...

graça cota - Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós

by user

on
Category: Documents
11

views

Report

Comments

Transcript

graça cota - Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós
UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO
CENTRO DE EDUCAÇÃO
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO
MARIA DAS GRAÇAS COTA
O PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO
DOS GUARANI NO ESPÍRITO SANTO
VITÓRIA
2008
MARIA DAS GRAÇAS COTA
O PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO
DOS GUARANI DO ESPÍRITO SANTO
Tese apresentada ao Programa de PósGraduação em Educação do Centro de
Educação da Universidade Federal do Espírito
Santo, requisito parcial para a obtenção do grau
de Doutora em Educação.
Orientadora: Prof.ª Dr.ª Regina Helena Silva
Simões.
VITÓRIA
2008
MARIA DAS GRAÇAS COTA
O PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO DOS GUARANI NO ESPÍRITO SANTO
Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação, do Centro de
Educação da Universidade Federal do Espírito Santo, como requisito parcial para a
obtenção do Grau de Doutora em Educação.
Aprovada em ___________2008.
COMISSÃO EXAMINADORA
__________________________________________
Prof.ª Dr.ª Regina Helena Silva Simões
Universidade Federal do Espírito Santo
Orientadora
__________________________________________
Prof. Dr. Carlos Eduardo Ferraço
Universidade Federal do Espírito Santo
__________________________________________
Prof.ª Dr.ª Celeste Ciccarone
Universidade Federal do Espírito Santo
__________________________________________
Prof.ª Dr.ª Janete Magalhães Carvalho
Universidade Federal do Espírito Santo
__________________________________________
Prof. Dr. José Ribamar Bessa Freire
Universidade Estadual do Rio de Janeiro
DADOS INTERNACIONAIS DE CATALOGAÇÃO
Dados Internacionais de Catalogação-na-publicação (CIP)
(Biblioteca Central da Universidade Federal do Espírito Santo, ES, Brasil)
T253a
Cota, Maria das Graças. 1961O processo de escolarização dos Guarani no Espírito Santo. /
Maria das Graças Cota. – 2008.
/ f. : il.
Orientadora: Regina Helena Silva Simões .
Tese (doutorado) – Universidade Federal do Espírito Santo,
Centro de Educação.
1. Índios Guarani. 2. Índios Guarani - Identidade étnica. 3.
Índios - Educação. I. Simões, Regina Helena. II. Universidade
Federal do Espírito Santo. Centro de Educação. III. Título.
CDU:
Dedico este trabalho aos Guarani do Espírito Santo
por me terem possibilitado o aprendizado de outras
formas de educar e existir.
AGRADECIMENTOS
À minha querida professora e orientadora, Regina Helena Silva Simões, pela
disposição em acolher um projeto tão distinto do seu campo de pesquisa e por sua
maneira elegante e respeitosa de conduzir o processo de orientação.
À minha família, por todo o apoio oferecido.
Ao meu marido, grande companheiro nessa jornada.
A todos os membros da banca, por suas valiosas contribuições.
Aos professores e estudantes guarani.
Aos amigos Circe, Irmã Nilma, Cláudio, Flávio e tantos outros, pelo apoio recebido.
À SEDU, especialmente às pedagogas Fortaleza e Tânia Menezes.
À SEMED, especialmente às pedagogas Zélia, Alzenira, Marli e à professora
Andréia.
RESUMO
Este trabalho analisa o processo de escolarização dos Guarani do Espírito Santo no
contexto da história da educação escolar brasileira e das políticas públicas
instauradas no Brasil a partir da promulgação da Constituição Federal de 1988. Por
se tratar de um estudo de caso na perspectiva histórica, utiliza tanto a análise de
documentos como as observações e as entrevistas. Os resultados apontam a
escolarização e a EEI guarani como processos históricos e, a escola e o Programa
de EEI Guarani como espaços de fronteira. Como processos históricos, a
escolarização e a EEI guarani encontram-se relacionadas a vários outros processos
e têm sofrido algumas transformações e atravessamentos. Os processos de
escolarização e da institucionalização da EEI guarani no Espírito Santo encontramse relacionados a vários outros processos, tais como a luta desse povo pelo
reconhecimento de seus direitos, o movimento nacional dos povos indígenas e o
apoio das organizações indigenistas pela institucionalização de políticas públicas
que levem em consideração a questão da diversidade cultural. Também como
processo histórico, o processo da escolarização e a EEI guarani apresentam
algumas transformações, como as mudanças de suas representações acerca da
educação escolar, a formação e contratação de professores guarani e a construção
da proposta curricular diferenciada para as escolas das aldeias. Ainda como
processos históricos, os processos de escolarização e a EEI guarani sofrem diversos
atravessamentos, tais como a cultura desse mesmo povo e os problemas territoriais
vividos por eles. Como espaços de fronteira, a escola e o Programa de EEI Guarani
podem ser considerados espaços de índios e de não-índios e, assim, espaços de
angústias, incertezas, mas também de oportunidades e de criatividade, espaços de
contato onde afloram tensões em virtude não somente de visões de mundo
tradicionais do indígena, mas também das políticas públicas de caráter
desenvolvimentista adotadas pelo governo do Espírito Santo.
Palavras-chave: Guarani, Educação escolar indígena, Identidade étnica.
ABSTRACT
This work analyzes the Guarani people’s schooling process in the State of Espírito
Santo, within the historical context of the Brazilian schooling system and its public
policies established in Brazil at the time of the promulgation of the Federal
Constitution of 1988. Since this is a historical perspective case study, documentary
analysis, direct observation and interviews were used. The results obtained indicate
that the Guarani Indigenous Education (GIE) is a historical process, which along with
the school, constitute frontier spaces. As historical processes, the Guarani schooling
system and the GIE are linked to several others and have experienced important
transformations and influences. The Guarani schooling and GIE institutionalization
processes in Espírito Santo are connected to various other processes such as the
struggle of the Guarani people for the acknowledgment of their rights, the indigenous
peoples national movement and the support of some indigenous organizations in
favor of the instauration of public policies that take into consideration the cultural
diversity question. Besides, as historical processes, the Guarani schooling system
and the GIE in Espírito Santo have suffered such transformations as changes in their
representation rates as far as elementary education is concerned, training and hiring
of Guarani teachers and the building of a differentiated curricular proposal for the
indigenous villages schools. They have also experienced strong influences from their
own culture and territorial claims. As frontier spaces, the Guarani school and the GIE
program may be considered indigenous and non indigenous spaces, that is to say
spaces of anguish, uncertainty, but also creative opportunities. They are spaces of
contact where tensions appear, not only by virtue of more traditional indigenous world
visions, but also because of developmental public policies adopted by the
government of Espírito Santo.
Key words: Guarani – indigenous education – ethnic identity.
LISTA DE FIGURAS
Figura 1 - Mapa da América do Sul ........................................................................... 68
Figura 2 - Território de deslocamento guarani........................................................... 69
Figura 3 – Tatati Yva Re Ete e seu esposo João dos Santos (1990) ........................ 74
Figura 4 - Localização das aldeias guarani do município de Aracruz........................ 78
Figura 5 - Milharal ..................................................................................................... 86
Figura 6 - Cabana para venda de artesanato ............................................................ 87
Figura 7 - Artesanatos guarani .................................................................................. 87
Figura 8 - EMPI Boa Esperança ................................................................................ 89
Figura 9 - EMPI Três Palmeiras ................................................................................ 90
Figura 10 – A Cabana e a EMPI Três Palmeiras ..................................................... 93
Figura 11 – Sistema educacional dos Guarani.
176
Figura 12- Turma de alunos do Curso de Formação Tupinikim e Guarani ............. 191
Figura 13 - Cabana usada durante o Curso de Formação ...................................... 192
Figura 14 - Aluna guarani no Curso de Formação .................................................. 193
Figura 15 - Mães tupinikim e guarani com seus filhos em sala de aula .................. 194
Figura 16 - Alunos guarani na aula de Ciências Naturais ....................................... 197
Figura 17 - O aluno Sílvio (camisa branca) ............................................................. 197
Figura 18 - Aluna guarani e aluno tupinikim do Curso de Formação.......................198
Figura 19 - Participação do cacique Toninho na aula de Ciências .......................... 199
Figura 20 - Dona Aurora e seu filho Jonas .............................................................. 201
Figura 21- Alunas guarani (vestidas de branco) na festa de formatura...................203
Figura 22- Certificação de uma aluna guarani na festa de formatura...................... 204
Figura 23 - Leonardo, aluno no Curso de Formação............................................... 206
Figura 24 - Alunos guarani no Curso de Formação................................................. 207
Figura 25 - Sábios guaran no Cursoi....................................................................... 209
Figura 26 - Sábio guarani no Curso de Formação .................................................. 210
Figura 27 - Argemiro (ao centro) e outros colegas no Curso................................... 210
Figura 28 - Participação da aluna Joana na aula do professor Bessa .................... 212
Figura 29 - Mãe guarani com seu filho no Curso de Formação............................... 214
Figura 30 - Mãe guarani com seu filho no Curso de Formação............................... 214
Figura 31 - A professora Ruth (ao centro) e os professores guarani....................... 217
Figura 32 - A professora Joana com a turma de pré-escola ................................... 224
Figura 33 - Participantes do COLE.......................................................................... 227
Figura 34 - II Seminário de Educação Indígena ...................................................... 230
Figura 35 - Sala de aula da EMPI Três Palmeiras .................................................. 248
Figura 36 - Crianças escorregando em colchões .................................................... 249
Figura 37 - Cachorros circulando pela escola ......................................................... 250
Figura 38 - Cabana onde funciona a EMPI Três Palmeira (vista de fora) ............... 256
Figura 39 – Cabana onde funcionava a EMPI Três Palmeiras (vista de dentro).....256
Figura 40- EMPI Três Palmeiras (vista de fora) ...................................................... 257
Figura 41 – EMPI Três Palmeiras (vista de dentro)................................................. 257
Figura 42 – Professor Mauro e a primeira turma da EMPI Três Palmeiras ............. 267
Figura 43 – O senhor Jonas e a turma do professor Sílvio......................................269
LISTA DE TABELAS
TABELA 1. FAIXA ETÁRIA DA POPULAÇÃO GUARANI NO............................ ... 79
ESPÍRITO SANTO
TABELA 3. DADOS EDUCACIONAIS DA POPULAÇÃO GUARANI ................ . 165
NO BRASIL
TABELA 4. RESULTADOS FINAIS DA EMPI BOA ESPERANÇA....................... 245
TABELA 5. RESULTADOS FINAIS DA ALDEIA DE .......................................... . 245
TRÊS PALMEIRAS
LISTA DE SIGLAS E ABREVIAÇÕES
ABA - Associação Brasileira de Antropologia
AGB - Associação dos Geógrafos Brasileiros
AIC - Associação Indígena de Comboios
AITG - Associação Indígena Tupinikim e Guarani
AIX - Associação Indígena Xacriabá
ANAI - Associação Nacional de Ação Indigenista
ANC - Assembléia Nacional Constituinte
ANPED – Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação.
APOINME - Articulação dos Povos e Organizações Indígenas do Nordeste, Minas
Gerais e Espírito Santo
CAPI - Comissão de Apoio aos Povos Indígenas
CCPY - Comissão Pro-Yanomami
CDH/ES - Conselho Estadual dos Direitos Humanos do Espírito Santo
CEDI - Centro Ecumênico de Documentação e Informação
CEE - Conselho Estadual de Educação
CIMI - Centro Missionário Indigenista
CNBB - Confederação Nacional dos Bispos do Brasil
CNE - Conselho Nacional de Educação
CNPI - Conselho Nacional dos Povos Indígenas
COFAVI - Companhia Ferro e Aço de Vitória
COIAB - Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira
COLE - Congresso de Leitura do Brasil
CONAGE - Coordenação Nacional dos Geólogos
CPDDH - Centro de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos
CPI/AC - Comissão Pró-Índio do Acre
CPI/SP - Comissão Pró-índio de São Paulo
CPMI - Comissão Parlamentar Mista de Inquérito
CSN - Conselho de Segurança Nacional
CTI - Centro de Trabalho Indigenista
CUT - Central Única dos Trabalhadores
CVRD - Companhia Vale do Rio Doce
ECOSOC- Economic and Social Council of the United Nations
EEI - Educação Escolar Indígena
EEEM - Escola Estadual de Ensino Médio
EFAA - Escola Família Agrícola em Alternância
ELESI - Encontros sobre Leitura e Escrita em Sociedades Indígenas
EMEF - Escola Municipal de Ensino Fundamental
EMPI - Escola Municipal Pluridocente Indígena
FACHA - Faculdade de Ciências Humanas de Aracruz
FAO - Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação
FOIM - Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro
FNDE - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação
FUNAI - Fundação Nacional do Índio
FUNASA - Fundação Nacional de Saúde
FUNDEB - Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica
GT - Grupo Técnico
IBASE - Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas
IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
IDEA - Instituto para o Desenvolvimento e a Educação de Adultos
INEP - Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais
INESC - Instituto de Estudos Socioeconômicos
IPE - Instituto de Pesquisa em Educação
ISA - Instituto Socioambiental
LDB - Lei de Diretrizes e Bases
MAIC - Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio
MEC - Ministério da Educação e Cultura
MERCOSUL - Mercado Comum do Sul
MIRAD - Ministério de Reforma Agrária e Desenvolvimento
MJ - Ministério da Justiça
MPE - Ministério Público Estadual
MPF - Ministério Público Federal
MST - Movimento dos Sem Terra
NDI - Núcleo de Direitos Indígenas
NEI - Núcleo de Educação Escolar Indígena
NISI/ES - Núcleo Interinstitucional Indígena do Espírito Santo
NUPES/USP - Núcleo de Estudos sobre Ensino Superior da Universidade de São
Paulo
OAB - Organização dos Advogados do Brasil
OEA - Organização dos Estados Americanos
OIT - Organização Internacional do Trabalho
OMS - Organização Mundial da Saúde
ONU - Organização das Nações Unidas
OPAN - Operação Padre Anchieta
PdT - Pedagogia do Texto
PEC - Projeto de Emenda Constitucional
PDDE - Programa de Dinheiro Direto na Escola
PFL - Partido da Frente Liberal
PMA - Prefeitura Municipal de Aracruz
PMDB - Partido do Movimento Democrático Brasileiro
PNE - Plano Nacional de Educação
PPP - Projeto Político Pedagógico
PPGE - Programa de Pós-Graduação em Educação
PREFES - Programa de Regularização do Fluxo Escolar
PRODER - Programa de Descentralização de Recursos
RCA - Rede de Cooperação Alternativa
RCNE/Indígena - Referencial Curricular Nacional de Educação Indígena
S/A - Sociedade Anônima
SBPC - Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência
SEED/SC - Secretaria de Estado da Educação de Santa Catarina
SEDU - Secretaria de Estado da Educação
SEF – Secretaria da Educação Federal
SEJUC - Secretaria Estadual de Justiça e Cidadania.
SEMED - Secretaria Municipal de Educação de Aracruz
SIL - Summer Institute of Linguistics
SNEB - Serviço Nacional de Ensino Básico
SPI - Serviço de Proteção ao Índio
SPILTN - Serviço de Proteção ao Índio e Localização de Trabalhadores Nacionais.
TEI - Núcleo de Pesquisa em Tradução e Estudos Culturais
UFES - Universidade Federal do Espírito Santo
UNESCO - Organização das Nações Unidas para a Educação e a Ciência
UNI - União das Nações Indígenas
UNIND - Organização das Nações Indígenas
GLOSSÁRIO DE PALAVRAS E EXPRESSÕES INDÍGENAS
ACHE - Parcialidade guarani.
ARÃDU PORÃ RAPE - O caminho da sabedoria.
AVA - Homem, pessoa.
AVATI ETE - Milho guarani.
AVAXI – Milho.
AVAXÍ ETEÏ - Milho assado.
AVAXÍ KUÍ - Uma espécie de farinha feita de milho e amendoim socados num pilão.
AVAXÍ KUIPÓ - Espécie de fécula de milho.
AVAXÏ KY - Milho cozido.
AYVÚ PORÃ - A bela linguagem.
AYVU RAPYTA - As belas palavras.
AYVUKUÉ - Palavra-alma sagrada, porção divina da alma.
CHIGUANOS - Parcialidade guarani.
CUNHA KARAÍ - Mulher líder religiosa guarani.
DJA-KAÍRA - Entidades de cura.
GUARANI ETE - Um guarani de verdade.
GUARAYOS - Parcialidade guarani.
IPARAVÃPY- Paranaguá.
IZOZEÑO - Parcialidade guarani.
JURUÁ - Pessoa não indígena.
KAGUYJY– Bebida feita com milho verde, que deve ser mascado para fermentação
e misturado com água.
KÂNGUI - Espécie de mingau preparado com milho e batata doce.
KARAÍ - Homem líder espiritual religioso que comanda as cerimônias.
KOXI - Porco do mato.
KUAA MBO’E – Conhecer e ensinar.
MBEJU – Espécie de massa fina feita com farinha de milho tostada e água.
MBOJAPÉ – Espécie de massa feita com farinha de milho e água, assada nas
cinzas.
MBYA - Parcialidade guarani.
MPAIPY - Um tipo de “polenta” feita com milho verde triturado e água, recoberta com
folhas de peguaó (musa sp) e cozida sob cinzas de uma fogueira.
NE’ ENG PORÁ - Belas palavras
NE’ENG PORÃ - Palavras sagradas e verdadeiras.
ÑE’EY - ÑE’E - Palavra-alma, que dá vida e saúde a pessoa.
ÑEË - Palavra que confunde com “alma” ou fala, linguagem, que define identidade
na comunicação verbal.
ÑEMBO’E – Pronunciar as palavras sagradas e deixar se instruir por ela.
ÑEMONGARAÍ – Festa tradicional para comemorar a boa colheita do milho.
NHAMANDÚ – Sol.
NHANDEREKÓ - O modo de ser guarani.
NHANDERU – Deus.
NHANDERÚ - Deus criador das belas palavras.
NHANDERUETÉ– Deus.
ÑHANDERÝ – Deusa.
NHANDEVA - Parcialidade guarani.
OGUATÁ - Terra sem males.
OPY - Casa tradicional de reza, lugar sagrado.
PAI-TAVYTERÃ - Parcialidade guarani.
REKÓ - Jeito de ser guarani.
REVIRO - Comida feita com fubá, água e gordura animal.
RORÁ - Cozido de farelo de milho misturado com água, parecido com canjica
cozida.
TÃBEOPE - Gente do nosso povo que usa tanga.
TAMÖI - Avô ou ancestrais míticos comuns.
TAPIETÉ - Parcialidade guarani.
TEKO - Sistema guarani ser, estado de vida, condição, estar, costume, lei, hábito ou
comportamento em sociedade, sustentando em arsenal mítico e ideológico.
TEKOÁ - Lugar bom para o guarani viver, para construir a aldeia.
TEKOA GUASSÚ - Grande território.
TUPÃ-KWERY - Entidades de luz.
XAMÃ - Líder religioso.
XIRIPA - Parcialidade guarani.
YVY APY- O final do mundo ou o seu extremo.
Fonte: expressa na oralidade pelos interlocutores.
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO .......................................................................................21
CAPÍTULO I............................................................................................27
1 CONSTITUIÇÃO DA TEMÁTICA....................................................... 27
CAPÍTULOII.......................................................................................... 33
2 REFERENCIAL TEÓRICO..................................................................33
2.1 "A CULTURA NO PLURAL”. ......................................................... 49
CAPÍTULO III..........................................................................................67
3 METODOLOGIA..................................................................................67
3.1 OS SUJEITOS DA PESQUISA.........................................................67
3.1.1 A fundação das aldeias guarani no Espírito Santo..................74
3.1.2 As aldeias guarani do Espírito Santo...................................... 78
3.2 OS ESPAÇOS TEMPOS DA PESQUISA........................................ 88
3.3 INSTRUMENTOS DE PESQUISA....................................................91
3.4 OBSERVAÇÕES E ENTREVISTAS.................................................92
3.4 ANÁLISE DOCUMENTAL................................................................ 96
3.5 ANÁLISE DOS DADOS.................................................................... 98
CAPÍTULO IV....................................................................................... 103
4 MOVIMENTOS SOCIAIS DOS POVOS INDÍGENAS......................103
4.1 A REPÚBLICA E A QUESTÃO DA INSTITUCIONALIZAÇÃO DE
POLÍTICAS PÚBLICAS INDÍGENAS NO BRASIL ...............................114
4.2 A ASSEMBLÉIA NACIONAL CONSTITUINTE ..............................128
4.3 A RATIFICAÇÃO DA CONVENÇÃO 169 ......................................145
4.4 REFORMULAÇÃO DO ESTATUTO DO ÍNDIO .............................147
4.5 LEIS DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO NACIONAL E
OUTRAS LEGISLAÇÕES RELACIONADAS .......................................152
4.6 UM SÓ POVO E MUITAS POLÍTICAS PÚBLICAS ........................165
CAPÍTULO V...... ..................................................................................173
5 DA EDUCAÇÃO ESCOLAR NA ALDEIA À EDUCAÇÃO ESCOLAR
DA ALDEIA: REDEFININDO AS FRONTEIRAS.................................173
5.1 A FORMAÇÃO E A CONTRATAÇÃO DE PROFESSORES..........187
5.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES
GUARANI............................................................................................. 206
5.2. A CONSTRUÇÃO DA PROPOSTA CURRICULAR .................... .227
5.3 AS ESCOLAS E O PROGRAMA DE EEI GUARANI COMO
ESPAÇOS DE FRONTEIRA.................................................................274
7 REFERÊNCIAS.................................................................................284
ANEXOS.................... ...........................................................................296
ANEXO A..............................................................................................297
ANEXO B..............................................................................................298
ANEXO C..............................................................................................299
ANEXO D..............................................................................................300
21
INTRODUÇÃO
Licenciada em Geografia pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES),
fomos convidada, em 1997, a atuar como formadora da área das Ciências Sociais no
Curso de Formação de Educadores Índios Tupinikim e Guarani. Por meio desse,
foram formados 36 educadores indígenas em magistério, com especialização em
educação escolar indígena. O Curso, aprovado pelo Conselho Estadual de
Educação (CEE), foi realizado mediante uma parceria entre a Secretaria de
Educação de Aracruz (SEMED), a Secretaria de Estado da Educação (SEDU), a
Fundação Nacional do Índio (FUNAI), o Conselho Indigenista Missionário (CIMI), a
Pastoral Indigenista e o Instituto para o Desenvolvimento e Educação de Adultos
(IDEA). Os educadores indígenas foram titulados pela Escola Estadual Monsenhor
Guilherme Schmidt de Aracruz.
Esse projeto de formação de professores encontra-se inserido no contexto do projeto
político desses povos,1 que, desde a década de 70 do século XX, lutam pela
recuperação e demarcação de suas terras, consideradas devolutas pelo governo do
Espírito Santo e “vendidas” à empresa Aracruz Celulose, para o plantio de
eucaliptos. Nesse processo, os Tupinikim e os Guarani viram na educação escolar
diferenciada um instrumento que poderia contribuir para a reafirmação de suas
culturas e para a conquista dos seus direitos.
Em 1997, optamos por cursar o mestrado em educação para que pudéssemos
apropriar-nos de novos instrumentos teórico-metodológicos que nos ajudassem a
melhor compreender a Educação Escolar Indígena (EEI). O mesmo caminho tem
sido trilhado por outros profissionais que atuam nesse ramo da educação, ou seja,
professores e outros profissionais que atuam nessa área ingressam em cursos de
pós-graduação, em busca de suportes teóricos que possibilitem a reflexão sobre
suas práticas, uma vez que a EEI não faz parte do currículo das licenciaturas de
formação dos profissionais da educação. Uma conseqüência dessa situação é que
1
Neste trabalho, estamos optando pelo conceito “povo” para nos referirmos aos diferentes grupos
indígenas do País, mesmo sabendo que pesa o fato de ele ser, juntamente com o conceito de nação,
devedor de uma lógica do Estado Nação. Essa opção se dá pelo fato de ser esse o conceito mais
utilizado pelos povos indígenas, para se referir a si próprios.
22
grande parte das dissertações e teses acerca da EEI trata, na maioria das vezes,
apenas dos povos e dos projetos/programas nos quais estão atuando.
No mestrado, realizei uma pesquisa intitulada Educação escolar indígena: a
construção de uma Educação Diferenciada e Específica, Intercultural e Bilíngüe
entre os Tupinikim do Espírito Santo. Além disso, como o programa da EEI no
Espírito Santo envolve dois povos distintos – os Tupinikim e os Guarani -, temos
produzido textos diversos sobre assuntos relacionados a esses povos, tais como a
Fragmentos da história dos Tupinikim, A agricultura dos Tupinikim, O milho na
cultura guarani e A mandioca na cultura tupinikim. As reflexões, especificamente na
área do ensino-aprendizagem das Ciências Sociais no Curso de Formação de
Educadores Tupinikim e Guarani, levaram-nos a publicar, em 2002, o livro intitulado
A pedagogia do texto e o ensino-aprendizagem das ciências sociais.
O Programa de Educação Escolar Tupinikim e Guarani, assim como todos os outros
desenvolvidos no Brasil pode ser compreendido no contexto das novas correlações
de forças entre índios e não-índios, que se vêm configurando no Brasil a partir da
década de 70 do século XX. A reação dos povos indígenas às políticas de
integração e dominação, que se dava antes por meio de ações, passou a acontecer
de maneira mais organizada, configurando assim o que poderíamos chamar de
movimentos políticos instituintes2 dos povos indígenas brasileiros. As batalhas entre
índios e não índios têm-se dado, cada vez mais, no campo jurídico e político.
Os movimentos dos povos indígenas que se foram configurando nacionalmente
culminaram com a garantia, na Constituição Federal de 1988, de vários dos direitos
por eles reivindicados, como o reconhecimento por parte do Estado do pluralismo
cultural existente entre os povos indígenas, o direito a uma educação escolar e a
uma assistência médica que respeite essas diferenças culturais e os direitos sobre
as terras que tradicionalmente ocupam.
Outro marco importante no que se refere à escolarização de povos indígenas
brasileiros foi a Lei de Diretrizes de Base da Educação (LDB) de 1996, em cujo texto
2
Movimentos Instituintes: movimentos que propiciam a expansão da vida, “cujas práticas são
capazes de engendrar realidades que, embora não sejam inaugurais - porque há muito têm sido
tentadas - revestem-se de um tom de insurgência que recoloca os desejos éticos do passado
novamente nas pautas de negociações para serem ressignificados e conquistados (LINHARES, 2002,
p. 117-118)
23
a EEI é definida como uma educação intercultural e bilíngüe. Também no rastro da
Constituição de 1988, as Diretrizes para a Política Nacional de Educação Escolar
Indígena do Ministério da Educação (MEC) (1994) estabelecem que além
intercultural e bilíngüe, a EEI deva ser também específica e diferenciada, para
atender as especificidades culturais de cada povo.
Hoje, transcorridos 20 anos da promulgação da Constituição Federal e 12 anos da
LDB os povos indígenas brasileiros continuam na luta pelos seus direitos e pela
instituição dos projetos de educação que atendam suas singularidades (língua,
religião, organização socioeconômica, entre outras), uma vez que a instituição da
EEI passa pela necessidade de formação dos professores, de construção de
escolas, de produção de materiais didáticos e de outras.
Nos últimos seis anos, aumentou o número de etnias indígenas no Brasil, passando
de 216 para 2253 indígenas, que falam cerca de 180 línguas. Segundo o Instituto
Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cresceu também a população indígena:
em 1991, o censo indicava 294 mil índios; em 2000, esse número aumentou para
734 mil, um salto de 150%. Atualmente, a população indígena cresce quatro vezes
mais do que a branca, de acordo também com o IBGE.
A população indígena brasileira é muito expressiva do ponto de vista da diversidade
cultural, mesmo sendo pouco expressiva do ponto de vista numérico, quando
comparada ao total da população brasileira, que é de cerca de 180 milhões de
habitantes.
Aplicando no campo da educação o pensamento de Bauman (2002) de que a cultura
é tanto um agente da desordem como um instrumento da ordem, uma vez que os
processos educacionais estão inseridos na cultura, podemos afirmar que as diversas
sociedades indígenas brasileiras têm pedagogias próprias, que lhes garantem tanto
a continuidade como sociedade quanto novas experimentações e mudanças.
3
Segundo o historiador e antropólogo José Maurício Arruti, professor da Universidade Federal
Fluminense (UFF) e membro do Museu Nacional (RJ), o aumento no número de povos tem relação
com o processo de retomada e construção de identidade de grupos sociais que reclamam a condição
de indígenas. Isso explicaria o surgimento de nove etnias nos últimos anos, incorporadas a partir de
informações básicas a respeito da autodeterminação, da localização, da população e, principalmente,
da manifestação de vontade do próprio povo.
24
Mesmo sendo detentores de formas próprias de educação, tem aumentado cada
vez mais o número de programas de EEI. De acordo com os dados da Secretaria de
Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do MEC (SECAD/MEC), existiam
no Brasil, no ano de 2006, 174.255 alunos indígenas, dos quais 105.453 se
encontravam matriculados no primeiro segmento do Ensino Fundamental; 28.767, no
segundo segmento; 7.900, no Ensino Médio e, 13.217, na Educação de Jovens e
Adultos. Segundo a SECAD/MEC, existia, em 2006, um total de 2.422 escolas
indígenas, sendo 1.113 estaduais, 1.286 municipais e 23 particulares, onde atuavam
9.100 professores indígenas formados ou em formação.
Monteiro (1995) afirma que a questão indígena no Brasil sempre foi área de
interesse dos antropólogos e que os historiadores raramente se interessaram pelo
assunto.
A historiografia brasileira, ao longo das últimas décadas, tem buscado
incorporar grupos sociais antes ignorados pela bibliografia [...] é de se
estranhar, no entanto, a pouca atenção dispensada aos povos indígenas
pelos historiadores. Com exceção de poucos estudos, parece prevalecer,
ainda hoje, a sentença pronunciada pelo historiador Francisco Adolfo
Varnhagem, na década de 1858: para todos os índios, não há história, há
apenas etnografia (MONTEIRO, 1995, p.227).
Se é insipiente o trabalho historiográfico sobre povos indígenas, pior ainda é a
situação na área de história da educação escolar indígena. A educação escolar
indígena está integrada ao sistema de educação brasileiro e é respaldada por uma
ampla legislação. Pelos dados numéricos aqui apresentados, podemos constatar
que ela é uma realidade nacional, porém pouco conhecida, pesquisada e estudada.
De acordo com o inventário comentado realizado por Grupioni (2003) sobre as 53
dissertações de mestrado e as 21 teses de doutorado produzidas, no período de
1978-2002, sobre a educação escolar indígena no Brasil, uma boa parte dos
trabalhos está focada na análise etnográfica de situações particulares, envolvendo
uma única comunidade ou povo indígena em sua experiência de conviver com a
escola e a educação indígena. Poucos são os trabalhos comparativos e, em menor
número, os que buscam uma abordagem mais ampla. Nenhum desses trabalhos foi
no campo da história da EEI.
25
O vazio sobre a história da EEI se faz sentir também nas obras brasileiras sobre a
história da educação. Rosar (2003, p.8) fez um levantamento e uma análise
preliminar das obras da programação das editoras Autêntica, Autores Associados,
Cortez e Papirus, que estão divulgadas na internet através dos catálogos dessas
editoras, na área de educação e História da Educação, no intuito de identificar “[...]
as tendências que mais se fortalecem no âmbito das publicações de livros do país”.
Segundo essa autora, esses catálogos contêm as seguintes informações: autor,
editora, ano da publicação, sinopse da obra e sumário. Ao todo, a autora
transcreveu em seu relatório de pesquisa dados de 43 livros. Desse total classificou
21 como sendo de história da educação e 22 como sendo de educação no geral.
Nenhum dos títulos e das sinopses das 21 obras da história da educação
apresentadas por Rosar (2003) trata da questão da história da EEI no Brasil.
Nos congressos da Associação Nacional de Pós-Graduação de Pesquisa em
Educação (ANPED) foram apresentadas, nos cinco últimos anos, algumas pesquisas
no Grupo de Trabalho “Movimentos Sociais e Educação” (GT3), porém nenhum foi
apresentado no Grupo de Trabalho de “História da Educação” (GT2).
O maior número de publicações sobre a EEI foi encontrado no Em Aberto, que é
uma publicação monotemática do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas
Educacionais (INEP), destinada à veiculação de questões atuais da educação
brasileira. Uma consulta a essa fonte revelou também não haver nenhuma
publicação que trata da história da EEI. Foi encontrado apenas um artigo de
Bittencourt (1994) versando sobre a questão do ensino de História para populações
indígenas.
Levando em consideração que 1) já vínhamos desenvolvendo um trabalho com
formação dos professores indígenas e pesquisando sobre a questão da EEI; 2) a
EEI faz parte do sistema de educação brasileiro, 3) houve aumento das estatísticas
educacionais indígenas nos últimos anos e 4) não existem pesquisas e publicações
acerca da história indígena e da EEI, é que decidimos pesquisar sobre a temática, a
história da EEI no contexto da história da educação brasileira, no curso de
doutorado.
26
Este trabalho, que tem a pretensão de contribuir para as reflexões acerca da EEI e,
conseqüentemente, produzir informações que possam auxiliar na formação de
professores indígenas e não-indígenas, teve o seu relatório de pesquisa dividido em
cinco capítulos.
No capítulo I é uma exposição do processo de como se constituiu a temática da
pesquisa.
No capítulo II apresenta-se o referencial teórico com o qual trabalhamos e também
algumas reflexões acerca de cultura e, conseqüentemente, da cultura relacionada às
concepções que se têm dos povos indígenas.
No capítulo III explicita-se a metodologia da pesquisa utilizada, apresentando os
sujeitos, o local, as fontes, os instrumentos da pesquisa. Procura-se explicitar
também como foram produzidos e analisados os dados da pesquisa.
No capítulo IV, são analisados os movimentos sociais protagonizados pelos povos
indígenas
e
pelas
organizações
indígenas
e
indigenistas
na
luta
pela
institucionalização de políticas públicas que asseguram os interesses desses povos.
No capítulo V é feita a análise do processo de escolarização dos Guarani do Espírito
Santo, como processo histórico, e do programa de EEI das escolas das aldeias
como espaços de fronteira.
Cabe ressaltar que esta pesquisa passou por várias transformações em virtude dos
constantes diálogos com a orientadora e com os membros da comissão
examinadora durante a primeira e a segunda qualificação, diálogos que trouxeram
grandes contribuições, principalmente na construção dos referenciais teóricometodológicos. Queremos esclarecer que, mesmo que a comissão examinadora
tenha sugerido que se fizesse um resumo da parte que trata do movimento nacional
dos povos indígenas durante a Assembléia Nacional Constituinte, insistimos em
manter o máximo de informações sobre o assunto, visto que temos a pretensão de
fazer desta pesquisa uma fonte de informação para aqueles que pretendem estudar
o assunto.
27
CAPÍTULO I
1 A CONSTITUIÇÃO DA TEMÁTICA
Segundo Meliá (1979), em relação aos povos indígenas é preciso estabelecer a
distinção entre três formas de educação: 1) a educação indígena, que seria a forma
de educação própria de cada povo; 2) a educação escolar para índios, aquelas
formas de educação oferecidas aos povos indígenas pelo Governo português e
depois pelo Governo brasileiro, com o objetivo de tentar integrá-los à sociedade
nacional, e 3) a EEI, que está sendo construída com e pelos povos indígenas nos
últimos anos.
As primeiras experiências brasileiras de EEI foram majoritariamente desenvolvidas
por organizações não-governamentais indígenas e indigenistas, a partir da década
de 70 do século XX. “O projeto de Educação Indígena do Acre tem 15 anos. Os
índios são formados para serem professores e os não índios são apenas
assessores”.4 Foi no seio dessa e de outras experiências que se cunharam os
princípios norteadores dessa modalidade de educação. Ou seja, tem-se tentado
desenvolver programas de educação escolar específica e diferenciada, intercultural
e bilíngüe, para cada um dos povos indígenas brasileiros.
As experiências de EEI surgidas fora do aparelho do Estado foram sendo
reconhecidas pelos órgãos oficiais e forneceram elementos para a regulamentação
do processo de qualificação profissional dos professores indígenas, principalmente a
Resolução CNE/CEB n.º 002, de 19 de abril de 1999, que instituiu as Diretrizes
Curriculares Nacionais para a Formação de Docentes da Educação Infantil e dos
anos iniciais do Ensino Fundamental, em nível médio, na modalidade Normal.
4
Nietta Lindeberg Monte. Relatório do Segundo Seminário de Educação Indígena. Aracruz: 1995
28
Ferreira (2001) divide a história da educação escolar entre os povos indígenas do
Brasil em quatro fases. A primeira situa-se na época do Brasil Colônia, quando a
escolarização, mais precisamente a catequização dos índios, esteve a cargo
exclusivo das ordens religiosas, notadamente a dos jesuítas. A segunda fase é
marcada pela criação do Serviço de Proteção do Índio (SPI), em 1910, e se estende
à política de ensino da FUNAI e à articulação com o Summer Institute of Linguistics
(SIl) e outras missões religiosas. O surgimento de organizações indigenistas nãogovernamentais e a formação do movimento indígena em fins da década de
sessenta do século XX, período da ditadura militar, marcam a terceira fase. A quarta
fase surge da iniciativa dos próprios povos indígenas, a partir da década de oitenta
do século XX, que decidem definir os processos de educação formal.
Logo, podemos dizer que na primeira e na segunda fase, apontadas por Ferreira
(2001), perdurou a Educação Escolar para Índios. A partir da terceira fase, começouse a desenhar no cenário nacional projetos de EEI que passaram a ser
institucionalizados a partir do final da década de 80 do século XX. Cabe ressaltar, no
entanto, como afirma Ferreira (2001), que essas quatro fases, muitas vezes,
encontram-se sobrepostas umas às outras. O início de uma nova fase não significa o
término da anterior, mas indica novas orientações e tendências no campo da
educação escolar.
No doutorado decidi pesquisar a história da EEI de períodos mais recentes, ou seja,
de uma ou mais experiências que tivessem sido iniciadas pelos próprios indígenas,
ou seja, experiências de EEI. Decidido o recorte temporal faltava decidir o recorte
espacial. Qual (s) experiência (s) analisar?
A princípio pensei em contribuir para preencher a lacuna relativa à falta de trabalhos
da história da EEI com uma pesquisa sobre as diversas experiências de EEI
desenvolvidas na Região Sudeste, porém desisti da idéia, uma vez que me
interessava considerar a relação entre a cultura(s) do(s) povo(s) e a EEI, o que seria
difícil levando em consideração, que nessa região vivem mais de 10 povos
indígenas. A solução foi ficar apenas com o povo Guarani.
Segundo Grupionni (2003), no período analisado por ele (1978 a 2002), foram
produzidas três dissertações de mestrado: (DORETO, 1997), (BORGES, 999),
29
(PALADINO, 2001) e uma tese de doutorado (FERREIRA NETO, 1994) sobre a
questão educacional com grupos guarani e nenhuma delas se preocupou
especificamente com questão da história da construção dos programas/projetos de
educação. O mesmo acontece com três outros trabalhos produzidos posteriormente
que são uma tese de doutorado (BERGAMACHI, 2005) e duas dissertações de
mestrado (VIEIRA, 2007) e (TEAO, 2007).
Acreditávamos que o fato de poder encontrar professores guarani de cinco
unidades da Federação (Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Rio de Janeiro
e Espírito Santo), no Curso de Formação de Professores Guarani, iniciado em 2003,
facilitaria a realização da pesquisa. Com esse intuito, em 2005, participamos de uma
das etapas intensivas do Curso em Santa Catarina, mas foi praticamente impossível
conversar com os alunos, devido ao ritmo dos trabalhos - oito horas diárias, além de
tantas outras gastas com reuniões pedagógicas e administrativas toda noite. Outro
fator que contribuiu para desestimular o trabalho de pesquisa que levava em
consideração todo o povo Guarani foi a dificuldade no acesso à maior parte das
aldeias desse povo.
A visita às aldeias e o trabalho de campo na pesquisa seriam importantes, uma vez
que são grandes as diferenças quanto à aceitação da instituição escolar entre as
comunidades guarani. Bergamaschi (2005) constatou que no Rio Grande do Sul
persistia ainda certa dificuldade para a instalação de escolas nas aldeias guarani do
Estado. Não havia entre as diversas comunidades um consenso sobre a escola.
Em Santa Catarina, segundo Vieira (2007), a situação de contato tem contribuído
para diminuir a resistência à educação escolar nas aldeias guarani. “Agora tem que
trabalhar e fazer compra na cidade”, afirmou um dos professores guarani
entrevistados pela pesquisadora. “É saber fazer contas e conhecer o dinheiro.
Precisamos estudar a cultura do branco e fazer a nossa história”, afirmou outro
professor.
Outra diferença é quanto ao ritmo dos trabalhos de institucionalização e à execução
das políticas públicas relativas à EEI entre as unidades da Federação onde vive os
Guarani, o que indica que essa modalidade de educação apresentava contornos
próprios nos diferentes estados e de aldeia para aldeia, dentro da própria etnia
30
guarani. Assim sendo, não poderíamos falar em uma EEI guarani (NOBRE 2007), o
que fez com que descartássemos a idéia de tentar produzir uma síntese sobre a EEI
guarani.
Todo esse contexto, ou seja, as dificuldades de entrevistar os alunos do Curso de
Formação de Professores Guarani e de ter acesso às aldeias e as divergências
entre as diferentes comunidades guarani acerca da instituição escolar levou-nos a
optar por realizar a pesquisa apenas com os Guarani do Espírito Santo.
Outro fator que contribuiu na decisão de tomarmos apenas os Guarani do Espírito
Santo como sujeitos da pesquisa foi a convicção de que deveria ser levado em
consideração o maior número possível de elementos do Programa de EEI Guarani.
No Brasil, existe uma tendência das dissertações de mestrados e teses de
doutorado de analisar apenas um aspecto dos programas de EEI, como a questão
da formação de professores indígenas que, por um lado, pode permitir o
aprofundamento de um determinado aspecto, mas que por outro lado, pode dar uma
visão empobrecida desses programas. Além disso, a ênfase em apenas um aspecto
do processo pode ser utilizada para enaltecer ou desconsiderar todo um complexo
processo de implantação dos programas de EEI.
Mas, qual a relação desse processo com os movimentos sociais dos povos
indígenas em geral, e do povo Guarani, em particular, pela institucionalização de
políticas públicas, que levem em consideração a diversidade cultural? Quais os
limites e possibilidades do Programa de EEI Guarani do Espírito Santo?
Segundo Tassinari (2001, p. 157), as escolas indígenas têm sido analisadas ora
como “espaço ocidental que ameaça a sobrevivência indígena”, ora como “espaço
resignificado de acordo com a cultura indígena”. Essa autora aponta ainda uma
terceira alternativa de análise, que é a de considerar a escola como espaço de
contato, onde as diferenças interétnicas emergem e adquirem novos contornos e
onde técnicas e conhecimentos provenientes de diferentes tradições podem ser
trocados e, assim, reinventados. Em outras palavras, as escolas indígenas podem
ser definidas como fronteiras, por serem instituições que têm a capacidade de
transitar entre realidades e mundos muito distintos, não pertencendo exatamente a
31
nenhum deles. Assim, as escolas podem ser entendidas como espaços de mediação
e de tradução, porém, não pertencendo a nenhuma das esferas que articula.
A noção que proponho (de fronteira), para o entendimento das escolas
indígenas, baseia-se naquelas abordagens que consideram “fronteira”
como um espaço de contato e intercâmbio entre populações, como espaço
transitável transponível, como situação criativa, na qual conhecimentos e
tradições são repensados, às vezes reforçados, às vezes rechaçados, e na
qual emergem e se constroem as diferenças étnicas. Essa noção busca
fornecer outra perspectiva teórica para a compreensão das escolas
indígenas, além das alternativas de considerá-las “espaços de branco”, que
vêm alterar ou impor uma nova ordem às aldeias indígenas, ou espaços
ressignificados de acordo com as tradições indígenas. Trata-se de
defender a escola indígena como um espaço de índios e de não índios e,
assim, um espaço de angústias, incertezas, mas também de oportunidades
e de criatividade (TASSINARI, 2001, p. 68).
Teoricamente, para definir a escola indígena como fronteira, Tassinari (2001) utiliza
principalmente as postulações de Barth (1969), com a finalidade de mostrar a
contribuição desse autor para a problematização e a tematização das fronteiras
sociais.
[...] a falta de atenção às “fronteiras” gerou uma visão errônea do protótipo
da situação interétnica: a idéia de que povos diferentes, com diferentes
histórias e culturas, por algum motivo (geralmente a situação colonial) se
aproximaram e tiveram que se acomodar uns com os outros. Ao contrário,
há que se observar como, numa determinada situação de intercâmbio as
distinções étnicas emergem (BARTH, 1969, apud TASSINARI, 2001, p. 64)
A escola indígena, como espaço de fronteira, constrói-se na tensão entre a tradição,
representada pela cultura e pelas formas próprias de educar dos povos indígenas, e
a
modernidade,
representada
pelo
Estado,
que
no
Brasil
absorveu
a
responsabilidade pela educação escolar.
Como já dissemos anteriormente, pretendíamos fazer um recorte temporal, levando
em consideração apenas o período a partir do qual foi implantada a escolarização
diferenciada nas escolas das aldeias. No entanto, pesquisas preliminares mostraram
que ocorreu uma sobreposição dos períodos históricos no processo de
escolarização dos Guarani do Espírito Santo (FERREIRA 2001). Os primeiros
professores guarani que freqüentaram o Curso de Educadores Tupinikim e Guarani
(1996/1999) tinham sido alunos das professoras da FUNAI. Os professores guarani
32
formados passaram a atuar nas escolas das aldeias, porém as professoras da
FUNAI não foram dispensadas.
Levando em consideração a sobreposição desses diversos períodos históricos e
todos os outros fatores citados anteriormente optamos por realizar uma pesquisa
que teve como eixo norteador a seguinte questão. Como se tem dado o processo de
escolarização dos Guarani do Espírito Santo no contexto da história da educação
escolar brasileira e das políticas públicas instauradas no Brasil a partir da
promulgação da Constituição Federal de 1988?
Acreditamos que a compreensão dessa questão poderá contribuir para reafirmar a
seguinte colocação:
Recuperar histórias próprias, localizadas, que não se reduzam ou
repliquem os fatos de uma linha geral que no fundo só explica as
montagens da administração pública brasileira é um expediente
fundamental na luta por identidades próprias, processo muitas vezes
entendido erradamente como o caminho do “separatismo”. No fundo é a
condição primeira para a adequada busca de soluções próprias para
problemas singulares: afinal, não se pode entender o interior do Acre com
critérios válidos somente para Curitiba (LIMA, 2004, p. 155).
A busca de uma resposta a esta questão poderá também contribuir com as reflexões
acerca da história da EEI brasileira.
33
CAPÍTULO II
2 REFERENCIAL TEÓRICO
[...] dada a historicidade do fenômeno educativo, cujas origens coincidem
com a origem do próprio homem, o debate historiográfico tem profundas
implicações para a pesquisa educacional, uma vez que o significado da
educação está intimamente entrelaçado ao significado da História. E no
âmbito da investigação histórico-educativa essa implicação é duplamente
reforçada: do ponto de vista do objeto, em razão da determinação histórica
que se exerce sobre o fenômeno educativo; e do ponto de vista do enfoque,
dado que pesquisar em história da educação é investigar o objeto educação
sob a perspectiva histórica (SAVIANI, 2000, p. 12).
Para que fosse possível a construção de uma visão ampliada do objeto investigado o processo de escolarização dos Guarani do Espírito Santo -, utilizamos como
ferramentas formulações teóricas dos seguintes autores: Hobsbawm (1995, 1997,
1998); Ginzburg (2002, 2004); Thompson (1992); Hall (2005); Certeau (1995);
Bauman (2002); Barth (1976); Villar (2004); Giddens (1997); Santos (1989, 2000,
2001, 2003a; 2003b, 2004 e 2006).
Em Hobsbawm (1995, 1998) buscamos conceitos e idéias que ajudassem a
compreender a inter-relação das diversas questões, tais como a mudança de
paradigmas nas Ciências Sociais, a luta pela terra, a EEI e os movimentos sociais
dos povos indígenas pela institucionalização de políticas públicas que possam
garantir os direitos.
Em Ginsburg (2004), encontramos conceitos e idéias que dizem respeito à
circularidade cultural, às relações de força, à pluralidade de fontes e ao rigor flexível.
Já as ferramentas metodológicas relativas à história oral foram buscadas em
Thompson (1992).
As questões da identidade, dos grupos étnicos, da cultura, da tradição, do costume,
entre outras, em suas articulações com o processo de escolarização dos Guarani do
Espírito Santo, foram investigadas com base em Hall (2005), Certeau (1995),
34
Bauman (2002), Barth, (1976), Villar (2004), Giddens, (1997) e Hobsbawm (1997),
Geertz (1989).
Assim como Santos (1989, 2000, 2001, 2003 a e b, 2004 e 2006) possibilitou uma
melhor compreensão das mudanças paradigmáticas em relação à cultura.
Com base nessas formulações teórico-conceituais, buscamos explorar idéias e
conceitos que nos auxiliassem na compreensão da complexa problemática em
questão e dos seus muitos atravessamentos, ou seja, o processo de escolarização
dos Guarani do Espírito Santo no contexto da história da educação escolar brasileira
e das políticas públicas instauradas no Brasil a partir da promulgação da
Constituição Federal de 1988.
Essa escolha espacial, ou seja, a escolarização do Guarani do Espírito Santo
justifica-se uma vez que, mesmo existindo apenas três aldeias guarani, nesse
Estado trata-se de uma experiência bastante rica, já que, por ser “um povo que
caminha”, as pessoas estão constantemente circulando pelo “corredor guarani”
situado entre os estados do Sudeste, do Sul e do Centro Oeste do Brasil e também
pelo Paraguai, pelo Uruguai, pela Argentina e pela Bolívia. A mobilidade espacial do
povo Guarani é tão intensa que as políticas públicas começam a ser delineadas em
conjunto pelos estados brasileiros onde eles se fazem presentes, como é o caso do
Protocolo de Intenções assinado no ano de 2004 pelos estados do Espírito Santo,
do Rio de Janeiro, de São Paulo, do Paraná, de Santa Catarina e do Rio Grande do
Sul, que tem como objetivo promover o desenvolvimento de programas
educacionais, projetos de formação, extensão, pesquisa e estudo do povo Guarani.
No plano internacional, também existe cada vez mais a preocupação com o
desenvolvimento de um trabalho em conjunto, tanto que em 2006 pesquisadores dos
cinco países da América do Sul, reunidos na cidade de Campo Grande (MS),
lançaram o Observatório Guarani, que tem como objetivos: a) produzir uma
plataforma de dados voltada às políticas públicas para a etnia guarani; b) subsidiar a
elaboração de políticas públicas dirigidas à melhoria da qualidade de vida da etnia
indígena guarani nos Estados nacionais do Brasil, da Argentina, do Uruguai, do
Paraguai e da Bolívia, mediante a geração, apropriação e difusão de conhecimento;
c) subsidiar ações bilaterais e multilaterais de cooperação internacional sul-
35
americana, através da rede universitária de pesquisa, ensino, e extensão voltada às
comunidades indígenas do corredor guarani.
Outro elemento que mostra a internacionalização da questão guarani é o fato da
língua guarani ser considerada histórica para o Mercado Comum do Sul
(MERCOSUL). Assim, estudar o processo de escolarização dos Guarani do Espírito
Santo implica, necessariamente, estender o olhar para além da aldeia.
No plano temporal, foi necessário considerar o período de 1987 a 2007, porque foi
em 1987, que se deu a criação da Escola Municipal Pluridocente Indígena (EMPI) de
Boa Esperança, primeira das duas escolas implantadas nas aldeias guarani do
Espírito Santo. Também foi o ano a partir do qual começou a acontecer um processo
de escolarização contínuo e mais sistemático da comunidade guarani. Cabe lembrar,
no entanto, que esse recorte temporal sofre atravessamentos de outros tempos
históricos, como é o caso do período da caminhada dos Guarani do Rio do Grande
do Sul até o Espírito Santo, entre as décadas de 40 e 70 do século XX, período em
que uns poucos membros do grupo tiveram algum grau de escolarização.
Neste trabalho, optamos pela análise do processo de escolarização dos Guarani do
Espírito Santo no contexto dos movimentos sociais dos povos indígenas brasileiros,
a partir da década de 70 do século XX, que culminaram com a garantia dos direitos
dos povos indígenas na Constituição Federal promulgada em 1988.
Segundo Hobsbawm (1998), dois requisitos são essenciais para trabalhar com a
história dos movimentos sociais: a criatividade e a imaginação. Para o autor, por
mais que pese a importância da criatividade, ela sozinha não nos leva muito longe.
Faz-se necessário uma familiaridade muito ampla e concreta com o tema
pesquisado, para que possamos reunir uma grande variedade de informações, as
quais são em geral fragmentadas.
No processo da investigação, precisamos construir, nós mesmos o quebra-cabeça,
ou seja, formular como tais informações se articulam entre si. Nesse sentido, a
familiaridade com a questão da EEI foi um dos elementos facilitadores do nosso
trabalho de pesquisa, uma vez que atuamos na formação de professores guarani
desde o ano de 1997, conhecendo, portanto, as tramas e os sujeitos nela
envolvidos. Isso nos facilitou recolher uma grande variedade de informações
36
fragmentadas e construir o quebra-cabeça, compreendendo assim como tais
informações se articulavam entre si.
A pesquisa de movimentos sociais apresenta inúmeros desafios teóricometodológicos, dentre os quais destacamos a seleção e o tratamento das fontes.
Muitas vezes, o historiador enfrenta o problema de não haver um corpo de material
pronto a respeito desses movimentos. No caso específico desta pesquisa, a questão
não foi a falta de fontes, mas, sim, a diversidade delas (GINZBURG, 2002). O
processo de escolarização dos Guarani do Espírito Santo tem gerado uma grande
diversidade de fontes escritas produzidas pelos órgãos dos governos federal,
estaduais e municipais, assim como pelas instituições indígenas e de apoio à causa
indígena envolvidas no processo. Adotamos uma leitura crítica desses documentos,
procurando desvendar as relações de força existentes no âmbito da sua produção
(GINZBURG, 2004).
Mesmo contando com muitas fontes escritas, procuramos não agir como os
positivistas, pois acreditamos que as perguntas e as respostas não surgem
naturalmente do estudo do material, uma vez que se descobre apenas o que se está
procurando. Muitas fontes para a história dos movimentos sociais apenas foram
reconhecidas como tais porque alguém fez uma pergunta e depois sondou
desesperadamente em busca de alguma maneira – qualquer maneira – de
responder a ela. Em geral, não existe material algum até que nossas perguntas o
tenham revelado (HOBSBAWM,1998).
Outras fontes importantes para esta pesquisa foram os relatos orais. Com o uso
desse tipo de fonte “[...] a história ganha nova dimensão, uma vez que a experiência
de vida das pessoas de todo tipo pode ser utilizada como matéria-prima”
(THOMPSON, 1992). No entanto, é preciso levar em consideração que:
[...] escrever um livro que utiliza evidência oral, quer sozinha quer junto com
outras fontes, não requer, em princípio, muitas habilidades especiais além
das necessárias, para qualquer texto histórico. A evidência oral pode ser
avaliada, julgada, comparada e citada paralelamente ao material de outras
fontes. Isso não é nem mais difícil, nem mais fácil. De certo modo, porém,
constitui um tipo diferente de experiência. À medida que se escreve, tem-se
consciência das pessoas com quem se conversou; hesita-se em atribuir às
suas palavras significados que eles recusariam (THOMPSON, 1992, p.
305).
37
Como para o povo Guarani, mesmo estando inserido em uma sociedade letrada, a
escrita não é a principal forma de transmissão de conhecimentos, tivemos que
investigar uma variedade maior de fontes, confrontando-as permanentemente.
O trabalho com os relatos orais dos indígenas sobre suas trajetórias escolares levou
a novos documentos, como, por exemplo, as atas de resultados finais da EMPI Boa
Esperança, que, por sua vez, suscitaram novas questões, que levaram à
incorporação de outros sujeitos no processo, como as professoras da FUNAI que
atuaram nessa escola. O trabalho com as fontes orais permitiu trabalhar com as
fontes escritas a partir de novos enfoques, explorá-las sob novas perspectivas e
vice-versa.
Além dessa exploração, o trabalho com as fontes orais levou-nos a recuar nossa
pesquisa no tempo e no espaço. Através dos relatos orais, constatamos que seria
importante considerar como recorte histórico não apenas o movimento de criação do
Curso de Formação de Educadores Tupinikim e Guarani (1996-1999), mas, também,
quase uma década anterior, a criação da EMPI Boa Esperança (1987), uma vez que
os cinco professores guarani que se formaram em 1999 tinham sido alunos dessa
escola, três deles, da primeira turma. Os Guarani do Espírito Santo, anteriormente
ao período de fundação da EMPI Boa Esperança, mantiveram pouquíssimo contato
com instituições escolares.
Tendo em vista que os professores guarani haviam cursado o segundo ciclo do
Ensino Fundamental, na Escola Família Agrícola de Rio Bananal e em escolas de
Aracruz, foi necessário ampliar a pesquisa também no espaço.
O trabalho com uma diversidade maior de fontes permitiu que não prevalecesse uma
visão unilateral da história, tampouco uma “história tribunal”, mas, sim, que
pudéssemos explicitar e tentar compreender as relações de força e os
atravessamentos no processo analisado. Com a leitura crítica dos depoimentos orais
e dos documentos escritos, conseguimos compreender as relações de força e
também vários outros elementos relacionados ao processo de escolarização dos
Guarani do Espírito Santo. Logo, pode-se afirmar que o processo de escolarização
desse grupo se encontra atravessado por uma série de questões: a cultura desse
povo, as relações de forças entre os grupos familiares e entre os subgrupos guarani,
38
as relações com grupos guarani de outros estados e com o povo Tupinikim, a luta
pela terra, a ação de organizações indigenistas, a criação de políticas públicas
estaduais e municipais, entre outras. Daí a necessidade que tivemos de buscar
essas inter-relações, de forma a construir uma visão ampliada desse processo de
escolarização.
O pensamento de Hobsbawm e de Ginzburg constituiu importante ferramenta de
análise na compreensão da inter-relação de questões mais amplas, tais como os
movimentos sóciopolíticos dos povos indígenas, a mudança de paradigma nas
Ciências Sociais, as mudanças eclesiais que se processaram no âmbito da Igreja
Católica, o apoio da imprensa e de intelectuais à institucionalização das políticas
públicas federais em relação aos povos indígenas.
Numa outra dimensão da pesquisa, tentamos relacionar o processo de escolarização
dos Guarani do Espírito Santo com o contexto mais amplo da institucionalização das
políticas públicas em relação aos povos indígenas. Procuramos construir uma
argumentação sobre o processo de escolarização dos Guarani do Espírito Santo,
considerando os diversos aspectos que marcam o complexo panorama social
brasileiro, assumindo assim uma postura detetivesca, levantando hipóteses,
verificando
suas
possibilidades
explicativas,
para
aceitá-las,
mesmo
que
parcialmente, ou refutá-las.
O princípio da circularidade cultural (GINZBURG, 2004) foi de fundamental
importância para a compreensão das representações5 dos Guarani do Espírito Santo
em relação à educação escolar, uma vez que constatamos que muitas vezes o
discurso das pessoas em relação à educação escolar era marcado por uma
“reelaboração original”.
Queremos defender nossos direitos, mesmo que o índio não fale bem, mas
que a educação dê conta de trabalhar nossos direitos, nossa ciência e
também a matemática, como se trabalha nossa sabedoria quanto à
quantidade da partilha. A história dos nossos antepassados tem que se
levar em conta nossas origens na Argentina e no Paraguai. Ver isso nos
escritos desses paises e também o que tem por lá de conhecimento dos
mais velhos, tipo minha mãe (Aurora) e de outros, viemos de lá do Paraguai.
Esse registro histórico tem que estar nesta educação para que, escrito, não
se duvide, acreditem. Precisamos que a educação dê conta disso. Na parte
da agricultura precisamos valorizar os tipos de semente tradicionais. Tratar
5
Representações: nesta pesquisa esse termo está sendo utilizado com sendo as idéias, concepções,
conceitos e imagens que os guarani têm acerca da educação escolar.
39
dos perigos das tecnologias. Falar da erva- mate usada no ritual, tipos de
feijão, amendoim, como forma de fortalecer esta educação diferenciada
(Cacique oninho, Boa Esperança, Ata de reunião, NISI /ES, 10/08/99 ).
O “registro histórico tem que estar nessa educação, para que, escrito, não se duvide,
acreditem“, (Cacique Toninho). Para o cacique de Boa Esperança, o documento é
considerado como uma autoridade final e como garantia de transmissão para o
futuro (THOMPSON, 1992, p. 87). O discurso do cacique é marcado pela
apropriação e pela tentativa de reelaboração de conhecimentos originais como uma
maneira de valorizar os conhecimentos indígenas. Ele os nomeia de conhecimentos
científicos, pois considera a educação deve dar conta de trabalhar “nossa ciência e
também a matemática”. Essa apropriação e reelaboração dos conhecimentos pelos
Guarani do Espírito Santo são uma constante em suas representações sobre a EEI.
Além da questão da circularidade cultural, constatamos também que eram
freqüentes as mudanças e as transformações dos discursos sobre a escolarização.
Ciccarone (2001) afirma que muitas das lideranças religiosas e políticas de Boa
Esperança tinham dúvidas se deveriam ou não aceitar que fosse ensinada a escrita
da língua guarani e até mesmo se a escola seria ou não importante para os índios.
Um dos temas polêmicos que Toninho trazia para a discussão da
coletividade referia-se às novas orientações da educação indígena.
Enquanto os jovens líderes, militantes dos movimentos indígenas,
manifestavam sua ansiedade em dominar o sistema letrado, os mais velhos
ficavam na defensiva alegando a necessidade do fortalecimento das formas
de aprendizado tradicional das crianças na vida cotidiana, através da
imitação das condutas dos adultos e da prática dos conselhos. A polêmica
se concentrava na introdução da escrita na língua nativa. Trazendo notícias
sobre experiências realizadas em outras aldeias, Toninho argumentava
tratar-se de transcrições infiéis, e mostrava sua preocupação quanto à
apropriação e domínio da língua nativa por parte dos brancos, possibilitados
pelos registros da escrita. (CICCARONE, 2001, p. 280)
Essa informação causou-nos estranhamento, uma vez que, durante o trabalho de
campo realizado no ano de 2006, foi possível constatar que o cacique Toninho era
uma das pessoas que mais apoiavam a construção da EEI e que defendia também a
alfabetização das crianças na língua guarani. Essas questões levaram-nos a
pesquisar as representações dos Guarani do Espírito Santo acerca da escola e
principalmente as transformações dessas representações ao longo dos tempos.
40
Retomando a questão relativa às representações dos Guarani do Espírito Santo a
respeito da escola e do ensino da língua guarani escrita, registrada por Ciccarone
(2001), e as atuais representações levantadas nesta pesquisa, sentimos a
necessidade de fazer algumas reflexões acerca da identidade dos Guarani. De
acordo com Ciccarone (2001), as dúvidas dos Guarani em relação à educação
escolar e ao ensino da língua, tinham a ver com à preocupação com a preservação
da identidade étnica.
Outros fatores nos levaram-nos a refletir sobre a questão da identidade étnica. O
primeiro deles relaciona-se ao fato de viverem no Espírito Santo, além do subgrupo
Guarani Mbya, também algumas famílias Nhandéva e Kaiová, e de que
constantemente ocorrem afloramentos da identidade étnica de cada um deles. O
segundo fator refere-se à questão de o Brasil reconhecer a diversidade cultural dos
povos indígenas. Porém, sabemos que, historicamente, antes da promulgação da
Constituição Federal de 1988, prevalecia o ideário de se construir uma identidade
nacional a partir da homogeneização da população através de uma cultura nacional.
Por último, o fato de os povos indígenas terem garantido, na legislação, o direito a
programas de educação específicos e diferenciados, ou seja, o direito a uma
educação que respeite a identidade étnica de cada povo.
Para ajudar na reflexão a respeito da questão da nação e da identidade, apoiamonos no pensamento de Anderson (1989), Hall (2005), Bauman (2002), Certeau
(1995), Barth (1976), Villar (2004), Giddens, Bock e Sash (1997), Hobsbawm (1997).
Hall (2005) analisa as mudanças conceituais por meio das quais “o sujeito” do
iluminismo, visto como tendo uma identidade fixa e estável, foi-se descentrando,
resultando nas identidades abertas, contraditórias, inacabadas e fragmentadas do
sujeito pós-moderno. As transformações sofridas pelo sujeito na pós-modernidade
se dão de forma constante, rápida e permanente, talvez em função da própria
modernidade. Essa é a principal distinção entre as sociedades tradicionais e as
modernas.
Quais as implicações dessa afirmação para as sociedades tradicionais (povos
indígenas, quilombolas) que fazem parte de uma “sociedade nacional” moderna,
como é o caso da brasileira? Esse é um questionamento que foi analisado nesta
41
pesquisa a partir da questão do processo de escolarização dos Guarani do Espírito
Santo.
Foi partindo dessas análises conceituais, nas quais o sujeito e a identidade da
modernidade tardia e da pós-modernidade emergiram que Hall (2000) se voltou para
a questão de como esse “sujeito fragmentado” é colocado em termos de suas
identidades culturais, particularmente a identidade cultural nacional, embora, como
afirma o próprio autor, outros aspectos estejam implicados nesse quesito.
No processo de criação dos Estados-nações, sempre se tentou impor identidades
nacionais, não importando quão diferentes seus membros eram em termos de
classe, gênero ou etnia. As culturas nacionais buscavam e, ainda em muitos casos,
buscam unificar a todos através de uma identidade cultural, para representá-los
como pertencendo à mesma e grande família nacional. No caso brasileiro, o
processo de criação da identidade nacional ganhou força durante o reinado de
Pedro II, o Imperador nos Trópicos.
D. Pedro II compactuou com uma cultura que, ao mesmo tempo que se
europeizou com sua presença, tornou-se mestiça, negra e indígena no
convívio, por certo desigual, de tantas culturas. [...] Portanto, é tendo como
cenário o Segundo Reinado, momento fundador de um modelo de
nacionalidade (que se torna possível) entender os mecanismos de
construção simbólica da figura pública desse monarca, em suas
associações com o fortalecimento do Estado. Fértil na produção de um
amplo leque de imagens, o Império brasileiro se destacou em seu papel de
criador de ícones nacionais – entre hinos, medalhas, emblemas,
monumentos, dísticos e brasões – assim como concentrou esforços na boa
postura da imagem do monarca que parecia simbolizar a pátria.
(SCHWARCZ, 1998, p. 120)
Pátria marcada pelas relações de dominação assimétricas entre senhores e
escravos, pelos massacres de povos indígenas, autorizados a pretexto das guerras
justas, onde o “glamour” da corte e o exercício da política eram para poucos.
Tomando como exemplo a construção da “nacionalidade” brasileira a partir do
Império, concordamos com Hall (2005) quanto ao fato de que as culturas nacionais
não são, mas constituem um dispositivo discursivo que representa a diferença como
unidade ou identidade, uma vez que elas são atravessadas por profundas divisões e
diferenças internas, sendo “unificadas” apenas por meio do exercício de diferentes
formas de poder cultural.
42
Em vez de pensar as culturas nacionais como unificadas, deveríamos
pensá-las como constituindo um dispositivo discursivo que representa a
diferença como unidade ou identidade. Elas são atravessadas por
profundas divisões e diferenças internas, sendo “unificadas” apenas através
do exercício de diferentes formas de poder cultural. Entretanto – como nas
fantasias do eu “inteiro” de que fala a psicanálise lacaniana – as identidades
nacionais continuam a ser representadas como unificadas (HALL, 2005, p.
62).
No mundo moderno, as “culturas nacionais” em que nascemos constituem uma das
principais fontes de identidade cultural. Temos a tendência de nos definirmos pela
nossa nacionalidade; somos ingleses, brasileiros indianos ou jamaicanos. Mesmo
sendo de forma metafórica e sabendo que identidades nacionais não estão
literalmente impressas em nossos genes, acabamos pensando nelas como se
fossem parte de nossa natureza essencial (HALL, 2005).
As identidades nacionais não são coisas, com as quais nós nascemos, mas
são formadas e transformadas no interior da representação. Nós só
sabemos o que significa ser “inglês” devido ao modo como a “inglesidade”
veio a ser representada – como um conjunto de significados – pela cultura
nacional inglesa. A nação não é apenas uma entidade política, mas algo
que produz sentido – um sistema de representação cultural. As pessoas não
são apenas cidadãos/ãs legais de uma nação; elas participam da idéia de
nação tal como representada em sua cultura nacional. Uma nação é uma
comunidade simbólica e é isso que explica seu poder “para gerar um
sentimento de identidade e lealdade” (HALL, 2005 p. 47).
O mesmo ponto de vista é compartilhado por Anderson (1989), ao afirmar que a
nação é uma comunidade política imaginada, uma vez que os membros
pertencentes a ela jamais se conhecerão uns aos outros, nem os encontrarão, nem
sequer ouvirão falar deles, embora na mente de cada um a imagem de sua
comunhão se encontre fortemente marcada. A nação é imaginada e também
limitada, já que existem fronteiras, para além das quais existem outras nações. A
nação é imaginada como comunidade, como a elaboração de um sentimento de
fraternidade e companheirismo, a despeito de toda sorte de desigualdade e
exploração que prevalece em todas elas.
Anderson define as idéias de nação e nacionalidade como artefatos culturais e
chama a atenção para a necessidade de se analisar de que forma elas “[...] se
tornaram entidades históricas, de que modo seus significados se alteraram no correr
do tempo e por que, hoje em dia, inspiram uma legitimidade emocional tão profunda”
(ANDERSON: 1989, p.12). Assim, a idéia de nação e de nacionalidade inventada e
43
datada sustenta-se na ilusão de ser eterna, como uma comunidade compacta que
se move firmemente através do tempo.
A partir dessas questões, como fica a situação das sociedades tradicionais
(indígenas, quilombolas) inseridas nestas “culturas nacionais”, uma vez que, como
afirma o próprio Hall (2005), nessas sociedades a identidade e a lealdade são em
relação à tribo, ao povo, ao passo que nas sociedades nacionais modernas a
lealdade se dá em relação à cultura nacional? Seria possível manter a lealdade à
tribo e à cultura nacional?
Inicialmente, poderíamos afirmar que tanto os índios como os negros brasileiros
mantêm essa dupla lealdade, uma vez que suas lutas não são para se emanciparem
em relação ao Estado, mas, sim, para serem reconhecidos por ele. No entanto, essa
é uma realidade atual, mais precisamente dos séculos XX e início do século XXI.
Historicamente, nem sempre foi assim. A título de exemplificação, podemos citar o
caso da Cabanagem e das Guerras Guaraníticas. Vale ressaltar que, nesta
pesquisa, foi analisada apenas a relação dos povos indígenas com o Estado apenas
a partir da década de 70 do século XX.
Grosso modo, poderíamos dizer que, também no Brasil, as diferenças regionais e
étnicas estão colocadas, de forma subordinada, sob o teto político do Estado-nação,
que se tornou, assim, uma fonte poderosa de significados para as identidades
culturais modernas (HALL, 2005).
[...] cada um de nós experimenta no cotidiano a forte presença de uma
representação homogênea que os brasileiros possuem do país e de si
mesmos. Essa representação permite, em certos momentos, crer na
unidade, na identidade e na indivisibilidade da nação e do povo brasileiro, e,
em outros momentos, conceber a divisão social e a divisão política sob a
forma dos amigos da nação e dos inimigos a combater, combate que
engendrará ou conservará a unidade, a identidade e a indivisibilidade
nacionais (CHAUÍ, 2000, p. 18).
Na manutenção da identidade nacional e do Estado-nação, o mito fundador
desempenha um papel particularmente importante, uma vez que impõe um vínculo
interno com o passado como origem, isto é, com um passado que não cessa nunca,
que se conserva permanentemente presente e, por isso mesmo, não permite o
trabalho da diferença temporal e da compreensão do presente como tal (CHAUI,
2000).
44
Estar sob o teto político do Estado-nação não significa, no entanto, uma
subordinação passiva em relação a ele. Lutas étnicas, movimentos sociais e
relações de força estabelecendo-se no interior do Estado, uma vez que as
identidades nacionais não conseguem subordinar todas as diferenças socioculturais.
Tampouco os grupos culturalmente diferentes estão livres do jogo do poder, das
divisões e contradições internas, das lealdades e das diferenças superpostas. Afinal,
“[...] a cultura6 é uma noite escura em que dormem as revoluções de há pouco,
invisíveis, encerradas nas práticas --, mas pirilampos, e por vezes grandes pássaros
noturnos, atravessam-na; aparecimentos e criações que delineiam a chance de um
outro dia” (CERTEAU, 1995, p 239).
Certeau (1995) problematiza a questão das reivindicações das minorias por meio da
pergunta: Seriam estas reivindicações políticas ou culturais? Segundo ele, de
maneira geral, poder-se-ia dizer que as reivindicações culturais estão muitas vezes
ligadas ao aumento da dependência econômica e política.
Isto quer dizer que a reivindicação cultural não é um fenômeno simples. O
caminho tomado e seguido normalmente por um movimento que resgata a
sua autonomia é exumar, sob a manifestação cultural que corresponde a um
primeiro momento de tomada de consciência, as implicações políticas e
sociais que aí se acham envolvidas. Isso não significa, no entanto, eliminar
a referência cultural, pois a capacidade de simbolizar uma autonomia no
nível cultural permanece necessária para que surja uma força política
própria. Porém, é uma força política que vai conferir à declaração cultural o
poder de realmente se afirmar (CERTEAU, 1995, p.148-149).
Outra questão interessante tratada por Hall (2005) diz respeito ao deslocamento7
das identidades nacionais. Segundo o autor, ao tratar desse assunto deve-se ter em
mente a forma pela qual as culturas nacionais contribuem para “costurar” as
diferenças numa única identidade.
A partir do final do século XX está ocorrendo um deslocamento das
identidades culturais nacionais graças a um complexo de processos e forças
de mudança, que, por conveniência, pode ser sintetizado sob o termo
“globalização”, entendido aqui como “aqueles processos, atuantes numa
escala global, que atravessam fronteiras nacionais, integrando e
conectando comunidades e organizações em novas combinações de
6
Esse autor sempre atacou a celebração estabelecida da “cultura no singular”, que ele criticava por
ser sempre traduzida como o “singular de um meio”. Daí sua vontade de substituir essa cultura no
singular, que “impõe sempre a lei de um poder”, por outra concepção, centrada na “cultura no plural”,
que conclama incessantemente pelo combate (GIARD, 1995).
7
Uma estrutura deslocada é aquela cujo centro é deslocado, não sendo substituído por outro, mas
por uma pluralidade de centros de poder (HALL, 2005, p. 16).
45
espaço-tempo, tornando o mundo, em realidade e em experiências, mais
interconectado” (HALL, 2005, p. 65).
É necessário pensar o processo de globalização para além das transformações dos
meios de comunicação, transporte, tecnologia, comércio entre outros, que são
amplamente divulgados pelos meios de comunicação. No complexo de processos e
forças de mudança globais, podemos inserir também a luta pelos direitos humanos,
que se articula internacionalmente por meio de organizações governamentais e nãogovernamentais. No caso específico desta pesquisa, analisamos a questão dos
acordos e tratados internacionais em relação aos direitos humanos e, mais
particularmente, em relação aos direitos dos povos indígenas, que no nosso ponto
de vista também vêm contribuindo para os deslocamentos das identidades
nacionais.
No caso das organizações governamentais internacionais, como é o caso da
Organização das Nações Unidas (ONU), os Estados membros são responsáveis
pela negociação, elaboração e fiscalização do cumprimento de instrumentos
juridicamente vinculatórios (tratados, pactos, convenções, acordos e outros). As
organizações não-governamentais desempenham um importante papel de pressão
sobre os Estados e sobre as instituições internacionais tanto na elaboração quanto
na aprovação e cumprimento do que esses documentos estipulam como veremos no
Capítulo IV que trata da questão dos movimentos sociais dos indígenas.
Por sua vez, os Estados, como signatários dos tratados internacionais, adotam
posturas diversas. Às vezes, cumprem os acordos; outras vezes, simplesmente os
ignoram; outras, ainda cumprem parcialmente, ou muitas vezes fazem de conta que
os cumprem, o que demonstra que os Estados não têm aceitado passivamente as
pressões internas e externas sobre as identidades nacionais, como veremos no
capítulo IV.
Além
do
não-cumprimento
dos
instrumentos
juridicamente
vinculatórios,
constatamos também que os Estados continuam colocando em prática ou
atualizando os processos discursivos que tentam estabelecer as identidades
culturais nacionais. Quem não se lembra da campanha realizada pelo governo Lula,
no início do seu primeiro mandato (2003-2006), que, através de exemplos como, do
jogador de futebol Ronaldo, o Fenômeno, e do faxineiro de Brasília, que encontrou
46
no aeroporto uma carteira com dez mil dólares e a devolveu ao dono, mostrou que “o
que o Brasil tem de melhor são os brasileiros”?
Os conceitos de processos de estatização, identidades nacionais e deslocamentos
ajudaram na compreensão dos processos de institucionalização das políticas
públicas em relação aos povos indígenas no Brasil. A partir da leitura de Hall (2005),
passamos a nos perguntar. Até que ponto se pode dizer que houve uma mudança
na postura do Estado? Não seria essa uma estratégia de “perder alguns anéis, para
não perder os dedos”?
Como esta pesquisa focaliza um povo indígena – o Guarani -, faz-se necessário
também discutir a questão dos grupos étnicos e da identidade étnica. Os grupos
étnicos são categorias adscritas e de identificação que regulam e organizam a
interação social dentro e fora do grupo, sobre a base de uma série de contrastes
entre o próximo e o distante. Tais contrastes ativam-se ou não, segundo os
requisitos do contexto (BARTH, 1976 apud VILLAR, 2004).
A manutenção das fronteiras da etnicidade não resulta do isolamento, mas
da própria inter-relação social: quanto maior a interação, mais potente ou
marcado será o limite étnico. Não somente o contato com outros grupos,
mas também o vínculo com o ambiente influi para que, em um contexto
determinado, se ative ou não uma categoria étnica (BARTH, 1976 apud
VILLAR, 2004, p. 16).
A definição de grupo étnico dada por Barth (1976) põe por terra a idéia de grupos
étnicos como sendo unidades sociais estruturadas em torno de traços culturais
distintivos. O que interessa não é o conteúdo cultural, mas o limite negociado pelo
grupo em contextos precisos, ao desenvolver sua interação com os demais. Nesse
sentido, Cunha (1987) defende a etnicidade como sendo uma linguagem, que
permite a comunicação, pois enquanto forma de organização política, ela só existe
em um meio mais amplo e é por isso que fornece os quadros e categorias dessa
linguagem.
Os aspectos que assinalam a fronteira étnica podem mudar, mas subsistirá ao
menos, enquanto convenha, a dicotomia entre membros e não membros (VILLAR,
2004). Em outras palavras, a identidade étnica é relativa.
O consenso grupal a respeito de códigos e valores não costuma se
estender além das ocasiões específicas nas quais interage. Em outras
47
palavras, só há “etnicidade” em contextos bem definidos. Este aspecto
“deve ser geral para todas as relações interétnicas” (BARTH 1976 a: 18). No
entanto, sublinha Barth, se em algumas interações concretas os diacríticos
às vezes se acentuam, em outras sua manutenção pode se mostrar
“inconveniente”. Esta questão – a de saber o que é conveniente ou não e a
quem cabe julgá-lo – é o problema capital (VILLAR, 2004, p. 18).
Para Oliveira (1975), as interações entre grupos étnicos, ou seja, as relações
interétnicas entre grupos indígenas e os segmentos regionais da sociedade nacional
podem ser classificadas como simétricas e assimétricas. Nas relações simétricas,
não haveria supremacia de uma sociedade sobre a outra. As relações interétnicas
assimétricas são conflituosas e moldadas por uma estrutura de sujeição-dominação,
ou seja, uma fricção interétnica.
A concepção de identidade relativa de Barth (1976), defendida também por Villar
(2004), e de relações interétnicas foi importante para a compreensão das relações
entre a parcialidade Mbya com as outras parcialidades guarani, com o povo
Tupinikim e com a sociedade envolvente, e, também, para explicar a postura dos
professores de origem ñhandeva que atuam nas escolas das aldeias.
As sociedades no geral e as indígenas em particular utilizam a tradição como meio
de afirmação da identidade em momentos de transformação social. A identidade é a
criação da constância através do tempo, a união entre o passado e um futuro
antecipado, por isso a tradição se articula à memória coletiva, possui guardiões e
envolve o controle do tempo (GIDDENS, 1997).
Giddens (1997) afirma que a tradição, ao utilizar a memória coletiva, articula o
passado ao presente, porém o passado não é fossilizado, mas constantemente
reinventado e reconstruído, tendo como base o presente. Assim sendo, tanto a
tradição como a cultura seriam dinâmicas e mutáveis. Para Hobsbawm (1997), o
melhor termo para definir esse passado, constantemente reinventado das
sociedades “tradicionais”, seria “costume”, uma vez que
[...] o objetivo e característica das “tradições”, inclusive das inventadas, é a
invariabilidade. O passado real ou forjado a que elas se referem impõe
práticas fixas (normalmente formalizadas), tais como a repetição. O
“costume” nas sociedades tradicionais tem a dupla função de motor e
volante. Não impede as inovações e pode mudar até certo ponto, embora
evidentemente seja tolhido pela exigência de que deve parecer compatível
ou idêntico ao precedente. Sua função é dar a qualquer mudança desejada
(ou resistência à inovação) a sanção do precedente, continuidade histórica
48
e direitos naturais conforme o expresso na história (HOBSBAWM,1997, p.
87).
Os guardiões da cultura guarani, ou seja, os sábios, os mais velhos e as lideranças
políticas, até o início da década de 90 do século XX, faziam restrições à escola e só
passaram a aceitá-la sob a condição de que esta contribuísse para preservar e
resgatar a cultura.
Retomando a definição de costumes, vale ressaltar que a definição de Hobsbawm
(1997), acima mencionada, é compatível com a de cultura dada por Bauman (2002).
A cultura é um agente da desordem tanto quanto um instrumento da ordem,
um elemento submetido aos rigores do envelhecimento e da obsolescência,
ou como um ente atemporal. A obra da cultura não é tanto assegurar a
própria perpetuação, mas principalmente as condições de novas
experiências e mudanças. Em outras palavras, a cultura “se perpetua” na
medida em que ela se mantém viável e poderosa, não o modelo, mas a
necessidade de modificá-lo, alterá-lo e substituí-lo por outro. Assim, o
paradoxo da cultura pode ser reformulado desta maneira: todo aquilo que
serve para a preservação de um modelo socava ao mesmo tempo seu
próprio afiançamento (BAUMAN, 2002, p. 22).
Para Geertz (1989) a cultura pode ser entendida como sendo sistemas entrelaçados
de signos interpretáveis e está inserida dentro de um contexto descrito de forma
inteligível e com densidade. Os signos, elementos da cultura, são representados por
gestos, rituais e comportamentos.
[...] o homem é um animal amarrado a teias de significação que ele mesmo
teceu, assumo a cultura como sendo essas teias e a sua análise; portanto,
não como uma ciência experimental em busca de leis, mas como uma
ciência interpretativa, à procura do significado (GEERTZ, 1989, p. 4).
Como teia que está sendo constantemente tecida, a cultura estaria constantemente
transformando-se. No processo de institucionalização de políticas públicas em
relação aos povos indígenas, tem-se levado em consideração a questão da
alteridade e da diversidade cultural. O conceito de cultura vem sofrendo
transformações e também sendo adjetivado ao longo da história. Bauman (2002)
fala em cultura no plural; Santos (2001) em culturas incompletas. Segundo Santos
(2001) é necessário aumentar a consciência da incompletude cultural até o seu
máximo possível, o que seria uma das tarefas mais cruciais para a construção de
uma concepção multicultural dos direitos humanos. Transportando essa idéia para a
49
questão da EEI, o desenvolvimento da consciência da incompletude das culturas
pode contribuir para a análise dos processos educacionais interculturais.
A interculturalidade pode ser definida como o entrecruzamento de diversidades,
tanto nas esferas da cultura, como nos subsistemas sociais e no universo da vida
cotidiana, entrecruzamento que tende a constituir constelações poliaxiológicas, onde
convivem, não sem conflito, diversos estilos de vida e normas de bem-viver,
enraizadas em diferentes discursos (SORIA, 2002).
Vejamos como historicamente se foram dando essas transformações do conceito de
cultura, ou seja, como se foi constituindo a idéia de “cultura no plural” (CERTEAU,
1995).
2.1 “A CULTURA NO PLURAL”
Na segunda metade do século XIX, o modelo de racionalidade da modernidade
estendeu-se às Ciências Sociais emergentes, afirmando assim um modelo ocidental
“global”, que admite uma variedade interna, mas que se defende ostensivamente
das formas de conhecimento não-científico.
Sendo um modelo global, a nova racionalidade científica é também um
modelo totalitário, na medida em que nega o caráter racional a todas as
formas de conhecimento que não se pautarem pelos princípios
epistemológicos e pelas suas regras metodológicas. É esta sua
característica fundamental a que melhor simboliza a ruptura do novo
paradigma científico com os que o precedem (SANTOS, 2000, p. 61).
O paradigma8 moderno da racionalidade científica traduz-se também na visão que
se tem dos povos e culturas que constroem seus conhecimentos a partir de
princípios epistemológicos diferentes daqueles com os quais operam as ciências
ocidentais. É o caso dos povos indígenas, tanto que as diferenças culturais desses
povos em relação à sociedade ocidental cristã foram, durante muito tempo,
8
Um paradigma é aquilo que os membros de uma comunidade partilham e, inversamente, uma
comunidade científica consiste em homens que partilham um paradigma (Kuhn, 1990).
50
explicadas pelas Ciências Sociais, como sendo diferenças no estágio de evolução
dessas em relação à civilização ocidental. Assim, as Ciências Sociais, que nasceram
no século XIX sob a influência do positivismo, defendiam, por meio do paradigma do
evolucionismo cultural, que esses povos “primitivos” se encontravam nos primórdios
da civilização. Estudá-los, pois, seria o caminho para compreender a evolução da
sociedade ocidental cristã.
O paradigma moderno da racionalidade científica marcou profundamente a
construção do pensamento antropológico, que, a partir das primeiras décadas do
século XX, passou a elaborar ferramentas de investigação que permitiram a coleta
direta no campo das observações e informações. Peirano (1991) afirma que a
Antropologia Cultural se consolidou através do estudo dos chamados povos
"primitivos".
A antropologia se consolidou através do estudo etnográfico de povos
considerados primitivos. Geograficamente, este interesse de pesquisa
resultou no deslocamento do antropólogo dos centros hegemônicos da
disciplina (Inglaterra, França, Estados Unidos) para continentes não
europeus (África, Oceania, América do Sul), onde estavam os chamados
primitivos (PEIRANO, 1991, p. 21).
A busca do “elo perdido” foi o grande objetivo da antropologia em seu início e foi
sustentada pelo paradigma evolucionista de cultura.
O conceito de cultura não
começou com a Antropologia, tampouco com a concepção evolucionista a ele
atribuído. Esse conceito, na realidade, começou a ser discutido e elaborado pelos
historiadores e filósofos alemães entre os séculos XVII e XIX. Entre esses, o
conceito de cultura passou a ser utilizado em relação ao processo facilitado pela
assimilação de trabalhos acadêmicos e artísticos, ou seja, um processo de
refinamento intelectual ou espiritual, diferindo assim do conceito de civilização,
utilizado para designar, de maneira geral, o conjunto de traços, de fenômenos
culturais relativos a um ideal de progresso intelectual, técnico, moral e social.
Com o nascimento da Antropologia, o conceito de cultura passou a ser adaptado às
tarefas da descrição etnográfica. “O estudo da cultura passou a ser menos ligado ao
enobrecimento da mente e do espírito no coração da Europa e mais ligado à
elucidação dos costumes, práticas e crenças de outras sociedades que não às
européias” (THOMPSON, 1995, p. 85). Foi a partir desse período que começaram a
51
formular diferentes concepções antropológicas de cultura. Thompson (1995) aponta
duas dessas concepções de cunho eminentemente evolucionista, que muito
influenciaram na Antropologia e nas políticas indigenistas brasileiras. São elas a
concepção descritiva e a concepção simbólica.
A concepção descritiva de cultura refere-se a um variado conjunto de
valores, crenças, costumes, convenções, hábitos e práticas características
de uma sociedade específica ou de um período histórico. A concepção
simbólica muda o foco para um interesse com simbolismo: os fenômenos
culturais, de acordo com esta concepção, são fenômenos simbólicos e o
estudo da cultura está essencialmente interessado na interpretação dos
símbolos e da ação simbólica (THOMPSON, 1995, p. 98).
O trabalho de Gustavo Klemm é apontado por Thompson (1995) como um dos mais
expressivos da concepção descritiva de cultura. Klemm buscou oferecer uma
abordagem ampla e sistemática do desenvolvimento gradual da espécie humana
através do exame dos costumes, habilidades, artes, ferramentas, armas e práticas
religiosas de povos e tribos por todo o mundo.
Outro autor importante foi Tylor, cujo principal trabalho foi Primitive culture. Esse
autor deu a seguinte definição descritiva de cultura: conjunto inter-relacionado de
crenças, costumes, formas de conhecimento, arte, que são adquiridos pelos
indivíduos como membros de uma dada sociedade e que podem ser estudados do
ponto de vista científico. Assim com os antropólogos, “[...] a cultura passa a ser
como a viga-mestra de uma disciplina científica emergente que se preocupava com
a análise, classificação e comparação dos elementos constitutivos das diferentes
culturas” (THOMPSON, 1995, p. 86). Mas, segundo Thompson a cientificação do
conceito de cultura não eliminou a ênfase primitiva na idéia de progresso.
Em muitos casos, ela simplesmente inscreveu essa idéia num marco
referencial evolucionista. Isso é evidente no trabalho de Tylor, para quem as
condições culturais de sociedades diferentes eram vistas como estágios de
um desenvolvimento ou evolução, cada um como resultado de um
desenvolvimento de uma história prévia, e prontos a fazer sua parte
adequada na moldagem da história do futuro. Além de analisar, classificar e
comparar, o estudo da cultura deveria buscar, segundo Tylor, reconstruir o
desenvolvimento das espécies humanas, tendo em vista reorganizar os
passos que levaram da selvageria à vida civilizada. O caráter científico e
evolucionista da obra de Tylor era consistente com a atmosfera intelectual
geral do fim do século XIX, quando os métodos das ciências positivistas
estavam sendo adaptados a novos campos de pesquisas e quando o
impacto das idéias de Darwin era geral (THOMPSON, 1995, p. 87).
52
A obra considerada pioneira dentro da concepção simbólica de cultura é A ciência
da Cultura, escrita por L. White e editada em 1940. Para esse autor, a simbolização
é o traço distintivo do ser humano e a cultura é definida como sendo o nome de uma
classe distinta de fenômenos, a saber, “aqueles eventos ou coisas que dependem
do exercício de uma habilidade mental, peculiar às espécies humanas, que se
denomina de simbolização” (THOMPSON, 1995, p. 102). A visão de cultura de
White, do ponto de vista de Thompson, também estaria circunscrita a uma
concepção evolucionista de cultura, porque “[...] White estabelece uma divisão na
categoria mais ampla dos fenômenos culturais em três sistemas - tecnológico,
sociológico, e ideológico – e situa esses sistemas num amplo marco referencial
evolucionista que enfatiza o papel da tecnologia” (THOMPSON, 1995, p. 103).
Resumidamente, podemos afirmar que o evolucionismo cultural é na realidade uma
marca da influência do positivismo no nascimento da Antropologia e da Etnologia.
De acordo com Thomas (1995),
9
[...] a Antropologia nasceu no século XIX , sob a égide do Evolucionismo
Cultural, que supunha a existência de uma única marcha no progresso da
humanidade, à qual todos os povos estariam condenados. “O final desta
marcha seria, evidentemente, a civilização ocidental”. Os outros povos, as
outras culturas ocupariam estágios desta civilização; assim sendo estudar
os chamados povos "primitivos" seria algo como uma volta ao nosso próprio
passado (THOMAS, 1995, p. 78).
No Brasil, a primeira cadeira de estudos etnológicos foi criada em 1939, na Escola
Livre de Sociologia e Política de São Paulo. De acordo com Hebert Baldus
Glagliardi, o principal papel do etnólogo era o de
[...] suavizar o choque causado pelo encontro de grupos humanos tão
diferentes, para isto caberia ao etnólogo, como investigador, estudar a
função de uma etnia, para depois, como interventor, dar a sua opinião a
respeito do tratamento a ser empregado para eliminar ou preservar certos
traços culturais. O etnólogo se diferenciaria do funcionário administrativo e
do missionário, porque dedicava-se exclusivamente à ciência (GLAGLIARDI
1989, p. 35).
No Brasil, os antropólogos passaram a ter uma maior atuação junto aos povos
indígenas entre os anos de 1950-54, quando: “José Maria da Gama Malcher, então
diretor do SPI, contratou etnólogos e lhes entregou a direção das principais divisões
9
A Antropologia praticada no século XIX é considerada uma ciência de gabinete, uma vez que
apenas na primeira metade do século XX começaram a ser realizados os estudos de campo.
53
do SPI, numa tentativa de preencher a lacuna deixada pelo positivismo”
(GLAGLIARDI, 1989, p.42). Quando Glagliardi (1989) se refere à “tentativa de
preencher a lacuna deixada pelo positivismo”, o autor está fazendo uma referência
aos princípios teóricos positivistas que inspiraram o trabalho do Marechal Cândido
Rondon, que foi o primeiro dirigente do SPI, fundado em 1911. Lendo-se as obras
de Darcy Ribeiro, como Os índios e a civilização (1969) e Diários de índios (1996),
torna-se difícil afirmar se havia realmente essa distância teórica entre o positivismo e
as concepções que orientavam a formação dos antropólogos da época.
Ao contratar antropólogos para trabalhar no SPI, o diretor José Maria da Gama
Malcher permitiu que os antropólogos culturais ou etnólogos se apropriassem "de
fato" do seu objeto de conhecimento, ou seja, dos povos indígenas. Vale ressaltar
aqui que um dos etnólogos contratados pelo SPI foi Darci Ribeiro, o qual afirmou
que “[...] a experiência [de contratar etnólogos] foi altamente fecunda e permitiu ao
SPI alcançar outra fase alta da sua história” (RIBEIRO, 1969, p. 69), não
significando, no entanto, que isso resultou positivamente para os povos indígenas.
Esse autor afirma na introdução dessa mesma obra:
Com efeito, de todos os grupos indígenas sobre os quais obtivemos
informação fidedigna, podemos afirmar que não foram assimilados à
sociedade nacional como parte indistinguível dela. Ao contrário dessa
expectativa, a maioria deles foi exterminada e os que sobreviveram
permanecem indígenas: já não em seus costumes, mas na autoidentificação como povos distintos do brasileiro e vítimas de sua dominação
(RIBEIRO, 1969, p. 8).
Existiam inicialmente diferenças marcantes entre a Antropologia dos países do Norte
e a dos do Sul, como o Brasil. Uma delas era quanto à escolha da perspectiva dos
povos indígenas a ser estudada.
Vistos inicialmente por pesquisadores estrangeiros como sociedades
independentes e particulares, os grupos indígenas atraíram a atenção dos
cientistas sociais brasileiros, primeiro pelo grau de interação que eles
mantinham com a sociedade nacional. Mais tarde, esta abordagem, levou
ao conceito de fricção interétnica para as situações de contato (PEIRANO,
1991, p. 16).
Essa concepção antropológica de “fricção interétnica” marcou os primeiros estudos
antropológicos no Brasil, e os trabalhos de Roberto Cardoso de Oliveira foram
54
bastante representativos desse período. Porém, vale lembrar que essa concepção
antropológica também se apoiava no princípio do evolucionismo cultural.
Silva (2001) aponta três traços distintivos da constituição da Antropologia brasileira,
todos eles imbricados de maneira dinâmica:
Um deles foi a construção de etnografias sobre povos indígenas
específicos, em um esforço por dar cobertura sistemática às terras baixas
sul-americanas, um “continente” desconhecido pela antropologia. Outro
daqueles processos foi a problematização ou o questionamento de
premissas da teoria geral da antropologia pela identificação de suas
limitações diante das situações etnográficas inéditas apresentadas pelas
populações indígenas em seus modos próprios de ordenar sociológica e
cosmologicamente o mundo. O terceiro, o envolvimento político dos
etnólogos brasileiros em questões indigenistas, assumindo postura ativa na
defesa dos direitos das minorias indígenas no país, marca registrada
distintiva da etnologia “made in Brazil”, na expressão de Ramos (1998)
(SILVA, 2001, p. 6)
Esse envolvimento político dos etnólogos brasileiros em questões indigenistas temse dado em vários momentos dos movimentos sociais dos povos indígenas por seus
direitos, como na Assembléia Nacional Constituinte, na luta pela aprovação da
Convenção 169 da OIT e da reformulação do Estatuto do Índio, assunto que será
tratado no Capítulo IV deste trabalho.
De acordo com Fausto (acesso em: 20 de jun. 2007), as grandes transformações no
âmbito da antropologia começaram a acontecer a partir da década de 80 do século
XX:
A partir dos anos 1980, contudo, todo esse imaginário começou a implodir,
por meio de uma virada historicista de uma etnologia até então feita contra a
história. As evidências acumuladas acerca do impacto da colonização sobre
os grupos indígenas — mesmo sobre aqueles caracterizados como
isolados, puros, prístinos —, encontraram, enfim, ressonância. De um
momento ao outro, demo-nos conta de que tudo tem história, mesma as
sociedades sem história (FAUSTO, acesso em: 20 jun. 2007).
A década de 90 do século XX também trouxe importantes mudanças no campo da
Antropologia:
O neo-historicismo dos anos 1990 fez-se acompanhar por uma crescente
“agentivização” daqueles que apareciam como sujeitos passivos nos
modelos anteriores: os próprios índios. Uma nova visão da interação dos
povos indígenas com a sociedade nacional começa a povoar os textos
antropológicos: o discurso da vitimização cede lugar ao da criatividade dos
agentes históricos na situação de contato. O a-historicismo estruturalculturalista, que respondia ao assimilacionismo com uma negação algo
55
ingênua das transformações em curso, dá espaço à valorização dos
próprios processos de transformação. Não é mais a lógica do « plus ça
change, plus c’est la même chose ». Agora, trata-se de buscar positividades
na própria mudança (FAUSTO, acesso em: 20 jun. 2007).
Se por um lado a Antropologia brasileira contribuiu para a construção de etnografias
sobre povos indígenas específicos das terras baixas sul-americanas, por outro lado,
tem sido constante a omissão, nesses trabalhos, de dados sobre a educação escolar
existentes nas aldeias.
Assim, a grande maioria dos trabalhos antropológicos ignora (ou omite)
dados sobre a educação escolar como parte da vida cotidiana das aldeias,
ou faz uma breve menção a sua existência em capítulo introdutório, em que
fala também da existência de postos da FUNAI, de igrejas, de acesso às
cidades vizinhas etc. É claro que a escola nem sempre tem relação com o
tema analisado por um pesquisador, assim como também nem sempre é
necessário falar das atividades dos pajés, da fabricação e da beleza de
certos adornos e da narrativa de mitos, o que aparece com muito mais
constância. Acredito que a omissão sobre a existência da escola e das
atividades e dos conhecimentos a ela relacionados na maioria dos estudos
antropológicos diz respeito à impressão geral e difusa de que essa
instituição permanece alheia à vida da aldeia e à respectiva cultura indígena
(TASSINARI, 2001, p. 48).
Para Silva (2001), existe um fosso que separa as pesquisas etnográficas acerca da
diferenciação e da especificidade daquelas reflexões no plano do conhecimento e da
aprendizagem.
Certamente, o caráter acadêmico e teórico das pesquisas antropológicas
sobre o pensamento ameríndio e o registro pragmático e reivindicatório de
mobilização em torno dos direitos educacionais indígenas dificultam a
articulação dos dois movimentos. [...] há quase trinta anos tem havido a
participação direta de etnólogos na escolarização indígena, quer na
elaboração da legislação e na concepção e implementação de políticas
públicas, quer na assessoria à formulação de projetos indígenas de escola e
a associações de professores índios e na docência em cursos de magistério
indígena. Nesse mesmo período firmou-se a pesquisa etnológica no país,
com alto grau de sofisticação teórica e densa produção. Em muitos casos como no meu próprio, aliás, até bem pouco tempo atrás -, plantou-se uma
clara separação entre os temas da pesquisa, universo do trabalho
intelectual (dualismo, cosmologia, noção de pessoa, corporalidade,
parentesco, simbolismo ritual e outros), e as áreas e modos de militância
indigenista (a educação se apresentando como um campo fértil para o
exercício da responsabilidade social do antropólogo, para intervenção crítica
em processos de exclusão e de desrespeito aos direitos sociais) (SILVA,
2001, p. 32).
Isso não significa dizer que não haja trabalhos de Antropologia na área da EEI, mas
são poucos aqueles que conseguem unir essas duas dimensões, ou seja, o trabalho
intelectual e a militância indigenista.
56
As questões debatidas nos textos de autoria de antropólogos (Lopes da
Silva, org, 1981; ABA, 1993) seguem de perto o discurso reivindicativo dos
direitos indígenas, servindo-lhe de argumento e sustentação. Voltam-se
majoritariamente à prática pedagógica ou ao enfrentamento do Estado pelos
povos indígenas no campo dos seus direitos educacionais à especificidade
e à manutenção de seu patrimônio lingüístico-cultural. Trata-se, portanto, de
um uso engajado do conhecimento antropológico que se utiliza
admiravelmente pouco do “núcleo duro”, teórico, da disciplina (SILVA, 2001,
p. 31).
Quais seriam então as possibilidades da interface entre o núcleo duro da
Antropologia e a EEI? Silva (2001) afirma que a EEI pode constituir-se em
laboratório para a formulação de desafios teóricos e metodológicos de interesse para
o debate intelectual da Antropologia e de campos interdisciplinares conexos. Outros
autores também têm constatado que a Antropologia é uma ciência que tenta cada
vez mais se voltar para o mundo atual.
Giddens capta aqui a essência de uma nova antropologia, feita à medida do
mundo pós-colonial, em que muitas fronteiras são encontros entre
estrangeiros, nenhum dos quais chega à reunião com permissão para ditar
a ordem do dia. Todos os residentes nas terras de fronteira enfrentam uma
tarefa similar: entender, não censurar; interpretar, não legislar, abandonar o
solilóquio em nome do diálogo. Este parece ser o preceito para umas
humanidades novas, mais humildes e por esta razão mais potentes,
prometendo aos perplexos homens e mulheres de nosso tempo uma
compreensão e um esboço de orientação na profusão de experiências
atuais, cada vez mais descoordenadas e, quase sempre, contraditórias. E
pelo menos uma vez as humanidades poderiam ser capazes de cumprir sua
promessa. Mas há muito mais o que dizer. (BAUMAN, 2002, p. 87).
Do ponto de vista da questão territorial e da identificação dos povos indígenas, no
Brasil, continua sendo oficialmente reconhecida a presença dos antropólogos, sendo
inclusive respaldada por lei. Vejamos o que estabelece o Decreto n.º 1.775, de 8 de
janeiro de 1996, que dispõe sobre o procedimento administrativo de demarcação
das terras indígenas:
[...]
Artg.. 2. A demarcação das terras tradicionalmente ocupadas pelos índios
será fundamentada em trabalhos desenvolvidos por antropólogo de
qualificação reconhecida, que elaborará, em prazo fixado na Portaria de
nomeação baixada pelo titular do órgão federal de assistência ao índio,
estudo antropológico de identificação.
Parágrafo 1. O órgão federal de assistência ao índio designará grupo
técnico especializado, composto preferencialmente por servidores do
próprio quadro funcional, coordenado por antropólogo, com a finalidade de
realizar estudos complementares de natureza etnohistória, sociológica,
jurídica, cartográfica, ambiental e o levantamento fundiário necessário à
delimitação (MAGALHÃES, 2002, p. 121).
57
Como já foi dito anteriormente, o paradigma evolucionista e o de aculturação foram
superados, nas últimas décadas, pela Antropologia, uma vez que se tornou
impossível negar que as diferentes culturas interpretam e reagem de forma particular
diante do avanço do Ocidente e que, ao contrário do que se pensou, as populações
indígenas que sobreviveram aos massacres não perderam a sua cultura.
Os grupos indígenas têm demonstrado uma grande capacidade de
resistência na reelaboração contínua do seu patrimônio cultural a partir dos
valores próprios da sua sociedade. Assim, quando em contato com a
sociedade abrangente, os grupos indígenas não aceitam passivamente os
elementos e valores que lhes são impostos, não sendo assim aculturados.
Tomariam da sociedade ocidental aquilo que, de acordo com a sua própria
cultura, seria possível de ser adotado; muitas vezes dando significados
diversos a elementos inicialmente alienígenas, que são assim incorporados
dinamicamente aos seus valores culturais (THOMAS, 1995, p. 430).
Torna-se cada vez mais difícil negar a “capacidade das sociedades nativas em
sobreviver aos mais hediondos atentados contra sua existência” (MONTEIRO, 1995,
p. 221). Outro fator que contribuiu para a quebra dos paradigmas deterministas em
relação aos povos indígenas foi a crescente organização desse povo, a fim de
reivindicar os seus direitos, a partir dos anos 1970, não só no Brasil, mas em toda a
América Latina. A organização dos povos indígenas passou a contar com o apoio de
diferentes setores da sociedade, como veremos no Capítulo IV deste trabalho.
Mesmo tendo sido superada no campo da Antropologia, a concepção evolucionista
de cultura repercute até os dias atuais em outras áreas das Ciências Sociais. Vejase o caso da História. Continua sendo pequeno o interesse dos historiadores pela
história dos povos indígenas brasileiros. Sucessivas correntes do pensamento social
brasileiro sustentavam, inclusive, a tese da extinção dos povos indígenas.
(MONTEIRO, 1995).
Para os cientistas sociais defensores do paradigma evolucionista, a fragilidade dos
povos indígenas diante do rolo compressor da civilização já dava de antemão o
prognóstico para o futuro dessas sociedades. Nas décadas intermediárias do século
XX, a perspectiva teórica da aculturação propunha outro caminho para o mesmo
desfecho fatal, ou seja, os povos indígenas seriam integrados à sociedade nacional
através do processo de aculturação.
58
Outro problema é que durante muitos anos os indígenas foram considerados apenas
como povos ágrafos, “sem história" e por isso, demonstrou-se menosprezo por seus
saberes de tradição oral.
As sociedades de memória oral foram também consideradas sociedades
pré-lógicas que, não dominando a escrita, não detinham o saber.
Argumentava-se que, na ausência de documentos escritos, os documentos
de cultura material constituíam pistas frágeis para o levantamento da
história desses povos. Quanto à tradição oral, ela não era digna de
credibilidade. Portanto, sem fontes escritas, não há história, não há saber
(FREIRE, acesso em: 5 jul. 2007).
No caso do povo Guarani, na historiografia do Brasil e da América do Sul, a história
desse povo se confunde com a da expansão ibérica no continente, como, por
exemplo, das reduções jesuíticas e da historiografia regional brasileira, ao tratar o
chamado bandeirismo - movimento indissociável da questão da expansão e
formação territorial do Brasil. Falta aos estudos históricos a percepção de que a
presença e a participação do povo Guarani nos múltiplos processos que
transformaram a geografia humana de toda uma região tenham sido elementos
decisivo na história colonial (MONTEIRO, 1992).
Mesmo estando distante das pesquisas históricas e das preocupações dos
historiadores, a história guarani, na última década do século XX e nesta primeira
década do século XXI, tem se tornado uma preocupação de pessoas envolvidas no
contexto da EEI guarani, tanto que a comunidade educativa guarani do Espírito
Santo escolheu, como uma das questões do currículo, o estudo da história guarani,
assunto que será tratada no Capítulo V.
Por outro lado, a história oral continua viva nas narrativas desse povo, cumprindo
assim o seu papel social de construção da identidade guarani. A história da grande
caminhada do Rio Grande do Sul para o Espírito Santo, iniciada na década de 40 do
século XX, liderada pela líder Xamãnica Tatati Yva Re Etê, é contada e recontada
pelos Guarani do Espírito Santo de todas as idades.
É interessante constatar como a racionalidade ocidental se encontra presente
também na área do Direito, objeto das críticas de Santos (2000, p. 91).
[...] a regulamentação jurídica da vida social alimenta-se de si própria (uma
regulação dando sempre origem a outra) ao mesmo tempo que o cidadão,
59
esmagado por um conhecimento jurídico especializado e hermético e pela
sobrejuridificação da sua vida [...]
Questões como a regularização e a especialização do conhecimento jurídico têm
gerado problemas enfrentados pelos povos indígenas na luta por seus direitos.
Outra questão que se faz sentir também na área do Direito é o fato de ele ser
enormemente marcado pelos pressupostos evolucionistas, que foram e ainda
continuam sendo o embasamento teórico de parte da legislação indigenista
brasileira e, portanto, também da nossa jurisprudência.
Ainda se encontram em vigor muitas leis de cunho evolucionista, como é o caso do
Estatuto do Índio, Lei n.º 6.001, de 19 de dezembro de 1973, que, em seu primeiro
artigo estabelece: "[...] regula a situação jurídica dos índios ou silvícolas e das
comunidades indígenas, com o propósito de preservar a sua cultura e integrá-los,
progressiva e harmoniosamente, à comunhão nacional”. Dá assim um caráter
provisório à proteção e à garantia dos direitos dos povos indígenas.
Em termos de legislação, vivemos ainda uma contradição, ou seja, temos uma
Constituição Federal, promulgada em 1988, que garante o direito à pluralidade
cultural, e o Estatuto, uma lei a ela hierarquicamente subordinada, que ainda não foi
reformulada; encontra-se parada no Congresso Nacional, em decorrência das
pressões políticas de mineradoras, garimpeiros e fazendeiros, como veremos no
Capítulo IV.
Para romper com a razão moderna denominada também de razão indolente, seria
necessário instituir novas formas de pensar, o que poderia ser feito através de uma
razão cosmopolita, que se fundamenta em três procedimentos sociológicos: a
sociologia das ausências, a sociologia das emergências e o trabalho de tradução. O
ponto de partida para a crítica à razão indolente seria considerar ponto de vista de
Santos:
A compreensão do mundo excede em muito a compreensão ocidental do
mundo; a compreensão do mundo e a forma como ela cria e legitima o
poder social tem muito que ver com as concepções de tempo e da
temporalidade; a característica mais fundamental da concepção ocidental de
racionalidade é o fato de, por um lado, contrair o presente e, por outro,
expandir o futuro. A contracção do presente, ocasionada por uma peculiar
concepção de totalidade, transformou o presente num instante fugidio,
entrincheirado entre o passado e o futuro (SANTOS, 2004, p. 779).
60
Torna-se necessário expandir o presente e contrair o futuro pois
Só assim será possível criar o espaço-tempo necessário para conhecer e
valorizar a inesgotável experiência social que está em curso no mundo de
hoje. Por outras palavras, só assim será possível evitar o gigantesco
desperdício da experiência de que sofremos hoje em dia. Para expandir o
presente proponho uma sociologia das ausências; para contrair o futuro,
uma sociologia das emergências (...). Em vez de uma teoria geral proponho
o trabalho de tradução, um procedimento capaz de criar uma inteligibilidade
mútua entre experiências possíveis e disponíveis sem destruir a sua
identidade (SANTOS, 2004, p. 779).
Uma investigação baseada na sociologia das ausências sinaliza que o que não
existe é, na verdade, ativamente produzido como não existente, como é o caso do
fim dos povos indígenas pelo extermínio ou pela integração apregoada durante
muito tempo pelas Ciências Sociais.
A não-existência dos povos indígenas continua sendo produzida nos dias atuais. No
ano de 2006, a empresa Aracruz Celulose, lançou no Espírito Santo, uma ampla
campanha, pelos diversos meios de comunicação, tentando provar que no Estado
não existiam mais índios, argumento para tentar justificar seu domínio da área
reivindicada pelos tupininikim e guarani. Tentativa desesperada por parte da
empresa, uma vez que o Ministério Público, com base no § 4º do Art. 231 da
Constituição Federal, o qual afirma que as terras indígenas são inalienáveis e
indisponíveis, e os direitos sobre elas, imprescritíveis, tinha considerado como
inconstitucionais as negociações das terras indígenas tupinikim e guarani do Espírito
Santo, realizada, em anos anteriores.
O aumento crescente da população indígena brasileira, os inúmeros pedidos de
reconhecimento da etnicidade feitos à FUNAI por muitos povos indígenas e os vários
programas e projetos que vêm sendo levados a cabo por eles em parceria com
entidades governamentais e não governamentais, na tentativa de resgate e de
fortalecimento de suas culturas, têm comprovado, na prática, que a extinção dos
índios, tantas vezes prognosticada, é negada enfaticamente pela capacidade das
sociedades nativas em sobreviver aos mais hediondos atentados contra sua
existência. Assim sendo,
[...] recuperar os múltiplos processos de interação entre essas sociedades e
as populações que surgiram a partir da colonização européia, processos
esses que vão muito além do contato inicial e dizimação subseqüente dos
61
índios, apresenta-se como tarefa essencial para uma historiografia que
busca desvencilhar-se de esquemas excessivamente deterministas
(MONTEIRO 1995, p.228)
A sociologia das ausências possibilita transformar objetos impossíveis em possíveis
e, com base neles, transformar as ausências em presenças, o que deve ser
realizado centrando-se nos fragmentos da experiência social, não socializados pela
totalidade metonímica, fragmentos que têm sido constantemente renegados pela
razão indolente. Na realidade, não há uma maneira única ou unívoca de existir e são
várias as lógicas e processos através dos quais a razão metonímica produz a nãoexistência sempre que uma dada entidade é desqualificada e tornada invisível,
ininteligível ou descartável de um modo irreversível. “O que une as diferentes lógicas
de produção de não-existência é serem todas elas manifestações da mesma
monocultura racional” (SANTOS, 2004, p. 787). Existem cinco lógicas ou modos de
produção da não-existência e as respectivas formas sociais de não-existência: 1)
monocultura do saber e do rigor do saber / ignorante; 2) monocultura do tempo linear
/ residual; 3) lógica da classificação social / inferior; 4) lógica da escala dominante /
local; e 5) lógica produtivista / improdutivo.
Essas cinco lógicas estariam presentes nas representações que o mundo moderno
tem em relação aos povos indígenas, seus saberes, culturas e modos de viver. Veja
o caso da lógica produtivista / improdutivo: os povos indígenas, por terem uma
cultura que não se baseia no acúmulo de riquezas, foram e muitas vezes continuam
sendo considerados como sendo preguiçosos indolentes ou não afeitos ao trabalho.
A superação das totalidades homogêneas e excludentes e da razão metonímica que
as sustenta foi obtida pondo-se em questão cada uma das lógicas ou modos de
produção de ausência acima referidos, que durante muito tempo foram utilizadas
para classificar, desqualificar e excluir todos os povos, culturas e saberes que não
fossem estruturados nos moldes da civilização ocidental. Esse é um dos princípios
teórico-metodológicos
importantes
apontados
por
Santos
(2004)
para
os
pesquisadores da área de cultura, identidade e diferença.
Em contraposição às lógicas de produção da não-existência e às formas sociais de
não-existência, deve-se pensar na ecologia dos saberes, das temporalidades, dos
reconhecimentos, das trans-escalas e da produtividade. Enquanto a dilatação do
62
presente é obtida através da sociologia das ausências, a contração do futuro poderia
ser obtida através da sociologia das emergências.
A sociologia das emergências consiste em substituir o vazio do futuro
segundo o tempo linear (um vazio que tanto é tudo como é nada) por um
futuro de possibilidades plurais e concretas, simultaneamente utópicas e
realistas, que se vão construindo através das atividades de cuidado
(SANTOS, 2004, p. 794).
A sociologia das emergências considera a investigação de alternativas que cabem
no horizonte das possibilidades concretas, atuando tanto sobre as possibilidades
(potencialidades) como sobre as capacidades (potência). É um princípio teóricometodológico que poderia ajudar na compreensão da sobrevivência dos povos
indígenas, ou seja, dessas possibilidades plurais e concretas, mesmo “diante do rolo
compressor da civilização” ou do “processo de aculturação” apregoados pelos
cientistas sociais.
Como vimos anteriormente, o terceiro procedimento sociológico que fundamenta a
razão cosmopolita é o da tradução, que seria
[...] o procedimento que permite criar inteligibilidade recíproca entre
experiências do mundo, tanto as disponíveis como as possíveis reveladas
pela sociologia das ausências e a sociologia das emergências. Trata-se de
um procedimento que não atribui a nenhum conjunto de experiências nem
estatuto de totalidade exclusiva nem o estatuto de parte homogênea, as
experiências do mundo são vistas em momentos diferentes de trabalho de
tradução como totalidades ou partes e como realidades que não se esgotam
nessas realidades ou partes (SANTOS, 2004, p. 202).
A sociologia das ausências e das emergências aumenta o número e a diversidade
das experiências disponíveis e possíveis, e o trabalho de tradução visa a criar
inteligibilidade, coerência e articulação no mundo enriquecido por essa tal
multiplicidade e diversidade.
O trabalho de tradução feito com base na sociologia das ausências e na
sociologia das emergências é um trabalho de imaginação epistemológica e
de imaginação democrática com o objetivo de construir novas e plurais
concepções de emancipação social sobre as ruínas da emancipação social
automática do projeto moderno (SANTOS, 2004, p. 813).
Assim, as expectativas são as possibilidades de reinventar as nossas experiências,
confrontando as hegemônicas, que nos são impostas, com a imensa variedade das
experiências cuja ausência é produzida ativamente pela razão metonímica. Os
63
movimentos sociais dos povos indígenas brasileiros (mais de 200 etnias) podem ser
vistos como algumas dessas experiências inovadoras e contra-hegemônicas.
O Ocidente e a ciência moderna têm desperdiçado muitas experiências sociais
interessantes produzidas em todo o mundo por diferentes sociedades, como é o
caso dos conhecimentos desenvolvidos pelos povos indígenas sobre os diversos
setores da vida. O conhecimento que esses povos têm da fauna e da flora, as
técnicas de cultivo e de produção de alimentos, as formas de se relacionar com o
meio ambiente e mesmo com as outras pessoas do seu grupo são exemplos dessa
imensa gama de conhecimentos produzidos pelas diversas sociedades.
A cultura adquire formas diversas através do tempo e do espaço. Essa
diversidade se manifesta na originalidade e na pluralidade de identidades
que caracterizam os grupos e as sociedades que compõem a humanidade.
Fonte de intercâmbios, de inovação e de criatividade, a diversidade cultural
é, para o gênero humano, tão necessária como a diversidade biológica para
a natureza. Nesse sentido: constitui o patrimônio comum da humanidade e
deve ser reconhecida e consolidada em benefício das gerações presentes e
futuras (UNESCO, 2001, p.9).
A diversidade de identidades culturais representa a riqueza de caminhos diversos
para enfrentar, de modos diferentes, desafios também parcialmente diferentes
encontrados por cada povo. De acordo com Langon (2003), o desaparecimento
dessa diversidade implica o apagamento da capacidade humana de dar respostas
variadas ao novo. Seria a ruptura de uma das condições de possibilidade de
reprodução da vida humana.
O
desaparecimento
de
uma
dessas
identidades
culturais
representa
o
empobrecimento da humanidade, pois fecha os caminhos abertos e faz perder uma
das possibilidades. A riqueza humana depende da preservação da diversidade de
suas identidades culturais e de cada uma delas, pois, como afirma Santos (2004), é
preciso conhecer e valorizar a inesgotável experiência social que está em curso no
mundo de hoje e assim evitar o gigantesco desperdício de experiência que sofremos
nos dias atuais.
Cabe ressaltar que não se está propondo o abandono da “cultura ocidental” e uma
volta às “culturas tradicionais”. Se quisermos construir um mundo melhor, pelo
menos mais justo do ponto de vista social e ambiental, devemos estar atentos tanto
para a diversidade e riqueza das culturas, como para a incompletude dessas.
64
Outro exemplo do que estamos falando é o caso da educação escolar, que
historicamente foi utilizada pelo Estado brasileiro como instrumento de regulação,
integração e de assimilação do índio à sociedade nacional. No entanto, isso não fez
com que os povos indígenas descartassem essa instituição, mas, sim, a
transformassem em um dos instrumentos de suas lutas.
A educação escolar que vem sendo construída pelos diversos povos indígenas
brasileiros faz parte do sistema nacional de educação, porém ela tem-se estruturado
com base em princípios distintos da educação escolar ofertada pelo Estado aos nãoíndios. Além de serem projetos de educação diferenciados e específicos, bilíngües e
interculturais, eles se diferenciam também, quanto ao grau de participação da
comunidade nos assuntos educacionais.
Em muitos casos, é a comunidade quem escolhe as pessoas que estudarão para
serem professores. Na maioria das vezes, a comunidade tem ampla participação na
elaboração das propostas curriculares, e os mais velhos, pais, pajés e outras
pessoas da comunidade, estão sempre sendo entrevistados e, além disso,
convidados para participar tanto das aulas de formação dos professores, como das
classes onde estes professores atuam. De maneira resumida, podemos dizer que
povos indígenas se vêm apropriando da escola como um instrumento de luta e de
autodeterminação.
Para entender o significado da experiência da EEI, tomemos como base os
princípios socioculturais da modernidade:
O projeto sócio-cultural da modernidade é um projeto muito rico, capaz de
infinitas possibilidades e, como tal, muito complexo e sujeito a
desenvolvimentos contraditórios. Assenta-se em dois pilares fundamentais,
o pilar da regulação e o pilar da emancipação. São pilares, eles próprios,
complexos, cada um deles constituído por três princípios. O pilar da
regulação é constituído pelo princípio do estado, cuja articulação se deve
principalmente a Hobbes; pelo princípio do mercado, dominante, sobretudo
na obra de Locke; e pelo princípio da comunidade, cuja formulação domina
toda a filosofia política de Rousseau. Por sua vez o pilar da emancipação é
constituído por três lógicas de racionalidade: a racionalidade estéticoexpressiva da arte e da literatura, a racionalidade moral-prática da ética e do
direito e a racionalidade cognitivo-instrumental da ciência e da técnica
(SANTOS 1996 p. 77).
65
Embora as lógicas de emancipação racional visem, no seu conjunto, a orientar a
vida prática dos cidadãos, cada uma delas tem um modo de inserção privilegiado no
pilar da regulação.
A racionalidade estético-expressiva articula-se privilegiadamente com o
princípio da comunidade, porque é nela que se condensam as idéias de
identidade e comunhão sem as quais não é possível a contemplação
estética. A racionalidade moral-prática liga-se preferencialmente ao princípio
do Estado na medida em que a este compete definir e fazer cumprir um
mínimo ético para o que é dotado do monopólio da produção e da
distribuição do direito. Finalmente, a racionalidade cognitivo-instrumental
tem uma correspondência específica com o princípio do mercado, não só
porque nele se condensam as idéias da individualidade e da concorrência,
centrais ao desenvolvimento da ciência e da técnica, como também porque
já no século XVIII são visíveis os sinais da conversão da ciência numa força
produtiva (SANTOS, 1996, p. 77).
Santos (1996) aposta no princípio da comunidade como o melhor para instaurar uma
dialética positiva com o pilar da emancipação:
As representações que a modernidade deixou até agora mais inacabadas e
abertas são, no domínio da regulação, o princípio da comunidade e, no
domínio da emancipação, a racionalidade estético-expressiva. Dos três
princípios da regulação (mercado, estado e comunidade), o princípio da
comunidade foi, nos últimos duzentos anos, o mais negligenciado. E tanto
assim foi que acabou por ser quase totalmente absorvido pelos princípios do
estado e o mercado. Mas, também por isso, é o princípio menos obstruído
por determinações e, portanto, o mais bem colocado para instaurar uma
dialética positiva como pilar da emancipação (SANTOS, 1996, p. 77).
Por ser uma representação aberta e incompleta, a comunidade é dificilmente
representada por ela própria – ou o é apenas vagamente – e os seus elementos
constitutivos também abertos e inacabados furtam-se à enumeração exaustiva. Há,
contudo, uma característica comum: todos resistiram à especialização e à
diferenciação
técnico-científica,
meios
usados
pela
racionalidade
cognitivo-
instrumental da ciência moderna para colonizar os outros dois princípios modernos
de regulação: o mercado e o Estado. Ao contrário dos dois últimos, o princípio da
comunidade resistiu a ser totalmente cooptado pelo utopismo automático da ciência
e, por isso, pagou duramente com sua marginalização e esquecimento, mas,
manteve-se diferente, aberto a novos contextos em que a sua diferença poderia ter
importância. Para determinar as virtualidades epistemológicas do princípio da
comunidade, salientamos duas das suas dimensões: participação e solidariedade.
Esses elementos só muito parcialmente foram colonizados pela ciência moderna
(SANTOS 2000).
66
Sendo o princípio da comunidade e o da racionalidade estético-expressiva as
representações mais inacabadas da modernidade ocidental, dever-se-ia dar
prioridade à análise das suas potencialidades epistemológicas para restabelecer as
energias emancipatórias que a modernidade deixou transformar em hubris
regulatória. Devemos procurar um desequilíbrio dinâmico que penda para a
emancipação, uma assimetria que sobreponha a emancipação à regulação. Se a
pós-modernidade de oposição significa alguma coisa, é justamente por esse
desequilíbrio dinâmico ou assimetria a favor da emancipação, concretizado com a
cumplicidade epistemológica dos princípios de comunidade e da racionalidade
estético-expressiva.
67
CAPÍTULO III
3 METODOLOGIA
Esta pesquisa pode ser definida como um estudo de caso em uma perspectiva
histórica, por se tratar da análise do processo de escolarização dos Guarani do
Espírito Santo, no contexto da história da educação escolar brasileira e das políticas
públicas instauradas no Brasil a partir da promulgação da Constituição Federal de
1988. Por se tratar desse tipo de pesquisa, foram utilizadas tanto a análise de
documentos como as observações e entrevistas. Vejamos cada uma dessas
questões metodológicas separadamente, a começar pelos sujeitos da pesquisa, ou
seja, os Guarani do Espírito Santo.
3.1 OS SUJEITOS DA PESQUISA
A presente pesquisa foi realizada junto ao grupo guarani que vive no Espírito Santo,
que, juntamente com o restante do povo Guarani é descendente daqueles que, às
vésperas da conquista da América, ocupavam uma imensa região que ia do Chaco
até a bacia do Prata, que hoje inclui os territórios dos estados brasileiros do Rio
Grande do Sul, de Santa Catarina, do Paraná, de São Paulo e do Mato Grosso do
Sul, além de partes dos países vizinhos ( Figura 1).
Contudo, não ocupavam essa região de modo homogêneo ou exclusivo; algumas
áreas desse imenso território eram habitadas pelos ancestrais dos Kaigang,
Xokleng, Charruas, Minuanos, entre outros.
68
Figura 1 - Mapa da América do Sul
A criação dos países sul-americanos provocou uma divisão artificial do território
guarani, questão constantemente lembrada por esse povo.
Nosso território, Ywy Rupá, foi cortado, várias vezes, por fronteiras entre
países e estados. Fizeram guerras para roubar nossas terras. Por isso, hoje,
nosso povo ficou dividido entre Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Bolívia.
Para nós não existem fronteiras. Continuamos visitando nossos parentes e
tentando andar livremente, como fazíamos em tempos passados. No
entanto, percebemos que cada vez mais estes países desenvolvem políticas
que nos impedem de viver ao nosso modo. Em alguns países, nos chamam
de estrangeiros, de forasteiros, e dizem que não podem reconhecer o direito
a nossas terras porque elas não nos pertencem. Mesmo assim, nós
continuamos lutando por nosso território e pelo fim de todo tipo de fronteira
que impede de vivermos livremente (CIMI, 2007, acesso em: 30 nov. 2007).
O discurso guarani sobre o território ancestral fortemente marcado pela identidade e
“lealdade à tribo” (HALL, 2005) indica as dificuldades de locomoção espacial desse
povo impostas pelo Estado. Os direitos a terra e à locomoção só poderão ser
garantidos se houver uma política indigenista comum a todos os países onde eles
vivem.
69
O povo Guarani é um dos maiores grupos indígenas da América do Sul e do Brasil.
São cerca de 225 mil pessoas10 vivendo em aldeias que se estendem por um
território que passa pelo Paraguai, norte da Argentina, Uruguai, Bolívia e sul do
Brasil, até as encostas da Serra do Mar. Na cosmovisão desse povo, segundo o mito
de origem das almas, o Paranaguá (Iparavãpy) é o lugar da origem da sociedade
Guarani Mbya, ou seja, onde originou os primeiros filhos concebidos pelas
divindades Iparavãpy. Essa seria, portanto, a “origem do mundo” mbya (Ladeira,
1990).
Figura 2 – Território de deslocamento guarani
Fonte: CTI, 2004.
A partir dos deslocamentos espaciais, indicados no mapa acima, e em função das
relações sociais estabelecidas entre as diversas aldeias, é possível traçar o território
que eles consideram como sendo o mundo propício para se viver, espaços para os
quais eles migram em busca de “lugares verdadeiros” da Serra do Mar.
Mesmo habitando um território descontínuo, o povo Guarani consegue expressar
uma identidade específica ou um modo de ser guarani.
Três aspectos da vida guarani expressam uma identidade que dá
especificidade, forma e cria um «modo de ser guarani»: a) o ava ñeë (ava:
homem, pessoa; ñeë: palavra que confunde com “alma”) ou fala,
linguagem, que define identidade na comunicação verbal; b) o tamöi (avô)
10
Dados do CIMI, 2007.
70
ou ancestrais míticos comuns e c) o ava teko (teko: “ser, estado de vida,
condição, estar, costume, lei, hábito”) ou comportamento em sociedade,
sustentando em arsenal mítico e ideológico. Estes aspectos informam ao
ava (homem guarani) como entender as situações vividas e o mundo que o
cerca, fornecendo pautas e referências para sua conduta social (SUSNIK,
1979, p. 48).
Mesmo tendo esses três aspectos em comum, o povo Guarani costuma ser dividido
em subgrupos, por apresentar dissimilitude quanto às formas lingüísticas, costumes,
rituais, organização política e social, orientação religiosa, assim como quanto às
formas específicas de interpretar as situações vividas e mundo que os cerca,
fornecendo pautas e referências para sua conduta social (ALMEIDA; MURA, 2003).
Na Bolívia, são encontrados os subgrupos guarani denominados Guarayos,
Chiguanos e Izozeño. No Paraguai, existem os Mbya, Ñhandéva, Pai-tavyterã
(Kaiowa), Ache (Guayaki) e os Guarani-Ñadeva (Tapieté). No Uruguai e na
Argentina constatam-se os Mbya. Este último grupo é encontrado também no Brasil,
onde existem também Ñandeva e Kaiowa.
A língua guarani falada por esses subgrupos diferencia-se basicamente quanto ao
léxico e à fonologia, sendo, no entanto, relativamente pequenas as diferenças
dialetais. Por isso, grande parte dos Guarani compreende os diferentes dialetos,
como podemos constatar nas aldeias do Espírito Santo, onde convivem pessoas
mbya, ñhandéva e kaiova e há comunicação entre eles.
No Brasil, existem 140 aldeias guarani, nas quais vivem cerca de 50.000 indígenas
divididos em três subgrupos: Kaiowa, Ñandéva e Mbya (CIMI, 2007). A parcialidade
Kaiowá concentra-se principalmente no Mato Grosso do Sul; os Ñandéva ou Xiripa
principalmente, nos estados da Região Sul e em São Paulo; os Mbya vivem em
aldeias situadas no interior e no litoral dos estados da Região do Sul – Paraná,
Santa Catarina e Rio Grande do Sul, e em São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito
Santo, em aldeias junto à Mata Atlântica do litoral. Também na Região Norte, vivem
algumas famílias Mbya originárias de um mesmo grande grupo, que, vindo do
Paraguai, chegou ao Brasil há mais de cem anos. Atualmente, seus descendentes
vivem no Pará (nos municípios de Jacarandá e Itupiranga), em Tocantins (município
de Xambioá), além de algumas famílias dispersas na Região Centro-Oeste
(LADEIRA; Mata 2004). Entre os Guarani ocorre a estruturação por grupos familiares
71
distribuídos em diferentes unidades da Federação e mesmo em outros países.
Esses grupos formam a nação guarani (GUIMARAENS, 2003).
Existem duas correntes entre os antropólogos sobre a origem dos Mbya,
parcialidade guarani responsável pela fundação das aldeias do Espírito Santo. Para
alguns estudiosos, eles são descendentes dos grupos que não se submeteram aos
espanhóis nem às missões religiosas jesuítas, tese defendida por Ladeira (1990).
Segundo essa autora, há indícios de que eles se refugiaram nos lugares mais altos e
nas matas de mais difícil acesso, escapando assim do processo de catequização e
de integração cultural. Outra corrente defende a tese que os Mbya são
descendentes dos Guarani que viveram nos aldeamentos jesuíticos de Sete Povos
das Missões: São Borja, São Luís Gonzaga, São Lourenço, São Miguel, Santo
Ângelo, São João e São Nicolau e no aldeamento da província do Tape. A essa
província corresponderiam hoje os territórios do Rio Grande do Sul, parte de Santa
Catarina, áreas a leste do Rio Uruguai, na Argentina, e regiões centrais do atual
Paraguai oriental.11 (FUNAI, 1996).
No nosso ponto de vista, mais importante que precisar a origem do povo Guarani em
geral e do grupo Mbya em particular é realçar a capacidade que tiveram e continuam
tendo de preservar a cultura. De modo geral, a cultura guarani revela resistência aos
efeitos das diferentes situações de contato, sobretudo em relação à religião, que se
mostra particularmente imune ao contato com representantes do mundo cristão
(BRANDÃO, 1994, p. 300).
O drama e os constantes deslocamentos territoriais marcam a cultura mbya. Para
esse povo, a vida terrena é como uma sucessão de eventos dramáticos que
impelem a sociedade a produzir constantes reorganizações de sentido e estratégias
caracterizadas pela mobilidade, como condição ontológica do seu modo de ser e se
pensar mbya: movimento simbolizado na figura da caminhada, como um ser em
construção, uma apreensão constante do vir a ser, um passado presente em direção
ao futuro (CICCARONE, 2001). Outro elemento que marca essa sociedade é o fato
de que as relações com o divino permeiam toda a vida guarani.
11
Processo n.º 0720/96. Terra indígena doada pela PMA à empresa Thotam.
72
Autores como Nimuendaju (1914), Métraux (1927), Schaden (1974) e Clastres
(1975) tendem a interpretar os deslocamentos do povo Guarani como sendo de
ordem essencialmente religiosa. Nimuendaju (1914), Castres (1975), Guimaraens
(2003) e outros autores postulam que os deslocamentos desse povo em busca da
Terra Sem Mal são antecedentes à chegada dos portugueses e espanhóis, quando
ainda se encontravam livres de opressão de tribos vizinhas ou de privações da
natureza.
Outros autores como Martinez (1985) e Garlet (1997) tendem a considerar os
fatores históricos (ocupação das terras guarani por colonizadores, Guerra do
Paraguai, entre outros.) como sendo os principais responsáveis pela grande
dispersão do povo Guarani pelo território da América do Sul. Garlet (1997) concorda
com a hipótese de Martinez (1985) de que os movimentos atuais são motivados
também pela possibilidade de encontrar na costa atlântica as condições essenciais
para a manutenção do modo de ser guarani.
Outros autores como Meliá (1988), Ciccarone (2001) e Monteiro (1992) consideram
tanto os aspectos históricos como os míticos, tendência adotada nesta pesquisa. Os
deslocamentos espaciais representam a modalidade mítico-histórica do movimento
de conquista de novos espaços como processo de refundação do mundo e da
sociedade, conduzido por grupos familiares articulados entre si por laços de
parentesco e sob a liderança xamânica (CICCARONE, 2001).
No entanto, cabe ressaltar que, se o motivo de mudanças de grupos guarani de uma
área para outra não seja sempre de ordem cosmológica, a escolha de uma nova
área para a fixação do grupo sempre o é. São escolhidos locais de parada, nos
deslocamentos guarani, a partir de critérios divinos, e o tempo de permanência em
locais temporários é determinado pelo plantio e pela colheita do milho, cultura
tradicional desse grupo indígena. Também o abandono de áreas de ocupação
temporária ou permanente decorre de uma ordem divina.
A escolha do tekoá (lugar bom para construir a aldeia) deve permitir reprodução do
nanderekó (modo de ser guarani), condição primordial para os indivíduos ouvirem as
belas palavras ne’eng porá, recebidas de Nhanderú (deus criador das belas
palavras). Somente os profetas conseguem ouvir e sabem proferir essas palavras
73
que são sagradas e verdadeiras. O conjunto das ne’eng porá representam o ayvú
porá, a bela linguagem que define para o guarani as normas de conduta, repetidas
de geração em geração em seus cantos rituais (GUIMARAENS, 2003).
As alianças e a reciprocidade entre os grupos familiares das diversas aldeias
garantem a mobilidade necessária à reprodução física e cultural da sociedade
guarani. Os contatos entre as aldeias são uma prática constante, garantindo assim a
manutenção das trocas simbólicas e materiais, ocasião nas quais são reforçadas as
relações de parentesco, os vínculos afetivos, a coesão dos grupos, o controle das
situações vitais, o apoio recíproco, a solidariedade, o intercâmbio das experiências e
a memória coletiva (CICARONNE, 2001). O povo Guarani considera todas as
aldeias como um território comum. A preservação de cada aldeia, portanto,
independentemente da área atualmente destinada aos Guarani ou da população
existente, é fundamental para que se possa manter a dinâmica das relações
estabelecidas pela nação guarani entre seus membros (GUIMARAENS, 2003).
O povo Guarani chama a atenção dos pesquisadores por sua diplomacia e pela
capacidade sistemática de criar formas específicas de preservação de suas
tradições, como o costume de sempre falar entre si em guarani, mesmo estando na
presença de não-falantes da língua. Seus métodos de preservação da cultura não
excluem o convívio inevitável com os princípios da cultura ocidental, com a qual
buscaram estabelecer um relacionamento amistoso. A demonstração de respeito
aos costumes, às religiões alheias e ao modo de trajar-se inspirado na população
regional simboliza mais que a submissão, é uma estratégia de autopreservação
(GUIMARAENS, 2003).
São expressivas também as trocas interétnicas estabelecidas entre a cultura guarani
e as culturas populares sul-americanas, como o caso do “poncho”, traje que indica
ser origem guarani. Na medida do possível, sob o traje que encobre suas diferenças
culturais profundas relativas ao chamado não-índio ou à cultura dominante, os
Guarani tentam resguardar-se de novas agressões, com tolerância, sem nunca
renegar sua condição indígena (GUIMARAENS, 2003).
74
Nosso interesse em abordar a questão dos deslocamentos territoriais e migrações
guarani se dá pelo fato de esse aspecto da cultura guarani exercer grande influência
no processo de escolarização desse povo.
3.1. 2 A fundação das aldeias guarani do Espírito Santo
Como qualquer aldeamento indígena guarani, que se forma com base em uma
família extensa, as aldeias guarani do Espírito Santo tiveram como grupo fundador
aquele que era liderado por Tatati Yva Re Ete (Figura 3) e seus decendentes, que
migraram para o Espírito Santo na década dos 60 do século XX.
Figura 3 - Tatati Yva Re Ete e seu esposo João dos Santos (1990)
Fonte: Arquivo particular de Florence Zanatelli.
75
Essa líder religiosa nasceu no Paraguai e teve como primeiro marido Roque Benites.
Do casamento de Tatati com Roque Benites, nasceram no Paraguai quatro mulheres
– Aurora, Paulina, Maurícia e Augusta – e, no deslocamento para a Aregentina,
nasceu outro filho, que recebeu o nome de Roque, como o do pai. O grupo era
composto, nesse período, de duas famílias aliadas pelo laço matrimonial entre Tatati
e seu primeiro esposo, Roque. O aprendizado xamânico de Tatati deu-se sob os
cuidados da sogra, Maria Angela, também paraguaia (CICCARONE, 2001, p. 237).
Cabe ressaltar que os Guarani do Espírito Santo, ao contrário dos grupos
localizados em aldeamentos do Sul e do Sudeste do Espírito Santo, rejeitam a
designação Mbya dada pelos antropólogos; dizem que não podem aceitar essa
denominação porque mbya, na língua guarani, significa “índio desconhecido que
chega”. Para eles, a denominação correta seria nhãdewa ou tãbeope, que significa
“gente do nosso povo que usa tanga”.
Como os Guarani do Espírito Santo não aceitam a denominação Mbya adotada
pelos antropólogos e pelo fato de haver, entre eles, famílias de outro subgrupo
indígena guarani, optamos, neste trabalho, por denominar a todos eles de guarani.
Nos casos em que for necessário identificar especificamente Tatati e seus
decendentes, optamos pelo uso do termo grupo fundador. O termo Mbya somente
será utilizado quando estivermos lançando mão de informações de outros autores.
Na Argentina, Tatati permaneceu cerca de treze a quatorze anos e foi naquele país
que se tornou viúva de seu primeiro marido e desposou, um ano depois, o seu
cunhado, o líder espiritual Ñande ru Miguel Benites Karaí. Tiveram como filhos
Damiana, Paulo, João, Valdemar e Mário. Segundo estimativas de Ciccarone (2001),
o grupo teria permanecido na Argentina entre as décadas de 1920-1930.
Da Argentina, o grupo migrou para o Rio Grande do Sul, atravessando o rio Uruguai,
fronteira entre Brasil e Argentina, passando pelas cidades de São Luiz Gonzaga e
Santa Maria, onde permaneceu por alguns meses, “ [...] o tempo necessário para
plantar e colher milho” (AURORA apud CICCARONE, 1996, p. 24).
Na década de 40 do século XX, o grupo continuou a caminhada partindo de Pelotas,
Rio Grande do Sul, motivado pelo agravamento de conflitos de terra e, ao mesmo
76
tempo, porque revelações obtidas em sonho indicava a xamã que tinha chegado o
momento apropriado para empreender a busca de nova terra. (CICCARONE, 1996).
Ao longo da caminhada entre o Rio Grande do Sul e o Espírito Santo, o grupo
guarani fez paradas em vários lugares dos estados do Rio Grande do Sul, Santa
Catarina, Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro. Em alguns desses lugares, já
existiam aldeias guarani e, em outras paradas não.
Em meio a essas andanças, conta ainda João Carvalho, o grupo encontrouse com um Coronel de nome Homero, que afirmou haver tido um sonho onde
via indios andando por aquela região. Este coronel convidou o grupo para que
fossem a um lugar às margens do Rio Silveira (SP) onde teriam caça, pesca,
banana e poderiam plantar. “Conversamos e a mãe com a Aurora (irmã de
João Carvalho, mãe do mboruvixa) decidiram aceitar. Marcamos dia e fomos.”
Ali ficaram por alguns anos onde plantaram arroz, banana e melancia (FUNAI;
12
1994, p. 90) .
Esse grupo também foi responsável pela fundação de outras aldeias nos estados da
Região Sul e Sudeste do Brasil, com as quais mantém uma ampla rede de contato e
trocas sociais. O Tekoa Itaxi, em Paraty Mirim, no Rio de Janeiro, foi uma das
aldeias criadas por Tatati; outra foi a de Rio Silveira, em São Paulo. “Em Rio Silveira
ficamos mais de sete anos, oito anos e já estava plantando tudo também. Meu pai
começou a morrer e minha mãe não quis ficar sozinha porque todos eram ainda
crianças” (Aurora apud Ciccarone, 1996, p. 29).
Na caminhada, vários descendentes de Tatati optaram por ficar em aldeias da
Região Sul e do Sudeste, não seguindo assim a longa jornada à qual ela se
propunha. Por isso são encontrados vários de seus descendentes vivendo em outros
estados do Brasil e, como reza a tradição guarani, continuam fazendo parte da rede
de relações e trocas com o grupo fundador.
No período da caminhada, além do contato e convivência com outros do povo
Guarani, o grupo manteve ligação com outros grupos indígenas e também não
índios, entre os quais houve matrimônios, como é o caso das filhas de Aurora, suas
sobrinhas Tereza, Jachuka, Ivanilda e Iry, que foram casadas com não-índios e nãoMbya (CICCARONE, 2001, p. 32).
12
Processo n.º 6370/90. Território Indígena de Caieiras Velha.
77
Ao chegar ao Espírito Santo, o grupo fundador morou um tempo com os Tupinikim
na área indígena de Caieiras Velhas.
No ano de 1973, foi levado pela FUNAI,
graças à pressão da Aracruz Celulose para a Fazenda Guarani, município de
Carmésia, em Minas Gerais, onde passou a viver na companhia dos Krenak.
Todavia os Guarani não se adaptaram a Minas Gerais, achavam a região muito fria.
Além do mais, não gostaram de viver longe do mar. Havia também o problema de
relacionamento com os outros grupos índigenas que viviam na Fazenda Guarani.
“Em Minas Gerais estávamos prisioneiros da FUNAI e dos morros” (Cacique de Boa
Esperança, conversa informal, março de 2007). No modo de ser guarani, existe um
horizonte de terra específico e constante, fora do qual esse povo não se adapta
viver. O mapa cultural guarani sobrepõe-se a um mapa ecológico que apresenta
certas constantes ambientais, tais como clima subtropical a tropical, topografia até
400 metros acima do nível do mar, de preferência nas margens dos grandes rios,
lagos e oceanos. As formações florestais são outra característica ambiental dos
espaços ocupados pelos Guarani (MELIÁ, 1999).
No ano de 1977, orientados por Tatati, voltaram novamente para a aldeia de
Caieiras Velhas, onde passaram a viver junto com o povo Tupinikim. Dois anos
depois, em 1979, passaram a ocupar uma área de mata, ao sul do território
tupinikim, próxima à foz do Rio Piraquê-açu, onde atualmente vivem. Na época em
que o grupo fundador mudou para a área que ocupam, a FUNAI interveiu querendo
retirá-los de lá, porque a Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) passou a reclamar a
área, afirmando ser proprietária da região. Porém, os Guarani não cederam e
acabaram conseguindo a posse da área.
Nos anos seguintes, continuaram chegando ao Espírito Santo mais famílias, assim
como aconteceu a partida de outras. Na década de 1980, uniu-se ao grupo fundador
da família extensa liderada por Tatati o grupo chefiado por Catarina Fernandes, que
migrou do Paraguai, passando pelo Paraná, e chegou ao aldeamento do Espírito
Santo (CICCARONE, 2001).
78
3.1.3 As aldeias guarani do Espírito Santo
Aracruz
ESPIRITO
SANTO
Figura 4 - Localização das aldeias guarani do município de Aracruz, no ES
Fonte: Folder da EEI de Aracruz.
Como já foi dito, no Espírito Santo, os Guarani compartilha o território de Caieiras
Velhas (Figura 4), com os Tupinikim, no qual estão localizadas as aldeias guarani de
79
Boa Esperança, Três Palmeiras e Piraquê-açu e duas aldeias tupinikim: Caieiras
Velhas e Irajá.13
De acordo com o senso demográfico realizado pela FUNAI, no ano de 2006,
encontravam-se vivendo nas três aldeias guarani do Espírito Santo um total de 251
pessoas, sendo cinco não-índias, duas tupinikim, 198 mbya e 46 nhandéva. São
nove famílias nhandéva e 55 famílias mbya vivendo distribuídas entre as três
aldeias. No trabalho de campo, constatamos que existem também pessoas do
subgrupo kaiová vivendo nas aldeias guarani do Espírito Santo, questão que não foi
considerada pelos funcionários da FUNAI responsáveis pela realização do censo
populacional das aldeias guarani.
A maior parte da população guarani do Espírito Santo tem menos de 26 anos de
idade. A distribuição dessa população segundo a faixa etária é apresentada na
Tabela 1.
TABELA 1
FAIXA ETÁRIA DA POPULAÇÃO GUARANI
DO ESPÍRITO SANTO
Faixa etária
Quantidade
Até 6 anos de idade
58
Entre 7 e 16 anos
82
Entre 17 e 26 anos
48
Entre 27 e 36 anos
28
Entre 37 e 46 anos
19
Entre 47 e 56 anos
04
Entre 57 e 60 anos
04
Mais de 60 anos
04
TOTAL
251
Na aldeia de Boa Esperança, vivem 18 famílias, sendo quatro nhandéva e 14 mbya.
Assim como em Três Palmeiras, as famílias nhandéva também ocupam os terrenos
da parte baixa da aldeia e as famílias mbya, os da parte alta. Essa aldeia, desde a
sua fundação, tem passado por grandes dramas, como aqueles provocados pela
morte de Tatati e Aurora, por graves problemas de desavenças políticas entre os
membros do grupo fundador, constados por Ciccarone (2001) e por nós, por meio do
trabalho de campo que realizamos. Durante as reuniões com os professores e outras
13
Na maioria dos casos, os Guarani possuem aldeias próprias, como aquelas localizadas no RS; PR,
SC, SP, RJ e MS, mas pode acontecer também situações nas quais grupos guarani se assentam em
terras pertencentes a outra etnia, como no Paraná, onde habitam terras kaigang ou Santa Catarina,
onde se assentam em terras xokleng.
80
pessoas da comunidade, há constantemente reclamações em relação à atuação de
Toninho, cacique da aldeia. Ele tem sido o motivo da mudança de muitas famílias
para as outras duas aldeias ou ainda para aldeias de outras unidades da Federação.
Na aldeia de Piraquê-açu, vivem oito famílias, de origem nhandéva, kaiová e, a
maioria mbya, liderados pelo cacique Pedro da Silva, Peru, que é casado com
Severina, da parcialidade nhandéva, o que de alguma maneira fortalece a situação
dos nhandéva. Essa aldeia está localizada em uma área de baixada litorânea, com
solos muito pobres, que estão sendo recuperados com a cultura de plantas
leguminosas, frutíferas, plantas medicinais, entre outros tipos de planta. As
residências guarani guardam grandes espaços entre elas e o entorno dessas
encontra-se já recoberto por uma densa vegetação, que nem de longe lembra o
antigo descampado.
Na aldeia de Três Palmeiras, vivem 33 famílias, sendo duas nhandéva e 31 mbya.
As duas famílias nhandéva ocupam a parte baixa do terreno da aldeia, que margeia
a rodovia, e as famílias mbya ocupam a parte alta, que se encontra recoberta de
Mata Atlântica. No ano de 2006, o cacique da aldeia era Marcelo, casado com uma
não-índia. Em 2007, o posto de cacique voltou a ser ocupado por Nelson, o antigo
cacique.
Assim como as outras aldeias guarani, as do Espírito Santo, “ilhas” dispersas
cercadas pela sociedade dominante, fazem parte da intensa e ramificada rede
territorial do povo Guarani que se estende pelos estados do Sudeste, Centro-Oeste
e Sul do Brasil e para outros países da América do Sul. Com a circulação dos
indivíduos e dos grupos familiares entre as aldeias é garantinda a manutenção das
trocas simbólicas e materiais. Também são reforçadas as relações de parentesco,
os vínculos afetivos, a coesão dos grupos, o controle das situações vitais, o apoio
recíproco, a solidariedade, o intercâmbio das experiências e a memória coletiva
(Ciccarone, 2001, p. 138).
As aldeias guarani do Espírito Santo interligam-se às outras do território guarani por
relações religiosas, políticas, econômicas e, principalmente de parentesco, e assim
garantem a mobilidade necessária para a reprodução física e cultural desse povo.
Os casamentos com pessoas de outras aldeias possibilitam a manutenção da rede
81
de relações entre as diversas aldeias guarani. Toninho (Vera Kwaray), cacique de
Boa Esperança, é casado com Cristina, filha de Orlando, cujo grupo familiar
participou da migração e da fundação da aldeia de Promirim (município de Ubatuba,
no litoral norte do São Pulo). Esse casamento foi um dos tantos que visavam ao
fortalecimento entre os grupos familiares migratórios (CICCARONE, 2001, p. 33).
Na sociedade guarani, há um grande incentivo para que os solterios se casem com
pessoas guarani. Como no Espírito Santo o grupo é muito pequeno e quase todos
são parentes consangüíneos, isso se torna um problema. Ouvimos muitas
reclamações, tanto por parte dos homens como por parte das mulheres guarani, pelo
fato de serem solteiros, quererem casar, e ao mesmo tempo não haver pessoas
disponíveis, uma vez que “todo mundo é parente” (Silvio, conversa informal, aldeia
de Boa Esperança, março de 2007), ou seja, faz parte da mesma família extensa.
Para conseguir uma pessoa guarani para casar, os interessados precisam viajar
para as aldeias de outros estados, tendo muitas vezes que passar um tempo fora,
muitas vezes acabam não retornando.
Cabe lembrar que a família fundadora das aldeias do Espírito Santo se estende
ainda por aldeias de outras unidades da Federação. Os laços entre as diferentes
aldeias são estabelecidos graças à permanente comunicação entre as comunidades
(tekoá) do território guarani (tokoá guassú), viabilizada por meio das visitas a
parentes ou das viajens de passagem, a meio caminho, entre uma comunidade e
outra (FUNAI, 1994).
A organização social a partir dos grupos domésticos ajuda a compreender o motivo
de as aldeias guarani do Espírito Santo possuirem como caciques os netos de Tatati.
Mesmo com todos os problemas políticos, o grupo doméstico formado pelos
descendentes de Tatati detém o controle das aldeias, mantendo, como já foi dito, as
famílias kaiová e nhandéva às margens da rede de trocas e reciprocidades existente
entre eles. Até mesmo a posição das casas kaiová e nhandéva dentro das aldeias é
um reflexo dessa posição, ou seja, as pessoas que não pertencem ao grupo
fundador são colocadas às margens sócioespaciais das aldeias.
Tradicionalmente, entre os Guarani, o líder político se confundia com a liderança
religiosa, porém é cada vez mais comum entre eles os poderes político e religioso
82
encontrarem-se separados. Contudo, nada os impede de manter a orientação
política esteja condicionada à prática religiosa de um líder espiritual que não aparece
pública ou politicamente. No Espírito Santo, isso foi comum no perído em que as
aldeias tinham como lider espiritual Tatati e, depois, Aurora sua filha.
Entre os Guarani, a organização social é definida pelas relações de parentesco. Os
grupos domésticos constituem também a unidade de produção e consumo. Isso não
impede que haja desavenças entre os membros da grande família, como aquelas
que resultaram na saída de famílias de Boa Esperança e na fundação da aldeia de
Três Palmeiras.
As sucessões políticas e religiosas entre os Guarani do Espírito Santo são marcadas
por conflitos que levam às migrações e ao surgimento de novas aldeias. A aldeia de
Três Palmeiras foi criada no ano de 1996, em conseqüência de uma briga entre
Nelson e Toninho (filho de Aurora), ambos, netos de Tatati, que levouo Nelson a se
mudar da aldeia, com sua família, para outra área do território, onde fundou a aldeia
de Três Palmeiras.
Já a aldeia de Piraquê-açu foi fundada no ano 2000, como estratégia dos Guarani
para impedir que o prefeito do município de Aracruz doasse uma área de 5 ha, na
foz do Rio Piraquê-açu, para a empresa Thotam Mineração Ltda. A pretensão era
construir as instalações necessárias para a secagem de sedimentos marinhos que
seriam retirados do fundo do mar na foz do Rio Piraquê-açu.
A área doada pela Prefeitura de Aracruz faz parte de uma área maior de 50,57 ha,
registrada em nome do município de Aracruz, no ano de 1999, que não foi incluída
no território de Caeiras Velha, porque o ex-prefeito de Aracruz, Primo Bitti, garantiu
às comunidades indígenas que essa região seria transformada numa reserva
biológica, posteriormente criada pela Lei Municipal n.º 994, de 14 de junho de 1986,
que recebeu o nome de Reserva Ecológica dos Manguezais Piraque-açu e Piraquêmirim. Assim sendo, a área doada à empresa Thotam Mineração Ltda., além de ser
uma propriedade indígena, é uma área de preservação ambiental.
83
A decisão dos Guarani de ocupar o terreno pretendido pela Thotham provocou uma
série de reações por parte da Prefeitura e da Empresa beneficiada. Para evitar a
situação de tensão e os riscos de desrespeito aos direitos indígenas e ambientais, a
FUNAI realizou estudos de identificação e delimitação da área de 50,57 ha, da qual
os índios voltaram a tomar posse.
Desde que foi fundada, em 2000, a aldeia Piraquê-açu passou a ter como cacique
Pedro da Silva, mais popularmente conhecido como Peru, o que acabou sendo um
arranjo providencial, uma vez que eram constantes os desentendimentos entre ele e
seus tios Jonas e Toninho e, conseqüentemente, com o envolvimento de suas mães.
Os Guarani do Espírito Santo estabeleceram relações sociais diversas, dependendo
do grupo de convívio. Como todos os povos indígenas, também esse subgrupo
afirma sua identidade étnica por meio das relações que estabelece, ou seja, com as
outras parcialidades guarani, com os Tupinikim e com os não índios.
Autodenominavam-se, fora do âmbito religioso, Guarani Nhandéva, numa
secção compreensiva do povo Guarani, apesar deles se considerarem os
mais puros (os verdadeiros). Perante os vizinhos Tupiniquins, eram índios
de verdade, Guarani, marcando as distâncias e as diferenças em relação à
população mestiça e aos índios com cabeça de branco. Os critérios
diacríticos dos Mbya em relação às outras parcialidades eram também
lingüísticos e principalmente religiosos, uma vez que a influência
missionária católica era considerada por eles um marco divisor,
simbolicamente representado pela cruz – “a opy (casa de reza) deles é
diferente, tem aquela cruz”. Em relação aos outros grupos Mbya, operavam
distinções lingüísticas internas ligadas às influências na língua cotidiana do
dialeto falado na sociedade branca local de origem, mas principalmente
ostentavam atitudes etnocêntricas, reivindicando para si uma condição de
superioridade cultural legitimada pela sacralidade de sua linhagem familiar,
representada pela líder xamânica (CICCARONE, 2001, p. 26- 27).
A demarcação da etnicidade do grupo fundador em confronto com as outras
parcialidades guarani e com o povo Tupinikim não impedia a convivência entre eles.
No caso das outras parcialidades guarani, como já foi dito, eles são aceitos na
aldeia, porém são mantidos em situação periférica, e isolados em relação à
organização da vida social.
Os Mbya chamavam os kaiova de paraguai, termo que indicava de modo
genérico diferenças lingüísticas e religiosas (“falam e rezam diferente da
gente”), mas que principalmente excluindo-os da identificação com os
nhandeva (nós inclusivo, nós agente), os identificavam com a população
mestiça do Paraguai, de onde começara a migração. Uma das principais
argumentações era de que os Kaiova adotavam um sistema de trabalho
agrícola familiar no modelo dos camponeses locais, em conflito com o
84
esquema dos multirões desenvolvido na aldeia, o qual agregava várias
unidades domésticas e que era voltado à produção coletiva. A exclusão da
rede de solidariedade e reciprocidade implicava a sua posição limite quanto à
participação nas decisões da aldeia e na distribuição dos recursos, principal
objeto de reivindicação dos Kaiova (CICCARONE, 2001, p. 26).
Cabe ressaltar, no entanto, que as desavenças entre os membros do grupo fundador
e os das parcialidades não eram empecilho à realização de casamentos entre eles.
Ciccarone (2001) registrou que, no começo dos anos 1990, um grupo guarani kaiova
vindos de Porto Lindo, no sul de Mato Grosso, migrou para a aldeia de Boa
Esperança após o casamento de uma mulher com um descendente da família de
Tatati. Novos casamentos continuam sendo realizados entre os descendentes do
grupos fundador com pessoas das outras parcialidades, como foi o caso do
professor Sílvio
que
em 2007,
desposou
uma ñhandéva. Essas
uniões
conjugaisacontecem principalmente pela falta de pessoas disponíveis para
casamento.
Os Guarani do Espírito Santo enfrentaram e continuam enfrentando conflitos em
suas relações com os Tupinikim, com quem compartilham o território desde a
década de 70 do século XX. As relações entre os Tupinikim e os Guarani, em todos
esses anos, têm sido marcadas tanto pelos conflitos, quanto pelas alianças.
No trabalho de campo, os mais velhos afirmaram que os Tupinikim apresentavam
resistência à permanência deles no território de Caieiras Velhas. Mesmo após tantos
anos de convívio, é comum ainda os Guarani ouvirem dos Tupinikim que eles vivem
de favor e que as terras ocupadas por eles são emprestadas. O princípio da posse
imemorável das terras pelo povo Tupinikim, invocado pelas organizações
indigenistas governamentais e não governamentais, no pleito pela demarcação das
terras indígenas, concorreu ainda mais para o fortalecimento das representações do
povo Tupinikim em relação ao grupo guarani. Os conflitos entre esses dois povos
dão-se também em função dos recursos naturais existentes nos territórios,
principalmente em relação ao uso da mata e do rio, além do repasse de recursos
destinados a eles.
As diferenças nos costumes são utilizadas em momentos de desavença para marcar
a etnicidade de cada um dos dois grupos. É comum os Guarani criticarem os
Tupinikim, porque comem mariscos, principalmente o goiamum. No entanto, os
85
Tupinikim, por sua vez, criticam os Guarani, porque comem preás. As ofensas
costumam ser mútuas, “os Guarani falam que os Tupinikim não são mais índios e os
Tupinikim dizem que os Guarani são chegantes” (conversa informal). Assim, torna-se
perceptível que tanto os Tupinikim como os Guarani constroem e reconstroem suas
identidades étnicas no contexto de suas inter-relações sociais (Villar, 2004).
Assim como as rivalidades, as alianças entre o povo Tupinikim e o povo Guarani
apresentam
“limites
negociados
em
contextos
precisos”
(VILLAR,
2004),
principalmente ao desenvolver sua interação com os não-índios. As alianças entre
os Guarani e os Tupinikim dão-se principalmente quando se trata da luta pela terra,
na conquista de benefícios para as aldeias (assistência médica, educação por
exemplo.) e nos enfrentamentos em relação ao Estado, principalmente a FUNAI.
O povo Guarani esteve junto ao povo Tupinikim em praticamente todas as decisões,
inclusive nas diversas vezes em que se tomou a decisão de iniciar os processos
autodemarcatórios do território que hoje se encontra ocupado pelos eucaliptos da
empresa Aracruz Celulose. Como já foi dito anteriormente, no território onde estão
localizadas as aldeias guarani existem também duas aldeias tupinikim (Caeiras
Velhas e Irajá). As outras aldeias tupinikim (Pau Brasil e Comboios) estão
localizadas em outros territórios descontínuos a este. A fragmentação do território
desses dois povos deu-se em função da invasão pela empresa Aracruz Celulose,
para o plantio de eucalipto, no final da década de 60 do século XX. Em função dessa
invasão, o povo Tupinikim e o povo Guarani travaram uma luta com essa Empresa
por mais de quatro décadas.
A questão territorial só foi resolvida em 2007, quando o ministro Tarso Genro, da
Justiça, assinou e mandou publicar no Diário Oficial, no dia 28 de agosto de 2007, a
portaria que estabelece a posse permanente do povo Tupinikim e Guarani sobre
11.009 ha. de terras pleiteadas.
A vitória na luta pela terra não significa de imediato a melhoria das condições de
existência materiais dos Guarani uma vez que essas terras encontram-se bastante
degradadas, por terem sido usadas para o plantio de eucaliptos. Os Guarani do
Espírito Santo, historicamente, vêm enfrentando grandes dificuldades materiais, uma
vez que não tem conseguido garantir a subsistência por meio da agricultura, da caça
86
e da pesca. Com os solos exauridos, torna-se cada vez mais difícil a produção de
milho guarani e de outros produtos agrícolas.
Outro problema enfrentado por esse povo são as mudanças climáticas. A foto
abaixo, tirada em 9 de novembro de 2007, é um flagrante das conseqüências da
falta de chuvas, que deveriam ter começado a precipitar em setembro.
Figura 5 – Milharal.
Fonte: Arquivo da pesquisadora.
Os poucos recursos financeiros que eles adquirem vêm de verbas, como, por
exemplo, aposentadorias, Bolsa Família, e da venda do artesanato realizada num
quiosque na entrada da aldeia, nos balneários, durante as viagens deles à capital e
a outras cidades.
87
Figura 6 - Cabana para venda de artesanato
Fonte: Arquivo da pesquisadora.
Figura 7 - Artesanatos guarani
Fonte: Arquivo da pesquisadora.
A dificuldade na aquisição dos alimentos sagrados prejudica a reprodução do modo
de ser guarani:
Ao contrário de uma economia de consumo, o alimento revestido do valor da
dádiva divina é um veículo fundamental da renovação da memória, da
fabricação da sociedade, da pessoa e do seu corpo. A busca do ideal
indígena da leveza do corpo era garantida tanto pelos exercícios rituais
quanto por uma dieta alimentar que obedecia às prescrições culturais, em
função da resistência física e do fortalecimento do temperamento ligado à
88
alma divina. O alimento verdadeiro permite a manutenção do equilíbrio do
indivíduo, dos homens entre si e com os mundos terreno e divino. Por isso
também, todas as fases críticas da vida social (nascimento, parto, iniciação,
doenças, morte) são cercadas de tabus e restrições alimentares
(CICCARONE 2001, p. 38).
Alguns alimentos são considerados sagrados para o povo Guarani. O consumo
deles, aliado a outros costumes, pode propiciar saúde e alegria, por exemplo: “caça,
peixe, mel, frutas, milho, água boa que vem da terra, nossos remédios tradicionais,
comer nossos alimentos, tomar banho de rio, ser livre, correr, dançar na casa de
reza, pois isso é que traz o sorriso, a força.” (JONAS apud CICCARONE 2001, p.
57).
Do ponto de vista dos Xamãs, o consumo de alimentos sagrados é tão importante
quanto o respeito a qualquer princípio do modo de ser guarani. Dispondo de um
pequeno território que apresenta poucos recursos naturais, os Guarani do Espírito
Santo, para sobreviverem dependem cada vez mais de recursos de fora da aldeia, o
que os força cada vez mais aos contatos interétnicos. O problema enfrentado pelos
Guarani no Espírito Santo está relacionado não somente ao tamanho, mas também
às condições ambientais do território.
3.2 OS ESPAÇOS-TEMPOS DA PESQUISA
A presente pesquisa foi realizada nas duas escolas existentes nas aldeias guarani,
14
sem desconsiderar, contudo, outros espaços da comunidade educativa guarani,
como a casa de reza e as cabanas, estas últimas utilizadas como extensão da
escola e também como espaço de convívio e reuniões da comunidade.
A EMPI Boa Esperança, localizada na aldeia de mesmo nome, foi construída pela
SEDU e entregue à Prefeitura de Aracruz no ano de 1987. Essa escola era
classificada pela SEDU como sendo uma escola rural, portanto, o seu prédio foi
14
Na aldeia de Piraquê-açu não existe escola; os alunos desta aldeia estudam na EMPI Três
Palmeiras
89
construído seguindo um padrão típico dessas escolas, tendo uma sala de aula, uma
cozinha, um depósito15 e dois banheiros. No ano de 2004, essa escola ganhou um
anexo em forma de cabana, onde funciona a pré-escola.
A EMPI Boa Esperança encontra-se localizada no terreno de menor altitude da
aldeia, longe da área residencial. Segundo a professora Aciara (2006),16 na época
em que ela foi construída, as famílias moravam em seu entorno. Como é costume do
seu povo, as pessoas com o tempo foram mudando para outra parte do território.
Segundo Ciccarone (2001), o deslocamento da habitação é para o povo Guarani
uma estratégia no processo de enfrentamento de crises, conflitos e de situações de
perigo (a ameaça dos espíritos dos mortos). A mobilização é, então, recriadora da
configuração do espaço social.
Figura 8 – EMPI Boa Esperança.
Fonte: Arquivo da pesquisadora.
A EMPI Três Palmeiras, localizada na aldeia, foi instituída legalmente em 2000. O
prédio onde funciona foi construído graças a uma parceria entre a Prefeitura
Municipal de Aracruz, a Igreja Metodista, a FUNAI e a empresa Aracruz Celulose. A
escola foi ampliada em 2004 pela Prefeitura de Aracruz.
15
Esse depósito foi criado a partir da desativação da segunda sala de aula existente na escola, que
foi utilizada até o ano de 2003 por uma das professoras contratadas pela FUNAI.
16
Aciara Carvalho, membro da família fundadora e neta de D. Aurora, é moradora da aldeia e
trabalha como professora na aldeia de Boa Esperança.
90
Figura 9 - EMPI Três Palmeiras
Fonte: Arquivo da pesquisadora.
No município de Aracruz, a partir de 2006, o Ensino Fundamental passou de oito
para nove anos de duração. As crianças freqüentam a pré-escola dos quatro aos
cinco anos e, a partir dos seis anos, são matriculadas na fase introdutória do Ensino
Fundamental.
No ano de 2007, o atendimento aos alunos pela EMPI Boa
Esperança e pela EMPI Três Palmeiras era da pré-escola ao 9.º ano; na primeira
escola funcionava uma turma de pré-escola e outra de 1.º e 2.º anos e na segunda
cinco turmas: uma de 1.º e 2.º anos, uma de 3.º e 4.º anos, uma de 5.º ano, uma de
6.º, outra de 7.º e outra de 8.º ano. Como as turmas do 6.º ao 9.º ano estavam sendo
criadas paulatinamente, só passou a ter turma de 9.º ano em 2008.
Em 2007, da pré-escola ao 5.º ano, havia um professor atuando por turma; a partir
do 6.º ano havia um professor para cada disciplina escolar; da pré-escola ao 5.º ano
todos os seis professores eram guarani, três deles (Silvio, Alberto e Sandra),
atuavam na EMPI de Três Palmeiras; duas professoras (Aciara e Joana), na EMPI
Boa Esperança e o professor Mauro exercia a função de coordenador pedagógico
das duas escolas. Os professores que atuam nas séries finais do Ensino
Fundamental (6.º ao 9.º ano) são todos tupinikim, à exceção do professor Mauro,
que atuava também como professor de Língua Guarani de 6.º ao 9.º ano.
91
GRADE CURRICULAR DO 6º ANO 9º ANO
Nº
DISCIPLINA
PROFESSOR
FORMAÇÃO
ORIGEM ÉTNICA
1
Língua Guarani
Mauro
Pedagogia
guarani
2
Língua Portuguesa
Marilza
Bacharelado em Secretariado
tupinikim
3
Língua Inglesa
Marilza
Bacharelado em Secretariado
tupinikim
4
Matemática
Wellington
3º período de Contabilidade
tupinikim
5
Ciências
Eli
3º período de Eng. Química
tupinikim
6
Geografia
Leidiane
Magistério superior indígena
Tupinikim
7
História
Evandro
8º período de Direito
Tupinikim
8
Educação Física
Leandro
3º período de Ed. Física
Tupinikim
9
Educação Artística
Jocelino
Pedagogia
Tupinikim
Quadro 1: grade curricular da EMPI Três Palmeiras
As ecolas das aldeias adotam o mesmo calendário e a grade curricular das outras
escolas do Sistema Municipal de Ensino de Aracruz, exceção feita para a disciplina
Língua Guarani, como pode ser constado no quadro 1:
3.3- INSTRUMENTOS DA PESQUISA
Os instrumentos utilizados para a coleta de dados desta pesquisa foram as
entrevistas,
observações
e
a
análise
documental,
atividades
realizadas
simultaneamente e de forma complementar uma às outras, conforme vem
apresentado a seguir.
92
3.3.1 Observações e entrevistas
As observações associadas às entrevistas foram realizadas principalmente nos anos
de 2006 e 2007. As observações foram realizadas nos espaços freqüentados pela
comunidade educativa guarani, como as escolas e as cabanas das aldeias. Fora das
aldeias, as observações foram realizadas durante as reuniões de formação e
planejamento promovidas pela SEDU e pela SEMED com os professores tupinikim e
guarani em Aracruz-ES e também nas etapas de formação e reuniões de
planejamento do Curso de Magistério Indígena Guarani.
As entrevistas foram realizadas concomitantemente com as observações e, na maior
parte das vezes, aconteciam quando era necessário esclarecer alguma dúvida ou
ouvir o ponto de vista de alguém sobre um determinado assunto.
Foram realizadas entrevistadas com pessoas dos diversos segmentos da sociedade
guarani (pais, alunos, professores, lideranças). A decisão de considerar os diversos
segmentos da comunidade educativa guarani se deu principalmente em função das
críticas feitas aos pesquisadores que têm ouvido apenas as lideranças, caciques e
professores indígenas nos trabalhos sobre EEI. (PALLADINO, 2000). Outro
elemento que contribuiu para que se tomasse a decisão de levar em consideração
os diversos segmentos da sociedade guarani foi que, mesmo trabalhando com a
formação dos professores guarani desde o ano de 1997, tínhamos, até o ano de
2006, pouco contato com os moradores das aldeias guarani. Isso porque os cursos
de formação e as reuniões do Subnúcleo de Educação Escolar do NISI acontecem
geralmente em Aracruz, sede do município, ou na aldeia de Caieiras Velha, das
quais, na maioria das vezes, participam apenas professores, lideranças e caciques
das aldeias.
Também foram realizadas entrevistas com as professoras e outros funcionários da
FUNAI, técnicos da SEDU e da SEMED e integrantes do IDEA, do CIMI e da
Pastoral Indigenista.
93
No período de observações e entrevistas visitvámos as aldeias semanalmente,
geralmente às terças-feiras, dia de planejamento e estudo dos professores guarani.
Chegávamos à aldeia de Três Palmeiras pela manhã, conversávamos com o
pedagogo e os professores, visitávamos as salas de aula ou sentávamos em um dos
bancos da cabana que fica localizada ao lado da escola. Na parte da tarde
participávamos das reuniões do planejamento da pré-escola ao 5.º ano e da
discussão da proposta curricular, que normalmente aconteciam na escola de Boa
Esperança.17 Outras vezes permanecíamos na aldeia de Três Palmeiras e
visitávamos as salas de aula de 6º ao 9º ano, conversávamos com os professores
ou sentávamos na cabana para conversarmos com as pessoas que lá estavam.
A cabana da aldeia de Três Palmeiras (Figura 10) é um linda construção de madeira,
de cerca de 100m². Funciona como local de reuniões e, como já foi dito, é também
uma extensão da escola, utilizada por alunos e professores para trabalhos de grupo,
aulas de canto e dança, jogos, entre outras atividades. O local é o principal ponto de
encontro da aldeia, o que facilitou a aproximação com seus
moradores e o
entrosamento com eles.
Figura 10 – A cabana e a EMPI Três Palmeiras.
Fonte: Arquivo da pesquisadora.
17
Os planejamentos dos professores de 6.º ao 9.º ano eram realizados aos sábados na aldeia de
Caieiras Velhas.
94
Nas conversas com as pessoas a opção foi não utilizar nenhum equipamento
eletrônico (gravadores, filmadoras), para não intimidar as pessoas e para não
quebrar o clima da conversa. As anotações, quando necessário e oportuno eram
feitas em um caderno.
Certas decisões precisam ser tomadas antes da entrevista. Em primeiro
lugar, que equipamento deve ser utilizado? Numa pequena parte de
contextos, a melhor resposta é: nenhum. O simples ato de tomar notas, para
falar no uso pode despertar a suspeita em algumas pessoas. (Thompson,
1992, p. 264).
Algumas vezes, o registro escrito das conversas, era passado para o computador.
As informações obtidas eram também registradas e algumas vezes se integravam
logo ao textos com os dados de pesquisa, uma vez que ajudavam a esclarecer
algum ponto da narrativa que estava sendo construída.
“Um entrevistador
qualificado pode aprender a reter o suficiente das informações principais e das
frases essenciais para lançá-las no papel logo depois, e fazer uma entrevista que
valha a pena” (THOMPSON, 1992, p. 264).
Outra preocupação foi de não ir às aldeias apenas para colher informações,
pesquisar, produzir a tese sem em nada contribuir. A contribuição consistiu em
ajudar ao grupo de professores que atuavam nas aldeias, no planejamento, na
discussão e elaboração da proposta curricular para as escolas.
Essa colaboração, que incialmente foi oferecida apenas como uma contrapartida
para o povo Guarani, acabou favorecendo também o trabalho de pesquisa, uma vez
que, ao participar do planejamento com os professores e ao construir a proposta
curricular com eles e a comunidade, puderam ser conhecidas várias questões, que
talvez não viessem à tona tão facilmente nas observações e entrevistas.
Como afirma Laville e Dionne (1999), a riqueza da integração do pesquisador ao
meio promove o acesso a informações inacessíveis de outra forma, a informações
que os sujeitos não forneceriam voluntariamente, ou de que às vezes nem têm
consciência plena, já que os comportamentos reais são muitas vezes distantes dos
comportamentos verbalizados registrados em entrevistas, em análise documental ou
num questionário.
95
Outro compromisso firmado com os professores foi de que seus nomes seriam
mantidos no relatório de pesquisa somente se concordassem com o que tinha sido
escrito; caso contrário, seus nomes seriam seriam omitidos ou substituídos por
outros fictícios. Os professores concordaram com a utilização de seus nomes após a
leitura do relatório de pesquisa, atividade realizada com os seis professores guarani
nos dias 4 e 5 de dezembro de 2007, na EMPI Boa Esperança.
Como dispúnhamos apenas de dois dias para a realização da leitura demos
prioridade à parte do texto que tratava dos sujeitos e do local da pesquisa, ao
Capítulo V, que aborda mais diretamente a questão educacional nas aldeias. Foi
grande o interesse dos professores guarani pela atividade, a ponto de preferirem,
na parte da tarde do primeiro dia, continuar lendo o texto a irem participar de uma
formação oferecida pela SEMED, troca que foi negociada com esta instituição pelo
professor Mauro. A argumentação dos professores guarani foi de que a pesquisa
poderia contribuir para que eles pudessem repensar suas práticas e a proposta de
educação das escolas das aldeias.
A leitura do relatório de pesquisa foi realizada coletivamente e quando alguns dos
professores discordavam de alguma questão, esta passava a ser discutida. Um dos
professores discordou de ser apontada como uma das causas da evasão escolar
feminina a proibição por parte dos maridos após o casamento. As professoras
presentes confirmaram o que estava escrito no relatório e disseram que,
infelizmente, era verdade. Durante a leitura do relatório, foi grande a preocupação
dos professores em reafirmar a etnicidade guarani, por isso discordaram do fato de
as famílias de outras parcialidades guarani (kaiova e ñhandeva) serem mantidas às
margens da rede de trocas e reciprocidades existente entre os membros do grupo
fundador das aldeias do Espírito Santo. Os professores guarani sentiram-se
incomodados com as informações sobre as desavenças existentes nas aldeias e as
rivalidades entre eles e os tupinikim, mas concordaram com o que estava escrito
dizendo: “Fazer o quê? Isto é verdade mesmo”!
Mesmo discordando de algumas questões e sentido-se incomodados com outras, os
professores aceitaram que, no relatório de pesquisa, fossem mantidos seus nomes.
O professor Alberto acrescentou: “É bom mesmo usar o nosso nome, assim vamos
entrar para a história”. Disseram ainda que queriam ajuda na elaboração de um
96
documento com o diagnóstico da situação da educação escolar das aldeias e
também com suas principais reinvidicações para
serem discutidas com a
comunidade e encaminhadas à SEDU e à SEMED.
As principais reivindicações das aldeias guarani explicitadas no documento foram: 1)
Criação de Núcleos de Educação Indígena nas secretarias do Estado e do Município
de Aracruz; 2) criação de assessoria pedagógica por parte da SEMED e da SEDU
na elaboração do Projeto Político Pedagógico (PPP) das escolas das aldeias; 3)
garantia de maior autonomia pedagógica e administrativa das escolas guarani, assim
como da sua especificidade étnica; 4) construção de uma nova unidade escolar; 5)
garantia de formação inicial e continuada diferenciada para os professores guarani,
de modo a permitir a implementação do novo currículo e a produção de materiais
didáticos próprios para as aldeias guarani; 6) construção de um calendário
diferenciado para as escolas guarani e 7) participação dos professores na
elaboração das avaliações diagnósticas aplicadas pela SEMED nas escolas guarani,
para que se garantam as particularidades culturais do povo Guarani.
3.3.2 Análise documental
Concomitantemente ao trabalho de campo nas aldeias guarani foi realizada uma
leitura crítica dos documentos (GINZBURG, 2004) relativos à questão indígena na
América Latina e no Brasil, à EEI, ao povo Guarani e à EEI guarani no Espírito
Santo.
Foram lidos documentos e publicações acerca da questão indígena, dos movimentos
dos povos indígenas e a legislação indigenista da América Latina. Sobre a questão
indígena no Brasil, foram lidos os documentos e publicações produzidos pelas
instituições governamentais, como o Congresso Nacional, o MEC, a FUNAI e pelas
instituições não-governamentais de apoio a causa indígena, como o CIMI, a
Comissão Pró-Índio de São Paulo (CPI/SP), o Centro de Trabalho Indigenista (CTI),
entre outras que estiveram ou estão envolvidas no processo de institucionalização
97
das políticas públicas que levem em consideração a diversidade cultural dos povos
indígenas. Também foram lidos os documentos produzidos pelas organizações
indígenas.
As informações sobre o povo Guarani foram levantadas em documentos produzidos
pelos órgãos governamentais indigenistas e nos escritos de autores que se têm
dedicado ao estudo desse povo. Esses dados foram também confrontados com os
dados coletados no trabalho de campo.
Foram
analisados
também
os
documentos
gerados
no
processo
de
institucionalização do Programa de EEI Guarani do Espírito Santo, tais como atas de
reuniões, relatórios das atividades desenvolvidas, correspondências expedidas e
recebidas pelo Subnúcleo de Educação do NISI/ES18 e pelos parceiros envolvidos
no processo (FUNAI, SEMED, SEDU, IPE, Pastoral Indigenista e CIMI), projetos e
relatórios de atividades dos cursos de formação inicial e continuada e outros.
Como é o povo guarani que está diretamente relacionado com esta pesquisa, foi
feita a leitura dos documentos relativos ao Programa de EEI Tupinikim e Guarani
levantando as informações diretamente relacionadas aos sujeitos da pesquisa, ou
seja, o povo Guarani.19.
As representações dos Guarani do Espírito Santo acerca da educação escolar foram
registradas por Silva (1994) e Ciccarone (2001). Estas também encontram-se
registradas nas atas das reuniões sobre a educação escolar realizadas nas
comunidades, entre os anos de 1996 a 2006. Os dados levantados a partir das atas
das reuniões, além de serem utilizados nesta pesquisa, contribuíram também para a
construção da proposta currícular escolar das aldeias guarani.
Essas reuniões foram realizadas nas aldeias indígenas de Três Palmeiras, Boa
Esperança, no Subnúcleo de Educação do Núcleo Interinstitucional de Saúde
Indígena (NISI/ES) e em espaços onde estava acontecendo a formação dos
professores guarani. Os dados apresentados nas atas foram assim agrupados: papel
18
O NISI/ES foi criado através da Portaria Municipal nº. 4.158/94 e se constitui em uma instância
consultiva, que assessora e articuladora as instituições/organizações responsáveis pelo cumprimento
da Política Indigenista voltada para o desenvolvimento sócio-econômico e cultural dos tupinikim e
guarani das aldeias localizadas no município de Aracruz-ES.
19
Para maiores esclarecimentos sobre as ações relacionadas aos Tupinikim no contexto do programa
de educação, recomendamos a leitura dos trabalhos de Cota (2000) e Jesus (2002).
98
a ser desempenhado pela escola na sociedade guarani; princípios que devem
nortear a educação escolar guarani; metodologia a ser utilizada no ensinoaprendizagem e os conteúdos a serem ensinados.
As atas priorizam a fala dos caciques e lideranças, o que é compreensível, uma vez
que, entre os Guarani do Espírito Santo, raramente os líderes religiosos, as
mulheres e os jovens falam, ou são os primeiros a se pronunciarem em reuniões
públicas, principalmente quando há a participação de não-índios. Isso não significa
que essas pessoas nunca se pronunciem. Em algumas reuniões em que
participamos, constatamos que algumas mulheres se pronunciaram, mas não
percebemos manifestações de jovens ou crianças em relação a alguma questão. Em
março de 2007, por exemplo, numa reunião de pais, na aldeia de Três Palmeiras,
uma senhora fez uma argumentação de quase uma hora, rebatendo a opinião de um
professor de que os alunos que estudavam em um turno não deveriam ir à escola no
turno seguinte para se alimentar. Indagados sobre o que a mulher falara em guarani,
os professores, como acontece nesses casos, não traduziram, apenas repetiram a
idéia principal do assunto, dizendo que ela perguntava por que as crianças não
podiam comer em outro turno, se estavam com fome, lembrando o fato de que a
escola é diferenciada. Essa questão ficou sem ser respondida, mas certamente
voltará a fazer parte da pauta de futuras reuniões.
Outro aspecto interessante de se registrar em relação às reuniões guarani é que, às
vezes, muitos dos participantes dão a impressão de que não estão interessados no
assunto, pois ficam sentados um pouco mais afastados, fumando cachimbo, fazendo
artesanato ou conversando. No entanto, reagem à fala dos expositores com risos e
conversas na língua materna em tom mais baixo.
3.3.3 Análise dos dados
A sistematização dos dados obtidos por meio das observações, entrevistas e
análise documental foi feita com base nas questões específicas previstas no projeto
99
de pesquisa e em outras que surgiram no percurso, que visavam a contribuir para a
compreensão da questão norteadora da pesquisa, ou seja, “Como se tem se dado o
processo de escolarização dos Guarani do Espírito Santo no contexto da história da
educação escolar brasileira e das políticas públicas instauradas no Brasil a partir da
promulgação da Constituição Federal de 1988?
Nessa fase da pesquisa, produziu-se um relatório dividido em quatro capítulos. No
primeiro deles foram analisadas as questões sobre as transformações do conceito
de cultura e as mudanças eclesiais em relação aos povos indígenas transformações,
que se processaram no âmbito da Igreja Católica.
No segundo capítulo foram organizadas as informações sobre o histórico da
institucionalização dos direitos dos povos indígenas no Brasil e na América Latina,
destacando-se
os
seguintes
aspectos:
1)
a
República
e
questão
da
Institucionalização de políticas públicas indígenas no Brasil; 2) movimentos políticos
instituintes a partir da década de 1970; 3) a Assembléia Nacional Constituinte; 4) a
ratificação da Convenção 169; 5) reformulação do Estatuto do Índio; 4) a Lei de
Diretrizes e Bases da Educação Nacional e outras legislações relacionadas; 5) a
legislação escolar indígena nos estados brasileiros onde há grupos guarani; 6) o
direito constitucional indígena na América Latina
No terceiro capítulo foram reunidas as informações sobre o povo Guarani assim
sistematizadas: 1) a situação sócioespacial do povo Guarani na América do Sul e os
elementos diacríticos da cultura deste povo; 2) educação guarani; 3) educação
escolar guarani; 3) as relações interétinicas estabelecidas pelos Guarani do Espírito
Santo; 4) organização econômica e sócio-espacial guarani no Espírito Santo; 5) As
questões territoriais enfrentadas pelos Guarani no Espírito Santo.
No quarto capítulo do relatório foram reunidas as informações sobre o processo de
escolarização e o Programa de EEI Guarani do Espírito Santo, que foram agrupadas
em quatro blocos: 1) As escolas das aldeias; 2) Sujeitos da educação indígena; 3)
Currículo e práticas educativas; e 4) Gestão e financiamento.
Foram levantados dados acerca da construção e da institucionalização das escolas
das aldeias assim como fotos antigas dos prédios escolares. Em relação aos sujeitos
da educação foram levantadas as representações dos Guarani do Espírito Santo
100
acerca da educação escolar; a formação dos professores, assim como do processo
de professoralidade deles. Foram levantados também dados estatísticos e
demográficos sobre os alunos.
As informações acerca das representações dos Guarani do Espírito Santo sobre a
educação escolar foram assim sistematizadas: papel a ser desempenhado pela
escola na sociedade guarani; princípios que devem nortear a educação escolar
guarani; metodologia a ser utilizada no ensino-aprendizagem e os conteúdos a
serem ensinados.
As informações sobre a formação dos professores guarani do Espírito Santo foram
organizadas segundo os cursos que participaram, ou seja, os Seminários de
Formação (1994/1999, o Curso de Formação de Educadores Tupinikim e Guarani
(1996/1999), o Curso de Formação de Professores Guarani e a formação
continuada.
Em relação ao currículo, levantamos as informações disponíveis sobre o processo
de construção da proposta curricular diferenciada das escolas guarani.
As informações em relação à gestão e financiamento da educação escolar das
aldeias guarani do Espírito Santo foram sistematizadas da seguinte maneira: 1)
elaboração de projetos para captação de recursos, construção e reforma de escolas;
2) contratação de professores e demais funcionários; 3) concurso público
diferenciado; 4) compra de material didático e pedagógico, material de limpeza e
equipamentos para as escolas; 5) fornecimento de merenda e transporte escolar
dentro do próprio município e para outros (Escolas Família Agrícola) e 6) elaboração
de propostas de políticas públicas.
Após a produção dos dados, estes foram apresentados à comissão examinadora
para a segunda qualificação. Na época, o professor Ferraço, membro da comissão
fez a seguinte indagação: “Mas, afinal, em que consiste a diferença da educação
escolar guarani em relação àquela destinada aos não-índios?” Essa pergunta foi
bastante preocupante, uma vez que os programas de EEI têm por princípio serem
específicos e diferenciados, interculturais e bilíngües, e também porque segundo
Bordieu (1989) existir socialmente é ser percebido como distinto. Tentamos levar em
consideração a questão formulada pelo professor Ferraço na análise dos dados e
101
também as leituras antropológicas sugeridas pela professora Celeste, outro membro
da comissão.
Apesar de ser aparentemente simples a resposta à pergunta do professor Ferraço,
na realidade não é, uma vez que, por um lado, se dissermos que não há diferença
entre educação escolar guarani e aquela destinada aos não-índios estaremos
desconsiderando todo o esforço das comunidades indígenas, dos professores, das
organizações não governamentais e dos técnicos governamentais que trabalham
nesse Programa e para que ele aconteça. Por outro lado, afirmar que há um
Programa de EEI guarani diferenciado seria igualmente imprudente, visto que isso
não ajudaria muito no processo de institucionalização desse Programa. A saída
encontrada para esse impasse foi pensar a escolarização e a EEI guarani como
processos históricos; o Programa de EEI Guarani e as escolas das aldeias guarani
como espaços de fronteira (TASSINARI, 2001).
Para evitar confusões terminológicas, usamos o termo “processo de escolarização
guarani”, ao nos referirmos ao período que inclui tanto a educação escolar ofertada
pela FUNAI quanto a EEI indígena. Utilizaremos o termo EEI guarani apenas para as
ações realizadas visando à construção da educação diferenciada nas aldeias
guarani do Espírito Santo.
Como processos históricos, a escolarização e a EEI guarani encontram-se
relacionadas a vários outros processos, sofrem algumas transformações e também
alguns atravessamentos.
Os processos de escolarização e de institucionalização da EEI guarani no Espírito
Santo encontram-se relacionados a vários outros processos, tais como à luta desse
povo, pelo reconhecimento de seus direitos, ao movimento nacional dos povos
indígenas, ao apoio das organizações indigenistas pela institucionalização de
políticas públicas que levem em consideração a questão da diversidade étnica.
Também como processos históricos, a questão da escolarização e da EEI guarani
apresentam algumas transformações e várias permanências: “É preciso sempre
atentar que as experiências instituintes não são frutos de idéias miraculosas,
espetaculares e inaugurais, que surgem de uma hora para outra” (LINHARES, 2002,
p. 119).
102
Ainda como processos históricos, a escolarização e a institucionalização da EEI
guarani sofrem diversos atravessamentos, tais como a cultura desse próprio povo e
os problemas territoriais vividos por eles.
Como espaços de fronteira, as escola e o Programa de EEI Guarani podem ser
considerados como espaços de contato onde afloram as tensões entre a pedagogia
indígena e a pedagogia ocidental e também entre o Estado e os Guarani que luta
pela conquista de seus direitos. São também espaços de índios e de não-índios e,
assim, espaços de angústias, incertezas, mas também de oportunidades e de
criatividade.
103
CAPÍTULO IV
4 MOVIMENTOS SOCIAIS DOS POVOS INDÍGENAS
A força de movimentos políticos instituintes não está nas decisões que uma
assinatura pode legalizar. Sem prescindir desses gestos, entendemos que
sua validade e legitimação vêm de movimentos históricos que carregam
sonhos, desejos e projetos de saberes e conhecimentos, de fazeres e
poderes que foram marginalizados e até interditados em outros períodos,
clamados por serem reapropriados para a pavimentação de uma outra
cultura, sustentada de forma mais plural e emancipatória (LINHARES, 2002
p. 119).
Após ter sido abordada a questão da mudança de paradigmas em relação à
concepção de cultura e, conseqüentemente, em relação aos povos indígenas, faz-se
necessário tentar compreender as inter-relações e as implicações (HOBSBAWM,
1995, 1998) dessas mudanças no processo de institucionalização de políticas
públicas que garantam os direitos dos povos indígenas, especialmente no âmbito da
educação escolar. É preciso adaptar as idéias do texto em epígrafe com a situação a
ser analisada - a institucionalização das políticas públicas -, que leva em
consideração a diversidade étnica.
Pode-se dizer que a força dos movimentos
políticos constituintes emana dos povos indígenas, de suas organizações e do apoio
das organizações indigenista.
A EEI encontra-se incluída como parte dos direitos sociais em diversas constituições
dos países, presente como tema nas declarações e convênios internacionais,
incorporada às metas de políticas públicas educacionais em muitos países da
América Latina. As constituições da Argentina, da Venezuela, do Equador, do
México e do Peru garantem aos povos indígenas o direito a uma educação bilíngüe
e intercultural. As constituições da Colômbia, do Paraguai, da Guatemala e do
Panamá asseveram aos povos indígenas também o direito a uma educação
bilíngüe. No caso da Colômbia e do Paraguai, é garantido também que a educação
escolar respeite a identidade cultural dos povos indígenas. A constituição da
104
Nicarágua afirma que os índios deverão ter acesso a uma educação na língua
materna.
A oficialização da EEI é produto de influências de vários níveis, desde as locais,
ligadas aos movimentos ambientais e sociais, até as internacionais. O seu
desenvolvimento e difusão como nova modalidade dos sistemas nacionais de
educação puderam ser alcançados por meio de redes de comunicação em vários
níveis inter-relacionados, além de contatos intensificados em âmbitos internacionais.
O maior movimento para a Educação Intercultural e Bilíngüe originou-se
localmente nas próprias comunidades quando buscou alternativas à
educação formal, entendida como ameaça à maneira de os povos indígenas
serem, pensarem e fazerem. Em forma de uma grande rede, ao lado de
outros movimentos sociais e assessores, as populações indígenas
formaram no continente americano um grande movimento social. Contaram
para isso com o apoio de alguns setores dos meios de comunicação e de
acadêmicos, entidades privadas, agências humanitárias, organismos
governamentais e de direitos humanos, para o reconhecimento dos direitos
de novas formas de educação escolar. O movimento rejeitou o
assimilacionismo como política pública e inscreveu a diversidade como
marca de uma nova forma de direito social. (MONTE, 2001, p. 31).
Uma das principais características da luta dos povos indígenas pelo direito a uma
educação intercultural e bilíngüe é que ela nunca se dá de maneira isolada da luta
por outros direitos: reconhecimento da diversidade étnica, propriedade coletiva da
terra e assistência médica. Em outras palavras, a luta dos povos indígenas se dá
pelo reconhecimento da diversidade e também pelo combate às desigualdades
sociais, que por séculos têm submetido os índios e outros segmentos da sociedade
a uma situação de pobreza e violência.
Os povos indígenas, vítimas das discriminações sociais e culturais vêm cada vez
mais se organizando para lutar contra a ideologia que os declaram ausentes e
contra as práticas que os oprimem, como presenças desvalorizadas, provocando
assim a crise final das democracias de baixa intensidade.
Os agentes dessas lutas distinguem-se dos seus antecessores por duas
razões. Em primeiro lugar, empenham-se na luta simultânea pela igualdade
e pelo reconhecimento da diferença. Reivindicam o direito de ser iguais
quando a diferença os inferioriza e o direito de ser diferentes quando a
igualdade os descaracteriza. Em segundo lugar, apostam em soluções
institucionais dentro e fora do Estado para que o reconhecimento dos dois
princípios seja efetivo (SANTOS, 2006, p. 1).
105
No pleito pelos seus direitos, os povos indígenas da América Latina têm realizado
encontros para discutir seus problemas, ampliar as suas alianças e traçar novas
estratégias de luta, fortalecendo as redes de comunicação e solidariedade. Durante
esses encontros são reivindicados direitos à educação como marco da diversidade e
da cidadania.
A IV Assembléia Geral do Conselho Mundial dos Povos Indígenas, ocorrida no
Panamá, em 1986, adotou a Declaração de Princípios, segundo a qual os povos
indígenas têm o direito de receber educação escolar em sua própria língua ou de
estabelecer suas próprias instituições educacionais. O Encontro sobre o Direito
Comparativo Indígena na América, realizado em Quito, em 1990, teve como uma de
suas reivindicações o estabelecimento de Programas de Educação Bilíngüe e
Intercultural também para as populações não-indígenas (MONTE, 2001, p. 49).
No ano 2004, aconteceu em Quito, Equador, o II Encontro Continental dos Povos
Indígenas das Américas, no qual estiveram presentes 600 lideranças representativas
de povos indígenas. Nesse encontro, foram abordados os seguintes temas: terras,
territórios e recursos naturais; autonomia e livre autodeterminação; diversidade e
pluralidade; conhecimentos indígenas e propriedade intelectual; direitos indígenas e
organismos multilaterais; nacionalidades e povos indígenas; movimentos sociais e
Fórum Social Mundial; mulheres indígenas; educação escolar; participação política e
governos alternativos e militarização (BITTENCOURT; DANTAS, 2004, p.1).
Em outubro de 2006, aconteceu, em La Paz, Bolívia, o Encontro Continental de
Povos e Nacionalidades Indígenas de Abya Yala (América Latina), sob o tema "Da
resistência ao poder". Milhares de indígenas de países como Colômbia, Argentina,
Equador, Canadá, Venezuela, Panamá, Nicarágua, México, Guatemala e Chile
discutiram temas, como soberania e governo; análise dos direitos internacionais
indígenas; identidade e convivência; culturas, educação e línguas; organização e
perspectivas econômicas; dívidas históricas, sociais e ecológicas; juventude e
complementação homem-mulher no processo de mudança; alianças estratégicas e
comunicação indígena (DA RESISTÊNCIA, Acesso em 11out. 2006).
Outro encontro de representantes de povos indígenas, realizado no ano de 2006,
aconteceu na cidade de Buenos Aires na Argentina, onde se reuniram
106
representantes do Chile, da Bolívia, do Brasil, do Peru, da Colômbia, do Panamá e
do México, com o objetivo de compartilhar experiências e analisar o contexto da
comunicação entre os diversos povos indígenas do continente americano.20
Os direitos indígenas instituídos não foram ainda materializados por meio das
práticas governamentais, porém não restam dúvidas de que os povos indígenas
alcançaram um novo patamar em suas relações entre si próprios e com o Estado.
Outro aspecto interessante da luta dos povos indígenas é que, apesar de todas as
dificuldades e da exclusão, os líderes indígenas da América Latina têm-se
apropriado, de novos espaços políticos, pondo fim a governos e influenciando nas
esferas de poder local e parlamentar. Os movimentos indígenas da América Latina
derrubaram os presidentes da Bolívia e do Peru, desenvolveram novos caminhos
nos processos políticos e ocuparam diversos cargos em parlamentos, ministérios e
prefeituras (CEVALLOS, 2004, p. 4).
Os resultados da última eleição presidencial da Bolívia, realizada em dezembro de
2005, surpreenderam o mundo inteiro com a eleição do líder indígena Evo Morales e
do intelectual Álvaro Garcia, que obtiveram 1.535 milhão de votos, o que
correspondeu a 53,7% dos votos válidos, contra o candidato da oposição, Jorge
Quiroga, que teve 819 mil votos.
No México, com dez milhões de indígenas, o Exército Zapatista de Libertação
Nacional, integrado em sua maioria por nativos, pegou em armas no início de 1994
para reclamar democracia, política eleitoral e justiça para os povos originários.
Graças a esse e outros fatores que afetaram o sistema político dominado desde
1929, pelo Partido Revolucionário Institucional, o governo do México iniciou em 2000
a construção de um sistema eleitoral mais transparente. Graças à luta dos zapatistas
o sistema Político do México passou por uma ampla reforma do ano de 2001,
assegurando assim vários direitos aos povos indígenas daquele país.
20
No dia 20 de outubro de 2006, em Buenos Aires- Argentina, aconteceu o Seminário LatinoAmericano de Comunicação Indígena, que reuniu comunicadores indígenas membros dos povos
originários do Chile, da Argentina, da Bolívia, do Brasil, do Peru, da Colômbia, do Panamá e do
México, e que teve por objetivo compartilhar experiências e analisar o contexto da comunicação no
continente: assumimos o compromisso de constituir um Elo de Comunicações Indígenas cujo
objetivo principal será servir como um mecanismo de articulação entre todos eles, fomentando uma
participação transversal, ativa, solidária e recíproca (SEMINÁRIO, Acesso em 11 out. 2006,
tradução Marcos Sánchez, 2007).
107
Na Guatemala, durante os anos 70 e 80 do século XX, os indígenas sofreram uma
dura repressão política, que custou centenas de milhares de vidas. Porém, com o
passar dos anos, os povos indígenas conseguiram representatividade no governo,
haja vista que 17 dos 113 deputados que atuavam no ano de 2006, nesse país,
eram indígenas, uma nativa era ministra de Estado e outros cinco eram viceministros. Além disso, 106 dos 331 municípios eram dirigidos por indígenas. Essas
conquistas seriam impensáveis menos de uma década atrás nesse país centroamericano.
Além das redes locais e internacionais relacionadas aos movimentos indígenas,
outros tipos de redes estão sendo organizados em escala global. Segundo Monte
(2001, p. 50), mais precisamente no âmbito das organizações que lutam pelo
respeito aos direitos humanos.
Uma das primeiras organizações que desde a sua fundação, em 1919, tem
contribuído para garantir os direitos dos povos indígenas e, conseqüentemente,
participado dessa rede é a Organização Internacional do Trabalho (OIT). Essa
organização tem como objetivo melhorar as condições de trabalho, assegurar a
liberdade de expressão e de associação e combater a pobreza no mundo. A OIT, em
2006, foi a primeira agência especializada a integrar o Sistema das Nações Unidas.
Várias convenções em relação aos povos indígenas foram adotadas pela OIT, tais
como: Convenção n.º 50/1936, sobre o recrutamento de trabalhadores indígenas;
Convenção n.º 65/1939, a respeito das sanções penais; Convenção n.º 64/1939,
relacionada aos contratos de trabalho (regulamentação dos contratos); Convenção
n.º 86/1947, sobre os contratos de trabalho (duração máxima dos contratos);
Convenção n.º 104/1950, concernente à abolição das sanções penais por
inadimplemento do contrato de trabalho por parte dos trabalhadores indígenas;
Convenção n.º 105/1957, sobre abolição do trabalho forçado e Convenção n.º
111/!958, relativa à discriminação (emprego e ocupação) (KEPPI, 2001).
No Brasil, a OIT tem mantido representação desde 1950, com programas e
atividades que refletem os objetivos da Organização ao longo de sua história. As
Convenções de n.º 104 105 e 111 encontram-se em vigor, no Brasil. As Convenções
de n.º 50, 64, 65, 86, supracitadas, foram incorporadas pela Convenção n.º 107,
108
aprovada no ano de 1957. Esta Convenção trata da proteção e integração das
populações indígenas e outras populações tribais e semitribais de países
independentes.
Em muitos aspectos, a Convenção n.º 107 foi bastante avançada para a sua época,
pois assegurava aos povos indígenas o direito a uma propriedade coletiva ou
individual sobre as terras tradicionalmente ocupadas, a uma educação escolar na
língua materna. No entanto, adotava ainda uma perspectiva evolucionista e
integracionista, uma vez que considerava como sendo os índios ou populações
tribais ou semitribais como sendo aqueles cujas condições sociais e econômicas
correspondiam a um “[...] estágio menos adiantado que o atingido pelos outros
setores da comunidade nacional e que sejam regidos, total ou parcialmente, por
costumes e tradições que lhes sejam peculiares” (Convenção nº. 107, Art. 1º).
A Convenção 107 da OIT foi promulgada, no Brasil em 18 de julho de 1965, pelo
Decreto Legislativo n.º 20, de 30 de abril de 1965, e pelo Decreto Presidencial n.º
58.824, de 14 de julho de 1966, quando estavam no poder os militares.
Devido às transformações de paradigmas no âmbito das Ciências Sociais,
principalmente no Direito Internacional, e à mobilização das organizações indígenas
e indigenistas, fez-se necessário realizar uma reformulação da Convenção nº. 107,
principalmente daqueles pontos que não eram aceitos pelos indígenas. Assim
sendo, a Conferência Geral da OIT aprovou, no ano de 1989, a Convenção n.º 169,
que trata da questão dos povos indígenas e tribais em países independentes.
De acordo com a Convenção n.º 169, a consciência da sua identidade indígena ou
tribal deverá ser considerada como critério fundamental para determinar os grupos
interessados. Portanto, nenhum Estado pode negar a identidade de um povo
indígena que se reconheça como tal.
A Convenção utiliza o termo “povos indígenas”, em substituição ao termo
“populações” da Convenção n.º 107. O termo “povos” tem a ressalva de que este
“[...] não deverá ser interpretado no sentido de ter implicação alguma no que se
refere aos direitos que possam ser conferidos a esse termo no direito internacional”.
Com isso, elimina-se qualquer possibilidade de essa Convenção ser utilizada para
dar legitimidade a movimentos separatistas dos povos indígenas, seja na
109
reivindicação de sua soberania sobre seus territórios, seja na afirmação de sua
autodeterminação.
O termo “nações indígenas” para se referir aos diferentes povos indígenas, mesmo
com todas as limitações ao uso do termo presentes na própria Convenção, não
agradou aos representantes do Governo Brasileiro, por isso o Brasil se absteve de
votar.
O Estado brasileiro, representado por alguns de seus segmentos burocráticos mais
tradicionais, oferecia assim indicação de que não estava de acordo com essa
proposta, ou seja, estava recusando-se a ser caracterizado como pluriétnico e
multissocietário, negando assim que conviviam em seu território diferentes etnias e
sociedades (SANTOS, 2004). Essa posição conservadora do Estado brasileiro
refletiu posteriormente no processo de aprovação dessa Convenção pelo Congresso
Nacional, como veremos no item 3.5, que trata da questão.
Do ponto de vista dos setores mais tradicionais da sociedade brasileira, o Estado
Nacional é formado por uma única nação, a brasileira. Assim sendo, o
reconhecimento da existência de diferentes nações indígenas dentro do Estado
brasileiro poderia colocar em risco a integridade de nossa soberania e território, uma
vez que abriria precedentes para a separação dessas nações com seus respectivos
territórios do restante do País.
Essas conjecturas que povoam os discursos e a imaginação, principalmente das
Forças Armadas, não parecem razoáveis, se levarmos em consideração o tamanho
das populações de cada um dos grupos indígenas existentes no País. Na realidade,
o que existe por trás desses discursos são interesses econômicos das mineradoras,
fazendeiros e outros, como veremos no item 3.3 deste Capítulo.
Segundo a Convenção n.º 169, os Estados deverão reconhecer os direitos de
propriedade e posse dos povos em questão sobre as terras que tradicionalmente
ocupam, assim como os direitos sobre os recursos naturais existentes em suas
terras. Os povos indígenas não deverão ser removidos das terras ou territórios que
ocupam.
110
A Convenção n.º 169 assegura a participação dos povos indígenas na elaboração
dos programas educacionais que respondam às suas necessidades particulares. Os
currículos deverão incorporar suas histórias, seus conhecimentos e técnicas, seus
sistemas de valores e suas aspirações sociais, econômicas e culturais adicionais.
Assegura também a formação de membros desses povos para que eles mesmos
possam responder pelos serviços educacionais.
As crianças deverão aprender a ler e a escrever na sua própria língua garantindo-se
também que elas tenham a oportunidade de dominar a(s) língua(s) oficial (is) do país
onde elas vivem.
O âmbito de luta pelos direitos dos povos indígenas foi ampliado com a criação da
Organização das Nações Unidas (ONU), em 1948, e de outras que se encontram
vinculadas a ela, tais como a Organização para a Alimentação e a Agricultura (FAO,
1945), a Organização das Nações Unidas para a Educação e Ciência (UNESCO,
1945) e a Organização Mundial da Saúde (OMS, 1948).
Os Estados membros dessas organizações são responsáveis pela elaboração,
negociação e fiscalização do cumprimento dos instrumentos juridicamente
vinculatórios (tratados, pactos, convenções, acordos e outros). As organizações nãogovernamentais desempenham um importante papel de pressão sobre os Estados e
as instituições internacionais tanto na elaboração, quanto na aprovação e
cumprimento do que esses documentos estipulam.
A ONU foi a instituição que melhor representou os anseios da humanidade e
ironicamente, a que se tornou mais desacreditada, principalmente depois que não
conseguiu impedir a Guerra de Kosovo (1996-1999), a invasão do Iraque pelos
Estados Unidos (2004) e outros conflitos que aconteceram no final do século XX e
início do século XXI.
Durante a ocupação do Iraque (2004), a base da ONU passou a ser alvo dos
ataques da resistência iraquiana. Não é nosso objetivo analisar os problemas que a
ONU enfrenta, mas, sim, explicitar a fragilidade do contexto da existência dessa e
das outras instituições que lutam pela paz, no geral, e pelos direitos humanos dos
povos indígenas, em particular.
111
Essa fragilidade tem aumentado ainda mais graças ao processo de globalização,21
que provoca cada vez mais a ingerência de grupos econômicos nos Estados
Nacionais, tendo como conseqüência uma transferência de poder cada vez maior
para alguns poucos grupos, clara e ostensivamente descompromissados com os
interesses internos de cada país ou região e não sujeitos aos textos constitucionais
em vigor ou às periódicas peregrinações eleitorais.
Esses grupos econômicos exaltam o mercado como lei e norma absoluta, diante dos
quais todos devem curvar-se, inclusive os próprios textos constitucionais (BRAND,
2002, p. 33). A ingerência dos grupos econômicos internacionais na vida dos povos
indígenas e o poder que esses exercem sobre o Estado brasileiro pode ser
constatado, por exemplo, na questão da luta pela terra enfrentada pelos Tupinikim e
pelos Guarani do Espírito Santo.
A intensificação de interações globais tem gerado outro processo, o cosmopolitismo,
entendido aqui como um conjunto muito vasto e heterogêneo de iniciativas,
movimentos e organizações que partilham a luta contra a exclusão, a discriminação
social e a destruição ambiental produzidas pela globalização. Para isso, recorrem às
articulações transnacionais, tornadas possíveis pela revolução das tecnologias de
informação e de comunicação (SANTOS, 2003b).
Múltiplas reivindicações locais foram congregadas em torno de
argumentações que se tornaram gerais e consensuais ao longo da
realização de vários congressos, especialmente no continente americano,
no Ártico e no Pacífico Sul. Ao se constituírem em âmbito mundial, as lutas
indígenas pelos "direitos à terra" foram se organizando em nome dos
"direitos à diferença cultural", e dos "direitos à autonomia", e elegeram o
âmbito dos direitos internacionais como referência e foro para debate. Em
1970, a Subcomissão para a Prevenção da Discriminação e Proteção das
Minorias recomenda estudo sobre a discriminação contra indígenas. Em
1977, o "American Indian Movement" obteve “status” consultativo junto ao
"Economic and Social Council of the United Nation (ECOSOC). Em 1977 e
1981 as organizações não governamentais (NGO) organizam conferências
de assuntos indígenas em Genebra. Em 1982, “o Working Group on
Indigenous Populations” das Nações Unidas torna-se fórum do movimento
internacional dos Povos Indígenas (MACHADO, 1994, acesso em 9 set.
2006).
21
A globalização é o processo pelo qual determinada condição ou entidade local estende a sua
influência a todo o globo e, ao fazê-lo, desenvolve a capacidade de considerar como sendo local
outra condição social ou entidade rival (SANTOS, 2003b).
112
No âmbito da ONU, a questão indígena passou a ser aprofundada a partir dos anos
70 do século XX, quando o seu Conselho Econômico e Social autorizou o estudo
sobre as condições de vida das populações indígenas, trabalho realizado pelo
embaixador Martinez Cobo. Por recomendação dele, deu-se início a uma crescente
inclusão do tema indígena na pauta de debates e conferências internacionais,
sobretudo graças aos anos de lobby por parte dos próprios índios, que fizeram com
que, em 1982, a ONU criasse o "Grupo de Trabalho sobre Populações Indígenas".
Esse grupo logo se transformou no mais importante fórum internacional de
discussão dos direitos indígenas. Essa mudança constituiu-se num marco definitivo
no tratamento da questão em nível mundial (DIREITOS, acesso em 20 jun. 2006).
A UNESCO, por meio da Oficina Regional para Educação na América Latina e
Caribe, sediada no Chile, é uma das agências da ONU que tem desempenhado
importante papel na criação da rede, promovendo seminários e cursos sobre
políticas e estratégias para a EEI, em âmbitos nacionais e regionais (MONTE, 2001).
Em 1985, a Subcomissão de Prevenção de Discriminação e Proteção de Minorias,
que deriva da Comissão de Direitos Humanos e do Conselho Econômico e Social,
conforme a estrutura interna da ONU, optou pela criação de uma declaração sobre
os direitos dos povos indígenas para futura consideração pela Assembléia Geral da
ONU. A primeira minuta do documento foi redigida por Erica-Irene Daes e, depois de
pronta passou a ser discutida e comentada por representantes governamentais,
povos indígenas, ONGs e demais presentes às sessões anuais do Órgão. 22
Em 2006, os representantes do governo de Botswana, com o apoio do de outros
países da África, dos Estados Unidos, do Canadá, da Austrália e da Nova Zelândia,
apresentaram uma moção ao Terceiro Comitê da Assembléia Geral da ONU,
tentando retardar a aprovação dessa tão esperada Declaração.
Tudo indicava que a aprovação da Declaração sobre os Direitos dos Povos
Indígenas, depois de tramitar na ONU por 22 anos, seria novamente postergada,
mas, graças às pressões dos povos indígenas e de várias organizações, a
22
No ano de 1999, a ONU instituiu o "Fundo Voluntário para Populações Indígenas", com o objetivo
de auxiliar representantes indígenas em suas despesas de viagem e estadia, facilitando a
participação de muitos povos e comunidades no processo.
113
aprovação se deu em 13 de setembro de 2007. O texto foi aprovado por 143 votos a
favor, quatro contra (Canadá, Estados Unidos, Nova Zelândia e Austrália) e 11
abstenções. A Declaração reconhece o autogoverno e a livre determinação dos
povos e recomenda que as nações do mundo respeitem as formas políticas, sociais
e jurídicas de cada povo.
O foro internacional de debate, mediado pela OIT, pelas Nações Unidas e por outras
organizações, tem viabilizado a criação de novos interlocutores, pois, até então, os
movimentos indígenas estavam restritos ao diálogo e às decisões dos respectivos
Estados onde vive cada um dos povos indígenas. A referência aos direitos
internacionais passou a ser uma fonte legítima de negociação e de consolidação,
tanto para reforçar as reivindicações junto aos Estados, como para interpelar o
formato das políticas indigenistas exclusivamente restritas aos âmbitos estatais
(MACHADO, 1994).23
Outras instituições internacionais passaram a fazer parte da rede de apoio aos
povos indígenas e a acolher denúncias de desrespeito aos direitos desses povos,
como é o caso da Organização dos Estados Americanos (OEA), que cada vez mais
tem acolhido as demandas indígenas por justiça étnica contra os desmandos dos
Estados-nações a que estão subordinados.
O Conselho Indígena de Roraima tem audiência marcada na Comissão
Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da Organização dos Estados
Americanos (OEA). No próximo dia 1 de março, a advogada Joenia
Wapichana estará em Washington (Estados Unidos), para tratar com
representantes do Estado Brasileiro sobre medidas eficazes de proteção
dos direitos indígenas dos povos que vivem na terra indígena Raposa Serra
do Sol. [...] Apesar da homologação da terra indígena, em 15 de abril de
2005, os povos indígenas em questão continuam sendo vítimas de
inúmeras violações de seus direitos. Desde o protocolo da petição
inicial, até a presente data, já foram apresentadas diversas comunicações à
CIDH informando sobre a crescente onda de violência contra as pessoas,
contra o patrimônio e as instituições indígenas na RSS: seqüestros de
índios e autoridades; ameaças de morte; bloqueios de estradas, incêndios
23
A Organização Indígena Chiquitana (OICH), A Associação das Comunidades Indígenas de San
Rafael de Velasco (ACISARV), a Central de Comunidades Indígenas de San Miguel de Velasco
(CCISM), a Central Indígena de Comunidades de Concepción (CICC), a Central Indígena Paikoneka
de San Javier (CIP-SJ), a Central Indígena Reivindicativa da Província Ángel Sandoval (CIRPAS) e o
Centro de Estudios Jurídicos e Investigación Social (CEJIS), se dirigem à ilustre Comissão
Interamericana de Direitos Humanos, com o objetivo de que, em razão do disposto no artigo 25 do
Regulamento da Comissão, lhe solicite ao Estado da Bolívia que, de maneira urgente, adote Medidas
Cautelares em favor das lideranças indígenas das organizações indicadas para garantir-lhes os seus
direitos à vida e à integridade pessoal, consagrados nos artigos 4 e 5 da Convenção Americana sobre
Direitos Humanos (DENÚNICA, acesso 10 de dez. 2006).
114
criminosos; novas invasões por não-índios; e interferências nas formas de
organização indígena, inclusive com restrição de atividades sociais. Nessa
audiência, a Comissão deverá apreciar a situação atual do caso e seu
eventual encaminhamento à Corte Interamericana de Direitos
Humanos, instância superior com competência para proferir uma sentença
judicial internacional. O que se espera da audiência é que a CIDH adote
medidas imediatas em favor dos povos indígenas e determine
a implementação total do Decreto de homologação, em razão da continuada
violação de direitos humanos dos povos indígenas da Raposa Serra do Sol
(AUDIÊNCIA, acesso 2. de fev. 2007).
O movimento contra-hegemônico mundial dos povos indígenas por seus direitos
repercutiram também em solos brasileiros, principalmente após a década de 70 do
século XX. Porém, alguns fatos históricos antecedentes a esse período têm que ser
considerados, como veremos a seguir.
4.1 A REPÚBLICA E A QUESTÃO DA INSTITUCIONALIZAÇÃO DE POLÍTICAS
PÚBLICAS INDÍGENAS NO BRASIL
A República brasileira, nascida sob a influência do positivismo, não teve, nos
primeiros anos de sua existência, preocupação com as questões indígenas, tanto
que os índios não são mencionados na primeira Constituição, promulgada em 1891.
Essa omissão, aliada ao fato de que o Art. 64 dessa Constituição transferia as terras
devolutas para os Estados, permitiu que o governo de São Paulo realizasse uma
manobra política e editasse o Decreto n.º 734, de 5 de janeiro de 1900,
estabelecendo que as terras dos aldeamentos indígenas fossem consideradas
devolutas, passando a pertencer, portanto, àquela unidade da Federação.
A manobra política realizada pelo Governo Paulista tinha como objetivo disponibilizar
as terras indígenas daquele Estado para o plantio de café, principalmente aquelas
que eram ocupadas pelos Kaigang, que viviam na bacia do Tietê, nas matas dos
arredores de Bauru. Com a promulgação do Decreto n.º 734, os Kaigang passaram
a sofrer a invasão dos seus territórios por produtores de café e pela construção das
linhas férreas ligando os municípios da região entre si e com os outros Estados.
115
Os conflitos entre os Kaigang, os funcionários das vias férreas e os fazendeiros que
se dirigiram para a região foram tão grandes que pela primeira vez o Brasil foi
acusado publicamente pelo massacre de índios, durante o XVI Congresso dos
Americanistas, ocorrido em Viena – Áustria. Essa denúncia foi um dos fatores que
aceleraram o processo de criação do SPI.
No processo histórico que culminou com a fundação do SPI, contribuiu também a
atuação da professora Leolinda Daltro24 e do Centro de Ciências, Letras e Artes de
Campinas. O extermínio de povos indígenas no interior de São Paulo levou Leolinda,
Daltro, apoiada por um grupo de simpatizantes da causa indígena, a fundar, em
1908, a Associação de Proteção e Auxílio aos Silvícolas do Brasil, cujo objetivo era
defender o índio e auxiliá-lo, através da escolarização laica, a entrar para a
comunhão nacional. O Centro de Ciências, Letras e Artes de Campinas intensificou
seus trabalhos em prol dos povos indígenas como parte das reações contra o artigo
de Herman von Lhering, publicado na Revista do Museu Paulista, aconselhando o
extermínio dos índios que barrassem o avanço da civilização.
Entre as reivindicações da Associação de Proteção e Auxílio aos Silvícolas do Brasil
e do Centro de Ciências, Letras e Artes de Campinas, figurava a reivindicação de
criação de um órgão por parte do Estado para cuidar especificamente da questão
indígena, que foi reforçada pelos integrantes do I Congresso Brasileiro de Geografia,
realizado na cidade do Rio de Janeiro, no ano de 1909.
O massacre dos índios no interior de São Paulo e em outros Estados do País
passou a ser denunciado também pela imprensa e se estendeu às Assembléias
Legislativas estaduais e também ao Congresso Nacional. A reação por parte dos
diversos segmentos da sociedade levou o Governo Federal a criar, através do
Decreto n.º 8.072/1910, o Serviço de Proteção ao Índio e Localização de
Trabalhadores Nacionais, transformado, em 1918, no SPI.
24
O engajamento de Leolinda Daltro à causa indígena ocorreu por ocasião da visita de um grupo de
índios Xerente de Goiás à capital da República, em 1896. De volta à aldeia, esse grupo indígena foi
acompanhado por Leolinda, que passou a se dedicar ao trabalho de escolarização dos Xerente.
Depois de quatro anos, a professora voltou ao Rio de Janeiro, onde tentou, em vão, conseguir o
apoio material necessário para retornar a Goiás e concretizar o seu plano de fundação de uma
colônia indígena. Não conseguindo a ajuda financeira esperada, Leolinda acabou ficando na cidade
do Rio de Janeiro, onde passou a denunciar, através da imprensa, em reuniões e congressos, as
violências praticadas contra os índios (GAGLIARDI, 1989).
116
A institucionalização do SPI se deu, em grande parte, graças à rede de relações que
ligava Rondon ao Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio (MAIC), uma vez
que esse general tinha vínculos diretos e indiretos com pessoas posicionadas no
MAIC e no Museu Nacional, com membros do apostolado positivista, com militares e
com simpatizantes da campanha presidencial de Hermes da Fonseca.
Os positivistas, e entre esses Rondon, eram defensores do pensamento segundo o
qual as sociedades indígenas estariam vivendo na etapa fetichista do estado
teológico25 e que, se lhes fossem fornecidas as condições materiais para a evolução,
poderiam saltar diretamente para o estado positivo, pulando assim o estado
metafísico. Com a criação do SPI, o trabalho de catequese realizado pelas diversas
ordens religiosas em todo o território nacional passou a ser fiscalizado pelos
funcionários desse órgão.
Ponto de partida do exercício do poder tutelar e ao mesmo tempo seu produto, as
classificações, elaboradas pelo SPI, com base no positivismo, acerca dos índios,
concebidos pelo Órgão como seres em transição, estão na origem de suas ações,
voltadas para proporcionar a incorporação dos índios à categoria de trabalhadores
agrícolas.
Lima (1995) define a forma de poder exercida pelo Estado brasileiro a partir do SPI
como poder tutelar. Segundo esse autor, o poder estatizado, exercido sobre
populações e territórios, buscava assegurar o monopólio dos procedimentos de
definição e controle sobre as populações indígenas. Para tanto, foram meios
importantes e ao mesmo tempo seus produtos a formulação de um código jurídico
acerca das populações indígenas e a implantação de uma malha administrativa
instituidora de um governo de índios. O poder tutelar é concebido como uma forma
reelaborada da guerra de conquista. Como modelo analítico, a conquista é um
empreendimento com distintas dimensões: fixação dos conquistadores nas terras
conquistadas, redefinição das unidades sociais conquistadas, promoção de fissões e
alianças no âmbito das populações conquistadas, objetivos econômicos e empresa
cognitiva.
25
De acordo com Augusto Conte, defensor do positivismo, toda sociedade, em seu processo de
evolução, passaria por três estados: o teológico, o metafísico e o positivo. O estado teológico por sua
vez se divide em três etapas: a fetichista, a politeísta e a monoteísta.
117
A malha administrativa instituidora do poder tutelar sobre os índios era constituída no
plano nacional, de subdiretorias e seções; no plano regional, de inspetorias; e, no
local de postos, povoações indígenas, centros agrícolas e delegacias. Fazia parte do
corpus jurídico que passou a regular a vida dos povos indígenas brasileiros o Código
Civil, promulgado em 1916, que, em seu Art. 6.º, inc. IV, declarava os índios como
sendo relativamente incapazes para a prática de atos da vida civil.
A criação do SPI representou a primeira tentativa de concentração dos serviços em
mãos de aparelhos estatizados do governo nacional, isto é, dos dispositivos
administrativos de poder destinados a anular a heterogeneidade histórico-cultural,
submetendo os povos indígenas a um controle com algum grau de centralização e à
imagem de homogeneidade fornecida pela idéia de nação. O controle estatal
exercido sobre os povos indígenas por meio do SPI permitiu o domínio intensivo
sobre o espaço e populações dele ocupantes. Além disso, criava terras destruindo
territorialidades históricas e culturalmente diferenciadas, dando resultados análogos
aos das ferrovias, revertendo-as para a mercantilização potencial e exploração
intensiva pela iniciativa privada (LIMA, 1995).
A criação do SPI não contribuiu para a proteção dos povos indígenas. Entre os anos
de 1900 e 1950, foram extintas cem tribos indígenas (DAVIS, 1978), territórios de
centenas de outros foram invadidos e apropriados por grileiros, fazendeiros e grupos
econômicos. Em 1958, Carlos Araújo Moreira Neto, etnólogo do Museu Paraense
Emílio Goeldi, forneceu dados estarrecedores sobre o extermínio de grupos
indígenas Cayapó que habitavam o vale do Xingu e que haviam sido contatados
pelo SPI. Em 1963, ocorreu a destruição de toda uma aldeia Cinta Larga, no Mato
Grosso, episódio conhecido como o massacre do paralelo 11.
Os constantes fracassos do SPI em relação à sua capacidade de proteção aos
povos indígenas eram explicados por seus dirigentes como sendo conseqüência das
verbas insuficientes e irregulares, do exagero burocrático, da falta de auxiliares
apropriados, entre outros motivos. Outro problema que passou a ser enfrentado por
esse Órgão foram as suspeitas de irregularidades administrativas, tais como a
apropriação indevida do patrimônio indígena, a devastação de florestas, a venda de
produção agrícola dos índios, (GAGLIARDI, 1989).
118
Ao longo dos anos de sua existência (1910-1967), o SPI obteve resultados
espetaculares no contato com os grupos indígenas arredios. O mesmo não se pode
dizer em relação à proteção desses povos. Com freqüência, a euforia da pacificação
era sucedida por doenças contagiosas que levavam ao extermínio grande parte do
grupo contatado. Não raro, grupos indígenas eram enxotados de seus territórios
pelas pressões de algum fazendeiro que reclamava seu direito de propriedade
(GAGLIARDI, 1989), mesmo estando assegurado pelas Constituições de 1934, 1937
e 1946 o direito à posse da terra.
Nos anos 60 do século XX, o SPI encontrava-se em situação bastante precária e
acabou sendo extinto após o golpe de Estado de 1964, quando uma auditoria
realizada
junto
nesse
Órgão
confirmou
as
suspeitas
de
irregularidades
administrativas. Em substituição ao SPI, foi criada, em 1967, a FUNAI.
No período da Ditadura Militar (1964-1984), a situação dos povos indígenas piorou
ainda mais devido à aceleração do processo de industrialização e à expansão das
fronteiras agrícolas, que levaram à extinção ou à dispersão de vários grupos
indígenas.
Os Pankararu, originários de Pernambuco, migraram para a Região Sudeste devido
à construção da hidrelétrica de Itaparica, no Rio São Francisco, à seca, aos conflitos
oriundos da luta pela terra e às inúmeras outras agressões. Os Xacriabá, do norte de
Minas Gerais, perderam dois terços do território em decorrência do desenvolvimento
de projetos agrícolas na região, pela Ruralminas, que atraíram fortes grupos
empresariais e grandes fazendeiros das cidades vizinhas. Os Tupinikim, do Espírito
Santo, perderam para a Aracruz Celulose cerca de 30 mil hectares de terras.
A situação não foi diferente na Região Sul do Brasil. Martins (1978) relata os
problemas de extermínio e invasão de terras dos povos indígenas nessa região.
Os 24 postos (da FUNAI) do sul contam nações guaranis e xetás, do tronco
lingüístico tupi; kaigangs ou coroados, xoclengs ou botocudos do tronco
macrojê, e terenas do aruaque. [...] No sul, a proporção de desaparecimento
de povos indígenas foi mais profunda, [...] O chefe de posto (da FUNAI) de
Xapecó, em Santa Catarina, Sr. Franklin Mader, gaúcho de 64 anos,
observa que “enquanto existirem índios a ecologia está garantida,
preservada. Eles não podem sobreviver, enquanto índios, sem a natureza.
Por isso eles precisam acabar, desaparecer, para que a devastação não
encontre obstáculos. Quando cheguei a este posto, em 1968, havia 48
famílias de intrusos, invasores da reserva indígena. Habilmente esse
119
número foi reduzido para 29 famílias apenas. Tão logo encerrou o prazo do
arrendamento, em 31 de julho deste ano, imaginei encerrada a ocupação
das terras indígenas. Mas vieram os políticos e insuflaram os invasores a
permanecer” (MARTINS, 1978, p. 271).
No Centro-Oeste, os povos indígenas também perderam terras, tanto que as
lideranças guarani-kaiowá e guarani-nhandeva passaram a se articular para a
reação à perda de suas terras, que se vinha intensificando desde a década de 1960,
com a instalação da agricultura extensiva no sul de Mato Grosso do Sul.
A Constituição imposta aos brasileiros, pelos militares durante a Ditadura Militar
(1964-1984), previa em seu Art. 4.º “Incluem entre os bens da União as terras
ocupadas pelos silvícolas”. No entanto, seu Art. 186 manteve “[...] aos silvícolas a
posse permanente das terras que habitam” e reconheceu o seu direito ao usufruto
exclusivo dos recursos naturais e de todas as utilidades nelas existentes. Percebese assim, o distanciamento entre essas idéias e aquelas propostas na Convenção
n.º 107 da OIT, aprovada no Brasil no ano de 1965, no que diz respeito ao direito de
propriedade coletiva ou individual sobre as terras tradicionalmente ocupadas pelos
membros das populações indígenas.
A Emenda Constitucional n.º 1 de 1969, manteve as terras indígenas incorporadas
ao patrimônio da União (Art. 4.º, inc. IV) e a competência do mesmo ente público
federal para legislar sobre “[...] nacionalidade, cidadania e naturalização;
incorporação dos silvícolas à comunidade nacional” (Art. n.º. 6, inc. XVIII, alínea “o”).
O Art. 189 da Emenda 1/69 dispunha:
[...]
Art. 189. As terras habitadas pelos silvícolas são inalienáveis nos termos
que a lei federal determinar, a eles cabendo a sua posse permanente e
ficando reconhecido o seu direito ao usufruto exclusivo das riquezas
naturais e de todas as utilidades nelas existentes.
§ 1º Ficam declaradas a nulidade e a extinção dos efeitos jurídicos de
qualquer natureza que tenham por objeto o domínio, a posse ou a ocupação
de terras habitadas pelos silvícolas.
§ 2º A nulidade e extinção de que trata o parágrafo anterior não dão aos
ocupantes direito a qualquer ação ou indenização contra a União e a
Fundação Nacional do Índio. (BRASIL, 1969)
Mesmo com o direito à posse da terra garantido por todas as Constituições Federais,
a partir de 1934, o que persistiu na história da República Brasileira foi um constante
120
desrespeito aos direitos dos povos indígenas, que perderam suas terras por causa
da expansão das fronteiras econômicas e agrícolas.
Em termos educacionais, tanto a Constituição Federal promulgada em 1967 como a
Emenda 1/69 não deram qualquer tratamento específico aos povos indígenas.
Segundo essa Constituição, o ensino primário somente deveria ser ministrado na
língua nacional, contrariando assim os princípios da Convenção n.º 107 da OIT, que
assegurava aos povos indígenas a educação escolar na língua materna.
A LDB/Lei n° 4.024, de 20 de dezembro de 1961 e a reforma proporcionada
pela Lei n° 5.692, de 11 de agosto de 1971 também não deram qualquer
tratamento específico aos povos indígenas.
Em conseqüência mantiveram as práticas escolares que visavam à
eliminação das diferenças culturais, porque o então pensamento
hegemônico considerava que essas diferenças atentavam contra a unidade
e a segurança nacional. A legislação reformista não modificou o objetivo
central da educação escolarizada, de responsabilidade do SPI, e depois da
FUNAI, que continuou sendo a gradativa assimilação e integração dos
povos indígenas à comunhão nacional O índio era tratado como uma
categoria transitória, fadada à extinção (FREIRE, 2004, p. 24).
Durante a ditadura, foi promulgado o Estatuto do Índio, lei n.º 6.001, de 19 de
dezembro de 1973, que “[...] regula a situação jurídica dos índios ou silvícolas e das
comunidades indígenas com o propósito de preservar a sua cultura e integrá-los
progressivamente e harmoniosamente à comunhão nacional” (Art. 1.º). Estatuto que
se encontra ainda em vigor e que, devido ao seu caráter integracionista, tem levado
os povos indígenas brasileiros a lutar por sua reformulação, pelo ao Congresso
Nacional, desde 1991, como veremos no item 3.6 deste Capítulo.
A Igreja exerceu papel importante junto à FUNAI no desempenho do seu papel
tutelar em relação aos povos indígenas. O Summer Institute of Linguistics (SIL), uma
ordem evangélica internacional, atuou no Brasil entre 1954 e 1977.26
No Brasil, a entrada do SIL se deu na década de 1950, quando, no interior
do Serviço de Proteção ao Índio (SPI), ocorria uma transição do indigenismo
de base positivista (chamada de "fase doutrinária" por Ribeiro) para sua
"fase científica" com base na antropologia, ao estilo do indigenismo
mexicano: "A orientação do SPI se assenta nos conhecimentos
proporcionados pela antropologia" (Ribeiro, 1954, p. 104). Darcy Ribeiro foi
26
A missão faz parte hoje, junto com outras missões evangélicas, da Associação de Missões
Transculturais Brasileiras e do Conselho das Missões Evangélicas.
121
o principal representante do indigenismo de base antropológica no SPI e um
dos principais aliados da missão (BARROS, 2004, p.8).
No Brasil, ao contrário do que ocorreu no resto da América Latina, a missão não
entrou por convênio com a burocracia indigenista, e sim com a academia, mais
precisamente com o Museu Nacional. O prestígio da lingüística norte-americana
entre setores intelectuais foi a forma de sustentação inicial da missão no País. No
Museu Nacional, foi criado o Setor de Lingüística, para abrigar os missionários,
graças a um acordo assinado entre as duas instituições em 1954. Nesse período,
estreitaram-se também as relações com o Governo Federal.
O novo governo, mais próximo de Darcy Ribeiro, representou uma boa
conjuntura para a missão no país. [...] Muitas facilidades foram dadas pela
nova direção do SPI: ampliação das autorizações de entrada para novos
membros (ainda por meio do Museu Nacional), apoio junto a outros órgãos
públicos para conseguir autorização para aviões e rádios e permissão para
construir casas nos postos indígenas, ponto que não estava contemplado
no convênio com o Museu. O golpe militar de 1964 obrigou os missionários
a procurarem novos aliados; seu "protetor" Ribeiro era agora um exilado,
não podendo, por isso, ser uma fonte de apoio. (BARROS, 2004, p. 8)
Mas, logo em seguida, veio o golpe militar. Por isso a assinatura do primeiro acordo
do SIL com o Governo Brasileiro se deu em 1969, durante a Ditadura Militar. O SIL
tinha o objetivo de alfabetizar o índio em sua língua e era “[...] pelo menos uns
dezenove grupos lingüísticos diferentes em todo o país, para depois dominar a
escrita e oralmente um segundo idioma, que deveria ser o português, mas estava
sendo o inglês” (MARTINS, 1978, p. 83). Outro objetivo dessa Instituição era o de
traduzir para os idiomas indígenas “[...] livros de valor moral e cívico, assim como
porções da Bíblia” (MARTINS, 1978, p. 84).
O SIL atuou também entre os Guarani, no sul do Brasil, e traduziu para a língua
guarani a Bíblia e outros textos religiosos. Circula no site dessa entidade um léxico
da língua guarani, que ela mesma produziu. Entre os grupos guarani, no Rio Grande
do Sul, circulam bíblias “[...] publicadas nos anos 80 do século XX, pelo SIL, o que
ilustra a contemporaneidade das ações dessa instituição que hoje se denomina
Sociedade Internacional de Lingüística” (BERGAMASCHI, 2005, p. 97).
Na década de 1970 vários países da América Latina não renovaram os contratos
com o SIL. No Brasil, não havia vacância para o papel de lingüista, uma vez que as
122
universidades brasileiras e os vários programas de pós-graduação passaram a
atender a demanda dos povos indígenas (BARROS, 2004).
Não somente o SIL mas também a Igreja Católica contribuíram para a tutela em
relação aos povos indígenas desempenhado, pelo Estado brasileiro, tanto que
cresceu o número de missões católicas, na primeira metade do século XX. A
trajetória da missão da Igreja Católica entre os indígenas, até a década 70 do século
passado, foi praticamente a história da missão na Amazônia, uma vez que não
existia missão em outra região. A Igreja da Amazônia continuava tradicional e
estrangeira. Das 36 prelazias existentes nesse período, apenas duas possuíam
majoritariamente clérigos brasileiros. As missões não mantinham nenhum contato
entre si; cada uma delas era uma ilha; algumas simplesmente reproduziam as
práticas pastorais de sua terra de origem (PREZIA, 2003).
A missão dos Salesianos foi uma das mais tradicionais a atuar na Amazônia. Essa
congregação adotava a prática de internatos para jovens, método questionado por
outras congregações, uma vez que muitos dos internos, se não perderam a
identidade, passaram a viver conflitos culturais. Os Salesianos mantinham uma
relação bastante estreita com o governo, sobretudo durante o período militar. No ano
de 1965, receberam doações do Governo do Amazonas para a comemoração do
Jubileu de Ouro dos Salesianos.
Mesmo sendo a maior parte das congregações muito tradicionais, já havia na
década de 60 do século XX algumas que desenvolveram experiências missionárias
inovadoras e que passaram a realizar encontros nacionais para refletir sobre suas
práticas.
Foi esse grupo que tentou trabalhar em parceria com a recém-criada
FUNAI.
Em 1968, o Secretariado Nacional de Atividade Missionária enviou uma carta oficial,
assinada por Dom Tomás Babuíno, endereçada ao Presidente da República,
Marechal Artur da Costa e Silva, solicitando que um missionário fizesse parte do
Conselho Diretor da FUNAI, “[...] como primeiro passo de uma desejada e
promissora colaboração de todas as forças missionárias” (SUEZ, 1981), colaboração
que não se efetivou.
123
A Igreja Católica,27 por meio do CIMI e da Confederação dos Bispos do Brasil
(CNBB), acabou tornando-se uma das instituições que mais criticaram e
questionaram as políticas públicas colocadas em prática pela FUNAI, nos anos
subseqüentes. Foram constantes os atritos entre as duas instâncias por diversos
motivos. “A dissolução de uma assembléia de 140 chefes indígenas, organizada
pelos padres do CIMI, em Roraima, por decisão da FUNAI, gerou mais um atrito, e
as acusações se fizeram mutuamente” (MARTINS, 1978, p. 76). As divergências
foram tantas que o Ministro do Interior, Rangel Reis, proibiu o ingresso das missões
religiosas nas reservas indígenas.
Para os missionários católicos ligados ao CIMI, a evangelização, como anúncio da
“Boa Nova” ou da “Boa Notícia”, não poderia estar desvinculada das condições
materiais de existência, uma vez que foi o próprio Cristo quem anunciou: “Eu vim
para que tenham vida e vida em abundância.” (Jo 10,10). O Evangelho, que inspira o
patrocínio da vida, “vida em abundância”, do apoio à luta pela terra e pela garantia
das condições materiais necessárias à sobrevivência dos povos indígenas é o
mesmo que foi utilizado para justificar as práticas colonizadoras da Igreja Católica,
no período colonial. Por que a Igreja Católica fez a opção pelos pobres e oprimidos a
partir do século XX?
Uma das explicações para esse fato estaria relacionada à perda do poder temporal
da Igreja Católica, já que, em vários países, ela passou a não ser mais a religião
oficial dos Estados. Outro fator que ajudaria a entender as transformações nas
práticas dessa Instituição para com os povos indígenas foi seu próprio processo de
atualização, a partir dos conhecimentos desenvolvidos pelas ciências sociais.
Da segunda metade do século XX em diante, a Igreja Católica passou a levar em
consideração os conhecimentos das ciências sociais, especialmente os da
Antropologia, em suas práticas com os povos indígenas. No meio eclesiástico,
passou-se a defender a idéia de que nenhum missionário antropologicamente
27
As mudanças eclesiais que se processaram no âmbito da Igreja Católica em relação aos povos
indígenas deram-se com a realização do Concílio Ecumênico Vaticano II, da Conferência do
Episcopado Latino Americana de Medellín (1968) e Puebla (1979). Os documentos pastorais
elaborados a partir desses encontros não tratam explicitamente dos povos indígenas, à exceção de
Puebla, que faz ligeiras alusões ao assunto, porém lançaram sementes ao insistirem na liberdade
religiosa das pessoas e dos povos e na opção da Igreja pelos pobres e marginalizados (SUEZ,1981).
124
responsável poderia balizar sua atuação pastoral exclusivamente num dossiê
bíblico-dogmático, e seria necessário levar em consideração as contribuições do
historiador, do etnólogo e do sociólogo (SUEZ, 1981).
Abertas as janelas pelo Vaticano II, mesmo sendo ainda um concílio
primeiro mundista e aberto à consciência pelo concílio nativo de Medellín,
sacudida a igreja missionária pela profecia agnóstica dos antropólogos de
Barbados e pelas matanças da ditadura... não dava mais para seguir
catequizando compulsoriamente. Não se podia seguir dando cultura
ocidental importada por Evangelho supracultural e macroecuménico. Já não
era mais tolerável acompanhar Povos Indígenas inteiros dando-lhes a
unção da agonia como povos (CASALDÁLIGA, 1997, p. 1).
As críticas que a Igreja Católica passou a sofrer da sociedade civil em relação à
catequização para a assimilação dos indígenas à sociedade foi outro fator que
contribuiu
para
que
essa
Instituição
começasse
a
rever
suas
práticas
evangelizadoras. Uma das críticas mais significativas foi feita pelos participantes do
Encontro de Barbados I, organizado em 1971 pelo Instituto da Universidade de
Berna, de Bridgetown, na Ilha de Barbados, e patrocinado pelo Programa de
Combate ao Racismo do Conselho Mundial das Igrejas. Nesse Encontro, deu-se
uma tomada de posição por parte dos antropólogos diante dos massacres físico e
cultural contra os povos indígenas do Continente Americano.
No documento final os antropólogos pediam que as missões saíssem das aldeias
indígenas, uma vez que, do ponto de vista deles, a presença missionária significava
a imposição de critérios e padrões alheios às sociedades indígenas dominadas, e
que, sob o manto da fé se escondia a exploração econômica e humana das
populações indígenas. Por isso, para as populações indígenas e também para
preservação da integridade moral das próprias igrejas seria acabar com toda
atividade missionária.
Da década de 1970 em diante, aumentaram as tensões entre os processos de
estatização postos em prática pelo Estado brasileiro e os movimentos sociais dos
povos indígenas, que passaram a oferecer uma resistência mais organizada em
relação às políticas de integração e dominação, configurando assim o que
poderíamos chamar de movimentos políticos instituintes dos povos indígenas. A
partir dessa década, surgiram também várias instituições indigenistas não-
125
governamentais28 que passaram a atuar ao lado dos povos indígenas, muitos dos
quais ganharam visibilidade nos meios de comunicação. Paulatinamente, a questão
do respeito à diversidade cultural passou a ser defendida por vários setores da
sociedade.
A omissão da FUNAI, no cumprimento de seus deveres de demarcação e proteção
do patrimônio dos povos indígenas, e o fato de essa instituição governamental
configurar-se como uma agência tributária da “relativa capacidade” do indígena,
expressa no Código Civil, que persistia nas políticas indigenistas de integração
étnica, contribuíram também para a reação dessa população e o surgimento de
entidades e movimentos de defesa e apoio a esses povos.
Na década de 1970, o descrédito dos povos indígenas em relação à FUNAI tornouse tão grande que uma liderança xavante, Mário Juruna, passou a gravar as
promessas dos funcionários da Instituição e de outros setores do Governo Federal,
para que pudesse posteriormente fazer as cobranças. O gravador virou o seu “arco e
flecha no mundo das promessas dos civilizados” (MARTINS, 1978).
Juruna – Eu comprei pra isso. Branco faz muita promessa. Esquece tudo
logo. E índio não podia provar. Quem vai me proibir assim? Então não fala
comigo. Falo, gravo. Todo branco deveria ter gravadora assim. Mas
civilizado é bobo. Tem coisa boa e não usa (JURUNA, apud MARTINS,
1978, p. 207).
Outro problema enfrentado pelos índios na relação com a FUNAI foi a proibição das
assembléias indígenas.
Juruna- Eu não tem sono dormi muito tarde. Tamo começando fazer contato
com outras tribo. Pra poder ajudar outro. Fazer força junto. Vamos reunindo.
Eu tinha viage marcada pra Acre. Conhecer índio de lá. Conversar, mostrar
o que acontece entre xavante. Dia 2 de janeiro ia pro Acre. Tava marcado
reunião com 102 chefe índio. Depois FUNAI proibiu tudo. FUNAI dispensou
(JURUNA apud MARTINS, 1978, p. 206).
A proibição por parte da FUNAI, de realização de assembléias indígenas era feita
com base no princípio da tutela, previsto no Código Civil Brasileiro. Porém, essa
Instituição não conseguiu conter o movimento e a organização dos povos indígenas.
28
Existem organizações indigenistas governamentais e não governamentais, ambas compostas por
pessoas não-índias. As organizações indigenistas governamentais são as responsáveis pela
execução das políticas públicas em relação aos povos indígenas. As organizações indígenas são
compostas apenas por indígenas.
126
De acordo com Terena (2003), a primeira organização indígena, criada pelos
próprios indígenas, foi a Organização das Nações Indígenas (UNIND), instituída no
início da década de 1980 por um grupo de índios de vários povos, que se
encontravam estudando na Universidade de Brasília.
A criação dessa organização foi uma reação dos estudantes à ordem do General
Golbery do Couto e Silva, que determinou ao presidente da FUNAI, Coronel do
Exército João Carlos Nobre da Veiga, que expulsasse os indígenas da Universidade.
Do ponto de vista desse general, o índio jamais deveria acessar ao 1.º e 2.º graus,
muito menos à universidade. Como argumento maior, Golbery afirmava considerar
Brasília uma cidade “atípica” para a educação indígena.
Assim surgiu o primeiro movimento político organizado por índios
independentes e conscientes de seus direitos. [...] os jovens indígenas de
Brasília, com formação mais crítica nas formas de leitura do homem branco,
decidiram, ainda que involuntariamente, criar um movimento indígena mais
amplo, com visão de liberdades democráticas, de direito ambiental, de
direitos humanos e direitos indígenas, mas sob a ótica do próprio indígena,
onde o direito de viver nascia sob uma visão cultural e política baseado no
direito de ser diferente e ser gente, trazendo nisso uma mensagem de que
existia a possibilidade de convivência entre duas histórias, duas identidades
e duas formas de vida, porém, sem preconceito ou exclusão, mas tolerância
e bem viver, mesmo na diferença (TERENA, 2003, p.22).
Em junho de 1980, as principais lideranças indígenas do País, reunidas em
assembléia na cidade de Campo Grande (MS), recusaram-se a reconhecer a UNIND
como representante dos povos indígenas, uma vez que, segundo elas, essa
organização não resultou das discussões que vinham ocorrendo nas assembléias
indígenas. Por isso resolveram criar outra organização, também denominada União
das Nações Indígenas, adotando a sigla UNI.
Ainda em 1980, a UNIND e a UNI fundiram-se, criando a primeira organização
nacional indígena, que se impôs como legítima representante de interesses dos
povos indígenas (NEVES, 2003).
Estima-se que atualmente existam 237 organizações de povos indígenas,29 a
maioria delas de base local, por aldeia ou comunidade, como a Associação Indígena
de Comboios (AIC), a Associação Indígena Xacriabá (AIX), a Organização dos
29
Relatório da Comissão Especial designada pela Reitoria (Portaria n.º 02.786, de 26 de dezembro
de 2001), para colher subsídios e coordenar iniciativas destinadas à elaboração de um programa
institucional da UFMG para as populações indígenas.
127
Professores Indígenas de Rondônia, a Organização dos Professores Indígenas do
Acre, entre outras. Normalmente, as organizações e povos locais encontram-se
articulados às organizações regionais, como é o caso da AIC, que se encontra
articulada à Comissão de Articulação Tupinikim e Guarani, e a AIX, que se encontra
articulada ao Conselho dos Povos Indígenas de Minas Gerais.
Algumas organizações existentes na Amazônia são de grande abrangência, como a
Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (FOIM), a Coordenação das
Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB), a Articulação dos Povos e
Organizações Indígenas do Nordeste, Minas Gerais e Espírito Santo (APOINME).
As diversas organizações indigenistas não governamentais instituídas a partir dos
anos 70 do século XX são de antropólogos, juristas, professores universitários,
lingüistas, indigenistas, missionários e outros profissionais, que apóiam a causa
indígena em seus mais diversos aspectos: organização política, luta pela terra,
registro de idiomas, educação e saúde.
Neste trabalho, optamos por apresentar três momentos da luta dos povos indígenas
e
do
apoio
das
organizações
indigenistas
não-governamentais
pela
institucionalização de políticas públicas que levem em consideração a diversidade
cultural e os direitos desses povos, a saber: a Assembléia Nacional Constituinte, a
Ratificação da Convenção 169 e a Reformulação do Estatuto do Índio.
4.2 A ASSEMBLÉIA NACIONAL CONSTITUINTE
Jamais se conseguirão mudanças estruturais profundas através de uma
constituição. A constatação vale para qualquer época e lugar, inclusive ao
atual momento constituinte brasileiro. Sempre são os movimentos sociais os
que forjam novas condições sociais – às quais, via de regra, se segue, a
edição de um novo ordenamento jurídico que institucionalize, no plano
formal, o que já está obtido no plano concreto. A constatação, porém, não
autoriza que se despreze o espaço da Assembléia Nacional Constituinte
30
(GAIGER, 1987, p. 11).
30
GAIGER, J. Informe Constituinte. Brasília: CIMI, 1987/1988.
128
A Assembléia Nacional Constituinte (ANC) retratou o momento de transição política
pelo qual estava passando o País e também as relações de força existentes na
sociedade nacional. Outra característica desse momento político é que as
organizações indigenistas não formavam um bloco homogêneo quanto ao que
defendiam em relação aos princípios que deveriam nortear as políticas indigenistas.
A ANC31 foi instalada em Brasília no dia 1.º de fevereiro de 1987 e esteve reunida
até 5 de outubro de 1988, quando foi promulgada a nova Carta Magna. Para
acompanhar e influenciar o processo de elaboração da nova Constituição, as várias
organizações indígenas e indigenistas passaram a atuar com os constituintes no
Congresso Nacional em várias frentes, que ora trabalhavam separadamente, ora em
conjunto.
Para que houvesse maior articulação dos trabalhos com os constituintes, foi criada,
em 1986, uma Coordenação Nacional constituída pela UNI, pelo Centro Ecumênico
de Documentação e Informação (CEDI), pelo Instituto de Estudos Socioeconômicos
(INESC) e pela Comissão Pró-índio de São Paulo (CPI-SP), que era orientada por
um programa mínimo de cinco pontos:
1 - Reconhecimento dos direitos territoriais dos povos indígenas como
primeiros habitantes do Brasil. 2 - Demarcação e garantia das terras
indígenas. 3 - Usufruto exclusivo, pelos povos indígenas, das riquezas
naturais existentes no solo e no dos seus territórios. 4 - Reassentamento,
em condições dignas e justas, dos posseiros pobres que se encontram em
terras indígenas. 5 - Reconhecimento e respeito às organizações sociais e
culturais dos povos indígenas, com seus projetos de futuro, além das
garantias da plena cidadania (CEDI, 1991, p.12).
Essa coordenação articulou alianças com o CIMI, o Centro de Trabalho Indigenista
(CTI), a Associação Brasileira de Antropologia (ABA), a Coordenação Nacional de
31
Para a realização dos trabalhos na ANC foram formadas oito comissões constitucionais temáticas,
que, por sua vez, dividiram-se em 24 subcomissões, além da Comissão de Sistematização. Cada
Subcomissão foi composta por 21 membros que discutiam temas conexos. A questão dos direitos
indígenas ficou a cargo da Subcomissão dos Negros, Populações Indígenas, Deficientes e Minorias e
foi uma das três da Comissão da Ordem Social. Cabe lembrar que questões como saúde e educação
indígena foram discutidas e aprovadas por outras Comissões e Subcomissões encarregadas desses
assuntos.
129
Geologia (CONAGE), a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), a
Comissão Pro-Yanomami (CCPY), a Associação Nacional de Ação Indigenista
(ANAI) e o apoio de constituintes e de diversos partidos políticos.
Os trabalhos das diversas organizações indígenas e indigenistas seguiram dois
eixos principais: 1) assessorar os constituintes na elaboração de propostas e
emendas constitucionais e participar de debates sobre temas referentes às questões
indígenas; 2) mobilizar e informar as lideranças indígenas e a opinião pública sobre
os desdobramentos dos trabalhos no sentido de se manter na nova Constituição os
direitos dos índios, já consagrados em Constituições anteriores (CPI-SP).32
As posições políticas defendidas pelas organizações indígenas e indigenistas
perante a ANC foram frutos do trabalho prático e da articulação de diversas
organizações indigenistas, que já vinham amadurecendo seus posicionamentos em
relação a uma série de questões relativas aos direitos dos índios, como as da terra,
dos procedimentos nas demarcações; da tutela; da representatividade jurídica e
judicial das comunidades indígenas; da mineração em terras indígenas; da
educação e saúde indígena, entre outras. Assim, quando chegou o momento de
discutir essas questões na Constituinte, já havia propostas muito concretas,
acordadas entre as organizações indígenas e as várias entidades de apoio (CPISP).33
Inicialmente, as organizações indígenas e indigenistas pensaram em apresentar aos
constituintes uma proposta unitária sobre os direitos dos povos indígenas, o que na
32
Segundo Dalmo de Abreu Dallari, advogado e membro CPI-SP, os indigenistas tiveram sempre
presente na Assembléia Constituinte, lá, na linha de frente, acompanhando muito de perto,
examinando cada palavra e fazendo propostas também. Por isso, ele considera que o trabalho dos
indigenistas foi decisivo para que a Constituição tivesse um capítulo favorável aos índios. Já para
Manuela Carneiro da Cunha, todas as amizades e relações de confiança que a CPI-SP tinha
acumulado nos últimos dez anos [1978-88] foram muito importantes para o momento da Constituinte.
Do seu ponto de vista, a Coordenação Nacional formou-se a partir dos laços que já existiam, ou seja,
laços com a SBPC, com a Coordenação Nacional dos Geólogos e com outras organizações com as
quais a CPI-SP tinha construído laços de respeito e de confiança mútua.
33
O livro Os Direitos do Índio, organizado por Manuela Carneiro da Cunha com a colaboração de
vários membros da CPI-SP, foi publicado em abril de 1987. Essa publicação destacou-se como o
principal instrumento de consulta, pelos constituintes, sobre os direitos dos povos indígenas no Brasil,
legislação específica de outros países e os mecanismos internacionais de defesa dos direitos
indígenas. A CPI-SP elaborou também o Boletim Jurídico n.º 8, abril/87: Os Povos Indígenas e a
Constituinte – contribuições ao debate, trazendo a público os debates que antecederam a
Constituinte, com o intuito de subsidiar os parlamentares. O CIMI passou a publicar semanalmente o
Informe Constituinte, escrito pelo seu assessor jurídico para assuntos indígenas na Constituinte, Júlio
Gaiger.
130
realidade não aconteceu, uma vez que o CIMI e a CNBB consideraram a proposta
defendida pelas outras entidades (ABA, CEDI, UNI, CTI/MIRAD) muito limitada,
principalmente quanto ao reconhecimento do caráter pluriétnico do País. Por isso,
ficou acertado que o CIMI elaboraria propostas à parte para abordar os aspectos
faltantes na proposta unitária, sem prejuízo da sua articulação com as demais
entidades que subscreveram esta última (GAIGER, 1988).34
A partir do início dos trabalhos da ANC, lideranças indígenas e indigenistas
realizaram uma série de reuniões com os parlamentares para a melhor definir os
direitos indígenas relativos à cidadania, à defesa do patrimônio, à terra, ao uso dos
recursos naturais, à assistência à saúde e à educação.
Em abril de 1987, cerca de 40 índios de diversos povos e representantes de
entidades indigenistas fizeram-se presentes no Congresso Nacional, fazendo a
divulgação e a entrega da proposta unitária, que, no seu processo de construção,
contou com o trabalho de Aílton Krenak, o grande articulador entre os povos
indígenas na Constituinte (GAIGER, 1988).
Em abril de 1987 o antropólogo e deputado José Carlos Sabóia (PMDB-MA)
apresentou à Submissão das Populações Indígenas uma proposta de texto
com cinco artigos e uma longa justificativa sobre os direitos indígenas,
apoiada por extensa lista de organizações da sociedade civil, encabeçada
pela UNI, com quinze organizações de apoio aos índios, centrais sindicais,
associações profissionais e de igrejas. A proposta detalha os direitos
territoriais, veda qualquer exploração de recursos não renováveis por
terceiros e confere aos índios, ao Congresso e ao Ministério Público a
faculdade de ingressar em juízo em defesa dos direitos indígenas (CEDI,
1991, p. 16).
Além da proposta unitária, entregue à Subcomissão dos Negros, Populações
Indígenas, Deficientes e Minorias outras também foram elaboradas e encaminhadas:
a da pluralidade étnica da Nação brasileira, elaborada pelo CIMI, foi encaminhada à
Subcomissão da Nacionalidade, da Soberania e das Relações Internacionais; a de
educação, redigida por organizações indígenas e indigenistas (UNI, CIMI, ABA, CTI),
foi endossada pelo deputado Vasco Alves (PMDB-ES) e defendida perante a
Subcomissão de Educação por Marina Villas Boas (CTI) e por Ailton Krenak,
principalmente quanto à necessidade do respeito às línguas maternas e currículos
34
GAIGER, J. Informe Constituinte. Brasília: CIMI, 1987/1988.
131
que respeitem a cultura dos diversos povos. A proposta relativa à educação foi
assim redigida:
Art. 1.º O Brasil é um país pluriétnico e plurilíngüe.
§ 1º - É vedada toda forma de racismo e discriminação social, cultural e
lingüística no processo educacional.
§ 2º - A educação é diferenciada, considerada a diversidade étnica e
lingüística do país.
§ 3º - É garantida às minorias lingüísticas autóctones escolarização em
língua portuguesa e em língua materna.
Art. 2º - Todos os brasileiros têm direito à educação pública, gratuita e laica
em todos os níveis, independentemente de raça, sexo, idade, língua, credo
religioso ou convicções políticas.
Parágrafo único- É garantido, através da educação, o acesso aos
conhecimentos locais, regionais e universais, atendendo-se aos interesses
de cada comunidade em particular e do país em geral (CEDI, 1991, p. 2).
O início dos trabalhos nas comissões contou com audiências públicas, para as quais
vários políticos e acadêmicos foram convidados a expor o tema correspondente a
cada uma das subcomissões. No dia 29 de abril de 1987, foi realizada a primeira
audiência pública das entidades pró-índio na Subcomissão dos Negros, Populações
Indígenas, Pessoas Deficientes e Minorias do Congresso Nacional, em Brasília, com
a participação e depoimentos de D. Erwin Krautler (CIMI), Carlos Marés (CCPY/CPISP), Wanderlino T. De Carvalho (CONAGE), Manuela C. da Cunha (ABA) e Mercio
Gomes (IPARJ-RJ) (CEDI, 1991).
Durante os trabalhos da ANC, os integrantes da Subcomissão dos Negros,
Populações Indígenas, Deficientes e Minorias realizaram duas viagens de visita a
áreas indígenas, uma no primeiro e outra no segundo semestre de 198, para que
pudessem ter maior conhecimento a respeito da realidade de vida dos povos
indígenas brasileiros.
Havia forte oposição aos direitos dos povos indígenas, tanto no seio do Governo
como no Congresso Nacional, formada por militares e parlamentares ligados a
grandes grupos econômicos, principalmente das áreas de mineração e agricultura.
Uma das razões para essa oposição estaria ligada ao fato de que, no seio do
Estado, mais especificamente na Secretaria Geral do Conselho de Segurança
Nacional (CSN), estava estruturando-se o projeto Calha Norte, para a região das
fronteiras amazônicas.
132
Em maio de 1987, foi elaborado e aprovado pela Subcomissão dos Negros,
Populações Indígenas, Pessoas Deficientes e Minorias um anteprojeto, bastante
favorável à causa indígena, com sete artigos sobre os direitos dos índios. Esse
anteprojeto declarava em seu preâmbulo que a sociedade brasileira é pluriétnica e
reconhecia as formas de organização nacional dos povos indígenas.
O anteprojeto mantinha aos índios os direitos originários sobre as terras que
ocupavam, mas permitia a pesquisa, a lavra e a exploração de minérios e recursos
naturais sob o privilégio da União. No caso de relevante interesse nacional e de
inexistência de reservas conhecidas, exploráveis e suficientes para o consumo
interno em outras partes do território nacional, deveria ter-se a autorização das
comunidades indígenas envolvidas e a aprovação do Congresso Nacional caso a
caso (CEDI, 1991, p.16).
O anteprojeto da Subcomissão, acima citado, foi enviado à Comissão da Ordem
Social e aprovado com algumas retificações em julho de 1987. O texto relativo aos
direitos indígenas passou a ter seis artigos, mas manteve o conteúdo básico da
formulação anterior (CEDI, 1991). Segundo reportagem veiculada pelo Jornal do
Brasil, no dia 3 de julho, os lobbies trabalharam com afinco para derrubar o artigo
que colocava restrições à exploração do subsolo em terras indígenas.
Às 03:30 min da madrugada, o senador Odacir Soares (PFL-RO) propôs
aos membros da Subcomissão a garantia de aprovação do relatório, desde
que eles concordassem em fazer uma “pequena” alteração no texto, abrindo
a exploração também às empresas nacionais em substituição ao “privilégio
da União”. Na mesma oportunidade, foram apresentadas sete outras
emendas – de autoria dos deputados Osvaldo Aranha (PL-RJ), Nilson
Gibson (PMDB-PE), Leur Lomanto (PFL-BA), José Lourenço (PFL-BA),
Cunha Bueno (PDS-SP), Gastrone Righi (PTB-SP) e Lourenço Batista (PFLSE), propondo abertura do subsolo indígena à iniciativa privada, nacional ou
estrangeira. Os membros da Subcomissão identificaram todas as emendas
como oriundas da mesma fonte de interesse: o Conselho de Segurança
Nacional (CEDI, 1991).
Da Comissão da Ordem Social, o anteprojeto foi para a Comissão de
Sistematização, que teve como presidente o senador Afonso Arinos de Melo Franco
(PFL-RJ) e como relator o deputado Bernardo Cabral (PMDB-AM). Essa Comissão
foi criada com a atribuição de sistematizar e dar maior coesão ao conjunto das
proposições das oito Comissões em um único anteprojeto de Constituição. Nessa
fase dos trabalhos, a ANC abriu-se para o recebimento de emendas populares.
133
[...] sob a coordenação da UNI, com o aval da SBPC, ABA e CONAGE e
com o apoio de 14 entidades (ANAI-BA, CCPY, CEDI, DIB, CPI-AC, CPISP, CTI, IBCLB, INESC, IPU, PKN, SEESP), foi lançada a Proposta Popular
de Emenda ao Projeto de Constituição – “Das Populações Indígenas”. Em
12 de agosto foi entregue a proposta popular ao Deputado Afonso Arinos,
Presidente da Comissão de Sistematização, com cerca de 43 mil
assinaturas. Outra emenda foi apresentada pelo CIMI, ANAI-RS, OPAN e
MIDH, subscrita por 44.171 eleitores (CPI-SP, 1988, p.16).
Na proposta apresentada pela UNI e seus aliados, o termo Nações Indígenas foi
omitido, porque se sabia que a insistência em inseri-lo na Constituição poderia
prejudicar questões mais importantes. Essa decisão foi tomada levando-se em conta
o contexto histórico de transição política com forte presença dos militares no
governo, obcecados pelo discurso da segurança nacional e da integridade territorial
do Estado-nação brasileiro. Na realidade, a entrega de duas propostas35 de emenda
constitucional foi uma estratégia política adotada pelas organizações indígenas e
indigenistas. A amplitude da abordagem da proposta do CIMI, reconhecendo que os
índios constituem Nações Indígenas, poderia parecer ambiciosa. Contudo, contava
com alguns simpatizantes na ANC e, além disso, poderia ser “ponta de lança”,
abrindo caminho para a aprovação do conteúdo da proposta unitária – que, embora
mais modesta em seu alcance, significava um avanço inquestionável (GAIGER,
1988).
No período da ANC, ocorreu um ataque aos direitos dos povos indígenas na
Constituição, feito através da imprensa pelo jornal O Estado de São Paulo, ataque
dirigido principalmente à Igreja Católica (CIMI, CNBB), numa tentativa indireta de
35
Essas emendas tinham diferenças marcantes, entre si: 1) a proposta da UNI reportava-se apenas
ao “Capítulo das Populações Indígenas”, para que se incluísse onde coubesse, na CB, a proposta do
CIMI dispunha sobre tudo o que dizia respeito às Nações Indígenas; 2) a proposta do CIMI utilizou o
conceito de Nação Indígena para se referir aos diversos grupos indígenas; a proposta entregue pela
UNI utilizou apenas índios; 3) na proposta do CIMI, o Brasil passaria a ser considerado uma
República Federativa e plurinacional; a proposta da UNI seria a sociedade brasileira que passaria a
ser considerada pluriétnica; 4) a proposta do CIMI vedava qualquer atividade extrativa de riquezas
não renováveis, exceto cata, faiscação ou garimpagem, quando exercidas pelas próprias Nações
Indígenas; a proposta da UNI abria uma exceção às explorações a serem realizadas pela União,
quando houvesse relevante interesse nacional, assim declarado pelo Congresso Nacional, porém o
lucro resultante da lavra seria integralmente revertido aos índios; 5) o CIMI propunha que as terras
indígenas, as riquezas naturais do solo e do subsolo dos cursos fluviais, os lagos localizados em seus
limites dominais, os rios que nelas tivessem nascente e foz e as ilhas fluviais e lacustres fossem
considerados bens das Nações Indígenas, enquanto a UNI propunha que as terras indígenas fossem
considerados bens da União, inalienáveis, imprescritíveis e indisponíveis a qualquer título, vedada
outra destinação que não fosse a posse e usufruto dos próprios índios.
134
neutralizar a alta visibilidade e relativo sucesso que o lobby indígena estava tendo
no Congresso Nacional.
A série de artigos intitulada "Os índios na nova Constituição" foi publicada
entre 9 e 14 de agosto de 1987 com manchetes como: "A conspiração
contra o Brasil", "Nem só de índios vive o CIMI", "O CIMI e seus 'irmãos de
estanho'", "Índios, o caminho para os minérios" e "CIMI propõe a divisão do
Brasil". O primeiro dos seis artigos mencionava um documento assinado por
47 mil austríacos caracterizado como "uma conspiração internacional
envolvendo restrições à soberania nacional sobre a região amazônica, sob
o pretexto de preservar as culturas das etnias silvícolas, a ecologia e as
riquezas minerais do subsolo daquela região" (Correio Brasiliense, 13 de
agosto de 1987). O periódico paulista afirmava ter em mãos documentos
autenticados que provavam a conexão do CIMI com um complô
internacional através de certo "Conselho Mundial de Igrejas Cristãs", com o
objetivo de dividir o Brasil, explorar seus recursos minerais e restringir a
soberania brasileira na região amazônica (RAMOS, 1997, p. 22).
As organizações imputadas divulgaram notas na imprensa repudiando as
acusações. Foi importante também o artigo publicado pelo Senador Severo Gomes
(PMDB/SP) no jornal Folha de S. Paulo, no qual esclarecia à opinião pública sobre
quais eram os verdadeiros conspiradores e os objetivos da Campanha do Estadão.
Segundo o artigo, foram as empresas privadas de mineração que articularam a
campanha no Estadão. Elas estavam descontentes com o tratamento especial que o
Anteprojeto dava ao subsolo das terras indígenas, particularmente, por restringir à
União a possibilidade de minerar nessas terras, após a aprovação pelo Congresso
Nacional, apenas para o consumo interno, desde que comprovada a inexistência de
reservas conhecidas e exploráveis,em outras partes do território nacional. A
campanha difamatória organizada pelos grupos econômicos, interessados na
exploração dos recursos naturais das terras indígenas conseguiu alcançar seus
objetivos.
A Campanha do Estadão não teve repercussão no Espírito Santo, pelos menos é o
que foi constatado após uma consulta aos jornais impressos de maior circulação no
Estado. Os jornais capixabas fizeram uma cobertura, quase que diária, dos trabalhos
da ANC, porém não foi veiculada nenhuma notícia sobre o movimento dos povos
indígenas no processo.
O relator Bernardo Cabral modificou o Substitutivo, permitindo a exploração
indiscriminada dos minérios e retirando qualquer direito ou proteção aos índios
considerados “aculturados” (CPI - SP). As denúncias foram tão graves que
135
provocaram a convocação de uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI),
no Congresso Nacional, destinada a apurar a veracidade delas.
No relatório da CPMI elaborado pelo Senador Ronan Tito (PMDB/MG), ficou
demonstrada a má fé do jornal ao divulgar informações baseadas em
documentos falsos. Uma manobra realizada pelo presidente da CPI,
Deputado Roberto Cardoso Alves, impediu a aprovação do relatório final,
que concluía pela improcedência das acusações. Mesmo assim, esse
relatório foi assinado pela maioria dos membros da CPI (CPI-SP, 1988, p.
23).
Em agosto de 1987, o deputado Bernardo Cabral, relator da Comissão de
Sistematização, finalizou o seu Substitutivo ao Projeto de Constituição. Em relação
aos direitos dos povos indígenas, houve um significativo retrocesso, prevalecendo as
teses de um grupo de deputados e senadores do PMDB e do PFL liderados pelo
senador José Richa (PMDB-PR), que representava os interesses do Conselho de
Segurança Nacional. Esse substitutivo fez-se “tabula rasa” das decisões aprovadas
pelo voto da imensa maioria dos membros da Subcomissão e Comissão (GAIGER,
1988). Diante de tão grave situação, a Coordenação Nacional
[...] articulou abaixo-assinado reunindo cerca de 90 assinaturas de
personalidades ilustres do meio intelectual, artístico, religioso e empresarial
e 43 entidades de âmbito nacional apoiando um conjunto de emendas
alternativas, que permitiriam repor, em parte, os direitos indígenas
ameaçados pelo substitutivo do relator. Nos dias 28 a 31 de maio, as
lideranças dos diversos partidos políticos se reuniram na Constituinte para
tentar acordo a respeito do capítulo “Dos Índios”. Após mais de 9 horas de
intensas negociações, onde um poderoso lobby anti-indígena se defrontou
com a persistência de parlamentares ligados à causa indígena, chegou-se à
redação final de um acordo bem favorável à garantia de certos direitos
indígenas no novo texto constitucional (CPI-SP, 1988, p. 21).
Foi necessário um grande trabalho de articulação com os constituintes para garantir
que pelo menos 47 membros da Sistematização aprovassem, pelo voto, o que o
deputado Bernardo não tivesse incluído no Substitutivo.
Outro elemento importante foi a presença de delegações de diversos povos
indígenas em Brasília, a fim de fazer pressão sobre os constituintes.
Delegações indígenas de mais de 30 grupos diferentes chegam a Brasília
para acompanhar as negociações e a votação do capítulo dos índios.
Instalados no auditório de liderança do PMDB, os mais de 100 índios
presentes expressaram por meio de cantos, danças e discursos o desejo de
136
ver seus direitos reconhecidos na Nova Constituição. Uma importante
delegação dos índios Kayapó, sob a liderança de Raoni, se destacou na
tarefa de pressionar os deputados para a efetivação de um acordo sobre os
direitos indígenas e para derrubar o artigo que estabelecia a diferença entre
índios aculturados e não-aculturados. Na tarde de 31 de maio, sob aplausos
dos índios, os parlamentares ligados à questão indígena comunicaram que
esse artigo havia sido suprimido e que o capítulo “Dos Índios” seria votado
no dia seguinte (CPI-SP, 1988, p. 89).
Algumas delegações indígenas chamaram mais a atenção da imprensa, devido ao
número de pessoas e aos seus adornos, como foi o caso dos Kayapó, enquanto
outras praticamente passaram despercebidas, como foi o caso daquela constituída
pelos Guarani.36
O segundo substitutivo entregue pelo deputado Bernardo Cabral, em setembro de
1987, para ser votado pela Comissão de Sistematização, conseguiu ser pior e ainda
mais retrógrado em relação aos direitos dos povos indígenas (Anexo A). Nele,
afirmava-se, entre outras coisas, que os direitos assegurados no “Capítulo dos
Índios” não se aplicavam àqueles índios em estágio de aculturação em convivência
constante com a sociedade nacional, mas não habitassem terras indígenas (Art.
264).
Foi necessário um grande esforço por parte das organizações indígenas e
indigenistas para conseguir novas articulações políticas, que decidissem de maneira
favorável cada um dos pontos do projeto da Constituição Federal que tivesse
implicação direta com a vida dos povos indígenas.
É que em relação aos direitos indígenas, o texto do Centrão “quase”
conseguiu piorar o texto do Cabral... Não nos serve nem este, nem aquele.
Precisávamos montar um sistema de emendas e destaques que opusessem
a ambos (GAIGER, 1988, p.78).
Esse momento político representou um marco decisivo para a nova correlação de
forças na ANC. Trabalharam de maneira conjunta todas as organizações indígenas e
indigenistas, com o objetivo de redigir e encaminhar as emendas, para que fossem
defendidas no plenário pelos constituintes aliados. O trabalho foi árduo, mas
conseguiu-se assegurar quase todos os direitos reivindicados pelos povos
indígenas, para o que foram necessárias também concessões por parte das
organizações indígenas e indigenistas. Uma delas foi em relação à estatização da
36
A presença dos Guarani na ANC foi confirmada por funcionários do CIMI.
137
mineração em terras indígenas. Insistir nessa tese poderia colocar em risco a
possibilidade de resgatar a redação do capítulo sobre os índios.
Com 497 votos favoráveis, 5 votos contrários e 10 abstenções, foi aprovado, em 1
de junho, o Capítulo VIII, “Dos Índios”, “Da ordem Social”.
Os 497 votos favoráveis tiveram por suporte uns dos aportes mais
exaustivamente construídos na história do atual processo constituinte. Por
três semanas, revezavam-se na visita aos parlamentares os assessores do
CIMI e de outras entidades de apoio à luta indígena, cruzando-se, nos
corredores do Congresso, e às vezes encontrando-se nas mesmas salas de
espera com os agentes do Conselho de Segurança Nacional, empenhados
em captar votos para as suas teses a respeito dos índios. No dia 19 de
maio, um dos interlocutores do “Centrão”, Dep. Bonifácio de Andrade (PDSMG) declara, expressamente, a representantes da UNI, ABA, CEDI e
CPI/SP, que sua posição a respeito do capítulo sobre os índios seria
determinada após consulta ao Conselho de Segurança Nacional. O CSN
ainda tinha porta-vozes explícitos nos deputados José Lins (PFL-CE), José
Dutra (PMDB-NA) e Ottomar Pinto (PDB-RR). Defendendo teses
reducionistas dos direitos indígenas, compareceu, também, o deputado
Jorge Vianna (PMDB-BA) (GAIGER, 1988, p. 92).
Igualmente importante foi a participação dos indígenas vindos de diversas regiões
do País para acompanhar as votações no Congresso Nacional
No mesmo período inicialmente quase 100, e ao final mais de 200
representantes indígenas de mais de 30 nações percorreram todos os
gabinetes de deputados e senadores, levando textos das demandas que
apoiavam para o capítulo sobre os índios (Alcenir Guerra, Jarvas
Passarinho, Carlos Cardenal, Flávio Feldman e Eraldo Trinidade). Na última
semana antes da votação, os índios fizeram “corredor polonês” no acesso
ao plenário, abordando cada constituinte que passava. Todos os índios
compenetraram-se em dominar a proposta em detalhe e em conhecer as
propostas contrárias. [...] Os índios utilizaram a estadia em Brasília, nos dias
precedentes ao do acordo, para visitar personalidades do “mundo branco”
em busca de alianças: o Procurador Geral da República, o Presidente do
Conselho Federal da OAB, o Reitor da Universidade de Brasília, o
Secretário-Geral do Ministério da Justiça e do Conselho da Defesa dos
Direitos Humanos e o Presidente da Diretoria da CNBB (GAIGER 1988, p.
96).
No mês de julho de 1988, o redator da Constituição, o deputado Bernardo Cabral,
entregou o Projeto de Constituição B, que foi a redação revisada e renumerada do
que foi aprovado pelo Plenário da ANC. O Projeto de Constituição B apresentava
duas alterações anti-regimentais em dois artigos relativos aos povos indígenas: o
que tratava da posse da terra pelos índios e o relativo à demarcação das terras
indígenas. Esse fato exigiu das organizações indígenas e indigenistas uma grande
138
correria à “caça” dos constituintes que pudessem apresentar as emendas
necessárias para recompor os direitos indígenas.
No mês de agosto de 1988, iniciaram-se as votações das emendas ao Projeto de
Constituição B. Novamente nesse período indígenas de todo o País concentraramse em Brasília.
Desde a primeira semana do mês, estava em Brasília uma delegação de
índios do Nordeste (nações Kapinawá, Xokó, Karapotó, Xukuru, XucuruKariri, Potiguara, Garimpanko e Fulni-ô) a quem se somaram delegações
Kayapó (inclusive Xikrin) e um Kaiowá. Os índios percorreram os gabinetes,
dançaram nos corredores do Congresso, e desde o dia 17 concentravam-se
no auditório da liderança do PMDB na Constituinte, junto à sala de reuniões
(GAIGER, 1988, p.102).
A ANC encerrou os seus trabalhos no dia 22 de setembro de 1988. O texto
constitucional votado nesse dia obteve 474 votos favoráveis. O capítulo relativo aos
direitos indígenas constitui o Anexo B.
A Constituição de 1988 tornou-se um marco na luta dos povos indígenas, visto que,
pela primeira vez, o Estado brasileiro passou a adotar uma legislação de caráter
não-integracionista na sua relação com os povos indígenas. Diferentemente das
outras Constituições que existiram no País, esta reconhece o direito à alteridade
cultural dos povos indígenas. Outras conquistas expressivas foram:
- reconheceu-se que os direitos indígenas sobre as terras que ocupam são direitos
originários, isto é, anteriores ao próprio Estado;
- garantiu-se que os recursos hídricos e a pesquisa e a lavra das riquezas minerais
só podem ser efetivadas com a autorização do Congresso Nacional, ouvidas as
comunidades afetadas, ficando-lhes assegurada a participação nos resultados da
lavra, na forma da lei;
- condicionou-se a remoção de grupos indígenas à autorização ou referendo do
Congresso Nacional;
- definiu-se com precisão e amplitude o que seriam terras indígenas;
- reiterou-se a nulidade e a extinção dos atos incidentes sobre as terras indígenas;
- estabeleceu-se, expressamente, a legitimidade processual dos índios, suas
comunidades e organizações, descondicionando-a de qualquer assistência;
- eliminou-se a distinção entre índios aculturados e não aculturados;
139
- rompeu-se com o monopólio da FUNAI em relação às causas indígenas ao
estabelecer expressamente como função do Ministério Público a defesa dos
interesses e direitos indígenas e fixando-se exclusivamente à Justiça Federal o
papel de apreciar as disputas sobre os direitos indígenas.
Cabe ressaltar, no entanto, a título de comparação, que no Continente Americano
existem constituições muito mais avançadas em se tratando dos direitos dos povos
indígenas, como é o caso da Bolívia, da Colômbia, do Equador, da Guatemala, do
México, da Nicarágua, do Paraguai e do Peru, onde há o reconhecimento explícito
da diversidade étnica e cultural dessas sociedades.
[...]
Artigo 2: A Nação (mexicana) tem uma composição pluricultural sustentada
originalmente nos seus povos indígenas que são aqueles que descendem
de populações que habitavam no atual território do pais no início da
colonização e que preservam suas próprias instituições sociais,
econômicas, culturais e políticas, ou parte de elas (MÉXICO, 1989).
São grandes as diferenças quanto ao reconhecimento da diversidade étnica e
cultural nos países habitados pelo povo Guarani: dois reconhecem a diversidade
étnica e cultural da sociedade (Paraguai e Bolívia); dois apenas reconhecem a
existência dos grupos indígenas (Brasil e Argentina) e um deles (Uruguai) nem
mesmo reconhece a existência de povos indígenas em seu território.
O reconhecimento da diversidade étnica e cultural da sociedade de um país implica
“colocar em xeque” um dos pilares no qual foi construído o Estado-nação moderno,
que é a homogeneidade cultural, levando assim a uma relativização da
superioridade da “cultura comum”, que nada mais é do que a extensão da cultura
hegemônica a todo o tecido social. Sob a ótica jurídica, seria mais fácil a construção
de um diálogo intercultural em uma sociedade que de partida auto-reconhece sua
diversidade étnico e cultural.
Outro avanço que se faz notar é quanto ao uso das línguas indígenas. Nas
constituições da Colômbia, da Venezuela, do Equador, da Nicarágua, do Peru e do
140
México, ocorre reconhecimento das línguas indígenas como oficiais nas regiões e
territórios do país onde elas sejam faladas37.
Na Constituição do Peru, está assegurado ainda que todo peruano tenha direito a
usar seu próprio idioma, ante qualquer autoridade mediante um intérprete. O
Paraguai é oficialmente considerado um país pluricultural e bilíngüe, onde são
idiomas oficiais o castelhano e o guarani. Em três outros países, onde vivem grupos
guarani (Brasil, Bolívia e Argentina), as línguas indígenas apenas são reconhecidas
como línguas maternas.
O não-reconhecimento das línguas indígenas como línguas de vida pública a serem
usadas na relação com o Estado e com o restante da sociedade, traz grandes
prejuízos para a sobrevivência e desenvolvimento delas, uma vez que as línguas e
as culturas originárias ficam reduzidas ao âmbito privado38 e se transformam em
idiomas carentes de funcionalidade social. Essa reclusão ameaça seriamente a
sobrevivência das línguas, pois se sabe que uma das razões pelas quais é
improvável que aquelas, que não alcancem um status de línguas públicas
sobrevivam, a falta de oportunidades ou de incentivos para as pessoas usá-las e
desenvolvê-las de maneira cognitivamente estimulante (TUBINO, 2004, p.88).
Vários países da América Latina como a Argentina, a Colômbia, o Equador, a
Guatemala, o Paraguai, o Peru, o Panamá, o México, a Nicarágua e a Venezuela
reconhecem e asseguram em suas Constituições o direito dos povos indígenas à
propriedade coletiva da terra.
Existem grandes diferenças jurídicas também em relação ao direito à terra entre os
países onde vive o povo Guarani. Argentina e Paraguai reconhecem aos povos
indígenas o direito à propriedade coletiva das terras que tradicionalmente ocupam. O
37
O castelhano é a língua oficial da Colômbia. As línguas e dialetos dos grupos étnicos são também
oficiais nos seus territórios. O Equador respeita e estimula o desenvolvimento de todas as línguas dos
equatorianos. O casteliano é a língua oficial. O quéchua, o xuar e as demais línguas ancestrais são
de uso oficial para os povos indígenas, nos termos que a lei determina. A língua oficial da Venezuela
é o casteliano. As línguas indígenas também são de uso oficial para os povos indígenas e devem ser
respeitados em todo o território da República, por constituírem patrimônio cultural da Nação e da
humanidade. São línguas oficiais do Peru o casteliano e, nas zonas onde predominam também o são
o quéchua, o aymara e as demais línguas aborígines, segundo a lei.
38
O conceito de privado, nesse caso, está sendo utilizado para o ambiente da aldeia e não somente
da família.
141
Brasil reconhece a posse da terra aos povos indígenas e a Bolívia, apenas o uso
delas.
As constituições da Argentina, da Venezuela, do Equador, do México e do Peru
asseguram aos povos indígenas o direito a uma educação bilíngüe e intercultural.
Nos países habitados pelo povo Guarani, existe grande diversidade no tocante à
questão educação escolar garantida aos povos indígenas. A Constituição da
Argentina prevê o direito a uma educação intercultural; a do Paraguai, uma
educação bilíngüe e o respeito à identidade cultural dos povos indígenas; a do
Brasil, o uso da língua materna no ensino fundamental e processos próprios de
aprendizagem e a Constituição da Bolívia não faz nenhuma referência à questão da
EEI.
Por ser um povo que caminha, os Guarani lidam com essa diversidade cultural, na
sua relação com os Estados e as “sociedades” dos países por onde caminham.
Outro problema enfrentado pelo povo Guarani, no Brasil e na Argentina, são as
diferenças no trato da questão indígena, que acontecem em conseqüência dos
sistemas federativos desses dois países. O caso específico do Brasil será analisado
no item 3.8 deste Capítulo.
Os Guarani, em particular, e os povos indígenas, em geral, enfrentam outro
problema que se relaciona a negação desses direitos na prática. A promulgação da
Constituição Federal de 1988 foi apenas o primeiro passo na luta dos povos
indígenas brasileiros, uma vez que continua a batalha contra o Estado para que se
cumpram
os
direitos
estabelecidos
na
Carta
Magna.
É
necessário
um
acompanhamento constante da atuação do Congresso Nacional, para que a
Constituição Federal não venha a sofrer reformulações, que possam colocar em
risco os direitos conquistados.
Outra luta dos povos indígenas e das organizações indígenas e indigenistas, com
relação ao Congresso Nacional tem sido pela aprovação de legislações correlatas e
pela reformulação do Estatuto do Índio, como veremos no item 3.6 deste Capítulo.
Encontram-se tramitando, no Congresso Nacional, vários projetos de lei ou de
emenda constitucional, apresentados “no sentido de excluir ou diminuir garantias
aos povos indígenas, sob as mais diferentes justificativas” (Valle, 2006).
142
O Projeto de Emenda Constitucional (PEC) n.º 38 de 1999, do senador Mozarildo
Cavalcanti (RR), visa a estabelecer um limite territorial por Estado para a
demarcação de terras indígenas e para a criação de Unidades de Conservação, e
pretende submeter os processos administrativos de demarcação de terras indígenas
ao Senado Federal.
O Projeto de Lei n.º 188, de 2004, do Senado, propõe incluir no GT de Identificação
de Terras Indígenas a participação de representantes do Senado Federal, do
Ministério da Fazenda e da Advocacia Geral da União.
Além disso, o PEC n.º 3 de 2004, propõe que os imóveis existentes dentro do
território indígena sejam desapropriados e não apenas indenizadas as benfeitorias,
como estabelece a legislação atual. Assim como o Projeto n.º 161, de 2002, quer
legalizar a mineração em terras indígenas de forma contrária aos interesses desses
povos.
Essas e outras ações “revisionistas” partidas principalmente do Senado Federal
levaram os povos indígenas e as organizações indigenistas e ambientalistas a
realizarem uma campanha de mobilização pública em 2003, o que conseguiu
arrefecer o ânimo de seus defensores e fez com que as propostas voltassem a ser
discutidas nas comissões de mérito. Porém, em todos os casos há pareceres
favoráveis de seus respectivos relatores, o que significa um grande risco, uma vez
que podem, a qualquer momento, ser votadas e voltar para aprovação final de
plenária no Senado Federal (VALLI, 2006).
A batalha dos povos indígenas contra o Estado, para que se cumpram os direitos
estabelecidos em lei, pode ser constatada no Capítulo V, que aborda a questão da
construção do Programa de Educação Escolar Indígena Guarani do Espírito Santo.
A situação de desrespeito aos direitos dos povos indígenas não é diferente nos
países da América do Sul, onde vive o povo Guarani. As comunidades Guarani
Mbya, que vivem no Vale Cuña Pirú, Província de Misiones, na Argentina,39 tiveram
39
A Argentina não tem aplicado medidas efetivas para a entrega de títulos de propriedade das terras
e dos territórios indígenas, não obstante terem sido reconhecidos os direitos de propriedade
comunitária na Constituição Nacional de 1994. Mais de dez anos têm transcorrido e, para poder
acessar a esse direito, os indígenas devem fazer frente a longos processos jurídicos e administrativos
de reclamação. Enquanto esses processos se desenvolvem, as terras são invadidas sem nenhum
143
suas terras ocupadas pela Empresa de Celulose da Argentina, que doou 6.000
hectares dos territórios ocupados tradicionalmente por este povo à Universidad
Nacional de La Plata. Os representantes do povo Guarani acionaram os
representantes do Governo, exigindo que se respeitem os seus direitos de
propriedade das terras garantidos pela Constituição Nacional e pela Convenção 169
(POVOS, acesso 15 nov. 2006).
O Paraguai é considerado pela opinião pública internacional como sendo o país
onde ocorrem as maiores discrepâncias entre as leis instituídas pelo Estado e as
suas práticas.
Paraguai é inclusive um precursor da inclusão ampla dos direitos dos povos
indígenas, tal como o estabelece o capítulo V da sua Constituição, onde se
reconhece, entre outros princípios e direitos, a preexistência dos povos
indígenas ao Estado, seus direitos à propriedade comunitária de suas terras
em extensão e qualidade suficiente para a preservação, a autonomia
política consuetudinária interna das comunidades e outros mais. Este marco
constitucional é referendado com a adoção da Convenção 169 da OIT como
lei nacional Nº. 234 de 1993. Além disso, concorrem para reforçar este
marco jurídico uma grande parte dos tratados e convênios de direitos
humanos, o que poderia qualificar o Paraguai com alto nível jurídico em
matéria de direitos indígenas e vontade ratificadora de instrumentos de
direitos humanos, o que poderia levar a pensar que o Paraguai é um país
com um alto estalão jurídico no que diz relação aos direitos indígenas e à
vontade ratificatória de instrumentos de direitos humanos. Quase não é
preciso dizer que o grau de contradição entre as leis e seu cumprimento é
tal que a realidade histórica presente dos povos indígenas do Paraguai se
assemelha a uma inversão proporcional: quanto mais direitos reconhecidos
mais direitos violados ou negados (POVOS, acesso 15 nov. 2006.)
Na Bolívia, o povo Guarani e os outros povos indígenas convivem, entre outros
problemas, com os impactos ambientais gerados pela exploração de petróleo em
seus territórios.40 Em outros países, a realidade é ainda pior, uma vez que os direitos
controle por parte do Estado. Mesmo nos casos de terras de propriedade fiscal, o Estado não tem
implementado nenhuma medida que permita a transferência direta dessas terras às comunidades
(ESQUIVEL, 2007, tradução Marcos Sánchez, 2007).
40
As empresas petroleiras operam em blocos superpostos aos territórios indígenas (chamados de
“Terras Comunitárias de Origem” – TCO) demandados pelos povos indígenas. A companhia Rapsol
dispõe de 22 blocos, com uma superfície de 4,9 milhões de hectares, superpostas a 17 TCO da
Amazônia e o Chaco, comprometendo a vida das comunidades Chimane, Mesetene, Tacana,
Mojenha, Juracaré e Guarani. As comunidades guarani encontram-se afetadas também pela
construção do gasoduto Bolívia – Brasil, de propriedade de Transcredes (ENRON – Shell) e
Petrobras, cuja extensão é de 3.150 km. Além disso, existe o gasoduto lateral Cujabá, de propriedade
de ENRON – Shell, cuja extensão é de 626 km, afetando 24 comunidades chiquitanas e dois avoreas.
O gasoduto Jacuíba – Rio Grande, de propriedade de Transierra (Repsol e Petrobras), com um
comprimento de 431 km (POVOS, Acesso 8 out. de 2006, tradução Sánchez, 2007).
144
dos povos indígenas ainda nem estão assegurados pelas constituições, como é o
caso do Chile.
O Uruguai e El Salvador são países cujos governos não reconhecem a existência de
indígenas, apenas de mestiços integrados à sociedade nacional.41 No caso de El
Salvador,
várias
organizações
não-governamentais
discordam
da
posição
governamental e lutam pelo reconhecimento dos indígenas no país.
[...] uma delegação não governamental apresentou ante o Comitê
Internacional contra o Racismo das Nações Unidas (CERD) um informe
shadow sobre a existência de discriminação em El Salvador contra
populações indígenas e migrantes nicaragüenses, por parte do Estado
42
salvadorenho. [...] Em seu relatório, o governo salvadorenho afirma que,
em El Salvador, a população indígena se encontra dispersa entre a
totalidade da sociedade salvadorenha e que, por isso, não existe racismo no
país, bem como tampouco é necessária uma legislação especial para
proteger os direitos dos indígenas. Também a delegação oficial
salvadorenha afirmou, ante o CERD, que não pensam em ratificar o
Convênio 169, da Organização Internacional do Trabalho (OIT), porque isso
violentaria o direito à igualdade, contemplado na Constituição da República
de El Salvador (DENUNCIA, acesso em 15 ag. 2006).
As organizações não-governamentais, que apresentaram o informe à CERD,
afirmam que diferentes estudos revelam que pelo menos 12% da população
salvadorenha é constituída por indígenas.
41
Efetivamente, o Chile é um dos cinco países da América Latina que não contam com o
reconhecimento constitucional dos povos indígenas, nem tampouco do caráter pluriétnico e
multicultural do Estado. Para a Constituição Política, atualmente em vigor, que data de 1980, o único
povo existente é o chileno. A legislação promulgada em 1990 (Lei n.º 19.253) reconhece aos
indígenas um conjunto de direitos sobre suas terras, línguas e culturas. Contudo, o dito
reconhecimento está muito abaixo das normas estabelecidas nos instrumentos internacionais que lhe
são aplicáveis, entre os quais figura o Convênio 169 da OIT, de 1989, em que se reconhece aos
indígenas um conjunto de direitos políticos (autonomia, consentimento prévio ao desenvolvimento de
iniciativas suscetíveis de afetá-los, etc.), territoriais (direitos de possessão ancestral e sobre os
recursos naturais existentes nas suas terras) e culturais (direitos lingüísticos, validez dos sistemas
normativos indígenas, direito das autoridades indígenas a aplicar justiça) de caráter coletivo. Também
está muito abaixo daqueles direitos que têm sido reconhecidos aos povos indígenas na maioria dos
paises da região (POVOS, Acesso 8 out. de 2006, tradução Sánchez, 2007).
42
Um informe shadow é um contra-informe ao relatório oficial que cada Estado signatário da
Convenção Internacional para a Eliminação de todas as Formas de Discriminação Racial deve
apresentar ante o CERD a cada dois ou quatro anos. El Salvador não apresentava um informe desde
1995, ou seja: hvia 10 anos.
145
4.3 A RATIFICAÇÃO DA CONVENÇÃO N.º 169
A aprovação da Convenção n.º 169 da OIT era uma das bandeiras de luta das
entidades indígenas e indigenistas brasileiras.
O texto da Convenção 169 foi
enviado à Câmara dos Deputados, pelo Presidente da República, Mensagem n.º
367, no ano de 1991, submetido assim à apreciação do Congresso Nacional, em
cumprimento ao Art. 49, inciso I da Constituição Federal Brasileira, e ao Art. 19 da
Constituição da Organização Internacional do Trabalho. Depois de ter sido aprovada
no Plenário da Câmara dos Deputados, e também, na Comissão de Defesa do
Consumidor, Meio Ambiente e Minorias e na Comissão de Constituição e Justiça, a
matéria passou a ser objeto de longa e controvertida trajetória no Senado Federal,
principalmente quanto aos seus Arts. 14, 15, 17 e 32.
O Art. 14 da Convenção 169 versa sobre a necessidade de se reconhecerem aos
povos indígenas os direitos de propriedade e posse sobre as terras que
tradicionalmente ocupam. Segundo alguns senadores, esse artigo da Convenção
violaria o inciso XI do Art. 20 da Constituição Federal Brasileira, que declara serem
bens da União as terras tradicionalmente ocupadas pelos índios. Ademais, pelo § 2.º
do Art. 231, as terras indígenas tradicionalmente ocupadas pelos índios destinam-se
à sua posse permanente, cabendo-lhes o usufruto exclusivo das riquezas do solo,
dos rios e dos lagos nelas existentes.
Ao defender a ratificação da Convenção pelo Senado, o Senador Artur da Távola
disse que o texto do Art. 14 parecia opor-se ao do Art. 20, inciso XI da constituição,
se lido isoladamente. Contudo, a leitura dos artigos 34 e 35 da Convenção n.º 169
demonstra a flexibilidade presente nela:
[...]
Art. 34. A natureza e o alcance das medidas que sejam adotadas para pôr
em efeito a presente Convenção deverão ser determinadas com
flexibilidade, levando em conta as condições próprias de cada país.
Art. 35. A aplicação das disposições da presente Convenção não deverá
prejudicar os direitos e as vantagens garantidas aos povos interessados em
virtude de outras convenções e recomendações, instrumentos
internacionais, tratados, ou leis, laudos, costumes ou acordos nacionais.
(MAGALHÃES, 2002. P.100-101)
146
O Art. 15 estabelece que os direitos dos povos interessados nos recursos naturais
existentes nas próprias terras deverão ser especialmente protegidos e há a
possibilidade de esses povos participarem da utilização, administração e
conservação dos recursos mencionados. Em caso de pertencer ao Estado a
propriedade dos minérios ou dos recursos existentes na terra, os governos deverão
estabelecer ou manter procedimentos com vistas a consultar os povos interessados,
a fim de se determinar se os interesses deles seriam prejudicados, e em que
medida, antes de se empreender ou autorizar qualquer programa de prospecção ou
exploração dos recursos existentes no referido território. Os povos interessados
deverão participar, sempre que for possível, dos benefícios que essas atividades
produzam e receber indenização eqüitativa por qualquer dano que possam sofrer
como resultado dessas atividades.
As consultas e indenizações previstas para os povos indígenas, em caso de
exploração, pelos Estados, de recursos naturais existentes nas terras que ocupam,
pelo Art. 15 da Convenção, não estão entre as enumeradas no §1.º do Art. 20 da
Constituição brasileira. Este último só se refere aos estados, ao Distrito Federal, aos
municípios e aos órgãos da administração direta da União. O § 3.º do art. 231 da
Constituição Brasileira é menos amplo ao referir-se aos índios nesses termos: “o
aproveitamento dos recursos hídricos, incluídos potenciais energéticos, a pesquisa e
a lavra das riquezas minerais em terras indígenas só podem ser efetivados com
autorização do Congresso Nacional, ouvidas as comunidades afetadas, ficando-lhes
assegurada a participação nos resultados da lavra, na forma da lei” (BRASIL, 2000)
O art. 16 permite o translado e o reassentamento de povos indígenas, desde que
sejam considerados necessários e concedidos livremente e com pleno conhecimento
de causa. Esse artigo foi considerado um retrocesso pelos senadores, uma vez que,
pelo § 5.º do Art. 231 da Constituição Brasileira, “[...] é vedada a remoção dos
grupos indígenas de suas terras salvo, ad referendum do Congresso Nacional, em
caso de catástrofe ou epidemia que ponha em risco sua população, ou no interesse
da soberania do País, após deliberação do Congresso Nacional, garantindo, em
qualquer hipótese, o retorno imediato logo que cesse o risco”. (Brasil, 1988, p. 8)
147
O Art. 32 conclama os governos a adotar medidas apropriadas, inclusive mediante
acordos internacionais, para facilitar os contatos e a cooperação entre povos
indígenas e tribais através das fronteiras, inclusive as atividades nas áreas
econômica, social, cultural, espiritual e ambiental. Da parte de alguns analistas,
houve receio que a possibilidade de acordos intertribais ameaçasse de
desmembramento o território nacional.
A aprovação da Convenção nº. 169, cuja aprovação se deu em 1 de setembro de
1991, pela Câmara dos Deputados, depois de superadas as controvérsias e
esclarecidos os pontos polêmicos levantados pelos senadores em relação aos Art.
14, 15, 17 e 32, foi finalmente ratificada pelo Senado Federal em julho de 2004, ou
seja, após treze anos de espera. A aprovação da Convenção 169 deu-se graças à
árdua luta dos povos indígenas, de suas organizações e de todas as entidades que
apoiavam as causas indígenas, que ano após ano fizeram pressão sobre os
congressistas.
4.4 REFORMULAÇÃO DO ESTATUTO DO ÍNDIO
Inspirado na Convenção 107 da OIT, o Governo Militar sancionou, no dia 19 de
dezembro de 1973, a Lei n.º 6.001, mais conhecida como o Estatuto do Índio.
Porém, a sua formulação não levou em consideração as reivindicações dos povos
indígenas, tampouco a questão do direito à alteridade cultural desses povos. A
sanção dessa lei buscava somente responder às acusações externas de violações
dos direitos humanos dos índios (SANTOS, 2002).
O Estatuto do Índio “[...] regulamenta a situação jurídica dos índios ou silvícolas e
das comunidades indígenas, com o propósito de preservar a sua cultura e integrálos, progressiva e harmoniosamente, à comunhão nacional” (MAGALHÃES, 2002).
Para tanto, fixa regras sobre a condição, os direitos e os deveres dos índios,
atribuindo obrigações e competências aos órgãos do Poder Púbico, no que concerne
148
à proteção das pessoas e do patrimônio material e imaterial dos índios e
comunidades indígenas.
A reformulação do Estatuto do Índio faz-se necessária, uma vez que políticas do
Estado brasileiro, referentes aos índios, se encontram em uma situação de
contraditória. Vale ressaltar que está em vigor um texto constitucional que passou a
reconhecer o direito à diversidade cultural dos povos indígenas, contraposto a um
Estatuto do Índio de cunho integracionista totalmente superado (Guimaraens, 2003).
No início da década de 1990, foram elaboradas três versões do Estatuto do Índio:
sendo uma da FUNAI, outra do CIMI e a terceira do Núcleo de Direitos Indígenas
(NDI). O Executivo encaminhou ao Congresso Nacional, no ano de 1991, o Projeto
de Lei n.º 2.057, visando à reformulação do Estatuto do Índio.
O processo de revisão do Estatuto do Índio foi inaugurado em fevereiro de
1991, durante o governo de Fernando Collor, em meio a uma série de
medidas e atos normativos que tinham a finalidade de demonstrar à opinião
pública nacional e internacional a consecução de uma política pública
indigenista condizente com as soluções esperadas para sanar os problemas
enfrentados pelos povos indígenas: invasões e exploração ilegal de
recursos naturais das terras indígenas, mortes por doenças e por falta de
assistência e assassinato de lideranças indígenas. Aquele era um momento
de grande pressão nacional e internacional com relação à questão indígena,
em particular com o caso Yanomami (SANTOS FILHO, 2006, p. 92).
Em 1994, o relator Luciano Pizzato apresentou seu substitutivo ao Projeto de Lei n.º
2.057 com base nas propostas do CIMI e do NDI, que foi aprovado por unanimidade
pela Comissão Especial da Câmara dos Deputados, criada para discutir o Estatuto
do Índio. No entanto, a tramitação desse estatuto, no Congresso Nacional foi
interrompida no governo de Fernando Henrique Cardoso.
[...] Com a eleição do novo governo (Fernando Henrique Cardoso), ocorreu
uma retirada do projeto "Estatuto das Sociedades Indígenas" do Congresso.
A nova proposta governamental só apareceu no cenário das comemorações
dos 500 anos, intitulada "Estatuto dos Índios, das Comunidades e das
Organizações Indígenas". É óbvio que há avanços, mas há itens que
preocupam a comunidade de antropólogos, como aqueles referentes a
exploração dos recursos florestais, minerais e hídricos em terras indígenas.
Há também a questão da ampla participação das lideranças indígenas, de
suas organizações e de entidades de apoio em todo este processo. Em
última análise, trata-se de um Estatuto para os Povos Indígenas,
reconhecidamente minoritários e protegidos internacionalmente (OLIVEN,
acesso em 20 jul. 2007).
149
Outros pontos questionados em relação ao projeto são a adoção da expressão
povos indígenas, a questão da tutela e a administração do patrimônio indígena
(PANKARARU, 2006).
Com a aprovação da Convenção 169 da OIT, não haveria mais motivos para o
questionamento da adoção do termo povos indígenas, uma vez que essa convenção
ratificada pelo Brasil, o adota e, como já vimos, faz as devidas observações quanto à
sua definição. Os outros pontos são vistos de maneira controversa: há setores que
defendem que o Órgão Federal Indigenista deve ser o gestor do patrimônio dos
povos indígenas, enquanto as organizações indígenas defendem que os próprios
índios sejam os gestores de seus bens e recebam apenas apoio desse Órgão
(PANKARARU, 2006).
A tutela é vista por alguns setores da sociedade como sendo um princípio revogado
pela Constituição Federal, no entanto outros setores afirmam que ela está em vigor e
que ela deve ser mantida no Estatuto do Índio como um mecanismo de proteção aos
direitos e aos interesses indígenas. Efetivamente, há setores que defendem que a
tutela existe, mas que no novo estatuto ela deve ser substituída por normas de
proteção aos índios e ao seu patrimônio territorial, ambiental e cultural
(PANKARARU, 2006). Cabe ressaltar que algumas lideranças indígenas têm
apresentado resistência em abdicar da tutela, acreditando equivocadamente que ela
lhes assegure plena imunidade (LARAIA, acesso 15 maio 2007).
Como já foi dito anteriormente, a tutela aos povos indígenas tinha sido instituída pelo
Código Civil (1916), que, no seu Art. 6.º, declarava os índios relativamente
incapazes para a prática de atos da vida civil e por isso ficariam sujeitos ao regime
tutelar, que cessaria à medida que fossem adaptando-se à civilização do País. O
novo Código Civil, instituído pela Lei nº. 10.406, de 10 de janeiro de 2002, aboliu de
seu texto o princípio da incapacidade relativa dos povos indígenas e afirma em seu
Art. 4.º, parágrafo único, que a capacidade dos índios será regulada por legislação
especial. No entanto, essa regulamentação ainda não foi feita.
A questão da exploração dos recursos naturais das terras indígenas é o item em
torno do qual se dão as maiores disputas políticas e em que estão envolvidos
150
diversos setores da sociedade, dadas as diferentes formas de interpretar o assunto,
além dos interesses econômicos, ambientais e outros que estão em jogo.
Há setores que são contrários à exploração dos recursos minerais, hídricos
e florestais das Terras Indígenas. Consideram que tais atividades podem
gerar invasões de terras, impactos ambientais, culturais, sociais para os
povos indígenas. Argumentam também que muitos povos indígenas não
têm o costume de lidar com grandes quantidades de dinheiro e por isso
ficariam bastante vulneráveis. Outros setores defendem que tais atividades
estão previstas na Constituição e devem ser regulamentadas de forma que
os direitos indígenas sejam amplamente protegidos, sendo que, inclusive,
algumas comunidades defendem o garimpo indígena e manejo florestal
para garantir a sua sustentação (PANKARARU, 2006, p.80).
Uma grande esperança de aprovação do Estatuto do Índio surgiu com a eleição de
Lula para o primeiro mandato. “Lula e a bancada petista se comprometeram em
defender a aprovação da nova lei. Porém, essa questão continua sendo mais uma
dentre as tantas promessas de campanha” (PANKARARU, 2006, p. 81).
Nesses 15 anos (1991/2006) em que o projeto de reformulação do Estatuto do Índio
tramita pelo Congresso Nacional, as organizações indígenas e indigenistas têm feito
manifestações e realizado denúncias e campanhas pela aprovação desse estatuto.
Essa reivindicação tem entrado sempre nas propostas dos Fóruns Sociais Mundiais
elaboradas pelos povos indígenas brasileiros e encaminhadas ao Congresso
Nacional. Essa é também uma das reivindicações do documento final da
Conferência dos Povos e Organizações Indígenas do Brasil, realizada em Santa
Cruz de Cabrália, no ano de 2000.
Nove representantes da Comissão Indígena Pós-Conferência e os diretores
do Cimi, que se encontram reunidos em Luziânia, município vizinho a
Brasília, entregaram ontem (19/06/2002) à Câmara dos Deputados o
abaixo-assinado que pede aos parlamentares a aprovação do Estatuto dos
Povos Indígenas nos termos da proposta da Assembléia Indígena de 2001,
encaminhada ao Congresso Nacional em abril do ano passado. Com
780.475 assinaturas recolhidas em todo o país, o abaixo-assinado é uma
das principais iniciativas da Campanha da Fraternidade que este ano foi
dedicada à causa indígena (PROPOSTA, acesso em 19 jul.2007).
O abaixo-assinado também não conseguiu fazer com que o projeto do Estatuto do
Índio fosse aprovado pelos parlamentares. Outra tentativa de aprovação foi feita em
2003, com a criação da Frente Parlamentar em Defesa dos Povos Indígenas. A
iniciativa de criar a Frente envolveu, além de parlamentares, a Coordenação-Geral
de Defesa dos Direitos Indígenas da FUNAI, a Associação dos Povos e
151
Organizações Indígenas do Nordeste, Minas Gerais e Espírito Santo (APOIME) e a
Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB).
A última grande mobilização dos povos indígenas pela aprovação do Estatuto do
Índio e pela definição de uma política pública para os povos indígenas culminou com
um Encontro, realizado em Brasília, com mais de 700 lideranças representantes de
89 povos indígenas, entre os dias 25 e 29 de abril de 2005. Os participantes do
Acampamento Terra Livre, como foi chamado esse Encontro; elaboraram um
documento final que foi apresentado à sociedade brasileira e encaminhado ao
Executivo Federal, ao Congresso Nacional e ao Poder Judiciário.
Os participantes do Acampamento Terra Livre reivindicaram a criação de um
Conselho Nacional de Política Indigenista composto por representantes dos povos
indígenas, das entidades de apoio à causa indígena e do Governo Federal, com o
poder para coordenar as ações do Governo nos vários ministérios, voltadas aos
povos indígenas. Outra reivindicação dos povos indígenas foi que não se
reformulassem os Arts. 231 e 232 da Constituição Federal e que se aprovasse o
Estatuto do Índio.
Após a realização do Acampamento Terra Livre, foi criada, em março de 2003, a
Comissão Nacional de Políticas Indigenistas (CNPI), com a participação de 13
representantes de órgãos do Governo, 20 indígenas (metade com direito a voto) e
dois
representantes
de
entidades
indigenistas.
A
CNPI
tem
caráter
de
acompanhamento e proposição das ações indigenistas e do anteprojeto de lei do
desse Conselho e sua duração será até a criação do Conselho Nacional de Política
Indigenista. Após a aprovação do Conselho, tornar-se-á mais fácil conseguir a
reformulação do Estatuto do Índio.
4.5 LEIS DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO NACIONAL E OUTRAS LEGISLAÇÕES
RELACIONADAS
152
Além da Constituição Federal e da Convenção n.º 169, outro marco importante no
que se refere à escolarização de povos indígenas brasileiros foi a promulgação da
Lei de Diretrizes de Base da Educação (LDB) de 1996, que reafirma, no Art. 32, que
a EEI deve ser ministrada na língua portuguesa. No entanto, assegura às
comunidades indígenas a utilização de sua língua materna e de processos próprios
de aprendizagem, como exposto no Capítulo 210 da Constituição Federal.
A EEI é mencionada também nos artigos 78 e 79 da LDB, que preconizam como
dever do Estado o oferecimento de uma educação escolar intercultural e bilíngüe,
que fortaleça as práticas socioculturais e a língua materna de cada sociedade
indígena e proporcione a oportunidade de recuperar sua memória histórica e
reafirmar sua identidade, dando-lhes, também, acesso aos conhecimentos técnicocientíficos.
Para que isso possa ocorrer, a LDB determina a articulação dos sistemas de ensino
para a elaboração de programas integrados de ensino e pesquisa com a
participação das comunidades indígenas em sua formulação, que tenham como
objetivo desenvolver currículos específicos. A LDB prevê também a formação de
pessoal especializado para atuar na EEI e a elaboração e publicação de materiais
didáticos a serem utilizados nessa modalidade de educação.
Também no rastro da Constituição de 1988 foi editado o Decreto n.º 26, de 14 de
fevereiro de 1991, que dispões sobre a EEI no Brasil e determina que o MEC43
coordene as ações a ela referentes, cabendo aos estados e municípios a sua
execução. A Portaria Interministerial MJ/MEC, n.º 559, de 16 de abril de 1991,
estabelece a criação dos Núcleos de EEI (NEIs), de caráter interinstitucional, com
representações de entidades indígenas e com atuação na EEI. A Resolução
CNE/CEB n.º 002, de 19 de abril de 1999, institui Diretrizes Curriculares Nacionais
para a Formação de Docentes da Educação Infantil e dos anos iniciais do Ensino
Fundamental, em nível médio, na modalidade Normal. A Resolução CEB/CNE, n.º
003, de 10 de novembro de 1999, fixa as diretrizes nacionais para o funcionamento
das escolas indígenas.
43
No MEC, a EEI está a cargo da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade
(SECAD).
153
O Referencial Curricular Nacional de Educação Indígena (RCNE/Indígena),
publicado no final de 1998, foi elaborado com o objetivo de subsidiar a elaboração e
a implementação de programas de EEI e contribuir para a formação de professores
indígenas e de técnicos, a fim de que se tornem aptos a apoiar e viabilizar essa
modalidade de ensino. Esse documento foi produzido com a contribuição de
diversos professores índios, com algumas secretarias estaduais e municipais de
educação, de entidades não-governamentais e de intelectuais de diversas
universidades brasileiras, tais como professores, antropólogos e lingüistas. Em
decorrência disso, o documento reflete a multiplicidade dos atores envolvidos em
sua formulação (MEC, 1995).
A multiplicidade de atores envolvidos no processo de elaboração do RCNE/Indígena
foi muito positivo, pois assim se agregou ao documento um valor político muito
maior. Sendo esse processo construído coletivamente, terá mais chances de sair do
papel e fazer parte da prática cotidiana escolar. Mas, por outro lado, essa
multiplicidade de atores propiciou uma grande diferença no trato com as questões
teóricas, o que se pode constatar quando se comparam os textos das diversas áreas
de estudo.
É grande o desnível entre tais textos. O texto de Matemática sobre o estudo do
espaço propõe um diálogo entre os conhecimentos etnomatemáticos e matemáticos
sobre o assunto, contudo, sem confundir essas duas modalidades de saberes. Essa
confusão é observada no texto de Geografia. Comparando-se essas e outras áreas
do ensino, constata-se que a questão da interdisciplinaridade, não levada em
consideração pelos autores do documento, seria extremamente necessária (COTA,
2000).
Como o RCNE/Indígena tem a pretensão de assumir uma função formativa, deveria
apresentar as diversas teorias da aprendizagem da Psicologia e não apenas uma
como sendo a “verdadeira”.
No programa de línguas, é sugerido, entre outras atividades, para o ensinoaprendizagem da oralidade, “[...] a leitura de pequenos textos com conteúdos e
vocabulários apropriados à idade dos alunos”. (MEC, 1995, p. 131).
154
Em todas as áreas de estudos aparecem idéias semelhantes: partir do simples para
o complexo, do local para o global, do concreto para o abstrato, do fácil para o difícil,
idéias essas baseadas na teoria do desenvolvimento elaborada por Piaget, mas que
não é a única (COTA 2000).
Outra crítica que se pode fazer ao RCNE/Indígena é que ele prevê que o professor
indígena, apenas com uma formação em nível de Ensino Médio, seja capaz de
realizar pesquisas lingüísticas e antropológicas, produzir material didático, propor
algumas das respostas aos novos problemas gerados pelo contato, além de exercer
a função de docência (MEC, 1995).
Quando um professor “branco” começa a lecionar, o currículo escolar da
instituição que o contratou já está pronto e em funcionamento – o máximo
com o qual ele provavelmente tem que se preocupar é com a montagem do
programa de sua disciplina. Mas não é assim com a imensa maioria dos
professores indígenas – em geral, cabe a eles a elaboração do todo o
projeto político pedagógico de suas escolas: o estabelecimento de seus
objetivos educacionais, de seu calendário, de sua grade curricular, do
conteúdo das disciplinas e do seu sistema de avaliação. Além disso,
enquanto um professor não índio tem, a sua disposição (em livrarias, em
bibliotecas, em jornais, na internet), toda uma variedade de materiais e
recursos para servir de suporte pedagógico, um professor indígena não tem
muito em que se apoiar para desenvolver seu trabalho: a maior parte dos
materiais que lhe poderiam ser úteis ainda estão “por fazer” (MAHER, 2006,
p.25).
A EEI também está assegurada pelo Plano Nacional de Educação (PNE), Lei n.º
10.172 de 9 de janeiro de 2001. O PNE foi elaborado pelo Instituto Nacional de
Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP), com assessoria do Núcleo de Estudos
sobre Ensino Superior da Universidade de São Paulo (NUPES/USP). A primeira
versão do capítulo sobre a EEI foi redigida por dois professores44 da USP a convite
do NUPES. Essa versão foi retrabalhada pela coordenadora do documento, Eunice
Durham, e incorporada à proposta inicial.
Outra proposta do capítulo sobre a EEI foi elaborada por representantes de órgãos
governamentais e entidades indigenistas reunidos pelo Comitê de EEI do MEC, em
1997. O documento final, com 21 metas incorporadas ao PNE, foi elaborado com
base nas duas versões preliminares (SILVA, 2001).
44
Professores Aracy Lopes da Silva e Luís Donizete Benzi Grupioni, do MARI.
155
O PNE apresenta um capítulo sobre essa modalidade de educação dividida em três
partes. Na primeira delas, faz-se um diagnóstico da oferta da educação escolar aos
povos indígenas brasileiros. Na segunda parte, encontram-se as diretrizes para a
EEI. Na terceira e última, são apresentados os objetivos e metas da EEI.
Percebe-se, contudo, que, ao invés de ir além do que já está garantido nos
textos da legislação atual, explicitando a real responsabilidade do Estado
frente aos desafios da educação escolar indígena, o PNE repete questões
já tratadas em leis anteriores e, inclusive, traz – em seus diversos pontos - ,
retrocessos significativos com relação aos direitos dos povos indígenas em
ter uma educação escolar que reconheça, respeite e fortaleça seus
processos próprios de ensinar e aprender e sejam parte de seus projetos de
presente e futuro (SILVA, 2001, p. 6).
Do ponto de vista de Freire (2004), o mais importante em relação ao PNE são os
prazos fixados para a realização das metas, para se verificar em que medida estão
sendo cumpridas. Estava previsto que, até janeiro de 2002, deveria ter sido criada a
categoria oficial de “escola indígena” e implantadas as Diretrizes e Parâmetros
Curriculares e o estabelecimento de padrões mínimos de infra-estrutura escolar.
Além disso, janeiro de 2003 foi o prazo estabelecido para o reconhecimento e a
regularização das escolas indígenas existentes, para a formulação de um plano de
implementação de programas especiais voltados à formação docente indígena em
nível superior, com a colaboração das universidades. Essa seria também a data
limite para criar, estruturar e fortalecer, nas secretarias estaduais de educação,
setores responsáveis pela educação indígena, com a incumbência de promovê-la,
acompanhá-la e gerenciá-la.
Janeiro de 2006 foi o prazo estabelecido para que se equipassem as escolas
indígenas com bibliotecas, videotecas e outros materiais de apoio. Ficou
estabelecido ainda que, até o ano de 2011, dar-se-ia a universalização da oferta de
programas educacionais equivalentes às quatro séries do Ensino Fundamental e
ampliar-se-iam os programas de 5ª a 8ª série. O mais importante não foi definido
nesse documento, que é a questão do financiamento da EEI.
“[...] fazer leis e muitas vezes acatá-las como parâmetro para decisões
jurídicas não significa ter uma política efetivamente estabelecida, pois esta
última envolve, além do aspecto legislativo e jurídico acima mencionado, a
criação de prioridades e destinação de verbas para o cumprimento das
mesmas, coisas que estão ausentes da atual realidade brasileira”
(CALEFATTI, 2003, p. 19).
156
No caso das ações relativas, além de não haver verbas garantidas, ocorrem também
uma desobrigação do Estado para com elas.
No caso da temática da educação escolar indígena, o PNE aprovado traz,
logo após a maioria das metas, anotações de rodapé que sugerem, por um
lado, vaga lembrança quanto à responsabilidade da União. Por outro, no
entanto, fica claro a ainda não garantia de financiamento público para as
escolas indígenas e suas demandas. Das 21 metas, treze estão
acompanhadas de dois asteriscos que remetem para a seguinte nota: “é
exigida a colaboração da União”. Outras duas são seguidas de um asterisco
que diz: “a iniciativa para cumprimento deste objetivo/meta depende da
iniciativa da União. Parece brincadeira de “passa anel”... com previsível e
triste final inspirado na “política do “lavo as minhas mãos”. Ou seja, no fim
das contas, nem municípios nem Estados, nem a União se comprometem
com os cursos da educação indígena. Com ou sem PNE, continua tudo do
jeito que está: o chamado dilema da “tríplice competência” – federalização,
estadualização e/ou municipalização das escolas indígenas – fica sem
solução (SILVA, 2001, p. 42).
O cumprimento das metas propostas pelo PNE está se processando de forma
desigual nas escolas indígenas brasileiras, devido às incertezas em relação ao
financiamento público da EEI, como pode ser constatado nos estados brasileiros
onde vive o povo Guarani, assunto que será abordado no item 3.8 deste Capítulo.
Baniwa45 (2006) faz ponderações sobre a fragilidade do atual sistema nacional de
educação, baseado na teoria do Regime de Colaboração entre os três sistemas de
ensino: federal, estaduais e municipais, que já funciona mal para a sociedade em
geral, muito pior para os índios. O mesmo ponto de vista é compartilhado por
Ladeira (2006).
Os técnicos responsáveis por esta nova atribuição não estavam preparados
para tal, não conheciam os índios, nunca haviam estado nas aldeias [...]
existe uma coerção muito grande para que estes povos interiorizem as
nossas práticas educativas, ainda que camufladas sob a égide do
diferencial. [...] atualmente há um distanciamento entre a esfera normativa e
a executiva, agravado pelas características da organização federativa do
Estado brasileiro, onde os Estados federados têm autonomia na
implementação das recomendações vindas dos Ministérios, dentro dos
parâmetros estabelecidos pela Constituição Federal. Os Estados têm
também liberdade para interpretar e/ou adaptar ao contexto político local as
normas emanadas de Brasília. Por isso também muito do descompasso
entre uma proposição ministerial e as ações executivas vindas das
46
secretarias estaduais/municipais que afetam diretamente as aldeias.
45
Gersen Baniwa é representante indígena no CNE.
LADEIRA, M. H.. Palestra proferida no II Seminário de Políticas de Ensino Médio. Brasília:
SECAD/MEC, 2006.
46
157
As conseqüências do sistema federativo brasileiro são sentidas com força pelo povo
Guarani, que vive em constantes deslocamentos por vários estados brasileiros,
questão a ser tratada também no item 3.8 deste Capítulo.
A institucionalização do Sistema Nacional de Educação como parte do sistema de
ensino da União é a proposta da Rede de Cooperação Alternativa Brasil47 (RCA)
para solucionar as distorções e as diferenças na implementação entre os diferentes
estados e municípios. Outra proposta da RCA diz respeito à implementação de uma
política de EEI alicerçada em programas específicos, oriunda das práticas
educacionais indígenas, em conformidade com os instrumentos legais de respeito à
diversidade cultural e não como adaptações de programas formulados no âmbito da
educação nacional.48
Ladeira (2006), Baniwa (2006), Kahn e Azevedo (2004) postulam que, no Brasil, em
termos de EEI, vem acontecendo uma mera adaptação dos programas da educação
nacional para as escolas indígenas. As escolas nas aldeias têm sido, com raras
exceções, réplicas das escolas das cidades: a mesma proposta de currículos, de
critérios de avaliação, carga horária, estrutura de funcionamento, calendário.
Contudo, apresentam um agravante que é o da precariedade das condições
materiais dessas escolas, que vai desde as péssimas condições físicas dos prédios
escolares até a falta de material didático, merenda, entre outras carências.
Um desses exemplos é a implantação do calendário escolar nas escolas
das aldeias, que é muito mais complexa do que, pode parecer à primeira
vista. Educadores governamentais pensam que apenas uma questão de
adaptação, de fazer alguns ajustes entre o calendário escolar tradicional
(das escolas das cidades) e a situação da vida das aldeias (tempo de roça,
de festas etc.), ilustrando os com desenhos indígenas, criando na língua
indígena nomes para os meses, dias da semana, etc. Sob a máscara do
respeito à diversidade cultural, se impinge aos povos indígenas uma nova
representação do tempo. A questão vai ainda mais além, é que o objetivo
do calendário é o controle social do Estado sobre o andamento das
atividades dos professores/alunos. O problema é: quem deve exercer este
controle, se pensarmos que este deve ser uma prerrogativa da comunidade
para a qual a escola está dirigida? A questão é: como a comunidade irá criar
um mecanismo de controle das atividades exercidas pelos professores? Há
de se ter consenso interno para este exercício. Nesta posição, as instâncias
oficiais, responsáveis pela implementação e acompanhamento das escolas
47
A Rede de Cooperação Alternativa Brasil (RCA) é constituída por organizações nãogovernamentais indigenistas (CTI, CPI-AC, CCPY, ISA e IEPE) e organizações não-governamentais
indígenas (Associação Vyty-Cati dos povos Timbira- MA e TO, Associação Terra Indígena do Xingu,
Organização dos Professores Indígenas do Acre, Federação das Organizações do Rio Negro).
48
O documento com as propostas da RCA foi encaminhado ao Governo brasileiro no ano de 2003.
158
nas aldeias, deveriam, ao invés
49
implementando essas novas práticas .
de
estar
apenas
fiscalizando,
Adaptação piorada dos programas da educação nacional para as escolas indígenas,
essa é a sensação que se tem ao analisar o Programa de EEI Guarani do Espírito
Santo, principalmente nas quatro séries finais do Ensino Fundamental, como
veremos no Capítulo V.
Outra crítica feita aos programas de EEI diz respeito à importância exagerada dada
ao discurso de gerenciamento e administração desses programas:
Credita-se uma importância exagerada ao discurso de gerenciamento e
administração como fundamental para garantir-se uma suposta eficiência e
controle das práticas educativas. O discurso tido como “consciente”, mas na
verdade extremamente conservador de parte dos professores indígenas, é
um exemplo significativo dessa redução do conhecimento ao domínio do
aparato jurídico/administrativo. O domínio deste aparato referenda a posição
desses professores como interlocutores preferenciais dos órgãos
governamentais, legitimando assim este conhecimento técnico como
imprescindível à melhoria da qualidade de ensino nas aldeias e do controle
das práticas educativas. Esses professores indígenas não percebem que na
quase totalidade do tempo a construção do seu discurso é que vem sendo
controlado, pelos órgãos governamentais. A linguagem de eficiência e do
50
controle tem promovido mais obediência às normas do que análise crítica
Para que se pudessem discutir as questões que têm travado o desenvolvimento das
políticas e ações de EEI no País, foi realizada uma audiência pública pelo CNE, nos
dias 26 e 27 de março de 2007, na cidade de São Gabriel da Cachoeira, no
Amazonas.
A razão principal da escolha do local foi a necessidade de o evento tratar de
questões abrangentes e estruturantes, e o município de São Gabriel da
Cachoeira é um dos poucos que poderia possibilitar isso, a partir das
experiências concretas, como o fato de ter três línguas indígenas (Baniwa,
Tucano e Nhegatu) co-oficiais do município e por ter um Sistema Municipal
de Educação que contempla e garante a existência de subsistemas
indígenas de educação. Isso não significa que na prática seja assim, mas
experiências em curso podem ajudar nas discussões, uma vez que, ao que
tudo indica, a educação escolar indígena caminha para se construir em um
subsistema de educação nacional ou ainda em distritos educacionais
indígenas (BANIWA, 2006, p.1).
A idéia de se criarem os distritos educacionais indígenas inspira-se do modelo que
vem sendo adotado na área da saúde indígena. Na ocasião da audiência, em São
49
50
LADEIRA, 2006
Idem
159
Gabriel da Cachoeira, a Comissão Nacional de EEI trouxe informações acerca dos
desafios da EEI no Brasil.
Os professores, lideranças indígenas e entidades de apoio que atuam no Rio Negro
indicaram os problemas enfrentados na execução de suas ações na região. O
Encontro gerou um documento cujo objetivo é orientar os encaminhamentos, sejam
eles de competência do CNE, dos Sistemas de ensinos ou do MEC. Entre as
reivindicações de abrangência nacional destacam-se:
- Encontrar formas de garantir a contratação de educadores/sabedores
tradicionais das comunidades indígenas que não têm a formação escolar
exigida pela Lei.
- Propor a realização de conferências para discutir as demandas da
Educação Escolar Indígena.
- Orientar os Estados e Municípios (secretarias e conselhos) para: 1)
respeitar o ordenamento jurídico próprio das escolas indígenas; 2) criar a
categoria de professor e escola indígenas e sua conseqüente carreira do
magistério; 3) criar normas administrativas próprias para atender a
educação escolar indígena.
- Elaborar novos marcos regulatórios, consultando os povos indígenas, para
efetivação e cumprimento de oferta de educação escolar desses grupos
étnicos no Brasil, visando: 1) à criação de um sistema de ensino específico
para atender a educação escolar indígena no país, que respeite a situação
territorial e a diversidade cultural dos povos; 2) à garantia do atendimento de
Ensino Médio e Superior específico para os povos indígenas; 3) ao
atendimento educacional de indígenas que moram em centro urbanos e em
territórios ainda não regularizados, de acordo com os princípios e diretrizes
51
estabelecidos na legislação específica.
A reivindicação para que se encontrem formas para a contratação de
educadores/sabedores tradicionais das comunidades indígenas que ofereçam a
formação escolar exigida pela lei se faz necessária, uma vez que a LDB, em seu Art.
26, dá abertura para que o currículo escolar, além da base nacional comum, seja
complementado, em cada sistema de ensino e estabelecimento escolar, por uma
parte diversificada, exigida pelas características regionais e locais da sociedade, da
cultura, da economia e da clientela. Contudo, não existe amparo legal para a
contratação de profissionais (sábios indígenas, técnicos agrícolas e outros) fora do
quadro do magistério para atender essa parte diversificada.
Não basta a garantia de que os conteúdos escolares sejam escolhidos de acordo
com os interesses da comunidade. Um professor com formação em nível de ensino
51
MEC/SECAD. Relatório da audiência pública pelo CNE. São Gabriel da Cachoeira: 2007.
160
médio em magistério dificilmente será a pessoa mais indicada a orientar a
comunidade no processo de implantação de um projeto de criação de abelhas,
capivaras ou de peixes. Os Guarani do Espírito Santo desejam entre outras coisas,
que a escola os ajude a pensar o problema da auto-sustentabilidade.
A reivindicação pela realização das conferências para discutir as demandas da EEI
tem sido uma constante entre os povos indígenas. Durante o Seminário Nacional
sobre Políticas Públicas para o Ensino Médio Indígena, ocorrido em Brasília, no
período de 4 a 8 de dezembro de 2006, procedeu-se a uma reunião com 50
lideranças e professores indígenas, na qual decidiram a Comissão de EEI,
encaminhará proposta de reformulação da EEI até que se realize a Conferência
Nacional de EEI. Essa decisão foi tomada levando-se em consideração que a
legislação vigente no País prevê que para a implementação de qualquer política
pública educacional para atender os povos indígenas, se deva ter a anuência deles.
Segundo os membros da Comissão propostas de políticas educacionais tem sido
encaminhadas ao Governo, porém constata-se poucos avanços na EEI como
comprova o diagnóstico elaborado pela Coordenação Geral de Educação Escolar
Indígena/SECAD/MEC em 2005.
Quanto à elaboração dos novos marcos regulatórios da EEI, acrescenta-se a
seguinte informação:
O ministro da Educação, Fernando Haddad, solicitou às lideranças
indígenas a elaboração de um documento que liste todas as dificuldades da
área. Em reunião com professores indígenas na sede do Ministério da
Educação, ocorrida nesta quarta-feira, 18, Haddad defendeu a elaboração
de um projeto de lei que trate especificamente da educação indígena. “Se a
comunidade se organizar e colocar no papel todos os obstáculos legais e
normativos que impedem novos avanços para a educação escolar indígena,
o MEC se compromete a tramitar no Executivo esse PL para
encaminhamento ao Congresso Nacional”, garantiu (Brasil, acesso 18 jun.
2007).
Outro problema sobre o qual insiste Baniwa está relacionado à questão de
participação dos povos indígenas nas esferas de poder e controle da EEI.
A fragilidade e inoperância dos mecanismos de participação e controle
social das políticas e ações da educação escolar indígena, nos quais os
índios são meros coadjuvantes, receptores ou mesmo vítimas das
161
chamadas políticas universais de direito à educação que prevalece na
concepção e na prática das macroestruturas do Estado (tribunais,
congressos Nacional, autarquias, etc.). Não basta boa vontade ou
sensibilidade dos assessores ou aliados indígenas nos escalões inferiores
do Poder, é necessária uma mudança substancial na forma de pensar, de
organizar, de decidir e de fazer do Estado, se pretende pluriétnico ou
52
multicultural.
No capítulo V, que trata da construção do Programa de EEI Guarani do Espírito
Santo, veremos como é difícil a situação dos povos indígenas quando, nas unidades
da Federação, onde vivem, só podem contar com a “boa vontade ou sensibilidade
dos assessores ou aliados indígenas nos escalões inferiores do Poder”. (BANIWA,
2006, p.7). Este autor aponta para a necessidade de aprovação do novo Estatuto do
Índio, a fim de que se possa garantir e articular a efetividade dos direitos indígenas
conquistados na Constituição de 1988.
Kanh e Azevedo alertam para a necessidade de aplicação de maiores recursos nos
programas de EEI.
O importante com relação aos recursos financeiros para as escolas
indígenas é a conscientização dos órgãos governamentais sobre as
necessidades especiais que essa educação exige, principalmente na
primeira fase de criação de escolas e de concepção de PPPs, para a qual
há uma demanda urgente por assessorias especializadas. Entre essas
assessorias destaca-se a de lingüistas para assistir professores indígenas
em suas comunidades no trabalho de sistematização da escrita das línguas
indígenas, que servirá de base para que pesquisadores das ciências
biológicas, humanas e exatas, acompanhados de antropólogos, possam
trabalhar na produção de materiais didáticos específicos, seja em
português, seja nas línguas indígenas (KAHN; AZEVEDO, 2004, p. 75).
Do nosso ponto de vista, deve-se tomar cuidado com as assessorias, porque elas
podem levar a novas formas de dependência e “tutela” e também pode incorrer em
outro equívoco, que é o da produção de materiais didáticos que acabam não sendo
utilizados pelos educadores indígenas, a exemplo de alguns que foram produzidos
pelos Guarani do Espírito Santo, com a ajuda de assessores, conforme veremos no
Capítulo V.
O desejável é que, a médio e longo prazo, os próprios indígenas adquiram uma
formação de qualidade em Antropologia, Lingüística e em outras áreas do
conhecimento, para que eles próprios assumam os trabalhos necessários à
52
BANIWA, Gersen, Relatório de Atividades no CNE, Brasília: 2006, p. 3.
162
implementação dos programas de EEI e em outras áreas que se fazem necessárias
para cada comunidade indígena em particular.
Por outro lado, não restam dúvidas de que ainda é muito pequeno o montante gasto
com a EEI pelo Governo Federal.
Em 2005, no âmbito do Ministério da Educação foram investidos mais de R$
25 milhões em apoio à formação de professores indígenas; apoio à
implantação de cursos de licenciatura para professores indígenas; produção
de materiais didáticos específicos; construção, reforma ou ampliação de
escolas indígenas e aquisição de equipamentos para estas escolas; apoio
ao desenvolvimento do ensino médio em escolas indígenas e formação de
técnicos. Estes recursos são transferidos para secretarias estaduais e
municipais de educação, organizações não governamentais e
universidades. Na maioria dos casos os recursos são repassados via
convênio das entidades com o Fundo Nacional de Desenvolvimento da
Educação – FNDE (BRASIL, acesso em 14 jun. 2007).
Levando em consideração todas essas ações desenvolvidas pelo MEC, 25 milhões
de reais podem ser considerados uma quantia irrisória, uma vez que, no Brasil,
existem, segundo o Censo Escolar de 2005, 2.324 escolas funcionando nas terras
indígenas, atendendo a 174.255 mil estudantes e que nessas escolas trabalham
9.100 professores indígenas53.
Outros agravantes dessa situação são, por um lado, as precárias condições
materiais das escolas indígenas e de formação dos professores indígenas; por outro
lado, a dificuldade de as secretarias de educação municipais e estaduais
concordarem em arcar com as despesas relacionadas à formação superior de
professores e à produção de material didático. Na realidade, essas secretarias
predispõem-se
a
investir
somente
nas
ações
que
tradicionalmente
vêm
desenvolvendo com as escolas não-indígenas, ou seja, não reconhecem “[...]
necessidades especiais que essa educação exige, principalmente na primeira fase
de criação” (KAHN; AZEVEDO, 2004, p. 75). Essa é a situação vivida pelos sujeitos
do Programa de EEI Guarani do Espírito Santo, abordada no Capítulo V.
As principais lideranças indígenas brasileiras afirmam que é preciso aproximar cada
vez mais os projetos educacionais dos socioculturais dos povos indígenas. Para que
isso ocorra, é necessário pensar e provocar mudanças estruturais profundas na
53
Além dos recursos acima citados, as escolas indígenas recebem recursos federais através do
FNDE, do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), do Transporte Escolar, do Programa Dinheiro
Direto na Escola e do FUNDEF.
163
concepção e na organização político-administrativa do Estado brasileiro, que
envolvam todas as outras áreas e setores da vida indígena: território, educação,
saúde, cultura, meio ambiente, economia, entre outros (BANIWA, 2006).
Em outras palavras, as políticas públicas e o respeito à diversidade étnica e cultural
só se sustentam e têm sentido atrelados às outras políticas públicas e ao respeito
aos direitos socioeconômicos dos povos indígenas.
Outra reivindicação dos povos indígenas dá-se no sentido de que as escolas
destinadas aos não-índios sejam também interculturais, como estratégia no combate
ao racismo e ao preconceito em relação aos povos indígenas e a outras “minorias”.
O que está escrito neste livro o nosso aluno já sabe: ele aprendeu a ter
orgulho de ser guarani. Mas, cada vez que sai da aldeia e vai vender
artesanato em Angra ou em Parati, ele desaprende lá tudo o que aprendeu
aqui. Essa lição está no olho do “juruá”, que trata o guarani como inferior. A
escola do “juruá” não ensina pros seus alunos quem somos nós e nem
mostra a importância dos índios no Brasil. Aí, o aluno que sai dessa escola
trata o índio com desprezo, com preconceito e aí acaba ensinando a gente
a ter vergonha de ser índio, estragando todo o trabalho da escola guarani.
Por isso, é bom levar esse livro pra lá, pra escola dos brancos, pra ver se
eles aprendem a conhecer o índio e a tratar a gente com respeito (FREIRE,
2006, p. 16).
Essas são palavras do professor guarani Algemiro Poty, da Escola Kyringue Yvotyty,
da aldeia Sapukaia, Angra dos Reis, Rio de Janeiro, ao receber um livro paradidático
editado pela Universidade do Rio de Janeiro, cujo texto valoriza os saberes
indígenas e redimensiona a contribuição histórica dos povos indígenas para a
cultura regional (FREIRE, 2004).
A educação escolar intercultural para os não-índios poderia contribuir para que os
brasileiros tivessem uma opinião mais crítica em relação aos meios de comunicação
que ainda tratam os povos indígenas com preconceito e hostilidade, como foi o caso
da Revista Veja, veiculada em 14 de março de 2007. Na reportagem “Made in
Paraguai: a FUNAI tenta demarcar área de Santa Catarina para índios paraguaios,
enquanto os do Brasil morrem de fome”, afirma-se que, em Santa Catarina, essa
etnia foi extinta ainda no século XVII.
No período do descobrimento, o litoral de Santa Catarina era habitado por
índios carijós, subgrupo do povo guarani. Escravizada pelos colonizadores
164
portugueses, a etnia foi considerada extinta em meados do século XVII,
segundo os registros dos historiadores. Essa versão não foi contestada até
1993, quando a Fundação Nacional do Índio (FUNAI) adotou a tese –
controvertida – de que ainda havia remanescentes dos carijós. A fundação
se baseou num estudo publicado dois anos antes pela antropóloga Maria
Inês Ladeira. Ela defende que alguns dos carijós teriam se refugiado no
Paraguai, onde seriam chamados de embiás. Depois que o trabalho foi
divulgado, dezenas de embiás paraguaios (e alguns argentinos) sentiram-se
legitimados para invadir o parque ecológico da Serra do Tabuleiro, nas
imediações de Florianópolis. Os índios se instalaram no Morro dos Cavalos,
um dos pontos mais acidentados da região. Invasão consumada, a Funai
planeja transformar o local em reserva indígena. Para brasileiro pagar e
paraguaio (e argentino) usufruir (EDWARD, acesso em 15 nov. 2007.)
A reportagem desconsidera todos os outros pesquisadores que se têm dedicado ao
estudo dessa etnia e omitem propositadamente dados antropológicos sobre os
deslocamentos do povo Guarani e as diferenças entre as concepções de território
existentes entre o povo Guarani e a sociedade não-índia. A reportagem omite que,
[...] para um Guarani, é absolutamente incognoscível a idéia de fronteira.
Eles não se dizem gaúchos, catarinas, paranaenses, paulistas, capixabas,
matogrossenses, uruguaios ou bolivianos. São Guarani e circulam por Ywy
Rupa, como eles denominam o território Guarani. "Para você eu nasci no
país Argentina. Para mim não, para mim não tem só um Paraguai, tudo isso
aqui é mundo Paraguai. Tudo é Paraguai, porque nós não temos bandeira,
não temos color [cor]. E para mim Deus deixou tudo livre, não tem outro
país. Tem Paraná, tem quantas partes o Rio Grande. Do outro lado já é
outro país, mas para mim não tem outro país, é só um país. Quando uma
criança nasce aqui no Brasil, nasce lá no Paraguai. Quando nasce no
Paraguai, ela nasce aqui também. Só um país. É igual. Porque a água, por
exemplo, esse rio é grande já [mostrando o rio Três Barras], mas só em
cima está correndo, por baixo é o mesmo, a terra. Ywy Rupa é tudo isso
aqui, o mundo", explica muito bem Roque Timóteo, em depoimento à
antropóloga Maria Dorothea Post Darella. Ywy Rupa é, então, o mundo no
qual se encontram as aldeias atuais, os caminhos percorridos e os lugares
ocupados pelos antepassados, onde estão as áreas sonhadas, os espaços
temporariamente desocupados e os locais a serem ainda apropriados.
Compreender isso é entender a alma guarani (TAVARES, acesso 25 set.
2007).
Essa reportagem foi um recurso utilizado para jogar a opinião pública brasileira
contra esse povo, o que causou indignação por parte dos Guarani e dos outros
povos indígenas, além dos diversos setores da sociedade civil que apóiam a causa
indígena, inclusive os amplos setores da própria imprensa. Como já foi dito
anteriormente, esse é um bom exemplo da necessidade de fornecer a educação
escolar intercultural também para os não-índios.
165
4.6 UM SÓ POVO E MUITAS POLÍTICAS PÚBLICAS
De acordo com as secretarias estaduais, os dados quantitativos da educação
escolar guarani, no ano de 2006, eram:
Tabela 3: Dados educacionais da população guarani no Brasil (2006)
ESTADO
POPULAÇÃO
GUARANI
N.º DE
ESCOLAS
N.º DE
PROFESSORES
N.º DE ALUNOS
RS
1.800
10
18
-
200
5ª
a
8ª
87
PR
3.000
11
44
76
530
126
18
750
SC
1.305
11
24
-
140
70
31
241
SP
4.000
28
81
170
525
138
06
839
RJ
772
3
7
-
210
-
7
217
ES
251
2
6
10
60
35
08
113
40
150
-
-
-
-
10.000
105
330
MS
25.000
Total
54
36.128
Ed.
Inf.
1ª a
4ª
EM
TOTAL
18
305
12.465
Os dados estatísticos da EEI guarani devem ser considerados apenas como
estimativas, uma vez que as organizações indigenistas do MS (SED/MS, UFMS,
Universidade Católica, CIMI) não souberam informá-los com precisão.
No Paraná,
existem duas outras escolas municipais que atendem alunos guarani e kaigang e
outra que atende alunos guarani, kaigang e xetá. Também em Santa Catarina, os
alunos guarani dividem uma de suas escolas com os xokleng e outra com os
kaigang. Em São Paulo, a EEI encontra-se organizada por Ciclos: I (Ed.Inf.), II
(1.ª/4.ª), III (5.ª/8.ª), IV (Ensino Médio). No Espírito Santo, existia, em 2006, mais três
professores, um formado e dois outros em formação, que não estão atuando como
tal.
No Brasil, além do problema da hostilidade e do preconceito da sociedade
envolvente, o povo Guarani enfrenta a questão das diferenças nas políticas públicas
54
É necessário considerar as divergências dos dados sobre a população guarani apresentados pelas
secretarias de educação e aqueles apresentados pelo CIMI, vistos no capítulo II.
166
existentes entre os diversos Estados brasileiros.55 Essas diferenças, como já foram
assinaladas, acontecem devido ao nosso sistema federativo.
O processo de institucionalização, nos Estados brasileiros, dos direitos dos povos
indígenas a uma educação diferenciada teve um ponto de partida comum - a
promulgação das constituições estaduais, nos anos seguintes à promulgação da
Constituição Federal de 1988.
Nas constituições dos estados onde vive o povo Guarani - Rio Grande do Sul, Santa
Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Mato Grosso do Sul56
- estão assegurados os mesmos direitos dos povos indígenas estabelecido na
Constituição Federal. Assim como na Federal, as constituições estaduais
apresentam um capítulo específico, “Dos Índios”, que garante o apoio para que
esses povos tenham a posse das terras que ocupam e condições de preservar as
suas tradições.
[...]
SEÇÃO II
Dos Índios
Art. 282 - O Estado fará respeitar os direitos, bens materiais, crenças,
tradições e todas as demais garantias conferidas aos índios na Constituição
Federal.
§ 1º - Compete ao Ministério Público a defesa judicial dos direitos e
interesses das populações indígenas, bem como intervir em todos os atos
do processo em que os índios sejam partes.
§ 2º - A Defensoria Pública prestará assistência jurídica aos índios do
Estado, suas comunidades e organizações.
§ 3º - O Estado protegerá as terras, as tradições, usos e costumes dos
grupos indígenas integrantes do patrimônio cultural e ambiental estadual.
Art. 283 - A lei disporá sobre formas de proteção do meio ambiente nas
áreas contíguas às reservas e áreas tradicionalmente ocupadas por grupos
indígenas, observado o disposto no art. 231 da Constituição Federal (SÃO
PAULO, 1989, acesso 10 out. 2007).
Essas constituições ratificaram também o direito ao uso da língua materna no Ensino
Fundamental.
[...]
Art. 251. O Poder Público assegurará às comunidades indígenas o ensino
fundamental, ministrado em língua portuguesa, garantindo-lhes a utilização
55
O mesmo problema é enfrentado também por outros povos indígenas que vivem em mais de um
Estado da Federação como é o caso dos povos Terena, Kaigang, Pankararu e Xokleng.
56
O Pará e o Tocantins não estão sendo considerados nesta pesquisa, porque não se tem notícias
de deslocamentos de pessoas guarani do Espírito Santo por esses Estados.
167
da língua materna e de processos próprios de aprendizagem (MATO
GROSSO DO SUL, 1989, acesso 10 out.2007).
Merece destaque a Constituição do Rio Grande do Sul que, além dos direitos
previstos na Constituição Federal, assegura ainda que o ensino seja intercultural e
bilíngüe, do mesmo modo que a formação de professores indígenas bilíngües.
[...]
Art. 265 - O Estado proporcionará às comunidades indígenas o ensino
regular, ministrado de forma intercultural e bilíngüe, na língua indígena da
comunidade e em português, respeitando, valorizando e resgatando seus
métodos próprios de aprendizagem, sua língua e tradição cultural.
Parágrafo único - O ensino indígena será implementado através da
formação qualificada de professores indígenas bilíngües para o atendimento
dessas comunidades, subordinando sua implantação à solicitação, por parte
de cada comunidade interessada, ao órgão estadual da educação. (RIO
GRANDE DO SUL, 1989, acesso 10 out. 2007).
Mesmo tendo um ponto de partida comum, a promulgação das constituições
estaduais, as políticas públicas institucionalizadas, na área da EEI, tiveram, a partir
de então, desdobramentos muito diferentes. Algumas dessas diferenças são:
instância à qual se encontram vinculadas as escolas indígenas, formação inicial e
continuada dos professores indígenas, ritmo de regulamentação da legislação
relativa à EEI (LDB, Resolução CNE/CEB n.º 2, de 19 de abril de 1999, Resolução
CNE/CEB n.º 3, de 10 de novembro de 1999, Portaria Interministerial n.º 559/91,
Resolução CNE/CEB n.º 3), entre outras.
Diferentemente do que está disposto na Resolução CNE/CEB Nº 3/99, no Paraná e
no Espírito Santo, as escolas indígenas não são estaduais. No Paraná, do total das
11 escolas indígenas guarani, apenas três são estaduais, as outras são municipais.
Os representantes da SEDU/PR afirmam que uma predisposição por parte do
Governo Estadual em estadualizar as escolas indígenas e a demora em fazê-lo
explicitam um descompasso no cumprimento das políticas públicas traçadas em
nível federal, como apontavam anteriormente Ladeira (2006) e Baniwa (2006).
No Espírito Santo, aconteceu um processo inverso. As escolas localizadas nas áreas
indígenas eram estaduais e classificadas como escolas rurais. Na década de 80 do
século XX, foram municipalizadas por meio de um convênio assinado entre a SEDU
e a SEMED. Nesse Estado, os povos indígenas não têm interesse no processo de
168
estatização
de
suas
escolas,
como
pudemos
constatar na
proposta
da
regulamentação da Resolução n.º 3/99, que fixa as Diretrizes Nacionais para o
Funcionamento das Escolas Indígenas, encaminhada pelo Subnúcleo de Educação
Indígena do NISI ao Governo do Estado. A escola, estando vinculada ao Município,
tem feito com que o governo estadual se omita de suas responsabilidades em
relação à EEI, assunto que será tratado no Capítulo V.
Nos casos do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Rio de Janeiro, São Paulo e Mato
Grosso do Sul, as escolas indígenas são vinculadas às secretarias estaduais de
educação, mas nem todas elas iniciaram suas atividades estando vinculadas ao
Estado. As escolas indígenas de Santa Catarina foram estadualizadas em 1999, por
solicitação e encaminhamento do NEI/SC. No Rio de Janeiro, no início, houve
resistência à institucionalização da escola guarani.
O Projeto Educativo da escola Indígena Guarani Kyringue Yvotyty, na aldeia
Sapukai, em Angra dos Reis, no Rio de Janeiro, expressa uma clareza de
objetivos que aponta para um caminho de construção de uma experiência
escolar não formal com algumas características fundamentais: a)
independência frente aos órgãos públicos, portanto uma Escola não
vinculada ao Município ou ao Estado e b) um projeto escolar que busca
estar inserido num projeto educativo maior da comunidade (NOBRE, Acesso
em 20 de jul. de 2007).
A escola guarani do Rio de Janeiro somente foi institucionalizada em 2005,
passando a fazer parte da SEDU/RJ.
Também no Mato Grosso do Sul, as escolas indígenas guarani iniciaram suas
atividades desvinculadas do Estado.
No Mato Grosso do Sul, o projeto desta escola diferenciada entre as
comunidades Kaiová/Guarani, mais concentrada no sul do Estado, começa
a ser pensado, com algumas iniciativas isoladas (e fora do âmbito do
Estado), por volta de 1985, como demanda dos movimentos nacionais
desencadeados nos anos de 1970 que tinham como objetivo a defesa dos
territórios e a luta por outros direitos e, entre eles, uma escola diferenciada
que rompesse com o modelo da que lhes era/é imposto até então (MATO
GROSSO DO SUL acesso 10 jul. 2007).
Nesse Estado, o movimento dos professores guarani desempenhou importante
papel no processo de construção dessas experiências educacionais.
No Mato Grosso do Sul, os professores – índios Guarani/Kaiová, os poucos
que existiam, e algumas lideranças, assessorados por órgãos nãogovernamentais, em especial o CIMI (Conselho Missionário Indigenista) e
169
professores universitários pesquisadores da questão indígena, criam o
Movimento dos Professores Guarani/Kaiová, que passa a fazer gestão no
sentido de contarem com currículos mais próximos de suas realidades e,
conseqüentemente, com programas de capacitação inicial e continuada. O
Movimento dos Professores Guarani/Kaiová de Mato Grosso do Sul existe,
ainda que em situação embrionária, desde 1988, tendo sido criado
efetivamente em 1990 (MATO GROSSO DO SUL, acesso em 10 jul. 2007).
No Mato Grosso do Sul, o Movimento dos Professores Guarani/Kaiová exerce
importante papel no processo de institucionalização das políticas públicas relativas à
EEI.
Em Santa Catarina, a Secretaria de Estado da Educação (SED/SC) assumiu, a partir
de 1993, a gestão educacional das escolas indígenas mediante a Comissão
Estadual de Educação, criada pela Portaria n.º 1.6207/93 (VIEIRA, 2007).
Em 1998 havia 21 escolas indígenas no Estado que estavam
municipalizadas. A partir de 1999, todas retornaram para a rede estadual,
sob a responsabilidade da SED. Desde então foram criadas 13 novas
escolas. A estadualização ocorreu em função da falta de condições que as
Secretarias Municipais têm em assegurar o atendimento específico e
diferenciado a que estas comunidades têm direito. Além disso, as relações
entre as populações indígenas têm sido marcadas invariavelmente por
tensão, preconceito e discriminação. Isto se explica na medida em que a
presença de índios, e a garantia de seus direitos territoriais se chocam, via
de regra, com os interesses econômicos e expansionistas dos municípios
limítrofes às áreas indígenas o que acaba por colocar em risco a qualidade
da oferta educacional. As ações de educação – direito destas populações,
acabam assumindo um caráter de mera concessão, tornando-se objeto de
negociação na barganha de interesses de parte a parte. Além disso, existe
a diferenciação no tratamento a uma mesma etnia que em seu território
57
convive com 2 ou 3 administrações municipais.
Em atendimento ao que está disposto na LDB, na Resolução CNE/CEB n.º 2/99, na
Resolução CNE/CEB n.º. 3/99, e Portaria Interministerial n.º 559/91, todos os
estados onde vive o povo Guarani têm desenvolvido cursos de formação de
professores dessa etnia. Porém, há grandes diferenças entre eles no ritmo de
implementação dessa formação. Os estados de Mato Grosso do Sul e São Paulo
apresentam grandes avanços em termos de formação de professores indígenas
guarani.
No Mato Grosso do Sul, está sendo formada a segunda turma de magistério em
nível de Ensino Médio. Na primeira turma, 70 professores kaiowá/guarani,
57
SANTA CATARINA, Relatório de atividades do NEI, 2005.
170
provenientes de 17 áreas indígenas, foram habilitados. A segunda turma concluiu os
estudos em dezembro de 2006, formaram-se 66 professores.
Para habilitar educadores da própria comunidade a atuar nessas escolas, a SED/MS
oferece formação continuada durante todo o ano (MATO GROSSO DO SUL, acesso
10 jul. 2007). Aos professores egressos do curso de Magistério, está sendo
oferecido um curso de licenciatura indígena.
A oferta de curso superior de Licenciaturas Indígenas que formará
professores para atuar nas escolas indígenas de ensino médio de Mato
Grosso do Sul será formalizada nesta sexta-feira, (30/06/2006) às 10 horas,
no auditório da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), em
Dourados. O curso superior “Teko Arandu” será voltado aos índios guarani e
kaiowá e terá 60 vagas, inicialmente. O sistema de ensino adotado será o
da alternância pelo qual a carga horária será dividida em aulas presenciais
(tempo-universidade) e não-presenciais (tempo-comunidade). Com uma
abordagem curricular alternativa e flexível, a licenciatura indígena
favorecerá o diálogo intercultural entre as diversas ciências e os diversos
tipos de saberes (MATO GROSSO DO SUL, acesso 10 jul. 2007).
Os cursos de formação dos professores indígenas de São Paulo, diferentemente dos
de Mato Grosso do Sul, reúnem mais de uma etnia.
Em 2003, a Secretaria de Estado da Educação formou 61 professores
indígenas, de cinco etnias diferentes: Kaigang, Krenak, Terena, Guarani e
Tupi-Guarani. Eles estão formados no Magistério nível médio, através do
Curso Especial de Formação de Professores Indígenas para a Educação
Infantil e séries iniciais do Ensino Fundamental (1ª a 4ª séries). O curso teve
a duração de 15 meses e foi ministrado por professores contratados pela
Faculdade de Educação da USP, nos pólos dos CEFAMS Tucuruvi-SP,
Bauru e Guarujá (Centro Específico de Formação e Aperfeiçoamento do
Magistério). A formação dos professores indígenas foi acompanhada por um
Comitê Gestor, com representantes da Secretaria de Estado da Educação e
da FAFE-FEUSP (SÃO PAULO, acesso em 15 jul. 2007).
Dando prosseguimento à formação dos professores indígenas guarani de São
Paulo, deu-se início, em 2005, ao Curso de Magistério Intercultural Superior
Indígena (MISI), visando a preparar 81 professores indígenas das cinco etnias, por
meio de uma formação teórica e de uma prática docente indígena. Esses
profissionais atuarão como docentes na Educação Infantil e no Ensino Fundamental
e com as funções de gestão, coordenação e suporte pedagógico nas escolas
indígenas (SÃO PAULO, acesso em 15 jul. 2007).
No Espírito Santo, foi oferecido, entre os anos de 1996 e 1999, um curso de
Magistério, em nível de Ensino Médio, que possibilitou a formação de cinco
171
professores guarani. Outros sete professores estão sendo formados no Curso de
Formação de Professores Guarani – Kuaa-Mbo-e Conhecer/Ensinar, que está sendo
realizado em parceria com os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina,58
Paraná e Rio de Janeiro. Assunto que será tratado no Capítulo V deste trabalho.
Em atendimento ao que está disposto na Portaria Interministerial nº 559/91, todas as
secretarias de educação dos estados, onde vive o povo Guarani, à exceção do
Espírito Santo, criaram seus respectivos Núcleos de EEI. O município capixaba de
Aracruz, ao qual se encontram vinculadas as escolas indígenas do Espírito Santo,
também não conta com esse Núcleo.
Criado oficialmente em 1996, o Núcleo de Educação Indígena -NEI, (de
Santa Catarina) vinculado à Diretoria de Educação Básica e Profissional, é
integrado pelas gerências de ensino da SED, por lideranças e professores
indígenas, órgãos regionais de educação, universidades e outras
instituições comprometidas com a causa indígena. É responsável pela
proposição de diretrizes educacionais e pela implementação de uma escola
que contemple os princípios da especificidade e diferença, interculturalidade
59
e bilingüismo
No Mato Grosso do Sul, tanto a administração das escolas quanto a elaboração da
proposta pedagógica têm efetiva participação dos representantes das comunidades.
Em todos os estados da Federação onde vivem grupos guarani já foi estabelecida a
categoria Escola Indígena. Em Santa Catarina, a categoria Escola Indígena foi
instituída pela Lei n.º 12.449, de 10 de dezembro de 2002. No Rio Grande do Sul, a
criação legal dessa categoria deu-se em 2001.
Além das diferenças existentes entre os diversos estados quanto à implementação
das políticas públicas, ocorre um problema ainda maior, que é o do nãocumprimento dos direitos dos povos indígenas assegurados pela Portaria
Interministerial n.º 559/91, pelo PNE e por outras legislações em relação à
construção de currículos diferenciados, à produção de materiais didáticos, à
edificação de escolas nos padrões arquitetônicos característicos de cada povo, entre
outros.
58
Em Santa Catarina anteriormente à formação dos professores guarani, aconteceu a
Formação/Habilitação de Professores de 1.ª a 4.ª série do Ensino Fundamental para o contexto
Xokleng e Kaigang. Os professores dessas etnias participaram do concurso específico e 18 deles
foram efetivados e assumiram suas funções a partir de agosto de 2003.
59
SANTA CATARINA. Relatório Síntese das atividades do NEI: 2003 a 2006. Florianópolis, 2006.
172
Conforme mencionado anteriormente, janeiro de 2006 foi o prazo estabelecido pelo
PNE para que se equipassem as escolas indígenas com bibliotecas, videotecas e
outros materiais de apoio, meta que ainda não saiu do papel para o povo Guarani.
173
CAPÍTULO V
5 DA EDUCAÇÃO ESCOLAR NA ALDEIA À EDUCAÇÃO ESCOLAR
DA ALDEIA: REDEFININDO AS FRONTEIRAS
O processo de escolarização e a institucionalização da EEI guarani estão
relacionados aos movimentos sociais e políticos desse próprio povo e de outros,
que, como vimos no Capítulo IV vêm lutando pela institucionalização de políticas
públicas e pela legislação que respalde a construção dos programas de educação
diferenciados. É necessário também mencionar a influência de outros programas de
EEI e o apoio de organizações governamentais (SEDU, SEMED, MEC) e nãogovernamentais (CIMI, Pastoral Indigenista e IDEA entre outros) no processo de
construção do Programa de EEI Guarani, principalmente na formação dos
professores.
Os principais atravessamentos sofridos pela escolarização e pela EEI guarani são
aqueles relacionados à questão territorial, à luta pela terra e à cultura desse povo,
como é o caso da pedagogia guarani e dos deslocamentos territoriais.
Desde o início, várias organizações governamentais e não-governamentais têm
apoiado os Tupinikim e os Guarani do Espírito Santo na luta pela institucionalização
da EEI diferenciada. Nesse sentido, foram organizados, em 1995, dois Seminários
de Educação Indígena em Aracruz, um envolvendo apenas o grupo guarani60 e
outro, os dois povos. Este último aconteceu no período de 24 a 28 de abril de 1995,
com o objetivo de “[...] sensibilizar os diversos segmentos da sociedade para a
Educação Indígena.” 61
Participaram desse seminário os parceiros do Subnúcleo de Educação Indígena do
NISI/ES (SEMED, UFES, SEDU, SEJUC62, FUNAI, representantes indígenas, a
60
Não foi produzido relatório deste seminário.
NISI/ES, Relatório do Seminário, 1995
62
Secretaria Estadual de Justiça e Cidadania
61
174
Pastoral Indigenista, CIMI, a Aracruz Celulose S/A.), professores da pré-escola à 4.ª
séries das aldeias, educadores populares e lideranças indígenas tupinikim e guarani,
e outros, totalizando aproximadamente 70 participantes.
A professora Monte63 foi convidada para coordenar os trabalhos do Seminário de
Educação Indígena Tupinikim e Guarani, em que foram debatidos os temas: as
bases legais e conceituais da EEI; a alfabetização bilíngüe; a interculturalidade e a
educação indígena; o universo sociocultural dos povos Tupinikim e Guarani do
Espírito Santo. Esse Seminário possibilitou a construção de
[...] consensos básicos quanto às mudanças necessárias, hoje
asseguradas pela Constituição Brasileira, para estabelecer, nas aldeias
indígenas do Espírito Santo, um novo modelo de educação que
assegurará, a estes povos, uma escola cujos princípios são: a garantia do
ensino das línguas indígenas e do português no currículo escolar; a
inclusão nos conteúdos curriculares dos conhecimentos tradicionais destes
povos; e o respeito aos próprios processos de aprendizagem nas escolas
das aldeias. Tais princípios apontam para uma educação escolar indígena
diferenciada, específica e intercultural, proporcionando o resgate/respeito
às suas culturas, que deverá ser iniciado com a formação de professores
64
indígenas entre Guarani e Tupinikim.
O convite à Monte para coordenar o Seminário indica a influência das outras
experiências de EEI no programa educacional indígena que foi sendo instituído no
Espírito Santo. Esta influência também pode ser constatada por meio da
correspondência trocada pelos parceiros do Projeto de EEI Guarani com
profissionais desse e de outros projetos de EEI.
O apoio das organizações governamentais e não governamentais seguiu em anos
posteriores, como, por exemplo, no processo de formação dos professores
indígenas e na luta pela terra.
O Programa de EEI Guarani do Espírito Santo inter-relaciona-se também com os
movimentos sociais dos povos indígenas, em geral, e do povo Guarani, em
particular. Esse povo tem realizado vários encontros e criado várias organizações,
visando a discutir, propor e cobrar a institucionalização de políticas públicas, nas
diversas instâncias dos governos, que respeite suas diferenças culturais. Do ponto
63
A professora Nieta L. Monte começou seus trabalhos no programa de educação desenvolvido pela
CPI/AC, nos anos 80. Autora de vários trabalhos na área de EEI tem prestado assessoria a
programas de EEI tanto no Brasil como nos demais países da América Latina.
64
NISI/ES, 1995.
175
de vista das lideranças políticas e religiosas guarani presentes nos encontros
realizados no Brasil e em outros países da América do Sul, a educação escolar tem
imposto outros ritmos e tempos à sociedade guarani, uma vez que a legislação
determina carga horária diária e número de dias letivos por ano iguais àqueles das
escolas não-indígenas, ou seja, quatro horas e trinta minutos diários e 200 dias
anuais de atividades letivas.
Outra preocupação das lideranças religiosas presentes nesses encontros é quanto
aos cursos de formação de professores. Segundo eles, é preciso tomar cuidado
porque o conteúdo, a metodologia dos cursos e as aulas ministradas pelos
professores posteriormente podem introduzir idéias que se contrapõem ao modo de
ser guarani. Em geral, os conhecimentos científicos desvalorizam toda a relação que
os Guarani desenvolvem com o mundo sobrenatural, as respostas que buscam e
encontram para seus conflitos sociais e políticos em seu relacionamento com a
sociedade nacional, para as doenças que os atingem, entre outros (CIMI, 2004).
Nesses encontros, os representantes do povo Guarani têm tentado traçar o papel
político que a instituição escolar deve assumir nas comunidades, assim como os
princípios que devem nortear a construção dos programas de EEI guarani. Na IV
Assembléia Nacional da Ñemboaty Guasú Guarani,65 realizada entre os dias 30 de
setembro e 5 de outubro de 1993, em Itapecerica da Serra/SP, as 63 lideranças
reunidas definiram que a EEI guarani deveria ter como princípios: a) a escola deve
ser bilíngüe e a alfabetização em guarani; b) os professores serem guarani e
respeitar os costumes e tradições do povo Guarani; c) todas as decisões acerca da
escola devem ser discutidas com as comunidades; d) a escola deverá ensinar a
história do povo Guarani às crianças para garantir a continuidade da cultura guarani;
e) os guarani devem aprender coisas do mundo não indígena para que não sejam
prejudicados e enganados; f) constantes trocas de experiências entre as várias
escolas guarani, com o objetivo de ter uma educação escolar unificada e (g) as
escolas guarani devem ser reconhecidas oficialmente.
Do ponto de vista de D`Angelis, (2000), presente nesse Encontro, o sistema
educacional do povo Guarani pode ser visto como círculos concêntricos que têm no
seu âmago a casa de reza (Opy), onde são ensinadas as histórias sagradas e onde
65
Organização indígena guarani assessorada pelo CIMI.
176
se constrói o ser guarani através de cerimônias rituais. Essa forma de ser é ensinada
e reforçada no círculo familiar, principalmente pelas mães. Num círculo posterior,
situam-se as relações do mundo do trabalho que põe em operacionalidade as regras
sociais: divisão de tarefas por sexo, co-responsabilidade e complementaridade das
relações de gênero e respeito às relações hierárquicas que organizam as formas de
solidariedade no grupo. No círculo mais externo, situa-se a escola, instrumento
formal de educação para as relações de contato, ou seja, para as relações
diplomáticas (D`ANGELIS, 2000). Graficamente, o sistema educacional guarani
sistematizado por D’Angelis pode ser assim representado:
Opy
Figura 11 – Sistema educacional dos Guarani
Fonte: D`Angelis (2000).
O interessante do pensamento guarani sistematizado por esse autor é que a
educação escolar não é colocada à margem da sociedade guarani, alheia à vida da
aldeia e à respectiva cultura indígena (TASSINARI, 2001), mas como parte dessa
sociedade.
Em outros encontros do povo Guarani, a questão educacional também tem sido
debatida, como foi o caso da Assembléia Continental do Povo Guarani, realizada em
Porto Alegre, em 2006, com a participação de cerca de 700 jovens.
Além da
questão da terra e direitos, como educação e trabalho, também foram debatidas e
montadas estratégias de mobilizações para cobrar do Governo Federal mais atenção
no que diz respeito a estas duas áreas. (ASSEMBLÉIA, acesso em 18 jul.2007).
Um elemento preponderante nos discursos das lideranças e que tem sido acatado
na construção dos programas de EEI guarani é o fato da necessidade de se garantir
177
que os professores sejam escolhidos pela comunidade. Essa e outras questões
foram discutidas na II Assembléia Continental do Povo Guarani, realizada entre 11 e
14 de Abril de 2007, em Porto Alegre-RS
As relações entre o rekó e a escola foi um dos assuntos discutidos no I Encontro
Nacional de Educadores Indígenas Guarani realizado em 2000, na Aldeia de Bracuí
em Angra dos Reis. Segundo as lideranças guarani, a escola deveria sempre
respeitar e valorizar o rekó, jeito de ser guarani.
De maneira resumida, podemos dizer que a discussão da educação escolar nos
diversos encontros realizados pelo povo Guarani, desde a década de 90 do século
XX, e a inserção da escola como parte da sociedade, presente nos discursos das
lideranças guarani, são elementos históricos que contribuem para o questionamento
das pesquisas antropológicas que “ignoram (ou omitem) dados sobre a educação
escolar como parte da vida cotidiana das aldeias” (TASSINARI, 2001).
A preocupação com a preservação da cultura e do modo de ser guarani tem sido
outro elemento da pauta dos encontros e movimentos políticos do povo Guarani. As
organizações indígenas e indigenistas têm apoiado a realização de encontros que
versão sobre a educação tradicional desse povo.
A partir de um encontro realizado em 1980, no Mato Grosso, o CIMI apoiou
e viabilizou o propósito dos Mbya de reativar as grandes reuniões (ñembo
aty guasu), que ganhavam um novo alento graças ao poder aglutinador dos
xamãs, com a frente de Tatati, a grande cunha Karaí, dona de muitos
cantos, mediadora entre os humanos e os divinos, avó mítica e heroína
divinizada, fundadora do mundo. Nesses encontros, Tatati articulava a rede
de solidariedade entre os tekoa, selava alianças matrimoniais e trabalhava
para recompor o grupo familiar. Quando Tatati voltava das reuniões,
segundo Lilia Valle, estava rouca de tanto cantar, e falava dos contatos que
há tempo procurava (CICCARONE, 2001, p. 233).
No mês de dezembro de 2002, foi realizado o I Encontro de Educação Tradicional,
na aldeia Tenondé Porá, no município de Parelheiros, em São Paulo.66 O evento
reuniu diversas lideranças indígenas religiosas e políticas do povo Guarani e foi
organizado pelo Instituto Teko Arandu, entidade que reúne representantes das
aldeias de São Paulo e Rio de Janeiro. Pajés, conselheiros, professores, agentes
66
O I Encontro de Educação Tradicional teve o apoio da Fundação Nacional do Índio (FUNAI), da
Cáritas Nacional, da Secretaria de Educação de São Paulo, do Fundo Social de Solidariedade do
Estado de São Paulo, da Associação Guarani Nhe’Porã e foi patrocinado pelo Fundo das Nações
Unidas para a Infância (UNICEF), por meio do programa Criança Esperança.
178
comunitários de saúde indígena, mulheres, jovens e crianças da etnia guarani dos
estados do Espírito Santo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Maranhão e
Pará participaram do Encontro, cujo objetivo foi proporcionar o diálogo entre as
lideranças participantes e possibilitar a formação das pessoas mais jovens em
relação aos conhecimentos tradicionais.
Durante o evento, aconteceram oficinas de culinária, cantos, danças, preparação de
alimentos e brincadeiras. No encerramento, foram apresentados os resultados e
definidas as linhas de ação para a continuidade do movimento e o desenvolvimento
de projetos nas aldeias participantes.
Outro Encontro dessa mesma natureza foi realizado em dezembro de 2004, também
em São Paulo, na aldeia de Peguaó Ty. Os anfitriões prepararam-no de forma a
fazer presente as antigas práticas. Desde as boas vindas até a alimentação, tudo foi
feito à maneira tradicional. Pelo fato de o Encontro ter reunido muitas lideranças
religiosas, foram realizadas inúmeras seções de cura, que se estendiam pela
madrugada, na Opy (casa de reza), onde pediam proteção e agradeciam a
Nhãnderu (Deus).
O último grande encontro do povo Guarani, realizado em setembro de 2007, na
aldeia Tey Kue, Caarapó (MS), reuniu lideranças guarani do Brasil, Paraguai, Bolívia
e Argentina para realizar o lançamento da campanha Povo Guarani, Grande Povo!.
Cerca de 300 pessoas reuniram-se objetivando fortalecer a articulação guarani e
intensificar a luta por seus direitos. O principal problema do povo Guarani, no Brasil
e nos países vizinhos, é a falta de terras e o controle de seus territórios (PERES;
BOTELHO, 2007).
A terra é para o povo Guarani uma produção divina que abriga todos os seres vivos:
animais, plantas e seres humanos. No entendimento desse povo, as áreas
desmatadas ou com características ecológicas distintas (campos, cerrados, entre
outros) são divinamente atribuídas a outras sociedades. O espaço guarani deve ser
abundante de recursos necessários ao seu modo de ser (nhanderekó).
O lugar visado pelo povo Guarani para a construção de seu Tekoa deve ter mato,
água, pedras e, se possível, permitir que eles mantenham certa distância dos não
índios (juruá). Porém, cabe lembrar que serão sempre as belas palavras ouvidas
179
pelo líder espiritual que determinarão a fixação dos Guarani em determinado lugar.
O Tekoa constitui o espaço físico que, além de servir à subsistência do grupo,
possibilita a materialização do modo de ser guarani. O Tekoa não significa somente
a terra, mas também a casa e as relações com os parentes. É onde enterram os
mortos, rezam, e onde reside o direito divino de fazerem suas roças. Dessa forma, a
fixação de um grupo guarani em um território não é aleatória, corresponde à
obediência a uma mensagem divina, bem como à realização das regras sociais
desse povo (GUIMARAENS, 2003).
O povo Guarani reconhece o direito divino de uso e ocupação da terra por outros
grupos, inclusive pelos regionais, embora não aprovem os métodos de utilização do
solo. Esse povo não consegue entender o devastador uso da terra por parte dos
não-índios, com a morte de plantas e animais nativos para a introdução de novas
plantas e novos bichos pela mão humana (GUIMARENS, 2003).
Do ponto de vista guarani, não é lícito disputar territórios. Os Guarani não
reconhecem a propriedade de uma pessoa sobre a terra, uma vez que essa é uma
dádiva divina. Em contrapartida, esperam o reconhecimento também do seu direito à
terra, que pensam ser, com ou sem razão histórica, anterior e primeiramente
guarani. Para o povo Guarani, Nhanderú deixou esses lugares para eles.
Em todo o Brasil, o povo Guarani tem enfrentado problemas com a invasão de seus
territórios por parte de empresas, fazendeiros, imobiliárias, entre outros. A redução e
muitas vezes, a falta de territórios adequados são um dos fatores que têm
prejudicado a reprodução física e cultural desse povo, tanto que a solução desse
problema tem sido um dos principais pontos de reivindicação nas assembléias
continentais, realizadas por eles.
A falta de terra é o principal problema que atinge nosso povo. Não vivemos
sem a terra e a terra não vive sem o nosso povo, formamos um único corpo.
A falta de terra não permite que vivamos de acordo com nossa cultura.
Nossos jovens são obrigados a buscar trabalho em outros locais não
sobrando tempo para aprender com nossos velhos. Nosso povo sempre
viveu com muito respeito em relação à natureza. O mato verdadeiro é nosso
local principal para construirmos nossas aldeias e vivermos nossa cultura.
Sem o mato, a água, os rios e todos os seres que nela habitam, não
podemos viver. Durante milhares de anos vivemos nesta natureza,
respeitando e vivendo com ela. (PORTO ALEGRE, acesso em 10 out. 2007)
180
Historicamente, o povo Guarani, de senhor primordial de vasto território e cultura,
passou a receber pequenos pedaços de terra onde foi confinado, sem nunca se ver
integrado totalmente à sociedade mais ampla (SOUZA FILHO, 2003). Ladeira (1984)
postula que os Guarani Mbya, por questões éticas e religiosas, têm aversão às
brigas e às disputas por territórios, porém participam e apóiam as lutas de outros
povos indígenas, com os quais compartilham território, como é o caso dos Guarani
do Espírito Santo.
A questão territorial e a luta pela terra são alguns dos atravessamentos que se dão
no processo de escolarização e na EEI guarani no Espírito Santo. Esse grupo tem
enfrentado dificuldades em garantir a sobrevivência, devido às dimensões e à
degradação ambiental das aldeias. Segundo relatos das professoras da FUNAI, a
situação socioeconômica dos Guarani é muito difícil desde os anos 90 do século XX.
Na aldeia, havia carência de alimentos, as crianças estavam desnutridas e muitas
delas faleciam. Muitas vezes cheguei a ver os índios catando alimentos no lixão de
coqueiral. Isto gerava em mim muita revolta, até mesmo contra o órgão para o qual
eu trabalho (Professora da FUNAI em conversa informal, Coqueiral de Aracruz, julho
de 2007).
Para tentar ajudar a combater a fome e a desnutrição, a cozinheira da escola fazia
uma quantidade maior de merenda, que era dada para as outras crianças da aldeia.
Na maior parte das vezes, essa era a única refeição com a qual as crianças podiam
contar (Professora da FUNAI em conversa informal, Coqueiral de Aracruz, julho de
2007). Entre 1993 e 1994, a fome atingia 80% da população da aldeia e eram
numerosos os casos de morte de crianças por desidratação e desnutrição. Segundo
Ciccarone (2001), as dificuldades enfrentadas pelos Guarani, no Espírito Santo,
davam-se em função da falta de recursos naturais e das condições ambientais
(pobreza dos solos, irregularidade do período de chuvas, entre outros).
Devido às precárias condições materiais de existência, tais como solos impróprios
para o plantio, pequena área territorial e pouca mata que acarreta a escassez dos
produtos da caça, da pesca e da coleta, as pessoas da comunidade guarani que
tradicionalmente não gostavam de trabalhar como empregados estão aceitando
181
estabelecer vínculos empregatícios.67 Cabe ressaltar, no entanto, que não são as
pessoas guarani que procuram por empregos; esses têm sido oferecidos a elas,
diante dessas ofertas, fazem algumas exigências, com a de que esses empregos
sejam na própria aldeia.
Do ponto de vista das pessoas da comunidade guarani, nesse novo contexto, ou
seja, necessidade de buscar outras formas de sobrevivência aumenta a importância
da escolarização das pessoas. A senhora Vera diz que acha que a Escola é
importante para os Guarani porque os jovens estão com dificuldade de trabalho para
sobreviver.
A situação está difícil, precisa ter emprego. Temos que incentivar as crianças a irem
para a escola e não desistirem. Tive que tirar uma das minhas filhas da escola para
cuidar de sua irmãzinha pequen;, ela não queria sair e ficou triste porque seus
coleguinhas continuaram e ela não. Hoje me sinto culpada. Ela está casada, gostaria
de voltar a estudar e o marido dela é que vai decidir se ela volta (Fala registrada na
ata de reunião do NISI/ES, no dia 8 de dezembro de 2005).
A luta dos Guarani e dos Tupinikim para reaverem as terras que foram invadidas
pela empresa Aracruz Celulose para o plantio de eucalipto é outro fator que
atravessa a escolarização e a EEI guarani. O pedagogo Mauro teve seus estudos de
graduação em Pedagogia pagos pela empresa Aracruz Celulose, como parte de
acordo de ajustamento de conduta68 firmado entre a Aracruz Celulose e os povos
indígenas no ano de 1998.
Três professores tupinikim que estão atuando nas turmas do 6.º ao 9.º ano também
estudavam com bolsas de estudo pagas pela Aracruz Celulose. Essas bolsas foram
67
Em março de 2007, 15 pessoas das aldeias estavam trabalhando como servidores públicos, cinco
na limpeza pública, duas no saneamento, duas na saúde e seis na educação.
68
Por esse acordo, a empresa Aracruz Celulose se comprometia em repassar para as aldeias
indígenas a quantia de 11 milhões e 400 mil reais a serem pagos no prazo de vinte anos e a serem
gastos em projetos comunitários para as aldeias; devolver uma área de 2.571 hectares de terras,
coberta de eucalíptos, aos quais a Aracruz se comprometeu a prestar apoio e a desenvolver o
fomento através de exploração desse recurso; participar de projetos do NISI/ES ou de programa
semelhante que lhe venha a suceder, sempre em favor da comunidade, e aportar recursos no valor
mínimo de R$ 7.980,00 ao ano; pagar água e energia elétrica consumida pela comunidade,
diretamente às companhias concessionárias de tais serviços até o total de R$ 193.800. Os valores
estabelecidos seriam corrigidos mensalmente pela variação do IGPM ou do IPC. Em contrapartida, a
comunidade indígena tupinikim e guarani foi obrigada a reconhecer as Portaria nº. 193 e 195, do
Ministério da Justiça, que estipulavam a área de terras cedidas pela empresa Aracruz Celulose às
comunidades indígenas.
182
suspensas no ano de 2005 devido a retomada dos conflitos pela terra e ao terceiro
processo de autodemarcação das terras iniciado por esses dois povos.
Os Guarani do Espírito Santo tiveram a preocupação de garantir no currículo escolar
uma problemática de estudo relacionada à questão da auto-sustentabilidade e do
etnodesenvolvimento de suas aldeias, devido à falta de recursos naturais e a
pequena extensão do território que possuíam.
Com a reintegração da área que vinha sendo reivindicada pelos Tupinikim e
Guarani, poderá crescer o número de escolas, devido à formação de novas aldeias
guarani, como a de Olho D`água, que já começou a ser construída. Deve também
aumentar a importância das escolas devido à necessidade de conhecimentos
técnicos para a recuperação das terras e a criação de novas formas de subsistência
e etnodesenvolvimento.
As poucas e lentas transformações que aconteceram no processo de escolarização
e na institucionalização da EEI guarani são frutos de um longo processo de transição
vivido por esse povo, como pode ser constatado por meio das mudanças de suas
representações acerca da educação escolar, da formação e contratação dos
professores guarani e da produção da proposta curricular para as escolas das
aldeias.
As mudanças que aconteceram nas representações dos Guarani do Espírito Santo
em relação à instituição escolar encontram-se relacionadas a diversos fatores: a
participação de lideranças em encontros guarani sobre o assunto; à convivência com
outros povos indígenas, mais especificamente o povo Tupinikim, com o qual
compartilham o território; à piora nas condições materiais de vida provocada pela
redução do território onde vivem; às políticas públicas indígenas instituídas no Brasil
a partir da promulgação da Constituição Federal de 1988 e às parcerias
estabelecidas com diversas organizações governamentais e não-governamentais.
Silva (1994) registrou as representações dos Guarani do Espírito Santo acerca da
educação escolar, no ano de 1981, quando passou uma temporada com eles com o
objetivo de realizar uma pesquisa lingüística.
Os Guarani me asseguraram que jamais aprenderia a língua deles
enquanto não aprendesse também a religião e que, usando as palavras de
183
um líder da comunidade, “escola só para fazer bonito, não!”. Em poucas
palavras, os Guarani me diziam que para entender a sua língua - algo que
para mim era um fenômeno, digamos assim profano, e cuja análise
dependia unicamente de minha habilidade de documentação e formulação
de hipóteses - não bastava e nem precisava ser lingüista. Além disso, as
cartilhas e livros de leitura que afirmava ser capaz de produzir soavam aos
Guarani como “bonitezas”. Finalmente, os Guarani não pareciam
interessados na questão de “como fazer uma escola”, mas em outra uma
outra, mais fundamental, a saber, “por que uma escola”, o que,
convenhamos não é uma questão para principiantes, como era o meu caso
(SILVA, 1994, p.12).
Silva (1994) apresenta duas questões importantes para reflexão: a primeira é quanto
à pergunta: “por que uma escola?”; a segunda refere-se à relação entre a religião e
a aprendizagem da língua. A questão da relação entre a religião e a aprendizagem
da língua nos remete à importância da formação dos professores guarani para
atuarem nas escolas das aldeias, assegurada pelo Art. 6.º da Resolução CNE/CEB
n.º 3/99. Segundo essa Resolução, “[...] a formação dos professores deverá ser
específica e diferenciada”, e a atividade docente na escola indígena deverá ser
exercida, prioritariamente, por professores indígenas oriundos da respectiva etnia.
Segundo Silva (1994, p. 12), do ponto de vista dos Guarani, seria necessário ser um
praticante da religião guarani para dominar e saber ensinar a língua nativa, ponto de
vista compartilhado pelo cacique de Boa Esperança, que afirma existir uma língua
[...] dos líderes religiosos e uma fala das lideranças. Os educadores têm que estar
ensinando a língua simples, mas devem conhecer também a língua superior, ou
seja, a dos líderes religiosos (Fala registrada na ata de reunião do NISI/ES realizada
na aldeia Boa esperança, no dia 10 de agosto de 1989).
As dúvidas dos Guarani do Espírito Santo encontram-se relacionadas a outra
pergunta apresentada por Silva (1994): “por que uma escola?”. Havia entre essas
pessoas, principalmente entre os membros do grupo fundador grande resistência à
escrita na língua nativa e, conseqüentemente, à EEI bilíngüe.
Aurora, porta-voz da posição “recusa da escrita” estava preocupada com o
envolvimento dos jovens no mundo do branco ao qual tinham contribuído
um projeto de internato em escolas agrícolas. A postura da coletividade em
relação à escola formal era limitada a uma vontade explícita de garantir o
alimento das crianças e ao desejo dos pais de que os filhos pudessem
aprender a ler e escrever “para se virarem nas cidades” (CICCARONE,
2001, p. 102).
184
Esse grupo passou a aceitar melhor a educação escolar quando pôde vislumbrar
nessa modalidade de educação uma possibilidade de auto-afirmação da identidade
cultura; por isso a escola passou a ser aceita sob certas condições e circunstâncias.
Segundo o senhor Júlio, liderança da aldeia de Três Palmeiras, é necessário que o
guarani estude, mas que continue também “obedecendo e vivendo do nosso jeito e,
se chegar ao Ensino Superior para ajudar nosso povo seria um orgulho”. Do seu
ponto de vista, a escola pode ser tanto ruim como benéfica para a sociedade
guarani. Podes ser ruim “quando as crianças começam a ir para a escola e os
indinhos avançam um pouquinho no estudo, já querem roupa adequada, sapato,
tudo como os brancos exigem”. Pode ser benéfica, “se todo aluno guarani fosse
igual ao professor Mauro, que tudo que aprende coloca a serviço de sua nação..
(Falas registradas na ata de reunião, realizada na Três Palmeiras, pelos membros
do NISI/ES, no dia 8 de dezembro de 2005)
Ao reconhecer o importante trabalho realizado pelo professor Mauro, o senhor Júlio
aponta para a importância da formação de professores indígenas, porém explicita
também o problema criado com a existência do professor remunerado nas aldeias:
Na própria escola das aldeias tem pessoas que ganham seu dinheirinho, têm menos
filhos e essas crianças já se vestem melhor e acabam criticando as criancinhas que
são mais simples que se vestem de qualquer jeito, qualquer tipo de peça de roupa.
(Fala registrada na ata de reunião, realizada na aldeia de Três Palmeiras, pelo
NISI/ES, no dia 8 de dezembro de 2005)
Como já foi dito anteriormente, a questão da EEI passou a ser discutida na aldeia de
Boa Esperança a partir do momento em que algumas lideranças começaram a
conhecer experiências de outras aldeias e a participar de encontros sobre o assunto,
modificando assim suas representações em relação à EEI.
Antes, as lideranças se reuniram no encontro Ñemboaty Gyuasu Guarani
em Mato Grosso do Sul, depois em Rio Grande do Sul (Porto Alegre), São
Paulo, Rio de Janeiro. Nesses encontros, os índios discutiam sobre a
necessidade de ter a escola dentro da aldeia para livrar as crianças dos
brancos porque se estuda com os branco não vai aprender. O branco
ensina o que está escrito no livro e o que o português fez, no livro não tem
cultura do guarani, como é a dança, a religião, o pajé. O livro explica o que
não é verdade e às vezes parte que é verdade. Nesses encontros, foi
discutido para lutar e ter professor dentro da aldeia. (KWARAY apud TEAO,
200, p. 124).
185
Com o início do Curso de Formação de Educadores Tupinikim e Guarani (19961999), a questão da educação escolar bilíngüe foi reconsiderada pelos membros do
grupo fundador, já que sete dos oito educadores que participaram desse Curso eram
netos de Aurora e um era sobrinho. Por isso, a EEI passou não somente aceita, mas
também defendida, por esse grupo familiar como mais um espaço de poder a ser
conquistado para o favorecimento dos seus membros.
O trabalho de educação escolar bilíngüe desenvolvido por Mauro na aldeia de Três
Palmeiras, a partir do ano de 1998, e o seu compromisso com a comunidade foi
outro fator que ajudou a comunidade guarani a rever o seu ponto de vista em
relação à EEI bilíngüe.
No Espírito Santo, as representações guarani acerca da EEI variam de acordo com o
papel social desempenhado pelos membros da comunidade. Os mais velhos, os
líderes religiosos e políticos, ou seja, os guardiães da cultura vêem a escola como
um instrumento de recuperação e fortalecimento da cultura. Os discursos das
lideranças políticas revelam ainda o processo de reelaboração original dos direitos
educacionais indígenas previstos por lei.
Muito importante ter educadores índios dando aula, facilita a compreensão das
crianças na aprendizagem. Toda conversa na comunidade é feita na língua, e se
tem educadores ensinando na língua, isso é importante. Também precisam aprender
português para quando saírem da aldeia para conseguir compreender ao falar com o
“branco” (Fala registrada na ata de reunião, realizada pelo NISI/ES, na aldeia de
Três Palmeiras, no dia 10 de agosto de 1999).
A circularidade cultural (Ginzburg, 2004) e a consciência da incompletude das
culturas (Santos, 2001) marcam os discursos das lideranças indígenas:
Um lider precisa de saber tudo de sua cultura, da natureza, tem que ser um sábio
para poder orientar seu povo. Para mim o educador tem que saber tudo sobre a
cultura Guarani e as coisas la da escola branca, ele precisa estar bem preparado
para não ensinar as coisas erradas. Eles precisam apreder e saber de todas as
atividades da aldeia e também participar das aulas da escola (Fala registrada na ata
da reunião, realizada pelo NISI/ES, na aldeia de Boa Esperança, no dia 24 de
setembro de98).
186
O cacique de Três Palmeiras reforça a necessidade do ensino das línguas
portuguesa e guarani como conteúdos escolares e não somente como veículo de
comunicação de outros conteúdos:
Nelson diz que a cultura gurarani não é de tirar as matas para grandes culturas e
pensa que a escola poderia ajudá-los a conservar essa tradição de preservar a
natureza. Hoje temos contato com outras culturas e para isso é importante aprender
também o português. Eu mesmo, para conversar com o não índio, tenho que prestar
muita atenção no que vou dizer. Se queremos mandar cartas para outros povos ou
autoridades também precisamos escrever bem no português e na língua guarani. Os
educadores índios devem se preocupar em aprender dos mais velhos os
conhecimentos das plantas medicinais e qual sua utilidade para as doenças(Fala
registrada na ata da reunião, realizada pelo NISI/ES, na, aldeia de três Palmeiras, no
dia 8 de otubro de 1999).
O cacique Nelson, ao defender a escola como um espaço para ensinar-aprender a
língua portuguesa e também o guarani, está defendendo essa instituição como um
espaço de intercâmbio onde as distinções étnicas podem emergir (TASSINARI,
2001). Nesse sentido, a escola, ao mesmo tempo que dialoga com outras culturas,
contribui para a afirmação da identidade étnica. É por isso que, do ponto de vista
dos Guarani, não somente os conteúdos, mas também os valores da sociedade
guarani devem ser ensinados nas escolas.
As autoridades da aldeia, o cacique, o educador devem ver o que é bom para as
nossas crianças e jovens aprender, eles devem saber o que da educação é bom de
se aprender, principalmente os bons ensinamentos (os valores da boa união, do
respeito, não roubar).(Fala registrada na ata da reunião, realizada pelo NISI/ES, na
aldeia de Três Palmeiras, no dia 8 de janeiro de 1999).
Os professores têm que corrigir as crianças que brigam, não pode deixar. Na escola
deve ser obrigado a trabalhar dança, artesanato, coisas da cultura (Fala registrada
na ata da reunião, realizada pelo NISI/ES, na aldeia de Boa Esperança, no dia 11
de dezembro de 2003).
A preocupação com os processos próprios de aprendizagem guarani é outra
constante nos discursos das lideranças guarani preocupadas com a afirmação da
187
identidade étnica: eu gostaria de estar fortalecendo nossos educadores quando
estão dando aula. Nós também esperamos que eles procurem por nós para
conversarmos sobre isso (Fala registrada na ata da reunião, realizada pelo NISI/ES,
na aldeia Boa esperança, no dia 10 de agosto de 1999).
Assim a instituição escolar, rechaçada por muitos grupos guarani e pelas lideranças
religiosas e políticas guarani do Espírito Santo, pouco a pouco foi-se tornando
assunto
das
discussões.
Paulatinamente,
foram-se
transformando
as
representações em relação a essa instituição. Vista, a princípio, como um dos
fatores de destruição da cultura, a escola passou a ser considerada um instrumento
que pode contribuir para a revitalização cultural.
A formação e a contratação de professores guarani são um importante elemento na
luta pela transformação da educação escolar ofertada aos Guarani do Espírito Santo
pelos órgãos governamentais, com propósitos integracionistas, em uma educação
que leva em consideração as diferenças culturais desse grupo. Nesse processo, os
professores guarani têm participado de cursos de formação tanto inicial como
continuada.
5.1 A FORMAÇÃO E A CONTRATAÇÃO DOS PROFESSORES GUARANI
Levando em consideração que os cinco alunos guarani diplomados pelo Curso de
Formação de Educadores Tupinikim e Guarani (1996/1999) são ex-alunos da EMPI
Boa Esperança e que, desses, três - Aciara, Mauro e Sílvio - foram alunos da
primeira turma dessa escola em 1987, pode-se dizer que o processo de substituição
dos professores não-índios contratados pela FUNAI por professores guarani, nas
aldeias do Espírito Santo, começou no ano de 1987.
A EMPI Boa Esperança, entre os anos de 1987 a 2005, contou com duas
professoras contratadas pela FUNAI. Uma trabalhou no período de 1987 a 2003; a
outra no de 1997 a 2005. Nenhuma das duas dominava a língua guarani, nem na
188
oralidade nem na escrita.
confirmando
assim
a
Conseqüentemente, o ensino era monolíngüe,
concepção
integracionista
das
políticas
públicas
implementadas pela FUNAI e o não-cumprimento do Estatuto do Índio, que, mesmo
sendo de cunho integracionista, assegurava aos povos indígenas em seu Art. 49 “A
alfabetização dos índios far-se-á na língua do grupo a que pertençam e em
português, salvaguardando o uso da primeira”.
Na EMPI Boa Esperança, as crianças guarani das séries mais avançadas e os
adultos bilíngües (português e guarani) desempenhavam o papel de intérpretes para
as professoras da FUNAI. “Os alunos conversavam entre eles em guarani e quando
era alguma palavra que eu sabia, eles se dirigiam a mim também na língua guarani”
(Conversa informal, Coqueiral de Aracruz, julho de 2007). As dificuldades de
comunicação atrapalhavam o processo de aprendizagem das crianças, daí a
necessidade do trabalho de reforço escolar.
Sandra está dando reforço depois do horário de aula para os alunos da 3ª
série que estão com dificuldades em matemática. Michele está
freqüentando o reforço. No reforço conta com o apoio de dois alunos da 4ª
série para trabalhar na língua gurarani. Ela tem a impressão que as
69
crianças acabam superando as suas dificuldades.
Segundo as professoras da FUNAI, elas adaptavam os conteúdos dos livros
didáticos à realidade guarani. Ao trabalharem problemas matemáticos, utilizavam
frutas, animais, artesanatos. Ao abordarem a questão da saúde, procuravam falar de
situações que detectavam entre eles. No entanto, cabe ressaltar que adaptar os
conteúdos à realidade guarani não significa necessariamente respeitar a lógica do
pensamento desse povo, principalmente seus processos próprios de aprendizagem.
A primeira ação no intuito de institucionalização de uma educação diferenciada nas
aldeias guarani e tupinikim no Espírito Santo deu-se em 1993 com o Projeto de
Educação Formal e Popular Comunidades Indígenas, elaborado pela Pastoral
Indigenista e a equipe do CIMI, juntamente com a FUNAI, a SEMED e a SEDU).
Esse projeto revela dois elementos interessantes do ponto de vista histórico, que
marcam o longo período de transição do processo de institucionalização da EEI
guarani.
69
SEMED. Relatório de visita dos técnicos dessa secretaria às escolas guarani, no dia 20 de julho de
2003.
189
O primeiro está relacionado ao próprio nome: Projeto de Educação Formal e Popular
Comunidades Indígenas. São utilizados os conceitos formal e popular para
denominar
a
modalidade
de
educação
que
se
pretendia
implementar,
desconsiderando assim as denominações utilizadas por outros programas de EEI,
que já vinham sendo cunhadas desde a década de 70 do século XX, inclusive com a
participação da Igreja Católica, uma das parceiras do Projeto de Educação Formal e
Popular Comunidades Indígenas.
O segundo elemento interessante encontra-se na justificativa do projeto e está
relacionado às contradições que marcam a transição da postura do Governo e da
sociedade brasileira em relação aos povos indígenas. O projeto apresenta uma visão
dos povos indígenas como sendo pobres e oprimidos sem nenhuma capacidade de
reação. Além disso, propõe também o respeito à diferença e a integração, uma vez
que defende “o resgate e a cultura do índio”, ao mesmo tempo que afirma que, por
meio da educação escolar, o índio poderá tornar-se “um ser humano versátil, capaz
de integrar-se à civilização, mantendo, porém, o brio de pertencer a sua raça”.
O Projeto de Educação Formal e Popular Comunidades Indígenas apresentava dois
subprojetos: 1) Educação Popular Indígena – objetivos/metas/1995; 2) Educação
Formal – objetivos/metas/1995. Esse projeto foi aprovado pelo Conselho Estadual
de Educação através da Resolução nº 79/97 e do Parecer n.º 102/97.
No primeiro semestre de 1994, começaram as negociações entre a Pastoral
Indigenista e o IDEA, com vistas a formação de monitores índios para atuarem na
educação de jovens e adultos, conforme previsto no subprojeto Educação Popular
Indígena. Um fato que chama a atenção é que embora fosse fato previsto no Projeto
de Educação Formal e Popular Comunidades Indígenas, os Guarani não foram
incluídos nessa formação. Foi a possibilidade de “aprofundamento da fé a partir da
própria cultura”70, entre os Tupinikim, ou seja, a possibilidade de realização da
catequese, que direcionou a escolha do povo para receber a assistência da Pastoral
Indigenista na área educacional.
Os professores guarani só passaram a freqüentar os Seminários de Formação a
partir do primeiro semestre de 1998. Esse é um dos
70
Relatório do II Seminário de Educação Indígena. Aracruz, 1995.
episódios indicativos dos
190
conflitos e das relações de forças que atravessaram a institucionalização da EEI no
Espírito Santo.
Os Seminários de Formação foram realizados graças à parceria estabelecida entre
o IDEA e a Pastoral Indigenista. A maior parte dos Seminários de Formação foi
realizada em Ibiraçu, e as despesas eram pagas pelas duas instituições envolvidas
no projeto de formação. Através dos relatórios de atividades do IDEA, percebe-se
uma mudança conceitual em relação à educação. Nos relatórios de atividades dos
anos de 1994 e 1995, usava-se a denominação Programa de Alfabetização e
Educação Popular Indígena. A partir 1996, esse programa passou a ser denominado
de Programa de Formação dos Educadores Tupinikim ou simplesmente Seminários
de Formação.
Os monitores indígenas encarregados da educação de jovens e adultos aos poucos
passaram a ser chamados de educadores indígenas. As pessoas encarregadas da
formação dos professores indígenas deixaram de ser chamadas de animadoras e
passaram a ser chamadas de formadoras. As mudanças conceituais em relação à
educação mostram a influência de outros projetos e experiências e das políticas
públicas sobre a EEI que vinham sendo instituídas em nível federal.
Entretanto, as mudanças conceituais no discurso não significaram modificações nas
práticas educativas, ou seja, na proposta e na perspectiva em relação à formação a
ser implementada com os professores indígenas, o que se torna evidente ao se
analisarem os princípios pedagógicos presentes no Projeto do Curso de Formação
de Educadores Tupinikim e Guarani (1996/1999), que apresenta os seus objetivos
pautados na abordagem da Pedagogia do Texto,71 adotada pelo IDEA72.
Outra transformação constatada é que os professores, que a princípio começaram a
receber a formação para trabalhar na Educação de Jovens e Adultos, passaram a
atuar cada vez mais na educação de crianças.
71
Para maiores detalhes sobre essa abordagem pedagógica, consultar o site da ONG “Enfants du
Monde”: www.edm.ch.
72
O Projeto do Curso de Formação de Educadores Tupinikim e Guarani adotou como princípios
pedagógicos: 1) cada disciplina deve tratar tanto dos conteúdos como da didática; 2) o trabalho
pedagógico deve desenvolver-se numa uma perspectiva interdisciplinar; 3) os participantes devem
apropriar-se dos conhecimentos de uma maneira reflexiva para que possam tornar-se sujeitos do
conhecimento; 4) o processo educativo deve ocorrer em um ambiente democrático.
191
A partir do início do Curso de Formação de Educadores Indígenas Tupinikim e
Guarani, o espaço/tempo dos Seminários de Formação passou a ser utilizado para o
planejamento e avaliação do Curso. Paulatinamente, foi diminuindo a quantidade de
seminários até que, em 1999, deixaram de ser realizados.
O projeto do Curso de Formação dos Educadores Tupinikim e Guarani foi elaborado
com base no que estabelecem a Constituição Federal, o Decreto Presidencial n.º
26/91, a Portaria Interministerial n.º 559/91 e as Portarias nº. 60/92 e 490/93. As
diretrizes para a Política Nacional de Educação Indígena do MEC, do ano de 1994,
também foram levadas em consideração na elaboração do projeto.
O Curso teve uma duração de três anos (1996-1999), totalizando uma carga- horária
aproximada de 2.970 horas, e foi constituído de tempo/aula e tempo/aldeia. O
tempo/aula, considerado como tempo de trabalho coletivo com a presença de
formadores, teve uma carga horária de 1.620 horas distribuídas em 12 etapas. O
tempo/aldeia, considerado como tempo para estágio, pesquisa e estudo, teve uma
carga horária de 1.350 horas.
Figura 12 - Turma de alunos do Curso de Formação Tupinikim e Guarani
Fonte: Arquivo da SEMED.
O Curso de Formação de Educadores Tupinikim e Guarani foi inspirado nas
experiências de educação desenvolvidas pelas instituições não-governamentais
192
parceiras do projeto (IDEA e Pastoral Indigenista), assim como nas diversas
experiências de formação de professores indígenas de diferentes regiões do País.
Até julho de 1998, os encontros de tempo/aula aconteceram na aldeia indígena de
Caieiras Velhas, para os quais foram construídas três cabanas: a maior (Figura 13)
para as aulas coletivas, duas menores, para os trabalhos de grupo, além de uma
casa para hospedar os formadores. Durante o Curso, as alunas índias das outras
aldeias ficavam alojadas na sede do NISI/ES e os educadores índios, na creche da
aldeia. As refeições eram preparadas no Centro Comunitário da aldeia por uma
equipe de cozinheiras índias contratadas para cada encontro.
A partir de outubro de 1998, as etapas do Curso passaram a ser desenvolvidas na
aldeia de Pau Brasil. Nessa aldeia, as aulas eram ministradas no Centro
Comunitário, onde também eram preparadas e servidas as refeições. Como
dormitório para os alunos foi utilizado o prédio da escola. Isso foi possível porque as
aulas eram suspensas durante o período de realização das etapas do Curso, uma
vez que todos os professores da escola de Pau Brasil o freqüentavam. Os
formadores ficavam hospedados na casa de uma das alunas do Curso.
Figura 13 - Cabana usada durante o Curso de Formação
Fonte: Arquivo da SEMED.
Levando em consideração a infra-estrutura que se tinha para a realização do Curso,
afirmamos que foi admirável a força de vontade e persistência dos educadores
indígenas em freqüentá-lo. De maneira geral, constatamos que a infra-estrutura
193
utilizada foi simples e, em alguns aspectos, bastante precária. Os participantes do
Curso dormiam em colchões colocados no chão. Muitas das educadoras levavam
seus filhos de colo para o Curso, para que elas pudessem assistir às aulas.
Enquanto isso, os filhos eram colocados em colchões próximos às carteiras que elas
ocupavam na sala de aula, ou simplesmente permaneciam no colo. Alternativa
encontrada por essas mães foi trazer um filho ou parente para cuidar dos bebês
(Figuras 14 e 15).
Figura 14 - Aluna guarani no Curso de Formação
Fonte: Arquivo da SEMED.
A foto acima é de uma das alunas guarani que participaram do Curso. A jovem da
janela é uma de suas irmãs, que cuidava do bebê para que ela pudesse estudar.
Essa cena representa uma das aprendizagens mais significativas na convivência
com os alunos tupinikim e guarani, ou seja, a forma de relacionamento dos adultos
com as crianças e a maneira de educá-las. Nessas sociedades, as crianças
participam das diversas atividades realizadas pelos adultos sem causar nenhum
transtorno ou aborrecimento.
As mães são muito carinhosas com os bebês e são capazes de realizar diversas
atividades com eles no colo. Crianças guarani e tupinikim de todas as idades
acompanhavam seus pais durante as etapas do Curso.
194
Figura 15 – Mães tupinikim e guarani com seus filhos em sala de aula
Fonte: Arquivo da SEMED.
A coordenação do Curso adotou como critérios para a escolha dos formadores a
formação na área de ensino em que iriam atuar e a experiência com a educação de
professores. Cabe ressaltar que a falta de formação dos professores em relação à
EEI e aos povos indígenas se refletiu em suas práticas em sala de aula. Muitas
vezes, os processos de aprendizagem e outros elementos da cultura desses dois
povos não foram levados em consideração no processo ensino-aprendizagem.
Se, por um lado, a falta de experiência e conhecimento dos formadores em relação a
essa modalidade de educação representou um problema, por outro lado possibilitou
que algumas pessoas se preocupassem em orientar sua formação para atuar nessa
modalidade de educação, como foi o caso da autora desta pesquisa.
Tentou-se garantir a singularidade da cultura guarani através de algumas ações,
como o ensino-aprendizagem de Língua Guarani, ministrado pelo professor
Waldemar, que fez quatro viagens às aldeias, onde trabalhou 180 horas/aulas com
essa disciplina. Esse professor coordenou a produção de textos e a tradução de
uma história infantil do português para a língua guarani. Esse trabalho foi feito com a
ajuda da comunidade. Algumas palavras já estão sendo faladas de modo diferente,
é preciso registrar algumas palavras que já não são mais usadas. Estou preocupado
com o trabalho do professor Waldemar, gostaria de ver o trabalho antes de escrever
a cartilha (fala registrada na ata da reunião realizada na aldeia de Boa Esperança no
dia 24 de setembro de 1998).
195
As aulas de Guarani prosseguiram no ano de 2000 e, além do aprendizado escrito
da língua guarani, foi feita a tradução de um mito da língua portuguesa para a língua
guarani e a produção de três livros, para os quais não existe nenhuma previsão de
publicação. Esse material foi digitado, impresso e encadernado na forma de
apostilas e tem sido utilizado nas escolas para o ensino-aprendizagem da língua
guarani. A tentativa de garantia da especificidade da cultura guarani deu-se também
através do ensino-aprendizagem da história guarani e a realização de entrevistas
com os mais velhos das aldeias para a produção de textos e outros materiais
didáticos.
Nas aulas de Língua Portuguesa, os alunos guarani participaram da produção de
dois livros: “Os Tupinikim e Guarani contam...”, no qual os alunos guarani
apresentam 14 histórias recolhidas do cotidiano da aldeia de Boa Esperança e “Os
Tupinikim e Guarani na Luta pela Terra”, em que em um dos capítulos, os alunos
guarani relatam a participação da aldeia de Boa Esperança na auto-demarcação de
suas terras, em 1999. Esses dois livros foram publicados pelo MEC. No ano de
2004, aconteceu a reedição da obra “Os Tupinikim e Guarani Contam...”. Segundo
os professores, esse livro é usado para atividades de leitura compartilhada. Eles
consideram o livro “Os Tupinikim e Guarani na Luta pela Terra” pouco apropriado
para o uso com as crianças de 1.º ao 5.º ano. A professora guarani Sandra, que
mora a pouco tempo na aldeia, afirmou que tem utilizado esse livro para a sua
própria formação, ou seja, para se inteirar melhor sobre a questão da luta pela terra.
O professor Mauro, ex-aluno do Curso de Formação, disse que esse Curso tratou
pouco da cultura do seu povo; além do mais, do ponto de vista dele, “o Curso foi
muito geral”. Perguntado o que seria esse “muito geral”, deu o exemplo da
alfabetização. Segundo esse professor, falava-se muito que a alfabetização tem de
ser a partir de textos, mas não se mostrava na prática como fazer isso. Pelas atas de
reuniões, constatamos que essa é uma reivindicação antiga do professor. Em 1998,
quando estava estudando, esse professor dizia que o Curso estava contribuindo
pouco para o seu trabalho de docência.
O ponto de vista do professor Mauro é compartilhado pela professora Aciara, que
também foi aluna do Curso. Ela informou que só veio aprender a alfabetizar ao
196
estagiar com uma das professoras da FUNAI, na Escola de Boa Esperança
(Conversa informal, aldeia de Boa Esperança, fevereiro de 2006).
Durante as etapas do Curso, os alunos guarani ficavam reunidos com os alunos
tupinikim para as discussões coletivas na língua portuguesa. Os trabalhos em grupo
eram, na maioria das vezes, realizados pelos alunos guarani separadamente.
Nesses momentos, eles conversavam em guarani, mas faziam seus registros na
língua portuguesa.
O espaço/tempo do Curso de interação levou ao afloramento da etnicidade por parte
tanto dos alunos tupinikim, como dos alunos guarani, ocasionando tanto alianças
como conflitos. A própria luta pela realização do Curso é um dos melhores exemplos
de aliança desses dois povos. Os conflitos deram-se principalmente na forma de
discriminação dos alunos tupinikim em relação aos alunos guarani e vice-versa. As
questões de preconceito e outros conflitos eram tratadas nas reuniões da
coordenação e durante as reuniões da coordenação com os alunos para a avaliação
de cada etapa de formação.
O professor Mauro comentou: os colegas tupinikim reclamavam porque, às vezes,
quando conversávamos na língua guarani, dávamos risadas; então eles pensavam
que estávamos rindo deles (Mauro, mio de 2006, aldeia de Três Palmeiras conversa
informal). Cabe ressaltar que é uma prática comum entre os Guarani do Espírito
Santo, mesmo na presença das pessoas não-falantes da língua, realizarem
conversas entre si somente na língua materna. Essa é uma estratégia de
preservação da língua e demonstra a maior facilidade de um diálogo entre eles, na
língua materna, uma vez que o grau de domínio da língua portuguesa varia muito de
um guarani para outro. O uso da língua materna, uma das estratégias de afirmação
da distinção étnica usada pelo povo Guarani, torna-se um problema para os
Tupinikim, constantemente questionados pelos não índios pelo fato de não falarem
mais a língua nativa.73
73
Maiores informações sobre este assunto podem ser encontradas em Cota (2000).
197
Figura 16- Alunos guarani na aula de Ciências Naturais
Fonte: Arquivo da SEMED.
Segundo a professora Aciara muitos dos professores tupinikim até hoje têm
preconceito em relação aos colegas guarani. Perguntada sobre como os colegas
tupinikim externalizavam o preconceito, disse que era remedando os colegas guarani
e chamando-os de sugim (Aciara, conversa informal, junho de 2006, aldeia de Boa
Esperança).
Figura 17- O aluno Sílvio (camisa branca).
Fonte: Arquivo da SEMED.
O professor Sílvio disse lembrar-se de que os colegas tupinikim sempre riam da
maneira como ele falava, isto me incomodava bastante, eles ficavam rindo do meu
sotaque, quando eu falava em português (Silvio, conversa informal, junho de 2006,
198
aldeia de Boa Esperança). Segundo esse professor, até hoje isso ainda vem
acontecendo, quando ele se encontra com algum tupinikim.
A professora guarani Vanda que participou do Curso, afirmou que os colegas
tupinikim diziam que os alunos guarani não sabiam e não entendiam nada. Também
eu não falava nada, ficava calada durante as aulas (Vanda, conversa informal, julho
de 2006, aldeia de Boa Esperança ). Essa professora falou ainda das dificuldades
que teve durante o Curso, porque não compreendia bem o português escrito nem o
falado. Além disso, tinha pouco estudo ao começar o Curso, apenas a 5.ª série,
incompleta. As falas dos professores guarani apontam para a complexidade das
relações interculturais dos povos indígenas, constituídas de alianças, mas também
de discriminações e conflitos. Mas, como afirmou o professor Mauro, os preconceitos
se davam da parte dos alunos tupinikim em relação aos guarani e vice-versa.
De maneira resumida, podemos dizer que as relações entre os alunos tupinikim e os
guarani durante o Curso foram marcadas pelas trocas advindas do intercruzamento
dessas duas culturas, como é próprio desse tipo de processo.
Figura 18 - Aluna guarani e aluno tupinikim do Curso
Fonte: Arquivo da SEMED.
Os professores guarani apontam como elemento positivo o fato de que, a partir do
Curso, passaram a conhecer mais os vizinhos, uma vez que, mesmo morando
próximos uns dos outros, não tinham muito contato. Nesse sentido, o Curso passou
199
a ser um espaço/tempo de convivência e formação intercultural.74 O pouco convívio
das pessoas das aldeias guarani com as pessoas das aldeias tupinikim, apontado
pelos professores, é mais um exemplo da complexidade da relação entre esses dois
povos indígenas e revela que as interações entre eles se dão apenas em ocasiões
específicas (VILLAR, 2007).
Os professores guarani apontaram vários outros elementos positivos do Curso.
Contribuiu para que perdessem, segundo o professor Sílvio, um pouco da timidez.
Além disso, possibilitou que passassem a atuar como professores e aprendessem a
tratar as crianças (professora Aciara).
Figura 19 - Participação do cacique Toninho na aula de Ciências.
Fonte: Arquivo da SEMED.
Para a professora Vanda, a elaboração dos livros ajudou a entender melhor a
questão da luta pela terra e a conhecer várias histórias guarani. O professor Mauro
destaca a preocupação e o grande esforço por parte dos formadores em atender os
dois povos, apesar de muitas vezes não ter sido possível.
74
Os conflitos entre os professores tupinikim e os guarani não chegaram ao ponto de inviabilizar as
relações, tanto que um dos professores guarani está casado com uma tupinikim e uma educadora
guarani teve um filho com um tupinikim.
200
No caso específico da disciplina de Ciências Sociais,75, o fato de o Curso ter reunido
pessoas dos dois povos foi bastante positivo. Permitiu que os professores tupinikim
tivessem a oportunidade de conhecer a história, a agricultura, a culinária, os mitos
guarani e vice-versa. Os alunos guarani contaram seus mitos sobre a origem da lua
e do sol, apresentaram as técnicas agrícolas e as variedades nativas de milho
cultivadas por eles76 e falaram da culinária preparada a partir desse produto. Por sua
vez, os alunos tupinikim apresentaram as variedades de mandioca e aipim77
cultivadas e preparadas por eles.
Avaliação do Curso de Formação. Foi pedido para trabalhar na área das
Ciências Sociais o tema da agricultura (o que se planta, espécies e
variedades, a importância de cada produto para a cultura, como se planta,
quem planta, época do ano e a lua em que se planta, batismo das
sementes). Pediu-se para trabalhar também as transformações que vêm
acontecendo na agricultura, alimentos mais importantes para os Guarani,
78
ingredientes e quantidades, modo de preparar.
Essas anotações são idéias que foram usadas na elaboração do roteiro de uma
pesquisa realizada com os professores guarani, como parte da formação na
disciplina de Ciências Sociais. Nas páginas seguintes da mesma agenda, há alguns
registros de reuniões de pesquisa realizadas na aldeia.
Em uma das visitas à aldeia, explicamos ao grupo que o objetivo da visita era
conversar com eles e registrar os conhecimentos que os mais velhos possuíam
sobre a agricultura. Combinamos uma dinâmica. Como só havia três educadores
presentes (Silvio, Luciana e Mauro) e dois sábios, resolvemos pedir à D.ª. Aurora e o
seu filho que falassem sobre a agricultura e que cada um dos educadores fosse
registrando as falas. Os antigos falaram em guarani e os educadores optaram por
registrar também nessa língua.
75
Optei por dar os exemplos que aconteceram nas aulas de Ciências Sociais, uma vez que a
lembrança delas ainda estão bastante presentes na minha memória, por terem sido ministradas por
mim.
76
Os Guarani são grandes conhecedores de espécies nativas de muitas variedades de milho, que é
um dos principais produtos cultivados por eles e é de extrema importância para a culinária desse
povo.
77
Os Tupinikim são grandes conhecedores dessa raiz, que é de extrema importância para a cultura
deles. Mandioca é a denominação dada às variedades dessa planta que apresentam alto teor de
ácido cianídrico em suas raízes e que por isso é bastante tóxica. O processo de fabricação da farinha,
através da torrefação da mandioca ralada elimina este ácido, permitindo assim o consumo humano
dessa raiz. São classificadas como aipim as variedades dessa raiz que possuem baixo teor de ácido
cianídrico, o que permite o seu consumo de maneira cozida.
78
Anotações sobre a avaliação do Curso feito pela comunidade de Boa Esperança, no ano de 1999
(documento do arquivo pessoal da pesquisadora).
201
Figura 20 - Dona Aurora e seu filho Jonas.
Fonte: Arquivo da SEMED.
Além do pouco atendimento à especificidade guarani, o Curso apresentou outras
limitações, tais como a falta de apoio financeiro aos estudantes, pouco apoio aos
alunos em suas atividades de tempo/aldeia. O apoio fazia-se necessário, dada a
baixa escolaridade da maioria dos alunos ao ingressar no Curso (Anexo C).
De acordo com os relatórios de avaliação das etapas e os das ações e atividades do
Subnúcleo de Educação Indígena do NISI/ES, a atividade de tempo/aldeia
apresentou vários problemas ao longo do Curso. As tarefas realizadas pelos alunos
no tempo/aldeia não foram aproveitadas pela maioria dos formadores como base
para a continuidade e o desenvolvimento das etapas subseqüentes, acarretando a
desmotivação dos educadores na sua execução e prejuízo para a carga horária do
Curso79. Outro problema sério foi a falta de acompanhamento da realização dessas
atividades pelos formadores.80
Nos arquivos das instituições responsáveis pela realização do Curso, foi encontrado
apenas um relatório de acompanhamento das atividades do tempo/aldeia, datado de
novembro de 1997. De acordo com esse documento, no dia 21 de novembro, as
formadoras de Matemática, Ciências Naturais e Língua revezaram-se no
atendimento aos alunos das aldeias de Irajá, Caieiras Velhas e Boa Esperança.
79
80
Relatório de avaliação da segunda etapa do Curso de Formação.
Relatório das atividades desenvolvidas pelo Subnúcleo de Educação Indígena do NISI, 1997.
202
O trabalho com os educadores foi realizado da seguinte forma: a formadora
Elna trabalhou na aldeia de Boa Esperança enquanto as outras duas
trabalharam na aldeia de Caieiras Velhas com os educadores dessa aldeia
e da aldeia de Irajá. Após duas horas foi feito o revezamento no trabalho,
de forma que todos os educadores foram atendidos por todas as três
formadoras. A maior parte dos educadores dessas aldeias já havia
concluído as tarefas do tempo/aldeia e colocara várias questões sobre
81
todas as disciplinas.
Os formadores que atuaram no Curso tinham como funções o planejamento e a
execução das aulas, o acompanhamento do tempo/aldeia e do estágio, a realização
de pesquisa e a participação em reuniões e seminários. Porém, eram remunerados
apenas pelas aulas dadas e pelo acompanhamento do tempo/aldeia. Várias dessas
atividades acabaram não sendo cumpridas, como, por exemplo, as pesquisas das
áreas de Matemática e de Ciências Naturais. Também não foram finalizados vários
dos materiais didáticos da área de Ciências Naturais, de Ciências Sociais e de
Matemática.
Não foi prevista nenhuma pesquisa pelos formadores das áreas de Artes, Educação
para o Corpo e Língua Guarani, o que é lamentável, uma vez que, de acordo com
Cota (2000), as pesquisas contribuiriam para a capacitação dos formadores em
relação à modalidade de ensino em EEI e ao conhecimento desses povos.
A coordenação do Curso teve que enfrentar o grande número de faltas dos
participantes e as constantes desistências, que chegaram a 50,7% do total dos
alunos matriculados (COTA, 2000) e 37,5% dos alunos guarani (Anexo C).
Toninho de Comboios coloca a falta dos participantes, não compreende o
que está acontecendo. Coloca a importância da participação no Curso.
Alzenira coloca sobre as faltas dos Guarani, que o grupo deveria fazer um
esforço. Vini coloca a preocupação com os Guarani. A proposta é o
coordenador conversar com as pessoas que estão faltando e o motivo e
82
apresentar na reunião da subcomissão o motivo
Toninho (Guarani) fala que chamou atenção dos educadores, (que estão
faltando, disse a eles), que assim estão prejudicando as nossas
comunidades. Celeste reforça que esse problema se repete e pensa que
esse problema pode ser entendido como uma falta de motivação. O
convencimento e a penalização podem não ser a solução. Toninho fez forte
questionamento sobre a responsabilidade dos educadores como
83
responsáveis pelo futuro da escola bilíngüe.
81
Relatório de acompanhamento das atividades do tempo/aldeia. IDEA, 1999.
Ata de reunião de Avaliação do Curso, realizada na aldeia de Pau Brasil, no dia 30 de outubro de
1998.
83
Ata de reunião realizada na Aldeia de Pau Brasil, em 20 de novembro de 1998.
82
203
Durante o Curso, era pedido aos alunos guarani que eles fizessem um esforço para
não faltar, cumprissem as atividades, não prejudicassem a comunidade, ou seja, de
integração ao grupo. Em nenhum momento foram apontados os esforços feitos pelos
outros, por exemplo, formadores, colegas tupinikim, coordenação, de dialogar e
respeitar o modo de ser dos alunos guarani.
Como atividade relacionada ao segundo e terceiro objetivos do estágio, os alunos do
Curso elaboraram relatórios escritos das observações do cotidiano administrativo
das escolas, do trabalho de monitoria e de regência e também das atividades
realizadas por eles na comunidade. Esses relatórios foram assinados pela equipe
pedagógica e pelos caciques, sendo, posteriormente, entregues à coordenação do
Curso e avaliados pelos formadores.
Na avaliação final, decidiu-se que 24 dos 36 alunos matriculados concluiriam o
Curso em dezembro de 1999 e que 12, três deles guarani, prosseguiriam os
estudos, porque ainda não estavam preparados para o trabalho de sala de aula. A
continuidade do Curso foi organizada em um total de 90 horas, distribuídas em seis
etapas de três dias cada uma, de setembro a dezembro de 2000. Os alunos tiveram
aulas de Língua Portuguesa, Matemática, Ciências Sociais e Ciências Naturais.
Essa formação complementar não era obrigatória, tanto que apenas uma aluna
guarani participou de todas as etapas. Cinco dos oito alunos guarani receberam o
certificado de conclusão do Curso de Formação.
Figuras 21 - Alunas guarani (vestidas de branco) na festa de formatura.
Fonte: Arquivo da SEMED.
204
Figura 22 – Certificação de uma aluna guarani na festa de formatura.
Fonte: Arquivo da SEMED.
Os professores indígenas aprovados no Curso foram titulados pela Escola Estadual
Monsenhor Guilherme Schmidt, de Aracruz, que oferecia o curso de magistério em
nível de Ensino Médio (Figuras 21 e 22).
Dos cinco professores formados pelo Curso, dois, os professores Mauro e Aciara,
foram efetivados, no ano de 1999, por meio do concurso público para professores
realizado pela Prefeitura Municipal de Aracruz.
As professoras Vanda e Lucimara foram contratadas, no ano de 2002. A primeira
para trabalhar com a pré-escola na EMPI Boa Esperança e a segunda para a escola
de Três Palmeiras. O contrato das duas professoras não foi renovado no ano
seguinte, devido às reclamações da comunidade acerca do desempenho delas.
Nas atas das reuniões, são constantes os registros de julgamentos em relação à
atuação das duas professoras. Porém, à exceção da tentativa de apoio feita pelo
professor Mauro, lhes foi dispensado nenhum tipo de assessoria por parte da
SEMED e nem da SEDU. Vanda, ao ser questionada sobre por que tinha parado de
lecionar, abaixou a cabeça e sorriu timidamente, dizendo que tinha dificuldade de
falar na língua portuguesa, língua que domina plenamente. Sua desculpa e seu
silêncio sobre o assunto são típicas estratégias de resistência adotada pelos
Guarani.
205
A coordenadora da EEI indígena na SEMED relatou que um dos motivos das faltas
da professora Vanda eram os problemas de saúde da filha ainda pequena. Apesar
disso a professora nunca entrou com pedido de licença para cuidar da filha. A
coordenadora da EEI chamou a professora para conversar. Junto com ela fez o
levantamento do número de faltas pelo livro de pontos: eram 12 faltas. A professora
Vanda concordou em repor os dias não trabalhados no mês de dezembro, após o
período letivo oficial. Dias depois a coordenadora ficou sabendo que ela havia
entrado de licença maternidade. Esse episódio com a professora Vanda explicita as
dificuldades dos funcionários da SEDU e da SEMED em lidar com as
particularidades culturais do povo guarani.
O professor Sílvio, depois do Curso de Formação, viveu um período em Ubatuba.
Segundo ele, a princípio não acreditava que tinha jeito para ser professor. No ano de
2006, integrou-se à equipe de professores, está atuando na Aldeia de Três
Palmeiras: Agora estou acreditando mais em mim como professor e estou gostando
de dar aula (professor Silvio, conversa informal).
Em conseqüência da não-renovação do contrato das professoras Vanda e Lucimara
e do fato de o professor Sílvio a princípio não querer atuar como professor, deu-se a
continuidade da atuação de uma das professoras da FUNAI na escola da aldeia.
Assim sendo, a formação do primeiro grupo de professores guarani não conseguiu
resolver um dos princípios da EEI, reivindicado pelo povo Guarani, que é o de ter
professores guarani bilíngües atuando nas escolas das aldeias. Uma nova tentativa
de resolver o problema foi com a matrícula de sete alunos guarani no Curso de
Formação de Professores Guarani.
5.1.1 Programa de Formação de Professores Guarani – Kuaa-Mbo-e=
Conhecer/Ensinar das Regiões Sul e Sudeste
Como já foi dito anteriormente, o Curso de Formação de Professores Guarani. –
Kuaa-Mbo-e= Conhecer/Ensinar foi criado graças a uma parceria entre os governos
206
do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina, do Paraná, do Rio de Janeiro e do Espírito
Santo, o MEC e a FUNAI. O estado de São Paulo não se interessou em participar do
Curso, porque já oferecia uma formação semelhante no próprio Estado, mas assinou
o Protocolo de Intenções comprometendo-se a participar de outras ações que
porventura venham a ser realizadas por força do convênio.
Figura 23 - Leonardo, aluno guarani no Curso de Formação
Fonte: Arquivo da SEDU.
Encontram-se matriculados um total de 83 alunos no Curso, sendo 30 de Santa
Catarina, 18 do Rio Grande do Sul, 18 do Paraná, 07 do Espírito Santo e 10 do Rio
de Janeiro. A distribuição do número de vagas por estado se deu principalmente
com base na demanda por formação de professores guarani por cada unidade da
federação.
O
Programa
de
Formação
de
Professores
Guarani
–
Kuaa-Mbo-e=
Conhecer/Ensinar das Regiões Sul e Sudeste apresenta um grande avanço em
relação às políticas públicas educacionais para os povos indígenas, uma vez que
está sendo pensado, elaborado e executado exclusivamente por órgãos públicos
dos governos federal e estaduais. O avanço das políticas públicas na realização
desse Programa pode ser constatado também pela assinatura do Protocolo de
Intenções entre o MEC, a FUNAI e as Secretarias de Estado da Educação. Esse
protocolo leva em consideração os costumes do povo Guarani, principalmente seus
deslocamentos espaciais, por isso foi garantida a continuidade do financiamento dos
207
estudos de cada aluno pelo seu estado de origem, mesmo que venha a se mudar
para outra unidade da Federação. A aprovação do projeto do Curso pelo CEE/SC
antes do início foi outro avanço em termos de políticas públicas apresentadas por
esse Programa.
Além de ser um avanço em termos de políticas públicas, o Programa de Formação
de Professores Guarani apresenta outros progressos se comparado ao que foi
executado no Espírito Santo (1996/1999). Entre eles, podemos destacar as
condições materiais em que estão sendo implementadas a formação e a previsão de
formação de todo o corpo docente da equipe técnico-administrativa, garantidas pelo
Protocolo de Intenções.
A carga horária do Curso de Formação de Professores Guarani também é
constituída de tempo/aula e tempo/aldeia. Até a sexta etapa, o Curso foi realizado
em um hotel-fazenda na praia de Palmas, município de Governador Celso Ramos
(SC).
Figura 24 - Alunos guarani no Curso de Formação – Palmas – SC.
Fonte: Arquivo da SEDU.
A partir da sétima etapa, o Curso, esse passou a ser realizado em Faxinal do Céu,
no Centro de Formação pertencente ao estado do Paraná. A conclusão desse Curso
está prevista para 2008.
208
A primeira reunião para formação dos formadores e técnicos das secretarias
aconteceu no ano de 2006, na cidade do Rio de Janeiro. A segunda ocorreu no
período de 21 a 23 de maio de 2007, em Curitiba (PN). A terceira, de 1 a 3 de
outubro de 2007, também em Curitiba. Esse espaço tempo tem sido destinado ao
estudo acerca do povo Guarani e da EEI.
Cabe ressaltar também algumas diferenças entre o Programa de Formação de
Professores Guarani e o que foi executado no Espírito Santo (1996/1999). Merecem
destaque os critérios de escolha dos professores, o processo de construção do
currículo e a participação dos sábios guarani como formadores, além dos tipos de
pesquisas que estão sendo realizados.
Os professores do Curso são escolhidos pela coordenação pedagógica ou indicados
pelo MEC. O parâmetro de escolha é a experiência que eles possuem em EEI, e se
possível, em projetos educacionais guarani.
Até a quinta etapa, a proposta do Curso vinha sendo discutida e elaborada
simultaneamente à sua execução, considerando as intervenções das comunidades
indígenas e dos alunos cursistas, por isso está em processo constante de
elaboração, reelaboração e avaliação.84 Nas etapas seguintes, procurou-se atender
aos pedidos dos alunos, mas também estruturar o Curso de maneira que ele
atendesse os requisitos legais referentes ao magistério. Podemos afirmar que a
elaboração do currículo se tem dado de maneira processual, de forma diferente
daquele que foi implementado no Espírito Santo.
A programação, carga horária das disciplinas e também os conteúdos que deverão
ser abordados na etapa seguinte são atribuições da coordenação executiva do
Curso. Porém todas essas decisões são tomadas com base na grade curricular do
Curso e na avaliação dos alunos, realizada ao final de cada etapa, através da qual
eles sugerem os conteúdos a serem estudados na etapa seguinte.
No Curso, o diálogo entre a tradição guarani e outras formas de conhecimento vem
sendo garantido com a participação dos mais velhos desse povo. A disciplina “A
pesquisa como norteadora do processo ensino-aprendizagem” tem sido trabalhada
84
Relatório da II Etapa do Curso. SC, 2004.
209
pelos professores Bessa, Ismênia e Flávia e conta com a ajuda do Senhor Alcindo
(Figuras 25 e 26).
Na reunião da coordenação, que aconteceu no Espírito Santo em abril de 2007, o
aluno Alberto, representante guarani desse Estado, lembrou a necessidade de
ações que visem a resolver ou amenizar as diferenças de nível de aprendizagem
entre os alunos. Esse assunto esteve na pauta de outras reuniões e é um consenso
entre os participantes da coordenação executiva que não se conseguirá resolver a
questão dando assistência aos alunos somente durante as etapas intensivas. Seria
necessário que essas ações fossem também uma preocupação das etapas
intermediárias de formação que acontece em cada estado.
Figura 25 - Sábios guarani no Curso
FONTE: Arquivo do curso.
Figura 26- Sábio guarani no Curso.
FONTE: Arquivo do Curso.
210
A disciplina de Língua Guarani tem sido trabalhada pela lingüista Ruth Montserrat,
que vem atuando com os guarani Leonardo, José Benites, Euzébio, Mauro e
Algemiro.
Figura 27- Algemiro (ao centro) e outros colegas no Curso.
FONTE: Arquivo do Curso.
As diferenças entre o nível de aprendizagem dos alunos dão-se principalmente em
função dos seus diferentes níveis de escolarização ao iniciar o Curso. Quanto aos
alunos do Espírito Santo, ao iniciarem o Curso, um tinha a 4.ª série incompleta, um a
5.ª série incompleta, um a 5.ª série completa, um a 6.ª série incompleta e três a 8.ª
série incompleta, ou seja, nenhum aluno tinha concluído o Ensino Fundamental. O
desnível dos alunos se dava principalmente em relação ao domínio das línguas
guarani e portuguesa.
Foram observadas, dificuldades de interpretação do português, no entanto,
eles comunicam-se facilmente nos dois idiomas. [...] Fiz com Joana a parte
escrita do projeto, ela não sabe bem o português, a parte escrita, ela
desenha as letras, tem dificuldades de se comunicar em português, não
sabe escrever em guarani, se comunica o essencial em português. [...] Ela
[Sandra] falou que sente dificuldades em escrever em guarani, ela estudou
85
em escola não índia e aprendeu o português.
No caso da aluna Joana, foi sugerido que ela freqüentasse as aulas de Língua
Portuguesa nas turmas de 6.º ao 9.º ano da escola de Três Palmeiras, ou que se
matriculasse na educação de jovens e adultos, em uma escola fora da aldeia,
porém, até o momento, ela não se decidiu por nenhuma dessas opções. A situação
85
Relatório da reunião de pesquisa elaborado pela professora Kalna, Boa Esperança, 2006.
211
é mais grave em relação à língua guarani, uma vez que oito alunos da Região Sul
não dominam essa língua, ou seja, não falam, não compreendem e muito menos
sabem escrever a língua.
O objetivo do Curso é formar professores bilíngües (português e guarani). Durante a
reunião de coordenação do Curso realizada em Vitória, a funcionária da FUNAI
afirmou que: corre-se o risco do Curso terminar e este grupo de alunos continue sem
saber a língua guarani. Dada a importância das mobilidades espaciais e a economia
de reciprocidade que se realiza entre as aldeias, é imprescindível o aprendizado da
língua guarani pelos alunos do Curso. Se eles não dominam a língua guarani, como
serão capazes de realizar pesquisas lingüísticas para a produção de material
didático, uma das atribuições do professor indígena previstas pelo RCNE/Indígena?
Estava previsto que a avaliação dos cursistas dar-se-ia de forma processual,
diagnóstica e continuada, porém esse tem sido um dos pontos mais débeis do
Curso, uma vez que os formadores têm entregado para a comissão executiva e
pedagógica apenas os relatórios das atividades desenvolvidas por eles. Para
resolver essa questão, a coordenação do Curso e os formadores de pesquisa,
Matemática e Fundamentos em Educação reuniram-se, em Porto Alegre, em julho
de 2007, para a realização de um conselho de classe. Nesse conselho, cada aluno
foi avaliado individualmente pelos formadores.
Sandra Benites: muito dedicada, teve um avanço na língua guarani escrita.
Faz relatos significativos, tem um trabalho de pesquisa excelente. É
organizada. Sua participação é fundamental nas aulas. Demonstra
liderança. Tem uma excelente produção textual em Português e Guarani.
Encaminhamento: parabéns. [...] Joana Carvalho da Silva: É liderança,
avançou muito, quando não entende pede ajuda aos colegas. Prefere se
comunicar em guarani. Tem muita dificuldade com a oralidade, escrita e
leitura em português. Faz comentários importantes para o desenvolvimento
da turma. Tem dificuldade de produzir textos em português. O trabalho de
pesquisa está sendo realizado em guarani. Tem o respeito da turma.
86
Encaminhamentos: trabalhar com o português.
Joana, sábia guarani do Espírito Santo, tornou-se uma pessoa muito importante para
o Curso. Respeitada por todos, ela tem contribuído para o diálogo intercultural da
formação.
86
Relatório do conselho de classe do Curso. SEED/SC: 30 de julho de 2007.
212
Figura 28 - Participação da aluna Joana na aula do professor Bessa.
Fonte: Arquivo do Curso.
Com base nos resultados do conselho de classe, na oitava etapa do Curso, os
alunos foram divididos em quatro grupos: os de nível avançado, os de nível
intermediário, os de nível inicial e aqueles que precisavam fazer uma imersão em
língua guarani.
Na reunião do conselho de classe foram apontados alguns outros problemas
existentes no Curso, como o despreparo dos técnicos das secretarias, a ausência de
um currículo referenciado na cultura guarani, a necessidade de articular a etapa
regional com a etapa intensiva de formação, a ausência de acompanhamento no
trabalho de pesquisa e de reuniões pedagógicas para planejamento. O professor
Bessa, presente no conselho de classe, chamou a atenção para a necessidade de
relativização da importância dos planejamentos.
[...] a gente tá aprendendo no caminhar, a gente sai do Curso com
condições de planejar. Nosso discurso é de dentro das instituições, tem
que haver negociação, relativização. Temos que planejar para não se
perder, mas no fundo tem que des-planejar. O professor que se quer
formar não é o juruá, a menção honrosa que o Marcelo recebeu é uma
avaliação do curso. É necessário respeitar os processos próprios de
pesquisa (relata caso da mestranda Terena que pesquisa sobre os
processos próprios de aprendizagem Terena). O que se perde e o que se
87
ganha (Chomsky) são visões diferentes.
87
SEED/SC, 2007.
213
Cada aluno do Curso deveria elaborar uma monografia no decorrer do processo de
formação, conforme anteriormente mencionado. Os temas escolhidos pelos alunos,
para o desenvolvimento das monografias, estavam todos relacionados à cultura
guarani. Por exemplo, o sistema planetário, os insetos, os símbolos das pinturas
corporais, a história cultural, os mitos, a etno-história, a língua, as pinturas, as artes,
as cores, a cerâmica, as plantas, as árvores, as ervas medicinais, os instrumentos
musicais, os animais, a etno-geografia, os pássaros, as frutas nativas, o tempo e o
ser humano.
Os temas de pesquisas escolhidos pelos alunos do Espírito Santo foram: A culinária
guarani (Márcio); A natureza na visão guarani (Alessandro); O caminho da busca da
Terra sem Males (Alberto); Território tradicional guarani (Sandra); Contato da língua
portuguesa e do guarani (Marcelo) e Rituais guarani: parto, casamento, entre outros.
(Joana). As explicações dos alunos para a escolha dos temas encontravam-se
relacionadas à curiosidade por algum assunto, como o caso do professor Alberto,
que era do Mato Grosso do Sul e conhecia pouco sobre o tema. Uma outra
motivação foi a questão da afirmação da identidade étnica, como o caso da Joana:
As coisas estão mudando muito depois da morte da minha mãe e da minha avó, é
preciso lembrar como era para não esquecer. (Joana, informação verbal, aldeia de
Boa Esperança, setembro de 2006).
Decidiu-se que os alunos poderiam apresentar os resultados da pesquisa de forma
escrita ou da maneira que melhor lhes conviesse, por meio de documentários,
filmes, fotografias, ou de outros meios. Mesmo aceitando outras formas de registro,
constatou-se que a escrita permeava todo o processo de realização da pesquisa.
Cada aluno teria que elaborar um projeto de pesquisa, roteiro de entrevistas, revisão
bibliográfica, ou outra atividade relacionada. Essa seria uma atividade difícil de ser
cumprida por alguns alunos, por exemplo, Joana, que estava escrevendo a sua
pesquisa em guarani.
A possibilidade de convívio e trocas entre pessoas de diversas aldeias fazia do
Curso um espaço/tempo de mediação e de troca de saberes guarani entre os
diversos membros dessa sociedade. Assim como no Curso de Formação de
214
Educadores Tupinikim e Guarani, também nesse Curso era grande o número de
crianças que acompanhavam os pais.
Figuras 29 - Mãe guarani com seus filhos no Curso de Formação.
Fonte: Arquivo do Curso
Figuras 30 – Mãe guarani com seus filhos no Curso de Formação.
Fonte: Arquivo do Curso.
De maneira geral, os alunos guarani avaliaram muito positivamente as disciplinas do
Curso. Segundo eles, têm contribuído para a afirmação da identidade étnica:
A pesquisa como norteadora do processo ensino aprendizagem: aprendi
como é importante registrar a sabedoria dos mais velhos, a sabedoria do
nosso povo. As aulas foram o encontro da pessoa com a sua identidade.
São momentos sagrados com muita emoção. [...] Língua Guarani: a
professora tem muita experiência e o Curso é diferenciado. Importante ter
uma pessoa que realmente conhece a língua guarani. Cada etapa eu volto
88
com muito mais conhecimento e idéias.
88
SEED/SC, 2007.
215
Os alunos guarani do Espírito Santo, matriculados no Curso, consideram-no de
muito boa qualidade e de grande utilidade para eles. O aluno Alberto, nascido na
aldeia de Porto Lindo, município de Japorã, sul do Mato Grosso do Sul, disse que
tem aprendido muito, principalmente sobre a história guarani: Lá onde morava [Porto
Lindo] eu estava no escuro, não sabia nada da nossa história. (Alberto, informação
verbal, aldeia de Boa Esperança, abril de 2007 )
Segundo o aluno Alberto, a questão das diferenças lingüísticas e culturais entre os
subgrupos guarani não tinha sido tratada até a sexta etapa do Curso.
Os formadores tratam os alunos como se todos fossem Mbya, isto para mim não
tem importância, quando estou com os Mbya me sinto um Mbya, quando estou com
os Ñadeva é a mesma coisa. Eu sou misturado, filho de Ñandeva (mãe) e Kaiowa
(pai). Na realidade Mbya é uma denominação errada, porque significa índio
desconhecido que chega. Faço questão apenas de ser identificado como Guarani,
para diferenciar dos Terena, Tupinikim e outros grupos, que são diferentes” (Alberto,
informação verbal, abril de 2007, aldeia de Boa Esperança).
Bartomeu Meliá, estudioso do povo Guarani, afirma que existem diferenças dialetais
e culturais muito grandes entre os subgrupos guarani e que a situação não é tão fácil
de resolver, nem tampouco deve ser ignorada pelos gestores e formadores dos
programas de EEI (Conversa informal).
89
Pela fala do Alberto, constata-se que,
embora a coordenação do Curso tenha o cuidado de escolher profissionais com
experiência em EEI, acontece a homogeneização cultural dos alunos, explicitando,
assim, “zonas interditadas” (TASSINARI, 2001) do Curso, ou seja, limites existentes
no processo da sua execução.
Os limites dão-se também em função das características próprias da escola
ocidental (TASSINARI, 2001), tais como o ritmo das aulas, os regimes de trabalho,
entre outras questões muitas vezes difíceis de serem suportadas pelos alunos
acostumados com outras lógicas do tempo, e até mesmo pelos formadores.
89
Informações obtidas em Campo Grande (MS), setembro de 2006, durante o II Seminário
internacional: fronteiras étnico-culturais, fronteiras da exclusão, práticas educativas num contexto
intercultural.
216
Carga horária: ritmo intenso, contra-senso com a proposta de educação
90
diferenciada. É um ritmo fabril, vai contra o que propõe na legislação.
Solicito que transmita aos coordenadores do programa minha
impossibilidade de trabalhar 8 horas seguidas durante 6 dias consecutivos.
Como coordenadora e docente também de cursos de formação de
professores durante mais de 24 anos no Acre, aprendi que este tipo de
jornada é extremamente cansativa e contraproducente para quem ministra
91
as aulas e consequentemente para os alunos.
O ritmo das aulas e o tempo das etapas do Curso revelaram-se muito pesados para
os alunos guarani. Muitos deles chegaram a adoecer. A situação foi pior na primeira
etapa. Esse contexto levou a FUNAI a disponibilizar um profissional da saúde para
acompanhar os alunos durante a realização de cada uma das etapas do Curso.
Nesse Curso, as tensões existiam também na esfera administrativa, as quais nem
mesmo a assinatura do Protocolo de Intenções foi suficiente para superar. O caso
mais grave deu-se em relação aos alunos/professores do Rio Grande do Sul que,
como todos os outros funcionários públicos estaduais gaúchos, conquistaram o
direito de ganhar diárias para participar de formações. Essa diferença de direitos
entre os alunos/professores gaúchos e os dos outros estados virou motivo de muita
reclamação e, nem mesmo com a mediação do MEC, a situação foi resolvida. A
SEDU/RS alegou que não poderia mudar a modalidade de pagamento das despesas
de seus alunos/professores para equiparar-se à dos outros estados, porque assim
estaria agindo de forma ilegal. A situação só se resolveu porque, por razões de
contenção de despesas, o Governo suspendeu o pagamento de diárias para todos
os funcionários estaduais gaúchos.
Um ponto fraco do Curso tem sido a formação de tempo/aldeia dos alunos guarani
do Espírito Santo, que até dezembro de 2007 não tinham ainda iniciado o estágio de
docência. Na maior parte do tempo, os alunos guarani estudaram sozinhos ou,
quando possível, contaram com a ajuda do professor Mauro e de alunos de pósgraduação da UFES, que fazem pesquisa nas aldeias, para os quais a SEDU
oferece o transporte. Uma única assessoria foi paga pela SEDU em parceria com o
MEC, que foi o Curso de Língua Guarani Mbya ministrado pela professora Ruth
Montserrat.
90
91
SEED/SC, 2007.
Correspondência da professora Nieta para a coordenação do Curso, em 2007, Arquivo da SEDU.
217
A professora Kalna,92 ex-aluna do mestrado em educação da UFES, tem apoiado os
alunos guarani na construção do projeto, na pesquisa e na elaboração das
monografias que terão de produzir até o final do Curso. O trabalho dessa professora
tem sido realizado em comum acordo com as professoras Smênia e Flávia,
responsáveis pela disciplina “A pesquisa como norteadora do processo ensinoaprendizagem” do Curso de Formação de Professores Guarani.
A primeira etapa de estudo da Língua Guarani com a professora e lingüista Ruth
Montserrat aconteceu entre os dias 22 de julho e 4 de agosto de 2006, e o segundo,
de 20 a 31 de agosto de 2007, nas aldeias de Três Palmeiras e Boa Esperança.
Participaram do estudo os alunos do Curso de Formação Indígena Guarani, os
outros professores guarani, alunos do 4.º ao 7.º ano do Ensino Fundamental e
outras pessoas da comunidade.
Figura 31 – A professora Ruth (ao centro) e os professores guarani.
Fonte: Arquivo da pesquisadora.
O Curso de Língua Guarani Mbya foi realizado graças a uma parceria entre o MEC,
a SEDU e a SEMED. Teve como objetivos conhecer as diferentes formas de escrita
da língua, levantar palavras para a criação de um dicionário da língua, ensinar a
gramática e a didática, discutir questões relacionadas ao uso da língua na oralidade
e ao ensino da sua escrita. Como já foi dito o eixo norteador do Curso é a língua
guarani mbya, língua falada pela maioria dos moradores das aldeias do Espírito
92
A dissertação de mestrado de Teao (2007) analisa as visões dos Guaranis Mbya sobre a escola na
aldeia indígena de Três Palmeiras.
218
Santo. Assim como no Curso de Formação de Professores Guarani, não são
ensinadas as outras variantes lingüísticas.
O povo Guarani, assim como os outros povos indígenas da América, tem adotado o
alfabeto latino para escrever. Há algumas diferenças na representação escrita de
algumas palavras na língua guarani mbya. Por exemplo, em São Paulo, eles
escrevem “jagua”, no Espírito Santo, os Mbya escrevem “djagwa”. Por isso, foi
acordado entre os participantes do Curso que o ensino da escrita da língua guarani
deve levar em consideração a forma local da escrita, porém o professor deverá
conhecer essas diferenças e, se possível, ensiná-las aos alunos. O conhecimento
das outras formas de escrita pelo professor é importante também para o caso de ele
receber alunos de outras regiões.
De maneira resumida, podemos dizer que os dois cursos de formação de
professores guarani apresentam algumas semelhanças e diferenças entre si, mas
que o Curso de Formação de Professores Guarani apresenta grandes avanços em
relação ao Curso de Formação Indígena Tupinikim e Guarani.
Os cursos de formação dos professores indígenas têm contribuído para a criação de
uma rede entre os povos indígenas, suas organizações e as organizações
governamentais e não-governamentais. A elaboração de um projeto de EEI se dá
com base em outras experiências, que, por sua vez, passam a inspirar a criação de
outros, a exemplo do Curso de Formação de Professores Guarani que apresenta
grandes semelhanças com os cursos de magistério do Mato Grosso do Sul.
Cabe ressaltar, ainda, que os cursos de formação têm-se tornado espaços e tempos
de afirmação da identidade étnica e de trocas culturais, por meio seja das relações
interculturais seja do convívio de pessoas do mesmo grupo étnico, mas que vivem
em diferentes aldeias.
No processo de formação dos professores indígenas, cada novo curso supera as
dificuldades e as limitações dos cursos anteriores. O Curso de Formação de
Professores Guarani apresenta vários avanços políticos e pedagógicos em relação
ao Curso de Formação Indígena Tupinikim e Guarani. Um avanço político foi a
assinatura do Protocolo de Intenções entre os parceiros do projeto, respeitando
assim o fato de os Guarani constituírem um povo encontrado em várias unidades da
219
Federação. A assinatura desse protocolo foi importante também porque contribuiu
para a superação das dificuldades materiais enfrentadas pelos alunos, professores e
coordenação do Curso de Formação Indígena Tupinikim e Guarani. Em termos
pedagógicos, este Curso também apresentou vários avanços: o fato de a escolha
dos conteúdos e da programação das disciplinas dar-se no processo de
implementação do Curso, a realização de pesquisas pelos alunos, entre outros.
Outro avanço pedagógico foi o fato de os professores que atuavam no Curso
possuírem experiência em EEI e muitos deles com o povo Guarani.
Os dois cursos de formação apresentaram sérias dificuldades na realização da
formação de tempo/aldeia. Assim, podemos afirmar que a previsão dessa
modalidade de formação tem servido apenas de mecanismo para burlar a carga
horária prevista na legislação. Esses mecanismos da burocracia (carga horária,
necessidade de aprovação dos cursos), exigidos pelo Estado, explicitam as
dificuldades de constituição da educação diferenciada.
Por ser elaborado nos moldes da estrutura governamental, o Curso de Formação
Indígena Tupinikim e Guarani reuniu pessoas de diferentes etnias, enquanto o Curso
de Formação de Professores Guarani reuniu diferentes subgrupos guarani, que,
durante as etapas intensivas, receberam ou estão recebendo informações num ritmo
acelerado. Em relação ao último Curso, os alunos enfrentam outra situação difícil,
que é o fato de estarem longe de suas aldeias.
Nos dois cursos foram altas as taxas de evasão, que têm como um dos principais
motivos a falta de apoio financeiro, na forma de bolsas de estudo para os alunos,
que são na maioria pessoas casadas, com filhos. Essa situação foi um dos fatores
que contribuíram para que, no Curso de Formação de Educadores Tupinikim e
Guarani, a taxa de evasão fosse de 50,7%. A realidade não é diferente para os
alunos do Curso de Formação de Professores Guarani: um aluno do Espírito Santo
já desistiu porque arrumou emprego na área do meio ambiente e outro já faltou a
duas etapas do Curso devido a problemas financeiros e familiares.
Levando-se em consideração as limitações dos cursos, a formação dos professores
indígenas deve ser entendida como um processo, ou seja, é necessário dar
continuidade à formação de todos os professores guarani, para que eles possam dar
220
conta das atribuições previstas no RCNE/Indígena. Assim, poderiam realizar
pesquisas lingüísticas e antropológicas, produzir material didático, propor algumas
das respostas aos novos desafios gerados pelo contato, além de exercer o trabalho
de docência.
Cabe ressaltar, no entanto, que, o ingresso dos alunos do Espírito Santo no Curso
de
Formação
de
Professores
Guarani
contribuiu
para
o
processo
de
institucionalização da EEI guarani bilíngüe e diferenciada, ao possibilitar a
substituição da professora contratada pela FUNAI por um professor guarani. Em
virtude das ponderações feitas pelas pedagogas da SEMED e da SEDU, as
comunidades guarani decidiram que, a partir de 2005, o Alberto, aluno do Curso de
Formação de Professores Guarani iria substituir a professora da FUNAI e que ela
ficaria com o Alberto, para ajudá-lo na sala de aula, até que ele se sentisse seguro
para assumir sozinho o trabalho de docência.
A experiência não deu certo, a professora da FUNAI desistiu algum tempo depois.
De acordo com a chefia de posto da FUNAI, havia muita reclamação em relação ao
trabalho do professor Alberto, porque as crianças não entendiam o guarani falado
por ele, que é do subgrupo Nhandéva. A própria chefe de posto aconselhou a
professora a sair: porque se desse errado a atuação de Alberto, as pessoas iriam
colocar a culpa na FUNAI. Acho difícil o Alberto atuar como professor de 3ª e 4ª
séries, porque ele só tem até a 5ª série e não escreve em guarani. (Chefe de posto
da FUNAI, (conversa informal, em 26 de abril de 2006). Essas dificuldades foram
superadas pelo professor, tanto que, no conselho de classe do Curso de Formação
de Professores Guarani, ele foi o único do Espírito Santo avaliado em condições de
ser enquadrado no grupo de alunos de nível avançado.
Na realidade, os conflitos no processo de substituição da professora tiveram como
principal fator questões de ordem administrativa. A professora não queria abrir mão
do seu posto de trabalho, porque isso traria implicações para a sua aposentadoria.93
93
No Brasil, a legislação faculta ao professor regente de sala de aula a aposentadoria especial, ou
seja, aos vinte e cinco anos de trabalho e cinqüenta anos, no caso das mulheres. Ao perder o posto
de docente na escola da aldeia, essa professora passou a exercer funções administrativas e,
conseqüentemente, perdeu o direito à aposentadoria especial.
221
O Marcelo foi o segundo aluno a ser contratado para dar aula aos alunos de 1ª e 2.ª
séries. Como a EMPI Três Palmeiras contava, até em 2004, com apenas uma sala
de aula, onde o professor Mauro trabalhava com a 3.ª e 4.ª séries, Marcelo tinha que
trabalhar em uma cabana de sapé, que havia ao lado da escola.
Mauro diz que está muito difícil o funcionamento da turma de Marcelo na
cabana porque é muito aberta e tem problemas com o vento e goteiras
quando chove. Ele diz que já tem o projeto de uma sala e cozinha, o que
precisa são os parceiros para a construção. [...] Zélia pergunta quantos
alunos Marcelo tem. Ele disse que tem 10 alunos. Que tem alguns que não
94
estão freqüentando porque dizem que tem muita bagunça na sala.
De acordo com os registros de uma pedagoga da SEDU, o professor Marcelo95
apresentava também problemas com o domínio de conteúdos e da língua
portuguesa escrita.
O educador Marcelo, que também é cursista da Formação de Professor
Guarani juntamente com a Sandra, estava trabalhando com seus alunos
uma atividade (complete) sobre o corpo humano. As crianças
apresentavam dificuldade em ler e responder o que era solicitado. Nas
tentativas que o educador fez em ajudar seus alunos, demonstrava
insegurança e falta de conhecimento mais profundo sobre o que estava
sendo solicitado, para esclarecimento e orientação aos alunos. O educador
tem domínio oral da Língua Guarani, mas apresenta certas dificuldades na
96
escrita da Língua Portuguesa.
Assim como no caso das professoras Vanda e Lucimara, os registros encontrados
apresentavam apenas julgamentos em relação ao trabalho do professor. Não havia
nenhuma indicação do apoio dado a ele em seus estudos de tempo/aldeia para que
ele pudesse superar suas limitações quanto à língua portuguesa escrita, conforme o
estabelecido pelo Protocolo de Intenções. Quanto ao apoio pedagógico, ele disse
que: contou mesmo foi apenas com o apoio do professor Mauro (Marcelo, conversa
informal, março de 2007). Outro problema é que os julgamentos se dão com base
nos valores da nossa sociedade: domínio da língua portuguesa escrita, conteúdos
sobre o corpo humano.
94
Ata de reunião, realizada na aldeia de Três Palmeiras no dia 13 de fevereiro de 2004.
O Marcelo é uma importante liderança guarani e um autodidata. Freqüentou por alguns meses a 1.ª
série na Fazenda Guarani em Minas Gerais, mas assegura “aprendi a ler mesmo foi com a Marilza,
ela me ensinou as letras e as sílabas e eu saia por aí, tentando ler o que estava escrito nos muros,
nos carros, juntando as silabas. Guarani eu aprendi a escrever com a comunidade, com as pessoas
que tinham aprendido com o Valdemar”. Marcelo disse que adquiriu o certificado de 4ª série através
do “Projeto Todos Podem Ler”. A professora “pediu para eu ler, escrever e fazer umas contas e aí ela
disse que eu já tinha condições de ser considerado uma pessoa com 4ª série”.
96
Relatório de visita à EMMI Três Palmeiras, por técnicos da SEDU, no dia 9 de março de 2004.
95
222
O professor Marcelo, que, na visão ocidental, não teria condições de ser professor,
“tem domínio completo da língua guarani tanto na oralidade e fluência oral na língua
portuguesa”. (Relatório do conselho de classe). Constantemente ministra cursos no
Museu do Índio sobre a cultura e a história do seu povo, conhecimentos que não são
levados em consideração nas observações sobre o seu trabalho. Como aluno do
Curso de Formação de Professores Guarani, à medida que avançar nos estudos
certamente superará as suas dificuldades na escrita da língua portuguesa.
Marcelo desistiu de ser professor e foi substituído por Sandra, sua colega de Curso,
que começou como estagiária em sua sala de aula. Vale mencionar que essa
professora também teve muitas dificuldades no trabalho de docência.
Sandra diz que aconteceu isto com ela e é muito ruim. Começou logo com
uma turma que é mais difícil, que é a alfabetização. Foi muito sofrimento,
chegou até a se arrepender e pensar em desistir porque foi muito cobrada,
mas continuou e a cada ano está melhorando. Quem está de fora acha
fácil, mas é muito difícil cada situação que deparam em sala de aula. Diz
que a formação continuada e a de Santa Catarina têm-lhe ajudado muito.
Às vezes se sente ainda meio perdida e fica preocupada em como levar as
crianças para frente nos estudos. Então se põe a estudar e pesquisar para
buscar saídas. Diz que Márcio como estagiário lhe ajudou muito. Que no
próximo ano pretende visitar outras salas de aula, como a da educadora
Aciara e também a dos educadores Tupinikim. Que agora, na formação de
Santa Catarina, já consegue compreender e acompanhar o que os
97
professores falam, mas que teve muita dificuldade anteriormente.
Além do Marcelo, também dois outros alunos do Curso de Formação Guarani
desistiram de exercer a docência no Espírito Santo - Marcos e Alessandro. Marcos
foi contratado, no ano de 2005, para trabalhar com a turma de pré-escola na EMPI
Três Palmeiras, mas, como nessa escola não havia um lugar em boas condições
para desenvolver o trabalho, sua turma foi transferida para a EMPI Boa Esperança.
Marcos diz que a Educação Infantil melhorou em Boa Esperança, porque
tem menos invasão de pessoas estranhas na escola, é mais fácil controlar
as crianças; ficam calmas e silenciosas. O recreio é mais tranqüilo. Lá em
Três Palmeiras as crianças eram mais livres, iam embora a hora que
queriam. Talvez a pessoa acabe colocando o filho para estudar fora,
porque a escola da aldeia está muito bagunçada, então isso precisa
melhorar e ter boa estrutura. As crianças de Três Palmeiras estão com
muita liberdade de entrar e sair da escola. Fora do horário de aula e nos
finais de semana todos têm acesso ao bebedouro, sujam e bagunçam a
escola. A escola deve ser cercada para evitar que todos entram, sujam,
atrapalham o nosso trabalho, tirando a atenção do nossos alunos e
97
Ata de reunião realizada na aldeia de Três Palmeiras no dia 13 de dezembro de 2005.
223
acabam comendo a merenda deles. Falta prato e garfo para todos. Hoje é
98
a oportunidade dos pais falarem isto
A fala do professor Marcos, ao defender para as escolas das aldeias os valores e
princípios da educação escolar não indígena, é indicativo de um processo de
circularidade cultural. Esse professor mudou-se para Santa Catarina em 2005; para
substituí-lo, foi contratado o Alessandro, que também desistiu do cargo e migrou
para a aldeia de Bracuí (RJ).99 Os dois alunos continuam freqüentando o Curso e
tendo suas despesas pagas pelo governo do estado do Espírito Santo, situação
garantida pelo Protocolo de Intenções. Segundo relatos dos funcionários das
secretarias de educação dos estados, eles estão lecionando e têm prestado grande
contribuição às aldeias onde estão vivendo. Alessandro tornou-se professor em
escola guarani do Rio de Janeiro, e o Marcos tornou-se vice-cacique da aldeia Morro
dos Cavalos, município de Palhoça, Santa Catarina.
Em uma reunião da comunidade realizada para se decidir que pessoa iria substituir o
Alessandro, apresentaram-se como candidatos o Marcelo, a Joana e a Vanda. A
comunidade escolheu a Joana. Levando em consideração ser essa professora uma
sábia do seu povo, dominadora da cultura e da pedagogia guarani, no nosso ponto
de vista, ela deveria atuar também do 6.º ao 9.º ano.
Figura 32 - A professora Joana com sua turma da pré-escola.
Fonte: Arquivo da pesquisadora.
98
Ata de reunião realizada na aldeia de Boa Esperança no dia 28 de novembro de 2005.
De acordo com a ex-esposa do Alessandro, ele foi embora porque eles se desentendiam muito no
casamento e também porque ele se sentia muito triste e preocupado; não se sentia preparado para
dar aula.
99
224
Diferente de outros estados como Mato Grosso, os Guarani do Espírito Santo
optaram por ter educação infantil nas aldeias, porque em casa as crianças assistem
muito à televisão (Professor Mauro, conversa informal, fevereiro de 2007, aldeia de
Três Palmeiras). Essa tem sido a principal argumentação dos pais ao reivindicar a
implantação da Educação Infantil nas aldeias.
Como já foi dito anteriormente, no ano de 2007 apenas os professores que atuavam
da pré-escola ao 5.º ano eram guarani. Ainda se faz necessária a substituição dos
professores tupinikim que atuam do 6.º ao 9.º ano para que a EEI guarani se torne
totalmente bilíngüe e diferenciada.
O fato de a maior parte dos professores que estão atuando do 6.º ao 9.º ano serem
tupikim acaba fazendo com que existam duas escolas em uma (TEAO, 2007). Da
educação infantil ao 5.º ano, os alunos estudam com professores da aldeia na língua
guarani. Do 6.º ao 9.º ano, os alunos estudam com professores tupinikim, que não
falam a língua e não conhecem a cultura. Essa realidade constitui um flagrante
desrespeito aos direitos constitucionais do povo Guarani, uma vez que está
assegurado a esse e outros povos indígenas a utilização, no Ensino Fundamental,
da língua materna e processos próprios de aprendizagem (Constituição Federal, Art.
198, § 2º, e Constituição do Espírito Santo, Art.172).
O amparo da Resolução CNE/CEB n.º 3/99 poderia ser utilizado para que se
contratasssem outros professores guarani, que estão estudando para atuar nas
turmas de 6.º ao 9.º anos. Do nosso ponto de vista, alguns professores reúnem
todas as condições de fazê-lo, como é o caso da professora Aciara100 que poderia
assumir as aulas de Língua Guarani e Portuguesa, o Marcelo ou a Joana, que
poderiam assumir a área de artes. Essas são apenas algumas das possibilidades
constatadas pelo trabalho de campo, ficando as decisões a cargo da comunidade.
100
No lugar da Aciara, poderia assumir um dos alunos do Curso de Formação de Professores
Guarani ou a professora Vanda.
225
Ainda no âmbito da formação dos professores, cabe ressaltar a questão da formação
continuada, que se tem dado por meio daquelas ministradas pelos parceiros do
Subnúcleo de Educação do NISI/ES101 e da participação em eventos e congressos.
Os encontros de formação continuada realizados pelos parceiros do Subnúcleo de
Educação do NISI/ES reuniam os professores guarani e tupinikim para estudos
sobre a abordagem pedagógica Pedagogia do Texto.102 As necessidades
específicas desses dois povos acabaram não sendo atendidas, como foi o caso do
estudo da língua guarani e do tupi, da produção de material didático e de currículos
escolares diferenciados para cada um desses dois povos.
A professora Aciara, que participava dessa formação, afirmou que, assim como o
Curso de Formação de Educadores Tupinikim e Guarani, a formação continuada
também não dava conta da singularidade guarani: “Ainda hoje é do mesmo jeito, as
formações nunca tratam do povo Guarani em específico” (Aciara, 2006, conversa
informal). O mesmo ponto de vista é compartilhado pelos outros professores guarani,
que apontam como uma das raras exceções “O estudo da Etnomatemática Guarani”,
curso que foi ministrado na aldeia de Boa Esperança pela professora Jackeline
Rodrigues Mendes, em 2000. Participaram desse curso os professores Mauro,
Aciara e Vanda, o cacique Jonas, o vice-cacique Toninho, a mãe deles - Dª. Aurora
– e alguns jovens e crianças da aldeia.
Os conteúdos trabalhados foram escolhidos pelos próprios participantes, que
optaram pelo tema “O calendário guarani” e medidas de tempo. Posteriormente,
foram indicados outros assuntos: números e operações, padrões de desenho do
traçado e da pintura corporal e medidas de comprimento no processo de construção
da casa de reza.
A cada assunto definido, o cacique Jonas dava uma aula em língua
indígena a todos os participantes apresentando os conhecimentos guaranis
referentes aos temas abordados. Num segundo momento, os professores
produziam textos e propunham atividades, sistematizando as informações
apresentadas pelo cacique e complementado por Dona Aurora. Enquanto
isso, os outros participantes elaboravam desenhos para compor o material
referente a cada tema abordado (MENDES, 2002, p. 3).
101
Os principais parceiros desse Subnúcleo são o povo Guarani e o Tupinikim, a SEDU, a SEMED,
o IDEA,e a Pastoral Indigenista
102
Para maiores detalhes sobre essa abordagem pedagógica, consultar a página eletrônica da ONG
“Enfants du Monde”: www.edm.ch
226
O material produzido era digitado e no encontro seguinte passava por correções e
ampliações, principalmente das atividades propostas. A correção da língua guarani
ficava a cargo dos professores Mauro e Aciara, com a ajuda do cacique Jonas. Todo
material produzido ao longo do curso foi sistematizado no livro “Arãdu porã rape” (O
caminho da sabedoria), publicado pelo MEC. Esse livro tornou-se um dos materiais
didáticos específicos para os alunos guarani, porém alguns conteúdos não foram
trabalhados pelos professores.
Os Guarani elaboraram um livro de etnomatemática com um calendário
feito junto aos mais velhos. No entanto, esse calendário, que
essencialmente relaciona-se às estações do ano e aos rituais guarani, não
é estudado pelos professores e nem ensinado na sala de aula. Tal fato
deve-se a necessidade dos próprios professores pesquisarem e
entenderem mais profundamente como este funciona e se constitui (TEAO,
2007, p. 140).
Segundo a professora Aciara, esse não é um calendário guarani, mas, sim, uma
tentativa de relacionar as atividades socioculturais realizadas nas aldeias com o
calendário gregoriano: “março – mokõi djatxy; abril – boapy djatxy”. (MENDES,
2003). Por isso, a professora Aciara está pensando em pesquisar o assunto, para
elaborar um calendário que seja realmente guarani.
Um dos principais espaços de trocas de informações acerca da EEI do qual os
professores guarani têm participado é o Congresso de Leitura (COLE), que acontece
em Campinas - São Paulo. Em seu âmbito, esse congresso propicia encontros
diversos, como os “Encontros sobre Leitura e Escrita em Sociedades Indígenas”
(ELESI), que teve início no ano de 1995.
Esses encontros tornaram-se um espaço amplo e plural de debate e reflexão sobre a
EEI no País, com uma crescente participação indígena (COLE, 2005). O convite
para o COLE, no ano de 2007, ressalta algumas características desse encontro.
É, de fato, (o COLE) um espaço democrático de debate e
construção de conhecimento sobre a questão. Não é um encontro de
brancos com presença de índios, nem um encontro indígena com presença
de brancos, mas um encontro aberto de diálogo e construção coletiva de
conhecimento. Aliás, é o único evento periódico, de âmbito nacional,
aberto, sobre educação escolar indígena no Brasil, há mais de 10 anos
(COLE, 2007).
227
Os organizadores do evento têm o cuidado de organizar mesas redondas com
integrantes índios e não índios, na tentativa de estabelecer um diálogo e uma
interculturalidade.
Figura 33 - Participantes do COLE.
Fonte: Arquivo da SEMED.
5.2 A CONSTRUÇÃO DA PROPOSTA CURRICULAR
Considerando o currículo escolar como uma construção cultural e uma práxis que
tem sua existência na experiência da comunidade escolar, vamos apresentar não o
processo de construção do currículo escolar guarani, mas sim da proposta curricular
ou a declaração de intenções (SACRISTÁN; GÓMEZ, 2000 p. 86).
O currículo, como uma práxis, antes de ser um objeto estático emanado de um
modelo coerente de pensar a educação ou as aprendizagens necessárias dos
alunos é uma prática
[...] expressão, da função socializadora e cultural que determinada
instituição tem, que reagrupa entorno dele uma série de subsistemas ou
práticas diversas, entre as quais se encontra a prática pedagógica
desenvolvida em instituições escolares que comumente chamamos ensino.
228
É uma prática que se expressa em comportamentos práticos diversos. O
currículo, como projeto baseado num plano construído e ordenado,
relaciona a conexão entre determinados princípios e uma realização dos
mesmos, algo que se há de comprovar e que nessa expressão prática
concretiza seu valor. É uma prática na qual se estabelece um diálogo, por
assim dizer, entre agentes sociais, elementos técnicos, alunos que reagem
frente a ele, professores que o modelam etc. Desenvolver esta acepção do
currículo como âmbito prático tem um atrativo de poder ordenar em torno
desse discurso as funções que cumpre e o modo como as realiza,
estudando processualmente: se expressa numa prática e ganha significado
dentro de uma prática de algum modo prévio e que não é função apenas
do currículo, mas de outros determinantes. É o contexto da prática, ao
mesmo tempo que é contextualizado por ela (SACRISTÁN; GÓMEZ 2000,
p.180).
A comunidade escolar guarani vem praticando currículos escolares desde a criação
da escola nas aldeias. Essa ação sofreu transformações ao longo do tempo devido à
inserção de novos atores no processo, principalmente a partir do momento em que
pessoas guarani passaram a atuar como professores. Foram feitas várias tentativas
de escrever essa proposta curricular, para que se pudesse contar com um projeto
baseado num plano construído e ordenado, que estabelecesse “[...] a conexão entre
determinados princípios e uma realização dos mesmos” (SACRISTÁN; GÓMEZ
2000, p.182), a fim de que se garantisse a singularidade cultural desse povo, o que,
segundo os professores guarani, não tinham sido alcançado satisfatoriamente até o
ano de 2006.
A produção da proposta currícular tupinikim e guarani estava prevista como uma das
atividades do estágio do Curso de Formação de Educadores Tupinikim e Guarani.
Para isso foi realizado, no período de 27 a 29 de agosto de 1998, um seminário
sobre currículo, na aldeia de Caieiras Velhas, no município de Aracruz. Participaram
desse encontro as comunidades indígenas, um educador guarani do Rio de Janeiro,
um educador pataxó de Minas Gerais, representantes das Secretarias de Educação
de Minas Gerais e Espírito Santo, do MEC, da SEMED, do CIMI, do IDEA e da
Pastoral Indigenista. Os representantes indígenas das outras unidades da
Federação compuseram uma mesa redonda com um educador guarani e um
tupinikim do Espírito Santo para falar das suas experiências como educadores. O
objetivo da vinda dos representantes indígenas dos outros estados foi o de propiciar
um intercâmbio cultural e uma troca de experiências aos educadores indígenas na
área da EEI.
229
A décima segunda e última etapa do Curso aconteceu no mês de outubro de 1999 e
foi inteiramente dedicada à construção dos currículos para as escolas indígenas
tupinikim e guarani. Como subsídio para esse trabalho, os professores utilizaram os
seguintes documentos: 1) textos produzidos pelos formadores a partir de análises
dos relatórios de estágio e dos cadernos de planos de aula dos professores; 2)
Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas; 3) Parâmetros
Curriculares Nacionais; 4) conteúdos mínimos da SEDU e 5) Proposta Curricular do
Município de Aracruz.
Um elemento que chama a atenção no processo de construção do currículo é que
não foi utilizado como subsídio nenhum documento produzido pelos próprios
indígenas, como diários de classe e planos de aula daqueles que já estavam
atuando como professores, ou seja, o registro de suas práticas. No entanto, o
currículo construído pelos professores está fortemente marcado por essas práticas,
como pudemos constatar ao analisar os objetivos, conteúdos e outros elementos da
primeira versão da proposta curricular construída por eles.
A conclusão da primeira proposta curricular para as escolas tupinikim e guarani deuse com a realização de três seminários, no período de 25 de agosto a 29 de outubro
de 2000.
No primeiro seminário, realizado no período entre 25 e 27 de agosto de 2000,
participaram os representantes do Subnúcleo de Educação do NISI/ES, educadores,
lideranças e caciques das aldeias. Esse seminário foi dividido em dois momentos.
Primeiramente, foi feita uma reflexão com os participantes sobre o papel e a
responsabilidade que cada segmento da comunidade tem no processo ensinoaprendizagem desenvolvido pela escola. Em seguida, os educadores fizeram um
trabalho de reescrita da parte geral da primeira versão do currículo, que tinha sido
produzido por eles durante o Curso. Esse trabalho foi feito com base na leitura de
alguns textos relacionados ao assunto.
230
Figura 34 - II Seminário de Educação Indígena
Fonte: Arquivo da SEMED.
No segundo encontro, que aconteceu de 22 a 24 de setembro de 2000, dois dias
foram utilizados para a discussão e reescrita da parte do currículo que trata das
disciplinas de Ciências Naturais e Matemática. O último dia do encontro foi
reservado para que os professores pensassem coletivamente em como encaminhar
a discussão sobre o currículo em suas respectivas aldeias; ocasião em que eles
“elaboraram planos de aula, a serem utilizados com os alunos e planos de reunião
para a comunidade, a fim de se fazer a discussão sobre o currículo escolar, que se
está construindo com estes segmentos.”103
No último seminário, realizado entre os dias 27 e 29 de outubro de 2000, efetivou-se
a reescrita das partes do currículo que tratam das disciplinas de Língua e Ciências
Sociais. No último dia, foram realizadas plenárias para a exposição dos resultados
dos trabalhos de discussão curricular que aconteceram durante os três seminários.
Os professores guarani afirmavam que o currículo construído não atendia as
necessidades do seu povo alegando: “o documento tem a cara dos Tupinikim”. Por
isso, durante os encontros de formação continuada, os professores chegaram à
conclusão de que era necessário fazer uma revisão da proposta curricular. Como
estratégia para essa discussão, foi realizada, em cada aldeia, uma reflexão sobre as
problemáticas que norteiam o currículo. No dia 16 de dezembro de 2003, na aldeia
de Caieiras Velhas, aconteceu uma plenária, durante a qual cada aldeia expôs para
as demais os resultados das reflexões.
103
Relatório de atividades, IDEA, 2000
231
Para o ano de 2004 os educadores sugeriram que, através da formação
continuada, continue sendo feita a revisão do currículo, o estudo teórico e
prático sobre a interdisciplinaridade e a interculturalidade. Foi solicitado
também pelos educadores, que em 2004 sejam dadas orientações teóricas
e práticas a fim de que possam realizar pesquisas que sirvam de subsídio à
104
produção de material didático.
De acordo com o Projeto, a formação continuada tinha como objetivos: 1) estudar os
princípios teórico-metodológicos da Pedagogia do Texto, com vistas a implementar
uma educação de melhor qualidade para os alunos das escolas indígenas tupinikim
e guarani; 2) realizar pesquisas a fim de produzir material didático como subsídio à
prática pedagógica; 3) revisar e elaborar uma nova proposta curricular. Porém, não
foi produzido nenhum material didático, nem foi feita a revisão e elaboração de uma
nova proposta curricular.
Fracassada a tentativa de revisão do currículo em 2004, os professores guarani
tomaram a decisão, em 2006, de utilizar os encontros de planejamento e estudo
realizados na aldeia com a nossa participação para a construção de um currículo
específico e diferenciado para as escolas guarani, que atendesse as necessidades
da pré-escola à 8.ª série.
Para iniciar as discussões acerca da proposta curricular apresentamos aos
professores os dados a respeito das representações da comunidade guarani acerca
da EEI, que tinham sido assim agrupados: papel a ser desempenhado pela escola
na sociedade guarani; princípios que devem nortear a educação escolar guarani;
metodologia a ser utilizada no ensino-aprendizagem e conteúdos a serem
ensinados.
Com esses dados em mãos, os professores guarani decidiram retomar a discussão
do assunto com a comunidade. Uma reunião de pais foi convocada e convidaram
também as lideranças. Essa foi uma estratégia para evitar a monopolização do
discurso por parte desses últimos.
A reunião de pais realizada na aldeia de Três Palmeiras, no dia 13 de junho de
2006, foi coordenada pelo professor Mauro. Em um primeiro momento, esse
professor explicou para os presentes os objetivos. Em seguida, para introduzir o
104
Projeto do Curso de Formação Continuada, 2004.
232
assunto da proposta curricular, a professora Joana contou, na língua guarani, a
história do chefe indígena norte-americano que recusou a oferta do governo, que
oferecia vagas em escolas não-indígenas para os jovens da tribo indígena, sob a
alegação que os ensinamentos das escolas não-índias não tinham utilidade para os
indígenas; ao mesmo tempo, convidava os jovens não-indios para vir estudar na
aldeia. A partir dessa história, foi possível começar a discussão acerca do papel que
deve ser desempenhado pela escola na sociedade guarani.
Para nortear as reflexões do segundo momento das discussões sobre a proposta
curricular,
elaboramos
perguntas
com
base
nos
dados
a
respeito
das
representações da comunidade guarani acerca da EEI, apresentadas anteriormente
aos professores.
Como dinâmica para esse segundo momento da reunião, foi organizado um
trabalho de grupo, durante o qual os pais deveriam responder às seguintes
questões: 1) Qual o papel que a escola deve desempenhar na sociede guarani?; 2)
Quais os princípios que devem nortear a educação escolar guarani? 3) Da cultura
guarani o que deve ser ensinado pela família e pela comunidade? 4) O que a escola
deve ensinar da cultura guarani? 5) Da cultura dos não-índios o que deve ser
ensinado pela escola? 6) Como as escolas das aldeias devem ensinar? 7) Quando a
escola deve ensinar a língua guarani escrita? 8) Quando a escola deve ensinar a
falar e a escrever a língua portuguesa? e 9) Como os pais e outras pessoas da
aldeia devem participar da escola?.
Em cada um dos grupos de pais, ficou um professor guarani com a responsabilidade
de anotar o que era dito por eles. Ficou acertado na reunião de planejamento do
evento que os professores apenas dariam esclarecimentos aos pais em relação às
perguntas, caso fosse necessário, e que não interfeririam nas respostas dadas pelos
participantes do grupo.
Constatamos, por meio das respostas dadas pelos pais e demais pessoas da
comunidade, que havia, de maneira geral, concordância em relação a todas as
respostas sobre as representações acerca da educação escolar, exceto as questões
sete e oito, relativas ao ensino das línguas portuguesa e guarani. A pergunta sobre
quando deveria ser ensinada a língua guarani
teve diferentes respostas: duas
233
pessoas disseram a língua guarani deveria ser ensinda a partir da pré-escola, duas a
partir da 4.ª série e três a a partir da 5.ª série.
As respostas à questão 8 - “Quando a escola deve ensinar a falar e a escrever a
língua portuguesa?” - também causaram surpresa aos professores, uma vez que
alguns pais responderam que a língua portuguesa escrita e falada deveria ser
ensinada a partir da 1.ª série.
Mas, se compararmos a resposta a essa questão com a da questão “Qual o papel da
escola?”, vemos que os pais são coerentes, uma vez que para eles a sobrevivência
física é tão importante quanto a questão da sobrevivência da cultura. A questão da
afirmação da cultura perpassa os discursos dos pais acerca da escola, tanto quanto
a noção da incompletude das culturas. Os pais cônscios das limitações impostas
pelo contexto ambiental da atualidade vêem na escola um meio de se prepararem
para sobreviver do ponto de vista tanto físico quanto cultural.
Argumentos como “estudar nas duas culturas é importante” e “para aprender
ensinar, fortalecer, incentivar a manter a nossa cultura e conhecer outras culturas”
revelam a apropriação do discurso intercultural que permeia a EEI brasileira. Nesses
discursos, constatamos também a apropriação e reelaboração de idéias que
circulam nas escolas não-indígenas: “preparar para ter um emprego melhor e saber
ler”, “estamos convivendo com o mundo globalizado”, entre outros.
Dada a importância da questão do ensino da língua portuguesa e da língua guarani,
aproveitamos a presença de Ruth Montserrat no Curso de Língua Guarani para
discutir o assunto com a comunidade. As ponderações da professora ajudaram a
comunidade a compreender que as questões relativas ao ensino das línguas
portuguesa e guarani, da construção da proposta curricular e da educação escolar
são na realidade um ato político, que ultrapassa as fronteiras da didática.
Foram profundas as reflexões dos Guarani a respeito da questão da preservação da
língua e da cultura. Resumindo, eles disseram que as decisões que as pessoas da
sociedade guarani tomarem em relação à língua e à cultura do seu povo têm de ser
coletivas, mas precisa ser levado em consideração o compromisso moral das
gerações atuais com as passadas e futuras. O compromisso com as gerações
passadas deve ocorrer, pois é graças a eles que, nos dias atuais, há uma cultura
234
específica e diferenciada, assim como uma língua viva. Os Guarani de hoje podem
tomar a decisão de abrir mão de um elemento da cultura, como, por exemplo, a
língua, mas essa decisão tem de ser tomada levando-se em consideração o que as
gerações futuras poderão sofrer em conseqüência dessa decisão.
As reflexões ajudaram a comunidade a compreender por que a alfabetização deve
ser em língua guarani. A língua é um dos elementos da cultura que ajudam a
construir a identidade da criança. Assim, a alfabetização em guarani ajudará a
reforçar a identidade cultural da criança. O ensino da língua guarani escrita ajuda
também na recuperação e no fortalecimento da linguagem oral, uma vez que, ao
escrever em guarani, a criança será forçada a usar o vocabulário dessa língua,
evitando, assim, o uso de palavras da língua portuguesa, no caso dos grupos
guarani que vivem no Brasil, ou da língua espanhola, no caso dos grupos guarani
que vivem na Bolívia, no Paraguai, no Uruguai e na Argentina, o que é muito comum
na oralidade.
Outro ponto importante levantado durante as discussões foi o mito existente de que
o registro das línguas indígenas ajudaria na preservação delas. A escola sozinha
não é capaz de realizar a preservação de uma língua, que só sobreviverá quando
falada e utilizada como veículo de comunicação por um grupo social. Assim, fazer
com que uma língua usada somente na oralidade passe a ter uma representação
escrita não é garantia de que ela continue viva. A sobrevivência de uma língua é de
responsabilidade de todos e isso vem sendo falado pelas lideranças há muitos anos.
Toda família deve se esforçar e exigir que suas crianças falem guarani.
Que em momentos de festa devem trazer pessoas que sabem bem o
guarani para estar conversando e reforçando sobre o uso e manutenção da
língua materna. Diz ainda que cada família tem a responsabilidade de
acompanhar seus filhos, ver como estão falando. A televisão é muito
perigosa. O som alto demais deve ter limite e horário. O cacique às vezes
quer proibir e as pessoas acham ruim. Ir ao forró, isso também não é bom.
Às vezes tem pessoas que se revoltam por causa da proibição. A
recuperação da língua não se dá só na escrita, se dá principalmente na
105
oralidade.
Um caso representativo citado por eles foi o da utilização da língua pelo povo
Tupinikim. Esse povo, ao longo do processo de contato com os não-índios, acabou
deixando de falar a língua tupinikim. As gerações atuais fazem um grande esforço no
105
Ata de reunião, realizada na aldeia de Boa Esperança, no dia 11 de dezembro de 2003.
235
sentido de resgatá-la, pelo menos do que se escontra escrito e que é chamado de
Tupi Antigo106.
Dadasas preocupações da sociedade guarani com a questão da sobrevivência física
e cultural e as discussões realizadas com a comunidade, os professores indígenas,
juntamente com as lideranças e a comunidade, chegaram à conclusão de que a
proposta curricular deveria ter como preocupação a reflexão sobre os problemas e
as necessidades das aldeias. Nesse intuito, foi realizada uma reunião no mês de
agosto de 2006, para que se escolhessem as problemáticas que deveriam nortear o
ensino-aprendizagem das escolas guarani.
Primeiramente, foram relembradas aos presentes as problemáticas que norteiam a
proposta curricular tupinikim e guarani e que, até o ano de 2006, estavam sendo
levadas em consideração nos planejamentos do processo ensino-aprendizagem
pelos professores que atuavam nas escolas guarani. São elas: 1) a luta tupinikim e
guarani no contexto nacional; 2) a interação dos Tupinikim e dos Guarani com o
meio ambiente; 3) a organização socioeconômica do povo Tupinikim e dos Guarani
no contexto local, regional e mundial; 4) a cultura tupinikim e a guarani no contexto
da cultura brasileira e 5) a organização política dos Tupinikim e Guarani no contexto
local, regional, nacional e mundial.
As pessoas presentes na reunião afirmaram que a proposta curricular e,
conseqüentemente, a educação escolar, para atender as necessidades das aldeias
guarani, deveriam estar pautadas em questões que nesse momento histórico fossem
prioritárias para eles. Os participantes da reunião escolheram por consenso que
deveriam fazer parte do currículo cinco questões: 1) a auto-sustentabilidade das
aldeias; 2) a organização socioespacial guarani; 3) o resgate, a preservação e a
divulgação da cultura; 4) a história guarani e 5) a saúde.
De certa maneira, três das problemáticas do antigo currículo, 1) a organização
socioeconômica dos Tupinikim e dos Guarani no contexto local, regional e mundial;
2) a organização política dos Tupinikim e Guarani no contexto local, regional,
nacional e mundial e 3) a luta tupinikim e guarani pela terra, no contexto nacional,
foram unificadas na problemática “A organização socioespacial dos Guarani”, uma
106
Maiores informações sobre esse assunto conferir Cota (2000) e Quiezza (2005).
236
vez que o político e o econômico estariam inseridos no social, assim como a luta
pela terra.
A partir das questões escolhidas, foi elaborado107 um pré-texto da proposta
curricular, que levou em consideração elementos da antiga proposta e as
representações dos Guarani acerca da educação escolar levantadas nas atas de
reunião nos anos anteriores e nas reuniões de pais e de comunidade realizadas no
ano de 2006. Foram importantes também as reflexões acerca da língua feitas com a
assessoria da professora e lingüista Ruth Montserrat.
O pré-texto da proposta curricular foi discutido e reelaborado com a ajuda dos
professores da pré-escola ao 8.º ano e, posteriormente, apresentado e discutido com
a comunidade. O texto aprovado pela comunidade escolar guarani é constituído de
seis partes. Primeiramente, faz-se um resgate histórico da elaboração da proposta
curricular, ou seja, da primeira versão, que foi elaborada durante a execução do
Curso de Formação de Educadores Tupinikim e Guarani (1996/1999), até a versão
atual, elaborada no ano de 2006.
Na segunda parte, manteve-se quase de maneira intacta a apresentação da história
e da cultura do povo Guarani do texto da antiga proposta curricular elaborado pelos
alunos do Curso de Educadores Tupinikim e Guarani, que hoje são professores das
aldeias. Em seguida, foram apresentados os objetivos da EEI guarani: 1) resgatar,
preservar e divulgar a cultura; 2) dialogar com as outras culturas e as outras formas
de conhecimento; 3) desenvolver formas de subsistência auto-sustentáveis para a
comunidade; 4) fortalecer a organização do povo Guarani e suas relações com
outros grupos indígenas.
Em quarto lugar, foi apresentado o ponto de vista dos Guarani acerca do papel a ser
desempenhado pela escola. Posteriormente, foram apresentados os princípios que
devem nortear a EEI guarani, ou seja, deve-se garantir que 1) os professores das
escolas sejam guarani e falem a língua; 2) o ensino seja monolíngüe até o quinto
ano, com o ensino apenas do guarani, e multilíngüe a partir do 6.º ano, com a
introdução do português e do inglês; 3) a educação seja intercultural; 4) a educação
esteja a cargo da comunidade educativa e não somente da escola, garantido assim
107
O pré-texto foi elaborado por mim e pelo professor Mauro, no segundo semestre de 2006.
237
a participação da comunidade guarani e 5) se desenvolva uma educação escolar de
qualidade e os conteúdos escolares estejam relacionados com a realidade das
aldeias.
A última parte da proposta curricular foi dedicada à apresentação das problemáticas
e dos conteúdos curriculares. Na realidade, essa parte da proposta encontra-se em
fase de construção. No mês de dezembro de 2006, foram realizadas reuniões com
os professores da pré-escola ao 9.º ano, durante as quais foi realizado um
detalhamento da problemática escolhida para ser trabalhada no primeiro bimestre de
2007: “O resgate, preservação e divulgação da cultura guarani”. A escolha desse
tema foi uma estratégia de formação dos professores tupinikim que trabalham do 6.º
ao 9.º ano acerca da cultura guarani. Ficou acertado que o detalhamento do
conteúdo das outras problemáticas fosse feito pelos professores ao longo do ano de
2007. Essa foi a maneira encontrada de tentar organizar as práticas educativas
escolares guarani, levando em consideração alguns princípios e objetivos traçados
por eles.
O trabalho de campo e as reuniões de planejamento revelaram que os professores
guarani e também os professores tupinikim que atuam de 6.º ao 9.º ano vão precisar
de formação e assessoria para que possam trabalhar os conteúdos da nova
proposta curricular. É preciso que eles dominem os conteúdos da cultura e da
história guarani, além de métodos de pesquisa, para que sejam capazes de produzir
materiais didáticos e possam também, principalmente, “identificar e propor algumas
das respostas aos novos problemas gerados pelo contato” (RCNE/indígena), como a
questão da auto-sustentabilidade indicada pelos Guarani.
Conforme anteriormente afirmado, considera-se o currículo escolar como sendo uma
construção cultural e uma práxis que têm sua existência na experiência da
comunidade escolar. Por isso,
[...] assumir como referência do currículo essa diversidade de interações,
saberes e fazeres, realizados nas redes do cotidiano escolar, implica
assumir o currículo como permanente devir, como permanente produção,
que se diferencia e se realiza a partir das próprias redes tecidas pelos
sujeitos. Mais do que documentos prescritos, o currículo que se realiza na
escola é aquele viabilizado pelas redes que lá estão (FERRAÇO, 2004,
p.99).
238
Segundo Ferraço, essa visão de currículo implica alguns aspectos:
O primeiro deles é uma mudança de foco do documento prescrito para a
prática pedagógica na caracterização do currículo, que tem por objetivo
assumir o cotidiano da escola como os protagonistas do currículo escolar.
São esses sujeitos que habitam e praticam nas escolas, os principais
responsáveis pela realização do currículo. Um segundo aspecto a ser
considerado é que qualquer iniciativa de se pensar, discutir ou organizar o
currículo escolar pressupõe o envolvimento direto desses sujeitos. Um
envolvimento que precisa ser assegurado a partir da garantia de condições
físicas e materiais de realização do currículo e em todos os momentos de
sua discussão, sobretudo no decorrer das práticas pedagógicas
(FERRAÇO 2004, p. 102).
Portanto, faz-se necessária a garantia das condições físicas e materiais (construção
de escola, produção de material didático, formação dos professores e outras), para
que se possa construir o currículo escolar guarani, que ora se inicia.
Alguns dispositivos existentes poderão servir de amparo para a construção do
currículo diferenciado, como é o caso do Art. 26. da LDB, que prevê que os
currículos do Ensino Fundamental e Médio devem ter, além da base nacional
comum, uma parte diversificada, exigida pelas características regionais e locais da
sociedade, da cultura, da economia e da clientela e § 3.º do Art. 172 da Constituição
Estadual, que garante aos sistemas de educação estadual e municipal a
possibilidade de acrescentar conteúdos compatíveis com as peculiaridades locais.
Cabe ressaltar, no entanto, que esse dispositivo legal garante acrescentar uma parte
diversificada, mas não existe uma legislação que ampare a contratação de
profissionais para ministrá-las, como por exemplo, sábios indígenas, técnicos
agrícolas entre outros, conforme abordamos no Capítulo IV.
A LDB, ao mesmo tempo em que garante a parte diversificada do currículo para
atender as diferenças culturais, de certa maneira coloca também essas mesmas
singularidades de forma subordinada, sob o teto político do Estado (HALL, 2005),
uma vez que determina a garantia nos currículos do Ensino Fundamental e Médio de
uma base nacional comum constituída obrigatoriamente do estudo da língua
portuguesa e da matemática, do conhecimento do mundo físico e natural e da
realidade social e política, especialmente do Brasil, constituindo assim uma zona
interditada (TASSINARI, 2001), que emperra o processo de construção de currículos
239
diferenciados, questão que deverá ser superada com a institucionalização do
Sistema Nacional de EEI.
5.3 AS ESCOLAS E O PROGRAMA DE EEI GUARANI COMO ESPAÇOS DE
FRONTEIRA
Fazer dialogar os princípios da pedagogia guarani com a pedagogia ocidental é um
dos desafios do diálogo intercultural, pois não basta apenas garantir que sejam
professores guarani atuando nas escolas das aldeias e que os conteúdos da cultura
sejam trabalhados no currículo da escola, é preciso respeitar e fazer dialogar a
pedagogia guarani com a pedagogia ocidental. Assim sendo pode se dizer que a
construção da EEI guarani se dá tensão entre a pedagogia guarani e a pedagogia
ocidental.
O povo Guarani, assim como todos os outros povos indígenas do Brasil, possui uma
pedagogia108 própria, ou processos próprios de aprendizagem como está definido na
Constituição Federal brasileira, que lhes garantem tanto a continuidade como
sociedade quanto novas experimentações e mudanças.
Com base em autores como Nimuendaju (1932), Shaden, (1962), Meliá (1991),
Ciccarone (2001), Borges (2002) e Bergamaschi (2005), pode se dizer que a
educação guarani é exercida pela palavra, o guarani é educado para escutá-las,
recebê-las do alto, através do sonho, e assim poder falar. O guarani busca a
perfeição do seu ser na perfeição do seu falar; sua valoração e prestígio entre os
membros da sua comunidade, e mesmo nas comunidades vizinhas, é medida pelo
grau de perfeição e a quantidade de cantos e formas de falar que ele possui. Sua
sabedoria procede do desenvolvimento da sua palavra e essa, por sua vez, da
prosperidade e intensidade da sua inspiração (Meliá, 1991).
108
Conjunto de doutrinas, princípios e métodos da educação e instrução que tendem a um objetivo
prático (Ferreira, 1985).
240
Na pedagogia guarani, a oralidade é um princípio muito importante presente não
apenas na fala, mas na escuta respeitosa e atenta à palavra. Outro princípio
importante é que, nessa sociedade, o ato de aprender é muito mais intenso do que o
de ensinar, o que requer um grande esforço pessoal, que leva ao desenvolvimento
da curiosidade e da capacidade de observação. Além desses, há a revelação,
princípio que se relaciona ao primeiro, pois, para receber a revelação das
divindades, a pessoa também faz um esforço para viver de acordo com o modo de
ser guarani, nhande reko. O respeito à individualidade da pessoa também é muito
importante, na educação tradicional guarani.
A Opy (casa de reza) é o primeiro e o mais importante espaço de aprendizagem do
povo guarani, principalmente da língua. Nesse espaço, eles podem registrar a
história, ensinar as suas verdades, preservar os valores e cultivar a sua medicina de
curar. É o refúgio onde se abrigam os mais ricos pensamentos, cantos e orações
que ficam registrados na memória de cada um para manter e valorizar a sua cultura,
proteger-se dos “brancos” e imprimir a resistência (VIEIRA, 2007).
No processo educacional da pessoa guarani, é de grande importância o seu nome,
determinado antes do seu nascimento de acordo com a região celeste de onde vem
a alma da criança. E, ao saber sua origem, que é dada por meio de sonhos, os pais
também saberão suas qualidades e características individuais. A origem do nome
permite prever um pouco do percurso futuro da criança, seus gostos, jeito de ser e
possíveis caminhos a serem percorridos (BORGES, 2002, p. 54). Assim, o nome
atribuído à criança passa a fazer parte integrante dela.
Apesar de a criança ser uma “pessoa completa”, ela inspira vários cuidados em seus
primeiros anos de vida, em razão de sua fragilidade perante um mundo que é
considerado terrível e imperfeito pelo povo Guarani. Segundo Borges (2002), até os
três anos, as crianças guarani são internalizadas culturalmente por todo o grupo
social.
[...] existe outra lógica em relação ao trato com a criança, que é quem, na
verdade, escolhe o nome, ou melhor, traz o nome. É como se esta viesse
pronta, com suas vocações e possibilidades de ação. Dependendo de sua
origem, de seu lugar celeste, ela poderá ser um grande rezador ou uma
grande liderança política. Um bom caçador ou um homem com grandes
roças. O fato de a criança escolher seu nome é também o fato de a criança
escolher seus caminhos, à revelia dos pais, que têm como função apenas
facilitá-lo na medida do possível, pois este já foi traçado anteriormente. O
241
principal objetivo dos adultos guarani é possibilitar a formação do que eles
chamam de guarani ete, ou seja, um guarani de verdade. Um adulto que
109
possua todas as características de um bom homem guarani,
que entre
outras, é ser religioso e avesso à sedução das coisas do mundo não índio.
Nos primeiros anos, a grande preocupação dos pais é assegurar o
crescimento da alma, pois a criança está fraca e vulnerável. Nesse período,
é comum os pais adotarem a criação de animais domésticos como galinhas
e cachorros, que servem de anteparo protetor a qualquer malefício que
venha do mundo exterior, como doenças e feitiços, pois os pais e os filhos
ainda estão vulneráveis às maldades do mundo (BORGES, 2002, p.57).
Por isso, entre as pessoas guarani é respeitado o viver autônomo de cada criança,
em que cada uma, com suas características, revela seu modo de ser e descobre
suas potencialidades. Ao mesmo tempo, é orientada por palavras de sabedoria, de
carinho e de suavidade, que compõem os conselhos ou as narrativas tradicionais,
palavras plenas de ensinamento. Porém, há um entendimento de que os traços
básicos que formam a pessoa lhe são próprios. Por isso é que tal nome lhe foi
revelado no ritual de nomeação, nome que já diz as características intrínsecas da
pessoa (BERGAMACHI, 2005).
O respeito é um valor sempre evocado quando o assunto é educação tradicional
guarani. E não apenas o respeito às pessoas mais velhas, mas a cada pessoa na
sua individualidade, na forma de expressão de si, na busca de conhecimento e de
seus limites. Isso possibilita que os adultos não repreendam a criança, mas a
observem e a acolham com as características próprias dela, que vão aos poucos
consolidando cada pessoa guarani (BERGAMACHI, 2005).
O respeito à autonomia da pessoa guarani requer da criança o desenvolvimento da
curiosidade e a capacidade de observação, que se configuram como um traço
sobressalente e que buscam no fazer, muito mais do que no dizer, possibilidades
concretas para o aprender. A pessoa é, desde pequena, uma observadora da
natureza, da qual se sente parte e a tem como fonte inspiradora de vida e de
educação, mas é também uma observadora dos comportamentos de outras
pessoas. Especialmente os pequenos têm nos irmãos maiores e nos adultos seus
exemplos e por meio da imitação constroem seus comportamentos particulares.
Imitam nas brincadeiras e nas demais situações da vida, pois acompanham os
adultos nas mais diferentes atividades (BERGAMACHI, 2005).
109
Do nosso ponto de vista, a redação deveria ser bom homem ou mulher guarani.
242
Valendo-nos das palavras de Bergamachi (2005), de maneira resumida, podemos
dizer que o povo Guarani demonstra uma visão abrangente de educação e a elege
como meio para afirmar a tradição, fio indispensável na confecção da pessoa
guarani. Nas aldeias, na maior parte do tempo, as crianças encontram-se integradas
nas práticas tradicionais, tendo como parâmetro a convivência familiar e seus
conselhos, ensinamentos e experimentações, o respeito entre si e pelos mais
velhos, a vida comunitária que se desdobra na vivência da religião (nos rituais, na
reza, no canto e na dança), na convivência habitual da casa de reza, opy, na relação
com a natureza e no mero estar juntos, que configura o tempo-espaço guarani.
Diversos autores afirmam que não são comuns na educação tradicional guarani
sanções, castigos, condenações, tampouco prêmios e recompensas, visando a
adequar a pessoa a um comportamento idealizado, uma vez que entre eles há um
entendimento de que os traços básicos que formam a pessoa lhe são próprios,
revelados no ritual de nomeação. A virtude, ou a falta dela, entre as pessoas
guarani, denota a natureza do ser; além disso, os parâmetros para as atitudes e
comportamentos humanos são o compromisso de viver como Guarani, seguindo os
ensinamentos revelados pelas divindades e transmitidos de geração em geração
(SHADEN, 1974).
Cabe ressaltar, no entanto, que nas aldeias do Espírito Santo esse contexto
educacional vem sofrendo modificações. “Já na minha época de criança nossa mãe
prometia que, se a gente varresse a casa, ou lavasse as vasilhas, no outro dia a
gente iria pescar” (professora Aciara, conversa informal, março de 2007). “Eu
procuro não obrigar meus filhos a trabalhar, porém se eles vendem artesanato, eu
faço a comida que eles gostam” (professora Sandra, conversa informal, março de
2007, aldeia de Boa Esperança).
Ciccarone (2001) relata as reclamações feitas por algumas lideranças espirituais da
aldeia de Boa Esperança a respeito da pouca paciência dos pais com os filhos e das
transformações que, estavam ocorrendo na educação guarani: “Aurora era muito
crítica a respeito dos comportamentos das mulheres, das quais reclamava
principalmente a intolerância para com seus filhos, considerada sintoma do
enfraquecimento do papel das mulheres e das crises e instabilidade dos
casamentos” (CICCARONE, 2001, p.31). A professora Aciara da EMPI Boa
243
Esperança, também reclamou acerca da falta de paciência e de carinho das mães
guarani para com os filhos.
Do ponto de vista dessas mulheres, a intolerância é um desrespeito à autonomia da
criança, impedindo assim, que ela revele seu modo de ser e descubra suas
potencialidades. Segundo a pedagogia guarani, o que as mães deveriam fazer é
orientar as crianças com palavras de sabedoria, carinho e suavidade.
No convívio com pessoas guarani foi possível constatar também a grande liberdade
de ação das crianças, o que é muitas vezes algo surpreendente. O fato a seguir
ilustra o que foi dito.
No mês de março de 2007, estávamos participando de uma reunião de pais, na
cabana central da aldeia Três Palmeiras. Havia umas 70 pessoas entre professores,
crianças, pais e lideranças. Os adultos encontravam-se sentados em cadeiras ou no
chão ao redor da cabana e o espaço central era disputado pelas crianças e animais.
Durante a reunião, vimos um animalzinho na cabeça de uma criança de uns dois
anos. Questionado sobre que tipo de animalzinho era aquele, o professor Alberto,
disse que se tratava de um filhote de gambá. O que não surpreendeu: as pessoas
guarani criam filhotes de animais silvestres como de estimação. A criança, quase um
bebê, ainda cambaleante, tirava o animalzinho da cabeça, colocava no chão, corria
atrás dele, tornava a pegá-lo, tudo isso com movimentos muito bruscos, uma vez
que, devido à sua pouca idade, ainda não possuía muito controle dos seus
movimentos. Por várias vezes, o animalzinho quase foi esmagado pela criança. O
surpreendente é que a cena não provocava nenhuma reação nos presentes.
O professor Alberto em resposta ao pedido de que salvassem o animalzinho,
simplesmente respondeu: “o neném vai chorar”. O pedido também foi feito ao
cacique Toninho que deu a mesma resposta. Uma criança mais velha fez uma
tentativa, mas, diante da ameaça de choro por parte da outra criança, desistiu de
salvar o animalzinho. Até o momento que virmos embora, lá estava a criança
“brincando” com o seu animalzinho de estimação, que àquela altura já andava
cambaleando pela cabana.
244
Outro aspecto que chama a atenção é a independência das crianças guarani em
relação aos adultos. As desavenças que porventura acontecem entre as crianças
são sempre resolvidas por elas mesmas, tanto que causou estranheza o fato de uma
criança, após se desentender com outra, vir chorando procurar pela mãe. Tratava-se
porém, de um desentendimento entre o filho de uma não-índia com um guarani. No
trabalho de campo, constantemente encontravam-se crianças de todas as idades,
sozinhas ou em grupo, apanhando frutas, pescando, brincando ou andando pela
aldeia.
O respeito à individualidade da pessoa em todas as idades é um elemento da
pedagogia e as cultura guarani que pode, às vezes se tornar uma interdição ao
processo de escolarização das pessoas, uma vez que, em última instância, é a
criança quem decide se vai à escola ou não, onde estudar e quando parar de
estudar, situação impensável na sociedade ocidental. A vontade do filho de estudar
ou não e de onde estudar é respeitada pela maioria dos pais. Uma mãe contou que
dois dos seus filhos foram estudar na Escola Família Agrícola de Rio Bananal, mas
que um deles desistiu porque não gostava das viagens de carro. A outra filha estava
cursando a 8.ª série nessa escola em regime de alternância, mas que nas semanas
em que está em casa não participa de nenhuma atividade agrícola, nem dos
afazeres da casa. A mãe disse que não obriga, apenas dá conselhos à filha, pois
considera importante aprender a cuidar da casa, para que ela possa preparar-se
para o casamento.
Por meio das atas de resultados finais da EMPI Três Palmeiras e da EMPI Boa
Esperança, foi possível constatar que a vida escolar dos Guarani do Espírito Santo é
bastante fragmentada e irregular. A tabela 4 apresenta por ano, quantificação dos
alunos que estudaram na EMPI Três Palmeiras.
Tabela 4: Resultados finais dos alunos da EMPI Três Palmeiras
ANO
A
R
E
T
TOTAL
2000
2001
2002
2003
2004
2005
19
13
13
16
17
18
96
58,5
4
3
5
9
9
3
33
20,1
2
3
6
8
3
2
24
14,6
3
1
4
3
11
6,7
28
20
28
33
32
23
164
100
TOTAL
%
245
A tabela 5 apresenta, por ano, a quantificação dos alunos que estudaram na EMPI
Boa Esperança.
Tabela 5: Resultados finais dos alunos da EMPI Boa Esperança.
ANO
A
R
E
T
TOTAL
1987
1988
1989
1990
1991
1992
1993
1994
1995
1996
1997
1998
1999
2000
2001
2002
2003
2004
2005
5
9
12
13
17
16
23
15
9
6
9
24
26
21
19
15
16
16
20
291
59,1
6
4
4
3
5
2
7
04
1
6
6
10
5
4
4
4
75
15,2
3
5
8
7
13
2
3
10
19
12
7
8
8
1
3
109
22,15
1
5
1
1
2
2
3
2
17
3,4
14
13
16
16
28
26
37
32
16
11
26
49
50
35
31
27
20
25
20
492
100%
TOTAL
%
Nota: A = aprovado; R = reprovado; E = Evadido e T = transferido. A tabela não apresenta os dados
de 2006, porque até 12/07 não tinham sido enviados pela EMEF Caeiras Velha.
Teao (2007) aponta que são os fatores de ordem econômica e cultural os que mais
influenciam no processo de escolarização dos Guarani:
Analisando as causas, podemos dividi-las em dois eixos principais: os
fatores de ordem cultural e de origem econômica. Os fatores de ordem
cultural são os casamentos e a mobilidade, incluindo os deslocamentos e
seu modo de ser. Os fatores de origem econômica são as condições
financeiras para a permanência e custeio dos gastos relacionados à
educação escolar (TEAO, 2007, p.128).
Casos da influência dos deslocamentos na vida escolar das pessoas guarani foram
constatados comparando-se as matrículas das escolas com o trabalho de campo.
Muitos alunos que aparecem como evadidos nas atas de resultados finais mudaramse para outros estados. Por isso, para que se pudesse afirmar se eles são ou não
evadidos, seria necessária uma investigação em outros estados, o que não foi
246
objetivo desta pesquisa. A título de exemplificação, no ano de 1999 foram
matriculadas na primeira série da EMPI Boa Esperança quatro crianças de uma
mesma família. No ano seguinte, todos esses alunos foram registrados como
evadidos. Por meio do trabalho de campo, verificamos que essa família tinha
migrado para São Paulo e não havia pedido transferência para outra escola.
No convívio com as pessoas guarani observamos que muitas mulheres pararam de
estudar depois que casaram, porque os maridos não as deixavam continuar. As
obrigações domésticas dificultavam a continuidade dos estudos para muitas delas.
Em 2007, havia nas aldeias muitas pessoas solteiras estudantes com idade entre 12
e 25 anos,110 faixa etária em que acontece a maioria dos casamentos guarani.
Porém, seria precipitado estabelecer uma relação entre o adiamento dos
casamentos e o aumento da escolaridade das pessoas guarani, por dois motivos:
primeiro, porque a maior parte das pessoas guarani do Espírito Santo são parentes
entre si, o que dificulta encontrar pessoas disponíveis para casar; segundo, porque a
oferta da escolarização do 6.º ao 9.º ano é muito recente nas aldeias.
A maioria dos interlocutores que parou de estudar se casou. Pode-se
afirmar aqui que existe uma contradição do papel da escola. Os Guarani
com idade a partir de 12 anos são considerados adultos e ocupam um
papel social de destaque nas aldeias, como músicos, chefes religiosos,
trabalhadores, dentre outros. A escola não oferece meios de permanência
desses alunos para continuarem estudando, pois o horário de seu
funcionamento é no período vespertino, sendo incompatível com a
necessidade desses jovens, que agora terão de assumir o sustento de
suas famílias. A mulher cuida da casa e dos filhos, já o homem tem de
recorrer a um emprego fora da aldeia, para prover a família (TEAO, 2007,
p. 133).
Não é apenas o horário de funcionamento da escola que é incompatível com as
necessidades das pessoas, mas também o seu próprio modelo e organização, a
carga diária e anual e também o que lhes é ensinado.
Conversas com pessoas das aldeias revelaram que elas gostariam de voltar a
estudar, mas não numa escola regular, e, sim participar de cursos que pudessem
ajudar na auto-sustentabilidade e no etnodesenvolvimento das aldeias. Assim
sendo, a escola poderia oferecer, além da educação formal, cursos de pequena
110
No ano de 2007, havia na aldeia um total de 56 pessoas na faixa etária entre 12 e 25 anos. Desse
total, 29 pessoas eram solteiras e estavam estudando e 27 não estudavam. Do total das que não
estudavam 23 eram casadas e quatro eram solteiras.
247
duração para pessoas de diversas faixas etárias, com temas diversos escolhidos
pela comunidade.
O interesse das pessoas guarani por cursos de pequena duração foi constatado
durante o Curso de Língua Guarani, ministrado pela lingüista Ruth Montserrat.
Como já foi dito, freqüentaram o Curso professores, alunos de todas as séries e
também outras pessoas da aldeia. A carga horária era de oito horas diárias, porém,
somente os professores guarani participavam durante todo o tempo. Os alunos do
6.º ao 9.º ano iam às aulas à tarde. Depois de assistirem às aulas na EMPI Três
Palmeiras, as crianças e as outras pessoas da aldeia participavam apenas daquelas
pelas quais se interessavam. Chamou a atenção o interesse de algumas crianças
das séries iniciais pelos jogos que tinham como objetivo listar palavras para o
dicionário.
As brincadeiras e a cordialidade nas relações entre as pessoas de diversas faixas
etárias também foi outro aspecto que chamou a atenção. Por exemplo, em certo
momento, todos estavam concentrados e envolvidos na brincadeira de encontrar
palavras que começavam com a letra “l” para o dicionário, quando o professor
Alberto disse: - lan, Ruth, lan. – Como assim, lan? – Lanche, respondeu o professor
Alberto, apontando o lanche que acabava de ser servido. A cordialidade entre as
pessoas dava-se nas formas de tratamento entre os alunos e a professora. Esta
última era chamada sempre pelo nome “Ruth” e não por “professora” ou “professora
Ruth” como é de costume na sociedade não-índia e as crianças a chamavam de
txedjaryi, que quer dizer vovó.
Outra questão a ser repensada é a organização da escola guarani, uma vez que, no
dia-a-dia, constata-se ali uma resistência à lógica da pedagogia ocidental. Pessoas
de todas as idades circulam pelas diversas dependências do espaço escolar, ficam
nas janelas das salas de aula, observam as atividades desenvolvidas pelos
professores e alunos tanto dentro como fora da sala de aula.
O modo de ser guarani resiste no espaço escolar, através do
comportamento dos alunos, da presença dos pais e da comunidade nas
salas de aula, das crianças pequenas que aprendem observando as outras
mais velhas, da liberdade das crianças em entrar e sair, dos animais se
movimentando junto às pessoas na escola, dos objetos guarani (TEAO,
2007, p. 45).
248
A Figura 35 retrata um aluno do 4.º ano do turno vespertino, que, pela manhã,
cuidava do irmão mais novo. Naquele momento em que a foto foi tirada, aproveitava
o tempo também para olhar pela janela, onde os alunos do 6º ano estavam
construindo uma maquete da sala de aula, com a mediação da professora de
Geografia.
Figura 35 -Sala de aula da EMPI Três Palmeiras.
Fonte: Arquivo da pesquisadora.
A cena capturada pela foto apresenta diversos elementos da pedagogia guarani: a
convivência e o cuidado das crianças mais velhas para com as mais novas, o
aprendizado por meio da observação e a curiosidade do aluno que olha pela janela e
acompanha atentamente os alunos mais velhos nas atividades por eles
desenvolvidas. Durante a atividade, os alunos da 6.º ano conversavam em guarani e
demonstravam grande interesse pelo trabalho de construção da maquete.
A emersão da distinção étnica capturada pela foto, do convívio entre pessoas de
diversas idades no espaço escolar leva ao questionamento da validade da adoção
do regime de seriação dos alunos por idade e graus de aprendizagem, assim como
de outros preceitos das escolas não-indígenas: ensino anual, calendário escolar de
200 dias letivos e 800 horas anuais de aulas e carga horária de 4 horas e 30 minutos
de trabalho diário. Pensar nessa possibilidade de convívio seria uma das estratégias
a serem adotadas como garantia da construção de um programa de educação
escolar diferenciado para o povo Guarani.
249
Outra característica do modo de ser guarani é a sutileza dos gestos, por meio dos
quais garantem a identidade étnica e cultural. Por mais que se tente impor regras de
funcionamento escolar dos não-índios às pessoas guarani, as escolas das aldeias
continuam atuando como fronteiras, onde convivem os ritmos e tempos ditados pelo
sistema de educação com os ritmos e tempos guarani que emergem por meio de
pequenos gestos - alongamento do horário do recreio, escapulidas da sala de aula,
presença dos animais de estimação na escola, uso de material didático “à moda
guarani” (Figuras 36 e 37), revelando assim formas criativas de resistência e de
afirmação da identidade étnica por parte da comunidade educativa guarani.
Figura 36- Crianças escorregando em colchões.
Fonte: Arquivo da pesquisadora.
Figura 37- Cachorros circulando pela escola.
Fonte: Arquivo da pesquisadora.
250
Levando-se em consideração a circulação e a convivência das pessoas de
diferentes idades no ambiente escolar das escolas guarani, faz-se necessário que a
nova escola a ser construída disponha de espaços para atividades diversas, como
confecção de artesanato, realização de reuniões e outras demandas da
comunidade, não somente para as crianças, mas abertas à participação de pessoas
de todas as faixas etárias, sem esquecer também que outros espaços, como a casa
de reza, a roça, a mata, por exemplo, devem ser considerados como espaços
educativos. Essa é a perspectiva do sistema educacional guarani, sistematizado por
D`angelis (2000).
Na sala de aula aflora a distinção étnica entre os alunos dos diferentes subgrupos
guarani, ou seja, no convívio dos alunos descendentes do grupo fundador com
aqueles provenientes de outras parcialidades guarani (Nhandéva e Kaiowá),
existentes nas aldeias. A professora Sandra relatou que sempre é necessário
explicar aos alunos por que os colegas que chegam falam de maneira diferente e ela
os aconselha a receber bem os que chegam. “No futuro pode ser eles que vão para
outras aldeias e aí eles vão ser os diferentes” (Professora Sandra, conversa
informal, março de 2007). O professor Alberto disse que as implicâncias entre os
alunos dos diferentes subgrupos são mútuas, os descendentes do grupo fundador
chamam os colegas nhandéva de paraguaios e estes, por sua vez, chamam os
colegas de tupi. Nas escolas das aldeias do Espírito Santo, é falada e ensinada,
tanto na oralidade como na escrita, a língua guarani dos Mbya, pertencente ao grupo
fundador. Vale relembrar que há divergências do registro da língua entre os Guarani
Mbya do Espírito Santo e do restante do País.
Outro fator que influencia no processo de escolaridade dos Guarani do Espírito
Santo são os conflitos que acontecem em conseqüência das relações interétnicas
estabelecidas por eles. Os ex-alunos de uma das professoras da FUNAI relataram
os castigos físicos impostos por ela - ficar em pé de frente para a parede ou
ajoelhados em grãos de feijão, milho ou pedrinhas. O que mais chama a atenção é
que essa professora trabalhou na escola da aldeia em uma época em que já havia o
serviço de coordenação da EEI na SEMED, no entanto, nem ela nem a FUNAI
nunca foram questionadas a respeito dos castigos físicos aplicados.
251
A aplicação de castigos físicos contraria não somente a cultura guarani, que tem
como um dos seus princípios pedagógicos os conselhos, como também a educação
brasileira, que há décadas aboliu essa “forma de educar” e a constitui como um ato
de abuso de poder dos funcionários para com os povos indígenas.
Os conflitos interculturais vividos pelos Guarani do Espírito Santo manifestam-se
também por meio da dificuldade de aprendizagem em relação ao ensino não-índio
(TEAO, 2007) e dos problemas de discriminação e atitudes racistas por parte dos
não-índios.
As nossas crianças que estudam fora muitas vezes são humilhadas, como
aconteceu na escola de Rio Bananal que um professor xingou uma criança
guarani de “índio porco”. Por isso não acho certo também as crianças
111
saírem para estudarem fora da aldeia.
Em 2004, devido às discriminações sofridas pelos alunos guarani no ônibus escolar
da Prefeitura Municipal de Aracruz que os transportava até a escola de Coqueiral, foi
necessário transferir os alunos dessa escola para a EMEF de Santa Cruz, e esses
passaram a ir de ônibus de linha.
Pedimos à Sandra juntamente com os caciques e educadores que façam a
lista e levantem o número de alunos que queiram estudar de 5ª a 8ª série
em Santa Cruz e o horário que desejam estudar, para entrarmos em
contato com a Diretora da Escola para ver a possibilidade desse
112
atendimento.
Quatorze alunos foram transferidos para a EMEF de Santa Cruz, oito dos quais
foram matriculados no Programa de Regularização do Fluxo Escolar (PREFES),
projeto vinculado ao Programa Escola Campeã, da Fundação Airton Sena. No caso
desses alunos, a transferência não trouxe os resultados esperados, uma vez que
apenas um foi aprovado, um pediu transferência e seis evadiram. Os outros seis
alunos foram matriculados no Ensino Fundamental regular. No ano de 2006,
encontravam-se matriculados na EMEF Santa Cruz seis alunos, sendo dois na 5.ª
série e quatro na 6.ª série.
Um fato que chama a atenção é que a SEMED, mesmo sendo conhecedora dos
problemas de racismo enfrentados por parte dos alunos guarani, nunca tomou uma
111
112
Ata de reunião realizada na aldeia de Três Palmeiras, no dia 23 de novembro de 2005.
Ata de reunião realizada na aldeia de Três Palmeiras, no dia 13 de fevereiro de 2004.
252
providência, quer seja denunciando os atos de racismo, quer seja promovendo
ações educativas interculturais. Assim como no restante do Brasil, também em
Aracruz o sistema educacional continua promovendo a educação escolar
intercultural apenas para os povos indígenas. “A escola do ‘juruá’ não ensina pros
seus alunos quem somos nós e nem mostra a importância dos índios no Brasil”
(FREIRE, 2006).
O Art. 5.º, XLII da Constituição Brasileira afirma que “[...] a prática do racismo
constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos
da lei”. Os episódios de racismo e preconceito em relação aos povos indígenas
mostram o quanto os direitos legais estão distantes da sua efetivação na prática e
também do processo ensino-aprendizagem das escolas brasileiras.
O planejamento de um programa de EEI específico e diferenciado passa pela
necessidade de se levar em consideração também a possibilidade de serem
produzidos alimentos da própria cultura guarani e servidos aos alunos como
merenda. A SEMED permite que as escolas indígenas criem o seu próprio cardápio
de acordo com a cultura de cada povo indígena do Município, no caso os Tupinikim
e os Guarani. No entanto, geralmente os Guarani preferem adotar o cardápio
proposto pelo Município, que é elaborado por nutricionistas.
Por fazerem parte do Sistema Municipal de Educação de Aracruz, a EMPI Boa
Esperança e a EMPI Três Palmeiras estão inscritas no Programa Nacional de
Alimentação Escolar. A partir do ano de 2003, essas escolas passaram a fazer parte
do Programa Segurança Alimentar do Governo Federal, contando, por isso, com um
quantitativo per capita maior para reforçar a merenda. O Governo Federal repassa
para o município de Aracruz a quantia de R$ 0,42 por aluno indígena, enquanto para
os demais alunos a quantia destinada é de R$ 0,22. O Município complementa esse
valor com R$ 0,52.
Seria possível com esse recurso financeiro ter um cardápio com alimentos apenas
da cultura guarani? No nosso ponto de vista, não só os recursos financeiros
disponíveis, mas também as dificuldades de encontrar os alimentos tradicionais
impossibilitam ter o cardápio que atenda completamente a cultura guarani. Onde
comprar carne de capivara e macaco? Onde encontrar milho nativo, se nem mesmo
253
os Guarani têm conseguido produzi-lo, no Espírito Santo? Do ponto de vista da
cultura guarani, produzir um mbojapé ou um mbju com milho híbrido não é a mesma
coisa que o produzir com o milho nativo cultivado sem agrotóxico e adubo químico.
Há também a questão do tempo de preparação e dos rituais que requerem alguns
alimentos.
Ainda verde, o milho Guarani pode ser consumido cozido (avaxï ky) ou
assado (avaxí eteï)”. Quando seco, vários tipos de alimentos podem ser
preparados com o milho (avaxí eteí) como, por exemplo: mbeju (espécie de
massa fina feita com farinha de milho tostada e água); mbojapé (espécie de
massa feita com farinha de milho e água, assada nas cinzas); rorá (cozido
de farelo de milho misturado com água, parecido com canjica cozida);
reviro (comida feita com farinha de milho, água e gordura animal); mpaipy
(um tipo de “polenta” feita com milho verde triturado e água, recoberta com
folhas de peguaó (musa sp) e cozida sob cinzas de uma fogueira); avaxí
kuí (uma espécie de farinha feita de milho e amendoim socados num pilão);
avaxí kuipó (espécie de fécula de milho); kângui (espécie de mingau
preparado com milho e batata doce); kaguyjy (bebida feita com milho
verde, que deve ser mascado para fermentação e misturado com água).
Apenas as meninas de 13 e 14 anos, que não atingiram a puberdade
podem repará-lo. Segundo os mais velhos ao beber o kaguyjy, o Guarani
está limpando seu corpo, deixando-o sadio ( FELIM, 2001, pág. 43-44).
Apenas observando os exemplos de alimentos produzidos com o milho, seria difícil
ter um
cardápio
tradicional cotidianamente,
principalmente levando-se
em
consideração o número de alunos e o tempo de que se dispõe para preparar os
alimentos na escola. Contudo, nada impede que alguns alimentos tradicionais façam
parte do cardápio, como, por exemplo, o milho cozido, ou que o assunto seja
estudado pelos alunos e, como parte prática desses estudos, algumas receitas
tradicionais sejam preparadas com a participação dos alunos e de pessoas da
comunidade.
A construção do Programa de EEI Guarani dá-se também no contexto das tensões
das relações entre o Estado e os Guarani que luta pela garantia de seus direitos.
Essa relação, assim como todas as outras relações entre o Estado e a sociedade
civil, forma um sistema complexo, objeto de estratégias políticas variadas,
conduzidas em diversas frentes simultaneamente (HALL, 2003).
Os Guarani do Espírito Santo lutam em várias frentes e adotam estratégias diversas
para conseguir a garantia de seus direitos. Uma das frentes de atuação dos Guarani
tem sido aquela na qual eles lutam para conseguir superar as dificuldades impostas
254
pelo sistema federativo brasileiro, que desobriga os estados e municípios de
cumprirem a legislação federal. Vejamos o caso da extensão ao atendimento da
escolaridade das escolas das aldeias. Durante cinco anos – de 1999 a 2004 -,
desde o fim do Curso de Educadores Tupinikim e Guarani, tentou-se negociar, sem
sucesso, a formação superior dos professores indígenas com a UFES, a fim de que
se pudesse estender o atendimento escolar às aldeias também para as séries finais
do Ensino Fundamental, uma das metas previstas pelo PNE.
Cansados de esperar, em outubro de 2004, o povo Tupinikim e o grupo indígena
guarani optaram por introduzir o 6.º ano nas escolas das aldeias, mesmo sem terem
os professores formados. Ficou acertado pelos parceiros do Subnúcleo de Educação
do NISI que as pessoas que atuariam como professores do 6.º ao 9.º ano nessas
escolas receberiam uma formação inicial nos meses de dezembro de 2004 e janeiro
de 2005. No entanto, mais uma vez, houve um flagrante desrespeito aos direitos dos
povos indígenas, tendo em vista que essa formação acabou não acontecendo,
porque
nenhum
dos
parceiros
do
Subnúcleo
de
Educação
assumiu
a
responsabilidade. O IPE113 disse que não poderia responsabilizar-se pela formação,
porque não tinha equipe suficiente, nem financiamento. Depois de muita insistência,
ficou decidido que a formação dos professores seria realizada pela equipe de Ensino
Fundamental da SEDU, mas, posteriormente, essa instituição esquivou-se do
compromisso, afirmando que também não dispunha de pessoal. Mesmo sem
conseguir a formação, os Tupinikim e os Guarani não recuaram, as pessoas
escolhidas pelas comunidades começaram a atuar como professores em fevereiro
de 2005, mesmo sem ter recebido nenhum tipo de formação.
Os educadores de 5.ª e 6.ª série receberam a pastinha com a proposta
curricular do município e não tiveram nenhuma formação específica até
agora. Se não tiverem uma fomação específica para sanar suas
dificuldades, vão seguir essa proposta do município e a educação
diferenciada vai parar na 4ª série. Eles precisam de formação específica de
todas as áreas, o ano todo. O planejamento coletivo semanal discute e
114
define, mas, no geral, não atende as especificidades das disciplinas.
Outra frente de luta dos Tupinikim e dos Guarani dá-se no intuito de reverter a
política de produção da não-existência e da invisibilidade em relação a eles adotada
113
Por razões administrativas, o antigo IDEA, em 2004 passou a ser denominado de Instituto de
Pesquisa e Educação (IPE).
114
Ata de reunião realizada na SEMED, no dia 13 de fevereiro de 2006.
255
pelo governo do Espírito Santo, que sistematicamente não se tem interessado em
resolver os problemas que afetam diversos setores - subsistência, saúde, educação
- da vida dos Tupinikim e dos Guarani. Os planos do Governo Estadual têm
privilegiado o aumento da produção agropecuária e industrial em detrimento dos
direitos das sociedades tradicionais.
Estratégias de desenvolvimento para o Estado do Espírito Santo: a) apoio
incondicional ao processo de industrialização do Estado; b) apoio irrestrito
aos projetos que envolvem os chamados complexos portuários; c)
elaboração e execução de uma política agrícola com taxa de crescimento
compatível com os outros setores da economia; d) compatilibização entre
os setores agrícolas e industriais; e) política de turismo que possibilite o
aproveitamento dos recursos estaduais; f) desenvolvimento urbano da
Grande Vitória; g) acompanhamento dos planos do Governo Federal
(ESPÍRITO SANTO, 1979).
A visão desenvolvimentista que permeava as políticas estaduais na década de 70 do
século XX também fez presente na década seguinte.
Foi realizada ontem no Palácio Anchieta, no gabinete do governador Max
Mauro, a segunda reunião em que o assunto (Plano Diretor de
Desenvolvimento do Espírito Santo) foi discutido entre membros do
governo e representantes de empresas, como a ESCELSA, a Aracruz, a
CST, a Carbo-Industrial e a CVRD. Estamos discutindo como nos preparar
para o novo ciclo de desenvolvimento industrial do Estado, sintetizou
Albuino, secretário de planejamento ( PLANO, 1988).
O enfrentamento dessa política de produção da não-existência dos povos indígenas
vem-se dando em diversas frentes, entre as quais se destacam a luta pela terra e a
insistência por parte dos povos indígenas em que seja instituída uma educação
escolar e uma assistência à saúde que respeitem as diferenças culturais existente
entre eles.
No caso específico da educação, escolar a principal estratégia utilizada pelos
Tupinikim e pelos Guarani tem sido a de começar as atividades escolares com
recursos próprios ou com a parceria de instituições não-governamentais e, no
processo, pedir a regulamentação e o cumprimento da legislação existente no
âmbito federal. Assim foi com a criação da EMPI Três Palmeiras, que começou a
funcionar em uma cabana de palha emprestada pela comunidade (Figuras 38 e 39).
Devido à insistência da comunidade guarani de Três Palmeiras, em 1998 a SEDU
aceitou contratar o aluno Mauro, que passou a atuar como professor de uma turma
256
de 1ª série infantil (diurno) e outra de educação de jovens e adultos (noturno). A
SEMED só aceitou instituir legalmente a EMPI Três Palmeiras em 2000, quando foi
assinado o ato de sua criação e ela passou a fazer parte do Sistema de Educação
Municipal de Aracruz.
Figura 38 - Cabana onde funcionava a EMPI Três Palmeiras (vista por fora)
Fonte: Arquivo particular do prof. Mauro.
Figura 39 - Cabana onde funcionava a EMPI Três Palmeiras (vista por dentro).
Fonte: Arquivo particular do prof. Mauro.
Instituída a escola começou a luta pela construção do prédio escolar, que se deu por
meio de uma parceria entre a Igreja Metodista, a FUNAI, a Aracruz Celulose e a
Prefeitura Municipal de Aracruz.
257
Figura 40 - EMUI Três Palmeiras (vista por fora).
Fonte: Arquivo da SEMED.
Figura 40 EMPI Três Palmeiras (vista por fora
Fonte: Arquivo da SEMED.
O prédio construído dispunha de uma sala de aula, uma cozinha, dois banheiros e
uma minúscula sala construída sobre os banheiros (Figuras 40 e 41), que funciona
como depósito de livros e documentos e como sala da Coordenação Pedagógica.
Como a construção do prédio escolar não levou em consideração a possibilidade de
aumento do número de alunos e a expansão da oferta de escolaridade para as
séries finais do Ensino Fundamental, foi necessária a ampliação da escola no ano
de 2004, quando foi construída mais uma sala de aula e um refeitório.
Figura 41 - EMPI Três Palmeiras (vista por dentro)
Fonte: Arquivo da SEMED.
A reforma e ampliação da EMPI Três Palmeiras foi uma ação paliativa realizada pela
Prefeitura de Aracruz, uma vez que a expansão da escolaridade gerou nos anos
seguintes novamente à falta de espaço. Em 2007, o refeitório da EMPI Três
Palmeiras passou a ser utilizado como sala de aula, nos dois turnos de
funcionamento da escola. Assim, as crianças ficaram sem um espaço adequado
258
para a refeição, fazendo com que pratos, talheres e copos acabassem perdidos pela
aldeia. Além disso, o prédio não dispõe de espaços adequados às necessidades das
aldeias, como para a produção de artesanato, para o canto, a dança, entre outros.
Devido à falta de espaço, os livros e outros materiais didáticos ficam amontoados,
dificultando o uso deles pelos professores e alunos.
Esse contexto, ou seja, a falta de espaços na EMPI Três Palmeiras levou a
comunidade guarani a reivindicar a construção de outro prédio escolar. Em 2006,
aconteceu a primeira discussão entre as aldeias guarani para a construção de uma
escola que passaria a atender aos alunos das três aldeias: Boa Esperança, Três
Palmeiras e Piraquê-açu. Porém, não havia nenhuma previsão, por parte da
Prefeitura Municipal de Aracruz, de uma data para começar a obra. A reivindicação
da construção do novo prédio escolar para atender as aldeias guarani está sendo
feita com base na Resolução CNE/CEB n.º 003/99.
Cabe ressaltar, no entanto, que, mesmo com todas as estratégias que vem sendo
adotadas pelos Tupinikim e pelos Guarani, o desenvolvimentismo continua
embasando as Políticas do Governo estadual, como pode ser constatado no Plano
de Desenvolvimento do Espírito Santo 2005/2025, que apresenta estratégias de
desenvolvimento que privilegiam o mercado, quer seja pela “diversificação
econômica”, quer seja pela “formação do capital humano”. O Governo indica ainda
outras metas e entre essas o “fortalecimento da identidade capixaba e a imagem do
Estado”, em detrimento do respeito às diversidades culturais. Nesse sentido, é
possível afirmar que, no Espírito Santo, ocorre uma continuidade histórica, na
medida em que as políticas públicas adotadas para a “erradicação da pobreza”
continuam contribuindo também para a erradicação das diferenças culturais,
desperdiçando assim a grande diversidade de experiências disponíveis e possíveis
(SANTOS, 2004), possibilidades para se pensar em uma sociedade mais justa, do
ponto de vista socioeconômica, e mais equilibrada, do ponto de vista ambiental.
Dado esse contexto político, as ações de gestão e financiamento público da EEI do
Espírito Santo têm-se dado mais graças à “[...] boa vontade ou sensibilidade dos
assessores ou aliados indígenas nos escalões inferiores do governo”115 do que pela
existência de políticas públicas. Este contexto tem feito com que os Tupinikim e os
115
BANIWA, 2006.
259
Guarani lutem em outra frente que aquela pela institucionalização de políticas
públicas no âmbito do Estado e do município de Aracruz.
Sem dúvida a falta de definição de uma Política Pública para a Educação
Indígena não garante “convênios” nem “definições de papéis” entre o
Estado e o Município de Aracruz, único que conta com populações
indígenas. Como conseqüência, representantes indígenas e técnicos
responsáveis por executarem e avaliarem as ações pertinentes à Educação
Indígena acabam por se esforçarem e lutarem de forma desgastante e às
116
vezes sem sucesso
Uma estratégia utilizada pelos Tupinikim e os Guarani tem sido a de encaminhar ao
Governo do Estado, via NISI, propostas de políticas públicas.
Em 2002 foi
constituído um GT com o objetivo de realizar um estudo e uma análise crítica da
Resolução CNE/CEB n.º 3/99, que fixa as Diretrizes Nacionais para o
Funcionamento das Escolas Indígenas, visando à sua regulamentação pelo
CEE/ES. A proposta elaborada foi encaminhada à SEDU, em fevereiro de 2002,
porém essa instituição não fez o pedido de regulamentação da Resolução ao CEE.
Outro estudo realizado por esse GT foi para a elaboração de propostas relacionadas
à EEI, e que foram encaminhadas à comissão encarregada de elaborar os planos
estadual e municipal de educação. As propostas elaboradas objetivavam traçar as
metas para a EEI a curto, médio e longo prazo e foram elaboradas em consonância
com a legislação federal em vigor: Resolução CNE/CEB n.º 2/99, Resolução
CNE/CEB n.º 3/99, Portaria Interministerial n.º 559/91.
Os Tupinikim e os Guarani reivindicavam que fossem institucionalizadas diretrizes
(Anexo D) relacionadas à formação inicial e continuada de professores, à expansão
da oferta da escolaridade, à produção de material didático, à construção e
manutenção de prédios escolares, entre outras ações. Esse documento foi
encaminhado à SEMED e à SEDU em agosto de 2002.
Em 14/10/2002, lideranças e educadores Tupinikim e Guarani assim como
parceiros, tomaram conhecimento, via reunião do Subnúcleo de Educação
do NISI/ES, do diagnóstico do Plano Estadual de Educação para a
Educação Indígena elaborado pela Comissão Estadual do Plano Decenal
de Educação do Espírito Santo, sobre o qual manifestaram
descontentamentos por não contemplar a realidade histórica da educação
indígena no item “Causas principais e efeitos” e parte significativa dos
objetivos e metas da proposta encaminhada nas “Estratégias alternativas”
116
Correspondência expedida pelo NISI/ES, no dia 20 de junho de 2002.
260
do referido diagnóstico. Nessa mesma reunião, foi definido que seria
solicitada à SEDU a garantia dos 13 pontos da Proposta do Plano Estadual
para Educação Indígena Tupinikim e Guarani no plano por ela elaborado.
Foi então oficializada essa solicitação pela Superintendente da SRE
117
Florestal e entregue em mãos ao Exmo. Sr. Secretário no dia 24/10/2002
O Plano Estadual de Educação foi elaborado pela comissão e enviado à Assembléia
Legislativa. Entretanto, até este ano de 2007, ainda não foi aprovado por esse poder
legislativo. De acordo com as declarações das funcionárias da SEDU, até o ano de
2007, não tinha sido criada nenhuma legislação pelo Governo do Espírito Santo,
amparando a EEI. Todas as decisões tomadas e as ações realizadas, até aquele
momento foram baseadas na legislação federal (Informação verbal).
Cabe ressaltar, no entanto, que, mesmo com todos os percalços do caminho, os
Tupinikim e os Guarani não desistem da luta do que está estabelecido no V Capítulo
da Constituição Estadual.
[...]
Capítulo V
Do Índio
Art. 205. O Estado respeitará e fará respeitar os direitos, os bens materiais,
as crenças, tradições e garantias conferidas aos índios.
§ 1º A Defensoria Pública designará um de seus membros para, em caráter
permanente, dar assistência judiciária aos índios do Estado, às suas
comunidades e organizações.
§ O Estado dará assistência técnica e incentivos que proporcionem aos
índios de seu território meios de sobrevivência e preservação física e
cultural, desde que solicitados por suas comunidades e organizações
(ESPÍRITO SANTO, 1989. p.38).
A execução do Curso de Formação de Educadores Tupinikim e Guarani foi um bom
exemplo das dificuldades enfrentadas por esses dois povos, mas também de sua
capacidade de resistência e de luta.
A municipalidade de Aracruz tem sido mais favorável à institucionalização de
políticas públicas relativas à EEI. No ano de 1999, essa Prefeitura realizou um
concurso público de provas e títulos para a contratação de professores para as
escolas do município. Os Tupinikim e os Guarani, por meio do Subnúcleo de
Educação do NISI/ES, reivindicaram junto ao prefeito do município que o concurso
para as escolas das aldeias fosse específico e diferenciado, atendendo assim as
117
Ata de reunião do NISI/ES, realizada em 15 de dezembro de 2002.
261
necessidades de cada povo. Essa reivindicação foi possível porque, naquele ano,
tinha sido concluído o Curso de Formadores Tupinikim e Guarani.
Atendendo as reivindicações dos povos indígenas, foi lançado o Edital PMA n.º
001/99, que no item 1.2, afirmava que o concurso atenderia a especificidades dos
povos Tupinikim e Guarani, garantindo aos candidatos com formação indígena prova
diferenciada e títulos específicos, em atendimento à Constituição Federal (artigos
215 e 231) e às diretrizes Nacionais para o Funcionamento das Escolas Indígenas.
O concurso público diferenciado realizado pelo município de Aracruz foi o primeiro
municipal118 a ser realizado em todo o País e passou, juntamente com o do Acre, a
ser uma referência para os outros estados da Federação, como Minas Gerais e Mato
Grosso (Pedagoga da SEDU, informação verbal).
Especificamente para os índios, foram consideradas nas provas de títulos a
formação acadêmica do professor indígena (40 pontos), as atividades profissionais
(30 pontos) e as atividades comunitárias (30 pontos).
Foram consideradas como títulos as seguintes funções exercidas nas comunidades
indígenas: secretário(a) em reuniões, encontros e outros; coordenador(a) da área de
educação da aldeia; coordenador(a) da educação da mulher; participante efetivo da
Comissão da Mulher; participante efetivo de Atividades Culturais; participante efetivo
de mutirão; participante efetivo de reuniões na aldeia; representante da aldeia como
cacique; representante da aldeia como vice-cacique; representante da aldeia como
liderança; representante da aldeia na Comissão Tupinikim e Guarani; representante
dos povos Tupinikim e Guarani na Articulação dos Povos Indígenas do Nordeste,
Minas Gerais e Espírito Santo (APOINME); representantes dos povos Tupinikim e
Guarani no Conselho de Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (CAPOIB);
representante do Conselho de Escola Indígena e membro da Associação Indígena.
A comprovação dos trabalhos comunitários deu-se através dos certificados ou
atestados expedidos pelos caciques. Para cada um dos itens acima discriminados,
foi atribuído um ponto por ano completo até o limite de cinco anos.
Como já foi dito anteriormente, dos cinco alunos guarani que terminaram o Curso de
Formação, somente dois foram aprovados no concurso público de Aracruz - os
118
O primeiro concurso público em nível estadual foi realizado pelo Estado do Acre.
262
professores Mauro e Aciara. Quais seriam os impactos de um concurso público na
vida do povo Guarani, que tem o deslocamento espacial como uma das
características de sua cultura?
Segundo a professora Aciara, nenhuma pessoa guarani se prenderia a um lugar por
causa de um emprego. Ela citou o caso da cozinheira da escola, que se mudaria
para São Paulo, no final do ano de 2006. A própria professora Aciara disse que se
sentia ligada à aldeia não pelo vínculo empregatício, e sim pela família, porque é no
Espírito Santo que vive a maior parte de suas irmãs.
Ainda segundo a professora Aciara, no ano de 2004, devido às desavenças com o
cacique da aldeia, teve muita vontade de transferir sua cadeira para outra escola do
Município. Desistiu da idéia graças às conversas com a coordenadora da EEI do
Município. A professora Aciara afirmou que a coordenadora ajudou-a a refletir sobre
os prejuízos que tanto ela como a EEI guarani teriam com a remoção dela para outra
escola do Município.
Segundo o professor Mauro, não somente a efetivação, mas também o contrato
pode levar uma pessoa a pensar um pouco mais antes de tomar a decisão de se
deslocar,
mas
os
casos
dos
professores
Marcos
e
Alessandro,
citados
anteriormente, indicam que os contratos de trabalho não eram impedimentos para os
deslocamentos das pessoas guarani. No seu caso em específico, Mauro considera
que seu casamento com uma pessoa tupinikim tinha maior influência na sua vida e
nas suas decisões do que o emprego. “Penso que minha esposa não compreenderia
muito bem se eu quisesse mudar para outro estado”.
Por meio do Decreto n.º 12.023, de 23 de março de 2004 que regulamenta e
disciplina a organização do Sistema Municipal de Ensino de Aracruz, foi criada a
categoria escola indígena. Também aconteceu a incorporação das propostas
educacionais do Subnúcleo de Educação do NISI/ES ao Plano Decenal de
Educação do Município, que tem o Capítulo 9 dedicado à EEI. Esse capítulo
subdivide-se em três itens: o diagnóstico da EEI no Município, as diretrizes nacionais
para a EEI e os 12 objetivos e metas traçados para a EEI no município de Aracruz.
Esses objetivos relacionam-se à oferta do Ensino Fundamental diferenciado,
garantia da autonomia pedagógica e administrativa da escola indígena e da infra-
263
estrutura básica para o seu funcionamento, formação inicial e continuada dos
professores indígenas e provimento das escolas indígenas com equipamentos e
materiais didático-pedagógicos diferenciados em colaboração com o Estado e a
União, viabilização de cursos de educação profissional, celebração de convênios
para o atendimento das demandas da educação indígena e a divulgação de
informação sobre os povos Tupinikim e Guarani para a população em geral.
Os Tupinikim e os Guarani lutam também para que haja mais transparência por
parte da Prefeitura Municipal de Aracruz em relação aos gastos com os recursos
destinados à educação, principalmente aqueles provenientes do Fundo de
Desenvolvimento da Educação Básica (FUNDEB). O seguinte episódio ilustra essa
situação: em 2007, a Associação Indígena Tupinikim e Guarani (AITG) enviou um
ofício ao MEC, pedindo ajuda para que os professores das duas etnias pudessem
viajar para participar do COLE. Em resposta ao ofício da AITG, o coordenador da
EEI nesse Ministério respondeu que
O FUNDEB contempla a educação escolar indígena com um índice especial,
que no caso do Espírito Santo é de R$2.387,01 por aluno, por ano. Em
Aracruz estão matriculados nas sete escolas municipais indígenas 464
alunos do ensino fundamental e 194 alunos da educação infantil. Por ser
responsável por essa matrícula de alunos indígenas a Prefeitura Municipal irá
receber em sua conta-corrente do FUNDEB R$1.261.932,50 (um milhão,
duzentos e sessenta e um mil, novecentos e trinta e dois reais e cinqüenta
119
centavos) ao longo de 2007.
Diante dessas informações, a Comissão de Caciques Tupinikim e Guarani solicitou
esclarecimentos por parte da Secretária de Educação de Aracruz. Diante da
negativa dessa secretaria em fornecer as informações e explicações pedidas, a
comissão, acima citada, predispôs-se a denunciar a situação ao Ministério Público
Estadual.
Para isso, levaram em consideração que 1) os recursos repassados ao Município
pelo FUNDEB120, com base no número de alunos indígenas, são suficientes para o
pagamento dos salários de professores indígenas do Município, cerca de 50
119
Correspondência expedida pelo coordenador da EEI da SECAD/MEC, Brasília, 12 de junho de
2007.
120
De acordo com a LDB, 60% dos recursos do FNDEB devem ser empregados na remuneração dos
professores e outros 40%, na construção, reforma ou ampliação de escolas indígenas; aquisição e
manutenção de equipamentos necessários ao ensino; formação inicial e/ou continuada de
professores; aquisição de material didático escolar para alunos e para o uso dos professores.
264
professores com um salário bruto em média de R$1.000,00; 2) os materiais didáticos
utilizados têm sido comprados com os recursos do Programa de Dinheiro Direto na
Escola (PDDE) e do Programa de Descentralização de Recursos (PRODER)121
repassados diretamente às escolas; 3) a SEMED não investiu
em reforma ou
ampliação de escolas indígenas, aquisição e manutenção de equipamentos
necessários ao ensino, formação inicial e/ou continuada de professores e aquisição
de material didático escolar para alunos e para o uso dos professores. Assim,
podemos afirmar que a municipalidade não tem aportado com nenhum recurso
próprio para a EEI,122 ou seja, não tem arcado nem mesmo com as ações que
tradicionalmente vêm desenvolvendo com as escolas não indígenas.
No entanto, que não é possível afirmar que essa municipalidade está agindo de
maneira ilegal ao não destinar 40% dos recursos do FUNDEB, calculados com base
nas questões acima mencionadas, para gastos diretamente com as escolas
indígenas, já que não há na legislação do FUNDEB nenhum mecanismo garantindo
isso. Esse é mais um exemplo das zonas interditadas decorrentes dos próprios
mecanismos legais que visam a promover a EEI (TASSINARI, 2001) e que só serão
superados com a criação do sistema nacional de EEI.
Além da transparência os Tupinikim e os Guarani esperam que, tanto no âmbito da
Prefeitura de Aracruz como no Estado, se crie um programa ou política de
financiamento das atividades essenciais ao desenvolvimento da qualidade da EEI,
como a formação de professores, produção de material didático, construção e
equipamento das escolas indígenas.
Os Tupinikim e os Guarani entendem que é necessário também que se garanta a
participação efetiva e adequada das lideranças indígenas no controle social das
políticas de EEI, tanto no âmbito do MEC, quanto no dos estados e dos municípios.
121
No ano de 2006, a EMPI Boa Esperança recebeu a quantia de R$900,00 e do PDDE, a quantia de
R$480,00. Assim sendo essa escola recebeu um total de R$1.380,00. A EMPI Três Palmeiras
recebeu do PRODER a quantia de R$1.440,00, e uma quantia igual a essa foi destinada à Educação
Infantil, que funciona ligada a esta escola. Dos recursos do PDDE, no ano de 2006, foi destinada à
EMPI Três Palmeiras a quantia de R$506,50. Assim sendo, essa escola recebeu a quantia de R$
3.386,50.
122
O Art. 69 da LDB prevê que a União aplicará, anualmente, nunca menos de dezoito, e os Estados,
o Distrito Federal e os Municípios, vinte e cinco por cento, ou o que consta nas respectivas
Constituições ou Leis Orgânicas, da receita resultante de impostos, compreendidas as transferências
constitucionais, na manutenção e desenvolvimento do ensino público.
265
Esses povos reivindicam a criação do NEI e o direito de assento acento no CEE, já
que, até o momento, à exceção do NISI, nenhuma outra instância foi criada, na qual
eles possam ser ouvidos e também participar da formulação, avaliação e
acompanhamento das políticas e ações que lhes dizem respeito, conforme
estabelece a Constituição Federal e as Leis Internacionais, como a Convenção n.º
169 da OIT.
No caso específico dos Guarani, eles reivindicam maior participação de seus
representantes nas instâncias de poder da EEI, uma vez que as diferenças culturais
existentes entre eles e os Tupinikim vêm sendo constantemente desconsideradas,
tanto no processo de formação dos professores como na construção da proposta
curricular, na construção dos prédios escolares e no serviço de acompanhamento
pedagógico das escolas.
Depois de muita luta, os Guarani conseguiram que o serviço de acompanhamento
pedagógico das escolas das aldeias fosse feito por pessoas da própria etnia guarani,
uma vez que a assessoria prestada pelas pessoas de outra etnia não tem sido
satisfatória.
Sandra de Três Palmeiras diz que a atuação de Marli nos planejamentos foi
importante, ajudou a superar as dificuldades com seus alunos. Mauro diz
que a necessidade guarani é diferente e complicada com o processo
ensino-aprendizagem bilíngüe. Nos planejamentos com Marli ficamos mais
na conversa e desabafo e pouca ação concreta. Discutimos muito como
trabalhar os conteúdos indígenas e não-indígenas. Temos esta
preocupação com os alunos que vão estudar fora e que precisam saber
dos conteúdos dos não índios e que isso é problemático para as crianças
123
guarani.
Assim como a professora tupinikim Marli, que assessorou as escolas guarani por
três anos (2002-2004), também as pedagogas não-indígenas da SEDU e da SEMED
tinham dificuldades no trabalho de acompanhamento pedagógico, devido à falta de
conhecimento antropológico para lidar com as diferenças culturais.
Os educadores dizem que os pais se revoltam porque chamam a atenção
dos filhos, eles precisam aprender que é um processo lento, pois os
hábitos culturais são de deixar tudo à vontade, por isso deve ter cuidado ao
124
falar com os pais.
123
Ata de Reunião realizada na aldeia de Três Palmeiras realizada no dia 15 de dezembro de 2004.
Relatório de visita às escolas guarani, SEDU, 15 de maio de 2005.
124
266
Afirmar que “os hábitos culturais são de deixar tudo à vontade” é o equivalente a
dizer que o povo Guarani não possui regras sociais para a educação das crianças.
Se uma sociedade consegue educar as suas crianças, é porque ela possui regras
para isso.
Por insistência dos Guarani, o professor Mauro tornou-se, a partir do ano de 2006,
coordenador pedagógico das escolas guarani. Como já foi dito, esse professor
começou a exercer a sua profissão durante o período em que fazia o Curso de
Formação. Fundador da EMPI Três Palmeiras, tornou-se uma referência entre os
professores e demais pessoas das aldeias, porque, segundo os mais velhos, ele tem
disponibilizado os conhecimentos obtidos nas formações em benefício do seu povo.
Figura 42 - Professor Mauro e a primeira turma da EMPI Três Palmeiras.
Fonte: Acervo particular do professor Mauro.
No processo de implantação do Programa de EEI, os Guarani têm lutado
constantemente para conseguir a autonomia pedagógica e administrativa das
escolas das aldeias. A autonomia pedagógica vem sendo alcançada por meio da
formação diferenciada dos professores, da construção da proposta curricular e da
prática dos professores e o apoio da comunidade.
No processo de institucionalização da EEI, os professores guarani têm
desempenhado um importante papel. São principalmente eles que têm garantido,
por meio de suas práticas, o que o Programa de EEI Guarani tem de específico,
diferenciado, intercultural e bilíngüe.
267
Devido às demandas das aldeias, eles tiveram que iniciar o trabalho de docência
ainda no percurso de sua formação no magistério. A fragilidade da formação dos
professores não inviabiliza a prática docente, como é o caso do Alberto. Esse
professor tem superado cada vez mais suas limitações. No ano de 2006, não se
ouviu mais nenhuma reclamação a respeito dele, que tem sobressaído em todas as
atividades que desempenha, tanto que a professora Lílian, coordenadora do Curso
de Tradução,125 optou por mantê-lo como aluno, mesmo ele não tendo o curso
superior, requisito adotado por ela na escolha dos indígenas que participariam do
Curso no ano de 2007.
Os professores têm-se mostrado solidários uns aos outros e procuram valorizar o
trabalho realizado pelos demais colegas.
Sandra diz que a sua filha está estudando com Alberto em Três Palmeiras,
sabe que tem pais que estão reclamando, mas eu acompanho os estudos
dela e acho que ela está bem, que não tem nada a perder e que ainda
ajudou a sua filha a fazer novas amizades com as crianças daquela aldeia.
Tem um filho que estuda na Educação Infantil e quando tem alguma coisa
para reclamar, procuro o educador e falo. Diz que já teve pessoas da aldeia
que mandaram ela botar o filho para estudar em Coqueiral, mas diz que
não faz isso porque vê que a filha que está estudando em Santa Cruz sabe
menos da cultura do que a outra, que estuda na aldeia. Não tem o que
reclamar da escola de Três Palmeiras, agradece o esforço dos professores
índios que estão tentando fazer o melhor para os nossos filhos. Diz que
tem as influências negativas que prejudicam a educação das crianças
guarani hoje em dia, como é o caso da TV que acaba influenciando a não
126
seguirem nossos ensinamentos.
Os professores guarani têm conseguido superar toda sorte de dificuldade, como as
debilidades da formação inicial e continuada, a falta de material didático
diferenciado, sem contar as péssimas condições do espaço físico onde trabalham.
Além do professor Mauro, outra professora que tem contribuído para o
fortalecimento da EEI guarani é a professora Aciara, que começou a lecionar no ano
de 1999, na condição de estagiária da professora de séries iniciais da FUNAI, sua
ex-professora primária, e, no ano 2000, tornou-se titular dessa turma.
125
Curso de extensão universitária que tem sido freqüentado pelos professores Mauro, Alberto e
Sandra. E que vem sendo promovida pelo Núcleo de Pesquisa em Tradução e Estudos Culturais
(TEI) do Departamento de Letras da UFES, coordenado pela professora Lílian de Paul.
126
Ata de reunião realizada na aldeia de Três Palmeiras, no dia 20 de dezembro de
2005.
268
Aciara afirmou que gosta de atuar como professora, que tem muito prazer em
trabalhar, gosta de lidar com as crianças: “Isto é o que tem me segurado, gosto de
saber que sou capaz de ensinar as crianças a ler127 (Aciara, conversa informal
setembro de 2006, aldeia de Boa Esperança). Vivaz e muito inteligente, essa
professora tem uma postura crítica e muito perspicaz em relação tanto ao mundo
guarani como ao mundo dos não-índios. Chama a atenção das lideranças do seu
povo para a necessidade de apoio ao trabalho dos professores, e também dos
funcionários da SEMED e SEDU acerca da necessidade de garantir a singularidade
cultural do seu povo no processo educacional escolar. O fato abaixo ajuda a
compreender a posição da professora Aciara.
A professora Aciara tem argumentado quanto à necessidade de elaboração de
projeto político-pedagógico para as escolas das aldeias. Deu o exemplo da questão
da avaliação externa dos alunos realizada pela SEMED, que só leva em
consideração a língua portuguesa escrita - “Se é uma escola específica e
diferenciada guarani, por que não levar em conta os conhecimentos dos alunos
relativos à cultura e à língua guarani oral e escrita?” (Aciara, informação verbal,
outubro de 2007). Falou ainda da importância da participação da comunidade no
processo de elaboração do PPP. Segundo essa professora, a escola precisa contar
com o apoio das pessoas da comunidade para se tornar realmente uma escola
guarani.
Têm sido valiosas as contribuições da professora Aciara no Curso de Língua
´Guarani implementado pela lingüista Ruth Montserrat, tanto que recebeu um convite
para participar da oitava etapa do Curso de Formação do Professores Guarani
realizada no mês de outubro de 2007. Por outro lado, o Curso tem despertado nessa
professora um gosto pelo estudo de idiomas. Ela chegou a afirmar que, se tivesse
condição, faria um curso de Letras, indicando assim que a vontade de mudar de
profissão expressa anteriormente tenha sido talvez somente uma crise passageira
na sua professoralidade.
127
A professora Aciara estava se referindo à morte, no ano de 2006, do sobrinho de seis anos que
era seu aluno.
269
A participação de pessoas da comunidade é outro fator que tem contribuído para o
respeito à cultura guarani no ambiente escolar. Tem sido grande o apoio e a boa
vontade dos mais velhos em ajudar nas atividades escolares.
Figura 43 – O senhor Jonas e os alunos da EMPI Três Palmeiras.
Fonte: acervo particular da pesquisadora.
O momento capturado pela foto (Figura 43) foi em um dia em que o senhor Jonas,
juntamente com outras pessoas, estavam fechando os espaços abertos das paredes
da cabana com uma treliça de bambu. O professor Sílvio chegou com os seus
alunos e pediu que esse senhor falasse um pouco sobre as plantas medicinais. Ele
largou a ferramenta com a qual estava trabalhando, sentou e começou a explicar na
língua guarani a utilidade de algumas plantas medicinais e como deveriam ser
preparadas. Algumas crianças sentaram no chão da cabana e começaram a anotar.
Outras ficaram de pé olhando para fora da cabana. Parecia que não prestavam
atenção ao que estava sendo falado. Umas simplesmente não se envolveram na
atividade, ficaram andando pelo terreno em volta da cabana. Um fato curioso é que
nem o professor Sílvio nem o Sr. Jonas chamaram a atenção de nenhuma das
crianças.
De volta à sala de aula, o professor retomou o assunto fazendo coletivamente com
eles uma lista de plantas medicinais existentes e usadas pelos moradores das
aldeias. Em seguida, propôs a produção de uma receita de como se usar uma das
plantas medicinais, atividade a ser realizada em dupla de alunos.
270
Como já foi dito, os Guarani lutam também para conseguir assegurar a autonomia
administrativa das escolas das aldeias que, desde o ano de 2000, se encontram
vinculadas à EMEF Caieiras Velhas, que é tupinikim e funciona como escola pólo, à
qual estão ligadas as escolas nucleadas guarani. Situação administrativa que
contraria a Portaria Interministerial MJ MEC, de 16 de abril de 1991, e a Resolução
CNE/CEB n.º 3/99, que asseguram projetos de educação específicos e diferenciados
para cada povo indígena.
No trabalho de campo, presenciamos várias vezes conflitos étnicos advindos dessa
situação, pelo fato de pessoas tupinikim estarem administrando as escolas guarani.
Em um deles, a coordenadora tupinikim da EEI chegou à EMPI Boa Esperança por
volta das oito horas da manhã para uma reunião de planejamento e, ao constatar a
ausência da merendeira, fez observações quanto à necessidade do cumprimento do
horário pela funcionária,128, mesmo em dia de planejamentos. Minutos depois, a
funcionária chegou, abriu a cozinha e nos serviu um delicioso café com bolo. Pelo
frescor dos alimentos, era possível constatar que eram recém-preparados e que a
merendeira tinha-se ausentado apenas por alguns momentos para resolver um
problema. A atitude da coordenadora da EEI explicita a importância exagerada dada
ao discurso de gerenciamento e administração como fundamental para se garantir
“uma suposta eficiência e controle das práticas educativas” (LADEIRA, 2006).
Outra situação deu-se em uma conversa entre o professor Mauro, a representante
da SEDU e a coordenadora da EEI sobre o pleito dos Guarani pela emancipação
administrativa de suas escolas, uma vez que “[...] a escola só será do jeito guarani
quando for gerenciada por eles mesmos - professores, diretor e funcionários guarani
que residam na aldeia e freqüentem a casa de reza” (VIEIRA, 2007, p.22).
A coordenadora tupinikim da EEI argumentou sobre todos os obstáculos legais da
possibilidade dessa separação. Segundo ela, as escolas guarani não poderiam ser
autônomas devido ao pequeno número de alunos. Com a emancipação, aumentaria
a carga de trabalho do professor Mauro, que teria que fazer orçamentos e preparar
128
A EMEF Caieiras Velhas é responsável também por atestar a carga horária
mensal trabalhada pelos professores, pedagogo e pessoal de apoio e cozinheiras
das escolas EMPI Boa Esperança e EMPI Três Palmeiras.
271
os relatórios econômicos das verbas recebidas129. No discurso conservador
(LADEIRA, 2006) da coordenadora, verificamos a captura do instituinte pelo
instituído. Essa coordenadora, que sempre esteve à frente das reivindicações
indígenas pela EEI, tenta trabalhar respeitando o instituído, ou seja, o Sistema
Municipal
de
Ensino
de
Aracruz,
zonas
interditadas,
que
emperram
a
institucionalização da EEI de maneira específica e diferenciada.
Nessa conversa, contra-argumentamos afirmando que a autonomia administrativa
reivindicada pelos Guarani fazia parte do processo de afirmação da identidade
étnica e cultural do grupo, sistematicamente desrespeitada tanto na implementação
do Curso de Formação Tupinikim e Guarani, quanto na elaboração do currículo, na
constituição da equipe de EEI da SEMED, entre outros tempos e espaços. Diante
dessa contra-argumentação, a coordenadora disse que para a EMEF Caieiras
Velhas a separação seria até melhor.
Não sei se é por causa da cultura, mas é muito difícil administrar as escolas guarani.
Como agora, quando foi servido o café em canecas de alumínio, onde estão as
xícaras de louça que a escola recebeu? Todas as escolas recebem vasilhas, as das
escolas guarani logo desaparecem. A mesma coisa acontece com os livros,
mandamos livros caros para cá, depois encontramos eles amontoados de qualquer
jeito e muitas vezes cortados (Coordenadora indígena tupinikim, informação verbal,
set. 2007).
A coordenadora da EEI não levou em consideração as condições físicas, nem a falta
de espaço do prédio escolar para guardar materiais. Essa e outras situações
exemplificam os conflitos étnicos que permeiam as relações tupinikim e guarani, uma
das causas das reivindicações desses últimos pela separação administrativa de suas
escolas.
Não somente a direção, mas todos os outros cargos, professores, secretários,
merendeiras, deveriam ser guarani. Uma situação relatada pela professora guarani
Sandra pode ajudar a compreender melhor a situação. No turno vespertino da EMPI
129
As escolas indígenas recebem recursos do Programa de Descentralização de Recursos
(PRODER) e do Programa de Dinheiro Direto na Escola (PDDE) do Fundo Nacional de
Desenvolvimento da Educação (FNDE) repassados à EMEF Caeiras Velhas e esta com anuência das
EMPI Boa Esperança e EMPI Três Palmeiras realizam a compra de materiais permanentes e de
consumo para fins didáticos pedagógicos e de limpeza.
272
Três Palmeiras, havia, em 2007, uma senhora tupinikim que trabalhava como
merendeira e desconhecia os costumes do povo Guarani. Ela estava preocupada,
porque algumas crianças não estavam comendo carne. Foi preciso que a professora
Sandra lhe explicasse que aquelas crianças não estavam comendo carne em
respeito ao preceito religioso guarani de toda a família e não somente a mãe do
recém-nascido preservar o resguardo. Essa professora atuava constantemente
como intérprete tanto das crianças das séries iniciais, que não falavam o português,
como da merendeira tupinikim.
Gostaríamos de destacar ainda que a escola e o programa de educação guarani
como espaços de fronteira tem propiciado o diálogo e a troca de experiências entre
índios e não-índios, tanto pelo fato de as escolas fazerem parte do Sistema
Municipal de Ensino, como por terem sido objetos de estudos de alunos de
graduação e pós-graduação da Faculdade de Ciências Humanas de Aracruz
(FACHA) e da UFES. Foram produzidos quatro trabalhos sobre a EEI guarani, uma
dissertação de mestrado e três monografias.
A dissertação de mestrado de Teao (2007) busca analisar as visões dos Guarani
sobre a escola na aldeia indígena de Três Palmeiras, “partindo do pressuposto de
que o entendimento da escola na aldeia deve-se ser feito levando em consideração
a compreensão da cultura mbya”. (TEAO, 2007, p.12)
O trabalho de Bezerra e Teixeira (2005) aborda as dificuldades e conflitos
emocionais vivenciados na Educação Escolar pelos Guarani de Aracruz (ES), a
partir da 5.ª série do Ensino Fundamenta,l e as dificuldades que os impedem de
continuar freqüentando a escola. Segundo as autoras, os alunos param de estudar
em conseqüência dos conflitos culturais vivenciados por eles. O trabalho de Jesus
(2003) aborda a questão da alfabetização na língua materna guarani e o de
Carvalho (2004) “a contribuição da EEI para a revitalização da cultura guarani”.
273
6- CONSIDERAÇÕES FINAIS
Ao invés de apontar elementos conclusivos, optamos por fazer algumas
considerações acerca da formulação de políticas públicas em relação aos povos
indígenas, pelo Estado brasileiro, assim como do processo de escolarização dos
Guarani e da institucionalização do Programa de EEI Guarani.
Como processo histórico, a escolarização e a EEI guarani se inter-relacionam com
outros processos, como as transformações do conceito de cultura, os movimentos
sociais desse e de outros povos indígenas na luta pela garantia de seus direitos, ao
apoio das organizações indigenistas pela institucionalização de políticas públicas
que levem em consideração a questão da diversidade cultural. Também como
processos
históricos,
a
escolarização
e
a
EEI
guarani
sofrem
diversos
atravessamentos, como os problemas territoriais vividos por esse povo juntamente
com o povo Tupinikim e também outros, advindos da própria cultura guarani.
A superação da noção evolucionista de cultura tem possibilitado aceitar as diferentes
culturas, não mais como níveis de evolução em relação àquela desenvolvida no
ocidente, mas como diferentes formas de existir, soluções diversas encontradas
pelos diversos povos diante dos problemas próprios da existência humana.
A concepção evolucionista de cultura desconsidera o próprio processo de
constituição da “cultura ocidental”, que se deu a partir de várias outras culturas.
Importante também foi a superação do conceito de aculturação, uma vez que é
impossível negar que as diferentes culturas interpretam e reagem de forma particular
diante do avanço do ocidente e que a intensificação de interações globais tem
gerado o processo de cosmopolitismo contra a exclusão e a discriminação sociais e
a destruição ambiental produzidas pela globalização.
A superação da concepção evolucionista de cultura revolucionou não só o campo
das Ciências Sociais, mas também as políticas públicas em relação aos povos
indígenas, as quais passaram a levar em consideração a diversidade cultural desses
povos.
274
Os povos indígenas, por meio de suas organizações constituídas, a partir da década
de 80 do século XX, passaram a ser os protagonistas da luta pela institucionalização
dessas políticas públicas. Os diversos instrumentos jurídicos nacionais e
internacionais conquistados por esses povos têm servido de suporte às suas lutas
pela implementação das ações que asseguram os seus direitos. No caso dos
Guarani que vive no Espírito Santo, esses suportes têm respaldado a luta pela terra,
pela saúde, pela educação, entre outras.
O processo de escolarização dos Guarani no Espírito Santo inter-relaciona-se com
os movimentos políticos que vêm sendo realizados pelo povo Guarani. Assim como
outros povos indígenas, também o povo Guarani tem realizado vários encontros e
movimentos políticos e criado várias organizações, como a dos professores guarani
do Mato Grosso do Sul, visando a discutir, a propor e a cobrar a institucionalização
de políticas públicas nas diversas instâncias dos governos.
Os atravessamentos advindos da própria cultura guarani que acontecem no
processo de escolarização e na EEI guarani são os elementos que mais contribuem
para a constituição da singularidade da educação escolar que acontece nas aldeias.
O povo Guarani, ao longo da história, tem adotado estratégias de resistência muitas
vezes silenciosas. O trabalho de campo mostrou que algumas dessas estratégias e
princípios da pedagogia guarani atravessam o processo de escolarização nas
escolas das aldeias, como é o caso do respeito à individualidade do educando, e a
convivência entre as diferentes gerações, indicando assim que, muitas vezes, a EEI
guarani se tem constituído em uma zona de tensão gerada entre a pedagogia
guarani e a pedagogia ocidental.
A preocupação com a preservação da cultura e do modo de ser guarani tem sido
outro elemento da pauta dos encontros e movimentos políticos do povo Guarani.
Nesses encontros, esse povo, com a participação do grupo que vive no Espírito
Santo, tem refletido sobre diversos temas, como a relação entre a educação guarani
e a educação escolar.
As mudanças em relação ao conceito de cultura sacudiram também a Igreja
Católica, que por vários séculos vinha catequizando compulsoriamente, impondo a
cultura ocidental como evangelho supracultural e macroecumênico (CASALDÁLIGA,
275
1977). A ala mais progressista dessa instituição passou a defender que a religião
não poderia ser praticada isolada da vida, por isso passou a apoiar a luta desses
povos por seus direitos. O movimento político dos povos indígenas passou a contar
também com o apoio de diversos segmentos da sociedade. Foram criadas várias
organizações não-governamentais indigenistas e de apoio à causa indígena
constituídas por antropólogos, lingüistas, juristas, ecologistas e outros profissionais.
No Espírito Santo, o apoio de diversos profissionais e organizações nãogovernamentais tem sido fundamental nos diversos setores - luta pela terra, saúde,
educação - da vida dos Guarani.
Outra característica do movimento político dos povos indígenas é que eles se têm
estruturado em uma rede internacional, conseguindo dessa maneira que os direitos
dos povos indígenas sejam garantidos e defendidos também por organizações como
a ONU, a OIT e a OEA. Várias convenções e tratados protegendo os direitos dos
povos indígenas foram promulgados e essas organizações têm constantemente
acolhido as denúncias dos povos indígenas contra os desmandos dos Estadosnações a que estão subordinados. Além disso, solicitam a esses governos que
cumpram as resoluções e tratados dos quais são signatários.
No caso do povo Guarani, há uma preocupação em também se reforçar a rede de
comunicação entre os grupos dos diversos países - Uruguai, Paraguai, Argentina,
Bolívia e Brasil - onde vivem. Essa rede propicia as trocas simbólicas e materiais e
também a construção de uma pauta de uma política indigenista a ser reivindicada
nos países onde vivem. Os movimentos políticos do povo Guarani, os encontros dos
diversos grupos e o apoio das organizações não-governamentais inter-relacionam-se
com o processo de escolarização dos Guarani, que vivem no Espírito Santo, uma
vez que as discussões e as reflexões sobre a educação escolar refletem nas
representações desse grupo acerca da escola.
A instituição escolar rechaçada por muitos grupos guarani e também pelas
lideranças religiosas e políticas guarani do Espírito Santo pouco a pouco foi-se
tornando assunto das discussões e, paulatinamente, vão se transformando as
representações em relação a essa instituição, vista, a princípio, como um dos fatores
de destruição da cultura. Atualmente, a escola é considerada como um instrumento
que pode contribuir para a revitalização cultural.
276
No caso do Brasil, a promulgação da Constituição Federal de 1988 possibilitou que
os indígenas passassem da situação de tutelados à condição de cidadãos.
Considerados relativamente incapazes pelo Código Civil (1916) e pelo Estatuto do
Índio (1973), com a Constituição passaram a ser sujeitos de direitos, uma vez que se
estabeleceu
a
legitimidade
processual
dos
índios,
suas
comunidades
e
organizações. Cabe ressaltar, no entanto, que o reconhecimento da diversidade
cultural e dos direitos dos povos indígenas pela Constituição não pôs fim às lutas
desses povos, uma vez que há um longo e árduo caminho para conseguirem que os
governos municipais, estaduais e o federal coloquem em prática o que se conseguiu
assegurar em termos constitucionais.
Os povos indígenas lutam também pela reformulação do Estatuto do Índio,
legislação de caráter integracionista, para que esse se torne compatível com os
direitos constitucionais. As relações de força entre os diversos segmentos da
sociedade presentes no Congresso Nacional têm sido um dos principais obstáculos
à reformulação desse Estatuto. Outra reivindicação dos povos indígenas é pela
criação do Conselho Nacional de Política Indigenista, que assegurará a efetiva
participação dos povos indígenas no processo de elaboração e execução das
políticas públicas federais a eles endereçadas. No campo educacional, o pleito dos
povos indígenas é pela criação do subsistema de educação indígena e pela garantia
das verbas necessárias para a implementação das ações previstas pelo Plano
Nacional de Educação.
Em outras palavras, poderíamos dizer que o movimento dos povos indígenas
brasileiros tanto na esfera local como em âmbito nacional se dá para que sejam
reconhecidos e amparados pelo Estado e não para se emanciparem, como
apregoavam as forças políticas contrárias aos povos indígenas durante a
Assembléia Nacional Constituinte.
A cultura guarani é outro elemento importante de ser levado em consideração no
processo de escolarização desse povo, a começar pela pedagogia guarani, que tem
entre outros objetivos, o desenvolvimento, pelo aprendiz, da oralidade e da escuta
respeitosa à palavra sagrada. Diferentemente dos processos de aprendizagem do
mundo ocidental, na pedagogia guarani, o ato de aprender é muito mais expressivo
do que a de ensinar, o que requer do educando o espírito da curiosidade e a
277
capacidade de observação. Como fazer dialogar os princípios da pedagogia guarani
com os da pedagogia ocidental? Esse é um dos desafios do diálogo intercultural,
pois não basta apenas garantir que os conteúdos da cultura sejam trabalhados no
currículo da escola, é preciso respeitar e fazer dialogar a pedagogia guarani com
outras formas de educar.
Pensou-se que a garantia do respeito à pedagogia guarani e ao mesmo tempo a
abertura de uma possibilidade de diálogo poderia dar-se com os Guarani assumindo
as funções de docência, direção e coordenação da educação de suas escolas. Não
restam dúvidas de que essa foi uma boa estratégia e também um grande avanço.
Entretanto, é preciso considerar as interdições existentes no processo, como os
impedimentos legais para a contratação dos sábios indígenas para o trabalho de
regência, a obrigação do cumprimento dos 200 dias letivos e das 800 horas, a
obrigatoriedade das disciplinas do núcleo comum, entre outras questões. Uma
possibilidade de superação dessas interdições está na criação do subsistema de
EEI. No caso dos Guarani do Espírito Santo, existem ainda outras questões
(administração das escolas, coordenação da EEI na SEMED) possíveis de serem
negociadas, a fim de que a educação escolar guarani adquira a autonomia desejada.
Outros princípios importantes da pedagogia guarani são o respeito à individualidade
do educando e a convivência entre as diferentes gerações. Há um grande conflito
entre a forma de organização da escola, pela qual os alunos são agrupados por
idade/série, e a pedagogia guarani, em que o aprendizado se dá também por meio
da convivência entre as diversas gerações. É no convívio com pessoas de diversas
idades que o aprendiz tem a oportunidade de observar e de experimentar. Pensar
nessa possibilidade de convívio seria uma das estratégias a serem adotadas como
garantia da construção de um programa de educação escolar diferenciado para os
guarani.
No povo Guarani, ocorre um grande respeito à individualidade da pessoa em todas
as idades. Por isso, podemos afirmar que é a criança quem decide se vai à escola
ou não, onde estudar e quando parar de estudar, situação impensável na sociedade
ocidental. Esse princípio pedagógico de respeito à individualidade da pessoa guarani
poderia ser um dos fatores que contribuem para a evasão escolar, porém a análise
da questão entre os alunos guarani do Espírito Santo mostrou que a situação é bem
278
mais complexa, uma vez que outros elementos influenciam no processo, como os
casamentos, a mobilidade, as condições e os conflitos advindos das relações
interétnicas estabelecidas pelas pessoas guarani.
O trabalho de campo mostrou que os casamentos têm grande influência na vida
escolar dos Guarani, não é apenas o horário de funcionamento da escola que é
incompatível com as necessidades das pessoas, mas também o próprio modelo, a
carga diária e anual e também o que é ensinado. Muitas pessoas disseram que seria
bom se a escola oferecesse cursos relacionados à auto-sustentabilidade e ao
etnodesenvolvimento das aldeias.
Grande parte dos alunos que aparecem como evadidos nas atas de resultados finais
mudaram de aldeia, sem pedir transferência. Como a presente pesquisa não se
estendeu a outros Estados, fica difícil afirmar em que medida os deslocamentos
territoriais influenciam no processo de escolarização dos Guarani. Porém, a
observação da questão dos deslocamentos territoriais guarani e a criação de
políticas públicas comuns entre os estados da Federação onde vive esse povo são
de fundamental importância para a construção da EEI guarani.
Devido à falta de territórios e de recursos adequados que permitam a reprodução
física e cultural nos discursos das pessoas guarani, a instituição escolar aparece
como uma importante aliada, não somente para a revitalização cultural, mas também
para se alcançar a auto-sustentabilidade e o etnodesenvolvimento das aldeias. Com
a posse permanente da nova área, poderá crescer a importância do papel da escola
no processo de recuperação das terras e na constituição de novas aldeias. Cabe
ressaltar ainda que as representações acerca do objetivo da escola dependem muito
do papel social desempenhado por aquele que fala. Os mais velhos e as lideranças
políticas e religiosas, por desempenharem o papel de guardiães da cultura, vêem a
escola como um espaço que pode contribuir para o
resgate e preservação da
cultura. A questão da sobrevivência física é sempre uma grande preocupação dos
pais.
Como espaço de fronteira, a escola e o Programa de EEI Guarani podem ser
considerados como um espaço de índios e de não-índios e, assim, um espaço de
279
angústias, incertezas, mas também de oportunidades e de criatividade, um espaço
de contato onde afloram também as tensões
Como fronteira, as escolas e os programas de EEI guarani entre os Guarani do
Espírito Santo apresentam certas tensões na área político-administrativa. Grande
parte dessas tensões acontece em conseqüência do sistema federativo brasileiro,
que desobriga os estados e municípios de cumprir a legislação federal. Além disso,
os sistemas de educação municipais, estaduais e federal não atuam de forma
articulada e coordenada para atender a totalidade dos direitos e das demandas
indígenas. Ninguém assume a responsabilidade pela EEI na sua integralidade. No
Espírito Santo, nem a UFES, nem o Governo Estadual, tampouco o Municipal
assumem ou se articulam entre si para que possa acontecer a formação dos
professores indígenas em nível de licenciatura.
A questão do financiamento é outro motivo para tensões: não há, no Espírito Santo,
nenhum programa e política de financiamento para as atividades essenciais ao
desenvolvimento da qualidade da EEI, como a formação de professores, a produção
de material didático, a construção e equipamento das escolas indígenas. A SEMED
nem mesmo repassa para a EEI tupinikim e guarani os recursos do FUNDEB
destinados à EEI. No Brasil, existe legislação que permite transformar ou construir
escolas indígenas de acordo com as realidades e perspectivas socioculturais dos
povos indígenas, mas essa questão é simplesmente ignorada pela SEDU e pela
SEMED.
De maneira geral, podemos afirmar que não se encontrou modelo institucional que
garantisse a participação efetiva e adequada de lideranças indígenas no controle
social das políticas de EEI indígena, no âmbito nem do MEC, nem dos estados e dos
municípios. No Espírito Santo, não foi criado o NEI, tampouco os povos indígenas
têm assento no CEE. À exceção do NISI, nenhuma outra instância foi criada, na qual
os povos indígenas pudessem ser ouvidos ou participar da formulação, avaliação e
acompanhamento das políticas e ações que lhes dizem respeito, conforme
estabelece a Constituição Federal e as Leis Internacionais, como a Convenção n.º
169 da OIT.
280
As tensões existentes na EEI guarani não se dão em virtude somente das
características próprias da escola ocidental, dão-se também em virtude das visões
de mundo tradicionais do indígena. As divergências entre a aceitação ou não da EEI
guarani acontece tanto no tempo, como no espaço. Vários grupos guarani do Rio
Grande do Sul e de Santa Catarina não se decidiram ainda pela adoção da
educação escolar. Entre as pessoas guarani do Espírito Santo, as representações
acerca da escola têm mudado ao longo do tempo, influenciadas, sobretudo, pelas
discussões acerca do assunto que se têm dado em nível nacional.
No Espírito Santo, as representações das pessoas guarani acerca da EEI variam de
acordo com o papel social desempenhado por cada um. Os mais velhos, os líderes
religiosos e políticos, como guardiães da cultura, vêem a escola como um
instrumento de recuperação e fortalecimento da cultura. Os discursos das lideranças
políticas revelam ainda o processo de reelaboração original dos direitos
educacionais indígenas previstos por lei. A maior preocupação dos pais é quanto à
sobrevivência física e a reprodução da vida material deles e de seus filhos.
Mesmo com todos os problemas e tensões, os programas de EEI têm ampliado o
espaço de diálogo entre os povos indígenas, assim como entre eles e a “sociedade
nacional”. Os povos indígenas clamam por direito à educação, batem à porta da
Universidade reivindicando vagas nos cursos de graduação e pós-graduação e
também a criação de cursos específicos e diferenciados de licenciatura e graduação.
No entanto, os indígenas não estão dispostos a aceitar o modelo de educação
uniformalizante oferecido ao restante da sociedade; exigem respeito à cultura deles
e processos próprios de aprendizagem, o que nos ajuda a pensar a educação
escolar no contexto da diversidade e a repensar também a educação escolar
dispensada aos não-indígenas.
Não somente os indígenas, mas também os não-indígenas têm recorrido aos
programas de pós-graduação para a realização de estudos sobre as questões
indígenas. A partir da década 70 do século XX, aumentou o interesse de outros
profissionais, além dos antropólogos, pelos estudos sobre os povos indígenas, como
é o caso de professores e técnicos da educação que recorrem à Universidade em
busca de formação, para que possam melhor atuar nos diversos programas de EEI,
como ficou demonstrado por meio do levantamento realizado por Grupioni (2003).
281
O mestrado em educação da UFES, criado em 1978, teve a primeira dissertação
relacionada à questão EEI do Espírito Santo defendida no ano de 1998, (VIEIRA,
1998) ou seja, 20 anos após a criação do Programa. Ao todo, já foram produzidas
nove dissertações de mestrado no PPGE/UFES sobre o Programa de EEI do
Espírito Santo, mas apenas uma delas, Teao (2007), foi realizada com os Guarani
do Espírito Santo.
Os cursos de formação de professores indígenas tornaram-se espaço de trocas de
experiência e diálogos entre os diferentes povos indígenas, como foi o Curso de
Formação de Educadores Tupinikim e Guarani, e entre pessoas de diferentes
aldeias guarani, como foi o Curso de Formação de Professores Guarani. Além dos
cursos de formação, o ambiente escolar também se tem tornado espaço de diálogo
e troca de experiências, que contribuem para a constituição da professoralidade,
como se deu com os professores Alberto e Mauro.
O Curso de Formação de Professores Guarani tem sido importante também como
um espaço de contato e intercâmbio de experiências entre secretarias de educação,
MEC e FUNAI, no processo de elaboração de políticas públicas para o atendimento
das demandas do povo Guarani.
Outro importante espaço de troca de experiências deu-se durante as reuniões de
planejamento, construção do currículo escolar guarani e leitura deste relatório de
pesquisa, realizado por esta pesquisadora com os professores guarani. Pouco a
pouco, fomos construindo uma relação de confiança que nos permitiu conhecer um
pouco do modo de ser, existir e de ensinar desse povo, ao mesmo tempo em que os
ajudávamos em algumas atividades, entre as quais podemos destacar a construção
do currículo escolar guarani e a elaboração de uma carta aos secretários de
educação do Estado e do município de Aracruz.
A guisa de conclusão: levando em consideração ser a diversidade cultural um
patrimônio comum da humanidade, que representa os caminhos encontrados pelos
diferentes povos, para enfrentar, de modos diferentes, desafios impostos pela
existência e o contexto sociopolítico e ambiental vividos pelas populações dos
diversos países, é preciso cada vez mais considerar a concepção da incompletude
das culturas e passarmos a valorar e não mais desperdiçar as diversas experiências
282
humanas e as diversas formas de existir, no geral, e a do povo Guarani, em
particular, para que possamos construir uma sociedade mais justa e equilibrada do
ponto de vista socioeconômico e ambiental.
283
7. REFERÊNCIAS
1. ALMEIDA, R. F. T. de; MURA F. Povos indígenas do Brasil: guarani,
kaiowa e ñandeva. Instituto Socioambiental, São Paulo, 2003. Disponível em
<http://www.socioambiental. org.>, Acesso em: 20 novembro de 2006.
2. ANDERSON, B. Nação e consciência nacional. São Paulo: Ática, 1989.
3. ARAÚJO, A. V. Direito internacional. Instituto Socioambiental, São Paulo,
2003. Disponível em <http://www.socioambiental. org.>, Acesso em: 12
novembro de 2006.
4. ASSEMBLEIA do povo Guarani. <http://www.vermelho.org.br>, acesso em:
18 de julho de 2007.
5. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA. Boletim da ABA,
Florianópolis n.16, abr. p., 1993.
6. AUDIÊNCIA na OEA. Disponível em <http://www.cir.gov.br>, acesso em: 2 de
fev. 2007.
7. AYLWIN, J. Pueblos indígenas de Chile: antecedentes históricos y
situación actual. Santiago do Chile. Instituto de Estudios Indígenas.
Universidad de la Frontera, 2006.
8. BAINES, S. G. Tendências recentes na política indigenista no Brasil, na
Austrália e no Canadá. Brasília: CNPq, 1997.
9. BARBOSA, M. A. B.. Índios guarani defendem suas terras na Justiça. In
Índios no Estado de São Paulo: resistência e transifiguração. São Paulo:
Comissão Pró-Índio de São Paulo. 1984.
10. BARROS, M.C. D. M.. A missão Summer Institute of Linguistics e o
indigenismo latino-americano: história de uma aliança (décadas de 1930 a
1970). São Paulo : Rev. Antropol. vol.47 no.1
11. BARTH, F. Los grupos etnicos y sus fronteras. La organización social de
las diferencias culturales. México, Fondo de Cultura Económica. 1976.
12. BAUMAN, Z. A Cultura como práxis: Buenos Aires, Paidós 2002.
13. BEOZZO, J. O. De medellín a puebla. Revista de Cultura, Ano LXXII. Rio de
Janeiro: Vozes, 1978.
14. BERGAMACHI, M. A. Nhembo’e. Enquanto o encantamento permanece:
processos e práticas de escolarização nas aldeias Guarani. Tese de
Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.
15. BEZERRA M. L. B; TEIXEIRA, M. G. Dificuldades e conflitos emocionais
vivenciados na educação escolar pelo índio guarani de Aracruz (ES) a
284
partir da quinta série do Ensino Fundamental. Instituto Saber. Programa
de Pós-Graduação em psicanálise e inteligência mutifocal “latu sensu”.
Aracruz, 2005.
16. BITTENCOURT A. C.; DANTAS, I. Articulação indígena. São Paulo:
IBASA. 2004.
17. BITTENCOURT, C. M. F. O ensino de história para populações indígenas.
Em Aberto. Brasília, ano 14, n. 63, p. jul./set. 1994.
18. BORGES, P. H. P. Sonhos e nomes: as crianças guarani. Cadernos Cedes.
Rio de Janeiro: 22, n. 56, ano XXII, abr. 2002.
19. BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,
1989.
20. BRAND, A. Mudanças e continuísmos na política indigenista pós-1988. In:
LIMA, A. C. S; BARROSO-HOFFMANN, M. Estado e povos indígenas:
bases para uma nova política indigenista II. Rio de Janeiro: Contra Capa,
2002. p. 31-36
21. BRANDÃO, C. R. Os Guarani: Índios do Sul - Religião, resistência e
adaptação. In Somos as aguas puras. Campinas-SP: Papirus, 1994.
22. BRASIL, (Governo). Emenda Constitucional n.º 1 de 1969. Brasília: 1969.
23. ______. Ratificação da Convenção n.º 169. Diário do Senado Federal, 2000.
24. ______. MEC, http://portal.mec.gov.br, acessado em: 18 de jun. de 2007.
25. CALEFATTI, P. O que é ser índio hoje: a questão indígena na América
Latina/Brasil, no início do século XXI. Diálogos Latinos Americanos,
Dinamarca, n. 07, 2003.
26. ______. A domesticação do exótico. Diálogos Latinos Americanos, n. 07,
Dinamarca, 2003.
27. CARVALHO, Mauro Luiz. A Contribuição da Educação Escolar Indígena
para a Revitalização da Cultura Guarani. (Monografia), Curso de
Pedagogia, Faculdade de Ciências Humanas de Aracruz, 2004.
28. CASALDÁLIGA. P. Recado para o CIMI em seus 25 anos de teimosia e
testemunho. Porantim. N. 200, Brasília: CIMI, 1997.
29. CENTRO ECUMÊNICO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO (CEDI).
Os povos indígenas e a Constituinte. São Paulo. 1991.
30. ______.Povos Indígenas no Brasil 1987/1990. Brasília: MEC, 1994.
31. ______. Povos indígenas no Brasil 1987/88/99/90. Serie Acontece
Especial, n. 18. São Paulo: MEC,1991.
285
32. ______. Revelações sobre a terra: a memória viva dos guarani. Vitória.
Edufes, 1996.
33. CERTEAU, M. A cultura no plural. 3. edição. São Paulo: Papirus, 1995.
34. CEVALLOS, D. Indígenas sacodem o poder. São Paulo: Adital, 2004.
35. CHAUI, M. Mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Fundação
Perseu Abramo, 2000.
36. CICCARONE, C. Drama e sensibilidade: migração, xamanismo e mulheres
mbyá guarani. Programa de Estudos de Pós-graduação em Ciências Sociais.
São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2001.
37. CIMI. Porantim, A educação guarani e os dilemas envolventes. Brasília:
CIMI, dezembro de 2004.
38. _____. História da Instituição. Disponível
em:<http://.cimi.org.br/movimento.htm.>. Acesso em: 5 out. de 2007.
39. _____. II Assembléia Continental do Povo Guarani, Relatório, Porto AlegreRS: 2007. Acesso em: 5 out. de 2007.
40. CLASTRES, H.. Terra sem mal: o profetismo tupi-guarani. São Paulo:
Brasiliense, 1975.
41. COTA, M.G. Educação escolar indígena: a construção de uma educação
diferenciada e específica, intercultural e bilíngüe entre os Tupinikim do
Espírito Santo. Dissertação Mestrado em Educação – Programa de PósGraduação em Educação. Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória,
2000.
42. ______. A pedagogia do texto e o ensino-aprendizagem das ciências
sociais. Vitória: IDEA, 2002.
43. ______. Etnoconhecimentos ou Etnocentrismo. Jornal Intercâmbios
Vitória: IDEA, 1999, p. 8.
44. ______.O ensino das ciências sociais de 1. a 4.ª série. Vitória: SITUFES,
1999.
45. ______. Povos indígenas do Espírito Santo. Acorda Serra. Serra-ES, p. 7,
15 de abr. de 1999.
46. ______. História da educação escolar indígena no Brasil. In CONGRESSO
LUSO-BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO. Uberlândia – MG,
EDUFB, 2006, v.1, p.124.
47. ______. Os desafios teóricos e metodológicos em se tratando de
pesquisas nas áreas de cultura, identidade e diferença. In: SEMINÁRIO
INTERNACIONAL: FRONTEIRAS ÉTNICO-CULTURAIS, FRONTEIRAS DA
286
EXCLUSÃO E PRÁTICAS EDUCATIVAS NUM CONTEXTO
INTERCULTURAL . 2006, Campo Grande. MG.
48. COMISSÃO PRÓ-ÍNDIO. [A questão indígena na Constituinte.]. São Paulo:
CPI/SP, 1988.
49. CUCHE, D. A noção de cultura nas ciências sociais. Bauru: EDUSC,
2002.
50. CUNHA, M. C. Antropologia do Brasil: mito, história e etnicidade. São
Paulo: Brasiliense, 1987.
51. D’ANGELLIS, W. R. Relatório do I Encontro Nacional de Educadores
Indígenas Guarani. Aldeia de Bracuí, Angra dos Reis: NEI, 2000.
52. DA RESISTÊNCIA ao poder. Disponível em http://www.adital.com.br, acesso
em: 11 de out. de 2006.
53. DAVIS, S. H. Vítimas do milagre: o desenvolvimento e os índios do Brasil.
Rio de Janeiro: Zahar, 1978.
54. DENÚNICA na OEA. <http://www.cejis.org>, acesso em: 10 de dez. de 2006.
55. DESRESPEITO aos direitos indígenas na Bolívia. Disponível em:
www.cejis.org: Acesso em dez. 2006.
56. DIREITOS dos povos indígenas. <www.socioambiental.org>, acesso em: 20
de jun. de 2006.
57. EDWARD, José. Made in Paraguai: A FUNAI tenta demarcar área de Santa
Catarina para índios paraguaios, enquanto os do Brasil morrem de fome.
REVISTA VEJA. http://vejaonline.abril.com.br. Acesso em: 18 de jun. de
2007.
58. ESPÍRITO SANTO. (ESTADO). Governador (1974-1978): Plano de
Desenvolvimento Estadual, 1975/1979. Elcio Álvares Governador do Estado
do Espírito Santo.
59. _____. Espírito Santo 2025: Plano de Desenvolvimento. Vitória (ES):
Secretaria de Estado de Economia e Planejamento, 2006.
60. _____. Parecer do CEE, nº 102/97.
61. _____. Constituição Estadual, 1989.
62. ESQUIVEL, A. P. Introdução. In: CARRASCO, Norita; ZIMERMAN, Silvina.
El Caso Lhaka Honhat. Buenos Aires: IWGIA, 2007.
63. FAUSTO, C. Lados Demais? Fazendo política indígenista no ano 2.000 dC.
Disponível em: <http://www.unicamp.br>. Acesso em: junho 2007.
287
64. FELÍM, A. P. O sistema agrícola guarani mbyá e seus cultivares de
milho: um estudo de caso na aldeia Guarani na Ilha do Cardoso, município
de Cananéia, SP. Dissertação de Mestrado. Piracicaba, 2001.
65. FERRAÇO. C. E. O currículo escolar. In FERREIRA, Eliza Bartolozzi.
Política educacional do estado do espírito santo: a educação é um direito.
Vitória: SEEB/SEDU, 2004.
66. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. Rio de
Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1985.
67. FERREIRA, M. K. L. A educação escolar indígena: um diagnóstico crítico da
situação no Brasil. In: SILVA A. L.; FERREIRA, M. K. L. (Org.).
Antropologia, história e educação. São Paulo, Global, 2001, p. 71-11.
68. FREIRE, J. R. B. Trajetória de muitas perdas e poucos ganhos. In Educação
escolar indígena em terra brasilis: tempo de novo desenvolvimento. Rio de
Janeiro. IBASE, 2004.
69. ______. Tradição oral e memória indígena: a canoa a do tempo, 2007.
Disponível em: <http://paginas.terra.com.br/educação>. Acessado em
20/07/07.
70. ______. A trajetória da educação indígena no Brasil: uma perspectiva
histórica. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br>. Acessado em:
10/10/2006.
71. FREITAS, S. M. Prefácio à edição brasileira de - THOMPSON, Paul. A voz
do passado: História Oral. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.
72. FRUSTRAÇÃO dos povos indígenas em relação à ONU. Disponível em:
www.adital.org.br. Acesso em: 20 de jan. 2007.
73. FUNAI. Fundação Nacional do índio. Processo, 3649/75. Relatório sobre
invasão e parecer em Caeiras Velha.
74. _____. Processo nº. 2.561/79. Relatório de Identificação da Terra Indígena
Caeiras Velhas.
75. _____. Processo nº 6370/90. Território Indígena de Caeiras Velhas. 1996.
76. _____. Processo nº 0720/02. Terra indígena doada pela PMA à empresa
Thotam.
77. _____. Índios Tupinikim e Guarani do Espírito Santo. 2004.
78. FUNDAÇÃO HEMERA..Los indígenas colombianos: muchos derechos y
crudas realidades. Colombia, 2006.
79. GAGLIARDI, J.M. O indígena e a república. São Paulo: Hucitec, 1989.
80. GAIGER, J. Informe Constituinte: 1987/1988. Brasília: CIMI, 1988.
288
81. GARLET, I. J. Relatório sobre atividades desenvolvidas por integrantes
do Projeto Mbya- Guarani no Grupo de Trabalho. Porto Alegre: FUNAI,
1997.
82. GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2002.
83. GIDDENS; A. BOCK. U. L. S. Modernização reflexiva. São Paulo: Ed.
UNESP, 1997.
84. GINZBURG, C. Relações de força: história, retórica e prova. São Paulo:
Companhia das Letras, 2002.
85. ______. O queijo e os vermes: o cotidiano de um moleiro perseguido pela
Inquisição. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
86. GRUPIONI, L. D. B. A educação indígena na academia: inventário
comentado de dissertações e teses sobre educação escolar indígena no
Brasil (1978-2002). Em Aberto, Brasília, v. 20, n. 76, p. 97-238, fev. 2003.
87. GUIMARAENS, D. (Org.) Museu de arte e origens: mapa das culturas vivas
guarani. Rio de Janeiro: Contracapa, 2003.
88. HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro:
DP&A, 2005.
89. _____. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Ed.
da UFMG. 2003.
90. HOBSBAWM, E. Era dos extremos: O breve século XX. São Paulo: CIA
das Letras, 1995.
91. ______. A invenção das tradições. Rio de Janeiro:’ Paz e Terra, 1997.
92. ______. Sobre história. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.
93. INFORMATIVO MAPUCHE. Balance de la situacion de los derechos
indigenas en Chile 2004: los pueblos indigenas: esa parte negada de la
realidad chilena. 2005. Santiago: Observatorio de Derechos de los Pueblos
indígenas, 2005.
94. INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO E EDUCAÇÃO DE ADULTOS.
(IDEA/IPE), Relatório Semestral de Atividades do IDEA do primeiro semestre
de 1994, segundo semestre de 1997, primeiro semestre de 1998.
95. ______. Correspondência enviada, Vitória, 1997, 17/02/06, 22/02/06.
96. ______. Projeto do Curso de Formação Continuada. 2003 e de 2004.
97. JESUS de, Sônia Martha Vieira. Alfabetização na Língua Materna
Indígena. (Monografia), Curso de Letras, Faculdade de Ciências Humanas
de Aracruz, 2003.
289
98. KAHN, M.. O que está em jogo no desafio da escolarização indígena. In
Educação escolar indígena em terra brasilis: tempo de novo
desenvolvimento. Rio de Janeiro. IBASE, 2004.
99. KEPPI, J. A ratificação da convenção n.º 169 da Organização
Internacional do Trabalho pelo Brasil. 2001, 120 f. Monografia
(Especialização lato sendo em Direito), Pontifícia Universidade Católica de
Minas Gerais, Belo Horizonte, 2001.
100. KUHN, T. S. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo:
Perspectiva, 1990.
101. LADEIRA, M. I. Aldeias livres guarani do litoral de São Paulo e da periferia
da capital. In Índios no estado de São Paulo: resistência e transifiguração.
São Paulo: CPI/SP, 1984.
102. Ty Pau ou Yva Pau. Eapaço mbya entre as águas ou o caminho aos céus.
São Paulo: CTI, 1990.
103. LADEIRA, M. I.; Matta, P. Terras guarani no litoral: as matas que foram
reveladas aos nossos antigos avós. São Paulo, CTI, 2004.
104. _____. O caminhar sob a luz: o território mbya à beira do oceano.
Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais do Programa de Estudos de
Pós-graduação em Ciências Sociais, Pontifícia Universidade Católica de São
Paulo, São Paulo, 1992.
105. LANGON, M. Diversidade cultural e pobreza, in: SIDEKUM, Antônio.
Alteridade e multiculturalismo. Ijuí: Unijuí, 2003, p. 73.90.
106. LARAIA, R. B. A FUNAI e o novo Estatuto do Índio. Disponível em:
<http://www.comciencia.br/comciencia>. Acesso em: 15 de maio de 2007.
107. LAVILLE, C.; DIONNE, J. A construção do saber: manual de metodologia
da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artmed, 1999.
108. LIMA, A. C. S. Um grande cerco de paz: poder tutelar, indianidade e
formação do Estado no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1995.
109. ______. Um olhar sobre a presença de populações nativas na invenção do
Brasil. In: SILVA, A. L.; GRUPIONI, L. D. B. A temática indígena na escola.
São Paulo: Global, 2002, p. 407-424.
110. LINHARES, C. F. Múltiplos sujeitos da educação: a produção de sujeitos e
subjetividades de professores e estudantes. In: Ensinar e aprender: sujeitos,
saberes e pesquisa. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.
111. _____. De uma cultura de guerra para uma de paz e justiça social:
movimentos instituintes em escolas públicas como processos de formação
docente. In: LINHARES, Célia Frazão; LEAL Maria Cristina. Formação de
professores: uma crítica à razão e à política hegemônica. Rio de Janeiro:
DP&, 2002.
290
112. LOPES, E. M. T. Perspectivas históricas da educação. São Paulo: Ática,
1995.
113. MACHADO, L.. Z. Comunitarismo indígena e modernidade: contrastes
entre o pensamento brasileiro e andino. Brasília: Ed. Da UNB, 1994 (Série
Antropologia, n.º. 169).
114. MAGALHÃES, E. D. Legislação indigenista brasileira e normas
correlatas. Brasília, FUNAI, 2002.
115. MAHER, T. M. Formação de professores indígenas: uma discussão
introdutória. In GRUPIONI, L. D. B. (Org.) Formação de professores índios:
repensando trajetórias. Brasília: SECAD/ MEC, 2006, p 11- 38.
116. MARTÍNEZ, Noemi Días. La migration mbya (guarani). Dédalo, n. 24, São
Paulo, 1984.
117. MARTINS, E. Nossos índios, nossos mortos. São Paulo: Círculo do
Livro, 1978.
118. MATO GROSSO DO SUL. Constituição Estadual. http://www.pm.ms.gov.br.
Acesso em: 10 de out. de 2007.
119. ______. http://www.educar.ms.gov.br. Acesso em: 10 de julho de 2007.
120. MEC. MINISTÉRIO DA EDUCAÇAO. Secretaria de Educação Continuada,
Alfabetização e Diversidade. Referenciais nacionais para as escolas
indígenas. Brasília: 2005.
121. MELIÁ. B. A terra sem mal dos Guarani: economia e profecia. São Paulo:
Revista de Antropologia da USP. São Paulo, Vol. 33, 1999.
122. ______. El Guarani conquistado y reducido: ensayos de etnohistória –
Assunción: CEADUC, 1988.
123. _____. El Guarani: experiência religiosa. Assunción: Biblioteca Paraguaya
de Antropologia, 1991.
124. _____. Educação indígena e alfabetização. São Paulo: Loyola, 1979.
125. MÉTRAUX, A. A religião dos Tupinambá e suas relações com a das
demais tribos tupi-guarani. São Paulo: Nacional, 1927.
126. MÉXICO, (Governo). Constituição Federal do México. Cidade do México:
1989.
127. MONTEIRO, J. M. Os Guaranis e história do Brasil meridional: séculos XVIXVII. In: História dos índios no Brasil. CUNHA, Manuela Carneiro da
Cunha. (org.). São Paulo: Cia das Letras, 1992, p. 475-500.
128. ______. Negros da terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo.
São Paulo: Companhia das Letras, 1994.
291
129. ______. O desafio da história indígena no Brasil. In: SILVA, Aracy Lopes
da; GRUPIONI, Luís Donisete Benzi (orgs.). A temática indígena na escola.
Brasília: MEC/MARI/UNESCO, 1995, p. 221-236.
130. MONTE, N. L. Assessor, pesquisador: reflexões em torno de uma
experiência em “educação indígena”. In: SILVA, Aracy Lopes da; FERREIRA,
Mariana Kawall (org.). Práticas pedagógicas na escola indígena. São
Paulo, Global, 2001, p. 47-69.
131. NASCIMENTO, A. C. “Professores índios e a escola
diferenciada/intercultural: a experiência em escolas indígena
kaiová/guarani e a prática pedagógica para além da escola”. Campo
Grande: UCDB, 2005.
132. NEVES, L. J. O. Olhos mágicos do Sul (do Sul): lutas contra-hegemônicas
dos povos indígenas do Brasil. In: SANTOS, Boaventura S. S. Reconhecer
para libertar: os caminhos do cosmopolitismo multiculrural. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira, 2003.
133. NIMUENDAJÚ, C. Mapa etno-histórico do Brasil e regiões adjacentes. Rio
de Janeiro: IBGE, 1914.
134. NOBRE, D. B. Processos de construção de políticas públicas em educação
escolar indígena no Estado do Rio de Janeiro. Disponível em:
<http://www.anped.org.br>. Acesso em: 20 de jul. de 2007.
135. NÚCLEO DE INTERINSTICIONAL DE SAÚDE INDÍGENA. Estatuto do
NISI/ES. Aracruz, 1996.
136. ______. Atas de reuniões da EEI do Subnúcleo de Educação do NISI de
1998 a 2005.
137. ______. Planos de Trabalhos do Sub-núcleo de Educação do NISI/ES.
Anos de 1996 a 2006.
138. ______. Projeto de Alfabetização e Educação Popular Indígena. 1994.
139. ______. Projeto de Educação Formal e Popular Comunidades Indígenas.
1994.
140. _____. Relatório do Seminário de Educação Indígena Tupinikim e Guarani.
1995.
141. ______. Projeto do Curso de Formação de Educadores Indígenas
Tupinikim e Guarani. 1997.
142. _____. Relatório de avaliação da segunda etapa do Curso de Formação de
Educadores Índios Tupinikim e Guarani. Coordenação do Curso, Aracruz,
1997.
143. _____. Relatório de Atividades do Subnúcleo de Educação do NISI/ES,
1997 e 2002.
292
144. _____. Ata de avaliação do Curso de Formação de Educadores Tupinikim e
Guarani. 1998.
145. OLIVEIRA. R. C. Identidade, etnia e estrutura social. São Paulo:
Pioneira, 1975.
146. OLIVEN, R. G. A ABA e os laudos antropológicos. Disponível em:
<http://www.comciencia.br/comciencia>. Acesso em 20 de set. 2007.
147. PALADINO, M. Educação escolar indígena no Brasil contemporâneo:
entre a revitalização cultural e a desintegração do modo de ser tradicional.
Dissertação (Mestrado em Antropologia). Universidade Federal Fluminense,
Niterói, 2001.
148. PALLARES-BURKE, M. L. G. As muitas faces da história: nove
entrevistas. São Paulo: UNESP, 2000.
149. PANKARARU, P. C. O. Projeto permanece paralisado desde 1994. In:
RICARDO, B.; R. Fany. Povos indígenas no Brasil: 2001/2005. São Paulo:
Instituto Socioambiental, 2006, p. 80-81.
150. PEIRANO, M. G. S. Uma antropologia no plural. Brasília: UNB, 1991.
151. PEREIRA, M. V. Nos supostos para pensar formação e autoformação: a
professoralidade produzida no caminho da subjetivação. In Ensinar e
aprender: sujeitos, saberes e pesquisa. Rio de Janeiro: DP& , 2002.
152. PERES N.; BOTELHO L. Povo Guarani, grande Povo. (Folder) DouradosMS: 2007.
153. Plano Diretor de Desenvolvimento do Espírito Santo, A Gazeta. Vitória,
1988, p.7.
154. PORTO ALEGRE recebe encontro "Sepé e o Povo Guarani"
http://www.midiaindependente.org. Acesso em: 10 outubro de 2007.
155. POVOS indígenas da América do Sul. <http://www.iwgia.org>. acesso em:
15 de nov. de 2006.
156. PREZIA, B. (org.) Caminhando na luta e na esperança. São Paulo:
Loyola, 2003.
157. PROPOSTA de Estatuto do Índio entregue à deputados. Disponível em
<www.wald.org/cimi.org. br.>, acesso em: 19 jul.2007.
158. RAMOS, A. R. Convivência interétinica no Brasil: Os índios e a nação
brasileira. Brasília: UNB, 1997 (Série antropologia, n.º6).
159. RIBEIRO, D. Os índios e a civilização: a integração das populações
indígenas no Brasil moderno. Petrópolis: Vozes, 1969.
160. ______. Diários de índios. Petrópolis: Vozes, 1996.
293
161. RIO GRANDE DO SUL. Constituição Estadual, Porto Alegre:
http://www.al.rs.gov.br. Acesso em 10 out. de 2007.
162. ROSAR, Maria de Fátima Felix. Programação editorial recente da área
da história da educação no Brasil. Site:
www.histedbr.fae.unicamp.br/art13_9.html. Acesso em: 21 jan. 2000.
163. SACRISTÁN, J. G.; GÓMEZ, A. I. P. O currículo: os conteúdos do ensino
ou uma análise prática? Porto Alegre, Artmed, 2000.
164. SALIM, M. A. Alcântara. Desafios Teórico-metodológicos do Conhecimento
Histórico: a proposta de Carlo Ginzburg. In: SIMÕES R. H.; FRANCO, S.;
SALIM, M. A. Ensino de História, seus sujeitos e suas práticas. Vitória:
EDUFES, 2006, p. 73.
165. SÁNCHEZ, J. A. A história vivida: sobre a história do presente. Madrid:
Aliança Editorial, 2004.
166. SANTA CATARINA (Estado). Secretaria de Educação de Estado da
Educação e Inovação. Relatório da Reunião do dia 02 e 03 de setembro de
2002.
167. ______. Ata de reunião de trabalho do grupo de educção indígena Guarani.
Florianópoles, agosto de 2003.
168. ______. IV Etapa do Programa de Formação para a Educação Escolar
Guarani na Região Sudeste e Sul do Brasil Kuaa – Mbo`e = conhecerensinar. Praia de Palmas, Santa Catarina.
169. ______. Relatório do Seminário de Discussão do Programa de Formação
de Professores Guarani. Camboriú, Santa Catarina, dezembro de 2002.
170. ______. Primeira Versão do Projeto do Curso de Magistério Guarabu.
Santa Catarina, 2002.
171. ______. Ata de Reunião de trabalho do grupo de educação indígena
Guarani. Santa Catarina, 2003.
172. ______. Proposta de Projeto Político Pedagógico para o Programa de
Formação para a Educação Escolar Guarani na Região Sul e Sudeste do
Brasil Kuaa – Mbo`e = conhecer-ensinar. (1) Santa Catarina, 2003.
173. ______. Relatório da I Etapa do Programa de Formação para a Educação
Escolar Guarani na Região Sudeste e Sul do Brasil Kuaa – Mbo`e =
conhecer-ensinar. Rodeio, Santa Catarina, 2003.
174. ______. Relatório da V Etapa do Programa de Formação para a Educação
Escolar Guarani na Região Sudeste e Sul do Brasil Kuaa – Mbo`e =
conhecer-ensinar. Praia de Palma, Santa Catarina, 2003.
294
175. ______. Proposta de Projeto Político Pedagógico para o Programa de
Formação para a Educação Escolar Guarani na Região Sul e Sudeste dp
Brasil Kuaa – Mbo`e = conhecer-ensinar (2). Santa Catarina, 2004.
176. ______. Protocolo de Intenções do Programa de Formação para a
Educação Escolar Guarani na Região Sudeste e Sul do Brasil Kuaa – Mbo`e
= conhecer-ensinar. Brasília, 2004.
177. ______. Relatório da II Etapa do Programa de Formação para a Educação
Escolar Guarani na Região Sudeste e Sul do Brasil Kuaa – Mbo`e =
conhecer-ensinar. Praia de Palmas, Santa Catarina, 2004.
178. ______. Relatório da III Etapa do Programa de Formação para a Educação
Escolar Guarani na Região Sudeste e Sul do Brasil Kuaa – Mbo`e =
conhecer-ensinar. Praia de Palmas, Santa Catarina, 2005.
179. ______. Relatório da IV Etapa do Programa de Formação para a Educação
Escolar Guarani na Região Sudeste e Sul do Brasil Kuaa – Mbo`e =
conhecer-ensinar. Praia de Palmas, Santa Catarina, 2005.
180. ______. Relatório do Conselho de Classe. Porto Alegre, julho de 2007.
181. SANTOS, B. S. A introdução a uma ciência pós moderna. Rio de
Janeiro: Graal, 1989.
182. ______. A crítica da razão indolente. São Paulo: Cortez, 1996.
183. ______. Para uma concepção multicultural dos direitos humanos. São
Paulo: A Folha: 2001.
184. ______. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. São
Paulo: Cortez, 2003a.
185. ______. (org.) Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitismo
multicultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003b.
186. ______. (org.) Conhecimento prudente para uma vida decente. São
Paulo: Cortez, 2004.
187. _____. As dores do pós-colonialismo. Folha de São Paulo. Opinião.
Tendências / Debates. São Paulo, segunda-feira, 21 de agosto de 2006.
188. SANTOS FIHO, R. L. Apontamentos sobre direitos indigenistas.
Curitiba: Juruá, 2006.
189. SANTOS, S. C. Os direitos indígenas no Brasil. In: SILVA, A. L. Da;
GRUPIONI, L. D. B. A temática indígena na escola. São Paulo: Global,
2002, p. 87- 108.
190. SÃO PAULO, (Governo). Constituição Estadual.
http://www.legislacao.sp.gov.br. São Paulo: acesso em: 10 de out. de1989.
295
191. ______. http://www.educacao.sp.gov.br, Consultado em: 15 julho de 2007.
192. SAVIANI D. Prefácio à Terceira Edição. In: GIARD, Luce. A invenção do
impossível. São Paulo: Brasiliense, 2000, p. 3.
193. SEMED, Secretaria de Educação Municipal. Coordenação de Educação
Escolar Indígena. Atas de reuniões dos anos de 2002 a 2005.
194. ______. Atas de Conselhos de Classe das escolas guarani. 2004-2005.
195. ______. Atas de Reuniões de Professores. 2003-2005.
196. ______. Relatório de Atividades, 2006.
197. ______. Correspondência da Equipe de Educação Infantil. 14/03/06.
198. SEMINÁRIO latino americano de comunicação indígena. Disponível em
http://www.adital.com.br, acesso em: 11 de out. de 2006.
199. SHADEN, E. Aspectos fundamentais da cultura guarani. São Paulo:
EDUSP, 1974.
200. SHWARCZ, L. M. As barbas do imperador. D. Pedro II: um monarca nos
trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.
201. SILVA, A.. L. (Org). A questão da educação indígena. São Paulo:
Brasiliense/Comissão Pró-Índio, 1981.
202. _____.Uma “antropologia da educação” no Brasil? Reflexões a partir da
escolarização indígena. In SILVA, A. L.; FERREIRA, M. K. L. Antropologia,
história e educação. São Paulo: Global, 2001, p. 20-43.
203. QUIEZZA, Jocelino da Silveira. A Revitalização Lingüística Como
Instrumento de Resgate da Identidade Cultural dos Índios Tupinikins de
Aracruz – Espírito Santo. (Monografia), Curso de Pedagogia, Faculdade de
Ciências Humanas de Aracruz, 2005.
204. SILVA, H. D. O Estado brasileiro e a educação escolar indígena: um
olhar sobre o plano nacional de educação. Caxambu: ANPED. 2001.
205. SILVA, M. F. A conquista da escola: educação e movimento de professores
indígenas no Brasil. Em Aberto, Brasília: ano 14, n. 63, jul./set. 1994.
206. SORIA, J. I. L.. Filosofia e interculturalidade. Lima, Perú: Universidad
Nacional Mayor de San Marcos, 2002.
207. SOUZA FILHO, C. F. M. Multiculturalismo e direitos coletivos. In: SANTOS,
B. S. Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitismo
multicultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.
208. SOUZA, M. T. O processo decisório na Constituição de 1988: práticas
institucionais. Lua Nova, São Paulo, n. 58, 2003.
296
209. SUEZ, P. Culturas indígenas e evangelização: pressupostos para uma
pastoral inculturada de libertação. Revista Eclesiástica Brasileira. Rio de
Janeiro: vol. 41, n. 162, 1981.
210. SUSNIK, B. Los aborígenes del Paraguay. Asunción: Universidad
Catolica, 1979, vol.3.
211. TASSINARI, A. M. I. Escola indígena: novos horizontes teóricos, novas
fronteiras de educação. In: SILVA, Aracy L.; FERREIRA, Mariana K.
Antropologia, história e educação: a questão indígena e a escola. 2. ed.
São Paulo: Global, 2001, p. 44-70.
212. TAVARES, E.Ywy rupa: a territorialidade guarani. Disponível em:
<http://www.ciranda.net>, acesso em: 25 de set. de 2007.
213. TEAO, K. M. arandu renda reko: a vida da escola guarani mbya.
Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em
Educação da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2007.
214. TERENA, M. Posso ser o que você é sem deixar de ser o que sou. In:
Diversidade e educação: reflexões e experiências. Brasília: MEC, 2003.
215. THOMAS, O. R. A antropologia e o mundo contemporâneo: cultura e
diversidade. In: SILVA, A. L.; GRUPIONI, L. D. B. A Temática indígena na
escola. Brasília: MEC, 1995, p. 425-444.
216. THOMPSON, J. B. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na
era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis: Vozes, 1995.
217. THOMPSON, P. A voz do passado: história oral. Rio de Janeiro: Paz e
Terra, 1992.
218. TUBINO, F. La impostergable alteridad: del conflicto a la convivencia
intercultural. In: CASTRO-LUCIÉ, M. Los desafios de la interculturalidad:
identidad, política y derecho. Santiago: Universidad de Chile, 2004, p. 83 102.
219. UNESCO. Declaração Universal sobre a Diversidade Cultural (DUDC),
2001.
220. VALLE, R. S. T. Contra-ataque Conservador. In: RICARDO, B.; RICARDO
F. Povos Indígenas no Brasil: 2001/2005. São Paulo: ISA, 2006, p. 77-79.
221. VIEIRA, C. H. Nas sendas da modernidade: educação, modernização e
comunidades autóctones na história do Espírito Santo. Dissertação
(Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação da
Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 1998.
222. VIEIRA, I. F. Educação escolar indígena: as vozes guarani sobre a escola
na aldeia. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de PósGraduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina, 2007.
297
VILLAR, D. Uma abordagem crítica do conceito de "etnicidade" na obra de Fredrik
Barth. Revista Mana, Rio de Janeiro, v.10, n.1, abr. de 2004.
ANEXOS
ANEXO A
SUBSTITUTIVO DO ANTEPROJETO DE CONSTITUIÇÃO PROPOSTO POR
BERNARDO CABRAL.
CAPÍTULO VIII
DOS ÍNDIOS
Art. 268. São reconhecidos aos índios seus direitos originários sobre as terras de
posse imemorial onde se acham permanentemente localizados, sua organização
social, seus usos, costumes, línguas, crenças e tradições competindo à União a
proteção dos seus bens.
§ 1º Os atos que envolvam interesses das comunidades indígenas terão uma
participação obrigatória de órgão federal próprio do Ministério Público, sob pena de
nulidade.
§ 2º A exploração das riquezas minerais em terras indígenas só pode ser efetivada
com a autorização do Congresso Nacional, ouvir as comunidades afetadas, e obriga
à destinação de percentual sobre os resultados da lavra em benefício das
comunidades indígenas e do médio ambiente, na forma da lei.
Art. 269. As terras de posse imemorial dos índios são destinadas à sua posse
permanente, cabendo-lhes o usufruto exclusivo das riquezas naturais do solo, dos
recursos fluviais e de todas as utilidades nelas existentes.
§ 1º São terras de posse imemorial onde se acham permanentemente localizados os
índios aquelas destinadas à sua habitação definitiva, à suas atividades produtivas e
as necessárias à sua preservação cultural, segundo seus usos, costumes e
tradições.
§ 2º As terras referidas no parágrafo anterior são bens inalienáveis e imprescritíveis
da União, cabendo a esta demarcá-las.
§ 3º É vedada a remoção dos grupos indígenas de suas terras, salvo nos casos de
epidemia, catástrofes da natureza e outros similares e de interesse da soberania
nacional, garantido seu retorno quando o risco estiver eliminado.
Art. 270. Os índios, suas comunidades e organizações são partes legítimas para
ingressar em juízo em defesa dos interesses e direitos indígenas.
Art. 271. Os direitos previstos neste Capítulo não se aplicam aos índios com elevado
estádio de aculturação que mantenham uma convivência constante com a sociedade
nacional e que não habitem terras indígenas.
ANEXO B
CAPÍTULO VIII DOS ÍNDIOS
Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas,
crenças e tradições, e os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente
ocupam, competindo à União demarcá-las, proteger e fazer respeita todos os seus
bens.
§ 1º – São terras tradicionalmente ocupadas pelos índios as por eles habitadas em
caráter permanente, as utilizadas para suas atividades produtivas, as
imprescindíveis à preservação dos recursos ambientais necessários a seu bem-estar
e as necessárias a sua reprodução física e cultura, segundo seus usos, costumes e
tradições.
§ 2º - As terras tradicionalmente ocupadas pelos índios destinam-se a sua posse
permanente, cabendo-lhes o usufruto exclusivo das riquezas do solo, dos rios e dos
lagos
nelas
existentes.
§ 3º - O aproveitamento dos recursos hídricos, incluídos os potenciais energéticos, a
pesquisa e a lavra das riquezas minerais em terras indígenas só podem ser
efetivados com autorização do Congresso Nacional, ouvidas as comunidades
afetadas, ficando-lhes assegurada participação nos resultados da lavra, na forma da
lei.
4º - As terras de que trata este artigo são inalienáveis e indisponíveis, e os direitos
sobre elas, imprescritíveis.
§ 5º - É vedada a remoção dos grupos indígenas de suas terras, salvo, “ad
referendum” do Congresso Nacional, em caso de catástrofe ou epidemia que ponha
em risco sua população, ou no interesse da soberania do País, após deliberação do
Congresso Nacional, garantido, em qualquer hipótese, o retorno imediato logo que
cesse o risco.
§ 6º - São nulos e extintos, não produzindo efeitos jurídicos, os atos que tenham por
objeto a ocupação, o domínio e a posse das terras a que se refere este artigo, ou a
exploração das riquezas naturais do solo, dos rios e dos lagos nelas existentes,
ressalvado relevante interesse público da União, segundo o que dispuser lei
complementar, não gerando a nulidade e a extinção do direito a indenização ou a
ações contra a União, salvo, na forma da lei, quanto às benfeitorias derivadas da
ocupação de boa fé.
§ 7º - Não se aplica às terras indígenas o disposto no art. 174, § 3º e § 4º.
Art. 232. Os índios, suas comunidades e organizações são partes legítimas para
ingressar em juízo em defesa de seus direitos e interesses, intervindo o Ministério
Público em todos os atos do processo.
ANEXO C
LISTA DOS NOMES DOS ALUNOS GUARANI QUE PARTICIPARAM DO CURSO
DE FORMAÇÃO DE EDUCADORES TUPINIKIM E GUARANI (1996-1999)
Nº
Nome do Educador
Data de
nascimento
1
Aciara
Marinho
Carvalho
04/05/79
2
Lucimara
Marinho
Carvalho
20/05/83
3
Márcia Ortiz Carvalho
28/01/82
4
Marly da Silva
06/12/83
5
Mauro Luiz Carvalho
29/07/76
6
Rosimara
Marinho
Carvalho
08/04/81
7
Sílvio
Gonçalves
Carvalho
10/04/80
8
Vanda
de
Carvalho
Lima
18/09/84
Filiação
- José Marinho
- Antônia Carvalho (filha de
Aurora )
- José Marinho
- Antônia Carvalho (filha de
Aurora )
- Mário César Carvalho
(irmão de Aurora)
- Lucia Ortiz Carvalho
- Jonas Ernesto da Silva
(filho de Aurora)
- Maura sa Silva
- Carlito Gonçalves
-Rosa Gonçalves Carvalho
(filha de Aurora)
- José Marinho
- Antônia Carvalho (filha de
Aurora)
- Carlito Gonçalves
- Rosa Carvalho Gonçalves
(filha de Aurora)
- Antonio Carvalho (filho de
Aurora)
- Cristina de Lima Carvalho
Grau de
escolaridade
ao iniciar o
curso
7ª série
Concluiu
6ª série
Concluiu
4ª série
Desistente
5ª série
Desistente
8ª série
Concluiu
5ª série
Desistente
8ª série
Concluiu
5ª série
Concluiu
Situação em
Relação ao
curso
Obs. Aparecem ainda em uma lista de controle de freqüência o nome de Dionísio Marim, que
segundo o próprio documento tornou-se desistente, no arquivo não foi encontrada a ficha de
matrícula dele e nem de Josiane da Silva Caetano, que aparece em uma “ficha de avaliação de
desempenho”, como aluna do Curso.
ANEXO D
PROPOSTA DE DIRETRIZES DO SUBNÚCLEO DE EDUCAÇÃO DO NISI/ES
PARA POLÍTICA EDUCACIONAL DO ESTADO DO ESPÍRITO
12-
3-
4-
5-
6-
7-
8-
9-
10-
11-
1213-
Institucionalizar como setor, a EEI no organograma dessa secretaria, com recursos humanos,
dotação orçamentária e financeira para gerenciamento da mesma.
Responsabilizar-se pela oferta e execução da EEI, em todos os níveis e modalidades, por
meio de regime de colaboração com o Município de Aracruz, garantindo a ampliação
gradativa a partir de 2004, da oferta de 5ª a 8ª série do Ensino Fundamental e do Ensino
Médio nas Aldeias Tupinikim e Guarani, com um currículo que atenda as necessidades e
peculiaridade desses povos.
Promover e responsabilizar-se pela formação em nível médio, superior e continuada dos
professores indígenas, diretamente ou por meio de colaboração com demais parceiros do
Subnúcleo de Educação/NISI-ES e do MEC.
Assegurar para a formação e acompanhamento pedagógico dos professores indígenas uma
equipe com antropólogo, profissionais qualificados nas diversas áreas do conhecimento e em
pesquisa.
Implantar curso de Educação Profissional, visando à auto-sustentação dos povos indígenas
de acordo com suas necessidades e peculiaridades, em convênio com instituições públicas
e/ou privadas.
Publicar sistematicamente contando com o apoio do MEC, material didático e de pesquisa,
específico, diferenciado e na língua indígena garantindo a qualidade do ensino aprendizagem
da clientela escolar.
Apoiar e manter a representatividade da SEDU como parceira, no Subnúcleo de
Educação/NISI-ES ou de outra instância criada com essa finalidade, assegurando a
participação dos povos indígenas e demais parceiros, nas definições das políticas e no
planejamento das ações dessa Secretaria referente à EEI desse Estado.
Garantir a construção e manutenção de infra-estrutura escolar em todas as Aldeias Indígenas
com edificações que atendam a concepção de espaço de uso social de cada aldeia e as
condições climáticas da região, para atendimento da Educação Básica.
Assegurar a organização e a gestão escolar indígena, no que se refere a autonomia
pedagógica e utilização de recursos financeiros públicos para manutenção do cotidiano
escolar, garantindo a plena participação de cada comunidade indígena nas decisões relativas
ao funcionamento escolar. A Escola Indígena desenvolverá suas atividades com base no
Projeto Político Pedagógico e no seu Currículo Diferenciado, ambos construídos junto com a
comunidade educativa e ainda conforme as prerrogativas legais que a regulamenta.
Equipar as Escolas Indígenas com bibliotecas (criando acervo documental) videotecas,
laboratórios de informática e de pesquisa, com materiais didáticos, de artesanato e de apoio
pedagógico, em parceria com a SEMED/Aracruz.
Garantir a regulamentação de legislação específica indígena. Viabilizar junto a SEMED de
Aracruz, a garantia de regulamentação da categoria oficial “escola indígena” e professor
índio, a remuneração correspondente ao nível de qualificação profissional e isonomia salarial
do professor índio, a realização de Concurso Público Diferenciado para professo índio, a
remuneração correspondente ao nível de qualificação profissional e isonomia salarial do
professor índio, assim como o reconhecimento oficial e a regulamentação legal de todo
Estabelecimento de Ensino e Cursos, criados no interior das terras indígenas.
Garantir dados e informações referente aos povos indígenas Tupinikim e Guarani, através do
senso demográfico de cunho social.
Assegurar a manutenção e ou recuperação da cultura indígena no que se refere à língua e
demais valores culturais expressos pelas comunidades Tupinikim e Guarani.
Fly UP