...

Níveis de desfolha tolerados na cultura da soja sem a

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

Níveis de desfolha tolerados na cultura da soja sem a
ISSN 2176-2864
79
Níveis de desfolha tolerados na cultura
da soja sem a ocorrência de prejuízos à
produtividade
Nível de ação e o MIP-Soja
No manejo adequado da cultura da soja, Glycine max (Merrill), é crucial a
adoção de estratégias de controle de insetos-praga dentro do contexto de
Manejo Integrado de Pragas (MIP). A filosofia do MIP baseia-se na premissa
que não são todas as espécies de insetos que necessitam de controle e que
alguns níveis de infestação e injúria são toleráveis pelas plantas, sem redução
econômica da produção final. Na verdade, a resposta da planta à desfolha
deve ser considerada de forma diferenciada, uma vez que as plantas passam
por diferentes estágios, entre os quais, o da tolerância deve ser observado
com atenção (Figura 1). No caso da soja, as plantas apresentam capacidade
de recuperação à desfolha sofrida. A área foliar restante, após o ataque dos
desfolhadores (lagartas, vaquinhas, gafanhotos, etc.) é, se a desfolha não for
drástica, capaz de realizar fotossíntese suficiente para garantir a produção
de energia, que será revertida em boa nutrição para a planta, fazendo que a
produção final por área seja a mesma.
Londrina, PR
Julho, 2010
Autores
Adeney de Freitas Bueno
Engenheiro agrônomo, Dr.
Embrapa Soja
CX Postal 231
86001-970, Londrina, PR
[email protected]
Marcelo J. Batistela
Engenheiro agrônomo,
mestrando
Universidade de Rio Verde,
FESURV/Monsanto do Brasil
75901-970 Rio Verde, GO
Nesse contexto, Stern et al. (1959) definiram que a menor população de
pragas que pode causar danos às plantas é denominada como Nível de Dano
Econômico (NDE). Entretanto, para evitar que esse NDE seja atingido e,
consequentemente, que o produtor tenha diminuição na produção da cultura,
devem ser consideradas diferentes situações de quando realizar uma ação de
controle, como, por exemplo, o tempo necessário para que medidas de controle
tornem-se eficientes controlando os insetos, a precisão da amostragem, fatores
climáticos que podem atrasar a realização da medida de controle, como a
dificuldade de maquinário de entrar na área plantada em períodos chuvosos,
entre outros fatores que devem ser analisados em cada caso especificamente.
Sendo assim, a decisão de controlar ou não a população de pragas deve ser
realizada, na prática, sempre com uma margem de segurança em relação ao
NDE. Esse nível de segurança, que deve ser ligeiramente mais baixo que NDE
[email protected]
foto: Jovenil José da Silva
Flávio Moscardi
Engenheiro agrônomo, Dr.
Universidade Estadual de
Londrina
86001-970, Londrina, PR
[email protected]
Níveis de desfolha tolerados na cultura da soja sem a ocorrência de prejuízos à produtividade
Regiane Cristina Oliveira de
Freitas Bueno
Engenheira agrônoma, Pósdoutoranda CAPES/PNPD
Universidade de Rio Verde,
FESURV/Embrapa Soja
75901-970 Rio Verde, GO
[email protected]
Tolerância
Produção
2
Tolerância: Sem ocorrência de redução
da produção; a produção da planta sem a
injúria é igual à produção com a presença
da injúria;
Compensação: A redução na produção
começa a ocorrer em razão do aumento
da intensidade da injúria;
Linearidade:
Relação
máxima
(constante) de redução de produção com
o aumento da intensidade de injúria;
Insensibilização: Redução da perda de
produção por unidade de injúria;
Insensibilidade: Também sem ocorrência
de redução da produção, porém
diferentemente da fase de tolerância, a
produção da planta com a injúria é menor
que a produção sem a injúria.
Compensação
Linearidade
Insensibilização
Marcelo Nishikawa
Engenheiro agrônomo, Dr.
Monsanto do Brasil
Insensibilidade
[email protected]
[email protected]
Leandro Silva
Engenheiro agrônomo
Monsanto do Brasil
[email protected]
Antônio Garcia
Engenheiro agrônomo, M.Sc.
Embrapa Soja até agosto de 2009
[email protected]
Edson Corbo
Engenheiro agrônomo
Monsanto do Brasil
[email protected]
Ruben Brito Silva
Engenheiro agrônomo
Monsanto do Brasil
[email protected]
Injúria (Desfolha)
Figura 1. Curva de produção em função da intensidade de injúria mostrando a relação existente entre
produção e desfolha (Adaptado de HIGLEY; PETERSON, 1996).
é conhecido como Nível de Controle (NC) ou Nível de Ação (NA) e representa
o momento economicamente correto para que uma medida de controle seja
iniciada e assim evitar que a população de insetos cresça demasiadamente e
ultrapasse o NDE (PEDIGO et al., 1986). Sendo assim, é de extrema importância
o bom senso nessa decisão, visto que as condições podem ser variáveis em
cada localidade o que pode resultar em uma escolha por um NA mais próximo
ou mais distante do NDE.
No caso da soja, cultura atualmente cultivada em aproximadamente 23 milhões
de hectares representando um dos mais importantes produtos de exportação do
Brasil (CONAB, 2010), o NA sugerido considera a população de insetos-praga,
por meio de avaliações de amostras do número de insetos presentes na área
com o auxílio do pano-de-batida, técnica esta, considerada algumas vezes muito
trabalhosa. Para insetos desfolhadores, de forma alternativa, pode-se também
utilizar a avaliação da intensidade de desfolha como referencial. Com relação ao
número de insetos, o NA recomendado para iniciar o controle é de 20 lagartas
grandes (≥ 1,5 cm) por metro de fileira de soja. E com relação à desfolha, o
NA recomendado para indicar o momento certo para iniciar o controle dos
desfolhadores é de 30% de desfolha no período vegetativo ou 15% se a cultura
estiver no estágio reprodutivo de desenvolvimento (Figura 2) (TECNOLOGIA,
2008).
Apesar da utilização do NA representar economia para o produtor e
principalmente proporcionar a utilização racional do uso de agrotóxicos,
50
45
Desfolha (%)
Gustavo Hidalgo
Engenheiro agrônomo
Monsanto do Brasil
Aplicação de
inseticidas
40
35
30
Aplicação de
inseticidas
25
20
NA
15
10
5
0
V1
V2
V3
V4
V5
V6
V7
V8
V9
R1
R2
R3
R4
R5
R6
R7
Ciclo da soja
Figura 2. Exemplo da evolução da desfolha ao longo do ciclo da soja com a indicação
do momento correto para realização do controle.
Níveis de desfolha tolerados na cultura da soja sem a ocorrência de prejuízos à produtividade
evitando a contaminação do homem e do
ambiente, tem havido um grande receio dos
sojicultores em esperar que as infestações atinjam
o NA para iniciar o controle. Isso tem resultado
no aumento do uso de inseticidas na soja, muitas
vezes de forma abusiva e errônea. Os inseticidas
na cultura da soja não têm sido utilizados com
base nas infestações das populações de pragas,
o que desrespeita o NA para a cultura, e estão
sendo utilizados baseados em critérios subjetivos
de percepção do agricultor que, geralmente,
utiliza aplicações pré-programadas baseadas
em calendário visando, muitas vezes, aproveitar
outras operações agrícolas como a aplicação de
herbicidas e/ou fungicidas (BUENO et al., 2010).
Grande parte desse descrédito nos níveis de ação
preconizados pelo MIP-soja está no fato de que os
estudos que determinaram estes níveis atualmente
recomendados para o controle das principais
pragas desfolhadoras foram realizados, na maioria,
na década de 70 e 80, apesar de alguns trabalhos
publicados recentemente mostrarem que estes
NAs ainda continuam confiáveis (COSTA et al.,
2003, REICHERT; COSTA, 2003, PARCIANELLO et
al., 2004).
Entretanto, no século XXI, o cultivo da soja
mudou bastante. Atualmente, encontram-se
disponíveis cultivares mais produtivos, com ciclos
e tipos de crescimento diversificados, além de
outros inúmeros avanços na área. Sendo assim,
alguns questionamentos como: se os níveis de
controle ainda estariam válidos para a sojicultura
moderna, surgiram entre os produtores e podem
estar contribuindo para que toda a tecnologia
desenvolvida para o manejo de pragas na cultura não
seja adotada. Isso pode acarretar problemas ainda
mais graves e levar a um insucesso da cultura e de
todos os esforços para utilização do MIP-soja.
Ataques de pragas no início do desenvolvimento
da lavoura como vaquinhas, piolhos de cobra,
lesmas, algumas lagartas aumentam ainda mais
essa desconfiança dos produtores de soja com
relação ao uso do NA principalmente quando as
plantas estão com apenas as folhas cotiledonares
ou as primeiras folhas definitivas. Segundo a
percepção dos agricultores, esta fase poderia ser
considerada o momento mais sensível da cultura,
quando os NAs atualmente recomendados para
desfolha talvez não pudessem ser tolerados.
Na tentativa de coletar mais dados visando
responder essas dúvidas dos sojicultores, a
Embrapa Soja em parceria com diferentes
instituições vêm estudando o assunto e parte
dos resultados obtidos até o momento está
disponibilizada nesta circular técnica.
EXPERIMENTOS DE PESQUISA
Ensaios com Injúria na fase inicial
da lavoura: Londrina, PR - Safras
2001/2002 e 2002/2003
Os experimentos foram conduzidos, em condições
de campo, nas safras 2001/2002 e 2002/2003, na
estação experimental da Embrapa Soja, Londrina,
PR, em delineamento em blocos ao acaso com 11
tratamentos na primeira safra e 10 tratamentos
na segunda safra. Utilizou-se quatro repetições
em ambos os ensaios, que constaram de seis
linhas com espaçamento de plantio de 0,45 m
entre linhas e seis metros de comprimento com 18
sementes por metro de soja. A cultivar foi BRS133 de crescimento determinado e ciclo médio.
Em todos os tratamentos foi utilizada a desfolha
artificial realizada manualmente em cada parcela.
Objetivando garantir a manutenção da desfolha
homogênea, em cada tratamento, foram realizadas
aplicações semanais de inseticidas, sempre que
necessário, para impedir qualquer influência de
pragas que pudesse alterar os níveis de desfolha
impostos. Os herbicidas e fungicidas foram
utilizados igualmente em todos os tratamentos,
sempre que necessário conforme as práticas
usuais utilizadas pelos sojicultores.
Os tratamentos avaliados foram: 1) testemunha
(sem qualquer injúria); 2) remoção de 1 cotilédone;
3) remoção de 2 cotilédones; 4) remoção de 2
cotilédones e 1 folha unifoliolada; 5) remoção de
2 cotilédones e 2 folhas unifolioladas; 6) remoção
de 1 folha unifoliolada; 7) remoção de 2 folhas
unifolioladas; 8) corte abaixo das folhas unifoliadas;
9) corte do broto das folhas trifolioladas; 10) desfolha
total (inclusive folhas trifoliadas) e, 11) desfolha total
mais a remoção da gema apical. No final do ciclo
da cultura foi avaliada a produção de cada parcela
corrigida a umidade para 13%, o estande final antes
da colheita, a altura final das plantas e a altura da
inserção da primeira vagem.
3
4
Níveis de desfolha tolerados na cultura da soja sem a ocorrência de prejuízos à produtividade
Ensaios com diferentes níveis de
desfolha em diferentes fases do
desenvolvimento: Não-Me-Toque-RS e
Sorriso-MT - Safra 2008/2009
Foram conduzidos dois ensaios na safra 2008/2009,
sendo um ensaio conduzido em Não-Me-ToqueRS, utilizando a cultivar BMX APOLORR®, e um
segundo ensaio em Sorriso-MT, utilizando a
cultivar M8867RR®, ambos em delineamento em
blocos ao acaso com 14 tratamentos e quatro
repetições que constaram de seis linhas de soja
com seis metros de comprimento. O espaçamento
utilizado foi de 0,45 m entre linhas e 18 sementes
por metro.
Os níveis de desfolha estudados foram
estabelecidos com a remoção artificial de 1, 2 e
3 folíolos referentes a 33,3%; 66,6% e 100% de
desfolha, respectivamente. Objetivando garantir
a manutenção da desfolha homogênea em cada
tratamento foram realizadas aplicações semanais
de inseticidas ou sempre que necessário para
impedir qualquer influência de pragas, que
pudesse alterar os níveis de desfolha impostos.
Os herbicidas e fungicidas foram utilizados
igualmente em todos os tratamentos, sempre que
necessário conforme as práticas usuais utilizadas
pelos sojicultores. Os tratamentos avaliados foram:
Testemunha (sem desfolha); 33,3% de desfolha no
estádio V5; 66,6% de desfolha no estádio V5; 100%
de desfolha no estádio V5; 33,3% de desfolha no
estádio V8; 66,6% de desfolha no estádio V8; 100%
de desfolha no estádio V8; 33,3% de desfolha no
estádio R2; 66,6% de desfolha no estádio R2; 100%
de desfolha no estádio R2; 33,3% de desfolha no
estádio V5-R2; 66,6% de desfolha no estádio V5R2; 100% de desfolha no estádio V5-R2; 100% de
desfolha no estádio V5-Colheita. No final do ciclo
da cultura foi avaliada a produção de cada parcela
corrigida a umidade para 13%.
experimental foi em blocos ao acaso com sete
tratamentos e quatro repetições que constaram
de seis linhas de soja com seis metros de
comprimento. O espaçamento utilizado foi de 0,45
m entre linhas e 18 sementes por metro.
Os níveis de desfolha estudados foram
estabelecidos desde o estádio V1 com a remoção
artificial semanal de ½ e 1 folíolo referente a 16,7%
e 33,3% de desfolha, respectivamente. Objetivando
garantir a manutenção da desfolha homogênea
em cada tratamento foram realizadas aplicações
semanais de inseticidas ou sempre que necessário
para impedir qualquer influência de pragas que
pudesse alterar os níveis de desfolha impostos.
Os herbicidas e fungicidas foram utilizados
igualmente em todos os tratamentos, sempre que
necessário conforme as usuais práticas utilizadas
pelos sojicultores. Os tratamentos avaliados foram:
Testemunha (sem desfolha); 16,7% e 33,3% de
desfolha em todo o período vegetativo; 16,7% e
33,3% de desfolha em todo o período reprodutivo
e 16,7% e 33,3% de desfolha em todo o período
de desenvolvimento da cultura (vegetativo e
reprodutivo). No final do ciclo da cultura foi
avaliada a produção de cada parcela corrigida
a umidade para 13%, o número de plantas por
hectare e altura das plantas no momento da
colheita.
Análise dos resultados
Os resultados obtidos foram analisados e as
médias de cada tratamento foram comparadas
pelo teste de Tukey, a 5% de probabilidade (SAS
INSTITUTE, 2001).
RESULTADOS OBTIDOS QUE
COMPROVAM A SEGURANÇA DOS
NÍVEIS DE AÇÃO RECOMENDADOS
Ensaios com diferentes níveis de
desfolha contínua durante diferentes
fases do desenvolvimento: Morrinhos,
GO - Safra 2009/2010
Ensaios com injúria na fase inicial
da lavoura: Londrina, PR - Safras
2001/2002 e 2002/2003
Foram conduzidos três ensaios na safra 2009/2010
em Morrinhos, GO, sendo dois conduzidos com a
cultivar M7908RR®, de crescimento determinado,
e um ensaio com a cultivar M7639RR®, de
crescimento indeterminado. O delineamento
Em geral, os resultados obtidos foram similares
nas safras 2001/2002 e 2002/2003 (Tabelas 1 e
2). No ensaio conduzido na primeira safra, as
plantas de soja das quais foram removidas os dois
cotilédones e mais as duas folhas unifolioladas
Níveis de desfolha tolerados na cultura da soja sem a ocorrência de prejuízos à produtividade
soja, usualmente, tem pouco efeito na produção,
principalmente devido à grande capacidade
de recuperação da planta neste período, que
emite muitas folhas novas (BOARD et al., 1994).
Além da capacidade de recuperação da soja,
precisamos considerar também que a planta
tem a característica de produzir área foliar em
excesso. Há várias referências na literatura de
espécies de plantas que produzem mais área
foliar do que realmente necessitam sendo que
mesmo com um pouco de desfolha ainda mostram
máxima interceptação da radiação solar pelas
folhas remanescentes (BROUGHAM, 1956, 1958;
DAVIDSON; DONALD, 1958; WATSON, 1958;
MURATA, 1961; STERN; DONALD, 1962). Ainda,
é importante salientar que esses tratamentos de
injúria extrema avaliados nesses experimentos
representam uma desfolha que apenas
eventualmente ocorre na cultura da soja, quando
(tratamento 5) teve altura estatisticamente inferior
aos demais tratamentos, assim como, quando
houve a desfolha total (tratamento 10) e a desfolha
total mais a destruição da gema apical (tratamento
11) (Tabela 1). Esses resultados foram semelhantes
aos da segunda safra, para o tratamento com
a remoção dos dois cotilédones e duas folhas
unifolioladas (tratamento 5) que foi o tratamento
de plantas com menor porte. No entanto, esse
resultado foi estatisticamente igual ao tratamento
10 (desfolha total), tratamento 4 (remoção de 2
cotilédones + 1 folha unifoliolada), 6 (remoção
de 1 folha unifoliolada) e 7 (remoção de 2 folhas
unifolioladas) (Tabela 1).
A redução da altura da planta linearmente
relacionada ao desfolhamento foi relatada
anteriormente para a cultura da soja por Ostlie e
Pedigo (1985). A desfolha no período vegetativo da
Tabela 1. Altura média das plantas e da inserção da primeira vagem (±EP) após a
injúria artificial em diferentes intensidades realizadas nas plantas de soja (BRS133).
Londrina, PR - Safras 2001/2002 e 2002/2003.
Intensidade de
injúria
Altura das plantas (cm) na colheita
Safra 2002/2003
Safra 2001/20021
Safra 2002/20031
Safra 2001/2002
1
Altura (cm) da inserção da 1ª vagem
1
1-Testemunha
(sem injúria)
63,38 ± 1,40
a
66,50 ± 4,28
a
14,08 ± 0,56
a
14,98 ± 0,78
a
2-Remoção de 1
cotilédone
57,40 ± 3,18
ab
62,38 ± 2,99
ab
12,13 ± 1,28
ab
15,73 ± 0,64
a
3-Remoção de 2
cotilédones
53,58 ± 1,42
b
66,18 ± 2,58
a
10,18 ± 0,63
bcd
14,78 ± 0,46
a
4-Remoção de 2
cotilédones + 1
folha unifoliolada
51,00 ± 1,69
b
51,03 ± 4,17
abc
10,28 ± 0,20
bc
13,53 ± 0,34
a
5-Remoção de 2
cotilédones + 2
folhas
unifolioladas
22,55 ± 2,24
c
38,35 ± 7,08
c
6,55 ± 0,43
de
8,53 ± 1,50
b
6-Remoção de 1
folha unifoliolada
55,08 ± 2,87
ab
57,38 ± 3,55
abc
12,70 ± 1,16
ab
13,70 ± 0,42
a
7-Remoção de 2
folhas
unifolioladas
52,40 ± 4,45
b
54,53 ± 2,24
abc
11,63 ± 0,82
ab
13,98 ± 0,41
a
8-Corte abaixo
das folhas
unifolioladas
55,63 ± 2,13
ab
58,53 ± 3,10
ab
12,60 ± 1,27
ab
14,18 ± 0,14
a
9-Corte do broto
das folhas
trifolioladas
59,85 ± 1,84
ab
58,15 ± 4,99
ab
13,23 ± 0,38
ab
14,13 ± 1,25
a
10-Desfolha total
(inclusive folhas
trifolioladas)
19,00 ± 2,08
c
44,15 ± 6,20
bc
6,88 ± 0,33
cde
13,27 ± 0,38
a
11-Desfolha total
+ gema apical
20,50 ± 0,49
c
5,43 ± 0,75
e
CV (%)
8,43
-2
14,31
14,05
-2
8,99
Médias seguidas pela mesma letra em cada coluna não diferem estatisticamente entre si pelo teste de Tukey;
2
Tratamento não realizado.
1
5
6
Níveis de desfolha tolerados na cultura da soja sem a ocorrência de prejuízos à produtividade
há a presença de lagartas grandes, ou seja, nos
últimos instares, muitas vezes, provenientes da
cultura ou vegetação anterior ao plantio da soja,
por exemplo.
O tratamento 5 (remoção de dois cotilédones e mais
as duas folhas unifolioladas) também fez que a
planta, além do porte mais baixo, tivesse uma altura
da inserção da primeira vagem estatisticamente
menor na primeira e segunda safra (Tabela 1). A
inserção mais baixa da primeira vagem pode ser uma
reposta fisiológica da planta à injúria sofrida, numa
tentativa de reduzir os danos provocados garantindo
a produção de sementes.
Com relação ao estande final na colheita,
os resultados dos tratamentos com injúria
mais intensa (tratamentos 5, 10 e 11) foram
os que tiveram o menor estande de plantas,
estatisticamente inferior aos demais tratamentos
no primeiro ano do ensaio (Tabela 2). No segundo
ano do ensaio, os resultados obtidos foram
semelhantes para o tratamento cinco, mas quando
a desfolha total foi imposta no tratamento 10,
com plantas com folhas trifoliadas, as mesmas
conseguiram se recuperar e não morreram o que
garantiu um estande estatisticamente semelhante
ao da testemunha (Tabela 2).
A redução de estande relacionado à desfolha
pode prejudicar a produção devido à diminuição
do número total de plantas por hectare, o que
é prejudicial à cultura conforme relatado por
Parcianello et al. (2004) e foi o que provavelmente
ocorreu nos tratamentos com 100% de desfolha. A
desfolha causada no primeiro ano nos tratamentos
5, 10 e 11 (100%) foi suficiente para causar morte
de plantas, e consequentemente redução do
estande final na colheita, o que também reduziu
significativamente a produção (Tabela 2). De modo
Tabela 2. Estande na colheita e produção (±EP) após a injúria artificial em diferentes
intensidades realizadas nas plantas de soja (BRS133). Londrina, PR - Safras
2001/2002 e 2002/2003.
Intensidade de
injúria
2
1
Safra 2001/2002
Produção (kg/ha) a 13% de umidade
1
Safra 2002/2003
Safra 2001/20021
Safra 2002/20031
1-Testemunha
(sem injúria)
79,5 ± 3,17
a
89,25 ± 1,38
a
1844,83 ± 242,96
a
2795,73 ± 166,60
2-Remoção de 1
cotilédone
76,50 ± 2,22
a
88,75 ± 5,98
a
2534,07 ± 351,65
a
2690,53 ± 186,33
3-Remoção de 2
cotilédones
63,25 ± 4,09
a
85,25 ± 1,89
a
1883,30 ± 156,56
a
2743,80 ± 156,06
4-Remoção de 2
cotilédones + 1
folha unifoliolada
63,75 ± 4,40
a
85,00 ± 9,29
a
2087,80 ± 78,14
a
2067,45 ± 166,64
5-Remoção de 2
cotilédones + 2
folhas
unifolioladas
24,00 ± 7,06
b
37,33 ± 1,33
b
0,00 ± 0,00
b
1947,13 ± 395,27
6-Remoção de 1
folha unifoliolada
76,25 ± 4,31
a
91,00 ± 3,56
a
2004,90 ± 265,72
a
2441,73 ± 287,43
7-Remoção de 2
folhas
unifolioladas
71,75 ± 2,56
a
80,00 ± 4,04
a
1773,33 ± 264,35
a
2408,95 ±179,82
8-Corte abaixo
das folhas
unifolioladas
77,25 ± 3,97
a
93,25 ± 2,81
a
1611,98 ± 370,76
a
2523,48 ± 86,58
9-Corte do broto
das folhas
trifolioladas
81,00 ± 0,91
a
85,00 ± 2,80
a
2096,58 ± 148,05
a
2438,63 ± 299,07
10-Desfolha total
(inclusive folhas
trifolioladas)
22,75 ± 3,84
b
94,00 ± 2,80
a
0,00 ± 0,00
b
2252,35 ± 256,18
11-Desfolha total +
gema apical
36,75 ± 13,89
b
CV (%)
1
Estande na colheita (6m de linha)
16,64
-2
8,08
0,00 ± 0,00
29,15
b
ns
-2
18,01
Médias seguidas pela mesma letra em cada coluna não diferem estatisticamente entre si pelo teste de Tukey;
Tratamento não realizado; nsDiferença não significativa.
Níveis de desfolha tolerados na cultura da soja sem a ocorrência de prejuízos à produtividade
semelhante no segundo ano do experimento, a
desfolha de 100% imposta no tratamento 5 foi
suficiente para matar plantas, o que não ocorreu
com o tratamento 10 provavelmente porque as
condições climáticas favoráveis permitiram uma
recuperação da planta mesmo com uma desfolha
drástica (Tabela 2).
Esses resultados permitem concluir que as
plantas de soja, mesmo em seus estágios iniciais
de desenvolvimento, possuem uma grande
capacidade de recuperação em relação à desfolha,
sendo que, reduções de produção são apenas
causadas quando a desfolha sofrida é suficiente
para causar a morte da planta, diminuindo
significativamente o estande de plantas. Essa
redução do estande somente aconteceu com a
ocorrência de injúrias intensas, ou seja, quando há
a destruição total das plantas (100% de desfolha).
Isso comprova que o nível de ação recomendado
de 30% de desfolha no período vegetativo da
cultura é realmente seguro mesmo para plantas
novas e que qualquer aplicação preventiva
de inseticidas antes desse nível ser atingido é
desnecessária, aumentando apenas o custo de
produção para o sojicultor sem qualquer benefício
aparente para a produção.
testemunha (sem desfolha) apesar dessa diferença
não ser estatisticamente significante, o que mostra
que provavelmente foi uma conseqüência do acaso
e pode ser variável nas diferentes situações de
cultivo (Figura 3) como o que ocorreu no ensaio de
Sorriso-MT, em que a produção desse tratamento
foi, ao contrário, ligeiramente inferior apesar de
ainda estatisticamente igual à testemunha sem
desfolha. Entretanto, é importante salientar que um
pequeno aumento na produção das plantas com
baixos níveis de desfolhada já foi anteriormente
relatado na literatura (HIGLEY; PETERSON, 1996).
Isso pode eventualmente ocorrer porque a perda
foliar é compensada com uma maior penetração
da luz até as folhas inferiores, que antes estavam
sombreadas, aumentando deste modo a produção
de fotossintetizados total da planta e fazendo com
que a mesma mantenha a produção de grãos
semelhante à testemunha sem desfolha ou até
mesmo apresente produção ligeiramente superior
(TURNIPSEED, 1972).
No período vegetativo do ensaio de Não-MeToque-RS nenhuma intensidade de desfolha
reduziu significativamente a produção de soja em
relação à testemunha sem desfolha (Figura 3), o
que comprova a grande capacidade de recuperação
Não-Me-Toque-RS – safra 2008/2009
4000
Ensaios com diferentes níveis de
desfolha em diferentes fases do
desenvolvimento: Não-Me-Toque-RS e
Sorriso-MT - Safra 2008/2009
3500
a
abc
ab
abc
3000
abc
abc
ab
ab
bc
bc
abc
c
2500
2000
d
1500
500
Te
st
em
un
ha
33
,3
%
(V
66
5)
,6
%
(V
5)
10
0%
(V
33
5)
,3
%
(V
66
8)
,6
%
(V
8)
10
0%
(V
33
8)
,3
%
(R
66
2)
,6
%
(R
2)
10
0%
33
(R
,3
2)
%
(V
66
5R
,6
2)
%
(V
510
R
0%
2)
10
0%
(V
5(V
R
52)
C
ol
he
ita
)
0
Sorriso, MT – safra 2008/2009
4000
a
3500
3000
2500
abc
abc
bc
ab
bcd
e
ab
cde
de
f
2000
g
1500
h
1000
500
i
0
Te
st
em
un
ha
33
,3
%
(V
66
5)
,6
%
(V
5)
10
0%
(V
33
5)
,3
%
(V
66
8)
,6
%
(V
8)
10
0%
(V
33
8)
,3
%
(R
66
2)
,6
%
(R
2)
10
0%
33
(
R
,3
2)
%
(V
66
5R
,6
2)
%
(V
510
R
0%
2)
10
0%
(V
5(V
R
52)
C
ol
he
ita
)
No ensaio conduzido em Não-Me-Toque-RS,
a produção do tratamento com desfolha
de 33,3% quando a planta estava em V5 foi
inclusive numericamente superior ao tratamento
d
1000
Produtividade (kg/ha)
Os resultados obtidos na safra 2008/2009 em duas
localidades foram ligeiramente diferentes entre
si. Em geral, é possível salientar que a produção
do ensaio conduzido em Não-Me-Toque-RS foi
menos impactada pela desfolha em relação ao
ensaio conduzido em Sorriso, MT, mostrando
que a capacidade da planta em tolerar a desfolha
pode variar em relação a diferentes fatores como
o cultivar, nutrição do solo e da planta, índices de
pluviosidade, entre outros pontos que interferem
na relação inseto-planta (HAILE, 2000a, 2000b).
Entretanto, nenhum resultado mostrou qualquer
indicação que o NA sugerido pela pesquisa
pudesse não ser seguro.
Intensidade de desfolha (%)
Figura 3. Produtividade (±EP) a 13% de umidade dos grãos após
diferentes intensidades de desfolhas (%). Médias seguidas pela
mesma letra não diferem estatisticamente entre si pelo teste de
Tukey a 5% de probabilidade em cada ensaio.
7
Níveis de desfolha tolerados na cultura da soja sem a ocorrência de prejuízos à produtividade
Ensaios com diferentes níveis de
desfolha contínua durante diferentes
fases do desenvolvimento: Morrinhos,
GO - Safra 2009/2010
Os resultados obtidos na safra 2009/2010 foram
semelhantes. Todos os tratamentos com desfolha,
tanto no período vegetativo quanto no reprodutivo
da cultura da soja, não mostraram ser suficientes
para causar redução do estande final de plantas
em relação à testemunha sem desfolha (Figura
4). Entretanto, mesmo sem a necessidade de
utilizar qualquer medida de controle, o produtor
de soja tem receio de tolerar essas intensidades
de desfolha sem realizar alguma aplicação de
inseticidas. Normalmente, o principal motivo desse
receio é o aspecto visual que a soja desfolhada
oferece, podendo parecer menos atraente e
saudável em relação à soja não desfolhada e,
portanto, menos produtiva, o que os resultados
comprovam não ser verdade. É correto afirmar
que as plantas desfolhadas podem ficar com um
250000
200000
a
a
a
150000
100000
a
a
a
a
Crescimento determinado
50000
ci
cl
o
od
o
-t
od
o
-t
%
%
,3
,7
33
16
33
,
16
,
3%
7%
-r
-r
ep
ro
ep
ro
du
t
ci
cl
o
iv
o
iv
o
du
t
et
at
iv
eg
-v
%
16
33
,7
,3
%
Te
s
te
-v
eg
m
un
et
at
iv
ha
o
o
0
M7908RR – Morrinhos, GO – safra 2009/2010 Ensaio 2
300000
a
a
a
a
a
250000
a
a
200000
150000
Crescimento determinado
100000
50000
ci
cl
o
od
o
od
o
-t
%
%
,3
,7
33
16
16
,
33
,
7%
3%
-r
-r
-t
ep
ro
ep
ro
du
t
ci
cl
o
iv
o
iv
o
du
t
et
at
iv
eg
-v
%
16
33
,7
,3
%
Te
s
te
-v
eg
m
un
et
at
iv
ha
o
o
0
M7639RR – Morrinhos, GO – safra 2009/2010 Ensaio 3
300000
a
a
a
a
a
a
250000
a
200000
150000
Crescimento indeterminado
100000
50000
ci
cl
o
od
o
%
,3
33
,7
%
-t
-t
od
o
du
t
3%
33
,
16
-r
ep
ro
ep
ro
-r
7%
16
,
ci
cl
o
iv
o
iv
o
du
t
et
at
iv
-v
eg
,3
33
%
,7
16
%
-v
eg
m
un
et
at
iv
ha
o
o
0
te
No período reprodutivo, considerado o menos
tolerante à desfolha (FEHR et al., 1981; GAZZONI;
MOSCARDI, 1998), apenas os tratamentos com
desfolha contínua de 100% entre os estádios V5
e R2 ou entre V5 e o momento da colheita foram
suficiente para reduzir a produção no ensaio
de Não-Me-Toque-RS (Figura 3). No ensaio de
Sorriso-MT somente os tratamentos com 33,3% de
desfolha nos estádios R2 e desfolha contínua entre
V5-R2 não apresentaram redução na produção.
Entretanto, todas essas intensidades de desfolha
foram bem acima do NA recomendado para essa
fase de desenvolvimento da cultura que é de
15% de desfolha. Assim, de modo semelhante ao
NA recomendado na fase vegetativa, para a fase
reprodutiva o NA sugerido de 15% também se
mostrou seguro.
M7908RR – Morrinhos, GO – safra 2009/2010 Ensaio 1
300000
Te
s
das plantas de soja mesmo com níveis de desfolha
bastante altos de 67 e 100% (BEGUN; EDEN, 1976;
GAZZONI; MINOR, 1979). No período vegetativo
do ensaio realizado em Sorriso-MT, somente as
desfolhas de 66,6% e 100%, realizadas ambas
nos estádios V5 e V8, reduziram estatisticamente
a produção em relação à testemunha (Figura 3).
Assim, é possível salientar que o NA sugerido
para iniciar o controle dos desfolhares de 30% de
desfolha no período vegetativo da soja é bastante
seguro para o produtor.
Número de plantas por hectare
8
Intensidade de desfolha (%)
Figura 4. Estande médio (±EP) de plantas no momento da
colheita após diferentes intensidades de desfolhas (%). Médias
seguidas pela mesma letra não diferem estatisticamente entre si
pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade em cada ensaio.
porte menor do que as não desfolhadas (FEHR et
al., 1981; HIGGINS et al., 1983; OSTLIE; PEDIGO,
1985), como foi observado nos ensaios realizados
na safra 2009/2010, mas somente as plantas
com maior intensidade e duração da desfolha
tiveram o tamanho estatisticamente inferior ao da
testemunha (Figura 5). Entretanto, mesmo para
as plantas de soja com tamanho menor não foi
observado diferença na produção de acordo com
os resultados obtidos (Figura 6). À exceção da
desfolha contínua de 33,3% durante todo o ciclo
da lavoura no ensaio 2 da safra 2009/2010, não
houve outra diferença estatística na produção
entre as diferentes cultivares com os diferentes
tratamentos, independentemente da cultivar
ser de hábito de crescimento determinado ou
indeterminado (Figura 6).
É importante ressaltar que o produtor de soja
não será remunerado pela aparência das plantas
de soja e sim pela produção de grãos, o que
comprovadamente não tem sido afetada por
desfolhas de até 30% no período vegetativo ou
Níveis de desfolha tolerados na cultura da soja sem a ocorrência de prejuízos à produtividade
M7908RR – Morrinhos, GO – safra 2009/2010 Ensaio 1
M7908RR – Morrinhos, GO – safra 2009/2010 Ensaio 1
5000
100
a
a
4500
80
a
ab
ab
bc
ab
b
a
a
3000
c
2500
Crescimento determinado
2000
40
1500
Crescimento determinado
20
1000
500
80
ab
abc
ab
bc
c
Crescimento determinado
20
ci
cl
o
od
o
ci
cl
o
-t
od
o
16
33
,7
,3
%
%
-t
-r
ep
ro
33
,3
%
33
,
du
t
du
t
-r
ep
ro
eg
-v
3%
7%
iv
o
iv
o
o
et
at
iv
et
at
iv
eg
-v
Te
s
16
,
bc
60
40
m
un
ha
te
ci
cl
o
-t
%
,3
100
Produção (kg/ha)
33
,
16
33
,7
3%
%
-r
-t
ep
ro
od
o
od
o
ci
cl
o
iv
o
du
t
du
t
ep
ro
-r
7%
16
,
16
33
,3
,7
%
%
-v
eg
-v
eg
et
at
iv
iv
o
o
o
et
at
iv
ha
m
un
te
Te
s
M7908RR – Morrinhos, GO – safra 2009/2010 Ensaio 2
a
o
0
0
M7908RR – Morrinhos, GO – safra 2009/2010 Ensaio 2
5000
a
4500
ab
ab
4000
ab
ab
ab
b
3500
3000
2500
2000
Crescimento determinado
1500
1000
500
33
,
a
ab
ab
100
ci
cl
o
od
o
ci
cl
o
-t
od
o
,3
16
33
,7
33
,3
%
%
%
-t
-r
ep
ro
-r
ep
ro
du
t
du
t
iv
o
iv
o
o
16
,7
%
33
,
16
,
3%
7%
-v
-v
eg
eg
et
at
iv
et
at
iv
m
un
ha
te
M7639RR – Morrinhos, GO – safra 2009/2010 Ensaio 3
M7639RR – Morrinhos, GO – safra 2009/2010 Ensaio 3
a
Te
s
ci
cl
o
%
,3
16
33
,7
3%
%
-r
-t
-t
od
o
od
o
ci
cl
o
iv
o
du
t
ep
ro
du
t
ep
ro
-r
7%
16
,
16
33
,3
,7
%
%
-v
eg
-v
eg
et
at
iv
iv
o
o
o
et
at
iv
ha
te
Te
s
120
o
0
0
m
un
Altura de plantas (cm)
a
3500
60
120
a
a
4000
16
,7
%
120
a
a
4500
ab
ab
a
5000
b
a
a
a
a
4000
3500
80
3000
2500
60
Crescimento indeterminado
40
Crescimento indeterminado
2000
1500
1000
20
500
ci
cl
o
od
o
ci
cl
o
33
,3
%
-t
-t
od
o
du
t
%
,7
16
-r
ep
ro
%
33
,3
-r
ep
ro
du
t
iv
o
iv
o
o
%
16
,7
-v
3%
33
,
16
,
7%
-v
eg
eg
et
at
iv
et
at
iv
m
un
ha
te
Te
s
ci
cl
o
%
,3
33
16
,7
%
-t
-t
od
o
od
o
ci
cl
o
iv
o
du
t
33
,
3%
-r
-r
ep
ro
ep
ro
du
t
et
at
iv
7%
16
,
33
,3
%
-v
eg
-v
eg
%
,7
16
iv
o
o
o
et
at
iv
ha
m
un
te
Te
s
Intensidade de desfolha (%)
o
0
0
Intensidade de desfolha (%)
Figura 5. Altura média (±EP) das plantas (cm) no momento da
colheita após diferentes intensidades de desfolhas (%). Médias
seguidas pela mesma letra não diferem estatisticamente entre si
pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade em cada ensaio.
Figura 6. Produção média (±EP) a 13% de umidade dos grãos
após diferentes intensidades de desfolhas (%). Médias seguidas
pela mesma letra não diferem estatisticamente entre si pelo
teste de Tukey a 5% de probabilidade em cada ensaio.
de até 15% no período reprodutivo, que são os
níveis de ação sugeridos para iniciar o controle
de desfolhadores na cultura. Pelo contrário esse
NA ainda tem uma grande margem de segurança,
mesmo em anos com condições climáticas
adversas e para diferentes cultivares (GAZZONI;
MOSCARDI, 1998; REICHERT; COSTA, 2003; COSTA
et al. 2003; PARCIANELLO et al. 2004), como pôde
ser observado nos tratamentos com intensidades
de desfolhamento superior ao NA, e que mesmo
assim não reduziram estatisticamente a produção
(Figuras 3 e 6).
produtos fitossanitários cresçam abusivamente,
retrocedendo-se à quantidade de inseticidas
utilizados na década de 70, antes da implantação
do MIP-soja.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Infelizmente, devido principalmente ao receio
dos produtores em tolerar os níveis de ação
recomendados pela pesquisa, está havendo um
grande retrocesso do MIP-soja nos últimos anos,
fazendo com que os números de aplicações de
No início da década de 70, tínhamos
aproximadamente seis aplicações em média de
inseticidas por ciclo da soja, com produtos de largo
espectro de ação. Com a criação da Embrapa Soja,
em 1975, e em conjunto com a Emater, o IAPAR
e outras instituições parceiras foram iniciados os
trabalhos de MIP-soja visando o uso racional de
inseticidas na cultura e a preservação do controle
biológico natural. A partir dessa parceria foram
determinados os níveis de ação para as principais
pragas (desfolhadoras e sugadoras) da soja e
passou-se então a recomendar o uso de inseticidas
apenas quando necessário, ou seja, quando a
população de pragas estiver igual ou acima do
NA e com preferência à utilização de produtos
seletivos, que preservem a ação do controle
biológico natural. Em alguns anos de trabalho e
9
Níveis de desfolha tolerados na cultura da soja sem a ocorrência de prejuízos à produtividade
após o treinamento e a divulgação desses níveis,
aliado com a difusão de outras táticas de MIP, o
quadro de aplicação de agrotóxicos foi revertido
para em média duas aplicações por ciclo da
cultura.
Entretanto, o desrespeito aos NAs ocorrido nos
últimos anos tem resultado no aumento do uso
abusivo e errôneo de agrotóxicos. As aplicações
de inseticidas não têm sido mais baseadas na
população de pragas, respeitando-se o nível de
ação, e passaram a ser adotadas com critérios
subjetivos de percepção dos sojicultores,
que utilizam aplicações pré-programadas em
calendário visando, muitas vezes, aproveitar
outras operações agrícolas como a aplicação de
herbicidas e/ou fungicidas. Com isso, atualmente,
as aplicações voltaram a atingir a média de quatro
a seis aplicações por ciclo.
O aumento desordenado do uso de inseticidas tem
ocorrido em todo o cenário nacional da cultura da
soja, prejudicando a ação dos inimigos naturais
das pragas e permitindo surtos de artrópodes,
anteriormente, considerados sem importância
econômica, o que por sua vez, exige aumento
do número de aplicações de inseticidas e assim
causa o chamado “efeito cascata”. Desse modo,
o uso de inseticidas cresce assustadoramente na
cultura e o MIP-soja vai cada vez mais deixando
Momento 1 (antes do agrotóxico
não seletivo): Presença do
controle biológico natural
POPULAÇÃO DE INSETOS
10
de ser utilizado, o que pode ao longo do tempo
comprometer toda a cadeia produtiva da cultura,
tornando o cultivo inviável ao produtor, pois o
custo de produção é drasticamente aumentado.
As pragas secundárias sempre existiram na soja,
mas eram mantidas em equilíbrio, ou seja, abaixo do
nível de dano econômico, graças à ação do controle
biológico natural. Com a redução da ação do controle
biológico natural a população de insetos cresce
descontroladamente e passa a ocupar patamares
acima do nível de dano econômico (Figura 7). Um
dos maiores exemplos de pragas que assumiu
grande importância na cultura da soja foi a lagartafalsa-medideira, Pseudoplusia includens, que na
última década tornou-se uma das principais pragas
da cultura no Brasil. No entanto, outras espécies
também passam a ter ocorrência de altas infestações
na soja, como o complexo de lagartas do gênero
Spodoptera (lagarta preta da soja), a mosca-branca,
Bemisia tabaci, e os ácaros, entre outros artrópodes.
Para piorar ainda mais esse cenário, muitas
vezes os produtores ou até mesmo a assistência
técnica menos preparada, ao perceberem a
baixa infestação de pragas decidem usar doses
de inseticidas abaixo do registrado para uso
na cultura, o que é popularmente conhecido
com uso do “aproveitamento de operação”, que
segundo a percepção do produtor é utilizado
Momento 2 (após o uso do
agrotóxico não seletivo): Ausência
do controle biológico natural
Aplicação de agrotóxicos
não seletivo
Flutuação da população no
momento 2 = Praga-chave
Nível de Dano Econômico
Flutuação da população no
momento 1 = Praga-secundária
TEMPO
Figura 7. Alteração do nível de equilíbrio populacional da praga-secundária para praga-chave em decorrência
do desequilíbrio causado por aplicações de agrotóxicos não seletivos que eliminam os artrópodes benéficos
(inimigos naturais).
Níveis de desfolha tolerados na cultura da soja sem a ocorrência de prejuízos à produtividade
na tentativa de prevenir o surgimento da praga.
No entanto, é importante salientar que nunca
deve ser recomendada a aplicação preventiva de
produtos fitossanitários para o controle de pragas,
ou utilizar algum tipo de controle, principalmente
quando o custo deste controle for maior que
o prejuízo causado pelo inseto. Esse nível de
infestação é exatamente o nível de ação (NA)
definido anteriormente como 30% de desfolha no
período vegetativo ou 15% no período reprodutivo
da soja. Qualquer aplicação de inseticidas para
controlar as pragas antes que atinjam esses níveis
é desnecessária e pode causar mais prejuízos do
que benefícios, principalmente quando são usados
produtos não seletivos aos inimigos naturais.
Portanto, a retomada da adoção do MIP-soja
baseada na tomada de decisão de controle apenas
quando a população atingir os níveis de ação
preconizados pela pesquisa é a única maneira
para o sojicultor manter-se competitivo no
mercado com redução dos custos e maximização
da produtividade, associado a preservação do
agroecossistema e produção de alimentos mais
seguros.
É evidente que para alcançar esses objetivos o
produtor agrícola enfrenta alguns obstáculos que
precisam ser superados. Entre eles está o fato
de que a compra de agrotóxicos normalmente é
realizada antes mesmo do plantio da soja. Isso
pode ser necessário porque atualmente cultivamos
cerca de 23 milhões de hectares de soja em todo
o Brasil e essa compra antecipada dos insumos
agrícolas, de maneira geral, facilita o sistema de
distribuição entre a fábrica e consumidor final,
permitindo que os produtos estejam disponíveis
para uso no momento certo. Entretanto, não é
porque o sojicultor comprou antecipadamente um
determinado número de aplicações de inseticidas
que ele necessariamente precisa realizar estas
pulverizações da lavoura. A negociação no
momento da compra precisa ser realizada junto às
cooperativas e revendas de agrotóxicos para que
os inseticidas não utilizados possam ser devolvidos
em forma de crédito para serem usados em anos
posteriores. Sugestões simples como estas irão
auxiliar o sojicultor a ter condições de respeitar os
NAs e com isso economizar agrotóxicos, e assim
dar condições necessárias para que MIP-soja seja
utilizado em sua plenitude.
REFERÊNCIAS
BEGUN, A.; EDEN, W. G. Influence of defoliation on
yield and quality of soybeans. Journal of Economic
Entomology, Lanham, MD, v. 58, n. 3, p. 591-592,
abr. 1965.
BOARD, J. E.; WIER, A. T.; BOETHEL, D. J. Soybean
yield reductions caused by defoliation during mid
to late seed filling. Agronomy Journal, Madison, WI,
v. 86, n. 6, p. 1074-1079, nov./dez. 1994.
BROUGHAM, R. W. Effect of intensity of defoliation
on regrowth of pasture. Australian Journal of
Agricultural Research, Melbourne, VIC, v. 7, n.5, p.
377-387, 1956.
BROUGHAM, R. W. Interception of light by the
foliage of pure and mixed stands of pasture
plants. Australian Journal of Agricultural Research,
Melbourne, VIC, v. 9, n. 1, p. 39-52, 1958.
BUENO, A. F.; CORRÊA-FERREIRA, B. S.; BUENO, R. C.
O. F. Controle de pragas apenas com o MIP. A granja,
Porto Alegre, RS, v. 1, n. 733, p. 76-79. jan. 2010.
COSTA, M. A. G.; BALARDIN, R. S.; COSTA, E. C.;
GRÜTZMACHER, A. D.; SILVA, M. T. B. Níveis de
desfolha na fase reprodutiva da soja, cv. Ocepar 14,
sobre dois sistemas de cultivo. Ciência Rural, Santa
Maria, RS, v. 33, n. 5, p. 813-819, set./out. 2003.
DAVIDSON, J. L.; DONALD, C. M. The growth of
swards of subterranean clover with particular
reference to leaf area. Australian Journal of
Agricultural Research, Melbourne, VIC, v. 9, n. 1, p.
53-72, 1958.
FEHR, W. R.; LAWRENCE, B. K.; THOMPSON,
T. A. Critical stage of development for soybean
defoliation. Crop Science, Madison, WI, v. 21, n.2, p.
259-262, mar./abr. 1981.
GAZZONI, D. L. & MOSCARDI, F. Effect of
defoliation levels on recovery of leaf area, on
yield and agronomic traits of soybeans. Pesquisa
Agropecuária Brasileira, Brasília, DF, v. 33, n.4, p.
411-424, abr. 1998.
GAZZONI, D. L.; MINOR, H. C. Efeito do
desfolhamento artificial em soja, sobre o
rendimento e seus componentes. In: SEMINÁRIO
NACIONAL DE PESQUISA DE SOJA, 1., 1978,
Londrina, PR. Anais... Londrina: EMBRAPA/CNPS,
1979. v. 2, p. 47-57.
HAILE, F.J. Influence of cultivar and plant
architecture on yield loss. In: PETERSON, R. D.;
HIGLEY, L. G. (Eds.). Biotic Stress and Yield Loss.
CRC Press LLC, 2000 N.W. Corporate Blvd. 2000a.
p. 99-116.
HAILE, F. J. Drought stress, and yield loss. In:
PETERSON, R. D.; HIGLEY, L. G. (Eds.). Biotic
Stress and Yield Loss. CRC Press LLC, 2000 N.W.
Corporate Blvd. 2000b. p. 117-134.
11
HIGGINS, R. A.; PEDIGO, L. P.; STANIFORTH, D. W.
Selected preharvest morphological characteristics
of soybeans stressed by simulated green
cloverworm (Lepidoptera: Noctuidae) defoliation
and velvetleaf competition. Journal of Economic
Entomology, Lanham, MD, v. 76, n. , p. 484-491,
jun. 1983.
REICHERT, J. L.; COSTA, E. C. Desfolhamentos
contínuos e seqüenciais simulando danos de
pragas sobre o cultivar de soja BRS 137. Ciência
Rural, Santa Maria, RS, v. 33, n.1, p. 1-6, fev. 2003.
SAS INSTITUTE. SAS user’s guide: statistics.
Version 8e. Cary, NC: SAS Institute. 2001.
HIGLEY, L. G.; PETERSON, R. K. D. The biological
basis of the EIL. In: HIGLEY, L. G.; PEDIGO, L. P.
(Eds). Economic Thresholds for Integrated Pest
Management. University of Nebraska Press.1996. p.
22-40,
MURATA, Y. Studies on photosynthesis in rice
plants and its culture significance. Bulletin of the
National Institute of Agricultural Sciences, Tokyo, v.
D, n. 9, p. 1-25, 1961.
OSTLIE, K. R.; PEDIGO, L. P. Soybean response
to simulated green cloverworm (Lepidoptera:
Noctuidae) defoliation: progress towards
determining comprehensive economic injury
levels. Journal of Economic Entomology, Lanham,
MD, v. 78, n. 2, p. 437-444, abr. 1985.
PARCIANELLO, G.; COSTA, J. A.; PIRES, J. L.
F.; RAMBO, L.; SAGGIN, K. Tolerância da soja
ao desfolhamento afetada pela redução do
espaçamento entre fileiras. Ciência Rural, Santa
Maria, RS, v. 34, n. 2, p. 357-364, mar./abr. 2004.
PEDIGO, L. P.; HUTCHINS, S. H.; HIGLEY, L. G.
Economic Injury Levels in Theory and Practice.
Annual Review of Entomology, Palo Alto, CA, v. 31,
p. 341-68, jan. 1986.
STERN, V. M.; SMITH, R. F.; van den BOSCH,
R.; HAGEN, K. S. The integration of chemical
and biological control of the spotted aphid: The
integrated control concept. Hilgardia, Berkeley, CA,
v. 29, n. 2, p. 81-101. out. 1959.
STERN, W. R.; DONALD, C. M. The influence of
leaf area and radiation on the growth of clover
in swards. Australian Journal of Agricultural
Research, Melbourne,VIC, v.13, n. 4, p. 615-623,
1962.
TECNOLOGIAS de produção de soja - região
central do Brasil, 2009 e 2010. Londrina: Embrapa
Soja, 2008, 261 p. (Embrapa Soja. Sistemas de
Produção, 13).
TURNIPSEED, S.G. Response of soybeans to
foliage losses in South Carolina. Journal of
Economic Entomology, Lanham, MD, v. 65, n. 1, p.
224-229, fev. 1972.
WATSON, D.J. The dependence of net assimilation
rate on leaf area index. Annals of Botany, London,
UK, v. 22, n. 85, p. 37-54, jan. 1958.
Patrocínio:
Circular
Técnica, 79
Exemplares desta edição podem ser adquiridos na:
Embrapa Soja
Rod. Carlos João Strass - Acesso Orlando Amaral
Cx. Postal: 231
860001-970 Londrina - PR
Fone: (43) 3371 6000 - Fax: 3371 6100
Home page: www.cnpso.embrapa.br
e-mail: [email protected]
Ministério da
Agricultura, Pecuária
e Abastecimento
Comitê de
Publicações
1a edição
1a impressão 07/2010: tiragem 2.000 exemplares
Expediente
Presidente: José Renato Bouças Farias
Secretária Executiva: Regina Maria Villas Bôas de
Campos Leite
Membros: Adeney de Freitas Bueno, Adilson de
Oliveira Junior, Clara Beatriz Hoffmann Campo,
Francismar Correa Marcelino, José de Barros
França Neto, Maria Cristina Neves de Oliveira,
Mariângela Hungria da Cunha, Norman Neumaier.
Coordenador de editoração: Odilon Ferreira Saraiva
Normatizador bibliográfico: Ademir Benedito Alves
de Lima
Editoração eletrônica: Marisa Yuri Horikawa
CGPE 8599
Fly UP