...

brincar e aprender: a função do jogo nas escolas de

by user

on
Category: Documents
302

views

Report

Comments

Transcript

brincar e aprender: a função do jogo nas escolas de
1
BRINCAR E APRENDER: A FUNÇÃO DO JOGO NAS ESCOLAS DE
EDUCAÇÃO INFANTIL DE IPATINGA-MG
Fernanda Gomes Alves
Graduanda do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais / Unileste-MG
Ana Marta Aparecida de Souza Inez
Professora do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais / Unileste-MG
RESUMO
Este artigo discute o papel do jogo nas escolas de educação infantil no município de Ipatinga. Refere-se a
uma pesquisa realizada pelas autoras no programa de Iniciação Científica em que objetivou-se investigar a
função que tem sido atribuída ao brinquedo por professoras de creches e pré-escolas do município, analisar
as concepções que tem as professoras sobre a função do brinquedo para o desenvolvimento infantil,
identificar no programa de formação continuada das instituições os espaços reservados para estudos sobre
os jogos e a ludicidade bem como observar, caracterizar e analisar os usos dos brinquedos e brincadeiras
no dia-a-dia das creches e pré-escolas. O trabalho aponta as possibilidades que tem as brincadeiras para o
desenvolvimento dos processos de ensinar e aprender e revelam os espaços e tempos destinados pelas
professoras e pelas escolas as atividades lúdicas cotidianamente. Dessa forma produz a reflexão sobre o
brinquedo compreendendo-o como atividade fundamental da infância que tem um papel primordial no seu
desenvolvimento, uma vez que está na gênese do pensamento e, portanto implica na possibilidade de criar
e transformar o mundo.
Palavras-chave: Brinquedo – creche – pré-escola – ludicidade
ABSTRACT
This research deals with the role of games in kindergarten schools of Ipatinga. Its objectives are to
investigate the role that teachers from Kindergarten Schools have given to the toy; analyse their
conceptions about it for children development; identify the space given to toys and games in institutions
that prepare teaching profissionals and analyse, observe and characterize the usage of toys and games in
everyday situations in their schools. The work points to the possibilities that toys have to the development
of teaching and learning processes and reveal the time professionals envolved spend on them. From this, a
reflection about the toy us produced understanding it as main activity in Childhood and which has crucial
role on children´s development, once it has the ability of creating and changing the world.
Key-words: toy, nursery school, kindergarten, playfulness
INTRODUÇÃO
No mundo atual, o crescimento acelerado e desordenado das cidades, a crescente participação da mulher
no mercado de trabalho com conseqüentes modificações na organização familiar – somada à
desqualificação do lúdico, do tempo livre e de lazer pela sociedade capitalista, vem retirando das crianças
os espaços e os tempos que eram de brincar.
Como resposta a esta formação sócio-econômica e políticas, amplia-se a criação de creches e pré-escolas
reconhecidas como espaços sócio-educativos na primeira etapa da educação básica.
Nas creches e pré-escolas têm-se notado a dificuldade da oferta de brinquedos paras as crianças, além da
pouca importância dada à atividade lúdica para desenvolvimento da criança.
O brinquedo é a essência da infância e sua principal atividade, mas nem sempre as instituições
desenvolvem práticas que tomam este pressuposto como orientador da organização de suas rotinas.
2
As instituições escolares cada vez mais têm se preocupado com a antecipação de oferta de conteúdos
formais do ensino e dado ênfase à alfabetização precoce das crianças. Percebe-se que há um despreparo
relativo ao conhecimento das necessidades básicas das crianças pequenas e, principalmente, em relação
ao brincar, um desconhecimento de sua função como linguagem e principal forma de interação com o
mundo.
Nessa perspectiva a realização de pesquisas sobre o tema ganha relevância na medida em que podem
oferecer contribuições importantes para a análise das práticas educativas visando a uma melhor
compreensão do desenvolvimento infantil e do importante papel que as instituições educativas têm frente
as diferentes realidades em que vivem as crianças.
O BRINCAR E A REALIDADE: a importância das brincadeiras no desenvolvimento sóciohistórico-cultural.
Brincar é uma atividade cotidiana na vida das crianças. É o brinquedo a forma pela qual ela resolve a
maioria dos conflitos criados pelas limitações do mundo em que vive e que é, eminentemente, um mundo
dos adultos. Através da brincadeira a criança expressa sua forma de representação da realidade.
Sobre a importância do ato de brincar para o desenvolvimento psíquico do ser humano, Bettelheim
afirma que:
“Nenhuma criança brinca espontaneamente só para passar o tempo.
Sua escolha é motivada por processos íntimos, desejos, problemas,
ansiedades. O que está acontecendo com a mente da criança
determina suas atividades lúdicas; brincar é sua linguagem secreta,
que devemos respeitar mesmo se não a entendemos.” (Bettelheim,
1984, p. 105)
A criança quando brinca cria situações imaginárias em que se comporta como se estivesse agindo no
mundo do adulto. Enquanto brinca, seu conhecimento sobre o mundo se amplia, uma vez que ela pode
fazer de conta e colocar-se no lugar do adulto.
Assim, no ato de brincar, os sinais, os gestos, os objetos e os espaços valem e significam outra coisa
daquilo que apresentam ser. Ao brincar a criança recria e repensa os acontecimentos que lhes deram
origem, sabendo que está brincando.
Na brincadeira a criança assume diferente papeis e nessa representação age, frente à realidade, de
maneira não-liberal, transferindo e substituindo suas ações cotidianas pelas ações e características do
papel assumindo, utilizando-se de objetos substitutos.
Conforme Leontiev (1992, p. 62) “só no brinquedo as operações exigidas podem ser substituídas por
outras e as condições do objeto podem ser substituídas por outras condições do objeto com preservação
do próprio conteúdo da ação.”
Como se pode ver o jogo é uma atividade que tem sua própria razão de ser e contém, em si mesma, o seu
objetivo. Entretanto é fundamental diferenciar as formas de jogo nas fases da infância. Para uma criança
bem pequena o ato de brincar significa muito atendimento à necessidade de exploração dos objetos .
Segundo Vigotsky (1988, p. 96) os objetos ditam a ela a ação que deve ser executada. Por isso, que
quando vê uma cadeira ela se assenta, uma escada é para subir e uma vassoura para varrer.
À medida que cresce, sustentada pelas imagens mentais que já se formaram, a criança utiliza-se do jogo
simbólico para criar significados para objetos e os espaços. Dessa forma, à cadeira pode atribuir a função
de um trono do príncipe, à vassoura de seu cavalo e à escada de seu tesouro.
Kishimoto, sobre esta questão afirma que:
3
“O brinquedo propõe um mundo imaginário da criança e do adulto,
criador do objeto lúdico. No caso da criança, o imaginário varia
conforme a idade: para o pré-escolar de 3 anos, está carregado de
animismo; de 5 a 6 anos, integra predominantemente elementos da
realidade.” (Kishimoto, 2000: pg. 19)
Isto pressupõe que existe a necessidade de os educadores conhecerem os comportamentos das crianças,
conforme suas etapas de desenvolvimento, uma vez que elas, principalmente, nas creches passam, a
maior parte de seu tempo diariamente.
As crianças utilizam-se de várias formas de representação: o desenho, a linguagem, a imitação e,
principalmente, o jogo simbólico, mais conhecido como jogo de “faz de conta”.
Estes elementos vão se constituindo em recursos de socialização e, historicamente, conforme o ambiente
cultural, vão produzindo os saberes infantis sobre o mundo.
O brinquedo e as brincadeiras são atividades culturalmente pertencentes ao ser humano. “A criança está
inserida, desde o seu nascimento, num contexto social e seus comportamentos estão impregnados por
essa imersão inevitável”. (Brougére, 2000, p. 54)
Assim, também, por ser a escola, o ambiente privilegiado de apropriação da cultura, a criança aprende as
formas como, nesta instituição, os elementos culturais são-lhes apresentados.
O OLHAR DO ADULTO SOBRE O BRINCAR DA CRIANÇA
A relação de oposição entre a realidade no brincar deve-se ao fato de que a atividade lúdica apóia-se,
fundamentalmente, no princípio do prazer, pois a criança ao brincar procura apoio nas coisas visíveis e
palpáveis do mundo real experimentando prazer em unir a elas seus objetos e situações imaginárias. Este
processo primário e secundário consciente e inconsciente se interpenetra na realidade e esta se
interconecta com a fantasia. O brincar se diferencia do sonho pois no ato de brincar a consciência
adquire importância primordial: a criança sabe que seu jogo não é correspondente à realidade, embora os
dados da realidade sirvam de base para o brincar. Por outro lado, através do jogo cria, corrige os aspectos
insatisfatórios do real que realiza sua imaginação e seus desejos.
O brincar revela-se em toda a sua complexidade, opera a interpretação entre o real e o irreal, oferece a
experiência ao sujeito criança ou adulto de ser o imaginado concentrando toda sua atenção para aquela
atividade, para o presente e para o relacionamento com os outros participantes. Brincar é fundamental
para quem precisa a todo o momento, construir e transformar sua experiência de si ou seja, todos nós,
conforme afirma Friedmann (1996). “É assim que o adulto diz que se brinca... cada um com olhar
diferente. Mas o jogo é um só”. Brougère (2000) ao criticar aqueles que consideram o brinquedo um
objeto fútil sem importância defende:
“Se o brinquedo é um objeto menor do ponto de vista das ciências
sócias, é um objeto de profunda riqueza. A sua sombra, a sociedade
se mostra duplamente naquilo que é mais, sobretudo naquilo que se
dá a conhecer as suas crianças. Assim sendo, mostra a imagem que
faz da infância. O brinquedo é um dos reveladores de nossa cultura,
incorpora nossos conhecimentos sobre a criança ou, ao menos, as
representações largamente difundidas que circulam as imagens que
nossa sociedade é capaz de segregar.” (Brougère, 2000, p. 98)
BRINCAR NA ESCOLA: limites e possibilidades
Objetivando investigar a função que tem sido atribuído ao brinquedo, pelas professoras de creches e préescolas de Ipatinga, realizou-se em cinco instituições de educação infantil, um trabalho de campo com
4
entrevistas e análise documental visando conhecer as concepções dos professores sobre o brincar da
criança e os espaços e tempos destinados às atividades lúdicas pelas instituições.
Observou-se no decorrer da pesquisa características comuns e diferenciadas entre as instituições
visitadas. Pode-se perceber que existe uma tendência de vinculação do ato de brincar com o fazer
pedagógico.
Parece que as instituições desconhecem o fato de que quando a criança brinca está em constante processo
de construção de significados, buscando compreender o mundo a partir de suas representações.
Os sentidos e os significados do brincar dependem de quem brinca. E o brincar pode ser entendido como
uma rica possibilidade de construção de identidade, ou seja, observa-se que o brincar das crianças tem a
ver com a espontaneidade de seus olhares.
A atividade lúdica infantil fornece informações elementares a respeito da criança como suas emoções, a
forma como interage com seus colegas, seu desempenho físico-motor, seu estágio de desenvolvimento,
seu nível lingüístico, sua formação moral.
Das entrevistas realizadas, as professoras destacaram a força do caráter pedagógico como função
primordial do brinquedo. E o jogo, o brincar aparecem como métodos e estratégias de produzir
ludicidade no ato de aprender. A função do brincar na escola não tem sido atribuída de forma adequada,
devido às exigências dos pais, da sociedade de que as crianças estejam sendo alfabetizadas o quanto
antes, e que de certa forma gerou mudanças de objetivos das professoras nas metodologias das aulas.
A brincadeira é um espaço de socialização, de construção que desenvolve todos es sentidos da criança. O
ato de brincar não é apenas para o desenvolvimento escolar da criança pedagogicamente, mas sim para
que possa adquirir experiência de elaboração das vivencias da realidade na construção do ser. A
brincadeira implica para a criança muito mais do que um simples ato de brincar, pois através da
brincadeira ela está se comunicando com o mundo e também está se expressando.
Winnicott (1982), revela que é no brincar que o indivíduo criança ou adulto pode ser criativo e utilizar
sua personalidade integral, ou seja, qualquer que seja a atividade lúdica conduz ao encontro com
criatividade.
Nas escolas o que se tem percebido é a falta de espaço e tempo destinados à atividade lúdica, o que
compromete o desenvolvimento da criatividade da criança, bem como limita as possibilidades de os
professores acompanharem o desenvolvimento das crianças, bem como conhecerem melhor o universo
sócio cultural ao qual elas estão inseridas.
Apesar de se ter registrado a existência de espaços físicos internos ricos para possibilitar às crianças a
exploração e a criação de brinquedos e brincadeiras, percebe-se a ausência de uma intencionalidade
destacada nos projetos pedagógicos e, conseqüentemente, nas práticas educativas em relação à
importância do brincar no processo de apropriação dos códigos da cultura em que estão inseridas as
crianças.
CONSIDERAÇOES FINAIS
Observa-se o desconhecimento do adulto sobre a importância do brincar das crianças. As escolas, em sua
maioria, por não se apropriarem de conhecimentos sobre a importância do brinquedo e do brincar, não
possibilitam espaços e tempos para o brincar, trocando esses espaços por uma escolarização precoce.
Na pesquisa realizada observou-se, dentre outros aspectos, uma grande preocupação em fazer do brincar
na escola uma atividade cada vez mais pedagogizada. Entretanto, no dia a dia ao proporem as
brincadeiras, os professores se deparam com o fato de as crianças produzirem alternativas e construírem
novos objetivos diferentes do que era a proposição da professora.
5
Quer dizer que a capacidade criadora das crianças tem mostrado às escolas a função do brinquedo em
seu desenvolvimento, o que extrapola as limitações das atividades propostas pelos professores. Mesmo
conscientes disso, pelas percepções do cotidiano, os professores se vêem diante dos ditamos
institucionais e acabam por produzir suas práticas educativas pautadas na expectativa de brincar para
aprender conteúdos escolares.
Observa-se aqui a limitada noção de conteúdos escolares, uma vez que estes têm sido compreendidos
como conhecimentos sistematizados encontrados nos livros didáticos e previstos nos planejamentos
escolares.
Fica clara a dificuldade de enxergar tantos outros elementos da cultura que estão expostos às crianças e
que são por elas descobertos e reelaborados, dia a dia, durante suas brincadeiras. Nessa perspectiva podese destacar como resultado final da pesquisa o registro de que houve avanços significativos na
construção de conceitos sobre o jogo no desenvolvimento infantil em contato com um rico referencial
bibliográfico. Observou-se também, a importância da produção de pesquisas relacionadas à questão,
visando oferecer aos professores e às instituições de Educação Infantil subsídios para uma melhor
compreensão dos processos de construção das representações das crianças sobre o mundo.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BETTELHEIM, Bruno. Uma vida para seu filho. São Paulo: Artmed, 1984. 358p.
BROUGÈRE, Gilles. Brinquedo e cultura. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2000. 110p. (Coleção Questões da
Nossa Época, v.43)
FRIEDMANN, Adriana. Brincar: crescer e aprender; resgate do jogo infantil. São Paulo: Moderna,
1996. 128p.
KISHIMOTO, T. M. (Org). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 4.ed. São Paulo: Cortez, 2000,
183 p.
LEONTIEV, A.N. Os princípios psicológicos da brincadeira pré-escolar In: VIGOTSKI, L.S.; LURIA,
A.R.; LEONTIEV, A.N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, 1992. p.119142.
VIGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos
superiores. 2. ed. Porto Alegre: Martins Fontes, 1988. 168p.
WINNICOTT, D.W. A criança e o seu mundo. 6.ed. Rio de Janeiro: LTC, 1982. 270p.
Fly UP