...

Anticoncepcionais reversíveis de longa duração: Implante Liberador

by user

on
Category: Documents
3

views

Report

Comments

Transcript

Anticoncepcionais reversíveis de longa duração: Implante Liberador
REVISÃO
Anticoncepcionais reversíveis de longa duração:
Implante Liberador de Etonogestrel (Implanon®)
Long-acting reversible contraceptives: etonogestrel-releasing implant (Implanon®)
Giordana Campos Braga1
Carolina Sales Vieira2
Palavras-chave
Anticoncepção
Progestinas
Aconselhamento
Keywords
Contraception
Progestins
Counseling
Resumo
Apesar do crescente número de usuárias de métodos contraceptivos,
41% das gestações mundiais não foram planejadas. Os métodos de longa duração são uma alternativa eficaz
de reduzir o número de gestações não planejadas diminuindo, assim, taxas de mortalidade materna e infantil.
O implante é um método reversível de longa duração, com alta eficácia e taxa de continuidade. Este estudo tem
como proposta fazer uma revisão sobre o implante liberador de etonogestrel, seus efeitos adversos e benefícios
contraceptivos e não contraceptivos.
Abstract
Despite the growing number of users of contraceptive methods, 41%
of worldwide pregnancies were unplanned. Long acting reversible contraceptives (LARCS) are an effective
alternative to reduce the number of unplanned pregnancies thereby reducing maternal and child mortality. The
implant is a LARC, with high efficacy and continuation rate. This study has the objective to review the use of the
etonogestrel-releasing implant, its adverse effects and contraceptive and non-contraceptive benefits.
Mestre em Tocoginecologia Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo (USP) – Riberão Preto (SP), Brasil.
Professora doutora do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo (USP) – Riberão
Preto (SP), Brasil.
Endereço para correspondência: Carolina Sales Vieira – Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina de Ribeirao Preto/USP –
Avenida Bandeirantes 3900 – Campus Universitário – CEP: 14049-900 – Ribeirao Preto (SP), Brasil – E-mail: [email protected] / [email protected]
Conflito de interesses: Giordana Campos Braga e Carolina Sales Vieira fazem palestras ocasionais para a MSD.
1
2
Braga GC, Vieira CS
Introdução
O uso de contraceptivos para prevenir gestações não planejadas tem sido foco de discussões sobre planejamento familiar há
décadas, em diversos países. Apesar desses esforços, aproximadamente 41% das gestações mundiais não são planejadas, sendo o
Brasil e os Estados Unidos exemplos de países com alta taxa de
gestações não-planejadas1,2. O uso de contraceptivos reduz não
só essa taxa, como também a mortalidade materna e perinatal ao
reduzir a incidência de abortos espontâneos e induzidos, prenhez
ectópica e complicações inerentes à gravidez1.
O uso de contraceptivos reversíveis de longa duração
(LARCs – long-acting reversible contraceptives) mostrou redução
adicional nessas taxas devido a maiores taxas de eficácia e
continuidades desses métodos comparados aos métodos de
curta duração3. Os LARCs disponíveis no Brasil são o dispositivo intrauterino de Cobre (DIU-cu), o sistema intrauterino liberador de levonorgestrel (SIU-LNG) e o implante
subdérmico liberador de etonogestrel (ENG). Para garantir
uma boa adesão aos LARCs é importante o conhecimento de
seus benefícios e o manejo adequado de seus efeitos adversos.
O implante subdérmico liberador de ENG (Implanon®) é
um método contraceptivo de grande eficácia, com uma taxa de
falha de 0,05%4, duração de três anos, discreto, de fácil inserção,
e que não exige exame pélvico para o início de seu uso. Este
artigo pretende fazer uma revisão narrativa do uso do implante
liberador de ENG como contraceptivo de longa duração, ressaltando seus benefícios, bem como manejo de efeitos adversos.
Características do implante
Conforme já mencionado, dos implantes existentes mundialmente, temos disponível no Brasil, o implante liberador
de ENG (Implanon®). Este implante é um dispositivo plástico,
com quatro centímetros de comprimento e dois milímetros
de diâmetro, que contém 68 mg de etonogestrel (3-ketodesogestrel), o metabólito ativo do desogestrel, envolvido em
uma membrana de etilenovinilacetato. Logo após a inserção
do implante, os níveis de ENG mantem-se em 60–70 μg/dia,
diminuindo progressivamente para 35–45 μg/dia no final do
primeiro ano, 30–40 μg/dia no segundo ano e 25–30 μg/dia no
fim do terceiro ano5. Os mecanismos contraceptivos do implante
são principalmente a anovulação e a alteração do muco cervical,
há também atrofia do endométrio e alteração da motilidade
tubária6, tendo eficácia em torno de 0,05%, sendo o método
mais eficaz disponível no mundo (Tabela 1).
8
FEMINA | 2015 | vol 43 | Suppl. 1
O implante deve ser inserido subdérmico com anestesia local,
na face interna do braço não dominante, entre o primeiro e quinto
dia do ciclo menstrual, sem necessidade de método contraceptivo
adicional. Caso inserido fora deste período, deve-se orientar o
uso de método complementar ou abstinência nos próximos sete
dias da inserção. A Tabela 2 mostra quando inserir o implante
liberador de ENG nos diversos cenários clínicos7. A inibição
da ovulação ocorre após 8 horas de inserção e sua meia-vida de
eliminação é de aproximadamente 25 horas. A metabolização,
como qualquer esteróide sexual é no fígado e sua excreção é
principalmente pela via urinária5. Após retirada do implante,
os ciclos menstruais e a fertilidade voltam ao padrão normal
imediatamente8.
Tabela 1 - Taxa de falha e de continuidade de cada método
contraceptivo no primeiro ano de uso
Método
Nenhum
Coito interrompido
Comportamentais
Diafragma
Condom Masculino
Condom feminino
DIU-cobre
AHC
POP
Injetável Trimestral
Injetável Combinado
SIU-LNG
Implante
Laqueadura Tubária
Vasectomia
Uso típico
(%)
85
22
25
12
18
21
0,8
9
9
6
6
0,2
0,05
0,5
0,15
Uso perfeito
(%)
n/a
4
?
6
2
5
0,6
0,3
0,3
0,2
0,2
0,2
0,05
0,5
0,10
Continuidade
(%)
n/a
46
51
57
43
41
78
67
67
56
56
80
84
100
100
AHC: Anticoncepcional Hormonal Combinado (oral, anel vaginal ou adesivo); POP: pílula apenas
de progestagênio; DIU: Dispositivo intrauterino; SIU-LNG: Sistema intrauterino liberador de
levonorgestrel.
Adaptada de Trussell, 20114
Tabela 2 - Quando inserir o implante liberador de etonogestrel
Situação
Mulheres com
ciclos menstruais
regulares
Mulheres em
amenorréia
Pós-parto
Pós-aborto
Após uso de
Contracepção
de Emergência
Quando iniciar o implante?
Do 1º ao 5º dia do ciclo.
Após 5º dia do ciclo: afastar
gestação.
A qualquer momento desde que
se afaste gestação.
Lactantes: ≥6 semanas.
Não-lactantes: imediato ao parto.
População vulnerável: considerar
uso imediato ao parto.
Imediato ou ≤3 semanas.
>3 semanas desde que se afaste
gestação.
Imediato.
Recomendações adicionais
Nenhuma.
7 dias de preservativo ou
abstinência.
7 dias de preservativo ou
abstinência.
7 dias de preservativo ou
abstinência.
Nenhuma (se ≤3 semanas).
Nenhuma (se ≤3 semanas).
Nenhuma.
7 dias de preservativo ou
abstinência.
7 dias de preservativo ou
abstinência, após uso da
pílula de emergência.
Adaptada de WHO e Faculty of Sexual e Reproductive Health Care Clinical Guidance6,7
Anticoncepcionais reversíveis de longa duração: Implante Liberador de Etonogestrel (Implanon®)
Alguns estudos sugerem que a concentração sérica do
etonogestrel pode ser afetada pelo peso corporal da mulher.
No entanto, apesar dessa concentração ser menor em mulheres
obesas, este fato não está relacionada à maior taxa de falha do
implante comparado com mulheres de peso normal9.
Contraindicações ao uso do implante
liberador de etonogestrel
Hipersensibilidade aos componentes do implante, câncer de
mama atual e gravidez são as únicas contraindicações absolutas
do implante, sendo as duas ultimas categoria 4 (o método é
proscrito) dos critérios de elegibilidade médica da Organização
Mundial de Saúde (OMS). Há algumas poucas situações nas quais
o implante é categoria 3 da OMS, ou seja, os riscos potenciais ou
teóricos superam os benefícios (só podemos usar se não houver
opções categorias 1 e/ou 2), estas situações estão disponíveis
gratuitamente no site da OMS10 (http://www.who.int/reproductivehealth/publications/family_planning/en/index.html).
Uso em populações e/ou situações especiais
Especialmente em adolescentes, as gestações não planejadas
estão associadas a um aumento das mortalidades materna e
perinatal, assim como partos prematuros, recém-nascidos
de baixo peso, pré-eclâmpsia e infecções puerperais 11,12.
O estudo prospectivo CHOICE acompanhou com 9.256
mulheres e observou que após orientação contraceptiva, a
maioria delas preferiu utilizar LARCS, sendo o implante o
método preferido pelas adolescentes menores de 18 anos,
enquanto os dispositivos intrauterinos foram preferidos
pelas maiores de 18 anos13,14.
Em estudo recente, o uso precoce (antes da alta hospitalar
pós-parto) do implante liberador de ENG foi comparado com a
decisão de iniciar qualquer contraceptivo após 4 a 8 semanas do
parto em 396 adolescentes americanas, a fim de se determinar a
taxa de recorrência de gravidez em 12 meses após o parto. O grupo
de inserção imediata ao parto do implante de ENG consistiu de
171 adolescentes e o grupo de uso convencional de contracepção
pós-parto consistiu de 225 adolescentes. A taxa de gravidez em
12 meses foi 2,6% no grupo que iniciou o uso de implante antes
da alta hospitalar (gravidez ocorreu por retirada implante devido
a efeitos adversos e não iniciação de outros métodos) versus 18,6%
naquelas que optaram pelo início de qualquer contraceptivo no
momento convencional. Logo, iniciar um contraceptivo no pós-parto reduziu em quase 90% o risco de uma nova gestação em
12 meses15, mostrando que o período pós-parto é uma janela de
oportunidade de iniciar a contracepção para evitar a recorrência
de uma gestação não planejada.
A OMS considera o uso de implante categoria 3 (os riscos
potenciais ou teóricos superam os benefícios, só podendo ser
usado se não houver opções categorias 1 e/ou 2) no pós-parto
imediato devido aos poucos estudos avaliando as repercussões
do implante sobre a lactação e risco de trombose na ocasião de
elaboração dos critérios de elegibilidade de 2009. Considera-se o
implante categoria 1 (sem restrição) após 6 semanas do parto para
puérperas lactantes10. No entanto, nos Critérios de Elegibilidade
dos Estados Unidos e do Reino Unido, os contraceptivos com
progestagênio isolado são recomendados em lactantes imediatamente ao após o parto16,17.
Atualmente, já existem mais evidencias da segurança dos
métodos contraceptivos de progestagênio no pós-parto imediato. Diferentemente dos contraceptivos combinados, que estão
associados a aumento de risco de trombose venosa e arterial, os
contraceptivos apenas de progestagênios não alteram o risco
de tromboembolismo18,19. Quanto à segurança do implante no
pós-parto imediato, estudo randomizado avaliou segurança e
hemostasia inserindo implante liberador de ENG em um período
de 24 a 48 horas pós-parto comparando com ausência do uso de
contraceptivo hormonal. O estudo demonstrou que a iniciação
precoce do implante não alterou hemostasia, nem trouxe repercussões negativas para saúde materna ou para os recém-nascidos20.
O implante liberador de ENG, inserido a partir do 28° ao 56° dia
de pós-parto, não alterou o volume, qualidade e produção do
leite, quando comparado ao uso do DIU-cu, inserido no mesmo
período. Além disto, as pequenas concentrações de etonogestrel
no leite materno não estão associadas a efeitos adversos para
o recém-nascido21. Posteriormente, os autores seguiram estes
pacientes por 3 anos, relatando ausência de diferença do tempo
de amamentação, crescimento e desenvolvimento psicomotor
entre as crianças de ambos grupos de estudo22.
Em 2011, um ensaio clínico randomizado comparou o
tempo de apojadura, a taxa de desmame e a composição do leite entre a inserção precoce do implante (1o ao 3o após o parto)
versus a inserção convencional (4 a 8 semanas após o parto) em
69 mulheres. Não houve diferença entre o tempo de apojadura,
a composição do leite e taxa de desmame e de suplementação
entre os dois grupos23. No entanto, faltam estudos que avaliem
com mais detalhes os efeitos da inserção precoce do implante
sobre os recém-nascidos e a amamentação.
Em populações vulneráveis ou com dificuldade de acesso
ao sistema de saúde, a utilização de métodos reversíveis e
FEMINA | 2015 | vol 43 | Suppl. 1
9
Braga GC, Vieira CS
eficazes logo após o parto pode ser uma maneira de assegurar redução de gestações não planejadas e um intervalo
intergestacional seguro (maior que 18 meses) 24,25. Esta
prática de antecipar a prescrição de contracepção pode ser
uma opção especial para grupos de risco de curtos intervalos
intergestacional (como adolescentes e usuárias de álcool e
outras drogas) deixarem a maternidade com seu planejamento familiar já resolvido.
Benefícios e efeitos adversos
Como age independente da motivação da usuária, o
implante tem altas taxas de eficácia e de continuidade.
O estudo CHOICE americano mostrou que com aconselhamento e orientação adequados, as taxas de continuidade
e satisfação dos LARCS foram de 87% em 12 meses, e
77% em 24 meses, enquanto os métodos de curta duração (pílulas, anel, adesivos e injetáveis) tiveram taxas
de continuidade variando de 38 a 43% em 24 meses 14.
Desta forma os autores sugerem que estes métodos sejam
primeira linha de escolha para anticoncepção.
A anovulação decorrente do método favorece a diminuição
de sintomas pré-mentruais e dismenorréia. Com relação à dismenorreia, em uma compilação dos dados do implante liberador
de ENG, cerca de 77% das mulheres com dismenorréia previamente ao uso do implante referiram desaparecimento do sintoma
após a inserção do mesmo, enquanto 6% referiram melhora da
intensidade, sendo por isto recomendado em situações nas quais
a dismenorréia esteja presente26. Com relação à massa óssea de
mulheres em uso de implante, parece não haver diferença na
densidade mineral óssea comparado com usuárias de DIU de
cobre, uma vez que os níveis de estradiol são semelhantes entre
ambos os grupos27.
Os estudos com implante não observaram alteração nos
níveis de colesterol total, HDL, LDL, testosterona e SHBG28,29.
O metabolismo glicídico também não foi alterado por uso de
implante29 e, assim como os contraceptivos apenas de progestagênios, o implante não altera o risco de tromboembolismo19.
Diversos estudos mostraram que os progestagênios isolados
não tem efeitos sobre a lactação22,23,30,31, sendo por isto um método
adequado para o período de amamentação.
Os principais efeitos adversos reportados pelas mulheres, em
uso do implante liberador de etonogestrel, excluindo-se sangramento irregular, são: cefaléia (15,3%), mastalgia (10,2%), acne
(11,4%), ganho de peso (11,8%), labilidade emocional (5,7%),
e diminuição da libido (2,3%)32.
10
FEMINA | 2015 | vol 43 | Suppl. 1
Avaliando-se o ganho de peso com uso de implante, os estudos
mostraram que não há diferença no peso com o uso de implante
comparado com as usuárias de métodos não hormonais33.
Estudo comparando usuárias de implante e DIU-Cobre
evidenciou imagens ultrassonográficas sugestivas de cistos em
usuárias de implante34. Isto também ocorre com outros métodos
de progestagênio isolado, como o SIU-LNG35. Este é um efeito
que não tem repercussões na saúde das usuárias, os cistos não
produzem progesterona e tendem a desaparecer com 12 semanas34.
Como todo método de progestagênio, o principal efeito
adverso é a mudança do padrão de sangramento. A maioria das
mulheres terá um padrão de sangramento favorável (amenorréia,
infrequente e regular), porém cerca de 20% poderão ter um padrão
desfavorável de sangramento (frequente e prolongado). Define-se
os padrões de sangramento de acordo com o número e intensidade de sangramento uterino ou escape (spotting: sangramento
de pequena quantidade com uso de no máximo 1 absorvente ou
tampão/dia) por 90 dias. Considera-se amenorreia quando há
ausência de sangramento ou escape por 90 dias; sangramento
infrequente quando ocorre 2 ou menos episódios de sangramento
em 90 dias; regular: 3 a 5 episódios de sangramento em 90 dias;
frequente quando há mais de 5 episódios de sangramento em
90 dias; e sangramento prolongado quando ocorre 14 ou mais
dias consecutivos de sangramento36 (Figura 1).
Sangramento infrequente: ≤2 episódios de sangramento e/ou mancha
(não importa duração)
0
90 dias
Normal: 3 a 5 episódios de sangramento e/ou mancha (não importa duração)
0
90 dias
Sangramento frequente: >5 episódios de sangramento e/ou mancha
(não importa duração)
0
90 dias
Amenorréia: Sem sangramento
0
90 dias
Sangramento prolongado: período de sangramento e/ou mancha com
duração maior que 14 dias
0
90 dias
Figura 1 - Classificação dos padrões de sangramento possíveis
com métodos contendo apenas progestagênio36
Anticoncepcionais reversíveis de longa duração: Implante Liberador de Etonogestrel (Implanon®)
Apesar de desconfortáveis, as alterações menstruais
normalmente são bem toleradas pela maioria das mulheres
quando estas são bem aconselhadas previamente à inserção
do implante, inclusive em adolescentes (consideradas uma
população de baixa adesão aos métodos contraceptivos)37.
A Tabela 3 compara o padrão de sangramento associado aos
principais métodos de progestagênio isolado.
A causa do sangramento irregular por progestagênios
isolados ainda é desconhecida e não está associado a risco de
patologia uterina ou falha do método. O sangramento não é
por atrofia endometrial e, sim, instabilidade endometrial,
a qual não se sabe a causa. Foram verificados achados no
endométrio de mulheres que tem mais sangramento como
aumento de metaloproteinases endometriais (enzimas como
colagenases e elastases), formação de microvasos frágeis e
espécies reativas de oxigênio, que levam à redução a integridade endometrial. Porém, estes achados não são a causa,
podendo inclusive haver causas genéticas locais de sangramento. Não há como prever quem terá padrão favorável ou
desfavorável de sangramento, mas sabe-se que na fase inicial,
pós-inserção do implante, as mulheres cujo sangramento
ou escape duraram menos de 28 dias em um período de 90
dias, tendem a manter padrão favorável após seis meses de
inserção do implante26.
Manejo dos principais efeitos adversos
Os principais efeitos que podem ser necessárias intervenções
médicas (tratamento e/ou aconselhamento) são: cefaleia, mastalgia, acne e sangramento anormal.
• Cefaléia e mastalgia são efeitos que ocorrem em menos de
15% das mulheres e nas primeiras semanas após a inserção
do implante de etonogestrel32. São transitórias e em torno
de oito semanas já desapareceram. Se necessário, pode ser
prescritos analgésicos e anti-inflamatórios não esteroidais.
• A acne está presente em 13–15% das usuárias de implante32,
costuma ser de grau leve e bem tolerado. É importante
ressaltar que na maioria das pacientes a pele não se altera
ou até melhora. Nos casos em que a acne incomodar a
paciente, pode-se administrar drogas antiandrogênicas
(como espironolactona 100 a 200 mg ao dia por pelo
menos 6 meses)41.
• O manejo do sangramento anormal consiste em:
a)
aconselhamento pré-inserção: deve-se orientar sobre o
padrão de sangramento menstrual esperado com uso
do implante;
b)
aconselhamento pós-inserção: informar que a irregularidade menstrual não significa falha do contraceptivo.
É importante mencionar que se desconhece a causa do
sangramento por progestagênios, mas que existem tratamentos para cessar o sangramento atual; porém, não
há como evitar recorrência dos sintomas. A usuária deve
saber que o padrão de sangramento fica mais favorável
após os seis primeiros meses;
c)
investigar outras patologias que podem ser responsável
pelo sangramento. O exame pélvico vaginal, especular
e ultrassonográfico são recomendados para o manejo
do sangramento uterino quando: há sangramento frequente e/ou prolongado por mais de 6 meses; quando
o sangramento não responde às drogas utilizadas para
cessar sangramento eventual; quando surge padrão de
sangramento desfavorável após 6 meses da inserção
do implante; e quando há o aparecimento de sintomas não comumente relacionados ao implante, como
dispareunia, sinusorragia e dor pélvica inexplicada
(suspeita de que outra patologia pode ser responsável
pelo sangramento)42.
Alguns tratamentos foram estudados a fim de avaliar o
tratamento e profilaxia dos sangramentos uterinos secundários
a uso de progestagênios isolados. Trinta e três estudos foram
incluídos numa meta-análise da Cochrane, na qual foi observada
eficácia dos antifibrinolíticos (ácido tranexâmico), do estrogênio
isolado e dos contraceptivos combinados com levonorgestrel
(30 µg de etinilestradiol/150 µg de levonorgestrel) na redução de episódios de sangramento comparados com placebo.
O estrogênio isolado se mostrou eficaz em reduzir sangramento;
porém, as doses altas necessárias para cessar o sangramento
provocaram grande descontinuidade do tratamento devido
a efeitos gástricos. Além disto, para o implante liberador de
Tabela 3 - Padrões de sangramento com uso de progestagênios isolados
Padrão de sangramento
Amenorréia
Infrequente
Regular
Padrão Desfavorável
Implante de ENG26,37
22–40%
30–40%
20%
6,7% frequente + 17,7% prolongado
POP-desogestrel38
20%
30–40%
40%
5% frequente + 10% prolongado
SIU-LNG39
20–60%
10–30%
10–50%
5% frequente + 15% prolongado
AMPD40
50–80%
Não disponível
10%
19 a 26% (sem separação)
POP: progetagênio isolado oral; ENG: etonogestrel; SIU-LNG: sistema intrauterino liberador de levonogestrel; AMPD: acetato de medroxiprogesterona de depósito.
FEMINA | 2015 | vol 43 | Suppl. 1
11
Braga GC, Vieira CS
ENG, a dose de etiniltradriol usada foi 50 µg/dia (corresponde
a 5 mg/dia de estradiol ou valerato de estradiol), ou seja, doses
menores podem ser inefetivas.
Há medicações consideradas de efeitos mistos, ou seja,
há estudos mostrando superioridade ao placebo e outros
mostrando equivalência ao placebo. Estas medicações são:
os anti-inflamatórios não esteroidais (ibuprofeno, ácido
mefenâmico, e celecoxib) e inibidores de metaloproteinases
(doxiciclina). O uso de moduladores seletivos dos receptores
de estrogênio (SERMS), venotônicos, anti-progestagênios e
antioxidantes não mostraram efeito sobre redução de sangramento (Tabela 4).
Não há estudos que comparem os tratamentos citados
entre si, assim, não há como saber qual tratamento é mais
eficaz. Os esquemas propostos podem ser usados em conjunto ou isoladamente para cessar episódios de sangramento
por progestagênios isolados; porém, o aconselhamento
contraceptivo prévio é um dos pontos cruciais para manter
continuidade e a satisfação 43. Não há estudo utilizando
progestagênio oral (desogestrel) para diminuir sangramento
uterino por uso de implante, contudo, segundo especialistas, existe a recomendação do uso desta medicação como
alternativa terapêutica42.
É importante lembrar que nem sempre, o sangramento é
incômodo para a mulher, portanto deve ser tratado, em caso de
desconforto e quando solicitado. A Figura 2 propõe um protocolo
de manejo do sangramento.
de saúde e o manejo inadequado dos efeitos adversos podem
contribuir para a descontinuidade.
Retirada do implante
O implante tem duração de três anos, mas pode ser retirado a qualquer momento em que é solicitado pela mulher.
Caso seja desejado, pode ser reinserido outro implante no
mesmo local de retirada do anterior num trajeto adjacente
ao implante retirado. Para retirada, é necessário palpar o
implante, realizar anestesia local e uma pequena incisão que
normalmente não exige sutura.
O implante de ENG disponível no Brasil não é radiopaco,
diferente da maioria dos países do mundo que utilizam a
versão radiopaca para facilitar sua localização em casos de
este não ser palpável. Quando o implante não é palpável
deve-se realizar ultrassonografia no local a fim de localizá-lo
para remoção guiada. Ressonância nuclear magnética (RNM)
pode ser necessária em raros casos quando não se encontra
o implante por ultrassonografia. Em casos de implantes
impalpáveis com inserção profunda, próximo a estruturas
vasculares e nervosas pode ser necessário auxílio de cirurgião
ortopédico ou vascular. Se o implante não foi localizado por
RNM, desconfiar que o mesmo não foi inserido, solicitar
dosagem sérica de ENG. Se houver ENG circulante com
Orientar e
observar
Motivos de descontinuidade
<10 dias
O estudo CHOICE mostrou que o implante e os LARCS
têm uma boa aceitabilidade e uma taxa de continuidade
maior que 80% em 12 meses14. Entretanto, essa taxa diverge
geograficamente entre países desenvolvidos (55,4%) e nos
países em desenvolvimento (90,6%)44. Os padrões desfavoráveis de sangramento (10,4%), desejo de gravidez (4,1%) e
outros efeitos adversos (13,9%) foram as principais motivos
de descontinuidade do implante32. A falta de aconselhamento
contraceptivo prévio, a dificuldade de acesso ao profissional
≥1 mês
≥10 dias
Sangramento
desfavorável
Examinar
e Orientar
Tratar se
solicitado
<1 mês
Orientar
Figura 2 - Algoritmo de manejo de sangramento uterino
secundário ao uso de implante.
Tabela 4 - Drogas utilizadas para cessar os episódios de sangramento
Melhores que placebo
Ácido tranexâmico 500 mg 8/8h 5 a 7 dias
Anticoncepcional combinado (30 µg EE+150 µg LNG
1 cp/dia por 1 a 3 ciclos)
Estrogênio – EE 50 µg/dia por 21 dias (equivale a
5 mg de valerato de estradiol por dia)
Efeitos mistos
Sem efeito
Recomedado por especialistas, porém sem estudo
AINE :Ibuprofeno 400 mg 8/8h 5 a 7 dias
Ácido mefenâmico 500 mg 8/8h por 5 a 7dias
Doxiciclina 100 mg 1cp 12/12h por 7 dias
Mifepristone
Vitamina E
Venotônicos
Tamoxifeno
Desogestrel 75 mcg 1 cp/dia por 1 a 3 meses
*AINE: Anti-inflamatórios não esteroidais; EE: etiniliestradiol; LNG: levonorgestrel. Adaptada de Cochrane e Mansour42,43.
12
FEMINA | 2015 | vol 43 | Suppl. 1
Anticoncepcionais reversíveis de longa duração: Implante Liberador de Etonogestrel (Implanon®)
implante impalpável e não localizado, investigar se o mesmo
foi inserido em outra localização7. É interessante ressaltar
que são raros os casos em que o implante não é palpável
e que com treinamento adequado de inserção/retirada do
método, dificilmente ocorrem complicações.
Custo-efetividade
Devido às suas altas taxas de eficácia e continuidade, o
implante mostra-se custo-efetivo em um ano de uso. O implante tem maior custo-efetividade que os contraceptivos
orais combinados, injetáveis e nos primeiros três anos de uso
do SIU-LNG. Após 3 anos, o SIU-LNG é mais custo-efetivo
que o implante. DIU-cu é o LARC de maior custo-efetividade
dentre todos os contraceptivos7.
Conclusões
O implante é um contraceptivo de longa duração, reversível, de altas taxas de eficácia e continuidade, pouco
impacto metabólico e custo-efetividade; porém, é necessário
adequado aconselhamento prévio, boa orientação durante
seu uso e manejo adequado de seus efeitos adversos. Sua
aplicabilidade como redutor de gestações não planejadas é
importante na diminuição de mortalidade materna e deve
ter seu uso estimulado.
Leituras suplementares
1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
8.
9.
10.
11.
12.
13.
14.
Singh S, Sedgh G, Hussain R. Unintended pregnancy: worldwide levels, trends,
and outcomes. Stud Fam Plann.2010;41(4):241-50.
Brasil. Ministério da Saúde. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança
e da Mulher –PNSD 2006. Fecundidade e Intenções Reprodutivas das Mulheres/
Ministério da Saúde. 2011. [cited 2015 Feb 11]. Available from: <http://bvsms.
saude.gov.br/bvs/pnds/fecundidade.php>
Trussell J, Henry N, Hassan F, Prezioso A, Law A, Filonenko A. Burden of unintended
pregnancy in the United States: potential savings with increased use of longacting reversible contraception. Contraception.2013;87(2):154-61.
Trussell J. Contraceptive failure in the United States. Contraception.
2011;83(5):397-404.
Huber J, Wenzl R. Pharmacokinetics of Implanon. An integrated analysis.
Contraception. 1998;58(6 Suppl):85S-90S.
World Health Organization Department of Reproductive Health and Research and
Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health/ Center for Communication
Programs (CCP), INFO Project. Family Planning: A global handbook for providers
(2011 Update). Baltimore and Geneva: CCP and WHO, 2011. [cited 2015 Feb
11]. Available from: <http://www.who.int/reproductivehealth/publications/
family_planning/9780978856304/en/index.html>
Faculty of Sexual e Reproductive Healthcare Clinical Guidance. Progestin-only
implants, 2014. [cited 2015 Feb 11]. Available from: <http://www.fsrh.org/pdfs/
CEUGuidanceProgestogenOnlyImplants.pdf>
Mansour D, Gemzell-Danielsson K, Inki P, Jensen JT. Fertility after discontinuation
of contraception: a comprehensive review of the literature. Contraception.
2011;84(5):465-77.
Xu H, Wade JA, Peipert JF, Zhao Q, Madden T, Secura GM. Contraceptive failure
rates of etonogestrel subdermal implants in overweight and obese women. Obst
Gynecol 2012;120(1):21-6.
World Health Organization. Medical eligibility criteria for contraceptive use. 4rd
ed. Geneva: World Health Organization, 2009. [cited 2015 Feb 11]. Available
from: <http://www.who.int/reproductivehealth/publications/family_planning/
en/index.html>
Ganchimeg T, Ota E, Morisaki N, Laopaiboon M, Lumbiganon P, Zhang J, et al;
WHO Multicountry Survey on Maternal Newborn Health Research Network.
Pregnancy and childbirth outcomes among adolescent mothers: a World Health
Organization multicountry study. BJOG. 2014;121(1):40-8.
Oringanje C, Meremikwu MM, Eko H, Seu E, Meremikwu A, Ehiri JE. Interventions
for preventing unintended pregnancies among adolescents. Obstet Gynecol.
2010;115(1):171-2.
Secura GM, Allsworth JE, Madden T, Mullersman JL, Peipert JF. The Contraceptive
CHOICE Project: reducing barriers to long acting reversible contraception. Am J
Obstet Gynecol. 2010;203(2):115.e1-7.
O’Neil-Callahan M, Peipert JF, Zhao Q, Madden T, Secura G. TwentyFour–Month Continuation of Reversible Contraception. Obstet Gynecol.
2013;122(5):1083-91.
15. Tocce KM, Sheeder JL, Teal SB. Rapid repeat pregnancy in adolescents: do
immediate postpartum contraceptive implants make a difference? Am J Obstet
Gynecol. 2012;206(6):481.e1-7.
16. Centers for Disease Control and Prevention (CDC). Update to CDC’s U.S. Medical
Eligibility Criteria for Contraceptive Use, 2010: Revised Recommendations for
the Use of Contraceptive Methods During the Postpartum Period. MMWR Morb
Mortal Wkly Rep. 2011;60(26):878-83.
17. UK Medical Eligibility Criteria for Contraceptive Use, 2009 [cited 2015 Feb 11].
Available from: <http://www.fsrh.org/pdfs/UKMEC2009.pdf>
18. Chakhtoura Z, Canonico M, Gompel A, Thalbard JC, Scarabin PY, Plu-Bureau G.
Progestogen-only contraceptives and the risk of stroke: A Meta-Analysis. Stroke.
2009:40:1059-62.
19. Lidegaard O, Lokkegaard E, Svendsen AL, Carsten A. Hormonal contraception and
risk of venous thromboembolism: national follow-up study. BMJ. 2009;339:b890.
20. Brito MB, Ferriani RA, Meijers JC, Garcia AA, Quintana SM, Silva de Sá MF, et al.
Effects of the etonogestrel-releasing contraceptive implant inserted immediately
postpartum on maternal hemostasis: A randomized controlled trial. Thromb Res.
2012;130(3):355-60.
21. Reinprayoon D, Taneepanichskul S, Bunyavejchevin S, Thaithumyanon P,
Punnahitanhnda S, Tosukhowong P, et al. Effects of the etonogestrel-releasing
contraceptive implant (Implanon®) on parameters of breastfeeding compared
to those of intrauterine device. Contraception. 2000;62(5):239-46.
22. Taneepanichskul S, Reinprayoon D, Thaithumyanon P, Praisuwanna P, Tosukhowong
P, Dieben T. et al. Effects of the etonogestrel-releasing implant Implanon and
a nonmedicated intrauterine device on the growth of breast-fed infants.
Contraception. 2006;73(4):368-71.
23. Gurtcheff SE, Turok DK, Stoddard G, Murphy PA, Gibson M, Jones KP. Lactogenesis
after early postpartum use of the contraceptive implant: a randomized controlled
trial. Obstet Gynecol. 2011;117(5):1114-21.
24. Grisaru-Granovsky S, Gordon ES, Haklai Z, Samueloff A, Schimmel MM. Effect
of interpregnancy interval on adverse perinatal outcomes — a national study.
Contraception. 2009;80:512-8.
25. Conde-Agudelo A, Rosas-Bermúdez A, Kafury-Goeta AC. Effects of birth spacing on
maternal health: a systematic review. Am J Obstet Gynecol. 2007;196(4):297-308.
26. Mansour D, Korver T, Marintcheva-Petrova M, Fraser IS. The effects of Implanon on
menstrual bleeding patterns. Eur J Contracept Reprod Health Care. 2008;13(1):13-28.
27. Beerthuizen R, van Beek A, Massai R, Mäkäräinen L, Hout J, Bennink HC. Bone
mineral density during long-term use of the progestagen contraceptive implant
Implanon compared to a non-hormonal method of contraception. Hum Reprod.
2000;15(1):118-22.
28. Merki-Feld GS, Imthurn B, Seifert B. Effects of the progestagen-only contraceptive
implant Implanon on cardiovascular risk factors. Clin Endocrinol (Oxf).
2008;68(3):355-60.
29. Dorflinger LJ. Metabolic effects of implantable steroid contraceptives for women.
Contraception. 2002;65(1):47-62.
FEMINA | 2015 | vol 43 | Suppl. 1
13
Braga GC, Vieira CS
30. Bahamondes L, Bahamondes MV, Modesto W, Tilley IB, Magalhães A, Pinto e
Silva JL, et al. Effect of hormonal contraceptives during breastfeeding on infant’s
milk ingestion and growth. Fertil Steril. 2013;100(2):445-50.
31. Kapp N, Curtis K, Nanda K. Progestogen-only contraceptive use among
breastfeeding women: a systematic review. Contraception. 2010;82(1):17-37.
32. Fraser IS. Introduction and summary of key clinical data. Eur J Contracept Reprod
Health Care. 2008;13(Suppl 1):1-3.
33. Lopez LM, Edelman A, Chen M, Otterness C, Trussell J, Helmerhorst FM.
Progestin-only contraceptives: effects on weight. Cochrane Database Syst Rev.
2013;7:CD008815.
34. Hidalgo MM, Lisondo C, Juliato CT, Espejo-Arce X, Monteiro I, Bahamondes L.
Ovarian cysts in users of Implanon and jadelle subdermal contraceptive implants.
Contraception. 2006;73(5):532-6.
35. Bahamondes L, Hidalgo M, Petta CA, Diaz J, Espejo-Arce X, Monteiro-Dantas
C. Enlarged ovarian follicles in users of a levonorgestrel-releasing intrauterine
system and contraceptive implant. J Reprod Med. 2003;48(8):637-40.
36. Belsey EM, Machin D, d’Arcangues C. The analysis of vaginal bleeding patterns
induced by fertility regulating methods. World Health Organization Special
Programme of Research, Development and Research Training in Human
Reproduction. Contraception. 1986;34(3):253-60.
37. Guazzelli CAF, de Queiroz FT, Barbieri M, Torloni MR, de Araujo FF. Etonogestrel
implant in postpartum adolescents: bleeding pattern, efficacy and discontinuation
rate. Contraception. 2010;82(3):256-9.
14
FEMINA | 2015 | vol 43 | Suppl. 1
38. [No authors listed]. A double-blind study comparing the contraceptive efficacy,
acceptability and safety of two progestogen-only pills containing desogestrel
75 micrograms/day or levonorgestrel 30 micrograms/day. Collaborative Study
Group on the Desogestrel-containing Progestogen-only Pill. Eur J Contracept
Reprod Health Care. 1998;3(4):169-78.
39. Jensen J, Mansour D, Lukkari-Lax E, Inki P, Burock K, Fraser IS. Bleeding patterns
with the levonorgestrel-releasing intrauterine system when used for heavy
menstrual bleeding in women without structural pelvic pathology: a pooled
analysis of randomized controlled studies. Contraception. 2013;87(1):107-12.
40. Hubacher D, Lopez L, Steiner MJ, Dorflinger L. Menstrual pattern changes from
levonorgestrel subdermal implants and DMPA: systematic review and evidencebased comparisons. Contraception. 2009;80(2):113-8.
41. Bachelot A, Chabbert-Buffet N, Salenave S, Kerlan V, Galand-Portier MB. Antiandrogen treatments. Ann Endocrinol (Paris). 2010;71(1):19-24.
42. Mansour D, Bahamondes L, Critchley H, Darney P, Fraser IS. The management of
unacceptable bleeding patterns in etonogestrel-releasing contraceptive implant
users. Contraception. 2011;83(3):202-10.
43. Abdel-Aleem H, d’Arcangues C, Vogelsong KM, Gaffield ML, Gülmezoglu
AA. Treatment of vaginal bleeding irregularities induced by progestin only
contraceptives. Cochrane Database Syst Rev. 2013;10:CD003449.
44. Power J, French R, Cowan F. Subdermal implantable contraceptives versus other
forms of reversible contraceptives or other implants as effective methods of
preventing pregnancy. Cochrane Database Syst Ver.2007;(3):CD001326.
Fly UP