...

UMA ESTRUTURA COMPOSICIONAL PARA DOIS GÊNEROS: A

by user

on
Category: Documents
3

views

Report

Comments

Transcript

UMA ESTRUTURA COMPOSICIONAL PARA DOIS GÊNEROS: A
www2.fsanet.com.br/revista
Revista FSA, Teresina, v. 10, n. 2, art. 13, pp. 222-245, Abr./Jun. 2013
ISSN Impresso: 1806-6356 ISSN Eletrônico: 2317-2983
http://dx.doi.org/10.12819/2013.10.2.13
UMA ESTRUTURA COMPOSICIONAL PARA DOIS GÊNEROS: A NOTÍCIA E A
NOTÍCIA SATÍRICA
A COMPOSITIONAL STRUCTURE FOR TWO GENRES: NEWS AND SATIRICAL
NEWS
Emanoel Barbosa de Sousa
Mestre em Letras/Universidade Federal do Piauí
E-mail: [email protected]
Teresina, Piauí, Brasil
Francisco Alves Filho*
Pós Doutor em Linguística/Universidade Estadual de Campinas
Professor da Universidade Federal do Piauí
E-mail: [email protected]
Teresina, Piauí, Brasil
*Endereço: Francisco Alves Filho
Universidade Federal do Piauí, Centro de Ciências Humanas e Letras, Departamento de Letras. Ininga,
CEP:64.000-670, Teresina/PI, Brasil
Editora-chefe: Dra. Marlene Araújo de Carvalho
Artigo recebido em 02/02/2013. Última versão recebida em 28/03/2013. Aprovado em 29/03/2013.
Avaliado pelo sistema Triple Review: a) Desk Review pela Editora-Chefe; e b) Double Blind
Review (avaliação cega por dois avaliadores da área).
223
E. B. de Sousa, F. Alves Filho
RESUMO
Este artigo tem por objetivo descrever como a estrutura composicional do gênero notícia é
utilizada para a realização de “sátiras noticiosas” ou notícias satíricas, um gênero que tem
ganhado bastante destaque no meio digital nos últimos anos no Brasil. Para a realização deste
estudo utilizamos como base teórica a Teoria Sociorretórica de gêneros com base nas
produções de Miller (1984 [2009]), Swales (1990), Bhatia (1993) e Bazerman (2005) e para o
desenvolvimento do estudo da estrutura composicional da notícia nos baseamos em Van Dijk
(1988) e Gradim (2000). Aplicamos o método apresentado por Swales (1990) que se baseia na
identificação dos elementos estruturais de composição do gênero e do seu funcionamento para
a realização do propósito comunicativo global do gênero. Verificamos por meio deste estudo
que a forma do gênero notícia é utilizada para provocar humor quando unida ao aspecto
satírico da produção discursiva deste tipo de notícia. Desta maneira, a notícia satírica confere
um significado diferente à estrutura empregada na notícia verídica, pois contrasta a forma
reconhecida de noticiar algo relevante para um grupo social com um conteúdo fictício que
busca satirizar práticas e fatos sociais.
Palavras-chave: notícia satírica; estrutura composicional; propósito comunicativo.
ABSTRACT
This article aims at describing how the compositional structure of the genre news is used for
the realization of "news satires" or satirical news, a genre that has gained enough prominence
in digital media in recent years in Brazil. For this study, we used as the theoretical basis the
Socio-rhetorical Theory of genres based on productions of Miller (1984 [2009]), Swales
(1990), Bhatia (1993) and Bazerman (2005); and to the development of the study of the
compositional structure of news, we are based on Van Dijk (1988) and Gradim (2000). We
apply the method presented by Swales (1990) which is based on the identification of the
structural elements composition of the genre and its operation to achieve the overall
communicative purpose of the genre. We verified through this study that the form of the genre
news is used to cause mood when attached to the satirical aspect of the discursive production
of this kind of news. Thus, the satirical news gives a different meaning to the structure used in
the true news, because contrasts the recognized form of reporting something relevant to a
social group with a dummy content that seeks to satirize practices and social facts.
Keywords: satirical news; compositional structure; communicative purpose.
Revista FSA, Teresina, v. 10, n. 2, art. 13, pp. 222-245, Abr./Jun. 2013
www2.fsanet.com.br/revista
224
UMA ESTRUTURA COMPOSICIONAL PARA DOIS GÊNEROS
INTRODUÇÃO
O meio jornalístico sempre atuou de maneira significativa em nossa sociedade,
expondo a ela acontecimentos considerados relevantes para diversos grupos sociais. Para
desenvolver esta atividade profissional dentro de uma sociedade, os membros da esfera
jornalística utilizam-se de gêneros que os auxiliam na realização de tarefas e estão
diretamente relacionados ao campo profissional no qual são utilizados.
No momento em que os meios digitais e as inovações tecnológicas, como as câmeras
digitais e os aparelhos de celulares que podem fotografar e filmar, possibilitam qualquer
indivíduo atuar na captura e divulgação de um acontecimento, a profissão de jornalista passou
a ser discutida tanto pelos próprios órgãos sindicais que representam essa classe quanto pelos
poderes legislativo e judiciário brasileiros. Um exemplo disso é o impasse quanto à exigência
ou não do diploma do curso superior em jornalismo revogada pelo Supremo Tribunal Federal
em 2009 e a votação ainda em curso na Câmara e no Senado federal para a exigência do
diploma supracitado para o exercício da profissão de jornalista. Em meio a estes imbróglios,
vários sites não jornalísticos passaram a produzir e publicar “notícias” tanto verídicas quanto
satíricas, tendo ocorrido de notícias satíricas terem sido, muitas vezes, tomadas como
verídicas. Devido a interpretação confusa em relação ao enquadramento de uma notícia como
verídica ou como satírica surgiu o interesse em investigar quais as semelhanças e diferenças
em relação às notícias veiculados em portais reconhecidamente jornalísticos e em portais de
notícias satíricas.
A produção das notícias se pauta em convenções definidas socialmente para a
utilização da linguagem na esfera jornalística. Mas como essas convenções são realmente
empregadas pelos profissionais desta área? E por aqueles se apropriam da estrutura da notícia
para atender a outros propósitos? Será que a transposição do meio impresso ao meio digital
alterou de alguma forma a estrutura dessas notícias? São questões que pretendemos responder
ao longo deste estudo.
Para o desenvolvimento deste estudo, tomaremos por base a teoria de gêneros na
visão sociorretórica, que analisa o gênero dentro das atividades desenvolvidas no interior de
uma comunidade discursiva (MILLER, 2009, BAZERMAN, 2009, SWALES, 1990, 2001,
2004, BHATIA,1997). Utilizaremos para a identificação da estrutura do gênero notícia as
concepções do linguista Van Dijk (1988) e da teórica da comunicação Gradim (2000). Nestes,
encontramos um arcabouço teórico básico para analisar estrutural e socialmente as notícias
online divulgadas pelo Portal Meionorte.com e estabelecer uma relação entre a produção
Revista FSA, Teresina, v. 10, n. 2, art. 13, pp. 222-245, Abr./Jun. 2013
www2.fsanet.com.br/revista
225
E. B. de Sousa, F. Alves Filho
noticiosa deste portal com as notícias satíricas divulgadas pelo Portal Meiunorte.com, que
realiza uma sátira do primeiro, procurando observar quais as características marcantes de cada
uma destas produções.
Como temos o gênero notícia como componente fundamental do meio jornalístico,
consideramos importante mostrar como se dá o processo de produção do gênero notícia
(verídica e satírica) caracterizando a produção de ambos os portais. Acreditamos que a
observação da estrutura composicional destas “notícias” pode nos auxiliar na compreensão de
como cada tipo de produção noticiosa atua na sociedade e na identificação do propósito
comunicativo tanto das notícias do portal jornalístico, Meionorte.com, quanto nas notícias do
portal não jornalístico, Meiunorte.com.
REFERENCIAL TEÓRICO
A noção de gêneros discursivos
Com a linguagem, dispomos de um instrumento de comunicação e interação, pelo
qual estamos sempre agindo sobre o mundo e, ao mesmo tempo, sendo o alvo de outras ações
sociais. Dessa maneira, podemos dizer que a linguagem não só representa o mundo como
também cria novas realidades por meio dos discursos, estando, assim, intimamente
relacionada a todas as atividades que desenvolvemos dentro do universo em que vivemos.
Como já discutido em Bakhtin (1997, p. 282), “a língua penetra na vida através dos
enunciados concretos que a realizam, e é também através dos enunciados concretos que a vida
penetra na língua”. Então, é por meio da utilização da linguagem que nos formamos e é por
meio da linguagem que transformamos o ambiente em que vivemos.
Para que possamos desenvolver atividades em nosso cotidiano é necessário que
utilizemos de tipos reconhecíveis de enunciado, já utilizados em determinado campo da
sociedade. Esses tipos relativamente estáveis de enunciado, denominados de gêneros, são
criados dentro de uma cultura, de um contexto histórico e social que está sempre manifestado
na sua construção discursiva, conforme já nos disse Bakhtin (1997, p. 279):
A utilização da língua efetua-se em forma de enunciados (orais e escritos), concretos
e únicos, que emanam dos integrantes duma ou doutra esfera da atividade humana.
O enunciado reflete as condições específicas e as finalidades de cada uma dessas
esferas, não só por seu conteúdo (temático) e por seu estilo verbal, ou seja, pela
seleção operada nos recursos da língua — recursos lexicais, fraseológicos e
gramaticais —, mas também, e sobretudo, por sua construção composicional.
Revista FSA, Teresina, v. 10, n. 2, art. 13, pp. 222-245, Abr./Jun. 2013
www2.fsanet.com.br/revista
226
UMA ESTRUTURA COMPOSICIONAL PARA DOIS GÊNEROS
O gênero mantém, em sua composição, características que são exigidas pela
comunidade de usuários e abertura para adaptações a determinada cultura e atividades
desenvolvidas nela, apesar de conter também abertura para manifestações individuais. Deste
modo, o usuário ao mesmo tempo em que tem a liberdade de fazer uso do gênero da maneira
que possa satisfazer suas necessidades tem essa liberdade restrita em decorrência das
convenções sociais que regulam a utilização do gênero discursivo. Bakhtin (1997, p. 301)
considera que “o intuito discursivo do locutor, sem que este renuncie à sua individualidade e à
sua subjetividade, adapta-se e ajusta-se ao gênero escolhido, compõe-se e desenvolve-se na
forma do gênero determinado”, de modo que:
Os gêneros do discurso são, em comparação com as formas da língua, muito mais
fáceis de combinar, mais ágeis, porém, para o indivíduo falante, não deixam de ter
um valor normativo: eles lhe são dados, não é ele que os cria. É por isso que o
enunciado, em sua singularidade, apesar de sua individualidade e de sua
criatividade, não pode ser considerado como uma combinação absolutamente livre
das formas da língua [...] (BAKHTIN, 1997, p.304).
A relação existente entre gêneros discursivos e sociedade também é tratada pela teoria
sociorretórica do gênero, em que o gênero é visto como uma ação social e não apenas como
produção textual, como veremos a seguir.
A noção de gênero na perspectiva sociorretórica
Miller (2009) defende que a situação retórica recorrente é vista como uma estrutura
semiótica recorrente que inclui padrões recorrentes de ações que são realizadas por meio dos
gêneros discursivos. Para tanto, admite que “Ao definir uma circunstância material como um
tipo situacional particular, eu encontro uma maneira de engajar minhas intenções nessa
situação de uma forma socialmente reconhecível e interpretável” (MILLER, 2009, p. 33).
Essas formas reconhecíveis e interpretáveis pela sociedade somente recebem este status se
obedecerem a regras constitutivas de como fundir forma e substância fazendo com que estas
sejam interpretadas de maneira apropriada pela comunidade.
Se percebermos que certo tipo de enunciado ou texto funciona bem numa situação e
pode ser compreendido de uma certa maneira, quando nos encontrarmos numa situação
similar (a rigor, vista como tal), a tendência é falar ou escrever alguma coisa de modo também
similar. Se, como defende Bazerman (2009, p. 29) começarmos a seguir padrões
comunicativos com os quais as outras pessoas estão familiarizadas, elas podem reconhecer
Revista FSA, Teresina, v. 10, n. 2, art. 13, pp. 222-245, Abr./Jun. 2013
www2.fsanet.com.br/revista
227
E. B. de Sousa, F. Alves Filho
mais facilmente o que estamos dizendo e o que pretendemos realizar. Ou seja, as formas de
comunicação reconhecíveis e auto-reforçadoras emergem como gêneros.
Miller (2009, p. 22-23) afirma que as maneiras como os retores e as audiências
compreendem o discurso que utilizam é de extrema importância para o desenvolvimento de
um estudo do gênero, passando a mostrar não só as formas ou a estrutura textual que é
utilizada neste gênero, mas a real função desenvolvida por meio dele dentro de sua
comunidade retórica e como este é visto segundo a ação que realiza no contexto em que é
usado. A concepção de comunidade discursiva exposta por Swales (1990) se assemelha ao de
comunidade retórica mostrado por Miller (2009), já que diz respeito àqueles que trabalham
usualmente ou profissionalmente com um determinado gênero e que, deste modo, têm um
maior conhecimento de suas convenções.
A tipificação (traços comuns que constituem os gêneros historicamente nas
atividades humanas em situações identificadas pelos participantes da interação como
recorrentes) dá uma certa forma e significado às circunstâncias e direciona os tipos de ação
que acontecerão (BAZERMAN, 2009, p.29). Lembramos que, assim como os gêneros
apresentam tipificações de acordo com o contexto de uso em cada comunidade, estes também
podem apresentar diferenças significativas com o decorrer do tempo e de uma comunidade
discursiva para outra. Assim, podemos dizer que a relativa estabilidade do gênero dá espaço
para sua dinamicidade, sendo ele adaptado ao uso social e às transformações e novas
demandas que se apresentam na sociedade.
Alves Filho (2009) argumenta que os gêneros, mais que uma classe empírica de
textos, são um objeto de discurso rotulado com a função de categorizar uma classe de textos e
que o valor genérico somente pode ser apreendido em estreita relação com as situações
recorrentes nas quais são produzidos e compreendidos. Nem sempre o nome que é recebido
pelo gênero corresponde às mesmas características em diferentes comunidades ou até mesmo
dentro da comunidade em instituições diferentes. Por exemplo, editoriais de empresas de
comunicação diferentes de uma mesma comunidade podem apresentar traços distintos em
relação a outro jornal, e tais diferenças podem ser ainda maiores se comparados exemplares
do mesmo gênero em diferentes lugares ou culturas.
Propósito Comunicativo
Segundo Askehave e Swales (2001, p. 221), a ideia de que gêneros são “entidades
orientadas para objetivos ou propósitos” teve início na década de 1980 com o
Revista FSA, Teresina, v. 10, n. 2, art. 13, pp. 222-245, Abr./Jun. 2013
www2.fsanet.com.br/revista
228
UMA ESTRUTURA COMPOSICIONAL PARA DOIS GÊNEROS
desenvolvimento do “novo” movimento de gêneros. Miller (1984) e Martin (1985) acentuam
o caráter realizador dos gêneros, em que o gênero é visto como artefato utilizado na realização
de ações através da linguagem na sociedade. Swales (1990) apresenta o propósito
comunicativo como aspecto central na definição de um gênero e Bhatia (1997) o retoma e
acrescenta um caráter mais individual a este conceito. Todos esses pesquisadores têm em
comum o objetivo de compreender as funções dos textos e gêneros na sociedade
contemporânea.
Swales (1990 apud Askehave e Swales 2009 [2001], p. 224) incorpora a noção de
propósito comunicativo ao conceito de gênero. O propósito funcionaria como critério
“privilegiado” para a definição de gênero, pois estaria intimamente ligado à escolha do
conteúdo e à estrutura esquemática do discurso.
Um gênero compreende uma classe de eventos comunicativos, cujos membros
compartilham um conjunto de propósitos comunicativos1. Esses propósitos são
reconhecidos pelos membros experientes da comunidade discursiva e dessa forma
constituem o fundamento lógico do gênero. Este fundamento modela a estrutura
esquemática do discurso e influência e restringe as escolhas de conteúdo.
Dentre os problemas de se considerar o propósito comunicativo como critério
privilegiado na definição de um gênero estão: um mesmo gênero poder apresentar diferentes
propósitos de acordo com a situação de uso; a opinião de membros experientes poder divergir
em relação aos propósitos de um gênero e ainda a não admissão, por membros de uma
comunidade, de certos propósitos identificados pelos pesquisadores.
Bhatia (1993 apud ASKEHAVE e SWALLES, 2009[2001], p. 226) reformula o
conceito de gênero apresentado por Swales e integra a este a participação do indivíduo na
construção do gênero, incluindo fatores psicológicos e táticos na utilização do gênero.
Gênero é um evento comunicativo reconhecível, caracterizado por um conjunto de
propósitos comunicativos, identificado e entendido pelos membros da comunidade
profissional ou acadêmica em que ocorre regularmente. Frequentemente, é um
evento altamente estruturado e convencionado, com restrições a possíveis
contribuições em termos de sua intenção, posição, forma e valor funcional. Essas
restrições, entretanto, frequentemente são exploradas pelos membros especializados
da comunidade discursiva na concretização de intenções particulares enquadradas
dentro dos propósitos socialmente reconhecidos2.
Apesar de divergências apresentadas na defesa do propósito comunicativo como
critério primário para a definição do gênero, encontramos neste conceito um aspecto
1
2
Grifo nosso.
Grifo nosso.
Revista FSA, Teresina, v. 10, n. 2, art. 13, pp. 222-245, Abr./Jun. 2013
www2.fsanet.com.br/revista
229
E. B. de Sousa, F. Alves Filho
fundamental para o desenvolvimento de um estudo de gêneros, o que se faz com o gênero na
sociedade. O propósito comunicativo mantém sua importância mesmo que não seja em
virtude de sua clareza de definição ou pela centralidade no estudo de gêneros, mas por sua
contribuição para a compreensão de como o gênero funciona na sociedade e como ele é visto
por seus usuários. Mostraremos a sugestão de método de estudo de gênero a partir do texto
proposto por esses autores mais adiante, na seção Metodologia.
O Gênero Notícia
Levando em conta o que expomos acima, temos nos gêneros jornalísticos uma
grande oportunidade de visualização de como acontecem as relações do gênero com sua
comunidade retórica, já que estes apresentam grande alcance na exposição de fatos noticiosos
que ocorrem no interior desse grupo. Considerando a participação dos membros dessa
comunidade na produção e recepção dos gêneros jornalísticos, podemos investigar se as
empresas de comunicação atuam, não só no fornecimento de informações, mas também na
formação da opinião dentro da sua comunidade.
O gênero notícia é classificado por Beltrão (1980 apud SOUSA, 2004) como gênero
jornalístico interpretativo. Os gêneros interpretativos apresentam fatos, propondo ligação
entre eles com o objetivo de possibilitar interpretações sobre aquilo que é exposto, e
expressam uma versão para um conjunto de fatos, deixando ao seu receptor a oportunidade de
refletir sobre aquilo que é mostrado.
Em Sousa (2002, p. 3), encontramos um conceito de notícia mais próximo da nossa
visão a respeito de gênero discursivo, em que temos uma abordagem social e linguística do
discurso empregado no processo de construção da notícia, levando em consideração as
condições de produção em que o gênero está inserido e a participação ativa não só do
produtor da notícia, mas do consumidor que dá o sentido final ao discurso concretizado em
forma de texto:
Uma notícia é um artefacto lingüístico que representa determinados aspectos da
realidade, resulta de um processo de construção onde interagem factores de natureza
pessoal, social, ideológica, histórica e do meio físico e tecnológico, é difundida por
meios jornalísticos e comporta informação com sentido compreensível num
determinado momento histórico e num determinado meio sóciocultural, embora a
atribuição última de sentido dependa do consumidor da notícia.
Para Jorge (2006), a notícia trata sempre de algo acontecido na realidade, mas não
basta que uma notícia seja verdadeira, é necessário que ela pareça verdadeira. Nesse sentido,
Revista FSA, Teresina, v. 10, n. 2, art. 13, pp. 222-245, Abr./Jun. 2013
www2.fsanet.com.br/revista
230
UMA ESTRUTURA COMPOSICIONAL PARA DOIS GÊNEROS
inserir declarações de pessoas envolvidas com os fatos noticiados confere maior credibilidade
à notícia. É importante também que sejam apresentadas a localização temporal e espacial do
fato, mostrando uma gama de dados que possam conferir mais confiabilidade àquilo que é
retratado.
Correia (2009, pp. 172-173) afirma que “o jornalismo recorre a dispositivos
retóricos, estereótipos e tipificações rápidas e já prontas que se expressam em determinadas
convenções narrativas e organizacionais” e, ainda, que a produção de tipificações e a
construção de frames respondem a uma necessidade de colocar ordem que obedece a dois
imperativos: a) por um lado, simplificar o trabalho quotidiano do jornalista, o que é uma
necessidade empresarial e burocrática; b) conseguir um produto vendável, agradável e
atraente, o que muitas vezes implica a redução da complexidade e a necessidade de
proporcionar uma explicação simples, consentânea com a vida quotidiana das audiências.
Vemos em Sousa (2002) que a notícia só se esgota no momento do seu consumo, já
que é nesse momento que ela produz efeitos e passa a fazer parte dos referentes da realidade.
Esses referentes são a parte da realidade que formam a imagem que os sujeitos constroem da
realidade. Por isso, a construção de sentido para uma notícia depende da interação perceptiva,
cognoscitiva e até afetiva que os sujeitos com ela estabelecem. Dessa forma, temos no gênero
notícia um exemplo das relações estabelecidas no processo de construção social da notícia e
da interpretação pelos usuários do gênero de como este funciona dentro da comunidade
retórica em que está inserido.
Estrutura da notícia
As notícias apresentam uma estrutura bastante variada de acordo com a instituição de
comunicação que a produz, o local onde é produzida, quem a produziu, o público a que se
destina, dentre outros. Desta maneira não podemos descrever uma estrutura composicional
fixa para a produção deste gênero pois, se fizéssemos isso, estaríamos defendendo a total
estabilidade do gênero notícia, o que sabemos não ser um pensamento verificável na
realidade.
Assim, procuraremos aqui explicitar recorrências dinâmicas apresentadas na
estrutura composicional do gênero notícia. Para isso apresentaremos os estudos, a respeito da
estrutura noticiosa, de uma teórica da área de comunicação social, Anabela Gradim (2000), e
os estudos linguista Teun Adrianus Van Dijk (1988). Ambos estudam o gênero notícia e
Revista FSA, Teresina, v. 10, n. 2, art. 13, pp. 222-245, Abr./Jun. 2013
www2.fsanet.com.br/revista
231
E. B. de Sousa, F. Alves Filho
procuram apresentar os traços recorrentes que caracterizam a estrutura composicional deste
gênero.
Para Gradim (2000, p. 57), o gênero notícia “refere-se a textos eminentemente
informativos, relativamente curtos, claros, diretos, concisos e elaborados segundo regras de
codificação bem determinadas: título, lead, subtítulos, construção por blocos, e em forma de
pirâmide invertida”. Segundo a autora as regras de construção são bem determinadas: os
títulos anunciam o texto jornalístico e é o primeiro elemento da estrutura da notícia que o
leitor apreende; o lead é o primeiro parágrafo da notícia e deve responder às perguntas: o que?
Quem? Quando? Onde? Como? e Por quê?, cabendo ao redator escolher se coloca as duas
ultimas perguntas no lead ou no parágrafo seguinte; a construção dos parágrafos por blocos de
informação atende à estrutura da pirâmide invertida, em que a informação mais importante
ficaria na parte de cima da notícia e os parágrafos seguintes teriam menos importância quanto
mais abaixo se apresentassem na notícia.
Já Van Dijk (1988, p. 53-56) detalha a estrutura das notícias da seguinte maneira:
manchete, lead, episódio (principais eventos no contexto e eventos anteriores), consequências
do evento/reações verbais e comentários. Alves Filho (2011, p. 98), sintetiza as ideias de van
Dijk dizendo que:
a manchete e o lead têm como função resumir o evento para captar a atenção dos
leitores para os fatos relevantes que possa lhes dizer interesse. O episódio objetiva
relatar em mais detalhes o fato noticioso, indicando os eventos que ocorreram e
quais consequências ou reações eles provocaram; os comentários objetivam divulgar
como atores sociais envolvidos direta ou indiretamente no fato – mas não o redator –
avaliam o que ocorreu.
Para o desenvolvimento do nosso estudo abordaremos preferencialmente a estrutura
apresentada por Van Dijk (1988) por considerarmos esta mais condizente com a estrutura
apresentada nas notícias e notícias satíricas analisadas, pois apresenta traços não apenas
estruturais, mas também aborda a situação em que o texto foi produzido e como esta situação
pode ser utilizada para a construção da notícia.
Ainda para Van Dijk (1988), os meios de comunicação podem ainda utilizar
estratégias na composição da notícia para dar uma ideia de credibilidade, veracidade e
plausibilidade como: a ênfase na natureza factual dos eventos por meio de descrições, o uso
de evidências de fontes confiáveis, a utilização de números e expressões que indiquem
exatidão e o uso de citações diretas como veremos nas notícias analisadas; e a construção de
uma forte estrutura relacional para os fatos através da inserção de fatos em modelos de
situações já conhecidas e da tentativa de organização dos fatos em estruturas específicas já
Revista FSA, Teresina, v. 10, n. 2, art. 13, pp. 222-245, Abr./Jun. 2013
www2.fsanet.com.br/revista
232
UMA ESTRUTURA COMPOSICIONAL PARA DOIS GÊNEROS
conhecidas, como é o caso da organização da notícia utilizando a técnica da pirâmide
invertida. A estrutura do gênero notícia já é bem conhecida tanto de produtores como de
leitores, fazendo com que seja reconhecida rapidamente, e isto faz com que a estrutura
composicional deste gênero seja utilizada no cumprimento de outros propósitos
comunicativos, como veremos a seguir.
A Notícia Satírica
Com o desenvolvimento dos meios digitais tivemos uma grande ampliação das
práticas noticiosas, já que no momento atual não mais apenas os profissionais da área
jornalística assumem a prática e a divulgação de notícias. As notícias, apesar da mudança de
suporte do meio impresso para o meio digital, mantiveram a maioria das características de um
suporte para o outro, sendo assim tanto os retores quanto a audiência reconhecem com
facilidade o gênero notícia, embora os suportes sejam distintos3.
Devido a esta “relativa estabilidade” dos textos noticiosos e a facilidade de
reconhecimento das características do gênero notícia é que tem havido a utilização da
estrutura composicional deste gênero para atender a outros propósitos comunicativos. Uma
destas apropriações da estrutura composicional do gênero notícia que tem ganhado grandes
proporções no Brasil por meio da internet é a produção de “notícias satíricas”, que não
correspondem à realidade ou que distorcem os fatos, o que os torna não verificáveis na
realidade. Estas notícias satíricas têm caráter humorístico e já se apresentam em portais de
notícias satíricas de várias áreas do país.
Segundo a notícia “É tudo mentira”, do Portal “O Globo”, a publicação de notícias
satíricas é relativamente contemporânea no Brasil. No ano de 2007, a seção ‘Piauí Herald’, da
Revista Piauí, iniciou este tipo de produção, já em 2009 temos o surgimento de Diário de
Barrelas e O Sensacionalista, mas é no ano de 2011 que esta prática realmente ganha destaque
na mídia e perante o público:
É um fenômeno curioso: os sites de notícias falsas se multiplicam na mesma
proporção em que aumenta a credulidade do público – “dobradinha” impulsionada
pela popularização das redes sociais e pelo afã de compartilhar de seus usuários. Só
no ano passado (2011) surgiram o Kibeloco 2030 (só com notícias do futuro); o G17
(inspirado no portal de jornalismo G1); O Bairrista (ironizando o egocentrismo
gaúcho); o Meiunorte (paródia do jornal piauiense “Meio Norte”); o twitter
@estadaos (alusão ao jornal “O Estado de S. Paulo”) – para citar os mais acessados.
Isso porque já existiam o “The Piaui Herald”, pagina de manchetes irônicas da
3
Para diferenciar estes dois tipos de notícia têm sido utilizados os qualificadores impressa e online.
Revista FSA, Teresina, v. 10, n. 2, art. 13, pp. 222-245, Abr./Jun. 2013
www2.fsanet.com.br/revista
233
E. B. de Sousa, F. Alves Filho
Revista ”Piauí” criada em 2007, e o Diário de Barrelas, portal de notícias da cidade
fictícia, desde 2009, além do O Sensacionalista também em 2009. (FILGUEIRAS,
2012)
A página “The Piauí Herald”, da Revista Piauí, iniciou esta produção no ano de
2007, apenas com a produção de manchetes de notícias carregadas de ironia, e atualmente
temos a página online do “Piauí Herald” publicando agora notícias satíricas completas.
Figura 1 Página “The Piauí Herald”4
Apesar de, no Brasil, este tipo de notícia ser relativamente recente, este tipo de
produção já é realizada há certo período pelo antigo Jornal satírico “The Onion”, de Nova
Iorque - EUA, fundado em 1988 por Tim Keck e Christopher Johnson, e atual Portal “The
Onion”, que migrou do meio impresso para o meio digital no ano de 1996. A prática realizada
pelo The Onion é reconhecida como exemplo pelos autores dos portais de notícias satíricas do
Brasil “Sensacionalista” e “Bairrista”.
4
Disponível em: http://revistapiaui.estadao.com.br/blogs/herald. Acesso em: 03/10/2012.
Revista FSA, Teresina, v. 10, n. 2, art. 13, pp. 222-245, Abr./Jun. 2013
www2.fsanet.com.br/revista
234
UMA ESTRUTURA COMPOSICIONAL PARA DOIS GÊNEROS
Figura 2 Imagem da página inicial do Portal “The Onion”5
É importante destacar que os portais de notícias satíricas, apesar de apresentarem
características de portais de notícias “verdadeiros”, sempre apresentam uma seção específica
no site para esclarecer que as “notícias” apresentadas ali não são possíveis de verificação na
realidade. Como exemplo trazemos a seção supracitada do Portal “Sensacionalista”:
O Sensacionalista é um site de humor com notícias fictícias, baseadas ou não na
realidade. O objetivo é um só: fazer rir. Criado e escrito pelo jornalista Nelito
Fernandes, que no site usa o pseudônimo de Otileno Junior, o Sensacionalista não se
dedica a espalhar boatos e nem notícias falsas na internet 6. Infelizmente, alguns
veículos inadvertidamente acabam reproduzindo nossas notícias como se elas
fossem reais. (SENSACIONALISTA, 2012)
Como destaca o portal, por vezes portais de notícias reais divulgam notícias satíricas
em suas páginas, tornando cada vez mais difícil diferenciar aquilo que é notícia verídica
daquilo que é notícia satírica. Devido a esse motivo buscaremos apresentar traços distintivos
entre notícias verídicas e notícias satíricas por meio da exposição de características textuais e
estruturais de cada uma destas produções.
METODOLOGIA
Para o desenvolvimento desta pesquisa tomaremos como base o modelo de estudo do
gênero proposto por Swales (1990) levando em consideração o exposto por Askehave e
5
6
Disponível em: http://www.theonion.com/. Acesso em: 23/05/2013.
Grifo nosso.
Revista FSA, Teresina, v. 10, n. 2, art. 13, pp. 222-245, Abr./Jun. 2013
www2.fsanet.com.br/revista
235
E. B. de Sousa, F. Alves Filho
Swales (2001[2009]) a respeito do estudo de gêneros por meio do propósito comunicativo.
Usaremos os elementos estruturais propostos por Van Dijk para o esclarecimento da estrutura
e da função de cada um dos componentes do gênero notícia, assim como o entrelaçamento
desse gênero com a função discursiva que ele desempenha dentro da comunidade, com o
objetivo de verificar como os propósitos comunicativos do gênero são realizados.
A produção das notícias, assim como a de outros gêneros, segue regras definidas
socialmente para a utilização da linguagem em determinadas esferas sociais.
É o que verificaremos por meio da análise de manuais de jornalismo, da observação
de notícias verídicas e de notícias satíricas e por meio da observação de estudos já
desenvolvidos na área de linguística pelo pesquisador Van Dijk sobre o gênero notícia.
Apresentar as características formais e conteudísticas das notícias satíricas e qual
significado adquire esta fusão neste tipo de produção, bem como estabelecer uma relação
entre a maneira como as notícias satíricas são construídas e a maneira como as notícias
verídicas são construídas é um de nossos objetivos. Askehave e Swales (2009 [2001])
propõem dois modelos para análise de gêneros, um que se realiza a partir do texto e outro que
parte do contexto para proceder à análise. Especificamente neste estudo nos apoiaremos no
modelo que propõe a análise a partir do texto, como segue abaixo:
Figura 3 Análise de gêneros a partir do texto
O corpus para análise é composto por seis notícias veiculadas pelo Portal
Meionorte.com e 6 notícias satíricas veiculadas pelo Portal Meiunorte.com, ambos da cidade
de Teresina-PI. No corpo deste artigo serão apresentados dois exemplos, um para cada tipo
discursivo, em virtude do espaço restrito que temos para o desenvolvimento deste estudo, para
visualizarmos a prática satírica realizada por meio da estrutura de notícia. O critério de
seleção utilizado foi apresentar construções noticiosas do mesmo fato ou que tivessem o
mesmo acontecimento como matéria prima para a construção da notícia e da notícia satírica.
As notícias foram selecionadas de maneira intencional e não aleatória, visto que a semelhança
Revista FSA, Teresina, v. 10, n. 2, art. 13, pp. 222-245, Abr./Jun. 2013
www2.fsanet.com.br/revista
236
UMA ESTRUTURA COMPOSICIONAL PARA DOIS GÊNEROS
entre os temas abordados ao longo da notícia podem nos auxiliar na visualização de
singularidades na forma de tratar os fatos nestas duas construções.
Ao longo da análise procuramos explicitar as características apresentadas tanto nas
notícias verídicas quanto nas notícias satíricas, buscando singularidades na construção de cada
uma destas produções verificando estrutura, conteúdo, estilo e propósito como sugere
Askehave e Swalles (2009[2001]). O contexto estará sempre que possível expresso nas
análises para que seja mais fácil a atribuição de um propósito comunicativo para as
produções.
ANÁLISES
Os portais que utilizaremos para desenvolver este estudo são o Portal de Notícias
Meionorte.com e o Portal de Notícias Satíricas Meiunorte.com. Este ultimo já recebe
reconhecimento em todo o país, pois teve notícias publicadas por veículos jornalísticos de
circulação nacional, embora inapropriadamente, já que as “notícias” produzidas por este
portal não são verídicas como é bem frisado na seção “quem somos” deste portal.
Apresentamos uma notícia do Portal de notícias Meionorte.com expondo suas
características de composição estrutural encontradas no processo de construção da notícia e
em seguida traremos uma notícia satírica do Portal Meiunorte.com com o mesmo tema para
estabelecer uma relação entre as estratégias de composição da notícia verídica publicada no
Portal de notícias citado anteriormente e o processo realizado para a construção da notícia
satírica. Então é importante verificarmos como os elementos estruturais do gênero notícia são
utilizados na realização de ações pelo gênero notícia satírica e a importância de cada elemento
para a realização do propósito comunicativo global do gênero.
O acontecimento noticiado tanto na notícia satírica quanto na notícia verídica é “o
princípio de infarto sofrido pelo Deputado Federal Assis Carvalho”. Iniciamos esta análise
com a visualização completa das “notícias”. Em uma visão mais global sobre a estrutura
utilizada para a produção de notícias, ambas se enquadrariam como exemplares do gênero
notícia. A semelhança na forma das “notícias” pode gerar confusão na interpretação, já que,
como defende Miller (2009), a forma também significa. Foi o que ocorreu em situações,
bastante comuns nos últimos anos no Brasil, em que notícias satíricas foram publicadas como
notícias verídicas.
Revista FSA, Teresina, v. 10, n. 2, art. 13, pp. 222-245, Abr./Jun. 2013
www2.fsanet.com.br/revista
237
E. B. de Sousa, F. Alves Filho
Figura 4 A forma de notícias verídicas e satíricas nos Portais Meionorte.com e Meiunorte.com.
Os componentes da notícia mencionados por Van Dijk (1988) podem ser constatados
acima tanto na notícia satírica quanto na notícia verídica: a manchete, o lead, o episódio e os
comentários, mas a maneira como cada um destes elementos estruturais é constituído
evidencia a distinção entre estes dois tipos de notícia.
Mostramos, a seguir, como os elementos estruturais são encontrados nestas duas
produções, buscando apresentar os detalhes da sua construção e as possíveis diferenças de
função de cada um destes elementos na realização do propósito comunicativo tanto da notícia
verídica quanto da notícia satírica.
Manchete
Além de apresentar o evento relatado, a manchete visa chamar a atenção do leitor,
despertando a sua curiosidade em ler o texto da notícia que se segue. O elemento estrutural
Manchete é um dos mais conhecidos e reconhecidos componentes do gênero notícia, através
do qual o fato noticiado ganha destaque até mesmo pelos elementos gráficos utilizados na sua
elaboração como: o maior tamanho da letra em relação à do corpo do texto, a utilização de
negrito e a localização na parte superior da notícia, separada do restante do texto.
A manchete da notícia apresenta de maneira sucinta e clara o fato que será noticiado.
Na notícia verídica encontramos a seguinte manchete: “Assis Carvalho sofre infarto em
Revista FSA, Teresina, v. 10, n. 2, art. 13, pp. 222-245, Abr./Jun. 2013
www2.fsanet.com.br/revista
238
UMA ESTRUTURA COMPOSICIONAL PARA DOIS GÊNEROS
Oeiras e é transferido para Teresina”, salientando-se um aspecto do fato noticiado que pode
chamar maior atenção do público leitor. A manchete chama a atenção do leitor em relação ao
estado de saúde do Deputado Federal piauiense Assis Carvalho, uma pessoa muito conhecida
e que poderia despertar a curiosidade do leitor em prosseguir a leitura da notícia completa. Já
no caso da notícia satírica o que mais se destaca, além das características de formatação e
localização do texto da manchete, é o tom humorístico que este componente estrutural recebe.
Já no título nota-se uma diferença na construção da notícia satírica: a atribuição absurda da
existência de um coração ao Deputado Federal Assis Carvalho.
Quadro 1 Manchetes
O efeito humorístico é causado pelo fato de popularmente atribuir-se o termo “sem
coração” a pessoas insensíveis, característica esta conferida indiretamente ao deputado na
elaboração da manchete da “notícia” publicada pelo Portal Meiunorte.com. O acometimento
do Deputado Assis Carvalho por um infarto denunciaria que este tem um coração, como
veremos no corpo da notícia satírica.
Desta maneira, já na manchete das notícias conseguimos perceber modos diferentes
de se construir cada um destes tipos de notícia. Na notícia verídica há a preocupação em expor
algo relevante do acontecimento para que este aspecto chame a atenção do leitor e o incentive
a ler o restante do texto. Na notícia satírica notamos a preocupação em expor algo bastante
inusitado para a manchete de uma notícia verídica, o que já poderia despertar a atenção do
leitor e ao mesmo tempo dar pistas de que aquela notícia não corresponderia a um conteúdo
verídico. Vê-se claramente que não há alteração alguma na estrutura e no estilo do texto e que
a alteração ocorre no plano do tema (no sentido bakhtiniano de tratamento temático), já que
um mesmo acontecimento passa a ser abordado como algo inusitado, absurdo.
Revista FSA, Teresina, v. 10, n. 2, art. 13, pp. 222-245, Abr./Jun. 2013
www2.fsanet.com.br/revista
239
E. B. de Sousa, F. Alves Filho
Lead
O lead é um dos elementos estruturais mais relevantes para a estruturação do gênero
notícia, já que nele encontramos, de maneira sintética, aquilo que será apresentado no restante
da notícia.
Como vemos abaixo, o lead da notícia verídica responde às perguntas a que um lead
normalmente responde, trazendo informações de que o deputado Assis Carvalho (quem?) teve
um “princípio de infarto” (o que?) e não um infarto propriamente dito como fazia imaginar a
manchete da notícia. É ressaltada a sigla partidária a que pertence o deputado, o partido dos
trabalhadores “(PT)”, o dia do acontecimento (17) e o local onde se encontrava o deputado, a
cidade de Oeiras.
Quadro 2 Lead
O lead do portal de notícias satíricas Meiunorte.com apresenta a informação da
internação do deputado Assis Carvalho na cidade de Oeiras-PI em virtude de dores no peito e
alterações na pressão. Observamos que a menção a dores no peito e alterações na pressão
fariam o leitor, com os seus conhecimentos adquiridos, estabelecer uma ligação entre estes
sintomas e doenças do coração. Há também a apresentação do dia em que o fato ocorreu (18),
em desconformidade com o dia apresentado pelo portal de notícias verídicas (mas o dia
correto do acontecimento), como ocorre em outros portais de notícias. O lead da notícia
satírica exposta acima aparentemente não apresenta diferenças significativas em relação ao
lead da notícia verídica, porém a utilização deste lead é que em conjunto com os blocos de
informação que se seguem, o que Van Dijk (1988) chama de episódio e comentários,
possibilitará o desencadeamento do efeito humorístico da notícia satírica.
Revista FSA, Teresina, v. 10, n. 2, art. 13, pp. 222-245, Abr./Jun. 2013
www2.fsanet.com.br/revista
240
UMA ESTRUTURA COMPOSICIONAL PARA DOIS GÊNEROS
Episódio
O episódio objetiva relatar em mais detalhes o fato noticioso, indicando os eventos
que ocorreram e quais consequências ou reações eles provocaram, como vimos em Alves
Filho (2011). Em seguida ao lead, encontramos o episódio que se trata de um componente da
notícia que explica melhor a situação e como ocorreu o fato. O que foi exposto
resumidamente no lead é apresentado com mais detalhes no episódio complementando a
informação já exposta.
O episódio na notícia publicada pelo Portal Meionorte.com é composto por dois
parágrafos, em que são apresentados detalhes de onde se encontrava o deputado e as razões
para isso; em seguida apresentam-se esclarecimentos prestados pela assessoria do deputado a
respeito de como se deu o acontecimento. A citação da assessoria de imprensa do deputado
pode passar ao leitor uma maior segurança a respeito da informação, já que é uma fonte que
goza de credibilidade. Note que ao final deste parágrafo é mencionado o nome próprio da
cardiologista que prestou o atendimento, mas não é mencionado o nome do hospital em que o
deputado foi atendido, sendo tratado apenas como “o Hospital do Município”. O maior
destaque a pessoas e clínicas particulares indica que pessoas com maior “prestígio” social
costumam ganhar destaque nas notícias deste portal, além de situar com maior precisão os
participantes e locais do fato.
No segundo parágrafo do episódio é destacado como o
deputado Assis Carvalho foi transportado para Teresina, e, neste sim, há o nome do hospital
particular, em Teresina, para o qual o deputado foi transferido, Itacor.
Quadro 3 Episódio
O episódio da notícia satírica analisada é composto por três parágrafos nos quais são
apresentadas informações mais detalhadas do acontecimento. É neste elemento estrutural que
Revista FSA, Teresina, v. 10, n. 2, art. 13, pp. 222-245, Abr./Jun. 2013
www2.fsanet.com.br/revista
241
E. B. de Sousa, F. Alves Filho
encontramos os maiores indícios de que a notícia não corresponde à realidade como, por
exemplo, no segundo parágrafo do episódio, em que as fortes dores no peito são causadas pelo
“surgimento repentino de um coração”, desencadeando o humor na notícia satírica pelo fato
de o surgimento de um coração ser um fato extraordinário nunca verificado na história da
medicina e, por este motivo, pouco provável de aparecer em uma notícia verídica. No terceiro
parágrafo do episódio, utiliza-se a formação da imagem dos “médicos estarrecidos” com este
fato fora do comum.
A composição do episódio é variada, podendo apresentar um, dois ou mais
parágrafos desde que cumpra a função de apresentar os detalhes do fato noticiado. Pode-se
utilizar neste elemento estrutural a exposição de fontes confiáveis ou apenas mencionar por
discurso indireto o que foi apurado para a notícia. Como já mencionamos, o episódio é o
elemento estrutural em que verificamos os detalhes da informação fornecida e é geralmente
neste componente que encontramos pistas para interpretarmos uma notícia como verídica ou
como satírica.
Comentários
O elemento estrutural comentário tem por objetivo expor a avaliação de atores
sociais sobre o acontecimento mostrado no corpo da notícia e que se encontravam envolvidos
direta ou indiretamente no fato. Estes comentários exibem a opinião do entrevistado a respeito
do acontecido, bem como a avaliação desse fato. A voz encontrada neste elemento estrutural é
a do entrevistado e não a do redator, embora esta voz possa expressar a ideologia de um grupo
social ligado à instituição que publicou a notícia.
Nesta unidade estrutural geralmente são encontrados depoimentos de atores sociais
que participaram da situação exposta na notícia ou que se encontram relacionados ao
acontecimento. Estes depoimentos são utilizados para dar maior credibilidade ao fato
noticiado, já que no caso da notícia verídica não é o redator que expressa seu ponto de vista
por meio destes comentários, mas pessoas que participaram de algum modo do fato noticiado.
Na notícia verídica publicada pelo Portal Meionorte.com, a unidade estrutural
comentário traz o depoimento, versado numa linguagem técnica (“síndrome coronariana
aguda”) da cardiologista que prestou atendimento ao deputado ainda em Oeiras. O
depoimento se destaca no interior da notícia e é seguido por um dos verbos dicendi para
indicar quem pronunciou o depoimento, fazendo-se uso de elementos muito recorrentes na
elaboração de textos participantes do gênero notícia.
Revista FSA, Teresina, v. 10, n. 2, art. 13, pp. 222-245, Abr./Jun. 2013
www2.fsanet.com.br/revista
242
UMA ESTRUTURA COMPOSICIONAL PARA DOIS GÊNEROS
No ultimo parágrafo deste elemento estrutural são prestadas informações que não
foram apresentadas anteriormente como o nome do “hospital do município”, Hospital
Regional Deolindo Couto, o nome da clínica em que foi atendido ainda na cidade de Oeiras,
não mencionada anteriormente, Cardiocenter e o destaque novamente para o nome da
cardiologista proprietária da clínica, Alice Coelho. Deduzimos que o depoimento apresentado
no fechamento da notícia é da cardiologista e proprietária da clínica cardiológica Alice
Coelho, tranquilizando os leitores quanto ao estado de saúde do Deputado Assis Carvalho,
considerando estável. Todas essas informações e depoimentos expressos neste elemento
estrutural fazem o desfecho da notícia tornando o fato noticiado mais crível e dando a ideia de
que a notícia “representa” com fidedignidade o fato ocorrido e noticiado por apresentar a fala
de um ator que participou da situação retratada.
Quadro 4 Comentários
Na notícia satírica, o comentário é construído nos dois últimos parágrafos. A
utilização de depoimentos na construção de notícias é muito comum, como se vê acima, esta
característica também é usada na construção da notícia fictícia, mas acrescido de um detalhe:
o depoimento utilizado na notícia satírica é fictício. A utilização do depoimento auxilia a
notícia satírica a parecer uma notícia verídica e, assim como na notícia verídica, transmite
Revista FSA, Teresina, v. 10, n. 2, art. 13, pp. 222-245, Abr./Jun. 2013
www2.fsanet.com.br/revista
243
E. B. de Sousa, F. Alves Filho
credibilidade perante o leitor desavisado. No primeiro parágrafo que compõe este elemento é
construída a imagem de Assis Carvalho como um “homem sem coração” e que, pelo motivo
de este estar em uma cidade muito religiosa, ganhou um coração por um milagre: “Foi um
milagre, não tem outra explicação. Agora no lugar das chamas do ódio, vai bater um coração
misericordioso no peito desse homem”, relatou um peregrino. Até mesmo o verbo utilizado
para se referir ao depoimento é semelhante aos utilizados nos meios jornalísticos, sem,
contudo, mencionar o nome do peregrino que prestou este “depoimento”, o que fragiliza a
credibilidade do fato relatado. O termo peregrino também é muito relacionado a pessoas
religiosas, o que reforçaria o teor do depoimento.
Neste elemento estrutural vê-se uma distinção significativa em relação a estes dois
tipos de notícia. Na notícia verídica temos bastante utilização de nomes próprios tanto de
clínicas quanto de pessoas, depoimento versado em linguagem técnica o que situa com mais
precisão o fato noticiado. Já na notícia satírica, encontramos informações mais vagas com a
utilização de termos genéricos como “assessores”, “médicos”, “populares”, mas nenhuma
informação específica e precisa sobre os participantes do fato. Não utilizar nomes de
participantes reais da situação é uma estratégia recorrente na composição da notícia satírica
neste portal tanto para se resguardar juridicamente em relação aos participantes do
acontecimento quanto para que a notícia satírica possa ser identificada como satírica e não
como real.
No fechamento da notícia satírica, assim como na notícia verídica, são repassadas
informações a respeito do estado de saúde do deputado Assis Carvalho também de maneira
exagerada (“passa bem” e “gozando de uma saúde dos Deuses”). Encontramos também na
composição deste elemento estrutural a menção à idade do deputado e a função exercida por
ele (deputado federal), que também podem ser relacionadas ao seu bom estado de saúde.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Apesar de manter características do gênero notícia, as notícias publicadas no portal
Meiunorte.com não podem ser encaradas como verídicas e nem mesmo como simples
notícias, pois não cumprem o propósito comunicativo de informar algo relevante para um
determinado grupo social, mas sim o de provocar humor por meio de sátiras de práticas e
fatos sociais. Por isso foi importante verificarmos não só como os elementos estruturais do
gênero notícia são utilizados na realização de ações, mas também como estas estruturas
funcionam quando ligadas ao conteúdo e à situação em que são empregados.
Revista FSA, Teresina, v. 10, n. 2, art. 13, pp. 222-245, Abr./Jun. 2013
www2.fsanet.com.br/revista
244
UMA ESTRUTURA COMPOSICIONAL PARA DOIS GÊNEROS
A estrutura composicional do gênero é um elemento bastante relevante para a
interpretação de um gênero, pois a forma em que o gênero se apresenta é o aspecto mais
perceptível e pode influenciar na interpretação de uma ação social do indivíduo, ou seja, a
forma do gênero também significa. Lembramos, porém, que não é somente a estrutura que
definirá em que gênero o texto estará participando e qual a ação realizada por meio de sua
utilização. Apesar de conseguirmos identificar a mesma estrutura composicional tanto em
notícias verídicas quanto em notícias satíricas, percebemos que a construção de significado
desta estrutura apresenta distinções, principalmente quando observamos o caráter de
veridicidade dos fatos noticiados.
Verificamos por meio deste estudo que a forma do gênero notícia é utilizada no
gênero notícia satírica para provocar humor quando unida ao aspecto satírico do conteúdo
discursivo deste tipo de produção. Desta maneira, a notícia satírica confere um significado
diferente à estrutura empregada na notícia verídica, pois contrasta a forma reconhecida de
noticiar algo relevante para um grupo social com um conteúdo fictício que busca satirizar
práticas e fatos sociais.
REFERÊNCIAS
ALVES FILHO, Francisco. Gêneros Jornalísticos: notícias e cartas de leitor no ensino
fundamental. São Paulo: Cortez, 2011.
ALVES FILHO, Francisco. Integridade genérica versus versatilidade no editorial de
jornal. In: V SIGET: Simpósio Internacional de Estudos de Gêneros Textuais, 2009, Caxias
do Sul - RS.
ASKEHAVE, Inger & SWALES, John M. Identificação de gênero e propósito comunicativo:
um problema e uma possível solução. In: Gêneros e sequências Textuais. BEZERRA,
Benedito Gomes; BIASI-RODRIGUES, Bernadete & CAVALCANTE, Monica Magalhaes
(Orgs.). Recife: Edupe, 2009. p. 221-247.
BAKHTIN, Mikhail Mjkhailovitch. Estética da criação verbal / Mikhail Bakhtin [tradução
feita a partir do francês por Maria Emsantina Galvão G. Pereira revisão da tradução Marina.
2’ cd. —São Paulo Martins Fontes, 1997.
BAZERMAN, Charles. Gêneros textuais, tipificação e interação; Angela Paiva Dionísio e
Judith Chambliss Hoffnagel (Org.). Tradução e adaptação Judith Chambliss Hoffnagel. 3 ed..
São Paulo: Cortez, 2009.
CORREIA, João Carlos. Teoria e crítica do discurso noticioso: notas sobre jornalismo e
representações sociais. Covilhã: Labcom, 2009.
Revista FSA, Teresina, v. 10, n. 2, art. 13, pp. 222-245, Abr./Jun. 2013
www2.fsanet.com.br/revista
245
E. B. de Sousa, F. Alves Filho
FILGUEIRAS,
Mariana.
É
tudo
Mentira.
Disponível
em:
<http://oglobo.globo.com/tecnologia/e-tudo-mentira-4707979>. Acesso em: 26/08/2012.
GRADIM, Anabela. Manual de Jornalismo. Covilhã: Universidade da Beira Interior, 2000.
JORGE, Thais de Mendonça. A notícia e os valores-notícia. O papel do jornalista e dos
filtros ideológicos no dia-a-dia da imprensa. UNIrevista, Vol. 1, no. 3, 2006. Disponível em:
<http://www.unirevista.unisinos.br/_pdf/UNIrev_Jorge.pdf>. Acesso em: 10/06/2011.
MEIONORTE.COM. Disponível em: http://www.meionorte.com/oeiras/assis-carvalho-sofreinfarto-em-oeiras-e-e-transferido-para-teresina-209108.html. Acesso em: 18/05/2012.
MEIUNORTE.COM. Disponível em: http://meiunorte.com/deputado-assis-carvalho-passamal-e-exames-comprovam-que-ele-tem-coracao/#.UX7PF0qfzYQ. Acesso em: 18/05/2012.
MILLER, Carolyn R. Estudos sobre Gênero Textual, Agencia e Tecnologia. Angela Paiva
Dionísio, Judith Chambiss Hoffnagel; tradução e adaptação de Judith Chambiss Hoffnagel [et
al]. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2009.
PÁGINA The Piauí Herald. Disponível em: http://revistapiaui.estadao.com.br/blogs/herald.
Acesso em: 03/10/2012.
PORTAL Meiunorte. Sobre nós. Disponível
nos/#.UD4CBsEiato>. Acesso em: 20/01/2012.
em:
<http://meiunorte.com/sobre-
SENSACIONALISTA.
Quem
somos.
Disponível
<http://www.sensacionalista.com.br/about/>. Acesso em 03/10/2012.
em:
SILVA, Marta Cristina da. A Noção de Gênero em Swales: Revisitando Conceitos.
Disponível
em:
<http://www.portais.unincor.br/recorte/images/artigos/edicao3/3artigo_marta.htm>. Acesso
em: 20/12/2011.
SOUSA, Jorge Pedro (2002). Por que as notícias são como são? Construindo uma teoria da
notícia.
Biblioteca
On-Line
de
Ciências
da
Comunicação.
Disponível
em:<http://www.bocc.ubi.pt/pag/sousa-jorge-pedro-construindo-teoria-da-noticia.pdf>.
Acesso em: 13/04/2011.
SOUSA, Jorge Pedro (2004). Construindo uma Teoria Multifactorial da Notícia como
uma Teoria do Jornalismo. Biblioteca On-Line de Ciências da Comunicação. Disponível
em: <http://www.bocc.ubi.pt/pag/sousa-jorge-pedro-multifactorial-jornalismo.pdf>. Acesso
em: 20/01/2012.
VAN DIJK, Teun A. News as Discurse. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 1988.
Revista FSA, Teresina, v. 10, n. 2, art. 13, pp. 222-245, Abr./Jun. 2013
www2.fsanet.com.br/revista
Fly UP