...

Movimento Harmônico Simples

by user

on
Category: Documents
3

views

Report

Comments

Transcript

Movimento Harmônico Simples
Por Prof. Alberto Ricardo Präss
Adaptado de “Física” de Carlos Alberto Gianotti e Maria Emília Baltar
OSCILAÇÕES: Movimento Harmônico Simples - M. H. S.
Todo movimento que se repete em intervelos de tempo iguais é
chamado de periódico. Mais precisamente, poderíamos dizer que, no
movimento periódico, o móvel ao ocupar, sucessivamente, a mesma
posição na trajetória, apresentar sempre a mesma velocidade e
aceleração e que o intervalo de tempo para que ele se encontre duas
vezes nessa posição, é sempre o mesmo. Deste tipo são:
a) movimento circular uniforme,
b) o movimento da Terra em torno do Sol,
c) o movimento de um pêndulo,
d) o movimento de uma lâmina vibrante,
e) o movimento uma massa presa à extremidade de uma mola, etc.
Como as equações do movimento periódico são expressas a partir
das funções seno e co-seno, ele também é chamado movimento
harmônico.
Movimento Oscilatório Harmônico
Um movimento é dito oscilatório ou vibratório quando o móvel se
desloca periodicamente sobre uma mesma trajetória, indo e vindo para
um lado e para outro em relação a uma posição média de equilíbrio.
Essa posição é o ponto sobre a trajetória, para o qual a resultante das
forças que agem sobre o móvel, quando aí passa, é nula.
Desse tipo são o movimento de um pêndulo, o movimento de uma
lâmina vibrante e o movimento de um corpo preso a extremidade de
uma mola.
Vejamos, para fixar a idéia, o movimento realizado por uma régua
plástica presa à extremidade de uma mesa e posta a oscilar por ação
de uma força externa.
Figura 1
Na figura temos o ponto 0 como sendo a posição de equilíbrio. Na
medida em que tiramos a régua dessa posição e a aproximamos do
ponto A uma força na régua, de caráter elástico tendendo a conduzí-la
de volta à posição de equilíbrio; quanto mais nos aproximamos de A, é
claro que afastando-nos do 0, essa força - a que chamamos força
restauradora - cresce. Se largarmos a régua em A, por ação da força
restauradora, ela começa a retornar ao ponto 0. Na medida em que esse
retorno ocorre, a velocidade da régua cresce e ao chegar no equilíbrio,
em função da inércia, ela não pára, movimentando-se, então, em
direção a B. Entretanto, no momento em que passar de 0 novamente
surge a força restauradora que fará a sua velocidade decrescer até se
anular no ponto B, onde a força será máxima. A partir desse ponto a
régua retorna a 0 com velocidade crescente. Aí chegando novamente
não pára, pela inércia. E assim a régua continuará oscilando até cessar
o movimento em função do atrito.
Aliás, os movimentos oscilatórios que conhecemos não
apresentam a característica da periodicidade devido ao atrito. As
oscilações que nos são comuns são os que chamamos movimentos
oscilatórios amortecidos. Portanto, para que possamos estudar esse
movimento iremos sempre desprezar qualquer forma de atrito.
Período e Freqüência
Período (T), de um movimento periódico, é o tempo decorrido
entre duas passagens consecutivas do móvel por um mesmo ponto da
trajetória (apresentando as mesmas características cinemáticas).
Como se trata de um intervalo de tempo, a unidade de período é o
segundo.
Freqüência (f), de um movimento periódico, é o inverso do
período. Numericamente, a freqüência representa o número de vezes
que o móvel passa por um mesmo ponto da trajetória, com as mesmas
características cinemáticas, na unidade de tempo.
A unidade de freqüência é o inverso da unidade de tempo ou seja
1/segundo. Esta unidade é também chamada "Hertz" (Hz). .
1 s-1 = 1 Hz
Análise Qualitativa de uma Oscilação
Façamos, agora, um estudo qualitativo de uma oscilação completa
realizada por um móvel, analisando velocidade, aceleração e força
atuante, em distintos pontos da trajetória. Para tanto consideremos (fig.
2) um corpo, apoiado em um plano horizontal, preso à extremidade de
uma mola; desprezemos qualquer forma de atrito.
Precisamos, entretanto, primeiramente caracterizar dois novos
termos que utilizaremos daqui por diante no estudo das oscilações,
quais sejam elongação e amplitude.
Elongação de uma oscilação em um dado instante é a distância a
que o móvel se encontra da posição de equilíbrio no instante
considerado.
Amplitude de um movimento oscilatório é a máxima elongação,
isto é, a maior distância que o móvel alcança da posição de equilíbrio
em sua oscilação. No exemplo que passaremos a estudar (fig. 2.2) a
amplitude é A e uma elongação é x.
Figura 2
Tomemos um eixo horizontal X onde 0 é origem e representa a
posição de equilíbrio. Suponhamos o movimento já em desenvolvimento
e comecemos a analisá-lo a partir do momento em que o móvel passa
pela posição de equilíbrio. Após esse instante a mola passará a exercer
sobre o corpo uma força, a já referida força restauradora (de caráter
elástico, no caso), que procura fazê-lo retornar a 0. Na medida em que
m se afasta do equilíbrio, aumentando as elongações, a força
restauradora cresce, mas nota-se que tem orientação contrária à do
eixo. Da mesma forma, portanto, a aceleração. A velocidade do móvel
decresce até atingir valor zero quando o móvel chega à posição A, onde
a força restauradora será máxima. Partindo de A o móvel começa o
retorno com velocidade crescente, porém, conforme diminuam as
elongações, a força atuante sobre ele diminui em intensidade bem como
a aceleração. Observamos que de A para 0, os vetores força, aceleração
e velocidade têm todos a mesma orientação, contrária à do eixo. Ao
atingir o ponto 0 a velocidade do corpo será máxima e, como aí a força
é nula, em função da inércia o corpo passa dessa posição indo em
direção à -A. De 0 para -A a força restauradora cresce, assim como a
aceleração, sendo máximas em -A. A velocidade, nesse trajeto, decresce
até atingir valor nulo no extremo da trajetória. De -A para 0 os vetores
velocidade, aceleração e força têm o mesmo sentido do eixo.
Porém, enquanto a força e a aceleração decrescem, o valor da
velocidade cresce, na medida em que o corpo aproxima-se de 0.
Se o móvel oscila em torno de sua posição de equilíbrio por ação
de uma força que seja proporcional às elongações, então o movimento
oscilatório é dito harmônico simples. Assim, sendo o corpo deslocado
"x", do equilíbrio, por ação de uma força restauradora F, essa será dada
por
F = -k x
onde o sinal (-1) indica que o sentido da força será contrário ao
deslocamento, quando x for positivo, e que terá o mesmo sentido
quando x for negativo. Observamos que a força restauradora é tal que é
sempre dirigida para a posição de equilíbrio, sendo por isso, algumas
vezes, chamada força central.
Elongação, Velocidade, Aceleração e Força no M. H. S.
Para que possamos estabelecer as equações que nos permitam o
cálculo da elongação, velocidade, aceleração e força atuante em um
dado instante de um MHS iremos considerar o deslocamento de um
ponto material sobre uma trajetória circunferencial de raio R. Isto é,
uma partícula realizando movimento circunferencial uniforme.
Se tomarmos o movimento da projeção P - do ponto material M
que realiza M. C. U. - sobre um diâmetro da trajetória, veremos que se
trata de um MHS. É evidente que a projeção P oscilará em relação ao
centro da trajetória com amplitude igual ao raio da mesma. No caso
iremos trabalhar com o diâmetro horizontal.
Figura 3
Primeiramente, estabeleçamos a equação da elongação do MHS.
0 ponto 0 será a posição de equilíbrio e, de acordo com a fig. 3, a
elongação, para a posição em que se encontra o ponto M, é x.
Pelo triângulo 0PM diremos que
x=Rcosθ
(1)
Mas o raio R é igual à amplitude A do movimento oscilatório
realizado por P. Pelo que estudamos no MCU, temos que a velocidade
angular de M pode ser dada por:
ω=
Δθ
Δt
logo
Δθ=ωΔt
ou simplificando
θ=ωt
onde t é o tempo para M percorrer o arco que compreende o ângulo θ
Então, a equação (1) poderá ser escrita:
x=Acos(ωt)
(2)
Porém a velocidade angular poderá também ser dada por
ω=
2π
=2πf
T
ande
f
é
a
freqüência
do
movimento
circunferencial
e,
conseqüentemente a freqüência da oscilação realizada por P. Logo, a
equação (2) poderá ser escrita:
x=Acos(2πft)
equação essa que nos permite calcular a elongação x, em um instante t,
de um MHS, cuja amplitude é A e cuja freqüência é f.
Costumamos denominar o ângulo θ de fase do movimento. Como
o movimento de M é uniforme θ crescerá linearmente com o tempo
teremos
θ=ωt + φ
onde o ângulo φ é a fase do movimento para t=0 e que chamamos fase
inicial. Observamos que dois movimentos oscilatórios de mesma
amplitude podem diferir pela fase, o que determina que eles apresentem
mesma velocidade e aceleração num mesmo ponto da trajetória mas em
instantes diferentes.
A constante ω , na equação . (2) é chamada freqüência angular
ou pulsação.
A equação da elongação poderá ser escrita mais genericamente
x=Acos(2πft + φ )
Estabeleçamos, agora, a equação da velocidade do M. H. S.,
determinando a velocidade do ponto P. Procederemos analogamente à
determinação da equação da elongação, trabalhando, porém, com a
velocidade linear do movimento circunferencial (fig. 4) A velocidade do
Ponto P será a projeção do vetor velocidade linear do móvel M sobre o
diâmetro.
Lembramos primeiramente que a velocidade linear em uni M. C. U.
é dada
v=ωR
ou
v=2πf
Figura 4
No caso a projeção do vetor velocidade linear sobre x'x será:
v=ωRcosα = -ωRcosβ=ωRsenθ
Como o raio R é igual á amplitude A e
θ=ωt
V=-ωAsen(ωt)
de onde
teremos
V=-ωAsen(2πft)
A aceleração do MHS (fig. 5) é a projeção do vetor aceleração
centrípeta do ponto M sobre o eixo x'x. Já estudamos que no MCU a
aceleração centrípeta é dada por
v2 2
a c = =ω R
R
A projeção do vetor
ac
será:
a=a c.cosγ=-a.cosθ
isto é
a=-ω2Rcosθ=-ω2Acosθ
como
x=Acosθ
vem
a=-ω2 x
ou
a=-4π2f 2x
Figura 5
A intensidade da força restauradora pode ser encontrada a partir
da equação fundamental da dinâmica.
F=ma
Admitindo-se que a massa de P é m e sendo, como já vimos,
a=ω2 x ,
teremos:
F=m(-ω2x)
Como m e ω são constante, podemos escrever
k=mω2
(3)
de onde
F=-kx
Através dessa equação vemos que a F atuante em P é de caráter
restaurador o que determina que o movimento seja realmente
harmônico simples.
Podemos escrever, a partir de (3)
ω=
k
m
sendo
ω=
2π
=2πf
T
teremos
k
2π
=
m
T
ou
2πf=
m
k
ou
f=
k
m
onde
T=2π
1 k
2π m
Essas duas equações nos dão o período e a freqüência em função
de k e m e mostram que, tanto T como f independem da amplitude do
movimento.
Expressão Gráfica da Elongação, Velocidade e Aceleração em
Função do Tempo
Consideremos para esse estudo, o movimento de um ponto
material A, com velocidade constante. A projeção P do ponto A, sobre o
diâmetro vertical, realiza MHS. O período será T e assumiremos, no
instante t=0, elongação nula.
Figura 6
A seguir temos a representação da velocidade e da aceleração em
função do tempo, feita de forma análoga, porém lembramos que para a
elongação nula (x=0) a velocidade é máxima, enquanto a aceleração é
nula.
Figura 7
Figura 8
Para um perfeito entendimento do significado
anteriores vamos tecer as seguintes observações:
dos gráficos
- entre t = o e t = T/4: o vetor velocidade decresce, com o mesmo
sentido do eixo e o vetor aceleração cresce, com sentido contrário ao
mesmo;
- entre t = T/4 e t = T/2: o vetor velocidade cresce, com orientação
contrária à do eixo e o vetor aceleração decresce, também com sentido
contrário ao mesmo;
- entre t = T/2 e t = 3T/4: o vetor velocidade decresce, com sentido
contrário ao eixo e o vetor aceleração cresce com o sentido do eixo;
- entre t = 3T/4 e t = T: o vetor velocidade cresce, com a mesma
orientação do eixo, enquanto o vetor aceleração decresce, com o
mesmo sentido do eixo.
Energia no MHS
A energia mecânica total de um sistema oscilante é dada pela soma
da energia potencial com a energia cinética em um ponto qualquer da
trajetória.
Em ponto de elongação x, para o oscilador harmônico mostrado na
fig. 2, ao iniciarmos o presente estudo, a energia potencial - no caso de
caráter elástico - será:
1
Ep = kx 2
2
onde k é a constante elástica de mola a que você estudou na Dinâmica.
Logo, a energia potencial de um sistema oscilante cresce com as
elongações, sendo máxima nos dois pontos extremos da trajetória
(x=A). Evidentemente a energia potencial só será nula na posição de
equilíbrio (x=0).
A energia cinética de um sistema oscilante, em um ponto
trajetória onde a velocidade do corpo seja v, será dada por:
1
Ec= mv2
2
Portanto, a energia cinética é máxima onde a velocidade e
máxima, isto é na posição de equilíbrio onde, como já foi dito, a energia
potencial é nula. Nos pontos extremantes da trajetória a energia cinética
será nula pois aí v=0. Assim, a energia cinética cresce dos extremos da
trajetória para a posição de equilíbrio.
Figura 9
Retomemos, agora, as equações da energia potencial elástica e
energia cinética .
1
Ep = kx 2
2
e
1
Ep = mv2
2
Sabemos que:
k=mω2
x=Acosθ
v=-ωAcosθ
Substituindo os valores anteriores nas equações correspondentes,
teremos
1
Ep = mω2A2cos2θ
2
e
1
Ec = mω2A2sen 2θ
2
que também nos permitem o cálculo das energias potencial e cinética
num MHS.
Como a energia total é dada por
E t =Ep +Ec
teremos
1
1
E t = mω2A2cos2θ+ mω2A2sen 2θ
2
2
1
E t = mω2A2 (cos2θ+sen 2θ )
2
sabendo que
cos2θ+sen 2θ=1
logo
1
E t = mω2A2
2
Pêndulo Simples
0 pêndulo simples é um sistema ideal, constituído por uma massa
presa à extremidade de um fio inextensível e de peso desprezível, que
tem a outra extremidade associada a um eixo, em torno do qual é capaz
de oscilar. Na figura temos um pêndulo de massa m e comprimento A .
Figura 10
O pêndulo simples realiza movimento oscilatório e periódico. A
amplitude do seu movimento é igual ao ângulo formado com a vertical
quando o pêndulo está numa posição extrema.
0 pêndulo simples ideal realiza suas oscilações no vácuo com
amplitude não superior a 15°.
Se levarmos o pêndulo até uma posição fora do equilíbrio, e o
soltamos, ele irá oscilar por ação de uma força restauradora.
Na figura 11 temos um esquema das forças atuantes sobre a
massa m. A componente da força-peso,
p´ =mgsenθ
é a força restauradora, isto é, a responsável pelo deslocamento.
Figura 11
Portanto,
F=-mgsenθ
Logo a F não é proporcional às elongações, não se tratando
conseqüentemente, de um MHS. Entretanto será um M. H. S., se A <
15° porque para amplitudes até esse valor senθ ≅ θ ( θ em radianos).
Dessa forma, também, o movimento da massa m será praticamente
retilíneo, pois o arco de circunferência compreendido pela posição de
equilíbrio e pela posição extrema será A.θ , um valor muito pequeno, e
que portanto, se aproxima de um segmento de reta. Assim podemos
escrever:
A quantidade mg/A é constante e podemos representá-la por k.
Mas vimos que o período de um movimento harmônico é:
T=2π
logo, para o pêndulo simples teremos:
m
k
T=2π
T=2π
m
mg/A
A
g
Analisando a última equação tiramos as seguintes conclusões:
1 - O período de um pêndulo simples independe da amplitude.
2 - O período de um pêndulo simples é independe de sua massa ou da
substância que a constitui. Assim, para dois pêndulos de mesmo
comprimento A , e massa respectivamente m1 e m2, constituídas uma
de chumbo e outra de ferro, sendo m1 e m2, verificamos que eles
apresentam o mesmo período.
3 - O período de um pêndulo simples é diretamente proporcional à raiz
quadrada de seu comprimento.
Observemos que se duplicarmos o comprimento do pêndulo o seu
período
não duplicará. Isso só ocorrerá caso o comprimento
quadruplique (figura 12).
4 - O período de um pêndulo depende do lugar onde o mesmo se
encontre, uma vez que depende da aceleração da gravidade. Aliás, uma
das aplicações dos pêndulos simples é a determinação da aceleração da
gravidade.
Finalizando, salientamos que a análise feita para o MHS é
particularmente válida para o pêndulo simples no que se refere à
velocidade, à aceleração e à energia, feitas as adaptações para o
sistema em questão.
Exemplo:
Determinar o comprimento de um pêndulo cujo período é 2s em um
local onde g = 9,8m/s2:
Solução:
0 período do pêndulo é dado por:
T=2π
A
g
sendo
T=2s e g=9,8m/s2
T2 =4π2
A
g
T2 g
A= 2
4π
22.9,8 9,8
= 2 ≅ 1m
A=
2
π
4.π
Fly UP