...

E como o zinco é encontrado na natureza?

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

E como o zinco é encontrado na natureza?
Elemento Químico
Zn
ZINCO
Zinco (do alemão zinke – dente) é um elemento químico
presente em diversos ambientes naturais (água e solo),
sendo utilizado na indústria de galvanização, protegendo
peças de aço e ferro da corrosão, além de ser essencial
à vida. No entanto, desde quando ele é utilizado pelo
homem?
Esse metal já é utilizado há milhares de anos, pois foram
identificados, na Palestina, artefatos constituídos por uma
liga metálica que o continham em 23% (latão – constituído
por zinco e cobre), em torno de 1400 a 1000 a.C., quando a
sociedade estava no auge da idade do bronze, que é uma
liga metálica constituída por cobre e estanho (Greenwood
e Earnshaw, 1997; Ribeiro Jr., 2012). Nessa época, o latão
era obtido possivelmente, por meio da mistura em proporções definidas, de minérios de cobre (ou cobre metálico)
e zinco, uma vez que não eram conhecidos métodos de
purificação de zinco. Muitos anos depois, em 30 a.C., os romanos também usavam essa técnica, aquecendo calamina
(Zn4Si3O(OH)2) com cobre metálico para posteriormente
fabricar objetos mediante o forjamento1 ou a fundição2.
Já no final do século XV e início do XVI, povos nativos
de Cuba (os tainos) consideravam agulhas e alfinetes de
latão, trocados por ouro com os espanhóis, objetos com
poderes espirituais, que lhes forneciam status religioso e
social. Esses objetos eram chamados de turey, material
trazido dos céus, capaz de oferecer prestígio incomparável
ao seu portador (Las Casas, 1965; Lopes, 2012).
Número Atômico
Z = 30
Massa Molar
M = 65,382 g mol-1
Ponto de Fusão
Tf = 419,5 °C
Isótopos naturais
64
Zn (48,6%), 66Zn (27,9%), 67Zn (4,1%),
68
Zn (18,8%) e 70Zn (0,6%)
considerando-se apenas a massa do zinco contido no
respectivo minério (Neves, 2011). Essas reservas minerais
estão distribuídas principalmente (70%) entre Austrália,
China, Estados Unidos, Cazaquistão e Canadá. O Brasil
possui apenas 1,2% das reservas mundiais. Os estados
de Minas Gerais e Mato Grosso são os que possuem as
principais reservas do país: em torno de 5,8 milhões de
toneladas de zinco contido.
A produção mundial de zinco metálico, em 2008, foi
superior a 11,5 milhões de toneladas (Neves, 2011). Os
principais países produtores e consumidores de zinco
metálico estão no continente asiático (57,4%), entre eles,
China (responsável por 34,9% do consumo mundial), Japão (4,9%), Coréia do Sul (4,5%) e Índia (4,2%). Os Estados
Unidos, por exemplo, consumiu apenas 8,6% da produção
mundial, e o Brasil, 2,1% (Neves, 2011).
A produção de zinco metálico no Brasil, assim como em
boa parte do mundo, ocorre em cinco estágios: (i) retirada
do minério da mina, com teor metálico entre 3 e 20%; (ii)
sucessivas britagens (quebra do minério em pequenos pedaços) e moagem; (iii) sedimentação e filtragem, obtendo
um concentrado que alcança 45% de teor metálico; (iv)
hidrometalurgia ou lixiviação química3 com ácido sulfúrico
diluído, que serve para dissolver o metal em meio aquoso
e, posteriormente; (v) sedimentá-lo eletroliticamente, com
teor metálico superior à 99%.
O zinco é um metal de transição interna, apresentando número atômico 30, massa molar 65,392 g/mol,
temperatura de fusão de 419,5°C e de ebulição de 907°C
e densidade 7,14 g/mL. Além disso, ele apresenta cinco
isótopos de ocorrência natural: 64Zn – 48,6%; 66Zn – 27,9%;
67
Zn – 4,1%; 68Zn – 18,8%; e 70Zn – 0,6%.
E quais são as aplicações dadas a esse metal?
A aplicação mais importante do zinco (cerca de 50%)
no Brasil e no mundo é vinculada à produção do aço –
revestimento da superfície deste para a proteção contra
a corrosão –, particularmente no preparo de materiais
galvanizados (ICZ, 2012), tendo a indústria automobilística e construção civil como as principais consumidoras
do produto.
Esse metal também é utilizado na produção de várias
ligas metálicas, juntamente com alumínio, magnésio e
principalmente cobre, formando o latão, que é amplamente
utilizado em terminais elétricos, produção de joias ou biju-
E como o zinco é encontrado na natureza?
Esse metal é encontrado principalmente combinado a
enxofre e oxigênio, sob a forma de sulfeto e óxido, associado a chumbo, cobre, prata e ferro. O sulfeto de zinco
(ZnS), também conhecido como blenda de zinco ou esfalerita, ocorre principalmente em rochas calcárias. Outros
importantes minérios de zinco são willemita (Zn2SiO4), smithsonita (ZnCO3), calamina ou hemimorfita (Zn4Si3O(OH)2),
wurtzita (Zn,Fe)S, franklinita (Zn,Mn)O.Fe2O3, hidrozincita
[2ZnO3.3Zn(OH)2] e zincita (ZnO).
As reservas mundiais de minério de zinco são superiores a 480 milhões de toneladas de metal contido,
A seção “Elemento químico” traz informações científicas e tecnológicas sobre as diferentes
formas sob as quais os elementos químicos se manifestam na natureza e sua importância
na história da humanidade, destacando seu papel no contexto de nosso país.
QUÍMICA NOVA NA ESCOLA
Miguel de Araújo Medeiros
Recebido em 18/02/2011, aceito em 16/03/2012
Zinco
Vol. 34, N° 3, p. 159-160, AGOSTO 2012
159
terias, corpo de cadeados, instrumentos musicais de sopro
e até mesmo armamentos (cápsula externa de cartuchos
de revólveres e espingardas). Além disso, o zinco metálico
é utilizado na produção de pilhas e baterias secas e de
telhas. Já o óxido de zinco (ZnO), que é um pigmento branco, é usado na fabricação de tintas, cosméticos, fármacos,
protetores solares, maquiagem (pó facial), revestimentos
plásticos, borrachas, aditivo alimentar (fonte de zinco),
catalisadores4 heterogêneos de processos químicos e, por
ser um semicondutor, equipamentos eletrônicos. O sulfeto
de zinco (ZnS), por sua vez, é utilizado em telas de raios-X
e TV (com tubo de imagem).
do impacto mecânico, de modo que o material assuma o
contorno ou perfil da ferramenta de trabalho.
2. Fundição – É um processo que dá forma aos materiais mediante fusão e escoamento para moldes adequados, nos quais há posterior solidificação.
3. Lixiviação química – Processo de baixo custo que
dissolve – em solução aquosa de ácido, por exemplo, o
sulfúrico (H2SO4) – um metal presente em um minério. A
solução aquosa passa a conter, além do ácido, os íons
metálicos extraídos do minério.
4. Catalisador – Espécie que aumenta a rapidez de uma
reação sem ser consumida, podendo ser recuperadas
no final do processo (Rinaldi e cols., 2007; Figueiredo e
Ribeiro, 1987).
De que forma o zinco é essencial à vida?
160
Biologicamente, o zinco é um dos metais mais importantes que há, sendo necessário para quase todas as
formas de vida (Bryce-Smith, 1989).
Em um ser humano adulto, cerca de apenas 2g de
zinco estão distribuídos por todo o corpo, presentes em
diversas enzimas como a anidrase carbônica e a carboxipeptidase A. A primeira está presente em quase todas as
plantas e animais, catalisando a reação em equilíbrio – há
um aumento da rapidez de reação na ordem de um milhão
de vezes (Lindskog, 1997): CO2 + H2O
HCO3- +
+
H . No eritrócito (célula vermelha do sangue), a hidratação
do dióxido de carbono ocorre durante a absorção de CO2
pelo sangue. Os íons HCO3-, que se formam na reação,
entram no plasma sanguíneo e os íons H+ se combinam
com a hemoglobina. Esse é o principal modo de liberação
do CO2 após a queima da glicose nas células. Já a desidratação da enzima ocorre nos pulmões, quando o CO2
é liberado na presença de alta concentração de oxigênio
(Greenwood e Earnshaw, 1997). Já a carboxipeptidase A
catalisa a hidrólise da ligação terminal de peptídeo durante
o processo da digestão, separando os aminoácidos em
unidades elementares.
O zinco, além de estar presente em várias enzimas
distribuídas pelo corpo humano, é importante para o
bom funcionamento do sistema imunológico (Peres e
Koury, 2012), auxiliando na cicatrização de ferimentos e
na síntese de proteínas, sendo importante para manter o
equilíbrio ácido-base no organismo e manter em ordem
as percepções de sabor e odor. Além disso, a deficiência
de zinco pode provocar problemas de crescimento, perda
de cabelo, diarreia, impotência sexual, depressão, lesões
oculares e de pele e perda de peso. Para uma alimentação
rica em zinco, devem-se ingerir carnes vermelhas, aves,
germe de trigo, semente de abóbora, ovo, mostarda em
pó e nozes.
Miguel de Araújo Medeiros ([email protected]), licenciado, mestre e doutor
em Química pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), é professor
adjunto da Universidade Federal do Tocantins (UFT). Belo Horizonte, MG – Brasil.
Referências
BRYCE-SMITH, D. Zinc deficiency - the neglected factor.
Chemistry in Britain, v. 25, p. 783-786, 1989.
FIGUEIREDO, J.L. e RIBEIRO, F.R. Catálise heterogênea.
Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1987.
GREENWOOD, N.N. e EARNSHAW, A. Chemistry of the
elements. Oxford: Butterworth, 1997.
ICZ. Instituto de Metais Não Ferrosos. O zinco e a indústria.
Disponível em: http://www.icz.org.br/zinco-industria.php.
Acesso em: 04 fev. 2012.
JONES, J. Gold of the Indies. Disponível em: http://metmuseum.org/pubs/bulletins/1/pdf/3269152.pdf.bannered.pdf.
Acesso em: 22 mai. 2012.
LAS CASAS, B. Historia de las Indias. México: Fondo de
Cultura Económica, 1965.
LINDSKOG, S. Structure and mechanism of carbonic anhydrase. Pharmacology & Therapeutics, v. 74, p. 1-20, 1997.
LOPES, R.J. Latão era sagrado para índios de Colombo. Disponível em: http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL12705603,00-LATAO+ERA+SAGRADO+PARA+INDIOS+DE+CO
LOMBO.html. Acesso em: 04 fev. 2012.
NEVES, C.A.R. Zinco. Disponível em: https://sistem a s . d n p m . g o v. b r / p u b l i c a c a o / m o s t r a _ i m a g e m .
asp?IDBancoArquivoArquivo=3985. Acesso em: 04 fev. 2012.
PERES, P.M. e KOURY, J.C. Zinco, imunidade, nutrição e
exercício. Disponível em: http://www.nutricao.uerj.br/revista/
v1n1/art_1.htm. Acesso em: 04 fev. 2012.
RIBEIRO JR., W.A. A idade do bronze no Egeu. Disponível
em: www.greciantiga.org/arquivo.asp?num=0157. Acesso
em: 04 fev. 2012.
RINALDI, R., GARCIA, C., MARCINIUK, L.L., ROSSI, A.V. e
SCHUCHARDT, U. Síntese de biodiesel: uma proposta contextualizada de experimento para laboratório de química geral.
Química Nova, v. 30, n. 5, p. 1374-1380, 2007.
Notas
1. Forjamento – Deformação de um material por meio
QUÍMICA NOVA NA ESCOLA
Zinco
Vol. 34, N° 3, p. 159-160, AGOSTO 2012
Fly UP