...

PREBIÓTICOS, PROBIÓTICOS E SIMBIÓTICOS “Deixe que a

by user

on
Category: Documents
3

views

Report

Comments

Transcript

PREBIÓTICOS, PROBIÓTICOS E SIMBIÓTICOS “Deixe que a
BOLETIM DO CRIADOURO CAMPO DAS CAVIÚNAS
Abril de 2007 | nº 22
Redator: Dr. José Carlos Pereira
Rua Joaquim do Prado, 49. Cruzeiro/SP. Tel/Fax 0xx12 31443590
[email protected]
PREBIÓTICOS, PROBIÓTICOS E SIMBIÓTICOS
“Deixe que a alimentação seja o seu remédio e o remédio a sua alimentação”. (Hipócrates)
Histórico
Dizem ser frase de Hipócrates, o pai da medicina. Não sei, mas reflete a situação dos probióticos,
prebióticos e simbióticos.
Vamos lá. Diariamente, em todo o mundo, uma quantidade enorme de manteiga era e é retirada do
leite e deixa como produto residual o líquido chamado leitelho. Após a fermentação, com bacilos acidófilos,
e a retirada da manteiga resta o leitelho.
O leitelho difere do leite de vaca in natura por ter menos gordura, um pouco menos de lactose, por
estar a caseína finamente coagulada e por conter ácido lático. Era jogado fora pois o consideravam muito
pobre para ser usado na alimentação.
Da Holanda, de grande desenvolvimento da indústria de produtos lácteos, partiu a idéia do uso do
leitelho na alimentação do lactente tendo Ballot (1865) entre os seus líderes. Em 1793, o médico sueco
Nils Rosen von Rosenstein, mostrou o valor do leitelho no tratamento da diarréia, mas, somente em 1902,
os trabalhos do holandês Teixeira de Mattos (isso mesmo, amigos) conseguiram notabilizar o leitelho nos
centros científicos.
Na acidificação do leite buscava-se algumas vantagens: precipitação da caseína em flocos muito finos e
redução do poder tampão do leite de vaca (por conter muitas substâncias neutralizantes, os tampões, o leite
de vaca consome grande quantidade de ácidos exigindo esforço metabólico muito maior).
E assim a acidificação do leite foi caminhando pela história da medicina. W. McKim Marriot, um
dos pilares da moderna pediatria norte-americana, um dos escritores do clássico In Infant Nutrition,
usava o ácido láctico para a acidificação do leite integral conseguindo produto muito mais nutritivo do
que o desnatado leitelho. E outros pesquisadores foram dando as suas colaborações para a acidificação:
Weisenberg usava o ácido cítrico, Dunham, o ácido acético, Scheer e Faber o ácido clorídrico e Hess e
Matzner, parecendo zaga da seleção alemã, foram mais imaginativos usando o suco de limão, e outros o
suco de laranja e o vinagre.
Além da adição dos ácidos orgânicos, a acidificação do leite pode ser feita pela fermentação bacteriana,
a arte milenar de se conseguir coalhada, receita das nossas avós agora adotada pelas indústrias com o
pomposo nome de iogurte.
Embora essa longa história do leite fermentado, cientificamente foi o genial Metchnikoff, no começo
do século passado, o primeiro a falar em probióticos. Início do século XX, Elie Metchnikoff, russo de
nascimento e domiciliado em Paris, onde trabalhou no Instituto Pasteur, um dos papas da biologia celular
moderna, ganhador do Prêmio Nobel de Medicina de 1908, oito anos antes de ter falecido, no seu livro,
que deve ser conhecido por todos os estudiosos da área biológica, The Prolongation of Life. Optimistic
Studies, postulava a importância, para a saúde, da ingestão contínua de lactobacilos. Chegou a identificar
o Lactobacillus bulgaricus, cujo fermento passou a fazer parte importante dos produtos lácteos. Claro que
ele conhecia os estudos do século anterior que mostravam as diferenças entre a flora intestinal de indivíduos
doentes e a de indivíduos sãos. Foi mais adiante e, de maneira corajosa para a época, afirmou que o consumo
de organismos vivos nos produtos lácteos fermentados, visando manter o equilíbrio ente bactérias patogênicas
e não patogênicas na flora, poderia determinar o porquê de alguns grupos étnicos viverem mais tempo.
Mais modernamente ganharam importância, entre muitos outros, os estudos de R. Fuller (Probiotics.
Applications and practical aspects, 1997, e Probiotics in human medicine, 1991), G. W. Elmar e colaboradores
(Biotherapeutic agents. A neglected modality for the treatment and prevention of selected intestinal and vaginal infections, publicado
em 1996 no tradicional e conceituado JAMA) , A. S. Naidu e colaboradores (Probiotic Spectra of Lactic Acid Bacteria,
1999) e L. V. Mc Farland (Biotherapeutic Agents for Clostridium difficile-Associated Disease, 1999, A randomized placebocontrolled trial of Sacchamomyces boulardii in combination with standard antibiotics for Clostridium difficile disease, também no
JAMA, 1994 e Prevention of B-lactam-associated diarrhea by Saccharomyces boulardii compared to placebo).
Em relação às aves, foram os filandeses Nurmi e Rantala, num bem elaborado trabalho publicado na
Nature, em 1973, mostraram que o conteúdo intestinal de aves adultas normais administrados pela via oral
a filhotes de aves da mesma espécie com um dia de idade era capaz de evitar o estabelecimento de espécies
de salmonelas no intestino dos mesmos. Essa exclusão competitiva entre as bactérias probióticas e as
salmonelas ficou conhecida como efeito ou conceito Nurmi.
Durante a década de 70, o clamor da opinião pública mundial levou as autoridades a se preocuparem
com o uso rotineiro de antibióticos nas rações animais com a finalidade econômica de promover o
crescimento. Além de provocar o surgimento de bactérias resistentes, o uso de antibióticos em doses
subclínicas para promover o crescimento dos animais pode provocar o fenômeno do carry over, isso é,
a possibilidade de carnes e ovos provocarem fenômenos de hipersensibilidade nos seus consumidores.
Isso levou ao apressamento dos estudos para o uso dos probióticos, no início o Lactobacillus acidophilus,
em substituição aos antibióticos. Já em 1997/1998, a União Européia partiu na frente e proibiu o uso
da espiramicina, da virginiamicina, da bacitracina, da avoparcina e da tilosina na alimentação animal.
Na Europa, hoje, são aceitos somente quatro promotores do crescimento: avilamicina, flavomicina,
salinomicina e monensima. A monensima e a salinomicina são usados como agentes anticoccidianos para
aves e a flavomicina e a avilamicina são realmente usados como promotores de crescimento em criações de
frangos de corte e outras aves.
No Brasil, desde 1992 está proibido o uso de antimicrobianos (como as penicilinas, as tetraciclinas, os
sulfamídicos e o cloranfenicol) como aditivos sistêmicos, conservantes ou promotores do crescimento; em
1998 foram incluídos na lista a avoparcina e os furazolidônicos. Atualmente somente são permitidos como
promotores de crescimento de frangos de corte a bacitracina, a virginiamicina, a tilosina, o olaquindox, a
avilamicina, o nitrovim e o ácido arsanílico e a enramicina.
Dessa história toda ficou a sensação dos prejuízos econômicos que seriam provocados pela proibição
do uso de vários antibióticos e ganhou relevância a possibilidade do uso dos probióticos/prebióticos nas
rações animais em substituição a eles.
Embora os resultados ainda sejam conflitantes é esperado que, principalmente nas provas de campo,
isso é, na prática, as perspectivas sejam boas.
A flora intestinal
Todas as áreas do corpo do animal em contato com o meio exterior possui uma microflora bastante
específica. Os exemplos são a pele, o tubo digestivo e o aparelho respiratório.
O tubo digestivo, desde a boca até o ânus, mantém estreito contato com o meio externo. E, desde a
boca, possui microfloras específicas a cada região. Como exemplo atualíssimo, até o selvagem meio da
acidez estomacal é capaz de albergar elementos vivos, como é o caso do Helicobacter pylori, bactéria com
papel crucial no desenvolvimento da gastrite e da úlcera gástrica.
A microflora intestinal vai ganhando terreno na importância para a manutenção da saúde. Se no
estômago e duodeno o número de bactérias varia entre 100 a 10 000 u.f.c. por ml (unidades formadoras
de colônias por mililitro), predominando os estreptococos, estafilococos, raramente bactérias anaeróbias
(vivem em ambiente isento de oxigênio) e os lactobacilos. No jejuno e no íleo há aumento quantitativo
e qualitativo da flora, entre 100 000 e 1 000 000 000 ufc/ml, predominando bacteróides, lactobacilos,
fusobactérias, enterobacteriáceas, bifidobactérias e estreptococos, notando-se já a presença dos coliformes
e de várias espécies de anaeróbios. No intestino grosso, mais especificamente nos cólons, a flora intestinal
atinge os impressionantes 100 000 000 000 a 10 000 000 000 000 ufc/ml, contendo bacteróides, clostrídeos,
pseudomonas, bifidobactérias, lactobacilos, estreptococos fusobactérias, enterobactérias e estafilococos,
sendo importante lembrar que, no intestino grosso, as bactérias anaeróbias superam as demais (facultativas e
aeróbias) por uma boa margem no mínimo de fator 10², com predomínio dos bacteróides, bifidobactérias e
fusobactérias, sendo também freqüentes os estreptococos, clostrídeos, lactobacilos e enterobactérias. A flora
compreende ainda fungos e vírus.
Autores determinam que a flora intestinal contenha entre 450 a 500 espécies de bactérias, distribuídas
em torno de 200 gêneros, mas somente 30 a 40 espécies são responsáveis por 99% do total.
As bactérias da flora intestinal podem ser: a- Simplesmente nocivas ao organismo, como os clostrídeos,
os Proteus, os estafilococos, as veillonelas; b- Podem ser benéficas ou nocivas, como as enterobactérias e os
enterococos, as quais, ao mesmo tempo que podem ocasionar infecções fora do intestino ajudam na defesa
do organismo e c- Simplesmente benéficas, como acontece como os lactobacilos, com as bifidobactérias e
com os estreptococos lácticos.
Nos humanos, a colonização do trato gastrintestinal por bactérias começa durante o parto por via
vaginal, sendo um processo lento e progressivo e regulada pelo próprio meio intestinal, o qual, também
vai se alterando conforme o estabelecimento de novos grupos bacterianos. O alto poder oxirredutivo
positivo do intestino do recém-nascido, criando meio rico em oxigênio, favorece as bactérias aeróbias ou
os anaeróbios facultativos, como o grupo das enterobactérias. Assim, logo após o parto já são encontradas
E. coli, Enterococcus, Lactobacillus e Staphylococcus nas fezes de quase todos os bebês. Como essas
bactérias consomem grande quantidade de oxigênio para a sobrevivência, o meio vai-se tornando mais
pobre nesse elemento com maior adequação para a sobrevida das bactérias anaeróbias obrigatórias como as
bifidobactérias (99% da flora intestinal e surgem logo no terceiro dia após o nascimento), os bacteroides e
clostridio. Por questão até de espaço físico e metabólico, como a diminuição de micronutrientes num meio
fortemente pobre de oxigênio, conforme as bactérias anaeróbias aumentam as facultativas diminuem. A
fonte natural das bactérias colonizadoras do intestino do recém-nascido é a microflora intestinal materna.
Nas cesáreas essa transferência não se faz, havendo atraso no estabelecimento das bactérias no intestino do
bebê, principalmente as anaeróbias, e as bactérias são adquiridas principalmente do meio ambiente.
Nos países em desenvolvimento é quase certo que os lactentes sejam expostos desde cedo a numerosas
bactérias, principalmente anaeróbios facultativos e aeróbios. Esse tipo de flora é instável e contém grande
variedade de parasitas potencialmente patogênicos que podem ocasionar infecções extra-intestinais; isso
pode levar à necessidade de uso de antibióticos que tornam o lactente mais suscetível a novos quadro
infecciosos criando um ciclo vicioso. Nos países desenvolvidos o problema pode ser oposto, pois a
rigorosa higiene existente no cuidado neonatal poderá retardar o estabelecimento de microflora ativa e com
capacidade protetora. É, se correr o bicho pega... Nesses contextos torna-se importantíssima a alimentação
no seio, a qual, favorece o estabelecimento de uma flora intestinal protetora.
Hoje, na criação de pássaros bem estabelecida, vivemos uma situação parecida com as dos países
desenvolvidos quanto à qualidade do controle das infecções. Os cuidados necessários quanto a higienização
do ambiente onde são mantidos os pássaros, os cuidados com a água que eles tomam e usam para os
banhos e a higiene na manutenção dos alimento dificultam ou mesmo impedem o estabelecimento inicial
da microbiota intestinal dos filhotes. Para alguns autores isso seria compensado pelo contato logo ao nascer
dos filhotes com as fezes das mães, as quais, contêm elementos para a imunoproteção dos filhotes, inclusive
bactérias probióticas. Não tenho elementos para ser conclusivo, mas seria lógico concordar com isso levadose em conta que a cloaca, da mesma maneira que a vagina da mulher, deve ter a sua própria microbiota,
inclusive com muitas bactérias probióticas que podem chegar aos filhotes pelas fezes das mães. Quando os
ovos são retirados da mãe e eclodidos em chocadeiras, como ocorre nas criações comerciais de aves e já em
alguns criadouros de pássaros, os filhotes adquirem parcialmente as suas microfloras através do ambiente do
criadouro. Concluo que os filhotes das aves formam suas floras intestinais a partir do material existente nos
bicos, nos papos ou nas fezes das mães.
A microbiota intestinal das aves, como os pássaros, começa a ser estabelecida logo depois da
eclosão dos ovos; ela aumenta nas primeira semanas de vida e depois se torna dominada pelas bactérias
anaeróbias. No ceco das aves foram identificados muitos gêneros de bactérias: Bifidobactérias, Bacillus,
Bacteroides, Clostridium, Enterobacter, Citrobacter, Escherichia, Enterococcus, Lactobacillus, Eubacterium,
Fusobaterium, Lactococcus, Pediococcus, Propionibacterium, Ruminococcus, Peptostreptococcus,
Veillonella, Serratia e Streptococcus
É de se admitir que, numa mãe saudável, os filhotes de pássaros comecem a formar a flora intestinal de
defesa ainda no ninho contaminado por fezes e material regurgitado pela mãe. E, aí, mais um provável efeito
deletério do uso indiscriminado dos antibióticos na criação de pássaros; uma fêmea sob efeito contínuo
de antibióticos terá na sua flora um grande número de bactérias patogênicas e, pior ainda, resistentes aos
próprios antibióticos. Daí, já viu, né, como diria a netona Filósofa, coitados dos filhotes.
Na velhice o número de bactérias benéficas na flora intestinal cai para 30% em relação às
bactérias patogênicas, chegando esse índice a apenas 5% em alguns idosos. A conseqüência é a maior
predisposição às doenças determinadas pela baixa imunidade orgânica. Isso ocorre com outros animais,
inclusive com os pássaros.
Probióticos, prebióticos e simbióticos
No seu já clássico trabalho Probiotics in man and animals, publicado, em 1989 no Appl. Bacteriol,
R.Fuller definiu os probióticos como um “suplemento alimentar composto por microorganismos
vivos que atuam de maneira benéfica no animal hospedeiro, melhorando o equilíbrio microbiano do seu
ambiente intestinal”, deixando claro as principais características do probiótico: suplemento alimentar e
não medicamento, composto por elementos vivos, atuação no equilíbrio da microflora intestinal e,
principalmente, a finalidade principal de manter a saúde do hospedeiro. Existem em diversas formulações
no comércio, sendo a mais conhecida a do leite fermentado. Há autores eu usam o termo DFM (Direct
Fed Mecrorganisms) para designar os probióticos quando usados em animais deixando o termo probiótico
somente quando se fala em humanos; acho preciosismo que somente serve para complicar.
Para as aves, os probióticos podem ser adicionados às papas e farinhadas, às rações, adicionados à água
de beber, pela inoculação via cloaca, em cápsulas gelatinosas, inoculação em ovos embrionados de aves e até
pela pulverização nos ninhos.
Hoje existe uma série de produtos contendo probióticos no comércio para aves, bovinos, suínos,
eqüinos, ovinos, cães e gatos. Procurando tirar do produto a máxima ação probiótica através da ação
hospedeiro-específica, várias bactérias são usadas, sendo a grande maioria Lactobacillus (bulgaricus, casei,
lactis, acidophlus, plantarium, salivarius,reuteri, johnsii), Enterococcus (faecalis, faecium), Streptococcus
thermophilus, Bifidobacterium spp e Bacillus (subtilis, toyoi); o fungo Saccharomyces boulardii também é
usado como probiótico.
Os prebióticos são componentes alimentares, não digeríveis pelas enzimas digestivas, não absorvíveis
pela mucosa intestinal e com a capacidade de selecionar as espécies bacterianas benéficas para os animais. O
termo prebiótico foi empregado por Gibson & Roberfroid em 1995 (J. Nut.) para designar “Ingredientes
nutricionais não digeríveis que afetam beneficamente o hospedeiro estimulando seletivamente o crescimento
e atividade de uma ou mais bactérias benéficas do cólon, melhorando a saúde do seu hospedeiro”.
O sucesso dos prebióticos depende da sua não hidrolização pelas enzimas digestivas, o que, permite
que cheguem intactos ao intestino grosso onde são digeridos (fermentados) pela flora intestinal promotora
da saúde, como os lactobacilos e as bifidobactérias.
Os prebióticos oligossacarídeos são derivados da maltose (oriunda do amido), da galactose
(encontrada nos vegetais e no leite), da xilose (adoçante extraído da madeira) e da frutose (açúcar das
frutas). A arabinose, açúcar das gomas vegetais, e a manose, aldohexose originada da oxidação do
manitol, um álcool constituinte principal do maná, também têm efeito prebiótico. O polissacarídeo
frutooligossacarídeo tem excelente efeito prebiótico.
Os prebióticos mais usados na alimentação dos animais são os oligossacarídeos, com destaque para
os mananoligossacarídeos (MOS) e os frutoligossacarídeos (FOS). O FOS é formado por moléculas de
sacarose nas quais de uma a três unidades de frutose são adicionadas por ligações glicosídicas b-(2-1)
à molécula de frutose da sacarose; o grau de polimerização varia entre 2 a 10 unidades, abreviadas, por
exemplo por GF2 (a 1-kestose), GF3(nistose) e GF4 (1F-b-frutofuranosilnistose). Os FOS podem ser
sintetizados enzimaticamente, por ação da b-frutofuranosidase fúngica, a partir da sacarose; é a forma mais
comumente encontrada no Japão. A inulina (frutano), polissacarídeo encontrado no rizoma de algumas
plantas, principalmente a chicória, facilmente encontrada no mercado europeu, gera FOS se for hidrolisada
enzimaticamente pela inulase. Ganha corpo e espaço atualmente como prebiótico a polidextrose,
carbohidrato de alto peso molecular solúvel em água e infensa às enzimas digestivas. Os prebióticos já são
usados largamente nos mercados japonês e europeu em bebidas lácteas, chocolates, doces, balas, biscoitos,
geléias, pudins e goma de mascar.
Nas rações dos pássaros o prebiótico mais usado é o mananoligossacarídeo.
Os prebióticos podem ser obtidos, na forma natural, de sementes e raízes de alguns vegetais como
a chicória, cebola, alho, dente de leão, alho-poró, yacón, tomate, almeirão dália (flor preferida da saudosa
minha mãe), alcachofra, aspargo, trigo, cevada, centeio, grãos de soja, grão-de-bico, banana e tremoço. O
leite materno humano e o mel também possuem FOS (ponto para a minha avó que não deixava a colher
protetora do mel todos os dias).
A principal ação dos prebióticos é estimular o crescimento e/ou ativar o metabolismo de algum
grupo de bactérias benéficas do trato intestinal. Assim, os prebióticos agem intimamente relacionados aos
probióticos; constituem o “alimento” das bactérias probióticas.
Agem também bloqueando os sítios de aderência (principalmente a D-Manose), imobilizando e
reduzindo a capacidade de fixação de algumas bactérias patogênicas na mucosa intestinal. Especula-se que
os oligossacarídeos possam estimular o sistema imunológico, através da redução indireta da translocação
intestinal por patógenos que determinariam infecções após atingir a corrente sangüínea.
Alimento simbiótico é aquele que possui na sua formulação prebióticos e probióticos.
Um adendozinho antes de continuar. Os pássaros nativos, antes de serem essencialmente
frugívoros (ou frutívoros) ou granívoros, são onívoros, consomem bastante hortaliças e frutas e,
assim, certamente, vão consumindo, na natureza, os seus prebióticos. Santa Natureza. Lembrar que
o Gilson Barbosa, da Bahia, dá importância à alimentação rica em carbohidratos (fontes dos prebióticos)
dos curiós na natureza.
Ações e efeitos dos probióticos, prebióticos e simbióticos
São citados muitos benefícios determinados pela flora intestinal, assim como pelos pró, pré e
simbióticos. Muitos ainda carecem de estudos mais conclusivos, mas já há alguns com uma comprovação
científica mais consistente.
Sem dúvida os estudos, tanto clínicos como experimentais, são mais determinantes quanto à prevenção
das infecções intestinais, como nos casos do Helicobacer pylori, bactéria importante no desenvolvimento da
gastrite ou da úlcera péptica, das infecções bacterianas agudas causadoras da chamada diarréia dos viajantes e
das infecções pelo rotavírus, uma das principais causas de mortalidade infantil em todo o mundo.
Para simplificar pode-se classificar os benefícios trazidos pelos probióticos e prebióticos:
1- Ação sobre o sistema imune.
Não posso deixar de dar uma pincelada no sistema imune, um dos principais responsáveis pela defesa
da integridade do organismo contra agressões externas e internas.
A defesa do organismo contra agentes infecciosos e outros agressores é assegurada pelo conjunto de
barreiras físicas, como a pele, a membrana mucosa, a camada de muco e as células epiteliais, e os vários
componentes do sistema imune. Esse sistema é formado basicamente pelos linfócitos B e T, pelas células
chamadas natural killers (NK, capazes de matarem muitas células tumorais e as alteradas pelos vírus.
Geralmente são macrófagos e linfocitos granulares grandes), pelos fagócitos e as proteínas do complexo do
complemento.
As células hematopoiéticas pluripotenciais, agora muito conhecidas como células-tronco, surgem no
embrião, propriamente no saco vitelino, entre 2.5 a 3 semanas de gestação; posteriormente migram para o
fígado do feto na quinta semana de gestação e logo chegam na medula óssea onde permanecem durante
toda a vida. As células-tronco do tecido linfóide desenvolvem-se a partir dessas células precursoras e
diferenciam-se em linfócitos T, B ou células natural killers (NK).
O sistema imune possui quatro propriedades: especificidade, diversidade, memória e o reconhecimento
do que é próprio (self) e não próprio do organismo (non self); com essas qualidades o sistema é capaz
de reconhecer o que deve ou não ser combatido e reagir sempre que for colocado à frente do mesmo
agressor. Os linfocitos T e B são os responsáveis por essas quatro propriedades. Os três tipos de células
que constituem os elementos funcionais do sistema imune (linfocitos T e B e as células apresentadoras
dos antígenos) são todos gerados na medula óssea. Os linfocitos B tornam-se imunocompetentes na
própria medula óssea, enquanto os linfocitos T migram para o timo para tornarem-se imunocompetentes.
Por isso a medula óssea e o timo são chamados órgãos linfóides primários ou centrais. Após tornarem-se
imunocompetentes, os linfocitos B e T migram para os órgãos linfóides secundários ou periféricos (baço,
nódulos linfáticos, tonsilas ou amígdalas, placa de Peyer e lâmina própria), nos quais entram em contato
com os antígenos.
Ao contrário de todas as outras espécies animais, as aves não possuem linfonodos. Possuem placas de
Peyer, tonsilas cecais e a bolsa de Fabricius, invaginação da parte final do tubo digestivo.
Um pouquinho de cultura inútil não faz mal a ninguém. Olhem que interessante. Os linfocitos T são
assim chamados por quê, no início da vida, tornam-se imunocompetentes no timo. Tudo bem. Mas, por que
o nome linfocito B se eles se tornam imunocompetentes na medula óssea? Do nome inglês bone marrow?
Nadica de nada. Foi nas aves, como os nossos passarinhos, que os linfocitos B foram primeiro identificados
e nas quais tornam-se imunocompetentes num divertículo da cloaca conhecido como bursa de Fabricius, de
onde linfocitos B. OK?
Há vários subtipos dos linfocitos T: célula T helper (secreta várias citoquinas que modulam a atividade
de outros linfocitos), células T citotóxicas (destroem células reconhecidas como estranhas ao organismo,
como aquelas transformadas pelos vírus), células T supressoras (inibem as atividades dos linfocitos T e B
represando a resposta imune) e células T de memória (têm a capacidade de ter memória imunológica para
determinados epítopos, locais dos antígenos onde se fixam os anticorpos).
Além dos receptores de membrana, os linfocitos T expressam no seu plasmalema os chamados
clusters of differentiation proteins (as famosas proteínas CD) que têm uma série de atividades no processo
imunológico, como a ativação dos linfocitos T helper e correceptores para a ligação do epítopo com o
receptor de membrana.
As células apresentadoras de antígenos (antigen-presenting cells, ou APC) fagocitam, catabolizam e
processam os antígenos ligando os seus epítopos a um complexo chamado de histocompatibilidade maior
e apresentam esse conjunto aos linfocitos T. São exemplos de APC as células dendríticas, as células de
Langerhans da epiderme e da mucosa oral e os macrófagos.
As células M, do epitélio intestinal, favorecem a passagem de macromoléculas e até de células
bacterianas inteiras, ação essencial para a apresentação de antígenos do lúmen às células do sistema
imune da mucosa. São células fagocíticas que atuam no transportes de antígenos até a placa de Peyer e
os transferem às células MHC (major histocompatibility complex). Além disso, as células M estimulam a
produção de células produtoras de IgM que liberam o TGF (Transforming growth factor), o qual, estimula
as células produtoras de IgA. Um fato interessante sobre a IgA secretora é que a presença dela no leite
materno e na saliva refletem resposta imune da mucosa intestinal.
As células dendríticas fazem parte dos macrófagos localizados em certas regiões do corpo recebendo
nomes específicos: células de Kupffer no fígado, células de poeira no pulmão, monócitos no sangue,
macrófagos no tecido conjuntivo, baço, nodos linfáticos, timo e medula óssea e células de Langerhans na
pele; todas elas são membros dos sistema fagocítico mononuclear e possuem forma e função similares. As
células dendríticas são as mesmas células de Langerhans encontradas na derme, epitélio da cavidade oral,
esôfago e da vagina e, principalmente, na epiderme.
Os linfocitos, juntamente com as células apresentadoras de antígenos, também originárias da medula
óssea, iniciam e participam da resposta imune, comunicando-se umas com as outras através de moléculas
sinalizadoras chamadas citoquinas, as quais, são liberadas em resposta ao encontro, no organismo, de
substâncias chamadas antígenos. O local do antígeno que reage com o anticorpo ligado à membrana
(linfocito B) ou com o receptor apropriado encontrado no linfocito T é chamado epítopo, como já foi dito,
sendo que invasores maiores como as bactérias possuem vários epítopos capazes de se ligarem a diferentes
anticorpos.
Os linfocitos B e T antes da exposição aos antígenos são conhecidos por células virgens (naive cells);
quando ativadas, elas tornam-se células efetoras e células de memória. As células efetoras chamadas células
plasmáticas (plasmócitos), derivadas do linfocito B, produzem e liberam anticorpos. Já as células efetoras
originadas dos linfocitos T secretam citoquinas ou destroem células estranhas ou células do próprio
organismo alteradas (como as células tumorais). As células de memória expressam anticorpos ligados à
membrana e os receptores das células T, os quais, interagem com os antígenos específicos; essas células
não estão diretamente envolvidas na resposta imune, mas, vivendo durante meses ou anos, e tendo grande
afinidade pelos antígenos, provocam, numa subseqüente exposição aos mesmos antígenos, uma reação
secundária muito rápida, mais potente e de longa duração do que a primeira resposta.
O encontro de uma substância reconhecida como estranha desencadeia uma séria de reações: 1Produção das imunoglobulinas, ou anticorpos, que ligam-se ao antígeno procurando destruí-lo, a chamada
resposta imune humoral e 2- Indução de um grupo de células especializadas em matar as células estranhas
ou mesmo células do próprio organismo modificadas (como exemplo as células tumorais), a chamada
resposta imune mediada por células. Seria como um exército com as suas baterias fixas (imunidade celular)
e os elementos móveis (anticorpos) caçando os inimigos por todo o organismo.
Em torno de 80% dos anticorpos são formados no sistema linfóide presente no intestino, os quais
agem na defesa tanto no próprio intestino como no restante do organismo. E 35% dos linfócitos do
organismo econtram-se no trato gastrintestinal. Portanto, o intestino é de vital importância na linha de
defesa do organismo. Isso aumenta consideravelmente a importância da microbiota intestinal.
Vários estudos vêm demonstrando a ação dos probióticos e prebióticos em várias etapas do sistema
imune. Embora, em alguns casos, ainda careçam de dados mais conclusivos, as expectativas são muito
boas. As bactérias probióticas da flora intestinal aumentam as diferentes defesas intestinais: a eliminação de
caráter imunológico, a regulação imune e a exclusão imunológica.
Os russos descobriram a ação imunomoduladora e anticancerígena dos lactobacilos, talvez pelo
aumento induzido das citoquinas; essa imunomodulação também pode ser estimulada pelo ácido lático
produzido pelos lactobacilos com efeitos positivos sobre células de defesa como os linfócitos T e B,
macrófagos, monócitos, natural killer cells e linfocitos citotóxicos.
Além de modularem as citoquinas, que atuam na regulação do sistema imunológico, e aumentarem
a produção da benéfica interleucina-10, os lactobacilos diminuem a ação de substâncias deletérias para o
organismo, como a interleucina-1, os fatores de necroses celulares (NF-kappa B) e a interleucina-8, todas
elas com capacidades inflamatórias.
As células dendríticas da parede intestinal e da lâmina própria formam uma extensa rede e têm ação
importante na apresentação e no reconhecimento do antígeno (bactéria, vírus, fungos, etc) pelo sistema
imune do hospedeiro. Essa atuação independe daquela semelhante exercida pelas células M dependentes
das placas de Peyer. Todos os estudos concluem o estreito relacionamento entre a microbiota intestinal e as
células dendríticas, as quais, são atualmente um dos xodós dos pesquisadores.
2- Ação sobre as defesas da mucosa.
O segredo da luta travada pelo organismo contra os parasitas invasores é a manutenção da integridade
física, química e funcional da mucosa. O lúmen do trato alimentar é revestido pela mucosa, formada por
epitélio, lâmina própria e muscularis mucosae. Além do citado sistema imune, outros mecanismos tomam
parte no processo de defesa, como o chamado efeito barreira ou colonização competitiva: a- Competição,
pelo mesmo receptor da mucosa, entre as bactérias defensivas da flora intestinal e os parasitas
patogênicos. Embora se aguarde demonstrações claras da competição entre probióticos e parasitas por um
determinado receptor, trabalhos mostram ser isso viável, como Conway mostrou estudando competição
(pelo receptor galactosilceramida) entre Lctobacilos e Escherichia coli patogênica. Trabalhos muito bem
elaborados, levando em conta estudos in vitro mostrando a grande diversidade de parasitas que podem ser
excluídos de camadas únicas de células humanas pelos Bifidobacterium ou pelos Lactobacilli, mostraram
que esse bloqueio competitivo pode ser não específico e determinado por probióticos que avidamente
aderem à membrana epitelial, como a do intestino, impedindo a chegada dos parasitas aos seus receptores
específicos. As cinco Escherichia coli causadoras de diarréia (ver boletim sobre essas bactérias que fazem
parte do grupo das Enterobacteriáceas) necessitam de uma fase de adesão ao enterócito (célula base da
mucosa intestinal) para iniciar a infecção; portanto, a barreira competitiva aos receptores é muito importante
na luta do organismo contra elas. E E. coli, amigão passarinheiro, é um dos terrores de qualquer criação.
Mesmo bactérias, como as Salmonellas, as Yersinias, A Shiguella flexneri e a Listeria monocitogenes (ver
boletins sobre elas) e alguns vírus, como o poliovírus e o reovírus, que infectam o hospedeiro através da
célula selecionadora de antígenos M, também podem ser combatidas por esse processo de defesa. Poucas
dúvidas restam sobre o papel das bifidobactérias e outras bactérias como o Streptococcus thermophilus na
proteção contra as diarréias provocadas pelo rotavírus, o maior causador mundial de diarréias em crianças
menores; essa defesa poderia ser pelo bloqueio dos receptores específicos dos rotas ou mesmo pelo
bloqueio geral dos receptores.
Estudo que julgo dos mais interessantes é o envolvendo as células chamadas Caco-2, resultantes de
culturas de células epiteliais. Observou-se muito claramente que, expondo essas células ao Lactobacillus
acidophilus e ao Bifidobacterium breve, em concentrações acima dos 1 000 000 000 ufc/ml, e depois
expondo as células a Escherichia coli e às Salmonellas, bactérias patogênicas como vimos, essas não tinham
acesso aos receptores celulares. Notem, esse bloqueio somente acontece se as bactérias defensoras tiverem
acesso aos receptores das células Caco-2 antes das patogênicas; se as bactérias patogênicas chegarem aos
receptores antes, tchau e bênção, como diria a netona Filósofa. Daí o valor do uso de probióticos ou de
prebióticos nos alimentos dos pássaros de maneira profilática e não curativa. Depois dos males
ocasionados pelos patógenos eles somente terão importância na recuperação mais rápida da flora
intestinal e no bloqueio dos poucos receptores ainda vagos. Outras ações importantes dos probióticos
durante as diarréias são a competição pelos nutrientes, a criação de um meio impróprio e a geração de
substâncias bactericidas e bacteriostáticas, todas armas importantes contra os patógenos.
b- Competição entre bactérias da flora e os organismos invasores pelos substratos metabólicos
essenciais para o crescimento bacteriano. Claro, aumentando o número de comensais para um mesmo
bolo muitos morrerão de inanição. A competição entre as bactérias da flora normal e as patogênicas é mais
feroz em relação aos açúcares, fontes primárias da energia necessária para a sobrevivência. A competição
também é intensa em relação à vitamina B12, essencial para o crescimento e funcionamento das bactérias
e outros parasitas;e c- Produção, pelas bactérias da flora intestinal de produtos metabólicos,
como ácidos graxos de cadeia curta, ácidos orgânicos e produtos bacteriostáticos (impedem
o crescimento) e bactericidas (bacteriocinas, matam o invasor) que inibem colonização e o
crescimento dos agentes patogênicos. Esse conceito ganhou corpo após a publicação de trabalhos
baseados em estudos in vitro e in vivo, como o The human Lactobacillus acidophilus La1 secretes a
nonbacteriocin antibacterial substance(s) active in vitro and in vivo. É incontestável, por exemplo, o valor do
leite humano na proteção do bebê contra inúmeras infecções; um dos fatores dessa proteção é o pH ácido
das fezes do bebê mantido, em boa parte, pela produção de ácido acético pelas Bifidobactérias em razão da
enzima frutose-6-fosfato fosfocetolose. E o ácido acético, um ácido orgânico, inibe de modo importante
bactérias patogênicas, como entoerobacteriáceas gram negativas e espécies de Clostridium. Bifidobactérias
também produzem ácido lático a partir da lactose. Os ácidos propiônico e o butírico são outros ácidos graxos
de cadeia curta, metabólitos primários da microbiota intestinal, essenciais no combate aos patógenos. A ação
dos ácidos orgânicos de cadeia curta contra os patógenos se dá pelo bloqueio de importantes atividades
metabólicas, como a fosforilação oxidativa com diminuição do pH interno celular; há autores dizendo que
os ácidos graxos de cadeia curta, além de gerarem energia, estimulam a renovação constante das células da
mucosa intestinal, dão origem a antibióticos naturais, melhoram os níveis de colesterol e triglicerídeos e
têm ação anticancerígena. O Clostridium difficile, junto com outro anaeróbio, o Bacteroides fragilis, têm
papel marcante na diarréia (inclusive a terrível enterocolite necrotisante); essas bactérias são oportunistas
e aproveitam o desequilíbrio da flora ocasionado pelo uso imoderado de antibióticos para agir. Como se
diz, quando o gato é afastado os ratos fazem a festa. Amigões, cada ano o mundo assiste a mais de um
bilhão, disse um bilhão, de casos de diarréia aguda em crianças menores de 5 anos e cinco milhões dessas
crianças chegam ao óbito, principalmente nos países em desenvolvimento. As causas principais? Shigella,
Escherichia coli, Campylobacter, Vibrio cholerae e o rotavírus. Mesmo nos países ditos civilizados são mais
de 100 milhões de pessoas contraindo anualmente doenças determinadas por alimentos contaminados.
Essa devastação de vidas também deve ocorrer nos interiores dos criadouros menos cuidadosos. Que isso
sirva de alerta para aqueles que teimam em usar antibióticos “pare prevenir” N infecções nos
seus criadouros. Não previnem nada. São simples selecionadores de bactérias resistentes. Desde o
momento em que mantemos e/ou criamos os pássaros em gaiolas ou viveiros, jamais poderemos
adotar atitude que vai contra todos os preceitos de uma boa medicina. Embora constituam o exemplo
mais marcante e importante, não só os antibióticos provocam desequilíbrios na flora intestinal não podendo
serem deixados de lado os hormônios, os antinflamatórios não hormonais e os antiácidos.
As bactérias ácido láticas produzem várias bacteriocinas como a nisina, a lactocidina, a diplococcina, a
bulgaricina e a reuterina que possuem intensa atividade de inibição tanto sobre as bactérias gram positivas
como as gram negativas.
Os lactobacilos e as bifidobactérias também atuam contra os patógenos produzindo, além dos
ácidos orgânicos de cadeias curtas, o peróxido de hidrogênio (age contra os patógenos provocando a
desnaturação de várias proteínas, incluindo enzimas metabólicas importantes. Tanto os Lactobacilos como
as Bifidobactérias bloqueiam a enzima catalase que age na decomposição do peróxido de hidrogênio),
bacteriocinas (como a nisina, produzida pelos lactobacilos, de largo espectro de ação) e substâncias
assemelhadas aos antibióticos.
Enzimas com grande ação inibitória sobre bactérias patogênicas, como a beta-glucoronidase e
hidrolases de sais biliares, são secretadas por algumas bactérias probióticas. 3- Ações gerais.
A microbiota também exerce ação positiva sobre a produção dos fluidos gastrintestinais, como o
suco gástrico, dos ácidos biliares, dos movimentos peristálticos intestinais, sobre a produção de nutrientes
endógenos providos de mucina e no rápido turnover das células do epitélio intestinal.
Se me permitem uma divagaçãozinha. O intestino é responsável pela produção de 90% da serotonina
do organismo. A serotonina, um neurotransmissor importante derivado do aminoácido triptofano, age em
muitos comportamentos dos animais, inclusive na reprodução e na agressividade. Lógico supor que um
intestino são é necessário para o animal, inclusive os pássaros, estarem bem com a vida e se reproduzirem
normalmente. Animal, seja ele qual for, inclusive nós ditos humanos, não terão comportamentos adequados
se as suas mucosas intestinais forem consumidas por agravos como as infecções. Adeus campeões de
torneios.
Há alguns benefícios provocados pelos probióticos que carecem de mais estudos. Como as bactérias
não patogênicas da flora intestinal produzem lactase, enzima que metaboliza a lactose transfomando-a em
glicose e galactose, pressupõe-se que agiriam favoravelmente nos casos de intolerância à lactose. Estudos
comparativos entre crianças alérgicas da Suécia e da Estônia mostram o efeito protetor dos probióticos
contra alguns quadros alérgicos. Seria essa uma das explicações para o fato de crianças amamentadas ao seio
terem menos alergias do que aquelas alimentadas com leite de vaca. Já clássico e certo é a capacidade da
flora intestinal de produzir vitaminas do complexo B.
Simplificando para os passarinheiros, podemos resumir os mecanismos de ação dos probióticos e dos prebióticos contra os
organismos patogênicos:
1-Competição por nutrientes;
2-Produção de substâncias com efeitos antimicrobianos;
3-Modificação de toxinas microbianas ou dos receptores para essas toxinas;
4-Inibição da adesão dos organismos patogênicos às células do epitélio intestinal;
5-Efeitos tróficos (relativos à nutrição dos tecidos) sobre a mucosa intestinal;
6-Estimulação sobre a imunidade local, tanto a específica como a natural.
Afinal, os probiótico provocam reações indesejáveis? Embora possível, o uso secular desses
produtos não confirmam. Poderiam os probióticos, sendo bactérias, provocar infeções sistêmicas? Riscos
muito reduzidos mesmo em portadores de imunidade diminuída. Teriam eles efeitos metabólicos e
enzimáticos como a desconjugação e a desidroxilação de sais biliares no intestino delgado? Ainda merece
alguma vigilância, principalmente quando o consumo for muito grande. Poderiam provocar efeitos
imunoestimulantes excessivos? Deve-se ter atenção para essa possibilidade, embora não se tenha descrito
quadros clínicos a eles atribuídos.
Lá pelos anos 80 surgiu, no Japão, o termo alimento funcional para designar os alimentos
benéficos para a saúde. Entre as substâncias que definem a ação dos alimentos como funcionas estão
os polissacarídeos (fibras solúveis e insolúveis), os flavonóides, os oligossacarídeos (prebióticos), os
carotenóides (licopeno, luteína, beta caroteno), os probióticos, os fitoesteróis, os ácidos graxos linoleico
(ômega 6) e linolênico (ômega 3).
O mundo assiste ao constante aumento da sobrevida da população, trazendo com ela o aumento de
doenças como os canceres, a hipertensão, cardiovasculares, osteoporose e o diabetes mellitus, gerando
altíssimos gastos para a saúde pública e para os convênios de assistência médica. Meteu a mão no bolso,
para muitos o principal movimentador do comportamento humano, pronto, a máquina de pesquisas
se movimenta para procurar meios de diminuir o impacto econômico. Aqui não foi diferente. Partiuse freneticamente para buscar os chamados alimentos funcionais capazes de promover a saúde. Nada
demais, pois, Hipócrates já sabia disso tudo, como atesta a frase que iniciou esse boletim: “Deixe que
10
a alimentação seja o seu remédio e o remédio a sua alimentação”. Nada como ser um gênio. O
conceito de alimento funcional surgiu no Japão na década dos oitenta e, em 2005, a indústria desses
produtos abiscoitou 60 bilhões de dólares na Europa, EEUU e Japão; até nós movimentamos, nesse mesmo
ano com funcionais, diet e light, uns míseros 600 milhões de verdinhas. É, amigos, hoje já existe a ciência
dos alimentos funcionais perfeitamente definida pelo International Life Sciences Institute, o vetusto e
competente ILSI.
E o que os meus canários-da-terra têm a ver com isso, deve estar matutando o amigão Taddei lá nos
altos imperiais de Jacareí. Muito, pois, acompanhando os humanos, os pássaros criados domesticamente
estão cada vez vivendo mais e, logicamente, também se beneficiarão dos alimentos funcionais.
Os bons produtos industrializados para pássaros trazem probióticos e, principalmente, prebióticos nas
suas formulações. Confira nas embalagens. Os criadores que usam misturas de sementes e/ou farinhadas
caseiras podem acrescentar a elas pro e/ou prebióticos, bastando consultar os fabricantes dos mesmos ou
veterinários para saber a quantidade a ser adicionada.
Amigos, às vezes sou questionado sobre os tamanhos dos boletins. Eles são frutos dos meus estudos
profissionais como médico, da experiência pessoal na criação de cães e de pássaros e, não menos importante,
do que ouço nos contatos com os amigões passarinheiros. Fico entre produzir boletim enxuto e pequeno,
mas, superficial, e escrever algo mais longo, com muitos termos técnicos, mas consistente e melhor embasado.
Fico com a segunda hipótese. Embora sejam mais difíceis de leitura, dão ao criador uma noção mais real dos
assuntos tratados, evitando achismos e procurando levar aos criadores proposições mais técnicas.
11
Fly UP