...

31. JESUS MORREU CRUCIFICADO 595

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

31. JESUS MORREU CRUCIFICADO 595
31. JESUS MORREU CRUCIFICADO
595-623
INTRODUÇÃO
A reflexão e a contemplação do mistério da morte de Jesus Cristo na cruz revela de
maneira indiscutivelmente clara que Deus não é uma divindade qualquer; o Deus
revelado por Cristo não é como um deus pagão, sentado tranquilamente no Olimpo,
contemplando do alto as vicissitudes dos seres humanos e que se manifesta
ocasionalmente fulminando com os seus raios.
A morte de Jesus na cruz mostra que Deus não está “do lado de lá” ou “lá em cima”.
Pelo contrário, Ele partilha a história de sofrimento e de morte da humanidade para nela
introduzir uma história de amor e de misericórdia.
Para uma correta compreensão do fato, do significado e do valor salvador da morte de
Jesus na cruz, o catecismo reflete primeiramente sobre o processo que condenou Jesus à
morte (595-598).
A morte de Jesus na cruz é um evento histórico e por isso é possível fazer uma
averiguação da responsabilidade pessoal dos atores do processo. Mas a morte de Jesus
não é meramente fruto de um infeliz erro jurídico, nem simples resultado de um
conjunto de circunstâncias. Ela faz parte do mistério do projeto de Deus (599) e por
isso é também um evento salvador que tem alcance universal de redenção (599-605).
A morte de Jesus na cruz é sacrifício, ou seja, manifestação suprema de amor que
realiza a nossa redenção. Na cruz, Jesus assume sobre si o pecado de muitos,
substituindo a nossa desobediência por Sua obediência, realizando assim efetivamente a
nossa salvação (606-618).
TEXTO 595-623
PRIMEIRA PARTE
SEGUNDA SEÇÃO
CAPÍTULO II: CREIO EM JESUS CRISTO, FILHO ÚNICO DE DEUS
ARTIGO 4 – PARÁGRAFO 2: JESUS MORREU CRUCIFICADO
I. O PROCESSO DE JESUS
Dissensões entre as autoridades judaicas em relação a Jesus
595. Entre as autoridades religiosas de Jerusalém não houve somente o fariseu
Nicodemos ou o ilustre José de Arimatéia como discípulos secretos de Jesus, mas
durante muito tempo foram produzidas dissensões acerca de Jesus, a ponto de, às
vésperas de sua Paixão São João poder dizer deles que “um bom número deles creu
nele”, ainda que de forma bem imperfeita (Jo 12,42). Isso não tem nada de
surpreendente se levarmos em conta que no dia seguinte a Pentecostes “uma multidão
de sacerdotes obedecia à fé” (At 6,7) e que “alguns do partido dos fariseus haviam
abraçado a fé” (At 15,5), a ponto de São Tiago poder dizer a São Paulo que “zelosos
partidários da Lei, milhares de judeus abraçaram a fé” (At 21,20).
596. As autoridades religiosas de Jerusalém não foram unânimes na conduta a adotar em
relação a Jesus. Os fariseus ameaçaram de excomunhão os que o seguissem. Aos que
temiam que “todos crerão em Jesus e os romanos virão e destruirão nosso Lugar Santo e
a nação” (Jo 11,48), o Sumo Sacerdote Caifás propôs, profetizando: “Não compreendeis
que é de vosso interesse que um só homem morra pelo povo e não pereça a nação
toda?” (Jo 11,50). O Sinédrio, depois de declarar Jesus “passível de morte” na qualidade
de blasfemador, mas, tendo perdido o direito de pô-lo à morte, entrega Jesus aos
romanos, acusando-o de revolta política, o que colocará Jesus no mesmo pé que
Barrabás, acusado de “sedição” (Lc 23,19). São também ameaças políticas o que os
chefes dos sacerdotes fazem a Pilatos para que condene Jesus à morte.
Parágrafo relacionado 1753
Os judeus não são coletivamente responsáveis pela morte de Jesus
597. Levando em conta a complexidade histórica do processo de Jesus manifestada nos
relatos evangélicos, e qualquer que possa ser o pecado pessoal dos atores do processo
(Judas, o Sinédrio, Pilatos), conhecido só de Deus, não se pode atribuirá
responsabilidade ao conjunto dos judeus de Jerusalém, a despeito dos gritos de uma
multidão manipulada e das censuras globais contidas nos apelos à conversão depois de
Pentecostes. O próprio Jesus, ao perdoar na cruz, e Pedro, depois dele, apelaram para a
“ignorância” dos judeus de Jerusalém e até dos chefes deles. Menos ainda pode-se, a
partir do grito do povo: “Seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos” (Mt 27,25),
que significa uma fórmula de ratificação, estender a responsabilidade aos outros judeus
no espaço e no tempo.
Parágrafo relacionado 1735
Por isso a Igreja declarou muito oportunamente no Concílio Vaticano II: “Aquilo que se
perpetrou em sua Paixão não pode indistintamente ser imputado a todos os judeus que
viviam então, nem aos de hoje... Os judeus não devem ser apresentados nem como
condenados por Deus nem como amaldiçoados, como se isto decorresse das Sagradas
Escrituras”.
Parágrafo relacionado 839
Todos os pecadores foram os autores da paixão de Cristo
598. No magistério de sua fé e no testemunho de seus santos a Igreja nunca esqueceu
que “foram os pecadores como tais os autores e como que os instrumentos de todos os
sofrimentos por que passou o Divino Redentor”. Levando em conta que nossos pecados
atingem o próprio Cristo, a Igreja não hesita em imputar aos cristãos a responsabilidade
mais grave no suplício de Jesus, responsabilidade que com excessiva frequência estes
debitaram quase exclusivamente aos judeus.
Devemos considerar como culpados desta falta horrível os que continuam a reincidir em
pecados. Já que são os nossos crimes que arrastaram Nosso Senhor Jesus Cristo ao
suplício da cruz, com certeza os que mergulham nas desordens e no mal “de sua parte
crucificam de novo o Filho de Deus e o expõem as injúrias” (Hb 6,6). E é imperioso
reconhecer que nosso próprio crime, neste caso é maior do que o dos judeus. Pois estes,
como testemunha o Apóstolo, “se tivessem conhecido o Rei da glória, nunca o teriam
crucificado” (1Cor 2,8). Nós, porém, fazemos profissão de conhecê-lo. E, quando o
negamos por nossos atos, de certo modo levantamos contra Ele nossas mãos homicidas.
Os demônios, então, não foram eles que o crucificaram; és tu que com eles o
crucificaste e continuas a crucificá-lo, deleitando-te nos vícios e nos pecados.
Parágrafo relacionado 1851
II. A MORTE REDENTORA DE CRISTO NO DESÍGNIO DIVINO DE SALVAÇÃO
“Jesus entregue segundo o desígnio bem determinado de Deus”
599. A morte violenta de Jesus não foi o resultado do acaso um conjunto infeliz de
circunstâncias. Ela faz parte do mistério do projeto de Deus, como explica São Pedro
aos judeus de Jerusalém já em seu primeiro discurso de Pentecostes: “Ele foi entregue
segundo o desígnio determinado e a presciência de Deus” (At 2,23). Esta linguagem
bíblica não significa que os que “entregaram Jesus” tenham sido apenas executores
passivos de um roteiro escrito de antemão por Deus.
Parágrafo relacionado 517
600. Para Deus, todos os momentos do tempo estão presentes em sua atualidade. Ele
estabelece, portanto, seu projeto eterno de “predestinação” incluindo nele a resposta
livre de cada homem à sua graça: “De fato, contra teu servo Jesus, a quem ungiste,
verdadeiramente coligaram-se, nesta cidade, Herodes e Pôncio Pilatos com as nações
pagãs e os povos de Israel, para executar tudo o que, em teu poder e sabedoria, havias
predeterminado” (At 4,27-28). Deus permitiu os atos nascidos de sua cegueira, a fim de
realizar seu projeto de salvação.
Parágrafo relacionado 312
“Morreu por nossos pecados segundo as Escrituras”
601. Este projeto divino de salvação mediante a morte do “Servo, o Justo” havia sido
anunciado antecipadamente na Escritura como um mistério de redenção universal, isto
é, de resgate que liberta os homens da escravidão do pecado. São Paulo, em sua
confissão de fé que diz ter “recebido secundum Scripturas”, professa que “Cristo
morreu por nossos pecados segundo as Escrituras”. A morte redentora de Jesus cumpre
em particular a profecia do Servo Sofredor. Jesus mesmo apresentou o sentido de sua
vida e de sua morte à luz do Servo Sofredor. Após a sua Ressurreição, ele deu esta
interpretação das Escrituras aos discípulos de Emaús, e depois aos próprios apóstolos.
Parágrafos relacionados 652, 713
“Aquele que não conhecera o pecado, Deus o fez pecado por causa de nós”
602. Por isso, São Pedro pode formular assim a fé apostólica no projeto divino de
salvação: “Fostes resgatados da vida fútil que herdastes de vossos pais, pelo sangue
precioso de Cristo, como de um cordeiro sem defeitos e sem mácula, conhecido antes da
fundação do mundo, mas manifestado, no fim dos tempos, por causa de vós” (1Pd 1,1820). Os pecados dos homens, depois do pecado original, são sancionados pela morte. Ao
enviar seu próprio Filho na condição de escravo, condição de uma humanidade decaída
e fadada à morte por causa do pecado. “Aquele que não conhecera o pecado, Deus o fez
pecado por causa de nós, a fim de que, por ele, nos tornemos justiça de Deus” (2Cor
5,21).
Parágrafos relacionados 400, 519
603. Jesus não conheceu a reprovação, como se Ele mesmo tivesse pecado. Mas, no
amor redentor que sempre o unia ao Pai, nos assumiu na perdição de nosso pecado em
relação a Deus a ponto de poder dizer em nosso nome, na cruz: “Meu Deus, meu Deus
por que me abandonaste?” (Mc 15,34). Tendo-o tornado solidário de nós, pecadores,
“Deus não poupou seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós” (Rm 8,32), a fim de
que fôssemos “reconciliados com Ele pela morte de seu Filho” (Rm 5,10).
Parágrafo relacionado 2572
Deus tem a iniciativa do amor redentor universal
604. Ao entregar seu Filho por nossos pecados, Deus manifesta que seu desígnio sobre
nós é um desígnio de amor benevolente que antecede a qualquer mérito nosso: “Nisto
consiste o amor: não fomos nós que amamos a Deus, mas foi Ele quem nos amou e
enviou-nos seu Filho como vítima de expiação por nossos pecados” (1Jo 4,10). “Deus
demonstra seu amor para conosco pelo fato de Cristo ter morrido por nós quando
éramos ainda pecadores” (Rm 5,8).
Parágrafos relacionados 211, 2009, 1925
605. Este amor não exclui ninguém. Jesus lembrou-o na conclusão da parábola da
ovelha perdida: “Assim, também, não é da vontade de vosso Pai, que está nos céus, que
um destes pequeninos se perca” (Mt 18,14). Afirma ele “dar sua vida em resgate por
muitos” (Mt 20,28); este último termo não é restritivo: opõe o conjunto da humanidade
à única pessoa do Redentor que se entrega para salvá-la. A Igreja, no seguimento dos
apóstolos, ensina que Cristo morreu por todos os homens sem exceção: “Não há, não
houve e não haverá nenhum homem pelo qual Cristo não tenha sofrido”.
Parágrafos relacionados 402, 634, 2793
III. CRISTO OFERECEU-SE A SEU PAI POR NOSSOS PECADOS
Toda a vida de Cristo é oferenda ao Pai
606. O Filho de Deus, que “desceu do Céu não para fazer sua vontade, mas a do Pai que
o enviou”, “diz ao entrar no mundo:.. Eis-me aqui... eu vim, ó Deus, para fazer a tua
vontade... Graças a esta vontade é que somos santificados pela oferenda do corpo de
Jesus Cristo, realizada uma vez por todas” (Hb 10,5-10). Desde o primeiro instante de
sua Encarnação, o Filho desposa o desígnio de salvação divino em sua missão
redentora: “Meu alimento é fazer a vontade daquele que me enviou e consumar sua
obra” (Jo 4,34). O sacrifício de Jesus “pelos pecados do mundo inteiro” (1Jo 2,2) é a
expressão de sua comunhão de amor ao Pai: “O Pai me ama porque dou a minha vida”
(Jo 10,17). “O mundo saberá que amo o Pai e faço como o Pai me ordenou” (Jo 14,31).
Parágrafos relacionados 517, 536
607. Este desejo de desposar o desígnio de amor redentor de seu Pai anima toda a vida
de Jesus pois sua Paixão redentora é a razão de ser de sua Encarnação: “Pai, salva-me
desta hora. Mas foi precisamente para esta hora que eu vim” (Jo 12,27). “Deixarei eu de
beber o cálice que o Pai me deu?” (Jo 18,11). E ainda na cruz, antes que tudo fosse
“consumado” (Jo 19,30), ele disse: “Tenho sede” (Jo 19,28).
Parágrafo relacionado 457
“O Cordeiro que tira o pecado do mundo”
608. Depois de ter aceitado dar-lhe o Batismo junto com os pecadores, João Batista viu
e mostrou em Jesus o “Cordeiro de Deus, que tira os pecados do mundo”. Manifesta,
assim que Jesus é ao mesmo tempo o Servo Sofredor que se deixa levar silencioso ao
matadouro e carrega o pecado das multidões e o cordeiro pascal, símbolo da redenção
de Israel por ocasião da primeira Páscoa Toda a vida de Cristo exprime sua missão:
“Servir e dar sua vida em resgate por muitos”.
Parágrafos relacionados 523, 517
Jesus abraça livremente o amor redentor do Pai
609. Ao abraçar em seu coração humano o amor do Pai pelos homens, Jesus “amou-os
até o fim” (Jo 13,11), “pois ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida por
seus amigos” (Jo 15,13). Assim, no sofrimento e na morte, sua humanidade se tornou o
instrumento livre e perfeito de seu amor divino, que quer a salvação dos homens. Com
efeito, aceitou livremente sua Paixão e sua Morte por amor de seu Pai e dos homens,
que o Pai quer salvar: “Ninguém me tira a vida, mas eu a dou livremente” (Jo 10,18).
Daí a liberdade soberana do Filho de Deus quando Ele mesmo vai ao encontro da morte.
Parágrafos relacionados 478, 515, 272, 539
Na ceia, Jesus antecipou a oferta livre de sua vida
610. Jesus expressou de modo supremo a oferta livre de si mesmo na refeição que
tomou com os Doze Apóstolos na “noite em que foi entregue” (1Cor 11,23). Na véspera
de sua Paixão, quando ainda estava em liberdade, Jesus fez desta Última Ceia com seus
apóstolos o memorial de sua oferta voluntária ao Pai, pela salvação dos homens: “Isto é
o meu corpo que é dado por vós” (Lc 22,19). “Isto é o meu sangue, o sangue da Aliança,
que é derramado por muitos para remissão dos pecados” (Mt 26,28).
Parágrafos relacionados 766, 1337
611. A Eucaristia que instituiu naquele momento será o “memorial” de seu sacrifício.
Jesus inclui os apóstolos em sua própria oferta e lhes pede que a perpetuem. Com isso,
institui seus apóstolos sacerdotes da Nova Aliança: “Por eles, a mim mesmo me
santifico, para que sejam santificados na verdade” (Jo 17,19).
Parágrafos relacionados 1364, 1341, 1566
A agonia no Getsêmani
612. O cálice da Nova Aliança, que Jesus antecipou na Ceia, oferecendo-se a si mesmo,
aceita-o em seguida das mãos do Pai em sua agonia no Getsêmani, tornando-se
“obediente até a morte” (Fl 2,8). Jesus ora: “Meu Pai, se for possível, que passe de mim
este cálice...” (Mt 26,39). Exprime assim o horror que a morte representa para sua
natureza humana. Com efeito, a natureza humana de Jesus, como a nossa, está destinada
à Vida Eterna; além disso, diversamente da nossa, ela é totalmente isenta de pecado, que
causa a morte; mas ela é sobretudo assumida pela pessoa divina do “Príncipe da Vida”,
do “vivente”. Ao aceitar em sua vontade humana que a vontade do Pai seja feita, aceita
sua morte como redentora para “carregar em seu próprio corpo os nossos pecados sobre
o madeiro” (1Pd 2,24).
Parágrafos relacionados 532, 2600, 1009
A morte de Cristo é o sacrifício único e definitivo
613. A morte de Cristo é ao mesmo tempo o sacrifício pascal, que realiza a redenção
definitiva dos homens pelo “cordeiro que tira o pecado do mundo”, e o sacrifício da
Nova Aliança, que reconduz o homem à comunhão com Deus, reconciliando-o com ele
pelo “sangue derramado por muitos para remissão dos pecados”.
Parágrafos relacionados 1366, 2009
614. Este sacrifício de Cristo é único. Ele realiza e supera todos os sacrifícios. Ele é
primeiro um dom do próprio Deus Pai: é o Pai que entrega seu Filho para reconciliarnos consigo. É ao mesmo tempo oferenda do Filho de Deus feito homem, o qual,
livremente e por amor, oferece sua vida a seu Pai pelo Espírito Santo, para reparar nossa
desobediência.
Parágrafos relacionados 529, 1330, 2100
Jesus substitui nossa desobediência por sua obediência
615. “Como pela desobediência de um só homem todos se tornaram pecadores, assim,
pela obediência de um só, todos se tornarão justos” (Rm 5,19). Por sua obediência até a
morte, Jesus realizou a substituição do Servo Sofredor que “oferece sua vida em
sacrifício expiatório”, “quando carregava o pecado das multidões”, “que ele justifica
levando sobre si o pecado de muitos”. Jesus prestou reparação por nossas faltas e
satisfez o Pai por nossos pecados.
Parágrafos relacionados 1850, 433, 411
Na cruz, Jesus consuma seu sacrifício
616. É “o amor até o fim” que confere o Valor de redenção de reparação, de expiação e
de satisfação ao sacrifício de Cristo. Ele nos conheceu a todos e amou na oferenda de
sua vida. “A caridade de Cristo nos compele quando consideramos que um só morreu
por todos e que, por conseguinte, todos morreram” (2Cor 5,14). Nenhum homem, ainda
que o mais santo, tinha condições de tomar sobre si os pecados de todos os homens e de
se oferecer em sacrifício por todos. A existência em Cristo da Pessoa Divina do Filho,
que supera e, ao mesmo tempo, abraça todas as pessoas humanas, e que o constitui
Cabeça de toda a humanidade, torna possível seu sacrifício redentor por todos.
Parágrafos relacionados 478, 468, 519
617. “Sua sanctissima passione in ligno crucis nobis iustificationem meruit – Por sua
santíssima Paixão no madeiro da cruz mereceu-nos a justificação”, ensina o Concílio de
Trento, sublinhando o caráter único do sacrifício de Cristo como “princípio de salvação
eterna”. E a Igreja venera a Cruz, cantando: “crux, ave, spes unica – Salve, ó Cruz,
única esperança”.
Parágrafos relacionados 1992, 1235
Nossa participação no sacrifício de Cristo
618. A Cruz é o único sacrifício de Cristo, “único mediador entre Deus e os homens”.
Mas pelo fato de que, em sua Pessoa Divina encarnada, “de certo modo uniu a si mesmo
todos os homens”, “oferece a todos os homens, de uma forma que Deus conhece, a
possibilidade de serem associados ao Mistério Pascal”. Chama seus discípulos a “tomar
sua cruz e a segui-lo”, pois “sofreu por nós, deixou-nos um exemplo, a fim de que
sigamos seus passos”. Quer associar a seu sacrifício redentor aqueles mesmos que são
os primeiros beneficiários dele. Isto realiza-se de maneira suprema em sua Mãe,
associada mais intimamente do que qualquer outro ao mistério de seu sofrimento
redentor:
Parágrafos relacionados 1368, 1460, 307, 2100, 964
Fora da Cruz não existe outra escada por onde subir ao céu.
RESUMINDO
619. “Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras” (1Cor 15,3).
620. Nossa salvação deriva da iniciativa de amor de Deus para conosco, pois “foi Ele
quem nos amou e enviou seu Filho como vítima de expiação por nossos pecados” (1Jo
4,10). “Foi Deus que em Cristo reconciliou o mundo consigo” (2Cor 5,19).
621. Jesus ofereceu-se livremente por nossa salvação. Este, dom, ele o significa e o
realiza por antecipação durante a Última Ceia: “Isto é meu corpo, que será dado por
vós” (Lc 22,19).
622. Nisto consiste a redenção de Cristo: ele “veio dar a sua vida em resgate por
muitos” (Mt 20,28), isto é, “amar os seus até o fim” (Jo 13,1), para que sejais
“libertados da vida fútil que herdastes de vossos pais”.
623. Por sua obediência de amor ao Pai, "até a morte de cruz" (Fl 2,8), Jesus realizou
sua missão expiadora do Servo Sofredor que "justificará a muitos e levar sobre si as
suas transgressões".
Revisando temas
1. “Que um só morra por todo o povo”
João deixou expresso de modo muito claro a estranha ligação entre a execução da
vontade de Deus e a cegueira egoísta em Caifás. Estando os membros do Sinédrio
perplexos acerca do que convinha fazer diante do perigo causado pelo movimento
gerado à volta de Jesus, Caifás pronuncia a palavra decisiva: ‘Não compreendeis que é
de vosso interesse que um só homem morra pelo povo e não pereça a nação toda?’
(11,50). Por tal palavra vê-se, acima de tudo, que até aquele momento o Sinédrio,
reunido em sessão hesitava temeroso perante a perspectiva de uma condenação à morte
e procurava outras vias de saída da crise, sem, contudo, encontrar uma solução.
Somente uma palavra do sumo sacerdote, motivada teologicamente e expressa com base
na autoridade do seu cargo, podia dissipar as dúvidas deles, e deixa-los predispostos à
grave decisão.
O conteúdo da “profecia de Caifás é, antes de mais nada, de natureza absolutamente
pragmática e, nesse aspecto, possui, para ele, uma razoabilidade imediata: se por meio
da morte de um indivíduo (e somente assim) se pode salvar o povo, a morte desse
indivíduo é o mal menor e a via justa politicamente. Mas aquilo que soa assim e é
entendido primariamente em sentido puramente pragmático, alcança, todavia, com base
na inspiração “profética”, uma profundidade muito diferente. Jesus, o indivíduo, morre
pelo povo: transparece o mistério da função vicária, que é o conteúdo mais profundo da
missão de Jesus.
A ideia da função vicária permeia a história inteira das religiões. Procura-se, de variadas
formas, afastar do rei, do povo, da própria vida a desgraça pendente, transferindo-a para
substitutos. O mal deve ser expiado e, desse modo, restabelecida a justiça; mas
descarrega-se sobre outros a punição, a desgraça fatal, procurando assim libertar-se a si
mesmo. Contudo, essa substituição por meio de sacrifícios animais ou mesmo humanos
permanece, em última análise, inatendível: o que ali se oferece em representação é
apenas um sucedâneo daquilo que é propriamente pessoal, não podendo de forma
alguma tomar o lugar daquele que assim deve ser redimido. O sucedâneo não é uma
oferta nos sentido de uma função vicária, e, todavia, a história inteira aparece à procura
dAquele que pode verdadeiramente intervir em nosso lugar, que é verdadeiramente
capaz de nos assumir em Si mesmo e assim conduzir-nos à salvação (Ratzinger, Joseph.
Jesus de Nazaré. Da entrada em Jerusalém até a Ressurreição, p. 159-160).
2. “Faça-se a Tua, não a minha vontade”
No Getsêmani Jesus experimenta o horror que a morte representa para a sua natureza
humana (612). Nesse jardim, Jesus experimenta a solidão extrema e o sofrimento de ser
homem condenado à morte violenta. A sua agonia é a luta de quem aceita na sua
vontade humana a vontade do Pai, mas é também a experiência do abismo do pecado
que penetra no mais profundo da alma.
A angústia de Jesus não se limita ao medo da morte.
“É a turbação particular dAquele que é a própria Vida diante do abismo de todo o poder
da destruição, do mal, daquilo que se opõe a Deus e que agora Lhe cai diretamente em
cima, que Ele de modo imediato deve agora toma sobre Si, ou melhor, deve acolher
dentro de Si até o ponto de ser pessoalmente “feito pecado” (2Cor 5,21).
Precisamente porque é o Filho, vê com extrema clareza toda a amplitude da maré
imunda do mal, todo o poder da mentira soberba, toda a astúcia e atrocidade do mal, que
se apresenta com a máscara da vida, mas serve continuamente à destruição do ser, à
deturpação e ao aniquilamento da vida. Precisamente porque é o Filho, sente
profundamente o horror, toda a imundície e perfídia que deve beber naquele “cálice”
que lhe está destinado: todo o poder do pecado e da morte. Ele tem de acolher tudo isso
dentro de Si mesmo, para que nEle fique despojado de poder e superado” (Ratzinger,
Joseph. Jesus de Nazaré. Da entrada em Jerusalém até a Ressurreição, p. 145).
A agonia de Jesus no Getsêmani e o sofrimento atroz da sua morte violenta mostram
que a nossa salvação, de fato, custa um alto preço para Deus.
“Deus não pode pura e simplesmente ignorar toda a desobediência dos homens, todo o
mal da história, não pode tratá-lo como algo irrelevante e insignificante. Uma tal
espécie de ‘misericórdia’, de ‘perdão incondicionado’ seria aquela ‘graça a baixo preço’
contra a qual se pronunciou com razão Dietrich Bonhoeffer, diante do abismo do mal do
seu tempo. A injustiça, o mal real não pode pura e simplesmente ser ignorado, ser
deixado simplesmente em si. Deve ser transformado, vencido. Só esta é a verdadeira
misericórdia. Que agora, dado que os homens não são capazes, o faça o próprio Deus,
esta é a bondade ‘incondicionada’ de Deus, uma bondade que não pode jamais estar em
contradição com a verdade e – associada a ela – a justiça” (Ratzinger, Joseph. Jesus de
Nazaré. Da entrada em Jerusalém até a Ressurreição, p. 125-126).
3. “Por que me abandonaste?”
Jesus não conheceu a reprovação, como se Ele mesmo tivesse pecado. Mas no amor
redentor que sempre O unia ao Pai, nos assumiu na perdição de nosso pecado em
relação a Deus (603). O que significa esse “nos assumiu na perdição de nosso pecado”?
Como podemos entender a experiência que Jesus fez de ser abandonado por Deus? Que
significado esse abandono na cruz tem para nossa salvação?
É preciso que fique claro: é Jesus, o Filho, que se sente abandonado pelo Pai e não
somente “sua humanidade”. O drama do abandono não deve ser visto somente como
uma questão de relacionamento entre humanidade e divindade. Devemos aceitar a
realidade do abandono e da obscuridade que Cristo experimenta em sua paixão. A força
da afirmação de que Jesus foi feito pecado por nós não deve ser minimizada (cf. 2Cor
5,21). Todo o amor do Pai, que entrega o Filho de seu amor aos homens, e do Filho, que
se entrega obedecendo ao Pai, mesmo na angústia e na obscuridade, em solidariedade
com os pecadores afastados de Deus, se manifesta na cruz.
A Comissão Teológica Internacional aludiu de maneira bastante prudente à questão da
revelação trinitária no mistério da cruz. O documento “Questões seletas de Cristologia”
de 1979 afirma:
O homem foi criado para se integrar, em Cristo e por ele, na vida trinitária, e sua
alienação de Deus, mesmo que grande, não pôde ser tão grande quanto a distância
entre o Pai e o Filho em seu aniquilamento kenótico (Fl 2,7) e no estado em que foi
abandonado pelo Pai (Mt 27,46). Trata-se do aspecto econômico da relação entre as
pessoas divinas, cuja distinção (na identidade de natureza e do amor infinito) é
máxima.
Dois pontos são importantes nessa afirmação.
A. No contexto da substituição vicária, o documento faz referência ao distanciamento
entre o Pai e o Filho no despojamento (kénosis) deste último e no abandono por parte
do Pai. Esse distanciamento é ainda maior do que aquele provocado pelo pecador. Podese dizer que o pecado é dizer “não” a Deus. Por esse “não” o pecador se aliena e se
separa de Deus. Mas no abandono da cruz, o Filho experimenta uma distância do Pai
ainda maior (máxima) do que a solidão provocada pelo pecado. Assim o “não” do
pecado e a alienação que ele provoca são superados radicalmente pelo distanciamento
entre Pai e Filho. Por isso o pecador não está mais definitivamente só em sua alienação,
mas em companhia do Filho de Deus abandonado. Deus irrompe a solidão do pecador e
o acompanha até na situação mais extrema da sua escolha contra Deus e, dessa maneira,
lhe abre a possibilidade de conversão. O pecador se distanciou de Deus na
desobediência, mas essa alienação foi superada radicalmente por Jesus que assumiu
sobre si as consequências dessa desobediência. De fato, Jesus não é um pecador, mas
aceitou se fazer plenamente solidário, por amor, com os pecadores.
O amor de Deus pode ser qualificado de eros e de agape. Sua paixão (eros) por seu
povo, na Escritura, é descrita com arrojadas imagens eróticas. Mas essa paixão divina é
também agape, ou seja, supera largamente o aspecto da gratuidade e principalmente
perdoa. Bento XVI, na encíclica Deus é amor, descreveu primorosamente a agape
erótica que o Pai revela na cruz de Cristo:
O amor apaixonado de Deus por seu povo – pelo homem – é ao mesmo tempo um amor
que perdoa. E é tão grande que chega a virar Deus contra Si próprio, seu amor contra
a justiça. Nisso o cristão vê já esboçar-se veladamente o mistério da Cruz: Deus ama
tanto o homem que, tendo-Se feito Ele próprio homem, segue-o até a morte, e desse
modo, reconcilia justiça e amor (10).
Vemos assim, de um lado, a gravidade e o peso do pecado e, de outro, que o amor de
Deus é capaz de se colocar na situação do pecador: “Aquele que não conhecera pecado,
Deus o fez pecado por causa de nós, a fim de que, por ele, nos tornemos justiça de
Deus” (2Cor 5,21). Deus entregou seu Filho, carregando-o do nosso pecado. Por isso,
na cruz, Jesus experimentou uma distância do Pai maior do que a distância em que o
pecador, na vida presente, cai ao se separar de Deus.
O Filho livremente toma sobre si todo o peso da realidade do pecado e da solidão por
ele provocada. Isso explica a agonia da cruz que é expressa no grito do abandonado. Ele
enfrenta o abismo do pecado, a separação de Deus, mas porque o faz por amor,
transforma o pecado em amor, o cancela e estabelece a nossa condição de filhos.
O Filho experimentou na cruz também a obscuridade da dificuldade de aceitar o
desígnio do Pai. É preciso entender com realismo o “Abbá, Ó Pai! Tudo é possível para
ti: afasta de mim este cálice; porém, não o que eu quero, mas o que tu queres” (Mc
14,36 par.). A experiência de Jesus, na solidão da paixão, é única como o Cristo é único.
Como a experiência que Jesus faz do amor do Pai e da sua unidade com Ele é única, da
mesma maneira é única a experiência da obscuridade em relação à vontade do Pai.
B. A manifestação econômica da distinção imanente das pessoas se revela na cruz e no
abandono do Filho pelo Pai. O abandono é real, não aparente. Mostra efetivamente a
distinção das pessoas divinas que deve ser sempre vista na unidade. No abandono se
revela a distinção na unidade. Por isso, ao abandono pelo Pai corresponde o abandono
confiante do Filho nas mãos do Pai (Lc 23,46; Sl 31,6).
Não é suficiente pensar o grito de abandono como sendo o “da humanidade” de Cristo.
O clamor da cruz é sempre o clamor do Filho que se dirige ao Pai. É certamente a voz
do Filho enquanto homem, encarnado e despojado de sua dignidade por nós. Mas, no
momento da paixão e da morte, é a relação com o Pai o que está em primeiro plano. A
história toda de Jesus, também de sua paixão, morte e ressurreição, é a história da
relação do Filho, enquanto homem, com o Pai que o enviou ao mundo. Assim nos
encontramos no âmbito da relação entre as Pessoas divinas, não somente entre as duas
naturezas de Cristo.
O clamor de Jesus na cruz
Todas as misérias da humanidade de todos os tempos, escrava do pecado e da morte,
todos os pedidos e intercessões da história da salvação são recolhidos neste Grito do
Verbo encarnado. Eis que o Pai os acolhe e, indo além de todas as esperanças, ouve-os,
ressuscitando seu Filho. Dessa forma se realiza e se consuma o evento da oração na
Economia da criação e da salvação (Catecismo, 2606).
O Pai entregou seu Filho ao mundo (cf. Mt 17,22). Mas não devemos igualar a entrega
que o Pai faz com a entrega que os homens fazem. O Pai entrega o Filho nas mãos dos
pecadores, mas não como Judas. Tampouco devemos imaginar que Deus se alegre com
o sofrimento do Filho. Deus aceita a morte do seu Filho pelas mãos dos homens porque
respeita a nossa liberdade em suprema revelação de seu amor. Deus Pai, aquele que gera
o Filho, não pode querer diretamente a sua morte. Por isso é preciso reconhecer diversos
matizes na entrega.
Essa entrega por parte do Pai, contudo, não encontra em Jesus rebelião alguma. Pelo
contrário, há uma plena correspondência por parte de Jesus, que se entrega também por
amor. Ele “me amou e se entregou por mim” (Gl 2,20). Também o amor do Filho pelos
homens se manifesta nessa sua entrega. Trata-se, portanto, do amor do Pai e do amor do
Filho, da plena correspondência do Filho ao desígnio do Pai. Em sua paixão, Jesus não
somente sofre o abandono, mas também entrega o seu espírito nas mãos do Pai (cf. Lc
23,46). Não se pode falar, portanto, de um “conflito” intradivino. Se o abandono de
Jesus pelo Pai pode expressar a “distância”, a diferenciação das pessoas em Deus, que é
máxima, a obediência do Filho, a aceitação do desígnio do Pai e a confiança radical
nEle mostram a profunda unidade e a comunhão divina. A distinção e o distanciamento
revelados no abandono da cruz, por maior que possamos pensar, não podem negar nem
destruir a unidade entre o Pai e o Filho que estão sempre em pura referência recíproca.
Fly UP