...

Cuidar do cuidador: transbordamento e carência

by user

on
Category: Documents
3

views

Report

Comments

Transcript

Cuidar do cuidador: transbordamento e carência
Cuidar do cuidador: transbordamento e carência
Ligia Py
Pesquisadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Tanatologia do Instituto de Psicologia/UFRJ. E-mail: [email protected]
Resumo
Este texto é produto de uma comunicação realizada na Jornada de Bioética promovida pelo Conselho de Bioética
do INCA, no dia 06 de julho de 2004. Trata de dificuldades emocionais de familiares cuidadores de pacientes com
câncer, carentes eles mesmos de cuidados especiais. Lembra que, na grande maioria das vezes, a mulher é protagonista
do cuidado. Partindo de um convite à reflexão dos profissionais, considera a sua responsabilidade por esse cuidado,
no campo de trabalho que lida com a situação de seres humanos que criam uma dependência gradativa, podendo
chegar à dependência integral, no percurso inexorável de uma doença incurável, com piora progressiva, aproximandose da morte. Alerta para a necessidade de uma formação profissional peculiar, fundamentada na práxis ontocriativa,
propondo a inclusão de um trabalho reflexivo e vivencial, integrado ao exercício contínuo de capacitação teóricoprática. Na abordagem da dinâmica da relação paciente-familiar cuidador, chama a atenção para o fato de que
também esse cuidador, quase sempre mulher, se implica numa forma de dependência, na dinâmica do cuidado que
presta ao paciente. Ressalta possibilidades de construção da interdependência solidária nessa relação. A argumentação
baseia-se em recursos conceituais referentes à vivência do desamparo e à ambivalência de sentimentos vividos no
par amor e ódio, que domina a relação paciente-familiar cuidador. Concluindo, aponta para possibilidades de
reconstrução contínua dessa relação de dependência quando gestada em figurações do ódio, para um estilo de
relação de interdependência solidária, como proposta libertadora.
Introdução
A primeira experiência radical do ser humano é o nascer. A outra é o morrer.
O nascimento de uma criança tem significações de alegria e esperança, na renovação da vida. A celebração do
Natal continua comovendo o mundo inteiro, imerso na barbárie que se adensa e aprofunda. Entre nós, brasileiros,
a radicalidade de "Morte e Vida Severina" insiste em nos lembrar o nascimento do filho, na miséria, embora,
superando a decisão desesperada da morte do pai.
Percorrer os caminhos de uma doença incurável, com piora progressiva até a morte, nos cânones de uma sociedade
que valoriza o vigor e a beleza, a produção e o consumo, exige do ser humano formas de superações sucessivas,
difíceis de alcançar, na sua condição de doente, dependente, carente, diferente, ele mesmo, tornado ente supremo
de um saber sobre a vida que se acaba. A chegada da morte, com implicações gestadas no medo, na recusa, na
negação, nos sentimentos de fracasso, ameaça e culpa, deve ser considerada como a solenidade final de uma
existência. Vemos em Mauksch1 que "morrer é uma experiência total e na hora de morrer o órgão afetado deixa de
ser o item básico."
Cuidar de bebês que nos anunciam a vida e a esperança, tanto quanto cuidar de pessoas doentes que nos anunciam
o sofrimento e a morte, é um privilégio. Podemos dizer que 'no princípio era' o cuidado, que viabilizou a vida
neste planeta, pela aproximação dos homens na defesa contra os perigos e na gênese das descobertas que continuam...
como nos fala Boff2, inspirado, também, na concepção freudiana de desamparo.
Dentre a multiplicidade de questões que se apresentam no cuidado com os cuidadores, destacamos, para este
trabalho: um convite aos profissionais desse campo a uma reflexão sobre a sua própria finitude, para, então,
tratarem das possibilidades de os familiares que cuidam dos seus, se entenderem numa relação de dependência,
vivendo o desamparo, o amor e o ódio; a reafirmação de que as mulheres aparecem em esmagadora maioria como
protagonistas no ato de cuidar; a proposta de chegarmos à interdependência solidária que pode libertar todos os
346 Revista Brasileira de Cancerologia 2004; 50(4): 346-350
membros da relação de cuidado, para fazê-los alcançar a condição de dignidade humana que tanto almejamos, em
quaisquer circunstâncias.
Um Convite à Reflexão
O andróide do filme "Blade Runner", na cena final, provoca, no seu caçador humano, uma perplexidade que o
conduz a reflexões acerca da vida e da morte, suscitando a interpelação sobre a nossa propalada humanidade:
"queria as mesmas respostas: - de onde venho? - para onde vou? - quanto tempo tenho? ... talvez, naqueles
últimos momentos, ele amasse a vida mais do que havia amado antes; não somente a vida dele, mas a vida
de qualquer um, a minha vida ... e tudo o que eu posso fazer é ficar aqui e vê-lo morrer."
Provocados por essa cena, pensamos a nossa própria finitude, a angústia de nos sabermos inexoravelmente mortais,
radicalmente ignorantes sobre o destino da nossa vida humana e mortal, inapelavelmente transitória, cujos tempos
passado e presente a projetam a um futuro, na permanência desejante de satisfação. Pensamos as possibilidades do
outro, morrendo, despedindo-se da vida, fechando o último capítulo da sua história pessoal para inscrevê-lo na
história da coletividade humana3. Nesse momento derradeiro, assoma à saída da vida, com o transbordamento da
sua potencialidade toda, podendo, agora, sim, considerar o vivo, expandido na sua capacidade amorosa para a real
valorização de tudo o que é vivo e, mortal, embora, permanece para, quem sabe, completar o inacabamento da sua
própria vida.
A busca da competência profissional é, na verdade, uma condução ética, a partir da humildade que funda a
ousadia de um fazer compartilhado, solidário e transformador, na relação profissionais-pacientes-familiares. Não
trabalhamos sozinhos. Estamos, sempre, engajados em equipes profissionais que devemos tornar grupos.
A forma privilegiada de trabalhar em grupo é apresentada por Minayo4 e Bleger5, onde a estrutura e a dinâmica do
grupo, não só se abrem ao acolhimento de demandas, à reflexão crítica e à produção de ações transformadoras,
como também favorecem pensá-lo como um grupo social constituído por pessoas que estabelecem uma
intercomunicação sobre as situações específicas que as atingem coletivamente; a partir daí, é possível se
desenvolverem modos de pensar abrangentes que se integram na compreensão e nas ações de cada um dos membros
do grupo.
Na concepção clássica de grupo de Grinberg, Langer e Rodrigué6, encontramos a constituição do grupo como um
conjunto de pessoas que compartilham normas comuns e desempenham papéis sociais interligados, formando
uma totalidade. O trabalho desenvolvido pelo grupo implica num sistema dinâmico, no qual cada membro, com
o seu papel individual, depende dos demais. Ora, para a nossa reflexão aqui, essa concepção é particularmente
interessante, pois temos configurado a interdependência, onde cada um dos membros atua em função dos demais.
A interação dos participantes de um grupo acontece como figura sobre um fundo que agrega todos, indiscriminada
e sincreticamente, constituindo "o vínculo mais poderoso entre os membros do grupo... o fundo de solidariedade
...5 "
É desse modo que podemos estar disponibilizados para a entrega a uma reflexão sobre a nossa própria vida, as
possibilidades de adoecermos, a nossa mortalidade. Dessa reflexão, podemos sair fortalecidos para adentrarmos a
cena da doença, do sofrimento, da dependência e da morte do outro. Até porque, sentimos que os familiares de
quem vamos também cuidar, precisam, sim, de informação e instrumentalização para cuidar do paciente, contudo,
carecem profundamente de uma reflexão sobre a situação em que se encontram, para a qual precisam criar
viabilidades no contexto familiar. Podemos buscar a orientação da lógica dialética que, no dizer de Bleger5,
compreende conteúdos de interação entre a teoria e a prática, perpassados pela singularidade do modo peculiar de
cada profissional administrar os próprios recursos internos que vão compor a ação de intervir.
Estamos participando do processo de adoecer e morrer de seres humanos cuidados por seus familiares, onde
pacientes e cuidadores são, a um só tempo, sujeito e objetos da nossa intervenção. E nós, profissionais, também
adoecemos e somos igualmente mortais. Por isso, recorremos a Kosik7, que nos ensina o processo ontocriativo da
práxis, fundante das possibilidades de compreensão do ser humano, a partir da compreensão de cada um acerca de
si mesmo.
A experiência do convívio com os pacientes no fim da vida, cuidados pelos seus familiares, é provocadora da
reflexão sobre a 'realização da liberdade humana'7. Será esse o insight que vai iluminar as produções do nosso
trabalho? No texto de Oliveira8, aprendemos:
"Encontrar possibilidades de humanização do humano entre os humanos é uma andança cheia de aventuras,
tropeços, idas-e-vindas, indignação, alegria, desalentos, êxitos, consolo, tensão, derrotas e incertezas. Supõe,
por isso mesmo, um esforço infinito por energias sempre multiplicadas, esforço partilhado por outros
numa comunhão em luta, sem fim."
Revista Brasileira de Cancerologia 2004; 50(4): 346-350
347
Assim é que a nossa proposta se configura na inserção de um trabalho sistemático, vivencial e reflexivo, na
formação continuada dos profissionais que lidam com a aproximação da morte de pessoas com câncer, carentes de
cuidados profissionais e familiares. Cremos que a formação centrada em trabalho teórico-vivencial atende às
características da prática profissional, subvertendo positivamente os critérios convencionais, desconstruindo uma
praxe desvitalizada e instaurando a práxis ontocriativa, na verdade o modus operandi por excelência do cuidado ao
fim da vida dos seres humanos.
Relação de Cuidado e (Inter)Dependência
Trabalhamos a conceituação de cuidado referida ao discurso da Enfermagem, num outro estudo9, ressaltando a
primazia dessa categoria na prática de cuidar. Encontramos no texto de Gonçalves e Alvarez10, a humanidade
assegurando a preservação da espécie e da vida do grupo, desde os primórdios da sua existência, valendo-se da
ação do cuidado, um 'tomar conta' do sustento alimentar, da procriação e criação da prole, da proteção e defesa
da habitação e do território. Nesse sentido, Freud, em "O futuro de uma ilusão"11, pensa a civilização, como o
resultado da reunião dos humanos, não só para aquisições novas e arrojado sentido de ir adiante, mas, basicamente,
para se defenderem dos perigos das forças da natureza. Aí se revela o desamparo do ser humano, experiência que
vai revivendo ao longo da vida, desde o nascimento.
Um recém-nascido precisa ser cuidado, condição sine qua non da sua existência. Em "Inibições, sintomas e
ansiedade"12, Freud nos fala da prematuração do ser humano ao nascer que, diferente da maioria dos animais,
chega ao mundo com a necessidade radical de ser cuidado. Ao longo da vida, a cada vez que o ser humano se
depara com uma situação de perigo, lhe sobrevém o desamparo, demandando um pedido de ajuda.
Pelas limitações trazidas pela doença, pessoas que adoecem de câncer, progressivamente se tornam dependentes de
cuidado integral, até a morte. Quem assume o cuidado são os familiares, predominantemente mulheres, assim
como acontece em qualquer outra situação de prestação de cuidado na esfera familiar, quando se trata da saúde de
um dos seus.
Tratando dos novos contratos intergeracionais e de gênero da época atual, Goldani13 nos fala da mulher como
protagonista do cuidado aos pais e parentes idosos, doentes. É a mulher que vai priorizar a dedicação ao cuidar,
em detrimento do lazer, da socialização e até das atividades profissionais, com prejuízos, por vezes fatais, no
desempenho e na permanência no emprego.
Na visão de Neri14, na vida contemporânea, há dificuldades para o aprofundamento dos laços de afeição, da busca
do significado existencial, da reflexão sobre o sentido da velhice e da morte. Esses fatores, aos quais se inclui a
carência de ajuda sistemática formal aos familiares, são coadjuvantes da significação negativa que assume a ação
de cuidar, quando se trata de dependência. No entanto, chama-nos a atenção o posicionamento firme e crítico
dessa pesquisadora, na recusa à aceitação do cuidar, exclusivamente como uma situação deletéria para a pessoa
cuidadora, apontando para a realidade de experiências positivas na relação do cuidado, com indicadores de
crescimento pessoal de quem cuida.
O trabalho profissional com os familiares cuidadores contempla uma dupla vertente: informação e reflexão. Desse
modo, estamos atendendo à nossa proposta de estar trabalhando na práxis ontocriativa, que integra os momentos
laborativo e existencial, através da operacionalidade do fazer e da imersão no pensar sobre o fazer7. Cremos ser
necessário instruir os familiares nas especificidades da prática do cuidado, assim como cremos ser necessário
atentar para os sentimentos que emergem na lida diária com a pessoa doente. A reflexão é uma proposta, um
convite para os familiares cuidadores se pensarem na relação de dependência e cuidado, na aproximação da
morte, o que os leva a também se pensarem na perspectiva das suas possibilidades pessoais de adoecimento e na
sua própria finitude. Dessa mesma forma trabalhamos com os profissionais, para que sejam capazes de cuidar dos
cuidadores, como expressamos acima. O caráter transformador, esperado nessa dinâmica, está na possibilidade de
articulação dos conteúdos objetivados na informação, com a capacidade de subjetivação do familiar cuidador.
A relação de cuidado é marcada por perplexidades e dúvidas, que orientam a busca da solidariedade e da libertação.
Nesse percurso, os familiares cuidadores confrontam sentimentos de amor e ódio, como, por exemplo, o nojo e
o cuidado com o corpo, a onipotência e a capacidade de compartilhar. São pares de opostos, como os descritos
por Freud em "Sadismo e masoquismo"15, que apontam para o dualismo fundamental, exigência teórica para a
tradução do conflito. A radicalização desses sentimentos expressa-se criativa, dialética e libertariamente, nas falas
dos familiares cuidadores, quando encontram a nossa escuta compreensiva.
É importante lembrarmos que não há naturalidade no amor. Nem no ódio. Somos habitados por ambos, gestados
nas relações humanas que construímos e que, afinal, nos constroem. Se existe, o amor impele ao cuidado. Se for
o ódio que impera, não basta reconhecê-lo no contexto do cuidado. É preciso que haja um redirecionamento das
348 Revista Brasileira de Cancerologia 2004; 50(4): 346-350
ações do cuidar, de modo que aquele que cuida possa exercer um controle sobre a realidade da dominação, da
tirania e do julgamento a que procedem.16
O nojo é uma figuração do ódio. Esse sentimento, que se manifesta na intolerância e na rejeição, pode estar
fazendo parte, também, do cuidado dispensado ao paciente, como expressão do repúdio a uma situação que se
torna insuportável. Por exemplo, uma esposa amorosa debate-se no amor e no ódio, em ebulição simultânea, na
relação com o marido doente, o corpo deformado, aproximando-se da morte. O nojo a invade, a revolve
internamente, a impele à rejeição, sem que ela alcance a dimensão do que lhe acontece. A repulsa ao corpo que
inspira nojo a conduz à ação de expulsar, repelir.17
A leitura de Freud em "A perda da realidade na neurose e na psicose"18 nos leva a pensar nesse nojo como um
sentimento que está mediando a separação, já de alguma forma instalada, anunciando a morte chegando, implacável,
definitiva. Prenúncio da morte de um corpo sob seus cuidados que, outrora, representou, para ela, o corpo objeto
do desejo.
Despedir-se desse corpo, num trabalho de luto antecipado19, pode reinaugurá-la na relação de cuidado, valendo-se
da 'morte com aviso prévio' para o trabalho psíquico da história das emoções presentes no vínculo amoroso e toda
forma de repúdio sentido agora, com a mediação do cuidado com esse corpo que prescreve uma ação de despedida.20
Uma outra figuração do ódio é a onipotência que submete e domina. Tomar a si a responsabilidade e a competência,
exclusivas e excludentes, para cuidar do outro, fragilizado e vulnerável é colocar-se no lugar da onipotência. A
sustentação desse lugar é uma produção a dois: do familiar cuidador e do paciente. Na onipotência, aquele que
cuida crê ser possuidor do deciframento das carências do outro. Crê ser inteiramente capaz da competência de
cuidar. É assim que, sem ter consciência do que está acontecendo, o familiar cuidador se autoriza a exercer um
domínio que submete, que viabiliza o abandono do paciente aos seus cuidados.21
Os sentimentos solidários dos familiares cuidadores podem opor-se à onipotência de um só, gerando um movimento
expansivo na generosidade que sustenta a capacidade de compartilhar. Assim, a saída do lugar de onipotência
pressupõe a abertura da relação: incluir outros familiares no cotidiano dos cuidados é um modo de fazer o
cuidador e o paciente 'se perderem' para 'se ganharem' num outro patamar. Ambos se complementam na liberação
do fardo que os aprisionava na carência de um (o paciente) e na abdicação do outro (o familiar cuidador).
Libertos, podem, agora, reinaugurar-se na relação de interdependência, engendrada pela solidariedade.
Considerações Finais
No decorrer do nosso trabalho, sentimos que o contato direto com os familiares cuidadores de pessoas com
câncer, aproximando-se da morte, confronta a nossa própria vida, o nossa próprio processo saúde-doença, a nossa
própria morte. Nós, seres ontocriativos7, compartilhamos sentimentos abissais, nos transformando à medida que
provocamos o outro se transformar e, por isso mesmo, nos é revelado um sentido para viver o sofrimento; sentido
como significado e destinação.22 A compreensão de Pessini23 alcança as origens dessas preocupações:
"O sofrimento também nos infunde 'medo', porque nos vemos em espelho, a fragilidade, a vulnerabilidade
e a mortalidade, elementos da nossa condição humana que não gostamos de ver lembrados... porque nos
confrontam com o nosso próprio fim."
Aqui, assim como no estudo que realizamos sobre pessoas idosas doentes e seus familiares cuidadores, 9
insistentemente nos indagamos: - Que idéias inconscientes subjazem aos sentimentos de nojo e onipotência? Na
relação paciente-familiar cuidador existe um transbordamento dos afetos por aquilo que se faz insuportável, no
transcurso da doença. No texto de Freud "Emoções inconscientes"24, vemos que cada afeto está ligado a uma idéia
que é o seu representante no inconsciente. Uma idéia detestável, aquilo que é insuportável na relação com o outro,
quando ultrapassa o limite da sua força, faz com que o conflito se torne real. Então, desde muito cedo, os seres
humanos se debatem entre exigências internas contrárias. E as idéias persistem, nas suas vicissitudes, particularmente
ligadas aos processos de repressão, que formam substitutos ou sintomas. Persistem as idéias, na sua tarefa contínua
de vincular-se aos traços da memória, ou seja, aos conteúdos da história dos sujeitos. E os afetos? São manifestações
das idéias, são tudo aquilo que percebemos como nossos sentimentos.
A existência do ódio manifesta-se em diferentes figurações, engendrado na intimidade das idéias que constituem
a história de cada um. Esse ódio, porém pode liberar-se para estar a serviço do sentimento amoroso, na ação
solidária de cuidar do outro.
Referências
1. Mauksch H. O contexto organizacional do morrer. In: Kübler-Ross E, organizer. Morte: estágio final da evolução.
Rio de Janeiro: Record; 1975. p. 33-52.
Revista Brasileira de Cancerologia 2004; 50(4): 346-350
349
2. Boff L. Saber cuidar. Ética do humano: compaixão pela terra. 6a ed. Petrópolis: Vozes; 1999.
3. Daniel H. Anotações à margem do viver com AIDS. In: Lancetti A. Saúdeloucura, número 3. São Paulo:
HICITEC; 1991. p. 3-20. (Saúde em debate).
4. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 3a ed. São Paulo: HUCITEC; Rio
de Janeiro: ABRASCO; 1994.
5. Bleger J. Temas de psicologia: entrevista e grupos. São Paulo: Martins Fontes; 1980.
6. Grinberg L, Langer M, Rodrigué E. Psicoterapia de grupo: enfoque psicanalítico. Rio de Janeiro: Forense
Universitária; 1976.
7. Kosik K. Dialética do concreto. 2a ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1976.
8. Oliveira P de S. Vidas compartilhadas: cultura e co-educação de gerações na vida cotidiana. São Paulo: HUCITEC/
FAPESP; 1999.
9. Py L. Velhice nos arredores da morte: a interdependência entre idosos e seus familiares. Porto Alegre: EDIPUCRS;
2004.
10. Gonçalves LHT, Alvarez AM. O cuidado na enfermagem gerontogeriátrica: conceito e prática. In: Freitas EV,
orgaizadora. Tratado de geriatria e gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2002. p. 756-61.
11. Freud S. O futuro de uma ilusão. In: Obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Tradução de Jayme
Salomão. Rio de Janeiro: Imago; 1980. p. 15-80. (Edição Standard Brasileira; vol. 21).
12. Freud S. Inibições, sintomas e ansiedade. In: Obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Tradução de
Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago; 1980. p. 107-98. (Edição Standard Brasileira; vol. 20).
13. Goldani AM. Mulheres e envelhecimento: desafios para novos contratos intergeracionais e de gênero. In:
Camarano AA, organizador. Muito além dos 60: os novos idosos brasileiros. Rio de Janeiro: IPEA; 1999. p.
75-113.
14. Neri AL, organizador. Cuidar de idosos no contexto da família: questões psicológicas e sociais. Campinas:
Alínea; 2001.
15. Freud S. Sadismo e masoquismo.Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. In: Obras psicológicas completas
de Sigmund Freud. Tradução de Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago; 1980. p. 159-62. (Edição Standard
Brasileira; vol. 7).
16. Py L, Scharfstein EA. Caminhos da maturidade: representações do corpo, vivências dos afetos e consciência
da finitude. In: Neri AL, orgaizador. Maturidade e velhice: trajetórias individuais e socioculturais. Campinas:
Papirus; 2001. p. 117-50.
17. Laplanche J, Pontalis JB. Vocabulário de psicanálise. 4a ed. São Paulo: Martins Fontes; 2001.
18. Freud S. A perda da realidade na neurose e na psicose. O ego e o id. In: Obras psicológicas completas de
Sigmund Freud. Tradução de Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago; 1980. p. 229-38. (Edição Standard
Brasileira; vol. 19).
19. Torres WC. As perdas do paciente terminal e o luto antecipado. Psicol Argum. 2000;19(28):7-12.
20. Doll J. Luto e viuvez na velhice. In: Freitas EV, organizadora. Tratado de geriatria e gerontologia. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan; 2002. p. 999-1012.
21. Sathler J, Py L. Pensando perdas e aquisições no processo de envelhecer: o trabalho psíquico. In: SBGG (RJ).
Caminhos do envelhecer. Rio de Janeiro: Revinter; 1994. p. 15-7.
22. Green A. Narcisismo de vida, narcisismo de morte. São Paulo: Escuta; 1998.
23. Pessini L. Morrer com dignidade: até quando manter a vida artificialmente? Aparecida (SP): Santuário;1990.
24. Freud S. Emoções inconscientes. O inconsciente. In: Obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Tradução
de Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago; 1980. p. 203-6. (Edição Standard Brasileira; vol. 14).
350 Revista Brasileira de Cancerologia 2004; 50(4): 346-350
Fly UP