um autor.
Embora esse quadro extremo seja assustador, é preciso admitir, que de forma leve ou
moderada, algum desencontro faz parte do puerpério normal, principalmente para as mães
principiantes. Em algum momento elas se
142/1397
pescam distraídas, longe, esquecidas de que seu
filho nasceu, e sentem-se mais leves graças a
isso. Como ainda não estão acostumadas à sua
presença, ainda não o compreendem, tampouco
o internalizaram, a realidade do bebê ainda as
assusta. Uma coisa é desejar algo, almejar um
filho, ver o resultado positivo do teste de
gravidez, mas já nas ecografias, quando é possível ver o bebê, algum estranhamento pode se
instalar.
Para a maior parte dos homens, a gestação
da mulher é algo teórico, com a qual eles se engatam mais por afeto a ela, que está tão frágil.
Mas o filho parece uma ideia remota, ainda inacreditável, até a primeira ecografia. É nesse
momento do ver para crer, que eles tornam-se
futuros papais, é quando um homem fica
grávido. Essa possibilidade tecnológica de espiar o bebê e monitorar-lhe a saúde trouxe indiscutíveis ganhos psicológicos para a paternidade.
Outrora, um homem tornava-se pai quando
recebia o bebê em seus braços e a partir dali se
143/1397
decidiria se haveria um engate entre eles ou
não. Em geral, isso dependia do sexo da criança
e de sua posição na prole: por exemplo, se
homem e primogênito, teria grandes chances de
viver um paraíso, ou um inferno. Hoje os filhos
tendem a ser em menor número, não há suficientes para escolher alguns entre a ninhada
para beneficiar com sua atenção, o homem terá
que tentar ser pai de todos os que tiver, mesmo
porque a sociedade cobra-lhe que desempenhe
bem seu papel. Para tanto, ver o feto na tela,
saber-lhe o sexo, nomeá-lo mesmo antes de
tocá-lo, permite ao homem uma gestação
psíquica, um tempo de preparo para a relação
que se anuncia.
Quanto à mãe, mesmo depois do nascimento, ela acredita que se não tiver o bebê
presente em pensamentos, ele desaparecerá.
Mesmo que intuitivamente, toda mãe sabe que
no começo seu filho existe porque ela garante
isso, outro tipo de cordão umbilical ainda flui
entre os seus olhos e o corpinho do bebê.
144/1397
Na verdade, apavora suportar tanta dependência, e por vezes uma mulher precisa
lembrar-se que ela própria existia antes da maternidade, que ela é um organismo diferenciado
dele, e que sua vida é bem mais complexa do
que esse ciclo de mamadas, fezes e sono intermitente a que ela está submetida. Nesses
momentos desconecta-se, cai em devaneios,
olha para o bebê com uma frieza que a assusta,
mas na maioria dos casos passa. Geralmente
isso é acompanhado de lágrimas, decorrentes
da maciça experiência emocional que ela está
vivendo, de sentir-se tão bebê ela mesma, tão
filha ainda para ser mãe, tão abandonada por
todos e incapaz de garantir a imensa demanda
daquela vida frágil. Essa tristeza é normal, também passageira, mas para muitas mulheres é
insuportável, decretam-se, por isso, incapazes
para a maternidade, culpam o filho, ou o marido ou ainda a si mesmas, por não estarem sentindo a felicidade que deveriam.
145/1397
Porém, neste filme não estamos lidando
apenas
com
sentimentos
maternos,
encontramo-nos no território da ficção e aqui
outras forças sobrenaturais orquestram a tragédia, que, por hora, simplesmente se anuncia.
Outros episódios sinistros cercam Damien: em
uma visita ao zoológico os animais reagem
furiosos com sua presença, em outra ocasião em
que os pais o levariam a uma cerimônia em uma
igreja, o menino enlouquece no caminho, ataca
a mãe e todos são obrigados a retornar para
casa.
Um padre que sabe da trama da adoção procura o pai para lhe alertar do perigo que todos
estão correndo. O pai toma o padre por louco,
mas fica com uma pulga atrás da orelha.
Paralelamente, um fotógrafo se aproxima do
embaixador para lhe mostrar estranhas coincidências nas fotos que tira. Nessas fotos, as
mortes estranhas que acontecem são previstas
por borrões significativos. O pai e o fotógrafo
resolvem investigar a vida do padre e a vinda
146/1397
dessa criança. As piores hipóteses vão se confirmando, tudo aponta para que seu filho seja
mesmo o anticristo, que foi colocado no lugar
do seu verdadeiro bebê, provavelmente assassinado para tal fim.
Na medida em que o pai vai desvendando a
trama de que foi vítima, o pequeno demônio vai
cercando-o com seus crimes, visando afastar
quaisquer obstáculos em sua ascensão ao poder.
Assim como o padre, o fotógrafo intrometido
morre em um acidente, como ele mesmo havia
previsto. Paralelamente, em mais um acidente,
a mãe está inclinada em um vão de escada e seu
filho, aparentemente sem querer, bate nela com
seu triciclo, ela se desequilibra, cai e perde o
filho que estava esperando. Como se vê, ela não
havia ficado estéril, e eliminar esse rival que estava por vir era o objetivo de Damien. No hospital, a demoníaca babá termina o serviço,
matando a mãe e fazendo parecer apenas que
ela não resistiu aos ferimentos. Depois disso,
basta livrar-se do pai para substituí-lo por outro
147/1397
mais conveniente: o próprio presidente dos
EUA. O demônio quer crescer como filho do rei.
A história termina com Damien sendo adotado
pelo presidente, pois seu falecido “pai” era afilhado do mesmo.
Utilidades do diabo
Graças aos movimentos da contracultura,
nasce nos anos de 1960 não exatamente o anticristo, mas um novo padrão de comportamento sexual. O século XX, época assustadoramente vertiginosa, teve como grandes vitoriosos
as mulheres e os jovens. A partir da segunda
metade do século abriram-se variadas possibilidades de inserção social para elas, outrora
fadadas ao papel de donas de casa,25 enquanto
múltiplas experiências esperam os mais moços,
cuja única aventura não se reduz mais às opções
de casar ou ir para a guerra.
Mesmo entre os conservadores, esse movimento estende suas influências, penetrando até
nas frestas das famílias mais retrógradas.
148/1397
Embora essa revolução de costumes seja uma
vivência restrita à juventude de vanguarda, ela
funciona como aqueles diabinhos de desenho
animado, que cochicham coisas no ouvido dos
que estão na periferia das novidades. Tudo isso
vai abrindo novas perspectivas para a vida familiar, os adolescentes tornam-se muito diferentes dos adultos, acirra-se o conflito de gerações. Para muitos, isso era a dissolução do
mundo conhecido, portanto, coisa do diabo.
Porém, é bom lembrar que não é de hoje
que atribuímos à influência demoníaca as
mazelas da nossa alma, o demônio e suas aparições possuem raízes antigas. Muitas vezes, no
passado, a loucura ou as formas dissonantes de
viver e pensar foram entendidas como uma possessão.26 Logo, não é de se estranhar que ele
seja também considerado, aos olhos dos mais
conservadores, como culpado pela desconexão
que ameaça o vínculo mãe-filho. Se ela não amar seu filho acima de todas as coisas, se não
puder ocupar-se exclusivamente dele, ou bem
149/1397
ela está possuída, ou haverá algo de errado com
ele. Se a família não for indissolúvel, se as pessoas começarem a seguir seus impulsos sexuais,
quem garantirá o bom rumo para as novas almas que surgirem na Terra?
Esse enredo, datado de 1976, fez sucesso depois de O Bebê de Rosemary (1968) e é paralelo
a O Exorcista (1973). Os três nutrem-se da
tradição católica que, embora em declínio,
ainda demonstra uma força mitológica importante. Por isso o diabo ainda materializa-se na
ficção, ele presta serviço na condição de culpado
por algumas tendências, desejos e temores, que
não elaboramos ou não admitimos.
Nestes filmes o diabo incumbe-se dos impasses da relação entre a mãe e o filho. Um assunto que preocupa a qualquer um, afinal:
como pode o mal instalar-se ali, na fonte primordial de afeto? Isso é sinistro, pois todos sobrevivem à condição infantil de fragilidade graças a
esse tipo de vínculo, por isso o consideramos
uma espécie de paradigma do amor. Para
150/1397
subverter semelhante dogma, só mesmo algo
muito perigosamente maligno.
A função da ficção, e particularmente dos
monstros, é oferecer uma representação externa
para aquilo que é insuportável por ser interno.
É mais fácil temer algo que tem uma cara conhecida, do que suportar a angústia difusa, o
medo de algo que não se sabe como vai atacar.
Pode parecer difícil de acreditar, mas o diabo é
muito menos assustador do que um olhar materno gelado, um filho que quer destruir a própria mãe.
Aqui temos uma inversão, na qual a intenção destrutiva do filho é, na verdade, uma
projeção da rejeição materna. Trocando em
miúdos, a projeção é uma mudança de mão na
direção dos sentimentos, neste caso é ela que
não o quer. Assim como ocorre nos sonhos,
onde algo se representa pelo seu oposto, aqui
aparece como se ele quisesse matá-la. Na prática, um filho que não mobiliza afetivamente sua
mãe, que ela vivencia como sendo um estranho,
151/1397
como um estorvo insuportável, dificilmente encontrará motivos para viver, e de alguma forma
morrerá, quer seja de fato, ou através da
desconexão psíquica.
Os filmes de terror, paradoxalmente,
servem para nos acalmar, eles revelam nossas
fantasias, mas o terror está fora, longe de nós. O
mesmo ocorre nesse caso com a criança demônio, ela representa o duplo, o que é sinistro,
mas enquanto filho do diabo ela torna-se diferente, estrangeira à nossa natureza humana, o
que nos impede de ficar diretamente identificados com o drama e é tranquilizante.
Mesmo enquanto adultos, quando já não
dependemos do olhar materno para sobreviver,
é duríssimo pensar que possa ocorrer um vazio
entre a mãe e o bebê. Em outras palavras, é inaceitável que um filho possa ser vivido como um
duplo destrutivo que eliminaria a mãe, ocupando o lugar no mundo que era dela (e do pai),
sugando-a como um parasita, ou sendo
destruído por ela em legítima defesa.
152/1397
O filho como duplo
O “duplo” converteu-se num objeto de terror, tal
como, após o colapso da religião, os deuses se transformaram em demônios.27
Uma das modalidades do sinistro descritas
por Freud é o “duplo”, que é uma repetição de
nós mesmos, pois ele será sempre sentido como
um usurpador: nunca há lugar para o original e
sua cópia ao mesmo tempo, um terá que eliminar o outro.
Freud observa que o duplo encarrega-se de
aspectos inadmissíveis para nosso julgamento
maduro: “(...) existe uma atividade dessa
natureza, que pode tratar o ego como um objeto
– isto é, o fato de que o homem é capaz de autoobservação – torna possível investir a velha
idéia de ‘duplo’ de um novo significado e
atribuir-lhe uma série de coisas – sobretudo
aquelas coisas que, para a autocrítica, parecem
pertencer ao antigo narcisismo superado dos
153/1397
primeiros anos”. Em nota subsequente, Freud
esclarece que não se trata aqui da divisão clássica entre o ego e o que é inconsciente, reprimido, mas sim de um splitting do próprio ego,
onde a instância crítica separa-se do resto.28
Apoiados nessa observação, podemos refletir sobre o fato de que uma grávida, uma mãe,
retoma algumas vivências mais primitivas, oriundas de sua posição de filha, da criança que foi
um dia. Esse momento da gestação, que é uma
vivência tão corporal, é quase um convite físico
à regressão psíquica. É previsível que ela possa
até entrar em disputa com o feto como se ele
fosse uma duplicação de sua alma, como se ele
fosse a criança que, como um novo irmãozinho,
vem usurpar seu lugar. Para a mãe, um filho
precisa ser um produto, uma criação, um outro
a ser amado. Se ela sentir-se desbancada, um
dos dois estará sobrando, e é provável que seja
o recém-chegado.
Essa infantilidade da mãe é projetada no
filho, afinal, ela é grande suficiente para a
154/1397
maternidade, portanto não deveria estar sentindo essas coisas, essa mágoa constante que a
leva a julgar que ninguém está cuidando dela,
ou suficientemente interessado nela, é como se
novamente voltasse a olhar tristemente para a
porta por onde sua mãe saiu, deixando-a tão
só...
Da mesma fonte, da projeção do
pensamento primitivo da mãe na criança,
provém a agressividade que é suposta no filho,
esse voto de destruição pelo qual a criança estaria empenhada em eliminar sua mãe e, se possível, o resto de sua linhagem. É insuportável o
reencontro com nossa infantilidade, não
somente porque defrontamo-nos com a extrema
fragilidade e dependência em que vivíamos,
mas também porque a criança pequena necessita de certa agressividade para delimitar o território onde o outro termina e ela principia:
quanto mais delicadas forem as fronteiras,
quanto mais inseguros delas estivermos, mais
155/1397
policiamento teremos, mais prevenidos contra
invasões precisamos ficar.
Em seu clássico texto sobre o Estádio do espelho como formador da função do eu,29 de
1949, Lacan lembra como os bebês humanos
ficam fascinados pela sua imagem do espelho
exatamente no ponto em que os animais se
desinteressam dela, quando descobrem que
trata-se deles mesmos, que não há outro espécime ali. Nós nos compreendemos como sendo
“um”, justamente quando nos vemos como
“outro”, ou seja, quando nos vemos vistos de
fora. Foi isso que levou o psicanalista Winnicott
a colocar o olhar da mãe como esse espelho no
qual a criança se vê para se crer.30
Para ampliar essa compreensão, convém
observar o fenômeno da transitividade, descrito
por Lacan, característico das crianças bem
pequenas, que batem no amiguinho e choram
como se tivessem apanhado, confundindo-se
com ele. São as mesmas que disputam a mordidas e beliscões o brinquedo na pracinha como
156/1397
se a diferença existente entre a criança que possui o balde de areia e outra que não o possui
fosse insuportável e fascinante. Esses percalços
cômicos da primeira infância ajudam-nos a
compreender que a separação entre a imagem
de si e as várias versões especulares de sua duplicação (nas outras crianças, nos irmãos, no olhar da mãe) são uma forma rudimentar de estar
no mundo.31 Não seria de se estranhar, portanto, que essas experiências deixassem rastros
na fantasia dos que já cresceram.
Um filho é uma duplicação de nosso ser de
criança, ele desperta os restos adormecidos do
passado, de tal forma que desde sua condição
fetal já levará sua mãe a vivenciar uma reprodução da própria infância. A partir do momento em que a gestante começa a colecionar
os objetos que lhe serão úteis após o nascimento, como fraldas, roupas minúsculas, mamadeiras, ela sabe que voltará a envolver-se
maciçamente com velhos temas como a sucção e
os dejetos. Mesmo que de forma inconsciente,
157/1397
lembrará do quanto um filho é egoísta, que ele
ocupa a vida da mãe de forma totalitária, assim
como ela própria havia feito com a sua.
Identifica-se, assim, duplamente com a mãe que
está tornando-se e com a cria despótica que foi,
e talvez não haja lugar para os dois neste
mundo.
Em um conto de Giovanni Papini é narrado
um encontro com uma duplicação de si mesmo.
O duplo dessa história é apenas sete anos mais
moço que o original, distância de tempo suficiente para que a cópia ainda carregasse as
bravatas e ilusões da adolescência. Aos poucos,
o orgulho ingênuo do jovem duplo, sua inexperiência do mundo, sua “cabeça cheia daquele romantismo genérico, em grandes doses, feita de
cabeleiras desgrenhadas”, foi gerando no original, o mais velho, uma irritação, transmutada
em repugnância, que desembocou em um ódio
assassino. Na mesma fonte onde a imagem do
seu jovem duplo havia aparecido pela primeira
vez, nosso protagonista o afoga: “meu odioso eu
158/1397
passado, meu ridículo e estúpido eu dos anos
mortos, estava morto para sempre”.32
Talvez esse sentimento esteja também na
origem do conflito entre pais e filhos adolescentes. Se bem a criança pequena leva-nos a evocar
o que fomos em um período primitivo, o jovem
o faz tal qual o duplo desse conto, ele representa
nossos ideais, ingenuidades e esperanças de
forma barulhenta, reivindicativa. O agravante,
que instala o conflito entre gerações, é que se
trata de uma fase onde a aparência física dos filhos reflete uma imagem que ainda é reconhecida como própria pelos pais.
Contemplar uma foto tirada quando éramos
crianças é curioso, porque sabemos ser nós
mesmos, mas de fato aí não nos reconhecemos.
Já quando nos vemos retratados na adolescência, ainda temos acesso às memórias do momento, assim como não raramente aquela é a
imagem pessoal que ainda carregamos, embora
o espelho nos devolva outra, inacreditavelmente
envelhecida.
159/1397
Suportar, então, aquele clone reconhecível
do nosso passado, confrontando-nos com suas
pretensões e potencialidades, quando as nossas
já estão tão gastas, pode beirar o insuportável.
Essa vivência relatada no conto é mais passível
de ser compreendida por ser composta de conteúdos mais recentes e conscientes. Ela pode ser
utilizada para jogar alguma luz sobre a versão
mais regressiva da qual estamos tratando, o feto
e o bebê como duplicações da identidade primitiva da mãe.
Assim como uma criança brincando na
caixa de areia da praça atacará sua rival com o
instrumento que estiver ao seu alcance,
provavelmente uma terrível pá de plástico, se
estiver insegura sobre sua identidade ou
relevância, a mãe pode vir a ter fantasias que
significam seu desejo de livrar-se desse minúsculo invasor, que a deixa sem certeza sobre seu
ser, sobre os limites do seu corpo e sobre a importância que tem para os outros.
160/1397
Mesmo que alguém tenha desejado a maternidade, nem sempre desejou tudo o que ela implica, a qual é sempre mais complexa do que se
sabia, ou mesmo do que se recordava de uma
gestação prévia. Não é estranho, portanto, que
se almeje a restituição da condição anterior,
quando essa perturbação ainda não havia
começado. O duplo, a criança diabólica, tem o
papel de querer eliminar sua mãe na mesma
proporção em que ela vivencia os aspectos insuportáveis de sua presença. O duplo quer nos
matar tanto quanto queremos afogá-lo nas mesmas águas nas quais um dia sua imagem surgiu,
livrar-nos daquele ser assustadoramente parecido com o que fomos, como um espelho do
passado que nos olha, acusadoramente. Essas
fantasias, reveladas por essas histórias, surgem
em nós de forma sutil, difusa, são a fonte em
que a ficção bebe, para nos assustar e para dar
forma a nossos pesadelos incompreensíveis.
161/1397
Nascimento e morte
O ponto de partida da trama de A Profecia é
a morte do filho no parto, a qual na verdade é
um assassinato, e a troca de bebês na maternidade. Embora já sejamos nós mesmos quando
estamos dentro do ventre materno, o nascimento é a data que marca simbolicamente o início autônomo de uma vida.
Para a mãe, essa vida já existia antes dessa
data, embora sob outra forma: a do feto, que é
uma identidade diferente. Ele é o filho sonhado,
formatado pela fantasia com a qual a grávida
reveste o enigma que se avulta em seu interior.
No nascimento, esse feto, possessão imaginária
materna, dá lugar ao filho de verdade. De certa
forma, no parto morre uma fantasia para que
possa nascer um bebê. Há uma substituição,
onde aquele que era percebido e imaginado,
embora oculto, encarna no recém-nascido. A
mãe precisa abrir mão de um para receber o
outro.
162/1397
Em um primeiro momento, é comum que
ela perceba no bebê os traços do pai, o que é
uma forma de legitimá-lo. Mas também achar
que o filho é “a cara do pai” visa dar ao filho a
face daquele que ela sabe como amar estando
fora de seu corpo, o “outro” mais querido que
seu “eu” possui. O bebê é seu, mas já é outro,
um ser fora dela que precisará do laço afetivo
para ser seu filho e tornar-se alguém. Por isso,
podemos dizer que todo nascimento é seguido
de uma espécie de ato de adoção.
Porém, muitas vezes o encontro não se dá: o
feto embutido em si já era uma parte introjetada em sua identidade, pois ela acabou
aprendendo a ser uma grávida. Ele compunha
com ela uma forma de vida, a qual após o parto
tornou-se tão obsoleta como a placenta. Nesse
caso, não poucas se deprimirão, em uma relação
melancólica com o objeto perdido, o feto, recusando ao filho nascido o lugar de substituto.
Todos os que contemplavam seu ventre distendido agora olharão para seu filho, a ela dirigirão
163/1397
apenas cobranças: “tem bastante leite?”, “está
conseguindo amamentar?”.
Portanto no ato de separação do nascimento, para nascer uma mãe e um filho morrem duas identidades já conhecidas: a grávida e
o feto idealizado. O filho da fantasia, que nunca
nasce, é uma espécie de complemento perfeito
da mãe, a ele caberia reproduzir do lado de fora
a fusão que existia dentro. Seu seio e ele encaixariam como feitos um para o outro, os ritmos de
mãe e filho já começariam mutuamente ajustados e ela sempre compreenderia seus anseios.
Pode parecer estranho, mas é bom que não
seja assim. Apesar de que bons acordos entre
eles são fundamentais, é nos interstícios dessa
comunicação imperfeita que nasce um ser humano, modelado tanto pelo amor e os cuidados,
quanto pelas frustrações, ausências e desencontros. É nos momentos em que a mãe se ausenta,
ou que ela não compreende bem os anseios de
seu bebê, que a criança precisa inventar-se.
Para tanto, a criança criará para si uma
164/1397
representação do seio materno, símbolo do encaixe, recorrendo a seu dedo, à sucção da língua, a um trapinho, a um bico, para aplacar a
dor dessa falta. Esses sutis desencontros são
também oportunidades de descobrir como
chamar por atenção, vocalizando, assim como
de aprender a se distrair consigo mesma, desenvolvendo a capacidade de brincar.
Cada filho é visto como uma caixa de surpresas, ou até mesmo como uma caixa de Pandora que contém nossos sonhos, mas também
nossos pesadelos. Em um filho se revelará o que
não sabemos que somos e queremos, porém
isso assustadoramente terá vida própria. Ele é
um pedaço de nós que ruma incessantemente
para fora de nossos domínios, parte todos os dias de sua vida, levando consigo os segredos dos
pais: alguns ele os carregará em silêncio como
um fardo, a outros ele os dramatizará, jogando
na cara deles tudo aquilo que eles nunca quiseram ver, como uma providência inconsciente
para aliviar seu peso. Um filho, em suas
165/1397
palavras ou atos, revela os porões da nossa
alma, parecendo-se com uma duplicação maligna, jogando com nossa fragilidade.
O mecanismo em A Profecia é o da projeção, na qual é atribuída ao filho a ausência de
desejo da mãe. Mediante esse expediente, seria
o filho que quereria eliminá-la ao invés de ser
descartado. Como costuma acontecer em todas
as histórias de duplos, ele considera que não há
lugar para os dois, precisará matá-la para viver.
Embora a personagem da mãe desse filme desejasse ter um filho, não era esse que viveu no
lugar do seu amado feto a quem ela queria.
Aqui temos a troca de bebês como um fato,
mas o medo de que isso aconteça costuma assombrar os casais na maternidade. Algumas
vezes ocorre que o bebê que aparece como
usurpador do lugar do verdadeiro, o cuco, é o
próprio, o recém-nascido que saiu de dentro das
entranhas da mãe. Apenas ele não pôde ocupar
um lugar no coração dela, que não suporta sua
166/1397
presença real, apegada à fantasia que sentia
como realmente sua.
Encarnar esse duplo, servir de fachada para
nossas fantasias inadmissíveis, como a de rejeitar o próprio filho, é uma das utilidades do demônio. Quando uma mulher corta a linhagem,
opondo-se à maternidade ou questionando-a, é
o filho demoníaco que mata todo o grupo familiar, novamente ele se incumbe enquanto duplo
dos “crimes” dela.
Um demônio demasiado
humano_Precisamos falar sobre o Kevin
Para a psicanalista Helene Deutsch, há
diferentes tipos de maternidade, que ela divide
basicamente em dois grupos: “um tipo é a mulher que desperta para uma nova vida através de
seu filho, sem ter o sentimento de uma perda.
Tais mulheres desenvolvem seus encantos e sua
beleza somente depois do nascimento de seu
primeiro filho; o outro tipo é a mulher que
desde o princípio sente uma espécie de
167/1397
despersonalização na relação com seu filho; tais
mulheres dedicam seus afetos a outros valores
(erotismo, arte ou aspirações masculinas) ou
esse afeto é demasiado pobre ou ambivalente
em sua origem e não pode tolerar uma nova
carga emotiva; o primeiro tipo estende seu eu
através da criança, o segundo sente-se limitado
e empobrecido”.33 Datado de 1944, o livro de
Deutsch encontra ainda as mulheres em papéis
sociais mais rígidos. Hoje, os dois tipos que ela
teoriza convivem em cada mulher, junto com
todas as nuances intermediárias entre eles. Em
um livro chamado Precisamos falar sobre o
Kevin, de Lionel Shriver,34 uma escritora norteamericana, a literatura produziu um exemplo
do que seria o segundo tipo de mulher. Nesse
livro vamos encontrar a mesma trama de estranhamento anteriormente discutida, mas sem
o apelo do demoníaco.
Aqui estamos sem máscaras religiosas ou
fantásticas, face a face com as fantasias mais
monstruosas encenadas por gente comum.
168/1397
Justamente, essa novela assusta por evocar “a
vida como ela é”. É uma história ficcional, narrada pela mãe de um “garoto Columbine”, como
ficaram chamados os meninos assassinos que
matam vários colegas de escola. Seu primogênito, Kevin, realizou um morticínio múltiplo,
friamente calculado, de onze pessoas. Entre os
mortos figura a vida pública da mãe, obviamente destruída após o evento.
Como muitas mulheres de nossa época, essa
mãe não tinha pouco a perder: levava uma vida
bem interessante quando a maternidade a deportou para um mundo desconhecido, cheio de
novas regras e exigências. Em uma espécie de
idealização da vida da mulher independente,
avessa à rotina encerrada e monótona da dona
de casa, a personagem de Eva Katchadourian é
uma nova-iorquina, escritora de guias de viagens para jovens, portanto, uma viajante profissional, culta e próspera. No campo amoroso ela
é apresentada como igualmente bem-sucedida,
vivendo um casamento romântico com um
169/1397
homem atraente. Porém, não foi com os crimes
cometidos pelo filho que a derrocada dessa vida
idealizada de mulher livre começou, foi com seu
nascimento, ou melhor, já durante a gestação.
Como sua homônima, a personagem bíblica,
condenada a padecer após a expulsão do
paraíso, Eva gestou e pariu com dor. Seu relato
da experiência é tocante, o corpo começa a assumir outras cores, os seios lhe parecem úberes,
a vagina, outrora fonte de prazeres, “se tornou
caminho para alguma parte, um lugar real, e
não apenas para uma escuridão na minha
cabeça”. Queixa-se de ser um instrumento biológico, seu corpo deixa de ser propriedade
privada, “tudo o que me fazia bonita era intrínseco à maternidade, e até mesmo meu desejo de
que os homens me considerassem atraente era
uma maquinação de meu corpo projetada para
expelir seu próprio substituto. Cruzada a soleira
da maternidade, de repente você se transforma
em propriedade social, no equivalente animado
de um parque público”. Como se vê, a obra é
170/1397
farta em sinceridade quanto às fantasias e contratempos da gravidez.
Corroborando seus temores, o marido de
Eva a congratula pela gestação: “bem-vinda à
sua nova vida!” Nessa nova vida, sendo que ela
gostava muito da velha, ela não escolherá mais
como administrar seu tempo, sua alimentação.
Suas prioridades serão as do feto, e ela descobre
isso logo de entrada. Como uma princesa da
ervilha, queixa-se do incômodo da situação: “já
estava me sentindo vitimada, como se eu fosse
uma princesa, por um organismo do tamanho
de uma ervilha”.
Eva desejou vagamente uma boneca, um
bicho de estimação, um amigo imaginário, um
substituto permanente do marido quando ele se
ausentava, um troféu de sua relação, porém
nasceu-lhe um novo papel social e um amo
monstruoso. A vida anterior, da mulher bemsucedida e sem filhos é o paraíso perdido. Paradoxalmente, neste caso a tentação não veio da
ruptura, da curiosidade e irreverência que
171/1397
sempre tornaram as mulheres tão perigosas. A
tentação que provocou a expulsão de Eva veio
do passado: desempenhar o mais tradicional
papel feminino, a maternidade.
Não somos nós, é ela própria que se coloca
na linhagem das mães de monstros, de que aqui
nos ocupamos, ao descrever sua gestação assim:
“Já reparou quantos filmes retratam a gravidez
como uma infestação, uma colonização subreptícia? O Bebê de Rosemary foi só o começo.
Em Alien um extraterrestre nojento sai da barriga de John Hurt (...) Durante todo o tempo em
que estive grávida de Kevin, combati a ideia de
Kevin, a noção de que eu havia sido rebaixada
de motorista a veículo, de proprietária a imóvel
em si”.35
Uma vez nascido, o bebê Kevin foi visto pela
mãe como possuindo uma personalidade própria, preexistente, e destinada a se desencontrar
com a dela. Ao contrário do marido, que esperava um filho genérico, tendo um papel pré-estabelecido para qualquer um que nascesse, para
172/1397
Eva não havia lugar nem para o feto idealizado.
Desde o começo estabeleceu-se um duelo de
subjetividades, uma tensão entre diferentes. Ele
rejeitava seu leite, cujo sabor não suportava, sequer na mamadeira que tomava exclusivamente
no colo do pai, chorava de forma incessante, alheio ao conforto de seus braços. As intermináveis gritarias de cólica pareciam ser exclusivamente para sua mãe, pois cessavam no instante
em que o pai entrava em casa, e Eva via nisso
uma intencionalidade maligna contra si.
Na primeira infância, Kevin negou-se a falar
o quanto pôde, embora a mãe suspeitasse de
que ele estava apto para fazê-lo, e obrigou-a a
lhe trocar fraldas até os seis anos, em um
descontrole esfincteriano que ela compreendia
como mais uma forma de controlá-la, uma disposição do filho de obrigá-la a viver entre as
fezes. Com o pai mantinha uma relação
apagada, blasé; com a mãe, de cotidiana tortura. A cumplicidade entre mãe e filho, na qual
só ela parecia perceber a sordidez do espírito de
173/1397
seu pequeno monstro, só fez aumentar. O pai
surpreende-se com as queixas da esposa, para
ele Kevin era absolutamente normal, mas ela
tinha certeza de que isso era assim para que ela
passasse por louca.
A vida segue, as babás se demitem sucessivamente, os amigos o evitam, os professores o
acham bizarro e ele se isola. O menino é diabólico a ponto de jamais ser pilhado, nunca é
punido, faz a todos de bobos, principalmente o
pai, que nunca vê o que não quer ver. A demonstração de sua perversidade só veio se comprovar com o desenlace do massacre final.
Após o banho de sangue, Eva e Kevin terminam vivendo um para o outro, continuando sua
simbiose às avessas, dedicando-se e odiando-se
mútua e intensamente. Nada mais lhes resta
senão viver reclusos, ela transformada em um
fantasma, uma sombra do que fora, entocada
em casa, apenas aguardando a próxima visita à
penitenciária local onde ele cumpre pena pelos
assassinatos. Justo ela, que se sentia
174/1397
“mortificada com a perspectiva de me ver irremediavelmente encurralada na história alheia”.36
Entre a mãe de Damien e a de Kevin há algo
em comum, é o complexo de cuco. Embora parido das suas entranhas, Kevin é um ser com
idiossincrasias próprias desde seu nascimento,
cuja missão foi realizada: destruir a identidade
de Eva. Damien, o menino-demônio, não descansa enquanto não elimina sua progenitora,
ele não quer uma mãe, quer uma adoradora
dedicada, uma fanática sem personalidade
como sua babá, Mrs. Baylock.
Embora não tenha empreendido o projeto
da maternidade contrariada como Eva, a mãe
de Damien também acaba sofrendo. Ela
estranha-se da personalidade e frieza de seu
menino, não consegue sentir com ele a conexão
que supunha que existiria. Ambas suspeitam
que haja algo de errado com seus meninos. O
mais antigo, o diabo, ele tem suas razões,
quanto a ele não é preciso angustiar-se, pois as
175/1397
forças do mal que podem fazer de um filho o algoz dos pais estão além da vontade humana.
Mas esse alívio moral não existe no livro de
Shriver.
Na história de Kevin, a mãe foi processada e
condenada pelos pais das vítimas do massacre,
a sociedade a fez pagar, privando-a totalmente
de seu patrimônio e prestígio pelos crimes do
filho. É sua frieza, a incapacidade de ser mãe, a
grande acusada pelos crimes do filho. Essa é a
maior vitória dele, afinal, destruí-la era o que
ele mais queria.
No livro, cada fiapo do tecido da ambivalência do amor materno é rastreado, assim como as
contradições entre a maternidade e a liberdade
das mulheres. Tampouco o pai sai pagando barato, é descrito como um cidadão típico americano, fútil e superficial, cujo ofício era buscar
locações para serem cenários de comerciais. Na
vida familiar é exatamente assim que ele se
comporta, como alguém que apenas descobre o
local, ele não cria nada.
176/1397
Quanto a Eva, sua profissão também é
metáfora de seu modo de vincular-se: para escrever seus guias, ela investiga formas, lugares e
dicas para que as pessoas possam circular pelo
mundo gastando pouco e incomodando-se o
menos possível. Passar muito trabalho, gastar
demasiado dinheiro ou envolver-se em contratempos não é uma boa forma de viajar, mas
são percalços inevitáveis na vida cotidiana.
Viagens incluem revezes, mas eles não devem incomodar muito além de conexões perdidas, noites maldormidas ou refeições ruins, não
chegam aos pés dos sofrimentos que se pode ter
quando no trabalho, no amor ou na família
ocorrem fracassos, rupturas e dores. Viajando,
andamos por lugares em que ninguém nos conhece, onde nada se espera de nós e procuramos
extrair o máximo de prazer da forma menos dispendiosa possível. Eva conseguia viver assim,
mas não havia jeito de ser mãe com esses
critérios.
177/1397
Na visão do pai, Kevin cumpria o papel social do filho, era um cenário, independente de
quem ele fosse, enquanto Eva faria o da mãe,
apesar de quem ela havia sido. Onde ela via alguém no filho, apesar de demoníaco, ele
somente observava o clichê que queria ver, ficando ainda mais distante dele do que a mãe.
Os assassinatos cometidos por Kevin,37 de
certa forma, fazem valer o nome da mãe. Em
uma estranha negociação, Eva e o marido
haviam decidido que caso o filho fosse menino,
ele teria o pré-nome escolhido pelo pai e carregaria o sobrenome materno, Katchadourian,
que é de origem armênio. Ela argumentou que
seu povo foi cruelmente massacrado e por isso
mereceria ser homenageado com a nomeação
de seu filho.38
Na ausência de um pai que reivindicasse um
papel maior, assim como do pai de Eva pouco
sabemos, o menino tomou para si, literalmente,
a herança desse massacre. Apenas mudou de
lado, de vítima passou para a posição de algoz,
178/1397
como se fosse um armênio que vingasse seu
povo. Kevin sempre parece tomar as coisas de
forma literal, como o fazem as crianças e adultos com graves perturbações psíquicas.
Uma mulher sem filhos pode sentir-se “desfilhada”, como disse certa feita uma paciente
que havia passado por múltiplas e sofridas experiências de abortos provocados. Em suas associações, essa expressão reverberava enquanto
alguém que carecia de uma filiação, era “desfiliada” de uma família, por não tê-la continuado.
Filiar-se a uma linhagem, ao inserir seu filho
nela, pode fazer parte de um pacto entre uma
mulher e um homem, a partir do qual eles criam algum projeto para seu descendente. A característica da negociação entre os pais de Kevin a
respeito de seu nome determinou que ele
tivesse que apegar-se a algum traço, de preferência materno, para fazer-se elo, conexão, entre
uma origem, uma família, o passado de um
povo, e um projeto de futuro, o seu futuro.
179/1397
Kevin é filho de um pai-cenário e uma mãeviajante, entre eles não há síntese.
Para delinear um papel na vida, para fazer
seus planos, um filho inspira-se em suas origens. Ele pode fazer isso a partir daquilo que orgulha ou mesmo do que envergonha seus pais e
antepassados, pode tomar essa base para
continuá-la ou para romper com ela, mas sua
família sempre cumpre algum papel. Será melhor se isso lhe for transmitido de alguma forma
explícita, senão tentará fazer sua versão, fazerse elo de uma linhagem de algum jeito, não necessariamente de forma patética como Kevin.
A recusa de uma mulher à maternidade
parece ser a ameaça visível à continuidade das
famílias e o livro de Shriver é um exemplo das
fantasias geradas por esse medo, do quanto isso
soa ameaçador e teme-se que custe caro para a
mulher e para a sociedade. Eva é incriminada
pelos assassinatos de Kevin, assim como a sociedade teme as monstruosidades que podem
advir da ausência do amor materno. Em suma,
180/1397
esse livro une-se ao coro dos que têm maus
presságios sobre a falta de pendor de muitas
mulheres para a maternidade. Em histórias
como essa, as monstruosidades provêm das
mães contrariadas, por isso Eva é habitante do
inferno, porque esse filho endemoniado teria
sido obra sua. Por outro lado, pode funcionar
como um alerta contra a coerção social que mobiliza todas as fêmeas humanas na direção da
procriação: cuidado, se elas forem forçadas, um
monstro pode estar sendo gerado!
Sentimos alívio ao final das obras policiais,
quando fica claro quem é o culpado e quais foram suas motivações. Essa é a função desse tipo
de novela, circunscrever o mal para que possamos nos livrar dele. Por isso, frente ao deslocamento que ocorre nessa obra, da origem do
mal do diabo para uma vaga psicogênese, assim
como do papel do assassino do anticristo, para
um filho enlouquecido pela rejeição inconsciente dos pais, ou por qualquer outra sutileza,
fica difícil dormir em paz.
181/1397
A concepção significativa
Engravidar pode ser consequência de uma
concepção planejada e buscada pelo casal, ou o
resultado de um acidente, causado por falta de
informação, pela falha de um método anticoncepcional ou por uma cilada do corpo. Pode ser
a confirmação de uma fertilidade potencial,
motivo de alegria para muitas, ou a notícia de
que os próximos anos serão monopolizados pela
servidão ao filho, cujas necessidades sempre
falarão mais alto do que as da mãe. Para uma
adolescente, pode ser a afirmação da condição
de mulher, identificada com sua mãe e avó, ou o
anúncio de um futuro restrito, já que terá que
trabalhar ao invés de estudar e trocar sua vida
social por noites de fraldas e mamadeiras. Pode
ser a forma de livrar-se de uma mãe que não
deixa a filha crescer, oferecendo-lhe um neto e
deixando-o no seu lugar. Pode ser um meio de
união com o homem amado, o sinal de que o
casal quer construir algo junto, ou o início de
182/1397
uma sequência de abandonos masculinos, nos
quais a mulher sempre se encontra enfim só,
criando o filho e ruminando seus sonhos frustrados de família feliz.
A gestação é um acontecimento feminino de
múltiplos significados e boa parte deles não
contém uma intenção genuína de ser mãe. O
fato de que um deslize psicológico ou biológico
(do casal) tenha redundado em uma gravidez
não planejada não deve impor uma maternidade compulsória. Se em muitos lugares, legalmente, o aborto é considerado um crime contra
a vida, talvez seja mais criminoso impedir que
uma mulher faça essa escolha em seu destino.
Nos debates sobre a legalização do aborto,
além dos dilemas éticos sobre quando começa a
vida, e quem tem direito sobre ela, fica omitido
um fato: não conseguimos realmente dar vida a
um filho que não desejamos. Somos pouco magnânimos, incapazes de um amor que não nos
venha a calhar. Queiramos ou não, é assim que
as coisas acontecem.
183/1397
O desejo por um filho também não é de uma
só maneira, ele pode ter inúmeras conjugações
e todas elas funcionam de alguma forma. Há
ocasiões em que o filho nasce cedo demais, ou
tarde demais, que é fruto de uma relação muito
jovem, ou ainda, que já acabou, consequência
da vontade de um, mas não do outro. Enfim,
variações que demonstram que querer um filho
é algo que pode ser escrito por linhas tortas e
em geral o é. O que essas histórias têm em
comum é que alguém envolvido no acontecimento de uma gravidez, de alguma forma, está
disposto a bancá-la. Quando há escolha, tornase mais responsável a relação com cada
gestação mantida. O direito à contracepção, assim como à interrupção voluntária da gravidez,
parecem colocar as coisas em um terreno de
melhor prognóstico, já que tenderiam a nascer
os que foram de algum modo desejados, aqueles
para os quais há energia e condições psíquicas
disponíveis.
184/1397
Porém, a concepção é ainda mais complicada do que parece. A partir de sua experiência de entrevistas, realizadas na França, por
exigência legal, como parte do processo de interrupções
voluntárias
da
gravidez,
a
psicanalista Marie-Magdeleine Chatel escreveu
sobre a necessidade de pensar qualquer
gestação como significativa. Nesse trabalho, ela
constatou que, mesmo entre as mulheres firmemente determinadas a abortar, surge sempre
uma fala reveladora de que o momento da concepção foi peculiar, sintomático. Apesar das racionalizações necessárias para sustentar uma
decisão de interrompê-la, essa autora enfoca
que é sempre importante tentar alguma elaboração sobre como foi que essa concepção aconteceu. Ela acredita que é fundamental escutar “o
que ela diz em silêncio, ou melhor, o que ela
cristaliza e o que não diz?”39
Chatel nos lembra que há muito mais nuances do que a simples classificação entre filho
desejado ou indesejado, pois um acaso pode
185/1397
expressar o desejo de uma concepção. Mesmo
que não seja um voto de maternidade, pode ser
o de uma gravidez destinada a ser descartada.
Uma gravidez interrompida pode ser o simbolismo da relação finda de um casal que está
separando-se, ou ainda significar uma separação com a própria mãe, ou ainda com uma
pátria perdida, entre tantos outros exemplos
possíveis. Trocando em miúdos, percebemos
que engravidar pode ser também uma forma inconsciente de levar o corpo a expressar-se por
nós e, nestes casos, isso pode ser difícil de compreender e aceitar.
No texto sobre o estranhamento, Freud conta uma situação na qual, por acaso, encontrouse em uma rua onde mulheres de reputação
duvidosa esperam seus libidinosos visitantes
debruçadas nas janelas. Desconcertado com o
rumo que tomou sem querer, ele se encaminhou
para outro lugar, para logo depois descobrir que
seus pés o levaram novamente para o mesmo
lugar. “Afastei-me apressadamente uma vez
186/1397
mais, apenas para chegar, por meio de outro détour, à mesma rua pela terceira vez. Agora, no
entanto, sobreveio-me uma sensação que só
posso descrever como estranha.”40
Os pés traíram a consciência de Freud por
três vezes, levando-o para um lugar que ele não
admitia querer frequentar, nem como visitante
curioso. Podemos dizer que a fertilidade de uma
mulher, assim como o resto de seu corpo, é
também passível de seguir os passos ou os
tropeços de determinações inconscientes que
lhe são incompreensíveis, inadmissíveis e inadequadas desde seu ponto de vista racional.
Quando temos a possibilidade de investigar
uma concepção, veremos que ela acontece
sempre em uma data significativa, simbólica. O
estranho, tal como definido nesse texto freudiano, é justamente aquilo “que deveria permanecer secreto, oculto, mas se manifestou”. Portanto, é graças a que uma gestação pode revelar
algo estranhamente familiar, que ela pode ser
considerada sinistra.
187/1397
Uma mulher ainda sem filhos relatou seu
espanto ao ver uma menina bem pequena carregando um bebê recém-nascido dependurado
por um dos bracinhos. Quando estava prestes a
intervir para cessar com aquela maldade, percebeu que se tratava de uma daquelas bonecas
hiper-realistas, que hoje são tão populares.
Naquela época era um brinquedo raro, que ela
ainda não conhecia. O susto que aquilo lhe
causou, apoiou-se em uma evocação da sua infância, quando suas bonecas eram suas filhas:
ocorreu-lhe que terrível seria se ela tratasse assim seus futuros filhos, eles não sobreviveriam a
essa mistura de despotismo e descaso. Essa
mulher ficou chocada ao ver uma menina brincando de ser mãe com um bebê que parecia ser
de verdade. Como se dois tempos contraditórios, a maternidade lúdica e a real, se fundissem.
Uma gestação é uma dessas experiências, ela
bem pode principiar para que se tome esse
susto ao ver que a menina cresceu e a brincadeira acabou.
188/1397
Na experiência da maternidade estão em
jogo todas essas identidades: a do bebê e da
menina que se foi; a da identificação com a mãe
que se teve; a da irmã que odiou, amou ou invejou seus rivais; a da cobiça pelas “bonecasbebês-de-verdade” que só as mulheres grandes
ganhavam. Assim, podemos listar inúmeros segredos que o encontro da mulher com a materialização de sua fertilidade pode gerar, e serão
sempre uma surpresa. Aqui, o terror não
provém de fora, ele é suscitado pela revelação
de uma verdade interior.
Para a continuação, ou interrupção de uma
gestação, haverá sempre um discurso racional,
nossa versão oficial dos fatos, mas sob ele
escondem-se outras razões inconscientes que
seguramente conduzem nossos passos. Somente
uma compreensão dessas explica o sofrimento e
a cilada da mãe de Kevin, seu envolvimento
doentio com um filho que tanto quis quanto não
suportou. Eva vai arrolando aos poucos as pistas: sua identidade de eterna viajante, que
189/1397
frequentava seu casamento, sua cidade, mas
sem prender-se neles, em contraste com a vida
da sua própria mãe, que era totalmente reclusa
e vivia acuada pelos medos e pelo peso da
memória do massacre dos armênios.
Kevin levou-a para dentro desse beco do
qual ela sempre fugiu. Ele foi preso em um
centro para menores infratores, e ela ficou
presa a ele, com uma única razão de viver que
era visitá-lo. Impedida de circular na rua pela
notoriedade do filho assassino, crime do qual
ela foi igualmente acusada, ela por fim acabou
vivendo solitária e encerrada em casa, como sua
mãe. Coincidências? Não, é uma experiência ficcional das mais sinistras justamente porque poderia ter acontecido.
Um espectro ronda o primeiro lar...
Na entrada do século XX, Freud já havia
levado a peste para dentro das certezas humanas, das famílias e até da infância. A consciência,
antiga fonte de racionalidade e certezas, já não
190/1397
era considerada confiável, pois ela ignorava
pensamentos que não podiam acessá-la. Agora
adoecia-se de desejos e reminiscências, e ela
nada sabia disso.
A família, outrora asséptico refúgio moral,
estava agora contaminada pelas fantasias incestuosas e agressivas, em um destino anunciado
pelos oráculos consultados por Édipo. As crianças, longe dos anjos que se supunha serem,
tábulas rasas à mercê da educação, revelavamse capazes de fantasias eróticas envolvendo todos os orifícios do corpo, a serviço das teorias
sexuais infantis, que produzem versões delirantes do sexo. Só faltava questionarem a mãe, a
naturalidade de seu amor, para que esse festim
iconoclasta atingisse seu auge.
Coube a Margarete Hilferding, médica vienense, primeira mulher a fazer parte do grupo de
Freud, lançar essa bomba em 1911. Em sua
primeira conferência, apresentada na Sociedade
Psicanalítica de Viena, ela afirmou que “não existe amor materno inato”, ela acrescentou que é
191/1397
“por meio da interação física entre a mãe e o bebê que é suscitado o amor materno”.41 A partir
daí, muitos outros psicanalistas trabalharam na
leitura e no diagnóstico desse vínculo entre a
mãe e o filho, na classificação das diversas patologias decorrentes de sua falta, na prescrição de
condições ideais, necessárias para garantir a
sobrevivência psíquica de bebês e crianças.
Os estudos sobre as dificuldades da mãe
para estabelecer esse vínculo primordial, embora existentes, pouco transcenderam o círculo
dos iniciados. Psicanalistas importantes como
Helene Deustch, Françoise Dolto, Maud Mannoni, Marie Langer e tantos outros, descreveram e interpretaram a subjetividade feminina
frente à maternidade. Seus trabalhos esclareceram o processo pelo qual uma mãe não nasce
no parto, torna-se mãe a partir da experiência
de conviver com seu bebê. Porém, na face mais
popular da psicanálise, a que é divulgada entre
os profissionais de outras áreas assim como nas
publicações dirigidas ao público leigo, mais do
192/1397
que interpretar as fantasias da mulher frente à
maternidade, prevaleceram as obras que
descreviam
e
prescreviam
uma
boa
maternidade.
Sem dúvida, essas teorias são fundamentais,
pois a fragilidade psíquica na qual nascemos
justifica tanta preocupação. De fato, o ser humano nasce como um marsupial, psiquicamente
prematuro, incapaz de sobreviver e crescer sem
um olhar que lhe dê um lugar, como bem provaram Lacan, Spitz e Winnicott. Mas foi justamente essa insistência, tão fundamentada em
termos psicológicos e psicanalíticos, que ajudou
a assustar as mulheres: era tão alardeado que se
elas não se dedicassem verdadeiramente, amando e constituindo um lugar psíquico para seu
filho, poderiam estar alimentando um monstro,
que a experiência inicial da maternidade assumiu dimensões apavorantes. Hoje, qualquer
mulher que decide ser mãe o faz com o cuidado
e o medo de quem desarma uma bomba.
193/1397
É esse fenômeno que levou uma importante
historiadora como Michele Perrot a declarar
que “os anos 50” (passado recente sobre o qual
refletem as obras que analisamos) “assistem ao
apogeu da mãe-dona de casa, cujo condicionamento ideológico pelos media e pelos psicanalistas é denunciado em 1963 por Betty
Friedan”.42 Portanto, apesar da antiguidade do
questionamento psicanalítico a respeito do
tema, através da elaboração precursora da Dra.
Hilferding, esse tema permaneceu longe do
público.
Se sentimos muito medo quando a nossa
casa deixa de ser segura, quando escutamos
uma história de invasores extraterrestres ou
sobrenaturais, ou ouvimos estalos e rangidos
que nos deixam inseguros, imagine quando a
desconfiança e o pânico invadem nossa
primeira morada, lugar do mais visceral dos
vínculos, o único que é inextinguível e indelével:
a relação entre os pais e o filho, mais especificamente da mãe com seu bebê.
194/1397
“Acontece com frequência que os neuróticos
do sexo masculino declaram que sentem haver
algo estranho no órgão genital feminino. Esse
lugar unheimlich (estranho), no entanto é a entrada para o antigo heim (lar) de todos os seres
humanos, para o lugar onde cada um de nós
viveu no princípio. (...) Sempre que um homem
sonha com um lugar ou um país e diz a si
mesmo, enquanto ainda está sonhando ‘esse
lugar me é familiar, estive aqui antes’, podemos
interpretar o lugar como sendo os genitais de
sua mãe ou o seu corpo.”43
Na anterior citação, retirada do texto de
Freud, fica explícita a relação de todos nós, homens e mulheres, com esse primeiro lar, o original e originário. As mulheres e a maternidade
sempre foram guardiãs do doméstico, do
mundo interno, do conhecido, do familiar, elas
constituíam um ponto seguro de partida para
um mundo inseguro. Desde que elas passaram a
considerar a maternidade como uma opção, não
mais um destino inevitável, ali se abriu mais
195/1397
uma brecha para o medo, o estranhamento,
que, como se vê, já habitavam esse ninho.
As obras de terror, elaborações artísticas da
angústia, são bons índices dos pontos frágeis de
uma época, refletem os cantos escuros onde o
desamparo nos aguarda de tocaia para se atirar
sobre nós. Trata-se de algo muito diferente do
medo real, pois nunca se morreu tão pouco de
parto quanto hoje, e nunca tantos filhos sobreviveram à primeira infância.
Se da morada original não se sabe mais o
que esperar, seu primeiro habitante, o bebê humano ou a criança que dele advirá também
pode ser perigoso, imprevisível, pouco familiar.
Acreditamos que essas monstruosidades representam a vingança dos filhos que a mulher passou a ter o direito de não querer, são a figura
duplicada da mãe contrariada com sua
presença. Frente à explicitação das incertezas e
ambiguidades da mãe, a figura do desamparo
que se evidencia através dessas representações
transfigura-se em monstros. Já não estamos
196/1397
mais seguros em lugar algum, a consciência é
incerta, a mãe poderia não querer sê-la, a
família pode não ser capaz de fazer da criança
um ser humano saudável. Excessivamente conscientes da nossa fragilidade, vamos imaginando monstros, como uma criança pequena
adivinhando o que se esconde nas sombras de
seu quarto enquanto o sono não vem. Sem a
mamãe, fica mesmo difícil dormir em paz.
Notas
1 Citação de Colette Audry In: BEAUVOIR, Simone. O
Segundo Sexo: a experiência vivida. São Paulo: Difusão Européia do livro, 1960, p. 275. Beauvoir
refere-se ao estado de espírito da mãe com as
seguintes palavras: “Durante a gravidez só lhes cabia
entregarem-se a sua carne; nenhuma iniciativa era
exigida. Agora há em face delas uma pessoa com
direito sobre elas (...) Ele inflige-lhes uma dura servidão e não faz mais parte delas: apresenta-se como
um tirano; elas olham com hostilidade esse pequeno
indivíduo estranho a elas e que constitui uma
ameaça à carne, à liberdade, ao seu eu inteiro”.
197/1397
2 Ibidem, p. 262.
3 Em português o livro foi chamado de O filho de
Rosemary e também, em outra edição antiga, A semente do diabo.
4 BEAUVOIR, Simone. O Segundo Sexo: a experiência
vivida. São Paulo: Difusão Européia do livro, 1960,
p. 263.
5 O mais popular destes é Édipo, que gera vasta prole
com Jocasta, sua mãe. Mas também Mordred, filho
do Rei Arthur com sua meia-irmã Morgana, é responsabilizado pela desgraça de seu lendário pai.
6 Referimo-nos, é claro, não aos aspectos históricos,
mas aos aspectos simbólicos, como, por exemplo, fixar o ano zero da nossa era justamente no nascimento
de Cristo.
7 Estas teses estão em seu livro The Feminine Mystique. New York: W.W. Norton & Company Inc, 2001
(é publicação original é de 1963).
8 Chamada do cartaz do primeiro filme da série.
9 Confira esse trabalho no livro HR Giger ARh+,
editora Paisagem-Taschen, 2004. Ou no site
www.hrgiger.com.
10 Essa opinião é partilhada por Simone Klabin, que assim escreveu em seu artigo “A Força de Alien”,
postado no site “Bolsa de Mulher”, em 13 de julho de
198/1397
11
12
13
14
15
2001: “Esse filme foi lançado numa época marcada
por grandes conquistas por parte das mulheres (...).
Obviamente que o cinema, como veículo de cultura/
pensamento popular, também traduziu esses acontecimentos em suas histórias. Ellen Ripley, a heroína
de “Alien”, simbolizava a mulher guerreira, independente e sobrevivente”.
BEAUVOIR, Simone. O Segundo Sexo: a experiência
vivida. São Paulo: Difusão Européia do livro, 1960,
p. 262.
Essa fecundação dormindo lembra as versões arcaicas da história de Bela Adormecida. Tanto na versão
de Perrault, na qual a princesa dá a luz a gêmeos enquanto permanece escondida no castelo, sendo considerada ainda adormecida para o resto do reino,
quanto mais explicitamente no conto de Basile, Sol,
Lua e Tália, onde a heroína é fecundada durante seu
sono e acorda já mãe de gêmeos.
BEAUVOIR, Simone. O Segundo Sexo: a experiência
vivida. São Paulo: Difusão Européia do livro, 1960,
p. 278.
Ibidem, p. 270.
Ibidem, p. 83 e 84.
199/1397
16 DEUTSCH, Helene. La Psicologia de la Mujer, Parte
II – Maternidad. Buenos Aires: Ed. Losada, 1960, p.
52.
17 LANGER, Marie. Fragmento de uma conferência
proferida em Madri em 1984 (tradução nossa).
18 FRIEDAN, Betty. The Feminine Mystique. New
York: Norton, 2001, p. XXXIV.
19 BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,
1985, p. 356.
20 Simone de Beauvoir, citando o diário de Sofia Tolstoi: “Tudo aconteceu. Dei à luz, tive minha parte de
sofrimentos, tive alta e pouco a pouco volto à vida,
com um medo e uma inquietude constantes acerca
de meu filho e principalmente de meu marido. Alguma coisa partiu-se em mim”. BEAUVOIR, Simone.
O Segundo Sexo: a experiência vivida. São Paulo:
Difusão Européia do livro, 1960, p. 276.
21 Em 2006 o filme ganhou uma refilmagem com a
direção de John Moore, que em nada difere do
original.
22 Referimo-nos ao pássaro parasita de ninhos Cuculos
canorus, pássaro migrador que se reproduz na
Europa e inverna no norte da África. As fêmeas
colocam seus ovos no ninho de várias outras
200/1397
espécies, e pouco depois do nascimento o cuco vai
desalojar os filhos legítimos, ficando com os pais adotivos só para ele.
23 O nome do menino é sonoramente próximo a daimon, gênio em grego, ou daemon em latim, na
mesma acepção de gênio tutelar, que pode ser bom
ou ruim, mas que posteriormente veio dar na palavra
demônio como príncipe das trevas, tal qual a
conhecemos.
24 A título de anedota cinematográfica, como uma
citação inserida na refilmagem de 2006 dessa
história, a babá guardiã do demônio, Mrs. Baylock, é
protagonizada pela mesma atriz, Mia Farrow, da personagem de Rosemary, que já havia se revelado uma
boa mãe para o demônio no filme de Roman
Polansky.
25 Não ignoramos a existência de mulheres que vinham
progressivamente ocupando outros lugares, na ciência, nos negócios, no pensamento e até na política.
Mas elas constituíam sempre uma exceção, no fim
das contas teriam que escolher entre o papel da casada e o da solteirona (mesmo que tivessem companheiros ou amantes) ou mesmo seriam consideradas
pelos seus companheiros de trabalho ou luta como
fora de seu gênero, “como homens”.
201/1397
26 No passado, vide as duradouras e terríveis práticas
da inquisição, isso ocorria enquanto um discurso
dominante, porém ainda hoje temos religiões (especialmente as neo-evangélicas) onde a possessão demoníaca é a representação possível dos problemas da
alma e o exorcismo é o feijão-com-arroz das curas.
27 Freud citando Heine, in: FREUD, Sigmund. Obras
Completas, Vol.XVII. O ‘Estranho’ (1919) Ed. Standard. Rio de Janeiro: Imago, 1987, p. 295.
28 Ibidem, p. 249.
29 LACAN, Jacques. Escritos. Ver: O estádio do espelho
como formador da função do eu tal como nos é revelada na experiência psicanalítica. Rio de Janeiro
Jorge Zahar Ed., 1998.
30 WINNICOTT, D.W.. O brincar e a realidade. Ver:
Papel de espelho da mãe e da família no desenvolvimento do indivíduo. Rio de Janeiro: Imago, 1975.
31 “(...) é numa identificação com o outro como vive
toda a gama das reações de prestância e de ostentação, das quais sua conduta revela com evidência a
ambivalência estrutural, escravo identificado com o
déspota, ator com o espectador, seduzido com o sedutor. Essa relação erótica na qual o indivíduo
humano fixa-se numa imagem que o aliena de si
mesmo, tal é a energia e tal é a forma onde se origina
202/1397
32
33
34
35
36
37
38
essa organização passional a que chamará seu ‘eu’.
Essa forma se cristalizará efetivamente na tensão
conflitiva interna ao sujeito, que determinará o despertar de seu desejo pelo objeto de desejo do outro.”
In: LACAN, Jacques. Escritos. Siglo Veintiuno Editores. La Agresividad em Psicoanalisis, p. 106.
In: PAPINI, Giovanni. El piloto ciego. Madrid:
Hyspamerica Ediciones S.A. o conto chama-se: Dos
imágenes en un estanque.
DEUTSCH, Helene. La Psicologia de la Mujer, Parte
II – Maternidad. Buenos Aires: Ed. Losada, 1960, p.
59.
SHRIVER, Lionel. Precisamos falar sobre Kevin.
Rio de Janeiro: Editora Intrínseca, 2007.
Ibidem, p. 66, 67, 69, 71 e 76.
Ibidem, p. 45.
O livro de Shriver contém uma chave na trama, que
nos absteremos de analisar para não estragar o
prazer da leitura para aqueles que ainda não a
fizeram.
Também conhecido como “Holocausto Armênio”,
iniciado em abril de 1915, foi o extermínio sistemático dos armênios residentes na Turquia, punidos pela intenção de constituir uma pátria
autônoma. Esse é considerado um marco histórico
203/1397
39
40
41
42
43
na experiência do genocídio, pela sua documentação
e pelas provas da intenção deliberada de bani-los da
face da terra. Acredita-se que morreram 1,5 milhões
de armênios nesse genocídio. É interessante observar
como nessa ficção o pequeno monstro é conectado
com uma das experiências paradigmáticas do mal,
aquele para o qual não necessitamos de mensageiros
sobrenaturais, do qual nós humanos nos incumbimos pessoalmente.
CHATEL, Marie-Magdeleine. Mal-Estar na Procriação: As Mulheres e a Medicina da Reprodução. Rio
de Janeiro: Editora Campo Matêmico, 1995, p. 36.
FREUD, Sigmund. Obras Completas, Vol.XVII. O
‘Estranho’ (1919) Ed. Standard. Rio de Janeiro:
Imago, 1987, p. 296.
A esse respeito, ver o minucioso estudo dessa intervenção pioneira realizado pelas psicanalistas Helena
Besserman Vianna e Teresa Pinheiro intitulado As
Bases do amor materno (São Paulo: Escuta, 1991).
DUBY, Georges e PERROT, Michelle. A História das
Mulheres no Ocidente. Vol.5: século XX. Porto:
Edições Afrontamento.
FREUD, Sigmund. Obras Completas, Vol.XVII. O
‘Estranho’ (1919) Ed. Standard. Rio de Janeiro:
Imago, 1987, p. 305.
CaPÍTuLO
2
Toda família é uma ilha
Os Robinsons Suíços_Perdidos no
espaço_Os Waltons
Famílias extensivas e nucleares_Fantasia
de família autossuficiente_Complexo de
Édipo_Paternidade diplomática_Ficção
nostálgica_Crescimento enquanto traição
205/1397
Quando fui demitido uma vez do serviço, expliquei
para minha filha de 4 anos o que havia acontecido.
“O trabalho não me quis mais.” Ela respondeu bem
calma: “São bobos, fique calmo, será meu pai
sempre.” Eu dependo de um lugar para falir na
minha vida. Deixe-me ao menos a família.1
A
imagem clássica de família que cultivamos em
nossos sonhos é a definida como extensiva: muitos filhos, crescendo próximos de tios, primos,
avós; ela faz parte de uma comunidade com a qual
mantém relações de troca e participação, geralmente
em um lugar de poucos habitantes; é capitaneada por
um pai presente, seguro e firme em suas convicções,
e gerenciada por uma mãe dedicada e amorosa; o cotidiano desse grupo reúne-os em torno da grande e
farta mesa de refeições, sempre conjuntas e regulares. Porém, para conseguir manter viva essa cena
familiar idílica, a qual na prática sempre teve pouca
similaridade com a realidade, tentaremos demonstrar que foi necessário um esforço ficcional intenso.
206/1397
Obviamente existem famílias como a descrita acima,
mas como uma exceção que confirma a regra.
Já a realidade atual é bem outra: pequenos
núcleos, formados por um casal e poucos filhos,
quando não são famílias reconstituídas, com filhos só de um ou outro cônjuge, ou famílias
monoparentais, ou ainda famílias de casais homossexuais. Essas famílias se instalam nos
lugares onde há trabalho, muitas vezes longe de
suas origens, e as refeições familiares só
acontecem quando a pesada rotina de trabalho,
estudo e atividades extras permitirem. Cada
pessoa do grupo familiar tem seu mundo particular, frequenta grupos de afinidades, reuniões
de trabalho ou amizade, práticas desportivas,
cultiva seus hobbies. As atividades conjuntas
são raras, seguidamente organizadas em torno
de algum programa de televisão; algumas conseguem manter refeições regulares, de fim de
semana ou então festivas, sendo que muitas
vezes um grupo de amigos, colegas ou vizinhos
cumpre esse papel de família ampliada; se
207/1397
partilharem uma religião, poderão ter um momento de reunião em um culto. Nas horas livres
caseiras, em geral escassas, nem sempre a prioridade é o convívio familiar, dedica-se esse
tempo à televisão ou ao computador. Também é
comum que as famílias precisem recomeçar a
vida sucessivas vezes em diferentes comunidades, o desemprego e a globalização das companhias tornaram isso necessário.
Dessa experiência de desapego dos lugares
de origem poderia resultar um maior
fechamento do grupo familiar sobre si mesmo,
como núcleo de resistência à perda regular de
referenciais externos. De fato, tende a ser assim
quando os filhos são pequenos, porém, a partir
da adolescência destes, a tendência é que ocorra
uma pulverização: os filhos se misturam ao
mundo externo com mais facilidade, incorporam insígnias típicas de seu tempo e do lugar
onde vivem, tornando-se assim estanhos à cultura familiar. Logo os filhos partirão em busca
de oportunidades, não necessariamente para
208/1397
outras cidades, mas talvez para outras formas
de vida, ou ficarão no lugar onde estavam enquanto os pais é que vão embora, mudando-se
em função de trabalho ou de um novo estilo de
vida escolhido.
Na linha oposta a essa tendência existe
outra, espécie de contraponto ou de reação ao
descolamento dos vínculos entre as pessoas e
com os lugares: são as “famílias-cangurus”, cujos filhos, já jovens adultos, postergam ao máximo a saída de casa. Chama-se também de “geração boomerang” aos filhos que ficam saindo e
voltando, recuando para o ninho após separações ou outras adversidades.
Não é somente a dificuldade de amadurecer
dos filhos que contribui para esse fenômeno, é
também, por parte dos pais, uma defesa frente
ao medo de enfrentar novas etapas, o que
sempre acarreta inevitáveis balanços de perdas
e ganhos. Eles fazem qualquer coisa para evitar
conscientizar-se de que estão entrando em um
tempo de maturidade, o qual, por mais que
209/1397
compreenda várias décadas, infelizmente é prévio à próxima etapa: a indesejável velhice, ela é
um dos monstros do nosso tempo. Não importa
a idade que se tenha – dos 40 aos 80 – não há
investimento que seja considerado excessivo
para evitar que apareçam no corpo as marcas de
uma vida extensa. Essa é mais uma das razões
pelas quais se evita o contato entre as diferentes
gerações. Em um primeiro momento, os avós
são úteis, quando estão disponíveis para tanto,
na repartição do trabalho com as crianças
pequenas da família, porém, com o passar do
tempo sua presença, marcada pelo indesejável
convívio com as limitações físicas e perceptivas
da velhice, tende a ser difícil para os adultos
maduros.
Dentro desse quadro de desencontros,
poderíamos supor que a família não tem motivo
para ser fonte de grandes sentimentos ou dissabores. Porém, por mais que o cotidiano possa
ser pouco favorável ao convívio, cabe aos membros das famílias influenciar na formação uns
210/1397
dos outros, através de relações que são sempre,
de algum modo, amorosas. Isso não quer dizer
que cada família seja um ninho de amor: os
afetos muitas vezes funcionam pelo seu contrário, por exemplo, o ódio, que é outra possibilidade do amor. Portanto, enquanto houver fortes sentimentos ou ressentimentos entre os
membros de uma família, sabemos que estamos
lidando com pessoas e vínculos significativos. É
somente no caso da indiferença, quando pais,
filhos e irmãos não conseguem tornar-se nem
minimamente importantes uns para os outros,
que isso deixará sequelas mais graves nos envolvidos, que viverão uma experiência de vazio
que surge nas oportunidades em que a vida lhes
exige uma força maior.
Nesse sentido, uma família é composta por
aqueles que nunca foram nem serão indiferentes entre si, porque eles, principalmente os
pais, são a fundação sobre a qual se equilibra
tudo aquilo que vamos construindo e transformando em nós mesmos. Quanto mais sólida
211/1397
for essa fundação, mais carga ela suportará,
melhores condições terá um sujeito de enfrentar os revezes da vida.2
Para aqueles que marcaram nossa personalidade nos anos de formação, geralmente reservamos inúmeras queixas, consideramos que o
pai foi fraco ou forte demais, enquanto a mãe é
julgada presente ou ausente em excesso. A
família como um todo tampouco escapa dessa
crítica mordaz: será considerada sufocante ou
dispersa, infantilizante ou gélida. As frases
típicas dos filhos queixosos são: “o excessivo
cuidado que me dispensaram me incapacitou”,
“o pouco apoio que me deram impediu-me de
conseguir mais na vida”, “nunca entenderam o
que eu realmente queria” e assim por diante. A
cantilena de recriminações e ressentimentos é
infinita.
A família é a grande destinatária da tendência, humana e universal, de terceirizar nossos
fracassos e justificar nossas frustrações,
jogando a culpa pelo nosso destino nos outros.3
212/1397
O ressentimento que os filhos dedicam aos seus
pais é o recurso psíquico que vai ser usado por
muitos e é difícil escapar dessa armadilha.
Maria Rita Kehl define que “ressentir-se significa atribuir ao outro a responsabilidade pelo
que nos faz sofrer. Um outro a quem delegamos, em um momento anterior, o poder de
decidir por nós, de modo a poder culpá-lo do
que venha a fracassar”.4
Além dessas facilidades, no sentido de encontrar outros culpados pela nossa própria imperfeição, a família é assombrada por fantasmas
que são intrínsecos ao amor. A família conjugal
moderna constituiu-se sobre a base da livre
escolha amorosa: cabe a cada indivíduo encontrar e ficar com aquele que melhor lhe serve
como parceiro para a vida e para seus projetos.
A liberdade de escolha amorosa é uma boa
solução com que contamos atualmente para
muitos tormentos sofridos outrora, por todos
aqueles que foram obrigados a passar a vida ao
lado de alguém de quem não gostavam. Por
213/1397
outro lado, essa possibilidade de escolher-se por
amor é fonte de outros impasses, como a indecisão frente a tantas possibilidades de relacionamentos, tipos de parceiros disponíveis ou
modos de vida que se teria junto de um ou
outro, assim como muitos enfrentam a paralisia
que se produz quando precisam e não conseguem expressar ou admitir seus desejos.
Antes, imposições e convenções sociais tornavam esse problema inexistente, a ninguém
ocorreria que o amor pudesse ou devesse contrariar desígnios estabelecidos pela tradição ou
vontade paterna.5
A sexualidade, no tempo em que as uniões
eram tradicionalmente estabelecidas, poderia
até fugir a essas convenções, pois o desejo sexual não fazia obrigatoriamente parte da cena, a
não ser em suas funções reprodutivas. O desejo
sempre teve motivos mais inconscientes e intrincados do que a lei dos homens determina,
mas as famílias eram organizadas pelo sistema
jurídico e de costumes, jamais pelos desígnios
214/1397
dos impulsos sexuais ou amorosos. Já em um
regime de livre escolha conjugal, pressupõe-se
que a regra do jogo é que o amor e o desejo sejam indicadores de que se tomou o caminho
correto. É como fixar o alvo de uma competição
de tiro em um coelho solto no campo, um parâmetro que nunca se fixa, fica quase impossível
de acertar.
Na intimidade de um casal, ao longo de uma
relação, ocorrem inúmeros e mutantes sentimentos de amor e ódio, indiferença e abnegação, tanto entre eles quanto em relação aos filhos que compartilham. Os filhos, por sua vez,
também amam e odeiam àqueles que foram
tudo para eles no início da vida, resultando em
uma pesada carga de sentimentos tão ambíguos
quanto fortes. Por isso a família contemporânea
é dramática, intensa e complexa, como toda relação baseada no amor.
O hábito de fantasiar com a família que
gostaríamos de ter tido serve também para
acusar a nossa pelas insuficiências que possui. É
215/1397
dessa fonte que bebem uma série de fantasias
nostálgicas, onde são retratadas famílias de
épocas passadas, nas quais encontramos toda a
harmonia de que a realidade nos privaria.
Provavelmente a crise e a queixa sobre a família
é um fenômeno tão antigo quanto a própria
família nuclear.
Fenômenos típicos dessa ficção nostálgica
são duas famílias isoladas, ilhadas frente a um
meio hostil, ambas inspiradas no relato do náufrago Robinson Crusoe (escrito por Daniel Defoe, em 1719): são os Robinsons Suíços, de um
livro de Johan David Wyss, em 1812, e uma
família de Robinson futuristas, do seriado
americano Perdidos no Espaço, de 1965. Ambas
as famílias reproduzem o isolamento e a luta do
pioneiro de Defoe, abandonado pela civilização,
administrando seus destroços e conhecimentos
com perseverança e sabedoria. Na verdade, analisaremos neste ensaio histórias de três famílias ficcionais, a terceira é de um seriado americano muito popular na década de 1970,
216/1397
chamado Os Waltons, cujos episódios variam
em torno da vida cotidiana de uma família interiorana da década de 1930. Embora esta jamais tenha se autointitulado uma família
“Robinson”, como no caso das anteriores, consideramos que pode ser uma espécie de elo encontrado entre aquelas histórias de náufragos,
factualmente isolados e a família nuclear contemporânea. A família dos Waltons era integrada na comunidade, mas fechada enquanto
núcleo de resistência afetiva. Essas histórias são
fantasias que se alimentam da nossa relação
queixosa com a família possível, aquela que
realmente constituímos e nos constituiu.
A Família Robinson_Os Robinsons Suiços
Relato de um Náufrago_o primeiro Robinson
A vida e as estranhas e surpreendentes
aventuras de Robinson Crusoe, de York, marinheiro: que viveu vinte e oito anos totalmente
só em uma ilha não habitada na costa da
217/1397
América, próximo à embocadura do grande rio
Orenoco; e que foi lançado à praia em virtude
de um naufrágio, em que todos os homens
pereceram exceto ele mesmo. Seguido de um
relato sobre como ao final foi estranhamente
libertado por piratas. Escrito por ele mesmo.6
Foi com esse longo nome de batismo que a
história de Robinson Crusoe chegou ao público,
abrindo novos caminhos para a literatura.
O romance de Daniel Defoe relata em detalhes obsessivos, que ele assegura terem sido extraídos da vida real, a sobrevivência prática do
náufrago: como construiu sua moradia, o que
ele comia, seu sistema de defesa, caçadas, problemas de saúde, religiosidade. A aventura
mesmo, as viradas na história, ficam congeladas
por décadas, pois o primeiro evento empolgante
é o surgimento de Sexta-feira, companheiro tardio de desventuras. O resgate não chega e tudo
depende do protagonista, que sequer é verdadeiramente heroico, pois sua força não lhe
218/1397
traz outra glória além da oportunidade de
sobreviver.
A novidade literária de Defoe foi elevar a
perseverança humana à condição de destino
heroico, assim como de considerar relevantes
para o leitor as miudezas e mazelas da vida cotidiana. Crusoe narrou o ato de comer, dormir,
sua
higiene
e
cuidados
de
saúde.
Definitivamente, revelou-se possível fabricar
um mito com material prosaico, uma história
tão simples que conquistou inusitada popularidade e rivalizou com os relatos mágicos e
fantásticos, cheios de atos de bravura, paixões
ou traição, das narrativas míticas ou folclóricas
até aquela data. O homem só e sua determinação conquistaram seu lugar na arte, como o
náufrago fez com sua ilha, por isso Crusoe é
considerado por certos autores como primeiro
herói do romance moderno e do individualismo.7
Tenhamos ou não frequentado as páginas
de Defoe, todos conhecemos essa história. Ela
219/1397
provavelmente se confunde com todas suas versões e a obra dilui-se em corruptelas, citações e
adaptações infanto-juvenis. Hoje não é improvável que a narrativa de Defoe se misture
com a imagem de Tom Hanks e sua bola de basquete, na versão cinematográfica de Náufrago.8
Histórias oportunas sempre se afastam de sua
versão original e geram uma rede imaginária
que as amplia e esparge.
A família Stark
Um século depois, Johann David Wyss, um
pastor suíço, criou uma história para distrair e
instruir seus quatro filhos. Era uma adaptação
da história de Crusoe, na qual uma família assumia o papel do náufrago. Fora essa modificação, o relato dos Robinsons Suíços repete a
fórmula da personagem de Defoe, na narrativa
de cada detalhe da organização da vida na ilha.
A história familiar foi tornada livro vários anos
depois, quando um destes meninos, Johann
Rudolf Wyss, já homem, concluiu e editou o
220/1397
manuscrito inacabado do pai.9 Dali em diante,
vários tradutores foram ampliando e adaptando
essa história para diversos públicos, incluindo
uma versão cinematográfica dos estúdios Disney.10
Esta história acabou sendo a soma de todas
as suas versões, por isso convém tratá-la como
um mito que se recria, adapta e transforma
mantendo um núcleo comum, um cerne, uma
essência que o torna reconhecível. A história da
família suíça que naufraga em uma ilha tropical
e de como eles se organizam para sobreviver,
possui pouca ou nenhuma relevância em função
de seu estilo literário, ao contrário da obra de
Defoe, que lança a pedra fundamental de uma
tendência ficcional. Considerado literatura
infanto-juvenil, o texto é fraco, mesmo porque
entre tantas versões ele quase se perde. Importante mesmo é a fórmula que inventa: a
colocação de um grupo familiar restrito, composto apenas pelos pais e filhos, na condição de
náufragos solitários, a vitória dessa família
221/1397
isolada do mundo sobre os revezes da natureza,
ou seja, agora a família é a personagem principal. Se a partir da obra de Defoe podíamos
pensar na metáfora de que todo homem é uma
ilha, a partir do relato de Johann Wyss consideramos que toda família também o é.
Não se trata de um isolamento possível, mas
sim fantasiado, como parte de um voto de autonomia, tão caro à sociedade que se desenvolveu
a partir dos tempos modernos. Essa fantasia só
tornou-se possível à medida que se rompeu com
a univocidade com que a tradição fazia o
homem: dificilmente, em tempos antigos ou
medievais, alguém buscaria um destino que
rompesse com seus antepassados ou transcendesse sua cultura de origem.
O ideal do self made man, que acredita ter
vencido sozinho, apesar de suas origens, como
se fosse possível partir de lugar nenhum, é uma
marca do individualismo triunfante. Não há
como negar: ilhar-se é impossível, todos temos
ponto de origem, assim como nosso destino é
222/1397
ligado ao de todos. Porém, prezamos acima de
tudo a fantasia de pensar-nos isolados, senhores de nossas escolhas, independentes de um
meio que poderíamos domesticar para nosso
uso, embora nos seja hostil.
O livro do filho do pastor Wyss é também
um libelo pedagógico (em seus ideais, comparável a Emile, de 1762, de Rousseau), é o relato ficcional de uma experiência de formação.
O naufrágio retira as crianças do contexto social
e as coloca em contato com a natureza e as
exigências de lidar com os desafios práticos de
uma vida mais rudimentar. Orientadas pela
figura de um pai-tutor compreensivo e culto,
elas poderão desenvolver suas capacidades naturais, longe das deformações da sociedade e
suas dubiedades morais. O isolamento da
família, assim como a forte presença das
reflexões teológico-pedagógicas do pai, oportunizam o diálogo entre o pupilo que desabrocha e a figura paterna que o auxilia a elaborar
experiências, transformando-as em lições.
223/1397
A experiência da paternidade é uma gestão
cada vez mais socialmente controlada: partindo
do poder quase absoluto que já teve, onde a
autoridade paterna podia equivaler à lei em diversas situações, encaminhamo-nos para a realidade contemporânea, na qual não somente o
pai precisa de reconhecimento legal para sê-lo,
como ainda é vigiado pelo estado, pelos profissionais de saúde e educação, assim como criticado pelas mulheres. Nesse contexto, o sonho do
pastor Wyss, de um pai livre dessa pressão social para incumbir-se da condução dos filhos,
não soa estranho. Embora datado do início do
século XIX, trata-se de um pai contemporâneo,
pois se ocupa pessoalmente da educação dos filhos, enquanto retém a liberdade do pai do passado, já que a vigilância externa fica suprimida
pelo isolamento dos náufragos. Essa é outra característica que serve de estímulo a essa fantasia de família insular: a volta da autonomia dos
pais, hoje tão criticados e vigiados por todos.
224/1397
Do livro original, com suas enfadonhas
lições de otimismo protestante, como resultado
de um lento e contínuo processo de transformação, os tradutores foram inclinando a história
para um relato mais pragmático de aventuras,
nas quais a ênfase acabou colocada no contraponto entre a adversidade do meio e a eficiência
do grupo familiar para enfrentá-las. O enfoque
original na força da fé e nos ensinamentos paternos foi dando lugar a outra aposta: na família
enquanto grupo de referência e abrigo, equipe
vencedora no combate contra a natureza
selvagem. Versões posteriores incluíram até homens maus, como os piratas, cuja presença
ameaçadora servia para realçar a integridade
moral dos Stark (que era o nome de família dos
Robinson Suíços).
A liberdade tomada por múltiplos
tradutores, adaptadores e diretores de cinema
para transformar essa história ao seu bel prazer
é surpreendente. É isso o que empresta a essa
trama
a
característica
de
fantasia
225/1397
compartilhada, espécie de mito contemporâneo,
flexível para ser reescrito de diversas formas.
Cabe-nos detectar qual é o núcleo comum, a
parte dessa trama que, a partir do relato do pastor Wyss, vai dando lugar às variações
posteriores.
A família Stark é levada a emigrar para a
Nova Zelândia, fugindo de complicações
político-econômicas da Europa pós-Revolução
Francesa, ou conforme a versão para os Estados
Unidos, em busca de uma herança. Ela é composta por Joe Stark, um pacato cidadão de
Berna, sua esposa Elisabeth,11 uma mulher fabril e inteligente, e quatro filhos homens, meninos de boa índole, criativos, travessos, mas
dóceis. Pouco ficamos sabendo sobre a vida que
levavam na Suíça, dos outros passageiros ou
tripulantes do barco naufragado, o foco é apenas na fé e na harmonia familiar. O resto do
mundo sucumbe da mesma forma como a
grande tempestade liquidou com os outros
viajantes do navio.
226/1397
Não acompanhamos maiores conflitos nem
questionamentos dos membros da família Stark
sobre a eminente transposição ao novo mundo,
a respeito do qual deveriam certamente nutrir
fantasias, ou mesmo saudades da Suíça perdida.
Talvez algum comentário, uma breve inquietação, à qual logo se acrescenta imediatamente um rápido consolo e um momento de
confraternização familiar agradável. Mais
ainda, o convívio com uma ilha tropical, cuja
natureza exuberante é capaz de impactar
qualquer um, é rapidamente assimilado pela
família. Surpreendentemente eles parecem
saber identificar os alimentos e animais. Tudo o
que encontram é facilmente classificado em
comestível, cultivável ou utilizável para construir. Os animais são para caça, de criação ou domesticados. A família relaciona-se com a
natureza de forma pragmática.
Os meninos, cheios de saúde e energia, até
cometem algumas irreverências, preocupando
pais e irmãos quando ousam partir em uma
227/1397
excursão arriscada e não previamente autorizada, mas a família jamais os repreende, pelo
contrário, suas ousadias sempre redundam em
algum tipo de descoberta que enriquece o
grupo. É uma família tão boa que teria tudo
para matar o leitor de tédio.
É intrigante como um relato construído a
partir de personagens tão planos pode tornar-se
um clássico. Mas o tédio não acontece e o livro
seguiu fazendo carreira através da infância e
puberdade de inúmeras gerações, sua história
incorporou-se ao acervo comum das referências
culturais. Esse sucesso decorre do acerto da
fantasia, que apresenta sob forma de ficção todas as qualidades desse ideal, que se inaugura e
consagra ao longo do século XIX: o “casamento
de companheirismo” fundador de uma família
que funciona como uma “fortaleza emocional”.12
É importante lembrar que algumas coisas
que parecem óbvias para nosso tempo eram impensáveis em épocas não tão remotas. Por exemplo, supor que o casal possa ter uma relação
228/1397
fraterna e que a formação moral dos novos
cristãos esteja aos cuidados de uma dupla de
leigos, um dos quais é uma mulher. Mais difícil
ainda é conceber que essa esposa seja instruída
e conselheira nos assuntos mundanos que preocupam seu marido. Seria inacreditável que ele
admitisse publicamente essa influência feminina e ainda que encontre na família apoio emocional em momentos de fraqueza, que eles sejam do conhecimento da esposa e filhos,
chegando ao ponto de supor que haja amor e
até desejo em relação à mulher oficial, mãe dos
herdeiros. Em termos de vida doméstica essas
novidades não possuem nem 200 anos.
Essa forma de organização familiar
caracteriza-se pela educação das crianças por
uma mãe instruída, capaz de prepará-las para
representar a família em um mundo cada vez
mais competitivo. A esposa do século XIX já se
beneficia com a incorporação das conquistas
das primeiras feministas, mesmo que nunca
tivesse ouvido falar das ideias delas, ou até
229/1397
discordasse radicalmente. A posição das mulheres se valorizou graças aos debates e reivindicações de igualdade, liberdade e fraternidade
da Revolução Francesa aplicados também à
desigualdade entre os sexos, conduzidos por
visionárias como Olympe de Gouges13 e Mary
Wollstonecraft.14
A luta feminista foi absorvida pela instituição familiar, ao invés de ajudar as mulheres a
romper com ela, como se supunha que poderia
ocorrer. Dentro do casamento, elas passaram a
ter uma importância social maior, que se encontra muito bem retratada na dinâmica da família
Stark. A voz de Elisabeth é sempre um exemplo
de sabedoria e ponderação, é também dela que
partem muitas das boas ideias que solucionarão
os problemas do grupo, assim como exigências
em termos de segurança e higiene, cuja importância sempre é confirmada. Como diria a
historiadora Michelle Perrot, o feminismo age
por uma sucessão de ondas, de tal forma que há
os momentos de ruptura, cujas novidades, na
230/1397
sequência, são incorporadas na vida das pessoas
comuns.
Freud, conflitos no lugar da ilusão
A família retratada por Wyss também ilustra o isolamento do núcleo composto apenas
por pais e filhos, cada vez mais distanciado de
avós, tios e primos. É a vitória do modelo de
família nuclear sobre o da família extensiva. A
psicanálise, inventada no final do século vivido
pelos náufragos de Wyss, já toma como estabelecida a ideia de uma família centrada no
cotidiano íntimo e cálido de pais e filhos convivendo como célula individualizada do contexto social.
Mas nem tudo é harmonia como quer Wyss;
dentro desse caldo de cultura Freud constatou
que germinavam as tramas amorosas, as neuroses e complexos que faziam sofrer seus participantes. Convém lembrar quão recente era esse
núcleo diagnosticado por ele, quão rapidamente
a harmonia proclamada pelos náufragos suíços
231/1397
revelou-se uma complicada rede de encontros e
desentendimentos amorosos.
Pelo jeito, a família nuclear já nasceu complexa, talvez por isso a história de Wyss tenha
feito tanto e duradouro sucesso, por propor
uma família onde os vínculos amorosos e as
identificações necessárias para crescer fluíam
sem obstruções, problemas, ruídos ou sofrimentos. Afinal, cada nova família constituída
baseia-se na esperança de que tudo vai dar
certo, de que está se fundando um grupo capaz
de enfrentar os piores contratempos, capaz de
sobreviver por seus próprios meios, mesmo
quando abandonado, esquecido e ameaçado
pelo mundo externo. Esse grupo autossustentável, cujos membros só nutririam boa
vontade uns com os outros, é o ideal de família
de cada um de nós, é a intenção de cada casal
que encomenda seu primeiro rebento, é o sonho
de cada filho que se queixa dos seus pais, e
destes quando criticam seus filhos.
232/1397
Toda família gostaria de ser como os Stark,
embora, na prática, pouco nos aproximamos
disso. Essa foi a dolorosa descoberta da psicanálise quando encontrou no destino de Édipo,
da tragédia escrita por Sófocles, uma boa metáfora para a família nuclear.15 A tragédia grega
não reflete a vida real de família alguma, porém
revela, como em um raio-X, o esqueleto das ligações amorosas e perigosas, que são tão inadmissíveis quanto fundamentais, principalmente
os desejos incestuosos e letais que circulam
entre pais e filhos.
Através de Édipo e Jocasta, nessa descrição
psicanalítica de uma família literária cujo destino era a catástrofe, Freud realiza a antítese de
Wyss, ao descrever o naufrágio dos vínculos.
Após a psicanálise, passamos a ver a família de
forma menos pueril: refletida também no aspecto insuportável do convívio, nos desejos
proibidos e inadmissíveis que ele suscita, no necessário rompimento entre as gerações e nas
previsíveis mágoas remanescentes da relação
233/1397
entre pais, filhos e irmãos. Crescer passa, a
partir de então, a ser compreendido como parte
da elaboração de uma complexa relação
amorosa e uma ruidosa separação. Porém,
mesmo que pareça complicado demais crescer,
procriar e viver, ainda enfrentar os conflitos é a
melhor solução. Evitá-los, permanecer “na
ilha”, atrelado aos vínculos originais, tentando
manter um idílio primitivo que na prática é
ilusório, equivale a sofrer dolorosas consequências: sintomas neuróticos que encenam conflitos que tentamos manter afastados da consciência nos pregam peças, assim como as inibições
para amar e trabalhar nos acometem; e isso nas
melhores saídas, pois para os filhos que nunca
crescem, que não constituem alguma autonomia psíquica e/ou física, a vida pode ser bem
hostil e impossível de ser enfrentada.
O relato das aventuras da família Stark
tornou-se uma espécie de mito, que sintetiza a
ilusão de uma família autossuficiente, encerrada sobre si mesma, isenta de conflitos, na
234/1397
qual os filhos jamais se afastam e ninguém nem
nada chega para resgatá-los da prisão familiar.
Assim é a família fantasiada pelos casais durante a gestação e relativamente preservada
pelos pais de bebês ou de crianças muito
pequenas. Nos primórdios da experiência parental, eles sabem ser o centro do mundo de seus
bebês, fonte de todo o bem estar, causa de todos
os problemas e até protagonistas dos conflitos
que possam surgir.
De certa forma, ao colocar o amor incestuoso entre pais e filhos no coração dos complexos que expressam o conteúdo inconsciente,
Freud realiza, nem que seja negativamente, esse
sentimento dos pais de ser o centro, influência
indelével, na vida dos filhos. Diz o ditado popular: “falem mal de mim, mas falem”, ressaltando
essa necessidade de estar no centro das
atenções a qualquer custo. O mesmo ocorre
com os pais, quer seja como tutores geniais,
guias espirituais ou dedicados cuidadores, quer
seja como opressivos, descuidados ou incapazes
235/1397
de compreender os filhos, esperam que, por
bem ou por mal, sejam centrais na vida dos
filhos.
Versões contemporâneas dos Robinsons
Suíços já incluem a partida de alguns dos filhos,
um pouco mais crescidos, assim como a formação de um casal entre o filho mais velho com
uma jovem náufraga órfã, providencialmente
encontrada em uma excursão pela ilha. A versão
da tradutora suíça Isabelle de Montolieu para o
francês praticamente reescreveu a obra. Ela inclui a necessidade de sucessão de gerações até
entre os animais, pois os dois cães encontrados
no barco originalmente eram machos, como os
filhos dos Stark, e a partir dessa versão tornamse um casal e têm filhotes. Dessa forma, essa
história adapta-se enquanto fantasia coletiva,
introduzindo algumas amenizações no confinamento dos Robinsons Suíços. Mesmo refletindo
a situação das famílias de crianças pequenas
que inicialmente crescem restritas aos cuidados
e referências dos pais, foi necessária para os
236/1397
leitores a garantia de que se tratava de uma
família e não de um labirinto sem saída.
O pequeno reino da família nuclear
Chegada à ilha, a família Stark adaptou-se
ao ambiente e transformou-o para seu uso, utilizando para isso todos os conhecimentos e instrumentos que traziam e puderam salvar dos
destroços do navio. Foram por isso gratos a
Deus, a quem atribuíam a dádiva da salvação, e
à instrução que tiveram, que lhes permitia construir casas, pontes, barcos, armadilhas, reconhecer animais e plantas, saber criá-los e
prepará-los como alimento. Eles traziam toda a
bagagem que o velho mundo podia lhes dar: a
fé, a ética e a formação, assim como alguns de
seus objetos, mas utilizaram tudo isso para
fundar um novo mundo, desbravaram e ocuparam a ilha, construíram sua cidade particular
como os colonos que fundaram a América, mas,
diferente deles, ao invés de fundar uma nação,
usufruíam da supressão de qualquer vínculo
237/1397
social. Como Crusoe, mais do que esperar dos
outros humanos a salvação, estes representavam o perigo que materializou-se sob a
forma dos piratas. Em algumas traduções-versões dessa história, o destino do navio naufragado que havia sido imaginado originalmente
por Wyss como sendo a Austrália, tornou-se os
Estados Unidos. Em ambos os casos, tratava-se
de colônias, mas a América do Norte foi sonhada e fundada, mais do as outras, como um
novo mundo.
A ideia dos pioneiros, fundadores de um
novo mundo, é um modo de vida que funciona
de forma absolutamente inversa à da sociedade
europeia pré-iluminista, organizada através de
sucessões hereditárias, com suas hierarquias rígidas e castas medievais. Nascer em uma
posição era praticamente um destino, morrerse-ia nela. Após a era das revoluções (a Industrial e a Francesa), cada ser humano pode tentar
constituir sua fortuna, seu pensamento, seu
modo de vida, enfim, seu próprio reino
238/1397
particular. A reprodução, antigamente destinada a manter, preservar, dar continuidade a
uma tradição, um patrimônio, passa a dar origem a um voto de refundação. Cada nova
família carrega em si o sonho de fundar algo
novo, sua pequena dinastia, nem que ela dure
apenas uma geração, até que o sonho de cada
um de seus filhos a suplante. A ilha da família
Stark engloba o reino de uma só família.
Hoje ainda nos debatemos com a fantasia
em que cada núcleo familiar pode e deve
constituir-se em um pequeno reino de curta
duração. As histórias folclóricas de reis e rainhas, que refletiam uma nobreza que ainda existia nos tempos em que elas se transmitiam por
relato oral, passaram a ser dedicadas às crianças e deram lugar a uma identificação imediata destas com os príncipes e princesas, dos
pais com os monarcas e de sua casa com o
castelo real.
Tal expectativa de constituir um reino
autônomo e de ocupar posição tão poderosa e
239/1397
elevada só serve para frustrar os pais, que no
máximo possuem alguns aspectos da sua personalidade ou feitos da sua vida que são apreciados pelos filhos, graças aos quais ocupam um
lugar de identificação para eles. Frustração
também para estes últimos, que jamais herdam
grande coisa, fora cálidas lembranças de infância e algumas lições de vida, quando muito.
Nada que se pareça a um reino ou um título de
nobreza.
A fantasia chamada por Freud de Romance
familiar do neurótico16 lida justamente com
essa distância entre o tanto que se espera e o
pouco que se consegue na relação entre pais e
filhos. Nela, temos um devaneio no qual imaginamos que na verdade somos filhos adotivos
daqueles que sempre consideramos como nossos pais. Para nosso grande alívio, fantasiamos
que descobrimos que na verdade seríamos herdeiros de gente de melhor estirpe, que apareceria para nos resgatar do contexto medíocre que a
vida nos reservou. Para não dizer que essa é
240/1397
uma fantasia fora de moda, é justamente a base
do milionário sucesso de Harry Potter,17 o qual
no fim de uma infância miserável descobre ser
famoso, pertencente a uma importante linhagem de bruxos, rico e pode distanciar-se da
vida simplória dos parentes entre os quais
cresceu.
Hoje, a prática mais disseminada das adoções, principalmente as internacionais, nas
quais famílias de lugares mais prósperos resgatam crianças dos diversos infernos que a humanidade mantém sobre a terra, provavelmente
está transformando essa fantasia. Se Freud
reescrevesse seu texto e atualizasse essa fantasia, possivelmente a família idealizada viria sob a
forma do desejo de que alguma celebridade
tivesse retirado do ostracismo o filho queixoso
da família que lhe tocou. Nossa nobreza agora é
outra, formada por ídolos pop, mas, independente dessa mudança aparente, as famílias continuam parecendo pequenas para abrigar os
241/1397
sonhos de grandeza e sucesso dos indivíduos
contemporâneos.
Patriarca diplomático
Nossa família ideal é liderada por um pai
não mais despótico, agora ele é um diplomata.
Esse pai ideal entra no século XXI como um
companheiro exemplar, cujos atributos devem
incluir paciência, sensibilidade, senso de
justiça, enfim, quase um monge, tão perfeito e
equilibrado que não parece humano. Ele
mostra-se capaz de administrar a tendência à
super-proteção materna, compreende que seus
rebentos são frágeis e precisam sentir-se seguros, mas ajuda a mulher a ter força para
empurrá-los para fora do ninho quando precisam aprender a voar. Ele também se angustia,
como a mãe, mas transmite segurança, impõe
limites, é o mediador entre o colo materno e o
mundo externo.
Esse pai confia pouco na força dos seus
próprios ensinamentos, já que os recebeu de
242/1397
sua família de origem, e sabe que foram insuficientes. Frente a um mundo que vive mudanças
vertiginosas na tecnologia e nos costumes, ele
acredita que os parâmetros, conhecimentos e
experiências de uma geração não servem tão
bem assim para a seguinte. Por isso não raro
sente-se incapaz para a paternidade, assim
como sente medo pela incapacidade dos filhos
de se sobrepor aos riscos da vida e não sabe
muito bem como ajudá-los a crescer.
Essas incertezas são superadas através de
uma renovada confiança nos vínculos, na
riqueza das crianças, sempre consideradas inteligentíssimas pelos seus pais. Graças a esses
incríveis dons que atribuem aos filhos, aliado à
pouca estima das capacidades e pensamento
dos pais, conclui-se que caberia aos adultos
mais pastorear do que inculcar ou reprimir,
como acreditava-se anteriormente. O pai não dá
mais sermões, ele explica, quase suplica que
levem em conta suas opiniões. Quanto menos
seguras para criar seus filhos as famílias se
243/1397
sentem, mais elas apostam na própria criança,
na sua suposta boa natureza e em intenções e
projetos pedagógicos que possam administrar
esses potenciais. A educação familiar vai
tornando-se cada vez mais nivelada e socrática.
De certa forma, esse era o ideal já apontado
pelos Robinsons Suíços, por isso eles representaram uma fantasia que acompanhou as crianças
e jovens dos séculos seguintes. Por mais que a
história seja pueril na forma, ela acertou no
conteúdo: o retrato dessa nova família era adequado. Os casais que tentam formar suas
famílias tendem a essa fórmula, pois, o mundo
lá fora, seja uma sociedade capitalista competitiva ou uma ilha tropical, é visto como um meio
hostil a ser conquistado e dominado pelo grupo,
para tanto, nada como uma boa equipe familiar.
Readmitidos no paraíso
Adão e Eva, os pais primordiais, foram banidos do paraíso quando expressaram seu
descontentamento com os horizontes oferecidos
244/1397
pelo senhor. A família Stark faz o movimento
contrário, do grande mundo passam ao reduzido e solitário espaço de uma ilha desabitada.
Ao invés de voltar-se para a possibilidade do
resgate, de tentar construir algum meio que os
transportasse de volta à civilização da qual se
perderam, eles investem toda sua energia na
construção de espaços para a adaptação mútua
entre a família e o ambiente.
Entre todas essas versões, permanece
comum e sempre presente a resignação religiosa e bem-humorada dos membros da família,
que jamais se revoltam contra o destino,
quando sonham é com coisas que a ilha oferece,
como uma casa na árvore, pérolas ou aventuras
no local. As saudades do mundo perdido praticamente não lhes assombram a alma, apenas
como temores a serem reconfortados com fé e
aconchego familiar. Parece que Adão e Eva se
acomodaram no paraíso e que o inferno ficou
para trás.
245/1397
Quando constataram que o naufrágio era inevitável, os marinheiros conclamaram a tripulação e passageiros aos botes, gritando “estamos
perdidos”. Os membros da família Robinson estavam de fato perdidos do resto, em parte pelas
ondas que jogavam o pai, que saíra para verificar o que se passava, de um lado para o outro,
em parte porque os outros estavam isolados na
cabine rezando. Perdidos da própria tripulação,
mas encontrados entre si, em família, os Stark
tornaram-se os náufragos escolhidos pelo Senhor para sobreviver. Ao contrário do resto das
pessoas do navio que embarcaram nos botes e
foram engolidas pela tempestade, eles encontraram a paz daquele que reza e espera a
salvação.
Eles acreditaram que Deus ouviu suas preces, tal qual o fez ao escolher Noé. Só que na
história bíblica, Noé foi designado para uma refundação, uma purificação dos homens cuja má
índole tornou necessária uma seleção divina.
No caso de Noé é também uma família, núcleo
246/1397
fundador do novo rebanho do Senhor. Os outros sucumbem nas águas, mas a família escolhida se salva e recomeça o trabalho de domesticação da natureza. Já os Stark salvam-se, mas
sua missão não transcende os horizontes da
própria família, ilhada em seus objetivos particulares de sobrevivência. Enquanto Noé e os
seus significam um princípio, uma confiança retirada da mão dos homens corruptos e recolocada em uma família de justos, na nossa
história não há transcendências nem utopias: os
objetivos são pessoais, restritos ao usufruto
grupal.
Em relação aos recursos naturais da ilha
tropical, os Robinson não cessam de se surpreender e de festejar cada descoberta de um
novo animal ou alimento, dos quais se servem
com a tranquilidade dos protegidos do Senhor.
A família enfim torna-se obediente, satisfeita
com os recursos da ilha, nomeando criaturas e
lugares do dadivoso paraíso insular. Por isso,
quando o resgate por fim chega, somente
247/1397
querem partir alguns dos filhos mais velhos,
pois os pais e as crianças não concebem lugar
melhor do que esse. Por serem todos crentes,
construtivos e essencialmente bons, os Robinson Suíços possuíam um forte aliado no céu.
Mesmo que a ilha apresentasse alguns desafios
e hostilidades, nenhum deles morre ou se
machuca, há somente alguns sustos e o alívio
posterior.
A autoria proveniente de um pastor protestante, 18 assim como a época revoltosa do mundo
em que foi concebida, tornam essa história boa
representante do reflexo na vida privada das
novas liberdades conquistadas na vida pública.
As turbulências políticas demoveram qualquer
certeza de que o ponto de origem de alguém
selasse seu destino, pois quem nasceu para
soberano havia sido decapitado por aqueles cuja
função seria servi-lo eternamente, valendo o
contrário, quando um imperador podia fazer-se
do nada. Nesse mesmo espírito de abalo das estruturas, ocorreu que a fé, face às dissidências
248/1397
luteranas que corroeram o império católico,
mudou-se das catedrais para os ritos despojados, ficando Deus ao alcance dos homens
comuns e as virtudes do trabalho acabaram
ocupando o lugar no altar que outrora era dos
bem-nascidos.
A partir da era das revoluções, o poder passou a resultar de uma complicada conjuntura
política e econômica, diferente das disputas e
alianças entre nobres, assim como o lugar no
céu já não estava tão fácil de comprar com oferendas econômicas ou de favores aos sacerdotes
de plantão. A fé, pós-protestantismo, passa a
ser o resultado de um acordo pessoal, que
ocorre na consciência de cada um, entre seus
desejos, atos e crenças; a vida eterna, portanto,
é o fruto dessa negociação.
O próprio livro de Defoe, escrito no início
da revolução industrial, situa-se no sentido contrário das relações de produção que ali nasciam
e se consagrariam nos séculos seguintes. A vida
atarefada e o ambiente estruturado no qual
249/1397
Robinson Crusoe planta, caça, estoca e organiza
o fruto de seus esforços é o oposto do trabalho
alienado e fragmentado da linha de produção
industrial. Crusoe se regozija com todas as fases
da produção de seus bens e alimentos, possui os
instrumentos, as terras e armazena os produtos
resultantes desse sistema que ele controla em
todas suas etapas.
O mundo de Crusoe na ilha reflete uma
realidade econômica idealizada, justamente
porque está em extinção. Como sempre que algo
se torna uma história a ser contada é porque já
é passado, ou ainda é futuro, pois as fantasias
ilustram melhor os sonhos do que a realidade.
Mesmo quando somos realistas em nossos relatos, não é a realidade que retratamos na ficção,
não é a veracidade dos fatos, mas sim a de nossos desejos, principalmente os que nos são mais
inadmissíveis e incompreendidos, que aparecerá retratada. Fantasiar é uma forma de pensar
o que ainda não se compreendeu.
250/1397
Embora seja um escrito aparentemente
pouco fantasioso em seu estilo, quase um relatório minucioso da rotina de sobrevivência do
náufrago, é sobre uma relação já perdida com o
produto de seu trabalho que Defoe escreve, o
universo de Crusoe é pura fantasia, um sonho
literário. O mesmo se aplica à família, que antes
dos ideais iluministas que trocaram tudo de
lugar, tendia a viver restrita a um espaço geográfico, fabricando os produtos para atender
suas necessidades, unida em torno de um destino comum, por mais miserável que ele fosse.
Nesse sentido, a história dos Robinson Suíços,
embora tão antiga, é também nostálgica.
O pastor Wyss encabeça um núcleo que bem
serve às famílias contemporâneas, representando as fantasias compensatórias à dissolução e
ao desencontro que o regime de trabalho exigente e a pressa em que se vive lhes impõem.
Uma família é hoje um grupo mantido unido
também através da exaltação do ideal familiar,
da idealização dessa missão e da resistência à
251/1397
realidade que já era tão mutante no século XIX.
Desde então, cada família que se cria e mantém,
o faz em contraposição à realidade externa, que
separa seus membros, os afasta do convívio
comum, os leva a trabalhar em processos alienantes. Uma criança hoje não somente passa o
dia longe de seus pais, como também tampouco
saberia dizer exatamente onde eles estão, nem o
que estão fazendo.
Quanto mais nossa vida real for distante da
ilha onde a família vive e produz unida, mais
essa história sobrevive como um conto de fadas:
“era uma vez” um grupo familiar onde todos
viviam sempre juntos, em harmonia entre si e
com a natureza em seu redor. Os Robinson
Suíços vencem as adversidades do naufrágio,
provando a suficiência do grupo familiar, assim
como a necessidade, agora subjetiva, de afastamento de influências e tentações que fizessem
qualquer um de seus membros diferenciarem-se
do resto, que o levassem a sonhar além dos
paradigmas conhecidos pelos progenitores.
252/1397
Quanto mais frágil é a realidade da família,
mais exigiremos do mito, quanto mais pobre a
realidade, mais a fantasia será convocada e necessariamente será suntuosa.
Ilhados no cosmos_Perdidos no espaço
Em 1965 é a vez de outra família Robinson
naufragar. Desta vez trata-se de uma série de
televisão e a família é de norte-americanos que
estão Perdidos no Espaço (Lost in Space, de Irwin Allen, chegou a ter 83 episódios). Trata-se
de uma missão americana de colonização de um
planeta na constelação de Alfa Centauro, ambientada em um futuro que naquela época parecia
longínquo: 1997. Conforme a projeção dos anos
de 60, não havia muitas dúvidas de que no final
do século XX vestiríamos malhas prateadas e
habitaríamos casas servidas por robôs, em um
ambiente que agradaria aos Jetsons.19 Além
disso, dominaríamos as viagens espaciais tripuladas, e com isso resolveríamos nosso problema
de superpopulação colonizando o universo.
253/1397
O casal John e Maureen Robinson parte
nessa jornada, acompanhado das filhas Judy,
Penny e do caçula Will, menino de uns 10 anos,
cuja curiosidade e travessuras propiciam as tramas de muitos episódios. Com eles viaja também um piloto, Don West, rapaz charmoso, destinado a namorar a loirinha Judy. Mas a fonte
de toda a confusão, que transforma uma missão
de colonização em um naufrágio, repousa em
uma personagem nada familiar: um espião,
provavelmente russo...
O culpado era Zachary Smith, ou Doutor
Smith, como ficou conhecido, protagonizado
por Jonathan Harris. Esse vilão saído da guerra
fria embarca sorrateiramente com o objetivo de
sabotar a missão, reprogramando o robô para
destruir a nave, saindo antes da partida. Tudo
dá errado: o robô entra em pane e a decolagem
acaba ocorrendo com Smith a bordo. Todos
esses contratempos provocam o descontrole da
nave, que sai da rota prevista e passa a navegar
à deriva no espaço sideral.
254/1397
Na maior parte dos episódios eles
encontram-se ilhados em um ou outro planeta,
todos inóspitos, envolvidos na tarefa de reparar
a nave e sobreviver. Ou ainda navegam perdidos
no espaço, na tentativa de voltar à missão original. Não há dúvidas neste seriado quanto à
existência de vida lá fora: o espaço sideral possui inúmeros habitantes bizarros, a maior parte
deles humanoides, dotados de poderes, tecnologias e índoles quase sempre malignas. Na melhor das hipóteses, o extraterrestre será apenas
estranho e a confusão se gerará a partir de um
mal-entendido, mas neste e em outros casos,
não há dúvida das constantes más intenções do
Dr. Smith.
A ilha da família suíça era abençoada por
Deus, mas após duas guerras mundiais, bombas
nucleares e milhões de mortos que incluem os
horrores do holocausto, já não é mais possível
tanto otimismo. O universo onde navegam os
Robinson americanos é perigoso, quando lhes
fornece provisões é a contragosto, e os
255/1397
encontros com outras criaturas raramente são
amistosos. Por outro lado, apesar do ambiente
externo hostil, seria impensável nessa trama
que os problemas tivessem origem endógena. A
família para esses astronautas é sinônimo de
abrigo, o encrenqueiro é um estrangeiro, pois o
elemento que rompe a harmonia deve vir de
fora.
A nave, que poderia ser sua ilha segura, vive
estragando e descontrolando-se, é um frágil
barquinho à mercê em um mar furioso. Mas
esses são riscos com os quais os tripulantes a
bordo estão prontos para lidar. Já as sabotagens
provenientes das armações do Dr. Smith,
sempre tramando contra seus companheiros de
viagem em troca de tesouros, ou da promessa
de transporte de volta à terra, envolvem perigos
maiores, situações que ameaçam a integridade
de todos e da nave. Seu companheiro de confusões, que escapa ao controle dos adultos, é o
menino Will e em segundo plano sua irmã
Penny. Juntos, o espião sabotador e o menino
256/1397
curioso e aventureiro fragilizam a segurança da
família.
Os filhos dos Robinsons Suíços também
davam suas escapadas, excursionavam por
lugares proibidos, passavam a noite fora,
causavam preocupação a seus pais. Jovens e crianças são assim mesmo: cheios de iniciativas e
inconscientes dos riscos que correm. Porém, na
história dos náufragos do século XIX, a força da
figura paterna e da onipresença divina era tão
grande, que as travessuras dos garotos somente
acarretavam preocupação, no máximo uma
noite maldormida, e eram em geral coroadas
por alguma novidade que beneficiava a família.
Por mais ameaçadora que fosse a situação, o
leitor sente-se partilhando com o pastor que escreveu a obra a confiança na proteção divina.
Todos os contratempos naquela história,
mesmo os originários do indomável espírito
aventureiro dos jovens, acabavam somando
para a família em bens, conhecimento do lugar
ou experiência. Na ilha dos náufragos suíços,
257/1397
tudo termina em um belo jantar, onde a Sra.
Stark preparava pratos exóticos com as iguarias
da ilha.
O mesmo ocorre com Will e Penny. A menina é uma personagem mais apagada, cujas
travessuras são provocadas principalmente
devido à compaixão e sensibilidade femininas,
aliadas à sua ingenuidade. Vê-se bem que na
década de 1960 as meninas não tinham um
lobby tão forte. Hoje seria impensável que não
houvesse uma aventureira menina, tão ou mais
ousada e inteligente que seu irmão. As travessuras de Will são perigosas, mas como as dos
rapazes suíços, não poucas vezes resultam em
descobertas importantes para o grupo. O que
surpreende em ambas as famílias é sua capacidade de neutralizar qualquer fonte de conflito:
tudo é compreensível, não há lugar para mágoas
nem desconfianças, jamais pensam mal uns dos
outros. Às vezes até parece que a subjetividade
do robô seria mais sofisticada que a dos
humanos.
258/1397
Para nossa sorte, a família possui um inimigo a bordo: Dr. Smith, o espião astuto, mas
trapalhão, um peso morto, que não partilha da
faina diária de manutenção da nave, da subsistência e busca de rumo. Enquanto a família e
o major viviam de forma parecida com os suíços
na ilha, trabalhando e inventando soluções e
melhorias para o grupo, Dr. Smith é um
preguiçoso, um inútil, egoísta e desleal.
Esse tipo de inimigo é consonante com o
clima paranoico, próprio da guerra fria, no qual
a prosperidade americana pós-guerra se desenvolveu. A família suíça se fecha em uma experiência de autossuficiência do grupo, que unido
na sua fé compartilhada, em um ambiente fabril
e de mútua colaboração poderia vencer a
natureza indomada. Por sua vez, os Robinsons
americanos se deixam envolver pela fantasia de
pertencer a um grupo ideal, em oposição a um
inimigo externo bem delineado que para seu
país eram os comunistas. Dificilmente um sistema de crenças mantém-se sem situar um
259/1397
opositor bem visível. Neste caso, trata-se de um
contraponto ao american way of life, cujo
oponente encarnado por uma personagem tão
detestável como Dr. Smith, certamente tornaria
a visão de mundo dos náufragos americanos
muito mais atraente. O problema do homem, a
origem do naufrágio, são agora os “homens
maus” do outro lado da cortina de ferro, os que
pensam um mundo diferente. À natureza não
cabe mais o papel nem de vilã, nem de
provedora.
Os americanos perdidos no espaço constituíram o canto do cisne da harmonia familiar,
os últimos Robinson. Depois deles houve outras
tentativas, outros enredos envolvendo famílias
tentaram mostrar a força do seu vínculo, porém
já abrigavam dentro de si o conflito de gerações.
As crianças dos anos de 1960, contemporâneas à série, viviam rodeadas de recém-criadas geringonças automáticas que facilitavam a
vida cotidiana. Os carros espaçosos e coloridos
consumiam litros de petróleo no ir e vir das
260/1397
famílias que prosperavam. A oferta de todo tipo
de máquinas domésticas para cozinhar, triturar,
encerar, lavar, limpar ou cortar grama, tornava
o consumo a grande meta da vida cotidiana. A
televisão, cada vez com mais canais, foi se constituindo em um membro da família, se não o
mais importante, certamente o mais “ouvido”.
Com a prosperidade industrial conquistada
após a segunda guerra, descobertas científicas
transformaram-se maciçamente em recursos
tecnológicos voltados para o bem-estar dos
mais favorecidos. Esse fascínio tecnológico
encontra-se sintetizado na figura do robô, cuja
presença protagonizava todos os episódios,
opinando e derramando sabedoria “científica”
como a televisão faz até hoje.
O filho e o traidor
A partir da segunda metade do século passado, as famílias sentiam-se inseguras para preparar seus filhos para um mundo que as fascinava e assustava. O mundo evolui demasiado
261/1397
rápido, os adultos “sucateiam” com a mesma
velocidade das máquinas, cada geração torna-se
rapidamente um modelo superado, inferior aos
novos lançamentos, dotados de novos recursos:
as crianças e os adolescentes. O menino Will é
travesso, mas também é excepcionalmente inteligente e frequentemente pensa soluções criativas que salvam o grupo. Era com ele que os
telespectadores se identificavam. As outras personagens parecem figurantes perto da riqueza
da dupla de encrenqueiros, Will e Smith, que
anima o programa.
O Doutor Smith é mais complexo do que a
simples figura do traidor, pois ele é companheiro constante do menino, o único que realmente sabe onde ele está e no que está metido.
Em geral, ambos são designados para cuidar da
mesma tarefa ou mesmo vigiar um ao outro. Há
inclusive episódios nos quais Smith revela uma
particular sensibilidade para os anseios do
menino: ele é o único que percebe quando Will
passa por uma crise pré-adolescente e que
262/1397
dialoga com seus questionamentos. Seria difícil
compreender semelhante modulação em um
seriado de personagens tão simplórias, como
bem cabe ao papel de mais uma estereotipada
família de náufragos fabris e otimistas.
Provavelmente, Will e Smith são personagens mais próximas entre si e mais identificados um com o outro do que parece. Em termos
de convívio, é fato que o menino passa mais
tempo com o ardiloso trapaceiro do que com
seus simpáticos familiares. O espião mais se
assemelha a um avô meio maligno: ele é de fato
mais velho, queixa-se de dores nas costas e
cansa-se rapidamente. Por essa condição de
velho, além de preguiçoso, não se ocupa da
faina diária da família e fica disponível para a
criança curiosa, que não se resigna a ficar encerrada dentro do acampamento familiar. Nas
suas aventuras enfrenta perigos dos quais sua
família não fica nem sabendo, ou só descobre
quando a confusão já é grande.
263/1397
O que faz do Dr. Smith um potencial companheiro de aventuras para Will é justamente
sua posição externa e avessa à família. Ele é um
velho, por isso pode ser ridículo e fraco, a personagem bufão colocada como oposto aos adultos mocinhos. Porém, por ser um traidor, tornase uma figura ativa e encontra energias para
buscar no mundo lá fora formas de satisfazer
suas ambições de enriquecer e voltar à terra.
Cheia de possibilidades, a figura de Smith
mistura-se bem com a “traição” que o jovem
precisa cometer para desejar além dos horizontes do quintal familiar.
Enquanto todos os adultos responsáveis estão envolvidos com as coisas necessárias da
sobrevivência, Will, por ser criança, Penny, por
ser uma jovem sensível, e Smith, por ser
traidor, ocupam-se de desbravar os planetas em
que sua nave pousa ou outras dimensões às
quais são jogados. Graças a isso, podem conhecer alienígenas, encontrar máquinas e lugares
surpreendentes
e
muitos
monstros
264/1397
assustadores, além de piratas, donos de circo,
mercadores, princesas, cavalheiros, inventores
malucos e todo tipo de personagem que a imaginação possa invocar. Na maioria das vezes, os
adultos são convocados na última hora para salvar a situação e reverter a confusão. Graças a
isso, participam também das aventuras e ficam
sabendo por onde andaram seus travessos
rebentos. Na verdade, o fator de risco e emoção,
a fonte da aventura, para esta família está colocado do lado de fora da sua missão de retorno e
sobrevivência, reside na irresponsabilidade e ingenuidade das crianças, na ganância do velho
traidor, no desconhecido a ser desbravado pelos
membros não responsáveis do grupo.
Embora o seriado hoje pareça ridículo, com
seus cenários de papel, seus risíveis monstros
de látex e ritmo arrastado, a temática é extremamente contemporânea. A globalização e a
agilidade das descobertas tecnológicas propiciam às crianças e aos jovens explorar um
mundo
que
transcende
totalmente
a
265/1397
circunferência da nave familiar. Os pais estão
muito ocupados em sobreviver e subsistir e
facilmente tornam-se defasados. As crianças e
os jovens, que poderiam ser considerados
“traidores” como Smith e Will, abandonam,
rompem e fazem com que os adultos sintam-se
frágeis, desconectados e insuficientes para
educá-los.
Mais do que alienígenas e viagens interplanetárias, hoje é a internet que captura a atenção
desses jovens traidores. A família nuclear,
ninho idealizado, sede das fantasias românticas
que se materializam em frustrações e queixas,
tenta resistir, sobreviver, enquanto, em seu
próprio seio, em uma inocente tela, o estrangeiro se materializa. Não há mais como
prender os mais jovens em uma rede de referências familiares, uma teia muito maior espera
para capturá-los. Sempre se disse que os filhos
não são dos pais, são do mundo, serão um dia
abduzidos por ele. Hoje poderíamos dizer que
eles já nascem em um mundo no qual os pais
266/1397
podem até reinar nos primórdios, mas em breve
tornar-se-ão alienígenas. Sobra, incólume, a
eterna fantasia da família insular, como uma
miragem, um oásis virtual. Isso vale na hora de
engajar-se na aventura de viver, é dali que vem
os desafios, mas a família não resiste enquanto
ideal à toa: ela ainda é um refúgio, um lugar último, o único que deveria nos receber nos momentos de fraqueza. Muitos grupos familiares
passam longe dessas atribuições, neles seus
membros em vez de acolherem somam-se às
hostilidades que a vida já reserva para todos:
não se cuidam quando doentes, não se consolam quando tristes, não se valorizam uns aos
outros. Qualquer família, por mais dedicada que
seja, deixará a desejar nesses itens, porque um
ideal está aí justamente para empalidecer a
realidade com seu brilho e a idealização da
família surpreendentemente tem sobrevivido a
todas as intempéries.
267/1397
Saudades do que nunca se teve_Os
Waltons
Muito popular da década de 1970, o seriado
Os Waltons20 retrata a família extensa, harmônica e enraizada dos nossos sonhos. A trama
situa-se na década de 1930 e os episódios envolvem pequenos problemas domésticos ou da
relação com a comunidade interiorana e rural,
conflitos sutis, sempre solucionados com amor
e sabedoria. O enredo situa-se em um momento
crítico da história americana, a grande depressão econômica, e mais tarde, já nas últimas
temporadas, na segunda guerra. Mas os reveses
dessas crises não abalam a confiança da família
e a camaradagem mútua, ao contrário, ela se
une para enfrentar esses momentos duros.
Nosso apreço a essa família forte e amorosa
ignora o fato de que se fosse no tempo em que
ela hipoteticamente se situa, o patriarca seria
mais rígido, o casal menos amoroso entre si e os
pais seriam parcamente conectados com os
268/1397
filhos, os quais certamente não seriam tão importantes para eles. Trata-se da nostalgia de um
tempo que nunca vivemos e tampouco existiu.
Fantasias nostálgicas respondem a uma lógica
semelhante à das lembranças encobridoras. Essas são reconstruções do nosso passado, geralmente pequenos flashes, não mais que uma
cena, que vivenciamos como se fossem genuínas
lembranças infantis, embora sua veracidade
histórica seja duvidosa. São constituídas a
partir de elementos provenientes da nossa infância, mas estruturadas conforme a lógica de
desejos de épocas posteriores.
Carregamos conosco uma pequena coleção
de lembranças, que são como sonhos cristalizados, onde nos vemos em cenas que envolvem
lugares e pessoas do passado. Essas pequenas
peças de ficção pessoal não são mera invenção e
estão longe de ser mentirosas. Como dizia
Freud: “as falsificações não são feitas de ouro,
mas estiveram perto de algo realmente feito de
ouro. É bem possível aplicar essa mesma
269/1397
comparação a algumas das experiências infantis
retidas na memória”.21 Trata-se de uma ficção
nostálgica de uso pessoal, construída a partir de
restos do passado. Essas lembranças são afetos,
quer sejam agradáveis ou dolorosos, que
ficaram preservados na memória de uma
maneira indireta.
A nostalgia que encontramos na ficção utiliza mecanismos similares aos da organização do
acervo de lembranças com as quais contamos
nossa própria história. Ela também guarda em
si verdades históricas, mas a serviço de tramas
que respondem mais aos desejos do que
gostaríamos que tivesse acontecido do que à
realidade. Talvez devêssemos chamá-la de nostalgia mítica, para diferenciar da possibilidade
real de evocar boas experiências do passado.
Se os membros da família nuclear contemporânea, essa gente que vive apressada e de
passagem, fossem de fato tão fugazes assim uns
para os outros como às vezes se imaginam,
haveria muito poucos elementos a partir dos
270/1397
quais construir a própria história. O sucesso
duradouro de narrativas baseadas na nostalgia
é prova de que a família atual se alimenta da
fantasia da família extensa do passado, acrescida dos incrementos de sensibilidade e liberdade conquistados pela família nuclear.
A cena de abertura dos primeiros episódios
de Os Waltons, que retrata a chegada do pai em
casa, ilustra essa combinação de elementos do
presente, formatados em um cenário antigo. No
primeiro plano, vemos o filho mais velho que
está trabalhando em sua escrivaninha, e é através de seu olhar pela janela que a câmera é
conduzida e se descortina o quadro familiar que
veremos. O rapaz, que tem pretensões literárias,
é o narrador das histórias contadas nos episódios. O que se vê é a chegada em casa do pai: depois de recebido pela esposa, seus pais e seus
seis filhos, ele retira do carro um rádio, a
grande novidade da casa. Na sequência, todos
se posicionam para uma foto de família,
daquelas clássicas, nas quais o grupo se
271/1397
organiza em torno do pai, ou do casal mais
velho. Porém, neste caso o centro da imagem
não pertence ao patriarca: é ocupado pelo rádio
e por Elisabeth, a filha menor, que se inclina
para tentar ligá-lo e nesse momento a imagem
se congela em foto. Como se pode ver, quando
projetamos nossos desejos no passado, são as
regras do presente que regem a trama. Nessa
fantasia saudosista estão colocadas as expectativas da geração de crianças e adolescentes,
que eram o público da série, sobre como eles
gostariam que fosse sua família.
Famílias pós-Woodstock
O seriado, da década de 1970, convive com a
chegada de muitas conquistas em termos de
liberdade sexual, feminina e de novas formas de
viver que haviam sido inauguradas para esses
novos jovens pelos seus “irmãos mais velhos” da
década anterior. Protagonistas ou simplesmente
inspirados nos movimentos hippies e políticos
que enfocaram a revolução dos costumes, os
272/1397
jovens da década de 1960 abriram espaço para
modificações tais, que pais e filhos da geração
seguinte já não eram os mesmos.
A família daquele tempo ainda tentava administrar os farrapos de autoritarismo que lhe
restavam e os pais queixavam-se amargamente
do caráter indomável dos filhos. Estavam destinados a vê-los desdenharem o casamento formal como momento de iniciação sexual, assim
como se sabiam fadados a conviver com suas
andanças por diferentes ofícios, lugares e relações. Suportassem ou não, sabiam que a juventude dos filhos traria críticas e busca de alternativas. É nesse momento de questionamento da família dos pais que surgiu esse seriado que idealiza a família dos avôs. Que os adultos da época assistissem ao seriado faria todo
sentido, afinal resgatava o valor da tradição que
estava sendo atacada, mas o público incluía
também os mais jovens, que até hoje lembram
com carinho essa série.
273/1397
Apesar do verniz nostálgico dessa série de
TV a estrutura é bem contemporânea, especialmente pelo papel do jovem primogênito na condição de narrador. Geralmente é com o lugar do
filho, e principalmente do adolescente, que nos
identificamos, não somente o público desse
seriado à época de seu sucesso, mas todo aquele
que assiste a um enredo familiar, vendo-o de
fora e fantasiando através dele. O filho adolescente ainda participa da cena doméstica, mas já
possui os instrumentos intelectuais necessários
para uma abordagem crítica da dinâmica familiar. Ele ainda está lá dentro, mas de certa
maneira fora, pois está preparando-se para
partir.
Acompanhar o narrador adolescente é assistir à forma como ele vai administrando a herança recebida, em que aspectos ele vai
rompendo com a tradição, no que superará seus
pais, quais repetições ou desígnios vão acabar
impondo-se. É por tudo isso que ele representa
o público tão bem, ele é nosso alter ego nessa e
274/1397
em muitas histórias contemporâneas. Nas
histórias clássicas, do tempo em que o pai ainda
ficava no centro da foto, eram quase sempre os
adultos os protagonistas das aventuras. A personalidade paterna estava bastante definida,
seus
defeitos
e
qualidades
poderiam
aprofundar-se, aprenderia lições ou arcaria com
os efeitos de seus atos, faria sua jornada de herói ou personagem, mas não estaria em permanente reinvenção como gostamos de nos
imaginar.
Nosso modelo de personalidade contemporâneo é mais adolescente do que adulto: crítica da tradição, descoberta de novos potenciais,
expectativa de viradas de destino. Se indagados
sobre a fase da vida em curso, mesmo que estejam lidando bem com o desafio da incerteza,
os jovens certamente responderiam que gostariam de possuir algumas das certezas do adulto.
Quem já amadureceu (tanto quanto possível a
cada um), já transpôs como pôde a saída de
casa, a iniciação sexual e laboral. Por mais
275/1397
parcos que tenham sido os resultados obtidos,
as batalhas já foram travadas, é melhor do que a
angústia de espera. Por sua vez, os adultos responderão sem dúvida que não gostam da ideia
de caminhos fechados, escolhas irreversíveis,
decisões irreparáveis, preferem pensar-se como
projetos em construção.
Na verdade, quando a história de uma
família é narrada, quase sempre é do ponto de
vista de um filho, mesmo que o seja no tom do
relatório de acusações da Carta ao Pai de
Kafka. Datada de 1919, essa carta, tantas vezes
reescrita e nunca propriamente enviada, foi
publicada postumamente. Ela é sinal de que o
mal-estar na família tem, no mínimo, praticamente um século. Os pais são construídos por
cada filho a partir da forma como ele vai internalizando e elaborando as influências, palavras e
atos deles. Poderíamos dizer que ele constrói
em si mesmo os pais que terá e de seu discurso
sobre isso nasce a família que cada um tem, é
um ponto de vista individual. É por isso que em
276/1397
geral os irmãos não parecem ser filhos dos mesmos pais, pois cada filho desenvolve um discurso próprio sobre eles.
Os pais, por sua vez, vão estabelecer seu
modo de relacionar-se com os filhos a partir do
que herdaram, querendo ou não, de seus
próprios pais: farão igual, parecido ou inverso,
mas sempre travando um diálogo com seu passado e com a educação que receberam, com
amores, ódios e frustrações provenientes da
história da sua própria infância e adolescência.
A família é um conjunto de vozes, de pessoas
que, embora partilhem a mesma história, raramente coincidem na versão que farão dela.
Na cena de abertura da série Os Waltons, na
qual a família se organiza para tirar uma foto,
observamos que o centro da imagem que eles
preparam para a posteridade é ocupado pelo rádio, grande novidade tecnológica que vivia o
auge da popularidade no início do século passado. O carro popular ainda era um fenômeno
recente e o rádio, objeto principal da sala de
277/1397
visitas, era a porta para o mundo das famílias
no início do século XX, da mesma forma como a
TV o era para o público dos Waltons algumas
décadas depois.
A filha caçula e o rádio, representante do
novo e das inovações tecnológicas que a ciência
trazia para dentro de casa, partilham o centro
da foto com justiça. Tanto naquele passado hipotético da série como até hoje, é no futuro que
todas as esperanças e idealizações estão
colocadas. Deleitamos-nos supondo tudo o que
ainda será descoberto, as maravilhas que serão
vividas por aqueles pequenos no futuro que lhes
espera, e que gostaríamos de compartilhar, enquanto eles, representantes de nossas expectativas postas no amanhã, são considerados cada
vez mais geniais e promissores. Antecipamos
nos mais novos um saber que um dia eles terão.
As famílias tendem a acreditar que seus bebês são superdotados: fascinam-se com as capacidades de seus rebentos. Sempre esperam
deles grandes realizações baseadas em dons
278/1397
naturais (que lhes teríamos legado), aliadas à
quantidade crescente de recursos tecnológicos e
educativos postos a serviço de seu desenvolvimento, para ajudá-los a tornar o passado uma
sucata inútil. Se biológicos, os filhos são nossa
carga genética programada por nós para ir além
das nossas limitações e do nosso mundo, mas
mesmo os adotivos provariam a capacidade de
cada família de gerar sua superação.
Filhos são treinados para representar um
futuro ingrato à herança que o possibilitou, o
conhecimento adquirido não é grato aos pressupostos que lhe deram origem. Prefere-se
sempre falar em descobertas, como se elas não
fossem possibilitadas apenas pelo fato de que
alguém supôs que algo poderia ser encontrado
em determinado lugar e condições, ou mesmo
alguém tinha a formação necessária para observar o acaso revelador de uma novidade
científica.
Apesar do cenário antigo desse seriado, embora os pais e avós possam ser figuras
279/1397
importantes, é na compreensão decorrente da
narrativa do jovem John Boy e no futuro que
será vivido pela pequena Elisabeth, que as expectativas estão postas. A reclusão na pequena
comunidade rural é apenas um cenário fictício.
Como nos sonhos, nos quais lugares simbolizam
ideias, nesse caso, a localização da família
naquele contexto bucólico reflete o desejo de
que ela possa resistir à dispersão, que ela possa
ser, como nas palavras de Christopher Lasch,
um “refúgio em um mundo sem coração”,22
título de seu livro escrito em 1977. 23
Um núcleo mutante
As histórias das famílias na ficção foram
modificando-se conforme as necessidades de
cada época. Mudaram a serviço da projeção de
nossos desejos e frustrações referidas a esse que
é, por excelência, nosso lugar de origem. Em
comum entre várias dessas narrativas encontramos a exaltação da oposição entre o núcleo
familiar e um meio que lhe é de certa forma
280/1397
hostil. O que varia é o estilo do grupo, assim
como a cara do vilão que ameaça a vida e destino de seus membros.
Como diz o poeta citado na epígrafe: se o
mundo se propõe como um lugar para vencer a
qualquer preço, esperamos que na família haja
um espaço no qual seja possível falir. Frente aos
pais, irmãos e filhos podemos até ser falhos, por
mais doloroso que isso seja, sem ser demitidos
jamais. Afinal, não existe ex-pai, ex-mãe, exfilho nem ex-irmão. A pessoa pode se afastar de
seus parentes, pode ser substituída até, mas
mesmo que não se encontrem nunca mais, não
perderá o cargo parental, filial ou fraterno que
lhe foi um dia designado.
Pelo menos em termos literários, estamos
em boa companhia, tal como Kafka, acreditamos estar aquém dos desejos dos nossos pais,
os quais sempre estão em dívida conosco
quanto ao modo como deviam nos amar, compreender e proteger. O ideal não se ampara na
realidade familiar, mas no sonho, no desejo.
281/1397
Sujeita a críticas, a avaliações avassaladoras,
tanto de dentro quanto de fora, a família nuclear persiste e continuamos organizando novas.
Ela faz parte do sonho de um bom número de
jovens, pois se alimenta da expectativa de sucessivas gerações de que farão melhor que seus
antecessores. De fato, em termos de sensibilidade, podemos dizer que a família segue seu
caminho de eterna autossuperação. Pais, educadores e profissionais da saúde constatam que
ela perdeu território em termos de autoridade,
que as novas gerações estariam à deriva, sem
parâmetros com que se guiar e sem a voz de
uma autoridade que se reconheça a si mesma
como tal. São sequelas inevitáveis de um modelo que se propõe a ser sempre uma superação da
tradição. Ser família é como ser filho, deseja-se
a originalidade, para não ser uma mera cópia, e
para tanto é preciso afastar-se do ponto de origem – o que fazemos – porém, uma vez solitários descobrimos que os mapas ficaram na navemãe.
282/1397
Notas
1 Carpinejar, Fabrício. Retirada da crônica Família
não é Empresa, ainda inédita em livro.
2 Por sorte o ser humano é bastante plástico e, embora
precise de outros para sobreviver e constituir-se,
aceita que esse papel seja preenchido por aqueles
que se mostrem desejosos de fazê-lo: quando falta a
família original, primeira, quer seja ela biológica ou
adotiva, é possível buscar substitutos para essas funções que cabem a ela, para tanto, servirão outros parentes, amigos, vizinhos ou cuidadores, que ocupem o
lugar deixado vago por pais, irmãos e avós que não
conseguiram funcionar como tais.
3 Os casais também praticam com bastante frequência
esse repasse das responsabilidades, muitas separações ocorrem porque o marido ou a esposa são responsabilizados pelas próprias frustrações. O que se
esquece nestes casos é que é impossível divorciar-se
de si mesmo. Sendo assim, sucessivos casamentos
retratam a renovada esperança de que alguém viabilize em nós aquilo que não conseguimos realizar sozinhos devido às nossas limitações.
4 A autora acrescenta que “o ressentimento é escravo
de sua impossibilidade de esquecer. Vive em função
283/1397
de sua vingança adiada, de modo que em sua vida
não é possível abrir lugar para o novo. Mas como se
trata de um vingativo passivo, seu silêncio acusador e
suas queixas mobilizam, no outro, confusos sentimentos de culpa. O ressentido acusa, mas não está
necessariamente interessado em ser ressarcido do
agravo que sofreu”. Kehl, Maria Rita. Ressentimento.
São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004, p.11, 91.
5 Os romances da inglesa Jane Austen (1775-1817),
datados do começo do período de consolidação da
família conjugal, são constituídos desse impasse,
entre a imposição social e a escolha amorosa. Suas
histórias são surpreendentemente populares até os
dias de hoje, quando as mulheres são aparentemente
tão diferentes daquelas retratadas pela autora de Orgulho e Preconceito e Razão e Sensibilidade. Elas
apreciam a liberdade de escolha, considerada fonte
de possibilidades animadoras, porém, saídas de
séculos de passividade, precisam conhecer-se melhor
para compreender seus sentimentos e com eles decidir seu destino. Por isso, os dramas dessas jovens
centenárias ainda encontram seu público.
6 DEFOE, Daniel. Robinson Crusoe. São Paulo: Iluminuras, 2004.
7 Ver a esse respeito: WATT, Ian. A Ascensão do Romance Moderno. São Paulo: Companhia das Letras,
284/1397
1996. Do mesmo autor, Mitos do Individualismo
Moderno. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997.
Robert, Marthe. Romance das Origens, Origens do
Romance. São Paulo: Cosac Naify, 2007.
8 Cast Away. Direção de Robert Zemeckis, EUA 2000.
Conta a história de um náufrago, protagonizado por
Tom Hanks, que sobrevive por quatro anos em uma
ilha, dialogando imaginariamente com uma bola que
ele chama de Wilson. A ênfase, nessa retomada do
mito três séculos depois, é mais na sobrevivência
psíquica do que na prática, que era a questão central
de Defoe.
9 WYSS, Johan Rudolf. The Swiss Family Robinson.
New York: Penguin Books, 2007. A publicação original é de 1812, tendo a primeira tradução inglesa
chegado ao público em 1816, pelas mãos do filósofo
William Godwin, com a colaboração de sua esposa
Mary. Muitos aspectos dessa história tal como a conhecemos hoje provêm de acréscimos criados pela escritora Isabelle de Montolieu quando traduziu a obra
ao francês. Essas mudanças foram feitas com a
anuência do autor. São dela as referências à
descoberta de uma jovem náufraga, ao resgate dos
jovens, entre outros. Trabalhamos nesse livro com
essa versão inglesa, pois as nacionais são todas adaptações e não é possível rastrear as modificações.
285/1397
Mas como dizíamos, isso não importa, afinal, o
núcleo se mantém.
10 Swiss Family Robinson, direção Jack Hannah, 1960.
11 Na versão original em alemão, Joe e Elisabeth atendem apenas por “pai” e “mãe”, somente os filhos recebem a distinção dos nomes próprios, sendo que o
relato é em primeira pessoa, tendo o pai como
narrador.
12 Expressões utilizadas por Christopher Lasch, in: Refúgio em um mundo sem coração. A família: santuário ou instituição sitiada? Rio de Janeiro: Paz e
Terra, 1991.
13 Francesa, nascida em 1748, decapitada em 1793, foi
autora da Declaração dos Direitos da Mulher e da
Cidadã, em 1791, onde se lê que a mulher nasce livre
e deve ter direitos iguais aos do homem.
14 Inglesa, nascida em 1759, morreu em 1797, foi autora
da Vindicação dos Direitos da Mulher, publicada em
1792, obra de reivindicação moral da individualidade
das mulheres e da livre escolha de seu destino.
15 Em carta escrita em 15/10/1897, dirigida ao seu
amigo Fliess, Freud escreve: “também em mim comprovei o amor pela mãe e os ciúmes contra o pai, ao
ponto que agora os considero como um fenômeno
geral na primeira infância”. E segue: “se assim for,
286/1397
compreende-se perfeitamente o apaixonante feitiço
de ‘Édipo Rei’ (...) Cada um dos expectadores foi uma
vez, em germe e em sua fantasia um Édipo semelhante”. Nascia assim, em um exercício de ser sincero
consigo mesmo, a partir da análise de um sonho, a
popular teoria do Complexo de Édipo.
16 Ver: FREUD, Sigmund. Romances Familiares. Obras
Completas, Vol. IX., p. 244. Rio de Janeiro: Imago
Editora, 1987.
17 Publicados entre 1997 e 2007, os livros relatam a
saga de um menino bruxo, escritos pela inglesa J.K.
Rowling. Em nosso livro anterior, dedicamos um
capítulo ao universo mágico dessa autora.
CORSO&CORSO, Mário e Diana. Fadas no Divã:
psicanálise nas histórias infantis. Porto Alegre:
Artmed, 2006. Capítulo XVIII.
18 “Em um passado remoto é possível que os esforços
para alcançar objetivos econômicos fossem vistos
como pura contingência, ou mesmo como aspectos
deploráveis da experiência humana; mas apesar do
Gênesis ter apresentado o trabalho como um castigo
à desobediência de Adão e Eva, o protestantismo ensinaria que administrar incansavelmente as dádivas
de Deus é uma das supremas obrigações éticas e religiosas do homem. À sua maneira, Defoe concorda
com os protestantes, embora em Robinson Crusoe a
287/1397
ênfase se destine preferencialmente à obrigação ética
e não à religiosa.” In: WATT, Ian. Mitos do Individualismo Moderno. Jorge Zahar Editor: Rio de Janeiro,
1997, p.159. Já Wyss resgata esse caráter francamente religioso da glorificação através do trabalho
dos recursos naturais disponibilizados pelo criador.
19 Os Jetsons – desenho animado de autoria de Hanna
e Barbera, produzido nos anos de 1962 e 1963. Foi a
primeira projeção do cotidiano familiar para um futuro hipotético, com moradias automatizadas, carros
e casas aéreas. Por ser provenientes da mesma época,
ambas séries, a animada e a filmada, compartilham o
acervo imaginário.
20 O seriado Os Waltons veio depois do livro e do filme,
mas foi através dele que a história tornou-se popular.
O livro de Earl Hammer – Spencer’s Mountain – deu
origem a um filme homônimo, em 1963, com Henry
Fonda e Maureen O’Hara.
21 FREUD, Sigmund. Lembranças encobridoras
(1899). Rio de Janeiro: Imago, 1986, volume III,
p.274. As lembranças encobridoras são “uma recordação cujo valor reside no fato de representar na
memória impressões e pensamentos de uma data
posterior cujo conteúdo está ligado a ela por elos
simbólicos ou semelhantes”, p. 281.
288/1397
22 LASCH, Christopher. Refúgio em um mundo sem
coração. A família: santuário ou instituição sitiada?
Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.
23 As crianças e jovens do século XXI que assistem aos
filmes e desenhos sobre famílias, raramente apelam
para a nostalgia, preferem o humor. Apesar da diferença de linguagens, trocando em miúdos, ainda termina prevalecendo a ênfase em uma certa harmonia
familiar: por exemplo, por mais crises que ocorram
ninguém em sã consciência acreditaria que Marge e
Homer Simpson fossem se separar e que os membros
dessa família não amem uns aos outros. Portanto,
mesmo sob o império do sarcasmo da cultura
infanto-juvenil contemporânea, a exaltação da
família é uma fantasia que segue cultivada. Comentamos a função do humor nas obras destinadas a
esse público no ensaio dedicado ao desenho animado
Shrek.
CaPÍTuLO
3
A maternidade possível
A Noviça Rebelde_Mary Poppins_ensaios
de Virgínia Woolf_conto de Clarice
Lispector
Libertação feminina e maternidade_Mãe
como eixo da família nuclear_Conexão dos
pais com a infância_Mal-estar na
290/1397
feminilidade_Faces pública e privada da
mulher_Construção da identidade sexual_Função paterna e materna_Culpa
feminina
N
o capítulo Um monstro no ninho, examinamos a face mais terrível das fantasias
sobre a maternidade. Aqui vamos trabalhar com algo mais suave: a maternidade possível em um tempo em que os papéis tradicionais já não oferecem respostas óbvias sobre o que
é ser e viver como uma mulher. Maria Von
Trapp e Mary Poppins, velhas conhecidas de
muitas gerações, serão nossas protagonistas.
São mulheres que ocuparam o lugar da mãe em
duas famílias que estavam em dificuldades,
conquistaram o coração de crianças órfãs e rebeldes, assim como de seus pais ausentes. Eles
encontraram seu equilíbrio após a chegada dessas mulheres que, com irreverência e afeto,
souberam administrar a função materna.
291/1397
Para ser mãe, hoje, uma mulher precisa enfrentar a difícil negociação entre seus papéis
históricos e as inclementes exigências sociais.
Resultante desses impasses, a angústia, a insegurança e a culpa se incorporaram à identidade
feminina. Através de suas personagens ou ensaios, escritoras como Clarice Lispector e Virgínia Woolf deram voz às sempre renovadas inquietudes da feminilidade.
A possibilidade de uma maternidade que se
realize, embora conviva com essa dimensão de
consciência e sofrimento, é nossa questão neste
ensaio. Como não estamos lidando com papéis
para os quais a natureza nos garante algum
êxito, analisaremos as histórias dessas maternidades que não são biológicas: Maria, a
madrasta, e Mary, uma babá. Essa particularidade das personagens que escolhemos já demonstra o quanto acreditamos que as mães continuam sendo sempre as mesmas, mas nem
tanto.
292/1397
A jovem madrasta_A noviça rebelde
A história da família Von Trapp ficou
famosa após o filme A Noviça Rebelde. Trata-se
do longo musical The Sound of Music, de 1965,
dirigido por Robert Wise, com Julie Andrews e
Christopher Plummer nos papéis de Maria e
Capitão Von Trapp. O roteiro foi baseado na
autobiografia de Maria Von Trapp, uma exnoviça que deixou o convento para ser governanta na casa de um viúvo, pai de sete filhos,
e acabou casando-se com ele. A verdadeira
família Von Trapp já era conhecida como um
popular grupo de cantores, quando tiveram que
deixar seu país natal. Eles fugiram pelas
montanhas, até a Itália e de lá para os EUA, depois da anexação da Áustria pela Alemanha,
quando da ocupação nazista à qual se opunha o
capitão Von Trapp. O que há de diferença relevante entre a história e a ficção é que os filhos
eram 10, pois Maria teve três filhos. Essa
família começou a cantar depois da falência do
293/1397
Barão Von Trapp, pois ele perdera a maior parte
de sua fortuna em uma bancarrota bancária. A
atividade de cantores tornou-se uma das fontes
de renda da família. De qualquer forma, não é
relevante entrar em maiores detalhes sobre a
história verdadeira, afinal, não é exatamente
essa, mas sim sua versão musical e romanceada,
que ficou conhecida no mundo inteiro.
Este filme foi uma das grandes bilheterias
da história do cinema, e sua fama sobrevive
após décadas de mudanças tanto da linguagem
cinematográfica como dos costumes. Claro, o
fato de ter uma origem em uma história real
ajuda no sucesso, torna a trama ainda mais interessante, convincente. Os Von Trapp nos encantam por várias razões: eles são uma família
numerosa, em uma época de decadência desse
modelo; são um exemplo de coragem e superação de quem sofreu com a segunda guerra, afinal, perderam a pátria, a fortuna mas não a integridade; e também nos contam uma história
de amor “cinderelesca”, uma órfã encontra um
294/1397
príncipe com palácio e uma fortuna que inclui
as numerosas crianças entre seus tesouros. Ou
seja, mesmo que fosse pura ficção teria tudo
para ser um grande sucesso.
A família desse musical poderia estar junto
com as Famílias Robinson, ou os Waltons (dos
quais tratamos no capítulo Toda família é uma
ilha) no papel das famílias-modelo. De fato, ela
tem todos os requisitos, mas ela é bem mais do
que isso. Um aspecto fundamental dessa
história é a conquista por parte de Maria do
coração desse pai enlutado, assim como do
lugar da mãe, que estava vago, e dele eram expulsas todas as mulheres que tentavam entrar.
Não foi somente a partir dos atrativos femininos, os quais incluíam um bom coração, como
ocorria com as princesas tradicionais, que ela
tornou-se a escolhida desse “príncipe”: ela o
cativou por ser uma boa mãe.
A noviça Maria chega à casa da família
quando as crianças estavam sem nenhuma
figura feminina, pois todas as babás ou
295/1397
governantas anteriores eram rejeitadas ou não
aguentavam o cotidiano com elas. Ela interrompeu esse ciclo e devolveu a alegria à casa,
assumindo o lugar da mãe. A personagem da
mãe adotiva, que conquista a extensa prole de
órfãos com seu coração transbordante, é particularmente interessante pela sua perenidade.
Maria atravessou décadas representando a maternidade possível e idealizada pelas mulheres
contemporâneas, sempre em busca de uma
identidade feminina.
Na Europa e nos Estados Unidos, durante
as guerras mundiais, as mulheres viveram um
período de liberdade involuntária, já que perderam seus homens, pais, maridos e filhos, quer
pela morte ou pela ausência temporária. Para
muitas mães de família e jovens casadoiras, essa
foi uma experiência transformadora de libertação da reclusão doméstica e do isolamento da
vida pública. Além disso, sua autonomia
beneficiou-se das conquistas políticas feministas que lhes permitiam estudar, votar e as
296/1397
levaram para fora do lar, inserindo-as no
mundo do trabalho. Aquelas que continuaram
exclusivamente na função de esposas e mães, a
partir de então passaram a fazê-lo por escolha.
Essas senhoras sabem que estão deixando de
trabalhar para dedicar-se à vida doméstica, assim como quando trabalham estão deixando de
ocupar-se do lar. A liberdade de escolher diversos caminhos, que encontrou na evolução dos
métodos anticoncepcionais um grande aliado,
retirou a maternidade do piloto automático.
Quando e com quem ser mãe é algo a ser decidido. Antes um fato, a maternidade é agora
uma questão.
Anteriormente submetida pela sua natureza
biológica, que a obrigava ao celibato ou a
gestações constantes, assim como pela cultura
patriarcal, que a privava de direitos civis básicos, do estudo e da política, a mulher associou
sua identidade ao casamento e ao exercício da
maternidade. Mesmo que trabalhasse na cidade, no campo ou na indústria nascente, o
297/1397
cuidado do homem e das crianças era-lhe considerado intrínseco, biologicamente determinado, assim como era para o homem o exercício da proteção e dos proventos do grupo, como
se fossem identidades ancestrais e naturais, de
reprodutoras e caçadores.
Se bem para os homens trate-se de um papel social cultivado ao longo dos séculos, as
mulheres sempre terão o dom imutável da maternidade, que coloca interrogações que transcendem as determinações culturais. A construção do indivíduo, em busca de uma identidade, aliada ao controle do automatismo do
corpo, evitando gestações automáticas, fizeram
da feminilidade um enigma de identidade. Após
o rompimento do que restava dos papéis sociais
rigidamente determinados, os homens também
ficaram confusos a respeito da sua identidade
sexual, mas, foram elas que se colocaram fortemente a questão: o que é mesmo que implica
ser uma mulher?
298/1397
Para Touraine, “a mulher ultrapassa seus
papéis sociais pela experiência da vida que se
forma nela, e que não pode ser reduzida a um
papel institucional. É essa função de reprodução que coloca a mulher em desequilíbrio
com seus papéis institucionais”.1 Esse autor interroga a condição feminina partindo do pressuposto que a mulher contemporânea encontrase em busca do que ele chama de “construção de
si”. Touraine considera que o caminho para isso
não equivale a derivar nossos conceitos da determinação biológica da maternidade, a qual
acarreta uma imposição psicológica ou social,
ou mesmo em apoiar-se em uma identidade
construída por mera oposição ao patriarcado.
Tornar-se mulher constitui uma busca que se
prolonga ao longo de uma vida, na qual se constrói uma identidade que acaba encontrando-se
intrinsecamente com o enigma da maternidade.
Maria é uma jovem órfã, egressa de um
grupo de mulheres religiosas, que se revela extremamente apta a ser mãe de filhos que não
299/1397
gerou. Sua posição é curiosa, pois no seu caminho em direção à feminilidade todos os trajetos
óbvios são impossíveis. As freiras não podem
ensinar-lhe as artes da sedução, assim como
pouco sabem do ofício da maternidade. Aquelas
que funcionavam como “mães” de Maria eram
mulheres reclusas e celibatárias. Além disso, o
fato de não ter vivido a experiência da maternidade no sentido biológico, ou mesmo passando pelos dilemas de quem se decide por um
processo de adoção, coloca a jovem como alguém que não está física nem psiquicamente
preparado para a função. Maria não conta nem
com a cultura feminina tradicional, nem com a
força da vivência do corpo, quer seja da
gestação ou da submissão ao cuidado com o
recém-nascido, para prepará-la para ser mulher
e mãe. Ela faz sozinha seu processo de
descobrir-se ambas as coisas, sem referências
nem apoios, em uma solidão que é bem conhecida das mulheres contemporâneas. Elas são
órfãs, mesmo que tenham mãe.
300/1397
A feminilidade, assim como a maternidade,
são identidades construídas pessoalmente por
cada mulher, nas quais ela sempre se sente
meio estrangeira. Mesmo quando ela executa
funções clássicas, como reproduzir ou cuidar de
um lar, é como se ela tivesse deixado de ser
nativa das peculiaridades tradicionais reservadas a seu sexo e se sentisse sempre visitante.
Por isso, para falar da maternidade possível,
apelamos para essas duas mães que não são
biológicas.
O que é que a Maria tem?
Maria era uma noviça inquieta, exuberante,
totalmente deslocada no convento onde vivia.
Fora criada lá menos por vocação do que por
acidente, pois perdera seus pais e o convento
era agora sua referência de família. As superioras religiosas perceberam que seu destino não
era aquele e a deixaram experimentar um caminho diferente. Sugeriram que fosse ser preceptora dos sete órfãos de um viúvo recente. Assim
301/1397
começa o feliz encontro de uma jovem mulher
órfã, com vocação francamente materna, com
uma família enlutada pela falta da mãe. Já que
várias outras já haviam sido convocadas para
esse lugar, e todas falharam, o que Maria tinha
de diferente para não repetir o fracasso?
Talvez possamos responder à pergunta
sobre os dons de Maria pelo avesso. A partir do
que sobra nela, compreendemos a falta que isso
fazia para aquela família: trata-se da transmissão da alegria de viver. Alegria é algo impreciso,
mas estamos falando da vontade de ficar vivo,
de tirar prazer da vida, de seguir desejando,
amando, trabalhando. Qualquer terapeuta sabe
o peso que é para alguém ter uma mãe sempre
triste, que passa boa parte da vida na cama, reclamando de tudo, agressiva e incapaz de
conectar-se com os filhos. Isso certamente é
uma das piores heranças que podemos receber.
Indivíduos que tiveram mães deprimidas podem não sucumbir à depressão, mas o peso da
vida é para eles o dobro. Essa nota sobre a
302/1397
tristeza da mãe, que pode ter várias formas, e
aqui assumia mais a de um lugar vazio que
parecia sugar a vivacidade daquela casa, é apenas um contraponto para entender a relevância
do que a jovem noviça trouxe consigo. Um filho
deseja ser motivo de satisfação e alegria para a
mãe, preencher de alguma forma sua existência,
e o estado de espírito dela é indicador disso
para ele.
Uma mãe alegre, que canta o dia inteiro significa alguém satisfeito com o que é e tem, tranquiliza as crianças em torno dela, sempre inseguras de valer alguma coisa. Nesta história,
além da ausência da mãe morta, temos a sequência de preceptoras sempre insatisfeitas,
queixosas daquelas crianças, que constatamos
não serem tão endemoniadas assim, apenas
faziam algumas travessuras para chamar a
atenção ou para resistir à rigidez árida das mulheres que se propunham a cuidá-las. O que fez
Maria tornar-se tão importante para aquela
família é o mesmo motivo pelo qual o convento
303/1397
era apertado para ela, a vida e a alegria lhe
sobravam.
Maria tinha a felicidade correndo nas veias.
Em um primeiro momento esse sentimento
parece brotar direto das montanhas, que a
fazem cantar, mas logo, em uma música que ela
ensina a seus pupilos amedrontados com a tempestade, vemos como ela trabalha para alegrarse, colhendo pequenas felicidades cotidianas
para consolar-se. Ela canta, em My favorite
things, que quando a tristeza chega, ela lembra
das coisas que ama. Pequenos mimos e detalhes, como meias de lã quentinhas e pacotes amarrados com cordão, pôneis cor creme e torta de
maçã crocante. Em The sound of music, ela diz
que, quando sente-se só, basta ir até as montanhas e lá escutar os sons da natureza, que são
para ela uma música. A postura de Maria é a da
busca do consolo nas pequenas coisas que estão
à mão, nas quais é possível vivenciar algum
aconchego, nos objetos que lembram o calor do
304/1397
lar e da mãe, na natureza que a brinda com sua
constância, sua previsibilidade.
Maria canta, ensina a cantar, dança e coloca
a música nesse lugar materno que inicialmente
ela de fato tem. Da voz da mãe, o recém-nascido
retém a musicalidade que já atravessava as
paredes uterinas. As primeiras expressões dela,
de conteúdo incompreensível para ele, são
melodias que o bebê vai decodificando e identificando com a satisfação oriunda da presença da
mãe e dos cuidados que ela lhe dispensa. A
música será geralmente uma fonte de prazer,
mas também de ambiência, a música constrói
um lugar, esteja onde estiver. São clássicas as
cenas dos músicos, à beira da catástrofe, de um
naufrágio, de um massacre, tocando até a
morte, mantendo-se dentro de suas melodias,
como forma de resistir à destruição até o último
minuto. A voz de Julie Andrews, no papel de
Maria, persiste como sinônimo de alegria e
otimismo ao longo de décadas e, por mais pueril
e antiquado que possa ser, esse musical ainda
305/1397
faz parte do acervo das novas gerações, principalmente das meninas.
Suas superioras percebiam que não havia
como elas, enquanto freiras, que são mulheres
que abriram mão de escutar e realizar seus
desejos, ajudarem uma moça a tornar-se mulher. Maria fez-se feminina contrapondo sua voz
ao silêncio do claustro e do ambiente sepulcral
da casa, que abrigava as parcas lembranças da
finada mãe das crianças de que ela foi cuidar. A
casa do Capitão Von Trapp é descrita como um
lugar frio, rígido, administrado com disciplina
militar por um pai amargurado. A alegria desaparecera junto com a esposa, que levou a musica consigo até que Maria a trouxe de volta.
Em um primeiro momento, a postura de
Maria é como a de uma irmã mais velha: serve
de confidente para o primeiro amor da filha adolescente da casa, que não parece ser muito
mais moça do que ela, brinca com as crianças
compartilhando-lhes e até incentivando as
travessuras. O capitão reage como um pai
306/1397
furioso, ameaçando acabar com tudo se ela não
voltar ao espírito de triste rigidez no qual eles já
estavam acostumados a viver.
Nessa história, onde a criada termina no
lugar de princesa, em um drama próximo ao de
Cinderela, não poderia faltar uma madrasta:
trata-se da Baronesa que estava noiva do capitão, mas não amava seus filhos. Ela só quer
saber de levá-lo para longe, divertir-se com ele.
Aqui, a jovem mulher e a madrasta travam uma
disputa diferente dos contos de fadas clássicos.
Evidentemente que, ao disputarem o coração do
mesmo homem, aproximam-se da tradição, na
qual não há lugar para mais de uma mulher na
casa. Porém, aqui temos um contraponto interessante, onde cada uma delas encarna uma
parte intrínseca da feminilidade contemporânea: a madrasta é uma mulher voltada para
a sociabilidade, para a vida pública, o quer
apenas como homem, para seu gozo e circulação social; já para Maria, os assuntos de que
se ocupa junto àquele homem que descobriu
307/1397
amar eram estritamente domésticos. Sua
presença naquele lar corresponde ao que se espera de uma mulher do século anterior ao seu: a
garantia da harmonia da casa, da formação
moral e espiritual dos filhos. Ela trabalha no
conhecimento do interior das crianças e jovens,
conhece seus anseios, idiossincrasias e as
fraquezas de cada um, é sua confidente e
orientadora.
No século XIX, houve grande empenho nos
diversos países da Europa de estabelecer a domesticidade como cerne da vida dos homens respeitáveis. A premissa para isso foi que a
religiosidade interiorizou-se através das práticas protestantes, nas quais cada um devia prestar contas pessoalmente com o senhor e ter
uma vida privada que fosse retrato de sua alma
fiel a ele. O espaço familiar, o lar, devia corresponder à identidade de seus ocupantes, retratar
sua alma e valores. Para tanto, passou-se a tomar as devidas providências em termos de arquitetura, decoração e funcionamento; nele
308/1397
agora já não penetram estranhos, não é partilhado com serviçais ou colegas de ofício, será reservado aos parentes e amigos.
A curadora desse lugar, que nunca foi tão
privado, ao mesmo tempo em que jamais
atendeu a uma função social tão complexa, é a
mulher, a mãe. Outrora, honrar as aparências
do matrimônio, gerar um herdeiro legítimo e
manter uma postura consoante com sua posição
social era o suficiente. A partir do final do
século XVIII passou a se esperar cada vez mais
da domesticidade, que é vista como alicerce dos
valores da sociedade.
Maria parecia talhada para essa função,
mesmo nas primeiras décadas do século XX,
quando essa história transcorre. Oriunda de
uma sólida formação religiosa, muito enraizada
na cultura nacional cujas músicas e danças conhecia bem, inocente como uma jovem interiorana, identificada aos órfãos de que cuidava,
tudo isso permitia que mantivesse com eles
uma conexão verdadeira, que ela soube tornar
309/1397
materna. Ela encarnava um ideal de maternidade paradigmático, que sobreviveu às transformações sociais. Independente das nuances
pelas quais o papel feminino vem se modificando, o cânone materno estabeleceu-se tendo
como referência esse modelo, já que nunca se
esperou tanto de uma mãe.
Mamãe Cinderela
Assim como Maria era muito exuberante
para ser uma noviça, o mesmo ocorre quando
tenta ser maternal em uma família tradicional.
Nesse sentido, ela retrata também de forma
fidedigna as transformações ocorridas no papel
do pai em uma casa regida por uma mãe atenta.
Conforme Mary Ryan, “o centro do lar se transferiu da autoridade patriarcal ao afeto maternal”.2 O confronto com a educação árida e rigorosa que o Capitão dispensava aos filhos era
inevitável. No princípio apenas o via como um
pai severo do qual ela discordava, sua primeira
missão era resgatar as crianças do estado de
310/1397
tristeza e rebeldia em que estavam. Seu espírito
irreverente já havia se revelado no convento,
mas sua maior rebelião é contra a tristeza e depois, na casa do Capitão Von Trapp, contra a rigidez paterna.
Aos poucos, à medida que vai conquistando
um lugar materno junto das crianças, Maria
permite-se aparecer como mulher ao pai delas.
Antes dela, os filhos do Capitão haviam rejeitado várias governantas, negando-se a aceitar
qualquer mulher no lugar de sua finada mãe.
Com Maria foi diferente, ela se irmana na orfandade com eles, enquanto afirma sua condição feminina na possibilidade de substituir
uma mãe tão valorizada e pranteada.
Identificar-se com a mãe é um dos recursos
de construção da identidade feminina. As meninas querem ser atraentes como supõem que sua
mãe seja e ser também agraciadas com um filho
como sua mãe foi. Como sempre se trata de
inspirar-se em uma imagem da mãe construída
pela própria filha, no caso de uma orfandade,
311/1397
como a desta história, é possível identificar-se
com restos inconscientes, prováveis memórias
da mãe perdida, quer sejam situações ocorridas
ou apenas fantasiadas. Nelas nutria sua alegria
natural e, quando pôde substituir a mãe perdida
das sete crianças, viu-se no exercício desse lugar
materno, legitimando-se enquanto filha e enquanto mulher.
Na verdade trata-se do desejo secreto de
toda menina, que almeja substituir a mãe no
amor do pai (assim como o menino deseja o
mesmo relativo ao pai). Além de encenar o jogo
amoroso, de descobrir-se enquanto possível objeto de desejo sexual, essa trama de cunho
edípico permite que se coloque a questão da
identificação em sua forma mais rudimentar:
ficar no lugar do outro no qual nos inspiramos,
que deve ser eliminado, devorado. Faz parte
desse quadro, receber do pai o fruto desse
amor, um filho, e a filha fica magoada e enciumada ao perceber que não foi agraciada com
tal dom, principalmente quando lhe é dado
312/1397
testemunhar gestações tardias da mãe ou de
uma nova mulher do pai.
Nessa história, graças à morte da mãe das
crianças, Maria pôde realizar esse sonho de
menina: foi a escolhida pelo severo pai da prole,
acabou ocupando o lugar de mãe oficial, substituindo a original, como se fosse a própria.
Não é estranho que esse filme tenha tido tanto
sucesso, é uma fantasia ainda melhor do que ser
Cinderela, pois é mais diretamente evocativa
dos desejos mais antigos de toda mulher.
No início de sua experiência psicanalítica,
Freud teve oportunidade de escutar uma jovem
governanta, Miss Lucy R., que sofria de sintomas histéricos devido a uma paixão recolhida
pelo patrão viúvo de cujos filhos ela se incumbia. Apesar de que é uma obra dos primórdios da psicanálise, não foi difícil a Freud ver
que nos diversos casos relatados em Estudos
sobre a histeria, havia uma história de amor ao
pai, ou a figuras substitutivas, que adoecia algumas das moças que lhe pediam ajuda.
313/1397
Tratavam-se de amores incestuosos, inaceitáveis e, por isso, neuróticos. No caso de Maria, a
fantasia se realiza, sem vacilações neuróticas: a
mãe está morta, o pai é livre para escolher a
jovem, e ele não está impedido de fazê-lo, já que
não é seu próprio pai; enquanto os filhos a reconhecem e legitimam em um lugar de substituta da verdadeira mãe.
Na verdade, quando se descobre envolvida
com o Capitão, Maria foge de volta para o convento e tenta retomar sua ordenação. Em um
primeiro momento envergonha-se, mas a
Madre Superiora a convence, dizendo-lhe
tratar-se de uma missão à qual não lhe cabe se
furtar. Essa autorização para amar um homem e
ser mãe, proveniente de uma figura materna
que abdicou de ter essas prerrogativas para si, é
mais uma forma idealizada proveniente dos
contos de fadas. Nestes, as mães boas, sempre
mortas, jamais entram em disputa com as filhas
jovens e belas pelo lugar de mulher da casa,
esse papel cabe às madrastas, no caso à
314/1397
baronesa, noiva do Capitão. A mãe-freira é
como a finada bondosa, aquela que abençoa,
mas não se ressente de ser superada pela jovem,
pois está alheia a essa contenda. Além disso, a
benção divina legitima a relação, de tal forma
que Maria se casa no mosteiro, sob o olhar enternecido de toda a comunidade de religiosas, o
que torna qualquer sombra de amor incestuoso
insignificante.
Neste caso, a identificação com a mãe morta
teve um final feliz, pois foi possível que a preceptora compartilhasse com seus pupilos restos
de maternidade que ela, também órfã, já administrava em seu interior com sucesso e,
graças a isso, realizou uma fantasia clássica que
acompanha a construção da identidade feminina. Que fique bem claro: o que consolida o sentimento de ser autenticamente uma mulher,
passa mais pelo amor do que pela maternidade.
As coisas na verdade ocorrem na ordem inversa
do que aconteceu com Maria: primeiro quer-se
ser capaz de atrair, ser desejada, escolhida,
315/1397
depois virá a maternidade como reconhecimento disso, como uma graça alcançada.
A experiência da maternidade pode ser
transcendente, imensa, mas não coincide com
uma consolidação da feminilidade. Ser mulher é
também ser mãe, não porque toda mulher esteja compulsivamente obrigada a isso, nem
mesmo porque a maternidade a faça sentir feminina, mas porque nosso primeiro amor, aquela
que imprimiu suas marcas na nossa alma, era
para nós uma mãe. Portanto, o lugar materno é
paradigmático para a mulher porque funde o
primeiro amor com a primeira identificação.
Não há como não dialogar com ele quando nos
perguntamos o que cabe dentro da posição feminina. É por isso que os amores adultos ficam
margeando perigosamente as relações maternofiliais, porque esse vínculo baseia-se em uma
experiência mais que fundamental, fundadora.
Esse musical é um libelo ao papel central
ocupado pela mãe na família, sem cuja mediação não haveria equilíbrio, restando só a
316/1397
rigidez paterna e a rebeldia dos filhos em eterno
confronto. A autoridade paterna se exerce por
procuração: em outros tempos, na origem da
família que foi tornando-se cada vez mais restrita, nuclear, o pai representava autoridade
feudal, monárquica, divina, era um transmissor
dessa ordem garantindo a inserção de seu grupo
no contexto maior da comunidade à qual pertenciam. Ele encarnava esse poder e a mulher
era não mais do que um de seus subordinados,
súditos, executora de seus desígnios. Quando a
família passa a ser um grupo valorizado em si,
compreendido como o lugar onde se constituem
os valores e, principalmente, os afetos que são
fonte da formação dos novos indivíduos, a mulher e a maternidade passam a ocupar um lugar
de protagonistas. Na família nuclear autocentrada e complexa, a função do pai passa pela
relação dele com uma mulher que divida com
ele a preocupação com as crianças e intermedeie a relação com os filhos.3 Apesar de sua
família numerosa, de formato aparentemente
317/1397
tão tradicional, o Capitão Von Trapp só encontraria paz no seu lar quando uma mulher capaz
de balancear a autoridade com o afeto voltasse à
sua vida.
Através do apaixonamento do capitão pela
jovem maternal, o modelo de família nuclear
autossuficiente se reafirma. Nele o desejo erótico pela mulher, assim como o amor pela
companheira no lar e pelos filhos, unem-se em
um fluxo sem contradições e conflitos. É mais
um ideal romântico a ser celebrado. Na prática,
um homem e uma mulher precisam alternar os
papéis de amantes, esposos e pais, em um difícil
trabalho para compatibilizar desempenhos que
se revelam contraditórios. Um casal brinca
entre si e compartilha fantasias, dentro dessa
dimensão é possível tratarem-se como crianças
e mesmo assim continuar desejando-se sexualmente; mas se isso se aproximar da realidade e
os papéis materno e paterno forem a tônica da
relação entre o casal, o erotismo sucumbirá.
Além disso, dividir tarefas pressupõe
318/1397
compreender mutuamente as capacidades, mas
também as dificuldades que cada um tem.
Conhecer-se tão bem nem sempre é compatível
com o enamoramento, que pressupõe certo grau
de idealização. Esta é mais uma árdua conquista
para um casal que quer fundir os esposos e os
amantes na mesma relação.
Maria não se comporta como uma esposa
submissa, nem como uma filha temerosa,
confronta-se com o Capitão, defendendo o espaço para a brincadeira e a imaginação infantis,
o direito dos pequenos a sentirem-se frágeis e
tristes pela ausência da mãe. Ao apaixonar-se
por ela, ele também afirmou um aspecto fundamental da idealizada família nuclear contemporânea: a esposa opinativa, posicionada, que
decide conjuntamente os destinos com seu marido, agora mais um companheiro de vida do que
um líder autocrático do grupo, em uma família
inspirada no modelo democrático.
319/1397
A mãe feiticeira_Mary Poppins
Ambientada na Londres de 1910, escrita na
década de 1930 e recriada por Disney na década
de 1960, a história de Mary Poppins ainda hoje
é conhecida. Essa babá mágica nasceu em uma
série de livros que começaram a ser publicados
em 1934, escritos pela australiana Pamela
Travers. Trinta anos depois foi levada às telas
por Walt Disney em uma versão musical que
hoje é a responsável pela perenidade da obra.4
A história é muito simples: os irmãos Jane e
Michael são os filhos de um casal ocupado, o pai
é funcionário abnegado de um banco londrino,
enquanto a mãe é uma entusiasta militante sufragista. Como em toda família em boas condições financeiras, é preciso alguém para
dedicar-se às crianças, mas, neste caso em particular, a desconexão dos pais voltados aos seus
assuntos mundanos é colocada em relevância, já
que os irmãos são especialmente problemáticos.
320/1397
Nenhuma babá resiste por muito tempo, eles
são desobedientes e fujões, passear com eles é
um perigo, uma depois da outra vai embora por
não aguentar as “pestes”.
A partida de mais uma babá leva o pai a decidir selecionar pessoalmente a próxima e ele
escreve um anúncio de jornal onde arrola as características desejadas: deve ser severa, para
controlar essas crianças rebeldes, e traduzir os
valores ingleses que ele tanto aprecia, como a
rotina e a ordem. Mas as crianças não desistem
de encontrar alguém que se conecte com elas e
também fazem seu pedido. Escrevem uma
carta, que apresentam ao pai, solicitando uma
babá alegre, que saiba brincar e goste de
passear com eles. Achando-a ridícula, George
Banks rasga-a e a joga na lareira, mas seus pedacinhos voam para as mãos de uma moça elegante e bonita, sentada em uma nuvem, que
atende ao chamado. No dia da seleção, uma
forte ventania varre magicamente todas as outras candidatas, mulheres sombrias vestidas de
321/1397
preto, e na porta encontra-se apenas a bela e luminosa Mary Poppins.
O Sr. Banks fica tão estarrecido ao vê-la
com a carta das crianças na mão, a qual ele lembrava claramente de ter rasgado, que mal consegue entender que está admitindo aquela senhorita irreverente para trabalhar em sua casa.
Assim, atendendo ao chamado das crianças e à
revelia da educação formal pretendida pelo seu
pai, é que Mary Poppins ingressa na casa dos
Banks. Ao longo do filme, vai sempre ficando
bem claro que ela vem e vai ao sabor do vento,
do seu vento. Como Mary Poppins é mágica, ela
chega e parte em um pé de vento, uma espécie
de tempestade na qual ela navega e que parece
controlar. Não há dúvidas de que esta mulher
faz o que quer e quando quer, por isso sua
chegada já caracteriza um confronto com o patriarca. Ela não está às suas ordens, como as criadas da casa, Mary Poppins está ali porque Michael e Jane precisam dela.
322/1397
As crianças logo percebem que ela é diferente, que tem a esperada conexão com a infância que seus pais não têm, e rapidamente
apaixonam-se por ela. Não se enganaram, ela
realmente é fantástica, leva-as a passeios extraordinários, com animais falantes, caminhadas pelo céu ou pelos telhados, bebem chá em
uma mesa voadora, entram em um desenho e lá
vivem aventuras, enfim, graças a seus recursos
mágicos fazem todo tipo de loucura que
qualquer criança gostaria de viver.
Mary Poppins é uma mulher livre, circula à
vontade na cidade de Londres, conhece seus segredos e tem amigos mágicos por todos os lados, todos homens, com os quais passeia, canta
e dança em companhia das crianças. O filme enfoca em particular um deles, chamado Bert, que
trabalha como artista de rua ou limpa-chaminés, mais parecendo estar a serviço da diversão
e da magia do que de ganhar a vida. Ele é um
trabalhador simples, como ela própria é uma
criada, mas isso para eles parece ser um
323/1397
disfarce para fazer parte do cotidiano das crianças e para viver na fantasia, a qual supomos
que se perderia se estivesse em contato com as
coisas sérias.
De coisas sérias os pais de Jane e Michael
Banks entendem muito bem, aliás é só disso
que eles entendem porque de seus filhos quase
nada sabem. George, o pai, é uma caricatura do
inglês metódico e distante, que ama a rotina
acima de todas as coisas. Seus filhos fazem
parte do cenário dessa casa que deve recebê-lo,
ao final do dia de trabalho, sempre previsível e
acolhedora. Winifred, a mãe, no filme está totalmente voltada para a causa sufragista, e diz que
suas netas a admirarão pelas conquistas
públicas, mas claramente não pretende ocuparse da formação de Jane, já que da tarefa materna nada quer saber. Ela fica desesperada pelo
eterno desencontro entre seus filhos e as sucessivas babás, que se revelam incapazes de controlar as travessuras. Frente ao marido é submissa e parece uma mulher tradicional, mas na
324/1397
prática conta com as criadas para substituí-la
na vida doméstica para poder escapar para suas
atividades políticas.
Ao contrário da Sra. Banks, Poppins não é
uma militante feminista, mas nada tem de
tradicional. Ela não somente enfrenta a autoridade do pai da família, assinalando a necessidade
de que ele se ocupe dos seus filhos, como também é independente. O romance que é puerilmente sugerido entre ela e Bert situa-a como
uma mulher que não se prende, vem e vai de
acordo com seu desejo e suas missões, dança
livremente no meio dos homens. Porém, vale
notar que sua obra, de promover o encontro
entre crianças e suas famílias e encantá-las para
que fiquem harmônicas, ocorre entre as quatro
paredes do lar. Fora de casa, quem a conhece
são os trabalhadores marginalizados, os artistas
de rua, os malucos; o mundo do trabalho, da
política, do pensamento e da arte, esse não é da
sua alçada, seu poder e horizonte são domésticos. O envolvimento do pai com a pujança e
325/1397
orgulho do império britânico, através do banco
em que trabalhava, assim como da mãe na
política, aparecem no filme apenas como
motivos para desincumbir-se dos filhos e
comportar-se como egoístas.
Poppins transforma as tarefas infantis em
brincadeiras, o remédio amargo em doce e
vence a resistência das crianças para dormir
com lindas canções. Convém notar que ao seu
comando elas sempre obedecem, e aqui não usa
nenhuma magia, apenas ela propõe formas que
levam em conta as peculiaridades da infância.
Jane e Michael faziam de tudo para serem escutados pelos seus pais, eles não eram particularmente monstruosos como os adultos a seu
redor acreditavam, eram apenas crianças.
A obra, assim como já ocorrera anos antes
com Peter Pan e Wendy (J.M. Barrie, 1911),
milita em prol da conexão dos adultos com as
crianças e encarna a mágoa delas com tudo o
que afasta seus pais do seu mundo. No contraponto entre a militante sufragista ridicularizada
326/1397
e a fada doméstica tão exaltada aparece um
posicionamento político. Por isso, não é estranho que Walt Disney, um cidadão bastante
tradicional, tenha se empenhado tanto nessa
obra, na qual trabalhou por mais de duas décadas. Nessa visão a vida pública da mãe é claramente excludente de sua função materna, as
crianças querem a figura da mãe dentro de seu
mundo, operando com sua lógica mágica de
pensamento, e Disney fez eco a essa demanda,
em um posicionamento típico da década de
1960.
Não acreditamos que o sucesso desse filme
deva-se a qualquer postura patriarcal, apenas
fica demarcado um contraponto entre a mãe e a
cidadã. A título de curiosidade, no filme não há
sequer um diálogo entre a mãe e a babá, esta última sempre se dirige exclusivamente ao pai das
crianças. Provavelmente porque a mãe e a babá
são duas faces da mesma figura feminina, a
primeira é oficialmente submissa e secretamente revolucionária, enquanto Poppins é o
327/1397
inverso disso, francamente desobediente, mas
devota à causa de aproximar os filhos de seu
pai.
A noviça Maria manteve a mesma postura
desafiante em relação à rigidez do Capitão,
forçou-o a ver o encanto de seus filhos através
da música e, pelo mesmo meio, mostrou a eles o
lado afetivo de seu pai. O caminho de Poppins
para introduzir alguma conexão em uma família
desencontrada é menos suave, pois não há nenhuma empatia entre a figura maternal constituída por ela e o pai, pelo contrário. A ponte
entre o pai e os filhos feita pela mãe, que abomina a vida doméstica e apenas finge submeter-se
a ele, não produz a liga necessária. Estranhamente, a ligação entre o Sr. Banks e seus filhos termina nascendo do conflito entre a mulher livre e o patriarca ressentido.
Poppins consegue organizar uma visita das
crianças ao banco no qual o pai trabalha, mas
elas terminam produzindo um caos na instituição que ocasiona a demissão dele.
328/1397
Desempregado, ele se lamenta com Bert, que
estava limpando a chaminé de sua casa, o qual
lhe diz que ele está perdendo a oportunidade de
ver seus filhos crescerem. Sensibilizado com
tudo isso, George Banks resolve passear com
seus filhos e a família finalmente se encontra.
Essa é a hora de Poppins embarcar em sua
ventania, considerar sua missão cumprida e
partir.
Mary Poppins e Bert são duplicações mágicas dos pais George e Winifred. Fica claro que
a babá é a parte da mãe que interessa aos filhos,
enquanto o limpador de chaminés é a do pai:
aquela na qual eles são amados acima de todas
as coisas, motivo central de interesse na vida
dos pais. Em ambas histórias desses musicais,
há uma personagem materna que chega para
produzir a liga que a mãe da família não pôde
administrar, quer porque estava morta, como
no caso dos Von Trapp, quer por muito ocupada, como com os Banks. A conexão que faz de
uma família algo unido, representado pela
329/1397
música na primeira história, e pelo passeio conjunto na segunda, precisa ser feita por uma
mulher sensível com as demandas específicas
das crianças. Convém observar que essas famílias têm uma face pública importante: em ambos
filmes, por ocasião da apresentação musical dos
austríacos e do passeio no parque dos ingleses,
fica visível, fora das paredes do lar, a sintonia
entre seus membros.
Mas por que cabe a uma mulher a salvação
desse grupo? Em parte porque sempre foi função da mãe criá-lo e mantê-lo coeso, portanto, é
a sua desconexão que é atribuído o desencontro.
Para Julien, “só há verdadeira autoridade paterna quando esta for recebida de uma mulher”.5 Evidentemente que esta é uma leitura aplicável à partir da subjetividade pós-moderna,
quando os vínculos amorosos são responsáveis
por constituírem os sujeitos, acima de
quaisquer determinações hierárquicas ou
provenientes da tradição. Ao pai cabe dar forma
ao espaço que deve necessariamente se abrir
330/1397
entre o filho e a mãe, através do qual o filho
sabe que é importante para ela, mas que não é
tudo. Como sabemos, é nesse lapso, no qual a
criança sente-se insuficiente para satisfazer a
mãe, ao mesmo tempo em que constata que a
mãe nunca está presente tanto quanto o filho
gostaria, que se abre o intervalo no qual o filho
cria seus primeiros pensamentos, brincadeiras e
descobre que existe independente do corpo e do
olhar dela. É o pai, ou um representante paterno, que funciona como aquele a ser responsabilizado pelo fato de que a mãe se distrai do filho,
quer algo além dele. Se não houvesse a quem
responsabilizar por isso, o filho apenas ficaria
pensando que ele é pouco valioso, insuficiente
para satisfazê-la, mais do que uma interdição,
viveria uma impotência, que é muito mais
dolorosa.
Como Mary Poppins entra nessa família
para executar um papel materno, parece inevitável que se estabeleça um confronto, uma disputa com a mãe das crianças. Em casa, Winifred
331/1397
é omissa e dissimulada, sua militância na rua
não se traduz em uma postura corajosa, mesmo
quando ela dá mostras de opinar que o marido
está sendo severo e pouco compreensivo com
seus filhos.
É Poppins que se incumbe de mostrar que
um bom cidadão inglês e uma senhora bem
ativa para sua época não são necessariamente
bons pais, que, para tanto, é preciso conectar-se
com a infância dos filhos, descobrir seus impasses e modo de ver a vida e, a partir daí,
apontar os caminhos para seu crescimento e sua
formação moral. As conquistas externas de pouco valem para os filhos se não houver alguma
tradução delas na vida cotidiana. No caso de
Winifred, por exemplo, a mulher liberta que ela
desejava que todas fossem deveria imprimir seu
estilo na condução de seu lar, o que não ocorre
entre os Banks. Essa mulher do futuro com que
sonha a mãe desta família já existe, mas ainda
enquanto uma fantasia, um ser imaginário: é
Mary Poppins.
332/1397
Já estava escrito na carta formulada pelas
crianças, onde eles fazem suas exigências sobre
a natureza da babá que seria contratada, que
deveria ser alguém agradável e capaz de prestar
atenção às necessidades subjetivas deles. Ao seu
modo, eles lembravam que para as crianças
contemporâneas, já não serve o método de
formação de seus avós, que aprendiam observando a vida dos adultos, e por regramento,
seguindo ordens e sendo punidos quando eram
descobertos em falta.
Na carta de exigências que o Sr. Banks
manda publicar no jornal, abrindo a seleção da
nova funcionária, solicita-se uma senhora severa, capaz de colocar aquelas crianças fujonas
no prumo. Essa era para ele a função para a
qual era preciso recrutar uma mulher: transmitir e fazer suas ordens serem obedecidas.
Porém, ao intermediar a relação entre o pai e os
filhos, uma mãe faz algo diferente e maior do
que isso. A Sra. Banks, distante dos filhos e
servil em termos domésticos, não é capaz de
333/1397
fazer o que Poppins, com auxílio de seu amigo
Bert, realiza: despertar George Banks para a necessidade de relacionar-se diretamente com os
filhos, não por decreto, mas sim através de um
diálogo genuíno.
Nesta história, após constranger o pai a
levar as crianças ao banco, onde se criou o incidente que o fez perder o emprego (recuperado
ao final do filme), Poppins confrontou esse
homem com rememorações da própria infância,
possibilitando que ele lembrasse como fabricar
e empinar pipas. Winifred, em um papel secundário, já que o materno é vivido por Poppins,
oferece uma das faixas que usava em sua campanha sufragista para funcionar como rabo da
pandorga. Jane e Michael não precisavam mais
fugir para ser notados, a pipa representa um
projeto familiar cujos objetivos só servem para
uso interno, para servir de conexão dos pais
com os filhos e com sua própria e renegada
infância.
334/1397
A Mary Poppins de Walt Disney é a avó da
Supernanny, um programa de TV criado na
Inglaterra em 2004, onde uma babá ensina crianças e seus pais a sê-lo, corrigindo seus erros e
educando a família inteira. A série, que é um
reality show, tornou-se um tipo de programa
reproduzido ao redor do mundo todo, com
babás de nacionalidades diferentes, mas estilo
único: enfocam famílias em conflito, pais
desconectados ou desorientados, incapazes de
lidar com os filhos. As super-babás intervêm
para impor a disciplina necessária, assim como
uma rotina compatível com as necessidades da
criança.
Talvez a popularidade desses programas
resulte do fato de que a tarefa de Poppins foi executada com tanto sucesso, que pais e filhos hoje seriam tão próximos que desconhecem o
caminho da imposição da disciplina, ao contrário, só saberiam empinar pandorgas juntos.
Mas tampouco é disso que se trata: a desconexão que hoje se estabelece é de caráter
335/1397
diferente da dos Banks, embora o pai não seja
mais autocrático e nem a mãe submissa. A dificuldade atual provém do fato de que os homens pouco reconhecem em si do adulto que
deveria sentir-se autorizado e em condições de
ser pai, enquanto as mulheres sentem-se muito
diferentes daquilo que se compreende como
uma mãe. As famílias sofrem bastante por essa
distância entre o ideal e a prática da função parental e respondem a isso sentindo-se paralisados, impotentes, assustados. Por isso não sabem
como reagir quando os filhos os convocam com
suas travessuras tais como fizeram Jane, Michael e os filhos do Capitão Von Trapp.
Apesar de as famílias terem mudado muito
nas décadas que nos separam do lançamento
desses musicais, a perenidade do sucesso das
duas babás cantoras, encantadoras e vivazes
provém do fato de que continuam oferecendo
um script para o papel da mãe. Mesmo que uma
mulher não tenha sido criada com essa missão,
como Maria, nem funcione como esposa de um
336/1397
senhor respeitável, como Poppins, apesar de
não ter gerado um filho, descobre com essas
personagens que a maternidade é um exercício
de sensibilidade e de identificação com as crianças. Ela é possível, estaria ao alcance de cada
mulher mesmo que se sinta demasiado órfã e
independente para executá-lo. A maternidade é
viável para a mulher contemporânea, o que não
quer dizer que lhe seja fácil.
Mulheres de verdade_Virgínia Woolf e
Clarice Lispector
As duas histórias que examinamos são de
maternidades bem-sucedidas, até porque são
praticamente peças de propaganda de novos
matizes de uma maternidade idealizada. Mas, à
sombra desses ideais, as mães de carne e osso
nem sempre se saem tão bem assim. Mesmo
por que essas Marys e Marias da ficção chegam
em um momento em que na prática as mães já
estão outra vez distônicas com seu papel. É
justamente por isso que nenhuma dessas babás
337/1397
musicais é a verdadeira mãe das crianças. Essas
personagens são construídas como uma figura
separada da mãe real, que está ocupada ou
morta, elas são à parte da mulher que faz a magia, que dedica-se à arte, à performance da
maternidade.
Mary Poppins e Maria Von Trapp não são o
que uma mãe é, elas são aquela que todo filho
acha que teria direito de ter, e toda mãe acha
que deveria ser. As mães ocupadas e trabalhadoras que as crianças têm hoje são diferentes
daquelas que dividiam com o esposo o cuidado
com o negócio da família e que se incumbiam
da casa e do enorme número de filhos até a exaustão. Embora hoje também trabalhem e administrem o cotidiano familiar também até a
exaustão, elas farão o possível para falar, escutar e até contar histórias, cantar e brincar com
seus filhos. Elas levam a vida de trabalho do
Sr.Banks, são participativas do mundo como a
Sra. Banks, querem ser atraentes como a
Baronesa, mas ao chegar em casa, exigem-se ser
338/1397
como Mary Poppins: mães fantásticas, conhecedoras da alma dos filhos, capazes da magia de
fazê-los sentirem-se importantes e felizes.
As mulheres vêm construindo um incrível
equilíbrio, umas improváveis combinações
entre o papel central prescrito para a mãe na
nascente família burguesa e a libertação da reclusão doméstica, mesmo porque ambas as
tendências sempre de alguma forma conviveram. A mulher conquistou a relevância social enquanto rainha do lar e como cidadã em
tempos históricos similares, é por isso que a
ocupada sufragista e a dedicada Mary Poppins
são faces fendidas da mesma mãe.
O sucesso dessa química instável depende
de que o papel materno seja construído a partir
de todas as fontes possíveis e, mais uma vez, as
histórias, a ficção com seu papel de organizar as
fantasias, disponibilizá-las para serem compartilhadas, frequentadas e assimiladas, cumprem seu papel. Assim como as crianças precisam
de histórias para se compreender e se
339/1397
constituir, as mulheres também se beneficiam
das narrativas de ficção para traçar sua própria
identidade. É por isso que os mesmo séculos
que viram surgir as cidadãs testemunharam o
apogeu das leitoras de romances, das vorazes
consumidoras de ficção. As mulheres utilizaram
esses sonhos disponibilizados pela literatura
para tornarem-se tais.
Porém, quanto aos musicais que analisamos, por seu caráter pueril e idealizado, se bem
esses filmes nos distraem, traduzem desejos e
fazem sonhar, por certo não nos ajudam a
pensar o mal-estar na maternidade. No conto
Amor, de Clarice Lispector, a personagem Ana é
uma dona de casa tradicional, que sentia medo
apenas de uma determinada hora do dia: o final
da tarde, quando a casa em silêncio e as tarefas
concluídas deixavam-na em contato com o
próprio vazio. De forma inesperada, o encontro
consigo mesma dá-se em um bonde, quando ela
contempla um cego mascando chiclete, e vê-se
refletida naquela ausência de olhar. A partir
340/1397
dessa experiência, ela se sente perdida e com
uma compulsão a enxergar o mundo orgânico,
movediço e imprevisível no qual ela se conduzia, abstraída de sua complexidade: “O mal
estava feito. Por quê? Teria esquecido que havia
cegos? A piedade a sufocava, Ana respirava
pesadamente. Mesmo as coisas que existiam
antes do acontecimento estavam agora de sobreaviso, tinham um ar mais hostil, perecível... O
mundo se tornara de novo um mal-estar. [...]
Expulsa de seus próprios dias, parecia-lhe que
as pessoas na rua eram periclitantes, que se
mantinham por um mínimo de equilíbrio à tona
da escuridão – e por um momento a falta de
sentido deixava-as tão livres que elas não
sabiam para onde ir”.6
Clarice, como nenhuma outra escritora
brasileira, delineou os contornos do território
assustador que uma mulher atravessa para
garantir à sua família e a si própria um mínimo
de tranquilidade e certezas. Embora identificada com o aconchego do lar que ela pastoreia
341/1397
para ser mãe, a mulher anestesia seus próprios
monstros; para cantar uma cantiga de ninar,
nocauteia os pesadelos que ela conhece; para
ajudar um filho a aprender a caminhar, abafa
seus desequilíbrios, tenta acreditar que o rumo
de seus passos tem uma direção. De onde um
ser humano, que sempre se acreditou ser frágil,
tira tanta força?
Para ser mãe, uma mulher precisa acreditar
nas certezas que ela procura infundir nos filhos,
para tanto gera uma rotina em suas vidas,
rituais que ela cria e executa religiosamente,
dos quais um mínimo de segurança se alimentará. Não precisa ser uma rotina feita de banhos
e comidas, a qual também é importante, serão
principalmente baseados em uma sequência de
expressões, olhares, sons, reações e na continuidade do afeto.
Por exemplo, uma mulher narrou a cena em
que sua mãe chegava dos seus momentos sociais, ocasiões em que usava cílios postiços. Essa
mãe, que tinha duas filhas, sempre repetia o
342/1397
ritual de entregar para cada uma o cílio de cada
olho quando ia dar-lhes boa noite. São
pequenos gestos, às vezes, como esse, no qual
um adereço do olhar materno é destacado e distribuído, mas que pela constância vão contribuindo para uma experiência de que o
mundo pode ser previsível, portanto menos assustador. Embora frágil, isso costuma funcionar, até que o assombro nos assalte no olhar de
um cego, ou em uma noite qualquer em que
acordamos suando, em pânico, já que os
pesadelos sempre rondam. “Mãe é tudo igual,
só muda o endereço”, diz o ditado. É fato, mulheres, enquanto mães, precisam ser iguais a si
mesmas um dia após o outro, iguais entre si na
dedicação que os filhos esperam delas. Sem
isso, as pessoas ficam periclitantes, o mundo
torna-se um mal-estar.
“Quanto a ela mesma, fazia obscuramente
parte das raízes negras e suaves do mundo. E alimentava anonimamente a vida. Estava bom assim. Assim ela o quisera e escolhera.”7 Até que
343/1397
um encontro banal, que poderia ser qualquer
outro, confrontou Ana com a cegueira à qual se
obrigava para construir uma vida previsível, repetida, aconchegante.8 A mãe descrita por
Clarice é fundamental, porque ela sabe, desde
sempre, que sua posição precisa ser mantida em
uma luta constante contra o espanto, o lado
negro de qualquer ser humano, no qual nos
confrontamos com a morte, com a incerteza do
amor. Essa personagem, que cuidara tanto para
que a vida não explodisse, que mantinha
domada a selvagem natureza da angústia, consciente de que devia ser controlada porque era
ameaça constante à sua identidade de mãe e esposa, é uma narradora privilegiada do mal-estar
intrínseco à maternidade.
É enigmático pensar sobre o que possibilita
tal operação psíquica de anestesia das fragilidades, assim como o que acontece conosco frente
ao fato de que hoje toda mulher sabe que a maternidade é opcional. Mesmo tendo escolhido
engravidar ou adotar, ou seja, tendo optado por
344/1397
esse papel na vida, ela sempre duvida estar à altura da tarefa e de ser autêntica. A inquietude
de Ana é intrínseca de cada mulher, consciente
e apavorada frente à magnitude do que dela se
espera.
O fantasma do anjo da casa
Nunca se duvidou de que as mulheres sejam
responsáveis por carregar em seu ventre e parir
os novos membros da raça, mas nem sempre foi
clara a função constitutiva de seu olhar e o vínculo amoroso entre a mãe e seu bebê como
marco fundador dos homens. Em Um amor
conquistado: o mito do amor materno9, Elisabeth Badinter realiza uma interessante compilação histórica do trabalho que deu aos moralistas, como Rousseau, para convencer as mulheres da importância de se dedicar à maternidade enquanto uma missão socialmente relevante. Conforme ela, foi no século XVIII que se
estabeleceu a nobreza desta tarefa, antes delegada aos bastidores, aos braços de amas de leite,
345/1397
aos cuidados de criadas e preceptoras. Nas
famílias abastadas, em tempos anteriores a
esse, a criança ficava aos cuidados de outras
mulheres menos valorizadas na hierarquia social, e era recebida para um parco convívio com
os seus, caso sobrevivesse, somente quando estivesse livre das fraldas e do peito.10
Esse movimento de afastamento das funções maternas por parte daquelas mulheres que
desejavam um valor social maior foi uma reação
importante: foi assim que se descolou a maternidade do automatismo e da pressuposta naturalidade que se lhe pressupunha anteriormente.
Não ocorreria a ninguém na antiguidade clássica, ou mesmo a um homem medieval, questionar se cabia às mulheres incumbir-se das crianças pequenas. Embora já naqueles tempos algumas se diferenciassem desses papéis,
dedicando-se a funções religiosas, intelectuais,
sexuais ou até políticas, elas eram exceções que
confirmavam a regra. Quando as mulheres
abastadas, formadoras de opinião de seu tempo,
346/1397
preferiram dedicar-se a seus salões de discussão, à sua circulação social, em vez de serem
delegadas aos bastidores da puericultura,
tornou-se imprescindível a defesa da maternidade enquanto um papel social relevante, que
buscava legitimar a importância moral, psicológica e higiênica dessa função.
Depois de afastada da vida de algumas mulheres influentes, a função da mãe retornou enquanto fundamental para o equilíbrio da sociedade e a boa formação dos seus membros. É
equivocado, portanto, pensar que a maternidade hoje ainda mantém a mulher nos bastidores
que ocupava nos tempos pré-modernos: esse lar
isolado, separado do trabalho, da política e da
cultura, já não existe. Atualmente pensamos a
família como a célula mínima da sociedade,
lugar de origem do indivíduo, do cidadão e,
principalmente, dos valores e da personalidade.
Nesta concepção, cabe à mulher uma função de
importância compatível com essa valorização do
espaço privado para os objetivos públicos.
347/1397
Estamos na colheita do sucesso da campanha
publicitário-moral, iniciada há três séculos, que
nos convenceu da naturalidade do amor materno, justamente quando este tentava outro tipo
de equilíbrio.11
Apesar desses movimentos, dos discursos
de valorização de seu papel, na prática, a grande
massa das mulheres continuou reclusa na vida
doméstica, onde não era esperado que fizessem
outra coisa do que zelar por seus filhos e maridos, eternamente dependentes de seus cuidados e de seu olhar. Elas, por sua vez, sempre se
sentiram úteis e amadas porque eram necessárias nesse lugar; a passividade feminina
alimentou-se por séculos dessa simbiose.
Essa suposta importância transcendental da
mulher no papel clássico, de esposa e mãe
acabou engendrando um inimigo muito difícil
de combater ao longo da batalha pela libertação
feminina, uma voz interna. Foi Virgínia Woolf
que identificou e nomeou esse fantasma: “o
anjo da casa”. Conforme ela, cada casa tinha seu
348/1397
anjo: uma mulher abnegada, disposta a nada
querer para si e tudo dedicar à suprema tarefa
de cuidar dos seus. O anjo da casa é aquela que
das refeições só comerá a parte que ninguém
mais quer, se houver uma corrente de ar ela se
colocará na frente para proteger os outros.
Nas primeiras décadas do século XX, cada
mulher convivia com essa aparição, cujo farfalhar de saias comparecia para avisá-la sempre
que estava deslocando-se de seu lugar,
repreendendo-a. “Era ela que costumava aparecer entre mim e o papel quando eu estava escrevendo resenhas. Era ela que me incomodava e
roubava meu tempo e assim me atormentava
até que afinal eu a matei. [...] Matar o anjo da
casa era parte das tarefas de uma escritora. [...]
Ela custou a morrer. Sua natureza fictícia era
para ela de grande valia. É extremamente mais
difícil matar um fantasma do que uma realidade.”12
Quando estamos envolvidos em atividades
revolucionárias, em descobertas científicas,
349/1397
elaborações intelectuais, costumamos apoiarnos em sonhos compartilhados por nossos contemporâneos, utopias grandes ou pequenas,
mas todas elas prenúncio de um mundo melhor
do qual nos pretendemos autores. Podemos ser
incompreendidos no presente, mas supomos
que um dia, no futuro, irão orgulhar-se de nós.
As inovações científicas, políticas ou nos
padrões de comportamento resultam de rupturas, nas quais se perde o abrigo da tradição, o
amparo de estar de acordo com os antepassados. A compensação para a solidão decorrente
dessa ousadia repousa na ideia de que a meta é
socialmente relevante. Foi assim para as causas
políticas que garantiram o direito das mulheres
à propriedade privada, ao estudo, ao voto e
tantas outras, muitas ainda em curso. Consciente disso, na história de Mary Poppins, a
mãe das crianças, que era profundamente dedicada à causa sufragista, afirmava que suas
netas a admirariam; ela tinha os olhos postos
no amanhã.
350/1397
Se bem a libertação feminina tem esse recurso de ser uma causa pública louvável, é inegável que ela abala nosso eixo, sejamos homens ou mulheres. O questionamento do papel
materno tradicional pressupõe que as mulheres
estarão interessadas em muitas coisas fora da
maternidade, assim como questiona a vocação
natural delas para amar seus filhos. Porém,
toda mulher também foi filha, também se quis
amada de forma exclusiva, e, ao libertar-se, é
como se explodisse a própria casa. Abrir mão da
mãe nesse papel antes unívoco deixa as mulheres tão órfãs quanto os homens.
Pensar a mãe como ausente de casa, voltada
para as coisas mundanas e esquecida dos
trâmites da intimidade, é diferente de suportar,
como faz um bebê, que ela saiu de casa, mas
voltará logo para ocupar-se dele. No caso das
mulheres libertas da identidade do lar, seu
desejo aponta alhures, em uma demanda por
séculos represada de realizações sociais, de
quem está cansada da maternidade e das lides
351/1397
domésticas. Sendo assim, estabelece-se um
vácuo na transmissão da sabedoria feminina,
antes dedicada unicamente aos cuidados de filhos, alimentos, roupas e objetos domésticos, assim como dos macetes com os quais vai se
montando a identidade de um sexo. Muitas
vezes o conhecimento que outrora era devotado
ao cuidado do lar, hoje restringe-se ao zelo obsessivo com o próprio corpo: uma mãe, no máximo, lega à sua filha alguns segredos sobre
como fazer-se atraente, mantendo-se jovem e
magra. Porém existe uma diferença, pois cuidar,
alimentar, são atos dirigidos ao outro, pressupõe vínculos, trocas, enquanto que os cuidados de aperfeiçoamento corporal são voltados
para si próprio, é como se o legado materno
passasse a ser: ama-te a ti mesma tanto quanto
eu amo a mim mesma.
No desenvolvimento das crianças, os laços
amorosos são a fonte a partir da qual se constrói a identidade, é por ser amados pelos nossos pais – e por desejar tanto ser objeto desse
352/1397
amor – que acabamos parecendo-nos com eles,
incorporando suas características em nós. Mas
se estivermos em mãos de uma mãe que deseja
outras coisas ao invés de seu filho e o único
corpo de se ocupa é o próprio, abre-se evidentemente um espaço vazio lá onde antes o amor
materno lançava as bases dos novos sujeitos. Na
verdade, fora alguns casos muito particulares de
mulheres extremamente narcisistas, um tipo
humano que sempre existiu, a maior parte das
mulheres tenta conviver com as duas personalidades: a antiga mãe abnegada e a nova mulher
ocupada e voltada para si.
É como se a mulher tivesse dupla personalidade, uma face pública e uma privada que dialogam mal e tentam ignorarem-se mutuamente,
como os super-heróis e suas identidades
secretas. Um super-herói na vida cotidiana
aparece como alguém medíocre, rodeado de
pessoas que ignoram suas aventuras e poderes.
Do mesmo modo, uma mulher em casa, independente dos grandes feitos realizados por ela
353/1397
na rua, sente, aos próprios olhos, não valer o suficiente por estar em uma dívida amorosa impagável com seu papel de mãe e esposa. Hoje,
por outras vias, ser mulher é continuar
sentindo-se recriminada, faltosa frente às outras. Antes pelo pouco valor público, hoje por estar em falta com demandas provenientes da intimidade familiar, ou seja, em uma valorização
que agora, novamente, advém da esfera
privada.
A própria Virginia Woolf pergunta-se o que
seria de nós se nossas mães tivessem priorizado
outras coisas do que nos colocar no mundo, estaríamos dispostas ao sacrifício de não ter nascido se nossa mãe tivesse optado por outras
realizações?13 Na verdade, todos temos uma
dívida impagável com a maternidade e as mulheres entram no século XXI com a bandeira de
que a reprodução da nossa espécie não depende
da responsabilidade única de um dos sexos.
Resta uma melancolia: aquela resultante do
conflito interno, onde a mulher livre ainda hoje
354/1397
carrega dentro de si o fantasma da dona de casa
abnegada, uma mãe que nem ela, nem sua própria mãe, foram nem são, e que agora não passa
de uma assombração sussurrando acusações.
Não há ainda um estatuto estabelecido para a
mulher que trabalha, que inventa, que revoluciona, pois o anjo da casa, embora ferido de
morte, ainda sabe assustar.
Diga-me quem te ama e eu te direi quem és
Ambos os sexos precisam abrir mão dos
clichês em que se abrigavam e a consequência
será um desamparo compartilhado. Isso nos casais muitas vezes gera mútuas acusações, como
se o fato do outro não corresponder ao papel
tradicional alijasse o queixoso de saber quem é,
ou de levar uma vida digna de seu sexo. Não
passa da terceirização de um conflito que é
pessoal. Mas, por que nos é tão necessário
saber-nos homens ou mulheres, a ponto de julgar que esse ponto de origem é também a fonte
dos males ou dons de que dispomos?
355/1397
A diferença dos sexos faz-nos nascer divididos em duas naturezas físicas separadas,
que nos reparte em dois grandes grupos, independente de quantas outras diferenças houver,
como raça, religião ou nacionalidade. Ao nascer
somos um ou outro: homem ou mulher. Depois
poderemos fazer diferentes usos desse fato
anatômico, mas ele está dado, como uma imposição física, real, que terá que ser psiquicamente elaborada, transformada em alguma
identidade e traduzida em alguma forma de
desejos eróticos e fantasias.
A partir desse ponto, do qual sairemos
fendidos em duas formas em termos fisiológicos, sabemos que não somos perfeitos, acabados, sem falta, pois nunca seremos o outro. É
esse diferente que ajuda a delimitar a única certeza que temos: de que somos incompletos. Por
isso torna-se uma incógnita tão instigante, a ser
desvendada ao longo da vida, a decifração, que
na verdade é uma construção, de uma identidade contando com o substrato do sexo em
356/1397
que nos foi dado nascer. Há varias determinações sociais, vestimentas e objetos que nos adaptam a uma ou outra identidade sexual, mas
cada um de nós fará uma versão pessoal disso.
De qualquer maneira, parâmetros são bem vindos, já que transformam questões em respostas,
por isso os clichês relativos aos sexos têm tanta
importância social.
Além das referências sociais coletivas, que
balizam as características de cada sexo em determinada comunidade, etnia ou grupo, sempre
pode-se recorrer ao amor e ao sexo, que funcionam como uma confirmação de que a identidade que construímos seria aceitável e desejável. Amar e ser amado, desejar e ser desejado,
são também instrumentos fundamentais nessa
tarefa de fazer-se homem ou mulher a seu
modo, já que o outro busca em nós o que lhe
falta, fazendo-nos sentir que somos ou temos
algo em particular que interessa a alguém.
Maria Cristina Poli situa a construção da
identidade sexual como um processo para lidar
357/1397
com os impasses produzidos pelas premissas
anatômicas, ou seja, ter nascido com caracteres
sexuais femininos ou masculinos. Para essa
autora, “a construção de uma identidade
homem ou mulher é produção sintomática da
neurose. O sintoma visa suplantar o furo estrutural; ele tenta produzir uma analogia, impossível, entre real e simbólico. Lacan denomina
essa busca pelo sentido de gozo fálico. Sua expressão subjetiva é o amor. Como Freud já indicara, o amor visa a unidade, ele se pauta pela
miragem do fazer Um”.14 Não é preciso ir muito
longe para perceber o quanto o amor materno é
sobrecarregado nessa missão impossível de
supressão do buraco produzido por essa diferença, por essa falta de ser (também) do outro
sexo.
Mais do que encontros, um amor se faz de
perguntas: no olhar do ser amado descobrimos
se somos atraentes, importantes para alguém,
ali encontra-se a resposta do quanto valemos.
Se tivermos esse retorno, fica mais fácil não
358/1397
entrar em desespero ou em depressão. Os convites, os gestos românticos e o sexo são os
veículos das fugazes certezas de sermos amados. A dúvida nasce conosco: mesmo depois de
uma noite de prazer, na qual alguém nos desejou
ardentemente,
podemos
despertar
sentindo-nos descartáveis, insignificantes; inclusive depois que um telefonema no dia
seguinte confirme que o outro ficou com excelente impressão do encontro, seguimos na
dúvida de quanto durará esse sentimento;
mesmo as uniões estáveis nunca parecem sê-lo
o suficiente para que nos sintamos seguros de
ser amados.
Qualquer expressão de amor costuma ser
subestimada pela nossa carência essencial. É
lugar comum dizer que este sentimento é essencialmente feminino, porém a experiência clínica
nos confirma que existe uma autorização social
para a expressão das inquietudes femininas, enquanto os homens simulam descaso pelas mesmas razões sociais, mas nem por isso sofrem
359/1397
menos pelas dúvidas amorosas e, além disso,
são obrigados a fazê-lo em um silêncio que só
aprofunda esse desamparo.
Até na tradicional experiência narrada por
Lacan, tão celebrada pelos psicanalistas, na
qual uma criança se vê, e reconhece a si mesma,
em um espelho,15 considerada a assunção da
imagem corporal, ocorre que ela se vira para
trás e fita aquele que a tem em seus braços
como se perguntasse: você está vendo a mesma
coisa que eu, eu realmente existo, sou isso
mesmo? É em situações assim que começam os
dramas do amor, da mesma forma como o bebê
exige que a mãe o olhe enquanto suga o seio e o
larga no mesmo momento em que ela se distrai,
por mais quente e doce que seja o líquido.
Quando uma mãe se ausenta e sua criança
se entristece e aprende a lidar com essa falta,
ela está sofrendo por amor. A partir da elaboração dessa experiência, ela irá descobrindo
como sentir-se existindo mesmo quando não está sendo olhada e acalentada, aprendendo a não
360/1397
se esquecer da mãe, compreendendo que continua existindo na sua ausência, que não desaparecerá junto com ela. São crescimentos a
partir de uma experiência que é essencialmente
amorosa.
Portanto, esvaziar a casa da mãe, implodir a
instituição clássica do amor materno exclusivo,
daquela figura que habitava e mantinha a toca
para a qual sempre imaginariamente podíamos
recuar, deixou-nos a todos, mulheres e homens,
mais inseguros ainda nesse trabalho de construção das identidades sexuais a que nos
lançamos. Não é difícil entender porque,
mesmo que trabalhoso e a um preço de esquecer de si, as mulheres têm tanta dificuldade de
abrir mão das ditas glórias da maternidade.
A culpa feminina
A maior arma do anjo da casa sobre a mulher liberta é a culpa. É como se ela sussurrasse
nos ouvidos da rival, essa que trabalha e cria
outras coisas diferentes de filhos, que ela é
361/1397
necessária para manter a ordem do mundo e está fazendo algo muito errado ao abandonar o
posto. Sugere que as mulheres sentirão falta da
referência que estão abandonando com tanto
entusiasmo. Porém, a voz maliciosa do anjo,
contrariado em ser superado, não é mais ouvida
enquanto conselheira. Resta-lhe, então, assombrar as mulheres com culpa, ameaçá-las de que
na falta de sua presença militante nas fileiras da
maternidade seremos uma raça de humanos desamparados, sem um paradeiro.
A metáfora que Woolf utilizou para definir a
situação das mulheres imediatamente após suas
maiores conquistas em termos de direitos civis
é a do “quarto vazio”: “Vocês ganharam seu
próprio espaço na casa até agora possuída exclusivamente por homens. [...] mas esta liberdade é apenas um começo; o cômodo é de vocês, mas ainda está vazio. Ele tem que ser mobiliado; tem que ser decorado; tem que ser repartido. Pela primeira vez vocês são capazes de
decidir por si mesmas quais poderiam ser as
362/1397
respostas. Eu poderia ficar e discutir essas
questões e respostas de bom grado – mas não
esta noite. Meu tempo acabou e devo terminar”.16 Em 1931, Virginia Woolf dirigiu-se com
essas palavras para um público de mulheres trabalhadoras, ela ainda empenhou-se por mais 10
anos na busca da voz feminina na ficção antes
de resolver de fato terminar.
Junto com novos papéis sociais, a liberdade
conquistada pelas mulheres deu origem a inúmeras dúvidas. Cabem filhos nesse cômodo?
Deve-se colocar um amor ou sucessivas
paixões? No que, como, quanto e para que trabalhar? Virginia conviveu com a primeira geração de mulheres numericamente significativas
que tinham questões a colocar, mas elas não
tinham precedentes. As mães delas sabiam o
que seriam: esposa, mãe, solteirona, freira.
Escritoras como ela foram madrinhas das gerações seguintes, compostas de mulheres em
busca de uma voz própria. Os homens, por sua
vez, também são naves à deriva, há gerações
363/1397
sabem que o mundo do trabalho, o mundo
público, é para onde devem ir, mas perderam o
porto de partida.
A busca da voz é tema recorrente para todos
aqueles que escrevem: como preencher um papel, uma tela em branco, que parece zombar do
pobre escritor? Ao referir-se ao vazio do recémadquirido cômodo, Virginia inseriu a própria
condição feminina nesse impasse criativo.
Porém, esse problema autoral coloca-se agora
para ambos os sexos, já que a identidade
masculina tornou-se também inquieta. Simone
de Beauvoir acreditava que a mulher fazia-se
“Outro” para que o homem pudesse ser “Um”,
fazia-se de fundo para que ele pudesse ser a
figura. Eram papéis complementares, de tal
modo que quando se rompe um lado desse
enlace soltam-se os dois. Homens e mulheres
sentem-se frágeis, mas não cessam na busca do
tom, de uma voz autêntica e compartilham uma
dúvida interior: o que me torna uma mulher, o
que me faz um homem? Por isso espera-se tanto
364/1397
do amor e do desejo, que parecem confirmar alguma coisa, qualquer coisa.
Além da busca amorosa, restam os recursos
da culpa e da queixa. A culpa é um expediente
muito rico: possibilita manter um vínculo, sem
assumir as consequências do rompimento, mas
já realizando-o na prática. Enquanto sente-se
culpada, a mulher mantém uma relação com a
referência da maternidade clássica, que já não
exerce, mas que preserva como parâmetro. Preservar uma culpa pressupõe que o “estrago” está
feito, que nada se fará que possa recobrir esse
fato, restando apenas evocá-lo, declarar-se envolvido e endividado.
A queixa já é outro recurso, baseia-se na
ideia de que a mãe deveria ser algo maior, que
sua presença deveria ter-nos feito mais sólidos,
menos carentes. Ela fundamenta o lugar materno como um polo de certezas e segurança que só
existe enquanto fantasia. Por isso mesmo as
mães que habitam o território da ficção são
sempre mortas, substituídas por algum tipo de
365/1397
lugar mágico, pelas histórias que contavam,
pela memória da música de sua voz. Em quase
todas as histórias infantis, a mãe é um recurso
imaginário do filho, o qual não cresce se não for
referenciado nele.
À mulher cabe, há milênios, o papel de representar o paraíso imaginário onde se sacia e
consola essa carência essencial que diferencia
os humanos dos animais. É no papel de mãe
que a mulher fica identificada com a miragem
desse oásis, ao qual recorremos sempre que a
vida se desertifica. A maternidade é possível se
compreendermos a natureza dessa demanda,
tão imensa, intensa, quanto incapaz de ser satisfeita. Ela terá que driblar a angústia, fruto do
sentimento de desamparo, da quebra da
tradição, confrontar-se com a culpa que sente e
a queixa que lhe é dirigida, mas no mesmo lugar
em que se originam esses fardos, nasce o vazio,
sem cuja abertura não é possível encontrar a
própria voz.
366/1397
Notas
1 Touraine, Alain. O mundo das mulheres. Petrópolis:
Vozes, 2007, p. 46.
2 Citado em: GUIDDEN, Anthony. La transformación
de la intimidad: sexualidad y erotismo em las sociedades modernas. Madrid: Catedra, 1992, p. 48.
3 “Como observava um artigo sobre o matrimônio
publicado em 1839: ‘o homem estabelece a norma
sobre a pessoa e conduta de sua esposa. Fundamenta
a norma de suas inclinações: ele governa por decreto,
ela por persuasão [...] o império da mulher é um império de ternura [...] seus instrumentos de mando
são as carícias, suas ameaças são as lágrimas.”
Ibidem, p. 48
4 Como costuma acontecer, o filme simplifica os livros,
junta várias histórias em uma só. Na família original,
há também gêmeos mais moços, Disney mantém só o
casal mais velho e também deixa Mary Poppins
menos ríspida. Também ela parece mais feminina e
sedutora, ela tem insinuações de um flerte, o que
deixou a Sra.Travers bastante irritada com a versão
filmada. Em nossa análise, vamos nos resumir ao
filme que é a versão popular hoje e a mais perene,
portanto a que melhor traduziu a alma do público. As
367/1397
5
6
7
8
9
personalidades das personagens variam muito entre
livro e filme, portanto foi necessário escolher.
JULIEN, Philippe. O Manto de Noé: ensaio sobre a
paternidade. Rio de Janeiro: Editora Revinter, 1997,
p. 55.
LISPECTOR, Clarisse. Laços de família: contos. Rio
de Janeiro: Rocco, 1998, p. 19, 20, 21 e 22.
Ibidem, p.21
“Podemos interrogar o que provoca tamanha inquietação em Ana, quando se depara com o cego. É
possível supor que, ao enxergá-lo, encontra-se com
um duplo, no qual reconhece algo de sua própria
condição. O efeito do estranhamento estaria no fato
de que este homem evoca algo de familiar em relação
a si própria. A cegueira em relação a sua própria vida
e a piedade que o cego provoca são elementos que
podemos associar ao início do conto, em que somos
apresentados a Ana e seu repetitivo dia-a-dia.”
PINHO SMIECH, Gerson. Um cego mascando
chicles. Porto Alegre: Correio da APPOA, n. 157,
maio 2007, p. 17.
BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,
1985.
368/1397
10 Com Philippe Ariès, na História Social da Criança e
da Família, (Zahar Editores, 1991) descobrimos que
foi necessário esperar quase até o século XVIII para
que se instalasse o “sentimento de infância”, ou seja,
a consciência da particularidade do infantil e dos
cuidados de higiene e educação que daí decorrem.
Ariès supõe que as famílias não se apegavam aos filhos pequenos porque a mortalidade infantil era
imensa, já Badinter acredita que a mortalidade era
imensa porque as famílias não se apegavam.
11 Linda Pollock considera que há um exagero nessa
visão de que os cuidados com os filhos não eram prioridade antes dos séculos caracterizados como de
descoberta do “sentimento de infância”. Conforme
seus estudos, os pais sempre se incumbiram dos filhos, conscientes de sua dependência, frente à qual
lhes cabia a proteção e socialização deles: “mesmo
quando se empregavam amas de leite e outros serventes, quase todos os pais aceitavam o fato de que a
responsabilidade principal por educar os filhos recaía sobre eles”. In: POLLOCK, Linda. Los niños
olvidados: relaciones entre padres e hijos de 1500 a
1900. México: FCE, 2004, p. 308. Esse debate,
porém, não elimina nossas questões sobre as variações do papel materno na vida das mulheres, tão
369/1397
12
13
14
15
16
complexas como foram as transformações na família
e na vida das crianças.
WOOLF, Virginia. Profissões para mulheres. São
Paulo: Editora Paz e Terra, 1996, p. 43. O termo
“Anjo da Casa” provém de um poema de Coventry
Patmore.
In WOOLF, Virginia. Una habitación própria. Barcelona: Editorial Seix Barral, 2009, p. 34.
POLI, Maria Cristina. Feminino/Masculino. Rio de
Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2007, p. 55.
Retomando uma experiência relatada por H. Wallon,
o psicanalista francês J. Lacan descreveu a formação
da imagem corporal e a inauguração da consciência
de si nos humanos. Ele descreveu a situação na qual
um animal e um bebê humano se confrontam com a
própria imagem no espelho. Nessa ocasião, o
primeiro desinteressa-se imediatamente por ela assim que constata que não há outro animal ali, enquanto uma criança manifesta seu júbilo por estar
vendo que ali é ela mesma que aparece. Dessa situação Lacan deduz que nossa constituição egoica
provém do olhar do Outro, administrado pela função
materna, que é o que o bebê enxerga no espelho ao
ver-se visto de fora.
Ibidem, p. 50.
CaPÍTuLO
4
A família amorosa
A Família Addams_Os Simpsons_De Volta
para o Futuro_Os Incríveis
Valorização da intimidade familiar_Estabilidade dos vínculos_O pai idiota_Prestígio das mulheres na família_Nivelamento
das gerações_Legado da contracultura_Descrédito das referências do
371/1397
passado_Gênios infantis_Controle social
sobre os pais_Fardos colocados sobre o
amor_Função superegoica da sociedade
N
os capítulos anteriores examinamos
histórias de famílias exemplares, modelos
de esforço e perseverança, e de como a
força dos laços familiares, aliados ao bom exemplo dos pais, garantiriam o sucesso de uma
família. Em meados do século XX, após tempos
extremos, muitas coisas mudaram e consequentemente as famílias também. Na ficção
de grande apelo popular, sempre mais lenta do
que a realidade, as famílias idealizadas foram
perdendo o espaço, enquanto os pais, que eram
sábios e serviam como modelos de conduta,
seguiram o mesmo caminho. Hoje a família é
representada ao modo inverso das anteriores:
pais medíocres, tolos, infantilizados e com
valores morais duvidosos. Porém engana-se
quem pensa que a exaltação do núcleo familiar
372/1397
tenha sido abandonada; cederam-se os anéis
para preservar os dedos, a valorização é que
mudou de lugar: já não é sobre o valor em si da
família como instituição ou mesmo sobre a
nobre natureza de seus membros que recai a
idealização, mas sobre o valor do laço familiar
em si. Os pais já não são um exemplo a ser
seguido, porém os laços que unem os familiares
jamais se desfazem, o amor entre seus membros
pode não ser o melhor, nem ao menos louvável,
mas é incorruptível.
Vamos usar o seriado de TV Os Simpsons
como exemplo central dessas famílias que
forçam todos os limites, mas nunca rompem. A
família agora é como um monumento que balança, mas não cai, tudo nela está em questão
menos a sua própria dissolução. O mundo pode
ruir em volta, mas a cada episódio o laço entre
os familiares sai reforçado. A sintonia dessa
família de desenho animado com nosso tempo,
seu sarcasmo, a maneira como mostra a nossa
mesquinhez, nosso materialismo rasteiro, nos
373/1397
faria pensar que estamos diante de um retrato
fiel de nós mesmos e do funcionamento da
família contemporânea, como se ela fosse a
descrição de uma família típica. Não é bem assim, já que a família está marcada agora pela
sua instabilidade: laços são feitos e desfeitos
com facilidade; casa-se e descasa-se o tempo todo. A família hoje é quase sempre feita de cacos
de famílias anteriores, impondo desafios de
convívio entre lares recompostos.
Conforme Roudinesco, a família contemporânea ou pós-moderna, oriunda das revoluções de costumes da década de 1960, é caracterizada por sua “duração relativa, reúne
dois indivíduos em busca de relações íntimas ou
realização sexual”.1 Portanto, ela sofrerá a
sobrecarga de todas as exigências de quais padecem os indivíduos hipertrofiados que nos tornamos. Não há tempo a perder, cada um precisa
alcançar o máximo da realização pessoal e da
obtenção de gozo que sua existência – cada vez
mais longa, mas vivida como curta – possa lhe
374/1397
oferecer. Na medida em que essa família mostra
suas limitações para cumprir tais objetivos, ela
vai sendo desfeita e refeita inúmeras vezes ao
sabor desses ideais. Novas frustrações só significam renovadas esperanças, de tal modo que
cada núcleo familiar funciona como depositário
de expectativas e desilusões constantes. Esse
sistema se retroalimenta, pois, para os envolvidos em seus dramas, embora esses rompimentos sejam sempre sofridos, vale a sinalização que seus pais lhes dão: a busca pela realização pessoal não deve ser impedida, ela é um valor maior do que os laços familiares. Como se vê,
entre o ideal e a realidade há uma mais que
aparente contradição.
A família Simpson, apesar de sua irreverência, apresenta uma tolerância incansável: seus
membros estão dispostos a perdoar tudo uns
dos outros, inclusive quando cometem atos que
são prejudiciais ou até mesmo perigosos, e
sempre farão os sacrifícios necessários para
manter o grupo familiar coeso. O que nos
375/1397
parece que fica preservado nessa série é justamente aquilo que está deixando de existir: a
família nuclear estável enquanto um porto seguro amoroso. Ela é encabeçada por pais tão atrapalhados que já não servem de bússola para
nada, mas o aspecto mais relevante é que, independente de contratempos e conflitos, permanecerão lá, estáveis, para receber e apoiar os
filhos mesmo nos momentos de fracasso. Pelo
ângulo da nostalgia, o funcionamento é similar
ao das famílias idealizadas a que nos referimos
no capítulo Toda Família é uma Ilha.
Quase sempre as famílias representadas na
literatura, no cinema, nas séries de televisão reproduzem uma visão do passado, como se andássemos de costas, com o olhar fixo naquilo
que queremos ignorar que mudou. Um saudosismo crônico perpassa esses lares que admiramos, como se cada geração fantasiasse com
a família em que foi criada, ou com aquela em
que gostaria de ter sido criada. Nessa idealização retroativa pode haver espaço também para
376/1397
a evocação da família tal como era no tempo dos
pais e avós, ou melhor, como preferimos de
imaginar que era. Não se pode esquecer que
entre tantas moradas da fantasia, o passado é
uma delas. No caso das famílias que estamos
examinando, ressalta-se apenas um aspecto
“dos bons tempos” – a força do laço –, já que o
respeito à autoridade do pai e a admiração pelos
mais velhos não existem mais.
O que restou do passado para ser preservado em nossos sonhos coletivos sobre as
famílias é a estabilidade dos vínculos. Justamente o casamento indissolúvel, que fez a infelicidade de tantos, condenados a relações nas
quais sentiam-se escravizados ou profundamente infelizes, hoje motiva saudades. Esperase mais do amor entre os pais, desses pelos filhos, e vice-versa; desejaríamos que ele não
fosse tão frágil, tão volátil, sempre pronto para
dizer “não brinco mais” frente a qualquer contratempo. Também espera-se mais dos pais enquanto casal, que hoje se movem em uma busca
377/1397
incansável pela realização pessoal e sexual, arrastando tudo nesses propósitos. Nesse sentido
Os Simpsons são uma família plástica, mas
tradicional, procuram absorver os insistentes
fracassos de seus membros, as buscas despropositadas pelas conquistas por mais fúteis que
sejam e, principalmente, são fundados por um
casal que nunca deixa de se desejar. Homer e
Margie Simpson são românticos, eroticamente
envolvidos, seu amor é a base sólida sobre a
qual se assenta a família.
Examinaremos também onde foi parar a
sabedoria ancestral e como funciona a hierarquia entre as gerações nessas famílias nada exemplares. A palavra sábia e ponderada, assim
como o domínio da técnica que usamos para
nos mover no mundo, já não está na posse dos
mais velhos, estão sim na mão dos mais novos.
Estes, além de nativos nas novas tecnologias,
estão armados principalmente de seu olhar sarcástico, por vezes benevolente, sobre seus pais.
É de alguns deles que pode esperar-se um
378/1397
mínimo de bom senso. As fantasias de valorização do jovem ou da criança em detrimento do
velho, chegam ao ponto de incumbir um adolescente de consertar a própria origem, como no
filme De Volta para o Futuro.
Passaremos também por outras famílias
trapalhonas da ficção que são voltadas para um
público jovem, como o escrachado desenho animado Family Guy e mesmo o infantil Padrinhos Mágicos. Esse modelo não é de hoje, e
séries mais antigas, datadas da década de 1960,
como Os Flinstones e Os Jetsons, já mostravam
essa tendência. No filme infantil Os Incríveis
podemos ver sintetizadas todas essas linhas de
força, embora de forma menos sarcástica. Antes
desta família composta de seres estranhos, por
serem super-heróis, houve outras de conformação ainda mais bizarra, estas formadas por
monstros dos seriados de TV da década de
1960.
Convém notar a forte presença da televisão
nestas famílias de desenhos animados e séries
379/1397
de que nos ocupamos. Isso era esperado, pois é
consoante com o aprofundamento desse meio
de comunicação na vida das crianças e dos
jovens: agora, sem dúvida, a televisão é um
membro da família.
A transição entre a família idealizada e a
satirizada não foi abrupta, tanto na realidade
quanto em seu eco na ficção; acreditamos que
as “famílias-monstro” são um dos elos entre essas duas representações, por apresentarem características de ambas.
Monstruosos para quem os vê de fora_A
Família Addams
Nos anos de 1960 duas famílias monstruosas apareceram na TV americana: A Família
Addams (ABC, 1964) e Os Monstros (CBS,
1964). Praticamente nasceram juntas e o tema
básico é o mesmo: uma família onde tudo é assustadoramente estranho menos, é claro, os
laços familiares que os unem. As séries são
cômicas e o humor é obtido no contraste dos
380/1397
nossos costumes com os deles. Nos lares dessas
personagens tudo é sinistro, gótico, tendendo
ao horror, mas uma pergunta se impõe: qual
horror? O que é exatamente horroroso nelas?
Ora, na falta de uma melhor definição de horror, vale uma estética que os próprios filmes
contribuíram para formar: essas séries misturam personagens clássicos da literatura, com
fantasias típicas da festa de Halloween, acrescidos de todos os clichês de filmes de terror
classe B.
De fato não há nada monstruoso, pequenos
sadismos aqui e ali, certas brutalidades encaradas como normais, algo muito banal em termos
de expressão de uma agressividade latente se
compararmos com os games de hoje. O que existe mesmo debaixo de toda a maquiagem são
famílias típicas, centradas sobre si mesmas, se
amando, se protegendo, entrando em crise
quando um dos membros apresenta um
problema.
381/1397
O chefe da família Monstro é Herman, ele
teria sido criado pelo Dr. Frankenstein e posteriormente adotado por uma família inglesa de
sobrenome Monstro. Trabalha em uma agência
funerária e é um bom pai de família, mas simplório. Ele até chega a entender o que se passa
em torno dele, mas muito tempo depois. Por
certo sua esposa vampira, Lily Drácula Monstro, é mais esperta. Ela é uma clássica dona de
casa americana (ou como elas deveriam ser):
prestativa, despachada, atenta aos humores de
sua família e que para bem desempenhar suas
funções domésticas não trabalha. Eles têm um
filho, Eddy, que é um pequeno lobisomem de
aproximadamente uns 10 anos, mas fora a
aparência, não difere muito de qualquer criança
normal. Infelizmente sua aparência dificulta
que consiga amigos na escola.
Vive junto com a família o conde Drácula,
pai de Lily, e uma sobrinha dela, Marilyn. A
sobrinha é a ovelha negra, ou branca, pois é
uma adolescente bem-educada, de aparência
382/1397
absolutamente convencional, bonita e simpática
que cativa um sem-número de namorados que
fogem quando são apresentados ao resto do
grupo. Os Monstros têm pena da moça, pois
para eles ela é que é anormal. Na série, o conde
Drácula, além dos dotes de vampiro, é um misto
de cientista louco (ou talvez seja melhor dizer
alquimista louco) com feiticeiro, possui um
laboratório onde prepara suas poções que invariavelmente terminam em grandes confusões.
Enquanto Os Monstros são da classe média,
A Família Addams, sua série rival, é aristocrata.
Eles têm tanto dinheiro que podem se dar ao
luxo de ter um criado e não trabalhar. Os Addams são menos bizarros na aparência; é principalmente nos gostos que eles são monstruosos: de todas as estranhezas, a mais constante
é um sadismo lúdico presente entre os irmãos e
na relação com o tio que mora na casa, assim
como um romantismo e uma sensualidade exuberante que ficam cômicos em um casal de atrativos tão distintos dos clássicos.
383/1397
Gomez Addams, o patriarca, é perdidamente apaixonado por sua esposa Mortícia,
uma mulher normal, apenas extraordinariamente alta e pálida. Nesse sentido, o casal Addams é mais contemporâneo do que a família de
Herman, já que Mortícia é muito mais atraente
e eroticamente envolvida com seu homem do
que a maternal Lily. Entre os irmãos, Feioso
(Pugsley), o mais velho, e Wandinha (Wednesday), a caçula, o enfoque é maior na relação
mórbida do que na aparência estranha, como
ocorria entre os Monstro. Maria Antonieta, a
boneca sem cabeça preferida de Wandinha, é
prova disso: ela foi decapitada pelo irmão.
Na casa vivem também o tio Fester (geralmente como irmão de Gomez) um psicopata infantilizado que se ocupa das crianças quando
não está explodindo algo, e a vovó, que se
assemelha a uma bruxa e que interage pouco
com os outros, mas está sempre presente no cotidiano. O assemelhado a Frankenstein neste
caso é o mordomo, além de que há uma “mão”
384/1397
que presta serviços “braçais”, caracterizando o
ambiente estranho em que vivem, como se
fossem uma família de bruxos compartilhando
o cotidiano com as pessoas normais.
O humor desses seriados transcende a
aparência bizarra das personagens, provém da
simples inversão dos hábitos de alimentação,
sono, organização do lar. Questionando os costumes e regras de etiqueta, nestas famílias monstruosas os irmãos podem brigar, ameaçar-se de
morte, aliás, muitas vezes chegar bem perto
disso, e isso seria apenas brincar e comportarse normalmente; o jardim deve ser selvagem, as
plantas que Mortícia cultiva são carnívoras, e o
sujo e o feio é que são valorizados. Os episódios
giram em torno dos mal-entendidos e o assombro produzido por qualquer interação deles com
o mundo externo ao lar, o que, no caso da
família Monstro, provoca gritos e correrias no
simples contato ou visão dos seus membros.
Entre aquelas pessoas “normais” que se
aproximam deles, a maior parte quer enganá-
385/1397
los, já que apesar de feios e bizarros eles são
bons e aparentemente inocentes. Eles vingamse dos males que lhes são feitos mais por acaso
do que intencionalmente, já que a forma como
conduzem as coisas é apavorante para quem
não nasceu monstruoso. No final, fica claro que
monstruosa mesmo é a natureza daqueles que
são bonitos por fora e feios por dentro, e que a
aprovação dos outros não é tão importante
quanto o afeto que os une, e a valorização dos
membros da família entre si.
Em ambos os casos a crítica dessas séries é
ao modo de vida americano, enquanto Os Monstros pegam a franja da classe média trabalhadora, A Família Addams, critica as extravagâncias da elite. Mas acreditamos que podemos extrair mais desses adoráveis monstros,
quanto ao que estamos tentando demonstrar.
As representações da família foram se transformando, no sentido da autoridade paterna sofrer um declínio enquanto um modo, digamos,
materno amoroso, aliado à sensualidade
386/1397
romântica do casal, é o que começa a marcar a
união do novo grupo familiar que vem se
constituindo.
Ambas as famílias estão no meio do caminho entre as famílias extensas, cujas características ainda conservam, e as novas características da família nuclear: há parentes morando
juntos; o pai, ou os mais velhos, ainda tem uma
relevância quanto a sua sabedoria e os filhos
ainda acreditam que podem aprender algo com
seus pais; a mãe é doméstica e prevalece a
autoridade masculina. Com uma lupa podemos
ver que não é bem assim: em certos momentos
isso se inverte, especialmente no caso de Herman, que é um bobão, é mais o lugar dele (de
pai) que é preservado; o mesmo vale para
Gomez que em geral vive para suas infantilidades. O laço amoroso (nos Addams eróticoamoroso) entre o casal, que vai ser a tônica da
família pós-moderna já está dado aqui como o
cimento principal dessas famílias.
387/1397
As famílias monstruosas acrescentam uma
nota, além de cômica, psicológica à separação
que se estabelece entre a vida privada e a
pública. A partir de meados do século XVIII,
constatou-se um grande e disseminado empenho das famílias burguesas europeias para
formar lares isolados, íntimos e diferenciados
do ambiente de trabalho.2 Essas famílias monstruosas, com suas aparências e casas tão assustadoras, representam um abismo intransponível entre a cultura familiar e a externa, traduzem como poucas essa separação
efetivada. O interior do lar guarda segredos:
seus habitantes obrigam-se ao conhecimento e
à tolerância das peculiaridades de seus
membros.
Richard Sennet chama a atenção para o estabelecimento da família nuclear como forma
de assumir o controle sobre a formação da personalidade dos filhos. Ele considera que ocorreu
a simplificação dos vínculos, restringindo as
figuras de autoridade aos pais. Para tanto, foi
388/1397
conveniente ter ocorrido o afastamento dos outros adultos da família, como avós e tios, assim
como deixou de fazer parte do cotidiano das crianças a mistura de gerações e categorias de relação, que se estabelece entre primos, cunhados
e filhos destes de várias idades e graus de parentesco. Assim foram se estabelecendo “imagens da simples família nuclear como único
meio através do qual a criança poderia se tornar
emocionalmente estável”. Para esse autor, “na
sociedade moderna, há um padrão de forças
históricas em atividade, que suscita a crença de
que o desenvolvimento da personalidade só
pode ocorrer através da estabilização das interações pessoais. A vida da família nuclear parecia adequada enquanto um meio para que as
pessoas tentem colocar essa crença em prática”.3 Nesse sentido, a família seria responsável
pela garantia de que a morbidez, a sensualidade
e a agressividade, tão presentes nos vínculos
mais próximos, seriam literalmente domesticadas, de tal modo que a imagem externa do
389/1397
grupo ficaria intacta, enquanto em seu interior
proliferam as monstruosidades.
Esses simpáticos monstros emprestam uma
face cândida à vergonha que cada família
guarda em seu âmago por tudo aquilo que lhe é
intrínseco, mas que ela tem a função de abafar,
principalmente os desejos de morte que percorrem as relações filiais e fraternas. Nessas comédias fica retratada essa face oculta do grupo, ao
mesmo tempo em que se valoriza a tolerância
com a especificidade de cada membro e o afeto
que os une. A valorização da personalidade dos
familiares, por mais estranhos que pareçam,
chega ao ponto de situar o que é realmente condenável entre os de fora, que aparentemente
são normais e bonitos, mas horrorosos por
dentro.
Apesar do ridículo que possa parecer um pai
Frankenstein, uma mãe lívida e vestida em longos trapos, nestas famílias não é questionado o
lugar dos pais enquanto guardiões da segurança
e do patrimônio. A cultura familiar é satirizada,
390/1397
mas seus membros permanecem fiéis aos
papéis clássicos. As famílias-monstro refletem o
malestar característico entre os que cresceram
na década de 1960, onde havia uma enorme
preocupação com a aparência, e o grande
pânico era “o que os outros vão pensar”. Filhas
casavam grávidas escondendo o ventre, doenças
eram silenciadas, a rebeldia crescente dos filhos
era subjugada, sempre em nome da boa imagem
pública que a família queria preservar. Qualquer desvio na personalidade ou no caminho
da vida escolhido pelos filhos era considerado
grave atentado à imagem pública dos pais. As
décadas seguintes vieram para desfazer essa
muralha de aparências, que ruiu graças à consolidação da importância da cultura juvenil, em
cujos hábitos e pensamentos os mais velhos
passaram a buscar referências.
Uma família nada exemplar_Os Simpsons
Anos atrás, o então presidente norte-americano George Bush, recomendou às famílias que
391/1397
se parecessem mais com os Waltons do que
com os Simpsons; o problema é que o cidadão
médio insiste em sentir-se melhor retratado
pelos últimos. O ex-presidente não se conformava com o fato de que os bons tempos de seriados tão apreciados por sua geração, como os
Waltons, Papai Sabe Tudo, Bonanza, Daniel
Boone e Perdidos no Espaço, entre outros, já
acabaram. Na ficção o pai não é mais aquele, já
não existe um patriarca que seja o exemplo e a
reserva moral da família, e também fraqueja a
imagem da mãe equilibrada e ponderada que
acolha com sabedoria as demandas dos filhos.
Nos desenhos animados, a família continua em
voga, mas certamente não é a mesma, e talvez
os Simpsons sejam o melhor exemplo para nos
demonstrar isso.
A metralhadora de humor inventada por
Matt Groening, que já existe há mais de duas
décadas e ultrapassou os 400 episódios de televisão, além de um filme, de fato não poupa ninguém. No ar desde 1989, o desenho animado Os
392/1397
Simpsons brinca com políticos, celebridades,
ideais, nações, cultura contemporânea e clássica. Tampouco poupa a si mesmo, seu humor
desnuda a pequenez dos ideais e dos valores de
uma família média. Os episódios geralmente
partem do cotidiano tedioso, giram ao redor de
pequenos dramas e terminam sem transcendência nem esperança, tampouco com alguma lição,
a não ser a constatação da dose de afeto imprescindível para superar a imbecilidade de uns e
outros. São apenas humanos, demasiado humanos, arranjando confusão, tropeçando nas
coisas mais simples da vida. De qualquer
maneira, ainda não surgiu nada que impeça
essa família amarela de amar-se, e de nos encantar, mesmo sendo tão pouco amáveis.
O pai dessa família é Homer: meia-idade,
calvo e obeso, sem nenhum dom, fanático por
TV e cerveja e que trabalha como supervisor de
segurança em uma usina nuclear. Sua vida é do
trabalho para família e depois o bar, mas nem
sempre nessa ordem. Não sabemos exatamente
393/1397
o que ele estudou, mas não dá mostras que
tenha aprendido algo. Sua total falta de autocrítica o impede de se deprimir, ele não tem alcance para perceber sua parca envergadura,
talvez disso venha certa força psíquica de perseverar em seus desígnios, que raramente não
são tolos. A mãe, Margie, não trabalha, apenas
cuida dos filhos e tampouco é de grandes luzes,
ocupa seu dia mantendo o funcionamento da
casa e seus horizontes não vão além disso. O
filho mais velho é Bart, uma peste, mau aluno e
indômito. A filha do meio, Lisa, é a única esperança de sabedoria e bom senso nessa família já
que, ao contrário do irmão, é sensível, culta e
boa aluna. Enquanto todos os outros apenas
vivem e deixam a vida passar, Lisa pensa e
busca razões para tudo, representa a face
filosófica e politizada do grupo, por isso mesmo
encabeça os raros momentos de lucidez. Ainda
temos a bebê, Maggie, sem uma personalidade
ainda definida, mas já mostra sinais de autonomia como uma reação à mãe avoada e
394/1397
dedicada ao marido que tem. Quanto a seu destino, fica difícil decidir, mas acreditamos que
ela se inclina mais para ser outra Lisa do que
para uma cópia de sua mãe.
Os pais do casal raramente aparecem,
Homer perdeu a mãe e seu pai, semidemenciado, vive em um asilo; aliás, Homer pediu
dinheiro emprestado ao pai para comprar a casa
própria com a promessa de que ele morasse
junto, e dias depois o internou em um asilo.
Margie vem de uma tradição matriarcal, a mãe
e suas duas irmãs não gostam e nunca aprovaram o casamento com Homer, tampouco
parece que aprovariam qualquer casamento, os
homens decididamente não contam com sua estima. A cada tanto, as irmãs aparecem para atacar a inadequação de Homer para a condução
da família, embora não pareçam moralmente
superiores em nada ao seu desafeto. De
qualquer forma, a família é fechada em si
mesma e os filhos são criados praticamente sem
a ajuda da geração anterior. Os Simpsons vivem
395/1397
em Springfield, uma cidade genérica, dotada de
todas virtudes e defeitos de uma cidade americana, sua comunidade segue o padrão Simpson
de civilidade e demência.
Devido à relevância do público infanto-juvenil para a linguagem dos desenhos animados,
seria natural que a figura central da trama fosse
Bart, um pré-adolescente esperto e especialista
em irreverências, algumas admiráveis e muitas
de franco mau gosto. Antes de tudo ele é um
menino “mau” (pelo menos é o que tenta):
péssimo aluno, desmiolado, bagunceiro, francamente trapaceiro quando necessário para atingir seus objetivos. Porém, a cena foi roubada
pelo seu pai, esse bobo alegre, tão fraco de ideias como forte em determinações fúteis.
Não acreditamos que a maioria das pessoas
se identifique com Homer e Margie, é provável
que nós vejamos nesse casal menos as nossas
fraquezas e mais as dos nossos pais. Nesse sentido, nosso ódio a eles sai canalizado em
ridicularizá-los.
Possivelmente
nossa
396/1397
identificação passa pelos filhos, assim sentimonos superiores a eles, inteligentes como Lisa, ou
sendo livres e debochados como Bart.
O pai idiota
Nos Simpsons, estamos sob os auspícios de
um pai frágil, infantilizado, que mais do que
criticável, pode ser considerado ridículo. O seu
ofício já é uma metáfora que desdobra todo o
personagem: é óbvio que ele não está à altura de
ser supervisor de segurança de algo tão delicado
e perigoso como uma usina nuclear. É como se
nos perguntássemos: como colocam um idiota,
que nem ao menos consegue fingir não sê-lo,
em uma posição tão importante? O mesmo vale
para tudo, e especialmente para a paternidade:
como alguém tão desmiolado pode estar nesse
lugar, que julgamos tão importante, que é ser
pai?
Não há nessa família conflito de gerações,
pois para tanto é preciso que alguém esteja disposto a lutar por suas convicções, marcar essa
397/1397
diferença. Bart e Homer estão muito ocupados
fazendo bagunça e tentando tirar proveito de
tudo para litigarem entre si. Isso não quer dizer
que a relação seja afável: longe disso, são
agressivos e abusados um com o outro, não
demonstram um pingo de respeito e consideração. Mas, apesar das aparências, se amam, e
quando um está realmente encrencado o outro
sai em seu auxílio. O mesmo vale para a dupla
feminina: Margie não teria argumentos para enfrentar sua filha Lisa em nenhuma discussão,
mas mesmo assim há momentos em que
consegue compreendê-la, apoiá-la e até ensinarlhe alguma coisa.
De qualquer maneira, na cena oposta a
esses dois homens adoravelmente inadequados,
Homer e Bart, as mulheres são mais confiáveis.
Margie pode não ser muito esperta, mas ao
menos não causa tanta confusão quanto seu
marido, raramente teima em causas perdidas
(se não considerarmos que seu casamento é
uma delas) e, bem ou mal, é quem educa e põe
398/1397
limites nas crianças, especialmente em Bart. Já
Lisa, a filha do meio, sim, é uma garota culta,
politicamente ousada e corajosa. Até a
caçulinha, a bebê Maggie, que ainda não diz
nenhuma palavra já salvou o pai de mais de
uma situação constrangedora em que ele se
meteu. A postura de todas elas é de tolerância
amorosa com eles. Mas nem todos os episódios
sustentam-se na burrice dos rapazes. A ala feminina também se mete em conflitos: Lisa, uma
menina-mulher contemporânea, insiste em denunciar a imbecilidade do norte-americano médio, enquanto sua mãe, por vezes, compensa
com alguma fantasia aloprada seu papel ultrapassado de dona de casa passiva dos anos de
1950. Podemos dizer que a série passa não só
um desencanto com o pai, mas um desencanto
com os homens, e, nesse sentido, inclina-se
para o feminismo. O que não quer dizer que
Margie não tenha às vezes seus dias de Homer.
Margie tenta ser a tradicional mãe provedora de bem-estar, cuidando de corpos, casa,
399/1397
roupas, objetos e estômago de filhos e marido (é
sua filha quem se incumbe de representar as
mulheres liberadas). Por isso, é Homer quem
desnuda a dança das cadeiras de papéis na
família nuclear contemporânea. Se no trabalho
é incapaz de qualquer responsabilidade, na cidade é um medíocre egoísta, mesmo quando
tenta se envolver em causas sociais; em casa o
pobre homem não sabe nem abrir seu iogurte e
se desespera como um bebê frente a qualquer
desafio doméstico. A feminista Betty Friedan4 já
dizia que a libertação das mulheres na verdade
permitiria o amadurecimento de maridos e filhos, infantilizados pela conduta atenta da
rainha do lar. Homer resiste a essa ideia, pois,
mais do que querer, ele parece precisar de cuidados maternos para sempre.
Homer não está só, nem seu tipo foi inventado hoje. Só para usar um exemplo
proveniente da mesma terra dos desenhos animados, podemos dizer que ele faz parte da linhagem de Fred Flinstone, um chefe de família
400/1397
da idade da pedra. Fred é mais primitivo pela
sua tolice do que pela época em que vive, nem
seu cão-dinossauro o leva muito a sério. Criados
em 1960 pela dupla Hanna e Barbera, Os Flinstones foram os primeiros humanos entre um
exército de personagens animais oriundos
daquele estúdio. Eles apostaram em um público
infantil, a grande massa da audiência televisiva
diurna de sua época, que pelo jeito já estava
pronta para o exercício do humor em torno de
um pai afetivo, mas bobão, infantilizado e socialmente sem brilho. Os Jetsons, do mesmo estúdio, da mesma época, mas pegando a onda da
corrida espacial, retrata uma família futurista.
Nessa série de desenho animado o grupo familiar é chefiada pelo frágil George, um funcionário
medroso, à mercê de um patrão perseguidor e
tirânico. Por sorte, ele conta com o apoio dos
seus para se safar dos seus revezes laborais, mas
sua posição dentro da família não difere do seu
ancestral pré-histórico Fred Flinstone.
401/1397
Mais complexo, pois é recheado de referências à política e à cultura clássica e pop, além de
muito menos sutil em suas críticas, Os
Simpsons encontra seu fã-clube entre os adolescentes, púberes e jovens adultos. Porém, entre
os programas atuais dirigidos às crianças, os
pais não encontram melhor cotação do que
Homer. A quase totalidade dos heróis voltados
para essa etapa de vida conta (ou melhor, não
pode contar) com uma dupla de genitores que
oscila entre a omissão e a idiotice. Os Simpsons
já têm sucessores mais recentes, que não os
substituem, antes os complementam. Por exemplo, em termos de humor em torno da desqualificação da figura paterna, recomendamos em
desenho animado Uma Família da Pesada
(Family Guy, de Seth MacFarlane, 1999). Criado uma década após os Simpsons, Peter, o pai
dessa família, é ainda mais idiota que Homer, e
nem seu coração vale alguma coisa. Como no
caso dos Simpsons, a mãe faz o que pode para
contornar o caos criado pelo egoísmo e
402/1397
inadequação de Peter. Nesse caso, quanto mais
jovem, mais lúcido, pois os filhos adolescentes
são embotados, mas o bebê (apesar de perverso) é realmente inteligente, além do cachorro, que funciona como a consciência da
casa.
Outro bom exemplo, este sim voltado exclusivamente ao público infantil, seria o popular
desenho animado Os Padrinhos Mágicos (The
Fairly OddParents, de Butch Hartman, 1998)
em que um garoto precisa enfrentar seus problemas sem contar com os pais, que são desconectados e burros. Ele se salva graças a uma dupla fantástica: um casal que funciona como
“fadas-madrinhas”, o qual tenta solucionar seus
problemas com a magia. Mas até esses substitutos paternos, embora atentos à vida do seu
protegido, cometem uma sucessão de
trapalhadas.
Como se vê, nos programas preferidos de
crianças e adolescentes, não se encontram
grandes expectativas a respeito dos adultos em
403/1397
geral. A mensagem é: pense por você mesmo,
pois deles não provêm nem a sabedoria nem um
mínimo de bom senso; cuide-se sozinho, seus
pais são autocentrados, não vão perceber os
verdadeiros perigos que te ameaçam. Frente a
isso uma pergunta se impõe: é fato que existem
pais desconectados e desatentos às necessidades de seus filhos, porém, tanto isso já foi pior,
como a regra hoje é de um cuidado extremado
e, e não raro, exagerado, com os filhos, então
por que fazem sucesso essas séries que mostram
pais omissos?
Talvez um esboço de resposta provenha
justamente desse zelo, por vezes opressivo, que
as famílias atualmente dedicam a seus filhos. É
difícil desvencilhar-se dessa presença ostensiva,
muitas vezes exercida por casais que não compreendem as necessidades de preservar momentos de solidão, ou então de vivenciar os inevitáveis fracassos e os temores que os filhos atravessam. Isso não quer dizer que estejam próximos de seus filhos, pois as peculiaridades
404/1397
destes os inquietam. Eles têm dificuldade de se
envolver pessoalmente com as crianças, para
cujas necessidades subjetivas em poucas
ocasiões realmente têm paciência. Ou seja, existe uma falsa proximidade, estão sempre juntos, indo de um lugar a outro, mas não há realmente uma comunhão, os pais se comunicam
mais com as expectativas que eles têm a respeito dos filhos do que com os mesmos.
Essa onipresença dos pais na quantidade de
energia e capital investidos, aliada à ausência na
qualidade, no sentido da profundidade do vínculo, não é expressão de egoísmo ou descaso. É
resultado da angústia que produz neles
confrontar-se com a realidade psíquica de uma
criança que é muitas vezes, de alguma forma,
assustadora. Escutá-los, testemunhar suas dificuldades, é sempre acompanhado do medo de
que os filhos estejam distantes da idealização e
das expectativas que depositam naqueles que
são vistos como uma obra, uma extensão das
conquistas que esperam para si mesmos.
405/1397
Portanto, os pais providenciam muitas oportunidades, tantas quantas puderem pagar, de
aperfeiçoamento e vivências aos seus filhos,
mas raramente dispõem-se a uma proximidade
emocional que revele os fracassos, temores e covardias de seus incensados descendentes.
Um dos recursos da família para lidar com
todas essas expectativas passa por eternizar
uma adolescência que chega cedo, já que as crianças são vestidas e tratadas como adolescentes
o antes possível, na esperança das famílias de
ver efetivada uma identidade sexual e erótica.
Entre as inúmeras inseguranças dos pais está a
de serem capazes de transmitir as características de identidade do sexo em que seu filho
nasceu. Vê-los precocemente trajados e
comportando-se como se fossem jovenzinhos
tranquiliza essa inquietude: se a menininha de
jardim de infância tiver uma espécie de namorado e o garotinho parecer um surfista ou
skatista, eles se aproximarão mais dos estereótipos feminino e masculino que se espera que eles
406/1397
sigam. Talvez por isso haja uma crescente
tendência de indumentária entre os jovens que
privilegia a aparência andrógina, assim como
eles têm se deixado exercer a bissexualidade
nos anos de sua iniciação sexual com uma liberdade inédita até então. Isso é uma forma de resistência à exigência de que muito precocemente
na vida os filhos apresentem provas de sua eficiente inserção na identidade sexual e nas escolhas amorosas. Por outro lado, essa mesma urgência na performance sexual/amorosa não se
traduz em nenhuma pressa em que essa idealizada adolescência termine algum dia. Ela tende a
ser eterna, se não enquanto modo de vida, pelo
menos na aparência.
Um filho que nunca termina de crescer é
uma promessa que jamais deixa de se cumprir,
fonte de inesgotável esperança por parte das
famílias, tão ansiosas de que seus filhos angariem sucesso e prestígio. A forma assumida
por essas conquistas modifica-se conforme o
momento histórico e cultural, mas o contexto é
407/1397
sempre o de uma enorme expectativa. Por isso é
possível viver como um garoto de 15, quando se
tem mais de 30, ainda na casa dos pais, ou
mesmo ser dependente deles por décadas. Depois de partir, um filho torna-se uma realidade,
deixa de ser um sonho, uma fantasia. Ridicularizar esses pais tão exigentes, em sua aparente
brandura, é uma das formas de separar-se
deles, um recurso de produzir alguma distância
entre as próprias expectativas e as deles. Afinal,
de que valeriam os desejos de progenitores tão
desvalorizados?
Entre os Simpsons, a cegueira dos pais a respeito das dificuldades atravessadas pelos filhos
é a mesma de todas essas famílias da ficção e da
maior parte das da realidade, porém eles despertam quando a situação se agrava e isso é argumento de muitos episódios. Mais uma vez, é o
afeto que funciona como uma compensação à
desconexão inicial: descoberto o problema, a
defesa dos filhos é para eles incondicional.
Mesmo que Homer e Margie estejam centrados
408/1397
nos próprios prazeres, rotinas e objetivos, a única forma de grandeza deles é a dedicação à
prole.
Há um episódio exemplar desse esforço dos
pais (Acampamento Krusty, 1992), no qual inicialmente o casal fica aliviado por um curto período da carga parental, já que os dois filhos
mais velhos vão para um acampamento de verão. Durante essa breve lua de mel, Homer e
Margie se recuperam física e psiquicamente, ele
emagrece, alguns fiapos de cabelo retornam, o
casal pratica ioga e vive tranquilamente sua
sensualidade romântica. No mesmo instante em
que recebem a notícia de que Bart lidera um
motim contra os maus tratos no acampamento,
o barrigão de Homer brota e seus novos cabelos
caem. Como se vê, boa parte do desgaste desse
pai decaído deve-se à estressante tarefa de criar
seus filhos. Logo ele, que facilmente poderia ser
acusado de desleixado e egoísta. Poderíamos
dizer que os pais têm tantos motivos quanto
seus filhos para proteger-se da proximidade
409/1397
excessiva de uns com os outros. São muitas as
exigências ligadas à execução dos papéis paterno e materno atualmente, e ninguém está à altura deles, o que não impede que se percam os
cabelos tentando.
Em todos esses seriados, exceção a Padrinhos Mágicos, pois nele ambos os pais são igualmente idiotas, a mãe é geralmente mais esperta,
pelo menos um pouco mais do que o pai. As
mulheres são relativamente poupadas da visão
crítica dos mais jovens, talvez por um raciocínio
politicamente correto, mas também porque o
novo papel da mulher já está bastante assimilado e tende a uma valorização. As mulheres
realmente estão muito melhor preparadas para
enfrentar o mundo do que jamais estiveram,
não cessam de se colocar desafios e de se provar
viáveis nos espaços originalmente dominados
pelos homens. Elas seriam poupadas das críticas mais cruéis porque as conquistas feministas
as perfilam do lado da rebeldia dos filhos,
oposta à face dominadora do patriarca, que hoje
410/1397
não é mais do que uma reminiscência melancólica e fantasiosa do passado.
Nesse sentido, essas séries poderiam ser
vistas também como uma revanche, afinal no
humor, durante séculos, a burra sempre foi a
mulher. As piadas sobre a estupidez feminina
eram a tônica de qualquer bom repertório humorístico. Como hoje isso já não é cabível, então houve um deslocamento para a “loira burra”
que é o alvo velado da antiga misoginia. Sem
dúvida, a mulher conquistou o direito de fazer
um melhor papel aos olhos de todos, em termos
públicos.
Já no território privado, enquanto mãe,
talvez as coisas sejam sempre problemáticas
para os filhos. Sobre isso escrevemos no
capítulo deste livro A maternidade possível, a
respeito dessa mãe sempre culposa e tentando
compensar eventuais falhas em relação ao
clichê da imagem da mãe abnegada e centrada
na prole. A dedicação da mãe não seria considerada suficiente pelos filhos nem nos tempos
411/1397
em que ela não podia cumprir nenhum outro
papel social. Porém, a queixa dos filhos sobre a
insuficiência materna, ou mesmo a suposição de
que eles teriam motivos para queixar-se, nunca
comoveu tanto as mulheres quanto hoje. De
qualquer maneira, ainda o humor e as críticas
não atingem a mulher contemporânea com a
mesma acidez reservada ao pai, este sim alvo de
todos os tiros.
O conflito de gerações fica obsoleto
Na tradição da literatura infanto-juvenil a
maior parte dos protagonistas é órfã e suas
aventuras ocorrem graças a essa ausência da
família. É nesse vazio de referências e cuidados
que surgem as provações e que é possibilitada a
independência necessária para o desenrolar da
história. Portanto, era preciso dispensar a
presença e a proteção dos pais para encontrar a
própria identidade, e a morte deles sempre foi
uma boa solução para isso. Esses órfãos costumavam ficar aos cuidados de famílias
412/1397
substitutas frias e cruéis, ou padeciam em colégios internos. Antes dessas personagens de romance, nos contos folclóricos que deram origem
aos atuais contos de fadas, os pais e mães
bonzinhos e protetores também desapareciam
na primeira página; deixavam em seu lugar
bruxas e ogros, que simbolizavam as provações
que esperavam aos que crescem e querem
sucedê-los no trono e na vida.
Ocorre que agora não é mais necessário
matar os pais para livrar-se deles ou superá-los:
os mais velhos da nossa sociedade não precisam
ser derrotados ou confrontados para ceder o
trono, pois eles tampouco querem ocupá-lo.
Estão mais dispostos a recomeçar a vida sucessivas vezes, fazer plásticas para mascarar a passagem do tempo, descobrir uma nova profissão,
buscar um companheiro mais jovem e, se possível, gerar novos bebês, do que a bancar algum
tipo de maturidade, sabedoria ou autoridade.
Eles não têm tempo para isso, precisam aproveitar a vida e combater o medo da morte. Ao
413/1397
invés do conflito, hoje temos uma gincana entre
gerações, na qual todos desejam ser bem-sucedidos na mesma tarefa. Fica difícil superar pais
que estão na mesma batalha, que são fisicamente menos vigorosos, mas possuem mais experiência, dinheiro e prestígio do que seus descendentes. O resultado disso são pais decididamente não envolvidos em sustentar o prestígio
de sua posição.
Os pais nascidos após os anos de 1960 e
1970 viveram sua adolescência no rescaldo das
décadas floridas da revolução sexual, do pacifismo, do misticismo difuso do movimento hippie, o que os levou a valorizar mais a revolução
de costumes do que as conquistas políticas. Afinal, a revolução dos costumes foi a única reviravolta francamente vitoriosa do século passado, e
não foi por falta de terremotos ideológicos, econômicos e sociais. Quem nasceu a partir da
década de 60 do século XX, esteve mais em contato com a mudança de hábitos do que com sua
preservação, aprenderam a valorizar mais a
414/1397
novidade do que a tradição e a sabedoria estabelecida pelos antigos. Hannah Arendt6 dizia
que: “... nossa herança foi deixada sem testamento algum. O testamento, dizendo ao herdeiro o que será seu de direito, lega posses do
passado para um futuro. Sem testamento ou, resolvendo a metáfora, sem tradição – que selecione e nomeie, que transmita e preserve, que
indique onde se encontram os tesouros e qual o
seu valor – parece não haver nenhuma continuidade consciente no tempo, e portanto, humanamente falando, nem passado nem futuro, mas
tão somente a sempiterna mudança do mundo e
o ciclo biológico das criaturas que nele vivem”.
Os herdeiros da revolução de costumes precisam descobrir como administrar o paradoxo
de fundar-se, encontrar onde assentar as próprias bases, e transmitir algo a seus filhos,
tendo como ideal a transformação. A paixão
pela mudança é mais um estado de espírito do
que um conteúdo a ensinar, e isso coloca um
desafio para a postura parental, uma charada
415/1397
que ainda não sabemos solucionar. “O desaparecimento do senso comum nos dias atuais é
o sinal mais seguro da crise atual. Em toda
crise, é destruída uma parte do mundo, alguma
coisa comum a todos nós. A falência do bom
senso aponta, como uma vara mágica, o lugar
em que ocorreu esse desmoronamento.”7
Este é apenas um dos impasses dos adultos
contemporâneos que são pais, o outro provém
da desvalorização dos feitos de nossos antepassados. O século XX, palco de duas guerras mundiais, criou, combateu e derrotou o fascismo;
construiu sociedades que sonhavam com um
mundo igualitário e viu seus ideais serem
tragados pelo totalitarismo; a liberdade das
democracias tornou-se ambiente propício para
a proliferação das corporações globais que hoje
mandam informalmente no mundo; a mesma
ciência que abriu portas para tantas descobertas
geniais fechou seus olhos para a destruição do
planeta. Os novos adultos precisam conviver
com a incerteza sobre sua capacidade de
416/1397
inventar e sonhar sem produzir danos. O
homem não só está longe de ser o centro da criação, como corre o risco de ser o grande vilão,
afinal, temos sido tão bons em criar soluções
como em gerar problemas. Em resumo, como
confiar no passado, na tradição, se ela não nos
conduziu a um bom caminho? A sensação é que
as gerações anteriores seriam sim um exemplo,
mas para não ser seguido.
Aqueles que nas últimas décadas do século
passado recriminavam seus pais pela rigidez de
valores e pelo culto hipócrita a uma moralidade
de aparência, estão na origem dos pais de hoje.
Estes, por sua vez, constituem um modelo de
família que não joga mais para baixo do tapete
os segredos familiares, as contradições, o sexo e
as fraquezas. Mas, embora mude o argumento,
a queixa permanece e Homer Simpson entra
como pai em um tempo no qual os temas são
outros: agora os pais são vistos como frágeis e
imaturos, apesar do tanto que procuram
preencher com afeto e camaradagem fraterna
417/1397
suas diferenças com os papéis tradicionais.
Tentam também fugir da raia, mas não há escapatória: cada geração inevitavelmente precisa
confrontar-se com o olhar crítico da seguinte.
Lisa, cidadã e intelectual
Nem tudo é imbecilidade entre os habitantes de Springfield. Existem momentos de lucidez por parte de Margie, e até do próprio
Homer, que, por incrível que pareça, às vezes
consegue ser construtivo e ter alguma atitude
interessante com sua família. Já na escola é
possível encontrar adultos capazes de bom
senso, principalmente entre as professoras, embora o diretor cometa não poucas insanidades.
De qualquer maneira, nos seriados dos
Simpsons, como na vida, a escola é um lugar
onde ainda tenta se acreditar que adultos têm
algo a ensinar, regras são necessárias e não há
lugar para o egoísmo. Por isso a escola é a origem dos pesadelos de Bart, que se atormenta,
mas nem por isso parece disposto a dedicar
418/1397
algum instante de sua vida a estudar um pouco.
Bart faz na escola o que seu pai faz na vida,
tenta poupar-se; enquanto Homer faz de conta
que trabalha, Bart faz de conta que estuda.
Poderíamos pensar que essa atitude é natural,
em uma família dessas, porém existe Lisa, a
filha do meio, aluna exemplar, capaz de percepções sutis dos problemas domésticos, e,
principalmente, muito sagaz na crítica à sociedade americana.
Lisa é patriótica a seu modo: dedica-se principalmente a apontar as contradições entre os
ideais e as práticas públicas, suas denúncias são
mais tocantes porque partem da crença naquilo
que se promete ou se finge que acredita, cujo
não cumprimento ela sempre percebe e denuncia. Na sua relação com a cidade e o país ela reproduz a mesma lucidez que tem em casa, procura coerência, racionalidade, ser construtiva,
perceber os pontos em que algo falha, discernir
se algo está baseado em premissas falsas ou
fadado ao fracasso. Ela funciona como um
419/1397
contraponto à alienação da comunidade em que
vive. A população de Springfield tem sua maioria composta pelo pior tipo de cidadão, egoísta,
de curta visão, disposto a deixar-se enganar por
todo aquele que lhe prometer satisfação rápida
e sem esforço.
Essa menina é diferente de outros bebês ou
crianças geniais tão comuns nas séries de
desenho animado. Boa parte das crianças geniais são cientistas, espécies de fenômenos que
possuem laboratórios e invenções malucas. Lisa
é muito inteligente, mas em uma dimensão
mais humana e moral, ela funciona como uma
consciência social, uma cidadã exemplar, ela é
aquilo que esperamos das gerações futuras, em
nosso mundo destinado ao naufrágio ambiental
e político. É apenas uma das formas em que a
genialidade dos filhos, ao contrário da burrice
dos pais, se apresenta na ficção contemporânea.
Como a ênfase do seriado é em uma crítica social, sua inteligência só podia expressar-se
dessa forma.
420/1397
Mas o papel de Lisa é também representar o
intelectual na sociedade americana e de certa
forma na nossa.8 Ela funciona como uma Cassandra, aquela que sabe a verdade, mas não tem
credibilidade. Na relação com ela aparece nossa
ambiguidade com o sábio, com os intelectuais,
com os cientistas: os admiramos e os odiamos,
afinal, o pensamento parte do exercício da crítica ou da superação do que está estabelecido.
Eles geralmente não vêm nos trazer boas notícias, e todas elas costumam apontar para que
nosso confortável ou usual modo de fazer as
coisas seja mudado. É preciso emagrecer, fazer
exercícios, lidar melhor com o lixo, ser mais
solidários, ler ao invés de ver TV, pensar os destinos do mundo. Quem quer saber de alguém
que só vem nos dizer que estamos errados?
Como essa menina é cheia de virtudes, então
seria possível fazer como ela sugere. Isso é francamente exasperante quando está se tentando
viver sem pensar. De qualquer forma Lisa é a
ponta da esperança em um seriado que, embora
421/1397
bem-humorado, sabe ser azedo quanto à imagem do homem médio. Com ela outro modo de
ser e viver se mostra possível; mesmo em uma
família torta pode nascer alguém melhor, e alguém da nova geração quem sabe nos redima.
Onde foi parar a sabedoria?_Histórias com
gênios infantis
Os Simpsons, com sua genial Lisa, não constituem uma exceção, é nos filhos que se deposita a valorização da inteligência das famílias
contemporâneas, os casais costumam exibir os
dotes intelectuais e físicos dos filhos: suas
primeiras aquisições, como a fala, a marcha e a
alfabetização, são motivos de rivalidade, principalmente entre as mães. Uma mulher pode
chegar a ficar muito triste porque seu bebê está
“atrasado” em comparação ao de uma amiga ou
parenta, ignorando que essas pequenas diferenças de ritmo são totalmente insignificantes
no contexto de uma vida. Os homens costumam
valorizar mais nos filhos as conquistas
422/1397
posteriores, de caráter público, como o rendimento no estudo ou na vida social e amorosa,
mas a exigência não é menor: ambos esperam
ver-se engrandecidos a partir dos feitos dos
filhos.
A respeito de como se veem a si mesmos,
observamos algumas modificações no sistema
de avaliação pessoal, diferenciando os habitantes do século XXI dos burgueses que
fundaram a sociedade capitalista. Hoje a acumulação não vale mais a longo prazo, aliás, o
longo prazo é que não tem mais valor. Mais do
que ostentar sua competência e a retidão de
seus valores (grande fonte de hipocrisia, ao
longo dos últimos séculos), os adultos revelamse preocupados em demonstrar prestígio e dinheiro suficientes para angariar mais gozo do
que os outros (eis a nova fonte de hipocrisia).
São diferentes do exemplar pai de família trabalhador, herdeiro dos ideais protestantes que
alicerçaram o capitalismo emergente, que era
um grande poupador e valorizava o sacrifício.
423/1397
Este até podia levar uma boa vida, mas não desperdiçava consigo demasiado, pensava no patrimônio que deixaria, o qual o representaria
para as futuras gerações.
Tanto quanto os antepassados, nossos contemporâneos apresentam muita preocupação
com os filhos, mas ao invés de poupar em termos patrimoniais, procura-se investir neles,
para garantir seu brilho no presente e no futuro.
Deverão ser bem-sucedidos no caminho que
escolherem, que deverá ser aquele que os faça
felizes. Espera-se que viajem muito, que amem
muito, que se aventurem sempre que possível,
que sejam precocemente descobertos e valorizados no mercado de trabalho e independentes,
pois não devem deixar-se tiranizar por nenhum
patrão ou relação amorosa. Principalmente, assim como seus pais, os filhos precisam mostrarse capazes de aproveitar a vida, estar acima dos
outros nesse item. Homer e seus amigos sempre
encenam essas disputas por prestígio e oportunidades, nas quais, mediante seus limitados
424/1397
horizontes, as metas só podem ser restritas a
pequenos prazeres e conquistas ridículas.
Com poucos ideais que nos apontem o futuro e sem atribuir maior prestígio às referências do passado, ficamos restritos a um presente
hipertrofiado. A pressa de crescer foi substituída pela urgência de usufruir. O resultado é
que as famílias criam seus filhos com o máximo
de duração da infantilidade e o mínimo de autonomia. Quanto mais posses um núcleo familiar
tiver, mais se prolongará a dependência econômica, a limitação da mobilidade na cidade, o
investimento em intermináveis oportunidades
de estudo. Estas últimas raramente obedecem
ao projeto de uma formação mais completa,
principalmente se ela envolver algum sacrifício
ou necessidade de superação. Muitos filhos de
famílias abastadas têm enorme dificuldade em
escolher e trilhar um caminho, com algum tipo
de dedicação. Andam à deriva, ligando-se mediocremente a cursos universitários e viagens
425/1397
de estudo que não são mais do que um
passatempo.
O verdadeiro projeto constitui-se em permanecerem enquanto expectativas para seus
pais. Estes admiram o potencial que a juventude tem para colecionar opções, invejam na infância e na adolescência a vida antes das
derrotas e limitações que inevitavelmente
acompanham o crescimento. Um destino escolhido e trilhado sempre demonstrará suas
tristezas: inevitáveis servilidades, oportunidades e disputas que se perderam. Um filho que
está sempre recomeçando é uma eterna
promessa, assim como o é um bebê genial, que
em sua capacidade precoce de caminhar ou encaixar cubos de plástico promete que será o inventor da cura do câncer, dono de um conglomerado mundial de empresas, craque em um esporte ou ator de sucesso.
Lisa é uma ilha de inteligência e lucidez, assim como Bart, seu irmão, é bem mais esperto
que o pai, embora lhe compartilhe a preguiça, e
426/1397
isso não é uma contradição de roteiro. Ela não é
apenas uma personagem destinada a denunciar
a imbecilidade de seus adultos, ela é criança em
um tempo em que nelas encontram-se as atuais
expectativas de brilhantismo.
É difícil saber quem é o maior gênio infantil: Dexter8, Jimmy Neutron9 ou talvez o
Franjinha?10 Talvez a pergunta mais importante
seja porque tomamos uma figura literária, uma
personagem clássica como o cientista louco, e
dele fizemos uma versão infantil. O cientista
louco, nem sempre tão louco, mas excêntrico
frente ao seu grupo social está disseminado por
toda a literatura. Sua área de atuação ora é mais
técnica, é um grande inventor, ora é mais
teórica e filosófica. Seus dotes lhes possibilitam
a invenção de objetos capazes de efeitos incríveis. Graças a ele as aventuras contam com instrumentos para o desenvolvimento de
aptidões, alterações de tamanho, de visibilidade
ou a animação do inanimado. O transporte é
uma de suas áreas preferenciais, através da
427/1397
criação de máquinas em que possamos nos
transportar para outros mundos, ou ficar no
nosso, mas indo para o passado ou o futuro.
Brincando de deuses, não se abstêm de criar
seres surpreendentes e perigosos que têm o
péssimo hábito de fugir ao controle. Esse
cientista costumava ser uma pessoa obstinada,
que vive uma vida de estudo, geralmente
solitária, para provar suas ideias ou levar adiante suas taras. Sempre havia um tempo de espera entre a construção da obra ou de si mesmo
como cientista, não raro era combatido e desacreditado por sua excentricidade de
pensamento e, então, mergulhava na solidão e
no ressentimento. De qualquer forma era um
homem com poderes especiais e, por isso, admirado e temido. Dele tememos tanto sua criação como seu próprio desequilíbrio, afinal,
supõe-se que a solidão ou a hipertrofia do seu
saber não poderiam produzir boa coisa.
Sua versão infantil economizou no tempo de
estudo: ele nasce gênio e, por não ter estado tão
428/1397
afastado da sociedade, talvez não seja tão louco;
por isso, teria ideias menos disparatadas. O
gênio criança apenas vive suas aventuras e usa
seus dotes para satisfazer sua curiosidade, resolver seus pequenos problemas escolares ou
domésticos, ajudar seus pais e amigos e, entre
tantas coisas, salvar o planeta. Já suas patologias mentais talvez se revelassem apenas na idade
adulta, agora ele apenas é um pouco nerd.
Uma resposta óbvia à questão de por que
infantilizar essa personagem clássica é que ele é
um mote excelente para produzir fantasia. Seus
super-poderes intelectuais, aliados a um bom
laboratório, permitem uma variedade enorme
de novas histórias. Porém, mais do que isso, é
resultado de um mecanismo tradicional da
fantasia infantil, que antecipa ludicamente as
possibilidades do que se espera ser quando
crescer, alternando entre figuras da realidade e
ícones dos ideais que nos inspiram. Então, por
que não cientistas? Será que isso não seria uma
explicação suficiente?
429/1397
De fato, a ciência hoje rivaliza com a magia
em seu potencial de nos elevar sobre a banalidade cotidiana. Outrora, para imaginar uma ação
ou cenário diferente do perceptível, só dispúnhamos de recursos provenientes do sobrenatural. Hoje, após testemunhar as maravilhas proporcionadas pela ciência, deslocamos nosso
pensamento mágico para seu território. Não é
estranho esse recurso, já que utilizamos um sem
número de objetos que tornam nosso cotidiano
mais agradável, os quais funcionam de acordo
com princípios e mecanismos que estão além da
compreensão do homem comum. Sabemos que
devemos sua existência ao trabalho de cientistas
e não há motivos para não esperar pela chegada
de mais maravilhas provenientes de seus
cérebros e laboratórios.
Todas as personagens adultas prototípicas
encontram sua versão infantil, há pequenos detetives,
aventureiros,
exploradores.
O
pensamento infantil e a importante atividade de
brincar, fonte de aprendizagem e de elaboração
430/1397
de conflitos, requer a miniaturização do mundo
adulto para melhor assimilar seus mecanismos.
Elas encenam e reproduzem com seus brinquedos aquilo que observam, que é seu modo de refletir a respeito de vários assuntos. Assim fazem
as crianças pequenas a respeito da família e dos
hábitos domésticos, da mesma forma como as
mais crescidas requerem um diálogo lúdico com
horizontes mais vastos, que incluem personagens da sociedade em que vivem. Para tanto,
utilizam tanto os brinquedos quanto a imaginação e seu suporte virtual, principalmente
proveniente da televisão e do cinema.
Esse lugar socialmente relevante ocupado
pela ciência, aliado à miniaturização de tudo o
que exige compreensão e assimilação, explica a
existência de pequenos cientistas na ficção dirigida às crianças, mas não esgota o porquê da insistência na figura do bebê genial, nem da criança sábia na ficção voltada para um público já
crescido. Nela, é nos mais jovens que fazemos
as maiores apostas, é deles que hoje esperamos
431/1397
que advenham os grandes feitos. Outrora homens importantes correspondiam aos nomes
nos quais se fundamentava uma linha de
pesquisa, de pensamento, de ação política, um
patrimônio, uma instituição, uma empresa. Sua
vida e experiência fundavam paradigmas, os
quais funcionavam como um guarda-chuva que
abrigaria as gerações vindouras, que poderiam
continuar, opor-se ou superar as premissas estabelecidas. Hoje, quem quer ser importante investe pesado no aperfeiçoamento da sua prole.
Vemo-nos refletidos nas promessas de sucesso
ou fracasso de nossos filhos, enquanto antes era
ao contrário, era dos antepassados que vinha
nosso valor. Em função disso, como sabemos
que tudo o que fizermos ou pensarmos influenciará no destino deles, nunca tivemos tanto
medo de errar.
Portanto, não é à toa que os gênios infantis,
por vezes até mesmo bebês,11 são frequentes na
ficção contemporânea. Eles podem até ser estranhos, franzinos e descontextualizados pelo
432/1397
seu excesso de inteligência, mas mesmo assim
admiráveis. Quando um tema insiste, sempre
revela algo que estamos tentando entender,
elaborar. Estes pequenos gênios da ficção são
caricaturas da criança contemporânea, cujo potencial parece ser tão ilimitado quanto nossa capacidade de investimento. Demonstram também que alguém pode se desenvolver de forma
bizarra a fim de realizar o sonho dos pais: criamos gênios do detalhe, que para dar conta de
uma especialidade ignoram o resto do mundo.
A tarefa de tornar-se a grande obra de outrem
pode fazer alguém capaz de verdadeiras proezas
matemáticas, informáticas ou linguísticas,
porém incapaz de ter um amigo ou mesmo de
compreender minimamente seus próprios
sentimentos.
Os gênios malucos são ao mesmo tempo o
sonho e o pesadelo dos pais de hoje, já que a
perfeição em determinada área pode representar uma ignorância absoluta do contexto.12 É
graças à suspeita de que os desejos dos pais são
433/1397
inatingíveis que os filhos conseguem adaptar alguma parte dos sonhos deles para uso pessoal.
Isso pressupõe certa capacidade de estabelecer
uma distância da idealização parental que recai
sobre o filho, para que ele possa dialogar com
ela, o que é diferente de colar-se nesse ideal.
Quando uma mente brilhante vive para conquistar e colecionar sucessos para ofertar aos
seus pais, perguntamos: a que preço?
Já descobrimos que somos frágeis, que a
loucura e o fracasso vêm da mesma fonte com
que nutrimos o tão cobiçado sucesso: da
história primordial de cada sujeito, de seu modo
de encaixe no desejo dos pais, da síntese possível entre suas necessidades, percepções e o
que o seu ambiente tem para lhe oferecer. Mas
saber de todas essas variáveis e incertezas não
nos impede de esperar um futuro Einstein em
cada bebê que vem ao mundo, como se fosse o
surgimento de um salvador.13 Todos os pais esperam a ocorrência de um fenômeno que se
434/1397
revele no berço do filho, um prêmio do destino,
uma aberração benigna.
Para concluir que o sonho do filho genial se
realizou, os pais se baseiam em dados “conclusivos” como sua capacidade de solucionar jogos
infantis, de entender um desenho animado ou
de fazer uma observação espirituosa. Inclusive a
história tão difundida de que quando criança o
grande físico Einstein era um fracasso na escola
alimenta expectativas de que o grande potencial, a genialidade do filho, ainda tem tempo
para se revelar, embora tudo prove o contrário.
Matilda,14 a personagem de Road Dahl que
aprendeu sozinha a ler e era capaz de raciocínios matemáticos sofisticadíssimos antes
mesmo de frequentar a escola, é genial em si,
nada foi investido nela, nada dela se esperava.
Como Lisa, ela nasceu em uma família de imbecis, só que nem o afeto existente entre os
Simpsons os pais de Matilda tinham para oferecer. Nela se revela que maior ainda do que o
sonho de fabricar um gênio está o de receber
435/1397
um que já venha pronto, no qual não seja necessário
depositar
sequer
um
desejo.
Principalmente tratando-se de um filho biológico, é como se seus dotes intelectuais incríveis
fossem revelar riquezas ocultas de nós mesmos
que fomos capazes de transmitir. Apesar de tão
contrariada com seus pais, Matilda poderia ser
filha de qualquer um de nós, que esperamos
gerar superdotados, gênios destinados a glorificar uma herança que nos damos ao luxo de ignorar ou desprezar.
Que o futuro conserte o passado_De volta
para o futuro
Um bom exemplo do que se espera da combinação do futuro, através da geração a nossa
frente, com a ciência e suas promessas, pode ser
verificado no filme De volta para o futuro (dirigido por Robert Zemeckis, 1985). Marty é um
garoto típico dos anos 1980, que sofre ao ver
sua família medíocre e decadente. Ele não possui a lucidez intelectual da pequena Lisa, mas
436/1397
como bom adolescente percebe que a mãe está
infeliz e bebe além da conta, que o pai é um fracassado, que seus irmãos se encaminham para
vidas igualmente estreitas. Ele não está nada
conformado com esse destino, como os outros
da família parecem estar.
Marty possui um amigo, um cientista que
em sua comunidade é considerado doido, a
quem ele visita regularmente. Dr. Brown trabalha em uma máquina do tempo, que opera
dentro de um automóvel, mas quem acaba
fazendo a viagem é o garoto. Diferente do
viajante do romance de ficção científica A Máquina do Tempo (H. G. Wells, 1895), que se depara no futuro com horripilantes respostas
sobre os destinos da humanidade, Marty viaja
ao passado para fazer reparos na vida privada.
Ele volta apenas 30 anos, tendo como data de
chegada o ano em que seus pais eram jovens e
se conheceram. Como qualquer filho, ele é
curioso a respeito do ponto de origem de sua
família, o encontro de seus pais. Na verdade ele
437/1397
quer saber como eles conseguiram tão pouco e,
evidentemente, influenciar o passado para
evitar o triste desenlace que é a realidade atual
de sua família.
Como costuma ocorrer nessas incursões, alterar o passado é muito perigoso, Marty ameaça
o próprio nascimento, o qual, como sabemos, é
sempre fruto de um acaso que, por qualquer alteração de milímetros dos fatos, poderia não ter
acontecido. Novamente ajudado pelo cientista,
ao qual ele volta ao passado para informar que
seu experimento deu certo, o final acaba garantindo que seus pais se encontraram e casaram,
mas o fracasso crônico do pai e a insatisfação da
mãe foram revertidos. Marty volta para um futuro de pais realizados e irmãos bem-sucedidos.
Quem dispensaria uma oportunidade dessas?
Essa aventura pelo passado foi arriscada:
em suas andanças pelo tempo, aquela que virá
ser a sua mãe apaixona-se por ele, e obviamente
não é fácil repelir um amor assim. Provavelmente, esse evento passado revele mais sobre o
438/1397
seu presente: uma mãe insatisfeita pesa sobre
um filho, afinal, se o pai não dá conta da satisfação dela, se a relação não a faz feliz, essa missão recai sobre a geração seguinte. A viagem no
tempo busca uma solução para a família, mas
também vai em causa própria: erguer um pai
para que ele dê conta das demandas maternas.
Marty está na idade de ocupar-se dos
próprios assuntos amorosos e as pendências
dos pais pesam como nunca nesta fase. Para ter
suas histórias de amor, um filho precisa dar as
costas para esses vínculos infantis, que seus
pais possam abrir mão de sua presença na casa,
no meio do casal, no cotidiano, nos projetos futuros. O problema é que a juventude dos filhos
inclui o olhar crítico deles que abala tanto o
amor próprio dos progenitores. Aliado ao confronto da vitalidade juvenil com o início da decrepitude dos pais, forma-se um conjunto de
sentimentos difíceis de administrar. Para os
pais é uma época em que estão sendo mais
questionados por filhos que já não os idealizam,
439/1397
e que, em função da idade em que se encontram, acabam fazendo algum balanço. Por isso,
não raro, também é nessa ocasião que se produz
uma separação do casal. Nem todo casal que
constituiu uma família tem condições de resgatar ou criar um projeto a dois, principalmente
se este se torna necessidade a partir de um
abandono: da progressiva partida dos filhos,
que outrora polarizavam e dominavam a existência dos pais. É quando um filho mais precisa que seus pais se ocupem um do outro, que
sejam tão leves quanto possível, que em geral
também ocorre a estes atravessar crises pessoais que arrastam toda a família em um redemoinho de insatisfações.
O protagonista desse filme não é um garoto
genial, sua diferença dos outros é a inquietude,
a inconformidade com a mediocridade dos seus,
assim como a curiosidade que o levou à amizade
com o inventor. Ele transcende seus contemporâneos, mas apenas por ser o melhor que um
adolescente pode ser: capaz de olhar o
440/1397
estabelecido como se não precisasse ter sido do
jeito que foi, nem ser para sempre assim. É a
possibilidade e mesmo a compulsão para questionar, para criticar os adultos, pela necessidade
de afastar-se e diferenciar-se deles, que faz dos
adolescentes (pelo menos os mais interessantes
entre eles) os portadores de alguma energia de
transformação. Nesse caso, não deixa de ser
uma forma de sabedoria, ele é o mais lúcido de
sua família, e, portanto, o único capaz de
modificá-la.
O cientista maluco é aquele que oferece os
instrumentos para a finalidade desse jovem, ele
equivaleria ao ajudante mágico tão comum nos
contos de fadas, inclusive pela sua presença em
outras etapas da jornada, tal como é usual nesse
tipo de personagem. Na história de Marty, a
viagem no tempo, um velho sonho da ficção
científica, fica a serviço de objetivos reduzidos
ao universo doméstico, pelo qual é possível
visualizar os mecanismos dos votos que
441/1397
depositamos na união das promessas da juventude com as da ciência.
Em relação ao futuro, o horizonte do
presente sempre se mostra estreito, pois o futuro é potencial irrestrito, nele cabem todos os
sonhos. Viver uma vida é ir vendo reduzir-se o
prazo do futuro que nos é reservado, cada
década transcorrida é surrupiada de um tempo
no qual não estaremos mais aqui para aproveitar e testemunhar. Já o passado, pode muito
bem ir sendo re-interpretado, as memórias podem ir se alinhando de forma diferente conforme a narrativa que se faz delas, isso é uma
das tarefas centrais de uma análise. A única ressalva para essa liberdade de reescrever a própria história está em que os fatos em si, como
doenças, suicídios, acidentes, abandonos, separações, falências, nascimentos, não podem ser
suprimidos. Podemos silenciar, tentar esquecer,
ignorar, mas eles continuarão existindo e
produzindo efeitos. Se bem o futuro se encolhe
com
o
tempo,
o
passado
cresce
442/1397
proporcionalmente. O tempo, portanto, é a dimensão aonde vamos nos deparar com nossos
maiores medos, esperanças e, especialmente,
com nossa limitação.
Depois de adultos é mais fácil projetar nossos sonhos naqueles cujo reservatório de futuro
é maior que o nosso, identificamo-nos com crianças e jovens, como faríamos com qualquer
herói que transcendesse nossas incômodas limitações. Mais do que invejar seu potencial, esperamos deles o mesmo que Marty fez com seus
pais, que eles revertam nossos fracassos com o
sucesso e o conhecimento que poderão contrabandear do futuro para nós.
Esquecemos que nossos descendentes padecerão dos mesmos fardos que qualquer humano, os pais são parte desse passado que pesa
sobre os filhos. É dos antepassados, tanto imediatos como remotos, que provêm as determinações para as escolhas que farão. A liberdade
total de caminhos, que se associa à juventude na
fantasia dos adultos, absolutamente não existe.
443/1397
Ao fazer suas escolhas, os adolescentes não são
obrigados a seguir os destinos que o inconsciente familiar lhes impõe, mas é inevitável
que negociem com esse acervo que os marca,
que lhes produzirá sintomas, inibições, mas
também modelará seus sonhos. O passado não
pode ser suprimido, ele pode ser melhor compreendido, revisto, questionado, narrado de
outras formas, só não poderá ser apagado. Não
carece mandar nossos filhos para o passado, até
por que ele já está, admitamos ou não, impregnado neles.
Uma família que vence unida_Os Incríveis
Um menino e uma menina, irmãos envolvidos em uma aventura na qual acabam de
escapar de um ataque inimigo, travam o
seguinte diálogo: a mais velha diz ao menino –
“eles estão em perigo”; – “nossos pais?”, pergunta ele; – “não, pior, o casamento deles!”. Essas falas são do filme infantil de animação Os
Incríveis (2004, direção de Brad Bird, um dos
444/1397
envolvidos na criação dos Simpsons), no qual
uma família é levada a uma missão de resgate
uns dos outros, do valor do pai e do amor do
casal.
Essa história poderia ser considerada uma
boa revanche, um antídoto contra todos os pais
inúteis, principalmente se comparados com
seus filhos geniais. Embora pais idiotas
cheguem a ser amados, no final das contas,
como é o caso de Homer, não há esperanças de
que ele possa algum dia valer alguma coisa.
Nesse caso trata-se de um filme infantil com
toques de humor, porém sem nenhum sarcasmo, e temos uma família onde todos os
membros são dotados de poderes, principalmente o pai. O chefe dessa família é um expoente, até mesmo entre os super-heróis, graças
à sua força imensurável, por isso seu nome: Incrível. O resto da família tampouco é, digamos,
“normal”: a esposa, também uma super-heroína, é a Mulher Elástico. Os filhos nasceram
poderosos, cada um com um dom diferente que
445/1397
os habilitaria para o combate ao mal. Parece um
ótimo ponto de partida, afinal, que mal poderia
afetar uma família tão abençoada pela
“genética”?
O drama se origina porque temos, mais uma
vez, como no caso dos monstros, uma família
estranha ao modo de ser dominante, e com suas
inevitáveis dificuldades de adaptar-se a ele,
além de serem discriminados por uma sociedade que lhes é hostil. Enquanto parecia
compreensível que os membros das famílias
monstruosas não encontrassem aceitação social, fica difícil entender por que isso afetaria
aqueles que seriam o retrato de nossos melhores sonhos: bonitos, poderosos, invencíveis e
ainda admirados por todos graças a seus feitos
heróicos. Certamente, Incrível e a Mulher
Elástico ao se casarem só podiam prever um
destino de glória.
Mas o mundo é mesmo complicado, e Incrível é processado por um homem a quem
salvou, privando-o de se suicidar. Ele é julgado
446/1397
culpado, dando origem a uma onda de processos nos quais aqueles que haviam sido salvos
se queixam de terem sido prejudicados pela
brutalidade dos super-heróis e exigem indenizações. Junto com o restante dos super-heróis, ele
entra em um programa de proteção do governo,
no qual abre mão do uso de seus poderes e
passa a viver oculto, restrito a uma identidade
secreta, providenciada como forma de protegêlo.
A obsessão jurídica da sociedade americana
aparece como o vilão que amarrou as mãos até
dos seus heróis. Trata-se justamente de uma
consequência indesejável do controle social
sobre todo aquele que possui responsabilidade
sobre os outros. Embora ainda convivamos com
abusos de todo tipo e com uma corrupção endêmica, as democracias se instalam em uma
base de saudável desconfiança sobre toda instância de poder. Hipoteticamente, governantes,
administradores,
empresários,
cientistas, policiais, juristas, jornalistas e
447/1397
profissionais de saúde, assim como os pais e
professores encontram-se submetidos à estrita
vigilância por parte de várias instâncias, governamentais ou civis, que podem vir a julgar a
procedência de seus atos, se são benéficos ou
prejudiciais àqueles que dizem atender ou
cuidar.
Não poucos excessos foram evitados ou
punidos graças a essa vigilância social, mas ela
tem, como tudo, sua face problemática. Algumas obras de ficção têm abordado o tema desse
controle incidindo justamente sobre aqueles
que, em uma visão simplista, seriam os bons. A
mesma vertente dessa trama sobre heróis
aposentados pelo controle da sociedade foi precedida por um clássico das histórias em quadrinhos: Watchmen, uma série lançada em 1983
(de Alan Moore e David Gobbons). Nesses
quadrinhos, após uma revolta da população
contra esses vigilantes, acusados de atuar acima
da lei, a maior parte deles abandona suas atividades. Há uma frase, que é uma espécie de mote
448/1397
dessa obra, que traduz muito bem a problemática que abalou a vida dos Incríveis e dos superheróis dessa história em quadrinhos: “quem vigia os vigilantes?” Na mesma linha, temos o
Homem Aranha (de Stan Lee e Steve Ditko, criada em 1962), o qual é um super-herói que vive
tendo que fazer escolhas dolorosas para minimizar os danos infringidos pelos seus inimigos em
seus seres queridos. Um dos precursores dos
heróis angustiados e sofridos das histórias em
quadrinhos, Peter Parker, o Homem Aranha, é
consciente de que “com grandes poderes vêm
grandes responsabilidades”. Essa é uma de suas
frases e a consciência disso faz de seus poderes
um peso difícil de carregar.
Mesmo aqueles que julgam estar salvando,
beneficiando os que correm perigo, não estão isentos de serem julgados, condenados e tornados inúteis pelo imenso coro dos queixosos.
Parece não haver mais lugar para homens
enormes e protetores, que tomem as atitudes
que lhes pareçam necessárias para proteger os
449/1397
mais fracos. O que são os super-heróis senão a
recordação infantil do pai de uma criança
pequena, esse herói forte e atento, que a levantará em seus braços no momento em que estava prestes a cair ou ser esmagada?
A novidade de nossos tempos é que o controle social impõe também vigilância sobre os
poderes dos pais. Com medo de errar, eles optam por gestos medidos ou ausentes, já que
qualquer atitude poderá ser considerada um
abuso, causadora de perigosíssimos traumas e
inibições nos filhos. Nesse clima de desconfiança, as escolas sempre julgam mal os pais de
seus alunos, assim como as famílias têm uma
postura constantemente acusadora e insatisfeita
frente às instituições em que seus filhos
estudam. Ninguém se sente habilitado a se responsabilizar, serão considerados incapazes
principalmente aqueles que fizerem parte da
vida familiar, melhor deixar as crianças aos
cuidados dos profissionais: professores, psicólogos, autores de livros de autoajuda para pais.
450/1397
Sob risco de serem julgados prejudiciais e
danosos, os pais se minimizam. Lasch observou: “A indústria da saúde assumiu a maior
parte da responsabilidade pela criação dos filhos, deixando ao mesmo tempo a maior parte
da culpa aos pais”.15
Em sua identidade secreta o Sr. Incrível vêse obrigado a levar uma vida civil medíocre,
ocultando seus poderes e abstendo-se dos feitos
heroicos que fizeram sua glória no passado. O
trabalho que lhe conseguem é de funcionário de
uma companhia de seguros. Assim como a função de Homer Simpson é de supervisor de segurança de uma usina nuclear, o que é uma piada frente à sua total incapacidade de zelar pela
integridade de qualquer coisa, o trabalho do Sr.
Incrível é também uma metáfora eloquente. Ele
é pago para fazer parte de um sistema de tortura burocrática, conduzida de tal forma que os
beneficiários não recebam o que a apólice prometia. Para ele isto é mais do que absurdo, pois
o mesmo sistema legalista que o condenou ao
451/1397
ostracismo obriga-o a tornar-se agente dessa
engrenagem perversa. A alma boa do superherói nega-se a isso e acaba sendo despedido.
Na banalidade da vida do Sr. Incrível, o
quadro da depressão se aprofunda. Ele torna-se
um homem triste, alienado em um cotidiano insignificante, em um trabalho burocrático e aviltante. Em família é um pai distante, comporta-se
como se seus filhos valessem tão pouco como
ele mesmo, já que são obrigados a viver escondendo os poderes com que nasceram. Violeta, a
mais velha, é uma adolescente capaz de ficar invisível e de criar um escudo de segurança; Flecha é um garoto absurdamente veloz; enquanto
do bebê da família não se sabem os poderes
ainda, e existe a suspeita que ele teria nascido
sem dons. Ao longo do filme descobrimos que o
pequeno é um diabinho, que pode assumir várias formas, como um monstrinho, ou virar uma
chama, atravessar paredes, voar, enfim, revelase um bebezinho bem difícil de cuidar. A Mulher Elástico faz apelos ao marido, procurando
452/1397
interessá-lo um pouco pela vida doméstica, os
quais ele evita, refugiando-se em um quarto
onde guarda seu velho uniforme e as lembranças dos dias de heroísmo.
Evidentemente que ele sonha com a volta
do seu prestígio e surge um convite para um
novo trabalho que parece ser a redenção. Na
verdade, essa missão secreta que lhe promete
tal perspectiva, o leva diretamente para dentro
de uma cilada armada por um antigo desafeto.
Em um primeiro momento, quando o novo
emprego parece um sonho de retorno aos velhos e bons tempos, Incrível emagrece, fica feliz,
é atencioso com os filhos e mostra-se apaixonado pela esposa. Estava de volta ao que ele
gostava de ser, só que nada revela à sua família
sobre a missão, e omite o fato de ter sido despedido. A Mulher Elástico desconfia que ele lhe
esconde algo, só que suspeita que ele a esteja
traindo e parte para a investigação. Aquela que
parecia ser uma crise conjugal acaba sendo uma
aventura de resgate do amor do casal, da vida
453/1397
do marido, e do orgulho de todos os membros
da família que acabam reconciliando-se com os
dons que possuíam, uma vez que esses voltam a
ser valorizados.
As crianças embarcam clandestinamente no
avião onde a Sra. Incrível partiu para uma ilha,
onde supunha que encontraria seu marido envolvido em uma aventura extraconjugal. A dona
do fio de cabelo loiro que ela encontrou na
roupa do marido é, na verdade, a secretária do
inimigo, e é ele que constitui o verdadeiro
perigo a enfrentar. Quando jovem, o vilão que
agora ameaça a vida de seu marido atendia pelo
nome de Gurincrível, era um antigo fã que se julgou desprezado pelo seu herói. Em mais um
caso de genialidade infantil, ele tornou-se o
dono e criador da paradisíaca ilha onde Incrível
é chamado para a missão-cilada. Gurincrível
enriqueceu criando e vendendo armas, porém,
apesar do sucesso, sua obsessão era provar que
com suas invenções poderia tornar todos os
super-heróis obsoletos. Para tanto, construiu
454/1397
um robô capaz de possuir todos os poderes, que
só ele, rebatizado com o nome de Síndrome,
pudesse controlar. Sua ideia é que alguém que
não nasceu com poderes teria condições de se
sobrepor aos agraciados com essa benção, pelo
uso da tecnologia que sua inteligência pudesse
criar.
O inimigo era na verdade um serial killer de
heróis aposentados. Ele foi matando sucessivamente todos os que descobrira na clandestinidade e copiava seus poderes para incorporá-los
ao seu robô. Síndrome, o nome de super-herói
que ele escolheu não deixa de ser eloquente:
sugere uma espécie de insanidade em sua obsessão, assim como que ele é composto de um
conjunto de poderes que se somam para formar
um herói, como uma síndrome é a soma de sintomas que constituem uma doença. Em sua
cruzada anti-heróis, seu antigo ídolo, o Sr. Incrível era a cereja do bolo, o mais importante e
difícil de superar, mas não bastava apenas absorver seus poderes, também era fundamental
455/1397
exibir para ele a pujança de suas conquistas
tecnológicas. Espécie de filho bastardo imaginário, Síndrome precisava fazer o Sr. Incrível
pagar muito caro por não tê-lo reconhecido
como ajudante, discípulo e admirador.16
Síndrome é mais um dos queixosos que
imobilizaram o herói, só que não basta
desvalorizá-lo, ele quer também a vingança,
quer ver sua morte e a superação dos seus
poderes. Uma das particularidades do filme é
reservar um lugar de grande importância para o
prestígio do pai, por isso Síndrome não se conforma com relegar seu herói ao ostracismo,
deixá-lo entregue à tristeza de ser uma personagem do passado. Esse admirador desde criança
precisa medir forças com o Sr. Incrível para
mensurar seu próprio valor. Para tanto, não lhe
serve um herói derrotado, fora de forma, deprimido. Não por acaso lhe proporciona o
emprego que o faz recuperar a autoestima
perdida, arranca-o do cotidiano tedioso,
456/1397
devolve-lhe o prestígio e somente depois disso é
que vai combatê-lo.
Aparentemente contraditória, a postura
dessa espécie de filho imaginário do pai-herói é
a de todos nós, que precisamos que haja algum
tipo de figura paterna que nos infunda respeito
para tentar enfrentá-la e superá-la. Para ser alguém não basta ser amado, como se espera que
as mães façam, é necessário um pai que nos desafie a ser mais que isso. É ele que nos instiga a
fazer-nos valer no mundo exterior ao lar, longe
dos olhos da mãe. Ele é alguém em quem se inspirar e a quem se contrapor, para melhor
poder identificar-se. Quando saímos das entranhas, dos braços, do aconchego do olhar materno, é ele que nos aguarda do lado de fora. Na
verdade, ele também está à espera da mulher,
de que se rompa a bolha formada em torno da
mãe e seu bebê, para que ele possa entrar, e
com ele o resto do mundo.
Como representante de uma figura paterna
admirável,
Incrível
foi
vencido
por
457/1397
reivindicações que estavam além das suas
forças. Gurincrível fantasiava tornar-se seu “sócio”, mas atrapalhava nas missões colocando-se
em risco com as engenhocas que inventava. O
importante para ele era ser valorizado pelo seu
herói. A função clássica do super-herói, de ser
forte e ágil suficientemente para evitar o mal,
passa a ser pouco frente à tarefa de administrar
outros dilemas, como o do menino que exige
atenção, o suicida que acredita que a morte é
uma escolha, um ato ao qual ele tem direito. Essas duas situações, pelas quais nosso super-herói paga tão caro, revelam a complexidade do
que é exigido dos pais: dilemas morais, éticos,
reivindicações amorosas e o difícil trâmite de
ajudar um filho a construir uma identidade
fazem parte dessa missão impossível.
O tema do suicídio, em particular, é tocante,
pois cabe a um pai zelar pela vida do filho
inculcando-lhe que ela é um bem maior, um
compromisso com todos os outros conectados
com ele. Um suicida lida com sua existência
458/1397
como se fosse um bem que só a ele compete, e
com o qual pode dispor como bem lhe aprouver.
Entre as múltiplas causas que levam alguém a
se matar, algumas dizem respeito à incapacidade de suportar a dor de seguir vivendo, mas há
algo mais: o suicida é o único que fica realmente
com a última palavra. Esse ato, forma terminal
de autonomia, é uma maneira radical de
libertar-se de todo tipo de dependência: não
será objeto do amor de ninguém, nem obra da
vida de outrem, será obra acabada de sua própria determinação. A autoridade paterna impõe,
a princípio, o dever da vida aos filhos. Por isso,
o pai desta família é um salvador de vidas e tem
entre seus inimigos um suicida (aquele que o
processou por ter sido impedido de se matar).
Esse, expressão de uma vida que não reconhece
a dívida de existir, foi mais efetivo em
imobilizá-lo que o gênio, filho queixoso, que se
crê bastardo do super-herói, mas que de alguma
forma o enaltece como pai.
459/1397
A Sra. Incrível era, antes de ser uma simples
dona de casa, a Mulher Elástico, em uma simpática metáfora dos inúmeros papéis e tarefas
aos quais precisa dedicar-se uma mulher contemporânea. Ela fora uma heroína muito posicionada e feminista, mas a vida civil lhe negou
qualquer pretensão: passou a limpar, cozinhar e
cuidar de filhos como uma dona de casa sem
nenhum valor público. Na verdade, na intimidade atribulada dessa mãe heroica, é preciso ter
muita força para criar filhos poderosos, pois os
seus são capazes de meter-se em confusões bem
maiores do que as crianças normais. Flecha é
rápido e eficiente para fazer tumulto; Violeta é
muito conflitada, já que toma ao pé da letra esse
problema que as adolescentes têm de sentiremse invisíveis; enquanto o bebê, como qualquer
um de sua espécie, exige de sua mãe que seja
uma mulher muito “elástica”.
Além disso, para preservar a identidade
secreta, essa família é obrigada a mudar-se o
tempo todo, fugindo de contratempos criados
460/1397
pela existência dos poderes e pelas dificuldades
de adaptação, principalmente por parte do
chefe da família. Porém, ao contrário do marido, ela parece mais forte, dedicando à família a
mesma perseverança e coragem dos tempos de
combate ao mal. Mais uma vez, embora a tarefa
de cuidar e conduzir uma família seja penosa,
de tal modo que os pais sentem-se insuficientes
para ser exitosos nela, as mulheres parecem
menos frágeis e mais à vontade do que seus parceiros, como nas histórias que analisamos
anteriormente.
Talvez a força dessa heroína nos elucide
mais uma das razões do melhor prestígio das
mães do que dos pais nessas famílias tão criticáveis da ficção infanto-juvenil e do humor para
todas as idades. Para um pai, o valor dentro de
casa depende mais do prestígio público do que
da dedicação doméstica. A ele cabe a função de
orgulhar-se, ou até de envergonhar-se de si e
dos seus perante o mundo, intermediando a relação entre os espaços público e privado. É claro
461/1397
que as mães também participam da disputa de
prestígio entre seus rebentos e os filhos das outras, mas é próprio da maternidade o fato de que
ela amará seu filho como a si mesma, pois ambos se confundem no princípio, por isso diz-se
que o amor de mãe é cego e infalível. Já o vínculo entre pai e filhos é uma conquista de ambos os lados, já que eles não partem da
premissa simbiótica da gestação, da amamentação e de toda a fusão que os cuidados maternos primários impõem às mães e seus bebês.
É preciso que o pai e seus filhos se reconheçam em seus papéis, que se valorizem enquanto tal, assim como é necessário que a mãe
seja intermediária desse encontro, atribuindo a
ambos os lados a legitimidade que merecem. A
Sra. Incrível sabia quão elástica teria que ser
para garantir o funcionamento de uma família
composta de gente tão estranha, administrando
segredos e enormes forças que precisavam ser
contidas, mantendo em pé os ânimos sempre
abalados de seus heróis clandestinos. Ela não
462/1397
ignorava que sua vida privada já era uma missão de árduo desempenho. “Retraída pelas debilidades de um sujeito em sofrimento, (a
família) foi sendo cada vez mais dessacralizada,
embora permaneça, paradoxalmente, a instituição humana mais sólida da sociedade. À
família autoritária de outrora, triunfal ou melancólica, sucedeu a família mutilada de hoje,
feita de feridas íntimas, de violências silenciosas, de lembranças recalcadas. Ao perder sua
aureola de virtude, o pai, que a dominava,
forneceu então uma imagem invertida de si
mesmo, deixando transparecer um eu descentrado, autobiográfico, individualizado, cuja
grande fratura a psicanálise tentará assumir
durante todo o século XX.”17 Tais são os desafios que requerem tanta elasticidade por parte
da mãe desta e de todas as famílias.
Os filhos também viviam nessa berlinda de
não poder valer nada fora de casa, Flecha era
proibido de fazer esportes, para que sua velocidade não se tornasse visível e Violeta havia
463/1397
transformado seu poder de invisibilidade em
um expediente para não ser vista pelo garoto
que amava. Na vida pública, os membros
daquela família estavam longe de ser “incríveis”
e eles só pareciam ter valor, quando muito, aos
olhos da mamãe.
No final vence o amor
O amor materno, com seu afeto inquestionável, parece ter conservado melhor prestígio
do que o reconhecimento paterno do valor de
um filho. Ser escolhido pelo pai como legítimo
herdeiro, o que se dá quando este reconhece
seus traços, valores ou gestos no filho, é algo
que se desvalorizou junto com as genealogias.
Cada indivíduo pretende-se uma obra inédita e
acabada, quando na verdade somos apenas
parte de um processo. Ainda que nos tornemos
protagonistas importantes em nosso momento
histórico, papel reservado para poucos, somos
fatos passageiros no contexto de uma história
maior. Hoje, cada ser humano gosta de
464/1397
imaginar-se autogerado em seus dons, e o que
herda da família costuma ser mais um problema do que uma solução. No processo de
individualizar-se, saber-se como elo de uma trajetória familiar que nos precede e continua,
pode ser pensado como um fardo, um peso do
qual é melhor aliviar-se.
Aos olhos da mãe enamorada da primeira
infância, um filho é uma projeção da perfeição
que ela deseja para si mesma. Para ele, basta ter
nascido; para ela, basta sabê-lo dela. É mais
fácil acomodar-se a esse afeto, embora pareça
alienante, que nos ama simplesmente por existir, do que entrar em uma disputa com todos
os outros seres humanos, os quais também são,
ou almejam ser, um tesouro para suas mães. O
amor materno, portanto, é um refúgio muito especial, já que nega a importância de fazer algo
para provar a que se veio, importante mesmo,
para ela é que o filho chegou quando ela o convocou. Obviamente, essa satisfação da mãe com
o filho cobra seu preço, pois ele nunca consegue
465/1397
ser tudo o que ela espera dele, mas sempre
tenta. A valorização das mães, ou o fato delas
terem sido poupadas das duras críticas que se
destinam ao pai, pode provir da exaltação desse
tipo de vínculo, onde o laço amoroso prevalece
sobre a identificação, que é o tipo preferencial
de ligação que se faz ao pai.
Contentar-se com a satisfação materna é
uma cilada, como a que se meteu o pai desta
família. Para o Sr. Incrível, tão charmoso, musculoso e bem-sucedido, bastava usar os dons
com os quais nasceu, até que sua força deixou
de agradar o público. Àqueles a quem ele salvava, só restava agradecer-lhe e admirá-lo, afinal, não eram poucos os que lhe deviam a vida.
A chegada do herói em uma situação de perigo
era sempre triunfal e na sua partida sempre era
acompanhado pela glória.
“Restou aos indivíduos a identidade
amorosa, derradeiro abrigo em um mundo
pobre em Ideais de Eu.”19 “O indivíduo contemporâneo perdeu os suportes tradicionais de
466/1397
doação de identidade e é levado a se redescrever
constantemente para se reassegurar do que, em
si, é digno de inclusão na imagem do eu (Solomon, 1994, p. 199-208). Essa insegurança
constitutiva da subjetividade moderna encontra
no amor um lugar de repouso. Na relação
amorosa, mais do que em qualquer outra, ganhamos um tipo de certeza que pacifica a inquietude da reconstrução de si sem garantia de
amanhã.”19 Estas palavras, escritas pelo psicanalista Jurandir Freire Costa, permitem-nos
compreender as circunstâncias nas quais
aposta-se no vínculo amoroso como forma de
constituição e manutenção dos nossos parâmetros, álibis e formas de sustentação pessoal.
É por isso que, como referíamos anteriormente, os irmãos parecem mais preocupados
com a manutenção do amor dos pais do que
com a sobrevivência dos membros da família. A
questão é que uma decorre da outra: enquanto
o casal permanecer vinculado, desejando-se e
admirando-se mutuamente, é possível que todo
467/1397
o grupo familiar possua algum valor. Hoje os
filhos não são resultado de uma imposição ou
convenção social, são fruto de uma fantasia
amorosa, na qual representam uma aposta de
um casal em sua perpetuação. Uma vez falido o
projeto amoroso dos pais, será necessário que
eles encontrem na relação com cada um o sentido de sua continuidade enquanto resultantes
de um sonho abandonado.20 O amor materno,
em sua capacidade de encontrar respostas na
relação com um objeto amoroso, o filho, é o que
melhor se presta para dar forma ao que compreendemos como amor, fonte das poucas certezas que ainda podemos tentar coletar.
Em resumo, a vida privada era insuficiente
para que essa família de heróis deixasse de
sentir-se mais uma família monstro. A luta
entre Síndrome e Incrível, a retomada do amor
do casal no contexto dessa aventura, aponta
para a necessidade de que o reconhecimento e a
constituição da identidade transcendam os limites da escolha amorosa.
468/1397
O olhar condescendente de Margie não faz
de Homer um herói, tampouco a memória da
Mulher Elástico, dos tempos de glória do casal,
é suficiente para que os filhos sintam-se orgulhosos de seus poderes. O amor encontra, nos
dias de hoje, seu grande desafio e também seu
limite. Transformando as palavras do Homem
Aranha, poderíamos dizer que “com grandes
amores vêm também grandes responsabilidades”, e as relações sofrem com esse fardo.
Muitas separações e sofrimentos amorosos
provêm das enormes expectativas que se depositam sobre esse vínculo que, infelizmente, não
pode dar mais do que ele é: uma escolha de dois
indivíduos para serem, entre si, o olhar privilegiado de quem se espera obter o valor que nem
sempre os outros estão dispostos a lhes atribuir.
Não é difícil de compreender por que convivemos com tanta insatisfação, busca e fantasias
sobre o que o amor pode nos oferecer. Ser sexualmente desejado, nesse contexto, funciona
como prova física da importância que podemos
469/1397
ter para o próximo. Pode não ser durável, mas é
forte o efeito de ser considerado objeto de satisfação de alguém.
Quer seja através de renovadas e incansáveis fantasias românticas, ou mesmo como resultado de intensos e inquietos anseios sexuais,
para as muitas perguntas que nos fazemos o
amor parece sempre uma potencial resposta.
Não admira, portanto, que Flecha e Violeta tenham se lançado na missão de resgate do amor
entre seus pais; nesse quesito as crianças são
sábias.
A sociedade como um pai onipresente
Como se pode observar, o pai tal como representado nas histórias para crianças e adolescentes já não é o mesmo: a admiração por ele
cai a níveis muito baixos, mas não o amor. Existe uma queixa tênue, mas ele sempre é perdoado, compreendido, aceito e resgatado das
confusões em que se mete, mesmo depois de
seus reiterados fracassos. Sua antiga função, de
470/1397
ser uma bússola moral e um exemplo a ser
seguido, já não funciona. Os filhos se habituaram a seguir com ele ao lado e não na frente, mas
que consequências isso traz? Em um raciocínio
rápido podemos pensar em uma sociedade
menos opressiva, afinal, o tirano não está mais
presente a agora nos vinculamos de forma
direta e não idealizada com um pai que
sabemos que é de carne e osso.
Mas quem observar com cuidado nossa sociedade contemporânea pode não encontrar
uma mudança tão significativa assim. As
exigências sociais de rendimento escolar, com a
competição por notas e prestígio já começando
no jardim de infância, a demanda por ser esportista e ostentar um corpo saudável, magro e
bem vestido, a obsessão pelo sucesso revelam
uma sociedade extremamente exigente e impiedosa com quem sai da norma, ou melhor, da
forma. Trata-se de uma sociedade superegoica,
cruel com os ditos fracassados. Aliás, o exército
dos que se consideram fracassados é cada vez
471/1397
maior, à medida que mais inclementes tornamse os parâmetros de silhueta, popularidade,
desempenho esportivo e sexual, posse de objetos e outros atributos dignos de serem exibidos.
Sentir-se marginal em relação a um padrão
dominante de comportamento é hoje um sentimento democraticamente muito bem distribuído, todo mundo tem ou teve direito a seu
quinhão.
Porém, mesmo que amado e perdoado,
como Homer e o Sr. Incrível, o pai contemporâneo é alvo de incessantes críticas: ele não
impõe limites e é acusado de todos os problemas de comportamento de seus filhos, dos
quais as escolas e instituições tanto se queixam;
seria fraco, relapso, hedonista e os deixa sem
parâmetros, pois se exime ou simplesmente ignora como educá-los. Ele mesmo compara-se
com o próprio pai, considera-se menos poderoso e acusa seus filhos de serem sem qualidades
porque ele não lhes exigiu tanto quanto
supostamente o avô deles fazia com ele. Os
472/1397
defeitos de seus filhos são contabilizados pelos
pais de hoje na conta da perda de sua autoridade e poder, porém eles não têm a mínima intenção de encarnar o papel do patriarca, nem
saberiam como fazê-lo e sentem-se sempre incômodos quando se veem obrigados ao exercício de qualquer tipo de severidade, que já não
lhes parece natural.
Philippe Julien nos lembra que essa figura,
hoje mítica, do pai como soberano e criador,
figura idealizada por aqueles que são pais, como
se fosse algo que eles deviam ter sido, corresponde a um desejo de cada filho de responsabilizar outro alguém pelo que se é, afinal, precisamos culpar alguém pela nossa imperfeição. Ele
se refere ao “pai mítico”, que é “a imagem do
pai como soberano, isto é, correspondente ao
desejo da criança. [...] A esse pai criador tem-se,
sem dúvida, muitas críticas a fazer, por não ter
realizado tudo, tudo o que poderia fazer, se ele o
quisesse”.21
473/1397
Convém lembrar que é mais comum que as
coisas mudem de lugar do que desapareçam, o
famoso “nada se perde, tudo se transforma”.
Assim ocorre com a figura do pai que nos cobra
nada menos do que a perfeição, parâmetro imaginário com o qual precisamos nos medir, para
motivar-nos a querer viver e ser mais do que
conseguimos até então. Nessa fantasia do que
deveria ser um pai de verdade, alguém poderoso a ponto de fazer-nos perfeitos, à semelhança de suas expectativas superlativas, coisa
que nenhum homem consegue encarnar, vê-se o
jogo de empurra-empurra do ideal e da cobrança, mediante a qual ninguém está à altura
do seu papel, nem de pai, nem de filho.
Constatamos o deslocamento de exigências
que outrora eram atribuídas ao pai para um
lugar maior. Boa metáfora para entender esse
movimento pode ser encontrada em um dos
episódios do filme Contos de Nova York, de
1989, dirigido por Woody Allen. Essa história
trata de um homem que tinha uma mãe tão
474/1397
opressiva, que não o deixava viver. Certo dia,
para sua felicidade, ela magicamente some de
sua vida. Porém, após um breve alívio, ela
reaparece, só que agora ela já não é mais de
carne e osso: a mãe transformou-se em uma entidade gigantesca que paira sobre o céu da cidade demandando as mesmas coisas que antes,
mas agora é imensa, onipresente e pior, tece
seus comentários inadequados em alto e bom
som, em pleno firmamento de Nova York, constrangendo o pobre filho acuado frente a todos.
Com o pai aconteceu algo análogo: desbancamos o pai que fumava cachimbo na sala, a encarnação do poder doméstico, mas ele reapareceu em todos os lugares exigindo o máximo de
nosso desempenho, a eficiência das nossas condutas e o alinhamento militar de nossos corpos.
Não é somente sobre o filho que pesa essa
difusa e onipresente exigência de performance,
o pai também vive sob sua opressão. Ela se exerce sob a forma da comparação com uma
figura paterna improvável: um pai próximo,
475/1397
dedicado à família, priorizando-a sobre todas as
coisas, mas que ao mesmo tempo angariasse
grande reconhecimento público. Esse pai tem
que impor respeito sem ser autoritário, e ainda
ser respeitável como um adulto, mas colocar-se
próximo do filho como se fosse um amigo, em
suma, um verdadeiro homem elástico.
São frequentes os filmes, em geral comédias
infanto-juvenis, nos quais um medíocre marido
e pai de família tem uma personalidade secreta,
na qual é um incrível espião22 ou super-herói.
Essas duas personalidades, a doméstica de pai
próximo e abnegado, e a pública, de aventureiro, corajoso e bem-sucedido, são obviamente incompatíveis, por isso se alternam;
quando uma aparece ofusca a outra. No
entanto, espera-se que cada pai as unifique, e
cada homem exige isso de si mesmo ao tornarse pai. Não surpreende que frente a tal desafio a
maior parte dos homens sinta-se aquém, ou, na
pior das hipóteses, até desista.
476/1397
Não bastasse a derrocada de qualquer idealização possível da condição humana, um novo
desafio nos espera. Outrora, a dissociação entre
a vida privada e a pública produziu muitos
descaminhos, muita hipocrisia, mas também algumas facilidades. As mulheres presas entre
lençóis, fogões e fofocas podiam até almejar e
fantasiar com aventuras no mundo lá fora, mas
não precisavam enfrentá-lo. Já os homens podiam ser como um rei em seu lar e tratar a esposa e os filhos como súditos, sem precisar
explicar-se pelo que faziam lá fora, enquanto
trabalhadores e cidadãos. Além disso, no
mundo externo ninguém estava interessado em
saber se um homem era bom pai e marido compreensivo, se no lar comportava-se de modo
democrático e sensível. Hoje, o pai é, ou deveria
ser, reflexo do cidadão e vice-versa. De certa
forma, é uma queda das máscaras. Apesar de
adorarmos dizer que habitamos um mundo de
aparências, acreditamos que não é bem assim.
Claro que vivemos para parecer algo, mas hoje
477/1397
não serve o enchimento do paletó, é preciso que
o homem tenha músculos por baixo. Quanto à
mulher, que podia restringir-se a ser mãe e
imaginar-se executiva, intelectual, artista,
cientista, e isso não passava de um sonho impossível, hoje tem como desafio a possibilidade
de realizar essas fantasias. Frente a isso, passa a
pensar que se quiser valer algo dentro de sua
família terá também ela que chegar em casa carregando seus louros.
Para os criadores dos Simpsons não há
muitas saídas: as inquietudes devem ser afastadas ou abafadas com algum tipo de anestesia
mental. Os adultos dessas histórias abusam
desses recursos. Há um alinhamento nas
posições de pais e filhos, que se comportam
como se pudessem ignorar tamanhas e inclementes exigências sociais de performances
de sucesso. Comportando-se como a raposa da
fábula, que despreza as uvas que não consegue
pegar, as diferentes gerações tentam alinhar-se
em um posicionamento hedonista, infantil e
478/1397
alienado, como se fosse possível ignorar os
rumos que estão sendo tomados pelo mundo
em que vivemos e nosso papel nessa condução.
Homer é o mesmo medíocre como pai e
como cidadão: tenta ser o mais omisso possível
e quando sua intervenção é inevitável, procura
livrar-se imediatamente dessa demanda insuportável. A conduta de Lisa, cidadã consciente e crítica, capaz de dedicar-se a uma
tarefa de transformação na qual ela acredite, é
justamente o contraponto dessa paixão pela alienação de seus pais, do irmão e dos habitantes
de Springfield. Por outro lado, essa omissão dos
pais e cidadãos por vezes é uma forma de defesa
a uma vida pública opressiva, que deixa quase
nenhum espaço para a privacidade, que abomina a solidão e confunde reflexão com depressão
e timidez. Impossível ter saudade do pai-patrão,
das casas que pareciam reformatórios, porém,
os adultos que precisam tornar-se e manter-se
pais parecem ter colado na testa uma
mensagem jocosa que pode ser vista em alguns
479/1397
carros: “não me siga, também estou perdido”.
Enquanto isso, nas imagens e textos midiáticos,
como um firmamento virtual, alguém recita instruções precisas sobre o que se deve ser e parecer, como uma voz paterna. Talvez se trate do
grande irmão, diria Orwell.
Notas
1 ROUDINESCO, Elisabeth. A Família em Desordem.
Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003, p. 19.
2 Ver o ensaio “Sweet Home”, de Catherine Hall, onde
ela analisa alguns casos típicos de estabelecimento
da domesticidade burguesa na Inglaterra do século
XVIII. O projeto de constituição de espaços interiores para uma família formou-se a partir de seus
novos atores, como uma mãe zelosa e cheia de qualidades morais, junto a um pai que procura dedicar
seu tempo livre à família e ao jardim, ao invés dos
prazeres mundanos, e de seus cenários, com o estabelecimento de bairros residenciais e de uma arquitetura própria para abrigar esse ideal. In:
História da vida privada – Volume 4: da Revolução
Francesa à Primeira Guerra, sob a direção de
480/1397
3
4
5
6
7
8
9
Michelle Perrot. São Paulo: Companhia das Letras,
1991.
SENNET, Richard. O declínio do homem público: as
tiranias da intimidade. São Paulo: Companhia das
Letras, 1988, p. 227.
“Eles crescerão, esses homens, para fora do homemcriança que definiu a masculinidade até então”, são
os votos da feminista. FRIEDAN, Betty. The Feminine Mystique. New York: Norton, 2001, p. XXXIV.
ARENDT, Hannah. Entre o Passado e o Futuro. São
Paulo: Editora Perspectiva, 1992, p. 31.
Ibidem, p. 227.
Ver o ensaio “Lisa e o anti-intelectualismo americano” de Aeon J. Skoble no livro Os Simpsons e a
filosofia. São Paulo: Madras, 2007.
O laboratório de Dexter (EUA, Genndy Tartakovsky,
1996). A série de televisão em desenho animado é
sobre um pequeno cientista, que tem dois grandes
rivais: sua irmã mais velha e outro menino cientista,
igualmente dotado, mas com intenções malignas,
principalmente de apropriar-se de suas invenções.
As aventuras de Jimmy Neutron: o Menino Gênio
(EUA, John Davis, 2001). É uma série animada de
televisão sobre um menino cientista e as confusões
criadas por suas invenções malucas.
481/1397
10 Na Turma da Mônica, dos quadrinhos brasileiros de
Maurício de Sousa, essa personagem é representada
pelo Franjinha, o pequeno cientista do Bairro do
Limoeiro, igualmente responsável por inventos que
proporcionam boas aventuras e alguns acidentes.
11 Exemplos desse tipo de personagens são as comédias
Bebês Geniais (dirigida por Bob Clark, 1999) e Olha
quem está falando (dirigida por Amy Heckerling,
1989).
12 O seriado cômico americano The Big Bang Theory
(de Chuck Lorre e Bill Prady, 2007) é totalmente
dedicado à graça das personagens nerds. Trata-se de
um grupo de amigos, cientistas brilhantes e precoces,
que tenta sobreviver às suas dificuldades de lidar
com o mundo e as pessoas reais. Antes dessa série
era já bem comum a presença dessas personagens
como um tipo dentro de um grupo variado, mas aqui
é a realidade (ou melhor, a irrealidade) deles que anima a íntegra dos episódios.
13 A fantasia do filho como salvador, tão importante no
cristianismo, encontrou uma versão futurista dessa
aposta nos descendentes para refundar, e superar as
falhas e limitações dos antepassados, na série de
filmes O Exterminador do Futuro (direção James
Cameron, 1984, 1991, com duas continuações a cargo
de outros diretores em 2003 e 2009).
482/1397
14 Analisaremos detidamente Matilda e sua genialidade
no Capítulo IX: Faça-se você mesmo: o papel da
fantasia na construção de si.
15 LASCH, Christopher. Refúgio em um mundo sem
coração – A família: santuário ou instituição sitiada? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991, p. 149.
16 No capítulo deste livro, intitulado A paternidade
possível, trabalhamos essas queixas do filho que atribui ao pai a causa de suas inquietudes e
imperfeições.
17 ROUDINESCO, Elisabeth. A Família em Desordem.
Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003, p. 21.
18 COSTA, Jurandir Freire. Sem fraude nem favor:
estudos sobre o amor romântico. Rio de Janeiro:
Rocco, 1998, p. 20.
19 Ibidem, p. 200.
20 Esse é o tema trabalhado no capítulo deste livro, A
família em mutação.
21 JULIEN, Philippe. O manto de Noé: ensaio sobre a
paternidade. Rio de Janeiro: Revinter, 1997, p. 56 e
57.
22 O que melhor representa esta vertente é a comédia
True Lies (de James Cameron, 1994), no qual um pacato cidadão, que na verdade é um agente secreto,
representado por Arnold Schwarzenegger, precisa
483/1397
reconquistar a esposa que não sabe seu segredo e se
desencantou da vida medíocre que levavam. Na
mesma linha, só que desta vez são os filhos que
descobrem a identidade secreta dos pais espiões,
temos o filme infantil Pequenos Espiões (de Robert
Rodriguez, 2001).
CaPÍTuLO
5
A família em mutação
Onde Vivem os Monstros_Percy Jackson &
os Olimpianos_Revolutionary Road_Séries
de televisão
Separação conjugal_Parentalidade_Novas constelações
familiares_A pergunta sobre a própria
485/1397
origem_Amadurecimento dos filhos de
pais separados_Famílias monoparentais_Casais gays_Fantasias românticas
sobre o casamento_Intimidade possível_Famílias de amigos
S
ejam de qual tipo forem, as famílias parecem ter como vocação o conflito entre seus
membros. Na segunda metade do século
XX, antipsiquiatras como David Cooper (que
em 1971 publicou A Morte da Família)
empenharam-se em revelar quão enlouquecedoras as famílias podiam ser. Eles não estavam
sozinhos, havia muitos intelectuais que davam
voz à geração dos anos de 1960 e todos acreditavam que a essência do núcleo familiar era
geradora de sofrimento psíquico e dos piores
quadros da loucura. Ou seja, a vida em família
adoecia seus membros, principalmente os filhos. Conforme esses pensadores, por serem
oprimidos por laços sufocantes que impediam a
486/1397
expressão dos próprios desejos, os filhos encontrariam caminhos alternativos, entre os quais a
loucura, para desenvolver sua personalidade.
Novas teorias no campo da análise e da crítica dos costumes, principalmente aquelas com
maior vocação panfletária, contêm exageros,
mas também algumas verdades. De qualquer
forma, o movimento gerado por tais teses, junto
com outras que praticamente negavam a doença
mental, trouxe mais benefícios à prática da
psiquiatria do que à família propriamente dita,
já que essa especialidade médica se sofisticou e
as instituições manicomiais se humanizaram
muito nas últimas décadas.
Quanto à família, é verdade que ela é tanto
nutriente quanto tóxica, e é esta sua segunda
condição que origina intermináveis conflitos,
que podem ser gritados, atuados ou silenciados,
mas nunca se ausentam. Algumas famílias têm
grandes brigas nas ocasiões festivas, outras se
focam em torno de disputas monetárias, são
comuns os desentendimentos a respeito da
487/1397
distribuição de responsabilidades e tarefas, outras convivem com um silêncio contido, que nem
por isso guarda menos fantasmas em seu interior. Se bem é assim para todas as famílias que
ainda se mantêm coesas, atualmente temos
outra variável, que já é quase uma constante: as
separações conjugais. As separações, que até
meados do século XX eram episódicas e
traumáticas, agora se tornaram quase uma rotina. Acabou a era da estabilidade no casamento,
casa-se com essa esperança, mas poucos estão
dispostos a qualquer sacrifício para esse fim.
A televisão norte-americana, cujas sitcoms2
dominam a programação dos canais pagos, é
atual mente povoada por personagens separadas ou solteiras tendo experiências de diferentes tipos de relacionamento. São temas recorrentes, o convívio entre os companheiros atuais
com ex-maridos e ex-esposas, a renovada vida
amorosa daqueles que voltaram a ficar disponíveis. Diferente das histórias românticas e de
famílias
exemplares,
que
dominavam
488/1397
anteriormente, hoje é muito importante o tema
da busca da pessoa ideal para formar um casal e
constituir família; para isso são enfocadas as dificuldades em envolver-se em novos relacionamentos, em escolher uma pessoa com quem se
combine. Mais do que nos encontros, que anteriormente marcavam as histórias românticas,
hoje predominam as comédias enfocando as inúmeras possibilidades de desencontro amoroso.
Os seriados de família, com seus pequenos dramas íntimos, praticamente cederam seu espaço
para todo tipo de solteiro, desde o renitente até
o que se considera provisório, incluindo aí os
novos amantes disponíveis a partir das aparentemente inevitáveis separações.
Quanto aos filhos, quer na vida ou na ficção,
com alguma frequência terão que lidar com
mães e pais em separado, assim como com
madrastas e padrastos. Tradicionalmente, os
heróis infanto-juvenis eram ou com ou sem
família, sendo os órfãos os mais usuais, afinal,
partir para uma aventura tinha como
489/1397
pressuposto crescer, e para tanto é preciso “perder” os pais. Hoje personagens com pais separados e tramas oriundas dos conflitos próprios
dessa específica conformação familiar começam
a se popularizar, com explícito atraso relativo à
presença dessa vivência enquanto realidade.
A ficção não é apenas uma forma de diversão, é também o veículo através do qual se estabelece um cânone imaginário para elaborar
algum aspecto da realidade social ou psíquica.
As personagens e suas histórias apresentam
situações típicas sobre determinada questão
para que isso possa ser compartilhado e de alguma forma pensado, elaborado. No caso da
televisão e do cinema, assim como dos livros
que se tornam best-sellers ou daqueles clássicos
que muitas pessoas acabam lendo, a partir da
vivência
das
tramas
consumidas
concomitantemente, estabelece-se uma espécie
de empatia coletiva. Entramos em contato com
pensamentos e sentimentos que são evocados
por determinada história, os quais nos ajudam a
490/1397
compreender dilemas que são comuns a mais
pessoas. Assim, fazendo parte dessa comunidade imaginária que compartilha um acervo de
narrativas, sejam clássicas ou de época, não nos
sentimos tão sós e discriminados.
Como reflexo de uma nova realidade no tipo
de vínculo e nas formações familiares, nas narrativas ficcionais contemporâneas é possível observar a presença frequente de personagens cujos casamentos acabaram, que já estão separados ou que são filhos de pais separados, que
tentam novas uniões, ou então já possuem uma
segunda família, que são mães ou pais fora de
uma relação duradoura. Essas ficções são uma
das formas de que dispomos para tentar
descobrir o que anda acontecendo na família,
quais os sentimentos, expectativas e temores
que hoje associamos à ideia de família. Esta tem
passado por tantas transformações que talvez
devêssemos chamá-las de “mutações”.
Chamávamos a atenção nos ensaios anteriores para a presença, ainda hoje insistente, de
491/1397
fantasias que exaltam a família tradicional ou
mesmo o caráter indissolúvel dos laços amorosos da família nuclear. Porém, aos poucos, essas têm cedido lugar para novos tipos de personagens: os separados, os novos cônjuges,
padrastos e madrastas, o convívio familiar dos
grupos de amigos. Porém, o essencial ainda
resta e a família, seja ela constituída do jeito
que for, continua sendo um grande tema.
Um rei impotente_Onde vivem as
criaturas selvagens?
Se partirmos do pressuposto que a transformação nos padrões de comportamento de
pais e filhos pode ser pensada a partir de seus
reflexos nas produções ficcionais, nada melhor
do que analisar as modificações sofridas por
uma mesma história de literatura infantil, originalmente publicada na década de 1960, que
foi filmada quase meio século depois.
Em 1963 apareceu um simpático livro infantil de autoria de Maurice Sendak: Onde
492/1397
vivem as criaturas selvagens. Um texto breve,
mas em um equilíbrio perfeito com as ilustrações do mesmo autor que são muito expressivas. O livro caiu no gosto das crianças, principalmente as de língua inglesa, e tornou-se um
clássico que angariou todos os mais importantes prêmios de literatura infantil, tanto na
Europa, quanto nos Estados Unidos. O tema era
simples: Max é um menino de imaginação fértil
que fica com muita raiva depois de ter sido
mandado dormir sem jantar por ter feito muitas
travessuras; a pior delas foi ter ameaçado sua
mãe de devorá-la, já que ela o havia chamado de
“coisa selvagem”.
Em seu quarto, ressentido com a punição,
ele imagina que navega para o mundo onde
vivem as tais coisas selvagens. Por que não? Afinal, sua mãe disse que ele era uma delas! Lá
chegando, acaba sendo o rei de um grupo de
enormes criaturas monstruosas, brinca com
elas até cansar e sentir falta do aconchego materno. Apesar das grandes aventuras em terras
493/1397
estranhas e da navegação por mares perigosos,
que tomou muito tempo na fantasia, Max volta
a tempo de encontrar seu jantar, ainda quente,
servido no quarto. Nas aventuras fantásticas, ao
retornar à realidade, mesmo que a jornada
tenha sido longa, encontramo-nos em algum
momento próximo do ponto de partida.
O sucesso dessa obra literária se deve à empatia simples e direta entre os leitores e a personagem. Como não sabemos mais do menino,
a história serve para todas as crianças, afinal,
quem não teve uma rusga com a mãe? Qual criança, principalmente quando contrariada, não
fantasiou um mundo ou uma cena alternativos
nos quais ela é quem manda?
Em 2010 estreou um filme inspirado nesse
livro, dirigido por Spike Jonze,2 com a colaboração do próprio Sendak na construção do roteiro. Como o livro ilustrado possuía uma trama
enxuta, dirigida à primeira infância, para gerar
um filme foram necessários acréscimos. Saiu
um belo resultado, o qual, embora com muito
494/1397
mais densidade e muito mais enredo, pode-se
dizer que é fiel ao original. O que mudou radicalmente entre uma versão e outra da mesma
história foi o públicoalvo: o cinema priorizou
um público mais velho, de crianças maiores, já
distantes da primeira infância, ou mesmo adultos; o filme de Jonze consiste em uma reflexão
sobre a infância e a forma como a fantasia pode
compensar a solidão e os sofrimentos que lhes
são próprios.
O que nos interessa é refletir sobre os conteúdos que os roteiristas e o diretor foram buscar para dar consistência ao filme. Assim como
o sonho revela os desejos e frustrações do
sujeito adormecido, uma história de ficção
somente funcionará se percute tramas conscientes e inconscientes compartilhadas pelo
seu público. Se bem é certo que “cada cabeça
uma sentença”, isso também vale para cada
época: dentro da pluralidade existem muitos
impasses, angústias e desejos que são comuns a
muitos, ou pelo menos aos que se sentem
495/1397
tocados pela mesma obra. Vargas Llosa lembranos que o romance (e, portanto, toda forma de
ficção) estabelece um vínculo fraterno entre os
seres humanos, “obrigando-os a dialogar e os
tornando conscientes de seu substrato comum,
de fazerem parte de uma linhagem espiritual”.3
Ao ter que criar uma história mais complexa
no roteiro escrito 47 anos depois, foi necessário
narrar em detalhes o que foi que deixou Max
tão irritado e “selvagem”. Para justificar o
ataque de raiva do menino, antes de sua briga
com a mãe e fuga para o lugar mágico, a história
foi inserida em uma trama familiar, na qual ele
se sente só pois os pais são separados, a mãe
tem problemas no trabalho e a irmã está envolvida com seu grupo de amigos adolescentes.
Max se refugia nas cabanas de brincadeira
que monta: fora de casa ele construiu um iglu,
uma fortaleza desde a qual bombardeia os amigos da irmã com bolas de neve. Consegue com
sua pequena guerra mobilizar os jovens, mas
quando eles destroem a sua toca de neve ele
496/1397
chora. Em seu quarto, fabricou uma cabana de
lençóis onde, em companhia de seus bichos de
pelúcia, ele se protege de perigos imaginários. O
filme foca, sobre a mesa, um globo terrestre, no
qual se lê, em uma plaqueta afixada em sua
base, os seguintes dizeres: “para Max, dono
deste mundo. Do seu pai”. Porém, na vida real
tudo lhe fugia ao controle, nenhum dos seus familiares teve tempo para brincar com ele ou
mesmo atender aos chamados para que conhecessem as cabanas que ele montava; já na
fantasia, ele podia ser dono de alguma coisa, ter
alguma fatia do mundo sob seu controle.
Quando ele parte na viagem imaginária, que
tanto no livro quanto no filme é uma travessia
marítima em direção à ilha dos monstros, é em
busca desse mundo no qual o pai, em brincadeira, lhe prometeu que teria algum reinado.
À noite, a mãe recebe a visita de um pretendente, motivo pelo qual fica distraída do
filho e se irrita quando o menino tenta chamar
sua atenção. Max, por sua vez, entre urros
497/1397
selvagens, trajando sua fantasia de lobo, em um
acesso de raiva morde-a e foge para essa terra
imaginária. Em ambas as versões, é a dificuldade de controlar a fúria contra a mãe que
move o menino, quer seja por ela negar-lhe alimento, ao mandá-lo para a cama sem jantar no
livro, quer por arranjar um namorado, no filme.
No filme, a identificação dos monstros com
os diversos sentimentos de Max recebe espaço
para ser desenvolvida. Cada um deles possui
uma personalidade bem definida e todos são
perpassados por inquietudes: desejam ser notados, apreciados, querem brigar menos e que seu
grupo fique unido para dormir e brincar.
Sentem-se abandonados pela personagem mais
materna entre eles, e esperam que o rei Max
resolva todos esses impasses. A volta para casa
se dá quando ele reconhece sua incapacidade
para contornar os sofrimentos com urros e brincadeiras e, acima de tudo, descobre-se incapaz
de unir um grupo que insiste em se romper.
498/1397
Do reinado do menino e dos poderes que ele
mente para seus súditos que possui, as criaturas
selvagens esperam que ele possa devolver a harmonia do grupo, cujos membros estão constantemente se desentendendo e sofrem com o
desgarramento de um deles. “Seu trabalho é nos
fazer felizes”, eles dizem a Max, e assim poderíamos resumir a missão impossível do pequeno
soberano. Porém, sua impotência vai ficando
visível, eles descobrem que ele é apenas um
menino e que compartilha com eles as mesmas
frustrações. Mesmo assim lhe dedicam seu
afeto, reconhecem o esforço que ele fez pela
harmonia do grupo e decretam que ele deve
ficar, já que é o primeiro rei que não será devorado por eles. O amor assim conquistado entre
seus seres selvagens imaginários é insuficiente:
ele ainda se sente só e a melancolia dos membros do grupo mostra-se inevitável, junto de
cada monstro uma dimensão de sua própria
tristeza se revela. No final, a personagem KW,
que é a criatura mais madura, o consola com as
499/1397
palavras: “é difícil ser uma família”. Disso Max
já sabia, mas ele bem que tentou resolver os
problemas, nem que fosse fantasiando.
As décadas que separaram o livro de sua
versão filmada encontraram uma novidade no
seio da infância: a dissolução da família nuclear
no seu modelo clássico, colocando novas
questões a serem elaboradas. De forma alguma
poderíamos dizer que o Max do século passado
sofre, em termos psíquicos, o mesmo que o atual. Até porque no livro infantil desenvolvia-se
apenas o núcleo do conflito, que é o controle
dos sentimentos mais “selvagens” que todos
temos, mas nas crianças esse descontrole costuma ser mais frequente. O filme tem a oportunidade de aprofundar o herói, fazer dele uma
personagem mais rica cuja tristeza provém da
solidão, do desejo de conviver mais com os
membros de sua família.
Nessa versão mais recente, Max quer
mostrar suas brincadeiras, contar suas histórias
verdadeiras ou inventadas, mas seu pai não vive
500/1397
mais com eles, a mãe, que no filme é afetuosa,
está trabalhando muito e a irmã tornou-se adolescente e seus desafios estão fora de casa,
portanto afastada do irmão. A visita do namorado da mãe é vivida como uma perda de espaço
a mais, como se não bastasse ela estar sempre
ocupada com o trabalho.
Por que minhas criaturas selvagens brigam?
No filme, o rei Max se desespera pela impossibilidade de dissolver os conflitos entre
seus monstros súditos. Em particular,
preocupa-se com o desentendimento entre KW,
uma criatura feminina muito maternal que se
separou do grupo por não suportar as brigas e
crises de raiva dos outros, e o monstro Carol,
justamente aquele que se tornou mais próximo
do menino. Como Max, Carol é amoroso, mas
também irascível e descontrolado, tanto constrói casas e brinquedos delicados, quanto
destrói tudo aos murros e pontapés mediante
qualquer frustração. KW acolhe o menino, o
501/1397
protege e até aceita tentar reintegrar-se ao
grupo graças aos seus apelos. Mas o bem-sucedido trabalho diplomático do novo rei fracassa
frente às renovadas discussões e acessos violentos por parte dos seus súditos e principalmente
do amigo de Max. O menino se divide entre o
afeto desses dois, que representam a ele
mesmo, assim como a mãe e o pai que
brigaram, e também, de certa maneira, a família
que ele foi incapaz de manter unida.
Para uma criança cujos pais se separaram, a
presença de cada um deles quase sempre pressupõe a ausência do outro, é como se sempre
lhe faltasse metade da audiência. Para driblar
essa falta, frequentemente imagina que seus
poderes seriam maiores do que são, compensa a
frustração com onipotência. Apesar de que
pareceria óbvio que os conflitos de um casal são
um assunto entre os dois envolvidos e
dificilmente deve-se culpar alguém de fora pelo
rompimento, é inevitável que os filhos se considerem parte disso, atribuindo-se, inclusive,
502/1397
poderes de resolver a situação. A frustração pela
própria incapacidade de solucionar a discórdia
que os separara, tão claramente representada
pela missão diplomática do breve reinado de
Max, provém da fantasia, que todo filho em algum momento tem, de ser motivo suficiente
para a continuidade da união entre os pais.
Esses filhos, que não perderam seus pais,
mas sim a possibilidade de compartilhar com
ambos ao mesmo tempo tanto a casa, quanto o
lazer, as refeições e festividades, acabam
sentindo-se preteridos em relação a uma
posição que imaginavam ter: o lugar fantasiado
no qual seriam o centro da vida dos seus
progenitores. Torna-se inevitável compreender
que o conflito amoroso está, para eles, acima do
vínculo com ele, o filho. A disputa amorosa de
espaço entre a intimidade do casal e a dedicação
afetiva que liga pais e filhos é rotineira na vida
familiar. O casal precisa esquecer dos filhos
para preservar sua relação, enquanto estes também precisam impor sua presença para que o
503/1397
vínculo tenha a força necessária. Uma separação conjugal, quando a família deixa de contar com a presença do casal fundador na mesma
casa, constitui uma vitória às avessas do relacionamento do casal sobre aquele que os liga aos
filhos. Ficar longe um do outro é uma prioridade, acima de estar perto da prole. Essa prioridade, que é livrar-se, afastar-se daquele que se
deixou de amar (no melhor dos casos), ou que
se passou a considerar prejudicial e indesejável
(no pior), supera a vontade de compartilhar
com os filhos as ocasiões importantes. Quer
tenha ela sido desejada ou uma fatalidade para
ambas as partes, a separação obriga à perda das
vivências compartilhadas entre pais e filhos.
Por outro lado, apesar das perdas, existem
ganhos: em inúmeros casos, a qualidade da
comunicação entre o filho e cada um de seus
pais recebe um incremento justamente por isso.
Ter pais separados pode gerar boas oportunidades de estar a sós com um ou outro, o que possibilita uma intimidade diferente daquela que se
504/1397
tem em uma família reunida. Passar a noite juntos ou fazendo refeições nas diferentes casas
dos pais, fazendo programas com cada um deles
em separado, o que antes não se faria com tanta
frequência, torna possível conhecê-los melhor.
Além disso, uma vez separados da mãe de seus
filhos, muitos homens têm sido desafiados a
ficar a sós com eles, resolvendo problemas cotidianos de alimentação, higiene e vestimenta,
para os quais se julgavam inaptos ou simplesmente ignoravam, terceirizando todas essas
lides para ela, que tradicionalmente se incumbe
disso.Temos aqui um lucro, um efeito colateral
benéfico, de inegável qualidade, da dissolução
do casal parental.
A convivência em separado, sob a forma de
diferentes combinatórias entre pais, filhos e
irmãos, é uma oportunidade que nem sempre
os membros de uma família unida se possibilitam ter. Momentos de intimidade e cumplicidade, muito diferentes dos que se estabelecem
quando o grupo todo se reúne, vão criando
505/1397
linhas de comunicação diferenciadas entre cada
um dos pais e cada um dos filhos.
Um casal unido tem uma preocupação constante em que os pais não entrem em contradição em relação às condutas tomadas na educação dos filhos, que é um espírito que muitos
tentam manter ou criar após a separação. Já no
convívio em particular, que acaba sendo incrementado após o divórcio dos pais, é possível
que os filhos sejam vistos como pessoas complexas, mais do que como projetos educativos, enquanto os pais serão também melhor compreendidos em sua dimensão humana, menos
como a instância provedora ou decisória. São
pequenos ganhos de qualidade, que, se não
compensam o esforço de administrar as dores
da dissolução do casal parental, pelo menos
ajudam aos envolvidos a atingirem uma maior
densidade pessoal.
Após a separação dos pais, é preciso muita
plasticidade e inteligência para decodificar todos os níveis de afeto, de autoridade e de
506/1397
compromisso que se estabelecem com os diferentes rearranjos da vida familiar. Para compreender e administrar as tantas situações familiares complexas que passam a fazer parte da
nova vida do casal separado e seus filhos, uma
presença mais próxima de cada um dos pais
certamente fortalece tais capacidades.
Essa família, composta da soma de todos
esses encontros e da compreensão dos desencontros que a dissolveram, já não funciona
tanto como instituição única, que organiza o cotidiano e o lugar físico e psíquico de uma criança. O cenário terá mais de um lar, e a trama,
mais personagens; ela passa a ser a somatória
dos vários laços. Participarão dessa empreitada
todos aqueles que se responsabilizam pelo destino de uma criança ou adolescente, incluindo aí
as madrastas e padrastos, assim como uma renovada presença de avós, tios e padrinhos, personagens que voltam a se tornar importantes,
apoiando filhos, irmãos e por vezes até amigos
em uma parentalidade que passa a ser mais
507/1397
solitária, já que não conta com o apoio da
cumplicidade do casal. A nova instituição familiar será fruto da negociação entre todas estas
partes, que, infelizmente, muitas vezes em vez
de somar-se e complementar-se, se subtraem e
boicotam.
Pais a contragosto
Mas nem sempre as coisas são tão simples,
talvez estejamos sendo demasiado otimistas.
Muitas vezes, os pais não suportam a parentalidade depois da dissolução do casamento. Para
alguns, a separação funciona como se fosse uma
anulação da experiência familiar anterior, como
um retorno à condição de solteiros ou mesmo
como a possibilidade de fundação de uma nova
família como se fosse a primeira. O lado mais
frágil geralmente cabe aos homens, os quais,
não poucas vezes, desaparecem da vida de seus
filhos, como se eles tivessem morrido junto com
o amor que acabou. Quando eles deixam de amar a mãe de seus filhos, desligam-se
508/1397
afetivamente também da prole. Podem até
visitá-los esporadicamente, pagar a pensão,
lembrar deles no aniversário, no Natal, mas não
existe uma verdadeira conexão. Para estes, o
filho é uma incômoda lembrança, o peso de um
passado que preferem esquecer. Qualquer terapeuta pode corroborar esse fato, pois somos nós
que depois tentamos colar os cacos desses filhos
colocados em um lugar de resto indesejável,
seres frágeis, não raro pouco apegados à vida.
Muitas vezes atravessam a existência vivendo
uma depressão sem outro fundo do que a espera
inútil de que finalmente o pai venha buscá-los
para passear, que lembre de que eles existem,
que tenha algum interesse por suas vidas.
Tampouco são raros os casos em que uma
mulher engravida e decide seguir adiante com a
gestação, mesmo sem a conivência do parceiro
ocasional. Apesar disso, são movidos processos
de reconhecimento de paternidade, quer seja de
forma jurídica ou através da busca do progenitor para que ele assuma algum compromisso.
509/1397
Frequentemente, esses homens tomam a
chegada desse filho como uma carta-bomba, a
qual não tem a mínima intenção de abrir; no
máximo, reconhecem a paternidade e encaram
a pensão como uma espécie de extorsão.
Em menor número, existem mães que abandonam seus filhos, deixando-os aos cuidados da
própria mãe ou de parentes acolhedores. Desistem ou não se engajam na causa da maternidade quando estão sozinhas, se não são amadas
não conseguem amar. Outras vezes permanecem com o filho, mas em uma relação
mecânica, em uma maternidade técnica, de
pura aparência.
A eliminação (simbólica) desses filhos, especialmente pelo homem, pode funcionar como
um sacrifício para provar a devoção a um novo
amor que surge, ou ainda para livrar-se dos antigos laços. Mais do que pais, tratam-se de
amantes que procriaram, colocaram no mundo,
querendo ou não, encarnações de uma história
de amor e/ ou sexo, e então geraram um fato
510/1397
indelével daquele laço. Porém, não existe exfilho, a existência e a sobrevivência dessa pessoa cuja presença eles invocaram, esse ser cujos
traços guardam a combinação dos pais, que é
tão romântica para muitos casais, é um pesadelo para esses outros. Para esses homens e mulheres que não conseguiram ser pais, o filho é
como um zumbi, um morto-vivo que ameaça
devorar sua fantasia de começar de novo, de
zerar a vida em um novo idílio com outro parceiro, ou mesmo sentem que a existência deles
corrói sua pretensa liberdade.
De qualquer forma é bom não cair em armadilhas conservadoras fáceis como deplorar as
separações, a fragilidade dos laços que hoje se
fazem, e ter pena do destino das crianças. Até
porque não existe nenhuma certeza de que eles
estavam melhor antes, com os casamentos mais
estáveis. Quando um casal não vai bem, não é a
separação que vai introduzir o sofrimento nas
crianças: uma casa sem amor, sem uma ligação
legítima, sem uma admiração mútua entre os
511/1397
pais, pode ser um prejuízo ainda maior para as
crianças. Um lar frio, sem emoção, transmite
uma vida de “obrigação”, e isso pode ser uma
herança bem nefasta, que cria uma descrença
nos laços afetivos. Nesses casos, leva-se uma
vida que segue apenas na inércia, sem um
desejo genuíno que engate esses filhos a
qualquer coisa, afinal, a lição que tiveram é:
viver em família é suportar-se tristemente.
Em muitos desses casos, o fracasso desse
casamento que não consistiu, ou da simples
união para criar os filhos, remete o sujeito a sua
condição anterior: a adolescência. Mas trata-se
de uma juventude extemporânea, subordinada
aos efeitos das suas piores exigências. Enquanto
o verdadeiro adolescente é puro potencial, pois
a dimensão do tempo ainda lhe é inapreensível,
para o adulto nessa situação a finitude é inegável, viverá um gozo terminal: quer ser livre
para tirar o melhor da vida; tem a obrigação de
colher a felicidade a cada dia, gozar do privilégio de estar começando e com todas as
512/1397
possibilidades pela frente. Justamente, nesse
contexto um filho é um balde de água fria em
todas essas demandas, por isso o convívio com
ele será evitado ou mesmo a diferença de gerações tenderá a ser suprimida. São aqueles pais
que se comportam como se fossem da mesma
turma dos filhos, partilhando seus programas,
linguagem e músicas, impedindo com isso que a
diferença de gerações propicie uma individualidade que é muito preciosa para aqueles que estão crescendo.
Alguns casos de parentalidade fracassada
provêm de relacionamentos que começam a
partir de uma gravidez, onde não há uma trajetória prévia, nem que seja mínima, do casal e
muito menos um compartilhamento de
qualquer tipo de projetos, sonhos ou cumplicidade. Por vezes, essas gestações constituem uma
tentativa impensada de sair do ambiente paterno a qualquer preço, ou seja, “fazer” uma nova
geração como forma de situar-se de outro modo
frente à anterior. Em outras palavras, é possível
513/1397
tentar a paternidade como forma de forçar um
amadurecimento. Frutos dessas intenções
muitas vezes frustradas, restam um pai e uma
mãe que acabam situando-se frente a seu filho
como irmãos mais velhos.
Entre a diversidade de conformações familiares possíveis, muitas delas são soluções para
impasses de relacionamento, respostas a uma
determinada forma de desejar, outras são apenas histórias truncadas, intenções abandonadas,
fracassos. Aos filhos resultantes dessas tramas
amorosas ou paterno-filiais que descrevemos
anteriormente, assim como de tantas outras
parentalidades disfuncionais, cabe administrar
a complexa questão de sua origem. Essa é uma
das perguntas básicas de cada ser humano,
sobre a relação que invocou sua presença, o
amor, as fantasias ou as intenções depositadas
nele.
514/1397
Parentalidade complexa
Conforme Lebrun, o termo “parental” teria
sido criado e encontrou seu eco nas últimas três
décadas.
“O
‘nascimento’
da
palavra
parentalidade segue-se à substituição, em 1970,
dos termos autoridade paterna (paternelle) no
código civil francês”.4 Essa substituição de “paternal” por “parental” colocaria o casal em condição de igualdade. Não temos mais estabelecido enquanto premissa indiscutível de uma
família as figuras de um pai que encarna a
autoridade, secundado por uma mãe subalterna. Os pais seriam agora melhor representados por uma dupla de educadores, na qual
ficaria diluída a diferença de sexos e papéis.
Para o autor, tal estruturação da família contemporânea correria o risco de privar os pais de
estabelecer um caráter complementar no exercício dos papéis materno e paterno. Sem alternância nem alteridade, não haveria negociação,
diálogo, posições diferenciadas, a partir dos
515/1397
quais a criança poderia ir constituindo sua identidade através da comparação, cotejando-se
com um ou outro.
Pode ser que fique difícil de discernir os
papéis, já não mais regidos por clichês sociais,
mas outra será agora a origem dos enigmas que
um filho precisa decifrar. Pensando a família
enquanto um projeto do casal, que sobreviverá
somente enquanto o vínculo o estiver justificando, a maior parte das questões será dirigida
ao desejo dos pais, não mais aos papéis que eles
cumprem. Surgirá, para o filho, de forma central, a necessidade de responder a todas as incógnitas colocadas pelas insatisfações amorosas
do casal parental, dilema que a frequência das
separações (ocorridas ou temidas) coloca para
todos, e faz da parentalidade contemporânea
algo longe de representar qualquer uniformidade isenta de incógnitas.
Três grandes dilemas intrigam as crianças e
levaram Freud a falar em “Teorias Sexuais Infantis”. Seriam elas: a origem dos bebês, a
516/1397
diferença dos sexos, o caráter da relação sexual.
Em síntese, cada ser humano se inaugura com
uma investigação a fazer a respeito da própria
origem, que tem na observação dos pais, ou dos
adultos ao seu redor, um foco. Claro que as crianças hoje contam com a poderosa ajuda da
televisão e da internet, mas essas incógnitas
começam a intrigar desde muito cedo, antes
mesmo de que possa se fazer observações mais
direcionadas. Nuances na família, portanto, são
importantes para as crianças porque escondem
algumas partes da verdade e revelam outras.
Por exemplo, a sexualidade dos pais muitas
vezes fica revelada de forma mais explícita através do convívio com namorados e namoradas
deles, os quais visivelmente se encontram para
algo mais do que “dormir” junto. Quanto à origem dos bebês, que para Freud era uma questão
levantada principalmente a partir da chegada
de um intruso, torna-se uma questão ainda
mais complexa à medida que surjam bebês de
um novo casamento, com os quais o pai convive
517/1397
na mesma casa, sendo que ele se afastou do lar
onde o filho habita. Porém, independente
desses novos arranjos para velhos problemas, é
importante perceber que a sexualidade parental
da qual a família é resultante, independente do
tipo de família que for, sempre será uma
incógnita.
Na vida desses pequenos detetives, um filho
de pais separados pode ter mais oportunidades
de conhecer individualmente seus pais: serão
mais visíveis seus sonhos, frustrações e gostos,
já que o fim da relação do casal abre espaço
para que eles redimensionem, reinventem e revelem a própria identidade. Porém, para administrar esses dados todos, ele precisará estar
sempre se colocando questões a respeito do
próprio lugar, a forma como se sente visto e
querido por cada um dos pais, assim como sua
posição no meio da prole dos filhos, que se torna mais variável. É claro que, mesmo com os
pais juntos, as questões sobre a forma como
cada um deles se relaciona e reconhece os
518/1397
valores específicos de cada filho sempre se
colocam, mas há o casal como entidade, cuja
união mascara muitas dessas percepções.
A complexidade da antiga família extensiva,
na qual era preciso conviver com os avós, e ver
os pais atuando cotidianamente como filhos
deles, dividindo a intimidade com os irmãos e
os cunhados dos pais, descobrindo os diversos
tipos de vínculos fraternos que existem, assim
como com primos de todas as idades e graus, se
reedita. Uma vez dissolvida, a família nuclear,
antes empenhada em aparar todas as arestas,
reencontra os enigmas do parentesco em outra
dimensão: outrora os filhos tinham como
questão dilemas relativos à família de origem
dos pais, hoje os impasses dos filhos se equacionam em torno das buscas amorosas e de
realização pessoal do homem e da mulher que
se uniram para concebê-los.
Muda o tema, mas a invariante é que ser
pais e filhos é um trabalho psíquico exaustivo.
Porém, nem sempre os filhos estão realmente
519/1397
interessados na pessoa de cada um dos pais: o
que esse homem e essa mulher são como indivíduos é uma descoberta importante, mas lhes é
mais relevante compreender história do casal
em nome de cujo sonho cada filho veio a existir,
quer tenha sido planejado ou não. Hoje, esse
trabalho psíquico inclui, frequentemente, o fato
de que esse casal não mais existe, ou, não raramente,
existe
às
avessas,
odiando-se,
vinculando-se pelo desprezo mútuo.
Complexas, como a nova realidade que se
cria após separações, as questões do menino
Max estão representadas pelas idiossincrasias
de cada monstro. Por exemplo, Carol, seu irascível amigo, é como ele próprio, que mordeu
sua mãe antes de fugir. Provavelmente, os
acessos de raiva de sua criatura predileta também representam as discussões e agressões que
invariavelmente os filhos de casais em conflito
acabam testemunhando. Já a figura maternal de
KW representa sua mãe, que na terra de fantasia o está acolhendo, diferentemente da
520/1397
realidade (na qual estava momentaneamente
ocupada com o trabalho e o namorado). Porém,
como ela insiste em separar-se do grupo, representa também o fato inevitável de que com a
separação perde-se um pouquinho de ambos os
pais, não somente pela ausência física, mas
também porque eles precisam ocupar-se de
construir uma nova vida para si.
Os outros monstros do filme, onde todos
ganham alguma oportunidade de mostrar sua
personalidade, representam sentimentos importantes, revelando aspectos subjetivos do
próprio Max: a insignificância e a solidão que
todas as crianças sentem, sempre alijadas de todos
os
acontecimentos
importantes
(Alexander); o mau humor, o negativismo e a
postura exigente e cobradora (Judith); a tentativa de serem adequados e gentis para garantir
alguma aprovação (Ira); o espírito construtivo
(Douglas). Quando os fatos familiares se precipitam em conflitos, mudanças, discussões e uma
série de decisões que afetarão o destino dos
521/1397
filhos, eles terão que aprender a gerenciar seus
sentimentos e capacidades no calor da luta.
A vida das crianças não é fácil em si, mesmo
quando lutos, conflitos ou falências não complicam sua existência. Fica ainda pior quando
existem essas intercorrências e sempre haverá
alguma. Seus recursos e métodos para enfrentar
esses desafios vão revelar todos esses aspectos,
alguns mais “monstruosos” do que outros. Cada
criança guarda em si uma síntese da personalidade dessas diferentes personagens monstruosas
do filme.
Muitos adultos que estão sobrevivendo
como podem à triste experiência da separação
conjugal sentem-se desejosos de reconstruir ou
refazer sua vida. A mulher reassumirá o nome
de solteira, se o tiver trocado ao casar, o que
para ela é uma tarefa de transformação a mais,
mas ambos precisam reencontrar hábitos, rotinas, amizades e liberdades de épocas anteriores
ao casamento ou descobrir novos, condizentes
com seu atual modo de vida e faixa etária. Cada
522/1397
um deles, provavelmente, sonhará com uma
nova relação, da qual esperam a reparação de
todos os males que levaram a anterior ao fracasso. Nesse contexto, os filhos podem ser vistos
tanto como o maior tesouro do patrimônio a ser
dividido, quanto como o incômodo resto de um
naufrágio, e essas representações contraditórias
costumam conviver e alternar-se. De qualquer
maneira, eles estão ali, encarnando traços biológicos do cônjuge não mais amado, por vezes até
detestado, lembrando um projeto de vida que
sucumbiu, assim como o fato de que o nascimento deles marcou indelevelmente a vida
daquelas pessoas que não são mais um casal.
Casais são solúveis, já os pais de determinado
filho são inseparáveis – casais parentais são indissolúveis.5
A primeira família a ser constituída é a que
se incumbe de importantes ritos de passagem,
abre caminhos que futuros relacionamentos já
encontrarão trilhados. Na primeira experiência
conjugal inaugura-se a separação dos próprios
523/1397
pais, já que se criará um lar com uma cultura
doméstica peculiar típica do novo casal, além
disso, é nesse momento que para muitos ocorrerá o rompimento com a posição de filho para
ser pai de alguém. Já novos casamentos, sejam
eles formalizados ou não, farão um contraponto
com as relações anteriores. É do casamento anterior que o novo quer se diferenciar, a comparação não mais é feita somente com a casa
dos pais de cada um dos cônjuges. Por isso, os
filhos de um casamento anterior vão sempre arcar com o peso de encarnar um passado que se
constitui em uma fonte de referência negativa,
por vezes idealizada, ou mesmo de frustrações a
serem superadas.
Após o rompimento de um casal, os excônjuges talvez passem a viver sós, temporária ou
definitivamente, ou mesmo algum dos dois
possa iniciar imediatamente um novo relacionamento. Em qualquer destino que for trilhado,
eles têm necessidade de se contrapor ao passado, soterrar as reminiscências daqueles
524/1397
vínculos que por bastante tempo ainda evocam
sofrimento. Isso é mais fácil para casais sem filhos, já que o afastamento, que seria desejável
para curar as feridas de um amor que acabou, é
praticamente impossível para aqueles que têm
filhos em comum. Esses continuarão se vendo,
tendo notícias da vida e da casa um do outro,
falando entre si para tomar decisões ou mesmo
brigando em torno de dinheiro ou tempo dispensado com as crianças. Quando os filhos
tornam-se adolescentes, ou adultos, isso se dilui
bastante, já que eles têm seus próprios mundos
e mantêm uma relação de distância com o novo
cônjuge, ou mesmo com a nova forma de vida
de seus pais, que frequentam, mas não são obrigados a conviver tão maciçamente com eles
quanto ocorre com as crianças.
Por vezes, as criaturas papai e mamãe brigam e até se mostram selvagens em alguns momentos dramáticos. Por outras, os casais se separam de forma educada, diplomática. Seja do
jeito que for, a carga de afetos que acompanha o
525/1397
fracasso do projeto de família fará seus estragos. Até mesmo o silêncio dos ex-cônjuges gritará para seus filhos em busca dos porquês daquilo ter tomado o rumo que tomou, o drama se
desenrolará como no cinema mudo, onde a falta
de palavras não diminuía a intensidade da
história. Isto não é uma defesa da gritaria e da
briga entre casais em crise, nem de longe uma
crítica daqueles mais civilizados que conseguem
uma separação consensual. Só estamos lembrando que a dor não depende somente da
selvageria visível a olho nu, ela está presente
sempre que uma família se modifica, mesmo
que a médio ou longo prazo o resultado possa
ser uma vida melhor para todos.
O desejo de Max era reinar para dissolver
todos os conflitos, ele acreditava que tudo poderia ser contornado, para isso liberou seus
súditos para correr, gritar, atirarem-se uns em
cima dos outros, construírem as brincadeiras
em harmonia de forma em que cada monstro
contribuísse com o que ele faz de melhor. Ao ver
526/1397
sua estratégia fracassar e seus amigos monstros
entregues as seus inadiáveis conflitos, Max percebeu que teria que conviver com isso, administrar e aproveitar aquilo que sua vida se tornou.
Para isso voltou e, depois de recebido com lágrimas pela mãe ansiosa, comeu seu jantar
quentinho e viu com tranquilidade a mãe adormecer antes dele.
Viver a separação dos pais sempre obriga a
crescer um tanto: não é fácil ficar acordado enquanto a mamãe dorme, ter que contar histórias
para ela, ver seu mundo ao contrário e ainda
satisfazer-se com isso, como fez Max no filme.
Depois que os pais deixam de ser um casal,
torna-se imprescindível que um filho transite
no intervalo entre a mãe e o pai, que agora não
o olham concomitantemente. Esse caminho é
sempre meio solitário e tortuoso, já que sobra
para o filho a responsabilidade de manter o
laço. Talvez por isso, o filme conclua com uma
cena que evoca aconchego e autonomia ao
mesmo tempo.
527/1397
O que realmente o fará crescer é o que Max
constatou em sua terra imaginária: a restrição
de seu poder. A separação faz um contraponto
com o fato que um filho representa a união do
casal, nem que seja no momento da concepção,
ou naquele em que eles decidiram manter a
gestação, quem sabe na ecografia em que viram
o feto que ele era, talvez em seu nascimento.
Mas o poder do filho de manter e garantir esse
laço amoroso é restrito e, com tristeza, de um
jeito ou de outro ele descobrirá que os desejos
de seus pais miram alhures, mesmo que continuem juntos. Por um tempo ele supõe ter sido ao
menos uma tradução disso que eles parecem
querer um do outro, para isso teria vindo ao
mundo, para ser a síntese e forma material
desse desejo, mas essa ilusão não demorará em
chocar-se com a realidade. É por essa razão que
a separação dos pais pode ser tão devastadora
para os filhos, a primeira fantasia que vem à
cabeça deles é desaparecer, afinal o raciocínio é:
se o desejo que me deu origem acabou, quem
528/1397
me garante que eu mesmo não sucumbo
também?
Pouco tempo real transcorreu entre a
partida de Max para o mundo onírico de suas
coisas selvagens e seu retorno, mas em termos
subjetivos, ou imaginários, que neste caso se
equivalem, muita história aconteceu. Mesmo
que seu mundo doméstico seja restrito, as crianças têm muitas coisas complicadas para decifrar e elaborar, os enigmas de uma infância
são sempre assustadores, e ameaçam devorálas. Sem dúvida eles tornam-se mais complexos
com a separação dos pais, por isso é fundamental que exista um apoio imaginário para as
crianças como o Max do século XXI. Os problemas ficam menos assustadores quando se tem
monstros de estimação para ajudá-lo a
compreender, situar-se e sentir-se menos
solitário e preterido, ou pelo menos serve o consolo de pensar que outros passaram por isso e
sobreviveram.
529/1397
Uma origem feita de fantasia_Percy
Jackson & os Olimpianos
A psicanalista francesa Françoise Dolto
observou que os filhos de divorciados são
“avançados em seu amadurecimento social e
sua autonomia”.6 Ela se refere ao necessário
trabalho do filho, no sentido de construir e preservar, dentro de si, a relação com cada um dos
pais, assim como aquilo que ela chama de o
“casal interiorizado em todas as crianças”. Conforme a autora, “mesmo que o divórcio prive a
criança do casal externo formado por seus pais,
estes se tornam mais internos para ela, e de
maneira mais profunda”.7
Independente do rumo que essas duas pessoas que lhe deram origem tenham tomado em
relação ao amor e à conjugalidade, para aquele
filho sempre serão seus pais. Ele é a “representação da indissolubilidade e da combinação
viva – fisiológica, afetiva e mental – da essência
de dois seres que são seus pais”.8 Esse casal
530/1397
internalizado é resultado da elaboração psíquica
do filho, a qual se constitui de forma paralela à
organização familiar. O enigma que nos move a
todos é o fato de sermos a síntese de dois seres
humanos diferentes. Mesmo os filhos adotivos,
que não têm como decifrar a charada biológica
do seu fenótipo através da observação cotidiana
dos genitores, farão uma investigação de sua
identidade comparando-a com o estilo, a gestualidade, os gostos e mesmo o humor de cada um
dos pais, para ali tentar compreender o que
herdaram e repetem em seu próprio modo de
ser.
Quanto menos coisas forem explícitas, faladas, admitidas, mais deduções do que é implícito serão necessárias, por isso, quanto menos
se souber sobre o casal parental, mais conteúdos terão que ser providenciados pela dedução,
investigação ou fantasia. Quando se ignora fatos, dados ou mesmo sabe-se pouco sobre algum dos pais, o filho preencherá essa lacuna
como puder. Sobre isso, analisaremos um caso
531/1397
literário: o de um filho que inicialmente nada
sabia sobre seu pai, já que a mãe era obrigada a
guardar segredo sobre a identidade dele. A revelação da paternidade é o início de uma grande
aventura, na qual o que se descortina é muito
mais que um pai: abre-se um mundo mágico
que engole o menino e lhe oferece um sentido
pleno para sua existência, assim como uma explicação para todos seus problemas.
Em sua série de livros Percy Jackson & os
Olimpianos (publicada originalmente em 2005
e no Brasil, pela Editora Intrínseca, em 2008), o
norte-americano Rick Riordan faz uma releitura
pop dos mitos gregos. Percy, o herói dessa saga,
constituída de cinco volumes,9 é um aluno disfuncional, possui boa parte dos defeitos que as
escolas hoje incumbem a psiquiatria e vários tipos de terapia de descrever, suprimir e corrigir:
ele sofre de uma impossibilidade de concentrarse, sendo taxado de hiperativo, e de ler, portanto considerado disléxico.
532/1397
Os livros de Riordan fazem sucesso entre
aqueles que, assim como seu herói, estão saindo
da infância, época de começar a arrumar as
malas, inventariando o que se dispõe para
seguir adiante. Para Percy, com a aproximação
da adolescência, estava ainda mais difícil ser tão
diferente do padrão exigido pela sociedade
americana e preencher isso com as lacônicas explicações e desculpas da sua mãe a respeito da
sua origem. Finalmente, aos 12 anos, ele
descobre ser fruto do romance entre Poseidon,
o deus dos mares, com uma mortal. Ele ignorava isso até a puberdade, e foi criado em
uma família constituída a partir do casamento
de sua mãe com um sujeito detestável, inútil, ignorante, dedicado ao jogo de cartas com seus
amigos grosseiros, que desprezava o enteado e
maltratava a todos em casa.
A verdade sobre a origem de Percy só surge
quando se torna questão de vida ou morte: ele
foi atacado por uma Erínea, monstro mitológico, em pleno passeio da escola. Essa criatura é a
533/1397
primeira de uma série interminável de seres
provenientes do acervo da cultura grega, alguns
empenhados em cuidar dele, outros em destruílo. As aventuras logo começam no ritmo acelerado próprio dos romances contemporâneos,
principalmente aqueles dirigidos ao público
jovem. Logo nas primeiras páginas o menino
encontrou as Parcas, enfrentou o Minotauro e
nessas lutas percebeu que conseguia manejar
muito bem uma espada e tinha o dom de controlar a água.
Alguns dos que o rodeavam tampouco eram
seres humanos normais: o professor de latim
era na verdade o centauro Quíron e seu melhor
amigo era um sátiro, ambos se disfarçavam para
melhor desempenharem a missão de protegê-lo
enquanto ele ainda ignorava quem era. Sua
dislexia provinha do conhecimento inconsciente
da língua grega, que se interpunha em tudo o
que tentava ler; já a hiperatividade era explicada devido à sensibilidade de sentidos que
um herói precisa ter, sempre conectado ao
534/1397
ambiente para melhor lutar e se defender. Sua
verdadeira identidade era a de um meio-sangue,
que é como esses filhos de mortais com deuses
eram chamados e essa condição era responsável
pelos sintomas que o faziam mudar de escola
constantemente, até ter acabado em uma instituição para alunos especiais. Cada um de
seus defeitos era, na verdade, uma qualidade e
os diversos episódios constrangedores em que
ele havia se envolvido ao longo de sua conturbada escolaridade deviam-se à expressão de dons
fantásticos que ele possuía sem saber.
Pelo fato de seu nascimento ser uma transgressão, já que havia um pacto entre os deuses
de que não reproduziriam com mortais, Poseidon nunca tivera contato com o filho; da
mesma forma sua mãe fizera segredo de quem
era seu pai e o mantinha oculto. O homem com
quem ela se casara era parte da fachada
montada para proteger o menino dos monstros
que acabaram por encontrá-lo. Portanto, o nascimento desse jovem herói é resultado de um
535/1397
romance proibido, ao qual a mãe ainda era
muito ligada, assim como de um desejo irresistível, que levou seu pai a amá-la, driblado o
acordo entre os deuses. Assim, não somente seu
pai é um deus, como sua própria concepção assume uma magnitude especial. Porém, na prática, esse menino cresceu praticamente em uma
família monoparental, já que o padrasto era
apenas figurativo e ele era totalmente referido à
mãe, mas aquilo que na sua vida era marcado
pela ausência assume na história uma presença
ostensiva, fantástica. Com a revelação, Percy
passa a viver em um mundo totalmente referenciado pela cultura de seu pai.
Após descobrir a verdade sobre sua linhagem, Percy se muda para um acampamento
destinado a outras crianças e jovens meiosangues como ele, os quais também possuem
pais que lhes legaram dons fantásticos, mas
com quem jamais tiveram qualquer convívio. É
entre esses amigos, parceiros de origem, que ele
terminará de crescer, aprendendo a usar seus
536/1397
poderes e enfrentando as aventuras perigosas
que se sucedem. Ele terá que percorrer o caminho do crescimento e de formação da identidade entre seus pares e mestres. A mãe de
Percy é muito dedicada a ele, mas por ser mortal não pode acompanhá-lo nesse processo, figurará enquanto uma referência amorosa, assim
como a memória viva do romance que lhe deu
origem.
Da mesma forma como ocorre com o bruxinho Harry Potter, as descobertas sobre quem
são seus pais, assim como a construção da identidade que agora inclui os dados outrora
omitidos, terão que ser feitas em um ambiente
não familiar e no espaço de aprendizagem. Essa
é a situação idealizada por todas as crianças no
fim da infância, mesmo as que moram com a
família desejam lidar com seus pais internos em
um ambiente livre de interferências, para digerir psiquicamente o que lhes foi inculcado,
decifrar os segredos de tudo o que não lhes foi
dito e, principalmente, descobrir quem
537/1397
realmente são. O extremo mau humor dos
púberes, que parecem estar sempre deslocados
em qualquer ambiente, festividade, viagem ou
mesmo refeição familiar, deve-se à tentativa de
estabelecer esse tipo de distância. É mais fácil
perceber algo quando é possível vê-lo de fora,
de longe, e é isso que eles tentam.
A fantasia, neste caso, de ser filho de um
deus grego, é do tipo que pode ser classificada
como um “romance familiar do neurótico”.
Freud descreveu esse tipo de trama fantástica,
que em algum momento passa pela cabeça de
todos nós, como histórias imaginadas nas quais
se substitui os pais reais por figuras valorizadas
e idealizadas, compensando as visíveis limitações desses reles humanos. Tanto o bruxinho
Potter quanto Percy, que tinham carências reais
em termos de figuras parentais, preenchem essa
falta com um mundo imaginário completo,
provando que os pais proporcionam algo muito
maior do de que afetos e cuidados, eles são
538/1397
fonte de referências, modelos ideais a serem
amados e imitados.
Uma família é a síntese particular de duas
origens e culturas. Isso será assim mesmo que o
pai e a mãe provenham do mesmo lugar, grupo
étnico e classe social. A cultura familiar possui
uma etiqueta, uma linguagem, hábitos alimentares, de higiene, rotinas e um jeito de se comunicar, que são típicos de cada lar. Ao fundar
uma nova família, forma-se uma nova cultura
para cada novo casal, fruto da combinação peculiar de elementos que se repetem, modificam
ou divergem do acervo trazido da casa de cada
um dos pais.
Esses heróis órfãos de um, ou dois dos seus
pais, compensaram sua ignorância sobre eles,
assim como a respeito do romance ou mesmo
da relação sexual que lhes deu origem, com um
mundo de fantasia. De certa forma, assim será
para cada filho, na proporção que lhe for necessária, por isso é tão grande a empatia das crianças com as aventuras dessas personagens,
539/1397
que, na busca de uma explicação para sua origem, encontram uma vasta cultura, cheia de
novos segredos, revelações e principalmente
uma missão. Sem tanta grandiloquência, de
forma muito mais prosaica, cada filho fará esse
caminho, que será tanto mais complexo quanto
menos ele dispuser de informações e vivências
sobre sua família, mas em algum grau a fantasia
estará presente: se não for para suprir o que se
ignora, será para compensar tudo aquilo de sua
origem que não está à altura de seu ideal.
Fora monstro!_Propagandas de TV sobre
famílias
Uma propaganda de operadora de telefonia
celular (operadora Vivo – agência África, veiculada em 2010) encontrou uma forma particular
de identificar-se com seus usuários, ilustrando a
experiência da paternidade superando a distância e, mesmo assim, sendo igualmente efetiva.
Trata-se de uma série de diálogos entre pai e
filha: no primeiro ela lhe pergunta se ele não vai
540/1397
mais morar com ela e ele lhe responde que não,
mas que continuarão conectados. Na sequência
são registrados uma série de telefonemas nos
quais a menina conta ao pai o que está fazendo,
pergunta-lhe dúvidas de criança e marcam encontros. Por último, vê-se a parte mais tocante
desse comercial: é uma cena na qual ele está no
supermercado, constrangido e gritando ao celular: “Sai monstro! Vai embora monstro!” Do
lado da menina, mostra-se que ela está em seu
quarto, à noite, segurando o aparelho telefônico
na beirada do vão sob a cama, que é o lugar
onde moram os monstros, dos tipos que pegam
nossos pés e mãos à noite. Depois, mais tranquila, ela agradece o pai e diz: “Acho que ele já
foi embora!”
Assim como os filmes, livros e outras obras
artísticas se estruturam em torno de temas
tocantes para o seu tempo, a publicidade apresenta uma sensibilidade particular. Por vezes,
os comerciais são mais ágeis do que a ficção, já
que a conexão com o público é sua obsessão.
541/1397
Por isso, analisar uma peça publicitária nos
serve para pensar a subjetividade de qualquer
época.
No comercial que relatamos anteriormente,
é notável a flexibilidade que pai e filha precisam
ter para participar da vida um do outro, o que
inclui comunicar-se por telefone, quando uma
presença real teria sido muito bem-vinda, e
satisfazer-se com isso, como na situação do
medo de monstros. Além disso, não basta chorar e entrar em pânico, esperando que do quarto
contíguo os pais escutem o lamento e venham
para acudir, é necessário ligar, contar o que está
acontecendo e pedir ajuda. Em todas essas situações, eles precisam convocar um ao outro de
forma direta e ativa, não adianta gritar ou
tentar ser admitido na cama dos pais. Perde-se
em convívio, na facilidade e naturalidade deste,
mas se ganha em comunicação verbal, nos melhores casos. A busca ativa pelo pai, assim como
a possibilidade de suportar sua ausência do
convívio doméstico cotidiano, implicam em
542/1397
uma necessária supressão da passividade do
filho. Neste caso a menina não lança mão do recurso de se infantilizar, tornando-se mais dependente do que precisaria ser para invocar
proteção e afeto. Essa é uma situação ideal, na
qual a dor da separação é superada com um
crescimento da imagem interna do pai, acompanhada de uma maior capacidade de
verbalização.
Porém, longe das cenas bonitas ostentadas
pelas propagandas, não é raro que as crianças
desenvolvam sintomas psíquicos como distúrbios alimentares, de sono, de desempenho
escolar ou até doenças psicossomáticas, que é
uma forma de dizer algo sem saber que se está
fazendo isso, convocando os pais a decifrá-las e
a estar por perto delas e um do outro.
Família maionese
É instigante ver as transformações ocorridas na temática dos comerciais destinados a enternecer o público, outrora povoados pelas
543/1397
assim chamadas famílias-margarina, com sua
clássica cena de pais e filhos despertando em
harmonia para fazer juntos a refeição matutina.
Até mesmo esse tradicional reduto de conservadorismo, reservado aos produtos para consumo doméstico, acabou sendo habitado pelas
novas configurações familiares. Elas hoje incluem, além das separações como a retratada na
propaganda de celular, famílias constituídas por
pais do mesmo sexo.
No ano de 2008, foi veiculado um comercial
de maionese na TV inglesa (Heinz Deli Mayonnaise – agência AMV BBDO), no qual um
homem prepara algo na cozinha, quando se
aproxima um garotinho pedindo algo para a
mãe, o homem vira-se: a pergunta era para ele.
Na sequên cia, chega uma menina que também
o chama de mãe e recebe dele um sanduíche
para a escola, como o irmão. Por último, um
homem de terno e pasta, despede-se com um
“até a noite amor”, e escuta: “você não está
544/1397
esquecendo alguma coisa?”. O casal se beija e o
primeiro arremata com um “eu te amo”.
A peça publicitária foi rapidamente retirada
do ar devido à reação do público conservador,
que atribuiu ao beijo entre dois homens uma
impropriedade para fazer parte da programação
na TV. Foi chocante para esse setor da audiência a troca que colocou dois homens nos mesmos e exatos papéis outrora identificados com a
mais tradicional conformação da família nuclear, que agora não é mais exclusivamente heterossexual. Pela mesma abordagem polêmica
pela qual foi banida na TV, essa propaganda encontrou uma sobrevida importante no Youtube
e nos debates que gerou.
Esse tipo de família baseada em uma relação amorosa homossexual está aos poucos
conquistando legitimidade jurídica. Ela pode
ser fundada por duas pessoas do mesmo sexo,
que se organizem para ter seus filhos através da
adoção ou de técnicas de fertilização. Mas também existem casos nos quais o segundo
545/1397
casamento de um dos pais com uma pessoa do
mesmo sexo acaba sendo a família de referência
para os filhos da relação anterior. Muitas vezes,
é a casa habitada pelo casal gay o lugar de onde
provém a rotina, o sentimento de segurança e o
diálogo que os filhos precisam. Isso pode ocorrer quer esses filhos morem ou não com o casal
homossexual, ou simplesmente através de um
convívio atento e participativo entre os filhos da
relação anterior e o novo casal.
Todas essas infinitas variações produzem
incógnitas burocráticas e linguísticas. Chantal
van Cutsem observa que o trabalho de
recenseamento tornou-se mais difícil, já que em
muitos casos existe uma indefinição quanto ao
número de crianças que devem ser consideradas de uma determinada família ou casa.10 Da
mesma forma, há os impasses de nomeação:
como chamar os pais, quando são do mesmo
sexo? Como nomear nova esposa do pai ou o
novo marido da mãe quando eles se envolvem
intensamente com os cuidados da criança do
546/1397
casamento anterior? Deveríamos dar outro
nome caso eles mantivessem uma relação apenas cordial ou mesmo distante com os filhos do
parceiro? Que nome dar aos filhos do novo marido da mãe ou da nova esposa do pai, como
diferenciá-los dos filhos que esse novo casal gerou? Os usuais “padrasto”, “madrasta”,
“meioirmão” e “enteado” ficam curtos frente ao
impasse de explicar que fulano é “filho da atual
esposa do meu pai” ou “filho do novo
casamento do ex-marido da atual esposa do
meu pai”, ou mesmo, “filho da atual esposa do
ex-marido da atual esposa do meu pai”. Embora
possa parecer que basta ampliar os sentidos da
terminologia clássica, é óbvio que tantas exceções colocam a regra em xeque.
Após a separação dos pais, os filhos vivenciam variadas experiências de convívio que participam da construção da identidade deles. São
fatos da vida familiar que, por serem vinculados
a costumes em transformação, ainda não possuem clichês sob os quais se abrigarem para
547/1397
serem descritos. Não há mais “bastardos”, pois
a “família oficial” pode se ampliar, transformar
e mudar para absorver novos amores e filhos
concebidos fora da vida conjugal.
A traição por vezes toma ares de busca de
gozo e realização, com os quais ela fica de certa
forma legitimada, afinal, seria compreensível
que qualquer um desse vazão à sua necessidade
de satisfação, a vida é considerada curta demais
para se acomodar em uma situação desagradável. As discussões hoje incluem questões
em torno da sinceidade e honestidade requeridas para dizer-se que um amor acabou, o que
muitas vezes é uma mágoa maior do que a indignação pelo rompimento. Mas esses sentimentos não comparecem de forma simples, eles
vão alternando a legitimidade que nossa sociedade dá a esse anseio de busca de satisfação
sexual e amorosa, com outros mais complicados: difamações ou autoacusações de um ou
ambos os parceiros pelo fracasso do casal,
ciúmes e ressentimentos. Há uma etiqueta,
548/1397
ainda em construção, que envolve outras
formas de negociar a sinceridade e a fidelidade
entre o casal. Por isso, muitas vezes a maior
traição não é tanto o ato sexual extraconjugal,
mas sim a falsidade de sentimentos ou de
conduta.
Van Cutsem explica que o termo “família recomposta” foi introduzido na década de 1980,
em contraponto à expressão “família reconstituída” que era utilizada antes. A ideia de que
algo foi reconstituído parte do pressuposto de
que há o retorno ao modelo inicial, reparando o
dano da separação. Ocorre que, na realidade,
não temos uma nova família, agora reconstituída, suprindo o vazio da união desfeita, mas
sim um quadro complexo, composto de novas e
velhas uniões, diferentes resoluções da vida
amorosa dos pais que se combinam. Em inglês,
a expressão “blended family” é ainda mais rica,
demonstrando o caráter de combinação, mistura, até mesmo de aglutinação desse novo
quadro.11
549/1397
Preferimos, enquanto metáfora, a palavra
“mutação”, que inclui a transformação das características de qualquer elemento participante de
um processo. Esse caráter mutante, que implica
no surgimento de novidades, de elementos
diferenciados e surpreendentes, como nas características mutantes de um descendente, ressalta o elemento criativo e a capacidade de introduzir modificações que as novas configurações familiares possam ter. Na família em
mutação, o casal original, que deu origem
àquela vida, transforma-se em outros quadros:
passa a introduzir novas personagens oriundas
da vida amorosa dos pais; muitas vezes a
mutação provém da ausência delas, configurando o progenitor avulso, livre ou solitário.
É relevante também que, uma vez desfeito o
casamento, é comum que algum ou ambos os
pais acabem remetendo-se a figuras da família
de origem como os avós ou tios da criança, esse
vínculo com parentes fica reforçado pelo fato de
que estes participam mais de rotinas, decisões e
550/1397
eventos do que o fariam se não tivesse havido o
fim da relação. Quando os muros que isolavam
a família nuclear caem, os parentes, e por vezes
os amigos, oferecem diferentes alternativas de
identificação, que antes também ocorriam, mas
eram menos explícitas.
A separação funciona como um raio-x que
revela à criança o esqueleto, a verdadeira estrutura dos vínculos e desejos de seus pais. É mais
fácil perceber as especificidades de cada um
quando estão em ação no cotidiano de uma
nova vida, quer estes permaneçam solteiros ou
constituam outra relação ou nova família. É
como vê-los de fora, já que essa nova condição
não constitui a relação que deu origem a esse
filho, ele não faz parte intrínseca do novo pacto
amoroso ou da atual configuração. O casal paterno, quando junto, partilha pactos íntimos
que os ocultam um pouco do olhar perscrutador
dos filhos. Nem sempre é fácil administrar as
verdades que se impõem a partir dos fatos da
nova vida do ex-casal de pais, mas sempre será
551/1397
fonte de necessárias elaborações. O que se vê e
compreende por vezes é apenas revelador, em
outras é doloroso constatar uma maior dedicação dos pais à nova relação, família ou prole,
que era menor ou ausente na relação anterior.
Nos casos de famílias de propaganda de
margarina, onde nada acontece em termos de
ruptura com o casal, um filho jamais deixa de se
perguntar sobre a natureza do amor e do compromisso dos pais, a quem e quando cada um
deles deseja. Nas famílias que não passaram por
transformações, o filho alimenta sua curiosidade a partir de subtextos, mensagens subliminares. O relacionamento dos pais (que inclui as
suposições sobre a intimidade sexual destes) é
sempre uma parte relevante das experiências
com as quais o filho constitui sua identidade e
conduz seu destino: isso vale tanto para casais
que jamais se separaram, quanto para famílias
que passaram por uma ou várias mutações.
Parte dessas mutações é a constituição de
casamentos tradicionais com parceiros do
552/1397
mesmo sexo, aqui os enigmas são menos
provenientes da relação do casal e mais relevantes em termos de identidade sexual. Não
deixa de ser instigante observar a persistência
da modalidade da família nuclear enquanto
forma de organização que se transforma, porém
sobrevive enquanto referência, adaptando-se
aos novos tempos e quadros. Nossos contemporâneos tentam viver em consonância com
seus desejos, já não lhes é suportável uma existência de sexualidade frustrada, contrariada
ou ausente. Porém, para perseguir essa rea lização, para surpresa de todos, eles não derrubaram a família nuclear. Ela reaparece idealizada pelos casais gays e heterossexuais em segundas ou terceiras uniões, com uma frequência
significativa. Mudam-se as personagens, mas
não se desiste da forma. Dessa família, talvez já
não mais “margarina”, mas sim “maionese”,
exige-se que seja suporte para nossos sonhos, os
quais mudam, mas continua-se esperando que
se realizem em seu interior. Plasticidade,
553/1397
portanto, é o que não deveria faltar a essa estrutura. Não estranha que dela tanto todos se
queixem, ela parece poder absorver todos os
conflitos e esperanças que lhe quisermos
atribuir.
Mal-estar e mal-amar_Revolutionary
Road
Mais do que a estrutura familiar, é na verdade o casal fundador dela que carrega a responsabilidade pelo sentido da vida e a felicidade da dupla que o constitui. É desse vínculo, e
o que ele encarna das expectativas que jogamos
sobre o amor, que esperamos nada menos do
que quase tudo. Revolutionary Road12 é uma
história enfocando a gula de expectativas que
um casal deposita na vida em comum. Ela nos é
apresentada em dois momentos: no livro publicado em 1961 e no filme lançado em 2009. O
filme é muito fiel ao livro, e ambos são bons
para pensar sobre as ilusões românticas que
sobrecarregam o casamento.
554/1397
A história do casal Wheeler, escrita por
Richard Yates, se passa justamente na Revolutionary Road, que é o nome da rua em que eles
moram. O endereço não podia ser mais paradoxal, pois é para acomodar-se e não para revolucionar o mundo que eles aderiram à típica
casinha branca de família americana. Frank trabalha como vendedor, enquanto ela cuida do lar
e dos filhos. Mas dentro de April, a esposa, a revolução borbulha e é a isso que assistimos do
começo ao fim do livro e do filme dirigido por
Sam Mendes. Seu amor por Frank só reacende
quando eles voltam a partilhar um sonho
maluco: abandonar tudo e mudar-se para Paris.
Ela planeja trabalhar e ele ficaria um tempo
estudando e tentando ser mais do que um
simples burocrata, talvez escritor. April quer do
marido algo além do que os homens estavam
acostumados a dar às mulheres: casa, sustento,
filhos. Ela quer que eles desejem algo alhures
do cotidiano familiar, sua fantasia exige que
planejem outras aventuras, que tenham a
555/1397
possibilidade de adquirir novas identidades.
Esse filme, na magistral interpretação do
mesmo casal de atores protagonistas do filme
Titanic,13 talvez encene o que poderia ter
acontecido se a tragédia não tivesse transformado aquele amor interrompido em apenas um
sonho.
April e Frank Wheeler consideravam-se especiais, eram irreverentes, ele gostava de lembrar das aventuras que teve quando lutou no
front da segunda guerra, ela queria ser atriz. A
primeira pergunta que ela dirige a ele quando se
conhecem é: “O que você faz?” Ele responde de
forma literal, dizendo no que trabalha. Ela o
corrige, não está interessada na realidade, mas
no sonho: o que ele quer ser? Frank diz que está
confuso, procurando se encontrar. Embora reclamando, ele acaba achando algum sentido na
vida suburbana que o casal vai montando sem
pensar. Trabalha em uma firma onde pode crescer, pega o trem todo dia, reencontra a família e
a casa arrumadas ao voltar. April não sente o
556/1397
mesmo: esperava ter sido atriz e não conseguiu,
enquanto a rotina doméstica a enlouquece.
Embora a vida das mulheres seja hoje muito
mais próxima dos anseios de April, já que podem viver inúmeros destinos, em pensamentos
muitas mulheres continuam perdidas em
devaneios. Elas nutrem-se do legado de insatisfação que suas ancestrais lhes deixaram, geração após geração, desde Anna Karenina (Tolstoi, 1835) e Emma Bovary (Flaubert, 1837).
Precursoras de April, essas personagens amargavam o cotidiano, a mesmice de seu esposo e a
prisão da maternidade, enquanto procuravam
permanecer o máximo de tempo possível dentro
dos devaneios libertinos, das tramas românticas
e trágicas que protagonizaram. Para tanto, viver
loucas histórias de amor e sexo extraconjugais e
uma infinidade de fantasias envolvendo esses
amantes eram sua obsessão. As duas preferiram
morrer de desilusão amorosa a retornar à rotina
doméstica, assim como April.
557/1397
Mesmo dentro de um modo de vida tão
diferente dessas “bovaristas”, para as mulheres
contemporâneas o sentimento de insatisfação
ainda reina. As acompanhadas ficam na dúvida
do que seriam se fossem livres, enquanto as
solteiras sentem-se em dívida com o destino
amoroso. Filhos estorvam quando existem e
deixam um buraco quando faltam. Essa história
revela que a diferença sexual aqui não conta
tanto, os homens também foram banidos de todas as certezas: também estão mais interessados no que podem tornar-se do que no que são.
Frank amava em April essa angústia, essa dedicação ao sonho, April amava em Frank aquilo
que ele não realizou. Como na história de outro
casal antológico do cinema, os apaixonados de
Casablanca:14 no fim as relações sentem-se
melhor espelhadas nos sonhos irrealizados do
que no vínculo que de fato se constrói; todos de
alguma forma se dizem: “sempre teremos
Paris”.
558/1397
Os ecos da revolução de costumes não reverberaram na destruição da família enquanto
forma, mas em seu âmago ela contém agora a
inquietude, a inconformidade própria daquelas
reivindicações juvenis de outrora. Em nossa sociedade nervosa, agitada, não há tempo para decantar as frustrações, antes se vive para evitálas em um movimento real ou imaginário de
trocas de profissão, de lugar e de relações.
Caracterizamo-nos por um estado de espírito de
busca ansiosa de algo “a mais” que sequer
sabemos definir o que seja, assim como o abatimento e a frustração nos acometem com facilidade, quando nos distanciamos dos ideais do que
deveríamos ser, ter ou parecer. Essa forma de
ser só nos é compreensível quando a descrevemos com termos médicos, pois assim ela parece
um problema que tem solução: os remédios.
Grosso modo, os excessos de movimento seriam
mostras de hiperatividade; a quietude, os impasses e a tristeza entrariam no rol da depressão. Esta última é o monstro que mais
559/1397
tememos, pois implica o pior perigo: parar. De
qualquer maneira, sempre parecemos estar
fazendo demais ou de menos, pouco focados em
objetivos, dos quais deveríamos ter (sempre)
mais certeza.
Ao inventariar nossas inquietudes, no texto
de 1930, O mal-estar na cultura, Freud classifica o amor como uma das formas privilegiadas
de que dispomos para driblar esse sofrimento
de existir. Viver é doloroso, se considerarmos a
expectativa de prazer e felicidade que permanece praticamente insatisfeita ao longo da
vida, com raras exceções. “A vida, tal como nos
é imposta, é muito árdua para nós, nos traz
muitas dores, desilusões e tarefas insolúveis.
Para suportá-la não podemos prescindir de lenitivos.” 15
Um desses lenitivos, nas palavras de Freud,
é o amor, assim como o sexo seria um de seus
desdobramentos. Ficamos particularmente ligados à busca amorosa inicialmente por motivos
hedonistas. Afinal, é do vínculo sexual, seja ele
560/1397
vivido ou fantasiado, que tiramos importantes e
persistentes experiências de prazer. E desde
muito cedo: Freud revelou a existência de um
erotismo infantil, que significava, por exemplo,
a presença do prazer no ato alimentar de uma
mamada. Na experiência primeira de vinculação ao outro, apesar de que éramos pouco
mais do que um tubo digestivo norteado por
dois olhos tão famintos quanto a boca, esperamos o prazer do contato dos lábios com o seio
e o calor do abraço com a mesma ansiedade do
afluxo do líquido morno e doce.
O prazer se mistura em cada gesto da relação ao outro ser humano, que nos primórdios
é representado pela personagem materna, casando a satisfação psíquica desse encontro com o
alimento que nos sustenta. Isso associará amor,
sobrevivência e prazer pelo resto de uma vida.
Perguntava-se Freud: “O que é mais natural do
que persistirmos em buscar a felicidade na
mesma via em que pela primeira vez a encontramos?”.16
561/1397
Portanto, a partir dessa experiência
primeira de prazer e nutrição, boa parte dos investimentos da nossa energia psíquica serão polarizados pelas fantasias sexuais e amorosas.
Vivemos, inclusive, não raros momentos em
que elas nos sequestram para servir a seus fins
imperiosos: arrebatados por impulsos sexuais,
premidos pela urgência da satisfação, ficamos
focados nesse fim que obscurece todo o resto
dos assuntos que nos dizem respeito, nossa prioridade passa a ser a premência de uma relação
sexual, de uma conquista erótica ou amorosa,
um devaneio masturbatório que se impõe. Por
vezes, o sexo e seus objetivos não respeitam as
outras prioridades; em outras vezes, servimonos dos assuntos amorosos para dar sentido à
nossa vida. É com imagens românticas que representamos o que nos falta, e nas ilusões
amorosas depositamos as expectativas de tudo
o que certamente nos traria a felicidade. Sendo
assim, a hipertrofia das esperanças que cercam
o amor e o sexo parece inevitável.
562/1397
Mesmo depois de crescidos tememos o isolamento, vivido como desamparo. Quando nos
sentimos ameaçados pela solidão, por separações, quando nos julgamos incapazes para
ter amigos, imaginamos que se fosse possível
resgatar ao máximo a comunhão primordial na
qual vivíamos, contando com uma mãe capaz de
perceber nossas urgências e satisfazê-las quase
automaticamente, não ficaríamos mais à mercê
do desamparo. Não é de se admirar que no
amor e no sexo, herdeiros desse primeiro encontro, se concentrem boa parte das buscas daquilo que nossos contemporâneos chamam de
“vida pessoal”.
O resgate das prescrições, agora também
provenientes do campo da gestão de negócios e
da produção industrial, não mais da sabedoria
religiosa ou mesmo moralista, infundem a
ilusão de que na vida afetiva é possível planejamento e até “simulação”. Esta última é um expediente utilizado para prever um processo industrial, comercial, administrativo, de tal modo
563/1397
que quando realizado ocorra da forma mais eficiente, lucrativa e livre de erros. Boa parte das
relações amorosas contemporâneas obedece
mais a essa expectativa da simulação, na busca
de testar todas as possibilidades, pessoas e tipos
de relacionamentos diferentes, na esperança de
que uma vez consolidado o vínculo, escolhido o
objeto amoroso “correto”, a felicidade seja
garantida. Poucas ilusões foram tão onerosas
quanto essa, já que omitem que é a experiência
compartilhada, a intimidade efetivada, incluindo um sem-número de perdas, erros e desvios de rota que podem aproximar uma relação
de algo que se pareça com um verdadeiro
encontro.
Não é nada incomum que após uma separação alguém passe a supor que estava dormindo com o inimigo, sentindo-se enganado,
pois o que pensava sobre o ex revela-se incongruente com as atitudes e escolhas que essa
pessoa fez durante a relação. Nesse caso,
enxergava-se mais a ideia do que o outro era e
564/1397
queria da vida do que os fatos que sua conduta,
palavras ou mesmo a ausência delas demonstravam. Mais do que distância, esse tipo de cegueira corresponde a uma proximidade falsa.
Paradoxalmente, mesmo um casal em crise, que
esteja discutindo, incapacitado para realizar
atividades ou projetos em comum, pode estar
vivendo uma colagem na qual não sobra a distância mínima para perceber a figura completa
e delineada do outro. O conhecimento de outra
pessoa pode ser comparado com a atividade de
observar e decifrar qualquer objeto cuja
natureza se deseja apreender: ao aproximar-se
excessivamente, toma-se a parte pelo todo,
formando a totalidade de sua imagem a partir
de suposições falsas. Para compreender minimamente aquele que se diz amar, torna-se necessário abrir mão da plenitude, dos detalhes
microscópicos, do controle minucioso, o que
não é nada fácil de suportar já que o temido desamparo e a pavorosa solidão não cessam de
ameaçar.
565/1397
A intimidade, portanto, contém premissas
que parecem ser contraditórias com ela, como a
resignação ao fato de que é impossível saber o
que o outro sente ou pensa. Aliás, em geral tampouco ele próprio o sabe e há muitos pensamentos que são inefáveis, não podem ser enunciados mesmo entre casais muito próximos e
amorosos. A segunda premissa parte da
primeira: é preciso dar tempo ao outro para
revelar o tanto que lhe for possível e necessário.
A ansiedade de obter provas de amor incessantes é também grande inimiga da intimidade, a qual pressupõe a capacidade para suportar a distância. Ninguém está amando o outro o
tempo todo, nem todos os dias, nem sempre
com a mesma intensidade; é preciso aprender a
conviver com essas oscilações sem se desestabilizar. Para tudo isso é necessário tempo,
alguma permanência, uma mínima durabilidade. É preciso calma para atingir a compreensão de que um silêncio não será a morte
dos diálogos, que se um dos amantes passa por
566/1397
uma fase de tristeza não quer dizer que deixou
de viver em júbilo porque o outro existe, que há
épocas em que se está confuso, tomando decisões, mudando enfoques e que nesse processo
a relação pode até enriquecer.
Em nossa impaciência queremos saber se os
seres amados nos servem ou não, como em uma
entrevista de emprego, e atualmente poucos casais ousam passar do período de experiência.
Por isso, as relações têm se empenhado mais no
“recrutamento e seleção” do que em um “plano
de carreira” em que se possa crescer, errando e
aprendendo. Intimidade, portanto, é coisa que
poucos casais têm tido tempo de atingir.
É desses equívocos e ilusões que cada casal
padece. Sucessivas famílias se constroem enquanto repetitivas alegorias da esperança de
que o amor possa prover o sentido a uma vida e
aplacar quaisquer sofrimentos que apareçam.
Frente à impotência das relações para dar conta
de tão faraônica expectativa, muitas se dissolvem em uma ressaca de sonhos não
567/1397
cumpridos. Como em um fim de carnaval, alguns foliões arrastam suas fantasias desfeitas,
restos da euforia amorosa. Entre os escombros
dessa festa de ilusões, encontram-se filhos, excônjuges, ex-sogros, amigos, uma série de pessoas que precisam se reposicionar em relação a
um casal que deixou de existir, uma casa que
não é mais partilhada por eles, momentos de intimidade ou lazer que não contarão mais com a
presença de ambos. Na melhor das hipóteses há
negociações a fazer; na pior, escolhas.
A paixão foi frequentemente demonizada,
graças à cegueira que lhe é característica, julgada perniciosa por ser capaz de viciar aqueles
que não abrem mão de viver sob seus efeitos.
Mas hoje o amor é assombrado acima de tudo
pela eterna insatisfação e o medo do desamparo, que se traduz em ilusões românticas e
uma postura sempre crítica e queixosa frente ao
que um relacionamento é capaz de oferecer.
As famílias são uma instituição em si, mas
sua pedra fundamental é um casal. Quanto mais
568/1397
ela se isolou, restrita a seu núcleo básico de pais
e filhos, sem extensões, mais dependente ela se
tornou do amor e do desejo havido entre essas
duas pessoas. Porém, decorrente dos desencantos e separações, convive-se hoje com múltiplos
tipos de vínculos, muitos dos quais vieram em
auxílio de todos aqueles que não permanecem
ou sequer entraram na trama eróticoromântica. Para tanto, uma forma de amar que
havia caído em desuso foi convocada a
apresentar-se em sua melhor forma: a amizade.
Irmãos-amigos, uni-vos!_Séries de TV
Charlie é um solteirão mulherengo, mora
sozinho, mas sua casa acaba acolhendo o
recém-separado irmão Alan e as visitas regulares do filho deste. Os irmãos e o menino são
os “Dois homens e meio” (Two and a half
man), da série cômica de televisão americana,
estreada em 2003. Charlie até se orgulha de sua
dificuldade de se vincular: das mulheres só quer
sexo e distância. Ele as tem sob controle e evita
569/1397
qualquer tipo de cobrança ou prejuízo, enquanto seu irmão faz o papel de trouxa, já que
está falido em função da péssima negociação de
bens e de pensão que fez com a ex-mulher. A
mãe deles é praticamente uma bruxa, fria, narcisista e intrometida, o que prova que o outro
sexo deve ser tratado com cautela. Paradoxalmente, parece que nada mais tem verdadeira
importância para a dupla além da arte da conquista. Nessa arte Charlie é um vitorioso e Alan
um eterno fracassado, enquanto o filho deste último vai fazendo-se homem, aprendendo com o
sucesso do tio e crescendo de fato, ao longo dos
anos nos quais a série foi se prolongando.
Christine tem problemas diferentes dos de
Alan após sua separação. Seu ex-marido não a
deixou prejudicada financeiramente, mas
simplesmente não termina de sair de sua vida.
Ele tampouco a quer de volta, está muito satisfeito com sua nova relação amorosa, com uma
jovem também chamada Christine. No ar desde
2006, a também comédia americana The new
570/1397
adventures of old Christine também encontra
uma protagonista que vive junto com seu filho e
o irmão mais moço dela. É entre esses três homens da sua vida – o ex-marido, o filho e o
irmão – que essa mulher de meia idade se vê
enlaçada, de tal modo que fica difícil
empreender qualquer novo relacionamento.
Além disso, enfrenta uma série de preconceitos,
por já não ser tão jovem, por ser divorciada e
ainda bastante trapalhona.
Já Lorelai não carrega o ônus de uma separação, foi mãe adolescente e cria sua filha Rory
muito inserida no contexto da comunidade de
uma pequena cidade americana que as acolheu.
Sua família aristocrática, de quem ela se afastou
quando engravidou, vive em constante conflito
com seu modo de vida provinciano, inconformados com o rumo que ela tomou. Os pais
desejavam vê-la bem-sucedida em alguma
profissão de prestígio ou, no mínimo, bem casada com alguém de sua própria classe. Os episódios do seriado Gilmore Girls (EUA,
571/1397
2000-2007) encontram a dupla mãe e filha já
na adolescência de Rory, quando a jovem vive
seus primeiros desafios: ter amigos, amores e
planejar seus estudos. As pessoas de referência
da garota, além de sua onipresente, afetiva e
confusa mãe, são seus avós, seu pai, que
aparece episodicamente, e, principalmente, as
personagens da pequena cidade de Stars Hollow. Entre as figuras que dão suporte a Lorelai
em seus momentos de impasse encontram-se o
dono do café, seu eterno e irresoluto amor, e os
amigos.
Além dos parentes, principalmente os
irmãos, para cujo convívio várias dessas personagens retornam após a separação, são justamente os amigos que constituem a comunidade
de referência. São os vínculos fraternos, o que
inclui os irmãos-amigos e os amigos-irmãos,
que formam o grupo de apoio dos egressos ou
excluídos do modelo da família nuclear. Já os
grupos de amigos estão em foco em várias outras séries de televisão: entre as sitcoms
572/1397
americanas mais populares, figuram com
destaque Seinfield (1989-1998), Friends
(1994-2004) e Sex and the city (1998-2004).
Esses grupos de amigos amam e crescem apoiados entre seus pares, passam por inúmeros
desentendimentos e, embora sejam o porto seguro uns dos outros, nem sempre se comportam
como deveriam. A comicidade apoia-se em boa
parte na diversidade das personagens, que convivem com os caprichos e fracassos uns dos outros, assim como com estilos e escolhas de
rumos diversos.
Os grupos de amigos sobrevivem, pois
suportam os conflitos sem ferir os princípios
fundamentais da amizade: a inabalável tolerância mútua e a capacidade de perdão. Esses
coletivos aos quais é permitida a paciência que
falta às relações amorosas, acompanham e
testemunham a trajetória de seus membros
durante anos, enquanto vários relacionamentos
amorosos come-çam e terminam, surgem situações de trabalho, caem no desemprego, sofrem
573/1397
crises vocacionais, nascem os filhos, enfim, estão presentes em um verdadeiro e sólido vínculo fraternal para o que der e vier. A vantagem
é que constituem um tipo de irmão que não disputa o afeto dos pais, eles possuem apenas o
lado bom da relação fraternal. Charlie e Alan
até disputam algumas moças, assim como os
outros podem ter alguma pequena rusga
proveniente da infância, mas não passam de detalhes em uma experiência incondicional de camaradagem. Os litígios clássicos entre irmãos: o
voto de morte do mais velho sobre o intruso que
chega depois, a inveja e as trapaças tão comuns
na vida real, nessas histórias aparecem de
forma sutil, subordinados ao contexto idealizado de uma vida compartilhada entre amigosirmãos.
Em seu estudo sobre os complexos familiares, Jacques Lacan ressalta que no convívio,
ora fraterno ora francamente invejoso, agressivo e ciumento entre irmãos reside “a gênese da
sociabilidade, e simultaneamente, do próprio
574/1397
conhecimento enquanto humano. [...] o ciúme,
no seu fundo, representa não uma rivalidade vital, mas uma identificação mental”.17 A identificação especular ao irmão, que contribui para a
constituição do eu, baseia-se mais no confronto
das dessemelhanças do que em uma supressão
das diferenças. Na visão do irmão, ou do amigo
da mesma faixa etária, constitui-se um vínculo
fraterno no qual o sujeito se vê e se diferencia.
Referindo-se à função do irmão na constituição do sujeito, Maria Rita Kehl ressalta que a
condição fundamental da convivência fraterna é
a semelhança na diferença. Ela ressalta que “os
irmãos só são ‘iguais’ enquanto se mantêm em
seu estatuto de filhos e em sua submissão diante do pai tirânico (ela se refere ao mito freudiano do pai da horda primitiva). A substituição
da tirania pela Lei, encarnada no socius,
permite o aparecimento das diferenças, a divisão de tarefas, a discriminação dos lugares segundo a ordem de nascimento, as diferenças de
habilidades, etc.”.18
575/1397
Essas elaborações psicanalíticas teorizam
sobre aquilo que a percepção intuitiva dos programas de televisão estabeleceu em suas tramas: com os amigos e os irmãos pode-se estabelecer uma modalidade de convívio em que
poderão ser construídas identidades e elaboradas pendências relativas ao crescimento. Eles
fornecerão parâmetros uns aos outros na tarefa
da definição da masculinidade e da feminilidade, assim como providenciarão apoio nos impasses gerados pelas experiências amorosas.
Nesses casos, o lugar de refúgio não é a família
nuclear, mas sim o grupo de pares. Joel Birman
lembra que “os vetores e operadores dos laços
fraternos [...] são as figuras que se reconhecem
[mutuamente] na sua precariedade e fragilidade”.19 Há, portanto, uma aliança fraterna que
se sucede às carências naturalmente abertas
pelo afastamento dos pais e do modelo familiar
por eles representado.
Ao crescer e distanciar-se dos pais, eles diminuem em importância enquanto figuras
576/1397
idealizadas, das quais se espera amparo e ensinamentos e o transcurso da vida de qualquer um
impõe a desilusão relativa a essas figuras protetoras. Por outro lado, a reprodução do modelo
da família nuclear é uma renovada aposta de
confiança nesse antigo abrigo. É dessa esperança que se alimenta cada novo casal que forma
uma família. Estar fora dessa modalidade, enquanto adultos solteiros e separados, impõe o
mesmo tipo de busca de convívio que os jovens
encontram entre seus pares: inspiração mútua,
laços capazes de superar conflitos e diferenças.
Aqui serão compensadas as fragilidades a que
se refere Birman, operar-se-á a formação do eu
em seu aspecto interminável ao longo de uma
vida, na medida em que cada nova rodada de
exigências, de crise ou novidades impõe ao
sujeito uma renovação de seu pacto sintomático
consigo mesmo.
Charlie e Alan, Christine, Lorelai e Rory, assim como os amigos nova-iorquinos das séries
mencionadas, têm seus problemas, suas
577/1397
solidões, suas carências amorosas, mas não se
comportam como viúvos da família nuclear. Decididamente, não parecem estar padecendo do
que não têm mais, ou nem constituíram (ainda
ou nunca). Essas personagens representam algumas das mutações sofridas pela família, cujo
cerne é ainda uma referência simbólica de pai e
mãe, mas que precisa de múltiplas instâncias e
cenários para reverberar.
O cotidiano destas famílias em mutação inclui, como se vê, o convívio entre relações
amorosas novas e extintas, grupos de amigos,
irmãos em novas rodadas de partilhar o mesmo
teto, tios e avós, chamados a figurar como figuras de identificação para os mais jovens, e
comunidades de referência. A família está em
mutação porque poucas coisas permanecem
iguais, o que não muda é a necessidade dos
laços – fraternos, comunitários, familiares ou
similares – para a constituição do eu.
578/1397
Notas
1 As situation comedys são seriados humorísticos com
episódios regulares, que raramente duram mais que
meia hora, onde se enfoca a vida de uma família,
uma personagem, um grupo de amigos, uma
comunidade ou de um local de trabalho. Entre as
mais famosas das precursoras está a norte-americana I love Lucy, da década de 1950. No Brasil, na
década de 1970 o gênero se consagrou com A grande
família.
2 No Brasil, o título do filme, que em inglês era
idêntico ao do livro: Where the Wild Things Are, foi
traduzido para Onde Vivem os Monstros.
3 MORETTI, Franco (org.). A cultura do romance. São
Paulo: Cosac Naify, 2009, p. 22.
4 In: “Paradoxos da parentalidade”, artigo de Jean-Pierre Lebrun, publicado na revista Mente & Cérebro,
de fevereiro de 2010, pela Duetto Editorial.
5 VAN CUTSEM, Chantal. A família recomposta:
entre o desafio e a incerteza. Lisboa: Instituto Piaget, 2004, p. 24 e 25. “A autonomização no seio da
família é contrariada pela permanência do casal parental, ficando a autonomia de cada cônjuge limitada
579/1397
6
7
8
9
10
à esfera conjugal.” A mesma autora considera que
“atualmente, o casal parental sobrevive ao casal
conjugal”.
DOLTO, Françoise. Quando os pais se separam. Rio
de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003, p. 100.
Ibidem, p. 100.
Ibidem, p. 99.
Quando lançados no Brasil, os livros de Riordan superaram rapidamente a marca dos 150 mil exemplares vendidos. Para uma geração de crianças ocuparam o mesmo lugar de Harry Potter uma década
antes, constituindo um ambiente imaginário comum
a ser partilhado por elas, assim como um herói que
cresceu concomitantemente com seus leitores, habitando um mundo bem empolgante. Em nossa opinião, apesar da coincidência de público e popularidade, esses livros não possuem a densidade psicológica nem a sofisticação do enredo proporcionado por
Rowling, porém são igualmente eficientes em reciclar o acervo imaginário da cultura ocidental a serviço das necessidades de devaneio e elaboração de
uma geração.
VAN CUTSEM, Chantal. A família recomposta:
entre o desafio e a incerteza. Lisboa: Instituto Piaget, 2004, p. 72. “Diferentes demógrafos e sociólogos
580/1397
11
12
13
14
já se debruçaram sobre o problema dos inquéritos
estatísticos, os quais são de difícil realização porque,
quando se fala em recomposição familiar, os pontos
de referência habituais são muito vagos.”
Ibidem, p. 19.
No Brasil, foi lançado pela Editora Objetiva, em
2009, com o título de Foi apenas um sonho, homônimo ao filme do mesmo ano dirigido por Sam
Mendes.
Filme de 1997, dirigido por James Cameron, utiliza a
tragédia do naufrágio como pano de fundo para uma
história de amor entre uma moça de família tradicional, mas de natureza irreverente, e um jovem
aventureiro que conhece a bordo. A paixão de ambos
afoga-se na tragédia, já que ele morre, mas as
memórias desse encontro sobrevivem enquanto o
maior tesouro dessa mulher.
Filme de 1942, dirigido por Michael Curtiz, um ícone
das histórias de amor do cinema. Nele um casal de
amantes se reencontra em plena segunda guerra,
mas ela está casada com um homem a quem muito
respeita. O antigo grande amor, que ainda persiste,
entre Rick e Ilsa, é sacrificado em nome da dignidade
e da causa da resistência. Resta-lhes apenas a lembrança do idílio que tiveram em Paris.
581/1397
15 FREUD, Sigmund. O mal-estar na cultura. Porto
Alegre: L&PM, 2010, p. 60.
16 Ibidem, p. 74.
17 LACAN, Jacques. A família. Lisboa: Assírio e Alvim,
1981, p. 37-38.
18 KEHL, Maria Rita (organizadora). Função fraterna.
Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000, p. 33.
19 Ibidem, p. 204.
CaPÍTuLO
6
A paternidade possível
Golem_Frankenstein_Blade Runner
Declínio da função paterna_Pai idealizado_Instauração da paternidade_Parricídio_Força da palavra paterna_Corpo
fragmentado_Cientista louco_Duplo_Passagem de ser filho a pai_Importância dos
sofrimentos infantis_Expectativas
583/1397
paternas excessivas_Relação paranoica
com o pai
Narrativas sobre a paternidade insuficiente
Para mim você era a medida de todas as coisas.1
A reprodução humana é sempre um grande
tema, um enigma que excita a imaginação. Criar
um novo ser nos parece algo incrível, como se
um poder divino caísse em mãos profanas. Por
isso, entre outros receios, sempre foi fácil aos
homens dizer-se instrumento de uma vontade
superior, pois pode ser arrepiante assumir esse
poder como próprio. Através de algumas
histórias, que contam a gênese de criaturas
monstruosas, podemos entrever esse caráter
sinistro e imponente atribuido à reprodução.
Com elas compreendemos que receber o dom
da vida está apenas no começo de uma longa
584/1397
história de dívidas e cobranças, principalmente
dirigidas ao pai-criador.
É essa questão que possuem em comum criaturas como o Golem, o monstro do livro
Frankenstein e os androides do filme Blade
Runner. Aparentemente essa é uma lista de personagens díspares, sem nenhuma conexão óbvia; queremos demonstrar que há um fio que
perpassa a todos, como sucessivas reencarnações do mesmo mito. São heróis fabricados com outra forja que não a clássica de um
pai e uma mãe. Essa origem ímpar os deixa,
portanto, órfãos, sem ascendência, sem uma
história familiar que lhes dê alguma pertença.
Por essa razão eles não têm memórias de infância, ou as memórias lhes foram implantadas.
Todos vivem sérias crises de identidade, tanto
que nem nome certo possuem: Golem possui a
denominação genérica da espécie e a criatura de
Frankenstein nunca recebeu um, é conhecido
pelo nome do criador, já os androides possuem
585/1397
antes de tudo um nome industrial de modelo
(Nexus-6) antes do nome mesmo.
Da figura paterna um filho espera receber
um reconhecimento que se inicia com a
nomeação: um prenome traz dentro dele um
sonho reservado para aquela nova pessoa que
chegou no mundo, mas ele deve ser seguido por
um nome de família, ou seja, pela inclusão em
um grupo, em uma linhagem. Para além do
nome, o filho precisa que o pai também lhe
ofereça um lugar no mundo, o conhecimento
necessário para ocupá-lo e o reconhecimento
imprescindível para saber-se capaz disso.
Analisaremos histórias de fracasso no encontro entre pai e filho. Nelas, as queixas das
criaturas sobre seus criadores são tantas e a
vingança pela carência que sentem é tal, que
ajudam a compreender, pela negativa, o que se
quer de um pai, assim como quais são as dificuldades no desempenho dessa missão. Um
pai sempre será considerado insuficiente, pois
dele esperamos o impossível: certezas,
586/1397
garantias, que tenha a envergadura necessária
para aplacar nossas inquietudes e sufocar nossos medos. Isso não é tarefa para um humano,
só um deus estaria habilitado para tal e, graças
a isso, as religiões proliferaram.
Já os filhos de que nos ocuparemos supunham em seu pai tal onipotência, afinal, são fruto
de uma proeza religiosa ou científica do seu
“pai”, eles não têm mãe, nasceram da presunção
de um homem, de sua intenção de igualar-se à
divindade. Assim fazendo, esses criadores, com
seu gesto, pretenderam encarnar essa grande
figura que dá a vida e com ela tudo o que é necessário. Porém, mais do que a onipotência
divina, acabaram descobrindo a insuficiência
paterna, ou seja, que a paternidade é uma experiência de impotência.
Como filhos quaisquer, os seres criados ou
inventados precisam mais do que ser gerados:
queixam-se, reivindicam, denunciam o abandono, queriam ser educados, compreendidos,
amados por ele. A reprodução humana exige o
587/1397
encontro físico de dois sexos, porém, após isso,
ainda resta uma tarefa dupla, um encontro de
caráter psíquico: à função materna cabe um olhar e uma voz que façam dessa carne um corpo
íntegro, da paterna esperam-se todas as narrativas que farão com que esse corpo seja habitado por alguém.
O Golem, um gigante de barro, é um ser
muito tosco para tanto, mas os outros reivindicam, eles procuram e indagam o pai, no caso o
criador, para queixar-se do pouco que receberam e saber para que foram construídos. Em
outras palavras, por que foram criados e que espécie de criatura afinal eles são? Além disso, pedem ajuda para superar sua condição artificial,
almejam ocupar um lugar legítimo entre os humanos e seguir vivendo. Essa busca nem
sempre é amistosa, tanto que termina mal em
todos os casos, inclusive com a morte do criador. É um parricídio (no sentido de matar o
criador) velado em Frankenstein, acidental no
Golem e explícito com os androides.
588/1397
A artificialidade da forma fornece a esses
seres atributos particulares: comportam-se
como se fossem sem alma, brutos e assassinos,
são moralmente infra-humanos e fisicamente
sobre-humanos: o monstro de Frankenstein
começa delicado e a incompreensão leva-o à
crueldade e ao assassinato; já os androides são
máquinas a meio caminho da humanização, são
insensíveis e matam como se fosse um ato
banal. Porém, as perguntas deles são as mesmas
de todos nós, apenas as fazem desde um lugar
particular, onde a artificialidade do sujeito torna a questão mais visível. A sensação de orfandade que compartilhamos com esses seres
engendrados em condições especiais, neles é exacerbada, e o apelo ao pai, para que lhes ofereça
identidade e sentido na vida, é o mote da
história. São heróis em busca de si mesmos e de
suas origens, de seus pais e de seus pares. As
questões que eles colocam são: o que é ser um
filho? O que o nosso pai quer de nós? O que ele
nos legou? O que podemos esperar dele? O que
589/1397
podemos fazer com isso? Nessas perguntas, na
verdade, está implícito que ele legou pouco e explicou ainda menos, há muitas coisas que
deveriam ter sido ditas.
A história de Frankenstein é a matriz mítica
de um herói moderno, sendo que no Golem encontramos as raízes ainda não plenamente
desenvolvidas desse mito, e nos androides uma
de suas tantas ramificações. Essa personagem
trata da solidão, da falta de raízes e de referências provenientes de uma figura paterna que
fosse
capaz
de
fornecer
respostas
tranquilizadoras.
Acusando o pai
As perguntas dessas criaturas parecem fazer
eco em nós porque não paramos de denunciar,
tanto em ensaios teóricos quanto em nosso discurso cotidiano, que vivemos tempos de paternidade frágil, destituída da força e da segurança necessárias para desempenhar seu dever,
para reparar nosso desamparo e saciar nossa
590/1397
sede de saber. Acreditamos, porém, que a paternidade não declinou em sua pujança, apenas
modificou-se, adequando-se às necessidades da
família nuclear, caracterizada por vínculos
próximos e complexos entre pais e filhos. O que
identificamos com um pai forte é uma figura
correspondente à subjetividade de outra época,
quando ser pai era a encarnação social de uma
autoridade, a posição hierárquica determinada
por um papel rigidamente instituído. Ao
homem bastava seguir a cartilha, fazer-se ator
de um texto que já estava escrito para ele. Esse
pai, que parecia tão certo de seu lugar, penetrou
nos primórdios do individualismo e da família
nuclear como herdeiro de um passado que
começou a extinguir-se com as revoluções do
século XVIII. Ele provinha de um mundo
pautado nos ritos, na hieraquia e na fé, mas
tudo isso desmoronou. A partir daí, gerações de
homens vêm tentando desempenhar suas funções enquanto pais e fracassando em adaptar
seus clichês ao cotidiano de uma família, pois se
591/1397
está excessivamente próximo dos filhos para
que funcionem essas representações rígidas do
passado.
Apesar disso, muitos insistem em idealizar
uma figura que, se o túnel do tempo jogasse
para dentro de uma família contemporânea,
seria incapaz de compreender sua dinâmica, decodificar suas questões e aplicar seus desígnios.
Invocar o dito pai forte do passado é equivalente a tentar entregar a direção da igreja
católica atual nas mãos de um papa dos tempos
da inquisição, ele não teria como compreender
este mundo laico e democrático em que vivemos, seria incapaz de administrar sua congregação. Diferente disso, hoje a família é um
espaço aberto a questões, acusações, culpas e
reivindicações sem fim. Pensar em um declínio
da função paterna é considerar que o pai de outrora corresponderia às expectativas atuais, o
que é falso, porque elas não existiam. Ser pai é
hoje um impasse, porque ser filho também o é.
592/1397
Na subjetividade contemporânea todas as
certezas foram banidas, o sentido de cada vida é
uma obra aos cuidados da trajetória do indivíduo e o pai é aquele de quem se espera que
atenue tantas inquietudes. Como se vê, a paternidade é uma missão impossível e a queixa
do filho inevitável. Julien se refere a um luto a
respeito do pai que idealizamos. Nós o imaginamos soberano, todo-poderoso, e fantasiamos
que poderia ter nos dado tudo, mas se recusou a
fazê-lo. Sendo assim, “a renúncia ao amor relativo à potência de um pai supõe necessariamente, passar por um momento de ódio em
razão do luto que tem lugar”.2 É esse ódio ressentido, dirigido a um pai que nunca está à altura de nossas grandes expectativas, que encontramos enunciado de forma trágica e caricatural
nos discursos queixosos dessas criaturas artificiais ou monstruosas.
Não é nossa intenção fazer um recenseamento de novas formas míticas, nossa questão
recai sobre esse último tópico: o que pedimos e
593/1397
esperamos de um pai na contemporaneidade.
Em outras palavras, referimo-nos à queixa
sobre a inconsistência psíquica de que julgamos
padecer, seja ela real ou imaginada, cujas carências são atribuidas à falta de um pai forte.
Supõe-se que seria esse pai faltoso que não nos
teria dado os elementos suficientes para amarrarmos nossa própria subjetividade num todo
coerente, no interior do qual navegariamos em
segurança. Vagamos então como criaturas
voláteis, e acreditamos que isso é assim porque
nosso pai falhou, ser seu filho não nos parece
suficiente. Nesse sentido, somos todos irmãos
de Frankestein, o monstro indignado, mas antes
de entrar no tema vamos a uma figura que pode
ser seu precursor.
Golem_Um ritual para imitar a Deus
Todas as coisas na criação vivem em virtude dos
nomes secretos que nelas habitam.3
594/1397
Origem do Golem
Receita para a criação de um Golem:
modele uma figura humana em terra virgem de
montanha (no sentido de nunca lavrada), a qual
deve ser amassada com água corrente. Com
auxílio de dois ou três outros iniciados ande em
círculos em seu redor recitando combinações do
alfabeto derivadas do Sefer Ietzirá (Livro da
Criação). Sobre a testa da criatura deve ser escrita a palavra hebraica emet (verdade), a qual
lhe dará vida, ou a mesma pode ser inserida na
figura de barro através de pergaminho em um
orifício na testa, ou ainda, colocada embaixo da
língua. Uma vez criado, pode ser desfeito através do apagamento da primeira letra, com o
qual resta a palavra met (morte) ou através da
retirada do pergaminho. Outro método consiste
na reversão do ritual, dar as mesmas voltas,
mas ao contrário. Dessa forma, o Golem retorna
ao seu elemento, desfazendo-se na terra.
595/1397
Como na Bíblia é citado só uma vez,
acredita-se que seu verdadeiro nascimento
tenha sido no medievo europeu. Sua pátria é
um amplo território que abrange Alemanha,
Polônia, República Tcheca, Rússia e regiões em
torno. Originalmente a palavra em hebraico
quer dizer embrião, ou uma massa inanimada
ou ainda algo enquanto apenas um projeto, mas
ainda sem alma, sem vida. Em iídiche pode ser
traduzido, aproximadamente, por zumbi, e tem
uma conotação de insulto.
Existem várias versões sobre seu nascimento e prodígios, mas de certa forma fazem
um padrão, sua história é basicamente a
seguinte: um rabino consegue, por meio de palavras mágicas e de um ritual, dar vida a uma
massa informe de argila retirada de solo virgem.
Ou seja, invocando as combinações de letras de
efeito mágico, tenta fazer o mesmo que Deus fez
com Adão, que na argila introduziu o sopro vital
e disso nasceu sua mais bem acabada criatura.
596/1397
Se do ponto de vista de sua criação grandes
poderes são invocados, quanto ao resultado, ao
contrário dos diligentes auxiliares mágicos do
folclore, o Golem é a vergonha da classe. Como
não possui linguagem, não entende direito as
ordens, por isso vive aprontando confusões. Por
exemplo, um rabino mandou um Golem engraxar a carroça (referia-se ao eixo) e encontrou-a
toda coberta de graxa. Outro rabino criou um
Golem para acender o fogo no Shabat (ocasião
em que os judeus não podem trabalhar) e ele,
por ser desastrado, criou um incêndio. Ou seja,
eles não substituem bem os criados humanos e
é uma temeridade tê-los por perto.
O curioso é que o Golem criado é sempre
homem, existe apenas um relato, e um dos mais
antigos, de uma versão feminina. Arriscaríamos
uma hipótese: “a Golem” não existe porque uma
das facetas desse mito é o anseio masculino de
prescindir das mulheres para procriar. Seria
uma geração de homem para homem, logo só
poderia sair o mesmo, um ser masculino e,
597/1397
como os poderes são menores que o divino, seria menos perfeito que quem o gerou. Aliás, uma
criatura feita sem mãe talvez seja mais uma
razão para ser tão bruto e imperfeito, faltaria
nele o lado feminino, a sensibilidade, a delicadeza e a suavidade. Sabemos que na reprodução sexuada, para fazer um é preciso de
dois, esta estranha matemática põe muito as
crianças a pensar e é um dos temas recorrentes
nos mitos.
Nas narrativas primordiais, sua construção
estava apenas a serviço da iniciação dos estudiosos da Cabala, que empreendiam a arriscada
operação de imitar o criador, porém sem intenção de mantê-lo vivo, era desfeito imediatamente. Os riscos do ritual incluíam até a possibilidade de desfazer-se a si mesmo, se as palavras
e voltas que se desse em torno da massa de argila incorressem em alguma falha. Tratando-se
de um rito de iniciação, cabe lembrar que
aquele que o executa está tentando renascer em
outro nível, quer seja espiritual ou social. Não
598/1397
estranha, portanto, que se corra o risco da
desintegração, afinal, uma forma de inserção no
mundo tem que ser desmanchada para que
outra passe a ser utilizada após o ritual.
Essa é mais uma das lições que essa figura,
embora primitiva, nos coloca sobre os dilemas
da paternidade: quando um filho nasce, seu pai
também se refunda, precisará ocupar outra
posição, já que agora equivale ao próprio pai no
lugar que ocupa. Ao tornar-se pai, um homem
fica mais desamparado, pois vai ter que dar-se
conta que a envergadura de um pai é tão limitada quanto o é a dele próprio. Então, pensará
ele: se eu mesmo tenho agora um filho, um pai é
só isso? Sempre terá o recurso de idealizar o
próprio pai, ou alguma figura imaginária que
encarne algo maior do que ele se julga capaz,
mas terá que retomar a vida convivendo com o
fato de que a paternidade, ao ser realizada, se
torna um pouco menor. O novo lugar em que alguém se situa após esse “ritual” do nascimento
de um filho é o de alguém que abandona a
599/1397
posição de ser filho para arcar com o fardo da
paternidade, justamente quando descobre que
seu próprio pai, um homem como ele, tampouco estava à altura da missão.
O Golem é uma forma animada, porém seu
estatuto de ser vivo autônomo é questionável, é
possível dar-lhe movimento, mas não o dom da
fala e do pensamento. Por isso ele não morre,
apenas se desfaz. Além do perigo de ser sugado
pela terra, ao invés de dela erguer sua figura,
pode ocorrer que o Golem não pare de crescer
se for mantido por muito tempo. É preciso,
então, desfazê-lo antes que se torne tão alto que
seu criador não alcance mais sua testa para
desativá-lo.
Alguns cabalistas perderam o controle de
suas criaturas, o que resultou em depredações,
mortes e incêndios. Se um Golem causar algum
dano, não será por má índole, pois ele não tem
espírito em seu interior, trata-se apenas de imperícia do seu responsável. Esse filho da parceria de um homem com a religião não passa de
600/1397
um tosco evento de criação, cujo resultado não
pode aspirar a nenhum tipo de humanidade. Na
história desse ser estão contidos apenas os limites envolvidos em criar uma vida, o que nunca
é sem riscos, é algo que parece estar sempre
sujeito ao descontrole.
Evidentemente o projeto humano é inferior
ao divino, por isso o Golem é esse ser tosco que
mostra os menores alcances dos aprendizes de
feiticeiro que somos, afinal ele não fala e não
possui inteligência. Quando é mantido vivo
serve apenas como escravo doméstico ao serviço de seu amo criador. Possui uma forma que
lembra a humana, mas é mal-acabado, começa
pequeno, como um homem normal, porém se
mantido vivo não para de crescer, o que traz
riscos para seu amo. Como se a atrofia do espírito, que não lhe é concedida, fosse compensada pelo corpanzil. Nas versões posteriores, à medida que vai se desprendendo da
religião, tornando-se lenda e depois literatura,
sua figura vai ficando mais aterradora. Nestas
601/1397
histórias ele escapa ao controle de seu amo e
destrói tudo em volta, quando não seu criador e
a si mesmo.
Mesmo quando envolvido na geração de
uma criatura tão parca de pretensões o criador
corre o perigo de desmanchar-se a si próprio
por um erro no ritual, ou de perder o controle
do monstro de barro. No primeiro caso, no qual
dando voltas ao contrário, ao invés de criar, o
criador se dissolve, fica visível que a morte e a
vida já nascem entrelaçadas. Ter um filho é
colocar no mundo um pouco da nossa morte:
em cada dia de sua vida, um filho nos precisa
para umas coisas e nos descarta para outras,
quando cresce ele nos supera e se espera que
nos sobreviva. O crescimento do filho ocorre em
paralelo ao encurtamento do fio da vida dos
pais, que um dia será impreterivelmente
cortado.
602/1397
A magia de fazer um de dois
A experiência de fazer uma criatura se
repete na natureza desde sempre e não há humano que não tenha testemunhado essa maravilha, afinal, cada um de nós é fruto dela.
Fomos engendrados por dois seres, que neste
caso não eram místicos, e sim amantes, mas
fizeram algo que mais parece mágico. Um assunto tão fascinante quanto subjetivamente difícil de assimilar; melhor deixá-lo nas mãos de
potências divinas ou da fantasia. Quando
ficamos adultos, a ciência já desmanchou um
bocado dessa magia, mas na prática havíamos
começado a pensar nessa questão muito antes,
quando os recursos intelectuais eram ainda parcos, e os mistérios maiores, tão grandes quanto
nossa curiosidade. A fantasia literária também
se alimenta de restos das hipóteses infantis que
fazíamos sobre a origem dos bebês, quando
nossa ignorância era compensada pelo
pensamento mágico.
603/1397
Cada um de nós é fruto de um acaso
genético, do encontro daquele casal, naquele
preciso dia e hora da nossa concepção, sendo
que qualquer ínfima diferença na ordem dos
fatores poderia ter alterado totalmente o
produto. O ser resultante poderia ser de outro
sexo, fenótipo, ou simplesmente inexistir. Não é
estranho então que se façam ritos, lendas e
ficção sobre a gênese dos seres, que brinquemos
de deuses nem que seja em fantasia, minimizando o temor que temos dos aspectos complicados sobre esses assuntos, e da dificuldade de
assimilá-lo.
Por mais que se conte às crianças a história
da sementinha que papai colocou na mamãe,
ninguém fica muito cômodo em pensar que eles
mantiveram uma relação sexual para nos conceber. À primeira vista, parece romântico, mas
não é agradável a ideia de compartilhar o leito
parental na hora do sexo. E depois, quanto ao
nascimento, mesmo que se cerque essa cena de
júbilo e que se tente fazer algo bonito e
604/1397
festejável, ela nunca deixa de ser sangrenta e
demasiado real, há sempre uma ponta de
pesadelo. Enfim, a história de um monstro criado através de rituais mágicos de um rabino,
que mostra que basta uma figura de barro e o
uso correto de palavras divinas, parece música
para os ouvidos frente a todas essas questões
delicadas.
Há quem sustente que a palavra mágica que
animaria o Golem seria o Tetragrama, ou seja,
as quatro letras do verdadeiro nome de Deus.
Os poderes do Tetragrama seriam ilimitados,
afinal, foi com ele que Deus teria dado a vida às
coisas inanimadas, e ainda, poderia criar algo
do nada. Logo, quem possuísse esta palavra seria poderoso. Alguns judeus do passado teriam
usado esses poderes, Salomão teria este nome
gravado em um anel mágico, e ainda essas letras estariam escritas no cajado com o qual
Moisés abriu o Mar Vermelho. Enfim, saber o
verdadeiro nome de Deus é dominar parte de
seus poderes. Pelo perigo de cair em outras
605/1397
mãos o nome de Deus sempre foi segredo de
iniciados. Assim, o terceiro mandamento do
decálogo, de não usar o nome de Deus em vão,
faz mais sentido se entendermos que se refere à
magia suposta ao Tetragrama.
Quanto ao papel místico da palavra sagrada
na animação do ser de barro, é fundamental
perceber sua correlação com a gênese de um
sujeito em cada ser humano que nasce. Cada
filho deve ser nomeado, sobre ele há um discurso parental que o encaixa em uma
genealogia, insere-o em um lugar. Um nascimento é um fenômeno biológico que só se concluirá quando for transformado em verbo. Sem
isso, teremos apenas um corpo desprovido de
capacidade de se comunicar e decodificar o
mundo. Quanto mais palavras forem oferecidas
a um recém-nascido, melhor assentada estará
sua saúde mental. O Golem não as possui, a palavra divina inscrita ou encaixada nele o enfeitiça, mas ela lhe é retirada para desligá-lo,
configurando seu caráter de objeto. Entre as
606/1397
criaturas humanas, pelo contrário, a denominação, assim como tudo o que se diz para um
filho, está lhe sendo oferecida enquanto um
conjunto de palavras das quais ele deverá
apropriar-se, de tal forma que nunca lhe possam ser retiradas, ele fará com elas seu próprio
discurso. O texto inserido no Golem pode ser
manipulado à vontade pelo criador, já entre os
humanos sobre nada do que se diz a um filho
temos controle ou propriedade. O discurso parental enuncia um texto que envolve o inconsciente dos pais, com isso diz mais do que pretende, e é recebido por um filho que escuta mais
do que compreende; disso ele fará sua versão,
que inclui os elementos inconscientes dessa
comunicação, constituindo sua própria história,
que depois vai ser contada por ele mesmo.
Se bem cabe à mãe portar em seu corpo o
feto, alimentá-lo em seu seio e com seu olhar e
toque fazê-lo alguém com contornos, motricidade e imagem corporal, tudo isso só é possível
se estiver sendo significativo para mais alguém.
607/1397
Mãe e filho precisam de um terceiro elemento,
que legitima, põe ali seu verbo como o sagrado
“emet” do Golem. É uma espécie de batismo, no
qual a mulher deixa de sentir-se pura carne a
serviço da reprodução da espécie e seu filho
passa a ser uma pequena obra-prima, e não um
parasita de seus fluidos e braços exaustos. É o
pai que faz esse contraponto, ou alguém que
cumpra essa função de nomear, narrar de fora o
que está acontecendo naquele vínculo corporal,
lembrar a ambos, mãe e filho, que eles existem
fora um do outro. As palavras do pai são, nesse
sentido, sagradas, por trazer para fora, para a
vida, seu filho.
O ser humano é dotado do poder de imitar
seus pais no ato da criação, ele pode gerar e ser
ele o pai de outra criatura, que se referenciará a
ele com a mesma dependência e respeito que ele
reservou a seu próprio pai. Ao tornar-se pai de
alguém se estará automaticamente substituindo
os próprios, ocupando seu lugar, portanto, de
certa forma, matando-os, não factualmente,
608/1397
mas do lugar que ocupam. Por isso todo homem
é potencialmente tanto um criador, quanto
nesse dom vem embutida sua condição de parricida, pois, simbolicamente falando, substituir é,
de certa forma, matar. O Golem é um parricida
involuntário, afinal é uma marionete, tanto do
seu criador, quanto do criador do seu criador,
que o usa para castigá-lo.
O desfecho desses casos é quase sempre o
mesmo: se for mantido por muito tempo, em
nome dos serviços prestados pela criatura ou
mesmo pelo orgulho de possuí-la, seu gigantismo cairá sobre o criador terreno e o matará
esmagado. A lição é óbvia, é preciso abrir mão
do filho, o qual não pode ser mantido como
uma criatura de estimação. A limitação do
Golem é que ele deve extinguir-se, restringindose a um exercício, um ritual de iniciação.
Quanto aos filhos, é preciso deixá-los partir,
que é uma forma de não apropriar-se deles,
como se conservaria um Golem cujo prazo de
permanência expirou: “pôr no mundo é saber
609/1397
retirar-se, de modo que os descendentes sejam
capazes, por sua vez, de se retirarem. [...] Como
dizia Françoise Dolto, ‘honrar os pais é quase
sempre virar-lhes as costas e ir-se embora
mostrando ter-se tornado um ser humano capaz
de se assumir’”.4
Um prodígio desses não poderia ficar preso
aos círculos religiosos sem ter sua contrapartida
popular. Nesse sentido, o Golem ganhou vida na
literatura e andou pelas ruas medievais dos
guetos onde os judeus, com suas leituras
bíblicas, suas recitações hebraicas, seu isolamento, eram retratados popularmente como
mágicos. Lendas sobre o Golem, como um criado mágico a serviço de seu amo, tornaram-se
populares entre os judeus alemães ao longo do
século XVI. Mas a história dessa criatura
acabou ficando associada à figura lendária do
rabino Loew,5 teólogo e místico de Praga, empenhado na divulgação dos conceitos da cabala.
A maior parte das histórias que nos chegam
fazem dele a encarnação do criador do Golem,
610/1397
inclusive aquelas em que a criatura foge ao seu
controle.
A história do Golem ruma para a extinção,
hoje pouco se fala dele, provavelmente muitos
leitores nunca tenham ouvido sequer mencionar sua existência. Esse mito proveniente da
mística judaica atravessou séculos: a sua origem
foi parte dos ritos cabalísticos, seguiu sua carreira como lenda na Alemanha e Europa Oriental e encerrou seus dias como ficção romântica e
expressionista. Sua extinção provavelmente
deve-se à pouca pregnância social de assuntos
marcadamente judaicos. Talvez o monstro
tenha perecido em um campo de concentração,
afinal, depois da segunda guerra praticamente
não se encontram mais novelas e filmes ao seu
respeito. Além disso, é um herói sem rebeldia e
para nós é difícil identificar-se com alguém tão
passivo. É um herói feito com o perfil dos camponeses medievais, afinal é iletrado, tosco, e
sem palavras frente a alguém mais importante.
Possivelmente ele tenha saído de cena para dar
611/1397
lugar a alguém mais questionador e demandante, como o monstro Frankenstein. O Golem
desapareceu junto com o mundo arcaico que o
engendrou.
O filho queixoso_Frankenstein
Lembra-te de que fui criado por ti; eu devia ser teu
Adão, porém sou mais o anjo caído.6
O nascimento de Frankenstein
Tão popular como um monstro do folclore,
Frankenstein nasceu na literatura, no livro
Frankenstein ou o Moderno Prometeu, de
autoria de Mary Shelley, uma jovem inglesa de
18 anos. O fato é que decorridos quase dois
séculos, todos ainda sabem quem ele é. Podem
não saber exatamente detalhes da história original, pois esse personagem ultrapassou muito
as páginas do romance de Shelley, mas algo de
sua essência continua reverberando em uma
época tão distinta daquela que o viu surgir. Isso
612/1397
faz dele um dos mitos literários da era individualista, ao lado de Fausto, Robinson Crusoe,
Dom Juan e Dom Quixote; ou seja, são personagens que nasceram em livros, mas já habitam a
imaginação popular.
Essa novela nasceu de um desafio literário
realizado por um grupo de amigos: isolados
pelo mau tempo durante umas férias, Mary
Godwin Shelley, seu marido Percy Shelley,
junto com os amigos Lord Byron e John William Polidori, lançaram-se a escrever histórias de
horror para divertir uns aos outros. Dos convivas, foi a jovem Mary a que mais seriamente
cumpriu a tarefa. O primeiro livro saiu em 1818,
mas em sua terceira revisão, em 1831, é que se
estabelece o texto clássico tal qual foi traduzido
em várias línguas.
Como era comum na literatura da época,
principalmente entre aqueles romances que
caíram em gosto popular, a história lança mão
do recurso das cartas, misturadas ao relato em
primeira pessoa do protagonista: Dr. Victor
613/1397
Frankenstein, estudioso de ciências naturais, o
homem que descobriu como dar vida à matéria
morta.
A novela começa pelas cartas do capitão de
um navio que rumava para o Polo Norte para
sua irmã, contando uma estranha aventura que
lhe acontecera. Nessa paisagem inóspita o Capitão Walton se deparou com o Dr. Frankenstein,
e o recolheu em seu navio mais morto do que
vivo. Ele lhe contou a triste história da fabricação de um monstro e sua missão de
persegui-lo e destruí-lo. Como o trajeto do navio lhe convinha e estava fraco para continuar a
caçada sozinho, o doutor segue a bordo e morre
após terminar seu relato. A maior parte do livro
consiste nessa história, transcrita pelo capitão,
do nascimento do monstro, o destino trágico de
criador e criatura, finalizando com um pedido
de Frankenstein de que, em caso de sua morte,
alguém se incumbisse de eliminá-lo. Na cena
derradeira, Walton ainda tem um encontro com
a criatura que subiu ao navio para o último
614/1397
adeus ao seu criador. O monstro parte, prometendo dar fim à sua própria existência.
Frankenstein teria decidido revelar sua
triste sina para que o navegante não se deixasse
destruir pela sua ambição de atingir o Polo,
como ocorrera com ele anteriormente. No
derradeiro fim, aquele que, como veremos, não
conseguiu ser pai para ninguém, que perdeu
tudo e todos, restando só o maior dos seus erros, entra em nossa história em uma posição
paterna: a do sábio que aconselha o aventureiro, tentando ensinar-lhe a viver. Enfim,
como nunca antes, ele consegue fazer um
derradeiro gesto de cunho paterno. A história
do monstro e do seu criador, ambos conhecidos
pelo mesmo nome de Frankenstein, é a história
do quanto esse homem sofreu para que esse
simples diálogo pudesse ocorrer, nem que fosse
apenas à porta da morte.
Depois de escutar Frankenstein, o capitão
desiste de sua obsessão por atingir o Polo Norte.
A conquista do Polo, feita quase um século
615/1397
depois desse livro, em 1909, já era meta de
aventureiros que queriam marcar seu nome na
história, indo até onde nenhum homem ainda
chegara. O Polo Norte tem uma mística própria,
serve de símbolo do fim do mundo, de ponto de
orientação, pois é para lá que a bússola aponta.
Talvez seja essa mesma lógica que faz do Polo a
moradia de Papai Noel, um lugar extremo e ao
mesmo tempo central, orientador. Se boa parte
da queixa que perpassa o livro é a de que vivemos desorientados, que não existem referências
paternas sólidas, de que o pai nunca fornece um
norte, não deixa de ser irônico que seja justamente próximo desse eixo do mundo que ocorra
o encontro entre Frankenstein, seu monstro e o
viajante que se tornará o porta-voz de sua
história.
Conforme seu relato, Victor Frankenstein
foi primogênito de uma importante família
genebrina e aos 17 anos, quando se preparava
para sair de casa e frequentar a universidade,
perdeu sua mãe. Junto da família vivia
616/1397
Elisabeth, adotada por eles quando ambos tinham cinco anos e as crianças se tratavam como
primos. Porém, apesar do vínculo familiar que o
ligava à moça, a mãe pede em seu leito de morte
que eles se casem, e é a essa noiva que o coração
do rapaz estava entregue. A perda da mãe, embora já não fosse uma criança, o deixa desconsolado, com muitas questões sobre a morte e
pouco disposto a aceitá-la. Victor já possuía
curiosidades científicas, e uma vez na universidade em Ingolstadt, volta-se para as ciências naturais, mas com uma ênfase muito particular:
seus estudos são norteados pela obsessão à qual
vai dedicar a vida, que é vencer a morte. Essa
sua inclinação particular o afasta dos seus
pares, por isso acaba conduzindo sozinho as
pesquisas mórbidas a que se entrega. Ele estuda
os mecanismos da morte, a putrefação e
norteia-se pela sua crença de que poderia
revertê-la ou impedi-la.
Na história escrita por Mary Shelley não há
detalhes sobre a fabricação da criatura, a maior
617/1397
parte deles foi acrescentada pelas versões posteriores, principalmente as cinematográficas,
que relançaram a história em novas inflexões.
Shelley apenas cerca a gênese de mistérios e de
discursos filosóficos, nos faz crer que o Dr.
Frankenstein domina a ciência moderna, mas
não dispensa a tradição alquimista antiga. Após
o frenesi que domina sua vida através de anos
de pesquisas, ocorre o esperado “nascimento”
de um corpo de mais de dois metros, composto
a partir de restos de cadáveres. Mas o ser por
ele criado, desde o momento em que abre os olhos, desafia seu criador como algo bem maior
do que um experimento científico.
Paradoxalmente, ao invés de comemorar a
vitória da ciência sobre a morte que ali se consagrava, a conquista do objetivo que consumira
suas forças até ali, o cientista ficou tomado pelo
horror. Ele considera que a origem do pavor
que sentiu emana dos olhos mortiços do espantalho que acabara de animar. Após realizar os
procedimentos necessários para a animação do
618/1397
corpo que construira, viu “abrir-se o baço olho
amarelo da criatura (...) seus olhos desmaiados,
quase da mesma cor acinzentada das órbitas
onde se cravavam”, descreve ele.7 A partir daí, o
cientista caiu imediatamente em uma mistura
de sono e desmaio, na qual sonhou que estava
beijando Elisabeth, mas ela se transformava no
cadáver decomposto de sua mãe.
Após esse sonho, acorda apenas para ver a
criatura que já estava em pé, ao lado de sua
cama, contemplando-o: “seus olhos, se é que assim podiam ser chamados, estavam fixados em
mim”. Em uma inversão de papéis, desta vez é o
criador que desperta e encontra sobre si o olhar
do “cadáver demoníaco ao qual tão desgraçadamente eu havia dado a vida. Nenhum mortal
seria capaz de suportar o horror daquele rosto.
Uma múmia revivida não seria tão horrorosa
quanto aquele destroço. Eu o contemplara antes
de terminar meu trabalho; ele era feio, porém,
quando aqueles músculos e articulações passaram a se mover, ele se tornou uma coisa que
619/1397
nem Dante poderia ter concebido”.8 O horror do
cientista parece ser um fato naturalmente inspirado pela sinistra imagem de sua criação,
cabe a nós compreender a fonte desses desencontros de olhares.
Assim que pôde, Frankenstein fugiu do local, abandonando o monstro à própria sorte, e
nos dias em que se seguiram caiu enfermo, em
estado de inconsciência, sendo amparado pelo
seu melhor amigo que justo chegou para
encontrá-lo. Por isso, a formação da criatura
que vai progressivamente aprendendo a compreender o mundo, a pensar, a falar e até a ler
se dará em total isolamento, de forma indireta,
isenta de qualquer tipo de olhar que lhe dê
suporte e reconhecimento. O monstro tudo vê,
mas nunca pousaram sobre ele quaisquer olhos
que não o quisessem matar. Para ele, que era
um corpo inerte, abrir os olhos equivale ao nascimento, significou estar vivo. Porém, no princípio de sua existência ele provocou o desejo de
que ela não tivesse acontecido. Isso é ainda pior
620/1397
do que ser rejeitado ao nascer, a criatura invoca
no criador o horror, o impulso de negar esse
fato. Victor Frankenstein renega o que fez,
arrepende-se.
Desde a primeira centelha da vida de sua
criatura, o cientista não lhe desejou mais que a
morte. Pior, pois matá-lo talvez não fosse tão
difícil, desejou que seu experimento não tivesse
dado certo. Mais do que matar o monstro, Victor gostaria de eliminar sua obra, mas isso era
impossível. Mesmo que a criatura tivesse sido
destruída ao despertar, o cientista continuaria
perseguido pelo seu feito. O rastro de violência
que segue o monstro é somente a encarnação
dessa culpa pela descoberta da reversão da
morte. Após este ato de negação da morte, o Dr.
Frankenstein não faz mais do que reencontrála. Aliás, a morte o persegue, encarnada no
monstro, que elimina todos seus seres queridos.
Enquanto isso progride, Victor não consegue
matar seu monstro, em uma mistura de impotência com vacilações, como se a destruição só
621/1397
pudesse
se
alastrar
após
semelhante
experiência.
Mas de onde vem essa mudança de rumo
tão brusca? Uma pista pode ser o pesadelo que
Dr. Frankenstein teve depois do “nascimento”
do monstro: “[...] tive a impressão que segurava
em meus braços o cadáver da minha mãe; um
sudário envolvia-lhe o corpo, e eu via os vermes
rastejando pelas dobras do pano”.9 Esse sonho
não seria tão revelador se não estivesse ligado
ao que acontece imediatamente, ele desperta e o
monstro o está contemplando, tentando falar e
tocá-lo. Ele se desespera e foge. Na sequência
do texto há uma continuidade entre a monstruosidade do corpo da mãe, por estar morta, e a
do monstro, passando de um horror a outro, e é
o horror da morte que está no fundo. Em outros
momentos da história já intuíamos que a obsessão do cientista por vencer a morte era fruto
do luto malsucedido da perda de sua mãe, e
aqui é a visão da mãe morta que retorna em
sonhos quando ele finalmente “vence” a morte.
622/1397
A educação do monstro
Depois de ser abandonado por Frankenstein, o monstro deixa o laboratório e aprende a
alimentar-se, abrigar-se e a decodificar suas
percepções. Solitário e sorrateiro, sobrevive às
intempéries isolado dos seres humanos, que
sempre que lhe pousam os olhos gritam, fogem
ou o apedrejam. Em uma ocasião, ocupa um
esconderijo ligado à casa de uma família constituída por um ancião cego, seu filho e filha.
Eles acolhem uma estrangeira, noiva do rapaz, e
lhe dispensam uma série de ensinamentos,
desde a língua e as letras, até literatura, ciência,
política, filosofia. Em segredo, escondido e espiando por uma fresta, o monstro apropria-se das
lições e torna-se letrado e pensante. Grato pelo
que indiretamente aprendia, ele lhes dispensava
pequenos favores sempre oculto pelas sombras.
Quando se sente suficientemente forte, sai
de seu esconderijo e apresenta-se ao cego, seu
professor involuntário, para demonstrar-lhe sua
623/1397
gratidão, esperando ser aceito pelo grupo. A
conversação com o velho vai bem, mas se interrompe quando o filho entra no recinto, o vê, e o
costumeiro comportamento de agressões e fuga
se repete. Só que desta vez a criatura, que se
sentia muito ligada aos seus benfeitores indiretos, sofre e se vinga, colocando fogo na casa que
eles haviam deixado para trás em sua fuga.
Entre as roupas que saíra vestindo do laboratório de Frankenstein, o monstro descobre em
um bolso o diário do cientista, onde se encontra
narrada em detalhes a aventura de sua origem.
Lê com horror: “nele está relatado tudo o que se
refere à minha origem maldita. [...] Encontrei
minuciosa descrição de minha odiosa figura.
[...] Maldito o dia em que recebi a vida! Exclamei cheio de agonia. Maldito criador! Por
que você me fez um monstro tão horroroso que
até mesmo você foge de mim repugnado?”10
Mary Shelley criou nesse monstro um ser
filosófico que em sua reclusão havia feito várias
leituras, entre elas O Paraíso Perdido, de
624/1397
Milton. Portanto, ele já se comparara com
Adão, ao qual invejava a proteção recebida pelo
seu criador. A epígrafe do livro contém uma
citação de Milton: “Pedi eu, ó meu criador, que
do barro me fizesses homem? Pedi para que me
arrancasses das trevas?”.
A revolta contra o criador principia-se aí,
quando reflete sobre os motivos de seu desamparo e solidão. Para o monstro, ele não estava à
altura do gesto de originar a uma vida e no decorrer da história o fará pagar caro por isso. A
intenção de dar-lhe origem, como fica claro
nessa epígrafe, partiu do criador, portanto ele
precisa responsabilizar-se por ela, pois o monstro, como um filho qualquer, não pediu para
nascer. Inicialmente a mágoa não mostra o potencial destrutivo que assume quando ele tem a
desilusão com essa família do pai cego, pois
mais uma vez é rejeitado por aqueles de quem
esperava alguma filiação. Trata-se de uma renovada experiência de frustração, na qual
625/1397
novamente aquele de quem espera uma adoção
não pode olhar para ele.
Parte então em busca do criador, a quem
culpa pela sua desgraça. Tendo localizado, através do diário, a cidade onde residia a família
Frankenstein, ele se dirige para lá em busca de
vingança. Assim que teve oportunidade, estrangulou o irmão menor de Victor e colocou a correntinha do falecido no bolso de uma criada da
família, que foi enforcada injustamente, considerada culpada pelo assassinato.
Após esse crime, ocorre um encontro entre
Frankenstein e o monstro no qual este lhe conta
sua história e reclama do abandono. Em troca
de deixá-lo em paz, exige que lhe seja fabricada
uma companheira, sua Eva. No início, o
cientista chantageado, aceita, mas quando a está concluindo e se vê frente a mais uma obra
sinistra, se apavora e a desmancha em pedaços,
o que deixa o monstro ainda mais furioso. Mais
adiante, ele também matará o melhor amigo e a
amada do criador, em plena noite de núpcias. O
626/1397
monstro não se contenta em destruir Frankenstein, quer secar-lhe a linhagem, salgar sua
terra, fazer dele alguém tão solitário e ímpar
como ele próprio. No final, voltamos ao ponto
de partida do romance, onde criador e criatura
vão aos extremos do mundo um no encalço do
outro, sem conseguir eliminar-se mutuamente.
“Tu, meu criador, me detestas e me abominas, a
mim que sou criatura tua, a quem te achas ligado por laços só dissolúveis pelo aniquilamento
de um de nós. Pretendes matar-me. Como ousas
brincar assim com a vida? Cumpre teu dever
para comigo, e eu cumprirei o meu para contigo
e o resto da humanidade.”11
A demanda não poderia ser mais clara, é
uma mágoa contra seu pai, exigindo-o a assumir a responsabilidade sobre sua presença no
mundo. São centenas de páginas de exortação
para que o cientista se responsabilize, de alguma forma pague pelo abandono e rejeição da
sua criatura. O monstro é um filho que acredita
ter direito à acolhida e orientação por parte
627/1397
daquele que considera seu pai: “eu aprendera
pelos seus papéis que você era meu pai, meu
criador. A que outra pessoa poderia eu recorrer
senão a você, que me dera a vida?”12
A condição irreversível da paternidade é um
dos pesadelos da função. Para a mãe, o uso de
seu corpo por parte do feto já se incumbiu desse
trabalho de convencimento de que o filho passará a ocupar espaço para sempre na sua vida.
Já o pai irá descobrindo isso aos poucos,
convencendo-se, muitas vezes de forma dolorosa, de que seu destino passou a ser inseparável daquele que gerou. Observamos que
quanto mais paranoide o homem for em relação
a isso, mais seu filho tenderá a tornar-se um
pesadelo, um perseguidor, exatamente como
ocorreu com a criatura de Frankenstein. A paternidade dita biológica, não assumida espontaneamente, comprovada por exame genético, é
a versão jurídica desse pesadelo. Nesse caso, um
homem se descobre eternamente ligado a um
filho que ignorava, renegou ou nunca desejou.
628/1397
Nas inúmeras adaptações da obra que se
seguiram, inicialmente no teatro e depois nas
telas, a criatura de Shelley perdeu o direito à palavra. Os longos discursos de ressentimento e
cobrança deram lugar a um monstro tosco, abrutalhado e balbuciante. Mas em quase todas
perdurou esse impasse inicial, no qual o
cientista se horroriza frente à sua obra, desfalece e abandona-a. O monstro vaga solitário, incompreendido e acaba reagindo a tanto desamparo com raiva e sede de vingança. O cerne do
mito, portanto, pode ser entendido a partir da
criação e abandono de um filho, que por isso
torna-se monstruoso; mas também o pânico
causado pelo ato de originar um ser é uma das
fontes do horror contidas nesse mito literário
que atravessa os tempos.
As mutações do monstro
Mary Shelley teve um encontro feliz com
uma ideia que sintetizou um feixe de fantasias
muito úteis a seus contemporâneos e a muitos
629/1397
que ainda estavam por nascer. Assim que ela
publicou seu livro, ele foi transposto para o
teatro, com imenso sucesso de público. A partir
dessas adaptações teatrais algumas novidades
somam-se e modificam a história original. A
história dessas versões demonstra, conforme
Hitchcock, que “certos elementos permaneciam
constantes: um ser criado horroroso e de estatura desmedida, a presença de raios e eletricidade nos acontecimentos da história e a relação psicológica íntima entre criador e criatura.
Ao mesmo tempo a história já começara a
agregar novos elementos, estranhos à versão de
Mary Shelley, muitos dos quais vinculados tão
fortemente que sempre aparecem desde essa
época: um monstro incapaz de articular palavras, um assistente de laboratório desastrado,
uma multidão irada em busca do monstro e um
final cataclísmico no qual a criatura e o criador
perecem juntos. O público devorava avidamente
essa história de monstro, contada e recontada,
remodelando-a
muitas
vezes”.13
Essa
630/1397
descaracterização tanto da solidão e isolamento
do cientista, quanto, e principalmente, da criatura, que no romance é tão discursiva, não irritou a autora. Pelo contrário, ela ficou sensibilizada pela comoção da plateia, que parecia entender o espírito de sua obra. A partir de então,
o livro original, que segue nas prateleiras após
quase dois séculos, assim como a personagem
emudecida pela sua versão dramática,
firmaram-se enquanto um mito literário.
Um mito não tem autor, ele pretende estabelecer a história da origem das pessoas, do
mundo, dos objetos e extrai sua veracidade da
provável fonte sobrenatural da narrativa. Seu
uso busca amalgamar o máximo de elementos
possíveis, pois ele não existe para gerar interrogações, mas sim para dar explicações, para
fechar questões. Para tanto, um mito engloba
em seu interior todos os elementos úteis que
puder angariar: referências históricas, fantasias
comuns, elementos do cotidiano de cada época.
O mito é uma tentativa de dar explicações
631/1397
através de histórias para o que é frequentemente inexplicável, e se não se ocupasse das
fronteiras do nosso conhecimento, não seria necessário recorrer a argumentos fantasiosos para
dar conta do assunto. Já os mitos literários são
assinados, sua fonte é humana e claramente estabelecida, porém eles possuem a mesma característica de imantar elementos de um momento
histórico, da forma como se estrutura a sociedade e a intimidade dessa época, e combinálos com fantasias atemporais, gerando uma
trama que pode ser transposta a outros lugares
e outras épocas. Uma história se torna mito
quando ela se transforma, permanecendo, ela
mesma, em um aparente paradoxo.
Mitos literários, portanto, são histórias que
transcendem esse ponto de partida claramente
autoral, para caírem em outras mãos, porque o
público
consome
versões
que
vão
transformando-a a seu gosto, ele se apropria
delas para fins de elaboração de suas questões e
as vai transformando sutilmente. Mais do que a
632/1397
corrupção de um original, se estabelece uma
harmonia entre um cerne essencial da narrativa
que se conserva, enquanto cenários e personagens se modificam, que é justamente o que nos
autoriza a pensar que estamos lidando com algo
maior do que o livro de um autor.
O monstro é órfão de mãe, e filho da relação
de um homem com a ciência, é a criatura incompreendida e abominada por todos, que
persegue seu pai-criador até o fim da vida de
ambos, essa é sua essência. Embora ele tenha
sido privado das palavras que usava para acusar
Frankenstein, sua imagem continua angariando
pena e horror ao mesmo tempo, pois ele é a encarnação de um erro, além do retrato do
abandono.
O horror provém do ato monstruoso que
parece ter sido a própria criação e o desafio à
morte que ela pressupõe, nisso estão igualados
o cientista e seu monstro, enquanto o feito de
um e seu produto resultante que é o outro. Por
isso, em todas as versões joga-se com a
633/1397
alternância das duas personagens que, para
efeitos populares, acabaram atendendo pelo
mesmo nome, criador e criatura, já que o monstro fica identificado à loucura onipotente que
lhe deu origem. Por outro lado, a fuga do
cientista que deixa a despreparada criatura à
mercê de um mundo nada acolhedor produz
uma empatia inesperada no público, que acaba
penalizando-se daquele que tem tudo para ser
apenas rejeitado.
O livro recorre a um arrazoado filosófico,
que associa o monstro ao bom selvagem, um ser
ávido de receber acolhida e uma formação, ao
qual a rejeição transformou em obstinadamente
mau. Na obra de Shelley a empatia com a criatura é racional, discursiva: escutamos dele todos os esforços que fez para parecer-se com os
humanos, que ele observava de longe e escondido, assim como seu anseio por ser admitido
entre eles e o sofrimento cada vez que era reduzido a ser a abominável representação de um
ato inaceitável.14 Ele queria ser humano, mas os
634/1397
maus-tratos o lembravam de que não passava
de uma forma artificial de vida infundida a pedaços mortos, assustador como um fantasma. Ele
buscava compreensão e só encontrava exorcismo. Já no teatro, ao ver substituídos por
rudimentares balbucios, gestos e olhares os
complexos raciocínios com que defendia sua essência originalmente boa, que ele acusava de ter
sido corrompida pelos homens, só lhe resta a
identificação com uma criança que ninguém
aceita como filho, que sequer é admitida como
alguém da nossa espécie, para obter a simpatia
e a compaixão do público.
A imagem corporal de alguém composto de
pedaços costurados, cujo resultado tem aparência monstruosa, tem precedentes na teratologia.
Conforme Warner, “a monstruosidade participa
do desajeitamento da irregularidade, de suas
classificações e harmonias imperfeitas, e encena
a aberração por não conseguir permanecer consistente nem mesmo consigo próprio”.15
635/1397
A falta de um olhar materno que unifique as
partes desconexas da criatura é o que empresta
um caráter monstruoso à sua imagem. Em menor escala, observamos inúmeras distorções na
imagem corporal de sujeitos que se enxergam
como disformes, abjectos, com partes que devem ser ocultadas ou corrigidas. Em geral,
nesses casos trata-se de pessoas em cujas vidas
ocorreu algum desencontro radical ou uma importante falta de sintonia com a mãe. Mas a dismorfofobia aparece muito frequentemente na
adolescência quando um outro olhar, agora
como corpo sexuado, o desafia, portanto sua
causa pode estar na confirmação desse corpo
que o olhar materno colou.
O livro Frankenstein foi escrito por uma órfã de mãe. Talvez por isso não surpreende que a
história seja a de um filho, que contando apenas
com a figura paterna, só possa oferecer ao olhar
alheio a imagem da falta de harmonia de seu
conjunto. Mais uma vez, vemos aqui retratadas
as limitações que atribuímos à função paterna.
636/1397
O pai pode nomear, mas carece do poder do olhar que unifica. Criador e criatura, portanto,
fecham os olhos um para o outro.
A sobrevivência dessa história, e sua transformação em mito, está ligada ao fascínio
gerado por esse ato profano de criação, que já
alimentava a popularidade das histórias sobre o
Golem. É uma instigante fantasia sobre a prepotência de um homem que tentou negar a
morte, descobrindo um método para impingir
vida à matéria inerte, que quis superar deus, a
ciência de seu tempo e prescindir das mulheres
para dar origem a um ser vivo. Filho de tanta
pretensão masculina e de nenhuma mulher,
essa criatura involuntariamente acaba representando a bancarrota da onipotência de um pai,
de quem o desmaio, a fuga e o arrependimento
mostram a fragilidade. Esse homem que quis
tanto, negando a própria morte com seus atos, é
tão mítico quanto seu enorme filho desamparado. Na verdade, um não existe sem o outro,
por isso eles partilham o nome. Ele quis tudo e
637/1397
ficou com nada, por isso foi, no livro, totalmente destruído.
Frankenstein também é o protótipo do
“cientista louco”, personagem que ganhou espaço a partir dessa época. Desde então
tentamos saber o que resta da sabedoria, já que
a igreja e a tradição não mais respondem por
ela. Através dessa figura do cientista louco nos
mostramos nostálgicos, negamos a ele a totalidade de saber e o castigamos pela ousadia. A
ciência é a herdeira imediata da expectativas
que depositávamos na religião: que seja fonte
de segurança, antídoto contra o desamparo. Se
até mesmo a fé, com toda a sua convicção, foi
abandonada, por que a ciência, com suas certezas sempre transitórias, teria nossa adesão
garantida?
A personagem do cientista louco, marginal
em relação aos seus pares e capaz de superar o
conhecimento de seu tempo, reflete nossa ambivalência. Confiamos que sua genialidade ultrapassará as fronteiras do que já se sabe, mas
638/1397
como a condição transgressora e revolucionária
de suas descobertas é punida, é como se, ao
mesmo tempo, déssemos também um voto de
desconfiança. Supomos que suas invenções, que
o desgarram do já estabelecido, vão produzir algum tipo de desequilíbrio: ele ficará transtornado, ou sua obra será de alguma forma perigosa, ou ainda trará algum tipo de alteração no
mundo cujos efeitos serão nocivos. No caso de
Frankenstein ocorreram essas três consequências de sua descoberta.
Em seguida ao surgimento do livro, e ao
longo de um século, as peças de teatro foram
dando contornos novos ao monstro, até que, em
1910, a criatura de Shelley encontrou um novo
meio para expandir sua influência. A Edison
Film Company, pioneira na história do cinema,
o recrutou entre as primeiras personagens do
recém-nascido cinema mudo, com direito a inéditos efeitos especiais. Mas foi a versão cinematográfica de 1931, com direção de James
Whale, o momento crucial para a difusão de
639/1397
Frankenstein e a sua posterior transformação
em mito.16 A imagem que vem à cabeça de todos, de um ser de cabeça quadrada com eletrodos no pescoço, cheio de cicatrizes mal costuradas, usando roupas pequenas para seu
tamanho, é a do ator Boris Karloff maquiado
para esse filme.
Whale estabeleceu o cânone estético e muitos dos aspectos que hoje consideramos intrínsecos à criatura. Como já era de hábito, seu
monstro se limita a grunhir e movimenta-se
como um grande bebê, já que o ator usava ferros nas pernas e pesos nos pés para que seu andar ficasse vacilante. Os olhos profundos e
negros de Karloff, com a maquiagem pesada nas
pálpebras, eram frequentemente enfocados,
fazendo do monstro um rosto triste a ser olhado
para angariar nosso afeto. Se para o cientista,
na narrativa de Shelley, o olhar de sua criatura
o apavorou por serem olhos mortiços, no
cinema isso foi substituído por uma expressividade que redunda no contrário: é
640/1397
desamparo que constatamos nos olhos caídos
de uma criatura que clama por adoção. Whale
também retoma a tradição teatral do ajudante
corcunda e sinistro, e coloca grande ênfase no
roubo de cadáveres, o que no original é apenas
uma alusão.
A temporalidade indefinida em que a novela
é tecida está bem ilustrada nesse caso e ajuda
nos contornos míticos que a personagem ganhou posteriormente. No filme, tudo se passa em
uma aldeia genérica europeia onde o passado e
o presente, o arcaico e o moderno se confundem. Embora sofra as influências de seu tempo,
ele é um romance não datado e mistura um
saber científico de ponta com alquimia medieval. O laboratório do Dr. Frankenstein, um lugar
que congrega todos os instrumentos científicos
da época de Shelley, situando-os dentro de uma
torre gótica, é uma boa imagem dessa síntese.
Aliás, o cânone dessa imagem foi estabelecido
pelo filme de Whale, mais de um século depois,
641/1397
pois no livro, o laboratório é apenas é um lugar
sinistro.
Embora nos forneça imagens definitivas, o
filme simplifica a trama. Temos no início o Dr.
Frankenstein obcecado pelas suas investigações
sobre a fronteira entre a vida e a morte. Ele
rouba cadáveres para prosseguir suas investigações solitárias, afinal a academia não iria tão
longe como suas experiências. Um erro que ele
não se dá conta vai ser fatal para sua criação:
enviado ao necrotério para obter uma parte fundamental da criatura, seu ajudante trapalhão
rouba o cérebro errado, não de uma pessoa normal, mas de um psicopata.
Depois da criação, o ansiado resultado da
pesquisa científica a que havia se entregue com
tanto entusiasmo é como sempre renegado pelo
criador horrorizado, que adoece. Enquanto isso,
o novo ser é deixado preso, aos cuidados do
ajudante corcunda que o chicoteava impiedosamente. Acossada pelos maus-tratos, a
criatura devolve-lhe a brutalidade e o mata.
642/1397
Como o monstro já nasce então fadado ao fracasso pelo seu cérebro doente, neste caso pouco
se espera dele a não ser uma carreira criminosa,
portanto, não há dúvidas de que ele deva ser
eliminado. Quando fica consciente do seu erro,
o Dr. Frankenstein e seu professor, que curioso
do resultado havia comparecido para observar a
experiência, concordam que ele deva ser
destruído. O criador é resgatado por sua
família, que o recupera da saúde abalada pelos
anos de esforço dedicados à ciência, enquanto
se prepara o esperado casamento com Elisabeth. Enquanto isso, o professor fica no laboratório incumbido de eliminar o monstro, que já
revelara sua natureza criminosa. Porém, a ciência é como uma sereia cujo canto enfeitiça o
bom senso, e ele não resiste em fazer algumas
últimas experiências no corpo anestesiado da
criatura. Óbvio, para o bom andamento da
trama, que ela acorda, mata seu algoz e foge.
Na sua escapada comete mais um crime,
mata uma menina que encontrou ao acaso no
643/1397
caminho e brincou com ele. Desta vez, como da
anterior, não há maldade: ele é inexperiente, tosco, incapaz de entender a lógica da brincadeira
e comete um erro fatal: a menina jogava flores
na água para que boiassem e convida-o para
fazer isso com ela; entusiasmado com a brincadeira, ele atira a menina na água, para que ela
também boie como as flores, e ela se afoga.
O cérebro do psicopata utilizado na construção do monstro, que supostamente teria
desencadeado toda maldade, não é convincente,
sua carreira de assassino mais parece uma sucessão de trapalhadas do que de maldades. O
monstro mata da primeira vez porque é brutalmente maltratado. Sua segunda investida é
praticamente em legítima defesa, pois iria ser
sacrificado e se salva matando o professor.
Quanto à menina, trata-se de um mal-entendido lógico, do tipo que fazem as crianças
pequenas. Elas colocam-se em risco em função
da combinação perigosa de curiosidade com ignorância, tal como a que teve a criatura, que
644/1397
quis experimentar se a menina boiaria como
uma flor. Quando a vê afundar, desespera-se e
tenta retirá-la das águas de forma atrapalhada e
inútil, resgatando apenas seu corpinho sem
vida. O monstro porta-se como um bebê gigante, sem saber falar, sem entender direito o
mundo, andando desajeitado, vaga mais perdido e digno de pena do que evocando terror.17
O pai da menina leva a filha morta para a
aldeia, que estava em festa, reunida para
comemorar o casamento do Dr. Frankenstein. A
cena da chegada do cadáver da criança, nos
braços do pai desesperado, que vai estragando a
festa por onde passa e transformando os
aldeões em uma multidão de linchadores, é antológica da história do cinema. Quando ele chega
lá todos compreendem o que aconteceu e saem
à caça do monstro.
Trata-se de cinema para as grandes massas
e essa história trágica precisa terminar bem: o
monstro tem que ser eliminado, pois ele é um
equívoco científico e o casal de protagonistas, o
645/1397
cientista e sua noiva, deve dirigir-se para um final feliz. As intermináveis conversas e encontros entre o monstro e o Dr. Frankenstein, que
fazem o núcleo do romance de Shelley, estão
eliminados. Além disso, agora ele se limita a
uma visita a Elisabeth, sendo que nesse encontro, ao invés de ser assassinada apenas desmaia.
Antes do cerco final, a criatura encontra seu criador e após uma luta ele carrega-o consigo para
um moinho, mas o cientista escapa. O desfecho
é previsível. O monstro acaba acuado em um
velho moinho, em cujo interior ele é queimado
vivo. Trata-se de um bem-sucedido exorcismo
coletivo. Mas que demônio se expurga nessa
cena?
Qual mito?
Se Frankenstein é um mito, a pergunta é
qual seria, no sentido de sua filiação, ou então
ele seria um mito novo? É claro que podemos
ver traços de outros mitos nele, como o de
Doutor Fausto, por exemplo. Afinal vemos uma
646/1397
equivalente paixão pelo conhecimento no Dr.
Victor, já o monstro de Shelley lembra Mefisto
pela eloquência, mas por certo essas comparações não dão conta da totalidade do tema,
são pedaços de um todo mais complexo. A própria autora tenta nos convencer que se trata de
um Prometeu moderno, isso está inclusive no
título da novela. Provavelmente no sentido de
uma insubmissão ao estabelecido, pelo roubo
dos poderes e saberes celestes, e do castigo por
tal ousadia, ou ainda de uma revolta contra uma
autoridade despótica. Mas nada disso dá uma
explicação da totalidade, apenas acrescenta aspectos. Nem a ideia de um Pigmalião sinistro,
como já foi lembrado, nos traz muita luz, é
apenas uma referência.
Certas interpretações colocam Frankenstein
na categoria do Duplo. Parecem certas, pois não
faltam elementos que apontem nessa direção: a
criatura, como não tem nome, acabou sendo
conhecida então com o nome de seu criador. De
certa maneira, eles compartilham o significante,
647/1397
sugerindo que redundem no mesmo significado
que se desliza entre eles, se completa. O monstro não tem infância, ele nasce adulto, possui
quase a mesma idade de seu criador, não há
uma geração que os separe e o fim de ambos é
desaparecer no Polo Norte.
A criatura só se reporta ao seu criador, suas
conversas são o centro do drama. Só o Dr.
Frankenstein praticamente vê seu monstro.
Cada um à sua maneira, os dois estão fora do
sistema, ele não é aceito pela comunidade
científica, por suas crenças, enquanto a criatura
é fora de tudo, de uma genealogia, de um lugar
no mundo. Os dois têm sérios problemas com a
alteridade que o sexo coloca, são celibatários, os
casamentos não se consumam, pois um mata a
noiva do outro. Existe a espera de uma mulher,
mas ela nunca chega de fato. Ou seja, nada de
sexo, nem para nascer nem para nada. Os dois
acabam ilhados em si mesmos, um fixado na
destruição do outro.
648/1397
Se de fato essa história pode nos dar então
uma radiografia dos dilemas de uma alma
partida, ela nos deixa sem respostas a uma
questão central do romance: tanto a criatura
pede o tempo todo que seu criador seja um pai
para ele, que lhe dê um lugar e lhe diga por que
o fez, quanto Dr. Victor foge várias vezes por
não se mostrar à altura dessa empreitada. Nesse
quesito a questão do duplo nos deixa sem respostas, não faz sentido ver apenas um homem
acusando a si mesmo por não conseguir encontrar sozinho respostas para suas inquietudes.
Como alguém pode acusar-se de abandonar a si
próprio, de não ter cuidado de sua infância e
educação? Existe uma reiterada denúncia da
falta de ascendência, da falta de transmissão de
uma educação efetiva. O monstro pede um
lugar e pede para ser amado, é por ter esses
direitos negados, dos quais ele se julga merecedor, pois não pediu para nascer, que se torna
malvado.
649/1397
Mas o que a criatura pede a Dr. Victor? Sem
nome para se fazer valer, em outras palavras,
sem origem ou, ainda, sem um passado para
reivindicar, o monstro é um sujeito pós-Revolução Francesa. Filho da ciência nascente, ele
é mais um herói do individualismo, afinal ele é
único e ilhado, não tem pares, é inédito, desenraizado e intelectualmente muito lúcido.
As interpretações em que lançamos a ideia
do duplo são onde o drama se desenvolve
quando a um aspecto da personalidade não é
permitido aceder à consciência do sujeito. É a
cisão da personalidade que cria o duplo, ou seja,
uma parte não quer saber da outra, o duplo é o
outro de si mesmo. Como no caso clássico de
Dr. Jekyll e seu duplo, o monstro Mr. Hyde, o
qual, como diz seu nome, é a encarnação da face
escondida do médico. Ou ainda como temos em
Oscar Wilde no Retrato de Dorian Gray, em
que apenas no retrato a face narcisista da personagem envelhece. O que ele não suporta da
alteração que o tempo faz a seu corpo está
650/1397
jogado para fora, não é reconhecido. Essa
questão de uma suposta cisão da personalidade
não é o aspecto mais relevante em Frankenstein, embora de fato caiba ao seu monstro o
trabalho sujo do mal. Entender o monstro como
a parte recalcada de uma suposta agressividade
homicida, ou a personificação da sua melancolia
renitente, ou ainda uma tendência antissocial é
uma possibilidade, embora não abarque todo o
sentido da obra.
A nosso ver, o aspecto central de Frankenstein é a procura por um pai, no sentido de alguém que forneça um lugar na sociedade e na
genealogia, pois justamente estava-se em um
momento histórico em que o lugar de onde
provém a autoridade paterna sofria profundas
mudanças. Na época do nascimento desse mito,
início do século XIX, a Europa assiste ainda aos
desdobramentos imediatos das revoluções industrial e francesa, à queda de várias monarquias, enquanto a autoridade da igreja começa a
sofrer fissuras. Além disso, a autora, Mary
651/1397
Woollstonecraft Godwin Shelley, é filha de dois
importantes pensadores dessa época, sendo que
sua mãe, falecida em consequência de seu nascimento, foi uma das primeira feministas da
história. Educada por seu pai com uma liberalidade inédita para seu tempo, sem uma mãe
para identificar-se, a jovem escritora tinha todos os motivos para compreender os sofrimentos de uma criatura ímpar, inédita e sem
referências palpáveis no mundo em que vivia.
Ora, o pai, ou melhor, sua função na estruturação de cada indivíduo, também é marcado
por isso. Em um tempo de tantos rompimentos,
apenas ser filho de alguém já não possui o sentido de antes. O sujeito da modernidade não se
faz mais pelo nascimento, por quem seria seu
pai, mas pela sua trajetória, pelas suas escolhas,
pelo que ele consegue fazer de sua vida. Somente no seguinte sentido poderíamos compreender pai e filho como duplos um do outro:
irmanados no desamparo, eles se repetem no
sofrimento do pai que se sente órfão do próprio
652/1397
pai, do filho que acredita ter um pai insuficiente, no desencontro entre o desejo e a realidade que caracteriza a função paterna.
Há uma lição que é repetida inúmeras vezes
nos mitos: um homem não pode fazer o que é
atributo dos deuses. Criar um ser do nada, fazer
algo vivo da matéria inanimada ou ressuscitar
mortos é atributo divino, se os homens assim
procederem, com certeza farão isso de modo
imperfeito e seus resultados serão monstruosos
e se voltarão contra o criador. Temos com
Frankenstein uma versão agora científica deste
mito de criar ou prolongar a vida. Frankenstein
é o mito da onipotência da ciência, transposta
para uma suposta onipotência paterna. É o fracasso atribuido àqueles que hoje responsabilizamos por apontar a direção que devemos tomar. Em seu encalço caminharemos até o Polo
Norte.
653/1397
Replicantes_Reivindicações terminais
As coisas elétricas também têm sua vida, por
pequena que ela seja.18
Humanos falsos e verdadeiros
As primeiras décadas do século XXI pareciam muito mais distantes em 1968, quando
Philip Dick ambientou para essa época seu livro
Sonham os androides com ovelhas elétricas?
Após as mais de quatro décadas que nos separam daquela concepção futurista, vale observar
que estamos vivendo no tempo histórico retratado no livro. Felizmente a catástrofe ambiental resultante da Guerra Mundial Terminal,
prevista pelo autor, ainda pode ser evitada e
talvez o mundo inteiro não se torne súdito das
grandes e onipresentes corporações comerciais.
Nessa história, a radioatividade resultante
da guerra tornou nosso planeta inabitável e todos aqueles que tiveram alguma condição de
654/1397
fazê-lo emigraram para as colônias extraterrestres. A Terra é um lugar em decomposição,
onde a poeira radioativa obstruiu o sol e envenena o ar, insalubre para os poucos que aqui
restaram. Mas não foram somente colapsos ambientais que o homem fabricou, ele criou a mais
maravilhosa das máquinas: o androide, uma
réplica dos humanos, de eficiência indiscutível,
capaz de ajudá-lo na tarefa da colonização.
Porém, assim como a guerra fugiu ao controle,
também com os androides as coisas não saíram
como previsto. O homem acaba sempre sendo
de alguma forma inferior ou impotente frente
ao poder revelado pela criatura que inventa.
O livro é genial, mas não teria tantos admiradores caso sua história não tivesse sido reinterpretada, em 1982, pelo diretor Ridley Scott
em Blade Runner: o caçador de androides. A
adaptação de Scott para a história original é
bem livre, mas mantém o essencial, com o qual
podemos acompanhar a atualização do mito
literário que nos interessa – a criatura gerada
655/1397
artificialmente pelo homem que se torna um
monstro – e compreender alguns de seus
movimentos.
Livro e filme enfocam os dramas existenciais de Rick Deckard, um caçador de recompensas, cuja missão é identificar e eliminar androides rebelados. Essas criaturas são modelos
muito evoluídos de robôs, fisicamente idênticos
aos humanos, mas superiores a eles em inteligência e força física, chamados Nexus-6.
Eles não passam de autômatos, concebidos para
realizar trabalho escravo nas colônias extraterrestres, onde os homens tentam conceber um
novo mundo. Porém, diferente do planejamento
original, parecem ser suficientemente humanos
para almejar algo além de sua condição escrava,
por isso se rebelam.
No livro buscam a liberdade, enquanto no
filme seu objetivo é obter mais prazo de vida, já
que são desenhados para durar apenas quatro
anos. O caçador, celebrizado no cinema por
Harrison Ford, é uma personagem desiludida,
656/1397
em processo de questionar a própria humanidade e, portanto, seu direito de eliminar outros
seres. O futuro projetado nessa história supõe
uma humanidade que tenta descobrir-se entre
os restos da destruição que protagonizou. É
uma reflexão filosófica que brota como a
natureza reagindo depois da neve ou de um
incêndio.
Deckard é parte de uma escória social: dos
que ficaram na terra contaminada, impedidos
por alguma razão de comprar seu lugar em uma
dessas promissoras colônias onde os humanos
organizam sua nova sociedade. Aqui restam os
doentes, fracos, estranhos e pobres, mas Deckard ficou preso por seu ofício de caçador de recompensas recebidas a cada androide eliminado. A volta à Terra era proibida aos androides, que eram eliminados, ou “retirados”,
para usar os termos da história, em um eufemismo para sua “morte” assim que aportassem.
Aqui também fica a matriz da fábrica de androides, aonde Deckard vai para validar o teste
657/1397
de Voigt-Kampff, que utiliza para diferenciar
um humano de sua cópia quase perfeita. A insegurança, o medo de errar e matar um ser humano por equívoco assombram o detetive e sua
corporação, por isso o tema dos testes é
importante.
Os Nexus-6 são quase indistinguíveis do
original: inclusive foram dotados de falsas
memórias, lembranças de uma infância que
nunca tiveram, com as quais se visava produzir
um relativo amadurecimento emocional, como
se tivessem vivido e aprendido algo, limitando
assim sua impulsividade e agressividade. O
teste Voigt-Kampff consiste em perguntas, todas elas alusivas ao horror que pode ser produzido pela perda de uma vida, seja ela animal ou
humana. Todas as questões descrevem situações que mencionam a supressão de alguma
vida e espera-se que um humano a detecte e
tenha uma reação imediata. Por exemplo: “você
encontra em uma revista a foto de uma mulher
nua, seu marido gosta da foto, a moça está
658/1397
deitada de bruços sobre uma enorme e
belíssima pele de urso”. Como os medidores não
mostram mudanças, Rick pensa: “uma resposta
de androide; não detectou o elemento principal,
a pele do animal morto”.19
Supõe-se que o androide não padeça do
trauma da destruição, que torna os homens
sensíveis ao tema da morte. Os replicantes possuem memórias de fatos supostamente ocorridos com eles, porém nada sabem das dores,
dos erros, das frustrações que se sofre no percurso. Eles foram concebidos já jovens adultos,
portanto, não experimentaram uma verdadeira
jornada de crescimento que os tornaria mais
sensíveis e complexos. O resultado disso é que
quando tornam-se inimigos são capazes de uma
crueldade impassível, desconhecendo a culpa e
as dúvidas, e toda sua eficiência de máquina
coloca-se a serviço da destruição do rival.
Os personagens humanos da história de
Dick organizam-se em torno da valorização
quase obsessiva de qualquer resto de vida que o
659/1397
planeta ainda possui, animais vivos são o artigo
mais cobiçado do mercado mundial, comercializados por altas somas e motivo de ostentação e
inveja entre vizinhos. Deckard possui uma
ovelha artificial, pois a original que tivera e lhe
causava muito orgulho morreu, e ele precisa do
dinheiro das recompensas para substituí-la.
Despreza-se por possuir um robô, mas é necessário para sua imagem frente aos outros,
pois quem não cuida de um animal é considerado “imoral e antiempático”, e essas parecem
ser as maiores acusações que alguém pode fazer
ao outro. O desprezo pela vida, simbolizado
pela destruição nuclear, foi o causador do estrago no planeta e na nossa civilização, que
obrigou o homem a deixar a Terra, por isso a
preservação da vida está no topo da escala de
valores deles.
Os Nexus-6 nada sentem a respeito dessa
conjuntura de destruição e valor da vida, por
isso as perguntas do teste que busca diferenciar
humanos de suas réplicas artificiais versam
660/1397
sobre esse tema. No teste, a ausência da
dilatação da pupila, que é monitorada, denuncia
que eles não conseguem emocionar-se quando
provocados pelo tema da morte de homens e
animais. Para o autor, o sofrimento encontra-se
do lado do humano, pois os replicantes não têm
como reproduzi-lo, já que não realizaram a
caminhada do crescimento. Eles não passaram
pela experiência de ter medos infantis, não almejaram para seu futuro fantasias e metas irrealizáveis, nunca amaram dos jeitos estranhos
e impossíveis próprios das crianças e dos adolescentes, tampouco se sentiram impotentes e
inúteis, como nos ocorre quando pequenos. São
esses percalços do passado que nos humanizam,
experiências que desembocam no que os psicanalistas chamam de “castração”, nas quais não
se perde literalmente nenhum órgão, mas, sim,
simbolicamente, a potência que julgávamos
possuir.
A humanização neste caso pode ser traduzida pela capacidade de estabelecer uma empatia
661/1397
com o outro, a sensibilidade que permitirá que
ele seja alguém com quem interagir e não um
objeto a serviço de nossa satisfação e necessidades. Nosso histórico de tentativas e erros, de
ilusões e frustrações, assim como os desejos
nunca realizados tornam-nos conscientes das
nossas fraquezas e por isso permeáveis ao sofrimento alheio, isso é o que nos diferencia das
cópias artificiais.
O romance inicia com uma questão que
Iran, a esposa de Deckard, coloca sobre o “órgão
de ânimos Penfield”, um aparelho onde eles podem programar seu humor conforme a necessidade da ocasião. O objetivo de tal dispositivo é manter seus usuários em um estado de ânimo favorável, sempre disposto a colaborar e a
ver o lado positivo das coisas. Através dele,
pode-se conseguir, por exemplo, “uma posicionada atitude profissional”, existe o “inibidor
talâmico, que suprime a fúria” ou o “estimulador talâmico, que a incrementa o suficiente
para triunfar em uma discussão” ou, ainda, a
662/1397
“consciência das múltiplas oportunidades que o
futuro me oferece” e um “descanso reparador e
merecido”. O órgão de ânimos Penfield faz todo
o trabalho que hoje se encomenda às drogas
psiquiátricas, que além de sua aplicação nos
quadros graves ou moderados, também são usadas para a regulação e controle de humores e a
força dos sentimentos que se julga necessária
para tornar a vida mais leve e viável.
Certa ocasião, Iran havia retirado o volume
da televisão, que nesse livro é uma espécie de
“Grande Irmão”, e acabou escutando o silêncio
e os sons provenientes do prédio semiocupado,
da cidade abandonada em que eles viviam. Ao
invés de apavorar-se, descobriu que se sentia
melhor por poder vivenciar momentos de
tristeza: “compreendi que era pouco saudável
sentir a ausência da vida, não só nesta casa, mas
em todas as partes e não reagir. [...] Então
deixei apagado o som da televisão e comecei a
experimentar com o órgão de ânimos. E por fim
consegui encontrar um modo de marcar o
663/1397
desespero. O incluí duas vezes por mês em meu
programa. Parece-me razoável dedicar esse
tempo a sentir a desesperança de tudo, de ficar
aqui, na Terra, quando todas as pessoas legais
foram embora”.20
Os seres humanos tinham uma existência
mecânica: eram constantemente instigados a
partir para as colônias, onde receberiam um escravo replicante do modelo e utilidade que
escolhessem, enquanto se anestesiavam com a
televisão e seus órgãos de ânimos. Esse conjunto de formas de alienação os faria parecer
mais com suas duplicatas artificiais, em uma inversão de papéis, na qual são os humanos que
se aproximam da cópia robótica.
A propriedade de um replicante era propagandeada como um alegre retorno à época escravocrata, “a televisão gritava: novamente os
dias felizes dos estados do sul antes da Guerra
Civil! Seja como um criado pessoal, ou um incansável camponês, o robô humanoide feito à
sua medida, projetado somente para você e para
664/1397
suas exclusivas necessidades, lhe será entregue
na sua chegada [nas colônias] absolutamente
grátis e completamente equipado, de acordo
com suas próprias especificações formuladas
antes de sua partida. Esse companheiro leal,
sem problemas, consistirá na maior e mais ousada aventura humana da história moderna!”21
Perder a conquista da abolição da escravatura não deixa de ser uma forma de abandonar a humanidade, é necessário banir a lucidez para não perceber que subjugar o outro é
uma crueldade que nos dessensibiliza. A fantasia da criatura utilizada como um escravo era explícita na criação do Golem e aqui reaparece. A
escravidão foi uma tradução social da perversão
de perceber o outro como mero instrumento
das vontades daquele que se coloca como seu
proprietário. É assim que um sujeito se iguala a
um objeto, perde a liberdade de desejar, e esse é
um pesadelo que assombra todo tipo de vínculo,
no qual a dependência mútua sempre ameaça
tornar-se uma forma de imposição e domínio de
665/1397
um sobre o outro. Isso vale para as relações familiares, sexuais ou amorosas, portanto, as
fantasias relativas à escravidão e seus horrores
ainda traumatizam, tanto aos que são descendentes dos escravos, quanto dos escravocratas,
remoendo indignações e culpas, mas transcendem essa referência histórica.
O fato de que os replicantes se rebelam,
matam humanos, fogem para a Terra, onde não
há escravidão, e tentam misturar-se à população remanescente, é prova de que possuem
vontade própria e anseios maiores do que a programação original, portanto, desejos. Isso não
parece compatível com sua condição robótica,
de máquina com revestimento humanoide.
Revelando-se mais que isso, tornam-se também
personagens trágicos, na medida em que são
fabricados como coisas, nas quais brota uma
consciência de si e anseios típicos de seres
pensantes. É assim que se aproximam da criatura de Frankenstein, concebida para ser
apenas uma experiência científica, mas que
666/1397
acabou cobrando de seu criador um alto preço
pela existência que lhe foi imposta.
Blade Runner: o caçador de androides de
Ridley Scott
No filme, dois replicantes ganham mais
destaque: tratam-se de Roy e Pris. O primeiro, é
o modelo mais evoluído dos Nexus-6, inteligentíssimo e muito forte, destinado à guerra,
um soldado cibernético; ela é bela de um modo
sinistro, seus traços perfeitos de boneca possuem os encantos de uma androide destinada
ao prazer dos humanos. Eles se amam, formam
um casal e lideram um motim para vir à Terra.
Seu objetivo era mais complexo do que o dos
replicantes do livro: buscam o criador, para dele
exigir um maior prazo de existência, estão
desconformes com os quatro anos de validade.
O encontro entre Roy e Tyrell, o gênio que
lhe desenhou a mente, acaba acontecendo. Eles
indiretamente jogam uma partida de xadrez que
é obviamente ganha pelo replicante, provando
667/1397
que esses cientistas da ficção sempre acabam
inventando algo maior e melhor do que supunham, algo que foge ao seu controle e supera
suas expectativas, boas e ruins. O dono da
Tyrell Corporation, responsável pela fabricação
dos androides, parece maravilhado ao ver sua
criatura, chama-o de “filho pródigo”, exorta-o a
ser grato pela excelência com que foi construído, pelos poderes que lhe foram conferidos.
Porém, nada pode fazer frente à programação
letal que o fará morrer no prazo determinado,
ela seria impossível de reverter. Sem nenhuma
gratidão ou emoção, Roy esmaga o crânio de
Tyrell, literalmente destruindo a mente que o
construiu, devido à sua incapacidade de inventar uma solução para sua existência terminal.
Pela sua impotência frente à morte, o criador
sucumbiu.
O lema da Tyrell Corporation é “mais humano do que o humano”, no sentido de ser mais
capaz e poderoso. Essa é uma ilusão corrente,
de que o valor de cada um é medido unicamente
668/1397
pelas capacidades de desempenho, pela mostra
de eficiên cia intelectual e física, por ser linda e
desejável como Pris e invencível como Roy. Eles
podem ser maiores em termos de dotes, porém
com certeza não são mais humanos por isso. O
contraponto aos perfeitos seres artificiais é feito
por Deckard, um caçador de androides sombrio,
inteligente e bom de briga, mas cheio de contradições e culpas propriamente humanas.
Sendo solteiro e solitário, apaixonou-se pelo
primeiro androide Nexus-6 que conheceu.
Quando foi à corporação que fabricava os androides para validar o teste, Tyrell lhe sugeriu
que fizesse uma contraprova: testasse em uma
humana para provar a eficácia do mesmo. A
candidata era Rachel, que na verdade era uma
obra-prima de Tyrell, um modelo ainda mais
evoluído de Nexus-6, que acreditava ser humana até que Deckard a testou e constatou ser
uma replicante. De forma muito humana, a
moça sofre e se entristece ao descobrir que as
memórias que possuía eram meros implantes,
669/1397
pertencentes à história de uma sobrinha do criador. É a partir do testemunho da fragilidade e
do sofrimento dela que ele se compadece e
começa a amá-la.
Esse amor foi a forma de, no filme, aparecerem de forma compacta as variações do
pensamento da personagem do caçador do livro, que também está sempre se perguntando o
que é mesmo a vida, qual seu valor e que direito
se tem de criá-la ou suprimi-la. Evidentemente,
o caçador não está disposto a eliminar sua
amada, o que torna a tarefa de destruir os outros replicantes mais árdua e dolorosa.
Existem inúmeras leituras desse filme, que
angaria legiões de fãs, nas quais se questiona se
o próprio Deckard não seria um replicante. Um
final alternativo, com a versão do diretor, que
na época da estreia não conseguiu impô-la, nos
leva justamente nesse caminho: ele também
seria um replicante. Não há nada no livro que
realmente alimente essas dúvidas, porém elas
não deixam de ser uma compreensão dos
670/1397
pensamentos conflitivos da personagem a respeito do que seria verdadeiramente ser humano. No livro, Deckard até pede a um colega
que aplique o teste nele. Mas a questão da
dúvida entre ser e não ser replicante é melhor
do que uma resposta definitiva, pois é disso que
se trata, as personagens tanto do filme como do
livro colocam-se questões filosóficas que no
fundo levam a pensar: o que é que nos faz humanos? Qual o valor que damos à vida, por
menor que ela seja, assim como de poder sentila de verdade, mesmo que se trate de desespero.
O policial de Dick começa desprezando os replicantes, para ao longo da história descobrir que
lhe é muito difícil desconsiderar qualquer tipo
de existência, mesmo que artificial. No filme, se
apaixona por uma replicante, talvez porque eles
tinham as mesmas questões, não sabiam o que
eram, pensavam-se humanos e descobriram-se
máquinas.
No livro de Philip, Dick, depois de terminar
sua tarefa de eliminar os androides, encontra-se
671/1397
triste e frustrado, sente-se apenas um “policial
de mãos grosseiras”, marcadas pela morte. No
filme, ao testemunhar o discurso final de Roy e
fugir com sua replicante amada, Rachel, ele desborda de seu papel e resolve viver de acordo
com suas dúvidas: afinal, quem sabe o que é
mesmo um humano? A resposta a essa pergunta, que empresta humanidade a todas essas
criaturas, independente do material de que são
feitas e da intenção do criador, é que a humanidade provém do sofrimento, da inevitável experiência da castração. É fato, cuja importância
aqui se ressalta, que um filho fará uma jornada
de tristezas e dúvidas que seu pai não terá o
poder de impedir, por mais que nunca eles perdoem um ao outro por essa indigesta realidade.
Talvez a melhor prova da humanidade dos
replicantes seja esta cena final do filme, onde o
que Roy pede é que algumas de suas memórias
sobrevivam depois da morte. Após a luta final,
na qual a supremacia de Roy é indiscutível,
Deckard é mantido vivo por ele, que sabe estar
672/1397
prestes a morrer. Quer que seu rival escute as
últimas palavras e testemunhe sua morte: “Eu
vi coisas que vocês humanos nunca acreditariam. Ataquei naves em chamas nas bordas de
Orion. Observei Raios-C brilharem na escuridão
dos ares dos Portões de Tannhauser. Todos
estes momentos se perderão no tempo, como lágrimas na chuva. Hora de morrer”. A humanidade retratada nesse fim de existência é indiscutível, dele se conclui que é impossível dar vida
a uma criatura que não faça reivindicações nem
tenha expectativas humanas, e também que é a
consciência da morte que dá a gravidade da
vida.
Por mais que queira fabricar alguém muito
maior do que ele mesmo, cada pai, como Tyrell
constatou de forma letal, acaba gerando apenas
mais um humano. A declaração na hora da
morte de Roy denota uma capacidade de perceber a força das experiências que teve e o anseio
por vê-las reconhecidas, por compartilhá-las.
Essa cena faz do replicante uma criatura bem
673/1397
diferente de um robô, um autômato sem
emoções. A vida mecânica das máquinas, neste
caso está mais próxima do que Dick descreveu
como aquela que os humanos estavam levando
nas colônias extraterrestres: escravocratas, anestesiados, incapazes de julgar e sentir, manipulados pelas corporações.
A expectativa de fazer de um filho algo mais
próximo dos replicantes perfeitos e eficientes, à
medida das necessidades dos pais, projetado
conforme seus desejos é parte intrínseca da paternidade. O desejo primeiro dos pais é de que a
criatura que se gerou possua apenas as potencialidades, sem a parte das emoções, da impotência e do sofrimento, que são intrínsecos da infância e crescem com o indivíduo, ou seja, esperam que o filho viva para o sucesso e a satisfação. Por isso, qualquer pai necessariamente
ficará abalado ao ver um filho sofrer, e tantas
vezes, constatamos na clínica, opta por afastarse dele para manter intacto seu ideal.
674/1397
Como todo criador que não compreende a
complexidade de sua criatura, Tyrell sucumbiu
ao crescimento dela. Não da mesma forma
como ocorreu com os rabinos que deixaram o
Golem crescer demais, restrito ao gigantismo
físico, mas exatamente como o cientista
Frankenstein, que viu no monstro que criou
apenas uma experiência e esperava que ele se
ativesse a esse limite. A criatura de Shelley
avolumou-se em sensibilidade, humanizou-se e
dirigiu-se a Frankenstein exigindo-lhe mais.
Daquele que considerava seu pai, esperava que
fosse mais poderoso, menos covarde, mais consequente e responsável por seus atos do que
demonstrara ser. Já os seres criados por Tyrell
também o procuraram para cobrar mais: queriam que ele completasse a perfeição de sua obra:
se eram belos, inteligentes e fortes, porque durariam tão pouco?
É o feitiço voltando contra o feiticeiro: inicialmente foram os pais, neste caso os criadores, que se desiludiram. Eles esperaram
675/1397
muito de sua experiência e viam na perfeição de
suas criaturas nada mais do que a comprovação
de sua inteligência e poder, mas acabaram
sendo eles os acusados pelo desencanto dos filhos. Ao invés da insatisfação do pai, é a do filho
que cobra seu preço.
No livro de Shelley, em um momento de arrebato, quando estava empolgado pela experiência, antes de realizá-la, o doutor Frankenstein passa bem a ideia do quanto essas criaturas foram planejadas para serem escravas do
desejo e instrumentos da realização de seu criador: “uma nova espécie me abençoaria como
seu criador e sua origem; muitas criaturas felizes e excelentes passariam a dever sua existência a mim. Nenhum pai poderia reclamar a
gratidão de um filho tão completamente quanto
eu daquelas criaturas”.22 A megalomania das
fantasias do cientista, tão distantes da realidade
do ser monstruoso e carente que animou, dão a
medida exata do contraste que a paternidade
vivencia entre o filho nascido e a idealização
676/1397
que o precede. Não somente os poderes e capacidades daquele que se gerou não correspondem ao ideal, mas também os atributos do pai,
que esperava ser tão reverenciado e reconhecido em sua grandeza, tampouco estão de
acordo às expectativas.
Em um livro fundamental para pensar o
tema, Carta ao pai, o escritor Franz Kafka reclama de seu pai principalmente a pretensão de
que o filho lhe seja grato e a soberba com que
conduziu sua educação: “você era para mim o
que há de enigmático em todos os tiranos, cujo
direito está fundado, não no pensamento, mas
na própria pessoa”.23 Kafka se considera sempre
abjeto, um verdadeiro inseto frente à grandeza
que o pai atribui aos próprios atos, cobrando
uma admiração que o filho não conseguia sentir
por ele. Porém, o que para o pai era motivo de
queixas e acusações, para o filho era gerador de
culpa e autodepreciação. A cobrança feita pelo
pai é mais forte do que a contrapartida, pois a
ascendência dele sobre o filho, cuja
677/1397
subjetividade ainda está em formação e é dependente dele, é maior do que as recriminações
que possa receber.
Frankenstein teve a vida destruída e Tyrell o
cérebro esmagado pela indignação dos filhos
destes criadores frente à impotência dos pais,
que se revelaram incapazes de oferecer-lhes o
que eles precisavam e desejavam. Assim como
um pai está disposto a afastar-se de um filho
que se revele tão tristemente humano, esses filhos pretensamente perfeitos ou que encarnavam ideais monstruosamente grandes, estão dispostos a perseguir e matar seus limitados
pais.
Existem muitas outras criaturas como a de
Frankenstein soltos pela literatura, por exemplo, o desmemoriado espião Jason Bourne,
transformado em uma máquina de matar.24 Ele
se vê no mundo sem saber seu nome, nem de
onde vem e quais são suas habilidades. Aos
poucos se descobre um soldado hipertreinado,
praticamente invencível, capaz de lutar com
678/1397
qualquer arma em qualquer meio, enfim, um
homem acima das capacidades normais.
Descobrimos que fora despersonalizado para
poder matar sem remorsos, fazia parte de um
projeto do governo de fazer assassinos perfeitos
para usos políticos. Mas algo deu errado: em
um desses assassinatos, uma fresta de sua antiga alma o fez vacilar, isso o abala e ele não encontra a antiga estrutura para se apoiar.
Transforma-se em um ninguém que sai em
busca de seu passado e de quem lhe fez ser o
monstro (no sentido da insensibilidade assassina) que é. Obviamente, como costuma ocorrer
com essas criaturas artificiais, moldadas pela
pretensão de um homem, depois de longa
busca, mata seu criador. Este também o buscava para matá-lo, pois ele era um projeto que
deu errado e esse erro trouxe várias consequências desastrosas, em uma história que, embora
protagonizada por um humano, aproxima-se da
de Frankenstein e de seu monstro.
679/1397
Mas a questão é que todos nós somos um
pouco como a criatura inventada por Mary
Shelley: rebelamo-nos nos momentos que percebemos a influência paterna, que inevitavelmente recebemos como algo que nos foi imposto e consideramos que o que ele espera é
muito maior do que o pouco que se dispôs a dar.
Ingratos, na visão do pai, na verdade nos
mostramos incapazes de suportar suas expectativas, seus sonhos onipotentes projetados em
nós, tão tristemente humanos.
Facilmente transformamos nosso legado em
paranoia, quando os desejos e desígnios de nossos pais, algo sem o qual nada seríamos, nos
parecem uma ordem, um imperativo. Frente a
isso, passamos a desejar que ele desapareça,
saia do nosso caminho, e assim fazemo-nos, em
alguma medida, parricidas. Não podemos
acreditar nesses filhos monstruosamente paranoicos, pois ao mesmo tempo em que acusam o
pai de não ser suficiente, não falam de outra
coisa do que na grandeza que seu pai deveria
680/1397
ter. É uma espécie de contraste com a fantasia
de não ser filho de ninguém, em um verdadeiro
delírio de autonomia25 que notamos em certos
sujeitos. O pai não tem saída, ou está de mais,
ou está de menos, o certo é que nunca acerta a
mão. A paternidade é esse exercício exaustivo
de colocar-se em um lugar onde as grandes expectativas, que é preciso ter, se encontram com
seus limites. O desafio é equilibrar-se nesse
limiar.
Notas
1 KAFKA, Franz. Carta ao Pai. São Paulo: Editora Brasiliense, 1992, p. 16.
2 JULIEN, Philippe. O manto de Noé: ensaio sobre a
paternidade. Rio de Janeiro: Livraria e Editora Revinter, 1997, p. 58 (grifo do autor).
3 SCHOLEM, Gershom. A cabala e seu simbolismo.
São Paulo: Editora Perspectiva, 1988, p. 208.
4 JULIEN, Philippe. Abandonarás teu pai e tua mãe.
Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2000, p. 36.
5 Judá Loew Bem Bezael, que viveu entre 1515 e 1606,
também conhecido como rabino Löw.
681/1397
6 SHELLEY, Mary. Frankenstein. Porto Alegre: L&PM
Editores, 1997, p. 107.
7 Ibidem, p. 61.
8 Ibidem, p. 62.
9 Ibidem, p. 62.
10 Ibidem, p. 138.
11 Ibidem, p. 106.
12 Ibidem, p. 147.
13 HITCHCOCK, Susan Tyler. Frankenstein: as muitas
faces de um monstro. São Paulo: Larousse do Brasil,
2010, p. 97.
14 “Em seu estado natural, o monstro é uma criatura
confiante, afetuosa e pacífica e sua feiura é apenas
física. [...] Há uma contradição entre o natural e o social, mas o que é violento é o social, não o natural.
Frankenstein não é um mito trágico.” No contexto de
uma leitura filosófica do mito, o mesmo autor acrescenta que “o monstro só é um lobo para o homem
porque o contrato social teima em ignorá-lo”.
LECERCE, Jean-Jacques. Frankenstein: mito e filosofia. Rio de Janeiro: José Olympio, 1991, p. 25 e 38.
15 WARNER, Marina. Da Fera à Loira: sobre contos de
fadas e seus narradores. São Paulo: Companhia das
Letras, 1999, p. 155.
682/1397
16 Esse filme foi baseado em uma adaptação teatral, no
caso, Frankenstein: an adventure in the macabre,
de Peggy Webling, feita em 1927.
17 Na história de Shelley o episódio com a menina é
radicalmente diferente: a criatura vê uma menina
afogando-se e enfrenta a correnteza para salvá-la,
com sucesso; quando está saindo das águas com a
garota viva em seus braços o pai dela vê a cena e julga mal a atitude do salvador, pensando que ele era o
perigo, por isso atira nele e acerta, deixando-o ferido
e lamurioso de tanta incompreensão.
18 DICK, Philip. Blade Runner. Sonham os androides
com ovelhas elétricas? Barcelona: Edhasa, 2002, p.
244. No Brasil o livro foi publicado pela Editora
Rocco com o título de O caçador de androides.
19 Ibidem, p. 59 (tradução nossa).
20 Ibidem, p. 13 (tradução nossa).
21 Ibidem, p. 26 (tradução nossa).
22 SHELLEY, Mary. Frankenstein. Porto Alegre: L&PM
Editores, 1997, p. 57.
23 KAFKA, Franz Carta ao Pai p. 17.
24 Inicialmente um livro de Robert Ludlum, filmado em
2002, com Matt Damon no papel principal.
25 Trabalhamos essa fantasia de prescindir dos pais no
Capítulo IX.
ParTe II
orIGem e eFIcácIa
Da FanTasIa
CaPÍTuLO
7
Um conto de
intimista
bem-humorado
fadas
e
Série Shrek
Aceitação da magia pelas crianças_Romantismo relativizado_Empatia das personagens animais_Definição de contos de
685/1397
fadas_Referências à cultura pop nas obras
infantis_Humor na infância_Seriedade do
faz de conta_Autoridade nas famílias
democráticas_Humor sobre a figura paterna_Definição de conto de fadas
intimista
I
magine o seguinte conto de fadas: a história
de um ogro, muito feio e fedorento, que lutou
como um bravo cavalheiro para salvar uma
bela princesa aprisionada por um dragão. Ele
teve o apoio de um burro falante, do Gato de
Botas, do Lobo e de Pinóquio. Já a princesa era
uma ogra enfeitiçada, filha do Príncipe Sapo e,
como se essa salada bizarra estivesse incompleta, falta dizer que a Fada Madrinha é a vilã
da história e o Príncipe Encantado é um
ridículo! Se isso for um verdadeiro conto de fadas, pelo jeito muita coisa mudou no reino das
maravilhas...
686/1397
Quando surgem novidades na forma e no
conteúdo da ficção contemporânea torna-se
necessário questioná-las, justamente para
descobrir quais são as verdadeiras transformações. Afinal, qual é o destino do conto de fadas
tradicional no século XXI? Como as crianças recebem hoje os contos de fadas? Histórias
centenárias podem ser usadas ainda? Em livro
anterior, trabalhando na trilha proposta por
Bruno Bettelheim,1 procuramos provar que o
maravilhoso se perpetua sob novas formas;
cabe-nos agora demonstrar quais são elas.
Não há maneira melhor de responder a essas questões do que examinar a série de filmes
de animação Shrek (Dreamworks, 2001, 2004,
2007 e 2010). Eles respondem na prática qual é
a atualidade do conto de fadas. Os produtores
de Shrek fizeram com os contos de fadas exatamente o que as crianças fazem: brincam com
eles. Mais do que isso, recortam e colam,
torcem, abusam, misturam, corrompem, tiram
de contexto, desdenham dos próprios contos,
687/1397
enxertam novidades. E, ao final, fazem com
isso, e apesar disso, nada mais nada menos do
que produzir mais contos de fadas.
Talvez nosso problema seja a falta de nomenclatura adequada. Como classificar uma
história dessas? Ela tem a arquitetura central de
um conto de fadas, mas afasta-se dele em vários
aspectos. A nosso ver, três pontos discordantes
com a lógica dos contos clássicos são visíveis em
Shrek: em primeiro lugar, o humor; em segundo, a complexidade psicológica das personagens; o que está intrinsecamente ligado ao terceiro ponto, a valorização da jornada subjetiva
dessas personagens. Considerando esses aspectos, podemos dizer que o resultado ainda é um
conto de fadas?
Aventuras de um ogro contemporâneo
A magia pede passagem
A história de Shrek começa com um revés
político: um nanico despótico, Lorde Farquaad,
688/1397
expulsa de seu território todas as criaturas dos
contos de fadas. Em nome da perfeição de seu
reino, ele as persegue, julga e condena. Qualquer um que revele dom fantástico, como o de
ser um animal falante, por exemplo, é condenado ao exílio. Farquaad realiza uma “faxina
étnica”, como outros ditadores já fizeram. Como
em Shrek tudo é às avessas, logo na entrada
desta história as criaturas mais fascinantes do
reino maravilhoso tornam-se párias, marginalizadas por serem diferentes.
Outrora, os humanos é que sofriam para
conquistar um lugar na fantasia, enquanto os
seres mágicos ocupavam um posto legitimado
pelas leis vigentes no mundo do faz de conta,
onde a magia é premissa inquestionável. Porém,
várias histórias infantis se têm baseado na necessária conquista da credulidade do seu jovem
público para que o reino mágico continue
existindo.
Na história de Peter Pan, quando Sininho,
sua fada de estimação, está morrendo, ele “se
689/1397
dirigiu a todas as crianças que podiam estar
sonhando com a Terra do Nunca e que, portanto, estavam mais perto dele do que você imagina: meninos e meninas de camisola, bebês índios dormindo nus em cestas penduradas nas
árvores”2, pedindo a elas que batessem palmas
se acreditassem em fadas. Graças a elas, Sininho se recupera. Essa é também a base da qual
parte a História Sem Fim, de Michael Ende,
onde a sobrevivência da terra de Fantasia depende da força da crença de um menino, seu
salvador. É também a força da credulidade infantil que vence a guerra contra o gelo e a
tristeza em O leão, a feiticeira e o guardaroupa, de C. S. Lewis. Parece que não paramos
de pedir às crianças que fiquem sonhando suas
fantasias e batendo palmas para garantir a
sobrevivência do mundo mágico.
Os clássicos contos de fadas, oriundos da
tradição folclórica oral, não necessitavam negociar a “suspensão voluntária da descrença”,3 os
ouvintes estavam dispostos a aceitar que a
690/1397
história transcorresse dentro das regras da magia, onde não se deve duvidar de nada, as
histórias envolviam o fantástico e pronto. O
mundo que deu origem a essas histórias era
mais mágico, estávamos em tempos précientíficos, de religiosidade e superstições, onde
a dúvida, além de desnecessária, era profana.
Hoje, as crianças decidem no que e em quem
confiar, não deixam de se entregar aos braços
de quem as proteja e eduque, pois dependem
disso para ser e crescer, mas estão sempre alertas, conferindo continuamente se ainda podem
continuar apostando.
O mundo maravilhoso exige a entrega como
premissa, por isso as crianças são seus anjos
protetores, suas salvadoras, pois a elas é atribuída a reserva de credulidade que ainda resta
à nossa civilização laica e científica, como se
somente os pequenos pudessem acreditar nessas sandices. Sendo assim, a história de Shrek
começa com uma excomunhão dos seres mágicos, e eles pedem abrigo ao ogro. A verdadeira
691/1397
missão do herói verde é a de resgatar o romantismo e a magia que marcam nossa relação
duradoura com o faz de conta. A presença do
humor, como observávamos antes, visa garantir
junto ao público infantil que seu espírito crítico
está sendo contemplado. As crianças não se
prestam mais ao papel de bobos, se fantasiam é
porque sabem que a fantasia é tão importante
para elas, como elas são importantes para
mantê-la viva. Por isso acreditam e batem
palmas...
Amor à segunda vista
As
criaturas
mágicas,
forçosamente
exiladas, refugiam-se então no pântano do
Shrek, para desespero do ogro ermitão. Em
troca de retirá-las de lá, de devolver a adorada
quietude ao ogro, o minúsculo lorde Farquaad
exige o resgate de uma princesa encerrada em
uma torre, com a qual pretendia casar-se para
legitimar uma realeza que ele não possuía.
692/1397
Fiona é a bela princesa escolhida e, embora
prisioneira de um dragão, não é nada frágil, adormecida, nem passiva. O que ninguém sabia é
que Fiona era encantada: de dia era uma bela
princesa ruiva, à noite uma ogra verde. O resgate deveria ser, conforme a tradição dos contos
de fadas, realizado pelo verdadeiro amor. Só um
beijo dele quebraria o feitiço e lhe retiraria a dupla natureza. Como convém a essa história,
tudo começa de uma forma nem romântica nem
heroica, mas sim a partir de uma negociata
entre um usurpador covarde e um ogro acuado.
Da mesma forma que a magia precisa seduzir as crianças para ser aceita, o amor
romântico, que antes se satisfazia apenas com o
impacto fulminante da beleza ou da coragem,
agora também segue caminhos tortuosos. Shrek
é uma paródia, parte da ridicularização de todos
os clichês dos contos da tradição, assim como
das suas consagradas versões pelos Estúdios
Disney, para restaurar a força da fantasia,
fazendo-nos entrar direto naquilo que fomos
693/1397
inicialmente chamados a questionar. O mesmo
ocorre com a paixão, com o amor à primeira
vista, que nesse caso não teria nenhum motivo
para ocorrer. Afinal o que ia querer uma
princesa enfeitiçada com um ogro, cuja imagem
corresponde exatamente àquela da qual a jovem
mais quer se livrar? Antes do que ligados pela
perfeição, que nos contos de fadas tradicionais
muitas vezes está oculta, mas é intrínseca às
personagens, o casal protagonista desta história
está ligado pela mesma sina. Shrek parece parafrasear as palavras da sabedoria popular que diz
que um amor, para durar, deve basear-se antes
na combinação dos defeitos do que das qualidades do casal.
Shrek somente queria livrar-se rapidamente
da tarefa do resgate, para voltar ao seu pântano
solitário e tranquilo, livre das invasões que sofrera, porém, no decorrer da aventura ele vive
uma transformação. Seu humor, que inicialmente não passava de um modo sarcástico, visando manter distância, afastar-se do outro,
694/1397
torna-se brincalhão, mais leve. Instala-se nele
uma dúvida que chega junto com o surpreendente interesse que começa a sentir por
Fiona: como poderia um ser abjeto como ele se
fazer amar?
O andar da história prova que os contos de
fadas, incluindo sua magia e seu incurável romantismo, não morrem, apenas se transformam. Por isso será inevitável que ocorra a paixão
entre a princesa e seu cavalheiro, ainda que ambos sejam ogros verdes. Na mesma linha de
paradoxos cômicos, o outrora lindo corcel
branco, em cujo lombo a princesa seria resgatada, agora é um burro que não transporta
ninguém, apenas tagarela incessantemente.
O ajudante de Shrek é esse burro falante,
que se presta a fazer um contraponto à misantropia inicial de Shrek, pois está interessadíssimo em fazer amizades, em ser
aceito. Ele é um amigo leal e faz um bom par
com Shrek, pois é tão bizarro como ele, afinal,
nada é mais distante de um fogoso cavalo
695/1397
branco que um burro pequeno, assustadiço e
chato.
Seguindo uma tradição que se consolidou
nos filmes dos Estúdios Disney, é também com
os animaizinhos da história que as crianças, especialmente as menores, se identificam. O
burro acompanha o ogro sem muita concentração na tarefa, exatamente como elas
fazem, quando vão junto com os pais para uma
diligência prática qualquer. Como ele, elas não
têm o foco da tarefa, andam meio distraídas,
parando no caminho para coisas estimulantes e
divertidas, fazendo o adulto perder seu exíguo
tempo. Ficam perguntando o tempo todo
quando é que termina, queixam-se de tudo, se
cansam. Só estão interessadas em quando vão
parar para comer e se haverá algo interessante
para ver ou fazer. Elas sempre saem ao mundo a
passeio.
O burro está mais interessado em conversar
com o ogro, em obter sua atenção, o qual, enquanto isso, está inquieto com os perigos que o
696/1397
cercam e procura concentrar-se para encontrar
o tal castelo onde deverá fazer o resgate. Porém,
não é apenas pela inépcia que as crianças se
identificam com ele, pois nos comentários
cômicos e nas ironias que profere incessantemente, o burrinho revela o espírito crítico que
hoje faz parte da relação entre os pequenos e os
grandes. Eles confiam, mas nem por isso
deixam de ver o lado ridículo dos adultos, assim
como raramente deixam-se enganar pelas desculpas enroladas com as quais os pais maquiam
suas fraquezas e seus problemas insolúveis.
Quando fazem as perguntas que deixam os
adultos surpresos e sem palavras, as crianças
revelam que sua confiança não ocorre sem certa
malícia, como se dissessem: sou pequeno, mas
não sou bobo.
Os contos de fadas clássicos foram
adaptando-se para o uso das crianças; nesse
sentido, as versões dos irmãos Grimm são
muito mais palatáveis para elas do que as de seu
predecessor Perrault, que continham elementos
697/1397
mais violentos e sexualizados. Porém, faltava a
essas histórias a presença de personagens com
quem elas pudessem identificar-se de forma
direta, imediata. Príncipes e princesas são o que
elas querem tornar-se quando crescerem, mas
há pouco lugar para o que elas são no momento,
pequenas, coadjuvantes e brincalhonas. Nos antigos desenhos animados Disney são os animaizinhos, os anões ou os ajudantes mágicos
que cumprem essa função. Em Shrek há um
lugar para elas entre as personagens centrais.
Habituadas a serem valorizadas e escutadas, as
crianças já não se contentam apenas com a função de coadjuvantes para se identificar.
Gawain e a Dama Detestável
Menos conhecida do que os contos de fadas
clássicos, há uma história do ciclo arthuriano,
chamada Gawain e a Dama Detestável,4 cuja
análise pode auxiliar-nos na compreensão
desses filmes. Nela, um cavaleiro do rei sai em
uma missão para descobrir o que as mulheres
698/1397
mais desejam. Durante a jornada vê-se obrigado
a casar com uma horrenda dama enfeitiçada
para garantir a integridade do soberano e do
reino. A dama está fadada a ser uma bruxa horrorosa ou uma mulher belíssima alternadamente, esse é o seu cruel destino. Ele casa-se ignorante inclusive dessa alternância, sendo por
dedicação ao soberano que aceita ligar-se
àquele ser abjeto, cuja natureza ambígua lhe é
revelada apenas após sua atitude de abnegação.
Após as bodas, o cavalheiro Gawain é chamado pela esposa a escolher: se deseja que ela
seja bela à noite ou durante o dia. Em outras
palavras, se ela vai ser bela somente para seus
olhos ou para apreciação dos outros. Na dúvida,
ele deixa essa opção para ela, sugere que ela
viva “de seu próprio jeito”. Essa resposta é a
chave que desfaz a maldição, a partir daí ela
será linda o tempo todo. O segredo para a
quebra do feitiço era que o desejo dela fosse
respeitado.
699/1397
É bem feminista esse conto, pois o que as
mulheres querem é ter seu direito de desejar,
mesmo que sua maior cobiça seja serem atraentes para os olhos do outro, ou seja, que
desejem ser desejadas. A mulher será bela à
noite para aquele que a deixar livre para escolher seu jeito, assim como será esse amor noturno
o que a ajudará a sentir-se interessante durante
o dia para o resto do mundo.
É comum nessas histórias essa condição alternada, de bela e feia, da qual Fiona também
padece. Consta que o verdadeiro amor a libertaria desse feitiço de constante mutação, após o
qual ela ficaria com a aparência do que realmente é. O jogo do filme está em pensarmos
que quando o feitiço acabar ela poderá ficar
para sempre como a linda princesa ruiva, e que
a condição noturna de ogra é sua pena, tal qual
a Dama. Porém, quando beijada pelo seu amado
Shrek ela passa por uma transformação definitiva e descobrimos que ela é verdadeiramente
uma ogra e assim permanecerá, para alegria de
700/1397
seu verdoso par. São os olhos dele que dão
forma definitiva a ela, enquanto talvez ela já o
amasse por sentir-se mais ligada à sua aparência de ogra. Sem saber, eles se enxergam profundamente um no outro.
O grande vilão dos filmes de Shrek é a
falsidade, a aparência que engana. Os bonitinhos em geral são fúteis, covardes, pretensiosos,
estúpidos e sem nenhum senso de humor. O
verdadeiro herói do filme é um amor inteligente, que respeita os desejos do outro, como
fez Gawain, que percebe as falhas do ser amado
e possibilita a cada um valorizar-se como é,
como vive e como quer ser. Como na amizade
entre o burrinho e Shrek, o casal de ogros vive
criticando-se e apoiando-se, construindo uma
intimidade de mútua tolerância. É desse tipo de
confiança, que se traduz em uma cumplicidade
crítica, que as crianças precisam para confiar
nos pais. Da mesma forma, espera-se que um
casal se constitua a partir de algum aprofundamento, do progressivo conhecimento mútuo. O
701/1397
amor sai fortalecido e é mantido no novo conto
de fadas, mas a paixão, movida pela idealização
superficial das aparências, é a derrotada da
vez.5
Comparando com A Bela e a Fera, poderíamos dizer que, no seu âmago, Fiona é mais
Fera do que Bela: ela é rude e sua verdadeira
beleza é a interior; do mesmo modo que por
dentro Shrek é mais belo do que monstruoso.
Mesmo quando está sob a forma de princesa ela
é forte, bem-humorada e porquinha como uma
ogra, enquanto ele, apesar de ogro, possui um
nobre coração de cavalheiro. Além disso, em defesa do público infantil, o casal de ogros é bem
nojento, como o são as crianças e também os
adultos na intimidade. Eles brincam com seus
fluidos corporais, se divertem soltando pum e
fazendo concurso de arrotos, adoram se lambuzar e gostam de ficar fedorentos. São também
arteiros, enfim, um casal que se porta como criança. É um chamado à identificação para os
pequenos, que, afinal, ainda não possuem a
702/1397
forma e o tamanho de príncipes, mas nem por
isso estariam privados de, um dia, conhecerem
o verdadeiro amor.
Além disso, a intimidade existente entre
pais e filhos, associada à curiosidade cada vez
mais desenvolvida dos pequenos, permite a
estes últimos a observação dos aspectos infantis
que persistem no amor dos já crescidos, os apelidos fofinhos, as vozes dengosas, as risadas e
cócegas, tudo isso que representa os restos da
sexualidade infantil que persistem e temperam
muitos momentos do erotismo dos adultos.
A jornada dos heróis dessa história envolve
não somente ação, lutas e aventuras, ela foca-se
prioritariamente no embate interno, entre
considerar-se amável ou detestável, atraente ou
repugnante, entre ser um pária ou sentir-se
parte da sociedade. Nesse sentido, encontramos
os elementos coincidentes com a história do
cavalheiro do rei Arthur, só que em Shrek a
atenção está voltada para os sentimentos dos
703/1397
protagonistas, para seu processo de crescimento
e o desenvolvimento gradual do afeto mútuo.
No final feliz, o amor é correspondido, eles
possuem um grupo de amigos, e a casa do ogro,
antes o exílio de um rejeitado, torna-se um lar
convencional. O terrível dragão gigante que
guardava a princesa era, na verdade, uma
fêmea, a qual se apaixona perdidamente pelo
burro. A princípio apavorado, como uma criança ficaria se uma enorme senhora o assediasse, ele termina aceitando esse amor. A dragoa
e o burro constituem um casal tão bizarro, ao
lado do qual os ogros verdes, que pelo menos
são parecidos entre si, parecem bem banais.
Fazendo um pano de fundo ao casamento de
Shrek, essa união é ainda mais assimétrica. No
final do segundo episódio, seus filhos já aparecem e são mestiços de burro com dragão, possuindo características de ambos. Nessas personagens laterais está o espírito de tolerância de
nosso tempo, onde casamentos mistos entre
pessoas de aparência diferente são bem-vindos.
704/1397
Essência versus aparência
O segundo filme relança a questão das
aparências, pois trata da aceitação dos dois
pelos pais de Fiona. Nesse momento eles já estão casados e vivem um idílio amoroso no
pântano de Shrek. São então chamados pelo
casal real ao reino de Tão Tão Distante para que
a filha possa apresentar seu eleito, ganhar a
benção e uma festa pelo casamento. A notícia
que chegara aos pais é que Fiona fora resgatada
por um cavaleiro e, consequentemente, seu
feitiço fora quebrado. Quando os noivos saem
de dentro da carruagem ocorre a cena clímax do
começo do episódio: os pais e os súditos
descobrem, em choque, que o príncipe é Shrek,
e a sua amada e linda princesa ficou definitivamente transformada em uma ogra.
O rei não aceita esse fato e trama matar
Shrek, tanto por vontade própria, como também pressionado pela Fada Madrinha, com
quem tinha um pacto. O pai de Fiona, o rei, é
705/1397
uma peça-chave para entender o feitiço da dupla natureza da princesa. Trata-se de algo que
não é dito, mas facilmente inferido: ficamos
sabendo que o pai, em segredo, também possui
uma dupla natureza. Ele era O Príncipe Sapo
que fizera um pacto, por artes da magia, para
tornar-se humano. Ora, na filha, a dupla
natureza paterna vem cobrar seu preço, afinal,
faz parte de sua herança. Por isso o rei gostava
tão pouco de Shrek a ponto de mandar matá-lo:
ele era um espelho de sua outra face, verde e repugnante como um ogro.
O sapo teve que pagar um preço à Fada
Madrinha para tornar-se humano e rei, o custo
seria entregar posteriormente a filha em
casamento ao filho dela. Como em tantos contos
de fada, o filho é moeda de pagamento de
pendências paternas. Nesse caso, o filho da
Fada Madrinha seria o beneficiado. Como
vemos, de forma tão distante da boa índole da
fada madrinha da Cinderela, ela não agia desinteressadamente, pois é apresentada como uma
706/1397
mercadora de favores mágicos. Eles eram prometidos, mas essa aliança era secreta, pois ninguém sabia da verdade sobre o passado do rei.
A Fada Madrinha, única detentora do segredo,
chantageava o rei para chegar ao poder; não esqueçamos que ela é a vilã desta história.
No final do episódio, o rei mostra nobreza e
se redime ao lançar-se na frente de Shrek e
Fiona, recebendo assim um feitiço feito pela
Fada Madrinha que os atingiria. O feitiço era
tão forte que seu rebote liquida com a malvada
e o encanto que beneficiava o rei acaba. Com a
destruição dela, ele volta a ser um sapo. Ou seja,
quando a verdade da aparência do rei surge, a
Fada Madrinha desaparece, demonstrando que
ela existia pela força do segredo.
É interessante observar que a mãe de Fiona
segue amando e respeitando seu esposo-sapo,
de certa forma ela sempre soube quem ele era e
o aceitava. Um pai vale o que vale também em
função da forma como a mãe o apresenta ao
filho: não importa que ele seja um rei, se ela
707/1397
disser que é um sapo, assim ele vai ficar, e se for
um sapo que ela considere um rei, é possível
que o filho também assim o considere. A fada
madrinha neste caso pode ser vista como uma
duplicação da figura da esposa, representando
outra possibilidade de uma mulher colocar-se
frente ao marido. Uma “esposa-vilã”, que com
sua magia o faz parecer um rei e quer cobrar
caro por isso. Como se ela dissesse: você é o
homem que é graças a mim, portanto você me
deve, e o pagamento será deixar o poder para
mim.
A fada madrinha clássica incumbia-se basicamente de oferecer belas indumentárias, boa
aparência: aqui ela é ridicularizada, tratada
como uma velha fútil, mestra em iludir. A fada
madrinha de Cinderela representa o que um olhar de aprovação pode fazer para que alguém se
sinta apresentável.6 Já no novo conto de fadas,
espera-se que as maiores mágicas provenham
da liberdade de escolha, da autenticidade que
torna um indivíduo confiável aos olhos próprios
708/1397
e alheios. As maiores dificuldades enfrentadas
pelos novos príncipes e princesas provêm do
fato de que eles não se aceitam, de que se mentem quanto ao que desejam, e ao que são.
Curiosos ideais para tempos aparentemente tão
fúteis.
Adeus princesinha
Nesse segundo episódio, os ogros amantes
são postos à prova sobre o que realmente querem ser. Shrek roubara uma poção da Fada Madrinha, queria virar humano para conquistar
Fiona, e também ela recuperaria sua forma de
princesa, ou seja, abriu-se um momento para a
possibilidade de fazerem-se belos e aceitos por
todos. Para conquistar Fiona, Shrek estaria disposto a deixar de ser ogro, mudaria sua aparência para sempre. É Fiona quem opta, a decisão
foi para suas mãos, tal como Gawain fez com a
Dama Detestável: ela prefere o seu Shrek, como
o conheceu, o que significa que abandonará de
uma vez por todas sua aparência humana e
709/1397
ficará ao lado do ogro. Talvez ela estivesse esperando essa prova de amor, mas também existe uma clara equivalência entre sua aparência
de princesa e o desejo de seus pais. É a infância
e sua idealização aos olhos deles que ela
abandona.
Fiona escolherá sua vida de ogra no lugar
daquela imagem de princesa que os pais lhe reservavam. Para as famílias contemporâneas,
toda filha é uma princesinha enfeitada e
coroada de mimo e admiração. Terá que se tornar meio ogra, desgrenhada e respondona na
adolescência, para romper o hipnotismo desse
papel, ser deserdada dele e trilhar o seu caminho. Todo o tempo nesse filme trata-se da reafirmação da autenticidade, do contraponto
entre preconceito e descoberta interior, entre
aparências e essência, entre a imposição externa e a escolha pessoal.
O rival de Shrek, o príncipe Charming (Encantado, na versão brasileira), é seu oposto:
para ele a aparência é tudo. Fiona o descarta
710/1397
porque não o vê como homem, ele praticamente
rivaliza com ela no quesito beleza. A série revela
uma relação ambígua com o politicamente correto. Embora se atenha às exigências dessa
abordagem, na essência já mostra um cansaço
com tanta correção. Shrek aparece em um momento em que a masculinidade procura outros
caminhos, vide a atual dedicação dos homens
aos cuidados corporais, inclusive cosméticos.
Justamente nesse ponto a história é bem conservadora, ela pede uma masculinidade bem
tradicional, com uma virilidade marcada e,
principalmente, um homem sem “frescura”.
Shrek respeita o desejo de Fiona, estaria disposto a deixar sua “ogritude” de lado para ficar
com ela; nesse sentido, seria um homem moderno, sensível aos desejos femininos e que quer
fazer um projeto a dois. Mesmo em sua versão
humana, Shrek representa o macho tradicional,
portanto uma reação a uma certa feminização
do homem atual, sempre em busca da perfeição
corporal. Aqui a forma do conto de fadas
711/1397
reaparece, as nuances são apagadas, o homem é
rústico, e quem se importa com a beleza e a
aparência seria a mulher.
O Gato de Botas desse filme é uma deixa
para pensar a complexidade das personagens
dessa série. Em pouca coisa lembra o Gato de
Botas original, agora ele é um trickster, ou melhor, o que pode ser um trickster em um universo de contos de fada. Os antropólogos
definem essa figura do folclore como inclassificável, nem boa nem má, imprevisível, portanto
dele tudo podemos esperar, tanto a fidelidade
como a traição. No filme, ele é um malandro e
trabalha como assassino de aluguel, mas revelase um vira-casaca, ele muda de lado sem constrangimento. Originalmente contratado para
matar Shrek, não consegue e adere ao herói. É
um detalhe, mas mostra a nova lógica desses
contos: você pode mudar de lado, nada é o que
parece ser. Suas armas são também contraditórias, comove a todos por fazer uma cara de
desamparo, como uma criança indefesa, mas
712/1397
um segundo depois pode transformar-se em um
espadachim temível. De qualquer forma, serve
para a identificação das crianças, que são sedutoras, fofinhas, dissimuladas, com muita
agressividade por dentro, mas que de fato não
machucam ninguém.
Chegam os filhos
No terceiro episódio temos um ogro completamente domesticado. O rei está em seu leito
de morte e chama Shrek. Ele sabe do seu fim
próximo e quer passar-lhe o cetro. A antiga inimizade cessara, Shrek agora é amado pelo rei e
já estima seu sogro. Ainda apegado à sua pacata
rotina no pântano, Shrek não aceita a
nomeação. Em função disso precisa partir em
outra missão: dessa vez em busca de Arthur
Pendragon (quem mais poderia ser?...), um
primo distante, o segundo na sucessão. Ao
mesmo tempo em que é convocado a assumir o
reino, é intimado para uma função igualmente
difícil: Fiona está grávida, o ogro será pai.
713/1397
Há um diálogo hilário, no qual Shrek se
lamenta do desafio da paternidade, está abismado, assustado, pergunta-se como isso foi
acontecer. O gato esboça uma explicação sobre
a fecundação como uma das consequências do
sexo, tratando o amigo de idiota, ao qual o ogro
responde irritado que ele sabia disso, o que ele
não sabia é que teria que ocupar esse papel, ser
pai, logo ele, um ogro.
Mesmo ao abordar uma temática adulta, dirigida também aos pais do público-alvo do
filme, esse assunto não é estranho aos
pequenos. Eles convivem com certa queixa dos
pais em relação às limitações que a constituição
de uma família impuseram à sua liberdade
como casal, às suas vidas individuais e carreiras. As crianças sabem que são dispendiosas e
que os pais poderiam estar gastando seu suado
dinheiro em prazeres pessoais. Sabem também
que os filhos são, de alguma forma, uma escolha
dos pais, portanto que a alternativa de não terem nascido existiu, assim como existe a
714/1397
possibilidade de que os progenitores, quer de
forma permanente, passageira ou mesmo
brevíssima, se arrependam de terem tido a ideia
de fundar uma família.
A queixa de Shrek de que ele não está
pronto, que não se sente em condições e nem
quer ter filhos é compreensível para as crianças,
assim como é importante assistir como ele vai
habilitando-se para a função de pai,
fortalecendo-se graças a ela e até gostando da
ideia. Em relação ao tema da paternidade,
reproduz-se o ciclo do primeiro filme, quando o
ogro não acreditava que pudesse viver um
amor, e se protege daquilo que considerava fora
de suas possibilidades, uma escolha impossível,
portanto indesejada. Encontrar Fiona e com ela
descobrir que podia viver de forma diferente foi
uma jornada de crescimento, assim como nesse
episódio o será assumir que ele também pode
ser pai. No fim das contas – pode pensar uma
criança – meus pais sentiam-se despreparados,
foi um furacão em suas vidas, mas eles se
715/1397
tornaram pessoas melhores e mais felizes
graças a mim. Nesses filmes, o amor e a experiência de ter filhos se oferecem enquanto metas
de crescimento, os filhos passam a fazer parte
do “felizes para sempre”, isso sim é um final feliz que interessa às crianças.
Ao recusar o trono, Shrek opta por abdicar
da vida social e política que odeia, e volta-se
para a intimidade: ser um pai de família e cuidar dos ogrinhos trigêmeos que estavam por nascer. Para ele, o sucesso exterior não compensaria o afastamento do lar, esse seria o valor
supremo. Também nesse aspecto o filme tem
tudo para agradar os pequenos, a lógica é: papai
quer ficar em casa conosco, nós é que o completamos, e não seus afazeres no mundo.
Por um lado, a trama desse episódio se
afasta do conteúdo trivial dos contos de fadas,
no sentido de ter filhos; por outro, reafirma-o
no sentido de não querer nada mais do que o
horizonte do lar. Seguimos com uma jornada de
crescimento, o desafio agora é a paternidade,
716/1397
porém, ter filhos, absorver a ambivalência por
esse desejo, pensar os impasses da paternidade,
nunca fora, até então, tema de conto de fadas.
O “felizes para sempre” clássico encontra
seu clímax, seu ponto de suspensão naquele
período anterior a ter filhos, tudo termina com
os noivos recém-casados. Porém mergulhamos
outra vez no conto de fadas, afinal o herói dessa
modalidade tem como objetivo último casar e
ter um lar, fora disso o mundo não lhe interessa. Shrek não quer o trono, um lugar tão
relevante para alguém que já fora marginalizado. Seria uma redenção social, mas ele escolhe
o lar. Também aqui há um contraponto entre
seu amor verdadeiro por Fiona e as intenções de
lorde Farquaad, que estava interessado na
realeza dela.
Hoje o amor precisa provar estar além de
interesses espúrios. Aquele que for escolhido
deseja que isso ocorra a partir do que ele é e não
pela sua imagem, patrimônio ou prestígio. É um
dilema que persiste, pois os olhos do mundo
717/1397
ainda pousam ávidos da observação da vida dos
atuais “nobres”. Na sua versão contemporânea,
eles são personagens do mundo dos negócios ou
do entretenimento. Os dilemas de prestígio
mudam de lugar, mas permanece sua importância. É sabido que a escolha do parceiro pode enobrecer ou envergonhar o indivíduo, um casal
sempre tem sua face pública. Frente a isso, a
história dos ogros defende um velho ideal
romântico: o amor desinteressado, a reafirmação do amor enquanto escolha pessoal, ditada
apenas pelo desejo, ao contrário da imposição
social, que recomendaria uma relação que fosse
um bom negócio. Se Shrek ouvisse essa voz da
conveniência, jamais perderia a oportunidade
de ocupar o trono. Nas histórias de fadas clássicas, embora contivessem ideais românticos,
não havia contraposição: público e privado
eram a mesma coisa. É claro que a jovem se
apaixonaria por um príncipe e, por mais que
sua realeza não fosse aparente, ela existia, e
718/1397
ambos se incumbiriam do reino ao qual o
casamento os designava.
Por outro lado, atualmente quando se fala
em reino, é da restituição do aconchego do lar
que se trata. Ao contrário dos heróis de lendas e
mitos, em geral renegados em sua casa, ou filhos perdidos, que saem de casa ou do reino
para fundar uma cidade, matar monstros, criar
uma religião, uma linhagem, o herói de conto
de fadas quer apenas restaurar sua família perdida da infância ou constituir uma que lhe seja
equivalente.
Depois do felizes para sempre
No quarto episódio da série, a busca de
Shrek por um pouco de paz continua sendo um
problema. Feita a opção de continuar vivendo
na casa do pântano, após um breve período de
lua de mel, uma estressante rotina espera o casal de ogros. A publicidade, assim como a curiosidade pela peculiar vida dos ogros, faz com
que excursões turísticas visitem o pântano.
719/1397
Além disso, eles têm trigêmeos bebês. A vida de
Shrek tem tudo, menos o que ele mais aprecia:
ser um eremita e usar-se de sua condição de
ogro para ser temido e respeitado.
Shrek passa por um momento de infelicidade com a nova vida. A monotonia da rotina
doméstica, o trabalho de cuidar das crianças e a
constante exigência de atenção por parte dos inúmeros amigos deixam-no sem espaço para si
mesmo. Além disso, está cansado de ser prestativo e adequado: queria, nem que fosse por um
dia, sua antiga vida de volta. No aniversário dos
filhos, ele tem uma explosão de raiva e acontece
uma pequena briga com Fiona, na qual ele expressa algum arrependimento por tê-la salvo.
Rumpelstiltskin, um duende espertalhão
que presencia a cena, escuta a queixa de Shrek e
decide tirar partido da situação. Porém, mais do
que um trato, a oferta de favores mágicos que
ele faz ao ogro é uma cilada.7 O duende
promete-lhe um “Dia de Ogro”, como nos bons
tempos, em troca de um dia de vida de seu
720/1397
passado. A perspectiva de passar um dia inteiro
espalhando terror e sendo execrado por todos
parece ao exausto Shrek uma aceitável expectativa de alívio temporário para um marido e pai
contrariado.
Mas nada é tão simples como parece e
Rumpelstiltskin lhe rouba o dia de seu nascimento. Inicialmente ignorante disso, depois de
barbarizar um pouco e satisfazer-se com isso, o
ogro come-ça a perceber que as coisas estão
particularmente estranhas naquele que devia
ser seu dia de folga. Não demora em dar-se conta que tudo parece ter voltado à estaca zero
nessa dimensão na qual ele poderia ser um ogro
como antigamente.
Na outra história, que nasce a partir do
pacto onde Shrek é enganado, ele nunca existiu
e Fiona jamais foi resgatada das garras do
dragão. Por peripécias da história, Rumpelstiltskin é agora senhor do reino, as bruxas são suas
servidoras e ele está determinado a escravizar
os ogros, seus inimigos. Para libertar-se, Fiona
721/1397
teve que vencer o dragão sozinha e na condição
de princesa no exílio, lidera um exército de
ogros incumbidos da resistência ao reino sombrio do duende usurpador. Aquela que, na pacata vida do ogro, era uma dedicada dona de
casa encontra outro destino: é uma guerreira
implacável e não vê nada fora sua causa de
combater o domínio ditatorial que mantém seu
povo na clandestinidade.
Shrek agora sente falta de sua família, se dá
conta do valor do que ele possuía, mas terá que
começar tudo de novo. O pacto realizado só tem
uma possibilidade de ser desfeito: tem apenas
um dia para reconquistar Fiona, que nunca
soube de nenhum Shrek, e receber dela um
beijo de amor verdadeiro. Somente após essa
proeza o universo voltaria ao normal e eles
derrotariam Rumpelstiltskin. Além do coração
da princesa guerreira, ele precisa também refazer todos seus vínculos. Até mesmo o Burro,
seu melhor amigo, nunca ouviu falar dele, todos
os que lhe eram próximos o ignoram.
722/1397
O mundo sem mim
Shrek usa tudo o que sabe sobre a princesa
para atingir seu coração, revela a ela sobre sua
dupla natureza de princesa e ogra, assim como
seus sonhos de ser amada e ter uma família.
Tudo aquilo que os anos de prisão na torre e à
espera do príncipe a impediram de sonhar soa
muito bem à mulher que resistia por baixo da
armadura da guerreira. Mas somente quando
ele decide mostrar-se corajoso e altruísta, conquistando a confiança de Fiona dentro do
mundo em que ela agora vivia, torna-se merecedor do beijo de amor que lhe garante a
sobrevivência.
Mais do que o direito de existir, com a neutralização do feitiço que havia eliminado o dia de
seu nascimento, Shrek recupera todo seu
mundo tal como ele era. A mensagem é simples:
a história nunca será a mesma se cada um de
nós não tiver nascido. Ninguém é indiferente a
723/1397
isso, já que uma das coisas que mais tememos é
ser insignificantes.
A história de um homem essencialmente
bom e benquisto, que contrariado com o rumo
de sua vida decide acabar com ela, até ser confrontado com o que seria de seu mundo se ele
nunca tivesse existido, tem um precedente
importante. Trata-se do filme clássico A felicidade não se compra (It’s a wonderful life), de
1946. O diretor Frank Capra usou esse expediente para produzir uma história tocante e tantas
vezes copiada, nela é um anjo que aparece para
o personagem e o leva a ver como seria a vida
das pessoas se ele nunca tivesse nascido.
A insatisfação de Shrek e do personagem de
Capra com o rumo de sua vida é bem compreensível e uma questão interessante para todos nós, que invariavelmente praguejamos contra nosso destino. Sempre temos dívidas com
nós mesmos: as escolhas que não fizemos,
aquelas aventuras ou iniciativas que por acomodação ou covardia nunca empreendemos, as
724/1397
alternativas que a vida não nos proporcionou.
Todas essas possibilidades nos confrontam com
a trama de tantas outras vidas que teriam podido ser a nossa e esses devaneios acabam cobrando seu preço: ficamos irritados com a realidade estreita do que construímos enquanto
identidade e forma de gastar nossa existência.
Shrek só queria uma chance de reencontrarse com um ponto do passado onde ele se considerava mais autêntico, pois vivia somente
para satisfazer as próprias vontades. Ele não se
reconhecia mais e queria ver-se como antes,
quando era solitário e excêntrico, sem estar
conectado com todos aqueles que lhe dedicavam e exigiam afeto e atenção. Como o ogro,
também consideramos que a maior aquisição de
nossa vida é uma identidade. Não é um tesouro
muito extenso, não passa da soma de algumas
memórias com uma coleção de hábitos e convicções sobre o que queremos, gostamos e detestamos. Apesar disso, é tudo o que temos para
chamar de “eu”.
725/1397
Não é difícil acabar acreditando que nossa
identidade é algo que construímos apesar dos
outros, independente deles, como se fosse nosso
quinhão particular, a reserva pessoal onde se
guardam os bens mais preciosos. Isso é em
parte verdade, já que a maior parte dos sentimentos e pensamentos que nos movem não podem ser socializados, pois são inaceitáveis: são
ciúmes e inveja descabidos, desejos eróticos
proibidos, votos de morte dos que nos contrariam ou atrapalham e outros tantos pensamentos
antissociais. Sabemos ter esse reservatório de
fel e lascívia e isso alicerça a crença de que não
somos totalmente partilháveis. Existe também
uma parte menos obscura que se mantém
afastada dos outros: é a herdeira do que aprendemos quando crianças ao brincar sozinhos, o
momento em que sentimo-nos seguros mesmo
estando a sós e usamos esse espaço para criar
fantasias e pensamentos. Esses conteúdos,
entre os que conhecemos e os que ignoramos a
726/1397
nosso respeito, somados, constituem a intimidade possível de cada um consigo mesmo.
Mas a ilusão da autonomia é muito maior
do que esse reservatório de intimidades, ela é
uma das fantasias mais preciosas que temos, e é
tão maior quanto for a inconsciência do quanto
dependemos do amor e do julgamento alheios.
Foi isso que afetou Shrek, quando quis voltar a
encontrar-se com o que era antes de ser tão sociável. Na verdade continuava dependente dos
outros, porém pelas razões inversas: queria voltar ao período em que espalhava terror naqueles
de quem se aproximava. Sua identidade era ligada à produção de emoções fortes, estava detestando o fato de que, em sua recente domesticação, sua presença fosse tão bem tolerada por
todos. Afinal, não percebiam que ele era um
ogro? Quando decide livrar-se de todos através
do pacto mágico, Shrek não quer ficar só, na
verdade quer voltar àquilo que reconhecia como
“eu”: o ogro asqueroso do qual ninguém
gostava, mas ao qual ninguém era indiferente.
727/1397
De fato, ele estava sentindo-se pouco importante, mesmo que fosse tão amado pela mulher e
os amigos.
O primeiro aniversário dos bebês é a
ocasião da festa em que ele fica raivoso quando
percebe que havia um complô, uma brincadeira,
para irritá-lo e fazê-lo gritar, já que todos
achavam engraçado ver um ogro furioso como
parte das atrações da festinha. Para ele isso é o
cúmulo, a total deturpação de sua identidade.
Não poderia haver pior momento do que esse
para descaracterizar seu poder de infundir
medo nos outros, ele estava tentando ser pai,
precisava acreditar que ainda dispunha dos atributos que o faziam valer aos próprios olhos.
Guerra dos sexos
Na realidade paralela na qual ele cai, após o
malfadado pacto com Rumpelstiltskin, Fiona
não é mais a mãe conformada com a domesticidade. Ela é a líder de um bando de ogros,
combatendo contra um exército de bruxas
728/1397
servis a um homem, o duende. Essa troca de
sexos, uma verdadeira luta de identidades de
gênero, ocorre quando o amor e o sexo
encontram-se excluídos da vida de ambos. O
Gato de Botas, agora transformado no gordo
mascote da poderosa Fiona, também já não é
mais o macho latino sedutor dos outros filmes.
Mal consegue se mover, estragado por carícias e
excesso de comida. O gato aqui é um duplo da
feminilidade dela, ou seja, quase não existe.
Para obter seu beijo de amor verdadeiro, Shrek
precisa despertar em Fiona mais do que os sentimentos relativos a ele, mas sim a capacidade
de amar e o desejo sexual.
Os dois sexos, mais do que combaterem-se,
fornecem a função de espelho invertido um para
o outro, constituindo a diferença na qual cada
um vai estabelecendo as semelhanças com os de
seu próprio gênero. A primeira Fiona, com sua
feminilidade, podia prover Shrek do que ele
precisava para ser respeitável aos próprios olhos – ser pai – já o amor dele aparece como o
729/1397
salvador do isolamento em que ela se encontrava na torre.
Para os adultos que assistem a esse filme a
lição parece interessante: você é aquilo que seus
vínculos fizeram de você. Já para as crianças,
sempre tão submetidas à dependência, dispostas a um momento de fúria em que se libertem
de tanta gente maior que os cerca, pensar que
são importantes e o mundo não seria o mesmo
sem sua presença é também um alívio e tanto.
Além disso, elas podem pensar que se seus pais
passarem, como Shrek, por momentos de desesperança e cansaço (que elas certamente devem
presenciar), elas podem esperar que eles
cheguem à mesma conclusão que o ogro: de que
não há tesouro maior do que os filhos.
Os filhos são a maior prova de que podemos
considerar-nos de alguma forma insubstituíveis, pois eles são resultantes de uma combinação genética que nos contém e do momento
em que determinamos sua concepção. Não é à
toa que o ogro pensa neles o tempo todo
730/1397
quando deseja voltar para sua antiga vida,
reaver seu mundo.
No clima de pesadelo dessa realidade
paralela, apesar da correria para conseguir reverter o feitiço em um dia, o que Shrek encontra
é bastante animador: na sua ausência, Fiona
não amará ninguém, não terá espaço para sua
feminilidade, o mundo será dominado por um
clima sombrio de despotismo e injustiça, seus
filhos não existirão. Qualquer um de nós adoraria chegar a tais conclusões, de ser o centro de
um mundo feliz e bem resolvido, como ele é.
A história de Shrek é uma saga infantil para
ser assistida por todas as idades, contém
questões filosóficas importantes, dramas pessoais contemporâneos e, principalmente, sofisticadas interrogações psicológicas. Por isso
mesmo nos perguntamos: embora os personagens sejam provenientes dos contos de fadas,
isso ainda poderia ser considerado um deles?
731/1397
As novas bases do “Era uma vez”
O que é um conto de fadas?
As definições sobre o que é um conto de fadas são díspares, mas podemos achar linhas em
comum entre os vários autores. Os contos de fadas, ou contos maravilhosos,8 pressupõem certos elementos.
a) A suspensão da lógica comum e a entrada
em um reino peculiar fora do tempo e em
lugar nenhum, um espaço de utopia que se
inicia quando enunciamos: “Era uma vez”.
Esse reino é mágico, mas sempre dessacralizado. A força dessa utopia afugenta
qualquer necessidade de referir-se concretamente a uma cronologia, assim como são
dispensáveis quaisquer coordenadas geográficas reais. Com isso, tudo fica genérico.
É um espaço que, por ser indefinido, impossível de ser situado na realidade, fica
732/1397
disponível para ser preenchido pela imaginação do leitor ou do público.9
b) Os contos são sempre resolutivos, isto é, eles
sempre acabam com algum tipo de felizes
para sempre. Por maior que seja a desordem da trama, em algum momento existe
um reordenamento, em um patamar superior àquele em que a história começou. Ou
seja, a mensagem é sempre tranquilizadora:
é possível reorganizar um mundo em desordem, existe saída para a angústia e o desamparo. Apesar das aventuras inquietarem o
leitor, isso é compensado pelo consolo de
que no final tudo vai dar certo, vai ficar tudo
bem...
c) O herói faz uma jornada de crescimento. Em
geral é levado a isso porque ocorre algo que
desequilibra uma situação inicial em que
tudo estava em ordem. É nessa desavença ou
contratempo que a trama encontra seu
ponto de partida: quer seja a desobediência
733/1397
de uma regra, a cobrança de uma dívida dos
pais em função de seu nascimento ou a
maldade de um dos pais ou substitutos paternos. Para resolver a situação que criou, ou
na qual se viu envolvido, costuma ser necessário partir, sair de casa, ser expulso, ou
determinar-se a iniciar uma caminhada de
busca, uma missão. Também são comuns as
histórias envolvendo problemas sucessórios,
como a escolha de qual dos filhos ficaria
com o trono ou de um marido para a
princesa entre os pretendentes; o desafio então é vencer essa disputa, conquistar esse
posto. Costuma ser foco da nossa identificação uma personagem frágil no início, triunfante no fim, que a princípio convoca pela
pena, depois pelo sucesso.
d) As personagens são planas e unidimensionais, o bom é bom, o mau é mau. Figuras ambíguas e sutilezas não são bem-vindas nesse
reino. Se uma personagem começa fazendo
maldades, dela não se pode esperar outra
734/1397
coisa, já quem é bom, ficará assim até o final
do conto. Praticamente ninguém possui
nome próprio, quando muito um apelido.
São figuras genéricas, como rei, rainha,
princesa, madrasta, caçador, fada, bruxa,
ogro, etc... Elas praticamente não têm vida
interior, os conflitos são introduzidos pelo
mundo externo, são reviravoltas na trama
que alteram o destino das personagens
centrais e costumam ser resolvidos na prática, com ações heroicas ou altruístas.
e) O herói dos contos de fadas costuma ter
ajudantes mágicos, que se apresentam a ele
e prestam-lhe favores, oferecendo fidelidade
e colocando seus atributos a serviço da missão da personagem principal. Raramente é a
personagem central a portadora da magia
para que fique mais fácil nos identificarmos
com ela, são essas figuras que administram
as benesses dos feitiços. Fazem isso quer
seja em troca de um favor recebido, ou
porque é sua missão, ou ainda pelo herói ter
735/1397
suscitado a admiração deles. A Fada Madrinha ou animais como o Gato de Botas são
exemplos desse tipo de personagem.
f) Por mais que ele ande por muitas terras
fazendo façanhas incríveis, o objetivo do
herói é readequar-se ao pequeno mundo, ao
reino, geralmente equivalente à família da
qual saiu. Seus feitos só têm sentido por
garantir uma volta triunfante a um lar, quer
seja aquele que um dia ele abandonou de má
vontade, ou a formação de um novo, similar
àquele. É em família que os príncipes e
princesas vivem felizes para sempre. Não é à
toa que esse tipo de história tenha encontrado nos pequenos seu público-alvo, afinal,
para eles também o lar é o horizonte mais
distante que a vista alcança e ali vivem os
únicos personagens que realmente lhes
interessam.
Além dessas características, podemos dizer
que, a partir de Propp,10 entendemos os contos
736/1397
maravilhosos, não como um conjunto de
histórias, mas como uma estrutura lógica, uma
forma básica que possibilita montar histórias.
Um quebra-cabeças com peças finitas, com as
quais podem-se fazer infinitas combinações. Os
contos que conhecemos são apenas arranjos
que encontraram uma cristalização particularmente acertada e, por isso, ganharam uma fama
duradoura. Preferimos dizer que eles são, como
já se disse dos mitos, uma espécie de linguagem
que possibilita encenar nossos dramas e pensar
sobre eles.
Shrek como conto de fadas
A estrutura Shrek mantém as principais características do conto de fadas tradicional:
seguimos em um mundo mágico; temos um final resolutivo; realiza-se uma jornada de crescimento; há um ajudante mágico, ainda que atrapalhado; e tudo culmina na formação de uma
família. A diferença é que essa jornada de
737/1397
crescimento agora será tanto externa quanto interna, e as personagens serão mais complexas,
elas agora terão vida interior. Além disso,
acrescenta-se o humor. Contudo, ainda não respondemos se estamos diante de um conto de
fadas ou se o reino da magia ganhou novas regras. É bom lembrar que não são as crianças
que se colocam esse problema, elas aceitaram a
nova receita com entusiasmo. É na tentativa de
entender as crianças de nosso tempo, e de
pensar se a ficção que oferecemos a elas é suficientemente rica, que a pergunta se justifica.
Nossa hipótese é que estamos diante de algo
novo, que chamaremos de “conto de fadas intimista”. Neste, sobre um esqueleto de conto de
fadas, é colocado um recheio contemporâneo,
um acréscimo em relação ao conto tradicional,
pois agora a vida interior – incluindo frustrações, traumas, medos e desejos, inclusive os
inadmissíveis – das personagens encontra uma
representação. Partindo da estrutura básica dos
contos maravilhosos, essa modalidade se
738/1397
enriquece utilizando alguns elementos tomados
da literatura moderna.11
Os filmes da série Shrek levam ao paroxismo as referências à cultura pop e aos próprios
contos de fadas. Isso impressionou os críticos,
levando-os inclusive a questionar se as crianças,
público-alvo, entenderiam essa avalanche de
citações. Porém, esse recurso não é algo inédito:
certos contos folclóricos já o utilizavam, além de
que enxertavam passagens de outras histórias,
cada contador colocava seu tempero, que não
era outra coisa que sua vivência pessoal das
novidades culturais de seu tempo. O tecido do
conto de fada é suficientemente elástico para receber acréscimos sem esgarçar.
Um bom exemplo para observar a inflexão
de uma época e seu estilo sobre o conto de fadas
são as narrativas de J.-M. Leprince de Beaumont e Mme. de Villeneuve, escritoras francesas
do século XVIII, lembradas principalmente
graças às suas versões de A Bela e a Fera. Os
maneirismos e os acréscimos do que era então
739/1397
valorizado hoje nos parecem enfadonhos e
cômicos. A descrição das riquezas que Bela encontrou no castelo da Fera incluía aves exóticas,
plantas tropicais, um cravo, livros de música e a
detalhada descrição de objetos de decoração
que faziam furor naquela época. Provavelmente
esse será o destino de Shrek, a passagem do
tempo vai desvelar o que é o osso da história e o
que são os penduricalhos próprios do nosso
tempo.
As crianças também fazem essas misturas,
essas adaptações, pois na hora de brincar vale
tudo. Se elas estão animadas em uma fantasia
de faz de conta, dramatizando que eram príncipes e princesas encantados, em uma manobra
de roteiro própria de quem comanda a fantasia,
elas bem podem ser ameaçadas pelo Godzilla
(convenhamos, um dragão bem perturbador),
que depois será vencido por Batman (um estranho príncipe mascarado, mas que tem seu
charme). Ou seja, se estão dentro do território
mágico, quaisquer personagens desse imenso
740/1397
reino, que hoje conta com acréscimos da cultura
pop, podem surgir do nada e, sem cerimônia,
entrar na história.
Uma mistura dessas já podia ser encontrada
no Sítio do Picapau Amarelo. A convite de Monteiro Lobato, figuras como o Gato Felix,12 Simbad e o próprio La Fontaine em pessoa visitavam o Sítio, acompanhados por Peter Pan.
Ali seres da mitologia se encontravam com os
do folclore brasileiro, dos contos de fadas, da
religião católica e da cultura popular da época.
Que o reino distante, onde Fiona é princesa,
seja habitado por todas as personagens dos contos de fadas e das demais histórias infantis de
outros tempos, é a explicitação de uma lógica
que as crianças sempre utilizaram.
Outra questão, não menos importante, é
que as várias camadas de referências não necessariamente são dirigidas às crianças. Ora, os
pais levam os filhos ao cinema, assistem em
casa às infinitas repetições do mesmo filme,
leem para eles a mesma história por sucessivas
741/1397
noites, portanto, se eles gostarem do produto
tanto melhor, aumenta o leque do consumo.
Claro que o filme não é feito para os adultos,
mas certas piadas, sim, como que reconhecendo
que eles estão ali, ao lado das crianças, e que, de
certa forma, alguém pensou neles. Hoje o sucesso de um filme também é medido pela capacidade de encantar às duas ou três gerações que
o assistem.
Fantasia com humor
Os contos de fadas tradicionais raramente
trazem humor, e, quando isso acontece, trata-se
de um humor grosseiro e repetitivo, focalizando
em geral a tolice, a incapacidade de aprender e
raramente avançam desse ponto. Por exemplo,
retratam uma personagem muito burra e sua
história consiste em insistir em todos seus erros, enquanto os demais a ridicularizam ou se
aproveitam disso. Aliás, muitos autores nem os
classificam como contos de fadas, geralmente
742/1397
tais histórias são apenas incorporadas às
coleções de contos.
O fato é que o humor veio para ficar nas
histórias infantis contemporâneas. São raras as
que dispensam esse tom, mesmo quando o tema
central é dramático. Vejamos, por exemplo, O
Rei Leão (Disney, 1994): a trama gira em torno
do assassinato do pai do herói, do exílio forçado
do leãozinho após ter sido instigado a acreditar
na falsa acusação de que essa morte do pai seria
culpa sua, do retorno e reconquista da posição
de herdeiro após a necessária vingança. Difícil
pensar isso em outra categoria que não o
drama, mas esse desenho animado é todo costurado com passagens humorísticas, o que o
torna mais leve. Para fazer a comparação com
histórias infantis tradicionais, podemos tomar
como contraexemplo os contos de Andersen, escritos no século XIX. Em, por exemplo, A
Pequena Sereia temos o sofrimento da personagem estampado da primeira à última linha,
sem chance para respirar. Como era de se
743/1397
esperar, a versão atual para a mesma história
(Disney, 1989) é um musical povoado de animaizinhos engraçados.
As brincadeiras infantis são um ato, muito
sério, de criação; o fato de que elas brinquem
não parece habilitá-las naturalmente para o humor. A não ser que possamos pensar o humor
como uma modalidade que deve ser levada a
sério. Quando brincamos com elas, é normal
ficarem irritadas e magoadas com aqueles que
executam mal seu papel de mãe, professora,
ladrão, policial, princesa, super-herói ou monstro, sem a necessária gravidade, sem entrega
dramática.
No trabalho clínico com crianças, é preciso
ter um empenho de ator para que uma brincadeira evolua, se desenvolva de forma a encenar ricamente os impasses do pequeno paciente.
Os profissionais sabem que não podem estar
distraídos ou pouco comprometidos com sua
tarefa de manipular um boneco, fazer sua voz,
ou “ser” uma personagem. É preciso estar
744/1397
genuinamente entrosado na trama para que
uma criança reconheça e acredite que a estamos
escutando, que sabemos que ali se dramatizam
coisas importantes. Não é muito diferente
quando os pequenos brincam entre si: se algum
deles “sai” do faz de conta ou assume uma postura jocosa ou, ainda, sarcástica em relação aos
outros será expulso ou contribuirá para que
aquela brincadeira termine.
Maria Rita Kehl observa que o humor infantil precisa ser pensado a partir de uma base
de gravidade, de credulidade que é própria e necessária às crianças. Elas precisam acreditar no
poder e na sabedoria dos seus adultos, por serem frágeis e amorosamente vinculadas a eles, é
neles que irão colher elementos para compor
sua identidade. Negar-lhes algum valor em um
primeiro momento seria como furar a própria
canoa antes de aprender a nadar. Questioná-los
e até considerá-los engraçados já significa assumir certa distância, prescindir dos pais nem
que seja um pouco.13 Por isso, observamos nos
745/1397
desenhos animados, filmes, livros e quadrinhos
dirigidos às crianças muito pequenas um humor
muito mais sutil: pode até descrever uma situação atrapalhada, mas não assumirá aquele explícito tom de crítica que é hoje onipresente nas
obras dirigidas às crianças maiores.
Em suma, a admiração idílica pelos pais existe, mas dura muito pouco na vida das crianças
contemporâneas. O humor é um dos modos de
estabelecer essa distância, pois não somente
pode-se ver os pais e o mundo adulto desde um
prisma do ridículo, como, ao provocar o riso,
encontramos alguma cumplicidade com quem
também está rindo.
Ser pequeno é diretamente proporcional ao
tanto de grandes que os outros são, pois não há
medida sem parâmetro. É só com base nos já
crescidos, assim como no mundo cheio de objetos grandes, altos e difíceis de manusear, que as
crianças sentem-se anãs e constatam quanto
ainda estão longe do que se tornarão no futuro.
No princípio, a encarnação da perfeição são os
746/1397
pais ou seus substitutos. Rir deles, ou de
qualquer outro adulto que esteja se fazendo de
palhaço, voluntária ou involuntariamente, é
como descascar, arranhar esse ideal.
A cultura infantil contemporânea tem proliferado em personagens adultos, em geral os
pais dos protagonistas, que são no mínimo atrapalhados, para não dizer mais, pois costumam parecer doidos, egoístas, lerdos e
frequentemente comportam-se de modo mais
infantil que os filhos.14 Compartilhar isso com
outras crianças é estabelecer um mundo com
outros parâmetros, onde elas sentem-se um
pouco
mais
autônomas,
independentes.
Apoiando-se umas nas outras, fantasiam prescindir da tutela de quem cuida delas, mas também as oprime. É óbvio que nestas fantasias as
crianças são capazes de resolver todo tipo de
problema, mostrando a coragem, a inteligência
e o bom senso que falta aos seus desnorteados
pais.
747/1397
Quando se brinca, costuma-se inverter a ordem real das coisas, estando a criança na
posição mais valorizada, quer seja no papel de
um super-herói, de uma princesa importante,
de um mago poderoso, ou mesmo da mãe, pai
ou professora. É ela quem manda nos outros,
decide e sabe o que é certo. Nessas obras de cultura infantil, através da representação cômica
dos adultos, obtém-se o mesmo efeito da brincadeira: dramatizar ativamente aquilo que se
sofre passivamente e vingar-se da opressão que
é intrínseca à tarefa de educação das crianças.
Os pais mandam porque precisam proteger e
ensinar e, mesmo que o façam com algum espírito democrático, igual precisam se impor. À
criança cabe depender e obedecer, por mais que
demonstre sua rebeldia sempre que possível. O
humor hoje está no coração dessa negociação, é
um dos pontos de escape da tensão própria de
ser pais e filhos.
As diferenças hierárquicas entre as gerações
têm diminuído, nesse sentido pais e filhos
748/1397
vivem mais próximos, mais colados. A autoridade patriarcal já não apavora ninguém, a mãe e
o pai já não batem e castigam como outrora, o
vínculo encontra-se minimizado no aspecto da
autoridade, que será maior quanto mais distante for seu executor. Por outro lado, os laços
familiares encontram-se maximizados em termos emocionais: as famílias são mais amorosas
e comunicativas; os filhos, poucos, são muito
valorizados e a tarefa de ocupar-se deles é considerada socialmente muito importante.
Já não há quem ignore que o pouco tempo
que pais e filhos têm para passar juntos nessa
vida agitada deve ter qualidade, e cada família
faz o que pode para isso. Alguns o fazem por
meio de programas conjuntos, outros tentam
conversar nos momentos de locomoção ou
antes de dormir, existem pais que até brincam.
Além disso, as crianças são escutadas como
nunca antes ocorreu, suas opiniões e questões
são valorizadas e fala-se com elas. É possível
que o acréscimo de humor para as crianças faça
749/1397
parte das consequências desse aplainamento
entre as gerações.
Agora que pais e filhos estão mais próximos,
alguns quase indiferenciados, poderíamos dizer
que o olhar crítico e bem-humorado propicia
uma distância, areja o vínculo. Além disso, as
crianças precisam confiar mais em si mesmas,
amadurecer suas percepções mais cedo, já que
seus adultos colocam-se muitas vezes em um
mesmo nível que elas. Por isso o humor, que é
algo mais maduro, está tão presente entre gente
que ainda é pequena.
Fazendo um paralelo, podemos dizer que
quanto mais despótico é um regime, mais o humor vai ser censurado, vai ter que sobreviver
nas frestas, já quanto mais democrático, mais
ele é solto e liberado. Ao humor cabe a missão
de ridicularizar o autoritarismo, que se baseia
na anulação de um pensamento pelo outro.15
Fazer graça é sempre uma forma de criticar, de
questionar, mostrar o outro lado, nele está uma
contradição com o pensamento único de
750/1397
qualquer forma de totalitarismo. Por sorte, no
ocidente já é possível rir de quase tudo e esses
afrouxamentos do poder na família certamente
contribuíram para essa disseminação do riso, da
graça. O humor na infância é consequência
direta dessa liberdade que se instaurou no seio
das famílias pequenas, afetivas, pouco hierarquizadas, cheias de conversas e questionamentos que hoje constituímos.
Como nos ensinou Freud, o chiste é uma
das formações do inconsciente, está ligado à
possibilidade de lidar com o recalcado. Logo,
quanto mais humor houver, mais acesso
teremos a um discurso pleno. Por exemplo, o
pai de família, representante tradicional da
autoridade, hoje é o palhaço principal de várias
séries, ao estilo de Simpsons, em um trajeto, inaugurado há várias décadas, pelo pré-histórico
pai trapalhão Fred Flinstone.16 Embora se fale
da derrocada do poder patriarcal, tanta necessidade de fazer graça com ele remete à força
remanescente da figura paterna, ou, pelo
751/1397
menos, faz parte de uma tentativa coletiva de
estabelecer seu lugar.
Aquele que está compartilhando seu bom
humor acaba desvelando-se, abrindo seu
pensamento. Mesmo que involuntariamente,
ele também se expõe ao ridículo, pois brincamos sobre aquilo que é mais sério para nós.
Por exemplo, se alguém vai insistir em piadas
racistas é inseguro de seu lugar social; se forem
os cornudos suas vítimas preferenciais, a fidelidade lhe aparece como problema; se as mulheres protagonizam as investidas, há algo nelas
que o perturba. A necessidade de bater na
figura do pai, de transformá-lo em um imbecil,
pode ser índice de sua incontornável presença,
trata-se provavelmente do sinal de uma pluralidade de questões ainda pendentes, e certamente contraditórias, em um leque que vai da
nostalgia das certezas que ele portava, a um
rancor pelo despotismo antes exercido.17
A cumplicidade que a piada pede remete necessariamente
aos
pontos
fracos
752/1397
compartilhados, pois o efeito humorístico jamais ocorre em uma só cabeça, são necessárias
duas para fazer uma piada. Aquilo do que se ri
está na parte que não é contada, há uma suspensão na narrativa, que precisa ocorrer na
hora certa, a pontuação é fundamental. O efeito
do chiste acontece em um intervalo de continuidade entre o pensamento do narrador e o do
ouvinte, o primeiro inicia o raciocínio, que
subentende uma conclusão não enunciada, a
qual se precipita no segundo.
Se entre as crianças contemporâneas parece
haver uma consciência de que, vistos mais de
perto, os pais parecem menos poderosos e assustadores, podemos pensar que esse humor infantil denuncia um problema e uma solução.
Elas sentem-se ao mesmo tempo inseguras e
livres graças à desmistificação destas figuras
outrora opressivas e apoiam-se em um sentimento comum: uma fantasia de poder e autonomia,
em
uma
responsabilidade
753/1397
compartilhada com os pais de fazer a família
funcionar. A liberdade também tem seu preço.18
Há uma piada, na qual um hóspede acha estranho o baixo preço pedido por um hotel para
a ocupação do quarto: no momento de sua entrada, porém, lhe é esclarecido que ele precisará
“fazer sua cama”. “Sem problemas”, pensa ele,
“quem se importaria em ajeitar os lençóis pagando tão pouco pelo pernoite?” Porém, ao
chegar ao quarto ele encontra madeira, serrote
e pregos...
As nossas crianças são mais ou menos como
esse hóspede, elas não terão que pagar o alto
preço da submissão ao totalitarismo dos adultos, porém precisam ajudar a construir os
lugares de cada um em sua família. Para tanto,
o humor é um instrumento que ajuda a denunciar os momentos em que as figuras parentais
parecem aquém do seu papel, ou quando a
autoridade e superioridade dos pais necessita se
impor e é confrontada com a irreverência de
seus anárquicos súditos. Em uma família hoje o
754/1397
“governo” terá que suportar os eternos plebiscitos de seus cidadãos, que tudo questionam,
duvidam, e que, principalmente, sempre se
queixam. O humor das crianças é um de seus
recursos “políticos” mais interessantes, aliados
a uma discussão constante das razões de tudo,
uma cachoeira de porquês e, em muitos casos,
um comportamento anarquista que convoca necessárias intervenções coercitivas.
Portanto, temos no humor aspectos fundamentais para a vida dos homens criados sob o
ideal da democracia. Entre os valores agora prioritários, em primeiro lugar está a sinceridade
que, em meio a tantas incertezas, sugere uma
entrega verdadeira. Aquele que brinca, principalmente a respeito de si mesmo, não está querendo bancar o que não é, reconhece seus erros e
fraquezas. Nele seria possível confiar e mais facilmente lhe daremos o coração, o emprego, o
voto. Em segundo lugar, está a importância da
ligação afetiva genuína ao outro. Compartilhar
uma brincadeira é permitir que algo flua entre
755/1397
os participantes, sem certeza dos limites entre
um e outro.
Quando não houver hierarquias rigidamente estabelecidas, nem ritos a serem
cumpridos, nem mestres ou chefes inquestionáveis, em quem poderemos confiar para guiar
nossos passos? Em quem acreditar? A quem
amar? Escolheremos os que parecerem mais
sinceros.
Por isso, além do humor, nossa sociedade
tem valorizado muito o gênero “reality”: diários,
depoimentos, documentários que, aliás, não
precisam ser verdadeiros, mas é bom que
pareçam sê-lo. Confiaremos mais em alguém
que esteja relatando o que sentiu sobre o que
realmente lhe aconteceu. Tudo isso se constitui,
a nosso ver, menos no exercício da verdade,
onde se revelem sinceridades e transparências
genuínas, e mais em uma renovada experiência
de “realismo literário”. O cultivo dos valores
conquistados na trajetória individual, no reino
privado, pessoal, surge como alternativa ao
756/1397
declínio, no ocidente, dos delírios coletivos,
quer sejam ditatoriais ou religiosos, das utopias
políticas. A consequência do esvaziamento do
investimento na coletividade é uma hipertrofia
da individualidade, sua expressão ética e estética é a valorização dos processos íntimos, do
humor e da sinceridade, da autenticidade. São
agora esses os pré-requisitos básicos do modo
de ser e de se expressar.
Contos de fadas intimistas
Outra diferença essencial dos contos de fadas contemporâneos é a relevância de um tipo
diferente de aventura: a jornada interior, requerida pela profundidade da personagem. Em
um conto tradicional, alguém se torna príncipe
ou princesa após vencer provas de coragem,
persistência e autocontrole. Neste tipo de
história clássica, o desafio pode ser lançado em
nome de um amor ou da necessidade de provar
seu valor, ou ainda sua legitimidade, frente a
um questionamento por parte dos mais velhos,
757/1397
mais poderosos ou socialmente melhor posicionados. Só então as deficiências e feiuras do
herói serão deixadas para trás e um belo príncipe brotará de dentro de um corpo frágil. A criatura que antes era, ou parecia, imperfeita, se
tornará bela e boa.
A representação disso é uma jornada na
qual o crescimento fica demarcado pelas conquistas efetivamente ocorridas. Um ogro ou
uma bruxa terão que ser derrotados, um feitiço
será desfeito, um objeto mágico encontrado, enfim, sempre há uma prova concreta da vitória
do herói.19 Ora, nas histórias modernas o
equilíbrio entre jornada interior e exterior é
menos marcado, existem outras formas de
mostrar o crescimento de uma personagem que
não com uma conquista prática. Inclusive uma
derrota, ou uma perda, podem até servir, se o
sujeito em questão der provas de ter alguma capacidade de elaborar sua experiência, se reconheceu – e aprendeu – com seus erros.
758/1397
Não há melhor exemplo do que o incorrigível Pinóquio para demonstrar quantos
descaminhos do herói o conto de fadas moderno está disposto a aceitar. O boneco só deixa
de errar no finalzinho, quando já destruiu quase
tudo o que ele amava, e é basicamente a capacidade de admitir erros aquilo que constitui sua
vitória. Porém, frente a tantas promessas vãs de
regeneração que o boneco de madeira fez ao
longo da história, ficamos com a suspeita de que
se Collodi não tivesse colocado um ponto final,
a vida adulta da personagem talvez enveredasse
para caminhos de culpa, crimes e castigos, bem
ao estilo de Dostoiévski.
A superação do herói antes dependia de
uma aventura concreta, enquanto a desvalia
provinha dos outros que o menosprezavam, ou
desconheciam suas qualidades. Estas mudaram
de lugar: agora dependem mais de uma apreciação interna do que externa, a valorização de
si passa também a ser uma premissa para que
os outros o vejam com bons olhos. Para tanto, a
759/1397
imagem de si assume uma função importante, a
qual se diferencia da imagem visível, ser e parecer se separam.
Nas histórias tradicionais, a beleza ou a
bondade são intrínsecas à personagem, apenas
muitas vezes estão ocultas sob um disfarce de
sujeira, andrajos ou silêncio. Há casos em que o
herói tem defeitos, como no caso da Fera, que
em algumas versões inclui um príncipe punido
por não saber amar; nessas situações, o castigo
vem sob a forma de um feitiço que produz uma
feiura passageira, e deverá ser revertido. A
transformação da Fera em um monstro
sensível, domado, é o desafio de Bela, a verdadeira heroína da história. Quanto a ele, passará por tantas transformações externas
quantas mudanças de caráter houver, pois se
conseguir fazer-se merecedor do amor da linda
e virtuosa jovem, poderá novamente parecer o
belo príncipe que foi. Como vemos, não é um
processo interno, há uma mágica a ser desfeita,
um castigo a penar, a característica de cada
760/1397
personagem sempre corresponde a uma imagem fixa, que não evolui, transmuta-se.
Referimo-nos aqui insistentemente ao clássico conto A Bela e a Fera por ser uma associação óbvia com a história de transformações
físicas motivadas pelo amor que aparecem em
Shrek. O ogro dos filmes não deixa de ser um
tipo de Fera, mas ele só se torna belo por dentro, enquanto por fora segue o mesmo. Já
Fiona, sua amada, no decorrer da história fica
mais feia por fora e, por isso, mais amada. Essa
história brinca justamente com as certezas dos
contos de fadas tradicionais, nos quais tudo é o
que parece, pode até estar escondido, mas nada
muda na essência.
Conquistar um valor frente aos olhos dos
outros, para ser amado e respeitado, depende
de acertar contas internas com os próprios
ideais e permitir-se crescer e aparecer, essa é a
nova jornada do herói. Shrek é gordo e verde, é
um ogro, sua amada Fiona também, ambos a
princípio não se aceitam como tal, ele acredita
761/1397
que está fadado à solidão, enquanto ela almeja o
fim da maldição que a condena a parecer-se
com uma ogra à noite, ambos sofrem por ser o
que são, mas o amor fará maravilhas.
Nos contos de fadas tradicionais os ogros
costumam ser antropófagos, com franca preferência pela carne infantil. Aqui, essa condição só
existe como estigma, o filme brinca muito com
isso, pois, apesar de forte e bruto, Shrek é um
grande coração e só se utiliza do medo que infunde para tentar viver em paz.
Concluindo
Os contos de fadas sempre se mostraram
extremamente versáteis. Para chegar ao modo
como os conhecemos, sofreram várias
mudanças. Primeiro, mudaram de registro: embora seguissem sendo oralmente transmitidos,
ganharam também uma forma escrita. Paralelamente, saíram do campo e chegaram à cidade,
deixando para trás certa rudeza. Quando
762/1397
receberam o aceite da corte, afastando-se da sua
origem camponesa e rural, uma segunda
limpeza e um refinamento emprestaram-lhe
mais polimento. Uma vez legados para as crianças, deixando seu público adulto original
para trás, várias adaptações foram feitas para
tornarem-se condizentes com o mundo dos
pequenos. Quando chegaram ao século XX, um
século de mais perspicácia psicológica e maior
investimento na sensibilidade, certos contos de
temática demasiadamente explícita em sexualidade e agressividade já haviam ficado pelo
caminho.
Pois bem, em vez de procurarmos uma essência dos contos de fada, das suas supostas
propriedades intrínsecas, podemos dizer que
eles se adaptam aos novos públicos e aos novos
tempos. E também que sua última metamorfose
terá sido o acréscimo de certos elementos do romance, criando um conto de fadas intimista,
onde as personagens são complexas, e a jornada
de crescimento está tanto nas conquistas
763/1397
efetivas quanto no desenvolvimento do controle
de si, no crescimento subjetivo.
O ajudante mágico continua existindo;
agora, é uma mistura de amigo e terapeuta,
como o burrinho que várias vezes com suas palavras tira Shrek do aperto. Porém restam-lhe
encantamentos, pois, com sua mulher-dragoa
aparecendo subitamente, traz os meios para salvar o herói. Tendo vida interior, é normal que
ele vá ser menos mágico e mais ao modo do
Grilo Falante, parecido com uma voz interior,
uma consciência moral.
Os heróis clássicos dos contos de fadas são
crianças, ou jovens, raramente adultos. Shrek já
não é uma criança quando inicia sua jornada,
ele se parece até com um velho solteirão ranzinza. Porém seu desafio é o mesmo de um adolescente de hoje, sair do seu isolamento, nem
sempre desejado, mas sempre vendido como
opção, e iniciar um movimento em direção ao
amor e ao sexo. Seu estado de solteiro o coloca
como “não adulto”, portanto pronto para a
764/1397
identificação com os pequenos. Ora, os desafios
do crescimento são maiores no nosso tempo.
Ganhamos mais fases: nos contos de fadas, e
em tempos não muito remotos, casar representava a economia de todo o percurso de sair de
casa e crescer, hoje é apenas um entre tantos
desafios. Desse modo, temáticas adolescentes e
de jovens adultos invadem o território mágico
dos contos de fadas. É bom lembrar que a adolescência é, para a criança, sua próxima estação, e ela observa cuidadosamente onde vai
desembarcar.
Os contos de fadas mudaram porque nós
mudamos, eles nos acompanham há séculos,
trocam de roupa a cada nova geração, e não
parecem dar sinais de cansaço.
Notas
1 Trata-se do clássico A Psicanálise dos Contos de Fadas, de Bruno Bettelheim (lançado no Brasil pela Paz
e Terra, escrito em 1977), obra na qual nos
765/1397
2
3
4
5
inspiramos para realizar o livro Fadas no Divã: psicanálise nas histórias infantis (Artmed, 2005).
BARRIE, James Mathew. Peter Pan e Wendy. São
Paulo: Companhia das Letrinhas, 1999, p. 159.
No texto de 1908, Escritores Criativos e Devaneios,
Sigmund Freud observa que, como a criança, o escritor cria um mundo de fantasias que leva muito a
sério, dali provém sua arte. Trinta anos depois, em
um ensaio sobre os contos de fadas, J. R. Tolkien, retomando Coleridge, observa que eles pressupõem
que “a magia seja levada a sério, nem motivo de
sátira, ou risos, nem justificação”. Tolkien usa a expressão “suspensão voluntária da descrença” ou
“crença literária” (literary belief) que torna a magia
uma premissa inquestionável, em Tree and Leaf, ensaio de 1938 que faz parte da coletânea The Tolkien
Reader. New York: Ballantine Books. Esta questão
encontra-se mais aprofundada no Capítulo X.
SUTCLIFF, Rosemary. O Rei Arthur e os Cavaleiros
da Távola Redonda – Vol. 1. A Espada Excalibur.
São Paulo: Antroposófica, 1986.
Em 2007 os Estúdios Disney realizaram uma comédia romântica, uma história de princesa que visa explorar esse filão, inaugurado por Shrek, de paródias
dos contos de fadas. Trata-se de Encantada, na qual
766/1397
toda a comicidade centra-se na crítica à ingenuidade
do apaixonamento dos príncipes da tradição. Eles se
amavam sem conhecimento prévio e ignoravam que,
depois do “felizes para sempre”, o casal ainda teria
que vencer muitos desafios, a fim de que o “para
sempre” realmente durasse.
6 Talvez os fenômenos da anorexia e da bulimia nos
ensinem, no limite de sua patologia, o que pode representar um olhar. Nessas doenças, a visão do
próprio corpo fica completamente alterada, muitas
vezes uma jovem esquelética segue sentido-se obesa;
apesar das evidências, ela não enxerga a realidade,
possui uma representação da sua imagem corporal
mais forte do que a do espelho, e também do que a
palavra de qualquer um em volta. Isso não vale só
para elas, é apenas um caso extremo, todos nós
temos, em algum grau, uma alteração da imagem
corporal ou pelo menos uma dependência do olhar
externo para nos sentirmos bem. Sentir-se bonito ou
feio é menos o resultado de uma apreciação concreta
de estar entre os padrões de beleza, e mais o estar em
paz com o olhar que supomos que recebemos de fora.
É esse olhar que a fada madrinha nos dá, eco da
formatação que recebemos dos dias em que fomos
especiais para nossa mãe.
767/1397
7 Essa personagem tornou-se conhecida no conto de
fadas chamado Rumpelstiltskin, dos irmãos Grimm.
Trata-se de uma criatura mágica, mais próxima dos
duendes domésticos, que oferece seus serviços para
ajudar uma futura princesa a sair de uma encrenca.
Em troca, ele exige que ela lhe entregue seu primeiro
filho. Porém, ela é mais esperta que ele e o passa
para trás, preservando a criança. Na história de
Shrek, o personagem de mesmo nome é um espertalhão, provavelmente foi usado em função de oferecer
seus serviços mágicos em troca de algo valioso. Diferente da personagem clássica, neste caso a intenção é
trapacear e o ogro é menos esperto do que a moça.
8 Para entender o contraponto com as novas histórias
para crianças, acreditamos que as distinções entre os
conceitos de “conto maravilhoso” e de “conto de fadas” são, nesse momento, irrelevantes. Aqui os
usamos como sinônimo de contos que as crianças
herdaram da tradição e escutam há várias gerações
ao pé da cama.
9 Para um passeio mais completo entre a variedade de
países das maravilhas existentes, recomendamos a
leitura do Dicionário de Lugares Imaginários, escrito por Alberto MANGUEL e Gianni GUADALUPI,
Companhia das Letras, 2003. Nesse livro, o verbete
Fantasia ilustra essa geografia imaginária: “Uma
768/1397
terra sem fronteiras. Não é possível dar uma
descrição geográfica precisa dessa região, nem é possível traçar seu mapa. A localização geográfica de
seus países, rios, mares e montanhas – e até mesmo
as direções em sua bússola – mudam constantemente” (p. 161).
10 Vladimir Propp foi um acadêmico russo que revolucionou o entendimento dos contos de fadas. Decompondo os contos até seus menores fragmentos,
mostrou como eles são sempre arranjos a partir das
mesmas formas elementares.
11 Em A Ascensão do Romance (Companhia das Letras,
1996), Ian WATT descreve – ao falar de Ulisses, de
Joyce, e sua personagem Bloom – essa ênfase nos
processos interiores, em contraposição às aventuras
factuais: “Bloom nada tem de heróico ou de notável;
à primeira vista é difícil entender por que alguém
quereria escrever sobre ele; e na verdade há uma única razão possível, a mesma que justifica a existência
do romance em geral: apesar de tudo o que tínhamos
a dizer contra Bloom, sua vida interior, se podemos
julgar, é infinitamente mais diversificada, interessante e consciente de si mesma e de suas relações
pessoais que a de seu protótipo homérico” (p. 180).
12 “O gato saiu da moita, vindo com toda semcerimônia sentar-se no colo dela. Narizinho alisou-
769/1397
lhe o pelo e indagou: – Como é que anda por aqui,
Félix? Pensei que morasse nos Estados Unidos. –
Ando viajando – respondeu ele. Estou correndo o
mundo para fazer um estudo sobre ratos. Quero
saber qual o país de ratos mais gostosos.” LOBATO,
Monteiro. Reinações de Narizinho. Editora Brasiliense, 1965, p.123.
13 “A crença nos ensinamentos dos pais resulta da operação de identificação aos ideais que eles representam. Por outro lado, o humor, a malícia, a ironia
exigem um distanciamento da criança quanto à verdade absoluta da palavra paterna, esta que leva o
selo do amor. É preciso degradar um pouco os ideais
para conviver com eles, assim como é preciso rebaixar um pouco a autoridade dos pais para poder emergir como sujeito desejante.” In: Seria trágico... se
não fosse cômico: humor e psicanálise. Abrão
SLAVUTZKY e Daniel KUPERMAN (org.). Rio de
Janeiro: Civilização Brasileira, 2005. Capítulo: Humor na Infância, de Maria Rita Kehl, p. 68.
14 Ver Os Padrinhos Mágicos, ou O Laboratório de
Dexter, ou, ainda, Jimmy Neutron, entre tantos outros. Aprofundamos essa questão no Capítulo IV.
15 Em seu livro Os Chistes e sua relação com o Inconsciente, Sigmund Freud ressalta o poder subversivo
do chiste, em sua capacidade de veicular uma crítica
770/1397
e através do riso obter a concordância daquele que
escuta: “Já que somos obrigados a renunciar à expressão da hostilidade pela ação [...] desenvolvemos,
como no caso da agressividade sexual, uma nova técnica de invectiva que objetiva o aliciamento dessa
terceira pessoa contra nosso inimigo. Tornando
nosso inimigo pequeno, inferior, desprezível ou
cômico, conseguimos, por linhas transversas, o papel
de vencê-lo, fato que a terceira pessoa, que não despendeu nenhum esforço, testemunha por seu riso”.
FREUD, op. Cit., v.VIII, p. 123.
16 Os Flinstones é um desenho animado criado por
Hanna & Barbera entre 1960 e 1966. A fórmula bemsucedida da trama, enfocando uma família cujo pai
era um bobalhão muito amoroso, a esposa é mais
centrada e os filhos tendem a ser espertos, repetiu-se
à exaustão, mas somente foi encontrar um substituto
à sua altura em 1989, quando surgiram Os Simpsons,
de autoria de Matt Groening.
17 Trabalhamos as ambivalências em relação ao pai
contemporâneo mais detidamente nos Capítulos IV e
VI.
18 “O humor é possível, na infância, quando a criança
vê cair um pouco da onipotência paterna e da onisciência que atribui ao pai. Esta passagem não se dá
sem sofrimento: a castração paterna é vivida como
771/1397
desamparo.” In: Abrão SLAVUTZKY e Daniel
KUPERMAN (Org.). Op. cit. p. 72.
19 Esse tipo de narrativa, com personagens simples, delineados com critérios francamente maniqueístas, roteiros construídos a partir de jornadas, tarefas, lutas,
aquisição de poderes e adereços mágicos e conquistas, encontrou larga margem de sobrevivência
nos games.
CaPÍTuLO
8
Ficções
sobre
adolescência
a
O Rei Leão_O Apanhador no Campo de
Centeio_filmes de terror com adolescentes
Idealização da adolescência_Adolescência
como moratória da vida_Prorrogação do
final da adolescência_Morte simbólica dos
773/1397
pais do adolescente_Importância dos
pares na juventude_Latência_Sepultamento do Complexo de Édipo_Sofrimentos
psíquicos na adolescência_Resistências à
adolescência_Questões sobre a escuta do
adolescente_Depressão na adolescência_Fantasia de corpo despedaçado_Transtornos da imagem corporal_Hipóteses sobre a violência virtual
A
adolescência é um sonho para os que estão
de fora, já para os que estão dentro, sabe
ser também um pesadelo. É época de longos tédios, nos quais se passa mais sonhando do
que fazendo qualquer coisa, porém os adultos
imaginam os adolescentes sempre envolvidos
em práticas sexuais e transgressivas. Jovens criam confusões, é fato, colocam-se em risco com
mais frequência do que adultos, mas em geral
são arrebatos passageiros, inseridos no contexto
de uma existência pacata, de muitas esperas e
774/1397
vazios. Como viver feito gente grande é muito
trabalhoso, depositamos um tanto de nossas
fantasias em um passado idealizado, constituído
por uma infância de brincadeiras seguida de
uma adolescência de aventuras.
As crianças, que têm tudo pela frente, também necessitam de fantasias nas quais se apoiarem. Para os que estão crescendo é um consolo
frente aos temores referentes ao futuro próximo
imaginar a adolescência enquanto um tempo de
autonomia, porém sem o peso que elas percebem na vida dos adultos. Recentemente a ficção
infantil povoou-se de personagens que vivem
um período adolescente, como o desenho animado O Rei Leão que examinaremos em seguida.
Para as crianças é muito agradável pensar que
haverá um período em que não se estará mais à
mercê dos adultos, no qual já se é grande,
bonito e ainda não é preciso cuidar dos filhos,
nem trabalhar, muito menos ficar velho: essa é
a adolescência sonhada pelos pequenos.
775/1397
Já os adultos precisam rejeitar o sofrimento
e as vacilações que os adolescentes demonstram, quando prestamos atenção no que eles
realmente fazem e dizem, pois a realidade dos
mais jovens não coincide com a fantasia dos
mais velhos. Criar um adolescente mítico, que
ora pareça um devasso, ora um príncipe, ora um
super-herói, por vezes um vilão, é um persistente exercício de ficção dos adultos contemporâneos. Idealizar o passado é uma estratégia
de defesa, visando resistir à realidade labiríntica
que habitamos na vida adulta.
Quando deixamos de ser uma grande
promessa e a vida é para valer, os caminhos
parecem estar traçados embora sempre andemos meio perdidos. O jovem parece estar de
fora dessa angústia, sua atitude crítica leva-nos
a pensar que estaria enxergando o labirinto de
cima, conheceria suas saídas. A verdade é que
ele recém entrou, pouco sabe do mal-estar de
seguir em frente ignorando o caminho sem
nunca poder parar. Apesar disso, seu
776/1397
pensamento e modo de vida nos fascinam, pois
o fato de que suas escolhas ainda não foram
feitas faz-nos crer que ele está longe de arrependimentos, invejamos sua “sorte de principiante”. Reza a superstição que sempre que
aprendemos um jogo saímo-nos muito bem na
primeira partida, como se a sorte sorrisse para
os principiantes. O que na verdade acontece é
que aquele que está ensinando distrai-se do
próprio jogo. Assim ocorre também com os
jovens, sua aparente leveza na vida provém dos
restos da tutela adulta com que ainda contam.
Enquanto isso, na adolescência real, vive-se
um turbilhão de emoções das quais os adultos
não querem saber, preferem relacionar-se com
seu protótipo imaginário de adolescência.
Apesar de que a ficção é onde podemos encontrar o catálogo das fantasias mais comuns de
uma determinada época, ela é pobre em apresentar histórias mais próximas dos dramas
corriqueiros dessa época da vida, pouco se
aproxima do adolescente como ele realmente é.
777/1397
A ficção é uma projeção onde conseguimos vernos de fora, identificando-nos inconscientemente com as personagens e elaborando involuntariamente nossos impasses; para tanto ela
pode muito bem nutrir-se de conflitos reais, não
somente de idealizações. Neste caso, a fruição
estética, o prazer do leitor ou do público,
provém de sentir-se menos só em sua
complexidade.
Não podemos esquecer que as obras de
ficção são escritas por adultos, os quais retratam sua compreensão tardia, cheia de retoques e desejos atuais do que seja a juventude,
para eles finda. Apesar de todos esses filtros,
um retrato fidedigno, delicado e ao mesmo
tempo cruel dessa época pode ser obtido graças
a um jovem de mais de meio século: Holden
Caulfield, do já clássico O apanhador em
campo de centeio.
Porém, nem só de sonhos e realidade é feita
a adolescência: os filmes de terror para consumo principalmente de público jovem colocam
778/1397
uma dimensão de pesadelo associada a essa
época da vida. Neles, grupos inteiros são exterminados por vilões vingativos e sádicos que
os trucidam um a um, principalmente quando
os jovens vivem seus melhores momentos de
erotismo e aventuras.
Este ensaio realiza um percurso que se inicia com a adolescência idealizada pelas crianças, continua com a análise de um relato ficcional do que seria esse período pintado de
forma mais realista e culmina com os filmespesadelos protagonizados por adolescentes. Analisaremos as diversas fantasias evocadas por
essas obras, esperando que nos ensinem algo
sobre o que somos e sentimos antes, durante e
depois dos marcantes anos da juventude.
A adolescência como um sonho alheio_O
Rei Leão
O que a criança sabe da adolescência que a
espera? Esse período está nos planos de sua
vida ou não passa de uma ponte sobre o abismo
779/1397
existente entre a infância e a idade adulta? Para
responder a essa pergunta devemos observar o
que as crianças falam, fazem, vestem e, no
nosso caso, a ficção que consomem. A adolescência foi ganhando espaço na ficção à medida que foi se enraizando como conceito.
Sempre houve jovens, mas a maneira de encarar certo recorte de tempo da juventude como
uma espécie de prolongada moratória da vida,
caracterizado pela procrastinação da fase
adulta, é novidade recente. Desenvolvemos caracteres sexuais secundários e a capacidade reprodutiva quando estamos no final do nosso
crescimento. Nessa época, somos ainda pouco
encorpados, mas compensamos essa falta com
um plus de vitalidade e curiosidade. Só que isso
não é adolescência, é fisiologia, que até pode ter
suas etapas avançadas ou atrasadas conforme o
meio, mas é um processo que se imporá inexoravelmente.1
A juventude é uma das idades do homem,
quando atinge a maturidade sexual e ainda não
780/1397
apresenta nenhum sinal de desgaste físico. A
adolescência é a interpretação social e psicológica desse período de viço e plenitude física,
etapa que hoje ocupa um lugar social privilegiado. Especialmente na sociedade ocidental, o
discurso de glorificação, paralelo ao de demonização da adolescência ainda não deu mostras
de esmorecer.
Adolescência é tempo de um difícil
equilíbrio entre as fantasias apaixonadas e as
experiências reais, da exploração ambivalente
da própria beleza, de oscilar entre a obsessão e
a repulsa ao sexo, do medo do futuro, de acharse potente e inválido ao mesmo tempo. Tudo
isso faz parte da dimensão psicológica de uma
época da vida inesquecível, que pode ser lembrada, porém não pode ser reproduzida, nem
resgatada, embora muitos adultos tanto insistam. Ela é uma utopia etária, vendida como a
melhor idade da vida. São incontáveis os esforços médicos e científicos dedicados à busca
de produtos e soluções para eliminar as marcas
781/1397
do envelhecimento, pois parecer é ser. Mas
quais seriam as vantagens de ser adolescente
eternamente?
A novidade contemporânea associada à adolescência, cujas vivências separam-na das experiências juvenis de outros tempos, diz respeito à sua duração. Cada vez mais longa, a adolescência tem seu fim prorrogado na direta
proporção do grau de cultura e da pujança econômica da família: quanto mais recursos tiverem, mais manterão seus filhos em uma interminável preparação para a vida, supondo que
assim serão capazes de realizar qualquer sonho
pendente de seus pais. Além disso observam-se
casos em que essa prorrogação estende-se por
décadas, transformando a adolescência em algo
diferente que uma passagem, uma transição.
Trata-se de indivíduos que padecem de uma
procrastinação crônica da chegada à vida
adulta, que resistem a sair dela tal como Peter
Pan fazia em relação à infância, tornam-se uma
caricatura decrépita da juventude.
782/1397
Já na adolescência de verdade, a vivida a
seu tempo, sofre-se um bocado e os arroubos
ajudam a compensar a enxurrada de incertezas.
Diferente da infância, da qual um abismo de esquecimento nos separa, quando ela passa deixa
memórias que ficam disponíveis para serem
acessadas na vida posterior. Dela restam diários, fotos, músicas memorizadas, filmes inesquecíveis, amizades e amores que perduram,
traumas que não esvaecem, inúmeras gafes,
travessuras e riscos corridos. Como já temos alguma individualidade em construção, podemos
editar as lembranças, classificar as imagens,
construir uma biblioteca de memórias acessível
a consultas posteriores. Isso difere das memórias da infância, devido a que nelas somos mais
personagens do que autores. Destas, sobram
apenas farrapos, a maioria deles de veracidade
duvidosa. Nossas vivências da época infantil
ficam guardadas em bibliotecas alheias, de pais,
irmãos e avós, por isso necessitamos que nos
783/1397
contem histórias sobre a criança que fomos, que
agora é para nós uma estranha.
A carga de expectativas e fantasias sobre a
adolescência pesa sobre os ombros dos protagonistas, faz deles personagens do sonho alheio
quando, mais do que nunca, precisam ser
autores de sua biografia. Eles fazem o que podem para corresponder ao lugar social que lhes
é reservado, muitas vezes apresentando condutas que conscientemente consideramos desagradáveis, mas que inconscientemente admiramos e até procuramos reproduzir, como a
preguiça, a resistência à responsabilidade, a
busca de prazeres imediatos e a promiscuidade
sexual. É a fantasia que fazemos da adolescência como uma época de autonomia, plenitude
sexual e responsabilidades reduzidas que faz a
delícia dos adultos do final do século XX e entrada do XXI.2
Vendemos para nossas crianças essa idealização, é como se prometêssemos: “Meu filho, um
dia toda essa adolescência será sua!” Como se
784/1397
trata de um ideal social, os pequenos logo percebem que convém assemelhar-se com isso, por
isso as roupas que muitos usam são impróprias
para brincar, mas adequadas para fazê-los parecer mais velhos, fantasiam-se de adolescentes.
Além de perceber os valores sociais vigentes
e tentar adequar-se a eles, os pequenos possuem também uma antecipação do que os espera, brincam de crescer. Se outrora meninas
brincavam de mamães e meninos de caçador ou
guerreiro, agora elas se ocupam de ser desejáveis, como suas bonecas voluptuosas, e eles poderosos, como seus super-heróis. No futuro
imediato, antes de ser adulto, que é considerado
chato, trabalhoso e principalmente sem glamour, aos pequenos aguardam as batalhas do
amor fora do abrigo da família, assim como as
disputas de prestígio quando ainda não se tem
nada, nem se provou coisa alguma para alguém.
Transformamos a adolescência em um lugar
de congestionamento: as crianças querem
atingi-la com brevidade, quem está nela não
785/1397
quer sair e quem já saiu olha para trás como se
tivesse perdido o paraíso. As gerações se embaralham e se confundem na estação da adolescência. A memória de uma adolescência difícil, como é na maioria dos casos, não desgasta
a miragem. O adulto culpa-se pelo fracasso de
não ter experimentado mais do que deveria ter
sido o ápice da sua existência.
Uma nova questão se imiscui em velhas
histórias
Nos contos de fadas tradicionais, passa-se
da infância direto para as grandes aventuras,
quer seja o solitário enfrentamento de um ente
maligno, ou a conquista de um amor, em cujo
caminho sempre há percalços. Não há notícias,
nessas histórias clássicas, de um período antes
do encontro com aquele que será seu verdadeiro
amor. Via de regra, não existe um espaço vazio,
dedicado ao treino, às fantasias, um tempo de
liberdade vigiada, no qual algumas experiências
acontecem, porém ainda não é para valer. Ou
786/1397
seja, não havia representação da adolescência.
Hoje até os contos de fadas foram recebendo espaço para alusões a essa fase da vida, enquanto
muitas ficções dirigidas ao público infantil surgiram para antecipar, acompanhar e elaborar
essas vivências.
Só para lembrar, conforme o relato de Perrault, Branca de Neve tinha apenas sete anos
quando a madrasta decretou que não havia
lugar para duas mulheres naquele castelo e
mandou matá-la. Dois séculos e meio depois,
em 1937, Walt Disney colocou sua máquina de
fazer sonhos a trabalhar no primeiro desenho
animado longa metragem infantil. Sua Branca
de Neve e os Sete Anões, igual às ancestrais seculares, passa uma temporada na floresta, mas o
faz entre animaizinhos amigos e anões
queridos, que mais parecem um tropa de filhos
de brincadeira ou de irmãos menores, diferentes dos zelosos e severos guardiões da
história clássica. Essa jovem parece passar do
trabalho servil e sujo do castelo para um
787/1397
ambiente familiar cálido e livre de conflitos.
Mas a transformação da história para novos
padrões de desenvolvimento infantil ainda não
era completa. Retratava-se um ambiente protegido, onde a menina aprendia a ser maternal
antes de ser sexuada, apenas um intervalo
lúdico antes de vestir os trajes de mulher.
Coube a outra ser a responsável pela franca
transformação das princesas em adolescentes.
Em A Bela Adormecida, de 1959, Disney introduziu várias novidades que transformaram a
história. Além do incremento das cenas de ação,
temos o surgimento da rebeldia adolescente da
princesa Aurora, que torna difícil a tarefa de sua
educação conduzida pelas três fadas na cabana
da floresta. Nesse período, ela sai de casa para
cantar, queixando-se do excesso de controle por
parte de suas tutoras, e conhece um jovem a
quem faz juras de amor. Eles vivem esse período de enamoramento como os adolescentes o
fazem, sem compromissos, fora do contexto das
788/1397
tarefas reais e do casamento arranjado que os
aguarda.
Quando chamado a ocupar-se de seu lugar
formal, o jovem príncipe discute com seu pai,
chama-o de ultrapassado, diz que os tempos
mudaram, que já não é momento de casamentos arranjados pelos pais, e parte em busca de
seu verdadeiro amor. Claro, o final feliz, inclusive para os pais, está dado porque eles se apaixonaram um pelo outro sem saber que eram prometidos entre si desde o nascimento. Mas a rebelião já se mostra, habemus príncipes
adolescentes.
O leãozinho shakesperiano
O desenho animado de longa metragem O
Rei Leão, de 1994, é um dos primeiros do
gênero a colocar ênfase justamente nesse período de transição. Mais uma vez os Estúdios
Disney estão à frente. Seu produtor, Don Hahn,
estabeleceu como eixo temático “a responsabilidade. [...] É sobre deixar a infância e encarar as
789/1397
realidades do mundo”. Esse filme marcou época
pelo sucesso que fez, representou a maior bilheteria do estúdio até então, e podemos dizer
que incorporou-se nas memórias afetivas de
uma geração. Quem era criança nos anos de
1990 e viu o filme, nunca se esqueceu do drama
do leãozinho órfão. Muitas hipóteses foram
aventadas para explicar esse sucesso, aliás, imprevisto. Dentro dos Estúdios Disney, não se
acreditava que uma história inédita, estrelada
por animais, pudesse angariar tanta empatia do
público. A música é muito boa, as imagens são
lindas, há grande ênfase no humor e personagens bem construídos, mas acreditamos que o
verdadeiro acerto está no roteiro: uma excelente
representação da adolescência para as crianças.
O Rei Leão mostra a saída da infância, o exílio
adolescente, e a chegada à vida adulta. Insistimos nesse aspecto, já que as histórias tradicionais economizam essa parte, pois as personagens
passam quase sem escalas da infância à vida
adulta.
790/1397
Boa parte do filme transcorre em um período após a tragédia inicial: a morte do pai do
leãozinho Simba e a usurpação de seu lugar,
como sucessor do trono, por parte de seu tio assassino. Durante o tempo em que ele está
transformando-se de filhote em jovem leão,
dedica-se a viver um eterno presente, sem
memórias nem expectativas, enfim uma moratória da vida, que tem sido uma definição já
clássica da adolescência.
Erik Erikson descreve assim essa moratória:
“eles precisam, sobretudo, de uma moratória
para a integração dos elementos de identidade
das fases precedentes da infância; só que agora,
uma unidade mais vasta, indefinida em seus
contornos e, no entanto, imediata em suas
exigências, substitui o meio infantil: a sociedade”.3 Esse conceito foi retomado por Contardo Calligaris, nos seguintes termos: “ele se
torna um adolescente quando, apesar de seu
corpo e espírito estarem prontos para a competição, não é reconhecido como adulto.
791/1397
Apreende que, por volta de mais de 10 anos,
ficará sob a tutela dos adultos, preparando-se
para o sexo, o amor e o trabalho, sem produzir,
ganhar ou amar; ou então, produzindo, ganhando e amando, só que marginalmente”.4
A trama de fundo lembra a história de
Hamlet.5 Temos uma briga palaciana pela sucessão onde o leão Scar, irmão do rei Mufasa,
monta uma armadilha para matar o soberano e
usurpar o trono. O reino animal ia bem com
Mufasa, um rei justo que mantém o “ciclo da
vida” (que é um eufemismo à inevitável cadeia
alimentar). Porém, isso sucumbe ao ficar sob o
domínio despótico, irresponsável e ilegítimo de
Scar, que queria o poder pelo poder, sem ter estatura política para manter o equilíbrio do
reino.
No princípio, em um outro plano, temos
Simba, o herdeiro ainda criança, retratado no
seu processo de crescimento e aprendizado.
Quando perde o pai, ele foge para fora das terras do reino até sua maioridade, e então volta
792/1397
para resgatar seu lugar. Assistimos também à
mãe de Simba subjugada ao detestado cunhado,
mas sem o entusiasmo da mãe do príncipe da
Dinamarca.
Quando o pequeno Simba prepara-se para a
sucessão do trono, revela-se nele a onipotência
própria às crianças que se sabem amadas e
idealizadas. Assim, “sua majestade o bebê leão”6
é, tal como um filhote humano, um poço de
promessas. Como Freud observou em seu
célebre texto sobre o narcisismo, o filhote humano nasce inflado com as expectativas dos
pais. Ao filho cabe arrancar da vida tudo o que
eles desejaram para si, realizam-se no rebento,
querem que ele nada sofra, tudo possa, e de
nada seja privado. Mufasa, seu pai, é tão soberano que não parece precisar realizar-se através
do filho, só que a cena de seu “batizado” é uma
das mais impressionantes da história do
desenho animado, de fazer corar de inveja até
uma princesa tão desejada como a Bela
Adormecida.
793/1397
O cerne da história acontece depois da
morte de Mufasa. Simba não compreende essa
perda, sente-se desamparado pela repentina
aparição da dor e da injustiça em seu mundo e,
como ocorreria com todo filho, julga-se culpado
pelo acidente que vitimou o pai. Não é difícil
compreender o porquê dessa culpa: em uma das
canções do filme, na qual ele ainda era uma criança mimada e protegida, ele afirmava que mal
podia esperar para ser rei, porém, isso implicava na desaparição do seu pai. Culpa-se,
portanto em função de seus desejos inconscientes, os quais ocorrem em qualquer filhote
humano, embora, de fato, tenha sido o tio Scar
que causou o estouro da manada e depois ainda
empurrou o irmão para dentro do desfiladeiro
onde foi atropelado.
Após o crime, para livrar-se do sucessor
natural do trono, que seria o príncipe Simba,
Scar convence o sobrinho de sua culpa e sugere
que será apontado por todos como causador do
acidente. Na sequência aconselha-o a fugir, mas
794/1397
secretamente o condena à morte sob as garras
de um bando de hienas que lança em seu encalço. Aqui a história se distancia da de
Shakespeare, pois não há no leãozinho a vacilação do príncipe Hamlet, herói trágico e ambivalente, que continua rondando o trono maculado pela traição. Mais do que enlouquecer de
culpa, como Hamlet, Simba funda com a morte
do pai um novo período em sua vida, no qual
está livre do fardo de sua posição social e já não
é um filhote fofinho e brincalhão.
Bambi na África, morte e assassinato dos
pais
Nos Estúdios Disney, durante o início de
sua produção, o filme tinha o apelido interno de
“Bambi na África”, considerando a passagem do
filhote do mundo solar e florido da infância
para o cenário sombrio da desgraça, do conhecimento da morte, da descoberta da solidão. A
perda da mãe de Bambi (no desenho animado
de 1942) foi uma cena traumática para a
795/1397
infância de muitos, inclusive daqueles que se
tornaram os pais da primeira geração de crianças que assistiu ao Rei Leão. Ali estava representada toda a fragilidade da criança privada
do ninho em face de um mundo perigoso e pouco amigável.
Bambi e Simba ficam sós, porém o cervo
ainda tem a proteção severa de seu pai,
exigindo-lhe que não banque o bebê chorão.
Bambi é filho dos pais que lutaram e ganharam
a segunda guerra, uma geração de heróis que
teve oportunidade de mostrar seu valor. É uma
história sobre a necessária saída do colo, do
corpo e do hálito materno para tornar-se
alguém.
O que faz de Bambi algo contemporâneo,
ainda conhecido pelas crianças 70 anos depois,
é a empatia que ele gera com o desamparo do
órfão, ou seja, com o sentimento de orfandade
que acompanha a necessidade de crescer. Freud
lembrava que a fantasia mais importante da criança, e seu maior desejo, é crescer:
796/1397
Quando o adulto relembra sua infância, esta
lhe parece como tendo sido uma época feliz,
na qual se gozava o momento e se encarava
o futuro sem nenhum desejo; é por essa
razão que ele inveja as crianças. No entanto,
se as próprias crianças nos pudessem contar
a sua história nessa época, elas provavelmente o fariam de modo diferente. Parece
que a infância não é bem esse idílio bemaventurado que retrospectivamente distorcemos; ao contrário, as crianças durante
toda a sua infância sentem-se fustigadas
pelo desejo de crescer e de fazer o que fazem
os grandes. Este desejo reflete-se em todas
as brincadeiras. Sempre que as crianças
sentem, no curso de suas explorações
sexuais, que, nesse terreno tão misterioso e
tão importante para elas, existe alguma
coisa maravilhosa permitida aos adultos,
mas que elas estão proibidas de conhecer e
de fazer, sentem um desejo violento de ser
capazes de fazê-lo e sonham-no sob a forma
de voar, ou preparam este disfarce de seu
797/1397
desejo para ser usado mais tarde em seus
sonhos de voar.7
Concordamos com ele, mas junto com a obra
do mestre vienense se popularizou a história de
Peter Pan, patrono de todos os que tememos e
vacilamos crescer. Nessa trama, as crianças
realizam o sonho de voar graças ao pó de fada,
que espargido sobre elas permitiu que elas
fossem até a Terra do Nunca como um bando de
pássaros. J. M. Barrie, o autor, não se furta de
lembrar-nos que o abandono da infância equivale a uma expulsão do paraíso, necessária, mas
sempre dolorosa. Ambivalentes, continuamos
querendo ser grandes e alçar voos de verdade
(pois no mundo de Pan tudo é de “faz de conta”), porém, como Bambi, ao crescer, afastandonos dos privilégios e garantias que julgávamos
ter quando crianças, parecemos trêmulos e
despreparados.
Sem o pai, Simba fica sem ninguém para
orientá-lo e vive a solidão própria do fim da
798/1397
infância: a daqueles que, total ou parcialmente,
precisam matar dentro de si a majestade do pai
(ou dos pais) para crescer, pois adolescer
significa afastar-se deles, perdê-los, superá-los
e, por fim, tomar seu lugar. Essa perda não
deixa de ter também a dimensão de um assassinato simbólico. Os pais reais, de carne e osso,
evidentemente sobreviverão a essa operação,
mas nunca mais serão os gigantes protetores e
ameaçadores da infância.
O que a criança imagina que será no futuro,
encantadora como uma mamãe, poderosa como
um papai, o jovem realiza. Ele conquista
amores, luta por prestígio, transita pelo mundo
externo, embora esteja em “estágio probatório”.
Anna Freud explica esse deslocamento da libido, da energia adolescente, outrora depositada na família, para o mundo externo da
seguinte forma: os jovens desenvolvem fortes
laços por substitutos dos pais, ou seja, líderes
de idade intermediária entre os pais e o jovem
que representam ideais; cultivam laços
799/1397
apaixonados com seus contemporâneos, sob
forma de amizade, constituindo uma fuga do interior da família, um desejo apaixonado pela
vida social. Conforme a autora,
muitas novas vinculações podem ocupar o
lugar das antigas fixações reprimidas nos
objetos de amor da infância. Por vezes, o
indivíduo dedica-se a outras pessoas da sua
idade, em cujo caso a relação assume a
forma de amizade fervorosa ou, realmente,
de amor; outras vezes, a vinculação é com
uma pessoa mais velha, que é investida do
papel de líder e se apresenta, claramente,
como um substituto para os abandonados
objetos parentais. Enquanto durarem, essas
relações de amor são apaixonadas e exclusivas; mas são de curta duração.8
Desencantados do reino dos pais, que se revelam fracos e impotentes frente às exigências,
impasses e perigos do mundo, iniciamos uma
viagem que visa transcendê-los, buscar caminhos novos. Como Simba, expulso das terras do
800/1397
pai pelas armações do tio e movido pela própria
culpa, todos nós vivemos uma espécie de exílio.
Cobiçamos estar escolhendo caminhos sem o
peso da origem, confundimos separação com
rompimento, assim se faz uma adolescência.
O jovem equilibra-se entre o lugar de autor
e personagem da própria história. Encarnando
o sonho dos adultos, o adolescente acaba submetido a tramas insanas, que são de alguma
forma potencialmente letais: se não lutar dentro
de si com os sonhos e desejos dos pais e adultos
que o subjugam, limitam e cobiçam, acabará
sendo abduzido por eles, em um assassinato de
sua originalidade. Não nos referimos a uma
morte física, mas a uma anulação que acaba
mantendo muitos jovens presos a um corpo em
eterna evidência, a um presente contínuo, a
uma infantilidade de pensamento que lhes embota a visão crítica, um de seus bens mais preciosos. Ian Watt observa a curiosa transformação do termo “original”, que na idade média
801/1397
significava “o que existiu desde o início”, no que
para nós significa “não derivado, independente,
de primeira mão”.9 Na cultura que consagrou o
individualismo como estrutura social, cada um
precisa fundar sua trajetória, reciclando o
acervo das origens ao seu modo e produzindo
uma versão ímpar de si mesmo, portanto “original”. Os jovens vivem nesse paradoxo: exigese que sejam revolucionários, que representem
o novo, que não se atenham a dívidas com um
acervo de cultura e costumes; mas os mesmos
adultos que lhes sugerem que sejam livres os
aprisionam em um desejo de confundir-se com
eles, de sugar-lhes a existência a serviço de suas
próprias fantasias.
Hakuna Matata
Pensar que a criança nada saberia das tarefas que a esperam na adolescência seria ignorar
que a infância consiste em um trabalho psíquico
de preparação para o futuro. Graças a que lhe é
vedado o exercício efetivo da sexualidade, a
802/1397
criança pode brincar das diversas posições –
feminina, masculina, ativa, passiva – sem o
compromisso de ocupá-las; a infância tem na
impossibilidade sexual sua salvaguarda. A sexualidade infantil está restrita à fantasia, aos desejos incestuosos não rea lizados, a um corpo que
vive suas experiências prazerosas ligadas ainda
à alimentação, excreção e hábitos de higiene,
assim como norteadas pelas primitivas e bizarras hipóteses infantis sobre a origem dos bebês.
Ao contrário, na adolescência a potência
sexual revela-se em sua magnitude, intumescendo corpos e almas. Após longa espera, a temporada de sexo é liberada, ou tolerada, quando
não é incentivada. Claro, torna-se necessário
constituir algumas defesas para suportar a situação de ser francamente sexuado dentro da casa
dos pais. Haja coragem para tornar-se homem e
mulher entre as quatro paredes de um quarto
que ainda abriga bichinhos de pelúcia e carrinhos, no banheiro compartilhado da família, no
pijama que expõe os restos da excitação noturna
803/1397
durante o café da manhã. A defesa necessária
para controlar a sexualidade vulcânica, que
ameaça soterrar a tranquilidade familiar e derrubar as barreiras do incesto, passa pelo afastamento físico, pelo o silêncio dos adolescentes,
assim como pelo apagamento da figura dos
pais.
Tão buscada quanto temida, a ausência dos
pais dos adolescentes tem a equivalência simbólica de uma morte, pois aquele que se afasta,
sente-se ao mesmo tempo aliviado, mas também culpado, como se fosse causador de algum
tipo de morte. Porém, essa é a condição possível
para o exercício da sexualidade daquele que
ainda ocupa o lugar de objeto de desejo de seus
pais, e vice-versa. A relação pais-filhos é imaginariamente incestuosa a longo prazo: esse
amor proibido não envolve apenas fagulhas eróticas do contato profundo em que se vive; ele
implica, acima de tudo, o valor fálico que um
filho adquire para a mãe no sentido de
preenchê-la, como questão decorrente da
804/1397
feminilidade dela, enquanto o pai ama o filho
por sua possibilidade de reconhecê-lo e
identificar-se com ele, garantindo-lhe um lugar
na ordem dos homens. Isso serve para filhos de
ambos os sexos, com modulações particulares a
cada caso. Os filhos, por sua vez, terão que lidar
com os aspectos amorosos e eróticos envolvidos
no processo de constituição e identificação. São
essas tramas de afetos intrafamiliares que
levaram Freud a associar alguns desejos infantis
com a tragédia de Édipo, como uma metáfora
literária.
De alguma forma, a criança sabe que sua infância morre com a perda do lugar dos pais enquanto investimentos afetivos centrais em sua
vida. Crescer significa que ocorrerá o progressivo “assassinato” dos pais da infância, que permanecem vivos, mas destituídos de sua realeza.
Essa perda da nobreza de seu cargo é resultante
do crescente afastamento físico e psíquico do
filho, da relação crítica daquele que agora olha
“de fora”. O adolescente fica de fato fora de casa
805/1397
e envolve-se com “sua gente” o máximo de
tempo possível. Dessa forma, ele é agente ativo
desse processo de crescimento, em nada passivo
de seus efeitos, que é como o vemos quando
colocamos a ênfase nas transformações fisiológicas. Essa condição de vê-lo como autor de
seus caminhos é fundamental para compreender a criação desse território neutro, lugar
de exílio, longe da família de origem.
A culpa pelo assassinato do poder dos pais é
cultivada com zelo, ela é uma espécie de marca
pessoal da separação. É como se o jovem
pensasse – eu não os tenho mais, porque me
livrei deles – o que é muito diferente de ficar órfão por ter sido deixado por eles ou por tê-los
perdido para a morte. Aliás, a fantasia de assassinato cumpre a função de tornar ativo algo que
se sofre passivamente, expediente que se aprendeu na infância ao brincar: pensar que está se
livrando deles é melhor do que perceber que a
experiência de vida do filho, assim como o
aumento de seu tamanho e força física,
806/1397
acarretam na lenta diminuição do poder dos
pais, que vão progressivamente, aparecendo em
suas fragilidades e falhas. Vão assim morrendo
os super-heróis da infância, dando lugar a seres
humanos tão limitados e pequenos frente ao
porte que tinham na infância do filho.
A história do leãozinho órfão toma novos
rumos com a morte de Mufasa e a fantasia de
assassinato, autenticada pela culpa de ter causado o acidente que vitimou o pai. Essa é a origem e condição do exílio autoimposto pelo filhote Simba, que se salva, mas entre os leões é
dado como morto. O caminho é bem diferente
do de Hamlet que permanece no palácio real,
consumindo-se em dúvidas, culpas e ruminações neuróticas. O príncipe da Dinamarca não
consegue vingar-se do tio assassino, pois se
identifica de alguma forma com ele, naquilo que
todo filho tem de parricida na fantasia, como
analisa Freud:
807/1397
O que é, então, que o impede de cumprir a
tarefa imposta pelo fantasma do pai? A resposta, mais uma vez, está na natureza peculiar da tarefa. Hamlet é capaz de fazer
qualquer coisa – salvo vingar-se do homem
que eliminou seu pai e tomou o lugar deste
junto a sua mãe, o homem que lhe mostra os
desejos recalcados de sua própria infância
realizados. Desse modo, o ódio que deveria
impeli-lo à vingança é nele substituído por
autorrecriminações, por escrúpulos de consciência que o fazem lembrar que ele
próprio, literalmente, não é melhor do que o
pecador a quem deve punir. Aqui traduzi em
termos conscientes o que se destinava a permanecer inconsciente na mente de Hamlet”.10
Ao ser dado como morto junto com o pai, na
medida em que foge das “terras do rei”, que
seriam agora suas, Simba se libera de ficar habitando o coração desse conflito edípico, ou seja,
a disputa com o pai pelo amor da mãe (e o
808/1397
contrário, no caso das meninas). Ele se interna
na floresta onde fica amigo do javali Pumba e de
Timão, um suricate. Ambos são inseparáveis,
sobrevivem de comer insetos e Simba incorpora
a alegre postura deles frente à vida. Para ele,
como para qualquer criança, a ideia de que se
tornará um belo jovem, desejável e grande
como os pais longe de casa, em um terreno
neutro, a céu aberto, longe da sombra que lhe
fazem os desejos parentais, é tranquilizadora, e
talvez seja a razão de um filme dirigido à infância enfocar a adolescência. A criança prevê esse
tempo, que tem como condição essa morte do
pai e o período de ostracismo no qual várias iniciações ocorrem, principalmente a assunção da
identidade sexual e dos desejos que impulsionam seu exercício.
Este novo período da vida norteia-se pelo
ensinamento da filosofia que guia essa dupla:
eles são alegres, preguiçosos, gulosos e irreverentes. Não têm responsabilidades sobre
809/1397
nenhum grupo, parece que deles nada se espera, visam apenas sobreviver e se divertir. Seu
pensamento lembra a personagem do urso Balu,
do desenho Mogli, o menino lobo (The jungle
book), realizado em 1967, por Disney. Nessa
história, uma adaptação bastante livre do clássico de Rudyard Kipling, o menino Mogli precisa ser conduzido para junto dos humanos,
após ter crescido entre os lobos. Seus tutores
nessa caminhada são Baguera, uma conscienciosa pantera negra, e Balu, um urso hedonista.
Geração após geração, as crianças decoram a
música cantada por este último, cujo texto em
português é: “Eu uso o necessário, somente o
necessário, o extraordinário é demais. Eu digo o
necessário, somente o necessário, por isso é que
essa vida eu vivo em paz”; na letra original em
inglês, o urso ainda instiga Mogli a esquecer-se
de suas preocupações e conflitos.
Datado da década de 1960, Balu incorpora o
questionamento do consumismo e da vida
pautada pelo grande ritmo de crescimento
810/1397
capitalista do pós-guerra. Os jovens, em sua
eterna função de colocar a sociedade em xeque,
perguntam-se como e pelo que vale a pena
viver, para que acumular tanto afinal? Muda
quem o enuncia, mas o texto permanece.
Semelhante ao urso Balu, Pumba e Timão cantam para Simba que “seus problemas você deve
esquecer”. Eles vivem por uma satisfação imediata, condensada na expressão que ensinam a
seu jovem discípulo: Hakuna matata proveniente da língua africana Swahili, que significa
aproximadamente “sem preocupações” ou “sem
problemas” algo como os célebres no stress ou
be cool, ou o mais antigo carpe diem. Viver despreocupadamente quer dizer ficar longe dos
dilemas do sexo e do trabalho.
Essa expressão não é traduzida, é passada
com o poder iniciático, de introdução no grupo,
que possuem as gírias adolescentes, onde o que
conta é o bom uso da palavra e o prazer de compartilhar seu sentido.11 O grupo também se
funda em expressões que só eles entendem,
811/1397
onde o vocabulário e a gestualidade deixam os
adultos de fora. O interessante é que este processo passa por uma necessária perda da
memória, da identidade, e principalmente dos
projetos, no grupo adolescente, que possui uma
linguagem própria, habita-se um eterno
presente autorreferido.
O javali Pumba recebe-o dizendo: “você
quase morreu” e, quando Simba se queixa de
seu triste destino, que não revela aos amigos
qual seja, eles não mostram nenhum interesse
por sua história. Depois decretam: “você deve
por o seu traseiro no passado”; e ainda acrescentam: “quando o mundo vira as costas para
você, você vira as costas para o mundo”. Após
uma temporada nesse limbo lúdico onde o passado parece soterrado e o futuro adiado, constatamos que na verdade ali muita coisa aconteceu. Simba criou juba, é um belo leão jovem e
encontra uma jovem leoa encantadora, com
quem vive momentos românticos. Trata-se de
812/1397
Nala, sua amiga de infância, que também cresceu e vem convidá-lo para o jogo do amor.
A adolescência é vivida entre pares,12 que
tudo perdoam uns aos outros, são amigos e a
amizade é feita de tolerância. Tudo vai bem até
que o amor vem perturbar essa frágil harmonia.
Não há amor sem dramas e traumas, as coisas
ali se adensam, se complicam, por isso o encontro com Nala é o início do fim dessa festa. Claro
que no caso da adolescência real esses tempos
não são assim tão demarcados. O amor pode ser
vivido como um game, do qual se pode entrar e
sair, voltando à proteção da confraria de pares.
Porém, não é assim tão fácil: a relação amorosa
entre os adolescentes pode até ser passageira,
mas igual será marcante, sempre restam sequelas, cicatrizes, ensinamentos.
Fim da festa
O ressurgimento da identidade de Simba
vem através da figura de Rafiki, um babuíno
que cumpria as funções de feiticeiro, tendo
813/1397
antes sido responsável pelo ato de “batismo” do
príncipe leão. Este aparece para lhe dizer que
ele deve lembrar-se de quem ele é filho, e possibilita um encontro com o fantasma, ou melhor, se traduzirmos, com a lembrança de seu
finado pai. Simba resiste a esse encontro: – “se
eu voltar tenho que enfrentar o passado, o passado dói”; –“você pode fugir dele ou aprender
com ele” –, arremata o macaco.
Nas sociedades modernas existem experiências que lembram a função dos ritos de iniciação que marcavam as fases da vida. Por exemplo, uma aventura quer seja amorosa ou de
risco, fazer uma transgressão ou uma grande
trapalhada podem servir para marcar uma
mudança de fase. De forma alguma são ritos,
afinal, não são reconhecidos pela sociedade. Ou
seja, a marca dessa experiência é apenas na
subjetividade de quem tenta se fundar por esse
ato.
O apelido, nome que vale entre os pares,
nascerá desse evento, ou mesmo da
814/1397
identificação do jovem com alguma personagem
da cultura pop, a partir de um traço físico ou de
sua devoção a esse. No caso, não se trata de um
rito de passagem à idade adulta, mas sim de admissão no grupo adolescente. Ali se viverá o que
chamamos anteriormente de moratória. Durante esse período, ou mesmo em outras épocas
ao conviver com essas mesmas pessoas, o
sujeito não será senhor ou senhora fulano de
tal, mas sim um nome simples, uma metonímia
de seu comportamento adolescente que permaneceu como sua marca. Quando tiver que
trabalhar, comprar, votar, casar, preencher
papéis, ele terá que se remeter à sua identidade
formal, responder por seu nome de batismo,
carregar sua família de origem.
Antes que a primeira infância desemboque
em uma época de calmaria, conhecida como
“período de latência”, onde encontra-se um
pouco de paz para brincar, ler e fantasiar, há
um tempo de grandes paixões incestuosas e ambivalentes, o dito “período edípico”. Neste, os
815/1397
pequenos usam sua recém-adquirida capacidade de expressão para todo tipo de sedução,
chantagem e disputa no interior do reino
doméstico.
Ao final desse período edípico, a criança
tende ao que Freud chamou de “sepultamento
do complexo de Édipo”. Preferimos essa
expressão, considerando-a melhor tradução do
que a muito utilizada “dissolução do complexo
de Édipo”, título adotado na Edição Standard
brasileira para esse texto de 1924 no qual se
descreve essa operação. Graças a esse “sepultamento”, o pai torna-se simbólico, os temores inspirados pela figura paterna resultam na constituição do superego, alimentam o ego ideal,
com o qual nos compararemos para sempre.
Definitivamente, o que se viveu no período
edípico não se dissolve, fica em um lugar oculto,
inacessível, como um túmulo, um monumento.
Como forma de evitar os conflitos edípicos
de disputa de espaço e amor com o pai, o filho
tenderia a voltar as costas para esse litígio
816/1397
(como bem havia sugerido Pumba), inaugurando o período de latência, aquela época, antes
dos anos teen, em que as crianças são aparentemente tão agradáveis e dóceis, já que seus desejos incestuosos são banidos, varridos para baixo
do tapete. Como dizíamos dos desejos edípicos,
a latência não dissolve a sexualidade infantil,
apenas a enterra viva.
O renascimento da sexualidade na adolescência torna esse expediente obsoleto.
Trata-se realmente de um renascimento, pois
quando bem pequenos meninos e meninas são
um furacão de amores e ódios dirigidos aos
pais: é essa a intensidade de sentimentos que
retorna com o fim da latência. Por isso é preciso
organizar-se para ficar de fora da família, existir
em outra dimensão, quer seja a do grupo de
pares, a das lideranças juvenis ou idealizadas, a
das personagens da ficção. A puberdade consiste no período de instalação desses dilemas e
recursos, assim como a adolescência é a
817/1397
colocação em ato do afastamento necessário,
dentro dos limites do possível, para crescer.
Se bem é possível manter-se afastado da
identidade familiar por algum tempo, é muito
difícil viver dependente de um traço tão frágil
como o apelido adolescente, o lugar que se ocupa no grupo. Como ocorreu com Simba após o
encontro com Nala, em algum momento somos
obrigados a um reencontro com os restos do
que ainda tentávamos manter totalmente
sepulto. No filme, o macaco provoca em Simba
uma visita dos fantasmas do passado, os quais
torna-se necessário enfrentar. O babuíno reatualiza o ato de batismo por que é preciso reassumir o nome que nos outorgaram, e com ele a
carga de expectativas, culpas, ressentimentos e
tantas outras coisas que tentamos ignorar. O
amor principiante constitui-se primeiro apenas
de fugazes experiências de carinho e sensualidade, em que é possível encontrar a ternura materna mesclada com a realização dos desejos
sexuais. Porém, com o aprofundamento dos
818/1397
vínculos, nas relações mais duradouras, cada
um dos amantes é chamado a dizer quem é,
para tanto terá que contar de onde veio.
Se obras de ficção anteriormente não enfocaram a adolescência para o uso das crianças,
é porque só agora esse período da vida vem
crescendo em importância, especialmente a
partir da metade do século passado. Do choroso
Bambi dos anos de 1940 até o rebelde leãozinho
dos anos de 1990 transcorreram várias revoluções de costumes em que os jovens foram
protagonistas. Trata-se de transformações no
campo da defesa da liberdade sexual, dos movimentos pacifistas, ecológicos, assim como o
questionamento de antigas premissas antes inquestionáveis, como o valor da heterossexualidade, do trabalho e da estabilidade, agora considerada como manifestação de mediocridade.
Ora, um período da vida incumbido da
elaboração das origens, do processo de transformação dos pais em antepassados, acaba
rendendo boas histórias. Assim como o
819/1397
afastamento das figuras parentais, acompanhado das críticas inclementes que os filhos
fazem, visando diminuir sua importância e
poder, é um mote que tem ganhado lugar na
ficção.
O problema é que, como a identidade que as
crianças conheciam até então era a de filhos
amados, objetos de orgulho dos pais, diminuir a
força da presença destes em suas vidas equivale
a questionar sua própria relevância: seria algo
como dissolver o próprio fã-clube. São necessárias muitas fantasias de realização, tanto
sexual quanto de prestígio para alicerçar semelhante e necessária ousadia.
Existe aquela expressão que brinca com a
fantasia de que seríamos um sonho de Deus, e
se ele acordasse? Bem, adolescer – e assistir à
morte dos pais idealizados da infância – equivale a esse despertar do criador. Se deixarmos
de ser o sonho de nossos pais, o que nos resta
ser então? Por isso Simba passa seu período na
floresta sendo dado como morto em casa, onde
820/1397
tudo parecia ruir, representando o olhar crítico
do adolescente.
Fingindo que nada disso necessita de respostas, durante a adolescência apenas brincamos de existir para um presente contínuo,
convivendo basicamente com aqueles que nos
aceitam como estamos conseguindo ser no momento e nada ou pouco esperam de nós: os verdadeiros amigos. Mas o hakuna matata não
consegue ser completo nem definitivo, o amor e
as memórias tendem a cobrar seu preço, nos
despertam do transe adolescente.
De forma simbólica e cifrada, o filme infantil O Rei Leão antecipa essa longa história, cheia
de avanços e recuos, onde nem sempre se está
crescendo e superando resistências e obstáculos
como o faziam os heróis dos contos clássicos.
Bruno Bettelheim, em sua análise dos contos de
fadas, reagia com severidade às passagens que
julgava que mostravam pensamentos regressivos. Para ele, as histórias deveriam revelar os
conflitos e vacilações, porém demonstrando
821/1397
uma capacidade de reparação, clareza e brevidade suficientes para garantir que seriam superados, e que seguiremos sempre em frente. O Rei
Leão tende a seguir essa receita, afinal o leãozinho acabou aceitando o fardo do crescimento e
da coroa do pai. Mesmo que saibam disso, as
crianças ainda precisam de uma tradução para
esses momentos em que percebem seu crescimento e sentem-se fracas e impotentes quando
suspeitam que lhes esperam desafios assustadores. Elas precisam de fantasias que lhes recordem que antes do jogo decisivo terão tempo
para treinar.
Continuamos ficando órfãos e desmamados
em um campo de tiro, mas já não acreditamos
que o pai de Bambi esteja no alto da colina farejando o perigo para nos proteger. Se nem aquele
garboso pai do baby-boom do pós-guerra pôde
impedir o assassinato de sua companheira, imagine o que resta de esperança aos filhos dos
tempos de Homer Simpson.
822/1397
A adolescência como ela é_O Apanhador
no Campo de Centeio
A adolescência real, vivida com sua intensa
carga de sofrimentos e vacilações, infelizmente
não encontra muitos retratos confiáveis na
ficção. Nossas crianças rumam para ela sem um
bom mapa, algumas histórias introduzem
pequenas drágeas do que virá: conflitos na
escola, o temor de ser desprezado pelos colegas
e amigos, de não conseguir um par amoroso, de
não achar um lugar no mundo. A maior parte
das histórias retrata a continuação de disputas
de espaço e reconhecimento que já ocorrem na
infância. Os anos finais da infância já permitem
uma visão mais aguda e crítica da crueldade que
as crianças sabem ter umas com as outras, assim como das amizades enquanto primeira experiência de um refúgio conquistado. Os heróis
das narrativas voltadas ao público infantil são
um pouco mais velhos, justamente para que
possam olhar a infância de fora, como algo que
823/1397
já passou. Nessa ficção os conflitos supostamente adolescentes são tratados de forma
didática, um a um, quando na verdade eles costumam obedecer ao princípio da avalanche.
O que os desenhos animados prometem aos
pequenos é que eles terão impasses, mas também que terão tempo e liberdade para experimentar e se decidir, como se fosse simples e
direto. É mais fácil, por exemplo, simplesmente
abordar conflitos com a autoridade, onde o
jovem representa a liberdade e o adulto é
reacionário. Nesses casos a rebeldia é romanceada, vivida como um potencial de aventuras e realizações. Já a verdadeira travessia da
adolescência tem outros inimigos: a solidão, a
depressão, a orfandade que se sente ao
desprender-se dos pais, a astenia dos desejos, a
negatividade.
É somente quando ela começa, ou melhor,
no fim da puberdade, que se tem acesso a uma
representação artística que possa auxiliar na
elaboração das questões dessa época. Na
824/1397
literatura dirigida aos púberes, há um pouco
mais de espaço dedicado a esse mal-estar, momentos em que a vida é retratada com um sentimento psíquico de rejeição e inviabilidade,
porém os efeitos disso costumam ser suavizados
com toques de magia ou humor. Já para o usufruto dos adultos, o caos é o melhor retrato que
eles consideram fiel da adolescência: drogas, violência, promiscuidade são a formas de vida
que eles costumam associar a essa época em
suas obras de ficção preferidas.
Com a palavra: Holden Caulfield
“De repente, me senti muito só, quase tive
vontade de morrer”; “ninguém imagina como
eu estava deprimido”; “tive vontade de me atirar pela janela. Provavelmente teria pulado
mesmo, se tivesse certeza de que alguém ia me
cobrir se eu me esborrachasse no chão”. Eis
uma boa tradução do que fala dentro da cabeça
de um adolescente em momentos de desespero,
impotência e desesperança, que não são poucos.
825/1397
Textos como esse, no qual a possibilidade
de desistir é invocada de forma tão direta e
dramática, não são para consumo dos
pequenos. É preciso ter crescido o suficiente
para, em termos cognitivos, dispor de uma subjetividade capaz da abstração necessária para
compreender palavras como essas. Não é fácil
acreditar que todos esses pensamentos e sentimentos mórbidos podem conviver com aquilo
que se faz de fato na adolescência: amizades,
provas, decisões e sexo. Apresentamos às crianças só o lado A do que as espera: as possibilidades e desafios que se descortinam quando se
deixa de ser criança e ainda não se é adulto. Se
elas veem um jovem sofrendo, julgam que seja
por amor, por ter tido sua vontade contrariada,
ou por ainda não ter descoberto sua força interior. O lado B, da tristeza e do desespero que
ameaçam a continuação da jornada, é inefável
para aqueles que ainda não atravessaram o
portal que conduz ao fim da infância.
826/1397
Isso não quer dizer que os pequenos nada
saibam de sofrimentos, que tenham poucas
tristezas, sabemos que não é assim. O que ainda
não é compreensível para eles é que as transformações físicas, que trazem pelos e volumes,
não contêm uma correspondência interior
imediata. Cresce-se antes por fora do que por
dentro, na adolescência precisamos correr atrás
dos fatos biológicos que se produzem em nós e
os sociais que nós fazemos acontecer, entendendo tudo sempre tarde demais. Para as crianças o hábito faria o monge, e é só na adolescência que descobrimos que nada encaixa
como deveria.
A citação precedente foi tirada do livro O
Apanhador no Campo de Centeio, uma obra
que em mais de meio século teve poucas equivalentes em densidade, o que faz com que ela
ainda seja o espelho literário mais confiável da
alma do adolescente. Como na história de Dorian Gray, assistimos à juventude em sua
827/1397
exuberância externa, enquanto por dentro, o
demônio da dúvida e da desistência estragam o
quadro.
Publicado em 1951, o livro O Apanhador no
Campo de Centeio13 de J.D. Salinger segue extraordinariamente atual. É perfeitamente
possível lê-lo, se subtrairmos certas referências
históricas, como o discurso contemporâneo de
um adolescente. Essa impermeabilidade ao
tempo é o que faz um texto ser um clássico,
quando segue dando o que falar depois que sua
geração passou.14
O livro é o relato de três dias na vida de um
jovem de 16 anos. Holden Caulfield tem quase
dois metros, fuma, bebe, opina e sente frio.
Durante três dias em que tudo e nada acontece,
a personagem está vagando após ter sido
“chutado” do colégio interno e ainda não quer
chegar em casa. Nesse espaço de tempo, ninguém o espera em lugar nenhum e durante essa
pequena eternidade compartilhamos a visão
que Holden tinha do mundo que frequentava.
828/1397
A delícia do livro emana da inteligência com
que o rapaz desmonta as ambições e crenças de
seus colegas, professores, ex-alunos da escola,
artistas. Em linguagem despretensiosa, casual,
vai desnudando a alma de todos com quem se
cruza ou de pessoas de quem se recorda, montando um leque de personagens que, embora sejam seus contemporâneos, não perderam a atualidade. Claro que há aqui aquilo que Helene
Deutsch chamou de: “arrogante megalomania
da adolescência”, que “desde a torre de vigia da
divina solidão contempla o vulgar rebanho”.15
De qualquer forma, neste caso esse olhar
distanciado torna-se boa literatura.
Holden não consegue entrar em sintonia
com ninguém, embora seja incansável na busca
de quem o escute. Esse eterno desencontro lhe
proporciona um espírito de exterioridade em
relação ao mundo que habita e, realmente, visto
de fora tudo parece ridículo. Em seu passado
parecia haver alguma esperança perdida de interlocução: o irmão que morreu; o outro irmão
829/1397
escritor, antes de – nas palavras dele – se prostituir em Hollywood; a amiga a quem não revelou seus desejos eróticos; esses poderiam tê-lo
entendido, mas estão mortos ou ausentes. Compartilhando a sua solidão, chegamos a um único
encontro: Phoebe, a irmãzinha de 8 anos,
somente ela quer ouvi-lo mais do que lhe falar.
De todas as questões da personagem, a mais
contundente é que ninguém suporta escutá-lo.
O protagonista critica a tudo e a todos,
duvida de qualquer solução, e uma das alternativas que se coloca é a de desistir. E se, em vez
desta guerra pelo sucesso, construíssemos uma
cabana na natureza, tendo que lutar apenas pela
subsistência? Não se trata de uma visão
romântica apenas, mas de um discurso que atravessou o movimento hippie, assim como das
alternativas juvenis que se quiseram opor à obsessão pela ascensão social da sociedade
capitalista.
É precisamente esta postura que elevou
Salinger à categoria de mito. Além de escrever
830/1397
esse livro, o autor era de fato um eremita,
famoso pelas recusas de contato com a mídia. A
questão levantada pela personagem, e pela atitude do autor, é a da possibilidade de abster-se
das metas, valores, e principalmente, das centenas de bugigangas com os quais os adultos se
rodeiam para dar prova de seu sucesso.
A grande popularidade deste livro sempre
foi atribuída por ser tanto fiel como premonitório da adolescência que conhecemos. Graças
a essa essência, temos motivos para pensar que
nas últimas décadas não houve uma mudança
substancial no discurso adolescente. Ou melhor,
poderíamos dizer que a adolescência enquanto
fenômeno continua sendo uma resposta aos
propósitos de que foi incumbida, especialmente
a partir do pós-guerra.
Não é de forma alguma novidade que os
jovens tenham um papel social definido. Rituais
de iniciação, várias maneiras de transmissão de
conhecimento, faziam parte da época juvenil da
vida desde a antiguidade. A novidade, que tem
831/1397
mais ou menos a idade desse livro, é a de considerar a adolescência um período da vida pelo
qual a sociedade tem verdadeira obsessão, ao
mesmo tempo em que não sabe muito bem em
que categoria colocá-la. Por outro lado, sempre
que lhe for dado um lugar, o jovem fará o possível para criar uma alternativa ou simplesmente não ocupá-lo. Os jovens ocupam as
calçadas, estacionamentos, becos, lugares abandonados, pátios, porões, quartos uns dos outros
– o espaço social da adolescência é o limbo, os
não-lugares.
Notícias do limbo
Costumamos associar a adolescência com a
época dos acontecimentos, das escolhas, mas
ela é antes de tudo uma experiência de melancolia e procrastinação. Quando finalmente
tomamos algumas decisões, pode ser que ainda
sejamos jovens, inexperientes, pretensiosos,
mas na prática já estamos deixando de ser adolescentes. Essa diferença está, por exemplo,
832/1397
entre fazer uma escolha vocacional e assumi-la.
Qualquer um sabe a diferença que há entre entrar em um curso universitário e o momento de
realmente estar se preparando para uma profissão; ou então entre ter experiências tanto
amorosas como sexuais e realmente fazer escolhas amorosas.
A adolescência é justamente o tempo de
uma suspensão; porém, é crucial que esse espaço intermediário seja considerado legítimo,
escutado e acompanhado. Pedir ao jovem que
assuma as consequências do que pensa pode ser
remetê-lo a um tempo de resoluções que ainda
não chegou. O pensamento dos jovens interfere
no mundo, ajuda a criar alternativas, incentiva
críticas, questionamentos, mas ele pertence a
um tempo em que a vida ocorre mais na teoria
do que na prática, referida mais ao futuro do
que ao presente. A relação com o mundo é experimental, o que não impede de amar, aprender e até trabalhar.
833/1397
Existe uma regra que ninguém deveria desrespeitar: a inteligência do discurso adolescente
não é instrumentalizável, ela não serve para
nada prático. Serve para consumo próprio, para
o sujeito que cresce isso será a matriz de seu
projeto de vida, é aqui que ele está formatando
sua versão do que se tornará a partir da criança
que não é mais. Portanto é importante não
pedir ao sujeito provas, afinal ele está em um
trabalho psíquico e não real.
Não se trata de dizer que as reflexões e
questões levantadas pelos jovens sejam inúteis
ou desinteressantes, pelo contrário: esse olhar
marginal, cheio de soberba, nos revela. “A imaturidade é um elemento essencial da saúde durante a adolescência, ela contém as características mais fascinantes do pensamento criativo. A
sociedade precisa ser chacoalhada pelas aspirações de seus membros não responsáveis”.
Nessa, que é uma das mais belas passagens de
seus escritos sobre adolescência, Winnicott
acrescenta: “estou sempre lembrando a mim
834/1397
mesmo: é a sociedade que carrega, perpetuamente, esse estado de adolescência, e não o
rapaz ou a moça que, infelizmente, se transformam em adultos em poucos anos e se identificam muito precocemente com algum tipo de
estrutura em que novos bebês, novas crianças e
novos adolescentes podem ficar livres para ter
visões, sonhos e novos planos para o mundo”.16
Esse texto de Winnicott foi escrito em 1968
e décadas depois não podemos mais afirmar
que a adolescência dure poucos anos ou passe
precocemente. Ao contrário, observamos que
quanto mais complexas tornam-se as metas e
menores as oportunidades em um mundo
desigual, assolado pelo desemprego, a adolescência tende a prolongar-se. A idealização
dessa época também contribui para que o jovem
não queira tornar-se adulto, assim como em
geral conta com a cumplicidade dos pais para
não crescer. Porém, independente de seu tempo
de duração, acreditamos que o sentimento de
estar fora de contexto, de exterioridade, é
835/1397
premissa lógica para o pensamento adolescente,
assim como fonte das ideias de transformação
que renovam uma sociedade.
Mas estamos no território dos ideais, da
hipótese e da fantasia que se habita na adolescência. Ao contrário disso, essa fase é idealizada pelos adultos como sendo uma época de
potência, de possibilidades ampliadas de
produzir fatos: eles estão confundindo o potencial de fazer escolhas, verdadeiro pesadelo para
os jovens, com a potência de possuir todas as alternativas, que é um grande sonho para os adultos. Ao adulto, que se sente melancólico em relação à própria maturidade, parece que o jovem
pode possuir todos os amores, todas as profissões, viver no mundo inteiro, frequentar todos
os amigos. Nada mais falso.
Quando Caulfield assiste à apresentação de
um pianista muito bem quisto do público em
uma casa noturna de Nova York, afirma: “Juro
por Deus que, se eu fosse um pianista, ou um
autor, ou coisa que o valha, e todos aqueles
836/1397
bobalhões me achassem fabuloso ia ter raiva de
viver. Não ia querer que me aplaudissem. As
pessoas sempre batem palmas pelas coisas erradas. Se eu fosse pianista, ia tocar dentro de um
armário”.17 Mais que a espetáculos artísticos,
Caulfield assiste ao teatro da vida, principalmente a dos jovens de seu tempo: o estudante
atleta e suas carícias ousadas no carro com as
moças, o jovem feio que vence na vida como
comerciante, o intelectual estufado que só escuta a si mesmo, a moça burra e bonita, a inteligente que cede ao assédio do medíocre bonitão,
assim como todo tipo de coitado que sofre por
não conseguir se inserir nos papéis preconcebidos. São personagens da narrativa de
Caulfield, mas ele não quer ser nada disso, não
quer provar nada para ninguém, nem mesmo
quer ir para uma cabana na floresta.
A vivência individual dos impasses do adolescente não é suprimida por nenhum tipo de
aglutinação grupal. Apesar do fracasso escolar,
Holden pode ser visto indo ao teatro, com
837/1397
amigos em um bar, dançando, saindo com uma
garota, visto de fora parece que tudo corre normalmente. Por dentro, porém, ele sente-se
caindo.
O livro intitula-se a partir de duas referências: a primeira é uma observação que ele faz na
rua, de uma família humilde voltando da igreja
– o casal conversa, desatento do filho que se
equilibra no meio fio, como uma travessura de
infância, e o menino canta uma música que diz:
“se alguém agarra alguém atravessando o
campo de centeio”;18 a segunda é a resposta que
Holden dá à sua irmã sobre o que vai querer ser
quando crescer – “Eu fico na beirada de um
precipício maluco. Sabe o que eu tenho que
fazer? Tenho que agarrar todo mundo que vai
cair no abismo. Quer dizer, se um deles começar
a correr sem olhar onde está indo, eu tenho que
aparecer de algum canto e agarrar o garoto. Só
isso que eu ia fazer o dia todo. Ia ser só o apanhador no campo de centeio e tudo.”19
838/1397
Ao longo desses dias, ele frequenta constantemente essa borda, mas ninguém estaria lá
para lhe agarrar se fosse preciso. Como em toda
história adolescente, os pais e professores não
estão, ou se estão parecem não falar a mesma
língua. A ausência dos pais faz parte da vivência
adolescente, quando o jovem faz o possível para
separar-se deles, porém, como raramente assume seus atos, via de regra, sente-se expulso.
De qualquer maneira, só isso não explica toda a
solidão que lemos nas palavras de Holden. É
preciso buscá-la na dificuldade por parte dos
adultos de suportar o que ele realmente sente e
diz: o jovem fala de tristeza, vontade de desistir,
quando o que esperamos dele é vigor juvenil,
potência, hormônios em fúria.
Vigias na borda do precipício
Somos capazes de qualquer negócio para
suprimir a infelicidade: crenças místicas,
autoajuda, remédios, qualquer analgesia, tudo
menos enfrentar as questões que ela nos
839/1397
assopra aos ouvidos. É dela que fala o adolescente quando escutado a sós, fala da tristeza
dele e da de todos nós, de um potencial de covardia, de insatisfação que quando amadurecermos será adormecido, porém nunca eliminado
de todo. O adolescente fala daquilo que o adulto
experiencia sob a forma de depressão.
“Começou a acontecer um negócio um bocado fantasmagórico. Cada vez que eu chegava
ao fim de um quarteirão e descia o meio-fio,
tinha a sensação de que nunca chegaria ao
outro lado da rua. Pensava que ia caindo,
caindo, caindo, e nunca mais ninguém ia me
ver”20 – descreve Caulfield.
Winnicott fazia referência à necessidade de
que os adultos não abdiquem de sua condição,
de que sobrevivam, no sentido de manter vivas
suas premissas éticas, ao processo de questionamentos dos adolescentes com que convivem.
Ele lembra que o nosso adolescente interior está
sempre pronto para nos perguntar: “será que
precisa mesmo tudo isso?”, e nós adultos
840/1397
estamos sempre prontos para desistir. Por isso
a tristeza é nosso maior fantasma e a adolescência sua mais clássica encarnação.
Fala-se incansavelmente da incomunicabilidade de Salinger, o autor, por outro lado
sabemos que seu livro tem atravessado gerações. Nesse caso não há contradição entre o
autor e sua obra. O livro é como a adolescência:
depois de adulto não há mais como revivê-la,
tentativas de reeditá-la não passam de acessos
caricaturais de mania. Ela passa, mas fica lá,
quieta, muda, eremita, o que nela vivemos, sofremos e aprendemos está como um livro
disponível na biblioteca da nossa casa: se o consultarmos de tanto em tanto ele será eloquente,
sempre pronto a apresentar um parágrafo que
não tínhamos visto antes.
Quando um adolescente quer falar sobre os
assuntos que são do seu universo particular –
games, música, animes, skate, amizades, filmes,
livros, amores, programas de televisão, seus vizinhos ou professores, animais de estimação –
841/1397
ele apenas quer falar sobre isso para jogar com
as palavras. Que jogo? O jogo de experimentar
hierarquizar o que é importante para si e para o
mundo, o jogo de descobrir que seu
pensamento pode também ser interessante. O
adolescente comparece ao consultório do analista também para fazer musculação em seu
discurso, deixá-lo forte, bonito e com contornos
bem definidos. Porém, deixado falar, não
somente amenidades culturais e sociais vêm à
cena, escutá-lo significa suportar o mais assustador de suas vivências: a desesperança. O
adolescente duvida de sua capacidade de enfrentar a vida, da condição do mundo de acolhêlo, assim como não tem certeza de que tanto esforço valha a pena. Qual de nós não teve, ou não
tem ainda, esses questionamentos?
Rassial descreve a depressão adolescente
como uma “autêntica questão sobre os fundamentos da existência e uma alavanca dinâmica
para uma verdadeira cura”, algo que “não deve
ser combatido, às vezes mesmo ser buscado”.21
842/1397
Mais do que isso, esse questionamento radical
do sentido da vida é algo a ser construído, pois
dele advirá a determinação para realizar alguma
coisa com ela.
O adolescente brinca com a fala, assim
como a criança brinca com seus brinquedos e
parceiros. As crianças podem tratar assuntos
importantes sem precisar assumir subjetivamente as consequências de suas produções: elas
trabalham seus conteúdos em um outro espaço,
um espaço transicional, no qual elaboram exercitando o que lhes é interior, como se fosse exterior, e o que lhes é próprio como se fosse alheio, assim como tomam elementos dos pais ou
do ambiente dos quais se apropriam para seu
ofício de brincar. Em dinâmica similar, com o
adolescente conversa-se sobre uma parte da
vida dele, como sua escola, seus amigos, jogos,
esportes, provas, férias, sem o compromisso
imediato de discernir o que é pessoal e alheio
nos assuntos tratados. Facilmente o jovem se
coloca como ignorante da relevância dos
843/1397
assuntos que trata, como se estivesse sempre
“jogando conversa fora”.
Parte importante desses relatos é ocupada
pela descrição literal, nada literária, dos diálogos que travou: a fala do “eu disse, ele disse”,
tanto relativa aos pais, quanto aos pares e pretendentes amorosos. É aqui que fica claro que
Caulfield é um adolescente em forma literária,
pois seu relato dos encontros com todos aqueles
que nunca o escutam desemboca rapidamente
em uma apreciação quase filosófica da experiência, algo que os adolescentes demoram mais
para elaborar. Embora mascarada pela leveza
do discurso coloquial, a percepção do adolescente de Salinger se precipita rapidamente em
uma conclusão sobre a incomunicabilidade humana, a qual, na relação entre as diferentes gerações, atinge suas melhores e mais tristes
performances.
Se finalmente conseguimos atingir a condição de adultos é porque contávamos com alguém na borda do precipício, disposto a nos
844/1397
apanhar, é bom lembrar disso, porque temos
que estar lá quando for nossa vez de cumprir
esse papel. Como diz Holden Caulfield, esse é o
trabalho mais importante que um adulto tem a
fazer.
Rassial deixa-nos algumas palavras que poderiam ser a lição de Holden Caulfield, se ele
tivesse condições e interesse em deixar uma:
Ajudar o adolescente consiste menos em
propor-lhe respostas do que aceitar tomar a
sério
suas
questões,
permitindo-lhe
formulá-las em seu discurso antes de
precipitar-se em atos. Percebemos logo que
nós mesmos partilhamos essas mesmas
questões éticas ou ontológicas e que elas
colocam em causa nossas escolhas antigas.22
845/1397
A adolescência como pesadelo_Filmes de
terror com adolescentes
O massacre dos adolescentes
Os filmes de terror nos colocam uma
questão: por que em um mundo em que não
faltam horrores divertimo-nos com histórias
que produzem medo? A resposta mais óbvia é
que o medo na ficção acaba nos reconfortando,
ou seja, embora se evoquem demônios hediondos, no fim o mal é dominado. Além disso, esse
problema não nos toca na realidade: o horror
está dentro da tela, no livro, está longe,
podemos senti-lo, mas a distância é segura, e
isso é uma forma de controle. Além desses argumentos, podemos acrescentar que muitas vezes
nosso malestar consiste em uma angustia sem
rosto, enquanto a ficção propõe contornos
nítidos para os medos. Na ficção sabemos qual é
a face do medo, portanto podemos melhor nos
defender.
846/1397
Mas esse fenômeno coloca uma segunda
questão: por que parte considerável do público
consumidor de horror, especialmente dos
filmes, está entre a puberdade e a adolescência?
A indústria cultural sabe disso, tanto que muitos títulos já vêm dirigidos a eles. O que querem
esses sujeitos que mal saíram da infância com
vingativas almas do outro mundo, zumbis,
sangue jorrando, corpos espedaçados e monstros assustadores? Faz pouco tinham medo de
dormir sozinhos, muitos recém conseguiram
dormir sem uma luz ligada, por que ir visitar
seus recentes pesadelos?
Podemos dizer que além da resposta à pergunta anterior – evocar virtualmente para melhor dominar, artifício da ficção que serve para
qualquer idade – essa experiência de terror juvenil apresenta uma particularidade: pai e mãe
estão diminuindo de importância, pois os pais
onipotentes da infância foram recém destronados. Nesse momento, junto com a perda da
condição infantil vem a descoberta de que eles
847/1397
são normais, parecidos com os outros humanos
e não são “super” em nada. Essa modificação do
modo de ver os pais pode não ser fácil e muitas
vezes podemos nos agarrar à visão infantil,
onde um vilão muito assustador representa a
desejada e temida onipotência paterna.
Sabemos desde a análise das histórias infantis que o ogro, o lobo, o caçador, o rei e o
mago, entre outros, são faces diferentes do
mesmo pai. Claro que pais poderosos são
temidos, mas a contrapartida é obvia, eles nos
protegem de qualquer coisa, e se eles são especiais, nós somos um pouco especiais também,
afinal, todo filho de rei é, no mínimo, príncipe.
Porém essas questões iniciais, genéricas,
são só uma introdução à outra questão que o
gênero terror coloca: por que os adolescentes
são o alvo preferencial das matanças em filmes
de horror? Os filmes que nos aterrorizam são
múltiplos, os convocados para o exército de
monstruosidades também são variados, mas
certas temáticas se repetem, e uma delas é o
848/1397
massacre em série dos adolescentes. A
produção de terror é vasta, há lugar para muitos
tipos de vítimas (embora possa se constatar
certa proteção da infância), mas em um cômputo final de número de mortos, a adolescência
fica em primeiro lugar. O que lhe garante essa
posição no ranking é um enredo típico: um
bando de adolescentes amigos ou colegas, em
um momento de lazer ou festivo, torna-se vítima de um serial killer deste mundo ou do
mundo das trevas.
Acreditamos que uma das fantasias mais
simplificadas das forças psíquicas e sociais que
cercam a adolescência encontra-se nesses filmes
de terror em que jovens são assassinados em
série da forma mais explícita possível. É claro
que alguém tem que sobrar vivo, de preferência
o protagonista, pois outra prerrogativa do
gênero são as continuações, que garantem a
renovação do prazer do primeiro episódio. Em
um enredo típico do gênero, há uma reunião de
adolescentes que estão iniciando sua vida
849/1397
amorosa e sexual, eles estão se divertindo, exercendo uma alegre inconsequência e é justamente ali que vai surgir o monstro assassino.
Parece que os assassinos são atraídos pelas
travessuras adolescentes.
Talvez o melhor representante seja a série
que a personagem Jason protagoniza, que
começa com Sexta-Feira 13 (de Sean Cunninghan, 1980, com 12 sequências até 2003), ou a
similar Pânico (de Wes Craven, 1996). Ou então
os filmes da personagem Freddy Krueger, da
série que começa com A Hora do Pesadelo (de
Wes Craven, 1984, com 8 sequências até 2003),
além de tantos outros avulsos. Para um exemplo mais recente basta citar O Albergue (de Eli
Roth, 2005), no qual três adolescentes vão atrás
da promessa de sexo farto e fácil e encontram o
pior pesadelo de tortura e morte.
Geralmente esses monstros assassinos são o
resultado de algum trauma pendente. Jason
Vorhees, da série Sexta-Feira 13, por exemplo, é
a aparição de um menino que teria morrido
850/1397
afogado no lago do acampamento, enquanto os
monitores se descuidaram por estarem eroticamente envolvidos. Ele encarna a vingança de
sua mãe desconsolada. Em A Hora do Pesadelo
o fantasma (Freddy Krueger) seria de um assassino de crianças que foi queimado vivo por um
grupo de pais, os quais guardavam segredo
desse feito. Já Pânico também acaba envolvendo os assassinos e suas vítimas em tramas familiares de traição e vingança, onde mãe
e filho mais uma vez alternam-se no papel de
assassinos seriais. Pelo jeito, é inevitável que os
erros do passado assombrem o presente.
Boa parte desses crimes envolve alguma
pendência do passado: quer seja uma questão
familiar, da cidade, um deslize cometido anteriormente pelos jovens, um velho lugar enfeitiçado ou fantasmas vingativos. Essa forma
caricatural de surgimento dos traumas familiares responde a uma modalidade de
pensamento na qual toda influência pretérita é
vista como perigosa e perniciosa: a experiência
851/1397
de vida dos pais está em uma posição desvalorizada e não parece que valha a pena contá-la a
seus filhos.
Muitas famílias eximem-se de falar com os
filhos sobre seu o passado, considerando que
essas revelações não trariam boas influências.
Ou ainda pensam que sua vida não é exemplar,
ou é demasiado medíocre e não querem que
seus filhos saibam disso. Amparados em uma
psicologia de senso comum, esses pais acreditam que sua proximidade e palavras poderiam
marcar negativamente os filhos, como se não
tivessem condições de transmitir-lhes dons,
metas de vida, valores, mas apenas derrotas,
impotências e limitações. O velho conflito de
gerações, onde pais e filhos discutiam por não
admitir os modos uns dos outros de encarar a
vida, foi assim substituído por um silêncio entre
gerações. Isso não quer dizer que carecemos de
convívio entre pais e filhos, em muitos casos,
existe até muita proximidade, camaradagem e
compartilhamento de atividades. A lacuna está
852/1397
na transmissão da sabedoria ou, no mínimo, da
experiência da geração anterior.
A Noite do Terror (Halloween, de John
Carpenter, 1978) é um dos filmes que marcou
época. Seu assassino, Michael Myers, é um dos
que mais vai influenciar os psicopatas das décadas posteriores. Quando ele tinha apenas 6 anos
matou a irmã imediatamente depois que ela se
despediu do namorado; ela ainda estava nua
quando recebeu as várias facadas do irmão, pois
o encontro tinha sido bem quente. O irmão assassino foi internado em um sanatório e ficou
em tratamento por 15 anos, até que fugiu e
voltou ao local do crime para novas aventuras
de terror e sangue.
Nosso interesse está na gênese dessa
loucura: a criança percebe a sexualidade da
irmã e reage de modo ultraviolento. De fato a
sexualidade adolescente toca a criança em particular, ela percebe que logo estará do outro
lado da cena, algo tão perto, tão estranho e tão
assustador. Esse enredo captura o espectador
853/1397
pela identificação direta com o assassino, ele
evoca a nossa posição infantil frente à
descoberta da sexualidade e o pavor da reação
que por sorte não tivemos. O irmão é, de certa
forma, mais que um assassino, é incestuoso
também, ele toma o lugar do namorado e “penetra” a irmã com uma faca. É claro que ele vai se
tornar um monstro, ele quebra vários tabus a
um só tempo, é um assassino, agravado por
derramar o sangue da família, é um incestuoso,
e profana a inocência da infância.
É importante notar que nessas tramas a
morte chega junto com o surgimento das
questões sexuais. O que esses filmes evocam, e
por isso fazem sucesso entre adolescentes, é que
o sexo, embora ansiosamente esperado, também invoca uma carga mortífera e um medo
paralisante, entre outros, o de ser devorado ou
destruído no ato da entrega erótica. Além disso,
já há nesse momento uma cobrança pelo bom
desempenho sexual, pela demonstração pública
de sucesso e potência. Fracassar nesse teste
854/1397
para a vida adulta, mesmo em tempos de maior
abertura para experiências sexuais, segue sendo
uma derrota amarga que deixa sequelas. Mesmo
porque a iniciação sexual costuma ser atrapalhada, quer seja em termos de conhecimento de
causa, do próprio corpo, dos caminhos do
prazer, de tudo o que se coloca em seu caminho,
quer porque os encontros são tumultuados,
mistura de medo e entusiasmo, de paixão e
pânico.
O corpo despedaçado
Além da exaustiva série de mortes desses
filmes, os requintes de crueldade talvez nos
falem de algo a mais. Existe uma cena típica que
talvez permita ilustrar o que estamos querendo
dizer, no filme Casa de Cera (de Jaume ColletSerra, 2005, uma adaptação teen de um filme
homônimo de 1953, com Vincent Price). Nela
temos o mesmo de sempre, vários adolescentes
em seus jogos sexuais. Em certo momento a
jovem personagem faz um strip-tease para o
855/1397
namorado e quando tudo está pronto, a excitação erótica no limite, quem entra em cena é o
assassino para matá-la de forma cruelmente explícita. Onde a consequência seria o sexo e o orgasmo, entra o despedaçamento e a morte. A
tensão cresce em erotismo e termina em sangue
e violência, vários desses filmes repetem no
enredo o que nessa cena está condensado.
A contraposição entre o corpo erótico e o
despedaçado, bem ilustrada pelo strip-tease sucedido de esquartejamento, faz a ordem inversa
do que costuma ser a relação do jovem com sua
imagem corporal. Na ordem corriqueira,
primeiro sentimos a experiência do corpo despedaçado pelas suas modificações abruptas,
porém, graças aos jogos sexuais encontramos
um consolo no olhar que reunifica e valoriza
nosso corpo, que é coeso por ser desejável. Para
os adolescentes, o surgimento de volumes,
pelos, e novas proporções são sentidos como
uma desorganização, como se novos pedaços e
856/1397
consistências se acrescentassem por fora sem
terem sido compreendidos por dentro.
As transformações da puberdade produzem
estranhamento e uma eloquência do corpo.
Relacionamos-nos com isso da mesma forma
como com uma doença, ou seja, ela impõe sua
forte presença em nossa vida, enquanto estamos acostumados a um pacto silencioso com
nossa matéria. Claro que neste caso as transformações são desejadas – não há menino que
não cobice mais altura, voz grossa, barba e músculos, enquanto as meninas têm grande expectativa pela chegada dos seios, da cintura e dos
pelos pubianos – apesar de elas desestabilizarem por um tempo a imagem corporal.
Uma das possibilidades de retorno a uma
imagem corporal mais coesa e positiva é propiciada pelo jogo de olhares do amor, e tem na
contemplação idealizada da paixão sua melhor
performance. Nesses filmes, há sempre alguém
à espreita, mesmo quando os jovens dormem ou
fazem
atividades
banais,
estão
sendo
857/1397
observados com a cobiça sanguinária do serial
killer. Para o bem ou para o mal, não deixa de
ser um olhar...
Na adolescência existe uma confirmação,
como que um segundo momento, da consolidação da imagem corporal, a qual foi custosamente montada graças ao olhar unificador
da mãe na primeira infância. As transformações
da puberdade são tão agudas que essa imagem
necessita de uma confirmação. Como se o estádio do espelho precisasse ser revisitado e
consolidado.
A experiência psíquica de esfacelamento da
imagem corporal na adolescência não é uma reprodução exata da situação do sujeito no momento de sua gênese, mas, devido às necessidades de absorver e elaborar os novos contornos,
tamanho e volume, essa fase é evocativa dos impasses primitivos. Portanto, não surpreende
que seja nessa época que patologias ligadas à
imagem do corpo apareçam: quase todos os
casos de dismorfofobia23 são ou desencadeiam-
858/1397
se na adolescência. Nesse momento o sujeito já
não encontra mais uma mãe que lhe venha unificar seu corpo, na adolescência são os pares
que lhe devolvem uma ideia de que ele está íntegro. Na maior parte deles a questão não é
tanto se seu corpo é uno, mas se ele é admirável
e desejável: é do amor, do sexo e da amizade
(que também é uma experiência amorosa, embora com a sexualidade impedida) que provêm
as referências que funcionam como o espelho
que unifica. Nas fantasias que os filmes representam, enquanto o grupo e os jogos sexuais
confirmam seu corpo, o serial killer é quem o
espedaça.
Se do lado de dentro da tela temos um
grupo jovem, não é raro que do lado de fora
também. Boa parte do sucesso dos filmes de terror se dá entre esses coletivos de adolescentes,
que no cinema ou em casa, os assistem juntos
em encontros regados a refrigerante, pipoca e
medo. Muitas vezes faz parte de programa
dormir todos juntos e mal, por causa dos restos
859/1397
de medo da experiência anterior, acampados na
casa de algum deles. Essa atividade inicia-se nas
faixas etárias que vão dos princípios da puberdade perdurando até o fim da adolescência.
Muitos desses filmes evocam cenas pornográficas, no gosto por perfurações, por objetos
pontiagudos penetrando carnes, dos quais jorra
o sangue com a profusão vistosa como o
esperma derrama-se nos filmes de sexo explícito. Geralmente a vítima agoniza em frente às
câmeras com a tediosa lentidão de um gozo
sexual de filme pornográfico. Porém, ao contrário dos filmes de sexo, os quais produziriam
um estado de espírito difícil de administrar em
um grupo de jovens confraternizando na sala da
casa da família, os filmes de terror permitem
uma noite de solidariedade e contato físico mais
inocente.
É preciso prestar atenção nas formas consagradas de sadismo nesse estilo de filmes: a
perfuração, com muito mais facadas do que seria necessário para matar, ou o dilaceramento
860/1397
das vítimas, assim como as constantes cenas de
membros decepados. Nelas podemos, se consideramos que na adolescência existem reatualização de alguns temas arcaicos, reencontrar
formas rudimentares do brincar.
Ricardo Rodulfo define os bebês como perfuradores e arrancadores contumazes, não é
raro ter que travar certa luta com um pequeno
que tenta enfiar seu dedo em nossos olhos e
ouvidos, além de arrancar óculos, brincos,
roupas e correntes. Essa atividade lúdica visa
fazer uma marca naquele cujo olhar parece estar também perfurando a criança pela sua extrema importância. Furar aquele que está nos
olhando é uma forma de apropriar-se de seu
corpo, interceder em sua estrutura. Nas palavras do autor:
as atividades mais intensas e mais regulares,
durante o primeiro ano de vida, concernem
à produção de buracos, e não em qualquer
lugar, senão – com predileção – no corpo do
861/1397
Outro Primordial, em posição materna. [...]
é primordial aceder a esburacar o corpo do
Outro. Dele o bebê retirará os materiais de
que necessita para unificar-se [...] arrancar
os elementos indispensáveis para se constituir.24
Confirmando essa evocação, lembramos
quantos dos assassinos seriais são mães e filhos,
ou mesmo algum representante da sobrevivência de um segredo familiar, o qual, quanto mais
guardado, mais assombra. É das catacumbas da
infância, de seus elementos mais arcaicos e inefáveis, que retiramos os elementos para tanta
selvageria. Portanto, se eles parecem primitivos,
é porque de fato o são.
Enquanto o sexo se anuncia, erótico e
prometedor, é a morte que acaba sendo pornográfica e explícita. Pode ser que estejamos
frente à fetichização da morte, transformada em
valor a partir da erotização das suas imagens,
que passam a associar-se a estranhos prazeres.
862/1397
Por outro lado, não descartamos que a chacina
cinematográfica esteja ao serviço de uma representação violenta do sexo, como ocorre na
visão infantil da relação sexual, que por vezes,
aos olhos das crianças, assemelha-se a uma
luta, uma mútua devoração. Nas fantasias eróticas femininas também é comum o recurso à violência, quando uma submissão radical ao
outro, que é colocado como poderoso suficiente
para dispor da própria vida da amada em suas
mãos, é encenada como parte dos jogos e cenas
sexuais. Por último, não devemos descartar que
podemos constatar aqui uma obsessão moralizante, do tipo que nem a igreja faria melhor: o
prazer sexual é perigoso, pode ser letal,
cuidado!
Talvez esse desfecho catastrófico para o
sexo seja, de um modo caricatural, uma forma
de renovar o pudor perdido para as novas gerações. Esses jovens cresceram em uma época
mais liberal, com acesso fácil a cenas de nudez,
de sensualidade, e com um pouco mais de
863/1397
trabalho, mas sabendo procurar, com cenas de
sexo explícito; habituam-se a uma forma de vestimenta que lhes pede a nudez parcial, que
apenas muda de lugar conforme a moda da época. Frente a isso, os jovens reatualizam, de
forma esdrúxula, as proibições morais, o recato
e os castigos infernais que serviam de tempero
para o sexo dos mais antigos.
De qualquer maneira, apesar de que as
fantasias agressivas possuem várias fontes onde
nutrir-se, é preciso registrar que a apoteose violenta que coroa a promessa de sexo está relacionada com um fato muito marcante na adolescência: ela é o encontro com uma promessa
que nunca se cumpre. Quando Simba cantava
que mal podia esperar para ser rei, é como uma
criança qualquer que conta, como parte de seu
reinado, com a promessa da realização sexual:
um encontro que seria total e plenamente satisfatório. A proibição do sexo para as crianças redunda nessa grande espera, algo tão adiado, recoberto de mistérios, só pode ser a coisa mais
864/1397
importante, impressionante e prazerosa do
mundo.
A impostura mais comum é a da ostentação
de um gozo, principalmente sexual, cuja falta ou
vacilações ninguém está disposto a proclamar.
A sociedade contemporânea cultua esse gozo
com a mesma paixão que antes dedicávamos à
transcendência. Agimos como se não existisse
nada além dessa vida, e se é que existe, não servirá para compensar a perda da existência terrena. Vale o que conseguimos arrancar da vida
ao longo da nossa existência pessoal, dificilmente uma obra, um coletivo, uma família, serão mais importantes do que a cobrança de que
tenhamos esse gozo a que teríamos direito. O
sexo é o representante principal desse jogo social onde exigimos da existência que se faça
valer. Não tentamos justificar nossa passagem
pelo mundo fazendo marcas, fazendo jus, nos
comportamos como clientes exigentes: já que
nos trouxeram aqui, nos satisfaçam.
865/1397
Sobrecarregada com todas essas expectativas, a promessa de gozo embutida no sexo é
diretamente proporcional aos anos de preparação para ele, e nunca se cumpre. Mesmo
que o jovem não sofra de maiores inibições para
exercer seu erotismo, constatará que está em
uma busca sem sentido, que o encontro definitivo não existe. Muitos passam a vida atrás dessa
esperança, de paixão em paixão abandonando
amores, sentindo-se magoados pela insuficiência destes. Porém, mesmo aqueles que tiverem
alguma capacidade de negociar entre as
promessas e as reais possibilidades do sexo apresentarão de alguma forma a conta dessas
pendências nunca pagas pela vida.
Parte das críticas tão cruéis que os jovens
dirigem aos mais velhos tem a ver com isso:
julgam-nos mentirosos, como se com seus segredos tivessem prometido que entre as quatro
paredes vivia um gozo que não corresponde à
promessa de ser completamente desejado, inteiramente satisfeito. Quando o corpo chega ao
866/1397
momento da verdade e as experiências, platônicas ou realizadas, do amor vão tornando-se
uma realidade, é hora de ver derreter todas essas promessas. Na verdade os adultos não prometeram, apenas ocultaram, silenciaram, protegeram, foi a criança que nesse mal-entendido
se iludiu em encontrar no sexo o paraíso perdido da cópula perfeita. Essa ilusão quebra-se, e
é a essa bancarrota que assistimos também
nesses filmes, quando a destruição de tudo e de
todos sucede-se aos calores do amor de principiantes. Já que prometeram uma apoteose,
que seja a infernal, pelo menos.
Hipóteses sobre a violência na ficção
Em Pânico 2, os jovens protagonistas passam fazendo gracejos sobre as influências perniciosas dos filmes violentos sobre o seu comportamento, observando com sarcasmo o debate de profissionais, pais e governantes sobre a
ficção que consomem. Esse filme brinca com a
visão simplista dos responsáveis pelo destino da
867/1397
sociedade, que julgam que fantasias sejam as
maiores responsáveis por fatos tão apavorantes
quanto os “garotos Columbine”,25 assim como
várias outras manifestações do mal em um
mundo que já deveria ter aprendido o valor da
paz.
O século XX foi bastante violento, tivemos
duas guerras mundiais, bombardeios sobre a
população civil, diversos genocídios, ditaduras
sangrentas. Paradoxalmente, ou talvez por isso
mesmo, como uma formação reativa,26 desenvolvemos a ideia de que deveríamos abolir a violência e educar as novas gerações para a paz. A
antiga e milenar glorificação dos atos violentos
foi subs-tituída por uma militância discursiva
pela paz. Na prática isso ocorreu apenas no plano ideal, já que vários países continuam sem vacilar em iniciar ou participar de guerras por
motivos no mínimo duvidosos.
Nas escolas, e nas políticas públicas, o assunto é preparar as crianças para um novo
mundo onde tudo possa se resolver pelo
868/1397
entendimento. São intenções louváveis que se
vencerem pela persistência serão de bom prognóstico para as gerações futuras. Essas intervenções se baseiam na crença de que os hábitos
de linguagem, assim como a formação das crianças, podem a médio ou longo prazo mudar
nossos padrões de comportamento. Igual atitude é praticada em relação aos preconceitos, de
tolerância zero à intolerância, e acreditamos
que os primeiros e acanhados reflexos já são
perceptíveis. O problema é que não podemos
tratar de todos os temas polêmicos da mesma
forma. Os preconceitos são socialmente construídos, portanto devem ser socialmente combatidos de forma radical. Podemos dizer o
mesmo quanto à violência, mas será que isso se
aplica a todas as formas de violência?
Acreditamos que a experiência da violência
virtual possa ter outros sentidos, por exemplo:
pode ser uma das formas de dialogar com a
morte, que é um dilema filosófico e psíquico incontornável, algum dia todos somos obrigados a
869/1397
encará-lo. A inclemência da morte, assim como
de seus desígnios – como, quando e quem ela
suprimirá da face da Terra – são dilemas dolorosos e inevitáveis, constituem o verdadeiro e último limite de qualquer ilusão de onipotência
humana: podemos enganá-la, negociar com ela,
provocá-la através de atos de violência, mas é
impossível eliminá-la.
Os filmes de mortos-vivos, sucesso absoluto
na primeira década deste século, assim como as
diversas “vidas” que se pode ter em um videogame, são formas de negar e afirmar a morte,
em uma aparente contradição que mantém o
tema vivo. A representação artística, literária,
onírica e social da morte é como os zumbis,
eterna e insistente em reaparecer por todas suas
brechas, fazendo suas vítimas.
Como resultado dessas preocupações,
surgem reflexões sobre a violência no cinema,
na TV, nos videogames e a pergunta se esses
produtos não estariam ensinando, ou então
banalizando, a experiência da violência,
870/1397
preparando as novas gerações para mais violência ainda. Não houve um engajamento massivo
por parte dos produtores nesses pudores, mas
existe um clima de desconfiança contínua e persistente por parte do senso comum, alicerçada
por alguns teóricos, que aponta uma das causas
do mundo violento como proveniente da influência da mídia. Em alguns lugares isso fez
com que certos produtos ganhassem uma autocensura prévia.27
Embora nunca se tenha provado nada a esse
respeito, a opinião popular segue com a convicção que a violência virtual produziria, ou ao
menos incrementaria, a violência real. As
pesquisas sérias a respeito do tema nunca precisaram desses argumentos: examinando mais
de perto cada caso, elas sempre acabavam encontrando fatores reais na vida e na sociedade
habitada pelas pessoas violentas que contribuíram para suas condutas.28 Por outro lado,
milhões de pessoas assistiram desenhos animados violentos, jogaram games onde mataram
871/1397
milhares de inimigos e monstros e nem por isso
tornaram-se pessoas anormais ou agressivas.
No decorrer de um tratamento psicanalítico
temos acesso às fantasias inconscientes dos pacientes que se transformam em sintomas, mas
existem outras fantasias que são tão ou mais interessantes para esse debate: são aquelas que
temos enquanto estamos conscientes e bem
acordados. Geralmente são inconfessáveis por
implicarem em delírios de grandeza, por esquisitices sexuais e por uma agressividade sem limites. Fora a questão sexual, as produções infantis acolhem essas ideias onipotentes, por isso
não é raro que o destino da humanidade esteja
nas mãos de um simples cidadão, que o faz ser o
mais importante do universo. Em momentos de
fúria a raiva ativa fantasias agressivas onde
planejamos e executamos a morte de todos que
nos atrapalham. Qual é a diferença dessa fúria
para um game onde podemos matar, das mais
variadas formas, com várias armas disponíveis,
um sem número de pessoas?
872/1397
É claro que a sensibilidade contemporânea
se choca, mas se tivesse acesso ao conteúdo das
fantasias das pessoas comuns, se prestasse
atenção nos seus próprios devaneios, ou mesmo
nos sonhos, veria que alguns filmes e games
apenas possibilitam que vejamos algo que
sempre existiu de forma privada, no interior de
nosso cérebro. A tecnologia apenas permite projetar, e, em alguns casos, compartilhar virtualmente uma violência e uma onipotência, temperadas com pensamento mágico, que é próprio
da infância e adolescência, quando não nos
acompanha pela vida afora. Em outras palavras,
se pudéssemos filmar os pensamentos de uma
criança ou de um adolescente (das gerações que
nem conheciam essa tecnologia), o exercício de
suas fantasias onipotentes e agressivas dariam
um filme não muito diferente de um roteiro de
videogame. Temos medo é das nossas próprias
fantasias agressivas.
Na ficção infanto-juvenil há uma reserva
particular em aceitar tramas que envolvam
873/1397
violência, pois acredita-se que os pequenos não
estabelecem bem os limites da fantasia. Ora, de
fato isso pode ocorrer, mas são raríssimas as
crianças ou jovens que fazem uma confusão de
registros, que confundem fantasia com realidade, mundo interno com externo, e que entendem as metáforas de modo literal. Essa última
experiência, de tomar o que se diz ao pé da letra, é comum nas crianças pequenas, iniciantes
na fala. A aquisição da capacidade de abstração,
e com ela de humor e poesia, é progressiva, e já
no período de latência encontra-se enquanto recurso disponível, assim como na adolescência,
mais do que uma possibilidade, constitui uma
prática insistente. Quando mal-entendidos
desses acontecem não estamos falando apenas
dos bem pequenos, mas de crianças psicóticas
ou passando por momentos limítrofes, e isso
pode ocorrer também no adulto: é sinal de
saúde mental compreender representações indiretas e subentendidas, assim como o uso do
humor que esses recursos pressupõem. Fazer
874/1397
uma ficção que fosse segura para todos seria
uma missão impossível, afinal teríamos que abolir a poesia, o humor, o duplo sentido, recursos
que fazem a graça de qualquer literatura.
Mesmo que tomássemos essas providências
ridículas, não acreditamos que possa existir
uma ficção a prova de mal-entendidos que possam não desestabilizar psicóticos.
Até os contos de fadas, embora já tenham
sido atenuados e, na opinião de muitos autores
deveriam ser ainda mais, não abrem mão das
fantasias de agressividade e violência. Neles encontramos bruxas e monstros que devoram,
partem ossos e comem pessoas vivas. É claro
que essas obras, hoje destinadas às crianças
menores, deixam bem claro a separação de territórios entre o bem e o mal, não se concebe
uma cena da Branca de Neve degolando a
bruxa, embora seja possível ver João cortar o pé
de feijão pelo qual descia o ogro que pretendia
devorá-lo: foi legítima defesa.
875/1397
Após a primeira infância, quando é mais fácil discernir entre sonho e realidade, já existem
melhores condições de suportar a gratuidade da
violência presente em alguns games e filmes.
Enquanto ainda se estiver naquela idade em
que se acorda de um pesadelo noturno e fica difícil de ser convencido de que “era só um
sonho”, convém que o mal e o bem estejam bem
classificados, cada um no seu território. Mas a
questão é: o que as crianças e jovens querem
com isso? Por que não só não rejeitam, como
aceitam bem esses conteúdos? A resposta é
complexa, mas podemos apontar alguns caminhos gerais.
1. A morte é um enigma para todos os homens
e sempre nos colocou a filosofar sobre o
sentido da vida. Ora, com eles não é muito
diferente, matar e morrer é uma das formas
de lidar e de tentar entender a morte. Matar
e ressuscitar são tanto uma forma de assimilar, como uma forma de negar sua
876/1397
potência, afinal, em um game morremos,
mas não é de verdade. Logo, matar e morrer
na fantasia pode ser uma maneira indireta e
rebaixada de se ocupar do tema da morte.
2. Existir e deixar de existir comporta um plano a mais: depois que saímos da mãe e que
vivemos colados a ela no começo da vida,
teremos um segundo nascimento que é a
separação dela. Esse momento não é uma
ruptura única, uma irrupção em outra dimensão da existência, como ocorre no
primeiro nascimento. O crescimento é cheio
de idas e vindas e disso derivam certas
fantasias de ser engolido, devorado e depois
sair da barriga do monstro. Mas esse pêndulo de afastamento e aproximação da mãe
também pode ser visto como estar dentro
do outro, no sentido também de estar sob o
domínio do outro, o que pode ser vivido
como uma morte simbólica do sujeito em
questão. Mais uma vez matar e morrer nos
877/1397
afasta da violência gratuita e reafirma uma
questão fundamental do sujeito: representar o que é existir ou não existir.
3. Quando finalmente conseguimos nos desprender da mãe começa outro embate:
qual é o meu limite? Até onde eu tenho
poder sobre os outros? Em outras palavras:
qual é o tamanho de meu ego e como eu me
meço com os outros. Especialmente para
Lacan, a agressividade deriva da mesma
dinâmica na qual se funda o ego. É a
cotoveladas com os outros que vamos saber
nosso tamanho e isso não termina tão cedo,
existem pessoas que nunca se pacificam
com seu tamanho e seguem brigões pelo
resto da vida. Ora, a maneira de representar
tal processo da nossa constituição egoica
tende, portanto, a formas agressivas. Se na
realidade ela vai ser mais ou menos barulhenta, no plano da fantasia ela é sempre extremada, hiperbólica, na imaginação
simplesmente
eliminamos
nossos
878/1397
oponentes, internamente somos todos
assassinos.
4. Um dos grandes tabus do ocidente é a imagem do ato sexual. Temos uma ideia de
que isso seria muito prejudicial às crianças
e evitamos a todo custo que elas tenham
acesso a essas cenas, porém, elas intuem
que isso interessa muito a seus pais. Embora oficialmente devem ser ignorantes do
tema, elas sabem que essa prática está relacionada com a vinda dos bebês, e portanto
com sua própria origem, assim como dos
inconvenientes irmãozinhos, logo o assunto
é da maior importância. Em função dessa
necessária censura, elas são obrigadas a
imaginar o que se passa no quarto fechado e
muitas fazem uma ideia do sexo como algo
agressivo, destrutivo. Provavelmente o tabu
provém de um conhecimento inconsciente
que os adultos têm de que o coito está além
da compreensão das crianças pequenas, é
preciso percorrer a longa estrada das
879/1397
hipóteses infantis sobre a gênese dos bebês
para chegar à verdade dessa origem.
Para as crianças pequenas, o coito pode ser
imaginado como uma massa de corpos fundidos, que é um dos monstros da infância,
uma criatura composta de várias pernas e
braços que se agita convulsivamente, como
se estivessem devorando-se, em uma espécie
de combate. Essa imagem foi nomeada pela
psicanalista de crianças Melanie Klein como
“figuras parentais combinadas”.
Alguns filmes japoneses de monstros, onde
duas gigantescas criaturas se enfrentavam,
esmagando tudo em seu caminho, podem
representar tanto uma disputa de dominação, de prestígio, mas também podem evocar o confronto erótico desses corpos misturados. Embora o monstro, ou a monstruosidade das figuras parentais combinadas, não
ameace a criança diretamente, ela tampouco
suporta a ideia da sua absoluta exclusão da
cena. Nada é mais indigesto do que ficar de
880/1397
fora, principalmente do fato de que estávamos de fora da vida dos nossos pais antes
que eles nos concebessem e eles sabiam
divertir-se muito bem sem nossa participação. Aliás, todo filho de pais que mantêm
vida amorosa percebe que frequentemente
fica sobrando. Imaginar-se vitimado por esse
monstro, ou à mercê desse combate de gigantes, pode ser uma forma de representar o
terceiro excluído.
Paradoxalmente, a adolescência é época de
certa onipotência: correm-se riscos, acredita-se
estar no controle das coisas, subestima-se a
complexidade dos problemas. Mas ela é
ameaçada por esses monstros, representantes
de velhos traumas, da gratuidade do mal e da
morte, para lembrar que a vida e o sexo são
mais complicados do que parecem. A ficção,
como sempre, vem a serviço desse jogo, da onipotência à impotência, que faz parte de ser
jovem.
881/1397
Os adolescentes também têm em seus
porões infantis um acervo completo dessas
fantasias, somos constituídos de sobrevivências
psíquicas, cacos do passado, desejos inefáveis.
Quer seja de forma idílica, como na adolescência sonhada pelas crianças, quer seja na temida
pelos filmes de extermínio de grupos juvenis, o
que sobrevive é a representação artística dessa
época da vida. A ficção não deve ser temida,
pelo contrário, devemos ser gratos a ela, pois,
como diz o ditado: cachorro que late, não
morde. Em termos psicanalíticos, tudo o que
puder ser elaborado, que encontrar alguma
forma de representação psíquica, terá mais
chances de não ser um sofrimento mudo e
intransponível.
Notas
1 É importante ressaltar que essas transformações fisiológicas dependem da conexão psíquica com elas
para que possam surtir seus efeitos. Em casos de
graves desconexões, de demências profundas, por
882/1397
2
3
4
5
exemplo, a chegada da menarca ou das primeiras
poluções não colocam necessariamente o sujeito
frente à experiência da adolescência. Também devemos considerar que as transformações corporais dependem da possibilidade psíquica de sua elaboração
para serem possibilitadas, casos graves de anorexia,
por exemplo, eliminam as regras, assim como outras
manifestações visíveis da influência dos hormônios.
“O adulto moderno transmite ao adolescente não um
estado onde ele poderia se instalar como se herdasse
uma moradia, mas uma aspiração. Mais que isso: ele
transmite a seu rebento a ambição de não repetir a
vida e o status dos adultos que o engendraram. [...] O
adolescente é levado a concluir que o adulto quer
dele revolta. [...] a adolescência é uma interpretação
de sonhos dos adultos.” CALLIGARIS, Contardo. A
adolescência. São Paulo: Publifolha, 2000, p. 33.
ERIKSON, Erik. Identidade, juventude e crise. Rio
de Janeiro: Zahar, 1972, p.129.
CALLIGARIS, Contardo. A Adolescência. São Paulo:
Publifolha, 2000, p.15.
Na época em que o filme saiu vários críticos notaram
que O Rei Leão seria Hamlet para crianças. A rigor o
paralelo é difícil, em Hamlet temos algo crucial que
aqui não acontece: a mãe de Simba não ama o
883/1397
6
7
8
9
10
sucessor. Logo o leãozinho não passa pelo drama do
herói de Shakespeare: ter que cumprir o pedido de
vingança do pai contra o novo amor da mãe. Essa
contradição, que paralisa e enlouquece Hamlet, aqui
é substituída por outro impasse. Porém seguimos
essa referência já que esse filme é o Hamlet possível
para essa idade.
“Se prestarmos atenção à atitude de pais afetuosos
para com os filhos, temos de reconhecer que ela é
uma revivescência e reprodução de seu próprio narcisismo, que de há muito abandonaram. [...] Assim
eles se acham sob a compulsão de atribuir todas as
perfeições ao filho. [...] será mais uma vez realmente
o centro e o âmago da criação – ‘Sua Majestade o Bebê’, como outrora nós mesmos nos imaginávamos.”
FREUD, Sigmund. Rio de Janeiro: Imago. Sobre o
narcisismo: uma introdução. Vol. XIV, p.108.
FREUD, Sigmund. Rio de Janeiro: Imago. Além do
princípio do prazer (1920). Vol. XVIII, p. 28.
FREUD, Anna. O ego e os mecanismos de defesa.
Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982, p. 142.
WATT, Ian. A ascensão do romance. São Paulo:
Companhia das Letras, 1996.
FREUD, Sigmund. A interpretação dos sonhos. Rio
de Janeiro: Imago, Vol. IV, p. 260.
884/1397
11 Nas palavras de Rassial: “a gíria tem o papel de uma
língua materna intermediária, organizada por, e organizando, o grupo em torno de um segredo”.
RASSIAL, Jean-Jacques. A passagem adolescente:
da família ao laço social. Porto Alegre: Artes e Ofícios, 1997, p. 23.
12 Conforme Rassial: “se há reativação do Édipo na adolescência, o acento não está colocado na distinção e
na distribuição dos sexos e papéis sexuais, mas sobre
a diferenciação das gerações”. O autor explica que
para a criança, o fato dela ser pequena e os adultos
grandes, funciona como uma interdição do incesto,
mas quando se cresce fisicamente, tornando-se como
os pais, olhando-os nos olhos, é preciso afastar-se,
refugiar-se entre os “seus”. Ibidem, p.74.
13 SALINGER, J.D.. O Apanhador no Campo de Centeio. São Paulo: Editora do Autor.
14 “[...] diferentes dos romances de formação clássicos,
o Apanhador, anterior à revolução dos costumes, é o
primeiro grande romance a mostrar a infância, a juventude e a inocência como valores em si. Nos
Bildungsroman dos séculos 18 e 19, vê-se que a juventude, infância, inocência não eram qualidades
desejáveis. Eram, sim, deficiências das quais o protagonista se livrava antes de ser um homem formado.” CHANG, Caroline, Crescer ou não crescer, eis
885/1397
a questão. Caderno de Cultura de 13 de junho de
2009, jornal Zero Hora.
15 DEUTSCH, Helene. Psicologia de la Mujer. Buenos
Aires: Losada, 1952, Primera Parte, p. 99.
16 WINNICOTT, D.W. Tudo começa em casa. São
Paulo: Martins Fontes, 1989, p.126.
17 SALINGER, J.D.. O Apanhador no Campo de Centeio. São Paulo: Editora do Autor, p. 75.
18 Ibidem, p.100.
19 Ibidem, p.147.
20 Ibidem, p. 167
21 RASSIAL, Jean-jacques. O Adolescente e o Psicanalista. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 1999. p.
164-65.
22 RASSIAL, Jean-Jacques. A passagem adolescente:
da família ao laço social. Porto Alegre: Artes e Ofícios Ed., 1997, p. 88.
23 A dismorfofobia é um sintoma psíquico no qual o
sujeito percebe o próprio corpo de maneira deformada, exagerada ou monstruosa. Trata-se da percepção alucinada do corpo, por exemplo, ela é muito
comum nos casos de anorexia onde o sujeito vê uma
obesidade que não é perceptível ao olhar externo.
886/1397
24 RODULFO, Ricardo. O brincar e o significante: um
estudo psicanalítico sobre a constituição precoce.
Porto Alegre: Artes Médicas, 1990, p. 82-85.
25 Com esse nome ficaram conhecidos os jovens americanos que assassinam colegas e professores na sua
escola por motivos aparentemente gratuitos. O nome
provém do massacre ocorrido em 1999 no Instituto
Columbine.
26 A “formação reativa” é um mecanismo de defesa
neurótico no qual se faz o contrário do que se deseja,
como forma de negar-se a perceber aquilo que é insuportável acreditar que queremos ou pensamos. Por
exemplo, quanto mais tivermos desejos de eliminar
da face da terra alguém que nos perturba, mas ao
mesmo tempo nos é cara, não podemos admitir o
ódio, mais providências tomaremos para protegerlhe a vida. Nesse sentido, ficamos desconfiados da
militância pela paz quando ela exagera, eliminando
os aspectos lúdicos e artísticos da agressividade, que
é uma das formas de relação entre os seres humanos.
Ou seja, o quanto essa atitude tenta negar a
agressividade latente de seus militantes.
27 O mercado americano nas décadas de 1980 e 1990
foi quem mais diminui os conteúdos supostamente
agressivos e criou produtos mais suaves. Nesse
mesmo
período
as
produções
japonesas
887/1397
especialmente, mas também de Hong Kong e depois
Coréia, cresceram no mercado mundial por manter o
padrão de violência com que as crianças estavam
acostumadas.
28 Para quem quer mais referências sobre pesquisas
nesse tema sugerimos o livro: Brincando de matar
monstros, de Gerard Jones, pela editora Conrad.
CaPÍTuLO
9
Faça-se você mesmo_o
trabalho do filho na
construção de si e dos pais
O Jardim Secreto_Matilda_Píppi
Meialonga
Orfandade_Importância da ausência da
mãe_Conceito de resiliência_Pensamento
889/1397
mágico_Onipotência infantil_Espaço potencial_Espaço de ilusão_Gênese da
fantasia e do ato criativo_Correlação
entre a brincadeira e a fantasia_Fantasia
de autonomia_Dificuldades para crescer_Hiperatividade_Função paterna e
materna
N
este capítulo, nos ocuparemos do trabalho
do filho: aquele que transforma os gestos
maternos, as lembranças associadas a
eles, assim como suas fantasias do que ele espera de uma mãe, em um lugar para tornar-se
alguém. O mesmo ocorre em relação à função
paterna dos primórdios do sujeito: a de
testemunhar e avalizar o crescimento do filho,
de funcionar como contraponto à presença ostensiva da mãe. É função do pai apresentar as
referências através das quais circular no espaço
que se abre quando se é expulso do corpo materno. Cabe também ao filho saber aproveitar
890/1397
essas balizas, criar-se a partir delas,
transformá-las em identidade.
Iniciaremos contando e analisando uma
história na qual dois órfãos constroem um
jardim onde se sentem maternalmente acolhidos. No livro O Jardim Secreto, as crianças
demonstram que a fertilidade do território materno é também um espaço a ser cultivado pelo
filho. Na história de Matilda, encontramos uma
versão hiperbólica dessa posição ativa: aqui
trata-se do filho que se constrói a si mesmo a
despeito dos maus pais que tem. É um verdadeiro delírio de autonomia, mas que em seu
exagero nos dá pistas interessantes sobre o trabalho do filho na própria subjetivação. Por último, examinaremos Píppi Meialonga, uma
narrativa que leva esse delírio de autonomia, no
caso a ideia de que podemos crescer prescindindo de cuidados parentais, ao extremo.
Embora seja banal dizer que a maternidade
é algo maior do que a circunstância biológica da
reprodução e amamentação, funções ligadas à
891/1397
fisiologia das mulheres, a questão é definir do
que mais se constitui a maternidade. Sobre
esses dons físicos das mulheres foram
assentando-se incumbências subjetivas: a de ser
uma espécie de lastro, de fio terra, e de quem
coloca a pedra fundamental de cada novo
sujeito humano. Somos mamíferos desnaturados, não nascemos como mais um do bando:
somos “inaugurados”, registrados, nomeados e
recebemos uma série de atributos que pelo resto
da vida serão fonte de sentido, de idealizações e
de frustrações.
Um filho vem ao mundo com uma série de
características genéticas, logo ele será investido
de um trabalho de personalização por parte dos
pais, que farão dele sua legítima cria. Isso é assim porque temos linguagem e, diferente dos
animais, recebemos um nome e uma carga subjetiva ao nascer. Essas operações fundamentais
constituem o trabalho atribuído à “função materna”, incumbência milenar das mulheres. Vêlas dedicadas a isso como modo de vida sempre
892/1397
foi, para todos nós, homens e mulheres, fonte
de segurança. Por isso não gostamos nem de
pensar que elas possam não estar a postos para
receber-nos calidamente em seus braços.
Porém, a parte mais difícil de perceber é
quanto somos ativos na construção da identidade pessoal que nasce dessa adoção amorosa
que as mães fazem. A mãe é também um lugar
subjetivo que se constrói dentro de cada filho,
na mesma medida em que este tenta se
assemelhar ao que acha que os olhos dela veem
nele. Na experiência do desmame, por exemplo,
estamos acostumados a pensar que é a mãe que
a encerra, recusando-se a continuar alimentando o filho com seu peito. Na verdade,
deixamos de observar que quando ela faz isso já
está vivendo a sensação estranha de que o filho
já não se encaixa tão bem, distrai-se dela e do
seio ao mamar. Não raro, ele a abandona
primeiro, para que ela possa recusar-lhe o seio.
O lugar materno será cultivado por cada filho
dentro de si, a partir de elementos que ela
893/1397
disporá nele. Ele partirá, principalmente, de seu
desejo de tê-la, ou melhor, de ser dela.
Fala-se muito que um filho precisa ser desejado para ser feliz. Pedagogos, pediatras e psicólogos costumam sempre perguntar aos pais se o
filho foi planejado, esperando saber o montante
de expectativas que o precederam. Se bem que é
útil pensar que estavam nos esperando com
júbilo, não podemos esquecer que é necessário
que se opere a contrapartida: o filho deve desejar a mãe ou, pelo menos, precisa almejar ser
amado por ela, fazer parte da vida dela.
A mãe ensinará seu filho a sentir falta dela,
a depender de sua voz, de sua presença, de seus
cuidados. A relação mãe-filho depende de que
haja encontros satisfatórios para ambos, nos
quais a identidade da criança se molda balizada
pelo olhar materno enquanto a mãe, por sua
vez, também passa por uma crise de identidade.
Ela precisa descobrir que lugar dar a essa materialização de seu desejo que um filho é, que se
revela externo e difícil de decifrar.
894/1397
Um filho nascido não é mais um sonho
privado dos pais, que pode ser modelado à
vontade. Ele é real, corpóreo, e eles não mais
serão pais hipotéticos, idealizados. Isso ocorre
principalmente com o nascimento do primogênito, cuja chegada transforma um casal em
uma família, mas também serve para os rebentos seguintes, que verão a luz do dia cada um
com uma missão particular e encontrarão uma
conformação familiar específica ligada à sua
concepção.
Perto da fantasia, do ideal sonhado, mãe e
filho parecem pálidas imagens, são falhos, incompletos. Essas descobertas difíceis vão
constituindo-se em perguntas inconscientes:
quem sou? Quanto valho para o outro? Cada
encontro bem-sucedido entre mãe e filho é uma
resposta positiva e constitutiva. Porém, para
que os encontros se deem, será necessário que
eles também sintam falta um do outro, que se
abra um espaço para a falta que valorizará a
presença.
895/1397
Existem mães que nunca se ausentam;
mesmo quando saem de perto providenciam
para que o filho não note. Há outras que nunca
estão, mesmo que não tenham saído. São
histórias tristes, de maternidade fracassada, de
filhos que não se convencem de ser alguém, que
estão entregues a uma vida de inconsistência
subjetiva. Sua linguagem se restringe a gestos
ou sons repetitivos e pobres, seu olhar é vazio,
são corpos amorfos e em geral incapazes de movimentos determinados ou graciosos. Esses são
filhos autômatos, que em psicopatologia recebem nomes diversos, associados a quadros
psíquicos graves. Não são a eles que queremos
nos referir nesse momento.
Referimo-nos a uma ausência necessária,
que se produz tendo como fundo uma presença,
ou seja, uma mãe que sabe brincar de escondeesconde de várias maneiras. Ela sabe a hora
certa de aparecer e os limites de sua ausência
que o filho pode suportar.
896/1397
O filho, por sua vez, sempre acaba achando
um jeito de ser alguém nas brechas da falta que
sente da mãe. A mãe é o primeiro representante
em nossa vida de outro ser humano que se
diferencia de nós: para um recém-nascido, o
seio que o alimenta ainda faz parte dele mesmo,
sendo só à medida que este se afasta e comparece quando chamado que vai se constituindo
uma imagem da mãe como um corpo separado
do dele. Logo, a representação do objeto depende de que este se ausente.
Cultivando um espaço materno_O jardim
secreto
Lorde Craven era um inglês triste, casmurro, dizem que até corcunda ele era, mas a
sorte colocou em sua vida uma mulher maravilhosa, fazendo com que experimentasse a felicidade pela primeira vez. Casaram e tiveram um
filho, Colin. Sua esposa era muito apegada a um
jardim privado, rodeado de muros, cheio de roseiras, que cultivava pessoalmente. Pena que a
897/1397
felicidade durou pouco: em um dos belos momentos do casal no jardim, ela estava sentada
em um balanço, pendurado a um galho de
árvore, o qual cedeu e ela veio a falecer do
acidente. Enlouquecido de dor, lorde Craven
mandou fechar o jardim, enterrou a chave e
abandonou seu filho, pois não suportava ver
nele os grandes olhos da mãe.
O menino cresceu como um inválido.
Sempre solitário e fraco, ficava deitado em seu
quarto entregue aos cuidados da criadagem. Era
dado a ataques de histeria, quando acreditava
que ia ficar corcunda ou morrer. O pai não o
suportava, mas o rodeava de livros, ricamente
ilustrados. Colin jamais saía de casa, não conhecia o mundo real, seus horizontes iam até
onde esses livros o levavam.
Muito longe dali, na Índia, no mesmo ano
em que Colin, nascia sua prima Mary, que não
teve destino melhor. Ela era filha do irmão da
mãe de Colin, e teve por mãe uma mulher
belíssima e completamente distante. A mãe de
898/1397
Mary não tinha nenhum dom para a maternidade, deixando que a menina fosse criada por
uma aia atenciosa e, por sorte, boa narradora
das histórias da tradição indiana.
Nenhuma dessas duas crianças, que cresceram entre serviçais, privados do contato com
os pais, em um ambiente de opulência, era
saudável nem bonita. Mary era uma menina
feia, magra, descabelada e amarelada e estava
sempre de cara amarrada, enquanto Colin era
pálido, frágil e desagradável, uma espécie de
pequeno fantasma que assombrava a todos com
suas crises de fúria e descontrole.
Na Índia, quando Mary já tinha uns 10
anos, seus pais morreram em uma epidemia de
cólera, assim como sua aia e todas as outras
pessoas com quem ela convivia. Única sobrevivente, a menina foi encontrada por acaso por
soldados que revistavam a casa devastada. Ninguém a estava procurando, ninguém cuidou
dela em momento algum. Como único parente
899/1397
vivo restou-lhe um tio na Inglaterra – lorde
Craven – para cuja casa a menina foi enviada.
Enquanto ela ainda estava aguardando a
definição do que seria seu destino, foi abrigada
junto à família de um pastor inglês com muitos
filhos, onde ela granjeou a antipatia de todos.
Não podia ser diferente, face à sua total falta de
modos, de qualquer encanto, e de certa desconexão, pois tudo parecia ser-lhe indiferente;
tanto quanto seus pais sempre foram insensíveis frente a ela. Foi nessa casa que ela plantou
seu primeiro jardim, feito de flores cortadas,
simplesmente enfiadas na terra. Era um jardim
de flores mortas, que mais se parecia com um
túmulo dedicado à beleza intransmissível da
sua mãe, que já estava longe dela enquanto era
viva. Nessa primeira casa em que foi acolhida,
as crianças, sempre tão cruelmente sinceras,
costumavam cantar para a menina murcha e
triste: “Mary, Mary cara feia/Como vai o seu
jardim?/Tem canteiros, tem areia/Tem campainha, tem jasmim”.1
900/1397
Ao chegar à mansão não encontrou o tio,
que estava sempre viajando para ficar longe da
casa e do filho que o lembravam da esposa perdida. Mary recebeu boas acomodações, mas
ninguém se ocupava dela, com exceção de
Martha, uma jovem criada tagarela. Essa moça,
junto com a ranzinza governanta Medlock e
Ben, um velho jardineiro de péssimo humor,
eram os únicos habitantes da casa com quem
ela interagia.
Quase desabitada, a mansão possuía mais
de cem quartos e ficava situada em um terreno
pedregoso e árido de Yorkshire. Nela,
escondiam-se dois segredos que Mary logo desvendou: primeiro, encontrou o jardim lacrado
que pertencera à sua tia e achou um jeito de entrar nele, em segredo; depois, descobriu a origem dos gritos, choros e lamentos abafados
sobre os quais todos na casa desconversavam.
Explorando o lugar, ela encontrou uma ala onde
mantinham seu primo Colin afastado dela e do
mundo. Assim, os dois se conheceram
901/1397
clandestinamente, em uma noite de tempestade, na qual ele estava apavorado e ela o consolou, cantando e contando histórias, como nunca
ninguém conseguira antes.
O jardim descoberto constitui-se em um segredo compartilhado com Martha, a jovem criada que estava sempre citando os pensamentos
de sua mãe. Embora fosse mais velha que Mary,
Martha ainda sofria de saudades de casa, já que
o trabalho lhe permitia poucas folgas, e
consolava-se contando sobre seu lar pobre e
cálido, com uma mãe sábia e atenciosa. Também Dickon, o irmão de Martha, tornou-se
parte da relação de Mary com o jardim secreto.
Esse menino era uma espécie de jardineiro-mágico, que aparecia e ajudava sempre que necessário e andava sempre rodeado de animais
dóceis que ficaram órfãos e ele adotava.
A vida do jardim abandonado foi retornando graças ao trabalho dedicado e assíduo
dessas crianças, auxiliadas indiretamente por
essa figura materna remota, mas efetiva: a mãe
902/1397
de Martha e Dickon. Ela era constante fonte de
inspiração, suas palavras eram sempre lembradas, assim como eram providenciais os alimentos e objetos que ela mandava. Aos poucos,
Colin foi sendo incorporado a esse segredo e lá,
dentro do jardim que fora de sua mãe, o menino
inválido aprendeu a caminhar e a ter prazer de
viver. Antes da intervenção de sua prima e do
espaço compartilhado no jardim, ele desejava
nunca ter nascido, isso é pior do que querer
morrer.
No final, lorde Craven retornou de suas viagens, convocado por uma carta da mãe de
Martha e Dickon. Ele encontrou seu filho
saudável e caminhando, sua sobrinha bela e
corada e constatou que a memória de sua mulher não era mais um jardim-sepultura, mas sim
um espaço de fertilidade, onde as crianças, os
pássaros e a vegetação aproveitaram a
primavera para mostrar suas melhores
performances.
903/1397
Essa história pueril tem um século, chamase O Jardim Secreto, e foi escrita em 1911 por
uma senhora inglesa, Frances Hodgson Burnet,2
fez grande sucesso na época, tornando-se um
clássico que é lido até hoje, do qual foi feita uma
boa versão cinematográfica.3
Pais de patchwork
Antes de começar a frequentar o jardim,
Mary tinha, conforme as palavras do jardineiro
do castelo, leite azedo correndo nas veias. Ela e
seu primo eram órfãos como os animaizinhos
sem mãe acolhidos por Dickon, mas a diferença
é que nem o pai de Colin, nem os pais de Mary
enquanto vivos faziam melhor presença do que
os mortos. O foco desse livro é a construção
desse espaço onde os dois órfãos, subnutridos
de afeto e amargurados pelo abandono, acabam
florescendo. Para tanto, contam com a
natureza, fartamente relatada no linguajar
romântico da obra, assim como com substitutos
dos pais que vale a pena analisar.
904/1397
O trabalho da criança na construção das
suas fantasias pessoais pode muito bem ser
ilustrado por meio do caminho encontrado por
Mary nesta história. As personagens paterna e
materna são montadas pela criança como se
fosse uma imagem elaborada através da técnica
do patchwork: utilizando tecidos diferentes,
escolhidos conforme o gosto do artesão e a conveniência do padrão e da cor para participar da
imagem que se quer montar, eles recebem cortes em formatos diversos, que serão combinados e superpostos. A imagem resultante transcende cada um de seus detalhes, mas resulta
da combinatória deles. Estas figuras parentais
somadas e combinadas são parte de uma trama
organizada pelas crianças protagonistas para
prover suas necessidades de elaboração.
No lugar da mãe encontra-se prioritariamente uma voz: a mãe de Martha e Dickon, que
faz uma pequena aparição, mas está permanentemente sendo referida pelas crianças como
uma espécie de anjo da guarda, invisível e
905/1397
providencial. Sempre há uma frase dela, trazida
pela filha, que vem a calhar, e ela comunica-se
por carta com lorde Craven. Ela está presente,
mas sempre a distância. Martha lembra, em
certos aspectos, a aia que criou Mary.
A aia indiana foi uma eficiente substituta da
mãe, pois além de cuidar da menina contavalhe histórias, inserindo-a em uma tradição cultural. Já a criada inglesa é uma ponte, que sintetiza a aia, essa personagem materna original,
e a própria Mary. Martha, com seu discurso
saudoso e entusiasta, demonstra à menina feia e
triste, que uma mãe também é feita das histórias que contamos dela. É por isso que, quando
encontra seu primo apavorado, chorando em
seu leito, Mary o tranquiliza com o que aprendeu da aia: histórias e canções indianas. Martha
ensinou a Mary que a mãe é algo que uma menina traz dentro de si, se houve alguém que
ocupou esse lugar para ela, e que pode ser evocada e imitada. Foi assim que Martha cuidou de
Mary, que, por sua vez, cuidou de Colin.
906/1397
A governanta, Sra. Medlock, também se incumbe de uma face da mãe, menos benigna,
mas igualmente importante para os filhos:
trata-se daquela que protege sufocando, impedindo de crescer, de sair de casa, de ficar
saudável. Essa mulher policiava a ala onde o
menino era mantido recluso, organizando para
que nada lhe faltasse, mas impedindo-lhe
qualquer mobilidade. Para alicerçar tal conduta,
alegava a saúde e os nervos frágeis do filho do
patrão.
De tanto ser tratado como um inválido,
Colin acabou sendo um. Medlock coloca-se
como representante do tipo de mãe que
mantém seu filho em uma condição regressiva,
reduzindo o mundo dele aos cuidados que ela
pode lhe dispensar. Estas são características
maternas que, de forma sutil ou caricatural,
também constituem a personagem da mãe e estão presentes em todas, principalmente na folclórica e já cômica “mãe judia”.
907/1397
Uma mãe judia não precisa ser judia, e nem
mesmo mãe para sê-lo, basta tratar os outros
como eternos bebês incapazes, além de queixarse em alto e bom som da ingratidão deles com
quem os cuida tão zelosamente.4 São comportamentos tipicamente maternos que infernizam o
filho, mas dos quais ele carece quando ausentes,
pois o fazem sentir-se importante, o centro do
mundo dela. Por outro lado, se uma mãe se restringir a isso, seu amor será um canto de sereia
retentivo, que manterá o filho crescido preso à
ilha materna para sempre, incapaz de ter vida
própria.
Em um papel paterno, temos também várias
personagens combinadas: em primeiro lugar, os
jardineiros, tanto o menino mágico quanto o
velho Ben, que sempre permaneceu apegado ao
jardim fechado. Eles cumprem a função de orientar e ensinar o trato com a natureza, da qual
conhecem as regras e os caprichos. A velha
sabedoria de Ben é o recurso ao conhecimento
preexistente, que não tem porque ser
908/1397
desprezado, porém, como ele é veiculado através de um jardineiro iletrado e tosco, pode ser
utilizado pelas crianças sem a opressão hierárquica devida a um mestre, um professor. Nesta
história, como em muitas outras dirigidas ao
público infantil, é valorizada a autonomia das
crianças, justamente como forma de fazer um
contraponto à dependência e à submissão que
naturalmente fazem parte da vida dos
pequenos.
Os ensinamentos de Ben são complementados pela empatia natural de Dickon, com sua
capacidade de acolher e domesticar animais cujas mães morreram. Ele demonstra que é possível reparar a orfandade se as crianças
puderem adotar-se e ampararem-se entre si;
mais uma vez temos o voto de autonomia. Também está lorde Craven, um pai longínquo, apenas evocado no discurso dos criados e do filho,
que se comunica por carta e cumpre a função de
ser aquele a quem se quer agradar e impressionar, assim como uma figura temida. Cabe a
909/1397
ele a tarefa paterna de estabelecer e regular a
relação dos filhos com o ideal, com aquilo que
eles acham que deveriam tornar-se para ser
apreciados por ele. Na vida de todos nós, esse
pai é constantemente reeditado e reaparece sob
diversas configurações no mundo que frequentamos depois de crescidos. É ele que nos
julga e avalia, distribuindo méritos, benesses,
castigos, dando e tirando oportunidades de
realização e satisfação, pelo menos no nosso
imaginário.
Ausentes, os pais são representados por
esses substitutos: uma mãe que mesmo longe
sempre percebe o que as crianças necessitam,
sempre evocada a partir de suas palavras sábias,
representada pelas mensagens e pequenos
presentes que ela envia; uma governanta que é
a mãe controladora, possessiva, de quem queremos nos livrar; o jardineiro (duplicado nas personagens do velho e do garoto) com quem se
aprende e o tio e pai viajante que os avalia epistolarmente. Eles não são como pais adotivos,
910/1397
substituindo a falta ou o coração gélido dos progenitores, ausentes por descaso ou morte. Na
verdade, são representações internas dos pais
que as crianças constroem.
Um espaço secreto
O jardim secreto é uma boa alusão ao espaço interno que toda criança tem que constituir para construir-se, florescer. Devido à
ausência física dos pais de Mary e Colin, eles
tiveram que buscar dentro de si, nas histórias
que haviam escutado e lido, os elementos para
plantar os conselhos recebidos do jardineiro e
da mãe dos criados. Eles se nutriram, na verdade, de referências com as quais construíram
representações interiores de pai e mãe, e com
elas se fortaleceram. Esse lugar é secreto porque
também é um espaço interior, psíquico. Porém,
por que isso não ocorre única e exclusivamente
dentro da cabeça das crianças? Por que é necessário um lugar externo, um jardim neste
caso, um reino mágico em outros, que
911/1397
realmente sejam frequentados? Ou seja, por que
essas representações são espaciais?
Quando pensamos na existência de um
lugar, naturalmente sugere-se em nós a ideia de
algo fora do sujeito, exterior, assim como
quando falamos de pensamento, de inconsciente, de sonho ou fantasia, necessariamente
pensamos em fenômenos que ocorram dentro
da cabeça, portanto interiores. Um território
mágico é um lugar onde se vivem aventuras nas
quais por vezes nos parecemos de modo diferente daquilo que vemos no espelho e onde
somos capazes de fazer coisas impossíveis na
realidade, e ainda encontrar lugares, personagens e objetos concretamente inexistentes. O
passarinho mágico desta história, que estabelece um diálogo com Mary e lhe indica
como entrar no jardim, é um exemplo típico de
um lugar externo, que na verdade é interior e
vice-versa, pois ele representa a curiosidade da
menina.5
912/1397
A ideia de um espaço exterior, onde certas
fantasias interiores possam ser encenadas é
visível na atividade de brincar da criança. Em
geral, ela não fica imaginando enquanto permanece com o corpo parado, em estado estupefato, tal como fazemos no cinema, quando estamos dispostos a entrar em uma fantasia alheia. A criança fabrica cenários, encontra e investe objetos de funções e poderes, como uma
toalha que pode tornar-se uma capa para voar
ou o telhado de uma cabaninha. Ela encena com
seu corpo e com seus objetos preferidos a trama
que está imaginando. Fazendo assim, ela sentese dentro da fantasia que ela própria está fabricando, que passa a ser vista de fora, vivida ativamente, de tal forma que aquela imaginação
torna-se convincente, forte e verdadeira.
É dessa maneira que a criança deixa-se convencer daquilo que ela mesma imaginou e acaba
transformando-se pela experiência exterior que
produz efeitos interiores, sendo que ela é, por
sua vez, a representação de uma fantasia
913/1397
interior. É a isso que se refere Winnicott ao perguntar se o “brincar não está dentro nem fora,
onde está?”; ele chama de “espaço potencial”
essa zona intermediária, onde os limites entre o
bebê e sua mãe, entre o eu e o outro, o dentro e
o fora, podem ser relativizados, ou seja, ali existe trânsito.
Para esse autor, a “experiência cultural” é a
incorporação do “acervo comum da humanidade [...] que todos podemos usar se temos um
lugar onde colocar o que encontremos”.6 É importante observar que, nessa teorização sobre a
relação do indivíduo com a cultura em que
cresce e vive banhado, destacam-se aqueles elementos que ele pode classificar a seu critério e
tornar parte dele mesmo. Por outro lado, é
preciso construir-se enquanto esse receptáculo
ativo e seletivo de experiências e isso já é fruto
de uma vivência de interação e criação.7
Nesta história, assim como em tantas outras
nas quais vários tipos de órfãos coletam e usufruem dos elementos com os quais farão seu
914/1397
lugar no mundo, fica claro quão pouco passiva é
a constituição subjetiva de uma criança, de um
filho. Ele não é um mero receptáculo. Isso
também dá-nos a ideia de que esse lugar onde
colocar o que se recebe, que foi referido por
Winnicott, é composto a partir de um desejo
que funcione como norte das buscas da criança.
Se for verdade a frase atribuída a Picasso,
que dizia “eu não procuro, eu acho”, podemos
pensar que esse encontro com o que “se achou”
nos revela naquilo que estávamos buscando
sem saber. O motor dessa busca inconsciente é
um desejo, nem que seja o primitivo desejo de
ser desejado pelo outro, que a mãe (ou melhor,
o Outro) nos queira e ofereça um lugar para ser.
Aos pais e inicialmente acima de tudo à mãe,
cabe colocar à disposição o material, o que não
é pouca coisa, cabe-lhe fazer e intermediar a apresentação do mundo.
Como pais, é preciso ter um terreno fértil
onde plantar, carece conhecer as leis da
natureza, assim como os ritmos e necessidades
915/1397
da criança para intervir na hora e na medida
certas. É uma trama complexa, pois o filho tem
que poder ser receptivo e os pais oportunos e
bem instrumentados para intervir de forma adequada. Essas condições ideais são hipotéticas
e, na prática, impossíveis. Há sempre algo no
filho ou na relação com seus pais que resiste a
desenvolver-se plenamente ou a ser construtivo.
O Jardim Secreto é, acima de tudo, uma
história de otimismo e esperança de que, como
filhos, possamos fazer muito a partir de muito
pouco.
Arqueologia afetiva
O livro de Burnett é interessante porque ele
separa a função materna dos cuidados objetivos, já que nenhum zelo prático faltava a Mary
e Colin. Transcendendo essa parte concreta da
maternagem, era nas histórias, tanto as contadas pela aia de Mary na Índia, assim como nas
histórias que a criada Martha contava sobre sua
mãe para a menina, e nas narrativas a respeito
916/1397
do jardim secreto que a prima ia contando ao
primo doente para animá-lo, que a função materna foi se consolidando.
Essa história não trata de filhos que cresceram com um vazio completo no lugar da mãe,
mas de crianças cuja feiura, invalidez, aparência
doentia e personalidade desagradável denotavam uma fragilidade constitucional. Algo na
história delas as azedou, as impediu de
desenvolverem-se de modo criativo, curioso e
ativo. Essas últimas características nasceram no
jardim secreto. Vale lembrar que o jardim foi
fruto de uma busca de Mary, que encontrou
essa espécie de espaço tumular, onde em segredo jazia um grande amor, e ali ela encontrou
uma forma de elaborar e superar seus próprios
lutos e carências.
As conquistas dessas crianças em O Jardim
Secreto revelam quanto alguma ausência da
mãe também é fundamental para que a criança
possa fazer suas buscas. Uma mãe, mais do que
aquela que se faz imprescindível, seria a que
917/1397
permite que o filho construa nela, através dela e
mesmo longe dela, um espaço para si.8 O livro
de Burnett demonstra às crianças leitoras que
elas podem providenciar o que precisam para
ficar bem, se tiverem iniciativa de descobrir e
trabalhar no terreno que se lhes disponibiliza.
Claro que aqui temos justamente uma visão
otimista, na qual se atribui capacidade de
desempenhar funções maternas aos elementos
imaginários dispostos pela tradição, como as
histórias narradas às crianças. Infelizmente, na
vida real costumam pesar mais os votos de
morte sofridos pelos filhos: no caso de Colin,
para cujo pai representava a morte da mulher
amada, assim como Mary, que cresceu sendo
considerada sem valor, por não herdar a beleza
materna. Ainda que seja otimista, é uma
história possível, sobre o quanto podemos despertar para a vida apenas com farrapos de amor
materno coletados por nós mesmos.
O jardim convoca um simbolismo forte: é a
natureza domada, mas não é a natureza que
918/1397
consumimos para abastecer nossas necessidades básicas. Um jardim é essencialmente construído para o deleite, ele não é feito para ser
útil. Nesse jardim as flores são o ponto forte e
elas também são cultivadas apenas para embelezar. Se estivermos certos de que esse jardim
secreto é um espaço materno, fica sublinhado
quanto essa função não pertence à ordem da necessidade, mas à do aparentemente supérfluo.
Trocando em miúdos: o leite alimenta, mas são
os olhares, abraços e palavras que constituem
uma criança.
Crianças resilientes
Tem se utilizado o termo “resiliência” para
designar a capacidade particular que algumas
pessoas teriam para resistir às provações, sem
sucumbir ao desespero, sem destruírem-se internamente quando algo no exterior lhes abala a
integridade. Resilientes seriam os que sobrevivem psiquicamente aos diversos tipos de
catástrofes pessoais e sociais, como traumas,
919/1397
torturas, deportações, perdas, abusos e maustratos, e que apesar de marcados por essas experiências, elas não os impedem de levar uma
vida relativamente normal. O conceito original
vem da física, fala da capacidade de um material resistir a choques conservando sua forma
original.
Conforme Cyrulnik
Uma criança não é resiliente sozinha. Precisa encontrar um objeto que convenha a
seu temperamento para se tornar resistente.
Tanto que é possível ser resiliente com uma
pessoa e não com outra, retomar o desenvolvimento em um meio e sucumbir em
outro. A resiliência é um processo constantemente possível, contanto que a pessoa
em desenvolvimento encontre um objeto
significativo para ela.9
Nesse sentido, podemos supor que o encontro
de Mary com seu jardim secreto não se deu, obviamente, por acaso: a menina buscou, explorou
o território da mansão em busca de segredos, os
920/1397
quais eram rastros da mãe morta do primo, do
amor ferido pela perda de seu tio que os
ocultou.10 Semelhante busca só é possível se
houver certa dimensão de esperança de encontrar algo, alguma experiência positiva em que se
basear para acreditar que há o que encontrar.
“A atitude que ajudará os feridos a retomar seu
desenvolvimento
deverá
aplicar-se
em
descobrir os recursos internos impregnados no
indivíduo, assim como os recursos externos dispostos em torno dele.”11
Só podemos supor que a aia indiana que assumiu os cuidados da pequena Mary, que era
um bebê “doentinho, rabugento e feio”,12 exerceu maior influência do que parecia. Por isso,
quando Mary encontrou seu primo, que estava
sozinho, apavorado e desesperado em uma
noite de tempestade, ela dispunha de um acervo
de músicas e histórias contadas pela aia para
partilhar com ele e consolá-lo. Por mais pobre
de mãe que ela fosse, havia suficientes restos de
921/1397
função materna inculcados nela para repartir
com outro órfão. Quando se encontra frente ao
sofrimento, um dos recursos do resiliente é recorrer ao trabalho da memória que “utiliza o
passado para nele impregnar seu imaginário, a
fim de tornar suportável a realidade atual”, a
defesa de uma criança nessa situação passa por
lançar mão do “capital psíquico adquirido”. 13
Por isso o trabalho no jardim secreto não é
paisagístico, é arqueológico. Trata-se de recuperar e levantar das ruínas não apenas a obra
da natureza, mas o formato daquele jardim
idealizado pela mãe de Colin, lugar simbolicamente impregnado de seu amor. O jardim simboliza o acervo que essas crianças possuíam, reservas de marcas afetivas do passado, recicladas
e recriadas para ser utilizadas em tempos ainda
mais difíceis. É importante lembrar que, ao contrário dos contos de fadas, nos quais sempre
havia uma mãe boa para prantear, neste caso as
mães não tiveram chance de mostrar seus dons:
922/1397
a de Colin por falta de tempo e a de Mary
devido à carência de vocação.
Na versão dos irmãos Grimm para a história
de Cinderela, ela planta uma árvore sobre o
túmulo de sua mãe morta, de onde, através de
uns pássaros mágicos, provém os trajes que a
farão brilhar no baile da corte. A personagem da
Fada Madrinha, presente na versão francesa de
Perrault, que foi celebrizada pelo desenho animado de Walt Disney, está ausente nos Grimm.
A versão alemã está mais próxima da nossa
história, pois o jardim secreto de Mary funciona
como esse túmulo, lugar de onde emanam as
memórias e inclusive a magia.14
No livro de Burnett há um passarinho mágico que se comunica com a menina, mostrandolhe o esconderijo da chave e o local da porta do
jardim que estava oculta pela densa vegetação.
No conto de Cinderela também há esses passarinhos mágicos no túmulo, são eles que, além de
fornecerem os vestidos, dizem versos que orientam a heroína e seu príncipe. No caso de
923/1397
Mary as memórias da mãe morta são provenientes das lembranças da voz da sua aia indiana,
misturadas à observação pela menina da beleza
idealizada e inatingível da sua mãe, que funcionam como esses vestígios. Sobre esses restos
maternos, no caso a árvore que plantou sobre o
túmulo de sua mãe, Cinderela chorava e obtinha
ajuda. As crianças de nossa história ergueram
um jardim igualmente materno para curar-se
da dor da orfandade.
A situação dos primos era diferente: a menina tinha cuidadores que lhe eram servis e narrativos, enquanto para o menino eram oferecidos apenas livros e cuidados práticos, sem
ninguém para narrar. É Mary que cumpre esse
papel na vida de Colin. Ela lança mão dos recursos que consegue amealhar, combinando todos os elementos que pôde colher: os conselhos
da mãe de Martha, do jardineiro Ben, a ajuda de
Dickon e o próprio jardim. Já Colin precisa da
presença educadora e asseguradora da prima
para encontrar algum prazer de viver. Ele não
924/1397
tinha tantos recursos de onde tirar forças, precisou de uma mãe substituta. Mary apoia-se no
jardim, esse lugar que simbolizava a mãe dele,
para ajudar seu primo a caminhar. Primeiro, ela
lhe contava histórias sobre o jardim, até que ele
tivesse coragem de sair do leito pela primeira
vez e ir até lá. Só depois de ter desejado ir a algum lugar é que as pernas dele puderam moverse. No filme, a cena da aquisição da marcha por
parte de Colin dá-se em uma reprodução
daquela em que um bebê percorre o trecho
entre os braços da mãe e do pai, neste caso
entre Mary e Dickon.
O filme explora muito mais a imagem de
casal das duas crianças, como se brincassem de
substitutos dos pais do menino. No livro, o
jovem jardineiro é apenas uma espécie de auxiliar mágico e técnico de Mary. De qualquer
maneira, é importante ressaltar que, por ser
uma menina crescida, recuperara a memória
dos traços da mãe perdida e passa a identificarse com ela. Mary encontra uma identificação
925/1397
feminina junto com o jardim e a encena
ludicamente fazendo-se de mãe do primo, a
quem embala com suas canções e ensina a andar. Quanto a Colin, ao fazer-se amar pela
prima, descobriu forças para caminhar em
direção à vida. Não precisava mais ficar deitado,
fingindo de morto.
Sobrevivendo aos pais_Matilda
“Crianças deviam ser invisíveis. Deviam ser
guardadas dentro de caixas, como grampos de
cabelo e botões. Não consigo entender por que
as crianças têm que demorar tanto para crescer.
Acho que elas fazem isso de propósito.”15
Que pode esperar uma criança que cresce
entre adultos que pensam assim? A sorte da
menina Matilda Wormwood era ser superdotada. Nascida em uma família fútil, tendo como
pai um vendedor de carros vigarista e como
mãe uma jogadora de bingo compulsiva, Matilda cresceu e alfabetizou-se sozinha. Seu irmão
926/1397
mais velho, identificado aos pais, tampouco se
conectava com ela.
Depois de ter lido todas as revistas, jornais e
rótulos disponíveis pela casa, saiu em busca de
livros. Aos quatro anos, aproveitando as longas
tardes em que a mãe a deixava só para ir jogar,
ela foi sozinha até a biblioteca pública. Devorou
todo o setor infantil, sendo que teve particular
apego pelo Jardim Secreto. Apesar da pouca idade, seguiu seu voraz percurso de leitura, agora
aconselhada por uma bibliotecária que não
acreditava no que via: passou para Dickens,
Jane Austen, H. G. Wells, Faulkner, Orwell e
tudo o que lhe caísse nas mãozinhas.
A família não via com bons olhos suas leituras e a tratava com desprezo, o pai chegou a
rasgar as páginas de um livro da biblioteca que
ela estava lendo. Matilda suportava as
agressões, mas tinha seus recursos de defesa,
aguentava estoicamente os ataques, mas depois
se vingava. Cada vez que o pai a ofendia ela respondia com pequenas traquinagens. Certa vez
927/1397
colocou cola no seu chapéu e ele não podia tirálo, em outra trocou o conteúdo dos frascos dos
produtos para cabelo que ele usava e, como resultado, branqueou o cabelo do pai. Nunca lhe
dispensavam maus-tratos físicos, porém sofria
o abandono da mãe e o desprezo do pai, que
além de serem totalmente egoístas, a puniam
por ser tão diferente deles.
Quando chegou à escola encontrou outro
tipo de maus-tratos. A diretora, Srta. Trunchbull, era uma mulher imensa, troglodita e
sádica, costumava erguer os alunos, principalmente os pequenos, pelos cabelos ou orelhas e
jogá-los longe, ou então os encerrava em um
armário cheio de pregos e cacos de vidro.
Gritava com eles o tempo todo, impunha punições injustas a seu bel prazer. Era uma malvada da envergadura dos piores vilões de Dickens, de fazer inveja a muitas bruxas de contos
de fadas. Matilda sofreu castigos, mas nunca foi
surrada por essa mulher, era muito esperta para
928/1397
isso, no entanto teve que assisti-la torturando
vários de seus colegas.
Como contraponto a esses adultos monstruosos, surge uma personagem melhor ainda do
que a bibliotecária, que não fazia mais do que
lhe indicar livros: a professora. Se o colégio era
um inferno graças à diretora, a sala de aula era
um agradável refúgio. Fascinada pela inteligência da nova aluna, a Srta. Jennifer Honey
procurava proporcionar-lhe estudos avançados
e apegou-se a ela. Finalmente Matilda encontrou alguém que apreciava seus dotes
intelectuais.
O encantamento entre a professora e a
aluna era mútuo, até o ponto em que Srta.
Honey lhe confiou sua própria história, que até
então mantivera em segredo: a professora era
sobrinha da diretora tirana. Sua mãe morreu
quando ela era bem pequena e teve o azar de
ficar aos cuidados dessa tia malvada, irmã da
mãe. Mas o pior veio depois, quando seu pai
teve uma morte enigmática e precoce, um
929/1397
suicídio que não convenceu ninguém. A
sobrinha suspeitava que a tia tivesse assassinado o cunhado e sumido com o testamento
para ficar com seus bens.
A Srta. Honey passou a levar uma vida dura,
servindo de criada para a tia, como as princesas
de contos de fadas costumam tornar-se para
suas madrastas cruéis. Seu maior sonho era
libertar-se da tia, já moça ela conseguiu uma
maneira de sair de casa empregando-se como
professora, mas Trunchbull lhe usurpava o
salário, motivo pelo qual ela vivia praticamente
na miséria.
A amizade entre a menina e a professora,
ambas órfãs ao seu modo, floresce e surge uma
novidade: surpresa, Matilda descobre que pode
controlar objetos com os olhos, mais um de seus
poderes além da inteligência precoce. Com
ajuda desse recurso, ela escreve no quadro
negro, com um “giz voador” uma acusação à
diretora, testemunhada por toda a classe. A
frase escrita no quadro parece como se fosse de
930/1397
autoria do fantasma do pai da professora,
vingando-se de ter sido assassinado pela cunhada. Com a consciência pesada e pensando que
seu crime havia sido descoberto, a tia má fica
apavorada e foge da cidade, deixando a
sobrinha livre para reassumir seus bens.
Faltava livrar-se dos pais de Matilda para
que ela pudesse ficar com a professora no lugar
de mãe amorosa. Isso ocorre em seguida
quando as trapaças do Sr. Wormwood são
descobertas pela polícia e a família da menina
resolve fugir. Matilda recusa-se a ir com eles e
pede para ficar aos cuidados da professora. Não
foi difícil convencê-los a deixar a filha, mais incompreendida do que detestada, para trás. Podemos dizer que o fizeram com certo alívio,
como se ela fosse um filhote de cuco e estivesse
partindo de um ninho que nunca foi verdadeiramente dela. Com esse final feliz termina a
história dessas duas órfãs que precisavam de
uma família.
931/1397
Este imperdível livro de Road Dahl, entre
tantos de sua carreira na literatura infantil,16
nos cativa graças ao humor e à magia de sua
narrativa, mesmo que a história da menina seja
triste. Essa história tornou-se um bom filme,17
dirigido e estrelado por Danny DeVito, que a recriou com algumas liberdades, em geral
procedentes.
O ponto central dessa obra é a fantasia de
fazer-se sozinha, ou seja, não importa os pais
ruins que se tenha, é possível transcendê-los
mesmo que eles atrapalhem bastante. Os pais
de Matilda não tomam conhecimento dela, não
reconhecem sua inteligência, não a cuidam, não
a protegem e ela nunca esmorece. Só no fim da
infância é que a menina encontrou o primeiro
carinho de uma mãe eletiva.
Nada de novo no reino da fantasia: os pais
de João e Maria também se ocupavam apenas
do próprio estômago, egoístas como os de Matilda, e tentaram livrar-se dos filhos, enquanto
os da menina a abandonavam à própria sorte. A
932/1397
madrasta de Cinderela escravizava e maltratava
a enteada, tal como a diretora fazia com a
sobrinha cuja tutela lhe coube. Essa mesma
diretora era enorme e grosseira como uma ogra,
encontrando em Matilda uma pequena opositora muito esperta, como já ocorrera aos gigantes de João e o pé de feijão e do Pequeno
Polegar. João, inclusive, teve que provar que estava longe de ser bobo, para uma mãe que o
colocou de castigo pela burrice de trocar a vaca
por um punhado de feijões; como Matilda, ele
foi desprezado em casa.
Todas essas crianças de contos de fadas precisam superar suas famílias ou adultos malvados, que se interpõem ali onde deveriam estar
os pais amorosos e providenciais a que a infância tem direito. Nos contos tradicionais, costuma haver a referência a pais idealizados, que
em geral estão mortos, para garantir que a
bondade existe, apenas está em falta. Essa é
uma forma de contrapor os pais da realidade,
considerados insuficientes ou criticáveis, com
933/1397
aqueles que gostaríamos de ter tido. Existe alguma novidade em Matilda, ou é apenas uma
nova versão para um velho tema?
Matilda é de fato uma pequena esperta
como o Pequeno Polegar, com a vantagem de
ser poderosa como uma fada. Mas o detalhe que
faz a diferença desta menina é que ela se autoeduca, lançando mão de uma precoce paixão
pela leitura. Graças a isso, ela acede a uma
formação superior à de seus pais. Nos contos
clássicos, os dons de uma personagem