...

Trauma crânio-encefálico em cães

by user

on
Category: Documents
15

views

Report

Comments

Transcript

Trauma crânio-encefálico em cães
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS
ESCOLA DE VETERINÁRIA
Colegiado do Curso de Pós-Graduação
TRAUMA CRÂNIO-ENCEFÁLICO
EM CÃES: REVISÃO DE
LITERATURA
Stephanie Elise Muniz Tavares Branco
BELO HORIZONTE
ESCOLA DE VETERINÁRIA – UFMG
2011
0
Stephanie Elise Muniz Tavares Branco
TRAUMA CRÂNIO-ENCEFÁLICO EM
CÃES: REVISÃO DE LITERATURA
Monografia apresentada à Universidade Federal
de Minas Gerais como requisito parcial para
obtenção do grau de Especialista no Curso de
Pós-graduação Latu Sensu em Residência em
Medicina Veterinária.
Área de concentração: Clínica de Animais de
Companhia
Orientador: Prof. Rubens Antônio Carneiro
BELO HORIZONTE
ESCOLA DE VETERINÁRIA – UFMG
2011
1
2
3
AGRADECIMENTOS
À Deus, que me deu forças frente a todos os obstáculos.
À minha família que não somente me apoiou e acreditou em mim, mas também
compreendeu a ausência devido aos estudos e trabalho.
Ao Professor Rubens Antônio Carneiro, pela orientação e carinho desde a Graduação.
Aos amigos Bernardo de Caro Martins e Bruno Benetti Junta Torres, que pelo exemplo
e dedicação me fizeram apaixonar pela Neurologia Veterinária.
Aos amigos do Hospital Veterinário da UFMG, em especial aos Residentes, que além
de colegas de trabalho, se tornaram grandes amigos.
4
LISTA DE ABREVIATURAS
ATP – Adenosina trifosfato
BHE – Barreira hematoencefálica
BTF – Brain Trauma Foundation
CD – Craniotomia descompressiva
CI – Complacência intracraniana
ECMG - Escala de coma modificada de Glasgow
FSE – Fluxo sanguíneo encefálico
GC - Glicocorticóides
LCR – Líquido cefalorraquidiano
NO – Óxido nítrico
PaCO2 – Pressão parcial de dióxido de carbono arterial
PAM – Pressão arterial média
PaO2 – Pressão parcial de oxigênio arterial
PIA – Pressão intra-abdominal
PIC – Pressão intracraniana
PIO – Pressão intra-ocular
PPE – Pressão de perfusão encefálica
RM – Ressonância magnética
SARA – Sistema ativador reticular ascendente
SNC – Sistema Nervoso Central
TC – Tomografia computadorizada
TCE – Trauma crânio-encefálico
5
SUMÁRIO
LISTA DE ABREVIATURAS ..................................................................................................... 5
RESUMO ...................................................................................................................................... 7
1. INTRODUÇÃO ........................................................................................................................ 9
2. REVISÃO DE LITERATURA ............................................................................................... 10
2. 1 FISIOPATOLOGIA ......................................................................................................... 10
2.1.1 LESÃO PRIMÁRIA E LESÃO SECUNDÁRIA ...................................................... 10
2.1.2 DINÂMICA ENCEFÁLICA ...................................................................................... 12
2.2 AVALIAÇÃO CLÍNICA PRIMÁRIA ............................................................................. 14
2.3 AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA ..................................................................................... 15
2.3.1 ESCALA AVDN ........................................................................................................ 17
2.3.2 ESCALA DE COMA DE GLASGOW MODIFICADA ........................................... 17
2.4 DIAGNÓSTICO DO TRAUMA CRÂNIO-ENCEFÁLICO ............................................ 19
2.5 MONITORAÇÕES E METAS ......................................................................................... 20
2.5.1 PRESSÃO INTRACRANIANA, INTRA-ABDOMINAL E INTRATORÁCICA ... 20
2.5.2 PRESSÃO SISTÊMICA ............................................................................................ 22
2.5.3 TEMPERATURA ...................................................................................................... 23
2.5.4 GLICEMIA ................................................................................................................ 24
2.6 TRATAMENTO ............................................................................................................... 25
2.6.1 ESTABILIZAÇÃO EXTRACRANIANA ................................................................. 25
2.6.2 ESTABILIZAÇÃO INTRACRANIANA .................................................................. 28
2.6.3 PROCEDIMENTOS COMPLEMENTARES ............................................................ 32
2.7 COMPLICAÇÕES E PROGNÓSTICO ............................................................................ 35
3. CONSIDERAÇÕES FINAIS .................................................................................................. 37
4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .................................................................................... 38
6
RESUMO
O trauma crânio-encefálico (TCE), de alta morbidade e mortalidade, pode ter consequências
devastadoras ao animal. O aumento da pressão intracraniana (PIC) devido à exaustão da
complacência intracraniana e alteração do sistema encefálico de auto-regulação de pressão é
comum em casos de TCE, sendo uma causa frequente de morte e invalidez nestes casos. Os
pacientes podem apresentar sinais clínico-neurológicos variados, porém o exame clínico inicial
deve ser focado na identificação de anormalidades iminentes que colocam a vida do animal em
risco. A hipovolemia, hipotensão e hipoxemia devem ser reconhecidas e corrigidas
imediatamente por serem fortemente relacionadas com o aumento na PIC e na taxa de
mortalidade. Após a estabilização do animal, o exame neurológico completo deve ser realizado
com auxílio da Escala de Coma de Glasgow Modificada. O início precoce do tratamento é um
ponto crítico para a recuperação do paciente. Este tratamento é baseado na conduta realizada em
humanos, com diretrizes criadas em torno da manutenção da perfusão encefálica adequada,
correção da hipóxia e hipotensão, e controle da PIC. Abordagens complementares, como
medidas de enfermagem e nutrição adequada, são essenciais. As complicações podem ocorrer
em um momento próximo ao trauma ou após meses a anos. Este trabalho tem como objetivo a
revisão da fisiopatologia, abordagem emergencial, monitoração e tratamento adequados
associados ao TCE.
Palavras chave: trauma crânio-encefálico, cão, pressão intra-craniana, escala de coma de
Glasgow modificada
7
ABSTRACT
Head trauma occurs frequently in veterinary medicine, and with its high morbidity and mortality
the traumatic brain injury can cause devastating consequences on the animal. High intracranial
pressure is common in head traumas, and it is considered an important cause of death due to the
exhaustion of intracranial complacence and disruption of the encephalic pressure autoregulation. These patients may present a variety of clinical-neurologic signs, but the initial
assessment should be focused on identifying imminently life-threatening abnormalities.
Hypovolemia and hypoxemia should be immediately recognized and corrected since they are
highly associated with increase in the intracranial pressure and higher mortality rates. After the
animal is stable, complete neurologic assessment should be performed with the help of the
Modified Glasgow Coma Scale. Early treatment is a critical point to obtain patient recovery.
This treatment is based in human management, with guidelines created towards maintaining an
adequate encephalic perfusion, correction of hypoxia and hypotension, and control of
intracranial pressure. Complementary approaches, like nursing measures and adequate
nutritional support, are essential. Complications may occur in a time close to the trauma, or after
months or years. This paper aims at reviewing the physiopathology, emergency approach,
monitoring and adequate treatment associated with traumatic brain injury.
Key words: head trauma, dog, intracranial pressure, Modified Glasgow Coma Scale
8
1. INTRODUÇÃO
O trauma crânio-encefálico (TCE)
é um insulto resultante de forças mecânicas
externas aplicadas ao encéfalo e às
estruturas que o circundam, que geram lesão
estrutural e/ou interrupção da função
encefálica por lesões primárias e secundárias
(Thomas, 2010; Freeman & Platt, 2012).
Responsável por uma alta morbimortalidade, a causa mais freqüente em cães
é o atropelamento, porém chutes, mordidas,
projéteis, lesões por esmagamento, quedas e
feridas perfurantes também são relatadas
(Girling, 2004; Platt & Olby, 2004;
Armitage-Chan et al., 2006; Dewey &
Fletcher, 2008; Sande & West, 2010).
Segundo Fighera et al. (2008), 18,1% dos
cães atropelados apresentam traumatismo
crânio-encefálico.
O TCE pode ter conseqüências
devastadoras para o animal e está associado,
muitas vezes, com lesões multissistêmicas, o
que representa um desafio terapêutico
(Bagley, 2005; Hayes, 2009). O quadro
clínico desenvolvido em um animal
traumatizado depende da lesão inicial e dos
processos
patogênicos
secundários
desenvolvidos (Fernández & Bernardini,
2010).
Atualmente, o manejo de pacientes
com TCE se baseia na rápida estabilização,
diagnóstico e redução do desenvolvimento
de lesões encefálicas secundárias. A
intervenção
adequada
tem
efeito
significativo no resultado neurológico
(Swaminathan et al., 2009).
A recuperação do animal que
sofreu um TCE depende da gravidade de
suas lesões e da qualidade e rapidez com que
os cuidados veterinários foram instituídos. O
fator tempo é fundamental, de modo que
atrasos na administração da terapia adequada
podem reduzir ou anular a possibilidade de
recuperação do animal (Fernández &
Bernardini, 2010). Em geral, o óbito ocorre
devido ao aumento progressivo na pressão
intracraniana (PIC) com queda na pressão
arterial. A primeira abordagem do animal
após o evento traumático, com o objetivo de
se prevenir as alterações secundárias, irá,
provavelmente, ditar o resultado final obtido
(Platt, 2005; Dewey & Fletcher, 2008,
Machado et al., 2010).
Os animais podem se recuperar de
lesões encefálicas graves, desde que as
anormalidades sistêmicas e neurológicas
sejam prontamente identificadas (Platt,
2005). O conhecimento minucioso da
abordagem clínica do TCE irá auxiliar o
clínico a fornecer o tratamento adequado
(Rosonke & Legome, 2006).
Este trabalho tem como objetivo a
revisão da patofisiologia, abordagem
adequada, tratamento e novas terapias
associadas ao TCE.
9
2. REVISÃO DE LITERATURA
2. 1 FISIOPATOLOGIA
2.1.1 LESÃO PRIMÁRIA E LESÃO
SECUNDÁRIA
As lesões associadas com o TCE
podem, didaticamente, ser divididas em
primárias e secundárias. A primária ocorre
imediatamente após o impacto, iniciando
uma série de processos bioquímicos que
resultam na secundária. Ambas contribuem
para o aumento na PIC e influenciam a taxa
de morbidade e mortalidade associada ao
TCE (Gomes & Neutel, 2008; Dewey &
Fletcher, 2008; Sande & West, 2010).
A lesão encefálica primária
decorrente de um TCE resulta de um dano
traumático mecânico direto, e envolve o
rompimento de estruturas intracranianas no
momento do evento traumático (Girling,
2004; Rosonke & Legome, 2006; Dewey &
Fletcher, 2008; Sande & West, 2010). Estas
podem ser reduzidas ao se prevenir os
acidentes que as provocam, principalmente
através da domiciliação (Gomes & Neutel,
2008). É importante ressaltar para os
proprietários que a posse responsável
pressupõe a constante manutenção dos
animais em seus domicílios e que, quando a
passeio, estes devem ser controlados através
de coleiras e guias por uma pessoa capaz de
conduzi-los (Reichmann et al, 2000).
A extensão da lesão primária varia
de acordo com o tipo e a intensidade da
força de impacto (Braund, 2003; Dewey &
Fletcher, 2008). Dentre as lesões primárias,
tem-se o dano direto ao parênquima
encefálico, fraturas, hematomas, lacerações
e lesão axonal difusa. A lesão vascular direta
pode resultar em hemorragia intracraniana e
edema vasogênico. As fraturas cranianas
podem contribuir para o trauma contínuo ao
parênquima encefálico e vasos sanguíneos,
principalmente se estas forem instáveis. A
maioria dos cães com TCE não apresenta
fratura dos ossos cranianos, porém
desenvolve graus variáveis de hemorragia
(Gomes & Neutel, 2008; Fighera, 2008). As
lacerações são a forma mais grave de lesão
encefálica primária (Dewey & Fletcher,
2008; Sande & West, 2010).
A lesão encefálica secundária
ocorre imediatamente após a primária,
causada por uma combinação de eventos
vasculares, alterações físicas, bioquímicas e
eletrolíticas que exacerbam os efeitos
deletérios da lesão primária (Girling, 2004;
Swaminathan et al., 2009; Sande & West,
2010; Thomas, 2010; Freeman & Platt,
2012). Estas podem ter causas intracranianas
(ex. hematoma, edema encefálico, infecção)
ou extracranianas (ex. hipotensão, hipóxia,
hipercapnia, alterações de coagulação,
infecção) (Gomes & Neutel, 2008). Em
pacientes humanos, a mortalidade foi duas
vezes maior quando os efeitos deletérios das
lesões secundárias à hipóxia e hipotensão
estavam sobrepostos à lesão encefálica grave
(Braund, 2003). As principais causas de
lesão secundária estão representadas na
FIG.1.
A lesão encefálica traumática
resulta em ativação de várias vias
bioquímicas
interligadas
que
agem
perpetuando maiores danos e elevando a PIC
(Dewey & Fletcher, 2008; Sande & West,
2010). Estas lesões são mediadas pelo
aumento da atividade de neurotransmissores
excitatórios, geração de radicais livres e
produção de citocinas pró-inflamatórias
(Sande & West, 2010). As alterações
inflamatórias pós-traumáticas contribuem
para a degeneração neuronal (Roberts et al.,
2004). Imediatamente após o trauma, há
liberação massiva de neurotransmissores
excitatórios, principalmente o glutamato, o
que resulta em atividade metabólica
excessiva e depleção de adenosina trifosfato
(ATP) (Sande & West, 2010). A falha
energética causa alteração na homeostase
10
CAUSAS EXTRACRANIANAS CAUSAS INTRACRANIANAS









HIPOTENSÃO
HIPÓXIA
HIPERTERMIA
HIPERCAPNIA/HIPOCAPNIA
COAGULOPATIAS
INFECÇÕES
ANEMIA
HIPERGLICEMIA/HIPOGLICEMIA
VASOESPASMO






HEMATOMA
EDEMA ENCEFÁLICO
INFECÇÕES
HIPERTENSÃO INTRACRANIANA
CRISES EPILÉPTICAS
EFEITO COMPRESSIVO POR MASSA
Figura 1. Principais causas de lesão encefálica secundária. Adaptado de Swaminathan et al., 2009.
celular iônica e favorece o influxo repentino
e incontrolado de sódio e cálcio para os
neurônios. Desta forma, ocorre edema
celular (citotóxico) e despolarização. A
despolarização descontrolada gera maior
liberação de neurotransmissores excitatórios,
como o glutamato, para o meio extracelular.
Este neurotransmissor causa maior aumento
no nível de cálcio intracelular, o qual ativa
várias
enzimas
intracelulares
que
determinam dano intracelular grave e,
finalmente, morte celular (Dewey &
Fletcher, 2008; Sande & West, 2010).
Vários fatores induzem à produção
de radicais livres após o TCE, como a
acidose tecidual e a hipoperfusão, além de
metabólitos do ácido araquidônico, a
oxidação de catecolaminas e os neutrófilos
ativados.
Os
radicais
livres
são
particularmente nocivos às membranas
celulares com altos níveis de gordura poliinsaturada e colesterol. Uma vez que o
tecido encefálico é rico em lipídeos, ele é
particularmente sensível à lesão oxidativa,
que tem importante papel na lesão encefálica
secundária (Dewey & Fletcher, 2008; Sande
& West, 2010).
O TCE é associado com a
liberação de citocinas inflamatórias, seguida
de infiltração e acúmulo de células
inflamatórias. Estes mediadores perpetuam
lesões secundárias por meio da ativação das
cascatas de coagulação e do ácido
araquidônico, a qual altera a barreira
hematoencefálica (BHE) e induz à produção
de óxido nítrico (NO). O NO leva à
vasodilatação excessiva, com perda da
pressão de auto-regulação, além de
contribuir para os danos teciduais mediados
por radicais livres e glutamato (Sande &
West, 2010).
A maioria dos mediadores do dano
tecidual perpetua sua própria produção
continuada, assim como a de outros
mediadores. A manutenção de um ambiente
isquêmico perpetua os processos citados
acima, além de levar ao acúmulo de ácido
lático (via glicólise anaeróbica). O acúmulo
de ácido lático leva a maiores danos ao
tecido encefálico (Dewey & Fletcher, 2008).
A hipotensão e a hipoxemia,
condições extracranianas comuns no
paciente traumatizado, podem agravar a
isquemia encefálica, aumentando os eventos
responsáveis
pela
lesão
encefálica
secundária. O resultado final destes
processos secundários é o aumento da PIC
(Dewey et al., 2008). Outras contribuições
sistêmicas às lesões secundárias incluem
11
hipo ou hiperglicemia, e hipertermia (Sande
& West, 2010).
Ao contrário da lesão primária, na
secundária o clínico tem algum controle
sobre a lesão encefálica (Dewey & Fletcher,
2008). Por isso, o tratamento agressivo é
direcionado, predominantemente, à redução
da incidência, intensidade, duração e
impacto destas lesões (Girling, 2004;
Swaminathan et al., 2009; Sande & West,
2010).
2.1.2 DINÂMICA ENCEFÁLICA
A pressão intracraniana (PIC) é a
pressão exercida pelos tecidos e líquidos
dentro da calota craniana, e apresenta grande
importância devido aos seus efeitos sobre a
perfusão encefálica. Os valores normais da
PIC em cães variam de 5 a 12mmHg
(Braund, 2003; Platt & Olby, 2004; Dewey
& Fletcher, 2008).
O crânio é um compartimento
rígido que engloba três componentes: o
parênquima encefálico, sangue arterial e
venoso, e líquido cefalorraquidiano (LCR).
A doutrina de Monro-Kellie afirma que o
volume total dos conteúdos intracranianos
deve permanecer constante. Em situações
normais, estes componentes existem em um
estado de equilíbrio dinâmico, balanceado, e
o aumento em um destes pode, inicialmente,
ser compensado pelo deslocamento de partes
dos outros, para que a PIC não se eleve. Esta
acomodação
é
conhecida
como
complacência intracraniana (CI), obtida pela
compressão dos vasos encefálicos que
resulta em redução do volume sanguíneo
encefálico, redução do volume de LCR
através de aumento da reabsorção e
deslocamento deste em direção ao
compartimento espinhal, e redução na sua
produção. A complacência é expressa como
a alteração no volume por unidade de
alteração na pressão (Platt & Olby 2004;
Stocchetti et al., 2005; Dewey & Fletcher,
2008; Sande & West, 2010).
A CI tem limitações, e reduz à
medida que a PIC aumenta. Caso a PIC
aumente
além
destes
limites
de
compensação, a perfusão encefálica é
comprometida e ocorre isquemia do tecido
encefálico. O fluxo sanguíneo encefálico
(FSE) decresce, o que resulta em aumento
da concentração de dióxido de carbono
(CO2) que é percebido localmente pelo
centro vasomotor. Este centro inicia uma
resposta do sistema nervoso simpático,
levando a um aumento na pressão arterial
média (PAM), como tentativa de manter a
pressão de perfusão encefálica (PPE). A
hipertensão sistêmica é detectada por
barorreceptores, resultando em bradicardia
reflexa (reflexo de Cushing), a qual previne
dano tecidual resultante de hipertensão
grave, atuando como um mecanismo
protetor (Armitage-Chan et al., 2006; Sande
& West, 2010).
Uma vez ultrapassada esta
capacidade
compensatória,
pequenos
aumentos
no
volume
intracraniano
resultarão em elevações dramáticas da PIC,
e manifestação imediata de sinais clínicos
(Platt & Olby 2004). Episódios de aumento
na PIC, acompanhados de baixa PPE, são
associados com aumento na morbidade e
mortalidade (Helbok et al., 2010).
Nos casos de TCE grave, a CI
freqüentemente é rapidamente exaurida.
Caso a PAM decaia (hipotensão),
principalmente em associação à hipoxemia,
a vasculatura encefálica irá dilatar como
tentativa de preservar o fluxo sanguíneo. O
aumento no volume sanguíneo aumenta a
PIC, porém a PPE permanece inadequada.
Os processos autolíticos secundários que
ocorrem no tecido lesado são exacerbados
pela hipotensão e pela hipoxemia, o que
resulta em maiores danos encefálicos e
edema, e consequentemente em maior
aumento na PIC (Dewey & Fletcher, 2008).
O edema citotóxico resulta do
acúmulo de líquido em neurônios e
astrócitos secundário à hipóxia celular que
altera a função da membrana celular,
enquanto o vasogênico resulta de dano à
BHE, com acúmulo extracelular de líquido
(Lorenz et al., 2011). O edema encefálico,
12
seja vasogênico ou citotóxico, pode
aumentar a PIC rapidamente, reduzindo a
perfusão encefálica e, posteriormente,
exacerbando a hipóxia celular. Em pacientes
com TCE agudo, o edema citotóxico
secundário à hipóxia parece ser a forma mais
dominante. O encéfalo pode aumentar
dramaticamente de tamanho como resultado
do edema, assim como ocorre em casos de
hemorragia, podendo levar à herniação
(Braund, 2003).
A avaliação clínica do FSE é
difícil e, como resultado, a PPE, uma
variável mais facilmente apurada e
correlacionada clinicamente ao FSE, é usada
para predizer o risco do paciente para
isquemia encefálica (Armitage-Chan et al.,
2006). A PPE é o determinante primário do
fluxo
sanguíneo
encefálico
e,
conseqüentemente, da oxigenação e suporte
nutricional encefálico, sendo definida como
a diferença entre a PAM e a PIC (PPE =
PAM – PIC) (Dewey & Fletcher, 2008;
Sande & West, 2010).
A alta demanda metabólica
encefálica, associada à capacidade limitada
de armazenamento de substratos, faz com
que seja necessário manter o FSE dentro dos
valores normais. Em animais normais a PIC
permanece constante quando a PAM se
encontra entre 50 a 150mmHg, e o encéfalo
normal é capaz de manter o FSE contínuo.
Este processo é efetuado por uma série de
mecanismos que correlacionam alterações
na pressão sanguínea sistêmica com o tônus
da vasculatura encefálica, conhecidos como
auto-regulação da pressão encefálica
(Stocchetti et al., 2005; Armitage-Chan et
al., 2006; Dewey & Fletcher, 2008; Sande &
West, 2010).
Os vasos encefálicos respondem às
alterações na pressão sanguínea sistêmica,
viscosidade
sanguínea
e
demanda
metabólica, mantendo o FSE dentro de
valores adequados para suprir as demandas
metabólicas. Em casos de aumento da PAM,
ocorre vasoconstricção, e em casos de
redução da mesma ocorre vasodilatação
(Stocchetti et al., 2005; Armitage-Chan et
al., 2006; Dewey & Fletcher, 2008; Sande &
West, 2010). No animal normal, este
mecanismo previne que a PIC aumente pela
redução no FSE e decresça pelo aumento no
FSE (Armitage-Chan et al., 2006; Dewey &
Fletcher, 2008).
A auto-regulação química refere-se
à responsividade direta da vasculatura
encefálica à pressão parcial de dióxido de
carbono (PaCO2) no sangue arterial. A
elevação da PaCO2 causa vasodilatação
encefálica, enquanto sua redução causa
vasoconstrição. Ambas as formas de autoregulação freqüentemente permanecem
intactas após TCE grave em humanos, mas a
auto-regulação da pressão pode ser
comprometida em aproximadamente 30%
dos pacientes (Armitage-Chan et al., 2006;
Dewey & Fletcher, 2008).
Nos
casos
em
que
há
comprometimento
da
auto-regulação
encefálica, pressões sanguíneas sistêmicas
discretamente reduzidas, que, em situações
normais seriam consideradas seguras,
resultam em FSE notavelmente reduzido. A
dependência aumentada do FSE em relação
à PAM pode explicar o resultado pior
associado à hipotensão em animais com
TCE (Armitage-Chan et al., 2006; Dewey &
Fletcher, 2008; Sande & West, 2010).
A FIG.2 mostra, de forma
esquemática, a patofisiologia do TCE e sua
relação com o aumento da PIC.
13
Figura 2 - Patofisiologia do TCE e sua relação com aumento da PIC. Adaptado de Platt & Olby, 2004.
2.2 AVALIAÇÃO CLÍNICA
PRIMÁRIA
A avaliação física inicial do
paciente traumatizado deve ser focada nas
anormalidades iminentes que colocam a vida
do animal em risco (Platt & Olby, 2004;
Dewey & Fletcher, 2008). Para tal, deve-se
instaurar a sequência do “ABCD” do
trauma, sendo “D” relativo às disfunções
neurológicas (Assis, 2005; Gomes & Neutel,
2008; Dewey & Fletcher, 2008). Estudos em
humanos mostram que aproximadamente
60% dos pacientes com TCE apresentam
lesões concomitantes em outros órgãos vitais
(Sande & West, 2010).
Durante o exame clínico, é
recomendado avaliar temperatura corporal,
coloração e tempo de reperfusão das
mucosas, temperatura dos membros,
frequência e ritmo cardíaco, taxa e
característica
respiratória,
palpação
abdominal (buscar organomegalia, líquido,
gás ou sensibilidade), exame retal e
avaliação das fezes, exame de retina (avaliar
sinais de hipertensão ou sangramento) e
evidências de lacerações ou feridas (Bagley,
2005).
Informações
básicas
como
hematócrito, proteínas totais, uréia, glicose,
níveis de eletrólitos, e densidade urinária
devem fazer parte da avaliação inicial (Platt
& Olby, 2004; Dewey & Fletcher, 2008;
Sande & West, 2010).
É
importante
não
focar
primariamente no estado neurológico do
animal, uma vez que vários pacientes
traumatizados se encontram em estado de
choque hipovolêmico. Este paciente, sem
dano
neurológico
apreciável,
freqüentemente apresenta depressão do
14
estado mental, devido, principalmente, ao
estado hipotensivo. Uma vez corrigida a
volemia, o estado neurológico pode
melhorar (Platt & Olby, 2004; Platt, 2005;
Dewey & Fletcher, 2008).
A hipovolemia e a hipoxemia
devem ser reconhecidas e abordadas
imediatamente, uma vez que são fortemente
relacionadas com o aumento na PIC e o
aumento na taxa de mortalidade (Platt &
Olby, 2004; Dewey & Fletcher, 2008; Sande
& West, 2010).
Os pacientes com hipóxia foram
associados com risco 2 a 4 vezes maior de
morte, incapacidade grave, ou permanência
em estado vegetativo. A hipóxia é a
principal causa de lesão encefálica
secundária, e deve ser prontamente
revertida. O manejo precoce da via aérea
garante oxigenação, e reduz o risco de
comprometimento respiratório devido ao
edema encefálico secundário afetando o
centro da respiração (Platt & Olby, 2004;
Swaminathan et al., 2009).
A
disfunção
do
sistema
respiratório é frequentemente notada após o
TCE. Lesões concomitantes vistas incluem
pneumotórax, hemotórax, fraturas de
costela, e contusão pulmonar. O edema
pulmonar neurogênico pode ocorrer e,
apesar de geralmente ser auto-limitante nos
pacientes sobreviventes, com resolução em
horas a dias, ele pode causar grave dispnéia,
taquipnéia,
hipoxemia
e
ventilação
inadequada (Platt & Olby, 2004; Sande &
West, 2010).
Uma
vez
obtida
oxigenação/ventilação
adequadas
e
normovolemia, o paciente deve ser avaliado
minuciosamente em busca de lesões a outros
sistemas corporais (pulmões, órgãos
abdominais, sistema músculo-esquelético),
assim como ao sistema nervoso (como
fraturas vertebrais, luxações vertebrais ou
fraturas cranianas). Em seguida, pode-se
considerar a realização de exame
neurológico completo (Platt & Olby, 2004;
Bagley, 2005; Dewey & Fletcher, 2008;
Sande & West, 2010).
A terapia específica para o TCE
deve ser iniciada juntamente com a
avaliação secundária. Novas avaliações
sanguíneas e realização de radiografias são
necessárias. A obtenção de imagens do
crânio e encéfalo dos pacientes que não
respondem à terapia agressiva, ou nos que
deterioram após esta terapia, é indicada com
frequencia (Dewey & Fletcher, 2008; Sande
& West, 2010).
2.3 AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA
O exame neurológico completo e
minucioso deve ser realizado em todos os
animais que sofreram TCE, independente se
déficits neurológicos foram inicialmente
observados ou não (Lorenz et al., 2011).
Uma grande variedade de sinais
clínicos compatíveis com uma síndrome
multifocal geralmente é esperada em
animais com TCE, pois as lesões podem
estar dispersas em vários níveis do encéfalo.
Alguns
animais
podem
aparentar
completamente normais após curto período
de inconsciência. Outros, porém, podem
estar em estado comatoso, estupor, delírio
ou depressão. Os sinais clínicos podem
variar desde uma deficiência neurológica
discreta
até
um
comprometimento
neurológico que coloca a vida do paciente
em risco (Syring et al., 2001; Braund, 2003).
A avaliação neurológica inicial
deve incluir a avaliação do estado de
consciência do paciente (Escala AVDN),
padrão
respiratório,
tamanho
e
responsividade da pupila, posição e
movimento ocular, tônus muscular, testes
proprioceptivos, avaliação dos nervos
cranianos e espinhais, e busca por possível
foco de dor (Bagley, 2005; Sande & West,
2010).
Para que as decisões terapêuticas
sejam tomadas de forma lógica, e para
correta avaliação de possível deterioração ou
melhora, é necessário um mecanismo
objetivo de pontuação (Platt & Olby, 2004;
Sande & West, 2010). Os resultados devem
ser registrados, para posterior comparação
15
com os exames subseqüentes. A Escala de
Coma de Glasgow Modificada e a Escala
AVDN, variáveis associadas à perfusão e
transporte de oxigênio, devem ser utilizadas
para avaliação periódica do nível de
consciência
e
possíveis
disfunções
neurológicas (Bagley, 2005; Assis, 2005;
Gomes & Neutel, 2008; Rabelo, 2008).
O nível de consciência é a
mensuração empírica mais confiável da
função encefálica comprometida após um
TCE, fornecendo informações sobre
capacidade funcional do córtex encefálico e
do sistema ativador reticular ascendente
(SARA) no tronco encefálico (Braund,
2003; Sande & West, 2010). Níveis
decrescentes de consciência indicam função
anormal do córtex encefálico, ou
interferência com a transmissão de estímulo
sensorial pelo tronco encefálico ou SARA.
Pacientes em coma geralmente apresentam
anormalidade encefálica bilateral ou global,
ou lesão grave do tronco encefálico, tendo
prognóstico reservado (Sande & West,
2010). A redução do nível de consciência
pode estar relacionada com queda na
oxigenação e/ou na perfusão encefálica, o
que implica em imediata reavaliação da
ventilação, oxigenação e perfusão (Assis,
2005).
Alterações
na
postura
são
frequentes após um TCE. A presença de
opistótono com hiperextensão dos quatro
membros
é
sugestivo
de
rigidez
descerebrada (lesão mesencefálica) ou dano
cerebral. Na rigidez descerebelada, ou dano
cerebelar, é possível observar opistótono,
membros torácicos rígidos e, em geral,
flexão dos membros pélvicos. A principal
diferença entre lesão cerebral e cerebelar é,
porém, o estado mental do animal. O dano
ao SARA no mesencéfalo, como é visto no
paciente descerebrado, resulta em estado
comatoso, associado com prognóstico ruim
(Braund, 2003; Fernandéz & Bernardini,
2010; Sande & West, 2010).
Animais traumatizados podem
apresentar atividade motora espontânea,
voluntária ou involuntária. Em geral,
maiores movimentos voluntários estão
associados com melhor prognóstico. Por
outro lado, atividade motora involuntária é
sinal de estado epiléptico, com agravamento
da situação (Fernandéz & Bernardini, 2010).
O exame neuro-oftalmológico é a
base da categoria de reflexos do tronco
encefálico.
Pupilas
adequadamente
responsivas à luz indicam função adequada
do tronco encefálico rostral, quiasma óptico,
nervos ópticos e retina (Sande & West,
2010). Com o aumento na PIC, há pressão
sobre o nervo oculomotor, resultando em
alterações pupilares (Marik et al., 1999).
A presença de miose grave
bilateral é um sinal clínico de alteração
encefálica aguda difusa que, por si só, pode
não ter valor na localização da lesão. O
retorno das pupilas ao tamanho normal,
responsivas à luz, é um sinal clínico de
prognóstico
favorável,
indicando
recuperação do trauma. A progressão de
pupilas bilateralmente mióticas para
bilateralmente midriáticas irresponsivas à
luz é sinal clínico de prognóstico pobre, uma
vez que indica hemorragia ou edema
secundário avançando para o tronco
encefálico. A mesma alteração pupilar pode
ocorrer após edema encefálico e herniação
(DeLahunta & Grass, 2009; Sande & West,
2010).
A herniação é associada com
incapacidade grave e morte se não tratada
imediata e agressivamente (Sande & West,
2010). Após um TCE, alterações pupilares
podem ocorrer a cada hora, devendo ser
continuamente avaliadas para determinar se
a lesão está progredindo ou se o tratamento
está sendo efetivo (DeLahunta & Grass,
2009). A FIG.3 mostra a relação do aspecto
pupilar com o prognóstico pós TCE e
possível dano ao sistema nervoso.
16
Figura 3 - Tamanho pupilar em associação ao TCE. Adaptado de DeLahunta & Grass, 2009.
Outras possíveis manifestações
após o TCE incluem cegueira, que pode ser
transitória ou permanente, déficits de vários
nervos
cranianos
(ex.
estrabismo
ventrolateral devido a dano ao oculomotor),
sinais vestibulares e/ou cerebelares, e
respiração anormal (Braund, 2003). A FIG.4
demonstra alguns padrões respiratórios
anormais que podem ser vistos em animais
com TCE.
A
ocorrência
de
possíveis
alterações neurológicas permanentes, ou
sequelas, somente pode ser avaliada após, no
mínimo, seis meses (Girling, 2004).
2.3.1 ESCALA AVDN
A escala AVDN é uma escala de
avaliação da consciência que pode ser usada
para se classificar o estado clínico geral do
animal. Esta apresenta pontuação de 1 a 4:
1- Alerta (A), 2- Responsivo a estímulo
verbal (V), 3- Responsivo a estímulo
doloroso (D), e 4- Não responde a nenhum
estímulo (N). Existe uma relação
significativa entre este parâmetro e a taxa de
sobrevivência nas primeiras 24 horas, 7 dias
e 28 dias após o trauma, em que quanto
menor a pontuação, maior a taxa de
sobrevivência (Rabelo, 2008).
2.3.2 ESCALA DE COMA DE
GLASGOW MODIFICADA
Em humanos, a lesão encefálica
traumática é classificada em discreta,
moderada e grave de acordo com um sistema
objetivo de pontuação, a Escala de Coma de
Glasgow (Sternbach, 2000; Platt & Olby,
2004; Sande & West, 2010). Esta foi criada,
inicialmente, para mensurar a melhora ou a
deterioração neurológica, e predizer o
resultado neurológico final, porém hoje
também é utilizada como indicador clínico
do tratamento. Uma das suas limitações é a
17
PADRÃO DE “CHEYNE-STOKES”


Caracterizado por períodos de hiperventilação seguidos por períodos de apnéia.
Frequentemente associado com danos em estruturas corticais encefálicas profundas, gânglios
basais, cápsula interna ou diencéfalo.
HIPERVENTILAÇÃO CENTRAL NEUROGÊNICA


Respiração rápida e irregular, com frequência de aproximadamente 25 movimentos por minuto.
Lesão na ponte e mesencéfalo inferior; acidose; hipóxia encefálica.
RESPIRAÇÃO APNEUSTICA



Inspiração prolongada, seguida de expiração e fase de apnéia.
Lesão no tronco encefálico inferior (bulbo)
Prognóstico desfavorável
HIPOVENTILAÇÃO ALVEOLAR CENTRAL


Ventilação superficial e lenta, porém regular.
Vista com frequência em lesões do bulbo.
Figura 4. Padrões respiratórios anormais que podem resultar do TCE (Braund, 2003; Fernández & Bernardini, 2010).
falha em incorporar reflexos do tronco
encefálico (Sternbach, 2000).
Para seu uso em veterinária, uma
versão modificada da mesma foi proposta, a
Escala de Coma de Glasgow Modificada
(ECGM) (TAB.1). Esta permite graduar o
estado neurológico inicial do paciente e a
monitoração em série, além de facilitar a
estimativa de prognóstico. A ECGM
incorpora três categorias de exame
neurológico: o nível de consciência, a
atividade motora e os reflexos do tronco
encefálico. Cada categoria pode receber uma
pontuação de 1 a 6 pontos, totalizando de 3 a
18 pontos, sendo o melhor prognóstico
associado à maior pontuação (Platt & Olby,
2004; Sande & West, 2010). Devido à
limitação de dados disponíveis que
correlacionam a sobrevivência com uma
pontuação numérica, a ECGM é melhor
utilizada como meio de avaliação objetiva
da progressão dos sinais neurológicos, ao
invés de um indicador de prognóstico
(Sande & West, 2010).
Discute-se qual o melhor momento
para se iniciar este tipo de avaliação. A
avaliação precoce após a lesão pode ser
problemática, uma vez que o paciente pode
apresentar
estado
neurológico
com
depressão generalizada sem correlação com
a gravidade da lesão encefálica e com o
resultado final. Um intervalo deve ser dado
para que fatores além da lesão encefálica
possam ser controlados, como a hipóxia ou a
hipotensão (Sternbach, 2000).
18
Tabela 1. Escala de Coma de Glasgow Modificada
ATIVIDADE MOTORA
Deambulação normal, reflexos espinhais normais
Hemiparesia, tetraparesia ou rigidez decerebrada
Decúbito, rigidez extensora intermitente
Decúbito, rigidez extensora constante
Decúbito, rigidez extensora constante com opistótono
Decúbito, hipotonia muscular, diminuição ou ausência dos reflexos espinhais
REFLEXOS TRONCO ENCEFÁLICO
Reflexo pupilar à luz e reflexo óculo-cefálico normais
Reflexo pupilar à luz reduzido e reflexo óculo-cefálico normal a reduzido
Míose irresponsiva bilateral com reflexo óculo-cefálico normal a reduzido
Pupilas pontuais com reflexo óculo-cefálico reduzido a ausente
Midríase irresponsiva unilateral com reflexo óculo-cefálico reduzido a ausente
Midríase irresponsiva bilateral com reflexo óculo-cefálico reduzido a ausente
NÍVEL DE CONSCIÊNCIA
Períodos ocasionais de alerta e responsivo ao ambiente
Depressão ou delírio; capacidade de responder, porém resposta é inapropriada
Semi-comatoso; responsivo a estímulo visual
Semi-comatoso; responsivo a estímulo auditivo
Semi-comatoso; responsivo somente a repetidos estímulos nocivos
Comatoso; irresponsivo a repetidos estímulos nocivos
Pontuação
6
5
4
3
2
1
6
5
4
3
2
1
6
5
4
3
2
1
Adaptado de Platt & Olby, 2004.
2.4 DIAGNÓSTICO DO TRAUMA
CRÂNIO-ENCEFÁLICO
O diagnóstico inicial geralmente é
dado de acordo com o histórico relativo ao
acidente e com o exame clínico do animal.
Os métodos avançados de diagnóstico por
imagem devem ser indicados nos pacientes
que não respondem à terapia médica
adequada, ou naqueles que apresentam
deterioração após terem, inicialmente,
demonstrado resposta positiva (Braund,
2003; Platt & Olby, 2004; Sande & West,
2010).
As
radiografias
do
crânio
provavelmente
não
demonstrarão
informações clínicas úteis em relação à lesão
encefálica, mas ocasionalmente podem
revelar a presença de fraturas com depressão
da calvária (Platt & Olby, 2004; Dewey &
Fletcher, 2008; Sande & West, 2010).
A tomografia computadorizada
(TC) é a primeira escolha para a obtenção de
imagens da cabeça em casos de TCE (Platt
& Olby, 2004; Dewey & Fletcher, 2008;
Swaminathan et al., 2009; Sande & West,
2010). Com esta técnica, as imagens são, em
geral, obtidas com maior rapidez em
comparação com o uso da ressonância
magnética (RM), além de permitir que os
pacientes
sejam
monitorados
mais
adequadamente, uma vez que na RM é
necessário grande campo magnético, o que
dificulta esta monitoração. Os pacientes com
TCE discreto podem exibir anormalidades
na TC, o que demonstra que a decisão inicial
de realização da TC não se baseia somente
no exame neurológico. É importante
ressaltar que as hemorragias agudas e
estruturas ósseas são melhor visualizadas na
TC (Platt & Olby, 2004; Dewey & Fletcher,
2008; Sande & West, 2010). Por outro lado,
a
RM
pode
fornecer
informação
fundamental à determinação do prognóstico,
devido à sua capacidade de detectar dano
parênquimal sutil, não visualizado na TC
(Platt & Olby, 2004).
As radiografias da região espinhal
cervical devem ser realizadas no momento
19
da obtenção de qualquer imagem do crânio
para que lesões espinhais concomitantes
possam ser descartadas. As radiografias
torácicas auxiliam na detecção de trauma
pulmonar e cardíaco (Platt & Olby, 2004).
A coleta de LCR raramente é
necessária, e pode ser, na realidade,
contraindicada e prejudicial em animais com
aumento da PIC devido ao risco de
herniação encefálica (Braund, 2003; Bagley,
2005).
2.5 MONITORAÇÕES E METAS
É possível minimizar as lesões
isquêmicas secundárias a uma lesão
encefálica aguda ao se controlar a PIC, PPE,
FSE, pressão sanguínea, temperatura e PaO2.
A microdiálise encefálica é uma técnica com
crescente utilização em humanos para
mensuração dos níveis de glicose, lactato,
piruvato e glicerol no encéfalo de pacientes
com TCE grave. A isquemia encefálica pode
ser detectada com base nas alterações destes
metabólitos, e os resultados obtidos podem
guiar a terapia utilizada (Cecil et. al., 2011).
Em humanos, a monitoração vigilante da
PAM e PIC para a manutenção da PPE é
prática já estabelecida (Braund, 2003).
Em estados isquêmicos e de
hipóxia,
a
glicose
é
convertida
primariamente em lactato, resultando em
redução nos níveis de piruvato. Desta forma,
o piruvato e o lactato são excelentes
marcadores de falha energética encefálica,
sendo recomendada a utilização da relação
lactato:piruvato. Em condições anaeróbicas,
a PaO2 e o nível de glicose decrescem,
enquanto a razão lactato:piruvato aumenta
(Cecil et al., 2011). Após um TCE grave, há
frequente elevação nos níveis de lactato no
LCR, e este aumento na formação encefálica
de lactato pode ser detectada pela coleta de
amostras de sangue venoso na jugular.
Segundo Robertson et al. (1999), citado por
Stocchetti et al.(2010), a quantidade de
lactato aumenta em proporção à gravidade
do trauma encefálico.
Níveis elevados de glicerol
também indicam falha na bioenergia celular.
Devido à falta de ATP, canais de cálcio não
são mantidos, e influxo celular de cálcio
ocorre. Este influxo ativa fosfolipases,
fazendo com que os fosfolipídios da
membrana
celular
sejam
clivados
enzimaticamente, levando a concentrações
anormalmente altas de glicerol (Cecil et al.,
2011).
Durante a monitoração e o
tratamento do animal, algumas metas devem
ser estabelecidas, as quais são apresentadas
na TAB.2.
2.5.1 PRESSÃO INTRACRANIANA,
INTRA-ABDOMINAL
E
INTRATORÁCICA
O aumento na PIC é considerado a
causa mais frequente de óbito e invalidez em
casos de TCE, e se torna uma preocupação
comum, uma vez que prejudica o FSE e é
associada com isquemia e hipóxia (Lubillo
et al., 2009; Cecil et al., 2011).
A
hipertensão intracraniana é associada com a
redução na PPE e com o baixo FSE, a causa
subjacente de falha energética celular. A
PIC aumentada e a PPE reduzida geralmente
resultam em morbidade neurológica
marcante e resultado desfavorável. Segundo
a Brain Trauma Foundation, a monitoração
da PIC é o padrão ouro para monitoração de
TCE de modo a guiar o tratamento (Cecil et
al., 2011).
A monitoração da PIC em
pacientes humanos com TCE é um
procedimento padrão, porém somente
recentemente é avaliada na veterinária (Platt
et al., 2005; Dewey & Fletcher., 2008). Esta
pode ser utilizada para guiar a terapia,
limitar os aumentos na PIC, auxiliar na
detecção precoce de lesões (como hematoma
epidural ou subdural) e na determinação de
prognóstico, ou permitir cálculo e
manutenção da PPE (Girling, 2004).
20
Tabela 2. Metas estabelecidas durante tratamento de animal com TCE.
PARÂMETRO
META
Exame neurológico
Pressão sistólica
ECGM>17
AVDN: A
Acima de 100mmHg
Gasometria
PO2 ≥ 80mmHg
PCO2 < 35-40mmHg
Oximetria de pulso (PO2)
PO2 ≥ 95%
Frequência cardíaca e ritmo
Evitar taquicardia, bradicardia e arritmia
Pressão venosa central
5-12cm H2O
Frequência respiratória
10-25/min
Temperatura retal
Hipotermia controlada (37 - 38,5 oC)
Glicemia
72-108 mg/dL
PIC
5-12 mmHg
Adaptado de Platt & Olby, 2004 e Machado et al., 2010.
Decisões médicas e cirúrgicas
baseadas na mensuração da PIC, ao invés
dos achados neurológicos subjetivos,
reduzem a morbidade e mortalidade em
pacientes humanos com TCE (Platt & Olby,
2004; Dewey & Fletcher, 2008; Sande &
West, 2010). O uso de sinais clínicos para
guiar a terapia apresenta a desvantagem da
lesão adicional já ter ocorrido (a terapia se
torna reativa, ao invés de antecipada)
(Hayes, 2009).
Os achados iniciais comuns na
presença de hipertensão intracraniana
incluem dor de cabeça, perda de
consciência,
fraqueza,
redução
da
sensibilidade nas extremidades, dificuldade
de deglutição e estado mental alterado
(Marik et al., 1999). Pode ocorrer, também,
bradicardia reflexa devido ao reflexo de
Cushing (Armitage-Chan et al., 2006; Sande
& West, 2010).
Os pacientes com TCE grave e PIC
alta têm prognóstico pior do que aqueles
com PIC normal, e devem ser monitorados
com tomografia computadorizada para
visualizar a presença de hematomas,
contusões, edema ou compressão da cisterna
basal. Em humanos, a PIC crítica, na qual
ação deve ser tomada para limitar maiores
aumentos, varia entre 15 e 30mmHg, porém
20mm Hg é aceitável como o limiar para o
tratamento (Girling, 2004).
O alto custo de sistemas de
monitoração com fibra óptica, além do
conhecimento técnico necessário para sua
colocação, limita o seu uso na medicina
veterinária. Um sistema epidural de
monitoração da PIC barato e facilmente
implantável foi avaliado em gatos, com
eficácia comparável ao sistema de fibra
óptica (Platt & Olby, 2004; Dewey &
Fletcher, 2008; Sande & West, 2010). O
doppler transcraniano pode ser utilizado para
mensurar o índice de resistência do fluxo
sanguíneo na artéria basilar (mensuração
21
indireta da PIC em cães) (Platt & Olby,
2004; Dewey & Fletcher, 2008).
A PIC pode ser monitorada a partir
de vários locais com uma variedade de
aparelhos. O monitor intraparenquimal é
associado com menor risco de infecções
intracranianas, ao contrário do catéter
intraventricular. Por outro lado, com o
catéter é possível retirar LCR, fornecendo
método alternativo de controle da PIC. O
catéter subdural ou epidural tem sido usado,
porém apresenta risco de infecção sem o
benefício potencial de aspiração de LCR. A
região preferida para o monitor é o lobo
frontal direito (hemisfério não dominante,
mínimo de tecido encefálico essencial). A
interpretação das leituras de pressão pode
ser dificultada se o sítio escolhido estiver no
meio de uma contusão em expansão
(Girling, 2004).
Uma forma não invasiva de
monitoração da PIC é benéfica. A aferição
da pressão intra-ocular (PIO), um
procedimento simples e fácil de ser
realizado, pode ser correlacionada com a
PIC
obtida
através
de
transdutor
intraparenquimal,
principalmente
em
situações em que a PIC se encontra elevada.
A tonometria é considerada um bom teste de
triagem em relação à mensuração da PIC
desde que a PIO de 20cmH20 seja
considerada como ponto de corte, apesar de
não substituir o método invasivo em casos
de monitoração intensiva. Em crianças, este
teste apresentou especificidade de 97%
(Spentzas et al., 2010).
A avaliação da pupila com uma
lanterna é um modo subjetivo padrão de se
avaliar a responsividade pupilar e o status do
sistema nervoso e encéfalo. Alterações na
constrição e dilatação da pupila à luz podem
ser quantitativamente avaliadas com um
pupilômetro, o qual utiliza um estimulo
luminoso e rápida fotografia em tempo real
para mensurar a abertura máxima e mínima
e velocidade da constrição das pupilas.
Embora este seja um aparelho relativamente
novo, testes preliminares em humanos
sugeriram que a velocidade de constrição
abaixo de 0,8mm/segundo indica aumento
no volume encefálico, e abaixo de
0,6mm/segundo
sugere
aumento
problemático na PIC (Cecil et al., 2011).
A avaliação do diâmetro da bainha
do nervo óptico através de ultrassom é um
procedimento preciso que permite avaliar e
monitorar a PIC elevada. Este método
apresenta a vantagem de ser simples, não
invasivo e poder ser repetido múltiplas vezes
para reavaliação. A obtenção de diâmetros
acima do valor de referência considerado
normal é altamente sugestiva de aumento na
PIC (Newman et al., 2002; Beare et al.,
2008).
Alterações na pressão intraabdominal (PIA) devem ser controladas. O
aumento na PIA causa alterações
fisiológicas no sistema nervoso central
devido ao aumento progressivo na PIC. Uma
vez corrigida a hipertensão abdominal, a PIC
retorna aos seus valores normais, e a PPE
aumenta (Villaça & Mantovani, 2006).
Existem duas hipóteses que
explicam a relação entre o aumento da PIA e
da PIC. Segundo a primeira, o aumento na
PIA causa uma redução no fluxo sanguíneo
das veias lombares com consequente
aumento na pressão no canal medular. Esta
pressão será transmitida ao compartimento
intracraniano. Por outro lado, a segunda
hipótese defende que o aumento na pressão
intratorácica gerado pela elevação do
diafragma e impedimento do retorno
sanguíneo venoso encefálico, os quais
ocorrem como resultado do aumento na PIA,
causa o aumento na PIC (Villaça &
Mantovani, 2006).
2.5.2 PRESSÃO SISTÊMICA
A pressão sanguínea arterial
sistêmica ou média é um importante
parâmetro a ser monitorado, uma vez que
está intimamente relacionado com o FSE e a
PPE, além de poder ser avaliada
regularmente e facilmente através de
monitores indiretos (Platt, 2005).
22
A pressão sanguínea deve ser
avaliada cuidadosamente, uma vez que a
hipotensão sistêmica é freqüente em
pacientes com TCE, sendo considerada um
indicador primário da recuperação final em
pacientes humanos. A hipotensão leva à
redução do FSE e da PPE, e à hipóxia e
isquêmica tecidual (Braund, 2003). Quando
a auto-regulação está funcional, grandes
alterações na PAM não levam a alterações
significativas no FSE. Por outro lado, se esta
estiver alterada, a pressão sanguínea
descontrolada causa alterações na PIC, PPE
e FSE (Cecil et al., 2011).
Um episódio único de hipotensão
tem efeito negativo direto sobre o resultado
final após um TCE. Tentativas vigorosas
devem ser realizadas para se manter a
pressão sanguínea no intervalo normal,
inicialmente através de ressuscitação com
fluidoterapia, e depois através de agentes
vasopressores. Não há evidência suficiente
que recomende fortemente um agente
vasopressor em relação a outro (Girling,
2004; Platt & Olby, 2004). É importante
ressaltar que a PIC elevada deve ser tratada
agressivamente antes do uso de drogas que
auxiliam na regulação da pressão sanguínea
(Platt & Olby, 2004).
2.5.3 TEMPERATURA
O aumento na temperatura
corporal e encefálica é associado com o
aumento do FSE, da demanda encefálica
metabólica de oxigênio e da utilização de
oxigênio, resultando em aumento na PIC e
potencial isquemia encefálica. Evitar a
hipertermia deve ser, desta forma, um dos
pilares do tratamento de TCE. A utilização
de antipiréticos farmacológicos ou medidas
de resfriamento de superfície pode ser
necessária (Girling, 2004).
Atualmente, acredita-se que a
hipotermia induzida fornece benefício
através da redução na liberação de
neurotransmissores excitatórios, como o
glutamato. Ela pode, também, reduzir a
lesão secundária pela inibição da resposta
inflamatória pós-traumática, incluindo a
redução na liberação de citocinas
inflamatórias e preservação da BHC (Sande
& West, 2010). A hipotermia controlada
atua na normalização da PIC e redução do
metabolismo neuronal (Hayes, 2009). De
acordo com a Brain Trauma Foundation, a
hipotermia induzida realizada nas primeiras
48 horas após o trauma pode reduzir a
mortalidade (Cecil et al., 2011).
Hayes (2009) relata uma redução
na freqüência e intensidade de crises
epilépticas sem controle farmacológico,
resolução da acidose metabólica e retorno à
normoglicemia após hipotermia induzida em
um cão com TCE, na qual a temperatura
retal foi mantida em 35 oC.
Um estudo clínico em humanos
demonstrou menor tempo de tratamento e
melhor resultado neurológico nos pacientes
com TCE grave tratados durante 24 horas
com hipotermia moderada em comparação
com o controle normotérmico. Por outro
lado, um estudo da National Acute Brain
Injury Study não demonstrou efeito benéfico
da hipotermia induzida (Sande & West,
2010).
Em ratos, a normotermia e a
hipotermia moderada (33oC) resultaram em
decréscimo marcante nos níveis de
glutamato encefálico, um metabólito
liberado durante falha energética tecidual
(Cecil et al., 2011).
É importante lembrar que tremores
musculares desviam oxigênio do encéfalo
lesionado, podendo ser necessário seu
controle
com
agentes
sedativos,
minimizando o consumo de oxigênio (Cecil
et al., 2011).
Uma vez que não há prova
consistente da influência positiva da
hipotermia profilática na mortalidade e
morbidade, esta não pode ser recomendada
como terapia padrão em pacientes com TCE.
Por outro lado, a hipertermia, que pode
ocorrer devido a trauma direto no centro
termorregulatório,
excitação,
atividade
epiléptica, dor ou causas iatrogênicas, deve
23
ser evitada, necessitando de tratamento
imediato, uma vez que aumenta o
metabolismo celular e a vasodilatação,
aumentando a PIC (Girling, 2004; ArmitageChan et al., 2006; Sande & West, 2010).
As
desvantagens
potenciais
induzidas
pela
hipotermia
incluem
desordens de coagulação, aumento na
susceptibilidade a infecções, resistência à
insulina, acidose metabólica, hipotensão,
bradicardia e arritmias, as quais são mais
típicas em hipotermia grave (Hayes, 2009;
Sande & West, 2010).
2.5.4 GLICEMIA
Embora tenha somente 2% do peso
do corpo, o encéfalo recebe 15% do débito
cardíaco em repouso, consome 20% do
oxigênio e utiliza 25% da glicose corporal
total. Desta forma, a glicose e o oxigênio
devem ser transportados de forma contínua
para este órgão. Uma vez dentro das células
encefálicas, a glicose pode ser utilizada para
produção imediata de energia, armazenada
como substrato energético, ou utilizada na
produção de neurotransmissores de acordo
com as demandas do encéfalo (Loose et al.,
2008).
O
encéfalo
necessita,
obrigatoriamente, de glicose para exercer
adequadamente seu metabolismo oxidativo e
suas funções (Cyer et al., 2003; Girling,
2004). Uma vez que este órgão não sintetiza
e nem armazena glicose suficiente para mais
do que alguns minutos de estoque, ele se
torna extremamente dependente de um
fornecimento contínuo de glicose pela
circulação sanguínea. À medida que a
glicemia arterial cai abaixo do limite
fisiológico, o transporte de glicose do
sangue para o encéfalo se torna limitante
para o metabolismo encefálico e, em ultima
instância, para a sobrevivência devido aos
seus potenciais efeitos devastadores (Cryer
et al., 2003).
A hiperglicemia é associada com o
aumento no metabolismo encefálico e, uma
vez que o FSE está reduzido após o trauma,
com presença de isquemia, há como
resultado um metabolismo anaeróbico
adicional, limitado e ineficiente, como
tentativa de manter a produção energética
(Syring et al., 2001; Girling, 2004). A
hiperglicemia aumenta a produção de
radicais livres, a liberação de aminoácidos
excitatórios, o edema e a acidose encefálica,
além de alterar a vasculatura encefálica
(Syring et al., 2001; Sande & West, 2010;
Lorenz et al., 2011).
O aumento na acidose encefálica é
um dos mecanismos mais comumente
citados na descrição de como a
hiperglicemia aumenta a lesão neurológica
em pacientes com TCE (Syring et al., 2001;
Sande & West, 2010; Lorenz et al., 2011). O
acúmulo de lactato e íons hidrogênio causam
uma acidose intra e extracelular, a qual é
citotóxica aos neurônios e células da glia.
Desta forma, em períodos de isquemia
encefálica,
a
hiperglicemia
pode
potencialmente fornecer mais substrato para
o metabolismo anaeróbico, resultando em
aumento da acidose encefálica e,
conseqüentemente, aumento na gravidade da
lesão neurológica (Syring et al., 2001).
Estudos
demonstraram
uma
associação entre a hiperglicemia e um
aumento na taxa de mortalidade e pior
resultado neurológico em pacientes humanos
com TCE, e em animais com TCE
experimentalmente induzido. Sugere-se que
o grau de hiperglicemia após o TCE está
associado com a gravidade do trauma,
porém não foi associado com o resultado
final (Syring et al., 2001; Yendamuri et al.,
2003; Sande & West, 2010). Yendamuri et
al., (2003) relata um aumento na incidência
de
complicações
infecciosas,
como
pneumonia, bacteremia e infecção de feridas
em pacientes com concentrações elevadas de
glicose.
Deste modo, em casos de TCE é
importante
evitar
a
hiperglicemia
iatrogênica, de modo que a infusão de
soluções glicosadas e a administração de
medicamentos que podem exacerbar a
hiperglicemia, como os corticóides, deve ser
24
evitada (Girling, 2004; Sande & West,
2010).
A concentração sanguínea de
glicose deve ser controlada com infusões de
insulina em casos de hiperglicemia (Girling,
2004; Sande & West, 2010). A manutenção
da normoglicemia através da aplicação de
insulina exógena após traumas graves
previne perda de peso, acidose metabólica e
hiponatremia, além de permitir redução da
inflamação e melhora da imunidade inata,
com aumento na atividade fagocítica. Este
controle ajuda na prevenção de infecções
graves, falência orgânica associada à sepse e
morte. É importante ressaltar que as
infecções são uma das principais causas de
morbidade e mortalidade em pacientes sob
tratamento intensivo (Weekers et al., 2003).
2.6 TRATAMENTO
Devido à falta de dados clínicos
prospectivos
e
retrospectivos,
as
recomendações de tratamento para pacientes
veterinários com TCE são, primariamente,
baseadas
em
estudos
humanos
e
experimentais, e em experiência pessoal. As
diretrizes terapêuticas foram criadas em
torno da manutenção da perfusão encefálica
adequada e correção da hipóxia e da
hipotensão (Braund, 2003; Platt & Olby,
2004; Sande & West, 2010).
A meta final no manejo de animais
com TCE é fazer com que o paciente retorne
ao papel que ocupava na sociedade antes da
lesão (Dewey & Fletcher, 2008). O ponto
crucial para a preservação da função
neurológica é a rápida restauração e
manutenção da perfusão e oxigenação
encefálica (Assis, 2005; Gomes & Neutel,
2008; Dewey & Fletcher, 2008; Machado et
al., 2010).
A Brain Trauma Foundation
(BTF), em colaboração com a American
Association of Neurological Surgeons,
concluiu que não há dados suficientes para
apoiar um tratamento padrão, ou uma
diretriz única de tratamento para o manejo
inicial do paciente com TCE. A base do
tratamento é a ressuscitação fisiológica
completa e rápida. Cinco princípios chave
devem guiar o tratamento do paciente com
TCE na terapia intensiva: normocapnia,
normoxia, normotensão, normotermia e
normoglicemia (Girling, 2004).
Apesar da grande controvérsia em
relação a qual é a terapia mais adequada
para os pacientes com lesões encefálicas
graves em medicina veterinária, poucos
discordarão que o tratamento deve ser
agressivo e imediato, de modo a aumentar a
chance de recuperação (Platt & Olby, 2004;
Dewey & Fletcher, 2008). O manejo correto
do TCE requer uma visão sistêmica, geral,
do paciente (Machado et al., 2010).
O principal aspecto do manejo de
pacientes com TCE é a manutenção da
perfusão encefálica através do tratamento da
hipotensão e da PIC elevada. É importante,
também, buscar medidas que previnam e
limitem o desenvolvimento de danos
secundários ao sistema nervoso (Marik et
al., 1999; Platt & Olby, 2004; Dewey &
Fletcher, 2008). O objetivo é minimizar a
morte celular enquanto se garante a
estabilidade sistêmica (Hayes, 2009).
A estabilização extracraniana
ocorre primeiramente, seguida rapidamente
por terapias direcionadas à estabilização
intracraniana (Hayes, 2009; Sande & West,
2010).
2.6.1 ESTABILIZAÇÃO
EXTRACRANIANA
É essencial o atendimento imediato
visando a estabilização do paciente, de
forma semelhante a qualquer outra
emergência. A sequência do “ABCD” do
trauma (sendo “D” relativo às disfunções
neurológicas) deve ser seguido. Com esta
iniciativa o encéfalo, assim como o resto do
organismo, será beneficiado. O ponto crucial
para a preservação da função neurológica é a
rápida restauração e manutenção da perfusão
e oxigenação encefálica (Assis, 2005;
Gomes & Neutel, 2008; Dewey & Fletcher,
2008; Machado et al., 2010).
25
A estabilização extracraniana
envolve correção da hipotensão, hipóxia,
déficits de perfusão tecidual, distúrbios
eletrolíticos, ácido-básicos, da glicose, do
CO2 ou da hipertermia, e otimização da
ventilação e oxigenação sistêmica (Hayes,
2009; Sande & West, 2010).
2.6.1.1 VOLUME INTRAVASCULAR
O
objetivo
primordial
da
fluidoterapia em casos de trauma é a rápida
restauração do volume intravascular de
modo a garantir PPE adequada. O
restabelecimento imediato do volume
sanguíneo é fundamental para se garantir a
normotensão e PPE adequada. Considera-se
como hipotenso, aquele paciente com
pressão sanguínea sistólica abaixo de
90mmHg (Platt & Olby, 2004; Dewey &
Fletcher, 2008; Sande & West, 2010).
Existe controvérsia em relação ao
melhor tipo de fluido a ser utilizado em
pacientes com TCE. As opções incluem
cristaloides
isotônicos,
cristaloides
hipertônicos, colóides artificiais, e derivados
do sangue. O benefício obtido pela
restauração da PPE, seja com cristalóides ou
com colóides, supera os seus riscos
potenciais (Sande & West, 2010).
O uso de salina hipertônica e/ou
colóides permite rápida restauração do
volume sanguíneo e da pressão, enquanto
limitam o volume de fluido administrado
(Platt & Olby, 2004; Dewey & Fletcher,
2008).
No choque, colóides sintéticos
devem ser administrados na dose de 10 –
20ml/kg, de acordo com o efeito (Dewey &
Fletcher, 2008).
A salina hipertônica é capaz de
reverter o choque hipovolêmico profundo
com pequenos volumes. Após sua
administração endovenosa, há rápido
aumento na osmolalidade, promovendo
desvio de fluido intersticial e intracelular
para a vasculatura. O resultado é uma rápida
e marcante expansão que excede o volume
infundido, melhorando a pressão e o fluxo
sanguíneo (Platt & Olby, 2004; Sande &
West, 2010). Recomenda-se a administração
de 4 – 5 ml/kg em um período de 3 - 5
minutos (Dewey & Fletcher, 2008; Sande &
West, 2010). O pico do seu efeito ocorre
minutos após a sua administração, durando
de 15 a 75 minutos. A adição de um colóide
artificial prolonga seus efeitos para várias
horas (Sande & West, 2010).
No paciente com anemia grave, a
transfusão com sangue total ou concentrado
de hemácias pode auxiliar na manutenção da
normovolemia e da oxigenação tecidual
adequada ao melhorar o conteúdo de
oxigênio sanguíneo (Dewey & Fletcher,
2008; Lorenz et al., 2011). A meta deve ser
de um hematócrito de 25 a 30% (Dewey &
Fletcher, 2008).
A utilização de soluções glicosadas
é desaconselhada, uma vez que, devido à
oxigenação anormal do tecido encefálico,
seu uso levaria à formação de ácido lático
pela
glicólise
anaeróbica
e,
consequentemente, redução perigosa do pH
(Fernández & Bernardini, 2010).
2.6.1.2 OXIGENAÇÃO
Qualquer dano ao sistema nervoso
central (SNC) intracraniano pode levar a um
estado de hipóxia, sendo esta a causa mais
comum de perpetuação de lesões
secundárias e morte em animais com TCE. É
importante lembrar que em casos de TCE a
demanda de oxigênio é superior à normal, o
que faz com que a simples patência das vias
aéreas não assegure uma oxigenação
encefálica suficiente. Desta forma, a
oxigenioterapia é uma das primeiras
medidas a ser implantada (Fernández &
Bernardini, 2010; Sande & West, 2010).
A manutenção do fluxo de oxigênio de
modo a satisfazer as demandas metabólicas
do encéfalo é essencial para garantir bom
resultado neurológico (Cecil et al., 2011).
Estudos humanos com pacientes com TCE
demonstraram dobro da mortalidade em
pacientes com episódios de hipóxia em
26
relação aos que não apresentaram estes
episódios (Sande & West, 2010).
A condição de oxigenação
encefálica pode ser inicialmente avaliada de
acordo com a freqüência e o padrão
respiratório, coloração das mucosas e da
língua, e ausculta torácica. Caso a
hemogasometria arterial esteja disponível, a
PaO2 deve ser mantida em, ou acima de,
90mmHg. Os oxímetros de pulso são muito
úteis, e relativamente acurados em relação
ao estado de oxigenação, porém, a sua
confiabilidade varia com o modelo usado,
com o nível da PaO2 (pode ser
superestimada quando em níveis mais
baixos), e com o estado hemodinâmico do
paciente. Em geral, os valores da saturação
de oxihemoglobina obtidos pelo oxímetro de
pulso devem ser interpretados de acordo
com a TAB.3 (Dewey & Fletcher, 2008;
Sande & West, 2010).
Tabela 3. Interpretação dos valores do oxímetro de pulso
PaO2
SaO2
INTERPRETAÇÃO
95%
80 mm Hg
Normal
89%
60 mm Hg
Hipoxemia grave
75%
40 mm Hg
Adaptado de Dewey & Fletcher, 2008.
Pacientes conscientes e sem
degeneração neurológica evidente podem
receber suplementação de oxigênio, pelo uso
de máscaras ou gaiolas de oxigênio. A
decisão de se intubar um paciente com TCE
é clínica, baseada principalmente no estado
mental do mesmo (Swaminathan et al.,
2009). Os pacientes que perderam ou estão
perdendo a consciência devem ser entubados
e ventilados. Em pacientes com nível de
consciência oscilante ou obstrução da via
aérea secundária ao trauma, pode ser
indicada a ventilação assistida (Dewey &
Fletcher, 2008). Sempre que os padrões
respiratórios
e
ventilatórios
não
responderem à terapia inicial é necessário
estabelecer precocemente a intubação
orotraqueal (Machado et al., 2010).
2.6.1.3 PRESSÃO PARCIAL DE
DIÓXIDO DE CARBONO
O fator mais importante no
controle do FSE e do volume sanguíneo
encefálico normal é a pressão parcial de
dióxido de carbono arterial (PaCO2). A
hipercapnia
resulta
em
dilatação
encefalovascular, com fluxo sanguíneo
Hipoxemia letal
excessivo, levando ao aumento da PIC
(Sande & West, 2010). A gasometria
sanguínea arterial é a melhor forma de se
monitorar a PaCO2. Dados recentes sugerem
que uma PaCO2 abaixo de 30mmHg pode
levar a vasoconstrição excessiva com
consequente prejuízo da PPE (Dewey &
Fletcher, 2008).
A hiperventilação pode ser
definida como a indução ou manutenção de
níveis de tensão de CO2 no sangue arterial
abaixo do limiar normal (PaCO2 abaixo de
25mmHg). Este procedimento reduz a PIC
pela indução de vasoconstricção encefálica,
com subsequente redução no volume
sanguíneo encefálico. No passado, este
procedimento era comumente realizado em
pacientes com TCE, porém devido à
vasoconstrição encefálica, há redução no
FSE, o qual pode atingir níveis isquêmicos
(Braund, 2003; Girling, 2004; Stocchetti et
al., 2005; Swaminathan et al., 2009; Sande
& West, 2010). O uso da hiperventilação no
tratamento de pacientes com TCE
permanece controverso em relação à sua
indicação específica, momento de atuação,
profundidade da hipocapnia e duração
(Stocchetti et al., 2005).
27
2.6.2 ESTABILIZAÇÃO
INTRACRANIANA
As metas para a estabilização
intracraniana incluem otimização da
perfusão encefálica, redução da PIC,
controle de vasoespasmos e crises
epilépticas, e minimização da elevação na
taxa metabólica encefálica (Sande & West,
2010).
2.6.2.1 AGENTES OSMÓTICOS
Independente do protocolo usado,
quanto maior a PIC, pior é o resultado final.
Deste modo, o aumento na PIC deve ser
rapidamente identificado e tratado (Marik et
al., 1999). As diretrizes da BTF sugerem
que a PIC seja mantida abaixo de 20mm Hg
(Girling, 2004).
Os agentes hiperosmolares como o
manitol são a primeira escolha no tratamento
de aumento da PIC após um TCE. O manitol
é um diurético osmótico eficiente na redução
do edema encefálico e da PIC, sendo
tradicionalmente usado em humanos e
animais (Platt & Olby, 2004; ArmitageChan et al., 2006; Dewey & Fletcher, 2008;
Sande & West, 2010).
A administração de manitol é
contra-indicada em pacientes hipovolêmicos
ou desidratados, devido ao seu efeito
diurético que pode exacerbar a desidratação
e contração de volume, e em anúricos ou
com hiperosmolalidade. Este deve ser usado
com cautela em pacientes com concomitante
insuficiência cardíaca (Sande & West, 2010;
Lorenz et al., 2011). Em geral, uma vez que
o paciente está hemodinamicamente estável,
o manitol deve ser considerado como terapia
de primeira escolha para redução na PIC e
melhora da PPE (Dewey & Fletcher, 2008).
O manitol reduz a PIC através da
vasoconstrição reflexa da vasculatura
encefálica secundária à redução na
viscosidade sanguínea, inativação de
radicais livres, redução na produção de
LCR, e atração osmótica do líquido do
edema extravascular para o espaço
intravascular (Platt & Olby, 2004; Dewey &
Fletcher, 2008). A ação do manitol na
redução do edema dura de duas a cinco
horas (Platt & Olby, 2004; Dewey &
Fletcher, 2008). A redução na viscosidade
sanguínea devido ao aumento do volume
intravascular contribui para o aumento no
FSE, e eventualmente leva a melhora no
metabolismo encefálico (Helbok et al.,
2010).
A administração de manitol 20%
(1g/kg) reduz a PIC após 30minutos, e
aumenta a PPE após 45minutos, não
alterando significativamente a PAM. O
aumento na pressão de oxigênio tecidual
encefálico e a redução da razão lactatopiruvato após duas horas podem ser
observados, o que demonstra benefício na
perfusão encefálica. Este agente pode,
também, restaurar a microcirculação ao
melhorar o FSE, levando ao aumento no
fornecimento de oxigênio e de substrato. O
metabolismo anaeróbico pode ser desviado
para aeróbico, desde que o fornecimento e
consumo de oxigênio sejam preservados
(Helbok et al., 2010).
Os efeitos osmóticos do manitol
dependem da BHC intacta. Quando esta não
está intacta, o manitol pode extravasar para
o interstício encefálico, aumentar a
osmolaridade tecidual e, consequentemente,
aumentar o acúmulo de líquido. A perda da
integridade da BHC aumenta sua
permeabilidade a todos os íons. Porém, seu
maior coeficiente de reflexão de membrana
para o sódio em comparação ao manitol
sugere que o uso de agentes hiperosmolares
a base de salina podem ser preferíveis ao
manitol
em
algumas
patologias
intracranianas, como no caso de hemorragia
intraencefálica (Armitage-Chan et al., 2006).
Platt & Olby (2004), por outro lado,
afirmam que não há evidência clínica que
prove que o manitol é contra-indicado na
presença de hemorragia intracraniana.
Segundo Sande & West (2010), os
benefícios do tratamento superam os riscos
teóricos, podendo ser desconsiderados.
28
Para que e obtenha o efeito de
expansão do plasma, a administração do
manitol deve ser realizada por via
endovenosa na dose de 0,5 a 1,5g/kg, em um
período de 10 a 20 minutos. Evidências na
literatura humana apoiam que o uso de doses
maiores (1,4g/kg) é associado com melhor
resultado terapêutico do que o obtido com
doses mais baixas (0,7g/kg). Platt & Olby
(2004), porém, citam que doses de 0,25 a
1g/kg são igualmente efetivas na redução da
PIC, embora a duração do efeito seja mais
curta com doses menores (Platt & Olby,
2004; Dewey & Fletcher, 2008; Sande &
West, 2010). Doses repetidas de manitol não
são recomendadas, pois este tende a esgotar
o volume intravascular. O uso alternativo de
agentes hiperosmolares pode ser preferível
(Armitage-Chan et al., 2006). A eficácia do
tratamento depende da carga osmótica da
taxa de infusão (Helbok et al., 2010).
Uma diretriz útil a ser seguida para
se evitar os efeitos colaterais indesejáveis do
manitol, é limitar sua administração a três
bolus em um período de 24 horas. Porém,
devido a evidências conflitantes na literatura
em relação ao potencial de desenvolvimento
de insuficiência renal secundária à infusão
de manitol, os autores recomendam a
administração agressiva de manitol somente
em pacientes com sinais neurológicos
progressivos que respondem a ele (Dewey &
Fletcher, 2008). É importante ressaltar que o
efeito osmótico da primeira administração
de manitol pode ser diferente das
subseqüentes (Helbok et al., 2010).
Embora tenha sido proposto que o
uso de furosemida pudesse ter efeito
sinérgico na redução do edema encefálico
quando administrada em associação ao
manitol, evidências experimentais recentes
sugerem que a associação não reduz o
mesmo. Uma vez que a administração de
furosemida causa redução no volume
intravascular, com risco de hipovolemia e
hipocalemia, seu uso não é indicado nos
pacientes com TCE (Dewey & Fletcher,
2008; Sande & West, 2010).
A salina hipertônica pode ser
usada como alternativa ao manitol, uma vez
que
apresentam
efeitos
osmóticos
semelhantes. Outros efeitos benéficos do uso
da salina hipertônica incluem melhora no
estado hemodinâmico pela expansão de
volume e efeitos inotrópicos positivos, além
de
efeitos
vasorregulatórios
e
imunomodulatórios benéficos (Dewey &
Fletcher, 2008; Sande & West, 2010). Para
redução da PIC e de edema encefálico, a
salina hipertônica pode ser administrada na
dose de 4mL/kg lentamente, por via
endovenosa (Armitage-Chan et al., 2006).
Este agente pode ser preferido ao manitol
devido à sua maior capacidade de expansão
do volume intravascular, que ajuda a manter
a PAM, e ao seu menor efeito diurético
(Lorenz et al., 2011).
Em pacientes euvolêmicos com
evidência de hipertensão intracraniana, tanto
o manitol quanto a salina hipertônica podem
ter efeitos benéficos. Se um paciente
individual não estiver respondendo a uma
das drogas, a outra pode fornecer resposta
benéfica (Dewey & Fletcher, 2008; Sande &
West, 2010).
2.6.2.2 AGENTES ANTIEPILÉPTICOS
Em humanos, as crises epilépticas
são comuns após um TCE, com relato de
incidência de até 54%. Os pacientes que
apresentam pelo menos uma crise após o
TCE têm risco de 86% de apresentarem
crises adicionais nos próximos dois anos. As
crises epilépticas pós-traumáticas podem ser
divididas em três grupos: imediatas, que
ocorrem até 24 horas após o trauma,
precoces, de 24 horas a 7 dias após o trauma,
e tardias após 7dias (Dewey & Fletcher,
2008).
Os fatores de risco para as crises
epilépticas
pós-traumáticas
incluem
gravidade da lesão, fraturas cranianas
depressivas, hematoma epidural, subdural e
intraencefálico, feridas penetrantes, e crise
29
epiléptica nas primeiras 24horas após a lesão
(Sande & West, 2010).
Os efeitos adversos da atividade
epiléptica incluem o hiper-metabolismo
encefálico, a hipertermia, hipoxemia,
hipercapnia e edema encefálico, os quais
exacerbam o aumento na PIC (Hayes, 2009;
Swaminathan et al., 2009; Sande & West,
2010). A taxa metabólica encefálica de
oxigênio aumenta em 200 a 300% com a
presença de atividade epiléptica (Marik et
al., 1999). Tanto crises epilépticas clínicas,
quanto as sub-clínicas, podem ter efeitos
dramáticos sobre o metabolismo encefálico e
a PIC, devendo ser prevenidas. Os pacientes
com suspeita de crises sub-clínicas devem
ser monitorados com eletroencefalograma
(Girling, 2004).
A atividade epiléptica exacerba a
hipertensão intracranial no paciente com
lesão encefálica. Desta forma, recomenda-se
tratamento agressivo de toda atividade
epiléptica nestes pacientes (Platt & Olby,
2004). Os agentes anti-epilépticos sempre
devem ser usados em pacientes com TCE
que desenvolvem crise imediata ou precoce,
porém há pouca evidência que apoie o uso
de anti-epilépticos por longo prazo para
prevenir as crises tardias (Dewey &
Fletcher, 2008; Swaminathan et al., 2009).
O diazepam é o anti-epiléptico de
escolha para cessar uma crise em
andamento, devido à sua rápida ação e
eficácia confiável (Sande & West, 2010),
com o uso de 0,5 a 1,0mg/kg, podendo ser
repetido em intervalos de 5 a 10 minutos por
três a quatro doses (Lorenz et al., 2011).
Para a prevenção de crises
posteriores, o fenobarbital é recomendado na
dose de 2-3mg/kg, via intramuscular ou
endovenosa, a cada seis a oito horas. Seu
uso pode ser continuado por três a seis
meses, na dose de 2-4mg/kg, via oral, a cada
12horas, e então lentamente reduzido caso
não haja mais crises. O fenobarbital
apresenta, também, efeito benéfico ao
reduzir a demanda metabólica encefálica,
agindo como um neuroprotetor, porém deve
ser usado com cautela devido aos seus
efeitos sedativos (Platt & Olby, 2004; Sande
& West, 2010). Caso as crises permaneçam,
o fenobarbital pode ser usado na dose de 1113mg/kg/IV de modo a prevenir maiores
lesões encefálicas (Bagley, 2005).
2.6.2.3 CORTICÓIDES
Apesar de seu papel tradicional no
tratamento de traumas do SNC, há pouca
evidência
que
apoie
o
uso
de
glicocorticoides (GC) no TCE. Ensaios
clínicos em humanos não demonstraram
efeitos benéficos do seu uso nesta situação
(Marik et al., 1999; Platt & Olby, 2004).
O benefício melhor documentado
do uso de GC para o trauma no sistema
nervoso é o controle das lesões secundárias,
porém o seu uso tem se mostrado como
potenciador do dano neuronal na presença
de isquemia, possivelmente por tornarem os
neurônios mais vulneráveis a insultos
metabólicos, como hipóxia-isquemia. Foi
demonstrado, também, que os GC inibem a
remielinização de neurônios lesionados.
Sabe-se que os GC podem perpetuar o dano
neuronal
devido
ao
seu
efeito
hiperglicêmico, sendo associados ao
aumento na mortalidade (Platt et al., 2005;
Gaitero, 2011).
Segundo Roberts et al. (2004), o
risco de óbito é superior em pacientes com
TCE tratados com GC em comparação ao
grupo que recebeu placebo (Edwards et al.,
2005). Atualmente os GC, devido aos seus
efeitos
colaterais
potenciais
como
hemorragia gastrointestinal, cicatrização
retardada, exacerbação do estado catabólico,
imunossupressão e hiperglicemia levando à
acidose encefálica, não são recomendados
no tratamento de pacientes humanos com
TCE (Marik et al., 1999; Platt & Olby,
2004; Dewey & Fletcher, 2008; Sande &
West, 2010). De acordo com Gaitero (2011)
estes não devem ser usados rotineiramente,
independente da gravidade do TCE.
30
2.6.2.4 TRATAMENTO CIRÚRGICO
Tradicionalmente, a intervenção
cirúrgica tem papel menor no manejo de
cães e gatos com TCE devido à crença de
que hemorragias intracranianas clinicamente
significativas são raras nestas espécies.
Existem, porém, algumas evidências de que
cães e gatos com TCE podem apresentar, de
forma similar aos humanos, hemorragia
intracraniana cirurgicamente controlável
(Dewey & Fletcher, 2008; Sande & West,
2010). Em veterinária, a decisão de
realização de uma descompressão cirúrgica
pode se basear na TC ou RM do encéfalo.
Com o aumento da disponibilidade de
técnicas avançadas de imagem para cães e
gatos, a cirurgia se torna mais importante no
tratamento destes animais (Dewey &
Fletcher, 2008; Sande & West, 2010).
A craniotomia descompressiva
(CD) deve ser considerada como uma opção
terapêutica de segundo nível no tratamento
da hipertensão intracraniana pós-traumática
(Faleiro et al., 2006; Lubillo et al., 2009). É
importante ressaltar que aproximadamente
10 a 15% dos pacientes humanos com TCE
grave apresentam PIC elevada resistente à
terapia médica (Lubillo et al., 2009).
Na maioria dos trabalhos, indicase a CD quando há sinais de herniação
encefálica secundária ao aumento da PIC, ou
quando estes sinais aparecem na TC
imediatamente após o traumatismo (Lubillo
et al., 2009). Outras indicações potenciais
seriam fratura de crânio abertas, fraturas
com depressão craniana (com alteração
neurológica associada), e recuperação de
fragmentos ósseos ou corpos estranhos
potencialmente contaminados alojados no
parênquima encefálico. Apesar da remoção
cirúrgica de hemorragia intracraniana focal
ser um aspecto aceito e comprovado do
tratamento de TCE em humanos, o uso da
CD é controverso. A literatura humana atual
recomenda considerar este procedimento
cirúrgico nas primeiras 12horas de pacientes
com aumento na PIC permanente, refratários
ao tratamento médico. O valor da
craniotomia isoladamente como cirurgia
descompressiva é desconhecido em cães e
gatos com TCE. A intervenção cirúrgica
deve ser fortemente considerada nos animais
com TCE que apresentam função
neurológica
degenerada
apesar
do
tratamento
médico
agressivo.
A
estabilização de fraturas cranianas e retirada
de hemorragias intracranianas pode reduzir a
morbidade associada com estas lesões
(Armitage-Chan et al., 2006; Dewey &
Fletcher, 2008).
Segundo Lubillo et al. (2009), a
CD deve ser reservada a casos bem
selecionados, como os com aumento
progressivo e constante da PIC acima de
25mmHg por pelo menos 30 a 60 minutos
em que causas extracranianas foram
descartadas, e em casos com PIC maior que
25mmHg de causa intracraniana. A
indicação da CD deve ser individualizada
para cada paciente, considerando seu estado
de saúde prévio, o tipo de lesão e
enfermidade, a experiência da equipe de
tratamento, e um consenso entre, pelo
menos, um intensivista e um neurocirurgião
(Lubillo et al., 2009).
A craniotomia pode ser realizada
para permitir que o tecido encefálico se
expanda e para reduzir a PIC (Girling,
2004). Sabe-se que, em humanos, a CD
permite, na maioria dos casos, a manutenção
da PIC abaixo de 25mmHg (Lubillo et al.,
2009). É inadequado realizar a cirurgia
descompressiva
antes
de
cuidadosa
maximização do tratamento não-cirúrgico da
PIC elevada (Platt & Olby, 2004). Por outro
lado, a CD deve ser realizada precocemente,
antes que se atinja 6 horas com PIC superior
a 25mmHg. Um atraso na sua realização
pode favorecer o aparecimento de
hiperperfusão
local
e
hemorragias
intracranianas (Lubillo et al., 2009).
É importante ressaltar que a
craniotomia só pode ser considerada como
alternativa
terapêutica
em
centros
adequadamente equipados e com pessoal
especializado (Fernández & Bernardini,
2010). Apesar de ser um método eficaz na
31
redução da PIC, esta técnica não é isenta de
complicações, como coleção subdural,
infecções, crises epilépticas e hidrocefalia
(Faleiro et al., 2006).
2.6.3 PROCEDIMENTOS
COMPLEMENTARES
3.5.3.1 ANESTESIA
A anestesia geral é, muitas vezes,
necessária nos casos de TCE para realização
de cirurgia, diagnóstico por imagem ou
ventilação mecânica. Agentes anestésicos
podem ser usados, também, para reduzir o
metabolismo encefálico ao se alcançar um
estado de inconsciência, minimizando o
risco de isquemia (Armitage-Chan et al.,
2006).
A escolha do agente anestésico é
determinada pela extensão da lesão e pela
elevação da PIC. É importante levar em
consideração os efeitos dos agentes
anestésicos nos sistemas cardíaco e
respiratório, no FSE, na PIC, e seus
possíveis benefícios neuroprotetores. As
propriedades
neuroprotetoras
incluem
redução na isquemia encefálica pela redução
na demanda encefálica de oxigênio, e
aumento da auto-regulação da pressão
encefálica (Armitage-Chan et al., 2006).
Para que o fornecimento de
oxigênio adequado ao encéfalo seja
garantido, a PaCO2, PaO2, concentração de
hemoglobina e pressão sanguínea sistêmica
devem ser mantidos nos intervalos normais
(Armitage-Chan et al., 2006). Os pacientes
devem ser pré-oxigenados para minimizar a
hipoxemia durante a indução, e o plano
anestésico adequado deve ser obtido antes
da tentativa de intubação traqueal (Leece,
2007).
O uso de ketamina para indução
não é recomendado, uma vez que pode
aumentar a PIC, o consumo encefálico de
oxigênio e o metabolismo encefálico
(Armitage-Chan et al., 2006; Swaminathan
et al., 2009), porém estudos recentes
contestam estes efeitos prejudiciais, sendo
que a ketamina mantém a PAM, evitando,
deste modo, a hipotensão (Swaminathan et
al., 2009). Albanese et al. (1997) sugere que
a ketamina pode reduzir discretamente a PIC
quando utilizada em associação ao propofol.
Seu uso é contra-indicado em animais com
crises epilépticas ou com risco de apresentálas, uma vez que pode reduzir o limiar para
crises epilépticas (Leece, 2007).
O etomidato é um sedativo que
atua rapidamente, com curta duração e
efeitos hemodinâmicos mínimos. Acreditase que apresenta efeito neuroprotetor,
reduzindo a PIC, taxa metabólica e consumo
de oxigênio encefálico (Rosonke & Legome,
2006; Swaminathan et al., 2009).
Os efeitos hipotensivos dos
anestésicos voláteis, como o halotano e
isoflurano, causam efeito danoso adicional
sobre a perfusão encefálica. Na ausência da
elevação da PIC, os efeitos vasodilatadores
destes agentes podem melhorar a perfusão
encefálica. Por outro lado, se a PIC já estiver
elevada, o protocolo anestésico não deve
incluir anestésicos voláteis (Armitage-Chan
et al., 2006).
Os barbitúricos são amplamente
utilizados em humanos após TCE para
reduzir a atividade epiléptica e proteger a
função neuronal. As propriedades benéficas
dos barbitúricos incluem neuroproteção pela
redução do requerimento encefálico de
oxigênio,
vasoconstricção
encefálica,
redução na PIC, e aumento da proteção de
dano neuronal induzido por neutransmissor
excitatório (Armitage-Chan et al., 2006;
Sande & West, 2010). As principais
desvantagens incluem retorno anestésico
retardado, hipotensão, e potencial efeito
depressor respiratório, que são prejudiciais
em pacientes com TCE, principalmente nos
com auto-regulação da pressão desregulada.
Os barbitúricos apresentam redução superior
do edema encefálico e da PIC quando
comparados aos anestésicos voláteis
(Armitage-Chan et al., 2006). A depressão
cardiovascular e respiratória, levando à
hipotensão
e
hipoventilação,
são
complicações potenciais do uso de
32
barbitúricos. Como resultado, a monitoração
intensiva e ventilação mecânica controlada
são necessárias para prevenir efeitos
adversos na perfusão encefálica (Sande &
West, 2010).
Em casos de elevação da PIC préexistente, a anestesia intravenosa total, como
a alcançada com propofol e fentanil, é
recomendada.
Os
benzodiazepínicos
(midazolam e diazepam) são vantajosos uma
vez que não apresentam efeito intracraniano
adverso e efeitos adversos aos sistemas
cardiovascular e respiratório. Apesar de não
reduzirem a PIC, discreta redução no
requerimento de oxigênio encefálico pode
ser observada. Seu uso também permite a
redução na dose de outros agentes, como o
propofol ou barbitúricos, reduzindo, desta
forma,
a
depressão
dos
sistemas
cardiovascular e respiratório (ArmitageChan et al., 2006).
2.6.3.2 ANALGESIA
O fornecimento de analgesia
adequada é essencial para a prevenção de
maior elevação na PIC (Armitage-Chan et
al., 2006; Sande & West, 2010). É
importante ressaltar que o uso de
analgésicos pode alterar a capacidade de
avaliação adequada do estado mental do
paciente,
tornando
importante
o
fornecimento de adequado alivio à dor sem
camuflar o monitoramento objetivo do nível
de consciência (Lorenz et al., 2011).
Os opióides são amplamente
usados para a analgesia de pacientes em
estado crítico devido à ausência de efeitos
cardiovasculares adversos e à fácil reversão.
Os efeitos adversos dos opióides, como
hipotensão e depressão respiratória, têm
maior significado na presença de PIC
elevada, principalmente durante o uso de
altas doses. Quando cuidadosamente
titulados para a analgesia do paciente, e
quando há apoio à ventilação, os opióides
são seguros. Na presença de choque
cardiovascular ou dano à BHC, a dose
necessária pode ser mais baixa, e cuidado
deve ser tomado para se evitar overdose
(Armitage-Chan et al., 2006; Sande & West,
2010).
Os agonistas de opióides, como
fentanil e morfina, podem ser administrados
sob taxa de infusão contínua para se evitar
picos ou níveis baixos de analgesia e efeitos
adversos vistos com níveis sanguíneos mais
altos. A taxa de infusão recomendada de
fentanil é de 2-6mg/kg/hora e 0.10,5mg/kg/hora de morfina. O uso de
antagonistas de opióides, como a naloxona,
reverte o efeito destas drogas nos casos de
depressão significativa respiratória ou
cardiovascular (Armitage-Chan et al., 2006;
Sande & West, 2010).
Os
agonistas/antagonistas
e
agonistas parciais de opióides, como o
butorfanol e buprenorfina respectivamente,
são analgésicos usados para tratar dor
discreta a moderada. Estes, geralmente são
considerados mais seguros que os opióides
por
apresentarem
menor
depressão
cardiovascular e respiratória. É importante
considerar que os efeitos da buprenorfina
são difíceis de serem revertidos com doses
padrão de naloxona, e que o efeito
analgésico do butorfanol é relativamente
curto (se usado por via endovenosa, deve ser
repetido a cada 2 horas) (Armitage-Chan et
al., 2006; Sande & West, 2010).
A medetomidina, usada para
sedação e analgesia, aparenta não ter efeito
sobre a PIC em cães. A redução na
freqüência cardíaca e no débito cardíaco
pode, porém, reduzir a perfusão encefálica.
Desta forma, ela somente deve ser
administrada em doses baixas (1 –
2mg/kg/hora), e nos casos em que
analgésicos com menor efeito cardiovascular
adverso estão indisponíveis ou não estão
fornecendo alívio doloroso suficiente
(Armitage-Chan et al., 2006).
2.6.3.3 POSICIONAMENTO
Precauções
simples
no
posicionamento do animal podem evitar
maiores aumentos na PIC. O corpo do
33
animal deve ser mantido elevado em um
ângulo de 30o da horizontal, para maximizar
o fornecimento arterial e drenagem venosa
encefálica, reduzindo a PIC, sem alterar a
PPE e o FSE (Girling, 2004; Platt & Olby,
2004; Armitage-Chan et al., 2006; Dewey &
Fletcher, 2008; Fernández & Bernardini,
2010). As veias jugulares não podem ser
comprimidas, por exemplo, por colares
constritivos, uma vez que isto elevaria
imediatamente a PIC (Platt & Olby, 2004;
Dewey & Fletcher, 2008). Uma tábua rígida
deve ser usada para elevar todo o tórax
juntamente com a cabeça, de modo a
prevenir a flexão lateral do pescoço e
obstrução da drenagem venosa. Para se
aplicar este posicionamento, é necessário ter
certeza sobre a integridade da coluna
(Girling, 2004; Dewey & Fletcher, 2008;
Sande & West, 2010).
A tosse ou o engasgo durante a
intubação endotraqueal pode contribuir para
a elevação da PIC. Desta forma, a indução
anestésica suave é benéfica e pode ser obtida
através da administração de pré-medicação
que causa sedação (benzodiazepínicos ou
opióides), aplicação de lidocaína na laringe e
administração de agente indutor anestésico
suficiente para suprimir os reflexos laríngeos
antes da tentativa de intubação (ArmitageChan et al., 2006).
2.6.3.4 SUPORTE NUTRICIONAL
O suporte nutricional é essencial
no tratamento de animais com TCE, o qual
melhora a recuperação neurológica e
diminui o tempo de recuperação (Platt &
Olby, 2004). O TCE resulta em estado
hipermetabólico e catabólico. A nutrição
enteral precoce mantém a integridade da
mucosa gastrointestinal, tem efeitos
benéficos sobre a imunocompetência e
atenua a resposta metabólica ao estresse.
Humanos que receberam nutrição enteral
precoce apresentaram redução de 55% no
risco de infecção em relação aos que
receberam nutrição tardia (Sande & West,
2010).
A alimentação enteral com terapia
pró-cinética concomitante é geralmente bem
tolerada em pacientes com TCE, sendo o
método preferencial de fornecimento de
nutrição (Sande & West, 2010). Tubos
nasogástricos podem aumentar a PIC, uma
vez que podem causar engasgos e espirros.
Para tratamento a médio e longo prazo, um
tubo esofágico deve ser usado. Um tubo
gástrico deve ser inserido nos casos de
função esofágica pobre (Platt & Olby,
2004).
Os pacientes que não conseguem
proteger suas vias aéreas devido à perda no
reflexo de tosse ou perda de consciência
apresentam maior risco de aspiração,
podendo ser candidatos à alimentação
parenteral (Sande & West, 2010).
3.5.3.5 ENFERMAGEM
As medidas de enfermagem são
essenciais para o tratamento adequado de
animais com TCE. A mudança freqüente de
decúbito (preferencialmente a cada hora,
caso contrário no mínimo a cada quatro
horas), o fornecimento de acamamento
limpo e seco, e a fisioterapia ajudam na
prevenção de escaras de decúbito, irritação
pela urina, e contração de membros. Os
animais podem não conseguir urinar
voluntariamente, necessitando de massagem
vesical ou sondagem uretral para esvaziar a
bexiga (Bagley, 2005; Sande & West, 2010).
Os pacientes devem ser mantidos
em ambiente confortável, bem acolchoado,
silencioso e com o mínimo de exposição à
luz, evitando maiores estímulos. Massagem
e movimentação passiva dos membros
podem ser benéficas, mesmo em animais
comatosos (Bagley, 2005).
2.6.3.6 ANTIBIOTICOTERAPIA
Em casos de suspeita de infecção
ou feridas, antibióticos de amplo espectro,
como cefalexina (20-30mg/kg a cada 812horas) ou enrofloxacina (5-10mg/kg a
cada 12-24horas) podem ser utilizados
(Fernández & Bernardini, 2010).
34
2.7 COMPLICAÇÕES E
PROGNÓSTICO
As
complicações
potenciais
associadas a pacientes com TCE incluem
disritmias
cardíacas,
coagulopatias,
pneumonia aspirativa (a mais freqüente),
edema pulmonar neurogênico, alterações
hidro-eletrolíticas (como diabetes insipidus
central), meningite (devido a feridas ou
fraturas cranianas abertas), e septicemia. A
atividade epiléptica pode se desenvolver em
um momento próximo ao trauma, sugerindo
hemorragia intraparenquimal, ou após meses
a anos, devido ao desenvolvimento de foco
de crise epiléptica devido à cicatriz glial. A
maioria destas alterações é tratável ou
evitável, sendo a orientação do proprietário
primordial,
uma
vez
que
déficits
neurológicos persistentes ou permanentes
são comuns (Braund, 2003; Dewey &
Fletcher, 2008; Sande & West, 2010).
O TCE grave é associado com alta
mortalidade em humanos e animais. Porém,
cães e gatos apresentam capacidade
extraordinária de compensar a perda de
tecido encefálico. É importante, desta forma,
não
obter
conclusão
prognóstica
precocemente baseada na aparência inicial
do paciente (Sande & West, 2010). Cães e
gatos podem se recuperar de lesões
encefálicas
graves
desde
que
as
anormalidades sistêmicas e neurológicas
tratáveis sejam identificadas precocemente
(Platt & Olby, 2004).
A
gravidade
dos
déficits
neurológicos no momento do atendimento
inicial do animal não está correlacionada
com o resultado final do tratamento,
principalmente nos pacientes neonatos e
jovens.
Os
pacientes
com
sinais
neurológicos graves podem apresentar
melhora drástica nas primeiras 24 a 48horas
de tratamento. A tendência do estado
neurológico após 48horas provavelmente
demonstra uma previsão mais confiável do
resultado do que a avaliação isolada do
estado neurológico em um momento
pontual. A ECGM fornece método
quantitativo para monitoração da tendência
do estado neurológico no decorrer do tempo
(Dewey & Fletcher, 2008).
A efetividade de tratamentos
específicos e o prognóstico provavelmente
sempre serão difíceis de serem avaliados
devido à natureza multifatorial das lesões
traumáticas (Sande & West, 2010). O
prognóstico geral em casos de TCE grave é
de reservado a desfavorável, porém uma
terapia agressiva pode ter sucesso em casos
aparentemente sem esperança. Predizer o
resultado de um paciente individual é difícil,
mas vários fatores auxiliam o veterinário a
determinar o prognóstico. Estes fatores
incluem a causa da lesão, o nível de
consciência, a presença ou ausência de
reflexos do tronco encefálico, a idade e
condição física geral, e a presença e
extensão de outras lesões concomitantes
(Dewey & Fletcher, 2008; Sande & West,
2010).
Um animal comatoso, sem reflexos
do tronco encefálico desde o momento do
impacto apresenta menor chance de
recuperação do que um paciente com
depressão e função intacta do tronco
encefálico (Dewey & Fletcher, 2008; Sande
& West, 2010). Os animais em estupor ou
coma, com pupilas dilatadas irresponsivas,
apresentam prognóstico pior. Um período de
coma de 48 horas ou mais é sinal de
prognóstico ruim (Braund, 2003).
A escala de coma de Glasgow
modificada foi proposta como meio de
avaliação do prognóstico em animais com
TCE (GRAF.1). Uma pontuação total de três
a oito indica prognóstico ruim, de nove a
quatorze ruim a reservado, e de quinze a
dezoito prognóstico bom (TAB.3) (Braund,
2003). O sistema de pontuação pela ECGM
tem o potencial de prever a sobrevivência
por 48horas em cães com TCE (Dewey &
Fletcher, 2008; Sande & West, 2010).
35
Gráfico 1 – Relação da probabilidade de sobrevivência com a pontuação da escala de coma de Glasgow modificada.
FONTE: Platt & Olby, 2004.
Tabela 3. Associação entre a escala de coma de Glasgow modificada e prognóstico
CATEGORIA DE PONTUAÇÃO PONTUAÇÃO ECGM
3-8
I
9-14
II
15-18
III
Adaptado de Dewey & Fletcher, 2008.
O principal fator prognóstico de
sobrevivência nas primeiras 24 horas de
animais em situações emergenciais é o
lactato, sendo que os animais com valores
menores ou iguais a 3,2mmoL/L apresentam
maior taxa de sobrevivência. Em segundo
lugar, encontra-se a pontuação na ECGM,
em que animais com pontuação superior a
PROGNÓSTICO SUGERIDO
Ruim
Reservado
Bom
15 apresentam maior sobrevivência (Rabelo,
2008).
Segundo Yendamuri et al. (2003),
a hiperglicemia é um preditor independente
da mortalidade e tempo de internação em
paciente traumatizados. Os pacientes que no
momento da admissão apresentavam
hiperglicemia sérica apresentaram maior
taxa de mortalidade, e maior tempo de
internação.
36
3. CONSIDERAÇÕES FINAIS
O trauma crânio-encefálico é frequente em
cães e apresenta potencial devastador. Assim
como outras alterações emergenciais, este
requer intervenção rápida e precisa, e o fator
tempo se torna fundamental para se obter um
bom resultado final. Para tal, é necessário
conhecimento detalhado da patofisiologia do
processo e das possíveis intervenções
terapêuticas, além de uma monitoração
minuciosa e frequente do paciente.
37
4. REFERÊNCIAS
BIBLIOGRÁFICAS
ALBANESE, J., ARNAUD, S., REY, C. et
al. Ketamine Decreases Intracranial Pressure
and Electroencephalographic Activity in
Traumatic Brain Injury Patients during
Propofol Sedation. American Society of
Anesthesiologists, v.87, p.1328-1334, 1997.
ARMITAGE-CHAN, E.A., WETMORE,
L.A., CHAN, D.L. Anesthetic management
of the head trauma patient. Journal of
Veterinary Emergency and Critical Care.
2006, p. 1-10.
ASSIS,
D.M.
Traumatismo
crânioencefálico na infância. In: MELO, M.C.B.,
VASCONCELLOS, M.C. Atenção às
urgências e emergências em pediatria. Belo
Horizonte: Gutenberg Publicações,2005,
cap.6, p.61-66.
CECIL, S., CHEN, P.M., CALLAWAY,
S.E., et al. Traumatic Brain Injury:
Advanced Multimodal Neuromonitoring
From Theory to Clinical Practice. Critical
Care Nurse, v.31, n.2, p.25-37, april, 2011.
COTTENCEAU, V., MASSON, F.,
MAHAMID, E. et al. Comparison of Effects
of Equiosmolar Doses of Mannitol and
Hipertonic Saline on Cerebral Blood Flow
and Metabolism in Traumatic Brain Injury.
Journal of Neurotrauma, v.28, p.2003-2012,
2011.
CRYER, P.E., DAVIS, S.N., SHAMOON,
H. Hypoglycemia in Diabetes. Diabetes
Care, v.26, n.6, p.1902-1912, 2003.
DELAHUNTA, A., GLASS, E. Veterinary
Neuroanatomy and Clinical Neurology. 3rd
Edition. St. Louis, Missouri: Elsevier
Saunders, 2009. P.182-183.
BAGLEY, R.S. Management of Neurologic
Trauma. In: BAGLEY, R.S. Fundamentals
of Veterinary Clinical Neurology. Iowa:
Blackwell Publishing, 2005, cap.22, p.397399.
DEWEY, C.W.; FLETCHER, D.J. Head
Trauma Management. In: DEWEY, C.W. A
Practical Guide to Canine and Feline
Neurology. Second Edition. Iowa: WilleyBlackwell, 2008, cap. 6, p. 221-235.
BEARE, N.A.V., KAMPONDENI, S.,
GLOVER, S.J. et al. Detection of raised
intracranial
pressure
by
ultrasound
measurement of optic nerve sheath diameter
in African children. Tropical Medicine and
International Health, v.13, n.II, p.14001404, 2008.
EDWARDS, P., ARANGO, M., BALICA,
L., et al. Final results of MRC CRASH, a
randomized placebo-controlled trial of
intravenous corticosteroids in adults with
head injury – outcomes at 6 months. Lancet,
v.365, n.9475, p.1957-1959, 2005.
BRAUND, K.G. Etiological Categories of
Neurological Diseases. In: BRAUND, K.G.
Clinical Neurology in Small Animals:
Localization, Diagnosis and Treatment. New
York: IVIS, 2003. Disponível em: <
http://www.ivis.org/advances/Vite/braund28
/chapter_frm.asp?LA=1>. Acesso em: 19 de
Outubro de 2011.
FALEIRO, R.M., FALEIRO, L.C.M.,
OLIVEIRA, M.M. et al. Craniectomia
descompressiva
para
tratamento
da
hipertensão intracraniana traumática em
crianças e adolescentes - Análise de sete
casos. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, v.64,
n.3b, p.839-844, 2006.
FERNÁNDEZ, V.L., BERNARDINI, M.
Traumatismos. In: FERNÁNDEZ, V.L.,
BERNARDINI, M. Neurologia em Cães e
38
Gatos. 1ª. Edição, São Paulo: MedVet, 2010,
cap.9, p.209-225.
FIGHERA, R.A., SILVA, M.C., SOUZA,
T.M. et al. Aspectos patológicos de 155
casos fatais de cães atropelados por veículos
automotivos. Ciência Rural, Santa Maria,
v.38, n.5, p.1375-1380, agosto, 2008.
FREEMAN, C.; PLATT, S. Head Trauma.
In: PLATT, S.; GAROSI, L. Small animal
neurological emergencies. 1 ed. London:
Manson Publishing, 2012, cap.20, p.363382.
GAITERO, L. Corticosteroids in the
Treatment of CNS Diseases in the Dog. In:
SOUTHERN EUROPEAN VETERINARY
CONFERENCE, 2011, Spain. Proceedings
of the Southern European Veterinary
Conference. Barcelona: SEVC, 2011.
GIRLING, K. Management of head injury in
the
intensive-care
unit.
Continuing
Education in Anaesthesia, Critical Care &
Pain, v.4, n.2, p.52-56, 2004.
GOMES,E., NEUTEL, E. Traumatismo
crânio-cerebral (TCE). In: CARNEIRO,
A.H., NEUTEL, E. Curso de Evidência na
Emergência: Manual de Procedimentos.
Porto: Pfizer, 2008, p.267-283.
HAYES, G.H. Severe seizures associated
with traumatic brain injury managed by
controlled hypothermia, pharmacologic
coma, and mechanical ventilation in a dog.
Journal of Veterinary Emergency and
Critical Care, n.19, v.6, p.629-634, 2009.
HELBOK, R., KURTZ, P., SCHMIDT, J.M.
et al. Effect of mannitol on brain
metabolism and tissue oxygenation in severe
haemorrhagic stroke. J Neurol Neurosurg
Psychiatry, v.82, p. 378-383, 2010.
KAMEL, H., NAVI, B.B., NAKAGAWA,
K. et al. Hypertonic saline versus mannitol
for the treatment of elevated intracranial
pressure: A meta-analysis of randomizes
clinical trials. Critical Care Medicine, v.39,
n.3, p.554-559, 2011.
LEECE, E. Neurological disease. In:
SEYMOUR, C., DUKE-NOVAKOVSKI.
BSAVA Manual of Canine and Feline
Anaesthesia and Analgesia. Second Edition.
England: British Small Animal Veterinary
Association, 2007, cap.26, p.284-295.
LOOSE, N.L., RUDLOFF, E., KIRBY, R.
Hypoglycemia and its effect on the brain.
Journal of Veterinary Emergency and
Critical Care, v.18, n.3, p.223-234, 2008.
LORENZ, M.D., COATES, J.R., KENT, M.
Handbook of Veterinary Neurology. 5th
Edition. St. Louis, Missouri: Elsevier
Saunders, 2011. P.352-354.
LUBILLO, S., BLANCO, J., LOPEZ, P. et
al. Papel de la craniectomía descompresiva
em el enfermo neurocrítico. Medicina
Intensiva, v.33, n.2, p.74-83, 2009.
MACHADO, T.V., RABELO, R.C.,
QUEIROZ, I. et al. Abordaje Optimizada
em El TEC: Estrategia Basada em Metas. In:
CONGRESO LATINOAMERICANO DE
EMERGENCIA
Y
CUIDADOS
INTENSIVOS, 2010. ProceedingS of the
LAVECCS, Buenos Aires, 2010, p.16-18.
Disponível
em:<http://www.ivis.org/journals/laveccs/2
010/2-3/2.pdf>. Acesso em: 18 de Outubro
de 2011.
MARIK, P., CHEN, K., VARON, J. et al.
Management of Increased Intracranial
Pressure: a review for clinicians. The
Journal of Emergency Medicine, v.17, n.4,
p.711-719, 1999.
39
NEWMAN, W.D., HOLLMAN, A.S.,
DUTTON, G.N, et al. Measurement of optic
nerve sheath diameter by ultrasound: a
means of detecting acute raised intracranial
pressure in hydrocephalus. British Journal
of Ophthalmology, v. 86, p.1109-1113,
2002.
PLATT, S.R.; OLBY, N.J. Neurological
Emergencies. In: PLATT, S.R.; OLBY, N.J.
BSAVA Manual of Canine and Feline
Neurology.
Third
Edition. England:
BSAVA, 2004, cap.19, p.320-336.
PLATT, S. Evaluation and treatment of the
head trauma patient. In Practice, v.27, p.3135, 2005.
RABELO, R.C. Estudio y valor pronóstico
de los parámetros relacionados con
supervivência em clínica de urgencias de
pequeños animales: estudio multicêntrico.
2008. (Tesis Doctoral – Departamento de
Medicina y Cirugía Animal) – Universidad
Complutense de Madrid, Facultad de
Veterinaria, Madrid, 2008. Disponível em:
<http://eprints.ucm.es/8924/1/T30941.pdf
> Acesso em: 20 de Outubro de 2011.
REICHMANN, M.L.A.B., FIGUEIREDO,
A.C.C., PINTO, H.B.F. et al. Manual
Técnico do Instituto Pasteur – Controle de
Populações de Animais de Estimação. São
Paulo: Instituto Pasteur, 2000, p.2-16.
ROBERTS,
I.,
YATES,
D.,
SANDERCOCK, P., et al. Effect of
intravenous corticosteroids on death within
14 days in 10,008 adults with clinically
significant head injury (MRC CRASH trial):
randomized
placebo-controlled trial. Lancet, v.364,
n.9442, p.1321–1328, 2004.
ROBERTSON, C.S. VALADKA, A.B.,
HANNAY, H.J. et al. Prevention of
secondary ischemic insults after severe head
injury. Critical Care Medicine, v. 27, n.10,
p.2086-2095, 1999.
ROSONKE, S., LEGOME, E. Head Trauma.
The Journal of Emergency Medicine, v.31,
n.4, p.421-425, 2006.
SANDE, A., WEST, C. Traumatic brain
injury: a review of pathophysiology and
management.
Journal of
Veterinary
Emergency and Critical Care, v.20, n.2,
p.177-190, 2010.
SPENTZAS, T., HENRICKSEN, J.,
PATTERS, A.B., et al. Correlation of
intraocular pressure with intracranial
pressure in children with severe head
injuries. Pediatric Critical Care Medicine,
v.11, n.5, p.593-598, 2010.
STERNBACH, G.L. The Glasgow Coma
Scale. The Journal of Emergency Medicine,
v.19, n.1, p.67-71, 2000.
STOCCHETTI,
N.,
MAAS,
A.I.R.,
CHIEREGATO, A. et al. Hyperventilation
in Head Injury: A Review. Chest, 127,
p.1812-1827, 2005.
SWAMINATHAN,
A.,
LEVY,
P.,
LEGOME, E. Evaluation and Management
of Moderate to Severe Pediatric Head
Trauma. The Journal of Emergency
Medicine, v.37, n.1, p.63-68, 2009.
SYRING, R.S., OTTO, C.M., DROBATZ,
K.J. Hyperglycemia in dogs and cats with
head trauma: 122 cases (1997-1999).
Journal of the American Veterinary Medical
Association, v.218, n.7, p.1124-1129, Abril,
2001.
40
THOMAS, W.B. Evaluation of veterinary
patients with brain disease. Veterinary
Clinics of North America, v.20, p.1-19,
2010.
VILLAÇA, M.P., MANTOVANI, M.
Comportamento da pressão intracraniana,da
perfusão cerebral e dos parâmetros
hemodinâmicos durante a síndrome do
compartimento abdominal em cães. Revista
do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, v.33,
n.4, p.211-214, 2006.
WEEKERS,
F.,
GIULIETTI,
A.P.,
MICHALAKI, M. et al. Metabolic,
Endocrine, and Immune Effects os Stress
Hyperglycemia in a Rabbit Model of
Prolonged Critical Illness. Endocrinology,
v.144, n.12, p.5329-5338, 2003.
YENDAMURI,
S.,
FULDA,
G.J.,
TINKOFF, G.H. Admission Hyperglycemia
as a Prognostic
Indicator in Trauma. The Journal of Trauma
Injury, Infection, and Critical Care, v.55,
n.1, p.33-38, 2003.
41
Fly UP