...

deodoro:o destino de um soldado - Academia de História Militar

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

deodoro:o destino de um soldado - Academia de História Militar
1
DEODORO:O DESTINO DE UM SOLDADO
Cel CLÁUDIO MOREIRA BENTO
Presidente e Fundador da Federação de Academias de História Militar
Terrestre do Brasil (FAHIMTB),do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do
Sul (IHTRGS) e da Academia Canguçuense de História (ACANDHIS) e sócio
benemérito do Instituto de História e Geografia Militar e História Militar do Brasil
(IGHMB) e do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB) e integrou a
Comissão de História do Exército do Estado- Maior do Exército 1971/1974.
Presidente emérito fundador das academias Resendense e Itatiaiense de História e
sócio dos Institutos Históricos de São Paulo ,Rio de Janeiro e Sorocaba. Foi o 3º
vice presidente do IEV no seu 13º Encontro do IEV em Resende e Itatiaia que
coordenou o Simpósio sobre a Presença Militar no Vale do Paraíba, cujas
comunicações reuniu em volumes dos quais existe exemplar no acervo da
FAHIMTB doado a Academia Militar das Agulhas Negras.É Acadêmico e Presidente
Emérito fundador das Academis Resende e Itatiaiense de Históri,sendo que da
última é Presidente emérito vitalício e também Presidente de Honra.
Artigo digitalizado da Revista do Brasil 1989, comemorativa do Centenário da Proclamação
da República , para ser colocado em Livros e Plaquetas no site da FAHIMTB www.ahimtb.org.br e cópia
impressa no acervo da FAHIMTB na AMAN para disponibiliza-lo como informação. no programa
PERGAMO de Bibliotecas do Exército. Foi nesta Revista que o então Capitão Augusto Tasso Fragoso
em tratamento na Europa para solucionar sequela de ferimento a bala recebido na Ponta da Armação
em combate a Revolta na Armada que sugeriu a criação no Exército do Estado – Maior do Exército, o
que ocorreria no final do século XIX. O projetil que o feriu ele doou ao Museu da AMAN, bem como o
seu uniforme perfurado a bala, quando comandava uma peça de Artilharia;
2
Capa da Revista do Brasil , e a relação ao lado dos historiadores que
participaram desta edição histórica
3
Muitos dos segredos do movimento republicano foram
levados para o túmulo por seus principais protagonistas, mas com
a reconstituição dos movimentos de Deodoro, é possível
acompanhar os principais lances da conspiração militar
Deodoro:
O destino de um soldado
Cel CLAUDIO MOREIRA BENTO
Diretor do Arquivo Histórico do Exército e sócio dos IHGB e IGHMB
A versão mais corrente da Proclamação da República diz que este fato
histórico ocorreu logo após a entrada do Marechal Manoel Deodoro da Fonseca no
Quartel-General do Exército, no local do atual Palácio Duque de Caxias e então sob as
ordens diretas do Marechal Floriano Peixoto, Ajudante-General do Exército. Segundo
alguns, depois de dominada a situação, Deodoro teria proclamado a República ao vivá-la tão
logo transpôs o porta principal do QG. A cena foi imortalizada por Henrique Bernardeili na
tela “Proclamação da República”, que integra o acervo da AMAN. Mas quando se
examinam os poucos testemunhos disponíveis, a impressão que se tem é de que o
Marechal Deodoro não proclamou a República naquele momento, mas simplesmente
derrubou o Gabinete Ouro Preto, reunido na Secrtaria de Guerra, no segundo andar do
prédio, sobre o seu portão principal. Foi isso o que realmente aconteceu.
As fontes existentes permitem uma reconstituição satisfatória das ações do
Marechal Deodoro no dia 15 de novembro — mas não com segurança o de seus intentos
políticos — e dos principais lances da muito bem urdida, bem sucedida e incruenta
conspiração político-militar. Os segredos do movimento foram levados para o túmulo por
seus principais protagonistas — marechais Deodoro da Fonseca e Floriano Peixoto,
tenente-coronel Benjamim Constant Botelho de MagaIhães e o major Solon Ribeiro, no
Exército — o que deixou um vazio na história do 15 de Novembro, permitindo o
surgimento de diversas versões.
Da análise da situação, à luz das fontes disponíveis, é possível fazer a
reconstituição que expomos a seguir.
Com a morte de Osório e Caxias, emergiram os problemas entre o classe
militar e o Governo, o que veio a originar a Questão Militar ao longo da qual
despontaram como líderes da classe militar o Marechal-de-Exército José Antonio Correia
da Câmara e o Marechal-de-Campo Manoel Deodoro da Fonseca, assinalados heróis da
Guerra do Paraguai. E a luta de ambos durou de 1881 /1889. Em 1881,o Marechal
Deodoro e seu irmão, General Severiano Martins (não confundir com o Dr. João
Severiano) já integravam
4
o Diretório Militar que se reunia no consistório da Igreja da Santa Cruz dos
Militares. O objetivo do Diretório era conseguir que oficiais do Exército e da Marinha
disputassem cargos eletivos pelos partidos Liberal e Conservador, para, na Câmara e no
Senado, defenderem democraticamente interesses da Classe Militar que não vinham
sendo atendidos e que acabariam por provocar a Questão Militar de 1883-88. Ambos os
partidos “cristianizaram” os candidatos militares e nenhum se elegeu. Em palestra
realizada a 18 de julho último, no curso “Os militares e a Proclamação da República”,
Américo Jacobina Lacombe disse ter sido isso causado pelo desequi(brio entre a classe
dos bacharéis em Direito e o dos militares na administração pública e na representação
parlamentar.
Dai surgiu, ainda mais tarde — segundo se deduz de carta do Dr. João
Severiano ao seu irmão, Marechal Deodoro, quando este foi enviado em missão a Mato
Grosso, depois da fundação do Clube Militar (26 Jun 1887) — um esforço conjunto dos
partidos Liberal e Conservador para anularam influência crescente no Exército do
Marechal Deodoro da Fonseca e do General Severiano Martins, seu irmão, então
Ajudante-General do Exército, com a função de comandar de mereceu oportuno e valioso
estudo do General Alberto Martins da Silva, grande estudioso da família Fonseca.
O partido Republicano, em crescimento acelerado, tudo percebia e
aguardava o momento ideal para tirar proveito desse confronto entre classe militar e
governo.
Ao penetrar no interior do Quartel-general, sem reação, Deodoro, segundo
Pedro Calmon, “apoderou-seda situação, conquistou o Governo e passou a presidir
o futuro”.
Deodoro e FIoriano dúvidas e críticas
Acreditamos que então Deodoro só desejasse substituir
tomou
conhecimento que o Gabinete deposto, seria substituido por outro chefiado pelo senador
gaúcho Gaspar Silveira Martins, velho e figadal desafeto de Deodoro. Não existem
maiores dados que permitam uma conclusão definitiva.
Ecreveu o ex-ministro do Exército, General-de-Exército Aurélio de Lyra
Tavares, no seu livro Anstides Lobo e a República.
“Deodoro, ele próprio, como chefe natural, não estava seguro das
consequências e das responsabilidades que lhe caberiam depois, nem até que
ponto iria chegar, limitando-se, quanto à eventualidade natural da composição do
futuro ministério, a expor o seu pensamento; ficaria a seu cargo e de Benjamin
Constant a decisão sobre assuntos militares, ao passo que as de caráter civil
caberiam a Quintino Bocaiúva, com os políticos civis engajados no movimento”.
É possível que os fatos de 15 de novembro de 1889 tenham tido o seguinte
curso: conquista do Quartel-general por Deodoro; derrubada do Gabinete Ouro Preto;
desfile liderado por Deodoro pelas ruas do Rio de Janeiro até o Arsenal de Marinha, onde
5
conquistou apoio oficial da Armada; tentativa de D. Pedro II de formar o Gabinete Silveira
Martins,o que teria desgostado muito Deodoro; pressão dos republicanos, militares e civis,
em prol da República; proclamação da República por Deodoro, em casa, à tarde, após
estar seguro de haver dominado a situação e empolgado o poder de modo irreversível.
Um buraco negro que ficou na história da Proclamação da República consiste na
ausência de explicação e reconstituição das ações e pensamentos do Marechal Floriano
Peixoto nos dias 13, 14 e 15 de novembro de 1889. Por isso, seu biógrafo Salm de
Mirando escreveu, em FIoriano:
“O Marechal-de-Campo Floriano Peixoto é, incontestavelmente, um dos
personagens mais discutidos da Proclamação da República. Os maiores ataques
que lhe têm sido feitos, as maiores dúvidas contra ele o focalizam durante a jornada
de 15 de novembro. Acusam-no uns de desleal, porque sendo Ajudante-general do
Exército, praticamente o co mandante do Exército, não reuniu forças, não tomou
providências nem comandou a resistência. Acusam-no outros de duplicidade de
atitude, porque estava junto no Gabinete Ouro Preto, reunido no Ministério do
Exército, apesar de admitir seu comprometimento com a conspiração; acusam-no
ainda de apático e indiferente aos graves acontecimentos de que foi parte”.
Aqui é importante lembrar o que disse o lídre civil do movimento, Quintino
Bocoiúva, sobre a participação do Marechal Floriano na conspiração que resultou no 15
de novembro:
“O Floriano era dos nossos havia muito. Era mesmo dos que estavam
senhores do movimento. Era apenas cauteloso, com ronha (astúcia) que todos lhe
conheciam. De vez em quando, dizia: “Vejam bem o que vão fazer. Não se
precipitem!” (Fonte: Idéias políticas de Quintino Bocaluva. 1987, V. 1 p/646).
Para o Marechal Rondon, tesmunha e também um dos protagonistas do’15 de
novembro de 1889, a principal preocupação de Floriano era evitar derramamento de
sangue neste dia — o que foi conseguido.
Até hoje os historiadores não conseguiram elaborar uma versão aceitável
dos diálogos travados entre Deodoro e o visconde de Ouro Preto, por ocasião da
deposição do Gabinete. As palavras colocadas nas bocas do Marechal Deodoro e de
Ouro Preto merecem versões diversas. O próprio visconde de Ouro Preto relatou, ao
escrever sobre o episódio no exílio em seu Manifesto de Lisboa
“O Marechal Deodoro declarou que o Ministério estava deposto e que
organizaria outro de acordo com indicações que iria ler ao Imperador. Quanto a
este, conduiu, teria sua dedicação, pois era seu amigo e devia-lhe atenções”.
Esta versão foi rebatida por Clodoaldo da Fonseca, sobrinho do
Marechal,Deodoro..
Assim, em torno do objetivo político fundamental do Marechal Deodoro em
15 de novembro de 1889 existem duas correntes:
6
— O objetivo de Deodoro em 15 de noembro de 1889 era apenas depor o
Gabinete Ouro Preto, por ser hostil ao Exército, e substituí-lo por outro, que proporia ao
Imperador;
2— Deodoro tinha por objetivo depor o Gabinete Ouro Preto e em seguida
implantar a República. Coloco-me ao lado desta corrente.
Politicamente, o Marechal Deodoro não se definia como republicano e sim
como conservador em razão de “só os conservadores terem defendido o Exército”.
Mas possuía uma larga vivência com familiares republicanos. A operacionalidade do
Exército e o trato justo dos problemas da classe militar, descurados de 1870-89 pelo
Império, foram as motivações principais de sua luta ,ao que culminou com a Proclamação
da República.
A Reforma MiIitar executada em grande parte por seu sobrinho, Marechal
Hermes da Fonseca, de 1904 a 1914, era o seu sonho profissional, segundo captou, por
tradição familiar, seu parente, o historiador Roberto Piragibe da Fonseca, filho de seu
sobrinho e ex-Ajudante-deOrdens Clodoaldo da Fonseca. Ideal que Deodoro chamava de
“Reforma Redentora” do Exército, mas que não lhe foi possível sequer encaminhar,
pois este problema vital até sofreu um retrocesso com o Regulamento de Ensino de
1890, do Ministro da Guerra Benjamin Constant, de inspiração positivista. Esse
regulamento agravou ainda mais o problema da operacionalidade do Exército, pela
predominância do bacharelismo sobre o profissionalismo, este só reabilitado a partir do
Regulamento de Ensino de 1905.
“Eu sou as minhas circunstâncias”, afirmou o filósofo Ortega y Gasset.
Assim, abordaremos a seguir as circunstâncias político-militares que envolveram o
Marechal Deodoro de 1870, até 15 de novembro de 1889 e neste dia, para melhor
compreendê-lo e o seu papel na História da centenária República em que vivemos.
Antecedentes político-militares de Deodoro
Deodoro voltou da Guerra do Paraguai sacralizado por seu heroísmno.
Conquistou as promoções de major, tentente-coronel e coronel por atos de bravura. Foi
também premiado por outros feitos de bravura, por condecoração específica a título de
“reiterados atos de bravura” em combate. Em certo momento salvou a vida do General
Osório, o legendário.
1873— Coronel-comandante do Regimento Mallet em São Gabel-RS, Deodoro
ingressa na Maçonaria, na loja Rocha Negra,fundada para promover a Abolição e a
Instrução Pública. Mais tarde, como Chefe de Governo, seria elevado a Grão Mestre da
Maçonaria no Brasil.
14 Out 1874— Deodoro deixa o comandado Regimento MaIIet, por ter sido
promovido a brigadeiro. E designado comandante da Fronteira Livramento-Quaraí.
23 Fev 1881 —Participa, no Rio de Janeiro, da Fundação do Diretório Militar,
juntamente com o General Severiano Martins, seu irmão. A entidade mais tarde se
transformaria no Clube Militar/ tendo como órgão de divulgação o jornal O Soldado.
7
1883— E apresentado projeto de lei instituindo um montepio à base de
contribuições dos militares e alterando a reforma dos militares. O projeto suscita reações
na classe militar e é abandonado.
01 Jan 1884— Editado o pmeiro número do jornal A Federação, dos
republicanos gaúchos, que passou a apoiar os militares na Questão Militar.
30 Ago 1884— Deodoro é promovido a Marechal-de-Campo.(hoje General de
Divisão).
23 Ago 1885— E nomeado Quartel-Mestre- General do Exército e portanto
responsável pelo Apoio Logístico em estacionamentos do Exército.
26 Set 1885— E nomeado Comandante-das-Armas da Província do Rio
Grande do Sul.
Mar 1886 — O Tenente-Coronel Sena Madureira publica artigo abolicionista em
Porto Alegre.Foi violentamente atacado através da Imprensa pelo parlamentar Franco de
Sá, e revida e, em conseqüência, é punido. Recebe a solidariedade da classe militar e de
seus líderes, Marechais Deodoro e Câmara, Tem início a principal vertente da chamada
Questão Militar.
30 Mar 1886— Júlio de Castilhos, em A Federação, diz no artigo A classe
militar. que o Governo “ofendeu os brios do Exército no incidente Sena Madureira”.
03 Set 1886— Deodoro, Presidente Interino do Rio Grande do Sul, é
interpelado pelo Ajudante-General do Exército pelo fato de não ter coibido seu
subordinado Sena Madureira de discutir publicamente através da Imprensa e responde
que não o fez em razão do regulamento vetar discussões pela imprensa entre militares,
mas não entre militares e civis.
3º Set 1886— Deodoro, ainda Presidente e Comandante das Armas do Rio
Grand do Sul , permite que toda a guarnição do Exército de Porto Alegre se reúna em
homenagem Sena Madureira, ao que se junta o jornal republicano A Federação de Júlio
de Castilhos.
04 Out 1886— Inquirido pelo Presidente do Conselho de Ministros Cotegipe
sobre punição não imposta a Sena Madureira, Deodoro reafirma “a impraticabilidade de
aplicação dos regulamentos militares disciplinares aos atos públicos entre civis e
militares”, o que equivaleria a deixar-se os militares sem defesa, enquanto que
imunidades parlamentares “tudo permitiriam” no caso a um senador. Neste dia,
Deodoro, conservador e Câmara, liberal, portanto adversários políticos, fizeram as pazes
e irmanaram-se na Questão Militar.
06 Out 1886 — Deodoro solidariza-se, em carta a Cotegipe, com os militares
do Rio Grande perseguidos pelo Ministro da Guerra (um civil).
09 Out 1886 — O senador Gaspar Silveira Martins, no Senado, conclama o
governo a prender Deodoro, recolhê-lo à Corte e submetê-lo a Conselho de Guerra.
(Existe uma versão de que este senador seria o Presidente do Conselho de Ministros que
8
sucederia Ouro Preto, derrubado por Deodoro em 15 Nov, caso não tivesse proclamado a
República.)
01 Nov 1886— Deodoro é substituído na Presidência do Rio Grande do Sul
(cargo político) depois de censurado por Cotegipe por “incentivar manifestações de
indisciplina”. Quinze dias depois, ele reafirmaria ao ministro sua solidariedade aos
militares ofendidos por parlamentares.
22 Dez 1886— È exonerado a pedido do Comando-das-Armas e da Vicepresidência da Província do Rio Grande do Sul.
O8 Jan 1887—Participa, na casa do senador Marechal Câmara, de
homenagem ao Tenente-Coronel Sena Madureira.
10 Jan 1887— Deodoro e Sena Madureira, exonerados de seus comandos,
retornam, à Corte. No dia 29 do mesmo mês, os dois são homenageados por alunos da
Escola Militar da Praia Vermelha, no Rio. Em conseqüência, o irmão de Deodoro,
Brigadeiro Severiano Martins, pede demissão do comando da Escola Militar.
02 Fev 1887— Deodoro preside, no Teatro Recreio Dramático, reunião em
que a oficialidade presente aprova envio de um apelo ao Imperador para que anule as
punições decorrentes de avisos e é escolhido representante da reunião, com aquele fim.
Fachada do QG do Exército. Na sala localizada acima do portão princial, foi deposto
o Gabinete Ouro Preto
Campo de Santana, palco dos principais acontecimentos do 15 de
Novembro
9
Campo de Santana, palco dos principais acontecimentos do 15 de
Novembro.A esquerada o Quartel General do Exército. Sobre esta área e sua
evolução histórica a FHE-POUPEx publicou album de nossa autoria intitulado
Quartéis Generais das Forças Armadas do Brasil.Rio de Janeiro,FHE
POUPEX,1988. E ttambem se refere a esta área Album de nossa autoria
publicado pela FHR-POUPEX. A Guarnição do Exército do Rio de Janeiro na
Proclamação da Republica. Rio de Janeiro:FHE-POUPEX ,1989.Tambem
publicamos o livro O Exército na Proclamão da Republica, 1º lugar em
concurso da BIBLEx então publicado pelo SENAI, na presidência do Coronel
Arivaldo Silveira Fontes.
03 Fev 1887— Deodoro escreve ao Imperador solicitando a anulação de
punições baseadas nos revogados avisos disciplinares, e dois dias mais tarde é demitido
do cargo de Quartel-Mestre General, ficando sem comissão por longo tempo.
12 Fev 1887— Joaquim Nabuco alerta que a Monarquia está lançando as
Forças Armadas nos braços dos republicanos. Deodoro escreve o D. Pedro II e acusa o
Ministro de trair o Imperador na Questão Militar.
11 Mai 1887—O Supremo Tribunal de Justiça STJ absolve Deodoro da
acusação de desvio de verba do Exército, feita por Euletério Camargo, parlamentar liberal
gaúcho, ex-Ministro da Guerra e também Engenheiro Militar, e a mando de Gaspar
Silveira Martins.
Mai 1887— Deodoro e Câmara firmam o Manifesto dos Generais, redigido em
parte por Ruy Barbosa, solicitando o cancelamento das punições de Sena Madureira. O
Manifesto atinge o seu objetivo.
20 Moi 1887— Gaspar Silveira Martins consegue que o Senado aprove moção
ao Governo para cancelar punições — Cotegipe acede. Isto marca o fim da Questão
Militar.
21 Mai 1887—Deodoro é alertado por Júlio de Castilhos em A Federacão, bem
como o Exército, de que a atitude conciliatória do Governo em relação à classe militar tem
por objetivo “encobrir uma pérfida vingança no futuro, já que o Gabinete Cotegipe
permanece no poder.”
26 Jun 1887— Deodoro preside afundação do Clube Militar sendo aclamado
seu presidente. A entidade surgiu como corolário da Questão Militar. (Ver Revista do
Clube Militar n° 281, 1987, comemorativa do centenário do Clube Militar.Revista que
coordenamos como seu Diretor e do Departamento Cultural no Centenário do Clube)
10 Jul 1887— Floriano, em carta a João Neiva, escreve:
“Via solução da Questão Militar. Excedeu sem dúvida a expectativa de
todos. Fato único que prova exuberantemente o podridão que vai por todo este
país. Portanto há necessidade de uma ditadura militar para expurgá-la. Como liberal
que sou, não posso querer para meu país o governo da espada. Mas não há quem
10
desconheça e aí estão os exemplos, de que é ele o que sabe purificar o sangue de
corpo social, que como o nosso está corrompido. O que pensas a respeitol” (Fonte:
MIRANDA, SaIm. Floriano. p. 56)
6 Out 1887— Deodoro firma como Presidente do Clube Militar petição à
Princesa Regente Izabel solicitando a liberação do Exército de encargos relacionados
coma prisão de escravos fugidos. Isto, segundo o Marechal Rondan, acelerou a Lei Aurea
e equivaleu a decretá-la.
Março 1888— Queda do Gabinete Cotegipe em função de incidente com a
classe milita gerado pela prisão em xadrez policial de um oficial reformado do Marinha.
Este
fato
incendeia
os
ânimos
do
Clube
Naval.
Central do Brasil à época da proclamação da República. A direita, a lateral do QG do
Exército
O portão principal, visto do pátio interno do QG. No alto, ao centro, as janelas da
Secretaria de Guerra. Fotos cedidas pelo Arquivo Histórico do Exército
11
8 Jul 1888— Deodoro é nomeado para o Comando-das-Armas da Província de
Mato Grosso, em uma manobra para afastá-lo da Corte e ao seu irmão Severiano Martins,
Ajudante-General do Exército.
Destacamento de Conservação, composto inclusive de tropas da guarnição
da Corte.
02 Jun 1889 — Gaspar Silveira Marfins assume a Presidência do Rio Grande
do Sul. Toma posse à frente do Gabinete o Visconde de Ouro Preto.
08 Jul 1889 — Mal Floriano é nomeado interinamente Ajudante-General do
Exército. Foi vetado pela Princesa Izabel para o Ministério da Guerra.
09 Set 1889— Correm rumores de que a segurança da cidade do Rio de
Janeiro seda entregue à Guarda Nacional, em substituição ao Exército, cujas unidades
começam a ser transferidas para o interior do Brasil.
13 Set 1889— Deodoro é homenageado pela oficialidade do 23° Batalhão de
Infantaria por motivo de seu retorno de Mato Grosso. Os promotores da homenagem são
punidos e transferidos.
04 Nov 1889— Deodoro recebe em sua casa (atual Casa de Deodoro, do
Museu Histórico do Exército) o Tenente-Coronel Benjamin Constante outros oficiais que o
convidam paro aderir à conspiração para proclamar a República. Nesta ocasião, Deodoro
teria aderido ao movimento ao declarar a Benjamin Constant: “Você tem razão,
Benjamin, o velho já não governa mais. Vamos fazer a República” (Segundo Heitor
Lyra em História da queda do império.)
09 Nov 1889— Reunião do Clube Militar na qual são delegados a Benjamin
Constant poderes para levar o problema às últimas conseqüências. Aí ficou decidida a
Proclamação da República.
10 Nov 1889— Deodoro recebe em sua casa visita de Benjamin Constant, que
lhe comunica as deliberações do Clube Militar. Benjamin tenta convencê-lo da
necessidade da derrubada da Monarquia. Neste dia, o 22° BI embarca, por ordem do
Governo, para fora do Rio, aconselhado pelos conspiradores a não reagir. No encontro,
Benjamin Constant manifesta sua preocupação quanto à real posição de Floriano Peixoto,
ao que teria respondido Deodoro:
“Não há dificuldade. Nas questões militares, sempre que abordei Floriano,
ele declarou-me que não se meteria em coisa alguma para derrubar ministério. Uma
vez, porém, ele pegou um botão de sua farda com dois dedos e falou — Seu
Manoel, a Monarquia é inimiga disto. Se for para derrubá-la, estarei pronto”.
Já vêem os senhores que quem assim fala há de acompanhar-nos”.
(Fonte: MONTEIRO, Tobias. Pesquisas e depoimentos para a história. Rio de Janeiro:
E. Alves, 1913).
12
11 Nov 1889— Oficiais do 1° RC, do 9° RC, do 2° R Art e das escolas
Superiores de Guerra e Militar firmam pactos de sangue em apoio a Benjamin Constant, a
quem aderem sem reservas, para lutar contra o “espezinhamento e aniquilamento do
Exército”. Todos estes elementos, menos a Escola Militar aquartelavam-se em São
Cristóvão e constituíam a 2° Brigada do Exército. Delas faziam parte os alferes alunos
Cândido da Silva Rondon e Augusto Tasso Fragoso. Deodoro recebe em sua casa, em
reunião articulada por Benjamin Constant com Aristides Lobo, este e mais o líder civil do
movimento, Quintino Bocaiúva, Ruy Barbosa e Francisco Glycério. Faria união da
liderança civil com a militar.
12 Nov 1889— Reassume o Ministro da Guerra, Visconde de Maracaju,
enfermo há 12 meses. Face a insistentes rumores naIimprensa sobre a queda iminente da
monarquia, Ouro Preto e o Ministro da Guerra são assegurados pelo Ajudante-General do
Exército, Marechal FIariano Peixoto de que “a situação é de completa normalidade”. O
barão do Rio Apa, irmão do Ministro da Guerra, passa o comando da 1° Brigada ao
Brigadeiro Almeida Barreto.
13 Nov 1889—Deodoro convoca à sua casa o Marechal Floriano Peixoto. Este
comparece ao encontro entre às 10 e 11 horas da manhã. Deodoro comunica a posição
de sublevação do Exército e diz que se encontra à frente dos seus companheiros,
segundo duas fontes citadas por SaIm de Miranda em Floriano (Rio, Bibliex, 1963, p.
104-108). São distribuídos, desde o dia anterior, nos quartéis do 1°RC e 10° Bl, 1.° e 9°
RC e 2° RA, exemplares dos jornais Correio do Povo e O Pais abordando as péssimas
condições em que a Monarquia deixara o Exército.
14 Nov 1889 — O Marechal Floriano alerta o Ministro da Justiça para a
conspiração em curso e invoca sua lealdade ao Governo e sua disposição de combater
qualquer levante contra ele. Benjamin Constant consegue no Clube Naval a adesão do
Chefe de Divisão Eduardo Wandenkolk ao movimento para derrubar a Monarquia.
Deodoro tem sua vida ameaçada ao ser tomado de forte crise de asma brônquica crônica,
tendo que permanecer até o início da noite no Andaraí, na casa do seu irmão, Dr. João
Severiano da Fonseca, e atual Patrono do Serviço de Saúde, segundo informou o Gen
Medico Dr. Alberto Marfins da Silva.
O Major Solon Ribeiro, futuro sogro de Euclides da Cunha, espalha na rua do
Ouvidor boatos de que haviam sido presas pelo Governo, ao anoitecer, o Marechal
Deodoro e Benjamin Constant, e de que a Guarda Negra — integrada por ex- escravos e
organizada em 1888 por José do Patrocínio paro defender a Princesa Izabel dos
escravagistas — iria atacar a 2° Brigada, em São Cristóvão. O boato surte efeito e
precipita os acontecimentos. Floriano não comparece à reunião em casa de Ouro Preto a
fim de dar esclarecimentos sobre a carta que enviara ao Ministro da Justiça. Ouro Preto
se recusa a desmentir rumores sobre a suposta prisão de Deodoro, o que só faz muito
tarde. O Marechal Floriano mantém-se evasivo em relação a Ouro Preto, enquanto a
conspiroção caminha acelerada.
15 Nov 1889—O visconde de Ouro Preto, ainda de madrugada, decide reunir
todo Gabinete no dia seguinte, no Quartel-General do Exército, no Campo de Santana,
para enfrentara sublevação da 2° Brigada. A seguir, telegrafa ao Imperador informandolhe da sublevação.
13
Relata Quintino Bocaiúva:
“Neste mesmo dia 15, o Ministério reunido toma providências e nós, os
republicanos, seríamos trancafiados. E coisa interessante! os planos que traçamos
por longos dias para apanhar reunido o Ministério foi por si mesmo nesse dia
realizado. O Ministério veio por iniciativa própria meter-se em ratoeira no QuartelGeneral, impossibilitando qualquer ato de energia da parte do Governo contra a
revolução...” (Fonte: Idéias políticas de Quintino ... p. 645)
Ações e movimentações de Deodoro em 15 de novembro de 1889
Já apresentando algumas melhoras após o ataque de asma brônquica de que foi
acometido no dia 14, quase o levando à morte, Deodoro retornou do Andaraí, no final da
noite de 14, para a sua casa. Mandava por seu irmão, 2° Tenente reformado Pedro
Paulino, e seu sobrinho Hermes da Fonseca, ambos republicanos, recado a Benjamin
Constant de que se colocaria à frente da 2° Brigada, vinda de São Cristóvão. Assim
reagia ao alerta enviado pelo Dr. Benjamin Constant através de sua esposa, em sua casa,
no fim da noite de l4 e seguramente, também de Quintino Bocaiúva, segundo depoimento
deste.
Deodoro levantou-se cedo, fardou-se de Marechal-de-Campo e embarcou, sem
a espada, numa caleça, levando num saco seus arreios. Foi ao encontro da 2° Brigada e
a encontrou na altura do Gasômetro, hoje Companhia Estadual de Gás. Reconhecido, foi
aclamado calorosamente. Assumia o comando das tropas da 2° Brigada assim dispostas
em coluna: 1° Regimento de Cavalaria; oficialidade da Escola Superior de Guerra,
transformada em Guarda de Honra de Benjamin Constant (que trazia a seu lado Pedro
Paulino, irmão de Deodoro); o 2° Regimento de Artilhada com 16 peças, protegidas por
homens a pé do 9° Regimento de Cavalaria e, na retaguarda, uma carroça de munições e
sobre os armões cunhetes de munição de Infantaria, para serem distribuídos aos alunos
da Escola Militar e alguns praças do 1° Batalhão de Engenheiros, esperados da Praia
Vermelha, sob o comando de Marciano, irmão de Benjamin Constant.
Com certa dificuldade, em razão dos efeitos do ataque de asma do dia anterio
Deodoro deslocou-se na caleça até local próximo ao Campo de Santana. Ali montou no
baio n° 6 do 1° Regimento de Cavalaria cedido pelo Alferes do 1° RC, Eduardo Barbosa,
e ajudado por Pedro Paulino, e foi colocar-se à frente do portão do Campo de Santana, já
aberto. Dispôs a tropa diante do Quartel-General do Exército, onde se encontrava reunido
o Gabinete Ouro Preto e determinou ao general Almeida Barreto — que defendia o QG,
mas estava comprometido com a revolução — que se incorporasse ao dispositivo
revolucionário. Isto só aconteceu 15 minutos depois quando Benjamin Constant transmitiu
pessoalmente sua determinação ao General. Essa tropa era constituída de Imperiais
Marinheiros e parte do Corpo Militar de Polícia da Corte.
Deodoro fez um sinal de irritação com o braço, pedindo silêncio à tropa quando
esta ovacionou Quintino Bocaiúva em sua chegada ao Campo, montado num cavalo
tordilho, depois de ter dado um viva à República. (Fonte: Senna, Deodoro) Percebeu
então que se aproximava do QG, para nele ingressar, o Ministro da Marinha, Barão de
Ladário, e mandou prendê-lo por seu Ajudante-de-ordens, tenente Adolfo Pena Filho. O
14
barão de Ladário resistiu a bala, à ordem de prisão. Atirou com uma pistola de dois canos,
um tiro no tenente Pena Filho e outro em Deodoro, errando ambos o alvo. A escolta
reagiu e feriu levemente a bala o Barão de Ladario , que só não foi morto em virtude da
ordem de Deodoro: “Não atirem neste homem!” O Barão foi medicado na antiga
residência do Conde de Itamarati pouco depois transformada em sede do Governo do
República.
Deodoro, ao tomar posição, tinha enviado o Tenente-Coronel Silva Teles,
comandante do 1° RC, ao Marechal Floriano, dizendo que já podia conferenciar com Ouro
Preto. Este responde negativamente, justificando que nenhum comando fora confiado a
Deodoro pelo Governo e que ele, Ouro Preto, não podia conferenciar com um general que
se apresentava em revolução contra o Governo legal. Pouco depois das nove horas da
manhã, Deodoro aproximou-se do Quartel-General, defendido por cerca de mil homens ali
dispostos durante a madrugada sob o comando do Barão de Apa, irmão do Ministro da
Guerra, Visconde de Maracaju, primo de Deodoro.
Com o concurso do capitão Pedro Paulo da Fonseca Galvão e de praças do 1°
Batalhão de Infantaria, que guardavam o Quartel-general, este foi aberto. Por ele
precipitou-se Deodoro, a galope e descoberto, com o boné na mão direita, conforme o
cena imortalizada por Henrique Bernardelli. No pátio, estavam dispostas as seguintes
forças de defesa: Imperiais Marinheiros guarnecendo uma metralhadora bem diante do
portão; o Corpo de Fuzileiros; contingente do 1° Batalhão de Infantaria de Guarda ao QG;
Força de Bombeiros, 7° Batalhão de Infantaria, que aquartelava-se no Mosteiro de Santo
Antônio e que constituía a principal força da 1 ° Brigada. Ao passar pela banda do 7° Bl,
Deodoro ordenou que abrisse o toque a que tinha direito. Um capitão do batalhão deu um
viva ao Marechal Deodoro, que foi respondido por toda a tropa no interior do Quartel.
Deodoro estava senhor da situação: determinou às tropas que estavam no
interior do QG que formassem na parte externa com a 2° Brigada.
Deodoro desmontou e ao lado de Benjamin Constant e visivelmente abatido e
combalido, subiu com dificuldades ao andar superior acompanhado de diversos oficiais,
onde estava reunido na Sala da Secretaria de Guerra, desde o amanhecer todo o
Gabinete Ouro Preto, assim composto (menos o barão de Ladário): Chefe do Gabinete de
Ministros: Visconde de Ouro Preto; Ministro da Guerra: Visconde de Maracaju; Ministro do
Império: Barão de Loreto — (Fundador da Bibliex); Ministro da Justiça: Cândido de
Oliveira; Ministro d aAgricultura: Lourenço de Albuquerque; Ministro de Estrangeiros: José
Francisco Diana.
Ouro Preto acabava de redigir um telegrama ao Imperador, que entregou ao
Diretor-Geral da Secretaria de Guerra, Barão de Itaipu, paro que fosse pessoalmente à
Estação Central dos Telégrafos. O texto da mensagem era o seguinte:
“Senhor o Ministério sitiado no Quartel-general da Guerra, à exceção do
Sr. Ministro da Marinha, que consta achar- se ferido em casa próxima, tendo por
mais de uma vez ordenado debalde, por ordem do Presidente do Conselho e do
Ministro da Guerra, que se repelisse pela força a intimação armada do Marechal
Deodoro, e diante das declarações feitas pelos generais visconde de Maracaju,
Floriano Peixoto e barão do Rio Apa de que, por não contarem com tropa reunida,
15
não há possibilidade de resistir com eficácia, deponho nas augustas mãos de
Vossa Majestade ó meu pedido de demissão. A tropa acaba de fraternizar com o
Marechal Deodoro, abrindo-lhe as portas do quartel. (Fonte: SENNA. Deodoro p.87)
Ao penetrar na sala da Secretaria de Guerra, Deodoro deparou com Ouro Preto
de pé, apoiado no encosto da cadeira. Dirigiu-se ao Ministro da Guerra com estas
palavras: “Adeus, primo Rufino”. A seguir, falou que se colocara à frente do Exército
para vingar as gravíssimas injustiças e ofensas recebidas do Governo, as quais
enumerou. Declarou que o Ministério estava deposto e que todos os ministros poderiam
retirar-se para suas casas e que seria organizado outro Gabinete de acordo com
indicações que ia levar ao Imperador... As críticas eram dirigidas a Ouro Preto e a
Cândido de Oliveira. No tocante ao lmperador segundo Ouro Preto, Deodoro teria
declarado:
“Ele tem a minha dedicação; sou seu amigo, devo-lhe favores. Seus
direitos serão respeitados e garantidos”.
Esta versão é rebatida como caluniosa por Ciodoaldo Fonseca (Deodoro e
Ouro Preto, p. 109).
Sítio e demissão
Ouro Preto disse que sempre que Deodono se referia ao Exército, Benjamin
Constant completava “e também da Armada”. Ouro Preto comportou-se com brio e
dignidade. Pouco antes, tentara por tudo levar o Ministro e o Ajudante-General a
resistirem cercados a forças superiores apoiadas por 16 bocas de fogo. Nesta altura, um
filho do Marechal Câmara, Ajudante-de-Ordens de Floriano, teria advertido:
“Esta ordem, Sr. Ministro, pode provocar entre nós, apenas, uma
carnificina inútil e tremenda. Pense V. Exa. na responsabilidade e que terá tal
loucura ordenando”. (Fonte: EDMUNDO, Luiz. Como se fez a República. p. 163)
Deodoro desceu para confraternizar diante do Quartel-General com as tropas
do Exército, Marinha, Polícia e Bombeiros e colocou-se à frente das mesmas para um
desfile. O 2° Regimento de Artilharia, enquanto Deodoro confraternizava com a tropa no
interior do Quartel-General e depunha o Gabinete, deu uma salva de 21 tiros. Enquanto
isto, já havia chegado ao Campo de Santana a Escola Militar, com praças do 1° de
Engenheiros e mais o 10° BI, mandado para prendê-lo e que aderiu ao movimento.
A República
Deodoro colocou-se à frente das tropas do Exército, da Armada, da Polícia e
do Corpo de Bombeiros e percorreu o seguinte itinerário: rua da Constituição, largo do
Rosário — atual Tiradentes (sede do Clube Naval) —‘ rua do Teatro, largo de São
Francisco, rua do Ouvidor (sobrado 155 — sede do Clube Militar), redação do Diário de
Notícias, onde estavam [opes Trovão, Aristides Lobo (que discursou), Silvio Romero e
Almeida Pernambuco, jornal A Cidade do Rio, onde José do Patrocínio discursou, e
redação da Gazeta de Notícias, onde falou Silva Jardim (segundo EDMUNDO, Como se
fez a República, p. 168).
16
A tropa dobrou na rua 1° de Março, junto à igreja da Santa Cruz dos Militares, e
foi fazer alto junto ao portão do Arsenal de Marinha, de onde surgiram os chefes de
divisão Barão de Santa Marte, Wandenkolk e Foster Vidal. Deodoro opeou do cavalo e
confraternizou com aqueles oficiais, agradecendo-lhes a cooperação da Armada. A seguir
desincorporam da coluna tropas do Corpo de Imperiais Marinheiros e do Corpo de
Fuzileiros Navais. A coluna marchou pela atual rua Marechal Floriano até o Campo de
Santana de onde tomou o destino de seus respectivos quartéis.
Deodoro voltou para a casa às 14 horas, bastante doente, e se manteve
indefinido quanto à Proclamação da República. Os republicanos que o visitaram à tarde o
encontraram prostrado. Foram recebidos por Benjamin Constant, que argumentou.
“Não se pode impor uma forma de governo ao povo, o Imperador ficará
interdito. Corvocarernos uma Constituinte” (Fonte: SILVA, Hélio. 1889—A República
nõo esperou p. 127). Deodoro só pioclamou efetivamente a República, à tardinha, em
casa, ao assinar como Chefe do Governo Provisório, o Decreto n° 1, referendado por
seus ministros: Aristides do Silveira Lobo — Ministro do Interior; Ten-Cel Benjamin
Constant— Ministro da Guerra; Chefe da Esquadra — E. Wandenkolk — Ministro da
Marinha; Quintino Bocaiúva — Ministro das Relações Exteriores e interino da Agricultura,
Comércio e Obras Públicas.
O Decreto n° 1 estabelecia, entre outros pontos:
“O Governo Provisório dos Estados Unidos do Brasil decreta:
Art 1°— Fica proclamada provisoriamente e decretada como forma de
governo do Nação Brasileira a República Federativa.
Art 2° — As províncias do Brasil, reunidas pelos laços da federação, ficam
constituindo os Estados Unidos do Brasil.”
E prossegue dando outras providências.
Deodoro permaneceu no leito vários dias, sendo que todas as soluções
encaminhadas por Benjamin Constant Quintino Bocaiúva, segundo depoimento deste,
que se refere diversas vezes à doença de Deodoro entre os dias 14 e 15 de novembro:
“Deodoro, eu soubera na véspera — esta com o peito que era uma chaga,
incapaz de apanhar um chinelo. Entretantc procurado em nosso nome, fez um
esforço sobre-humano, fardou-se, pediu um carro e saiu pela manhã para São
Cristóvão. (**) No Mangue, encontrou-se com a força (2° Brigado) e então aquele
homem, quase morto, transfigurou-se ao som marcial dos clansI Saltou do corro,
tomou o cavalo de um oficial e pôs-se à frente do corpo para comandara vitória”
(Idéias política de Quiritino Bocaiúva. p. 644)
A Casa de Deodoro, hoje integrando o Museu Histórico do Exército, foi em
realidadeo local onde tiveram curso as mais graves decisões que levaram ao 15 de
novembro e se sucederam a este acontecimento histórico, foi também a primeira sede do
governo da centenária República do Brasil. E monumento que precisa ser preservado a
todo custo.
17
Notas
1. BENTO, Claudio Moreira, Cel. Quartéis-Generais das Forças Armadas. Rio, FHE-POUPEX,
1988 (e inclusive a pesquisa básica mais ampla e detalhada existente no Arquivo Histórico do
Exército e IHGB e 160 anos de nascimento do Marechal da BCM p. 17, n° 281.
2. CÂMARA DAS DEPUTADOS. O Ministério Ouro Preto e a República . Perfil Parlamentar de
Silveira Martins. Brasília, Câmara dos Deputados, 1979, p. 77-84.
3. CONSTANT NETO, Benjamin. Benfamin Constant. Rio de Janeiro: Leuzinger, 1940.
4. CORREIA, Leôncio A verdade histórica sobre o 15 de novembro. Rio de \janeiro , lmprensa
Nacional 1939.
5. CUNHA, Epaminondas Ferraz da, Gen, O Exército (Guarnição do Rio de Janeiro) no dia 15 de
novembro de 1889. A Defesa Nacional.n° 635, 1970. lSeparatal (fonte básical).
6. DUNLOP, C. J. História dos bondes do Rio de ianeiro. Rio de Janeiro: Laemmert, 1953. v.2.
7. EDMUNDO,Luiz. Como se fez a República In:A República Brasileira. Rio de Janeiro ,
BIBLIEX, 1934, p. 142-178.
8. ESTADA-MAIOR DO EXÉRCITO. O Exército e a República In: História do
Exército Brasileiro. Rio de Janeiro:, Sergraf. IBGE, 1972, v.2. p. 671 -674.
9. FONSECA, Clodoaldo, Gen. Deodoro e Ouro PretoI In: Deodoro e o Verdade Histórica. Rio
de Janeiro: Imprensa Nacional, 1937, p. 109-111 lFonte muito esclarecedora)
10. FORTES, Heitor Gen. 2º Regimento de Artilharia In: Velhos Regimentos. Rio de Janeiro:
BIBLIEX, 1964, p. 95- 133.
11. FRAGOSO, Augusto Tasso, Gen. Revolvendo o passado. Jornal do Commercio. 1940
(Transcrita in: SILVA, Hélio. A República não esperou... p. 487-489.
12. GUIMARÃES, Tiago. Como se fez a República, um interview com o Gen. Quintino Bocaiúva
In: Idéias políticas de Quintino Bocaiúva. Senado Federal e Casa Rui Barbosa. Central Graf.
Senado, 1896. i, p. 640-646 (textos selecionados por Eduarda Silva).
13. JORNAL DO COMÉRCIO DE SÃO PAULO. Quinze de Novembro — reminiscências e
restituições históricas. São Paulo, 17 Dez. 1903 (Transcrito pela RIHGB, LXXIII, Parte II, 1910 p.
124-145 (Entrevista do Visconde de Ouro Preto).
14. MIRANDA, SaIm de, Gen. Floriano e a conspiração republicana e no 15 de novembro In:
Floriano, Rio de Janeiro:, BIBLIEX, 1963, p. 94-128.
15. MOREIRA, Ilha, Mar. Deodoro o magnânimo In: Deodoro e a verdade histórica. Rio de
Janeiro , Imprensa . Nacional,. 1937, p. 31-98 (Atribui a Deodoro, em 15 Nov., a frase “A
República é a nossa única saída e a salvação do Exército”)
16. SENNA, Ernesto. Deodoro — subsídios para a História — notas de um repórter. Rio de
Janeiro, 1913, p. 43-44 (Ata reunião de 09 Nov. no Clube Milita r)
17. REVISTA DO CLUBE MILITAR n° 281 e 282, 1987 (Edições históricas comemorativas do
Centenário do Clube Militarem 1987) (Fontes importantes).
18. SILVA, Hélio. Proclamação da República in: A República não esperou
amanhecer. Rio de Janeiro, Ed. Civilização Brasileira, 1972, p. 87-136.
19. TAVARES, Aurélio, Gen. Aristides lobo e os militares in: Aristides Lobo e a República. Rio
de Janeiro , José Olimpyo, 1987, p. 66-71.
20. VIVEIROS, Esther de. A República In: Rondon Conta a sua vida. Rio de Janeiro, Coop Cult
Esperantistas, 1969, p. 45.
18
(*) A este respeito, o ex-ajudante-de-ordens do Marechal Deodoro, Ilha Moreira escreveu em
1937.
“O Marechal Deodoro em matéria de República era assaz refletida, em se
tratando de assunto de tão magna importância, como essa da transformação do regime
política da nação. Assim, ele precisava cercar-se de garantias para que não fosse vítima de
um fracasso, por não haver profundamente refletida”.
(* *) Segund a majorEnfermeira da FEB Elza Cansanção Medeiros, o peito e as
costas do Marechal . Deodoro estavam em chagas em razão do uso de ventosas. A Veja em
reportagem especial sobre a Proclamação, assinala que Deodoro no dia 15 de novembro não
levou a espada e sim um revólver no bolso porque ela, presa ao cinto, castigava suas feridas. Cita
como outras sintomas do mal de Deodoro falta de ar e inchação dos pés. Afirma a reportagem que
Deodoro sofria de arterioesclerose. Disso discorda o general Dr. Alberto Martins da Silva, médico
historiadore estudiosa da família Fonseca.Ele reafirma que a doença do Marechal Deodoro era
asma brônquica crônica, exacerbada por estresse e mudanças do tempo.
O autor na época publicou os seguintes trabalhos na forma de albuns patrocinados
pela FHE-POUPEX
BENTO,Claudio Moreira Bento. Quarteis Generaia das Forças Armadas do Brasil
______-A Guarnição do Rio de Janeitp na rovlamação da República.
______. O Exército na Proclamação da República. Rio de Janeiro:SENAI,1989.
_______´(Org) Cadernos da Comissão Coordenadora das Comemorações dos
Centenários da Republica e da criação da Bandeira Nacional.Rio de Janeiro:
BUBLIEX/SENAI,1991. Obra com os seguintes artigos nossos sobre a Republica e a Bandeira:
- O Clube Militar na Proclamação da República p.29-39.
-Introdução à 1ª Sessão comemorativa do Centenário da Proclamação da República
Brasileira em 25 agosto 1989.p.51.
-Introdução á 2ª Sessão comemorativa do Centenário da Proclamação da República
Brasileira em 26 de outubro de 1989. p,.55.
-O Exército a época da Proclamação da República p.75/106.
- A Guarnição do Exército da Corte na Proclamação da República. p.107/128.
- Marechal de Campo Manuel Deodoro da Fonseca, Estado de Saúde,Ações e
Objetivos politicos no dia 15 de novembro de 1889. ´p.142/157.
- Enfoques diversos sobre a Proclamação da República.p.223/244.
- Roteiro histórico da Proclamação da República p. 266/270.
Votos de que este nosso traballho sirva de subsidio aos historiadores e profissionais
militares em 2089 no Bicentenário da Proclamação da República.
Trabalho artezal realizado pelo autor aos 84 anos (digitalização, formatação e
ilustração e revisão e deve por isto possuir falhas pela quais antecipadamente peço desculpas aos
que dela tomarem conhecimento
Fly UP