...

ACIDENTE DO TRABALHO

by user

on
Category: Documents
12

views

Report

Comments

Transcript

ACIDENTE DO TRABALHO
1
ACIDENTE DO TRABALHO: ABORDAGEM NO DIREITO PREVIDENCIÁRIO E
NO DIREITO DO TRABALHO
Juliana Flávia Dalla Costa∗
RESUMO
A ocorrência de acidentes do trabalho implica danos sociais imediatos. Primeiro,
pelo comprometimento da saúde e integridade física do empregado, prejudicando seu
trabalho. Segundo, pelos seus dependentes que podem eventualmente perder a base de
sustentação familiar.Terceiro, pelos custos que ocorrem nas áreas sociais, principalmente
na Saúde e na Previdência Social.
Palavras-chaves: Acidente do trabalho. Direito Previdenciário. Direito
Brasileiro.
INTRODUÇÃO
É possível frente ao contrato de emprego, a ocorrência do acidente do trabalho,
pois é imprescindível a participação da mão-de-obra humana nas relações de emprego,
exercida pela figura do empregado, sujeito ativo, conforme artigo 3º, CLT.
Professora Acadêmica na Faculdade Atenas de Paracatu-MG; advogada e especialista em Direito do
Trabalho e Direito Processual do Trabalho pela UFU - Universidade Federal de Uberlândia; e-mail: [email protected]
∗
2
E, com o advento da Constituição Federal/88 a SAÚDE é considerada como
direito social (artigo 6º), garantindo aos trabalhadores a redução dos riscos inerentes ao
trabalho (art. 7º, XXII).
Além, de dispor que haverá seguro contra acidentes do trabalho a cargo do
empregador, sem afastar a indenização a que esteja obrigado (art.7º, XXVIII, CF/88).
A saúde é direito de todos e dever do Estado (art.196, CF/88), sendo as normas a
ela relativas de relevância pública (art.197, CF/88).
Desta maneira, o Ordenamento Jurídico Brasileiro abarca normas jurídicas que
retratam o acidente do trabalho em diversos âmbitos jurídicos, principalmente
Previdenciário e Trabalhista, a fim de preservar a dignidade daquele empregado, que se vê
marginalizado em decorrência de sinistro laboral.
1 CONCEITO ACIDENTE DO TRABALHO
Antes de qualquer informação sobre Acidente do Trabalho no Direito Brasileiro,
insta definir o que seja acidente do trabalho.
É no Direito Previdenciário que se encontra a definição legal do acidente do
trabalho, através da Lei n. º 8.213/91, artigo 19, caput, sendo, grifo nosso:
“Artigo 19 - Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a
serviço da empresa ou pelo exercício do trabalho dos segurados referidos no inciso
VII, do artigo 11 desta Lei, provocando lesão corporal ou perturbação funcional
que cause a morte ou a perda ou a redução, permanente ou temporária, da
capacidade para o trabalho”.
3
Entretanto, há de se ressaltar que outros artigos previdenciários trazem
determinações legais, necessárias à caracterização do acidente do trabalho, como se
vislumbrará a seguir.
Desta maneira, o artigo 20, incisos I e II, Lei n. º 8.213/91, EQUIPARA doenças
profissionais e do trabalho ao acidente do trabalho, como se segue, grifo nosso:
“Artigo 20 - Consideram-se acidente do trabalho, nos termos do artigo anterior,
as seguintes entidades mórbidas”:
I - doença profissional, assim entendida a produzida ou desencadeada pelo
exercício do trabalho peculiar a determinada atividade e constante da respectiva
relação elaborada pelo Ministério do Trabalho e da Previdência Social;
II - doença do trabalho, assim entendida a adquirida ou desencadeada em função
de condições especiais em que o trabalho é realizado e com ele se relacione
diretamente, constante da relação mencionada no inciso I.”
Posteriormente, o artigo 21, incisos II, III, IV, e, § 1º, da Lei n. º 8.213/91,
EQUIPARA também ao acidente do trabalho outras hipóteses em que o segurado venha a
sofrer uma lesão, relacionada com sua atividade laboral. É chamada de CAUSALIDADE
INDIRETA, sendo-as:
“Art. 21. Equiparam-se também ao acidente do trabalho, para efeitos desta Lei:
II - o acidente sofrido pelo segurado no local e no horário do trabalho, em
conseqüência de:
a) ato de agressão, sabotagem ou terrorismo praticado por terceiro ou
companheiro de trabalho;
b) ofensa física intencional, inclusive de terceiro, por motivo de disputa
relacionada ao trabalho;
c) ato de imprudência, de negligência ou de imperícia de terceiro ou de
companheiro de trabalho;
d) ato de pessoa privada do uso da razão;
e) desabamento, inundação, incêndio e outros casos fortuitos ou decorrentes de
força maior;
III - a doença proveniente de contaminação acidental do empregado no exercício
de sua atividade;
IV - o acidente sofrido pelo segurado ainda que fora do local e horário de
4
trabalho:
a) na execução de ordem ou na realização de serviço sob a autoridade da
empresa;
b) na prestação espontânea de qualquer serviço à empresa para lhe evitar prejuízo
ou proporcionar proveito;
c) em viagem a serviço da empresa, inclusive para estudo quando financiada por
esta dentro de seus planos para melhor capacitação da mão-de-obra,
independentemente do meio de locomoção utilizado, inclusive veículo de
propriedade do segurado;
d) no percurso da residência para o local de trabalho ou deste para aquela,
qualquer que seja o meio de locomoção, inclusive veículo de propriedade do
segurado.
§ 1º Nos períodos destinados à refeição ou descanso, ou por ocasião da satisfação
de outras necessidades fisiológicas, no local do trabalho ou durante este, o
empregado é considerado no exercício do trabalho”.
Ainda, observa-se que o artigo 21, inciso I, da Lei n. º 8.213/91, EQUIPARA ao
acidente do trabalho, utilizando o método da CONCAUSALIDADE, pois a legislação
reconhece a concausa preexistente, superveniente ou simultânea, influente no acidente do
trabalho. Grifo nosso:
“Art. 21. Equiparam-se também ao acidente do trabalho, para efeitos desta Lei:
I - o acidente ligado ao trabalho que, embora não tenha sido a causa única, haja
contribuído diretamente para a morte do segurado, para redução ou perda da sua
capacidade para o trabalho, ou produzido lesão que exija atenção médica para a
sua recuperação;”
Exemplificativamente, tem-se a situação do empregado quebrar o braço no
trabalho, e, posteriormente perdê-lo por gangrena. Nota-se, como o 2º (segundo) fato
contribuiu para a ocorrência do evento final, perda de todo o braço do empregado, porque
se o mesmo não tivesse quebrado o braço na empresa, não teria a necessidade de amputálo.
Enfim, é necessário apresentar o artigo 20, § 2º, Lei n. º 8.213/91, em que
permite a garantia como acidente do trabalho dos casos excepcionais, mesmo que a doença
5
não esteja determinada legalmente como acidente do trabalho, dá-se a atribuição à
Previdência Social de considerá-la como acidente do trabalho.
“§ 2º Em casos excepcionais, constatando-se que a doença não incluída na
relação prevista nos incisos I e II deste artigo resultou das condições especiais
em que o trabalho é executado e com ele se relaciona diretamente, a Previdência
Social deve considerá-la acidente do trabalho”.
Ademias, nota-se que o artigo 20, § 1º, Lei n. º 8.213/91, define quais hipóteses
NÃO são consideradas como doença do trabalho1.
Como assevera Sérgio Pinto Martins (2005, p. 407), nem toda doença pode ser
considerada do trabalho, e sim, somente aquelas determinadas pela legislação.
Desta maneira, tem-se que acidente do trabalho acontece quando do exercício do
trabalho pelo empregado ao empregador, e, ocorrem lesões corporais ou perturbações
funcionais, resultantes em morte, perda ou redução, permanente ou temporária, das
capacidades físicas ou mentais do trabalhador.
Assevera-se que, apesar do Direito Previdenciário, retratar a terminologia do
acidente do trabalho, este evento danoso gera reflexos em outros ramos jurídicos, como:
Direito Civil, Direito Penal, e, principalmente no Direito do Trabalho, pois o empregado
acidentado está temporária ou permanentemente, afastado das suas atividades laborais
habituais, a prejudicar sua subsistência e de seus dependentes.
2 DIA DO ACIDENTE DO TRABALHO
1
Não são consideradas como doenças do trabalho: a) a doença degenerativa; b) a inerente a grupo etário; c) a
que não produza incapacidade laborativa; d) a doença endêmica adquirida por segurado habitante de região
em que ela se desenvolva, salvo comprovação de que é resultante de exposição ou contato direto determinado
pela natureza do trabalho.
6
O dia do acidente do trabalho é considerado com o início da incapacidade laborativa para o exercício da atividade habitual; o dia da segregação compulsória; o dia em que
for realizado o diagnóstico. Valendo para esse efeito, o que ocorrer primeiro.
3 ACIDENTE DO TRABALHO NA ESFERA PREVIDENCIÁRIA
Para efeitos previdenciários, inicialmente, deve haver a comunicação do acidente
de trabalho, doença profissional ou morte decorrente do acidente do trabalho, à Previdência
Social, por meio do Comunicado de Acidente de Trabalho (CAT), preenchido em seis vias:
1ª via (INSS), 2ª via (empregador), 3ª via (segurado ou dependente), 4ª via (sindicato de
classe do trabalhador), 5ª via (Sistema Único de Saúde) e 6ª via (Delegacia Regional do
Trabalho).
A CAT pode ser emitida pelo empregador ou pelo empregado, seus dependentes,
entidade sindical, médico ou autoridade pública.
O empregador é obrigado a informar à Previdência Social os acidentes de
trabalho ocorridos com seus funcionários, mesmo que não haja afastamento das
atividades.Devendo, fazê-lo até o 1º (primeiro) dia útil seguinte ao da ocorrência do sinistro.
Em caso de morte, a comunicação deve ser imediata.
A empresa que não informar acidentes de trabalho está sujeita à multa.
7
No caso do empregador não emitir a CAT, o próprio empregado pode procurar
assistência do INSS ou solicitar ao Sindicato da sua categoria profissional que a expeça.
O empregado acidentado deverá ter o carimbo emitido pelo INSS, com a data do
acidente do trabalho, na sua Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS).
O acidentado e os seus dependentes2 têm direito, independentemente de
carência, às seguintes prestações:
•
quanto ao segurado:
- Benefício auxílio-doença;
- Benefício auxílio-acidente;
-Benefício aposentadoria por invalidez
•
quanto aos dependentes:
- Benefício pensão por morte.
•
quanto ao segurado - Benefício Auxílio-doença:
Após o acidente do trabalho, os 15 (quinze) primeiros dias, são pagos pelo
empregador.
Mas, se o empregado não se recuperar do acidente nos 15 (quinze) dias iniciais,
o mesmo passará a receber o benefício auxílio-doença, a contar do 16º (décimo sexto) dia
seguinte ao do afastamento do trabalho em conseqüência do acidente.
2
Os dependentes são: Classe 1: cônjuge, companheira (o) e o filho não emancipado, menor de 21 anos ou
inválido; Classe 2: os pais; Classe 3: o irmão (ã) , não emancipado, menor de 21 anos de idade ou inválido.
8
O valor do benefício auxílio-doença compreende a remuneração de 91% (noventa e um por cento) do salário-de-benefício3.
O auxílio-doença será pago pelo INSS ao empregado acidentado até a alta
médica4, quando deverá retornar aos seus serviços, na empresa onde foi acidentado.
•
quanto ao segurado - Benefício Auxílio-acidente:
O benefício auxílio-acidente é garantido pelo artigo 86, Lei n. º 8.213/91,
concedido ao empregado como forma de indenização previdenciária, pago pelo INSS,
quando o empregado retorna ao trabalho, e, ainda permanecerem seqüelas do acidente do
trabalho, causando incapacidade parcial.
O auxílio-acidente é devido a contar da data em que o empregado teve alta
médica para retornar ao serviço; e, por isso vincula-se ao empregado que estiver
trabalhando.
É vedada sua acumulação com qualquer aposentadoria.
O auxílio-acidente tem caráter vitalício, mensal e personalíssimo, representando
50% (cinqüenta por cento) do salário-de-benefício do segurado, pago todo mês, enquanto o
segurado acidentado viver; em caso de falecimento do segurado, não será transferido a seus
dependentes.
3
Salário-de-benefício é o salário pago ao segurado beneficiário do INSS. O valor é calculado com base nas
contribuições pagas pelo segurado, com base no tempo de contribuição, e, no fator previdenciário.
4
Alta médica ocorre quando cessa o tratamento da lesão provocada pelo acidente e o empregado sai do
benefício do auxílio-doença.
9
•
quanto ao segurado - Aposentadoria por Invalidez Acidentária:
Caso o acidente do trabalho acarrete invalidez permanente ao empregado, ou,
incapacidade de reabilitação para o exercício de atividade que lhe garanta subsistência
poderá se aposentar, mediante aposentadoria por invalidez acidentária, após perícia médica
do INSS, que atesta incapacidade para o retorno ao labor.
Terá valor igual a 100% (cem por cento) do salário-de-benefício, salvo se o
segurado esteja em gozo de auxílio-doença, receberá o valor deste.
Caso o segurado aposentado por invalidez acidentária volte a exercer atividade
remunerada, acarretará, automaticamente, no cancelamento da aposentadoria.
•
quanto aos dependentes- Pensão por Morte Acidentária:
O benefício da pensão por morte será devido aos dependentes5 do segurado
falecido, tendo como causa do óbito o acidente do trabalho.
A renda mensal da pensão por morte custará 100% (cem por cento) do valor da
aposentadoria recebida no momento do falecimento. Mas, seu valor nunca poderá ser
inferior à quantia do salário-mínimo, nem superior ao do limite máximo do salário-decontribuição.
4 ACIDENTE DO TRABALHO NA ESFERA TRABALHISTA
5
A pensão por morte será rateada em partes iguais entre todos os dependentes reconhecidos.
10
Frente ao Direito do Trabalho, o acidente do trabalho visa, além da comunicação
do acidente ao INSS, o pagamento pelo empregador dos primeiros 15 (quinze) dias após o
acidente do trabalho. O direito à estabilidade provisória do acidentado e uma função
compatível com a sua situação após o acidente, quando do retorno ao trabalho.
A contar da recuperação do empregado, com retorno ao serviço, será garantida a
estabilidade provisória do acidentado no emprego, a qual se faz em 12 (doze) meses.
Mesmo, se o empregado acidentado ficou com seqüelas, que alterem sua capacidade
laborativa, e, que não tenha recebido benefício auxílio-doença pelo INSS.
A estabilidade provisória é medida de inteira justiça ao empregado acidentado,
pois caso não existisse, certamente com a ocorrência do acidente do trabalho, haveria
conseqüentemente, dispensa do contrato de emprego, pela incapacidade laboral para
efetivação do serviço empregatício.
Ainda, tem-se que a estabilidade provisória gera o direito de reintegração ao
emprego, mas caso haja incompatibilidade quanto ao relacionamento entre o empregado e o
empregador, há conversão da reintegração em indenização. Sendo obrigatório, o pagamento
dos direitos trabalhistas frente ao período da estabilidade, como: remuneração pelos 12
meses de estabilidade ao emprego, adicionais, 13º salário, férias com 1/3, FGTS + 40%,
aviso prévio, entre outros.
Ressalta-se que também o Tribunal Superior do Trabalho, Súmulas n. º 378 e n. º
396, assegura o direito à estabilidade provisória a empregado acidentado no emprego.
11
Ademais, é relevante apresentar algumas implicações quando da ocorrência do
acidente do trabalho frente ao contrato de emprego, sendo-os:
•
Contrato de Emprego:
O tempo referente ao acidente do trabalho por determinação do artigo 4º, CLT é
considerado como tempo de serviço.
•
Férias:
O artigo 133, inciso IV, CLT dispõe que fará jus às férias, desde que o período
de afastamento por motivo de acidente do trabalho, não ultrapasse a 06 (seis) meses,
mesmo que descontínuos, durante o período aquisitivo.
•
Salário-Família:
É habitual frente à Previdência Social o requerimento do salário-família
juntamente com o auxílio-doença, por meio da CAT.
•
Aviso Prévio:
Há divergência ainda não pacificada na doutrina trabalhista, sobre o acidente do
trabalho ocorrido quando do cumprimento do aviso prévio. Primeira opinião doutrinária
regimenta quando do retorno do empregado ao emprego, continua a contagem dos dias
faltantes para o cumprimento total do aviso prévio; segunda opinião doutrinária
desconsidera o aviso prévio dado, já cumprido.
12
•
13º Salário – Gratificação Natalina:
Os primeiros 15 (quinze) dias do afastamento são considerados tempo de
serviço, para todos os efeitos legais, contarão normalmente para o cálculo do 13º salário.
A Súmula TST n. º 46 quanto aos dias posteriores ao 15º (décimo quinto) entende que as faltas ou ausências decorrentes de acidente do trabalho não é considerada para
efeito de cálculo da gratificação natalina.
•
FGTS – Fundo de Garantia por Tempo de Serviço:
O artigo 28, inciso III, Decreto n. º 99.684/90, dispõe durante o afastamento do
emprego pelo acidente do trabalho, é devido o depósito do FGTS.
5 ACIDENTE DO TRABALHO NA JUSTIÇA DO TRABALHO
A Justiça do Trabalho após a Emenda Constitucional n. º 45/04 passou a ser
competente para julgar causas atinentes aos acidentes do trabalho, conforme demonstra o
artigo 114, VI, CF/88, principalmente caso o empregado acidentado não seja assistido
adequadamente por sua empresa.
“Art. 114. Compete à Justiça do Trabalho processar e julgar”:
I - as ações oriundas da relação de trabalho,...
VI - as ações de indenização por dano moral ou patrimonial, decorrentes da
relação de trabalho.”
13
6 CONCLUSÃO:
Os empregados aferidos por acidente do trabalho ficam impedidos, temporária
ou provisoriamente, de laborar em sua atividade empregatícia, restando-lhe muitas vezes o
subemprego ou a marginalização total, e também de seus dependentes e familiares.
Desta maneira, é extremamente relevante que o profissional do Direito conheça
quais são as nuances jurídicas ligadas ao acidente do trabalho, principalmente nas esferas
Previdenciária e Trabalhista, a fim de alicerçar as garantias do empregado acidentado em
alicerces probantes, técnicos e jurídicos, para positiva solução do infortúnio laboral,
garantindo-lhe sua dignidade da pessoa humana.
RESUMEN
La ocurrencia de los accidentes de trabajo giran daños sociales inmediatos.
Primero, la valorización de la salud y de la integridad del empleado, dañando su trabajo.
Después sus dependientes pueden perder la base familiar. Tercero de la sustentación, para
los costes que ocurren las áreas sociales, principalmente en la salud y la asistencia social.
Palabras-clave: Accidente de Trabajo. Derecho Precidenciaro. Derecho
Brasileño
14
REFERÊNCIAS
CARRION, Valentim. Comentários à Consolidação das Leis Trabalhistas. 31 ª ed. São
Paulo: Saraiva, 2006.
MARTINS, Sérgio Pinto Martins. Direito da Seguridade Social. 23ª ed. São Paulo: Atlas,
2006.
________.Direito do Trabalho. 21ª ed. São Paulo: Atlas, 2005.
SALEM, Luciano Rossignolli & SALEM, Diná Ap. Rossignolli. Prática Forense nos
Acidente do Trabalho. 2ª ed. Campinas: Mizuno, 2004.
Fly UP