...

I A. V. S. Cardoza s ft Recebi duas. E` preciso O insistir com essa

by user

on
Category: Documents
9

views

Report

Comments

Transcript

I A. V. S. Cardoza s ft Recebi duas. E` preciso O insistir com essa
^
|
I
MMmeknAmwmjL asa
SJBL
5
hla*s....
SOO rto.i&Bunctat, Uaii* 20 ri!*. gj
\ Ltóf::
^0
aanllnria AuSa't5 R'beiro $TC:'
idpcileria çtnalo, 58 e 60.
r
1V9S2 Ik ir'if
D *. 6'i a
)S0 '0 s.
i'sas W«*rai« R.deD. Bstephania.
J
ktix iffidftvJ
de S. Caralueiro. e
'gl^Sjayme Leça da
Veiga,
0
tua do Câ*ucifizo, 86,2
>
uaTilõ n. 1
«luarta feira 31
dos para creaoças, qua esta acre
ihsiro Trifect;
ditada ca'a tem exposto, qua jul-
ner.
gamos
praticar
uma
preveniu to os
boa
chefes
acção
de
família
g^:
Alfredo
ascou em Stuttgird,
em 1770, e
a ílho do secretario do governo
2 Wurtemberg.
gE miou em Tubmaiue. onda foi
í^iuliscipulo
dí
de Glausthal na Allemanha.
lados
os ouvidos atoraoen
h
acab «u
por
a academia das minas
0
da casa qua nos
Da todos os modos
dos
para que fi-
leitores
do sr. João
O acreditado cambista o sr. An-
doente aespisa
Henrique Barata, nos
tonio
so coilega do Commercio de Portugal.
a sorte
para o an
nnacio que vae na secção competente.
cebido
os
exemplaras do
Paris-
grande
seus fregue-
Esmola para os pobres
Nova guia do presidents da Ca-
bém nós lhe seatimos a falu.
verendo Pires de Lima.—Ciractar
preside?—O
Transporte do n° 2:37C
.
15*080
Da uma anonyma
re
500
Total
da camara.—Novo Santo Officio.—
15:580
Sào concorrentes aos
logares
a esquadra in-
vagos
de
de-
^.ar, comqnanto creasse de; ois
glezi do Ginal. demo-
monstrador e substitu-
systexa propriamente seu.
rar se-ha
to da secção cirogica e
aqui
alguns
seguindo
depois
^ebntou noen«ioo raganlo cur-
dias,
3 public )8 em J*aa em 1801, foi
par* a Madeira.
mijado em 1806
jute na universidade
da secção
Folgam com esta no-
professor sup
d'aquella
ticia: — En
da
escola medica
do Por-
to, òs srs. J
de Mel
lo
primeira
medica
Ferrari. Miguel Ar-
Schaliing; da
plana os donos dos lo-
thur da Costa
8)8 a 1816 dirigiu o gymaasio de
gres da praça da Fi-
Candido Augusto Cor-
gueira,
os
rea de Pinho, José Gui
rapazio
da beira mar,
dade em logar
de
urtmberg, seado chamado n,e1'a ultimo
anao
paio
governo de
línguas,
o
Jade para r°gir a cad sira de phi-
Ricardo
.osophia da Hjldelharg, e substi-
os vandedoree
Jorpa e
tui^ F:<*hta em
tanha assada no forno,
•nbem
na
cadaira
de
philoso-
e o Joaquim
da casdos
H 'gel morrou
em
1831 de u-a
Mel-
A <»mpreza ilo
XI1 ii st ra cl
"Uiario
com c|iie
Port wine e... os burrinho» da Outra Banda.
João
Baplista
hoje
Musica
tal: Sé, ás
por
instrnmen
3
Amo-te loucamente. Nunca
quatro ho
g
te esqueço=Responde.
ceição Nova, S. Paulo.
tratos*
e
mesmo
de indivíduos
«es iiiic*
aado
we
tr*xw. nas
mais*
ten liam
lor-
artew.
nas
in-
tamliem
os
«los principaes
a ul los do esIraiiKeiro.
1 léni ilas modas e <las
iisicas
que
publica
ri «almente dará emialiKHte á cslampa. mellideK na
u
largura de
iluas
uas Ircclios de
ou para
cnnio.
piano
al-
musica
ou
pura
Encarnação, Sacramen-
um
to, S. Roque, S. Vicen-
caixas e outro
te, S. Miguel, Anjos.
No vapor Tagus vieram
de
parta
das
obras
ourivesaria
gu->za
que
portu-
figuraram
Reuniu
da
R
••
saúde
* o I v e ii
de janeiro
siario
todos
pulftlicuir
ilias
«lo
ficando
«l«->
«l*«*st«^
a cir-
ser in-pec-
Foi
HEGEL
«is
c«>r-
terras
s«h
«le
a
attenção
para o
O appenso do sr. prior da Lapa.—
zem as pessoas que s-ubscreveram
Simples
para o jornal
—Pequana
prodigiosa rectita em beiefi:io dos
commendaçõis
á
inundados.
zario.
dos
seus freguezes
variedade
de doces.
E no
entanto a
não ó nossa, não
vende
e
a
nistração
do
llíustrado"
admi-
"Diário
teem
escriptorios
de
nioguem.
os
na
de
S.
Roque
l.°
não passem no Chiado cou os
*>61, pir caus^ da casa Ferreira
E'
tão variado o sor-
imomo de bijouterias e brinque-
ex.
a
toda
a
Imagine se com
que
ancia não
br*zileiro—de Itaqui.
uma o seu exemplar, remettido pelo correio,
conselho:
Joaquim
noticiaram a
transcreveram
d'elle
os
ch-gada
diversos
Maria Correia, chefe da repartição
artigos,
eentral do ministério da justiç*.
riosidade publica, e os subscripto-
fia Conceição:
barão de Vella Izabel;
vueiredo Simõas
João de Fi
de Oliveira; ba-
estimularam emflm a cu
Pois não se zanguem mais, por-
Angu to
Alf'elo
Manuel
da
Silva
Façard;
Gosta;
Hearique
Antonio
da
Silva
porção de roupa
travessa do
sr ■
Cavalleiros da ordem de Chris
José
Pelas 3 horas
devera» sentida.
O sr. barão nasceu na cidade do
Josó de Souza Azeve-
Lopes
Pacheco;
Cava-
Compareceu a
machina
qne ganhou o premio.
17
Cio Rio.
de
c n«ul em Berlim e eu Dresde.
Era iitter-to distincto; produzia
;.Jgun?
livros
de
versos
muito
'predaveis, dramas, comedias, a
romances,
sendo o ultime
d'estis
0 annel magico.
O seu funeral foi muito concorrido.
O sr. barão de Santo Angelo deixou te*tameet>, feito am junho de
Ao anno que hoje se bispa,
1872, e
approvado
pelo chancel-
E que fez tantas asneiras,
lor do consulado do i oporio.
Loteria
de
Lisboa
Números mai' premiados na extracção da loteria
Santa Gasa
1
40*000
«Sem te -lizer: Obrigado.
1107
400$000
7
40*000
cil n'um critico de litteratura, bel-
«Tu ficarás na historia,
2394
200*000
60
40*000
las artes, etc.
«E ea cá flcu empennachado.
4017
100*000
189
40*000
2691
100*003
220
40*030
«Não posso na minha vida
4501
10í>*000
228
40*000
«Ja esquecer-me de ti...»
• 60!
100*000
320
40*000
N'istoo ministro constipvso
1952
1005000
457
40*000
E espirra-a/c/.i; atchi.
3707
100*000
551
40*003
4335
100*000
781
40*000
Na rua diz a patrulha:
3710
100*000
865
40*000
—Eh! que tempo arreliado!
3296
100*000
935
40*000
cesso
para transformar um imbe
Uns pombos correios... exceu
Atravez da exposição dt aves no
de
crystal —por
Negro
Val-
—E«pirou pYali algaem...
—Domis teco...se é soldado.
•
Rebello da Silva
O Papa é que é infallivel,
da Miseric.rdia,
da
3505 i:OOt>SOOO
Muda-se da
n.
folh?.*, e foi lente da escola militar
•Não quero que vás embola,
U na receita por semana—pro
Cabral, residaacia da
#
ALEGRE
«Que doce que eu te nâo acboí
Tam Tam—
loja n* 7 da
O prejuízo foi insignificante.
Foi joraalis a, fundou algumas
1001000
do
dez
Maria Joaquina.
Pardo, no Rio G'andfl do Sul,
3853
pa ticula»*
da tarde de hon
na
administra
_ _ a fina flor—dos annosl
Pr to—ex-
tem raanifeit u se incêndio n'uma
Mendes.
Antonio
sua morte foi por isso
1550 8;000$000
municipal do
Lisboa por um oculo—por
Incêndio
dos
me entregastes o pennachol
Melro.
Adriano de Bnon.
ção:
A
bumero da
verificou
palacio
que está a chegar.
actos
"—setenta e nove,
tricôs 1
res a verem-o... por um oculol
rão Carl von Seebach.
tapio
amigo».
geraes
que se
camara
por um apontador.
Moreira da Silva,
dos
Da janella... das trazeiras.
gente—1." ao
F/aocisco das Chagas.
nal. As redacções receberam cada
de justiçn,—de Ferreira
Gommendalores
o
conde de Samodães—por frei
tribunal
de
as
D z o ministro do reino
Cartas
m#
e re-
geraes—por Bali
tracto
Gavalleiro d - ordem da Goncai
Avis vos oa p*e.« da fainilia
presidente.—Artigos
esta sendo esperado o famoso jor-
Luiz
Uumberg.
é
rendo
KALENDAIUtt
Sessões cómicas municipaes na
Co • menda tores da Chri t^: Anlarga
determinado
pratica do reve-
ra Lima, conselheiro do supremo
T'tulos
li7,
culpa da falta
è... dos gelos, diz o Diário de No
Mercês honorificas
de Lima—José
n.°
franceza realisou
titias.
redacção
guia
do Poço dos Ndgros. Amanhã tem
«111-
De amanhã em deante
rua
extraordinário com
projecto de supplemento.
que a imprensa
Viscondes: José Antonio Ferrei
seus
Obremos o Paris-Murcial»— di
do sr. Guerra, estabelecida na rua
uma grande
conquistara lhe
homem
Ena tempo exerceu o cargo
raissào encarregada <io
pastallaria franceza
disposição
com
a organisação da ccm-
dvislso.
a
mais
systema a seguir para
proximo, os
da
um
i-y i*pattiias e um sem
tem havido.
naval, no dia 3
annuncio
bocr,
constituem
grata. Amanhã o sorti-
judicial.
Chamamos
já
que
A sua afabilidade,
justiça,
tivos de bordo.
m«>«Io
culto.
a Í9 de novembro de 1806.
do ultramar.
vendedores
o j or n a 1
Bal-
conselhos
lâslioa* l*«»rto e Coimlira
de
a casa
aspirante a facultativo
í esiiondcEites <le pr«iviu-
e «las «nitras
qne
anno.
^ ih pr«kveni<l«is os nos-
. cia, e os
venda
exame
Cinzas*
sos assi»iiantes,
H:n
a
caniilat03 ao logar de
coim eiclusfio apenas «le
qur.rta feira
digiosa
em
llluslratlo*'
os
o
de consul ge-
ticia que lhes deve ser
conados pela junta de
nalmeiite. aempreza
Lisboa o cargo
no
Todas as semanas será
ma «le xadrez.
em
exercia
Hio
rever
ue
gie, qu« ha muitos annos
a fua franqueia, todos os dotes em
pleto e variado que ali
Hão
gelo. MadusI de Aranjo Porto Ale-
por toda a parte, ó pro
gada
apresentado um prolili*-
wortaes do sr. barão de Santo An-
espirito
mento é o
cumscripção
cemiterio eccioentil os resto?
do numarario escasear
a commissãe encarrede
sepultara
me. Ora, vá lá uma no
hontem
ministério
ã
ijava a nm caracter nobilíssimo um
é um verdadeiro enxa-
róis.
co
bjutem
to dos capitaes, apesar
é docinho abundam ali,
a 97.000*000
Deram se
O sr barão de Santo Angelo al-
Os amadores do que
to, o valor dVssas jóias
eleva te
: o h^oci opm wox
ral do Brazil.
tresqui, ao Chiado.
Segundo o manifes-
^
Apesar do retraimen-
tem feito
aa exposição do Brasil.
uma
columnas*
levanle
13:054 malotes.
airestado ao pai#..
G ntochão:!Mar'yres
duas.
3
6
Capella:
Santa Iiabel.
para In-
12:- 00
ou por qualquer serviço
retratos
laranja
glaterra,
diislriais* no eonimercio*
Pulilieará
Delgada
sairam jã dois vapores
com
Recebi
Inglezinbos, Santa Jus-
Mau gosto.
le-
nas
de
ta, S. Luiz, S. Mamede,
re-
porlusue-
notaveíM.
Musica
fiC-i de cosinhd! a uma
on Ires
Cardoza
ra servir de intermediário!
da Gonceição.Gom uma
iIoím
S.
■3
mi llioramentoM
manas
V.
g*
ras. Assisrem suas ma
aggredir,
Punia
A.
insistir com essa pessoa pa-
Nicolau, Soccorro, Con
D.j
Tem Indo pogtiçot
O
recebidos du-
nha, a costureira Mina
costureiral
sa do sr João de Noronha (Paraty).
neficios
solveu a p reseii íar ia ri««
0 typo será (o«lo novo.
l>ar-Me-lião iodas í\h se-
—T m passado melhor do seu incommodo de sauae a exm* sr.* D.
E-igenia de Meneies e Noronha, espo-
s
gestade8. Magdalena,S.
ii. ii'o em diaiile.
tos Cabral.
José Maria C oft de Moura.
E' preciso
com uma faca da cosi-
ja-
meida Eça.
Fedro Diniz.
Antonio Guedes Quinhones de Mat-
ft
re-
de
Cu-todio José Go"çaives.
Eduardo de Moura Coutinho de Al-
ção da graças pelos be
lliitlo
pnKilieo.
Marquez da Cesimbra.
Barão de F.-rr« ira dos Santos.
Te
ter
pelo
E os srs.:
Dias
e.Mle Jornal tem wiilo aeo-
querido
Nazareth Va-
querque.
Almeida
rante o anno:
Foi preso o cosiuheiro
da
lente
D Maria Ermelinda de Lima Albu-
Dias,
Antonio
iMaria
guintes egrejas em ac-
fisieremlo
/òrma ao favor
D. Helena Alve* D as.
D. Maria Jotó de Vilhena.
D. Maria Ro2a de Meli».
Deum solemne nas se-
mentam a sua sorte:—
«'orreNiioihler tie al^uiua
de
Canta se
os ovos, as laranjas, o
fitaque de ró»era.
Condessa de Valbon.
de Gouvea.
lows, da Piedade. E la-
paia.
Santos,
lherme Bap.hta
os donos dos arcraxens,
1818, em Barlim,
—raaemfcole annos «s ex.»" sr.M:
Madame deGeraaló.
D Juliana Botflho.
D Paulina Daunet.
Tem passado incommodado de
Chega brevemente a
Liíboa
aos
2377
HIGH-LIFE
D. Hilaria
sos collegas de alótn do Gaia; tamParis-Aíureia?
felicidade de distribuir
O summario é o seguinte:
lamento.—Quam
o
teve
saúde o sr. visconde de Ferrer.
mara de depuiados.—O futuro par
está
Fonseca
o annuncio.
Murcia Tenham paciência os nos-
« Onde
da
Desojamoslhe promptas melho-
Tam Tam.
do paiz nosso visi-
Igiacio
hontem a
Publicou-se no Porto o n.# 14 do
Paris-Murcia
jornaes
bastante
189®
nho lamentam nâo terem ainda re-
quem nossos amigos chamamos a
attenção
Os
Está
»!«lftumsre
a correio itiicMi»
aâmí&tí&Mfe a á.
l. MoitfeLr» travem
i.» S3.
ras.
até que se resolvam a gas-
tar uas cobres em qualquer boai
Schelliog, cujas
philosophicas
1
uâo querem
pardòa o indiscreto aviso.
alhmão,
Sande, alumno
portuguez
O propraitario
philosopho
Ben
que aa livrem de passar por lá, se
Jorga Guilherme Frederico Ha^el, celebre
Iljlbron
Gavalleiro da ordem de S. Thia-
to.
Hegel
AfToaso
d» dezembro dia
v
hontem.
O ienpo provável
>oa
hoje em Lis-
fanado o boletim do obse«-
ruorlo raetersologico
do
infant®
0. Luiz *
1.*, para a rua
Os typographos nâo são.
esquerdo,
Por isso bonte'o Kaleniario
1 quadrate NW.—Ceu: algumas nu*
Saiu com seu aleijão.
I vens ou limpo.
1880.
no
,
Vj»ri'.o
fresco
ou
moderado do
BOLETIM
00
OU
mauifostar-se visivelmente incom
elle possa responder:
verno
mod 4 do.
«Perdão, mas aiuda não lhe ou-
das
O summario das propostas que
o governo vae apresentar ao
Era noite
par
O sr.
descontentamento profundo.
é
inete
chama
cessa
geral. A maior
a
quem
nào
em
De repente
os tspelbos,
Sabemos, em vinte e quatro ho
volve os olhos para
as cadeiras, para o conjuncto par
progressistas,
vmj
censura ao ministério
todas
dem
ao
una
as
augmeoto
e
cae das na
dos impostos
exemplo,
rev.»>,
n'am
se
tom áspero e secco:—Advirto o sr.
alheia. Voltando se para o duque:
deputado
est%va
eu imagi
qu*
hontem
srs. Eduardo
ás 11 hj
nosso ami
solvido, na ses?ão
E
de homem, no
amigos
veneravam o
pelo
mear uma deputação para vir en
tender-se
—Isso mesmo
muito a sério, com o sr.
E o sr.
Falia se na apresentação do prode
muitas locali
auctorisados
pelo
a abolição
de
ser a
ha tres
Adriano
Não
Machado saiu,
O sr. padre prior sabe.»
Arrastado
goAh! sabe-o todo o mando;—até
proposta
o Sòbem as
paredes de
S. Bento!
tremo
de
ergue se o sr. Marianno
de Carvalho e diz nitidamente que
confessam já que
Uma correspondência de Porta
tal
proposição
«é
legre enviada ao Diário de Porta
nada pat'faria dos larapios da pe-
atrozmen.e. Os que a acompanha-
gal conta qu« dois populares
nitenciaria » etc.
ram
quella cidade esperaram á esquina
por
menos
especulação
não
estão
inquietos, e protestam ser
d uma rua
violentíssimos no seu de; forço.
Ha
três
dias
que o sr. Barros
da
Alexandrino do
penhores
foi Deu6 servido
Ultimamente, ern N^po-
segro, o
ram-lhe
Gonça.ves Lobato,
sepultar ámanhã 31
500.000
Offerece
o presiito fúnebre
travessa
do
Em França ba 1:700
que cultivam
as
todo o seu explenTempestade
Das
1:700
publitam
O Fayalense, da cidade da Hor
e
escriptoras,
romances
cu
uete
vil a
las palavras seguintes,
roroso temporal.
A nomeação de pares vae ser o
ultimo grito de
bulo e tudo...
guerra. O gover
—Meus senhores, o
O correspondente
pondera:
momento acaba
lio, não podendo «levar ao p*ri Uo
todos cs aspirantes a
que n'este
de se
deando se furioso
passar, ó,
«Conta se que Guillotinfoi quem
No
porto
Que as expressões larapio e pati-
duas barcas italianas
prirfieiro praticamente experimen
faria possam ser talvez considera-
mendados. Eotre estes ha pisoas
gueza, a
tou *s excellencias do seu terrível
das
impossíveis para
o
e a ingleza
instrumento de morie—a guilhoti-
depende
lu
insuperáveis. O
n*». Tu, João, és
que
dade,
escolheu
os
diffl3Uld2des
numero
dos
mais
recom-
caso.
D'aqni
despeitados é maior
incomparavelmente
qneira
grosseira e altameDt* ofensiva do
t'mentos, bem
decoro da camara. Portanto convi-
Coeur. chegada do Havre.
nador
De sorte que este pardeu a ais vo
mos, está sendo, por parte dos srs.
los do que ganhou.
populares, o alvo de todos os pro-
civil,
do
o qual, pelo que ve
o
sr.
mesmo com a palavra
que
No ultimo numero do Tam Tam
nm
distincto
quena
do issumpto de que se trata.
seguinte:
p estdente da
tradições, e inabalavelmente
mo
putados
narchica; considera por
um
de Lima;
r
Pe
em
camara dos srs. de
1880,
o sr. dr. Paris
ção alluiida.
Ao occupar pela primeira vez o
plano que, p :s'.o em
estrado
presidencial,
acção, nào lhe permiuira ttroar a
uma
oração
entrar n'aquelU camara.
qui!
agradecerá
redundaste
que applaudimcs
o
dizermos
que
tudo quanto te-
nha por fim castigar
s.
ex.* dirá
em latim ad hoc, na
a Deu3 a honra
lhe acaba de ser feita, pedin
do
severamente
conjuoctamente
Santo
que
sobre a assem-
tureiros que
çõas a respeito do throno e do al-
serem ministros—viziveis ou iovi-
a inspire nas suas resolu
ella as maiores afrontss, não p^u
%•
pando o rei nem ao menos ca sua
Para
conciliar
siçã> excepcional, e proce endo a
do
respeito d'elle como se
Freitas,
a proceder a
não
atre
resp® to
mais humilde e modesto
da
particu
republicano
Mendes
nezes
e
do
as
sr.
então
Supponhames que o sr. Laranj a,
«ena
horror.
constituintes,
completo
Antão
Alcoforado Telles de Me
Barreto e Noronha, o reve
—para arrostarem com
ií anio que terá i i parcial
) na
proximo. Do
que se tem passado e
continuara
o meio
ção,
de,
itrpingir
sfxta
ediçào do
O rev.mt presidente nào pestano
jará sequer, julganlo, cora toda a
razão, que entre os dois assumptos
ba todo o paraúte^co.
Se,
porém, falia o sr. Lopo Vaz
direcção
mentares,
b-rdsd i
dos trabalhos parla-
pois que elle ama a li
de
discussão (para o sr.
de
Freitas), e respeita
—Eu náo posso consentir que a
pretexto
serviço
da
n'esta vida tem a sua
dos
ej-treitos limites da boa
duz a
de
sando
a
deputado
voz,
para
a
portanto, o
entrar
na mata-
dentro
preciso amarrotar meia
Keconiniciidações
geraes
o sr. Julio de
Vilhena e Dias Ferreira).
O reverendo
papei.
presidente,
todaf»
as vezes que se debater uma questão
§ 3.o
S- ex.* revm.« deverá estar mu-
Um, como ha poucos.—felizmente!
nido constantemente de um carôlo
de algodão em rama.
po rmos
deixar de
iastrucção
publica
e o
O
dito
carôlo
terá
a seguinte
duque,
esquteidas, depois
v a dar uns
que
Í"
»
começou o du-
ligeiros s
gnaes UO
de
^ ju-ivo
ôlicada impaciência, depois o sr.
Adrano Machado
gesto
Sónos.Yesta acrescentar uma pequena
informação
que
pedémos
colher honte o: a phrase—está le
te o orador disser, formalisado:
tjantada a sessão, será subsiitu da,
de
a
declarar
a
v. rev.m>
proseguirei, dado o caso
o reverendo Marianno de Car-
valho fiará o tratamento da parte
ministerial
UIIUIU.^IIOI
da >/ouiai
camara)
ua
O.)
continuar
i/UUUUUdl
nos
usos
parlamentares, * contar
do di-« 2 de janeiro
de
1880, por
est'outra: Ite, missa est.
E
lego os srs. deputados irão á
missa.
e intr-romper u e na phrase habi-
comtçava já a, ta&l do Diário Popular...*
K
E
---
idGS
r
in
"
a íe^ninle
a
varia
A
bem pequenas.
menos
pelos outros
^
"
aprecia
de Si e nm ftínn
medidas go-
de
q
?k
rt v°BH?108
Cem
a
bem a
o
intentaram, com o
dos náufragos.
«Temos
no trôlo
esses homens
mysterio,
verno, por
vjlto, como se fôra
e seus filho Herberto Dabney, que
dor de melodrama.
a
c rdas, das
quaes
O lucifsro, i.^to é,
uma das extremidades se con^e^va U luz é
o zeloso e
raio de luz
O
andava
um
D3
°
ri» "L„ T
" ~4ir./
P/oiixiflaae
zendistas e pedantes.
em que o go-
modéstia,
Samuel Dabnr-y
amarradi8
sr.
animosos
emflm um
$ei
Apegar da eSn^
IUIU
prtpria vida, a salvação
contam-se os
yfda loDBa e Xrir,^'
e ao
2
?
acção com todo o engenho e art :
Entre
não
pria,ê?a
r
qua alguns mdividnos corajosos e
momento
m.is
as
3es eram lam
an?ustio?o
que
diremos
dos
fa-
do actual mi-
meieri-, crttinisado e cretinis^nte,
ea-
que a tyraonia cora quo avasàloa
consoira-
« violou a urna do suir agio, quer
agora
o que trouxe
Contra pôr
uma
mais u gridante,
illustrado cor
a
lyrannia
tyranma
da
sua propria sandice e podanteria?
va firme em terra, salvaram ásua respondente do Commercio do Por
l\fl P í A rv v\
n (*i a n
«i mI
n 4 * ^. I <
*
it
^
.
e
parte 5 pessoas, entrando a eis-1 to, coRTiRaçõerraínTsterlaeVdlo I seáft S
í!IÍa.n0„S^?Í
Foi
tanto
o
chegou a
capitão de
perige
r
que
um
receiar-se
momento
pelo
porque
sr. Sa-
fi-iara
memo na
S'í
teve
uma
corrente rebentada, e a tripulaçãj
eminente
A bordo
da
perigo, cortou
barca
noruegupia
8
K-1
se.»
P
DÍa
°
CARTEIRl
Segue-se o índice das reforça as
ciamos.
Queen
SS
ea
go?, qu* agarrara.
No-them
tendo'e'v'rSado"!
hãHe°ser ur *1a\pdoposU(''
que hontem
A
I - Jn"l?qfe
cor
philantropicos caeia
a maxila autoridade ás sua, in
juuctaraente cjm ura dos naufra
^
DOS
THEATROS
D. MARIA.— Muito
reproduzimos o apre-
escripto na
se tem
ia prensa
já
periodica a
res pi to da appariçâo da sr." Pai,'
».
,
|d,n« no paíej do the&tro de L
Nao podia ser mais completo o
Maria, e do f*cto de ter represea
success o
A
de...
quasi
g rgilhada, nem
tado en
ptrtuguez
uma
comed"
de Sardou.
Como sabemos quo a nossa opr
totalidade d'e^tas pro-
hoave uma desgraça. Qaaulo pre
postas são já ião velhas e revelhas
tendiam deitar
nião não abala o mundo,
oão
b
a cheiram tanto a bolôr, que o mi
mar, foram dois homens da tripu
porque pedir desculpa de vir ui
*
■
_
r—
'
~
pouco*tardo.
Era
tudo caso dire
nisterio
mos a este respeito, com
ção
senão
raais
envolvidos
por
um ferro so
ura
seio
da
não
o
teve
de
outro
trabalho
sacudir a pccira do.«
a
queza que nos é habitual,
fran
o
qu
c >rr*nt<ve com uma infelicidade
tal, que ficaram com as parnas
archivos
polilha o pasto que lhes era devi
fracturadas.
pdae
do.
pontos que a nosso vér, resume»
Há muitos annos que
não havia
ali um temporal tão ho*roro89.
Tivem- s u u
dia* occa-
sião de visitar
a Livraria E:oao
mica,
travessa
sita oa
mingos,
9
de S. Do-
e 11 de que é proprie
tario o sr. Domingos
Manuel Fer-
nandes. Tem á venda um variado
sortimento de romances, e outros
livros de
enndo,
tíram?s, come-
não *ó pela
recommendavel,
diversidade
de livros
curiosos que ali se encontram, co
2
acompanhado do pedido a sua importância.
telegramma recebido
terem-se
hon-
verificado
0
Do d**empenho.
prebendei-as.
_
_
.
octo facto
laciu
a ^uo
3-* Da .^..uvuvi
influencia
que este
uutras, emum, sao tao absurdas pede ter, stb o ponto de vista ar
e irrealisaveis e transparecem tan
tiMico, ao the- tro portuguez.
ta ingenuidade, queue n merecem
E' certo, 6 cão podia
a
exame.
ser assim, que a sr.
Todas
testar
ellas só sorvem para at
que os
conseguiu
seus auctores sã
copistas,
euldades
ríeixir de
P-hdini
vencer todas
pro^odicaa
as
que
nãoí
diffl-
se
lho
que vivem
deviam ofTerecer para bem decla-
de plagiar os seus antecessores ou
mar us*a língua estranha. E' certo
a si mesmos.
qae fez
Apregopvara se aos quatros ven
tos
com os endireitas do thesouro
serviços
públicos, e vae se
quando, ao
cam
se com promptidão, reraettendo se
tre.
t-jdo< os lados da questão:
1 • D* prosodia.
nào
Qualquer encommenda satisfaz
succesbivamfnte, de
ples enunciado ninguém póJe com
t rio, que é um cavalheiro delica
dissimo.
pensamos,propondo nos tratar, ri
nidas, tào nebulosas, que pelo sim-
e dos
sabe se
furtar ao gusino e á
Ou'ra8 são tão vagas, tão indefi-
mo p lo bom trato do seu proprie-
tem
e
uds miseros
dias e scenas cómicas.
Por
Veia publicado no Diarto do Go-
ou
Democracia I riofSn*
curiosissima
ção do .elenco dSS
P°nco mais
meuns» pre postas, e
-- Como elles são felizes!
da
►
mo
S&modaes apr
s?Dt0U
que ardem com |
Transcrevemos
duvida
tifiesda.
dizer-so que ha ma-
eDK»Dado3
sem
d» Sum a ar, n?rfw» n
gó'o i^flaxô fD sconú
m.^ °,
estabelecimento
godão nos ouvidos,—de modo que
«Tenho
e,ado
eraai
mesmo t«*po mais pungente. O
pr-ceito Hjraeiano esia posto eu.
A livraria do sr. Feraaudes ó um
numero.»
da opposição, arriscando umápar
que náo
Ao principio passaram as boras
cabeças a ura
sa levantar a sessão—por falta de
pira faz«r lhe
uma visita.
contadas as
! L g> que um deputado governa
mental interrompa um deputado
presi4ente metterá o batoque d'al
na sala do
despejo a vários de
do sr. Marianao de Carvalho, pos
selho de ministros.
sr. Adriano MáChado dava entrada
intimar
applicação;
te meuos parlamentar, o reverenio
da tarde o
fará
putados da maioria, de modo que,
duque de Loulé, presidente do conUm dia, a uma hora
perigosa,
mandado de
§ 4.»
dora existencia d j sr. Adriano Ma-
«Era o sr. Adriano Machado di-
sessão logo que «ió a hora».
votação
gu nte curioso episjdio da massachado:
la, t ndo o cuidado dn levantar a
Egualmente, para impedir uma
tran-
screver do Diário de Portugal o >e-
rector de
desagradavel par» o governo,
mandará adiantar o relog o da sa
Mravez da imprensa
03
pientissimo stgnor Dulcamara
dira
ordem e perfeita cortezia (eogros
0h!
'- •
muito estragado.
Assim o qu z, assim o lenha. Tudo
E'
,nal
mais monumental o fiascon* drf sa-
Couv.do.
1
,
íno1
c
^ purf e, Pa!r'oticas d<> ? \
38 da actual, sobre circumda1
-8
actual,
uma popularidade immensa e ir-
86
os mastros O casoj do navio ficou
ria.
cedo.
A,i
uma organisaçáo antiga, que o p rlamento discutiu com mão nrctur
coforado
vem
'
vendo o
poJer, e nunca as mãos lhe doam.
mais
d,e3la
desvie a attenção da camara para
sr
conter a camara
oova organise ção d«
aduaneiro o sr. deputado
bléa (p^ra o sr. Antão Mendes Alde
tripulantes
volvido era troços do madeira cou
modo o orador:
iao
?'
baixo l
painha, apostrophará
do seguinte
lra
noites foi
fri
1380
muel Dabney,
le. Ajuste as contas o melhor que
o que não o impe-
pjnto s. rev.m>,
á pcrla
burgomestrò
As intenções
adminsw
~v
>— d'aquella
«uujiu
i
monologo:
a barca
depois de agitar fortemente a cam
na e dmroa
etc.),
n'este
u,timafl
proprio
va
uma das barcas.
tabaco,
ot ua ami
dos seus
o
Magdeburgo.!
fames merecem a morte... Estou
bordo eram
numero o sr. Foamier
do
magnifica, era membro da assoei
philosophica
,Ç»°- ,
tot neste
a
fandegas, por exemplo, e se affas
portuguez, affir
e justo
Os
sobre a nova organisação das al-
' s fentimentos devotas da assem-
Não
a
seu discurso sobre a Z^mbezia.
el-
collarinhos que não passam de...
por uma hábil transi
çõh8, iRcluiDdo a do justo ju z i
d'isso me
pôde ser
risco da
que lhe deu o ser, encontra
uuj
um
das
,
S
fazenda
ção catbol ca e sabia alien ão, q
N uma
C0
primeira admit
treie; nao havia esperança de sal-
culo,
o autor. Que se enienla
ção, e esta já não
todas as praçis publi
ía(ío se
Da
A aprecisçã)
philantropicos
RodriíiUfs
compensa-
de
obr,
O sr. X. suppÕB que sua esposa
primeiro
um
"
t
vernamenues.
cas e edifleios particulares do cir
a passar bem ?ab« o povo «iUdUi é
com
mDIt0
| " eDgana com
uma verdadeira
permaneciam
valheiros, que
na allocaçào
está
em
abastecimento
de
re am aquelles
muito poltrões e covardes que são
O desenlace
isto é advogando a
em
:
mente a D^us, sabia todas as or
communic&ções. ficar-te-
nem
Jacquet
noile
ã
o sr. Barros Gomos, era muito t
09-
çomeçindo "ligo"a d^speda/ar-le' I
haveria em estabelecer o contrato
sr.
da
bateu
Rodrigues de
renJo presidente fará uma peque-
quências
correntes,
tervir no discurso a semrazão que
realista
em
uma hora
boas graçis
lar, por não terem ccragem — p r
as conse-
partidária a que pertence
ta da materia, a ponto de fazer in-
vida privada, abusando da saa po
A
que
tar.— Amen, Jesus, Maria, José.
coroa, cu-prado sobre
J
Rilhafjlles por.1
ra, e tem
*r. conde de Sarccdàes, que, cprr
chenar a
1 mrormar
ç&r se defronte do Monturo
occupando-se da limpeza dos seus
Espirito
b éa
habilitaram para
e
baixe
ao
o desavergonhamento d'estes avt-n
se
.
de encontro á costa pelo
Scgoiu-se
aguas
também uu
a
1,30
G^equencU dâ d;ffl:ul-
na s
P6.1
Jacquet Coeur, arrastando as duas
conta
car?a le
conservou duas horas tremendo—
foi o
fatídico
Vizeu. era ministro da
amigos:
mar e o sibilar do vento.
orador.
um
§ *
Saraiva ha
levar em
idéa de uma vasta canalisaçã j e de
crime de lesa magestade a nomea-
veriam
deverá
fracção
guia practica do reverendo
gnos pares é muito ciosa das suas
8iveis—da
Mas
escriptor humorista
do Porto publica o
Com respeito ao sr.
em
dos
embQ8Car 6 e
Fayal
sello
tração reformista, denominada S
dos
uuo ultium-
ror; era medonho o estrondear do
pedir que os oradores se - ffistem
hypothese de ser torneado um in
Seria
rev.®* presidente deverá im-
um
^
esforço da'ormenta, indo despeda L ~Qae
O
a
es a
-
tempestade redobrava de fu
arrojado
§ 7 .•
Um a propos chistoso.
isso
A
a
o
bom recado e>tes doidos smisu
Queen fundeara na
como
'
votos porque breve sejam poê is a
150 re-
manhã d'esse dia para tomar man
O vapor
jects—duros e molles.
rem qual a resolução a seguir, na
Como se sabe a camara dos di
freio na .«ua
linguagem violenta e apaixonadal.
alta afim de delibera-
çõag de el-rei.
uma expressão
discurso e a pôr um
uma reunião de todos os membros
as inotitui-
é
A Northern
deputado a retiral-a do
prestigiosos, resolveram convocar
dividud que iofamou
dar. Mas não
escrevia n'ura
^,as
2
0 pequeno vapor Fayal balouçava pe sobre a sua amarração.
foi José de Beires.»
solvidos a votar contra o governo.
da camara
do sentido
mos
Northern Queen.
amálgama,
João ó sua excellencia o gover-
antigos, e cujos nomes são muito
se lhes
a sim
200 são poéticas,
Calino
w
uma nerue-
que o primeiro espancado politico
dos collegas que vão ter, estãe re
os pares
ainda
o isso
com
Em 1869
fundeadas
acontece o
indignados era extremo por causa
Mas
parlamentares,
para qcé,
nos governam.
Jacques CoeurA ?aa°»
fran -eza
P° Q^
0
Paiz ujiicvc-ijto
merece-ncs li
nr1" |r
\\ *
*— — v paiZ
mais conceito e por isso Uik jt '
desenca-
o desgraçado medico francez, por-
do que o dos
nomeados; os pares progressistas,
mais feliz do que
menos
l°
arremessava as
estavam
bulir em tu«
estes menteca|,tcs malfaiejoe '
vagas contra
couira as
38 muralhas.
muraraas.
de facto, lamentavel. Nào contento
essa digni
lessueste
creanç
r
DCD
histerias
digem obras de pedagogia, etc.
O vento de
pascem
1:000
do mez pasmado houve ali um hor-
da um o qne ó de justiç*:
as
querem
ber
»•
como
pnl^ro em vida.
vida
cidente pôde ter levantado, e, pe-
frente dos iDglezes,—com o vocá-
m
d'estes noh
compastivos, todo* os m«seros, q
da pintura
deante de s. ex.» o governador ci-
elLiitos.
Sào
o
aflcal é necessário guardai os
*
) Pírí* qne não façam pedaço
2:150
tros tantos que o mentor do gabi
dará a ca
settro
v sl!<
mulheres
letras
e da escul nra.
em
Cearemos peior do que d*a
. Faiem dos dó, que é este o se;
timeeto que inspiram nos a Dim
apparecer em
attitude de Cambronne
.
í
Pombal
moraes
os
6
Ch*gam,
de
ta, infwrma-nofl de que na noite 30
para todos
altis, e ao ca
algcm objecto de valor.
sussurro e os protestos, que o in-
eclypsou
et qutbasdam
Triste
s
francos. Ismail-
pular portalegrense havia tomado
se
,
Pachá recusou.
Nós, uo seu caso, acceitavamos.
n.* 128, ás 11 horas da unanhà.
energia o
de l a 3 por ceuto!
,0QC0 81
L
les, quiz levantar 700:000 francos
o rrin osearam com
cem
dir as casas particnl.
ví
?,
°l*r o tecto d&meMici
h o
irf posto
de
—
~ «
rv'
«o renda
iruua ou income
a
®
les
-
ao corrente no cemiterio occiden-
dor.
'
a
. de tudo, Dão teremos coisa cent
Carmo,
to presado esposo, pae, e
sua casa na
e
bili
mo. Gervásio Lobato, Maria da*
'
...
>
—-i
Ismail Pachá, o ex kediva do
Dores d Eça Albuquerque Lobato, Epypto, já anda pelas casas de
srGervásio
quo so ba cie
re
do contracto do t.
DVa
"ao 6 s°kfe 0 carvão, que certam
^te vae salvar as flnançasl
Lobato do Car
que
a
dighera, onde tencionava demorar
se, em companhia de sua esposa
Leite Lobato,
que a prudência d'um
Elle dominará
® tempos
squella p oposta sebre o algo-
que cultivam as artes
Ainda ha p-ucos dias, rutro po-
b^RO'Os, como nos sai
feira da semana passada para Bor-
presidente, que se respeita, deve
vários fpitbetos offensives.
sua devoção, e ha ou-
c utra a vida do rei de M*
sr. governador civil
do districto e
Gomes mandou acender cyrios aos
santos
o
E' aqui
Dores
tal, saindo
mais uma refi
foram logrados, e juram vingar se
d'a-
Ttína
080
levar da vida presente a seu mui- \ sobre objectos preciosos.
que o partido
elementos heterogeneos.»
Então
Maria das
Dores
participam
progressista ó «uma amálgama de
boa fé acompanha-
ram a situação
affirmar
è
e de sou
em que « ^u,e Pe<J3ntes! Qae charlatà
wv
u,u
* filh».
» até hontem,
UUUiO
n«m,
I Q' « bulrões!
era esperado em. Roma.
Temos a reforma de omni re s>
t
Augusto
so, o sr. Hmtze Ribeiro vae ao ex
emnre»ti
cnpçÕ9>! Teremos i
n
pelo calor da discur
outro
c,rcams
felizmente a
Italia. Não havia uma única palalarmente ao nosso presido c llega
- - r—y r
r —vra de verdade na narração d'a I
o sr. uervasio Lobato, damos os quelle jornal.
juiuai.
I
nossos sinceros pesames.
O rei Hu^bsrto foi na quarta
Maria das
toda a moderação.
confirma
A toda a sua família, e particu
na camara entre de-
rável presidente portar-se ha com
se
attentado
qualquer
Por exemple:
todas as contribui-
de
levantar
por
E a arrersaatf.çào do real d'a»
noticia dada pelo Esta/fite, sobre o
que valia.
sei quando hei
putados de cores diversas, o vene-
ções.
Os que
se
desaguisido
traordinary.
verno, declararam que na propria
sessão legislativa
eu
contando mais uma abstracção ex-
:dades onde os administradores de
concelho,
digo
horas, respondeu o dnqne.
Marianno de Carvalno.
testo por parte
Quando
estrad?s
Coisas e loisas
muito
Goroigo mesmo—
que grande massadal
Maa, e Pinto
IquA filicidade suprema!
6.*
já eu dizia
contos e o ae»b»mnto t»Yàie
deve
1 monstro,
V*?fi?'r 8eRnn
edição correcta
verificar-se
em ??
11 de janeiro.
—
—*
gmeptada
do centrato
de appltcar o regimento...
em minha casa?
séde bem perto de Lisboa, foi re-
Scarnichia, Teixeira
Guimarães, Alfredo
nando que era v. ex.* quem estava
Em um d'elles, e que tem a sua
e a crmstrucção das casas escr
res, por
^'í„pre«i"o de7'
Foram quatro os candidates: os
á meia
especialíssimas qualidades; os seus
relance, entupirá
responder o seguinte n'ura
de
ante
Era o sr. Lobato dotado das mais
da opposição,
do que, aizenlo o deputado:—Pepossa
A associação n clonal do ens
to.
levantar
ço a palavra, sr. presidente—s. ex.1
—Então nao
tes.
por
Qoe innccentes!
que houve em
pate.
go e college, o sr. Gervásio Loba-
do sr. Emygdio Na
casa, estava seguramente em casa
existentes e a creaçào dos restan
sa de morte.
çalves íjobato, pae do
os ouvidos com o algodão. De mo-
Não havia duvida, não era a sua
propostas que ten-
verrinoso
s.
tado em Macau, e
r2m da manhã, o sr. Gervásio Gon
um membro temido
as mezas, para
ticular d.s moveis
por
so
no domingo as eleições para deru
que podem ser cau
noite, e sepulta-se hoje
Logo que, no meio d'um discur-
massadores.
doenças
Falleeeu
§ «.•
varro,
para
obscena, que
hontem o quadro legal
parece escandalisar o nobre
verdadeira impa-
ras, de cinco centros denomioados
de
linguagem
deputado.»
Gomo e>le estava!
projectos.
moção
essa
tanto
Machado entrou
so demónio todos os
quer
votaram
vi
Levantou se. Estava i ífl cto, dava
ouvir que protesta contra todos os
que
nenhum
ciência.
ga
minifteriaes,
de declarar
Adriano
por ultimo
Earte dos deputados, a que o
e
d'elles tinha janta-lo ainda!
lamento produzia na opioião am
A indignação
fechada
de
carta,
para
de
faliam nos
o
1
tempo que man-
limbo a reforma
fla
que tanto blasonavam,
da
muito, mas
Lncta
serirs
embaraços de accentu*<,ão.
algumas
são
cada
não ttzi
tudo.
*
Q
a
quo
—vezes
-as
inintelligiveis:
a
a sr.
passo
com
*
desinenciaí
dir-se ia
qui
PaJadiu tem pressa de pro
nuuciar
as
palavras para se
vé'
representação
das i
• w^a vwutw
unr
ii
vi u u
uiiao. Mas
iliao dávamos
UA t AuiUu um
LALLA doUvl
livre
d*ella8.
minorias, ôlles, os bandoleiros da ce — podíamos
J/vm.WIAÍVU dar
uhi — a
a qualquer
uuai^uui
nrnft
ftllAS
HQ quadrilheiros
nni^rilhâirAQ do
Ha I coffipatriota
«•AT*- rvatrinti nosso
viadoa que
nna fosse re
urna,
elles,
os
snffragio, e para complemento pro
presentar em
mettem ama lei de responsabilida-
em tão pouco
de ministerial!
apenas, esta língua.
italiano,
estudando
tempo, dois
mezes
Cumpre, porém, notar
te ponto,
que nós
em boa justiça
não
sob
Quem lh*o dava até agora?
es-
O publico?
pidemos
ser se 'e os
Nào. Porque esse, não sabemos
para
com uma artista estrangeira e in
por que
dalgentes para
muito os nossos theatros.
com os aosjc s ar
E' hoje o sorteio dos prémios da
loteria francj-hesnar hola.
Os
tistas. A prosodiados nossos thea-
motivo,
poucos
abandonara ha
espectadores,
rari
tros ó por vexes despri morosa. Ci
nantes, que assistiam ás represen-
temos um
tações?
exemplo
ao acaso. Na
a se
Nào. Poraue esses.'ou eram ami
gunda pessoa do singular do pre
gos, ou indiff^rentes ou claqueurs
maioria dos
nossos palcos,
terito perfeito do indicativo ó pro
A imprensa?
nunciada como se fosse a segunda
A nossa
imprensa
ó
em geral
do plural. Tu fizestes, tu dissestes,
muito benevola. concorrendo além
etc. Diz se, sem que acrílica thea
d'isto a cirsnmstancia de que, da-
trai se importe c>ro
da a falta de publico, se a impren-
isso, cravâo,
crapintetroy vintura, etc. Ora se a
sa quizesse
critica se nào importa
isso,
menos
benevola, acabaria por ar
menos dós, que nem somo» c itico,
ruinar
as emprezas,
nem queremos
com graves diflleuldades, e a rui
com
imitar o Gramma-
ser
um
poúcoxmbo
que luctam
na das emprezas traria a morte do
tico de Nicolau Tolentino:
theatro nacional.
Que poz na rua o seu moço
Por lhe ouvir um solecismo.
Santo Deusl E<sa ó a inlispen
s&vel
Mas o que achamos inteiramente
justo
é
que abras j amos nt mes-
ma indulgência ou no
mesmo ri-
para
que
um art sta possa
apenas viver, apresentando se de
ceniemente vestido na rua,—e no
theatro.
gor todos aqoelles que representa-
N'estas circumstancias, era pre-
rem em linp ua portugueza, e que,
ciso, era indispensável que o tber
se se trata oe exg'r que nos nos-
momeiro
sos theatros
qualquer motivo,
se
Mie lev, come
cemos por censurar os nossos
ar
artístico
justamente
parição da sr.
censurar os estranhos. Onde
mlmeute
ba lei nào pode
E sob
huvor
infracção.
este ponto de
encontramos
na
circumsuacia
vista ainda
sr.*
de
.osso idioma,
Cidade do Cab , (sem data).
Tene-se que augme. te a insurreição dos Boers no Transwal.
uma
nobre,
nma justa,
d'e ta Real F opr edai^.
de Lisboa a 96/000 róis.
da
mentos que
prediaes d'assenta-
mento, a 94£200 róis.
Obrigações
dos
caminhos
de
ferro do Minho e Douro a 9U70G.
conseguiu Nrer-se
\tender representando n'elle.
nossos
artistas
excelientemente
é nossa
a
opinião,
receberam
sr." Paladni e
muito
humilde
Quanto ao
ef que
desempenho, é visi
a sr.* Paladini lucta dos
O futuro
se
se
ensaios
da
coro tado
Pericholâ que sobe á scena no dia
quanto ha de javcnil, de moço, de
3 em beneficio do tenor Portugal,
mariposo,
não
como
disse
algures o
Castilho, no s u papel.
actos,
tempestades
nem
ha hoje
A'mauha reapparace a Madame
a sr." Paladini simplesmente
No
salão
ha
traordinário
ámanbã
baile
de
um ex-
mascaras.
assombrosa. Então principia a es-
Quem lá fôr hsbUitase a apanhar
tar no seu
uia lindíssimo Centro deme^aque
elemento
idade. Hi
muito
e... ca sua
tempo
miamos
no
nosso
ofundas
commoções.
iolenta em que
elo
marido,
que não
theatro
A
tão
scana
nào
se pôde fazer,
lade, com mais verdade, com maior
correcção.
nenhuma
duvida te
mos em declarar que, sob
o ponto
de vista do desempenho, achamos
a &r.
Paladini,
nos
actos
da
verdadeiramente
Dora,
dois últimos
admirável
do
desempenho é
primoroso.
22
do
corrente
promovido
actor
se pôde fa-
Brazão é dizer que
elle se conserva
artislico de
ma do sr. Antonio
ra ser
lados
falsa qualquer apreciação
que tudo
está habi
Umbanco, em que Antonio Pedro é
almiravel. A poesia A memoria de
José
Theodoro Vidal, escripta ex
Anjos,
para
semp*e
ao nival
P-ladiui. E com fran
queza, ó preciso confessar que não
talvez
no nosso theatro,
presentemente, quem
carregar-se
de
polesse en
tão difEL -il p*pel.
em tão diQkeis circumstances, a
nào ser Brazão.
Nós dizemos com
i«ual sinceri-
dade o bsm e o mal
ser recitada,
n'esta
distincto amador o sr.
de
Victoria
O
Bombeiro,
recitada pelo acior Eloy, comple-
tou
a
executar durante
os intervallos algumas
peças
de
Oiro. 122.
0q_
Primeiro baixam&r,!! b. e 6'm
Segundo baixam r
guando
apreciamos
como en;en-
Jemos.
Quanto a Augusto
Rosa julga
mos que é o seu papel
irais completa
e
O actor Cista
que, felizmente
para elle e
para nós, nào foi mortal. T«va que
mas
aprove tou
mpo. E maior
o
seu
louvor mereceria
da se não livesse
mie
sempre uma
tendência para ex gerar,
visticaroente, ó
preciso deacou
sempre dos applausos, prque
'es, ás vez-s,
fazem cora que o
thusiasmo leve á exageração.
Baptista Machado e Augusto Aníes
susteautn
emble. Eis
a
a
harmonia do
sua grande re*
ísabilidade n'esta peça, e man
a verdade que se diga que não
am esmagados por ella.
^
Falco, Emília dos Anjos e Anna
,reira completam dignamente es
formoso qaadro dramatico, ou
) qualquer defei o artisiko, se o
>uvesse,tomaria prop-rções enor•es,
e
pro luziria, em relação ao
•do,—permitta se-nos
j—a
effâito
a
expres
d'uma pulga vista
) micruscopio.
Tratemos
agora
da
le o facto póie ter,
influencia
sob o ponto
: vista artístico, no theatro
>arece nos
por-
que essa influencia
\ muito g*an1e, como s« prova
> dese npenho total da Dora, e
doverá ser ainda maior no fa
arte, que é a mais laboriosa
ação
AGSNCIÀ
TELKGRAPHICA
do talento, precisa se,
tudo, de estimulo,
s nossos artistas dramaticos
vam d'elle,— viesse d'ondr
pagamento dos juros do
segundo semes-
réis cada uma) começará
a effectuar-se
no
dia
25.
2
do
proximo mez
de janeiro,
e continuará
em
ediç»o.
THEATRO DE D. MARIA II. - Vs 8
horaa.
Dora.
todos
I Administração
Rei Midag.
CIRCO PRICE.—A's 8 horas,
Companhia equestre, gj-mnastica,
•crobatica e cómica ae D. Rafael
xam de funccionar asenaçõas
postaes ora existentes
na estação
principal do
de ferro do
caminho
uorle e leste, na rua de S. Lazaro,
será
Illustrado
janeiro
proximo
do Caes dos Soldados, Graça, Rato e Lapa.
central
l.° semestre de 1861 em divida aos senhores ac-
cionistas,
OBJECTOS d* muito bom gosto,
Lisboa
será
feito
esse
pagamento
na
casa
bancaria
France
dos
senhores
José
Filhos. Rua dos Capellistas,
Gonçalves
170,1.° an-
dar,
desde as 10 horas da
manhã ás2 horas da
de 1879.
O administrador,
réis,
em cestinhos
Em
do cor-
reio de Lisboa em 30 de dezembro
Lindos preseHlcs
ao
desempenhado, a
futuro, nas estações telegraphicas
Travessa da Boa Hora, i3
E3
tarde.
JfrflQ Baptista da Silva JsOye*.
Porto 24 ôe dezembro de 1879.
de cera. etc., etc.
Ontro
igual quantia
de l$500 réis por acção juro correspondente
O serviço do correio, qne a esta
contar do ! • de
prata, oiro, e flores
se pagará
e na rua de S. Bento.
Dias, dirigida por D. Eurique Dias.
até 20 mil
occasião
do correio de Lisboa
THEATRO DOS RECREIOS. — As 8
horas.
desde 1*000
dias úteis,
central
NO dia 31 do corrente mez dei-
do Diário
os
Na mesma
T KATRO DO GYMNASIO-afi S ho
«•as.
Ben ficio.
Commercial,
120,
do Ouro. 122.
Rua
Padaria
militar
0
OJ
de
Regimento
dlnfante-
director
Lisboa
O conselho
Francisco
gerente da referida
Pinto
de
Miranda.
padaria faz publico, que no dia
ria
7 do proximo mez de janeiro abre
16
praça na
O CONSELHO administrative do
dito regimento faz publico que
no dia 14 de janeiro
proximo
fu-
horas
sua
do
15:000
secretaria pelas 12
dia,
umpa
de dep sit? da
que
kilogrammas
ao
da
farinha
poderão
As condiçõôa para esta arrema
lação pidâtu
todos os dias nào santificados, das
nadas.
em
Campo
censelho até as 10
cado rotz.
ser vistas na sala das su^s sessões,
Quartel
Secretaria
d'Oun'an*
em Lisboa, 31 de dezembro de 1879
desde já ser exami
do conselhD gerente
da padaria militar de L'sboa 30 de
dezembro de 1879.
O secretario do conselho
alferes d'ii'fant^ri'*
Preparação
com
I»asa
d'alcatrao
para
uso
externo
/BRANDÍSSIMOêxito nas guerras da Ame-ica, Italia
do Oriente, no'titio de Paris;, e ult mam°nte
franco allemã, e
na Ilollanla. Pelgica
e Indias=Numeroso< ce tiíicados dos princinaes medicos e attesta:os
de enfermos curados. «Asclngas mais rebeldes, as aff cçõ s h rprticae,
e&croful sas e cancerosas, as feridas, queimaduras e ulceras de todas
as classes, os panarícios
frunculo*, etc.» curam-se rapidamente com
o BALSàMO DK CRUZ ROXA.
Terminação IMwEUUTA DV D0R=TRATWNT0 INFALLIVEL. V-nda
por grosso, srs. II Van-^ssfhe e 0a em Mersenles—Anders-(Bélgica)
Em Madrid, arencia franco-hi«pano-ro'tu«ueza. Lor-lo 31—Venda por
miúdo em Litboa sr. Avellar Junior, Una Augusta 225 e227.
O secretario,
João José <ta Costa
New York, 29, t.
Augment» a agitação no estado de
BALSAMO DA CRUZ ROXA
para a compra de
espoada, devendo as amestras ser
agua do respectivo quartel, con
(Serviço continental e submarinoj
também deu um
Paris Murei* 120
réis, no Romo 24
10 ás 2 horas da tarde.
perfeita revela-
Vae primorosamente.
udar,
.iCTACUi OS
forme as condições
na Dora a
ção do seu talento.
salto
ESP
ao
horas da manhã do dia 5 do indi
TELBRP
0
Murcia-Paris
tituição da
^e conquistar amigos ou inimiyos,
gaz
tredel87ífnas acções d esta companhia (Í$o00
11 h. e 30' t
rio.
Não curamos
a
Segundo preamar, 5 h. 18' t.
"cireguw
casa cheia.
d'illu-
Centro Commercisl, 120, rna do
tura põe em praça a obra de subs-
uma
Portuense
minação
musica do seu excellente reperto
E* de esperar
brasileira—Ge-
10.
É garaDticía]
Occaso do sol, 4 b. e 43'
A sociedade pbilarmonica Alum
lhor v. nude
batata—Pudiog á
vende-íe por cinco libras cus-
Lausperenne no Salvador.
tam o espectáculo.
ti os de Minerva, prestou se da me-
d* laranja—Puding de
UMA boa machina para costura,
P. Dup. c. br.
CandidoLeal, e a poesia do sr. Na
poleão
cóo—
de fructa—Galados de creme—Blanc manger—Charlote russe.
Companhia
I'reMiite útil
Quarta feira, 3i. — S. Silvestre
pela
O Sal
ovos—Toucinho do
pãe—PudiDg de ovos—Putfing de
Administração
Ennes
de fios de
Alf edo Augutto da Costa Gmivêa.
CHRONICA
Representa se o applaudido dra-
noite, pelo
O maior elogio que
haveria
ter effactuado na noite de
pressa^ente pelo sr. Joaquim dos
O conjuncto
ao
devia
Lampreias de ovos—Pratos
Li*boa 30 de dezembro de 1879
hoje
thea'ro o beneficio, que se
Copa
mo muito terminantemente decla
perteneia,
n'este
panadas—Vol au vents
litado a provar se tanto fôr mister.
do theatro.
GYMNASIO —Realisa se
P.*rméson—Costelletas
Amêndoa—Pasteis
Vinho* engarrafados finos, t*nto n-ciomes como estrangeiros.
classe typographica.
Portanto,
zer
estará expo»to
durante o dia no salão de entrada
Dora é accnsada
am nossa opinião, com mais digni
a
para os incrédulos
Londres—Pasteis de
Fundos hespanhoes a 14,80.
O salt banco
Facart.
iramaticas se desencadeara, achauos
hontem
espectáculo n'este theatro.
Mas no terceiro e quarto
!ogo que as grandes
houve
de Principe—Pasteis
Empadas de marisco—Timballes a Russiana, etc.
de
Restam já poucos exemplares da
TRINDADE.—Para
de fructa—Pasteis
Bolo in^lez—Bolo russo—Brio turco—Puding
AN NEXO
nos engana
Pasteis de na'a—Pasteis
ram no a'sylo de S. João, bsm co-
mos.
íOís primeiros actos da Dora, nem
sempre coro vantagem,
dirá
A
nos aconteci-
mas muito siocera, que d'ahi lhes
ba de vir nm grande proveito.
variado sor-
to se faça, o
Primeiro preamar, 4 h. 54' m.
rivalidade ou inveja.
lindo e
ínscripções a 51,80.
o
assomo de vil
uai
Bolos enfeitados pn p'ios para brinies.
que haja
menor
venda
de frangos—Petite vol au vents aux écrevisses—Eapadas de carne—
declara
ultimamente
Negros —132
menos favorável que a seu respei-
direr por
Os
teve parte a'guma
aguas a 87#OGO réis.
Obrigações
assignado
dos
timento de paetellaria e copa.
para todos os effeitos que não
companhia das
não quer
do
OARAIXO
Poço
de Santa Clara—Pa?teis de
Declaração
Commercial
do
Anno B^m tem á
di Carne—Croquette
o5$000 róis.
ser
algum
jpARA o dia de
Acções do Banco Ultramarino a
Banco
128 —Rua
dia, no escriptorio d'este Aln oiari
faio, a lan-nja da China e tange*»na
Nasci r ento do sol, 7 h. e 17'
modo
Que-
VrAE novamente á praça no dia 31
T
do corrente p las 12 horas do
Venderam-st hontem:
e esse motivo ó
despertou entre os seus
de
luz
BOLSA DE LISBOA
a
aprendizagem
Almoxarifado
dente do congre. 80 hespanhoí.
Principio da aurora, 5 d. e 40'
ama estrangeira que, apenas com
lois meies
coileg&s
L.C.S. GUERRA
Morreu hujb ás 3 horas da tarde,
D Adelardo Lopfz de Ayala, presi-
do
FRANCEZA
31-12 79.
Madrid, 30, t
Acções
PASTELLARIA
Ia poste.
poste
por
Paladini, que natu
E.
^ Que je vou8 en pns jolie fée.
Attendee une missive demain pour
ponte do caminho de ferro
uma proveitosa emulação;—o que
Paladino
attenuante de
a
A.
p'EST la reponse desirée.
n'este momento a ap
tistas para termos auctoridade de
nào
subisse,
As ultima* noticias de Dundee (Escócia) limitam a 90 o numero das
victimas do desastre occorrido na
Obrigações
A remuneração pecnnUria?
.
Antonio H'nriqws Btssa
16.
Maine e esperase breve lucta *rma
da entre os democratas e republcanos p>r causa das ele ções Hontem
Caixa
foi mandado um vapor de guerra
americano para Lagoyana, a flm de
de
Sociedade
Credita
anonyma
de
Industrial
responsabilidade
li-
faz^r um inquérito a respeito daex
mitada
puhão (lo agente americano de Barcelona (Venezuela).
TCTO dia 5 de janeiro proximo e seguintes, na the-ouraria da Cvxa,
Uizem de t.uba que no dia de hontem Fe alta e outros dois chefes insuryentes com 46 hom» ns stí apresa ntaram ?o commanoante em chefe
de tuba em Ibara. Kspera se que tio
ie se eIT clue a rendição do coronel
Fera, e de todo o seu bando.
Em Reston houve hontem írnnd'»
incêndio. Fer ias avHiadas em 2 1|2
milhões de dollars. Estava tudo
seguro.
24,
de
D.
Pedro,
25
li se procederá á ent'eg ' dos recibos e obrigações, por inversão des
credito» concordados, mediante
EO
A SF aos srs. as«'goantes das publicações
periódicas
estran-
não s fT-am d^ncra na recepção das rto prrximo a no,
00
Londres, 29, t.
Dizem de Calcutta que o general
Roberts occupou Bilahissar em Ca
boul, no dia de Natal.
0 «standard» annuncia que a ex
imperatriz Engema partirá em feve
reiro para a Zululandia.
0 praso marcado no ultimatum de
1 ay^rd á Porta f i prorogado até
amanhã. Espera-se accordo.
Paris, 29, t.
Os jornaes consideram o novo ministério homogeneo, pois é compost
unicamente de membros da esquerda moderada, e da união repu
blicana.
Paris, 30, m.
0 «Jornal official» publica
os deP*
cretos de nomeação dos subaecreta-
apresentado
dos antigos
tivUlofl
Outrosimse anonncia qu^ d'aquella data em diante, será receb do
em pagamentos dA debito" á Caixa, por operares contrahidas até 11
de outubro de 1877. o recibo da parte em metal de accordo, vencivel
em novembro proximo futuro.
Lisboa, 24 de dezembro de 1879.
no
á rainha de Uespa
a
(caderneta* de deposito e obrigações sorteadas.)
geiras se dignem mandar renovar a* suas a?sign*ti>ras pa a que
Pela Caixa de Credito Industrial
LOTERIA
Roma, 30, m.
Jâ aiu te Roma a rosa d'ouro que
0 papa olTeíece
nha.
Fraça
Os directores
Francisco de Paula Ferreira de Mesquita
Os «lois prémios maiores n'esta casa
na loteria
1550
tie boiítem»
Em
30 de «leasemliro de
cautellas
8
Jeronvmo J>st dos Santos.
1899:
000$000
Banco
3505
O
Em
cautellas
8ci#nte
ccm
do
Povo
1:000^000
Sociedade
cambista Antonio Ignacio da Fonseea. rua do Arsenal, 56ja 58
Lisboa,
IS
ca*a filial no Porto, Feira de S. Bento, 33, 34 e 35, faz
anonyi
bilidade
os prémios grandes que teve na loteria de huutem, 30 de de
li:
a,
responsa-
litada
br* de 1879:
1550
3505
602
3296
Em oitavos de 240
»
•
120, 40 » 25 réis
• • •
de 2W, 130,100, 50, 40 e 25 réis...
8:000*000
DO (fia 2 de janeiro em diante, muda o seu escriptorio para
#
1:0004000
da Prata n
a raa
#
59, 2. , onle coatinua a descontar letras da terra, e
Bilhete vendido
400*000
juros d'inscripçÕe«; empre*timos sobre penhores d'ouro ou prata, fa-
Em castellas
108*000
zendas depositadas na alfandega, inscripções e
100*1)00
rantia,
40*000
taneia.
3707
• •
60
••
• •••
••••
••
A nova loteria portuguesa ó no dia 8 de janeiro de 18^0.
A nova loteria de Madrid é no dia (0 de janeiro de 1880.
Grande sortimento de bilhetes e suas divisões.
Psdidrts
ao
cambista
Fonseca,
Lisboa, rua do Arsenal, 56 e 58,
toòa» as
Recebe dinheiro á ordea
40*000
4W2
preferinio se em
vranba^** as de
men.r
impor-
i
a a praso,
cionar.
/
tudo que offereça ga-
Lisboa 10 de dezembro d^iv;79.
S
^ ...
jnre coíiíc ri^BMnnvenk
■
V /
OH ri r\
Antonio Augusta Stlvei I
■WO.
-piUGENE AUGUSTE SIMON,
natif
■"de Paris <*onne d es leçons de
français. Escolas Oeraes, 2, 1.°
Instituto
vaccinico
CAMPOS & BOURQUIN
100, Rua do Crucifixo, 100
VAGlIN ÇÃO
T
às
quartas
feiras c
m*is dias ao meio-dia, 1:000 réis.
Gratis p-r- os oobres. Tubos
vaccina 600 réis.
com
9
_1
;
£*0M MANDANTE
A
1°S& ^0r^eS
Sairá oo dia 5 ■
janeiro ás 10 h
ras da manha.
\
Espera-se de
/%;
1 a 2 de jansiro
Para
paír
Para carga e passagens trata-se no
Caes ao Sedré 84, 2.°
depois
Os agentes
Germano Serrão Arnaud.
5
da
iadispensa
vel demora.
Para
Para carga e" pa«sa?eros trata
Londres
«e no Caes do Sodré, 64, ! •
Os agentes
_8
0 vapor
E. Pinto Basto & C*
Para
Glasgow
LONDON
Capitão Harris
FITZ
\
CLARENCE
í
r*yA
EXPOSIÇÃO
DE
BRINQUEDOS
E
a
P*ra sair depois
da indispensável
idemora.
ra
Para carga trata-se no Caes do
_4
\
Para
E*perasesabbado 3 de feve-
^'fzreiro Pira sa'r
i=âè^ tf pois da indis-
íli
Espera sa de 4
5 do corrente
AftrA
JOGOS
[
^
P'd si vel demo
e*rga e oa-sátiros tra
ta-se do Caes do Sjdró, 64.
Os affentes
E. Pinto Basto <fe C •
Sodré, 64.
Os acreotes
Carreira
d Africa
a
7
E. Pinto Basto & C.
Empreza Lusitana—Proprietários Bailey & Leelham
A
/p'
P
«PAQUETE portuguez «Ben*
£Wa^K°* commandtnts
Thomaz
AuJ^r
piSPERA-SEa
lama, Principe, S. Taomé, Ambriz,
Loanda, Benguela e Mossamedes.
":^.'pe«)saveldemor
R°c°be banidos até > dia 2 e carga secca até 3 de janeiro.
no Caes do
tração do concelho de S. Thiago do Cacem
manhã na secretaria da administra
se procederá á arrematação
Trabalho a executar
constante do mappa seguinta
Para carga e passageiros
0 agente
Os agente
S. tini* írt
è ■
6
trata-se
rua do FerregiaJ n« 4.
Sodró, 64.
da
janeiro ás 3 tioras da tarde, para a
Madeira, S. Vice te. S. Tliiago, Bo
r -Aã**
31 do cor
-•cp- -- ,r-^Er reDle. P3ra
Para carga
AZ SE pnblico que no dia 15 de janeiro de 1880 ás 12 horas
' '*;"^!isto d?Uliveira,
-airã no dia 5 de
T?
.
Ernesto George
Baze de licitação
O
24*800
vapor
PALMYRA
24*800
24*930
Espera-se
24*930
de 31 do
corrente a
[
de
janeiro
2i*930
24*930
para sair depois da indispensavsl
demora.
Este
24*930
24*930
vapor tem magnificas
24*930
accomodaçõss
para pas-
24*930
sageiros.
24*930
24*930
Para carga e
24*930
passageiros trata-se
no Caes
24*930
24*930
de
Sodré,
64,fl.°
Os
As medições e condicções especiaes d'estas
tração do concelho de
8. Tbiago
do Cacem e
15 tarefas estarão patentes na secretaria
direcção das
obras publicas
d» adminis-
e na secção de S. Tàiago do
Cacem todos os dias não sanctificados desde as 10 horas dam&uhã até ãs 4 da tarde.
Direcção das obras publicas 29 de dezembro de 1879.
João Pedro Saldeise
15
Chefe da feeção do sul.
CONTINUA hoje 31 pelas 11 horas o leilão do resto de mobilia, rou
pas, loiças e mais
objectos pertencentes
ao cazal dos
MONTEIRO
&
PIRES
fallecidos
Marqnézes de Souza Holstein.
120 — Rua
Calçada dos Caet nos 48.
es
para
Ultimas
o
anno
novidades
GRANDE collecção de artigos proprios para escriptorio e gabinetes.
Tiotelros, pesa p»dbíp, carteiras, bilheteiras, secretarias, agenda*,
biíheks par
felicitações em nglez * francez, callendarios, estojos de
escripta, putas etc., etc, yindos de Paris, Lond-es,
Vienna d*Austria
e Bohemia-
*vâo
Nunes
&
Filhos
58 BUA DO OIRO 58
do
Poço
dos
agentes
Negros —120
E.
Pinto
Basto
&
Ca
Fly UP