...

a importância das estratégias de serviço - estudo de caso

by user

on
Category: Documents
18

views

Report

Comments

Transcript

a importância das estratégias de serviço - estudo de caso
Centro Universitário de Brasília
CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA
FACULDADE DE CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS – FASA
CURSO: COMUNICAÇAO SOCIAL
DISCIPLINA: MONOGRAFIA
ÁREA: PROPAGANDA E MARKETING
PROFESSORA ORIENTADORA: MARIA GLÁUCIA MAGALHÃES
JADSON ALVES NUNES
MATRÍCULA N° 20127163
A IMPORTÂNCIA DAS ESTRATÉGIAS DE SERVIÇO ESTUDO DE CASO - BANDA CONTRATAQUE
Brasília / Novembro
2006
2
JADSON ALVES NUNES
Monografia
apresentada
ao
Centro
Universitário de Brasília – UniCEUB para
obtenção do grau de bacharel em
Comunicação Social, habilitação Propaganda
e Marketing.
Profª orientadora: Maria Gláucia Magalhães
Brasília / Novembro
2006
3
JADSON ALVES NUNES
Monografia
apresentada
ao
Centro
Universitário de Brasília – UniCEUB para
obtenção do grau de bacharel em
Comunicação Social, habilitação Propaganda
e Marketing.
Profª orientadora: Maria Gláucia Magalhães
Banca Examinadora
__________________________
Profª. Maria Gláucia Magalhães
Orientadora
__________________________
.............................................
Examinador
__________________________
............................................
Examinador
Brasília,...... de...................... de 2006.
4
RESUMO
Com o propósito de ser uma banda do autêntico rock de Brasília, com
músicas próprias e oferecer uma melhor maneira para a banda musical
Contrataque se evidenciar no seu ramo, por intermédio de um planejamento
estratégico, é necessário sempre usar preços bem baixos do mercado para
facilitar a inserção no cenário, um processo onde a banda ajuda o contratante do
evento, mostrando qualidade no show, além de investir em táticas de marketing e
criar um processo de planejamento estratégico, sendo uma maneira de conhecer
melhor a empresa e avaliar o mercado.
5
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO ............................................................................................................6
1 – FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ............................................................................8
1.1 Música / Rock...................................................................................................8
1.2 Planejamento estratégico ............................................................................10
1.3 Estratégias Competitivas ..............................................................................16
2 – METODOLOGIA ................................................................................................22
3 – DESCRIÇÃO DO CASO – BANDA CONTRATAQUE........................................24
3.1 Histórico da banda.........................................................................................24
3.2 Composição ...................................................................................................26
3.3 Concorrentes ................................................................................................26
3.4 Estratégicas usadas pela Banda Contrataque ............................................26
3.4.1 P – Serviço...............................................................................................26
3.4.2 P – Preço..................................................................................................27
3.4.3 P – Logística ............................................................................................27
3.4.4 P – Promoção ..........................................................................................27
4 – ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS..........................................................................28
4.1 Análise SWOT ................................................................................................28
4.2 Estratégias .....................................................................................................29
CONSIDERAÇÕES FINAIS ......................................................................................31
REFERÊNCIAS.........................................................................................................32
6
INTRODUÇÃO
Tema
Esta monografia acadêmica terá como tema A Importância das Estratégias
de Serviço - Estudo de caso: Banda Contrataque.
Delimitação do tema
“O planejamento estratégico é o processo gerencial de desenvolver e
manter uma adequação razoável entre os objetivos e recursos da empresa e as
mudanças de oportunidades de mercado. O objetivo do planejamento estratégico
é orientar os negócios e produtos da empresa de modo que gere lucros e
crescimento satisfatórios” (KOTLER, 1998, p. 71).
Cada organização / empresa tem suas estratégias para alcançar o sucesso
desejado.
Então, o foco de estudo deste trabalho será um estudo de caso de uma
banda de rock iniciante que deseja traçar estratégias para ter um direcionamento e
alcançar o sucesso.
Formulação do problema
Por que é importante definir estratégias para obtenção do sucesso de
qualquer organização / empresa?
7
Hipótese
•
A elaboração de um planejamento estratégico contribui para o sucesso da
empresa;
•
A elaboração de um planejamento estratégico não contribui para o sucesso
da empresa;
Justificativa da escolha do tema
Este tema foi selecionado, pretendendo propiciar uma melhor maneira para
a banda musical Contrataque se destacar das demais, por meio de um
planejamento estratégico.
Objetivos
Objetivo geral
Aprofundar conhecimento sobre o tema planejamento estratégico;
Objetivos específicos
•
Identificar estratégias utilizadas pela banda;
•
Identificar o mix de marketing da banda;
•
Analisar as oportunidades e ameaças para a banda;
Estrutura do trabalho
Esta monografia acadêmica é composta de uma introdução, em que é
descrito o tema e os objetivos do trabalho; a fundamentação teórica que trás a
base para o desenvolvimento do trabalho; o aprofundamento do tema, onde são
expostas as informações sobre o objeto de estudo - banda Contrataque;
metodologia da pesquisa; a análise dos resultados e a conclusão.
8
1 - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
1.1 Música / Rock
Segundo Taborda (2002, p.12), as primeiras gravações de rock no Brasil
aconteceram nos anos 50, mas em versões de sucessos americanos, e é só na
década de 60 que o idioma ganhou um sotaque brasileiro. Em 1964, o cantor
Ronnie Cord emplaca um dos primeiros sucessos do gênero, a música Rua
Augusta (composição de seu pai, Herve Cordovil, que seria regravada depois por
Roberto Carlos).
A Jovem Guarda inseriu de vez o rock no Brasil, tendo na linha de frente
Roberto Carlos chegando as paradas de sucesso com a canção Negro Gato em
1966 e Erasmo Carlos em 1967 com a música Vem Quente Que Eu Estou
Fervendo.
No final dos anos 60, Os Mutantes, de Rita Lee, lança vários sucessos,
mostrando que o rock nacional trocava a ingenuidade da Jovem Guarda pela
contestação e uma cultura fora do padrão da época.
Ainda Taborda (2002, p.12) diz que, a consolidação do rock brasileiro se
deu no inicio dos anos 70 com Raul Seixas, que liderava o principal grupo baiano
da Jovem Guarda, Raulzito e os Panteras.
A inovação em bandas de rock foi se tornando cada vez maior, com mistura
de rock e MPB, visuais andrógenos e carregados de maquiagem, que teriam
influenciado até o grupo Kiss, o Secos & Molhados obtiveram recorde de vendas
na época.
Nos anos 80, Lulu Santos vira um artista radiofônico, espécie de compositor
de canções de sucesso dessa geração, com várias composições sempre nas
primeiras posições em todas as rádios, tendo seguidores como Gang 90 &
Absurdettes e Blitz.
9
Taborda (2002, p.13) ainda diz que outras bandas no cenário nacional
tinham uma linhagem musical mais ligada ao punk, enfatizando o protesto contra o
governo e situações retratando o cotidiano brasileiro, inclusive a primeira remessa
de bandas de Brasília para o cenário nacional, as quais se destacaram Plebe
Rude, Capital Inicial e Legião Urbana.
O rock crescia cada vez mais no Brasil. São Paulo vinha com destaque
para o Titãs, RPM, Tókio (Supla) e IRA! na mesma linha musical das bandas de
Brasília, o Ultraje a Rigor vinha com letras mais extrovertidas, no Rio de Janeiro,
Barão Vermelho e depois Cazuza em carreira solo, Kid Abelha & Os Abóboras
Selvagens, Celso Blues Boy, Biquíni Cavadão, Hanoi Hanoi e Lobão, e um
infiltrado da Bahia, Camisa de Vênus.
Uma banda dos anos 80 que se destacou pela fusão de sons foi o
Paralamas do Sucesso. Juntamente com o rock´n roll, misturou ritmos afros e
latinos juntamente com o reggae, sendo inclusive na época alvo de críticas
negativas de bandas como Titãs e Lobão, falando que o faziam não era rock e não
podiam estar inseridos no mesmo grupo e tocando nos mesmos festivais,
preconceito que depois foi superado depois que a banda se consolidou no cenário.
Outra década que Taborda (2002, p.14) aborda é os anos 90, impulsionada
inclusive por Paralamas do Sucesso, a mistura de ritmos passou a ser cada vez
maior, os estilos musicais hard core e o hip hop ganharam muito espaço nessa
década, as letras das músicas ficaram ainda maiores na maioria das bandas
dessa nova safra dessa década.
Fernanda Abreu mostrava o Funk para o Brasil, o rapper Gabriel Pensador
vinha com letras políticas e grandes sátiras de personagens contemporâneos,
Cidade Negra vinha como a maior banda de reggae do Brasil, Chico Science &
Nação Zumbi faziam mistura de rock com novas tecnologias sonoras e sons
regionais batizado pela mídia de Mangue Beat, os Mamonas Assassinas
mostravam que o rock também poderia ser tocado com bastante humor.
10
Nessa década, mais um estado brasileiro mostrou para o Brasil que o rock
continuava crescendo, e em Minas Gerais, mais precisamente na cidade de Belo
Horizonte, vieram grandes bandas como Skank, Pato Fu, Jota Quest, seguido num
cenário mais regional por Mary´s Band e Tianastácia.
Duas bandas cariocas marcaram história nessa década, Planet Hemp com
seus vocalistas rappers Marcelo D2, BNegão e Black Aliem faziam grandes
apologias ao uso de Maconha, e O Rappa com seu rock, rap, funk com letras de
forte discurso político.
Ainda Taborda(2002, p.14) cita as duas maiores bandas dessa década
foram Charlie Brown Jr. e Raimundos, a primeira sendo voltada ao público jovem
ligado a skate e esportes radicais, com batidas de metal melódico misturado com
ska e rock californiano,
banda que foi superada pela crítica apenas pelo
Raimundos que saiu de Brasília com uma proposta interessante de som,
misturando hard core com forró e letras cheias de palavrões, a banda teve grande
reconhecimento não só no Brasil, mas também no exterior, terminou em 2001
depois que o vocalista Rodolfo Abrantes se tornou evangélico.
O Rappa e Charlie Brown Jr. se consolidam como umas das grandes
bandas do cenário nacional, Marcelo D2 sai do Planet Hemp e faz carreia solo
trocando letras de apologia a maconha por temas variados voltados ao cotidiano
carioca inclusive misturando rap com samba.
Novidade no cenário apenas Los Hermanos, CPM22 e Pitty, mostrando que
o rock ainda sobrevive, mas não tem a força que tinha antigamente.
1.2 Planejamento estratégico
Para Kotler (1993, p. 249), o processo de planejamento estratégico é uma
maneira de conhecer melhor a empresa e avaliar o mercado, inserido-se em um
ambiente constantemente em mutação, para que se possam traçar estratégias, a
11
fim de tornar a empresa mais competitiva, possibilitando sua expansão no
mercado.
Esse planejamento tem como foco as medidas positivas que uma empresa
poderá tomar para enfrentar ameaças e aproveitar as oportunidades, podendo
crescer e progredir se conseguir ajustar-se à conjuntura. Assim, esta estratégia é
uma técnica comprovada para que tais ajustes sejam feitos com inteligência.
O mais importante na utilização do planejamento estratégico é o seu
estreito vínculo com a administração estratégica nas organizações. Não se pode
tratar isoladamente o planejamento estratégico sem entrar no processo
estratégico, contribuindo mais eficazmente com a gestão dos administradores na
obtenção de seus resultados, sendo um processo contínuo.
Sempre existirão problemas empresariais. O que diferencia a sua solução é
a maneira como são encarados – de frente e solucionados o mais rápido possível.
Muitas vezes, a receita mais eficiente é a mais simples. Portanto, tomar atitudes é
a melhor maneira de resolver as questões. Atitudes sempre trarão resultados e
quanto mais preventivas, melhor, comprovando-se a necessidade de um
planejamento estratégico.
A empresa precisa ter difundido, em todos os níveis de sua hierarquia
interna, as diversas táticas e planos operacionais, que precisam estar alinhados
com sua estratégia. Para se definir a estratégia empresarial, é importante a
compreensão entre as pretensões dos dirigentes e as reais possibilidades da
empresa, além de profundo conhecimento da estrutura empresarial, da
concorrência e consumidores.
Para implementar um planejamento estratégico, é necessária flexibilidade
para mudanças contínuas e definição de prioridades e estratégias. Definições
estratégicas demandam informações, criatividade e planejamento, que, muitas
vezes, esbarram na necessidade de maiores mudanças.
A instituição que compreende a relevância deste planejamento adquire uma
12
visão mais ampla do futuro, capaz de prever situações, tornando-se preparada
para enfrentá-las.
O planejamento estratégico teve muito de sua evolução atrelada ao
desenvolvimento do conceito de estratégia empresarial, que surgiu como um
processo para viabilizar a concretização da estratégia.
Kotler (1993, p. 126)
identifica que os fatores que levam as empresas a obter sucesso na sua atividade
são os compromissos em criar consumidores satisfeitos e o fato das empresas
saberem se adaptar e responder a um mercado em constantes mudanças. Desta
forma, define-se:
Além das firmas acompanharem a evolução do cenário, precisam também
conhecer suas forças e fraquezas, reconhecendo suas limitações e vantagens em
relação à concorrência. Após ter identificado as estratégias, adotadas pelos
concorrentes, a empresa deve ficar atenta ao que cada concorrente busca no
mercado. Este possui um conjunto de objetivos que pode ser aumento de
participação no mercado, lucratividade atual, fluxo de caixa, liderança tecnológica
ou liderança no atendimento como um serviço personalizado. Uma empresa pode
antecipar suas ações, sabendo como cada concorrente pondera estes objetivos.
Segundo Kotler (1993, p. 231), planejamento é determinar os objetivos e os
meios eficazes para alcançá-los. Esses objetivos devem se realizar no futuro.
Portanto, admitindo que o contexto não seja estável, torna-se necessário realizar
uma análise do futuro, observando os processos de mudança e trabalhando com a
incerteza e a complexidade que deve ser respeitada. O planejamento pode ser
entendido como um processo de tomada de decisão antecipada.
Para Kotler (2000, p. 125), é uma metodologia gerencial que permite
estabelecer a direção a ser seguida pela organização, visando ao maior grau de
interação com o ambiente.
Os autores apresentam, também seguindo a mesma perspectiva, que o
objetivo principal do planejamento estratégico não está em prever o futuro, mas
13
em analisar a variedade de alternativas para que se possa priorizar e optar pela
proposição adequada no sentido de minimizar ações incorretas e prever os meios
e recursos necessários no intuito de buscar a redução de incertezas, minimizar os
riscos.
Segundo Chiavenatto (1999, p. 231), por meio do planejamento estratégico
são determinados antecipadamente os objetivos a serem atingidos e as ações que
serão necessárias para alcançá-los. O planejamento define aonde se pretende
chegar, o que deve ser feito, quando, como e em que seqüência.
Colaborando com o pensamento de Chiavenatto (1999, p. 232), que define
planejamento estratégico como: “o processo de decisão dos objetivos da empresa,
das mudanças nesses objetivos, dos recursos utilizados para atingi-los e das
políticas que deverão governar a aquisição, utilização e disposição desses
recursos”.
Kotler (1993, p. 233) ressalta que o planejamento estratégico oferece uma
estrutura unificada, na qual os executivos podem solucionar os principais
problemas da organização, identificar mais facilmente novas oportunidades,
avaliar as forças que podem ser potenciadas e as fraquezas que devem ser
corrigidas.
Chiavenatto (1999, p. 241) considera que o planejamento estratégico é a
maneira pela qual uma organização implementará suas estratégias. A formulação
do planejamento estratégico exige quatro fases distintas: a formulação dos
objetivos organizacionais a serem alcançados; análise interna das forças e
limitações da empresa; análise externa do meio ambiente e formulação das
alternativas estratégicas.
Planejamento é a destinação de recursos avaliados, visando ao alcance de
determinados objetivos a curto, médio e longo prazos, em um ambiente altamente
competitivo e dinâmico, ou seja, é saber qual o resultado que se espera desse
planejamento.
14
O planejamento estratégico é um importante instrumento de gestão para as
organizações na atualidade, constituindo uma das mais relevantes funções
administrativas e é por meio dele que o gestor e sua equipe estabelecem os
parâmetros que vão direcionar a organização da empresa, a condução da
liderança, assim como o controle das atividades.
O objetivo do planejamento é fornecer aos gestores e suas equipes uma
ferramenta que os municie de informações para a tomada de decisão, ajudandoos a atuar de forma pró-ativa, antecipando-se às mudanças que ocorrem no
mercado em que atuam.
Saber utilizar os instrumentos de planejamento de forma coerente,
adaptando-se à realidade da empresa e às suas necessidades, pode ser uma
excelente arma competitiva. Para utilizá-la eficazmente, é importante que os
gestores conheçam bem cada um dos elementos do planejamento e suas funções,
assim como as mudanças que estão ocorrendo no contexto competitivo, as quais
estão influenciando na própria prática do planejamento e lançando alguns desafios
para a sua gestão nas empresas.
Ainda Kotler (1993, p. 302) distingue três tipos de planejamento nos
grandes níveis hierárquicos: estratégico, tático e operacional. Portanto, nesta
situação, têm-se basicamente os planos de ação ou planos operacionais e
correspondem a um conjunto de partes homogêneas do planejamento tático.
Quanto ao tópico acima, tem abaixo o esclarecimento:
O estratégico é pertinente à organização como um todo;
O tático está relacionado com as diversas áreas da organização.
Como por exemplo, um plano financeiro e um plano de marketing;
O operacional é a operacionalização do plano tático, ou seja, ele
orienta a alocação de recursos para cada parte do plano tático
(KOTLER, 1993, p. 299).
A organização que consegue implantar o planejamento estratégico está
orientada ao cliente, preparada para o futuro, considera, nos processos de
mudança, sua experiência passada, capitalizam, em seu benefício, as mudanças
ocorridas no ambiente externo, realiza alianças estratégicas com outras
15
organizações, com a finalidade de obter o efeito sinérgico quando dois ou mais
diferenciais competitivos são utilizados conjuntamente, está em mutação
permanente para permitir o desenvolvimento de novas potencialidades e assume
responsabilidades sociais.
Para o sucesso do planejamento estratégico de uma empresa, deve-se
também prestar bastante atenção no momento da implementação da estratégia,
pois é nessa fase que o planejamento irá se concretizar. Os gestores, geralmente,
buscam resolver esse problema, ampliando o controle, buscando gerenciar a
cultura organizacional ou ainda, colocando a culpa nos executantes, alegando que
esses são incapazes de colocar em prática o que foi formulado. Entretanto, o
verdadeiro problema pode estar além: na separação entre formulação e
implementação, na dissociação entre pensar e agir.
Durante muito tempo, entendido como um processo top-down, definido
formalmente pela alta gerência e repassado para os demais níveis, o
planejamento é visto e praticado em muitas empresas da mesma forma que um
processo contínuo de reflexão sobre onde se quer chegar (objetivos) e de como se
chegará lá (estratégia). Nesses casos, o planejamento deixa de ser uma função
exclusiva de um departamento da empresa, passando a ser uma atribuição de
todos os níveis (estratégico, tático e operacional).
Enfim, se o planejamento estratégico, se bem aplicado, pode tornar a
gestão empresarial mais competitiva, atuando como um instrumento de
comunicação, de acompanhamento e principalmente de promoção do aprendizado
nas organizações.
O planejamento estratégico é mais simples do que se imagina, podendo ser
eficaz sem experientes especialistas, mas apenas com profissionais gabaritados
tendo uma ampla visão das mudanças ambientais do país e suas influências na
política e na economia.
Um sistema de planejamento estratégico poderá adicionar valor às
organizações ao providenciar informações relevantes e equilibradas de maneira
16
concisa, criando um ambiente propício para o desenvolvimento e crescimento,
baseados no aprendizado contínuo, e eliminando a necessidade de se escolher
um tipo de sistema de controle para cada situação.
1.3 Estratégias Competitivas
Kotler (1993, p. 303) afirma que as empresas que desejam obter vantagem
no mercado, normalmente se utilizam de uma das seguintes estratégias: redução
de custos, melhoria da qualidade ou inovação. Porém, tais estratégias são mais
efetivas quando são sistematicamente coordenadas com práticas de Gestão de
Pessoas, ou seja, diferentes estratégias competitivas requerem diferentes
habilidades e comportamentos dos empregados. Assim, os autores buscaram
estabelecer vínculos, baseados em exemplos empresariais, entre as estratégias
citadas, algumas práticas de Gestão de Pessoas e características esperadas dos
empregados. Os resultados estão sumarizados na tabela a seguir.
Relações entre práticas de gestão de pessoas e características dos
empregados com estratégias competitivas
Estratégia de
Redução de Custos
Estratégia de
Melhoria da
Qualidade
Estratégia de
Inovação
Características dos
empregados
Características dos
empregados
Características dos
empregados
Comportamento
repetitivo, previsível
Comportamento
repetitivo, previsível
Comportamento
inovador, criativo
Foco no curto-prazo
Foco no médio-prazo
Foco no longo-prazo
Comportamento
relativamente
independente
Algum comportamento
cooperativo
Comportamento
interdependente
cooperativo
Preocupação modesta
com a qualidade
Preocupação alta com
a qualidade
Preocupação modesta
com a qualidade
Alta preocupação com
quantidade
Modesta preocupação
com quantidade
Modesta preocupação
com quantidade
17
Alta preocupação com
resultados
Alta preocupação com
processos
Modesta preocupação
com resultados
Baixa flexibilidade a
mudanças
Modesta flexibilidade a
mudanças
Flexibilidade a
mudanças
Baixa tolerância à
ambigüidade
Modesta tolerância à
ambigüidade
Alta tolerância à
ambigüidade
Estreita aplicação de
habilidades
Modesta aplicação de
habilidades
Ampla aplicação de
habilidades
Baixo envolvimento
com o trabalho
Alto envolvimento com
o trabalho
Modesto envolvimento
com o trabalho
Práticas de RH
Práticas de RH
Práticas de RH
Baixa participação
Alta participação
Alta participação
Desenvolvimento de
carreira estreito
Desenvolvimento de
carreira estreito
Desenvolvimento de
carreira amplo
Critério de avaliação
por resultados
Critério de avaliação
por resultados, na
maioria das vezes
Critério de avaliação
por resultados e
processos
Foco no curto-prazo
Foco no curto-prazo,
na maioria das vezes
Foco no longo-prazo
Critérios de avaliação
individuais,
principalmente
Alguns critérios de
avaliação em grupo
Alguns critérios de
avaliação em grupo
Pouca segurança no
emprego
Alguma segurança no
emprego
Alguma segurança no
emprego
Poucos incentivos
Alguns incentivos
Muitos incentivos
Remuneração
hierárquica
Remuneração
eqüitativa
Remuneração
eqüitativa
Pouco treinamento
Treinamento extensivo
Treinamento extensivo
Relações de trabalho
tradicionais
Relações de trabalho
baseadas na
cooperação e
colaboração
Relações de trabalho
baseadas na
cooperação e
colaboração
Fonte: Kotler (1993, p. 303).
18
Nessa linha, há também o exemplo de Welch (2001, p. 62) que relata sua
experiência na organização General Electric. Segundo o autor, toda empresa deve
tornar-se uma organização que aprende, pois sua maior vantagem competitiva são
as pessoas de talento e, para atrair e obter a lealdade de funcionários
competitivos e talentosos, basta lhes oferecer excelência em treinamento, ótimo
ambiente de trabalho e oportunidades de crescimento pessoal e profissional. Em
outras palavras, políticas profícuas de Gestão de Pessoas. Via de regra, segundo
Welch, funcionários vítimas destas políticas serão comprometidos.
Pfeffer e O´Reilly III (2001, p. 321), em suas pesquisas sobre o papel das
pessoas nas organizações, tentaram, em um estilo prescritivo, sumarizar a
“fórmula do sucesso” das empresas ditas orientadas para as pessoas. Segundo os
autores, tais empresas parecem agir da seguinte maneira:
colocam os valores e a cultura em primeiro lugar para constituir a
base de suas estratégias de gestão e de sua competitividade;
colocam tais valores em prática com coerência por meio de eficiente
seleção e desenvolvimento, uma profícua comunicação interna,
sistemas
baseados
em
equipes
e
bons
mecanismos
de
recompensas e reconhecimento;
lideram em vez de meramente administrar, ou seja, a missão
primária dos líderes é assegurar que os valores se mantenham e
sejam realidade para todas as pessoas que trabalham nas
empresas.
As conclusões dos estudos de Pfeffer e O´Reilly III
mostram que as
empresas que implantaram políticas e práticas profícuas de Gestão de Pessoas
obtiveram um aumento significativo em índices organizacionais como vendas e
lucratividade. Eis alguns exemplos.
19
A Southwest Airlines possui uma cultura orientada para as pessoas e forte
ênfase no atendimento ao cliente além de ser apontada como uma das melhores
empresas para se trabalhar nos Estados Unidos. Dentre suas políticas e práticas,
pode-se citar: recrutamento dirigido, treinamento, remuneração que constrói a
cultura e compartilhamento de informações para envolver as pessoas. A Cisco
Systems possui grande foco no gerenciamento de sua cultura com atenção
especial à comunicação por meio de reuniões trimestrais com todos os
funcionários, otimização do uso da intranet (internet interna) para transmitir
informações, e festas criativas para os empregados. Um aspecto curioso é que os
executivos têm o mesmo espaço que os outros funcionários (cubículos de 3,5m
por 3,5m) só que os funcionários levam vantagem por ficar com as janelas.
Já a The Men´s Wearhouse empreende algumas políticas e práticas de
Gestão de Pessoas para valorizar seus empregados como remuneração
diferenciada baseada em desempenho, desenvolvimento de carreira (quase todos
os executivos seniores vieram dos escalões mais baixos), liderança e
comunicação (boletins mensais e vídeos exibidos seis vezes por ano nas lojas
divulgando a cultura, missões e metas corporativas). A PPS World Medical busca
tratar todo cliente como se fosse único e reconhece que os colaboradores são seu
ativo mais valioso, demonstrando isso por meio de um sistema de recompensas,
distribuição de lucros, treinamento contínuo em sua universidade corporativa,
gestão transparente (“portas e livros abertos”), delegação de poder e
responsabilidades e, ainda, compartilhamento de informações.
Branham (2002, p. 186), estudando os fatores de valorização e motivação
dos talentos nas organizações, baseado em estudos em várias empresas, sugere
algumas práticas de Gestão de Pessoas no sentido de reter ou fidelizar os
melhores colaboradores. Estas práticas foram subdivididas em 4 grandes grupos
que podem ser entendidos como políticas. São elas:
20
ser uma empresa na qual as pessoas queiram trabalhar (exemplo de
prática: inspire compromisso para uma visão clara e objetivos
definidos);
selecionar as pessoas certas logo de início e isso passa por um
processo parcimonioso de definição de perfil (exemplo de prática:
compreenda porque algumas pessoas saem e outras ficam);
proporcionar um excelente começo (exemplo de prática: dê
autonomia e recompense a iniciativa);
recompensar para manter o compromisso (exemplo de prática:
reconheça os resultados e divirta-se mais).
Branham (2002, p. 137) ressalta que para se desenvolver uma estratégia
que considere efetivamente as pessoas e seu alinhamento com os valores da
empresa é preciso envolvê-las nas decisões importantes, educá-las, treiná-las
continuamente e contemplá-las de forma financeira, social e psicológica para que
realizem suas metas. O autor lembra que, segundo as pesquisas da revista
americana Fortune sobre as empresas atraentes para se trabalhar, destacam-se
aquelas que promovem as condições em que as pessoas realmente possam
agregar valor e aquelas cuja cultura é baseada em princípios, confiança e em
empowerment (“empoderamento”, ou seja, dar autonomia e poder às pessoas).
Neste contexto, segundo Branham, é mister que as políticas de Gestão de
Pessoas tenham como premissa básica a valorização das pessoas.
Kotler (2003, p. 202), nesta linha, discute a importância dos empregados
para as organizações enfatizando que os empregados devem vir em primeiro lugar
nas estratégias empresariais. O autor traça algumas citações de empresas como a
The Body Shop: “nossas pessoas são a nossa primeira linha de clientes”; e a
Disney: “jamais se terá bons relacionamentos com clientes sem bons
relacionamentos com os empregados”, concluindo que o nível de satisfação dos
empregados é, em última instância, o nível de satisfação dos clientes. O autor
também enfatiza que uma remuneração generosa é uma política de Gestão de
21
Pessoas que assume especial relevância atualmente trazendo conseqüências
como baixa rotatividade, custos de contratação mais baixos (os talentos vão à
empresa) e menores despesas com treinamento (os novos empregados são mais
capazes). Por fim, Kotler ressalta que os empregados devem sentir-se parte de
uma organização que vale a pena, executando funções que realmente agreguem
valor e contribuindo para resultados importantes. Na verdade, isso só é possível
em empresas com culturas organizacionais fortes e valores compartilhados, na
opinião de Kotler.
Zaltman (2003, p. 173), em pesquisa realizada pela Harvard Business
School em organizações tidas como bem-sucedidas, obteve os construtos
relativos ao que os clientes entendem como empresas zelosas e pelas quais
optariam para fazer suas compras. São eles: zelo pelo pessoal, confiabilidade,
honestidade, inovação e criatividade, caráter moral, orientação pró-ativa e
hospitalidade. No que tange ao zelo pelo pessoal, o autor destaca que este se
refere às percepções dos consumidores de como a empresa trata seus próprios
empregados, principalmente em termos de salários, benefícios e formas de
relacionamento, entendendo tais fatores como importantes políticas de Gestão de
Pessoas.
22
2 - METODOLOGIA
Segundo Gil (1991, p.214), a pesquisa exploratória tem como objetivo
proporcionar maior familiaridade com o problema, com vistas a torná-lo mais
explícito ou a constituir hipóteses. Tem como objetivo principal o aprimoramento
de idéias ou a descoberta de intuições. É bastante flexível e, na maioria dos
casos, assume a forma de pesquisa bibliográfica, completando o respectivo autor:
“a pesquisa exploratória é desenvolvida com o objetivo de proporcionar uma visão
geral, de tipo aproximado, acerca de determinado fato” Gil (1991, p. 215).
Pesquisa exploratória é:
A investigação de pesquisa empírica cujo objetivo é a formulação
de questões ou de um problema com tripla finalidade: desenvolver
hipóteses, aumentar a familiaridade do pesquisador com o
ambiente, fato ou fenômeno para a realização de uma pesquisa
futura mais precisa ou modificar e clarificar conceitos (MARCONI &
LAKATOS, 2002, p. 85).
Esta área pode ser considerada, principalmente no Brasil, de natureza
exploratória, por ser um problema cujos pressupostos teóricos não estão claros ou
são difíceis de encontrar. Nessa situação, faz-se pesquisa não apenas para
conhecer o tipo de relação existente, mas, sobretudo para determinar a existência
de relação (RICHARDSON, 1999, p. 127).
Gil (1991, p. 197) afirma que a pesquisa exploratória é realizada para
prover dados sobre questões ainda insipientes; gerar idéias para futuros estudos
mais rigorosos; ou testar um palpite do pesquisador sobre determinado fenômeno,
ou seja, é designada para prover insights de um problema quando o fenômeno
ainda não está bem definido.
O método desta pesquisa é estudo de caso, porque envolve a)
levantamento bibliográfico; b) entrevistas com pessoas que tiveram experiências
práticas com problema pesquisado; e c) análise de exemplos que estimulem a
23
compreensão (GIL, 1991, p. 195).
Quanto às técnicas de pesquisa utilizadas neste trabalho para coleta de
informações, tem-se pesquisa bibliográfica, documental e de campo. É
bibliográfica pelo fato de incluir os conceitos da pesquisa bibliográfica, utilizando
revistas, livros e consulta à Internet, contendo informações relevantes ao trabalho.
Vergara (1998, p. 48) diz: “bibliográfica é a pesquisa realizada por meio de
material já publicado em livros, revistas e redes eletrônicas, isto é, material
acessível ao público”.
24
3 - DESCRIÇÃO DO CASO – BANDA CONTRATAQUE
3.1 Histórico da banda
Criado em maio de 2003 com o nome de Cai Dentro, a banda Contrataque
foi formada com a união de amigos do curso de Propaganda e Marketing do
UniCEUB com o intuito de fazer um conjunto musical de rock.
Composto por Alexandre Braia (vocal e guitarra), Ivo Netto (bateria) e
Jadson Nunes (baixo e vocal), a banda fez vários shows ao longo do ano,
inclusive tocando na Calourada do UniCEUB em 2003.
O trabalho passou a ficar mais sério, e exato um ano depois, em maio de
2004, a banda muda o nome de Cai Dentro para Contrataque, já que, além de
diversas pessoas não acharem o nome muito sugestivo para o gênero musical, já
existia um trio de choro mais antigo e com o mesmo nome no mercado.
Contrataque foi uma escolha feita através de um brainstorm, uma pesquisa de
Internet em sites de busca e relacionamentos e através do INPI (Instituto Nacional
da Propriedade industrial), para ver se o nome já estava registrado, com o
resultado a banda foi batizada com esse novo nome inclusive já o registrando.
Nessa nova etapa, em 2004, Ivo Netto sai da bateria e dá lugar a Thiago
Martins.
A grande quantidade de pedidos de cd da banda pelos amigos e nos
shows, a banda sente na necessidade de divulgação de suas músicas e entra no
estúdio para gravar seu primeiro cd de divulgação.
Com Gustavo Schettini Guimarães e Guilherme M. Negrão como técnicos
de som e Rodrigão Nogueira como técnico de bateria, a banda entra no estúdio
Blue Records em Brasília para a gravação de seu primeiro cd de divulgação com
cinco músicas.
Depois de dois meses de gravação, a banda cresce musicalmente e integra
25
cada vez mais no cenário do rock da cidade, fazendo divulgação de seu som para
os amigos e em Internet.
Esse advento fez a banda amadurecer ainda mais e os integrantes decidem
não fazer o lançamento do cd, pois não estava nos padrões radiofônicos como
linhagem de tempo das músicas e arranjos fora de acordo desses padrões.
O baterista Thiago Martins sai do projeto para se dedicar aos estudos e vai
morar em Campinas no começo de 2006, com isso, a banda vai atrás de outro
baterista, onde vários chegaram a tocar, mas não se fixaram no projeto. Nesse
meio tempo, em setembro o Contrataque toca num importante festival em
Goianésia, o Festival do Cerrado, que tiveram bandas do Brasil todo, inclusive
como atrações principais tocaram Rock Rocket, Moptop, Ramirez, Los Hermanos,
Móveis Coloniais de Acaju e IRA.
No meio de agosto, Veruska, aluna do instituto de bateria Bateras Beat, vê
um anúncio da procura de baterista em seu instituto e comunidades do site de
relacionamento da Internet o Orkut e entra em contato com os integrantes. Depois
disso, fizeram uns ensaios, reuniões, e ela entrou fixa na banda como baterista.
Em outubro de 2006, a banda está apenas em estúdio fazendo músicas
novas e pretende continuar com essa filosofia até o final do carnaval de 2007,
quando a partir daí irão em busca de shows e se prepararão para gravar um cd
com uma grande produção no final de 2007.
26
3.2 Composição
A banda é formada por três integrantes: Alexandre Braia (guitarra e vocal),
Jadson Nunes (baixo e vocal) e Veruska Maia (bateria).
3.3 Concorrentes
Com a chegada do ano 2000, vários outros segmentos musicais cresceram
como o forró e o reggae, depois a vinda do tecno (som eletrônico), fazendo o
rock´n roll não ter tanta expressão e força como em décadas anteriores.
Concorrentes indiretos:
•
Dj de música eletrônica;
•
Bandas de forró;
•
Bandas de reggae;
Concorrentes diretos:
•
No cenário regional: Sapatos Bicolores, Di Boresti, Capotones, Game
Over, Supergalo, Etno.
•
No cenário nacional: CPM22, Charlie Brown Jr., Pitty, Haaten, Los
Hermanos, Moptop, Rock Rocket, Ramirez.
3.4 Estratégias usadas pela Banda Contrataque
3.4.1 P - Serviço
Banda de rock composta por três integrantes chamada Contrataque.
27
3.4.2 P - Preço
Tendo um custo mensal, a banda gasta R$50,00 (cinquenta reais) com
equipamentos, sendo baquetas e cordas para os instrumentos. Com transporte,
são gastos R$80,00(oitenta reais) por mês para os três integrantes. Com a equipe
técnica de mesário de som e roadies são gastos R$100,00(cem reais) por show.
Com quatorze horas ensaios mensais, são gastos R$140,00(cento e quarenta
reais). Para a promoção do show são gastos R$50,00(cinqüenta reais) para a
distribuição de adesivos e alguns cds. A mão de obra é cobrada com o custo de
R$60,00(sessenta reais) por integrante, dando um total de R$180,00 (cento e
oitenta reais). E para reserva de caixa, será somado R$100,00(cem reais) por
show.
Somando os custos, o promocional e a mão de obra da banda, o valor de
um show será de R$700,00(setecentos reais) independe da duração.
3.4.3 P - Logística
Divulgação de shows e cds em Brasília, entorno e cidades do estado de
Goiás.
3.4.4 P - Promoção
A
banda
faz
divulgação
de
seu
trabalho
através
do
site
www.contrataque.com.br e outros sites de hospedagem de bandas. Faz
distribuição gratuita de cds para amigos e em shows. A divulgação de sua imagem
é feita através de distribuição de adesivos e venda de camisetas.
28
4 - ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS
4.1 Análise SWOT
Micro Ambiente
Pontos Fortes:
•
Boa organização da banda;
•
Integrantes com iniciativa;
•
Especialização técnica do integrante Alexandre Braia, que fez
o curso de Engenharia de Som no IAV (Instituto de Áudio e
Vídeo) em São Paulo;
•
Presença de uma equipe técnica na estrutura da banda;
•
Bom poder aquisitivo dos integrantes;
•
Estrutura de equipamentos próprios;
•
Boa identidade visual;
•
Boa produção musical;
•
Ter registrado o nome da banda no INPI (Instituto Nacional da
Propriedade Industrial);
Pontos Fracos:
•
Pouco tempo de criação de banda;
•
Falta de um estúdio próprio para ensaios;
•
Falta de continuidade da gravação para o lançamento do cd;
•
Não possuir um site próprio;
29
Macro Ambiente
Oportunidades:
•
Ser uma banda de Brasília, que é apelidada de Capital do
Rock;
•
Presença constante de festivais de rock em Brasília e em
Goiânia;
•
Grandes possibilidades de divulgação com a internet;
•
Contato direto com formadores de opinião em Brasília;
Ameaças:
•
Crescente cultura de shows de música cover em Brasília;
•
Crescimento da música eletrônica no Brasil;
•
Ausência de uma rádio rock em Brasília;
•
Poucos espaços destinados ao rock em Brasília;
4.2 Estratégias
Mercado-Alvo
Jovens e adolescentes na faixa etária de 13 a 25 anos, de ambos os sexos,
de todas as classes que moram em Brasília, entorno e cidades do estado de
Goiás. E pessoas que buscam conhecer novas bandas e músicas pela internet.
Posicionamento
Ser uma banda do autêntico rock de Brasília, com músicas próprias.
30
Preço
Usar preços para facilitar a inserção no cenário, um processo onde a banda
ajuda o contratante do evento, mostra qualidade no show e em seguida se mostra
indispensável.
Pontos de distribuição
Shows, internet, lojas de skate e estúdios de ensaio.
Promoção
•
Pocket Shows em faculdades e escolas de ensino médio no intervalo
(intervalos culturais);
•
Envio gratuito de uma música para mail-list direcionado ao público-alvo,
que juntamente no e-mail tem informações sobre a banda Contrataque,
link para o site da banda e comunidade no site de relacionamentos
Orkut;
•
Parcerias com revistas de público jovem, como a 100% Skate, Tribo e
Bizz, para envio de adesivo gratuito.
Pesquisa e desenvolvimento
Buscar o contato com novos instrumentos, ritmos, sonoridades e
tecnologias de gravação, um processo de melhoria continua.
31
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Valorizar a relação com os telespectadores é um importante fator a
considerar no dia-a-dia da organização.
Assim também como os telespectadores trazem suas necessidades e
expectativas para a organização, este grupo musical carrega sentimentos e
desejos para o seu local de trabalho.
A atenção, interesse, cortesia, dedicação, respeito, atendimento ético,
simpatia e um canal de comunicação aberto são os elementos, formadores do
conjunto de expectativas, que os ouvintes têm em relação à Banda Contrataque, a
qual, se desejar usufruir as vantagens, oriundas de uma boa relação com os
ouvintes, deverá colocar estas características na sua prática diária.
Conclui-se que para ser uma banda do autêntico rock de Brasília, com
músicas próprias e oferecer uma melhor maneira para a banda musical
Contrataque se evidenciar no seu ramo, por intermédio de um planejamento
estratégico, é necessário sempre usar preços bem baixos do mercado para
facilitar a inserção no cenário, um processo onde a banda ajuda o contratante do
evento, mostrando qualidade no show, além de investir em táticas de marketing e
criar um processo de planejamento estratégico, sendo uma maneira de conhecer
melhor a empresa e avaliar o mercado.
Em poucas palavras, convém salientar: quem quer se fortalecer e atrair
telespectadores cada vez mais fiéis aos seus negócios não pode se dispersar com
a fidelização para aqueles que são a razão de a organização existir. Fechar os
olhos para as novas formas de buscar a satisfação deles não está no "dicionário"
das organizações que almejam lugares satisfatórios e desejados no mercado em
que estão inseridas.
32
REFERÊNCIAS
BENNY K. C, MARTINHO I. R. de A. Estratégia perspectivas e aplicações. São
Paulo: Atlas, 2002.
BRANHAM, L. Motivando as pessoas que fazem a diferença. Rio de Janeiro:
Campus, 2002.
CHIAVENATO, I. Administração nos novos tempos. São Paulo: Atlas, 2000.
CHIAVENATO, I. Teoria geral da administração. 6. ed. Rio de Janeiro: Campus,
1999.
DOLABELA, Fernando. O segredo de Luísa: Uma idéia, uma paixão e um plano
de negócios: Como nasce um empreendedor e se cria uma empresa. São Paulo:
Cultura, 1999.
GHEMAWAT, P. A estratégia e o cenário dos negócios: textos e casos. Porto
Alegre: Bookman, 2000.
GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 3. ed. São Paulo:
Atlas, 1991.
HAMEL, G; PRAHALAD, C.K. Competindo pelo futuro: estratégias inovadoras
para obter o controle do seu setor e criar os mercados de amanhã. Rio de Janeiro:
Campus, 1995.
KOTLER, P. Administração de marketing, a edição do novo milênio.
São
Paulo: Prentice Hall, 2000.
KOTLER,
P.
Administração
de
marketing:
análise,
implementação e controle. São Paulo: Atlas, 1993.
KOTLER, P. Liderando a mudança. Rio de Janeiro: Campus, 1997.
planejamento,
33
LAKATOS, M. MARCONI, M. de A. Fundamentos de Metodologia Científica.
São Paulo: Atlas, 2002.
PFEFFER, J. Competitive advantage through people: unleashing the power of
the work force. Boston: Harvard Business School Press, 1994.
PORTER, M. Estratégia Competitiva: técnicas para análise de indústrias e da
concorrência. Rio de Janeiro: Campus, 1999.
RICHARDSON, R. J. Pesquisa Social: Métodos e Técnicas. 3. ed. São Paulo:
Atlas, 1999.
TABORDA, Felipe. A imagem do som do rock-pop brasileiro: concepção e
curadoria Felipe Taborda. São Paulo: Globo, 2002.
VERGARA,
Sylvia
Constant.
Projetos
e
relatórios
de
pesquisa
em
administração. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1998.
WELCH, J. Jack definitivo. Rio de Janeiro: Campus, 2001.
ZALTMAN, G. Afinal, o que os clientes querem? Rio de Janeiro: Campus, 2003.
Fly UP