...

Assédio moral: não deixes que te calem!

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

Assédio moral: não deixes que te calem!
Jornal do Sindicato dos Bancários de Blumenau e Região | abril 2012 | www.bancariosblumenau.org.br
Assédio moral: não deixes que te calem!
Sindicato dos Bancários participa de ato público
contra agressão à mulher no Alto Vale
Pág 5
Metas abusivas e pressões colocam
em risco a saúde do trabalhador
Setor bancário é o mais lucrativo
do país em 2011
SEEB cobra registro correto de
jornada na Caixa
Bancos criam novos empregos
mas demitem maiores salários
Pág 3
Pág 7
Pág 3
Pág 5
abril de 2012
2
Editorial
Dia do Trabalhador: para além das
comemorações, um dia de reflexão
A passagem de mais um
Dia do Trabalhador remete à reflexão sobre a origem da data,
vista por muitos como apenas
mais um feriado nacional destinado ao descanso e ao lazer.
A data é marcada por
comemorações, como as promovidas pelas prefeituras, com
shows e programações festivas.
Transformar a data em festa
ofusca a história e as lutas que
há por trás da instituição do dia
Primeiro de Maio e impede a
conscientização sobre a capacidade de organização dos trabalhadores.
Os tempos são difíceis para a classe trabalhadora:
instabilidade, jornadas longas
e salários baixos. A sucessão de
governos neoliberais, cedendo
a pressões da classe patronal
permite discutir a supressão de
direitos trabalhistas, conquistados a duras penas pelos traba-
lhadores como o 13º salário, Não vamos conseguir resolver
multa de 40% pelo rompimento os problemas individualmente.
do contrato de trabalho e a licen- Este é o motivo da existência do
FTB (Fórum dos Trabalhadores
ça-maternidade.
O Primeiro de Maio pre- de Blumenau, formado por sincisa ser comemorado, sim, mas dicatos de trabalhadores que se
sem esquecer a luta pela ma- reúnem com outros movimentos
nutenção dos direitos adquiri- sociais de Blumenau e do país,
dos e a busca de novos avanços, com o compromisso de defender
como a redução da jornada de os direitos já obtidos pelos tratrabalho. Todos os direitos obtidos até hoje
foram resultado de um
O Primeiro de Maio
processo de lutas e mobiprecisa ser comemolizações. Fiquemos vigirado, sim, mas sem
lantes, para que nossos
esquecer a luta pela madireitos sejam mantidos e
respeitados!!!
nutenção dos direitos
Nossas
dificuladquiridos e a busca de
dades aumentam com o
novos avanços
passar do tempo: Ônibus
cheios para ir ao trabalho,
salários baixos, muitas
contas para pagar, saúde
precária, educação de baixa balhadores e avançar rumo a noqualidade para os nossos filhos... vas conquistas).
SEEB encaminha ação
judicial do Banco do Brasil
O Sindicato dos Bancários de Blumenau e Região está
ingressando com uma nova ação
visando estender o benefício
a outros funcionários que não
foram contemplados com a ação
coletiva impetrada em 2002 sobre os 15 minutos de intervalo.
Diretores do SEEB estão passando nas agências a fim de identificar os possíveis funcionários que
se enquadram nesta situação e
que participam desta nova ação.
Interessados devem entrar em
contato com o Sindicato.
O Banco do Brasil reduziu em 15 minutos a jornada de
alguns funcionários das agências
da base do SEEB de Blumenau
e Região. A determinação partiu da Justiça do Trabalho, que
acolheu ação judicial promovida pelo SEEB, e julgou inválida
a ampliação da jornada em 15
minutos ocorrida em agosto de
2000.
Na época, o banco acrescentou 15 minutos na jornada
dos funcionários, perfazendo o
total de 6h15min de trabalho ao
Uma publicação do Sindicato dos Empregados em
Estabelecimentos Bancários de Blumenau e Região (SEEB)
w ww. b anc ar io sblumen au.org.br
dia, ao contrário do que ocorria
antes, quando o intervalo de 15
minutos era computado dentro
da jornada de seis horas.
Além de ter que reduzir
a jornada, o banco ainda terá que
remunerar esses quinze minutos como jornada extraordinária,
durante todo o período em que
os funcionários trabalharam nessa jornada.
A medida abrange apenas os
funcionários contratados até julho de 2000 e que tinham jornada
de seis horas diárias.
Hoje vivemos um momento muito difícil para a classe
trabalhadora.
Muitos julgam defendê-la, mas
na prática nada fazem para melhorar as condições de vida dos
menos favorecidos. Muitos dos
que dizem se preocupar com os
trabalhadores estão unidos com
os patrões, partidos políticos e
governos, que sempre acabam se
unindo contra os trabalhadores.
Por isso, a tarefa é estarmos juntos e organizados através
do Fórum dos Trabalhadores de
maneira autônoma, combativa e
independente, sempre lutando
pelos direitos dos trabalhadores.
Defendemos que devemos lutar
com todas as forças para combater qualquer injustiça cometida
contra qualquer trabalhador em
qualquer lugar do mundo. Fazemos parte da classe trabalhadora
e não abrimos mão dos nossos
direitos!
Agende-se
Noite Queijos e Vinhos
na sede campestre
15 de junho
(sexta-feira)
Informações no SEEB
ou pelo telefone:
3326 3116
Diretor de Imprensa e Comunicação ......................................................... Marcos Tullio
Jornalista responsável ...................................................... Magali Moser (SC 02353 - JP)
[email protected]
Diagramação ....................................................................................................... Magali Moser
Tiragem 1600 exemplares
Impressão Gráfica Impressul
Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos
Jornal
Bancários
do Sindicato
de Blumenau
dos Bancários
e Regiãode
| Rua
Blumenau
Coronele Vidal
Região
Ramos,
| www.bancariosblumenau.org.br
n°282 | 89.010-330 | Fone 47 3326-3116 | Fax 47 3322-5036 | Blumenau | SC
abril de 2012
3
Saúde
Metas abusivas e pressões colocam
em risco a saúde do trabalhador
As lesões são acarretadas
por atividades desenvolvidas
diariamente no ambiente de trabalho, resultando em dor e sofrimento ao trabalhador, podendo
inclusive atingir estágios irreversíveis. Na categoria bancária,
os afastamentos decorrentes das
lesões são, em média, de 493 dias
contra uma média nacional de
269 dias.
Sejam os trabalhadores
nas obras da construção civil, nas
fábricas, nas ferrovias, estradas,
e, inclusive, os funcionários da
saúde, a realidade é a mesma. O trabalho, que é um
meio de vida, transforma-se no
motivo de doenças e morte dos
trabalhadores. Em 28 de abril,
Dia Internacional Dia Mundial
em Memória às Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho
ações lembraram os números de
vítimas.
Data surgiu no Canadá, por
iniciativa dos sindicatos
A data em memória às
vitimas de acidentes de trabalho,
28 de abril, surgiu no Canadá
em 1995 por iniciativa do movimento sindical, espalhando-se
por diversos países, por meio de
sindicatos, federações, confederações locais e internacionais.
O dia
foi escolhido
em razão de
um acidente
que matou
78
trabalhadores em
uma
mina
no estado da
Virgínia, nos
Estados Unidos, no ano
de 1969. A
OIT, desde
2003, consagra este dia
à
reflexão
sobre a segurança
e
saúde no trabalho.
No Brasil, a data foi
instituída como o Dia Nacional
em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho
em maio de 2005, pela Lei nº
11.121.
É uma forma de denunciar e dar visibilidade à gravidade
de um problema que ocorre hoje
em todas as empresas.
Segundo
estatísticas
do Ministério da Previdência Social
(divulgadas no dia
04/11/2010),
no ano de
2009
morr e r a m
2.496 trabalhadores
e
trabalhadoras vitimas
de acidentes
do trabalho.
Neste período tivemos
723.452 trabalhadores
acidentados, aproximadamente
7 mortes por dia e nada menos
que 1.982 acidentes por dia, ou
seja, 83 acidentes por hora, ou
ainda, 1,37 acidente por minuto
no pais.
Nesta estatística não estão contabilizadas as doenças do
trabalho e mortes ocorridas nos
locais de trabalho.
No Brasil, os dados oficiais se mantêm muito distantes
da realidade em que vivem os
trabalhadores, uma vez que as
estatísticas consideram apenas
os dados do mercado formal,
desprezando as vítimas que não
têm registro em carteira.
Outro fator que mascara
a realidade é que as estatísticas
se baseiam na emissão do CAT
(Comunicação de Acidente de
Trabalho), documento que a empresa deve encaminhar quando
o trabalhador sofre um acidente
de trabalho ou se queixa de alguma lesão por conta da função
exercida.
O que acontece é que a
absoluta maioria das empresas
se nega a emitir o CAT, para dificultar o reconhecimento de sua
responsabilidade diante da lesão
sofrida pelo trabalhador.
Bancos brasileiros
superam lucro dos americanos
Setor bancários é o
mais lucrativo do país
Nada parece abalar o setor financeiro no Brasil. Os
bancos em atuação no país, pela oitava vez consecutiva,
tiveram rentabilidade maior do que os americanos.
Os dados são da consultoria Economatica, que analisa, desde 1999, a Rentabilidade sobre o Patrimônio (ROE)
dos bancos de capital aberto do Brasil e dos EUA.
De acordo com os especialistas, o resultado positivo
se deu em virtude da melhora no mercado do país, maior
procura por crédito e os altos juros aplicados.
No ano passado, os bancos brasileiros tiveram ROE
de 13,97%. No mesmo período, o índice das organizações
americanas foi de 7,63%.
Os balanços revelam que os bancos têm condições
suficientes para atender as reivindicações dos trabalhadores.
Com R$ 49,4 bilhões, setor bancário foi o mais lucrativo do país em 2011. O resultado dos bancos no ano
passado colocaram o setor no topo da lista de lucratividade entre as empresas brasileiras de capital aberto.
O ranking elaborado pela consultoria Economatica considera os balanços consolidados de 344 grupos do
país, sem Vale e Petrobras. Juntas, as duas lucraram R$
71,1 bilhões em 2011, um crescimento de 9%.
Os lucros de 25 bancos brasileiros de capital aberto
somaram R$ 49,4 bilhões. A cifra representa um avanço
de 14,48% em relação ao ano anterior e 39,4% do valor
total acumulado pelo grupo das companhias de capital
aberto.
O setor de energia, que engloba 45 empresas, teve
o segundo maior lucro acumulado. A soma alcançou
R$ 17,53 bilhões.
Jornal do Sindicato dos Bancários de Blumenau e Região | www.bancariosblumenau.org.br
4
abril de 2012
Nacional
Sindicato apoia Campanha Nacional
pelo Fim do Imposto Sindical
A CUT lançou final de
março, dia 26, campanha pelo
fim do Imposto Sindical.
A campanha é pelo fim
daquele valor que é descontado
em março do salário dos contratados pelo regime da CLT, independentemente de o trabalhador
ser associado ou não ao sindicato
da categoria, e que equivale a
um dia de trabalho.
Para votar, entre no site da CUT:
www.cut.org.br
O SEEB Blumenau e
Região também é contrário ao
imposto Sindical. Pois o SEEB ingressou em 1997 com duas ações
na Justiça, com objetivo claro
para que não fosse mais cobrado
o Imposto Sindical dos bancários
da base do Sindicato. A primeira
o SEEB perdeu, porque a Justiça
sentenciou que a legislação sobre o IS está na CLT, envolvendo
não só o Sindicato, como Federação, Confederação e Ministério
do Trabalho e Emprego, e que,
por isso, só o Congresso Nacional poderia apreciar e votar
tal matéria. Consequentemente,
a segunda ação do SEEB pedia,
então, que pelo menos a parte do
Sindicato, que é 60%, não fosse
mais descontada, da qual o SEEB
abriria mão, por entender que
um sindicato de trabalhadores
deve se manter com a mensalidade de seus associados, que
têm a liberdade de optar por ser
filiado ou não. Também o SEEB
não teve êxito.
0% de
Desconto Assistencial
Em contrapartida, desde
1995, para compensar esse imposto obrigatório descontado
dos bancários da base do SEEB,
a diretoria do Sindicato, por ocasião das campanhas salariais,
tem apresentado nas assembleias
da categoria a proposta de 0% de
Desconto Assistencial, esse sim
democrático, a fim de que os
bancos não descontem nenhum
valor dos salários dos bancários,
enquanto o Imposto Sindical
persistir. E assim tem acontecido
nos últimos 17 anos. Bancário da
base do SEEB não precisa pagar
nada das despesas da campanha
salarial.
O Imposto Sindical já diz
tudo: É imposto! E o Desconto
Assistencial é deliberado pela
categoria em assembleias específicas, o que é democrático.
Apesar disso entendemos que
hoje muitos sindicatos, inclusive
filiados a CUT, dependem desse
imposto para sobreviver, e cremos que da maneira como esse
debate está sendo encaminhado
podemos ter mais divisão entre as organizações sindicais do
Brasil. Ao final, é o trabalhador
que vai acabar saindo no prejuízo.
Finalmente os Bancos começam a baixar os juros
cos cumpram um outro ponto
de pauta que sempre esteve em
nossas campanhas, que é a garantia de emprego e a contratação
de mais bancários.
Afinal, pela lógica teremos um aumento da demanda
dentro dos bancos e, com certeza,
muitas pessoas deverão procurar
as instituições para resolverem
pendências, pegar empréstimos,
ou até mesmo para abrirem novas contas.
A pergunta é quem vai
atender a essa demanda?
Banco do Brasil e Caixa
são os primeiros a baixarem os
juros e, na ordem, HSBC, Santander, Bradesco e Itaú correm
atrás e reduzem os juros para
não perderem mercado para os
bancos públicos.
Esse sempre foi um dos
pontos de pauta de nossa campanha salarial. Durante anos
batemos nessa tecla.
Achamos que essas medidas são muito importantes,
porém agora esperamos que
junto com essas medidas os ban-
Jornal do Sindicato dos Bancários de Blumenau e Região | www.bancariosblumenau.org.br
abril de 2012
5
SEEB
Bancos criam 23,5 mil empregos, porém
desligam bancários com maiores salários
Os bancos criaram 23.599
novos postos de trabalho em
2011, mas intensificaram a estratégia de reduzir a folha de
pagamento por meio da rotatividade. A prova disso é que o bancário
admitido recebeu salário, em
média, 40,87% inferior ao dos
trabalhadores desligados - em
todos os setores da economia
essa diferença é de 7,1%.
O instrumento para implementar essa política, que diminui o salário dos bancários
para aumentar os lucros dos
bancos, foi a demissão sem justa
causa, que foi o motivo de 50,19%
do total de 36.371 desligamento
no ano.
O levantamento também
considera os dados divulgados
nos balanços dos cinco principais bancos (Itaú Unibanco,
Banco do Brasil, Bradesco, Caixa
Econômica Federal e Santander), que revelam o número
de funcionários de cada holding.
Segundo dados da
pesquisa, em 2011, a remuneração média dos admitidos foi
de R$ 2.430,57, e a dos desligados de R$ 4.110,26, uma diferença de 40,87%. No ano anterior, a diferença era de 37,60%.
A análise do saldo de
empregos por faixa de remuneração reforça essa visão. O resultado foi positivo apenas para
as faixas até três salários mínimos, enquanto as faixas salariais
acima desse patamar apresentaram saldos negativos
Além disso, a pesquisa
mostrou também que em 2010
ainda o numero de contratações
foram maiores de que as de 2011.
O saldo de 23.599 novos
postos de trabalho representa
uma expansão de 4,88% no emprego bancário.
No entanto, o número
é menor do que os 24.032 empregos criados em 2010. E na
comparação com o saldo de
1.944.560 vagas criadas em todos
os setores da economia em 2011,
os bancos contribuíram com apenas 1,21% do total.Resume Leandro Spezia, presidente do SEEB:
“A Pesquisa do DIEESE prova
exatamente aquilo que vimos di-
zendo em relação ao descaso dos
bancos com a geração de empregos e o desenvolvimento do País.
É inacreditável que os bancos
tenham uma ínfima participação
na geração de empregos, quando
vemos, por exemplo, o Itaú com
um lucro líquido recorde de R$
14,62 bi em 2011, o maior em
relação a todos os demais bancos
do País, fechar com saldo devedor de 4.058 vagas de emprego.
E considerando que o Itaú con-
SEEB participa de ato público contra
agressão à mulher no Alto Vale
O SEEB se integrou a 60
sindicatos de trabalhadores de
SC, representados por aproximadamente 200 lideranças sindicais, para participar de um Ato
Público em apoio ao Sititev (Sindicato dos Trabalhadores nas
Indústrias de Fiação, Tecelagem
e do Vestuário de Rio do Sul e
Região), em defesa da liberdade
sindical, realizado no dia 13 de
abril, na Praça Central de Agrolândia.
No dia 4 de abril, a presidente do Sititev, Zeli da Silva, foi
agredida pelos proprietários da
empresa RG Confecções quando
coordenava uma manifestação
em frente à empresa e repassava
informações aos trabalhadores
sobre seus direitos, principalmente pela falta de recolhimento
Foto: Marcos Tullio
Manifestação reuniu lideranças e apoiadores de todo o Estado, em Agrolândia
do FGTS.
A assessoria jurídica do
Sititev ajuizará contra os agressores processo criminal, ação
indenizatória por danos morais
e lesão corporal, além de denúncia na OIT (Organização Interna-
cional do Trabalho).
Os dirigentes sindicais
expressaram sua indignação à
atitude covarde dos proprietários contra Zeli e declararam solidariedade à presidente do Sindicato pelo seu trabalho à frente da
Jornal do Sindicato dos Bancários de Blumenau e Região | www.bancariosblumenau.org.br
Entidade, na defesa dos direitos
dos trabalhadores.
A agressão sofrida por
Zeli também foi repudiada,
através de moção, pela bancada
feminina na Assembleia Legislativa de Santa Catarina.
abril de 2012
6
Esperado musical Orfeu 21 estreia em maio
no Teatro Carlos Gomes
De 2 a 6 de maio estará
em cartaz o Musical Orfeu 21,
no Teatro Carlos Gomes. O espetáculo traz ao palco a história
de Rogério, famoso vocalista da
banda pop Orfeus que se casa
com Alice, uma bailarina. A felicidade de ambos é interrompida
quando a moça é vítima de uma
infeliz fatalidade. Enquanto
isso, Rogério busca encontrar
um sentido para continuar cantando durante a longa espera,
deparando-se com visões conflitantes a respeito da doença e
da morte na sociedade contemporânea.
O espetáculo é baseado
no mito de Orfeu e transposto
para os dias atuais, em uma
produção que envolve alunos
e professores das três escolas
do Teatro Carlos Gomes:
Pró-Dança, Carona Escola de Teatro e Escola de
Música. O musical passeia
do cômico ao trágico, buscando refletir sobre o que
mantém o artista e sua arte
vivos, apesar das fatalidades e do sofrimento.
Os
ingressos
custarão: R$ 20,00 (inteira)
e R$ 10,00 (meia entrada).
O projeto musical Orfeu
foi aprovado pelo Ministério da Cultura, pela Lei
Rouanet. André de Souza
é o diretor musical do espetáculo, Pépe Sedrez, o
diretor geral-artístico. O
texto é de Gregory Haertel
e o ator Fábio Hostert será
o protagonista.
Massacre de Eldorado dos Carajás completa 16 anos sem punicão
O
Massacre
de Eldorado dos
C a r a jás, que
matou
19 semterra
e
deixou
mais de
60 feridos após
u m a
ação violenta da
Polícia
Militar para desbloquear a rodovia PA-150, no Sudeste do Pará,
completou em abril 16 anos sem
punição.
No dia 17 de abril de 1996,
um grupo de 21 trabalhadores
rurais sem-terra foi morto pela
polícia militar, quando faziam
uma marcha em protesto contra a demora na desapropriação
de terras no interior do Pará. A
marcha era composta por mais
de 1500 pessoas. As investigações
mostraram que os assassinatos
foram realizados de maneira
cruel; vários corpos foram encontrados com balas na nuca. Mesmo
“ “
entre aspas
A medida do amor
é amar sem medida
(Victor Hugo)
Jornal do Sindicato dos Bancários de Blumenau e Região | www.bancariosblumenau.org.br
após estas provas, nenhum dos
responsáveis foi punido.
O dia 17 de abril passou,
a partir de então, a ser um dia de
luta pela reforma agrária no Brasil. Em diversos momentos, como
em 2007, os servidores públicos
federais realizaram paralisações
e lutas neste dia.
Segundo a Comissão Pastoral da Terra, os conflitos no
campo aumentaram de 2001 a
2010, levando ao assassinato de
360 trabalhadores.
Todo mês de abril, o MST
faz uma série de atos para lembrar o massacre.
Victor-Marie
Hugo
(Besançon, 26 de fevereiro de
1802 — Paris, 22 de maio de
1885) foi um novelista, poeta,
dramaturgo, ensaísta, artista,
estadista e activista pelos direitos humanos francês de grande
atuação política em seu país.
É autor de Les Misérables e de
Notre-Dame de Paris, entre
diversas outras obras. Como
muitos escritores de sua geração, Victor Hugo foi profundamente influenciado por
François-René de Chateaubriand.
abril de 2012
7
Caixa
Sindicato cobra o registro correto
da jornada na Caixa Econômica Federal
Os diretores do SEEB estiveram nas agências da Caixa no
Dia Nacional de Luta pelo registro correto da jornada de trabalho, em 4 de abril, e conversaram
com os empregados, aproveitando, também, a presença do
fiscal do Trabalho que estava na
agência Centro da 7 de Setembro,
fazendo inspeção em relação às
irregularidades.
A mobilização em ní-vel
nacional visava cobrar da direção
da Caixa a adoção de medidas
eficazes pela marcação correta do
ponto e pelo registro de todas as
horas trabalhadas. Nesse sentido,
é fundamental que o empregado
marque diariamente no Sistema
de Ponto Eletrônico (Sipon) o
horário de entrada e saída do trabalho, imediatamente após a chegada e logo depois da saída de
seu posto de serviço. O propósito
dessa iniciativa é assegurar o
registro correto e o pagamento
integral das horas efetivamente
trabalhadas. O SEEB lembra que o excesso da jornada coloca em risco
a saúde do trabalhador e comprometendo a segurança das unidades.
Caixa recebe
autos de infração
A Caixa Centro da Rua
7 de Setembro passou por um
pente fino do fiscal Paulo, da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego SC, ligada ao
Ministério do Trabalho, que esteve durante três dias consecutivos
no prédio da Rua 7.
O fiscal emitiu autos de
infração, dos quais tratam, especificamente, de horas extras
pelos caixas, sem pausas; excesso
de trabalho; empregados com extrapolação de jornada chegando
até 10 horas, no caso de gerentes;
falta de pausas para descanso nas
atividades de sobrecarga muscular; falta de assentos para a
posição de vigilantes; e anotação
irregular do ponto, em relação às
horas extras.
A fiscalização
é fruto de uma campanha desencadeada
pelo SEEB Blumenau
e Região a partir de
denúncias da própria
categoria.
O SEEB
realizou uma assembleia no início do
ano, que deliberou
encaminhar
ações
sindicais da 7º e 8º
hora e todas as medidas
necessárias
jurídicas e políticas
para impedir irregularidades que vêm
acontecendo dentro
da Caixa, assim como também
está encaminhando as mesmas
medidas em relação aos demais
bancos.
Na opinião do SEEB, não
podemos abrir mão de conquistas importantes como a jornada
de seis horas, pausas para descanso de 10 minutos, pagamento
de horas extras, entre outras. A partir do momento
que somos coniventes com
essas práticas, permitimos
que os bancos aos poucos retirem nossos direitos e não
contratem mais bancários,
sem falar nos problemas
de saúde que estamos enfrentando.
Quando as práticas irregulares se tornam rotina passamos a impressão para as
direções dos bancos que
as coisas estão tudo certo,
que não precisamos de
mais bancários, e estamos
dando conta de tudo. Ao
final, quem paga a conta
somos nós. Por isso a importância das denuncias e da fiscalização. Pedimos aos bancários
que continuem encaminhando ao
SEEB, através de nossa página na
Internet, (www.bancariosblumenau.org.br) denúncias de irregularidades dentro das agências,
para que possam haver encamin-
hamentos pela Entidade.
O SEEB fará novas solicitações à Superintendência
Regional do Trabalho para inspeções em ou-tros bancos, pelo
número crescente de denúncias
dos bancários de nossa base.
Jornal do Sindicato dos Bancários de Blumenau e Região | www.bancariosblumenau.org.br
Manifestação na Caixa
Ag Centro)
dia 4 de abri
(fotos: Marcos Tullio)
abril de 2012
8
SEEB
Seeb Blumenau paralisa Agência do
Bradesco e exige segurança
Foto: Marcos Tullio
Quem não se lembra
da morte de Valdecir Amaral,
na agência centro do BESC, em
Blumenau, quando o bando do
“papagaio” baleou o vigilante e
levou R$ 980 mil reais?
O SEEB trava uma campanha permanente nos bancos
para instalação de mecanismos
de segurança. Pois somente depois de muitas manifestações
e paralisações é que todas as
agencias de nossa base tiveram a
instalação de portas giratórias,
por exemplo.
E só depois daquela
tarde fatídica de 21 de julho de
98, aniversário do BESC, é que
finalmente as portas e demais
mecanismos de segurança foram
instalados na agência Centro. Mas será que precisa morrer um inocente para o
banco se mexer?
O Bradesco foi o último
banco a instalar portas de segurança, ainda que com toda a
pressão do SEEB, denunciando e
SEEB denuncia
irregularidades
e pressiona HSBC
Na última edição do
jornal Folha Extra de março, o
Sindicato denunciou irregularidades no HSBC, apresentando
as provas incontestáveis de
um ambiente com condições
precárias de trabalho no PAB da
Prefeitura (veja as fotos ao lado).
Pois bem, bastou colocar
no Jornal, já que muitas vezes no
blá blá blá não resolve, para que
o Banco, com sede em Curitiba,
providenciasse as medidas mínimas necessárias para corrigir as
irregularidades.
É só na pressão mesmo!
Ah, esse HSBC! Um banco só pra
inglês vê.
manifestando-se em
frente às agências.
E
agora,
com a inauguração
da Agência Rio dos
Cedros no final de
2011, o Bradesco
ignorou os mecanismos de segurança
da Lei nº 10.501/97,
ao não instalar, principalmente, a porta
de segurança.
Realizamos
uma paralisação até
ao meio-dia, com
distribuição de panfletos e faixas afixadas na agência, para
denunciar à população a insegurança
Protesto do SEEB em frente à Agência do Bradesco, em Rio dos Cedros
do Bradesco.
cato a respeito.
responder por quaisquer fatali
E o superinO Sindicato está toman- dades que venham a acarretar
tendente ignorou correspondên- cia do Sindicato, ao não permitir do todas as medidas necessári- danos físicos, psíquicos e morais
que nenhum funcionário ou as- as e deixa claro que os ditos às vítimas de uma possível ação
sistentes seus protocolassem responsáveis displicentes em de assaltantes.
qualquer documento do Sindi- relação à segurança poderão
Polícia Federal multa bancos
em R$ 808,9 mil com Bradesco
sempre à frente
A Polícia Federal multou
seis bancos no dia 18/4 em R$
808,9 mil em razão do descumprimento da Lei Federal nº
7.102/83 e suas normas de segurança, durante o julgamento de
89 processos abertos pelas delegacias estaduais de segurança
privada (Delesp) na 93ª reunião
da Comissão Consultiva para
Assuntos de Segurança Privada
(CCASP), em Brasília.
As principais falhas na
segurança dos bancos detectadas
são número de vigilantes insuficiente, alarmes inoperantes, planos de segurança não renovados
e utilização de bancários para
fazer transporte de valores, dentre outras.
O Bradesco foi o campeão das
multas com R$ 318,1 mil, seguido
pelo Itaú Unibanco com R$ 160,5
mil, Santander com R$ 156,4 mil
e Banco do Brasil com R$ 120,6
mil. E Mercantil do Brasil e BNB
também foram punidos.
Veja o montante de multas por banco:
Bradesco - R$ 318.164,83
Itaú Unibanco - R$ 160.565,20
Santander - R$ 156.432,28
Banco do Brasil - R$ 120.601,91
Mercantil do Brasil - R$ 42.564,00
Banco do Nordeste do Brasil - R$
10.642,06
Jornal do Sindicato dos Bancários de Blumenau e Região | www.bancariosblumenau.org.br
Transporte ilegal
de valores por
bancários
O Bradesco foi novamente condenado pela prática
ilegal de utilizar bancários para
fazer o transporte de valores.
Pois uma mesma agência do
Banco, em Rio Branco, capital
do Acre, foi multada em nove
processos, totalizando R$ 127,6
mil.
Os sindicatos de bancários estão fazendo denúncias
constantemente sobre a insegurança nos bancos e tem o apoio
e incentivo do chefe da Divisão
de Controle e Fiscalização de
Segurança Privada, delegado
Henrique Silveira Rosa.
Fly UP