...

Richard Saigh - Valor Econômico

by user

on
Category: Documents
7

views

Report

Comments

Transcript

Richard Saigh - Valor Econômico
Richard Saigh Indústria e Comércio S.A.
CNPJ nº 61.206.397/0001-67
RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO
Aos Senhores acionistas:
4. A política de investimentos adotada pela Richard Saigh que, no período necessários para seu autofinanciamento e manutenção de capital de giro.
1. A Richard Saigh Indústria e Comércio S.A. (“Companhia” ou “Richard 2009-2014, destinou o montante total de R$ 24.719.377,00 (vinte e quatro 6. O contínuo monitoramento dos mercados nos exercícios anteriores, com
Saigh”) vem apresentar o Relatório da Administração e as Demonstrações milhões, setecentos e dezenove mil, trezentos e setenta e sete Reais) em destaque para o câmbio e matéria-prima, tem propiciado à Companhia se
Financeiras da Companhia, acompanhados do Parecer dos Auditores benefício da Companhia, e vem repercutindo diretamente em nossos manter firme no crescimento e manutenção de suas atividades empresariais.
resultados. O cumprimento de nosso estatuto social tem possibilitado, além Buscaremos em 2015 intensificar o desenvolvimento de novos produtos,
Independentes, relativos ao exercício social findo em 31.12.2014.
2. A Companhia chega ao final do exercício de 2014 com 87 anos de da prudente recomposição do caixa para o autofinanciamento de nossas resultado de nossas pesquisas que nos permitem melhor identificar a
atividades. Nossa história vem sendo construída a cada ano com entusiasmo atividades, a manutenção de nossos investimentos, permitindo, por matéria-prima de produção nacional a fim de diminuir a necessidade do
conseguinte, transformar a Companhia em uma empresa competitiva em trigo importado.
e profissionalismo, o que tem gerado a oferta de produtos e serviços
seu mercado de atuação. Após a criação das reservas conduzimos a As pessoas e a organização
diferenciados aos nossos clientes. Busca-se, com estas iniciativas,
Companhia de forma prudente e dotamos nossa empresa das ferramentas 7. A Companhia encerrou o exercício de 2014 com 161 colaboradores.
consolidar uma posição relevante no setor.
necessárias para o seu crescimento e perpetuidade.
A nossa política de benefícios envolve participações nos lucros, assistência
3. O exercício de 2014 possibilitou um lucro antes do Imposto de Renda e Perspectivas 2015
médica, vale-alimentação e vale-transporte, além de incentivos para
da Contribuição Social no valor total de R$ 18.518.930,63 (dezoito milhões, 5. O cenário macroeconômico para 2015 aponta para a necessidade de treinamento e atualização profissional. No exercício de 2014 foram
quinhentos e dezoito mil, novecentos e trinta Reais e sessenta e três extrema cautela, considerando as inúmeras incertezas que poderão surgir investidos R$ 2.334.707,92 (dois milhões, trezentos e trinta e quatro mil,
centavos) e um consequente lucro líquido no valor de R$ 12.220.959,14 no plano político e econômico em âmbito nacional e internacional. Assim setecentos e sete Reais e noventa e dois centavos) em saúde, alimentação,
(doze milhões, duzentos e vinte mil, novecentos e cinquenta e nove Reais e como em exercícios anteriores buscaremos manter a estratégia de rígido transporte, segurança, capacitação e outros benefícios voltados aos seus
controle de caixa e despesas e dotar a Companhia dos instrumentos colaboradores.
catorze centavos).
Demonstrações dos resultados - Exercícios findos
Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Em Reais, sem centavos)
em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Em Reais, sem centavos)
Nota
Nota
explicativa
2014
2013
Ativo
explicativa
2014
2013 Passivo e patrimônio líquido
Nota
Circulante
explicativa
2014
2013
Circulante
Fornecedores
10
2.391.329
2.852.070
Receita
operacional
líquida
16 197.639.525 176.154.176
Caixas e bancos
4
510.973
217.802
12 1.052.178 857.471 Custo dos produtos vendidos
18 (152.356.647) (131.409.620)
Aplicações financeiras
4 25.679.287 20.708.585 Salários e encargos sociais a pagar
12 605.961 850.238 Lucro bruto
45.282.878 44.744.556
Contas a receber de clientes
5 15.592.580 13.870.535 Impostos e contribuições a recolher
13 3.055.240 3.982.871 (Despesas) receitas operacionais
Estoques
7 11.444.080 9.730.861 Dividendos a pagar
Participação
a
pagar
1.222.096
1.593.149
Impostos a compensar
951.989
921.081
Com vendas
18 (17.613.863) (14.833.012)
571.499 550.151
Adiantamentos
6
25.384 1.384.923 Contas a pagar
Administrativas e gerais
18 (10.757.572) (9.019.796)
8.898.302 10.685.950
58.473
42.619
Despesas do exercício seguinte
Resultado financeiro líquido
17
1.572.835
723.191
Não circulante
54.262.767 46.876.406
Contas a pagar a acionista
11 2.215.404 2.168.737 Receitas com venda de
imobilizado
–
2.754
Não circulante
2.215.404 2.168.737
Realizável a longo prazo
Outras receitas (despesas)
Patrimônio líquido
15
operacionais
34.653
2.577.185
Depósitos judiciais
14
135.975
137.486 Capital social
Investimentos
8
1.371
1.097 Domiciliados no país
21.793.304 19.421.102 Lucro antes do imposto de
renda
e
da
contribuição
social
18.518.931
24.194.878
Imobilizado
9 28.029.988 29.210.856 Domiciliados no exterior
21.793.304 19.421.101
12 (4.621.136) (6.069.671)
–
1.614 Reservas de lucros
Intangível
9
27.729.787 24.530.569 Imposto de renda
12 (1.676.836) (2.193.722)
28.167.334 29.351.053
71.316.395 63.372.772 Contribuição social
12.220.959 15.931.485
82.430.101 76.227.459 Total do passivo e patrimônio líquido
Total do ativo
82.430.101 76.227.459 Lucro líquido do exercício
Lucro líquido por lote de mil
As notas explicativas da Administração são parte integrante das demonstrações contábeis
ações
do
capital
final
555,50
724,16
Demonstrações das mutações do patrimônio líquido - Exercícios findos em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Em Reais, sem centavos)
As notas explicativas da Administração são parte integrante
Reservas
das demonstrações contábeis
Capital
Para pesquisa e
Para
Lucros
Demonstrações dos resultados abrangentes - Exercícios findos
social
Legal desenvolvimento investimentos acumulados
Total
em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Em Reais, sem centavos)
Saldos em 31 de dezembro de 2012
22.000.000 2.331.018
2.142.039
27.846.517
– 54.319.574
2014
2013
Aumento do capital social
16.842.203
–
– (16.842.203)
–
–
12.220.959 15.931.485
Participação da diretoria nos lucros de 2012
–
–
–
(1.302.268)
– (1.302.268) Lucro líquido do exercício
–
–
Lucro líquido do exercício
–
–
–
– 15.931.485 15.931.485 Outros resultados abrangentes
Total do resultado abrangente do exercício 12.220.959 15.931.485
Proposta para destinação do lucro líquido
As notas explicativas da Administração são parte integrante
Reserva legal
– 796.574
–
–
(796.574)
–
das demonstrações contábeis
Dividendos
–
–
–
– (3.982.871) (3.982.871)
Participação da diretoria
–
–
–
– (1.593.149) (1.593.149) 8. Investimentos:
2014
2013
Constituição reserva para pesquisa e desenvolvimento
–
–
796.574
–
(796.574)
– Incentivos fiscais
939.165
939.165
–
–
–
8.762.317 (8.762.317)
– Provisão para desvalorização de investimentos
Constituição de reserva de investimento
(937.794) (938.068)
Saldos em 31 de dezembro de 2013
38.842.203 3.127.592
2.938.613
18.464.363
– 63.372.772
1.371
1.097
Aumento do capital social
4.744.405
–
–
(4.744.405)
–
– 9. Imobilizado e intangível: A movimentação do imobilizado e intangível
Lucro líquido do exercício
–
–
–
– 12.220.959 12.220.959
está demonstrada a seguir:
Proposta para destinação do lucro líquido
% Taxa de
Reserva legal
– 611.048
–
–
(611.048)
–
depreciação
Descrição
2014
2013
Dividendos
–
–
–
– (3.055.240) (3.055.240)
Edifícios e construções
4 19.186.763 19.112.313
Participação da diretoria
–
–
–
– (1.222.096) (1.222.096)
Instalações e benfeitorias
10 1.246.156
770.739
Constituição reserva para pesquisa e desenvolvimento
–
–
611.048
–
(611.048)
–
Máquinas e equipamentos
10 32.228.727 30.546.212
–
–
–
6.721.528 (6.721.528)
–
Constituição de reserva de investimento
Ferramentas
10
18.617
11.478
Saldos em 31 de dezembro de 2014
43.586.608 3.738.640
3.549.661
20.441.486
– 71.316.395
Móveis e utensílios
10
493.331
432.308
As notas explicativas da Administração são parte integrante das demonstrações contábeis
Veículos
20
201.081
117.124
Notas explicativas da administração às demonstrações contábeis
Equipamentos de informática
20 2.533.263 2.532.957
Exercícios findos em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Em Reais, sem centavos)
Terrenos
–
84.623
84.623
1. Contexto operacional: As atividades da Companhia compreendem, ba- Liquidação Duvidosa (PECLD) (Nota Explicativa nº 5); • Provisão para con- Registros e marcas
–
6.146
6.146
sicamente, a moagem de trigo e a comercialização de seus derivados. tingências (Nota Explicativa nº 14). No entendimento da Administração da Lei nº 8.200 IPC-90
–
823.984
831.889
As presentes demonstrações contábeis foram aprovadas pela Diretoria da Companhia, os assuntos citados não apresentam risco significativo de cau- Adiantamento a fornecedores
–
28.500
Companhia em 03 de março de 2015. 2. Base de preparação: Declaração sar um ajuste relevante nos valores contábeis de ativos e passivos para o
56.822.691 54.474.289
de conformidade (com relação às normas IFRS e às normas do CPC): próximo exercício social. 3. Descrição das principais práticas contábeis: (–) Depreciação acumulada
(28.792.703) (25.263.433)
As demonstrações contábeis da Companhia foram preparadas e estão sen- 3.1. Apuração do resultado: As receitas e despesas são apuradas pelo
Imobilizado líquido
28.029.988 29.210.856
do apresentadas conforme as práticas contábeis adotadas no Brasil e con- regime de competência. 3.2. Estimativas contábeis: A elaboração de de2014
2013
forme as normas internacionais de relatório financeiro (International Finan- monstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Intangível
595.081
595.081
cial Reporting Standards (IFRS)) emitidas pelo International Accounting Brasil requer que a Administração use de julgamento na determinação e Software
(595.081)
(593.467)
(–)
Depreciação
acumulada
Standards Board (IASB). As práticas contábeis adotadas no Brasil compre- registro de estimativas contábeis. Ativos significativos sujeitos a essas esti–
1.614
endem aquelas incluídas na legislação societária brasileira e os Pronuncia- mativas e premissas incluem certos créditos a receber e o valor residual do
31/12/13 Adições Baixas 31/12/14
mentos, as Orientações e as Interpretações Técnicas do Comitê de Pronun- ativo imobilizado e intangível. A liquidação das transações envolvendo esciamentos Contábeis (CPC), aprovados pela Comissão de Valores sas estimativas poderá resultar em valores diferentes dos estimados, devido Imobilizado
18.856.185 74.450
– 18.930.635
Mobiliários (CVM). As demonstrações contábeis estão apresentadas em a imprecisos inerentes ao processo de sua determinação. A Companhia Edifícios e construções
1.026.867 475.418
– 1.502.285
Reais que é a moeda funcional da Companhia. 2.1. Novos pronunciamen- revisa as estimativas e premissas anualmente. 3.3. Ativos circulante e não Instalações e benfeitorias
tos do IFRS, emissões, alterações e interpretações emitidas pelo IASB circulante: 3.3.1. Aplicações financeiras: Registradas ao custo acrescido Máquinas e equipamentos 30.546.212 1.959.939 (277.423) 32.228.728
11.478
7.138
–
18.616
aplicável às demonstrações contábeis: As seguintes novas normas, alte- dos rendimentos incorridos até a data do balanço que não supera o valor de Ferramentas
rações e interpretações de normas foram emitidas pelo IASB e possuem mercado. 3.3.2. Contas a receber de clientes: As contas a receber de Móveis e utensílios
432.308 68.575 (7.553) 493.330
adoção inicial em 01 de janeiro de 2014: IAS 32 - Compensação de ativos e clientes são avaliadas no momento inicial pelo valor presente e deduzidas Veículos
117.124 83.957
– 201.081
passivos financeiros: em dezembro de 2011, o IASB emitiu uma revisão da da Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (PCLD). A Provisão para Equipamentos de informática 2.532.957
4.285 (3.979) 2.533.263
norma IAS 32. A alteração desta norma aborda aspectos relacionados à Créditos de Liquidação Duvidosa (PCLD) é estabelecida quando existe uma Terrenos
84.623
–
–
84.623
compensação de ativos e passivos financeiros. Esta norma é efetiva desde evidência objetiva de que a Companhia não será capaz de cobrar todos os Registros e marcas
6.146
–
–
6.146
01 de janeiro de 2014. A Companhia analisou a revisão do pronunciamento valores devidos de acordo com os prazos originais das contas a receber. O Lei nº 8.200 IPC-90
831.889
– (7.905) 823.984
já convertido e atualizado no CPC e não identificou impactos para divulga- valor da provisão é a diferença entre o valor contábil e o valor recuperável. Adiantamento a
ções destas demonstrações contábeis. IFRIC 21 - “Impostos”, em maio de O valor presente é calculado com base na taxa efetiva de juros das vendas fornecedores
28.500 459.007 (487.507)
–
2013, o IASB emitiu a interpretação IFRIC 21. Esta interpretação aborda a prazo. Tal taxa é compatível com a natureza, prazo e riscos de transações
54.474.289 3.132.769 (784.367) 56.822.691
aspectos relacionados ao reconhecimento de um passivo de impostos similares em condições de mercado. Essa taxa em 31 de dezembro de 2014 Intangível
quando esse tiver origem em requerimento do IAS 37 - provisões, passivos correspondia a 2% ao mês (31 de dezembro de 2013 2% ao mês). 3.3.3. Es- Software
595.081
–
– 595.081
contingentes e ativos contingentes. Esta interpretação de norma é efetiva toques: Valorizados ao custo médio de aquisição ou produção que não
595.081
–
– 595.081
para períodos anuais desde 01 de janeiro de 2014. A Companhia analisou excede o valor de mercado. 3.3.4. Investimentos: Cotas escriturais do FunEm janeiro de 1998 e agosto de 1999, a Companhia procedeu com base no
a revisão do pronunciamento já convertido e atualizado no CPC e não iden- do de Investimentos do Nordeste (FINOR), avaliados pelo custo de aquisitificou impactos para divulgações destas demonstrações contábeis. IAS 36 ção, corrigido monetariamente até 31 de dezembro de 1995 e deduzidos de artigo 8º da Lei nº 6.404/76 e amparada por laudo de avaliação elaborado
- “Redução ao Valor Recuperável de Ativos”, em maio de 2013, o IASB emi- provisão para desvalorização. 3.3.5. Imobilizado e intangível: Demonstra- por peritos, a reavaliação de seu parque industrial e outros imóveis. Em 31
tiu uma revisão da norma IAS 36. A alteração desta norma requer a divulga- do ao custo corrigido até 31 de dezembro de 1995 ou, quando aplicável, ao de dezembro de 2013, o saldo de reavaliação deduzido da depreciação é de
ção das taxas de desconto que foram utilizadas na avaliação atual e anterior valor reavaliado as depreciações são calculadas pelo método linear, com R$ 4.441.786 (R$ 4.711.391 em 2012). Seguindo faculdade prevista no
do valor recuperável dos ativos, se o montante recuperável do ativo deterio- base no prazo estimado de vida útil dos bens. Redução ao valor recuperá- CPC 13, emitido pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) em
rado for baseado em uma técnica de avaliação a valor presente baseada no vel de ativos: O imobilizado e outros ativos não circulantes são revistos dezembro de 2008, a Companhia optou por manter a referida reavaliação
valor justo menos o custo da baixa. Esta norma é efetiva para períodos anualmente para identificar evidências de perdas não recuperáveis, ou ain- até a sua efetiva realização. Desta forma, o valor dos ativos reavaliados
anuais iniciando desde 01 de janeiro de 2014. A Companhia analisou a re- da, sempre que eventos ou alterações nas circunstâncias indicarem que o passa a ser considerado como o novo valor de custo para fins de mensuravisão do pronunciamento já convertido e atualizado no CPC e não identifivalor contábil pode não ser recuperável. Quando este for o caso, o valor re- ção futura e determinação do valor recuperável.
cou impactos para divulgações destas demonstrações contábeis. 2.2. Norcuperável é calculado para verificar se há perda. Quando houver perda, ela 10. Fornecedores:
2014
2013
mas, alterações e interpretações de normas que ainda não estão em
é reconhecida pelo montante em que o valor contábil do ativo ultrapassa
R$
R$
vigor: As seguintes novas normas, alterações e interpretações de normas
seu valor recuperável, que é o maior entre o preço líquido de venda e o valor Matéria-prima
989.779
1.890.785
foram emitidas pelo IASB, mas não foram editadas pelo CPC: IAS 1 - “Apreem uso de um ativo. Para fins de avaliação, os ativos são agrupados no Outros
1.401.550
961.285
sentação das demonstrações financeiras” - em 18 de dezembro de 2014, o
menor grupo de ativos para o qual existem fluxos de caixa identificáveis
2.391.329 2.852.070
IASB publicou “Iniciativa de Divulgação” (alterações ao IAS 1). As alterações
separadamente. Não houve constituição de estimativa para redução ao va- 11. Partes relacionadas:
2014
2013
visam esclarecer o IAS 1 e direcionar os impedimentos percebidos sobre o
lor recuperável de ativos em 31 de dezembro de 2014 e de 2013. 3.3.6. De- Passivo não circulante - contas a pagar à acionista
julgamento para a preparação e apresentação das demonstrações contámais
ativos
circulantes:
São
apresentados
pelo
valor
líquido
de
recupera2.215.404 2.168.737
Euro Bristol S/A
beis. Esta norma é efetiva para os períodos anuais iniciando em/ou após 01
2.215.404 2.168.737
de janeiro de 2016, com aplicação antecipadas permitida. A Companhia ção. 3.4. Passivos circulante e não circulante: 3.4.1. Provisões: As
74.830
87.663
está avaliando os impactos da adoção desta norma em suas demonstra- provisões são reconhecidas no balanço quando a Companhia possui uma Juros sobre Contrato de Mútuo
ções contábeis. IFRS 9 - Instrumentos financeiros - em julho de 2014, o obrigação legal ou a constitui como resultado de um evento passado e é As contas a pagar à acionista Euro Bristol S/A tem como origem os dividenprovável
que
um
recurso
econômico
seja
requerido
para
saldar
a
obrigação.
IASB emitiu versão final da norma IFRS 9, a qual tem o objetivo de substituir
dos distribuídos em exercícios anteriores e foi constituído visando preservar
a norma IAS 39 - Instrumentos financeiros: reconhecimento e mensuração. 3.4.2. Imposto de renda e contribuição social: O Imposto de Renda e a o capital de giro da Companhia. Nos exercícios de 2014 e 2013, parte desEstas alterações endereçam algumas questões sobre a aplicação da norma Contribuição Social foram calculados de acordo com a legislação fiscal vi- tas contas a pagar foram convertidas em mútuo corrigidas mensalmente
e introduzem o conceito de “valor justo contra os resultados abrangentes” gente. 3.4.3. Demais passivos circulantes e não circulantes: São de(taxa Libor + 3.5% ao ano), conforme Contrato de Mútuo, taxa que está
para a mensuração de alguns tipos de instrumentos de dívida. Adicional- monstrados pelos valores conhecidos ou calculáveis, atualizados à taxa de
mente, o IASB incluiu na norma IFRS 9 requerimentos de reconhecimento juros ou variação cambial nos termos dos contratos vigentes, de modo a dentro das práticas do mercado. Em 10 de dezembro de 2014, este mútuo
refletir
os
encargos
incorridos
até
a
data
do
balanço.
foi liquidado e mantido em conta-corrente com o mesmo objetivo de preserde perdas pela não recuperabilidade de ativos relacionadas ao registro de
2014
2013 var o capital de giro da Companhia.
perdas esperadas com créditos sobre os ativos financeiros e compromissos 4. Caixa e equivalentes de caixa:
510.973
217.802 12. Obrigações trabalhista e tributárias:
2014
2013
de renegociação destes créditos. Esta norma é efetiva para períodos anuais Caixas e bancos
25.679.287 20.708.585 Salários e encargos
451.329
357.233
iniciando em/ou após 01 de janeiro de 2018. A Companhia está avaliando Aplicações financeiras
26.190.260 20.926.387 Provisão e encargos
os impactos da adoção desta norma em suas demonstrações contábeis.
600.849
500.238
IAS 16 e IAS 38 - “Esclarecimentos sobre Métodos Aceitáveis de Deprecia- Estão substancialmente compostas por aplicações em fundo de renda fixa PIS e COFINS a recolher
3.635
6.137
ção e Amortização”, em maio de 2014, o IASB emitiu revisão das normas de curto prazo, com tendência da variação das taxas de juros pós-fixadas Imposto de Renda e Contribuição Social a recolher 188.914
479.875
IAS 16 e IAS 38. Esta revisão tem o objetivo de esclarecer sobre métodos (Certificados de Depósitos Interfinanceiros - CDI).
ICMS a recolher
81.040
88.573
de depreciação e amortização, observando o alinhamento ao conceito de 5. Contas a receber de clientes:
2014
2013 Outros
332.372
275.653
benefícios econômicos futuros esperados pela utilização do ativo durante Duplicatas a receber
17.109.964 15.178.850
1.658.139 1.707.709
sua vida útil-econômica. Esta alteração na norma é efetiva para os períodos (–) Provisão para Créditos de Liquidação
Imposto de Renda e Contribuição Social: O Imposto de Renda foi calcuanuais iniciando em/ou após 01 de janeiro de 2016. A Companhia está ava- Duvidosa
(1.517.384) (1.308.315) lado à alíquota de 15% mais adicional de 10% sobre o lucro tributável e a
liando os impactos da adoção desta norma em suas demonstrações contá15.592.580 13.870.535 Contribuição Social foi calculada à alíquota de 9%, sendo considerada para
beis. Melhoria anual das IFRS de setembro de 2014 - o IASB emitiu uma Para reduzir o risco de crédito, a Companhia adota como prática a análise
revisão da norma IAS 19. Estas normas são efetivas para os períodos anu- detalhada da situação patrimonial e financeira de seus clientes, estabele- efeito das respectivas bases de cálculo a legislação vigente, pertinente a
ais iniciando em/ou após 01 de janeiro de 2016. A Companhia está avalian- cendo um limite de crédito e acompanhamento permanente do seu saldo cada encargo. Os encargos tributários e as contribuições apuradas e recodo o impacto da adoção destas alterações em suas demonstrações contá- devedor. A Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (PCLD) é avalia- lhidas pela Companhia, bem como as respectivas declarações de rendimentos e os registros fiscais e contábeis, estão sujeitos à revisão por parte
beis. 2.3. Base de mensuração: As demonstrações contábeis foram
da com base na análise individual de riscos dos créditos que contempla
preparadas com base no custo histórico, com exceção dos seguintes itens:
das autoridades fiscais em prazos prescricionais variáveis.
histórico de perdas, a situação individual dos clientes, a situação do grupo
• Contingências; • Investimentos; • Reavaliações do ativo imobilizado. A pre2014
2013
13. Dividendos:
paração das demonstrações contábeis em conformidade com as IFRS ado- econômico ao qual pertencem, as garantias reais para os débitos e a ava- Dividendos propostos
3.055.240 3.982.871
tadas requer o uso de certas estimativas críticas. Este fato também exige liação dos consultores jurídicos.
3.055.240
3.982.871
2014
2013
que a Administração da Companhia exerça uma maior capacidade de julga- 6. Adiantamentos:
– 1.365.908 A Companhia propôs em 31 de dezembro de 2014 dividendos de
mento na aplicação das políticas contábeis. Como o julgamento da Adminis- Adiantamento a fornecedores
R$ 3.055.240, conforme cálculo demonstrado a seguir:
25.384
19.015
Antecipação
de
férias
tração envolve a determinação de estimativas relacionadas à probabilidade
2014
25.384 1.384.923
de eventos futuros, os resultados reais eventualmente podem divergir des12.220.959
2014
2013 Lucro líquido
sas estimativas. Na preparação das demonstrações contábeis, a Compa- 7. Estoques:
Base
para
cálculo
dos
dividendos
12.220.959
744.899
624.614
nhia adotou algumas variáveis e premissas derivadas de sua experiência Produtos acabados
3.055.240
8.440.098 4.713.099 Dividendos obrigatórios (25%)
histórica, dentre outros fatores que entende como razoáveis e relevantes. Matérias-primas
3.055.240
1.498.823 3.690.399 Dividendos propostos
Os resultados poderiam ser distintos dos estimados sobre premissas, vari- Matérias-primas em poder de terceiros
14.
Contingências
e
compromissos
assumidos:
Nas
datas
das
demons327.289
269.908
áveis ou condições diferentes, mas as áreas onde julgamentos e estimati- Materiais de embalagens
vas significativos foram feitos na preparação de tais demonstrações contá- Almoxarifado
432.971
432.841 trações contábeis, a Companhia apresentava os seguintes passivos e corbeis e seus efeitos referem-se a: • Provisão Estimada para Créditos de
11.444.080 9.730.861 respondentes depósitos judiciais relacionados às contingências:
Sr. Christian Mattar Saigh
Diretor Vice-Presidente
São Caetano do Sul, 03 de março de 2015
A Administração
Richard Saigh Indústria e Comércio S.A.
Demonstrações dos fluxos de caixa - Exercícios findos em
31 de dezembro de 2014 e 2013 (Em Reais, sem centavos)
2014
2013
Fluxo de caixa das atividades operacionais
Lucro líquido do exercício
12.220.959 15.931.485
Ajustes para reconciliar o lucro líquido do
exercício com o caixa
Gerado pelas atividades operacionais
Depreciações
3.530.884 3.144.709
Valor residual do ativo imobilizado baixado
–
(2.754)
(Aumento)/redução nos ativos operacionais
Contas a receber de clientes
(1.722.045) (1.433.746)
Estoques
(1.713.219) (2.455.906)
Impostos a compensar
(30.908) (451.762)
Adiantamentos
1.359.538 (715.079)
Despesas do exercício seguinte
(15.854)
2.523
Depósitos judiciais
1.512 (71.416)
Aumento/(redução) nos passivos operacionais
Fornecedores
(460.741) (699.427)
Salários e encargos sociais a pagar
194.706
244.022
Impostos e contribuições a recolher
(244.277)
129.309
21.348
155.758
Contas a pagar
Caixa gerado pelas atividades operacionais 13.141.903 13.777.715
Fluxo de caixa das atividades de investimentos
Aquisição de imobilizado
(3.132.769) (4.744.405)
Venda/Baixa imobilizado
784.367
777.325
(275)
8.295
Baixa no investimento
Caixa aplicado nas atividades de investimento (2.348.677) (3.958.785)
Fluxo de caixa das atividades de financiamento
Liquidações de empréstimos bancários
(principal + encargos)
– (3.234.556)
Dividendos pagos
(3.982.871) (3.255.671)
Participação da Diretoria nos lucros de 2012
(1.593.149) (1.302.268)
46.667
25.860
Recursos obtidos com partes relacionadas
Caixa gerado pelas (aplicado nas)
(5.529.353) (7.766.634)
atividades de financiamento
Aumento do saldo de caixa e
5.263.873 2.052.296
equivalente de caixa
Disponibilidades
Saldo inicial
20.926.387 18.874.091
26.190.260 20.926.387
Saldo final
Aumento do saldo de caixa e
5.263.873 2.052.296
equivalente de caixa
As notas explicativas da Administração são parte integrante
das demonstrações contábeis
Contingências trabalhistas
e previdenciárias
Depósitos judiciais
2014
2013
Provisões para
contingências
2014 2013
123.456 137.486
–
–
123.456 137.486
–
–
A Companhia é parte envolvida em processos trabalhistas e cíveis em andamento e está discutindo essas questões na esfera judicial, as quais,
quando aplicáveis, são amparadas por depósitos judiciais. Essas ações envolvem riscos de perda classificados pela Administração como possíveis,
com base na avaliação de seus consultores jurídicos, para as quais não há
provisão constituída. Composição e estimativa das ações consideradas
como de perdas possíveis:
2014
2013
Cíveis
14.035.300 1.293.942
3.125.746 1.088.411
Trabalhistas
17.161.046 2.382.353
A natureza das ações pode ser sumariada como segue: • Ações cíveis: as
ações estão relacionadas à reclamação de acionista relativa às matérias
aprovadas em Assembleias Gerais da Companhia em estrita observância
ao Estatuto Social e referentes à destinação de determinados valores para
as reservas estatutárias; • Trabalhistas e previdenciárias: consistem principalmente, em reclamações de empregados vinculadas a disputas sobre o
montante de compensação pago sobre demissões. 15. Patrimônio líquido:
15.1. Capital social: O capital social totalmente integralizado é de
R$ 43.586.608, estando representado por 22.000.000 ações ordinárias nominativas, sem valor nominal. Cada ação ordinária confere a seu titular direito a um voto nas deliberações da Assembleia Geral. 15.2. Reserva para
investimentos: Foi constituída com base no artigo 23 do Estatuto Social à
base de 65% do lucro líquido do exercício limitada a 70% do capital social.
O objetivo desta reserva é o de financiar a expansão das atividades e investimentos da Companhia e recompor o capital de giro quando necessário.
Investimentos realizados no período de 2009 a 2014:
R$
Exercício de 2009
610.047
Exercício de 2010
1.442.756
Exercício de 2011
2.720.992
Exercício de 2012
12.068.408
Exercício de 2013
4.744.405
Exercício de 2014
3.132.769
15.3. Reserva para pesquisa e desenvolvimento: Foi constituída com
base no artigo 23 do Estatuto Social à base de 5% do lucro líquido do exercício limitada a 10% do capital social. O objetivo desta reserva é o de subsidiar as pesquisas para o desenvolvimento e aprimoramento dos produtos
da Companhia.
16. Receita operacional líquida:
2014
2013
Receita operacional bruta
204.262.014 182.187.102
Venda de produtos
Deduções
Impostos incidentes sobre vendas
(2.968.515) (2.442.003)
(3.653.974) (3.590.923)
Devoluções e abatimentos
Receita operacional líquida
197.639.525 176.154.176
2014
2013
17. Resultado financeiro:
Resultado de variação cambial ativas e passivas (1.379.657) (660.978)
Juros passivos
(230.047) (449.593)
Juros ativos
212.208
225.330
Rendimento com aplicação financeira
3.093.780 1.921.456
(123.449) (313.023)
Impostos, tarifas e outros
1.572.835
723.191
18. Despesa por natureza: As demonstrações do resultado estão apresentadas por função. Conforme requerido pelo IFRS, apresentamos a seguir, o
detalhamento das despesas por natureza:
2014
2013
Matéria-prima consumida
138.419.889 119.895.893
Despesas com pessoal
13.608.675 11.317.990
Depreciação
3.350.110
2.914.458
Energia elétrica
2.196.710
1.856.813
Serviços prestados por PJ
3.918.553
2.462.242
Fretes
11.014.197
9.402.889
Comissões de vendas
3.326.595
2.973.673
Impostos e taxas
226.667
204.079
4.666.686
4.234.391
Outras
Custo dos produtos vendidos, despesas
180.728.082 155.262.428
com vendas, gerais e administrativas
19. Instrumentos financeiros: A Companhia participa de operações envolvendo instrumentos financeiros, todos registrados em contas patrimoniais
que se destinam a atender suas atividades operacionais. A Administração
desses riscos é efetuada estrategicamente por meio do estabelecimento de
sistemas de controles e determinação de limites de posições. O valor contábil dos instrumentos financeiros da Companhia, representados principalmente por Contratos de Mútuo e títulos e valores mobiliários, equivalem,
aproximadamente, ao seu valor de mercado na data do encerramento do
balanço. 20. Seguros: A Companhia busca estabelecer coberturas compatíveis com seu porte e suas operações. As coberturas em 31 de dezembro
de 2014, foram contratadas pelos montantes a seguir indicados, consoantes
apólices de seguros; • Multirrisco: danos materiais - R$ 98.992.729; • Lucros cessantes: R$ 46.754.772; • Responsabilidade civil: R$ 1.331.000.
As premissas adotadas para a avaliação da importância segurada e riscos
contidos, dada a sua natureza, não fazem parte do escopo de auditoria das
demonstrações contábeis, consequentemente, não foram revisadas pelos
nossos auditores independentes.
Contador
Diretoria
Sr. Edgard Nassif Saigh
Diretor Presidente
Auditoria independente
8. Desde o final do exercício de 2009 a Companhia conta com um marco em
sua governança corporativa: - a empresa de auditoria externa BDO RCS
(“BDO RCS”) na qualidade de auditores independentes. A BDO RCS realiza
diagnóstico periódico das práticas contábeis mais representativas adotadas
pela administração da Companhia, cujas conclusões estão presentes no
parecer emitido anualmente.
Conclusão
9. Renovamos nosso agradecimento a todos que contribuíram e participaram
das atividades e resultados da Companhia durante o exercício de 2014, em
especial aos nossos dedicados colaboradores que tiveram destacada
atuação.
Sr. Jorge Botossi de Figueiredo
Diretor Superintendente
Sr. Gerson Edvaldo da Silva
Diretor
Sra. Gisele Aguas Malavazi
Contadora CRC SP 278433/O-4
Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis
Aos
Administradores e Acionistas da
Richard Saigh Indústria e Comércio S.A.
São Caetano do Sul - SP
Examinamos as demonstrações contábeis da Richard Saigh Indústria e
Comércio S.A. (Companhia) que compreendem o balanço patrimonial em
31 de dezembro de 2014 e as respectivas demonstrações dos resultados,
dos resultados abrangentes, das mutações do patrimônio líquido e dos
fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, assim como o resumo
das principais práticas contábeis e demais notas explicativas.
Responsabilidade da administração sobre as demonstrações
contábeis
A Administração da Companhia é responsável pela elaboração e adequada
apresentação dessas demonstrações contábeis de acordo com as práticas
contábeis adotadas no Brasil e pelos controles internos que ela determinou
como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis
livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude
ou erro.
Responsabilidade dos auditores independentes
Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas
demonstrações contábeis com base em nossa auditoria, que é conduzida
de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria.
Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos
auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de
obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis estão livres
de distorção relevante.
Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para
obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados
nas demonstrações contábeis. Os procedimentos selecionados dependem
do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção
relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada
por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os
controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação
das demonstrações contábeis da Companhia para planejar os
procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas
não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles
internos da Companhia. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da
adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das
estimativas contábeis feitas pela Administração, bem como a avaliação da
apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto.
Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada
para fundamentar nossa opinião sem ressalva.
Opinião
Em nossa opinião, as demonstrações contábeis acima referidas apresentam
adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e
financeira da Richard Saigh Indústria e Comércio S.A. em 31 de
dezembro de 2014, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de
caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas
contábeis adotadas no Brasil.
São Paulo, 03 de março de 2015
BDO RCS Auditores Independentes SS
CRC 2 SP 013846/O-1
Francisco de Paula dos Reis Júnior
Nathalia Maestrelo Torres
Contador CRC 1 SP 139268/O-6
Contadora CRC 1 SP 263680/O-9
Fly UP