...

Gestalt-terapia e cuidado em saúde mental: um diálogo possível e

by user

on
Category: Documents
7

views

Report

Comments

Transcript

Gestalt-terapia e cuidado em saúde mental: um diálogo possível e
210
BESSA,Pattrícia Silva – Gestalt -Terapia e cuidado em saúde mental:Um diálogo possível e
necessário.
ARTIGO
Gestalt-Terapia e cuidado em saúde mental: Um diálogo
possível e necessário.
Gestalt therapy and mental health care: A dialogue possible and
necessary.
Patrícia Bessa Silva
Revista IGT na Rede, v. 9, nº 17, 2012, p. 210 – 222. Disponível em http://www.igt.psc.br/ojs
ISSN: 1807-2526
211
BESSA,Pattrícia Silva – Gestalt -Terapia e cuidado em saúde mental:Um diálogo possível e
necessário.
RESUMO
O artigo vem expor conceitos pertinentes à Gestalt-terapia, priorizando sua
concepção de homem e mundo, o processo dialético saúde/doença e refletindo
de que modo seu viés humanista pode contribuir com as práticas de cuidado
em saúde mental. Partindo de uma revisão epistemológica, apresentamos as
ideias centrais dessa abordagem, traçando um panorama histórico a partir dos
pensamentos que a embasaram, e contemplando possíveis contribuições
dessa teoria às práxis de cuidado nos novos dispositivos de atenção
psicossocial. Para tanto, levamos em consideração o novo enfoque dado pela
Reforma Psiquiátrica ao paradigma da saúde mental e as novas modalidades
de cuidado preconizadas por ela. A metodologia utilizada é de enfoque
qualitativo, realizada através de pesquisa bibliográfica na literatura de base da
Gestalt-terapia e produção teórica na área da saúde mental. Os resultados
indicam que o diálogo entre Gestalt-terapia e cuidado em saúde mental, além
de possível é necessário, visto essa abordagem trazer as noções de
singularidade, liberdade e responsabilidade para a relação homem/mundo,
ideias também preconizadas no novo paradigma de cuidado em saúde mental.
Palavras-chaves: Gestalt-terapia; Saúde Mental; Humanização do cuidado;
Atenção Psicossocial.
ABSTRACT
This article has been exposed to the concepts relevant Gestalt therapy,
focusing his conception of man and world, the dialectical process health / illness
and reflecting how his humanistic bias may contribute to the practice of mental
health care. Starting from an epistemology, we present the main ideas of this
approach, drawing from a historical overview of the thoughts which formed and
contemplating the possible contributions of this theory to practice care in the
new devices psychosocial care. To this end, we consider the new focus by
Psychiatric Reform the paradigm of mental health and the new modalities of
care recommended by it. The methodology used is qualitative approach, carried
out through literature review of the literature base of Gestalt therapy and
theoretical work in the area of mental health. The results indicate that the
dialogue between Gestalt therapy and mental health care, as well as possible is
necessary because this approach to bring the notions of uniqueness, freedom
and responsibility to the male / world, ideas also recommended the new
paradigm of care mental health.
Keywords: Gestalt Therapy; Mental Health; Humanization of care;
psychosocial care.
Revista IGT na Rede, v. 9, nº 17, 2012, p. 210 – 222. Disponível em http://www.igt.psc.br/ojs
ISSN: 1807-2526
212
BESSA,Pattrícia Silva – Gestalt -Terapia e cuidado em saúde mental:Um diálogo possível e
necessário.
1 INTRODUÇÃO
Quando se trata de questões relativas à saúde do homem, deve-se sempre
levar em consideração o cenário cultural, social e econômico em que este
homem encontra-se inserido, visto que o contexto exerce inúmeras influências
na dinâmica saúde/doença e nos processos de cuidado.
No âmbito da saúde mental não é diferente, na medida em esse homem é
percebido como parte integrante e ativa desse contexto, estabelecendo com o
mesmo uma relação estreita e genuína de reciprocidade. O distanciamento do
modelo de cuidado biomédico e a compreensão moderna acerca do homem
trouxeram uma nova visão sobre a doença mental, repercutindo em novas
formas de cuidado em saúde mental. (AMARANTE, 2007)
Em conformidade com esse pensamento, o Movimento de Luta Antimanicomial
que culminou com a Reforma Psiquiátrica, lançou um novo olhar sobre o
paradigma da saúde mental. A partir dela a doença mental foi posta entre
parêntese e os sujeitos que antes eram reduzidos a seus sintomas e
subjulgados a formas de tratamento e cuidado pouco humanizados, passaram
a receber atenção especial e apoio de políticas públicas na implementação de
novas modalidades de cuidado.
Os hospitais psiquiátricos gradativamente vêm cedendo espaço aos serviços
substitutivos, denominados dispositivos de atenção psicossocial. Estes
“enquanto serviços que lidam com pessoas, e não com doenças, devem ser
lugares de sociabilidade e produção de subjetividade.” (Amarante, 2007, p. 69).
No que diz respeito à Gestalt-terapia, esta também traz ferramentas valiosas
para a compreensão da dinâmica saúde/doença e os processos de cuidados.
““Saúde” e “doença”, ou “funcionamento saudável” e “não saudável”, são
pensados dialeticamente, uma vez que um mesmo comportamento pode ser
saudável ou não, dependendo de “a serviço do que” ele está.” (Frazão in D’acri,
G; Lima, P; Orgler, s, 2007, p.72). Seu objetivo primordial é criar possibilidades
para que o indivíduo possa restabelecer um contato satisfatório com o
ambiente, a partir do seu potencial natural ao crescimento e desenvolvimento.
A doença é vista como nada mais que uma desarmonia, um desequilíbrio
nessa relação do homem com o mundo. Cada indivíduo possui um modo
particular de estar-no-mundo, e consequentemente seu modo próprio de
adoecer. É dessa maneira que a visão gestáltica busca ir além da descrição e
compreensão dos sintomas, para ir em busca do sentido daquela patologia e
quais vivências subjetivas da pessoa que está adoecida (RIBEIRO, 2006).
Desse modo, o trabalho objetiva uma reflexão acerca das possíveis
repercussões do olhar fenomenológico-existencial do homem e concepção
dialética da dinâmica saúde/doença defendida pela Gestalt-terapia, para à
práxis do processo de cuidado em saúde mental.
Revista IGT na Rede, v. 9, nº 17, 2012, p. 210 – 222. Disponível em http://www.igt.psc.br/ojs
ISSN: 1807-2526
213
BESSA,Pattrícia Silva – Gestalt -Terapia e cuidado em saúde mental:Um diálogo possível e
necessário.
A metodologia utilizada é de enfoque qualitativo, realizada através de pesquisa
bibliográfica na literatura de base da Gestalt-terapia e produções teóricas na
área da saúde mental.
O interesse por esse tema partiu tanto de nossa motivação pessoal, quanto
necessidade acadêmica e profissional. No decorrer de nossa prática como
psicólogas de dispositivos de atenção em saúde mental, fomos percebendo o
crescente número de clientes em intenso sofrimento psíquico e suas diversas
modalidades de cuidado. Além disso, a aproximação com a Gestalt-terapia
começou cedo, através do nosso encantamento quanto sua compreensão de
homem e de mundo. Percebemos também que as produções teóricas
envolvendo a inserção do profissional de psicologia nos dispositivos de atenção
psicossocial, ainda são predominantemente focadas na psicanálise.
Com base nisto, o presente trabalho justifica-se pelo fato de tratar-se de uma
abordagem psicológica que traz novos olhares acerca do processo
saúde/doença, podendo lançar valiosas ferramentas e contribuições em termos
de cuidado humanizado a pessoas acometidas psiquicamente.
2 GESTALT-TERAPIA: PRINCIPAIS CONCEITOS
O surgimento da Gestalt-terapia se deu a partir dos anos 50 e foi resultante do
Movimento para o Desenvolvimento Humano (Human Growth Movement).
Como tal, “mostra-se mais preocupada com as questões relativas ao
crescimento e desenvolvimento da pessoa em sua totalidade do que em definir
especificamente saúde e doença.” (Frazão in D’acri, G; Lima, P; Orgler, S.,
2007, p.70). Antes disso, percorreu um longo caminho iniciado por Perls
(1969/1977) até tornar-se um sistema teórico a parte. Passou a incorporar as
abordagens humanistas, concebendo uma visão fenomenológico-existencial do
homem.
Yontef (1998) conceitua fenomenologia como a busca pela atenção ao que é
dado, ao que é óbvio, através da awareness do que é presente, e livre de a
prioris. Define awareness como uma espécie de insight, um modo da
experiência de estar em contato com o fenômeno mais importante do campo
homem/meio, com total disposição cognitiva, emocional, sensorial e motora.
Assim, a fenomenologia implica-se no estudo dos fenômenos conforme eles
são experienciados por uma pessoa, num dado momento, considerando como
dado apenas o que é experienciado neste momento.
Perls (1969/1977) enfatizava a awareness do sujeito e a estrutura da
experiência imediata, ideias que serviram como pilares para a Gestalt-terapia.
No entanto, esta não descarta passado nem futuro, mas acredita que qualquer
maneira de acessá-los será feita no presente, no agora. “... todos os tipos de
coisas se juntam fim de criar este momento específico que é o agora.” (p. 69).
Revista IGT na Rede, v. 9, nº 17, 2012, p. 210 – 222. Disponível em http://www.igt.psc.br/ojs
ISSN: 1807-2526
214
BESSA,Pattrícia Silva – Gestalt -Terapia e cuidado em saúde mental:Um diálogo possível e
necessário.
Viver o aqui-agora significa buscar uma presentificação, ou seja, trazer a
atenção e a intenção ao que acontece no momento presente. É nesse sentido
que a Gestalt-terapia compreende a noção de tempo enquanto "espiral" e a self
enquanto uma dinâmica temporal, diferentemente das ideias da psicanálise
freudiana.
A partir dessa perspectiva, a Gestalt-terapia trás modificações no âmbito
terapêutico e na própria relação terapeuta/cliente. A atenção dada ao presente
abre portas para que terapeuta e cliente possam iniciar a partir de qualquer
ponto e com qualquer material disponível. Ou seja, não só a fala, mas os
gestos, expressões, entonações, também são elementos importantes a serem
observados. “[...] a personalidade total expressa por movimentos, posturas,
sons, silhuetas, revela tanto material de valor incalculável, que não temos que
fazer nada além de obter o óbvio, a superfície extrema e devolver isso de forma
a tornar consciente o paciente” (Perls, 1969/1977, p. 82).
Essas ideias apontam para uma concepção holística do homem, na medida em
que este é percebido enquanto unidade indivisível e compreendido a partir da
interação das partes que o compõem. É dessa compreensão de homem
enquanto totalidade, que a cisão corpo/mente inexiste na Gestalt-terapia. Se
algo muda em determinada parte dessa estrutura, seja no âmbito emocional,
físico ou espiritual, o todo sofrerá mudanças e será reconfigurado.
“[...] a primeira coisa a ser considerada é que o organismo
sempre trabalha como um todo. Nós não temos um fígado
e um coração, nós somos fígado, coração, cérebro, e
assim por diante: e mesmo isto esta errado. Nós não
somos uma soma das partes, e sim uma coordenação,
uma coordenação muito sutil de todos esses diferentes
pedaços que compõem o organismo” (Perls, 1969/1977,
p.20).
A partir dessas ideias, surge o conceito de fronteira do ego e, posteriormente
fronteira de contato. Para Perls (1969/1977) é nessa fronteira que ocorre a
relação homem/mundo. Ela não se apresenta de forma fixa ou rígida, como
algo que separa, mas é constituída na e durante essa relação. É na fronteira
onde ocorrem as trocas com o mundo, permitindo a auto-regulação
organísmica. É através dela que o homem consegue atingir seu equilíbrio
homeostático homem através da satisfação de suas necessidades, sejam elas
físicas ou emocionais.
Yontef (1998) ressalta que, o processo de adoecimento psíquico ocorre quando
a fronteira perde sua função de permeabilidade, nitidez ou mesmo desaparece
da relação, resultando na perda da distinção entre o self e o mundo e em
formas não saudáveis de relação entre ambos. Perls introduz sua teoria da
personalidade através dessas ideias, fazendo distinção entre o bom e o mau
funcionamento da fronteira, ou seja, a pessoa sadia e a doente.
Revista IGT na Rede, v. 9, nº 17, 2012, p. 210 – 222. Disponível em http://www.igt.psc.br/ojs
ISSN: 1807-2526
215
BESSA,Pattrícia Silva – Gestalt -Terapia e cuidado em saúde mental:Um diálogo possível e
necessário.
Na abordagem gestáltica a concepção sobre o normal e anormal foi
influenciada principalmente pelo neuropsiquiatra Kurt Goldstein, que vê a
doença como um distúrbio no processo de crescimento do homem. No entanto,
ela está a serviço da sobrevivência psíquica e nesse sentido pode até ser
pensada como um aspecto funcional e saudável. Perls (1942/2002) já fazia
uma particular distinção entre pessoa sadia e a não-sadia em seus primeiros
escritos: “Uma pessoa absolutamente sadia está inteiramente em contato
consigo mesma e com a realidade. A pessoa louca, o psicótico, está mais ou
menos completamente fora de contato com ambos, mas principalmente, ou
consigo ou com o mundo” (p. 72).
Nesse sentido, observamos que, entender o funcionamento psíquico nãosaudável a partir da Teoria da Gestalt, é buscar uma compreensão
fenomenológica das formas disfuncionais de existência, tirando o foco do
método investigativo das possíveis causas destas manifestações e
direcionando a atenção para o tipo de relação que o indivíduo estabelece
consigo, com o mundo e de que forma se posiciona diante da vida. A Gestaltterapia busca descrever e compreender como as disfunções se apresentam e
de que modo estão contribuindo para um funcionamento não saudável desse
indivíduo como um ser total e integrado.
“Perls, Hefferline e Goodman não acreditam que essas
questões possam ser esclarecidas a partir de uma
suposta causa ou origem. Afinal, se mesmo os
ajustamentos disfuncionais são fenômenos de campo,
toda tentativa de eleger um elemento como determinante
da configuração resta uma empresa arbitrária. Por isso,
em vez de uma interrogação genética sobre as causas
dos ajustamentos disfuncionais, Perls, Hefferline e
Goodman preferem uma visada fenomenológica”
(MÜLLER-GRANZOTTO, 2006, p.5).
A visão de homem como ser-no-mundo, relacional, trás a idéia de que a
doença nada mais é que uma desarmonia, um desequilíbrio nessa relação do
homem com o meio. Daí Ribeiro (2006) dizer que “a doença é relacional. Não
existe doença em si. Doença é um fenômeno como processo; como dado,
existe em alguém, e não como realidade em si mesma” (p.36). Cada indivíduo
possui seu próprio modo de estar-no-mundo, e consequentemente seu modo
particular de adoecer. É dessa maneira que a visão gestáltica busca ir além da
descrição e compreensão dos sintomas, para ir em busca do sentido daquela
patologia e das vivências subjetivas da pessoa que está adoecida.
Desse modo, podemos perceber que a Gestalt-terapia, assim como as demais
abordagens humanistas, que tem como base o pensamento fenomenológicoexistencial, traz uma nova compreensão acerca da concepção sobre saúde e
Revista IGT na Rede, v. 9, nº 17, 2012, p. 210 – 222. Disponível em http://www.igt.psc.br/ojs
ISSN: 1807-2526
216
BESSA,Pattrícia Silva – Gestalt -Terapia e cuidado em saúde mental:Um diálogo possível e
necessário.
doença, quebrando com a antiga tendência do pensamento científico, onde o
processo de adoecimento estava intimamente ligado a uma relação causal com
fatores etiológicos. A Gestalt-terapia salienta uma visão holística do homem e
do seu processo de adoecimento, compreendendo-a de uma forma plural e
multifatorial, incorporando a influência do ambiente e a importância da
subjetividade nas formas de manifestações das patologias.
3 REFORMA PSIQUIÁTRICA E CUIDADO EM SAÚDE MENTAL:
PANORAMA GERAL
No Brasil ao final dos anos 1980, o processo de redemocratização e as
pressões dos movimentos sociais associadas à luta pelos direitos humanos,
levaram à construção da Reforma Psiquiátrica, que obteve sucesso na
consolidação de uma nova Política de Saúde Mental. Esta tem como principais
características a redução de leitos e o maior controle sobre os hospitais
psiquiátricos; a criação de rede de serviços substitutivos; a aprovação de nova
legislação em saúde e a criação de dispositivos de apoio aos processos de
desinstitucionalização, além da introdução da saúde mental na pauta de
prioridades da educação permanente para o Sistema Único de Saúde - SUS
(MANGIA, 2008).
O início do processo de Reforma Psiquiátrica no Brasil é contemporâneo ao
surgimento do “Movimento Sanitário”, mas tem uma história própria, inscrita em
um contexto internacional de mudanças pela superação da violência asilar.
Fundado, ao final dos anos 70, na crise do modelo de assistência centrado no
hospital psiquiátrico por um lado, e na eclosão, por outro, dos esforços dos
movimentos sociais pelos direitos dos pacientes psiquiátricos, o processo da
Reforma Psiquiátrica brasileira é maior do que a sanção de novas leis e
normas e mais do que o conjunto de mudanças nas políticas governamentais e
nos serviços de saúde. (BRASIL, 2005).
Na década de 90, tendo em vista o compromisso firmado pelo Brasil na
assinatura da Declaração de Caracas e pela realização da II Conferência
Nacional de Saúde Mental, passam a entrar em vigor no país as primeiras
normas federais regulamentando a implantação de serviços de atenção diária
de caráter extra-hospitalar, fundadas nas experiências dos primeiros CAPS,
NAPS, Hospitais-dia, centros de convivência, residências terapêutica, dentre
outros, além das primeiras normas para fiscalização e classificação dos
hospitais psiquiátricos. (MANGIA, 2008).
Após muitas lutas e enfrentamentos políticos, em 06 de abril de 2001, depois
de 12 anos de tramitação no Congresso Nacional, a Lei Paulo Delgado é
sancionada no país. Assim, a Lei Federal Nº 10.216 reformulou o modelo
assistencial em saúde mental no Brasil, determinando a desinstitucionalização
de pacientes que se encontravam por muito tempo internados nos hospitais
psiquiátricos.
Revista IGT na Rede, v. 9, nº 17, 2012, p. 210 – 222. Disponível em http://www.igt.psc.br/ojs
ISSN: 1807-2526
217
BESSA,Pattrícia Silva – Gestalt -Terapia e cuidado em saúde mental:Um diálogo possível e
necessário.
A desinstitucionalização repercutiu na consequente redução das internações
nos manicômios e a desconstrução do modelo hospitalocêntrico da psiquiatria
como sinônimo de exclusão e violência institucional, bem como a criação de
um novo lugar social para a loucura, dando ao portador de transtorno psíquico
a possibilidade do exercício de sua cidadania. Neste sentido, a reinserção
social passa a ser o principal objetivo da Reforma Psiquiátrica, tendo em vista
potencializar a rede de relações do sujeito, através do resgate da noção de
complexidade do fenômeno humano e reafirmação da capacidade de
contratualidade do sujeito, criando assim um ambiente favorável para que
aquele que sofre psiquicamente possa ter o suporte necessário para
reinscrever-se no mundo como ator social.
Com a virada do século, a Reforma Psiquiátrica no Brasil deixou
definitivamente a posição de “proposta alternativa” e se consolidou como o
marco fundamental da política de assistência à saúde mental oficial. Mais do
que isso, a influência do seu ideário vem-se expandindo no campo social, no
universo jurídico e nos meios universitários que formam os profissionais de
saúde. Apesar das conhecidas dificuldades enfrentadas pelo sistema de saúde
pública no Brasil, é fato que o cenário psiquiátrico brasileiro vem mudando
consideravelmente (BEZERRA, 2007).
Em nosso país, a expansão de leitos psiquiátricos atingiu seu ápice em 1985,
com 123.355 leitos credenciados ao Instituto Nacional de Assistência Médica
da Previdência Social (INAMPS), que representavam 23,57% do total de leitos
oferecidos no Brasil, ocupando o primeiro lugar em oferta por especialidade.
Atualmente, estima-se que o número de leitos psiquiátricos, credenciados ao
SUS, esteja em torno de 38.842, ao lado da expansão progressiva da cobertura
assistencial em saúde mental composta por uma rede com 1.123 CAPS
distribuídos em todo o país, 479 Serviços Residenciais Terapêuticos, 860
ambulatórios de saúde mental, cerca de 60 Centros de Convivência e Cultura e
2.741 beneficiários do Programa de Volta para Casa (MANGIA, 2008).
Os mais de mil Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) espalhados pelo país
vêm modificando fortemente a estrutura da assistência à saúde mental. A rede
composta por este tipo de equipamento vem substituindo progressivamente o
modelo hospitalocêntrico e manicomial, de características excludentes,
opressivas e reducionistas. Em seu lugar vem sendo construído um sistema de
assistência orientado pelos princípios fundamentais do Sistema Único de
Saúde (universalidade, equidade e integralidade), acrescido da proposta de
desinstitucionalização, cujo alcance ultrapassa os limites das práticas de saúde
e atinge o imaginário social e as formas culturalmente validadas de
compreensão da loucura (BEZERRA, 2007).
O referido autor ressalta ainda a importância da criação desses modelos
substitutivos ao constatar que os diferentes tipos de transtornos mentais
acometem uma em cada três pessoas ao longo da vida. Além disto, dados de
um estudo realizado em 1990 pela Organização Mundial da Saúde, pela Escola
de Saúde Pública da Universidade de Harvard e pelo Banco Mundial,
Revista IGT na Rede, v. 9, nº 17, 2012, p. 210 – 222. Disponível em http://www.igt.psc.br/ojs
ISSN: 1807-2526
218
BESSA,Pattrícia Silva – Gestalt -Terapia e cuidado em saúde mental:Um diálogo possível e
necessário.
demonstram que entre as dez maiores causas de incapacitações em todo o
mundo, cinco são transtornos mentais.
Assim, questões como o trabalho em equipe multiprofissional e interdisciplinar,
a pluralidade dos saberes e a complexidade das ações e dos serviços
assistenciais passam a dominar o campo acadêmico e profissional como
requisitos fundamentais para o processo de reforma da assistência psiquiátrica.
Conceitos como Desospitalização e Desinstitucionalização guiam o processo
de mudança de foco dominante das ações em saúde mental da área intrahospitalar especializada para a extra-hospitalar, onde serviços ambulatoriais e
centros de atenção diária, todos referidos à comunidade, passam
gradativamente a assumir e dividir o papel da assistência em saúde mental
(JORGE; FRANCA, 2001).
E mais do que buscar a aceitação de uma nova política assistencial, o desafio
no campo da Reforma Psiquiátrica é produzir uma nova sensibilidade cultural
para com o tema da loucura e do sofrimento psíquico. Trata-se de promover
uma desconstrução social dos estigmas e estereótipos vinculados à loucura e à
figura do doente mental, substituindo-os por um olhar solidário e compreensivo
sobre a diversidade e os descaminhos que a experiência subjetiva pode
apresentar. Olhar fundado numa atitude de respeito, tolerância e
responsabilidade com aqueles que se encontram com sua normatividade
psíquica restringida (BEZERRA, 2007).
4 GESTALT-TERAPIA E CUIDADO EM SAÚDE MENTAL: POSSÍVEIS
ARTICULAÇÕES
A Gestalt-terapia considera o homem enquanto ser-no-mundo, ser que vive e
existe na e para a relação. Procura focalizar a totalidade da relação que o
indivíduo estabelece com seu meio e como isso pode repercutir na dinâmica
saúde/doença. O homem age sobre esse mundo, mas ao mesmo tempo em
que o transforma, recebe influencias, numa relação recíproca. Essa relação é
compreendida na Gestalt-terapia a partir das noções de singularidade,
liberdade, responsabilidade e potencial criativo.
A Gestalt-terapia acredita no poder de transformação e crescimento do
homem, na sua tendência natural ao equilíbrio e capacidade de se construir e
reconstruir na sua relação com o mundo (PERLS, 1942/2002). Promover o
crescimento e desenvolver o potencial humano é o papel fundamental da
Gestalt-terapia, e isto só pode ser alcançado através da awareness do sujeito,
ou seja, da tomada de consciência da experiência vivida. “Tudo está baseado
na tomada de consciência. A tomada de consciência é a única base do
conhecimento, comunicação, e assim por diante.” (Perls, 1969/1977, p.69).
O gestalt-terapeuta busca acompanhar o indivíduo no seu inevitável encontro
com a dor, auxiliando-o nesse processo, pois acredita que fugir dela é não-ser.
Revista IGT na Rede, v. 9, nº 17, 2012, p. 210 – 222. Disponível em http://www.igt.psc.br/ojs
ISSN: 1807-2526
219
BESSA,Pattrícia Silva – Gestalt -Terapia e cuidado em saúde mental:Um diálogo possível e
necessário.
Essa idéia está relacionada com a Teoria Paradoxal da Mudança também
encontrada na Gestalt-terapia. “Eu chamo-lhe teoria paradoxal da mudança por
motivos que se tornarão óbvios. Em poucas palavras, consiste nisso: a
mudança ocorre quando uma pessoa se torna o que é, não quando tenta
converter-se no que não é” (Beisser in Fagan; Shepherd,1980, p.110).
Nesse sentido, a Gestalt-terapia acredita que o crescimento e a mudança
ocorrem a partir do momento em que se torna cada vez mais o que é e não,
quando tenta ser o que não é. Para isso, é necessário que na relação
terapêutica sejam explicitados e aceitos todos os pensamento e desejos,
mesmo desagradáveis e dolorosos, pois só assim a pessoa pode se
experienciar e a mudança ocorrer. Assim, faz parte do papel do Gestaltterapeuta possibilitar subsídios para que a pessoa possa ser o que é, e a partir
daí construir uma base sólida para que possa caminhar sozinha. No entanto,
para que isso aconteça é preciso que a mudança seja vista como ligada ao
risco, o risco de experimentar novas situações e papéis, para que ela possa
chegar ao que é. A respeito disso Ribeiro (2006) nos fala que: “ Trabalhar
paradoxalmente é colocar o cliente diante de suas possibilidades reais para, ao
vivenciar suas contradições internas, descobrir que o risco é o cotidiano de sua
existência e que a palavra ‘fácil’ não pertence ao vocabulário dos adultos, e sim
ao das crianças” (p.149).
A partir dessas ideias podemos perceber clara relação entre os conceitos
pertinentes à Gestalt-terapia e o novo paradigma de cuidado em Saúde Mental
outrora citado. Nas duas abordagens o indivíduo em sofrimento psíquico é visto
de forma contextualizada, a partir de um prisma biopsicossocial, onde se
prioriza uma visão compreensiva e multifatorial da sua doença, está vista
enquanto processo e construção.
Da mesma forma, a saúde não é percebida apenas como ausência de doença,
mas sim enquanto um processo contínuo de busca de equilíbrio e
autorregulação entre o homem e o mundo, tendo o indivíduo como ser ativo
nessa construção. Nesse sentido, levando em consideração os sujeitos em
sofrimento psíquico, as duas teorias focam a atenção e cuidado não na doença
mental propriamente dita, mas no sujeito que vive, convive, sofre e que
encontrou nessa vivência subjetiva uma maneira de estar no mundo, mesmo
de forma disfuncional ou pouco saudável.
É nesse sentido, que nos atrevemos a dizer que tanto a Gestalt-terapia quanto
o novo paradigma de cuidado em saúde mental proveniente da Reforma
Psiquiátrica, possuem um axioma na qual embasam suas perspectivas
epistemológicas e práticas. Possuem como uma de suas premissas básicas a
percepção do indivíduo, mesmo aquele comprometido pelo transtorno mental,
como ser detentor de potencialidades naturais que possibilitam buscar e/ou
resgatar o equilíbrio do seu organismo como um todo, (re)estabelencendo sua
autorregulação através da relação saudável com o mundo. Por mundo
entende-se todo o aparato intra e interpsíquico, social, familiar, comunitário,
biológico, espiritual e econômico em que o indivíduo encontra-se inserido e no
Revista IGT na Rede, v. 9, nº 17, 2012, p. 210 – 222. Disponível em http://www.igt.psc.br/ojs
ISSN: 1807-2526
220
BESSA,Pattrícia Silva – Gestalt -Terapia e cuidado em saúde mental:Um diálogo possível e
necessário.
qual mantém recíproca relação. Estes aspectos são abordados de forma
exaustiva e preconizados nos novos moldes de cuidado em saúde mental.
Diante do exposto, podemos pensar que o psicólogo enquanto gestaltterapeuta torna-se ferramenta útil e necessária para os novos dispositivos de
cuidado em saúde mental, na medida em que também reconhece no homem
um sujeito autônomo e responsável, senhor de sua história e capaz de trilhar
seu caminho em busca de formas de existência mais saudáveis, mesmo em
situações pouco favoráveis.
Colocando de outra forma, ousamos dizer que a Gestalt-terapia tem muito a
contribuir com o processo de cuidado em saúde mental, visto ser uma prática
que se orienta pela visão do homem como um todo, não o vendo como um
"neurótico" ou “psicótico”. Nessa abordagem a patologia é percebida apenas
como mais uma das várias partes do todo que aquele indivíduo é, e sua
doença é encarada como a maneira mais "saudável" que encontrou para
enfrentar situações ruins, insuportáveis e ameaçadoras. Por outro lado, isto
não significa dizer que há uma negação do estado patológico, ou mesmo do
sofrimento do paciente no qual se encontra. Mas somente é feito um novo
enfoque, baseado na constatação de que, através de tal estado, o sujeito foi
capaz de se ajustar ao mundo e garantir sua sobrevivência, chegando até ali,
ao ponto em que está.
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS
A partir dos conceitos e ideias supracitados, pudemos perceber que o aporte
teórico e prático da Gestalt-terapia pode atuar como ferramenta valiosa para as
práxis dentro dos novos dispositivos de cuidado em saúde mental,
principalmente no que diz respeito à atuação do profissional de psicologia.
Amparada por uma abordagem humanista e de cunho fenomenológicoexistencial, essa teoria trouxe novos e importantes olhares sobre o homem e
suas diversas manifestações saudáveis e não saudáveis, repercutindo nos
modos de atenção e cuidado.
Da mesma forma, os novos dispositivos de atenção psicossocial e respectivas
modalidades de cuidado provenientes do movimento da Reforma Psiquiátrica,
contribuíram para uma nova abordagem dos indivíduos em sofrimento
psíquicos, não mais os reduzindo a sua doença ou sintomas, mas percebendoos enquanto sujeitos em sofrimento e ativos seu processo de adoecimento.
Os resultados do estudo indicam que o diálogo entre Gestalt-terapia e cuidado
em saúde mental, além de possível se faz necessário, visto que a abordagem
gestáltica trás as noções de singularidade, liberdade, responsabilidade e
potencialidade para a relação homem/mundo e dinâmica saúde/doença, ideias
também preconizadas pelo novo paradigma da saúde mental.
Revista IGT na Rede, v. 9, nº 17, 2012, p. 210 – 222. Disponível em http://www.igt.psc.br/ojs
ISSN: 1807-2526
221
BESSA,Pattrícia Silva – Gestalt -Terapia e cuidado em saúde mental:Um diálogo possível e
necessário.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
AMARANTE, Paulo. Saúde Mental e Atenção Psicossocial. Rio de Janeiro,
Ed Fiocruz, 2007
BEISSER, A. A teoria paradoxal da mudança. In: FAGAN, J. SHEPHERD, I. L.
(Orgs.). Gestalt-terapia : teoria, técnicas e aplicações. Rio de Janeiro:
Zahar, 1980. p. 110-114.
BEZARRA JR., Benilton. Desafios da reforma psiquiátrica no Brasil. Physis,
Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, 2007.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.DAPE.
Coordenação Geral de Saúde Mental. Reforma psiquiátrica e política de
saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de
Reforma dos Serviços de Saúde Mental : 15 anos depois de Caracas. OPAS.
Brasília, novembro de 2005.
FRAZÃO, Lilian, Doença , Saúde e Cura, p. 70-72, verbete in Dicionário de
Gestalt-Terapia: “Gestaltês”.D’ACRI, G; LIMA, P; ORGLER, S.(Orgs) São
Paulo: Summus, 2007.
JORGE, Miguel R; FRANCA, Josimar MF. A Associação Brasileira de
Psiquiatria e a Reforma da Assistência Psiquiátrica no Brasil. Rev. Bras.
Psiquiatria, São Paulo, v. 23, n. 1, Mar. 2001.
MANGIA, Elisabete Ferreira. Psiquiatria institucional: do hospício à reforma
psiquiátrica. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 3, Mar. 2008.
MÜLLER-GRANZOTTO, M. J. Clínica da Neurose na Gestalt-terapia.
Monografia de conclusão do curso de Psicologia, apresentada à Universidade
do Sul de Santa Catarina. Florianópolis: UNISUL, 2006.
PERLS, Frederick. (1942). Ego, Fome e Agressão. São Paulo: Summus,
2002.
______ (1969).Gestalt Terapia Explicada. 7a.edição. São Paulo: Summus,
1977.
RIBEIRO, J. P. Vade- mécum de Gestalt-terapia: conceitos básicos. São
Paulo. Summus, 2006.
YONTEF, Gary. Processo, Diálogo e Awareness. São Paulo: Summus,1998.
Revista IGT na Rede, v. 9, nº 17, 2012, p. 210 – 222. Disponível em http://www.igt.psc.br/ojs
ISSN: 1807-2526
222
BESSA,Pattrícia Silva – Gestalt -Terapia e cuidado em saúde mental:Um diálogo possível e
necessário.
Endereço para correspondência :
Patrícia Bessa Silva
E-mail: [email protected]
Recebido em: 01/07/12
Aprovado em: 28/11/12
Revista IGT na Rede, v. 9, nº 17, 2012, p. 210 – 222. Disponível em http://www.igt.psc.br/ojs
ISSN: 1807-2526
Fly UP