...

Reabilitação de um Edifício – Caso Prático

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Reabilitação de um
Edifício – Rua Azevedo
Coutinho
Mestrado em Gestão e Tecnologias da
Construção
02-11-2011
Rui Daniel dos Santos Ferreira
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
i
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
ii
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
iii
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
iv
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Agradecimentos
A realização deste trabalho não poderia ter sido possível sem a contribuição de algumas
pessoas que pretendo por este meio gratificar.
Dirijo a minha primeira palavra de agradecimento para o Sr. Professor Engenheiro Rui
Pessanha Taborda pelo seu contínuo apoio e aconselhamento que patenteou-se ao longo do
desenvolvimento deste trabalho.
Quero também agradecer a Sra. Engenheira Dores Patacão, utilizadora do edifício
estudado, pela sua disponibilidade e amabilidade no acompanhamento e instrução de
muitas visitas realizadas ao edifício.
Por último não posso deixar de agradecer à minha família mais próxima que tanto apoio
me deu para a conclusão deste trabalho neste percurso final da minha vida académica.
Obrigado a todos.
v
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
vi
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
vii
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
viii
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Resumo
Este trabalho teve como objectivo o estudo de uma acção de conservação/reabilitação de
um edifício, localizado na rua Azevedo Coutinho na zona do Porto. Trata-se, portanto, de
um trabalho académico que visa efectuar uma proposta de acções correctivas a
implementar num edifício habitacional, onde foram detectadas anomalias.
Esta monografia encontra-se dividida em dois capítulos, onde, o primeiro faz uma
abordagem teórica, muito breve e sucinta, às matérias correntemente utilizadas no
segundo capitulo. Dando também algumas noções e definições de alguns termos utilizados
neste ramo da construção. A segunda parte do trabalho consiste no estudo do caso prático
do edifício onde serão implementados processos metodológicos definidos no primeiro
capítulo. De forma a implementar esta metodologia, apresenta-se, então, um edifício
construído em meados de 1975, que apresenta ligeiros sinais de degradação que sugerem a
uma possível acção de intervenção em alguns dos seus componentes.
Sumariamente, pretendeu-se identificar as várias manifestações anómalas do interior e
exterior do edifício, procurando associar as mesmas. Neste sentido, esta metodologia
fundamenta-se num estudo de documentação técnica, fotográfica e histórica do edifício
onde se procurou recolher o mais detalhadamente possível todas as informações essenciais
para o estudo, incluindo informações por parte dos seus residentes.
Com base neste conjunto de informação foi possível realizar um diagnóstico credível,
apesar de não ser completamente conclusivo. Procurou-se listar as possíveis causas que
desencadearam o aparecimento das anomalias, propondo finalmente um conjunto de
soluções para a conservação/reabilitação do edifício. Esta proposta de intervenção
contempla um conjunto de recomendações, que norteiam a definição de soluções para a
conservação/reabilitação do interior do edifício e da sua fachada, de forma a se garantir
que as mesmas assegurem resultados satisfatórios a longo prazo.
ix
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
x
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
xi
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
xii
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Abstract
The goal of this project was the study the conservation/rehabilitation of a building located
in the street of Azevedo Coutinho in Porto. It is an academic project that hopes to
present a proposition for correctional actions to be implemented on a habitable building
where anomalies were detected.
This monograph is divided in two chapters. The first chapter includes a very brief
theoretical approach to the subjects used throughout the second one. The second half is a
practical study approach of the building to which the methodological processes presented
in the first chapter will be applied. The building in question was built circa 1975 and
shows signs of mild degradation that would make it a possible candidate for an
intervention in some of its components.
This work tried to identify the various anomalous manifestations on the outside and inside
of the building while relating both. In light of this, the methodology used is based on a
study of technical, photographical and historical documentation as to gather all the
information deemed essential for this study, including information from the residents.
With this set of information in mind it was possible to come up with a credible diagnosis
even though it is not conclusive. The possible causes that led to the appearance of the
anomalies were listed as thoroughly as possible together with a set of long-term solutions
for the conservation/rehabilitation of the interior and forefront of the building in question.
xiii
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
xiv
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
xv
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
xvi
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Índice Geral
Agradecimentos ................................................................................... v
Resumo .............................................................................................. ix
Abstract ........................................................................................... xiii
Índice Geral .................................................................................... xvii
Capitulo I – Abordagem teórica .......................................................... 1
Introdução .................................................................................................................. 1
Manutenção, Conservação e Reabilitação ..................................................................... 2
Breves Definições ........................................................................................................ 7
Anomalia/Patologia........................................................................................................ 7
Fissuração/Fendilhação .................................................................................................. 7
Conceitos correntes em intervenções em Edifícios ......................................................... 8
Metodologia da Reabilitação....................................................................................... 10
Manifestações anómalas.............................................................................................. 17
Corrosão das armaduras ............................................................................................... 17
Fissuração/Fendilhação ................................................................................................ 20
Humidades .................................................................................................................... 37
Capitulo II - Caso Prático ................................................................. 47
1.
Informação do Edifício ........................................................................................ 47
xvii
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
1.1.
Localização e envolvente ................................................................................... 47
1.2.
Descrição Sumária do Edifício ........................................................................... 50
1.3.
Distribuição dos fogos numa perspectiva exterior ............................................ 61
2.
Avaliação do Estado de Conservação – MAEC .................................................... 64
3.
Inquéritos............................................................................................................ 73
4.
Identificação das anomalias do Edifício ................................................................ 76
4.1.
Zonas habitáveis ................................................................................................ 76
4.2.
Zonas comuns ...................................................................................................100
4.3.
Envolvente ........................................................................................................105
5.
Listagem de potenciais causas............................................................................ 123
6.
Correlação das anomalias .................................................................................. 131
7.
Diagnóstico ....................................................................................................... 135
8.
7.1.
Interior do Edifício ...........................................................................................136
7.2.
Exterior do Edifício ..........................................................................................144
Proposta de Intervenção .................................................................................... 151
8.1.
8.1.4.
9.
Interior do edifício ............................................................................................151
Outras Soluções ............................................................................................160
8.2.
Zonas Comuns do edifício .................................................................................160
8.3.
Exterior do edifício ...........................................................................................161
Conclusão ......................................................................................................... 172
10. Bibliografia ....................................................................................................... 176
xviii
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Índice de Figuras
FIGURA 1 – EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE SATISFAÇÃO NOS EDIFÍCIOS ___________________________________________ 3
FIGURA 2 – TERMINOLOGIA NAS INTERVENÇÕES EM EDIFÍCIOS ____________________________________________ 9
FIGURA 3 – CORROSÃO EM BETÃO ARMADO _______________________________________________________ 17
FIGURA 4 – ESQUEMATIZAÇÃO DE FISSURAÇÃO E DELAMINAÇÃO DEVIDO À CORROSÃO DAS ARMADURAS [1] ____________ 18
FIGURA 5 – CÉLULA DE CORROSÃO EM BETÃO ARMADO [1] _____________________________________________ 20
FIGURA 6 – FISSURAÇÃO CORRENTE DE VARIAÇÕES TÉRMICAS ___________________________________________ 22
FIGURA 7 – FISSURAÇÃO EM PAREDES INSERIDAS EM ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO ___________________________ 22
FIGURA 8 – FISSURAÇÃO DE PAREDES DE ALVENARIA DEVIDO À VARIAÇÃO DE HUMIDADE [1] _______________________ 23
FIGURA 9 – FISSURAÇÃO EM ALVENARIA DEVIDO À ACÇÃO DA HUMIDADE ____________________________________ 25
FIGURA 10 – FISSURAÇÃO INFERIOR NA PAREDE DE ALVENARIA DEVIDO À VARIAÇÃO DA HUMIDADE __________________ 25
FIGURA 11 – FISSURAÇÃO MAPEADA EM PAREDE DE ALVENARIA DEVIDO A RETRACÇÃO ___________________________ 26
FIGURA 12 – FISSURAÇÃO EM ALVENARIA DEVIDO A SOBRECARGA EXCESSIVA [1]. ______________________________ 27
FIGURA 13 - FISSURAÇÃO EM ALVENARIA DEVIDO A APOIO DE UMA VIGA [1] _________________________________ 28
FIGURA 14 – FISSURAÇÃO EM ALVENARIA DEVIDO A CONCENTRAÇÃO DE TENSÕES [1] ___________________________ 28
FIGURA 15 - APLICAÇÃO DE REBOCO NOS VÉRTICES DO ELEMENTO ________________________________________ 28
FIGURA 16 – FISSURAÇÃO TÍPICA DE UMA VIGA ISOSTÁTICA SOLICITADA À FLEXÃO ______________________________ 29
FIGURA 17 - VARIAÇÃO DE ESFORÇOS E TENSÕES NUMA VIGA SIMPLESMENTE APOIADA DE BETÃO ARMADO _____________ 30
FIGURA 18 - ESTADO DE TENSÕES NO PONTO 1 E ORIENTAÇÃO DA FISSURA ___________________________________ 31
FIGURA 19 - ESTADO DE TENSÕES NO PONTO 2 E ORIENTAÇÃO DA FISSURA ___________________________________ 31
FIGURA 20 - ESTADO DE TENSÕES NO PONTO 3 E ORIENTAÇÃO DA FISSURA ___________________________________ 32
FIGURA 21 – FISSURAÇÃO TÍPICA DE UMA VIGA DE BETÃO ARMADO SUJEITA A ESFORÇOS DE TORÇÃO [1] _______________ 32
FIGURA 22- FISSURAÇÃO DEVIDO À DEFORMAÇÃO DO PAVIMENTO INFERIOR (1º LADO ESQUERDO); SUPERIOR (1º DO LADO
DIREITO), A AMBOS (A DE BAIXO) [1]
_______________________________________________________ 33
FIGURA 23- FISSURAÇÃO EM VÃOS DE ALVENARIA EM ELEMENTOS EM CONSOLA [1] ____________________________ 33
FIGURA 24-FISSURAS TÍPICAS EM PILARES DE BETÃO ARMADO (ESMAGAMENTO; INSUFICIÊNCIA DE ESTRIBOS E FLEXÃO COM
COMPRESSÃO, RESPECTIVAMENTE) [1]
______________________________________________________ 34
FIGURA 25 – ASSENTAMENTO DIFERENCIAL ENTRE PILARES [1] __________________________________________ 35
FIGURA 26 – ASSENTAMENTO DIFERENCIAL ENTRE PILARES _____________________________________________ 36
FIGURA 27 – PRODUÇÃO DE VAPORES NO INTERIOR DE UMA HABITAÇÃO [1] _________________________________ 38
FIGURA 28 – MECANISMO DE FORMAÇÃO DE EFLURESCÊNCIAS E CRIPTOFLURESCÊNCIAS [1] _______________________ 41
FIGURA 29 – EFLURESCÊNCIAS ________________________________________________________________ 42
FIGURA 30 – GEOMETRIA DAS SALIÊNCIAS NAS FACHADAS E SUA CAPACIDADE DE DISSIPAÇÃO DO FLUXO DE ÁGUA [1] ______ 44
FIGURA 31 – LOCALIZAÇÃO DO EDIFÍCIO, IMAGENS OBTIDAS NO GOOGLE MAPS _______________________________ 48
xix
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
FIGURA 32 - VISTA DA RUA AZEVEDO COUTINHO CONTEMPLANDO OS ALÇADOS NORTE E POENTE ___________________ 49
FIGURA 33 – VISTA EM PERSPECTIVA DO ALÇADO POENTE E SUL__________________________________________ 49
FIGURA 34 – VISTA DO ALÇADO NASCENTE________________________________________________________ 50
FIGURA 35 - PISO 1 (ESTACIONAMENTO E ARRUMOS) ________________________________________________ 51
FIGURA 36 – PISO 2 (RÉS-DO-CHÃO) ___________________________________________________________ 52
FIGURA 37 – PISO 3 (1º ANDAR) ______________________________________________________________ 52
FIGURA 38 – PISO 4 (2º ANDAR) ______________________________________________________________ 53
FIGURA 39 – PISO 5 (3º ANDAR) ______________________________________________________________ 53
FIGURA 40 – PISO 6 (4º ANDAR) ______________________________________________________________ 54
FIGURA 41 – PISO 7 (TERRAÇO) _______________________________________________________________ 54
FIGURA 42 – MATERIAIS EXTERIORES (PLACAS DE PEDRA (ESQ.); AZULEJOS (DIR. SUPERIOR); PASTILHA (DIR. INFERIOR)) ____ 58
FIGURA 43 – VIGAS APARENTES DE BETÃO ARMADO ENVOLVIDA POR AZULEJO. ________________________________ 59
FIGURA 44 – PLACAS DE FIBROCIMENTO E ALVENARIA (ALÇADO SUL) ______________________________________ 59
FIGURA 45 – PALA PINTADA DE BRANCO NO ÚLTIMO PISO ______________________________________________ 60
FIGURA 46 – ESQUEMA TIPO DA PAREDE EXTERIOR __________________________________________________ 60
FIGURA 47 – EQUIPAMENTO INSTALADO NO TERRAÇO ________________________________________________ 61
FIGURA 48 - FACHADA POENTE (PRINCIPAL) ___________________________________________________ 62
FIGURA 49 - FACHADA NASCENTE ___________________________________________________________ 63
FIGURA 50 - FACHADA NORTE ______________________________________________________________ 63
FIGURA 51 - FICHA DE AVALIAÇÃO DO RÉS-DO-CHÃO ESQUERDO _________________________________________ 66
FIGURA 52 - FICHA DE AVALIAÇÃO DO RÉS-DO-CHÃO DIREITO ___________________________________________ 67
FIGURA 53 - FICHA DE AVALIAÇÃO DO 1º ESQUERDO _________________________________________________ 68
FIGURA 54 - FICHA DE AVALIAÇÃO DO 1º DIREITO ___________________________________________________ 69
FIGURA 55 - FICHA DE AVALIAÇÃO DO 3º ANDAR ____________________________________________________ 70
FIGURA 56 - FICHA DE AVALIAÇÃO DO 4º ANDAR ____________________________________________________ 71
FIGURA 57 – CLASSIFICAÇÃO FINAL _____________________________________________________________ 72
FIGURA 58 – INQUÉRITO PREENCHIDO DO RÉS-DO-CHÃO ESQUERDO E DIREITO _______________________________ 74
FIGURA 59 – INQUÉRITO PREENCHIDO DO 1º DIREITO E ESQUERDO _______________________________________ 75
FIGURA 60 - INQUÉRITO PREENCHIDO DO 4º ANDAR _________________________________________________ 75
FIGURA 61 – ZONAS ONDE SE REGISTARAM AS ANOMALIAS DO RÉS-DO-CHÃO _________________________________ 78
FIGURA 62 – FISSURA LOCALIZADA NO TECTO “E” ___________________________________________________ 79
FIGURA 63- HUMIDADE POR BAIXO DA JANELA “A” __________________________________________________ 79
FIGURA 64 – ESCORRIDO JUNTO AO TECTO DO LADO ESQUERDO DA JANELA “D; F”______________________________ 79
FIGURA 65- DESCASCAR DA PINTURA NA SALA COMUM “A; B” ___________________________________________ 80
FIGURA 66 – ESCORRIDO PAREDE “D” ___________________________________________________________ 80
FIGURA 67 – FISSURA NA SALA COMUM “C” _______________________________________________________ 81
FIGURA 68 – FISSURA NO HALL DE ENTRADA “C” ____________________________________________________ 81
FIGURA 69 – PROLIFERAÇÃO DE FUNGOS “F” ______________________________________________________ 81
xx
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
FIGURA 70 – PRESENÇA DE HUMIDADE “A” _______________________________________________________ 83
FIGURA 71- ESCORRIDO NA PAREDE “D” _________________________________________________________ 83
FIGURA 72 - FISSURA VERTICAL NO QUARTO DE BANHO “C” ____________________________________________ 83
FIGURA 73 – FISSURAS LOCALIZADAS COM PRESENÇA DE HUMIDADE “E; H” __________________________________ 84
FIGURA 74 – FISSURAS LOCALIZADAS NO PAVIMENTO “G” ______________________________________________ 85
FIGURA 75 – FISSURA ORIENTADA A 45º “E” ______________________________________________________ 85
FIGURA 76 – ZONAS ONDE SE REGISTARAM AS ANOMALIAS DO 1º ANDAR ___________________________________ 87
FIGURA 77 – FISSURAS NA PAREDE “C” __________________________________________________________ 88
FIGURA 78 – FISSURA LOCALIZADA “E” __________________________________________________________ 88
FIGURA 79 – FISSURAS NA PAREDE ”C” __________________________________________________________ 89
FIGURA 80 – FISSURA LOCALIZADA “E” __________________________________________________________ 89
FIGURA 81 – FISSURA NO BORDO DA PAREDE E TECTO “L” ______________________________________________ 89
FIGURA 82 – FISSURA NA PAREDE “C” ___________________________________________________________ 89
FIGURA 83 – FENDA NO ARMÁRIO “C” __________________________________________________________ 90
FIGURA 84 – HUMIDADE E BOLOR NO TECTO “F” ____________________________________________________ 90
FIGURA 85 – EMPOLAMENTO DA PAREDE “J” ______________________________________________________ 91
FIGURA 86 – HUMIDADE NAS JUNTAS DOS AZULEJOS “I” _______________________________________________ 91
FIGURA 87 – HUMIDADES NO CANTO DO LADO ESQUERDO “F” __________________________________________ 91
FIGURA 88 – HUMIDADES NO CANTO DO LADO ESQUERDO E FISSURA A 45º “F; K” _____________________________ 92
FIGURA 89 – ZONAS ONDE SE REGISTARAM AS ANOMALIAS DO 3º ANDAR ___________________________________ 94
FIGURA 90 – EFLURESCÊNCIAS NA PAREDE SOB A JANELA “Q” ___________________________________________ 95
FIGURA 91 – INFILTRAÇÃO NO TECTO “H” ________________________________________________________ 95
FIGURA 92 – ANOMALIAS NA PAREDE DO LADO NORTE “A; Q; S; R; H” ______________________________________ 95
FIGURA 93 - HUMIDADE NA PAREDE E TECTO DO LADO NORTE “Q; R; H” ____________________________________ 95
FIGURA 94 – FISSURA NO PILAR NORTE “C” _______________________________________________________ 96
FIGURA 95 – FISSURA NO PILAR SUL “C” _________________________________________________________ 96
FIGURA 96 – INFILTRAÇÃO NO TECTO “R; H, U” _____________________________________________________ 96
FIGURA 97 – FISSURA LOCALIZADA “E” __________________________________________________________ 97
FIGURA 98 – FISSURA NO BORDO DA PAREDE E TECTO “L” ______________________________________________ 97
FIGURA 99 – FISSURA NO CANTO DA PORTA “C” ____________________________________________________ 97
FIGURA 100 – INFILTRAÇÃO, FISSURAS E DESTACAMENTO NO TECTO DA VARANDA “E; R; H; S; F; U” __________________ 98
FIGURA 101 – ARMADURA À VISTA “T; U; H; S; F; E” _________________________________________________ 99
FIGURA 102 – FISSURAS NA GUARDA DA VARANDA “C” _______________________________________________ 99
FIGURA 103 – ESCORRIDO NA GUARDA EXTERIOR DA VARANDA “Q; C” ____________________________________ 100
FIGURA 104 – VESTÍGIOS DE EFLURESCÊNCIAS_____________________________________________________ 100
FIGURA 105 – FISSURAÇÃO E DESCASCAR DE PINTURA NO TECTO ________________________________________ 101
FIGURA 106 – INFILTRAÇÃO E FISSURA NA PAREDE __________________________________________________ 101
FIGURA 107 – FISSURA LOCALIZADA COM TESTEMUNHOS DE GESSO ______________________________________ 102
xxi
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
FIGURA 108 – FISSURA ACOMPANHADA DE INFILTRAÇÃO NA PAREDE _____________________________________ 103
FIGURA 109 – FISSURA LOCALIZADA NO TECTO E NA PAREDE ___________________________________________ 103
FIGURA 110 – FISSURA LOCALIZADA NO PAVIMENTO ________________________________________________ 104
FIGURA 111 – FISSURA NA PAREDE DA ARRECADAÇÃO _______________________________________________ 104
FIGURA 112 - FACHADA POENTE (ALÇADO PRINCIPAL) _______________________________________________ 107
FIGURA 113 - FACHADA NASCENTE____________________________________________________________ 107
FIGURA 114 - FACHADA NORTE ______________________________________________________________ 108
FIGURA 115 – EFLURESCÊNCIAS NA VARANDA ”E” __________________________________________________ 109
FIGURA 116 – DELAMINAÇÃO DO BETÃO E ARMADURA À VISTA “B; C” ____________________________________ 110
FIGURA 117 – DELAMINAÇÃO DO BETÃO E ARMADURA À VISTA “B; C” ____________________________________ 110
FIGURA 118 – HUMIDADES “D”, ARMADURA À VISTA “C” E DESCASCAR DE PINTURA “F” ________________________ 111
FIGURA 119 – DELAMINAÇÃO DO BETÃO E PORMENOR DA RECOLHA DE ÁGUAS _______________________________ 111
FIGURA 120 – FISSURAS “A” E MANCHAS NA PEDRA “G” _____________________________________________ 112
FIGURA 121 - EFLURESCÊNCIAS NO AVANÇADO “E” _________________________________________________ 113
FIGURA 122 – DELAMINAÇÃO SUPERFICIAL DO BETÃO”B”, DESCASCAR DE PINTURA”F” E SUJIDADES ACUMULADAS “H” ___ 113
FIGURA 123 – FISSURAS/FENDAS NA PAREDE “A” E DESTACAMENTO DO BETÃO”B” ___________________________ 114
FIGURA 124 – FISSURAS/FENDAS NO CANTO DA JANELA “A” ___________________________________________ 115
FIGURA 125 – FISSURAS/FENDAS NA PAREDE “A” __________________________________________________ 115
FIGURA 126 – MANCHA NA PAREDE “G” ________________________________________________________ 116
FIGURA 127 – FISSURAS/FENDAS HORIZONTAIS NO AVANÇADO “A” ______________________________________ 116
FIGURA 128 – ESCORRIDOS DE SUJIDADES “H”, DESCASCAR DE TINTA “F” E DESTACAMENTO RECOBRIMENTO “C” _______ 117
FIGURA 129 – MANCHAS NA PAREDE “G” E SUJIDADES “H” ___________________________________________ 117
FIGURA 130 – FISSURAS/FENDAS NO AVANÇADO “A” _______________________________________________ 118
FIGURA 131 – FISSURAS/FENDAS HORIZONTAIS NO AVANÇADO “A” ______________________________________ 118
FIGURA 132 – FISSURAS/FENDAS HORIZONTAIS NO AVANÇADO “A” ______________________________________ 119
FIGURA 133 – ESCORRIDOS E HUMIDADE “H” ____________________________________________________ 119
FIGURA 134 – DESGASTE DAS CHAPAS __________________________________________________________ 119
FIGURA 135 – DESGASTE NOS DIFERENTES MATERIAIS E VEGETAÇÃO ENTRE O PAVIMENTO _______________________ 120
FIGURA 136 – DELAMINAÇÃO DO BETÃO E ARMADURA À VISTA NA ZONA INFERIOR DA GUARDA ____________________ 121
FIGURA 137 – ARMADURA E ESTRIBOS À VISTA NA GUARDA____________________________________________ 121
FIGURA 138 – FISSURAÇÃO GENERALIZADA ______________________________________________________ 122
FIGURA 139 – DESTACAMENTO DE BETÃO JUNTAMENTE COM PASTILHA ADJACENTE A UMA JUNTA DE DILATAÇÃO ________ 122
FIGURA 140 - FACHADA POENTE _____________________________________________________________ 131
FIGURA 141 – FACHADA NORTE ______________________________________________________________ 132
FIGURA 142 - FACHADA NASCENTE____________________________________________________________ 133
FIGURA 143 – ESQUEMATIZAÇÃO DE UM ETICS [8] ________________________________________________ 162
FIGURA 144 – PORMENORES DE ESCOAMENTOS ___________________________________________________ 165
xxii
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Índice de quadros
QUADRO 1 – CLASSIFICAÇÃO DO ESTADO DE CONSERVAÇÃO ____________________________________________ 64
QUADRO 2 - IDENTIFICAÇÃO E RESPECTIVA CODIFICAÇÃO DAS ANOMALIAS E REGISTO FOTOGRÁFICO DAS ANOMALIAS DO RÉS-DOCHÃO
____________________________________________________________________________ 77
QUADRO 3 - IDENTIFICAÇÃO E RESPECTIVA CODIFICAÇÃO DAS ANOMALIAS E REGISTO FOTOGRÁFICO DAS ANOMALIAS DO 1º ANDAR
________________________________________________________________________________ 87
QUADRO 4 - IDENTIFICAÇÃO E RESPECTIVA CODIFICAÇÃO DAS ANOMALIAS E REGISTO FOTOGRÁFICO DAS ANOMALIAS DO 3º ANDAR
________________________________________________________________________________ 93
QUADRO 5 – DISTRIBUIÇÃO DE ANOMALIAS NAS DIFERENTES FACHADAS DO EDIFÍCIO ___________________________ 106
QUADRO 6 – AGRUPAMENTO DAS POTÊNCIAS CAUSAS EM FUNÇÃO DO TIPO DE ANOMALIA _______________________ 130
QUADRO 7 - SOLUÇÕES PARA EVITAR A FORMAÇÃO DE SUJIDADES NOS ELEMENTOS (RESENDE, 2004) ______________ 165
xxiii
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
xxiv
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Capitulo I – Abordagem teórica
Introdução
Cada vez mais se assiste nas cidades a uma crescente preocupação dos cidadãos e de
algumas instituições pela Reabilitação do património edificado. Estas preocupações advêm
sobretudo devido à ausência ou escassez de Conservação corrente e, em muitas situações,
por se ter atingido o fim de vida de alguns materiais do edifício. Os materiais,
componentes e elementos construtivos envelhecem ao longo dos anos, ocorrendo em
paralelo desajustes espaciais e funcionais dos edifícios. As acções para adaptar estes
edifícios às necessidades actuais obrigam, em geral, a intervenções mais ou menos
profundas, que devem ser levadas a cabo de forma cuidada.
Outro motivo para esta mudança de mentalidade, prende-se ao desenvolvimento de
estratégias de qualificação urbana, que visa a melhoria de qualidade de vida que potencia,
por outro lado uma revitalização económica social e cultural, assim como a implementação
de políticas de preservação ambiental, nomeadamente a rentabilização das infra-estruturas
existentes.
É um facto que hoje a Reabilitação é um objectivo real e que será uma das futuras áreas
da Engenharia Civil. No entanto, esta não é uma tarefa fácil. É uma tarefa complexa, com
diversas especificidades e com inúmeras condicionantes devido às pré-existências próprias
de cada edifício. Deste modo, é comum haver uma certa ambiguidade no que diz respeito
aos conceitos relacionados com a recuperação de edifícios ou elementos do mesmo.
Considera-se pois pertinente distinguir as diferenças de conceitos como a manutenção,
conservação e reabilitação de edifícios.
Capitulo I
1
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Manutenção, Conservação e Reabilitação
Um edifício, após a sua construção, irá estar associado a um conjunto de comportamentos
de degradação que poderão ser visíveis ao longo do tempo. Assim, em estado de serviço e,
à medida que os anos passam, o seu nível de qualidade vai decrescendo, havendo uma
degradação de juventude ou precoce, com uma posterior estabilização. Por fim, haverá
uma aceleração do ritmo de degradação que corresponde, na sua maioria, ao período de
fim de vida de muitos elementos de edifício.
É de notar que com a implementação de medidas de Manutenção e de Conservação, e
segundo uma estratégia pré definida, é possível incrementar o nível de qualidade do
edifício.
Analisando a figura 1, note-se que, com uma acção de Reabilitação é possível conferir ao
edifício um nível de qualidade superior à qualidade inicial deste. Esta acção baseia-se
numa intervenção de fundo que pretende minimizar o grau de obsolência que o edifício
apresentava. Este grau de obsolência define-se como sendo o diferencial entre o estado do
edifício num determinado momento da sua vida e o estado que um edifício semelhante
apresentaria se fosse construído nesse mesmo momento.
É de notar que, poderá haver no decorrer do período de vida do edifício, situações
acidentais que façam decair imediatamente o nível de qualidade exigêncial do edifício.
Todas estas acções de intervenção visam evitar, a longo prazo, que o edifício entre num
patamar, que corresponde ao limite de insatisfação, que está associado a um nível de
qualidade extremamente reduzido e que não permite a sua utilização, onde qualquer acção
de intervenção é economicamente inviável e, onde a sua demolição é o mais recomendável.
Capitulo I
2
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 1 – Evolução do nível de satisfação nos edifícios
Os conceitos de Manutenção e Conservação encontram-se associados, uma vez que
pertencem a um conjunto de acções de carácter preventivo das características do edifício.
Estas acções têm como principal objectivo, a continuidade da boa funcionalidade de
determinados elementos do edifício e procuram de certo modo atribuir a esses elementos as
suas características iniciais, implementando para isso acções de natureza técnica e
administrativa.
A Manutenção de um edifício tem o propósito de manter o edifício num bom estado de
funcionamento. Desta forma, podemos dizer que através da implementação de medidas,
destinadas a manter um nível de qualidade inicial aos elementos do edifício, é essencial
para prevenir o aparecimento de potenciais problemas. As medidas de Manutenção
deverão contemplar desde prevenção por parte do utilizador, até à intervenção de pessoal
técnico especializado quando necessário. [16]
Assim, de um modo geral, as acções de Manutenção deverão ter um carácter periódico e
ser implementadas em todos os edifícios, devendo abranger os seguintes exemplos:
Capitulo I
3
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático

Verificação do funcionamento dos sistemas de abastecimento e drenagem de águas;

Limpeza periódica das coberturas;

Limpeza periódica do sistema de drenagem águas pluviais (horizontal e vertical);

Inspecção visual periódica;

Controlo de aparelhos e acessórios mecânicos (lubrificação, limpeza e bom
funcionamento);

Limpezas em geral.
No mesmo âmbito surge o conceito de Conservação, que pode ser entendido como o
conjunto de acções correctivas que são tomadas de forma a prolongar o tempo de vida de
um edifício, através de implementação de intervenções de Manutenção regulares e
periódicas. Correntemente estes dois termos que abordam a temática do edifício da mesma
perspectiva, por vezes são facilmente confundidos sendo o acto, ou não, de preservar que
as distingue. [16]
Já diferenciados os conceitos anteriores surge então o termo de Reabilitação, muitas vezes
utilizado em projectos de Engenharia Civil. Os aspectos que, fundamentalmente, a
distingue das anteriores são:

Tipo de obra;

Impacto no desempenho funcional do edifício.

Tecnologias utilizada;

Montantes investidos;
Capitulo I
4
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
O conceito de Reabilitação, que se desenvolveu largamente durante os últimos 30 anos, em
especial, nas décadas mais recentes em virtude duma deterioração acelerada da construção.
Basicamente, esta deterioração ficou a dever-se à evolução que sofreu o nível exigêncial dos
edifícios, muito particularmente os de habitação. Também o desenvolvimento industrial,
tanto pela concentração de população como pela alteração ecológica, contribuiu
decisivamente para o acelerar da degradação em termos globais. Por outro lado, e a nível
Europeu, após o imenso parque habitacional danificado que resultou do pós-guerra, houve
necessidade de pensar nos edifícios na sua vertente de durabilidade e não apenas
esteticamente, como tinha se vindo a notar. A estagnação do crescimento populacional de
muitos países, associada a um clima económico favorável, permitiu que a problema da
habitação fosse praticamente resolvido. Deste modo, a indústria da construção desses
países viu-se na necessidade de se voltar para a Conservação e Reabilitação de edifícios.
Outro factor importante que motivou o incremento de acções de Reabilitação, tem a ver
com o crescimento urbano, principalmente dos grandes centros, e com a necessidade
cultural de manter uma certa identidade citadina. A preservação dos edifícios dos centros
históricos da grande maioria das cidades europeias, tem vindo a mobilizar operações de
Reabilitação.
Em Portugal, é ainda possível identificar outro factor importante que, certamente, irá
contribuir para a implementação de acções de Reabilitação. É o facto, de durante anos
terem estado congeladas as rendas das habitações dos grandes centros que, devido ao
aumento da inflação, impediu os proprietários de acumular meios económicos para
manutenção dos edifícios. Desta forma, além da flagrante injustiça social que tal motivou,
contribuiu para a existência de um imenso parque habitacional degradado.
Reabilitar um edifício é geralmente um processo mais complexo que a construção de uma
edifício novo. Haverá que se analisar um conjunto de aspectos como a rentabilidade do
Capitulo I
5
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
investimento, a preservação do edificado, as mais ou menos valias que poderiam resultar
da intervenção, quer em termos do edifício em si, quer dos terrenos onde o edifício está
construído, do grau de complexidade técnica a empregar entre outros.
Antes de se avançar para uma intervenção é necessário proceder-se à implementação de
uma metodologia de estudo, que permite analisar os vários aspectos a serem corrigidos,
procurando encontrar a melhor forma de se intervir. Assim sendo, e para melhor se
entender as metodologias inerentes a este estudo, convém ter a noção das seguintes
definições correntemente utilizadas nestes trabalhos.
Capitulo I
6
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Breves Definições
Anomalia/Patologia
O termo patologia está associado a todo o conjunto de manifestações anómalas associadas
a uma cadeia de fenómenos de “causa-efeito” que está subjacente a essas manifestações.
Isto é, uma patologia será uma anomalia devidamente diagnosticada.
Em edifícios, é comum existir subjacente a uma manifestação anómala não apenas uma
causa simples mas um conjunto de causas e efeitos que, no seu conjunto, afectam e
originam estas manifestações. Assim sendo, uma causa detectada pode ser consequência de
uma cadeia de causas, sendo fulcral detectar qual a primeira de uma anomalia.
Este processo designa-se como diagnóstico, e é a operação mais difícil e complexa de todo
o processo de intervenção correctiva ou de Reabilitação, havendo necessidade de recorrer a
sondagens, recolha de amostras, ensaios “in-situ” e/ou laboratoriais, inquéritos aos
utilizadores, construtores e projectistas.
Fissuração/Fendilhação
Os termos de fissuração e fendilhação encontram-se directamente interligados neste tipo de
trabalhos. Normalmente, as fissuras, aberturas de pequena dimensão, estão associados, na
grande parte das vezes, a fenómenos de geologia dos materiais (expansões/retracções;
acção térmica; acção de humidade). Por outro lado as fendas, normalmente, encontram-se
associadas a deformações estruturais, que muito correntemente originam tensões de
magnitudes bastantes superiores nos elementos, agravando assim a anomalia do elemento.
Isto não impossibilita que qualquer uma delas poderá estar relacionada com os mesmos
fenómenos.
Capitulo I
7
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Correntemente, e dependendo da natureza de interpretação de muitos técnicos, existe uma
diferença dimensional que poderá facilitar a sua diferenciação, assim as fissuras poderão
ser classificadas quando à sua espessura da abertura for (<0,7mm) e as fendas (0,7mm).
No decorrer da identificação das anomalias, na parte prática deste trabalho, devido em
grande parte à falta de meios técnicos, assim como acessibilidades a certos locais, muitas
destas anomalias não puderam ser classificadas, sendo portanto os conceitos de fissuração
e fendilhação correntemente misturados ao longo deste trabalho.
Conceitos correntes em intervenções em Edifícios
Na figura 2, encontra-se de forma esquemática e sintetizada a relação de muito termos
correntes utilizados no âmbito das intervenções em edifícios já existentes. Assim, pode-se
dizer que qualquer acção de intervenção poderá ser de Manutenção/Conservação ou de
Reabilitação. Por sua vez a Reabilitação pode ser especificada em acções de
Beneficiação/Modernização e de Recuperação. Onde por sua vez esta ultima poderá estar
associada a acções de Demolição, Revitalização e Remodelação. Qualquer uma destas
intervenções podem estar associadas às seguintes formas: Alteração, Ampliação, Restauro
e Reconstrução.
Em casos correntes é muito frequente estar associado a uma intervenção mais que um tipo
destas metodologias aqui esquematizadas. Onde poderá haver uma mais predominante.
Capitulo I
8
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 2 – Terminologia nas intervenções em edifícios
Capitulo I
9
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Metodologia da Reabilitação
O estudo a efectuar focaliza-se na abrangência do edifício, no seu todo, onde se
manifestam, de um modo geral, várias situações anómalas. As situações deste tipo, que em
geral têm como objectivo a elaboração de um projecto, deverão obedecer a uma
metodologia cuidada e pormenorizada, para que não seja conduzido para uma vertente
pouco eficaz.
Primeiramente, deverá ser feita uma apreensão global de toda a situação do edifício em
estudo. Deverão então ser realizados os seguintes processos:

Levantamento de Manifestações de anómalas, convidando, se possível, os
utilizadores a responderem a inquéritos individualizados;

Visita ao local;

Observação visual da envolvente;

Reconhecimento da construção;

História;

Manifestações de anomalias;

Associação de manifestações;

Diagnóstico (Sondagens; Ensaios; Listagem de potenciais Causas; Definição de
causas mais plausíveis);

Proposta de Intervenção;

Definição, com o dono de obra, do tipo e profundidade de intervenção.
No levantamento de manifestações, deve-se proceder a uma inspecção do edifício que pode
ser desenvolvida segundo duas formas distintas: tipo de ocupantes e precisão do
levantamento. Deve ser então realizado um inquérito, isto quando existirem ocupantes
Capitulo I
10
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
com algum conhecimento do edifício. Este tipo de documento deve ser extensivo à
totalidade do edifício e aos respectivos ocupantes. Devendo ser realizado com algum
cuidado como por exemplo não utilizar linguagem técnica, apresentar exemplos se possível
com fotografia e alguns concelhos de procura de anomalias. Estes inquéritos devem ser
após recolhidos, objecto de análise e estudo e nas situações mais importantes, motivo de
visita pelo técnico especializado.
Outra forma de levantamento das manifestações, pode ser, por uma inspecção aos locais
afectados pelas anomalias tanto na globalidade do edifício como em situações pontuais,
esta inspecção deverá ser feita por técnico especializado.
A Observação visual da envolvente, destina-se a efectuar um levantamento exaustivo do
desenvolvimento
espacial
da
manifestação,
percorrendo,
se
necessário,
outros
compartimentos contíguos ou pisos do mesmo edifício. Em particular, quando se trata de
elementos com face exterior não directamente acessível pode mesmo ser necessário recorrer
a meios fotográficos de amplificação óptica para melhor observação.
Deve ser também efectuado um reconhecimento da construção, onde se desenvolve a
anomalia, pode ser obtida da seguinte forma:

Observação directa

Levantamento Dimensional

Consulta do projecto de construção

Sondagem

Informação do construtor e/ou utente

Correlação com a tipologia construtiva
Capitulo I
11
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Um levantamento de todos os dados de natureza histórica, este procedimento destina-se a
recolher a seguinte informação:

Datas em que surgem as manifestações

Sua evolução

Características cíclicas

Qualquer outra actividade
Nas manifestações anómalas, deve procurar-se através de observação visual e inspecção do
edifício encontrar outras manifestações que apresentem um comportamento idêntico e que
possam indiciar o mesmo mecanismo “causa-efeito”. Como exemplo disso, temos os
assentamentos diferenciais das fundações que se fazem verificar a toda a altura do edifício.
Ou então, locais com soluções construtivas semelhantes, que deverão apresentar as mesmas
manifestações se se tratar de um erro sistemático de construção.
Deve ser feito uma associação de manifestações, que tem como objectivo o agrupamento de
todas as manifestações com características semelhantes, independentemente de na fase de
diagnóstico não terem as mesmas “causas”. Deste modo, as anomalias poderão ser
agrupadas e sistematizadas por todo o edifício. O objectivo desta metodologia é estabelecer
um conjunto de grupos de manifestações que, eventualmente, poderá caracterizar a mesma
patologia.
O diagnóstico trata-se de um conjunto de procedimentos efectuados de forma iterativa e
não cronologicamente sequenciais, com o objectivo de apreender a totalidade do fenómeno
e identificar a “causa-efeito”. Para comprovar um diagnóstico é muitas vezes necessário
recorrer a experimentação para testar hipóteses de comportamento. Esta experimentação
Capitulo I
12
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
pode depender de apoio laboratorial e ser ou não executado “ in-situ”. Lista-se então um
conjunto de ensaios que permitem apoiar um diagnóstico credível.

Relativamente a fissuras/fendas:
 Medição com o alongâmetro de deslocamentos em juntas e fissuras;
 Ensaios esclerométricos;
 Monitorização de abertura de fissuras e fendas com o fissurómetro
simples;
 Ensaio de ultra-sons em betão.

Corrosão de armaduras:
 Detecção de corrosão activa em armaduras por medição dos potenciais
eléctricos;
 Detecção de delaminações superficiais por precursão, arrastamento de
correntes ou aparelho de rodas dentadas;
 Detecção de armaduras e avaliação do seu diâmetro e recobrimento;
 Ensaio expedito de determinação da permeabilidade aparente do betão
ao ar e à água;
 Ensaio de Karsten;
 Determinação da profundidade de carbonatação de betões, argamassas
ou outros materiais cimenticios;
 Avaliação do risco de corrosão activa das armaduras através da medição
da resistividade do betão;
 Determinação do teor em cloretos.

Humidades:
 Medição da humidade no interior de paredes;
Capitulo I
13
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
 Medição expedita da humidade superficial em paredes.

Eflorescências:
 Determinação de sais em eflurescências e na água em contacto com
construções.

Ensaios gerais de estruturas e de alvenaria:
 Medição da espessura de elementos metálicos por meio de ultra-sons;
 Buroscopia;
 Ensaio esclerométrico;
 Levantamento termográfico;
 Medição de velocidade de impulsos mecânicos na alvenaria.
Deverão ser listadas as causas associadas a cada anomalia de forma independente e
sistemática. Com base nas conclusões tiradas de análises, vão sendo eliminadas as causas
que não são justificadas. Nesta fase é por vezes impossível (por limite de tempo, custo,
acesso, etc.) eliminar algumas causas pelo que nem sempre é possível chegar a uma única
conclusão. Refira-se que, o objecto deste procedimento é proceder à eliminação de causas
comprovadamente não associadas à anomalia.
O diagnóstico consiste então, na interpretação das etapas anteriores, com o intuito de
proceder à descrição do mecanismo de “causa-efeito” que justifica a manifestação
observada e identificar claramente a causa sobre a qual se deverá preferencialmente
actuar. Convém no entanto referir que, na maioria das situações é extremamente difícil
proceder a uma explicação objectiva da situação, pelo que é plausível que se estabeleça o
diagnóstico com base em mais do que uma causa e mesmo sem qualquer explicação do
mecanismo que gera a patologia. É sempre preferível assumir a incerteza que afecta a
decisão do que fundamentá-la com base em suposições.
Capitulo I
14
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
A Intervenção, deverá ser prescrita tendo como primeiro objectivo a eliminação da (s)
causa (s). Deve ter como base, um documento onde se relate o diagnóstico e se refira quais
as medidas a tomar. Deve conter uma caracterização geral, onde se refere qual o princípio
de actuação tendo como base as seguintes hipóteses:

Eliminação da causa (s);

Eliminação da manifestação;

Reforço da capacidade resistente, substituição.
Quase sempre as anomalias decorrem da conjugação de vários factores adversos,
confluência essa, que se pode dar simultaneamente no tempo, ou suceder em sequência
com acumulação de efeitos, até ao limiar de desencadeamento de processo. A tipificação
das causas de anomalias é uma tarefa bastante difícil, e possivelmente não alcançável de
uma forma simplicista. Esta complicação advém de diversos factores entre eles:

Vasta variedade de elementos constituintes do edifício;

Complexidade do meio ambiente onde o edifício esta inserido e a margem que os
utentes podem ter sobre ele;

As várias fases que o edifício passa, nomeadamente, concepção, projecto,
construção, utilização, manutenção e demolição;

Várias funções distintas que os componentes do edifício possa ter assim como a
diferenciação dos critérios de aceitabilidade de ocorrências prejudicando diferentes
funções;

A elevada ligação entre causas e efeitos de várias manifestações que se podem
desenvolver em simultâneo, o que origina que um mesmo acontecimento è
Capitulo I
15
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
consequência dum fenómeno a montante e ao mesmo tempo é a causa de outro a
jusantes.
Capitulo I
16
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Manifestações anómalas
No edifício em análise, foram detectadas e estudadas anomalias cujas potenciais causas
vieram a ser atribuídas a alguns dos seguintes fenómenos:

Corrosão de armaduras;

Fissuração/Fendilhação;

Humidades;
Corrosão das armaduras
A corrosão de armaduras, figura 3, é evidenciada, num aumento do seu volume, que
promove a fendilhação ao longo das armaduras e culminando em delaminação da camada
de recobrimento de betão, figura 4. Esta fendilhação é causada pela expansão diametral
das armaduras, que vem em consequência de fenómenos de salinização e/ou carbonatação,
resultante, como exemplo, de deficiente execução de betonagem, reduzido recobrimento e
elevada porosidade de betão.
Figura 3 – Corrosão em betão armado
Capitulo I
17
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 4 – Esquematização de fissuração e delaminação devido à corrosão das armaduras [1]
O recobrimento funciona como uma camada protectora de betão que envolve as
armaduras. O betão, que é uma pasta de cimento que contém álcalis, óxidos e hidróxidos
de ferro, funciona como um agente alcalino, conferindo um pH entre 11,5 e 14, que impede
que ocorra a corrosão do aço. Assim, a espessura de recobrimento adoptada para cada
estrutura deverá ser em função da localização do edifício e das características intrínsecas
do betão.
Como já foi dito, o ambiente onde se insere o edifício também participa activamente na
eventual corrosão das armaduras. Normalmente, é em locais com uma atmosfera húmida e
muito contaminada por gases ácidos que se propicia à ocorrência deste fenómeno, sendo
em atmosferas mais secas que raramente esta ocorre.
Muitas das vezes este fenómeno de corrosão é acelerado. Esses elementos aceleradores
podem ser os iões sulfuretos, iões cloretos, o dióxido de carbono, os nitritos, o gás
sulfídrico, etc.
A carbonatação, que se caracteriza pela reacção do dióxido de carbono, presente na
atmosfera, com os hidróxidos do betão origina o decréscimo do pH do betão, normalmente
Capitulo I
18
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
para valores inferiores de 8 e 9,5 o que altera consequentemente o seu comportamento. O
que acontece ao betão é a perda das suas condições termodinâmicas adequadas à
passivação do aço das armaduras. Deste modo, a velocidade de carbonatação depende dos
seguintes factores:

Humidade relativa do ar;

Relação água/cimento;

Estrutura, idade, conservação e composição do betão;

Condições atmosféricas.
A salinização é atribuída nos casos mais correntes à acção dos cloretos. Estes iões
despassivantes, podem ser encontrados na natureza dissolvidos em água, no estado sólido,
depositando-se na superfície do betão e também podem ser transportados pelo ar. Os
cloretos podem também vir no interior do betão devido, muitas vezes, à natureza dos
inertes utilizados na confecção do betão e argamassas. A penetração destes agentes
agressivos dá-se através de mecanismos de absorção capilar, difusão, permeabilidade e
migração. Esta penetração prolongada, irá promover uma concentração localizada junto à
superfície do aço, sendo a sua principal acção a corrosão do aço.
Na figura 5 está esquematizado o que acontece numa pilha de corrosão electroquímica, que
se dá na armadura.
Capitulo I
19
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 5 – Célula de corrosão em betão armado [1]
Como em qualquer célula desta natureza, existe sempre um ânodo, um cátodo um
elemento condutor (aço) e um electrólito. Quando acontece uma diferença de potencial
entre as duas zonas (anódica e catódica) origina ao aparecimento de uma corrente
eléctrica. O que acontece é que a corrosão é um factor de dimensão dessa corrente e da
presença em excesso de oxigénio. A presença de água é um elemento sempre presente no
betão e com condições para funcionar como electrólito. As diferenças de humidades,
concentração de sais, tenções no betão e no aço podem provocar a formação de pilhas ou
cadeias delas conectadas em série, podendo até ocorrer a alternância de pólos.
Fissuração/Fendilhação
Uma das anomalias mais frequentes nos edifícios é a fissuração/fendilhação. Estas
manifestações, poderão sugerir, que está a ocorrer um eventual estado perigoso do
elemento, durabilidade do elemento, e contribuir para a manifestação de outras anomalias.
Capitulo I
20
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Deste modo, a fissuração pode surgir devido a um vasto número de factores externos aos
elementos, entre os quais se realçam os seguintes:
Geologia dos materiais:

Variações Térmicas;

Variações do teor de Humidade;

Retracção/Expansão;
Estruturais:

Actuação de sobrecargas;

Assentamentos das fundações;
Variações térmicas
Todos os materiais apresentam comportamentos diferenciados, no que diz respeito à
actuação de temperatura sobre eles. Assim, num edifício os elementos estão sujeitos a
variações de temperatura sazonais e diárias que irão se manifestar na dilatação ou
contracção de cada um deles dependendo assim da temperatura, do coeficiente de
dilatação térmica e das suas características geométricas.
O grande problema que surge nas construções é a confinação de deslocamentos de muitos
elementos e componentes, levando à acumulação de tensões nos vários materiais.
Estas anomalias de natureza térmica, que no caso dos edifícios está relacionada em grande
maioria com a influência da energia solar, poderão surgir pela compatibilidade de dilatação
de materiais adjacentes de determinado componente, entre componentes distintos e entre
regiões distintas de um mesmo material.
As anomalias verificas em edifícios, devido a expansões e retracções diferenciais em
elementos, assumem diversas configurações e intensidades:
Capitulo I
21
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático

Fissuras entre alvenaria e elementos estruturais;

Fissuras horizontais em alvenaria devido a movimentações térmicas da laje de
cobertura;

Fissuras verticais regularmente espaçadas em muros longos;

Fissuras inclinadas em paredes devido a movimentações diferenciais entre pilares
expostos e pilares protegidos;
Figura 6 – Fissuração corrente de variações térmicas
Figura 7 – Fissuração em paredes inseridas em estruturas de betão armado
Capitulo I
22
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Variações do teor de Humidade
Os elementos constituintes dos edifícios, podem sofrer fissuração devido a alterações do seu
teor de humidade, da mesma forma como acontece nas variações térmicas, existe retracção
e expansão dos materiais. Esta variação dimensional é em função das suas características e
do meio onde se inserem. Deste modo, na presença de condições de humidade relativa
baixas acontece uma retracção do material e expansão quando humidades relativas mais
elevadas.
As características físicas dos materiais estão inteiramente relacionadas com a sua
capacidade de absorção de água. As duas características essenciais dos materiais nesta
matéria são: capilaridade e porosidade. Na secagem de materiais porosos, a capilaridade,
provoca o aparecimento de forças de sucção, responsáveis pela condução da água até a
superfície do componente, onde ela será posteriormente evaporada, com eventual deposição
de sais dissolvidos as eflurescências.
De um modo geral, as fissuras de retracção, apresentam uma geometria descontínua sendo
de largura reduzida (raramente ultrapassando 0,2 ou 0,3 mm) com um aspecto mapeado.
Figura 8 – Fissuração de paredes de alvenaria devido à variação de humidade [1]
Capitulo I
23
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Existem 2 tipos de fissuras deste tipo:

Reversíveis.
 Dessecação;

Irreversíveis;
 Hidratação;
 Carbonatação;
Inicialmente, numa argamassa irá ocorrer a saída de água para o exterior através dos seus
poros, esta migração da água, que poderá tanto se dar por evaporação ou absorção, por
parte do suporte, irá originar a uma retracção inicial acompanhada de redução da massa.
A retracção por dessecação é parcialmente reversível, ou seja, o elemento poderá adquirir
novamente o seu volume se for molhado.
Os fenómenos de hidratação do cimento contribuem da mesma maneira para uma
retracção da argamassa, gerada por intermédio do consumo de água dos poros para as
reacções químicas. Designa-se então por retracção de hidratação toda a parcela de
retracção decorrente das reacções de hidratação, incluindo componentes de autodessecação
e de origem química. Este tipo de retracção, devido à importância da componente química
tem um coeficiente de reversibilidade muito reduzido.
A retracção de carbonatação deve-se a uma reacção do dióxido de carbono da atmosfera
com os componentes hidratados do cimento, especialmente com o hidróxido de cálcio, que
origina produtos sólidos, como o carbonato de cálcio, cujo volume total é inferior à soma
dos volumes dos componentes do cimento que entraram na reacção. A velocidade de
carbonatação é influenciada pela higrometria do ar. A retracção por carbonatação
Capitulo I
24
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
juntamente com a de hidratação possui uma natureza irreversível mesmo quando na
presença de um ambiente húmido.
Figura 9 – Fissuração em alvenaria devido à acção da humidade
Figura 10 – Fissuração inferior na parede de alvenaria devido à variação da humidade
Retracção Global
Os betões e as argamassas utilizadas nas construções normalmente apresentam uma
relação de água/ligante elevado, o que origina a retracção inicial dos materiais.
È importante interligar este fenómeno de retracção com o explicado nos casos de
fissuração térmica e de humidade. Na realidade, distinguem-se 3 formas de retracção que
surgem em elementos da construção:

Retracção química, quando a água reage com o cimento levando a uma redução de
volume, originando forças internas de coesão;
Capitulo I
25
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático

Retracção de secagem, a água em excesso ao evaporar ou absorvida origina forças
capilares equivalentes a compressões, reduzindo assim o volume e aumentando a
porosidade;

Retracção carbonatação;
Normalmente estas três causas anteriores sobrepõem-se e interagem entre si, onde por
vezes os efeitos inerentes serem, por vezes, contraditórios, a sua acumulação resulta quase
sempre em retracção.

Retracção térmica, provocada pelo calor de hidratação desenvolvido durante as
reacções de hidratação, sobretudo quando se inicia a presa.
Figura 11 – Fissuração mapeada em parede de alvenaria devido a retracção
Actuação de sobrecargas
A fissuração tanto em elementos de alvenaria como estruturais poderá ocorrer devido à
existência de sobrecargas, que muitas vezes se encontram previstas no projecto e outras
tantas não, que não implicam necessariamente a ruptura dos elementos ou sua
instabilidade.
Capitulo I
26
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
A ocorrência de fissuras num determinado elemento de betão armado provoca uma
redistribuição de tensões ao longo do componente fissurado e mesmo nos componentes
vizinhos, de maneira que a solicitação acaba sendo absorvida de forma globalizada pela
estrutura, ou parte dela. Obviamente que, este raciocínio não pode ser estendido
indiscriminadamente, já que existem casos em que é limitada a possibilidade de
redistribuição das tensões, seja pelo critério de dimensionamento da peça, seja pela
magnitude das tensões desenvolvidas ou mesmo pelo próprio comportamento, conjunto do
sistema estrutural adoptado [1].
Figura 12 – Fissuração em alvenaria devido a sobrecarga excessiva [1].
As fissuras normalmente originadas nas paredes de alvenarias, derivadas da actuação das
sobrecargas, são verticais, figura 12, ocorrendo derivado da deformação transversal da
argamassa de assentamento e dos próprios componentes de alvenaria. Poderá em algumas
excepções haver a formação de fissuras horizontais, quando ocorre o esmagamento de
elementos pouco resistentes da parede de alvenaria ou esmagamentos da argamassa de
assentamento. Poderá ocorrer a fissuração com outras orientações, dependo da forma de
carregamento em cada elemento como pode ser facilmente compreendido nas figuras
seguintes.
Capitulo I
27
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 13 - Fissuração em alvenaria devido a apoio de uma viga [1]
Como foi anteriormente dito, a orientação de muitas fissuras dependerá dos materiais, das
dimensões e das aberturas nestes componentes do edifício devido ao efeito de concentração
de tensões, sobretudo nas mudanças bruscas de geometria dos elementos.
Figura 14 – Fissuração em alvenaria devido a concentração de tensões [1]
Figura 15 - Aplicação de reboco nos vértices do elemento
Um factor que apresenta elevada importância no aparecimento de fissuras em paredes de
alvenaria é a existência de aberturas de portas e janelas, em que normalmente há a
acumulação de tensões nos vértices. Uma das maneiras mais eficazes para se prevenir o seu
Capitulo I
28
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
aparecimento é a construção de “vergas” sobre estas aberturas ou a aplicação de reboco
armado nas zonas mais sensíveis (vértices). Normalmente, este tipo de fissura está
relacionado com a dimensão do pano de alvenaria, da dimensão das aberturas, da
anisotropia dos materiais e das magnitudes das tensões envolvidas.
Para os casos mais comuns de uma estrutura de um edifício, os elementos sujeitos a flexão
são de um modo geral dimensionados, prevendo-se a fissuração nas regiões sujeitas a
esforços de tracção. O que se procura nos dias correntes é minimizar esta fissuração não só
em termos estéticos, mas principalmente no que se refere a corrosão das armaduras.
Numa viga sujeita á flexão, as fissuras que se formam são praticamente verticais no terço
médio do vão e apresentam aberturas gradualmente maiores na direcção da face inferior da
viga, ou seja no local onde ocorre uma maior tracção do elemento. Junto aos apoios elas
começam a tomar uma direcção de aproximadamente 45º, devido ao corte dos apoios,
figura 16.
Figura 16 – Fissuração típica de uma viga isostática solicitada à flexão
Capitulo I
29
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 17 - Variação de esforços e tensões numa viga simplesmente apoiada de betão armado
Numa viga simplesmente apoiada, figura 17, submetida a um carregamento uniforme, o
esforço transverso e o momento flector variam ao longo do eixo longitudinal da peça. Num
determinado ponto da peça obtém-se uma combinação de tensão normal com tangencial.
Este estado de tensão combinada denomina-se como sendo o estado principal de tensão. O
círculo de Mohr facilita a compreensão deste estado de tensão.
Quando a tensão principal ultrapassa o valor da tensão de rotura do material o betão
fendilha, havendo deste modo uma distribuição de tensão entre o betão e o aço. Num
ponto localizado no eixo neutro da peça, ponto 1, a tensão normal é zero e a tangencial é
máxima, um elemento a este nível está sob tensão pura. A tensão principal fica inclinada a
45º em relação ao eixo neutro. Na figura 18, é possível visualizar esta representação num
estado plano de tenção.
Capitulo I
30
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 18 - Estado de tensões no ponto 1 e orientação da fissura
Figura 19 - Estado de tensões no ponto 2 e orientação da fissura
Como o esforço transverso é máximo junto aos apoios, as fissuras tendem a aparecer junto
dos suportes. Estas fissuras são formadas em torno do eixo neutro e perpendiculares à
tensão principal (1). Deste modo as fissuras são inclinadas a 45º em relação ao eixo
neutro. Deste modo para uma interpretação cuidada da fissuração do betão armado é
necessário pois um estudo das tensões principais.
No ponto 3, o estudo será semelhante, a tensão normal é praticamente máxima e a
tangencial é praticamente nula. A tensão principal (1) é praticamente paralela à face
Capitulo I
31
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
inferior. Onde o anglo de inclinação de 1 em relação ao eixo da longitudinal da peça é
inferior a 45º.
Figura 20 - Estado de tensões no ponto 3 e orientação da fissura
Como o momento flector é máximo a meio vão. As fissuras tendem a ocorrer na zona
tracionada a meio vão. Estas fissuras são formadas a partir da face inferior e
perpendiculares à tensão principal (1). Como nesta situação anterior a tensão 1 é
praticamente paralela ao bordo inferior, as fissuras formam-se perpendicularmente a este
bordo.
Um tipo de fissuras típico nestas estruturas é devido aos esforços de torção, originadas
devido à grande deformabilidade das lajes e vigas inerentes, levando ao aparecimento de
fissuras de 45º aparecendo nas superfícies laterais das vigas, ver figura 21.
Figura 21 – Fissuração típica de uma viga de betão armado sujeita a esforços de torção [1]
Capitulo I
32
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
A deformação de alguns componentes estruturais pode trazer certas complicações ao bom
funcionamento de um edifício nomeadamente, aparecimento de humidades interiores,
emperramento da caixilharia, quebra da placa de vidro das janelas, desprendimento de
revestimentos etc. Nas figuras seguintes pode-se melhor entender os efeitos que inserem as
estruturas e aos elementos de alvenaria.
Figura 22- Fissuração devido à deformação do pavimento inferior (1º lado esquerdo); superior (1º
do lado direito), a ambos (a de baixo) [1]
Figura 23- Fissuração em vãos de alvenaria em elementos em consola [1]
A anomalia da, figura 23, é muito comum em avançados nas habitações, a explicação
desta orientação de fissura pode ser analisado de forma idêntica ao explicado
anteriormente na matéria de análise de tensões.
Capitulo I
33
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Os pilares são elementos verticais sujeitos a praticamente todo o peso da estrutura,
encaminhando-o para as sapatas, e estas por sua vez para o solo de fundação. Apesar do
aparecimento de fissuras, este fenómeno é raro devido ao rigor do seu dimensionamento.
Eles por vezes apresentam um tipo específico de fissuras que de um modo geral estão
relacionadas com esmagamento de betão, insuficiência de estribos ou por excesso de
solicitação de flexão composta por compressão, ver figura 24.
Figura 24-Fissuras típicas em pilares de betão armado (Esmagamento; Insuficiência de estribos e
flexão com compressão, respectivamente) [1]
Assentamentos das fundações
A estrutura é suportada pelo solo, logo para um bom funcionamento do edifício em geral, é
fulcral o estudo correcto do solo onde ele vai ser implantado. Todos os solos, sob a acção
das cargas que lhe são aplicadas deformam-se, uns mais que outros, dependendo das suas
características.
Os solos comportam-se como materiais elásticos e plásticos e as variações de volume que
sofrem em ambos estes estados, quando sujeitos a cargas, traduzem-se em deformações
acumuladas de uma grandeza suficiente para não poderem ser desprezados. Os problemas
de deformação envolvem muitas vezes um estudo do teor de humidade e da deslocação da
água no solo (percolação), e por isso tem sido prestada muita atenção a este aspecto.
Presentemente, por exemplo, a consolidação das argilas, um dos exemplos dos efeitos mais
importantes da deslocação de água é suficientemente contabilizada nos seus dois aspectos
Capitulo I
34
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
de grandeza e progressão de assentamento das estruturas em estudo, desde que se
disponha de dados suficientes. [14]
Figura 25 – Assentamento diferencial entre pilares [1]
De uma maneira geral, as fissuras provocadas por assentamentos diferenciais, figura 25,
manifestam-se de uma forma semelhante às produzidas por excessiva deformabilidade da
estrutura. A direcção em que ocorrer a maior movimentação da fundação normalmente é
indicada pela inclinação da fissura ou mesmo pela variação da abertura ao longo de sua
extensão [1].
Os assentamentos diferenciais ocorrem nos edifícios devido a várias situações, entre as
mais importantes encontram-se a falta de rigor no projecto de dimensionamento das
sapatas proveniente de um insuficiente estudo do solo, onde, deve ser realizado um
reconhecimento geotécnico completo, assim como de fenómenos naturais, como sismos, que
potenciam os assentamentos diferenciais do edifício.
As deformações do solo geralmente encontram-se associadas a inúmeros factores, que
deverão ser considerados quando se elabora o dimensionamento estrutural. Em análises
geotécnicas, devem ser consideradas as seguintes acções:
Capitulo I
35
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático

Carga da estrutura, quer devidas ao peso próprio, quer impostas, quer ambientais;

Pressões da água livre;

Tensões “in-situ” do terreno;

Sobrecargas;

Remoção de carga ou escavação na periferia;

Cargas devido ao tráfego;

Acção da vegetação ou alteração do teor de água do solo;

Movimentos e as acelerações devido a sismos, ou cargas dinâmicas;

Efeito da temperatura;

Nível freático;

Obras na periferia;

Aterros;

Heterogeneidade do terreno.
Figura 26 – Assentamento diferencial entre pilares
Capitulo I
36
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Humidades
Uma das acções mais gravosas, que ocorrem actualmente, são os problemas de humidades
que se formam nos edifícios. Sendo a sua forma de manifestação o mais diversificada
possível.
De um modo geral, estas anomalias originam problemas que potenciam condições de
insalubridade significativas para os utilizadores dos edifícios, o que por outro lado,
também contribui para uma degradação bastante significativa na degradação dos
materiais.
No sentido de se efectuar um bom diagnóstico convém ter um conhecimento das várias
formas de manifestação desta patologia, este conhecimento irá permitir identificar as
respectivas causas no sentido de se propor soluções de reparação eficazes.
Desta maneira, as várias manifestações de humidades poderão estar divididas do seguinte
modo:

Humidade Condensação;

Humidade Construção;

Humidade do solo;

Humidade devida a percolação;

Humidade de precipitação;
Humidade Condensação
Nos edifícios, de um modo geral, as superfícies dos elementos construtivos apresentam
temperaturas mais baixas que as do ambiente interior, especialmente na altura do inverno.
Assim, é natural que neste período ocorra uma grande produção de vapores no interior,
Capitulo I
37
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
que facilmente originam a formação de situações de condensação superficial nos seus
elementos. Este fenómeno, ocorre devido ao facto de existir no ar uma quantidade de
vapor de água igual ou superior, aquela que o ar poderia conter na temperatura à qual se
encontra.
Figura 27 – Produção de vapores no interior de uma habitação [1]
Torna-se portanto essencial proceder a uma correcta ventilação dos compartimentos de
forma a levar que o excesso de vapor de água vá para o exterior. Esta circulação de ar
deverá ser ainda mais significativa nos compartimentos que não disponham de dispositivos
extractores ou tenha uma deficiente extracção. A ventilação é sem dúvida uma necessidade
pouco compreendida por muitos utilizadores dos edifícios, em especial nos períodos de
inverno.
De um modo geral, os sintomas associados a fenómenos de condensação superficial
manifestam-se através do aparecimento de manchas de humidade e de bolores,
generalizadas ou localizadas.
Um facto comprovado é que a existência de pontes térmicas na envolvente dos edifícios
está na origem de diversas anomalias, deste tipo, frequentemente detectadas. A sua
presença provoca, por exemplo, em condições de inverno, um acréscimo de perda térmica
para o exterior, facilitando a ocorrência deste tipo de condensações nestas zonas.
Capitulo I
38
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Sucintamente, o aparecimento deste tipo de humidade deve-se as seguintes razões:

Insuficiente ventilação;

Mau isolamento das paredes;

Temperatura ambiente interior;

Produção de vapor interior;

Pontes térmicas.
Humidade Construção
Os materiais de construção aquando a sua aplicação na construção de uma obra,
necessitam de água para o seu fabrico, como exemplo principal temos o betão e as
argamassas. Alguma desta água evapora rapidamente, mas uma quantidade substancial
demora bastante a realizá-lo.
A humidade de construção pode originar manifestações anómalas generalizadas ou
localizadas, a água ao evaporar-se pode provocar expansões ou destaques de alguns
materiais ou em virtude de fazer diminuir a temperatura superficial dos materiais, dar
origem à ocorrência de condensações. Neste último caso, podem ocorrer manchas de
humidade de condensação motivadas pelo facto da condutibilidade térmica dos materiais
variar em função do respectivo teor de água. As manifestações associadas a este tipo de
anomalias terminam normalmente a curto prazo.
Humidade do solo
Este tipo de humidade normalmente encontra-se associado à ligação que determinados
elementos construtivos têm com o solo, figura 28. Assim sendo, nas paredes dos pisos
térreos ou caves não protegidas, a humidade que se encontra no solo, poderá penetrar pela
Capitulo I
39
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
parte inferior das fundações e pelos paramentos em contacto com ele, podendo se propagar
horizontalmente ou por capilaridade, vindo-se a manifestar em zonas não enterradas.
Assim, quando não existe elementos de protecção, esta circulação de humidade dá-se nas
seguintes condições:

Existência de zonas em contacto directo com o solo;

Constituição das paredes com materiais de elevada capilaridade;

Inexistência ou deficiente posicionamento de elementos de protecção;
Humidade devida a percolação
A constituição de uma vasta maioria de materiais empregues nas construções apresenta na
sua constituição sais solúveis em água. A existência destes sais no interior das paredes de
alvenaria, de um modo geral, não é particularmente gravosa. Contudo quando as paredes
forem humedecidas os sais dissolvidos acompanharão as migrações da água até às
superfícies onde cristalizarão sob a forma de eflurescências ou criptoflurescências, no caso
de se encontrar alguma barreira impermeável.
Capitulo I
40
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 28 – Mecanismo de formação de Eflurescências e Criptoflurescências [1]
Como se sabe as condições ambientes num determinado espaço podem variar bastante e
várias vezes ao longo do dia, propiciando a ocorrência de diversos ciclos de
dissolução/cristalização dos sais.
Os sais solúveis que normalmente se encontram associados a estas manifestações nas
superfícies dos elementos, de um modo geral, são os não higroscópicos, caso dos sulfatos e
os carbonatos, sendo os cloretos, os nitritos e os nitratos os higroscópios. Normalmente, as
anomalias inerentes a este tipo de humidades são manchas e acumulação de sais onde por
vezes acompanhada da degradação dos revestimentos das paredes.
Eflurescências e Criptoflurescências
As eflurescências, figura 29, caracterizam-se pela formação de depósitos, normalmente
salinos, na superfície dos elementos. As criptoflurescências, são depósitos concentrados no
interior de determinado elemento, estes depósitos normalmente originam a deformação
(empolamentos) do revestimento. Normalmente, ambas são consideradas como um dano,
Capitulo I
41
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
por alterarem a aparência e degradarem os elementos onde se depositam, devido à
natureza dos sais que a constituem serem demasiados agressivos.
Figura 29 – Eflurescências
Uma das implicações mais negativas das eflurescências, atribui-se ao impacto no aspecto
visual, principalmente nos casos onde se verifica um elevado contraste entre o sal e a
superfície onde esta se deposita.
Quimicamente, a eflurescencia é constituída principalmente por sais de materiais alcalinos
(sódio e potássio) e alcalino-terrosos (cálcio e magnésio) solúveis ou parcialmente solúveis
em água. Pela acção da água da chuva ou da proveniente do solo, o elemento fica saturado
e estes sais são dissolvidos. A solução migra para a superfície, por evaporação ou absorção
e resulta na formação de um depósito salino.
Esta anomalia apenas ocorre aquando da ocorrência destes três factores em simultâneo:

Teor dos sais solúveis presentes nos elementos do edifício;

Presença de água;

Pressão hidrostática para propiciar a migração dos sais para a superfície dos
elementos.
Capitulo I
42
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Existem também factores externos que favorecem ao aparecimento desta anomalia, entre
as quais pode-se evidenciar:

Quanto maior for a quantidade de água maior é o aparecimento dos sais;

Quanto maior for o tempo de contacto de água, maior é a solubilizarão dos sais dos
elementos;

Quanto maior for a temperatura, maior será a solubilizarão dos sais que também
aumenta a velocidade de evaporação da humidade absorvida pelo elemento.
Por último, importa realçar que muitas vezes as anomalias decorrentes de humidades deste
tipo assemelham-se às humidades de condensação, o que por vezes dificulto o processo de
diagnóstico.
Humidade de precipitação
A chuva acompanhada de variações de pressão induzidas pelo vento, constitui uma acção
especialmente gravosa para as paredes exteriores dos edifícios, assim como é uma das
principais fontes de humidades de infiltração.
Deste modo, a penetração da água da chuva nas paredes exteriores não apresenta graves
problemas quando os elementos de paramento tiverem sido concebidos para resistirem a
este tipo de acontecimentos. Mas, quando as paredes apresentarem, designadamente,
deficiências deste tipo, devido a fissuras ou erros de concepção, poderão ocorrer situações
anómalas tanto no exterior como no interior do edifício.
Capitulo I
43
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 30 – Geometria das saliências nas fachadas e sua capacidade de dissipação do fluxo de água
[1]
As manifestações deste tipo de humidades são as eflurescências, criptoflurescências, bolores
e manchas de humidade. Estas humidades tem a tendência a desaparecer quando os
períodos de chuvas fortes acompanhadas a vento terminam, e na ocorrência de tempo seco.
Os pontos mais sensíveis para ocorrer este tipo de infiltrações são:

Partes inferiores de paredes com revestimento impermeáveis;

Áreas exteriores de reboco degradadas;

Ligação dos panos de alvenaria com elementos de estrutura e com a caixilharia;

Juntas de assentamento das alvenarias de tijolo.
Capitulo I
44
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Capitulo I
45
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Capitulo II - Caso Prático
1. Informação do Edifício
1.1.
Localização e envolvente
O edifício em estudo situa-se no gaveto da Rua Dr. Marques de Carvalho com a Rua
Azevedo Coutinho, e com entrada nº 170 deste ultimo arruamento, na zona da Boavista a
escassas duas centenas de metros do estádio do Bessa. O edifício localiza-se a nascente da
rua Azevedo Coutinho e a sul da rua do Dr. Marques de Carvalho, onde se situa a entrada
principal para o Bessa Hotel.
De implantação rectangular, apresenta 3 das suas envolventes verticais com as seguintes
orientações: a fachada principal orientada a poente, para a rua Azevedo Coutinho, a
posterior para nascente, sobre terrenos das traseiras do Hotel Bessa, e a lateral norte
orientada para a rua Dr. Marques de Carvalho. A sul o edifício apresenta uma empena
constituída por placas de fibrocimento pintado que abrange parcialmente toda a fachada,
fazendo fronteira com terrenos de alguma vegetação limitados por um arruamento recente
aberto que estabelece a ligação da rua Azevedo Coutinho com a rua de O Primeiro de
Janeiro.
Ao longo deste arruamento, junto das proximidades do edifício, não existem construções,
sendo estes últimos terrenos das antigas fábricas William Graham.
Capitulo II
47
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 31 – Localização do Edifício, imagens obtidas no Google Maps
O edifício localiza-se no interior de um espaço ajardinado, com aproximadamente 1000m2,
vedado em torno de todo o seu perímetro por um muro de granito com cerca de 2m de
altura.
O acesso tanto ao interior do edifício como a este espaço encerrado é feito por um portão
de ferro, no nº 170 na rua Azevedo Coutinho, que possibilita a entrada tanto de pessoas
como de veículos.
Capitulo II
48
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 32 - Vista da rua Azevedo Coutinho contemplando os alçados Norte e Poente
Figura 33 – Vista em perspectiva do alçado Poente e Sul
Capitulo II
49
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 34 – Vista do alçado Nascente
1.2.
Descrição Sumária do Edifício
1.2.1. Arquitectónica
O edifício é constituído por 7 pisos, correspondendo o piso 1 a uma garagem colectiva e
arrumos individualizados que se encontra semi-enterrada e o ultimo piso a um terraço
acessível.
No átrio principal de entrada, piso 2, correspondente ao rés-do-chão, encontra-se o acesso
a 2 habitações, ao elevador e à caixa de escadas. Nos pisos 3 e 4, correspondentes ao 1º e
2º andar, existem 2 habitações por piso. Nos pisos 5 e 6, sendo relativos ao 3º e 4ºandar
respectivamente, possuem unicamente uma habitação por piso.
As distribuições dos compartimentos diferem de piso para piso, devido ao facto de o
edifico ter sido construído para residentes da mesma família, possibilitando a estes alterem
a distribuição dos seus compartimentos.
Capitulo II
50
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
É de realçar que o piso de acesso ao edifício, situa-se ligeiramente acima do nível da soleira
da rua. É também de realçar que o piso 2, inicialmente construído para dar lugar a
escritórios, foi posteriormente modificado, dando lugar às actuais 2 habitações.
A comunicação entre pisos é efectuada tanto pelo elevador, como pelas escadas,
concedendo, deste modo, acesso desde o piso 1 até ao piso 7, o terraço de cobertura. No
terraço, localizam-se a casa das máquinas, arrumos, saídas de ventilação das habitações e,
sobre o seu pavimento, encontram-se instalações electrónicas como antenas.
Figura 35 - Piso 1 (Estacionamento e arrumos)
Capitulo II
51
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 36 – Piso 2 (Rés-do-chão)
Figura 37 – Piso 3 (1º Andar)
Capitulo II
52
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 38 – Piso 4 (2º Andar)
Figura 39 – Piso 5 (3º Andar)
Capitulo II
53
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 40 – Piso 6 (4º Andar)
Figura 41 – Piso 7 (Terraço)
1.2.2. Estrutural
É importante realçar que na década de 80 foi registado um sismo de alguma intensidade
na zona, factor este relatado por um dos residentes que habita no edifício há mais tempo,
Capitulo II
54
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
este fenómeno natural poderá estar directamente relacionado com o aparecimento de
algumas anomalias estruturais detectadas no edifício.
No fim da década de 90, como resultado deste incidente, o edifício sofreu uma reabilitação
nos elementos estruturais de betão que se encontram na sua periferia, nomeadamente as
vigas de padieiras.
Em termos de caracterização construtiva, o edifício possui uma estrutura muito
simplificada, com 6 lajes fungiformes de dimensões de forma rectangular com
aproximadamente 22x15, apresentando elementos de laje em consola nos avançados das
varandas.
Estas lajes apoiam no perímetro e na caixa de escadas em vigas, e no centro do edifício em
dois pilares, que dividem o edifício na direcção longitudinal em três partes iguais. As lajes
têm uma espessura de 34cm, fungiformes e não apresentam capitéis aparentes nos pilares
centrais apoiando directamente sobre eles.
São lajes de betão armado betonadas em obra, tendo na zona central dos painéis definidos
e pelos pilares a forma de caixotões, conseguida mediante a utilização de blocos especiais
de betão vibrado, servindo de cofragem perdida e apresentando portanto, deste modo, uma
face inferior plana, sem vigas aparentes, constituindo o sistema patenteado FERCA.
Os cálculos da estrutura foram realizados com intermédio do antigo Regulamento de
Estruturas de Betão Armado (REBA). Onde foram utilizados aço e betão com as seguintes
características: aço A40; betão B225. Onde foi inclusive seguidos, o que estava disposto no
regulamento inglês CP 114, bem como as normas americanas do ACI.
O cálculo dos esforços devidos à acção das cargas verticais foi realizado considerando a
totalidade de carga em duas direcções ortogonais. Os momentos flectores foram calculados
utilizando tabelas americanas de Boase e Howel, publicadas no “ Journal of the American
Concrete Institute” de Setembro de 1939 – Design Coefficients for buildin Frames – as
Capitulo II
55
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
quais dão os momentos envolventes nas várias secções – meio vão e apoios – de elementos
contínuos, tendo em conta a variação de sobrecarga e o valor do grau de encastramento
dos pilares acima e abaixo do elemento continuo e a rigidez do elemento.
Os esforços totais obtidos foram distribuídos pelas “ faixas de coluna” e de “ vão” na
proporção 75% - 25% nas zonas dos momentos negativos e 55%-45% nas zonas dos
momentos positivos.
A determinação da capacidade resistente das secções à flexão e ao corte foi feita à rotura,
de acordo como REBA, tendo sido utilizadas as tabelas publicadas pelo LNEC.
Como já foi dito, no projecto de betão armado foi seguido o regulamento REBA assim
como o RGEU.
Devido á data de elaboração dos projectos, anos 70, nota-se que a grande maioria das
precauções que são feitas hoje em dia passaram desapercebidas neste edifício. Deste modo
pode-se dizer que regulamentações que nos dias presentes são aplicadas com certo rigor, na
altura não foram, havendo lacunas no que concerne a toda esta matéria e que poderá ser a
causa potencial de algumas anomalias detectadas.
Lajes - h=34cm;1.24blocos/m2; PP laje=500kg/m2; Peso total 900kg/m2; A laje leva
malha sol CO 38 em toda a sua face superior.
Pilares – O pilar central mais espaçado tem uma área de carga de 7.2x7.3=50m2. No
máximo a carga total do pilar é de 225Tf, absorvidas por uma secção de 40x60, armada
com 12Ø20 e estribos de Ø8//0.20. Possuindo uma capacidade resistente de 354Tf. Todos
os pilares no perímetro do edifício têm uma secção de 30x50 e estão sobredimensionados
6Ø12 + 4Ø10, possuindo uma capacidade resistente de 180Tf cada um.
Capitulo II
56
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Sapatas – São realizadas com blocos de apoio, com base adequada à natureza do terreno.
A sapata central, com carga de cálculo de 270 tf, é constituída por um bloco de 3x3,
admitindo-se que o terreno possuía uma capacidade de 3/kg/cm2.
1.2.3. Aspectos construtivos
O edifício foi construído em meados de 1975, tendo sido os seus projectos aprovados pela
Câmara Municipal do Porto. Nessa altura também não havia tantas preocupações no que
diz respeito a qualidade térmica e acústica do edifício, nem a disposições arquitectónicas
para minimizações de consumos energéticos e acessibilidades. Assim sendo, o edifício, ao
ser alvo de uma próxima intervenção de reabilitação exterior, poderá ser “beneficiado” em,
pelo menos, alguns destes aspectos.
O edifício é revestido pelo exterior fundamentalmente por 3 materiais, por placas de pedra,
por azulejos e por pastilha, ver figura 42.
As placas de pedra rectangulares de dimensões variadas com aproximadamente 2,5cm de
espessura localizam-se a toda a altura em torno de todo o piso do rés-do-chão. É possível
também encontrar estas placas no acesso directo ao interior do edifício. As placas estão
dispostas em contrafiamento de juntas verticais.
Capitulo II
57
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 42 – Materiais exteriores (Placas de pedra (Esq.); Azulejos (dir. superior); pastilha (dir.
inferior))
Os pisos superiores apresentam como revestimentos o azulejo e a pastilha. Sendo que a
pastilha, de cor azul, encontra-se fundamentalmente na parte exterior das guardas das
varandas e em torno das janelas na zona superior e inferior das mesmas, ver figura 42.
Também se pode encontrar a pastilha nos bordos do limite superior do edifício em torno
de todo o perímetro do mesmo. O azulejo, de cor branca, é o que se encontra numa maior
área, abrangendo assim as faces exteriores entre todos os restantes pisos.
Nas fachadas Norte, Nascente e Poente, as vigas de piso são aparentes, sobressaindo do
alinhamento das placas de fachada, ver figura 43.
Capitulo II
58
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 43 – Vigas aparentes de betão armado envolvida por azulejo.
Na fachada orientada a Sul, figura 44, revestida por chapas de fibrocimento pintadas de
cor vermelha a toda a altura do edifício, é visualizada um trecho de parede de alvenaria de
tijolo pintado no piso do rés-do-chão, não detectável dos elementos de projecto e não
apresentando qualquer relação com as divisórias interiores.
Figura 44 – Placas de fibrocimento e alvenaria (Alçado Sul)
Os tectos das varandas, palas e cobertura de entrada, apresentam-se em betão unicamente
pintado de cor branca, figura 45.
Capitulo II
59
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 45 – Pala pintada de branco no último piso
As paredes da envolvente são constituídas por dois panos de tijolo separadas por uma
caixa-de-ar, que, não possui dreno, figura 46. É claramente visível que existem pontes
térmicas na envolvente do edifício, nomeadamente nas vigas que fazem periferia com o
exterior. Os panos exteriores estão protegidos com o revestimento de azulejo ou pastilha
conforme o lugar onde se localiza.
Figura
Figura 46 – Esquema tipo da parede exterior
Capitulo II
60
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
1.2.4. Equipamentos
O edifício apresenta no terraço equipamentos instalados, de uma companhia telefónica,
esses equipamentos foram instalados à poucos anos, sendo de notar que ocupam uma área
considerável do terraço, ver figura 47. Na sua instalação poderá ter ocorrido,
acidentalmente, a origem de certas anomalias detectadas nas habitações nomeadamente no
que diz respeito às coretes.
Figura 47 – Equipamento instalado no terraço
1.3.
Distribuição dos fogos numa perspectiva exterior
Foi elaborada uma esquematização para que se possa analisar mais facilmente o efeito das
anomalias exteriores detectadas relativamente à respectiva zona interior da habitação, ver
figuras 48, 49 e 50.
É de salientar que apesar de não pertencer à legenda, a cor cinzenta corresponde às zonas
comuns do edifício, nomeadamente a caixa de escadas e a garagem. As zonas em branco
nas fachadas correspondem a elementos estruturais, nomeadamente as vigas que limitam o
perímetro do edifício, e a elementos exteriores salientes sendo estes as varandas e palas. Os
Capitulo II
61
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
envidraçados, as portas de acesso, tanto a veículos como a pessoas, foram deixados
também a branco.
Outra questão de relevar é, o facto da atribuição de esquerdo/direito ser modificada a
partir do piso 2, devendo-se ao facto, explicado por um dos moradores, das escadas
inverterem o sentido a partir deste memo piso.
Nos esquemas seguintes é possível identificar a envolvente pertencente a cada fogo,
distintamente pelo exterior.
Figura 48 - Fachada Poente (Principal)
Capitulo II
62
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 49 - Fachada Nascente
Figura 50 - Fachada Norte
Capitulo II
63
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
2. Avaliação do Estado de Conservação – MAEC
Após a aprovação do novo regime de arrendamento, foi pretendido promover o mercado de
arrendamento de modo a oferecer uma alternativa económica à compra de habitação
própria. Este regime introduziu uma alteração que torna possível aumentar o valor dos
contratos de arrendamento anteriores a 1990, no caso de habitações.
Esse aumento da renda é efectuado por intermédio de uma percentagem do produto do
valor do património e da definição do seu estado de conservação.
No que concerne a este trabalho, foi procurado avaliar o estado de conservação do edifício,
de modo a que se possa ter uma noção do seu estado de um modo generalista.
Assim sendo é possível escalonar o estado de conservação nos seguintes níveis:
Quadro 1 – Classificação do estado de conservação
Este método possui diversas técnicas e regras para o seu preenchimento, regras estas que
foram implementadas nesta avaliação.
É de notar que apenas foi realizada a avaliação das habitações em que nos foi devolvido o
respectivo questionário do seu estado e queixas da habitação, assim como das habitações
em que foi possibilitada a visita técnica. As restantes habitações toma-se como terem
problemas idênticos às outras.
A habitação em que as fichas de avaliação não foram preenchidas conjecturou-se que se
encontram num estado de conservação idêntico. As zonas comuns do edifício e o seu
estado exterior foram avaliados perante uma visita ao local.
Capitulo II
64
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Assim sendo, é possível verificar as classificações das diferentes habitações:

Rés-do-chão Esquerdo – Bom estado de conservação (3,74)

Rés-do-chão Direito – Bom estado de conservação (3,74)

1º Esquerdo – Bom estado de conservação (3,66)

1º Direito – Bom estado de conservação (3,70)

3º Andar – Bom estado de conservação (3,67)

4º Andar – Bom estado de conservação (3,63)
Capitulo II
65
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 51 - Ficha de avaliação do Rés-do-chão Esquerdo
Capitulo II
66
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 52 - Ficha de avaliação do Rés-do-chão Direito
Capitulo II
67
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 53 - Ficha de avaliação do 1º Esquerdo
Capitulo II
68
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 54 - Ficha de avaliação do 1º Direito
Capitulo II
69
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 55 - Ficha de avaliação do 3º Andar
Capitulo II
70
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 56 - Ficha de avaliação do 4º Andar
Capitulo II
71
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Após a determinação do estado de conservação de cada um dos locados visitados, é
possível proceder-se a avaliação do estado de conservação da totalidade do prédio, para
isso apenas se considera para avaliação o grau de anomalias presentes no edifício e nas
partes comuns do edifício.
Figura 57 – Classificação Final
Com o preenchimento das fichas de avaliação é possível verificar que o estado geral das
habitações é bom.
Capitulo II
72
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
3. Inquéritos
Para o inicio do estudo do edifício foram realizados inquéritos de preenchimento simples,
que posteriormente foram entregues a cada morador. Estes inquéritos tiveram como base o
levantamento informativo das anomalias e queixas dos diferentes moradores nas suas
respectivas habitações de maneira a que, de certa forma, se possa comprometer os
utilizadores das anomalias por eles assinaladas. Estando para isso, os mesmos anexados
com uma planta da respectiva habitação, para que cada morador marcasse de maneira
simples e esquemática as várias anomalias.
Como é natural neste tipo de estudos, muitas vezes alguns ocupantes não dispõem de
vontade ou interesse de perder algum do seu tempo para o preenchimento deste tipo de
questionários que, apesar de simples são essenciais para um bom desenvolvimento de um
de correcto diagnóstico.
De seguida são apresentados apenas uma parte dos inquéritos que foram devolvidos e
preenchidos das diferentes habitações do edifício pelos seus residentes. Onde cada um deles
assinalou em planta as várias anomalias por eles detectada.
Capitulo II
73
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 58 – Inquérito preenchido do Rés-do-Chão Esquerdo e Direito
Estes inquéritos estavam acompanhados de um texto inicial, de introdução ao trabalho
apresentado, de modo a fornecer aos residentes das habitações a confiança necessária para
o seu preenchimento. O questionário divulgava o âmbito e os objectivos do presente
trabalho realizado. Em anexo, o questionário tinha uma planta para cada habitação, e
uma folha que dava lugar à descrição de outro tipo de queixas que eles optassem por fazer.
Capitulo II
74
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 59 – Inquérito preenchido do 1º Direito e Esquerdo
Figura 60 - Inquérito preenchido do 4º Andar
Capitulo II
75
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
4. Identificação das anomalias do Edifício
Com base nos elementos apresentados pelos utilizadores sobre as anomalias por eles
identificadas,
foi
realizada
uma
vistoria
pormenorizada,
tendo-se
procedido
ao
levantamento das diferentes manifestações anómalas. Estas anomalias, detectadas quer
visualmente, por tacto, sensação de desconforto e queixas dos ocupantes, nos elementos do
edifício, nomeadamente nas paredes de alvenaria e em alguns elementos estruturais, serão
seguidamente referenciadas. As anomalias identificadas no interior das habitações serão
inicialmente abordadas, passando de seguida para as do exterior do edifício.
Para facilitar a interpretação deste estudo, procurou-se simbolizar as anomalias do interior
das habitações por letras minúsculas, enquanto as do exterior do edifício por letras
maiúsculas. De um modo geral, serão representadas por círculos áreas abrangidas por uma
anomalia ou mais anomalias generalizadas pela superfície. As anomalias mais confinadas
serão apenas evidenciadas na sua zona de manifestação pontual. Em algumas figuras, é
visível a evidenciação das anomalias com recurso a material informático para uma melhor
visualização. Todas as figuras serão legendadas pelo respectivo código de identificação.
4.1.
Zonas habitáveis
Inegavelmente, o interior do edifício, é a zona que está mais sujeita ao desgaste de uso por
parte dos ocupantes, além de ter também repercussões anómalas provenientes da parte
exterior do edifício. Tudo isto devido, à degradação dos materiais exteriores, deficiente
manutenção, a acontecimentos naturais e também a alguns problemas construtivos,
nomeadamente defeitos na concepção, projecto e execução.
No quadro seguinte, estão listadas as diferentes anomalias detectadas e confinadas em
cada
habitação
vistoriada,
sendo
agrupadas
em
parede,
tecto
e
pavimento
e
correlacionadas com as respectivas fotografias para sua melhor interpretação.
Capitulo II
76
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
4.1.1. Rés-do-chão
Anomalias detectadas
Código
Apartamento
Figura
Pavimento
Parede
Tecto
Humidades com
Referencia
a
63; 70
b
65
c
67; 68; 72
d
64; 66; 71
e
62
f
64; 69
g
74
e
73; 75
h
73
ou sem bolor
Descascar da
Rés-do-chão Esquerdo
pintura
Fissuras/Fendas
Mancha com
escorrido
Fissuras/Fendas
de canto a 45º
Humidades com
manchas de
Bolor e fungos
Fissuras/Fendas
Rés-do-chão Direito
de canto a 45º
Fissuras/Fendas
de canto a 45º
Humidade com
infiltração de
água
Quadro 2 - Identificação e respectiva codificação das anomalias e registo fotográfico das anomalias
do Rés-do-chão
Capitulo II
77
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 61 – Zonas onde se registaram as anomalias do rés-do-chão
4.1.1.1. Rés-do-chão Esquerdo
Uma das anomalias comum a todas as habitações, são as fissuras localizadas nas lajes de
tecto, referenciadas por “e”, nas zonas dos quatro cantos do edifício. Essas fissuras, têm
uma abertura pouco acentuada, apesar de se fazerem notar com alguma facilidade devido
à sua expansão. Estão orientadas, aproximadamente, com um ângulo de 45º, relativamente
às fachadas do edifício. Foi verificado este tipo de fissura, na sala comum, ver figura 62.
Capitulo II
78
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 62 – Fissura localizada no tecto “e”
Nas figuras 63 e 64, é possível verificar a presença de humidade e bolores na zona sob a
janela e no tecto da sala comum. Estas manifestações anómalas localizam-se, sobretudo, na
periferia e ao longo de um pilar. As manchas de humidade fazem-se notar tanto do lado
direito do pilar, como do lado esquerdo do pilar. Na parede, na zona superior, também se
pode encontrar uma mancha com a forma de escorrido, referência “d”, figura 64.
Figura 63- Humidade por baixo da janela “a”
Figura 64 – Escorrido junto ao tecto do lado
esquerdo da janela “d; f”
Capitulo II
79
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 66 – Escorrido parede “d”
Figura 65- Descascar da pintura na sala
comum “a; b”
Na figura 65, visualiza-se o canto da divisão que corresponde a um dos cantos do edifício.
É de notar que nesta zona localiza-se um pilar, e ao longo do seu desenvolvimento é visível
a degradação da pintura que, poderá estar relacionada com a humidade excessiva presente
nesse local.
A figura 66 mostra, similarmente à anomalia “d” já posteriormente detectada junto ao
tecto, a existência de uma mancha, a meio da parede da mesma divisão. Esta mancha
possui características próprias, dando a impressão que ocorreu uma infiltração pontual, e
que levou ao progressivo escorrimento pela parede, figura 57.
Capitulo II
80
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 67 – Fissura na sala comum “c”
Figura 68 – Fissura no hall de entrada “c”
As figuras 67 e 68 demonstram duas fissuras semelhantes, isto é, ambas aparecem em
paredes divisórias opostas, na zona onde se encontra um armário embutido e na parede
divisória da sala comum, além disso, iniciam-se junto ao tecto e prosseguem pela parede
abaixo, seguindo uma orientação mais ou menos vertical.
Figura 69 – Proliferação de Fungos “f”
Na figura 69 verifica-se a presença de fungos, decorrentes de possível humidade acumulada
no tecto da sala comum. Estes fungos apresentam uma espécie de proliferação do bordo do
Capitulo II
81
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
tecto para o seu interior, e dá a aparência de uma espécie de varrimento no mesmo
sentido.
Capitulo II
82
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 71- Escorrido na parede “d”
Figura 70 – Presença de Humidade “a”
Apesar de ser pouco visível, na figura 70, é de notar umas pequenas manchas de humidade
a sobressair do papel da parede num dos quartos da habitação, estando o mesmo a
encobrir muitas destas humidades que estão, certamente, presentes na parede. A humidade
aqui é generalizada ao nível de toda a parede.
Na figura 71, semelhantemente às outras anomalias já referenciadas por “d”, é visível
neste quarto, o escorrido pontual na parede afectada por humidade anteriormente referida.
Figura 72 - Fissura vertical no Quarto de banho “c”
Capitulo II
83
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
A fissura vertical verificada numa das casas de banho localiza-se, muito provavelmente na
zona de uma corete de ventilação. Esta fissura, inicia-se no tecto e com uma orientação
irregular e vertical, faz-se prolongar pela parede abaixo, figura 72.
4.1.1.2. Rés-do-chão Direito
Figura 73 – Fissuras localizadas com presença de Humidade “e; h”
Nesta habitação, as únicas anomalias registadas, dizem respeito à formação de fissuras,
referenciadas por “e” e ”g”, respectivamente na laje de tecto e na de pavimento. Na figura
73, estas anomalias foram detectadas na sala comum da habitação. Igualmente ao
problema já identificado na habitação anterior, também se verificaram fissuras de canto na
laje com uma orientação de 45º relativamente às fachadas. Ligeiramente diferente, devido
ao facto de se estar na presença de humidade em torno dessas fissuras, é possível prever a
infiltração de água.
Capitulo II
84
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 74 – Fissuras localizadas no pavimento “g”
Na figura 74, é verificado o mesmo tipo de fissura e com as mesmas características no
pavimento e paralelamente às fissuras do tecto, referenciada como “g”, embora não ocorra
aqui qualquer infiltração.
Figura 75 – Fissura orientada a 45º “e”
A mesma fissura, referenciada por “e”, figura 75, agora localizada num dos quartos da
habitação, e sem qualquer tipo de infiltração, também se localiza num dos cantos do
edifício e opostamente às fissuras identificadas no rés-do-chão esquerdo, na zona da sala
comum, figura 62.
Capitulo II
85
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
4.1.2. 1º Andar
Anomalias detectadas
Código
Apartamento
Figura
Pavimento
Parede
Tecto
Humidades com
Referencia
a
ou sem bolor
Aparente
i
86
j
85
k
88
c
77; 79; 82; 83
e
78; 79; 80
l
81; 82
f
84; 87; 88
infiltração água
Empolamento
da pintura
Fissuras/Fendas
1º Direito
de 45º
Fissuras/Fendas
Fissuras/Fendas
de canto a 45º
Fissuras/Fendas
Humidades com
manchas de
Bolor e Fungos
Empolamento
m
do pavimento
1º Esquerdo
da varanda
Humidades com
a
ou sem bolor
Fissuras/Fendas
n
generalizadas
Fissuras/Fendas
e
de canto a 45º
Capitulo II
86
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Fissuras/Fendas
generalizadas
o
em todas as
divisões
Humidades e
f
Bolor
Quadro 3 - Identificação e respectiva codificação das anomalias e registo fotográfico das anomalias
do 1º Andar
Figura 76 – Zonas onde se registaram as anomalias do 1º andar
4.1.2.1. 1º Direito
Nesta habitação foram detectadas diferentes anomalias nas suas várias divisões. Foram
verificados problemas desde fissuração em elementos estruturais e de alvenaria, humidades,
bolor assim como casos de infiltrações.
Capitulo II
87
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 77 – Fissuras na parede “c”
Na figura 77 é possível verificar uma fissuração mapeada por toda a parede de alvenaria.
Estas fissuras, apresentam uma distribuição variada, com linhas mapeadas que se cruzam
formando ângulos com aproximadamente 90º, distribuindo-se por toda a superfície da
parede. Esta fissuração é acompanhada de uma descoloração da película de tinta, que já se
encontra num estado consideravelmente degradado.
Figura 78 – Fissura localizada “e”
Mais uma vez pode ser visível a fissura comum, referenciada por “e”, na laje com uma
inclinação de aproximadamente 45º, figura 78, é de realçar que esta fissura encontra-se
Capitulo II
88
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
também com continuidade para a divisão contígua a esta, como pode ser visível nas duas
figuras seguintes, figura 79 e 80.
Figura 79 – Fissuras na parede ”c”
Figura 80 – Fissura localizada “e”
Figura 81 – Fissura no bordo da parede e
Figura 82 – Fissura na parede “c”
tecto “l”
Num dos corredores, foram verificadas fissuras na zona limite da parede com o tecto,
figura 81, e na parede onde se encontra a porta de acesso a um dos quartos de banho,
figura 82. A fissura no limite da parede com o tecto é constante ao nível deste bordo,
enquanto a fissura na parede junto à porta apresenta uma orientação vertical.
Capitulo II
89
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 83 – Fenda no armário “c”
No interior de um armário embutido, de uma das divisões, foi verificada uma fenda,
referenciada por “c”, com considerável espessura, figura 83, esta fenda mais ou menos
vertical encontra-se na parede ao longo de todo o pé direito.
Figura 84 – Humidade e bolor no tecto “f”
No interior num dos quartos de banho, foi verificado no tecto, manchas de humidade e
fungos, referenciado por “f”, figura 84, esta anomalia faz se notar por uma vasta área
deste tecto.
Capitulo II
90
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 85 – Empolamento da parede “j”
Figura 86 – Humidade nas juntas dos azulejos
“i”
Nas figuras 85 e 86, é visível na mesma parede, embora que de lado opostos, o
empolamento da pintura, referenciado por “j”, do lado da sala, que aparenta ainda conter
humidade atrás da sua película, apresentando uma textura mole e não estaladiça. Do lado
do quarto de banho, na zona onde se localiza um duche, é visível possível infiltração entre
as juntas dos mosaicos da parede, referenciado por “i”, inclusive na ligação do duche com
este revestimento.
Figura 87 – Humidades no canto do lado esquerdo “f”
Capitulo II
91
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 88 – Humidades no canto do lado esquerdo e fissura a 45º “f; k”
Na cozinha, foram registadas manchas de humidades, referenciadas por “f”, figuras 87 e
88, nas esquinas superiores do extremo da cozinha. Nesta zona, correspondente ao
avançado estrutural, foram detectadas fissuras, referenciadas por “k”, figura 88, na zona
lateral da parede com uma orientação de aproximadamente 45º, a fissura prolonga-se deste
o canto inclusive ao longo de revestimento em mosaicos.
Capitulo II
92
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
4.1.3. 3º Andar
Anomalias detectadas
Código
Apartamento
Figura
Pavimento
Parede
Tecto
Referencia
p
Empolamento
Humidades com
a
ou sem bolor
Eflorescências
q
Fissuras/Fendas
c
90;92; 93; 103
90;94; 95; 99;
102
Fissuras/Fendas
e
de canto a 45º
Fissuras/Fendas
3º Andar
Humidades e
96; 97; 100;
101
l
97; 98
f
Bolor
Eflurescências
Destacamento
r
96; 100; 101
s
100; 101
h
96; 100; 101
t
100; 101
u
96; 100; 101
do recobrimento
Humidade
acompanhado
de infiltração
água
Armadura a
vista
Descascar de
pintura
Quadro 4 - Identificação e respectiva codificação das anomalias e registo fotográfico das anomalias
do 3º Andar
Capitulo II
93
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 89 – Zonas onde se registaram as anomalias do 3º andar
Um dos problemas mais graves nesta habitação, localiza se na zona em consola do lado
nascente da habitação. É de verificar, neste local, infiltrações de água e uma generalidade
de anomalias, incluindo eflurescências, nas paredes em torno de todo o avançado, também
foram detectadas fissuras nos revestimentos e em alguns elementos estruturais.
Capitulo II
94
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 90 – Eflurescências na parede sob a
Figura 91 – Infiltração no tecto “h”
janela “q”
Nas figuras 90 e 91, é visível o engenho de um dos moradores, para tentar remediar a
situação da entrada de água no interior da habitação. Pela interpretação da natureza das
imagens, é possível verificar que a entrada de água nesta zona deve ser persistente, sendo
usado para grandes males, grandes remédios. Na figura 90, é de notar o aparecimento de
eflurescências sob a janela.
Figura 92 – Anomalias na parede do lado
Figura 93 - Humidade na parede e tecto do
norte “a; q; s; r; h”
lado norte “q; r; h”
Nas figuras 92 e 93, do lado norte deste avançado, é visível a gravidade desta manifestação
anómala, em toda esta zona da consola, com uma generalizada acumulação de manchas
esbranquiçadas, denominadas de eflurescências, referenciadas por “q”. Estas mancgas
Capitulo II
95
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
expandem-se desde o bordo superior da parede e tecto, e junto a todo o contorno da
janela, do lado nascente. No tecto, foi também detectado a deterioração do revestimento.
Figura 94 – Fissura no pilar norte “c”
Figura 95 – Fissura no pilar sul “c”
Também nesta consola, registaram-se fissuras em dois pilares alinhados, referenciadas por
“c”, figura 94 e 95, apresentando uma orientação mais ou menos vertical e ao longo de
todo o seu desenvolvimento.
Figura 96 – Infiltração no tecto “r; h, u”
Capitulo II
96
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
No pormenor do tecto, da marquise, no mesmo avançado, figura 96, é visível a fissura
comum já referida nas outras habitações, referenciada por “e”. Este pormenor permite
também visualizar uma infiltração, levando à origem de eflurescências em forma de
estalactites, referenciadas por “r” e “h”. Esta fissura, também foi verificada no interior da
cozinha contígua deste avançado, mas sem infiltração, figura 97.
Figura 98 – Fissura no bordo da parede e
Figura 97 – Fissura localizada “e”
tecto “l”
No interior da cozinha, além da continuidade da fissura referida anteriormente, existe
outra, que acompanha um dos bordos do tecto, referenciada por “l”, figura 97 e 98.
Figura 99 – Fissura no canto da porta “c”
Capitulo II
97
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Numa das divisões, foi identificada uma fissura no vértice da porta, referenciada por “c”,
figura 99. A fissura apresenta uma orientação irregular de aproximadamente 45º a partir
do vértice da abertura e ao longo da parede de alvenaria.
Figura 100 – Infiltração, fissuras e destacamento no tecto da varanda “e; r; h; s; f; u”
Na zona da varanda, já na parte exterior do 3º andar, foi verificada a degradação
considerável do tecto, figura 100. A figura elucida, facilmente, a degradação da pintura,
eflurescências, humidade e inclusive uma zona com a armadura á vista. É de notar
também que as fissuras registadas no interior da divisão, nomeadamente as referenciadas
por “e”, propagam-se para a varanda com a mesma orientação e alinhamento.
Na figura 101, é possível visualizar melhor, o problema da degradação do tecto e o
pormenor da armadura à vista, referenciada por “t”.
Capitulo II
98
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 101 – Armadura à vista “t; u; h; s; f; e”
Figura 102 – Fissuras na guarda da varanda “c”
É de notar que os ladrilhos das guardas das varandas, figura 102, apresentam de um modo
uniforme uma fissuração mapeada por toda a sua superfície interior.
Capitulo II
99
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 103 – Escorrido na guarda exterior da varanda “q; c”
Nesta mesma guarda, do lado exterior, figura 103, foram registadas uma acumulação de
eflurescências a sair pela pastilha, referenciada por “q”, notando-se facilmente pelo
exterior do edifício devido ao grande contraste de cor, dando um aspecto degradado ao
edifício. Esta espécie de escorrido, parece ocorrer na zona de ligação da guarda com o piso
da varanda, numa zona onde opostamente existe uma pendente para a circulação das
águas da varanda.
4.2.
Zonas comuns
4.2.1. Caixa de escadas
De um modo geral, a caixa de escadas apenas apresenta alguns problemas na zona de
acesso do 4º andar ao terraço. Foi verificada entre as juntas do recobrimento, e numa
orientação mais ao menos horizontal, eflurescências, figura 104, que se encontram no
alinhamento com a zona onde existe uma fissura.
Figura 104 – Vestígios de eflurescências
Capitulo II
100
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 105 – Fissuração e descascar de pintura no tecto
É visível na figura 105, a fissuração na zona de ligação do pano de alvenaria com a laje de
tecto, havendo inclusive um acompanhar de descascar da pintura.
Figura 106 – Infiltração e fissura na parede
Na figura 106, pode-se visualizar em perspectiva as eflurescências formadas entre as juntas
da pastilha e o alinhamento das fissuras, referenciadas por “c”, que se formam na parede
contígua.
Capitulo II
101
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
4.2.2. Estacionamento
As anomalias verificadas no estacionamento foram as fissuras já identificadas pelo edifício,
referenciadas por “e”, figura 107 e 109, detectadas nos extremos do edifício, com uma
orientação de aproximadamente 45º relativamente às fachadas. Estas fissuras, fazem-se
notar nos 4 cantos do estacionamento. É possível verificar na figura 107, a existência de
testemunhos de gesso colocados sobre essas mesmas fissuras.
Figura 107 – Fissura localizada com testemunhos de gesso
Estas fissuras, conforme o descrito por um morador, surgiram após a ocorrência de um
sismo na década de 80, e cujo seu desenvolvimento foi de imediato acompanhado, através
da colocação de testemunhos nestas fissuras do tecto, num dos cantos do estacionamento.
Capitulo II
102
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 108 – Fissura acompanhada de infiltração na parede
Numa das paredes do estacionamento, verificou-se esta fissura vertical a toda a altura do
piso,
figura
108,
havendo
manchas
esbranquiçadas
ao
longo
de
todo
o
seu
desenvolvimento. Esta fissura localiza-se na parede orientada a Sul do estacionamento.
Figura 109 – Fissura localizada no tecto e na parede
No tecto, no outro canto do estacionamento, a mesma fissura referenciada por “e”, figura
109, encontra-se alinhada com outra fissura mas na parede dando continuidade à do tecto,
Capitulo II
103
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
e esta por sua vez vão ter continuidade com as registadas no chão do estacionamento
sendo deste modo paralelas ás do tecto, figura 110.
Figura 110 – Fissura localizada no pavimento
Figura 111 – Fissura na parede da arrecadação
Numa das paredes da arrecadação, na zona central do estacionamento, é visível uma fenda
vertical com uma abertura significativa, figura 111.
Capitulo II
104
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
4.3.
Envolvente
Teoricamente, a parte exterior do edifício é a zona que se encontra mais sujeita aos
diferentes agendes abrasivos, pelo que deverá estar convenientemente protegida, de modo a
impedir que determinados problemas se venham a manifestar no interior das habitações. É
então conveniente estudar todas as anomalias exteriores para uma compreensão plena das
anomalias interiores.
Deste modo, o edifício visto do exterior apresenta, aparentemente, poucas imperfeições,
apesar que, após um olhar mais preciso serem identificadas algumas anomalias, tanto do
ponto vista construtivo, de envelhecimento dos materiais e de acções naturais.
Capitulo II
105
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Sul
Norte
Nascente
Poente
Fachada
Anomalia
Código de referência
Registo fotográfico
Fissuras/Fendas
A
120
Destacamento do revestimento
B
116; 117; 119
Armadura à vista
C
116; 117; 118
Presença de Humidade
D
118
Eflurescências
E
115
Descascar de pintura
F
118
Manchas
G
120
Fissuras/Fendas
A
123; 124; 125; 127
Destacamento de revestimento
B
123
Destacamento do Betão
C
122; 128
Manchas
G
126
Eflurescências
E
121
Descascar pintura
F
122; 128
Sujidades
H
122; 128
Fissuras/Fendas
A
130; 131; 132
Presença de Humidade
D
-
Sujidades
H
129; 133
Manchas
G
129
Desgaste
A
134
Quadro 5 – Distribuição de anomalias nas diferentes fachadas do edifício
Capitulo II
106
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 112 - Fachada Poente (Alçado Principal)
Figura 113 - Fachada Nascente
Capitulo II
107
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 114 - Fachada Norte
A partir da análise do quadro 5, é possível ordenar as anomalias registadas nas diferentes
fachadas, sendo atribuído a cada tipo de anomalia um código de referência, de tal modo,
que estas possam ser correlacionadas com os respectivos locais de manifestação, nas
diferentes fachadas. É possível também, para uma melhor interpretação das anomalias,
visualizar as fotografias das várias manifestações detectadas.
4.3.1. Fachada Poente
A fachada Poente, a principal do edifício, é a que, de um modo geral, mais impacto causa
na estética do edifício, porque é a que pertencente à rua principal do edifício e é onde se
faz o acesso para o seu interior. Assim sendo, qualquer anomalia aqui verificada é
Capitulo II
108
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
facilmente verificada por qualquer olhar menos preciso, podendo dar um certo ar de
degradação ao edifício.
Figura 115 – Eflurescências na varanda ”E”
Numa das varandas, na face da guarda virada para o exterior, são visíveis eflurescências
com o aspecto de escorridos, referenciadas por “E”. Esta anomalia encontra-se na
superfície da pastilha, conferindo ao edifício uma imagem pouco cuidada sendo até
bastante inestético, devido ao elevado contraste entre as manchas brancas e o azul da
pastilha, figura 115. Esta manifestação, já foi anteriormente abordada, na identificação das
anomalias pertencentes ao 3º andar.
Capitulo II
109
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 116 – Delaminação do betão e armadura à vista “B; C”
Ao entrar no edifício facilmente se detecta o pormenor de armadura à vista na pala da
cobertura da entrada principal do edifício, figura 116. Verifica que houve a perda de uma
considerável porção de betão, podendo até, eventualmente, colocar os utilizadores do
edifício em risco de segurança, caso ocorra a queda de mais algum elemento.
Figura 117 – Delaminação do betão e armadura à vista “B; C”
Uns dos problemas constantemente visualizados nas fachadas deste edifício foram as
armaduras à vista acompanhadas pela delaminação do betão, neste caso ao nível de uma
viga aparente pertencente ao 3º piso, figura 117. Foi também detectada fissuração nas
outras vigas dos outros pisos nesta mesma zona, indiciando também a potencial ocorrência
do mesmo problema.
Capitulo II
110
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 118 – Humidades “D”, armadura à vista “C” e descascar de pintura “F”
Um dos problemas detectados ao longo da pala do edifício, e dos tectos da maioria das
varandas das habitações, foi o descascar da pintura acompanhado de humidades e
eflurescências com aspecto de estalactites, havendo zonas onde se encontrou inclusive
armaduras à vista, figura 118.
Figura 119 – Delaminação do betão e pormenor da recolha de águas
Capitulo II
111
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Na figura 119, é visível a degradação da estrutura de betão apresentando zonas onde este
se encontra já delaminado, tendo algumas destas áreas uma profundidade já considerável.
É também de registar que, o sistema de recolha das águas pluviais que faz a ligação com o
tubo de queda exterior apresenta já um aparente desgaste.
Figura 120 – Fissuras “A” e manchas na pedra “G”
Na figura 120, é visível no átrio da entrada principal do edifício, um desgaste generalizado
do revestimento de pedra, contendo inclusive algumas fissuras, que poderão antever alguns
problemas no interior da habitação.
Capitulo II
112
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
4.3.2. Fachada Nascente
Figura 121 - Eflurescências no avançado “E”
Na figura 121, visualiza-se, na zona do avançado, a presença de escorridos sob a forma de
eflurescências entre o 2º e o 3º andar, de referência ”E”. Ao nível dos outros pisos,
também é possível observar o mesmo problema embora com menos intensidade.
Figura 122 – Delaminação superficial do betão”B”, descascar de pintura”F” e sujidades acumuladas
“H”
Capitulo II
113
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Na figura 122 é possível verificar zonas onde a superfície de betão se encontra danificado e
inclusive apresentando armaduras à vista, referência “C”. Vê-se também no tecto da
varanda a pintura com sinais de degradação, referência “F”. No limite superior da esquina
do edifício, é possível ver um acumular de sujidade, referência “H”.
Figura 123 – Fissuras/Fendas na parede “A” e destacamento do betão”B”
Na figura 123 é visível a presença de uma fissura de referência “A”, com uma orientação
horizontal, na zona que corresponde à caixa de escadas que faz a ligação directa ao
terraço. A fissura encontra-se aproximadamente a meio da parede de alvenaria. Na mesma
figura, é de notar que se verifica o problema comum observado em muitas zonas pontuais
das fachadas, nomeadamente o betão a delaminar e em alguns pontos com a armadura à
vista, referência “B”.
Capitulo II
114
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 124 – Fissuras/Fendas no canto da janela “A”
De uma forma geral, foi observada fendilhação nos vértices de algumas janelas, figura 124,
que se repercute numa fendilhação de aproximadamente 45º manifestada nos ladrilhos de
revestimento. Verifica-se também uma fissuração generalizada, referenciada por “A”, ao
longo deste revestimento, em toda a fachada, como pode ser verificado na figura 125.
Figura 125 – Fissuras/Fendas na parede “A”
Capitulo II
115
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 126 – Mancha na parede “G”
Ao nível do rés-do-chão, são visíveis manchas esbranquiçadas nos revestimentos de pedra,
referenciada por “G”, figura 126. Estas manchas fazem-se notar por todo o piso do rés-dochão e parecem se expandir a partir das juntas das placas.
Figura 127 – Fissuras/Fendas horizontais no avançado “A”
Na zona destes avançados, figura 127, é possível verificar no lado norte, a presença de
fissuras/fendas horizontais, referenciadas por “A”, que se encontram alinhadas com as
fissuras da zona frontal do avançado, lado nascente. Estas fissuras, nestas zonas e com
estas características, são comuns ao nível de todos os pisos. Esta fendilhação possivelmente
encontra-se na transição da viga do avançado com a parede de alvenaria.
Capitulo II
116
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 128 – Escorridos de sujidades “H”, descascar de tinta “F” e destacamento recobrimento “C”
Na figura 128 é visível no canto da cobertura da varanda do último piso, a formação de
estalactites acompanhadas de sujidades, referenciadas por “H”. É visível também que, a
pintura do tecto da varanda apresenta sinais de alguma degradação, referenciado por “F”.
Na referência ”C”, pode-se verificar a delaminação pontual nas arestas do betão armado.
4.3.3. Fachada Norte
Figura 129 – Manchas na parede “G” e sujidades “H”
Capitulo II
117
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Na fachada orientada a norte, é possível verificar que a pedra apresenta algum desgaste,
apresentando manchas esbranquiçadas por toda a sua superfície, referenciadas por “G”,
assim como alguma sujidade e humidade acumuladas na zona superior e inferior do
paramento, referenciadas por “H”, figura 129.
Figura 130 – Fissuras/Fendas no avançado
Figura 131 – Fissuras/Fendas horizontais no
“A”
avançado “A”
Nas figuras 130 e 131, visualiza-se a zona em consola do edifício que apresenta uma
fissuração bastante característica, referenciada por “A”, de inclinação mais ou menos de
45º nas laterais e horizontal na zona frontal. É de notar que estas fissuras apresentam uma
continuidade comum entre elas. Todo este esquema de fissuração encontra-se presente ao
nível de todos os pisos deste avançado.
Capitulo II
118
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 132 – Fissuras/Fendas horizontais no avançado “A”
Figura 133 – Escorridos e humidade “H”
As zonas laterais do corpo avançado, onde termina o tubo de queda de águas pluviais,
apresentam vestígios de humidades e sujidades acumuladas, referenciadas por “H”, sendo a
situação do lado direito, figura 133, a mais gravosa. A do lado esquerdo pode ser
visualizada nas figuras 129 e 130.
4.3.4. Fachada Sul
Figura 134 – Desgaste das chapas
Capitulo II
119
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Por último, na figura 134, temos a fachada orientada a Sul, que apresenta como
revestimento placas de fibrocimento. Estas apresentam algum desgaste aparente por toda
a sua superfície. É de realçar que não foi possível analisar convenientemente esta fachada,
uma vez que, além de estar numa zona do edifício cujo acesso é muito difícil, também está
coberto pelas placas que recobrem qualquer anomalia que esteja nesse paramento.
4.3.5. Cobertura
Figura 135 – Desgaste nos diferentes materiais e vegetação entre o pavimento
Na cobertura do edifício, que é um terraço acessível, figura 135, é possível verificar uma
degradação generalizada de todas as guardas e correspondentes bases. Estes elementos
apresentam como anomalias o descolamento do revestimento, armaduras à vista e
delaminação do betão. Também, é visível a presença de vegetação parasitária constante
em todo o terraço assim como de acumulação de alguns detritos.
Capitulo II
120
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 136 – Delaminação do betão e armadura à vista na zona inferior da guarda
Na figura 136, pode ser visível um pormenor do delaminação do betão em torno da
armadura da guarda, podendo comprometer a segurança dos utilizadores.
Figura 137 – Armadura e estribos à vista na guarda
Em algumas zonas da guarda do terraço, verificou-se a deterioração da sua base,
apresentando produtos inerentes de corrosão. É visível também a corrosão nas armaduras
da guarda, ver figura 137.
Capitulo II
121
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 138 – Fissuração generalizada
Nesta parede revestida por mosaicos brancos, figura 138, ocorre uma fissuração mapeada,
generalizada em toda a parede, levando à fissuração dos mosaicos. Nota-se que já foram
tentadas reparações algumas destas fissuras através da sua ocultação com utilização de
argamassa em algumas zonas.
Figura 139 – Destacamento de betão juntamente com pastilha adjacente a uma junta de dilatação
Capitulo II
122
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Na figura 139, é visível o perigo que pode advir do destacamento dos revestimentos do
suporte, neste caso foi uma porção de revestimento, juntamente com betão, que se
destacou do suporte, na proximidade de uma junta de dilatação.
5. Listagem de potenciais causas
Em suma, vão ser listadas as possíveis causas levantadas para as diferentes anomalias
detectadas no interior e no exterior do edifício. Sendo consideradas as causas mais
evidentes para cada tipo de anomalia. Não existindo neste ponto, qualquer diagnóstico já
estabelecido, contendo sim, matéria importante para a sua elaboração num passo mais
adiante. É de notar que poderá haver correlação entre duas ou mais causas levantadas.
Este levantamento, que pretendeu ser o exaustivo possível de potenciais causas que
poderão estar associados a cada tipo de anomalias, irá servir de base de avaliação no
processo de diagnóstico.
Este ponto irá ser frequentemente referenciado no decorrer do trabalho na parte do
diagnóstico. Sendo, as várias causas levantadas numeradas, no seu inicio, para facilitar a
sua referência. Assim para as seguintes manifestações patológicas foi idealizada a seguintes
lista de possíveis causas;
Capitulo II
123
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Anomalias
Causas mais plausíveis
Capitulo II
124
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
(1.1) - Deformações da estrutura de betão devido a actuação de
sobrecargas
(1.2) - Deformações devido a variações no teor de humidade dos
materiais de construção
(1.3) - Deformações devido a variações térmicas, como dilatação
dos materiais com o calor, ou como a formação de gelo nos poros,
após absorção de água.
(1.4) - Recalques diferenciados das fundações.
Fissuras/Fendas
(1)
(1.5) - Fenómenos naturais (sismos)
(1.6) - Actividade humana, nomeadamente impactos de objectos
(1.7) - Cristalização de sais solúveis nos poros dos elementos,
levando ao seu aumento de volume e fissuração.
(1.8) - Oxidação de elementos metálicos no interior dos elementos
(1.9) - Argamassa de recobrimento muito rica em cimento, que faz
com que este tenha pouca elasticidade não acompanhando a
deformação do suporte, fissurando.
(1.10) - Aplicação e produtos inadequados de revestimento.
(1.11) - Retracção da argamassa base.
(1.12) - Fluência de elementos estruturais
(1.13) - Deformações em elementos estruturais salientes
(1.14) – Acumulação de tenções em zonas com mudança súbita de
geometria
Capitulo II
125
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
(2.1) - Infiltrações de água do exterior através da envolvente
Manchas com escorridos (2)
exterior. A água possivelmente será transferida do pano exterior
para o interior por intermédio dos grampos que poderão estar
inclinados para o interior, levando ao aparecimento da mancha
pontual na parede interior.
(2.2) - Caso a mancha de escorrido esteja completamente seca, ou
seja, já não acontece mais infiltração de água na mesma zona é
possível que tenha ocorrido um arrastamento de sais do pano
exterior para o interior e tenha calcinado formando assim uma
barreira impermeável para o interior.
(2.3) - Poderá ocorrer uma infiltração pontual devido a degradação
Infiltrações de águas (3)
de canalização existente nessa zona da parede.
(3.1) - Devido á fissuração nos elementos, havendo deste modo a
passagem de água por gradiente de pressão para o interior, através
da acção do vento ou por gravidade.
(3.2) - Problemas na impermeabilização do elemento construtivo.
(3.3) - Revestimento demasiado poroso
(3.4) - Deficiente protecção
Capitulo II
126
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
(4.1) - Humidades de construção
(4.2) - Humidade proveniente do solo por capilaridade
(4.3) - Humidade devido a fenómenos de higroscopicidade, que
ocorre devido a uma elevada humidade relativa do ar interior
(4.4) - Humidade de precipitação
(4.5) - Humidade devido a causas fortuitas, nomeadamente devido
a problemas em qualquer sistema de drenagem de águas, quer
Humidades (4)
residuais quer pluviais, a sujidades depositadas ou a problemas em
dispositivos de vedação de águas, nomeadamente telhados, janelas
e caixilharias.
(4.6) - Humidade de condensação devido ás diferentes actividades
humanas no interior da habitação, nomeadamente, cozinhas,
quartos de banho entre outras.
(4.7) - Humidade ascendente de águas superficiais em paredes
exteriores.
(4.8) - Insuficiente circulação de ar no interior da habitação
(4.9) -Mau isolamento das paredes exteriores
(4.10) - Existência de pontes térmicas
bactérias (5)
Fungos, bolores e
(5.1) -Presença de humidade
(5.2) - Ausência de Insolação
(5.3) - Insuficiente ventilação dos espaços
(5.4) - Temperaturas e humidades elevadas
(5.5) - Sistemas de pintura sem característica fungicida.
Capitulo II
127
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
(6.1) - Tinta sob uma argamassa de revestimento contendo
Empolamento da pintura (6)
partículas expansivas que através da presença de determinados
valores de temperatura e humidade leva ao aparecimento de bolhas
ou vesículas na película de tinta.
(6.2) - A tinta forma uma película impermeável, em substratos que
contêm elevado teor de sais solúveis em água. A presença de
humidade solubiliza estas substâncias que, por acção da evaporação
e capilaridade, depositam-se na interface da película com a
superfície, com posterior empolamento e descolagem da mesma.
(6.3) - Presença de excesso de humidade na base.
(6.4) - Sistema de pintura não é o mais adequado.
(7.1) - Humidade excessiva presente no substrato, remanescente da
execução do edifício, de infiltrações ou de condensação.
Descascar da pintura (7)
(7.2) - Formulação inadequada da tinta
(7.3) - Selecção inadequada da tinta, com exposição a condições
muito agressivas em relação à qualidade normal do produto, ou por
incompatibilidade com o substrato.
(7.4) -Ausência de preparação da superfície ou preparação de modo
inadequado, aplicação da pintura sobre base que apresenta
deposição de materiais pulvurentos, contaminados de sujidades,
óleo, bolor e materiais soltos, base muito porosa.
(7.5) - Substrato que não apresenta estabilidade, com uma
superfície muito deteriorada.
Capitulo II
128
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
pavimento (8)
Empolamento do
(8.1) - Variações térmicas no material, que aliada a modelação
inapropriada das juntas dos matérias provoca tenções nas suas
superfícies originando o empolamento de material ou até a sua
desagregação.
(8.2) - Variações do teor de humidade
(8.3) - Fissuração no pavimento
Destacamento do recobrimento (9)
(9.1) - Juntas de dilatação demasiado pequena
(9.2) - Heterogeneidade de materiais de revestimento (anisotropia
dos materiais constituintes)
(9.3) - Magnitude de tenções desenvolvidas nos elementos,
superiores á resistência dos mesmos.
(9.4) - Variações térmicas
(9.5) - Deformação do suporte
(9.6) - Má qualidade ou má aplicação da cola no caso de elementos
colados
(9.7) - Presença de água excessiva nos elementos de recobrimento
Capitulo II
129
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Corrosão das armaduras/Delaminação
(10.1) - Insuficiente recobrimento das armaduras
(10.2) - Presença excessiva de água no betão
Superficial do betão (10)
(10.3) - Presença excessiva de iões cloretos e sulfuretos que
aceleram a corrosão das armaduras e progressivo destacamento do
elemento de recobrimento
(10.4) - Carbonatação do betão
(10.5) - Atmosfera urbana demasiado ácida
(10.6) - Agentes agressivos presentes na atmosfera, como os
cloretos provenientes de ambientes próximo do mar.
(10.7) - Agentes agressivos incorporados no interior do betão,
nomeadamente cloretos.
(11.1) - Presença de sais solúveis nos materiais de construção,
como na água de amassadura, agregados ou aglomerados e nos
Eflurescências (11)
materiais cerâmicas que compões os revestimentos.
(11.2) - Carbonatação de cal libertada na hidratação do cimento
(11.3) - Presença de água, ou humidade constante e pressão
hidrostática proporcionando a migração de sais para a superfície do
material.
(11.4) - Infiltrações nos elementos.
(11.5) - Porosidade elevada dos componentes permitindo a
percolação da solução.
(11.6) - Fissuração nos elementos construtivos
Quadro 6 – Agrupamento das potências causas em função do tipo de anomalia
Capitulo II
130
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
6. Correlação das anomalias
Nas figuras seguintes é possível verificar nas fachadas, as zonas da envolvente onde se
encontraram problemas no interior das habitações. Deste modo, é possível diagnosticar
mais facilmente a correlação que as anomalias interiores têm com as anomalias detectadas
no exterior do edifício.
Figura 140 - Fachada Poente
Na fachada Poente, as anomalias assinaladas a amarelo, na zona em redor do envidraçado
demonstram que os problemas identificados no interior da habitação, do rés-do-chão
esquerdo, poderão estar relacionados com o estado do revestimento de pedra exterior.
Havendo, a possibilidade de já ter ocorrido posteriormente infiltrações no local
Capitulo II
131
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
referenciado por “d”. Pode também haver a possibilidade de ocorrer problemas de
infiltrações nas restantes zonas, uma vez que a pedra é porosa e não existe nenhum
sistema isolante nas paredes do edifício. A pedra apresenta por toda a sua superfície
algumas fissuras generalizadas.
Na zona assinalada a azul, correspondente à anomalia referenciada por “h”, detectada no
tecto do interior do rés-do-chão direito, pode-se afirmar que haverá uma relação bastante
elevada com o sistema de impermeabilização do piso da varanda do 1º andar esquerdo.
Figura 141 – Fachada Norte
Na fachada Norte, é visível no extremo direito do edifício, o problema na zona do pilar,
contíguo da fachada Poente, referenciado por “a” e “b”, sendo provável o seu
Capitulo II
132
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
aparecimento devido à fissuração do revestimento de pedra e possível ocorrência de
infiltração para o interior.
Verifica-se também a mesma anomalia interior, referenciada por “d”, numa zona onde
também poderá ter ocorrido uma infiltração pelo revestimento de pedra. A anomalia
referenciada por “a”, poderá advir, igualmente, de infiltrações pelo revestimento de pedra.
É de notar que na zona exterior, nesta mesma zona a pedra apresenta-se com manchas
brancas, assim como também humidades e sujidades por toda a sua superfície.
A anomalia referenciada por “f”, registada no interior do 1º andar direito, poderá estar
relacionada à existência de uma ponte térmica, a viga aparente do avançado, facilitando
assim o aparecimento de humidades interiores, na periferia desta deficiência estrutural.
Figura 142 - Fachada Nascente
A anomalia assinalada, do lado direito da fachada Nascente, ao nível do 1º andar,
referenciada por “k”, representa a fissura detectada na parede do interior da habitação.
Capitulo II
133
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Esta fissura indicia, segundo a sua orientação e semelhança com as fissuras exteriores
contíguas, que está directamente relacionada com a deformação do avançado. A referência
“f”, nesta mesma zona, corresponde à anomalia da fachada norte que já foi referida
anteriormente.
Ao nível do 3º piso as anomalias detectadas no interior da habitação, referenciadas por
“q”, dão se sobretudo em torno da janela. Estando estas anomalias inteiramente
relacionadas com as eflurescências verificadas no exterior do edifício, mais especificamente
na mesma zona do avançado, onde também se fazem notar algumas fissuras.
Na zona superior da janela, assinalada a azul, manifesta-se a anomalia referenciada por
“h”, esta anomalia interior encontra-se relacionada com a fissuração detectada na zona
exterior entre elementos estruturais e não estruturais.
Na zona interior da caixa de escadas, encontra-se a anomalia referenciada por “q”, que
possivelmente estará relacionada com a fissura horizontal verificada no exterior nessa
mesma zona.
Capitulo II
134
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
7. Diagnóstico
Perante a ocorrência das anomalias no edifício, deverá ser efectuado um diagnóstico
correcto, tendo como principais bases a avaliação rigorosa da situação real. Para isso foi
necessária uma inspecção ao edifício para a percepção das várias anomalias, e recolha de
informação sobre cada uma. Após a obtenção destes dados, e seu agrupamento, foram
idealizadas as causas mais prováveis para cada tipo de anomalia.
O diagnóstico que será proposto neste trabalho, irá ter apenas como base um
conhecimento teórico sobre cada tipo de anomalia e através disso irão ser seleccionadas as
causas mais prováveis para cada problema.
Devido à grande complexidade que existe em torno de projectos de reabilitação, todos os
meios disponíveis são essenciais. Devido a este facto, este diagnóstico teria uma base mais
sólida, caso tivesse ocorrido a execução de ensaios, para a avaliação mais pormenorizada
das várias anomalias. Estas inspecções, poderiam ser feitas por ensaios “ in situ”, recolha
de amostras e até, em alguns casos, ensaios em laboratório. Houve no decorrer deste
trabalho uma impossibilidade física de realizar ensaios devido a uma ausência de
equipamentos disponíveis no ISEP.
Deste modo, após o estudo das anomalias detectadas, tendo como principio a sua
localização e características físico-químicas e formas de manifestação. Foram propostos os
diagnósticos seguintes, começando primeiramente com os diagnósticos pelo interior do
edifício e prosseguindo de seguida para as do exterior, tendo em consideração a correlação
das várias com os locais adjacentes respectivos.
Antes de se proceder à descrição concluída no estudo efectuado das várias anomalias,
convém relembrar que muitos diagnósticos serão constantemente referenciados à listagem
das potenciais causas levantadas no ponto 5 deste trabalho.
Capitulo II
135
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
7.1.
Interior do Edifício
Fissuras de canto a 45º - e
Antes de se prosseguir para o diagnóstico nas diferentes habitações, será realizado o
diagnóstico para uma anomalia comum em todas elas. Apesar da recolha dos dados não
ter sido a suficiente, é de esperar que o problema resida em todas com maior ou menor
grau de intensidade.
Estas fissuras estão localizadas, de um modo geral, nos tectos, havendo contudo algumas
localizadas no pavimento, sendo a sua orientação relativamente à fachada do edifício de
um ângulo aproximadamente 45º. São encontradas nos quatro cantos do edifício e em
todos os pisos, inclusive no parque de estacionamento.
É de levantar a hipótese que tenha ocorrido um assentamento diferencial da estrutura nos
quatro cantos. Este assentamento poderá ter se manifestado devido a um sismo de uma
certa magnitude registado na década de 80, que poderá ter originado o seu aparecimento
nas várias lajes do edifício.
É de notar que estas fissuras já se encontram estabilizadas, conclusão tirada devido à não
fissuração dos testemunhos de gesso colocados aquando o seu aparecimento na laje de
tecto do parque de estacionamento por um dos moradores. O diagnóstico para esta
situação assentará nas causas sugeridas em (1.4) (1.5).
7.1.1. Rés-do-chão
7.1.1.1. Rés-do-chão Esquerdo
Humidades com manchas de bolor e fungos – f
Uma das causas mais frequentes para o aparecimento destes microrganismos, é a presença
de humidades constantes, devido em grande parte há existência de superfícies frias e
Capitulo II
136
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
ausência ou deficiente ventilação (5.1) (5.2) (4.8). Nestas situações respectivas esta
presença de humidade que propicia o seu aparecimento, é provavelmente devida á
humidade de condensação, que se regista nestas zonas onde existem elementos estruturais,
caso de pontes térmicas (4.10).
Atendendo que são superfícies frias, na presença de ambientes quentes e húmidos, muitas
vezes devido às actividades humanas, como p.e. cozinhar e respirar, o vapor de água
condensa levando ao aparecimento destas anomalias (4.6).
Humidades e descascar da pintura – a; b
Na zona de canto da sala comum, foi verificado na parede, junto à janela, o descascar da
película de tinta. Este descascar da película poderá estar associado, muito provavelmente,
a uma infiltração a partir da fachada para a superfície interior. Contudo, e como já foi
diagnosticado em cima, nesta zona também existe um pilar sem protecção térmica, logo
estamos na presença de uma ponte térmica, propiciando a um potencial aparecimento de
humidade de condensação neste local, o que contribuirá também para a desagregação da
película de tinta (7.1). O descascar da película de tinta poderá também eventualmente
indiciar uma reacção alcalina do suporte.
Fissuras/Fendas - (c)
Foram registadas duas fissuras nas paredes da zona da sala comum e do hall de entrada. A
sua caracterização é semelhante, estando contidas em paramentos opostos não estruturais,
respectivamente na parede divisória da sala comum e na zona de um armário embutido do
hall de entrada. Nesta situação específica é de prever que tenha ocorrido uma deformação
da laje superior, devido à actuação de sobrecargas verticais. O que terá sucedido então, foi
o aparecimento de fissuras verticais provenientes da deformação transversal da argamassa,
Capitulo II
137
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
sob acção das tensões de compressão ou de flexão local e, como as paredes divisórias não
possuem muita resistência fendilharam na zona onde ocorreu maior acumulação de tenção
(1.1).
Também foram documentadas fissuras localizadas no quarto, mais propriamente na
esquina da parede, apresentando características mapeadas. É de diagnosticar que tenha
ocorrido uma retracção da argamassa, fendilhando a película de tinta. (1.11)
Outra fissura registada foi no interior do quarto de banho da referida divisão, sendo uma
fissura vertical que se inicia no tecto. Esta fissura localiza-se muito provavelmente na
região em contacto com uma corete, o que provavelmente indiciará que esta fissura terá
surgido por variações térmicas (1.3). Poderá estar também associada a variações de
humidade, uma vez que o quarto de banho é um local correntemente húmido (1.2).
Mancha com escorrido - (d)
Estas manchas pontuais aparecem unicamente nas paredes da envolvente interior do
edifício ao longo do rés-do-chão. Visto que dificilmente existe canalização nestas zonas da
parede, o ideal seria averiguar através de sondagens. É de prever também a hipótese
levantada em (2.2), uma vez que esta mancha já não apresenta indícios de corrente
infiltração.
7.1.1.2. Rés-do-chão Direito
Fissuras/Fendas de canto a 45º e humidade com infiltração – e; h
Apesar de, como já foi referido, haver também nesta habitação fissuras no canto, tanto na
laje de tecto como no pavimento, esta situação apresenta uma ligeira diferença, uma vez
que na laje de tecto é visível humidade proveniente de infiltrações.
Capitulo II
138
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Após uma análise mais pormenorizada às plantas arquitectónicas do edifício, verifica-se
que nesta zona, onde ocorrem infiltrações, existe um espaço não interior, mais
especificamente a varanda do 1º andar direito. Deste modo, e apesar de não se ter feito um
vistoria ao 1º direito, prevê-se que haja infiltrações no pavimento da varanda, proveniente
de problemas de escoamento das águas, que aliado a esta fissuração origina as infiltrações
no piso inferior (3.1) (3.4).
Na zona do pavimento, os mosaicos encontram-se fissurados com a mesma inclinação das
do tecto. É natural que tenha ocorrido a fissuração no elemento estrutural já mencionada,
e que, por consequência, os ladrilhos terão quebrado (1.1) (1.4)
7.1.2. 1º Andar
7.1.2.1. 1º Andar Direito
Fissuras/Fendas nas paredes, tectos e no avançado – c; l; k
No interior desta habitação foi verificada a presença de fissuração mapeada em algumas
das suas paredes. Como diagnóstico mais provável será o levantado no ponto (1.11).
Uma fenda que foi detectada numa parede, no interior de um armário embutido, com uma
orientação vertical, de uma considerável espessura, poderá estar associada a variações
térmicas. Esta suposição é baseada no facto de estar localizada na zona em contacto com
uma corete (1.3).
Num dos corredores de acesso directo aos quartos de banho foram encontradas fissuras nas
paredes divisória. É de esperar devido á natureza das fissuras e sua localização que estas
tenham ocorrido devido ao sugerido no ponto (1.1) ou por fenómenos de fluência do
elemento estrutural superior (1.12).
Na mesma zona, mas agora no tecto, também se pode encontrar uma fissura, que
provavelmente, poderá estar relacionada com a deformação a meio vão da laje fungiforme.
Capitulo II
139
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Na cozinha, as fissuras registadas encontram-se nas paredes laterais na zona do avançado,
próximo da janela. Estas fissuras apresentam características próprias, decorrentes da
deformação do avançado, originando a formação de fissuras de 45º, e quebrando por
conseguinte os azulejos onde estas se encontram.
Humidades com manchas de bolor e fungos – f
No interior de um quarto de banho foram detectados vestígios de humidades e bolor no
tecto. O diagnóstico mais provável nesta situação, é a proliferação destes microrganismos
devido a uma má ventilação de ar saturado de humidade resultante dos banhos. (4.6) (5.3)
Na cozinha também foi verificado o mesmo problema, mais especificamente nos bordos do
tecto que correspondem aos extremos da consola. O diagnóstico mais provável, é a
acumulação de humidade de condensação, devido a actividades humanas neste
compartimento que se depositam na proximidade de uma ponte térmica que é a viga da
consola. (4.6) (4.9) (4.10)
Empolamento da pintura – j
O empolamento da película de tinta na sala comum, é atribuído à presença de um quarto
de banho, mais propriamente de um duche, contíguo a esta divisão. Assim sendo e depois
de uma observação da parede do duche já do lado oposto, verificaram-se indícios de
infiltração e acumulação de humidade, na base do duche e na zona entre juntas dos
mosaicos da sua parede. Deste modo, é de supor que a água se infiltre pela parede,
atravessando o suporte levando o empolamento da película de tinta, do lado da sala, sob a
forma de criptoflurescências, conforme o listado nos pontos (6.2) e (6.3).
Capitulo II
140
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
7.1.3. 3º Andar
A anomalia mais grave nesta habitação, e a que apresenta maior impacto na estética,
situa-se na consola, na fachada nascente.
Assim sendo, foram registados no interior deste local, problemas de eflurescências,
humidades, infiltrações e fissuração. Aquando da realização da vistoria pelo exterior do
edifício, no alçado nascente, foi detectado, de facto, fissuração nesta zona da consola. Esta
fissuração é visível na parte frontal do avançado e na parte lateral do mesmo pelo lado
norte, uma vez que o lado sul contém anexado uma marquise. Estas fissuras apresentam
uma orientação horizontal, e na sua zona central apresentam traços de eflurescências.
Fissuras/Fendas nas paredes e tectos – c, e, l
Como consequência do problema de fissuração, nas paredes de alvenaria do avançado, irá
ocorrer provavelmente a infiltração de águas da chuva para o interior, originando assim,
muitos dos problemas acima enumerados nesta zona da habitação. Este problema de
fissuração advém sobretudo dos movimentos de deformação neste elemento avançado,
devido à sua falta de rigidez (1.1) (1.2). Como já foi explicado, as eflurescências e/ou
criptoflurescências provêm associadas na maioria das vezes à fissuração, que facilita a sua
migração pelos elementos, exemplificada por problemas de infiltração e consequentes
humidades constantes. As características do material da alvenaria também são muito
importantes nesta situação (11.3) (11.4) (11.1).
O problema da fissuração de canto, com orientação relativamente à fachada de 45º,
referenciada por “e”, no tecto, foi detectada tanto do lado nascente como poente, sendo
verificada a sua continuidade para as zonas exteriores anexadas respectivamente (1.4)
(1.5). Nas zonas exteriores haverá indícios de corrente infiltração devido a acumulação de
eflurescências ao longo destas fissuras (3.1) (3.2) (11.3) (11.6). A zona do tecto da varanda
do lado poente da habitação é a que se encontra mais danificada, podendo-se visualizar
Capitulo II
141
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
problemas inerentes à corrosão de armaduras e consequente delaminação do betão,
acompanhado de uma deterioração generalizada da pintura (10.1) (10.2) (10.4).
Já na zona da varanda, registou-se uma fissuração generalizada dos ladrilhos, que
recobrem a guarda da varanda. Devendo esta situação estar associada ao listado no ponto
(1.3).
Na entrada para a zona da sala comum, foi registada uma fissura num dos vértices da
porta. Normalmente, este tipo de fissuração está relacionada com a actuação das
sobrecargas provenientes da laje superior. O que sucede é que com a actuação das
sobrecargas na parede as fissuras surgem a partir dos vértices das aberturas em função das
isostáticas de compressão estando também dependentes da dimensão da parede, da
localização da abertura e da anisotropia dos elementos constituintes da parede (1.14).
Empolamento do pavimento - p
Foi detectado o empolamento do piso em duas zonas da habitação, na zona do avançado e
na entrada da cozinha ainda na zona nascente da habitação. Estes problemas de
empolamentos do pavimento, neste caso particular, são de prever que tenham ocorrido
devido a variações térmicas dos materiais, ver ponto (8.1).
Armadura à vista e outras anomalias no tecto da varanda - t, s, r, h, f, u
Do lado poente da habitação, mais propriamente no tecto da varanda, foi verificado a
armadura à vista. Nesta situação é de prever que tenha havido um fraco recobrimento das
armaduras e que, devido à carbonatação do betão, tenha ocorrido a corrosão das
armaduras levando à delaminação da sua película protectora, expondo-as assim. (10.1)
(10.4) (10.3)
Capitulo II
142
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Nesta mesma zona, que aliás é uma zona em contacto directo com o exterior, onde a
presença de água é uma constante, a película de tinta ter-se-á deteriorado, devido a (7.1) e
onde poderá ter havido uma selecção inapropriada da tinta para esta zona (7.3).
É de notar também que se verificam fissuras de 45º, com infiltrações que contribuem
também para a deterioração do revestimento da laje de tecto.
Eflurescências na guarda da varanda - q
Na zona exterior, da guarda da varanda, regista-se a presença de depósitos salinos
(eflurescências), segundo uma orientação horizontal, sob a forma de escorridos. Na mesma
zona existe uma fissura horizontal no elemento, que poderá indiciar esta forma de
manifestação (11.4). A fissura horizontal leva a acreditar que, decorrente da sua
localização, não tenha havido um tratamento da transição entre a viga e a guarda da
varanda. O que sucede, neste caso é que, as características distintas destes dois elementos,
nomeadamente, o seu coeficiente de dilatação térmica e de humidade, levam à rotura na
zona de ligação de ambos (1.2) (1.3). Recorrente terá ocorrido infiltração proveniente de
águas do interior da varanda, devido ao facto, da pendente de escoamento de águas estar
deficiente nesta zona, originando a infiltração e consequente migração dos sais do elemento
para a zona exterior, levando à formação desta aparência de escorrimento.
Capitulo II
143
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
7.2.
Exterior do Edifício
7.2.1. Fachada Nascente
Eflurescências
É visível onde se encontram os avançados, a presença de eflurescências. É de notar que,
estas fazem-se manifestar no revestimento de pastilha azulado, originando um grande
contraste com a coloração esbranquiçada da eflurescência. É de esperar, que os sais
tenham migrado do interior da parede de alvenaria para o exterior, solidificando quando
em contacto com o ar, formando estes depósitos salinos. Esta migração possivelmente deuse devido à presença de humidade, originada pela infiltração da chuva nas fissuras do
elemento. (11.1) (11.3) (11.4)
Fissuras/Fendas
É visível na zona norte do avançado, fissuras horizontais, ao nível da ligação da alvenaria
com a viga. É de prever que tenha ocorrido a deformação do avançado ao longo do tempo,
e tenha originado a que o painel de alvenaria tenha fissurado na zona de ligação com a
viga. De um modo geral, os avançados que se distanciem do plano do edifício mais de
80cm, poderão trazer certas preocupações, nomeadamente algumas consequências futuras
de fissuração, como se verificou neste caso (1.12) (1.13).
Na zona que envolve a caixa de escadas, que dá acesso ao terraço, é possível verificar a
presença de uma fissura horizontal no pano de alvenaria. Como este elemento está
directamente ligado à estrutura, é previsível que tenha ocorrido a deformação da viga
inferior, arrastando consigo o pano de alvenaria, e consequentemente levando à formação
desta fissura (1.13).
Capitulo II
144
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
É possível verificar neste alçado, algumas fissuras mais generalizadas, sem qualquer
distribuição característica nas zonas onde se encontram os ladrilhos cerâmicos. O que
poderá ter acontecido, nestas situações, é que tenha ocorrido a retracção da argamassa de
revestimento onde os ladrilhos estão colados, dando-se devido à diminuição do seu volume
desencadeado pela evaporação da água contida no suporte, motivado devido ao elevado
nível de exposição solar. Originando então ao aparecimento de fissuras de distribuição não
uniforme nos elemento de recobrimento (1.3) (1.11).
Outro tipo de fissuras verificadas na fachada, foram as fissuras de canto em algumas
janelas. Estas fissuras poderão estar associadas à falta de homogeneidade dos materiais
que envolvem a abertura. O que acontece é que os vários materiais terão características
diferentes comportando-se assim distintamente, sendo a rotura do material, normalmente,
produzida por um esforço de tracção que provoca tensões superiores à sua capacidade
resistente, ou seja, quando ocorre uma variação dimensional do material que ultrapassa a
capacidade resistente do elemento este fractura, levando à formação da fissura. Estas
fissuras surgem normalmente, na zona ao nível das padieiras dos vãos, que são zonas com
baixa inércia logo menos resistentes, e estão normalmente associadas a deformações
higrotérmicas dos materiais, que fissuram nas zonas onde as tensões são mais elevadas
(1.14).
7.2.2. Fachada Norte
Fissuras
A maioria dos casos mais gravosos de fissuração nesta fachada ocorre na zona onde se
encontra o corpo avançado. Assim e devido às características destas fissuras, indicia que
estas ocorreram devido à deformação da viga, originando fissuras a 45º na zona lateral e
Capitulo II
145
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
horizontais na frontal. O que ocorre neste caso, é que devido à falta de rigidez estrutural
neste corpo em balanço, o elemento não estrutural irá estar sujeito às deformações de
flexão da viga levando à criação de bielas de compressão que vão originar fissuras com a
mesma inclinação (1.12) (1.13).
Manchas no revestimento de pedra
Ao nível de todo o piso de rés-do-chão, que se encontra revestido por pedra natural, é
possível verificar manchas e humidades ascensionais nas zonas mais inferiores. As manchas
esbranquiçadas detectadas, estão na sua maioria relacionadas com o modo de fixação
destes elementos pétreos, neste caso as placas terão sido coladas. Por conseguinte,
provavelmente terá ocorrido a penetração de substâncias a partir do suporte, como por
exemplo do próprio produto de colagem que se infiltra pelo tardoz da pedra, ficando
posteriormente visível à superfície sob a forma de manchas brancas. Estas manchas podem
vir a aparecer ao longo do tempo devido à infiltração de água da chuva pelas juntas das
placas ou pela parte superior do revestimento, e como não existe circulação de ar entre o
revestimento e o suporte, levará à formação de humidades que dissolvem a cola
manchando assim o revestimento.
Sujidades
Foram também encontradas manchas de sujidades a nível de alguns peitoris, e no
elemento de pedra do piso do rés-do-chão. O que acontece, é que ocorre uma acumulação
de sujidades a nível do elemento, e que com a actuação da água da chuva arrasta estas
sujidades depositadas para a fachada. Geralmente este problema ocorre devido à grande
existência de superfícies horizontais que propiciam a acumulação de sujidade. Estas
Capitulo II
146
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
manchas de sujidade devem-se claramente à existência de caminhos para as escorrências,
para as quais contribuíram os seguintes factores:

Inexistência de pingadeiras

Peitoril com fraca inclinação

Inexistência de batentes laterais

Projecção lateral do peitoril de dimensão reduzida
7.2.3. Fachada Poente
Descascar da tinta na pala
Depois de se ter realizado uma vistoria ao terraço e observado estado de conservação da
tela de impermeabilização da pala, verificou-se que, aparentemente, não apresenta
qualquer tipo de degradação, logo pôde-se concluir que o problema não advinha desta
situação. Um diagnóstico previsível para esta degradação da película de tinta, é o facto de
as águas da chuva migrarem para o interior da pala, devido à não existência de
pingadeiras, facilitando assim o acesso e concentração das águas da chuva, propiciando o
aparecimento de humidades e consequentemente levando ao destacamento da tinta (7.1)
(7.3).
Armaduras à vista
Este problema está inteiramente relacionado com o processo de corrosão que se dá nas
armaduras e que está associado à despassivação do betão pelo fenómeno de carbonatação.
Esta corrosão poderá levar à perda de secção das armaduras e consequente formação de
forças internas capazes de fendilhar o betão que as recobre. É frequente associar que este
Capitulo II
147
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
problema ocorra em zonas onde a armadura esta mais próxima da superfície de betão, logo
poderá se assumir que o recobrimento também não tenha sido o suficiente. (10.4) (10.1)
7.2.4. Cobertura
Acumulação de detritos
A acumulação de detritos na cobertura, e outros materiais sobre os elementos de
revestimento contribui para o aparecimento de vegetação parasitária que prejudica o
correcto funcionamento da cobertura, na medida em que dificulta o escoamento das águas
pluviais.
Assim, criam-se condições para a formação de zonas de acumulação de humidade de
precipitação que podem resultar em infiltrações sob a cobertura, sempre que a quantidade
de água estagnada e acção dos ventos exercem influência nesse sentido.
A acumulação de detritos poderá também estar associada à presença de animais sobre a
cobertura, cuja acção (fezes, ninhos, etc.) prejudicam a capacidade de escoamento da
cobertura. A acção destes animais inclui uma componente química, que se traduz em
reacções entre os ácidos produzidos (fezes), e os elementos de revestimento. Nos materiais
cerâmicos, os efeitos químicos dos ácidos estão associados ao aumento da porosidade deles,
sem no entanto comprometer a sua durabilidade, e, nos materiais metálicos e mistos,
contribuem para o aparecimento de fenómenos de corrosão.
Vegetação parasitária
O desenvolvimento de vegetação parasitária, nomeadamente plantas, fungos, líquenes,
verdetes, musgos, nos revestimentos de coberturas está associado ao escoamento deficiente
das águas pluviais e à estagnação das águas em determinadas zonas. Esta anomalia está
directamente relacionada com a acumulação de detritos, na medida em que, ao ser
Capitulo II
148
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
dificultado o escoamento das águas, são criadas as condições de humidade necessárias ao
desenvolvimento dos microrganismos biológicos e de vegetação de maior porte, tendo a
radiação solar como fonte de energia.
O desenvolvimento de vegetação que se acumula na superfície dos elementos de
revestimento contribui, como referido, para a retenção da água nos poros dos materiais,
tornando-os mais vulneráveis a acções mecânicas e aos ciclos gelo / degelo.
Corrosão
A corrosão, é uma das principais causas de degradação dos revestimentos de coberturas e
pode manifestar-se através de anomalias superficiais (branqueamento, alteração de cor,
manchas, escorrimentos, empolamentos e destacamentos) e anomalias profundas (picadas /
perfurações, diminuição da espessura do elemento, perda de elementos ou de partes destes
e fissuras). As coberturas são elementos que vão estar em contacto directo com humidades
permanentes e contacto com os vários agentes agressivos do meio ambiente o que
incrementa ainda mais o seu desenvolvimento (10.4) (10.5) (10.6).
Fissuração/Fendilhação
A fissuração nos elementos, pode ocorrer nos vários tipos de revestimentos de coberturas,
resultando em pontos de infiltração da água das chuvas. Deste modo a ocorrência de
fissuração nos elementos de revestimento pode ter origem em causas estruturais, tais como
assentamentos diferenciais dos elementos da estrutura de suporte que pode provocar
desnivelamentos na cobertura ou a existência de vãos excessivos associados à fixação de
cargas não previstas no projecto (1.4).
A origem das fissurações está também relacionada com causas não estruturais que
consistem, sobretudo em acções de choque provocadas pela colocação de equipamento
sobre as coberturas, quedas de granizo, queda de objectos pesados e ferramentas (1.6). E
Capitulo II
149
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
no caso prático poderá estar relacionada com variações térmicas, uma vez estarem sujeitas
frequentemente à acção directa da radiação solar (1.3).
Capitulo II
150
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
8. Proposta de Intervenção
Após se ter efectuado o levantamento e o diagnóstico de todas as anomalias, quer do
interior quer do exterior, e as suas ligações, é necessário definir-se as acções a propor tendo
como objectivo a reabilitação do edifício.
De referir que, nesta fase do trabalho, procurar-se-á propor um conjunto de
procedimentos, por vezes com alternativas, permitindo ao Dono de Obra, decidir em
função dos objectivos pretendidos e das eventuais limitações de orçamento a disponibilizar
pelo condomínio. Irão ser propostas as acções de intervenção para cada tipo de anomalia
encontrada, tentando sempre, primeiramente, proceder à eliminação das causas das
anomalias, sendo dada prioridade às anomalias detectadas no interior do edifício,
prosseguindo-se de seguida para os do exterior, tendo sempre em consideração a relação
que ambas possam ter.
8.1.
Interior do edifício
As fissuras/fendas referenciadas por “e”, de um modo geral, comuns a todas as habitações,
encontram-se estabilizadas, conclusão tirada a partir dos testemunhos presentes no
estacionamento. Assim sendo, a correcção desta anomalia consiste na utilização de técnicas
tradicionais, onde será feita a remoção das zonas fissuradas, seguida da reparação do
revestimento utilizando argamassa de reparação após um prévio alegramento da
fissura/fenda e um acabamento final que poderá ser unicamente um esquema de pintura
apropriado.
Capitulo II
151
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
8.1.1. Rés-do-chão
8.1.1.1. Rés-do-chão Esquerdo
Humidades com manchas de bolor e fungos – f
A zona da sala comum, desta habitação, apresenta-se com indícios de pouca ventilação e
humidade, que propicia a formação destes bolores e fungos. Logo, e antes de se proceder a
esta operação de reparação, deverá ser corrigida a causa que contribui para esta
manifestação, nomeadamente humidades de condensação provenientes de insuficiente
ventilação e fraco isolamento térmico.
Deverá ser providenciada uma estratégia que garanta uma ventilação, se não constante,
temporizada, prevendo-se, não só, a evacuação assim como a entrada de ar exterior.
O procedimento que deve ser realizado para a sua reparação será a lavagem das zonas
afectadas com uma solução de hipoclorito de sódio a 5%, lavando de seguida com água
simples, e depois deixar a superfície secar. De seguida, deverá ser colocado um esquema de
pintura de preferência tinta com aditivos anti-bolor. Caso seja necessário, deve-se proceder
além dos procedimentos anteriores ao desengorduramento das superfícies utilizando
detergentes e por fim uma lavagem com água simples.
Humidade e descascar da pintura – a, b
Na situação manifestada no canto da parede, da sala comum, e antes de se proceder a
qualquer operação de reparação, como no caso anterior, deverá ser assegurada a correcção
da causa que leva à manifestação desta situação. Assim sendo, e conforme o diagnosticado,
poderemos estar perante problemas originados por infiltrações ou por condensações
superficiais motivadas por uma fraca ventilação e um mau isolamento das paredes.
Capitulo II
152
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Caso o problema ocorra devido a infiltrações, será necessário recorrer a sondagens para
uma investigação pormenorizada da sua origem e proceder posteriormente à sua
eliminação.
Na possibilidade de ser devido a problemas de condensações, a solução passaria pela
remoção da zona que se encontra degradada por meio de decapagem, utilizando uma
espátula para uma remoção mais abrasiva do revestimento degradado. Depois da zona
degrada se encontrar convenientemente removida, é conveniente assegurar que todo o local
a reparar esteja bem limpo e seja deixado a secar à custa de um amplo arejamento (por
meios naturais ou artificiais).
Na reparação do revestimento poderá ser utilizada um barramento fino para regularizar a
superfície, sobre o qual se aplicará um primário antes da aplicação de uma nova película
de tinta.
Fissuras – c; e
Primeiramente, antes de se proceder a qualquer tipo de reparação das fissuras/fendas nas
paredes, deveriam ser colocados testemunhos para avaliar o seu estado de actividade,
nomeadamente as detectadas no tecto da sala comum e no interior do quarto de banho.
Assim, o tratamento das várias fissuras deverá atender quanto ao seu estado de
actividade, dimensão e se afecta apenas o revestimento ou também o suporte. Apesar de
não ter sido possível a colocação de testemunhos, será de propor uma solução de reparação
de uma fissura não activa, uma vez que não são estruturalmente significativas.
A solução de reparação de todas estas fissuras, caso inactivas, passará pelo seu
alegramento até, aproximadamente, 1cm de largura e secção tão próxima quanto possível
de “cauda de andorinha”. As superfícies abertas devem ser limpas de pó e elementos
soltos. De seguida, o reboco deve ser reparado usando, argamassa de reparação de
Capitulo II
153
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
retracção controlada. Por fim poderá ser aplicado o acabamento final de um esquema de
pintura apropriado.
Manchas com escorrido – d
Nestas manifestações tanto da sala comum como no quarto, figuras 64, 66 e 71, como não
foi possível um diagnóstico conclusivo, pela impossibilidade de se terem realizado
sondagens, assume-se que a mancha não estará relacionada com infiltração, já que
apresenta uma superfície seca. A solução seria a repintura da zona afectada, após prévia
lavagem.
8.1.1.2. Rés-do-chão Direito
Fissuras/Fendas de canto a 45º e humidade com infiltração – e; g; h
Nesta habitação, o problema de infiltração, referenciado por “h”, na laje de tecto da sala
comum, figura 73, está associado, como já foi diagnosticado, à varanda do piso superior.
Deste modo primeiramente deveria ser corrigida a causa directa da infiltração, que passa
pela revisão do sistema de impermeabilização do pavimento da varanda, e corrigido o
declive do pavimento, garantindo o escoamento eficaz das águas para o esgoto.
Após esta causa estar corrigida, o revestimento do tecto deve ser reparado, uma vez que
apresenta já alguma degradação. A reparação consistirá na picagem da zona afectada e
aplicação de um novo reboco, com barramento, que receberá um acabamento final de
pintura.
Nas restantes fissuras, referenciadas por “e”, figura 75, mais propriamente no quarto, o
tratamento poderá ser efectuado, considerando tais fissuras como “não activas”,
consistindo no alegramento e sua limpeza, reparando o reboco com argamassa de
reparação de retracção controlada, levando por fim um acabamento de pintura apropriado.
Capitulo II
154
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
A fissura no pavimento, referenciada por “g”, figura 74, detectada nos mosaicos cerâmicos,
como já diagnosticado, terá sido motivada pelo comportamento estrutural estando
presentemente “não activa”, deverá ser corrigida com a substituição do seu revestimento a
escolher pelo Dono de Obra.
8.1.2. 1º Andar
8.1.2.1. 1º Direito
Fissuras/Fendas nas paredes, tectos e no avançado – c, l, k
Antes de se proceder à reparação destas fissuras, convém verificar o estado de actividade
de cada uma, para que a metodologia de intervenção possa ser a mais conveniente. Para
isso deveriam ter sido colocados testemunhos sob as fissuras.
As fissuras mapeadas, referenciadas por “c”, figura 77, provenientes de retracção,
normalmente estabilizam após um certo período de tempo. A acção de reparação para este
tipo de anomalias consistirá no retocar da pintura, utilizando um esquema de pintura
apropriado após uma operação de barramento com argamassa de reparação. Como solução
mais económica e simples de aplicar, poderia-se utilizar papel de parede.
Para as fissuras demonstradas nas figuras 81 e 82, de referência “l”, cuja causa proposta é
a deformação a meio vão da laje fungiforme, a solução de reparação consiste no
alegramento da fissura e sua limpeza, utilizando-se posteriormente uma argamassa de
reparação de retracção controlada aplicada sobre a abertura da fissura, levando finalmente
um esquema de pintura apropriado.
A fissura, referenciada por “k”, figura 88, proveniente da deformação do vão em consola
que se repercute no interior da cozinha, possivelmente deve encontrar-se estabilizada, uma
vez que estas situações de deformação estrutural devido a efeitos de fluência estabilizam a
médio/longo prazo (2 a 5 anos). Logo, será uma fendilhação estruturalmente “não activa”,
Capitulo II
155
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
de modo a que a sua reparação poderia consistir no alegramento da fissura e sua limpeza,
reparando o reboco com argamassa de reparação de retracção controlada, levando por fim
um acabamento de pintura apropriado e de mosaicos semelhantes no local dos danificados.
Outra reparação que obrigatoriamente deveria ser efectuada, seria garantir, pelo exterior,
a impermeabilização do paramento fissurada utilizando um cordão de mástique. Ver
8.3.2.6.
Humidades com bolores e fungos – f
Na situação do quarto de banho, figura 84, a humidade e bolor no tecto, deve-se
essencialmente a uma má ventilação, onde, no decorrer de banhos ou outras actividades, se
depositam enormes quantidades de ar interior húmido, sobretudo na zona do tecto levando
ao aparecimento destes fungos e bolores.
Assim, uma das medidas para procurar atenuar este problema seria a instalação de uma
abertura na zona inferior da porta, de modo a assegurar a entrada de ar, reforçada com a
colocação de um sistema de ventilação mecânico e automático temporizado, associado ao
sistema de iluminação, aplicada à abertura do exaustor.
O procedimento de reparação que deve ser realizado, será a lavagem do tecto com uma
solução de hipoclorito de sódio a 5%, lavando-o de seguida com água simples e depois
deixar a superfície secar. De seguida, deverá ser colocado um esquema de pintura de
preferência tinta com aditivos anti-bolor.
As manifestações anómalas observadas nos cantos da cozinha, figuras 87 e 88, também
indiciam a falta de ventilação no local, apesar de se apresentar no alinhamento de uma
janela. Nesta situação, deveria-se assegurar a eliminação da causa da anomalia,
nomeadamente, a falta de ventilação assim como a deficiente protecção térmica das
paredes da envolvente. A solução mais simples para evitar o seu aparecimento, seria
Capitulo II
156
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
assegurar a ventilação do local, optando pela abertura mais frequente das janelas. Poderia
também ser optado pela colocação de janelas especiais providas de aberturas de ventilação
constante. Além desta solução, deveria ser verificado o sistema de exaustão da chaminé,
assim como a correcção das pontes térmicas que originam estas humidades de
condensação.
A reparação das zonas afectadas, devem incluir a sua limpeza e posterior pintura como na
situação descrita para o tecto do quarto de banho.
Empolamento da pintura – j
Como foi diagnosticado, o problema do empolamento da parede, na sala, ver figura 85,
advém de infiltrações provenientes do quarto de banho na parede oposta. Primeiramente
deveria ser eliminada a causa da infiltração, através da correcção da impermeabilização
das paredes e juntas da base do duche. Do lado da sala, a remoção da zona que se
encontra empolada e degradada, deverá ser decapada. Seria conveniente assegurar que
todo o local a reparar esteja bem limpo, devendo ser deixado a secar (por meios naturais
ou artificiais). Posteriormente, será aplicado um barramento fino para regularizar a
superfície, sobre o qual se aplicará um primário antes da aplicação de uma nova película
de tinta.
8.1.3. 3º Andar
Fissuras/Fendas nas paredes e tectos – c, e, l
A fissuração, referenciada por “l” e “e”, figuras 97 e 98, no interior da habitação, deverá
ser reparada, devendo-se para isso, proceder ao alegramento das fissuras, e posterior
limpeza. Após a limpeza, o reboco deveria ser reparado, utilizando argamassa de reparação
de retracção controlada, levando finalmente um esquema de pintura apropriado.
Capitulo II
157
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
A fissura, referenciada por “e”, na zona da lavandaria e varanda, figuras 96 e 101, há
indícios de infiltração proveniente do piso superior. Neste caso, deveria ser eliminada
primeiramente a causa, corrigindo assim, o sistema de impermeabilização do piso da
lavandaria e varanda do 4º andar, assim como deveria ser revisto o declive de escoamento
das águas para o esgoto.
A fissuração detectada nos pilares, figuras 94 e 95, deveria ser controlada, utilizando para
isso a colocação de testemunhos, uma vez serem de natureza estrutural. É importante
averiguar qual a amplitude e as direcções do seu movimento. A escolha do material de
reparação é muito importante, para que não se reveja o seu aparecimento. Uma solução de
reparação passaria pela aplicação de uma tira de papel adesivo na fissura, seguida da
colocação de bandas têxteis coladas apenas nas faixas laterais exteriores às tiras de papel
Por fim, aplicar um revestimento, nas zonas tratadas e assegurando a continuidade com a
restante área do pilar.
Empolamento do pavimento – p
Foi diagnosticado nesta habitação, problemas de dilatação térmica nos pavimentos. Como
solução para esta anomalia, o revestimento danificado deveria ser removido, devendo-se
preparar a base, e colar o novo material de preferência igual ao removido, com argamassas
e colas adequadas à expansão térmica.
Armadura à vista na varanda – t, s, r, h, f, u
Para se levar a cabo a reparação desta anomalia no tecto da varanda, figura 101, deve-se
assegurar a eliminação da causa, a capacidade de protecção ao aço e um acabamento final
aceitável.
Capitulo II
158
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Antes de qualquer aplicação de um método de reparação onde se verificou a corrosão da
armadura e consequente delaminação do betão, deve-se proceder à preparação do suporte
para que a reparação seja eficaz. Primeiramente, deverá ser retirado todo o betão
deteriorado sem danificar a armadura. De seguida, prepara-se a superfície, tornando-a
rugosa. A área a reparar, deve ser feita de tal modo que os seus bordos sejam cortados
perpendicularmente à superfície, de preferência com uma máquina de corte. Deverá ser
realizada uma limpeza química de toda a superfície, utilizando detergentes, para
desinfestação de sujidades e humidades existentes. Após esta limpeza, as armaduras
afectadas deverão ser reforçadas, se necessário, e posteriormente protegidas da corrosão
com um produto apropriado.
O suporte deverá ser reparado, utilizando um ligante inorgânico, uma vez que são mais
fáceis de compatibilizar com este, devido à sua afinidade química e física sendo bastante
mais económicos. Por fim, deverá ser colocado um esquema de pintura apropriado para
superfícies em contacto directo com o exterior.
Eflurescências – q
No interior da habitação, na zona do avançado, as eflurescências encontram-se associadas
a infiltrações e à presença constante de humidades nestes paramentos, que levam também
à progressiva deterioração dos revestimentos interiores das parede e dos tectos, figuras 90,
92 e 93. Primeiramente, deveriam ser eliminadas as causas mais evidentes das infiltrações
e humidades interiores que originam este fenómeno.
Para a remoção destes sais, seria necessário uma avaliação da sua natureza, o que não foi
possível devido à falta de meios técnicos. Em alternativa e para a sua remoção, deve-se,
periodicamente, escovar a seco as superfícies afectadas e lavar com hipoclorito de sódio,
enxaguando de seguida com água simples. Por fim, deverão ser deixadas a secar, até que
as eflurescências deixem de se formar.
Capitulo II
159
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Na reparação do revestimento das paredes poderá ser aplicada um barramento fino para
regularizar a superfície. Nas zonas fissuradas deve-se proceder ao alegramento das fissuras
e posterior reparação com uma argamassa de reparação com retracção controlada.
Finalmente pode-se aplicar um esquema final de pintura apropriado.
O revestimento do tecto, deve ser reparado nas zonas danificadas, utilizando a mesma
metodologia empregue, na reparação anterior, nas fissuras da parede.
8.1.4. Outras Soluções
De um modo geral, os problemas identificados no interior das habitações devem-se na sua
maioria, a algumas anomalias das paredes exteriores e dos restantes elementos
constituintes da envolvente, o que causa frequentemente o aparecimento de várias
manifestações anómalas no interior. A humidade proveniente da falta de ventilação das
habitações, provoca o aparecimento de fungos e bolores e aumenta a humidade ambiente,
o que constitui um factor negativo à saúde, especialmente quando associados à falta de
isolamento térmico das paredes e ao fraco aquecimento nos períodos frios.
Estes problemas salientados, poderão ser parcialmente resolvidos com a aplicação de
sistemas artificiais de ventilação e iluminação.
.
8.2.
Zonas Comuns do edifício
Eflurescências
O tratamento das eflurescências, detectadas na caixa de escadas do edifício, figuras 104 e
106, apenas deverá ser efectuado após a eliminação das causas inerentes ao seu
aparecimento. Em primeiro lugar, as fissuras da envolvente devem ser reparadas e só
depois deverá ser feita a remoção das eflurescências no interior. Assim, após o tratamento
Capitulo II
160
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
e impermeabilização destas fissuras, ver ponto 8.3.2.7. A reparação deverá consistir em
escovar a seco as superfícies afectadas e lavar com hipoclorito de sódio, enxaguando de
seguida com água simples. Por fim, deverão ser deixadas a secar, até que as eflurescências
deixem de se formar, este processo deverá ser realizado periodicamente até que as
eflurescências deixem de se formar.
Fissuras
As fissuras aqui detectadas, figura 105 e 106, devem ser alegradas e limpas.
Posteriormente, será aplicada uma argamassa de reparação de retracção controlada. Por
fim, deverá ser aplicado um revestimento acordado com o Dono de Obra.
8.3.
Exterior do edifício
8.3.1. Solução alternativa - Sistema Capoto
A aplicação de um sistema de isolamento pelo exterior para a fachada deste edifício, seria
a solução mais adequada, uma vez que perante os problemas de infiltração verificados,
pontes térmicas, humidades e até de degradação de alguns revestimentos seria a solução
mais vantajosa em termos de exigências de conforto e de economia.
A aplicação deste sistema traz grandes vantagens para todo o edificado, garantindo uma
redução significativa das pontes térmicas, aumento da inércia térmica, incrementa a
impermeabilização da fachada, conferindo-lhe também uma melhor protecção contra os
agentes agressivos. Além disso, com a utilização deste sistema, haverá uma poupança em
termos económicos para os seus utilizadores, uma vez que levará a uma redução de
consumo de energia de necessidade de aquecimento e arrefecimento do ambiente interior.
Capitulo II
161
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Figura 143 – Esquematização de um ETICS [8]
Este sistema é constituído por placas de isolante de poliestireno expandido (EPS),
destinado a aumentar a resistência térmica das paredes. Podem ser em placas com
contorno plano ou com entalhe e com espessura variável. A espessura do isolante a aplicar
neste sistema deverá ser em função das características da parede exterior e das condições
climáticas das exigências de ocupação, e deverá ser dimensionada procurando respeitar as
recomendações do RCCTE, Regulamento das Características de Comportamento Térmico
dos Edifícios, Dec. -Lei 40/90 de 6 Fevereiro. Estas placas serão coladas ao suporte,
podendo ser utilizados para isso os seguintes produtos:

Em pó, ao qual se adiciona água

Em pó para mistura com um determinado ligante (resina)

Em pasta (Copolímero em dispersão), à qual se adiciona 30% em peso de
cimento Portland
As placas levam um revestimento de um reboco armado com redes de fibra de vidro
(armaduras normais), melhorando assim a resistência mecânica do reboco e assegurando-
Capitulo II
162
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
lhe a sua continuidade. Esta rede armada será recoberta com uma camada base que será o
mesmo produto usado na colagem do isolante ao suporte.
Por fim este sistema levará como revestimento final, um plástico espesso (RPE –
revestimento plástico espesso). Este revestimento será aplicado sobre um primário à base
de resinas em solução aquosa, que vão assegurar a sua correcta aderência a camada base.
Esta camada irá contribuir para a protecção do sistema contra os agente climatéricos e
assegurando um aspecto decorativo.
Antes da aplicação deste sistema, deverá ser assegurado ao suporte o seguinte:

Todos os elementos do revestimento que estejam soltos ou que se possam
vir a soltar, sejam retirados e todas as fissuras existentes tratadas;

O suporte deverá estar plano, limpo, sem irregularidades ou desníveis,
que dificultem a sua aderência;

Os tubos de queda de água pluviais deverão ser retirados, mas garantido
a evacuação das águas pluviais durante a execução do trabalho.
Deverá ser prevista a colocação de elementos metálicos neste sistema que possibilite a
colocação de novos tubos de queda de águas pluviais e também para garantir a
continuidade dos vários elementos construtivos, como esquinas da fachada e juntas de
dilatação.
A cobertura também deveria ser alvo de reabilitação, procurando incrementar o seu
isolamento térmico. Assim, o reforço do isolamento térmico podia passar pela aplicação de
placas de poliestireno expandido ou mantas de lã mineral. As soluções a utilizar
nomeadamente a espessura do isolantes, deverá ser determinado respeitando o RCCTE.
Capitulo II
163
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Não houve a oportunidade de dimensionamento deste sistema, por isso procurou-se
abordar esta solução em todo a sua abrangência teórica, dando mais importância à
correcção das anomalias individualmente.
8.3.2. Reparações Exteriores
8.3.2.1. Revestimento de pedra
Ao longo da fachada do edifício, e em torno de todo o piso de rés-do-chão, foram
identificados problemas de fissuração e manchas nos elementos de pedra, figuras 120 e 126
e 129. É de realçar que esta solução tomada, a partir do diagnóstico efectuado, não pôde
ser demasiado conclusiva, devido à falta de meios técnicos não foi possível recorrer a
ensaios para que pudesse ter sido elaborado um diagnóstico mais próximo do caso real.
Numa opção mais económica, para a eliminação de algumas manchas e sujidades, opta-se
pela limpeza da superfície de pedra através de pulverização de água e escovagem. Pode ser
utilizado na limpeza um jacto de partículas finas abrasivas a baixa pressão. As fissuras
poderiam eventualmente ser reparadas, pela aplicação de produtos disponíveis, no mercado
para impermeabilização de pedras.
Contudo, a solução mais aceitável seria a substituição das placas, uma vez que, no caso
das manchas, provavelmente ocorridas devido à penetração de elementos químicos a partir
derivados dos produtos de colagem, a sua remoção torna-se praticamente impossível.
8.3.2.2. Sujidades
A solução eliminação destas impurezas passaria pela limpeza da fachada procurando
restituir o seu aspecto visual inicial, não eliminando, contudo, a possibilidade do seu
reaparecimento.
Capitulo II
164
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Nas zonas dos peitoris das janelas, para se evitar que ocorra a acumulação de sujidades,
seria necessário aplicar elementos com uma determinada configuração, o que implicaria, de
certo modo, ao ajuste da caixilharia existente. A aplicação de pingadeiras, é uma solução
para evitar a formação de sujidades nas fachadas dos edifícios, sendo essenciais, uma vez
que evitam a concentração de água com sujidades, e consequente transporte delas pelos
revestimentos das fachadas.
Figura 144 – Pormenores de escoamentos
Quadro 7 - Soluções para evitar a formação de sujidades nos elementos (RESENDE, 2004)
As zonas de mosaico branco e pastilha azul, poderão ser limpas com uma lavagem simples,
por escorrimento de água ao longo do paramento. Nas restantes áreas da fachada poderá
ser utilizada água a alta pressão.
Capitulo II
165
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
8.3.2.3. Tubos de queda
Os tubos de queda, algerozes e respectivas caleiras das águas pluviais, figura 119, do
edifício já se encontram um pouco degradados devendo ser substituídos por novos
elementos. Deverá ainda ser verificada a capacidade do sistema de drenagem, face aos
caudais previstos no regulamento em vigor.
8.3.2.4. Tectos das varandas e palas do edifício
Os tectos das varandas e palas, figuras 118, 122 e 128, deverão ser reparados, devendo ser
removidos os revestimentos deteriorados, e corrigidos por meio de uma limpeza prévia da
superfície e posterior aplicação de um esquema de pintura adequado para o exterior.
8.3.2.5. Corrosão das armaduras
Para a reparação dos elementos que apresentem corrosão de armaduras, figuras 116, 117 e
118, deve-se primeiramente remover o betão laminado em torno da zona afectada pela
corrosão. Este deve ser removido em torno da armadura, tentando não danificá-la. De
seguida, toda a zona de reparação deverá ser limpa com um jacto abrasivo, incluindo a
armadura, caso haja perda de secção, esta deverá ser reforçada. As armaduras corroídas,
devem levar um esquema de protecção apropriado para a corrosão. Como material de
reparação de recobrimento a ser colocado, opta-se por um ligante inorgânico, uma vez que
é um material que possui características semelhantes ao suporte de betão. Por fim, pode-se
aplicar um esquema de pintura apropriado para betão armado para o exterior de edifícios.
8.3.2.6. Fissuras/Fendas na consola
Na grande maioria dos casos as deformações estruturais são sobretudo mais prejudiciais
para os elementos de alvenaria. Deste modo, todos os elementos estruturais são
Capitulo II
166
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
dimensionados para os esforços que vão ser exercidos sobre eles prevendo-se assim de um
modo geral as suas deformações. O que acontece é que, ligados a eles, vão estar elementos
não estruturais, com capacidades de deformação elástica mais reduzida, onde esta
incompatibilidade de deformação origina fissuração/fendilhação muito característica nestes
elementos menos resistentes, nesta situação a 45º nas zonas laterais e horizontais na zona
frontal.
Normalmente, estas situações de deformação e consequente fissuração/fendilhação em
consola, estabilizam a médio/longo prazo, o que se conclui que estas se encontram
correntemente “não activas”. No tratamento destas fissuras, figuras 130, 131 e 132,
deveriam ser removidos os revestimentos danificados pela fissuração, e proceder-se ao
tratamento do suporte fissurado. Na reparação das fissuras neste suporte, deveriam ser
aplicados elementos isolantes para impossibilitar a entrada de água para o interior,
utilizava-se para isso mástique.
8.3.2.7. Fissuras
Para o tratamento das fissuras que se fazem notar por toda a envolvente do edifício,
figuras 123, 124, 125 e 127, a metodologia de intervenção poderá consistir, de forma
idêntica como foi sugerido para as fissuras nas consolas.
8.3.2.8. Eflurescências
Para a remoção das eflurescências, referenciadas por “q”, detectadas na guarda da
varanda, figura 115, seria necessário que se procedesse primeiramente na avaliação da
solubilidade dos sais depositados no revestimento.
Para o tratamento eficaz deste problema, seria recomendável eliminar a fissuração
existente entre a guarda e a laje e que propicia a migração de água com sais pelo
Capitulo II
167
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
paramento. Neste caso especifico, e antes de se proceder à remoção dos depósitos, também
deverá ser corrigida a pendente de escoamento das águas na varanda, que possui
problemas de acumulação de águas na zona desta manifestação anómala, eliminando assim
uma das fontes de infiltração de água.
Para a remoção dos sais, é de realçar que, neste caso, uma correcta intervenção baseia-se
na avaliação da natureza dos sais envolvidos, podendo estes ser solúveis ou não em água.
Caso estes sais sejam solúveis, a acção das águas das chuvas tendem a efectuar a lavagem
natural deste problema.
Deverá ser repetido ao longo do tempo um ciclo de operações, nomeadamente escovagem a
seco e lavagem com água com detergente puro, deverão ser aplicados produtos com
soluções químicas diluídas, adequados à natureza dos sais a eliminar, e por fim deverá ser
deixado a secar até que estas eflurescências deixem de se formar.
8.3.3. Cobertura
8.3.3.1. Destacamento do recobrimento
Os elementos exteriores sujeitos a factores como os agentes atmosféricos e a poluição,
muitas vezes sofrem mais rapidamente o envelhecimento e degradação. Como o que
acontece nesta situação, figura 139, a queda de uma porção do revestimento numa zona da
parede que permanece prolongadamente húmida e sujeita a retracções/expansões
consecutivas, próximo a uma junta de dilatação. A solução seria a aplicação de um novo
elemento de revestimento com as mesmas características colando-o com um produto
apropriado.
Capitulo II
168
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
8.3.3.2. Acumulação de detritos
Assim, de modo a minimizar a acumulação de detritos, figura 135, e garantir o bom
funcionamento da cobertura, torna-se necessária a realização de acções de manutenção
periódicas, que consistirão na limpeza dos detritos, em geral, susceptíveis de degradação
das coberturas. A periodicidade destas operações nas zonas correntes do revestimento
deverá ser no mínimo anual. Por outro lado, deverão ser realizadas operações de
desobstrução dos
pontos
de ventilação e do sistema de evacuação de
águas
semestralmente.
8.3.3.3. Vegetação parasitária
À semelhança da acumulação de detritos, a forma de evitar a ocorrência de vegetação
parasitária, baseia-se na implementação de operações de manutenção periódicas, que
consistem na eliminação deste problema susceptível de provocar fenómenos de degradação
das coberturas, figura 135. A periodicidade das operações deve ser a mesma para a
eliminação de detritos.
8.3.3.4. Corrosão e fissuras
O problema de fissuração e de corrosão, figuras 136 e 137, deverá ser reparado, com os
mesmos processos explicados para a reparação de as fissuras e corrosão de armaduras do
edifício.
Capitulo II
169
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Capitulo II
170
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Capitulo II
171
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
9. Conclusão
A reabilitação tem surtido cada vez mais, uma relevância maior no contexto europeu,
embora no nosso país ainda vá prevalecendo uma cultura de construção nova. Algo que irá
ter de mudar forçosamente face ao elevado número de edifícios que se encontram
desabitados, assim como devido ao grau de degradação que inúmeros edifícios antigos vão
apresentando.
Nos trabalhos de reabilitação, devido ao facto de possuírem características muito distintas
e muito mais complexas que uma construção habitual, é necessário um conhecimento
profundo dos materiais, da estrutura e do histórico do edifício, ou seja, de todos os
elementos imateriais e materiais do edifício para que se consiga elaborar um projecto que
resolva todos os problemas existentes decorrentes da sua degradação e formule as
condições necessárias para se criar um novo edifício que responda às necessidades actuais e
mais apelativo para os seus utilizadores.
Nestes projectos de conservação/reabilitação de edifícios, na grande maioria dos casos,
torna-se muito complicado a sua realização na perfeição. Conforme foi experienciado, a
não participação de alguns utilizadores, na partilha de informação ou disponibilidade de
vistoria às suas habitações, compromete a elaboração de diagnósticos eficazes, que poderão
ter consequências muito menos vantajosas que poderiam ocorrer caso houvesse uma
cooperação mais significativa.
Outra lacuna assumida neste trabalho, foi a falta de algum rigor em alguns diagnósticos,
devido à falta de meios, nomeadamente uma variedade de ensaios e sondagens que
poderiam ter sido realizados às várias manifestações anómalas detectadas. Assim, algumas
conclusões tiradas, apesar da sua falta de rigor, não são contudo inexactos podendo ser um
tanto imprecisos.
Capitulo II
172
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
De um modo geral, o edifício apresenta um bom estado de conservação, conclusão tirada
pelo preenchimento das fichas de avaliação do estado da conservação segundo o MAEC.
Contudo, o edifício apresenta alguns problemas que, embora não urgentes, necessitam de
intervenção.
O edifício apresenta carências quanto ao seu comportamento térmico, o que deverá ser
corrigido futuramente, não só para o tornar energeticamente mais eficaz, como também
para assegurar a impermeabilização de toda a envolvente, evitando assim o aparecimento
de muitas anomalias no seu interior. A solução passaria na aplicação do “Sistema Capoto”
pelo exterior a partir do piso 2. Apesar de ser uma solução menos económica, o edifício
seria profundamente valorizado, onde futuramente o retorno deste investimento seria
comprovado.
Capitulo II
173
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Capitulo II
174
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
Capitulo II
175
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
10. Bibliografia
[1] Jâcome, C. C. e Martins, J.G. (2005). Identificação e tratamento de patologias em
edifícios. 1º Edição, Série de Reabilitação.
[2] Taborda, R. P. A. (2010). Textos de apoio à disciplina de conservação e reabilitação de
edifícios.
[3] Calejo, R. Projecto e diagnóstico de patologias em edifícios. Secção de Construções
Civis, FEUP.
[4] Costa, M. P. R. (2011). Manual de controlo de qualidade para revestimentos de
fachadas em pedra. Dissertação para a obtenção do grau mestre em Engenharia Civil,
ISETL.
[5] Chaves, A.M.V.A. (2009). Patologia e Reabilitação de revestimentos de fachada. Tese
de mestrado em Engenharia civil, UM.
[6] Rosa, C. C. e Martins, J.G. (2005). Reabilitação da envolvente Vertical Opaca de
Edifícios. 1º Edição, Série de Reabilitação.
[7] Pereira, V. e Martins, J. G. (2005). Materiais e técnicas tradicionais de construção. 1º
Edição, Série de Reabilitação.
[8] OPTIROC PORTUGAL – Cimentos e Argamassas, Lda. Isolamento Térmico de
Fachadas pelo Exterior. Relatório – HT 191A/02. PORTO.2002.
[9] Silva, J. M. e Abrantes, V. (2007). Patologia em paredes de alvenaria: causas e
soluções. Seminário sobre paredes de alvenaria.
[10] Mesquita, C. e Lança, P. Levantamento, inspecção e ensaios para a avaliação da
segurança estrutural de edifícios antigos, em ponta delgada, Açores.
[11] Silva, J. S. G. e Fortes, A. S. Fissuração nas argamassas de revestimento em fachadas.
Capitulo II
176
Reabilitação de um Edifício – Caso Prático
[12] Guimarães, J.P.P. (2009). Técnicas tradicionais de construção, anomalias e técnicas
de intervenção em fachadas e coberturas de edifícios antigos. Tese de mestrado de
engenharia civil. Universidade de Trás-os-Montes.
[13] Garcez, N.F.S. (2009). Sistema de inspecção e diagnóstico de revestimentos exteriores
de coberturas inclinadas. Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia de
Aeródromos. Instituto Superior Técnico de Lisboa.
[14] Custódio A. Apontamentos da disciplina de Mecânica dos Solos.
[15] Trigo J.F.C. e Freitas J.C. (2009). Apontamentos das aulas teóricas – Fundações e
estruturas de suporte. Mestrado em tecnologia e gestão das construções.
[16] Apontamentos da disciplina Conservação e Reabilitação de Edifícios. Mestrado em
tecnologia e gestão das construções.
[17] Veiga M. R. S. e Souza R. H. F. (2004). Metodologia de avaliação da retracção livre
das argamassas desde a sua moldagem. LNEC e Universidade Federal Fluminense.
Capitulo II
177
Fly UP