...

A história não contada da Educação Financeira no Brasil

by user

on
Category: Documents
3

views

Report

Comments

Transcript

A história não contada da Educação Financeira no Brasil
A história não contada da Educação Financeira no Brasil
A história não contada da
Educação Financeira no Brasil
Fernando Cosenza Araujo1
Flavio Estevez Calife2
Introdução: do planejamento impossível ao possível
planejamento
O assunto educação financeira ganhou bastante relevância nos últimos anos.
Diversos agentes da sociedade, de empresas ao governo, têm investido no tema,
cada um à sua forma. A despeito do interesse geral, pouco se fala a respeito dos
motivos que alçaram o tema ao seu atual estágio. Olhando de forma retrospectiva,
a história da educação financeira no Brasil parece ter trilhado o caminho oposto do
que se poderia esperar,começou como sinônimo de dicas de investimento voltado
para aqueles já prósperos para apenas recentemente se tornar um recurso efetivo
de conquista da prosperidade.
Até o fim dos anos 1990, o assunto educação financeira concentrava-se nas
“dicas de investimento” dos especialistas em produtos do mercado financeiro, ensinando como preservar ou multiplicar recursos a partir da compra de títulos dos
bancos, títulos públicos ou ações das empresas. Essas dicas eram, e ainda são,
claramente voltadas àquelas pessoas que de alguma forma já possuem recursos
disponíveis que podem ser alocados por certo tempo em algum dos produtos existentes no mercado. O foco nesses casos nunca foi o de tentar mostrar o caminho
para a organização de um plano que resultasse em poupança.
Evidentemente, não se tratava apenas de uma escolha. Havia outras condições
que contribuíam para esse estágio. Altos índices de inflação, associados a baixa
bancarização, crédito escasso e pouco acesso à informação desenhavam um cenário em que o brasileiro médio não conseguia planejar sua vida financeira, nem
a curto ou a longo prazo. Na verdade, mal via a cor de seu dinheiro, que circulava
rapidamente na troca por produtos necessários para o dia a dia das famílias a fim
de evitar a inevitável perda do seu poder de compra. Qualquer planejamento era
praticamente impossível.
Portanto, é claro que o atraso ou a demora no tratamento mais aprofundado e
específico da educação financeira tem relação direta com a histórica instabilidade
econômica do país, que só foi resolvida com o advento do Plano Real em 1994.
Essa instabilidade afetou de forma determinante a capacidade de planejamento dos
Fernando Cosenza Araujo – Diretor de Marketing, Boa Vista SCPC. Mestre e Doutor em Administração Pública
pela EAESP-FGV.
Flavio Estevez Calife – Economista, Boa Vista SCPC. Mestre e Doutor em Finanças Públicas pela EAESP-FGV.
1
2
1
Otimização na Recuperação de Ativos Financeiros
brasileiros e minou por muitos anos qualquer tentativa de conceitos relacionados ao
planejamento e gestão de orçamentos familiares ou domésticos.
Com a melhora da situação econômica a partir de 1999, alguns determinantes
importantes para o conceito e a prática da educação financeira começaram a mudar. Dois deles foram bastante relevantes nesse período: o controle da inflação e a
expansão da bancarização. O gráfico abaixo nos dá uma ideia sobre a relação entre
o crescimento rápido desta bancarização e a redução dos níveis de preços.
Fonte: Febraban e IBGE
O crédito foi o terceiro determinante da trajetória da educação financeira. Veio
com força um pouco mais tarde, na esteira das melhores condições macroeconômicas, do ganho de renda - primeiramente por conta do fim do “imposto inflacionário”, mais tarde pelo avanço da atividade econômica – e, recentemente, do
emprego formal. Nesse período, fomos testemunhas de uma verdadeira revolução,
com a grande disseminação do crédito por diversos setores da economia.
Esses fatores associados permitiam ao brasileiro de renda média a oportunidade
de compreender o conceito de planejamento financeiro. O que antes era impensável, passou a ser plausível. Mas o cenário completo que passaria a governar a
educação financeira ainda teria a influência de outras “peças”: um nascente debate
sobre a importância do comportamento individual na definição da prosperidade
financeira e o comportamento efetivamente adotado pela maior parcela dos consumidores emergentes, que diante da possibilidade de resgatar décadas de exclusão
econômica usou as melhores condições de emprego e renda e, em especial, o
crédito a sua disposição para financiar consumo. No entanto, isso foi feito sem o
devido desenvolvimento da prática e da familiaridade com o conceito do planejamento, conforme abordaremos mais adiante.
2
A história não contada da Educação Financeira no Brasil
Na teoria, a influência de um debate nascente
Assim que as condições reais começavam a permitir que planejamento financeiro fosse um objetivo possível para a classe média brasileira, começaram a surgir
obras que atendiam a essa demanda ainda incipiente por informações sobre como
chegar a prosperidade. Um divisor de águas na literatura sobre a educação financeira no Brasil, e que de certa forma começou a inserir a ideia de um raciocínio
voltado para a mudança de comportamento das pessoas em relação ao dinheiro,
foi o bestseller “Pai rico pai pobre”, dos autores americanos Robert T. Kiyosak e
Sharon Lechter, lançado no mercado brasileiro no ano 2000.
O livro não tem o objetivo de ensinar os fundamentos do planejamento financeiro com base na organização de receitas e despesas, mas concentra-se na importância que cada um deve ter na administração de seus ativos e passivos. Os ativos
são definidos como algo que produza renda ao longo do tempo, como aluguéis
de propriedades, ações de empresas e seus dividendos ou mesmo a participação
como proprietário em empresas. Os passivos, por sua vez, referem-se aos bens ou
ao consumo que geram gastos. Assim, considerando estas definições, quando a
renda por esses ativos exceder as despesas geradas pelos passivos podemos estar
adentrando a uma situação de independência financeira.
A simplicidade do método, familiarizando o conceito de finanças, como já mencionado, permitiu o grande sucesso do livro, levando-os a publicar outra obra na mesma linha, o livro “Independência Financeira”, que também ficou bastante popular no Brasil.
Nesta mesma abordagem, uma avalanche de obras surgiu no rastro dessas publicações.
Louis Frankenberg com o livro “Seu futuro financeiro” de 2000 e principalmente o
livro de Gustavo Cerbasi, “Casais inteligentes enriquecem juntos” de 2004, inauguraram a lista dos autores brasileiros a abordarem o tema com sucesso.Outras obras
internacionais também encontraram aqui nesse período aceitação importante, como
por exemplo, a obra de T. HarvEker, Os Segredos da Mente Milionária, de 2006.
É claro que existe uma grande gama de outros livros que abordam mais
meticulosamente o tema sobre finanças pessoais. Podemos considerar estes livros
apenas como sendo alguns exemplos sobre a base do que atualmente chamamos
de educação financeira em nosso país.Apesar dessa abordagem também ter como
ponto central a conquista da prosperidade como objetivo maior (objetivo esse que
por tantos anos ficou distante demais da realidade dos brasileiros de renda mais baixa), o que testemunhamos na prática foi o alçamento do consumo financiado pelo
crédito – ao invés de pelo planejamento - como sinônimo de progresso, de inclusão
e de sucesso na vida.
Na prática, o consumo como símbolo de prosperidade
Após uma década de ajustes na economia iniciados com a implantação do Plano Real, o país enfrentava uma situação inusitada. A inflação estava finalmente
controlada, o sistema financeiro mostrou-se sólido após uma série de abalos e
3
Otimização na Recuperação de Ativos Financeiros
ajustes, as contas públicas tornaram-se melhor controladas e o déficit externo finalmente começava a diminuir.
Os dividendos sociais adquiridos com a estabilização econômica eram inúmeros.
Somente com o controle da inflação houve aumento expressivo dos ganhos reais
para os trabalhadores. O país também começa a ganhar maior confiança dos agentes econômicos: com maior previsibilidade econômica, os investimentos se espalharam pelo país, seja pelo próprio planejamento orçamentário do Governo, seja
por parte das empresas já instaladas ou pela maior atratividade do ponto de vista
internacional. Mais firmas, mais empregados. E o desemprego começou também a
cair de forma consistente, pela primeira vez em décadas.
Em termos demográficos, houve uma considerável sorte, muito bem aproveitada. A sociedade experimentava cada vez mais os efeitos benéficos do chamado “bônus demográfico”, caracterizado pelo exponencial aumento da natalidade nas duas
décadas anteriores e que finalmente provia à sociedade indivíduos adultos aptos a
trabalhar e consequentemente gerar renda. Estima-se que só durante o período entre 1993 e 2011 cerca de 60 milhões de pessoas ingressaram na nova classe média,
Nesse contexto, a redução observada da pobreza leva um maior número de pessoas
a consumir, estimulando mais e mais a demanda na economia. Havia a sensação de
que finalmente o desenvolvimento econômico e social andavam juntos.
A partir de 2001 a economia internacional passou a viver um período de extrema
liquidez, efeito da política monetária americana que passava por uma crise moderada
e necessitava de incentivos para recuperar-se, inundando seu país de dólares e, concomitantemente, o mundo. Assim, a cotação do dólar que estava em patamares elevados
começou novamente a desvalorizar, de forma gradual, incentivando novamente o consumo de bens e suas ferramentas de acesso ao crédito. Em outras palavras, o barateamento do dólar frente ao real conseguiu desta maneira contribuir para um enorme
“boom” de consumo de produtos importados durante praticamente uma década inteira.
Com tantos dólares circulando de forma cada vez mais facilitada no país, as
exorbitantes taxas de juros estabelecidas pela autoridade monetária já não eram
necessárias para atração de reservas estrangeiras, de modo a garantir a estabilidade
econômica brasileira. De fato, os juros caíram e agiram como um impulso natural
ao crédito. Em outras palavras, a política monetária expansiva acabou possibilitando à uma parcela considerável da população o acesso ao mercado creditício.
Ao mesmo tempo, no próprio mercado de crédito, houve bastante empenho
do governo em atender uma série de solicitações reprimidas anteriormente pela
situação macroeconômica desfavorável. Melhorias normativas contribuíram de forma extremamente positiva para este mercado tão incipiente à época. Dentre as
melhorias, podemos citar como principais a Lei de Falências, a Lei de Alienação Fiduciária em garantia, desenvolvimento do crédito consignado, entre outros fatores.
A conjugação desses fatores permitiu que nos anos 2000, o saldo de crédito
do país crescesse a taxas próximas de 18% ao ano. Pela primeira vez o crédito se
4
A história não contada da Educação Financeira no Brasil
torna peça central da expansão do consumo no país. No gráfico a seguir podemos
observar o rápido aumento do ritmo do crescimento do crédito no período citado.
Fonte: BCB
A evolução do uso de crédito na vida do brasileiro toma um curso irreversível.
Uma parte da população, que em apenas alguns anos, se transformou predominantemente em classe média, agora demandava acesso às políticas tradicionais financeiras. Portanto, além de um aumento expressivo do consumo e maior bancarização
da população, houve por parte das empresas uma grande exploração deste nicho
de mercado, antes quase intocado. Fatores de oferta e demanda cresciam juntos.
Ainda assim, o ritmo deste crescimento não era totalmente coordenado. A rápida expansão das ferramentas de crédito, combinada com o pequeno histórico
de seu uso pela população consumidora acabou por colher resultados não muito
positivos para a saúde do sistema financeiro. A inadimplência cresceu e o mercado
de crédito, que começava a dar seus primeiros passos, sofreu um abalo.
Observando os dados disponibilizados pelo Banco Central, a série de inadimplência
de recursos livres destinados às pessoas físicas obtém um considerável aumento de
sua taxa ao longo de 2006, estabilizando-se no final deste ano e decaindo no ano
subsequente. Enquanto isso, o endividamento segue em franco crescimento e o
comprometimento de renda das famílias mantém-se praticamente estável.
A partir da análise conjunta destes dados, muitos analistas de mercado equivocadamente afirmam que endividamento causa inadimplência. No entanto, não há
evidência estatística que sustente esta afirmação e, de fato, as análises sugerem que
a inadimplência está muito mais ligada ao comprometimento de renda, isto é, à
parcela do fluxo de renda destinada ao pagamento de dívidas, do que ao próprio endividamento. Por exemplo, se observarmos o período subsequente à crise de 2008,
quando houve um novo pico de inadimplência (e também do comprometimento
5
Otimização na Recuperação de Ativos Financeiros
da renda), o endividamento segue com crescimento rápido enquanto a inadimplência cai vertiginosamente, contradizendo assim tais afirmações. Ademais, caso
este empirismo per se fosse de fato válido para constatação do real andamento do
mercado de crédito, neste período de análise conseguiríamos chegar à conclusão
diametralmente oposta, visto que o último biênio da série o endividamento continuou crescendo e a taxa de inadimplência andou na contramão desta tendência
(enquanto o comprometimento de renda diminui seu nível).
Estas foram as explicações levando em consideração somente as variáveis econômicas. Mas quais foram os possíveis fatos condicionantes dessas variáveis? No
primeiro pico de inadimplência deste período de análise (antes dessa data, somente
em 2002 houve maior inadimplência), em meados de 2006, o “tombo” levado pelos consumidores de crédito deu-se pela brusca elevação da taxa de juros realizada
pelo Banco Central, que no ano anterior subira a Selic de 16% para 20% e, em
consequência, elevou os juros dos empréstimos.
Já no segundo período de elevação, em 2008, diversos são os fatores que influenciaram a escalada de inadimplência. Entretanto, o principal, como já foi dito,
foi a crise mundial, que influenciou negativamente no mercado de trabalho interno
e acarretou em uma brusca interrupção da atividade econômica como um todo.
Com este fator exógeno, a “saúde do sistema” só se reestabeleceu quando incentivos governamentais surtiram efeito na economia, tanto fiscais como monetários.
No último período de pico de inadimplência, em 2011, a principal razão de
aumento foi ocasionado pela inadimplência das linhas destinadas ao financiamento
de veículos, que vivenciava uma inovação legal à época. Neste caso, o aprendizado foi mais por parte dos concedentes de crédito, em especial focada nos bancos
privados: um exagero no lado da oferta foi observado nos anos anteriores, sendo
necessária até mesmo uma parada ou rearranjo de crédito destas linhas e foco em
outras carteiras, mais seguras.
Nesse cenário, marcado pelo que alguns chamaram de “ressaca do crédito”,
coube a educação financeira o papel de falar sobre socorro e recuperação de crédito. Os programas que obtiveram grande visibilidade nesse período, como a “Acertando suas Contas” (www.acertandosuascontas.com.br), realizado em todo o Brasil
pela Boa Vista SCPC, tiveram suas origens na demanda do consumidor por socorro para “limpar seu nome”, embora a iniciativa mencionada tivesse incorporado a
importância de preparar o consumidor para a ideia da renegociação responsável e
da sustentabilidade do crédito. Mas, de fato, o tom do planejamento foi novamente
preterido pelo brasileiro durante esse período.
Os tombos, o aprendizado e a cautela
Diante da trajetória de alta da inadimplência, as empresas concedentes de crédito começaram a buscar cada vez mais por soluções que atenuassem o aumento
da inadimplência. A evolução das técnicas de análise de risco, o aumento da im-
6
A história não contada da Educação Financeira no Brasil
portância dos birôs de crédito, o aumento da capacidade preditiva dos modelos de
inadimplência e as melhorias na qualidade da gestão de risco nas instituições financeiras e no varejo começaram a amenizar o problema de assimetria informacional
entre clientes e empresas.
Ações como essas, adotadas pelos concedentes, tiveram papel central no desenho de um ecossistema de crédito que, a despeito dos picos de inadimplência que mencionamos, nunca chegou a possuir características mais graves, como
por exemplo a bolha de crédito imobiliário desencadeada pela crise dos subprime
EUA, em 2008.Como analisaremos mais adiante, elas colaboraram fortemente
com a reversão da tendência de alta da inadimplência e a efetiva queda desse indicador nos anos de 2012 e 2013, respectivamente.
Só para podemos ter uma ideia mais acurada sobre o que foi este movimento
de expansão do acesso ao crédito, seus ajustes decorrentes e sua situação atual,
vamos observar com mais detalhe os dados da taxa de inadimplência, endividamento e comprometimento de renda, desde dezembro de 2005, exibidos no gráfico a
seguir.
Fonte: BCB
Como consequência do aumento dos níveis de inadimplência, no período conseguinte houve grande empenho dos bancos públicos, suprindo a fragilizada oferta dos bancos privados. Com isto, também vimos aumentar as linhas de crédito
direcionadas, com menores níveis de inadimplência, amenizando a pressão geral
do sistema e também mitigando o risco dos ofertantes através da diversificação de
portfólio, reduzindo sua exposição concentrada em certas categorias.
Mais especificamente, as linhas que ganharam relevância no período e que mais
cresceram nos anos recentes para os consumidores foram financiamento imobiliário e rural nos recursos direcionados, enquanto nos recursos livres, a principal
modalidade foi a do crédito consignado, dentro do crédito pessoal. Como exemplo
da magnitude do crescimento, enquanto a totalidade do saldo de crédito cresceu
7
Otimização na Recuperação de Ativos Financeiros
14,7% em 2013, para o crédito rural este crescimento foi de 27,2%, enquanto
para o financiamento imobiliário a variação anual foi de 33,7%. Já o crédito consignado aumentou em 16,4% nesse mesmo ano.
Como consequência desse processo, com o crescimento da participação dos
bancos públicos, aumento da participação de linhas de crédito com menor inadimplência e rearranjo das carteiras dos bancos privados, a inadimplência do sistema
aos poucos foi diminuindo, tornando-o mais saudável, reconquistando confiança,
tanto dos concedentes quanto dos tomadores de crédito. O Indicador de Registros de Inadimplentes da Boa Vista-SCPC apontou a significativa queda dos novos
inadimplentes no sistema. Enquanto o resultado acumulado em 2011 chegou a
22,8% e a 4,5% ao final de 2012, em 2013 o indicador apontou queda de 0,3%.
Estava indiscutivelmente revertida a tendência de alta que acompanhou a expansão
do crédito desde o início do processo de expansão.
Fonte: Boa Vista Serviços
O novo perfil do consumidor
Para identificar esse comportamento atual do consumidor frente ao crédito,
a Boa Vista realizou uma pesquisa entre os dias 10 de fevereiro a 5 de março
de 2014. A intenção do levantamento foi conhecer a percepção do consumidor
acerca de questões relacionadas a crédito e consumo. Procurou-se fazer um levantamento de estratificação por classe social, utilizando o critério FGV 2012 (por
faixas de renda familiar). A amostra obtida foi de 967 respondentes, dos quais 44%
representam a classe C e 50%as classes D/E.
Em linhas gerais, a pesquisa mostrou um amadurecimento do consumidor, cada
vez mais protagonista de sua vida financeira, algo muito saudável em relação ao uso
do crédito e ao consumo. Fatores como mais acesso à informação, intensificação de
8
A história não contada da Educação Financeira no Brasil
ações de educação financeira por parte de agentes do mercado, mais oportunidades
de planejamento e de controle favoreceram esta evolução observada nos últimos anos.
Dos usuários que responderam ao questionário, 75% informaram fazer o controle de quanto gastam e ganham por mês. 34% responderam que conseguem guardar
dinheiro após pagar as contas, sendo a maioria deste esforço financeiro investido
na poupança (70%).Com relação às decisões de compra, 93% declaram estar mais
preparado do que estavam a 4 anos atrás, 84% mais conscientes sobre seus direitos,
e 65% sentem-se mais respeitados pelas empresas do que há quatro anos.
Concernente à aprendizagem do uso do crédito, observou-se um consumidor
mais maduro. A grande maioria, cerca de 80%, afirmou ter algum conhecimento
de como lidar com seu dinheiro, sendo mais expressivo ensinamento adquirido no
próprio lar.
Fonte: Boa Vista Serviços
Outro ponto que reforça o entendimento do consumidor sobre a problemática
que envolve lidar com financiamentos e seus custos, foi a observação das formas
de pagamento. A pesquisa indicou que 65% dos consumidores preferem realizar
o pagamento das compras à vista ou em parcela única (destes 40% no cartão de
débito, 29% com cartão de crédito, 26% com dinheiro e 5% com boleto e cheque).
Dos 35% que preferem pagar em prestações, 76% utilizam o cartão de crédito parcelado, 20% preferem carnê/boleto e cheque pré-datado, e 4% o cartão de débito.
A relação com o crédito também evoluiu de forma positiva na opinião dos
consumidores. Na pesquisa, 80% declaram que o acesso ao crédito está mais fácil hoje se comparado há quatro anos. Tais dados, apesar de apresentarem uma
contradição quando comparados ao real andamento do mercado de crédito – que
recentemente se tornou mais rigoroso nas concessões, em especial nas suas linhas
voltadas ao consumo – reforçam a hipótese de maior maturidade do consumidor,
que passou a utilizar mais intensamente linhas de crédito de longo prazo, como
financiamento de imóveis, por exemplo.
9
Otimização na Recuperação de Ativos Financeiros
Neste sentido, as tendências de consumo também foram abordadas no levantamento. Os principais sonhos de consumo com previsão de compra para os próximos 12 meses dos participantes priorizou o investimento de longo prazo: de
todas as respostas (sendo possível responder mais de uma questão, 39% desejam
comprar imóvel, 36% comprar carro, 33% móveis/reforma da casa, 17% tablet/
celular, 12% TV, 8% eletrodomésticos, 5% para moto e 3% Som/DVD). Para os
bens de maior valor, aproximadamente 70% dos consumidores declaram que a
compra seria parcelada. Em relação ao parcelamento, 60% avaliariam juros e a
diferença com o preço à vista, e 40% o valor e quantidade das parcelas. Ou seja, o
uso do crédito, não só pela observação do comportamento passado, mas também
pelas intenções de compra apontam para um ambiente de crédito cada vez mais
saudável, com alongamento dos prazos e linhas que comprometem cada vez menos a renda do consumidor com pagamento de juros.
Fonte: Boa Vista Serviços
Em resumo: uma história de trás para frente
Discorremos sobre algumas variáveis que refletem a atual dinâmica do mercado de crédito. Como vimos os meandros que este rio percorreu até chegar a este
estágio, saudável e proeminente não foram poucos e muito menos, fáceis. Houve
de maneira geral (e resumida), um principal fator modelador desse nosso mercado,
que foi a conscientização da importância do crédito para o desenvolvimento da
sociedade. Há de se ressaltar: este aprendizado, tanto do lado dos ofertantes de
crédito como a de sua contraparte, a de seus demandantes, não foi instantâneo
e tampouco indolor, mas foi um passo muito importante para continuarmos a
melhorar nosso ambiente, não só econômico, mas também social, distribuindo as
riquezas geradas em conjunto com a sociedade.
10
A história não contada da Educação Financeira no Brasil
A história da educação financeira no Brasil precisa ser entendida no contexto
aqui apresentado. Entre os fatores determinantes das diversas etapas da evolução
da educação financeira no país destacamos aqui o papel da estabilidade econômica
e monetária, a grau de bancarização da sociedade, as condições do mercado de trabalho, a evolução do mercado de crédito e o papel da informação para aprimorar
o acesso dos consumidores às orientações financeiras.
Podemos afirmar que no processo de construção da educação financeira do
consumidor brasileiro, passamos por três fases bem definidas. Na primeira fase, as
orientações financeiras eram direcionadas para consumidores com renda disponível,
preocupados principalmente com o destino de seus investimentos, com vistas à independência financeira ou a uma aposentadoria mais tranquila. Os guias de investimento dominavam o mercado, e o ambiente econômico mais incerto ainda dificultava a
bancarização dos indivíduos, a renda real quase não crescia, o crédito não conseguia
deslanchar, reduzindo o potencial de consumo e planejamento da sociedade.
Com a estabilidade monetária e a melhora das condições econômicas internas
e externas, o mercado de trabalho evoluiu consideravelmente e um ambiente favorável para a expansão do crédito foi criado. Entramos assim em uma segunda fase,
em que o consumo passa a ser peça-chave do crescimento do país e o maior símbolo de ascensão social, inclusão econômica e sucesso na vida. O consumidor emergente, que teve seus desejos de consumo represados por tantas décadas, lança-se
às compras, aproveitando as facilidades do crédito. Mesmo com pouca prática e
informação, utiliza diversas modalidades de crédito para aquisição de roupas, calçados, eletroeletrônicos, automóveis, viagens e imóveis. O resultado é o aumento do
endividamento e da inadimplência, levando a educação financeira a ser ferramenta
de socorro de milhões de inadimplentes e de endividados além do razoável.
Mas no bojo na segunda fase estão as origens da fase seguinte. As consequências da inadimplência tornam concedentes mais rigorosos e tomadores de crédito
mais cautelosos. Fica claro que os efeitos do uso do crédito sem planejamento é
prejudicial para todos. A alta da inadimplência gera perdas para os emprestadores,
que apertam o cinto para novas concessões. Os consumidores preocupados usam
os resultados do período como aprendizado e passam a ficar mais contidos, mais
cientes de seus limites e mais interessados em programas que melhorem a sua relação com o dinheiro no longo prazo. Fica, portanto, aberta a oportunidade para
que, finalmente, a educação financeira promova o planejamento como caminho
sustentável para a prosperidade.
Assim, após mais de duas décadas, a educação financeira chega a sua verdadeira vocação: promover, de forma proativa, uma relação saudável do brasileiro com
o dinheiro. Nesse contexto, o assunto tem enorme potencial para contribuir com a
construção de uma economia muito mais sólida onde o melhor sinônimo de prosperidade é o equilíbrio no hoje e a conquista de patrimônio no futuro.
11
Fly UP