...

O DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE CASADO EM

by user

on
Category: Documents
3

views

Report

Comments

Transcript

O DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE CASADO EM
O DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE CASADO EM
SEPARAÇÃO CONVENCIONAL
Lília Nascimento Portugal*
RESUMO: O presente trabalho trata sobre o direito de concorrência do cônjuge sobrevivente, outrora casado
sob o regime da separação convencional de bens, com os descendentes do seu consorte falecido. O tema mostrase relevante não só em razão das modificações sociais ocorridas na comunidade brasileira, como também em
face da abordagem simplória dada pela doutrina do Brasil. O principal objetivo deste trabalho é concluir se o
tratamento dado pelo Lei ao consorte é o que melhor se coaduna com a sociedade atual. Para isso, realizou-se um
estudo congregado do Direito de Família e do Direito das Sucessões com o contexto social hodierno. Percebeuse que o legislador civil se equivocou ao dar ao cônjuge supérstite o direito de participar, mediante concorrência,
da sucessão do de cujus juntamente com os descendentes, primeiros na ordem de vocação hereditária. Afinal, ao
se realizar uma interpretação sistemática do Código Civil, levando-se em consideração os princípios da
dignidade da pessoa humana, da autonomia privada e da boa-fé objetiva, não há como se conceber que este
direito lhe seja concedido. Neste sentido foi o STJ na decisão do Recurso Especial nº 992.749, julgando em
sentido contrário àquele que a lei dispõe e inovando em termos jurisprudenciais, já que tal posição nunca havia
sido adotada por outros tribunais inferiores. Aqui pode entrever-se uma tentativa de corrigir a exangue redação
do inciso I, do artigo 1829, do Código Civil e uma vontade de mudança do atual modelo jus sucessório.
Palavras-chave: sucessão legítima; concorrência; autonomia privada; boa-fé objetiva; dignidade da pessoa
humana.
1 Introdução
O presente trabalho pretende versar sobre o direito à concorrência com os
descendentes do cônjuge sobrevivente casado sob a égide do regime da separação
convencional de bens. Epistemologicamente, o tema pautar-se-á por uma análise do direito
privado de natureza material, mais especificamente sobre o regime sucessório da situação em
causa e os princípios que o norteiam.
Objetiva-se utilizar como método de abordagem a dedução. O método dedutivo é
aquele através do qual se parte de uma premissa generalizada para se chegar a uma questão
particular. Esse método é baseado no silogismo. Dessa forma, parte-se de uma premissa
maior, perpassa-se por outra premissa menor e chega-se a uma conclusão. Também se visa
utilizar o método dialético, que pressupõe, para se chegar a uma síntese, uma argumentação e
uma contra argumentação.
Este tema surgiu no seguimento do estudo das matérias de Direito da Família e
Direito das Sucessões. Dentre os vários problemas levantados, considerou-se que era dos mais
interessantes por demonstrar uma forte ligação entre estes dois ramos do Direito Civil, bem
assim poder abordar o enfoque principiológico sobre a situação que se apresenta.
*Lília Nascimento Portugal, bacharela em Direito, Faculdade Baiana de Direito e Gestão –
Salvador/Bahia.
3
Por ainda não se encontrar pacificado na doutrina brasileira, nem ter sido sedimentado na
jurisprudência do Brasil, este é um assunto pertinente e que merece uma abordagem mais
profunda e específica do que a que lhe tem sido dada até hoje. A escolha foi, também,
influenciada por uma decisão judicial polêmica, que desconsiderou disposição expressa do
Código Civil brasileiro de 2002, afastando da concorrência com os descendentes o cônjuge
supérstite casado com o regime de separação convencional.
Com base nisto, percebe-se que esta não é uma questão apaziguada e, muito
menos, unânime no universo jurídico brasileiro. Além disso, houve mudanças sociais
relevantes neste contexto que devem ser consideradas e acompanhadas pelo direito, o qual
não deve se manter estanque perante elas.
O método a ser utilizado para solucionar as polêmicas interpretativas que rondam
a temática escolhida é o sistemático. Esta metodologia consiste na busca da correlação
harmônica das diversas normas que compõem o sistema jurídico, sejam regras, sejam
princípios. Tem-se ainda o intuito de se valer do método sociológico, buscando dar uma maior
efetividade ao direito mediante correlação com a realidade social. Por fim, utilizar-se-á o
método teleológico, numa procura incessante pela otimização da finalidade do sistema
normativo.
O principal objetivo deste trabalho é depreender se o sistema sucessório vigente se
coaduna com o contexto social atual. Ou seja, saber se o tratamento normativo que é dado ao
cônjuge casado segundo o regime da separação convencional de bens, quanto à concorrência
com os descendentes, pela legislação, pela doutrina e pela jurisprudência é, ou não, adequado.
Procura-se ainda notar se o papel do cônjuge no Direito da Família e no Direito das Sucessões
permaneceu inalterável ou se, por outro lado, sofreu algumas modificações, merecendo um
tratamento jurídico diferenciado dos outros membros familiares.
Demais disso, avaliar-se-á a hipótese do concorrência do cônjuge com os
descendentes do falecido quando casado sob o regime da separação convencional e se esta
merece um tratamento tão privilegiado como lhe é dado pelo Código.
Para tanto, observar-se-á se as normas sucessórias traduzem o melhor tratamento
para a matéria. Isto é, quer-se compreender o pensamento do legislador e verificar se este se
adéqua corretamente à sociedade quotidiana do Brasil. Nesta situação, será imprescindível ter
em conta se a vontade do indivíduo na escolha do regime de bens deve ou não influenciar a
partilha das suas situações jurídicas no momento da abertura da sucessão.
4
Em suma, procura-se com este trabalho apreciar a ratio legis do Código Civil
brasileiro, no que tange à questão ora apresentada, e entender se deve o regime de bens,
estabelecido para tutelar a relação conjugal em vida, influenciar na determinação das
hipóteses de concorrência do cônjuge com os descendentes, quando da sucessão patrimonial
do consorte falecido.
2 Concorrência sucessória entre cônjuge sobrevivente e descendentes no regime de
separação convencional de bens
O Código Civil de 2002 inovou ao utilizar os regimes de bens existentes no Brasil
também na seara sucessória. Ainda não havia sido visto, em legislação brasileira, alguma
norma nesse sentido. A codificação anterior, de 1916, apenas permitia ao cônjuge acesso à
herança, na ausência de descendentes e ascendentes, quando estes renunciassem à herança, ou
fossem considerados indignos ou deserdados. Entretanto, a doutrina já se posicionava no
intuito de permitir ao consorte sobrevivo a concorrência com os herdeiros necessários, além
de ser incluído também nesta categoria1.
Note-se que grande parte da doutrina brasileira afirma que há uma vinculação do
direito sucessório do consorte sobrevivo ao regime de bens2, com base na utilização de tais
regimes como forma de limitar o direito de concorrência. Todavia, esse não é o único
pensamento existente atualmente. Sobre um prisma contrário, Mário Luiz Delgado defende
que, na realidade, o regime de bens só influencia no direito de concorrência do cônjuge
supérstite, sendo que os demais direitos sucessórios deste não sofrem vinculação alguma com
o regime matrimonial adotado3.
Helena Orselli, por sua vez, baseada em uma terceira ótica, defende a ilogicidade
de tal vinculação, pois “o regime de bens é escolhido para reger a vida patrimonial dos
cônjuges enquanto perdurar o casamento, ao passo que o direito de ser ou não herdeiro
legítimo do consorte decorre da presunção de que o falecido queria fazer uma liberalidade em
1
Neste sentido, PEREIRA, Caio Mário da Silva. Instituições de direito civil: Direito das Sucessões, Direito das
Sucessões, 17.ed., Rio de Janeiro: Forense, 2009, v.7, p.130.
2
ORSELLI, Helena Maria Zanetti de Azeredo. A concorrência do cônjuge sobrevivente com os descendentes
do falecido. Disponível em: <http://proxy.furb.br/ojs/index.php/juridica/article/view/442> Acesso em: 09 fev.
2014.
3
RÉGIS, Mário Luiz Delgado. Controvérsias na sucessão do cônjuge e do convivente. Disponível em:
<http://br.vlex.com/vid/controversias-sucess-njuge-convivente-306709834> Acesso em: 09 fev. 2014.
5
benefício de seu cônjuge por ocasião de seu passamento”4. De acordo com esta corrente, os
regimes de bens apenas teriam sido utilizados pelo legislador como forma de delimitar as
hipóteses de concorrência, não havendo vinculação alguma entre os estatutos matrimoniais e a
sucessão.
Malgrado a doutrina no Brasil não seja pacífica quanto a existir ou não vinculação
entre o regime de bens do casamento e a sucessão, a verdade é que, conforme dispõe o art.
1829 da Codificação Civil, o direito de concorrência do cônjuge supérstite com os
descendentes depende do regime de bens adotado por este com o defunto.
2.1 Noções gerais acerca da previsão legal específica
O artigo 1829, em seu inciso I, do Código Civil brasileiro estabelece as hipóteses
em que o(a) viúvo(a) poderá concorrer com os descendentes do de cujus. No entanto, percebese que a sua construção legislativa revela-se infeliz por sua complexidade e ambiguidade.
Neste prisma, opina Helena Orselli, ao considerar a redação do dispositivo complexa, em face
da opção do legislador em estabelecer quais as hipóteses em que o cônjuge não concorre com
os descendentes, ao invés de explicar claramente os casos em que deverá haver concorrência 5.
Também neste sentir a ministra do Superior Tribunal de Justiça do Brasil, Nancy Andrighi, ao
afirmar que a ambiguidade dessa norma tem suscitado dúvidas nos operadores do direito6.
De tal sorte, por interpretação a contrario sensu do inciso I, do artigo supra citado
do CC, caberá ao cônjuge participar na sucessão com os descendentes em quatro hipóteses: a)
quando o regime de bens do casal era o da separação convencional; b) quando o estatuto
patrimonial adotado era o da comunhão parcial e o falecido deixou bens particulares; c)
quando o regime de bens era o da participação final nos aquestos; ou d) quando o regime tiver
sido criado pelo casal. Em contrapartida, não concorrerá o cônjuge sobrevivente que fora
casado com o de cujus nos regimes de comunhão universal de bens; de comunhão parcial de
4
ORSELLI, Helena Maria Zanetti de Azeredo. A concorrência do cônjuge sobrevivente com os descendentes
do falecido. Disponível em: <http://proxy.furb.br/ojs/index.php/juridica/article/view/442> Acesso em: 09 fev.
2014.
5
Ibid., loc. cit.
6
BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial n. 992.749 - MS (2007/0229597-9), da 3ª Turma do
Superior Tribunal de Justiça. Rel. Ministra Nancy Andrighi. Recorrente: Gustavo Alves de Souza e outros.
Recorrida: Paula Rosa de Souza. Julgamento em: 01 dez. 2009. Publicado em: 05 fev. 2010. Disponível em:
<http://www.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/8592148/recurso-especial-resp-992749-ms-2007-0229597-9stj/inteiro-teor> Acesso em: 08 fev. 2014.
6
bens, quando o defunto não deixou bens particulares; e também quando o regime for o da
separação obrigatória de bens.
Neste sentido, o presente trabalho visa tratar especificamente da concorrência no
regime da separação convencional e por isso não serão abordados comentários em relação à
concorrência ou não nos demais regimes.
2.2 Da concorrência do cônjuge sobrevivente casado em regime de separação convencional
de bens
No que se reporta ao regime da separação convencional de bens, pela
interpretação literal da regra exposta no art. 1829, I, do Código Civil, passou uma parte da
doutrina a entender que o cônjuge sobrevivente que fora casado com o falecido sob o referido
regime, concorre com os descendentes em todos os bens 7. Essa linha de pensamento deriva da
não introdução pelo legislador dessa hipótese como exceção legal.
Sob esse prisma, Carlos Roberto Gonçalves sustenta que o art. 1829, inciso I, da
Codificação Civil enumerou todas as exceções ao direito de concorrência, não incluindo a
hipótese do cônjuge sobrevivo casado sob o estatuto patrimonial da separação convencional
de bens8. Logo, o intérprete deve concluir que, nesta hipótese, haverá a aludida concorrência9.
No mesmo caminho Zeno Veloso, ao argumentar que o regime de bens e a sucessão a causa
da morte fazem parte de planos distintos. Enquanto o primeiro perdura durante a vida e no
curso da sociedade conjugal, a sucessão tem suas próprias regras e princípios, que não se
confundem com o Direito de Família, não havendo lei que expressamente exclua este cônjuge
dos herdeiros necessários e do direito de concorrência10. Nos ensinamentos do autor,
não é pelo fato de o regime de bens ser o da separação, tornando incomunicáveis os
bens de cada cônjuge […] enquanto persiste o casamento, que se deve esticar essa
7
Nesse sentido, VELOSO, Zeno. Direito hereditário do cônjuge e do companheiro, São Paulo: Saraiva, 2010,
p.69; PEREIRA, Caio Mário da Silva. Instituições de direito civil: Direito das Sucessões, 17.ed., Rio de
Janeiro: Forense, 2009, v.7, p.155; GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro: Direito das
sucessões, São Paulo: Saraiva, 2007, v.7, p.152.
8
Neste sentido, o julgamento do agravo de instrumento n. 313.414-4/1 pelo Tribunal de Justiça de São Paulo,
que dispõe: “Viúva casada com o autor da herança no regime de separação convencional de bens - Direito de
sucessão legítima em concorrência com a filha do falecido”. SÃO PAULO. Tribunal de Justiça de São Paulo.
Agravo de Instrumento n. 313.414-4/1-Barretos, da 3ª câmara de direito privado. Rel. Flávio Pinheiro.
Julgamento
em:
04
nov.
2003.
Publicado
em:
16
dez.
2003.
Disponível
em:
<http://www.pinhoadvogados.com.br/jurisprudencia/sucessao_hereditaria_codigo_civil_lei_n_104062002.asp>
Acesso em: 08 fev. 2014.
9
GONÇALVES, op. cit., p.154.
10
VELOSO, op. cit., p.71.
7
situação além da vida, para que, na sucessão por causa da morte, a solução seja a
mesma11.
Argumenta ainda Carlos Roberto Gonçalves que não se deve confundir direito
sucessório e comunicação de patrimônio, uma vez que a morte extingue o regime e não o
direito a uma parte da herança12.
Quando essa inovação foi imposta pelo Código Civil, houve inúmeras críticas, em
especial daqueles que se casaram na vigência do Código anterior e foram surpreendidos com a
possibilidade de o seu cônjuge herdar os seus bens particulares. Miguel Reale defende, com
base numa interpretação sistemática do Código, que a expressão separação obrigatória,
constante no art. 1829, I, do CC, não deveria se limitar à hipótese do art. 1641, devendo
compreender também a resultante “da estipulação feita pelos nubentes, antes do casamento,
optando pela separação de bens” 13. Continua:
se o cônjuge casado no regime de separação de bens fosse considerado herdeiro
necessário do autor da herança – estaríamos ferindo substancialmente o disposto no
Art. 1.687, sem o qual desapareceria todo o regime de separação de bens, em virtude
de conflito inadmissível entre esse artigo e o de n° 1.828, I, fato que jamais poderá
ocorrer em uma codificação, à qual é inerente o princípio da unidade sistemática14.
A despeito de ser louvável que o jurista pretenda a inserção do cônjuge supérstite
casado no regime da separação convencional de bens nas hipóteses que excepcionam o direito
de concorrência, esse posicionamento não vinha sendo levado em conta pela jurisprudência,
além de ser rejeitado por parte da doutrina. Todavia, já existiam autores, a exemplo de
Ulderico Pires dos Santos, em sua lição sobre a sucessão hereditária conforme o Código Civil
de 191615, que pressupunham que a eleição pelo casal do regime de bens da separação
convencional impedia que o consorte sobrevivente recolhesse herança, salvo disposição de
última vontade do de cujus em relação à parte disponível.
Somente em 01 de dezembro de 2009, o Superior Tribunal de Justiça do Brasil, no
julgamento do REsp 992.749 – MS, sob relatoria da ministra Nancy Andrighi, defendeu pela
não prevalência da letra fria da lei, impossibilitando que o consorte sobrevivo participasse,
concorrentemente, na sucessão do de cujus, com os descendentes.
11
VELOSO, Zeno. Direito hereditário do cônjuge e do companheiro, São Paulo: Saraiva, 2010, p.69.
GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro: Direito das sucessões, São Paulo: Saraiva, 2007, v.7,
p.155.
13
REALE,
Miguel.
O
cônjuge
no
novo
código
civil.
Disponível
em:
<http://www.miguelreale.com.br/artigos/conjncc.htm> Acesso em: 09 fev. 2014
14
Ibid.
15
SANTOS, Ulderico Pires do. Sucessão hereditária: doutrina, jurisprudência e prática, Rio de Janeiro:
Forense, 2000, p.145.
12
8
Impositiva a análise do art. 1.829, I, do CC/02, dentro do contexto do sistema
jurídico, interpretando o dispositivo em harmonia com os demais que enfeixam a
temática, em atenta observância dos princípios e diretrizes teóricas que lhe dão
forma, marcadamente, a dignidade da pessoa humana, que se espraia, no plano da
livre manifestação da vontade humana, por meio da autonomia da vontade, da
autonomia privada e da consequente autorresponsabilidade, bem como da confiança
legítima, da qual brota a boa-fé; a eticidade, por fim, vem complementar o
sustentáculo principiológico que deve delinear os contornos da norma jurídica 16.
Consoante já elucidado linhas acima, inicialmente, informa a ministra que é de
vital importância relembrar que o regime da separação obrigatória de bens se subdivide em
outros dois, quais sejam: separação legal e separação convencional. A ministra Nancy
Andrighi, seguindo os ensinamentos do douto Miguel Reale, também qualifica o regime
separatório como um estatuto patrimonial cogente, independentemente dessa obrigatoriedade
ter sido advinda de imposição legal ou de pacto antenupcial. Isto porque o pacto antenupcial,
sendo um contrato solene celebrado pelos nubentes, através de lavratura de escritura pública,
fundado na livre manifestação de vontade destes, obriga as partes na vida e na morte.
Malgrado pareça que essa distinção não deva prosperar, em razão de sua obscuridade
flagrante, faz-se imperiosa uma intervenção legislativa, como solução que se aponta,
objetivando-se retirar o adjetivo “obrigatória” do aludido preceito legal, em prol de uma
interpretação teleológica do Código Civil.
Impõe-se ainda interpretar o inciso I do dispositivo 1829 do Código Civil com
base numa interpretação sistemática deste diploma, de forma que se contemple uma harmonia
entre os dispositivos que enfeixam a temática presentes em todo o ordenamento jurídico. Para
isso, faz-se necessária a observância não só dos dispositivos legais, mas também dos
princípios da dignidade da pessoa humana, da autonomia privada e da boa-fé objetiva.
O princípio da dignidade da pessoa humana foi elevado pela CF/1988 à condição
de fundamento do Estado Democrático de Direito brasileiro. Este princípio pressupõe uma
qualidade intrínseca do ser humano que implica num complexo de direitos e deveres. A
dignidade da pessoa humana é um valor-guia de toda a ordem jurídica brasileira, que objetiva,
dentre outras coisas, a promoção da participação ativa do homem nos destinos da própria
existência. Deste princípio derivam outros dois também de grande importância para a presente
situação: autonomia privada e boa-fé objetiva.
16
BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial n. 992.749 - MS (2007/0229597-9), da 3ª Turma do
Superior Tribunal de Justiça. Rel. Ministra Nancy Andrighi. Recorrente: Gustavo Alves de Souza e outros.
Recorrida: Paula Rosa de Souza. Julgamento em: 01 dez. 2009. Publicado em: 05 fev. 2010. Disponível em:
http://www.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/8592148/recurso-especial-resp-992749-ms-2007-0229597-9stj/inteiro-teor Acesso em: 08 fev. 2014.
9
A autonomia privada é o poder reconhecido pela ordem jurídica ao homem para
gerir as suas próprias relações e seus respectivos efeitos da forma que lhe aprouver.
Privilegia-se este princípio no Direito de Família ao se permitir aos nubentes a escolha de um
estatuto patrimonial, previsto ou não em lei, para reger o seu matrimônio17.
Com efeito, uma vez estipulado o regime da separação convencional pelas partes
há uma absoluta diáspora patrimonial, existindo duas massas de bens autônomas,
incomunicáveis e pertencentes cada uma a cada um dos cônjuges. Do exposto se tem que cada
consorte tem a administração e fruição integral dos seus bens, prescindindo de vênia conjugal
para alienar ou gravar seus imóveis com ônus real.
Ao possibilitar a estipulação deste regime, no Direito de Família, o legislador teve
a intenção de conferir uma maior independência aos cônjuges quanto à pactuação do regime
matrimonial de bens e a administração e fruição destes. Por isso, não parece coerente que o
Direito das Sucessões possa anuviar essa norma. Afinal, conforme consubstancia Miguel
Reale, o fenômeno sucessório “traduz a continuação da personalidade do morto pela projeção
jurídica dos arranjos patrimoniais feitos em vida”18.
Isso significa que aquele que opta pelo referido regime de bens do casamento
manifesta vontade inequívoca e deliberada em não comunicar seus bens com seu cônjuge e
vice-versa, por ocasião do matrimônio. Resta, pois, incongruente a previsão legal de
concorrência do cônjuge sobrevivente casado pela separação convencional com os
descendentes do seu consorte falecido, na sucessão do patrimônio deste, em desrespeito à
dignidade da pessoa do de cujus, em especial sua autonomia privada. De fato, se o defunto,
em vida, de forma alguma, expressou vontade e interesse em transmitir bens ao seu cônjuge,
seja porque não procedeu à alteração de regime para um que admite a comunicabilidade
patrimonial, seja porque não doou nem deixou em testamento qualquer bem em favor do seu
cônjuge sobrevivo, aceitar que este, nesta situação, concorra com os descendentes do falecido
seria desvirtuar a vontade flagrante do mesmo.
Ainda mais, a escolha do regime da separação convencional impõe ao nubente a
celebração de pacto antenupcial e, consequentemente, a observância das suas formalidades.
Logo, a pessoa que elege este regime necessita lavrar escritura pública em cartório de notas
durante a habilitação para o casamento. Além de ter que assentar o pacto no livro especial no
17
PRATA, Ana. A Tutela Constitucional da Autonomia Privada. Coimbra: Livraria Almedina, 1982, p. 11.
REALE, Miguel; COSTA, Judith Martins. Casamento sob o regime da separação de bens. Voluntariamente
escolhido pelos nubentes. A força normativa do pacto antenupcial e seus critérios hermenêuticos, Revista
Trimestral de Direito Civil, Ano 6, Rio de Janeiro: Palma, v. 24, out./dez., p.226.
18
10
Registro de Imóveis do domicílio dos cônjuges para que este tenha oponibilidade perante
terceiros, sendo que cada formalidade ora apontada consubstancia gastos consideráveis.
Assim, a opção pelo aludido regime de bens demonstra decisão consciente e inequívoca dos
nubentes, mediante dispêndio financeiro, de selarem uma comunhão de vida, sem
comunicabilidade patrimonial, o que não pode ser afastado pela simples aplicação literal da
lei, em cotejo com a harmonia que deve prevalecer, em face dos princípios da dignidade da
pessoa humana, autonomia privada e boa-fé objetiva.
Convém revolver que a autonomia privada também se manifesta na existência de
possibilidades de exteriorização de vontade pelo consorte, durante a sua vida, no intuito de
que seu cônjuge seja protegido patrimonialmente. Neste sentido, conforme já mencionado, o
Código Civil de 2002 traz a hipótese de alteração do regime pactuado na habilitação do
matrimônio, desde que ambos os cônjuges, conjuntamente, perante a vara de família, por meio
de procedimento de jurisdição voluntária19, formulem pedido fundamentado em um motivo
relevante, ressalvados os direitos de terceiros20.
Mas não só. Como relatado acima, é permitido ainda ao cônjuge casado pelo
regime da separação convencional fazer um testamento, dispondo da quota-parte disponível
do seu acervo patrimonial em prol do seu consorte, caso tenha interesse em favorecê-lo com
parte de seus bens, quando da sua sucessão. Ou mesmo, por vontade própria, lhe é assegurado
realizar uma doação ao seu cônjuge em vida, também da parcela disponível, sem que isso
configure interesse em que este concorra com os descendentes, quando da sua morte.
Portanto, se nada demonstrou em vida o de cujus, para além da manifestação da vontade
decorrente do pacto antenupcial, não se vislumbra razão para que o fenômeno sucessório
ignore isso.
Diante do exposto, compreender que o cônjuge sobrevivo outrora casado com o
defunto sob o regime da separação convencional de bens tem direito a concorrer com os
19
Art. 1.103 - Quando este Código não estabelecer procedimento especial, regem a jurisdição voluntária as
disposições constantes deste Capítulo. BRASIL. Código de Processo Civil. Lei 5869/1973. Institui o Código de
Processo Civil. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5869compilada.htm> Acesso em: 08
fev. 2014.
20
Art. 1.639 - É lícito aos nubentes, antes de celebrado o casamento, estipular, quanto aos seus bens, o que lhes
aprouver. § 1o O regime de bens entre os cônjuges começa a vigorar desde a data do casamento. BRASIL. Lei
10406/2002.
Institui
o
Código
Civil.
Disponível
em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406compilada.htm> Acesso em: 08 fev. 2014.
11
descendentes do falecido é possibilitar a alteração do estatuto patrimonial de bens post
mortem21.
Nestes termos, o princípio da boa-fé objetiva também está atrelado à presente
hipótese.
a boa-fé, no sentido objetivo, é um dever das partes, dentro de uma relação jurídica,
se comportarem, tomando por fundamento a confiança que deve existir, de maneira
correta e leal; mais especificamente, caracteriza-se como retidão e honradez, dos
sujeitos de direito que participam de um relação jurídica, pressupondo o fiel
cumprimento do estabelecido22.
Desta forma, o cônjuge supérstite que se habilita na sucessão do esposo(a)
falecido(a), quando o regime de bens vigente no matrimônio do casal no momento da abertura
da sucessão era o da separação convencional de bens, está violando o princípio da boa-fé
objetiva. Afinal, há uma contradição entre a vontade esposada no pacto antenupcial, no
sentido de incomunicabilidade de bens com seu consorte, e a habilitação em concorrência
com os descendentes na sucessão do falecido, referente à possibilidade de participação nos
bens deste.
Ao pactuar, livremente e de forma lícita, em prol da vigência do regime da
separação convencional no curso do seu matrimônio, optando, consequentemente, pela
separação total dos acervos patrimoniais pertencentes a cada cônjuge, o consorte supérstite
declinou do seu direito à concorrência, não podendo, após o falecimento do(a) esposo(a),
toldar a sua exteriorização de vontade e se habilitar na sucessão, sob pena de ferir a exigência
de lealdade e honestidade impostas pelo princípio da boa-fé.
A boa-fé objetiva, em sua função hermenêutico-integrativa, configura-se como um
obstáculo a uma mera interpretação literal. Impõe ao operador do direito, no momento de
interpretar, que se baseie nas expectativas dos contratantes. Por conseguinte, deve-se aclarar o
sentido do inciso I, do artigo 1829, do Código Civil, de forma a compatibilizá-lo com as
demais regras e princípios deste diploma, e mesmo de todo o ordenamento jurídico brasileiro.
Não é assim possível compreender que o(a) viúvo(a) sobrevivente, que fora casado com o
defunto no regime da separação convencional, venha a concorrer com seus descendentes,
21
BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial n. 992.749 - MS (2007/0229597-9), da 3ª Turma do
Superior Tribunal de Justiça. Rel. Ministra Nancy Andrighi. Recorrente: Gustavo Alves de Souza e outros.
Recorrida: Paula Rosa de Souza. Julgamento em: 01 dez. 2009. Publicado em: 05 fev. 2010. Disponível em:
http://www.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/8592148/recurso-especial-resp-992749-ms-2007-0229597-9stj/inteiro-teor Acesso em: 08 fev. 2014.
22
MARTINS, Flávio Alves. Boa-fé e sua formalização no direito das obrigações brasileiro. 2.ed. Rio de
Janeiro: Lumen Júris, 2000, p.73.
12
visto que não é o que o de cujus esperaria de seu consorte, com o qual acordou não partilhar
bens.
Cumpre ainda invocar o denominado pela ministra Nancy Andrighi princípio da
exclusividade. Trata-se, na realidade, de um mero efeito anexo dos deveres pessoais do
casamento, expresso no artigo 1513 do Código Civil, que dispõe: “é defeso a qualquer pessoa,
de direito público ou privado, interferir na comunhão de vida instituída pela família”
23
, cujo
conceito é complementado pelo artigo 1565, § 2º, do mesmo diploma, ao se especificar que o
planejamento familiar será livremente definido pelos cônjuges, cabendo ao Estado apenas
“propiciar recursos educacionais e financeiros para o exercício desse direito, [estando defeso]
qualquer tipo de coerção por parte de instituições privadas ou públicas”24 25.
Tem-se uma relação civil entre duas pessoas, as quais livremente escolhem como
deve ser regida a sua união, em manifestação da sua autonomia privada e dignidade, pautada
na boa-fé objetiva que deve preponderar entre os cônjuges, estando vedado ao Estado
qualquer ingerência, proibição consagrada no mesmo diploma legal em que se admitiu
equivocadamente a concorrência com os descendentes do cônjuge sobrevivente casado no
regime da separação de bens.
Flagrante contradição marca o Código Civil de 2002, consoante ora tratado.
Denota-se a necessidade de se fazer interpretação sistemática e teleológica das normas ali
constantes, em ponderação com os princípios que norteiam a ordem jurídica, de modo a ilidir
a literalidade da previsão contida no inciso I, art. 1829, em nome da dignidade, da autonomia
privada e da boa-fé, assim como em respeito à exclusividade apontada pela ministra.
Finalmente, entender que o cônjuge sobrevivente outrora casado em separação
total de bens não tem direito à concorrência também não se mostra uma afronta à dignidade
da pessoa do consorte sobrevivo, o qual, com este entendimento, não fica desprotegido, pois o
legislador civil criou mecanismos que evitam o seu desamparo. São eles: a pensão por
23
BRASIL.
Lei
10406/2002.
Institui
o
Código
Civil.
Disponível
em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406compilada.htm> Acesso em: 08 fev. 2014.
24
Ibid., Loc. cit.
25
Segundo Euclides de Oliveira, essa proibição legal, a despeito da sua justeza, é pleonástica em face do
conjunto de regras existentes sobre o casamento e os seus efeitos. Além disso, restringe a vedação tão-somente
às pessoas de direito público ou privado, ao invés de englobar todas as pessoas, naturais ou jurídicas.
OLIVEIRA,
Euclides
de.
Do
casamento.
Disponível
em:
<http://www.gontijofamilia.adv.br/2008/artigos_pdf/Euclides/Casament.pdf> Acesso em: 09 fev. 2014.
13
morte26; o direito real de habitação; e a possibilidade de requerer alimentos em relação aos
seus parentes próximos27.
Ante o exposto, no que concerne à situação do cônjuge supérstite casado sob o
regime da separação convencional de bens, quando da sucessão do seu consorte falecido,
relativamente ao seu direito legal de concorrência com os descendentes, tem-se que tal
previsão do Código Civil de 2002 não se coaduna, numa análise atenta, com os princípios da
dignidade da pessoa humana, principalmente no que tange à autonomia privada, nem com a
boa-fé objetiva própria das relações civis.
Destarte, na presente situação, não merece aplicação concreta a literalidade da lei.
Por evidência, desrespeita a vontade própria dos cônjuges, em especial daquele já falecido, o
qual, se assim não fosse, teria manifestado em vida interesse excepcional na comunicação de
parte de seu patrimônio ao cônjuge sobrevivo, concorrendo com os descendentes.
De mais a mais, a mesma lei revela ser inapropriada a interferência estatal na
relação matrimonial, eminentemente civil. Ora, estabelecer efeito jurídico diverso do quanto
expressado pelo desejo de cada cônjuge, em vida, é uma influência direta do legislador na
autonomia privada e na dignidade de quem já não pode mais expor a sua vontade. Ainda,
valer-se do dispositivo legal que confere estranhamente esse direito de concorrência é conduta
desleal e desonesta do consorte sobrevivo para com o pacto celebrado com o de cujus,
enquanto vivo.
3 Conclusão
1. Neste trabalho, avaliou-se o direito de concorrência do cônjuge com os descendentes
do falecido quando casado sob o regime da separação convencional.
2. Neste sentido, através de uma interpretação sistemática do preceito legal, levando-se
em conta, para além dos demais dispositivos, os princípios da dignidade da pessoa
humana, da autonomia privada e da boa-fé objetiva, não se vislumbrou razão para que
26
A pensão por morte é um benefício pago aos dependentes da pessoa que falecer, desde que esta esteja na
qualidade de segurado da Previdência Social. MEIRA, Hugo. Pensão por morte, Disponível em:
<http://www.hugomeira.com.br/pensao-por-morte/> Acesso em: 09 fev. 2014.
27
O laço de parentesco traz consigo a obrigação alimentar, que se configura como um dever recíproco entre
parentes. Na linha reta de parentesco, não existe limitação. Contudo, obedece-se uma ordem preferencial,
buscando-se, primeiramente, os parentes mais próximos. Caso não seja possível satisfazer a obrigação alimentar
entre os parentes na linha reta, transfere-se o dever para a linha colateral. FARIAS, Cristiano Chaves de;
ROSENVALD, Nelson. Direito das famílias, 3.ed., Rio de Janeiro: Lumen Juris, p.793.
14
este tenha sido inserido no elenco das situações em que há lugar a aludida
concorrência.
3. O regime da separação convencional pode ser livremente escolhido pelas partes
durante a habilitação ao casamento ou, posteriormente ao matrimônio, por meio de
alteração de regime. Neste estatuto de bens, existem dois acervos patrimoniais
pertencentes a cada um dos consortes. Assim, o cônjuge pode livremente administrar e
dispor dos seus bens, prescindindo de vênia conjugal.
4. O legislador civil brasileiro conferiu liberdade aos cônjuges para pactuarem o regime
de bens que vigorará durante o seu matrimônio, da forma que lhes aprouver. Sobre
este prisma, podem os consortes eleger um dos estatutos patrimoniais previstos no
ordenamento ou criar algum distinto deles. Esta é uma manifestação do princípio da
autonomia privada, que preconiza a possibilidade dada ao indivíduo de regular suas
relações jurídicas, na seara civil.
5. Para além disso, parece que o cônjuge sobrevivo que era casado sob o regime da
separação convencional, ao invocar o seu direito de concorrência, atenta contra o
princípio da boa-fé objetiva. Por isso, age de forma antagônica àquela exteriorização
feita através de pacto antenupcial solene ou de pedido de alteração de regime de bens
perante o Poder Judiciário, onde ficou expressa a intenção da ausência de comunhão
patrimonial entre o casal.
6. Ainda assim, poderia o de cujus, em vida, ter feito doação ou testamento que
contemplasse o consorte supérstite, casado pelo regime da separação convencional,
com parte de seu patrimônio por ocasião de sua morte. Não sendo isso, parece
excessivo, por contrariar completamente a vontade do falecido, atribuir ao cônjuge
sobrevivo a qualidade de concorrente à herança ao lado dos seus descendentes.
7. Então, conclui-se que há, neste caso, uma ingerência do Estado, através do poder
legislativo, na vida e organização pessoal e patrimonial do casal. Poder que lhe é
expressamente vedado pelo artigo 1513 c/c 1565, §2, do Código Civil brasileiro.
8. Por outro lado, o afastamento do(a) viúvo(a), outrora casado em separação
convencional, da concorrência com os descendentes do falecido, não deve ser visto
como uma redução da proteção dada ao cônjuge. Afinal, a Codificação Civil
estabeleceu meios que amparam o consorte, quais sejam: pensão por morte, direito
real de habitação e possibilidade de pensão alimentícia requerida aos parentes
chegados.
15
9. Em suma, apesar de o Código Civil determinar que o cônjuge casado em separação
convencional de bens concorra com os descendentes na sucessão legítima, há uma
flagrante incongruência, em face de não ser esta a vontade das partes ao adotar este
regime de bens em vida. Nesta hipótese, não havendo qualquer manifestação de
vontade expressa por parte do defunto de deixar parte de seu patrimônio ao seu
cônjuge supérstite, por lógica, não deve este concorrer com os descendentes na
sucessão legítima.
Referências
BRASIL. Lei 5869/1973. Institui o Código de Processo Civil. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5869compilada.htm> Acesso em: 08 fev. 2014.
BRASIL. Lei 10406/2002. Institui o Código Civil. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406compilada.htm> Acesso em: 08 fev.
2014.
BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial n. 992.749 - MS (2007/0229597-9),
da 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça. Rel. Ministra Nancy Andrighi. Recorrente:
Gustavo Alves de Souza e outros. Recorrida: Paula Rosa de Souza. Julgamento em: 01 dez.
2009. Publicado em: 05 fev. 2010. Disponível em:
<http://www.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/8592148/recurso-especial-resp-992749-ms2007-0229597-9-stj/inteiro-teor> Acesso em: 08 fev. 2014.
FARIAS, Cristiano Chaves de; ROSENVALD, Nelson. Direito das famílias, 3.ed., Rio de
Janeiro: Lumen Juris.
GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro: Direito das sucessões, São Paulo:
Saraiva, 2007, v.7.
MARTINS, Flávio Alves. Boa-fé e sua formalização no direito das obrigações brasileiro.
2.ed. Rio de Janeiro: Lumen Júris, 2000.
MEIRA, Hugo. Pensão por morte. Disponível em: <http://www.hugomeira.com.br/pensaopor-morte/> Acesso em: 09 fev. 2014.
OLIVEIRA, Euclides de. Do casamento. Disponível em: <http://www.gontijofamilia.adv.br/2008/artigos_pdf/Euclides/Casament.pdf> Acesso em: 09 fev. 2014.
ORSELLI, Helena Maria Zanetti de Azeredo. A concorrência do cônjuge sobrevivente com
os descendentes do falecido. Disponível em:
<http://proxy.furb.br/ojs/index.php/juridica/article/view/442> Acesso em: 09 fev. 2014.
PEREIRA, Caio Mário da Silva. Instituições de direito civil: Direito das Sucessões, Direito
das Sucessões, 17.ed., Rio de Janeiro: Forense, 2009, v.7.
16
PRATA, Ana. A Tutela Constitucional da Autonomia Privada. Coimbra: Livraria
Almedina, 1982.
REALE, Miguel. O cônjuge no novo código civil. Disponível em:
<http://www.miguelreale.com.br/artigos/conjncc.htm> Acesso em: 09 fev. 2014.
REALE, Miguel; COSTA, Judith Martins. Casamento sob o regime da separação de bens.
Voluntariamente escolhido pelos nubentes. A força normativa do pacto antenupcial e seus
critérios hermenêuticos, Revista Trimestral de Direito Civil, Ano 6, Rio de Janeiro: Palma,
v. 24, out./dez., p.226.
RÉGIS, Mário Luiz Delgado. Controvérsias na sucessão do cônjuge e do convivente.
Disponível em: <http://br.vlex.com/vid/controversias-sucess-njuge-convivente-306709834>
Acesso em: 09 fev. 2014.
SANTOS, Ulderico Pires do. Sucessão hereditária: doutrina, jurisprudência e prática, Rio de
Janeiro: Forense, 2000.
SÃO PAULO. Tribunal de Justiça de São Paulo. Agravo de Instrumento n. 313.414-4/1Barretos, da 3ª câmara de direito privado. Rel. Flávio Pinheiro. Julgamento em: 04 nov. 2003.
Publicado em: 16 dez. 2003. Disponível em:
<http://www.pinhoadvogados.com.br/jurisprudencia/sucessao_hereditaria_codigo_civil_lei_n
_104062002.asp> Acesso em: 08 fev. 2014.
VELOSO, Zeno. Direito hereditário do cônjuge e do companheiro, São Paulo: Saraiva,
2010.
Fly UP