...

O QUE AS FALAS DO FILME “A PAIXÃO DE CRISTO” REVELAM

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

O QUE AS FALAS DO FILME “A PAIXÃO DE CRISTO” REVELAM
O QUE AS FALAS DO FILME “A PAIXÃO DE CRISTO”
REVELAM?
●
WHAT DO THE DIALOGUES FROM “THE PASSION OF
THE CHRIST” REVEAL?
Adilio Junior de SOUZA
UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA, Brasil
RESUMO | INDEXAÇÃO | TEXTO | REFERÊNCIAS | CITAR ESTE ARTIGO | O AUTOR
RECEBIDO EM 03/08/2014 ● APROVADO EM 05/02/2015
Abstract
This article does a linguistic analysis of the dialogues in Latin present in the film “The Passion of
the Christ”, which was produced by North American actor and director Mel Gibson. The aim of
this paper is to discuss the use of a “dead” language in a movie that portrays the last hours of
Christ. The results show that the Latin pronunciation used more often in the scenes belong to
the Ecclesiastic Pronunciation (or Roman Pronunciation), with some forms coming from the
Restored Pronunciation (or Reconstituted Pronunciation).
Resumo
Este artigo faz uma análise linguística das falas em Latim presentes no longa-metragem “A
Paixão de Cristo”, filme este produzido pelo ator e diretor norte-americano Mel Gibson.
Pretende-se, neste artigo, discutir o uso de uma língua dita “morta” em filme que retrata as
últimas horas de Cristo. Os resultados apontam que a pronúncia do Latim que mais foi utilizada
nas cenas pertence à Pronúncia Eclesiástica (ou Romana), com algumas formas advindas da
Pronúncia Restaurada (ou Reconstituída).
Entradas para indexação
KEYWORDS: The Passion of the Christ. Latin. Latin pronunciation. Linguistic analysis.
PALAVRAS-CHAVE: A Paixão de Cristo. Latim. Pronúncias do latim. Análise linguística.
Texto integral1
INTRODUÇÃO
Este estudo pretende, por meio da análise linguística em forma de
transcrições fonéticas, discutir sobre o que as falas em latim do filme A Paixão de
Cristo podem revelar aos telespectadores. Neste sentido, será possível identificar a
pronúncia ou pronúncias que foram empregadas no longa-metragem.
Pelos dados expostos no DVD e do VHS, o que é comprovado também no
áudio, sabe-se que os idiomas que aparecem no filme são: Latim, Hebraico e
Aramaico. Além do realismo das cenas, o que realmente chama a atenção do
público é o uso destes idiomas. Por esta razão, objetiva-se, neste artigo, apresentar
ao leitor uma amostra de uma das línguas utilizadas no filme, a língua latina.
Espera-se, assim, contribuir para o entendimento deste idioma em sua
verdadeira morfologia, mediante apresentação de dados fonéticos extraídos do
áudio. A base teórica empregada é oriunda das teorias linguísticas, em especial da
Fonética/Fonologia e Linguística Histórica. Além disso, os trabalhos de Irwin e
Gracia (2004), Souza (2010), Sadovski (2004a; 2004b), Ribeiro e Cândido (2010),
Espíndola (2008), Leite (2009), Funari (2002), Ilari (1992), Coutinho (1962), entre
outros, foram utilizados para reforçar a fundamentação deste texto. Os dados serão
expostos em tabelas, facilitando a leitura dos casos selecionados.
Ressalta-se que esta investigação se baseia unicamente na pronúncia dos
atores envolvidos nas cenas analisadas; entre os quais se destacam, por exemplo,
os que interpretaram: Jesus, Pilatos, Cláudia e Abenader. Deste modo, os resultados
dizem respeito exclusivamente ao Latim adotado neste filme.
Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli | V. 3, N. 2, p. 04-25, jul.-dez. 2014
1
QUAIS MOTIVOS LEVARAM MEL GIBSON A EXCLUIR CERTAS
LEGENDAS?
Neste primeiro momento, faz-se necessário compreender um pouco do
fundo histórico que permeia a produção de Mel Gibson, de modo que, sem esta
exposição, o entendimento acerca dos cortes nas legendas poderia ser
comprometido ou ser visto como algo irrelevante.
A ausência de legendas é constante em A Paixão de Cristo. Sabe-se que a
verdadeira intenção de Gibson era que o filme não apresentasse qualquer tipo de
texto. O diretor queria mostrar apenas a linguagem corporal contando a narrativa,
mas posteriormente decidiu inseri-las em algumas cenas. E isto fica claro nos seus
comentários nos “extras” do filme. Sobre esta questão e principalmente sobre o uso
de idiomas antigos, Espíndola tece este comentário:
As personagens do filme comunicam-se em línguas que vigoravam
no período em que se passa a história: os judeus falam aramaico;
os romanos, latim. Houve inicialmente a intenção de não incluir
legendas no filme, num projeto que pedia uma cooperação
constante do leitor para a interpretação do filme e dedução das
falas das personagens, deixando o sentido a cargo da imagem e do
som, articulados com o pré-conhecimento da narrativa dos
Evangelhos.
Apesar de ter sido lançado com as legendas, o filme ainda
demanda uma intensa participação do leitor. A Paixão de Cristo
tem uma narrativa extremamente sintética; a construção das
personagens no filme e sua associação às personagens da Bíblia,
bem como a associação de eventos do roteiro, depende da
intervenção e do repertório do espectador, conforme
observaremos de forma detalhada mais adiante. (ESPÍNDOLA,
2008, p. 64-65, grifos do autor).
Por meio destas palavras, entende-se que a falta de legendas nesta
produção é um fato, que na maioria das vezes, impede parcialmente o
entendimento da cena. O telespectador fica completamente “perdido”, sem
compreender nenhuma palavra (normalmente por causa do hábito de assistir
filmes dublados em sua língua nativa); permanecendo assim, completamente
confuso. As opiniões sobre esta produção são as mais variadas possíveis, mas há
quem o defenda veementemente (CASTRO, 2007; CALDAS FILHO, [s/d];
SADOVSKI, 2004b).
Um exemplo de uma das críticas que a produção recebeu, diz respeito à
sentença dita “antissemita”, na qual os fariseus proferiram a afirmação: “O seu
sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos” (MATEUS, 27: 25). Nesta cena em
questão, percebe-se nitidamente a ausência de legendas tanto em Português, Inglês
e Espanhol. É importante esclarecer que, realmente, não há legendas, pois a
produtora de Gibson decidiu cortá-las do filme para evitar maiores represálias. Isto
ocorre diversas vezes durante todo o longa-metragem. Gibson foi alvo de muitas
Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli | V. 3, N. 2, p. 04-25, jul.-dez. 2014
críticas; a maior parte das pessoas que vê sua produção afirma que é “antissemita”
(apontando os hebreus como os assassinos do Cristo, tido como o Messias). Então
para evitar maiores complicações, foi retirada a legenda desta parte e muitos
outros trechos.
Não há duvidas que o diretor de um filme tenha total “liberdade” para exigir
de seus atores, primários (principais) ou secundários (coadjuvantes ou figurantes)
o que bem desejar. Ele exerce, evidentemente, a função de um coordenador ou até
mesmo de um líder dentro do set de filmagens: ele pode mandar em tudo e em
todos. No caso de A Paixão de Cristo, uma produção que tenta relatar uma época
similar à do período da existência de Jesus Cristo não foge a esta regra.
Dificilmente, algum laico perceberá que está diante de línguas consideradas
“mortas”, que foram faladas há pouco mais de dois mil anos. Provavelmente, ele
acreditará que o que está ouvindo é apenas um idioma que ele nunca ouviu.
É assim que o Latim, língua do Lácio, falada pelos antigos romanos (CUNHA,
2007, p. 62), o Aramaico, língua semítica falada pelo povo de Aram ou Arameu, que
ocupava uma parte da Mesopotâmia e na Palestina (CUNHA, 2007, p. 404) e o
Hebraico, língua falada pelo povo hebreu ou antigo povo judaico (CUNHA, 2007, p.
466), presentes em A Paixão de Cristo são percebidos pelas pessoas (GRACIA, 2004,
p 178). Afirma-se até que o Hebraico e o Aramaico seriam línguas próximas ou
irmãs, o que dificultaria mais ainda a separação entre elas (FUNARI, 2002, p. 128).
As três línguas possuem histórias milenares e são mundialmente conhecidas. As
pequenas diferenças fonético-fonológicas entre estas línguas, dificilmente seria
percebidas pelos telespectadores desatentos.
De um lado, alguns não conseguirão entender os diálogos, principalmente
pelo fato de não existirem legendas ou por não haver cópias dubladas em DVD ou
VHS, uma vez que a produtora de Gibson proibiu toda e qualquer alteração em seu
filme em todos os países; do outro, as pessoas que possuam algum conhecimento
em Línguas Clássicas, Filologia, Linguística Histórico-Comparativa ou áreas afins
possivelmente compreenderão a maior parte das falas dos personagens ou pelo
menos estarão cientes de que estão diante de idiomas antigos.
Acredita-se que o uso do Latim neste filme não foi por uma simples questão
de estética. A presença deste idioma no longa-metragem, possivelmente não indica
interesses pessoais ou religiosos; foi, antes de tudo, uma necessidade histórica.
É provável que a intenção de Gibson fosse produzir um filme que, por um
lado, tratasse do mesmo tema muito debatido no círculo religioso e filosófico, a
morte de Cristo, mas que por outro, fosse uma produção independente, fora dos
padrões comuns de Hollywood, ou seja, diferente daqueles filmes com muita ação,
adrenalina e produzidos no idioma norte-americano. A ideia era adaptar a
produção à época de Cristo, com vestimentas, linguagens e atmosfera. Por isto a
opção pela língua latina em detrimento à inglesa (RIBEIRO; CÂNDIDO, 2010).
A produção de Gibson, deste modo, não seria uma “ficção” completa, teria
sim, os mais variados efeitos visuais, efeitos sonoros, uma fotografia bem
elaborada, cenografia esplendorosa, com o toque de arcaísmo no tocante às línguas
Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli | V. 3, N. 2, p. 04-25, jul.-dez. 2014
faladas pelos atores. Seria então uma adaptação distinta das que foram feitas sobre
Cristo até o momento.
Diante disso, ouvem-se durante todo o filme, os três idiomas mencionados.
Há momentos que em se tem nítida percepção que os atores são mesmo de outras
nacionalidades diferentes da que pertencem. É como se nas cenas que se
desdobram, o público fosse levado à Palestina no tempo do Messias. A comoção é
inevitável especialmente para os cristãos (CASTRO, 2007).
No entanto, algo negativo também ocorre: nem todas as cenas são
legendadas. Há cenas, como é caso das “chibatas de Jesus” em que quase não se lê
uma palavra, apenas se ouve. Neste artigo, portanto, serão expostos detalhamentos
de cenas como estas, mostrando não apenas a pronúncia aproximada das palavras
empregadas, mas também a legenda morfológica reconstruída a partir do que se
ouviu. Assim, o leitor terá oportunidade de ler as palavras ou expressões
semelhantemente como foram pronunciadas, podendo ainda lê-las em Latim, com
respectiva tradução.
Esta “mistura” de línguas levam grande parte da plateia a ver o filme como
um épico impecável, perfeito no sentido estrito da palavra. Todavia, a análise dos
diálogos e monólogos que aqui serão expostos encontrará uma “barreira” neste
sentido. A junção de três línguas provoca uma espécie de interrupção auditiva, ou
seja, há entre elas certas diferenças fonológicas e fonéticas, porém quando se
encontram juntas, estas distinções se tornam quase imperceptíveis.
Algumas informações podem, exatamente por este motivo, não ser
totalmente confiáveis, visto que o objetivo deste artigo é analisar unicamente as
falas em Latim presentes nos discursos dos personagens. Destarte, quaisquer erros
fonéticos, fonológicos ou morfológicos devem ser vistos com muita cautela e, de
maneira algum, estes “erros” devem ser aplicados ao filme em si, mas sim a todas
essas “complicações”: ruídos e interferências nas cenas; presença constante de
uma música fúnebre; ausência de legendas em Latim; bilinguismo constante;
pronúncias sussurradas entre os personagens e por último, a utilização de
expressões do Latim Vulgar ou Clássico que são confusas ou desconhecidas.
2
O LATIM FALADO NO FILME É O CLÁSSICO OU VULGAR?
Há ainda alguns pontos relacionados ao uso da língua latina em A Paixão de
Cristo que devem ser esclarecidos o quanto antes. Atualmente, quando de se fala no
filme, ouvem-se todos os tipos de comentários, muitas vezes improcedentes.
Todavia, é preciso separar uma crítica infundada de um comentário calcado em
uma investigação científica, tal como fazem Ribeiro e Cândido (2010, p. 122)
quando declararem que:
Há alguns anos, a exibição do filme “A Paixão de Cristo” do
cineasta norte-americano Mel Gibson, falado em Aramaico e latim,
despertou em muitos estudantes de língua latina, em particular, e
Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli | V. 3, N. 2, p. 04-25, jul.-dez. 2014
no público, em geral, certa curiosidade a respeito da pronúncia do
latim falado nos tempos de Jesus Cristo (séc. I a.C.). Isso, aliás, a
despeito de sabermos que o idioma latino falado no referido filme
é o chamado eclesiástico, que era usado na Idade Média pelos
abades da Igreja Católica Romana [...].
Neste trabalho, os autores tomam esta Pronúncia Eclesiástica (ou Italiana
para usar termos comuns aos autores), para elaborarem uma descrição minuciosa
dos sons vocálicos e consonantais que a compõem. O que importa, nesse estudo
mencionado, é que há evidencias que atestam que o Latim empregado no filme tem
os mesmos traços do idioma falado no tempo de Cristo, como se verá mais adiante.
Corroborando com o que foi dito, na edição brasileira de A Paixão de Cristo:
Mel Gibson e a Filosofia, o editor Costa (2004, p. 13) afirma que “[...] Em todo o
filme ouve-se aramaico, hebraico antigo e latim, resgatando os idiomas usados na
época”. Dessa forma, não há dúvidas quanto à originalidade desta produção, que
tenta recriar um ambiente realista através do uso de línguas antigas.
Entretanto, William Irwin diz que em A Paixão de Cristo, o Gibson cometeu
um “erro”, mesmo sendo quase imperceptível o problema, o filósofo acredita que
esse erro compromete a imagem do filme, no que diz respeito aos fatos históricos e
sociais. Irwin rejeita a ideia de que “Jesus” pudesse falar Latim. Nas palavras do
autor:
Um aparente erro em A Paixão: o Jesus de Gibson conversa com
Pilatos em latim. Embora como Deus Jesus fosse capaz de falar
latim ou qualquer outro idioma, como filho humano de um
carpinteiro de Nazaré seria muito improvável que ele falasse
aquela língua. Como governador de Jerusalém, Pilatos, por outro
lado, provavelmente falava latim e aramaico. (IRWIN, 2004, p.
167).
Todavia, esta afirmação não é totalmente coerente com o período histórico,
uma vez que Pilatos era um governador romano não seria necessário que ele
falasse a mesma língua que Jesus, mas sim que Jesus usasse o idioma do
governador; simplesmente pelo fato de Pilatos ser considerado socialmente
superior a um judeu, então este judeu deveria por obrigação usar o Latim. Contudo
nada impedia que ambos soubessem falar as duas línguas, já que tanto o primeiro
idioma quanto o segundo coexistiam livremente. O ponto de vista de Irwin sobre
esta questão parece ter um tom de sátira, muito mais do que filosófico. Na verdade,
Jesus dificilmente falaria, por exemplo, o Grego (FUNARI, 2002, p. 128).
É importante ressaltar que segundo a história das civilizações, Jerusalém
(também conhecida por Canaã, Palestina, “Terra de Israel”, “Terra da Promessa” e
“Terra Santa”) só foi dominada pelos romanos na época em que seu Império já
havia sido concretizado. Por causa da grande distância que há entre a cidade de
Roma e Jerusalém, o Latim que chegava aos territórios desta última, era o Latim
Vulgar, já parcialmente alterado.
Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli | V. 3, N. 2, p. 04-25, jul.-dez. 2014
Em A Paixão de Cristo, como também na história, o personagem Jesus nasceu
na cidade de Belém, uma vila de Judá, que fica a aproximadamente oito
quilômetros de Jerusalém. Neste mesmo período, o Aramaico, o Hebraico e o Grego
eram usados como línguas oficiais (o Grego koiné era a língua dominante). A
variedade do Latim utilizada pelas pessoas era a Vulgar. Jesus era judeu e isto leva
a crer que ele não falava apenas o Latim, pois naquela região havia ainda
resquícios de outras línguas, provavelmente ele também falava o Aramaico,
Hebraico e talvez um pouco do Grego Antigo (língua falada pelos povos da
macedônia, de Atenas e de outras regiões da Grécia) (FUNARI, 2002). Em A Paixão
de Cristo, o “Jesus”, deve, portanto falar estas línguas. No caso da língua latina em
especial, o ator teria a “obrigação” de seguir as normas do Latim Vulgar, o que
poderá não ter acontecido.
Diferentemente de William Irwin, o professor de Filosofia Jorge J. E. Gracia
baseia-se em fundamentos históricos para esclarecer e acentuar a diferença entre
o Latim e o Aramaico:
Há um outro fator interessante ligado ao som no filme de Gibson
que não existe nos textos: a linguagem falada no filme. Ouvimos
Jesus e os Apóstolos falar em aramaico e Pôncio Pilatos e os
romanos, em latim. As diferenças entre as duas línguas são
substanciais e são percebidas de modo diferente por
expectadores diferentes. Para alguém cuja língua nativa é
românica, o aramaico soa rude, confuso e estranho; enquanto o
latim soa suave, claro e sofisticado. (GRACIA, 2004, p 178).
Com base nesta afirmação, é possível reforçar o que dito anteriormente, a
percepção de línguas diferentes nem sempre é a mesma para todos aqueles que as
ouvem. Dependendo da nacionalidade, a percepção será de um modo e para o
brasileiro, cuja língua materna é de base românica, evidentemente que o Aramaico
soa “rude”, mas não se pode generalizar isto, pois é possível que mesmo alguns
brasileiros tenham tido uma impressão diferente.
Outro fato que chama a atenção da plateia é a “adaptação” do texto escrito
para o cinema. Sobre isto, a afirmativa do filósofo Irwin (2004, p. 168) é convicta:
“Claro que os Evangelhos não foram escritos em latim, mas em grego”. É
importante relembrar e esclarecer que esta afirmação realmente condiz com a
verdade sobre a forma como foram escritos os Evangelhos, uma vez que com o
domínio de Alexandre, o grande, os textos do Antigo Testamento foram todos
traduzidos para o grego, assim como o Novo testamento, que foi totalmente escrito
neste idioma. Mas o que realmente “está em jogo” aqui não é se o texto foi escrito
em Latim ou Grego, o fato é que no período em que Jesus viveu, tais línguas eram
faladas; aliás, falavam-se ainda muitas outras.
Assim como o Irwin, Gracia também se apoia na ideia do uso da língua
latina para tecer alguns comentário e críticas ao filme de Gibson:
Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli | V. 3, N. 2, p. 04-25, jul.-dez. 2014
No filme, Pôncio Pilatos fala em latim com várias pessoas,
incluindo Cristo, mas será que ele realmente fez isso? Latim não
era uma língua falada comumente naquela época na Palestina.
Além do mais, os evangelhos foram escritos em grego, não em
latim. Portanto trata-se de uma reconstituição baseada naquilo
que Gibson e seus conselheiros acreditavam fazer sentido,
considerando que Pilatos era romano. Algo similar pode ser dito
acerca do uso da língua aramaica em vez da grega no filme.
(GRACIA, 2004, p 181).
Conforme a passagem lida, fica parecendo que Gibson agiu de livre e
espontânea vontade para adaptar o texto bíblico ao filme. Mas não o foi. O objetivo
de Gibson era de “restaurar” as línguas que se falavam naquele tempo e é evidente
que o Latim foi pouco usado na Palestina devido à presença do Grego como língua
do comércio. No entanto, o diretor sabia que não faria sentido que Pilatos ficasse
falando em Grego com Jesus ou com qualquer outra personagem. A língua nativa
de Pilatos era o Latim e não o outro idioma. Do mesmo modo, não faria sentido o
governador da cidade da Palestina ficar falando apenas em Aramaico. O que se
sabe, portanto, ele deveria ser poliglota, assim como muitos outros habitantes
daquela região.
Para compreender melhor a posição tomada pelos referidos autores é
necessário conhecer como se processou a propagação da língua latina. A respeito
da difusão do Latim, o filólogo Rodolfo Ilari aponta, no livro Linguística Românica,
que:
Seja como for, o latim, presente nas regiões submetidas numa
variedade popular (o latim falado do exercito, dos comerciantes e,
em certos casos, dos veteranos assentados como colonos), e numa
variedade erudita (a variedade escrita dos magistrados, da
jurisdição e, até onde esta existia, da escola) ia-se [sic] impondo
como língua que exprimia uma cultura mais avançada e que abria
melhores perspectivas de negócios e ascensão política e social
[...]. (ILARI, 1992, p. 49).
De acordo com este ponto de vista, o Latim dos conquistados não era o
culto, mas o informal (coloquial), de uso diário. Outro ponto de vista bastante
pertinente é o que se encontra em Pontos de Gramática Histórica, no qual o
também filólogo Ismael de Lima Coutinho adverte:
Convém ressaltar que não houve coação dos vencedores. O Latim,
levado pelos legionários, colonos, comerciantes e funcionários
públicos romanos, impôs-se pela fôrça (sic) das próprias
circunstâncias: tinha o prestígio de língua oficial, servia de veículo
a uma cultura superior, era o idioma da escola. (COUTINHO, 1962,
p. 54).
Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli | V. 3, N. 2, p. 04-25, jul.-dez. 2014
Baseado nas afirmações destes dois últimos autores é possível concluir que
o prestígio do Latim concretizou-se a partir da necessidade de seu uso, uma vez
que esta língua tornou-se o meio de comunicação para o comércio entre as
colônias romanas, tomando o lugar que pertencia ao Grego. Este Latim passou a ser
utilizado para divulgação da cultura e educação nas escolas mais simples.
Todas essas afirmações indicam que em A Paixão de Cristo seria inevitável
que “Jesus” falasse o Latim diante de “Pilatos”, uma vez que este último tinha o
poder político por se tratar de um Governador romano. “Jesus” não passava de um
judeu e o Hebraico e Aramaico eram, de certa forma e naquele momento,
considerados línguas (ou dialetos) de “baixo nível”, se comparados com a língua
latina. Portanto, “[...] O latim que chegava aos territórios conquistados pelos
romanos, porém, não era o latim erudito (linguagem culta) de Roma, mas o latim
vulgar, falado pelos soldados, pelo povo” (LEME, 2003, p. 11).
É importante ressaltar que a modalidade chamada de “vulgar” é apenas uma
das inúmeras variedades que o latim assumiu durante sua expansão, pois, na
verdade, “[...] o latim que se vulgarizou no território ibérico foi o do povo inculto, o
sermo vulgaris, plebeius ou rusticus, de que nos dão notícias os gramáticos latinos”
(COUTINHO, 1962, p. 56, grifos do autor).
Isto é, o Latim implantado na Península Ibérica não era o mesmo adotado
por Cícero e outros escritores da época clássica. Era sim o denominado Latim
Vulgar, sendo este de vocabulário reduzido, falado por aqueles que encaravam a
vida pelo lado prático, sem as preocupações estilísticas do falar e do escrever; os
falantes da variante “vulgar” não tinham a preocupação de falar e escrever
“corretamente” como os nobres, para eles, o que importava era serem entendidos
(LEITE, 2009). Nas palavras de Coutinho (1962, p. 56):
A outra modalidade, denominada sermo urbanus, eruditus ou
perpolitus, em que escreveram suas obras imortais Cícero, César,
Vergílio, Horácio e Ovídio, foi aí [no território ibérico] também
conhecida, sim, mas nas escolas, o que é atestado pela existência
de alguns célebres escritores hispânicos, como Sêneca, Marcial,
Lucano e Quintiliano. Mais tarde são os conventos ou mosteiros
que guardam as tradições da boa latinidade.
O conjunto das variadas modalidades sob as quais uma língua se apresenta
chama-se variantes linguísticas, variantes estas que podem ou não ser adotadas
pelas pessoas de uma determinada comunidade; no caso do Latim Clássico (SERMO
VRBANVS, ERVDICTVS ou PERPOLITVS) a aceitação partiu da elite, senado, nobreza
e patrícios, já a variante vulgar (SERMO VVLGARIS, PLEBEIVS ou RVSTICVS) se
tornou a variante falada pelos plebeus, clientes e escravos. Têm-se ainda, as
seguintes modalidades: SERMO COTIDIANVS, SERMO VSVALIS, SERMO
PROLETARIVS, e o SERMO INCONDITVS. Que eram utilizadas pela “massa”, ou seja,
pelo povo em geral (LEITE, 2009).
Vale ressaltar que as línguas apresentam naturalmente variações. Estas
transformações podem ocorrer de uma forma bem definida e sistematizada. Existe
Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli | V. 3, N. 2, p. 04-25, jul.-dez. 2014
a variação “vertical”, apropriada à “estratificação da sociedade em classes”, e a
“horizontal”, adequada às “diferenças geográficas; além disso, os falantes
expressam-se de maneiras diferentes conforme o grau de formalidade da situação
de fala” (ILARI, 1992, p. 57).
O Latim, a língua de uma sociedade que estava evoluindo e se tornando cada
vez mais complexa, não poderia escapar a essa regra. Era inevitável que
apresentasse diferentes socioletos, isto é, a forma específica como cada grupo
social usa a língua, já que a sociedade romana foi por muito tempo composta de
patrícios, plebeus e escravos, cada uma dessas classes (comunidades linguísticas)
tinha suas características próprias em relação ao uso da língua. “[...] Por outro lado,
tornando-se a sociedade romana mais complexa e articulada, é fácil imaginar que
se diversificariam também as situações de uso da língua [...]” (ILARI, 1992, p. 57).
Há vários tipos de variantes, dentre elas, as mais importantes estão: a
variante popular, culta, geográfica ou regional, situacional, social e histórica.
Dentro de uma mesma comunidade linguística pode haver indivíduos que usam
formas de falar com peculiaridades específicas do próprio falante. O seu idioleto
(“estilo”, “maneira” ou “modo de falar” individual) pode não ser tão diferente dos
outros membros do grupo, mas há em sua fala elementos que nenhum outro
contém. “Esses diversos modos de alguém usar a língua recebem o nome de
registro. Assim, dependendo da situação, e principalmente da pessoa com quem se
fala, usa-se um registro mais ou menos formal” (LEME, 2003, p. 37).
No caso de A Paixão de Cristo o que realmente aconteceu foi que “Jesus”
optou por falar da mesma forma que “Pilatos”. A linguagem empregada no discurso
de “Jesus” era baseada no conhecimento que ele tinha a respeito do Latim falado
pela sociedade romana. Conclui-se com isso que, de acordo com a história, “Jesus”
podia facilmente falar qualquer uma das línguas, mas é neste ponto que surge um
questionamento; será que os atores sabiam realmente falar tais línguas?
Para responder a esta pergunta basta analisar o texto escrito por Roberto
Sadovski, Editor-Chefe da revista SET. Neste artigo, Sadovski faz o seguinte
comentário a respeito de Gibson e do elenco de seu filme:
[...] Católico fervoroso, Gibson tirou de seu próprio bolso o
orçamento de The Passion of the Christ. Só assim ele teria a
liberdade de usar os idiomas falados na época (aramaico, latim e
um pouco de grego), deixando o filme todo legendado. A via-crúcis
do diretor foi dividida com Jim Caviezel, dono do papel principal, e
Monica Bellucci, que interpreta Maria Madalena – o restante do
elenco é formado em sua maioria por atores italianos, como forma
de aproveitar as filmagens no país. (SADOVSKI, 2004a, p. 20).
Adverte-se que não se deve, contudo, tomar o que autor aponta acima, no
que diz respeito ao fato de Gibson ser católico “fervoroso”, para ser chegar a uma
falsa conclusão de que o filme usa a língua da Igreja Católica Apostólica Romana,
com finalidade religiosa. Caso assim o fosse, a própria Igreja e o Santo Papa teriam
Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli | V. 3, N. 2, p. 04-25, jul.-dez. 2014
algum tipo de ligação com a Produtora, o que não se sabe e nunca foi provado.
Nada liga o filme ao Vaticano.
Ainda sobre os atores presentes no filme, Gracia (2004, p. 182) afirma: “[...]
Ele [Gibson] vestiu seus personagens, incluindo Cristo, com roupas historicamente
exatas; e os atores foram ensinados a falar corretamente as línguas antigas”. Estas
são evidencias “concretas” da competência dos atores e do empenho do diretor em
relação à linguagem usada no filme. Percebe-se nitidamente que os atores, por
serem em sua maioria italianos, devem “provavelmente” falar um Latim
italianizado, isto é, uma Pronúncia Eclesiástica (Romana).
Em relação à Pronúncia Tradicional, é necessário esclarecer um ponto
muito importante: os diálogos presentes nas falas do filme não devem e não podem
se enquadrar nesta pronúncia, uma vez que “a pronúncia tradicional, bastante
usada pelos acadêmicos de Direito, [é] ligada mais ao resultado da transformação
dos fonemas do Latim para o Português, numa pronúncia aportuguesada”
(GARCIA, 2008, p. 19, grifos da autora).
Isto é, a sua utilização é basicamente voltada para um tipo de Latim
“moderno”, evoluído e transformado nas línguas românicas. E o filme, segundo o
diretor, busca representar fielmente a linguagem usada por “Pilatos”, os “fariseus”,
“Jesus” e seus seguidores. Dessa forma, percebe-se que só há duas alternativas: ou
os diálogos seguem uma lógica temporal, na qual os atores falam um “Latim
Vulgar”, contendo elementos das Pronúncias Eclesiástica e/ou Restaurada, sendo a
primeira uma pronúncia “italianizada, por ter sido difundida pela Igreja Católica” e
a segunda por ser uma pronúncia “adotada pela grande maioria das Universidades,
nas áreas de língua latina e linguística. Essa pronúncia é resultado de acurados
estudos linguísticos, embasados na linguística comparativa” (GARCIA, 2008, p. 19)
ou seguem uma lógica qualquer, sem levar em consideração o fato histórico.
3
ANÁLISE FONÉTICA DAS FALAS DOS PERSONAGENS
Nas transcrições fonéticas e reconstruções morfológicas aparecerão as
seguintes Legendas:
a)
“[...]” indicará que a palavra ou frase pronunciada não foi
identificada, é incompreensível, foi sussurrada ou não pertence ao Latim;
b)
“[ˈ]”, por ser um supra-segmento (também chamado de “acento
principal” ou “primário”) indicará a sílaba mais forte;
c)
“[ʷ]” que servirá para indicar que a consoante anterior a ele sofreu
um processo de “labialização”. Ex.: [gʷ]e [kʷ] tem o mesmo valor fonético de [gw] e
[kw] respectivamente.
Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli | V. 3, N. 2, p. 04-25, jul.-dez. 2014
3.1
Transcrições Fonéticas das falas em Latim
Diálogo entre Pilatos e Abenader (período da ocorrência: 22 - minutos)
Transcrição Fonética
[ˈdɔminɛ tuˈmuɫtusˈadˈtemplum ˈkʷidinˈmɛdiaˈnɔktɛ abɛˈnadɛɾ iˈɲɔsʧɛs ˈkʷivis
tuˈmuɫtusˈadˈmurum ˈkajafaspɾɔˈfɛmtamˈkʷendam ˈinkusˈtɔdiaˈdatuˈmesɛˈfɛʧit
ˈkʷuem galiˈleumumˈkʷendam viˈdetuɾ faɾiˈseusˈɛstɛumoˈdisent galiˈleus
ˈdeˈkʷuloˈkʷimini]
Reconstrução morfológica em Latim
─ DOMINE, TVMVLTVS AD TEMPLVM...
─ QVID IN MEDIA NOCTE, ABENADER?
─ IGNOSCES!
─ QVID VIS?
─ TVMVLTVS AD MVRVM. CAĪAPHAS PROPHETAM QVEDAM IN CVSTODIA
DATVM ESSE FECIT.
─ QVEM?
─ GALILAEVM QVEDAM, VIDETVR PHARISAEVS EST EVM ODISSENT.
─ GALILAEVS? DE QVO LOQVIMĬNI?
Legenda em Português
─ Senhor, há um tumulto em...
─ O que foi? A esta hora da noite, Abenader?
─ Peço desculpas.
─ Qual é o problema?
─ Tumulto perto do templo. Caifás mandou prender um profeta.
─ Quem?
─ Um certo galileu. Parece que os fariseus o odeiam.
─ Um galileu? De quem falam?
Obs.: o termo “CAĪAPHAS” é encontrado nos dicionários de Latim Clássico grafado
sem o segundo “a”, ficando apenas “CAĪPHAS”; todavia vale salientar que esta
primeira grafia pode ser uma variação da segunda, isto é, o vocábulo “CAĪAPHAS”
é uma variante linguística, que pertence ao Grego, como defende Souza (2010).
Diálogo entre Pilatos e Cláudia – parte I (período da ocorrência: 38 - minutos)
Transcrição Fonética
[ˈnɔliˈhunkˈhominɛmgaliˈleumkondeˈnaɾe ˈsantusˈɛst ˈtantumˈtibiˈipsimɔˈlɛstusˈɛɾis
ˈsiˈidntɛˈɾɛstanɔˈsiɔnɛˈmɛamɔˈlɛstia ˈklawdia ˈɛkɾɛmɔkʷɔsˈtasiɔ ˈista plɛˈbɛkula
ˈibiˈfɔɾis]
Reconstrução morfológica em Latim
─ NOLI HVNC HOMĬNEM GALILAEVM CONDEMNARE. SANCTVS EST. TANTVM
TIBI IPSI MOLESTVS ERIS.
─ SCIS ID INTEREST A NOTIONE MEĀ MOLESTIĀ, CLAVDĬA?
─ E CREMO QVO STATIO, ISTA PLEBECVLA IBI FORIS.
Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli | V. 3, N. 2, p. 04-25, jul.-dez. 2014
Legenda em Português
─ Não condene este galileu. Ele é santo. Só vai arranjar incômodos.
─ Sabes qual é a minha noção de incômodos, Cláudia? É esta província fétida, essa
ralé lá fora.
Obs.: A presença do “H” aspirado indica uma pronúncia erudita, isto é, uma
pronúncia culta e elegante.
Diálogo entre Pilatos e Jesus (período da ocorrência: 40 - minutos)
Transcrição Fonética
[ˈfɛɾtɛistumhuk ˈvɔs ˈitɛ] [...] [aˈtemitˈipsuˈtuˈhukˈdiʧis ˈautˈnɔsɾɔˈgasˈkʷiˈalii ˈsikid
dikˈsɛɾunt ˈtibi ˈde ˈme ˈkʷomodoegʷɔˈipsiˈtaleskʷestiˈonɛspɾɔpuˈsuisem] [...]
[ˈnumkʷidˈɛgɔiwˈdeus ponˈtifiʧisˈtuiˈmihiˈtɛtɾadiˈdeɾunt] [...] [ɛfiˈʧɛɾɛmtɛˈvɔlunt
ˈkuɾ ˈkʷidfeˈʧist ˈɾɛksˈɛstˈtu ˈrɛgnumˈmɛumˈnonˈɛstˈdɛˈhukˈmundɔ ˈsiˈɛsɛt
ˈputasmiˈnistɾiˈmeˈistɔˈsiˈtɾadɛɾˈmei]
[...]
[ˈsiˈfuisɛt]
[...]
[ˈɛɾgɔˈɾɛksˈɛs
ˈɛgɔˈinˈhɔkˈnatuˈsum
tɛstiˈmonimvɛɾɛˈtatipɛˈɾɛbɛam
ˈominisˈkʷi
vɛɾɛˈtatemˈawdiwnt ˈvɔʧemˈmɛaˈawdiwnt ˈvɛɾitas ˈkʷidˈɛstˈvɛɾitas]
Reconstrução morfológica em Latim
─ FERTE ISTVM HVC. VOS ITE. ─ [...]
─ A TEMET IPSO TV HOC DICIS, AVT NOS ROGĀS QVIA ALII SIC ID DIXERVNT
TIBE DE ME?
─ QVOMŎDO EGO ISPE TALES QVESTIONES PROPOSVISSEM? [...] NVMQVID EGO
IVDAEVS? PONTIFICES TVI MIHI TE TRADIDERVNT. [...] IFFICEREM TE VOLVNT.
CVR? QVID FECISTI? REX EST TV?
─ REGNVM MEVM NON EST DE HVC MVNDO SI ESSET PVTĀS MINISTRI MEI
(ISTO SE) TRADERER (MEI) [...] SI FVISSET [...].
─ ERGO REX ES?
─ EGO IN HOC NATVS SVM. TESTIMONIVM VERITATI PERHIBEAM. OMNIS QVI
VERITATEM AVDIVNT VOCEM MEAM AVDIVNT.
─ VERĬTAS. QVID EST VERĬTAS?
Legenda em Português
─ Traga o aqui. Saiam!
─ Beba. Tu és o rei dos judeus?
─ Perguntas por ti mesmo? Ou porque outros te disseram isso a meu respeito.
─ Por que eu te perguntaria isso? Por acaso sou judeu? Teus sumos sacerdotes,
tua própria gente te entregou a mim. Querem que eu te execute. Por quê? O que
fizeste? Tu és rei?
─ Meu reino não é deste mundo. Se fosse, achas que os meus seguidores deixariam
que eu fosse entregue?
─ Então, tu és rei?
─ Foi para isso que nasci. Para dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da
verdade, escuta minha voz.
─ Verdade! O que é verdade?
Obs.: O “V” do vocábulo “VERĬTAS” e de outras palavras iniciadas pela mesma
“consoante moderna”, sempre é pronunciado [ˈvɛɾitas] e isto indica que o tipo de
pronúncia utilizada foi a Eclesiástica (SOUZA, 2010).
Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli | V. 3, N. 2, p. 04-25, jul.-dez. 2014
Diálogo entre Pilatos e Cláudia – parte II (período da ocorrência: 46 - minutos)
Transcrição Fonética
[ˈkʷidˈɛstˈvɛɾɛtasˈklawdia ˈɛmˈawdis ˈɛmkɔˈɲɛʧiˈkʷuandɔˈdiʧituɾ ˈitaˈawdiɔˈnɔniˈtu
ˈkʷomodoˈpɔtɛsmɛdiˈʧɛɾɛ
ˈsiˈnonˈvisvɛɾɛˈtatemawˈdiɾɛ
ˈnemɔtibidiʧɛɾɛpɔtɛst
ˈvɛɾitas ˈvisˈmɛaˈvɛɾitatɛmkɔˈɲɔʧɛɾɛ ˈklawdia ɾɛbɛliˈonɛsˈuprimɛbam ˈinˈɛastaˈsionɛ
ɾɛˈmɔta ˈundʧim ˈanus ˈsiˈhukˈnonkondemˈnabɔ ˈʃiɔˈkajfam sɛditsiˈonɛm
inˈsɛptuɾumˈɛsɛ ˈsiˈitakonbemˈnadɔ diˈʧipuliˈeiusinisiaˈbunt] [...] [ˈsangʷisiˈfundituɾ
ˈʧɛzaɾˈmɛˈmɔnuitˈklawdia ˈbisˈmɔnuit ˈviʧɛˈpɾɔksima ˈipsɛiuˈɾavi ˈsangʷisˈɛɾitˈmeus
ˈɛkɛstˈmɛaˈvɛɾɛtas]
Reconstrução morfológica em Latim
─ QVID EST VERĬTAS, CLAVDĬA? EAM AVDIS, EAM COGNOSCIS QUANDO
DICĬTVR?
─ ITA, AVDĬO. NONNE TV?
─ QVOMODO? POTES ME DICĚRE?
─ SI NON VIS VERITATEM AVDIRE, NEMO TIBI DICĚRE POTEST?
─ VERĬTAS. VIS MEAM VERITATEM COGNOSCĚRE, CLAUDIA? REBELLIONES
OPRIMEBAM IN EA STATIONE REMOTA VNDĔCIM ANNOS. SI HVNC NON
CONDEMNABO SCIO CAĪAPHAM SEDITIONEM INEPTVRVM ESSE. SI ITA
CONDEMNABO, DISCIPVLI EIVS INITIABVNT [...] SANGVIS IFVNDĬTUR. CAESAR
ME MONVIT, CLAVDIA. BIS MONVIT. VICE PROXIMA, IPSE IVRAVI SANGVIS ERIT
MEVS, HAEC EST MEA VERĬTAS.
Legenda em português
─ O que é verdade, Cláudia? Tu a ouves, reconheces quando alguém a diz?
─ Sim, eu ouço. Tu não?
─ Como? Podes me dizer?
─ Se não queres ouvir a verdade ninguém pode te dizer.
─ Verdade... Quer saber qual é a minha verdade, Cláudia? Levo 11 anos sufocando
revoltas nesta província asquerosa. Se eu não condenar este homem. Sei que
Caifás vai começar uma revolta. E se eu o condenar, os discípulos dele é que vão
começar. Seja como for, vai jorrar sangue. Cesar me alertou, Cláudia. Duas vezes.
Ele jurou que da próxima vez o sangue seria o meu. Essa é a minha verdade!
Obs. O vocábulo “CAESAR” é pronunciado [ˈʧɛzaɾ] e isto indica que pronúncia
Eclesiástica foi, mais uma vez, usada, pois o uso da africada [ʧ] é uma marca
exclusiva desta pronúncia do latim. É uma pronúncia italianizada (SOUZA, 2010).
3.2
Transcrições Fonéticas das falas em Latim (O flagelo de “Jesus”)
O açoite sofrido por Jesus no filme A Paixão de Cristo é muito intenso (e dura
aproximadamente 13 minutos). Na cena que antecede o flagelo, enquanto alguns
soldados escolhem os instrumentos para surrá-lo, os outros conversam sobre
como vai ser o flagelo e zombam sarcasticamente de Jesus; passado este momento,
eles se preparam e iniciam uma sequência de chibatadas que vai de “uma” até
“trinta e duas”. Os números são pronunciados da seguinte forma:
Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli | V. 3, N. 2, p. 04-25, jul.-dez. 2014
Números (Cardinais)
Transcrição Fonética
Reconstituição Morfológica em Latim
01
['unum]
VNVM
02
['duɔ]
DVO
03
['tɾia]
TRIA
04
['kʷatuɔɾ]
QVATTVOR
05
['kʷinkʷ]
QVINQVE
06
['seks]
SEX
07
['sptem]
SEPTEM
08
['ɔktɔ]
OCTO
09
['nɔvem]
NOVEM
10
['dʧem]
DECEM
11
['undʧim]
VNDĔCIM
12
[du'ɔdʧim]
DVODĔCIM
13
['tɾedʧim]
TREDĔCIM
14
[kʷatu'ɔɾdʧim]
QVATTVORDĔCIM
15
['kʷindʧim]
QVINDĔCIM
16
['sedʧim]
SEDĔCIM
17
[sp'temdʧim]
SEPTEMDĔCIM
18
[duɔdevi'ʤinti]
DVODEVIGINTI
19
[undevi'ʤinti]
VNDEVIGINTI
20
[vi'ʤinti]
VIGINTI
21
[vi'ʤintiunum]
VIGINTI VNVM
22
[vi'ʤintiduɔ]
VIGINTI DVO
23
[vi'ʤintitɾia]
VIGINTI TRIA
24
[vi'ʤintikʷatuɔɾ]
VIGINTI QVATTVOR
25
[vi'ʤintikʷinkʷ]
VIGINTI QVINQVE
26
[vi'ʤintiseks]
VIGINTI SEX
27
[vi'ʤintisptem]
VIGINTI SEPTEM
Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli | V. 3, N. 2, p. 04-25, jul.-dez. 2014
28
[vi'ʤintiɔktɔ]
VIGINTI OCTO
29
[vi'ʤintinɔvem]
VIGINTI NOVEM
30
[tɾi'ʤinta]
TRIGINTA
31
[tɾi'ʤintaunum]
TRIGINTA VNVM
32
[tɾi'ʤintaduɔ]
TRIGINTA DVO
Após o final da primeira etapa do açoite, os soldados recomeçam a surrá-lo
novamente, desta vez o número das chibatadas é pronunciado de uma forma mais
agressiva: cada número é dito com um alto grau de intensidade. Nesta etapa do flagelo
de “Jesus”, a quantidade de chibatadas passa de trinta e duas, indo de “uma” a
“quarenta”. A pronúncia dos números que estão abaixo é semelhante aos da primeira
tabela:
Números (Cardinais)
Transcrição Fonética
Reconstituição Morfológica em Latim
01
['unum]
VNVM
02
['duɔ]
DVO
03
['tɾia]
TRIA
04
['kʷatuɔɾ]
QVATTVOR
05
['kʷinkʷ]
QVINQVE
06
['seks]
SEX
07
['sptem]
SEPTEM
08
['ɔktɔ]
OCTO
09
['nɔvem]
NOVEM
10
['dʧem]
DECEM
11
['undʧim]
VNDĔCIM
12
[du'ɔdʧim]
DVODĔCIM
13
['tɾedʧim]
TREDĔCIM
14
[kʷatu'ɔɾdʧim]
QVATTVORDĔCIM
15
['kʷindʧim]
QVINDĔCIM
16
['sedʧim]
SEDĔCIM
Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli | V. 3, N. 2, p. 04-25, jul.-dez. 2014
17
[sp'temdʧim]
SEPTEMDĔCIM
18
[duɔdevi'ʤinti]
DVODEVIGINTI
19
[undevi'ʤinti]
VNDEVIGINTI
20
[vi'ʤinti]
VIGINTI
21
[vi'ʤintiunum]
VIGINTI VNVM
22
[vi'ʤintiduɔ]
VIGINTI DVO
23
[vi'ʤintitɾia]
VIGINTI TRIA
24
[vi'ʤintikʷatuɔɾ]
VIGINTI QVATTVOR
25
[vi'ʤintikʷinkʷ]
VIGINTI QVINQVE
26
[vi'ʤintiseks]
VIGINTI SEX
27
[vi'ʤintisptem]
VIGINTI SEPTEM
28
[vi'ʤintiɔktɔ]
VIGINTI OCTO
29
[vi'ʤintinɔvem]
VIGINTI NOVEM
30
[tɾi'ʤinta]
TRIGINTA
31
[tɾi'ʤintaunum]
TRIGINTA VNVM
32
[tɾi'ʤintaduɔ]
TRIGINTA DVO
33
[tɾi'ʤintatɾia]
TRIGINTA TRIA
34
[tɾi'ʤintakʷatuɔɾ]
TRIGINTA QVATTVOR
35
[tɾi'ʤintakʷinkʷ]
TRIGINTA QVINQVE
36
[tɾi'ʤintaseks]
TRIGINTA SEX
37
[tɾi'ʤintasptem]
TRIGINTA SEPTEM
38
[tɾi'ʤintaɔktɔ]
TRIGINTA OCTO
39
[tɾi'ʤintanɔvem]
TRIGINTA NOVEM
40
[kʷadɾa'ʤinta]
QVADRAGINTA
Finalizada esta segunda sequência de chicotadas, os soldados, mais uma vez,
surram “Jesus”, entretanto desta vez só é possível identificar a pronúncia dos
números de “um” a “dez”; os números posteriores são apresentados para o
telespectador de uma forma visual (linguagem não-verbal) ao invés do uso de
palavras (linguagem verbal), isto é, as imagens e cenas narram os efeitos das
Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli | V. 3, N. 2, p. 04-25, jul.-dez. 2014
chicotadas tanto em “Jesus” quanto nas pessoas que assistem ao seu flagelo. Não há
nenhuma diferença fonética em relação às duas primeiras e por este motivo é
desnecessário fazer tal repetição.
A partir da análise fonética dos numerais pronunciados pelos soldados
romanos, pode-se perfeitamente afirmar que o tipo de pronúncia usado foi a
Eclesiástica. Para se chegar a tal conclusão foi necessário verificar quais foram os
fones empregados nas pronúncias, como nos exemplos a seguir:
[v] (fricativa labiodental vozeada) - [vi'ʤinti] = VIGINTI
[ʧ] (africada alveopalatal desvozeada)- ['undʧim] = VNDĔCIM
[ʤ] (africada alveopalatal vozeada) - [tɾi'ʤinta] = TRIGINTA
Os fones [v], [ʧ] e [ʤ] presentes nestes casos pertencem unicamente a
Pronúncia Eclesiástica, uma vez que a Pronúncia Restaurada não apresenta, em sua
composição, nenhum segmento consonantal classificado como: Fricativa
labiodental vozeada - [v]; Africada alveopalatal desvozeada - [ʧ] e Africada
alveopalatal vozeada - [ʤ].
De acordo com a Pronúncia Restaurada, os grafemas “V”, “C” e “G” citadas
acima, teriam respectivamente a seguinte representação fonética: [w], [k] e [g] e os
vocábulos seriam transcritos assim:
[w] - [wi'ginti] = VIGINTI
[k] - ['undkim] = VNDĔCIM
[g] - [tɾi'ginta] = TRIGINTA
Há um fato muito curioso em relação aos numerais 11; 12; 18 e 19 que
merecem ser aqui apresentados:
a) O numeral 01 (um/uma) é VNVM, pois na situação na qual ele é posto ele
está ligado implicitamente a um vocábulo neutro (VERBER: chibatada); o numeral
10 (dez) é DECEM, para obter “11” basta unir os dois termos, o resultado é este:
VNDĔCIM. A primeira mudança é a perda das duas últimas letras - VM do vocábulo
VNVM; a segunda ocorre apenas no segundo “E” do vocábulo “DECEM”.
b) O numeral 02 (dois/duas) é DVO e também se refere implicitamente a
um vocábulo neutro (VERBERA: chibatadas), que mesmo sem ser pronunciado fica
subentendido; para obter o numeral 12 repete-se apenas a segunda ação
apresentada no item “(a)”: DVODĔCIM, pois neste caso não ocorre nenhuma perda
das letras finais do vocábulo DVO.
c) Os numerais 18 (dezoito) e 19 (dezenove) usados pelos soldados são
variações muito comuns naquele período. Há ainda outras variações para ambos os
vocábulos:
Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli | V. 3, N. 2, p. 04-25, jul.-dez. 2014
DECEM ET OCTO
ou
DECEM ET NOVEM ou
OCTODĔCIM
para
DVODEVIGINTI – “18”
NOVEMDĔCIM
para
VNDEVIGINTI – “19”
Tais exemplificações atestam que o Latim usado pelos soldados romanos
durante o açoite de Jesus é fidedigno em relação ao Latim daquele período
histórico. Não foram detectados falhas ou erros de pronúncias e nem mesmo o uso
do neutro (uma, duas, três...) foi mal utilizado, ao contrário, todos os vocábulos
fonológicos foram muito bem articulados (pronunciados), principalmente o uso dos
elementos (fonéticos e fonológicos) pertencentes à Pronúncia Eclesiástica. Poderse-ia afirmar que esta parte do filme é a segunda mais importante para esta
análise, pois é nela que se pode perceber e comprovar o quanto à linguagem usada
no filme se aproxima do Latim do período em questão (SOUZA, 2010).
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Chega-se então ao fim deste artigo, que de um modo objetivo, buscou
apresentar algumas opiniões sobre o filme dirigido por Mel Gibson, para em
seguida, empreender uma análise linguística das falas em Latim. A Paixão de Cristo
é, evidentemente, uma produção bastante incomum, seja pelo modo como as cenas
são exibidas, seja devido à presença de línguas “mortas”. De uma forma ou de
outra, o impacto na plateia é inegável.
Há relatos que afirmam que no filme, os personagens falam os mesmos
idiomas da época em que Cristo teria existido (ESPÍNDOLA, 2008, p. 64; SADOVSKI,
2004a, p. 20). Não se pode afirmar, no entanto, se o Aramaico e o Hebraico são
fidedignos aos idiomas originais, visto que neste artigo, apenas o Latim foi
investigado. Deste modo, as considerações que aqui serão expostas, dizem respeito
unicamente às pronúncias das falas em Latim como já foi dito.
Sobre o Latim que foi adotado pelos personagens, afirmar-se, a priori, que é
o Eclesiástico, uma pronúncia empregada na Idade Média por abades católicos.
(RIBEIRO; CÂNDIDO, 2010, p. 122). Talvez por esta razão, que muitos criticam o
uso deste idioma nos diálogos do filme. Esperava-se o Grego ou o Aramaico ou até
mesmo o Inglês ao invés do idioma do Lácio (IRWIN, 2004, p. 167; GRACIA, 2004,
p. 181).
A posteriori, com base nas análises linguísticas que foram realizadas,
constatou-se que as falas em Latim pertencem ao Latim Vulgar, apresentado em
determinadas situações, variações da modalidade erudita (culta).
Seria realmente inaceitável que a Pronúncia Tradicional estivesse presente
nas falas dos personagens, pois como se sabe a pronúncia do Latim sofreu muitas
alterações nos muitos países em que ela tem sido analisada, grande parte das
mudanças se adaptou as características fônicas da respectiva língua nacional.
Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli | V. 3, N. 2, p. 04-25, jul.-dez. 2014
No Brasil, por exemplo, esta pronúncia assemelha-se à de Portugal.
Portanto, como Mel Gibson queria ser o mais realista possível, decidiu adotar as
pronúncias do latim que mais se aproximariam do idioma falado naquele período,
isto é, o diretor buscou (e de certo modo, conseguiu) apresentar um Latim “em
tempo real”.
Este estudo se baseou apenas nas pronúncias do Latim adotadas no Brasil,
ou seja, as características fônicas “portuguesas” da Tradicional são recentes e não
existiam na época na qual o Cristo viveu. Consequentemente restaram apenas a
Eclesiástica e a Restaurada.
Após inúmeras análises, percebeu-se que a pronúncia dominante no longametragem era a Eclesiástica, com algumas alternâncias para a Restaurada; sendo
assim, notou-se que a exclusão dos elementos fonéticos e fonológicos pertencentes
à Tradicional, tornou o Latim do filme bastante realista, fidedigno. As amostras e
análises fonéticas que foram apresentadas no último tópico apontam para a
conclusão de que o Latim usado nos discursos dos personagens do filme é muito
próximo do idioma falado na época em que Jesus Cristo viveu.
Notas
1
O esqueleto deste artigo é fruto de uma adaptação de uma conclusão/apresentação da
Monografia de Graduação em Letras da Universidade Regional do Cariri (URCA), sob a
orientação do Doutor (na época Especialista) Francisco de Freitas Leite, no ano de 2006.1.
Monografia esta cujo título era Transcrições fonéticas do Latim falado em “A Paixão de Cristo”,
filme dirigido por Mel Gibson (que não foi publicada até o momento). Recentemente, em 2010,
apresentei uma conferência na mesa-redonda “Pesquisas em Estudos Clássicos”, na qual voltei
a discutir o tema do uso do Latim no filme. Agora, a partir de sugestões recebidas, reformulei e
reavaliei as análises, alterando o próprio título do artigo para: O que as falas do filme “A Paixão
de Cristo” revelam? Deste modo, o presente estudo é o aprimoramento e aprofundamento das
últimas pesquisas realizadas sobre o tema.
Referências
A PAIXÃO de Cristo. Direção: Mel Gibson. Produção: Bruce Davey, Mel Gibson, Stephen
McEveety e Enzo Sisti. Intérpretes: Jim Caviezel, Monica Belluci, Maia Morgenstern e Hristo
Shopov. Roteiro: Mel Gibson e Benedict Fitzgerald. Música: John Debney. Edição: John Wright.
EUA: Iacon, 2004. 1 DVD (126 min), widescreen, color. Idiomas: latim, hebraico e aramaico.
Distribuição: Newmarket Films/Century Fox Films. Título original: The Passion of the Christ.
CALDAS FILHO, Carlos R. A Paixão de Cristo: impressões. Disponível em:
<http://www.centroestudosanglicanos.com.br/bancodetextos/diversos/a_paixao_de_cristo_i
mpressoes.pdf> Acesso em: 02 dez. 2014.
Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli | V. 3, N. 2, p. 04-25, jul.-dez. 2014
CASTRO, Manuel Antônio. “A Paixão de Cristo” segundo Mel Gibson. Revista.doc. Rio de
Janeiro: UFRJ, ano VIII, n. 3, p. 1-13, jan/jun 2007.
COSTA, Wagner Veneziane. Introdução da edição brasileira. In: GRACIA, Jorge J. E. (Org.);
IRWIN, William (Coord.). A Paixão de Cristo: Mel Gibson e a Filosofia. São Paulo: Madras, 2004.
p. 13-32
COUTINHO, Ismael de Lima. Pontos de Gramática histórica. 5. ed. rev. e aum. Rio de Janeiro:
Livraria Acadêmica, 1962.
CUNHA, Antônio Geraldo da. Dicionário etimológico da língua portuguesa. Assistentes:
Cláudio Mello Sobrinho et al. 3. ed. 2. rei. Rio de Janeiro: Lexikon Editora Digital, 2007.
ILARI, Rodolfo. Linguística românica. Rio de Janeiro: Ao livro técnico, 1992.
IRWIN, William. A pergunta de Pilatos: O que é verdade? In: GRACIA, Jorge J. E. (Org.); IRWIN,
William (Coord.). A Paixão de Cristo: Mel Gibson e a Filosofia. São Paulo: Madras, 2004. p. 161171.
ESPÍNDOLA, Bernardo Rodrigues. A adaptação fílmica e as três dimensões da tradução
intersemiótica: a representação dos Evangelhos no filme A Paixão de Cristo. f 119. Dissertação
(Metrado em Letras: Estudos Literários) – Faculdade de Letras da UFMG, Belo Horizonte, 2008.
FUNANI, Pedro Paulo A. Grécia e Roma. São Paulo: Contexto, 2002.
GARCIA, Janete Melasso. Introdução à teoria e pratica do latim. Brasília: Ed. UNB, 2008.
GRACIA, Jorge J. E. Como podemos saber o que Deus realmente quer dizer? A abordagem das
Escrituras por Gibson. In: GRACIA, Jorge J. E. (Org.); IRWIN, William (Coord.). A Paixão de
Cristo: Mel Gibson e a Filosofia. São Paulo: Madras, 2004. p. 173-186.
LEITE, Francisco de Freitas. O Latim em Cartas do Cariri Cearense: final do século XIX e início
do século XX. João Pessoa: Ideia, 2009.
LEME, Odilon Soares. Linguagem, literatura e redação. São Paulo: Ática, 2003.
MATEUS, S. O santo evangelho segundo S. Mateus. A Bíblia Sagrada contendo o velho e o
novo testamento. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida; com referências e
algumas variantes. Ed. rev. e cor. na grafia simplificada. 39. imp. Rio de Janeiro: Imprensa
Bíblica Brasileira, 1977. p. 3-40.
SADOVSKI, Roberto. The Passion of the Christ. Revista SET: cinema, DVD e entretenimento.
São Paulo: Ed. Peixes, ano 17, ed. 199, p. 20, jan. 2004a.
______. Ele está entre nós – Mel Gibson faz de A Paixão de Cristo um exercício de polêmica,
violência, perseverança, poder e, principalmente, de fé. Revista SET: cinema, DVD e
entretenimento. São Paulo: Ed. Peixes, ano 17, ed. 201, p. 22-29, mar. 2004b.
Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli | V. 3, N. 2, p. 04-25, jul.-dez. 2014
SOUZA, Adilio Junior de. Transcrições fonéticas do latim falado em “A Paixão de Cristo”. In:
MESA-REDONDA “PESQUISAS EM ESTUDOS CLÁSSICOS”, 2010, Crato. Tópico temático. Crato,
2010.
RIBEIRO, Lincoln Almir Amarante; CÂNDIDO, Gláucia Vieira. Uma proposta de descrição da
pronúncia do latim clássico no final da república romana. Revista Philologus, Rio de Janeiro:
CIFEFIL, ano 16, n. 46, p. 122-146, jan/abr 2010.
Para citar este artigo
SOUZA, Adilio Junior de. O que as falas do filme “A Paixão de Cristo” revelam? Macabéa –
Revista Eletrônica do Netlli, Crato, v. 3, n. 2, p. 04-25, jul.-dez. 2014.
O autor
Adilio Junior de Souza é formado em Letras pela Universidade Regional do Cariri (URCA),
possui duas especializações, uma pela URCA e outra pela Faculdade Católica do Cariri (FCC) e
atualmente é mestrando do Programa de Pós-Graduação em Linguística (PROLING) na
Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Tem experiência em Filologia Românica e Portuguesa,
Língua e Literatura Latina. É membro do Grupo de Pesquisa Teorias Linguísticas de Base, da
UFPB.
Este trabalho recebeu apoio/financiamento da CAPES.
Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli | V. 3, N. 2, p. 04-25, jul.-dez. 2014
Fly UP