...

Célula cancerosa é célula doente em sofrimento lutando para

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

Célula cancerosa é célula doente em sofrimento lutando para
Célula cancerosa é célula doente em sofrimento
lutando para sobreviver e necessitando de cuidados,
não extermínio
José de Felippe Junior
“A ignorância é um pesado fardo que fica mais leve enquanto aprendemos” JFJ
“A história da medicina nos ensina que para os problemas mais sérios as soluções
encontradas e que realmente funcionaram foram as mais simples” JFJ
“Câncer não é doença e sim mecanismo de sobrevivência de células em sofrimento”
JFJ
“Câncer é estratégia de sobrevivência celular”JFJ
“As células neoplásicas são carne da nossa própria carne e assim possuem todos os
mecanismos de sobrevivência que nós adquirimos nos bilhões de anos de Evolução” JFJ
“O tumor visível é apenas o sintoma de um organismo doente” Autor Desconhecido
“A verdadeira causa das doenças e a MEDICINA ainda não fizeram as pazes. É porque
a MEDICINA ainda é muito jovem. E o que dizer dos tratamentos” JFJ
“As enfermidades são muito antigas e nada a respeito delas mudou. Somos nós que
mudamos ao aprender a reconhecer nelas o que antes não percebíamos” Charcot
“Toda doença tem causa – o câncer também “ “Se não tirarmos o motivo da doença: a
doença continua no corpo” Autor desconhecido – 6000 anos aC
A célula cancerosa não é célula maligna e sim célula doente tentando a todo
custo sobreviver. Sendo carne da nossa própria carne ela utiliza todos os mecanismos de
sobrevivência adquiridos durante os 3,8 bilhões de anos de Evolução no planeta.
Quando um grupo de células é atingido por estresse moderado, contínuo e de
longa duração, seja interno ou externo, físico, químico ou biológico, elas começam a
sofrer e lentamente caminha para um estado de alta entropia e baixo grau de ordem –
informação, até atingir um “estado de quase morte”- “ponto crítico de sobrevivência”.
Neste momento são colocados em ação mecanismos anciãos de sobrevivência celular,
justamente aqueles que mantiveram vivos os seres humanos durante a Evolução no
planeta Terra.
No início do sofrimento acontece vagarosamente o aumento da desestruturação
da água intracelular com aumento da água livre e diminuição da água estruturada. Esta
alteração é utilizada para diagnóstico do tumor por Ressonância Nuclear Magnética.
Logo depois vem a hiperpolarização da membrana mitocondrial (DeltaPsi-mt)
com impedimento respiratório e diminuição da geração de ATP via fosforilação
oxidativa. A seguir cai o potencial de membrana (Em), o antiporter Na+/H+ é
drasticamente ativado e provoca alcalinização intracelular e acidificação peritumoral. A
alcalinização ativa as enzimas glicolíticas, aumentando a velocidade de proliferação e a
acidificação ativa metaloproteinases que abrem caminho para as células recém-formadas.
Neste momento impera a glicólise anaeróbia que envia ATP para o núcleo, onde acontece
o aumento da expressão das ciclínas do ciclo celular, a ativação dos assim chamados
oncogenes e começa a multiplicação mitótica.
Este aumento da glicólise anaeróbia significa que a célula tumoral é ávida por
glicose, muito mais ávida que as células normais. Esta alteração é que possibilita o
diagnóstico do tumor usando o PET-SCAN com FDG-18 (tomografia de emissão de
pósitrons com glicose marcada com isótopo radioativo). Desta forma, os pacientes com
tumores de alta captação de glicose devem evitar o açúcar branco e farinha branca
para não alimentar ainda mais o tumor.
Embora o número de ATPs pela via glicolítica seja menor por mol de glicose,
ela é rápida, muito rápida. Desta forma, esse grupo de células, carne da nossa própria
carne, em “estado de quase morte” e em um “ponto crítico de sobrevivência”, para não
morrer começa a se multiplicar. Multiplicam-se simplesmente para sobreviver e de
fundamental importância manter o seu patrimônio mais antigo e mais precioso, a sua
identidade, o bem maior, o genoma.
“Não são células malignas, são células em vias de morrer lutando para sobreviver”
Tais células se transformam em verdadeiras células malignas de difícil controle
quando são submetidas a outros tipos de forte estresse externo como a cirurgia,
quimioterapia citotóxica e a radioterapia. Aqui elas adquirem um fenótipo muito
resistente e passam a agir de modo autônomo, porque atingiram o grau máximo de
sobrevivência e já não possuem a expressão gênica antiga. O seu genoma tornou-se
diferente, individualista e elas agora não pertencem ao conjunto harmônico do
organismo original. Estas células submetidas à quimioterapia e ou radioterapia
atingiram o grau máximo de entropia e mínimo de ordem-informação estando aptas
somente à mitose proliferativa, redentora de suas vidas, em uma multiplicação suicida
que leva o organismo à falência.
As principais causas do câncer são externas: intoxicação / contaminação por
metais (chumbo, níquel, mercúrio, cádmio, titânio, urânio, etc.), excesso de ferro e de
cobre, agrotóxicos, pesticidas, tabaco, flúor, xenobióticos, radiações eletromagnéticas,
radiações ionizantes, zonas geopatogênicas, infecções virais, bacterianas, fúngicas,
infecção por bactérias sem membrana (stealth bacteria ou bactérias ciclogênicas ou
pleomórfica ou L-formas), etc... Existem fatores internos que desencadeiam o câncer
quando o organismo já foi atingido pelas causas externas: estresse metabólico, oxidativo
e inflamatório.
Lembremos que a quimioterapia citotóxica é paliativa e contribui nos EEUU em
somente 2.1% e na Austrália em apenas 2,3% para o aumento da sobrevida de 5 anos
nos 22 tumores sólidos mais frequentes dos adultos. Este estudo envolveu quase 250 mil
pacientes tratados nos melhores centros de referência em cancerologia (Morgan G,
Wardt R & Barton M- 2004). A credibilidade no estudo aumenta porque os dados dos
pacientes foram somente coletados de trabalhos randomizados e controlados de metaanálises ou revisões sistemáticas que reportavam sobrevida de 5 anos e ainda publicados
em revistas científicas médicas de excelente nível. Muito importante é que foram
afastados os pacientes que não apresentavam condições de sobreviver 5 anos, quer
dizer, a indicação foi curativa e não paliativa.
É importante atentar que a sobrevivência de 5 anos para os pacientes
diagnosticados com câncer na Austrália foi de 63,4% no período do estudo. O que
estamos escrevendo aqui é a contribuição da quimioterapia citotóxica na sobrevida de 5
anos.
Autores sérios e sem conflito de interesse, isto é, aqueles que não recebem
proventos da Indústria Farmacêutica, afirmam que as drogas quimioterápicas geralmente
estão desenhadas no velho conceito de "combater o DNA". Assim sendo, nos últimos 60
anos persiste o velho modo de tratar o câncer atacando o DNA e deste modo
invariavelmente os tratamentos continuam a fracassar (Gajate-2002, Bhujwalla-2001 in
Gillies-2001). Outros autores independentes do mesmo grau de seriedade afirmam que os
quimioterápicos são geralmente os responsáveis por exacerbar o fenótipo maligno por
induzir parada da apoptose e desta maneira facilitar a progressão do câncer (Torigoe2002, Rockwell-2001).
Nas palavras de Morgan, Wardt e Barton: “O mínimo impacto da quimioterapia
citotóxica sobre a sobrevida de 5 anos nos cânceres mais comuns, conflita com a
percepção de muitos pacientes que sentem estar recebendo tratamento que aumentará
significantemente suas chances de cura. Em parte, isto reflete a apresentação dos
resultados pelos oncologistas como redução no risco mais do que um benefício absoluto
na sobrevivência e por exagerarem as respostas dos pacientes com doença estável ”.
Continuando os ensinamentos dos autores: “É quase certeza afirmar que se os
pacientes soubessem o quão insignificante é o aumento da sobrevida com a quimioterapia,
não a escolheriam”. O médico quimioterapeuta apresenta os resultados de um tratamento
novo dizendo: “com este tratamento conseguimos aumentar o dobro a sua sobrevivência”.
Ele somente explica os dados relativos, não os absolutos. Na verdade, uma eficácia de 1%
que passa para 2% é o dobro aritmético da eficácia, todo este parágrafo nas palavras dos
professores de oncologia clínica, radioterapia e estatística médica os doutores Graeme
Morgan, Robyn Wardt e Michael Barton.
Apesar das drogas novas e ditas melhores, das diversas combinações e a adição
de novos agentes, continuam os efeitos colaterais que diminuem a qualidade de vida:
neutropenia com sepse, pneumonia grave, enjoo, vômitos, diminuição do apetite,
emagrecimento, fraqueza geral, nefrotoxicidade, cardiotoxicidade, neurotoxicidade,
diminuição da cognição, fibroses com dores lancinantes, etc...
Os fatos acima são observados frequentemente no consultório dos profissionais
que praticam medicina interna. Os pacientes chegam sem apetite, com extremo cansaço,
muita dor e a indicação dos especialistas em câncer nestes casos são os cuidados
paliativos e o diagnóstico deles é: paciente “Resistente a Múltiplas Drogas”, como se a
responsabilidade por esse fato fosse do paciente. É o famoso paciente “MDR”.
Apesar da baixa eficácia em aumentar a sobrevida os quimioterapeutas
prescrevem um segundo, um terceiro, um quarto conjunto de drogas citotóxicas, quando
sabem muito bem que as respostas serão mínimas e a doença progressiva. Sabe-se
também que respostas de melhoria abaixo de 15% podem ser devidas unicamente a efeito
placebo e este fato geralmente não é comentado (Morgan, Wardt & Barton- 2004).
Em vista do mínimo impacto da quimioterapia citotóxica na sobrevida de 5 anos
e a falta de progressos sólidos nos últimos 20 anos, conclui-se que a principal indicação
da quimioterapia seja para tratamento paliativo e não curativo.
Vamos escrever mais uma vez: É importante atentar que a sobrevida de 5 anos
para os pacientes diagnosticados com câncer sólido de adultos na Austrália gira ao redor
de 63,4%. O que estamos alertando aqui é a contribuição da quimioterapia citotóxica no
aumento da sobrevida de 5 anos, que nos adultos australianos é de apenas 2,3% segundo
os autores da pesquisa.
Conclusão
Estamos cada dia mais próximos de um novo tempo, em que conhecendo o
funcionamento das células normais na sua intimidade poderemos encarar o organismo
de uma forma mais racional, mais inteligente. E, se conhecermos melhor a fisiologia da
célula normal consequentemente estaremos muito perto de saber o que é uma célula dita
cancerosa, que na verdade são células doentes necessitando de cuidados e não de
extermínio.
Não é célula maligna, é célula doente.
Quando éramos seres unicelulares lá nos tempos remotos da Evolução
conseguimos nos manter vivos graças aos mecanismos de sobrevivência adquiridos
durante a Evolução. As células neoplásicas sendo “carne da nossa própria carne”
possuem mecanismos idênticos aos que garantiram a nossa sobrevivência durante o
processo de evolução, estando tão aptas quanto as células normais a sobreviver nas
condições mais adversas possíveis.
Quando um grupo de células do corpo começa a sofrer, algumas morrem;
entretanto, a maioria coloca em ação os mecanismos de sobrevivência adquiridos nos
tempos remotos. Não são células cancerosas ou malignas são células doentes lutando
bravamente para permanecerem vivas e o único modo que restou foi proliferar
desesperadamente.
Vamos cuidar e não matar as células neoplásicas fornecendo a elas o que
necessitam para voltarem a conviver no ambiente social de um corpo saudável: afastar o
fator causal e permitir a evolução destas células para o natural destino das nossas células
normais - vida e depois, morte celular programada - apoptose.
Urge o encontro de estratégias terapêuticas simples, eficazes e humanas.
Nós como médicos vamos seguir o lema:
“Deixar de aprender é omitir socorro”
“Não vamos desistir desta luta” porque “No mundo não há fracassados e sim
desistentes” Confúcio
Referências
1- Bhujwalla Z.M., Artemov D., Abooagye E., Ackerstaff E., Gillies R.J., Natarajan K., Solaiyappan M., The
physiological environ-ment in cancer vascularization, invasion and metastasis, in: R.J. Gillies (Ed), The Tumor
Microenvironment: Causes and Consequences of Hypoxia and Acidity, Novartis Found. Symp., vol. 240, John
Wiley and Sons, Chichester, NY, pp. 23-38; 2001
2- Gajate C., Mollinedo F., Biological activities, mechanisms of action and biomedical prospect of the antitumor
ether phospholipid ET-18-OCH3 (Edelfosine), a proapoptotic agent in tumor cells, Curr. Drug Metab. 3 491525; 2002.
3- Felippe J Junior. Interrupção do ciclo celular com aumento da apoptose de células de câncer induzido por
hiperosmolalidade com cloreto de sódio hipertônico: relato de caso e revisão da literatura. Revista Brasileira de
Oncologia Clínica, 6(18):23-28,2009.
4- Felippe J Junior. Carcinoma neuroendócrino metastático do pâncreas – o valor do pH intracelular e peritumoral : relato de caso e revisão da literatura. Revista Brasileira de Oncologia Clínica, 24-30,2010.
5- Felippe JJ. Estratégia Terapêutica de Indução da Apoptose, da Inibição da Proliferação Celular e da Inibição
da Angiogênese com a Oxidação Tumoral Provocada por Nutrientes Pró Oxidantes. Revista Eletrônica da
Associação Brasileira de Medicina Biomolecular. www.medicinabiomolecular.com.br. Tema do mês de
fevereiro de 2003.
6- Felippe JJ. Eficácia da Indução Oxidante Intracelular e da Aplicação de Radio Freqüência no Tratamento do
Câncer: Estratégia Química e Física. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular.
www.medicina biomolecular.com.br. Tema do mês de abril de 2003.
7- Felippe JJ. Estratégia terapêutica de indução de apoptose, de inibição da proliferação celular e de inibição da
angiogênese com a oxidação intratumoral das células cancerosas. Revista eletrônica da Associação Brasileira de
Medicina Biomolecular. www.medicina biomolecular.com.br.
8- Felippe JJ . Eficácia da indução oxidante intracelular e da aplicação de radio frequência no tratamento do
câncer : Estratégia Química e Física. . Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular,
www.medicinabiomolecular.com.br. Biblioteca de Câncer – 2004.
9- Felippe JJ. Estratégia Oxidante Nutricional Antineoplásica Revista Eletrônica da Associação Brasileira de
Medicina Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer – 2004.
10- Felippe JJ. O Controle do Câncer com um Método Muito Simples e Não Dispendioso : Provocar a
Hiperpolarização celular com Dieta Pobre em Sódio e Rica em Potássio. Estratégia Química e Física. Revista
Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br. Tema do
mês de janeiro de 2004.
11- Felippe JJ. Tratamento do Câncer com medidas e drogas que Inibem o fator nuclear NF-kappaB. Revista
Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular. www.medicinabiomolecular.com.br. Tema do
mês de fevereiro de 2004.
12- Felippe JJ. Substância Fundamental: Elo Esquecido no Tratamento do Câncer. Revista Eletrônica da
Associação Brasileira de Medicina Biomolecular. www.medicinabiomolecular.com.br. Tema do mês de março
de 2004.
13- Felippe JJ. Fluidez da Membrana: possivelmente o ponto mais fraco das células malignas. Revista Eletrônica
da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular. www.medicinabiomolecular.com.br. Tema do mês de maio
de 2004.
14- Felippe JJ. Metabolismo da Célula Tumoral - Câncer como um Problema da Bioenergética Mitocondrial :
Impedimento da Fosforilação Oxidativa - Fisiopatologia e Perspectivas de Tratamento. Revista Eletrônica da
Associação Brasileira de Medicina Biomolecular. www.medicinabiomolecular.com.br. Tema do mês de agosto
de 2004.
15- Felippe JJ. Metabolismo das Células Cancerosas: A Drástica Queda do GSH e o Aumento da Oxidação
Intracelular Provoca Parada da Proliferação Celular Maligna, Aumento da Apoptose e Antiangiogênese Tumoral
Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular. www.medicinabiomolecular.com.br.
Tema do mês de setembro de 2004.
16- Felippe JJ . Estratégia Oxidante Nutricional Antineoplásica . Revista Eletrônica da Associação Brasileira de
Medicina Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer. Janeiro. Tema da semana de
30/10/04.
17- Felippe JJ . Nicotinamida : Relevante papel na prevenção e no tratamento da carcinogênese humana, porque
regula o NAD+ celular . Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular,
www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema da semana de 27/12/04.
18- Felippe JJ . Direito de Tratar o Paciente como um Ser Humano Único e Individual Revista Eletrônica da
Associação Brasileira de Medicina Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer.
Janeiro. Tema do mês de Janeiro de 2005.
19- Felippe JJ . Estratégia Terapêutica para induzir a oxidação intratumoral, inibir o NF-kappaB, aumentar a
fluidez de membrana, demetilar o DNA, acetilar o DNA, ativar a delta-6 desaturase e aumentar a oxigenação
tissular para provocar : apoptose, inibição da proliferação celular e inibição da angiogênese das células
transformadas. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular,
www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer. Janeiro. Tema da semana de 03/01/05.
20- Felippe JJ. Estão Contra Indicados nos Pacientes com Câncer .Revista Eletrônica da Associação Brasileira de
Medicina Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema da semana de
17/01/05.
21- Felippe JJ. A hipoglicemia induz citotoxidade no carcinoma de mama resistente à quimioterapia. Revista
Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular. www.medicinabiomolecular.com.br. Tema do
mês de fevereiro de 2005.
22- Felippe JJ . Micronutrientes e Elementos Traço no Câncer. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de
Medicina Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema da semana de
21/02/2005.
23- Felippe JJ. A hiperinsulinemia é importante fator causal do câncer e o seu controle possui valor na prevenção
e tratamento desta doença metabólica ou O Pão branco : o assassino oculto. Revista Eletrônica da Associação
Brasileira Medicina Biomolecular . www.medicinabiomolecular.com.br. Tema do mês de abril de 2005.
24- Felippe JJ. A insulinemia elevada possui papel relevante na fisiopatologia do infarto do miocárdio, do
acidente vascular cerebral e do câncer. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular.
www.medicinabiomolecular.com.br. Tema do mês de abril de 2005. 01/04/05
25- Felippe JJ . Prevenção de Infecção Hospitalar com o Imunoestimulante: Glucana Revista Eletrônica da
Associação Brasileira de Medicina Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Doenças.
Tema da semana de 04/04/05.
26- Felippe JJ. O pão branco, a farinha branca e os doces facilitam o aparecimento do câncer . Revista Eletrônica
da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer.
Maio – 2005.
27- Felippe, J.J. Câncer: população rebelde de células esperando por compaixão e reabilitação. Revista
Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular . www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca
de Câncer. Tema da semana de 16/05/05.
28- Felippe JJ . Medicina Arte de Prevenir . Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina
Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Doenças. Tema da semana de 23/05/05.
29- Felippe JJ. Os antioxidantes diminuem a eficácia da quimioterapia anticâncer. Revista Eletrônica da
Associação Brasileira de Medicina Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de
Câncer.Tema da semana de 30/05/05
30- Felippe JJ . O Fator de Crescimento Semelhante à Insulina (IGF-I) aumenta a proliferação celular, diminui a
apoptose das células malignas, promove a angiogênese tumoral e facilita o aparecimento e a manutenção de
vários tipos de câncer. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular,
www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema do mês de Agosto - 2005.
31- Felippe JJ Hiperplasia endometrial atípica e hiperinsulinismo .Revista Eletrônica da Associação Brasileira de
Medicina Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema da semana de
01/08/05.
32- Felippe JJ. O álcool perílico e as limoninas são agentes anticâncer: diminuem a proliferação celular,
aumentam a apoptose, diminuem a neoangiogênese tumoral e induzem a diferenciação celular . Revista
Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca
de Câncer. Tema da semana de 08/08/05.
33- Felippe, JJ. A vitamina B1 – tiamina – é contra indicada no câncer porque aumenta a proliferação celular
maligna via ciclo das pentoses : contra-indicação formal. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de
Medicina Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema da semana de
15/08/05
34- Felippe JJ . Somatostatina: efeitos anticâncer ligados ao seu papel no metabolismo dos carboidratos porque
ela inibe as enzimas glicose-6-fosfatodehidrogenase e transcetolase . Revista Eletrônica da Associação Brasileira
de Medicina Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema da semana de
22/08/05 .
35- Felippe JJ A Insulina Exógena Aumenta a Eficácia da Quimioterapia no Câncer: IPT - Insulin Potentiation
Therapy . Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular,
www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer. Dezembro -2005.
36- Felippe JJ. Efeitos da vitamina K no câncer : indução de apoptose e inibição da proliferação celular maligna .
Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br .
Biblioteca de Câncer. Tema da semana de 01/05/06.
37- Felippe JJ . Selênio: diminui a proliferação celular maligna, inibe a angiogênese tumoral e provoca apoptose.
Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br .
Biblioteca de Câncer.Tema da semana de 08/05/06
38- Felippe JJ. Efeitos da deficiência de cobre no câncer : antiangiogênese . Revista Eletrônica da Associação
Brasileira de Medicina Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema da
semana de 26/05/06
39- Felippe JJ. Efeitos do vanádio no câncer: indução de apoptose e inibição da proliferação celular maligna .
Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br .
Biblioteca de Câncer. Tema da semana de 01/06/06.
40- Felippe JJ. Efeitos da vitamina B12 ( hidroxicobalamina) no câncer: indução de apoptose . Revista
Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca
de Câncer. Tema da semana de 05/06/06.
41- Felippe JJ. Efeitos da vitamina D no câncer: indução da apoptose, inibição da proliferação celular maligna e
antiangiogênese Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular,
www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema da semana de 12/06/06.
42- Felippe JJ. Efeito dos Ácidos Graxos Poli Insaturados no câncer: indução de apoptose, inibição da
proliferação celular e antiangiogênese. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular,
www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema da semana de 19/06/06
43- Felippe JJ . Naltrexone e câncer. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular,
www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema da semana de 23/10/06.
44- Felippe JJ . Disulfiram e câncer.Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular,
www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema da semana de 30/10/06.
45- Felippe JJ. Benzaldeído e Câncer : leucemia mielocítica aguda, linfoma maligno, mieloma múltiplo,
leiomiosarcoma e carcinomas de língua, parótida, pulmão, mama, esôfago, estomago, fígado, pâncreas, colon,
reto, rins, cérebro, bexiga e seminoma de testículo. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina
Biomolecular . www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema de novembro de 2006.
46- Felippe. JJ . Molibdênio e Câncer. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular,
www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer Tema da semana de 06/11/06.
47- Felippe JJ. Ácido linoleico conjugado (CLA) e câncer: inibição da proliferação celular maligna, aumento da
apoptose e diminuição da neoangiogênese tumoral. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina
Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer.Tema da semana de 13/11/06
48- Felippe JJ . Óleo de peixe ômega-3 e câncer : diminuição da proliferação celular maligna, aumento da
apoptose, indução da diferenciação celular e diminuição da neoangiogênese tumoral. Revista Eletrônica da
Associação Brasileira de Medicina Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer.
Tema da semana de 20/11/06.
49- Felippe, JJ. Genisteína e câncer : diminui a proliferação celular maligna, aumenta a apoptose, suprime a
neoangiogênese e diminui o efeito dos fatores de crescimento tumoral. Revista Eletrônica da Associação
Brasileira de Medicina Biomolecular . www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema da
semana de 27/11/06.
50- Felippe JJ . Glicose-6-fosfatodehidrogenase (G6PD) e câncer : a inibição da enzima diminui drasticamente a
proliferação celular maligna, aumenta a apoptose e suprime os efeitos de fatores de crescimento tumoral. Revista
Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca
de Câncer . Tema do mês de Dezembro - 2006.
51- Felippe JJ . Alcaçuz (Glycyrrhiza glabra) e câncer : inibição da proliferação celular maligna com aumento
drástico da apoptose . Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular,
www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer . Tema do mês de janeiro de 2007.
52- Felippe JJ . Dicloroacetato e Câncer: Aumenta a Apoptose e Diminui a Proliferação Celular Maligna .
Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br .
Biblioteca de Câncer. Tema do mês de maio de 2007.
53- Felippe JJ. Câncer: Tratamento com Radio Frequência e Oxidação Sistêmica. Revista Eletrônica da
Associação Brasileira de Medicina Biomolecular. www.medicinabiomolecular.com.br. Tema do mês de junho de
2007.
54- Paula Viñas e Felippe JJ . Plantas que auxiliam no tratamento do câncer . Revista Eletrônica da Associação
Brasileira de Medicina Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema da
semana de 12/12/05.
55- Paula Viñas e Felippe JJ . Plantas com efeito na prevenção do câncer . Revista Eletrônica da Associação
Brasileira de Medicina Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema da
semana de 12/12/05.
56- Felippe Jr. Os genes do núcleo funcionam apenas com o ATP gerado na glicólise anaeróbia porque o ATP
celular é compartimentalizado: no câncer o impedimento da fosforilação oxidativa muda o metabolismo para o
ciclo de Embeden-Meyerof que é o verdadeiro motor do ciclo celular proliferativo. Revista Eletrônica da
Associação Brasileira de Medicina Biomolecular, www.medicinabiomolecular.com.br. Tema de outubro de
2010.
57- Felippe Jr. Desaparecimento total ou parcial do glioblastoma multiforme em humanos com tratamento
convencional acrescido de estratégias que aumentam o ATP mitocondrial: dieta cetogênica ou dicloroacetato de
sódio. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular,
www.medicinabiomolecular.com.br. Tema de novembro de 2010.
58- Morgan G, Wardt R & Barton MThe contribution of cytotoxic chemotherapy to 5-year survival in adult
malignances. Clinical Oncology (2004) 16:549-560.
59- Rockwell S., Yuan J., Peretz S., Glazer P.M., Genomic instability in cancer, in: R. Gillies (Ed.), The tumor
Microenvironment: Causes and Consequences of Hypoxia and Acidity, Novartis Found. Symp., vol 240, John
Wiley and Sons, Chichester, NY, pp. 133-142; 2001.
60- Torigoe T., Izumi H., Ise T., Murakami T., Uramoto H., Ishiguchi H., Yoshida Y., Tanabe M., Nomoto M.,
Kohno K., Vacuolar H+ -ATPase: functional mechanisms and potential as a target for cancer chemotherapy,
anti-cancer Drugs 13 237-243; 2002
Fly UP