...

a influência da família na aprendizagem da criança

by user

on
Category: Documents
231

views

Report

Comments

Transcript

a influência da família na aprendizagem da criança
CEFAC
CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA
LINGUAGEM
A INFLUÊNCIA DA FAMÍLIA NA APRENDIZAGEM
DA CRIANÇA
Projeto de pesquisa do curso de
especialização em linguagem
Orientadora: Mirian Goldenberg
NEUMAR GIANOTTI FONSECA
SÃO PAULO
1999
1
RESUMO
Estudo teórico sobre o tema: "Influência da família na aprendizagem da criança",
refletindo as principais questões: - Por que certas crianças não aprendem, ou aprendem mal.?
- Por que não se ajustam, muitas vezes, ao ambiente escolar ?
O estudo conclui que as causas dos problemas de aprendizagem podem ser de ordem
física, sensorial, neurológica, emocional, intelectual ou cognitiva, educacional e socioeconômica.
A família contribui em grande parte para a determinação desses problemas. Os pais,
principalmente, podem, de diversas maneiras, favorecer ou prejudicar o processo de
aprendizagem de seus filhos.
Ao ingressarem na escola, as crianças, muitas vezes, demonstram dificuldades de
adaptação que pode ser conseqüência de conflitos e crises de um sistema familiar ineficiente.
Os "deficits", resultantes de uma precária educação familiar, poderão ser minimizados
e mesmo superados através da atuação de outros grupos socializadores.
Caberá à escola, sobretudo, a responsabilidade de contribuir para mudanças
comportamentais que permitam, às crianças e jovens, o equilíbrio necessário.
2
SUMMARY
Theoretical study on the theme: " Influence of the family in the child's learning",
reflecting the main subjects: - why certain children don't learn or they learn badly. - why are
not adjusted, a lot of times, to the school atmosphere?
The study concludes that the causes of the learning problems can be of order physic,
neurological, emotional, intellectual or cognitive, as well as of socioeconomic order.
The family largely contributes to the determination of those problems. Its influences
are decisive in the formation of the child's personality, in its emotional adjustment, as well as
in its cognitive and educational development.
If the family education is inefficient, it remains us the hope of the children to be
helped by other social groups, as the school, for example.
It is necessary that the trinominal family-learning-school is valued of whose harmony
the child's satisfactory development depends.
3
SUMÁRIO
1. Introdução ..................................................................................................................... 5
2. Discussão Teórica
2.1 Conceito de Aprendizagem...................................................................... 7
2.2 Distúrbio de Aprendizagem..................................................................... 9
2.3 Família e Aprendizagem
2.3.1 Família e Formação da Personalidade................................ 10
2.3.2 Família e Ajustamento Emocional..................................... 16
2.3.3 Família e Desenvolvimento Cognitivo............................... 20
2.3.4 Família e Nível Sócio-Econômico ..................................... . 23
3.Considerações Finais ..................................................................................................... . 29
4. Referências Bibliográficas ............................................................................................ . 33
4
1 - Introdução
Antigamente costumava-se atribuir à criança, toda culpa por seu fracasso
escolar. Hoje, porém, já se reconhece que as dificuldades em aprendizagem não se
dão no vazio, e sim em contextos, tanto situacionais, quanto interpessoais. Não
podemos falar de dificuldades tendo somente a criança como ponto de referência: o
"contexto" em que a criança se encontra precisa ser considerado. Assim, quer a
família, quer a escola, podem ser grandes responsáveis pela determinação dos
distúrbios de aprendizagem.
O objetivo deste estudo é verificar até que ponto a influência da família pode
determinar tais distúrbios. A importância da referida pesquisa justifica-se, visto que:
− a família nuclear, constituída de pai, mãe e filhos, ainda é considerada como a
menor unidade social, a célula que reunida às outras formará o tecido social;
− o lar e a vida familiar podem proporcionar, através do seu ambiente físico e social,
as condições necessárias ao desenvolvimento da personalidade da criança;
− as influências precoces são as mais duradouras e as mais estáveis;
− é na família que a criança encontra, em primeiro lugar, os modelos a serem
imitados ( modelo de identificação );
− existem momentos muito adequados para a realização de determinadas
aquisições, conforme o desenvolvimento maturativo da criança, e isso acontece
enquanto ela está sob a custódia da família;
− a família é um contexto de socialização especialmente relevante para a criança;
5
A análise do tema escolhido fez- se através de uma pesquisa bibliográfica
cujo resultado servirá de informação a pais e educadores. Aos primeiros, por
estarem ou deverem estar em permanente contato com os filhos e por serem,
acredita-se, os principais interessados pelo pleno desenvolvimento deles. Aos
segundos, por continuarem a tarefa iniciada pela família, por terem a possibilidade e
a responsabilidade de introduzirem influências positivas que sejam capazes de
compensar as deficiências ligadas aos contextos de criação familiar da criança.
O motivo que me levou a escolher o referido tema foi o fato de atuar junto a
crianças com inúmeros problemas de aprendizagem. Algumas não aprendem, ou
aprendem mal, outras apresentam dificuldades de adaptaçào à escola. Até que
ponto a influência da família está presente nesses problemas ?
6
2 - Discussão Teórica
O trabalho constou da análise das seguintes idéias:
1-- conceito de aprendizagem;
2--conceito de distúrbío de aprendizagem;
3--família e aprendizagem:- família e formação da personalidade, família e
ajustamento emocional, família e desenvolvimento cognitivo, família e nível sócioeconômico.
2-1 Conceito de Aprendizagem
Mussen (1970) define aprendizagem como mudança no comportamento ou
desempenho em resultado de experiência. A aprendizagem ocorrerá de maneira
mais satisfatória se houver uma motivação (necessidade ou desejo de aprendê-la) e
um reforço (recompensa). O autor, porém, considera que alguns processos de
aprendizagem podem ocorrer sem motivação e reforço, ou seja, através da
identificação com o outro; exemplificando: quando uma criança se identifica com
seus pais, adquire muitas das características, pensamentos e sentimentos deles; em
suma, adquire o padrão de comportamento da família.
Gagné (1974) discorre sobre oito tipos de aprendizagem, desde a mais
simples (aprendizagem de sinais ) até a mais complexa (aprendizagem de solução
de problemas).
7
Celidonio (1998) concebe a aprendizagem como um processo em que a
personalidade da criança possa se desenvolver autonomamente e não como um
reflexo de um certo modelo de indivíduo que a família ou a sociedade julgam ideal.
Enfatiza a questão de valores e as idealizações que cada membro do casal
normalmente projeta sobre o outro e sobre cada um de seus filhos, como fenômeno
constitutivo de conflitos e crises do sistema familiar. A autora constata que o
processo de aprendizagem, ao invés de ser visto de forma mecânica e estática, deve
ser visto como um processo ativo em que a aquisição de padrões e conteúdos, por
parte de um indivíduo, envolve um processo de atribuição de significado àquilo que é
aprendido.
José & Coelho (1999) também focalizam a aprendizagem significativa e
aprendizagem como mudança de comportamento em função da experiência.
Ressaltam que é comum as pessoas restringirem o conceito de aprendizagem
somente aos fenômenos que ocorrem na escola, como resultado de ensino. No
entanto, o termo tem um sentido mais abrangente: compreende os hábitos que
formamos, os aspectos da nossa vida afetiva e a assimilação de valores culturais.
Referem-se a aspectos funcionais, resultantes de toda estimulação ambiental
recebida pelo indivíduo no decorrer da vida.
Considerando o que foi exposto , conclui-se que:
- O conceito de aprendizagem é bastante amplo;
- a motivação é um fator de grande importância para a aprendizagem;
- a criança tem mais motivação para aprender quando as coisas têm um significado
para ela.
- a criança aprende melhor quando participa ativamente do processo de ensino;
8
- no processo de aprendizagem deve-se respeitar a individualidade e a verdadeira
potencialidade de cada criança
- às vezes a aprendizagem ocorre através da identificação da criança com o " outro".
2-2
Distúrbios de aprendizagem
Martin & Marchese (1995) conceituam distúrbio de aprendizagem como
qualquer dificuldade observável enfrentada pela criança para acompanhar o ritmo de
aprendizagem de seus colegas de mesma faixa etária, seja qual for o fator
determinante desse atraso. Pode ocorrer tanto no início como durante o período
escolar e mesmo antes do período de escolarização.
Os problemas de distúrbios de aprendizagem, considerados por Romero
(1995), seriam causados por variáveis pessoais (hereditariedade ou lesões
cerebrais), por variáveis ambientais (ambientes familiares e educacionais pobres) e
por uma combinação interativa de ambos.
Cupello (1998) atribui os distúrbios de aprendizagem a fatores biológicos e
fatores sociais. Lembra que as condições sócio - econômicas desfavoráveis causam
doenças e mais distúrbios de aprendizagem ocasionadas por má nutrição, carências
afetivas, falta de estimulação precoce, pobreza e miséria, podendo o sistema
nervoso central ficar comprometido. Refere-se, também, aos fatores emocionais e à
qualidade de linguagem da criança. Chegou à conclusão que a diferença maior entre
o portador de distúrbio de aprendizagem e o não portador, reside na qualidade de
9
sua linguagem. De zero a quatro anos, a interação lingüística entre a mãe e o filho é
muito relevante para a maturação emocional e para o desenvolvimento cognitivo.
José & Coelho
(1999) também consideram como desencadeantes dos
distúrbios de aprendizagem, o tipo de educação familiar, além de fatores orgânicos
(saúde física deficiente, falta de integridade neurológica, alimentação inadequada,
etc.) e fatores psicológicos (inibição, ansiedade, angústia, inadequação à realidade,
sentimento generalizado de rejeição, etc.)
Para Drouet (1995), a aprendizagem, como parte de um processo de
comunicação - a Educação -, apresenta quatro elementos: - comunicador ou
emissor(professor) - mensagem(conteúdo educativo) - receptor da mensagem(aluno)
- meio ambiente(escolar, familiar, social). Se qualquer um deles falhar, haverá um
obstáculo à comunicação,o que poderá causar problemas de aprendizagem.
Pelo exposto, conclui-se que os distúrbios de aprendizagem podem ter
causas físicas,
neurológicas, emocionais, intelectuais ou cognitivas, sócio-
econômicas, e que os autores são unânimes em considerar a
família como
determinante nos resultados da aprendizagem.
2-3 Família e Aprendizagem
2-3-1 Família e formação da personalidade
Torna-se cada vez maior a preocupação dos pais em acertar na educação
dos filhos. Muitas vezes aqueles se perguntam onde foi que erraram para que o filho
tivesse a dificuldade que hoje tem.
10
Bossa (1998) ressalta que mais do que responsáveis pela qualidade de vida,
os pais são construtores do aparelho psíquico dos seus filhos. Nascendo numa
condição de total incompletude, o ser humano depende totalmente dos adultos que
estão a sua volta, especialmente de seus pais ou daqueles que fazem função
paterna e materna. Embora trazendo uma carga genética que também interfere no
seu destino, o fator genético será menos influente,
quanto mais influente for a
educação.
A aprendizagem humana envolve uma relação sujeito-objeto. O sujeito que
nasce como um ser biológico, logo se constitui como um sujeito psicológico. A
evolução normal das funções
egóicas (atenção, memória, pensamento, juízo,
percepção, linguagem, motricidade, afetividade) dependem das condições externas,
mais especificamente da relação mãe-bebê, uma vez que uma comunicação
especial se estabelece nessa relação desde os primeiros momentos da vida do
bebê.
Piletti (1984) considera, assim como diversos outros autores, que as primeiras
experiências educacionais da criança, geralmente são proporcionadas pela família.
Através
das
influências
familiares,
vai-se
paulatinamente
moldando
seu
comportamento. Os pais o fazem, na maioria das vezes, de modo inconsciente.
Diga-se que os resultados esperados, quando se quer influenciar de modo
consciente
e
deliberado,
nem
sempre
acontecem.
O
que
é
ensinado
inconscientemente tende a permanecer por mais tempo. O autor considera de
fundamental importância para o desenvolvimento posterior da criança e para sua
aprendizagem escolar, os sentimentos que os pais nutrem por ela durante os anos
anteriores à escola. Tais sentimentos contribuem para o
11
desenvolvimento do
conceito de si própria (o autoconceito), o conceito do mundo e de seu lugar no
mundo. Considera o autoconceito como base de toda aprendizagem, pois se a
criança julga-se capaz de aprender, aprenderá muito mais do que se ela nutrir
sentimento de incapacidade.
Mouly (1970) refere-se ao autoconceito considerando que quando a pessoa
passa por novas experiências e enfrenta novos valores, aceita-os ou rejeita-os, em
função de sua compatibilidade ou incompatibilidade com a avaliação atual que faz
de si mesma. Lembra que a formação do autoconceito é um processo lento, que se
desenvolve a partir da reação dos pais e de outras pessoas ao comportamento
inicial da criança. Dessa forma , está intimamente ligado à necessidade de
aprovação e aceitação, assim como à de auto-estima. O nenê pode conceber-se
como mau, se a mãe ao ensinar, irrita-se com ele, se o castiga por seus erros, se o
rejeita, se acentua os seus aspectos maus. Quando ocorrem novas experiências,
tende, cada vez mais, a avaliar cada nova situação através do ponto de vista já
formado.
Mussen (1970) lembra que, mesmo as influências familiares sendo relevantes
no desenvolvimento da criança, não se deve menosprezar a influência de outros
grupos e entidades sociais.
Apesar de existirem poucos estudos sistemáticos sobre a influência de
colegas, vizinhos, escola, igreja e meios de comunicação em massa (jornais,
cinema, TV, e.t.c.) no desenvolvimento da personalidade da criança, é óbvio que,
no estabelecimento de novos contatos, a criança encontre novos identificandos.
Poderá acontecer que os comportamentos adquiridos em família sejam modificados
ou que novas reações apareçam. Em alguns casos as novas identificações podem
12
reforçar
e fortalecer as que foram aprendidas no lar; em outros, podem ser
diferentes e até opostas.
Quando as expectativas familiares e as do grupo de fora da família se
chocarem, a criança conhecerá um conflito. Se sua identificação com os pais for
sólida, dificilmente adotará valores contrários aos deles; porém, se for tênue sua
identificação com os pais, ou, se a pressão do grupo de fora for grande, é possível
que adote valores defendidos por este.
. O comportamento, desejável ou indesejável, não apenas acontece: é
causado. Conforme o enfoque dado pelos pais à aprendizagem escolar, será o tipo
de influência exercida sobre a criança; exemplificando: se os pais preferem ver TV,
passear, assistir a algum filme, ao invés de ler, certamente a criança, mesmo
possuindo revistinhas e livros, não terá muito interesse por leitura. Portanto, sem
intenção de ensinar, os pais podem influenciar a aprendizagem de seus filhos
através de atitudes e valores que passam a eles.
Moreno & Cubero (1995) atribuem à família garantia de sobrevivência física
de seus membros e ressaltam que é dentro dela que se realizam as experiências
básicas que serão imprescindíveis para o desenvolvimento autônomo dentro da
sociedade (aprendizagem do sistema de valores, da linguagem, do controle de
impulsividade, etc.). Referem-se ao modelamento psicológico da criança, citando os
meios para tal: recompensas, castigo, observação. Consideram o poder da família,
não absoluto, nem infinito, visto que: -- quando a criança nasce, certas
características podem ao menos estar parcialmente definidas, como sua saúde e
temperamento infantil; --outros contextos socializadores, como escola e colegas,
influem sobre a criança, paralelamente à ação dos pais, em maior ou menor grau; -13
a família é influenciada por uma série de fatores determinantes de seu
funcionamento,
por exemplo, situação sócio-econômica dos pais. Os referidos
autores discorrem sobre diferentes estilos de comportamento dos pais e
conseqüentes efeitos sobre o desenvolvimento social e da personalidade da criança.
Classificam os pais nas seguintes categorias:
− pais autoritários- manifestam altos níveis de controle, de exigências de
amadurecimento, porém baixos níveis de comunicação e afeto explícito. Os filhos
tendem a ser obedientes, ordeiros e pouco agressivos, porém tímidos e pouco
persistentes no momento de perseguir metas; baixa auto-estima e dependência (não
se sentem seguros, nem capazes para realizar atividades por si mesmos); filhos
pouco alegres, mais coléricos, apreensivos, infelizes, facilmente irritáveis e
vulneráveis às tensões, devido à falta de comunicação desses pais.
− pais permissivos- pouco controle e exigências de amadurecimento, mas muita
comunicação e afeto; costumam consultar os filhos por ocasião de tomada de
decisões que envolvem a família, porém não exigem dos filhos, responsabilidade e
ordem; estes,
tendem a ter problemas no controle de impulsos, dificuldade no
momento de assumir responsabilidade;
são
imaturos,
têm baixa auto-estima,
porém são mais alegres e vivos que os de pais autoritários.
− pais democráticos - níveis altos tanto de comunicação e afeto, como de controle e
exigência de amadurecimento; são pais afetuosos, reforçam com freqüência o
comportamento da criança e tentam evitar o castigo; correspondem às solicitações
de atenção da criança; esta tende a ter níveis altos de autocontrole e auto-estima,
maior capacidade para enfrentar situações novas e persistência nas tarefas que
iniciam; geralmente são interativos, independentes e carinhosos; costumam ser
14
crianças com valores morais interiorizados (julgam os atos, não em função das
conseqüências que advêm deles, mas sim, pelos propósitos que os inspiram).
Mussen (1970) interpreta essas conclusões em termos de aprendizagem e
generalização social: os lares tolerantes e democráticos encorajam e recompensam
a curiosidade, a exploração e a experimentação, as tentativas para lidar com novos
problemas e a expressão de idéias e sentimentos. Obviamente, uma vez aprendidas
e fortalecidas em família, essas atividades se generalizam na escola. Por outro lado,
a criança que foi severamente controlada ou excessivamente protegida por seus
pais, não aprende esses tipos de reação, visto que foi desencorajada de atuar
independentemente, de explorar e experimentar por conta própria. Adquire, então,
reações tímidas, desgraciosas, apreensivas e de modo geral, conformistas, as quais
também se generalizam na escola.
Embora um pai ou uma mãe raramente se enquadrem totalmente em um dos
três padrões descritos, pois seu comportamento é mais variado e menos
esteriotipado do que sugere essa classificação, o comportamento educacional
predominante da maior parte dos pais assemelha-se a um ou outro desses estilos.
Quanto à formação da personalidade, deduz-se que:
- após o nascimento, a criança começa sofrer influências familiares que aos
poucos vão modelando seu comportamento, sendo a maior parte das influências
exercidas pelos pais sobre os filhos, provavelmente inconsciente;
- a criança estrutura sua personalidade com base nas experiências infantis,
sendo uma das mais importantes , o clima psicológico que os pais propiciam a ela;
- muitas vezes os valores adquiridos em família são ameaçados por outros
contextos socializadores.
15
- os pais têm certas maneiras características de se comportarem, e estas têm
influências diferentes sobre os filhos, que podem desenvolver diferentes
personalidades;
- a criança deve desenvolver um autoconceito positivo, sendo, para isso,
muito importante as reações dos adultos.
2-3-2 Família e ajustamento emocional
Estudos clínicos revelam que a atmosfera familiar também está relacionada
com o ajustamento emocional. Se for intenção estudar os processos de interação
familiar e sua influência sobre a criança, não é suficiente restringirmos à análise de
uma díade; é necessário estabelecer o conjunto total de relações que se dá entre os
diferentes membros da família (pai, mãe, irmãos).
Os atritos entre os pais constituem, conforme o autor, o mais comum
antecedente dos desajustamentos emocionais nos filhos. As tensões paternas
muitas vezes envolve dificuldades sexuais, falta de consideração ou de cooperação,
saúde frágil, conflitos sobre amigos ou parentes, e qualquer desses motivos pode
impedir o estabelecimento de relações descontraídas e felizes entre pais e filhos.
Faltando tais relações, torna-se difícil para a criança aprender
reações
emocionalmente maduras e adaptadas.
Além dos efeitos diretos que a atuação do pai e da mãe tem sobre a criança,
é necessário considerar-se os efeitos de segunda ordem ou indiretos, processos
através dos quais uma pessoa influi sobre a outra por intermédio de uma terceira;
16
exemplificando: o pai pode afetar positiva ou negativamente a interação que a mãe
tem com o seu filho e, conseqüentemente, o desenvolvimento deste, em função
da relação emocional que mantém com sua mulher.
Drouet (1995) constata que o relacionamento entre pais e filhos depende
muito do clima emocional que se estabelece em um lar e que para se obter um bom
clima emocional é preciso que haja harmonia do casal e tratamento igual dispensado
a todos os filhos.
Celidonio (1998) afirma que muitas crianças que poderiam ter um
relacionamento sadio, não são valorizadas e muitas vezes até são desprezadas
porque diferem daquilo que delas esperavam seus pais. Daí surgirem grandes
conflitos e por parte dos pais, sentimentos de decepção e fracasso diante da
inutilidade de "tanto esforço".
A escola, no entanto, poderá contribuir, e muito, no sentido de promover
mudanças nos alunos considerados antes desacreditados pelos pais; e estes
mesmos, através da interação filho-escola, de alguma forma, conseguem também
modificar seu comportamento, percebendo e respeitando as características reais de
seu filho, a partir do momento em que este é valorizado pela equipe da escola que o
assiste diariamente.
Para Mussen (1970) e outros, a influência do lar é sumamente importante
para o crescimento emocional da criança, dada a importância das primeiras
experiências. Se estas forem saudáveis, a criança terá segurança , fará uma
avaliação realista do seu valor, de suas forças e de suas limitações. Aceitará a si
mesma pelo que é, e estando
livre de angústia,
poderá
construtivamente suas energias a fim de solucionar problemas.
17
empregar
Mouly (1970) atribui à primeira infância, a tarefa indiscutível de criação da
segurança emocional. Enfatiza que a criança precisa ser educada num ambiente
emocionalmente estável e consistente, no qual tenha experiência de aceitação e
amor incondicionais. Sob tais condições, pode exprimir seus sentimentos sem medo
e sem culpa, de forma que não existe necessidade de fuga, repressão, hostilidade
ou ressentimento. Quanto mais jovem a criança, maior sua necessidade de
segurança. O autor relata que se verificaram diferenças nítidas de personalidade,
ligadas ao tratamento emocional recebido durante a primeira infância. Acredita que o
tratamento afetuoso dos nenês conduza ao desenvolvimento de uma personalidade
desembaraçada, generosa e confiante, enquanto as crianças criadas na atmosfera
fria de orfanatos são, freqüentemente, frias e incapazes de ligações emocionais
intensas.
A importância da segurança emocional fez com que se desse grande atenção
à posição do lar. Os desajustamentos emocionais nas crianças podem ter diversas
causas,
conforme inúmeros autores.
Sawrey & Telford (1969) apontam as
seguintes:
− nascimento de um novo membro da família, causando ressentimento, tensões,
excitamento, que o adulto considera desproporcionais;
− perturbações físicas, como a doença e a perda de um membro da família, por
morte;
− atrito entre os pais- pode ser traumatizante ( perturbação passageira, curta ou de
natureza crônica) e trazer insegurança à criança;
− separação dos pais- as crianças apresentam mais problemas de ajustamento e
mais dificuldades sérias do que outras crianças;
18
− disciplina severa- traz ansiedade e apreensão.
Quanto ao nascimento de um irmão: sem dúvida significa para a criança uma
mudança em sua vida, principalmente se ela for primogênita; esse fato tende a
aumentar os afrontamentos entre a mãe e a criança; esta, conseqüentemente,
manifesta todo um repertório de condutas que repentinamente tornam-se presentes
ou se acentuam (distúrbios do sono, da alimentação, aumento dos medos,
regressões na linguagem ou no controle esfincteriano, estados de tristeza ou mau
humor, manias, caprichos, maiores desejos de independência ou, ao contrário, de
dependência, etc.). O ajuste da criança à nova situação e relação com o novo irmão,
dependerão do caráter da criança, mas também da interação com os pais e de
outras variáveis (idade, anos de diferença entre os irmãos, sexo).
Moreno & Cubero (1995) ressaltam que as características de personalidade
são o resultado do conjunto de experiências pelas quais os indivíduos passam ao
longo de sua vida. Dessa forma, a experiência com os irmãos é somente uma delas,
e a ordem de nascimento pode ter seu efeito, mesmo não sendo o determinante
fundamental. Por exemplo, costuma-se dizer que os primogênitos tendem a falar
antes, a ser mais orientados para os adultos, a ser mais ansiosos no momento de
alcançar metas e a ser mais dependentes, em virtude de terem recebido por certo
tempo uma atenção exclusiva.
E as conseqüências para a aprendizagem ?
Celidonio (1998) constata que as tensões acumuladas na dinâmica das
relações familiares certamente surgirão na escola (primeiro universo mais amplo que
se segue às relações familiares) sob a forma de um problema de adaptação e ou
aprendizagem na vida escolar.
19
Os progressos na aprendizagem ficam inibidos quando a tensão emocional é
grande. A coordenação muscular é marcadamente enfraquecida por uma situação
emocional bastante intensa. A eficiência da aprendizagem será menor, sobretudo se
depender da habilidade de manipulação. A eficiência intelectual é reduzida diante
de forte tensão emocional podendo até ser psicologicamente verdadeira a
expressão: "eu estava tão nervoso que não podia pensar." -- Comparando-se a
produção de uma pessoa normal, e de outra em estado intenso de emoção, a
produção desta é reconhecidamente menor. Crianças amedrontadas, zangadas,
desapontadas ou deprimidas podem reagir em situações de aprendizagem com
menos da metade da capacidade com que poderiam fazê-lo.
Mediante o exposto, conclui-se que:
- as emoções desempenham importante papel sobre a aprendizagem escolar cuja
função não é exclusivamente intelectual;
- as emoções agradáveis são tão favoráveis à aprendizagem, quanto as
desagradáveis são prejudiciais;
- a criança precisa sentir que seu desempenho é respeitado e valorizado pelo grupo
social a que pertence.; caso contrário não adquirirá confiança em si própria e verá
em cada situação nova, não um desafio e sim , mais uma nova oportunidade de
provar sua incapacidade.
2-3-3 Família e desenvolvimento cognitivo
Não menos importante é a contribuição da família para o desenvolvimento
cognitivo da criança.
20
Zorzi (1995) conceitua conhecimento cognitivo como um processo de
formação da própria inteligência; e esta, como o conhecimento de uma capacidade
geral de estabelecer relações, quer seja entre objetos, eventos ou situações. O autor
faz correspondência entre construção da inteligência e processo de formação de
conhecimentos. Não aleatórios, ressalva ele, mas sim estruturados de forma que os
mais elementares servem de base para os mais complexos que se seguem.
Contrariando a tese dos inatistas e dos behavioristas, esclarece que o
desenvolvimento da inteligência constitui-se num processo de troca entre o sujeito e
o meio, sendo resultado da interação entre eles (construtivismo). A linguagem, por
si só, não garante a formação de conhecimentos: há uma interdependência entre
pensamento e linguagem.
O desenvolvimento cognitivo tem início já no período pré-verbal ou sensóriomotor (aproximadamente dos zero aos dois anos de idade), período básico para a
evolução das condutas futuras mais complexas. É do desenvolvimento construído ao
longo desse período, que depende o aparecimento da linguagem. Caracteriza-se
pela construção de uma inteligência prática (características de objetos, relações
espaciais, temporais e causais) envolvendo ação e relação com o outro. Seu
desenvolvimento prende-se, sem dúvida, às características orgânicas da criança,
especialmente do sistema nervoso.
Existe, pois, um desenvolvimento cognitivo que antecede e prepara o
surgimento da linguagem; e, mais tarde, quando esta se constituir em linguagem
simbólica e instrumento de apoio para o pensamento, influenciará o próprio
desenvolvimento cognitivo.
21
Ao final do período sensório-motor, se a comunicação verbal (linguagem) não
aparecer, ou se apresentar de modo lento ou dificultoso, pode ser indício de
diferentes tipos de problemas. Pode estar acontecendo um atraso global do
desenvolvimento e conseqüentemente isso trará prejuízo para aquisição da
linguagem, bem como, para aquisição de todas as condutas simbólicas. Ainda mais:
poderá ocorrer um retardo de aquisição de linguagem e, mais tarde, já em idade
escolar, distúrbios de aprendizagem com dificuldades maiores ou menores,
conforme a intensidade das dificuldades iniciais de desenvolvimento.
Para prevenir tais problemas, os pais devem conversar muito com as
crianças, desde bebês, e não atender prontamente às suas solicitações não verbais,
estimulando-as a verbalizar. Devem estimulá-las a emitir os vocábulos simples
(verbos de ação indireta, como cair, dar, pegar, querer, etc.) e evitar falar de modo
infantilizado com ela. Estimular, através de ordens simples, a compreensão de fatos
de rotina. Procurar ampliar o vocabulário da criança, verbalizando tudo o que ocorre
à sua volta, bem como o nome de objetos, pessoas, animais, etc.. Falar com ela,
naturalmente, sem uso abusivo de diminutivos.
Siegel (1982),citado por Moreno & Cubero (1995), concentrou-se no estudo
de intercâmbios comunicativos que os filhos estabelecem cotidianamente com os
pais. Elaborou a teoria do distanciamento: fazer com que a criança se distancie do
imediatamente presente para operar sobre ele. Segundo a referida teoria, para
melhor desenvolverem o cognitivo na criança, os pais devem, com suas
verbalizações, obrigá-la a antecipar eventos futuros, a reconstruir acontecimentos
passados, a empregar a imaginação quando agem sobre os objetos pessoais ou
eventos, a efetuar inferências e buscar alternativas na solução de problemas.
22
Também é relevante que os pais usem de reforço físico e verbal, consultem a
criança e perguntem-lhe no momento de tomar uma decisão que a afete, sejam
sensíveis
aos desejos e sentimentos dela, estimulem sua independência e
autonomia, exigindo que seja ela que resolva problemas por si mesma (embora
fiquem por perto para apoiá-la, se necessário).
Com base no que fora apresentado, conclui-se que desde muito cedo as
crianças devem ser estimuladas (desde bebês). É muito importante que os pais
leiam para a criança, contem-lhe coisas, façam- lhe comentários sobre o mundo que
a cerca, tenham boa disposição para responder e formular perguntas, utilizem
palavras e enunciados que a criança conhece ou está prestes a conhecer, cerquemna de atividades rotineiras e de vez em quando ofereçam-lhe alguma novidade; os
pais devem sempre oferecer-lhe materiais para serem manipulados, como livros de
história, jogos educativos, objetos da casa, sendo muito importante a participação
deles nos jogos.
2-3-4 Família e nível sócio-econômico
Também exerce enorme influência no aparecimento de problemas de
aprendizagem, o nível sócio-econômico da família.
De acordo com Mussen (1970), os valores associados às classes e grupos
étnicos refletem-se nas motivações, nas características da personalidade e nas
atitudes das crianças; e exemplifica: crianças de classe média são capazes de inibir
a expressão de sentimentos agressivos, visto que aprenderam em sua cultura, que a
23
agressão conduz ao castigo; as de classe baixa, no entanto, são encorajadas a
expressar sentimentos agressivos e, conseqüentemente são mais inclinadas à luta e
a praguejar quando furiosas.
O autor relata que as classes sociais também diferem a respeito da motivação
de realização. Enquanto os pais de classe média, em geral, valorizam a capacidade
de realização de seus filhos, recompensando-os com freqüência, os pais de classes
inferiores, não o fazem. Dessa forma, as crianças de classe média mostram-se muito
mais interessadas em estudar do que as provenientes de famílias de classe inferior.
Estas são propensas às dificuldades no estudo, consideram a escola, enfadonha, e
há probabilidade de se converterem em "problemas escolares".
Conforme o mesmo autor, as diferenças de classe social na capacidade
verbal revelaram-se, em muitos estudos, de um modo constante. As crianças que
provêm de classe média possuem melhor vocabulário, articulam com maior
perfeição, falam mais correta e gramaticalmente e constroem frases mais elaboradas
do que as crianças de classes inferiores. Aquelas, falam mais com os pais, tornamse mais interessadas na linguagem e são mais recompensadas por realizações
verbais.
O aumento de estímulo ambiente de uma criança proveniente de classe
inferior pode levá-la a intensificar seu interesse pela linguagem e melhorar sua
expressão verbal. Isso é muito importante uma vez que a aprendizagem complexa e
a formação de conceitos dependem ainda mais da linguagem.
À medida que a capacidade lingüística de uma pessoa melhora, seu
comportamento vai ficando cada vez mais controlado e regulado pelas palavras de
outros ou pelas instruções que dá a si mesmo. A própria fala interna da criança
24
torna-se a mais importante fonte de estímulo verbal no fim do período pré-escolar e
nos primeiros tempos da escola.
Valmaseda (1995) também se refere à diferença de classes sociais,
afirmando que crianças oriundas de ambientes familiares que oferecem maiores
oportunidades para a aprendizagem da linguagem chegarão à escola mais
preparados para a aprendizagem propriamente dita, não acontecendo o mesmo com
crianças que trazem de sua infância experiências mais ou menos pobres, com maior
propensão ao fracasso escolar.
A autora cita Bernstein (1971,1973), que tendo encontrado dois estilos ou
formas de falar relacionados a dois tipos de ambientes ou contextos sócio-culturais,
introduziu os conceitos de restrito e elaborado, com a seguinte interpretação: as
crianças
de
classes
sócio-econômicas
baixas
encontram-se
empobrecidas
culturalmente, ouvem pouco a linguagem correta, o que lhes dificulta o pensamento
abstrato (linguagem restrita). De tal estudo originaram-se propostas de programas
compensatórios para certos grupos de crianças.
Uma análise mais rigorosa demonstrou que os estudos realizados não
evidenciaram propriamente problemas de linguagem, mas sim, variações nos usos
feitos dessa linguagem: ao invés de defeitos, encontraram diferenças. Cabe, pois, à
escola, favorecer ou desfavorecer o desenvolvimento da linguagem. Sua atuação
deverá divergir conforme a procedência das diferentes crianças. Sabe-se que o
código elaborado de certos contextos sociais é predominante na escola, o que
provoca em algumas crianças uma descontinuidade entre os usos da linguagem
aprendidos em casa e os utilizados na escola.
25
Às vezes, o meio familiar, embora de nível sócio-econômico elevado, é pouco
estimulante: - ambientes familiares superprotetores podem privar a criança de um
desenvolvimento autônomo, reforçando, por exemplo, uma fala infantilizada;
-
situações de rejeição em relação à criança podem favorecer o aparecimento de
dificuldades de comunicação; - ambientes patológicos podem também influir no
processo de desenvolvimento das crianças, e conseqüentemente em suas
capacidades comunicativas; exemplificando: quando crescem em ambientes muito
deturpados
emocionalmente
(mães
esquisofrênicas
ou
psicóticas),
seu
desenvolvimento comunicativo pode ser comprometido.
Moreno & Cubero (1995) não são categóricos na afirmação de que a carência
de estímulos sociais no princípio da vida produza efeitos irreversíveis. Ressaltam
que muitos autores são de opinião de que a mudança de um ambiente desanimador
ou desestimulante pode superar os efeitos retardadores iniciais.
Para Mussen (1970), as experiências no playground ou na escola podem
fomentar a confiança em si própria, numa criança anteriormente carente sob esse
aspecto. Uma criança tímida, tristonha e retraída, produto de um ambiente familiar
insatisfatório, áspero e autoritário, uma vez que freqüente uma escola maternal
tolerante, com professores afetuosos e compreensivos, pode-se tornar viva, feliz,
imaginativa.
Em contrapartida, as experiências infelizes na escola ou na vizinhança podem
minar os efeitos benéficos de boas relações entre pais e filhos. Assim, se os pais
forem carinhosos, gentis e tolerantes, uma criança poderá ingressar na escola
sentindo-se segura, confiante em si mesma e nos outros. Porém, se sua inteligência
estiver abaixo da média ou lhe faltar motivação para o estudo, poderá sofrer
26
amargos fracassos na escola e por conseguinte, tornar-se frustrada, agressiva,
retraída, desajustada.
De acordo com Drouet (1995), a família que pertence à classe média alta,
com posição boa e estável, pode oferecer uma boa educação às crianças, pagando
melhores colégios, organizando biblioteca particular para seus filhos, viagens e
estudos complementares. Porém, seu maior ou menor aproveitamento dependerá
também de sua capacidade intelectual. Acontece que muitas vezes a criança de
classe privilegiada, dividida entre inúmeras atividades (piano, balé, aulas de inglês,
etc.), não encontram na aprendizagem propriamente dita, o sucesso desejado.
Crianças oriundas de classe média e de classe média baixa são capazes de
alcançar altos níveis de desenvolvimento intelectual e de serem bem sucedidos nos
estudos. Se forem inteligentes, poderão superar as dificuldades e atingir os mesmos
níveis das crianças pertencentes às classes mais altas..
As provenientes de classes populares, de média baixa a baixa, no entanto,
lutarão contra inúmeras dificuldades educacionais, tais como: ausência de currículo
oculto, freqüência a escolas públicas (nem sempre satisfatórias), falta de
oportunidade de leitura de bons livros, de viagens ilustrativas, e.t.c.. Terão que
desprender um esforço redobrado para alcançarem outras crianças mais adiantadas,
mesmo sendo inteligentes e estudiosas. Algumas delas, no entanto, conseguem
destacar-se e ser bem sucedidas, chegando mesmo até ao curso superior.
Conclui-se, pois, que:
_
as classes sociais diferem-se a respeito da motivação de realização, das
características de personalidade e atitudes das crianças, bem como da capacidade
verbal;
27
_ crianças que trazem de sua infância , experiências mais ou menos pobres,
poderão ter maiores dificuldades na aprendizagem propriamente dita (escolar);
_nem sempre
o meio familiar de nível sócio-econômico elevado é bastante
estimulador;
_a mudança de ambiente pode, muitas vezes, trazer benefícios à criança, passando
por exemplo, de um ambiente desestimulante para um ambiente em que tenha
oportunidades de realizar experiências, de participar realmente do processo de
aprendizagem;
_ não podemos afirmar que só as crianças de nível sócio-econômico alto vencem os
desafios da aprendizagem: crianças de classe média
poderão
alcançar
as
de
classe
alta,
28
embora
e de classe média baixa
com
muito
esforço.
3 - Considerações Finais
O objetivo desta pesquisa foi verificar até que ponto a família pode influenciar
de maneira positiva ou negativa a aprendizagem da criança.
A escolha do tema surgiu do contato diário que mantenho com crianças que
apresentam problemas de aprendizagem: não aprendem, aprendem mal, ou não se
adaptam à escola de maneira satisfatória.
A princípio pretendi aliar uma pesquisa prática à teórica: em um grupo de
crianças atendidas pelo Setor Público de Saúde, averiguaria qual o fator
(psicológico, educacional, intelectual, sócio-econômico) que mais influenciava sua
história de vida. Esbarrei-me , porém, numa séria dificuldade: a questão é bastante
complexa e o campo psicológico estaria fora do meu campo de atuação. Aliás, os
problemas de aprendizagem não ocorrem de maneira simples, isolada, podendo
haver vários intervenientes. Decidi-me, pois, pela pesquisa teórica , apenas.
Considero o estudo da família de suma importância para a aprendizagem da
criança, uma vez que ela, a família, é a primeira das muitas células que reunidas
constituem a sociedade. É junto dela que a criança realiza as primeiras e mais
importantes experiências de sua vida.
Com base no estudo realizado, concluí que:
− dentre os inúmeros fatores que interferem no processo de ensino-aprendizagem
prejudicando-o, muitas vezes severamente, está uma ineficiente educação familiar;
os pais, principalmente, de forma deliberada ou inconscientemente, podem permitir
ou obstruir o processo de construção da individualidade de seus filhos;
− o ambiente familiar precisa satisfazer as necessidades básicas de afeto, apego,
desapego, segurança, disciplina, aprendizagem e comunicação, pois é nele que se
29
estrutura a mais importante forma de aprendizagem: a de estabelecer vínculos, isto
é, a capacidade de aprender a se relacionar;
− por trás de muitos distúrbios de aprendizagem ou de inadaptação da criança à
escola, esconde-se algum tipo de tensão emocional cuja origem encontra-se no
universo familiar ; não é possível compreender-se a criança separada do seu lar; ela
só pode obter maturidade emocional quando os adultos, com os quais convive, são
emocionalmente maduros;
− é preciso que se valorize o trinômio família-aprendizagem-escola de cuja harmonia
depende o desenvolvimento satisfatório da criança;
− a escola, um dos mais importantes agentes de promoção de equilíbrio infantil e
juvenil, pode compensar "déficits" oriundos de uma ineficiente educação familiar;
− a atuação do professor deve divergir conforme a procedência das crianças;
− a família é influenciada pelos sistemas que condicionam seu funcionamento, por
exemplo, sua situação sócio- econômica;
− é muito relativo afirmar-se que crianças oriundas de classes média e alta têm
sucesso de aprendizagem garantido, ou que as procedentes de classes sociais
inferiores são fadadas ao fracasso escolar;
− tanto é prejudicial à aprendizagem, a carência de estimulação, como o excesso
desta.
Chamou-me a atenção, de modo especial, a influência do fator emocional
sobre a aprendizagem da criança , a ponto de me perguntar quem terá mais chances
na vida: quem tiver um alto desenvolvimento cognitivo, ou quem , não o tendo tão
favorável, consegue, em contrapartida, ter controle sobre suas emoções?
30
Não menos importante considero a referência à formação do autoconceito,
base de toda aprendizagem: se julgo que sou capaz de aprender, aprenderei bem
mais e melhor do que se me julgar incapaz para tal: dependendo do conceito que
faço de mim mesmo, será o conceito que terei do mundo ao meu redor.
Ao longo do trabalho, constatei que a ação da família sobre a criança não é
absoluta, inabalável, embora preponderante.Tal constatação tem aspecto quer
positivo, quer negativo. De um lado, a criança pode ser socorrida por grupos fora da
família , se esta falhar na sua educação; por outro lado, as influências benéficas
recebidas no aconchego familiar poderão ser abaladas por pressões de outros
grupos sociais.
O
presente
estudo
serviu-me
para
maior
conscientização
sobre
o
envolvimento dos pais no processo de educação dos seus filhos. Além disso,
ressalta a importância
de escolas públicas bem equipadas e organizadas, que
possam atender de maneira satisfatória as crianças de famílias de baixa renda.
A análise deste trabalho poderá servir de contribuição a pais e educadores.
Aos primeiros, por serem os maiores interessados pelo sucesso de seus filhos. Aos
segundos, por terem a possibilidade e a responsabilidade de introduzirem influências
positivas que sejam capazes de compensar as deficiências ligadas ao contexto de
criação familiar da criança.
Acredito que, se os pais souberem do poder e da força dos seus contatos
com seu filho, se forem orientados sobre a importância da estimulação precoce e
das relações saudáveis em família, os distúrbios de aprendizagem poderão ser
minimizados.
31
Acredito também que poderá haver maior compreensão por parte dos
educadores e, por conseguinte, melhor êxito no seu trabalho, se souberem algo
sobre as experiências anteriores da criança, bem como das forças que atuaram
sobre ela.
Espero que a criança, que não recebeu uma influência benéfica nos primeiros
anos de sua vida, possa recebê-la mais tarde, com aproveitamento. Acredito que
isso poderá acontecer se tal influência aparecer e ocorrer de forma estável e
duradoura.
Será justo uma criança, pertencendo involuntariamente a esta ou àquela
família, com este ou aquele tipo de comportamento, com esta ou aquela situação
sócio-econômica, ser tão prejudicada no processo de ensino-aprendizagem?
32
4 - Referências Bibliográficas
BOSSA, DRA. N. A. "Do nascimento ao inicio da Vida Escolar: o que fazer para os
filhos darem certo ?" in Revista Psicopedagogia. Vol. 17, São Paulo,
Salesianas 1998
CELIDÔNIO, R. F. "Trilogia inevitável: família - aprendizagem - escola", in Revista
Psicopedagogia. Vol. 17, São Paulo, Salesianas 1998
CUPELLO, R. O atraso da linguagem como fator causal dos distúrbios de
aprendizagem. Rio de Janeiro, Revinter, 1998, 135-51p
DROUET, R. C. da R. Distúrbios da Aprendizagem. São Paulo, Ática, 1995, 207-43p
GAGNÉ, R.M. Como se realiza a aprendizagem. Rio de Janeiro, S/A MEC, 1974, 26153p
HESSE, H. Demian, 3ª edição, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1968, 6p
JOSÉ, E. da A. & COELHO, M.T. Problemas de Aprendizagem. São Paulo, Ática,
1999, 9-25p
MARTÍN, E. & MARCHESI, A. Desenvolvimento metacognitivo
e problemas de
aprendizagem In Desenvolvimento Psicológico e Educação, Vol. 3. Porto
Alegre: Artes médicas, 1995, 24-35p
MORENO, M.C. & CUBERO, R. Relações sociais nos anos pré-escolares em
Desenvolvimento Psicológico e Educação, Vol. 1. Porto Alegre: artes
médicas, 1995, 190-202p
MOULY, G. J., Psicologia Educacional. São Paulo, Pioneira , 1970, 104-253p
33
MUSSEN, P.H. O desenvolvimento psicológico da criança, 5ª edição. Rio de Janeiro,
1970, 54-131p
PILETTI, N. Psicologia educacional. São Paulo, Ática, 1984, 273-87p
ROMERO, J.F. Os atrasos maturativos e as dificuldades na aprendizagem In
Desenvolvimento Psicológico e Educação, Vol. 3. Porto Alegre: Artes
médicas, 1995, 24-35p
VALMASEDA, M. Os problemas de linguagem na escola In Desenvolvimento
Psicológico e Educação, Vol. 3. Porto Alegre: Artes médicas, 1995, 83-99p
ZORZI, J.L. Linguagem e aprendizagem In Tópicos em Fonoaudiologia, Vol. II.
São Paulo, 1995, 213-28p
34
Fly UP