...

Libras em estudo: tradução/interpretação

by user

on
Category: Documents
74

views

Report

Comments

Transcript

Libras em estudo: tradução/interpretação
Libras em estudo: tradução/interpretação
1
Libras em estudo: tradução/interpretação
2
Libras em estudo: tradução/interpretação
Neiva de Aquino Albres
Vânia de Aquino Albres Santiago
(Organizadoras)
Libras em estudo:
tradução/interpretação
Marcus Vinícius Batista Nascimento
Ana Claudia dos Santos Camargo
Silvia Maria Estrela Lourenço
Regina Maria Russiano Mendes
Renata de Sousa Santos
Ester Barbosa Fidelis
(Autores)
3
Libras em estudo: tradução/interpretação
© 2012 by Neiva de Aquino Albres e Vânia de Aquino Albres Santiago
Todos os direitos desta edição reservados à
EDITORA FENEIS LTDA.
Rua das Azaléas, 138
Mirandópolis, em São Paulo - SP
Tel.: (11) 2574-9151
www.feneissp.org.br
Capa e projeto gráfico
Gerson Gargalaka
Foto da capa
Gerson Gargalaka
Editoração Eletrônica
Neiva de Aquino Albres
Revisão do texto
Amanda Dardes Pimentel
Revisão
Neiva de Aquino Albres
Vânia de Aquino Albres Santiago
Marcus Vinícius Batista Nascimento
Lara Ferreira dos Santos
Libras em estudo: tradução/interpretação / Neiva de Aquino Albres e Vânia de
Aquino Albres Santiago (organizadoras). – São Paulo: FENEIS, 2012.
219 p. : 21cm – (Série Pesquisas)
ISBN 978-85-62950-02-5
1. Língua de Sinais. 2. Tradução e interpretação. 3. Surdos – Educação.
4
Libras em estudo: tradução/interpretação
Agradecimentos
Aos tradutores e intérpretes de Libras que colaboraram
para a realização desse trabalho, que generosamente nos permitiram usar suas
falas para o entendimento de suas vivências e por disponibilizarem
suas traduções, oferecendo assim a possibilidade de reflexão
sobre as peculiaridades de sua atuação.
Aos professores convidados, agradecemos por compartilhar
conosco suas inquietações, reflexões e saberes.
Nosso muito obrigado, ao pesquisador-aprendiz por ter partilhado
conosco momentos de criação, tensão, prazer e produção
acadêmica sem os quais esta experiência não teria acontecido.
5
Libras em estudo: tradução/interpretação
6
Libras em estudo: tradução/interpretação
Sumário
Prefácio
09
ENSAIOS
13
FORMAÇÃO ACADÊMICO-CIENTÍFICA DO
TRADUTOR/INTÉRPRETE DE LIBRAS E PORTUGUÊS: O
PROCESSO INVESTIGATIVO COMO OBJETO DE
CONHECIMENTO
Neiva de Aquino Albres
PORTUGUÊS E LIBRAS EM DIÁLOGO:
OS PROCEDIMENTOS DE TRADUÇÃO E O CAMPO DO
SENTIDO
Vânia de Aquino Albres Santiago
15
35
TRADUTOR INTÉRPRETE DE LIBRAS/PORTUGUÊS:
FORMAÇÃO POLÍTICA E POLÍTICA DE FORMAÇÃO
Marcus Vinícius Batista Nascimento
57
ARTIGOS
73
CONCURSO PÚBLICO PARA INTÉRPRETE EDUCACIONAL:
SABERES DETERMINADOS PARA OS CANDIDATOS –
CONJUNTURA NACIONAL
Ana Claudia dos Santos Camargo
75
GUIA-INTÉRPRETE DE LIBRAS PARA PESSOA COM
SURDOCEGUEIRA: REFLEXÃO SOBRE AS TENDÊNCIAS E
PERSPECTIVAS DE SUA FORMAÇÃO
Silvia Maria Estrela Lourenço
109
7
Libras em estudo: tradução/interpretação
AFINAL: INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS,
INTÉRPRETE EDUCACIONAL, PROFESSOR-INTÉRPRETE
OU AUXILIAR? O TRABALHO DE INTÉRPRETES NA
LÓGICA INCLUSIVA
Regina Maria Russiano Mendes
OS GÊNEROS DISCURSIVOS EM LIVRO DIDÁTICO PARA
SURDOS: ANÁLISE DOS PROCEDIMENTOS TRADUTÓRIOS
APLICADOS DE PORTUGUÊS PARA LIBRAS
Renata de Sousa Santos
141
169
UMA ANÁLISE DA INTERPRETAÇÃO DA BÍBLIA PARA A
LIBRAS À LUZ DOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DA
TRADUÇÃO
Ester Barbosa Fidelis
195
SOBRE OS AUTORES
213
8
Libras em estudo: tradução/interpretação
No fluxo dos enunciados,
um convite à reflexão científica
Este livro que o leitor toma em mãos reflete os caminhos trilhados
pelo que temos chamado de pesquisador-aprendiz, ou seja, por alunos
de curso de pós-graduação lato sensu em Libras que enfrentaram o
desafio de aprender a produzir conhecimento.
Para dizer desta obra coletiva trazemos da memória a imagem de
nossas reuniões coletivas ou individuais com os orientandos.
Encontros de pesquisas que levaram os orientandos a repensar suas
práticas, suas formas de ver o mundo. O esboço mais nítido da
multiplicidade do mundo científico é ver que cada orientador
matriculado em um paradigma de pesquisa conduziu os alunos que na
heterogeneidade dos tipos de formação inicial puderam apropriar-se
do que se tem chamado fazer ciência.
Para Freitas1, a heterogeneidade é benéfica porque traz novas
questões, desinstala posições, obriga o enfrentamento de problemas,
estimula reflexões e impulsiona o nosso caminhar na pesquisa. É
nessa arena de circulação e confronto de discursos, no exercício de
experiências plurais, que nossas singularidades vão sendo construídas
na e para a pesquisa.
Estas reflexões e pesquisas resultaram em uma coleção de livros
composta por três exemplares, o primeiro: discute a formação,
contratação e atuação de tradutores/intérprete de Libras; o segundo:
caminha na investigação por conhecer nos múltiplos espaços as
estratégias de ensino de Libras, e o terceiro: busca na descrição e
análise o conhecimento sobre a Libras.
Construir conhecimento, no momento que comemoramos 10 anos
do reconhecimento da Libras (Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002),
1
FREITAS, Maria Teresa Assunção e RAMOS, Bruna Sola (orgs.). Fazer pesquisa na
abordagem histórico-cultural: metodologias em construção. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2010.
9
Libras em estudo: tradução/interpretação
faz deste livro um marco significativo na trajetória de pessoas que
atuam como professor-orientador e do pesquisador-aprendiz buscando
a produção de conhecimento nesta nova área. A partir desta coleção,
nos sentimos realizados por poder contribuir um pouco para a área do
que se tem chamado de “Estudos da tradução”.
Conduzidos pela consciência de que as pesquisas acadêmicas
devem ter um compromisso social e político com o coletivo, com a
busca por respostas aos problemas da vida cotidiana, tendo como
ponto principal a difusão deste conhecimento, buscamos a publicação
do material. Neste sentido, os diferentes artigos deste livro, tomados
em conjunto são publicados para provocar novas reflexões.
Neste
exemplar,
intitulado
“Libras
em
estudo:
tradução/interpretação”, os ensaios teóricos produzidos pelos
professores do curso de formação de intérpretes Neiva de Aquino,
Vânia Santiago e Vinicius Nascimento versam sobre a problemática
da formação, numa perspectiva científica, técnica e política,
respectivamente. Os trabalhos de pesquisa dos alunos em formato de
artigo científico buscaram responder a questões relevantes sobre
política, linguística, inclusão educacional de surdos e a práxis do
intérprete.
Ana Claudia dos Santos Camargo problematiza a forma de
contratação de intérpretes educacionais por meio de concursos
públicos tendo como corpus da sua pesquisa provas de concurso de
todas as regiões do país. Identificou que o formato de prova assumido
não avalia efetivamente a competência linguística, interpretativa e
discursiva dos candidatos. Representa uma grande contribuição nessa
área do conhecimento, pois propõe mudanças significativas na seleção
de intérpretes.
Silvia Maria Estrela Lourenço desenvolveu uma pesquisa
histórica da formação do guias-intérpretes no Brasil. O artigo revela
também currículos de cursos, podendo apontar caminhos para a
formação desse profissional que no seu dia a dia desenvolve atividade
tão específica como a guia-interpretação para surdocegos.
10
Libras em estudo: tradução/interpretação
Regina Maria Russiano Mendes desenvolveu uma interessante
revisão de literatura sobre a problemática dos papéis desenvolvidos
pelos intérpretes educacionais, e ao colher depoimentos de intérpretes
analisa a construção deste profissional na lógica da inclusão
educacional. No seu artigo apresenta uma comparação do discurso de
intérpretes que atuam no ensino fundamental e no ensino superior, seu
texto traz importantes considerações sobre os diferentes saberes e
fazeres.
Renata Souza Santos identificou no fazer tradutório de português
para a Libras os procedimentos de tradução aplicados em livro
didático bilíngue. Para além da técnica, a autora apresenta a
complexidade que envolve a função da tradução e como os sentidos
subjetivos e individuais estão presentes no processo de tradução. A
partir de excertos de dois gêneros de discurso: texto explicativo e
texto de orientação (enunciado de exercício/atividades), a autora
realiza análise contrastiva com foco nos procedimentos de tradução e
revela pontos interessantes que também apontam caminhos na
pesquisa dessa área de conhecimento.
Ester Barbosa Fidelis analisa a tradução da Bíblia, construindo
um olhar sobre o fazer técnico na interpretação de “textos sensíveis”
como o texto religioso. Com base no estudo dos procedimentos de
tradução, revela ponto a ponto escolhas tradutórias e sugere outras
possibilidades a partir de uma visão dinâmica da tradução, atendo-se
ao uso de procedimentos que permitam a transmissão do sentido da
mensagem.
Esperamos que as pesquisas, os questionamentos e as reflexões
dos autores nesse livro estimulem a produção de novos trabalhos, e o
compartilhamento contínuo de estudos e práticas entre tradutores e
intérpretes de Libras – português.
Neiva de Aquino Albres
Vânia de Aquino Albres Santiago
11
Libras em estudo: tradução/interpretação
12
Libras em estudo: tradução/interpretação
ENSAIOS
13
Libras em estudo: tradução/interpretação
14
Libras em estudo: tradução/interpretação
FORMAÇÃO ACADÊMICO-CIENTÍFICA DO
TRADUTOR/INTÉRPRETE DE LIBRAS E PORTUGUÊS:
O PROCESSO INVESTIGATIVO COMO OBJETO DE
CONHECIMENTO
Neiva de Aquino Albres2
O exercício de escrita de um texto pode ser comparado
com o trabalho de um artesão. Nossas leituras,
discussões e experiências compõem um emaranhado de
fios, cada qual com seu tamanho, tipo e cor, mas que se
misturam, se confundem e se entrelaçam. Escrever um
texto é atar alguns nós, desfazer outros, formando aos
poucos uma rede que é tecida a partir do lugar que eu
ocupo historicamente e das diversas vozes dos outros
que me constituem. Mariana Henrichs Ribeiro
Formação profissional e investigativa
A formação dos tradutores/intérpretes de Libras é recente no Brasil.
Historicamente, na década de 1990, o aprendizado de Libras e de como interpretar era
ainda provenientes da convivência com a comunidade surda ou em organizações
religiosas (LACERDA, 2009).
Intensifica-se a discussão da necessidade de atuação do tradutor / intérprete de
Libras e de Português com a inclusão de alunos surdos em salas de aula do ensino
regular a partir da proposta de Educação inclusiva e se produz diretrizes para sua
formação.
Desta forma, a formação de intérpretes de Libras tem sido emergencial no
contexto de educação inclusiva. O decreto 5.626/2005 prevê a formação desse
profissional por meio de cursos de extensão, graduação em Letras Libras e/ou em cursos
de pós-graduação organizados em instituições educacionais.
2
Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Especial pela
UFSCar.
15
Libras em estudo: tradução/interpretação
Existem experiências diversas de formação dos intérpretes de Libras em
diferentes regiões do país. Cursos tecnológicos de tradução de libras, cursos de
graduação em Letras-Libras, curso de extensão universitária, cursos de capacitação
(geralmente oferecidos pelas secretarias de educação onde os intérpretes trabalham) ou
cursos de pós-graduação. A formação em Libras em nível de pós-graduação Lato Sensu
vem crescendo no Brasil, mais que nos outros níveis (ALBRES, 2010).
A formação em diversos cursos, principalmente os ligados à educação, é de
preparo pragmático profissional sem uma preocupação com uma fundamentação teóricocientífica (SAVIANI, 2010). Consideramos ser de fundamental importância desenvolver
uma
1
universidade
de
perfil
clássico,
com
preparação
teórico-científica
. Uma formação consistente que permita desenvolver a reflexão sobre a prática, revendo
e reelaborando o seu fazer.
Conforme as diretrizes do ministério da educação, tanto nos cursos de graduação
quanto nos de pós-graduação lato sensu se faz necessária a formação acadêmicocientífico por meio de trabalho investigativo. Comprometida com a transformação da
realidade, submergida pelo materialismo histórico dialético, valorizando a subjetividade
e a singularidade de cada aluno (pesquisador-aprendiz), distancio-me do modelo de
formação tecnicista procurando encaminhar a formação de intérpretes de Libras como
pesquisadores comprometidos com a construção de conhecimento para sua área de
atuação.
A formação tecnicista é indicada por Saviani (2009) como fruto de uma
racionalidade, eficiência e produtividade. Essa organização educacional se constitui de
maneira a torná-la objetiva e operacional, o que importa é aprender a fazer, a formação é
para uma especialização em determinada função e se perde a formação humanista e
clássica.
Como pesquisadora e professora orientadora de intérpretes em formação, tenho
vivido e enfrentado os desafios de fazer e orientar pesquisas no campo da
tradução/interpretação em Libras, e por este motivo alguns questionamentos me
inquietam neste processo: Como formar novos pesquisadores para desenvolver pesquisas
sobre tradução ou interpretação em Libras? Como conduzir uma orientação individual ou
1
A produção de pesquisa deve estar em todo o processo educativo, desde a educação básica. Na
educação básica, os alunos devem compreender o que é ciência e reproduzir experimentos para
compreender seus achados. Na graduação se intitula iniciação científica, na pós-graduação lato
sensu e stricto sensu são destinados formação acadêmico-científica.
16
Libras em estudo: tradução/interpretação
coletiva para produção de pesquisa? Como oferecer condições para que o aluno
(pesquisador-aprendiz) se aproprie dos modos de escrever na academia?
Essas questões aguçam a reflexão e levam ao enfrentamento dos referenciais
hegemônicos que têm orientado a pesquisa brasileira nas ciências humanas. Organizo o
presente texto tentando responder a essas questões levantadas. No primeiro tópico
denominado “Fazer pesquisa em ciências humanas”, apresento uma visão rápida da
presença de três grandes paradigmas que têm marcado o trabalho de pesquisa na área de
ciências humanas. Logo em seguida me posiciono como professora-orientadora de
alunos pesquisadores em formação, descrevendo “O papel do orientador: observação
mediada pelo outro”. Na tentativa de responder como construir conhecimento embasado
em uma perspectiva histórico cultural e enunciativo-discursiva escrevo sobre “Pesquisa:
as partes como um todo e o todo como constituído por diversas partes”. A academia
criou historicamente outra forma de organização do texto, para além de uma revisão de
literatura, escrever é posicionar-se teoricamente e no tópico “O texto escrito - Um
encontro entre discursos”. Deixo florescer as vozes daqueles com quem dialogo. Por
fim, “Artigo científico como “produto final” ... um texto acabado pela completude do
outro” fecho o ensaio refletindo sobre a incompletude de qualquer discurso sem a
presença do interlocutor-leitor.
Fazer pesquisa em ciências humanas
“A compreensão é uma forma de diálogo...
Compreender é opor à palavra do locutor uma contrapalavra”
(BAKHTIN, 1992, p. 132)
Historicamente, a filosofia é tomada como princípio do fazer científico e quando
da emergência do positivismo se finge poder dispensá-la, tempos em que é desprezada
em prol da racionalidade neste domínio histórico. No processo do conhecimento, a tríade
que se estabelece é “o sujeito que conhece, o objetivo do conhecimento e o
conhecimento como produto do processo cognitivo” (SHAFF, 1995, p. 72).
Para Schaff (1995), há essencialmente três modelos do processo do
conhecimento. O primeiro modelo denominado de teoria do reflexo – “(...) presume,
pois que o sujeito seja um agente passivo, contemplativo e receptivo, cujo papel na
relação cognitiva é o de registrar estímulos vindos do exterior, papel semelhante ao de
um espelho” (SHAFF, 1995, p. 73). O segundo modelo, denominado de idealista e
ativista na relação sujeito-objeto, o olhar volta-se ao sujeito. Dessa forma, ao sujeito é
17
Libras em estudo: tradução/interpretação
atribuído um papel criador da realidade, se observa o fator subjetivo do processo
cognitivo. Já ao terceiro modelo “é atribuído aqui um papel ativo ao sujeito submetido
por outro lado a diversos condicionamentos, em particular às determinações sociais, que
introduzem no conhecimento uma visão da realidade socialmente construída” (SHAFF,
1995, p. 75). “Uma relação cognitiva na qual tanto o sujeito como o objeto mantém sua
existência objetiva e real, ao mesmo tempo em que atuam um sobre o outro. Esta
interação produz-se no enquadramento da prática social do sujeito que aprende o objeto
na – e pela – sua atividade” (SHAFF, 1995, p. 75).
Para Gramsci (1966), há uma tríade no processo do conhecimento, o saber, o
compreender e o sentir. O historicismo é fundamental para compreender o problema de
pesquisa, a busca pelas coisas em relações e ver o objeto em sua totalidade. Para o autor
“o erro do intelectual consiste em acreditar que se possa saber sem compreender e,
principalmente, sem sentir e estar apaixonado (não só pelo saber em si, mas também pelo
objeto do saber)” (GRAMSCI, 1966, p. 139).
Desta forma, o intérprete envolvido com seu fazer, com os problemas
decorrentes da atividade concreta de interpretar tem reais condições de se apropriar do
fazer ciência e produzir conhecimento. Por outro lado, aponta Gramsci (1966) para o
pesquisador que não esteja diretamente relacionado ao objeto de estudo, é necessário
haver uma adesão orgânica.
O intelectual orgânico tem que se posicionar, é uma forma de ver
intelectualizada, mas deve ser um estudo relacionado à vida (realidade social). A
possibilidade de ter pesquisadores (intelectuais) mais estreitamente dedicados à atividade
prática possibilita a produção de uma ciência tendo como base a filosofia da práxis2
(GRAMSCI, 1968).
A pesquisa sobre processos produtos ou contextos de interpretação em libras
está essencialmente envolvida com o discurso, com a língua em uso.
O objeto específico das Ciências Humanas é o discurso ou, num
sentido mais amplo, a matéria significante. O objeto é um sujeito
produtor de discurso, e é com seu discurso que lida o pesquisador.
2
Filosofia da práxis é entendida para Gramsci como o materialismo histórico de Marx,
considera a própria ciência como um trabalho, como ato de pensamento, o trabalho realizado, ou
seja, o pensamento produzido facilita os novos esforços voltados para a produção de um novo
pensamento, voltados para a transformação da prática e na prática. O termo “filosofia da
práxis”, do qual fala Gramsci, é uma concepção que ele assimila como unidade entre teoria e
prática.
18
Libras em estudo: tradução/interpretação
Discurso sobre discursos, as Ciências Humanas têm, portanto, essa
especificidade de ter um objeto não apenas falado, como em todas as
outras disciplinas, mas também um objeto falante (AMORIM, 2002,
p. 4).
Bueno (2008) indica que dentre as pesquisas no Campo das Ciências Humanas é
recorrente identificar-se como pesquisas qualitativas, usando como procedimentos a
entrevista, observação, questionário, depoimento, análise documental, grupos de
discussão, história oral entre outras. Evidenciando que o dado a ser analisado é o
discurso, o significado construído sobre o objeto pelos sujeitos (colaboradores da
pesquisa).
Apesar dos pesquisadores do campo das Ciências humanas trabalharem com a
linguagem e fazer uso de procedimentos metodológicos padronizados, Bueno (2008)
indica em sua pesquisa que mais de 83% dos pesquisadores não discriminam a base
teórica com que trabalham.
Este é um dado alarmante, quando a ciência é entendida como a construção de
conhecimento pautado em uma teoria. Para Gatti (2003) não há método sem teoria. Uma
referência teórica e seus respectivos procedimentos de pesquisa são determinantes no
modo de fazer ciência. Gatti (2003) adverte que “método não é algo abstrato, mas ato
vivo, concreto, que se revela nas nossas ações, na nossa organização e no
desenvolvimento do trabalho de pesquisa, na maneira como olhamos as coisas do
mundo” (GATTI, 2003, p. 01).
Há diversas formas de fazer ciência, sendo seu resultado quase sempre o texto
escrito. Nos gêneros discursivos, o relatório de pesquisa ou o artigo científico há
circulação de conhecimentos, da palavra de outros (autores, orientador, colegas) e da
relação entre o pesquisador e seu outro (seu objeto de estudo).
Há alguns anos venho estudando sobre a perspectiva enunciativo-discursiva de
Bakhtin e o Círculo e a sócio-histórica de Vygotsky. Portanto, trago para minhas ações
como educadora e como orientadora de pesquisa a questão do texto de pesquisa em
Ciências Humanas, podendo ser compreendido como um texto polifônico3. Tanto um
3
Compreender o texto como polifônico, consiste em pressupor que o texto traz em sua
constituição uma pluralidade de vozes que podem ser atribuídas ou a diferentes interlocutores
(enunciadores) do produtor do texto, de suas experiências e historicidade, consiste em
compreender que o locutor pode se inscrever no texto a partir de diferentes perspectivas
ideológicas.
19
Libras em estudo: tradução/interpretação
pesquisador quanto o outro têm como base epistemológica o materialismo histórico
dialético, para compreensão mais profunda do método dialético busco os texto do
próprio Marx.
O papel do orientador: observação mediada pelo Outro
Particularmente, para apreensão da cultura e de formas de organização, o
contato do pesquisador aprendiz com o mundo sociocultural, é necessariamente mediado
pelo outro, em especial pelo espaço acadêmico em que vive e pelo seu orientador. Vê-se
que na perspectiva bakhtiniana de pesquisa e produção de conhecimento, o pesquisador
não é apenas partícipe, mas um dos principais instrumentos da pesquisa. O orientador
como outro do aluno (pesquisador-aprendiz) é uma voz que significa e ressignifica o
processo e o produto da pesquisa.
As impressões sobre o objeto/sujeito da pesquisa começam a adquirir
significação para o pesquisador aprendiz, porque primeiro tiveram significação para o
outro. Tanto é necessário que o pesquisador-aprendiz vá se apropriando dos meios
simbólicos que lhe abrem o acesso ao mundo da pesquisa, que deverá tornar-se para ele
um mundo próprio. Este processo de constituir-se com pesquisador só pode ocorrer a
partir da mediação do outro. Isto porque as formas de fazer ciência já existem
historicamente, já existem no plano social e devem passar a existir no plano pessoal. É
nesse processo que a mediação do outro – detentor da significação – é essencial, mesmo
considerando que o pesquisador aprendiz é agente ativo neste processo.
O orientador mostra os caminhos do fazer ciência no campo das ciências
humanas, seja pela condução do aluno (pesquisador-aprendiz) para leituras de alguns
teóricos, seja pela indicação de procedimentos mais usados, como técnicas de análise
documental, de entrevista ou de captura de situações de tradução, levando em
consideração que a realidade é essencialmente contraditória e em permanente
transformação.
Para Bakhtin (2010, p. 45), “O excedente da minha visão contém em germe a
forma acabada do outro, cujo desabrochar requer que eu lhe complete o horizonte sem
lhe tirar a originalidade”. Sobre este conceito Bakhtin (2010, p. 30), apontava que,
Quando contemplo no todo um homem situado fora e diante de mim,
nossos horizontes concretos efetivamente vivenciáveis não coincidem.
20
Libras em estudo: tradução/interpretação
Porque em qualquer situação ou proximidade que esse outro que
contemplo possa estar em relação a mim, sempre verei e saberei algo
que ele, da sua posição fora e diante de mim, não pode ver [...] Esse
excedente da minha visão, do meu conhecimento, da minha posse excedente sempre presente em face de qualquer outro indivíduo - é
condicionado pela singularidade e pela insubstitutibilidade do meu
lugar no mundo: por que nesse momento e nesse lugar, em que sou o
único a estar situado em dado conjunto de circunstâncias, todos os
outros estão fora de mim (BAKHTIN, 2010, p. 30).
Ainda por meio deste princípio de exotopia, e de suas premissas de que cada
indivíduo depende de um outro para completar-se, para dar acabamento e complementar
nosso horizonte de visão coloco-me na posição de orientadora de pesquisa. Construo
uma forma de olhar para meu aluno (pesquisador-aprendiz) e para seu objeto de estudo,
ele em contrapartida constrói outra forma de olhar para seu objeto de estudo e para seu
orientador. É no embate discursivo entre estes dois sujeitos que vai se delineando um
acabamento para a pesquisa.
No entanto, não tem como refletir sobre estes aspectos sem considerar que todos
os postulados têm ligação intrínseca com o conceito de ética. Para Bakhtin, o “Ato ético
refere-se ao processo, ao agir no mundo, à necessidade de ocupar o lugar singular e
único no mundo, o que se liga diretamente à realidade. Responsabilidade e
responsividade são categorias que se associam ao agir ético
do sujeito”
(BAKHTIN/VOLOCHÍNOV, 2010, p. 112).
Segundo Lopes (2006, p. 6), “é a partir deste excedente de saber, do olhar
exotópico, que podemos compreender o princípio básico da visão de mundo bakhtiniano
que influencia a construção de toda a sua teoria, no campo da estética e da ética”. E
refletindo sobre o foco deste estudo, que envolve uma compreensão ativa, dos saberes
produzidos academicamente sobre os intérpretes e sobre as próprias percepções de si e
dos processos nos quais se incluem e/ou são incluídos em diversos espaços,
politicamente, academicamente, e nas relações e interlocuções ou no cotidiano escolar
como intérprete educacional que constroem de fato o conhecimento de como fazer
ciência.
O professor-orientador pode encaminhar o aluno (pesquisador-aprendiz) para
olhar o seu objeto de estudo com determinada lente, a partir de determinado conceito
21
Libras em estudo: tradução/interpretação
teórico e ajudá-lo a refletir sobre seus dados e construir suas análises. Papel este de
ensinar a ser pesquisador é tão complexo quanto o de ser pesquisador. Apesar deste
papel de orientador, a produção da pesquisa é realizada nos embates discursivos entre
aquilo que o orientador sugere e o que o orientando aceita (ou não), é neste processo
discursivo que se delineia o produto da pesquisa.
Importante destacar que há uma
gradação da influencia do orientador em relação à autonomia do aluno (pesquisadoraprendiz), espera-se que alunos em pós-graduação stricto sensu tenham mais autonomia
e necessitem menos da voz deste outro (orientador) como também uma gradação na
exigência de qualidade desta produção acadêmica a depender do nível de estudo em que
a pesquisa está relacionada.
Então, apresento a seguir um pouco desta experiência, de me constituir como
pesquisadora e encaminhar outros intérpretes para serem pesquisadores de suas próprias
práticas.
Pesquisa: as partes como um todo e o todo como constituído por diversas partes
Quando da definição do tema e da elaboração de projeto de pesquisa, o processo
de “recortar” o objeto de estudo, definir objetivos específicos é difícil tarefa.
Geralmente, o aluno (pesquisador-aprendiz) delimita as fronteiras de sua pesquisa de
forma muito larga, pretendendo “resolver” vários problemas.
No processo de orientação, um dos papéis deste outro para o aluno
(pesquisador-aprendiz) é o de “recortar” de conduzir o olhar. No início não sabemos
como a pesquisa ficará, qual será o desenho do relatório ao final, mas pela condução do
orientador e pela produção do aluno (pesquisador-aprendiz) ela vai se constituindo, é nas
marcas da subjetividade destes dois seres em diálogo que a pesquisa se desenha. No
início se tem uma visão caótica do objeto a ser estudado e só no final se compreende o
objeto.
Para Amorim (2004, p. 11), “toda pesquisa só tem começo depois do fim (...) é
impossível saber quando e onde começa um processo de reflexão. Porém, uma vez
terminada, é possível ressignificar o que veio antes e tentar ver indícios no que ainda não
era e que passou a ser”.
Inscritos no terceiro modelo de pesquisa descrito por Schaff (1995), mais
precisamente na abordagem histórico-cultural e enunciativo-discursiva procuramos
22
Libras em estudo: tradução/interpretação
encaminhar os alunos (pesquisador-aprendiz) para compreensão de alguns princípios
para o fazer ciência:
1- Construir um problema de pesquisa com relevância social; as questões da pesquisa
se orientam para compreensão do fenômeno em seu acontecimento histórico;
2- Contextualizar seu objeto/sujeito de estudo e desenvolver uma boa revisão de
literatura é um exercício de historicização;
3- Compreender que há diferentes paradigmas de pesquisa e formas de produzir
conhecimento; um pesquisador precisa definir “de onde fala”, ou seja, com que
perspectiva teórica trabalha;
4- O pesquisador faz parte da pesquisa, sua compressão se constrói a partir do lugar
sócio-histórico que ocupa;
5- Traçar um caminho de trabalho é essencial, elaborar formas de apreender o objeto,
escolher métodos e procedimentos de pesquisa é sua tarefa;
6- Entender que o processo de construção de dados caracteriza-se pela ênfase na
compreensão das múltiplas determinações do individual com o social;
7- Teorizar a prática é o processo fundamental do fazer ciência, ou seja, a partir dos
dados (base material) se desenvolve a análise com base em uma teoria consistente;
8- Entender que a sua pesquisa não é a verdade absoluta, mas que a atividade do
pesquisador se situa no processo de transformação pessoal e social a que está
relacionado.
9- Comprometer-se com a transformação social.
Estes princípios têm como base o materialismo histórico dialético de Marx, pois
ele descreve que o método dialético é caracterizado como um movimento que parte da
síncrese (a visão caótica do todo) e chega, pela mediação da análise (às abstrações e
determinações mais simples), à síntese (uma rica totalidade de determinações e de
relações numerosas) (MARX, 1978, p.116).
Conforme Marx, a construção do conhecimento compreende dois momentos: “o
primeiro passo reduziu a plenitude da representação a uma determinação abstrata; pelo
segundo, as determinações abstratas conduzem à reprodução do concreto pela via do
pensamento” (MARX, 1973, p. 229).
O movimento global do conhecimento compreende basicamente dois momentos:
no primeiro momento parte-se do empírico, isto é, do objeto tal como se apresenta para
observação imediata, neste o objeto é captado numa visão sincrética, caótica, isto é, não
23
Libras em estudo: tradução/interpretação
se tem clareza do modo como ele está constituído. O objeto aparece sob a forma de um
todo confuso, como um problema que precisa ser resolvido. Partindo desta primeira
representação do objeto, chega-se por meio da análise, aos conceitos, as abstrações, as
determinações mais simples.
O segundo momento ocorre quando chegando aos conceitos simples, as
categorias do conhecimento, faz-se necessário percorrer o caminho inverso. Chegando
por meio da síntese ao objeto pensado, agora não mais entendido como um caótico de
um todo, mas como uma rica totalidade de determinações numerosas.
Assim compreendido, o processo de conhecimento é, ao mesmo tempo,
indutivo-dedutivo,
analítico-sintético,
abstrato-concreto,
lógico-histórico,
4
diferentemente compreendido por outras correntes do conhecimento (SAVIANI,
2011).
A grande ideia básica de que o mundo não deve ser visto como um
complexo de objetos completamente acabados, mas sim como um
complexo de processos, no qual objetos aparentemente estáveis, são
nada menos do que suas imagens em nossas cabeças (nossos
conceitos), estão em incessante processo de transformação. Aos olhos
da filosofia dialética, nada é estabelecido por todos os tempos, nada é
absoluto ou sagrado (ENGELS, FEUERBACH, L s.d. apud
VYGOTSKY, 2000, p.159).
Compreendemos a dialética como uma forma de pensar, nada simples, mas bem
produtiva para o fazer científico. Quando o aluno (pesquisador-aprendiz) já definiu seu
tema, seus objetivos e de certa forma já delineou os procedimentos de coleta/construção
de dados faz a seguinte pergunta: Por onde começar?
As coisas não são tão lineares, me parece que há um emaranhado de ideias, de
possibilidade ao fazer ciência, todas são escolhas, governadas pelo referencial teórico
que assumem como pesquisador. Quando se levanta um problema socialmente
4
O empirismo, portanto também o positivismo é uma teoria do conhecimento que se limita ao
primeiro passo, para estas tendências, faz ciência é chegar a conceitos gerais – simples e
abstratos. Isto o que as ciências empíricas buscam, chegar a leis gerais, adaptável a todos os
casos, em particular. Inversamente no racionalismo idealista, é o pensamento que conduz o
conhecimento. Por isso Hegel, caiu na ilusão de conceber o real como resultado do pensamento,
pensamento que se movimenta por si próprio (SAVIANI, 2011).
24
Libras em estudo: tradução/interpretação
relevante e que ainda não tem resposta, nesse momento se tem a gênese de uma
pesquisa.
O processo de pesquisa é um entrelaçar de discursos, dos textos lidos de teóricos
com conceitos que vão sustentar a análise, dos textos de outros pesquisadores que já se
debruçaram sobre objetos mesmos ou próximos que o seu, das discussões provindas
com seus pares e com o orientador, ao mesmo tempo em que o aluno (pesquisadoraprendiz) se embrenha no campo, vai à coleta/construção de dados.
Como colher/construir os dados? A própria definição de como proceder para a
coleta/construção de dados é um marco teórico-metodológico, o método ou
procedimento de pesquisa dependem do objetivo da pesquisa e da concepção do que é
fazer ciência. Na perspectiva em que trabalhamos, se o objeto de estudo é a política ou
a organização institucional, a “análise documental” como método pode ser bem
aplicada; quando o objeto de estudo é o processo de interpretação, a filmagem e a
entrevista seria uma metodologia interessante a ser empregada; quando o objeto é o
desenvolvimento de determinada concepção por determinado sujeito, neste caso, adotar
a metodologia de “grupo focal reflexivo” é conveniente. Existem outras metodologias
não citadas no presente, não menos importantes, desta forma, o procedimento de
construção dos dados depende das condições materiais do objeto a ser estudado.
Por vezes, as coisas não se encaminham como se esperava e as reformulações
devem ser realizadas no processo, são decisões feitas pelo pesquisador. Define-se um
método, mas este não pode ser compreendido como regras que vemos em manuais a
serem seguidas, para Gatti (2002), não é o método ou o procedimento de pesquisa que
garante o sucesso ao empreendimento investigativo, mas o rigor na condução da coleta
e da criatividade do pesquisador adaptando-o a cada novo fenômeno observado e as
condições reais do campo a ser investigado.
Quando temos os dados em mãos, nem sempre todas as leituras dos teóricos ou
pesquisadores estão feitas, o processo de diálogo com autores continua, portanto, o
processo de diálogo com dados coletados/construídos ainda está em seu devir. Assim,
aqui ainda se tem a síncrese (a visão caótica do todo), recortes de falas das entrevistas,
vários vídeos de interpretação para analisar ou mesmo uma pilha de documentos
selecionados para serem dessecados.
25
Libras em estudo: tradução/interpretação
Geralmente, o pesquisador-aprendiz se pergunta: Como analisar os dados? Para
Marx, o processo do conhecimento é elevar-se do abstrato ao concreto5 (percepção
imediata). Parte-se da observação imediata dos dados, procedendo por abstração
(pensamento sobre os dados), operando a analise, chega-se as categorias simples, o que
sem chamado de “categorias de análise”, onde se eleva a compreensão do concreto,
agora um concreto pensado.
Além da descrição do objeto de estudo, a análise é essencial para a construção
de um novo conhecimento, essa análise deve estar embasada teoricamente. A escrita do
texto acadêmico requer uma organização muito particular, geralmente composta por
objetivo, justificativa, revisão de literatura, referencial teórico, metodologia e análise dos
dados. O ápice da pesquisa está no que chamamos de “análise dos dados”.
A partir de uma observação interpretativa, a compreensão do fenômeno se
desenvolve, compreensão esta marcada pela perspectiva da totalidade construída na
linguagem. Para Bakhtin, a ação do pesquisador deve ser compreendida na construção
dos significados.
Não perguntamos à natureza e a natureza não nos contesta.
Perguntamos a nós mesmos e organizamos de uma maneira
determinada a observação ou o experimento para obter resposta.
Estudando o homem em todas as partes buscamos e encontramos
signos e tratamos de compreender seu significado (BAKHTIN, 2010,
p. 305).
Assim, o aluno (pesquisador-aprendiz) deve tomar o material recolhido6
(dados), acompanhado pelos teóricos elegidos. É necessário olhar tudo de novo e buscar
5
Elevar-se do abstrato não significa partir de ideias, mas sim do concreto real para o concreto
pensado. Este abstrato inicial é a representação ainda caótica da observação imediata, mas que
só é imaginada, pensada e passível de ser analisada pela linguagem, já uma representação do
concreto real. O concreto abstrato é para o pensamento um processo de síntese, é um resultado,
é o ponto de chegada e não o ponto de partida, o ponto de partida é o empírico pensado. Isso
pode parecer confuso, o que de fato é ponto de chegada e ponto de partida? Para Marx
(1978/1857), o pensamento o concreto abstrato é síntese e é o resultado, o concreto real é o
ponto de partida, mas este concreto real é idealizado para que se possa atingir por meio da
reflexão as determinações e relações diversas.
6
Meus orientandos, nesta experiência, trabalharam com análise de currículo, análise de provas
de concurso, análise de discursos, fruto de entrevista com intérpretes, análise de tradução como
produto de livro digital bilíngue. Todos os dados materializados na linguagem escrita ou verbal,
todos os dados fruto de seres humanos marcados histórica e socialmente.
26
Libras em estudo: tradução/interpretação
responder as questões que orientam a pesquisa, num ir e vir, do começo (concreto real dados) ao que se espera ser o fim (concreto pensado). Construir um dialogar entre o
discurso provindo do objeto pesquisado e seu próprio discurso, sempre orientado pelos
teóricos.
Tentado refletir sobre o processo de construção das categorias de análise,
entende-se que se configura mais ou menos por um processo de distanciamento e
aproximação. O pesquisador se aproxima dos dados, se coloca no lugar do sujeito da
pesquisa, das suas condições históricas e materiais, com esse excedente de visão, se
distância, colocando-se no lugar de pesquisador, e busca compreender a complexidade
do campo.
O pesquisador, em seu texto, deve organizar os discursos (dados), buscar sua
recorrência, o que é evidenciado, ou pela recorrência ou pelo silenciamento. Esta é uma
habilidade a ser desenvolvida pelo aluno (pesquisador-aprendiz). Ao buscar construir as
categorias de análise é essencial que sempre se volte às questões de pesquisa, que busque
nos dados as respostas para as questões. Este não é um processo linear, desde o começo
o pesquisar tem hipóteses, desenvolve certas impressões sobre os dados, vai se
relacionando com os discursos alheios (sujeitos da pesquisa, teóricos, orientador, entre
outros).
As categorias de análise podem ser organizadas conforme episódios interativos,
conceitos teóricos, e as possibilidades de abstração do pensamento para apreender o
concreto real. A constituição da análise da pesquisa vai depender do objetivo e da
metodologia adotada para a coleta dos dados. Amorim (2004) indica que o texto em
Ciências Humanas é um objeto de pesquisa, e que deve ser compreendido como um
‘objeto falante’, o texto diz de si, os dados falam, o pesquisador que deve estar atento.
No processo de análise dos dados, o pesquisador está construindo uma forma mais
organizada de ver e de interpretar estes dados, este é o ápice do produzir conhecimento, é
pela mediação da análise, ou seja, pelo desenvolvimento de abstrações sobre os dados
que se chega à síntese, definida como uma rica totalidade, um novo olhar sobre o objeto
determinado pelas relações diversas a que está envolvido.
Assim conforme apontado por Shaff (1995) no processo do conhecimento, a
tríade que se estabelece é “o sujeito que conhece, o objetivo do conhecimento e o
conhecimento como produto do processo cognitivo” (SHAFF, 1995, p. 72).
27
Libras em estudo: tradução/interpretação
É pela escrita que apresentamos o produto do processo cognitivo, é pela
materialização da linguagem que comunicamos o apreendido. É no processo de escrita
sobre os dados que o dialogar emerge:
Historicidade. Imanência. Fechamento da análise (do conhecimento e
da interpretação) em um dado texto. A questão dos limites do texto e
do contexto de cada palavra (cada signo) do texto leva para além dos
seus limites. Toda a interpretação é o correlacionamento de dado texto
com outros textos. A índole dialógica desse correlacionamento
(BAKHTIN, 2010, p. 400).
A organização desta análise se dá pela escrita, pelo tecer das palavras, pela
construção do texto escrito, do texto acadêmico. O aluno (pesquisador-aprendiz) também
precisa aprender como organizar o texto acadêmico.
O texto escrito - Um encontro entre discursos
“No processo de escrita, o dialogo vivido em campo se
transforma, ganha novos sentidos e incorpora novas
vozes. Muitos outros habitam o texto e é no interior
dessa multiplicidade que se produzem, ao mesmo tempo,
um conhecimento do objeto e uma singularidade de
autor” (AMORIN, 2004, contracapa).
Aprender a escrever a partir do gênero discursivo acadêmico-científico, se
adequando as normas deste novo processo não é atividade fácil. Ao final do trabalho,
conseguimos visualizar no texto a voz do aluno (pesquisador-aprendiz) e dos teóricos
que optaram por trabalhar. Estas vozes se interpenetram pelo diálogo e se transformam
como teoria para ajudá-lo a ver o objeto/sujeito de estudo.
Diálogo como busca de sentido, como ato de compreensão, ao procurar o ponto
de discussão abstrata e por vezes conceitual que contribuiu com o aluno (pesquisadoraprendiz) para olhar sua prática com outros olhos. A tarefa de escrever faz emergir um
novo texto com traços da palavra alheia (teoria de um autor ou as palavras do orientador)
com as próprias palavras (do aluno). Nesse momento, a internalização dos conceitos
teóricos reelaborados com o olhar da prática passa a ser o discurso do aluno
(pesquisador-aprendiz) revelando a apropriação do conhecimento, um discurso próprio
no novo texto tecido.
28
Libras em estudo: tradução/interpretação
Segundo Barros (1994, p. 02), “O texto é considerado hoje tanto como objeto de
significação, ou seja, como um ‘tecido’ organizado e estruturado, quanto como objeto
de comunicação, ou melhor, objeto de uma cultura, cujo sentido depende, em suma, do
contexto sócio-histórico”.
Neste sentido, compreendemos que o conhecimento é historicamente construído
e que cada um está imbricado no processo de sua construção – individual e
coletivamente. No âmbito das produções acadêmicas, a escolha de um referencial
teórico mostra as lentes que o pesquisador se utiliza para ver e compreender o homem e
o mundo. E no encontro das muitas vozes presentes em cada trabalho, acreditamos que
seja possível perceber o matiz dos discursos em diálogo, como este conjunto teórico
reflete e refrata esta realidade dos intérpretes de libras. Afinal,
[...] as teorias são parte da realidade social e ao mesmo tempo
interferem sobre a mesma. Elas refletem e refratam essa realidade. As
teorias são organizadas a partir de textos, de uma linguagem que
reflete e refrata o mundo. Portanto, elas não só descrevem o mundo,
mas constroem, na dinâmica da história, diversas formas de nele
intervirem. Todo o conhecimento produzido nas ciências humanas
tem seu ponto de partida e chegada nos processos da vida humana
historicamente construídos (FREITAS, 2007, s/n).
Apontamos que nos textos produzidos a partir do gênero acadêmico-científico a
estrutura, a priori, constitui-se em: objetivo, justificativa, revisão de literatura,
referencial teórico, metodologia e análise dos dados. Cada parte desta requer uma
linguagem. No objetivo e justificativa se apreende o leitor para a relevância da
pesquisa, na metodologia é necessário descrever quais os caminhos tomou para
construção da pesquisa (metodologia e procedimentos) e a análise dos dados e as
escolhas feitas pelo pesquisador.
Tenho percebido um recorrente estranhamento dos alunos (pesquisadoresaprendizes) no processo de constituir-se como pesquisador; estranhamento, no sentido,
de construir o conceito de revisão de literatura7 e referencial teórico, pois, comumente,
7
Revisão de literatura constitui-se pelo exercício de revisar pesquisas anteriores a sua, é a
coleção de leitura de pesquisas sobre a mesma temática que pretende pesquisar. Importante
verificar o conhecimento já construído sobre o tema e se as suas questões de pesquisa já não
foram respondidas em alguma medida. Já o referencial teórico está inscrito em um paradigma
29
Libras em estudo: tradução/interpretação
os tomam como sinônimo. Aqui volto à questão do papel do professor-orientador no
processo de levar o aluno (pesquisador-aprendiz) a construção do conhecimento.
Depois de compreendida a função do referencial teórico, é uma opção do
pesquisador em apresentar o referencial teórico em uma sessão separada ou imbricado
no tópico de “análise dos dados”. É na análise dos dados que se deve descrever os
dados, mas também o analisado a partir de conceitos teóricos. Desta forma, o aluno
(pesquisador-aprendiz) precisa aprender a se apropriar de determinados conceitos
teóricos com que vai trabalhar, escrever sobre eles, a partir dos dados.
Por exemplo, inscrevendo-se na abordagem histórico-cultural e elegendo o
teórico Lev Vygotsky, o pesquisador pode fazer uso de um ou mais conceitos do teórico
para olhar seu objeto/sujeito de estudo. Em sua trajetória, Lev Vygotsky construiu
vários conceitos teóricos, como: linguagem, pensamento, mediação, ensinoaprendizagem, zona de desenvolvimento proximal, significado e sentido, entre outras.
O pesquisador pode eleger, por exemplo, os conceitos de significado e sentido para
analisar as entrevistas com os intérpretes de libras sobre seu fazer tradutório.
Para Freitas (2005), no processo de pesquisa, ao usar conceitos teóricos de
determinado autor o pesquisador está fazendo reviver a teoria e está construindo
conhecimento. “Ao mergulhar no passado e ligar-se a ele consubstancialmente é que a
obra encontra possibilidades de viver no futuro” (FREITAS, 2005, p. 295).
Diálogo com a teoria, como busca de sentido, como ato de compreensão, que ao
procurar o ponto de discussão abstrata e por vezes conceitual, contribui com o aluno
(pesquisador-aprendiz) para olhar seu objeto/sujeito de pesquisa com outros olhos.
Fazer, assim, emergir um novo texto com traços do texto do outro, uma voz alheia que
por ora passa a ser a sua voz, o seu discurso no texto novo tecido.
Artigo científico como “produto final”: um texto acabado pela completude do
outro
Este fazer científico está relacionado com a história de vida de cada aluno
(pesquisador-aprendiz) influenciando a escolha do seu tema, de suas questões e de seu
desejo de dizer sobre o objeto/sujeito investigado.
de pesquisa e refletirá na maneira de pesquisar, de produzir conhecimento, portanto, na escolha
em uma dimensão de totalidade, ele deve ser capaz de fornecer os meios para se compreender
não coisas e fragmentos de coisas, mas a própria condição humana. Do referencial teórico, você
faz uso de conceito teórico para analisar o objeto/sujeito de estudo.
30
Libras em estudo: tradução/interpretação
A pesquisa é defendida nesta perspectiva teórica como “práxis pedagógica” que
possibilita a formação do intérprete crítico-reflexivo. O aluno (pesquisador-aprendiz)
com esta primeira experiência constrói a compreensão da importância da produção de
conhecimento, coletivo e interdisciplinar.
A escrita de um relatório de pesquisa, de um artigo científico, é o fim de um
começo, mas também o início de um fim que se concretiza na mente de cada leitor. Isto
significa o início de outras reflexões que não mais podem ser controladas pelo autor
pesquisador. As pessoas e textos estão em permanente processo dialógico, e tornar
público seu texto é dá-lo a dialogar com outros textos.
Bakhtin (2010) resiste à ideia de acabamento e perfeição, sem colocar um ponto
final, nunca dizendo a ultima palavra. Nesta perspectiva, o autor vai criando um novo
texto em diálogo com outros. Assim, o processo da escrita e o processo da leitura estão
imbricados. Este outro que lê seu texto é ativo e ao ler seus enunciados significa e
constrói seus próprios sentidos sobre o dito. Assim, cada palavra é no mínimo duas
palavras; e cada evento da linguagem é a atualização de uma relação de forças entre
sujeitos históricos distintos. No processo dialógico externo; num único e mesmo
enunciado, do mesmo sujeito, atuam vozes distintas numa relação de força. A cada
novo leitor do texto da pesquisa é construído novos sentidos, há sempre a possibilidade
de novos diálogos, de criação de um novo texto.
Referências
ALBRES, N. de A. Processos de produção e legitimação de saberes para o currículo de
pós em libras na formação de intérpretes. para uma especialização? In: Anais do
Congresso de Tradutores intérpretes de Língua de sinais – UFSC. Novembro de 2010.
Disponível em:
<http://www.congressotils.cce.ufsc.br/pdf/Neiva%20de%20Aquino%20Albres.pdf>
AMORIM, M. O pesquisador e seu outro. Bakhtin e ciências humanas. São Paulo:
Editora Musa, 2004.
_______ Vozes e silêncio no texto de pesquisa em ciências humanas. Cadernos de
Pesquisa, n. 116, jul. h7o-1/ 92,0 julho/ 2002.
BAKHTIN, M. M./ /VOLOCHÍNOV. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins
Fontes, 2010.
BARROS, D. L. P. Dialogismo, polifonia e enunciação. In: BARROS, D. L. P. de.
FIORIN, José Luiz. Dialogismo, polifonia, intertextualidade: em torno de Bakhtin
Mikhail. São Paulo: USP, 1994. p. 1-10
31
Libras em estudo: tradução/interpretação
BRASIL. Decreto nº 5.626. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que
dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais.
BUENO, J. G. S. A produção acadêmica sobre inclusão escolar e educação inclusiva.
In: MENDES, E. G. (et. al). Temas em educação especial: conhecimentos para
fundamentar a prática. Araraquara. SP: Junqueira e Marin, 2008.
FREITAS, M. T. A. Nos textos de Bakhtin e Vigotski: um encontro possível. In:
BRAIT, Beth. Bakhtin, dialogismo e construção de sentido. Campinas, SP: Editora da
Unicamp, 2005.
_____. A Pesquisa qualitativa de abordagem Histórico-Cultural: Fundamentos e
estratégias metodológicas. In: 30ª reunião anual da ANPED, 2007, Caxambu. ANPEd:
30 anos de pesquisa e compromisso social. Timbaúba: Espaço Livre, 2007. v. 1. p. 1-16.
_____. A pesquisa em educação: questões e desafios. Revista Vertentes. Edição
temática –Educação, numero 29. Universidade Federal de Juiz de Fora, 2007.
Disponível em:
<http://intranet.ufsj.edu.br/rep_sysweb/File/vertentes/Vertentes_29/maria_teresa_freitas
.pdf> Acesso em: 30 setembro 2011.
GATTI, B. Algumas considerações sobre procedimentos metodológicos nas pesquisas
educacionais. In: Educação em foco, no 6, Juiz de Fora, 2003.
GRAMSCI, A. Concepção dialética da história, 2ª ed. Rio de Janeiro: Civilização
Brasileira, 1966
LACERDA, C. B. F. de. Intérprete de Libras: em atuação na educação infantil e no
ensino fundamental. Porto Alegre: Mediação/FAPESP, 2009.
LOPES, A. E. Ato fotográfico e processos de inclusão: análise dos resultados de uma
pesquisa-intervenção. In: LENZI, Lucia Helena Correa; DA ROS, Silvia Zanatta;
Souza, Ana Maria Alves de; GONÇALVES, M. M. (orgs.). Imagem: intervenção e
pesquisa. Florianópolis: Editora da UFSC: NUP, CED, UFSC, 2006.
MARX, K. Trabalho produtivo e improdutivo. In: O Capital, Livro I: capítulo VI. São
Paulo: Ciências Humanas, 1978. p. 70-80.
MARX, K (1857), Para a Crítica da Economia Política, Coleção Os Pensadores, Nova
Cultural, São Paulo, 1978.
MARX, K. “Método da economia política” In: Contribuição para a crítica da economia
política. Lisboa: Estampa, 1973. p. 228-237.
MOLLO, K. G.; MORAES, L. E. P. Materialismo histórico e dialético: elementos
iniciais. In: PADILHA, A.M.L.; OMETTO, C.B.C. (orgs.) Trabalho e educação:
processos, olhares, práticas, pesquisas. São Carlos: Pedro & João Editores, 2011, p. 93106.
32
Libras em estudo: tradução/interpretação
SAVIANI, D. Escola e Democracia. Campinas: Editora Autores Associados, 2009.
______. XX – formação de professores. In: Livro: Interlocuções Pedagógicas:
Entrevista. Entrevista ao Jornal das Ciências – USP de Ribeirão Preto em 2004. São
Paulo, 2010.
______. Aula 15 - Pedagogia Histórico-Crítica. (Vídeo-aula - Duração: 02:59:06).
CameraWEB Unicamp. Serviço de conteúdo multimídia Unicamp. Faculdade de
Educação – FE. Universidade Estadual de Campinas – Unicamp. 2011.
Disponível em: <http://cameraweb.ccuec.unicamp.br/video/cwbz408w6W/> Acesso
em: 30 setembro 2011.
SHAFF, A. A relação cognitiva, o processo do conhecimento, a verdade. In: SHAFF, A.
História e verdade. Tradução: Maria Paula Duarte. São Paulo: Editora Martins Fontes,
1995.
VIGOTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2000.
33
Libras em estudo: tradução/interpretação
34
Libras em estudo: tradução/interpretação
PORTUGUÊS E LIBRAS EM DIÁLOGO:
OS PROCEDIMENTOS DE TRADUÇÃO E O CAMPO DO
SENTIDO
Vânia de Aquino Albres Santiago1
O presente ensaio tem o intuito de introduzir alguns conceitos essenciais para a
discussão da atividade de tradução/interpretação, de apontar questionamentos meus e de
amigos tradutores/intérpretes de Libras – língua brasileira de sinais – Português. Como
estudar a tradução/interpretação que envolve línguas de sinais? O que ensinar no
processo de formação desse novo profissional? Qual práxis qualifica esse profissional?
Pretendo apresentar aqui os procedimentos técnicos ou estratégias de
tradução/interpretação. Aqui coloco o primeiro questionamento, já que a tarefa de um
locutor está imbricada em escolhas, farei uma escolha desde aqui consciente do termo a
ser utilizado neste texto. Algumas publicações às quais recorro em meus estudos trazem
o termo procedimentos técnicos, como o trabalho de Heloisa Gonçalves Barbosa (2004)
que é também bibliografia base para esse ensaio, outras publicações trazem o termo
estratégia como tema de pesquisa na tradução, tendo como base o mesmo conceito.
Do signo ao sentido, é interessante entender as considerações recorrentes em
torno dessas palavras, pois serão também recorrentes neste ensaio. O conceito de
procedimento está diretamente ligado à maneira de agir, à conduta e ao comportamento,
outro conceito aplicado é o de ação ou método de realizar um trabalho de forma correta
para atingir uma meta, já o termo procedimento técnico pode assumir um sentido mais
específico, pois a palavra técnico traz consigo o sentido de algo padrão ou operacional,
ou seja, algo que possa ser reproduzido, ou melhor dizendo, que seja recursivo. Já o
conceito de estratégia é mais abrangente, e tende a considerar as condições do contexto,
envolvendo um processo decisório ao pensar em uma dada atividade, e usando uma
atividade formalizada pra chegar a um objetivo pré-determinado.
O termo estratégia etimologicamente utilizado no contexto da guerra e da arte
militar, é hoje emprestado para outras áreas do conhecimento, dada tamanha
complexidade e abrangência do seu conceito. Em A arte da Guerra, Sun Tzu (2008
1
Mestranda pelo Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Educação Especial pela UFSCar.
35
Libras em estudo: tradução/interpretação
[1800]), explica que na formulação de uma estratégia deve-se respeitar quatro princípios
fundamentais e indissolúveis, que serão apresentados a seguir fazendo uma breve
analogia com o processo de tradução/ interpretação.
Princípios
fundamentais
Do campo
de batalha
Da concentração
das forças
Do ataque
Das forças
diretas e indiretas
Na guerra
Na tradução/ interpretação
conhecer o campo da batalha;
lugares para atacar e para refugiar-se
entender as condições, o contexto
da tradução/ interpretação
o estado de suas tropas; as tropas
devem saber que estão treinadas;
ficar em guarda mesmo depois de
uma aparente vitória
preparação; organização dos
recursos línguísticos; a cada novo
enunciado uma nova tradução
saber o que fazer e o que não pode
fazer; saber tirar proveito de todas as
situações
concentração dispensada na
tradução; implementação de
procedimentos
gestão das contingências, saber o
que temer ou esperar; controle do
inimigo
gestão do inesperado; o fantasma
da intradutibilidade; e a relação
com “o outro2”
Uma escolha feita em um dado momento de tradução/interpretação não responde
apenas a uma meta ou objetivo, mas reflete inúmeros fatores que se correlacionam em
um contexto específico. Barbosa (2004) definiu tradução como “atividade humana
realizada através de estratégias mentais empregadas na tarefa de transferir significados
de um código linguístico para outro” (BARBOSA, 2004, p.11).
Concordo com Barbosa (2004) quando fala de estratégias mentais e de
transferência de significado. Entretanto na perspectiva bakhtiniana, onde modestamente
inicio meus estudos na tentativa de assumir uma visão dialógica, entendo a
tradução/interpretação como a transferência de “sentido” de uma língua para outra, de
uma pessoa para outra, de uma cultura para outra, ancorada a uma rede de significações
nem sempre passível de análise completa e acabada.
Sobral (2008, p. 40) explica que “as línguas são traduzíveis, ou seja, postas em
correspondência, mas não tradutíveis, ou seja, postas em equivalência” para ele, “não há
2
Para Bakhtin/ Volochínov (2009 [1929], p. 125) “O centro organizador de toda enunciação, de
toda expressão, não é o interior, mas o exterior: está situado no meio social que envolve o
indivíduo”. Ele explica que toda linguagem é dialógica, todo enunciado é sempre um enunciado
de alguém para alguém, e que a enunciação enquanto tal é um puro produto da interação com o
“outro”.
36
Libras em estudo: tradução/interpretação
nas línguas um conjunto de signos cujos sentidos estejam determinados [...], mas um
conjunto de possibilidades de produção de sentido” (ibden).
O tema3 da enunciação é na essência, irredutível à análise. A
Significação da enunciação, ao contrário, pode ser analisada em um
conjunto de significações ligadas aos elementos linguísticos que a
compõe. (BAKHTIN/ VOLOCHÍNOV, 2009[1929], p. 134).
Portanto, procurando examinar algo mais específico em relação com o todo
complexo e inacabado da materialidade da tradução/ interpretação tomarei como
objetivo deste estudo os procedimentos, compreendendo a estratégia como algo maior
que não caberia neste ensaio. Deste modo, a proposta deste ensaio é a correspondência
entre duas línguas, o português e a Libras, apresentando procedimentos de tradução e
a caracterização cuidadosa de alguns elementos linguísticos recorrentes ou que possam
estar relacionados a cada procedimento.
A questão de modalidade na tradução
Teorizar sobre o ato de traduzir/interpretar, um processo estratégico tão
complexo, é um desafio, pois significa discorrer sobre língua, linguagem, pensamento e
conhecimento de mundo.
Inicialmente é essencial dizer que este texto apresentará os procedimentos de
tradução já descritos por outros autores como Barbosa (2004), o trabalho da autora que
refere-se à tradução entre línguas orais. No entanto, neste ensaio serão aproximadas
duas línguas de modalidades distintas, o português (modalidade oral-auditiva) e a Libras
(modalidade gestual-visual). A diferença de estrutura e de produção-percepção entre as
essas línguas acarreta aos seus “falantes” condições de conhecimento de mundo ainda
mais diverso e singular, que refletem no contexto que influencia a materialidade da
tradução e que é influenciado por ela.
É essencial reconhecer que aproximar essas duas línguas de estruturas diferentes
não se trata de uma tarefa fácil, pois nas línguas de sinais estão presentes diferentes
3
Para Bakhtin/Volochínov (2009 [1985], p. 134) “O tema é um sistema de signos dinâmico e
complexo, que procura adaptar-se adequadamente às condições de um dado momento da
evolução. O tema é uma reação da consciência em devir ao ser em devir”. Podemos entender a
partir disso que o tema seria ao mesmo tempo o objetivo e o produto da tradução, ou seja, a
produção de sentido que foge ao controle do tradutor ou de quem analisa o processo de
tradução.
37
Libras em estudo: tradução/interpretação
elementos linguísticos como expressões não manuais (corpo e face) e a “incorporação”
que não se apresentam da mesma forma na modalidade oral-auditiva e que não estão
gramaticalmente descritas a ponto de possibilitar uma perfeita aproximação.
A linguagem humana configura um sistema semiótico plural, ou seja, de
produção dinâmica de sentidos na materialização da linguagem, para Sobral (2008, p.
63) “é da natureza desses sistemas semióticos certas fixações de sentidos, certa
estabilidade, pois caso contrário os sentidos produzidos não seriam compreensíveis, se é
que se produziriam sentidos”. Pensando a tradução/interpretação como um processo,
estudar os elementos das línguas, com seus sentidos mais ou menos estáveis, representa
aqui o objetivo de reconhecer esses elementos e suas significações como aparato técnico
para a produção dos sentidos pretendidos no trabalho do tradutor/ intérprete de Libras.
Procedimentos de tradução/ interpretação
Os procedimentos de tradução são categorizados a partir da identificação dos
elementos linguísticos e das formas linguísticas que aproximam ou distanciam uma
língua e outra. As formas linguísticas do português e da Libras serão postas em paralelo
aqui, entretanto essa materialidade da língua possibilita apenas parte da análise do todo
da comunicação, pois para Bakhtin/Volochínov “a língua existe não por si mesma, mas
somente em conjunção com a estrutura individual de uma enunciação concreta”
(BAKHTIN/ VOLOCHÍNOV, 2009 [1929]).
A língua não é o reflexo das hesitações subjetivo-psicológicas, mas
das relações sociais estáveis dos falantes. Conforme a língua,
conforme a época ou os grupos sociais, conforme o contexto apresente
tal ou qual objetivo específico, vê-se dominar ora uma forma, ora
outra, ora uma variante ora outra. (BAKHTIN/ VOLOCHÍNOV, 2009 [1929],
p. 153).
Os procedimentos apresentados a seguir foram caracterizados e recategorizados
por Barbosa (2004), que baseou-se nos estudos de Vinay e Dalbernet (1977), Nida
(1964), Aubert (1978, 1981, 1983, 1987), Bordenav (1987) e outros pesquisadores da
tradução. Para redação deste ensaio me ative na obra de Barbosa (ibdem) tendo em vista
a riqueza da sua publicação. Os procedimentos de tradução/interpretação serão
apresentados a seguir de acordo com a proposta de recategorização desta autora em
38
Libras em estudo: tradução/interpretação
respeito à convergência ou divergência linguística e extralinguística entre a língua de
origem e a língua de tradução, entendendo o termo extralinguístico aqui como as
condições de contexto, cultura, costumes e linguagem. A proposta da autora agrupa os
procedimentos de tradução/interpretação nas seguintes categorias: com convergência do
sistema linguístico, do estilo e da realidade extralinguística; com divergência do sistema
linguístico; com divergência do estilo; com divergência da realidade extralinguística.
Na apresentação dos enunciados da Libras farei uso da imagem do sinal em
conjunto com a Glosa4 como recurso de registro, facilitando a aproximação das duas
línguas, entretanto não perdendo de vista a natureza visual das línguas de sinais, os
sinais serão descritos quando necessário. Quando da apresentação dos procedimentos
estudados por Barbosa (2004), manterei o termo tradução entendendo-o como genérico,
ao me referir à mediação entre o português e a Libras o termo interpretação será o
preterido, por entender que a diferença de modalidade dificulta o registro entre outras
peculiaridades.
Procedimentos de tradução / interpretação
com convergência do sistema linguístico, do estilo e da realidade extralinguística
Tradução palavra-por-palavra
É caracterizada, segundo a definição de Aubert apud Barbosa (2004), como:
A tradução em que determinado segmento textual (palavra, frase,
oração) é expresso na LT [língua da tradução] mantendo-se as mesmas
categorias numa mesma ordem sintática, utilizando vocábulos cujo
semanticismo seja (aproximadamente) idêntico ao dos vocábulos
correspondentes no TLO [texto na língua original] (BARBOSA, 2004,
p. 64).
A tradução palavra-por-palavra, do português para a Libras corresponde ao que
chamamos de “português-sinalizado”, que na grande maioria das situações é inadequado
às necessidades enunciativas produtoras de sentido nas línguas de sinais, essa ideia de
inadequação também é difundida na tradução entre línguas orais. Veja o exemplo:
4
Glosa é uma palavra que traduz aproximadamente o significado de outro signo, neste caso, os
sinais da Libras. A Glosa Libras – Português é representada sempre com a escrita em maiúscula
entre outras regras descritas por Felipe (2007).
39
Libras em estudo: tradução/interpretação
Português:
Libras:
Eu quero saber quantos anos você tem.
EU
QUERER
ANOS
VOCÊ
SABER
[email protected]
TER
No exemplo acima, a tradução palavra-por-palavra do português para a Libras
não contempla o sistema linguístico da língua alvo, portanto, há grande possibilidade de
o interlocutor surdo não entender, tornando a enunciação mecânica e artificial.
Aproximar o enunciado da tradução da estrutura linguístico-enunciativa da língua alvo
faz os sentidos emergirem de forma natural, na sentença apresentada acima a tradução
mais adequada poderia ser:
Libras:
IDADE?
VOCÊ?
CURIOSIDADE
Esse é um exemplo simples, mas se aprofundássemos a discussão em torno da
tradução palavra-por-palavra poderíamos verificar inúmeros equívocos de sentido. Para
Sobral (2008) é preciso desenvolver a capacidade de ser fiel ao enunciado original sem
violar a língua para qual se traduz, para ele “o português sinalizado “improvisa”
sentidos, enquanto a LIBRAS “cria” sentidos” (SOBRAL, 2008, p. 11).
Tradução literal
A tradução literal é “aquela que mantém a semântica estrita, adequando a
morfossintaxe às normas gramaticais da LT [língua da tradução]” (AUBERT, 1987
apud BARBOSA, 2004, p. 65).
40
Libras em estudo: tradução/interpretação
A tradução literal é confundida com a tradução palavra-por-palavra, ou seja,
com o português-sinalizado. Essa ideia é errônea, pois este procedimento é muito
utilizado, principalmente em discursos acadêmicos e formais onde a aproximação das
duas línguas se faz necessário. Na tradução do português para a língua de sinais, essa
pode ser a escolha do intérprete, quando há a necessidade de o interlocutor saber
exatamente como a fala foi construída na língua de origem, quando ele precisa elaborar
uma reposta que será também traduzida da Libras para o português. É importante
salientar que no procedimento de tradução literal, a sintaxe pode ser alterada de acordo
com as normas gramaticais da língua de tradução.
Português:
Quando você entregará o relatório?
Libras:
RELATÓRIO QUANDO(futuro)? 3pENTREGAR3p?
Na tradução apresentada acima, vemos um exemplo de Topicalização na
Libras. Este é um recurso linguístico que pode ser identificado no procedimento de
tradução literal, no exemplo acima, os termos (palavras e sinais) utilizados nas duas
línguas são praticamente os mesmos, entretanto a estrutura sintática foi alterada,
mantendo a semântica. Na sentença em Libras, o objeto direto (RELATÓRIO) é o
tópico da sentença, e o sujeito e o verbo são o comentário do tópico. Isso não significa
que sempre que a topicalização estiver presente em uma sentença interpretada para
Libras, que se trata de tradução literal.
Segundo Ferreira- Brito (1995), as sentenças da Libras são mais flexíveis do que
as sentenças do português, de modo que a topicalização é muito mais frequente do que
no português, podendo ser considerada regra geral na Libras, isto é, caso não haja
restrições para o deslocamento de constituintes, a ordem tópico-comentário é a preferida
na língua de sinais.
41
Libras em estudo: tradução/interpretação
Procedimentos de tradução / interpretação
com divergência do sistema linguístico
Transposição
De acordo com Barbosa (2004, p.66), “a transposição consiste na mudança de
categoria gramatical”. A ideia de transposição na interpretação do português para a
Libras ainda é algo a ser estudado profundamente. Uma palavra no português observada
em uma determinada sentença é subjugada a uma única categoria gramatical, na Libras,
por conta das características da modalidade de língua gestual-visual, um mesmo sinal
pode simultaneamente indicar o sujeito (oculto), o verbo e adjetivação da ação ou do
sujeito. Veja o exemplo:
Português:
Eu saí vagarosamente do local.
1pANDAR2p
(movimento lento da mão para frente e dos dedos indicador e
médio, olhos quase fechados e ombros levantados)
ou
Libras:
1pSAIR2p
(movimento lento da mão para frente, olhos quase fechados e
ombros levantados)
A característica de intensidade das línguas de sinais pode ser observada no
procedimento de transposição, no exemplo acima, podemos notar o adjetivo
vagarosamente em português que foi traduzido pelo verbo ANDAR, a princípio parece
uma escolha equivocada, no entanto, o movimento (suave e lento) e a expressões não
manuais (face e ombros) alteram a intensidade do sinal, ANDAR continua sendo um
verbo, que atende a semântica dessa determinada enunciação adjetivando a ação.
Também no verbo SAIR, ao alterar a intensidade do sinal, este pode fazer a função de
um adjetivo. Ressalto que em decorrência da modalidade gestual-visual da Libras, um
42
Libras em estudo: tradução/interpretação
mesmo léxico pode transitar por várias funções gramaticais, e que essa questão requer
estudos mais específicos.
Modulação
A modulação consiste na reprodução da mensagem do TLO [texto original] no
TLT [texto da língua traduzida], mas sob um ponto de vista diverso, o que reflete uma
diferença no modo como as línguas interpretam a experiência do real (BARBOSA,
2004, p.67). A modulação pode ser obrigatória ou facultativa na tradução.
Exemplo de modulação obrigatória:
Estou cheio disso!
Português:
Libras:
ENCHER
Exemplo de modulação facultativa:
Português:
Não é difícil aprender a dirigir.
Libras:
DIRIGIR
APRENDER
FÁCIL
No procedimento de modulação é comum envolver expressões idiomáticas ou
metáforas das duas línguas, como a usada no exemplo de modulação obrigatória,
portanto um tradutor/intérprete deve conhecê-las e estudar as possibilidades de sentido
que carregam. No segundo exemplo, foi apresentada a modulação da frase da negativa
para a afirmativa, procedimento muito comum na tradução do português para a Libras.
Equivalência
“A equivalência consiste em substituir um segmento de texto da LO [língua de
origem] por outro segmento da LT [língua traduzida], que não o traduz literalmente,
43
Libras em estudo: tradução/interpretação
mas que lhe é funcionalmente equivalente” (BARBOSA, 2004, p. 67). Segundo a
autora, esse procedimento é aplicado a clichês, expressões idiomáticas, provérbios, ditos
populares e outros elementos que estão cristalizados na língua.
Português:
Ele ainda está no B-A BA!
Libras:
ELE
A-E-I-O-U
As expressões idiomáticas do português são de fácil pesquisa, estando muitas
delas dicionarizadas, já as expressões idiomáticas da Libras também são muitas, mas
ainda são pouco estudadas e utilizadas pelos intérpretes que optam por outros
procedimentos de tradução como a explicação.
Procedimentos de tradução / interpretação
com divergência do estilo
Omissão e explicitação
“A omissão consiste em omitir elementos do TLO [texto da língua de origem]
que, do ponto de vista da LT [língua de tradução], são desnecessários ou
excessivamente repetitivos” (BARBOSA, 2004, p. 68).
No geral, a omissão de termos do português é recorrente na tradução para a
língua de sinais, como a omissão de verbos de ligação ou pronomes relativos, pronomes
oblíquos, alguns pronomes de tratamento, locuções adverbiais e adjetivas, entre outros
termos que não se apresentam necessariamente na língua de sinais. Veja o exemplo:
Português:
Eu gostaria de pedir licença a vocês.
Eu gostaria de pedir-licença a vocês.
Libras:
VOCÊS
FAVOR-LICENÇA
(expressão facial amistosa)
44
Libras em estudo: tradução/interpretação
A explicitação é o processo inverso da omissão, ou seja, o que na língua de
origem é omitido na língua de tradução deve, obrigatoriamente, ser explicitado. Uma
forma de a explicitação ocorrer na Libras é quando se faz uso do espaço mental token
(MOREIRA, 2007), ou seja, quando define-se referentes locais no espaço de sinalização
e o tradutor sente a necessidade de explicitar o referente, porque essa informação ficou
obscura na enunciação e precisa ser retomada.
Ele perguntou a ela.
Português:
Libras:
[email protected]
B-E-T-O
3pdPERGUNTAR3pe
A-N-A
Segundo Moreira (2007, p. 47), “o espaço mental token é um espaço integrado,
em que entidades ou as coisas das quais se quer falar são representadas sob a forma de
um ponto fixo no espaço físico [...]. Nas línguas de sinais, essa representação sob a
forma de token é projetada no espaço que fica em frente ao corpo do sinalizador (espaço
de sinalização)”.
Melhorias
Barbosa (2004, p. 70) explica que “as melhorias consistem em não se repetirem
na tradução os erros de fato ou outros tipos de erro cometidos no TLO [texto da língua
de origem]”.
Uma situação em que se pode usar o procedimento de melhoria na
tradução/interpretação do português para a Libras, acontece mais frequentemente
quando da interpretação do português falado para a Libras, no momento do uso de
listagem, erros que não acontecem no português escrito na fala são frequentes.
45
Libras em estudo: tradução/interpretação
Hoje faremos as seguintes atividades: primeiro a visita ao
Português: palácio do governo, depois iremos ao parque, museu da
aviação e terceiro à biblioteca.
HOJE
Libras:
FAZER
GOVERNO
CASA
O-QUE?
PARQUE
VISITAR
MUSEU
AVIÃO
BIBLIOTECA
No exemplo acima, o uso de marcadores manuais evita o erro de listagem no
momento da interpretação, quando de uma lista maior, o uso da marcação numérica
também confere a organização dos objetos ou pessoas listadas.
Albres (2008, p. 42) esclarece que os dedos de uma das mãos podem ser usados
como um marcador, um ponto manual a ser retomado, o emissor pode apontar para os
dedos e demarcar que neles estão os elementos do discurso (pessoa, objeto), e que
quando for necessário retomar um dos elementos basta apontar o dedo anteriormente
demarcado.
Reconstrução de Períodos
A reconstrução de períodos “consiste em redividir ou reagrupar os períodos e
orações do original ao passá-los para a LT [língua de tradução]” explica Barbosa (2004,
p. 70). Distribuindo, por exemplo, orações complexas em períodos mais curtos ou viceversa.
Português:
Libras:
Ela é inteligente e educada, portanto é uma boa funcionária.
[email protected]
PORQUE
FUNCIONÁ[email protected] BOM
[email protected]
POR-QUE?
INTELIGENTE EDUCAÇÃO
46
Libras em estudo: tradução/interpretação
Na interpretação com reconstrução de períodos, do português para a Libras é
comum identificar o uso o da pergunta retórica conforme apresentada no exemplo
acima. O uso desse elemento linguístico é corriqueiro nas enunciações em Libras, estilo
esse facilmente incorporado pelos tradutores/intérpretes de língua de sinais, e utilizado
em quase todos os âmbitos de tradução/interpretação.
Procedimentos de tradução / interpretação
com divergência da realidade extralinguística
Compensação
A compensação para Barbosa (2004, p. 69) “consiste em deslocar um recurso
estilístico, ou seja, quando não é possível reproduzir no mesmo ponto, no TLT [texto da
língua de tradução] um recurso estilístico usado no TLO [texto da língua de origem], o
tradutor pode usar um outro, de efeito equivalente, em outro ponto do texto”.
Português:
Libras:
Vem sentir o calor dos lábios meus a procura dos seus.
(Verso da música “Carinhoso” de Pixinguinha)
VEM-VEM
QUENTE
BOCAS^PROCURAR
BEIJAR
(classificador de boca com mão esquerda e direita com movimentos que
aproximam e distanciam as mãos, com expressão facial de sedução)
Tradução para a Libras de Naiane Olah
Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=crgijqot1h8
No exemplo acima, a música faz uso de um recurso estilístico apoiando-se no
tipo de linguagem e na construção sintática que permitiu a rima (“meus” e “seus”) ao
final das orações. Ao traduzir para a língua de sinais, a rima é um recurso estilístico que
não provoca o mesmo efeito aos interlocutores surdos, portanto o uso dos
classificadores em Libras pode representar um recurso estilístico compensatório no
processo de tradução/interpretação, conforme foi apresentado no exemplo.
Os classificadores conforme Felipe (2007, p. 172) “são configurações de mãos
que, relacionaras à coisa, pessoa, animal ou veículo, funcionam como marcadores de
concordância, [...] são formas que, substituindo o nome que as precedem, podem ser
presas à raiz verbal para classificar o sujeito ou o objeto que está ligado à ação do
verbo”.
47
Libras em estudo: tradução/interpretação
Observa-se que no exemplo da tradução da música, a intérprete de Libras
poderia, mas não usou o sinal PROCURAR, termo presente no texto em português, ela
optou pela substituição deste verbo pelo uso de classificador de boca seguido do sinal
BEIJAR, a expressão facial também é um elemento linguístico da língua de sinais que
corrobora com o recurso de classificadores.
Transferência
Segundo descreve Barbosa (2004, p. 71), “a transferência consiste em introduzir
material textual da LO [língua de origem] no TLT [texto da língua de tradução]”. No
geral, a transferência incide na soletração manual da palavra trazida do português para a
Libras, mas veremos a seguir algumas variações desse procedimento. Segundo Barbosa
(2004), esse procedimento pode assumir algumas formas que serão comentadas a
seguir:
O estrangeirismo: que consiste no uso de um termo técnico, conceito ou objeto
de outro idioma que não tenha tradução para a língua alvo, essa forma de transferência
também pode ser chamada de empréstimo linguístico quando esses termos são
incorporados à língua de tradução com a mesma forma do outro idioma. Outro
procedimento é o estrangeirismo com explicação, quando esse termo trazido da língua
de origem é desconhecido pelos falantes da língua de tradução, ele pode vir
acompanhado de uma explicação diluída no texto.
Outra forma de transferência é a transliteração que consiste na substituição de
uma convenção gráfica pela outra, quando duas línguas envolvidas na tradução são de
extrema divergência não possuindo sequer o alfabeto em comum, como seria se
correspondêssemos o alfabeto cirililico russo do alfabeto do português. Este também
não é o caso de procedimento evidenciado entre o Português e a Libras que utilizam o
mesmo alfabeto para a escrita/soletração.
Já a aclimatação, processo pelo qual os empréstimos linguísticos são adaptados
à língua, raramente evidenciada na tradução de línguas orais, pode ser mais facilmente
encontrada na tradução/interpretação do português para Libras, entretanto mais
frequentemente na interpretação no espaço educacional. Isso acontece porque
comumente novos termos em português e seus conceitos são apresentados aos alunos
surdos durante as aulas e os intérpretes de Libras acabam por recorrer à aclimatação,
criando sinais para esses termos com uso da inicialização, por causa da sua recorrência
48
Libras em estudo: tradução/interpretação
durante o semestre ou ano letivo, esses novos sinais em geral carregam as iniciais ou
sigla para facilitar ao aluno recordar a palavra em português. Exemplos que podem ser
considerados aclimatação, identificados por meio de uma análise diacrônica, são os
sinais apresentados a seguir, onde as iniciais das palavras são a configuração de mão da
mão dominante durante a produção de sinal:
IMPORTAÇÃO
e
EXPORTAÇÃO
Peixoto (2006) infere sobre a inicialização, como empréstimo linguístico que
está diretamente ligado ao elemento de intercessão das duas línguas, o alfabeto manual,
nestes casos, o sinal é formado levando-se em consideração a primeira ou todas as letras
que compõem a palavra correspondente a ele, sendo mais uma vez as letras –
parâmetros próprios à escrita – convertidas em configurações de mão – parâmetros
próprios à língua de sinais. A aclimatação pode aproximar-se então do conceito de
inicialização, mas é importante salientar que a aclimatação é frequente na interpretação
do português para a Libras especificamente em âmbito educacional, mas que em geral
não é frequentemente uma decisão do tradutor/intérprete, tendo em vista que a
aclimatação, ou melhor dizendo, a inicialização muitas vezes já está convencionalizada
na língua de sinais.
Outra possibilidade é a transferência com explicação, quando somente a
transferência não possibilita a apreensão do significado, pode vir como nota de rodapé
no texto escrito ou em explicações diluídas no texto. Na interpretação de português para
Libras, conforme Santiago (2011) a transferência (soletração manual da palavra) com
explicação é um procedimento muito usado tanto na tradução/interpretação de português
para a Libras educacional, quanto na interpretação de conferências onde termos técnicos
do português precisam ser apresentados (soletrados manualmente) no momento da
interpretação, entretanto sua apresentação não é suficiente para a construção do sentido
por parte do interlocutor, o que pede a complementação de uma breve explicação, como
no exemplo abaixo:
49
Libras em estudo: tradução/interpretação
Português:
No caso de valores elevados é preciso fazer um DOC.
S-I
DINHEIRO
MONTE
(classificador)
Libras:
PRECISAR
IGUAL
BANCO
D-O-C,
DINHEIRO TRANSFERIR
Explicação
Barbosa (2004, p. 68) relata que “havendo a necessidade de eliminar do TLT
[texto da língua de tradução] os estrangeirismos para facilitar a compreensão, pode-se
substituir o estrangeirismo pela sua explicação”.
Português:
Hoje haverá uma reunião com bancários e banqueiros.
HOJE
Libras:
[email protected]
BANCO
TER
REUNIÃO
TAMBÉM FUNCIONÁ[email protected] BANCO
No exemplo acima, podemos observar a explicação substituindo os termos
banqueiro e bancário sem nenhum prejuízo à completude da mensagem, esse
procedimento é recorrente na interpretação do português para a Libras. Entretanto, há
que se fazer uma ressalva quanto ao momento adequado para se fazer uso do
procedimento de explicação sem fazer a transferência da palavra do português. No caso
50
Libras em estudo: tradução/interpretação
de interpretação educacional, onde os termos em questão são técnicos, somente a
explicação pode não configurar um procedimento adequado, quando da necessidade de
apresentar no português o termo técnico específico de uma determinada área de estudo
ao interlocutor.
Decalque
Barbosa (2004, p. 76) define o decalque como “traduzir literalmente sintagmas
ou tipos frasais da LO [língua de origem] no TLT [texto de língua de tradução]” são
dois tipos de decalque: de tipos frasais e de tipos frasais ligados aos nomes de
instituições. Na interpretação do português para Libras, esse procedimento pode
acontecer evidenciando-se a interpretação literal de um segmento de texto ou pela
soletração manual do nome de uma instituição. Veja o exemplo abaixo.
Português:
Essa é a tropa de tarefas especiais da polícia de São Paulo.
[email protected]
É
Libras:
GRUPO
TAREFA
POLÍCIA
ESPECIAL
SÃO-PAULO
Adaptação
Para Barbosa (2004, p. 76), “a adaptação é o limite extremo da tradução”,
quando a situação toda a que se refere o TLO [texto da língua de origem] não existe na
realidade extralinguística, ou seja, na cultura dos falantes da LT [língua de tradução].
Esse procedimento é reconhecido em traduções de texto escrito para texto escrito, como
51
Libras em estudo: tradução/interpretação
manuais de empresas multinacionais, onde as adaptações acontecem devido a
discrepâncias de hábitos e costumes.
A adaptação do português para a Libras pode ser evidenciada quando o
conteúdo da mensagem envolve o uso dos sentidos ou de formas de enunciação,
ouvir/ver, falar/sinalizar, sendo, a grosso modo, a principal diferença entre os
interlocutores destas duas línguas, que incorrem na produção de hábitos e costumes
também diferentes. Veja o exemplo:
Português:
Escute bem o que vou lhe falar, é importante.
Libras:
ATENÇÃO
EXPLICAR
IMPORTANTE
O exemplo acima é um clássico de adaptação na interpretação do português
para a Libras, é interessante observar que nessa situação de interpretação, o locutor
principal fala em português, e na mediação da comunicação está o intérprete de Libras
que sinaliza a mensagem. Uma opção seria a interpretação para escute bem seria:
“OLHAR-ME”, mas a depender da situação que envolve a interpretação essa opção
pode confundir o interlocutor surdo, que fica sem saber quem está pedindo atenção, o
locutor fonte ou o intérprete, portanto, como no exemplo, a utilização de termos mais
genéricos como “ATENÇÃO” e “EXPLICAR” são adaptações que servem a qualquer
situação.
O tradutor / intérprete de Libras - Português e sua práxis
A proposta de recategorização dos procedimentos técnicos da tradução com
base nas convergências e divergências linguísticas e extralinguísticas apresentadas
neste ensaio vêm ao encontro do pensamento de que as línguas não são
sistematicamente estáticas, e que além da língua como um sistema, existe um domínio
maior que a influência, o seu conteúdo afetivo, a ideologia espontaneamente posta e as
situações reais de interação que ditam o dinamismo da tradução/interpretação. Para
Bakhtin/Volochínov (2009[1929]):
52
Libras em estudo: tradução/interpretação
O erro fundamental dos pesquisadores que já se debruçaram sobre as
formas do discurso de outrem é tê-lo sistematicamente divorciado do
contexto narrativo. Daí o caráter estático da pesquisa nesse campo.
[...] No entanto, o objeto verdadeiro da pesquisa deve ser justamente a
interação dinâmica dessas duas dimensões, o discurso a transmitir e
aquele que serve para transmiti-lo. (BAKHTIN/VOLOCHÍNOV, 2009
[1929], p. 154).
A cada grupo de procedimentos de tradução foram apresentados elementos
linguístico da Libras que servem para transmitir determinado enunciado resultando no
uso de um e/ou de outro procedimento, no entanto esses elementos, como a soletração
manual; a inicialização; a topicalização; as expressões idiomáticas e metáforas; os
marcadores manuais; a pergunta retórica, o uso do espaço mental token; os
classificadores; entre outros não citados neste ensaio, não representam o todo da
materialidade linguística da Libras, portanto o contexto da enunciação, de quem e para
quem a mensagem é designada, a esfera discursiva e o conteúdo ideológico, seja afetivo
e/ou político, não podem ser divorciados destas definições linguísticas.
Ao início deste texto foram lançados questionamentos, assim como a simples
análise de um determinado enunciado extraído do seu contexto não dá conta dos
sentidos pretendidos, uma pergunta pode ter várias respostas, a depender do todo
ideológico que a envolve. A seguir a tentativa de respostas, certamente inacabadas, pois
o acabamento parte também do interlocutor, que a partir da sua leitura de mundo e da
sua realidade extralinguística complementa e cria sentidos outros para esses
questionamentos.
Como estudar a tradução / interpretação que envolve línguas de sinais?
Para o tradutor/intérprete de língua de sinais – português, conhecer o sistema
linguístico, a estrutura da Libras é fundamental, mas compreender a realidade
extralinguística, ou seja, a cultura da comunidade surda e entender que, como relata
Sobral (2008), a situação do surdo não é a mesma do ouvinte; que não se trata apenas de
ter uma outra língua, mas de ter uma língua não oral num ambiente sociocultural oral e
de coexistir num território de ouvintes.
O que ensinar no processo de formação desse novo profissional? O estudo
dos procedimentos de tradução/interpretação deve compor os programas de formação de
tradutores/intérpretes, que precisam estudar o português e a Libras e reconhecer os seus
elementos linguísticos. Na perspectiva enunciativo-discursiva entende-se que tornar-se
53
Libras em estudo: tradução/interpretação
realmente sujeito discursivo é produzir enunciados que façam sentido para o
interlocutor, isso só é possível quando o tradutor/intérprete, proficiente, leva em
consideração que as enunciações constituem produtos de interações sociais, e usa os
procedimentos de tradução como aparato técnico para realização do “tema” dessas
interações sociais.
Qual práxis qualifica esse profissional? A práxis pode ser considerada a
prática pensada, melhorada, o tradutor/intérprete exerce uma recepção ativa (reflexiva)
da enunciação de outrem e a transmite. Toda transmissão de um enunciado tem um fim
específico para o locutor, o tradutor/intérprete deve apreender a enunciação não apenas
como um bloco de elementos linguístico, mas como um discurso a transmitir. Mas como
fazer isso? E é esse tradutor/intérprete, sujeito discursivo nessas línguas que detém o
conhecimento sobre a sua práxis, e que quando pesquisador de sua prática possibilita
um universo de novos conhecimentos que desenvolvem sua própria atividade. É deste
profissional pesquisador que partirá as respostas para este último questionamento, das
novas pesquisas no campo de tradução/interpretação de Libras – Português.
Referências
ALBRES, N. de A. Tradução e interpretação em língua de sinais como objeto de estudo:
produção acadêmica brasileira: 1980 a 2006. Campo Grande – MS: EPILMS 17 e 18 de
novembro, 2006.
BAKHTIN, M. (Volochinov). Marxismo e Filosofia da Linguagem. (Trad.) 13ª ed. São
Paulo: Es. Hucitec, 2009. (texto original de 1929).
BARBOSA, H. G. Procedimentos Técnicos da tradução: uma nova proposta. 2a ed.
Campinas: Pontes, 2004.
FELIPE, T. A. Libras em contexto: curso básico: livro do estudante. 8 ed. Rio de
Janeiro: WalPrint Gráfica e Editora, 2007.
FERREIRA-BRITO, L. Por uma gramática de língua de sinais. Rio de Janeiro: Tempo
Brasileiro, 1995.
MOREIRA, R. L. Uma descrição de Dêixis de Pessoa na língua de sinais brasileira:
pronomes pessoais e verbos indicadores. Dissertação de mestrado em Linguística.
Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) - USP, 2007.
54
Libras em estudo: tradução/interpretação
PEIXOTO, R. C. Algumas considerações sobre a interface entre a língua brasileira de
sinais (libras) e a língua portuguesa na construção inicial da escrita pela criança surda.
Cad. Cedes, Campinas, vol. 26, n. 69, p. 205-229, maio/ago. 2006 205 Disponível em
<http://www.cedes.unicamp.br>
SANTIAGO, V. de A. A. Procedimentos tradutórios no atendimento especializado ao
aluno surdo na universidade: a transferência com a explicação. In: IV Encontro “Serviço
de Apoio Pedagógico Especializado: Contribuições para a Educação Inclusiva”.
FEUSP: São Paulo, 2011.
SOBRAL, A. Dizer o ‘mesmo’ a outros: ensaios sobre tradução. São Paulo: Special
Books Service Livraria, 2008.
SUN TSU. A arte da guerra. Tradução Helena Moisés, Graciema Therezo, Aline
Marques. Edição especial. Campinas: Editora Átomo, 2008-1800.
55
Libras em estudo: tradução/interpretação
56
Libras em estudo: tradução/interpretação
TRADUTOR INTÉRPRETE DE LIBRAS/PORTUGUÊS:
FORMAÇÃO POLÍTICA E POLÍTICA DE FORMAÇÃO
Marcus Vinícius Batista Nascimento1
Considerações iniciais
No decorrer da história, a comunidade surda deixou de ser reconhecida enquanto
minoria linguística e social, tendo a surdez não como traço constitutivo de sua
subjetividade, mas como uma deficiência. Porém, atualmente, essa comunidade tem
tomado o fio de sua história, deixando de ser falada, somente, para se tornar falante em
sua língua, narrando-se como sujeitos autônomos na linguagem e capazes de ser e fazer,
significar e produzir significados (MOURA, 2000; STROBEL, 2008).
Como condutores de sua história, os surdos passam a adentrar nas mais diversas
instâncias sociais e nos mais variados campos de conhecimento como agentes de
produção e não mais, somente, como sujeitos alvo de estudo. A partir desse movimento
inclusivo e de participação social, surge a necessidade de profissionais que façam a
tradução/interpretação dos discursos produzidos em língua de sinais e em línguas orais.
O profissional responsável por essa função no Brasil, o Tradutor Intérprete de
Libras (Língua Brasileira de Sinais)/Português (TILSP)2, tem ganhado projeção
exponencial no espaço acadêmico, por meio do crescente número de pesquisas que
versam sobre sua prática, identidade e formação a fim de propor metodologias para
avaliação e construção de uma materialidade da/na interpretação que contemple, dentre
outros aspectos, a fidelidade do discurso dos sujeitos envolvidos no ato interpretativo.
1
Mestre em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem pela PUC-SP.
2
As recentes publicações têm usado a sigla TILS para referir-se ao termo Tradutor Intérprete de
Língua de Sinais (VASCONCELLOS 2010, ANATER, PASSOS, 2010) ou ILS para Intérprete
de Língua de Sinais (LACERDA, 2009, RUSSO 2009, METZGER 2010, SANTOS 2010).
Neste artigo será usada a sigla TILSP referindo-se ao Tradutor Intérprete de
LIBRAS/Português. A escolha de acrescentar o “Português” baseia-se na concepção de que o
traduzir/interpretar envolve a “[...] a mobilização de um discurso por meio de outro discurso”.
(SOBRAL, 2008). Em um primeiro momento, o profissional que atua no Brasil, irá deparar-se
com essa relação biunívoca: Libras-Português-Libras, mas essa relação não impede que os pares
linguísticos no processo de tradução/interpretação sejam outros.
57
Libras em estudo: tradução/interpretação
No mesmo compasso do crescimento nas pesquisas que buscam aperfeiçoar e
descrever a prática do TILSP, os movimentos sociais da categoria avançam e se
fortalecem posicionando-se perante as instâncias governamentais e a sociedade no
sentido de afirmar a importância de sua atuação para a real inclusão de pessoas surdas
usuárias da Libras.
Com o objetivo de contribuir com as atuais discussões que vem sendo realizadas
na esfera acadêmica, política e social, realizo, neste ensaio, uma discussão das atuais
políticas de formação para Tradutores Intérpretes de Libras/Português, formalizada em
leis, decretos e portarias, bem como a recorrência das terminologias tradutor, intérprete,
formação e língua de sinais nessa legislação e recuperando os últimos acontecimentos
históricos referentes à categoria, colocando esses dados em uma arena de diálogo com
as recentes publicações que versam sobre a formação desse profissional.
Para tanto, inicio o texto por meio da análise do que está descrito e determinado
pela lei e dos dados de realidade em relação à política de formação de profissionais
TILSP para atenderem a atual demanda que se instaura com as políticas educacionais
inclusivas e afirmativas oriundas de órgãos que reconhecem a comunidade surda como
uma minoria linguística. Em seguida, prossigo para uma discussão sobre a delimitação e
definição de um campo epistemológico para a produção de pesquisas na área de
tradução e interpretação da língua de sinais e finalizo com uma articulação ideológica
com as ações atuais protagonizadas pelos movimentos sociais de reconhecimento
profissional da categoria que despontam para uma formação política enquanto classe
trabalhadora.
Políticas de formação: do legislativo à realidade
A última década pode ser considerada como o período de reconhecimento e de
afirmação das características sociais e linguísticas da comunidade surda brasileira, bem
como do instauro de políticas inclusivas relacionadas à pessoa com deficiência. Se
traçarmos um olhar cronológico a partir do ano 2000 até os dias atuais, veremos que
uma série de leis, decretos e portarias foram elaboradas e aprovadas no intuito de
promover a inclusão de pessoas com deficiência, pessoas com necessidades
educacionais especiais e pessoas que utilizam outros tipos de comunicação que não a
língua portuguesa. Nesse último grupo encontram-se as pessoas surdas.
58
Libras em estudo: tradução/interpretação
Na legislação vigente que determina a inclusão de pessoas surdas usuárias da
Libras, o TILSP aparece como um dispositivo e/ou agente de extrema importância para
a inclusão desses sujeitos. Observa-se um avanço diacrônico em termos legais no que
tange a delimitação de seu papel frente à inclusão de surdos, bem como em relação à
terminologia referente à sua identidade profissional, além da recorrência da
determinação de formação desse profissional.
A lei 10.098 de 19 de dezembro de 2000 que estabelece normas gerais e critérios
básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas com deficiência ou com
mobilidade reduzida fala no artigo 18 do capítulo VII da acessibilidade nos sistemas de
comunicação e sinalização:
O poder público implementará a formação de profissionais
intérpretes de escrita em braile, linguagem de sinais3 e de guiasintérpretes, para facilitar qualquer tipo de comunicação direta à pessoa
portadora de deficiência sensorial e com dificuldade de comunicaçãoi
(BRASIL, 2000).
Nota-se que a expressão “formação de profissionais intérpretes” aparece como
determinação que deverá ser garantida pelo poder público para que a inclusão do surdo
aconteça efetivamente. No entanto, no mesmo grupo de profissionais que necessitam de
formação aparece, também, aqueles que devem conhecer a escrita em braille, sendo
identificados também como intérpretes, igualando a atuação dos TILSP a outros
profissionais que trabalham com pessoas com deficiência visual ou cegos. Além disso, a
lei parece colocar a escrita Braille, que é um código e não uma língua, no mesmo
patamar linguístico da língua de sinais, além de excluir as complexidades envolvidas em
uma situação de tradução/interpretação.
No caso da lei de acessibilidade supracitada, o TILSP ainda não é apontado
enquanto profissional cuja atuação envolve línguas de modalidades diferentes, fator que
aponta para a necessidade de uma formação específica que envolva abordagens
linguísticas, enunciativas e discursivas, bem como cultural e tradutória de sua atuação.
Porém, mesmo excluindo esses aspectos, essa lei já determina a formação do
profissional intérprete para facilitar a interação entre surdos e ouvintes.
3
Grifo do autor. Não discutiremos o termo “linguagem de sinais”, pois posteriormente a forma
de comunicação da comunidade surda brasileira, a Libras, é legalizada e esse termo passa a não
ser mais usado na legislação a partir do ano de 2002.
59
Libras em estudo: tradução/interpretação
Posteriormente, no ano de 2002, a Língua Brasileira de Sinais é reconhecida
como meio de comunicação e expressão da comunidade surda brasileira por meio da Lei
10.436, estabelecendo um marco na inclusão de surdos, pois se institui a partir da
criação dessa lei, o reconhecimento da comunidade surda enquanto minoria linguística,
social e cultural determinando dentre outros aspectos relacionados a Libras, o apoio de
redes concessionárias para a sua difusão e uso.
O decreto 5.296 de 02 de dezembro de 2004 regulamenta a lei de acessibilidade,
10.098/00, prevê detalhadamente acessibilidade em todas as instâncias sociais
garantindo o atendimento prioritário ao surdo por meio da intermediação realizada por
intérpretes de Libras ou pessoas capacitadas nessa língua, além de apontar a necessidade
do uso de uma “janela com intérprete de Libras” para o acesso à informação e
comunicação. A Portaria 310 de 27 de junho de 2006, também determina a inserção de
recursos de acessibilidade em veículos de radiodifusão, dentre os quais encontra-se a
janela com o intérprete de Libras.
Em 22 de dezembro de 2005, a lei de Libras é regulamentada pelo decreto 5.626.
Podemos considerar esse decreto o “divisor de águas” no que tange à inclusão de
sujeitos surdos e à formação de TILSP, pois é nesse decreto que aparece pela primeira
vez o termo “Tradutor e Intérprete de LIBRAS – Língua Portuguesa” e a determinação
da formação desse profissional em nível superior.
Posterior à publicação do decreto 5.626/05 é criado o primeiro curso superior de
bacharelado em Letras/Libras promovido pela Universidade Federal de Santa Catarina
(UFSC). Santos (2010) coloca que o curso foi criado para atender à legislação que
determina a formação de TILSP em nível superior e que a formação do TILSP, anterior
a formação em nível superior, acontecia por meio de cursos livres promovidos por
associações de surdos, pela FENEIS (Federação Nacional de Educação e Integração de
Surdos), por instituições religiosas e por extensões universitárias com o objetivo de
familiarizar o intérprete com alguns tipos específicos de interpretação. Porém, Lacerda
(2009) nos mostra que a formação de TILSP no Brasil já acontecia antes da criação do
Letras/Libras e iniciaram-se, formalmente em nível superior, em meados de 2004 e
2005 em iniciativas de algumas universidades como, por exemplo, a Universidade
Metodista de Piracicaba (UNIMEP)/SP, Estácio de Sá/RJ e PUC/MG.
Em 01 de setembro de 2010, é aprovada a lei 12.319 que reconhece a profissão
de Tradutor Intérprete de Libras. Essa regulamentação é considerada uma conquista
para essa categoria e para a comunidade surda, já que a regulamentação da profissão é
60
Libras em estudo: tradução/interpretação
uma luta histórica. Porém, a Lei obteve três vetos, dentre os quais a exigência de uma
formação específica em nível superior em Tradução e Interpretação com habilitação em
Libras/Português com a justificativa de que impor a habilitação em curso superior
específico e a criação de conselhos profissionais impediria o exercício de profissionais
formados em outras áreas e com formação em nível médio. Todavia, salienta que a
formação do TILSP pode ser realizada por meio de: a) cursos de educação profissional
promovidos pelo sistema que o credenciou; b) cursos de extensão universitária; c)
cursos de formação continuada promovidos por instituições de ensino superior e
instituições credenciadas por Secretarias de Educação.
Ao observar a legislação apresentada nessa seção, podemos notar que existe uma
política em prol da formação de TILSP. Mesmo no documento da regulamentação da
profissão em que foi vetada a formação específica de nível superior, há a determinação
da formação em outros níveis educacionais. Nessas leis, o TILSP é considerado como
recurso, dispositivo e agente de que promove a acessibilidade de sujeitos surdos e com
deficiência auditiva que sejam usuários da Libras.
No que diz respeito ao processo de formação desse profissional, notamos
ausência de diretrizes curriculares e de parâmetros formativos específicos que
possibilitem uma formação efetiva para que o TILSP possa atuar, com autonomia, nas
mais diversas esferas de produção discursiva, bem como nos diferentes gêneros
discursivos circulantes nessas esferas.
O estabelecimento dessas diretrizes ficou a cargo da academia que vem
expandindo os estudos e pesquisas referentes à prática de tradução/interpretação da
língua de sinais/português. As leis determinam a formação, mas não oferecem os
caminhos para que ela aconteça. Afirmam e reafirmam o exercício profissional do
TILSP e sua importância para a inclusão de surdos usuários da Libras, mas não apontam
os caminhos mais adequados e pertinentes para uma formação efetiva.
A recente formação acadêmica de TILSP no Brasil vem sendo impulsionada
pelas leis de acessibilidade e pelas políticas inclusivas e tem como base as diretrizes
formativas de países que atuam na formação desses profissionais há alguns anos como,
por exemplo, os Estados Unidos e os países Escandinavos, conforme nos mostra
Quadros (2007). A autora realiza uma revisão dos processos de formação nesses países
e aponta como os tradutores e intérpretes de língua de sinais possuem intensa formação
para atuação com os clientes surdos posteriormente ao seu egresso da academia.
61
Libras em estudo: tradução/interpretação
Essa emergência na formação de TILSP abre novas possibilidades de pesquisa,
oferecendo espaços, inclusive, para os profissionais que atuam há algum tempo no
mercado adentrem na academia para uma reflexão metalinguística sobre sua prática
construindo percursos teóricos para embasá-la, contribuindo com a sistematização dos
processos interpretativos e com a formação de novos profissionais. Na seção seguinte
discutiremos a emergência de pesquisas sobre a tradução interpretação da
Libras/Português em diversos campos do conhecimento e delimitação de um campo
epistemológico para a produção científica.
Produção científica e a delimitação do(s) campo(s) epistemológico(s)
Sobral (2008), em seu livro Dizer o ‘mesmo’ a outros: ensaios sobre tradução,
reflete sobre o processo de teorização da prática e de uma prática fundamentada em
bases teóricas na atuação do tradutor. O autor argumenta a importância do tradutor saber
articular as teorias que adquire nos espaços acadêmicos à sua prática, além de frisar que
as escolhas realizadas por esse profissional, no ato tradutório, são fundamentadas em
arcabouços teóricos.
[...] se nem toda teorização acerca da atividade do tradutor é feita a
partir da atividade concreta do tradutor, em contrapartida toda
atividade de tradução envolve escolhas que refletem, implícita ou
explicitamente, alguma espécie de teorização (SOBRAL 2008, p. 13).
A questão de que nem todo “prático” é um “teórico” e vice-versa também é
abordada por Sobral. Porém, o autor enfatiza que toda atividade prática exige uma meta
reflexão que pode apontar para caminhos teóricos.
Quando falo de ‘prática’ no tocante à atividade de tradução, falo tanto
da prática da tradução per se como da situação concreta do tradutor
diante dos seus clientes. Quando falo de ‘teoria’, falo tanto de
abordagens teóricas da tradução como da presença do teórico no ato
tradutório (SOBRAL 2008, p. 15).
62
Libras em estudo: tradução/interpretação
Proponho um olhar, a partir dessa discussão, sobre a teoria e a prática na
formação de TILSP e para atual e massiva produção de pesquisas relacionadas à atuação
desse profissional. Por ser um campo recente no universo da pesquisa, a área de
tradução e interpretação da Libras/Português tem “bebido de muitas fontes” com o
objetivo de alçar e delimitar um campo específico para a produção de conhecimento. Na
maioria das vezes, as pesquisas partem de inquietações e questionamentos derivados da
prática de TILSPs que possuem, em alguns casos, longa experiência de atuação. Essas
inquietações impulsionam esses “práticos” a teorizar sobre sua prática e a buscar
fundamentos teóricos para responder às suas inquietações (NASCIMENTO, 2011).
No entanto, questiono: como escolher adequadamente uma teoria para responder
às questões que emergem da prática, da atividade tradutória/interpretativa, quando essas
questões estão relacionadas ao contexto de atuação, aos interlocutores envolvidos no ato
interpretativo e à esfera de produção discursiva da atuação do TILSP? Talvez não exista
uma resposta específica para essa pergunta no sentido de dizer que uma corrente teórica
seja mais adequada que outra, mas tentarei respondê-la convocando algumas
publicações atuais que versam sobre as possíveis afiliações da área de TILSP para
alguns campos específicos de pesquisa como, por exemplo, os Estudos da Tradução
(ET), a Educação e a Linguística Aplicada (LA) possibilitando ao pesquisador um
abrangente leque de possibilidades teóricas para embasamento de pesquisa.
Pereira (2010) traz grande contribuição ao campo de pesquisas relacionadas ao
TILSP com o levantamento do estado da arte da produção acadêmica brasileira. A
autora realiza um estudo bibliométrico sobre as teses e dissertações concluídas e em
andamento e nos mostra a diversidade de áreas em que a temática tradução e
interpretação de língua de sinais aparecem, totalizando oito campos epistemológicos
identificados a partir das produções acadêmicas concluídas. São eles: Linguística
Aplicada, Linguística, Educação Especial, Semiologia, Ciências da Linguagem,
Educação, Educação Escolar e Letras Vernáculas.
A autora aponta um maior número de pesquisas dentro do campo da Educação,
em primeiro lugar, e da Linguística Aplicada, que desponta em segundo, e levanta a
hipótese de que a alta demanda da inserção de surdos na esfera educacional implica na
atuação massiva do TILSP nessa esfera com maior recorrência de atuação nessa área
que em outras indicando maiores inquietações e questionamentos que direcionam os
“práticos” a pesquisarem dentro do campo epistemológico que se relaciona com a esfera
de atuação prática, a Educação. Nas produções em andamento os campos seriam seis:
63
Libras em estudo: tradução/interpretação
Linguística, Letras, Literatura, Educação, Estudos da Tradução e Linguística Aplicada.
A predominância de trabalhos em andamento está em Estudos da Tradução, com mais
de cinquenta por cento das produções encontradas filiadas a esse campo.
A partir dos dados levantados por Pereira (2010), podemos observar a variação
na produção científica quanto às questões que circundam a temática de TILSP. A
recorrência de pesquisas da área da Linguística Aplicada, dos Estudos da Tradução e da
Educação justifica-se pela proximidade que esses campos têm com a prática da tradução
e interpretação da Libras/Português. As pesquisas em Linguística Aplicada relacionadas
a essa temática pode ser justificada pela interdisciplinaridade que esse campo possibilita
com outras áreas do conhecimento relacionando não apenas os aspectos linguísticos,
mas expandindo a intersecção com a materialidade enunciativa e discursiva inerentes às
práticas de linguagem, além do que a tendência de muitos estudos contemporâneos em
Linguística Aplicada esteja relacionada com o foco “[...] na linguagem como prática
social e observá-la em uso, imbricada em ampla amalgamação de fatores contextuais”
(FABRÍCIO, 2006, p. 48). Já Vasconcellos (2010), apresenta-nos uma possível
justificativa para afiliação das pesquisas de tradução e interpretação da Libras/Português
ao campo de Estudos da Tradução:
A inserção estratégica do tradutor e do intérprete de línguas de sinais
em um campo disciplinar já estabelecido, longe de diminuir a
importância de sua questão identitária, pode contribuir para o
fortalecimento
do
empoderamento
(“empowerment”)
desses
profissionais que, mesmo filiados a um campo disciplinar já
constituído,
não
perdem
sua
especificidade
ou
visibilidade.
(VASCONCELLOS 2010, p. 121).
Os campos aqui citados e apontados pelas publicações convocadas nesse texto
mostram-nos uma possível necessidade de constituição de um campo específico de
pesquisas relacionadas à tradução e interpretação da língua de sinais. Meu intuito aqui
não é desqualificar as atuais afiliações a esses campos epistemológicos diversos, muito
pelo contrário, essas inserções e intersecções epistemológicas colaboram com a
interdisciplinaridade e multiplicidade conceitual que os campos oferecem para a prática
do TILSP. Porém, no tocante às questões políticas e de formação, quanto mais
consolidado estiver o campo de pesquisa e produção de conhecimento relacionado a
64
Libras em estudo: tradução/interpretação
TILSP, maior será o reconhecimento acadêmico dessa área enquanto campo legítimo de
produção de pesquisas.
O II Congresso Nacional de Pesquisas em Tradução e Interpretação de Língua
de Sinais realizado na Universidade Federal de Santa Catarina, em novembro de 2010
abriu espaço para a apresentação da produção científica relacionada à área por meio de
comunicação oral e exposição de pôsteres e os trabalhos foram organizados em sete
eixos temáticos: formação de intérpretes de língua de sinais, formação de tradutores de
língua de sinais, discurso e tradução/interpretação de/para a língua de sinais,
metodologias para implementar a tradução de/para a língua de sinais, avaliação da
tradução/interpretação de/para a língua de sinais, tradução de/para a escrita de sinais,
metodologias para implementar a interpretação de/para a língua de sinais.
O site oficial do congresso mostra que no total foram quarenta e nove trabalhos
aceitos e apresentados com grande variação nos campos epistemológicos em que as
pesquisas estavam relacionadas. No entanto, percebeu-se, pelas apresentações e pelos
resumos, as diversas abordagens teóricas buscadas pelos autores para pesquisas a prática
de tradução e interpretação da Libras/Português. A própria subdivisão temática dos
trabalhos já sugere essa multiplicidade de olhares e abordagens teóricas nas pesquisas
que falavam sobre a prática, formação e identidade do TILSP.
O crescimento de pesquisas no campo de tradução e interpretação da
Libras/Português indica a necessidade de teorização sobre essa prática. Esse processo de
teorização tem se consolidado no âmbito acadêmico pela própria inserção dos
profissionais que atuavam e/ou atuam como TILSP implicando, assim como coloca
Sobral (2008), na construção de teorias por meio da prática sem fazer com que uma seja
aplicação de outra, pois “[...] não há teoria, por mais ‘perfeita’ que seja, que possa ser
simplesmente aplicada a uma prática, ao menos com bons resultados, porque as práticas
não são estáticas (nem as teorias, ao contrário do que pensam confortável ou
dogmaticamente alguns).” (p. 17).
Ao articularmos esses dados e reflexões teóricas com as demandas de formação
instauradas pelas políticas de inclusão social das pessoas com deficiência sistematizadas
em leis e que enxergam o TILSP como recurso/agente de acessibilidade para surdos
usuários da Libras, bem como a recorrente determinação legal de formação desses
profissionais, começamos a enxergar o quanto as demandas sociais e legais ampliam os
campos de atuação desse profissional, fazendo com que questionamentos e inquietações
65
Libras em estudo: tradução/interpretação
sobre sua atuação o levem a pesquisar, descrever, delimitar e delinear sua prática dentro
dos espaços acadêmicos e de construção de conhecimentos.
Não obstante desse processo de construção teórico/prático da formação do
TILSP, os movimentos sociais da categoria impulsionam as lutas de reconhecimento e
profissionalização do TILSP enquanto classe trabalhadora. E é sobre essa temática que
tratarei na próxima seção.
Movimentos sociais como marcas da formação política
A inserção do TILSP nos espaços acadêmicos para estudo e pesquisa relacionados
à prática, identidade e formação não aconteceram, e não acontecem, descoladas das
lutas
protagonizadas
pelos
movimentos
sociais
da
categoria
em
prol
da
profissionalização e reconhecimento desse profissional ante a sociedade. A organização
de movimentos sociais que incentivam e incitam a discussão e reflexão sobre a práxis e
o seu reconhecimento a partir da valorização de trabalhadores, apontam caminhos para
uma articulação político-formativa no processo de reconhecimento do trabalho por parte
da sociedade (MARQUES e VALLE 2011).
A regulamentação da profissão realizada por meio da lei 12.319/10 é uma das
conquistas alcançadas pela organização coletiva de TILSPs e da comunidade surda.
As APILS (Associações de Profissionais Tradutores Intérpretes e GuiasIntérpretes de Língua de Sinais) começam a surgir no Brasil no início dos anos 2000 e
atualmente são 16 associações, segundo a Federação Brasileira de Tradutores
Intérpretes de Língua de Sinais – FEBRAPILS.
A FEBRAPILS foi fundada em 22 de agosto de 2008 e, segundo Russo (2008),
tem o
[...] propósito de lutar para a regulamentação da profissão no território
nacional, além de integrar os intérpretes através das parcerias entre as
diversas associações. Além disso, a organização dos intérpretes
enquanto federação permitiu que os intérpretes do Brasil pudessem
participar mais diretamente das discussões mundiais acerca da
interpretação em Libras, já que a WASLI (Associação Mundial dos
ILS) só admite como sócios jurídicos as entidades de representação
nacional (RUSSO 2009, p. 26).
66
Libras em estudo: tradução/interpretação
Essa organização coletiva com o objetivo de luta pelos direitos enquanto classe
trabalhadora e pelo reconhecimento legal e social da profissão, corrobora para a
formação de uma identidade política e em constante transformação (CIAMPA 1994)
que mobiliza a sociedade e transforma a consciência coletiva a respeito de
representações errôneas sobre a atuação do TILSP.
Santos (2006) descreve os comportamentos que demonstram uma depreciação da
função do TILSP e que o colocam em uma posição distante das discussões acerca dos
processos tradutórios e formativos enquanto profissional. Essas representações são
mapeadas pela autora por meio da sistematização de enunciados como “lindo teu
trabalho”, “você não precisa traduzir isso”, “vocês são pagos?” que apontam para o
descolamento do lugar profissional do TILSP para um inferior em que interpretar língua
de sinais significa “apoiar” o surdo.
Com a organização da classe e a luta pelo reconhecimento profissional,
representações como essas passam a se diluir na medida em que os TILSP se
posicionam politicamente, não somente perante a sociedade em geral, mas “brigando”
por seus direitos trabalhistas e seu espaço dentro das instituições em que atuam, uma
vez que a inserção do TILSP no mercado de trabalho e a contratação em regime
tradicional, conforme a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) ainda é recente.
Essas representações mapeadas por Santos (2006) indicam para a classe a
necessidade de criar espaços formativos e de construção coletiva de conhecimento para
realizar uma desconstrução de imagens construídas pela sociedade a respeito da atuação
do TILSP. As atividades de formação constituem-se em espaços e momentos em que se
aproveita para discutir “[...] as formas organizativas, a participação nos núcleos de base,
o funcionamento das instâncias do movimento etc. Além de estimular a identidade
comum, os espaços de formação são vistos, então, como importantes para estimular a
organicidade do movimento” (MARQUES e VALLE, 2011, p. 4).
Infelizmente, a classe profissional de TILSP ainda é abordada com pedidos e
solicitações de atuação voluntária em eventos e festividades organizados por repartições
públicas (secretarias, coordenadorias e conselhos das pessoas com deficiência) que
deveriam defender o TILSP como um profissional, agente de acessibilidade para surdos
usuários da Libras. No entanto, a atuação desses profissionais voluntariamente para
órgãos em que o financiamento das prestações de serviço é originário de verba pública
torna-se uma compactuação com o Estado no não investimento da inclusão social de
67
Libras em estudo: tradução/interpretação
pessoas surdas. Além do que o voluntariado junto às instituições públicas demonstra o
quanto esse mesmo Estado considera atuação do TILSP um processo de tutela e
assistencialismo ao surdo.
A remuneração pelas horas trabalhadas é um, dentre diversos aspectos, que
colocam o TILSP no lugar de um profissional com formação e não como aquele que
“ajuda” o surdo a se comunicar com quem não sabe falar sua língua. O assistencialismo
atrelado à atividade do TILSP surge com a atuação desses profissionais dentro das
instituições religiosas, de matriz protestante, na tradução e interpretação das cerimônias
religiosas. O missionário-intérprete, conforme aponta Silva (2010), possuía a função de
abordar e receber os surdos nos cultos, negociar e engendrar espaços físicos e
simbólicos para a acomodação dos surdos, além de ser o responsável pela criação de
redes de assistência e de comunicação dentro da igreja por ser, muitas vezes, o único
que conhece sua língua. Com a inserção dos surdos em outros espaços sociais, a atuação
do TILSP passa a ser revista e redimensionada distanciando-se do caráter
assistencialista da atividade para ganhar uma projeção profissional, por envolver
questões relativas à própria atuação e desempenho tradutório e não mais o “cuidado” ao
surdo.
Os movimentos sociais da categoria sistematizados em associações, federações e
possíveis sindicatos engendram espaços políticos e de luta pelo reconhecimento da
categoria profissional perante a sociedade, pois com esse reconhecimento os surdos
também deixam de serem vistos como sujeitos que necessitam de tutela para
comunicação, mas sim do serviço de profissionais com formação específica que
realizam tradução e interpretação dos discursos em Libras/Português/Libras.
Considerações Finais
Pudemos observar o quanto a legislação vigente prevê e determina a formação de
TILSP para atender a crescente demanda de inclusão de surdos nas diversas instâncias
sociais. No entanto, verificamos que a ausência de diretrizes curriculares para a
formação desse profissional obriga a academia a responsabilizar-se por essa formação a
partir de referências externas, oriundas de países que historicamente realizam a
formação de tradutores intérpretes de língua de sinais. Verificamos também que essa
crescente demanda incita, nos profissionais já atuantes no mercado, questionamentos
relacionados à sua própria prática impulsionando-os para um processo de meta reflexão
68
Libras em estudo: tradução/interpretação
da prática e da afiliação e/ou escolhas de arcabouços teóricos de diferentes correntes
para o embasamento de suas pesquisas. E por fim, compreendemos a importância dos
movimentos sociais na formação da identidade política no TILSP.
Essa articulação política/formação torna-se cada vez mais necessária na medida
em que os surdos avançam na luta por seus direitos e passam a posicionar-se de seus
lugares linguísticos e sociais. Com os avanços dessa comunidade, os profissionais
TILSP avançam também em um processo de qualificação e aperfeiçoamento da prática,
na produção de pesquisas que questionem sua atuação nas mais diversas esferas e
gêneros discursivos, na delimitação de campos epistemológicos para a produção de
conhecimento e na luta pelo reconhecimento legal e social de sua identidade
profissional.
As políticas de formação para TILSP e a construção de um currículo de formação
em nível superior avançarão na medida em que a classe avançar nas lutas e na afirmação
de sua identidade política demarcando território e conquistando espaços, tal como a
comunidade surda, para posicionarem-se enquanto profissionais afirmando que sua
atuação ultrapassa a tradução de códigos linguísticos, mas que direciona-se na
construção de pontes dialógicas entre sujeitos singulares, na desconstrução e
reconstrução de enunciados, na produção de sentidos e na aproximação de mundos.
Traduzir e/ou Interpretar Libras/Português significa transitar na zona de conflito da
mediação discursiva e subjetiva de sujeitos que se expressam por línguas tão distintas.
Ser intérprete é ser mediador de mundos.
Referências
BRASIL. Lei 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais
(LIBRAS)
e
dá
outras
providências.
Disponível
em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10436.htm> Acesso em: 20 de
janeiro de 2010.
______. Decreto 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de
24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18
da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm>
Acesso em: 20 de janeiro de 2010.
______. Lei 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios
básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com
mobilidade reduzida, e dá outras providências. Disponível em:
69
Libras em estudo: tradução/interpretação
< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L10098.htm> Acesso em: 20 de janeiro de
2010.
______. Lei 12.319 de 01º de setembro de 2010. Regulamenta a profissão de Tradutor e
Intérprete da Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS. Disponível em:
http://www2.camara.gov.br/legin/fed/lei/2010/lei-12319-1-setembro-2010-608253<
publicacaooriginal-129309-pl.html> Acesso em 20 de dezembro de 2010.
______. Portaria 310 de 27 de junho de 2006. Ministério das Comunicações. Aprova a
Norma Complementar nº 01/2006 - Recursos de acessibilidade, para pessoas com
deficiência, na programação veiculada nos serviços de radiodifusão de sons e imagens e
de
retransmissão
de
televisão.
Disponível
em:
<http://www.astralbrasil.org/leis/portaria310.pdf> Acesso em 21 de dezembro de 2010.
______. Decreto 5.296 de 02 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis nos 10.048, de
8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e
10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos
para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com
mobilidade
reduzida,
e
dá
outras
providências.
Disponível
em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5296.htm>
Acesso em 21 de dezembro de 2010.
CIAMPA, A. C. A estória do Severino e a história da Severina. 4º edição. Editora
Brasiliense: São Paulo, 1994.
FABRICIO, B. F. Linguística aplicada como espaço de “desaprendizagem”:
redescrições em curso. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.) Por uma linguística
indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.
LACERDA, C. B. F. Intérprete de Libras em atuação na educação infantil e no ensino
fundamental. Porto Alegre: Mediação/FAPESP, 2009.
LIMA, N. M. Legislação federal básica da pessoa portadora de deficiência. Brasília:
Secretaria Especial dos Direitos Humanos/Coordenadoria Nacional para Integração da
Pessoa Portadora de Deficiência/Sistema Nacional de Informações sobre Deficiências,
2007.
MARQUES, M. G.; VALLE, J. L. Os “novos movimentos sociais”: a expressão social e
histórica da classe trabalhadora no Brasil. Resumo expandido do V Encontro Brasileiro
de Educação e Marxismo e Emancipação Humana. Florianópolis, UFSC, 2011.
(Disponível em: http://www.5ebem.ufsc.br/trabalhos/eixo_06/e06d_t006.pdf)
MOURA, M. C. O Surdo: caminhos para uma nova identidade. Rio de Janeiro:
Revinter, 2000.
PEREIRA, M. C. P. Produções acadêmicas sobre Interpretação de Língua de Sinais:
dissertações e teses como vestígios históricos. In: QUADROS, R. M. (Org.) Cadernos
de Tradução. Florianópolis: Pós-graduação em Estudos da Tradução.
70
Libras em estudo: tradução/interpretação
QUADROS, R. M. O Tradutor e Intérprete de Língua Brasileira de Sinais e Língua
Portuguesa. Brasília: Secretaria de Educação Especial/MEC, 2007.
SANTOS, S. A. Tradução e Interpretação de Língua de Sinais: deslocamentos nos
processos de formação acadêmica e profissional. In: QUADROS, R. M. (Org.)
Cadernos de Tradução. Florianópolis: Pós-graduação em Estudos da Tradução.
SILVA, C. A. A. Entre a deficiência e a cultura: análise etnográfica de atividades
missionárias com surdos. [Tese de doutorado] São Paulo: Universidade de São Paulo,
2010.
SOBRAL, A. Dizer o ‘mesmo’ a outros: ensaios sobre tradução. São Paulo: Special
Books Service Livraria, 2008.
STROBEL, K. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis: Editora da
UFSC, 2008.
VASCONCELLOS, M. L. Tradução e Interpretação de Língua de Sinais (TILS) na PósGraduação: a afiliação ao campo disciplinar “Estudos da Tradução” In: QUADROS, R.
M. (Org.) Cadernos de Tradução. Florianópolis: Pós-graduação em Estudos da
Tradução.
II Congresso Nacional de Pesquisas em Tradução e Interpretação da Língua de Sinais
<http://www.congressotils.cce.ufsc.br/> Consultado em: 22/12/2010
71
Libras em estudo: tradução/interpretação
72
Libras em estudo: tradução/interpretação
ARTIGOS
73
Libras em estudo: tradução/interpretação
74
Libras em estudo: tradução/interpretação
CONCURSO PÚBLICO PARA INTÉRPRETE
EDUCACIONAL: SABERES DETERMINADOS PARA OS
CANDIDATOS - CONJUNTURA NACIONAL1
Ana Claudia dos Santos Camargo 2
Resumo
Com o reconhecimento da LIBRAS e a necessidade de contratação de intérprete, o
número de concursos públicos para mediar a educação de alunos surdos submetidos à
educação bilíngue inclusiva tem aumentado. O presente trabalho objetivou levantar
quais os conteúdos exigidos para contratação de intérpretes educacionais.
Desenvolvemos uma análise documental consubstanciada nas provas de concurso
público para contratação de intérpretes educacionais em todo o Brasil, aplicadas no
período de janeiro de 2006 a fevereiro de 2011, após a regulamentação do Decreto nº
5.626/2005. Foram selecionadas três provas de cada região do Brasil, nos âmbitos
federal, estadual e municipal, na busca de um parâmetro comum nacionalmente.
Trabalhamos com o referencial teórico da abordagem histórico-cultural, com base em
Vygotsky e na teoria crítica do currículo, inspirados em Bourdieu. Constatamos que a
profissão do intérprete educacional ainda está em processo de construção e
ressignificação na classificação social das profissões. Observamos que as provas têm
uma distribuição de conteúdo bem variada, abordando geralmente conhecimento teórico
da história da educação, da gramática da LIBRAS e da legislação, as provas por vezes
mal elaboradas refletem a situação emergencial na qual o Estado tem elaborado os
concursos para intérpretes de forma a garantir o atendimento à demanda dos surdos em
situação de inclusão nos diferentes níveis de ensino, ainda que as provas não garantam
uma avaliação adequada desse profissional. Dessa forma, chegamos a estabelecer a
relação entre os conteúdos determinados como legítimos para o cargo do intérprete
educacional, objetivando contribuir para reflexão do processo de elaboração de provas
para a seleção de candidatos nos concursos públicos com esta finalidade.
Palavras-chave: Tradutores/Intérpretes de Língua de Sinais, intérprete educacional,
seleção profissional, concurso público.
Educação Inclusiva e a emergência do intérprete Educacional
No Brasil, a Lei nº 10.436/02, que reconhece a LIBRAS como meio legal de
comunicação e expressão da comunidade surda e prevê em seus artigos 2º e 3º a
1
Trabalho orientado pela Professora Mestre Neiva de Aquino Albres.
2
Especialista em Tradução/ Interpretação e ensino de Língua Brasileira de Sinais pela FAAG.
75
Libras em estudo: tradução/interpretação
responsabilidade por parte do poder público pela difusão da mesma bem como o acesso
aos serviços públicos, cabendo aos sistemas de ensino em todas as esferas a inclusão do
ensino da LIBRAS nos cursos de formação superior em Educação Especial e
Fonoaudiologia.
Com o decreto nº 5.626/06, que regulamenta a lei nº 10436/02, a obrigatoriedade
do ensino de LIBRAS se estendeu aos outros cursos de formação de professores, bem
como
prevê
a
formação
de
professores
de
LIBRAS
e
a
formação
de
tradutores/intérpretes de LIBRAS. Outros direitos da comunidade surda foram
outorgados, entre eles a garantia de acesso aos bens culturais, à educação bilíngue por
meio de profissionais qualificados, incluindo o profissional tradutor/intérprete de
LIBRAS e Língua Portuguesa.
Um novo campo de trabalho surgiu de forma emergencial: o de intérprete de
LIBRAS. Após quase 11 anos da lei nº 10.436/02 que se pode acompanhar é o crescente
número de pessoas com a pretensão de se formar intérpretes, estudando em cursos
básicos de LIBRAS, bem como um número expressivo de concursos pelo Brasil em
busca deste profissional.
Albres (2010a) analisou as estratégias que as Secretarias de educação Municipal
e Estadual de São Paulo têm desenvolvido para garantir a presença de intérpretes de
LIBRAS em sala de aula. Revela que a contratação temporária ou o reaproveitamento
dos professores já concursados para desenvolverem função de intérprete de LIBRAS
por meio de credenciamento é comum no Estado desde 2008. A atribuição de salas para
quem comprovar ter “formação em LIBRAS” não garante o acesso, a permanência e a
progressão de estudos do aluno surdo, visto que com “interlocutores” sem a devida
competência para tradução/interpretação não atende às necessidades educacionais
especiais do aluno surdo.
O Estado brasileiro tem como característica sofrer pela falta de
planejamento de suas políticas públicas, privando na maioria das
vezes a população do pleno acesso e participação social. A
incapacidade do Estado em atender às necessidades de várias
naturezas dos indivíduos e grupos sociais se expressa desde a
organização da agenda estatal até os padrões de financiamento e
distribuição de recursos, acentuando dessa forma a desigualdade
76
Libras em estudo: tradução/interpretação
social e a exclusão através principalmente das ações políticas de
“pseudoinclusão”, como aponta (GHIRALDELLI, 2006, p. 63).
Nesse sentido ao analisar as estratégias para atender à política de inclusão podese perceber que o atendimento às pessoas com deficiência quando ocorre dá-se de forma
emergencial muitas vezes por incumbência e força da Lei.
Propomos a analisar como o poder público tem desenvolvido a seleção e
contratação de intérpretes de LIBRAS para atuar no campo da educação por meio dos
concursos públicos no período de 2006 a 2011 tendo como referencial teórico a
abordagem histórico-cultural com base em Vygotsky (2000) e na teoria crítica da
educação, inspirados em Bourdieu (1978).
As profissões têm conteúdos legítimos para sua formação e pontos determinados
como elegíveis para a seleção. Do currículo proposto para a formação de um
profissional são elencados tópicos para a seleção (concurso).
O currículo nunca é apenas um conjunto neutro de conhecimentos,
que de algum modo aparece nos textos e nas salas de aula de uma
nação Ele é sempre parte de uma tradição seletiva resultado da seleção
de alguém da visão de algum grupo acerca do seja conhecimento
legítimo. É produto de tensões, conflitos e concessões culturais,
políticas e econômicas que organizam e desorganizam o povo
(APPLE, 2002, p. 59).
Dessa forma, o currículo entendido como tradição seletiva, estabelece uma
relação de domínio e subordinação e o estabelecimento de uma política de
conhecimento oficial. Cabe aqui destacar que do processo histórico, onde se organizam
os concursos públicos para intérprete de Libras, surgem as questões para esta pesquisa,
são elas:
a) Quais conteúdos são elegíveis como mínimo para a contratação do intérprete
de LIBRAS? b) A análise das provas nas cinco regiões do Brasil torna possível
estabelecer um conteúdo mínimo/legítimo nacionalmente aplicado para selecionar
intérpretes de LIBRAS para atuação no campo educacional ainda que haja
pouquíssimos cursos de formação? c) Como os Estados fazem a seleção desses
profissionais? Prova teórica e/ou prova prática? d) A elaboração das provas contempla a
área de atuação desse profissional (mediação na educação)? e) A forma de organização
77
Libras em estudo: tradução/interpretação
e peso de cada conteúdo oferece garantia das competências necessárias para o exercício
do cargo?
O conjunto de competências trabalhadas na perspectiva de formação profissional
seria também o conjunto de competências a serem avaliadas para a seleção em provas
de concurso. Desta forma, no seguinte tópico desenvolvemos um histórico da formação
dos intérpretes de LIBRAS no Brasil em diferentes níveis de ensino.
Formação e competências para atuação profissional do intérprete de Libras
O decreto nº 5.626/05 dispõe sobre a formação do intérprete de LIBRAS em dois
níveis: superior por meio da formação em curso superior de Tradução e Interpretação. E
nível médio podendo ser realizado por meio de cursos de educação profissional, de
extensão universitária e cursos de formação continuada. Podendo também ser realizada
por organizações da sociedade civil representativas da comunidade surda (BRASIL,
2005). Este decreto, no entanto, não faz menção ao conteúdo, programa ou currículo
desse curso ficando a critério das universidades essa organização (ALBRES, 2010b).
Interessadas nesse nicho do mercado, muitas Instituições de Ensino Superior têm
implementado em sua grade cursos de pós-graduação lato sensu em LIBRAS, visando à
formação de tradutores/intérpretes de LIBRAS com diferenças significativas entre suas
grades curriculares e carga horária (ALBRES, 2010b). Os cursos de LIBRAS oferecidos
como disciplina obrigatória em cursos de formação de professores também revelam
grande diferença de conteúdo teórico ou prático, na carga horária e na didática usada
para sua aplicação (MERCADO, 2012).
Alves (1995) aponta que a universidade ser parte de um sistema capitalista que
reproduz historicamente a especialização do saber, levando a uma visão microscópica
do todo distanciando o aluno da unidade do real, nesse aspecto essa dificuldade na
formação torna eficaz um mecanismo de controle ideológico por meio do qual o capital
estendeu o seu domínio sobre a universidade e a educação. Uma possível mudança
nesse quadro dar-se-ia pela organização do currículo, garantindo uma formação onde os
estudos oferecessem uma visão clara da sociedade concreta dos nossos dias, com análise
da área de atuação do profissional e sua relação com a sociedade no exercício de sua
função e a própria formação específica de acordo com atuação profissional que vá
desenvolver.
78
Libras em estudo: tradução/interpretação
Na escassez imediata de cursos superiores a que se refere o decreto a lei institui
uma avaliação em caráter provisório por meio de um Exame Nacional de Proficiência
em LIBRAS que já é ser organizado pelo Ministério da Educação com periodicidade
anual em parceria com a Universidade Pública pelo período de 10 anos até que as
Universidades se adequem para o oferecimento de cursos de formação de intérpretes
(BRASIL, 2010b).
O Prolibras, à nossa análise, veio confirmar uma formação basicamente empírica
que os intérpretes de LIBRAS têm no Brasil. O conhecimento sobre a LIBRAS vem de
cursos básicos oferecidos por instituições religiosas, associações de surdos e do
convívio na comunidade surda (ROSA, 2005).
Dessa forma, pela falta de infraestrutura e por conta da política pública
emergencial de inclusão implementadas no Brasil, não houve uma preocupação com a
definição e normatização de um currículo básico para a formação do intérprete de
LIBRAS, tampouco a discussão de competências necessárias para o intérprete
educacional, objeto dos concursos analisados.
Segundo Pereira (2008), a falta do intérprete de LIBRAS reforça a segregação
linguística a que está sujeita a comunidade surda pela esmagadora maioria ouvinte.
Os surdos sentem-se assegurados pelos intérpretes, pois estes pelo
poder da comunicação da língua de sinais corporificam a possibilidade
de participação. O intérprete ou tradutor de qualquer língua tem
grande poder em suas mãos. Ele é responsável pela qualidade da
comunicação. Os surdos precisam que esses profissionais sejam bem
qualificados (STUMPF, 2005, p. 26).
Pereira (2008) aponta a necessidade da boa qualificação do intérprete, indicando
que está ligada não só ao conhecimento da língua, mas às competências específicas,
como fluência e proficiência linguística. Partindo da análise de intérpretes de línguas
orais ela verificou que essas competências em muito se aproximam das habilidades
exigidas aos intérpretes de línguas de sinais, respeitadas as diferenças de modalidade
linguística.
A fluência na língua oral é caracterizada pela velocidade, adequação a diferentes
contextos, frequência e duração das pausas no processo de tradução (lag time). A
fluência na língua de sinais remete à tradução da língua de sinais para a fala e vice79
Libras em estudo: tradução/interpretação
versa, considerando-se o encadeamento harmônico entre os movimentos que compõe os
sinais tendo como base as mesmas características da fluência nas línguas orais. Estudos
mais detalhados são necessários para determinar as especificidades da fluência em
língua de sinais (TROFIMOVICH e BAKER, 2006 apud PEREIRA, 2008).
Já o termo proficiência linguística remete a um primeiro momento, a ideia de
excelência, ou seja, pleno conhecimento da língua em questão. Esse conhecimento, no
entanto, quando analisamos um processo de interpretação/tradução de uma língua para a
outra abrange outras competências interdependentes que podem ser inatas ou
adquiridas.
Pereira (2008), na tentativa de buscar a definição de competência, refere que o
termo teve uma evolução, não limitado apenas à questão gramatical. Não basta ter o
conhecimento da gramática das línguas envolvidas é preciso saber como ela se adequa
de acordo com o gênero textual, o contexto e o papel que assume o intérprete frente à
situação em que atua, considera-se o intérprete o sujeito que se desdobra de acordo com
a posição que ocupa no ato (comunicante, enunciador, destinatário ou interpretante).
Nesta perspectiva semiolinguística, as competências que determinariam a proficiência
linguística seriam competência situacional, discursiva e semiolinguística.
Assim, a proficiência linguística do intérprete de LIBRAS abrange não só um
conjunto de competências já mencionadas, aspectos motores e de fluência como
também um conhecimento metalinguístico e o uso apropriado desse conhecimento com
outros falantes, em contexto sociocultural, considerando a imagem que ele tem de si e
do outro e as reações que tem ao interpretar as intenções do interlocutor, como aponta
PEREIRA (2008).
Provas ou testes para avaliar intérpretes deveriam levar em consideração todas
estas competências linguísticas e a fluência em língua de sinais para a seleção desse
profissional para atuar em espaço educacional.
Referencial teórico: o que os nomes podem dizer
A introdução do intérprete educacional como um serviço pedagógico para a
perspectiva inclusiva de educação trouxe como problema para a área, a saber: (1) a
formação desse novo profissional, (2) a seleção de profissionais para atuarem nas
escolas da rede regular de ensino.
80
Libras em estudo: tradução/interpretação
O sistema de ensino é responsável por preparar os indivíduos para atuarem na
sociedade de forma produtiva, fazendo girar a roda econômica, que por sua vez cria
demandas por outros profissionais que devem ser supridos pelo sistema de ensino.
Entretanto, ocorre sumariamente uma defasagem temporal entre o sistema econômico e
o sistema educacional, uma vez em que há um aumento da demanda de profissionais e a
falta deles no mercado de trabalho ou a falta de uma formação adequada para essas
novas profissões. Tal defasagem trás a tona as dualidades existentes na constituição de
novas profissões como aponta Bourdieu (1998): o diploma vs cargo, identidade nominal
vs identidade real, as palavras vs as coisas, que serão melhor abordadas abaixo:
A formação ainda que inadequada ocorre por meio do diploma a legitimação da
capacidade técnica que nem sempre está adequada às reais necessidades da sociedade. O
valor social do diploma é o que Bourdieu (1998) chama de capital cultural
institucionalizado, refletindo a ideologia dominante onde os profissionais que tem o
diploma estão “mais capacitados” e tem por meio dele a garantia da ascensão social,
causando a exclusão dos não diplomados. Ainda que ocorra o desgaste natural por conta
das novas demandas sociais ou atuais exigências de um cargo ou função, não se pode
contestar o valor social do diploma.
O poder conferido por um diploma não é pessoal, mas coletivo, uma
vez que não se pode contestar o poder legítimo (os direitos) conferido
por um diploma ao seu portador, sem contestar o poder de todos os
portadores de diploma e a autoridade do sistema de ensino que lhe dá
garantia (BOURDIEU, 1998, p. 136).
A procura pela legitimação por meio do diploma principalmente nas profissões
em ascensão pode ocasionar a inflação de determinados profissionais ou a escassez
destes de acordo com a dinâmica das relações sociais (diplomados vs não diplomados)
em especial na constituição das classificações sociais das profissões e as implicações
decorrentes desta construção.
Para Bourdieu (1998), na constituição das classificações sociais, a terminologia
social (nome) pertence a uma terminologia de parentesco à ordem das categorias oficiais
(classificação), o que significa que para que haja o reconhecimento social de uma
determinada profissão é necessário que se estabeleça a categoria a qual pertence e como
essa categoria relaciona-se com as demais.
81
Libras em estudo: tradução/interpretação
Nas sociedades divididas em classes, as taxionomias sociais, os
sistemas de classificação que produzem a representação dos grupos
(categorias profissionais) são o produto e o objeto das relações de
força entre as classes. De acordo com o estado das relações de força,
um grupo pode obter um cargo sem receber a remuneração real ou
simbólica dos que tem direito a tal (desempenham o papel de)
identidade e qualificação (BORDIEU, 1978, p. 141).
A pressão dos diferentes grupos apresenta diferentes tipos de visão sobre o
mesmo profissional e, por consequência, a sua classificação dentro das classes
profissionais. Não é preciso apenas conquistar o reconhecimento da profissão (nome),
mas, sobretudo a identidade profissional real. A identidade profissional ocorre a partir
da experiência oficial e legítima do mundo social em um dado momento histórico.
Dessa forma, não é preciso apenas conquistar o reconhecimento da profissão, mas,
sobretudo, a identidade do profissional real que requer uma construção coletiva.
Bourdieu (1998) faz apontamentos que devem ser levados em consideração na
construção de uma identidade profissional real dentre as quais podemos destacar: quais
são as atribuições e como é o processo de formação e seleção desse profissional? Qual a
hierarquia dessa profissão (nível e remuneração) e qual posição social ocupa ou a qual
categoria se referencia?
Portanto, o nome de uma profissão, no contexto deste trabalho Intérprete de
Libras, não são apenas palavras que se referem a uma identidade profissional, pois cada
uma delas traz em si um conjunto ideológico e de sentidos que são construídos
coletivamente. Para Bourdieu (1998), as palavras são códigos estabelecidos por meio
das dinâmicas das relações sociais que se manifestam pela luta de classes. Na
terminologia social as palavras são associadas à classificação social, na codificação
social, as palavras são seguidas de efeitos no estabelecimento da definição da profissão.
Na codificação social, as palavras são seguidas de efeitos no
estabelecimento da definição da profissão, o esquecimento de uma
palavra provoca efeitos, por exemplo, um indivíduo poderá ser
obrigado a executar uma tarefa que não deseja exercer por não ter
habilitação para executar tarefas que desejaria exercer (BORDIEU,
1978, p. 143)
82
Libras em estudo: tradução/interpretação
Pela condição de ser detentor de um diploma, o indivíduo é visto como detentor
de todo o conhecimento previsto socialmente para aquela profissão. O que Bourdieu
(1078) relaciona como a categoria “Diploma vs cargo”. Assim,
O poder conferido por um diploma não é pessoal, mas coletivo, uma
vez que não se pode contestar o poder legítimo (os direitos) conferido
por um diploma ao seu portador, sem contestar o poder de todos os
portadores de diploma e a autoridade do sistema de ensino que lhe dá
garantia (BOURDIEU, 1978, p. 136).
Para Bourdieu (1978), os profissionais que tem o diploma estão mais
capacitados por estar agregado a ele um capital cultural, refletindo a ideologia
dominante, onde o diploma é garantia da ascensão social, causando a exclusão dos não
diplomados. Todavia, ocorre uma disparidade ente a “Identidade nominal vs
identidade real”. A conquista de uma identidade real (profissional) requer uma
construção coletiva da identidade deste profissional a partir das experiências oficiais e
legítimas do mundo social num dado momento histórico (BOURDIEU, 1978).
Bourdieu (1978) aponta alguns critérios que devem ser levados em consideração
na construção de uma identidade profissional que se estabelece dentro de uma sociedade
dividida em classes:
Nas sociedades divididas em classes as taxionomias sociais, os
sistemas de classificação que produzem a representação dos grupos
(categorias profissionais) são o produto e o objeto das relações de
força entre as classes. De acordo com o estado das relações de força
um grupo pode obter um cargo sem receber a remuneração real ou
simbólica dos que tem direito a tal (desempenham o papel de)
identidade e qualificação (BORDIEU, 1978, p. 141).
A pressão dos diferentes grupos apresenta diferentes tipos de visão sobre o
mesmo profissional e, por consequência, a sua classificação dentro das classes
profissionais. A identidade profissional ocorre dessa forma a partir da experiência
oficial e legítima do mundo social em um dado momento histórico. Dessa forma, não é
preciso apenas conquistar o reconhecimento da profissão, mas, sobretudo, a identidade
do profissional.
83
Libras em estudo: tradução/interpretação
Na constituição das classificações sociais, a terminologia social (nome) pertence
a uma terminologia de parentesco à ordem das categorias oficiais (classificação). O
efeito ideológico do irreconhecimento resulta da transformação que cada campo impõe
às classificações originárias e ao mesmo tempo à forma irreconhecível que reveste aí a
luta de classificações (BOURDIEU, 1978, p. 144).
Buscamos no decorrer do presente estudo, as relações que se estabelecem entre
formação e a seleção de um profissional “em construção” e o impacto da sua inclusão
dentro de um contexto histórico-social determinado por meio de análise documental em
âmbito nacional.
Caminhos da pesquisa
Pesquisar requer um olhar apurado sobre o objeto de estudo. Isso é possível
apoiado em um referencial teórico. Desenvolvemos esta pesquisa apoiados na
abordagem histórico-cultural e nos estudos da sociologia da educação.
Vygotsky (2000) considera a historicidade do homem, e por isso, não pode ser
estudado fora de seu contexto e especificidade, assim o faremos com o olhar voltado
para o profissional intérprete de LIBRAS. Vygotsky (2000) desenvolveu alguns
princípios para a construção de pesquisa de análise histórica com enfoque dialético; (1)
significa estudá-lo no processo de mudança, ou seja, abranger o processo de
desenvolvimento de uma determinada coisa em todas as suas faces e mudanças, assim
descobrindo sua natureza e sua essência. (2) Essa abordagem considera o objeto de
estudo como parte integrante de um processo, a qual requer uma exposição dinâmica
dos principais pontos constituintes da história do processo.
Dessa forma, não basta descrever as provas é preciso analisá-las em sua
amplitude, estabelecer as relações dinâmico-causais em que ocorrem, ou seja, qual o
contexto a partir do contexto histórico em que são elaboradas e qual a finalidade de sua
aplicação. A análise científica permite identificar as diferenças internas escondidas
pelas similaridades externas, o estudo pretende revelar essas relações o que não seria
possível na simples descrição. (3) Orienta para a superação do “comportamento
fossilizado” que impede ver a origem do fenômeno e entender o que se passa no
presente.
O presente trabalho teve como objetivo analisar como o Estado brasileiro tem
desenvolvido a seleção e a contratação de intérpretes de LIBRAS para atuar no campo
84
Libras em estudo: tradução/interpretação
da educação, principalmente quando da promoção de concurso público e levantar quais
os conteúdos exigidos para contratação de intérpretes educacionais.
O corpus de análise é composto por provas de concursos públicos para a função
de intérprete educacional, selecionadas a partir de pesquisa na internet de sites de
instituições de ensino e de empresas de concursos públicos em todo território nacional
compreendendo o período de 2006 a 2011.
Desenvolvemos um levantamento inicial de quarenta e uma provas de concurso.
Dessa primeira busca verificou-se que ainda que a pesquisa revelasse a existência de
concursos em algumas regiões ou Estados, muitas vezes na busca encontrávamos
apenas o gabarito ou o edital do concurso, estes documentos foram descartados. Para
análise, selecionamos quinze provas, buscando um equilíbrio entre as regiões, sendo
três provas de cada região do Brasil, uma municipal, uma estadual e outra federal.
Apesar de identificar várias terminologias para se referir ao profissional,
consideramos estar adequado ao objetivo do trabalho as provas destinadas ao cargo de:
Tradutor/intérprete de LIBRAS, professor nível III - intérprete de LIBRAS, tradutor de
linguagem de sinais, intérprete de linguagem de sinais, Intérprete de LIBRAS.
Desenvolvemos a análise documental das provas para intérpretes de
LIBRAS, sendo consideradas apenas as questões de conhecimento específico do
caderno de provas para esse profissional. No processo de leitura cuidadosa dos
documentos, percebemos diversas nomenclaturas para se referir ao profissional e o
conjunto dos dados foi distribuído em uma tabela por região com as questões de
conhecimento específico subdivididas nas áreas tais como: Linguística e gramática de
LIBRAS, história e política educacional, legislação LIBRAS, conhecimento pedagógico
e didático, ética e situação problema. Assim, construímos nossas categorias de análise e
posteriormente.
Análise e discussão dos dados
Selecionamos 15 provas de concurso público para o processo de análise
documental, foram três provas por cada região do Brasil, dentre estas uma municipal,
uma estadual e outra federal. As provas selecionadas foram aplicadas em concursos de
2006 a 2011. Esta demarcação de período tende a mostrar a tentativa das instituições em
atender às exigências do decreto nº 5.626/05, visto que até a presente data os concursos
para a referida função não tinham visibilidade, não podemos esquecer também o
85
Libras em estudo: tradução/interpretação
contexto histórico em que emergem esses concursos em âmbito nacional, a fim de suprir
a demanda e cumprir a efetivação das leis de inclusão educacional e acessibilidade.
Conforme o decreto federal nº 5.296/04, o Decreto nº 5.626/05 pode ser reconhecido
como um marco que desencadeou a realização de concursos para o cargo de intérprete
educacional.
Art. 21 A partir de um ano da publicação deste Decreto, as
instituições federais de ensino da educação básica e da educação
superior devem incluir, em seus quadros, em todos os níveis, etapas e
modalidades, o tradutor e intérprete de Libras - Língua Portuguesa,
para viabilizar o acesso à comunicação, à informação e à educação de
alunos surdos.
§ 2o As instituições privadas e as públicas dos sistemas de ensino
federal, estadual, municipal e do Distrito Federal buscarão
implementar as medidas referidas neste artigo como meio de assegurar
aos alunos surdos ou com deficiência auditiva o acesso à
comunicação, à informação e à educação.
(BRASIL, 2005).
Após seis anos de publicação do Decreto, os cursos de formação superior de
intérprete de LIBRAS são raros e os cursos existentes na condição de pós-graduação
lato sensu não apresentam consenso no que concerne à grade curricular e conteúdo ou
carga horária (ALBRES, 2010b). Como no país não há uma proposição clara e objetiva
dos
conhecimentos
necessários
nos
cursos
de
formação
de
intérpretes
e
consequentemente de quais conhecimentos são elegíveis como básicos ou essenciais
para a seleção de um profissional realmente capacitado para atuar junto às instituições
de ensino de forma a garantir a acessibilidade dos surdos, previsto em lei, as provas se
apresentaram de forma bastante diversa.
86
Libras em estudo: tradução/interpretação
Imagem 1: Divisão política do Brasil e seleção de provas por região
A imagem acima revela a divisão política do país e a indicação dos locais das
provas selecionadas para análise. Procuramos fazer a seleção de diferentes localidades.
Todavia, em algumas regiões pela repetida execução de concurso pelo mesmo órgão
público ocasionou em nossa amostragem mais de uma prova do mesmo estado. Por
exemplo, na região norte, foram selecionadas duas provas realizadas em Rondônia, na
região nordeste duas provas realizadas no Maranhão e no centro-oeste duas provas
realizadas em Goiás, cada uma de uma instância de governabilidade.
Após uma leitura mais detalhada, pudemos perceber a emersão das categorias de
análise. Pudemos organizar a análise em: (1) sentidos de ser intérprete educacional; (2)
conhecimento legítimo exigido para contratação de intérprete educacional.
(1) Sentidos de ser intérprete educacional
Uma primeira análise mostrou que as provas para intérpretes de LIBRAS
aparecem com diversas denominações (Professor/Interlocutor de LIBRAS, Intérprete de
Linguagem de Sinais, Tradutor de LIBRAS, Tradutor/Interprete de Linguagem de
Sinais, Professor Nível III - Intérprete, entre outros). Essa diferenciação já demonstra
que não há consenso nem na terminologia a ser usada com relação a esse profissional,
até mesmo pelas empresas contratadas ou universidades responsáveis pela elaboração
das provas.
A análise do corpus revelou que as empresas concessionárias e as Secretarias da
Educação não são consensuais ao nomear o cargo objeto do concurso. Quem é esse
87
Libras em estudo: tradução/interpretação
profissional? As palavras, ou formas de nomear são tomadas como as coisas que
representam. O esquecimento ou acréscimo de uma palavra pode ocasionar uma
situação onde o indivíduo poderá ser obrigado a executar uma tarefa que não deseja
exercer por não ter habilitação para executá-la (BOURDIEU, 1998).
A definição e proposição da palavra intérprete de LIBRAS para intérprete
educacional propõem em si uma distinção clara entre a área de atuação do intérprete,
um intérprete educacional necessitaria ter além da competência linguística, um
conhecimento da área pedagógica uma vez em que está inserido no contexto ensinoaprendizagem.
Procurando compreender os sentidos construídos nacionalmente sobre o
profissional intérprete educacional nos guiamos pelas reflexões de Vygotsky (2000). Ele
considera que o homem faz parte de uma sociedade da qual criou ferramentas a fim de
sobreviver e de se comunicar. No contato social, mediado pela linguagem, o homem se
torna humano, passa a ser um ser cultural. Dessa forma, dialeticamente, o homem
transforma o seu meio e é transformado por ele (VYGOTSKY, 2000). Quando do
surgimento da língua de sinais e do seu reconhecimento, há a necessidade social e
política da criação de leis e diretrizes para desenvolver a equidade social, dentre elas as
que regulamentam a acessibilidade dos surdos às informações no campo da educação.
Ao criar suas leis e concepções, os homens também transformam o meio, colocam no
espaço outrora exclusivo do professor e aluno, o profissional intérprete de LIBRAS
como mediador do processo de aprendizagem do aluno surdo.
Este movimento de transformação, pautada pela introdução da língua de sinais
no espaço educacional, nos revela que a realidade não é estática, ou seja, todo fenômeno
tem uma origem e evolução. Neste dado momento de pesquisa (2006-2011), este
profissional está se consolidando como também um profissional do campo da educação,
sua denominação, papéis e conhecimentos requeridos ainda estão em processo de
estabilização. Diante esse contexto histórico conturbado, quais seriam os conhecimentos
elegíveis para seleção desse profissional? Esta questão nos remete a segunda categoria
de análise.
Dentre os critérios de inscrição nas provas, algumas poucas instituições exigiam
a certificação Exame Nacional de Proficiência em LIBRAS (PROLIBRAS),
observamos a relação entre diploma e cargo, citado por Bourdieu (1998). Instituiu-se
PROLIBRAS com o intuito de legitimar um conhecimento das pessoas que já tinham a
competência linguística (conhecimento muitas vezes empírico da Língua de Sinais),
88
Libras em estudo: tradução/interpretação
mas não possuíam a formação exigida pelo decreto nº 5.626/05. Essa alternativa
encontrada pelo MEC para atender os alunos surdos, contribuiu significativamente para
a formação de uma classe de profissionais que até então não tinha a legitimação. Esse
diploma (certificado do PROLIBRAS) atribui a seus detentores um status social que
possibilita a esses profissionais se constituírem distintamente em relação a outros
grupos profissionais. Aos detentores do PROLIBRAS, garantiram-se não só a
legitimação profissional, mas também a competência para atuarem em diferentes
contextos sociais incluindo a educação. Essas competências por vezes são reduzidas
apenas à capacidade de ocupar um cargo.
Explica-se aí o crescimento dos cursos de LIBRAS para a formação de
intérpretes, objetivando suprir o mercado de trabalho de mão de obra “qualificada”. O
sistema de ensino possui um papel capital nesse confronto entre detentores de diploma
versus detentores de cargos, em outras palavras, o diploma é o responsável pela
diferença entre estar legitimado para concorrer a um cargo e ter competência para
exercê-lo, como aponta Bourdieu (1998).
Essa identidade nominal conquistada pela regulamentação da profissão de
intérprete não garante a priori uma identidade real, em outras, palavras há uma
disparidade entre o nome e a função do profissional principalmente quando atua no
campo educacional.
Dessa forma se faz necessária uma reflexão histórica sobre o processo de
construção do profissional intérprete de LIBRAS no Brasil de forma a garantir uma
identidade profissional nominal que seja mais próxima da sua atuação real,
compreendendo-o como parte integrante de um contexto histórico complexo.
Objetivamente, cabe às empresas concessionárias e as Secretarias de Educação
ter clareza do perfil do profissional intérprete de LIBRAS, as interfaces de sua área de
atuação, suas atribuições, buscando um consenso elaborando suas provas com uma
sensata definição do cargo objeto do concurso, com estratégias adequadas para
avaliação
do
intérprete,
considerando
as
condições
de
acesso
ao
cargo
(formação/titulação) e a posição social na qual essa nova ocupação se insere.
Aos intérpretes que atuam ou pretendem atuar profissionalmente cabe agora
conquistar a identidade profissional (real), bem como a classificação de sua ocupação
dentro das classificações das profissões, buscando a melhoria na qualificação
profissional e o fortalecimento enquanto classe com uma formação que contemple as
exigências do mercado de trabalho.
89
Libras em estudo: tradução/interpretação
(2) Conhecimento legítimo exigido para contratação de intérprete educacional
Analisando as quinze provas organizadas/elaboradas por órgãos/instituições
federais, estaduais e municipais de ensino do Brasil, verificamos que 100% exigem
conhecimentos de língua portuguesa e 30% de geografia e história como conhecimento
geral. Este campo da prova não foi nosso foco de análise, pois buscamos identificar se
existe um padrão nacional no que se considera como conhecimento específico para o
exercício do cargo de intérprete de LIBRAS, considerando apenas a parte que
compreende o que é chamado de conhecimento específico. Para a inscrição nestes
concursos, geralmente, se tem como exigência de formação o Curso de Ensino Médio
com Curso de formação na área de LIBRAS, sem muita especificação.
Dentre a parte de conhecimento específico, a média de questões solicitadas foi
de 25 questões. O maior número foi de 40 questões e o menor de 10 questões. Em 90%
das provas específicas, há maior predominância de questões da área da linguística ou
gramática de LIBRAS.
Para melhor apresentar os dados, optamos por inicialmente apresentar uma
tabela com os dados quantitativos e logo em seguida desenvolver o texto descritivoanalítico.
Total de questões de
conhecimento específico
8
6
7 5
4
30
Professor
nível 3intérprete
de Libras
Intérprete
de Libras
Escolas
estaduais
2 10
0
0
7
2 10
0
0
8
9
1 4
6
30
0
2 1
7
20
Outros
Legislação - LIBRAS
Conhecimento pedagógico,
didática
Ética e Situação problema
História da Ed. e política
educacional
2
0
0
9
Ano
Escolas
municipais
Educação
básica
Local de trabalho
Professor
Intérprete
de Libras
Cargo
Instituição contratante
Região Estado
Linguística e gramática de
Libras
Distribuição das
questões das provas de
concurso
Contexto social e histórico
NORDESTE
Tocantins
Rondônia
Rondônia
Estado do Tocantins secretaria do Estado
da AdministraçãoFundação
CESGRANRIO
Secretaria do Estado
da Educação
FUNCAB
Governo do Estado de
Rondônia
Escolas
municipais
90
Libras em estudo: tradução/interpretação
NORTE
Maranhão
Maranhão
Secretaria do Estado
da Administração Fundação Carlos
Chagas
Universidade Federal
do Maranhão Núcleo de eventos e
concursos
Intérprete
de Libras
(superior)
Escolas de
educação
básica
Tradutorintérprete
de
Linguagem
de Sinais
Tradutor
intérprete
de Libras
Ensino
superior
Paraíba
Prefeitura Municipal
de Aroeiras Aclapam
Educação
básica
Goiás
Universidade FederalCentro de Seleção da
UFG
Intérprete
de Libras
I
Secretaria
da
Educação
Mato
Grosso do
Sul
Secretaria Municipal
de Educação de
Campo Grande
Rede
municipal
de Ensino
Goiás
Universidade Federal
de Goiás - governo
ProfessorTradutor/
interprete
de Libras
Intérprete
de Libras
–
Professor
nível III
2 9
0
0
9
2 21
0
0
9
6
2 8
8
0 6
2 16
0
1
0
2
2 6
2
28
2 9
0
1
1
2 7
0
1
1
2 9
0
1
0
2
3 4
2
20
2
6 2
3
20
2
3 4
2
20
3
1 3
9
25
5
30
35
CENTRO-OESTE
Educação
básica
SUDESTE
Espírito
Santo
Universidade Federal
do Espírito Santo
São Paulo
Prefeitura Municipal
de Ribeirão Pires
Minas
Gerais
Prefeitura Municipal
de Cataguazes- MGCONSULPLAN
Intérprete
de
Linguage
m de
sinais
Intérprete
de Libras
Ensino
2 9
0
0
9
Escolas
Municipais
Intérprete
de Libras
Escolas
municipais
2 24
0
0
6
2 3
0
0
7
7 4
35
2
2
1 2 10
2 4
0
1
0
2 1
0
0
6
4
1
1
3
3
2 1 10
2 8
0
0
8
4
0 0
SUL
Rio
Grande
do Sul
Prefeitura Municipal
de São LeopoldoACAPLAN
Santa
Catarina
Prefeitura Municipal
de FlorianópolisFEPESE
Tradutor/
Intérprete
de Libras
Intérprete
da Língua
Brasileira
de Sinais
Paraná
Universidade Federal Tradutor
do Paraná - Próe
reitoria
Intérprete
de Libras
(1) 2 questões sobre servidor público
Escolas
municipais
Ensino
municipal
Ensino
superior
4
10
16
91
Libras em estudo: tradução/interpretação
A partir da organização das questões de conhecimento específico e da
classificação delas por área de conhecimento, chegamos às seguintes áreas: a)
Linguística e gramática da LIBRAS; b) História da Educação e política educacional, c)
Legislação – LIBRAS d) Conhecimento pedagógico, didática; e) Ética e Situação
problema; f) Outras, nas quais discutiremos a seguir:
a) Linguística e gramática da LIBRAS
As questões, nesta área do conhecimento, recorrem a conteúdo principalmente
nos campos de fonética e fonologia, morfologia e sintaxe, pouco requerido é o campo da
semântica ou pragmática. Isso pode ser um reflexo da escassez da própria descrição da
LIBRAS nos campos da semântica ou pragmática.
As questões nesse campo, na maioria das provas, requerem a identificação de
conceitos pontuais, a análise das provas demonstrou em todas as regiões a exigência de
um conhecimento linguístico sobre um aspecto teórico da gramática de língua de sinais
como regras de formação de frase, parâmetros de formação de sinais e vocabulário
básico de LIBRAS. Em questões com redação mais refinada e por consequência melhor
elaboradas, são solicitados conhecimentos mais específicos da gramática da LIBRAS,
sendo recorrentes a bibliografia de Quadros (1996 e 2007), 17 citações em apenas uma
prova de 25 questões, Quadros e Karnnop (2004), Rosa (2006), Ferreira Brito (1998),
principalmente nas provas de âmbito federal. A análise demonstrou que as provas em
âmbito estadual e municipal além de terem menos questões apresentam mais erros e
incoerências com relação ao que é gramática de LIBRAS, em várias provas, os
conceitos apresentados pelos autores supracitados aparecem, porém de forma diluída
nos enunciados sem referência aos autores. Como por exemplo:
QUESTÃO 26
- Basicamente, na Libras, há dois tipos de verbos: os que possuem marca de concordância e os verbos
que não possuem marca concordância. São exemplos de verbos que possuem marca de concordância:
(A) ANDAR, PERGUNTAR e BRINCAR.
(B) PULAR, SABER e VER.
(C) GOSTAR, AMAR e ESTUDAR.
(D) RESPONDER, AJUDAR e DAR.
Fonte: caderno de provas do concurso prefeitura municipal de Aparecida de Goiânia – Secretaria de
educação aplicado em 23-01-2011
92
Libras em estudo: tradução/interpretação
Essa dificuldade na formulação de questões relevantes revela que a equipe
encarregada de elaborar as questões pouco ou nada sabe sobre a LIBRAS e sobre o
campo específico. Flagramos, por exemplo, a solicitação de reconhecimento do alfabeto
manual, mas nas imagens foram apresentadas as configurações de mão que compõem o
alfabeto manual da língua americana de sinais. Como mostra a imagem abaixo:
50 – Os símbolos abaixo
representam as letras na seguinte
ordem:
a)
b)
c)
d)
ABCDE
ACEGI
AÇOFI
ICOPD
22- A figura abaixo representa:
a)
b)
c)
d)
Lobo
Elefante
Papagaio
Onça
Fonte: Caderno de Provas do concurso da Prefeitura de Ribeirão Pires
para o cargo de intérprete de Libras RP01/2006- LIBRAS
Na mesma prova, constatamos que foram 5 ocorrências de erros, ou seja, 14%
da prova específica comprometida. Além da identificação de letras do alfabeto
americano, a prova foi formulada com 13 questões de identificação de Sign Writing
(escrita de sinais) que compuseram 54% da parte da prova destinada à gramática da
LIBRAS, sem referências das imagens com vocabulário básico, como pode ser
exemplificado acima (questão 22).
15) Analise as afirmativas:
I. A língua de sinais é uma mistura de pantomima e gesticulação concreta, incapaz de expressar conceitos
abstratos.
II. As linhas de sinais derivam da comunicação gestual espontânea dos ouvintes.
III. A datilogia é mais usada para expressar nome de pessoas, localidades e outras palavras que não
possuem um sinal específico.
Está(ão) correta(s) apenas a(s) afirmativa(s):
A) I, II B) III C) I, II, III D) II E) II, III
Fonte: Concurso público – Município de São Leopoldo. Edital nº001/2010
Questões com erro de digitação, concordância ou redação foram recorrentes. Na
questão acima, na afirmativa II, a redação apresenta: ‘As linhas de sinais” ao invés de
“As línguas de sinais”.
O ponto mais agravante é refletir sobre qual a relevância de tais questões para a
atuação do intérprete educacional. O conhecimento requerido, geralmente, é um
conhecimento de descrição da LIBRAS de nível básico ou elementar.
93
Libras em estudo: tradução/interpretação
Se considerarmos todos os aspectos envolvidos em uma avaliação de
proficiência linguística conforme elencado por Pereira (2008), as questões apresentadas
nas provas analisadas, não avaliam o grau de proficiência linguística do candidato. Em
tese, havendo o conhecimento sobre a bibliografia do concurso é suficiente para realizar
a prova. Em todas as regiões do Brasil esse conhecimento sobre a gramática e a
linguística da LIBRAS tem-se estabelecido como conhecimento legítimo a ser exigido
ainda que de forma incoerente e desarticulada da prática como pode ser verificado por
meio do gráfico comparativo das regiões:
Gráfico 1: Representação em % das questões específicas de gramática de libras e linguística nas cinco
regiões do pais.
Os conhecimentos sobre a gramática e linguística da LIBRAS somam em média
55% dos conhecimentos exigidos na parte específica. A região nordeste, pela
amostragem, é que apresenta maior equilíbrio entre os níveis federal, estadual e
municipal e as provas mais extensas com questões mais elaboradas. No sudeste, a
exigência maior está no nível estadual, porém a prova analisada não exige um
conhecimento mais refinado da área da linguística, ao contrário apresenta questões com
respostas simples e de fácil dedução lógica, além de várias questões de identificação e
reconhecimento do alfabeto manual, como ocorre também na região norte, centro oeste
e sul em âmbito municipal.
94
Libras em estudo: tradução/interpretação
b) História da Educação e Política Educacional
Na área de História da educação e política educacional, constatamos questões
referentes à história da educação dos surdos, principalmente às correntes filosóficas
(oralismo, comunicação total e bilinguismo), construção e identificação da cultura surda
e política de inclusão. As questões, de uma forma geral, apresentam-se sem referências
bibliográficas, chamando a atenção para o evento do Congresso de Milão, citado 9
vezes em diferentes provas. Esse fato histórico é considerado de suma importância para
a avaliação do conhecimento histórico do candidato a intérprete. Outros eventos no
Brasil e no mundo como Congresso de Intérpretes, ano do reconhecimento da profissão
aparecem principalmente nas provas da região norte em âmbito estadual, essa prova
apresenta um peso significativo dessa área 30% das 20 questões de conhecimento
específico.
A maioria das questões sobre
história traz na sua formulação a
resposta, demonstrando que não é uma
questão de conhecimento histórico,
mas principalmente de interpretação do
texto como demonstrado ao lado: Com
relação às perguntas sobre cultura e
identidade surda, apresentam-se como
referências bibliográficas as autoras
Padden (1989) e Perlim (2001) com 4
citações nas provas analisadas:
28-No ano de 1880, no Congresso de Milão, a política
educacional referente aos surdos foi modificada em
toda a Europa e, consequentemente, em todo o mundo
graças à influência do otofonista Alexandre Graham
Bell.
Nesta mudança, estabeleceu-se a
(A)
Filosofia educacional pautada no uso da
oralização, língua de sinais e comunicação total.
(B)
Contratação de professores surdos para as
instituições de ensino por toda a Europa.
(C)
Vitória do oralismo em relação aos sinais
metódicos.
(D)
Comunicação total, sendo obrigatório seu uso
em todas as instituições escolares da Europa.
(E)
Utilização da língua de sinais livremente
dentro das instituições escolares e nos grupos sociais.
Fonte: Caderno de provas do concurso público para
professor-intérprete de Libras do estado de Tocantins,
aplicada em outubro de 2009
95
Libras em estudo: tradução/interpretação
QUESTÃO 41
É por meio da cultura que uma comunidade se constitui, se integra e se identifica. A construção de uma
identidade surda depende da proximidade que o surdo tem da cultura surda e da posição que assume
diante da sociedade. Perlin (2001) define algumas delas, tais como, identidade
(A) De Transição, quando o surdo passa, sem conflitos culturais, da comunicação visual oral para a
comunicação visual sinalizada, e Surda quando o surdo é representado por discursos culturais.
(B) Flutuante, quando o surdo consegue se manifestar satisfatoriamente tanto na comunidade ouvinte
quanto na comunidade surda, e Inconformada quando o surdo só consegue se manifestar na comunidade
surda e fica triste por não conseguir fazê-lo com os ouvintes
(C) Surda, quando o surdo está no mundo dos ouvintes e desenvolve experiências pessoais na língua de
sinais, e Hibrida, quando a pessoa nasce ouvinte e ensurdece posteriormente, desenvolvendo tanto o
pensamento quanto a língua de sinais dependentes da língua oral.
(D) Flutuante, quando o contato do surdo com a língua de sinais e com a comunidade surda acontece
precocemente, e de Transição, quando o surdo tenta se representar segundo o mundo ouvinte.
Fonte: Caderno de prova do concurso público para o cargo de Intérprete de Libras do estado de Goiás.
A história poderia ser melhor explorada, mas as questões apresentam-se de
forma descontextualizada, reforçando a ideia de Alves (1995) sobre a fragmentação do
saber, na medida em que não estabelece uma relação relevante como tal conhecimento
pode influenciar na atuação do intérprete em sala de aula. Somente a prova de Goiás
traz duas perguntas dissertativas, as quais permitem uma possibilidade de
posicionamento (pela modalidade da questão) sobre o seu papel no contexto de sua
atividade profissional, conforme apresentamos abaixo.
Fonte: Caderno de prova do concurso público para o cargo de Intérprete de Libras do estado de Goiás. UFG 2010
A escolha por questões dissertativas permite que a avaliação do candidato esteja
focada no seu conhecimento sobre a área e não em sua interpretação do texto.
96
Libras em estudo: tradução/interpretação
18. O decreto nº 5626 de 22 de dezembro de 2005 garante ao aluno com surdez o Atendimento Educacional
Especializado (AEE). Leia as proposições abaixo sobre a oferta do AEE e assinale V para verdadeiro e F para falso:
( ) O AEE ao aluno com surdez deve ser ofertado no contra turno da escolarização em salas de recursos, com todos
os recursos pedagógicos e tecnológicos que favoreçam o aprendizado desse alunado.
( ) Os professores do AEE não necessitam entrar em contato com o professor regente, nem com o interprete do
aluno que atendem, já que os mesmos são responsáveis pela elaboração do plano escolar
( ) Para o AEE ao aluno com surdez é necessários que haja pelo menos um professor ouvinte bilíngue e um
instrutor ou professor surdo.
( ) Para o trabalho do AEE ao aluno com surdez foram organizados pelo MEC três momentos didáticos
pedagógicos: AEE de Libras, AEE de Língua Portuguesa.
(a) V, F, V, F
(b) F, F , V, V
(c) V, V, F, F
(d) V, F, F, V
Fonte: Caderno de prova do concurso público para o cargo de intérprete de Libras da Prefeitura Municipal de
Campo Grande, aplicada em 2011
Com relação às políticas públicas de inclusão, questões de política educacional
tem como base o decreto nº 5626/05 e suas implicações desde a formação do intérprete,
do professor de LIBRAS e o atendimento ao aluno surdo à atuação do intérprete na sala
de aula que vai ser melhor estudada na área de legislação da LIBRAS, essa legislação
vem se consolidando como um conhecimento legítimo de alcance nacional tanto na
reorganização da escola como no direcionamento das políticas públicas.
História e política educacional
Federal
Estadual
Municipal
40
30
20
17
20
13
10
8
0
Norte
1
Nordeste
20
13
10
0
Sudeste
0
Centro
Oeste
Sul
Gráfico 2: Representação em % das questões específicas de história e política educacional nas cinco
regiões do país.
Como pode ser observado no gráfico, a distribuição das questões, considerando
todas as regiões, é bastante variável, ocorrendo a exigência da área analisada em todas
97
Libras em estudo: tradução/interpretação
as provas em âmbito federal. Há uma discrepância importante nas provas da região
norte e nordeste no âmbito municipal onde não há ocorrência de questões sobre a
história da educação dos surdos, apesar desse conhecimento ser exigido nos níveis
federais e estaduais. De uma forma geral, as provas em âmbito municipal têm questões
de fácil dedução, mesmo na região sudeste e sul onde há um número significativo de
questões da área no âmbito municipal, as mesmas exigem um conhecimento pontual da
história da educação dos surdos, citando personagens importantes como referência às
fases da educação, com perguntas de formulação confusa.
c) Legislação – LIBRAS
A análise mostrou que além do conhecimento sobre a gramática da LIBRAS o
conhecimento sobre a Legislação da LIBRAS se revela de grande peso já que aparece
em 90 % das provas. O nível de exigência com relação a essa área é bastante variável,
vai desde a identificação do número da legislação como da lei nº10436/02 e do decreto
nº 5626/05 (principalmente) como à interpretação da lei sobre a formação do intérprete,
do papel do intérprete em sala de aula, questões sobre a acessibilidade, a formação em
LIBRAS na graduação. Como demonstram os exemplos abaixo:
45. Que instrumento legal regulamentou a formação do tradutor e intérprete de libras?
A) Lei nº 10.436/2002
B) Lei 9394/1996
C) Decreto nº 5626/2005
D) Ainda não existe instrumento legal que trate da formação do tradutor e intérprete de libras.
E) Lei nº 10.098/2000
Fonte: Caderno de prova do concurso de Professor nível 3 /2008 - intérprete de Libras, Secretaria do
Estado da Educação de Rondônia
34ª Questão - A formação do ILS, historicamente, tem se baseado em ações diárias, empíricas e muitas
vezes de cunho religioso. Hoje, o decreto 5626/2005:
A) A formação do tradutor e intérprete de Libras- Língua Portuguesa deve efetivar-se por meio de curso
superior de Tradução e Interpretação, com habilitação em Libras – Língua Portuguesa.
B) Os intérpretes, além da formação de nível superior em tradução, deverão passar por uma banca da
FENEIS para poderem atuar como profissionais.
C) De acordo com o decreto 5626/2005, as igrejas continuam responsáveis pela formação dos
intérpretes, porém as associações de surdos precisam aprovar esse intérprete, para que possa atuar como
profissional.
D) O PROLIBRAS, é um instrumento definitivo para a formação desse profissional, já que, com esse
certificado, o mesmo se encontra pronto para atuar como intérprete em qualquer área e por isso não tem
a necessidade de fazer curso superior de Tradução e Interpretação.
E) As instituições de ensino têm a opção de contratar o intérprete de língua de sinais ou não.
Fonte: Caderno de prova do concurso de Tradutor-interprete de Libras da Universidade Federal do
Espírito Santo/2009
98
Libras em estudo: tradução/interpretação
A prova de Ribeirão
30- De acordo com o Art. 93 da Lei 8.213/91, a empresa com
100 (cem) ou mais empregados está obrigada a preencher de
2% (dois por cento) a 5% (cinco por cento) dos seus cargos
com beneficiários reabilitados ou pessoas portadoras de
deficiência habilitadas. Na proporção de 201 a 500
empregados qual é a porcentagem de vagas?
a)
2%
b)
3%
c)
4%
d)
5%
_________________________________________________
47- Na resolução nº 734/1989, de acordo com o artigo 54, o
candidato à obtenção de carteira nacional de habilitação
portador de deficiência auditiva igual ou superior a 40 db,
considerado apto no exame otonerológicos, só poderá dirigir
veículo automotor da(s) categoria(s):
a)
A
b)
B
c)
A ou B
d)
A, B ou C
Caderno de prova do concurso público para o cargo de
intérprete de Libras da Ribeirão Pires, RP 01/2006.
Pires revela que apesar de usar a
legislação da LIBRAS, apresenta
outras questões sobre legislação
de acessibilidade e inclusão que
não se refere à atuação do
intérprete nem a seu campo de
trabalho, ou seja, o ambiente
escolar. Até que ponto este
conhecimento sobre a legislação
interfere
nas
atribuições
suas
no
futuras
campo
educacional?
Gráfico 3: Representação em % das questões específicas de legislação de LIBRAS nas cinco regiões do
país.
A legislação aparece em algumas provas analisadas sem a citação direta da lei,
mas de forma diluída em conceitos como a área de atuação do intérprete e atribuições
que foram consideradas em outra categoria de análise, portanto não se enquadrando
nessa categoria. A prova da prefeitura municipal de São Leopoldo e da Universidade
Federal do Paraná apresenta uma parte específica de legislação, porém não faz
referência à legislação da LIBRAS, as perguntas estão voltadas à vida do servidor e
legislação da prefeitura com citações à LOM (Lei Orgânica do Município) e ao estatuto
99
Libras em estudo: tradução/interpretação
da UFPR, respectivamente. A prova de Florianópolis das 3 perguntas sobre legislação
somente 1 refere-se especificamente a legislação da LIBRAS, o peso maior das
referidas provas está em gramática de LIBRAS e a história da educação dos surdos. Na
região norte, que demonstra um número mais expressivo em âmbito federal, a legislação
enfoca não só a formação do intérprete como também a de professores de LIBRAS que
não é o objetivo do concurso, mais uma vez reflexo da falta de identificação da área de
atuação do intérprete de LIBRAS. Quem é esse profissional? É um professor de
LIBRAS que vai ensinar a língua para os alunos surdos contribuindo para a sua
acessibilidade? Ele é um profissional da educação ou um técnico? Essa questão será
melhor explorada na próxima categoria de análise.
d) Conhecimento pedagógico e didático
Como a área principal de atuação desse profissional é o ambiente educacional
(escolas municipais/estaduais/ensino médio e superior), na grande maioria das provas,
um número considerável de questões sobre a educação e legislação educacional em
especial a LDB nº 9394/96, com foco no capítulo que trata da educação especial com os
referidos artigos de acessibilidade e inclusão é apresentado. Ainda na área pedagógica,
são elencados conhecimentos sobre o fazer pedagógico, conhecimentos sobre política de
inclusão, classificação da deficiência e conceito de surdez.
58. Para a inclusão dos alunos surdos, nas escolas comuns, a educação bilíngue - Língua
Portuguesa/LIBRAS desenvolve o ensino regular na Língua Portuguesa e na Língua de Sinais. Para que
isso ocorra, é necessário:
(A) O ensino da Língua Portuguesa como primeira língua na modalidade oral e tradutor/intérprete de
LIBRAS - Língua Portuguesa.
(B) O ensino de Língua Portuguesa como segunda língua na modalidade gestual e tradutor/intérprete de
LIBRAS - Língua Portuguesa
(C) O ensino de Língua Portuguesa como segunda língua na modalidade escrita e tradutor/ intérprete de
LIBRAS- Língua Portuguesa
(D) O ensino de Língua Portuguesa como segunda língua na modalidade escrita e oral além do
tradutor/intérprete de LIBRAS- Língua Portuguesa
(E) O ensino da Língua Portuguesa como primeira língua na modalidade escrita e tradutor/ intérprete de
LIBRAS- Língua Portuguesa
Fonte: Caderno de provas para ao concurso público de intérprete de Libras Secretaria Estadual do
Maranhão, FCC/2009
100
Libras em estudo: tradução/interpretação
30. Observe a tabela abaixo, baseada no Caderno TV Escola
GRAUS
DE
PERDA
AUDITIVA
CARACTERÍSTICAS
LEVE
Os fonemas não são todos igualmente percebidos, a voz fraca ou a distância não é
ouvida. A criança é considerada desatenta e pede às demais pessoas que repitam o
que é falado
MODERADA
É preciso uma voz de certa intensidade para que seja convenientemente
compreendida. A criança terá dificuldade na aquisição da linguagem falada, do
vocabulário e na articulação das consoantes
ACENTUADA
É necessária uma voz muito forte em um ambiente propício para que seja ouvida.
Na criança com esta deficiência não existe uma linguagem espontânea.
SERVERA
Não ouve os sons da fala em nível de conversação. Apresenta severos problemas
na fala, retardo na linguagem distúrbios na aprendizagem e desatenção.
PROFUNDA
Não ouve os sons da fala, percebe apenas ruídos muito fortes. Apresenta
problemas graves de fala e linguagem, distúrbios de aprendizagem e desatenção.
Apenas os sons mais graves podem ser percebidos.
A surdez é considerada moderada quando a perda, em decibéis é
(A) De 25 a 40
(B) De 41 a 55
(C) De 56 a 70
(D) De 71 a 90
(E) Acima de 91
Fonte: Caderno de provas do concurso para o cargo de professor- intérprete de libras do Estado de
Tocantins, Secretaria Estadual da Administração/2009
Considerando-se o histórico do processo de formação de intérpretes no Brasil,
sabemos que a grande maioria que está atuando não possui formação pedagógica,
excetuando-se os professores de surdos que já atuam na área e atualmente estão
migrando das extintas salas de aula (classes especiais) para o cargo de professorintérprete ou professor-interlocutor de Libras, como ocorre em algumas Secretarias de
educação, como citado por Albres (2010).
101
Libras em estudo: tradução/interpretação
QUESTÃO 37
De acordo com as Diretrizes Nacionais da Educação Especial, a organização do atendimento de alunos
com necessidades especiais na rede regular de ensino deve prever serviços de apoio pedagógico
especializados, que são os serviços educacionais diversificados a ser oferecidos pela escola comum para
responder às necessidades educacionais especiais do educando e envolvem professores com diferentes
funções, sendo uma delas a de professores-intérpretes da Libras. Nessas Diretrizes, o professorintérprete é assim descrito:
(A) São profissionais especializados para atuar na tradução-interpretação do Português escrito para
Língua Brasileira de Sinais, emitindo suas considerações sobre o Português escrito.
(B) São profissionais especializados para apoiar alunos surdos, surdocegos e outros que apresentem
sérios comprometimentos de comunicação e sinalização.
(C) São profissionais especializados para atuar com alunos surdos que apresentem
comprometimento de sinalização, fazendo a tradução-interpretação entre as línguas orais e
sinalizadas, criando, quando necessário, sinais para compreensão desses alunos surdos.
(D) São profissionais especializados para apoiar alunos surdos, com perda auditiva profunda, que se
comunicam pela Língua Brasileira de Sinais ou pelo Português oral.
Fonte: Caderno de provas do concurso público pra o cargo de intérprete de LIBRAS de Prefeitura
Municipal de Aparecida de Goiânia. UFG/2011
Porém a exigência desse conhecimento tem-se legitimado pela ocorrência
frequente nas provas analisadas. A questão pedagógica envolve conhecimento sobre a
legislação da LIBRAS e educacional (LDB/Diretrizes/Pareceres), a história da educação
e o conceito de surdez (mesmo com enfoque clínico, recorrente em 3 provas analisadas),
além de conhecimentos sobre o fazer pedagógico em sala de aula e o papel do
professor/intérprete dentro de um contexto de inclusão. Novamente aparece a dualidade
professor/intérprete, fica evidente pela análise das provas que o papel do intérprete no
âmbito escolar ainda não está bem delimitado, até onde vai sua área de atuação?
As recentes pesquisas sobre as funções dos intérpretes educacionais indicam que
é comum ocorrer a confusão entre os papeis de professor e de intérprete. Algumas
secretarias de educação assumem o intérprete também como professor, neste caso
ocorre uma proposta de co-docência. A co-docência ocorre quando o intérprete
educacional tem uma participação efetiva no trabalho pedagógico junto ao professor
regente da sala produzindo materiais, criando estratégias pedagógicas com o objetivo de
propiciar o aprendizado de todos os alunos, não há uma divisão do trabalho professor ou
intérprete, ambos são responsáveis pelos alunos surdos ou não, como descreve Tuxi
(2009). A autora destaca a importância de esse profissional ter a formação pedagógica
102
Libras em estudo: tradução/interpretação
que lhe garanta a capacidade de interferir de forma produtiva no aprendizado do aluno
surdo e contribuir para o aprendizado dos demais alunos.
Outros pesquisadores destacam que o papel do intérprete é essencialmente
interpretar e que não deve interferir nos aspectos pedagógicos, sendo seu papel,
discrição,
distancia
profissional,
confiabilidade,
imparcialidade
e
fidelidade
(QUADROS, 2004).
Constatamos que nas provas do Sul do país, as questões que versem sobre a
temática pedagógica foi praticamente inexpressiva em comparação com outros estados,
como Norte e Nordeste.
De forma geral, os conhecimentos pedagógicos estão relacionados à legislação
educacional, ao fazer pedagógico e à rotina escolar, a reincidência de tais questões nas
provas analisadas indica que a área pedagógica tem-se constituído como conhecimento
legítimo para o intérprete educacional, pela área principal de atuação que é a sala de
aula. Determinar quem é, para quem trabalha, qual a sua história e do outro, como
dividir seu espaço e qual o seu papel dentro do contexto sócio-histórico, é um desafio
para a formação dos futuros intérpretes e das equipes que contribuem para a contratação
desses profissionais.
Conhecimento Pedagógico
Federal
Estadual
Municipal
40
35
30
26
21
20
20
16
12 11
4
1
Norte
Nordeste
Sudeste
Centro
Oeste
2
0
4
Sul
Gráfico 4: Representação em % das questões referentes a conhecimento pedagógico nas cinco regiões
do país.
103
Libras em estudo: tradução/interpretação
e) Ética e Situação problema
Essa categoria de análise também tem uma ocorrência significativa nas provas
que compuseram o banco de dados, o enfoque das questões não fica restrito a situações
éticas, mas referem-se também à formação histórica desse profissional, as competências
desejáveis, como se posicionar frente a diferentes situações. De uma forma geral pela
análise das provas e das áreas anteriormente estudadas, esse campo é o que possui
questões formuladas mais próximas da possível realidade do intérprete em sala de aula.
Ocorrem da mesma forma erros graves com relação ao papel do intérprete e sua
identidade, como pode ser observado abaixo:
26- É papel do profissional Intérprete de
LIBRAS, professor de surdo ou itinerante.
Exceto:
69- O “professor-intérprete” pode interferir com
comentários a respeito do assunto durante as aulas?
A) Sim, sem problema algum.
A) Interferir positivamente na vida
pessoal do surdo.
B) Não, ele deve apenas transmitir as
informações passadas pelo professor.
B) A difusão da LIBRAS.
C) Ser fiel a interpretação.
C) Sim, ele pode parar a interpretação e comentar
para a classe toda.
D) Manter sigilo do que lhe foi confiado
por um surdo.
D) Sim, mas deve fazer isso em público e para o
aluno surdo.
E) Respeitar normas, horários e
vestimentas.
E) Não, ele deve procurar a diretoria para
esclarecer o ocorrido.
Fonte: prova do concurso público para o cargo
de Interprete de Libras da Prefeitura Municipal
de Aroeiras, PB, aplicada em 02/2010
Fonte: caderno de provas do concurso público para o
cargo de intérprete de LIBRAS, do estado do
Maranhão, FCC/2009
12) São deveres fundamentais do Instrutor de Libras:
I)
Manter uma atitude imparcial durante o transcurso da interpretação, evitando interferências e
opiniões próprias a menos que seja requerido pelo grupo a fazê-lo.
II)
Ser uma pessoa de alto caráter moral, honesto, consciente, confidente e de equilíbrio emocional.
III)
Esforçar-se pra reconhecer os vários tipos de assistência ao surdo e fazer o melhor para atender às
suas necessidades particulares.
IV)
Procurar manter a dignidade, o respeito e a purezas das línguas envolvidas.
Estão corretas apenas as afirmativas:
A)
III, IV
B) I, II, III
C) II, III
D) I, II
E) I, II, III, IV
Fonte: Caderno de provas do concurso público para o cargo de intérprete de libras da Prefeitura Municipal
de São Leopoldo/CONSULPLAN/2010
A falta de referência nas questões acima e o erro de conceito do que é um
intérprete de LIBRAS impede que o candidato consiga identificar a resposta correta
104
Libras em estudo: tradução/interpretação
uma vez em que não está claro o que é um professor-intérprete e, o instrutor de LIBRAS
(professor), aparece com as atribuições de um intérprete. Essa grande quantidade de
erros deve-se ao fato dessa ser uma profissão que ainda está em processo de construção
de sua identidade. Para Bourdieu (1978), a definição do cargo bem como das funções as
quais se submete são princípios importantes para a classificação desse profissional em
uma categoria específica ainda que o nome do cargo (intérprete educacional) possibilite
afiliação a outras categorias como professor e instrutor de LIBRAS.
A Região Sul é a que apresenta, nessa categoria de análise, maior equilíbrio
entre as esferas municipal, estadual e federal e a sudeste a maior disparidade entre os
âmbitos estaduais e federal. Em relação às outras áreas de análise, esta é a que apresenta
maior ocorrência no âmbito municipal, ou área de atuação do futuro intérprete, a escola
municipal regular.
Ética e situação problema
Federal
20
Municipal
36
35
13
Estadual
20
17 16
20 20 20
15
10
7
10
0
Norte
Nordeste
Sudeste
Centro
Oeste
Sul
Gráfico 5: Representação em % das questões de ética e situação problema nas cinco regiões do país.
Considerações Finais
Consideramos, a partir da análise dos dados, que a adoção de prova de concurso
requerendo apenas conteúdos teóricos e, muitas vezes, superficiais, desta forma, não
garantindo que o profissional aprovado esteja de fato apto para a atuação como
intérprete educacional.
Outra questão curiosa e não menos importante, encontra-se na falta de avaliação
do processo de interpretação e de cunho mais prático. Apesar de algumas provas
105
Libras em estudo: tradução/interpretação
apresentarem questões sobre as competências do intérprete, somente uma apresenta
além da prova teórica uma entrevista e prova prática.
No que se refere à formação ou titulação do candidato ao cargo intérprete
educacional tem-se selecionado pessoas com formação em nível médio ou em nível
superior, sem uma área muito definida, atribuindo valor legítimo ao Decreto nº 5626/05
(base de perguntas em todas as provas analisadas), bem como ao PROLIBRAS como
exigência para a inscrição nos concursos públicos. Neste ponto concordamos com
Bourdieu (1998), onde nem sempre o diploma (título) traz a competência para exercício
da função, assim como os conhecimentos teóricos sobre a LIBRAS não trazem em si
uma competência linguística para a atuação do intérprete em sala de aula.
Por meio da análise das provas, é possível perceber as contradições e
ambiguidades implícitas reveladas pelo caráter emergencial com o qual o Estado precisa
dar conta da demanda de surdos incluídos por meio da contratação de intérpretes
educacionais, sem, contudo, garantir o atendimento de qualidade aos alunos provendoos de profissionais deficitários em sua formação, legitimados pelo próprio sistema
(diploma) e mal avaliados no contexto dos processos de seleção por meio dos concursos
analisados em âmbito nacional, reproduzindo a marginalização do direito das
comunidades surdas, ainda que em contexto de inclusão.
Como a profissão do intérprete está em processo de construção, muitas
ressignificações ainda são necessárias para a efetiva conquista de uma identidade
profissional. As mudanças ocorridas nesta última década com relação à política de
inclusão forçaram mudanças no perfil desse profissional, cabe agora a essa classe
trabalhadora lutar pelo pleno reconhecimento dessa profissão e todas as implicações
contidas nessa desde a formação, conquista da sua classificação na hierarquia das
profissões e coerente avaliação das competências necessárias para o exercício do cargo,
e cabe às empresas concessionárias e Secretarias de educação criar a demanda por
cursos de qualificação profissional na medida em que melhorem a seleção e organização
dos conteúdos exigíveis nos concursos públicos para o cargo de intérprete educacional.
Referências
ALBRES, Neiva de Aquino. Ações para a contratação de Intérpretes de Libras na educação
básica de escolas públicas de São Paulo. In: Anais do V CIATI - Congresso Internacional de
Tradução e Interpretação UNIBERO enfocando o tema "Tradução e Interpretação:
(des)construindo Babel" - 17 a 20 de maio de 2010. São Paulo: UNIBERO, 2010a.
106
Libras em estudo: tradução/interpretação
ALBRES, Neiva de Aquino. Processos de produção e legitimação de saberes para o currículo de
pós em libras na formação de intérpretes. para uma especialização? In: Anais do Congresso de
Tradutores intérpretes de Língua de sinais – UFSC. Novembro de 2010b.
http://www.congressotils.cce.ufsc.br/pdf/Neiva%20de%20Aquino%20Albres.pdf
ALVES, Gilberto Luiz. A relação entre plano de estudos e sociedade: A propósito de uma
abordagem histórica de Currículo. In: Intermeio-Revista do mestrado de Educação – UFMS Campo Grande,v.1,n.1,p.44-52,1995.
APPLE, Michael W. A política do conhecimento oficial: faz sentido a ideia de um currículo
nacional? In: MOREIRA, Antônio Flavio Barbosa; SILVA, Tomaz Tadeu. Currículo, cultura e
sociedade. São Paulo: Cortez, 2002.
Decreto no 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de
2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de
19 de dezembro de 2000. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, 22 dez. 2005.
BOURDIEU, Pierre. O diploma e o cargo: relações entre o sistema de produção e o sistema de
reprodução. In: NOGUEIRA, M. A.; CATANI, A. (orgs.). Escritos de educação. Petrópolis:
Vozes, 1998 [1975]. p. 127-144.
GHIRALDELLI, Paulo. História da educação brasileira. São Paulo: Cortez, 2006.
MOREIRA, Antônio Flavio e SILVA, Tomaz Tadeu. Sociologia e Teoria Crítica do Currículo:
uma introdução. MOREIRA, Antônio Flavio e SILVA, Tomaz Tadeu (orgs.). Currículo, cultura
e sociedade. São Paulo: Cortez, 2002.
PEREIRA, Maria Cristina Pires. Testes de proficiência linguística em língua de sinais: as
possibilidades para os intérpretes de libras. São Leopoldo / RS. Dissertação apresentada ao
Programa de Pós-graduação em Linguística Aplicada da Universidade do Vale do Rio dos Sinos
como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Linguística Aplicada por. 2008.
http://editora-arara-azul.com.br/cadernoacademico/pirespereiramc2008dissertacao.pdf
QUADROS, Ronice Muller. O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua
portuguesa / Secretaria de Educação Especial; Programa Nacional de Apoio à Educação de
Surdos - Brasília : MEC ; SEESP, 2004.
TUXI, Patrícia. A atuação do intérprete educacional no ensino fundamental. 2009. 112 f.
Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade de Brasília, Brasília, 2009.
http://repositorio.bce.unb.br/bitstream/10482/4397/1/2009_PatriciaTuxi.pdf
VIGOTSKY, Lev Semionovich. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2000.
107
Libras em estudo: tradução/interpretação
108
Libras em estudo: tradução/interpretação
GUIA-INTÉRPRETE PARA PESSOA COM
SURDOCEGUEIRA: REFLEXÃO SOBRE AS
TENDÊNCIAS E PERSPECTIVAS DE SUA FORMAÇÃO1
Silvia Maria Estrela Lourenço2
Resumo
O presente artigo busca discutir a atual formação proporcionada aos guias-intérpretes
que atendem às pessoas com surdocegueira, oferecida pela ABRASC e GRUPO
BRASIL DE APOIO AO SURDOCEGO. Objetiva-se analisar como tem sido
organizada essa formação, a fim de proporcionar aos profissionais da área, condições
para trabalhar com as especificidades da pessoa com surdocegueira, analisar as grades
curriculares dos países analisados e um paralelo dos cursos realizados nesses países.
Esse trabalho tem como referencial teórico alguns princípios do materialismo histórico,
e por meio de uma coleta de dados da realidade que envolve o trabalho do Guiaintérprete, partindo da realidade atual, mediar uma análise dos dados coletados e
também documental. Para desenvolver este estudo foram realizadas entrevistas abertas
com uma guia-intérprete e profissionais ligadas à área da surdocegueira vinculados às
instituições promotoras de formação e uma análise documental dos currículos dos
cursos de formação nos EUA, Colômbia e Brasil. Os resultados indicam a necessidade
de consolidar a profissão de guia-intérprete, buscar parcerias e recursos para que essa
formação se efetue de forma acadêmica, junto aos órgãos públicos e às instituições de
ensino superior.
Palavras-chave: formação para guia-intérprete, currículo, história da educação.
Introdução
Constatamos que o movimento da Comunidade surda passa a ter maior
visibilidade, sobretudo nos anos 2000, que permite hoje a discussão sobre eles como
parte da diversidade cultural e de inclusão social, temas que passam a habitar
obrigatoriamente o debate sobre a necessidade de profissionais intérpretes como
instrumento de acessibilidade. No caso das pessoas com surdocegueira se faz necessário
incluir os guias-intérpretes, familiares das pessoas com surdocegueira. Assim, a política
nacional é contagiada, de forma positiva, pela discussão da diversidade, em grande parte
1
Trabalho orientado pela Professora Mestre Neiva de Aquino Albres.
2
Especialista em Tradução/ Interpretação e ensino de Língua Brasileira de Sinais pela FAAG.
109
Libras em estudo: tradução/interpretação
a partir desta articulação no interior das escolas, no interior do movimento sociais em
todo o país.
A surdocegueira é uma condição única em que se combinam perdas visuais e
auditivas que produzem graves problemas de comunicação e outras necessidades de
desenvolvimento e aprendizagem. Algumas pessoas com surdocegueira apresentam
perdas totais desses sentidos, outras não, podendo manter resíduos auditivos e/ou
visuais. A pessoa com surdocegueira utiliza várias formas de comunicação para
interagir, acessar as informações e desenvolver técnicas de orientação e mobilidade para
explorar e conhecer o seu ambiente (GRUPO BRASIL, 2005).
As pessoas com surdocegueira necessitam de formas específicas de comunicação
para terem acesso à educação, lazer, trabalho, vida social, entre outros, faz-se necessário
o trabalho do guia-intérprete que é um profissional capacitado que possibilita que a
pessoa com surdocegueira seja independente tanto para se locomover como para se
comunicar. Conviver com a surdocegueira é se defrontar com um mundo totalmente
diferente e muito rico de experiências, exigindo conhecimento e técnicas específicas
para que se possa desbravá-lo com mais habilidade e eficiência (GRUPO BRASIL,
2005).
Existem duas categorias de pessoas com surdocegueira, os congênitos e os
adquiridos. O trabalho realizado com os congênitos envolve a atuação de um Instrutor
mediador3, o Guia-intérprete trabalha com a pessoa com surdocegueira adquirida, que é
aquela pessoa que no percurso de sua vida adquiriu a surdocegueira posteriormente à
aquisição da linguagem4, quando a pessoa com surdocegueira necessita de um
atendimento mais especializado, ele também pode utilizar o trabalho do Instrutor
mediador. Essas pessoas podem ser: pessoas nascidas com audição e visão normal e que
adquiriram perdas totais ou parciais de visão ou adição; pessoas com perda auditiva ou
surdas congênitas com deficiência visual adquirida; e pessoas com perda visual ou cegas
congênitas com deficiência auditiva adquirida (GRUPO BRASIL, 2005).
Para Maia (2005), “no processo de inclusão é necessário levar em consideração a
importância do profissional guia-intérprete e ou do instrutor-mediador, pois será a
3
O Instrutor mediador é o profissional que fornece intervenção para uma pessoa surdocega e
deficiente múltipla sensorial. Ele faz a mediação entre a pessoa que é surdocega e o seu
ambiente para capacitá-la a se comunicar com o mesmo e receber informações não distorcidas
do mundo a seu redor. (The W. Ross Macdonald School Deafblind Resource Services,
Brantford, Ontário [1], (sem paginação) (MAIA et. al., 2008, p. 123).
4
Fonte:
http://www.sordoceguera.org/vc3/sordoceguera/clasificacion/sordoceguera_adquirida.php
110
Libras em estudo: tradução/interpretação
conexão da pessoa com surdocegueira com o mundo que o rodeia” (MAIA, 2005, p.
107).
O Profissional guia-intérprete é aquele que serve de canal de comunicação e
visão entre a pessoa com surdocegueira e o meio no qual ela está interagindo, ele deve
apresentar algumas habilidades essenciais para que consiga transmitir todas as
informações de modo fidedigno e compreensível à pessoa com surdocegueira. Seu
trabalho basicamente consiste na transliteração ou interpretação, descrição visual e as
funções de guia vidente (PETRONI, 2010).
O guia-intérprete tem formação específica que lhe permite compreender a
mensagem em uma língua, extrair o sentido por meio da informação linguística
(palavras, orações, aspectos como intensidade, tom, timbre, entonação, acentuação,
ritmo e pausa), extra linguística (pistas sonoras ou visuais provenientes do emissor e da
situação comunicativa), contextualizar o sentido da língua de destino – interpretação –
ou na mesma língua em outro sistema de comunicação utilizado pela pessoa com
surdocegueira. Descrever o que ocorre em torno da situação de comunicação, a qual
inclui tanto o espaço físico em que esta se apresenta como as características e atividades
das pessoas nela envolvidas. Esta habilidade denomina-se Descrição Visual; Facilitar o
deslocamento e a mobilidade da pessoa com surdocegueira no meio, a qual é chamada
de Guia (RODRÍGUEZ, 1999). O guia-intérprete deve respeitar as dimensões afetiva,
intelectual e a vontade da pessoa com surdocegueira. Alguns aspectos a serem levados
em conta são: Confidencialidade, Fidelidade e Exatidão, Imparcialidade, Seletividade e
Discrição (PETRONI, 2010).
Minha escolha em tratar esse tema, se dá pelo fato de eu atuar como Guiaintérprete de pessoas com surdocegueira adquiridas. O presente trabalho tem por
objetivo registrar o histórico da formação profissional do Guia-intérprete no Brasil com
a pessoa surdocega adquirida, público alvo desse profissional.
Currículo e Sociedade
Nas diversas formas de sociedades que marcaram a existência da humanidade, as
propostas de educação produzidas são históricas, ou seja, elas germinam, passam por
um processo evolutivo, entram em crise e se degradam, com dois momentos
fundamentais: a construção e o desenvolvimento da proposta e o momento de sua crise
e decomposição (ALVES, 1995, p. 44).
111
Libras em estudo: tradução/interpretação
De acordo com a sociedade capitalista da época para superar a especialização do
saber, Alves (1995) em sua concepção a resume em: no plano da organização do
currículo, a formação universitária deve pleitear três momentos: Fixar-se nos estudos
que ofereçam uma visão clara da sociedade concreta de nossos dias; Exigir que a área
de atuação seja analisada em suas relações com a sociedade; e a formação específica
que se programa para cada modalidade profissional.
No Brasil é a formação em nível Superior que tem se responsabilizado pela
profissionalização, pela titulação de profissionais. O Conselho Nacional de Educação
delibera quanto à carga horária e conteúdos mínimos de cursos avaliando por meio de
indicadores a qualidade do ensino oferecido pelas Instituições de Ensino Superior.
Para Bourdieu (2007[1978]) existe uma incessante busca pela classificação, ou
seja, pela atualização do seu título (certificado).
O Guia-intérprete, por enquanto, não possui uma formação acadêmica, sua
classificação está incluída no cadastro de ocupações na classe dos intérpretes, sua
formação é realizada por uma Organização não governamental, o Grupo Brasil de
Apoio ao Surdocego, em parceria com Órgãos internacionais, e com respaldo
governamental como Secretarias Estaduais e Municipais de Educação. Em 2007 teve o
apoio do MEC, atualmente está em parceria com a Universidade Luterana do Brasil Ulbra, na modalidade online em curso de aperfeiçoamento, assim os guias-intérpretes
poderão concorrer a um lugar na sociedade, garantindo esse direito.
Isso nos faz repensar que as principais vítimas da desvalorização dos títulos
escolares são aqueles que entram no mercado de trabalho sem diplomas, isso pode
acontecer pela extensão progressiva do monopólio daqueles que detém o poder desses
títulos. O autor nos coloca que,
A generalização do reconhecimento conferido ao título escolar tem
por efeito, sem dúvida, unificar o sistema social de diplomas e
qualidades que dão direito à ocupação de posições sociais e reduzir os
efeitos de grupos isolados, ligados à existência de espaços sociais
dotados de seus próprios princípios de hierarquização: sem que o
título escolar chegue jamais a impor-se completamente, pelo menos,
fora dos limites do sistema escolar, como padrão único e universal do
valor dos agentes econômicos (BOURDIEU, 2007[1978], p. 151).
112
Libras em estudo: tradução/interpretação
Ao vivenciar a defasagem, Bourdieu (2007) anuncia que os jovens iniciam uma
luta contra a desclassificação por meio da adoção de estratégias para tentar escapar à
desclassificação, portanto é preciso ou produzir novas profissões mais ajustadas às suas
pretensões ou reordenar as profissões às quais o seu diploma dá acesso, constituindo um
dos fatores importantes da transformação das estruturas sociais. As dialéticas da
desclassificação e da reclassificação estão presentes no conjunto de processos sociais, e
implica e exige que todos busquem o mesmo resultado, com os mesmos objetivos, essa
luta de classes faz com que seus membros entrem em uma corrida de perseguição, de
concorrência e que condenam cada agente reagir por si só aos efeitos das inúmeras
reações dos outros agentes, ou mais precisamente, ao resultado da agregação estatística
de suas ações isoladas (BOURDIEU, 2007[1978], p. 182).
Segundo Alves (1995), a importância de uma formação completa do indivíduo,
ou seja, um indivíduo filosófico, com atitudes reflexivas e críticas a cerca do Ser
humano e um indivíduo político, participativo e preparado para gerir os negócios do
Estado.
A trajetória investigativa... buscando os documentos
Schaff (1995) mostra que há diferentes visões dos historiadores em todos os
tempos, mesmo com métodos e técnicas de investigação aperfeiçoadas. Cada um, a sua
maneira, tem a sua versão da verdade daquilo que esta em questão, o que acabou
aproximando-os da filosofia. Segundo Benedetto Croce,
Toda a escolha e todo o encadeamento de fatos pertencentes a um
grande domínio da história, história local, ou mundial, história de uma
raça ou de uma classe são inexoravelmente controlados por um
sistema de referência daquele que seleciona ou reúne os fatos. [...]
Pode consistir em uma grande concepção da história ou numa simples
compilação de pontos de vista confusos [...] (CROCE, apud SCHAFF,
1995, p. 69).
O processo do conhecimento é formado pela tríade: sujeito, objeto
conhecimento. Schaff (1995) nos mostra os três modelos do processo do conhecimento:
o primeiro modelo é sobre a teoria do reflexo, onde o objeto do conhecimento atua
113
Libras em estudo: tradução/interpretação
sobre a percepção do sujeito, um agente passivo, contemplativo e receptivo, registrando
os estímulos vindos do exterior, o produto desse processo é o reflexo, a cópia do objeto
e este está relacionada com a ação mecânica do objeto sobre o sujeito; o segundo
modelo, idealista e ativista, a predominância volta ao sujeito que conhece, onde o objeto
do conhecimento é sua produção, como criador da realidade; o terceiro modelo ocorre
uma interação entre o sujeito e o objeto, onde é atribuído um papel ativo ao sujeito que
sofre influências das determinações sociais, que introduzem no conhecimento uma visão
de realidade socialmente transmitida.
Schaff (1995) pautado na perspectiva materialista histórico dialética de Marx,
em suas teses, elenca três elementos constitutivos: o primeiro é sobre o individuo
humano como “conjunto das relações sociais”, o segundo é a concepção do
conhecimento como atividade prática, atividade sensível, concreta e o terceiro é a
concepção do conhecimento verdadeiro como um processo infinito, visando à verdade
absoluta por meio da acumulação das verdades relativas. Para se respeitar as teorias
marxistas é preciso aceitar o modelo objetivo-ativista da relação cognitiva, que forma as
teses como um todo orgânico.
A relatividade indica que o conhecimento humano é cumulativo, que se
desenvolve no tempo e esse desenvolvimento é acompanhado de mudanças das
verdades formuladas como resultado desse conhecimento. Em segundo lugar, a palavra
em si possui dois casos: uma conotação diferente, uma designa a definição primeira de
juízo verdadeiro e a segunda emprega-se como forma abreviada da expressão
“conhecimento verdadeiro”.
O conhecimento é, pois um processo infinito, mas um processo
acumulando as verdades parciais que a humanidade estabelece nas
diversas fases do seu desenvolvimento histórico: alargando, limitando,
superando estas verdades parciais, o conhecimento baseia-se sempre
nelas e toma-as como ponto de partida para um novo conhecimento
(SCHAFF, 1995, p. 97).
Objetivou-se investigar a trajetória da formação de guia-intérpretes no Brasil,
visando tecer análises sob um viés comparativo, na perspectiva de desvendar as
influências na formação atual, como ela se constituiu.
114
Libras em estudo: tradução/interpretação
Dadas às especificidades do tema e, principalmente, dos questionamentos a
serem respondidos, se fez necessária à constituição dos “dados”, no dizer de Certeau
(1976), também por meio da história oral, ou do uso do testemunho da “memória viva”,
“àquele que pode, por meio entrevistas, narrar práticas, acontecimentos, vivências
passadas, por ter participado diretamente, estando presente naquele lugar e naquele
tempo”.
O procedimento de pesquisa usado foi entrevistas abertas com a profissional que
é multiplicadora do curso de formação no Brasil e trabalha como guia-intérprete, e
profissionais que trabalham na área da Surdocegueira e que tiveram experiências com o
processo de formação oferecido pela Abrasc em conjunto com o Grupo Brasil.
O outro procedimento usado foi a análise dos currículos dos cursos de formação,
levantando informações sobre o trabalho de formação do guia-intérprete, principalmente
nos Estados Unidos da América, Colômbia e Brasil. Esses locais foram escolhidos por
serem referências em formação, os EUA por serem referência na área da Interpretação
de Intérpretes de Língua de Sinais, a Colômbia por ser a tutora do curso de formação do
Guia-intérprete no Brasil. A análise do Brasil se deu em dois momentos, a formação
inicial e a formação atual do Guia-intérprete mostrando sua evolução do currículo até o
presente momento.
Este estudo foi guiado pelas seguintes perguntas de pesquisa:
- Quais instituições nacionais e internacionais estiveram envolvidas na formação de
guia-intérpretes do Brasil? Quais as tramas interinstitucionais para promover a
formação?
- Em que níveis de ensino essas formações foram desenvolvidas?
- Quais as influências políticas para fomentar essa formação?
Iniciativas internacionais para formação de guia-intérprete
Internacionalmente, o NCDB (National Consortion of Deaf-Blind) é uma
instituição que presta assistência técnica nacional às crianças e jovens com
surdocegueira, trabalha com informação e treinamento de pessoa, principalmente, nos
Estados Unidos da América.
115
Libras em estudo: tradução/interpretação
Fonte: National Consortion of Deaf-Blind (NCDB)
O NCDB é um centro nacional de educação de intérpretes, tendo cinco centros
regionais de formação de intérpretes nos EUA, como consta no mapa acima.
Internacionalmente, geralmente, os cursos para guia-intérprete são incorporados
ao currículo de formação de Intérpretes de Língua de Sinais para surdos. Os tópicos dos
cursos listados abaixo foram genericamente apontados para refletir os tipos de temas
que normalmente são incluídos em Programas de formação de Intérpretes de ASL
(American Sign language - língua americana de sinais).
Currículo Nacional de Formação intérpretes que trabalham com pessoas com
surdocegueira
O Consórcio Nacional de Intérprete de Centros de Educação é financiado pelo EUA
Departamento de Educação - 2005 - 2010
Introdução ao Campo de Interpretação
Definições e Descrições da surdocegueira, Parte
1
os métodos de comunicação
Respostas de Emergência
Etiologias da surdocegueira
Experimentando Perda da visão - O Ciclo de Luto
Identificando
a
definição
nacional
de
surdocegueira
Papel do intérprete educacional vs Interventor
A cultura surda
Surdocegueira, uma visão geral
Entendendo a cultura da pessoa com
surdocegueira
A experiência comunitária com pessoas com
surdocegueira
Conhecer a Tecnologia usada por pessoas com
Preconferencing, Modificações e Fronteiras
Interpretando de Material Impresso: Menus,
Diagramas e Gráficos
Anotações e condensação em ASL
Interpretação - Incluindo Informações Visuais
Interpretação Ajustes
Ergonômicos e as questões ambientais que afetam
a interpretação
Interpretação III (Avançado)
A consciência do Comportamento não Verbal
Consciência do contexto: Social, Visual, Histórico e
Cultural
Interpretando Símbolos Visuais: Mapas, Planilhas e
Gráficos
Análise e Priorização de Conteúdo Dentro do
Contexto
Análise e Pertinência: Comunicação Não-Verbal
116
Libras em estudo: tradução/interpretação
surdocegueira
Interpretação: Inclusão do contexto cultural
Resumindo Textos Simultaneamente
Interpretação de sinais para voz
Cópia de Sinais consecutivos: Expressando
Observação crítica e discussão
Expressar entre diferentes idiomas de origem
Texto de Análise: Perspectiva Ouvinte
Foco Determinação da Interpretação: Perspectiva
Métodos Táteis e Técnicas de Comunicação
Ouvinte
Técnica sobre a voz
Tipos de Interpretação: linguagem falada ou Integração do ambiente na produção de linguagem
de sinais
escrita
Adicionando a expressão facial, movimento
Interpretação de voz para sinais
Sinais consecutivos Cópia: sinais
corporal e emoção
Cópia simultânea de sinais
Uso de marcadores linguísticos para esclarecer
Modificações e acomodações para a interpretação informações
Acomodações para baixa visão e reduzidos campos
Métodos de comunicação tátil
periféricos
Interpretação I (Iniciante)
Definições e Descrições da surdocegueira, Parte
Com uma mão e duas mãos de língua de sinais tátil
II
Acessando os materiais apresentados em formato
a perspectiva de pessoas com surdocegueira,
multimídia
parte I
Técnicas para apoiar os alunos que são surdocegos,
Os Fundamentos do Toque
em discussões em pequenos grupos
Fundamentos das Técnicas de guia vidente
Ética
[Ética] Situações
Interpretação de Informação Médica
Avaliando a Confiança e Confiabilidade
Modalidades
Ética
Interpretação para pessoas com surdocegueira:
Implicações para o intérprete é o papel do
O Processo de Tomada de Decisão
Métodos e Técnicas de Comunicação
Tomada de decisão ética
Estabelecer Planos para Intérpretes e pessoas com Implementação de novas habilidades na tomada de
surdocegueira
decisão
Técnicas de guia-vidente
Identificar e resolver problemas
Métodos e Técnicas de Comunicação Tátil
ASL / Estudos Surdos
Tipos de perda de visões e diferentes etiologias
Papéis e relações
Modificações e acomodações para a interpretação Planos de carreira e recursos da comunidade
Comunicação Não Verbal
Métodos de comunicação tátil
Fundamentos das Técnicas de guia vidente
Interpretação II (Intermediário)
Características únicas de Interpretação para Respostas de Emergência
pessoas com surdocegueira
Dar e receber feedback
Descrevendo o Ambiente Visual
Copia de sinais e retransmissão de Interpretação
A perspectiva de pessoas com surdocegueira,
Parte II
Reuniões do grupo: avaliação das necessidades
de Interpretação
Fonte: HECKER-CAIN, Jane; MORROW, Susanne Morgan; FRANTZ, Richelle, 2008.
A Europa também tem um grupo de pesquisa e formação de guia-intérprete. A
SHIA é tutora de projetos e programas na África, Ásia, Europa e América Latina
atendendo especificamente à Bolívia, Bósnia, Nepal, Nicarágua, Sri Lanka, Tanzânia e
Ruanda. O objetivo desta instituição é fortalecer as organizações que trabalham com
deficientes e organizar uma ação para a mudança social garantindo os direitos das
pessoas com deficiência.
Dessa forma, na America latina, atende à ASCN (Associação de Sordo Ciego de
Nicarágua) e COBOPDI (Confederação Boliviana de las Personas con Discapacidad).
117
Libras em estudo: tradução/interpretação
Países atendidos pela SHIA
Fonte: http://www.shia.se/shia-i-varlden
De acordo com a SHIA, as atividades no projeto são:
• Treinamento para novos membros.
• Treinamento para os membros a serem formadores em língua
gestual.
• Informar e sensibilizar os membros e famílias por meio de visitas
domiciliares.
• Realizar um levantamento do número de pessoas com surdocegueira
que estão na Nicarágua.
• Condução defesa da surdocegueira.
• Desenvolver uma proposta para melhorar a situação educacional de
pessoas com surdocegueira, na Nicarágua.
• Interagir com agencias governamentais que lidam com questões de
importância para a integração da saúde, educação, reabilitação e
trabalho.
• Participar e coordenar com de forma mais ampla pela FECONORI
(Federacion de Asociaciones de Personas com Discapacidad)
organização e outras organizações nacionais e redes internacionais.
(SHIA, 2009)
Constatamos que a SHIA não trabalha diretamente com a formação de guiaintérprete. Apesar de a Suécia ser tutora da América Latina. – contato direto com a
FLASC (Federação Latino Americana de Surdocegos) que por sua vez tem trabalhado
em conjunto com as instituições brasileiras.
Outros países da América Latina também têm buscado a formação para o guiaintérprete, com o apoio da ONCE5 (Organización Nacional de Ciegos Españoles) e da
Sense Internacional para Latinoamérica.
5
A ONCE é uma organização não governamental de solidariedade social e sem fins lucrativos
espanhola. O objetivo desta organização é melhorar a qualidade de vida dos cegos e deficientes
visuais de Espanha.
118
Libras em estudo: tradução/interpretação
A ONCE por meio da FOAL (Fundação Once América Latina) possui um
projeto global de colaboração que está permitindo consolidar um movimento
associativo dos cegos latino-americanos, ela contribui para a criação de empregos e de
melhoras educativas para os cegos desses países. Ela potencializa a realização, de forma
direta, de programas de promoção de trabalho, formação e capacitação profissional,
integração social e prestação de serviços sociais para pessoas com deficiências visuais
dos países ibero-americanos, em seus respectivos estados.
A SENSE Internacional é uma organização multinacional de caráter não
governamental, que busca promover os direitos das pessoas com surdocegueira no
mundo. Sua missão é apoiar o desenvolvimento de serviços sustentáveis por meio de
projetos realizados com pessoas com surdocegueira, suas famílias, organizações
privadas e governamentais nacionais e internacionais e por meio de capacitações a
profissionais que trabalham com este grupo, desenvolvendo suas habilidades que façam
parte ativamente da sociedade, ela desde 1996 ajuda o Brasil em seus projetos.
As referidas instituições trabalham diretamente com a pessoa com surdocegueira
e indiretamente com a formação de guia-intérprete.
O POSCAL6 (Programa para la Creación de Asociaciones de Personas
Sordociegas en América Latina - Programa de Criação de Organização para Pessoas
Surdocegas na América Latina) funciona desde 1995 atende a 14 países na America
Latina:
Chile,
Argentina,
Uruguai,
Brasil,
Honduras,
Guatemala,
República
Dominicana, Cuba, Colômbia, Nicarágua, Venezuela, Equador, Bolívia e Peru. A FSDB
é uma associação das pessoas com surdocegueira na Suécia de âmbito nacional e está
trabalhando para conquistar os direitos de plena participação, igualdade, independência
e autodeterminação para as pessoas com surdocegueira em todas as áreas da sociedade.
O Equador, país que também conta com essas ajudas internacionais, possui na
pessoa de Sonnia Margarita Villacres Mejia - uma referência, na Surdocegueira. Sonnia
é uma pessoa que apresenta surdocegueira com uma história de vida e luta que tem
divulgado a surdocegueira em seu país e em muitos países da América Latina, ela é
também Presidente da FLASC - Federação Latino Americana de Surdocegos e Vice-
6
O POSCAL teve inicio por meio da iniciativa de Yolanda De Rodriguez que foi a diretora do
projeto. Yolanda foi uma pessoa com surdocegueira, paraplégica, que durante a IV Conferência
Mundial Helen Keller, na Suécia, em 1993, conheceu os programas da FSDB e da SHIA. Mas
foi somente na V Conferência Mundial Helen Keller, em 1995 que entrou em contato com o
presidente da FSDB, com um projeto para atender a América Latina.
119
Libras em estudo: tradução/interpretação
presidente da WFDB (World Federation of the Deaf-Blind - Federação Mundial de
Surdocegos).
Na Colômbia a FENASCOL7 (Federación Nacional de Sordos de Colombia) tem
trabalhado para atender as pessoas com surdocegueira e para a formação dos guiasintérpretes. O governo de Bogotá, a partir de 2005 começa a pagar pelos serviços do
guia-interprete para mediação de estudantes com surdocegueira. (SERPA, 2009)
Plazas (2000) descreve que na Colômbia o primeiro programa de formação de
intérpretes para surdos e para pessoas com surdocegueira aconteceu de maio de 1997 a
julho de 1998. Foram desenvolvidos quatro módulos, de dez dias de duração cada. Com
duração total de 410 horas de curso. A capacitação envolveu aspectos teóricos e
técnicos de interpretação para pessoas surdas e de guia-interpretação para pessoa com
surdocegueira.
A FENASCOL e a POSCAL em parceria enviaram da Suécia em 1996, três
pessoas (uma surda Patricia Ovalle, uma profissional em interpretação María Margarita
Rodriguez e uma profissional em surdocegueira Sandra M. Cavajal) para receber a
capacitação. Acrescentou-se a Surdocegueira na FENASCOL, aos cursos de formação
de intérpretes de língua de sinais e aproveitando a realização da Conferência Mundial
Helen Keller na Colômbia em 1997, formaram 35 intérpretes e guias-intérpretes
(SERPA, 2011). Com o apoio da FSDB, no mesmo ano, os líderes das pessoas com
surdocegueira da Suécia viajaram para a América Latina (Colômbia) juntamente com
seus Guias-intérpretes, e é cultural neste país atender as necessidades das pessoas com
deficiência, sendo assim havia dois profissionais para cada pessoa com surdocegueira.
Enquanto em outros países da América Latina ainda são voluntários ou
familiares que realizavam o trabalho com essas pessoas, a POSCAL desenvolveu um
curso em cada país que participou de suas reuniões ou que trabalham com essa
população. Foi organizado um projeto pela POSCAL no qual um profissional da
FENASCOL viajou a cada país e juntamente com cada associação capacitou os
7
A FENASCOL, foi criada em 06 de Maio de 1985, tem como missão ajudar a melhorar a
qualidade de vida das pessoas surdas através da defesa de seus direitos e implementação de
ações e programas que atendam suas necessidades.
120
Libras em estudo: tradução/interpretação
profissionais, nesse curso foram ensinados aspectos quanto ao Sistema de comunicação,
ética, descrição visual, orientação e mobilidade, etc. (SERPA, 2011)8.
Constatamos que a ONCE, a ULAC (União Latino Americana de Cegos) e a
POSCAL deram o suporte para a formação do guia-intérpretes e consequentemente para
o atendimento à pessoa com surdocegueira inicialmente e hoje apóia a FLASC.
Dalva Rosa e Clarissa Ipólito, professora e intérprete de Libras, foram escolhidas
para ir a Bogotá - Colômbia no ano de 2000 fazer o curso de capacitação com María
Margarita Rodrigues (com objetivo de serem multiplicadoras no Brasil), o modelo desse
curso teve como base a formação proposta na Suécia. Sendo que na Colômbia, este
curso é somado ao curso dado aos intérpretes de língua de sinais de surdos como uma
complementação profissional.
Currículo do curso na Colômbia
Taller de multiplicadores de La capacitación a guías intérpretes empíricos para
personas sordociegas - Bogotá, Colombia de 10 a 14 de Julio de 2000 – Carga
horária: 48 horas
Agenda de trabalho
Dia 1
Inanguración de La capacitación
Unidad didáctica nº1
Presentación de los participantes y de la
capacitación: Aspectos referidos a formación de
facilitadores
Unidad didáctica nº2
Educación Tradicional VS Andragogía9
Unidad didáctica nº3
Fases del aprendizaje em La educación de adultos
Dinâmica de Iniciación
Unidad didáctica nº4
Facilitación de procesos de aprendizaje
Unidad didáctica nº5
Educación de adultos y didáctica
Evaluación de La sesión
Dia 2
Unidad didáctica nº6
Educación de adultos y didáctica
Unidad didáctica nº7
Facilitación, técnicas y médios (Primera parte)
Unidad didáctica nº7
Facilitación, técnicas y médios (Segunda parte)
conceptos básicos
Unidad didáctica nº 7TEMA V: Rol del guiaintérprete para personas con sordoceguera
Unidad didáctica nº7
TEMA V: Rol del guia-intérprete para
personas con sordoceguera
Unidad didáctica nº8
TEMA VI: Técnicas de guia-interpretación
para personas con sordoceguera: guia,
descripción visual e interpretación
Unidad didáctica nº9
TEMA VII: Técnicas de descripción visual
TEMA X: Habilidades propias de la actividad
de guia-interpretación: descripción visual, guía
e interpretación
SUBTEMA A: Habilidades de guia
Unidad didáctica nº10
TEMA VIII: Técnicas de guia
TEMA X: Habilidades propias de la actividad
de guia-interpretación: descripción visual, guía
e interpretación
SUBTEMA B: Habilidades de guia
Unidad didáctica nº11
TEMA IX: Técnicas de interpretación
8
SERPA, Ximena. Curso para guias-intérpretes [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por
<[email protected]> em 27 Jul. 2011.
9
Andragogía – disciplina que se ocupa da Educação de adultos, revisa e transforma aspectos
emocionais, cria redes de multiplicadores de guias-intérpretes. (Anotações de Dalva Rosa
Watanabe)
121
Libras em estudo: tradução/interpretação
Tecnología y educación, listas de correo y aula
virtual (Conferencia)
Tecnología y educación, listas de correo y aula
virtual (Continuación)
Evaluación de La sesión
Dia 3
Unidad didáctica nº1
Presentación de La capacitación: Aspectos
referidos a guia-interpretación: objetivos y
estructura
Unidad didáctica nº2
Evaluación inicial de los contenidos y
aclaraciones.
Unidad didáctica nº2(Continuación)
Evaluación inicial de los contenidos y
aclaraciones.
Unidad didáctica nº3
TEMA I: Presentación de La capacitación
Unidad didáctica nº4
TEMA II: Indivíduo con sordoceguera
Dia 4
Unidad didáctica nº5
TEMA III: Reconstrucción de La organización de
La comunidad de las personas con sordoceguera
Unidad didáctica nº6
TEMA
IV:
Generalidades
acerca
de
interpretación: conceptos básicos
Unidad didáctica nº6 (Continuación)
TEMA
IV:
Generalidades
acerca
de
interpretación:
Fonte: Apostila do curso da aluna Dalva Rosa
TEMA X: Habilidades propias de la actividad
de guia-interpretación: descripción visual, guía
e interpretación
SUBTEMA C: Habilidades de interpretación
Unidad didáctica nº11(Continuación)
TEMA IX: Técnicas de interpretación
TEMA X: Habilidades propias de la actividad
de guia-interpretación: descripción visual, guía
e interpretación
SUBTEMA C: Habilidades de interpretación
Unidad didáctica nº12
TEMA X: Habilidades propias de la actividad
de guia-interpretación: descripción visual, guía
e interpretación
SUBTEMA
D:
Habilidades
de
guiainterpretación
Unidad didáctica nº12 (Continuación)
TEMA X: Habilidades propias de la actividad
de guia-interpretación: descripción visual, guía
e interpretación
SUBTEMA
D:
Habilidades
de
guiainterpretación
Unidad didáctica nº13
TEMA XI: Ética del guia-intérprete para
personas con sordoceguera
Unidad didáctica nº14
Evaluación
Dessa forma, alguns profissionais brasileiros tiveram sua formação fora do país,
ainda que na América Latina, para então trazer estas experiências internacionais e
adaptá-las à realidade brasileira, e são estes profissionais que compõem o corpo
deliberativo das organizações não governamentais representativas de pessoas com
surdocegueira no Brasil.
Experiências de formação de guia-intérprete no Brasil
No Brasil, da mesma forma, as instituições que trabalham com essa população
assumiram o papel da formação de profissionais específicos para seu atendimento e
acompanhamento. O IBC (Instituto Benjamin Constant) é um centro federal de
referência para questões da deficiência visual, trabalhando com produção de material,
capacitação de profissionais e assessoria às escolas. Seu foco principal é o trabalho com
pessoas cegas, todavia, oferece cursos voltados aos profissionais que atuam com
pessoas com surdocegueira. O seu curso sobre surdocegueira está voltado às técnicas e
122
Libras em estudo: tradução/interpretação
possibilidades educacionais da pessoa com surdocegueira congênita, estimulação
precoce, atividades de vida diária, e orientação e mobilidade, não havendo como
exigência o conhecimento de Libras para os cursistas, estando mais voltado para
formação de professores (INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT, 2011).
Já o Grupo Brasil de Apoio ao Surdocego e ao múltiplo deficiente sensorial10,
uma organização não governamental desenvolve suas ações em parceria com a
ABRASC11 e têm seu trabalho voltado para a formação de guias-intérpretes.
As duas instituições sempre trabalharam juntas com o objetivo de atender às
pessoas com surdocegueira e em promover sua qualidade de vida, bem como na
formação dos profissionais Guias-intérpretes e Instrutores Mediadores. O curso de
capacitação de guia-intérprete teve apoio do MEC durante a ação de Formação de
Multiplicadores nas áreas de Surdocegueira e Deficiência Múltipla Sensorial na cidade
de Recife no ano de 2007, em alguns estados brasileiros acontecem parcerias isoladas
com secretarias de educação estaduais e municipais.
No Brasil, o primeiro curso de guia-intérprete aconteceu em 1999 em parceria
com a FENASCOL, o POSCAL e a FSDB. O primeiro curso de Guia-intérprete teve
período de uma semana, com carga horária de 48 horas, na cidade de São Caetano do
Sul, Estado de São Paulo. Foram convidadas 13 pessoas para participar do curso,
pessoas ligadas às instituições que atendiam pessoas com surdocegueira e múltiplos
deficientes. O curso foi similar ao curso realizado na formação de Guias-intérpretes em
países como a Colômbia, Peru e Equador.
10
O Grupo Brasil de Apoio ao Surdocego é uma rede de organizações, profissionais
especializados, pessoas com surdocegueira e famílias que foi criado em 1997 e
institucionalizada como organização civil, de caráter social, sem fins lucrativos em 22 de
Outubro de 1999. Tem como missão promover a qualidade de vida e ampliação de serviços para
pessoas com surdocegueira e com múltipla deficiência sensorial. (GRUPO BRASIL, 2011)
11
A ABRASC (Associação Brasileira de Surdocegos) é uma organização civil, de caráter
privado, sem fins lucrativos, de personalidade jurídica com fins filantrópicos. Fundada no dia 04
de dezembro de 1998 e somente registrada nos 19 de junho de 2000 e formada por pessoas com
surdocegueira A mencionada já realizou diversos trabalhos como lançamentos e participações
em eventos nacionais e internacionais, passeios a diversos cartões postais de algumas cidades.
Fonte: (ABRASC, 2011).
123
Libras em estudo: tradução/interpretação
Programa do Curso de Multiplicação de Guia-intérprete:
Capacitação dos Guias-intérpretes empíricos para pessoas com surdocegueira
São Caetano do Sul, São Paulo, 25 a 30 de Outubro de 1999.
Ministrado por: María Margarita Rodriguez Plazas – Consultora especialista em Guiainterpretação. Curso de 48 horas.
Apresentação da capacitação: Objetivos e
estrutura
Técnicas de Guia
- Aspectos gerais de como guiar uma pessoa com
surdocegueira
- Mudar de lado
- Mudar a direção a 180º
- Guia em lugares estreitos
- Guia ao passar por uma porta
- Guia ao subir e descer escadas
- Guia para utilizar escadas rolantes
- Como sentar a pessoa com surdocegueira em uma
cadeira
- Como guiar e sentar em lugares públicos: auditório,
teatro, etc.
- Guiar em transportes: metrô, carro, ônibus, etc.
- Guiar em vias públicas
- Deslocamento independente da pessoa com
surdocegueira
Técnicas de Interpretação
- Diretrizes gerais de interpretação
- Transmissão de informações paralinguísticas
- Preparação para a interpretação
- Aspectos relevantes quanto à comunicação usada
pela pessoa com surdocegueira
- Língua de Sinais Tátil
- Língua de Sinais em Campo Reduzido
- Alfabeto manual tátil
- Meios técnicos de saída Braille
- Leitura orofacial
- Língua Oral ampliada
- Responsabilidades do Guia-intérprete em situações
específicas
- Responsabilidades do Guia-intérprete em situações
de alimentação
- Responsabilidades do Guia-intérprete em que a
pessoa com surdocegueira deva assinar
- Responsabilidades do Guia-intérprete ao colocar
uma pessoa com surdocegueira em um recinto
- Responsabilidades do Guia-intérprete em situações
de compras
- Responsabilidades do Guia-intérprete perante a
correspondência ou documentos pessoais
Ética
Oficina
Ética do Guia-intérprete
- Confidencialidade
- Fidelidade e exatidão
- Imparcialidade
- Seletividade
- Discrição
Bibliografia
Indivíduo Surdocego
- Definição de Surdocegueira
Caracterização
da
população
com
surdocegueira
- Classificação da população com surdocegueira
- Sistemas de Comunicação utilizados pelas
diferentes pessoas com surdocegueira
- Ajudas existentes para as pessoas com
surdocegueira
- Principais necessidades que como grupo, se
manifestam as pessoas com surdocegueira
Reconstrução
da
Organização
da
Comunidade de pessoas com Surdocegueira
- Organização da Comunidade de Pessoas com
Surdocegueira no mundo
- Organizações internacionais que apóiam os
programas de habilitação e reabilitação para
pessoas com surdocegueira
- Organização da comunidade pessoas com
surdocegueira na América Latina
- Organização Nacional de pessoas com
surdocegueira
Generalidades
sobre a
interpretação:
Conceitos básicos
- Tradução
- Interpretação
- Intérprete e Guia-intérprete
- Associação de Intérpretes
- Papel do Guia-intérprete
- Papel da pessoa com surdocegueira e do guiainterprete dentro das associações de pessoas
com surdocegueira
- Intérpretes certificados e intérpretes empíricos
- Justificação do treinamento de guiasintérpretes empíricos para pessoas com
surdocegueira
Técnicas de Guia-interpretação para pessoas
com surdocegueira: Guia, Descrição Visual e
Interpretação
- Considerações Gerais
Técnicas de Descrição Visual
- Dinâmicas
- Aspectos Gerais ao se fazer a descrição visual
- Descrição do entorno físico: Interior e Exterior
- Descrição de Banheiros
- Descrição Interpessoal
- Como colocar uma pessoa com surdocegueira
em contato com um objeto
Fonte: Programa de Capacitação de Guias-intérpretes empíricos para pessoas com surdocegueira
(Apostila Dalva Rosa Watanabe)
124
Libras em estudo: tradução/interpretação
Logo depois deste curso, no ano de 2000, em Bogotá, houve um curso de
Multiplicadores, como já citado, com María Margarita Rodriguez Plazas, e dentre as
pessoas que se formaram neste primeiro curso do Brasil (1999), foram convidadas
Dalva Rosa Watanabe e Clarissa Ipólito para representarem o Brasil e se tornar as
multiplicadoras. Com a organização inicial dos cursos foi criado uma rede pela internet
- Grupo Yahoo, denominada Gegibrasil que vem dando suporte aos profissionais
capacitados, esse grupo virtual foi criado em 28 de Junho de 2004.
O projeto “Pontes e Travessias” foi um projeto idealizado no ano de 2007,
destinado a capacitar intérpretes para a função de guia-intérprete, visando à inclusão de
pessoas com surdocegueira adquirida em escolas e demais locais e de pessoas
voluntárias e de familiares, visando uma melhor qualidade de vida para a pessoa com
surdocegueira, favorecendo assim sua participação ativa em sociedade. Os objetivos
gerais do projeto são: a capacitação de profissionais para a atuação nas funções de
guias-intérpretes para a inclusão pessoas com surdocegueira e a Criação da Central de
Guias-intérpretes. Os objetivos específicos do projeto são: a organização do curso
destinado a Intérpretes de Língua de Sinais foi estruturada inicialmente para a carga
horária de 360 horas e 80 horas de estágio; organização de materiais para apoio para os
cursos; organizar uma rede de trabalho, visando uma criação futura de central de
atendimento nos Estados, para pessoas com surdocegueira adquiridas e favorecer a
inclusão delas em todos os segmentos da sociedade. Inicialmente, o curso estava
estruturado para ser realizado em parceria com faculdades ou universidades com carga
horária de 360 horas, no entanto como essa parceria não aconteceu e os cursos dados
contaram com uma carga horária de 48 horas e 80 horas de estágio.
Até o presente momento foram desenvolvidos pelo Brasil quinze cursos de
formação de guias-intérpretes, são eles:
(1º) São Caetano do Sul, na Escola Anne Sullivan, de 25 a 30 de
Outubro – Realização FENASCOL (Colômbia) – 13 pessoas, com 48
horas presenciais.
(2º) São Paulo, na APAE, de 26 a 31 de Maio de 2003 - Realização da
ABRASC, Grupo Brasil e AHIMSA – 27 pessoas, com 48 horas
presenciais.
(3º) São Paulo, na Ahimsa, em 01, 08, 15, 22 e 29 de Novembro e 06
de Dezembro de 2003, realização da Ahimsa e da PMSP, curso
125
Libras em estudo: tradução/interpretação
reconhecido pela Secretaria da Municipal de Educação, destinado a
profissionais de Desenvolvimento infantil – 32 pessoas, com 48 horas
presenciais.
(4º) Recife, Pernambuco, em Abril de 2007, projeto da Ahimsa e
Grupo Brasil em parceria com MEC e a Secretaria Municipal de
Educação de Recife – 08 pessoas, com 80 horas presenciais.
(5º) São Paulo, de 05 a 16 de Maio de 2007, realização do Projeto
Pontes e Travessias12 – 12 pessoas de diversos estados brasileiros
entre elas professores, interpretes de libras do CAS (Centro de Apoio
ao Surdo) e profissionais do CAP (Centro de Apoio ao Deficiente
Visual), com 60 horas presenciais e 80 de estágio.
(6º) São Paulo, de 21 de Julho a 29 de Setembro de 2007, realização
Projeto Pontes e Travessias – 16, com 60 horas presenciais e 80 de
estágio.
(7º) São Paulo, na AHIMSA, de 20 de Outubro de 2007 a 23 de
Fevereiro de 2008, realização do Projeto Pontes e Travessias – 15
pessoas, com 60 horas presenciais e 80 de estágio.
(8º) Campo Grande, MS, no CAS – MS, de 12 a 17 de Outubro de
2009, realização Projeto Pontes e Travessias e o CAS- Centro de
Apoio ao Surdo de Mato Grosso do Sul – 25 pessoas, com 48 horas
presenciais e 80 horas de estágio.
(9º) Salvador, BA, no Instituto de Cegos, de 27 de Novembro a 04 de
Dezembro de 2009, realização Projeto Pontes e Travessias – 33
pessoas entre elas intérpretes de Libras da Bahia, Ceara e Sergipe dos
serviços de CAS e CAP e professores da área de surdocegueira, com
48 horas presenciais e 80 horas estágio.
(10º) São Paulo, de 18 de junho a 28 de Agosto de 2010, destinado às
professoras das Escolas Municipais de Educação Especial (EMEE),
realização AHIMSA, Grupo Brasil e PMSP, - 17 pessoas, com 100
horas presenciais e 80 de estágio.
(11º) São Paulo, de 17 a 22 de janeiro de 2011, realização Ahimsa,
Apilsbesp, Grupo Brasil e Abrasc, destinado a Tils - 32 pessoas, com
60 horas presenciais e 80 horas de estágio.
12
Projeto Ponte e Travessias do Grupo Brasil de Apoio ao Surdocego e ao Múltiplo Deficiente
Sensorial que tem por objetivo formar profissionais, voluntários e intérpretes na função de guiaintérprete em todo Brasil.
126
Libras em estudo: tradução/interpretação
Esta em andamento, mais quatro cursos: Maringá, PR, Florianópolis,
SC, Juiz de Fora, MG e Angra dos Reis, RJ. Em parceria com Ulbra Universidade Luterana do Brasil, curso de aperfeiçoamento na
modalidade online com a carga horária de 60 horas em complemento
às 48 horas presenciais e 80 de estágio, em parceria com Universidade
Estadual de Maringá, Universidade Federal de Santa Catarina,
Secretaria Municipal de Angra dos Reis e Instituto Bruno Vianna).
(Fonte: Dalva Rosa Watanabe13)
Até o primeiro semestre de 2011, duzentos e trinta (230) pessoas foram
capacitadas no Brasil, sendo que apenas em São Paulo foram formados cento e sessenta
e quatro (164) pessoas, o que corresponde a mais de 50% do número total de cursistas.
Apesar dos esforços, há uma centralidade dos cursos na região sudeste.
A proposta do curso no Brasil segue o seguinte conteúdo programático,
atualmente:
Curso para formação de guia-intérprete no Brasil (2011)
Ministrado pela equipe da Abrasc e Grupo Brasil. Curso de 48 horas.
Conteúdos programáticos
• Alfabeto com duas mãos
• Tadoma Escrita Ampliada
Contextualização da História do Projeto Pontes
• Sistema Lorm
e Travessias
• Sistema Malossi
Sistema Braille
História da Educação da Pessoa com
• Louis Braille
Surdocegueira no mundo e no Brasil
• O Sistema Braille
• A história da Educação da pessoa com Tecnologias Assistivas
surdocegueira no mundo
Aspectos Emocionais de Pessoas com Surdocegueira
• Pessoas com surdocegueira conhecidas Adquirida
pelo mundo
1 – O impacto da segunda perda sensorial
• A história da Educação de Pessoas
• Surdocegueira na Fase da Adolescência
com Surdocegueira no Brasil
• Surdocegueira na Fase Adulta
• Pessoas com Surdocegueira
2 – Familiares
conhecidas no Brasil
3 – A importância dos profissionais para pessoas com
• Parcerias e intercâmbios
surdocegueira
Criação da ABRASC – Associação Brasileira
• Comunicação e importância do Guiade Surdocegos
intérprete
• Identidade da ABRASC
• Profissionais da área da saúde dando atenção
• Missão
específica às pessoas com surdocegueira
• Visão
4 – Resiliência
• Objetivos
Orientação e mobilidade
Terminologia e definição
• Técnica de orientação e mobilidade - “guia • Aspectos da surdocegueira adquirida
vidente”
• Terminologia surdocego ou surdo –
- técnicas utilizadas pelo cego em relação ao guia
cego?
vidente
- técnica básica – contato
• Perspectiva geral sobre surdocegueira
- passagens estreitas
- O que é surdocegueira?
13
Segundo informação em conversa com Dalva Rosa Watanabe em agosto de 2011.
127
Libras em estudo: tradução/interpretação
- Quem é o indivíduo com surdocegueira?
- A Pessoa com surdocegueira congênita
- A Pessoa com surdocegueira adquirida
- Quais são as causas da surdocegueira?
- Quais são as dificuldades e desafios
enfrentados pelas pessoas com surdocegueira
- Quais são as dificuldades e desafios
enfrentados pelas famílias e profissionais
Síndrome de Usher
• Ajustamento psicológico para o
diagnóstico da Síndrome de Usher
• Classificação Síndrome de Usher
- tipo I
- tipo II
- tipo III
Direitos
• Direitos das pessoas com
surdocegueira
• Direitos da pessoa com deficiência
Guia-intérprete, Direitos e Técnicas de
Interpretação
• O Guia-intérprete
• Técnicas de Guia-interpretação para
pessoas com surdocegueira
• Interpretação e descrição
• As competências de um profissional
tradutor-intérprete:
- Competência linguística
- Competência para transferência
- Competência metodológica
- Competência na área de conhecimento
- Competência bi cultural
- Competência técnica
• Modelos de tradução de interpretação
- Modelo cognitivo
- Modelo interativo
- Modelo interpretativo
- Modelo comunicativo
- Modelo sociolingüístico
- Modelo do processo de interpretação
- Modelo bilíngüe e bi cultural
• Técnicas de descrição de imagem,
objetos, pessoas e ambientes internos
e externos
• Comunicação de pessoas com
Síndrome de Usher
Ética
• Código de ética do intérprete/guiaintérprete
• Código de ética da Apilsbesp Associação dos Profissionais
Intérpretes e Guias-intérpretes da
Língua de Sinais Brasileira do Estado
de São Paulo
• Condutas
Sistemas
de
Comunicação/Formas
de
Comunicação
• Libras tátil
• Libras em Campo reduzido
- portas fechadas
- descer escadas
- subir escadas
- aproximar-se e sentar-se em uma cadeira
- sentar-se a mesa
- entrar, sair e sentar-se em um auditório
I.
Técnicas utilizadas somente pelo cego
Técnicas de proteção superior e inferior
Técnica de seguir linhas-guias
Técnica de tomada de direção- alinhamento
perpendicular; alinhamento paralelo;
Técnica para localização de objetos caídos ou jogados
ao chão
Orientação e mobilidade para pessoas com
surdocegueira adquiridas
• Definição de O & M
• Um pouco de história
• Necessidades específicas das pessoas com
surdocegueira para desenvolver a orientação e
mobilidade
• Fatores interdependentes da orientação e
mobilidade
O programa de orientação e mobilidade para pessoas
com surdocegueira adquirida
A) Guia vidente. Adaptações realizadas para
pessoas com surdocegueira adquiridas
1) aproximando-se de uma pessoa com surdocegueira:
2) posicionando os braços
2. 1) adaptações necessárias para posicionamento de
braço:
3) passando por lugares estreitos:
3.1) adaptações
4) abrindo portas
4.1) transferência de lado
5) utilizando escadas. Adaptação necessária
5.1) antecipação
5.2) apoio do corrimão
5.3) parada estratégica
6) sentar-se. Adaptações necessárias
7) entrando no carro
7.1) verificando a altura da maçaneta
7.2) verificando a altura do carro
B) técnicas com a bengala longa
1) utilizando tecnologia assistiva (loops - aparelho no
formato de rádio freqüência que amplifica o som)
1.1) uso de bengala longa com roller
2) uso da pré-bengala
3) usando placa de comunicação
4) técnica das “pontes”:
Legislação
• Lei da Acessibilidade
• Declaração dos Direitos das Pessoas com
Deficiência (ONU)
• Constituição Federal
• Leis do Dia do Surdocego: LEI 14.189 de
17 de julho de 2006 (PMSP) e LEI nº
12.899, de 08 de abril de 2008 (Estado de
São Paulo)
• Lei do Tradutor/Intérprete da Língua
128
Libras em estudo: tradução/interpretação
•
•
•
•
•
•
•
•
Braille tátil
Fala ampliada
Escrita na palma da mão
Uso do dedo como lápis
Placas alfabéticas com letras
Placas alfabéticas em Braille
Meios técnicos com saída em Braille
Alfabeto manual tátil
Brasileira de Sinais
CBO – Classificação Brasileira de
Ocupações
• Decreto 6949/2009 – Da Convenção
Internacional sobre os Direitos da Pessoa
com Deficiência
• Política Nacional de Educação
Especial/2008
Central de Libras – CELIG
•
Fonte: Apostila Curso Guia-intérprete - Projeto Pontes e Travessias – Grupo Brasil de Apoio ao Surdocego, 2011
Além da carga horária presencial de 48 horas, os cursistas precisam fazer um
estágio de 80 horas para treinamento da prática de guia-interpretação que envolve o
acompanhamento das pessoas com surdocegueira ao supermercado, ao médico, ao
banco, em congressos, entre outros. A certificação de guia-intérprete é fornecida após o
término do estágio.
No ano de 2005 foi elaborado o material de formação de guia-intérprete
denominado Série “Entrando em Contato” com três livretos o número 1 – Formas de
Comunicação, número 2 – Dicas de Interpretação e número 3 – Técnicas de Orientação
e Mobilidades, um dos primeiros materiais de produção brasileira para formação de
guia-intérprete.
Análise da formação oferecida: quadro comparativo
A partir das entrevistas e da leitura dos documentos das instituições que
trabalham com pessoas com surdocegueira levantamos algumas categorias de análise,
são elas: 1 - Tipo de formação oferecida e a carga horária dos cursos (análise
comparativa); 2 - Grade curricular (análise comparativa). A seguir apresentamos
detalhadamente cada tópico.
1 - Tipo de formação oferecida e carga horária dos cursos
O curso oferecido nos Estados Unidos sobre guia-interpretação se faz como uma
especialização do intérprete de língua de sinais e não como um curso isolado, vinculado
à Instituição de ensino Superior. Na Colômbia e no Brasil, até o presente momento, o
curso de guia-intérpretes é um curso de capacitação oferecido por ONGs.
129
Libras em estudo: tradução/interpretação
Estados Unidos da América
Colômbia
Departamento de Educação
FENASCOL e POSCAL
A titulação é como uma
especialização do Intérprete de
Língua de Sinais Americana
(ASL).
Não consta.
A titulação de Capacitação de
Guias-intérpretes Empíricos para
pessoas com surdocegueira.
Carga horária: 48 horas
presenciais.
Brasil
Grupo Brasil de Apoio ao
Surdocego e ABRASC
A titulação de Capacitação de
Guias-intérpretes.
Carga horária: 48 horas
presenciais com 80 horas de
estágio.
No Brasil, até o presente momento, o curso de guia-intérpretes é um curso de
capacitação. Já os intérpretes de Libras têm oportunidade de formação em curso de
Letras Libras oferecido por Instituições de Ensino Superior reconhecidas pelo
Ministério da Educação ou em cursos de pós-graduação lato sensu para formação de
tradutores/intérpretes de Libras e Língua Portuguesa, como previsto no decreto nº 5.626
de 2005.
A partir do curso de formação de guias-intérpretes, as pessoas que já atuavam
como tal, foram tomando consciência de seu papel e buscaram a aproximação com a
associação de intérpretes, que estava nascendo em 2003. A busca de formação e
identidade do guia-intérprete aconteceu inicialmente de maneira isolada, à medida que
esse profissional começou a participar de eventos, congressos e de sua inserção na luta
de classe pela fundação da APILSBESP14, começou-se um fortalecimento profissional,
um convívio maior com os intérpretes de Língua de sinais e uma parceira com a
associação, a palavra guia-intérprete também foi incluído no nome da associação.
Quando a APILSBESP ganhou personalidade jurídica em 05 de dezembro de 2004, os
guias-intérpretes já estavam atuando na fundação da associação, os guias-intérpretes
junto com os intérpretes participaram da fundação da FEBRAPILS - Federação
Brasileira de Intérpretes e Guias-intérpretes da Língua Brasileira de Sinais em 22 de
agosto de 2007 e passaram a participar como membro da federação.
O movimento de união aconteceu a partir da luta da criação das Associações e
Federação de intérpretes e guias-intérpretes do Brasil. Sendo assim, nos apoiamos em
Bourdieu (2007[1978]) que defende que o título (diploma) tem valor de objeto
privilegiado de uma concorrência entre as classes que engendra um crescimento geral e
contínuo da demanda por educação e uma inflação de títulos escolares, o diploma vale o
que o seu detentor vale econômica e socialmente. Dessa forma, os guias-intérpretes
14
APILSBESP – Associação dos Profissionais Intérpretes e Guia-intérpretes da Língua
Brasileira de Sinais.
130
Libras em estudo: tradução/interpretação
entram no mercado de trabalho com diploma de capacitação, agora em parceria com a
Universidade Luterana do Brasil, passará a ter uma formação acadêmica de curso de
aperfeiçoamento que possa lhe favorecer participar dessa concorrência de classes
profissionais.
A carga horária do curso na América Latina é de 48 horas, no Brasil a carga
horária também, no entanto é acrescida de uma vivência com os surdocegos e de um
estágio de 80 horas. No Brasil, pelas normas do MEC um curso de formação
(graduação) precisaria ter no mínimo entre 2.400 horas e 7.200h, a depender da área de
formação (BRASIL, 2007).
Um curso de 48 horas sem vínculo com uma Instituição de Ensino Superior não
se configura como um curso de formação de fato, tanto que o curso é chamado de curso
de capacitação. Poderia, então, este curso ser configurado como formação?
Consideramos que sim, pois conforme a LDBN, uma possibilidade de formação está na
oferta de cursos de extensão, aperfeiçoamento ou especialização, sendo necessário o
aumento da carga horária para melhor trabalhar o conteúdo proposto.
Segundo legislação:
Art. 44. A educação superior abrangerá os seguintes cursos e
programas: (Regulamento)
III - de pós-graduação, compreendendo programas de mestrado e
doutorado, cursos de especialização, aperfeiçoamento e outros, abertos
a candidatos diplomados em cursos de graduação e que atendam às
exigências das instituições de ensino;
IV - de extensão, abertos a candidatos que atendam aos requisitos
estabelecidos em cada caso pelas instituições de ensino (BRASIL,
LDBN, 2006).
O artigo 48, da referida Lei, aponta ainda que “Os diplomas de cursos superiores
reconhecidos, quando registrados, terão validade nacional como prova da formação
recebida por seu titular”. Assim, somente o diploma evidencia a formação e depende de
entendimento do órgão aceitar ou não os certificados de extensão como requisito para o
ingresso na carreira.
No Brasil, inicialmente, os cursos de capacitação foram reconhecidos pelas
Secretarias Municipais e Estaduais de Educação.
131
Libras em estudo: tradução/interpretação
Bourdieu (2007[1998]) considera que a força de um diploma se dá de acordo
com o capital social de quem o detém e do qual passa a se provido. Consideramos ser
necessária a formação acadêmica em IES para os guias-intérpretes, desta forma terão o
título para entrar na corrida pela aceitação e valorização de seu trabalho.
2 - Grade curricular
Analisando as grades curriculares do curso oferecido nos Estados Unidos da
América, na Colômbia e no Brasil identificamos eixos de formação, como: Área
médica, Psicologia, Sociologia, Educação, Ética, Estudos surdos e guia-interpretação.
Apresentamos a seguir um quadro comparativo de conteúdo das grades curriculares dos
cursos para formação de guia-intérprete.
Eixos de
formação
Medicina
Locais
EUA
2005 - 2010
Etiologias da
surdocegueir
a
Tipos de
perda de
visões e
diferentes
etiologias
Ergonômico
s e as
questões
ambientais
que afetam a
interpretação
Colômbia 2000
Indivíduo con
Sordoceguera
Brasil
1999
Indivíduo com
Surdocegueira
- Definição de
Surdocegueira
- Classificação da
população com
surdocegueira
Brasil
2011
Terminologia e definição
• Aspectos da surdocegueira
adquirida
• Perspectiva geral sobre
surdocegueira
Síndrome de Usher
• Classificação Síndrome de
Usher
- tipo I
- tipo II
- tipo III
Terminologia e definição
• Aspectos da surdocegueira
adquirida
• Terminologia surdocego ou
surdo – cego?
• Perspectiva geral sobre
surdocegueira
- O que é surdocegueira?
- Quem é o indivíduo com
surdocegueira?
- A pessoa com surdocegueira
congênita
- A pessoa com surdocegueira
adquirida
- Quais são as causas da
surdocegueira?
- Quais são as dificuldades e
desafios enfrentados pelas
pessoas com surdocegueira
- Quais são as dificuldades e
desafios enfrentados pelas
famílias e profissionais
Síndrome de Usher
Classificação Síndrome de Usher
132
Libras em estudo: tradução/interpretação
Psicológia
Experimenta
ndo Perda da
visão - O
Ciclo de
Luto
Identificar a
definição
nacional de
surdocegueir
a
Presentación
de los
participantes y
de la
capacitación:
Aspectos
referidos a
formación de
facilitadores
Indivíduo com
Surdocegueira
- Ajudas
existentes para as
pessoas com
surdocegueira
- Principais
necessidades que
como grupo se
manifesta as
pessoas com
surdocegueira
Sociologia
A cultura
surda
ASL /
Estudos
Surdos
Educación
Tradicional VS
Andragogía
Reconstrucción
de La
organización de
La comunidad
de las personas
con
sordoceguera
Reconstrução da
Organização da
Comunidade
Surdocega
- Organização da
Comunidade de
pessoas com
surdocegueira no
mundo
- Organizações
internacionais que
apóiam os
programas de
habilitação e
reabilitação para
pessoas com
surdocegueira
- Organização da
comunidade de
pessoas com
surdocegueira na
América Latina
- Organização
Nacional de
pessoas com
surdocegueira
Educação
Interpretaçã
Fases del
Não consta
. Síndrome de Usher
• Ajustamento psicológico para o
diagnóstico da Síndrome de Usher
. Aspectos Emocionais das
Pessoas com Surdocegueira
Adquiridos
1 – O impacto da segunda perda
sensorial
• Surdocegueira na Fase da
Adolescência
• Surdocegueira na Fase Adulta
2 – Familiares
3 – A importância dos
profissionais para as pessoas com
surdocegueira
• Comunicação e importância do
Guia-intérprete
• Profissionais da área da saúde
dando atenção específica as
pessoas com surdocegueira
4 – Resiliência
Contextualização da História do
Projeto Pontes e Travessias
Criação da ABRASC –
Associação Brasileira de
Surdocegos
• Identidade da ABRASC
• Missão
• Visão
• Objetivos
Direitos
• Direitos das pessoas com
surdocegueira
• Direitos da pessoa com
deficiência
Legislação
• Lei da Acessibilidade
• Declaração dos Direitos das
Pessoas com Deficiência (ONU)
• Constituição Federal
• Leis do Dia do Surdocego: LEI
14.189 de 17 de julho de 2006
(PMSP) e LEI nº 12.899, de 08 de
abril de 2008 (Estado de São
Paulo)
• Lei do Tradutor/Intérprete da
Língua Brasileira de Sinais
• CBO – Classificação Brasileira
de Ocupações
• Decreto 6949/2009 – Da
Convenção Internacional sobre os
Direitos da Pessoa com
Deficiência
• Política Nacional de Educação
Especial/2008
• Central de Libras – CELIG
História da Educação da Pessoa
133
Libras em estudo: tradução/interpretação
o II
(Intermediár
io:
Condensaçã
o: Inglês e
ASL
Interpretaçã
o III
(Avançado)
Uso de
marcadores
linguísticos
para
esclarecer
informações
aprendizaje em
La educación de
adultos
Facilitación de
procesos de
aprendizaje
Educación de
adultos y
didáctica
com Surdocegueira no mundo e
no Brasil
• A história da Educação da
pessoa com surdocegueira no
mundo
• Pessoas com surdocegueira
conhecidos pelo mundo
• A história da Educação da
Pessoa com Surdocegueira no
Brasil
• Pessoas com surdocegueira
conhecidos no Brasil
Ética
Situações
Avaliando a
Confiança e
Confiabilida
de
Entendiment
o de Ética
Ética del guiaintérprete para
personas con
sordoceguera
Ética do Guiaintérprete
Confidencialidade
- Fidelidade e
exatidão
- Imparcialidade
- Seletividade
- Discrição
Estudos
Surdos
Papéis e
relações
Não consta
Não consta
GuiaInterpretação
Os
Fundamento
s do Toque
Fundamento
s das
Técnicas de
guia vidente
Os métodos
de
comunicação
Interpretação
de sinais
para voz
Facilitación,
técnicas y
médios
Evaluación
inicial de los
contenidos y
aclaraciones
Técnicas de
guiainterpretación
para personas
con
sordoceguera:
guia,
descripción
visual e
interpretación
Técnicas de
interpretación
Generalidades
sobre a
interpretação:
Conceitos
básicos
- Tradução
- Interpretação
Técnicas de
Interpretação
- Transmissão de
informações
paralinguísticas
Ética
• Código de ética do
intérprete/guia-intérprete
• Código de ética da Apilsbesp Associação dos Profissionais
intérpretes e Guias-intérpretes da
Língua de Sinais Brasileira do
Estado de São Paulo
• Condutas
Não consta
Guia-intérprete, Direitos e
Técnicas de interpretação
• O Guia-intérprete
• Técnicas de Guia-interpretação
para pessoas com surdocegueira
• Interpretação e descrição
• As competências de um
profissional tradutor-intérprete:
- Competência linguística
- Competência para transferência
- Competência metodológica
- Competência na área de
conhecimento
- Competência bi cultural
- Competência técnica
• Modelos de tradução de
interpretação
- Modelo cognitivo
- Modelo interativo
- Modelo interpretativo
- Modelo comunicativo
- Modelo sociolingüístico
- Modelo do processo de
interpretação
- Modelo bilíngüe e bi cultural
• Técnicas de descrição de
imagem, objetos, pessoas e
ambientes internos e externos
• Comunicação com pessoas com
Síndrome de Usher
Sistemas de Comunicação/Formas
134
Libras em estudo: tradução/interpretação
de Comunicação
Orientação e mobilidade
• Técnica de orientação e
mobilidade - “guia - vidente”
Orientação e mobilidade para
pessoas com surdocegueira
adquirida
Estágio
Sim
Não consta
Não consta
Sim
O conteúdo do Eixo de estudos surdos é oferecido apenas no curso dos Estados
Unidos. Apesar do curso do Brasil oferecer também o eixo de Educação, não consta
conteúdos como “Fases del aprendizaje em La educación de adultos Facilitación de
procesos de aprendizaje Educación de adultos y didáctica”, como foi oferecido no
curso da Colômbia.
O curso oferecido no Brasil teve forte influência do curso oferecido na
Colômbia, ele foi e continua sendo referência não só na formação dos Guias-intérpretes
como também na ajuda mútua da divulgação da Surdocegueira. Ao fazermos uma
comparação entre os currículos podemos notar a semelhança nos temas apresentados, é
claro que cada país tem a sua peculiaridade e cada um inclui no seu currículo
características próprias da sua realidade. No currículo brasileiro, gostaria de ressaltar
alguns temas que considero próprios da nossa realidade como: o Projeto Pontes e
Travessias (Grupo Brasil de Apoio ao Surdocego); a Abrasc e a Apilsbesp, as
associações envolvidas na formação; a Síndrome de Usher, uma das principais causas
da surdocegueira; os modelos de tradução e interpretação; os Sistemas de comunicação
e as tecnologias assistivas; os Aspectos emocionais; Orientação e Mobilidade e a
Legislação, mundial e nacional.
Para Alves (1995), o currículo sempre foi o objeto norteador para a proposta
pedagógica de acordo com as demandas de cada época. Na segunda metade do Século
XIV, a proposta deixa de ser relacionado com a época, onde o indicador mais evidente é
a especialização do saber, por meio do trabalho cientifico e sobre a formação
profissional a nível superior, no entanto negou-se a totalidade. Constatamos nos
conteúdos dos cursos que já existe a preocupação da formação do guia-intérprete de
forma interdisciplinar e com fundamento em diferentes áreas do conhecimento.
135
Libras em estudo: tradução/interpretação
Considerações finais
A formação de guias-intérpretes, em suas várias linguagens, assume papel
estratégico, na medida em que representa uma dimensão relevante da equidade de oferta
de oportunidades de educação e lazer com qualidade para pessoas com surdocegueira.
Qualquer proposta que se faça de formação de guia-intérprete só terá sentido se pensada
no contexto maior da formação de intérpretes e de professores e instituições do ensino
superior.
A reconstrução histórica da trajetória de formação dos guias-intérpretes permite
a construção de indicadores críticos para melhor entender a dinâmica atual desta
formação e suas perspectivas futuras.
O Grupo Brasil de Apoio ao Surdocego e a Abrasc tem se empenhado na
divulgação da Surdocegueira e na formação do profissional Guia-intérprete, essa
formação tem tido o apoio de órgãos internacionais na formação, principalmente da
Colômbia. Essa tem realizado a formação hoje do Guia-intérprete pelo Brasil, no entanto
essa formação não acontece em nível ensino superior, como um reconhecimento oficial, o
curso está sendo dado por profissionais competentes e formado no ensino superior com
especialização, mestrado e doutorado.
A formação deve estar relacionada às praticas de interpretação que visem
assegurar a qualidade de vida da pessoa com surdocegueira, mas deve prever também a
formação para orientar os professores sobre programa de ensino, currículo e
flexibilização curricular e para atuar em cargos administrativos com a implantação de
políticas educacionais públicas.
Comparando as grades curriculares apresentadas, vimos que o currículo do curso
de formação dado no Brasil tem conteúdos de caráter de uma formação acadêmica, porém
não possui essa nomenclatura, por não ser realizada ou vinculada a uma instituição de
ensino superior.
Apesar de o guia-intérprete já fazer parte do cadastro no Ministério do Trabalho,
no Cadastro Brasileiro de Ocupação15, os guias-intérpretes estão se organizando e
15
Cadastro Brasileiro de Ocupação sob o nº2614-25 - Intérprete de língua de sinais (Guiaintérprete, Intérprete de libras, Intérprete educacional, Tradutor de libras, Tradutor-intérprete de
libras) CBO - Disponível em:
<http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/pages/pesquisas/BuscaPorTituloResultado.jsf>
136
Libras em estudo: tradução/interpretação
tentando buscar o reconhecimento de sua profissão socialmente, bem como o
desenvolvimento de sua formação, busca por uma proximidade com os intérpretes de
língua de sinais participando da Apilsbesp (Associação dos Profissionais Intérpretes e
Guias-Intérpretes da Língua de Sinais Brasileira do Estado de São Paulo) que está
vinculada à Febrapils (Federação Brasileira das Associações dos Profissionais Tradutores
e Intérpretes e Guias-intérpretes de Língua de Sinais).
Referências
ABRASC
–
Associação
Brasileira
de
Surdocegos.
<http://www.abrasc.org/>. Acesso em 05 de Abril de 2011.
Disponível
em:
ALVES, G. L. A relação entre Plano de Estudos e Sociedade – A Propósito de uma
Abordagem histórica de Currículo. Revista Intermeio, Campo Grande, Vl, nº 1, p. 4452, 1995.
BRASIL, RESOLUÇÃO Nº 2, DE 18 DE JUNHO DE 2007.
http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/2007/rces002_07.pdf
BRASIL, LEI Nº 10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000.
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L10098.htm
BOURDIEU, P. Classificação, Desclassificação, Reclassificação. In: NOGUEIRA, M.
A.; CATANI, A. (orgs.). Escritos de educação. Petrópolis: Vozes, 1998 [1975]. p. 3-22.
CERTEAU, M. de (1976). A operação histórica. Disponível em: <
http://veredas.favip.edu.br/index.php/veredas/article/viewFile/19/17>
Acesso
em
Setembro de 2011.
FABRI, R. T; GODOY, S. A.; LEME, C. G. Inclusão do Aluno Surdocego na Escola de
Ensino Regular e a Importância do Professor Guia-Intérprete. Anais do III Fórum
Internacional para Pessoas com Surdocegueira e Deficiência Múltipla Sensorial.
Bahia. 2009. ISSN 1982 – 2669.
FSDB – Föreningen Sveriges Dövblinda (Associação Sueca de Surdocegos). Disponível
em <http://www.fsdb.org >. Acesso em: Junho de 2011.
FENASCOL - Federación Nacional de Sordos de Colombia (Federação Nacional de
Surdos da Colômbia). Disponível em: < www.fenascol.org.co/>. Acesso em Julho de
2011.
SERPA, X. Guias Intérpretes – Mediadores y Personas Sordociegas In: ARÁOZ, S. M.
M.; ARÁOZ, V. V.; COSTA, M. P. R.; MAIA, S. R.; PEREIRA, C. S. I. Princípios de
Administração e Liderança na Gestão de Instituições de Apoio às Pessoas com
Deficiência. Anais do III Fórum Internacional para Pessoas com Surdocegueira e
Deficiência Múltipla Sensorial. Bahia. 2009. ISSN 1982 – 2669
137
Libras em estudo: tradução/interpretação
GRUPO BRASIL de Apoio ao Surdocego e ao Múltiplo Deficiente Sensorial. Disponível
em: <http://www.grupobrasil.org.br/>. Acesso em: 05 abril de 2011.
HECKER-CAIN, J.; MORROW, S. M.; FRANTZ, R. Curriculum Guide for Infusing
Deaf-Blind Interpreting into an Interpreter Education Program. EUA: American
Association of the Deaf-Blind and the National Consortium of Interpreter Education
Centers,
2008.
Disponível
em:<http://www.nciec.org/projects/docs/IEPDeafBlindCurriculumGuide.pdf>. Acesso em Agosto de 2011.
INTITUTO BENJAMIM CONSTAN. Disponível em: <http://www.ibc.gov.br/ >. Acesso
em: 30 junho de 2011.
MAIA, S. R. Processos de ensinar e de aprender em alunos com surdocegueira. In:
BRASIL. Ensaios pedagógicos - construindo escolas inclusivas: 1. ed. Brasília:MEC,
SEESP, 2005. Disponível em:
<http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/ensaiospedagogicos.pdf>
MAIA, S. R.; GIACOMINI, L. I.; VULA M., MESQUITA, S. R. S. H. A formação de
instrutores mediadores para a Inclusão de pessoas com surdocegueira e deficiência
múltipla sensorial. In: Oliveira, Ana I. A. de; Lourenço, Juliana M. Q.; Aragão, Marta
G. (ORG.) Tecnologia & Inclusão Social da Pessoa Com Deficiência. Belém:
EDUEPA, 2008, p 122.
PLAZAS, M. M. R. Programa de capacitación a guías-intérpretes empíricos para
personas sordociegas. Mimeo, Bogotá, abril, 1999. Disponível em:
http://www.sordoceguera.org/vc3/biblioteca_virtual/archivos/37_guias_interpretes_emp
iricos.pdf
PLAZAS, M. M. R. Servicios de interpretación para personas sordas y sordociegas. In:
Revista el bilingüismo de los sordos. No. 4. Volume 1. Republica de Colômbia. Santa
Fé de Bogotá, março de 2000.
PETRONI, K. Interpreting for Deaf-Blind Students: Factors to Consider. In:
HUEBNER, Kathleen Mary (et al.) Hand in hand: selected reprints and annotated
bibliography on working with students who are deaf-blind. AFB Press, 1995.
Disponível
em:
http://books.google.com.br/books?id=fQgXRry5sicC&pg=PA37&lpg=PA37&dq=deaf
+blind+Karen+Petronio&source=bl&ots=qkoVODAyO&sig=fNWeR9VzO2gcN1uOqxg9OAnZmy0&hl=ptBR&ei=gJwHTb3bOcT38Aak1KXZCQ&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=6
&ved=0CEAQ6AEwBQ#v=onepage&q&f=true
PETRONI, K. The interpreter education program. In: Congresso INES: 150 Anos no
Cenário da Educação Brasileira. De 26 a 28 de setembro de 2007/ (organização) INES.
Divisão de Estudos e Pesquisas - Rio de Janeiro. Disponível em:
<http://www.ines.gov.br/paginas/publicacoes/Anais/anais_2008.pdf>
PETRONI, K. Deaf-blind Interpreting: Building on What You Already Know. Cadernos
de Tradução, Vol. 2, No. 26, 2010. Disponível em:
<http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/traducao/article/viewArticle/15716>
138
Libras em estudo: tradução/interpretação
QUADROS, R. M., O tradutor e intérprete de Língua Brasileira de Sinais e de Língua
Portuguesa. Programa Nacional de Apoio à Educação de surdos, Brasília: MEC;
SEESP, 2004. Disponível em: Julho de 2011.
REYES, D. A. La sordoceguera, un anįlisis multidisciplinar. ONCE Organización
Nacional de Ciegos Espańoles. Madrid, 2004.
RODRIGUEZ P. M. M. Programa de capacitación a guías-intérpretes empíricos para
personas sordociegas. Bogotá. Federación Nacional de Sordos de Colombia -1999.
ROSA, D.; IPÓLITO, C.; SERPA. X.; GIACOMINI, L. MAIA, S. R. Surdocego póslingüístico. Serie Surdocegueira e Múltipla Deficiência Sensorial. Grupo Brasil de
Apoio ao Surdocego e ao Múltiplo Deficiente Sensorial, São Paulo. 2005
ROSENHALL. U. Features of deaf-blindness impairments. Revista EspaçoInformativo técnico-científico do INES. Rio de Janeiro, n.25/26, p.4-11. Jan-Dez/2006.
Disponível em:
<http://www.ines.gov.br/paginas/publicacoes/Anais/anais_2008.pdf>.
Acesso
em
Agosto de 2011.
SHAFF, A. História e Verdade. São Paulo: Martins Fontes, p. 65-98, 1995.
SHIA - Swedish Organisation of Disabled Persons International Aid Association
(Organização Sueca de Pessoas com Deficiência Aid Associação Internacional).
Disponível em: <www.shia.se/>, Acesso em 21 de Agosto de 2011.
139
Libras em estudo: tradução/interpretação
140
Libras em estudo: tradução/interpretação
AFINAL: INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS,
INTÉRPRETE EDUCACIONAL, PROFESSORINTÉRPRETE OU AUXILIAR? O TRABALHO DE
INTÉRPRETES NA LÓGICA INCLUSIVA1
Regina Maria Russiano Mendes 2
Resumo
Com a política da inclusão educacional a presença do intérprete da língua de sinais nas
salas de aula foi se multiplicando e se direcionando a fim de atender às necessidades dos
alunos surdos. O presente trabalho refere-se a uma reflexão sobre a função do intérprete
de língua Brasileira de Sinais na sala de aula com alunos surdos matriculados no Ensino
Fundamental e no Ensino Superior. Procuramos estudar as diversas atuações do
intérprete educacional em salas de aulas com alunos surdos matriculados. O
questionamento que norteou a pesquisa foi: Quais os papéis do intérprete além da
interpretação? Desenvolvemos a entrevista com dois intérpretes, um que atuava no
ensino fundamental e outro que atuava no ensino superior, onde pudemos apreender por
meio do discurso as funções desempenhadas. O roteiro de entrevista continha questões
abertas. A opção pelo procedimento de entrevistas se deu pelo conceito discursivo
apreendido em Bakhtin/Volochínov (1992), permitindo aos entrevistados a liberdade de
expressão, gerando a partir deste ponto a análise e discussão sobre as palavras alheias.
Constatamos a importância dos intérpretes em sala de aula para o processo de
aprendizagem dos estudantes surdos e que sua atuação não se restringe apenas a
interpretar, ou seja, a passar conteúdos de uma língua para outra, mas também atua
como um educador, informando e orientando o aluno surdo, sua atuação se reflete
inclusive em contribuir com o processo de ampliação do léxico da Libras, quando diz
para outros a mensagem interpretada o diz com suas palavras, estando então a
interpretação envolvida de sua subjetividade e ideologia.
Palavras-chave: Intérprete Educacional, Política de inclusão, papéis profissionais.
Políticas Públicas inclusivas e o papel do intérprete de Libras e Língua Portuguesa
Na educação brasileira é comum a defesa pela inclusão, temos desenvolvido leis
e decretos apoiando e regulamentando o ensino de qualidade acessível para todos. O
1
Trabalho orientado pela Professora Mestre Neiva de Aquino Albres.
2
Especialista em Tradução/ Interpretação e ensino de Língua Brasileira de Sinais pela FAAG.
141
Libras em estudo: tradução/interpretação
decreto nº 5.626/2005 regulamenta a lei nº 10436/2002, ele dispõe sobre o
reconhecimento da Língua Brasileira de Sinais e assegura o direito do surdo de
comunicar-se em sua língua - de modalidade gestual visual, nos diferentes níveis de
escolaridade.
Na perspectiva das políticas públicas, a educação do surdo está voltada para a
garantia de acesso e permanência do surdo nas escolas regulares de ensino em turmas de
ouvintes. Para atender as exigências legais com o objetivo de propiciar o acesso ao
ensino da comunidade surda, em atender as suas condições pedagógicas para o seu
desenvolvimento na aprendizagem, torna-se imprescindível a presença do intérprete da
língua de sinais na sala de aulas com atributos específicos para o exercício da função de
mediador da comunicação entre o aluno surdo e o contexto educativo.
A educação do surdo na perspectiva das políticas públicas está voltada à garantia
de acesso e permanência do surdo nas escolas regulares de ensino. No entanto, ao
mesmo tempo, com a legislação vigente, garantindo o direito linguístico ao surdo de ter
acesso aos conhecimentos escolares na língua de sinais, o poder público cria uma
estratégia para manter a ideia de que a educação dos surdos deva ser disponibilizada no
ensino regular, oferece intérprete da língua brasileira de sinais onde houver surdos
matriculados (BRASIL, 2008).
O momento social, político e organizacional com relação ao intérprete da
língua de sinais está em plena movimentação e transição. Antes eram oferecidas
diversas modalidades de cursos, como: pequenos cursos, oficinas, cursos de extensão,
entre outros, onde a promoção de cada um era feita de acordo com as necessidades e as
condições locais, que na maioria das vezes não eram cursos institucionalizados. Devido
às novas legislações, como o decreto federal nº 5626/2005, que regulamenta a língua de
sinais, começam a surgir as orientações para a elaboração de cursos de formação
universitária tanto em nível de bacharelado como pós-graduação Latu Sensu visando à
formação dos intérpretes.
Apesar das diretrizes do decreto federal 5626/05, o MEC possui uma proposta de
formação de intérpretes bem particular, onde os professores da rede regular de ensino
passam por uma capacitação intitulando-os “professores-intérpretes”. A atuação dará em
situações distintas, quando o mesmo estiver exercendo a função de docente em um
turno, no turno oposto deverá exercer a função de intérprete na presença de outro
docente.
142
Libras em estudo: tradução/interpretação
O profissional intérprete da língua de sinais atua em diferentes âmbitos da
sociedade. Na área da educação, atua no ensino básico ao superior, mas nesta área o
profissional ainda passa por momentos equívocos sobre as suas atribuições. Às vezes é
interpretado como professor auxiliar, facilitador, suporte técnico e até mesmo tutor dos
alunos surdos.
Assim, o presente estudo pretende conhecer mais detalhadamente o trabalho de
intérpretes de língua de sinais que atuam no ensino fundamental segunda etapa e na
universidade.
Pesquisas sobre atuação do intérprete Educacional: refletindo sobre diferentes
experiências
A Declaração de Salamanca (1994) foi um marco para impulsionar a inclusão
educacional. Um documento internacional assinado por vários países, inclusive o Brasil,
e teve como meta não deixar nenhum aluno fora do ensino regular, desde o início da
escolarização, isto é, todos os alunos deverão estar dentro da escola regular,
independentemente de sua origem social, étnica ou linguística. Com isso, o poder
público inseriu o intérprete de língua de sinais na sala de aula onde haja surdos
matriculados, pretendendo, assim, criar estratégia para manter a ideia de que a educação
do surdo deva ser disponibilizada no ensino regular com a garantia ao surdo da
aquisição dos conteúdos escolares na sua própria língua (QUADROS, 2006).
Tuxi (2009) cita que a inclusão escolar de alunos surdos vai além de obter uma
forma de expressar uma língua acessível como meio de comunicação entre o surdo e
todos que participam desse processo, pois apenas o uso da língua de sinais não é o
suficiente para o êxito do processo inclusivo, porque muitos alunos surdos ingressam no
ensino fundamental sem dominar a língua de sinais, geralmente se comunicam por meio
de gestos domésticos, prejudicando na função do intérprete.
Já na década de 90, vários pesquisadores na área da educação e linguística
tiveram seus interesses para a educação de surdos em particular para a aquisição da
língua de sinais e para o processo de ensino-aprendizagem do português como segunda
língua. Todavia, com a política de inclusão, alguns destes pesquisadores voltaram suas
pesquisas para a atuação de intérpretes educacionais e a aprendizagem de alunos surdos
143
Libras em estudo: tradução/interpretação
em salas mistas (ouvintes e surdos matriculados). Alguns indicam a necessidade de
formação deste profissional.
Quadros (2004) define intérprete da língua de sinais, como sendo o profissional
que domina a língua de sinais e a língua falada do país, e que é qualificado para
desempenhar a função de intérprete, que para a mesma, a função do intérprete está na
interpretação da língua falada para a língua sinalizada e vice-versa.
No Brasil, o intérprete deve dominar a língua brasileira de sinais e a
língua portuguesa. Ele também pode dominar outras línguas, como o
inglês, o espanhol, a língua de sinais americana e fazer a interpretação
para a língua brasileira de sinais ou vice-versa (por exemplo,
conferências internacionais). Além do domínio das línguas envolvidas
no processo de tradução e interpretação, o profissional precisa ter
qualificação específica para atuar como tal. Isso significa ter domínio
dos processos, dos modelos, das estratégias e técnicas de tradução e
interpretação. O profissional intérprete também deve ter formação
específica na área de sua atuação (por exemplo, a área da educação)
(QUADROS, 2004, p. 27).
Rosa (2005) ao pesquisar sobre a formação dos intérpretes educacionais indica que em
poucas cidades brasileiras, tais como: Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Porto
Alegre, há cursos oferecidos pela FENEIS (Federação Nacional de Educação e Integração
dos Surdos), com instrutores surdos, que ensinam sobre gramática da língua de sinais. Mas,
são praticamente inexistentes os locais com formação para interpretação. Destaca que: “nem todos
os intérpretes que atuam nas instituições de ensino realizaram esses cursos; na sua grande
maioria, a fluência da língua de sinais está nas mãos daqueles profissionais que possuem
constante contato com a comunidade surda fora dos espaços institucionais, ou seja, nas
associações, shoppings e em eventos diversos” (ROSA, 2005, p. 134).
Sobre atuação do intérprete, os estudos têm indicado que os papéis assumidos
são bem diversos e muitas vezes se sobrepõem aos papéis do professor regente. As
pesquisas que focalizam a atuação do intérprete educacional no ensino fundamental
revelam.
Lacerda e Polleti (2004) ao pesquisarem a atuação de duas intérpretes de língua
de sinais em revezamento em sala de aula da 4ª série do Ensino Fundamental, de uma
escola particular com 29 alunos ouvintes e 1 criança surda no estado de São Paulo,
144
Libras em estudo: tradução/interpretação
verificaram que os intérpretes assumiam uma série de funções, como: “ensinar língua de
sinais, atender às demandas pessoais do aluno, orientar quanto aos cuidados com o
aparelho auditivo, atuar frente ao comportamento do aluno, estabelecer uma posição
adequada em sala de aula, atuar como educador frente a dificuldades de aprendizagem
do aluno, esta por sua vez aproxima-o muito a um educador” (LACERDA e POLLETI,
2004, p. 3).
Fernandes (2003) ciente de todas as atribuições dos intérpretes que atuam em
sala de aula inclusiva destaca a importância de sua preparação para tal empreitada:
Necessidade do intérprete de sala de aula para surdos participar das
reuniões de planejamento pedagógico da equipe em geral e reuniões
com o professor da turma, em particular, salientando o necessário
entrosamento do intérprete com este professor. A diversidade dos
conteúdos escolares, por si só indica a necessidade deste
procedimento. Não fosse suficiente, o planejamento supõe definição
de recursos e estratégias de ensino e avaliação sobre aprendizagem. A
atuação do intérprete junto ao professor exige um conhecimento a
priori do que vai ser ensinado, como vai ser ensinado e como se fará a
avaliação da aprendizagem. O roteiro e os caminhos de atuação em
sala de aula devem ser interativos não apenas no que se refere ao
aluno e ao professor, mas inclui o intérprete, visto que ele não é
apenas um elemento facilitador de comunicação, mas a chave para que
a comunicação se estabeleça. Assim, é necessário que sua parceria
com o professor seja consistente o suficiente para que os objetivos
sejam alcançados (FERNANDES, 2003, p. 85).
Kelman (2005) realizou um estudo com o objetivo de descrever os papéis que o
intérprete assume em contextos educacionais inclusivos, desenvolvido a partir de
entrevistas com professoras de escolas públicas de ensino fundamental do Distrito
Federal que atuavam com alunos surdos a partir da 3ª série.
Onze diferentes papéis foram atribuídos a esse profissional:
Primeiro deles é o de ensinar ao surdo a língua portuguesa como segunda língua. Em
segundo, o ensino da própria língua de sinais aos surdos. E, em terceiro, ensinar a
língua de sinais aos alunos ouvintes, a fim de facilitar a comunicação entre os alunos.
Em quarto, constatou que o intérprete também é responsável pela adequação curricular,
145
Libras em estudo: tradução/interpretação
que acontece em forma de omissão de alguns conteúdos, pois alguns professores
relatam que os alunos ouvintes ficam inquietos ao precisarem esperar pelos alunos
surdos. Em quinto, o papel de participar do planejamento das aulas e como sexto papel,
no momento da interpretação, procurar a integração junto com o professor regente, para
que o conteúdo seja ministrado da melhor forma possível para os surdos. Em sétimo
lugar, identificou que o intérprete deve orientar habilidades de estudo dos alunos surdos,
explicando detalhadamente os exercícios e conteúdos trabalhados, assegurando-se de
que houve entendimento por parte do aluno. Tendo como oitavo papel o de estimular a
autonomia deste aluno. Em nono, o papel do intérprete é de estimular e interpretar a
comunicação entre colegas surdos e ouvintes. Em décimo, o intérprete deve utilizar a
comunicação multimodal, ou seja, usar diversos canais de comunicação para garantir a
compreensão de significados. Por último, em décimo primeiro, o intérprete deve
promover a tutoria, orientando o surdo na organização de suas atividades acadêmicas
(KELMAN, 2005).
Kelman (2005) enfatizou que as diferentes atuações do intérprete possibilitam
discussões pedagógicas entre o intérprete e o professor, ressaltando que este pode ser
um argumento promotor da inclusão. Kelman (2005) constatou que onde os intérpretes
educacionais e professor regente desenvolvem um trabalho junto ao aluno surdo, isto é,
trabalham em regime de co-docência, ou seja, ambos são responsáveis por todos os
alunos, não havendo uma clara separação de funções há uma maior qualidade. Neste
regime os professores trabalham juntos ao planejar para a turma, elaboram o material e
criam estratégias pedagógicas, objetivando um ambiente propício ao aprendizado e
respeitando os limites de todos.
Leite (2004) desenvolveu uma pesquisa de microanálise etnográfica que
pretendeu olhar os papéis que o intérprete educacional assumia em sala de aula.
Tratava-se de um curso noturno, onde os alunos encontravam-se em defasagem na
relação idade/série, e, por tal razão, a escola implementou um projeto denominado de
“aceleração”, a interação em sala analisada correspondia ao nível de 7ª/8ª séries em
Mato Grosso do Sul.
Nesta pesquisa, Leite (2004) verificou que além de interpretar, o intérprete faz
uso de comunicações subordinadas e os footings3 ocorridos durante uma aula.
3
Footings: realinhamento de atitudes e posições dos participantes em um encontro interativo,
conceito básico para identificar os papéis que o intérprete assume diante de si e dos demais
participantes do contexto da sala de aula.
146
Libras em estudo: tradução/interpretação
Identificou alguns dos tipos de transladação, como: transladação resumida, expandida,
não transladação. Constatou que há momentos que “a intérprete deixa, temporariamente,
o seu papel original, vindo a ocupar o papel de professora, conduzindo, neste caso, uma
aula de leitura para os alunos surdos” (LEITE, 2004, p. 223). Considera que o intérprete
assumindo o papel de professora passa a construir uma forma de leitura possível com os
alunos surdos.
Segundo Tuxi (2009), o intérprete atua em diversas funções, acrescentando o
papel de co-construtor de conhecimento para o aluno surdo, tem momentos em que o
intérprete para a interpretação da aula e inicia a explicação direcionada exclusivamente
para o surdo. Atua também no processo de comunicação, realizando trocas verbais entre
surdos e ouvintes, interpretando entre duas línguas, permitindo as interações entre os
mesmos. Também está ligado como instrumento de inclusão/exclusão, onde o aluno
surdo é incluído no processo de discussão e resolução de dúvidas na sala de aula, a
partir da atuação do intérprete.
Lacerda e Polleti (2004) apresentam, por meio do resultado da pesquisa
realizada por elas, que o trabalho do intérprete é bem influenciado por causa do
relacionamento junto ao professor regente, tendo um reflexo direto no trabalho realizado
na sala de aula. A questão da falta de um planejamento conjunto, de um trabalho de
equipe e de uma concepção mais clara do que signifique aceitar o aluno surdo em uma
sala de aula também interferem significativamente no trabalho dos intérpretes
(LACERDA e POLLETI, 2004).
Já os pesquisadores que se ativeram ao estudo das atuações do intérprete
educacional no ensino superior indicam que seu trabalho está mais voltado às
questões linguísticas e de mediação pedagógica.
O professor torna-se parceiro neste processo, trazendo os conteúdos e mediando
ao intérprete que, nesta trama, torna-se “mediador do mediador”, (MARTINS, 2004, p.
37). Fica também sob a responsabilidade do intérprete o oferecimento de subsídios que
promovam a interação entre aluno e professor e supostas alterações metodológicas;
sempre em estreita parceria com os professores.
Albres (2006) indica que os intérpretes que atuam em curso superior sofrem com
a falta de sinais na Libras para termos técnicos ou específicos de uma área do
conhecimento. O intérprete faz escolhas no processo de interpretação e indica que uma
vez que existem conceitos sem sinais referentes na Libras, o procedimento adotado
147
Libras em estudo: tradução/interpretação
pelos intérpretes é o uso do alfabeto datilológico ou a criação de novos sinais com
motivação espaço-visual, como um acordo entre intérprete e aluno surdo.
Albres (2006) considera ainda que a proficiência na língua de sinais e a
formação na mesma área de interpretação talvez proporcionassem ao intérprete
melhores condições para generalizar o texto que está sendo interpretado e fazer uma
opção por um sinal em detrimento de outro, ou mesmo criar estratégias para
interpretação. “Há necessidade de se conhecer bem a temática ser interpretada, ter
fluência na Libras e criatividade para fazer uso dos recursos espaciais da língua no
momento da construção de explicações da área” (ALBRES, 2006, p. 11).
Para Martins (2009), as condições de trabalho do intérprete de Libras e língua
portuguesa tem uma finalidade educacional. O intérprete deve mediar o processo
ensino/aprendizagem e as condições de trabalho não podem ser consideradas apenas
uma tradução ou interpretação desvinculada dos processos educacionais.
No entanto, o intérprete é uma pessoa essencial dentro do processo educativo à
aprendizagem o qual facilita a compreensão entre duas línguas distintas. Para
Guarinello, et al. (2008) o intérprete:
Deve promover a autonomia do aluno surdo, como também tem o
papel de orientar e interpretar a comunicação entre colegas surdos e
ouvintes e de utilizar a comunicação multimodal, ou seja, usar
diversos canais de comunicação para garantir a compreensão de
significados. Por último, ele também deve promover a tutoria,
orientando o surdo na organização de suas atividades acadêmicas
(GUARINELLO, et al. 2008, s.p.).
Gurgel (2010) ao estudar sobre as condições de atuação de intérpretes no ensino
superior afirma que:
Sobre a função e a posição que um TILS deve assumir é complexa,
pois existem diferenças de atuação nos diferentes níveis de ensino,
seja pela diferença de faixa etária, pela diferença de domínio de Libras
e/ou pela complexidade dos conteúdos tratados. A especificidade de
conteúdos que o TILS vai interpretar e a faixa etária com a qual irá
trabalhar demandam um processo de formação específica para este
profissional. Conteúdos mais complexos vão exigir do TILS
148
Libras em estudo: tradução/interpretação
conhecimentos outros que ultrapassam o domínio apenas linguístico e
que exige, de certa forma, um preparo e conhecimento sobre
determinados assuntos e disciplinas (GURGEL, 2010, p. 66).
Harrison e Nakasato (2004) analisaram situações de inclusão de surdo de uma
universidade de São Paulo, as questões foram respondidas pelas vivências do aluno
surdo. Constataram que no início do curso universitário a presença do intérprete por si
só revela aos colegas ouvintes de sala, a diferença linguística do aluno surdo, mas não
houve uma discussão em classe a este respeito. Tratando-se das questões de
sistematização do trabalho do tradutor e intérprete, receber material, conteúdo, prova da
disciplina previamente considera se fazer fundamental para a qualidade da
interpretação.
Os próprios alunos surdos percebem as diferenças na estruturação do espaço
educacional, da forma de ensino e de intervenção pedagógica, das dinâmicas propostas
em sala de aula. Harrison e Nakasato (2004) colheram depoimento de surdos
universitários: “(...) há diferenças marcantes entre a forma como o professor desenvolve
a aula, expõe os conceitos, explica a matéria e a maneira de se obter estes dados em
livros ou das apostilas dadas como referência bibliográfica” (HARRISON e
NAKASATO, 2005, p. 70).
Estudos internacionais sobre intérprete educacional também tem se
preocupado com a formação, habilidades profissionais e papéis dos intérpretes
educacionais. Compilamos a seguir alguns dados de pesquisas desenvolvidas nos
Estados Unidos e Austrália.
Schick, Willians, e Bolster (1999) revelam que em uma pesquisa nos Estados
Unidos 59 intérpretes educacionais foram avaliados usando o EIPA4 (Avaliação de
Desempenho Educacional do Intérprete), constataram que os profissionais tinham
diferentes origens e formação e em sua grande maioria não tiveram nenhum treinamento
formal. Utilizavam diferentes tipos de língua de sinais. Os resultados mostraram que
nem todos os intérpretes educacionais estavam qualificados para fornecer a uma criança
uma interpretação adequada do discurso de sala de aula.
4
Schick & Williams (1994) é um processo desenhado para avaliar as habilidades de intérpretes
educacionais em sala de aula. A EIPA é mais apropriadamente chamada de processo, porque a
classificação real ou avaliação é apenas uma etapa de todo o procedimento. A EIPA não se
limita a qualquer língua de sinais, sistema, ou nível de conhecimento e utiliza uma equipe de
avaliação especialmente treinada.)
149
Libras em estudo: tradução/interpretação
Nos Estados Unidos da América, a política educacional também indica que
estudantes surdos sejam integrados em salas de aula regulares, mas serviços de
interpretação educacional devem ser garantidos, caso não o tenham o objetivo da
inclusão torna-se inatingível. Os intérpretes precisam ser certificados.
Schick, Willians, e Bolster (1999) indicam que o uso um instrumento válido e
eficaz para avaliação é fundamental, mas ainda é necessário determinar qual o nível de
desempenho deve ser considerado como minimamente aceitável. Nos estados que
adotaram a EIPA, esta questão sempre foi cercada por muita discussão. Naturalmente,
algumas pessoas acreditam que um nível minimamente aceitável deve ser o mais alto
nível de competência, no caso do EIPA, um nível avançado (5). No entanto, muitas
preocupações pragmáticas também são relevantes para o estabelecimento de um nível
mínimo. Uma das principais preocupações é a disponibilidade de intérpretes que têm
habilidades avançadas. Muitos profissionais envolvidos neste tipo de discussão acham
que muitas exigências resultam em poucos intérpretes educacionais qualificados e
consequentemente inúmeras tentativas de contornar esta situação (SCHICK,
WILLIANS, e BOLSTER, 1999).
Conforme o EIPA, o nível avançado de intérprete, consiste do domínio e uso das
seguintes habilidades:
Nível 5: Avançado - Demonstrou-nos que uma ampla e fluente
utilização do vocabulário de sinais, leva a uma ampla gama de
estratégias para comunicação de palavras e novos conceitos. Erros de
produção de sinal são mínimos e nunca interferem na compreensão do
discurso. O discurso é correto do ponto de vista gramatical, dos
marcadores não manuais e finalidades deficientes. Complexas
construções gramaticais normalmente não são um problema. A
compreensão de mensagens com sinais é sempre muito boa,
comunicando todos os detalhes da mensagem original. Um indivíduo,
com este nível de proficiência, é capaz de forma clara comunicar a
maioria das interações dentro da sala de aula (SCHICK, WILLIANS,
e BOLSTER, 1999, p. 154).
Tuner (2001) indica quais são os papéis de intérpretes educacionais que
trabalham com crianças surdas incluídas em escolas comuns, como: interpretar o que
está sendo dito, informando a mensagem fielmente; colocar-se de maneira em que o
150
Libras em estudo: tradução/interpretação
aluno possa visualizá-lo simultaneamente com o professor; esclarecer as dúvidas que
surgirem na hora da interpretação com o professor ou palestrante para evitar uma
interpretação errônea; interagir com o professor; estudar o conteúdo e os planos da aula;
manter toda a informação relacionada à interpretação estritamente confidencial dentro
dos membros da equipe educacional; participar de oficinas e reuniões profissionais, a
fim de aumentar o conhecimento e habilidades; inteirar-se sobre as políticas e
procedimentos da escola; relatar todos os interesses do aluno ao supervisor; servir como
ligação e fornecer informações ao aluno, ao professor e à equipe de funcionários com o
propósito que o aluno se beneficie mais da interpretação.
No espaço universitário Napier (2002), analisou as ações dos intérpretes de
Língua de Sinais Australiana ao interpretar uma palestra para universitários. Constatou
que alguns intérpretes mudaram o estilo de tradução, entre os métodos livre e literal de
interpretação, como uma estratégia linguística para lidar com as influências do ambiente
sociolinguístico do discurso. Particular atenção, neste estudo, foi dada à formação dos
intérpretes educacionais (e, portanto, sua familiaridade com o discurso acadêmico), as
características linguísticas e densidade léxica do texto, e suas influências sobre a
interpretação.
Para Napier (2002), os resultados deste estudo não só são significativos na
Austrália, mas também podem beneficiar intérpretes e educadores internacionalmente.
O papel do intérprete universitário é fazer as escolhas adequadas de interpretação
levando em consideração as influências sociolinguísticas envolvidas, ser um
profissional bicultural e bilíngue5.
Fundamentação teórica
O trabalho do intérprete exige essencialmente o trabalho com a linguagem.
Sempre estará dizendo de um para outro. Para Bakhtin/Volochínov (1992), toda
linguagem é dialógica, ou seja, todo enunciado é sempre um enunciado de alguém para
alguém, e que a orientação dialógica é um fenômeno próprio do discurso. Todavia, o
5
Para Napier (2002) ser bicultural e bilíngue no caso do intérprete é algo maior, é deter as
ferramentas para determinar o que significa algo para seu público-alvo e esta é a melhor maneira
para que uma mensagem seja interpretada de uma forma significativa, a fim de que faça sentido,
de acordo com normas culturais e valores do público. “Portanto, não só intérpretes precisam
entender os contextos sociolinguísticos e socioculturais de sua audiência, mas eles também
precisam utilizar estilos de tradução adequados para garantir a facilidade de transmissão do
significado de uma mensagem dentro de um quadro sociocultural” (NAPIER, 2002, p. 284).
151
Libras em estudo: tradução/interpretação
intérprete está no meio desta tríade (emissor, linguagem, receptor), e faz parte dela
quando da comunicação de falantes que usam línguas diferentes.
O que falamos é o discurso, o tema de nossas palavras, pois Bakhtin considera
que este tipo de discurso, denominado por ele de discurso citado é mais que conteúdo:
É o discurso no discurso, a enunciação na enunciação, mas é, ao
mesmo tempo, um discurso sobre o discurso, uma enunciação sobre
uma enunciação. (...) O discurso citado é visto pelo falante como
enunciação de uma outra pessoa, completamente independente na
origem, dotada de uma construção completa, (...). É a partir dessa
existência autônoma que o discurso de outrem passa para o contexto
narrativo (BAKHTIN/ VOLOCHÍNOV, 1992, p. 144).
Com isso o autor mostra que o discurso de outrem passa para o contexto
narrativo, conservando o seu conteúdo, sua integridade linguística e autonomia,
havendo uma unicidade temática, aponta também o equívoco dos pesquisadores que se
debruçaram sobre as formas de transmissão do discurso de outrem: tê-lo divorciado
sistematicamente do contexto narrativo. “O objeto verdadeiro da pesquisa deve ser
justamente a interação dinâmica dessas duas dimensões, o discurso a transmitir e aquele
que serve para transmiti-lo. [...] Essa dinâmica, por sua vez, reflete a dinâmica da interrelação
social
dos
indivíduos
na
comunicação
ideológica
verbal”
(BAKHTIN/VOLOCHÍNOV, 1992, p. 148). Nessa perspectiva, a postura teórica desses
autores é de fundamental importância para os estudos enunciativos, uma vez que
explicita a necessidade de se olhar para a dinâmica da interação sob o prisma dessas
duas dimensões.
Assim, os discursos existentes presentes em diferentes épocas e grupos sociais,
interagem entre si, em constantes trocas deixando de ser inéditos, pois traz vestígios de
outros discursos, ou seja, são discursos reorganizados dialogicamente dos discursos de
outrem, repletos de entonações, conotações marcadas pelos recursos linguísticos,
utilizados pelos falantes, como do discurso direto, ou de maneira diluída e menos
marcada, como ocorre no discurso indireto sem sujeito aparente e discurso indireto
livre, que é a forma última de enfraquecimento das fronteiras do discurso citado, o qual
tem uma tendência inerente a transferir a enunciação citada do domínio da construção
linguística ao plano temático, de conteúdo.
152
Libras em estudo: tradução/interpretação
O intérprete educacional, no espaço de sala de aula, está embebido de seus
pensamentos influenciados pelo contexto social da inclusão, das dificuldades que
enfrenta diariamente, do discurso do professor, do discurso dos surdos, da necessidade
de respeito à diferença linguística. A partir dos pressupostos Bakhtinianos, interpretar
não seria apenas o ato de passar de uma língua para outra, mas de fazê-lo em uma
situação concreta envolvida ideologicamente. Segundo este autor:
A língua existe não por si mesma, mas somente em conjunção com a
estrutura individual de uma enunciação concreta. É apenas através da
enunciação que a língua toma contato com a comunicação, imbui-se
do seu poder vital e torna-se uma realidade. As condições da
comunicação verbal, suas formas e seus métodos de diferenciação são
determinados pelas condições sociais e econômicas da época. As
condições mutáveis da comunicação sócio-verbal precisamente são
determinantes para as mudanças de formas que observamos no que
concerne à transmissão do discurso de outrem (BAKHTIN/
VOLOCHÍNOV, 1992, p. 154).
Metodologia - o encontro com o outro
O presente trabalho se inscreve em uma perspectiva histórico-cultural de fazer
ciência. Para Gatti (2003) não há método sem teoria. Uma referência teórica e seus
respectivos procedimentos de pesquisa são determinantes no modo de fazer ciência.
Optamos por ouvir o que o “outro” (intérprete educacional) tem a dizer sobre seu
fazer em sala de aula inclusiva. Compreendendo a pesquisa em ciências humanas a
partir da perspectiva histórico cultural implica compreendê-la na relação entre sujeitos e
mediada pela linguagem (FREITAS, 2007).
Desta forma, convidamos quatro intérpretes para uma entrevista, dois intérpretes
que atuavam na Educação Básica em escola pública inclusiva do Ensino Fundamental e
dois intérpretes que atuavam no Ensino Superior – curso de graduação em instituição
particular.
Assim, como Gurgel (2010), por condições de tempo e logística, a entrevista à
distância foi a opção para viabilização da construção dos dados. Em um primeiro
contato telefônico, o convite para participação como colaborador (entrevistado) foi feita,
153
Libras em estudo: tradução/interpretação
em um segundo contato virtual (e-mail), foi detalhado aos entrevistados como seria
realizada a pesquisa e, por meio de uma carta de apresentação enviada juntamente com
o questionário e o termo de consentimento livre e esclarecido, foi estipulado um prazo
para o retorno das respostas. As entrevistas foram encaminhadas num período de quatro
meses entre o primeiro e segundo semestre de 2011. Dentre os quatro convidados,
obtivemos apenas duas respostas neste período.
A entrevista representa um dos instrumentos básicos para a coleta de dados, e se
constitui como uma das principais técnicas de trabalho em quase todos os tipos de
pesquisa utilizados nas ciências sociais. Segundo Minayo (2000), na entrevista podem
ser obtidos dados que se referem diretamente ao indivíduo entrevistado, isto é, suas
atitudes, valores e opiniões, dados estes que só podem ser conseguidos com a
contribuição das pessoas envolvidas.
A entrevista dialógica foi nosso instrumento de pesquisa. A pesquisa está
fundamentada
teórica
e
metodologicamente
na
perspectiva
histórico-cultural,
trabalhando principalmente com a teoria enunciativo-discursiva de Bakhtin.
Devo identificar-me com o outro e ver o mundo através de seu sistema
de valores, tal como ele vê; devo colocar-me em seu lugar, e depois,
de volta ao meu lugar, e depois, de volta ao meu lugar, contemplar seu
horizonte com tudo que se descobre do lugar que ocupo fora dele.
Devo emoldurá-lo, criar-lhe um ambiente que o acabe, mediante o
excedente de minha visão, de seu saber, de meu desejo e de meu
sentimento (BAKHTIN, 2010, p. 397).
Após uma primeira leitura das respostas feita pelo pesquisador, as questões
poderiam ser reenviadas para o entrevistado, agora com pedidos de esclarecimentos,
para expansão de alguns sentidos pretendidos pelo colaborador. “O caráter dialógico
desta entrevista está nas palavras, na réplica, construindo-se não só de um interrogar,
mas muito mais de um ouvir, responder, concordar e tencionar” (GEGE, 2009).
Para esta entrevista, recorremos a elementos explicativos associados às
perguntas pré-determinadas, porém abertas, buscando favorecer o aspecto dialógico no
momento da entrevista, a qual dá condições ao entrevistado de discorrer livremente
sobre o tema que lhe é proposto.
154
Libras em estudo: tradução/interpretação
Como pesquisadora, quis apreender o dizer dos intérpretes sobre suas práticas e
refletir sobre o enunciado que surge das tramas cotidianas reveladas na história de vida
de sujeitos concretos.
Considerando, ainda, que a diretriz de inclusão do aluno surdo no ensino regular
é uma proposta assumida pelo Ministério de Educação, os papéis assumidos pelo
intérprete de Libras para que a inclusão aconteça nos impulsiona a refletir sobre as
ações na prática escolar, no dia a dia.
A entrevista foi direcionada por meio de um roteiro com doze questões. As
questões foram elaboradas tendo em vista a revisão de literatura desenvolvida e o
objetivo de capturar nestes discursos as práticas dos intérpretes educacionais.
Roteiro de entrevista
1- Quais as experiências que você tem referente ao trabalho em conjunto do professor com o
intérprete e a relação orientação (pedagógica) educacional com o intérprete no ensino
fundamental?
a) Intérprete com professor:
b) Intérprete com coordenação pedagógica:
2- A - Os alunos surdos com que você trabalha ou tenha trabalhado sabem ou sabiam usar os
materiais didáticos (selecionar os livros, cadernos, textos, etc.)? Você precisa ou precisou
ajudar o aluno com os materiais didáticos de alguma forma? Como?
3- Você tem disponíveis sinais (léxico) para todos os conceitos das disciplinas para área que
interpreta? Caso não tenha, quais recursos utiliza?
4- Em sua opinião, como os alunos surdos aprendem conteúdos escolares abstratos quando a
libras não tem sinais para tais conceitos? Que estratégias você utiliza? Que estratégias os
alunos surdos com quem você trabalha ou tenha trabalhado utiliza ou utilizavam?
5- Quando o aluno quer fazer uma pergunta para o professor fora do contexto da aula, como
você, como intérprete reage?
6- Em momentos em que o aluno se reporta ao intérprete (você) para sanar dúvidas, como
você procede no dia a dia?
7- Quando na sala de aula, no processo de interpretação, você desconhece uma palavra do
português ou algum termo técnico e se aluno também a desconhecer, como você faz para
explicar?
8- Há algum momento em sala de aula que você percebe/sente estar ensinando algo para o
aluno, assim como um professor? Quando? Por quê?
9 - Os alunos surdos, neste nível de escolaridade, confundem as funções do professor com a
do intérprete?
10 - Como você apresenta para o aluno quem está com a palavra (turno de fala)?
11 - No início da aula quando o professor chama a atenção dos alunos, como você procede?
12 - O que é ser intérprete educacional, para você?
155
Libras em estudo: tradução/interpretação
2- B Os alunos surdos com que você trabalha ou tenha trabalhado sabem ou sabiam usar os
materiais didáticos (consultar bibliografia, pesquisar na biblioteca, pesquisar na internet, etc.)?
Você precisa ou precisou ajudar o aluno com os materiais didáticos de alguma forma? Como?
Dentre o roteiro de 12 questões, apenas a questão 2 foi parcialmente modificada
a depender do nível de ensino de atuação do intérprete. Sendo a questão 2A destinada ao
intérprete do Ensino Fundamental e 2B ao intérprete do Ensino Superior.
Buscando responder algumas dessas questões, o objetivo do trabalho é a partir
da proposta atual de inclusão do aluno surdo no ensino regular, considerando a trama da
vida de intérpretes que atuam na área educacional, analisar as ações que adotam para
desenvolver seu trabalho.
A opção pela técnica de entrevistas considerou o conceito de prática discursiva
de Bakhtin (1997) e as análises obtidas acerca da atuação dos intérpretes educacionais
mostraram vários aspectos relevantes. A partir da leitura destas respostas construímos as
seguintes categorias de análises:
a) O papel do intérprete educacional para além da interpretação;
b) Modelo linguístico e colaboração no processo de ampliação do léxico da Libras;
c) Questões de interpretação – o dizer do outro com minhas palavras.
Afinal: O que os intérpretes educacionais têm a dizer?
Em comum, os intérpretes entrevistados residem no estado de São Paulo e têm
formação superior, não especificamente uma formação pedagógica. A intérprete
entrevistada que atua no Ensino Fundamental I iniciou seu trabalho como intérprete
educacional em 2004 e o intérprete que atua no ensino superior no ano de 2005. Desta
forma, os dois intérpretes têm mais de seis anos de experiência com a prática de
intérprete educacional.
A partir da entrevista concedida, selecionamos alguns excertos de falas para
esboçar a reflexão que desenvolvemos sobre a prática de interpretação educacional.
Dividimos a análise dos discursos em três categorias, apresentadas a seguir.
156
Libras em estudo: tradução/interpretação
a) O papel do intérprete educacional para além da interpretação
Quando questionados sobre a relação com os outros profissionais (coordenação e
professor) e da relação com o aluno quando da falta de conhecimento para uso dos
materiais didáticos e do processo de aprendizagem pelos alunos surdos, os dois
intérpretes revelaram que:
Os alunos não sabiam utilizar os materiais, nem mesmo eram alfabetizados. Com
isso, havia momentos sim em que o professor estava explicando conteúdo e eu
ainda estava mostrando como procurar a página, selecionar determinado
conteúdo, mostrar como visualizava determinada coisa. Essas atitudes, os alunos
ouvintes já dominavam, então o professor nem percebia que para os alunos surdos
não era sabido e necessitava de mais atenção. (Sabrina6, Intérprete no Ensino
Fundamental I - resposta a questão 2)
Quando iniciamos com o trabalho de interpretação em sala, havia então a
necessidade de planejamentos com o intérprete. Esta necessidade não era tão
clara aos coordenadores, tendo então que reorganizarmos os horários para que
pudéssemos ter um tempo entre professores e ILS, e até mesmo a presença do ILS
nas reuniões. (Sabrina, Intérprete no Ensino Fundamental - resposta a questão 1)
Buscava sempre que possível vídeos, fazia cartazes, imagem nos livros, desenhava
em lousa, levava maquetes, elaborava juntamente com os alunos maquetes e
experiências mais concretas e visuais. Eu usava muito o desenho na lousa, tinha
uma abertura por parte dos professores em me cederem parte da lousa para
utilizar estas estratégias.
Partindo destas vivências e experiências mais concretas eles nomeavam em Libras
e construíamos os conceitos. (Sabrina, Intérprete no Ensino Fundamental resposta a questão 4)
Sabrina revela que nem tudo que diz é apenas a interpretação da fala do outro,
ela assume um papel de educadora, orienta o aluno surdo, constrói estratégias
6
A identidade dos entrevistados foi mantida em sigilo, deste modo, os nomes utilizados nos
depoimentos deste artigo são fictícios.
157
Libras em estudo: tradução/interpretação
específicas para estes alunos, negocia com o professor no planejamento e em sala de
aula espaços e formas de ensinar aos alunos surdos.
Apenas uma aluna surda que acompanhei já conhecia. Muitos dos outros tomei a
liberdade de esclarecer, assim eu não fico como facilitador do aprendizado, mas
sim como apoio a comunicação. Muitos alunos se espantam ao descobrir que o
professor segue um livro e eles podem ter acesso a todo o conteúdo do semestre de
antemão. Isso facilita muito meu trabalho. Apresento a eles também o dicionário
online de libras, onde podem pesquisar algumas palavras e sinônimos depois
encontrar o sinal em libras. Falo sobre a diferença da língua portuguesa e libras
quando não há uma perfeita tradução que equipara um sinal a uma palavra com
exemplos clássicos. Esta atitude os dá maior autonomia, e meu trabalho fica de
esclarecer algumas expressões idiomáticas ou conceitos implícitos em algumas
palavras ou conceitos mais conotativos. (Anderson, Intérprete no Ensino Superior
– resposta a questão 2)
Neste momento (conversa com professor) aproveito para esclarecer meu trabalho e
pedir ajuda sobre alguns conceitos, sobre matérias que podem ser utilizados como,
por exemplo, vídeos com legenda. Alguns professores me enviam o material,
certificam se eu pude assimilar o assunto, me perguntam se determinada atitude
facilitaria meu trabalho. (Anderson, Intérprete no Ensino Superior – resposta a
questão 1)
Anderson também revela uma posição de educador, apesar de se render a este
papel mais timidamente, usa em sua expressão “tomei a liberdade de esclarecer”, parece
que socialmente este não é seu lugar, não lhe é dado este papel e ele o toma por sentir
necessidade para a qualidade de seu trabalho, esclarece aos alunos questões sobre a
universidade, sobre as relações neste espaço e expande as informações para os alunos
surdos. Na relação com o professor regente de turma também desenvolve um papel
orientador e recebe orientação, revelando que nesta relação professor-intérprete é
necessário um trabalho colaborativo.
Constatamos com o depoimento dos intérpretes educacionais, que em relação às
questões dialógicas e de linguagem, põem a linguagem em funcionamento não só em
processo interpretativo, mas também em produção de seus próprios discursos destinados
ora aos alunos, ora aos professores.
158
Libras em estudo: tradução/interpretação
Toda a interação entre intérprete, professor e alunos surdos vai além da
passagem de uma língua para outra. Então, o intérprete também atua entre seu próprio
discurso e não apenas entre as línguas. O modo como se expressa em Libras e em
português no processo de negociação de significados é fundamental para os processos
de construção de sentidos e construção ideológica pelos surdos e pelos ouvintes. Com
isso, não se trata apenas de mediar de uma língua para outra, e sim de atribuir sentidos e
respeitar os significados do discurso que anunciam um dialogar de grupos diferentes.
Desse modo, para Bakhtin/Volochínov (1992),
A língua não é o reflexo das hesitações subjetivo-psicológicas, mas
das relações sociais estáveis dos falantes. Conforme a língua,
conforme a época ou os grupos sociais, conforme o contexto apresente
tal ou qual objetivo específico, vê-se dominar ora uma forma ora
outra, ora uma variante ora outra. O que isso atesta é a relativa força
ou fraqueza daquelas tendências na interorientação social de uma
comunidade de falantes, das quais as próprias formas linguísticas são
cristalizações estabilizadas e antigas (BAKHTIN/ VOLOCHÍNOV,
1992, p. 147).
Notamos, com os depoimentos, que o intérprete educacional no Ensino
Fundamental trabalha também como um educador, ensinando comportamentos próprios
da cultura escolar, por vezes ensinando conteúdos acadêmicos ao enunciar discursos
próprios direcionados à criança surda com o intuito de que ela se aproprie do
conhecimento sistematizado transmitido pela escola. Já o intérprete no Ensino Superior,
apesar de desenvolver algumas orientações da dinâmica da Universidade está mais
preocupado com as questões linguísticas. Este dado concorda com os achados de
Kelman (2005) e Albres (2006).
As ações dos intérpretes estão pautadas na condição concreta das relações de
trabalho e na condição linguística dos alunos surdos. Pesquisas revelam que as crianças
surdas têm chegado à escola com atraso no desenvolvimento de linguagem, visto que
seus pais em sua maioria são ouvintes (PEREIRA, 2005).
A comunidade surda tem lutado para que as crianças surdas, principalmente no
Ensino Fundamental, tenham uma educação em escolas bilíngues ou em classe bilíngue
(BRASIL, 2005), mas a proposta de inclusão educacional tem antecipado o processo de
159
Libras em estudo: tradução/interpretação
inclusão. Este fato tem influenciado diretamente no trabalho do intérprete e estando a
frente de uma criança, ainda em processo de construção de conceitos.
Todavia, com a presença do intérprete educacional abre-se a possibilidade de
uma educação bilíngue com a circulação de duas línguas no meio acadêmico: Libras e
Português, com o surdo sendo valorizado em sua língua, através do intérprete que
propicia seu acesso aos conhecimentos acadêmicos (LACERDA, 2003).
O aluno surdo pode receber a formação escolar em língua de sinais, por meio de
uma pessoa com competência nesta língua. Ao mesmo tempo, o professor ouvinte pode
ministrar suas aulas sem preocupar-se em como passar a informação em sinais, atuando
em sua língua de domínio (LACERDA E POLETTI, 2004).
b) Modelo linguístico e colaboração no processo de ampliação do léxico da Libras
Diante desta lógica de inclusão, o intérprete educacional deve transmitir os
discursos escolares para a criança surda e sua expressão para os ouvintes. Questionamos
aos intérpretes sobre a condição de trabalho de interpretação entre línguas quando não
há disponível no repertório de uma das línguas léxico específico para tais conceitos
ensinados na escola. Expõem que:
Como fazíamos reuniões semanais, eu pegava todo o conteúdo e buscava estudar
sobre o léxico e como realizar estratégias antecipadamente. Também tinha contato
diário com uma instrutora surda ao qual estudava juntamente com ela sobre estes
conteúdos e léxicos e todo momento tendo contato para tirar dúvidas. Também
levava sempre o dicionário para sala de aula, caso necessitasse de algo mais
específico. Buscava ter antes preparado o que seria feito para não ter tantas
dificuldades. Buscava ter contato com outros surdos e comunidade surda e os
alunos surdos para relacionar. Buscava dicionários, livros, internet, frequentava
comunidade surda e demais locais para obter informações e apreender novos
sinais. (Sabrina, Intérprete no Ensino fundamental I – resposta a questão3)
Há muitos conteúdos em que os alunos desconheciam, e até mesmo não tínhamos
os sinais. O que eu sempre percebi é que eles buscavam algo relacionado à
prática, tentavam mostrar por desenhos ou pelo corpo ou algo que tivessem por
perto para relacionar e entender o que estava sendo dito.
160
Libras em estudo: tradução/interpretação
Partindo deste conhecimento, em saber que eles necessitam de questões visuais, na
falta de sinais buscava elaborar estratégias que atendiam estas necessidades
visuais. (Sabrina, Intérprete no Ensino fundamental I – resposta a questão 4)
Sabrina, a intérprete do Ensino Fundamental I discute a necessidade da pesquisa
pelo intérprete de Libras, a busca pela compreensão dos conceitos, pelos sinais em
libras e pelas estratégias de como explicar tais conceitos. Dentre as estratégias indica a
associação do conceito com algo da prática, algo já conhecido pelo aluno, busca por
recursos visuais.
Tenho vários sinais combinados. Alguns vamos construindo juntos. Atualmente
dentro de uma equipe de interpretes desenvolvemos um glossário de termos onde
coletamos termos que os surdos usam e já conhecem, com termos já registrados no
dicionário do Capovilla ou fazemos associações de significado com outros sinais,
como por exemplo: Matéria-prima, antes fazíamos MATERIAL PRIMEIRO, depois
com um grupo pesquisamos melhor o significado da palavra e seu contexto e
mudamos para MATERIAL PRINCIPAL, pois junto a um professor da disciplina,
achamos que este significado atende melhor. (Anderson, Intérprete no Ensino
Superior – resposta a questão 3)
Nestas situações uso como estratégia algumas analogias de conteúdos que
acredito que ele conheça, como, por exemplo, para explicar que há uma
membrana fina que reveste a célula, digo que há uma membrana fina que separa a
gema do ovo e que quando é rompida, vaza, digo que é muito parecida com a
membrana celular de tão fina. Esta é uma estratégia muito utilizada por eles,
quando tentam me explicar algo. (Anderson, Intérprete no Ensino Superior –
resposta a questão 4)
Por outro lado, Anderson, intérprete do Ensino Superior também revela a
necessidade da pesquisa pelo intérprete de Libras, desde a compreensão do conceito, da
busca pelo sinal da Libras e caso não o tenha pela construção de novos sinais que
representem os conceitos das aulas, como no caso de MATERIAL PRINCIPAL para
traduzir “matéria prima”. Revela ainda que antes da escolha de um sinal, há todo um
processo de explicação e analogia com algo conhecido pelo aluno surdo.
161
Libras em estudo: tradução/interpretação
Tanto Sabrina quanto Anderson dizem que desenvolveram as estratégias de
comparação, analogia a partir da vivência com os surdos, das próprias estratégias usadas
pelos surdos ao querer dizer algo, como: “Eu sempre percebi é que eles buscavam algo
relacionado à prática (Sabrina) e “Esta é uma estratégia muito utilizada por eles,
quando tentam me explicar algo” (Anderson).
Consideramos ser importante refletir sobre o intérprete educacional como
participante ativo no uso da língua de sinais, como sujeito bilíngue colaborador no
processo de ampliação da Libras no campo lexical acadêmico.
O intérprete e o aluno surdo encontram-se num processo interativo em contexto
de ensino-aprendizagem. O sistema linguístico (Libras) se encontra em constante
construção havendo a busca do léxico em diferentes áreas pelo intérprete do Ensino
Fundamental, já o intérprete do Ensino Superior participa mais ativamente da ampliação
do léxico da língua, ou seja, da construção coletiva, combinando com os alunos sinais
para os conteúdos do curso.
Para Bakhtin/Volochínov “[...] a palavra vai à palavra. É no quadro do discurso
interno que se efetua a apreensão da enunciação de outrem, sua compreensão e sua
apreciação, isto é, a orientação do falante” (BAKHTIN/VOLOCHÍNOV, 1992, p.
147/148).
É na consciência individual do intérprete, do seu discurso interior, que produzir
sentido e conhecimento e pode assim funcionar como mediador para a aprendizagem do
aluno surdo. É justamente a língua de sinais que proporciona ao aluno surdo condições
adequadas de inserção social.
c) Questões de interpretação – o dizer do outro com minhas palavras
No processo de interpretação da enunciação de outrem o discurso passa pelo eu
intérprete, quando da interpretação simultânea e libras para português nos interessou
conhecer os modos de fazer destes intérpretes. Os intérpretes foram questionados sobre
o processo de interpretação das perguntas dos alunos surdos em libras para o português,
do surdo para o professor ouvinte, ou seja, fazendo a voz do aluno surdo, mesmo que a
pergunta não coubesse no momento, os intérpretes mostraram que:
Antes de iniciar as aulas, fazemos as apresentações de todos da sala a nomeação e
sinais, para que todos se conheçam. Quando estamos numa explicação faço o sinal
162
Libras em estudo: tradução/interpretação
da pessoa que está falando, quando necessário mostro onde está. Também faço
localização do espaço e representação de outra pessoa na fala, por exemplo: Se é
o caso de participação do aluno em respostas, peço que levantem a mão para
mostrar que querem a palavra ou quando o professor não vê chamo a atenção do
professor para a fala do aluno. Normalmente nos organizamos em circulo ou em U
para que todos possam ser vistos. (Sabrina, Intérprete no Ensino Fundamental I –
resposta a questão 10)
[...] digo ao professor a duvida antecedido da expressão: “Sei que pode parecer
fora do assunto, mas tenho duvidas com respeito a...” esta é uma forma muito
utilizada por ouvintes quando gostaria de mudar de assunto, ou questionar coisas
das quais ainda não foram comentadas ou a muito já foram ditas, assim a
pergunta não parece inconveniente, mas sim um questionamento que poderia vir
de qualquer aluno. Algumas vezes ele apenas quer compartilhar comigo e não
quer que eu diga ao professor, outras ele apenas quer que eu confirme, com estas
não consegui boas estratégias. (Anderson, Intérprete no Ensino Superior –
resposta a questão 10)
A intérprete no Ensino Fundamental revela estratégias de interpretação mais
concretas, mais direcionadas para o aluno surdo ainda criança para que ele compreenda
o papel do intérprete e de quem é a mensagem original, já o intérprete no Ensino
Superior, na situação relatada, fez uso de uma modalização ao iniciar a fala do aluno
surdo (processo de interpretação de Libras para português), acrescentou algo para
adequar-se ao contexto acadêmico. Estas são estratégias que a partir das concepções de
Bakhtin/Volochínov (1992) revelam particularmente as formas de cada intérprete
elaborar a mensagem na língua alvo:
[...] aventuramo-nos mesmo a dizer que, nas formas pelas quais a
língua registra as impressões do discurso de outrem e da personalidade
do
locutor,
os
tipos
de
comunicação
sócio-ideológica
em
transformação no curso da história manifestam-se com um relevo
especial (BAKHTIN/ VOLOCHÍNOV, 1992, p. 154).
Quando o intérprete está fazendo a voz do surdo, ele é o locutor, as palavras são
dele, as escolhas de como dizer, ou seja, de que forma dizer são dele, mesmo levando
163
Libras em estudo: tradução/interpretação
em consideração de quem para quem, como e quando não é possível eximir-se do
comprometimento pessoal e ideológico.
Interessante o intérprete que atua no Ensino Superior revelar “Algumas vezes ele
apenas quer compartilhar comigo e não quer que eu diga ao professor, outras ele
apenas quer que eu confirme, com estas não consegui boas estratégias” (Anderson).
Quais as concepções que o levam a entender que não consegue boas estratégias ao ter
que ficar em silêncio e não interpretar. O não dizer o discurso do outro também é uma
estratégia, principalmente quando expresso por ele seu desejo de não ser interpretado.
Considerações finais
Tínhamos como objetivo a investigação da natureza do trabalho dos intérpretes
educacionais, como caminho seguido procuramos os indícios que revelassem tais ações
no discurso dos próprios intérpretes que atuam na educação. Constatamos que a
presença de um intérprete educacional assegura que questões linguísticas e
metodológicas sejam levadas em conta quando referidos os processos próprios de
acesso ao conhecimento do aluno surdo, garantindo, que de certa forma sejam
considerados.
O intérprete educacional é uma pessoa essencial dentro do processo educativo,
facilita a compreensão entre pessoas que usam duas línguas distintas. A preocupação do
intérprete educacional não é, de modo algum, apenas com o sinal ou com a estrutura da
língua fonte para a língua alvo.
A atuação deste profissional, na área educacional, requer formação específica,
experiências com a prática pedagógica, o domínio das línguas envolvidas na
interpretação, ou seja, uma boa base em fundamentos da linguística e educação. Esta
atuação envolve também questões culturais e sociais que estão em funcionamento e os
diferentes usos da linguagem nas interações humanas.
Uma série de fatores influencia a sua forma de trabalhar. Dentre eles, a lógica da
política de inclusão. A condição em que as crianças surdas chegam à escola ou os
surdos adultos no próprio Ensino Superior o fazem tomar ações para dar condições
básicas de participação do surdo neste ambiente educacional em que está inserido.
Queremos dizer com isso, que o intérprete desenvolve tais funções não por serem suas
de fatos, as condições materiais que o levam a determinadas ações. Não estamos
164
Libras em estudo: tradução/interpretação
naturalizando o papel do intérprete educacional, mas refletindo como as condições
sociais o fazem assumir vários papéis para além da interpretação.
Enfim, constatamos que em diversos momentos, principalmente no ensino
fundamental, o intérprete se vê com a função de educador, promovendo atividades que
auxiliem o aprendizado do aluno surdo, em outros momentos passa à posição de
mediador entre as pessoas que usam a língua de sinais e a língua portuguesa. Pela
condição linguística das crianças surdas, principalmente na atuação no ensino
fundamental, o papel de educador se aplica, já que atendem crianças que estão tendo
contato com uma série de conteúdos novos e também por muitas vezes com a própria
língua de sinais. No ensino superior, o intérprete trabalha com o aluno surdo que tem
certa fluência na língua de sinais, permitindo que o mesmo possa focar-se mais às
questões linguísticas, evidencia que quando da ausência de termos (léxico) em língua de
sinais participa da negociação para ampliação do léxico, desenvolve também formas
próprias de trabalhar entre as línguas e pessoas envolvidas. Tanto no ensino
fundamental como no ensino superior, o intérprete educacional busca caminhos para
conduzir o aluno surdo ao conhecimento, à inclusão social, pois esses alunos são futuros
profissionais que se formarão a partir do conhecimento que é transmitido pelo
intérprete.
Referências
ALBRES, N. de A. Interpretação da/para Libras no Ensino Superior: apontando
desafios da inclusão. V Simpósio Multidisciplinar - UNIFAI. São Paulo. 23 a 27 de
outubro de 2006.
BAKHTIN, M. (V.N. Volochínov). Marxismo e filosofia da linguagem. 6ª edição. São
Paulo: Hucitec, 1992 [1929].
BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 5ª edição. São Paulo: Martins Fontes, 2010
[1940].
BRASIL. Decreto Nº 5.626. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que
dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais.
______. Declaração de Salamanca e linhas de ação sobre necessidades educativas
especiais. Brasília: CORDE, 1994.
______. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva.
Janeiro
de
2008.
Disponível
em
<http://portaldoprofessor.mec.gov.br/storage/materiais/0000011730.pdf>.
165
Libras em estudo: tradução/interpretação
FERNANDES, E. A função do intérprete na escolarização do surdo. In: Surdez e
escolaridade, Desafios e Reflexões. Anais do II Congresso Internacional do INES, 1719 de setembro de 2003.
FERREIRA, G. E. O perfil pedagógico do intérprete de língua de sinais no contexto
educacional. Dissertação de Mestrado. UNIPAC, Bom Despacho/MG, 2002.
FREITAS, M. T de A. A perspectiva sócio-histórica: uma visão humana da construção
do conhecimento. In: FREITAS, M. T de A (et, al.) Ciências humanas e pesquisa:
leituras de Mikhail Bakhtin. São Paulo: Editora Cortez, 2007.
GATTI, B. Algumas considerações sobre procedimentos metodológicos nas pesquisas
educacionais. In: Educação em foco, n. 6, Juiz de Fora, 2003.
GUARINELLO, A. C.; SANTANA A. P.; FIGUEIRO L. C.; MASSI G. O intérprete
universitário da Língua Brasileira de sinais na cidade de Curitiba- Revista Brasileira de
Educação Especial. Vol. 14 nº 1 Marília janeiro/abril 2008.
GRUPO DE ESTUDOS DE GÊNEROS DO DISCURSO (GEGE). Palavras e
contrapalavras: glossariando conceitos, categorias e noções de Bakhtin. São Carlos:
Pedro e João Editores, 2009.
GURGEL, T. M. A. Práticas e formação de tradutores intérpretes de língua brasileira
de sinais no ensino superior. Tese. (Doutorado em Educação). Universidade Metodista
de Piracicaba. Piracicaba-SP, 2010.
HARRISON, M. P. Educação universitária: reflexões sobre uma inclusão possível. In:
Ana Claudia B. Lodi, Kathryn Marie P. Harrison, Sandra Regina L. de Campos (orgs.).
Leitura e escrita no contexto da diversidade. Porto Alegre: Mediação, 2004.
KELMAN, C. A. Interações de alunos surdos com professores e colegas em espaço
escolar inclusivo. Brasília: Universidade de Brasília Instituto de Psicologia. 2005.
KELMAN, C. A. Os diferentes papéis do professor intérprete. Espaço: Informativo
Técnico-Científico, Rio de Janeiro, v. 24, p. 25-30, 2005. Disponível em:
<http://www.ines.gov.br/paginas/Revista/ESPACO%2024.pdf>.
LACERDA, C. B. F. O Intérprete de Língua de Sinais no contexto de uma sala de aula
de alunos ouvintes. In: LACERDA, Cristina Broglia Feitosa e GOES, Maria Cecília de.
Surdez: processos educativos e subjetividade. São Paulo: editora Lovise, 2000. p.51-84
________. O Intérprete Educacional de Língua de Sinais no Ensino Fundamental:
refletindo sobre limites e possibilidades. In: LODI, Ana Claudia. (et. al.) Letramento e
minorias. Porto Alegre: Mediação, 2002. p 120-128.
________. A escola inclusiva para surdos: refletindo sobre o intérprete de língua de
sinais em sala de aula. Roma: relatório científico de pós-doutorado apresentado à
FAPESP. 2003.
LACERDA, C. B. F. ; POLETTI, J. E . O intérprete de língua brasileira de sinais no
166
Libras em estudo: tradução/interpretação
contexto da escola inclusiva. In: Anais do X Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia.
Belo Horizonte, 2002.
LACERDA, C. B. F.; POLETTI, J. E. A escola inclusiva para surdos: a situação
singular do intérprete de língua de sinais.. In: 27 reunião Anual da Associação Nacional
de Pesquisa em Educação, 2004, Caxambu. Anais da 27 reunião Anual da Associação
Nacional
de
Pesquisa
em
Educação,
2004.
Disponível
em:
<http://www.anped.org.br/reunioes/27/gt15/t151.pdf>
LACERDA, C. B. F. A inclusão escolar de alunos surdos: o que dizem alunos,
professores e intérpretes sobre essa experiência. Cad. CEDES, May/Aug. 2006, vol.26,
no.69, p.163-184. ISSN 0101-3262.
LEITE, E. M. C. A atuação do intérprete de libras no contexto da sala de aula inclusiva
In: Seminário Educação de Surdos: Múltiplas Faces do cotidiano Escolar, 22 a 24 de
setembro de 2004. (organização) INES, Divisão de Estudos e Pesquisas. Rio de Janeiro,
2004.
LEITE, E. M. C. Os intérpretes de LIBRAS na sala de aula inclusiva. Mestrado do
curso interdisciplinar de Linguística aplicada. Faculdade de Letras – UFRJ, 2004.
MARTINS, V. de O. Intérprete ou professor: o papel do intérprete de língua de sinais
na educação inclusiva de alunos surdos. Trabalho de Conclusão de Curso de Pedagogia
em Educação Especial - Faculdade de Educação da Pontifícia Universidade Católica de
Campinas. Campinas-SP, 2004.
MARTINS, D. A. Trajetória de formação e condições de trabalho do intérprete de
libras em instituições de educação superior. Dissertação de mestrado em Educação.
Campinas: PUC – Campinas, 2009. Disponível em:
<http://xa.yimg.com/kq/groups/1665875/2048201874/name/Dileia%2520Aparecida%2
520Martins.pdf>
MINAYO, M. C. Pesquisa social. Teoria do método e criatividade, 16ª edição.
Petrópolis: Editora Vozes, 2000.
NAPIER, J. University Interpreting: Linguistic Issues for Consideration. In: Journal of
Deaf Studies and Deaf Education. 7:4 Fall, 2002.
PEREIRA, M. C. da C. Aquisição da língua(gem) por crianças surdas, filhas de pais
ouvintes. In: FERNANDES, E. (org.). Surdez e bilinguismo. Porto Alegre: Mediação,
2005.
QUADROS, R. M. O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua
portuguesa / Secretaria de Educação Especial; Programa Nacional de Apoio à Educação
de Surdos – Brasília: MEC; SEESP, 2003.
QUADROS, R. M. Políticas linguísticas e educação de surdos em Santa Catarina:
espaço de negociações. Cadernos CEDES, Campinas, v. 26, n. 69, p. 141-162, 2006
167
Libras em estudo: tradução/interpretação
ROSA, A. da S. Entre a visibilidade da tradução de sinais e a invisibilidade da tarefa
do intérprete. Campinas-SP: Editora Arara Azul, 2005.
ROSA, A. da S. Tradutor ou Professor? Reflexão preliminar sobre o papel do intérprete
de língua de sinais na inclusão do aluno surdo. Revista Ponto de vista. Florianópolis , n.
8, p.55 -74 , 2006.
SCHICK, B.; WILLIANS, K. BOLSTER, L. Skill lives of educational interpreters
Working in Public Schools. In: Journal of Deaf Studies and Deaf Education. 4:2 Spring,
1999.
SCHICK, B.; WILLIANS, K. The educational interpreter performance assessment. In:
New direction in deaf education - ODYSSEY. Interpreting: Reaching out to teach deaf
children. Vol. 2 issue 2. winter/spring 2001.p. 12-14. Disponível em:
<http://www.gallaudet.edu/documents/clerc/odyssey-2001-v2i2-full.pdf>
SEAL, B. C. Best Practices in Educational Interpreting, second edition. New York:
Pearson Educational, 2004.
TUNER, E. Roles in Educational Interpreting. In: New direction in deaf education ODYSSEY. Interpreting: Reaching out to teach deaf children. Vol. 2 issue 2.
winter/spring
2001.
p.
40
–
41.
Disponível
em:
<http://www.gallaudet.edu/documents/clerc/odyssey-2001-v2i2-full.pdf>
TUXI, P. A atuação do intérprete educacional no ensino fundamental. Dissertação
(Mestrado em Educação) Universidade de Brasília, Brasília, 2009. Disponível em:
<http://repositorio.bce.unb.br/bitstream/10482/4397/1/2009_PatriciaTuxi.pdf>
168
Libras em estudo: tradução/interpretação
OS GÊNEROS DISCURSIVOS EM LIVRO DIDÁTICO
PARA SURDOS: ANÁLISE DOS PROCEDIMENTOS
TRADUTÓRIOS APLICADOS DE PORTUGUÊS PARA
LIBRAS1
Renata Sousa Santos 2
Resumo
A área de tradução de ou para língua brasileira de sinais é bem recente. Com o advento
da educação bilíngue para surdos houve a necessidade de produção de livro didático
bilíngue, traduzido de português para Libras (Língua Brasileira de Sinais). Tomamos
como objetivo analisar quais estratégias e procedimentos tradutórios os Tradutores
Intérpretes de Libras (TILS) utilizaram para produzir suas traduções, verificar se as
estratégias e procedimentos utilizados convergem para o que tem sido chamado de
procedimentos técnicos da tradução por Barbosa (2004) e se há alguma relação com o
gênero discursivo em questão. Trabalhamos na perspectiva histórico-cultural, de que
fazer pesquisa qualitativa consiste não apenas em descrever a realidade, mas também
em explicá-la desempenhando um movimento de transformação nessa mesma realidade.
Tomamos como objeto de análise os livros da coleção Pitanguá traduzidos para a Libras
pela da Editora Arara Azul. Delimitando quatro textos para análise, dois pertencentes ao
gênero discursivo de texto explicativo e dois do gênero discursivo de orientação
(enunciado de exercício/atividade). Utilizamos o procedimento metodológico de análise
constrastiva das duas línguas e o levantamento dos procedimentos técnicos da tradução
adotados pela equipe de tradutores. Verificamos ser mais recorrente a tradução literal na
tradução de textos de gênero explicativos como em enunciados de exercícios, porém
observamos também o uso de outras técnicas de tradução. O presente trabalho mostrou
que o procedimento de tradução literal é bastante recorrente, independente do gênero
discursivo.
Palavras-chave: tradução de Libras para português, procedimentos técnicos da
tradução, livro didático bilíngue, educação bilíngue para surdos.
Educação bilíngue de surdos e a produção de material traduzido de português
para Libras
O Ministério da Educação tem desenvolvido uma política de educação em que a
instrução de alunos com deficiência ou com qualquer necessidade educacional especial
não ocorra de forma separada do ensino regular (BRASIL, 2008). Todavia, para que isto
1
Trabalho orientado pela Professora Mestre Neiva de Aquino Albres.
2
Especialista em Tradução/ Interpretação e ensino de Língua Brasileira de Sinais pela FAAG.
169
Libras em estudo: tradução/interpretação
ocorra, é necessário introduzir conhecimentos que possam fundamentar professores na
reorientação das suas práticas pedagógicas, bem como formar novos profissionais como
os TILS para mediação pedagógica e para a produção/tradução de materiais didáticos e
pedagógicos.
Recentemente, materiais didáticos como livros de literatura infantil e livros
didáticos têm sido traduzidos para Libras por editoras e instituições especializadas,
como a Deaf Library, a Editora Arara Azul, a FENEIS – Federação Nacional de
Educação e Integração dos Surdos e o INES – Instituto Nacional de Educação de
Surdos.
Ramos (2004) conta que a reflexão sobre a necessidade de produção de livro
didático em Libras teve início em 1991 em um curso de Pós-graduação em Linguística
Aplicada às Ciências Sociais como trabalho de conclusão de curso que deu origem ao
programa “Vejo Vozes” (TV educativa do Rio de Janeiro) traduzido em Libras e com
Português oral em oculto. Participaram do projeto alguns atores surdos, entre eles
Marlene Pereira do Prado e Nélson Pimenta na tradução em Libras da história infantil
“Os três porquinhos”. Posteriormente a este trabalho, em meados de 1995, no
Laboratório de Linguagem e Surdez da Faculdade de Letras da UFRJ, fruto da tese de
doutorado de Clélia Regina Ramos em 2000, foi elaborada a análise da tradução do
texto “Alice no País das Maravilhas” desenvolvido pela tradutora surda Marlene Pereira
do Prado.
A Editora Arara Azul encabeçou projetos como Coleção Clássicos da Literatura
em LIBRAS/Português em CD-ROM” com o apoio da IBM (International Business
Machines) e de outras parcerias, como também o projeto “Arara de brinquedo” em
2004, trata-se de atividades educativas em Libras. Estes são recursos que viabilizaram o
processo de ensino-aprendizagem e a inclusão digital de alunos e professores (SILVA,
RAMOS, BORTOLI, 2004).
O Ministério da Educação, por meio de licitação pública, lançou edital para
aquisição do serviço de tradução de livro didático da Coleção Pitanguá a fim de oferecer
a alunos surdos livro acessível em Libras também denominado de livro didático digital.
O trabalho resultou em uma coleção voltada para alunos surdos de primeira a quarta
série do ensino fundamental das disciplinas de português, matemática, história,
geografia e ciências. A editora Arara Azul foi responsável pela a tradução do referido
material.
170
Libras em estudo: tradução/interpretação
Em abril de 2007, pensou-se na criação de um livro didático digital bilíngue
junto à SEESP (Secretaria de Educação Especial)/MEC (Ministério da Educação e
Cultura), contemplando os quatros anos do ensino fundamental, nas disciplinas básicas.
A elaboração do projeto teve início em junho de 2007 e o término em janeiro de 2009,
envolvendo 24 profissionais (intérpretes ouvintes e surdos, pesquisadores, entre outros)
com o apoio de duas empresas prestadoras de serviços (Atelier Design e Sony),
somando um total de 20 volumes da Coleção Pitanguá. O projeto envolveu estudos e
pesquisas por meio de ambiente virtual3, a respeito das formas de tradução (RAMOS,
2004).
Ocorre aqui a necessidade de um olhar peculiar sobre o texto de tradução do
português para Libras, visto que esta última se difere das demais línguas, por se tratar de
uma língua de modalidade visual-gestual, e que também possui regras que lhe são
próprias. Olhar o produto final de uma tradução analisando os processos usados pelos
profissionais tradutores. Faria (2005) considera que:
Os tradutores iniciantes, por falta de prática em tradução, tendem a
produzir traduções mais literais, que aproximam o texto-alvo da
sintaxe e da terminologia da língua-fonte, ao invés de adaptar o texto
aos padrões pragmáticos e culturais da língua-alvo. Por outro lado,
os tradutores iniciados, com uma experiência muito maior de prática
em tradução, tendem a aproximar o texto traduzido dos padrões
pragmáticos e culturais da língua-alvo, substituindo conceitos
culturais presentes no texto-fonte por outros, conhecidos na cultura
da língua-alvo. Assim, como, pela experiência de prática e
conhecimento teórico, os tradutores iniciados se mostram mais
independentes do texto-fonte, não se preocupando com a questão da
fidelidade da tradução tanto quanto os tradutores iniciantes, é
possível
que
os
iniciados
tendam
a
produzir
traduções
domesticadoras, demonstrando uma preocupação maior com os
leitores do texto traduzido (FARIA, 2005, p. 122 e 123).
3
E, para o planejamento, dinamização e organização destas atividades, assim como, o
estabelecimento de comunicação rápida e ordenada entre os participantes, foi mantido um
Ambiente Virtual, para comunicação entre os participantes (RAMOS, sd. p. 6).
171
Libras em estudo: tradução/interpretação
As opções de como traduzir diferem a depender da prática dos tradutores em tal
atividade. Sendo assim, a experiência e o contato com a cultura da língua alvo será um
fator que influenciará, de modo significativo, no processo de tradução.
Os questionamentos que nos levaram a desenvolver a presente pesquisa foram:
Quais procedimentos tradutórios são usados por tradutores de texto de português para
Libras? Existe alguma diferença no processo de tradução em decorrência no gênero
discursivo que está sendo traduzido? O objetivo deste trabalho foi de investigar o
processo tradutório realizado em livro didático por tradutores iniciados, ou seja,
trabalho produzido por equipes de tradutores com larga experiência na área. Como o
objetivo específico foi desenvolver a comparação da tradução de um texto explicativo e
de enunciado de exercício (orientação) de livro didático. A comparação dos tipos de
textos nos possibilita constatar a aplicabilidade dos procedimentos a depender do gênero
textual.
Relações entre discurso e procedimentos de tradução
Os gêneros discursivos são esferas de usos da linguagem. Os estudos de Mikhail
Bakhtin (1997) consideram gêneros discursivos como um dialogismo no processo
comunicativo.
Feita a escolha dos materiais para o artigo, antes de iniciarmos a análise dos
mesmos, uma discussão a respeito do que se entende por gênero do discurso se faz
importante.
[...] a utilização da língua efetua-se em forma de enunciados (orais e
escritos), concretos e únicos, que emanam dos integrantes duma ou
doutra esfera da atividade humana. O enunciado reflete as condições
específicas e as finalidades de cada uma dessas esferas, não só por
seu conteúdo (temático) e por seu estilo verbal, ou seja, pela seleção
operada nos recursos da língua — recursos lexicais, fraseológicos e
gramaticais —, mas também, e sobretudo, por sua construção
composicional. Estes três elementos (conteúdo temático, estilo e
construção composicional) fundem-se indissoluvelmente no todo do
enunciado, e todos eles são marcados pela especificidade de uma
esfera
de
comunicação.
Qualquer
enunciado
considerado
isoladamente é, claro, individual, mas cada esfera de utilização da
172
Libras em estudo: tradução/interpretação
língua elabora seus tipos relativamente estáveis de enunciados sendo
isso que denominamos gêneros do discurso (BAKHTIN, 1997, p.
280).
Para Bakhtin (1997), a comunicação (escrita, sons, oralidade, gestos, etc.) está
relacionada às esferas da atividade humana e com o uso da língua e de seus enunciados
(orais e escritos). Para que esta comunicação se concretize são indispensáveis três
fatores importantes: a língua, o enunciado e os gêneros do discurso. Os gêneros do
discurso estão presentes na vida cotidiana da humanidade e, portanto, sofrem
atualizações contínuas por fazerem parte do contexto histórico da sociedade. Os gêneros
discursivos apresentam-se em primários, tendo como característica a comunicação
cotidiana e os secundários têm como particularidade a comunicação produzida a partir
de códigos culturais elaborados, como a escrita.
Os textos selecionados para a análise deste trabalho são gêneros discursivos
secundários, usados na esfera acadêmica, pois foram elaborados com conteúdos do
discurso cientifico. Bakhtin (1997) relata que os gêneros primários vão se tornando
componentes dos gêneros secundários, nesse processo transformam-se dentro destes e
adquirem uma característica particular. Trabalharemos principalmente com o gênero de
texto explicativo e de texto de orientação no âmbito do enunciado de
atividades/exercícios, visto que tais gêneros têm maior predominância no material
analisado.
No campo da tradução, alguns trabalhos utilizam o modelo explicativo de
análise como os de Aubert (1994) e Barbosa (2004). Aubert (1994, 2003) adapta o
modelo denominado procedimentos técnicos da tradução “já existente na área e procura
atender aos objetivos de comparar o texto de partida e o texto de chegada”. Dessa
forma, o modelo não mais descreve procedimentos, mas sim produtos; e, por este
motivo, Aubert nomeou de “modalidades tradutórias”.
Barbosa (2004) também desenvolveu uma categorização para os procedimentos
quando comparando o texto de partida e o texto de chegada, desenvolve sua proposta
com base no autor supracitado, mas com maior detalhamento.
173
Libras em estudo: tradução/interpretação
Tabela 1 - Proposta de categorização dos procedimentos técnicos da tradução (BARBOSA,
2004, p. 93)
Para a análise desta pesquisa, tomamos como base a classificação dos
procedimentos
de
tradução/interpretação
desenvolvida
por
Barbosa
(2004).
Apresentamos a seguir os conceitos das treze categorias de procedimentos, são eles:
(1) Tradução palavra por palavra é um procedimento que pode ser observado
quando ocorre nas traduções da língua fonte para a língua alvo o uso da mesma ordem
sintática e de vocábulos com significados idênticos. Já a (2) Tradução Literal se
mantém a fidelidade semântica estrita, adequando a morfossintática às normas
gramaticais da língua da tradução. A (3) Transposição consiste na mudança de categoria
gramatical de elementos lexicais traduzidos pelo tradutor. Na (4) Modulação ocorre na
reprodução da mensagem do texto na língua fonte para o texto na língua alvo, mas
levando em consideração o modo como as línguas interpretam a experiência do real. A
(5) Equivalência trata em substituir um segmento de texto da língua fonte por outro
segmento da língua alvo que não o traduz literalmente, mas que lhe é funcionalmente
equivalente. Já na (6) Omissão e explicitação são dois procedimentos que se
relacionam. Podemos identificá-los quando existe a necessidade de omitir algum
elemento da língua fonte que é dispensável na língua alvo, ou usar algum elemento
quando necessário na língua alvo. A (7) Compensação consiste em deslocar um recurso
estilístico, ou seja, quando não é possível serem feitos os mesmos grupos de palavras,
174
Libras em estudo: tradução/interpretação
por exemplo, nos trocadilhos. A (8) Reconstrução de períodos requer que na
organização de cada língua em redividir ou reagrupar os períodos da língua fonte para a
língua traduzida. O procedimento de (9) Melhorias pode ser usado quando o tradutor
faz uso de elementos na tradução de uma língua para a outra, evitando repetições e erros
da língua traduzida preservando o sentido. O procedimento de (10) Transferência
consiste em introduzir elementos textuais da língua fonte na língua traduzida A
ocorrência de (11) Decalque fica evidente quando da tradução de sintagmas ou tipos
frasais, quando ligados a nomes de instituições requerendo a criação de certo “logotipo”
para aqueles nomes a serem traduzidos. No caso da (12) Explicação ocorre quando da
necessidade de substituições dos elementos adequando as características culturais da
língua alvo, facilitando a compreensão. Quando da (13) Adaptação alguns elementos de
texto da língua fonte apresentam falhas na tradução, ou seja, não dão sentido na língua
alvo, sendo algumas adaptações necessárias para que a equivalência garanta o
entendimento do conteúdo pelo receptor da língua alvo (BARBOSA, 2004).
É importante destacar que o uso de procedimentos técnicos de tradução, embora
úteis, não são, no entanto, suficientes para resolver todos os problemas do processo em
que o tradutor está envolvido ao trabalhar com duas línguas.
Para Vygotski (2001), a palavra desprovida de significado não é palavra, é um
som vazio. Logo, o significado é um traço constitutivo indispensável da palavra. É a
própria palavra vista no seu aspecto interior. Em suas pesquisas, para detectar a origem
do sentido da palavra, o autor pode constatar que em crianças a construção do
significado tem um processo de desenvolvimento que sofre modificações ao longo da
vida. De início esta construção de sentido se dá inicialmente entre palavra,
posteriormente, nas frases e, por fim, nas composições mais complexas que são as
orações, ou seja, o processo ocorre da parte para o todo. Existe a relação palavra e
pensamento na elaboração do significado e ao se tornar linguagem o pensamento sofre
alterações realizando-se na palavra.
Para realizar a distinção entre sentido e significado, Vygotski apoiou-se no
conceito de Paullam que mostrou que o sentido está voltado para todos os fatos
psicológicos imersos em nossa consciência, como zonas de sentidos. O significado é
parte destas zonas do sentido que a palavra adquiriu dentro do contexto de algum
discurso juntamente com as demais. Dependendo do contexto, a palavra atribui um
sentido diferente, já o significado permanece inalterado em todas as mudanças de
175
Libras em estudo: tradução/interpretação
sentido da palavra em diferentes contextos. A palavra adquire sentido quando está em
uma frase, à frase ao parágrafo e este ao contexto do livro (VYGOTSKI, 2001).
Outra observação feita pelo autor é o funcionamento dos sentidos no uso de
abreviações. As abreviações realizadas no discurso dialógico para serem compreendidas
dependerão do conhecimento do interlocutor a respeito do assunto, isto é, do seu
conhecimento de mundo. O interlocutor necessita de um entendimento vasto de
significados para que o sentido seja dado em um determinado discurso oral. Também se
faz uso de percepções visuais, mímica, gestos e entonação, o que facilitará a
compreensão do significado das palavras dependendo de seu contexto (VYGOTSKI,
2001).
Quando se trata do discurso escrito tal entendimento necessita ser ainda mais
amplo visto a necessidade de enunciar pensamentos isolados que está sujeito ao uso de
mais palavras do que no discurso falado. Para se entender o discurso do outro é
relevante também entender a motivação, o que levou o interlocutor àquele discurso, o
que tem nas entrelinhas.
Fundamentação teórico-metodológica
Trabalhamos com a abordagem histórico-cultural, visto que o processo de
tradução envolve duas línguas e culturas, além da história e experiências do sujeito que
produz a tradução. Em se tratando de relações sociais, não podemos deixar de
considerar as funções psicológicas que podem envolver progressos e regressos, por
fazerem parte do desenvolvimento histórico de nossa espécie, ou seja, Vygotsky (1998)
ao refletir sobre “Problemas de Método” considera que o pesquisador deve ter como
foco o estudo de processos e não de produtos, valorizando o fator histórico, o percurso
das mudanças dos fatos, considera ainda que se deve trabalhar com a explicação
dinâmico-causal ao invés da simples descrição do produto.
Diante do exposto, consideramos que o material da “Coleção Pitanguá”
traduzido para Libras é um material interessante para análise, já que para a produção da
tradução, foi necessária a organização de uma equipe com 24 profissionais (ouvintes e
surdos de várias regiões do país). Para a organização dos livros da coleção, foram
desenvolvidas diversas atividades que possibilitaram a tradução destes materiais. Além
das atividades específicas de tradução, outras atividades, com afinidade ao ato de
traduzir, assim como estudos e pesquisas para fundamentação deste ofício.
176
Libras em estudo: tradução/interpretação
Inicialmente, realizamos uma observação geral do material para conhecê-lo,
tentando já visualizar algumas técnicas de tradução presentes nos textos. São ao total 20
livros, quatro de cada disciplina curricular (português, matemática, ciências, história e
geografia). Uma segunda observação, mais detalhada, nos deu a oportunidade de
delimitar quatro textos para análise, dois pertencentes ao gênero discursivo explicativo e
dois do gênero de orientação (enunciado de exercício/atividade). Os textos foram
extraídos do livro da Editora Moderna - Projeto Pitanguá do componente curricular de
ciências destinado a 2ª série do Ensino Fundamental. A escolha desta disciplina está
vinculada ao aspecto de afinidade e a seleção dos textos respeitou o critério de
amostragem por gênero discursivo e que tivessem diferentes tradutores no vídeo, dois
são traduzidos por Janine Oliveira e dois por Rodrigo Rosso. Salientamos que estamos
cientes de que a interpretação em outros campos do conhecimento poderia trazer
resultados diferentes, sendo necessárias outras investigações sobre o assunto.
O material é composto por livro impresso e livro digital em Libras (CD-ROM)
onde são compilados os vídeos em Libras que traduzem os textos originais em
português.
Imagem 1- CD-ROM com do Livro Digital - DISTRIBUIÇÃO
GRATUITA/SEESP/MEC
Fonte: http://editora-arara-azul.com.br/novoeaa/livro-didatico-do-mec/
Nossa base de dados para análise foi a seguinte:
Episódios selecionados para
análise
-
Gênero discursivo
Texto explicativo
Texto de orientação
(enunciado de
exercício/atividade)
Unidade 2 – De que são feitas as
coisas?
Tópico - Transformação dos
materiais
Página 27
A decomposição
Página 29
Exercício 5 (enunciado e
tópicos)
Unidade 3 – O ambiente dos
seres vivos
Página 41
Conseguindo água
Página 42
Exercício1 (enunciado)
Exercício 2 alternativas
Tópico - Adaptação ao ambiente
Livro: Projeto Pitanguá – ciências – 2ª Série. Rio de Janeiro: Editora Arara Azul, 2008. Tradutores:
Janine Oliveira e Rodrigo Rosso.
Tabela 2 - Textos selecionados para análise
177
Libras em estudo: tradução/interpretação
Conforme os dados da tabela acima, o livro apresenta na Unidade 2 o tema –
“De que são feitas as coisas?”, e nesta unidade tem um subtópico com o título
“Transformações de materiais”. Ainda dentro desta temática, selecionamos um texto
explicativo e uma atividade. O livro apresenta na Unidade 3 o tema – “O ambiente dos
seres vivos”, e nesta unidade tem um subtópico intitulado “Adaptação ao ambiente”.
Dentro desta temática, selecionamos um texto explicativo e um texto de atividade.
A partir dos quatro textos selecionados, desenvolvemos uma análise geral e
selecionamos alguns episódios destes textos para apresentação neste relatório de
pesquisa. A apresentação no relatório foi proposta da seguinte maneira: primeiramente, o texto em português, logo abaixo as imagens (congeladas) da tradução
e sua respectiva transcrição, sendo apresentada em forma de glosa4. Para assim poder
apresentar ao leitor os dados e em seguida, a análise dessa tradução observando os
procedimentos técnicos de tradução descritos por Barbosa (2004).
Atualmente, existem vários recursos para recortar cenas de vídeogravação no
computador, como por exemplo, o software desenvolvido pelo Max Planck Institute for
Psycholinguistics: o ELAN (EUDICO Language Annotator) disponível na internet
gratuitamente e que facilita consideravelmente a análise, sendo usado principalmente
com o objetivo de descrição linguística, o mesmo já faz os recortes das cenas com maior
eficácia. Para a realização desta pesquisa, utilizamos o programa Free Vídeo to JPG
Converter que possui uma ferramenta para a captura automática de uma imagem
4
Os fragmentos do texto foram analisados usando glosa, este é um recurso para transcrição de
traduções de palavras, frases e textos da língua fonte para a língua alvo. Tal prática é utilizada na
necessidade da análise de um determinado trecho do discurso. McCleary (2009, p. 3) cita que
“uma palavra em inglês (ou em outra língua oral) é grafada em maiúsculo como representação do
sinal manual com sentido equivalente. Sinais não manuais podem ser representados por códigos
sobrescritos, e usos do espaço de sinalização podem ser indicados por letras ou números
subescritos”. A glosa também é utilizada na transcrição do Português para Libras. Utilizei tal
procedimento neste trabalho nas transcrições da Libras para o Português incluindo o recurso de
imagens. A transcrição é o registro da descrição detalhada da sinalização, no caso da Libras, que
facilitará a análise no processo de investigação dos procedimentos técnicos de tradução que é o
foco deste artigo.
178
Libras em estudo: tradução/interpretação
específica do vídeo e que atende à necessidade do recorte de cenas, já que nosso
objetivo neste momento foi a apresentação das imagens dos sinais.
De forma mais sistemática, desenvolvemos uma tabela em que registramos as
orações dos textos selecionados na língua portuguesa (língua fonte) e logo em seguida a
sua tradução para a Libras (língua alvo).
O fazer tradutório do português para a Libras: análise
Os textos analisados consistem de textos reais e a cada novo leitor, a cada nova
leitura se transformam em um novo texto. Mas, a forma como os tradutores em seu
trabalho construíram sentidos sobre o texto fonte e o materializaram em texto alvo, por
meio de filmagens das traduções, nos servem de dados para serem analisados a luz dos
procedimentos técnicos da tradução e do conceito de “sentido” proposto do Vygotski
(2001).
Apresentamos a seguir a análise dos episódios selecionados.
Texto 1: Unidade 2 – De que são feitas as coisas
Tópico 2 - Transformação dos materiais
Texto explicativo
Texto na língua fonte: português
A decomposição
Muitos materiais sofrem decomposição, ou seja, se deterioram, apodrecem. Isso
acontece por causa da ação dos seres vivos chamados decompositores (como certas
bactérias e fungos), que se alimentam desses materiais. Muitos decompositores são
microscópicos.
Fonte: Livro do Projeto Pitanguá – Ciências 2ª SÉRIE - 1ª Edição, São Paulo, 2005, página 27.
Texto na língua alvo: Libras
1
DECOMPOR MATERIAIS
2
DIVERSOS
ACONTECER
O QUE
179
Libras em estudo: tradução/interpretação
3
D - E - C-
4 O-QUE
5
6
O -
DECOMPOR
S-
D - E - C-
F -
COMER
10
D - E - C-
11
M-
B -
9
O-QUE
O -
R
O -
U-
P -
N
S-
I -
APODRECER
E-
7 EXEMPLO
8
M-
A -
-
TUDO
ISTO
VIDA
P -
O -
C-
G
T
PEQUENO
Â
-
O
ÁREA
DIVERSOS
ENVELHECER
S-
I -
-
E -
Ç -
Â
R -
-
I -
O
A
TAMBÉM
- O
MATERIAIS
O - M-
Ç -
P -
O -
ESTES
S-
I -
MAIORIA
T - O
MICROSCOPIO+OLHAR
-
R -
E
-
S
PEQUENO
A tradutora inicia a produção em Libras com uma pergunta, mesmo que em
português a estrutura sintática não o tenha feito. A sentença ‘DECOMPOR
MATERIAIS DIVERSOS ACONTECER O-QUE’ em Libras corresponde a uma
pergunta retórica. A pergunta retórica, como indicado por Albres e Neves (2010) é um
recurso linguístico da Libras muito usado em espaço acadêmico.
180
Libras em estudo: tradução/interpretação
Para Vygotski (2001), ao receber uma mensagem, o sujeito a interpreta, a
significa conforme suas experiências. A tradutora deste texto, provavelmente levou em
consideração o objetivo do texto, o gênero discursivo ligado à esfera acadêmica, à
peculiaridade que envolve este tipo de texto para fazer suas escolhas.
Constatamos neste excerto, um grande uso da soletração das palavras usando a
datilologia, para ‘decomposição’, ‘bactéria’, ‘fungos’ e ‘decompositores’. O recurso da
soletração é utilizado com frequência na comunicação com Libras, como nos nomes
pessoais, de lugares e na tentativa de suprir a falta de um determinado sinal. Em termos
práticos, a pessoa com surdez está imersa em um permanente aprendizado da língua
portuguesa. Com isso, o uso da soletração pode não dar sentido ao discurso sendo
necessário um conhecimento maior do português pelo aluno surdo ou a mediação de
outro (professor, intérprete educacional, pais, colegas) para construir os sentidos do
texto.
Os termos apresentados não apresentam sinais específicos na língua alvo. A
intérprete escolheu soletrar as palavras que foram utilizadas na língua fonte, não
acrescentando qualquer explicação. A soletração foi necessária, talvez, pelo fato da
palavra não ter um sinal específico na Libras e para evitar a repetição do classificador5
utilizado para o mesmo conceito no início do texto. Podemos afirmar que nesta tradução
também foi empregado o procedimento de transferência, conforme descrito por Barbosa
(2004). No procedimento de transferência, o intérprete mantém o termo da língua fonte
na tradução, como as línguas envolvidas são de modalidades diferentes foi necessário
soletrar usando o alfabeto manual.
Na sentença ‘Muitos decompositores são microscópicos’, a intérprete fez opção
por utilizar a explicação, isto acontece quando substitui o estrangeirismo pela
explicação para facilitar a compreensão (BARBOSA, 2004). Consideramos que na
sentença traduzida, pela falta de um sinal respectivo para microscópicos (pequenos
seres), a escolha da tradutora foi utilizar o classificador de microscópio mais o sinal de
5
Gesueli (2009), com base em estudos de linguistas brasileiros, descreve que os classificadores
são definidos como morfemas existentes em língua orais e em Língua de Sinais. Em um
primeiro momento de descrição das línguas de sinais, as configurações de mãos eram
consideradas apenas como fonemas e que atualmente passam a ser compreendidas pelos
linguistas também como morfemas, assim determinadas configurações de mãos podem ser
usadas como afixos classificadores que se juntam ao verbo, para representar características das
entidades que se referem. Desta forma, os classificadores são configurações de mãos que
representam objetos, pessoas e animais.
181
Libras em estudo: tradução/interpretação
olhar e a menção de algo muito pequeno que está sendo observado evidenciado pela
expressão facial de fechamento dos olhos e pressão nas sobrancelhas.
O processo compreensivo que o intérprete do texto fonte passa é interessante do
ponto de vista da elaboração de sua nova enunciação, passa por um movimento de
identificação do outro para quem interpreta e das condições linguísticas da língua alvo,
tendo a possibilidade de significar o texto conforme suas experiências linguísticas e
culturais.
Texto 2: Unidade 2 – De que são feitas as coisas
ATIVIDADES
Texto de enunciado de atividades/exercícios
Texto na língua fonte: português
Seu professor pede que você faça uma atividade prática para investigar o tempo de
decomposição de dois tipos de material: papel e casca de frutas.
- Registre em seu caderno como você faria essa atividade, passo a passo.
- Identifique os materiais de que você precisaria para realizar essa atividade.
Fonte: Livro do Projeto Pitanguá – Ciências 2ª séries - 1ª Edição, São Paulo, 2005, página 41.
Texto na língua alvo: Libras
1
PROFESSOR
2
VOCÊ
PEDIR+VOCÊ(olhar)
ATIVIDADE
EXPERIÊNCIA PESQUISAR TEMPO
3
MATERIAL
4
C
-
A
DOIS
-
S
PAPEL
-
C
PERÍODO
FRUTA
-
PRATICAR
DECOMPOSIÇÃO
DESCASCAR
A
182
Libras em estudo: tradução/interpretação
5
6
CADERNO
MATERIAIS
VOCÊ
VOCÊ
REGISTRAR
COMO
ATIVIDADE
ETAPAS
CAPAZ(DÁ) ENCONTRAR VOLTAR/FAZ
ATIVIDADE
A sentença ‘Seu professor pede que você faça uma atividade prática para
investigar o tempo de decomposição de dois tipos de material’ foi traduzida por
‘PROFESSOR PEDIR PRATICAR VOCÊ INVESTIGAR PESQUISAR TEMPO
PERÍODO APODRECER MATERIAL DOIS’ (linhas 1, 2, e 3) apresentada, tem como
procedimento a tradução literal, pois se compararmos com o texto fonte veremos que se
manteve a fidelidade semântica ocorrendo algumas adequações para a língua alvo dando
o mesmo sentido, conforme conceituado por Barbosa (2004).
No final desta sentença, temos para o português ‘dois materiais’, em Libras foi
apresentado como ‘MATERIAL 2’ (linha 3). Percebemos aqui uma tradução literal
visto que o sentido de dois materiais está presente nas duas línguas, mas por questões
estruturais e gramaticais da Libras, houve uma inversão da posição do numeral. Para
Barbosa (2004), a tradução literal é “aquela em que se mantém uma fidelidade
semântica estrita, adequando, porém à morfossintaxe às normas gramaticais da língua
da tradução”.
Finalizando este trecho, temos a sinalização ‘PAPEL FRUTA DESCASCAR CA-S-C-A’ (linhas 3 e 4), até o presente momento não se tem no arcabouço da Libras um
sinal que represente a palavra casca, a tradutora usou uma transferência.
Nas sentenças ‘Registre em seu caderno como você faria essa atividade, passo a
passo’, ocorre a tradução literal e em ‘Identifique os materiais de que você precisaria
para realizar essa atividade’ também ocorre a tradução literal. Todavia, nas duas há o
uso da topicalização como uma adequação sintática, o termo CADERNO e
MATERIAIS são deslocados para o início da sentença.
O termo registrar pode ser interpretado como anotar, escrever, pontuar, entre
outros. A tradutora fez opção pela escolha lexical em Libras de com uma mão expressar
colocar e com a outra mão de base a relação com o caderno. Esta escolha pode estar
183
Libras em estudo: tradução/interpretação
relacionada às vivências pessoais da tradutora de como funciona um ambiente escolar
como também das funções dos materiais escolares.
O sentido real de uma palavra é inconstante, pois, em contextos
diferentes a palavra muda facilmente de sentido. [...] Tomada
isoladamente no léxico, a palavra tem apenas um significado. Mas este
não é mais que uma potência que se realiza no discurso vivo, no qual
o significado é apenas uma pedra no edifício do sentido
(VYGOSTSKI, 2001, p. 463).
Em toda a obra de Vygotski (2001), o sentido é uma categoria central,
interpretada sob a ótica dialética. Construído nas relações sociais de sujeitos culturais.
Texto 3: Unidade 3 – O ambiente dos seres vivos
Tópico 2 – Adaptação ao ambiente
Texto explicativo
Texto na língua fonte: português
Conseguindo água
Em lugares muito quentes e secos, como em algumas regiões do Nordeste brasileiro, a
água é um recurso escasso.
Muitos animais que vivem nessas regiões têm hábitos noturnos, evitando as horas
mais quentes do dia.
(...)
Fonte: Livro do Projeto Pitanguá – Ciências 2ª séries - 1ª Edição, São Paulo, 2005, página 41.
Texto na língua alvo: Libras
1
CONSEGUIR
2
VÁRIOS
3
NORTE
ÁGUA
LUGAR
QUENTE
TAMBÉM
SECO
NORDESTE
IGUAL
ÁGUA
LUGAR
BRASIL
DIFÍCIL
184
Libras em estudo: tradução/interpretação
4
5
6
DIVERSOS ANIMAIS
LUGAR
NOITE
TER
DIVERSOS
COSTUME
EVITAR
VIVEM
REGIÕES
O-QUE
D - I -
A
QUENTE
Na tradução do trecho da frase “Em lugares muito quentes e secos, como em
algumas regiões do Nordeste brasileiro”, a escolha do intérprete foi “VARIOS LUGAR
QUENTE SECO, IGUAL LUGAR BRASIL NORTE TAMBÉM NORDESTE” (linhas
2 e 3) percebe-se que a fidelidade semântica manteve-se no texto traduzido com
pequena adequação, portanto podemos identificar aqui marcas do procedimento da
tradução literal.
Em todo o parágrafo do texto em português ao ser traduzido pelo tradutor para a
língua alvo por ‘DIVERSOS ANIMAIS DIVERSOS VIVEM REGIÕES ONDE TER
COSTUME O-QUE NOITE’ (linhas 4 e 5), o tradutor optou pelo uso do procedimento
de tradução literal, já que neste caso também se manteve a fidelidade semântica
ocorrendo adequações às normas gramaticais da língua de tradução, segundo Barbosa
(2004). Constatamos que o tradutor reestruturou a sentença para apresentá-la como uma
pergunta retórica.
Ao final da sentença, nos deparamos novamente com a equivalência em que para
“evitando as horas mais quentes do dia” a tradução escolhida foi ‘EVITAR D-I-A
QUENTE’ (linha 6), não traduz literalmente, mas é equivalente dando o mesmo sentido.
Segundo Vygotsky (2001), o sentido é determinado pelo conhecimento do
interlocutor a cerca do assunto, bem como do seu conhecimento de mundo e o uso de
outros elementos como as percepções visuais, mímica, etc. o que promoverá a
compreensão do significado do que foi dito pelo outro. Pudemos averiguar estes
aspectos no uso da tradução escolhida pelo tradutor, visto o uso de sinais não manuais
como a expressão facial associada à QUENTE, SECO, DIVERSOS, COSTUME
185
Libras em estudo: tradução/interpretação
utilizada na tradução proporciona uma melodia que auxilia na construção do sentido do
que foi explicado.
Observemos de modo particular o texto traduzido por ‘LUGAR TER
COSTUME O-QUE’ (linha 5), novamente aparece a pergunta retórica no texto
explicativo o que não ocorreu no texto fonte. Além de ser um recurso de uso frequente
na Libras, como já citado em análise anterior, parece ser bem recorrente por se tratar de
um texto explicativo, tendo como objetivo uma melhor compreensão do usuário do
vídeo.
Albres e Neves (2008) consideram que na construção de texto narrativo e
expositivo o intérprete pode recorrer à alteração da estrutura, apresentando uma
pergunta. “Na estrutura dos textos narrativos e expositivos é comum à técnica do uso de
pronomes interrogativos no meio da história, logo em seguida se apresenta a
continuidade da história como se estivesse a responder a pergunta anteriormente feita”
(ALBRES e NEVES, 2008, p. 103).
Texto 4: Unidade 3 – O ambiente dos seres vivos
ATIVIDADES
Texto de enunciado de atividades/exercícios
Texto na língua fonte: português
“Descubra quais são as adaptações de dois animais, reproduzindo os textos em seu
caderno e identificando-os com os animais do quadro. Faça um desenho de cada
animal.” (...) “No seu caderno, desenhe algum recurso que o ser humano utiliza para
viver em lugares gelados”.
Fonte: Livro do Projeto Pitanguá – Ciências- 1ª Edição, São Paulo, 2005, página 42.
Texto na língua alvo: Libras
1
TEXTO
2
VOCÊ
VOCÊ
TENTAR
PEGAR/COPIAR COLOCAR
ENCONTRAR
CADERNO
QUAL
186
Libras em estudo: tradução/interpretação
3
ANIMAL
4
ESTE
5
DEPOIS
6
VOCÊ
DIVERSOS
ADAPTAR
VOCÊ
CADERNO
VOCÊ
TER
ADAPTAR
QUAL
DESENHAR
VOCÊ
CADA
ANIMAL
DESENHAR DIVERSOS
7 HUMANO APROVEITAR+ESTE APROVEITAR+POSSÍVEL VIVER
DIVERSOS
S
LUGAR
E
R
FRIO
Nas sentenças “descubra quais são as adaptações de dois animais, reproduzindo
os textos em seu caderno e identificando-os com os animais do quadro” e “faça um
desenho de cada animal” foi traduzida para a língua alvo como “TEXTO VOCÊ
PEGAR/COPIAR COLOCAR CADERNO VOCÊ TENTAR ENCONTRAR QUAL
ANIMAL DIVERSOS VOCÊ TER ADAPTAR ESTE ADAPTAR QUAL DEPOIS
VOCÊ DESENHAR CADA ANIMAL DIVERSOS” (linhas 2, 3, 4 e 5), podemos
observar que ocorreu uma reconstrução de períodos, pois houve uma nova organização
da estrutura da língua fonte ao ser traduzida para a língua alvo. Uma das hipóteses da
ocorrência de ter ocorrido a reconstrução de períodos pode ser a tentativa de passar a
informação na língua alvo de modo que a mesma se tornasse clara para o usuário e pelas
línguas envolvidas serem constituídas por diferentes estruturas gramaticais.
Podemos observar que houve duas situações de omissão (linhas 2 e 3). A
primeira referente ao termo “dois animais” que constam na língua fonte e não foi
mencionado na língua alvo. A segunda situação refere-se ao quadro de animais que
187
Libras em estudo: tradução/interpretação
consta no corpo do livro e é mencionado no texto da língua fonte e que não foi referido
na tradução da língua alvo.
Para Barbosa (2004) a omissão ocorre quando existe a necessidade de omitir
algum elemento da língua fonte que é dispensável na língua alvo. Refletindo sobre a
opção feita pelo tradutor, podemos considerar que como a tradução está relacionada ao
material impresso e a instrução da atividade se refere à escolha dos animais escritos
dentro do quadro, sendo seguido da tradução dos nomes dos animais o tradutor
entendeu ser desnecessária a descrição numérica.
Fonte: Livro do Projeto Pitanguá – Ciências- 1ª Edição, São Paulo, 2005, página 42.
Tabela 3- Excerto do livro didático
Na frase, “no seu caderno, desenhe algum recurso que o ser humano utiliza para
viver em lugares gelados”, a tradução feita foi “VOCÊ CADERNO VOCÊ
DESENHAR
VÁRIOS
S-E-R
HUMANO
APROVEITAR+ESTE
APROVEITAR+POSSÍVEL VIVER LUGAR FRIO” (linhas 6 e 7), o intérprete
realizou uma equivalência visto que o termo “recurso’ não possui um sinal específico na
língua alvo que lhe atribui o mesmo sentido, mas o uso do sinal APROVEITAR foi
utilizado para expressar a ideia da informação que está sendo transmitida.
Constatamos nesta sentença a recorrência da simultaneidade, tanto nos sinais
APROVEITAR+ESTE como APROVEITAR+POSSÍVEL (linha 7). A Simultaneidade
para Albres (2008) consiste da possibilidade de produção de mais de um elemento
linguístico ao mesmo tempo, isso é viável na Libras por ser uma língua de modalidade
espaço-visual.
Vygotsky (2001) em sua obra afirma que a construção de sentido inicia-se entre
palavras, seguido das frases, orações e no texto como um todo. No uso do procedimento
de reconstrução de período escolhido pelo tradutor acima, percebe-se uma nova
formatação na sentença, mas no todo o sentido manteve-se.
188
Libras em estudo: tradução/interpretação
Apresentamos a seguir uma síntese dos achados desta pesquisa. Observou-se
que, assim como nos textos completos, o número de itens lexicais é sempre6 menor na
língua alvo que na língua fonte. A Tabela 3 apresenta uma breve demonstração dos
valores de signos dos textos:
Episódios
selecionados
para análise:
Tema
Transformação
dos materiais
Adaptação ao
ambiente
Gênero discursivo
Texto explicativo
Texto: A decomposição
Texto na
língua fonte:
português
- Texto na
língua alvo:
Libras
36 palavras
30 sinais
Texto de orientação
(enunciado de exercício/atividade)
Exercício 5 (enunciados)
Texto na língua
fonte: português
48 palavras
- Texto na
língua alvo:
Libras
28 sinais
Texto: Conseguindo água
Exercício 4 (enunciados)
- Texto na
língua fonte:
português
Texto na língua
fonte: português
- Texto na
língua alvo:
Libras
- Texto na
língua alvo:
Libras
45 palavras
37 palavras
27 sinais
34 sinais
Tabela 4 - Número de signos dos textos selecionados para análise
Este resultado é bem curioso, visto que em estudos da tradução é comum
verificar que o texto na língua alvo é maior que o texto da língua fonte (FERNANDES e
VASCONCELLOS, 2004).
Por meio do excerto abaixo, pode-se diagnosticar o motivo dessas ocorrências. O
texto alvo possui sinais manuais e informação não manual que não foram computados.
Na maioria dos casos, o que estava segmentado na língua fonte é agregado na língua
alvo por outros elementos espaciais e corpóreo-faciais. Portanto, é possível observar
uma diferença de estilo das línguas, sendo este tópico necessário de maior análise.
Observe o excerto 1:
Língua fonte: Registre em seu caderno como você faria essa atividade, passo a passo.
Língua alvo: CADERNO VOCÊ REGISTRAR COMO ATIVIDADE ETAPAS.
Dessa forma, consideramos que a percepção de que a tradução é uma atividade
condicionada por fatores de ordens diversas (subjetivas, históricos, condição linguística)
e de que a pesquisa nessa área pode ser útil para uma compreensão mais abrangente das
relações entre o sujeito tradutor e o mundo a sua volta.
6
Esse comportamento ocorre em todos os excertos analisados até agora.
189
Libras em estudo: tradução/interpretação
Organizamos uma tabela com os procedimentos técnicos da tradução levantados
no decorrer da pesquisa:
Episódios
selecionados
para análise Tema
Transformação
dos materiais
Adaptação ao
ambiente
Gênero discursivo
Texto de orientação
Texto explicativo
(enunciado de
exercício/atividade)
Texto: A decomposição
Exercício 5 (enunciados)
- Tradução literal (pergunta
retórica)
- Transferência
- Explicação
- Tradução literal (inversão do
numeral)
- Transferência
- Tradução literal (topicalização)
- Tradução literal (topicalização)
Texto: Conseguindo água
Exercício 4 (enunciados)
- Tradução literal
- Tradução literal (pergunta
retórica)
- Equivalência
- Reconstrução de períodos
- Omissão
- Equivalência
Tabela 5- Procedimentos técnicos identificados nos textos selecionados para análise
Constatamos que a tradução literal é usada independente do gênero discursivo.
Todavia, averiguamos que em todos os textos de gênero explicativo foi usada a
estratégia de colocação de uma pergunta retórica. A transferência foi usada nos dois
gêneros em questão, explicação e orientação. A reconstrução de período foi identificada
apenas uma parcela dos textos de gênero discursivo de orientação.
Considerações finais
Os livros da Coleção Pitanguá são um recurso de grande valia para educação de
surdos e como material de registro da língua de sinais, plausível de ser analisado numa
perspectiva linguística ou dos estudos da tradução.
Pudemos constatar que tanto nas traduções de textos explicativos quanto nos de
textos de orientação (enunciados dos exercícios), houve um predomínio do
procedimento de tradução literal. Historicamente tem-se criado um mito que a tradução
literal não seria a mais adequada. Todavia, em grande parte dos excertos analisados
nesta pesquisa ela esteve presente.
190
Libras em estudo: tradução/interpretação
A complexidade das relações entre tradução e uso de procedimentos de tradução,
focalizadas a partir dos excertos analisados, guarda uma relação íntima com práticas
discursivas da Libras, pois o tradutor não está “livre” da regularidade dos gêneros
discursivos.
Deve-se considerar a autonomia de quem traduz, o entendimento que tem da
mensagem, pois a forma de transmissão da mensagem está sujeita a condicionantes
pessoais e sociais. Pessoais, pelos sentidos construídos e sociais pela regularidade
linguística a que deve adequar o discurso.
Essa transformação é sinalizada pelo modo como se constrói o universo
imaginário em torno das interpretações e estratégias empreendidas pelos tradutores e a
sua legitimação em relação às possibilidades de leitura (e de tradução) que a obra
original tornaria possível.
Constatou-se um possível delineamento de estilo e de direcionamento do texto.
Primeiro, foi recorrente o uso de pergunta retórica no texto explicativo o que não
ocorreu no texto fonte, evidenciado no texto 1 e texto 3, textos do gênero explicativo. A
pergunta retórica não foi empregada em texto de gênero de orientação (enunciados dos
exercícios). O segundo aspecto, diz respeito ao uso da transferência, evidente em
qualquer um dos dois tipos de gêneros discursivos analisados.
Os dados coletados demonstram que se uma língua não possui uma palavra não
compromete a possibilidade de ocorrer a tradução. Elas não necessariamente
determinam a omissão de palavras em si, nem de ideias, pois essas são apresentadas em
Libras pelo uso da soletração manual ou de um classificador. Como demonstrado, não
houve eliminação dos correspondentes aos nomes técnicos (ciências biológicas), mas
uma preferência pelo uso de soletração.
Em caso de texto explicativo, verificou-se uma diminuição de ocorrências de
repetição de nomes, por causa da construção espacial da sinalização e da substituição
por pronomes ‘ISTO’.
Finalmente, cabe ainda ressaltar que, as constatações e os dados expostos são
preliminares. Seria interessante desenvolver a pesquisa com um maior número de
textos. A partir deste pequeno trabalho, pudemos evidenciar ser mais comum para o
gênero explicativo a tradução literal com uso de pergunta retórica e para o gênero
discursivo orientação (enunciado de exercícios) o uso de tradução literal e pequenas
adequações sintáticas no texto. Consideramos ser esta uma contribuição substancial para
a área da tradução em Libras, visto que no Brasil ainda é bastante insipiente a descrição
191
Libras em estudo: tradução/interpretação
da Libras. Esta discussão pode ser conteúdo para formação de tradutores iniciantes,
fornecendo-lhes maior reflexão sobre o processo tradutório.
Referências
ALBRES, N. A. De sinal em Sinal: comunicação em Libras para educadores. 1ª ed. São
Paulo: FENEIS, 2008.
ALBRES, N. A.; NEVES, S. L. G. De sinal em Sinal: comunicação em Libras para
aperfeiçoamento do ensino dos componentes curriculares. 1ª ed. São Paulo: FENEIS,
2008.
ALBRES, N. A. Cadernos de estudos da disciplina Teoria e Prática da tradução e
interpretação de Língua de Sinais. São Paulo: FAAG, 2010.
AUBERT, F. H. As infidelidades da tradução: servidões e autonomia do tradutor.
Campinas- SP: Editora da Unicamp, 1994.
AUBERT, F. H. As variedades de empréstimos. Revista DELTA. 2003, vol.19, n.spe,
pp. 27-42.
BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 2. Ed. São Paulo: Editora Martins Fontes,
1997.
BARBOSA, H. G. Procedimentos técnicos da tradução: uma nova Proposta. 2. Ed.
Campinas: Editora Pontes, 2004.
FARIA, R. L. A. Domesticação e Estrangeirização nas Estratégias e Procedimentos
Tradutórios de Tradutores Aprendizes. Rio de Janeiro: UFRJ, Faculdade de Letras,
2005. 142 p. mimeo. Dissertação de Mestrado do Programa Interdisciplinar de PósGraduação em Linguística Aplicada. In: Confluências: revista de tradução científica e
técnica,
no.
4
maio
de
2006.
Disponível
em:
<
http://www.confluencias.net/n4/faria.pdf> Acessado em 28 ago. de 2011.
FERNANDES, A.; VASCONCELLOS, M. L.. A Omissão e a Explicitação em Rare
and Commonplace Flowers. III CIATI. São Paulo: Unibero, 2004.
GESUELI, Z. A narrativa em Língua de Sinais: um olhar sobre classificadores. In:
QUADROS, R.M., STUMPF, M.R. (Org.). Estudos Surdos IV: Série Pesquisas.
Petrópolis- RJ: Editora Arara Azul, 2009. p.112 – 123.
GÓES, M. C. R.A Abordagem microgenética na matriz histórico-cultural: Uma
perspectiva para o estudo da constituição da subjetividade. Caderno Cedes, ano XX, nº
50, Abril/2000.
MACHADO, I. Gêneros discursivos. In: BRAIT, B. Bakhtin: conceitos-chave. São
Paulo: Editora Contexto, 2008.
192
Libras em estudo: tradução/interpretação
McCLEARY, L., VIOTTI, E. Transcrição de dados de uma língua sinalizada: um
estudo piloto da transcrição de narrativas na língua de sinais brasileira (LSB). Em:
<http://www.feneis.com.br/arquivos/McCleary+Viotti-2006.pdf>. Acessado em 10 mar.
de 2011.
McCLEARY, L., VIOTTI, E. L., T. A. Descrição das línguas sinalizadas: a questão da
transcrição
dos
dados.
Em
<http://www.seer.fclar.unesp.br/alfa/article/download/2880/2654>. Acessado em 10
mar. de 2011.
Projeto Pitanguá. Ciências 2ª série. 1. ed. São Paulo: Editora Moderna, 2005. p. 27, 29,
4l e 43.
RAMOS, C. R. Tradução cultural: uma proposta de trabalho para surdos e ouvintes –
Reflexões sobre trabalho de tradução de textos da literatura para a LIBRAS, realizado na
Faculdade de Letras da UFRJ entre os anos de 1992 a 2000. INES (Org.) In: Seminário
Educação de Surdos: Múltiplas Faces do Cotidiano Escolar, Rio de Janeiro, 22 a 24 de
setembro de 2004. Em
<http://www.cultura-sorda.eu/resources/Ramos_Traduccion_cultural_2001.pdf>
.Acessado em 09 mar. de 2011.
________. Livro didático Digital em Libras. Em <http://www.editora-araraazul.com.br/cursos/file.php/1/LIVRO_DIDATICO_DIGITAL.doc>. Acessado em 09
mar. de 2011.
REIS, P. D. Ideias sobre Tradução. Revista UNORP, v1(1): 41-49, dezembro 2002.
SILVA, C. C.; RAMOS, C. R.; BORTOLI, P. R., SILVA, R. J. Projeto Arara de
Brinquedo. Revista RENOTE: novas tecnologias na Educação. v. 3, n. 1 (2005).
Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/renote/article/view/13785/7974>. Acessado em 09
mar. de 2011.
VYGOTSKI, L. S. Problemas de método. In: VYGOTSKI, L. S. A. Formação Social da
Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
VYGOTSKI, L. S. Pensamento e palavra. In: VYGOTSKI, L. S. A construção do
Pensamento e da Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001. (Original publicado em
1934)
193
Libras em estudo: tradução/interpretação
194
Libras em estudo: tradução/interpretação
UMA ANÁLISE DA INTERPRETAÇÃO DA BÍBLIA PARA A
LIBRAS À LUZ DOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DA
TRADUÇÃO1
Ester Barbosa Fidelis2
Resumo
Este trabalho tem por objetivo analisar a tradução da Bíblia para a Libras, identificando
quais procedimentos técnicos da tradução descritos por Heloisa Barbosa (1990) são
mais utilizados na interpretação da carta de Paulo aos Colossenses feita por Marília
Moraes Manhães. Para tanto, foi feita a transcrição de alguns trechos selecionados a fim
de enfatizar as escolhas tradutórias da intérprete e sugerir outras possibilidades a partir
de uma visão dinâmica da tradução, que consiste na transmissão do sentido da
mensagem. Considerando a diferença entre a estrutura do português e da Libras, além
da sensibilidade do texto bíblico, observou-se que alguns procedimentos são mais
apropriados do que outros. Percebeu-se, por exemplo, que a Reconstrução de Períodos e
a Explicação têm um papel importante, uma vez que podem, ao mesmo tempo,
introduzir novos conceitos e vocabulários da Língua Original para a Língua Traduzida,
além de ampliar as possibilidades de compreensão da mensagem.
Palavras-chave: Interpretação de Língua de Sinais. Libras (Língua Brasileira de sinais).
Procedimentos Técnicos da Tradução. Tradução da Bíblia.
Tradução da Bíblia, uma tarefa desafiadora
Desde a época da qual se tem registro de iniciativas envolvendo as línguas de
sinais, observa-se o interesse pela transmissão da mensagem bíblica para os surdos.
Oliver Sacks (2000) relata que o Abade L’ Epée, ao ver os surdos pobres que vagavam
pelas ruas de Paris, preocupou-se em transmitir-lhes a mensagem do evangelho, “[o
Abade] não podia tolerar a ideia de as almas dos surdos-mudos (sic)3 viverem e
morrerem sem ser ouvidas em confissão, privadas do Catecismo, das Escrituras, da
Palavra de Deus; […]” (p.29, grifo da autora).
1
Trabalho orientado pela professora especialista Vânia de Aquino Albres Santiago.
2
Especialista em Tradução/ Interpretação e ensino de Língua Brasileira de Sinais pela FAAG.
3
O termo surdo-mudo não é adequado, pois se a maioria dos surdos não fala é porque não
ouvem e precisam do auxílio de profissionais professores e fonoaudiólogos para aprenderem a
falar (muitas vezes de maneira limitada) a língua oral nativa do país em que vivem, o que não
significa, entretanto, que necessariamente não possuam um aparelho fonador “preservado”,
comprovamos isso, pelo simples fato de por vezes estarmos conversando em sinais com um
surdo e durante a conversa ele emitir vários sons.
195
Libras em estudo: tradução/interpretação
Ao longo da história, entretanto, observa-se que o desenvolvimento do trabalho
de transmissão da mensagem bíblica para os surdos acabou limitando-se às
interpretações nos encontros religiosos, sendo poucas as iniciativas que buscam a
organização de uma tradução da Bíblia.
O interesse pelo presente tema surge da experiência como intérprete de Libras na
igreja Presbiteriana da qual faço parte e do interesse pessoal pela tradução do texto
bíblico para as línguas de sinais. Buscou-se aprofundar a análise da interpretação de
Marília Moraes Manhães da carta de Paulo aos Colossenses para a Libras que foi
realizada no trabalho de conclusão de curso da Graduação em Letras-Tradução, pela
Universidade Presbiteriana Mackenzie.
Mais recentemente, no decorrer do curso de Pós-Graduação em Ensino e
Interpretação de Libras pelo Instituto de Ensino Superior de Agudos, o contato com o
trabalho da professora Neiva de Aquino Albres (2006) sobre as produções acadêmicas
brasileiras de 1980 a 2006 envolvendo a Libras fez despertar novamente a atenção para
o fato de não haver registro de pesquisa científica envolvendo a tradução religiosa para
a Libras.
A partir da Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002 na qual “é reconhecida como
meio legal de comunicação e expressão a Língua Brasileira de Sinais – Libras e outros
recursos de expressão a ela associados”, os estudos em torno dessa língua ganham força
além de serem fomentadas pesquisas na área de tradução/interpretação das línguas. Com
base em uma série de leis específicas levando em consideração que a acessibilidade para
a comunidade surda é garantida por meio do acesso à informação, entende-se a
relevância deste trabalho de análise.
Visto isso, propõe-se um estudo comparado do texto bíblico em português da
carta de Paulo aos Colossenses com sua respectiva interpretação para a Libras. Esse
estudo tem base na proposta de recategorização dos procedimentos técnicos da tradução
apresentados por Heloisa Gonçalves Barbosa em seu livro “Procedimentos Técnicos da
Tradução” (BARBOSA, 1990).
Primeiramente, deve-se observar que os procedimentos propostos por Barbosa
foram pensados para as línguas orais e que alguns deles não se aplicam às línguas de
sinais, como é o caso da Transliteração, a qual envolve a substituição de uma convenção
gráfica por outra. Assim, outros procedimentos são indicados, a fim de melhor atender à
interpretação entre as diferentes modalidades de língua.
196
Libras em estudo: tradução/interpretação
Além disso, é preciso considerar que o texto interpretado é um texto sensível.
Segundo Simms (1997):
Nenhum texto é sensível a menos que pensem nele como tal. Esse
“pensamento” está intrínseco à língua como é experimentada por
humanos, contudo, podemos dizer que todos os textos são ao menos
potencialmente sensíveis. Se esse potencial se torna real ou não,
depende da eventualidade histórica ou cultural [...] (SIMMS, 1997, p.
3, tradução da autora).
Para Simms (1997), o que faz os textos sagrados como o texto bíblico serem
considerados sensíveis é a visão que se tem de um “Autor Original” que não se pode
confundir com o “autor do texto”, considerado como um mero escriba inspirado a
escrever a “Palavra Originária”.
Assim, o objetivo geral desse trabalho é analisar a interpretação do texto bíblico
para a Libras com base nos procedimentos técnicos da tradução listados por Barbosa e
identificar a eficácia dessas escolhas na transmissão da mensagem.
Quanto aos objetivos específicos, busca-se:
• Contribuir com a produção de bibliografia na área da interpretação de textos
religiosos/bíblicos para a Libras;
• Incentivar a reflexão sobre as práticas de interpretação no contexto religioso;
• Sugerir quais estratégias/procedimentos técnicos são mais apropriados a esse
contexto (texto religioso/bíblico/sensível).
Material e análise
O material analisado, neste trabalho, consiste em: “A Bíblia em Libras – Carta
de Paulo aos Colossenses”, uma interpretação para a Libras gravada em DVD no ano de
2005 pela intérprete Marília Moraes Manhães, pedagoga e líder do ministério com
Surdos da Junta de Missões Nacionais da Igreja Batista do Brasil. É importante
considerar que o texto utilizado como original pela intérprete é uma versão em áudio da
Bíblia na Nova Tradução da Linguagem de Hoje, esse material foi concedido pela
biblioteca para cegos do Rio de Janeiro. Assim, foi feita a interpretação simultânea do
texto em áudio.
197
Libras em estudo: tradução/interpretação
Figura 1: Capa do DVD A Bíblia em Libras – Carta de Paulo aos Colossenses
Tendo em vistas o material a ser analisado, primeiramente, foram observados os
Procedimentos Técnicos da Tradução apresentados por Heloisa Gonçalves Barbosa
(1990). Após essa observação, foi feita a seleção dos trechos a serem analisados de
acordo com cada procedimento. Esses trechos foram transcritos com base nas regras de
transcrição propostas no livro “Libras em Contexto” (2007).
Após a descrição dos respectivos procedimentos propostos por Barbosa, como
forma de disposição da análise, foi organizada uma tabela com o título do trecho
selecionado, especificando-se o capítulo e o número do versículo, o texto original em
Língua Portuguesa que foi utilizado como original pela intérprete, a respectiva
transcrição da interpretação para a Libras, a análise dos recursos utilizados e, por fim,
foram dadas algumas sugestões de interpretação.
De acordo com Nida e Taber (1982), a tradução pode ser classificada de duas
maneiras:
“Dynamic
Equivalence”
(Equivalência
Dinâmica)
e
“Formal
Correspondence” (Correspondência Formal). A Equivalência Dinâmica está centrada no
receptor da língua de chegada, de como ele reage à mensagem, buscando provocar a
“mesma reação” do leitor da língua de partida no leitor da língua de chegada, já a
Correspondência Formal prioriza a forma e o estilo do texto da língua de partida. Diante
dessa informação, a proposta desta análise tem base na ideia de uma interpretação mais
dinâmica e intercultural, na qual prevalece a transmissão do sentido.
Identificação dos procedimentos técnicos da tradução segundo Heloisa Barbosa
Existem vários estudos que tratam dos procedimentos técnicos da tradução.
Entretanto, Heloisa Barbosa propôs em seu trabalho a recategorização desses
198
Libras em estudo: tradução/interpretação
procedimentos, de maneira que estabelecesse um “consenso” entre as várias teorias e
nomenclaturas que os diferentes autores propõem.
Passamos agora para a análise de alguns trechos selecionados nos quais foram
identificados alguns procedimentos técnicos da tradução. Vale ressaltar que alguns
procedimentos não foram contemplados, alguns deles, por tratarem de questões
específicas das línguas orais, como a grafia das palavras, por exemplo.
Tradução palavra-por-palavra
É caracterizada, segundo a definição de Aubert, como:
A tradução em que determinado segmento textual (palavra, frase,
oração) é expresso na LT [Língua Traduzida], mantendo-se as mesmas
categorias numa mesma ordem sintática, utilizando vocábulos cujo
semanticismo seja (aproximadamente) idêntico ao dos vocábulos
correspondentes no TLO [Texto da Língua Original] (AUBERT apud
BARBOSA, 1987, p. 15).
De acordo com Barbosa (1990), esse procedimento “corresponde à expectativa
que muitos têm a respeito da tradução”. No entanto, observa-se que quase não há o
emprego desse procedimento na interpretação para a Libras, uma vez que apresenta uma
estrutura diferente do português. Foi identificado um pequeno trecho que segue o
padrão palavra-por-palavra:
Trecho Selecionado: Colossenses 2:20
Morrer e viver com Cristo (2min39)
Língua Portuguesa
Transcrição da Interpretação em Libras
Vocês morreram com Cristo […]
VOCÊ+ MORRER COM JESUS
Observação
Análise
Sugestão
Cada palavra da A
tradução Uma possibilidade seria fazer uma tradução
língua original teve palavra-pormais dinâmica, interpretando o significado
um correspondente palavra
foi de “morrer com Cristo”. Além disso, as
na língua alvo.
adequada, pois a palavras Cristo e Jesus têm significados
estrutura
da distintos, apesar de se referirem a mesma
língua alvo foi pessoa. A tradução pode manter essa
respeitada.
distinção ou não, inclusive com sinais já
existentes na Libras, mas que ainda geram
controvérsias4
4
A controvérsia aqui diz respeito ao sinal CRISTO que comumente é usado nas igrejas, de
acordo com o manual “O Clamor do Silêncio”. Neste manual, o sinal de Cristo é descrito da
199
Libras em estudo: tradução/interpretação
Tradução literal
Se a tradução palavra-por-palavra corresponde à expectativa que muitos têm a
respeito da tradução, a tradução literal corresponde à ideia mais difundida a respeito da
tradução e, todos os autores revisados por Barbosa têm uma definição para a mesma.
Segundo Aubert apud Barbosa (1987, p. 15) tradução literal é “aquela que mantém a
semântica estrita, adequando a morfossintaxe às normas gramaticais da LT.”
Trecho Selecionado: Colossenses 2:1
A missão e a mensagem de Paulo (3min29)
Língua Portuguesa
Transcrição da Interpretação em Libras
Pois quero que saibam o quanto eu PORQUE 1pQUERER [omissão] VOCÊ
tenho trabalhado por vocês […]
SABER [omissão] 1pTER TRABALHAR+
1sAJUDAR2s VOCÊ
Observação
Análise
Sugestão
Houve fidelidade
“que”- existe na Libras por influência Uma possibilidade seria
semântica,
do português, portanto foi omitido
acrescentar o verbo
adequando a
aqui.
“entender” no final da
morfossintaxe às
“o quanto” – nota-se que esse termo frase para dar maior
normas gramaticais vem incorporado ao próprio sinal
ênfase ao verbo “saber”,
da LT.
“TRABALHAR” feito com maior
conforme segue:
intensidade e expressão, respeitando
PORQUE QUERER
a estrutura da Libras, em vez de fazer VOCÊ+ SABER EU
o sinal “MUITO”, por exemplo, que
TRABALHAR+
também seria uma influência do
1sAJUDAR2s VOCÊ+
português.
ENTENDER?
Transposição
De acordo com Barbosa (1990), “a transposição consiste na mudança de
categoria gramatical”. Esse procedimento é facilmente identificado na tradução de
língua oral para língua oral, entretanto, na tradução para uma língua de modalidade
gestual-visual há controvérsias. Isso ocorre pela carência de estudos consistentes de
seguinte forma: Sinal: Uma das mãos em C, toca o ombro, em seguida na cintura. Significado:
caracterizado pelo manto que usava. (BAHIA, 1999, p. l46).
A questão ainda vai mais longe. Há um sinal para Cristo que já vem sendo empregado por opção
de alguns surdos que não concordam com a “motivação” do sinal anterior, que fazia referência a
Jesus como embaixador ou simplesmente ao seu manto. O “novo” sinal é feito com a mão em C
em movimento circular sobre a cabeça, buscando fazer referência ao sinal UNGIR (ÓLEO em
movimento circular sobre a cabeça), este último sinal, tem mais a ver com o significado de
“Cristo”, ou seja, “O ungido de Deus”.
200
Libras em estudo: tradução/interpretação
descrição linguística da Libras e principalmente por conta da dificuldade de registro da
língua de sinais, ou seja, de sua transcrição. Não há, por exemplo, uma notação que
identifique a desinência verbal na Libras. Assim, na interpretação do português para a
Libras fica difícil de ser identificado o procedimento de transposição, uma vez que há
casos em que um mesmo sinal pode ser utilizado tanto com a função de substantivo
quanto com a função de seu respectivo verbo, como podemos observar a seguir:
Trecho Selecionado: Colossenses 2:13
A vida em união com Cristo
Língua Portuguesa
Transcrição da
Interpretação em Libras
Antigamente vocês estavam espiritualmente PASSADO PARECER MORRER
mortos […]
ALMA
Observação
Análise
Sugestão
Não podemos afirmar se A tradução parece ser mais PASSADO VOCE
houve ou não a mudança dinâmica, pois “vocês estavam” DENTRO
gramatical
do
advérbio foi interpretado como “PARECE”. (próximo ao peito)
“espiritualmente”
e
do Já o trecho: “espiritualmente ESPÍRITO
adjetivo “mortos” para o mortos” traduzido por MORRER MORRER
verbo “MORRER” e o ESPÍRITO me parece ser o ideal,
substantivo
“ESPÍRITO”, pois transmite a ideia não
respectivamente
simplesmente de morrer, mas
espiritualmente.
Como podemos observar no trecho acima, a transcrição “MORRER” diz respeito
ao adjetivo “mortos”, entretanto, apesar de por convenção a transcrição empregar o
infinitivo, não podemos afirmar que todo sinal transcrito dessa forma exerça a função de
verbo. Da mesma forma, não podemos afirmar que o sinal “ESPÍRITO” não esteja
exercendo a função do advérbio “espiritualmente”.
A transcrição parece não dar conta do registro da Língua de Sinais, uma vez que
no original temos o emprego do imperativo e na transcrição da interpretação os verbos
são apresentados no infinitivo. Além dessas questões, existem outros elementos a serem
considerados nas línguas de sinais, tais como a expressão do olhar, por exemplo, que
não são notados na transcrição. Percebe-se, portanto, a necessidade de um
aperfeiçoamento no sistema de transcrição da Libras de maneira a contemplar o registro
desses elementos tão importantes nas línguas de sinais e a necessidade de estudos
linguísticos mais aprofundados da Libras que possibilitem a identificação desse
procedimento de tradução.
201
Libras em estudo: tradução/interpretação
Modulação
Conforme Barbosa (1990), a modulação consiste na reprodução da mensagem do
texto original no texto da língua traduzida, mas sob um ponto de vista diverso,
refletindo as diferentes formas de interpretações que as línguas têm da experiência do
real.
Trecho Selecionado: Colossenses 3:5
A vida velha e a vida nova (4min19)
Língua Portuguesa
Transcrição da Interpretação em Libras
Portanto, matem os desejos deste AGORA
VOCÊ
ABANDONAR
mundo que agem em vocês, isto é, a 2sSEDUZIR1s
MUNDO
O-QUÊ?
imoralidade sexual, a indecência, as VONTADE
INTERESSE
SEXO
paixões más, os maus desejos e a cobiça, INTERESSE
MOSTRAR
ERRADO
[…]
OLHAR
idSEDUZIR
ieSEDUZIR
VONTADE MAL
Observação
A expressão: “matem
os desejos”, que é
bem compreendida no
português,
foi
traduzida sob um
ponto de vista diverso
para a Libras por:
ABANDONAR
Além
2sSEDUZIR1s
disso, a expressão:
“Isto é”, própria do
português,
foi
traduzida
pela
expressão da Libras:
“O-QUÊ?”.
Análise
Neste trecho o verbo “matar” deu
lugar ao verbo “ABANDONAR” e
o substantivo “desejos” foi
substituído por “2sSEDUZIR1s ”
que faz menção de alguém sendo
“seduzido” ou “tentado”, no sentido
mais
geral
da
palavra,
demonstrando, assim, os diferentes
pontos de vista das línguas em
questão. Se a frase fosse mantida
conforme o texto original, por meio
de uma tradução literal, não faria
sentido na Libras. Pelo contrário,
poderia inclusive dar margem a
uma
interpretação
totalmente
divergente. “MATAR DESEJO”
poderia ser compreendido em
Libras por desejo de matar.
A interpretação de “isto é” por “o
quê” foi feliz, pois dá justamente
essa ideia de explicar o que está
sendo dito.
Sugestão
Uma sugestão seria
substituir
o
verbo
“matar”
por
“DESTRUIR”
ou
“AFASTAR”
e
substituir a expressão:
“O QUÊ?” pelo recurso
da bóia5 a fim de
explicar quais são os
desejos
do
mundo
referido ou mesmo
utilizar
o
sinal
“EXEMPLO” em vez
de:
“O
QUÊ?”
acrescentando, ainda, o
que Leite (2008) chama
de finalizador, como o
sinal: “TUDO”, por
exemplo.
5
Funcionamento da bóia de listagem: A bóia (mão esquerda) permanece suspensa no espaço de
sinalização; enquanto a mão direita continua sinalizando, até que o último item listado seja
realizado; ao término da lista é indicado por outro item lexical, o finalizador, que aparece como
uma generalização de todos os itens previamente listados, por exemplo, finalizar com o sinal
TUDO, ESSES, etc. Leite (2008).
202
Libras em estudo: tradução/interpretação
Equivalência
Barbosa (1990) descreve a Equivalência como sendo a substituição de um
segmento de texto da LO (Língua Original) por outro segmento da LT (Língua
Traduzida), sem realizar uma tradução literal, mas com função equivalente. Como
exemplos desse procedimento não foram identificados clichês, expressões idiomáticas,
provérbios, ditos populares como os que a autora propõe, mas consideramos aqui
elementos que evidenciam uma equivalência devido à diferença das línguas.
Trecho Selecionado: Colossenses 3:20
Viver bem com os outros (1min19)
Língua Portuguesa
Transcrição da Interpretação
em Libras
Filhos, o dever cristão de vocês é obedecer FILHOS SEMPRE OBEDECER SEU
sempre ao seu pai e à sua mãe porque Deus PAI PORQUE VOCÊS CRENTES
gosta disso.
DEUS 3sOLHAR2s SATISFEITO
Observação
Análise
Sugestão
Uma equivalência ideal Uma tradução literal da expressão Uma opção aqui seria
foi feita aqui, na com o “Deus gosta disso” poderia dar fazer uma inversão na
uso do espaço mental margem a uma interpretação errada ordem
da
frase,
sub-rogado6
do da mensagem, como, por exemplo, podendo ser mantida,
personagem Deus em “DEUS GOSTAR VOCÊ” e mesmo assim, a expressão:
vez de mantê-lo na que fosse entendido o apontamento: “Deus gosta de”.
terceira pessoa como “ISSO”,
não
transmitiria
o DEUS
GOSTA
ocorre no português.
verdadeiro significado que foi bem PESSOA CRENTE
traduzido pela intérprete com o uso OBEDECER
PAI
do espaço mental sub-rogado.
MÃE PRECISA.
Omissão
Esse procedimento é definido por Barbosa como a omissão de elementos do
TLO na LT, por serem considerados desnecessários ou excessivamente repetitivos,
como se pode notar no trecho a seguir:
6
O espaço mental sub-rogado é a conceitualização de algo acontecido ou que acontecerá. Em
geral, as línguas naturais usam esse espaço para narrar eventos que não estão ocorrendo no
momento da enunciação. Segundo Liddell (2003) e Liddell & Metzger (1998), o espaço subrogado também é um espaço integrado ao espaço real, e é bastante usado tanto pelos ouvintes
quanto pelos surdos, para contar histórias, narrar diálogos, citar a fala de alguém. (MOREIRA,
2007, p. 49)
203
Libras em estudo: tradução/interpretação
Trecho Selecionado: Colossenses 2:1
A missão e a mensagem de Paulo (3min29)
Língua Portuguesa
Transcrição da Interpretação em Libras
Pois quero que saibam o quanto eu PORQUE 1pQUERER [omissão] VOCÊ
tenho trabalhado por vocês […]
SABER 1pTER TRABALHAR+ 1sAJUDAR2s
VOCÊ
Observação
Análise
Sugestão
Foi empregado o Apesar de existir no léxico da Uma
possibilidade
seria
procedimento
de Libras, o termo “que”, se faz acrescentar o verbo “entender”
omissão do termo desnecessário nesse contexto, no final da frase para dar
“que”
mesmo porque sua utilização maior ênfase ao verbo “saber”,
reflete
a
influência
do conforme segue:
português.
PORQUE QUERER VOCÊ+
SABER EU TRABALHAR+
AJUDAR
VOCÊ+
ENTENDER?
Explicitação
A explicitação é o processo inverso da omissão, ou seja, o que na LO é omitido,
na LT deve, às vezes, obrigatoriamente, ser explicitado.
Trecho Selecionado: Colossenses 1:13
Oração em favor dos Colossenses (4min02)
Língua Portuguesa
Transcrição da Interpretação em Libras
Ele nos libertou do poder da escuridão e DEUS SALVAR TIRAR TIRAR-DAnos trouxe em segurança para o Reino MENTE PECADO TIRAR DAR F-É
do seu Filho amado.
FORÇA CONFIANÇA JUNTO JESUS
FILHO 3sDELE
Observação
Análise
Sugestão
Os termos “Ele” e A explicitação de Deus é quase Poderia
ser
feito
o
“seu”
foram obrigatória, pois quando se faz apontamento para o espaço
explicitados por Deus e referencia a Deus há o mental token7 “Deus” com
Jesus, respectivamente. apontamento para “Ele” acima a mão direita acima da
da cabeça. Já no caso da cabeça e o pronome
explicitação de Jesus, parece “DELE” com a mão
que a intérprete considerou esquerda sendo direcionada
necessária a explicitação que para a mão direita.
Jesus é o filho de Deus.
7
O espaço mental token é um espaço integrado, em que as coisas das quais se quer falar são
representadas sob a forma de um ponto fixo no espaço físico. As entidades tokens são invisíveis
(apenas pontos associados a alguma representação mental) e são integradas ao espaço mental
real (MOREIRA, 2007, p. 47).
204
Libras em estudo: tradução/interpretação
Trecho Selecionado: Colossenses 1: 8
Oração em favor dos Colossenses (3min)
Língua Portuguesa
Transcrição da Interpretação em Libras
Foi ele quem nos contou do amor HOMEM E-P-A-F-R-A-S 3sFALAR1s DEUS
que o Espírito de Deus deu a vocês. DAR ESPÍRITO VERDADE AMOR VOCÊS
Observação
Análise
Sugestão
O pronome “ele” Provavelmente foi utilizada a Poderia ser utilizado aqui, o
foi
explicitado, Explicitação pelo fato de o espaço mental token, o qual
sendo substituído pronome ter ficado muito estabelece um local a ser
pelo
nome distante do nome “Epafras” apontado quando determinado
“Epafras” a quem referido no versículo anterior. “personagem” for referido, mas
se referia.
Entende-se que a intérprete corre-se o risco de o personagem
fez a melhor escolha.
não ser retomado pela distância
do pronome.
Reconstrução de Períodos
A reconstrução de períodos pode ser utilizada para redividir ou reagrupar os
períodos e orações do original ao passá-los para a LT. Distribuindo, por exemplo,
orações complexas em períodos mais curtos ou vice-versa.
Trecho Selecionado: Colossenses 3:22
Viver bem com os outros (2min10)
Língua Portuguesa
Transcrição da Interpretação em Libras
Escravos, em tudo obedeçam àqueles PESSOAS
TRABALHAR
SERVIR
que são seus donos aqui na terra. Não ESFORÇO
SEMPRE
OBEDECER
1s
2s
obedeçam apenas quando eles SENHOR
DEUS
ESCOLHER
estiverem vendo vocês, procurando 1SOBEDECER2S SI CHEFE (espaço subcom isso conseguir a aprovação deles. rogado) 1sOLHAR2s VOCÊ (espaço subMas obedeçam com sinceridade, por rogado) ACEITAR 1SOBEDECER2S NÃO
causa do *temor que vocês têm pelo SEMPRE
NORMAL
1SOBEDECER2S
Senhor.
VERDADE MENTIRA-NÃO VERDADE
PORQUE VOCÊ 1SOBEDECER2S DEUS
Observação
Análise
Sugestão
O
período
foi Ao optar em não fazer ESCRAVO SENHOR SEU
reconstruído alterando referência às personagens AQUI
MUNDO
CHEFE
o
enunciado
da na terceira pessoa, mas 3SMANDAR2S+
terceira pessoa do lhes dar vida por meio do 1SOBEDERCER3S
TUDO
plural com a utilização espaço sub-rogado, a OBEDECER SÓ CHEFE VER
do espaço sub-rogado, intérprete
torna
sua ADMIRAR NÃO OBEDECER
no qual a intérprete se tradução mais próxima VERDADE
PORCAUSA
posiciona conforme as do que tipicamente é VOCÊ+ OBEDECER SENHOR
personagens presentes utilizado pelos usuários DEUS
no texto.
da Libras.
205
Libras em estudo: tradução/interpretação
Trecho Selecionado: Colossenses 2:10
A vida em união com Cristo
Língua Portuguesa
Transcrição da Interpretação em
Libras
[…] e, por estarem unidos com Cristo, vocês UNIR JESUS TER PODER FAZER
também têm essa natureza. Ele domina todos [email protected] COISA+ PORQUE JESUS
os poderes e autoridades espirituais.
TER PODER PRÓ[email protected] TUDO
Observação
Análise
Sugestão
O período foi reconstruído O resumo das
Poderia ser interpretado da
de maneira mais resumida. informações deixou de
seguinte forma: POR CAUSA
especificar sobre a
UNIR JESUS VOCÊ JEITO
“natureza” e o domínio
1SIGUAL3S PODER
ESPIRITO DEUS SENHOR
sobre os “poderes e
autoridades espirituais”.
TUDO
Transferência
Em geral, a transferência consiste em utilizar termos da LO no TLT. Uma das
formas que ela pode assumir é o Estrangeirismo + uma explicação de seu significado
diluído no texto.
Estrangeirismo
O Estrangeirismo é a transferência de vocábulos ou expressões da LO para o
TLT que se refiram a conceitos, técnicas ou objetos mencionados no Texto Original que
sejam desconhecidos aos falantes da LT. No texto escrito, essa expressão ou vocábulo
aparece entre aspas, em itálico ou sublinhado marcando o itálico. No caso de uma
explicação diluída no texto, ela poderá aparecer entre vírgulas, entre travessões, entre
aspas ou entre parênteses.
Observa-se que na Libras os casos de transferência são demonstrados
principalmente pela datilologia, ou seja, a soletração manual.
Nelson Pimenta (2009) explica que “Na língua de sinais brasileira, o alfabeto
manual é usado, normalmente, para soletrar nomes próprios. […] O alfabeto manual
também é usado para informar o endereço de algum lugar, soletrando-se o nome da rua
[…]”. (PIMENTA e QUADROS, 2009, p. 99).
206
Libras em estudo: tradução/interpretação
Trecho Selecionado: Colossenses 4:13
Últimas saudações (0min43)
Língua Portuguesa
Transcrição da Interpretação em Libras
Eu posso afirmar que ele tem EU FALAR CERTEZA HOMEM E-P-A-F-Rtrabalhado muito em favor de A-S VOCÊS TAMBÉM AJUDAR PESSOA
vocês e pela gente de Laodicéia e CIDADE
L-A-O-D-I-C-E-I-A
TAMBÉM
de Hierápolis.
CIDADE H-I-E-R-A-P-O-L-I-S
Observações
Análise
Sugestão
O alfabeto manual foi Houve uma identificação por parte da A simples menção de
utilizado para soletrar intérprete de que os nomes soletrados que os nomes se
nomes de lugares e eram, ora de um homem: “Epafras” tratavam de cidades
nome próprio.
ora de duas cidades: Laodicéia e ou pessoa foi bem
Hierapólis. Observa-se também, que o empregada.
termo CIDADE não aparece no texto
original, mas consiste em uma
explicação.
Além disso, a datilologia é empregada quando não há um sinal correspondente a
determinado vocábulo e se quer fazer uso do termo original. Esse termo pode vir com
uma explicação ou não. Nesse aspecto, pode-se citar o seguinte exemplo:
Trecho Selecionado: Colossenses 2:11
A vida em união com Cristo (0min03)
Língua Portuguesa
Transcrição da Interpretação em Libras
Por estarem unidos com Cristo, PORQUE UNIR JESUS VOCÊ JÁ C-I-R-C-Uvocês foram *circuncidados não N-C-I-D-A-D-O-S TAMBÉM JÁ C-I-R-C-Ucom a circuncisão feita no corpo, N-C-I-S-Ã-O O-QUÊ? JESUS FAZER 1SDAR2S
mas com a circuncisão feita por LIBERDADE PECADO 1SDAR2S SALVAÇÃO
Cristo, pela qual somos libertados do VIDA VOCÊS
poder da natureza pecadora.
Observações
Análise
Sugestão
Foi utilizada a Datilologia É interessante notar que a Manter
os
termos
para expressar os termos interprete utiliza o próprio TO soletrados manualmente
circuncidado
e como explicação de um dos e
acrescentar
uma
circuncisão,
que
são termos soletrados quando explicação
sobre o
estrangeirismos, os quais soletra
manualmente primeiro
termo
não possuem um sinal circuncisão podem apresentar circuncidados
que
próprio em LIBRAS. A dificuldades
para
os apresenta, no próprio
explicação
do
termo receptores da mensagem, que TO, a explicação de que
“CIRCUNCISÃO”
vem podem
desconhecer
não se trata da circuncisão
após a pergunta “O QUÊ?” apenas o vocábulo como feita no corpo. Poderia,
muito utilizada em Libras também seu significado, por então, ser feita uma
como uma espécie de se tratar de algo específico da explicação do que vem a
parênteses
para
uma cultura judaica.
ser essa circuncisão no
explicação
da
palavra
corpo.
soletrada manualmente.
207
Libras em estudo: tradução/interpretação
É importante fazer aqui um “parêntesis” para observarmos especificamente o
termo “circuncisão” que aparece por diversas vezes ao longo do texto bíblico e as
soluções que são empregadas em termos de explicação para que o mesmo seja
compreendido pelo receptor da mensagem.
O Dicionário Houaiss (1990) traz a seguinte definição para circuncisão: “1.
retirada cirúrgica do prepúcio 2. cerimônia judaica em que se pratica ritualmente tal
ato”. Observa-se que o termo recebe duas definições distintas, mas, uma vez que se
deseja realizar uma tradução dinâmica em que o receptor da mensagem efetivamente a
compreenda, é importante que se observe na interpretação a que aspecto se faz
referência nos diferentes contextos.
A tradução da Bíblia para o português, utilizada pela intérprete como TO, é a
versão da Nova Tradução na Linguagem de Hoje (1993) que traz ao final um auxílio
para o leitor com um glossário. Sobre o termo circuncisão há a seguinte definição:
Cerimônia religiosa em que é cortada a pele, chamada prepúcio,
que cobre a ponta do órgão sexual masculino. Os meninos israelitas
eram circuncidados no oitavo dia após o seu nascimento, como sinal
da aliança que Deus fez com o povo de Israel. (Gênesis 17:9-14;
Gálatas 5:2). A circuncisão também era praticada por outros povos
antigos. Em algumas passagens, a circuncisão quer dizer uma nova
natureza, que é livre do poder da natureza pecadora e é obediente a
Deus. (Romanos 2:29; Colossenses 2:11; Filipenses 3:3). (Bíblia Nova
Tradução da Linguagem de Hoje, 2005, p.1279, grifo da autora).
A explicação acima é muito extensa para ser inserida no momento de uma
interpretação, o desafio não está apenas na explicação do que é circuncisão do ponto de
vista físico, mas no tempo levado para uma explicação que contextualize esse ato do
ponto de vista cultural e religioso de maneira “diluída” na interpretação.
Na interpretação analisada, foi feita uma boa escolha ao adaptar o próprio texto
de uma forma que o termo fosse explicado com as informações ali presentes, mas isso
ocorreu apenas com o termo “circuncidar” no sentido de libertação dos pecados, ficando
omissa a interpretação do que vem a ser a circuncisão do ponto de vista físico. Uma
solução seria omitir o termo e utilizar o procedimento da Explicação.
208
Libras em estudo: tradução/interpretação
Foram identificados ainda os estrangeirismos: V-E-Z, B-E-M e J-U-D-E-U-S, NÃ-O.
Aclimatação ou Estrangeirismo Aclimatado
De acordo Pei apud Barbosa (1990), a Aclimatação é o processo por meio do
qual os empréstimos são adaptados à língua que os toma. Este procedimento também
pode ser denominado “Decalque”. Crystal apud Barbosa (1990) explica que nesse
procedimento um radical estrangeiro é adaptado à fonologia e morfologia da língua que
o importa.
Alguns trechos foram considerados exemplos de aclimatação, pois além de as
palavras serem soletradas manualmente, obedecem a outras regras da Libras como
movimento e ponto de articulação.
Nelson Pimenta (2009) trata desse mesmo fenômeno como lexicalização como
pode ser observado a seguir:
Outro efeito do contato entre essas duas línguas é observado por meio
da soletração total de uma palavra do português que se lexicaliza na
língua de sinais. Por exemplo, os sinais NUNCA, BAR, CHOPP, PAI,
ALUNO, etc. em algumas regiões do país são tão usados que foram
perdendo alguns elementos da soletração e foram se tornando sinais
que já fazem parte do léxico da língua de sinais. (PIMENTA e
QUADROS, 2009, p. 99).
Esse procedimento pode ser observado no trecho a seguir:
Trecho Selecionado: Colossenses 2:16
A vida em união com Cristo (1min19)
Língua Portuguesa
Transcrição da Interpretação em Libras
Portanto, que ninguém faça para
vocês leis sobre o que devem comer
ou beber, ou sobre os dias santos, e a
*Festa da Lua Nova, e o sábado.
AGORA PESSOAS MOSTRAR L-E-I
PRECISAR PROIBIDO VÁ[email protected] COISA+
BEBER VÁ[email protected]+ COMER NÃO
MANDAR L-E-I COISA+ D-I-A ESPECIAL
D-I-A FESTA LUA D-I-A FESTA SÁBADO
209
Libras em estudo: tradução/interpretação
Observações
Foi
utilizada
a
Datilologia
para
expressar os termos
“leis” e “dias”.
Análise
Sugestão
Os termos: “leis” e “dias” ENTÃO,
PESSOA
possuem sinais sem o uso da NINGUÉM PODER
datilologia em outras regiões
do Brasil como São Paulo,
por exemplo. O uso da
datilologia, neste caso, tem a
ver com o que é usual no Rio
de Janeiro, onde foi feita a
interpretação.
Cabe ressaltar, que além dos termos apresentados no trecho acima, ao longo da
interpretação, também foram identificados os seguintes sinais: V-A-I, P-A-Z, P-A-I e
D-E-U-S, que podem ser sinalizados sem o uso da datilologia. Esse fato pelo que é
explicado por Pimenta (2009), “o uso da soletração é mais intenso em algumas regiões
do que em outras. Isso também reflete a variação linguística existente no país. Por
exemplo, no Rio de Janeiro o uso do alfabeto manual é muito mais comum do que no
norte ou no sul do país” (PIMENTA e QUADROS, 2009, p. 99).
Fica o desafio
Nota-se que ainda há um longo caminho a ser percorrido em termos de tradução
da Bíblia para a Libras, apesar disso, já existem alguns materiais que podem servir para
estudo e encorajamento de novas iniciativas de tradução/interpretação.
Esta pesquisa, embora restrita, buscou traçar alguns pontos importantes no que
se diz respeito ao fazer tradutório, principalmente quando se trata de um texto sensível,
como o texto bíblico, além do fato de envolver duas línguas de modalidades distintas,
de um lado o português, uma língua oral, e do outro a Libras que é uma língua visualgestual.
A análise dos trechos aqui selecionados nos faz refletir sobre as particularidades
da Libras que favorecem a utilização de determinados procedimentos em detrimento de
outros, tornando-se evidentes a importância de aspectos como o espaço mental e demais
recursos utilizados na Libras.
Considera-se que os intérpretes de Libras têm realizado trabalhos a partir do
conhecimento construído empiricamente, sem ter, muitas vezes, acesso às diretrizes de
base científica que possam contribuir para seu desenvolvimento profissional. Esta
produção acadêmica vem colaborar como referência neste tema.
210
Libras em estudo: tradução/interpretação
Durante a seleção e análise dos trechos em Libras, percebeu-se que a tradução
palavra-por-palavra e a tradução literal foram procedimentos quase não empregados,
pois as estruturas das línguas poucas vezes coincidem. A Transliteração não se aplica às
línguas de sinais, uma vez que consiste na substituição de uma convenção gráfica por
outra. Além disso, não foram identificados os seguintes procedimentos: Compensação,
Melhorias, Decalque e Adaptação.
Observou-se, portanto, que os seguintes procedimentos foram mais utilizados:
transposição, modulação, explicitação, omissão e transferência (Estrangeirismo e
Aclimatação). Esse último, especificamente, é apresentado na forma de datilologia,
recurso mais comum em algumas regiões como o Rio de Janeiro, onde foi feita a
interpretação analisada.
Por fim, a Reconstrução de períodos e a Explicação são procedimentos
utilizados principalmente com o objetivo de transmitir a mensagem. Esses recursos
podem, ao mesmo tempo, introduzir novos conceitos e vocabulários da língua original
para a língua traduzida. Alguns procedimentos, entretanto, são particulares da Libras,
como o espaço mental token e o espaço mental sub-rogado, podendo ampliar ainda mais
as possibilidades de compreensão da mensagem.
Sabe-se que o assunto apresentado neste trabalho ainda merece maior atenção,
mas diante das pesquisas já existentes envolvendo a tradução de línguas orais, como é o
caso do trabalho de Heloisa Barbosa, pode-se buscar procedimentos que se apliquem às
línguas de sinais. Assim, esta pesquisa se faz relevante para os estudos da
tradução/interpretação para a Libras, como material de análise das possibilidades de
aplicação desses procedimentos tradutórios já conhecidos e que podem dar conta não
apenas de um texto sensível, como também das singularidades e especificidades de uma
língua de modalidade gestual-visual.
Referências
A Bíblia em Libras: Carta de Paulo aos Colossenses. Direção de Imagens e edição:
Gilmar F. Manhães. Produção de: Marília Moraes Manhães. Rio de Janeiro: GM VIP
Vídeo, Apoio: Missões Nacionais, 2005.
ALBRES, Neiva de Aquino. Tradução e interpretação em língua de sinais como objeto
de estudo: produção acadêmica brasileira: 1980 a 2006. Campo Grande – MS: EPILMS
17 e 18 de novembro, 2006.
211
Libras em estudo: tradução/interpretação
BARBOSA, Heloisa Gonçalves. Procedimentos Técnicos da tradução: uma nova
proposta. Campinas: Pontes, 1990.
Bíblia Sagrada: Nova Tradução na Linguagem de Hoje. Barueri: Sociedade Bíblica do
Brasil, 2005.
BRITO, Lucinda Ferreira. Estrutura Linguística da LIBRAS. Disponível em:
http://www.ines.gov.br/ines_livros/35/35_004.HTM. Acesso em: 08 de Dezembro de
2010.
FELIPE, Tanya, A Libras em contexto: curso básico: livro do estudante. 8 ed. Rio de
Janeiro: WalPrint, 2007.
LEITE, Tarcísio Arantes. 2008. A segmentação da língua de sinais brasileira (Libras):
um estudo lingüístico descritivo a partir da conversação espontânea entre surdos. Tese
de doutorado em Lingüística. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
(FFLCH)USP,
2008.
Disponível
em:
http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8147/tde-25092008-160005/
Minidicionário Houaiss da língua portuguesa 2ed. rev. e aum. Rio de Janeiro: Objetiva,
2004).
MOREIRA, Renata Lucia. Uma descrição de Dêixis de Pessoa na língua de sinais
brasileira: pronomes pessoais e verbos indicadores. Dissertação de mestrado em
Lingüística. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH)- USP, 2007.
NIDA, Eugene A; TABER, Charles R. The theory and practice of translation. Leiden:
Brill, 1982.
PIMENTA, Nelson; QUADROS, Ronice Muller de. Curso de Libras 2: básico. 1.ed.,
Rio de Janeiro: LSB Vídeo, 2009, p. 99.
SACKS, Oliver. Vendo Vozes: uma jornada pelo mundo dos surdos. Rio de Janeiro:
Imago, 1990.
SIMMS, Karl. Translating sensitive texts: linguistic aspects. Amsterdam, Atlanta:
Rodopi, 1997.
212
Libras em estudo: tradução/interpretação
SOBRE OS AUTORES
213
Libras em estudo: tradução/interpretação
Neiva de Aquino Albres
Doutoranda em Educação Especial pela Universidade
Federal de São Carlos – UFSCar (início 2010), Mestre
em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso
do Sul – UFMS (2005). Especialista em Psicopedagogia
clínica (2003). Pedagoga (2003) e Fonoaudióloga
(1999).
Membro do grupo de pesquisa “Surdez e abordagem
bilíngue” – CNPQ, coordenado pela professora doutora
Cristina Broglia Feitosa de Lacerda e pela professora
Doutora Ana Claudia Balieiro Lodi.
Experiência profissional:
Fui professora de surdos no Centro Estadual de Atendimento ao Deficiente da
Audiocomunicação – Campo Grande - MS e na Escola de surdos Instituto Santa
Teresinha – São Paulo, assumindo posteriormente a função de coordenadora de estudos
e coordenação pedagógica, respectivamente.
Docente na formação e professores de Libras. Fui tutora do curso Letras/Libras da
Universidade Federal de Santa Catarina no polo de São Paulo – USP (2006-2010) e
formadora de instrutores de Libras pela Federação Nacional de Educação e Integração
dos Surdos FENEIS em São Paulo. Membro fundador da Associação de Professores
Surdos do Estado de São Paulo – APSSP (2012).
Docente na formação de intérpretes de Libras em diversos cursos de extensão e pósgraduação, coordenei o curso de pós-graduação em Libras da FAAG (2009-2011).
Coordenadora do GRUPO DE PESQUISA sobre tradução/interpretação em língua de
sinais e interpretação educacional da FENEIS e APILSBESP.
Consultora de projetos em linguística aplicada ao ensino de Libras para ouvintes,
português como segunda língua para surdos, tradução e interpretação em Libras e sobre
educação bilíngue para alunos surdos. Assessora da Secretaria Municipal de Educação
de São Paulo – Diretoria de Orientação técnica em Educação Especial para a
implantação do programa de Educação bilíngue para surdos (2011-2012).
Tradutora português/libras de livros infantis pela Editora Brinquebook, autora de livros
didáticos de Libras pela FENEIS-SP; autora de artigos que focam temas como: surdez, a
educação bilíngue de surdos e a língua de sinais, formação de intérpretes e de
professores de Libras, publicados em revistas e livros.
Página: http://interpretaremlibras.blogspot.com/
(Texto informado pelo autor)
214
Libras em estudo: tradução/interpretação
Vânia de Aquino Albres Santiago
Mestranda pelo Programa de Pós-graduação Stricto
Sensu em Educação Especial pela UFSCar. (início 2011).
MBA em Gestão de Pessoas pela Anhanguera
Educacional (2011).
Tradutora/ Intérprete de Libras-Português certificada
pelo Exame Nacional de Proficiência em Libras –
PROLIBRAS-MEC (2007). Guia-Intérprete para
Surdocegos certificada pela AHIMSA – Associação
Educacional para Múltipla Deficiência e ABRASC –
Associação Brasileira de Surdocegos (2011).
Membro do grupo de pesquisa “Surdez e abordagem bilíngue” – CNPQ, coordenado
pela professora Dra. Cristina Broglia Feitosa de Lacerda e pela Dra. Ana Claudia
Balieiro Lodi.
Experiência profissional:
Tradutora/ Intérprete de Libras- Português da Universidade Presbiteriana Mackenzie.
Experiência em interpretação no campo educacional, no ensino fundamental, médio e
ensino superior. Atuei também como intérprete de Libras na justiça, na área da saúde,
em empresas e conferências.
Intérprete Português/Libras nos Festivais de Contação de Histórias da Coordenadoria do
Sistema de Bibliotecas da Prefeitura de São Paulo desde 2009.
Docente do Curso de Pós-graduação Lato Sensu em Libras da Faculdade de Agudos e
da UNIBEM – Curitiba. Docente formadora da equipe de intérpretes da CSS Congregação Santista de Surdos, e docente em Oficinas de formação da FENEIS-SP.
Página: http://librasesaude.blogspot.com/
(Texto informado pelo autor)
215
Libras em estudo: tradução/interpretação
Marcus Vinícius Batista Nascimento
Mestre em Linguística Aplicada e Estudos da
Linguagem pela PUC-SP (2011) e Bacharel em
Fonoaudiologia pela PUC-SP (2009).
Tradutor Intérprete da Língua de Sinais Brasileira
(Libras)/ Língua Portuguesa certificado pelo MEC
através do Exame Nacional de Proficiência em Língua
Brasileira de Sinais - PROLIBRAS.
Membro do grupo de pesquisa “Linguagem, Identidade
e Memória” – CNPQ, coordenado pela professora
doutora Beth Brait.
Experiência profissional:
Professor do curso de Pedagogia do Instituto Singularidades, do curso de Especialização
em Ensino de Libras da Universidade Presbiteriana Mackenzie e da Pós-Graduação lato
sensu em Libras e Educação de Surdos do Grupo Educacional UNINTER/IBPEX.
Assessor da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo – Diretoria de Orientação
técnica em Educação Especial para a implantação do programa de Educação bilíngue
para surdos (2011-2012)
Experiência em interpretação da Libras para surdos em diferentes esferas de produção
de discurso: jornalística, judiciária, coorporativa, acadêmica, educacional; sendo nesse
último em diferentes áreas do conhecimento: administração, contabilidade, design
gráfico, sistemas de informação, educação, recursos humanos, entre outros.
Experiência em fonoaudiologia, linguagem, língua de sinais, bilinguismo, surdez e
tradução e interpretação de línguas sinalizadas.
Página: http://www.empautasurdezediferenca.blogspot.com/
(Texto informado pelo autor)
216
Libras em estudo: tradução/interpretação
Ana Claudia dos Santos Camargo
Especialista em tradução/interpretação e ensino de Libras
pela Faculdade de Agudos (2011), graduada em Pedagogia
com habilitação em educação de surdos pelo Centro
Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas (1997).
Experiência profissional:
Professora bilíngue no ensino fundamental com crianças
surdas na Prefeitura de São Paulo. Docente de Libras na
Universidade Paulista - UNIP, tutora da disciplina de Libras
em cursos oferecidos na modalidade a distância pela Universidade Federal de São
Carlos – UFSCAR e intérprete de Libras em congressos e eventos.
Contato: [email protected]
(Texto informado pelo autor)
Regina Maria Russiano Mendes
Especialista em tradução/interpretação e ensino de Libras
pela Faculdade de Agudos (2011) e em educação de
Surdos pela Faculdade Gama Filho (2009). Graduada em
Pedagogia pela Universidade Bandeirante (1993) e em
Educação física pela Universidade de Santo Amaro
(1985).
Experiência profissional:
Professora na rede estadual de ensino de São Paulo.
Contato: [email protected]
(Texto informado pelo autor)
217
Libras em estudo: tradução/interpretação
Silvia Maria Estrela Lourenço
Especialista em tradução/interpretação e ensino de
Libras pela Faculdade de Agudos (2011). Especialista
em Surdocegueira e em Múltipla Deficiência Sensorial
pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (2007);
Especialista em Língua Portuguesa/Libras pela
Faculdade de Maringá – PR (2004). Graduada em
Pedagogia em Educação de Deficientes da ÁudioComunicação – EDAC, Administração Escolar e
Orientação Educacional pela Faculdade Metropolitanas
Unidas - FMU (1989).
Experiência profissional:
Professora de curso de Pós-graduação Educação Especial/Educação Inclusiva –
Deficiência Auditiva/Surdez (Universidade Gama Filho), professora de curso de Pósgraduação: Educação Inclusiva (USP), professora do Curso de Guia-intérpretes para
Surdocegos (Grupo Brasil de Apoio ao Surdocego/AHIMSA/ABRASC), professora da
rede municipal de ensino de São Paulo, com experiência em Educação Especial
(Deficiência Auditiva, Intelectual, Surdocegueira e Múltiplas Deficiências).
Contato: [email protected]
(Texto informado pelo autor)
Renata de Sousa Santos
Especialista em tradução/interpretação e ensino de
Libras pela Faculdade de Agudos - FAAG (2011).
Especialista em Educação a Distância pela Universidade
de Franca- UNIFRAN (2010). Especialista em Educação
Inclusiva e Deficiência Mental pela Pontifícia
Universidade Católica de São Paulo - PUC (2007).
Graduada em Pedagogia com habilitação em Educação
de Deficientes da Áudio-Comunicação – EDAC e
Orientação Educacional pela Pontifícia Universidade
Católica de São Paulo - PUC (2003).
Experiência profissional:
Professora do curso de Pós-graduação Educação Inclusiva (USP), professora da rede
municipal de ensino de São Paulo, com experiência em Educação Especial (Deficiência
Auditiva e Intelectual).
Contato: [email protected]
(Texto informado pelo autor)
218
Libras em estudo: tradução/interpretação
Ester Barbosa Fidelis
Especialista em tradução/interpretação e ensino de Libras
pela Faculdade de Agudos - FAAG (2011), Bacharel em
Letras com habilitação para tradutor em Inglês e Francês
e Licenciada em Português e Francês pela Universidade
Presbiteriana Mackenzie (2008).
Experiência profissional:
Experiência como Tradutora e revisora de textos de
língua inglesa e francesa (2007-2008) e intérprete de
Libras em cursos de nível técnico na instituição de ensino
Senai (2008-2009).
Instrutora e Intérprete de Libras na rede municipal de ensino da prefeitura de São
Caetano do Sul, desenvolvendo o Atendimento Especializado em Libras para os surdos
em horário oposto ao ensino regular.
Contato: [email protected]
(Texto informado pelo autor)
219
Libras em estudo: tradução/interpretação
(Texto informado pelo autor)
220
Fly UP