...

shilock e o mercador de veneza: os judeus e o antissemitismo

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

shilock e o mercador de veneza: os judeus e o antissemitismo
SHILOCK E O MERCADOR DE VENEZA: OS JUDEUS E O ANTISSEMITISMO NA EUROPA RENASCENTISTA
SHILOCK E O MERCADOR DE VENEZA: OS
JUDEUS E O ANTISSEMITISMO NA EUROPA
RENASCENTISTA1
Shilock and the Merchant of Venice: the Jews and anti-semitism in
Reinassance Europe
COSTA JUNIOR, C. L. J.
GRESSANA, L.
Recebimento:
27/10/2010 - Aceite: 18/11/2011
RESUMO: Durante o renascimento europeu, o judaísmo era uma presença
significativa no interior da sociedade cristã, porém, as relações sociais que
pautavam cristãos e judeus eram marcadas pela hostilidade, preconceito e
segregação. A literatura renascentista refletiu esta situação de forma muito
clara, sendo um exemplo clássico a peça O Mercador de Veneza, do dramaturgo inglês William Shakespeare, que traduz de forma muito precisa a
problemática em torno dos judeus e as profissões por eles desempenhadas,
ligadas principalmente ao mundo das finanças. A ligação dos judeus com a
riqueza os estigmatizou, vindo a somar mais um argumento antissemita aos
já existentes no mundo medieval: os de usurários.
Palavras-chave: Judeus. Renascimento. O Mercador de Veneza de Willian
Shakespeare. Diáspora judaica. Usura.
ABSTRACT: In the Renaissance, Judaism was a significant presence within
the Christian society; however, the social relations that guided Christians and
Jews were marked by hostility and segregation. The literature reflected this
situation, being the play The Merchant of Venice by William Shakespeare a
classic example of it. The play addresses the issues around the Jews and their
social acts, especially about money and usury. The Jews have been stigmatized by applying usury, expanding the anti-Semitic arguments prevalent in
the Middle Age.
Keywords: Jewish. Renaissance. The Merchant of Venice, William Shakespeare. Jewish diaspora. Usury.
PERSPECTIVA, Erechim. v.35, n.132, p.55-64, dezembro/2011
55
César Luiz Jerce da Costa Junior - Luciane Gressana
Introdução
As profundas transformações sociais e
culturais vivenciados na Europa durante os
últimos séculos da Idade Média (séc. XV
e XVI) também foram acompanhadas pelo
surgimento de novas práticas econômicas
que possibilitaram a gênese do capitalismo
moderno. No que se refere às comunidades
judaicas estabelecidas por todo o continente europeu, estes séculos foram marcados
por perseguições, segregação, conversões
forçadas ou a simples expulsão definitiva,
como o caso da Espanha (1492), governada
pelos Reis Católicos Fernando e Isabel. Tais
situações mantiveram os judeus à margem da
sociedade cristã do Renascimento, forçandoos a buscar alternativas de sobrevivência em
atividades econômicas consideradas indignas
ou proibidas aos cristãos. Jean Delumeau
sugere, com muita precisão, que as formas
renascentistas da aversão aos judeus assumiram características unificadas, teorizadas,
generalizadas e clericalizadas. (DELUMEAU, 2009).
A literatura e o teatro renascentistas
representaram importantes meios de elaboração de um imaginário antijudaico, sendo,
desta forma, um espelho em cujos reflexos
é possível vislumbrar certos aspectos do
nascente fenômeno do antissemitismo. Nesta
perspectiva, o teatro elisabetano representou
importante papel na construção de uma imagem estereotipada dos judeus e os ofícios a
eles associados. O dramaturgo inglês William
Shakespeare escreveu, por volta de 1596-97,
uma de suas mais conhecidas peças, O Mercador de Veneza, cujo personagem judeu,
Shylock, tornou-se verdadeiro símbolo de
ganância e avareza. Sua representação ao
longo dos séculos incitou o antissemitismo
e a segregação, influenciando de forma decisiva na moderna ideia do judeu ganancioso.
56
O objetivo deste trabalho, contrapor o
Shylock shakespeariano à historiografia,
busca entender e contextualizar o real papel
dos judeus na sociedade renascentista europeia, assim como a origem do antissemitismo
moderno e sua relação íntima com o mundo
das finanças e do comércio no Mediterrâneo
quinhentista. Para tal, faz-se necessário iniciar uma breve contextualização histórica
sobre a trajetória do judaísmo na Europa.
Os Judeus e o mundo Cristão
Ao longo da Era Cristã, os judeus formaram uma sociedade caracterizada por
elementos muito singulares e heterogêneos.
A dispersão iniciada nos massacres e no antijudaísmo antigo, de caráter religioso, mais
notadamente durante o domínio romano e a
destruição do Templo de Jerusalém no ano 70
da Era Cristã, forçaram os judeus2 a estabelecerem comunidades em lugares longínquos,
tornando-se o judaísmo uma presença marcante na Europa, norte da África e Ásia, e na
Veneza concebida pelo autor inglês.
No período medieval (entre os sec. V e
XIV), os judeus não formavam uma categoria
social bem definida dentro das estruturas do
feudalismo, pois não eram nem livres, nem
servos, e não tinham o direito de possuir
terras ou portar armas. (ATTALI, 2008). No
século XI, o advento das cruzadas e a crescente intolerância delas derivada produziram
os primeiros massacres de judeus na Europa
que atingiram o auge no século XIV, com a
proliferação da peste negra. O pânico causado pela doença e o fervor religioso levaram
os judeus a serem acusados de envenenar
os poços e as fontes d’água, resultando em
mais massacres e expulsões. (SCHEINDLIN,
2003). O historiador francês Jacques Le
Goff resume a crítica situação dos judeus no
mundo medieval:
[...] a condição dos judeus na cristandade
se agravava. Pogroms3 foram realizados
PERSPECTIVA, Erechim. v.35, n.132, p.55-64, dezembro/2011
SHILOCK E O MERCADOR DE VENEZA: OS JUDEUS E O ANTISSEMITISMO NA EUROPA RENASCENTISTA
por volta do ano mil, depois no tempo
das cruzadas, perpetrados, sobretudo
pelas massas em busca de bodes expiatórios das calamidades (guerras, fome,
epidemia) e vítimas de seu fanatismo
religioso. O antijudaísmo da Igreja se
endureceu e, na sociedade cristã, do
povo aos príncipes, o anti-semitismo [...]
apareceu no século XII e, sobretudo no
século XIII. (LE GOFF, 1989, p. 36).
O desenvolvimento das cidades e a retomada do comércio e das atividades financeiras nos séculos XIII, XIV e XV produziram
novas dinâmicas sociais, que transformaram
a sociedade feudal em suas bases. Os judeus
progressivamente expulsos de todos os ofícios e da posse da terra, abandonaram o campo e dirigiram-se para as cidades. (LE GOFF,
1998). Os judeus, com poucas alternativas,
buscaram sua sobrevivência nas atividades
financeiras. Para Fernand Braudel:
O Judeu, originalmente camponês tal
como o Armênio4, desligou-se há séculos
e séculos do trabalho da terra. Por todo
o lado é financeiro, assentista, mercador,
usurário, prestamista, médico, artesão,
alfaiate, tecelão, até mesmo ferreiro...
Muito pobre por vezes; medíocre prestamista se se apresentar ocasião para isso.
(BRAUDEL, 1984, p.176).
Dentre as atividades as quais os judeus se
dedicaram, uma é de particular importância
para a compreensão da obra O Mercador de
Veneza: o empréstimo de dinheiro a juros.
Os judeus eram os únicos que dispunham de
grandes somas em moedas para emprestar às
empresas e mercadores. Sob cada empréstimo cobravam juros, tomando como garantia
objetos da vida cotidiana como louças e
vestimentas. (LE GOFF, 1998).
Os judeus também se destacaram no
comércio internacional, onde criaram uma
das primeiras redes mercantis do mundo
(BRAUDEL, 1984). As crescentes expulsões
de judeus dos países ibéricos, mais notadaPERSPECTIVA, Erechim. v.35, n.132, p.55-64, dezembro/2011
mente da Espanha (1492) e de outras regiões
da Europa aumentaram o fluxo de imigrantes
judeus para as cidades e reinos da Itália. Esses
reinos e cidades-Estados estabeleceram, a
princípio, políticas de segregação, obrigando
os judeus a usar sinais distintivos e confinando-os em guetos. (BRAUDEL, 1948).
A cidade portuária de Veneza, próspera república mercantil no litoral do Mar
Adriático, foi um dos principais centros do
comércio Mediterrâneo no século XVI, cuja
importância pode ser revelada nas palavras
do sociólogo francês Jacques Attali:
Veneza é então a cidade mais importante
da economia mundial. É lá que se fixam
os preços das principais mercadorias e
se constroem as melhores embarcações,
as galere da mercato. É de lá que mercadores cristãos e judeus remetem para
o Oriente a lã de Flandres5, o veludo de
Gênova, a lã feltrada de Milão e de Florença, o coral de Barcelona. É também
por Veneza que chegam os escravos
de Tana6, a seda de Constantinopla, os
metais da Anatólia7, as sedas da Pérsia,
a pimenta de Malabar8. (ATTALI, 2008,
p. 241).
O governo da cidade, no século XVI,
havia ordenado o confinamento de sua população judaica em um gueto, sendo os portões
de entrada vigiados por cristãos. O número
de judeus, porém, era reduzido: Em 1586,
aproximadamente na mesma época em que
Shakespeare escrevia O Mercador de Veneza,
havia um número em torno de 1.424 judeus
vivendo na cidade (BRAUDEL, 1984). O
gueto de Veneza seria desmantelado apenas
no final do século XVIII, por inspiração dos
ideais da Revolução Francesa.
O Mercador de Veneza
William Shakespeare escreveu a peça O
Mercador de Veneza entre os anos de 1596 e
57
César Luiz Jerce da Costa Junior - Luciane Gressana
1597, tornando-se ela um símbolo contraditório do renascimento inglês e caracterizada
como uma das comédias do autor (VIÉGAS,
prefácio, in: SHAKESPEARE, 2008.). A
narrativa ocorre em Veneza em fins do século XVI, opondo Antônio, o mercador que
nomeia a peça; e Shylock, o judeu usurário.
Antônio, cristão devoto que tem por costume cuspir em judeus, procura ajudar financeiramente seu amigo Bassânio que deseja
cortejar a bela Pórcia, rica dama da fictícia
cidade de Belmonte, ávida para encontrar um
marido. Para isso, Antônio, não possuindo capital disponível no momento tendo em vista
seus navios carregados de mercadorias em
viagem, se compromete em um empréstimo
de três mil ducados financiado pelo judeu
Shylock. Conhecido “usurário”, membro de
uma comunidade judaica e que se dedica ao
empréstimo de dinheiro a juros. Em troca do
empréstimo, Antônio compromete uma libra9
de sua própria carne, caso não cumprido o
acordo.
Ao final da peça, os empreendimentos
mercantis de Antônio fracassam, seus navios
naufragam, e impossibilitado de cumprir o
acordo, Shylock busca, através do tribunal de
Veneza, presidido pelo próprio Doge10, a libra
de carne do mercador. Shylock, porém, cai
em uma armadilha jurídica quando é acusado
de ameaçar a vida de um cidadão veneziano
e tem seus bens confiscados, além de ser
obrigado a se converter ao cristianismo. Este
fim imposto ao judeu pode ser resumido nas
palavras de Pórcia - disfarçada de juiz - à
Shylock: “Terás mais justiça do que querias”.
(SHAKESPEARE, 2008 p. 109).
Harold Bloom, um dos mais conceituados
estudiosos de Shakespeare, não hesitou em
afirmar que [...] “teria sido melhor para o
povo judeu, ao longo dos últimos quatro séculos, se Shakespeare jamais tivesse escrito
essa peça.” (BLOOM, 2000, p. 224). Bloom
vai mais além, equiparando o antissemitismo
58
incitado pela peça shakespeariana ao dos Os
Protocolos dos Sábios de Sião11 e o Evangelho de João. (BLOOM, 2000).
As motivações e o comportamento de
Shylock merecem uma atenção especial,
tendo em vista que o judeu de Shakespeare
é considerado um personagem de grande
eloquência, ao contrário de Barrabás, o judeu
avarento criado pelo dramaturgo Cristopher
Marlowe alguns anos antes de Shakespeare
escrever O mercador de Veneza 12. Tomando
como base o personagem caricato de seu
contemporâneo, Shakespeare irá criar um
personagem semelhante, porém muito mais
profundo em significado e personalidade.
Para Bloom: [...] “Shakespeare esforça-se
para expurgar de Shylock todo o elemento
marlowiano, o que, inevitavelmente, implica
um mergulho no interior do personagem”.
(BLOOM, 2000, p. 234).
A agressividade para com Shylock é uma
constante em toda a obra, sendo que os personagens cristãos lhe ofendem e insultam por
ser um judeu e, também, um usurário. Shylock, em resposta, faz a seguinte exclamação:
Shylock – Signor Antônio, muitas e
muitas vezes no Rialto13 o senhor me
taxou disso e daquilo por causa dos meus
dinheiros e as minhas taxas de juros. [...]
O senhor me chama de infiel, de cão
raivoso, e cospe na minha gabardina de
judeu. E tudo porque faço uso daquilo
que é meu. Pois bem, agora parece que
você está precisando de minha ajuda.
(SHAKESPEARE, 2008, p.40)
A resposta de Antônio a Shylock é carregada de novos insultos e ameaças:
Antônio – Estou a ponto de te chamar assim de novo, de cuspir em ti de novo, de
te enxotar a pontapés também. Se queres
emprestar esse dinheiro, empresta não
como se fosse para amigos, pois quando
é que um amigo toma de outro amigo a
ninhada de seu estéril metal? Pelo conPERSPECTIVA, Erechim. v.35, n.132, p.55-64, dezembro/2011
SHILOCK E O MERCADOR DE VENEZA: OS JUDEUS E O ANTISSEMITISMO NA EUROPA RENASCENTISTA
trário: empresta o teu dinheiro ao teu
inimigo, àquele que, se for à bancarrota,
tu podes com um sorriso no rosto cobrar
dele a multa devida. (SHAKESPEARE,
2008, p. 40-41).
Além de Antônio, outros personagens secundários demonstram claramente sua aversão a Shylock, como Lancelote, o palhaço,
empregado na casa de Shylock, pautado por
um tipo de humor grosseiro:
Lancelote – Lógico, a minha consciência vai me ajudar a fugir desse judeu, o
meu amo. O demônio está aqui no meu
cotovelo, me tentando, me dizendo: [...]
“Meu bom Lancelote Gobbo, pernas pra
que te quero, dê a partida, trate de fugir”.
Minha consciência diz: [...] “honesto
Lancelote Gobbo: nada de fugir, despreza essa fuga, pega ela e chuta com os
teus calcanhares” [...] Se me deixo guiar
por minha consciência, devo ficar com
o judeu, meu amo, que... Deus que nos
livre!... é uma espécie de demônio. [...]
Certo, o judeu é a encarnação do diabo
[...] O demônio me dá o conselho mais
afável: vou fugir [...]. (SHAKESPEARE,
2008, p. 45-46).
O antissemitismo presente nos diálogos
de Graciano, outro personagem secundário
e amigo de Bassânio, também surpreendem
o público atual pelo seu tom antissemita, claramente presente nesse diálogo em relação à
Jéssica, filha de Shylock: [...] “Ora, por meu
chapéu, uma donzela muito bem educada;
nem parece judia!”. (SHAKESPERAE, 2008,
p. 61). Jéssica, ao fugir com um cristão, só aumenta os tormentos de seu pai, a quem odeia.
Ao mesmo tempo em que Shylock foi
insultado e ameaçado pelos personagens, este
também revela seu ódio vingativo em relação
aos cristãos, particularmente contra Antônio.
A cobrança da libra de carne por Shylock na
peça é o elemento que o torna, além de um
usurário, um verdadeiro “monstro”, em contraposição à bondade cristã, representada por
PERSPECTIVA, Erechim. v.35, n.132, p.55-64, dezembro/2011
Antônio. Harold Bloom assim sintetiza a peça
shakespeariana: “A comédia cristã triunfa, a
maldade judia é coibida, e tudo acaba bem
[...].” (BLOOM, 2000, p. 228).
Já para Jacques Attali, as características
socioeconômicas de O Mercador de Veneza
seriam uma metáfora da própria Londres
elisabetana, representando um porto que se
desenvolvia e fervilhava de atividades comerciais. (ATTALI, 2008). É reconhecido que a
peça representa um desafio ao público atual,
tendo em vista que sua encenação não pode
ser mais realizada como era originalmente,
sem críticas, sendo por isso muito difícil resgatar a arte de Shakespeare, como reconhece
Harold Bloom. (BLOOM, 2000).
Este comportamento vingativo é, nas
palavras de Jacques Attali, completamente
incompatível com a moralidade judaica: “Na
verdade, nada é menos judeu do que o comportamento de Shylock: [...] a moral judaica
proíbe as represálias e rejeita a lei de talião,
e também condena qualquer corte de carne
num animal vivo.” (ATTALI, 2008, p. 311).
O comportamento vingativo de Shylock, portanto, não pode ser considerado verdadeiro.
Os Judeus e as Finanças
A usura é o principal argumento antissemita presente em O Mercador de Veneza, pois
além de ser vingativo, Shylock também é um
usurário. O conflito entre economia e religião
era uma questão de grande importância durante o renascimento, momento onde a religiosidade progressivamente cedeu espaço às
preocupações terrenas. Para Jacques Le Goff:
A usura. Que fenômeno oferece, mais do
que este, durante sete séculos no Ocidente, do século XII ao XIX, uma mistura
tão explosiva de economia e de religião,
de dinheiro e de salvação – expressão de
uma longa Idade Média, em que os homens eram esmagados sob os símbolos
59
César Luiz Jerce da Costa Junior - Luciane Gressana
antigos, em que a modernidade trilhava
dificilmente um caminho entre tabus
sagrados, em que as astúcias da história
encontravam na repressão exercida pelo
poder religioso os instrumentos do êxito
terrestre? (LE GOFF, 1989, p. 9).
Entre os grupos sociais que estavam envolvidos com a usura, estavam judeus, mas
também cristãos, embora esse ofício lhes
fosse expressamente proibido. Nos diálogos
de O Mercador de Veneza, Shylock, no momento do empréstimo dos ducados a Antônio e Bassânio, explica seus motivos para a
cobrança de juros, referindo-se ao trecho da
Bíblia que faz menção a Jacó:
Shylock – Quando Jacó pastoreava as
ovelhas de seu tio Labão... Esse Jacó
era o terceiro a ocupar as terras, depois
do nosso santo Abraão; sim, ele foi o
terceiro...
[...]
Antônio – E por que falar dele agora?
Ele cobrava juros?
Shylock – Não, não cobrava juros, nem
cobrava juros, como vocês diriam, diretamente, sem subterfúgios, sem cerimônia. Note bem o que Jacó fazia: Labão
e ele haviam concordado que todos os
cordeirinhos que nascessem raiados ou
malhados seriam o pagamento de Jacó.
As ovelhas, estando no cio no fim do
outono, eram levados até os machos
e, quando o trabalho de gerar novos
carneirinhos acontecia entre os lanudos genitores, ali, bem no ato, o hábil
pastor me descascava certos galhos de
árvores e, na ação do ato daquele tipo,
ele colocava diante das ovelhas lascivas
aqueles ramos fininhos e elas concebiam.
Mais adiante, elas pariam cordeiros
multicoloridos, e esses eram de Jacó.
Era uma maneira de prosperar, e ele
foi abençoado; e o lucro é uma bênção
se não for roubado. (SHAKESPEARE,
2008, p. 39).
60
Note-se bem a última frase de Shylock:
“e o lucro é uma benção se não for roubado”. Esta passagem revela uma forma muito
diferente da cristã (no caso, do catolicismo)
de conceber a riqueza, tornando-se este um
dos fatores fundamentais para a oposição de
cristãos e judeus sob o ponto de vista econômico. Jacques Attali diferencia as doutrinas
econômicas judaicas e cristãs:
Paralelamente, crescem as diferenças entre as duas doutrinas econômicas. Numa
e noutra, acredita-se nas virtudes da caridade, da justiça e da oferenda. Mas, para
os judeus, é desejável ser rico, ao passo
que, para os cristãos, é recomendável ser
pobre. Para uns, a riqueza é um meio de
melhor servir a Deus; para outros, ela
só pode ser nociva à salvação. Para uns,
o dinheiro pode ser um instrumento do
bem; para outro, os efeitos dele são sempre desastrosos. Para uns, todos podem
usufruir do dinheiro bem ganho; para
outros, ele não deve ser acumulado em
nossas mãos. Para uns, morrer rico é uma
benção, desde que o dinheiro tenha sido
adquirido com moralidade e que a pessoa
tenha cumprido todos os seus deveres
em relação aos pobres da comunidade;
para outros morrer pobre é a condição
necessária da salvação. (ATTALI, 2008,
p. 109).
Como especificou Jacques Attali, os judeus viam no dinheiro uma forma de servir
a Deus, ao passo que para os cristãos ele era
nocivo. O empréstimo de dinheiro a juros
também era vetado aos judeus, como especifica estas passagens do Antigo Testamento:
1. Se emprestares dinheiro a um compatriota, ao indigente que está em teu
meio, não agirás com ele como credor
que impõe juros”. (Êxodo, XXII, 24 apud
LE GOFF, 1989, p. 20-21).
[...]
2. Se o teu irmão que vive contigo
achar-se em dificuldade e não tiver com
PERSPECTIVA, Erechim. v.35, n.132, p.55-64, dezembro/2011
SHILOCK E O MERCADOR DE VENEZA: OS JUDEUS E O ANTISSEMITISMO NA EUROPA RENASCENTISTA
que te pagar, tu o sustentarás como a
um estrangeiro ou hóspede, e ele viverá
contigo. Não tomarás dele nem juros
nem usuras, mas terás o temor do teu
Deus, e que o teu irmão viva contigo.
Não lhe emprestarás dinheiro a juros,
nem lhe darás alimento para receber
usura.” (Levítico, XXV, 35-37 apud LE
GOFF, 1989, p. 20-21).
Estes trechos do Antigo Testamento
impuseram a proibição do empréstimo de
dinheiro a juros aos membros da comunidade
judaica. O Deuteronômio, entretanto, trouxe
um elemento novo a estas especificações:
“3. Não emprestes a teu irmão com juros,
quer seja dinheiro, quer sejam víveres, quer
seja qualquer outra coisa. Poderás exigir
juro do estrangeiro, mas não do teu irmão.
(Deuteronômio, XXIII, 20 apud LE GOFF,
1989, p. 21).
O empréstimo de dinheiro a juros, embora proibido aos membros da comunidade,
era liberado para os estrangeiros. Eis por
que Shylock emprestava três mil ducados a
Bassânio e Antônio. Não havia impedimento
religioso que o proibisse e, como referido
antes, o lucro que não for proveniente de
más ações é uma benção. Shylock, não sendo cristão, compreendia Bassânio e Antônio
como estrangeiros e, por isso, não havia nada
nas escrituras que o condenasse moralmente
sob a ótica judaica. Segundo Le Goff: “Não
cristãos, eles não sentiam escrúpulos nem
violavam as prescrições bíblicas fazendo
empréstimos a indivíduos fora de sua comunidade.” (LE GOFF, 1989, p. 35).
Já para os cristãos, a riqueza se conseguida
através da usura, era algo nocivo para a vida
eterna, um pecado mortal. Ela representava,
a princípio, um roubo e um ataque à justiça:
O roubo usurário é um pecado contra
a justiça. Tomás de Aquino14 diz: “É
pecado receber dinheiro como recompensa pelo dinheiro emprestado, receber
PERSPECTIVA, Erechim. v.35, n.132, p.55-64, dezembro/2011
uma usura?” Resposta: “Receber uma
usura pelo dinheiro emprestado é em
si injusto: pois vende o que não existe,
instaurando com isso manifestamente
uma desigualdade contrária à justiça”.
(LE GOFF, 1989, p. 27).
A usura para os cristãos também ofendia
a ordem divina estabelecida para mundo. A
manipulação do tempo pelos homens também
era uma das razões para se conceber a usura
como um pecado mortal. Eis um discurso
medieval transcrito por Le Goff sobre esta
questão:
Meus irmãos, meus irmãos, conheceis
um pecado que nunca descansa, que é
cometido o tempo todo? [...] É a usura.
O dinheiro dado em usura nunca deixa
de trabalhar, e sem parar fabrica dinheiro.
[...] É um trabalhador incansável. Conheceis, irmãos, um trabalhador que não
descansa aos domingos e feriados, no
sono como na vigília! [...] Nisso também
a usura é uma ofensa a Deus e à ordem
por Ele estabelecida. Ela não respeita a
ordem natural que Ele quis dar ao mundo
e à nossa vida corporal, nem a ordem do
calendário estabelecida por Ele. [...]. (LE
GOFF, 1989, p. 30).
Outra característica na usura radicalmente
oposta a mentalidade cristã é a possibilidade
de o dinheiro ser fecundo, reproduzir-se em
si mesmo, contrariando o seguinte diálogo de
Shylock: “Com o perdão da palavra, eu faço
ouro e prata darem cria. Mas preste atenção,
Signor...”. (SHAKESPEARE, 2008, p. 39).
Para os cristãos, nas palavras de Le
Goff: “O dinheiro é infecundo”. Portanto, a
usura queria fazer com que ele frutificasse.
Tomás de Aquino diz, após conhecer a obra
de Aristóteles: “Nummus non parit nummos
(O dinheiro não se reproduz).”. (LE GOFF,
1989, p. 29). Segundo Jacques Attali:
Para os cristãos, [...] assim como para
Aristóteles e os gregos, o dinheiro – tanto
61
César Luiz Jerce da Costa Junior - Luciane Gressana
quanto o tempo – não produz riqueza por
si mesmo, é estéril; por isso, fazer comércio de dinheiro é um pecado mortal.
Essa obsessão da esterilidade do dinheiro
também remete ao ódio à sexualidade,
proibida fora do casamento. Para a [...]
Igreja, nada deve ser fértil fora daquilo
que é criado por Deus. Fazer o dinheiro
trabalhar corresponde a fornicar. (ATTALI, 2008, p.109).
Para os judeus, por outro lado:
[...] o dinheiro está vivo e deve trabalhar;
ele é fecundo, como eram os rebanhos
de Jacó, e a riqueza é sã. O dinheiro não
é um bem diferente dos outros; está tão
vivo quanto os outros. (ATTALI, 2008,
p. 147)
[...]
O dinheiro, assim como o gado, é uma riqueza fértil, e o tempo é como um espaço
a ser valorizado. (ATTALI, 2008, p. 109).
Esta situação também revela um profundo
embate entre uma mentalidade medieval,
fechada ao comércio e totalmente voltada a
Deus, e uma mentalidade renascentista, dinâmica, berço do capitalismo moderno e tendo
em vista atender as necessidades do homem.
A usura não era praticada somente pelos
judeus. Ao final da Idade Média e durante o
Renascimento, um grande número de cristãos
também se dedicou a este ofício. A concorrência entre cristãos e judeus também se
acentuou: “O grande impulso econômico do
século XII multiplicou os usurários cristãos.
A hostilidade deles contra os judeus era mais
alimentada à medida que estes se tornavam
temíveis concorrentes.” (LE GOFF, 1989, p.
37). Ao referir-se aos judeus, Jacques Le Goff
desfaz alguns mitos:
É preciso antes de tudo desfazer um
equívoco. A história ligou estreitamente
a imagem do usurário à do judeu. [...]
62
Na verdade, a estes proibiam-se pouco
a pouco atividades produtivas que hoje
chamaríamos “primárias” ou “secundárias”. Não lhes restava outra coisa, ao
lado de algumas profissões “liberais”
como a medicina [...] senão precisamente
fazer com que o dinheiro, ao qual o cristianismo recusava qualquer fecundidade,
produzisse. (LE GOFF, 1989, p. 35).
O empréstimo de dinheiro a juros tornouse um dos poucos ofícios disponíveis para os
judeus do renascimento. Dessa forma, não
havendo alternativas para sobrevivência,
firma-se o preconceito contra Shylock e os
usurários judeus de Veneza.
Considerações Finais
Conclui-se, portanto, que o papel econômico desempenhado pelos judeus é fundamental para Veneza e outras cidades mercantis, entretanto, sua posição social contrasta
com sua importância econômica. Shylock,
assim como outros judeus de sua comunidade, são considerados indesejáveis, sendo
necessário mantê-los longe da população
cristã. O gueto adotado por Veneza e outras
cidades italianas é a síntese desta problemática em que os judeus, úteis no mundo das
finanças, não são expulsos – como ocorreu
na Espanha - mas segregados e mantidos sob
vigilância. O pragmatismo econômico destas
cidades manteve os judeus economicamente
próximos, mas socialmente afastados.
As relações entre judeus e cristãos ao
longo da Alta Idade Média haviam sido relativamente pacíficas, mas a partir do advento
das cruzadas, esta realidade se transformou.
Porém mesmo durante o Renascimento, o
papado e seus domínios na Itália significaram
um porto relativamente seguro quando comparados a ação zelosa da Inquisição na Espanha, cuja política dos reis Isabel e Fernando
de impor uma limpeza de sangue (limpieza
PERSPECTIVA, Erechim. v.35, n.132, p.55-64, dezembro/2011
SHILOCK E O MERCADOR DE VENEZA: OS JUDEUS E O ANTISSEMITISMO NA EUROPA RENASCENTISTA
de sangre) não encontrou semelhante em toda
a Europa (LE GOFF, 2007). A isso se soma
a concorrência de mercadores e financistas
cristãos, que certamente insuflaram ainda
mais ódio contra seus concorrentes judeus.
A análise de O Mercador de Veneza
também revela o importante papel do teatro
na difusão de ideias antijudaicas. Para Jean
Delumeau, antes mesmo de O Mercador de
Veneza ser escrita, no final século XVI, o
teatro sacro (o chamado Mistério) já havia
desempenhado importante meio de catequese antijudaica, provocando hostilidades
contra os judeus, principalmente nas cidades
onde eram representadas. Do teatro sacro, o
antijudaísmo passou para o teatro profano,
tornando Shylock um personagem verossímil
aos expectadores (DELUMEAU, 2009).
Despido o personagem de Shakespeare
de seus elementos caricatos, sobra apenas o
judeu histórico, cuja atividade de usurário
enquadra-se dentro das condições a eles
reservadas por uma sociedade que os estigmatizou, cujo comportamento pode sim ser
definido como sendo a origem do moderno
fenômeno que chamamos de antissemitismo.
Nesta perspectiva, Jacques Le Goff aponta
com muita precisão que é esta sociedade
cristã do final da Idade Média que começou
a construir o antissemitismo europeu (LE
GOFF, 2007).
Shylock é um personagem que antecipa os
grandes massacres e perseguições a judeus no
século XX, e as ideias antissemitas presentes
em O Mercador de Veneza ainda estarão
presentes em obras relativamente recentes
como Os Protocolos dos Sábios de Sião. O
judeu de Shakespeare, mesmo possuindo
um caráter caricato e deformado, tornou-se
uma presença constante no imaginário do
ocidente.
NOTAS
1
O presente artigo foi concebido originalmente como Trabalho de Conclusão de Curso realizado no ano
de 2009 pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – Campus de Erechim
– RS, como requisito para obtenção do título de Licenciado em História.
2
A designação “judeu” surge na Antiguidade, com a desintegração do reino de Israel e a formação do
reino de Judá. Dessa forma, seus habitantes então passaram a ser chamados de judeus.
3
Perseguições e massacres de judeus, muito comum na cristandade latina ao longo da Idade Média. Os
grandes pogroms iniciaram-se na Idade Média a partir da Primeira Cruzada, sendo os mais conhecidos
os do conde Emich II von Leiningen contra os judeus da Renânia, em 1096.
4
Os armênios possuem uma trajetória histórica semelhante a dos judeus, tendo eles sido dominados ou
expulsos por impérios vizinhos ao longo dos últimos séculos. Os massacres perpetrados pelos turcos
contra civis armênios durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) contribuíram ainda mais para
sua dispersão.
5
Região que atualmente corresponde à Bélgica.
6
Região próxima ao Lago Tana, na Etiópia.
7
Área que atualmente corresponde ao território da moderna Turquia.
8
Região correspondente à costa ocidental da Índia.
9
Libra é uma unidade de peso utilizada nos países anglo-saxônicos e que corresponderia nos dias de
hoje a aproximadamente 0, 453 gramas.
PERSPECTIVA, Erechim. v.35, n.132, p.55-64, dezembro/2011
63
César Luiz Jerce da Costa Junior - Luciane Gressana
10
11
O Doge era a autoridade máxima na hierarquia política da República de Veneza.
Os Protocolos dos Sábios de Sião é uma obra marcadamente antissemita que acusa os judeus de
objetivarem o domínio do mundo, através de uma articulação financeira. Sua origem é incerta, mas é
provável que tenha sido forjado pela polícia secreta russa, a Okhrana, no início do século XX tratandose, portanto, de uma farsa.
Dramaturgo inglês contemporâneo de Shakespeare, sendo autor de, além de O Judeu de Malta, Tamerlão, Doutor Fausto e Dido, a Rainha de Cartago, entre outras.
12
13
A ponte do Rialto era o centro financeiro de Veneza.
Teólogo e filósofo medieval expoente da Escolástica, método que procurava conciliar a fé com a
filosofia.
14
AUTORES
César Luiz Jerce da Costa Junior - Licenciado em História pela Universidade Regional Integrada
- URI Campus de Erechim. E-mail: [email protected]
Luciane Gressana - Mestre em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande
do Sul. E-mail: [email protected]
REFERÊNCIAS
ATTALI, Jacques. Os judeus, o dinheiro e o mundo. São Paulo: Futura, 2008.
BLOOM, Harold. Shakespeare: A invenção do humano. Rio de Janeiro: Objetiva, 2000.
BRAUDEL, Fernand. O Mediterrâneo e o Mundo Mediterrânico Vol. II. Santelmo: Martins Fontes,
1984.
DELUMEAU, Jean. História do medo no Ocidente. São Paulo: Companhia de bolso, 2009.
LE GOFF, Jacques. Por Amor às cidades. São Paulo: Unesp, 1998.
______. As raízes medievais da Europa. Petrópolis: Vozes, 2007.
______. A Bolsa e a Vida: economia e religião na Idade Média. São Paulo: Brasiliense, 1989.
SCHEINDLIN, Raymond. História ilustrada do povo judeu. Rio de Janeiro: Ediouro, 2003.
SHAKESPEARE, William. O Mercador de Veneza. Porto Alegre: L&PM, 2008.
64
PERSPECTIVA, Erechim. v.35, n.132, p.55-64, dezembro/2011
Fly UP