...

análise das caracteristicas da dor fantasma em amputações de

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

análise das caracteristicas da dor fantasma em amputações de
ANÁLISE DAS CARACTERISTICAS DA DOR FANTASMA EM AMPUTAÇÕES DE
MEMBROS INFERIORES.
FERNANDA CRISTINA BRANDINI1
JOSÉ MOHAMUD VILAGRA2
FAG – FACULDADE ASSIS GURGACZ - CASCAVEL - PARANÁ - BRASIL
[email protected]
[email protected]
INTRODUÇÃO
Amputação é uma palavra derivada do latim tendo o significado de ambi = ao redor
de/em torno de e putatio = podar/retirar, definida como a retirada, geralmente cirúrgica, total ou
parcial de um membro do corpo, caracterizando assim um processo reconstrutivo de uma
extremidade sem função ou com função limitada. (CARVALHO, 2003).
Dentre as causas de amputação de membros inferiores as principais são alterações
vasculares, destacando-se o diabetes mellitus (DM), doença vascular periférica, trauma e
malignidade que é a principal doença responsável pela amputação bilateral. (CARVALHO,
2003).
Compreende-se por amputado um indíviduo que retirou um membro ou parte dele,
sentindo-se muitas vezes isolado com vergonha e receio da sociedade, mudando sua rotina de
vida e tornando-se um individuo antes incluso na sociedade, agora discriminado pela sua
mutilação, porém uma amputação não deve ser considerada como o fim, pois muitas pessoas
que sofrem de problemas vasculares, traumáticos, tumorais, infecciosos, estarão diminuindo o
seu sofrimento e iniciando uma nova fase de vida. (BOCCOLINE, 2000)
Segundo Brito (2003), dentre as doenças vasculares, a principal relacionada com as
amputações é a arteriosclerose obliterante periférica, doença que apresenta fatores de risco
irreversíveis, como o envelhecimento, e fatores de risco reversíveis ou passíveis de
monitoramento, como a hipertensão arterial sistêmica, o diabetes mellitus, a dislipidemia, o
tabagismo, a obesidade e o sedentarismo.
De acordo com Boccolini (2000) e Carvalho (1999), existem doze níveis de amputações
no membro inferior, onde os níveis mais comuns de amputação são transtibiais ocorrendo por
meio de uma desarticulação tibiotársica e a de joelho, sendo dividida em três níveis,
amputação transtibial em terço proximal, médio e distal e transfemorais realiza entre a
desarticulação de joelho e quadril também dividida em três níveis terço proximal, médio e
distal, sendo de estrema importância que o cirurgião tente preservar o menor nível de
amputação possível com a obtenção de resultados satisfatórios para o paciente e a resolução
de seu problema.
A necessidade de preservar maior quantidade de tecido, ou seja, quanto mais distal for à
amputação, está relacionada ao gasto energético do paciente ao efetuar manobras, assim as
próteses se adaptam com mais facilidade e os custos financeiros poderão ser menores com o
retorno mais rápido do amputado ao convívio social e profissional (SANTOS e NASCIMENTO,
2003).
Um dos principais problemas associados a amputação relaciona-se com a percepção de
um membro fantasma quase imediatamente após a amputação , sendo ele geralmente descrito
como uma forma precisa do membro real desaparecido. Este fantasma deve ser produzido pela
ausência de impulsos nervosos do membro. Quando um nervo é seccionado, produz uma
violenta descarga lesional em todos os tipos de fibras. Esta excitação diminui rapidamente e o
nervo seccionado torna-se silencioso, até que novas terminações nervosas comecem a
crescer. Isto implica que o SNC dá conta da falta do fluxo normal. (SOUSA, et all, 2004).
Segundo Cavalcanti (1994), a remoção de um membro coloca o paciente diante de
muitos problemas, sendo negligência permitir que o paciente os ignore. Todos os esforços
FIEP BULLETIN - Volume 81 - Special Edition - ARTICLE II - 2011 (http://www.fiepbulletin.net)
devem dirigir-se para explicar com honestidade e realidade a necessidade da cirurgia e
verificar a aceitação e compreensão, assegurando os cuidados necessários para enfrentar as
dificuldades que virão após o processo cirúrgico.
Segundo Benedetto et all (2002), e Olivier (1995) nós somos um esquema corporal,
definido como uma tomada de consciência formal do indivíduo no seu mundo das sensações,
ou ainda uma maneira de expressar que meu corpo está no mundo”. onde através da vivencia
corpórea é que se consolida a consciência do Eu Físico, ponto básico da estrutura de
personalidade, pois a partir do nosso corpo é que realizamos nossos primeiros contatos com o
mundo, com o outro e através da experiência do outro é que se faria possível a percepção de si
mesmo, ou seja, o núcleo fundamental da personalidade e é a partir dele que são organizados
todos os comportamentos e condutas, a consciência de si, é que determina a consciência do
mundo.
De acordo com Ephraim et. al. (2003), o paciente que passa por um processo cirúrgico
de remoção de membros sofre modificações em sua vida, sendo afetado diretamente seu
comportamento e sua maneira de agir. Pacientes com amputação de membros inferiores
enfrentam desafios de se ajustar psicologicamente de algum modo à perda desse membro,
ajustar-se à deficiência física, podendo tornar-se incapacitado, afetando suas condições de
saúde e o seu bem-estar.
Ambroise Paré (1552) define a sensação da dor fantasma como uma coisa
maravilhosamente estranha e prodigiosa, que seria difícil acreditar (salvo por aqueles que a
viram com seus próprios olhos e a ouviram com seus próprios ouvidos) que os pacientes se
queixem amargamente, vários meses ou anos após a amputação, de ainda sentirem uma dor
excessivamente forte no membro já amputado (apud PROBSTNER e THULER, 2006.)
Segundo Sullivan e Schmitz et. al. (1993), a maior parte dos amputados sentem dor no
membro fantasma, sendo relatada como sensação de pressão e formigamento, e algumas
vezes dormência, já para Carvalho (1999), os pacientes relatam dor excessivamente forte no
membro já amputado, invocando emoções e fantasias que traduzem o sofrimento, incerteza e
medo de incapacidade.
A dor fantasma se refere a um fenômeno muito estudado, mas, ainda pouco conhecido,
onde o paciente tem a experiência de uma sensação desagradável na parte cirurgicamente
removida. A incidência encontrada nos diversos estudos varia de 2% até 97%, sendo que a dor
aparece geralmente na primeira semana após a amputação e persiste por meses ou até anos.
Normalmente se localiza distalmente no membro fantasma (dedos, pés e panturrilha) e é
definida como uma sensação de aperto (SAKAMOTO, 1995).
A sensação da presença do membro ou do órgão após a sua retirada é descrita por
quase todos os doentes que sofreram amputação e muitas vezes vêm associadas à dor que
varia em intensidade e duração, podendo ser definida como dormência do membro,
queimação, câimbra, pontada, ilusão de o membro presente ou apenas a sensação de sua
existência, que para muitos causa espanto, angustia e dificuldade de ligar com uma sensação
que possuem em um membro inexistente, causando a alteração em seu estado emocional e
psicológico, não tendo conhecimento desta patologia denominada de dor ou sensação
fantasma, que pode acompanhar o individuo amputado por muito tempo. FISHER(1991),
Segundo Laíns e Paixão (1989), entre os pacientes amputados existem relatos da
sensação fantasma tão esporadicamente, que os mesmos negam padecer de um membro
fantasma doloroso. Outros sofrem dores periódicas, variando de algumas crises cotidianas, a
uma só por semana, ou quinzena, ainda outros têm dores contínuas que variam em qualidade
e intensidade. Ela é descrita como ardente ou esmagadora, em pontos preciosos ou não do
membro fantasma, podendo persistir por muito tempo, após a cicatrização dos tecidos lesados,
uma vez que a dor está relacionada com uma regeneração defeituosa dos nervos do corpo, o
que pode formar neurômas. Por vezes, a dor pode assemelhar-se a que estava presente antes
da amputação.
FIEP BULLETIN - Volume 81 - Special Edition - ARTICLE II - 2011 (http://www.fiepbulletin.net)
A dor fantasma no paciente amputado pode representar uma tentativa de o indivíduo
sentir se ainda intacto, negando a amputação, mas não se mostra uma alternativa adaptada e
produtiva, pois, além de ser uma falsa percepção de si próprio o que causa danos na
reabilitação global do paciente, a amputação mostra se a todo o momento ao indivíduo.
(TEIXEIRA et all, 1999).
A busca pela reabilitação e melhora na qualidade de vida faz com que o amputado
necessite das habilidades do fisioterapeuta que atua através de um processo dinâmico, criativo
e progressivo, educando e objetivando a restauração do indivíduo o devolvendo sua autoestima, qualidade de vida e o propondo a novamente interagir com a sociedade, auxiliando na
sua correta protetização e reabilitação. (CARVALHO, 1999).
METODOLOGIA
O presente estudo caracterizou-se por uma pesquisa de campo, do tipo quantitativa,
epidemiológica com amostragem intencional e de corte transversal. Sendo a amostra composta
por 25 pacientes atendidos no Centro de Reabilitação da Faculdade Assis Gurgacz – FAG,
independente de faixa etária e sexo. Os critérios de inclusão adotados para a participação na
pesquisa foram a realização da reabilitação fisioterapêutica nas Clinicas Interadas FAG,
presença de sensação fantasma devido à amputação, níveis de amputação transtibiais e
tranfemorais de membros inferiores, disponibilidade de tempo para a participação na pesquisa
e assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido e os critérios de exclusão foram
pacientes que não concordaram com a assinatura do termo de consentimento livre e
esclarecido, dificuldade ou comprometimentos auditivos e cognitivos, não disponibilidade de
tempo para a participação da pesquisa e níveis de amputação não relacionados com os
transtibiais e transfemorais. A pesquisa foi realizada nas Clínicas Integradas da Faculdade
Assis Gurgacz, nos meses de julho e agosto de 2010.
A coleta dos dados se deu por meio da aplicação direta de o um questionário formulado
pelo pesquisador, composto por 11 questões abertas e fechadas de fácil entendimento que
responderam ao objetivo principal deste estudo. A aplicação do instrumento de pesquisa se
deu, após aprovação nº198/2009, da pesquisa pelo Comitê de Ética em seres humanos.
Os Participantes do estudo foram solicitados diretamente pelo pesquisador, onde foi
explicado o objetivo e a metodologia da pesquisa, durante a coleta dos dados a duvidas
apresentadas pelos pacientes foram esclarecidas pelo pesquisador e a aplicação dos
questionários não interferiam nos horários de atendimento e consultas ao centro de reabilitação
sendo aplicados nos intervalos dos mesmos, conforme a disponibilidade dos participantes.
Primeiramente foi apresentado o termo de consentimento livre e esclarecido aos pacientes, e
os mesmos que aceitaram participar da pesquisa concordaram em assinar com
responsabilidade, em seguida foram orientados sobre a dor fantasma e responderam ao
questionário apresentado pelo pesquisador de forma direta e individual. Com o intuito de evitar
que a pesquisa gera-se algum tipo de constrangimento ao paciente no momento da aplicação
do questionário foram adotadas medidas de proteção, como a preservação da identidade dos
participantes da pesquisa, bem como a ética profissional relação paciente-terapeuta.
Os dados coletados foram tabulados e analisados através do programa estatístico SPSS
15.0.
RESULTADOS E DISCUSSÕES
Dos dados obtidos com a amostra da pesquisa constatou-se que dos 25 pacientes com
amputações unilaterais de membros inferiores do sexo feminino e masculino. A idade mínima
encontrada foi de 15 anos e máxima de 75 anos com média de 58,02% entre os homens e
mínima de 40 anos e máxima de 81 anos com média de 57,40% entre as mulheres.
FIEP BULLETIN - Volume 81 - Special Edition - ARTICLE II - 2011 (http://www.fiepbulletin.net)
Com relação ao nível de amputação de membros inferiores 68% relacionam-se a
amputações transtibiais e 32% transfemorais, dados semelhantes aos encontrados no estudo
de Steimberg et all (1985), realizado com 96 pacientes amputados onde 66 participantes ou
seja 68% também apresentavam amputações transtibiais e 30 participantes 32% transfemorais,
e Buttenshaw et all. (1992).
O presente estudo também observou que 80% dos participantes são do sexo masculino
e apenas 20% do sexo feminino dados semelhantes aos encontrados em estudo como o de
Guarino et all (2007), realizado por meio de um levantamento de dados dos prontuários de
pacientes atendidos no Grupo de Amputações e Próteses (GAP) do Departamento de
Ortopedia e Traumatologia da UNIFESP - Lar Escola São Francisco, entre 1999 e 2005, onde a
população estudada era de 78 participantes e destes 61(78,2%) eram do sexo masculino 17
(21,8%) do sexo feminino, outros estudos como o de Seidel, et all (2008) e Cassefo, et all
(2003), também apresentam relação direta com os dados obtidos e desta forma observamos
que mesmo a presente amostra tendo um percentual maior de pacientes do sexo masculino em
relação aos demais estudos, todos confirmam que o índice de amputação de membros
inferiores encontra-se mais evidente na população masculina.
Em relação à etiologia das amputações foram encontrados resultados que relacionam-se
em 60% com as causas vascular e 40% traumáticas como os dados apresentados por
Guarino, et all (2007), tendo a etiologia vascular responsável por 62,8% das amputações, os
traumas ocorreram em 28,2% dos casos e as infecções acometeram 6,4% dos pacientes e os
tumores 1,3%, confirmando assim os resultados encontrados no presente estudo que relaciona
as amputações de MMII 60% com etiologias vasculares e 40% traumática.
Segundo Fisher (1991), Sakamoto(1995), Souza, et all (2004) e Probstner e Thuler
(2006), as sensações de dor fantasma podem aparecer logo após a amputação ou
determinado tempo após a mesma, permanecendo muitas vezes por meses ou até anos, como
caracterizado no presente estudo perante os relatos de permanência da dor fantasma por
períodos que variam de 5 a 60 meses com média de 15,23 meses. No presente estudo em
relação as características atribuídas a dor fantasma, alguns participantes relataram mais de
uma sensação, porem tratam-se de dados não excludentes, onde 1 participante (4%) relata 1
característica, 12 participante (48%) 2 características , 4 participante (16%) 3 características, 5
participante (20%) 4 características , 2 participante (8%) 5 características e 1 participante (4%)
6 características como apresentado no gráfico 1.
Gráfico 1: Número de Características por Pacientes
60
50
40
30
20
10
0
1 Característica 2 Características 3 Características 4 Características 5 Características 6 Características
4%
48%
16%
20%
8%
4%
Dentre todas as características relatadas pelos participantes os que apresentaram maior
numero de relatos foram: o formigamento com 16 relatos, a pontada com 12 relatos, todos os
resultados obtidos são apresentados de forma detalhada na tabela 1.
FIEP BULLETIN - Volume 81 - Special Edition - ARTICLE II - 2011 (http://www.fiepbulletin.net)
Tabela 1: Características da Dor Fantasma
CARACTERÍSTICAS
Formigamento
Pontada
Pulsação
Câimbras
Queimação
Telescoping
Dor Intensa
Ardor
Aperto
Compressão
Edema
Choque
Coceira
Dor Leve
NÚMERO DE RELATOS
16 pacientes
12 pacientes
9 pacientes
7 pacientes
7 pacientes
7 pacientes
4 pacientes
3 pacientes
3 pacientes
3 pacientes
1 pacientes
1 pacientes
1 pacientes
1 pacientes
Sendo que resultados similares também são apresentados em estudos de Sullivan e
Schmitz, (1993), Sakamoto, (1995) e Fisher, (1991), confirmando assim que a dor fantasma se
apresenta com diferentes características podendo apresentar-se de forma única ou com
associações.
CONCLUSÃO
A partir dos resultados obtidos através deste estudo é possível afirmar que para a
população analisada a sensação fantasma se caracteriza por múltiplos sinais e sintomas, ou
seja, cada individuo relata de uma forma esta experiência fantasticamente difícil de explicar,
apresentando-se freqüentemente associada a mais de uma característica, sendo que as
principais são o formigamento, a pontada e pulsação. Desta forma o presente estudo
corrobora para intervenções fisioterapêuticas no processo de reabilitação que visem a
identificação destas características da dor fantasma e possibilitem um tratamento capaz de
suprir a necessidade e os objetivos desejados para o tratamento destes pacientes amputados
que sofrem com a dor fantasma.
RERERÊNCIAS
BENEDETTO, K. M.; FORGIONE, M. C. R.; e ALVES, V. L. R., Reintegração corporal em
pacientes amputados e a dor fantasma. Ata Fisiatrica 2002.
BOCOLINI, F. Reabilitação - Amputados, Amputações e Próteses. 2. ed., São Paulo: Robe,
2000.
BRITO, C. M. M. Reabilitação de Amputados de Membros Inferiores Epidemiologia e
Apresentação de Casos Clínicos: Aspectos Funcionais e Abordagem Terapêutica.
Congresso de Telefisiatria, 2003.
BUTTENSHAW P, DOLMAN J. The Roehampton approach to rehabilitation: a retrospective
survey of prosthetic use in patients with primary unilateral lower-limb amputation. Top
Geriatr Rehabil, 8(1):72-8, 1992.
CARVALHO, J. A. Amputações de Membros Inferiores em busca de Plena Reabilitação. 1.
ed., São Paulo: Manole, 1999.
CARVALHO, J.A. Amputações de membros inferiores. 2. ed., São Paulo: Manole, 2003.
FIEP BULLETIN - Volume 81 - Special Edition - ARTICLE II - 2011 (http://www.fiepbulletin.net)
CASSEFO, V. et al. Perfil epidemiológico dos pacientes amputados do Lar Escola São
Francisco – estudo comparativo de 3 períodos diferentes. ACTA fisiátrica, v. 10, n. 2, p. 6771, 2003.
CAVALCANTI, M. C. T. Aspectos emocionais no pré-operatório em amputação de
membros. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 43 (3): 159-161, 1994.
EPHRAIM, P.L.; DILLINGHAM, T.R.; SECTOR, M.; PEZZIN, L.E. e MACKENZIE, E.J.
Epidemiology of Limb Loss and Congenital Limb Deficiency: a review of the literature.
Arch. Physical Med. Rehabilitationl, 84, 747-761, 2003.
FISHER, A, MELLER, Y. Continuous postoperative regional analgesia by nerve sheath
block for amputation surgery ± a pilot study. Anesth Analg 1991.
GUARINO, P. et al. Retorno ao trabalho em amputados dos membros inferiores. ACTA
fisiátrica, v. 14, n. 2, p. 100- 103, 2007.
LAÍNS, J., & PAIXÃO, R. Algumas considerações sobre os fatores psicológicos da
amputação. Arquivos Reumatologia, 11, 393-402, 1989.
OLIVIER, G. G. de F.; Um olhar sobre o esquema corporal, a imagem corporal, a
consciência corporal . Dissertação de Mestrado, Campinas, Faculdade de Educação Física,
Unicamp, 1995
PROBSTNER. D; THULER. C; Incidência e prevalência de dor fantasma em pacientes
submetidos à amputação de membros: revisão de literatura 395. Revista Brasileira de
Cancerologia, 52 (4): 395-400, 2006.
SAKAMOTO, H. Dor Pós-amputação – Abordagem Terapêutica. Acta Fisiátrica. 2 (1): 7-10,
1995.
SANTOS, C. A. S. e NASCIMENTO, P. F. T. Debridamentos e Amputações Angiologia e
Cirurgia Vascular: guia ilustrado Maceió: Uniscal/Ecmal & Lava, 2003.
SEIDEL, A. M. et al. Epistemologia sobre amputações e desbridamentos de membros
inferiores realizados no Hospital Universitário de Maringá. J. Vasc. Bras., v. 7, n. 4, p. 308315, 2008.
SULLIVANS, S.B.; SCHMITZ, T.J. Fisioterapia: Avaliação, Tratamento. 2. ed. São Paulo:
Manole, 1993.
SOUZA, F. P.; OLIVEIRA, C. C.; MAUGIN, C.; OLIVEIRA, E. C. F.; MELO, F. D. P.; SULLIVAN;
e SCHMITZ. Fisioterapia Avaliação e Tratamento. São Paulo: 2. ed. Manole, 2004.
STEIMBER, F.; SUNWOO, I.; ROETTGER, R.F. Prosthetic rehabilitation of geriatric
amputee patients: a follow up study. Arch Phys Med Rehabil 1985; 66(11):742-5.
TEIXEIRA, M.J.; IMAMURA, M.; CALVIMONTES, R.C.P. Dor fantasma e no coto de
amputação. Rev Med (São Paulo) 1999;78(2 pt .2):192-6.
FERNANDA CRISTINA BRANDINI
Avenida Orlando Luiz Zamprônio, 245, Centro, Santa Lúcia –PR
CEP: 85795-000
TELEFONE: (45) 328811-70 CELULAR: (45) 8802-2272
[email protected]
FIEP BULLETIN - Volume 81 - Special Edition - ARTICLE II - 2011 (http://www.fiepbulletin.net)
Fly UP