...

Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca

by user

on
Category: Documents
11

views

Report

Comments

Transcript

Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca
Universidade dos Açores
Departamento de Ciências Agrárias
Avaliação de produção de milho doce para consumo em
maçaroca em três datas de sementeira diferentes
MESTRADO EM ENGENHARIA AGRONÓMICA
Iolanda Ormonde da Silva
Angra do Heroísmo
2012
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Universidade dos Açores
Departamento de Ciências Agrárias
Avaliação de produção de milho doce para consumo em
maçaroca em três datas de sementeira diferentes
MESTRADO EM ENGENHARIA AGRONÓMICA
Iolanda Ormonde da Silva
Orientador:
Prof. Dr.ª Anabela Mancebo Gomes
Dissertação apresentada
na Universidade dos Açores
para a obtenção do grau de
Mestre em Engenharia Agronómica
Angra do Heroísmo
2012
2
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Resumo
Este ensaio teve lugar numa quinta particular situada no local do Pesqueiro, na
Freguesia de São Bartolomeu de Regatos, ilha Terceira. O local do ensaio situa-se a
uma altitude de 52 m, exposição sudoeste, tendo como coordenadas 38º 39’ 00” Norte
e 27º 13’ 40” Oeste. O milho doce escolhido foi o híbrido F1, designado por Challenger
F1. Este híbrido é do tipo superdoce (endosperma sh2) e pode ser utilizado para
consumo em fresco ou para a indústria. O ensaio consistiu em testar três datas de
sementeiras diferentes (15 Março, 14 e 27 de Abril). Para a data de sementeira de 15
Março testaram-se também duas datas de colheita, 6 e 15 de Julho. Na altura da
colheita, as plantas obtidas da sementeira de 15 de Março, eram mais baixas do que
as plantas obtidas das sementeiras de 14 e 27 Abril (respetivamente menos 22 e 32
cm) e necessitaram mais dias para atingirem o estado ideal do grão. Contudo a menor
altura das plantas não se refletiu num elevado decréscimo da produção de maçaroca.
As produções obtidas por hectare, de maçarocas sem folhas e sem pedúnculos, nas
três datas de sementeira testadas, com qualidade do grão semelhante, foram 11415,
9750 e 12250 kg maçaroca, para respetivamente as datas de sementeira de 15 Março,
14 e 27 de Abril. Para a data de sementeira de 15 de Março, atrasar a data de colheita
de 6 para 15 de Julho, fez aumentar a produção de maçarocas (sem folhas) em 12 %
e aumentou a qualidade dos grãos, que estavam ainda no estado leitoso mas mais
perto do pastoso.
Palavras chave: Datas de sementeira, produções de maçarocas
3
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Abstract
This trial took place in a farm located in Pesqueiro, S. Bartomeu de Regatos Village,
Terceira Island. The experimental site was 52 m a.s.l. facing Sud-East, 38º 39’ 00”
North e 27º 13’ 40” West. The chosen sweet corn hybrid was Challenger F1, of the
supersweet type (endosperm sh2) and is suited for fresh consumption of the ears,
freezing and canning. In this trial three dates of sowing were studied (15 th of March,
14th and 27th of April). For the 15th of March sowing date, two dates of harvest were
also studied, 6th and 15th of July. At harvest time, the corn plants seeded in the 15 th of
March were shorter than the corn plants seeded in the 14 th and 27th of April (by
respectively, 22 and 32 cm) and needed more days to attain the ideal grain maturity.
However the lower plant height did not represent a high decrease of yield. The yields
obtained per hectare, for the ears without husks, in the three dates tested were 11415,
9750 e 12250 kg, for respectively the 15th of March and the 14th and 27th of April. For
the 15th of March seeded date, to delay harvest from the 9th to the 16th of July,
increased the yield (ears without husks) by 12 % and increased grain tastiness , which
were yet in the milky stage, however closer to dough stage.
Key words: Seeding dates, ears yield
4
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Agradecimentos
Ao longo do meu percurso académico e em especial na elaboração deste trabalho
foram várias as pessoas que me deram apoio, orientação e amizade. Para todos eles
quero expressar os mais sinceros agradecimentos.
À Professora Doutora Anabela Gomes que na qualidade de orientadora possibilitou a
realização deste trabalho, pela disponibilidade, transmissão de conhecimentos,
amabilidade e amizade demonstradas.
Ao Sr. António Moules que me disponibilizou os seus terrenos para a realização do
ensaio, sem os quais este trabalho não teria sido possível.
Aos meus pais pelo constante amor, carinho, presença, e estímulo demonstrado
durante todo este percurso.
Ao meu namorado Fábio, por ter estado sempre ao meu lado, pelo amor,
compreensão, paciência e encorajamento que sempre demonstrou.
A uma pessoa muito especial, que apesar de agora se encontrar um pouco debilitada,
sempre me apoiou de várias formas durante este meu percurso académico, a minha
avó Maria dos Anjos.
Agradeço igualmente a todos os amigos, colegas, funcionários e professores do
D.C.A. da Universidade dos Açores que de alguma forma contribuíram para uma etapa
muito importante da minha vida.
A todos aqueles que de alguma forma contribuíram para a realização deste trabalho,
quero expressar o meu reconhecimento e amizade.
A TODOS O MEU MUITO OBRIGADO
5
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Índice Geral
AGRADECIMENTOS………………………………………………………………………….III
RESUMO……………………………………………………………………………………….IV
ABSTRACT……………………………………………………………………………………..V
ÍNDICE GERAL………………………………………………………………………………..VI
ÍNDICE DE FIGURAS………………………………………………………………………..VII
ÍNDICE DE QUADROS……………………………………………………………………..VIII
INTRODUÇÃO…………………………………………………………………………………1
CAPÍTULO 2 – REVISÃO BIBLIOGRÁFICA……………………………………………….2
2.1 - Origem do milho doce…………………………………………………………………………….2
2.2 - Características do milho doce………………………………………………………………… …3
2.3 - Identificação dos estágios de desenvolvimento do milho doce……………………………...5
2.3.1 – Polinização…………………………………………………………………………………......8
2.4 – Textura e espessura do pericarpo…………………………………………………………......10
2.5 – Exigências edafo-climáticas………………………………………………………………… ….10
2.5.1 – Clima e Época de plantio…………………………………………………………………......10
2.5.2 – Solos………………………………………………………………………………………… ….11
2.6 – Preparação do solo………………………………………………………………………………11
2.6.1 – Sementeira convencional e directa……………………………………………………… …..11
2.6.2 – Herbicidas………………………………………………………………………………….......12
2.6.3 – Adubações……………………………………………………………………………………..14
2.6.3.1 – Adubação de fundo…………………………………………………………………………16
6
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
2.6.3.2 - Adubação de cobertura……………………………………………………………………..16
2.6.4 – Água………………………………………………………………………………………… …16
2.7 – Escolha da semente…………………………………………………………………………….17
2.7.1 – Propagação……………………………………………………………………………………19
2.7.2 – Controlo de infestantes……………………………………………………………………….19
2.8 – Híbridos……………………………………………………………………………………… …...20
2.9 – Rotação de culturas……………………………………………………………………………...21
2.10 – Solarização………………………………………………………………………………………21
2.11 –Doenças…………………………………………………………………………………….........22
2.11.1– Controle de doenças……………………………………………………………………........26
2.12 – Pragas……………………………………………………………………………………… ……27
2.12.1 – Controle das pragas e produtos a utilizar……………………………………………… ….32
2.13 – Colheita e comercialização………………………………………………………………........33
2.14 – Utilização do milho doce…………………………………………………………………........35
2.15 – Benefícios para a saúde…………………………………………………………………........36
2.16 - Principais diferenças entre o milho doce e o milho convencional…………………… …….36
CAPÍTULO 3 – MATERIAIS E MÉTODOS……………………………………………………........38
3.1 - Localização e características gerais da área experimental…………………………………38
3.2 – Caracterização do solo…………………………………………………………………………39
3.3 – Preparação do solo…………………………………………………………………................40
3.4 – Sementeira…………………………………………………………………………………… …40
3.5 – Híbrido de milho doce utilizado……………………………………………………………......40
3.6 – Adubação e tratamentos fitossanitários……………………………………………………....41
3.7 – Altura das plantas, número de folhas e colheita das maçarocas………………………….42
CAPÍTULO 4 – RESULTADOS E DISCUSSÃO……………………………………………………48
7
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
4.1 – Período de permanência do milho no solo…………………………………………………...48
4.2 – Altura do milho e número de folhas por planta………………………………………………48
4.3 – Produção de maçarocas obtidas por hectare, com e sem folhas………………………….49
CAPÍTULO 5 – CONCLUSÕES……………………………………………………………………...51
CAPÍTULO 6 – BIBLIOGRAFIA………………………………………………………………………52
8
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Símbolos e Abreviaturas
ha - hectares
FAO – Food and Agriculture Organization
N – Azoto
P2O5 – Pentóxido de fósforo
K2O – Anidrido de potássio
S – Enxofre
P – Fósforo
K – Potássio
9
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Índice de Figuras
Figura 1 – Evolução genética do milho……………………………………………………...3
Figura 2 – Crescimento de uma planta de milho doce…………………………………….5
Figura 3 – Início da fase de pendoamento………………………………………………….7
Figura 4 – Fenologia do milho doce: Estados de desenvolvimento da cultura………...7
Figura 5 – Pendão (Flores masculinas)…………………………………………………….9
Figura 6 – Sedas (Flores femininas)………………………………………………………..9
Figura 7 – Protecção da espiga com um saco de plástico……………………………….9
Figura 8 – Polinização sobre o estigma receptivo………………………………………..10
Figura 9 – Milho bicolor……………………………………………………………………...19
Figura 10 – Milho branco……………………………………………………………………19
Figura 11 – Milho amarelo………………………………………………………................19
Figura 12 – Sintomas de Helmintosporiose………………………………………………23
Figura 13 – Sintomas de Ferrugem Puccinia polysora………………………………….23
Figura 14 – Sintomas de Ferrugem Puccinia sorghi…………………………………….23
Figura 15 – Estragos causados por Antracnose-do-colmo……………………………..24
Figura 16 – Fusariose do colmo……………………………………………………………25
Figura 17 – Fusariose da espiga…………………………………………………………..25
Figura 18 – Podridão bacteriana……………………………………………....................25
Figura 19 – Podridão de raízes e colmo e sintomas na parte aérea da planta...........26
Figura 20 – Fêmea de aranhiço-vermelho……………………………………………….28
Figura 21 – Folha de milho doce infestada por Rhioalophum maidis………………...29
Figura 22 – Sitobion avenae……………………………………………………………….29
Figura 23 – Estragos provocados por Sesamia nonagrioides…………………………30
Figura 24 - Ataque de Agriostes num campo de milho doce…………………………..31
10
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Figura 25 – Crisálida de Ostrinia nubilalis…………………….………………………......31
Figura 26 – Ataque de Scutigerella immaculata………………………………………….32
Figura 27 – Colheita do milho doce………………………………………………………..33
Figura 28 – Forma correcta de colher maçarocas de milho……………………………35
Figura 29 – Utilização do milho doce……………………………………………………...36
Figura 30 - Foto da lagarta que atacou o milho doce…………………………………...42
Figura 31 - Estragos provocados pela lagarta na soca de milho……………………...42
11
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
1. Introdução
O milho doce tem vindo a ganhar importância mundial sendo consumido
preferencialmente enlatado ou congelado.
Em 2008, os principais produtores mundiais de milho doce enlatado ou congelado
eram: Estados Unidos da América, Tailândia, Brasil, Hungria e França. A França
produziu 270 000 toneladas (peso líquido) de conservas de milho doce, um aumento
de 12,5% em relação a 2007. A quantidade de milho doce congelado subiu quase
10%, atingindo 340 000 toneladas (peso líquido) (www.agpm.com).
Nos Açores, o milho doce é produzido para ser consumido preferencialmente em
fresco (maçaroca). Há a particularidade de na ilha Terceira as maçarocas de milho
doce serem utilizadas para cozer e posteriormente vendidas nas touradas à corda da
ilha, onde são muito apreciadas.
O presente trabalho tem como objectivo avaliar a produtividade de milho doce, em
cultura de sequeiro, numa altitude de aproximadamente 50 m, na zona costeira
Sudoeste da ilha Terceira, a produtividade será avaliada pelo: número de socas
colhidas por hectare e o peso médio de soca obtida, no estado óptimo para consumo
humano. Serão tidos em conta factores de influência como a precipitação e a
temperatura referentes às datas de sementeira (15 de Março, 14 de Abril e 27 de
Abril).
12
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
2. Revisão bibliográfica
2.1 – Origem do milho doce
O milho doce (espécie Zea mays L.,grupo saccharata) pertence à família Poaceae,
subfamília Panicoideae, tribo Andropogoneae, género Zea (Filgueira, 1972).
O milho doce é o resultado de uma mutação espontânea que ocorreu no milho e que
foi descoberto pelos povos indígenas no continente americano, provavelmente na
região do México, em tempos pré – históricos, cerca de 7000 – 10000 anos atrás,
onde o começaram a utilizar como fonte de açúcar. O Iroquois (associação de tribos
indígenas da América do Norte) deu a conhecer o milho doce aos colonos europeus
em 1779, a que chamavam de Papoon. Estes levaram – no para as regiões sul e
central dos Estados Unidos, para a Europa e para o resto do mundo (Kwiatkowski et
al., 1981).
O carácter doce no milho deve-se a uma mutação que, quando presente, resulta no
bloqueio da conversão de açúcares em amido, no endosperma. Para efeito prático,
pode dividir-se o material em dois grupos: superdose, contendo o gene brittle
(originalmente denominado Evereasering Heritage) e doce, contendo o gene sugary
(www.embrapa.br).
Em 2008, os principais países produtores de milho doce eram: Estados Unidos
(240.130 ha), Nigéria (162.500 ha), Nova Guiné (116 000 ha), Costa do Marfim (91
000 ha) e México (56.363 ha). França é o país europeu com maior área de produção
(25599 ha) e Portugal não consta nesta estatística. Em 2008, a área de milho doce
plantada em todo o mundo era de aproximadamente 1 bilião de hectares (FAO, 2010).
Nos Açores, a área cultivada com milho doce em 2005 foi de 24 hectares, com uma
produtividade total de 194 toneladas. No ano de 2006, houve um aumento da área
cultivada para 32 hectares, e uma produção total de 326 toneladas (SREA, 2011).
O milho doce que outrora era cultivado pelos índios mal lembra o milho atual: as
espigas eram pequenas e falhadas, e boa parte da produção se perdia em razão das
doenças e pragas. Foi através do melhoramento genético que o milho atingiu sua
forma
actual
(www.ateliergourmand.com.br).
13
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Existem fontes que indicam que provavelmente foi originado de uma mutação de um
antigo milho peruano chamado "Chuspillo' ou “Chullpi” (aces.nmsu.edu).
A espécie Zea Mays possui uma enorme variabilidade genética para a composição do
endosperma e parte desta variabilidade tem sido explorada pelo homem dando origem
a diferentes tipos de milho (Barbieiri, 2010).
Milho doce e milho pipoca são os únicos membros da família Poaceae classificados
como vegetais. No entanto, esta família é uma das mais importantes para a
alimentação humana, seja diretamente trigo e centeio ou como alimento para animais
domésticos como feno, forragem e milho-grão ou aveia. A cana-de-açúcar também é
um importante membro da família (Stall et al, 2011).
Imagem 1 – Evolução genética do milho doce (Retirado de: www.wikipedia.org)
2.2 – Características do milho doce
A planta possui uma altura média de 1,30 a 2,50 m de altura, o caule é um colmo
erecto, cilíndrico, fibroso, com nós e entrenós, geralmente, cobertos por uma parte da
folha, denominada bainha. As folhas são de tamanho médio a grande, cor verdeescura a verde-clara, flexíveis e tem uma nervura central branca, lisa e bem visível. A
planta produz inflorescência masculina (bandeira ou pendão) na sua parte mais alta,
onde produz os grãos de pólen e a(s) inflorescência(s) feminina(s) (espiga) a meia
altura. Cada seda (estilete) que sai da espiga é responsável pela produção de um
grão, depois de fecundada. O milho doce produz bem em épocas do ano com m édia a
alta temperatura e boa disponibilidade de água no solo durante todo o ciclo da planta.
14
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
A colheita de espigas é feita, quando os grãos estão no estado leitoso. Os grãos
maduros e secos ficam totalmente enrugados, devido ao baixo teor de amido na sua
composição (Kwiatkowski et al., 1981).
O milho doce deteriora-se rapidamente porque o seu sabor e qualidade dependem
muito do elevado teor de açúcares, o qual decresce rapidamente se as maçarocas
ficarem expostas a temperaturas elevadas (Tracy, 2001).
A colheita deve ser realizada quando os grãos estiverem com 70 a 80 % e de
preferência nas primeiras horas da manhã, quando a humidade do ar é alta e a
temperatura é mais baixa. Quando os grãos apresentarem teor de humidade terá
queda no rendimento industrial, resultante do elevado número de espigas no estádio
“cristal” ou “bolha d’água”, que somente é permitido em um total de 8 % pela indústria
de conserva (www.embrapa.br).
Quadro 1. Principais tipos de milho doce atualmente disponíveis (Retirado de: Stall et al, 2011)
O milho doce é caracterizado por possuir pelo menos um dos oito genes mutantes que
afectam a biossíntese de hidratos de carbono no endosperma, sendo os principais:
shrunken-2 (sh2), localizado no cromossoma 3; Brittle (bt), no cromossoma 5; sugary
enhancer (se), sugary (su) e Brittle-2 (bt2), todos no cromossoma 4. Existem, ainda, o
dull (du), no cromossoma 10, waxy (wx), no cromossoma 9; e amilose extender (ae),
no cromossoma 5. Tais genes podem atuar de forma simples ou em combinações
15
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
duplas ou triplas [12]. Entretanto, associadas a este gene, estão algumas
características indesejáveis, como baixa produtividade e baixa resistência ao ataque
de pragas e doenças por causa do maior teor de açúcares, quando comparado ao
milho comum [12] (Oliveira et al., 2007).
2.3 - Identificação dos Estados de Desenvolvimento do milho doce
Os híbridos de milho doce variam no tempo necessário para atingir o estado de grão
leitoso (www.ipm.iastate.edu).
A classificação dos híbridos quanto à duração do ciclo de maturação é feita
fundamentalmente pela acumulação de graus de temperatura necessários desde a
sementeira até à colheita. O conceito de graus dia (GD) baseia-se em observações de
que o crescimento e o desenvolvimento das plantas em diversos ecossistemas estão
mais relacionados com a acumulação de temperatura acima de certo valor base (10ºC
para o milho) do que apenas com o tempo de permanência no solo. A diferença entre
a temperatura média e a temperatura mínima ou temperatura base (10ºC) fornece-nos
o valor diário de graus-dia. Quando a temperatura máxima for maior que 30ºC
considera-se este valor. A classificação é a seguinte:
• Milhos Super precoces < 790 GD
• Milhos Precoces > 790 e < 830 GD
• Milhos Precoces / Intermediários > 830 e <889 GD
• Milhos Semi precoces / Tardios > 890 GD
Imagem 2 - Crescimento de uma planta de milho doce (Retirado de: www.harvesttotable.com )
16
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Uma colheita de milho doce contínua planeia-se utilizando-se ciclos vegetativos de
diferentes durações (curtos a longos) ou então fazendo sementeiras sucessivas do
mesmo híbrido, com intervalos de 15 dias ou quando a sementeira anterior tiver com 3
a 4 folhas (porque o milho semeado mais cedo leva mais tempo a desenvolver-se
devido às temperaturas serem mais baixas no início da Primavera) (Maggio, 2006).
O colmo do milho pode medir de 0,6 a 0,7 m, sendo que sua altura final e o diâmetro
são diretamente afectados pela disponibilidade de água e nutrientes, temperatura e
quantidade de luz. O colmo, além de suportar as folhas e partes florais, serve também
como órgão de reserva acumulando sacarose. O armazenamento se dá após o
crescimento vegetativo e antes do início de enchimento de grãos (Viana, 2006).
Em relação ao sistema radicular, os tipos de raízes presentes no milho são: primárias
e seminais, adventícias e de suporte. As raízes primárias e seminais desenvolvem -se
dos primórdios do embrião e fixam a plântula durante duas a três semanas. As raízes
adventícias surgem seis a dez, próximos uns dos outros, localizados abaixo da
superfície do solo. As raízes de suporte são raízes adventícias que surgem acima da
superfície do solo. O sistema radicular está associado ao crescimento da parte aérea.
O valor dessa relação varia com os factores ambientais e também nas várias fases do
crescimento da planta (Weismann, 2007).
A taxa de desenvolvimento da planta para qualquer híbrido está diretamente
relacionada com a temperatura, de tal forma que o período de tempo entre os
diferentes estádios variará de acordo com a temperatura, tanto dentro de uma safra,
quanto entre safras. Os stresses ambientais, tais como deficiência de nutrientes ou de
humidade, podem ampliar o tempo entre os estádios vegetativos, porém encurtando o
tempo entre os estádios reprodutivos. O número de grãos que se desenvolvem, o
tamanho final dos grãos, a taxa de incremento no peso dos grãos e a duração do
período de crescimento reprodutivo variará entre diferentes híbridos e condições
ambientais (www.weedsoft.unl.edu).
O estádio de emergência é o processo de germinação, que ocorre após a semente
atingir um nível de humidade de 30%. O coleóptilo é semelhante a uma folha mais
trata-se de um órgão que tem a função de proteger as primeiras folhas de milho na
altura da emergência. Em condições de temperatura e humidade adequadas, a planta
emerge dentro de 4 a 5 dias, porém, em condições de baixa temperatura e pouca
humidade, a germinação pode demorar até duas semanas. Na fase de emergência
17
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
deve-se fazer avaliação e controle se necessário de pragas desfolhantes. (Moraes,
2009; Weismann, 2007).
Imagem 3 - Inicio da fase de pendoamento (Retirado de: Weismann, 2007)
O aparecimento de bandeira marca o fim do crescimento em altura do milho e o início
da polinização. (www.ehow.com).
Esta fase antecede em quatro a cinco dias o início do aparecimento das sedas da
espiga (Viana, 2006)
18
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
No m ilho doce
ficam os pelo estado
fenológico R3.
Estado f enológico da Cultura do Milho
Imagem 4 – Fenologia do milho doce: Estados de desenvolvimento da cultura (Retirado de:
Weismann, 2007).
2.3.1 – Polinização
Geralmente não se retiram os “filhos” do milho doce, porque em boas condições de
fertilidade estes filhos contribuem para aumentar a produção (Relf et al., 2009).
O milho é uma planta monóica, ou seja, contém ambos os sexo na mesma planta. Isto
significa que pode fazer auto-polinização ou pode polinizar com outras plantas de
milho próximas (www.ehow.com). A polinização pelo vento (polinização anemófila), ou
seja, o vento é o agente responsável pela transferência de pólen do pendão para a
seda para efetuar o processo de polinização, é a forma mais comum (Stall et al, 2011).
Um gene recessivo mutante é o que dá ao milho doce o seu sabor adocicado. Para
certificar que a cultura mantém esta característica, deve ser cultivada apenas em torno
de outras plantas de milho doce, caso contrário, a polinização cruzada irá ocorrer
(www.ces.ncsu.edu).
Existem factores que podem prejudicar a polinização como o tempo e as pragas. O
tempo porque, excesso de humidade, altas temperaturas ou seca, especialmente
durante a época de floração podem interferir com a polinização, causando demora no
espigamento. As condições meteorológicas adversas podem prejudicar a planta
inteira, incluindo os seus órgãos sexuais, o que poderia resultar em espigas que não
19
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
são totalmente polinizadas. Em relação às pragas, qualquer praga que ataque as
plantas de milho pode prejudicar a polinização e a produção (www.embrapa.br).
A forma dos canteiros também tem muita influência na sementeira do milho doce,
sobretudo em zonas com outros milhos semeados nas redondezas, porque o milho
tem fecundação cruzada em blocos compactos em vez de linhas compridas são
polinizadas com maior sucesso pelo pólen desejável, para manter as características
desejáveis (Lerner et al., 1995).
Quando se cultiva milho doce perto de milho convencional é preciso evitar o
cruzamento entre estes isto porque, o pólen do milho convencional prejudica a boa
qualidade dos grãos de milho doce. A distância de 500 m entre os dois tipos de milho
evita o cruzamento indesejável. Também pode semear-se o milho doce 20 dias antes
ou depois do milho convencional, para evitar a coincidência na floração, e diminuir a
ocorrência de polinização cruzada (www.genetica.esalq.usp.br).
O milho doce se for colhido antes da polinização, pode ser usado como baby corn, ou
mini-milho, e ainda, após a colheita, a palhada da cultura pode ser aproveitada para
silagem (Oliveira et al, 2006).
Imagem 5 - Pendão (Flores
masculinas) (Retirado de:
www.biorede.pt)
Imagem 6 - Sedas (Flores
femininas) (Retirado de:
( www.biorede.pt)
O cruzamento em vez de ser através da polinização cruzada pode ser manual. Este
cruzamento é feito protegendo a espiga imatura com um saco de plástico, evitando,
desta forma, a contaminação com pólen indesejado, antes que apareçam os estigmas.
Os pendões são cobertos para a colheita do pólen. A cobertura deve ser realizada no
dia anterior à realização da polinização. Para a cobertura dos pendões e colheita do
20
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
pólen, deve haver pelo menos 30% das anteras “abertas”. Após a colecta do pólen,
faz-se a polinização sobre o estigma receptivo (www.genetica.esalq.usp.br).
Imagem 7 – Proteção da espiga com um saco de plástico (Retirado de: Vello, 2010)
Imagem 8 – Polinização sobre o estigma receptivo (Retirado de: Vello, 2010)
2.4 – Textura e espessura do pericarpo
A textura do pericarpo é um factor primário na determinação da qualidade do milho
doce. Todos os cultivares de milho doce apresentam espessamento do pericarpo no
decorrer da maturação, mas a taxa varia conforme o cultivar. Embora haja pouca
informação a respeito da herança desse carácter, parece existir uma relação de
21
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
dominância do pericarpo tenro sobre o de textura grosseira; portanto, é um factor
hereditário e ao mesmo tempo fisiológico, uma vez que todas as variedades tornam -se
mais espessas com o avanço da maturação. Os factores que podem influenciar são o
período de maturação do grão e a textura do tecido imediatamente inferior ao
pericarpo, tornando as técnicas de avaliação bastante subjetivas (Kwiatkowski, 1981).
Tracy et al. (1978), analisando a espessura do pericarpo do milho, encontraram uma
variação muito grande, de duas até vinte camadas de células, com valores de 25 a
200 μ de espessura. O pericarpo tenro é altamente desejável no melhoramento da
qualidade do milho doce, entretanto, a semente fica muito susceptível ao ataque de
agentes patogénicos.
2.5 – Exigências edafo-climáticas
2.5.1 - Clima e Época de plantio
O milho doce é uma cultura de clima quente, não tolerando temperaturas muito baixas.
Exige pelo menos oito horas de luz solar direta diária. A temperatura ótima do solo
para a germinação de todos os tipos de milho doce é 0ºC, mas requer no mínimo 13ºC
e para os híbridos superdoces 18ºC (www.denisim.edu).
Não são recomendados plantios em regiões com temperatura média diurna abaixo de
19,5°C e noturna abaixo de 13,1°C. Temperaturas acima de 35°C, por períodos
prolongados, podem prejudicar a polinização, formando espigas mal granadas. Locais
com temperatura e humidade relativa elevadas favorecem o aparecimento de doenças
foliares. Nesse caso, devem-se utilizar cultivares resistentes (www.embrapa.br).
2.5.2- Solos
O milho doce por ter ciclo curto e metabolismo intenso, é exigente em fertilidade do
que o milho comum. É pouco tolerante à acidez do solo, produzindo bem na faixa de
pH 5,5 a 7,0,com um óptimo entre 6-6,5 pelo facto de ter um metabolismo curto e
intenso (Garcia, 1998). Quando à textura do solo, o milho é indiferente, produzindo
bem, tanto em solos arenosos como nos argilosos, desde que sejam de boa
fertilidade, ou adubados e que tenham água disponível (Magnavaca et al., 1990).
2.6- Preparação do solo
22
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
A preparação do solo pode ser convencional, ou no sistema de sementeira direta. A
época adequada de sementeira varia com a região por causa das exigências
climáticas da cultura, objectivando um maior rendimento agrícola (Moraes, 2009).
2.6.1 – Sementeira convencional e direta
A sementeira direta, por ser um sistema conservacionista de maneio do solo, contribui
significativamente para a diminuição da erosão. Por ser um processo em que o solo
somente é revolvido na linha de semeadura, mantendo os restos da cultura anterior na
superfície, protege o solo contra a chuva e permite maior infiltração de água no perfil.
O solo coberto com resíduos culturais apresenta melhorias na sua estrutura na
camada superficial, devido ao aumento de humidade e de matéria orgânica e à
proteção contra chuva e enxurrada (Alves, 2004).
Também interage com o uso de herbicidas para o controle de infestantes, visto que, o
uso de herbicidas dessecantes significa substituir a energia mecânica do preparo do
solo pela energia química (herbicida). É fundamental o uso de métodos integrados de
controle de plantas daninhas, como o uso de culturas de cobertura, rotação de culturas
e herbicidas específicos (www.embrapa.br).
Basicamente existem três máquinas de sementeira direta: as que utilizam enxada
rotativa (possibilita uma boa distribuição e incorporação de adubo), as que utilizam
discos (o seu sucesso depende do teor de humidade do solo no plantio) e as que
utilizam facas (é o mais simples e o mais barato) (Matos, 2007).
O preparo convencional do solo dá-se em duas etapas. Na primeira, o preparo
primário, faz-se aquela operação inicial de mobilização do solo, mais profunda e
grosseira, que visa essencialmente eliminar e enterrar as infestantes e os restos
culturais e, também, melhorar as condições ao solo visando facilitar o crescimento
inicial de raízes e infiltração de água. A segunda etapa é constituída por operações
superficiais subsequentes ao preparo primário, e são feitas normalmente com grades.
Constituem o nivelamento e o destorroamento do terreno, com a eliminação de plantas
invasoras, de forma a permitir um ambiente favorável ao plantio e ao desenvolvimento
inicial das plantas (Cruz, 2006).
Normalmente, o milho doce deve ser semeado em sulcos, no espaçamento de 1m X
20 cm, deixando-se cair duas sementes a cada 20 cm, fazendo-se depois o desbaste
para uma só planta. Na sementeira mecânica, regula-se a semeadora, de modo a que
caia apenas uma semente a cada 20 cm, e como a germinação é muito alta (acima de
23
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
95%), evita-se o oneroso desbaste manual, e obtém-se um número de plantas próximo
do ideal (Figueira, 1972).
2.6.2 – Herbicidas
No controlo químico, os herbicidas à base de glifosato são os mais utilizados,
entretanto, apesar da grande eficácia para as gramíneas e algumas dicotiledóneas,
nas doses normais, são pouco eficientes para algumas espécies dicotiledóneas e
ciperáceas, especialmente nas fases mais avançadas do desenvolvimento das plantas
daninhas. Assim, a associação desses herbicidas com outras infestantes tem
proporcionado, nessas situações, o controle de maior número de espécies daninhas. A
seleção de um herbicida deve ser baseada nas espécies de plantas presentes na área
a ser tratada, bem como nas características físico-químicas dos produtos. Na
aplicação, deve-se verificar as condições climáticas (temperatura e humidade relativa
do ar, vento, e possibilidade de chuva), bem como as condições do solo ou das
plantas. Para a aplicação de herbicidas de emergência, é importante verificar as
condições de humidade do solo para que haja um melhor controlo. As aplicações em
pós-emergência são realizadas após a emergência das plantas daninhas e da cultura
(Ramos, 2001).
Os herbicidas homologados que podem ser utilizados no milho doce em Portugal
estão mencionados na lista abaixo (Quadro 2.).
É feita referência a herbicidas para infestantes como, gramíneas, monocotiledóneas,
dicotiledóneas e infestantes de folha larga.
Quadro 2. Herbicidas homologados para utilização no milho doce (Fonte: DGADR, 2012)
Infestante
(classe)
Gramíneas e
dicotiledóneas
anuais
Substância activa
Nome comercial
Dimetenamida-P
Spectrum
Dimetenamida-P+terbutilazina
Link combi
Mesotriona+Smetacloro+Terbutilazina
Lumax
Mesotriona+Terbutilazina
Zyrox
Nicossulfurão
Samson; Elite M;
Victus
Extra 60 D
Accent 75 WG
24
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Infestante
(classe)
Substância activa
Nome comercial
Tembotriona+Isoxadifene-etilo
Laudis
Gramíneas e
dicotiledóneas
Nicossulfurão+Terbutilazina
Nicoter; Winner top
Dicotiledóneas
Bromoxinil
Bromoquisa;
Bromotril 250 SC
Dicotiledóneas
Bromoxinil (octonoato)
Mextrol B; Buctril
Dicotiledóneas
Bromoxinil (éster butírico)
Emblem Flo
Dicotiledóneas
Dicamba (sal de dimetilamónio
Banvel
Dicamba+tritossulfurão
Callam
Monocotiledóneas
S-metolacloro
Dual gold
Monocotiledóneas
e dicotiledóneas
Bentazona
Basagran; Kaos
Monocotiledóneas
e dicotiledóneas
Bentazona+dicamba
Laddol plus
Monocotiledóneas
e dicotiledóneas
Bentazona+terbutilazina
Bonanza; Asteca
Mays
Monocotiledóneas
e dicotiledóneas
Bromonixil+terbutilazina
Arpix Ter
Monocotiledóneas
e dicotiledóneas
Diquato
Reglone
Monocotiledóneas
e dicotiledóneas
Flufenaceto+terbutilazina
Aspect
Monocotiledóneas
e dicotiledóneas
Foramsulfurão+isoxadifene-etilo
Option
Monocotiledóneas
e dicotiledóneas
Glifosato (sal de isopropilamónio)
Montana; Roundup
ultra
Monocotiledóneas
e dicotiledóneas
Linurão
Linomax; Linor
Monocotiledóneas
e dicotiledóneas
Mesotriona
Callisto
Monocotiledóneas
e dicotiledóneas
Mesotriona+Smetolacloro+benoxacor
Camix
Monocotiledóneas
e dicotiledóneas
Nicossulfurão+Terbutilazina
Nicoter; Winner top
Monocotiledóneas
e dicotiledóneas
Nicossulfurão+rimsulfurão
Principal
Monocotiledóneas
Pendimetalina
Prowl; Activus
25
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Infestante
(classe)
Substância activa
Nome comercial
Monocotiledóneas
e dicotiledóneas
Nicosulfurão
Winner; Samson
Monocotiledóneas
e dicotiledóneas
Rimsulfurão
Titus
Monocotiledóneas
e dicotiledóneas
S-metolacloro+Terbutilazina
Gardo Gold;
Primextra Gold TZ
Monocotiledóneas
e dicotiledóneas
Sulcotriona
Mikado; Sudoku
Monocotiledóneas
e dicotiledóneas
Terbutilazina
Topzina;
Terbutilazina Sapec
Infestantes de folha
larga
2,4 D (2-éster
etilhexílico)+florasulame
Mustang
e dicotiledóneas
)
2.6.3 - Adubações
A adubação tem como objectivo corrigir a diferença entre o que a planta necessita e o
que o solo disponibiliza, ou seja, quando a necessidade da planta supera o que o solo
pode fornecer é necessário utilizar-se do adubo para suprir essa exigência (Malavolta,
1981).
Para a adubação de sementeira deve-se aplicar de 20 a 30 kg/ha de N. Com base nos
teores muito baixo, baixo, médio e alto de fósforo e potássio, recomendam -se,
respectivamente: 80, 60, 40 e 30 kg/ha de P 2O5, e 50, 50, 40 e 20 kg/ha de K2O. Para
zonas deficientes em enxofre, deve-se escolher uma formulação que atenda uma
aplicação de 20 kg/ha de S ou utilizar sulfato de amónio em cobertura. Em solos
deficientes em zinco e boro, recomendam-se 2 a 4 kg/ha de zinco e 0,5 a 1,0 kg/ha de
boro (Moraes, 2009).
A deficiência de azoto é bastante comum na cultura do milho doce, principalmente em
tempo frio, solos encharcados, secos ou arenosos. A deficiência de azoto em plantas
jovens, torna a planta toda amarelada, com caules fracos e Nas plantas mais velhas, a
falta de azoto é frequentemente expressa por emurchecimento dos grãos da ponta da
maçaroca (www. ces.ncsu.edu).
Em relação à adubação do milho doce é semelhante ao milho comum, requerendo
níveis elevados e moderados de potássio, azoto e fósforo. É sensível às deficiências
de zinco e de manganês, especialmente em solos alcalinos (pH superior a 7). Da
26
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
mesma forma a falta de cobre pode afectar o desenvolvimento da cultura e reduzir a
produtividade da cultura (www.navarraagraria.com).
As plantas deficientes em fósforo são geralmente verdes escuras com as pontas e as
margens das folhas arroxeadas. Em solos de pH baixo ou em solos arenosos, a
deficiência de magnésio pode ocorrer. A deficiência de magnésio na cultura do milho
aparece como riscas branco-amareladas entre as nervuras das folhas As pontas das
folhas mais velhas tornam-se vermelho-púrpura podendo morrer (www. ces.ncsu.edu).
Quadro 3. Recomendação de adubação (kg/ha) para a cultura de milho doce, em função da
textura e da classificação dos teores de fósforo e potássio no solo em ppm.
(Fonte: Gama,1992).
2.6.3.1 – Adubações de fundo
O azoto é o nutriente mais exigido pelas culturas e, frequentemente, é o que mais
limita a produtividade de grãos. Estima-se que a necessidade de N para produção de
uma tonelada de grãos de milho varie de 20 a 28 kg ha-1 (Pereira, 2009). O azoto é
fundamental para se alcançarem as máximas produções. Aumenta o teor de proteína
do grão e melhora a digestibilidade do milho forragem (ADP, 2012).
Dentre os macronutrientes primários, o fósforo é, quantitativamente, menos exigido
pelas culturas não obstante, trata-se de um nutriente de grande uso na adubação das
culturas no Brasil (Pereira, 2009).O fósforo é um factor de precocidade, estimula o
desenvolvimento radicular, incrementa a resistência mecânica dos caules (compensa
os excessos de azoto), influência positivamente a floração, fecundação, formação e
maturação do grão, e melhora a digestibilidade do milho forragem (ADP, 2012).
27
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Em relação ao potássio, quando a sua disponibilidade é baixa para a planta, o
crescimento é retardado e os sintomas de deficiência de potássio em milho resultam
no aparecimento de manchas cloróticas nas pontas e nas margens das folhas mais
velhas seguida por necrose e dilaceração do tecido; os colmos apresentam internódios
mais curtos; as folhas mais jovens podem mostrar clorose internerval típica de
deficiência de ferro (Junqueira, 2012).
O potássio aumenta a taxa fotossintética, melhorando os crescimentos para
densidades de sementeira elevadas, e aumenta a resistência das plantas à secura.
Contribui também para o aumento dos hidratos de carbono fermentáveis o que é
importante para a boa qualidade da silagem (ADP, 2012).
2.6.3.2 – Adubações de cobertura
A adubação de cobertura deve ter em conta o teor de matéria orgânica do solo e a sua
taxa de mineralização. Em solos com valores de matéria orgânica elevados nem
sempre é necessária.
2.6.4 – Água
Na cultura, feita em período seco, a irrigação é um trato cultural indispensável porque,
o milho doce é uma cultura exigente em água, especialmente na época de formação
das espigas e na germinação. Na altura das águas, as chuvas, geralmente suprem a
humidade necessária (Filgueira, 1972).
O milho é cultivado em regiões cuja precipitação varia de 300 a 5.000 mm anuais,
sendo que a quantidade de água consumida por uma planta de milho durante o seu
ciclo está em torno de 600 mm. Dois dias de “stress” hídrico no florescimento
diminuem o rendimento em mais de 20%, quatro a oito dias diminuem em mais de
50%. O efeito da falta de água, associado à produção de grãos, é particularmente
importante em três estádios de desenvolvimento da planta: a) iniciação floral e
desenvolvimento da inflorescência, quando o número potencial de grãos é
determinado; b) período de fertilização, quando o potencial de produção é fixado;
nesta fase, a presença da água também é importante para evitar a desidratação do
grão de pólen e garantir o desenvolvimento e a penetração do tubo polínico; c)
enchimento de grãos, quando ocorre o aumento na deposição de matéria seca, o qual
está intimamente relacionado à fotossíntese, desde que o “ stress” vai resultar na
28
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
menor produção de hidratos de carbono, o que implicaria menor volume de matéria
seca nos grãos (Moraes, 2009).
Quadro 4. Água disponível (entre a capacidade de campo e o ponto de emurchecimento
permanente para solos de diferentes texturas) (Fonte: Gama et al., 1992).
Textura do solo
Grossa
Moderadamente grossa
Média
Moderadamente fina
Fina
Água disponível (mm/cm de solo)
0,2 a 0,6
0,5 a 1,0
1,2 a 1,7
1,5 a 2,2
1,3 a 1,8
2.7 – Escolha da semente
O rendimento de uma plantação de milho é resultado do potencial genético da
semente, das condições edafoclimáticas da região e do maneio. De modo geral, cada
um desses factores (genética e maneio) é responsável por cerca de 50% do
rendimento final. Consequentemente, a escolha correta da semente pode ser a razão
de sucesso ou de insucesso da plantação (www.noticiasagricolas.com.br). O produtor
deve procurar uma cultivar que seja mais resistente à transformação dos açúcares em
amido e ao emurchecimento (Costa et al., 2011). A semente de milho doce possui
pouca reserva no endosperma (baixo teor de amido) e, por isso, uma boa preparação
do solo é fundamental. Para que a germinação seja uniforme, deve-se destorroar bem
a área. O sulco de plantio deverá ser profundo, com cerca de 15 cm, mas as sementes
serão cobertas com apenas 4 a 5 em de terra ligeiramente compactada. Tem poder de
germinação geralmente mais baixo que a do milho comum (Magnavaca, 1990).
De uma maneira geral, durante a formação da semente, inicialmente são acumulados
açúcares mais simples como a sacarose, frutose e glicose, bem como, aminoácido
(Padilha, 2006). À medida que a semente vai se desenvolvendo, há uma diminuição
na quantidade destas substâncias mais simples e uma acumulação de moléculas
maiores e mais complexas como as proteínas, amido, lípidos, celulose, etc. O material
de reserva presente no endosperma do milho normal contém à volta de 3% de açúcar
e 60 a 70% de amido, o milho doce possui de 9 a 14% de açúcar e de 30 a 35% de
amido (Filho, 2002).
Nos últimos anos foi criada uma enorme variedade de sementes de milho doce, com
mais qualidade, resistência a doenças, melhor sabor, vida útil maior, e maior retenção
29
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
de humidade. Nas imagens abaixo são mostradas algumas das variedades de milho
existentes (www.embrapa.br).
As pesquisas realizadas com milho doce, de uma forma geral, têm demonstrado que a
menor percentagem de emergência das plântulas no milho doce ocorre em função do
maneio incorreto das sementes e, ainda, de outros factores que causam a redução da
sua qualidade. Não está completamente esclarecido se o baixo vigor das sementes do
milho doce é consequência da menor reserva de amido no endosperma, ou do fato de
o embrião ser, por si mesmo, geneticamente inferior e incapaz de exibir um alto vigor
(Pereira et al., 2009).
Nas imagens abaixo (Imagens 2, 3 e 4), são mostradas três qualidades de milho doce:
milho bicolor, milho branco e milho amarelo. Quase todo o milho doce vendido hoje em
dia pertence à variedade sh2 (superdoce), que existem em três cores, quando branco
(mais utilizado na Califórnia) ou bicolor (amarelo e branco). Estas variedades
superdoses mantêm mais tempo (após a colheita) uma elevada concentração de
açúcares (Indiana Crop MAP).
Imagem 9 - Milho
Bicolor (Barbieiri, 2010).
Imagem 10 - Milho
Branco (Retirado de:
Barbieiri, 2010)
Imagem 11 - Milho
amarelo (Retirado de:
Barbieiri, 2010).
2.7.1 – Propagação
Para se obter um desenvolvimento uniforme, as sementes devem ser colocadas à
mesma profundidade, pois plantas que demoram para emergir dificilmente alcançarão
aquelas que emergiram mais cedo. Recomenda-se plantar o milho doce no
espaçamento de 80 cm a 90 cm entre linhas e densidade de, aproximadamente, 45 mil
a 55 mil plantas por hectare, com um maior ou menor número de plantas por área,
variando em função do nível tecnológico (www.embrapa.br).
30
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
2.7.2 – Controlo de infestantes
O primeiro passo para o controle de infestantes é um bom preparo de solo, lançando
mão, a seguir, dos métodos mencionados O controle químico é feito com herbicidas,
que podem ser aplicados em pré-plantio incorporado, pré-emergência e pósemergência. As plantas daninhas devem ser removidas antes que causem competição
com o milho doce e ocasionem perdas culturais, tais como espigas pequenas e fora de
padrão. Para que isso não ocorra, a cultura deverá permanecer livre de infestantes
durante os 30 primeiros dias após a germinação. O número de cultivos vai depender
da população de plantas daninhas existente na área plantada. Caso haja necessidade
de se fazer dois cultivos, o primeiro deve ser feito nos primeiros 20 dias após a
emergência das plantas e o segundo, 10 dias após o primeiro, tomando cuidado de
não aprofundar muita o implemento ou a enxada, para não ferir as raízes superficiais
das plantas (Gama, 1992).
Os herbicidas e as suas respectivas doses utilizadas na cultura do milho doce tem sido
os mesmos recomendados para o milho comum, salientando-se que o milho doce
pode ser mais sensível à fito-intoxicação e que, por essa razão, a dose recomendada
para o tipo de solo não deve ser ultrapassada. A escolha entre um processo mecânico
de controlo de plantas daninhas e o uso de um herbicida é uma questão de tamanho
de área, disponibilidade de mão-de-obra e grau de tecnicização da cultura. O herbicida
deve ser usado em lavouras maiores onde a mão-de-obra escassa e, principalmente,
onde a lavoura e conduzida num alto nível de tecnologia. A escolha do herbicida deve
ser feita com a ajuda de um técnico da extensão rural. (Magnavaca et al., 1990; Gama,
1992).
O controlo de plantas daninhas na cultura do milho doce, que pode ser mecânico ou
manual, tem sido feito da mesma forma que no milho comum. Deve ser feito até os 20
dias após a germinação, quando as plantas terão cerca de 20 cm de altura, e repetido
na época da adubação de cobertura. A sacha deve ser superficial para não danificar o
sistema radicular do milho. Após chuvas pesadas, que causem encrostamento do solo,
deve-se fazer uma ligeira escarificação, quebrando a camada adensada, permitindo
melhor oxigenação do sistema radicular (Magnavaca et al., 1990).
O controlo de infestantes é um dos problemas de gestão mais difíceis enfrentados
pelos produtores de milho. Entre as medidas culturais adoptadas encontram -se: o uso
de híbridos adaptados às regiões, a largura de entrelinhas, densidade de sementeira,
31
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
época de sementeira mais adequada, uso de cobertura morta, rotação de culturas e
adubações adequadas (Jardine et al., 2009; Vargas et al., 2006). Historicamente, a
principal razão para o milho ser cultivado em linhas foi o do controlo de plantas
daninhas por sachadores puxados por cavalos.O espaçamento entre linhas foi ditado
pelas larguras que os cavalos necessitavam para passar entre as linhas puxando um
sachador (www.ces.ncsu.edu).
2.8 – Híbridos
A escolha de um híbrido de milho de menor porte permite cultivos com espaçamentos
menores e maiores densidades. Estes híbridos são capazes de se desenvolverem
precocemente, apresentam pouca massa vegetal, e as plantas são menos autosombreadas
(proporcionando
uma
maior
penetração
da
luz
solar)
(www.panorama.cnpms.embrapa.br).Em relação ao uso de híbridos mais adaptados
deve-se escolher as mais adaptadas à região, capazes de apresentar resistência, ou
tolerância às principais pragas e doenças predominantes nesta região, que sejam mais
agressivas no seu crescimento, além de boa produtividade ( www.ces.ncsu.edu).Os
híbridos precoces originam plantas bastante pequenas. Geralmente são semeados
num compasso de 75 cm x 20 cm. Híbridos de ciclo vegetativo mais longo têm plantas
maiores e são semeadas mais afastadas, podendo chegar aos 90 x 25 cm.
2.9 – Rotação de culturas
A população de infestantes pode ser reduzida através da utilização de rotações de
culturas. A rotação de culturas com diferentes hábitos de crescimento, as culturas de
estações quentes e frias, e as culturas cultivadas em linhas largas e estreitas podem
ajudar a combater a instalação de infestantes. A rotação de culturas quebra a
especificidade de uma população de infestantes a uma determinada cultura,
prevenindo o surgimento de altas infestações de certas espécies mais adaptadas a
uma determinada cultura. A rotação de culturas propicia alternância de métodos e
herbicidas usados no controle das plantas daninhas (Vargas, 2006).
2.10 - Solarização
32
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
A solarização é um método relativamente novo para o controlo de plantas daninhas
que ainda está a ser testado. A solarização mata sementes de ervas daninhas, ervas
daninhas perenes, agentes patogénicos de solo e nematóides, por tratamento térmico.
A solarização requer planeamento de longo prazo porque um campo deve ser tratado
no Verão anterior à sementeira do milho. O sistema envolve a colocação de um
plástico transparente sobre o solo cultivado e húmido e selar as bordaduras do
plástico, geralmente com terra. O plástico é deixado no lugar, geralmente durante
metade do verão, 6 a 8 semanas. Depois de o plástico ser removido o solo deve ser
perturbado tão pouco quanto possível para evitar trazer sementes de ervas daninhas
para a superfície (www.ces.ncsu.edu). É melhor semear depois uma cultura de
outono-inverno do que deixar o solo nú durante este período.
2.11 – Doenças
De acordo com Jardine (2009), a incidência e a severidade de doenças na cultura do
milho têm aumentado muito nos últimos anos, devido, principalmente, a mudanças
climáticas globais, a mudanças no sistema de cultivo (sementeira direta, utilização de
regadio), da época de plantio, de sementeiras consecutivas e da expansão da área
cultivada, à ausência de rotação de culturas. Essas mudanças têm contribuído
acentuadamente para a multiplicação e preservação de inóculos de diversos agentes
patogénicos, bem como submetido a cultura do milho doce a condições
edafoclimáticas favoráveis ao desenvolvimento de determinadas doenças.
São três os factores necessários para ocorrer uma doença: agente patogénico,
hospedeiro e condição ambiental. A incidência e a severidade dessas doenças
dependem de factores predisponentes da planta, da presença de inóculo, da raça ou
da agressividade do agente patogénico e de condições favoráveis do ambiente,
proporcionadas pelo clima, pelo solo, pelo sistema de cultivo ou pelo manejo da
cultura. Sob condições favoráveis, diferentes doenças podem ocorrer em alta
severidade (www.biomatrix.com.br).
As principais doenças na cultura do milho são: Antracnose-do-colmo (Colletotrichum
graminicola), Ferrugem - Comum (Puccinia sorghi Schw), Ferrugem - Polisora
(Puccinia polysora), Fusariose da espiga (Fusarium graminearum e F. moniliforme),
Fusariose do colmo (Fusarium graminearum e F. Moniliforme), Helmintosporiose
(Helminthosporium turcicum Pass.), Podridão de raízes (Pythium spp., Fusarium spp.e
Rhizoctonia spp), e Podridão bacteriana (Pseudomonas e Erwinia). Para o controle
33
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
dessas doenças, podem ser adoptadas medidas de manejo da cultura, além do uso de
cultivares resistentes e controle químico (Moraes, 2009).
A Helmintosporiose (Imagem 12) é favorecida por condições ambientais como alta
humidade relativa e temperaturas variando de 18 a 27 °C. As folhas doentes
apresentam lesões elípticas e alongadas, com centro necrótico. Podem coalescer. Em
cultivares muito susceptíveis, pode ocorrer a seca total das folhas, com a morte
prematura das plantas (Gama, 1992).
Imagem 12 – Sintomas de Helmintosporiose (Retirado de: www.ufrgs.br)
Ferrugem (Puccinia sorghi Schw e Puccinia polysora), são doenças que normalmente
aparecem no fim do ciclo da cultura (Imagens). Contudo, em cultivares susceptíveis e
sob condições favoráveis, os sintomas podem aparecer nos primeiros estádios de
desenvolvimento das plantas, acarretando a seca prematura das folhas. Temperaturas
entre 15 e 25ºC e alta humidade relativa favorecem o seu aparecimento, que se
caracterizam pelas pústulas pulverulentas, de cor castanho, que se formam nas
baínhas e folhas (Gama, 1992).
34
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Imagem 13 – Sintomas de Ferrugem
Puccinia polysora (Retirado de:
www.arbs.pt)
Imagem 14 – Sintomas de Ferrugem
Puccinia sorghi (Retirado de:
www.ufrgs.br).
A antracnose-do-colmo (Colletotrichum graminícola) provoca estragos ao nível do
colmo, fazendo com que ele se parta com facilidade na zona atacada. A ferrugem em
ataques severos provoca o dessecamento das folhas (Imagem 15) (www,arbvs,pt).
O aumento desta doença está associado ao cultivo mínimo e à sementeira direta e
também pela não utilização da rotação de cultura (Ferreira, 2006).
Imagem 15 – Estragos causados por antracnose-do-colmo (Retirado de: www.arbs.pt)
A fusariose da espiga (Imagem 17) é um fungo que provoca a descoloração das
brácteas e o seu posterior avermelhamento ou apresentação de tonalidade rosada. A
espiga fica colada às brácteas por micélio esbranquiçado e dá-se o desenvolvimento
35
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
de massa micelial cotonosa, na extremidade ou em toda a espiga, com formação de
esporodóquios (cor branca, salmão, rosa ou vermelho). Inviabiliza as socas
comercialmente (www.arbs.pt).
Em relação à Fusarium graminearum, a temperatura é considerada um factor
primordial para o seu desenvolvimento. Pensa-se que as temperaturas mais quentes
juntamente com a humidade são considerados ideais para o desenvolvimento da
doença (cdnseed.org).
Com o Fusarium moniliforme os sintomas internos caracterizam-se por uma alteração
na cor da medula, que pode variar de esbranquiçada a castanho. Em estádios mais
avançados da doença, pode ocorrer a quebra do colmo. Este agente patogénico afecta
os internódios inferiores, podendo atingir também os internódios superiores. Atingem
também as raízes (www.agrolink.com.br).
Na fusariose do colmo (Imagem 16), o fungo provoca uma repentina alteração da
tonalidade das folhas que passam a verde baço. Ocorre uma descoloração dos tecidos
da medula e seu posterior avermelhamento ou apresentação de tonalidade rosada.
Posteriormente dá-se a fragmentação e desagregação da medula. (www.arbs.pt).
Imagem 16 – Fusariose do colmo
(Retirado de: www.arbs.pt.)
Imagem 17 – Fusariose da espiga (Retirado de:
www.arbvs.pt.)
Podridão bacteriana (Imagem 18) é uma doença que ocorre ocasionalmente, em geral
em anos chuvosos, notada inicialmente pelo súbito aparecimento de plantas
tombadas. A podridão ocorre em um ou mais entrenós acima da superfície do solo que
se tornam encharcados, perdem a rigidez e adquirem uma coloração castanho-clara
(Matos, 2007). Várias espécies de bactérias do género Pseudomonas e Erwinia são as
causadoras das podridões do colmo em plantas de milho doce (Casela, 2006).
36
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Imagem 18 – Podridão bacteriana (Retirado de: www.embrapa.br)
A Podridão de raízes (Imagem 19) pode ser causada por um complexo de agentes
patogénicos envolvendo várias espécies de fungos dos géneros Fusarium spp.,
Pythium spp. e Rhizoctonia spp. Os sintomas típicos das podridões radiculares
incluem o aparecimento de lesões de coloração escuras e, consequentemente, de
raízes apodrecidas (Cota, 2009).
Imagem 19- Podridão de raízes e colmo e sintomas na parte aérea da planta (Retirado de:
Cota, 2009).
37
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
2.11.1 – Controle de doenças e produtos a utilizar
A incidência e a severidade de doenças na cultura do milho têm aumentado muito nos
últimos anos, devido, principalmente, a mudanças climáticas globais, a mudanças no
sistema de cultivo (sementeira direta, milho de regadio), de plantios consecutivos
(milho no campo o ano todo), da expansão da área cultivada, à ausência de rotação
de culturas (substituída pela sucessão de culturas). Essas mudanças têm contribuído
acentuadamente para a multiplicação e preservação de inóculos de diversos agentes
patogénicos, bem como submetido a cultura do milho a condições edafoclimáticas
favoráveis ao desenvolvimento de determinadas doenças. Para o controle dessas
doenças, recomendam-se utilização de cultivares mais resistentes, rotação de
culturas, sincronia das épocas de semeadura do milho em uma região, uso de
sementes de boa qualidade e tratadas com fungicidas, bom maneio de solo, uso da
densidade de semeadura recomendada, adubação adequada, controle de pragas e de
plantas daninhas. Muitas vezes há a necessidade do uso complementar de fungicidas
na parte aérea das plantas, o que se tem mostrado economicamente viável
principalmente em lavouras bem conduzidas e com bom potencial produtivo,
sobretudo quando instaladas em área de risco de epidemias (Jardine, 2009).
2.12 – Pragas
Vários factores concorrem para que os insectos atinjam o status de praga na cultura.
Entre eles pode-se citar a disponibilidade de alimento, proporcionada pelo monocultivo em grande escala, condições climáticas favoráveis à praga e o desequilíbrio
biológico, agravado pelo uso inadequado ou por produtos químicos não seletivos
(Bianco, 2000).
A cultura do milho é muito atacada por alguns tipos de lagartas que perfuram as
folhas, e danificam as espigas e haste. Logo no início do ataque devem ser feitas
pulverizações com insecticidas.
O controlo de pragas deve ser feito quando o nível de praga passar o nível de controlo
dela, ou seja, 10% de plantas atacadas com lagartas diminuem em 10% a produção
total da área, portanto deve-se tratar a semente (www.portalsaofrancisco.com.br).
As principais pragas para a cultura do milho, atualmente são: ácaros (Aphididae spp.),
sendo os principais: o aranhiço amarelo (Tetranychus urticae) e o aranhiço vermelho
(Panonychus ulmi), os afídios, vulgarmente conhecidos como pulgões ou piolhos,
sendo os mais prejudiciais os afídios Sitobion avenae, A. metopolophium e
Rhopalosiphum maidis, os alfinetes (Agriotes sp.), a broca do milho (Sesamia
38
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
nonagrioides Lef), as nóctuas ou roscas (Agrotis ípsilon e Agrotis segetum ), pirale do
milho (Ostrinia nubilalis Hubner), Heliothis zea (Lepdoptera:Noctuidae) e Euxesta sp.
(Diptera:Otitidae) e Miriápodes (Scutigerella immaculata) (www.arbs.pt).
A Helothis zea e a Euxesta Sp. são duas pragas importantes do milho doce. Além de
prejudicar a produção, reduzem significativamente o valor comercial das espigas
(Gama et al., 1992).
A fêmea preferencialmente põe os ovos nas sedas (estigmas) das maçarocas. Após
três a quatro dias dá-se a eclosão das larvas, que começam a alimentar-se
imediatamente, podendo ocasionar danos diversos: Alimentando-se inicialmente dos
estilo-estigmas, impedem a fertilização e, em consequência, causam falhas nas
espigas; alimentando-se diretamente dos grãos leitosos, causam sua destruição e
deixam ainda detritos típicos que depreciam o produto comercialmente; o seu ataque
favorece a infestação de pragas secundárias, como o caruncho, Sitophilus zeamais, e
traça, Sitotroga cerealella, bem como a penetração de microorganismos e humidade,
causando o apodrecimento dos grãos (Magnavaca et al., 1990).
Os ácaros (aranhiços amarelo e vermelho) alimentam-se nas folhas sugando o seu
conteúdo celular, originam descoloração, sobretudo na página inferior, provocando o
vazamento das células e entrada de ar. Os primeiros sintomas são pontuações
cloróticas difusas no caso de P. ulmi ou manchas cloróticas no caso do T. Urticae.
(www.arbs.pt).
O aranhiço-amarelo é uma praga provocada pelo ácaro Tetranychus urticae Koch. Em
termos de danos, a página superior das folhas fica amarelada com pontuações
necróticas, enquanto a página inferior apresenta manchas necrosadas de cor escura.
Estas alastram aos pecíolos, vasos e cachos, provocando a morte dos tecidos foliares.
Em casos graves, ocorrem desfoliações severas com quebras qualitativas e
quantitativas da produção, em consequência da má maturação das uvas e dos baixos
teores de açúcar (www.sapecagro.pt).
O aranhiço vermelho (Panonychus ulmi) é um ácaro da família Tetranychidae e
originário da Europa (Imagem 20). Os adultos apresentam dimorfismo sexual,
tornando-se possível identificar os dois sexos (infoagro.cothn.pt).
A atividade alimentar da praga ocorre sobre as folhas, através de uma armadura bucal
do tipo picador-sugador, onde é extraído o conteúdo das células da epiderme, o que
provoca a entrada de ar pelo orifício de perfuração. Quando ocorrem fortes ataques da
praga, as folhas adquirem um aspecto prateado, que após a morte das células, se
transforma em tonalidade bronzeada ou acastanhada. Esta sintomatologia, provocada
39
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
pela morte das células da epiderme, vai condicionar a eficiência fotossintética e a
transpiração da planta, conduzindo a estragos ou prejuízos de difícil avaliação
(www.rentokil.pt).
Imagem 20 – Fêmea de aranhiço vermelho (Retirado de: www.arbs.pt).
O afídio Rhopalosiphum maidis (Imagem 21) é encontrado a viver em colónias
formadas por fêmeas adultas e formas jovens (ninfas), que se alimentam de seiva
sugando os tecidos mais tenros da planta, sejam eles estruturas vegetativas ou
reprodutivas. Este afídio é vector de viroses, principalmente transmitindo o vírus do
mosaico comum do milho, doença que se tem destacado nos últimos anos devido ao
aumento na incidência e às perdas que pode causar na produção (Salvadori et al.,
2006).
Imagem 21 – Folha de milho doce infestado por Rhopalosiphum maidis (Retirado de: Braga,
2009)
Em relação aos afídios Sitobion avenae (Imagem 22) e M. dirhodum tanto pulgões
jovens (ninfas) como adultos alimentam-se da seiva do trigo, que é susceptível ao
dano desde a emergência até que os grãos estejam completamente formados (grão
40
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
em massa). Os danos dos pulgões podem ser ocasionados diretamente, através da
sucção da seiva e de suas consequências no rendimento de grãos, diminuindo
tamanho, número e peso dos grãos e o poder germinativo de sementes
(www.embrapa.br).
Imagem 22 – Sitobion avenae (Retirado de: www.dowagro.com)
As principais espécies de roscas que causam estragos no milho são Agrotis ipsilon
(Hufnagel) e Agrotis segetum (Imagem 23). As larvas de Agrotis ipsilon alimentam-se
das folhas, mas é frequente os estragos estenderem-se ao pé da planta, ao nível do
solo, provocando o seu emurchecimento e morte. Uma só larva pode destruir várias
plantas. Mostram-se dependentes das condições climáticas as quais influem nas
migrações e viabilidade dos ovos. Os ataques de Agrotis segetum, apesar das larvas
serem muito vorazes, aparecem de uma forma dispersa no campo enquanto que, os
ataques de Agrotis ipsilon aparecem de uma forma massiva e brutal, em regra,
seguidos da sua migração (www.arbvs.pt).
Em relação à broca do milho (Sesamia nonagrioides Lef,), a 1ª geração podem
destruir completamente uma parcela de milho. Alimenta-se do parênquima foliar e
perfura a base das folhas ou o caule até a planta começar a “murchar” e secar.
Depois, passa para a planta contígua, provocando a morte continuada de várias
plantas. Estes sintomas revelam-se mais rapidamente em dias quentes e com sol.
41
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Imagem 23 – Estragos provocados por Sesamia nonagrioides (Retirado de: www.arbs.pt)
Os ataques das 2ª e 3ª gerações não provocam estragos significativos na produção de
espigas e grão, no entanto, os caules ficam todos perfurados e já próximo da colheita,
se ocorrerem ventos fortes, caiem no chão impedindo a colheita mecânica
(www.sapecagro; www.arbs.pt).
Relativamente aos prejuízos, ao escavarem galerias, sobretudo na parte inferior do
caule e na maçaroca, as lagartas provocam a acama e quebras significativas na
produção de grão (www.sapecagro.pt).
Relativamente aos alfinetes (Agriotes sp.), os estragos começam por ser vistos em
plantas jovens, logo após a germinação e prolongam-se por um grande período
(Imagem 24). As larvas fixam-se ao colo da planta, perfuram-na e alimentam-se desta.
A folha terminal fica amarelada, acabando por murchar e posteriormente secar
(Martins et al., 2004).
Imagem 24 - Ataque de Agriotes num campo de milho doce (Retirado de:
A pirale do milho (Ostrinia nubilalis Hubner) é uma lagarta de coloração acinzentadaclara, que em adulto se transforma em borboleta (www.arbs.pt).
42
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Imagem 25 – Crisálida de Ostrinia nubilalis (Retirado de: www.arbs.pt)
Em relação aos seus ataques, os campos atacados podem conter (especialmente nas
regiões meridional) muitas plantas cuja bandeira está quebrada no nível da última
folha. As galerias formadas na haste podem levá-lo para quebrar mais ou menos
prematuramente; aqueles formados em pedúnculo podem causar o ouvido feminino
deixar cair fora. No entanto, mesmo sem nenhum dano aparente, presença da lagarta
leva a um enfraquecimento da planta que resulta em uma redução do peso dos grãos,
as perdas, atingindo até 30%. Sérios danos podem ocorrer uma vez que a população
em um campo de milho atinge uma lagarta por planta na colheita (www.inra.fr).
A Miriápodes (Scutigerella immaculata), ataca os grãos e raízes manifestando-se por
morte das plantas e crescimento lento, mais frequentes em hortícolas e em estufas. As
plantas jovens de beterraba, milho e batateira são mais sensíveis aos estragos. Os
sintomas na planta são semelhantes aos da carência de fósforo (folhas delgadas,
onduladas, cor verde escura a violeta, colo de cor azul-arroxeado) (www.arbs.pt).
Imagem 26 – Ataque de Scutigerella immaculata (Retirado de: www.arbs.pt)
As sementes de milho infectadas por fungos constituem-se em importantes fontes de
inóculos, cujos agentes patogénicos podem causar podridões de sementes, morte de
43
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
plântulas em pré e pós-emergência e podridões radiculares, o que leva à formação de
lavouras com baixa população de plantas (Padilha et al., 2006).
Vários fungos atacam os grãos e/ou as espigas, como: Diplodia sp., Fusarium ssp.,
Gibberella zeae, Nigrospora oryzae, Botryosphaeria zeae, Botryodiplodia sp.,
Rhizopus sp. e Trichoderma. As infecções podem ser mistas e alguns desses fungos
também podem crescer entre ou sobre os grãos. O controlo desses fungos é difícil,
principalmente porque podem desenvolver-se na parte interna das espigas a partir de
uma porta de entrada. (www.embrapa.br).
2.12.1 – Controle das pragas e produtos a utilizar
Quadro 5. Insecticidas homologados para cultura do milho doce (Fonte: DGADR, 2012).
Praga
Substância Activa
Nome Comercial
Clorpirifos
Ciclone 5G; Pirifos 48
Teflutrina
Force
Indoxacarbe
Steward
Alfa-cipermetrina
Beta-ciflutrina
Deltametrina
Lambda-cialotrina
Teflutrina
Alfa-cipermetrina
Lambda-cialotrina
Clorpirifos
Teflutrina
Deltametrina
Fastac
Bulldock
Decis; Podrina
Karate+; Atlas
Force
Fastac
Karate+; Atlas
Ciclone 5G; Ciclone 48 EC
Force
Decis; Jackpot
Alfinete
Brocas
Nóctuas
Pirale
Scutigerela
Sesamia
2.13 – Colheita e comercialização
A colheita do milho doce na fase de maturidade adequada é essencial para garantir
uma colheita de alta qualidade (Jauron, Richard). A colheita somente deve ser
efectuada, quando os grãos de milho doce atingirem sem ultrapassar, o estado leitoso,
quando há um máximo de concentração de açúcares e dextrinas. As espigas, no ponto
de colheita, apresentam “barbas” de coloração castanha, sendo este estágio atingido
20 a 25 dias, após a polinização. O ciclo do milho, cultivado como hortaliça, é bem
menor que o do milho que se destina a produção de grãos secos. Assim é que, varia
de 90 dias, ou pouco menos, no milho doce, e 100 dias, para os híbridos semi44
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
dentados de milho comum, para a obtenção de grãos leitosos (www.embrapa.br).A
altura de colheita pode ser estimada observando a data de surgimento das sedas. O
número de dias da emergência à colheita é de aproximadamente 18 a 23 dias (Jauron,
1997). No campo, o milho híbrido passa do ponto muito rapidamente, apresentando
um período útil de colheita (tempo de permanência em fase de milho verde) de
aproximadamente quatro a cinco dias, exigindo precisão do produtor na colheita e
rapidez na comercialização (Moraes, 2009).
Imagem 27 – Colheita do milho doce (Retirado de: Barbieiri, 2010)
Após a colheita, o milho doce passa por um processo de seleção, em que são
descartadas as espigas que apresentem danos externos aparentes (brocas,
machucaduras, podridões), e as demais são classificadas tomando por referência o
tamanho de espiga. Uma etapa importante no manuseio pós-colheita do milho doce é
a remoção do calor de campo do produto. Quanto mais rápido realizar o resfriamento,
maior será sua vida útil, pois após a colheita a perda da doçura no grão é rápida,
devido à hidrólise de sacarose que no endosperma imaturo é metabolizada para amido
pela enzima sacarose-glucosil-transferase. As
técnicas
empregadas para o
resfriamento rápido de milho doce são o vácuo e o hidro-resfriamento, muito usadas
nos Estados Unidos (Kwiatkowski et al., 1981).
O milho doce, após a colheita perde a sua qualidade. Algumas variedades podem
perder 50% do seu açúcar 12 horas após a colheita. O milho doce pode ser
armazenado em frio a 0ºC por 4-8 dias. Existem novas variedades de açúcar que são
mais lentas a converter o açúcar em amido, e pode ser colhida durante um longo
período de tempo. As variedades com elevado teor de açúcar têm também, uma vida
de armazenamento mais longa (Jauron, 1997).
45
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
De acordo com Kwiatkowski et al. (1981), para o armazenamento é necessário o uso
de temperaturas próximas a 0 °C, mas não menores que -0,6 °C, sob o risco de
congelamento da espiga. O milho doce pode perder até 14 % do seu teor de açúcares
quando armazenado a 20 °C por um período de apenas três horas. Essa perda pode
ser reduzida a 4 % em 24 horas e de 7 a 8 % em 72 horas a 0 °C.
Alguns estudos apontam que as espigas de milho verde colhidas e armazenadas sob
temperatura ambiente, sem palha, duram de dois a cinco dias, já as espigas
conservadas com palha tendem a ter melhor proteção contra a perda de água.
Normalmente, o tempo de comercialização das espigas verdes empalhadas é de 3 a 5
dias quando mantidas em temperatura ambiente (Moraes,2009).
Imagem 28 - Forma correta de colher maçarocas de milho (Retiradas de:
www.gardenfresco.co.uk
46
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
2.14 – Utilização do milho doce
Segundo Pereira et al. (2008), o milho doce apresenta uma diversificação de uso muito
grande. Pode ser utilizado em conserva, congelado na forma de espigas ou grãos,
desidratado, colhido antes da polinização e usado como “baby corn” ou mini-milho e,
ainda, após a colheita, a palhada da cultura a ser utilizada para ensilagem.
A indústria tem preferência por cultivares que possuem maiores teores de açúcar e
menores teores de amido, além de maturação, tamanho e formato de espigas
uniforme. A textura e a espessura do pericarpo do grão também são factores de
qualidade do milho verde. Esses factores estão diretamente associados à aceitação do
produto pelos consumidores (Moraes, 2009). As características requeridas para a
industrialização do milho doce são a uniformidade na altura das plantas e espigas,
características essas que podem ser conseguidas pelo emprego de híbridos simples;
uniformidade no teor de humidade nos grãos, que auxilia na palatabilidade do produto
e na manutenção do sabor; alta produção de grãos por espiga, e, a textura dos grãos
deve ser uniforme e apresentar-se com pericarpo fino. Espigas maiores (em torno de
20 cm de comprimento) e grãos longos têm a preferência pela indústria devido a maior
eficiência das máquinas degranadoras para retirar grãos inteiros (Kwiatkowski et al.,
1981).
A pós-colheita do milho doce é um factor muito importante da manutenção de sua
qualidade, pois este tipo de milho é altamente perecível, em virtude de sua elevada
atividade metabólica. E assim, muitas empresas alimentícias, visando oferecer um
milho verde em conserva ao consumidor, que satisfaça as exigências relacionadas ao
paladar, estão trocando o milho verde obtido do milho comum pelo milho doce,
incentivando os produtores com novas cultivares obtidas para climas tropicais.
(Maggio, 2006)
Imagem 29 – Utilização do milho doce (Retirado de: Barbieri, 2010)
47
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
2.15 – Benefícios para a saúde
O milho doce cozido tem importantes antioxidantes em atividade, tendo sido sugerido
para reduzir a hipótese de aparecimento de doenças cardíacas e de cancro, embora
isso não tenha sido definitivamente comprovado. É considerado, por nutricionistas, um
excelente alimento e, pela sua composição, pode ser consumido por todas as pessoas
e em qualquer idade. Possui cerca de 1.290 calorias por kg; 3,3% de proteínas; 27,8%
de glícidos e somente 0,8% de gordura. Além dos minerais, o milho doce é rico em
vitaminas, em especial as do complexo B, muito importante para o bom funcionamento
do sistema nervoso (Moraes, 2009).
2.16 – Principais diferenças entre o milho doce e o milho convencional
A principal diferença entre o milho doce e o milho convencional é a presença de alelos
mutantes que bloqueiam a conversão de açúcares em amido, no endosperma,
conferindo o carácter doce, tornando o milho doce enrugado e translúcido quando
seco. (Kwiatkowsk et al., 1981)
Quadro 6. Composição química do milho doce em relação à matéria seca e ao amido.
(Retirado de: Moraes, 2009).
Componentes
Matéria-seca
Milho doce
Milho comum
34,7%
68,7%
38,8%
0,00%
32,6%
25,0%
32,6%
25,0%
67,5%
75,1%
Amido
Proteína solúvel em
água
Amilose
Amilopectina
48
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
A característica doce do endosperma conferida pelos alelos mutantes é o principal
componente do sabor dos grãos em milho doce, entretanto a qualidade ou sabor
destes grãos também é determinada pela espessura do pericarpo que confere a
maciez dos grãos e pelo aroma. Quando comemos milho doce estamos a consumir
grãos imaturos, contendo principalmente endosperma e pericarpo imaturo. Genes que
distinguem o milho doce de outros tipos de milho afectam estes tecidos,
principalmente com relação ao sabor dos grãos, determinado pelo teor de açúcar,
textura e aroma do endosperma e espessura do pericarpo (Barbieri, 2010).
O milho doce comparado com o milho comum apresenta, respectivamente, 34,7 % e
68,7 % de amido, e em relação à composição desse amido tem -se 32,6 % e 25 % de
amilose e 67,4 % e 75 % de amilopectina, respectivamente (Moraes, 2009).
O milho doce comparado com o milho comum apresenta 38,8 % e 0,0 % de proteínas
solúveis em água na matéria seca, respectivamente. (Kwiatkowski et al., 1981).
49
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
3. Materiais e Métodos
Como a produção de milho doce para consumo em fresco se baseia num fornecimento
contínuo do produto, neste ensaio estudámos as produções obtidas em três datas de
colheita diferentes, para verificar se as datas de sementeira escolhidas e os intervalos
entre sementeiras seriam os adequados, para o híbrido utilizado e para a altitude
escolhida, que julgamos representa a altitude média onde nos Açores se semeia mais
o milho doce.
3.1 - Localização e características gerais da área experimental
O ensaio foi realizado numa quinta particular situada no local do Pesqueiro, da
Freguesia de São Bartolomeu de Regatos, do concelho de Angra do Heroísmo, ilha
Terceira. Situa-se a uma altitude de 52 m tendo como coordenadas 38º 39’ 00” Norte e
27º 13’ 40” Oeste.
O clima desta zona é temperado marítimo ou oceânico, sendo classificado como cfb,
com fraca amplitude térmica, invernos bastante chuvosos e verões secos, embora a
secura seja amenizada pela influência marítima.
Quadro 7. Temperaturas (médias, máximas e mínimas mensais) e as precipitações mensais,
registadas na Estação Meteorológica de Angra do Heroísmo, que fica situada a cerca de 10 km
do local do ensaio e a uma altitude semelhante (Fonte: www.ogimet.com).
Médias de temperatura do ar e precipitação para Angra do Heroísmo
Temperaturas
(oC)
Jan
Fev
Mar
Abr
Mai
Jun
Jul
Ago
Set
Out
Nov
Dez
Médias máxima
15,5
16,2
15,4
17,1
17,7
21,2
23,9
26,6
25,1
21,8
18,3
17,6
Médias mínima
12,2
12,5
11,7
12,4
13,8
16,3
18,7
21
19,3
17,6
14,3
14,8
Médias
mensais
13,9
14,35
20
14,7
15,8
18,8
21,3
23,8
22,2
19,7
16,3
16,2
117,7
42,7
78,8
46,3
44,1
24,2
9,2
9,2
75,2
72,8
124,1
39,8
Precipitações
mensais (mm)
Nota: *Na tabela encontram-se a negrito os valores das temperaturas e da precipitação mensal nos
meses em que se realizou o ensaio.
50
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Através do Quadro 7 é possível concluir que o ano de 2011 (ano do ensaio) não foi um
ano muito frio, sendo bastante ameno, com a média da temperatura mínima mensal
mais baixa de 15,5ºC, e a média da temperatura máxima mensal mais alta de 26,6 °C.
Contudo foi um ano muito seco, desde Janeiro até à data de colheita do milho.
3.2– Caracterização do solo
Para determinar algumas características do solo onde se realizou o ensaio foram
colhidas amostras e mandadas para analisar no Laboratório de Análises de Solos da
Universidade dos Açores.
O solo da quinta era um Andossolo, como são quase todos os solos dos Açores,
pertencente à categoria dos Hapludands (andossolo típico). A textura era franco arenosa, e as parcelas tinham pH muito ácido (4,8 e 5,3), os valores de fósforo
(extraído pelo método de Olsen) e os de potássio eram muito altos, provavelmente
resultantes de práticas anteriores de adubações ou/e estrumações excessivas.
Segundo Pinheiro (1990), os andossolos típicos têm distribuição desde o nível do mar
até aos 500-600 m de altitude. São solos profundos, bem drenados, geralmente
estratificados como resultado de acumulações periódicas. Os horizontes superficiais
são escuros por influência da matéria orgânica. A sua textura é predominantemente
franca, podendo aparecer, a maior altitude, um horizonte sub-superficial mais evoluído,
de consistência friável. A estrutura é grumosa ou granulosa em superfície.
51
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Quadro 8. Características físico-químicas das amostras de solo colhidas na área experimental
Amostra
Textura
pH
(água)
M.O.
(%)
Fósforo
(ppm)
Potássio
(ppm)
Cálcio
(ppm)
Magnésio
(ppm)
M1
Limo: 16%
Areia: 74%
Argila: 10%
5.3
5.2
209
612
1074
178
4.9
5.0
107
334
641
169
5.3
8.4
148
537
904
186
4.8
10.6
154
611
535
150
M2
M3
M4
Limo: 18 %
Areia: 70%
Argila: 12%
Limo: 18%
Areia: 76%
Argila: 6%
Limo: 16%
Areia: 78%
Argila: 6%
3.3 – Preparação do solo
O solo foi preparado de forma convencional. Primeiro foi realizada uma lavoura
superficial para eliminar ou enterrar as plantas daninhas e os restos da cultura anterior
e, também, melhorar as condições do solo, visando facilitar o crescimento inicial de
raízes e a infiltração de água. Depois desta operação foi também incorporado o
estrume de galinha no solo. Foi passada a fresa e semeou-se o milho doce em linhas.
O proprietário optou por utilizar estrume de galinha em detrimento do convencional
adubo porque o tinha disponível. Após as análises verificou-se que o solo já
apresentava valores muito elevados de fósforo, potássio e magnésio.
3.4 – Sementeira
A escolha da densidade de sementeira foi feita de acordo com a recomendação para o
referido híbrido. As sementeiras foram efectuadas de forma manual, a 15 de Março, 14
de Abril e 27 Abril. O espaçamento entre linhas utilizado foi de 0,74 cm.
52
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
3.5 – Híbrido de milho doce utilizado
O milho doce escolhido foi o híbrido F1, designado por Challenger F1. Este milho doce
é do tipo superdoce (endosperma sh2) atinge cerca de 2 m de altura, maçarocas com
cerca de 20-22 cm de comprimento, com 14-18 fiadas de grãos, e no rótulo indica que
está pronto para consumo cerca de 78 dias após a sementeira (www.semena.org).É
um híbrido adequado para consumo imediato, para congelar ou para enlatar. A
densidade recomendada para este milho doce era de 50 a 55 mil plantas por hectare.
O Challenger F1 tem resistência intermédia à antracnose (provocada pelo fungo
Colletotrichum graminicola), que pode infectar todas as partes da planta do milho, à
ferrugem provocada pela Puccinia sorghi (que ataca sobretudo as folhas) e a ataques
da bactéria Pantoea stewartii (antes conhecida por Erwinia stewartii) que ataca
geralmente as folhas das plantas jovens. É também medianamente resistente aos
ataques dos fungos Exserohilum turcicum antes designado por
Helmithosporium
turcicum, que pode provocar danos elevados nas folhas pela altura da floração e
Bipolaris maydis (Helminthosporium maydis), que provoca lesões nas folhas e na
espiga.
As sementes vinham tratadas com Cruiser 350 FS (thiametoxam 29,9 %) e com os
fungicidas Fludioxonil 2,4 % e Metalaxil-M 1.
3.6 - Adubações e tratamentos fitossanitários
Foi efetuada uma adubação azotadas de cobertura, com adubo nitroamoniacal 27 %,
quando as plantas tinham cerca de 8-10 folhas. As infestantes foram controladas na
preparação do terreno e também por duas sachas, uma quando o milho tinha 3-4
folhas e a segunda quando tinha cerca de 6-8 folhas.
Durante a fase de crescimento do milho não se notou a existência de ataques de
fungos ou bactérias, mas por altura da floração apareceram as borboletas da lagarta
da espiga (Helicoverpa zea) e verificou-se a presença de ovos e de ligeiros estragos
nas folhas. Nessa altura tratou-se com Karate Zeon, um insecticida piretróide. Mas a
praga teve mais do que uma geração e algumas larvas provocaram danos nas
espigas.
Nas fotos abaixo (Imagens 30 e 31) é possível verificar os estragos provocados pela
lagartas nas socas de milho.
53
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Imagem 30 – Foto da lagarta que
atacou o milho doce (Fonte: Iolanda
Silva)
Imagem31 – Estragos provocados
pela lagarta na soca de milho (Fonte:
Iolanda Silva)
Os estragos provocados por esta praga tornam a soca imprópria para consumo, e
podem levar a um prejuízo elevado a nível produtivo. Neste caso os estragos foram
pouco significativos.
3.7- Altura das plantas, número de folhas e colheita das maçarocas
A altura de 25 plantas e o número de folhas de cada planta foram registados todas as
semanas, para as diferentes datas de sementeira.
As maçarocas foram colhidas à mão à medida que chegavam ao ponto de colheita
ideal, ou seja, quando os grãos de milho doce atingiram sem ultrapassar, o estado
leitoso. Como existiram diferentes datas de sementeira também existiram diferentes
datas de colheita. As datas de colheita correspondentes às quatro datas de sementeira
foram as seguintes:
Data de sementeira
Data de colheita
15 Março
06 Julho
15 Março
15 Julho
14 Abril
05 Agosto
27 Abril
10 Agosto
54
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Cem maçarocas foram colhidas sem pedúnculos, em cada parcela, e imediatamente
pesadas com as folhas e também sem as folhas, para avaliação do seu peso médio.
55
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Quadro 9. Altura e número de folhas do milho doce semeado a 15 de Março.
56
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Quadro 10. Altura e número de folhas do milho doce semeado a 15 de Março.
57
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Quadro 11. Altura e número de folhas do milho doce semeado a 14 de Abril.
58
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Quadro 12. Altura e número de folhas do milho doce semeado a 14 de Abril.
59
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
4. Resultados e Discussão
4.1. Período de permanência do milho no solo
O ciclo de desenvolvimento da cultura entre a sementeira e o estado fenológico
indicado para a colheita, está relacionada com a integral térmica e vem indicado nos
catálogos para cada milho. Neste caso a indicação é que o milho atingiria o estado
leitoso aos 78 dias.
A integral térmica em graus-dia (GD) neste trabalho foi calculada a partir da
temperatura média diária do ar subtraída de 10 0C. A integral térmica da sementeira
até à apanha, para cada uma das parcelas, está indicada no Quadro 9.
Quadro 13. Integral térmica (GD) para os dias em que o milho ficou no terreno nas diferentes
datas de sementeira.
Data de sementeira
Data de colheita
Integral térmica
Dias terreno
(GD)
15 Março
06 Julho
658
112
15 Março
15 Julho
748
121
14 Abril
05 Agosto
862
113
27 Abril
10 Agosto
878
105
Este período prolongado de permanência do milho doce no terreno, em relação às
indicações da casa produtora, indicam que as temperaturas registadas nos Açores são
sub-óptimas para a cultura do milho doce, já que estas parcelas contíguas se
localizavam numa zona próxima do mar e com boa exposição solar.
4.2. Altura do milho e número de folhas por planta
Das medições efetuadas verificamos que os milhos semeados em 15 de Março,
atingiram alturas médias bastante inferiores aos milhos semeados em 14 e 27 de Abril.
60
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
Pelas tabelas em anexo, pode verificar-se que o milho semeado no dia 15 de Março
atingiu a altura média de 1,58 m; o milho semeado a 14 Abril atingiu 1,80 m e o milho
semeado a 27 de Abril atingiu 1,90 m.
O número médio de folhas por planta não diferiu muito entre as diferentes datas de
sementeira e foi de 9, 11 e 11 folhas, para respetivamente, as datas de sementeira de
15 Março, 14 de Abril e 27 de Abril.
Portanto as temperaturas mais baixas influenciaram o tamanho dos entrenós, já que
os milhos semeados em meados de Março tinham menos cerca de 22 cm que os
semeadas em 14 de Abril e 32 cm que os milhos semeadas em 27 de Abril.
4.3. Produções de maçarocas obtidas por hectare, com e sem folhas
As produções obtidas por hectare neste ensaio, para o milho doce em maçaroca sem
folhas, estão de acordo com as produções publicadas pelo INE em 2011, para as
produções médias obtidas por hectare nos Açores, nos anos de 2005 (8083 kg/ha) e
de 2006 (10188 kg /ha).
Quadro 14. Produções de maçarocas obtidas por hectare, com camisas e sem camisas
(quilos), e peso médio das maçarocas (gramas). Ensaio conduzido em 2011, no Pesqueiro,
freguesia de S. Bartolomeu, Ilha Terceira.
Data
sementeira
Data
colheita
06 Julho
Peso socas
com folhas
(kg/ha)
15675
Peso socas
sem folhas
(kg/ha)
10200
15 Março
Peso média Peso médio
socas com Socas sem
folhas (g)
folhas (g)
313
202
15 Março
15 Julho
17890
11415
358
228
14 Abril
05 Agosto
13725
9750
275
195
27 Abril
10 Agosto
16200
12250
324
245
As precipitações ocorridas durante o período em que o milho esteve na terra foram de
145 mm para o milho semeado a 15 de Março e que ficou no solo até 6 de Julho; de
149 mm para o milho semeado a 15 de Março e que ficou no solo até 15 de Julho; de
88 mm para o milho que foi semeado em 14 de Abril e 81 mm para o milho semeado a
27 de Abril.
As produções obtidas por hectare nas parcelas em que se semeou a 15 de Março,
mas que diferiram na data de colheita, foram diferentes em cerca de 1215 kg (peso de
61
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
maçarocas sem folhas), sendo o aumento de 12 % na produção devido ao aumento
das maçarocas obtidas quando o milho ficava mais tempo no terreno (Quadro 10).
Embora ambas estivessem no estado leitoso, colher bem no início do estado leitoso ou
deixar aproximar um pouco mais do estado pastoso, tem implicações na produção e
no tamanho da maçaroca, que passou de um valor médio de 202 g para 228 g (sem
folhas). Na nossa opinião quando se colheu no estado leitoso mais avançado as
maçarocas eram mais saborosas. Esta diferença na produção e na qualidade,
demonstram a importância de se efetuar a colheita do milho doce no momento mais
apropriado.
A sementeira efetuada em 14 de Abril, foi efetuada com solo bastante seco e até 4 de
Maio a precipitação foi insignificante. O padrão de distribuição da precipitação, em
nossa opinião, foi mais desfavorável para o milho semeado nesta altura do que para o
milho semeado em 27 de Abril. Este último, embora tivesse contra si uma menor
reserva de água no solo na altura da sementeira, e durante o tempo que esteve no
solo só caíram 81 mm, teve a vantagem de ter tido mais água logo depois da
sementeira (5,4 mm em 4 de Maio e 31 mm em 9 e 10 de Maio) e noutros períodos
essenciais do seu ciclo.
62
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
5. Conclusões
As produções obtidas por hectare foram boas, apesar do ano de 2011 ter tido uma
primavera e um verão extremamente secos e se tratar de uma cultura feita em
sequeiro. As maçarocas tinham boas dimensões e as pragas foram poucas.
O milho doce nos Açores leva mais tempo para atingir o estado fenológico adequado à
colheita do que as indicações dadas pelas firmas produtoras das sementes, neste
caso entre 27 a 43 dias a mais.
Apesar do milho doce semeado mais tarde necessitar ficar menos tempo no terreno,
se este estiver disponível em meados de Março e o tempo permitir a sementeira, as
sementeiras precoces são de preferir, porque não correm o risco de sofrerem com a
falta de água e permitem colocar o produto mais cedo no mercado, quando geralmente
o preço é melhor. Contudo em anos normais, tudo indica que as produções obtidas
com sementeiras tardias serão também boas, devido ao curto ciclo vegetativo do milho
doce.
O milho doce pode ser produzido em maior quantidade nos Açores, porque é
apreciado por crianças e adultos, e pode passar a ter um maior contributo na dieta dos
açorianos. Fazer e conservar mini-milho (baby-corn) é fácil e trata-se de um produto
de elevado valor acrescentado, que poderíamos também produzir.
63
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
6. Bibliografia

Barbieri, V.; Melhoramento genético do milho doce; 2010.

Bianco, R.; Manejo de pragas do milho em plantio direto; 2000.

B. Rosie Lerner; Michael N. Dana; Growing Sweet Corn; Department of Horticulture
Purdue University Cooperative Extension Service ; West Lafayette; 1995.
 Braga, A.; Pulgão-do-milho Rhopalosiphum maidis Fitch, 1856 (homóptera:Aphididae);
2009
 Carpentieri-Pípolo, V.; Garcia, I.; Assis, J.; Níveis de zinco e fósforo em amostras
de solo corrigidas com calcário na produção de matéria seca do milho-doce (Zea
mays var. Saccharata); 1998.
 Costa, R.; Casela, C.; Cota, L.; Cultivo do milho; Embrapa; 2009.
 Cruz, J.; Filho, I.; Colheita, transporte e comercialização do milho verde; 2006.
 Cruz, J.; Alvarenga, R.; Novotov, E.; Filho; I.; Santana, D.; Pereira, F.; Hernani, L.;
Cultivo do milho; Embrapa; 2006.
 Diário insular; 10 de Abril de 2012; página 15.
 Fernandes, F.; Oliveira, E.; Casela, C.; Ferreira, A.; Pinto, N.; Cultivo do milho;
Embrapa; 2006.

Filgueira, F.; Manual de olericultura; Cultura e comercialização das hortaliças. São
Paulo; 1972. 451p.
 Filho, I.; O cultivo do milho verde; Brasil; 2002.
 Filho, I; Cruz, J.; Costa, R.; Milho doce; Embrapa; 2011.
64
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
 Gama, E.; Parentoni, S.; Albuquerque, P.; Resende, M.; Pitta; G.; França; G.; Francko,
J; Sans, L.; Corrêa, L; Filho, A.; Silva, J.; Viana, P.; Fernandes, F.; A cultura do milho
doce; 1992.

Gibson, L.; Benson, G.; Origin, History, and uses of corn (Zea mays); Iows State
University, Departament of Agronomy; 2002.

Haag, H.; Minami, K.; Sesso, M.; Nutrição mineral de hortaliças. LXXXIX.
Crescimento e acúmulo de macro e micronutrientes por uma cultura de milho
doce; 1990.

JARDINE, D.; LACA-BUENDÍA, J.; Eficiência de fungicidas no controle de doenças
foliares na cultura do milho; Revista, Uberaba; nº 6,; p. 11-52; 2009.
 Jauron, R; Harvesting sweet corn; Horticulture and Home Pest News; Iowa State
University; Iowa, 1997.
 Junqueira, R.; Interpretação da análise de solo – A importância do potássio; 2012.
 JUVICK, J.A. et al.; Influencing kernel quimical composition and seedling stand
establishment in sweet corn with the shrunken2 and sugary enhancer1
endosperm mutations; 2003.

Kwiatkowski, A.; Clemente, E.; Características do milho doce (Zea mays L.) para
industrialização; Revista Brasileira de Tecnologia Agroindustrial; 1981.

Maggio, M.; Acúmulo de massa seca e extracção de nutrientes por plantas de
milho doce híbrido “Tropical”; 2006.

Malavolta, E. Manual de Química Agrícola: Adubos e Adubação. 3ª Ed. São
Paulo. Editora Agronômica Ceres, 1981, 596p.

Matos, E.; Dossiê Técnico - Cultivo do Milho Verde; Julho 2007.
65
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes

Mendes, C.; Dias, E.; Ecologia e vegetação das turfeiras de sphagnum spp da ilha
terceira (Açores); Angra do Heroísmo; 2001.

Moraes, A.; A cultura do milho verde; 2009.

Motes, J.; Roberts, W.; Cartwright, B.; Sweet Corn Production; Oklahoma
Cooperative Extension Service; 2005

Oliveira, L.; Smith, R.; Reis, F.; Campostrini, E.; Pereira, M.; Diferenças fisiológicas
entre os genótipos de milho doce (su-1) e milho
comum durante o
desenvolvimento; 2007.
 Oliveira, F.; Cavalcante, L.; Pereia, E.; Ivandro, F.; Oliveira, J.; Filho, J.; Crescimento
do milho adubado com nitrogénio e fósforo em um Latossolo Amarelo; Revista
Brasileira de Ciências Agrárias; Vol. 4, Nº 3; julio-septiembre, 2009, pp. 238.

Ozores-Hampton, M.; Stall, W.; Olson, S.; Webb, S.; Smith, R.; McAvoy, E.; Sweet
corn production in Florida; University of Florida, 2011.

Padilha, L.; Teixeira, T.; Netto, D.; Pinto, N; Gama, E.; Teixeira, F.; Oliveira, A.;
Andrade, R.; Qualidade Fisiológica e Sanitária de Sementes Híbridas de Milho
Doce Armazenadas; 2006.
 Parentonilt, S.; Gama, E.; Magnavaca, R.; Reifschneider, F.; Villas Boas, G.; Milho
doce; 1990.
 Pereira, P.; Salvadori, J.; Furiatii, R.; Ocorrência do pulgão-do-milho Rhopalosiphum
maidis (Fitch, 1856): identificação, biologia e danos; 2006.
 Pinheiro, J.; Estudo dos principais tipos de solos da Ilha Terceira (Açores); Tese
de Doutoramento; Universidade dos Açores; Departamento de Ciências Agrárias;
Angra do Heroísmo; 1990.
• Ramos, A.; Milho; Pionner; 2001.
 Relf, D.; McDaniel, A.; Sweet Corn; Virginia Cooperative Extensio; Virgina Tech; 2009.
66
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes
 Sawazaki, E.; Pomer, C.; Ishimura, I.; Avaliação de cultivares de milho doce para
utilização no estádio verde; Ciência Cultural; 1979.
 Smith, R.; Aguiar, J.; and Caprile, J.; Sweet corn production; California University of
California Cooperative extension farm advisors San Benito; 2009.

SYNGENTA SEEDS; Comunicação pessoal; 2008.

Suzuki, L.; Alves, M.; Produtividade do milho (Zea mays L.) influenciada pelo
preparo do solo e por plantas de cobertura em um Latossolo Vermelho; 2004.

Szymanek, M.;
Department of Agricultural Machines Sciences; University of Life
Science in Lublin; Poland 2009.

Tracy, W.F. Sweet corn; 2001. p. 155-198.
 Tracy, W.; Chandravadana, P.; Galinat, W.; More on pericarp and aleurone
thickness in maize and its relatives; Maize Genet. Coop. News Lett; 1978.

United Nation; Food and Agriculture Organization; FAO Stat Maio de 2010.
 Vargas, L; Peixoto, C.; Roman, E.; Manejo de plantas daninhas na cultura de milho;
Embrapa; Setembro 2006.

Vello, N.; Melhoramento genético; Universidade de São Paulo, Escola Superior de
Agricultura Luiz de Queiroz, Departamento de Genética, 2010.

Viana, J.; Manejo do Solo para a Cultura do Milho; 2006.

Vieira, S.; Martins, A.; Milho; Gabinete de Coordenação Regional da Beira Litoral e
Gabinete de Coordenação Regional de Entre Douro e Minho; 2004.

Weismann, M.; Fases de desenvolvimento da cultura do milho; Tecnologia e
Produção – Culturas: safrinha e inverno 2007; Fundação MS; 2007. 20p.
 www.aces.nmsu.edu
67
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes

www.arbvs.pt

www.ateliergourmand.com.br.
 www.biorede.pt

http://cultivehortaorganica.blogspot.pt

www.denisim.edu

www.dgadr.pt

www.embrapa.br

www.estatistica.azores.gov.pt

www.gardenfresco.co.uk

www.genetica.esalq.usp.br

www.harvesttotable.com

www.hort.purdue.edu

www.infoagro.cothn.pt

www.inra.fr

www.ipm.iastate.edu

www.navarraagraria.com

www.noticiasagricolas.com.br

www.ogimet.com
68
Avaliação de produção de milho doce para consumo em maçaroca em três datas de sementeira diferentes

www.portalsaofrancisco.com.br

www.rentokil.pt

www.sapecagro.pt

www.syngenta.com

www.weedsoft.unl.edu
69
Fly UP