...

O Depósito de Concentrados Alemães no Castelo de S. João

by user

on
Category: Documents
131

views

Report

Comments

Transcript

O Depósito de Concentrados Alemães no Castelo de S. João
O Depósito de Concentrados Alemães no Castelo de S. João Batista...
225
O Depósito de Concentrados Alemães no
Castelo de S. João Batista, Angra do Heroísmo
(1916 – 1918 - I Grande Guerra)
Yolanda Corsépius
Corsépius, Yolanda (2010), O Depósito de Concentrados Alemães no Castelo de S.
João Batista, Angra do Heroísmo (1916-1918 – I Grande Guerra). Boletim do Instituto
Histórico da Ilha Terceira, LXVII e LXVIII: 225 a 251.
NOTA INTRODUTÓRIA
Pensei elaborar este trabalho tendo como objetivo a apresentação de algumas
informações sobre o Depósito de Concentrados Alemães (DCA), no Castelo de São
João Batista, visto ter verificado que é quase geral o desconhecimento da existência de um campo de detidos civis alemães e austríacos na ilha Terceira, durante
a I Guerra Mundial (1914-1918). Existem sobre o assunto algumas referências e
artigos, entre os quais cito um extenso trabalho de Sérgio Rezendes, escrito com
muito pormenor e apoio na legislação portuguesa relativa ao assunto, e ainda um
artigo de Helena Matos, há anos publicado no Expresso. Ambos esclarecem, com
bastante pormenor, o que então se passou, acompanhando mesmo o lado humano
deste acontecimento.
Estes dois trabalhos, assim como outros de interesse consultados, não incluem,
no entanto, uma relação dos prisioneiros que aí foram sendo internados, o que teria
interesse especial, dada a diversidade dos mesmos quanto ao local de detenção,
idades e ocupações. São pessoas que, naturalmente, já não vivem, pelo que não é
possível colher o seu testemunho pessoal; mas a relação que aqui anexo, conseguida
através de contatos pessoais e arquivos civis e militares, traz-nos, neste âmbito, informação relevante. Com esta informação, conseguir-se-á uma abordagem de outras
vertentes, embora os dados obtidos possam pecar por insuficiência informativa, ou
talvez por alguma parcialidade.
226
Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira
A DETENÇÃO DOS ALEMÃES
Ano e meio depois do início da I Grande Guerra Mundial (28.6.1914) entre a
Alemanha e Potências suas aliadas, e os países da “Tríplice Aliança” – Inglaterra,
França, Rússia –, Portugal ainda mantinha a neutralidade. A Inglaterra, porém, evocando a antiga aliança, e forçada pela necessidade de ter mais navios para transporte
de pessoal e mantimentos, desde o dia 17.2.1916 pressionou Portugal para que os
navios alemães e austríacos que haviam procurado abrigo nos portos portugueses,
incluindo nas Colónias, fossem apreendidos. Portugal cedeu em 23.2.1916 e, mesmo
sem estar em conflito com a Alemanha, oficializou essa pretensão pela Portaria nº
616 de 15.3.1916, decretando a “requisição” dos 72 navios alemães e 2 austríacos1
com as respetivas cargas que se encontravam nos portos portugueses, incluindo nas
Colónias 2, e ainda a proibição de qualquer cidadão alemão em idade militar, entre
os 16 e 45 anos, sair do país, o aprisionamento dos mesmos e a confiscação das
suas propriedades particulares, industriais e comerciais.
Sabia-se que, nas Colónias, já havia alguns confrontos entre tropas portuguesas
e alemãs, não sendo de ignorar que tanto a Inglaterra como a Alemanha, cobiçavam
esses territórios, até com negociações entre si para repartirem o Império Português.
Mas foi o facto destas confiscações que levou a que, duas semanas depois de
Portugal ter decretado o dito aprisionamento – e até embandeirado os navios confiscados com a bandeira Portuguesa – a Alemanha respondesse declarando guerra a
Portugal, acusando-o de estar ao serviço da Inglaterra, utilizando a expressão vassalo
da Inglaterra. E foi esta expressão que desencadeou o sentimento de afronta em
Portugal e serviu para que, em 4.4.1916, Portugal respondesse com uma veemente
declaração de guerra no Parlamento, sendo apoiado pela imprensa, sobretudo através
de incitamentos no jornal O Século, acusando os alemães de bárbaros, hunos etc.
e insistindo na sua expulsão do país.
Em 20.4.1916 o Governo publica então um decreto que abrangia a proibição dos
portugueses em idade militar (dos 16 aos 45 anos) de saírem do país; e os alemães
em território nacional tinham 5 dias para o abandonar. Agora, eram inimigos, com o
apoio de O Século novamente: “... fica o país livre dos seus mais ferozes inimigos...
capazes das façanhas mais baixas e dos crimes mais tremendos...”. O jornalismo
a incitar o povo ao ódio! O certo é que as hostilidades atingiram imediatamente
vários setores do País, tendo até o Instituto de Socorros a Náufragos anulado a
1
2
Os navios alemães encontravam-se distribuídos pelos portos do seguinte modo: 35 em Lisboa, 1
no Porto, 3 em Ponta Delgada, 3 na Horta, 1 em Setúbal, 5 em Mormugão, 3 em Luanda, 8 em
S. Vicente, 4 no Funchal, 6 em Lourenço Marques, 1 na Beira e 2 barcos na Guiné. Os austríacos
capturados foram: 1 em Lisboa, 1 em Mormugão e uma lancha de uma missão no Zambeze. 44 –
mais de metade – foram “fretados” à Inglaterra.
Embora a Turquia desde 29.10.1914, fizesse parte de outra Aliança, esta com a Alemanha, a Itália e a
Austro-Hungria desde 1882, parece que os turcos em Portugal não foram abrangidos por estas medidas.
O Depósito de Concentrados Alemães no Castelo de S. João Batista...
227
prevista decisão de condecorar o Capitão alemão Habelmann pelos seus feitos (que
não consegui encontrar). Agora, era também “um súbdito do Kaiser…”.
De início, alguns alemães não acreditaram que, nas decisões do Governo português, fosse incluído o seu aprisionamento, visto residirem há muito no país, se
considerarem portugueses e até terem filhos que tinham cumprido o serviço militar
em Portugal. Alguns deles fizeram então declarações nesse sentido ou alertaram
que a sua expulsão ou prisão até deixaria muitos portugueses sem trabalho. Outros, no entanto, abandonaram imediatamente o país, sobretudo para Espanha, para
onde também transferiram os seus capitais. Gerou-se, assim, uma certa confusão
da parte das entidades sobre quem deveria ser aprisionado, dado haver quem, com
razão, invocasse a sua longa permanência em Portugal, o serem cidadãos livres, ou
o direito de salvar o seu património. Assim, por exemplo, o comerciante Charles
Timm, há muitos anos importante comerciante no Norte, declarou a jornalistas
que não sairia de Portugal; o industrial de cortiça Herold, do Barreiro, que tinha
cerca de 4000 operários na sua indústria e que ficariam desempregados, sugeriu
que ao menos o filho, português – que até cumprira o serviço militar português
e era casado com uma portuguesa – passasse a controlar a fábrica 3; 20 alemães
a trabalharem em empresas portuguesas, alguns casados com portuguesas, logo
no dia do decreto, apresentaram ao Governo Civil de Lisboa uma petição onde
declaravam quererem ser portugueses. Entre estes, o comerciante de pianos José
Schumacher argumentava ter nascido em Portugal, nunca fora sequer à Alemanha
e que o pai vivera em Portugal meio século. Outro, por ter passaporte português
há 25 anos, e outro alemão por residir em Tomar há 16 anos e ter casado duas
vezes sempre com portuguesas, tendo 5 filhos, dos quais 2 estavam a cumprir o
serviço militar no Exército português; uma bibliotecária viúva de um português
com 5 filhos portugueses; a família de Johann Hitzemann, esclarecendo que nem
nascera na Confederação Alemã visto ter nascido em Hannover, cidade independente
na altura, ter mesmo recusado o serviço militar alemão e ter 2 filhos a servir no
Exército português. E finalmente, o drama da família de Hermann Burmester, cuja
família vivia em Portugal há mais de um século, morava num palacete na Rua de
Cedofeita, Porto, e era um dos maiores comerciantes de vinhos.4
3
4
Este protesto foi apoiado pelo presidente da Câmara do Barreiro e uma comissão de corticeiros
e operários da fábrica. Mas como noutros casos, resultou em que os seus bens foram arrolados e
postos em depósito com um administrador, devendo este praticar todos os atos necessários à sua
conservação.
Heinrich Burmester, oriundo do norte da Alemanha, e os 2 filhos, Friedrich e Edward, tinham
fundado, em finais do séc. XVIII, a importante Companhia de Vinhos do Porto em Vila Nova de
Gaia tendo ainda um navio, o Minho. Foi confiscado com todos os seus bens, arrolados e leiloados em hasta pública no Porto. Mais tarde, foi reconhecido o erro e feito o pagamento de uma
indemnização à família, o que de nada serviu em termos emocionais e de património.
228
Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira
Naturalmente todos estes casos causaram discussão, dúvidas e pressões às autoridades, quanto ao destino a dar-lhes, mas acabaram por ser declarados inimigos
de Portugal e, se alguns não foram aprisionados, foram expulsos para Espanha.
Burmester atribuiu esse ato ao facto de ser rico. Nunca mais voltou a Portugal. O
mesmo aconteceu à família Biel cujo pai, Emil chegara a Portugal em 1857, tinha
4 filhos e, entre outros feitos, tinha divulgado a electricidade no norte do país, publicado uma edição valiosa dos “Lusíadas” e desenvolvido um valioso trabalho de
fotografia, incluindo o levantamento dos monumentos religiosos de Portugal. Era o
orgulho da indústria do Porto e do património cultural português. Os milhares de
clichés em vidro que tinha feito, acabaram por ser vendidos a peso para fábricas
de vidro e cerâmica….5
Algumas petições resultaram no entanto em exceções, dando origem ao Decreto Nº 2377 de 15.5.1916: não seriam abrangidos os funcionários do Estado6,
os militares ou antigos militares, viúvas, divorciadas ou solteiras que tivessem
filhos no Exército Português. O Porto foi o mais beneficiado destas medidas e
já um dia antes do decreto, 119 mulheres portuguesas e mais de 600 individuos
“com sangue alemão” tinham sido autorizados a permanecer em Portugal. Entre
eles a família Sommer, Ernestine von Wehye Daenhardt, viúva do Cônsul honorário
Ernst Leopold Daehnhardt, e Carolina Michaelis de Vasconcelos, divulgadora da
lírica medieval e renascentista portuguesa e casada com o historiador Joaquim
de Vasconcelos7.
O DCA EM ANGRA DO HEROÍSMO
E onde ficariam os prisioneiros? O lugar de início não estava determinado: teria
de ser delimitado e com uma possível segurança e vigilância dos muitos alemães.
Finalmente, foram escolhidos, além do forte de Peniche, uma ilha nos Açores que,
por motivos da sua natureza e história, resultou no Castelo de S. João Batista no
5
6
7
Nalguns casos, os bens foram entregues a administradores para sua conservação. Mas depois da
guerra não voltaram a ser entregues pelos captores. Assim, alguns que tinham perdido os seus
haveres, nunca mais voltaram a Portugal, como a família Biel. Algum do espólio foi adquirido por
António Beleza, do Porto.
Desta disposição beneficiou o diretor da Deutsche Atlantische Telegraphengesellschaft (DAT),
no Faial, Berthold Otto Schröder que dias depois embarcou com a mulher, portuguesa, para Vigo,
assim como Adolf Melsteus, vice-cônsul em Angra, Mech consul na Madeira e o Agente Consular
dos EUA no Porto, Wilhelm Stuve, que à data se encontrava em Angra. Gustav Wallenstein, a
mulher portuguesa e os filhos nascidos em Ponta Delgada, esperavam poder permanecer em S.
Miguel o que conseguiram momentaneamente com concordância do Governador Civil, mas, 2
meses mais tarde, por ordem do Comando Militar dos Açores, em Ponta Delgada, tiveram mesmo
de partir para o DCA de Angra.
Acabou por viver em Lisboa, onde faleceu em 1921.
O Depósito de Concentrados Alemães no Castelo de S. João Batista...
229
promontório do Monte Brasil, Angra do Heroísmo.8 Aí
se constituiu, o DEPÓSITO
DE CONCENTRADOS ALEMÃES (DCA). Para o mesmo
fim, e dada a localização do
aprisionamento nas colónias,
foram ainda constituídos campos em Macequece, Angola;
na Beira, Moçambique; em
Passagem de revista aos prisioneiros
Laudana na Guiné, e em Mormugão na Índia. Como campos de transição funcionaram ainda um em S. Vicente, Cabo Verde; em S. Miguel
no Casal Faria e Maia, na Lagoa, S. Miguel e na residência do sogro do Cônsul
Wallenstein, casado com Mariana Faria e Maia, uma micaelense.9
Seguiu-se o transporte gradual dos alemães de várias localizações para o Castelo
de S. João Batista, o maior “Depósito” no país. Assim, foram vindo os alemães que
se encontravam em Cabo Verde, alguns de Macequece, na Guiné, em Moçambique
e em Mormugão/Goa.10
Neste trabalho vou limitar-me a dados recolhidos do DCA de Angra do Heroísmo e aos prisioneiros lá chegados das diversas localidades do país e Colónias.
O primeiro internamento de cerca de 80 indivíduos, incluindo vários casais
– alguns com mulheres portuguesas e 11 crianças – chegou de Lisboa logo em
1.5.1916 no navio mercante Sagres, anteriormente o Taygestor alemão, aprisionado
em Lisboa. Seguiram-se mais 2 grupos, também de Lisboa, que chegaram à Terceira
em 26.10.1916 e 30.1.1916, respetivamente.
Em 26.6.1916 tinham ainda chegado no mesmo navio, os aprisionados em
S. Miguel, incluindo dos navios confiscados no porto de Ponta Delgada: o vapor
Schwarzburg, e as galeras - Margaretha e Siffbek 11. Em 6.8.1916, com os presos
na Madeira e Cabo Verde, totalizavam cerca de 267. Eram sobretudo comerciantes
e tripulantes de navios. Da Horta só chegaram em 30.8.1916 os 31 funcionários da
8
9
10
11
Parece, no entanto, que também houve algum receio de que, localizado na ilha Terceira, ela fosse
atacada pelos alemães para resgatar os prisioneiros alemães.
Os alemães aprisionados em S. Miguel foram autorizados a levar alguns utensílios, incluindo
camas.
Em Goa foram recebidos, sobretudo, os tripulantes dos 4 navios aprisionados em Mormugão e a
transferência de alguns para Angra, deu-se, sobretudo, por motivos de saúde, resultante do clima.
Estes navios, e os que estavam em Ponta Delgada, tomaram, respetivamente, os nomes de Ponta
Delgada, Santa Maria e Graciosa; os que estavam na Horta tomaram o nome de Horta, S. Jorge
e barca Flores.
230
Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira
DAT, as suas mulheres - 4 delas faialenses - e os filhos, assim como os tripulantes
dos navios confiscados no porto da Horta: o Schaumburg, o Sardinia e a barca Max.
Até ao fim de Agosto de 1918, a totalidade de internados rondava os 750.
Quando chegou o 1º contingente, ainda se mantinha aquartelado no castelo o
Regimento de Infantaria 25 com mais de 700 praças, oficiais, sargentos e famílias
– cerca de 1000 pessoas – o que tornava a vida no DCA muito difícil, sobretudo
pela insuficiente iluminação elétrica, de água canalizada e de instalações sanitárias.
Era necessário o transporte de água em 3 carros de bois que a traziam em pipas o
que era insuficiente e saía muito caro. Assim, logo em Junho 1916, durante uma
visita ao castelo do General Augusto de Magalhães, constatando o grande problema,
exigiu logo ao Ministério da Guerra, a urgente canalização de água para o castelo,
até porque na ilha havia casos de febre tifóide, peste e outras doenças que trariam
consequências bastante desagradáveis, caso chegassem ao campo.
Paralelamente, escasseava material e condições de aquartelamento e alguns
prisioneiros tinham de dormir no chão. Houve troca de muita correspondência
entre o Comando Militar dos Açores e o Ministério da Guerra, pedindo-se
também o arranjo do teto da igreja da fortaleza para servir de refeitório. Tinha
sido um fluxo inesperado de centenas de prisioneiros, o que colocou inúmeras
dificuldades às autoridades militares, sendo ainda necessária a expansão da rede
elétrica e obras fundamentais para a higiene, alimentação e instalação adequada.
Desde início, o governo português através da Comissão Central da Sociedade
Portuguesa da Cruz Vermelha, constituída por dois militares e um médico civil,
tentou respeitar a orientação da Conferência Internacional de Washington de
1912 e o Comando Militar dos Açores e o governo português procuraram, dar
sempre as melhores condições possíveis aos concentrados, o que obviamente
nem sempre foi fácil.
Em 22.9.1916 havia 14 doentes com diversos diagnósticos, alguns em estado
grave e a 15.11.1916 morria o primeiro alemão de febre tifóide – Helmuth Offer,
de 19 anos. Mais tarde outros dois, um deles com tuberculose pulmonar. Pediram-se
então mais médicos para além do Dr. Soromenho que já aí tinha chegado, embora
contando com o apoio de 3 médicos existentes entre os aprisionados, cuja procedência não está registada, com exceção de Hans Kassner, vindo da Madeira. Os
outros dois eram Georg Schaede e Wilhelm Cordes. Mas apesar de grassar a peste
na ilha, a situação no campo manteve-se controlada.
Houve alguns atritos entre portugueses e alemães, receio de fugas, e outras
situações complicadas de resolver, o que exigia uma capacidade económica eficiente
em tempo de carestia, tendo-se também evitado dissabores, mesmo com comerciantes
locais que dependiam de algum comércio com os internados.
Na maioria, entre os 20 e os 39 anos e solteiros, os prisioneiros eram oficiais de
marinha, comerciantes, engenheiros, industriais, professores, telegrafistas, marinhei-
O Depósito de Concentrados Alemães no Castelo de S. João Batista...
Um banho de sol na encosta
do Monte Brasil
e um passeio pela Natureza do mesmo
com uma faialense
ros, fogueiros, agricultores, desenhadores, marinheiros,
empregados de hotel e outros. Entre eles, estabeleceu-se um tipo de grupos, de acordo com status diferentes,
o que se refletia até no contato e atitude dos militares
portugueses. Havia alguns a quem era mesmo permitido ter criadas, desde que as pudessem sustentar, o que
obviamente quase não se verificou, mas estas podiam
sair do depósito para fazer compras à cidade.12
Será possível imaginar a vida de toda esta gente –
mais de 700 indivíduos - incluindo mulheres e crianças
– aqui reunidas durante cerca de 3 anos?
Talvez, talvez não. Atente-se no entanto, que as
condições em que ficaram a viver, passados os primeiros tempos de dificuldade, passaram a ser relativamente boas, para o que contribuiu a iniciativa e
organização dos próprios internados: tendo dividido
as grandes casamatas com panos dependurados em
cordas conseguindo que os membros das famílias se
mantivessem juntos e com um pouco mais de privacidade; organizavam-se atividades desportivas, recreativas,
escola de crianças e de adultos, escola de violino e
piano, uma orquestra, modelismo 13, jardinagem, avi12
13
231
Farol de madeira eletrificado
construído na DCA
De registar que alguns continuavam a receber algum dinheiro dos bens transferidos para Espanha
e enviado por um dos Cônsules ou pelo Embaixador alemão nesse país.
O farol de madeira ilustrado neste texto, foi um dos trabalhos aqui construídos. Eletrificado e com
cerca de 40 cm de altura, foi, anos depois, oferecido a um dos meus irmãos e encontra-se numa
casa particular na Horta.
232
Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira
Verso de postal com o carimbo do DCA enviado à minha bisavó
cultura, horticultura, pesca, natação etc.14 adaptando as instalações e os redutos, e aproveitando o espaço e a Natureza que os cercava no Monte Brasil.15
Valeu-lhes ainda, como apaziguamento da longa retenção sem culpa, o bom
relacionamento, entretanto estabelecido com a guarnição militar e a possibilidade de
troca de correspondência gratuita para o exterior, conseguida com os cuidados da
Cruz Vermelha e através da qual também chegava dinheiro enviado pelas famílias
através do Consulado de Espanha. Embora censurada, o que de início punha alguns
problemas quando escrita em alemão por dificuldades de tradução, pelo pessoal
encarregado da censura, atrasando o envio, os próprios detidos passaram a escrever
em inglês ou mesmo em português.
Com o tempo, e sobretudo a partir de Março 1919 – 4 meses depois do
fim da Guerra – e apesar de anteriormente também se poder sair para a cidade,
excecionalmente, para uma consulta ou outro motivo, sempre acompanhados por
um guarda da guarnição, estas foram-lhes facilitadas. De início, ainda houve
alguns conflitos contra os “vencidos” por grupos da população, mas foi também
frutificando o relacionamento com pessoas hospitaleiras da cidade que os con14
15
Os banhos no mar na baía do Fanal podiam ser usufruídos à hora que o Comandante autorizava,
sendo acompanhados por um graduado.
Eram permitidos passeios durante 2 horas de manhã e 3 depois do meio-dia, nos limites fixados e
quando no porto não havia navios de longo curso.
O Depósito de Concentrados Alemães no Castelo de S. João Batista...
233
vidavam para convívios e animação a suas casas, onde alguns alemães tocavam
instrumentos.16
A situação foi ainda melhorando apesar da detenção ter durado mais de 3 anos
e ter-se prolongado por 1 ano após a guerra ter terminado em 11.11.1918, por se
aguardar as resoluções do Tratado de Versailles, assinado em 9.7.1919, pelo presidente da República Alemã, Friedrich Ebert.
Orquestra com músicos e alunos
Na Barbearia
16
Horticultura
No Sapateiro
Joana Forjaz, que vivia no palacete do Caminho de Baixo, lembrava-se de, quando criança, alguns
alemães, provavelmente também o meu tio Gustav Corsépius – irem por vezes a serões festivos
em casa dela para tocar violino e piano.
234
Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira
O Depósito de Concentrados Alemães no Castelo de S. João Batista...
Escola de Crianças
Escola de Adultos
Refeição ao ar livre
Piano
Atletismo
235
236
Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira
E não será de registar como sinal positivo, que durante o internamento, 2 oficiais alemães casaram com terceirenses, 8 ficaram, depois, na Terceira 17 e houve
8 nascimentos de pais prisioneiros 18?
Outro dado vital, incontrolável no entanto, será o registo da morte de 14 pessoas. Ficaram sepultadas na Terceira.
Em 28.10.1919 – quase um ano depois da guerra ter terminado – veio a
Angra o vapor alemão, Lothar Bohlen, levando 536 dos concentrados de regresso
à Alemanha, deixando alguns na Madeira e em Lisboa. Outros 22, seguiram dias
depois, no San Miguel, ficando novamente alguns no Continente. Escreve o jornal
A União de 29.10.1919: Entre estes súbditos que foram nossos hóspedes durante 3
anos, encontram-se artistas de grande merecimento, engenheiros, médicos, oficiais
mercantes, etc. tendo deixado aqui muitos trabalhos de subido valor artístico (…).
Foi de centena de contos de reis o movimento que os súbditos alemães deixaram
ao comércio desta cidade durante a sua permanência nesta ilha, dando grande
vida ao mesmo e a toda a cidade bem como à Cooperativa Militar do Castelo de
S. João Batista.
Na tarde em que partiram no Lothar Böhlen, juntou-se muita gente no Cais
do porto das Pipas e arredores para observar o embarque. Um camion, segundo
o A União, transportou a muita bagagem para o cais e algumas famílias foram
acompanhadas ao cais por famílias angrenses que se tinham relacionado com os
alemães. A maioria dos alemães estavam naturalmente felizes por estarem finalmente
libertos e de regressarem às suas famílias e terras, mas levavam também boas recordações da hospitalidade recebida ali. De bordo do Lothar Bohlen embandeirado
foram lançados muitos foguetes de regozijo.
Infelizmente um dos tripulantes da marinha mercante internado, chamado Oezel,
ao ver o navio da sua nacionalidade chegar 2 dias antes, lançou-se de terra a nado
para chegar ao navio. Uma vaga grossa, no entanto, impediu-o, e desapareceu no
mar. O seu corpo foi encontrado depois no areal das Águas.
17
18
Um deles, August Paulus, teve uma charcutaria. Casou com Maria da Luz e tiveram geração. Hans
Walter foi comerciante, professor de inglês e vice-cônsul da Alemanha em Angra. Casou com
Celeste B. Magalhães, de quem teve um filho e duas filhas.
Carlos Voss a 30.12.1916; Rudolf Weber, a 12.1.1917;Willy Walter, a 22.2.1917; Ottilie Rottberg
a 20.8.1917 Ferdinand Wissmann a 8.10.1917; Karla Mahr a 3.1.1918; Karl Bohde a 1.7.1918;
Edgar Dolgner a 9.8.1918.
O Depósito de Concentrados Alemães no Castelo de S. João Batista...
237
ANEXO
RELAÇÃO DE ALGUNS ALEMÃES DETIDOS NO “DEPÓSITO DE
CONCENTRADOS ALEMÃES” (DCA) NO CASTELO DE S. JOÃO BATISTA,
TERCEIRA, DE 1916 A 1919, I GUERRA MUNDIAL
Não me foi possível elaborar uma lista compreendendo a totalidade dos prisioneiros internados em Angra do Heroísmo - apenas alguns nomes e origens, visto as
relações obtidas, tanto na Biblioteca e Arquivo de Angra do Heroísmo, no Arquivo
Histórico Militar, em Lisboa, e no Museu Militar, de Ponta Delgada, serem limitadas
a sobrenomes, até determinadas letras do alfabeto ou a contingentes trazidos para
Angra pelos navios, repetindo-se, por outro lado, em várias listas, pelo que houve
ainda que intercalar ou acrescentar dados, presentes noutras listas.
Os dados assim obtidos são apresentados por ordem alfabética do sobrenome
em quadros, de acordo com o local de origem dos prisioneiros, mas sem sequência
da data dos internamentos. Assim, os detidos vindos de Lisboa (incluindo indivíduos
do Porto, alguns com passagem por Peniche), do Faial, da própria Terceira, de Ponta
Delgada, do Funchal, de Cabo Verde, de Angola, de Moçambique, da Índia – estes
passando por Pangim e pelo Forte de Aguada/Goa, e ainda do “Congo português”
de então. Foram assim reunidos 382 indivíduos em quadros que diferem também
na sua apresentação, de acordo com os dados disponíveis.
Consta que neste DCA chegaram a estar, simultaneamente, cerca de 700 pessoas, há no entanto a considerar que ao longo dos cerca de 3 anos da existência
do “depósito” em Angra, houve flutuação de internados tanto pela chegada como
pela partida de alguns, devido a transferências do e para o Hospital Militar de
Campolide e “expulsões” para Espanha, visto alguns terem completado 45 anos e
já não serem considerados aptos para o serviço militar do inimigo ou ainda pela
sua chegada de outros campos de concentrados e até pelo nascimento de 8 crianças
e 13 falecidos.
Por outro lado, não foi possível ter conhecimento do local onde os prisioneiros ficavam em Lisboa, antes de seguirem para o DCA da Terceira, e permanece
a dúvida em relação à referência a Caldas da Rainha, dando a entender que para
além da vizinha Peniche também havia um DCA naquela cidade, o que não foi
possível esclarecer.
238
Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira
VINDOS DE LISBOA
26.10.1917 E 30.11.1917
NOME
August Emil Theodor
Appelt
Hedwig Appelt
Alfred Georg
Wilhelm
Birckenstaedt
Otto Bewarder
26.8.1882, Braunschweig, filho
de Theodor Appelt e Luize
Appelt
16.12.1884, Braunschweig,
filha de Franz Zinnow e de
Luise Zinnov
6.9.1886, Schlawe, Pomerânia,
filho de Georg Birckensaedt
PROFISSÃO
OU
OCUPAÇÃO
Engenheiro Civil
Doméstica
Professor de
Línguas
2
4.9.1884, Sever do Vouga,21
fª
de Antº Mª do Val dos Santos,
de Pecegueiro do Vouga
32 A, Schlawe, filho de Georg
Birckenstaedt
Mulher de Otto
Engº Eletricista
Oscar Ebert
Joseph Fröchte
Arthur Gottschalk
Laura Gottschalk
12.8.1885, Liebertwolkowiz,
Leipzig
22 A, Melan, fº de Conrad e
Mita Brochers
5.6.1885, Schönlanke
1884, Vidago
7.6.1879, Unterkochen,
Würtenberg
4.3.1997, D. A. Gmüd,
13.6.1997, Essen
2.10.1874, Köln
1.5.1988, Lisboa
Ludwig Gottschalk
17.2.1909. Lisboa, 6 anos
Leonard Gross
Wilhelm Haack
Ada Haack
Otto Hagen,
29.6.1882, Mernick
7.11.1875, Steglitz, Berlin
30.5.1875, Danzig
10.11.1880, Greitswald
Willy Böhmig
Claus Borchers
Fritz Dolgner
Laura Dolger
Eugen Ebbinghaus
22
DATA,FILIAÇÃO E LOCAL
DE NASCIMENTO
(EX-TAYGETOR 20), EM
Mecânico
Alfred Georg
Birckenstaedt
21
SAGRES
31.8.1889, Projensdorf, Kiel,
filho de Wilhelm e Dorothea
Bewarder
Margarida Santos
Bewarder
20
NO VAPOR
Professor de
Línguas
Marinheiro da
Galera Schiffbeck
Eletricista
Mulher de Fritz
Diretor de
fábrica
Industrial
Marinheiro
Comerciante
Mulher de
Arthur
Filho de Artur e
Laura
Serralheiro
Eletricista
1.5.1916,
OBSERVAÇÕES
Preso no Porto em 24.4.1916.
Libertado em 21.10.1919 seguiu
para o Porto
Mulher de August. Do Porto.
Preso em Lisboa em 21.4.1916.
Liberto em 21.10.1919 seguiu no
Funchal para Lx.
Preso em Lisboa a 21.4.1916,foi
p. Angra a 1.5.1916. Liberto em
26.10.1919, seguiu para Salreu
declarando ter meios de
subsistência.
Nascida em Portugal. Idem
Intern. em Lisboa 21.4.1916 e
tranf. p. Angra 1.5.1916. Saíu p.
Lisboa 21.10.1919
Preso no Porto. Repatriado no
22
Lothar Bohlen 3a 29.10.1919
Preso em Lx.20.4.1916, transf. p.
Angra a 1.5.1916. Idem
Nascida em Portugal
Nascida em Portugal
Nascido em Portugal
2º Engºda Mar.
Mercante.
Era um dos 72 navios apreendidos nos portos portugueses em 1916. Fez várias viagens com prisioneiros
para Angra. Não confundir com a galera Sagres que tinha sido a barca Max apresada na Horta e tomou
o nome de Flores. Em 14.5.1924, passou para a Marinha de Guerra Portuguesa passando a ser o navioescola Sagres. Dos navios apresados nos restantes portos portugueses só são aqui mencionados aqueles
a que pertenciam os detidos registados.
Escreveu-se a vermelho os dados julgados de interesse pelo local de nascimento ou outro motivo.
Este navio então alemão de 2.232 ton. foi depois entregue à Inglaterra como reparação de guerra em
1920. Em 1925 foi vendido à Itália recebendo o nome Francesco Vazzara.
O Depósito de Concentrados Alemães no Castelo de S. João Batista...
João Halm
E.Ludwig Harre
Wilhelm Harting
Berthold Hass
14.3.1898, Lisboa
1889 , ?
1871, ?
1887, ?
Karl-Heinz
Karl Hinck
Hans Hittorff
Maria Hittorff
Else Hittorf
Siegfried Hoeppel
21.1899, Kalten-Nordheim
1873, ?
27.6.1875, Köln
19.1.1907, Porto, 9 anos
30.5.1908, Porto, 8 anos
1875, ?
Walter Huldreich
Alfred Hölrer
Kurt Hüttenrauch
Erich Krahmer
5.5.1890, Turingia
1881
23.1.1898, Apolda, Türingen
26.1.1882, Berlim
Johanna Krahmer
Eduard Krüger
Otto Leichsenring
Andreas Lewinski
Adolf Mathies
9.7.1886, Krefeld
31.7.1997, Kassel
1878, ?
18.10.1883, Oxhöft, Danzig
26.5.1890, Hannover
Julius Mathies
Walter Matz
29.9.1888, Hannover
23.8.1887, Berlin
Otto Mönch
Oscar Neumann
Georg Oeser
1873, ?
10.12,1881, Hamburg
1876 , ?
Ernst Paul,
August Paulus
2.6.1883, Bückeburg
11.8.1883, Sackingen, Freiburg
Joseph Porompka
Hugo Reihnhardt
Oswald Reuter
Heinrich Reuter
Rudolf Rindfleisch
Frederico Ritter
Bernardo Ritter
George Rose
7.12.1890, Katowitz
1883, ?
1898, ?
1900, ?
10.11.1871, Scheibenhard,
Baviera
23.12.1898, do Porto
27.6.1895, do Porto
1880, ?
Hermann Röseler
H.Adolf Sattler,
Marie Sattler
11.4.1900, n. Porto, 16 anos
1880, ?
1882 , ?
Eduard Sattler
Helene Sattler
Willy Seiz
Cecília Seiz
Fr.Wilhelm Seiz
1907, em Portugal? 9 anos
1909, em Portugal ? 7 anos
9.4.1884, Plauen, Saxónia
1896
1915, 1 ano
23
Dedicou-se então à fabricação de enchidos.
Correeiro
Eletricista
Comerciante
Prof. Doutor em
Coimbra
Marinheiro
Comerciante
Comerciante
Empreg. do
Comércio
Operário
Comerciante
Gravador de O
Século.
Mulher de Erich
Marinheiro
Guarda-livros
Marinheiro
Empreg. da H.
A. Leiria
Engenheiro
Empreg. do
Comércio
Eletricista
Contínuo
Empreg. do
Comércio
Negociante
Cozinheiro. Ficou em
Angra onde c.c.
23
Mª da Luz.4
Montador
Comerciante
Vidraceiro
Vidreiro
Prof. de Línguas
Operário
Torneiro
Empreg. do
Comércio
Estudante
Comerciante
Mulher de H.
Adolf
Comerciante
Mulher de Willy
-
239
18 anos, nasc. em Portugal
Nascidos em Portugal, filhos de
Hans e Celeste
Como referido no texto, não se
considerava nascido na Alemanha
Idem
Falecido a 25.12.1916 em Angra
Avô do Dr. Paulus Bruno,
Diretor da DRAC, 2010
ver anexo
Nasc. em Portugal,
Filhos de H. Adolf e Marie
240
Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira
E.A Franz Siggelkow
18.1.1872, Hemding
August Schmidt
Amparo Schmitt
26.10.1877, Hamburg
2.2.1876, Mirandela
Wilhelm Schröder
Karl Schunck
7.8.1890, Colónia
1878, ?
Isaura Schunk
Paul Schütze
1876
1879
Arthur Stüve
Wilhelm Stüve
1881
1873
5
Abraham Voss 24
Karl Voss
Laura Voss
Leandro Voss
Paul Voss,
Wilhelm Voss
Judith Voss
11.11.1887, Moscovo
?
Moscovo
18.10.1887, Francos, Porto
6.7.1914, Porto, 2 anos
7.12.1894, Göteburg
2.6.1890, Moscovo
9.12.1894, Cedofeita, Porto, 12
Anos
15.5.1913, Paranhos, 3 anos
30.12.1916, Angra
18.3.1897, Nürnberg
12.8.1888, Pfiffelbach
24.12.1888, Altona
Judith Voss
Carl Voss
Georg Walter
Albin Weiland
Heinrich Windel
Kurt Wischnewski
1º Engº da
Marinha
Mercante
Comerciante
Mulher de
August
Empregado
Empregado de
Comércio
Mulher de Karl
Empregado de
Comércio
Comerciante
“
24.8.1898, Osterode, Prússia
Oriental
20.3.1889, Niederrheinsingen
1890, Alpiarca
Tintureiro
Comerciante
Mulher de Karl
Industrial
Mestre de fábrica
Nascida em Portugal
Agente Consular dos EUA, no
Porto?
Nascida em Portugal
Faleceu 15.11.1916, em Angra
Nascidas em Portugal
Nascido durante o internamento
Fogueiro
Operário
3º Engº da Mar.
Mercante
Marinheiro
Konrad Wissmann
Hoteleiro
Silvina Castelão
Mulher de
Nascida em Portugal
Wissmann
Konrad
Joseph Wissmann
20.3. 1893, Baden
Criado de Hotel
Angelo Wilhelm
10.8.1872, Schwerin
Cesteiro
Total: 88 pessoas - 12 casais, sendo 7 com mulheres portuguesas. 11 crianças/adolescentes eram nascidas em
Portugal
DE ANGRA
24
Peter Andersen
44 A, Apenrede, filho de
Jürgen e Maria Andersen
1º Engº
Emma Nornschat
Total: 2 pessoas
3.3.1882, Ederkelmen,
Modista
Entrou no Depósito em 6.8.1916; libertado
em 13.8.1919 por ser dinamarquês, seguindo
para Lisboa
De notar 9 pessoas com o sobrenome Voss, 3 das quais nascidos em Moscovo e 5 em Portugal, uma
delas durante o internamento dos pais.
O Depósito de Concentrados Alemães no Castelo de S. João Batista...
DO FAIAL
1.5.1916
NOME
Erich Bergmann
Werner Victor Paul
Bodeck
Fritz Walter Alfred
Bruder
Walter Rudolf Carl
Erich Max
26
Corsépius 7
Gustav Adolf
Corsépius
Alfred Ebigt
Anton Günther
Alice Magalhães
Günther
Wilhelm Arbort
Heinrich Heine
Arthur Heitz
Wilhelm von der
Heyde
Bruno Kaselow
Hans Krauss
Hortênsia Correia
Krauss
Willy Krauss
Oskar Kühl
Max Meissener
Fritz Meyer
Guiomar Soares de
Melo Moll
25
26
EM
30.8.1916 25 – TELEGRAFISTAS
LOCAL DE
NASCIMENTO
Jeeser, 22 A, fº de Carl e
Auguste Bergmann
Berlin, 27 A, filho de
Paul e Amanda Bodeck
Berlim, 2.8.1880, fº de
Andreas e Mª Bruder
Dresden,19.5.1892, filho
de Christian e Adelfine
Carl
Dresden, 15.9.1893, filho
de Ernst Max e Elvira
Liberta Corsépius
Idem, 31.12.1894
Berlin
Emden
Horta, 1890
Wittmund
Telldorf
Mülheim
Berlin
Stolp
Schönermark
Horta
Grossbeeren
Colonia
Berlin
Wittmund
S.Roque do Pico, 1886
DA
DAT
241
E SUAS FAMÍLIAS, PRESOS EM
OBSERVAÇÕES
Repatriado em 29.10.1919 no Lothar Bohlen
Idem
Libertado em 11.10.1919, embarcou para o Faial
Repatriado, embarcou no Lothar Bohlen 29.10.1919
Embarcou p. Lx. a 26.4.1918, sendo presente no Hosp. Militar
a 1.5.1918 onde foi operado. A Junta de Inspeção a 4.7.1918
julgou-o incapaz de todo o serviço podendo angariar meios de
subsistência.. Libertado em 1.11.1919. Ver doc. anexo
Repatriado, seguiu para Hamburgo no Lothar Bohlen
29.10.1919
.
Mulher de Anton, Portuguesa
Nota: O sobrenome é a versão alemã de van der Haegen,
povoador dos Açores que originou o sobrenome Silveira
Mulher de Hans Krauss, Nasc. em Portugal (v. postal inserido
no texto)
Mulher de Alfred Moll. Nasc. nos Açores
Ficaram 4 meses retidos no bairro da ”Colónia Alemã” antes de irem para Angra. Em 21.4.1916, o Comandante Militar da Horta tinha enviado ao Comando Militar dos Açores uma nota informando que até àquela
data nenhum alemão se tinha apresentado e pede instruções, pois não tem onde os alojar nem alimentar. A
14.8.1916 apresentaram-se então os 40 tripulantes dos navios capturados, totalizando 89 pessoas, das quais
64 sem parentes na cidade da Horta para lhes dar apoio. Este elevado número resultava da Horta ter um importante porto e da existência da Companhia de Cabos Submarinos alemã, DAT. Os tripulantes foram então
concentrados também no bairro da colónia referida e valeu-lhes a intercessão do Agente Consular dos EUA,
Moisés Benarús, junto de diversas entidades para que esses alemães recebessem apoio. Conseguiu então por
despacho que deviam receber rações militares. 44 alemães assinaram depois uma carta de agradecimento a
Moisés Benarús. Foi, no entanto, um problema arranjar pão para todos, visto haver uma grave falta de pão no
Faial (como na Terceira), devido a ser um ano de escassez de trigo. Na Terceira, tentou minorar-se o problema
através do fabrico de pão “de mistura” com farinha de milho e introduzir feijão na sopa.
Operado a apendicite, ficou no Hospital como técnico de RX. Depois regressou à Alemanha e voltou
como outros para o Faial em 1926 aquando da reabertura da Estação da DAT. Casou então com Hortênsia G.S.Medeiros, faialense.
242
Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira
Johannes Reske
Wilhelm Rühtz
Heinrich Sauer
Geraldine Sauer
Otto Schulz
Lina Dart Cunha
Schultz
Wilhelm Schulz
Ernst Stief
Karl Taube
Hans Walter
Berlin
Colonia
Colónia
1880, alemã
Wittenberg
Faial, 1894
Mulher de Heinrich Sauer
Mulher de Otto Schulz, Nasc. nos Açores.
Wittenberg
Berlin
Gross-Podel
Braunschweig
Casou dp. c. Celeste Aurora Barro Magalhães, de Angra, e aí
ficou como comerciante, tendo tido descendência
Wilhelm Walter
Margarethe Walter
Carl Weber
Hedwig Weber
Albert Winterberg
“
?
Mulher de Wilhelm Walter
Emden
1891
Mulher de Carl Weber
Westhauderfehn,
Baviera
Total: 36 pessoas: 7 casais, sendo 4 com mulheres açorianas
DO FAIAL –
NOME
Johannes Beck
Adolf Buck
Carl Ludwig Capell
Richard Winterstein
OUTROS 27
IDADE, NASCIMENTO,
FILIAÇÃO
24. A. fº de Christof e Anna
Beck, Apenrade
2.4.1884, Hamburg, fº de
Adolf e Ernestine Buck
PORFISSÃO
/OCUPAÇÃO
Marinheiro
11.2.1881, Hamburg, fº de
Carl e Fredrika Capell
?
1º oficial do
“Schaumburg”
Professor
1º Oficial da
Barca “Max”
OBSERVACÕES
Tranf. p. Angra 30.8.1919. Embarc.
p. Lx. 17.9.1919
Preso a 1.5.1916, tranf. p. Angra
30.8.1916. Embarcou p. Hamburg
29.10.1919 no Lothar Bohlen
Idem
Um dos signatários da carta de
agradecimento.
Total : 5 pessoas
Nota: O ex-vice-cônsul e diretor da DAT, Berthold Otto Schröder, casado com uma faialense, não embarcou
para Angra, visto esta ter acabado de dar à luz e estar adoentada, além de ter sido abrangido pela legislação de,
como funcionário do Estado alemão, poder sair do Faial. Foi para Vigo com a mulher Branca Oliveira da Silva.
ASSINATURAS NA CARTA AO SR. MOISÉS BENARUS
- R. Reissmann
- G. Gollz (?)
- C. Galle
- Gotze
- Otto Langberg
- G. Fribel
-Tamen
- Paul Seega(?)
- R. Rasel - A. Müller(?)
- Fr. Krebo
-C. Parrow
- K. Sohns
- H. Gerbers
Total: 14 indivíduos
27
É de estranhar ter-se conseguido registar apenas estes tripulantes, tendo sido capturados 3 navios, mas
não foi possível saber o nome dos restantes, excetuando os 14 que, com alguns funcionários da DAT,
assinaram o já referido agradecimento, dirigido ao Sr Moisés Benarús, por ter intercedido para serem
assistidos durante os meses em que, prisioneiros na Horta, não recebiam qualquer subsídio ou apoio.
Esta falta de registo deve-se também, como já referido, visto as listas existentes só apresentarem os
sobrenomes até à letra “D”. Seguem-se, assim, apenas os nomes das assinaturas na dita carta, alguns
ainda seguidos de ponto de interrogação por estarem ilegíveis.
O Depósito de Concentrados Alemães no Castelo de S. João Batista...
VINDOS
DE
S. MIGUEL
NOME
EM
26.5.1916
NASCIMENTO
PORFISSÃO
Oswald Daner
28.8.1886, Wiesbaden
Mestre de Máquinas
Hermann Geiger
Friedrich Gloger
Hans Heinemann
George Heinrich
Paula Heinrich
Fritz Hoch
Christian Jensen
Peter Lund
Heinrich Markula
Friedrich Ploger
Paul Pirchner
Georg Rotermund
13.3.1896, Elberfeld
12.1.1865, Artern
9.1.1888, Magdeburg
2.7.1885, Altona
30.1.1888, Hamburg
12.8.189, Ratibor
19.7.1872, Roen
24.7.1990,Tondern
7.3.1889, Hohlkiwitz
27.7.1864, Saxónia
26.5.1887, Danzig
16.6.1882, Bockenem
Johann Skiba
Max Stebinger
Gustav Wallenstein928
8.1.1863, Angerburg
3.1.1882, Ulm
1873, Hamburg
Marianne I. M. Machado de
Faria e Maia Wallenstein
Max Wallenstein
Kurt Wallenstein
Ernst Wallenstein
Margarethe Wallenstein
Franz Wallenstein
Clara Wallenstein
Gustav Wallenstein
28.4.1883, P. Delgada
Criado de Bordo
Inspetor
3ºOficial de Marinha
Interprete
Mulher de Georg
Marinheiro
1º Oficial de Marinha
3º Oficial de Marinha
Cozinheiro
Agricultor
Carpinteiro
Comissário da
Marinha
Ferreiro
Capitão do navio
Comerciante e
Fundador da Wahl e
Wallenstein.
Mulher de Gustavo
1904,
1905
1908
1910
1911
1909
1914
Filho
“
“
“
“
“
“
Karl Weisser
Karl Wilderotter
Total: 26 pessoas
10.8.1889, Drachenstein
17.7.1894, Erbach
28
243
P. Delgada
“
“
“
“
“
“
OBSERVAÇÕES
Tinha vindo para S. Miguel como o
1º Consul Alemão nos Açores
As crianças dos 2 aos 12 anos,
nascidas em S. Miguel, autorizadas
a sair do campo, foram para a
Alemanha, onde nasceu mais uma
criança e Gustav faleceu. 6
regressaram a S. Miguel ca. de 1923
Despenseiro
Cozinheiro
Tal como tinha acontecido com o diretor da Companhia Alemã dos Cabos Submarinos no Faial,
também o ex-cônsul, Wallenstein e a família devido ao seu posto, foram depois, em 23.9.1916,
autorizados a saír do DCA. Foram para Lisboa de onde seguiram para a Alemanha.
244
Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira
VINDOS
DA
NOME
Eduard Abb
Franz Argenton
Hugo Bahde
Edeltraut Bahde
Carl-Heinz Bahde
Max Willy Bahleke
Harry Beggerow
Friedrich Beich
Hans Berger
Heinrich W.T.Boldt
Wilhem Borstel
Siegfried Brullke
Max Brüning
Isabel Correia
MADEIRA
EM
26.6.1916
DATA, LOCAL DE
NASCIMENTO (OU
IDADE) E FILIAÇÃO
Lehe 5.3.1888
Koblenz, 31 A, fº de Karl
e Maria Argenton
Hamburg 17.4.11883,
filho de Carl e Ida Bahde
?
Filho dos 2 referidos, n.
1.7.1918, no DCA
Hamburg, 15.2.1886
Hamburg, 8.6.1897, filho
de Max e Frida Beggerow
Althagen, 4.12.1886, filho
de Fritz e Sofia Beich
München, 1.5.1896,filho
de Emanual e Auguste
Berger
20 A, Hamburg, 30.11.
1897, filho de Carl e
Clara Boldt
Hamburg, 31.3.1862
29.10.1896,Stralmud,filho
de Karl e Wilhelmine
Brullke
Velda, 17.1.1888, filho de
Karl e Maria Brüning
1897, em Portugal
Gerhard Doorn-katKoolman
29
Franz Dütting10
Emmy Dütting
Hugo Fritz
Süden Polder, 16.6.1888
Ingeborg Fritz
Olli Fritz
Moelle, Suécia, 2.5.1885
Madeira, 19.3.1913, 3 A
Max Glaser
Wilhelm Max
Kickeben
Maria Kickeben
Rheinerz, 5.8.1865
Berlim, 27.3.1882
29
1884
1887
Berlin, 12.6.1878
Coblenz, 25.10.1884
NO VAPOR
PROFISSÃO
OU
OCUPAÇÃO.
4º Eng. Mar.
Mercante
Comerciante
1º Oficial do
Quahyba
(depois Porto
Santo)
Mulher de Hugo
2º Oficial do
Petropolis (dp.
Madeira)
Marinheiro
Carpinteiro do
Vapor Quahyba
Cozinheiro
Criado do vapor
Quahyba
Fogueiro
Marinheiro do
Hochfeld (dp.
Desertas)
Empreg. do
Comércio
Criada dos
Kickeben
Comerciante
Comerciante
Mulher de Franz
Procurador e
Comerciante
Mulher de Hugo
Filho do casal
citado
Comerciante
Fabricante de
Bordados
Mulher de Max
SAN MIGUEL
OBSERVAÇÕES
Preso a 11.3.1916 no Funchal. Intern. em
Angra 26.6.1916, repatriado 29.10.1919
Preso a 20.4.1916, tranf. Angra. 6.8. 1916
embarc. no Lothar Bohlen
Faleceu a 3.9.1919 de gastroenterite.
Sepultado em Angra
Intern. a 20.4.1916, tranf. Angra. Idem
Preso em 2.3.1916. dp Angra 6.8.1916.
Idem
Idem
Preso a 20.4.1916. Idem
Intern. 20.4.1916; presente 6.8.1916 em
Angra. Idem
Idem, mas embarcou para o Faial dp. de
libertado 28.10.1919
Regressou à Madeira e dp. a Angra
Acompanhou esta família
Faleceu em 7.9.1919, na Terceira
Este prisioneiro escreveu em Julho 1916 ao Ministro da Guerra comunicando que, há 12 anos sofria
de artrite num joelho, onde tinha também uma fístula, tendo muitas dores e andando com muita
dificuldade. Pedia que lhe dessem um salvoconduto para ir para os EUA, onde tinha família. Não
está registado se foi atendido. Os pedidos eram muitos e diversos, e muitos ficaram sem resposta.
O Depósito de Concentrados Alemães no Castelo de S. João Batista...
Julius Kickeben
11
30
Berlin, 23.1.1852
Paul Kickeben
Hermann Klein
Luise Kranz
Elisa Krause
Karl Sander
Leopold Schneider
?
Hohenstein, 1.4.1888
Rosslau, 29.7.1893
Madeira, 1877
Bielefeld, 25.5.1872
? 1884
Alfred Schubert
Augsburg, 12.8.1879
Paul Weidemann
Hamburg, 3.10 1980
Capitalista (pai
de Wilhelm)
?
Desenhador
Professora
Comerciante
Comerciante
Empreg. do
Comércio
1º Engº Marinha
Mercante
Vice-cônsul
245
Casou em Angra
Um2º2ºnavio
navio trouxe
trouxe os
os seguintes prisioneiros, mas aa lista
”K”“K”
Um
listaabrange
abrangeapenas
apenasosossobrenomes
sobrenomesiniciados
iniciadospela
atéletra
à letra
Adolf von Breymann
Margareth Breymann
Wilhelm Breymann
Beate Breymann
Edeltraut Breymann
Eberhard Breymann
Günther Breymann
Werner Breymann
Heinz Breymann
Siegfried Brüllke
Emil Brun
Guido Buchholz,
Grossendorf, 28.6.1863
Güstrom, 19.2.1871
Hamburg, 7.12.1893
Hamburg, 23.4.1894
Hamburg, 4.8.1897
Hamburg , 4.8.1897
Hamburg, 3.4.1900
Madeira, 3.4.1906
Madeira, 27.11.1907
Stralsund, 29.10.1896
Lübeck, 28.2.1888
Hamburg, 13.9.1882, fº
de Robert e Frederika
Buchholz
Gustav Colberg
Altona, 23.10.1882
Peter Dankleps
Klintum, 9.11.1889, fº de
Jacob e Marianne
Dankleps
Hamburg, 21.2.1880
Stuttgart, 30.7.1881
Bochum, 24.2.1894
Memel, 7.2.1894
Hansen, 19.9.1882
Soden, 8.12.1894
Altona, 28,10,1886
Ziesar, Saxónia?
Hamburg, 16.9.1896
Calbitz, Saxónia,
23.8.1885
Gieben, 18.2.1891
1885
Cristian Dühr
Oskar Ebert
Otto Ebert
Hans Englin
Johann Eckert
Richard Fabian
Paul Flick
Karl Foste
Walter Friedrich
Paul Fritsche
Albert Gan
Arthur Gehlert
30
Enfermeiro
1º Contramestre
do Petrópolis
dp. Madeira
Eng. do
Petropolis
Preso no Funchal 1.5.1916.
Angra, dp.
dp. p.p. oo Hosp.
Hosp. de
de
Transf. 6.8.1916 p.Angra,
Campolide, dp. Peniche
28.1.1919. Repatriado a
3.12.1919 p. Hamburgo
Preso no Funchal, presente em Angra
6.8.1916. Repatriado. Idem
Preso a 2.3.1916, tranf. p. Angra 6.8.1916.
Repatr. 15.8.1919 por Lx.
Paul Kiekeben não consta das listas consultadas mas um artigo refere que ao regressar à Madeira verificou que perdera todos os haveres: a sua fábrica tinha fechado e as famílias portuguesas, a quem tudo
fora confiado, não lho devolveram.
246
Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira
Luise Gehlert
1887, Mulher de Arthur
Paul Garten
1856
Curt Graupe
Berlim, 24-9-1895
Eduard Grewe
Hettin, 11.10.1884
Hermann Grimm
Hamburg, 21.6.1896
Friedrich Grohnfeldt
Bremen, 9.5.1879
Otto Haberland
Sinkwald, 5.6.1877
Louis Hacker
Rostock, 9.12.1891
Emil Hamm
Hamburg, 11.2.1892
Johann Handt
Hamburg, 24.3.1873
Albert Hartmann
Hamburg, 20.4.1894
Georg Hasse
Hamburg, 11,9.1894
August Hasselfeld
Schwerin, 8.11.1891
Paul Heinz
Elberfeld, 18.8.1884
Otto Heyde
Halle, 6.10.1890
Louis Hoffstetter
Kempten, 5.1.1883
Ludolf Jensen
Archsum, 23.4.1898
Lauritz Jepsen
Schottsbull, 14.2.1887
Hans Kassner
Breslau, 26.4.1887
Willy Kieselbach
Pennstedt, 6.1.1897
Total : 81 pessoas sendo 8 mulheres e 4 crianças, duas nascidas na Madeira
DE CABO VERDE
NOME
EM
29.6.1916 –
DE
8
NAVIOS
IDADE/NASCIMENTO
FILIAÇÃO
21.2.1886,Braunschweig,
filho de Adolf e Johanna
Ansin
OCUPAÇÃO OU
PROFISSÃO
Dispenseiro
Alwin Anders
16.6.1879,Schmiedeberg, fº
de Wilhelm e Theresia Andres
Fogueiro
Willy Carl
Conrad Arens
Julius Babbe
Hamburg, 32 A, filho de
Heinrich e Hedwig Arens
28 A, Kiel, filho de Heinrich e
Dorothea Babbe
50 A
Fogueiro
54 A
-
29 A, Dowiaten, fº de
Wilhelm e Auguste Beyer
23 A, Remscheid, filho de
Johann e Johanna Becker
Fogueiro do Togo (dp.
Brava)
Ajud. Cozinheiro do Vapor
Theodor Willy (dp.Boa
Vista)
Ajud. de Cozinheiro do
Vapor Würzburg (dp
S.Vicente)
Georg Adolf
Heinrich
Ansin
Heinrich Bade
Dietrich
Badecker
Gustav Beyer
Fritz Becker
Karl Berger
23 A, München, filho de
Julius e Emma Berger
Carpinteiro
Carpinteiro
OBSERVAÇÕES
Preso a 24.2.1916, presente em
Angra a 26.6.1916.Repatriado no
Lothar Bohlen p. Hamburgo
29.10. 1919
Intern. 20.4.1916, S.Vicente,
transf. p. Angra 6.8.1916.
Idem
Preso em 24.2.1916, tranf. p.
Angra a 20.4.1916. Idem.
Transf. de C. Verde em 6.8.1916.
Idem.
Entrou no DCA a 6.8.1916.
Expulso a 11.8.1916 p. Espanha,
por ter mais de 45 A
Idem
Intern. 27.2.1916 em S.Vicente;
tranf. p. Angra 6.8.1916. Idem
Preso a 24.2.1916 em C.V. entrou
no DCA a 6.8.1916. Repatriado
Idem
Idem
O Depósito de Concentrados Alemães no Castelo de S. João Batista...
Karl Berger
Hermann
August Bick
Johannes Hans
Biesterfeld
Hermann Bock
Paul Bock
Fritz Bode
27 A, Altona, filho de Carl e
Maria Berger
46 A, Adey-Herche, Westf.
Filho de Carl e Ernestine Bick
34 A, Blankonese, filho de
Hans e Margarette Biesterfeld
22 A, Horzberg, filho Karl e
Käthe Bock
32 A, Dockenhaten, filho de
Johannes e Maria Bock
53 A
Paul Ernst
Bodlin
Johannes
Boemannes
Otto Bohm,
30 A, filho de Wilhelm e
Auguste Bodlin
35 A, Nienkerk, filho de
Jokob e Thereza Boemannes
27 A, Hamburg, filho de Carl
e Minna Bohm
Claus Borchers
4.10.1996, Melan, Aachen,
filho de Conrad e Mita
Borchers
33 A, Mannheim, fº de Martin
e Christine Bordne
40 A, Bremen, fº de Johann e
Margarethe Bose
24.4.1882, Huckfeld,fº de
Friedrich e Amanda
Burmester
26.2.18889, Apenrad, fº Fritz
e Emma Dahl
14.2.1890, Ulzen
Gustav August
Bordne
Johann
Friedrich Bose
Friedrich
Burmester
Emil Dahl
Albert Dietrich
Friedrich
Wilhelm
Dahms
Fritz Felix
Waldemar
Fritz Brethaner
Heinrich
Bromme
Richard
Brummer
247
Marinheiro do Würzburg
Idem
Fogueiro do Theodor Willy
Preso 20.4.1916. Tranf. Angra
6.8.1916.Idem
Idem
1º Oficial do Vapor Stª
Barbara (dp. Santiago)
Telegrafista do Heimburg
(dp. Santo Antão)
Marinheiro do vapor Dora
Horn (dp.S. Nicolau)
Cozinheiro
Padeiro do Vapor
Heimburg
Cozinheiro do Vapor Santa
Bárbara
Barbara
Fogueiro do Burgermeister
Hachmann (dp. Ilha do
Fogo)
Marinheiro
Preso 20.4.1916, tranf. Angra
6.8.1916. Idem
Idem
Presente em Angra 6.8.1916,
tranf. para Lisboa 12.8.1916 e
posto na fronteira por ter mais de
45 A
Preso em C.Verde a 20.4.1916,
transf. p. Angra 6.8.1916. Idem
Idem
Intern. em S. Vicente 20.4.1916,
transf. p. Angra 6.8.1916. Idem
1º Eng. do Heimburg
Preso em S.Vicente, transf. p.
Lisboa, dp. p. Angra. Repatriado
no “Lothar Bohlen”
Preso e S. Vicente a 20.4.1916;
transf. p. Angra 6.8.1916. Idem
Idem
Contramestre do Würzburg
Idem
4º Engº
Transf. p. Angra 6.8.1916.
Repatriado em 17.9.1919
Preso a 20.4.1916, tranf. para
Angra a 6.8.1916. Repatri.
2910.1919
Preso a 20.4.1916. Idem
Fogueiro do Theodor Willy
4ºEngºdo Heimburg
23.7.1885, Liepen/Pom., fº de
Paul e Elise Dahms
Tripulante do Santa
Bárbara
22.8.1897, Berlin, fº de
Gustav e Pauoine Buder
23.1.1987, Lindun, Hannover,
fº de Ludio e Selma Bethaner
41 A, Halle
Tripulante do Togo
Idem
Fogueiro do Heimburg
Idem
Tripulante do Dora Horn
Idem
Marinheiro do Würzburg
Idem. Embarcou para o Faial em
28.10.1919 quando libertado.
32 A, Ostseebad, filho de
Heinrich e Wilhelmine
Brummer
26.12.1889, Höchst
Heinrich
Hohage
Karl Wüst
9.9.1892
Total: 23 pessoas
Marinheiro
Azeitador
248
Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira
DE MOÇAMBIQUE
NOME
Friedrich Fanz
Albrecht
Emma August
Albrecht
Rudi Albrecht
DATA E LOCAL DE
NASCIMENTO OU
IDADE E FILIAÇÃO
39 A, fº.deMichael
Albrecht e Johanna
Albrecht, n. Berlim
PROFISSÃO
OU
OCUPAÇÃO
Litógrafo
34 A, fª de Wilhelm
Schossing e Caroline
Schössing, n. Sprokinnen
a 31.3.1884
n. 14.5.1915 L.Marques
Doméstica,
mulher de
Friedrich Franz
Walli Albrecht
Victor Hermann
Angenstein
n. 28.1.1914, L. Marques
33 A, Pforzheim, filho de
Michael e Margarete
Angenstein
Fº de Friedrich
e Emma 1 ano
Idem, 2 anos
Caixeiro-Viajante
de Ourivesaria
Alemã
Martin Attz
32 A, Schuderhardsen
Fogueiro
Jacob Birmes
38 A, Krefeld, fº de Jacob
e Christina Birmes
Fritz Heinrich
Boese
Adolf Siegfried
Borkmann
Friedrich Kral
Brosse
28 A, Breslau, filho de
Heinrich e Agnes Boese
26 A, Johannisburg,
Prussia, fº de Gustav e
Gertrud Borkmann
5.4.1882, Bremen, fº de
Heinrich e Anna Brosse
Fogueiro do
Vapor Hessen
(dp. Inhabane)
Fogueiro do
Hof (dp.Gaza)
Marinheiro do
Hessen
Hugo H. W.
Bruch
22 A, Odenkirchen, fº de
Ernst e Bertha zum Bruch
Alexander
Johannes
Bruigulla
Heinrich Magnus
Karl Buesing
22 A, filho de Anton e
Francisca Brigulla
32 A, Oldenburg, fº de
Heinrich e Mimi Buesing
Engº Civil
Wilhelm Cordes
n. 1889. Fº de Heinrich e
Laura Cordes, n.
Médico do
Kronprinz
(dp.Quelimane)
Comissãrio do
Zieten(dp.
Tungue)
Criado do Admiral
(dp. Lourenço
Marques)
Marinheiro do
Hof
Elborfeld
Ludwig Dettmer
34 A, Bückeburg, fº de
August e Sophia Dettmer.
Marinheiro do
Hof
Friedrich
Christian
Dierking
Total: 16 pessoas
19 A, Hämelingen, fº de
Ludwig e Lina Dierking
Moço de
Convés do Hof
OBSERVAÇÕES
Preso em L.Marques, 12.3.1916, foi para o
DCA Peniche 21.11.1917 e dp. para Angra
30.11.1917. Repatriado no Lothar Bohlen
30.11. 1919
Idem
Idem
Idem
Intern. L. Marques. 27.3.1916, transf. p. Lx.
3.10.1917; intern. Peniche18.11.1917, dp.
Angra 30.11.1917; Repatr. Hamburgo a
24.10.1919
Intern. no Depósito de L. Marques em
27.3.1916; saiu p. Lx. 18.10.1917
Preso em L. Marques 10.3.1916. Presente
Peniche 21.11.1917; tranf. Angra
24.11.1917. Idem
Intern. em L.Marques a 10.3.1916, transf. p.
Peniche e dp. Angra a 30.11.1917. Idem
Idem
Preso em L. Marques a 27.3.1916. Tranf. p.
Peniche e dp. p. Angra a 30.11.1917, voltou
a Peniche a 6.9.1918. Repatr. no Melilla a
3.12.1919
Transf. p. Peniche 27.11.1917Expulso p.
Espanha por incapaz em 24-3-1918
Idem Borkmann
Preso em L. Marques, 27.3. 1916; tranf. p.
Peniche 21.11.1917, a 24.11.1917 p. Angra.
Idem Borkmann
Preso em L.Marques 27.3.1916, tranf. p.
Peniche 21.11.1917 e dp. Angra 24.11.
1917. Tranf. p. as Caldas 28.7.1919 e dp. p.
Angra a 30.11. Libertado a 10.10 1919,
embarcou no vapor dinamarquês Flora p. a
Alemanha
Intern. a 10.3.1916 em L. Marques, tranf.
via Lx. p. Peniche apresentado 21.11.1917 e
presente em Angra a 6.10.1917. Seguiu no
Lothar Bohlen
Transf. para Peniche em 21.11.1917 e dp.
para Angra a 30.11.1917. Idem
O Depósito de Concentrados Alemães no Castelo de S. João Batista...
249
De ANGOLA
Georg Asmussen
28A, Hamburgo
Negociante
Ewald Baericke
32 A, Magdeburgo,
filho de Angelo e
Edeltraut Bahde
42 A, Trebus, filho de
Samuel e Agnes
Becker
23 A, Leipzig-Sindenau,
filho de Ludwig e
Luise Bertam
28.2.1888, Lübeck, fº
de Carl e Wilhelmine
Brun
19.9.1892, Bernº
Dares, Pommern, fº
de Erhard e Mª Dades
12.11.1883,Viendorf,
fº de Johannes e
Henriete Dechow
11.1.1896 Lübeck, fº
de Bruno Kaden e ?
Comerciante
Johannes Becker
Max Paul Bertam
Emil Brun
Wilhelm Dade
Wilhelm Dechow
Hans Joachim Angelo
Denker
Total: 8 pessoas
Preso em Luanda 10.3.1916.
Transf. p. Angra 6.10.1917. Repatr.
Lothar Bohlen 29.10.1919
Preso em Moçâmedes. Idem
Engº
Marinheiro do
Adelaide (dp. Cunene)
Preso em Macequece 22.6.1916.
Tranf. para Peniche, dp. para Angra
24.11.1917. Idem
Preso em Luanda em 25.2.1916, tranf.
Angra 26.10.1917. Idem
Comerciante
Veio de Moçâmedes p. a Madeira e
dp. para Angra a 6.8.1916. Idem
Fogueiro do
Adelaide
Preso a 20.4.1916, tranf. p. a
Metrópole e dp. p. Angra 26.10.1917.
Idem
Intern. em Luanda 20.4. 1916, tranf. p.
Lx. e dp . Angra 26.10. 1917. Repatr.
29.10.1919 no “Lothar Bolhen”
Intern. em Luanda 2.12.1916, tranf. p.
Angra via Lx. 26.10.1917. Idem
Comerciante
Marinheiro do
Adelaide
DO “CONGO PORTUGUÊS” (HOJE CABINDA)
August Balzer
Wilhelm August
Deye
34 A, Neu Ruppin,
filho de Otto Ernst
n. 13.10.1887, Lensdorf, Magdeburg, fº
de Ernst Deye
Serviço de Obras
Públicas
Armador de
Máquinas
Preso em Laudana 11.3.1916, presente em
Angra 26.10.1917. Repatr. 29.10.1919
Preso em Laudana, intern. a 29.3.1916. Tranf.
dp. p. Lisboa p. Angra 26.10.1917. Faleceu
subitamente em 14.3.1918
Total: 2 pessoas
DE MORMUGÃO/GOA (PASSANDO
Alfred
Ammermann
Walter Carl
Wilhelm Berlin
Gustav Beyer
Oswald Beyer
n. 10.1.1876 em
Bern, Suiça, fº de
Carsten e Emma
Ammermann
Dittenberg, 25.7.1889
29 A, Doviaten, filho
de Wilhelm e
Auguste Beyer
St.Michael b/BrandEbesdorf, filho de
August e Amália
Beyer
POR
AGUADA, BICHOLIM E/OU PANGIM)
1º Oficial Mercante
Do vapor Lichtenfels. Intern. em Pangim
28.2.1916. Peniche 26.4.1917 e por
motivo de saúde, em Angra a 6.10.1917
Ajud de Máquinas do
Vapor Kommodor (dp.
Mormugão”)
Fogueiro do vapor Togo
Preso em Bicholin 28-2-1916. Por falta
de saúde, tranf. p. Lisboa e dp p. Angra
em 6.10.1917. Repatr. 29.10.1919
Preso em Mormugão a 27.2.1916, tranf.
Angra a 6.8.1916. Embarcou 29-101919
Preso em Murmugão, foi para Aguada
4.4.1916. Por motivos de saúde foi para
a Europa 26.4.1917 e dp. Angra em
6.10.1917. Idem
Cozinheiro do vapor
Numancia (dp.Pangim)
250
Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira
Gustav Beyer
Oswald Beyer
Johann Boldt
Ludwig Busse
Martin Czapp
Johann Friedrich
Detmer
29 A, Doviaten, filho
de Wilhelm e
Auguste Beyer
St.Michael b/BrandEbesdorf, filho de
August e Amália
Beyer
46 A, Bremen, filho
de H. e Maria Boldt
8.5.1874, Langenhorn/Hamburg, fº de
Ludwig e Emma
Busse
11.11.1899, Chisau,
Westpreussen, fº de
Johann e Suzana
Czapp
24,9,1881,
Gentendorf, fº de
Heinrich e Christina
Detmer.
Fogueiro do vapor Togo
Cozinheiro do vapor
Numancia (dp.Pangim)
1º Engº do Vapor
Lichtenfels (dp.Goa)
1º Marinheiro do
Numancia
Preso em Mormugão a 27.2.1916, tranf.
Angra a 6.8.1916. Embarcou 29-101919
Preso em Murmugão, foi para Aguada
4.4.1916. Por motivos de saúde foi para
a Europa 26.4.1917 e dp. Angra em
6.10.1917. Idem
Intern. em Goa 28.2.1916, tranf. por
falta de saúde p. Angra 6.19.1917. Idem
Preso em Mormugão, seguiu p. Bicholin
e por motivos de saúde p. Angra em
6.10.1917. Idem
Tripulante do Brisbane
(dp. Damão)
Intern. na Aguada a 4.4.1918. Tranf. p.
Goa e dp. para Angra por falta de saúde;
presente a 6.10.1917. Idem.
2º Eng. do Lichtenfels
Preso em Mormugão, intern. Bichoin
28.2.1916, seguiu p. Angra via Lx. por
motivo de saúde. Inten. a 6.10.1917.
Idem.
Total: 8 pessoas
Numa lista em separado vêm referidos os seguintes 11 individuos, não indicando a proveniência e motivo desta
separação. Tratar-se-ia de pessoas merecedoras de tratamento especial?
Georg Schaede
Médico
Anna Paulini
Mildred
Mueller
H. Otto Hamrol
Professor
Auguste Reihnecke
Sarah Köster
Karl Mueller
Professor
Anna Schneider
Anna Mahr
Bertha Fuchs
NASCIMENTOS
NOME
Carlos Voss
DATA
30.12.1916
PAIS PROVÁVEIS
Karl e Laura Voss, vindos de Lisboa
Rudolf Weber
Willy Walter
Ottilie Rottberg
Ferdinand Wissmann
12.1.1917
22.2.1917
20.8.1917
8.10.1917
Karla Mahr
Carl-Heinz Bahde
Edgar Dolgner
3.1.1918
1.7.1918
9.8.1918
Carl e Hedwig Weber
Wilhelm e Celeste Walter
(não encontrei este sobrenome)
Um dos 3 Wissmann e Silvina
Castelão Wissman
Imediato Mahr e Anna
Hugo e Edeltraut Bahde
Fritz e Laura Dolgner
Total: 8 pessoas
OBSERVAÇÕES
Já referido na lista de
Lisboa
Faleceu em 3.9.1919 (14 M)
O Depósito de Concentrados Alemães no Castelo de S. João Batista...
251
ÓBITOS
Não estão incluídos no registo dos entrados, desconhecendo-se portanto a sua origem. Verifica-se
que 8 faleceram depois da guerra ter terminado.
- Otto Mönch,
- Paul Seger
- Bruas Knees
- Emil Haack: estes 4 sem data
- Karl Kunkel Otto Sylvester,19 anos, marinheiro a 5.12.1918
- Helmuth Höffer, 19 anos, em 10.11.1916 por febre tifoide.
- Hugo Bernhard Wilhelm Fritze, 44 anos, comerciante, a 7.8.1919;
- Louis Otto Seissel, 36 anos, a 17.5.1919
- Wilhelm Nelaimischkies, carpinteiro, 45 anos, em 8.5.1918, de tuberculose pulmonar,
- Lorenz Kasch, 44 anos, oficial da Marinha, a 7.8.1919 de diabetes;
- Kurt Mahr, 7 anos, a 8.12.1918,
-Wilhelm Deye, 41 anos, montador de máquinas, de AVC, em 14.3.1919;
- Karl Heinsi Adolph, 13 meses, filho de oficial de marinha, a 3.9.1919;
- Oetzel, marinheiro por afogamento no mar, 26.10.1919
Total: 14 indivíduos
BIBLIOGRAFIA
BPARAH – José Agostinho, Ser.1.2.2.1, doc. nº59
CORSÉPIUS, Y. – Aspectos sócio-culturais na Horta no tempo dos Cabos Submarinos, 1995
CORSÉPIUS, Y. – Fotos pessoais
CVP – 60 anos da CVP – Fotos dispersas no mesmo volume. Biblioteca da CVP
em Lisboa, 1925
ESPARTEIRO, A. N. – Tres séculos no Mar – Vol 29,p.51-55. – Ed. da Marinha
MATOS, Helena – O lado desconhecido da primeira Guerra, Revista “Expresso”,
17.11.2001
MERLIM, Pedro – As 18 paróquias de Angra, Sumário Histórico – p. 718-721,
1974
Internet – Vários Sítios sobre a I Guerra Mundial
Jornal “A União” de 29.10.1919
Museu Militar dos Açores, Ponta Delgada – Várias Relações de súbditos alemães
chegados a Angra do Heroismo, 1915
RIBEIRO, Fernando – Carta de agradecimento enviada por um grupo de alemães
a Moisés Benarús em 27.8.1916
REZENDES, Sérgio, 1.1. O Depósito de Concentrados Alemães, in: A Grande Guerra
nos Açores – Memória Histórica e Património Militar, Ponta Delgada, 2008
Fly UP